Enviado por brasarb

Resumenes IV CACYG

Propaganda
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ASOCIACIÓN ARGENTINA DE
CUATERNARIO Y GEOMORFOLOGÍA
UNIVERSIDAD NACIONAL DE LA PLATA
FACULTAD DE CIENCIAS NATURALES Y MUSEO
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
ESTUDOS DO QUATERNÁRIO
RESÚMENES
Editores
Enrique E. Fucks
Cecilia Deschamps
Cleverson G. Silva
Enrique J. Schnack
1
La Plata, Argentina 21-23 de septiembre de 2009
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
La Plata, 21-23 de septiembre de 2009
ORGANIZADO POR:
Asociación Argentina de Cuaternario y Geomorfología
Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
Editores
Enrique E. Fucks
Cecilia Deschamps
Cleverson G. Silva
Enrique J. Schnack
Diseño de tapa: Sofía E. Schnack
Edición impresa: ISBN 978-950-34-0596-3
Edición en CD: ISBN 978-950-34-0597-0
2
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología, XII Congresso da Associação Brasileira
de Estudos do Quaternário y II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur /
compilado por Enrique E. Fucks ... [et.al.]. - 1a ed.
La Plata : Universidad Nacional de La Plata, 2009.
CD-ROM.
ISBN 978-950-34-0597-0
1. Geología. 2. Geomorfología. I. Fucks, Enrique E., comp.
CDD 551.4
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología, XII Congresso da Associação Brasileira
de Estudos do Quaternário y II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur /
compilado por Enrique E. Fucks ... [et.al.]. - 1a ed.
La Plata : Universidad Nacional de La Plata, 2009.
400 p. ; 21x30 cm.
ISBN 978-950-34-0596-3
1. Geología. 2. Geomorfología. I. Fucks, Enrique E., comp.
CDD 551.4
3
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
IV CONGRESO ARGENTINO DE CUATERNARIO
Y GEOMORFOLOGÍA
XII CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE ESTUDOS DO QUATERNÁRIO
II REUNIÓN SOBRE EL CUATERNARIO DE AMÉRICA DEL SUR
La Plata, 21-23 de septiembre de 2009
COMITÉ ORGANIZADOR ARGENTINO
Presidente: Enrique J. Schnack
Vicepresidente: Enrique E. Fucks
Secretaria: Cecilia M. Deschamps
Tesorera: Liliana Mormeneo
Vocales
Yolanda Aguilera
Marina Aguirre
María Susana Bargo
Mariano Bonomo
Andrea Cumba
Osvaldo Gentile
Edgardo Latrubesse
Mercedes Pérez Meroni
COMITÉ ORGANIZADOR BRASILEÑO
Presidente: Cleverson G. Silva
Presidente Comisión Técnico Científica: José M. Landim Dominguez
Miembros
Helenice Vital
Pedro Walfir
Sérgio Dillenburg
Administración Argentina: Fundación Museo de La Plata
La Comisión Organizadora desea expresar su agradecimiento a los colegas que actuaron como revisores de los trabajos presentados,
a las Lics. Hebe E. Herrera y Florencia Pisano y a los alumnos Luis Capeletti, Dante Di Salvo, Julieta Galliari, Erika Gómez,
Mauro Gómez Samus, Fausto Gerrero, Julia Löffler, Ivana I. Loustalot, Mauro Mingo, Pablo Moscoso y Agustina Siebenthal por
la colaboración en la organización del congreso.
4
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
FINANCIADO POR:
Agencia Nacional de Promoción Científica y Tecnológica
Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas
Comisión de Investigaciones Científicas de la Provincia de Buenos Aires
AUSPICIADO POR:
Facultad de Ciencias Naturales y Museo, Universidad Nacional de La Plata
Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas
Agencia Nacional de Promoción Científica y Tecnológica
Comisión de Investigaciones Científicas de la Provincia de Buenos Aires
Asociación Geológica Argentina
Sociedad Argentina de Antropología
Asociación Paleontológica Argentina
Asociación Argentina de Sedimentología
Municipalidad de La Plata
Honorable Cámara de Diputados de la Provincia de Buenos Aires
Instituto Cultural, Provincia de Buenos Aires
Consejo Profesional de Ciencias Naturales de la Provincia de Buenos Aires
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – FAPERJ
5
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
CONGRESOS CIENTIFICOS ARGENTINOS ANTERIORES
Introducción al Estudio del Cuaternario. 1993. Santa Rosa. La Pampa.
II Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología. 2003. San Miguel de Tucumán.
III Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología. 2006. Córdoba.
CONGRESOS CIENTIFICOS BRASILEÑOS ANTERIORES
1º Congresso da ABEQUA (1987) - Porto Alegre.
2º Congresso da ABEQUA (1989) - Rio de Janeiro.
3º Congresso da ABEQUA (1991) - Belo Horizonte.
4º Congresso da ABEQUA: Paleoclimas e Evolução Quaternária da América do Sul (1993) - São Paulo.
5º Congresso da ABEQUA e XI Simpósio de Sedimentologia Costeira (1995) – Niterói.
6º Congresso da ABEQUA e Reunião sobre o Quaternário da América do Sul (1997) – Curitiba.
7º Congresso da ABEQUA: O Quaternário e o Meio Ambiente (1999) - Porto Seguro.
8º Congresso da ABEQUA: Mudanças Globais e o Quaternário (2001) - Mariluz, Imbé (RS).
10º Congresso da ABEQUA: Qual a chave para o futuro (2005) - Guarapari (ES).
11º Congresso da ABEQUA: Belém, Pará.
CONGRESOS CIENTIFICOS REGIONALES ANTERIORES
I Reunião sobre o Quaternário da América do Sul (1997) – Curitiba, Paraná (Brasil)
6
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
PREFACIO
La reunión científica que en esta ocasión convoca a numerosos estudiosos de problemas del Período Cuaternario, “el último
capítulo de la historia de la Tierra”, y de disciplinas afines, es el resultado de dos iniciativas nacionales. Por un lado, la
Asociación Argentina de Cuaternario y Geomorfología dispuso en la reunión anterior (Córdoba, 2006) la realización de su
IV Congreso en la ciudad de La Plata. Por otra parte, una circunstancia original determinó que los colegas de la Asociación
Brasileña para el Estudio del Cuaternario decidieran realizar su XII Congreso Nacional en la Argentina, otorgando así un
carácter binacional al encuentro. A esto se sumó la decisión de incluir en esta actividad la II Reunión sobre el Cuaternario
de América del Sur, con lo cual se incorporó un marco regional.
Por la diversidad de temas y abordajes disciplinarios, se organizaron nueve simposios y una sección de temas generales
para ser expuestos en la modalidad oral y gráfica. Además, se invitó a especialistas de destacada trayectoria a brindar
conferencias plenarias sobre aspectos de actualidad en distintos campos relacionados con la geología, la paleontología, la
paleoclimatología y la antropología.
Este encuentro se realiza en el año del bicentenario del nacimiento de Charles Darwin (1809-1882) quien, más allá de
su contribución revolucionaria a la biología (a 150 años de la publicación de El Origen de las Especies, en octubre del
año en curso), y sus repercusiones filosóficas, sociales y religiosas, por lo cual es ampliamente reconocido, fue un agudo
investigador y prolífico autor en varias áreas del conocimiento relacionadas con la historia natural de América del Sur
y particularmente con los procesos y ambientes cuaternarios. En su histórico viaje en el Beagle, el joven Darwin hizo
numerosas observaciones de indudable valor geológico y paleontológico, y dejó elocuentes testimonios de su contacto con las
poblaciones autóctonas y con las realidades sociales y políticas de la época. Sus contribuciones geológicas y paleontológicas
siguen siendo antecedentes relevantes para los investigadores de la región. Así, se pueden resaltar sus incursiones sobre
distintos paisajes que motivaron interrogantes sobre los procesos geológicos en las Pampas, en las planicies patagónicas
y en la región andina, entre otros. Debe destacarse que Darwin publicó tres libros sobre la geología de Sudamérica con
anterioridad a sus publicaciones sobre evolución biológica. He aquí, en forma sintética, el porqué de esta evocación de la
obra del gran naturalista inglés.
Cabe esperar que los contactos e interacciones que se desarrollen durante esta reunión sirvan para avanzar en el progreso
del conocimiento regional del Cuaternario, que contribuyan a mejorar la respuesta científica a los desafíos de escenarios
futuros asociados a los cambios en la superficie del planeta y que aporten al fortalecimiento de los procesos de integración
de los países sudamericanos.
Finalmente, se extiende un agradecimiento especial a las instituciones que sumaron su auspicio para hacer posible la
realización de esta reunión. Se destaca especialmente la colaboración de los organizadores de los simposios y de los
evaluadores de los resúmenes y trabajos completos, y la esforzada y eficaz labor de los miembros del Comité Organizador.
Enrique J. Schnack
Presidente, Comité Organizador
7
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
CONTENIDO
CONFERENCIAS
Ariztegui, Daniel.
LIMNOGEOLOGIA: DECODIFICANDO AMBIENTES PASADOS, ACTUALES... ¿Y FUTUROS ?......................... 39
Ortlieb, Luc.
PALEO-EL NIÑO RESEARCH IN SOUTH-AMERICA: FROM DOCUMENTARY HISTORICAL DATA
TO MARINE AND CONTINENTAL GEOLOGICAL RECORDS................................................................................... 39
Politis, Gustavo.
LOS PRIMEROS Y LOS ÚLTIMOS CAZADORES Y RECOLECTORES DE AMÉRICA DEL SUR........................... 40
Rabassa, Jorge.
PAISAJES GONDWÁNICOS: SIGNIFICADO, DISTRIBUCIÓN, ORIGEN Y EDAD.................................................. 40
Rutter, Nat.
COMPARISON OF NORTH AND SOUTH AMERICAN GLACIATIONS SINCE THE MIOCENE............................. 41
Tonni, Eduardo P.
CRONOLOGÍA Y EVOLUCIÓN CLIMÁTICA DEL CUATERNARIO DE LA REGIÓN PAMPEANA.
UN ENFOQUE PALEONTOLÓGICO. ............................................................................................................................. 42
Urien, Carlos María.
EL MARGEN OCCIDENTAL DEL ATLANTICO SUR, EVOLUCION TECTONICA, CUENCAS
SEDIMENTARIAS Y ACTUAL FISIOGRAFIA REGIONAL.......................................................................................... 43
8
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
RESÚMENES
SIMPOSIO: Paleosuperficies en regiones cratónicas y Evolución del Paisaje en el largo plazo
Aguilera, Emilia Yolanda.
ORIGEN DE LA PALEOSUPERFICIE DEL MACIZO NORDPATAGÓNICO................................................................ 45
Aguilera, Emilia Yolanda, Eugenio Aragón, Silvina Carretero.
PALEOSUPERFICIE EN LAS VULCANITAS DE PASO DEL SAPO............................................................................. 45
Aragón, Eugenio, Yolanda E. Aguilera, Claudia E. Cavarozzi, y A. Ribot.
LA ALTIPLANICIE NORPATAGÒNICA Y LA MESETA BASÀLTICA DE SOMÓN CURÁ......................................... 46
Carignano, Claudio, Marcela Cioccale, Jorge Rabassa y Betty Socha.
PALEOGEOMORFOLOGÍA DE LA SIERRA DE OLTA, SIERRAS PAMPEANAS,
LA RIOJA: SUPERFICIE DE PLANACIÓN DEL SILÚRICO (?) – CARBÓNICO INFERIOR (?)
Y PALEOGEOFORMAS DE GLACIACIÓN DE MONTAÑA DEL CARBÓNICO......................................................... 46
Cioccale, Marcela A. y Claudio A. Carignano.
EVOLUCION GEOMORFOLÓGICA DE LAS SIERRA CHICAS (CORDOBA),
ARGENTINA: UNA VISIÓN GONDWANICA.................................................................................................................. 47
Coltrinari, Lylian.
PALEOSURFACES IN SOUTHEASTERN BRAZIL: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
PLATEAU LANDFORM EVOLUTION............................................................................................................................. 48
da Silva, Hewerton Alves, Lucas Costa de Souza Cavalcanti, Daniel Rodrigues de Lira, Bruno de Azevedo
Cavalcanti Tavares, Ineida Romi Tavares Varela Carvalho y Antônio Carlos de Barros Corrêa.
EVIDÊNCIAS DA EVOLUÇÃO QUATERNÁRIA DO RELEVO NUM SETOR DA BORDA LESTE
DO PLANALTO DA BORBOREMA, NORDESTE DO BRASIL: RESULTADOS INICIAIS . . .................................... 49
de Oliveira, Tiago Henrique, Danielle Gomes da Silva, Antonio Carlos de Barros Corrêa
y Josiclêda Domiciano Galvíncio.
MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E MORFOESTRATIGRÁFICO DA BACIA DO RIO MOXOTÓ,
NORDESTE DO BRASIL.................................................................................................................................................... 49
Gentile, R. O.
GEOFORMAS EN ROCAS DEL BASAMENTO CRISTALINO EN CERROS DEL AREA DE LA CANTERA
TARTAGAL Y ALEDAÑOS (TANDIL, PROVINCIA DE BUENOS AIRES). ................................................................ 50
Kröhling, Daniela M., Martín H. Iriondo, Ernesto Brunetto y Gabriel Galina.
EVOLUCIÓN DEL PAISAJE DE LA MESETA BASÁLTICA EN LA ALTA CUENCA DEL RIO URUGUAY.............. 51
Ladeira, Francisco Sergio Bernardes.
PERFIS LATERÍTICOS, SILCRETES E DEPÓSITOS ASSOCIADOS ÀS SUPERFÍCIES DE CIMEIRA NAS
BORDAS DA BACIA SEDIMENTAR DO PARANÁ........................................................................................................ 52
Leonardi, Fernanda Aparecida, Francisco Sérgio Bernardes Ladeira y Marcilene dos Santos.
PALEOSUPERFICIES: ESTUDO DE CASO DO PLANALTO DE POCOS DE CALDAS SP/MG-BRASIL................. 53
Lima, Camila de Sousa, Antonio Carlos de Barros Corrêa y Nádia Regina do Nascimento.
ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO (MG)................................................... 53
Monteiro, Kleython de Araújo, Ronaldo Missura, Hewerton Alves da Silva y Antonio Carlos de Barros Correa.
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE HACK – OU RDE – AO RIO TRACUNHAÉM, PERNAMBUCO, BRASIL................ 54
Morrás, Héctor, Ofelia R. Tófalo, Leda Sánchez-Bettucci y Pablo Pazos.
EL LÍMITE ENTRE LAS FORMACIONES MERCEDES Y ASENCIO, URUGUAY...................................................... 54
9
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Ponce, J.F., J. Rabassa y A. Coronato.
EVOLUCIÓN PALEOGEOGRÁFICA DE PATAGONIA Y DE LA ACTUAL PLATAFORMA SUBMARINA
DESDE EL ÚLTIMO MÁXIMO GLACIAL HASTA EL HOLOCENO TEMPRANO...................................................... 55
Rabassa, Jorge.
PAISAJES GONDWANICOS IDENTIFICADOS EN ARGENTINA. .............................................................................. 56
Ribeiro, L.F.B. y M.C.S. Ribeiro.
PALEOSUPERFICIES E SEUS PRODUTOS DE INTEMPERISMO A NIVEL ECÔNOMICO:
A ACUMULAÇÃO DO COBRE NA REGIÃO DE ITAPEVA E RIBEIRÃO BRANCO, VALE DO
RIBEIRA - SUDOESTE DE SÃO PAULO – BRASIL....................................................................................................... 57
Stumpf, Andrew J., Chris P.Korose y Scott D. Elrick.
PALEOSURFACES WITHIN QUATERNARY DEPOSITS FROM CENTRAL ILLINOIS, UNITED STATES.............. 57
Suvires, Graciela M.
PALEOSUPERFICIES EN ÁREAS CRATÓNICAS DE SIERRAS PAMPEANAS OCCIDENTALES
Y EVOLUCIÓN DEL RELIEVE. ....................................................................................................................................... 58
Tavares de Melo, Rhaissa Francisca, Danielle Gomes da Silva y Antonio Carlos de Barros Corrêa.
THE INFLUENCE OF DRAINAGE DENSITY IN THE INTERPRETATION OF GEOMORPHOLOGICAL
EVOLUTION OF THE TANQUES COMPLEX OF BREJO DA MADRE DE DEUS COUNTY,
PERNAMBUCO, NORTHEASTERN BRAZIL. . .............................................................................................................. 58
Tavares, Bruno de Azevêdo Cavalcanti; Cybele C. Silva de Miranda y Antônio Carlos de Barros Corrêa.
CONTRIBUIÇÃO DO ESTUDO DE PADRÕES DE CANAIS PARA A ELUCIDAÇÃO DA GÊNESE DA
PAISAGEM GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO CARIATÁ, PARAÍBA................................................................ 59
Zárate, Marcelo A. y Alicia Folguera.
LANDSCAPE RECONSTRUCTION OF NORTHERN PATAGONIA SINCE THE LATE JURASSIC........................... 59
SIMPOSIO: Grandes ríos de América del Sur
Assine, Mario Luis y Aguinaldo Silva.
Estilos fluviais do Rio paraguai na borda noroeste do Pantanal mato-grossense,
centro-oeste do Brasil........................................................................................................................................... 61
Bacani, Vitor Matheus, Arnaldo Yoso Sakamoto, Laurent Barbiéro, Ailton Luchiari y Edna Maria Facincani.
HYDRIC OPERATION OF THE SALINE LAKE OF THE MEIO IN THE PANTANAL OF NHECOLÂNDIA, MS..... 61
Bayer, Maximiliano y Edgardo M. Latrubesse.
COMPORTAMIENTO DEL FLUJO DE SEDIMENTOS EN SUSPENSIÓN EN LA ALTA Y MEDIA CUENCA
DEL RÍO ARAGUAIA. GOIÁS. BRASIL.......................................................................................................................... 62
Bernal, Juliana Maria da Silva y José Maria Landim Dominguez.
A PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS DO RIO JEQUITINHONHA, BRASIL, E SUA CONTRIBUIÇÃO NA
CONSTRUÇÃO DA PLANÍCIE COSTEIRA ASSOCIADA A SUA FOZ......................................................................... 62
Beserra, Diego D’Avila, Werner Fakatt Tabosa, Helenice Vital, José Maria Landim Dominguez y Karl Stattegger.
CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA EM UMA PORÇÃO DO RIO SÃO
FRANCISCO, DESDE PENEDO-AL ATÉ A FOZ.............................................................................................................. 63
Bezada, Maximiliano.
GEOMORPHOLOGICAL CHARACTERISTICS OF THE ANASTOMOSIC SYSTEM OF THE MEDIUM
COURSE OF THE APURE RIVER, VENEZUELAN FLOOD PLAINS........................................................................... 63
Cabral, Cláudio José y Jeissy Conceição Bezerra da Silva.
ÍNDICE DE FRAGILIDADE AMBIENTAL DAS MARGENS DO RIO CAPIBARIBE NO TRECHO QUE
CORTA A CIDADE DE SÃO LOURENÇO DA MATA – PE............................................................................................. 64
10
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Cafaro, E. D., E. M. Latrubesse y C. G. Ramonell.
ANÁLISIS DE LA EVOLUCIÓN MORFOLÓGICA DE UN TRAMO DEL RÍO PILCOMAYO
EN SU CUENCA BAJA....................................................................................................................................................... 65
Chen, Zhongyuan.
SEDIMENT TRANSPORT PROCESSES OF THE YANGTZE RIVER, CHINA: HYDROMORPHOLOGICAL
IMPLICATIONS OF PRE-STUDY OF THREE-GORGES DAM...................................................................................... 65
Drago, Edmundo C.
THE PHYSICAL DYNAMICS OF THE PARANÁ RIVER-LAKE FLOODPLAIN COMPLEX..................................... 66
Drago, Edmundo C.
GEOMORPHOLOGY AND CONNECTIVITY OF THE LOWER PARAGUAY RIVER-FLOODPLAIN SYSTEM...... 66
Ferreira, Bruno y Alcina Magnólia de Franca Barreto.
GEOMORFOLOGIA E PALEONTOLOGIA DO QUATERNÁRIO DA REGIÃO DO LAGO DE ITAPARICA,
RIO SÃO FRANCISCO, PERNAMBUCO, BRASIL......................................................................................................... 66
Filizola, Naziano, Nikolas Spínola, Warley Arruda, Frederique Seyler, Stephane Calmant y Joecila Silva.
THE RIO NEGRO AND RIO SOLIMÕES CONFLUENCE POINT – HYDROMETRIC OBSERVATIONS
DURING THE 2006/2007 CYCLE...................................................................................................................................... 67
Fontes, Luiz Carlos da Silveira y Edgardo Latrubesse.
COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AJUSTES MORFODINÂMICOS ESPACIALIZADOS NO
BAIXO CURSO DO RIO SÃO FRANCISCO: UM ESTUDO DE CASO DE IMPACTOS DE GRANDES
BARRAGENS...................................................................................................................................................................... 68
Fontes, Luiz Carlos da Silveira, José Maria Landim Dominguez, Edgardo Manuel Latrubesse, Cicero Marques dos
Santos, João Bosco Souza Mendonça, Daniela Pinheiro Bitencurti y Joane Almeida.
APLICAÇÃO DE ESTUDOS DA MORFODINÂMICA FLUVIAL E DELTAICA NA DEFINIÇÃO DE VAZÕES
ECOLÓGICAS EM GRANDES RIOS: O CASO DO BAIXO CURSO DO RIO SÃO FRANCISCO............................. 68
Franzinelli, Elena.
MORPHOLOGICAL CHARACTERISTICS OF THE NEGRO AND SOLIMÕES RIVERS CONFLUENCE
(AMAZÔNAS, BRASIL)..................................................................................................................................................... 69
Fujita, Rafaela Harumi, José Cândido Stevaux y Manoel Luiz dos Santos.
PERFIL LONGITUDINAL DO RIO IVAI E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA DE FLUXOS................................. 70
González, Orlando, Maximiliano Bezada, Zuly Millán, Juan Manuel Carrera y Edgardo Latrubesse.
CHANNEL MODELS OF THE HIGH, MEDIUM AND LOW COURSE OF THE PORTUGUESA RIVER,
VENEZUELAN PLAINS..................................................................................................................................................... 70
Guimarães, Junia Kacenelenbogen y José Maria Landim Dominguez.
TRANSIÇÃO ESTUÁRIO-DELTA: O CASO DO RIO SÃO FRANCISCO..................................................................... 71
Hudson, Paul F.
THE INFLUENCE OF THE EL NIÑO SOUTHERN OSCILLATION ON SUSPENDED SEDIMENT LOAD
VARIABILITY IN A SEASONALLY HUMID TROPICAL SETTING: PANUCO BASIN, MEXICO............................. 72
Kröhling, Daniela M., Eduardo A.Gómez, Martín H. Iriondo y L. Ariel Raniolo.
EL CAÑÓN INCIDIDO EN EL LECHO DEL RÍO URUGUAY,
UNA GEOFORMA CUATERNARIA CONSPICUA.......................................................................................................... 72
Kuerten, Sidney y Mario Luis Assine.
EVIDÊNCIAS GEOMORFOLÓGICAS DE MUDANÇAS FLUVIAIS DO RIO PARAGUAI NO MEGALEQUE
DO NABILEQUE, PANTANAL MATO-GROSSENSE, BRASIL..................................................................................... 73
Latrubesse, E.M., M.L. Amsler, R.P. de Morais y S. Aquino.
THE GEOMORPHOLOGIC RESPONSE OF A LARGE PRISTINE ALLUVIAL RIVER TO TREMENDOUS
DEFORESTATION IN THE SOUTH AMERICAN TROPICS: THE CASE OF THE ARAGUAIA RIVER.................... 74
11
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Leli, Isabel T., José Cândido Stevaux, Edvard E. Souza Filho y Maria T. Nobrega.
VARIABILIDADE TEMPORAL NO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS EM NOVO PORTO TAQUARA
RIO IVAÍ............................................................................................................................................................................... 74
Lima, Rochana Campos de Andrade, Jovesi de Almeida Costa, Maria do Rosário de Oliveira,
Ricardo José Queiroz dos Santos y Benício Emanoel Omena Monte.
GEOLOGIA, GEOMORFOLOGIA E EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO
RIO SÃO FRANCISCO EM ALAGOAS. .......................................................................................................................... 74
Nanson, Gerald y Tim Cohen.
LATE QUATERNARY CLIMATE CHANGE IN CENTRAL AUSTRALIA: MEGA-LAKE PHASES, RIVER
ACTIVITY AND THE EXCEPTIONAL CLIMATIC CONDITIONS THAT DROVE THEM.......................................... 75
Orfeo, Oscar.
SEDIMENTOS TRANSPORTADOS POR EL RÍO PILCOMAYO EN LA SECCIÓN MISIÓN LA PAZ
(ARGENTINA) – POZO HONDO (PARAGUAY): VARIACIONES CUALI-CUANTITATIVAS EN EL CICLO
HIDROLÓGICO 2006-2007................................................................................................................................................ 76
Paira, Aldo R. y Edmundo C. Drago.
GENETICAL, MORPHOLOGICAL AND EVOLUTIONAL RELATIONSHIPS OF THE FLOODPLAIN
LAKES IN THE MIDDLE PARANÁ RIVER HYDROSYSTEM...................................................................................... 77
Pereira, M. S., C.G. Ramonell, E.M. Latrubesse y E.D. Cafaro.
GEOMORFOLOGÍA Y SEDIMENTOLOGÍA DE ISLAS SIMPLES Y COMPUESTAS DEL RÍO PARANÁ
EN SU TRAMO MEDIO. .................................................................................................................................................. 77
Ramonell, Carlos G., María D. Montagnini, Edgardo D. Cafaro, Manuel G. Gallego, Juan J. Alarcón
y Mario L. Amsler.
RIVER MORPHODYNAMICS IN ARGENTINA: A REGIONAL PERSPECTIVE......................................................... 78
Restrepo A., Juan D.
THE EFFECTS OF GEOMORPHOLOGIC CONTROLS ON SEDIMENT YIELD IN THE ANDEAN RIVERS
OF COLOMBIA................................................................................................................................................................... 79
Rigsby, Catherine A., Erin M. Hemric y Paul A. Baker.
LATE QUATERNARY PALEOHYDROLOGY OF THE MADRE DE DIOS RIVER, SOUTHWESTERN
AMAZON BASIN, PERU.................................................................................................................................................... 79
Sangen, Mark.
NEW RESULTS ON PALAEOENVIRONMENTAL CONDITIONS IN EQUATORIAL AFRICA DERIVED
FROM ALLUVIAL SEDIMENTS OF CAMEROONIAN RIVERS................................................................................... 80
Sinha, Rajiv.
THE GREAT KOSI AVULSION OF 18TH AUGUST, 2008. ............................................................................................... 81
Stevaux, José C., Mauro Parolin, Isabel T. Leli, Rafael S. Stevaux, Édipo Henrique Cremon
y Helton Rogério Menezes.
PROCESSOS CONSTRUTORES DE PLANÍCIE ALUVIAL: EXEMPLO DO HOLOCENO
DO ALTO RIO PARANÁ..................................................................................................................................................... 81
SIMPOSIO: Ambientes costeros y de plataforma de América del sur
Aguiar, Eduardo S.,
ASSOCIAÇÕES DE FORAMINÍFEROS BENTÔNICOS DO QUATERNÁRIO DA PLATAFORMA EXTERNA
E TALUDE SUPERIOR DO RIO GRANDE DO SUL (BRASIL) E SUAS APLICAÇÕES PALEOECOLÓGICAS....... 84
Albuquerque, Miguel, Lauro Calliari, Iran Corrêa y Lidriana Pinheiro.
MORFODINÂMICA DA PRAIA DO FUTURO, FORTALEZA-CE: UMA SINTESE DE DOIS ANOS DE ESTUDO..84
12
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Almeida, Angela Brito e José Maria Landim Dominguez,
MODELO DE PREENCHIMENTO DO VALE INCISO DA LAGOA ENCANTADA, BAHIA -BRASIL,
SOB A ÓTICA DA ESTRATIGRAFIA DE SEQÜÊNCIAS................................................................................................ 84
Almeida, Carine Machado, Cátia F. Barbosa, Renato C. Cordeiro, Gerson M. Fermino, Alessandra C. Farias,
José Carlos S. Seoane, P.Oliveira-Silva y Bruno Jean Turcq.
SEDIMENTOLOGICAL AND PALEOECOLOGICAL EVOLUTION OF THE ABROLHOS PARCEL
CARBONATE SHELF, BAHIA, BRAZIL.......................................................................................................................... 85
Alves, Albano Ribeiro, Guilherme Borges Fernandez, Karoline Machado, Thais Baptista da Rocha,
Thiago Gonçalves Pereira y Sérgio Cadena de Vasconcelos.
CARACTERIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE HIDRODINÂMICA E MORFODINÂMICA DO ATUAL
DELTA DO RIO PARAÍBA DO SUL, RJ BRASIL............................................................................................................. 86
Alves, Larissa Cristina y Marcelo R. Lamour.
MONITORAMENTO MORFODINÂMICO NAS PRAIAS DO BALNEÁRIO DE PONTAL DO SUL
(PR) NO BIÊNIO 2008/09. ................................................................................................................................................. 87
Alves, I.C.C., M. El-Robrini, S.M. Monteiro, M.L.S. Santos y M.P. Porfírio.
ESTUDO DO SISTEMA FLÚVIO-ESTUARINO DO RIO ARARI (ILHA DE MARAJÓ-PA)........................................ 87
Angulo, Rodolfo J., Thomasz Boski y Maria Cristina de Souza.
RELAÇÃO ENTRE AS IDADES DE FORMAÇÃO DOS ESPODOSSOLOS E DA BARREIRA PROGRADANTE
HOLOCÊNICA DE VOLTA VELHA, ITAPOÁ, SUL DO BRASIL................................................................................... 88
Angulo, Rodolfo José, Maria Cristina de Souza, Paulo César Fonseca Giannini, Carlos Conforti Ferreira Guedes
y Luiz Carlos Ruiz Pessenda.
O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA BARREIRA DA ILHA COMPRIDA, SUDESTE DO BRASIL.................................... 89
Araújo, Maria Valdirene.
ANÁLISE MULTITEMPORAL DA EVOLUÇÃO DA LINHA DE COSTA DAS PRAIAS ESPRAIADO
E VOLTA DO RIO NO LITORAL LESTE DE ACARAÚ – CEARÁ – BRASIL.............................................................. 90
Barbosa, Liana Maria y Maíse Ferreira Oliveira.
FORMAÇÃO E EROSÃO DE UMA DUNA FRONTAL EM MANGUE SECO, COSTA DOS COQUEIROS,
BAHIA, BRASIL.................................................................................................................................................................. 90
Barboza, Eduardo Guimarães, Maria Luiza Correa da Camara Rosa, Luiz José Tomazelli, Sérgio Rebello Dillenburg.
INTERPRETAÇÃO DE SEÇÕES DE GEORADAR NO ESTUDO DA EVOLUÇÃO DA PLANÍCIE COSTEIRA
DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL................................................................................................................................ 90
Bastos Alex Cardoso, Claudia Gutterres Vilela, Fabiana Karla de Almeida y Valéria da Silva Quaresma.
DEPÓSITOS ESTUARINOS DA BAÍA DE VITÓRIA – PRIMEIRAS DATAÇÕES, INTERPRETAÇÃO SISMO
ESTRATIGRÁFICA E BIOFACIOLÓGICA....................................................................................................................... 91
Bastos, Alex Cardoso, Paulo Veronez Junior y Valéria da Silva Quaresma.
SIGNIFICADO FACIOLÓGICO DOS SEDIMENTOS DE FUNDO DA BAÍA DE VITÓRIA........................................ 92
Bispo, Soraia Conceição, José Maria Landim Dominguez y Liana Maria Barbosa.
EVOLUÇÃO DAS DUNAS COSTEIRAS ATIVAS DA RESERVA BIOLÓGICA DE SANTA IZABEL
(SE-BRASIL). ..................................................................................................................................................................... 93
Bozzano, Graziella y Roberto A. Violante.
EL SECTOR NORTE DEL TALUD CONTINENTAL ARGENTINO: NUEVA INFORMACIÓN
SEDIMENTOLÓGICA ADQUIRIDA EN LAS CAMPAÑAS METEOR Y PUERTO DESEADO................................... 93
Branco, José Carlos, Rodolfo José Angulo y Maria Cristina de Souza.
FÁCIES SEDIMENTARES DE UM SETOR DA BARREIRA PLEISTOCÊNICA EM PARANAGUÁ.......................... 94
Brito, R.N.R., N.E. Asp, A.J.E. Nascimento, E. Siegle y C.A.F. Schettini.
ASPECTOS HIDRODINÂMICOS DE UM ESTUÁRIO DE MACROMARÉ, COSTA NORTE DO BRASIL............... 95
13
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Bruno, R.L.M., A.J. Machado y T.M.F. Araújo.
RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE CARBONATO DE CÁLCIO (CaCO3) E A DISTRIBUIÇÃO DE
FORAMINÍFEROS NA PLATAFORMA DE ILHÉUS, BAHIA........................................................................................ 95
Bruno, R.L.M., A.J. Machado y T.M.F. Araújo.
INTERPRETAÇÕES DE ÍNDICES ECOLÓGICOS DOS FORAMINÍFEROS DA ZONA DE TRANSICÃO
CARBONATO-SILICICLASTO, DA PLATAFORMA DE ILHÉUS, BAHIA................................................................... 96
Buso Junior, Antonio Alvaro, Luiz Carlos Ruiz Pessenda, Paulo Eduardo de Oliveira, Jaime Rissi Passarini Junior,
Mariah Izar Francisquini, Renato de Jesus y Geovane Siqueira.
HOLOCENE SEA-LEVEL FLUCTUATIONS BASED ON CARBON AND NITROGEN ELEMENTAL RATIO
AND ISOTOPES OF LAKE SEDIMENT AT COASTAL REGION OF ESPÍRITO SANTO STATE,
SOUTHEASTERN BRAZIL. . ............................................................................................................................................ 96
Calvo-Marcilese, Lydia y Gabriela Cusminsky.
FORAMINÍFEROS DE AMBIENTES INTERMAREALES COMO INDICADORES DE CAMBIO AMBIENTAL,
ESTUARIO DE BAHÍA BLANCA, BUENOS AIRES, ARGENTINA.............................................................................. 97
Campos, Raissa Helena Simões y José Maria Landim Dominguez.
MOBILIDADE DOS SEDIMENTOS PELA AÇÃO DE ONDAS NA PLATAFORMA CONTINENTAL DO
LITORAL NORTE DO ESTADO DA BAHIA.................................................................................................................... 98
Carelli, Soraya Gardel.
EVOLUÇÃO GEOLÓGICA HOLOCÊNICA DA PLANÍCIE COSTEIRA DE ITAGUAÍ LITORAL SUL
DO RIO DE JANEIRO: UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR............................................................................. 99
Castro, João Wagner do Alencar.
AGE OF MOBILE TRANSVERSAL DUNES IN THE COAST BETWEEN MACAU, IN RIO GRANDE DO
NORTE STATE, AND JERICOACOARA, IN CEARÁ STATE, BRAZIL......................................................................... 99
Castro, João Wagner do Alencar y Sergio Pinto de Moura Souza Borges.
METODOLOGIA PARA EXECUÇÃO DE PERFIS DE PRAIA: APLICAÇÕES NO LITORAL DO ESTADO
DO RIO DE JANEIRO, BRASIL....................................................................................................................................... 100
Castro, João Wagner do Alencar, Kenitiro Suguio, Renato R.C. Ramos y Maria C. Tenório.
INDICADORES DE OSCILAÇÕES DO NÍVEL RELATIVO DO MAR EM ARRAIAL DO CABO
RIO DE JANEIRO NA TRANSIÇÃO ENTRE O PLEISTOCENO E O HOLOCENO .................................................. 100
Castro, M.S., N. Asp, J.P.C.M Santos y M.S. Silva.
SEDIMENTOLOGIA DO ENTORNO DO PORTO DE ITAQUI (BAÍA DE SÃO MARCOS, SÃO LUIS – MA):
HIDRODINÂMICA VERSUS GEOLOGIA ANTECEDENTE........................................................................................ 101
Cattani, Pâmela E. y Marcelo R. Lamour.
ESTABELECIMENTO DE TAXAS DE ASSOREAMENTO NO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ
(PR) PELA IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS CRÍTICAS DE ASSOREAMENTO: DADOS PRELIMINARES.......... 102
Cetto, Paulo Henrique, Cleverson G. Silva y Alex C. Bastos.
VALES INCISOS QUATERNÁRIOS E O CONTEXTO GEOMORFOLÓGICO DA MARGEM CONTINENTAL
DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO – BRASIL............................................................................................................. 103
Chandler, Damián D.E. y Cecilia Laprida.
TAFONOMÍA DE FORAMINÍFEROS EN PLAYAS ACTUALES Y HOLOCENAS, NORESTE DE
LA PROVINCIA DE BUENOS AIRES. ........................................................................................................................... 103
Chandler, Damián D.E., Rubén A. López, Silvia C. Marcomini y Cecilia Laprida.
CARACTERÍSTICAS MORFOSEDIMENTARIAS Y ECOLÓGICAS DEL PERFIL DE PLAYA EN LA
LOCALIDAD DE MAR DE AJÓ (PROVINCIA DE BUENOS AIRES). ....................................................................... 104
da Rocha, Ana Karolina Rodrigues y Helenice Vital.
IDENTIFICAÇÃO DE DIFERENTES ZONAS MORFOLÓGICAS A PARTIR DE DADOS BATIMÉTRICOS
NO ESTUÁRIO DO RIO AÇU, MACAU/RN. ................................................................................................................ 105
14
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
da Silva, Dalton Rosemberg Valentim y Venerando Eustáquio Amaro.
GEOMORFOLOGIA DA PAISAGEM COSTEIRA NAS ADJACÊNCIAS DA FOZ DO RIO ASSU
(NE DO BRASIL) COM BASE EM IMAGENS ÓPTICAS E DE RADAR.................................................................... 106
da Silva, Janaina Barbosa, Danielle Gomes da Silva, Célia Cristina Clemente Machado
y Josiclêda Domiciano Galvíncio.
CLASSIFICAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DOS ESTUÁRIOS DO ESTADO DE PERNAMBUCO (BRASIL)
COM BASE EM IMAGENS DE SATÉLITE.................................................................................................................... 107
Dadalto, Tatiana Pinheiro y Jacqueline Albino.
ANÁLISE MORFOTEXTURAL E APLICAÇÃO DE MODELOS DE TRANSPORTE DE SEDIMENTOS
NA ZONA SUBMERSA ADJACENTE A UMA PRAIA ARTIFICIAL EM PROCESSO EROSIVO............................. 107
Damasio, Michelle y Norberto Olmiro Horn Filho.
GEOLOGIA DA PLANÍCIE COSTEIRA DO ENTORNO DA LAGUNA DO RIBEIRÃO,
MUNICÍPIO DE PAULO LOPES, SC, BRASIL............................................................................................................... 108
de Almeida, Fabiana Karla, Claudia Gutterres Vilela, Renata Moura de Mello, Alex Cardoso Bastos,
DISTRIBUIÇÃO DE FORAMINÍFEROS BENTÔNICOS AO LONGO DE TESTEMUNHOS NA BAÍA
DE VITÓRIA, ES, SUDESTE DO BRASIL...................................................................................................................... 108
de Miranda, Artur Gustavo Oliveira, Odete Fátima Machado da Silveira y Marcos Henrique Abreu Martins.
CARACTERIZAÇÃO BATIMÉTRICA DO CANAL DO VARADOR DE MARACÁ, REGIÃO COSTEIRA
DO AMAPÁ-AMAZÔNIA-BRASIL. . ............................................................................................................................. 109
de Morais, Jáder Onofre, Davis Pereira de Paula y Lidriana de Souza Pinheiro.
CIRCULATION AND MIXTURE PROCESSES ON THE JAGUARIBE RIVER ESTUARINE WATERS,
CEARÁ-BRAZIL............................................................................................................................................................... 110
de Oliveira, David Holanda, Alcina Magnólia Franca Barreto, Alcides Nóbrega Sial, Renata Moura de Mello
y Oscar Strohschoen jr.
BIOESTRATIGRAFIA E ISÓTOPOS DE OXIGÊNIO EM FORAMINÍFEROS QUATERNÁRIOS
DO TALUDE DA BACIA DE CAMPOS, SUDESTE DO BRASIL................................................................................. 110
de Oliveira, Ulisses Rocha, Norberto Olmiro Horn Filho, Rodrigo do Carmo Barletta
y Janice Rezende Vieira Peixoto. RELAÇÕES ENTRE A MORFODINÂMICA E A UTILIZAÇÃO E
CONSERVAÇÃO EM TRECHOS DA ORLA OCEÂNICA DA ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL............ 111
de Souza, Claudete Rodrigues, Paulo Roberto Cordeiro de Farias y Helenice Vital.
ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO DA PLATAFORMA INTERNA ADJACENTE AOS CAMPOS
MACAU-SERRA, BACIA POTIGUAR SUBMERSA, RN. . .......................................................................................... 112
de Souza, Danielle Cristina Costa, Amilcar Carvalho Mendes y Helenice Vital.
MAPA FACIOLÓGICO DA BAÍA DO GUARAJÁ.......................................................................................................... 112
Delpupo, Danielly Falqueto y Arthur Ayres Neto.
DESLIZAMENTOS SUBMARINOS: AMBIENTES, MECANISMOS DISPARADORES, PROCESSOS E
ESTATÍSTICAS. . .............................................................................................................................................................. 113
Dias, Fábio Ferreira, João Wagner Alencar Castro, José Carlos Sícoli Seoane y Felipe Leite Silva.
PROGNÓSTICO DE RECUO DA LINHA DE COSTA NA PRAIA DO PERÓ: CONTRIBUIÇÃO PARA O
PLANEJAMENTO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CABO FRIO, RIO DE JANEIRO - BRASIL......................... 114
Dillenburg, Sérgio.
A FORMAÇÃO (OU IMPLANTAÇÃO) DA BARREIRA COSTEIRA HOLOCÊNICA NO LITORAL
NORTE DO RIO GRANDE DO SUL................................................................................................................................ 114
do Carmo, Dannilo Alves, Alex Cardoso Bastos y José Antônio Baptista Neto.
MAPEAMENTO FACIOLÓGICO DO FUNDO MARINHO E ANALISE DE ECO-CARÁTER COMO
FERRAMENTA AO ENTENDIMENTO DA DINÂMICA SEDIMENTAR DA BAÍA DO ESPÍRITO SANTO,
VITÓRIA – ES.................................................................................................................................................................... 115
15
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
do Carmo, Dannilo Alves, Alex Cardoso Bastos y José Antônio Baptista Neto.
ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO SEDIMENTAR ATRAVES DE METODOS DIRETOS E INDIRETOS DE
INVESTIGAÇÃO NA BAÍA DO ESPÍRITO SANTO, VITÓRIA – ES........................................................................... 115
Dominguez, José Maria Landim y Abílio Carlos da Silva Pinto Bittencourt.
ORIGEM DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS – BAHIA BRASIL................................................................................. 116
tdo Nascimento Jr., Daniel R., Paulo César F. Giannini, Priscila M. Leal-Menezes, Milene Fornari,
Carlos C. F. Guedes, André O. Sawakuchi, Ana Paula B. Tanaka y Luiz Carlos R. Pessenda.
DISTINÇÃO E EVOLUÇÃO DO SISTEMA DELTAICO DO RIO TUBARÃO (SANTA CATARINA, BRASIL)
COM AUXÍLIO DE RAZÕES QUÍMICAS E ISOTÓPICAS DE CARBONO E NITROGÊNIO................................... 117
do Nascimento, Miriam Cunha, Venerando Eustáquio Amaro, Michael Vandesteen Silva Souto,
Dalton Rosemberg Valentim da Silva y Caio Graco de Medeiros Franco.
A TIME DISTRIBUTION BARRIER ISLAND SYSTEM ON POTIGUAR BASIN (NE-BRAZIL), BASED ON
GEOLOGICAL AND REMOTE SENSING DATA. . ....................................................................................................... 118
dos Anjos, Maria Luiza Martini, Rodolfo José Angulo y Maria Cristina de Souza.
MAPEAMENTO DO QUATERNÁRIO COSTEIRO DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL,
SUL DO BRASIL............................................................................................................................................................... 118
Farinaccio, Alessandro, Samara Cazzoli y Goya y Moysés Gonsalez Tessler.
VARIAÇÕES DA LINHA DE COSTA NAS BAÍAS DE SANTOS E SÃO VICENTE................................................... 119
Fernandez, Guilherme Borges, Thiago Gonçalves Pereira y Thais Baptista da Rocha.
OS CAMPOS DE DUNAS COSTEIRAS NO LITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:
CONSIDERAÇÕES SOBRE A MORFODINÂMICA E EVOLUÇÃO............................................................................ 120
Ferreira Jr., Antonio Vicente, Tereza Cristina Medeiros de Araújo y Núbia Chaves Guerra.
FORMAÇÃO RECENTE DOS ARENITOS DE PRAIA NA COSTA CENTRAL DE PERNAMBUCO – BRASIL..... 120
Ferreira, Fabricio, Itamar Ivo Leipnitz, Carolina Jardim Leão, Eduardo Silva Aguiar, Thiers Wilberger,
FORAMINÍFEROS E TECAMEBAS RECENTES DA PLANÍCIE COSTEIRA NORTE DO ESTADO DO RIO
GRANDE DO SUL, BRASIL............................................................................................................................................ 121
Figueiredo Jr., Alberto Garcia de, Mauro B. de Toledo, Renato C. Cordeiro, José M. O. Godoy, Fabiano T. da Silva,
Sérgio C. Vasconcelos y Ricardo A. dos Santos.
SEDIMENTATION RATES AND SEA-LEVEL VARIATIONS AS RECORDED IN GUANABARA BAY,
BRAZIL IN THE LAST 6,000 YEARS BP........................................................................................................................ 121
Fornari, Milene, Daniel Rodrigues Nascimento Junior y Paulo César Fonseca Giannini.
FÁCIES DEPOSICIONAIS NA RETROBARREIRA HOLOCÊNICA DAS LAGUNAS GAROPABA DO SUL,
CAMACHO E SANTA MARTA, SANTA CATARINA, SUL DO BRASIL..................................................................... 122
Fucks, Enrique E., Armando H. Scalise y Enrique J. Schnack.
PROCESOS QUE AFECTAN LA ESTABILIDAD DE LOS ACANTILADOS EN LAS GRUTAS,
PROVINCIA DE RÍO NEGRO, ARGENTINA ................................................................................................................ 123
Fucks, Enrique E., Marina Aguirre, S. Richiano, G. Boretto, G. Zanchetta, I. Consoloni, I. Isola, M. Pappalardo
y A. Ribolini.
DEPÓSITOS LITORALES EN EL SECTOR CONTINENTAL DEL NORTE DEL GOLFO SAN JORGE. ................. 124
García Chapori, Natalia y Cecilia Laprida.
TESTIGO SP1251 (ATLÁNTICO SW): NUEVAS EVIDENCIAS PARA LA DETERMINACIÓN DE SU EDAD...... 124
García-Rodríguez, F., L. del Puerto, H. Inda, R. Bracco, C. Castiñeira, D. Panario, Hutton, N. Venturini,
L. Burone, E. Brugnoli y P. Muniz.
SOBRE EL ROL DE LA VARIABILIDAD NATURAL Y LOS IMPACTOS ANTROPOGÉNICOS EN LA ZONA
COSTERA DEL SUDESTE DEL URUGUAY DURANTE EL HOLOCENO. ............................................................... 125
16
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Giagante, Darío A., Salvador Aliotta, Silvia S. Ginsberg y Laura G. Vecchi.
IDENTIFICACIÓN SISMOESTRATIGRÁFICA DE UNA SECUENCIA ALUVIAL EN EL SUBSUELO
MARINO DEL ESTUARIO DE BAHÍA BLANCA, ARGENTINA................................................................................. 126
Godinho, Estefania y V. S Quaresma.
VARIAÇÃO MORFOLÓGICA SUPERFICIAL DE UM TRECHO DE MANGUEZAL NA BAÍA DE VITÓRIA........ 127
Gómez, E.A., C.M. Borel, D.E. Martínez y J.O. Pierini.
CAMBIOS CLIMÁTICOS GLOBALES Y FLUCTUACIONES DEL NIVEL DEL MAR EN EL HOLOCENO.
RELACIÓN CON EL CAMBIO GLOBAL ACTUAL. .................................................................................................... 128
Gordillo, Sandra, María Sol Bayer y Julieta Martinelli.
ASOCIACIONES DE MOLUSCOS HOLOCENOS DEL CANAL BEAGLE, TIERRA DEL FUEGO: UN
ANÁLISIS CUALITATIVO Y CUANTITATIVO DE ENSAMBLES DE VALVAS FÓSILES Y ACTUALES. . .......... 128
Gregório, Maria das Neves, Tereza Cristina Medeiros de Araújo, Valdomiro Severino Souza Júnior
y Milton César Costa Campos.
RELAÇÕES ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DOS SEDIMENTOS SUPERFICIAIS DO AMBIENTE
PRAIAL E O DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA DO NORDESTE DO BRASIL – RECIFE (PE)......... 129
Horn Filho, Norberto Olmiro, Janice Rezende Vieira Peixoto, Ulisses Rocha de Oliveira y Tânia Tarabini Castellani.
CARACTERÍSTICAS MORFOSSEDIMENTARES DO SISTEMA DUNA PRAIA AO LONGO DA COSTA
OCEÂNICA DA ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL....................................................................................... 130
Hussein-Vilela, Maria Cristina Santiago, Kenitiro Suguio y Paulo Eduardo De Oliveira.
ANÁLISE PRELIMINAR DE DIATOMÁCEAS EM SEDIMENTOS QUATERNÁRIOS DA ESTAÇÃO
ECOLÓGICA JURÉIA-ITATINS (SP): CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DE VARIAÇÕES DO NÍVEL
RELATIVO DO MAR NO HOLOCENO......................................................................................................................... 130
Jung, G.B. y E.E. Toldo.
ESTRUTURA VERTICAL DA CORRENTE LONGITUDINAL NA PRAIA DE TRAMANDAÍ, RS, BRASIL........... 131
Kokot, Roberto R. y Cristian M. Favier-Dubois.
EVOLUCIÓN GEOMORFOLÓGICA DE LA BAHÍA DE SAN ANTONIO (RÍO NEGRO, ARGENTINA). SU
IMPORTANCIA PARA EL REGISTRO DE OCUPACIONES HUMANAS. .................................................................. 131
Laprida, Cecilia y Natalia García Chapori.
FLUCTUACIONES DEL NIVEL DEL MAR NORBONAERENSE DURANTE EL HOLOCENO MEDIO Y SU
VINCULACIÓN CON LOS CAMBIOS CLIMÁTICOS EN EL HEMISFERIO SUR. .................................................. 132
Laube, Diógenes Magno y M. R. Lamour.
A DINÂMICA EROSIVA DO BALNEÁRIO PONTAL II E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A GESTÃO COSTEIRA..132
Laut, Lazaro L.M., C. Bonetti y A.G. Figueiredo Jr.
FORAMINIFERA AND THECAMOEBIANS WITH ENVIRONMENTAL INDICATORS IN TROPICAL
ESTUARIES – BRAZIL.................................................................................................................................................... 133
Laut, Lazaro L.M., V.M. Laut, F.S. Silva y A.G. Figueiredo Jr.
MODERN DIATOMS DISTRIBUTION FROM GUANABARA BAY SEDIMENT, RIO DE JANEIRO (BRAZIL).... 134
Laut, Lazaro L.M., F.O.Santos-Leal, F.S. Silva y V.M. Laut.
FORAMINÍFEROS RECENTES DA BAÍA DE GUANABARA, RJ............................................................................... 134
Leão, Carolina Jardim, Itamar Ivo Leipnitz, Fabricio Ferreira, Eduardo Silva Aguiar y Thièrs Porfirio Wilberger.
FORAMINÍFEROS RECUPERADOS EM SEDIMENTOS QUATERNÁRIOS DA PLATAFORMA E TALUDE
SUPERIOR DA PORÇÃO NORTE DA BACIA DE PELOTAS, ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL............ 134
Lehugeur, Loreci Gislaine de Oliveira, Mônica Pimenta de Novaes Castelo Branco, Maria Tereza Farias Sales,
Mauro Ferreira Lima y Márcia Thelma Rios Donato Marino.
AVALIAÇÃO DA AÇÃO EÓLICA NO DISTRITO DE PECÉM - MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO DO
AMARANTE / ESTADO DO CEARÁ – BRASIL............................................................................................................ 135
17
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Leis, M.O., B.L.P. Luz, A.C.G. Peixoto y M.R. Lamour.
CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA ACRESÇÃO SEDIMENTAR NO ISTMO ARENOSO DA ILHA DO MEL.... 136
Lisniowski, Maria Aline, Rodolfo José Angulo, Clécio José Lopes de Quadros y Eduardo Marone.
CONCENTRAÇÃO DE MATERIAL PARTICULADO TRANSPORTADO EM SUSPENSÃO POR CORRENTES
LONGITUDINAIS NO LITORAL DO PARANÁ, BRASIL............................................................................................ 136
López, Rubén y Silvia Marcomini.
DESPLAZAMIENTO DE LA LÍNEA DE COSTA POR ACRECIÓN EÓLICA. . .......................................................... 137
Machado, Giseli Modolo Vieira.
ANÁLISE MORFO-SEDIMENTAR DA PRAIA, ANTEPRAIA E PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA
DA LINHA DE COSTA DO PARQUE NACIONAL DE JURUBATIBA- RJ.................................................................. 138
Mahiques, Michel Michaelovitch de, Silvia Helena de Mello e Sousa, Valdenir Veronese Furtado, Moysés Gonsalez
Tessler, Felipe Antonio de Lima Toledo, Leticia Burone, Rubens Cesar Lopes Figueira, Daniel Andreas Klein,
Cristina Celia Martins y Daniel Pavani Vicente Alves.
THE SOUTHERN BRAZILIAN SHELF: GENERAL CHARACTERISTICS, SEDIMENT DISTRIBUTION
AND QUATERNARY EVOLUTION................................................................................................................................ 138
Maia, R.M.C., A.T. Reis, E.C. Alves, C. Gorini, C.G. Silva, A. Silva, J.V. Guerra y F.P. Fleming.
ARQUITETURA SEDIMENTAR DOS SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS DA PLATAFORMA
CONTINENTAL AO LARGO DO ESTADO RIO DE JANEIRO, BACIA DE SANTOS-BRASIL................................ 139
Marcomini, Silvia, Rubén López, Nora Madanes, Pablo Picca y Lidia Bertolli.
GEOFORMAS Y VEGETACIÓN EN LA RESERVA DE FARO QUERANDÍ. PCIA DE BUENOS AIRES. ............... 139
Márquez, Melina y Laura Ferrero.
PALEOECOLOGÍA DE FORAMINÍFEROS EN UN TESTIGO HOLOCENO EN LA PLANICIE COSTERA
DE LA LAGUNA MAR CHIQUITA. ............................................................................................................................... 140
Martínez, Sergio, Alejandra Rojas y Mariano Verde.
INDICADORES BIOLOGICOS Y NIVELES RELATIVOS DEL MAR PARA EL CUATERNARIO
EN URUGUAY. EL PROBLEMA. ................................................................................................................................... 141
Moura, Ana Catarina de Almeida, Helenice Vital, Gustavo Rodrigues Rocha, Artur Alexandre Macena Oliveira,
Everton Nóbrega Barbosa.
ESTUDO DA DINÂMICA COSTEIRA DA PRAIA DE PONTA NEGRA, NATAL, RIO GRAN DE DO NORTE...........142
Moura, Marcel G., Paulo Veronez Jr, Alex C. Bastos y Valéria S. Quaresma.
VARIAÇÃO DIÁRIA DE CORRENTES, SALINIDADE E MATERIAL PARTICULADO EM SUSPENSÃO
EM UM PONTO DO SISTEMA ESTUARINO DA BAÍA DE VITÓRIA – ES............................................................... 142
Müller, Marcelo Eduardo José, Rodolfo José Angulo, Maria Cristina Souza y Eduardo Marone.
MONITORAMENTO DO ROMPIMENTO DO ESPORÃO DA RESTINGA DO ARARAPIRA,
LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL.............................................................................................. 143
Neto, Izaac Cabral, V.C. Córdoba y H. Vital.
PETROGRAFIA DE BEACHROCK EM AMBIENTE OFFSHORE ADJACENTE AO LITORAL NORTE
DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL........................................................................................................................ 143
Passos, N.Z.G. y L Perez-Cruz.
INVESTIGAÇÃO PRELIMINAR DE RADIOLÁRIOS EM SEDIMENTOS QUATERNÁRIOS DO GOLFO
DA CALIFÓRNIA: TESTEMUNHO K47......................................................................................................................... 144
Peixoto, Janice Rezende Vieira, Norberto Olmiro Horn Filho, Tânia Tarabini Castellani y Ulisses Rocha de Oliveira.
VARIAÇÃO SAZONAL DO ESTOQUE SEDIMENTAR E DA VEGETAÇÃO DA DUNA FRONTAL NA
PRAIA DO SANTINHO, ILHA DE SANTA CATARINA, BRASIL................................................................................ 145
Pereira, Pedro Moreira Santos y José Maria Landim Dominguez.
INVESTIGAÇÃO GEOFÍSICA DO BAIXO DA BOCA DO RIO - PLATAFORMA CONTINENTAL DO
MUNICÍPIO DE SALVADOR - BAHIA - BRASIL.......................................................................................................... 145
18
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Poggio, Carolina de Almeida, Facelúcia Barros Côrtes Souza, Orane Falcão de Souza Alves
y José Maria Landim Dominguez.
DISTRIBUIÇÃO DOS COMPONENTES BIOGÊNICOS DO SEDIMENTO NA ÁREA DO CANAL DE
SALVADOR, BAÍA DE TODOS OS SANTOS, BAHIA. ................................................................................................ 146
Possenti, Suzimara y Marcelo R. Lamour.
EVIDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR EM UM DELTA DE MARÉ ENCHENTE NO LITORAL DO PARANÁ..... 146
Quesada, Agustín y Silvia Marcomini
HISTORIA GEOMORFOLÓGICA PRELIMINAR DE LA BARRERA AUSTRAL EN LA ZONA DE BALNEARIO
ORENSE, PROVINCIA DE BUENOS AIRES.................................................................................................................. 147
Rebouças, Renata Cardia, Pedro Moreira Santos Pereira y José Maria Landim Dominguez.
O BANCO DE SANTO ANTÔNIO: UMA FEIÇÃO SINGULAR DA PLATAFORMA CONTINENTAL DE
SALVADOR, BAHIA, BRASIL......................................................................................................................................... 148
Rocha, Gustavo R., H. Vital y A.K.R. Rocha.
MONITORAMENTO DA EROSÃO COSTEIRA, CANAL DO ARROMBADO MACAU-RN..................................... 148
Rodrigues, Marcelo, Samara Cazzoli y Goya y Moysés Gonsalez Tessler.
POTENCIAL ECONÔMICO DOS SEDIMENTOS ARENOSOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL
INTERNA DO ESTADO DE SÃO PAULO....................................................................................................................... 149
Rodrigues, Tais Kalil, José Maria Landim Dominguez y Ana Claudia da Silva Andrade.
ANÁLISE DAS MUDANÇAS DA LINHA DE COSTA DA DESEMBOCADURA DO RIO SERGIPE – BRASIL..... 150
Rojas, Alejandra y Diego Arteaga.
REVISIÓN DEL REGISTRO DE QUITONES (MOLLUSCA, POLYPLACOPHORA) EN LOS DEPÓSITOS
DEL CUATERNARIO MARINO DE URUGUAY. .......................................................................................................... 150
Rosa, Maria Luiza Correa da Camara, Eduardo Guimarães Barboza, Luiz José Tomazelli y S. Rebello Dillenburg.
INTEGRAÇÃO DE PRODUTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DA EVOLUÇÃO
GEOLÓGICA DA REGIÃO SUL DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL......................................... 151
Santos Filho, João R. y Marcelo R. Lamour.
GEOMORFOLOGIA SUBMARINA DA PLATAFORMA CONTINENTAL PARANAENSE:
DADOS PRELIMINARES. .............................................................................................................................................. 151
Santos Adeylan, L. Nascimento, A.C.S.P. Bittencourt, J.M.L. Dominguez y F.C Livramento.
FOCOS DE CONVERGÊNCIA DE ONDAS NO LITORAL DO ESTADO DE ALAGOAS
BRASIL E SEUS EFEITOS NA GEOMORFOLOGIA COSTEIRA................................................................................ 152
Santos, Camilla da Silva, Kenitiro Suguio, Fernando Coreixas de Moraes, Paulo Eduardo De Oliveira,
Vanda Brito de Medeiros, Alethea Ernandes Martins Sallun y William Sallun Filho.
EVIDÊNCIAS DA VARIAÇÃO DO NÍVEL DO MAR NO HOLOCENO COM BASE NA ANÁLISE DE
SILICOFLAGELADOS E ESPÍCULAS DE ESPONJAS SUBFÓSSEIS DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA JURÉIAITATINS, SÃO PAULO, BRASIL...................................................................................................................................... 153
Santos, Débora Pimentel Diniz y Gilberto Henrique Griep.,
CARACTERIZAÇÃO DOS SEDIMENTOS DA REGIÃO COSTEIRA SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA..... 154
Santos, J.P.C.M, N.E. Asp, M.S. Castro y M.S.Silva.
DINÂMICA E MORFOLOGIA DO ENTORNO DO PORTO DE ITAQUI (BAÍA DE SÃO MARCOS, SÃO LUIS –
MA): IMPLICAÇÕES PARA DIVERSIDADE DE HÁBITATS....................................................................................... 154
Santos-Leal, F.O., L.L.M. Laut, L.M.A Kalil-Thiago y M.A.C.Rodrigues.
FORAMINIFERA PALEO-ECOLOGICAL ANALYSIS OF SEPETIVA BAY – RJ........................................................ 155
Sawakuchi, A.O., P.C.F. Giannini, C.T. Martinho y A.P.B. Tanaka.
GRAIN SIZE AND HEAVY MINERALS OF THE LATE QUATERNARY EOLIAN SEDIMENTS FROM THE
IMBITUBA-JAGUARUNA COAST, SOUTHERN BRAZIL: DEPOSITIONAL CONTROLS LINKED TO
RELATIVE SEA LEVEL CHANGES................................................................................................................................ 156
19
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Schnack. Enrique J., Jorge L. Pousa, Enrique E. D’Onofrio y M.M. Fiore.
CAMBIOS DEL NIVEL DEL MAR: PERSPECTIVA GLOBAL, ESCENARIOS DE ACELERACION
Y PROGNOSIS PARA LA COSTA ARGENTINA............................................................................................................ 156
Simioni, Bruno Ivan, F.A. Veiga, L.H.S. Oliveira y R.J. Angulo.
OCORRÊNCIA DE SEDIMENTOS RELÍQUIA NA PLATAFORMA INTERNA RASA DO ESTADO
DO PARANÁ (BRASIL).................................................................................................................................................... 157
Soares, Camila Hyslava Campos, Helenice Vital y Maria de Fátima Alves de Matos.
CARACTERIZAÇÃO HIDRODINÂMICA E MORFODINÂMICA DO ESTUÁRIO DO RIO DAS CONCHAS,
PORTO DO MANGUE – RN, NORDESTE DO BRASIL, A PARTIR DE PERFIS ACÚSTICOS E IMAGENS
DE SONAR......................................................................................................................................................................... 158
Souza, Célia Regina Gouveia y Graciele da Costa Luna.
TAXAS DE RETROGRADAÇÃO DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (LITORAL NORTE
DE SÃO PAULO) SOB RISCO MUITO ALTO DE EROSÃO COSTEIRA, COM BASE EM FOTOGRAFIAS
AÉREAS DE 1962 A 2001................................................................................................................................................. 158
Souza, Célia Regina Gouveia y Graciele da Costa Luna.
TAXAS DE RETROGRADAÇÃO DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA (LITORAL NORTE DE SÃO
PAULO) SOB RISCO MUITO ALTO DE EROSÃO COSTEIRA, COM BASE EM FOTOGRAFIAS AÉREA
DE 1962 A 2001................................................................................................................................................................. 159
Souza, Ilka Emmanuele, Iracema Miranda da Silveira y Helenice Vital.
ANÁLISE MORFOLÓGICA E HIDRODINÂMICA DA PRAIA DO MINHOTO – GUAMARÉ/RN...........160
Tanaka, Ana Paula Burgoa, Paulo César Fonseca Giannini y André Oliveira Sawakuchi.
VARIAÇÃO DAS PROPRIEDADES SEDIMENTOLÓGICAS EM UMA SUCESSÃO DE CORDÕES
LITORÂNEOS DA PLANÍCIE DO JI (LAGUNA, SANTA CATARINA, BRASIL).......................................160
Tomazelli, Luiz J., Eduardo G. Barboza, Sergio R. Dillenburg, Maria Luiza C. C. Rosa, Felipe Caron,
Leonardo G. Lima, Antonio J. L. de Andrade Ramos, José E. Faccion y Amilsom R. Rodrigues.
PROJETO DE ESTUDO DE VALES INCISOS NA PORÇÃO SUL DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE
DO SUL, BRASIL: UM EXEMPLO DE SUCESSO NA INTEGRAÇÃO DE MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO
DA EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DE REGIÕES COSTEIRAS......................................................................................... 161
Vecchi, Laura G., Silvia Susana Ginsberg, Salvador Aliotta y Darío A. Giagante.
EVOLUCION GEOMORFOLOGICA DE UN SISTEMA DE CANALES DE MAREA EN EL ESTUARIO
DE BAHIA BLANCA, ARGENTINA. ............................................................................................................................. 162
Veiga, Fernando Alvim, Luiz Henrique Sielski de Oliveira, Rodolfo José Ângulo y Andre Luiz Alberti.
MAPEAMENTO SISTEMÁTICO DOS SEDIMENTOS DO FUNDO MARINHO ATÉ A ISÓBATA DE 30
METROS NA PLATAFORMA CONTINENTAL RASA DO ESTADO DO PARANÁ, SUL DO BRASIL.................... 163
Violante, Roberto A.
EL CUATERNARIO MARINO EN EL SECTOR NORTE DEL TALUD CONTINENTAL ARGENTINO................... 163
SIMPOSIO: Paleoclimas de América del Sur
Augustin, Cristina H.R.R.,
MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO PLEISTOCENO SUPERIOR NO SUDESTE BRASILEIRO:
RESULTADOS PRELIMINARES A PARTIR DE DATAÇÕES DE C14. ....................................................................... 166
Baker, Paul A., Sherilyn C. Fritz y Catherine A. Rigsby.
LATE QUATERNARY CLIMATE OF TROPICAL SOUTH AMERICA. . ..................................................................... 166
Barreto, Cintia Ferreira, Alex da Silva de Freitas, Claudia Gutterres Vilela, José Antônio Baptista-Neto,
Ortrud Monika Barth.
ANÁLISE PALINOLÓGICA DE UM TESTEMUNHO OBTIDO PRÓXIMO AO LITORAL DE SÃO GONÇALO,
À NORDESTE DA BAÍA DE GUANABARA, RIO DE JANEIRO, BRASIL. .............................................................. 166
20
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Barreto, Eline A.S.; Francisco W. Cruz, Ivo Karmann, Xianfeng Wang, Hai Cheng y Augusto Auler.
FORÇANTES CLIMÁTICAS DAS VARIAÇÕES DE PALEOPLUVIOSIDADE DURANTE O QUATERNÁRIO
TARDIO NO NORDESTE DO BRASIL. ......................................................................................................................... 167
Bartholomeu, Robson Lucas, Marcia Aguiar de Barros, Ortrud Monika Barth, Cláudia Gutterres Vilela
y Cleverson Guisan Silva.
PALINOGIA DOS SEDIMENTOS DE SUPERFÍCIE DE FUNDO DA LAGOA DE ITAIPU, NITERÓI, RIO DE
JANEIRO, BRASIL. ......................................................................................................................................................... 168
Coe, Heloisa Helena Gomes, Anne Alexandre, Cacilda Nascimento de Carvalho, Guaciara M. Santos,
Marcelo Bernardes, Leandro O. F. de Sousa, Antônio Soares, Igo F. Lepsch y Daniel Vidal.
MUDANÇAS NA DENSIDADE DA COBERTURA ARBÓREA DA REGIÃO DE BÚZIOS /CABO FRIO, RJ,
BRASIL, DURANTE O HOLOCENO INFERIDAS ATRAVÉS DE ASSEMBLÉIAS FITOLÍTICAS EXTRAÍDAS
DE SOLOS. ....................................................................................................................................................................... 168
Corrêa, Antonio Carlos de Barros y Danielle Gomes da Silva.
HILLSLOPE SEDIMENTS OF THE SEMI-ARID NORTHEASTERN BRAZIL AS
PALAEOCLIMATIC MARKERS. . .................................................................................................................................. 169
Cruz, Francisco W., M. Vuille, S. J. Burns, X. Wang, H. Cheng, I. Karmann y A. S. Auler.
CONTRASTES NA PALEOPLUVIOSIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO DESDE O ÚLTIMO MÁXIMO
GLACIAL COM BASE EM REGISTROS ISOTÓPICOS DE ESPELEOTEMAS. . ...................................................... 170
da Conceição, Marcela Cardoso Guilles, Renato de Aragão Ribeiro Rodrigues, Renato Campello Cordeiro,
Abdelfettah Sifeddine, Bruno Jean Turcq, Marcelo Roberto Barbosa y José Carlos Sícolli Seoane.
OCORRÊNCIA DE PALEOINCÊNDIOS NA SERRA NORTE DOS CARAJÁS (PARÁ-BRASIL). . .......................... 170
da Costa, Renata Lima, Bruno Turcq y Renato Campello Cordeiro.
VARIABILIDADE PALEOAMBIENTAL DO LAGO BOQUEIRÃO, RN–SEDIMENTOLOGIA. .............................. 170
da Silva, Beatriz Barroso, Clara Izabel de Almeida Vollú Baêta, Mauro Bevilacqua de Toledo, Luciane G. Coelho,
Ortrud Monika Barth y Bruno J. Turcq.
ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DOS PALEO-INCÊNDIOS NA REGIÃO SE DO RIO DE
JANEIRO A PARTIR DE AMOSTRAS DA LAGOA DE JUTURNAÍBA E DE UMA TURFEIRA EM POÇO
DAS ANTAS....................................................................................................................................................................... 172
da Silva, Danielle Gomes y Antonio Carlos de Barros Corrêa.
AVALIAÇÃO DA DINÂMICA GEOMORFOLÓGICA DO COMPLEXO DE TANQUES EM BREJO DA
MADRE DE DEUS, NORDESTE DO BRASIL, COM BASE NA ABORDAGEM MORFOESTRATIGRÁFICA
E DATAÇÃO POR LUMINESCÊNCIA OPTICAMENTE ESTIMULADA (LOE)......................................................... 173
de Barros, Marcia Aguiar, Shana Yuri Misumi, Ortrud Monika Barth, Claudia Guterres Vilela y Alex Cardoso Bastos.
ESTUDOS PALINOLÓGICOS NA BAÍA DE VITÓRIA (ES). ....................................................................................... 173
de Medeiros, Vanda Brito, Kenitiro Suguio, Paulo Eduardo de Oliveira, Camilla da Silva Santos, Alethea Ernandes
Martins Sallun y William Sallun Filho.
PALEOAMBIENTE E PALEOCLIMA NA ESTAÇÃO ECOLÓGICA JURÉIA-ITATINS SÃO PAULO, BRASIL:
PALINOLOGIA NA DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DO NÍVEL DO MAR
RESULTADOS PRELIMINARES. ................................................................................................................................... 174
de Toledo, Mauro Bevilacqua, Ortrud Monika Barth, Cleverson Guizan Silva y Marcia Aguiar De Barros.
APLICAÇÃO DE ANÁLISES MULTIVARIADAS EM RECONSTRUÇÃO PALEOAMBIENTAL COM
BASE EM ESTUDOS PALINOLÓGICOS........................................................................................................................ 174
del Puerto, Laura, Felipe García-Rodríguez, Hugo Inda, Roberto Bracco, Carola Castiñeira, Daniel Panario.
RECONSTRUCCIÓN PALEOCLIMÁTICA PARA EL HOLOCENO EN EL SE DEL URUGUAY: ANÁLISIS
DE SILICOFITOLITOS EN TESTIGOS DE LAGUNAS COSTERAS. ......................................................................... 175
21
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Dias, Bruno de Almeida, Clara Izabel de Almeida Vollú Baêta, Beatriz Barroso da Silva, Alex da Silva de Freitas,
Ana Luiza S. Albuquerque, Cintia Ferreira Barreto, Érika de Oliveira Sales y Mauro Bevilacqua De Toledo.
DINÂMICA DA VEGETAÇÃO E FREQUÊNCIA DE PALEOQUEIMADAS NOS ÚLTIMOS 7000 ANOS NO
PARQUE NACIONAL DA RESTINGA DE JURUBATIBA/RJ. . ................................................................................... 176
Dobkowski, L.R.; M.J.Garcia; P.E. De Oliveira, R.S. Fernandes, P.C.F. Giannini, C.A. Bistrichi, e M.Parolin. O
REGISTRO DE SUBMICROFÓSSEIS SILICOSOS DOS ÚLTIMOS 18000 ANOS EM TURFEIRAS DO MÉDIO
VALE DO RIO PARAÍBA DO SUL, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL................................................................... 177
dos Santos, Cristiane Bahi, Svetlana Medeanic y Lezilda Carvalho Torgan.
DIATOMÁCEAS HOLOCÊNICAS DA LAGOA DO PEIXE E SUA IMPLICAÇÃO EM RECONSTRUÇÕES
PALEOAMBIENTAIS: RESULTADOS PRELIMINARES. ............................................................................................ 177
Fernandes, Rosana Saraiva, Maria Judite Garcia, Alethéa Ernandes Martins Sallun, Kenitiro Suguio, Paulo Eduardo de
Oliveira y José Cândido Stevaux.
RECONSTRUÇÃO PALEOAMBIENTAL DA LAGOA FAZENDA DURANTE O NEOPLEISTOCENO E
HOLOCENO NA REGIÃO DE JUSSARA, ESTADO DO PARANÁ, COM ÊNFASE EM ESTUDOS
PALINOLÓGICOS. . ......................................................................................................................................................... 178
Fernández, Marilén, Nora I. Maidana y Jorge Rabassa.
PRIMEROS RESULTADOS SOBRE EL ANÁLISIS DE DIATOMEAS FÓSILES EN LA LAGUNA CASCADA,
ISLA DE LOS ESTADOS, ARGENTINA. ....................................................................................................................... 179
Francisquini, Mariah Izar, Luiz Carlos Ruiz Pessenda, Paulo Eduardo de Oliveira, Vanda Brito de Medeiros,
Antonio Alvaro Buso Junior, Jaime Rissi Passarini Junior.
RECONSTRUÇÃO PLEISTOCÊNICA DA VEGETAÇÃO NO ECÓTONO FLORESTA - CAMPOS DE
ALTITUDE, COSTA SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO, SUDESTE DO BRASIL.................................................... 179
Gastão, F. G. C.; Maia, L. P.; Siqueira, A. C. A.,
ESTÁGIOS DA GÊNESE E EVOLUÇÃO DOS DEPÓSITOS EÓLICOS E AS MUDANÇAS
CLIMÁTICAS DO QUATERNÁRIO................................................................................................................................ 180
Guimarães, José Tasso Felix, Marlon Carlos França, Marcelo Cancela Lisboa Cohen, Rúben José Lara
y Hermann Behling.
CLIMATIC CHANGES IN AMAPÁ COASTAL PLAIN DURING THE LATE HOLOCENE. ..................................... 180
Hauck, Pedro.
A TEORIA DOS REFÚGIOS FLORESTAIS E A EVOLUÇÃO DAS PAISAGENS NO DOMÍNIO
MORFOCLIMÁTICO DOS PLANALTOS DAS ARAUCÁRIAS: O EXEMPLO DE VILA VELHA – PR. . ............... 181
Kuerten, Sidney, Mauro Parolin y Mario Luis Assine.
INTERPRETAÇÃO PALEOAMBIENTAL COM BASE EM ESPÍCULAS DE ESPONJA DO PLEISTOCENO
TARDIO DO PANTANAL DO NABILEQUE, MATO GROSSO DO SUL, BRASIL. ................................................... 181
Leite, W.S., N.E. Asp, I.V. Buynevich y P.M.W. Souza Filho.
ESTRATIGRAFIA E DINÂMICA DE DUNAS COSTEIRAS COMO FERRAMENTA PARA ESTUDO DE
VARIAÇÕES CLIMÁTICAS RECENTES NA AMAZÔNIA ORIENTAL. . .................................................................. 182
Lessa, Douglas Vilela de Oliveira.
EVIDÊNCIAS DA MEDIEVAL CLIMATIC ANOMALY E DA LITTLE ICE AGE NA RECONSTITUIÇÃO
DOS ÚLTIMOS 1.000 ANOS DA RESSURGÊNCIA DE CABO-FRIO (RIO DE JANEIRO – BRASIL)
ATRAVÉS DE FORAMINÍFEROS PLANCTÔNICOS.................................................................................................... 183
Lima, Gisele L, M.A.T. Oliveira y S.G. Bauermann.
CARACTERIZAÇÃO PALEOAMBIENTAL DE DEPÓSITOS ALUVIAIS, CAMPO DA CIAMA, PARQUE
ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO-SC, BRASIL. ............................................................................................. 184
Martins, Gabriel S., Rodrigo C. Rodrigues, Alice B. Santos y Renato C. Cordeiro.
DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS SEDIMENTARES COMO SUBSÍDIO AO ENTENDIMENTO DE
MUDANÇAS PALEOCLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA (HUMAITÁ, AM)................................................................... 185
22
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Milana, Juan Pablo, Daniela M. Kröhling, Carlos Peralta y José Viramonte.
ESTUDIO 3D DE LA ESTRUCTURA INTERNA DE DUNAS EOLICAS DE GRAVA MEDIANTE
GEORADAR Y POSIBLE EVOLUCION DEL VIENTOS EN EL HOLOCENO DE LA PUNA ARGENTINA........... 185
Misumi, Shana Yuri, Marcia Aguiar de Barros, Robson Lucas Bartholomeu, Ortrud Monika Barth,
Edson Farias Mello y Claudia Gutterres Vilela. PALYNOLOGICAL ANALYSIS OF PLEISTOCENE SEDIMENTS
OBTAINED IN THE GUANDU RIVER HYDROGRAPHIC BASIN, RIO DE JANEIRO, BRAZIL. .......................... 186
Moreira, Luciane Silva, P. Moreira-Turcq, R.C. Cordeiro y Bruno Turcq.
REGISTROS SEDIMENTOLÓGICOS DE MUDANÇAS PALEOAMBIENTAIS NO LAGO COMPRIDO,
VÁRZEA DO BAIXO AMAZONAS. .............................................................................................................................. 187
Nagai, Renata Hanae, Poliana Carvalho Andrade, Silvia Helena de Mello Sousa y Michel Michaelovitch Mahiques.
HOLOCENIC PALEOPRODUCTIVITY AND CLIMATIC CHANGES IN MARINE RECORDS, SW ATLANTIC. . 188
Nascimento, Luiz Ricardo da Silva Lôbo, Paulo Eduardo De Oliveira y Alcina Magnólia Franca Barreto.
RECONSTRUÇÃO PALEOAMBIENTAL HOLOCÊNICA DA CAATINGA, REGIÃO DO PARQUE
NACIONAL DO CATIMBAU, NORDESTE DO BRASIL. ............................................................................................ 188
Nascimento, Thiago de Carvalho, Paulo Eduardo De Oliveira, Maria Judite Garcia e Claudio Limeira Mello.
ESTUDOS PALINOLÓGICOS E DIATOMOLÓGICOS PRELIMINARES NA LAGOA JUPARANÃ, COMO
BASE PARA A RECONSTRUÇÃO DA HISTÓRIA AMBIENTAL DA MATA ATLÂNTICA NO NORTE DO
ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (BRASIL).................................................................................................................... 189
Navarro, D., M.M. Paez, C. Whitlock y M.A. Zarate.
RECONSTRUCCION DE LA HISTORIA DE LA VEGETACIÓN Y DE FUEGO DURANTE EL HOLOCENO
MEDIO Y TARDÍO A PARTIR DE UN TESTIGO DE LA LAGUNA EL SOSNEADO, CUENCA SUPERIOR
DEL RIO ATUEL, MENDOZA. ....................................................................................................................................... 189
Paez. M.M.
PALEOAMBIENTES EN LA CUENCA MEDIA DEL RIO ATUEL DURANTE EL HOLOCENO:
PALINOLOGIA DE GRUTA DEL INDIO (MENDOZA). . ............................................................................................. 190
Parolin, Mauro, Cecília Volkmer-Ribeiro y José Cândido Stevaux.
CARACTERIZAÇÃO PALEOCLIMÁTICA E PALEOGEOMORFOLÓGICA COM BASE EM ESPÍCULAS DE
ESPONJAS EM LAGOAS NO SUDESTE DO MATO GROSSO DO SUL, BRASIL. .................................................. 191
Penido, Yvaga Poty, R. C. Cordeiro, B. Turcq y A. Sifeddine.
INTERPRETAÇÃO PALEOCLIMÁTICA E INTEGRAÇÃO DOS REGISTROS SEDIMENTARES DA LAGOA
DA PATA (SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM). . .................................................................................................... 191
Pessenda, Luiz Carlos Ruiz, P.E. de Oliveira, E. Vidotto, M. Francisquini, R.F. Garcia, J.A. Bendassolli,
A.A. Buso y J. Passarini.
40000 YEARS OF VEGETATION HISTORY AND CLIMATE INFERENCES FROM TWO ATLANTIC
RAINFOREST SITES, SOUTHEASTERN COASTAL BRAZIL. .................................................................................. 192
Prieto, Aldo Raul, M.A. Irurzun, C.S.G. Gogorza, M.A.E. Chaparro, A.Navas, J.M. Lirio y A.M. Sinito.
LATE-HOLOCENE PALEOLIMNOLOGICAL STUDY OF A SHALLOW-LAKE AT THE PAMPA GRASSLANDS
(LAGUNA LA BRAVA, BUENOS AIRES, ARGENTINA). . .......................................................................................... 193
Rezende, Andrea Barbieri, José Cândido Stevaux, Mauro Parolin, Renato Lada Guerreiro,
Rosana Saraiva Fernandes y Rosemary Tuzi Domiciliano.
ANÁLISE PALEOAMBIENTAL A PARTIR DE ESPÍCULAS SILICOSAS DE ESPONJAS EM SEDIMENTO
DE LAGOAS. .................................................................................................................................................................... 193
Ribeiro, Rafael da Rocha, Jefferson Cardia Simões, Jorge Arigony-Neto y Edson Ramirez.
MODELOS GLACIOHIDROLÓGICOS. ......................................................................................................................... 194
Rodrigues, Ana Clara do Nascimento y Mauro Bevilacqua de Toledo.
DISTRIBUIÇÃO DE MICROCARVÕES EM SEDIMENTOS DA LAGUNA DE MARICÁ E ITAIPUAÇU
COMO REGISTRO DE QUEIMADAS EM SEU ENTORNO......................................................................................... 194
23
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Rodrigues, Renato de Aragão, R.C. Cordeiro, B. Turcq, M.C.G. Conceição, A. Siffedine y J.C.S. Seoane.
BIOMASS BURNING RECORDS IN SOUTH BRAZILIAN AMAZONIA. ................................................................. 195
Rodrigues, Thanan Walesza Pequeno y Marcelo Cancela Lisboa Cohen.
MUDANÇAS DA VEGETAÇÃO NA ILHA DE MARAJÓ DURANTE O HOLOCENO SUPERIOR. ........................ 196
Santos, Alice B., Renata Lima da Costa, Gabriel S. Martins y Renato C. Cordeiro.
REGISTROS SEDIMENTARES DE MUDANÇAS PALEOCLIMÁTICAS EM ÁREA REMOTA DO MÉDIO
RIO NEGRO, ACARABIXI (AM).................................................................................................................................... 196
Santos, R.A., M.J.Garcia, P.E. De Oliveira, P.C. .F.Giannini, C.A. Bistrichi e R.S. Fernandes,
PALEOAMBIENTE HOLOCENO DA PLANÍCIE DO RIO PARAÍBA DO SUL, DISTRITO DE EUGÊNIO DE
MELO, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, COM BASE EM ANÁLISES
PALINOLÓGICAS DE TURFAS....................................................................................................................................... 197
Sifeddine, Abdelfettah, Dimitri Gutiérrez, Luc Ortlieb, Federico Velazco, David Field Bruno Turcq, Gabriel Vargas,
Jorge Valdés, Marcio Gurgel, Renato Campello Cordeiro, Ana Luiza Albuquerque y Jorge Abrão.
UMA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTER-TROPICAL MAIS AO SUL, NO HEMISFÉRIO SUL, DURANTE
A PEQUENA IDADE DO GELO (PAG). ......................................................................................................................... 197
Soares, Makenia Oliveira, Maria de Fátima Rodrigues Sarkis y Maria Paula Delicio.
EVOLUÇÃO PALEOCLIMÁTICA, COM BASE EM PALINOLOGIA, DOS DEPÓSITOS QUATERNÁRIOS DA
BACIA DO RIO MARACUJÁ/ OURO PRETO – MINAS GERAIS, BRASIL. ............................................................. 198
Souto, Debora Dezidério, Douglas V. O. Lessa, Ana L. S. Albuquerque, Sheila S. Assis, A. Sifeddine y Bruno J. Turcq.
VARIABILIDADE DA PRODUTIVIDADE NA PLATAFORMA CONTINENTAL DE CABO FRIO DURANTE
OS ÚLTIMOS 1200 ANOS CAL AP.................................................................................................................................. 198
Suguio, Kenitiro.
GLOBAL WARMING : A CONVENIENT DOUBT? ...................................................................................................... 199
Tchilinguirian, Pablo.
PALEOLAGOS PLEISTOCENOS EN LA PUNA AUSTRAL (26ºS-27ºS): GEOFORMAS, DEPOSITOS E
IMPLICANCIAS PALEOCLIMATICAS, ARGENTINA . ............................................................................................... 200
Tonello, M. y A.R. Prieto.
EVALUACIÓN DE CONJUNTOS DE CALIBRACIÓN POLEN-CLIMA ACTUAL EN LA RECONSTRUCCIÓN
CUANTITATIVA DE VARIABLES CLIMÁTICAS EN LOS PASTIZALES PAMPEANOS DURANTE EL
CUATERNARIO TARDÍO. .............................................................................................................................................. 200
Unigarro, Leidy Marcela Jojoa y César Augusto Velásquez-Ruiz.
RECONSTRUCCIÓN PALINOLOGICA DE LA VEGETACIÓN Y EL CLIMA DEL HOLOCENO TEMPRANO
Y MEDIO EN EL PÁRAMO DE FRONTINO, ANTIOQUIA, COLOMBIA. ................................................................ 201
Vollú Baêta, Clara I. de Almeida, Beatriz B. da Silva, Mauro B. de Toledo, Bruno de A. Dias,
Alberto G. Figueiredo Jr. y Renato C. Cordeiro. ANÁLISE DE MICROCARVÕES EM SEDIMENTOS
DA BAÍA DE GUANABARA-RJ. .................................................................................................................................... 202
SIMPOSIO: Estudios Multidisciplinarios en Arqueología
Bagaloni, V.N., S. Perdomo y J. Ainchil.
PRIMEROS RESULTADOS DE UNA PROSPECCIÓN GEOELÉCTRICA Y MAGNÉTICA EN EL SITIO LA
LIBERTAD (PDO. DE SAN CAYETANO, PCIA. DE BUENOS AIRES). ..................................................................... 204
Barberena, R.G. Neme, A. Gil, M.P. Pompei, V. Durán, M. Giesso y M. Glascock.
OBSIDIANAS EN EL NORTE DE NEUQUÉN: UN ENFOQUE GEOARQUEOLÓGICO. . ....................................... 204
Barberena, R. y J.E. Charlin.
ARQUEOLOGÍA Y DISPONIBILIDAD DE MATERIAS PRIMAS LÍTICAS: ACERCAMIENTO
GEOARQUEOLÓGICO EN PATAGONIA MERIDIONAL. . ......................................................................................... 205
24
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Barros, Marcia Aguiar de, Shana Yuri Misumi, Robson Lucas Bartholomeu, Ortrud Monika Barth
y Ana Paula de Paula Loures de Oliveira.
PALINOLOGIA DE SEDIMENTOS PROVENIENTES DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO CÓRREGO DO
MARANHÃO, CARANGOLA, MG. ............................................................................................................................... 205
Bonomo, M., M.M. Colobig, E. Passeggi, A.F. Zucol y M. Brea.
ESTUDIOS MULTIDISCIPLINARIOS EN EL SITIO ARQUEOLÓGICO CERRO TAPERA VÁZQUEZ
(PARQUE NACIONAL PRE-DELTA; ARGENTINA). ................................................................................................... 206
Bracco, R. L. del Puerto, H. Inda, C. Castiñeira, F. García-Rodríguez, D. Panario
RELACIÓN CULTURA – AMBIENTE DURANTE EL HOLOCENO MEDIO Y TARDÍO EN EL ESTE DEL
URUGUAY (CUENCA DE LA LAGUNA MERÍN). ....................................................................................................... 207
Capdepont Caffa, I, y M. Bonomo.
ANÁLISIS PETROGRÁFICO DEL MATERIAL CERÁMICO DEL DELTA DEL PARANÁ. . .................................... 207
Caromano, Caroline Fernandes, Leandro Matthews Cascon, Rita Scheel-Ybert y Eduardo Góes Neves.
GREENER PASTS: BOTANICAL ARCHAEOLOGICAL VESTIGES AND THE CENTRAL AMAZON PROJECT..........208
Castro, A., P. Ambrústolo y M. Zubimendi.
EL REGISTRO ARQUEOLÓGICO COMO MEDIO DE INTERPRETACIÓN DE PROCESOS
GEOMORFOLÓGICOS DE CAMBIO EN LAS LÍNEAS DE MAREAS DURANTE EL HOLOCENO:
EL CASO DE LA COSTA NORTE DE SANTA CRUZ – PATAGONIA ARGENTINA. ................................................ 209
Coronato, A., P. Fanning, M. Salemme, J. Oría y J. Pickard.
AEOLIAN PALEOSOLS AND THE ARCHAEOLOGICAL RECORD AT LAKE ARTURO, NORTHERN
TIERRA DEL FUEGO, ARGENTINA ............................................................................................................................. 209
Couso, M.G., R.A. Moralejo, M.A. Giovannetti, L.M. del Papa, M.C. Páez, J. Gianelli, L.R. Giambelluca
y M. Arnosio.
ESTUDIO INTEGRAL DEL RECINTO 1, KANCHA II (SECTOR 5E) DE EL SHINCAL DE QUIMIVIL.
DIFERENTES LÍNEAS DE EVIDENCIA PARA UNA LECTURA COMPARATIVA DEL USO DEL ESPACIO. ...... 210
de Porras, M.E. de, M.V. Mancini, A.R. Prieto y R.S. Paunero.
ARQUEOPALINOLOGÍA DE LA CUEVA TÚNEL (SANTA CRUZ): UNA DE LAS PIEZAS DEL ESTUDIO
MULTIDISCIPLINARIO. ................................................................................................................................................. 211
Favier-Dubois, C.M. y R. Kokot.
ESCENARIOS CAMBIANTES EN EL BAJO DE LA QUINTA (RÍO NEGRO, ARGENTINA):
EL IMPACTO DE PROCESOS GEOMORFOLÓGICOS EN EL USO DE ESPACIOS COSTEROS. .......................... 211
Grana, L., P. Tchilinguirian, N.I. Maidana y D. Olivera
ESTUDIOS MULTI-DISCIPLINARIOS EN LA LAGUNA COLORADA, PUNA MERIDIONAL (27°S): UNA
CONTRIBUCIÓN AL CONOCIMIENTO PALEOAMBIENTAL DE LA REGIÓN DURANTE EL HOLOCENO
TARDÍO. . .......................................................................................................................................................................... 212
Gutiérrez, M.A., G.A. Martínez, H. Luchsinger, S. Grill, A.F. Zucol, M.P. Barros, C.A. Kaufmann y M.C. Álvarez.
ARQUEOLOGÍA Y PALEOAMBIENTE EN LA LOCALIDAD ARQUEOLÓGICA PASO OTERO:
UN ENFOQUE MULTIDISCIPLINARIO. . ..................................................................................................................... 213
Lanzelotti, S.L. y J.F. Bonaparte.
CONTEXTO GEOESTRATIGRÁFICO Y PROCESOS DE FORMACIÓN DEL REGISTRO ARQUEOLÓGICO
EN CAÑADA HONDA: APUNTES PARA SU DISCUSIÓN Y ABORDAJE................................................................. 214
Maldonado, M.G., J. Roldan, L. del Valle Neder y M.M. Sampietro Vattuone.
PROCESOS DE FORMACIÓN NATURALES EN EL SECTOR MERIDIONAL DE SELVAS OCCIDENTALES,
SITIO STUCYEB 2 “HORCO MOLLE”, YERBA BUENA, TUCUMÁN, ARGENTINA. ........................................... 214
Martínez, G. y G.A. Martínez.
REGISTRO ARQUEOLÓGICO DEL HOLOCENO TARDÍO EN AMBIENTES DEPOSITACIONALES
EÓLICOS DEL CURSO INFERIOR DEL RÍO COLORADO (PDO. DE VILLARINO, PCIA. DE BS AS). ............... 215
25
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Matarrese, A.B., V. Di Prado y D.G. Poiré.
ANÁLISIS PETROGRÁFICO Y DE DIFRACCIÓN DE RAYOS X DE PIGMENTOS ARQUEOLÓGICOS DEL
SUDESTE DE LA PAMPA HÚMEDA, ARGENTINA. ................................................................................................... 216
Miguez, G. y P. Cuenya.
CARACTERIZACIÓN ARQUEO-PEDOLÓGICA DE UN PISO DE OCUPACIÓN PREHISPÁNICA EN
EL SITIO HORCO MOLLE (TUCUMÁN). . ................................................................................................................... 216
Miotti, L. y L. Marchionni.
PROCESOS Y AGENTES MODIFICADORES DEL CONTEXTO ARQUEOFAUNÍSTICO DEL SITIO AEP-1,
PIEDRA MUSEO DURANTE EL HOLOCENO MEDIO. .............................................................................................. 217
Oría, J., M. Salemme, F. Santiago y A. Montes.
LOCALIDAD ARQUEOLÓGICA TRES MARÍAS: UN CASO PARA EVALUAR LA PÉRDIDA POR EROSIÓN
EÓLICA EN LA ESTEPA FUEGUINA. ........................................................................................................................... 217
Paleo, M.C. M. Pérez Moroni, V.S. Lema, M.L. Pochettino y M. Pueblas.
EVIDENCIAS DE PROCESOS DE SELECCIÓN CULTURAL Y MANEJO DEL ENTORNO VEGETAL EN
GRUPOS CAZADORES RECOLECTORES DEL HOLOCENO TARDÍO (PARTIDO DE MAGDALENA,
BUENOS AIRES). . ........................................................................................................................................................... 218
Paunero, R.S.
LAS ERUPCIONES DEL VOLCÁN HUDSON Y LOS PROCESOS DE SEDIMENTACIÓN EN SITIOS
ARQUEOLÓGICOS DE LA MESETA CENTRAL DE SANTA CRUZ, ARGENTINA. ............................................... 219
Paunero, R.S. y A.M. Blasi.
GEOARQUEOLOGÍA DE LA CUEVA 2 DE LOS TOLDOS, SANTA CRUZ, ARGENTINA. . ................................... 219
Politis, G.G., M. Bonomo, C. Castiñeira y A.M. Blasi.
INVESTIGACIONES INTERDISCIPLINARIAS EN LA LOCALIDAD ARQUEOLÓGICA LOS TRES CERROS
(DPTO. DE VICTORIA, PCIA. DE ENTRE RÍOS). . ...................................................................................................... 220
Ponce, J.F., A. Tessone, M. Vázquez y A.F. Zangrando.
GEOMORFOLOGÍA Y GEOARQUEOLOGÍA DEL ÁREA DE BAHÍA VALENTIN, PENÍNSULA MITRE,
TIERRA DEL FUEGO. ..................................................................................................................................................... 221
Raczka, Marco Felipe y Paulo Eduardo de Oliveira.
VARIAÇÕES VEGETACIONAIS E CLIMÁTICAS E SUA INFLUÊNCIA NA OCUPAÇÃO HUMANA
DURANTE O HOLOCENO NA REGIÃO DE LAGOA SANTA, MG: PALINOLOGIA DE SEDIMENTOS
LACUSTRES E FLUVIAIS............................................................................................................................................... 222
Ribeiro, Daniela Dantas de Menezes, Flávia Moura Pereira e Antonio Jorge Vasconcellos Garcia.
ROTA DO HOMEM E EVOLUÇÃO CLIMÁTICA NO QUATERNÁRIO DO NORDESTE DO BRASIL................... 222
Salemme, M., L. Miotti y G. Moreira.
COROLOGÍA DE LA MICROFAUNA EN PATAGONIA: SU SIGNIFICADO EN LA TAFONOMÍA Y
RECONSTRUCCIÓN PALEOAMBIENTAL DE SITIOS ARQUEOLÓGICOS. ........................................................... 223
Steffan, P.G y G.N. Gómez.
INDICADORES BIOLÓGICOS DE VARIACIONES AMBIENTALES Y EVIDENCIAS PALEOECOLÓGICAS
EN SITIOS ARQUEOLÓGICOS DEL HOLOCENO MEDIO Y TARDÍO. . .................................................................. 224
Tchilinguirian, P., M. Morales, L. Grana, L. Lupo, D. Olivera, B. Oxman y H. Yacobaccio.
PALEOAMBIENTES HOLOCÉNICOS EN LA PUNA SECA ARGENTINA: REGISTROS BAJO ESTUDIO. . ........ 224
Tripaldi, A., A. Gil, M. Zárate, G. Neme y G. Brook.
PALEOAMBIENTES Y OCUPACIONES HUMANAS DE LA PLANICIE SANRAFAELINA (MENDOZA,
ARGENTINA) DURANTE EL PLEISTOCENO TARDÍO-HOLOCENO TEMPRANO. .............................................. 225
Zárate, M., C. Bayón y N. Flegenheimer.
TIEMPO, PAISAJE Y OCUPACIONES HUMANAS DE LA LOCALIDAD EL GUANACO (38º41’S; 59º39’O)....... 225
26
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
SIMPOSIO: Geología y Geomorfología de llanuras
Blasi, A., P.R. Hanson, E. Fucks, A.R. Prieto y A. Young.
INFRARED STIMULATED LUMINESCENCE (IRSL) DATING OF LATE PLEISTOCENE DEPOSITS
FROM THE MIDDLE COURSE OF THE LUJAN RIVER, ARGENTINA..................................................................... 228
Brunetto, E., B.S.Ferrero, J.I. Noriega, M.G. Gottardi, L. Zamboni y G.Galina.
FORMACIÓN SALTO ANDER EGG: DEPÓSITOS FLUVIALES DEL PLEISTOCENO SUPERIOR, EN EL
SUROESTE DE ENTRE RÍOS. ........................................................................................................................................ 228
Castiñeira Latorre, Carolina.
FORMACIÓN SOPAS (CUENCA BASÁLTICA NORTE DE URUGUAY): SEDIMENTACIÓN DEL
PLEISTOCENO-HOLOCENO, RECONSTRUCCIÓN PALEOECOLÓGICA Y ALCANCES ARQUEOLÓGICOS...........229
Colobig, M.M., Patterer, N.I., Zucol, A.F., Martínez, G. y Passeggi, E.
ANÁLISIS FITOLÍTICOS DE DEPÓSITOS EÓLICOS PARCIALMENTE EDAFIZADOS (PLEISTOCENO
TARDÍO-HOLOCENO) EN LA REGIÓN DE TANDILIA (PROVINCIA DE BUENOS AIRES, ARGENTINA)......... 230
Costa, Adivane Terezinha, Hermínio Arias Nalini Jr., Paulo de Tarso Amorim Castro.
CHEMICAL STRATIGRAPHY IN QUATERNARY SEDIMENTARY DEPOSITS OF FLOODPLAINS AND
ALLUVIAL TERRACES: AN HISTORICAL RECORD OF GOLD EXPLOITATION IN THE CARMO RIVER
BASIN, SOUTHEAST QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MINAS GERAIS, BRAZIL.................................................. 231
Cremon, Édipo Henrique, Hiran Zani y Edvard Elias de Souza Filho.
TREND SURFACE ANALYSIS FOR FLUVIAL LANDFORMS DELINEATION. ...................................................... 232
da Silva, Julio Manoel França y Leonardo José Cordeiro Santos.
MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE TERRAÇOS ALUVIONARES......... 232
Dangavs, Nauris.
PALEOLIMNOLOGÍA DE LAS LAGUNAS PERIÓDICAS (SECAS) ESQUIVEL, DEL MEDIO Y EL
ESPARTILLAR, CHASCOMÚS, BUENOS AIRES. ....................................................................................................... 233
Dangavs, Nauris.
ESTRATIGRAFÍA PLEISTOCENA TARDÍA-HOLOCENA Y PALEOLIMNOLOGÍA DE LA LAGUNA
CHIS CHIS, CHASCOMÚS, BUENOS AIRES. .............................................................................................................. 233
Facincani, Edna Maria, Vitor Matheus Bacani, Arnaldo Yoso Sakamoto.
GEOMORFOLOGIA DA BORDA SUDESTE DA BACIA DO PANTANAL: RELAÇÃO DO LEQUE FLUVIAL
DO TABOCO E ÁREAS FONTES DOS PLANALTOS ADJACENTES......................................................................... 234
Gomez, H. Daniel, Jorge Chiesa, Edgardo Strasser, Ernesto Perino y Eimi Font.
ESTRATIGRAFÍA DE LOS DEPÓSITOS SEDIMENTARIOS DEL PLEISTOCENO TARDIO Y HOLOCENO
DEL RIO JARILLA, AFLUENTE DEL RÍO DESAGUADERO, SAN LUIS, ARGENTINA. . ..................................... 234
Lana, Cláudio Eduardo y Paulo de Tarso Amorim Castro.
DETERMINAÇÃO DE TRAÇOS DA EVOLUÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DAS BACIAS DOS RIOS DAS
VELHAS E JEQUITAÍ (MG) A PARTIR DA INVESTIGAÇÃO DE NÍVEIS DE BASE FLUVIAIS............................ 234
Montalvo, C.I., M.A. Zárate, M.S. Bargo y A. Mehl.
REGISTRO SEDIMENTARIO Y MAMÍFEROS PLEISTOCENOS, DEPRESIÓN DE LA LAGUNA DON
TOMÁS, SANTA ROSA, LA PAMPA, ARGENTINA..................................................................................................... 235
Morrás, Héctor J.M., Ofelia Rita Tófalo y Leda Sánchez Betucci.
CALCRETES TUBULARES: UN NUEVO TIPO DE CALCRETES ENCONTRADOS EN LA FORMACIÓN
FRAY BENTOS, URUGUAY............................................................................................................................................. 236
27
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Neder, Liliana del Valle.
EVOLUCIÓN HIDROLOGICA DE LOS CAUCES FLUVIALES DEL PIEDEMONTE Y LLANURA
ONDULADA. DPTO. BURRUYACÚ, TUCUMÁN. ARGENTINA. ............................................................................. 237
Orgeira, M.J. y R. Egli.
COMPORTAMIENTO NO LINEAL DE LA SEÑAL MAGNÉTICA EN SUELOS. SU RELACIÓN CON
EL ÍNDICE DE HUMEDAD W......................................................................................................................................... 237
Perelló, M. Jimena, Alfonsina Tripaldi y Marcelo Zárate.
SEDIMENTOLOGÍA Y GEOMORFOLOGÍA DE LOS MÉDANOS DE LA TRAVESÍA (SUR DE MENDOZA,
ARGENTINA).................................................................................................................................................................... 238
SIMPOSIO: Tectónica y Volcanismo del Cuaternario
Angulo, Rodolfo José, Fernando Alvim Veiga, Maria Cristina de Souza, Luiz Henrique Sielski de Oliveira.
SOERGUIMENTO RECENTE DO ARQUIPÉLAGO DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO INFERIDO A PARTIR
DE VERMETÍDEOS FÓSSEIS......................................................................................................................................... 241
Aristizábal, Camilo O., André L. Ferrari, Germán Chicangana M. y Cléverson G. Silva.
DIAPIRISMO DE LODO CONTROLADO POR ESTRUCTURAS NEOTECTÓNICAS EN CARTAGENA,
COLOMBIA....................................................................................................................................................................... 241
Bertotto, Gustavo Walter.
VOLCANISMO BASÁLTICO CUATERNARIO AL ESTE DE PAYUNIA, PROVINCIAS DE MENDOZA Y LA
PAMPA............................................................................................................................................................................... 242
Brunetto, E., M. Iriondo, L. Zamboni y G. Gottardi.
EVIDENCIAS GEOLÓGICAS DE DEFORMACIÓN TECTÓNICA CUATERNARIA, EN LA PAMPA NORTE
(CENTRO DE ARGENTINA)........................................................................................................................................... 243
Cabral, Cláudio José, Jeissy Conceição Bezerra da Silva y Mário Lima Filho.
O NEOTECTONISMO NO NORDESTE BRASILEIRO E SUAS REPERCUSÕES NAS ATIVIDADES
SÍSMICAS EM CARUARU – PE...................................................................................................................................... 243
Cabral, Ivaniza de Lourdes Lazzarotto, Rogério Junqueira Prado y Tiéle Lopes Cabral.
INDICADORES MORFODINÂMICOS QUE SUGEREM MOVIMENTOS NEOTECTÔNICOS NO DIVISOR
DE ÁGUAS DOS RIOS IBICUÍ/JACUÍ - DEPRESSÃO PERIFÉRICA-RS................................................................... 244
Castro, Paulo de Tarso Amorim y Silvia Carolina Martins Braga.
A INFLUÊNCIA DA NEOTECTÔNICA NO PADRÃO FLUVIAL E NOS NÍVEIS DE BASE NO MÉDIO
CURSO DA BACIA DO RIO DOCE, REGIÃO SUDESTE, BRASIL. ........................................................................... 244
da Costa, Paulo Sérgio Monteiro.
INTERAÇÕES SISTÊMICAS EM AMBIENTES NATURAIS SOB EFEITO DE NEOTECTÔNICA,
MEDIADAS POR SISTEMAS FLUVIAIS: OBSERVAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ATIBAIA (SP, BRASIL)............. 245
Fernández Turiel, J.L., F.J. Pérez Torrado, A. Rodríguez González, D. Gimeno, J. Saavedra y M. García Vallés.
GEOMORFOLOGÍA DE LOS VOLCANES CUATERNARIOS DE SUR DE LA PUNA (ARGENTINA)................... 245
Furrier, Max.
INFLUÊNCIA TECTÔNICA NA CONFIGURAÇÃO DO RELEVO RUINIFORME DO PARQUE NACIONAL
SERRA DA CAPIVARA - PIAUÍ – BRASIL.................................................................................................................... 246
Furrier, Max.
EVIDÊNCIAS DE NEOTECTÔNICA ATRAVÉS DE ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA
HIDROGRÁFICA DO RIO GURUJI, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA – BRASIL................................... 247
Maia, Rúbson P. y Francisco H. R. Bezerra.
ASPECTOS MORFOTECTÔNICOS DO VALE DO RIO MOSSORÓ, BACIA POTIGUAR, NE DO BRASIL:
DADOS PRELIMINARE................................................................................................................................................... 247
28
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Missura, Ronaldo y Antonio Carlos de Barros Correa.
BACIA DO RIBEIRÃO DOS PONCIANOS: ASPECTOS GEOMORFOLÓGICOS DA SEDIMENTAÇÃO
QUATERNÁRIA................................................................................................................................................................ 248
Pereira, Alex Domingos Carneiro, Eugênio Antônio de Lima y Fernando Yutaka Yamaguchi.
MOVIMENTAÇÃO DIFERENCIADA DA FALHA DE SALVADOR NOS ÚLTIMOS 10.000 ANOS......................... 248
Peri, Verónica Gisel y Eduardo Antonio Rossello.
EVOLUCIÓN DEL DRENAJE DEL RÍO SALADO (GRAN CHACO, ARGENTINA) DETECTADA POR
SENSORES REMOTOS COMBINADOS. ...................................................................................................................... 249
Perucca, Laura P., Martín Rothis y María Romina Onorato.
GEOMORFOLOGÍA Y TECTÓNICA ACTIVA AL SUR DEL RÍO DE LA FLECHA, ÁREA EL MOCHOBACHONGO. PROVINCIA DE SAN JUAN.................................................................................................................... 250
Rabassa, Jorge, Andrea Coronato, Juan Federico Ponce, Matti Seppälä, Martti Lehtinen, Brian Menounos,
John Clague y Gerald Osborn.
RECORD OF ANDEAN TEPHRAS IN TIERRA DEL FUEGO, ARGENTINA............................................................. 250
Ribeiro, Carolina da Silva y Claudio Limeira Mello.
EVIDÊNCIAS DE CONTROLE NEOTECTÔNICO NA ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DRENAGEM SOBRE
OS TABULEIROS DA FORMAÇÃO BARREIRAS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
(SUDESTE DO BRASIL). ................................................................................................................................................ 251
Ribeiro, L.F.B. y M.C.S. Ribeiro.
PADRÃO DE INTERSEÇÃO DE JUNTAS RECONHECIDAS EM SAPROLITOS E A ACUMULAÇÃO DE
MINERALIZAÇÃO DE COBRE NAS FRATURAS - MINA DE SANTA BLANDINA. VALE DO RIBEIRA SUDOESTE DE SÃO PAULO – BRASIL. ...................................................................................................................... 252
Rovere, E.I., R.A. Violante, A. Osella, M. de la Vega, E. López y M. Osterrieth.
EL VOLCANISMO CUATERNARIO DEL RETROARCO ANDINO DE PAYENIA, MENDOZA:
SU INFLUENCIA EN LA EVOLUCIÓN DE LA LAGUNA LLANCANELO................................................................ 252
Rovere, Elizabeth I., Andrea Romano, Mario R. Rovere, Roberto A. Violante, Grazia Civinini y Gustavo M. De Lara.
ERUPCION DEL VOLCAN CHAITEN: HACIA UN MODELO DE MITIGACION DEL RIESGO VOLCÁNICO
EN ARGENTINA............................................................................................................................................................... 253
Silva, Katiucia de Sousa y Déborah de Oliveira.
MAPEAMENTO DE ANOMALIAS DE DRENAGEM: INDÍCIOS DE CONTROLE LITOLÓGICO E
ESTRUTURAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO COTIA, EM COTIA – SP, BRASIL....................................... 254
Suvires, Graciela M.
UNIDADES GEOMORFOLOGICAS DEL RIO SAN JUAN EN LA DEPRESION TECTÓNICA DE
ULLUM-ZONDA. PROVINCIA DE SAN JUAN, ARGENTINA.................................................................................... 254
Terrizzano, Carla M. y José M. Cortés.
Análisis de anomalías de drenaje como herramienta para dilucidar zonas de
ligazón débil en sistemas de deformación cuaternaria, Precordillera sur,
Provincia de san juan............................................................................................................................................ 255
SIMPOSIO: Pedología, Paleopedología y su Significado Paleoclimático
Bueno, Roberta Marquezi y Ladeira, Francisco Sergio Bernardes.
INTERPRETAÇÕES PALEOCLIMÁTICAS DOS PALEOSSOLOS ENCONTRADOS EM AFLORAMENTOS
DA FORMAÇÃO MARÍLIA, NOS MUNICÍPIOS DE QUINTANA E ECHAPORÃ, SÃO PAULO, BRASIL. . ......... 257
Calegari, Marcia Regina, Pablo Vidal Torrado, Marco Madella, Luiz Carlos R. Pessenda, Flávio Adriano Marques
ANÁLISE DE FITÓLITOS APLICADA AO ESTUDO DE HORIZONTE SUPERFICIAL HÚMICO EM
LATOSSOLOS BRUNOS NO SUL DO BRASIL ............................................................................................................ 257
29
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Calegari, Marcia Regina, Pablo Vidal Torrado, Marco Madella, Luiz Carlos R. Pessenda y Flávio Adriano Marques.
OCORRÊNCIA E SIGNIFICADO PALEOAMBIENTAL DO HORIZONTE A HÚMICO EM LATOSSOLOS............ 258
Giménez, Jorge Eloy.
EL SISTEMA DE CLASIFICACION WRB Y SU APLICACIÓN A ALGUNOS SUELOS DE LA ARGENTINA....... 259
Imbellone, Perla A.
CLASIFICACIÓN DE PALEOSUELOS........................................................................................................................... 260
Imbellone, P. A., R. C. Mercader, J. Desimoni y B. A. Guichon.
FRACCIONES DE HIERRO EN UN ENTISOL HIDROMÓRFICO............................................................................... 261
Kulemeyer, Julio J., María Camacho y Jorge R. Escalante.
PALEOSUELOS DEL HOLOCENO SUPERIOR EN EL NORTE DE LA PUNA JUJEÑA, ARGENTINA.................. 261
Ladeira, Francisco Sérgio Bernardes, André Luiz de Souza Celarino.
MINERALOGIA DA FRAÇÃO ARGILA DOS SOLOS DE UMA TOPOSSEQUÊNCIA NA TRANSIÇÃO
VERTENTE-SEDIMENTOS ALUVIAIS QUATERNÁRIOS DO RIO MOGI GUAÇU NA ESTAÇÃO
ECOLÓGICA DE JATAÍ, LUIS ANTÔNIO-SP................................................................................................................. 262
Martins, Vanda Moreira, Nelson Vicente Lovatto Gasparetto, Selma Simões de Castro.
OS SISTEMAS PEDOLÓGICOS E SUA RELAÇÃO COM A EROSÃO NA REGIÃO NOROESTE DO
ESTADO DO PARANÁ-BR............................................................................................................................................... 262
Martins, Vanda Moreira, Pablo Vidal Torrado, Maurício Rizzato Coelho, Célia Regina de Gouveia Souza.
GEOMORFOLOGIA, SOLO E CRONOLOGIA DOS DEPÓSITOS CENOZÓICOS DA PLANÍCIE
COSTEIRA DE BERTIOGA-SP. ......................................................................................................................263
Mehl, Adriana.
PALEOSUELOS Y NIVELES LÍMNICOS DE SUCESIONES ALUVIALES DEL CUATERNARIO TARDÍO,
PIEDEMONTE DE CORDILLERA FRONTAL (33º-34º), MENDOZA.......................................................................... 264
Mormeneo, Liliana y Perla Imbellone.
INFLUENCIA DEL RELIEVE EN LOS SUELOS DEL SECTOR CENTRO –SUR DE LA LLANURA
INTERSERRANA. PROVINCIA DE BUENOS AIRES................................................................................................... 265
Osterrieth, Margarita L., Natalia Borrelli y Mariana Fernández Honaine.
ASPECTOS TAFONÓMICOS DE LOS ESTUDIOS MINERALÓGICOS DE SUELOS, PALEOSUELOS Y
SEDIMENTOS, CON ESPECIAL ÉNFASIS EN LAS BIOMINERALIZACIONES DE SÍLICE AMORFO. .............. 265
Sanabria, J.A. y G.L. Argüello.
LOS SUELOS ENTERRADOS EN LA PLATAFORMA BASCULADA ONDULADA EN LA REGIÓN
CENTRAL DE LA PROVINCIA DE CÓRDOBA, ARGENTINA................................................................................... 266
Santos, Leonardo José Cordeiro y Eduardo Vedor de Paula,
MAPEAMENTO GEOPEDOLÓGICO COMO SUBSÍDIO À ESTIMATIVA DA VEGETAÇÃO NATURAL
POTENCIAL NA ÁREA DE DRENAGEM DA BAÍA DE ANTONINA (PARANÁ – BRASIL)................................... 267
Sayago, José M., Mirian M. Collantes y Alfred Zinck.
LOS PALEOSUELOS DEL PLEISTOCENO TARDÍO Y HOLOCENO EN LA LLANURA CHAQUEÑA
OCCIDENTAL (TUCUMÁN, ARGENTINA) Y SU RELACIÓN CON LA CIRCULACIÓN ATMOSFÉRICA Y
OCEÁNICA. . .................................................................................................................................................................... 268
Zaparoli, Fabiana Cristina Meira y Nelson Vicente Lovatto Gasparetto.
ANÁLISE COMPARATIVA DA MORFOLOGIA DOS GRÃOS DE QUARTZO EM DOIS HORIZONTES
DE UM ARGISSOLO........................................................................................................................................................ 268
SIMPOSIO: Desertificación y Ocupaciones Humanas
Braúna, Aline Lima y Marcos J. Nogueira de Souza.
ANÁLISE DO DA DEGRADAÇÃO E DESERTIFICAÇÃO NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DO
GROAÍRAS – ACARAÚ – CEARÁ. . .............................................................................................................................. 271
30
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Braúna, Aline Lima y Maria L. Brito da Cruz.
ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO E SEU POTENCIAL DE IMPACTO NA LAGOA DAS ALMÉCEGAS
TRAIRI/PARAIPABA – CEARÁ - BRASIL. ................................................................................................................... 271
Busnelli, José.
EVALUACIÓN MULTITEMPORAL DE LA SALINIZACIÓN Y ANEGAMIENTO EN LA COLA DEL
EMBALSE DEL DIQUE FRONTAL (PROVINCIAS DE TUCUMÁN Y SANTIAGO DEL ESTERO,
ARGENTINA) Y LA RELACIÓN CON LA OCUPACIÓN DE LAS TIERRAS, EL CAMBIO CLIMÁTICO
Y LA DEGRADACIÓN AMBIENTAL. ........................................................................................................................... 272
Collantes, Mirian M. y José M. Sayago.
DESERTIFICACIÓN, ANTROPOGÉNESIS Y CAMBIO CLIMÁTICO EN LAS REGIONES SECAS Y
SUBHÚMEDAS DEL NOROESTE ARGENTINO: IMPLICACIONES AMBIENTALES. . ......................................... 272
García, Zulma E., Graciela Pastrán y Myriam del V. Diaz.
DESERTIFICACIÓN: LA INELUDIBLE RELACIÓN NATURALEZA Y SOCIEDAD. .............................................. 273
Gómez Augier, J.P. y M. Caria.
LOS SÍMBOLOS PREHISPÁNICOS DEL AGUA COMO REFLEJO DE LOS PROCESOS DE
DESERTIFICACIÓN EN EL NOROESTE ARGENTINO. ............................................................................................. 274
Guasselli, Laurindo A., Mateus Gleiser Oliveira, Henrique Evers y Dirce Maria Antunes Suertegaray.
ANALISE TEMPORAL DO USO AGRÍCOLA SOBRE ÁREAS SUSCEPTÍVEIS À ARENIZAÇÃO NA
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IBICUÍ - RIO GRANDE DO SUL – BRASIL. ...................................................... 274
Niz, Adriana y Jorge Oviedo.
LA ACELERACIÓN DE LOS PROCESOS DE DESERTIFICACIÓN DEBIDO A INCENDIOS FORESTALES
EN LAS SUBCUENCAS DE LOS RÍOS LOS PUESTOS Y SINGUIL, CATAMARCA, ARGENTINA. . ................... 274
Niz, Adriana, Jorge Oviedo, Ana M. Salas, Cinthia Lamas, Sergio Iramaín y Rafael Moreno.
LA MIGRACIÓN DE LOS ASENTAMIENTOS HUMANOS DEBIDO AL AVANCE DE LOS MÉDANOS EN
EL SECTOR SUR DEL VALLE DE FIAMBALA – CATAMARCA. . ........................................................................... 275
Ojeda, G.
DEGRADACIÓN DEL SUELO POR EROSIÓN HÍDRICA EN EL PIEDEMONTE AUSTRAL DE LA SIERRA
DE SAN LUIS. CUENCA DEL ARROYO LA BARRANQUITA. SAN LUIS. ARGENTINA. . ................................... 275
Osterrieth. Margarita.
PRESENCIA DE PALIGORSQUITA NEOGÉNICA COMO EVIDENCIA DE EPISODIOS SEMIÁRIDOS A
ÁRIDOS DESDE EL PLEISTOCENO TARDÍO AL HOLOCENO EN EL SUDESTE BONAERENSE. ..................... 276
Sempé, María C. y Beatriz A. Guichon.
GEOMORFOLOGÍA, AMBIENTE Y OCUPACIÓN HUMANA EN EL VALLE DE HUALFIN. ................................ 276
Somonte, Carolina y Carlos Baied.
EL BARNIZ DE LAS ROCAS: GEOCRONOLOGÍA Y RELEVANCIA ARQUEOLÓGICA. ...................................... 279
Verdum, Roberto, Vagner Garcez Soares y Mariana Ferreira de Castro.
DINÂMICA DE PROCESSOS EROSIVOS/DEPOSICIONAIS E MICROFORMAS DE RELEVO NO
INTERIOR DOS AREAIS, SUDOESTE DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. ......................................................... 277
TEMAS GENERALES: GEOLOGIA
Abuchacra, Rodrigo C., Alberto G. Figueiredo Jr.; Paula Falheiro, Carlos Eduardo P. Pacheco,
DENSIDADE GAMA, IMPEDÂNCIA ACÚSTICA E VELOCIDADE DA ONDA “P” COMO PARÂMETROS
INDICADORES DO TEOR DE MINERAIS PESADOS EM TESTEMUNHOS. .......................................................... 281
Afonso, Danielle Scherer, Joao Werner Alencar Castro, Gilberto Pessanha Ribeiro y Jennifer Fortes Cavalcante Renk.
MOVIMENTAÇÃO DE DUNAS OBLIQUAS RECENTES NO DISTRITO DE ATAFONA
SÃO JOÃO DA BARRA/ RIO DE JANEIRO. ................................................................................................................. 281
31
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Aguilar, Norma V., Silvia Varela, María C. Puertas, María V. Soria y María A. Matar.
APLICACIÓN DE UNA METODOLOGÍA PARA LA DETERMINACIÓN DEL NIVEL DE EROSIÓN.
DEPARTAMENTO POCITO, SAN JUAN, ARGENTINA............................................................................................... 281
Aquino, Carolina Danielski, Eduardo Guimarães Barboza y Nelson Luiz Sambaqui Gruber.
ANÁLISE GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DOS MUNICÍPIOS DE IMBIUBA/GAROPABA,
LITORAL CENTRO SUL DE SANTA CATARINA......................................................................................................... 282
Aquino, Carolina Danielski, Edson Luiz Ávila y Eliane dos Santos.
CARACTERIZAÇÃO HIDROLÓGICA E HIDROGEOLÓGICA DE JURERE INTERNACIONAL,
FLORIANÓPOLIS - SC. ORIGEM E GÊNESE DE ÁREAS ALAGADAS E ÚMIDAS................................................ 283
Arejano, Tadeu, José A.F. Antiqueira y Carlos Hartmann.
MORPHOLOGY AND DYNAMICS OF THE BASE OF THE WESTERN JETTY, PROBABLE AREA FOR
THE RIO GRANDE PORT PILOT STATION, RS STATE, BR........................................................................................ 283
Barbosa, Cátia F., José C. S. Seoane, Patricia Oliveira-Silva, Alan S. Martins, Silvia L. Araújo y Renato C. Cordeiro.
CARACTERIZAÇÃO DA SAÚDE AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA DO RECIFE DE FORA,
PORTO SEGURO, BA....................................................................................................................................................... 284
Barbosa, Cátia F., Jose Carlos S. Seoane, Beatrice P. Ferreira y Patricia Oliveira-Silva.
GEOQUÍMICA SEDIMENTAR NA CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DA BAÍA DE
TAMANDARÉ (PE)........................................................................................................................................................... 284
Barbosa, L.P.F., M. El-Robrini y J.L.B. Carvalho.
CIRCULAÇÃO HIDRODINÂMICA NO ESTUÁRIO DO RIO MARACANÃ (NE DO PARÁ.................................... 285
Bartel, A., J. C. Bidegain y A. M. Sinito.
SUSCEPTIBILIDAD EN BAJA TEMPERATURA EN SUELOS DEL SUR DE LA REGIÓN PAMPEANA.
POSIBLES APLICACIONES EN EL ESTUDIO DEL GRADO DE EVOLUCIÓN PEDOGENÉTICA........................ 286
Bezerra, L.J.C. y L.P. Maia.
CARACTERIZAÇÃO SEDIMENTOLÓGICA DOS TABULEIROS PRÉ-LITORÂNEOS
DO ESTADO DO CEARÁ................................................................................................................................................. 286
Bidart, Susana M. y Valeria Mielgo.
INFLUENCIA DE LOS PATRONES LOCALES EN LA EMISIÓN, TRANSPORTE Y DEPOSITACIÓN DEL
POLVO ATMOSFÉRICO EN LA REGIÓN ÁRIDA-SEMIÁRIDA DE LA LLANURA PAMPEANA.......................... 287
Bidegain, Juan Carlos y Yamile Rico.
LA VOLTAMETRÍA DE MICROPARTÍCULAS EN EL ESTUDIO DE OXIDOS Y OXIHIDROXIDOS
DE HIERRO. AVANCES y PERSPECTIVAS................................................................................................................... 288
Bilmes, Andrés, Laura Lamarca, Gustavo Alvarez, Juan Franzese y Gonzalo Veiga.
CAMBIOS DEL NIVEL DE BASE EN LA CUENCA DE GASTRE, RIO NEGRO-CHUBUT, ARGENTINA............ 288
Cardoso, Mariana Nunes y Claudia Gutterres Vilela.
AVALIAÇÃO AMBIENTAL DA BAÍA DE GUANABARA DESDE 1999, COM BASE EM FORAMINÍFEROS
BENTÔNICOS................................................................................................................................................................... 289
Carneiro, Juliane C. y Marcelo R. Lamour.
PROCESSOS SEDIMENTARES AO LONGO DO CANAL DO SUPERAGÜI: DADOS PRELIMINARES................ 290
Chaves, Cecilia y Laura Perucca.
ANÁLISIS GEOMORFOLÓGICO Y EVALUACIÓN DEL PELIGRO DE AVENIDAS EN EL RÍO DE LA
FLECHA, DEPARTAMENTO SARMIENTO PROVINCIA DE SAN JUAN.................................................................. 291
Coronato, Andrea, Matti Seppala, Federico Ponce y Jorge Rabassa.
SAND DUNES ON LAKE FAGNANO CLIFFS, TIERRA DEL FUEGO, ARGENTINA.............................................. 291
Cunha, E.M.S., L.P. Maia, J.R.L.V. Leal y F.G.C. Gastão.
ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO DO LITORAL NORTE DO ESTADO DO
RIO GRANDE DO NORTE............................................................................................................................................... 292
32
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
da Cunha, Elaine Cristina e Iracema Miranda da Silveira.
CARACTERIZAÇÃO GEO-AMBIENTAL DE ÁREA COSTEIRA COM INTERFERÊNCIA DE ATIVIDADES
PETROLÍFERAS - MUNICÍPIOS DE MACAU E GUAMARÉ / RN............................................................................. 293
da Silva, Ana Fátima y Norberto Olmiro Horn Filho.
OCORRÊNCIA DE FULGURITOS EM DEPÓSITOS EÓLICOS HOLOCÊNICOS NA PLANÍCIE COSTEIRA
DO CENTRO-SUL CATARINENSE, BRASIL................................................................................................................. 293
da Silva, Jadson Queiroz y Marcelo Cancela Lisboa Cohen.
ESTUDO COMPARATIVO DOS ÍNDICES DE REFLECTÂNCIA DA VEGETAÇÃO LITORÂNEA DO PARÁ
ATRAVÉS DE SENSORIAMENTO REMOTO E TÉCNICAS ESPECTROFOTOMÉTRICAS..................................... 294
da Silveira, Odete F.M., José Francisco Berrêdo, Francielli Paula Delavy y Valdenira Ferreira dos Santos.
CARACTERIZAÇÃO DE TURFA SEGUNDO O GRAU DE DECOMPOSIÇÃO, PROPRIEDADES FÍSICOQUÍMICAS E QUÍMICAS NA PLANÍCIE COSTEIRA DO AMAPÁ, BRASIL............................................................ 295
de Arruda Xavier, Diego, José Francisco Berrêdo, Odete Fátima Machado da Silveira, Luís Roberto Takiyama,
DISTRIBUIÇÃO GEOQUÍMICA (C, N E C/N) NOS SEDIMENTOS DE FUNDO DO
RIO SUCURIJU-AP, BRASIL........................................................................................................................................... 295
de Brito, Gisele Silveira, Fernanda Ramos Cyríaco y Julio Cezar Rubin de Rubin.
DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ANICUNS,
GOIÂNIA-GO, BRASIL. .................................................................................................................................................. 296
de Lima, Fábio Macedo, Luiz Alberto Fernandes y Mário Sérgio de Melo.
FORMAÇÃO GUABIROTUBA (BACIA DE CURITIBA, PR, BRASIL): DESMEMBRAMENTO EM
UNIDADES MAIS RECENTES?...................................................................................................................................... 297
de Matos, Maria de Fátima Alves, Venerando Eustáquio Amaro, Anderson Targino da Silva Ferreira,
Dalton Rosemberg Valentim da Silva y Caio Graco de Medeiros Franco.
ANÁLISE DAS MODIFICAÇÕES EM AMBIENTE LACUSTRE COM BASE EM IMAGENS ORBITAIS
MULTITEMPORAIS: CASO DOS LAGOS DO CINTURÃO MERIDIONAL DA RESERVA BIOLÓGIA
DO LAGO PIRATUBA, AMAPÁ...................................................................................................................................... 298
de Oliveira, Fabiano Antonio y Uwe Treter.
DISTRIBUIÇÃO DE SEDIMENTOS E ESPÉCIES VEGETAIS NA FAIXA DE MANGUEZAL DA BAÍA DA
BABITONGA..................................................................................................................................................................... 299
de Oliveira, Luiz Henrique Sielski e Maurício Almeida Noernberg.
CLASSIFICAÇÃO DE CORPOS D’ÁGUA PARA PROPÓSITOS DE GERENCIAMENTO COSTEIRO:
O EXEMPLO DO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ. .............................................................................. 300
de Paula, D Davis Pereira, Jáder Onofre de Morais y Lidriana de Souza Pinheiro.
IMPACTOS DE EVENTOS NATURAIS E ANTRÓPICOS EM ESTUÁRIOS TROPICAIS:
O ESTUDO DE CASO DO ESTUÁRIO DO RIO JAGUARIBE, FORTIM-CE, BRASIL. . .......................................... 300
Degiovanni, S., M. Villegas y N. Doffo.
ANÁLISIS DEL DISEÑO DE CANAL DEL ARROYO ACHIRAS-DEL GATO (CBA). FACTORES DE
CONTROL E IMPLICANCIAS AMBIENTALES............................................................................................................ 301
do Nascimento, Dione Nunes, Hernani Aquini Fernandes Chaves, Soraya Gardel Carelli y Helena Polivanov. A
UTILIZAÇÃO DE ARGILAS NA CARACTERIZAÇÃO DE AMBIENTES DE SEDIMENTAÇÃO: ESTUDO
DE CASO NA PLANÍCIE COSTEIRA DE ITAGUAÍ/RJ................................................................................................ 301
dos Santos, Valdenira Ferreira, Odete Fátima Machado da Silveira, Laurent Polidori y Alberto Garcia Figueiredo Jr.
INDICADORES DE MUDANÇAS AMBIENTAIS NA COSTA AMAZÔNICA (AMAPÁ) APLICANDO DADOS
DE SENSORES REMOTOS. ............................................................................................................................................ 301
Espejo, Gabriela K., Laura P. Perucca y Armando J. Sánchez.
PROCESOS DE REMOCIÓN EN MASA EN LA QUEBRADA DE LOS RATONES (KM 101), RUTA
NACIONAL Nº 149 (EX RUTA PROVINCIAL Nº 12), SAN JUAN. . ........................................................................... 302
33
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Falcão, Plinio Martins,
DILEMAS DA OCUPAÇÃO NA COSTA NORDESTE DO BRASIL: OS ENTRAVES ENTRE PLANEJAMENTO
URBANO E GERENCIAMENTO COSTEIRO................................................................................................................ 302
Fernandes, Luiz Alberto, Fernando Alvim Veiga, Rodolfo José Angulo y Maria Cristina de Souza.
CARACTERIZAÇÃO DE ROCHAS SEDIMENTARES DO ARQUIPÉLAGO DE SÃO PEDRO E SÃO
PAULO, NORDESTE DO BRASIL................................................................................................................................... 303
Fierz, Marisa de Souto Matos y Jurandyr Luciano Sanches Ross.
A FRAGILIDADE AMBIENTAL NA PLANÍCIE COSTEIRA DE PERUÍBE, SÃO PAULO, BRASIL........................ 303
França, Marlon C., José Tasso Felix Guimarães, Marcelo C. L. Cohen, Clarisse B. Smith e Igor C. C. Alves.
CHEMICAL COMPOSITION OF WETLAND SEDIMENTS FROM MARABÁ, SOUTHERN AMAZON REGION........304
Freitas, P.T.A., N.E. Asp y M.O.B. Menezes.
CIRCULAÇÃO E SAZONALIDADE DE UM ESTUÁRIO AMAZÔNICO: RIO GUAMÁ – BELÉM/PA................... 304
Fucks, Enrique, Roberto Huarte, Jorge Carbonari y Florencia Pisano.
CRONOLOGÍA DE LOS DEPÓSITOS FLUVIALES DEL PLEISTOCENO TARDÍO- HOLOCENO EN
LA CUENCA INFERIOR –MEDIA DEL RÍO SALADO, PROV. DE BUENOS AIRES................................................ 305
Giaconi, Luis M., Martín E. Guichón, Ricardo E. Giordano y Andrea Cumba.
CRITERIOS CONCEPTUALES DEL ANALISIS GEOTECNICO DE MACIZOS ROCOSOS UTILIZADOS
PARA LA CONSTRUCCIÓN DE UNA PRESA DE GRAVEDAD EN HORMIGÓN EN LA CUENCA DEL
RAMAL H (TANDIL)........................................................................................................................................................ 306
Giaconi, Luis Mario, Ricardo E. Giordano y Andrea Cumba.
MÉTODOS DE EXCAVABILIDAD PARA LA FUNDACIÓN DE LA PRESA RAMAL H, TANDIL, PROV. DE
BUENOS AIRES................................................................................................................................................................ 306
Giannini, Paulo César Fonseca, Priscila Melo Leal Menezes y Paulo DeBlasis.
SUCESSÕES DE FÁCIES E ARQUITETURA DEPOSICIONAL NO SAMBAQUI JABUTICABEIRA II
(JAGUARUNA, ESTADO DE SANTA CATARINA), LITORAL DA REGIÃO SUL DO BRASIL. ............................. 307
Giraut, Miguel Ángel.
COMPLEJIDAD CARTOGRÁFICA DE LAS LLANURAS CASOS DE ESTUDIO EN LA LLANURA
CHACO PAMPEANA........................................................................................................................................................ 308
Guedes, Carlos Conforti Ferreira, Paulo César Fonseca Giannini, Daniel Rodrigues do Nascimento Junior,
Ana Paula Burgoa Tanaka y Mateus Gomes Rossi.
FATORES CONTROLADORES DA DISTRIBUIÇÃO DA ASSEMBLÉIA DE MINERAIS PESADOS NA
ILHA COMPRIDA, SUDESTE DO BRASIL................................................................................................................... 308
Gurgel, Silvana P. de P., Francisco H.R. Bezerra y Antonio C.B. Correa.
SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA, MORFOLOGIA E INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA BACIA DO
MEREJO, NORDESTE DO BRASIL: DADOS PRELIMINARES.: ............................................................................... 309
Hayakawa, Ericson Hideki, Dilce de Fátima Rossetti y Thiago de Castilho Bertani.
MORFOLOGIA DE ÁREAS DE SAVANA NA AMAZÔNIA A PARTIR DE SENSORIAMENTO REMOTO
E SUA RELAÇÃO COM PALEO-DRENAGENS. .......................................................................................................... 310
Iantanos, Nerina y Federico Isla.
VARIACION DE LA LÍNEA DE COSTA EN LA CIUDAD DE COMODORO RIVADAVIA, PROVINCIA DEL
CHUBUT............................................................................................................................................................................ 311
Isla, Federico I.
BASE DE DATOS RADIOCARBÓNICA GEORREFERENCIADA DEL HOLOCENO
COSTERO SUDAMERICANO. ....................................................................................................................................... 311
Isla, Federico I.
CATÁLOGO DE UNIDADES ESTRATIGRÁFICAS DEL CUATERNARIO ARGENTINO (CUECA). ..................... 311
34
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Lima, Elissandra N. de Moura, Francisco H. R. Bezerra, Francisco Pinheiro Lima-Filho y David Lopes de Castro.
USO DE GPR NA CARACTERIZAÇÃO DE ESTRUTURAS DE LIQUEFAÇÃO EM ALUVIÕES ARENÍTICOCONGLOMERÁTICOS QUATERNÁRIOS NO VALE DO RIO AÇU – RN.................................................................. 312
Lima, Rochana Campos de Andrade.
ASPECTOS DA EVOLUÇÃO DA PAISAGEM LITORÂNEA DO MUNICÍPIO DE MACEIÓ- ALAGOAS............... 313
Lins-de-Barros, Flavia Moraes y Dieter Muehe.
AVALIAÇÃO LOCAL DA VULNERABILIDADE E RISCOS DE INUNDAÇÃO NA ZONA COSTEIRA
DA REGIÃO DOS LAGOS, RIO DE JANEIRO............................................................................................................... 313
Marçal, Mônica dos Santos, Raphael Nunes de Souza Lima, Guilherme Hissa Villas Boas y Renato de Lima Hingel.
MAPEAMENTO DE FEIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS NO SISTEMA ENCOSTA-PLANICIE DA BACIA
DO RIO MACAÉ (RJ). ..................................................................................................................................................... 314
Martínez, O., John Gosse y Guang Yang.
LAS MORENAS FRONTALES DE LA ÚLTIMA GLACIACIÓN EN EL LAGO GENERAL VINTTER
(PROVINCIA DE CHUBUT): EDADES ABSOLUTAS Y SU CORRELACIÓN CON LAS SECUENCIAS
GLACIGÉNICAS DE LA REGIÓN.................................................................................................................................. 314
Mena, M., J.L. Dupuy y M.M. Oviedo.
PERFILES DE SUSCEPTIBILIDAD MAGNÉTICA EN SEDIMENTOS ACTUALES DEL DELTA DEL PARANÁ.........315
Mendes, Vinícius Ribau, Paulo César Fonseca Giannini y Priscila Cury Ribeiro.
MORFOLOGIA E OCUPAÇÃO JUNTO À PRAIA DE PERUÍBE, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO..........316
Milana, Juan Pablo.
EL PARADIGMA DE LOS LOBULOS DE TAMIZ EN ABANICOS ALUVIALES...................................................... 317
Milana, Juan Pablo, Daniela M. Kröhling, Carlos Peralta y José Viramonte.
DIFERENCIACIÓN DE EVENTOS EN LA UNIDAD IGNIMBRITICA DE PURULLA MEDIANTE
GEORADAR, PUNA ARGENTINA . ............................................................................................................................... 318
Monteiro, S.M., M. El-Robrini e I. C. C. Alves.
DINÂMICA SAZONAL DAS ÁGUAS DO ESTUÁRIO DO RIO PARACAUARI, ILHA DO MARAJÓ
(PARÁ – BRASIL)............................................................................................................................................................. 318
Montes, M.L., M.A. Taylor, J. Runco, F. Sives y J. Desimoni.
LÍNEA DE BASE DE RADIOISÓTOPOS EN LOS SUELOS DE LA PROVINCIA DE BUENOS AIRES:
PARTIDO DE LA PLATA.................................................................................................................................................. 319
Moreiras, Stella M.
DESLIZAMIENTOS DEL PARQUE PROVINCIAL ACONCAGUA, PROVINCIA DE MENDOZA........................... 300
Moreiras, Stella M.
AVALANCHA DE ROCAS PLEISTOCENA DE CORTADERAS, ANDES CENTRALES........................................... 321
Moreiras, Stella M., Federico Norte y Silvia Simonelli.
FLUJOS DE DETRITOS EN LA QUEBRADA SECA ASOCIADOS A LA TORMENTA SEVERA
DEL 27 DE MARZO, PROVINCIA DE MENDOZA....................................................................................................... 321
Mota, Romário Cardoso y Cláudio Eduardo Lana.
CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS INERENTES À OCUPAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE ALEGRE
(ES) A PARTIR DE ANÁLISES MORFOSSEDIMENTARES DOS DEPÓSITOS DE ENCOSTA E PLANÍCIES
DE INUNDAÇÃO.............................................................................................................................................................. 322
Nabel, P. y R. Becerra Serial.
TECNOLOGÍAS DIGITALES EN EL ESTUDIO DE LA GEOMORFOLOGÍA DE LA CIUDAD DE BS. AS............. 322
Nascimento, L., A.N. Santos, A.C.S.P. Bittencourt y J.M.L. Dominguez.
POTENCIAL DE PREJUÍZOS ECONÔMICOS EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE OCUPAÇÃO E DE
SENSIBILIDADE À EROSÃO NA COSTA DO CACAU, LITORAL SUL DA BAHIA................................................ 322
35
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Pereira, Bruno Rafael de Barros. Venerando Eustáquio Amaro, Dalton Rosemberg Valentim da Silva,
FUSION OF THE MULTISENSOR DATA TO IMPROVE THE MAPPING OF GEOENVIRONMENTAL
AND USE AND OCCUPATION OF THE SOIL UNITS IN THE MACAU AND PORTO DO MANGUE AREA,
RIO GRANDE DO NORTE STATE, NORTHEAST OF BRASIL.................................................................................... 323
Pereira, Daniel dos Santos y Celia Regina de Gouveia Souza.
ANÁLISE DO COMPORTAMENTO HÍDRICO NAS UNIDADES QUATERNÁRIAS DA BACIA DO RIO
GUARATUBA, BERTIOGA (SP)...................................................................................................................................... 324
Pierri, Guilherme Cherem Schwarz.
MAPEAMENTO GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À ANÁLISE DE RISCO À EROSÃO COSTEIRA,
ESTUDO DE CASO LITORAL SUL DO RN................................................................................................................... 324
Pinheiro, Lidriana de Souza y Jáder Onofre de Morais.
INTERFERÊNCIAS DE BARRAMENTOS NO REGIME HIDROLÓGICO DO SISTEMA ESTUARINO
DO RIO CATÚ-CEARÁ-BRASIL..................................................................................................................................... 325
Pinto, Samira Tavares, Maria Naíse de Oliveira Peixoto, Shirley Cristina de Barros
y Josilda Rodrigues da Silva de Moura.
ANÁLISE DA CONECTIVIDADE DA PAISAGEM EM DOMÍNIOS COLINOSOS DO SUDESTE DO BRASIL. ..........326
Prezzi, C., R. López, C. Vásquez y S. Marcomini.
MORFOESTRATIGRAFÍA URBANA A PARTIR DE MÉTODOS GEOFÍSICOS EN LA COSTA DE LA
CIUDAD AUTÓNOMA DE BUENOS AIRES Y ÁREA METROPOLITANA............................................................... 327
Rivelli, Felipe R. y E.M. Flores.
PROCESOS GRAVITACIONALES EN GOBERNADOR M. SOLÁ (DEPARTAMENTO ROSARIO DE
LERMA, PROVINCIA DE SALTA).................................................................................................................................. 327
Rocha, Tatiana dos Santos, Eliane Alves da Costa y José Antônio Baptista Neto.
ANÁLISE DOS SEDIMENTOS DE FUNDO DO COMPLEXO LAGUNAR DE JACAREPAGUÁ. . ......................... 328
Rodrigues, Suzan Waleska P. y Pedro Walfir Martins Souza Filho.
MAPA DO INDICE DE SENSIBILIDADE AMBIENTAL(ISA) A PARTIR DE IMAGENS LANDSAT-7
ETM+ E RADARSAT-1 WIDE DA BAÍA DO CAETÉ (PA) A BAÍA DE MARACAÇUMÉ (MA)............................... 328
San Martín, Bilal Paladini, Rafael Cámara Artigas y Pedro Costa Guedes Vianna.
VOÇOROCAS EN EL ASENTAMIENTO DOÑA ANTONIA (PARAIBA-BRASIL)..................................................... 329
Santos, Silvana de Covas y Liana Maria Barbosa.
EROSÃO COSTEIRA E A PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE MANGUE SECO, BA.............................................. 329
Sawakuchi, A.O., M.W. Blair, C.C.F. Guedes, R. DeWitt, P.C.F. Giannini y F.M. Faleiros.
OSL SENSITIVITY OF QUARTZ AS AN INDEX OF SEDIMENTARY REWORKING.............................................. 329
Schillizzi, R. y Luna, L.
NUEVAS ESTRUCTURAS DE DEFORMACIÓN EN LA FORMACIÓN RÍO NEGRO (MIOCENO TARDÍOPLIOCENO TEMPRANO)................................................................................................................................................ 330
Schossler, Venisse, Elírio E. Toldo Jr , Norberto Dani, Ildo Parnow y Francisco Eliseu Aquino.
MAPEAMENTO DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS COM TÉCNICAS DE
FOTOGRAMETRIA DIGITAL.......................................................................................................................................... 330
Schwindt, Miguel Angel y Mônica dos Santos Marçal.
ESTUDOS MORFOMÉTRICOS DA REDE DE DRENAGEM COMO SUBSÍDIO À AVALIAÇÃO DA
DISPONIBILIDADE HÍDRICA NA SUB-BACIA DO RIO SOBERBO (RIO DE JANEIRO-BRASIL)....................... 331
Silva, Iracema Reimão, Thiago Siqueira, André Papi y Aronildo Souza Oliveira.
AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE AMBIENTAL COMO SUBSÍDIO PARA A GESTÃO DAS PRAIAS
DAS ILHAS DE TINHARÉ E BOIPEBA, LITORAL SUL DO ESTADO DA BAHIA, BRASIL.................................. 332
36
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Silveira, Sandro Rios, Loreci Gislaine de Oliveira Lehugeur, Carla Maria Salgado Vidal Silva
y Maria Marlúcia Freitas Santiago.
ANÁLISE DE NUTRIENTES PRESENTES NA LAGUNA DE IGUAPE, MUNICÍPIO DE AQUIRAZ/CEARÁ....... 333
Soares, Geana Sousa y José Maria Landim Dominguez.
RISCO POTENCIAL DA PERDA DAS ZONAS ÚMIDAS NA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO ITAPICURU
NO LITORAL NORTE DO ESTADO DA BAHIA........................................................................................................... 333
Souza, Celia Regina de Gouveia, Jaime E. Badel Mogollón, F. de Araújo Pinto Sobrinho y D. do Santos Pereira.
SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DOS ECOSSISTEMAS DE PLANÍCIE COSTEIRA E BAIXA
ENCOSTA DO MUNICÍPIO DE BERTIOGA (SP): ANÁLISES PRELIMINARES....................................................... 334
Teles, Guilherme dos Santos, Liana Matos Rocha y Antonio Jorge Vasconcellos Garcia.
CONHECIMENTO GEOLÓGICO COMO FERRAMENTA DO MONITORAMENTO COSTEIRO E APOIO
AO USO E OCUPAÇÃO DO LITORAL: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DE SERGIPE, BRASIL...................... 335
Tognelli, Gabriel y Dora Ramos Bridón.
TRANSFORMACIÓN EN LA OCUPACIÓN DEL SUELO: IMPLICACIONES PARA LA SOSTENIBILIDAD........ 335
Tognelli, G., P. Morla y U. Hauría.
CARACTERISTICAS ESTRATIGRÁFICAS E HIDROGEOLÓGICAS A PARTIR DE PERFORACIONES
PARA EL ABASTECIMIENTO DE AGUA DE LA LOCALIDAD DE MERLO SAN LUIS, ARGENTINA. .............. 336
Umazano, Aldo M.
GENERACIÓN Y PRESERVACIÓN DE EVIDENCIAS DE SEDIMENTACIÓN EFÍMERA EN EL ARROYO
DE LA BARDA, LA PAMPA, ARGENTINA: IMPLICANCIAS PARA EL RECONOCIMIENTO DE SISTEMAS
FLUVIALES NO PERMANENTES EN EL REGISTRO GEOLÓGICO. . ..................................................................... 336
Villena, Hélio Heringer, Silvia Dias Pereira, Hernani A.F. Chaves e Marcelo Sperle Dias.
OSCILAÇÕES DE NÍVEL DO MAR NO HOLOCENO REGISTRADAS POR SISTEMAS DELTAICOS,
BAÍA DE SEPETIBA – RJ – BRASIL............................................................................................................................... 337
Vital, Saulo Roberto de Oliveira y Thyago de Almeida Silveira.
IDENTIFICAÇÃO, MAPEAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE DOLINAS NO SÍTIO URBANO DE JOÃO
PESSOA, PARAÍBA, BRASIL.......................................................................................................................................... 337
TEMAS GENERALES: PALEONTOLOGIA
Aguirre, Marina L., S.I Perez, E.A. Farinati y M. Charó.
VARIABILIDAD MORFOLÓGICA EN Mactra LINNÉ EN EL CUATERNARIO BONAERENSE........................ 339
Aguirre, Marina L., E.A. Farinati, G. Boretto y M. Charó.
GASTROPODA Y BIVALVIA CARACTERÍSTICOS DEL PLEISTOCENO Y HOLOCENO DEL ÁREA
COSTERA NORTE DE LA PROVINCIA DE RÍO NEGRO: ESTUDIOS PRELIMINARES........................................ 339
Aguirre, Marina L., S. Richiano, E.A. Farinati y E. Fucks.
COMPARACIÓN DE ASPECTOS TAFONÓMICOS Y PALEOECOLÓGICOS DE BIVALVOS DOMINANTES
EN DEPÓSITOS LITORALES DEL CUATERNARIO TARDÍO DEL NORESTE Y SUDESTE BONAERENSE
(ARGENTINA). ................................................................................................................................................................ 340
Batista, Daniele Silva, Claudia Gutterres Vilela, José Antonio Baptista Neto y Renato Olindo Ghiselli Junior.
BENTHIC FORAMINIFERA DISTRIBUTION IN RODRIGO DE FREITAS LAGOON (RIO DE JANEIRO,
BRAZIL): A RESPONSE TO ANTHROPOGENIC IMPACTS........................................................................................ 341
Bomfim Clarissa da Silva y Claudia Gutterres Vilela
CARACTERIZAÇÃO MICROPALEONTOLÓGICA DA LAGOA DE MARICÁ, RJ................................................... 342
da Silva, Fabiana Marinho, César F. C. Filgueiras, Alcina Magnólia Franca Barreto y Édison Vicente Oliveira.
MAMÍFEROS DO PLEISTOCENO SUPERIOR DE AFRÂNIO, PERNAMBUCO, NORDESTE DO BRASIL.......... 342
37
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
da Silva, Jorge Luiz Lopes.
RECONSTRUÇÃO PALEOAMBIENTAL BASEADA NO ESTUDO DE MAMÍFEROS PLEISTOCÊNICOS
DE MARAVILHA E POÇO DAS TRICHEIRAS, ALAGOAS NORDESTE DO BRASIL............................................. 343
Franco María Jimena y Mariana Brea.
PRIMER REGISTRO DE LEÑOS FÓSILES DE MORACEAE Y RUTACEAE DE LA FORMACIÓN
ITUZAINGÓ (PLIOCENO-PLEISTOCENO), TOMA VIEJA, PARANÁ, ARGENTINA.............................................. 343
Laut, V.M., C.T. Bassani, L.L.M. Laut, F.S. Silva, C. F. Barreto y R.S. Fernandes.
DISTRIBUIÇÃO DAS DIATOMÁCEAS (BACILLARIOPHYTA) NOS SEDIMENTOS SUPERFICIAIS DA
ENSEADA DE JURUJUBA, BAÍA DE GUANABARA, NITERÓI, RJ.......................................................................... 344
Miquel Sergio E. y Marina L. Aguirre.
CATÁLOGO DE LOS MOLUSCOS CUATERNARIOS FÓSILES TERRESTRES DE ARGENTINA......................... 344
Oliveira, Édison Vicente, Alcina M. Franca Barreto y Rosemberg da Silva Alves.
MAMÍFEROS FÓSSEIS DO QUATERNÁRIO DE FAZENDA NOVA, PERNAMBUCO, BRASIL............................. 345
Ribeiro, Ricardo da Costa e Ismar de Souza Carvalho.
DATAÇÕES HOLOCÊNICAS DE EREMOTHERIUM LAURILLARDI DE BAIXA GRANDE,
ESTADO DA BAHIA, BRASIL......................................................................................................................................... 345
Ubilla, M.
DISCUSIÓN DE EDADES ABSOLUTAS Y SIGNIFICACIÓN TEMPORAL DE LAS ASOCIACIONES
FAUNÍSTICAS ASOCIADAS, EN UN ESTUDIO DE CASO EN SEDIMENTOS CONTINENTALES DEL
NORTE DE URUGUAY (PLEISTOCENO TARDÍO). .................................................................................................... 346
Ubilla, M., A. Rinderknecht, E. Bostelmann y A. Rojas.
CTENOMYS CF. C. PEARSONI (RODENTIA, OCTODONTIDAE) IN THE HOLOCENE OF URUGUAY
(VILLA SORIANO FORMATION, SAN JOSÉ DEPARTMENT). ................................................................................. 346
Wilberger, Thièrs, Itamar Ivo Leipnitz, Carolina Jardim Leão y Fabricio Ferreira.
PALINOFORAMINÍFEROS RECUPERADOS EM SEDIMENTOS QUATERNÁRIOS DO DELTA DO RIO
DOCE, ESPÍRITO SANTO, BRASIL................................................................................................................................ 347
TEMAS GENERALES: ARQUEOLOGÍA
Melo, L.C.F. de, J.M. Landim Dominguez y G. Rambelli.
OS SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS FORMADOS POR RESTOS DE EMBARCAÇÕES NAUFRAGADAS NA
PLATAFORMA CONTINENTAL DE SALVADOR – BAHIA – BRASIL....................................................................... 348
38
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
CONFERENCIAS
Limnogeologia: decodificando ambientes pasados, actuales...
¿y futuros?
Daniel Ariztegui
Sección de Ciencias de la Tierra y del Medio Ambiente; Universidad de Ginebra, 13 rue des Maraichers, 1205 Ginebra,
Suiza. [email protected]
Los sedimentos lacustres son archivos ideales que registran cambios de variada magnitud en el medio ambiente a diferente
escala temporal. El Cuaternario es particularmente atractivo para el estudio de lagos ya que cuenta con buenos sistemas
de datacion que permiten el desarrollo de excelentes secuencias temporales contínuas. Pero además, las cuencas lacustres
actuales constituyen laboratorios naturales que permiten entender y luego interpretar in situ los procesos sedimentológicos
y biogeoquímicos que ocurren en la columna de agua así como también su ulterior registro en la secuencia sedimentaria.
Entender dichos procesos es fundamental en el establecimiento de “proxies” o indicadores que pueden ser luego aplicados a
diferentes registros de variada edad. La obtención de registros paleoambientales cubriendo determinadas áreas geográficas
y ventanas temporales permiten la validación de los resultados de modelos climáticos. Dicha validación permite a su vez
proponer diferentes escenarios ambientales de vital importancia en el marco del cambio climático actual. Se presentarán
los resultados de estudios recientes en diversos lagos patagónicos siguiendo la óptica descrita anteriormente utilizando
variadas herramientas de investigación. Desde la megaescala, a través de observaciones satelitales y su integración en los
modelos de sedimentación del lago, hasta micro y nano escalas para identificar la actividad microbiana y determinar, por
ejemplo, su rol en la precipitación de diferentes minerales. Variaciones en la composición de éstos últimos reflejan cambios
en las condiciones ambientales que pueden ser útiles en el estudio de las primeras formas de vida de nuestro planeta y
eventualmente de otros planetas a través de la exobiología o astrobiología.
PALEO-EL NIÑO RESEARCH IN SOUTH-AMERICA: FROM DOCUMENTARY HISTORICAL DATA TO
MARINE AND CONTINENTAL GEOLOGICAL RECORDS
Luc Ortlieb
LOCEAN UMR 7159 (IRD-CNRS-Univ. Paris 6-MNHN), Centre IRD France-Nord, 32 avenue Henri Varagnat, F-93143
Bondy cedex, France. [email protected]
The reconstruction of precisely dated occurrences of El Niño and La Niña events throughout the last centuries and millennia
remains an important objective for a better understanding of this major source of interannual climate variability and to
improve the predictability of future manifestations of El Niño. Deciphering the complex relationships between ENSO (El
Niño Southern Oscillation) and other modes of climate variability is essential for the climate modellers who attempt to
predict how will evolve the frequency and intensity of future El Niño events in a warmer globe. Paleoclimatologists are
thus requested to provide high-resolution archival data susceptible to enlighten former ENSO modes, during different time
periods, either warmer than at present, or colder than now, and under various insolation conditions. Since W. Quinn work, in
the eighties, based upon an analysis of historical chronicles and reports on climate anomalies observed during the last ~five
centuries in several South-America regions, many studies on different kinds of archives were dedicated to a refinement of
a consolidated sequence of former ENSO occurrences. This goal is not yet achieved, even for the last five centuries. One
of the unforeseen difficulties relates to changes in the teleconnection pattern of the ENSO manifestations through time.
This problem can be illustrated with evidence for a major change in the regional climate system within western SouthAmerica that occurred in the early nineteenth century. The compilation of written historical data on climate and ocean
anomalies led to establish that it is only since 1817 AD that El Niño events are characterized by rainfall excess both in
north-western Peru–south-western Ecuador, during summer times, and in central Chile during the preceding winter. From
~1530 to 1817 AD, episodic precipitation excesses reported in either region were apparently unrelated with meteorological
anomalies in the other area. This observation poses the problem of the reliability of the indicators of ENSO manifestations
39
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
in both regions. Independent high-resolution studies of sedimentary cores from the continental margin of northern Chile and
central Peru also show that a major environmental change occurred at ~1820 AD. This sudden regime shift, documented
by sedimentological, geochemical, phytoplanktonic, foraminiferal, and fish remain data, which depicts a regional-scale
alteration of the biogeochemical environment, is attributed to a regional hydrological change onshore and a northward
latitudinal shift of the inter-tropical convergence zone (Gutiérrez et al., 2009). These effects are possibly linked to the
end of the Little Ice Age, and may also have been triggered by the 1815 Tambora volcanic eruption which impacted the
global climate in 1816. Recent and on-going research on geological ENSO archives, both in the marine and continental
realms of South-America, will also be briefly reviewed. These studies which are carried on quite varied records, like
Andean ice cores, Brazilian corals, speleothems, lacustrine and marine varved sedimentary sequences, debris-floods and
coastal molluscs, have intrinsic limitations but may each concur to help to understand how ENSO manifestations varied in
Holocene and Pleistocene times. The oldest example will be illustrated by paleontological evidence (thermally anomalous
molluscan assemblages) from northern Chile coastal deposits which strongly suggest enhanced El Niño conditions during
the marine isotopic stage 11 (~400 ka).
LOS PRIMEROS Y LOS ÚLTIMOS CAZADORES Y RECOLECTORES DE
AMÉRICA DEL SUR
Gustavo Politis
Departamento Científico de Arqueología, Facultad de Ciencias Naturales y Museo, UNLP. CONICET-INCUAPA,
Facultad de Ciencias Sociales de la U NCPBA-; [email protected]
En esta conferencia se resumirán los recientes hallazgos arqueológicos en el Cono Sur de América del Sur,
relacionado a los primeros cazadores-recolectores que llegaron al continente a finales del Pleistoceno. Se
presentará nueva información y se discutirán algunos sitios arqueológicos controvertidos. Por otro lado, se
sintetizará la información sobre los cazadores-recolectores contemporáneos del continente, el otro extremo del
proceso de poblamiento de América. El objetivo de esta conferencia será mostrar la continuidad y el cambio de
los cazadores-recolectores de América del Sur, tratando de entender los componentes centrales de esto modo de
vida. También se pretende llamar la atención sobre los cazadores-recolectores actuales y la vigencia y ventajas
de este tipo de sociedades.
PAISAJES GONDWÁNICOS: SIGNIFICADO, DISTRIBUCIÓN, ORIGEN Y EDAD
Jorge Rabassa
Laboratorio de Cuaternario y Geomorfología, CADIC, 9410 Ushuaia, Argentina
El concepto de “Paisajes Gondwánicos” fue definido por Lester C. King (in: Fairbridge, 1968; p.483) en los siguientes
términos: “En todos los continentes, una superficie de planación cuspidal es a menudo evidente en las tierras altas… En
los continentes del Hemisferio Sur, es decir, el antiguo continente de Gondwana, este paisaje ancestral ha sido llamado la
superficie del Ciclo Gondwánico y su edad ha sido determinada como del Mesozoico tardío (localmente Jurásico o Cretácico).
Se trata de remanentes de superficies de erosión antiguas formados en el Mesozoico y que han sido identificados en muchas
regiones de todos los continentes, con la posible excepción de la Antártida, la cual está sepultada por una cubierta de
hielo, haciendo inaccesible la evidencia... El Paisaje Gondwánico fue desmembrado por la fragmentación de Gondwana…y
fue disectado inicialmente por valles del Cretácico, asignables al denominado Ciclo Post-Gondwánico (Cretácico) de
desarrollo del paisaje”. Se trata de superficies de planación, desarrolladas como “superficies geográficamente llanas que son
el producto terminal de todos los procesos de planación por erosión” (E. H. Brown, in: Fairbridge, 1968, p. 856). Aparecen
especialmente en los continentes del Hemisferio Sur y, en particular, en forma extensiva en Australia, África del Sur y
Sudamérica, con remanentes de estas mismas superficies en la India. Remanentes de superficies de características similares
han sido mencionados en Europa en forma muy fragmentaria (Suecia, España, Bélgica, Francia, etc.) y en el Medio-Oeste
40
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
de los Estados Unidos (Illinois, Arkansas, Iowa, etc.) al sur del límite exterior de las glaciaciones pleistocénicas. Se trata
en general de “superficies grabadas” (“etchplains”). Las “etchplains” son “formas de superficies de planación asociadas
con escudos cristalinos y otros macizos antiguos, que se han desarrollado bajo condiciones de clima tropical que generaron
una rápida descomposición química en las rocas más susceptibles, esencialmente por la acción de aguas subterráneas, lo
cual es seguido por procesos de lavado y reptación, que provocan la movilización de los materiales superficiales” (M. F.
Thomas, in: Fairbridge, 1968, p. 331). Estas superficies de planación pueden haber permanecido a menudo expuestas en
el paisaje sin ser cubiertas por sedimentos marinos a lo largo de periodos muy prolongados. Su génesis está vinculada a
paleoclimas extremadamente húmedos y cálidos, de carácter hiper-tropical, con suelos permanentemente saturados de agua,
o bien a climas paleomonzónicos, con fluctuaciones estacionales y cíclicas, desde extremadamente húmedo a muy seco. La
meteorización química profunda es el proceso geomorfológico dominante en las “etchplains”, con desarrollo de perfiles de
meteorización de enorme profundidad, quizás de hasta varios cientos de metros de espesor. Los productos de meteorización
resultantes son arcillas, en especial caolines, formación de duricostras ferruginosas (ferricretas) y silíceas (silcretas),
arenización del cuarzo y otras formas de la sílice, y eliminación total de los materiales más lábiles. Las condiciones de
génesis de estas superficies sólo pudieron ser alcanzadas en condiciones de estabilidad tectónica y climática extremas.
Trabajo citado en el texto
Fairbridge, R.W., 1968. The Encyclopedia of Geomorphology. Reinhold, New York.
COMPARISON OF NORTH AND SOUTH AMERICAN GLACIATIONS SINCE THE MIOCENE
Nat Rutter1
Dept. Earth and Atmospheric Sciences, University of Alberta, Edmonton,Canada T6G 2E3
This is the first time that a comparison has been made in any detail, between glaciations of North and South America. The
objectives are to explore which glaciations appear to be synchronous or non-synchronous in each continent, and to explain
why glaciations are not always represented during cold (glacial) periods on either continent. The glacial events are then
correlated to matching cold periods of the marine oxygen isotope and the Chinese loess/paleosol records. Stratigraphic
sections and deposits such as till, glaciofluvial, glaciolacustrine sediments,and geomorphic features such as moraines and
drumlins were used to identify and correlate glacial events. In addition, loess deposits of both continents aided in identifying
and correlating events. The major problems included incomplete sections, missing evidence, lack of high resolution absolute
dating material and frequent inability to temporally and spatially identify evidence for the same event. In North America, the
best evidence for past glaciations is in southeastern Alaska, the coastal mountains and Cordillera of northwestern Canada,
the Arctic Islands and the northern and central plains of North America. Dating methods utilized include radiocarbon,
radiometric dating of volcanics (K-Ar, Ar-Ar) and most importantly paleomagnetic polarity interpretation. In South America
the best glacial evidence is in the Patagonian Andes and forelands of Argentina and in the Bogota area of Colombia. Dates
are obtained mostly from K-Ar, Ar-Ar radiometric methods from interbebbed volcanics and tills, although radiocarbon and
paleomagnetic methods are also employed. Results of comparisons from pre-Quaternary glaciations are mixed. Absolute
dates are at a very low resolution. The only indication of synchronous glaciations is during MIS TG 20-22 (about 40504000 ka) when glacial marine sediments (Yakataga Fm) are correlated with unnamed glacial sediments from the Patagonian
Andes (No name II). There are no other glaciations in North America that we have identified that can be definitely called
pre-Quaternary. However, in South America there are at least three and possibly four events that have been identified. These
are No Name I (MIS T8: 5050 ka), Lago Viedma (MIS 2-4, 6: 3450-3350 ka), Lago Argentino (MIS KM 6, M2: 32503300 ka) and Rio Santa Cruz ? (MIS G10: 2800 ka). However, there was widespread glacial activity near the boundary of
the Gauss/Matuyama Chrons (MIS 100-104: 2600 ka) on both continents. In the Bogota area of Colombia, glaciofluvial
gravels (not named) are thought to be equivalent to the 1st Cordilleran-Horton glaciation in northern Canada. In the Early
Pleistocene (Matuyama Chron), the three oldest glaciations have rough equivalents on both continents. These include
seven unnamed advances in Patagonia to the Inlin Brook (2nd Cordilleran-Horton) in northern Canada (MIS 78 (50-80):
2100-1400 ka), an unnamed Patagonian event to the Abraham (3rd Cordilleran-Horton) (MIS 70-74: 1950-1900 ka) and the
most extensive glaciation in Argentina, The Great Patagonian Glaciation which has been equated to two glacial events in
Canada, the 1st and 2nd Rock Creek (4th and 5th Cordilleran-Keewatin) (MIS 30-32:1125- 1050 ka). The next glaciation
that is identified in Canada with no apparent equivalent in Argentina is called the 6th Cordilleran-Keewatin glaciation which
falls within the Jaramillo subchron (MIS 24-26?: 950-900 ka). In the Brunhes, there are three glaciations on each continent
41
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
that maybe broadly synchronous. In Argentina, the Post GPG I (Daniglacial) is equated to the Canadian 7th CordilleranKeewatin glaciation, perhaps late Matuyama (MIS20-22?: 900-880 ka) or early Brunhes (MIS 16-18: 780-650 ka), the
Post GPG II to the 8th Cordilleran-Keewatin (MIS 8-20(poor dating) MIS 12 likely): 800-250 ka), the Post GPG III to
the 8th Cordilleran-Keewatin glaciation (MIS 6: 150ka}.The best understood glacial event in both continents is the latest
Pleistocene (late Brunhes) or last major glaciation, where there is little doubt that the South American Andes I and II are
equal to the Wisconsin in North America (MIS 2-4,80-10 ka).The results of the comparisons of North and South American
glaciations are hampered by poor dating resolution and incomplete data. However, evidence indicates that some glaciations
are roughly synchronous, whereas others are not. An explanation of “why” will require a better understanding of the forcing
mechanisms involved, including the role of tectonism, ocean currents, atmospheric circulation and the astronomical theory,
to name a few.
This research is being carried on in cooperation with Jorge O. Rabassa, Andrea Coronato (CADIC-CONICET, Ushuaia,
Argentina), Karin Helmens (Stockholm University, Sweden) and Marcelo A. Zárate (CONICET and University of La
Pampa, Santa Rosa, Argentina).
1
CRONOLOGÍA Y EVOLUCIÓN CLIMÁTICA DEL CUATERNARIO DE LA REGIÓN PAMPEANA. UN
ENFOQUE PALEONTOLÓGICO
Eduardo P. Tonni
División Paleontología Vertebrados, Museo de La Plata, Paseo del Bosque s/n°, B1900FWA-La Plata, Argentina. CICPBA. [email protected]
La cronología de los sedimentos continentales del Pleistoceno y Holoceno en la Argentina, está fundamentada en las secciones
portadores de mamíferos que se encuentran en la provincia de Buenos Aires. Se propuso un esquema bioestratigráfico
basado en Zonas de Asociación (o alternativamente, Zonas de Intervalo) como base para una escala cronoestratigráfica local,
poniéndose a prueba su correlación con secciones extra pampeanas e, incluso, extracontinentales. El Pleistoceno comienza
con la Biozona de Mesotherium cristatum, base bioestratigráfica del Ensenadense. Coincide espacialmente con la Formación
Ensenada en el noreste de provincia de Buenos Aires, y con la Formación Miramar en el sudeste de la misma. Durante el
precedente Sanandresense (Biozona de Ctenomys chapadmalensis, Plioceno superior) y en los comienzos del Ensenadense
(ca. 1,8 Ma) se verifica un importante recambio faunístico, consistente en la extinción de linajes autóctonos, la retracción
de mamíferos adaptados a condiciones cálidas y húmedas, y los primeros registros de mamíferos adaptados a condiciones
frías y áridas o semiáridas. Estos eventos biogeográficos son coevos con avances glaciales en el sur de la Argentina.
En pleno Ensenadense se intensifica el recambio faunístico, verificándose los primeros registros de familias holárticos
como Cervidae, Ursidae, Tapiridae y Felidae, y de nuevas especies de clados autóctonos. En la parte del Ensenadense
correlacionable con el subcron C1r1n (ca. 0,98 Ma) se registran por última vez en la región pampeana, grandes mamíferos
indicadores de condiciones cálidas y húmedas. En el Ensenadense coevo con el C1r1r (<0,98 - >0,78 Ma) se registran
micromamíferos que indican condiciones frías y áridas. Probablemente el Ensenadense se extiende dentro de la zona de
polaridad normal (C1n, < 0,78 Ma), que comienza con indicadores litológicos compatibles con condiciones áridas y frías. El
Bonaerense está bioestratigráficamente fundamentado en la Biozona de Megatherium americanum; una biozona basada en
micromamíferos, la biozona de Ctenomys kraglievichi, se encuentra en la base de la de Megatherium americanum. El límite
inferior del Bonaerense coincide con la base de la Formación Buenos Aires en el noreste de la provincia de Buenos Aires.
Faunísticamente se caracteriza por la diversificación de los grupos de origen holártico y los primeros registros de algunos
taxones autóctonos. En la base de la unidad se encuentran sedimentos marinos costeros y mamíferos continentales indicadores
de condiciones subtropicales; tentativamente se correlaciona a la base del Bonaerense con el Piso isotópico 11 (ca. 0,40
Ma). El Lujanense está bioestratigráficamente basado en la Biozona de Equus (Amerhippus) neogaeus. El fósil guía E. (A.)
neogaeus está representado desde la base de la unidad, que corresponde a los sedimentos marinos costeros de la Formación
Pascua, coevos con el interglacial representado por el Subpiso isotópico 5e (128 ka AP, base del Pleistoceno superior). En
el tope del Lujanense se verifica la extinción todos los megamamíferos autóctonos y de varios taxones holárcticos. La base
del Platense, bioestratigráficamente fundamentado en la Biozona de Lagostomus maximus, coincide con la del Miembro Río
Salado de la Formación Luján e incluye en las divisorias a sedimentos eólicos. Se registran casi exclusivamente especies
vivientes de la fauna autóctona, excepto un cánido y algunas especies de megamamíferos cuyos últimos registros se ubican
42
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
en torno a 7000 años radiocarbono AP. En el Holoceno inferior (ca. 8 ka AP) se verifican condiciones áridas, con predominio
de fauna patagónica y central, mientras que ca. 7 ka AP comienza un evento cálido y húmedo representado por pedogénesis
y expansión de fauna subtropical. El clima continuó fluctuando en los milenios posteriores. En torno a 1300 AD se observa
la expansión hacia el sur de poblaciones de micromamíferos subtropicales; en algunos casos estas expansiones implicaron más
de 10° de latitud respecto a la actualidad. Especialmente durante los siglos XVIII y XIX en el actual territorio de la provincia
de Buenos Aires se verifica una marcada aridez. Fauna central y patagónica se registra en áreas actualmente por encima de
los 900 mm de precipitación media anual.
EL MARGEN OCCIDENTAL DEL ATLANTICO SUR, EVOLUCION TECTONICA, CUENCAS
SEDIMENTARIAS Y ACTUAL FISIOGRAFIA REGIONAL
Carlos María Urien
Urien & Asociados, E&P Consultores, Paraguay 609 –6 L- Buenos Aires. [email protected]
Esta presentación tiene por objetivo principal dar una visión evolutiva del margen continental occidental del Atlántico sur
y el análisis resultante de su evolución durante el Cuaternario. Es así que creo que una revisión de causas y efectos daría
un mejor entendimiento de esta región. En esta exposición se presenta una síntesis del trabajo de un equipo profesional
multidisciplinario, en curso desde ya más de una década. Se considera que en el Margen Continental Occidental Argentino
está contenida la suma histórica evolutiva del Gondwana Occidental, desde su formación resultante de la colisión de terrenos
alóctonos, la fragmentación del supercontinente y el nacimiento del Atlántico Sur. En la región sur del Cratón del Plata se
manifiestan los primeros pulsos tectónicos tensionales que instala un sistema de rifts con rumbo norte–sur, en una ambiente
de vulcanismo predominantemente riolítico, sobre el cual se forman la primeras cuencas sedimentarias Mesozoicas,
rellenas con secuencias Jurásico- Cretácicas y Terciarias. Este es un ámbito predominantemente tafrogénico, que cubre
enteramente la región Patagónica y Centro Oeste de Argentina, y se extiende, además, en lo que es en el presente el Mar
Epicontinental Argentino. Es así que entre la Placa Africana y Sur Americana existe una asimetría en la estructura y en el
relleno sedimentario de cada margen. Esto se manifiesta particularmente en la geometría de los lineamientos tectónicos,
la orientación de los aulacógenos, Salado y Colorado, perpendiculares al borde del continente, y los rifts elongados NS,
instalados al pie del margen continental. Este conjunto de elementos estructurales da una impronta muy particular en la
presente morfología del margen y explica el porqué de la extensión lateral del margen, en particular desde el sur de Brasil,
y el acomodamiento de las terrazas marginales, los cañones y conos submarinos. Los sedimentos en las cuencas syn-rift,
del borde continental, se caracterizan por sus facies no marinas, asociadas, además, con volcanismo básico que conforma
un basamento de transición continental-oceánico. En el talud inferior y elevación continental, la sísmica muestra un espeso
prisma sedimentario elongado cuya edad se estima comprendida entre el Cretácico Medio-Superior– Cenozoico, que se
acuña progresivamente hacia la corteza oceánica. En suma, es en esta región donde se hallan concentradas las secuencias
sedimentarias depositadas como resultado de la separación de África y Sudamérica, durante la fractura intercontinental
(fases rifts) y aquéllos de programación sedimentaria durante la migración de las placa Africana -Americana (fases “sag” y
“drift”). Desde hace 145 Ma. hasta el presente, los procesos sedimentarios y ambientales del Atlántico Sur son controlados
por cambios climáticos y fluctuaciones eustáticas. Paleo-plataformas, terrazas marinas, sistemas de cañones y conos
submarinos son restos morfológicos de este proceso. Datos sísmicos, perforaciones profundas marinas y testigos verticales
(“piston cores”) detectan sedimentos cretácicos y terciarios en zonas de cañones submarinos y elevaciones sedimentarias del
fondo marino, información que indica hay un cambio generalizado en la oceanografía durante el Cenozoico. La intensidad
de las corrientes geotrópicas, o de fondo, como el caso de la Corriente Antártica (AABC) y sus posibles interrupciones/
reactivaciones con pequeños pulsos, produce cambios (erosión/depositación) que exponen o cubren secuencias más
antiguas en las pendientes del continente y elevaciones submarinas. Finalmente las glaciaciones representan un importante
componente del flujo sedimentario en masa en cañones submarinos y canales, con la formación de conos submarinos y
sobre la elevación continental. Las grandes cuencas fluviales continentales han controlado la sedimentación cuaternaria y
remodelado bajo la acción de diversos mecanismos de flujos de fondo las formas del margen continental.
43
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
RESÚMENES
SIMPOSIO
Paleosuperficies en regiones cratónicas y Evolución del Paisaje en el largo plazo
Coordinadores:
Dr. Jorge Rabassa
Dr. Claudio Carignano
Dra. Marcela Cioccale
44
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ORIGEN DE LA PALEOSUPERFICIE DEL MACIZO NORPATAGÓNICO
Emilia Yolanda Aguilera1,2
UNLP- Facultad de Ciencias Naturales y MuseoDAIS- Dirección de Aplicación de Imágenes Satelitarias
E-mail: [email protected]
1
2
El paisaje del basamento del Macizo Norpatagónico constituye una unidad geomorfológica de magnitud regional. En
el análisis geomorfológico regional se ha reconocido una extensa paleosuperficie que ha sido denominada “Superficie
Gondwánica”. Los estudios realizados están orientados a la naturaleza de esta forma del relieve granítico y su estado de
degradación por la interacción de diversos procesos geomórficos (modelo poligénico). Se analiza la estructura y litología
integrada por rocas del basamento cuya relación con la geología global se vincula con el arco magmático Gondwánico, que
se extendió desde el Carbónico inferior a medio (334 m.a.) hasta el Jurásico (180 m.a.). Esta evolución magmática y los
movimientos asociados a dicho episodio produjeron un levantamiento de la corteza de esta región que expuso el paisaje
a una intensa erosión. Evidencias de campo indican que las rocas del basamento (magmáticas) han sido expuestas a un
prolongado e intenso proceso erosivo, donde la meteorización profunda ha sido el proceso de mayor relevancia generado
importante alteración (saprolito /regolito) bajo condiciones de estabilidad tectónica. La interacción entre la sucesión de
diferentes eventos climáticos en extensos periodos de tiempo (relieve policlimático), los procesos de alteración de la masa
rocosa, erosión y transporte del regolito son responsables de la morfogénesis superficial. El equilibrio entre los procesos de
alteración y de erosión a través de sus productos pone de manifiesto que condiciona la evolución del relieve. Esta particular
megaforma del relieve granítico, producto de la meteorización profunda, se interpreta como una superficie arrasada,
denominada de corrosión química o grabada (“etchplain”). La superficie muestra una exposición areal de alrededor de
20.000 km2. Es importante considerar que esta llanura no representa un aplanamiento perfecto, sino que se trata más bien
de una llanura ondulada y en ocasiones con elevaciones redondeadas, de escaso relieve altimétrico. En algunos sectores
restringidos la superficie ha sido parcialmente sepultada por los depósitos sedimentarios cretácicos y/o volcánicos y
reexpuestas posteriormente como superficies total o parcialmente exhumadas. Asociados a esta megaforma se encuentran
otras formas mayores y menores del relieve granítico. Respecto a las edades posibles de la superficie grabada (“etchplain”)
y los demás rasgos del paisaje granítico asociado, se ha efectuado una determinación relativa en base a la edad de las
rocas que aquélla corta (anteriores a la formación de la superficie) y las edades de las rocas que la cubren (más jóvenes
que la superficie). Por lo que se considera que esta superficie comenzó a formarse quizás en tiempos Permo-Triásicos y su
desarrollo culminó en tiempos Jurásico-Cretácico, constituyendo un relieve polícrono.
Palabras claves: paleosuperficie, relieve granítico, meteorización, superficie grabada, exhumación.
PALEOSUPERFICIE EN LAS VULCANITAS DE PASO DEL SAPO
Emilia Yolanda Aguilera1,2, Eugenio Aragón1, 3y Silvina Carretero1
Facultad de Ciencias Naturales y Museo- Universidad Nacional de La Plata
DAIS- Dirección de Aplicación de Imágenes Satelitarias, [email protected]
3
Centro de Investigaciones Geológicas, Calle 1 Nº 644 (1900) La Plata, Argentina, [email protected]
1
2
Los macizos del Deseado y Somon-Cura de Patagonia son cuerpos aflorantes de rocas del basamento y una de las provincias
silícicas más grandes del mundo con un volumen de 235.000 km3, según Pankhurst et al. (1998). Este volcanismo de edad
Jurásica media tiene una duración de 43 m.a., con una disminución regular de edades desde el ENE hacia el WSW de
Patagonia (Féraud et al., 1999). Precede la apertura del Océano Atlántico y corresponde a una amplia provincia extensional
que cubre una región continental de intraplaca. La mayoría de las características topográficas mesozoicas en ambos macizos
se relacionan con el volcanismo jurásico y un sistema de fractura del NE. No se establece ningún otro proceso orogénico
en los macizos hasta que comienza el vulcanismo del Cenozoico temprano. En tiempos Jurásico superior a Cretácico
tardío, el plateau ignimbrítico y los estratovolcanes del cinturón volcánico del vulcanismo patagónico del Mesozoico han
sido expuestos a un proceso erosivo que llevan a las superficies de los macizos a una superficie de planación (Aragón et
al., 2003). Los sedimentos del Cretácico tardío consisten en una delgada y dispersa capa, distribuida sobre esta superficie
45
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
de planación en el Macizo de Somon-Cura. Un remanente de esta superficie de planación sepultada se puede observar
entre Paso del Sapo y Piedra Parada, a lo largo del Río Chubut. Un cinturón de estratovolcanes de mediados del Jurásico
(Formación Alvar), integrada por lavas, autobrechas y diques andesíticos, se erosiona a una superficie subhorizontal plana,
en la que se conserva un manto de regolito producto de la alteración de las vulcanitas subyacentes y lo sobreyacen, en
discordancia, las areniscas cuarzosas de la Formación Paso del Sapo, del Cretácico superior. Esta relación estratigráfica
restringe la edad de la superficie de planación (Ollier, 1992) a los tiempos mesozoicos tardíos. Así, a esta superficie de
planación se la puede correlacionar con la superficie de planación gondwánica de King (1967). La tectónica del Terciario
temprano produce la exhumación de la superficie de planación sepultada en su propio regolito, reactivando superficies de
erosión y las pequeñas cuencas asociadas.
Palabras claves: macizos patagónicos, vulcanismo jurásico, proceso erosivo, superficies de planación.
LA ALTIPLANICIE NORPATAGÓNICA Y LA MESETA BASÁLTICA DE SOMÓN CURÁ
Eugenio Aragón, Yolanda E. Aguilera, Claudia E. Cavarozzi y A. Ribot
Facultad de Ciencias Naturales y Museo, Universidad Nacional de La Plata, 61 y 122, 1900 La Plata.
Por muchos años se ha considerado que la altiplanicie o meseta basáltica de Somón Curá en el borde oriental del Macizo
Norpatagónico, fue elaborada por un único proceso de inversión de relieve volcánico. Observaciones recientes permiten
aseverar que la generación de la altiplanicie Norpatagónica antecede a los derrames de las coladas basálticas de la meseta
de Somón Curá. Tomando como estrato guía a los depósitos marinos del Daniano-Maastrichtiano que cubrieron gran parte
de la superficie de planación (Cretácica) labrada sobre el Macizo Norpatagónico y regiones aledañas, se puede observar
que el sector del Macizo Norpatagónico comprendido entre los lineamientos del Gualicho, Limay, Gastre y Los Chacays,
con unos 100.000 km2 de superficie, se encuentra en la actualidad sobre-elevado unos 700 metros respecto de la topografía
del retroarco circundante, y a unos 1200 metros sobre el nivel del mar. Por otra parte, las coladas basálticas del OligocenoMioceno que cubren esta altiplanicie, caen a modo de cascadas (con desniveles de 400 metros en 20 kilómetros) en un sistema
de escalones por los límites sureste y noreste del Macizo, demostrando que dichas coladas descendían por paleo-valles que
se irradiaban desde la altiplanicie preexistente. La edad del levantamiento y formación de la altiplanicie Norpatagónica
queda restringida a haber ocurrido en algún momento posterior a la transgresión marina del Daniano-Maastricthiano y
anterior a los derrames basálticos del Oligoceno. La posición subhorizontal y falta total de deformación de los sedimentos
marinos del Daniano-Maastrichtiano sobre el Macizo, sumado a la tectónica extensional imperante en la región durante el
Paleógeno, permiten sospechar que el levantamiento del Macizo para constituir la altiplanicie fue una respuesta isostática.
PALEOGEOMORFOLOGÍA DE LA SIERRA DE OLTA, SIERRAS PAMPEANAS, LA RIOJA: SUPERFICIE
DE PLANACIÓN DEL DEVÓNICO(?) – CARBÓNICO INFERIOR (?) Y PALEOGEOFORMAS DE
GLACIACIÓN DE MONTAÑA DEL CARBÓNICO
Claudio Carignano1,2, Marcela Cioccale2,3, Jorge Rabassa1,4 y Betty Socha5
CONICET. 2 Universidad Nacional de Córdoba. 3 Universidad Nacional del Sur, Bahía Blanca. 4 CADIC y Universidad
Nacional de la Patagonia-San Juan Bosco, Ushuaia. 5 University of Wisconsin, Department of Geological Sciences,
Madison, U.S.A.
1
La Sierra de Olta se ubica en el sector oriental de la Provincia de La Rioja y forma parte del ámbito cratónico de las
Sierras Pampeanas, conformando el sector oriental de la Cuenca de Paganzo. Los glaciares cubrieron buena parte de
Gondwana durante el Paleozoico tardío, especialmente durante el Carbónico y Pérmico. El sector de las Sierras Pampeanas
correspondiente a la actual Sierra de Olta fue cubierta por glaciares de montaña durante el Carbónico, cuya evidencia
geomorfológica ha sido preservada en gran detalle, gracias a la particular historia geológica de esta región. Se han observado
depósitos de till de fondo y de ablación que integran morenas terminales de valle, con la presencia de secuencias de avance
y retroceso glaciario, así como otras sedimentitas glacigénicas correspondientes a ambientes glacifluviales y glacilacustres
en contacto con el hielo. Se han reconocido valles glaciarios principales y sus afluentes colgantes. Es posible reconstruir
46
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
aún hoy la posición de las paleoladeras de los valles glaciarios, así como estimar sus dimensiones y pendientes. Estos
depósitos glacigénicos se apoyan sobre granitos y rocas metamórficas del Ordovícico, los cuales componen la roca de base
pre-expansión glaciaria. En algunas localidades se ha observado el contacto basal, el cual presenta perfiles de meteorización
relictuales de edad pre-glacial, con la presencia de paleo-frentes de meteorización y rocas nucleares (“core-stones”). Las
morenas de valle están compuestas por gigantescos bloques de granitos del Ordovícico, de hasta varios metros de diámetro,
muy redondeados, de dimensiones muy similares entre sí y que tienden a ser fuertemente equidimensionales. Estos bloques
presentan características de redondeamiento y esfericidad que son poco habituales en sistemas glacigénicos normales.
En este caso, se interpreta que los bloques mencionados son en realidad rocas nucleares (“corestones”) pre-existentes,
pre-redondeadas por procesos de meteorización química, incorporados por el glaciar a su carga sedimentaria, los cuales
muy probablemente fueron transportados en su mayor parte en forma supraglacial y depositados en ambientes morénicos
terminales. La presencia de paleo-frentes de meteorización y rocas nucleares como los mencionados es sólo compatible con
la existencia de superficies de planación por meteorización química profunda, desarrollados en ambientes continentales,
bajo condiciones de clima cálido e hiperhúmedo, en el Devónico y/o Carbónico inferior. Estas condiciones paleoclimáticas
se habrían mantenido hasta el englazamiento de montaña regional del Carbónico, y más probablemente del Carbónico
medio a superior, cuando las paleosuperficies preexistentes fueron fuertemente erosionadas por la glaciación de montaña.
El paisaje de glaciación de montaña fue sepultado luego por la acumulación sedimentaria durante el Pérmico y quizás hasta
el Jurásico medio, cuando procesos de meteorización química profunda desarrollaron nuevamente superficies de planación
en el Jurásico tardío y Cretácico, cuyos remanentes coronan en la actualidad las serranías de la región. La denudación
subsiguiente durante el Cenozoico completó la exhumación de los paleorrelieves paleozoicos hasta alcanzar su disposición
actual.
EVOLUCIÓN GEOMORFOLÓGICA DE LAS SIERRAS CHICAS (CÓRDOBA, ARGENTINA: UNA VISIÓN
GONDWÁNICA
Marcela A. Cioccale1 y Claudio A. Carignano2
1
Universidad Nacional del Sur-Universidad Nacional de Córdoba; 2 CICTERRA-CONICET
Las Sierras Chicas, cordón occidental de las Sierras de Córdoba, constituyen un macizo antiguo situado entre dos grandes
ambientes geológicos y geomorfológicos contrapuestos: el Macizo Uruguayo-Brasilero al este y el Sistema Andino al
oeste. Esta situación intermedia le confiere características particulares donde conviven elementos del ambiente cratónico
y elementos correspondientes a estructuras modernas que responden a la dinámica andina. Las Sierras Chicas presentan
un conjunto de formas relícticas producto de una secuencia de eventos que se remontan al origen mismo de las sierras. La
geomorfología serrana responde fundamentalmente a las características litológicas, a los cambios climáticos sucedidos desde
finales del Paleozoico y a eventos tectónicos. Metodológicamente se siguieron dos corrientes de investigación relacionadas;
por un lado, se elaboró un sistema cartográfico-geomorforfológico y por otro, se desarrolló una secuencia temporal de los
diferentes eventos responsables de las formas actuales de las sierras.
El sistema cartográfico (mixto: mapas sintéticos y analíticos), elaborado a escalas sucesivamente mayores, permitió identificar
y clasificar las formas jerarquizándolas progresivamente hasta el rango de unidades geomorfológicas. El territorio estudiado
forma parte de la Región Geomorfológica Sierras Chicas de Córdoba, la cual está integrada por dos Sistemas. El Sistema
Pendiente Estructural de las Sierras Chicas (ladera oriental) integrado por 8 unidades geomorfológicas, donde se distinguen
dos elementos fundamentales: los relictos de una antigua superficie de erosión en su parte cumbral y un escarpe erosionado
que la limita. El Sistema Escarpe Residual de Falla (ladera occidental), integrado por dos Unidades geomorfológicas,
constituye uno de los rasgos morfológicos más sobresalientes y relativamente más modernos (Pleistoceno Superior) que
presentan las Sierras de Córdoba. Se trata de un escarpe compuesto que ha sufrido sucesivos eventos de alzamiento mientras
se desarrollaban intensos procesos erosivos. Esta circunstancia dificulta la determinación de una edad aproximada del
escarpe, pero de acuerdo a la morfología puede estimarse una edad del orden de 105-106 años. El modelo geomorfológico
evolutivo propuesto pretende explicar el origen de las principales formas del ambiente serrano a partir de un nuevo punto de
vista. Considerando a las sierras en el contexto de la evolución del continente de Gondwana en el Mesozoico y como parte
afectada y modificada por la orogenia andina durante el Cenozoico. En consecuencia, la historia geomorfológica muestra
los siguientes elementos temporales:
a) Tres ciclos tectónico-ígneos orogénicos (Proterozoico Superior -Devónico): estos eventos determinaron la litología
47
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
serrana y condicionaron a lo largo de toda la evolución de la sierra tanto los aspectos vinculados con la erosión diferencial,
como aquellos relacionados con la tectónica de fallamientos posteriores.
b) Un prolongado período de estabilidad tectónica durante el lapso comprendido entre el Paleozoico Superior y Jurásico.
Este episodio es el responsable de las superficies cumbrales de mayor altitud de las Sierras Grandes de Córdoba (Pampa
de Achala). Las evidencias de campo indican la formación de un extenso “etchplain”, bajo condiciones de climas cálidos
y húmedos.
c) Instalación de un sistema extensional durante el Cretácico, con el desarrollo de “rifting” vinculado con la apertura del
Océano Atlántico. Este evento produjo el desarrollo de pedimentos y escarpes, bajo condiciones climáticas áridas a
semi-áridas. Estos niveles fueron identificados en las Sierrras Chicas de Córdoba.
d) La inversión de las estructuras directas, producto de la reactivación tectónica andina de carácter compresivo, asociada
a movimientos tectónicos intraplacas a partir del Terciario (Plioceno). La tectónica andina es la responsable de la
formación de los escarpes de falla (ladera occidentales de las Sierras de Córdoba) y la inclinación de los niveles de
erosión antes mencionados.
PALEOSURFACES IN SOUTHEASTERN BRAZIL: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PLATEAU LANDFORM
EVOLUTION
Lylian Coltrinari
Programa de Pós-Graduação em Geografia Física, Departamento de Geografia/FFLCH/USP [email protected]
Until the 1990s, Cainozoic landform evolution in the Brazilian tropics was related to semi-arid episodes during Pleistocene
ice-ages and landscape evolution models considering only morphology and correlative deposits. Reassessment of Quaternary
chronologies, research on nature of morphogenetic processes and detailed landform and soils surveys led to reconsideration
of former models. Research conducted in the São José dos Campos plateau (São Paulo, SE Brazil) links weathering
mantles and latosolic pedogenesis to warm-humid environments. Under such environmental conditions rapid weathering
by chemical and biogeochemical processes plus leaching of mobile elements contribute to land surface lowering. Siliceous
karst features in the morphologic map of the São José dos Campos plateau indicate relationships between geochemical/
pedologic processes and landform evolution by etchplanation. The study area is located in the upper section of Taubaté
sedimentary basin (SW: 23°10’- 23°18’S, 44°55’W; NE: 23°05’-23°10’, 44°40’W), hosted in the central segment of the
Continental Rift of Southeastern Brazil (CRSB) and comprises a stretch of hilly landforms on the right margin of the
Paraiba-do-Sul river valley. Sub-horizontal summits (670-700 m a.s.l.), along the NW slope of Serra do Mar, are the best
preserved remnants of a Tertiary planation surface identified as Neogene by de Martonne. Narrower and lower interfluves
(560–650 m a.s.l.) occur downstream towards the regional base levels (550–540 m a.s.l.).
Depressions and other pseudo-karstic landforms evolved over Oligocene and Miocene quartz-kaolinitic sediments
interbedded with, and capped by, sandstones and pebble layers. Analysis of shape, size, and distribution of depressions
helped to identify (1) a SW compartment, where isolated active depressions and wide level interfluves predominate; (2) a
central section, with vegetated and/or flooded depressions linked by swampy valley bottoms (depressions complexes) along
minor fluvial systems lower reaches, and (3) a NE compartment, where small active depressions appear in the upper section
of small dambos. Morphological variations are probably related to lithological and/or tectonic discontinuities favoring
subterranean water circulation; variations in permeability of sedimentary beds are also considered. In conclusion we consider
that (1) regional extension of depressions and other karstic-type forms indicate the significance of geochemical processes in
the study area; (2) progressive lowering of interfluves from SW to NE suggests the degradation of the Tertiary paleosurface
probably by water table lowering to a regional base-level; (3) predominance of solution processes and restricted colluviation
give evidence of relationships between geochemical processes and landscape evolution, and considering that accumulation
of weathering or soil mantles originate an specific type of paleosurface suggest (5) the application of the etchplanation
concept to landform analysis in Brazil.
Key-words: Landform evolution; São José dos Campos plateau; Siliceous karst features; Paleosurfaces; Etchplanation
48
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
EVIDÊNCIAS DA EVOLUÇÃO QUATERNÁRIA DO RELEVO NUM SETOR DA BORDA LESTE DO
PLANALTO DA BORBOREMA, NORDESTE DO BRASIL: RESULTADOS INICIAIS
Hewerton Alves da Silva¹; Lucas Costa de Souza Cavalcanti¹; Daniel Rodrigues de Lira¹; Bruno de Azevedo Cavalcanti
Tavares¹; Ineida Romi Tavares Varela Carvalho; Dr. Antônio Carlos de Barros Corrêa¹
¹Universidade Federal de Pernambuco/Departamento de Ciências Geográficas; [email protected];
[email protected]; [email protected]; [email protected]; [email protected];
[email protected]
A presença de descontinuidades crustais reativadas exerce forte controle sobre a compartimentação geomorfológica do setor
oriental do nordeste do Brasil. Secundariamente, outros fatores também comandam a repartição morfoestrutural da região,
a saber: a ocorrência blocos subperpendiculares à costa e patamares estruturais paralelos à linha de costa, oscilações glácioeustáticas e variações mesorregionais no regime termopluviométrico. O objetivo deste trabalho foi o de reunir evidências
sobre a evolução geomorfológica ao longo do Quaternário de um setor da borda leste do Planalto da Borborema. A área de
estudo localiza-se no Nordeste Oriental do Brasil, entre as coordenadas em graus decimais: -7,51º/-7,61º/-34,95º/-35,08.
A metodologia baseou-se na modelagem numérica do terreno para extração de mapas de dissecação vertical, horizontal
e de paleosuperfícies envelopes. Também foram extraídos índices de Sinuosidade Parcial (SP) dos canais dos rios mais
expressivos no local, a saber: Tracunhaém e Capibaribe-mirim. Além disso, avaliaram-se características das formações
superficiais em campo através da elaboração de perfis aloestratigráficos e análise dos mapas de solos e geologia. A dissecação
vertical foi identificada por vetorização de planos de informação em ambiente de Sistemas de Informação de Geográfica
(SIG), a dissecação horizontal foi extraída a partir do cálculo da densidade da drenagem por célula. Os resultados gerais
encontrados indicam um controle estrutural sobre a evolução do relevo. Os valores de SP encontrados para os dois rios,
Tracunhaém e Capibaribe-mirim foram iguais (1,1) definindo uma feição retilínea para ambos os canais, indicando forte
controle estrutural e geométrico em virtude do alçamento do bloco sub-litorâneo. O modelo das dissecações fundamentou
a hipótese norteadora de que o relevo teria evoluído por rebaixamento contínuo dos níveis de base, favorecendo a incisão
fluvial e a multiplicação das cicatrizes denudacionais (dissecação horizontal). A distribuição das formações superficiais
parece corroborar a hipótese de soerguimento, com a presença de sesquióxidos de ferro em ambientes de meia encosta,
longe de seu local de ocorrência natural, os ambientes redoxomórficos derivados da oscilação de nível freático em baixa
encosta.
Palavras-chave: Mapeamento geomorfológico, Evolução do relevo, Controle estrutural.
MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E MORFOESTRATIGRÁFICO DA BACIA DO RIO MOXOTÓ,
NORDESTE DO BRASIL
Tiago Henrique de Oliveira1, Danielle Gomes da Silva2, Antonio Carlos de Barros Corrêa3, Josiclêda Domiciano
Galvíncio4
Graduando do Departamento de Ciências Geográficas - UFPE - [email protected]
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia - UFPE – [email protected]
3
Prof. Dr Adjunto do Departamento de Ciências Geográficas - UFPE - [email protected]
4
Profª. Drª. Adjunta do Departamento de Ciências Geográficas - UFPE - [email protected]
1
2
As formas de relevo constituem o objeto de estudo da geomorfologia e a relevância geográfica desse objeto se deve, por
ser o relevo, o assoalho sobre o qual se fixam as populações humanas e são desenvolvidas suas atividades. Sendo assim,
o entendimento de como projetar o comportamento dos processos geomórficos em uma seqüência espaço-temporal, e
atrelá-los às formas de relevo resultantes, tem procurado ir sempre mais adiante, buscando encontrar respostas para muitas
questões que possam explicar, por exemplo, como os processos se articulam entre si; como evoluem os grandes conjuntos
de relevo; qual o significado do relevo no contexto mesorregional e local; como interferir ou controlar o funcionamento dos
processos geomorfológico; e como conviver com os processos catastróficos recorrentes. No Quaternário, desenvolveu-se
muito do que hoje representa a superfície terrestre, no entanto, tal período no Nordeste brasileiro ainda não é suficientemente
49
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
conhecido, mormente no que se refere aos depósitos continentais. Desta forma, a análise geomorfológica dos ambientes
atuais constitui a base para a compreensão da seqüência evolutiva da paisagem no passado geológico recente. O trabalho
desenvolveu-se a partir da elaboração de cartas geomorfológicas a escala 1:50.000 da bacia do Rio Moxotó, Estado de
Pernambuco e Alagoas. As tipologias de formas foram definidas seguindo a metodologia preconizada para o mapeamento
geomorfológico de detalhe sugerido pela UGI (União Geográfica Internacional) pelo trabalho de Demek (1972, apud
Corrêa, 1997). O mapeamento buscou relacionar as morfoesculturas (modelados exógenos de formas de menor dimensão
associadas a uma ou mais estruturas) com os compartimentos morfoestruturais que lhes servem de suporte. Desta maneira
buscou-se compreender a influência dos controles morfoestruturais, principalmente, sobre os modelados de acumulação:
barramentos de alvéolos nas cabeceiras dos rios, plainos aluviais represados e depressões colmatadas estruturadas em áreas
de cruzamento de diversas redes de fraturas, etc. A área de estudo encontra-se quase que totalmente na porção central do
estado de Pernambuco e na parte oeste do estado de Alagoas, perfazendo uma área de aproximadamente 9.752,71 km2
(8.778,05 km2 no estado de Pernambuco e 974,66 km2 no estado de Alagoas). Fazendo parte da Bacia Hidrográfica do Rio
São Francisco, no estado de Pernambuco encontra-se inserida nas microrregiões do Sertão do Moxotó (predominantemente),
do Vale do Ipanema e de Itaparica. Os seguintes compartimentos geomorfológicos foram reconhecidos na área de estudo:
pedimentos rochosos com cobertura detrítica que se elevam de 250 m a 650 m, maciços residuais, relevos em cristas, encostas
coluvial em alvéolo de cabeceiras, encosta sem cobertura coluvionar e cimeiras a 700 metros. O mapeamento das feições
geomorfológicas da área da bacia do Moxotó foi de extrema importância para a localização e compreensão da distribuição
das propriedades espaciais dos registros de acumulação sedimentar recente em toda a sua extensão. Em função de seus
vínculos com a estruturação superficial da paisagem, estas unidades possivelmente foram elaboradas durante o Quaternário
tardio e encontram-se preservadas como relíquias de tal período por influência do clima semi-árido vigente. Sendo assim,
as paisagens geomorfológicas atuais são o resultado de diversas ações e inter-relações espaço-temporais, indicando
interdependência complexa entre os elementos que as compõe, e a necessidade de aprofundamento dos conhecimentos a
cerca da gênese e distribuição espacial das formas estudadas.
Palavras-chave: Mapeamento geomorfológico, Nordeste brasileiro, semi-árido, Quaternário.
GEOFORMAS EN ROCAS DEL BASAMENTO CRISTALINO EN CERROS DEL AREA DE LA CANTERA
TARTAGAL Y ALEDAÑOS (TANDIL, PROVINCIA DE BUENOS AIRES)
R. O. Gentile
Facultad de Ciencias Naturales y Museo, Universidad Nacional de La Plata, Argentina.
En los alrededores de la ciudad de Tandil las rocas del basamento cristalino ígneo – metamórfico de edad proterozoico
se integran por granitoides, metamorfitas y migmatitas con diques calcoalcalinos y tholeíticos (Dalla Salda et al., 2005).
Los granitoides se distribuyen en dos áreas preferenciales; una de ellas, de la cual forman parte los cerros considerados
se ubica a lo largo de una faja septentrional de rumbo este-oeste que tiene como centro la ciudad de Tandil. Dicha faja,
asociada a rocas miloníticas, se caracteriza por una gran variación composicional, entre tonalítica y granítica (Dalla Salda
et al., 2005). Parte de los cerros, desarrollados en un área cercana a los 4 km2 y ubicados a unos 11 km al O de la ciudad,
adquieren aspecto de domos (en ocasiones, nubbins) y asociados a ellos se desarrollan rasgos menores. Las rocas presentan
fracturas abiertas y cerradas de fuerte inclinación y otras aproximadamente paralelas a la superficie del terreno (fracturas
en laja). Estas últimas, a veces asociadas a otras de fuerte inclinación, han generado estructuras en laja de tamaño y forma
variables. Las venas desarrolladas (integrando distintos sistemas), suelen formar crestas de unos 5 cm de altura, producto
de su mayor resistencia, pudiendo limitar sectores deprimidos de rocas más fácilmente meteorizables. La actividad minera
ha expuesto zonas meteorizadas y rocas nucleares de unos 0,8 m – 1 m de diámetro. Rasgos con aspecto de pilares son
escasos, sin embargo un conjunto importante de bloques y bochones, algunos colgados, caracterizan parte del área. Son
comunes cuencas rocosas de variadas formas (cubeta, pozo, sillón, con voladizo) y dimensiones, carentes o con desarrollo
de vegetación y suelo, aisladas o asociadas a canales rocosos. Estos últimos presentan disposiciones cercanas a la horizontal
y a la vertical, dando lugar cuando están controlados por fracturas a kluftkarren. Algunos de los tafonis (conformando en
casos pequeñas cuevas) identificados afectan costados y base de bloques y parte inferior de domos. Las laderas cóncavas
(“flared slopes”) reconocidas se ubican en distintas posiciones topográficas y afectan costados de rasgos domáticos, cuencas
(tipo sillón), corredores y bloques. Las superficies corroídas se asocian a bloques, laderas cóncavas, costados de geoformas
domáticas y kluftkarren; presentan en general un tono claro y carencia (o desarrollo muy espaciado) de colonias liquénicas
50
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
y escamaciones, las que sí se desarrollan en gran parte de las superficies rocosas. Las tiendas (“A-tents”) no son comunes;
no obstante, en un sector se reconoció una pequeña (de unos 40 cm de largo y 6 cm de alto) afectando escamaciones
superficiales de unos 2-3 cm de espesor. Los movimientos en masa registrados incluyen el desplazamiento de estructuras en
lajas en laderas convexas y parte de bochones movilizados (bloques partidos o apartados) a lo largo de superficies de rotura.
Las laderas cóncavas indican fases de meteorización química subsuperficial seguidas de otras de erosión que condujeron al
rebajamiento del nivel del terreno. En sectores, la presencia de dichas laderas (algunas con superficies corroídas) ubicadas
topográficamente unas por sobre otras, permite inferir distintos momentos de exposición de los cuerpos rocosos. Otros
rasgos desarrollados subsuperficialmente e indicadores de exposición reciente tales como superficies corroídas han sido
descubiertos por procesos erosivos impulsados en parte probablemente por actividad humana. Una situación similar
de superficies corroídas expuestas se da en otros sectores del partido de Tandil con desarrollo de actividades agrícologanaderas y turísticas, a las que se le suman labores mineras efectuadas en el pasado. Los rasgos diferenciados son típicos
de regiones graníticas del mundo y reflejan en muchos casos el control ejercido por los sistemas de fracturas como vías para
la conducción del agua y meteorización y en otros la distinta susceptibilidad de los minerales a la meteorización química.
Muchas de las formas fueron iniciadas subsuperficialmente en el frente de meteorización y luego expuestas por erosión.
Distintos afloramientos de rocas granitoides en el Partido de Tandil muestran rasgos similares a los descriptos.
Trabajos citados en el texto
Dalla Salda, L., R. E. de Barrio, H. J. Etcheveste y R. R. Fernández, 2005. El Basamento de las Sierras de Tandilia. En: R. E.
de Barrio, R. O. Etcheverry, M. F. Caballé y E. Llambías (edit.): Geol. y Rec. Min. de la Prov. de Bs. As. Relatorio XVI Cong.
Geol. Arg., La Plata, 3: 31-50.
EVOLUCIÓN DEL PAISAJE DE LA MESETA BASÁLTICA EN LA ALTA CUENCA DEL RIO URUGUAY
Daniela M. Kröhling1, Martín H. Iriondo2, Ernesto Brunetto3y Gabriel Galina4
CONICET y Fac. de Ing. y Ciencias Hídricas (Univ. Nac. del Litoral). CC. 217, 3000 Santa Fe
CICyTTP-CONICET (Centro de Inv. Cient. y de Transf. Tecnol. a la Prod.),3105 Diamante
4
Facultad de Ing. y Ciencias Hídricas (Univ. Nac. del Litoral). CC. 217,3000 Santa Fe.
1,2
3
Se presentan los primeros resultados del estudio geomorfológico de detalle de la meseta basáltica en la región de la alta
cuenca del río Uruguay. El relevamiento consistió en numerosas observaciones de campo, en la fotointerpretación de
detalle y en la utilización de modelos digitales de elevación SRTM (NASA, con resolución espacial planimétrica de
90 m). Mediante el método de isobases (Grohmann et al., 2007; intersecciones entre corrientes encauzadas de similar
orden y curvas de nivel) se evaluaron diferentes ciclos de erosión. La superficie original de la meseta en Misiones ha sido
eliminada casi completamente por erosión areal en el Terciario. El mecanismo ha sido probablemente la formación y el
retroceso de pedimentos a lo largo de los valles fluviales. En su estudio sobre la evolución del paisaje en el S de Brasil,
King (1956) diferenció tres niveles generales del paisaje, superficies que fueron denominadas Sul-Americana, Velhas y
Paraguaçú. Este autor concluye que los procesos principales en la evolución morfológica de la meseta son el retroceso de
escarpas y pedimentación que produjeron un nivel subhorizontal o “superficie” en cada ciclo erosivo. Según King (1956),
cada superficie aplanada permanece virtualmente inalterada hasta que es alcanzada y destruida por la escarpa del ciclo de
erosión subsecuente, por debajo de la cual se desarrolla una peniplanicie del nuevo ciclo. La teoría de King es la teoría
más adecuada para explicar la evolución del paisaje de la alta cuenca. La superficie original de la meseta es considerada
aquí como equivalente “sensu lato” de la Superficie Sul-Americana de King (o pd3 de Bigarella et al., 1965) en sentido
morfológico y estratigráfico. Dicha superficie ha sufrido intensa meteorización física y química y persistente acción erosiva.
Los ciclos erosivos del Terciario superior y Cuaternario están representados por el entallamiento y apertura de valles, que
destruyeron la mayor parte del “planalto” y que ocupan casi todo el paisaje. Los relictos de la superficie original de la
meseta en Argentina están ubicados en el NE de Misiones (Bernardo de Yrigoyen), con cotas entre 700 y 800 m s.n.m.
Ésta se halla muy disectada por profundos valles fluviales en V, destacándose depresiones de 200 a 300 m de diámetro y de
5 a 10 m de profundidad, conteniendo turberas actuales. En el S de Brasil la superficie original de la meseta se encuentra
bien desarrollada en el área de cabeceras de la cuenca del Uruguay (subcuencas de los ríos Pelotas y Canoas). Dicha
superficie presenta, en el borde E, una cota máxima de 1200 m s.n.m. (junto a la gran escarpa erosiva de Serra Geral). Está
caracterizada por una superficie subhorizontal con algunas formas menores, con un relieve de pocas decenas de m. Existen
depresiones cerradas (dales) y valles someros con relleno de material fino cuaternario. Un segundo nivel, con cotas entre
51
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
300 y 400 m s.n.m. y que abarca un 35% de Misiones (denominado Sierra de Misiones, con características típicas entre
L.N. Alem y San Pedro y un relicto entre Apóstoles y L.N. Alem, llamado Sierra del Imán o Itacuara), ha sido labrado por
erosión areal durante el ciclo Velhas de King (o pd2 de Bigarella et al.). Esta superficie está extendida en la alta cuenca en
Brasil, representada por un paisaje de colinas suaves y de perfil convexo (coxilhas). La edad probable de esta superficie es
Terciario medio. La erosión cíclica pliocena está relacionada con el ciclo Paraguaçú de King (o pd1 de Bigarella et al.), una
fase de profunda incisión de valles y regresión de las principales escarpas de erosión. El río Uruguay fue el nivel de base de
este ciclo, que penetró en la cuenca en forma de valles, afectando la superficie Velhas. En el S de Misiones se formó durante
este ciclo la llamada Peniplanicie de Apóstoles (con cotas entre 140 y 180 m s.n.m).
Trabajos citados en el texto
Bigarella, J.; Mousinho, M. y J. Da Silva, 1965. Pediplanos, pedimentos e seus depósitos correlativos no Brasil. Boletim
Parananense de Geografía, 16-17: 117-151, Curitiba.
Grohmann, C.H., Riccomini, C. y Machado Alves, F., 2007. SRTM-based morphotectonic analysis of the Poços de Caldas
Alkaline Massif, southeastern Brazil. Computers & Geosciences, Elsevier Publ., 33; 10–19.
King, L., 1956. A Geomorfología do Brasil Oriental. Revista Brasileira de Geografía, 18(2): 147-265, Río de Janeiro.
PERFIS LATERÍTICOS, SILCRETES E DEPÓSITOS ASSOCIADOS ÀS SUPERFÍCIES DE CIMEIRA NAS
BORDAS DA BACIA SEDIMENTAR DO PARANÁ
Francisco Sergio Bernardes Ladeira
Departamento de Geografia/Instituto de Geociências/Unicamp, [email protected]
Tradicionalmente perfis de alteração foram empregados de maneira indistinta como evidência de superfícies geomorfológicas
de dimensões regionais. Em países como a Austrália, os perfis de alteração e paleossolos são utilizados para reconstituir
grandes paleosuperfícies, antigos sistemas de drenagem, correlações estratigráficas e concentração de alguns tipos de
minerais, especialmente os que se concentram em meio laterítico. O objetivo do trabalho foi o de realizar um levantamento
sistemático de superfícies de cimeira e materiais de alteração associados da porção norte da Bacia Sedimentar do Paraná
e verificar as possibilidades e limitações das correlações entre perfis de alteração e paleosuperfícies. Partiu-se da premissa
que vastas superfícies necessitam de muito tempo para sua evolução e que perfis de alteração lateríticos e silcretes espessos
evoluíram em poucos momentos na história geológica da Terra, necessitando características muito específicas para sua
evolução, além de grande estabilidade ambiental em termos climáticos e tectônicos. A associação entre perfis de alteração e
paleossolos e destes com as superfícies geomorfológicas pode efetivamente indicar momentos muito específicos do quadro
evolutivo geomorfológico, climático, pedológico e biótico da porção norte da Bacia Sedimentar do Paraná e permitir a
definição de marcos estratigráficos (temporais e ambientais) de escala regional. Os trabalhos envolveram os estados do
Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul, especificamente nas áreas mais elevadas das cuestas, que
regionalmente recebem os nomes de diferentes serras. Especificamente no sudoeste de Minas Gerais, trabalhou-se em áreas
do embasamento, entretanto nas proximidades do contato com a Bacia Sedimentar do Paraná. De maneira geral foram
encontrados, em todos os estados, depósitos Terciários nos topos mais elevados, correlativos com aqueles da Formação
Itaqueri, com grande variabilidade granulométrica, normalmente associados a perfis lateríticos, muitas vezes silicificados
e eventualmente soltos. Estes depósitos também estão presentes nas partes mais elevadas do embasamento, sobre xistos,
gnaisses e quartzitos. As associações encontradas entre perfis de alteração e paleosuperfícies de cimeira nas áreas analisadas
são: (a) perfis lateríticos bem desenvolvidos, sobrepostos a perfis de silcrete, com evidências de pedogênese anteriores a
silicificação, afetando depósitos terciários, observados sobre a Serra de São Pedro, Serra de Botucatu e Serra de Franca; (b)
perfis lateríticos sobrepostos a materiais silicificados (sem evidências de pedogênese), silicificação esta afetando depósitos
das Formações Botucatu e Marília, no norte do Mato Grosso do Sul e Sudoeste de Goiás e Triângulo Mineiro; (c) material
silicificado sem perfil laterítico sobreposto nas áreas de embasamento, nas regiões de São Sebastião do Paraíso (MG) e São
José do Rio Pardo (SP); (d) espessos depósitos de conglomerados sem evidências de silicificação ou ferruginização sobre a
Serra de Maracaju no sul de Mato Grosso do Sul.
Palavras-chave: paleosuperfícies, paleossolo, perfis de alteração, Bacia Sedimentar do Paraná.
52
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
PALEOSUPERFÍCIES: ESTUDO DE CASO DO PLANALTO DE POÇOS DE CALDAS SP/MG – BRASIL
Fernanda Aparecida Leonardi¹, Francisco Sérgio Bernardes Ladeira¹ e Marcilene dos Santos2
¹IG/UNICAMP – Campinas/SP – Brasil. 2FUMEM – Mococa/SP – Brasil. [email protected] [email protected]
br [email protected]
Este trabalho tem como objetivo principal correlacionar altimetria com os perfis bauxíticos no Planalto de Poços de Caldas/SPMG no intuito de identificar paleosuperfícies. Neste trabalho classificaram-se e mapearam-se os perfis bauxíticos encontrados
no Planalto sobre o MDE. Os perfis bauxíticos estão distribuídos nas bordas e no interior da área, em diferentes patamares
altimétricos do relevo. Podemos destacar na área três diferentes tipos de perfis bauxíticos: 1 - Perfis Bauxíticos de Serra que são
perfis bem evoluídos, com alto teor de alumínio, bastante espessos e estão localizados nas áreas de maiores altitudes do Planalto;
2 - Perfis Bauxíticos de Campo que são pouco espessos, muito argilosos e com teores menores de alumínio que os perfis de Serra,
normalmente aparecem nas porções mais baixas da paisagem; 3 - Perfis Bauxíticos Retrabalhados que ainda foram descritos
pela literatura consultada, caracterizados por fragmentos (cascalheiras) de bauxita compostos por materiais semelhantes aos
encontrados nos topos dos Perfis Bauxíticos de Serra e no de Campo. Depois de relacionados altimetria e os materiais constituintes
dos perfis bauxíticos notam-se que há ocorrências de Perfis Bauxíticos de Serra posicionados em altimetrias de Perfis de Campo e
Perfis Retrabalhados posicionados sobre Perfis de Serra, acima dos 1.400 metros de altitude. No sentido oposto encontramse topos
de mesma altimetria, onde poderiam se achar Perfis de Serra e o observado em campo são afloramentos rochosos, sem qualquer
evidência de perfis lateríticos. Conclui-se, portanto, que as cotas altimétricas, ao menos na área de Poços de Caldas, não são bons
referenciais para determinar paleosuperfícies. Estas paleosuperfícies encontram-se em diferentes altimetrias, no entanto, qualquer
interpretação sobre sua formação necessita de uma associação entre superfície e material de alteração associado.
ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO (MG)
Camila de Sousa Lima1, Antonio Carlos de Barros Corrêa2, Nádia Regina do Nascimento3
Graduanda do Curso de Bacharelado em Geografia / UFPE – [email protected]
Prof Adjunto do Departamento de Ciências Geográficas / UFPE – [email protected]
3
Profª.Drª. Adjunta da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho / Rio Claro - [email protected]
1
2
A Bacia Hidrográfica do Rio Preto (BHRP) está situada entre as coordenadas UTM 8026977 S e 7982433 S / 663989 W e 687030
W, na região centro-norte do Estado de Minas Gerais, aproximadamente à 30 km ENE da cidade de Diamantina. A nascente do Rio
Preto encontra-se nas áreas do Parque Estadual do Rio Preto, município de São Gonçalo do Rio Preto, administrado pelo Instituto
Estadual de Florestas (IEF). O Parque possui uma área de 10.755 hectares e abriga diversas nascentes, sendo a mais importante a
do Rio Preto, que é afluente do Rio Araçuaí, que por sua vez deságua no Rio Jequitinhonha. A área, o perímetro, a extensão do rio
principal, o comprimento axial da bacia do Rio Preto e as outras características morfométricas, enfatizando os índices de forma da
bacia, foram extraídas com o auxílio do programa ArcGis 9.2, que proporciona, em ambiente SIG, a caracterização da bacia por
meio de informações digitais espacializadas. As informações cartográficas, foram retiradas das cartas topográficas digitalizadas
na escala de 1:100.000 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). Com a análise do sistema de drenagem da
bacia, verificou-se que a mesma é de 5° ordem de acordo com a hierarquia de Strahler na escala de 1:100.000, o que demonstra
que a bacia possui um sistema de drenagem com ramificação significativa. A área de drenagem encontrada foi de 389,298648
km² e o perímetro da bacia foi de 136,913897 km. Devido às influências estruturais, como a presença de falhas e fraturas, a
forma da bacia do Rio Preto demonstra-se alongada e irregular e com uma drenagem que apresenta padrão dendrítico e paralelo.
Esses parâmetros podem ser comprovados através dos cálculos do coeficiente de compacidade e do fator de forma. O primeiro
foi estimado em 1,942961, o que implica em dizer que a bacia não é sujeita a enchentes em anos normais de precipitação, pelo
fato deste coeficiente se afastar da unidade, pois quanto mais próximo da unidade maior será a possibilidade de toda a área estar
contribuindo de uma só vez. Diante dos resultados obtidos, a BHRP, no seu estado natural, sem nenhuma interferência humana, é
pouco sujeita a enchentes, devido ao seu formato alongado revelado pelos índices referentes à forma da bacia. Por ser uma bacia
de 5° ordem, apresenta uma ramificação significativa e uma densidade de drenagem média, evidenciando uma maior dissecação
do relevo.
Palavras-Chave: Análise morfométrica; Forma da bacia hidrográfica; SIG, Serra do Espinhaço.
53
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE HACK – OU RDE – AO RIO TRACUNHAÉM, PERNAMBUCO, BRASIL
Kleython de Araújo Monteiro1, Ronaldo Missura2, Hewerton Alves da Silva3, Antonio Carlos de Barros Correa4
Mestrando em Geografia – UFPE. 2Doutorando em Geografia – UFPE. 3Graduando do Bachalerado em Geografia –
UFPE. 4Prof. Dr. Adjunto do Departamento de Ciências Geográficas da UFPE
1
A Geomorfologia utilizou-se durante muito tempo de análises morfológicas para o estudo evolutivo e interpretação das
formas de relevo. Métodos empíricos de observação em campo foram durante muito tempo as principais ferramentas
da compreensão dos processos morfogenéticos. Entretanto muitos métodos físico-matemáticos foram desenvolvidos e
utilizados por diversos autores principalmente a partir da década de 50 do século passado. Entre eles está o método proposto
por Hack (1957, 1973), chamado de Stream Lenght-Gradient Index (SL Index), conhecido também no Brasil como Relação
Declividade-Extensão do canal (RDE). Na pesquisa esse índice foi aplicado na área da Bacia do Rio Tracunhaém, integrante
da drenagem litorânea do Estado de Pernambuco. Neste trabalho o índice foi aplicado ao longo dos canais principais do Rio
Tracunhaém e do Rio Orobó; principal tributário do primeiro. Os dados utilizados para confecção do MDT (Modelo Digital
de Terreno) da bacia derivam de um recorte da carta SB-25-Y-C do projeto SRTM na escala de 1:250.000. Posteriormente
foi utilizado um método interpolador para geração das curvas de nível com intervalos de 50m, sendo este intervalo adequado
à escala utilizada. Foi gerado também um raster da drenagem compatível com a encontrada em escalas maiores (1:100.000
e 1:25.000). Em seguida o índice foi aplicado ao canal em trechos limitados pelas isoípsas de 50 m gerando uma tabela de
valores que forneceram gráficos demonstrando o perfil do canal, os valores de RDE e a identificação das zonas anômalas.
Com a aplicação deste método foi possível identificar zonas anômalas, determinando-se assim o local aproximado do
knickpoint da referida bacia. A partir desta identificação, o índice foi correlacionado com outras informações, uma delas
o esboço geológico da bacia onde não foi verificada variação litológica que justifique uma escarpa derivada da diferença
de dureza da rocha. Postula-se então que esta escarpa seja derivada de processos de falhamento ou de flexura da borda
continental.
Palavras-Chaves: índices morfométricos, bacia de drenagem, piemonte do Planalto da Borborema
EL LÍMITE ENTRE LAS FORMACIONES MERCEDES Y ASENCIO, URUGUAY
Héctor Morrás1, 2, Ofelia R. Tófalo1, Leda Sánchez-Bettucci4 y Pablo Pazos1,3
Depto. de Ciencias Geológicas, FCEN, UBA, Pabellón II, Ciudad Universitaria, 1428 Buenos Aires;
INTA-CIRN, Instituto de Suelos, 1682 Hurlingham, [email protected];3 Consejo Nacional de Investigaciones
Científicas y Técnicas (CONICET);4 Departamento de Geología y Paleontología, Universidad de la República,
Montevideo, Uruguay.
1
2
El límite entre las formaciones Mercedes (Cretácico superior) y Asencio (Eoceno) es objeto de controversias. Según Bossi
(1966), el contacto entre las mismas es concordante y transicional y divide a la última en los miembros Yapeyú (inferior) y
del Palacio (superior). El primero está constituido por areniscas finas y tiene nidadas de huevos de dinosaurios y el último
está compuesto por las mismas areniscas afectadas por importantes procesos de ferrificación (Bossi y Navarro, 1988).
Pazos et al. (1998) limitan la Fm. Asencio al Miembro del Palacio, ya que determinan una discontinuidad regional que
presenta abundantes indicadores edáficos, localizada en la base del mismo, a la que denominan Paleosuperficie Yapeyú.
La expresión morfológica de la misma varía regionalmente; puede presentarse subhorizontal y neta (Gruta del Palacio) o
suavemente irregular con venas y nódulos (cuenca del Arroyo Coquimbo). Los procesos de ferrificación son posteriores
a toda la sucesión y afectaron en profundidad hasta la discontinuidad, la que habría actuado como barrera geológica para
la migración en profundidad de soluciones. La Fm. Mercedes está constituida por sedimentitas fluviales posteriormente
calcretizadas y silcretizadas. La Fm. Asencio, muy rica en trazas fósiles de insectos, está integrada por sedimentitas
fluviales depositadas por canales de baja jerarquía, que sufrieron varios procesos de pedogénesis (Ultisoles) en clima cálido
y húmedo. A partir de los Ultisoles se formaron ferricretes durante lapsos de desecamiento prolongado, cuyo tope fue
desmantelado por rehidratación debido a fuerte incremento de las precipitaciones, lo que originó niveles nodulares. Estos se
interdigitan con los ferricretes y se repiten hasta 3 y 4 veces en el espesor total de la unidad (Bellosi et al., 2004). Nuevas
observaciones efectuadas en la ruta 2 a 2,5 km de su cruce con el Arroyo Vera, en sectores de la Cantera Espiga y en una
54
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
cantera abandonada en las afueras de Paysandú, muestran que el límite en cuestión adquiere una morfología diferente,
ondulada, con lenguas rojas ricas en hierro que penetran verticalmente por varios metros en materiales blanquecinos muy
meteorizados correspondientes a la Fm. Mercedes. Un perfil transversal a dichas lenguas permite observar que, desde la
roca meteorizada (Fm. Mercedes) hacia la zona central de las mismas, aumenta tanto el contenido de hierro como el de
material arcilloso. En ocasiones los materiales ferrificados se intercalan entre los blanquecinos y es notable la presencia de
relictos de estos últimos en el material rico en hierro. Los límites de las ondulaciones, que se extienden lateralmente hasta
algunas decenas de metros, pueden ser también rectos, lo que responde a la presencia de fisuras o pequeñas fallas de escaso
rechazo. Según estas evidencias, la porción basal de los materiales ferrificados, que fueron asignados a la Fm. Asencio,
serían en realidad el resultado de la meteorización de las rocas cretácicas de la Fm. Mercedes bajo condiciones de clima
tropical o subtropical. Como las evidencias icnológicas confirman que en algunas áreas ha habido apilamiento de suelos, la
génesis de la misma es compleja y compuesta y las morfologías deben ser integradas en el futuro.
Trabajos citados en el texto
Bellosi, E., M. González y J. Genise, 2004. Origen y desmantelamiento de lateritas paleógenas del sudoeste de Uruguay
(Formación Asencio). Rev. Museo Argentino de Ciencias Naturales 6, 1, 25-40.
Bossi, J., 1966. Geología del Uruguay. Colección Ciencias Nº 2. Departamento de Publicaciones Universidad de la
República, Montevideo, Uruguay, 464 pp.
Bossi, J. y Navarro, R., 1988. Geología del Uruguay. Departamento de Publicaciones, Universidad de la República, 2, 15,
761-809. Montevideo, Uruguay.
Pazos, P., Tófalo, O. R. y González, M., 1998. La Paleosuperficie Yapeyú: Significado estratigráfico y paleoambiental en la
evolución del Cretácico Superior del Uruguay. Actas II Congreso Uruguayo de Geología, 59-63. Punta del Este, Uruguay.
EVOLUCIÓN PALEOGEOGRÁFICA DE PATAGONIA Y DE LA ACTUAL PLATAFORMA SUBMARINA
DESDE EL ÚLTIMO MÁXIMO GLACIAL HASTA EL HOLOCENO TEMPRANO
J. F.Ponce1, J. Rabassa1,2 y A. Coronato1,2
CADIC-CONICET. Houssay 200, 9410 Ushuaia, Argentina,[email protected]
Universidad Nacional de la Patagonia-San Juan Bosco, Sede Ushuaia
1
2
La elaboración de un modelo digital de ascenso del nivel mar mediante la utilización del programa Global Mapper 8,
teniendo en cuenta la curva de ascenso del nivel del mar global propuesta por Fleming et al. (1998) desde el Ultimo
Máximo Glacial (UMG, ca. 24 ka A.P.; Rabassa, 2008) hasta la actualidad, permitió realizar una reconstrucción de la
evolución paleogeográfica de Patagonia y la actual plataforma submarina desde el UMG hasta el Holoceno temprano.
Durante el UMG el nivel del mar se posicionó entre 120 y 140 m por debajo de su nivel actual. De esta manera gran parte
de la plataforma submarina argentina quedó expuesta desarrollándose una enorme planicie a lo largo de la costa atlántica
de Pampa y Patagonia. Se ha estimado la superficie de esta planicie en un mínimo de 590.000 km2 desde la desembocadura
del actual Río de la Plata hasta su extremo sur en Isla de los Estados. El ancho de la planicie expuesta durante el UMG
variaba entre 490 km (en cercanías a la actual ciudad de Bahía Blanca, Provincia de Buenos Aires) y 100 km (en Península
Mitre, Isla Grande de Tierra del Fuego). Durante este mismo momento, las islas Gran Malvina y Soledad (Islas Malvinas)
conformaban una única isla con una superficie aproximada de 45.880 km2 (cuatro veces mayor a la superficie actual de
ambas islas). Esta isla se encontraba separada del resto del continente por un estrecho de apenas unos 220 km de ancho.
Esta separación debe haber sido mucho menor en glaciaciones anteriores. Al sur de las Islas Malvinas se habría desarrollado
otra isla, al quedar emergido parte del banco de Burkwood. Esta paleoisla tenía una superficie cercana a los 13.600 km2
y habría existido como tal por lo menos desde el comienzo del Estadío Isotópico de Oxígeno 2 (ca. 30-40 ka A.P.) hasta
aproximadamente 15.500 años cal. A.P. Siguiendo el modelo de evolución paleogeográfica, la extensión de la gran planicie
emergida al este de la actual costa atlántica argentina se habría reducido a la mitad de su superficie original hacia los
15.300 años cal. A.P., momento en el cual el nivel del mar se encontraba a ca. -90 m por debajo del actual. Hacia los 11.000
años cal. A.P. la planicie habría desaparecido casi por completo al este de Patagonia, quedando remanentes de extensión
significativa restringidos únicamente al este de la línea de costa actual de la provincia de Buenos Aires, en donde habría
perdurado hasta los 9.000 años A.P. El modelo también permitió estimar el momento en el cual se produjo la apertura del
Estrecho de Le Maire y la consecuente separación entre Isla de los Estados e Isla Grande de Tierra del Fuego, el cual se
habría producido aproximadamente a los 15.000 años cal. A.P. La separación de la Isla Grande de Tierra del Fuego del resto
55
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
del continente y la formación del actual estrecho de Magallanes habría ocurrido no antes de 10.200 años cal. A. P., cuando
el nivel del mar ascendió por encima de los -35 m. De la misma manera puede estimarse la fecha de la formación de los
golfos San Matías y San Jorge, y estimar la presencia de grandes lagos salinos o salobres a lo largo de la plataforma durante
el periodo considerado. La generación de este modelo de evolución paleogeográfica brinda nueva información para futuras
reconstrucciones paleoambientales y paleoclimáticas y será de gran utilidad para comprender las migraciones humanas y de
flora y fauna ocurridas a lo largo de Pampa y Patagonia durante el período Tardiglacial.
Trabajos citados en el texto
Fleming, K., Johnston, P., Zwartz, D., Yokoyama, Y., Lambeck, K., Chappell, J., 1998. Refining the eustatic sea-level
curve since the Last Glacial Maximum using far- and intermediate-field sites. Earth and Planetary Science Letters 163:
327–342.
Rabassa, J., 2008. Late Cenozoic glaciations of Patagonia and Tierra del Fuego. In: Rabassa, J., ed., “Late Cenozoic of
Patagonia and Tierra del Fuego”, Developments in Quaternary Science, vol. 11. Elsevier, Amsterdam.
PAISAJES GONDWÁNICOS IDENTIFICADOS EN ARGENTINA
Jorge Rabassa
Laboratorio de Cuaternario y Geomorfología, CADIC, 9410 Ushuaia, Tierra del Fuego, Argentina
Los Paisajes Gondwánicos fueron identificados en Argentina ya a comienzos del siglo 20, por J. Keidel y W. Penck, y
otros geólogos de las diferentes escuelas europeas que trabajaron en este país. Estos estudios continuaron con muy buen
desarrollo en el Brasil, gracias a los estudios de Lester C. King, continuados con fuerte intensidad por João José Bigarella
en las décadas de 1960 y 1970. Posteriormente, estos conceptos desaparecieron de la escena geológica argentina, dominada
ésta por la influencia de geomorfólogos estadounidenses, entre ellos W. D. Thornbury, quienes desconfiaban de la existencia
de geoformas de tanta antigüedad, cuando uno de los paradigmas de la época era que prácticamente no podía existir paisaje
anterior al Pleistoceno. Los Paisajes Gondwánicos están compuestos esencialmente por superficies de planación (“planation
surfaces”), superficies grabadas (“etchplains”) y pediplanicies (“pediplains”). El término “superficie de planación” es
de carácter descriptivo y no genético. Estas superficies pueden formarse por una variedad de procesos conducentes a la
generación de un paisaje de erosión como producto terminal, con gran extensión y escaso relieve relativo interno. Las
superficies grabadas son el resultado de procesos de meteorización química profunda, desarrollados en ambientes tectónica
y climáticamente muy estables, con paleoclimas de tipo hipertropical.
Las pediplanicies son el producto de la acción de evolución cíclica del paisaje como resultado del retroceso paralelo de la
escarpa de erosión y extensivos procesos de sedimentación. Los Paisajes Gondwánicos, sus remanentes o algunos de sus
elementos constitutivos han sido reconocidas en Argentina en las Sierras Pampeanas del Noroeste en Catamarca (Sierra de
Ancasti), La Rioja (Sierra de Olta, Sierra de los Llanos), las Sierras Chicas, Sierras Grandes y Sierra Norte de Córdoba, las
Sierras de San Luis, la Sierra del Pie de Palo (San Juan), el Bloque de la Sierra Pintada (Mendoza), las Sierras de Tandil,
la Sierra de la Ventana, la Sierra de Lihué Calel (La Pampa), el Macizo de Sañicó (Neuquén), el Macizo Norpatagónico
(Río Negro y Chubut) y el Macizo del Deseado (Santa Cruz). Es probable asimismo que remanentes de estas geoformas
aparezcan también en las Islas Malvinas.
Asimismo, no debe descartarse la presencia de estos paisajes en otros ámbitos de Argentina, donde podrían aparecer cubiertos
por sedimentos y rocas volcánicas. Las “etchplains” se reconocen en el campo por la presencia de perfiles de meteorización
profundos, desarrollo de frentes de meteorización, rocas nucleares (corestones), caolinización, arenización de cuarcitas,
cristales de cuarzo u otras formas de la sílice, exfoliación, presencia de regolitos y saprolitos, precipitación de duricostras
ferruginosas (ferricretas) y silíceas (silcretas), y formas relictuales del paisaje, tales como bornhardts, inselbergs, tors,
escarpas rocosas, taffonis, y diversas formas de erosión especialmente en las áreas dominadas por granitos. Las pediplanicies
Gondwánicas son superficies rocosas suavemente irregulares, a veces cubiertas por sedimentos pedemontanos, en las cuales
los inselbergs son muy frecuentes. Las edades estimadas para estos Paisajes Gondwánicos oscilan entre el Jurásico medio
a tardío y el Paleógeno. Las “etchplains” serían en general las más antiguas, del Jurásico y Cretácico temprano, cuando las
condiciones climáticas dominantes pudieron haber sido de tipo tropical o paleomonzónico. Las pediplanicies se habrían
desarrollado posteriormente, en el Cretácico tardío y Paleógeno.
56
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
PALEOSUPERFICIES E SEUS PRODUTOS DE INTEMPERISMO A Nível ECÔNOMICO: A ACUMULAÇÃO
DO COBRE NA REGIÃO DE ITAPEVA E RIBEIRÃO BRANCO, VALE DO RIBEIRA - SUDOESTE DE SÃO
PAULO - BRASIL
L.F.B. Ribeiro1 e M.C.S. Ribeiro2
NUCLEARGEO – Tecnologia Nuclear em Sist. Naturais & Pesquisa Mineral LTDA. Rio Claro – SP [email protected]
br. 2 Laboratório de Geoquímica Isotópica – IGCE/UNESP- Rio Claro – SP [email protected]
1
Na região sudoeste do estado de São Paulo (Brasil) duas paleosuperficies foram caracterizados a través do reconhecimento
das feições geomorfológicas, resultando na elaboração de um mapa de paleosuperficies. Nestas paleosuperfícies existem
duas ocorrências minerais de cobre (crisocolas e malaquita), as quais possuem grande associação com minerais lateríticos
(goethita e hematita). Foram reconhecidos em perfil acima destes níveis de paleosuperficies depósitos lateríticos que
evidenciam um provável rebaixamento da linha/nível de base e conseqüente soerguimento dos interfluvios. Este processo
de soerguimento juntamente com a ação erosiva do clima foi responsável pelo enriquecimento supérgeno e a formação de
minerais de alteração. Posteriormente, os reconhecimentos de lâminas petrográficas, mostraram nas ocorrências minerais
estudadas, duas fases de geração de minerais supérgenos, onde a primeira apresenta malaquita e a segunda crisocola e
malaquita subordinada. Tal fato representa a existência de duas fases de aplainamento, corroborando com os dois níveis
de paleosuperficies reconhecidos e mapeados na área. Análises futuras com o método dos traços de fissão e a sistemática
de (U-Th)\He poderão quantificar e datar este episódio de soerguimento e estimar a profundidade do depósito mineral de
enriquecimento supérgeno.
PALEOSURFACES WITHIN QUATERNARY DEPOSITS FROM CENTRAL ILLINOIS, UNITED STATES
Andrew J. Stumpf1, Chris P.Korose2 and Scott D. Elrick2
Quaternary Geology Section, Illinois State Geological Survey, Institute of Natural Resource Sustainability, University
of Illinois at Urbana-Champaign, 615 East Peabody Drive, Champaign, IL 61820, United States. [email protected]
edu. 2 Coal Section, Illinois State Geological Survey, Institute of Natural Resource Sustainability, University of Illinois at
Urbana-Champaign, 615 East Peabody Drive, Champaign, IL 61820, United States
1
Deposits of glacial and nonglacial sediment identified in central Illinois are remnants of three glacial cycles and intervening
erosional and pedological events that have occurred since the beginning of the Quaternary. These deposits compose
stratigraphic sequences with discrete bounding surfaces that can be traced across the region. The topography at the land
surface was formed by Wisconsinan glaciers and their associated meltwaters. Three periods of glacier advance have
deposited a series of arcuate or curving recessional and end moraines. Several major meltwater systems formed, and at a
few locations channels have eroded through the moraines. In the glacial lakes that were impounded behind some moraines,
the fine-grained sediment that was deposited now forms a nearly flat surface on the modern landscape. In some areas,
Wisconsinan deposits partially obscure older palimpsest topographies. These landscape elements are well defined by digital
elevation models developed from airborne LiDAR data. Glacial deposits of the Illinoian Stage overlie older sediment that
is infilling preglacial bedrock valleys and on the adjacent uplands. The upper surface of the sequence is clearly defined by
a well-developed paleosol that formed at the land surface during the Sangamon interglacial. Much of the sequence consists
of proglacial fluvial or lake sediment that often lies on a hard, sandy till. In some places, proglacial meltwaters have eroded
deep channels (>30 metres) into the underlying sediment. In these channels, thick deposits of sand and gravel accumulated
and directly overlie either lake sediment that was deposited at the bottom of the channels or Pre-Illinoian sediment. During
the Pre-Illinoian, glacial and nonglacial sediments were deposited during several major glacier advances and intervening
interglacial periods. A paleosol, often truncated, developed in Pre-Illinoian sediments during the Yarmouth interglacial. In
major valleys, such as the Mahomet-Teays Bedrock Valley, thick deposits of sand and gravel (>60 metres) accumulated
in front of advancing ice lobes. In tributary valleys, multiple tills are present, and portions of weakly-developed soils or
nonglacial organic-rich silt are preserved at their surfaces. The deepest tills contain a high proportion of fragments of the
57
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
local bedrock. Often, these deposits overlie either glacial lake sediment associated with the first major glacier advance into
the region or pre-glacial fossiliferous sand and diamicton (colluvium). The buried bedrock surface in central Illinois is a
product of repeated cycles of erosion by ice or water and sub-aerial weathering since the Pennsylvanian. This surface has a
topographic relief of up to 75 metres and the top metre is often weathered in-place. Pennsylvanian strata (shale-dominated,
with sandstones, coals, and thin limestones) are generally present along the major valleys, locally on bedrock highs and/or
near tributary valleys. Older units, mainly Mississippian through Silurian limestones outcrop on the bedrock surface as it
descends toward the valley centres—and along the structural trend of the bedrock rising over the LaSalle Anticlinorium from
the west, where the Pennsylvanian sediments have been eroded. Several major pre-Quaternary depositional (cyclothemic
sequences) and exposure surfaces have been identified in the upper 15 metres of the bedrock that locally are present at the
bedrock surface.
PALEOSUPERFICIES EN ÁREAS CRATÓNICAS DE SIERRAS PAMPEANAS OCCIDENTALES Y
EVOLUCIÓN DEL RELIEVE
Graciela M. Suvires
CONICET y Universidad Nacional de San Juan. Instituto de Geología. Gab. Geol. Ambiental. CUIM. Avda. Ignacio de
La Roza esq. Meglioli. J 5400 San Juan. Argentina. [email protected] Fax 0054 264 4265103.
Cinco niveles de paleosuperficies fueron determinados ubicados a los 3000, 2500-2400, 1900, 1500-1400 y entre los 1200 a
1000 m s.n.m., dispuestos en forma escalonada y aproximadamente concéntrica a la porción central de la sierra Pie de Palo.
Estas superficies disminuyen en edad a medida que descienden en altura, coexistiendo los relieves relictuales y exhumados.
Los megasistemas de fracturación de Valle Fértil (NNO), de Tulum (NNE) y de Salinas Grandes (ENE) juegan un rol
importante en la evolución de este relieve pampeano.
Palabras claves: Sierra Pie de Palo, Sistema Pampeano Occidental, San Juan, Argentina, Gondwana.
THE INFLUENCE OF DRAINAGE DENSITY IN THE INTERPRETATION OF GEOMORPHOLOGICAL
EVOLUTION OF THE TANQUES COMPLEX OF BREJO DA MADRE DE DEUS COUNTY, PERNAMBUCO,
NORTHEASTERN BRAZIL
Rhaissa Francisca Tavares de Melo1, Danielle Gomes da Silva2and Antonio Carlos de Barros Corrêa3
Graduanda do Departamento de Ciências Geográficas – UFPE ([email protected])
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia – UFPE ([email protected])
3
Prof. Dr. Departamento de Ciências Geográficas – UFPE ([email protected])
1
2
A morphometric analysis of patterns such as drainage density as related to various surface processes, acquires great
importance as a tool for analysis of the landscape, particularly for the identification of possible outbreaks of geomorphological
susceptibility. Thus, this work is the analysis of drainage patterns and calculation of morphometric indexes of the
hydrographic network from the city of Brejo da Madre de Deus and its surroundings. The municipality of Brejo da Madre de
Deus is located at the mid-eastern state of Pernambuco, that about 190 km from the city of Recife. The data for carrying out
the work were obtained from the Shuttle Radar Topography Mission images (SRTM) available through the site of NASA,
which come from the land surface topography data to each 90 x 90 m and altimetry accuracy of 1 m. The results showed
that the density of drainage appears to be quite variable in the area, which reflects the degree of surface permeability of the
formations that frame the landscape, and the techniques of morphometric analysis of the topography are of great value to
the analysis of morphogenesis of an area.
Keywords: Morphometric analysis, density drainage, weathering pits, the Borborema Plateau, Northeastern Brazil.
58
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
CONTRIBUIÇÃO DO ESTUDO DE PADRÕES DE CANAIS PARA A ELUCIDAÇÃO DA GÊNESE DA
PAISAGEM GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO CARIATÁ, PARAÍBA
CONTRIBUTION OF THE STUDY OF CHANNEL PATTERNS TO THE GENETIC STUDY OF THE CARIATÁ
GRABEN GEOMORPHOLOGY, PARAÍBA, BRAZIL
Bruno de Azevêdo Cavalcanti Tavares1, Cybele C. Silva de Miranda2, Antônio Carlos de Barros Corrêa3
Universidade Federal de Pernambuco [email protected] 2 [email protected]
3
[email protected]
1
The Paraíba river, and more specifically along the Cariatá Graben, in southeastern Paraíba, NE Brazil, which is the object of this
study, is a perennial stream with a dendritic drainage pattern. Being the subject of recent tectonics (neotectonics), as proposed
by Obruchev and Suguio (1999), the presence of faults and fractures along the course of the river main channel is observed
and it controls the river pattern morphology. Considering the complexity of fluvial systems, a river may display a succession
of distinct channel patterns. Several parameters are used to determine a particular channel pattern; therefore it was intended to
associate a certain number of techniques in order to propose a more accurate analysis of actual channel conditions. Based on
these techniques, the Paraiba river was divided in homogeneous reaches aiming at conducting the proposed analysis. This task
was accomplished by means of using several mapping software such as Autocad 2005 and ArcGis 9.2, as well as the digitalized
topographic map of the area at 1:100.000. Four homogeneous reaches were determined including the Mumbaba river, to the
east of the study area. Following the considerations put forward by Schumm (2000), a quantitative and qualitative assessment
of the reaches must be conducted in order to correctly identify channel patterns. According to this, the sinuosity index (Is) was
applied in association to channel geometry and morphology characterization. The rectilinear and sinuous patterns were found
within the reach of the Paraiba river that crosses the Cariatá graben, displaying that the channel is partly controlled by faults,
that were possibly reactivated in the late Neogene.
Keywords: Paraiba river, neotectonics, fluvial channel patterns.
LANDSCAPE RECONSTRUCTION OF NORTHERN PATAGONIA AND THE -SOUTHERN PAMPAS SINCE
THE LATE JURASSIC
Marcelo A.Zárate1 and Alicia Folguera2
INCITAP (Conicet-UNLPAM) Avenida Uruguay 151, 6300 Santa Rosa, La Pampa, [email protected] 2
Servicio Geológico Minero Argentino (SEGEMAR), Buenos Aires. Avenida Julio A. Roca 651, piso 10, Capital Federal,
[email protected]
1
The Northern Patagonian region comprises several morphostructural units including tectonic sedimentary basins (Colorado
basin, the Neuquén engulfment and the Macachín basin) and tectonic blocks (Northern Patagonian massif, “Positivo Bonaerense”, Las Mahuidas block). The geological and geomorphological evolution of the region in the late Jurassic is related to
the Gondwana fragmentation and the opening of the South Atlantic Ocean. The tectonic basins, interpreted as rift basins by
several authors, were subjected to several transgressions in the Cretaceous and the Cenozoic during which the areas of the
tectonic blocks remained emerged. During the intervals of marine transgressions the Northern Patagonian landscape can be
envisaged in general as emerged areas isolated or partially isolated (i.e. “Positivo Bonaerense”, Las Mahuidas Block, Northern Patagonian massif) by marine environments. The emerged continental areas consisted of planation surfaces and low relief
ranges (i.e Sierra de la Ventana, Lihue Calel) resulting from long-lasting denudation cycles, the first of which likely occurred
prior to the Gondwana break-up. Consequently, in these emerged areas no accommodation space for sediments was available
representing instead the source areas of sediments which were eroded and accumulated in the basins. During the intervening
periods between marine cycles, continental conditions dominated both in the tectonic basins and the blocks; hence, a continuous paleogeographic surface extended across the region with extensive depositional environments developed in the domains
of the tectonic basins. The last transgression is recorded in the Late Miocene (“Paranense sea”) resulting from Andean tectonic
activity when again the resulting landscape consisted of an archipelago-type region that lasted several million years. This was
followed by extensive continental deposition in the late Miocene with the development of a wide and relatively shallow foreland basin. Several aggradational surfaces spanning the late Miocene are present in the Colorado basin separating the present
fluvial basins of the Colorado and Negro rivers.
59
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
SIMPOSIO
Grandes ríos de América del Sur
Coordinadores
Dr. Edgardo Latrubesse
Dr. José Cândido Stevaux
60
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Estilos fluviais do Rio paraguai na borda noroeste do Pantanal mato-grossense,
centro-oeste do Brasil
Mario Luis Assine¹, Aguinaldo Silva ²
1. Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Departamento de Geologia Aplicada. Rio Claro-SP, Brasil. [email protected]
br. 2. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) - Departamento de Ciências do Ambiente. Corumbá-MS,
Brasil. [email protected]
O rio Paraguai apresenta diversos estilos fluviais em território brasileiro, conseqüência de percorrer domínios geológicos
e geomorfológicos com características peculiares. Fluindo de norte para sul, o rio Paraguai atravessa toda a planície do
Pantanal Mato-Grossense, onde é o rio-tronco de um complexo trato deposicional aluvial, resultante de evolução pautada
por variações climáticas e mudanças do nível de base que remontam ao Pleistoceno. Geoformas deposicionais e feições
erosivas impressas na paisagem são a base para a reconstituição da evolução geológico-geomorfológica. Neste trabalho, são
apresentados os resultados de estudo realizado na borda norte da planície do Pantanal, onde o rio Paraguai vem construindo
um megaleque fluvial desde o Pleistoceno. Antes da entrada na bacia sedimentar do Pantanal, o rio Paraguai já se apresenta
como um rio aluvial, caracterizado por agradação sedimentar num cinturão de meandros, que apresenta largura de cerca de
5 km e está embutido num vale inciso em depósitos aluviais mais antigos. Quando adentra no Pantanal, o rio passa a correr
para leste, devido a uma deflexão de 90º no seu curso, e sua planície deixa de ser confinada no que foi caracterizado como
o lobo deposicional atual do megaleque do Paraguai. O padrão de drenagem passa a ser distributário e o rio perde água para
a planície de inundação, não só conseqüência do extravasamento durante as cheias, mas também devido à existência de
pontos de rompimento de diques e de construção de leques de espraiamento. Geoformas deposicionais testemunham antigos
complexos de avulsão no lobo distributário atual, onde estão presentes vários canais abandonados, alguns ainda ativos
durante as cheias. Diminuição drástica no gradiente topográfico marca a base do leque, situada a jusante da confluência dos
dois canais principais que delineiam a ilha de Taiamã. Ao sair do megaleque, o rio Paraguai passa a fluir novamente para
sul e readquire padrão meandrante, cruzando larga planície pontuada por centenas de lagos, sazonalmente inundáveis, que
compõem a típica paisagem do Pantanal Mato-Grossense. Datações, realizadas pelo método de luminescência oticamente
estimulada (LOE), permitiram verificar idades holocênicas para depósitos do cinturão de meandros. Idades pleistocênicas
(de até 160.000 anos AP) foram obtidas para os depósitos aluviais mais antigos, nos quais o cinturão de meandros encontrase entrincheirado, indicando que a incisão que deu origem aos vales incisos ocorreu provavelmente no final do Pleistoceno,
possivelmente associada à queda do nível de base durante período de maior aridez prevalecente no Último Glacial Máximo.
(apoio: FAPESP 07/55987-3)
HYDRIC OPERATION OF THE SALINE LAKE OF THE MEIO IN THE PANTANAL OF NHECOLÂNDIA, MS
Vitor Matheus Bacani¹, Arnaldo Yoso Sakamoto¹, Laurent Barbiéro², Ailton Luchiari³, Edna Maria Facincani¹
1. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. 2. IRD-CEFIRSE, Indian Institute of Science
3. Universidade de São Paulo
The Pantanal of the Nhecolândia is a flood plain, consisting of a succession of rivers, bays, saline lakes, vazantes, corixos,
swamps, cordilherias, fields clean, dirty fields, forests and savannas. The climate of this sub-region is characterized by
high temperatures and the higher temperature ranges of the Brazilian territory, and the annual rainfall varies between 1000
and 1400 mm, with about 80% of the rainfall concentrated in summer, especially in December and January . Evaporation
is very high, exceeding the rainfall in the months of drought. The goal is to understand the local hydrological functioning
through the piezometer study the behavior of the landscape units (lagoon-cordilheira- saline lake), during the years 2001
and 2002. Were installed along a transect of 660 meters piezometer 9, covering the different units of landscape studied. It
was used to piezometer data, rainfall and the level of the saline lake, all the ten days, besides the calculation of the monthly
climatic water balance. There is a piezometer behavior differently for each environment. Under bathed it appears that
during the period that corresponds to the drought, the water migrated into the surrounding of the bay, and the rainy season
in the piezometer to its surroundings showed higher levels. Within the range, note that the processes are more intense and
evapotranspiration contribute to extract water from groundwater through the roots, since the canopy is more developed than
61
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
in other environments. As for saline lake, there is the existence of a relationship between the current water flows and salinity,
sub-surface flows which start from the ridge toward the saline lake, except for a few days of the year.
COMPORTAMIENTO DEL FLUJO DE SEDIMENTOS EN SUSPENSIÓN EN LA ALTA Y MEDIA CUENCA
DEL RÍO ARAGUAIA. GOIÁS. BRASIL
Maximiliano Bayer¹ y Edgardo M. Latrubesse²
1. Laboratorio de Geología y Geografía Física. Universidad Federal de Goiás.
2. University of Texas at Austin, Department of Geography and the Environment, Austin, TX, USA
La cuenca del río Araguaia se extiende por el Centro Oeste Brasilero abarcando una superficie de más de 300.000 km2.
Cubriendo parte del territorio de los Estados de Goiás, Mato Grosso, Tocantins y Pará representa el más importante sistema
fluvial del Cerrado, extendiéndose por áreas .que presentan características ambientales (clima, geología, relieve, suelos, uso
del suelo, etc.) muy diversas. En la región de la Alta cuenca del río Araguaia, particularmente en el sector Goiano fuertes
cambios en el uso y ocupación de la tierra, acontecidos a partir de 1970 con la instalación de grandes emprendimientos
agrícolas, ganadería intensiva y particularmente monocultivos (soja y caña de azúcar) afectaron de forma especial la calidad
y disponibilidad de los recursos hídricos de la región alterando entre otros factores hidrosedimentológicos, la cantidad de
sedimentos disponibles en el sistema. La respuesta del sistema fluvial en el intervalo de cuarenta años (1965-2005) se ve
reflejada en importantes cambios en varios parámetros morfométricos y elementos geomorfológicos de planicie (número de
islas y barras, índice de sinuosidad, relación entre el ancho y la profundidad, número de canales secundarios, entre otros).
Esta metamorfosis está controlada principalmente por la actuación de procesos sedimentarios, asociados principalmente al
almacenamiento de importantes volúmenes de sedimentos arenosos. En ese contexto de fuertes cambios, este trabajo aborda
la problemática relatando el resultado del análisis de un conjunto de parámetros hidro-sedimentológicos determinados
para las cuencas Alta y Media del Río Araguaia que permiten establecer criterios de ajuste al comportamiento del flujo
de sedimentos transportados en suspensión por el sistema fluvial. De esta forma varios aspectos físicos del área de aporte
y particularidades climáticas propias del Cerrado son relacionados a los resultados determinados para la distribución de
la carga en suspensión en los afluentes y la planicie aluvial durante un ciclo hidrológico. Así, el régimen pluviométrico,
marcadamente estacional, se constituye en el principal factor de control del flujo de sedimentos transportados en suspensión
en detrimento de otros factores como la geología, geomorfología o las características de los suelos de las áreas de aporte.
Los nuevos datos permiten otorgarle un importante papel a la planicie aluvial como área fuente de sedimentos finos a
través de una intensa removilización del material de las márgenes del canal. El retrabajo de los materiales promueve el
reemplazo continuo y gradual de las Unidades más antiguas de la planicie, compuestas por sedimentos predominantemente
finos y con una espesa cobertura vegetal, por grandes acumulaciones de barras de arenas que se acrecionan lateralmente
a la planicie. Delante de este escenario de cambios acelerados, estos datos adquieren mayor relevancia, debido a que esta
situación ejemplifica la rápida respuesta del sistema fluvial ante las profundos cambios detonados por la intensa ocupación
y desforestación en áreas tropicales.
A PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS DO RIO JEQUITINHONHA, BRASIL, E SUA CONTRIBUIÇÃO NA
CONSTRUÇÃO DA PLANÍCIE COSTEIRA ASSOCIADA A SUA FOZ
Juliana Maria da Silva Bernal¹ , José Maria Landim Dominguez¹
1. Universidade Federal da Bahia (UFBA) [email protected]
A Bacia Hidrográfica do Rio Jequitinhonha – BHRJ possui uma área de aproximadamente 73.597 km2, que abrange grande
parte do nordeste do Estado de Minas Gerais e um pequeno setor do sudeste do Estado da Bahia. O rio Jequitinhonha
nasce na Serra do Espinhaço, a sul da cidade de Diamantina, Estado de Minas Gerais, a uma altitude aproximada de
1.260 m, e deságua no Oceano Atlântico, no município de Belmonte, sul do Estado da Bahia. Uma planície costeira, com
aproximadamente 800 km2, está associada à desembocadura deste rio. O presente trabalho tem como objetivo, avaliar a
contribuição do aporte fluvial de sedimentos da BHRJ na construção da planície costeira associada à sua foz. A planície
62
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
costeira do rio Jequitinhonha apresenta depósitos com idades que variam do Pleistoceno até os dias atuais, e constitui um
delta modificado pela ação de ondas. A produção de sedimentos para os usos da terra atuais foi calculada através da aplicação
da Equação Universal de Perda do Solo – EUPS. Os resultados obtidos foram comparados aos dados da série histórica de
vazão líquida e de sedimentos da estação Jacinto (cód. 54780000) para os anos de 1971 a 2007, para uma melhor acurácia.
A produção de sedimentos foi também modelada para um cenário de cobertura vegetal original a fim de se estimar o impacto
das mudanças no uso da terra na descarga sólida. Em uma segunda etapa, foi realizado o cálculo do volume de sedimentos
quaternários depositados na planície nos últimos 2500 anos AP, o volume calculado foi de 1,04 x 109 m3. A descarga sólida
de sedimentos na BHRJ obtido pela aplicação da EUPS e calibrado com as medições da estação Jacinto é de 27 x 106 t/
ano. Na simulação para o cenário de cobertura vegetal original esta descarga foi de 1 x 106 t/ano. Considerando-se que a
carga de leito corresponde a 26% da descarga total, e convertendo-se os valores obtidos para volume (m3), o aporte de
sedimentos atual equivale a 3,7 x 106 m3/ano e o aporte de sedimentos para o cenário com vegetação original foi de 140 x
103 m3/ano. Nos últimos 2500 anos acumularam-se na planície costeira 1,04 x 109m3 de sedimentos arenosos e cascalhosos.
Neste período o rio Jequitinhonha tem aportado para a zona costeira um volume de sedimentos equivalente. Isto sugere que
durante os últimos 2500 anos o abaixamento do nível do mar não teve importância para a progradação da linha de costa.
CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA EM UMA PORÇÃO DO RIO SÃO
FRANCISCO, DESDE PENEDO-AL ATÉ A FOZ.
Diego D’Avila Beserra1, Werner Fakatt Tabosa1,2,3, Helenice Vital1,2;4, José Maria Landim Dominguez4;5 e Karl Stattegger6
Departamento de Geologia – UFRN/ PRH-ANP 22 ([email protected]).
Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofisica/UFRN.
3
Bolsista DTI2 – CNPq ([email protected])
4
Pesquisador – CNPq ([email protected]). 5 Instituto de Geociências – UFBA . 6 Christian Albrechts Universität
zu Kiel – Alemanha
1
2
O Rio São Francisco, localizado no Nordeste do Brasil, drena uma área de aproximadamente 641.000 km². Nascendo na
Serra das Canastras – MG e desembocando no Oceano Atlântico, entre os Estados de Sergipe e Alagoas, o São Francisco
é o maior rio que se encontra totalmente em terras brasileiras. Este rio é utilizado para o turismo, transporte de pessoas
e mercadorias, irrigação, pesca, geração de energia, além de abastecer as comunidades que vivem nas suas margens e
utilizam suas águas no dia-a-dia. Geologicamente está inserido na Bacia Sergipe-Alagoas, que possui a maior sucessão
sedimentar da costa leste brasileira. Levantamentos sonográficos foram realizados neste rio, desde a cidade de Penedo – AL
até a foz com o intuito de se caracterizar as formas de fundo e composição associada. Para isso, foi utilizado um sonar de
varredura lateral, operando a uma freqüência de 100Khz, com um range de 50m para cada lado. Juntamente com os registros
sonográficos foram feitas amostragens de sedimento, utilizando uma draga do tipo Van Veen, para que pudesse comparar
o tipo de material do fundo com os registros observados pelo sonar. Os dados obtidos permitiram identificar estruturas de
formas de leito em diferentes escalas, como dunas subaquosas e ripples, diferentes tipos de fundo, desde substratos lamosos
até arenosos, bem como uma porção com fundo rochoso.
GEOMORPHOLOGICAL CHARACTERISTICS OF THE ANASTOMOSIC SYSTEM OF THE MEDIUM
COURSE OF THE APURE RIVER, VENEZUELAN FLOOD PLAINS
Maximiliano Bezada
Instituto Pedagógico de Caracas, Departamento de Ciencias de la Tierra. Núcleo de Investigación del Medio Físico
Venezolano
The medium course of the Apure River is characterized by being an anastomosic system conformed by multiple interconnected
channels and separated by island cut in the Pleistocene clayey substrate of an old flood plain, which have sizes relatively
bigger than the channels. In this region, the river presents spectacular evidences of paleochannels. Here were analyzed the
geomorphological and sedimentary characteristics of the different recent deposit environment of this system. In addition,
it was analyzed the multi temporal variation of the changes in the geomorphology dynamic of the channel pattern during
63
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
the last 50 years. In this sense, the sediment’s characteristics such as grain, texture and morphology were determined. The
characterization of the deposit environments was completed with the interpretation of areal photographs, rise photo maps,
landsat images and topographic maps in different scales and years, from which was elaborated the geomorphological map
of the area. The results indicate that the maximum margin movements of some areas evidence advances of up to 200 meters
approximately between 1948 and 1997, while in other zones they are characterized by a minimum migration of the channel.
Nevertheless, it is possible to think in this multi temporary analysis of the study area that covers approximately 65 km2,
that the degree of instability of the anostomosic system of the area is slightly significant and it’s necessary to specify that
modifications of the riverbed were observed only in the extreme zones of this fluvial system where one of the two margins
are built on recent sandy substrates. The actual stability observed, obeys to the characteristic of geological substrate where
the channels of this anastomosic system are installed.
ÍNDICE DE FRAGILIDADE AMBIENTAL DAS MARGENS DO RIO CAPIBARIBE NO TRECHO QUE
CORTA A CIDADE DE SÃO LOURENÇO DA MATA – PE
Cláudio José Cabral1, Jeissy Conceição Bezerra da Silva2.
1 – Curso de Pós-Graduação em Geociências; 2 – Curso de Graduação em Geografia. Universidade
Federal de Pernambuco. [email protected], [email protected]
O mundo hoje vive em uma busca incessante por novas formas de uso e ocupação do solo, para assim garantir a conservação
dos diversos ambientes naturais. Atualmente, com o advento de novas tecnologias e metodologias de análise, as ciências
“modernas” vêm trabalhando de modo mais específico as questões ligadas ao meio ambiente. Os processos de degradação
ambiental vêm sendo estudados em todo o mundo, sob diversas ópticas e especializações. Esse tipo de estudo segue uma
nova tendência de apropriação e desenvolvimento de técnicas de uso sustentável dos recursos, buscando a mitigação das
conseqüentes agressões ao espaço natural. Outro aspecto muito importante desse contexto deve ser levado em consideração,
à degradação ambiental é, por definição, um grave problema social. Diante disso, ao analisar processos físicos,
desencadeados em áreas degradadas, o estudo deve levar em consideração os critérios sociais que os desencadearam ou
aceleraram (GUERRA et al 2005). Pensando neta condição de instabilidade ambiental, nota-se uma necessidade de tentar
remediar a degradação que afeta os vales fluviais, que ao longo dos tempos foram áreas procuradas pelos indivíduos para o
estabelecimento de residência, devido à disponibilidade de água e outros recursos importantes a sobrevivência humana. O
rio Capibaribe, canal de drenagem de caráter predominantemente meandrante, nasce no município de Jataúba, localizado na
região fitogeográfica do Agreste, cortando vários municípios do estado de Pernambuco, entre eles São Lourenço da Mata,
área de estudo. E ao longo do seu curso sofre diversos problemas de agressão ambiental, sobretudo no que diz respeito a
processos geológico/geomorfológicos e morfodinâmicos, onde a erosão das vertentes se mostra bastante evidente, devido
à ocupação desordenada de suas margens e fragilidade da litologia em estágio avançado de alteração, acarretando outros
fenômenos geológicos, como por exemplo, assoreamento do canal. Assoreamento, de acordo com Guerra (2005), diz respeito
aos processos geomorfológicos de deposição de sedimentos, ex. fluvial, eólico ou marinho. Nesta pesquisa será aplicada
uma adaptação de duas Metodologias de análise ambiental. A primeira foi a abordagem ecodinâmica de Jean Tricart (1977),
analisando a estabilidade e instabilidade ambiental, classificando-as em estável, instável moderada, instável atenuada e
fortemente instável, numa adequação aos índices estabelecidos pelo autor, estável, intergrade e instável. A segunda foi a
análise da fragilidade ambiental proposta por Jurandyr Ross (2004), classificando o ambiente entre pouco frágil e muito
frágil através da classificação numérica de 4 variáveis, dissecação do relevo, vegetação, solo e pluviosidade, aplicando o
modelo de fragilidade baseado na dissecação do relevo. Para realização desta pesquisa será percorrido e georreferenciado
todo o curso do rio Capibaribe que corta a cidade de São Lourenço da Mata, aplicando o modelo de fragilidade ambiental e
análise ecodinâmica em pontos com eqüidistância de 0,5 km, estabelecendo média individual para todo trecho percorrido.
Fazendo um levantamento do atual quadro de degradação ambiental das margens desse rio e do potencial econômico
do próprio canal, inclusive como via de transporte, outrora observado. Com isso busca fazer uma análise do estágio de
degradação ambiental neste trecho do rio Capibaribe, baseado nos resultados dos índices de fragilidade ambiental proposto
por Jurandyr Ross e do modelo ecodinâmico de Jean Tricart, identificando os setores mais críticos, no que diz respeito à
degradação, as principais variáveis que colaboram para este quadro e propormos sugestões de gerenciamento e melhoria
na forma de uso ocupação da área.
64
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ANÁLISIS DE LA EVOLUCIÓN MORFOLÓGICA DE UN TRAMO DEL RÍO PILCOMAYO EN SU CUENCA
BAJA
E. D. Cafaro1, E. M. Latrubesse2 y C. G. Ramonell1
Facultad de Ingeniería y Ciencias Hídricas, Universidad Nacional del Litoral. Santa Fe, Argentina.
Facultad de Ciencias Naturales y Museo, Universidad Nacional de La Plata, Buenos Aires, Argentina. [email protected]
com.ar, [email protected], [email protected]
1
2
En este trabajo se muestran los resultados más relevantes sobre las variaciones morfológicas del río Pilcomayo ocurridas en
los últimos 50 años, en un tramo de la cuenca baja del río alrededor de Santa María (pcia. de Salta) cercano al límite entre
Argentina, Bolivia y Paraguay. El análisis se realizó mediante el análisis de información antecedente y con el tratamiento de
imágenes satelitales del período 1970 - 2006. La información cartográfica fue digitalizada y georreferenciada; sobre estas
bases se evaluaron distintos parámetros morfológicos del cauce, tales como ancho medio y sinuosidad del eje del cauce
principal. El río Pilcomayo posee una cuenca hidrográfica de 272.000 km2, con sus nacientes en los Andes Bolivianos a más
de 5000 metros de altura sobre el nivel de mar, pasando en dirección NO-SE por las Sierras Subandinas (cuenca alta) para
luego ingresar a la planicie Chaqueña (cuenca baja), donde sus aguas discurren aproximadamente entre cotas de 300 m y
150 m hasta llegar al bañado de La Estrella. Se caracteriza por ser, a nivel mundial, uno de los ríos con mayor transporte
de sedimentos: en promedio transporta 140 x 106 Ton/año (Amarilla y Amsler, 2005). En el tramo de análisis, el río tiene
una pendiente media de 40 cm/km, un ancho promedio de 700 m, y una profundidad de cauce lleno de ca. 2,10 m. El cauce
está compuesto por arenas muy finas, las cuales representan el 10 % la carga sedimentaria, que son movidas en suspensión
durante las crecidas ordinarias; el resto de la carga son limos y arcillas. El régimen hidrológico es contrastado; en los meses
de diciembre a abril los caudales medios mensuales fluctúan en torno a 450 m3/s, con máximos que superan anualmente
los 1.200 m3/s, mientras que en el resto del año las descargas medias son del orden de 50 m3/s; el módulo del río en el
período 1960 – 2004 fue de 204 m3/s. Las medias móviles o cronológicas de caudales medios anuales, promediando 6 años
sucesivos, muestran que el valor del módulo no ha sido constante, sino que presenta ciclos oscilantes. El patrón de cauce
en los primeros 70 km del río sobre llanura chaqueña es entrelazado, cambiando luego a meandriforme. El cambio está
marcado por la reducción del ancho del cauce y no es abrupto, sino que existe un tramo de transición de unos 50 km, donde
se puede clasificar como wandering (i.e., una mixtura de traza meandriforme con bancos centrales). El tramo divagante
posee bancos de arenas centrales y laterales en dos niveles: uno inferior que es modelado por los caudales de estiaje, y otro
superior, asociado a los eventos de crecida. Existe un tercer nivel de depositación que corresponde a la faja o planicie aluvial
actual del río, que ha sido formada por la acreción lateral de bancos de cauce, sobre los que el río llega a formar albardones.
El comportamiento detectado en el cauce en la zona estaría relacionado a que a variaciones de caudal el ajuste se produce
más por cambios en la profundidad media, que en el ancho del cauce. Dada la alta frecuencia de ocurrencia de caudales
bajos que caracteriza a este sistema fluvial, junto al poco tiempo de duración de las crestas en los hidrogramas de crecida y
a la gran cantidad de sedimentos transportados durante las mismas, se postula aquí que el tramo estudiado estaría bajo un
proceso de sedimentación generalizada.
SEDIMENT TRANSPORT PROCESSES OF THE YANGTZE RIVER, CHINA: HYDROMORPHOLOGICAL
IMPLICATIONS OF PRE-STUDY OF THREE-GORGES DAM
Zhongyuan Chen
Department of Geography, East China Normal University, Shanghai 200062, China;
Z.Chen[email protected]
In 2000 and 2003 before the closure of 3-Gorges Dam, numerous sediment samples were taken from the middle-lower
Yangtze River channel to examine sediment transport processes and associated hydromorphological nature of the river.
Analytical results show that the riverbeds consist mostly of medium to coarse sands and gravelly sands, and fine sand occurs
locally, especially near the river coast. The results further indicate a downstream fining trend in riverbed sediment from
Yichang to the river mouth, totaling about 1900 km long with 12 sediment zones (I-XII), identified as alternate coarse- and
fine-grained sediment on the riverbed, although the zonation of I – III below Three-Gorges Dam site is weaker. The mode of
sediment transport in the river is dominated by saltation (20-80%), followed by bed-load transport with 3-15%; suspension
65
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
transport is quite low. Grain-sizes associated hydrological parameters are of greater values in the Jingjiang Reaches (from
Yichang to Chenglingji; unit stream power: 5-18 N m-1s-1, boundary shear stress: 14 Nm-2 and mean flow velocity: 2-3.2
ms-1), whereas the values obtained from Chenglingji downstream are considerably low (<5 N m-1s-1, 1-4 Nm-2 and <0.71.5 ms-1). These values, when compared with on-site measured flow column velocity of ADP flow column, revealed the
erosive riverbed sediment transport in the Jingjiang Reaches, and the accumulative riverbed transport downstream, from
Wuhan to the river coast. Hydrological parameters together with distribution of grain-sizes indicate a coarsening riverbed
in the Jingjiang river course, largely because damming peaked since the last half-century. This corroborates the weakening
sediment zonation in the Jingjiang Reaches, which is expected to extend further downstream towards the river coast in
response to the potential impact of 3-Gorges Dam in the coming decades.
THE PHYSICAL DYNAMICS OF THE PARANÁ RIVER-LAKE FLOODPLAIN COMPLEX
Edmundo C. Drago
Instituto Nacional de Limnología (INALI), CONICET-UNL. Ciudad Universitaria, Paraje El Pozo,
3000 Santa Fe, Prov. de Santa Fe, Argentina. [email protected]
The aim of this paper is to extend the knowledge on the hydro-sedimentological processes, as well as the thermal structures
and mixing processes, occurred in the river-floodplain lake systems of the Middle Paraná during the annual connection and
disconnection phases. Furthermore, this work provides a sound data base for a better understanding of the hydroecological
relationships between lotic and lentic riverine water bodies during the annual cycles. The following issues were analyzed:
1) water lake regime, encompassing degrees and types of connection, hydrological lake phases, lake level variation and
residence time; 2) Relationships between suspended sediment, lake morphology, wind and aquatic vegetation; 3) Bottom
sediment resuspension, mixing depth and sedimentation rate; 4) Water temperature, encompassing its annual variation,
seasonal variation, diel variations, and lake thermal microstructures; 5) Lake heat content; and 6) Work of the wind and
stability of stratification.
GEOMORPHOLOGY AND CONNECTIVITY OF THE LOWER PARAGUAY RIVER-FLOODPLAIN SYSTEM
Edmundo C. Drago
Instituto Nacional de Limnología (INALI), CONICET-UNL. Ciudad Universitaria, Paraje El Pozo,
3000 Santa Fe, Prov. de Santa Fe, Argentina. [email protected]
The Paraguay River is the main tributary of the Paraná River hydrosystem. Despite several studies resulting from the
proposed navigation project known as the Hidrovía Paraguay-Paraná, little is known about the physical structure of their
aquatic environments and its biota. The main purpose of this work is the knowledge of the primary factors which form
the structure of the physical habitats in this fluvial segment. In this way, the hydrological and hydraulic regime, channel
shape, substrate, hydrological connectivity and the floodplain ontogeny and its evolution were analyzed. Synthesizing we
stressed herein that the dynamics of the river-floodplain morphology dependent on the large-scale longitudinal and lateral
hydrological connections, and the type and degree of these connections between lotic and lentic environments drive the
changes of this seasonally inundated floodplain and its water bodies.
GEOMORFOLOGIA E PALEONTOLOGIA DO QUATERNÁRIO DA REGIÃO DO LAGO DE ITAPARICA,
RIO SÃO FRANCISCO, PERNAMBUCO, BRASIL
Bruno Ferreira¹, Alcina Magnólia de Franca Barreto²
1. Aluno do programa de pós-graduação e Geociências da UFPE; [email protected]
2. Professora Associada do Departamento de Geologia da UFPE; [email protected]
A região semi-árida nordestina, sempre tão comentada na literatura científica brasileira, nunca foi efetivamente estudada em
66
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
suas peculiaridades geoambientais quaternárias. Os poucos trabalhos científicos que tratam do tema, foram realizados por
pioneiros, que buscaram analisar a dinâmica do passado geológico recente na região, carente ainda de dados sedimentológicos
e geocronológicos mais precisos. Esse estudo tem o objetivo de contribuir para o entendimento do Quaternário da margem
esquerda do rio São Francisco na região do lago de Itaparica e seus aspectos paleontológicos. A Geologia da área envolve
duas unidades estruturais bem distintas, inseridas na Província Borborema, os terrenos mesoproterozóicos, representados
pelos complexos Belém de São Francisco e Cabrobó, constituídos por rochas com alto grau de metamorfismo, gnaisses
granitizados, migmatitos e rochas intrusivas ácidas; e a Bacia de Jatobá, que começou sua historia evolutiva no Siluriano e
possui em seu preenchimento aflorando na área, da base para o topo, as seguintes formações: Tacaratú (Siluro-Devoniano),
Inajá (Devoniano), Aliança e Sergi (Jurássico Superior), e Candeias (Cretáceo). A Geomorfologia está intimamente ligada a
litologia da área e apresenta duas unidades morfoestruturais bem diferenciadas: a Depressão Sanfranciscana, desenvolvida
sobre os terrenos cristalinos, formada por três níveis de pedimentação, com cobertura detrítica, escalonados e forte presença
de “inselbergs”; e o Planalto Sedimentar do Jatobá que apresenta relevo bastante movimentado decorrente da erosão
diferencial sobre as formações que compreendem o preenchimento da bacia. Apresenta dois níveis de cimeiras conservadas
a 700m e 500m com morfologia plana e média extensão, encostas amplas divididas em altas e meias encostas, rampas
com cobertura detrítica que mergulham em direção aos vales e ao lago. As baixas encostas foram submersas devido ao
represamento do São Francisco. Sobre essas unidades morfológicas repousam os depósitos quaternários: os mantos eluviais
formados pela desagregação mecânica dos arenitos e conglomerados e pelo intemperismo bio-fisico-químico; os depósitos
coluviais, representados pelos “talus” na base das declividades mais acentuadas e os leques terrígenos que bordeiam as
encostas menos íngremes; os entulhamentos fluviais, correspondentes aos terraços abandonados e de extravasamento,
caracterizados pela pequena espessura e extensão, por corresponderem a depósitos associados aos tributários do São
Francisco, já que os terraços do mesmo ficaram submersos após o represamento do lago; e os depósitos eólicos, áreas
com forte presença de “lençóis de área” e um campo de dunas parabólicas, ora com morfologia parcialmente dissipada
ora conservada, evidenciando mais de um ciclo de migração. O patrimônio fossilífero está representado por mamíferos
pleistocênicos, preservados em calhas fluviais de tributários do São Francisco, em tanques naturais e lagoas efêmeras em
pelo menos três dos seis municípios envolvidos. Encontram-se as ordens Tardigrada, Cingulata, Notoungulata e Proboscidea,
representada por pelo menos quatro famílias, sendo os táxons mais comuns Eremotherium laurillardi, Stegomastodon
waringi, Panochthus sp. Trigodonops sp. Agradecemos ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
– CNPq, Processo 555951/2006-5, pelo financiamento desse estudo.
THE RIO NEGRO AND RIO SOLIMÕES CONFLUENCE POINT – HYDROMETRIC OBSERVATIONS
DURING THE 2006/2007 CYCLE
Naziano Filizola¹, Nikolas Spínola², Warley Arruda², Frederique Seyler³, Stephane Calmant³, Joecila Silva4
1.NMH/CESTU- Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, Amazonas, Brazil.
2. UFAM, Manaus, Brazil & INPA, Manaus, Brazil. 3. IRD - LMTG, Université de Toulouse,
France & IRD – LEGOS, Université de Toulouse,France.4.COPPE-UFRJ Rio de Janeiro,
Brazil. [email protected]
The confluence phenomenon between the Rio Negro, with is black waters, and the Rio Solimões, with its suspended white
sediments, is well known and attracts thousands of tourists every year near by the city of Manaus, Amazonas – Brazil.
From this affluence point on, the Rio takes the legendary name of the Amazon River. In spite of the wide interest for this
phenomenon, there are few studies concerning its hydrological functioning. A backwater effect takes place at the confluence,
as the Solimões waters play the role of a hydraulic dam slowing down the Negro waters (Meade et al., 1991). The objective
of this study is to narrow the knowledge gap by describing better this effect by hydro-acoustic measurement results on the 4
periods of hydrological cycle (2006/2007). The results in this text are supported by new discharge data now accessible. The
data shows that the Rio Negro, whose levels are controlled by Rio Solimões water levels, has lower discharge in the period
of water rise, than during the period of low water levels. This demonstrates a different dynamic between water discharge and
water levels in that region. The data collected also helps distinguishing some of the main features from those two big rivers
at different periods of the hydrological cycle: rising waters, flood peak, decreasing waters and low waters. The differences
between these two rivers are emphasized mainly on parameters such as: flow velocities, water discharge and water slope.
These differences still persists even considering the strong seasonality that controls the Amazon rivers hydrology.
67
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
References
Meade R.H., Rayol J.M., Conceição S.C., Natividade J.R.G. 1991. Backwater effects in the Amazon river basin of Brazil.
Environ. Geol. Water Sci., 18(2): 105-114.
COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AJUSTES MORFODINÂMICOS ESPACIALIZADOS
NO BAIXO CURSO DO RIO SÃO FRANCISCO: UM ESTUDO DE CASO DE IMPACTOS DE GRANDES
BARRAGENS
L. C. S. Fontes1 y E. E. Latrubesse2
1. Núcleo de Geologia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão – Se.
2. Universidad Nacional de La Plata – Argentina. [email protected], [email protected]
Nas últimas décadas, o baixo curso do rio São Francisco à jusante da Usina Hidrelétrica de Xingó, entre os Estados de
Sergipe e Alagoas, vem apresentando uma série alterações no regime hidro-sedimentológico e na dinâmica fluvial. Estas
mudanças coincidem com o período pós-construção do conjunto de grandes barragens rio acima. As barragens promoveram
a regularização das vazões, alteração da sazonalidade natural e uma drástica diminuição no aporte de sedimentos. No
presente trabalho são apresentados os resultados de estudos que tiveram como objetivo principal analisar as possíveis interrelações entre as grandes barragens e o recente desencadeamento de processos erosivos marginais e a intensa formação
de barras arenosas no leito fluvial. Os estudos demonstraram que estas são evidencias do complexo reajustamento do
canal em busca de um novo equilíbrio dinâmico. Estas respostas não são uniformes, exibindo um comportamento espacial
diferenciado em função da compartimentação geomorfológica do baixo curso do rio São Francisco. Cinco compartimentos
foram identificados como controladores da evolução pretérita do canal fluvial e que continuam a exercer um papel
relevante na distribuição dos ajustes morfodinâmicos pós-barragens. De montante para jusante, o rio São Francisco passa
sucessivamente de padrão de canal único encaixado em um “canyon” (Compartimentos I e II), para um padrão de canal
ligeiramente sinuoso e com baixo coeficiente de entrelaçamento (III). No compartimento IV o rio apresenta-se menos
encaixado, com uma planície aluvial bem mais larga e desenvolve um padrão multicanal entrelaçado. No compartimento
final (V), o rio assume um padrão multicanal anastomosado entre grandes ilhas fixas argilosas. A propagação dos ajustes
morfodinâmicos pós-barragens vem ocorrendo de forma progressiva e encadeada, de montante para jusante, ao longo
destes compartimentos. O compartimento I, responde de forma direta à drástica diminuição da carga sólida: erosão do
leito arenoso, com o conseqüente aprofundamento e a exposição do substrato rochoso. Nos compartimentos seguintes (II
e III), convivem o entalhamento do leito e a formação e migração de barras de canal. No compartimento IV, predomina
o acumulo dos sedimentos retirados dos segmentos anteriores e é o mais atingido pela disseminação da erosão marginal
acelerada. Em canais fluviais que mantêm uma vazão efetiva, a diminuição da profundidade tende a ser acompanhada
pela tendência a migração lateral do canal, como forma de manter o equilíbrio dinâmico do sistema. No compartimento
final (V), a regularização das vazões e a expressiva diminuição no aporte de sedimentos promove a ampliação da erosão
relacionada à dinâmica costeira. A compreensão de que os reajustamentos em curso obedecem a condicionamentos morfoestruturais fornece uma base para a previsão da evolução das mudanças em curso, incluindo a migração dos setores de
erosão e sedimentação, fornece subsídios para a formulação de propostas de medidas mitigadoras e estabelece um modelo
de respostas geomorfológicas à implantação de grandes barragens que poderá ter aplicação em outros grandes rios.
APLICAÇÃO DE ESTUDOS DA MORFODINÂMICA FLUVIAL E DELTAICA NA DEFINIÇÃO DE VAZÕES
ECOLÓGICAS EM GRANDES RIOS:O CASO DO BAIXO CURSO DO RIO SÃO FRANCISCO
Luiz Carlos da Silveira Fontes*, José Maria Landim Dominguez**, Edgardo Manuel Latrubesse***,
Cicero Marques dos Santos****, João Bosco Souza Mendonça*, Daniela Pinheiro Bitencurti* e Joane Almeida*
* Universidade Federal de Sergipe, Núcleo de Geologia, Grupo de Geologia Sedimentar, Costeira e Hidroambiental; **
Universidade Federal da Bahia;
**** Centro Federal de Educação Tecnológica de Sergipe
68
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
A vazão ecológica (ou vazão ambiental) é compreendida atualmente como sendo “a quantidade, a qualidade e a distribuição
de água requerida para a manutenção dos componentes, funções e processos do ecossistema ribeirinho sobre o qual a
população depende” (O’KEEFFE, 2008). Ao longo das discussões e estudos sobre o tema firmou-se inicialmente uma
concepção de vazão ecológica baseada em estudos hidrológicos e biológicos quantitativos, representada por um valor
fixo ao longo dos meses do ano. As metodologias evoluíram evoluindo no sentido de incorporar o conceito de regime
de vazões, no qual se propõe vazões variáveis compatíveis com a sazonalidade natural do rio, e as demandas sócioeconômicas dos atores envolvidos. O componente geológico/geomorfológico tem sido negligenciado na grande maioria
das metodologias existentes. Entretanto, a morfo-dinâmica fluvial, ao mesmo tempo em que resulta de condicionantes e
processos geomorfológicos e hidrológicos influencia diretamente nos processos de erosão e sedimentação e na morfologia
no canal e da área marginal inundável, condicionando a existência e distribuição da vegetação e fauna do ecossistema fluvial.
No caso do rio São Francisco, com aproximadamente 2.700 km de extensão e bacia hidrográfica com área de 640.000 Km2,
o Comitê da Bacia, órgão responsável pela gestão participativa de suas águas, decidiu incorporar como uma das prioridades
do Plano de Recursos Hídricos da Bacia, aprovado em 2004, a definição do regime de vazões ecológicas no baixo curso
do rio São Francisco, uma vez que esta definição produz implicações importantes nas definições sobre vazões para usos
consuntivos rio acima e na política de operação das grandes barragens e reservatórios que há décadas têm segmentado
o rio visando à geração hidroelétrica. Uma rede de pesquisa multidisciplinar foi formada com a participação de várias
universidades e financiamento do CTHIDRO/CNPq, visando desenvolver os estudos básicos e a proposição do regime de
vazões a ser submetida ao processo decisório encabeçado pelo Comitê da Bacia. A rede Ecovazões adotou o Método BBM
(Building Block Methodology), na qual a componente geomorfologia desempenha um papel relevante, ao orientar a seleção
dos trechos do rio e “sites” para aplicação do método sob enfoques geomorfológicos, biológicos, hidrológicos/hidráulicos,
sociais e econômicos. No baixo curso do rio São Francisco, os estudos geomorfológicos resultaram na identificação de
compartimentos que condicionam a distribuição dos padrões do canal, sedimentos do leito, morfologia de barras, ilhas
e lagoas marginais. Os estudos incluíram a analise da interação entre as vazões fluviais e os processos e a morfologia
costeira na região da foz. Neste artigo são apresentados alguns dos resultados preliminares deste estudo, que envolvem a
caracterização da situação natural de referência, o comportamento morfo-dinâmico fluvial e deltaico atual, evidenciando
as mudanças que ocorreram entre o período pré e pós regulação das vazões, e a proposição de parâmetros geomorfológicos
para a definição do regime de vazões ecológicas/ambientais.
MORPHOLOGICAL CHARACTERISTICS OF THE NEGRO AND SOLIMÕES RIVERS CONFLUENCE
(AMAZÔNAS, BRASIL)
Elena Franzinelli
Degeo-Universidade Federal do Amazonas, Campus Univeristario Manaus, AM. [email protected]
The confluence of the Negro and the Solimões rivers is located in the transcurrent neotectonic belt which comprehends the
Amazon sedimentary Basin from east to west. (Igreja, 1998) In this area, the north side of the Negro River consists of red
cliffs carved in the Cretaceous clastic deposits of the Alter do Chão Formation, formed by the N40E trend Aleixo fault.
The south side of the Solimões River is formed by the levee of its modern sediments. The confluence flow separation bar,
called Xiborena Island, is formed by some long curved banks of modern sediments. From the neotectonic point of view
the Xiborena Island is a portion of the Manaus rombograben. This feature is limited to the south by the Curari fault of
N40E trend which determines the direction of the channel of the Solimões River close to the confluence. In the point of
the confluence the Negro River is 3 km large and 90 m deep: the Solimões is 2 km large and 35 m deep. The examination
of nautical chart of three decades, 1978-88-98 showed that the outer bar of the Xiborena Island, called Ponta do Catalão,
increased in surface and changed in shape bending to the north during this period. Cross sections and bathymetric maps
obtained from the nautical charts show that the confluence scour changed in position and in depth (from 34to 43 m). Some
sediments carried by the Amazonas River are deposited by lateral accretion along the south side which is the north border
of the Careiro Island, forming long lateral bars. No sedimentation occurs on the north side. After the confluence the bed of
the Amazon River is very irregular. Some post confluence mid-channel bars occur downstream, distant more than 15 km
from the Ponta do Catalão.
69
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
PERFIL LONGITUDINAL DO RIO IVAI E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA DE FLUXOS
Rafaela Harumi Fujita1, José Cândido Stevaux1, Manoel Luiz dos Santos1,2
1. Grupo de Estudos Multidisciplinares do Ambiente (GEMA/UEM).
2. Programa de Pós-graduação em Geografia – Universidade Estadual de Maringá. [email protected]
Este trabalho analisa o perfil longitudinal da bacia do rio Ivaí e sua relação com a dinâmica de fluxos. O perfil foi composto
com base nas cartas topográficas do Exército Nacional e IBGE nas escalas de 1:100.000 e 1:50.000 e curvímetro analógico.
Nos trechos anômalos em ralação ao perfil “graded” teórico (Patos, Teresa Cristina, Cândido de Abreu, Porto Ubá do Sul,
Porto Paraíso do Norte e Foz), foram coletadas as seguintes variáveis: morfologia de fundo, velocidade e estrutura do fluxo,
carga de fundo e suspensa e rugosidade do canal (coeficiente de Manning). Com tais dados foram calculados a vazão de
média, vazão com recorrência de 2,33, número de Froude e de Reynolds, declividade (slope), stream power e stream power
específico. O rio Ivaí possui uma extensão de 798 km e uma diferença de relevo de 920 (de 1160 a 240 m de altiude). Dos
32 trechos mensurados no rio Ivaí, 14 apresentaram-se anômalos, sendo 10 com anomalias de 2ª ordem e 4 segmentos
com anomalias de 1ª ordem. Os valores anômalos de RDE concentram-se no alto e médio curso. Nestas áreas há uma alta
densidade de drenagem associada a fatores como diversidade litológica e controle estrutural. No baixo curso, onde foram
identificados valores de RDE mais amenos, verificam-se baixa densidade de drenagem e um controle estrutural decorrente
do alinhamento tectônico de NW e NE, o que justificaria a ocorrência de singelas anomalias registradas neste setor da bacia.
Modificações na largura, profundidade e velocidade do fluxo são observadas nas seções transversais estudadas ao longo do
rio Ivaí. As seções Patos, Teresa Cristina, Cândido de Abreu e Foz apresentam seções assimétricas, já Porto Ubá do Sul e
Porto Paraíso do Norte, apresentaram seções simétricas com talvegues centralizados e encaixados. Das seções estudadas,
somente a Seção Foz apresentou material de fundo, predomínio de texturas argilosas (81%), as demais leito rochoso. Em
geral, foi diagnosticada maior concentração de matéria orgânica em comparação ao sedimento suspenso. Para todas as
seções verifica-se uma distribuição homogênea nas velocidades do fluxo. Maiores velocidades médias foram registradas na
seção Patos (1,72 m/s) seguido por Teresa Cristina (1,36 m/s) e Porto Paraíso do Norte (1,17 m/s). Já as menores velocidades
médias foram registradas para a Seção Foz (0,145 m/s). Ao longo do curso do rio Ivaí, verificou-se um acréscimo das vazões
à jusante. A estação Foz, apresentou uma redução drástica em relação à vazão (200,34 m³/s) e velocidade de fluxo devido
ao represamento causado pelo rio Paraná. O fluxo do rio Ivaí variou de turbulento a tranqüilo. Patos, Cândido de Abreu,
Teresa Cristina e Porto Paraíso do Norte foram às seções que apresentaram os maiores valores de stream power e stream
power específico, por sua vez Foz apresentou os menores valores. Os desequilíbrios e anomalias identificadas ao longo do
rio Ivaí estão relacionados ao controle litológico e estrutural, confluência de canais, neotectônismo e atividade antrópica.
Essas irregularidades e anomalias respondem às mudanças na geometria do canal fluvial e na dinâmica de fluxo.
CHANNEL MODELS OF THE HIGH, MEDIUM AND LOW COURSE OF THE PORTUGUESA RIVER,
VENEZUELAN PLAINS
Orlando González, Maximiliano Bezada, Zuly Millán, Juan Manuel Carrera² y Edgardo Latrubesse¹
1. Instituto Pedagógico de Caracas, Departamento de Ciencias de la Tierra. Núcleo de
Investigación del Medio Físico Venezolano. [email protected]
2. Universidad Nacional de La Plata
For the Portuguesa river, there were described the channel patterns that characterize it high, medium and low basin, and were
determined the factors that affected the pattern changes of the main channel. The channels were described methodologically,
by the use of topographic maps, rise photo maps and field observations of previously selected sectors. The results indicate
that the Portuguesa River in its high basin is confined or covered on the rocky substrate. From the mountainous area to the
Andean-Plains base, the river changes towards a forked model of interlace, attributable to the rocky substrate, its slope and
to the overage of sediments. Transitionally, this model changes towards an individual channel of low sinuosity from the
70
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
base towards the high centre-western Plains, probably related with a change in the slope of the area and the decrease of
the load of sediments in this section. In the medium basin, the river continues like and individual channel but much more
tortuous, forming a meander channel model, probably related with a decrease of the slope and the clayey substratum on
which it moves. Finally, the low basin of the river continues to show an individual meander channel but less compressed
and of major radius than the previous sector, alternating with straight channels of short length; the river digresses or is fitted
into a plain of flood of low slope, constituted by a cohesive clay-slimy material, which is much more resistant to erosion. In
conclusion, the factors that control the diverse patterns of the Portuguesa river channel appear to be related to the slope of
the area, the sedimentary load and the type of substrate over which the river moves.
TRANSIÇÃO ESTUÁRIO-DELTA: O CASO DO RIO SÃO FRANCISCO
Junia Kacenelenbogen Guimarães y José Maria Landim Dominguez
Laboratório de Estudos Costeiros, Centro de Pesquisa em Geologia e Geofísica, Instituto de Geociências, UFBA, Rua
Barão de Geremoabo, s/n, CEP 40170-290, Salvador-Bahia, Brasil.
[email protected]; [email protected]
A transição entre estuários e deltas apresenta uma fase, que pode ser chamada de transicional, em que o ambiente apresenta
características de estuário e delta simultaneamente. Essa fase se inicia com o início da progradação deltaica, dentro do vale
afogado, remanescente da fase transgressiva anterior, e termina com o completo preenchimento desse vale, quando a linha
de costa adquire uma configuração retilínea. Ela é transicional, pois dura apenas o tempo necessário para que o estuário seja
preenchido. Essa fase caracteriza-se por ser deltaica no que tange aos padrões de sedimentação, que são progradacionais, e
estuarina, no que tange a sua morfologia, embaiada, e no que tange a sua circulação costeira, que resulta no aprisionamento
de sedimentos fluviais e marinhos dentro do embaiamento. Hori et al.(2004) e Tanabe et al. (2006) identificaram a existência
dessa fase no delta do rio Vermelho. Tanabe et al. (2006) observaram que essa foi uma fase de intensa progradação, que
segundo eles esteve associada à própria configuração do ambiente, que era uma baía confinada. Nessa situação a influência
de maré era favorecida em detrimento à influência das ondas. Segundo eles, a maior influência das ondas que se verificou
na fase posterior, foi responsável pela diminuição das taxas de progradação. O estudo da arquitetura deposicional do delta
do rio São Francisco também permitiu a identificação dessa fase transicional. Ela teria se iniciado em torno de 8 kanos cal.
AP com o início da progradação deltaica, quando a configuração do ambiente ainda era a de um vale afogado. Embora nos
registros estratigráficos não tenha sido possível reconhecer uma maior influência da maré nessa fase, como ocorrido no
delta do rio Vermelho, de forma similar ao verificado neste delta, as taxas de progradação nessa fase foram muito elevadas.
Simulações de deriva litorânea, considerando as condições de ondas atuais, mostram que a configuração de baía favorece
a convergência da deriva litorânea para dentro do embaiamento. A deriva litorânea, mesmo que insaturada no que tange
aos sedimentos transportados contribuiu, portanto, para o aprisionamento dos sedimentos fluviais dentro do embaiamento,
explicando dessa forma a rápida progradação nessa fase. O preenchimento completo da baía só finalizou-se por volta de
5 kanos cal. AP, quando a linha de costa adquiriu uma configuração retilínea. A partir de então, iniciou-se a fase deltaica,
tanto do ponto de vista estratigráfico quanto morfológico, que se distingue acentuadamente da fase transicional anterior,
no que se refere aos padrões de deriva litorânea e às taxas de progradação, bem menos acentuadas. A distinção dessa fase
transicional é relevante, pois ela se distingue do ponto de vista estratigráfico da fase estuarina anterior, e do ponto de vista
morfodinâmico da fase deltaica que a sucede. Da mesma forma que reconhecidas nos deltas do rio Vermelho (Hori et al.
2004, Tanabe et al. 2006) e o do rio São Francisco, ela deve ser igualmente identificável na história evolutiva de outros
deltas do mundo.
Referências:
(i) Hori, K.; Tanabe, S.; Saito, Y.; Haruyama, S.; Nguyen, V.; Kitamura, A., 2004. Delta initiation and Holocene sea-level
change: example from the Song Hong (Red River) Delta, Vietnam, Sedimentary Geology 164: 237-249. (ii) Tanabe, S.;
Saito, Y.; Vu, Q. L.; Hanebuth, T. J. J.; Ngo, Q. N.; Kitamura, A., 2006. Holocene evolution of the Song Hong (Red River)
delta system, northern Vietnam. Sedimentary Geology 187: 29-61.
71
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
THE INFLUENCE OF THE EL NIÑO SOUTHERN OSCILLATION ON SUSPENDED SEDIMENT LOAD
VARIABILITY IN A SEASONALLY HUMID TROPICAL SETTING: PANUCO BASIN, MEXICO
Paul F. Hudson
Department of Geography, University of Texas, Austin, USA
Although large tropical rivers transport the majority of suspended sediment to the oceans, because of a lack of adequate
data there have been few detailed studies of sediment transport and its relationship to drainage basin processes. This study
examines sediment transport variability in the lower Panuco basin of east-central Mexico using daily values of streamflow
and suspended sediment load spanning from the late 1950s to early 1990s. These data are used to estimate sediment yield, and
in considering the influence of El Niño and La Niña events on geo-morphic processes. Annually, the Rio Panuco transports
an average of 56267×103 tons of sediment. Substantial differences in sediment transport between the Rio Moctezuma and
Rio Tamuin, large basins that join to form the Rio Panuco in the Gulf Coastal Plain, are related to lithologic variability. The
Panuco basin has a sediment yield of 74.1 tons (km2/yr). However, sediment load varied considerably during the period of
analysis due to the influence of the El Niño Southern Oscillation (ENSO). Although a number of studies have considered the
hydrologic significance of ENSO events, few have systematically considered the geomor-phic implications of both El Niño
and La Niña events. Results from this study are significant because, in comparison to adjacent regions that are dominated by
El Niño events, in the Panuco basin La Niña events are more significant in terms of streamflow and sediment production. In
comparison to El Niño events, stream-flow and sediment loads are 45% and 120% greater during summer La Niña events,
respectively. This suggests that increases in runoff associated with wetter La Niña conditions result in disproportionate
geomorphic response. In comparison to the Tamuin basin, sediment loads are much greater in the Moctezuma basin, which
illustrates that the influence of ENSO is greater in regions underlain by clastic deposits rather than limestone. This study
is significant because it systematically illustrates the significance of ENSO events to geomorphic processes within a large
basin located within the seasonally humid tropics.
EL CAÑÓN INCIDIDO EN EL LECHO DEL RÍO URUGUAY, UNA GEOFORMA CUATERNARIA CONSPICUA
Daniela M. Kröhling1, Eduardo A.Gómez2, Martín H. Iriondo3 y L. Ariel Raniolo4
1, 3
CONICET y Fac. de Ing. y Ciencias Hídricas (Univ. Nac. del Litoral). CC. 217-3000 Santa Fe; Argentina 2 Inst. Arg.
de Oceanografía (CONICET-UNS), CC 804 y Univ. Tecnol. Nac. FRBB-8000 Bahía Blanca; Argentina 4 Inst. Arg. de
Oceanografía (CONICET-UNS), CC 804 y Univ. Nac. del Sur -8000 Bahía Blanca; Argentina
El río Uruguay, con sus 1,838 km de recorrido, vincula la meseta basáltica tropical del sur de Brasil con las tierras bajas del
este de Argentina y SO del Uruguay. Una característica notable del cauce es la existencia de un cañón profundo y estrecho,
en general incidido en el lecho basáltico. Este cauce menor ha sido detectado por Iriondo y Kröhling (2003) desde la alta
cuenca (desarrollada en el basalto cretácico) y hasta la desembocadura (caracterizada por depósitos litorales cuaternarios)
y está permanentemente sumergido, excepto en dos segmentos estrechos donde es visible en aguas bajas. Existen datos que
evidencian la existencia del cañón en el río Pelotas (con 12 a 16 m de profundidad en el área de Machadinho), tributario de
la alta cuenca en Brasil. Al llegar el río Uruguay a la frontera argentina (entre las desembocaduras del Pepirí Guazú y del
Yabotí), el río atraviesa un bloque elevado por neotectónica. Esto permite la emersión del cañón en aguas bajas; en esas
condiciones se forman saltos longitudinales desde el cauce y hacia el fondo del cañón a lo largo de unos 3 km, conocidos
como saltos del Moconá (Yucumá en Brasil). En ese tramo, el cañón es estrecho (50 m) y profundo; su fondo es irregular, con
profundidades estimadas en 50 a 60 m y superando los 100 m en algunos puntos. Alturas normales de los saltos oscilan entre
10 y 12 m, con registros en la última década de alturas máximas de 20 m (año 1999). El cañón tiene allí un control netamente
estructural; está formado por segmentos rectos de varios cientos de metros de longitud individual unidos por curvas suaves,
donde se hallan las máximas profundidades. El cañón fue detectado mediante ecosonda a lo largo de la frontera argentinobrasileña de la meseta. Un relevamiento del cañón por fajas fue realizado entre la desembocadura del Yabotí y hasta la
localidad de El Soberbio (55 km de cauce relevados) mediante el sistema denominado Sonar Batimétrico por Medición de
72
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Fase (SBMF), el cual tiene una prestación extremadamente superior a los conocidos Sonares de Barrido Lateral, ya que
posibilita medir lateralmente las profundidades con precisión submétrica. Previo riguroso post-procesamiento de los datos
(la gran turbulencia de la corriente fluvial generó ruido en el registro, que fue difícil filtrar) se generaron mapas digitales
del lecho conteniendo al cañón con un grillado de 2 y de 1 m de lado, y precisión vertical decimétrica. Los primeros datos
del relevamiento con SBMF indican que el cañón mide entre 1/3 y 1/10 del ancho del cauce, su profundidad oscila entre 6
y 22 m respecto a la del resto del cauce, que en condiciones normales se halla entre 2 y 3 m. En tramos con longitudes entre
1500 y 4000 m, el cañón registra profundidades continuas de 24 a 32 m y anchos regulares entre 50 y 100 m; está limitado
por taludes con pendiente de 40 a 80° (en algunos puntos con relieve invertido) y fondo plano a ligeramente cóncavo.
En algunos puntos se han detectado piletones u hoyas, con longitudes mayores paralelas al cauce entre 100 y 350 m y
profundidades entre 32 y 47 m; su perfil transversal es simétrico y su perfil longitudinal asimétrico, indicando la posición de
sucesivos saltos de agua sumergidos. El cañón en la cuenca media del Uruguay alcanza en general 30 m de ancho y 10-15 m
de profundidad, excavado en un cauce de 1 km de ancho y 1-3 m de profundidad. El segmento inferior del Uruguay (de 100
km de longitud) está sujeto a la dinámica litoral. El cauce allí es extremadamente ancho (5-12 km) y poco profundo (menor
a 3 m). El cañón está profundamente incidido en la parte central del cauce en sedimentos cuaternarios. Según antecedentes
batimétricos, la profundidad del cañón allí es de 10-18 m, con valores extremos de hasta 25 m; su ancho alcanza entre 200 y
1200 m. El cañón no es una geoforma fósil sino un elemento activo de la dinámica fluvial actual, dado que la carga de fondo
del río alcanza 5. 106 Ton/año y que el volumen es transportado hacia el océano sin rellenar la depresión.
EVIDÊNCIAS GEOMORFOLÓGICAS DE MUDANÇAS FLUVIAIS DO RIO PARAGUAI NO MEGALEQUE
DO NABILEQUE, PANTANAL MATO-GROSSENSE, BRASIL
Sidney Kuerten¹, Mario Luis Assine²
1 Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Programa de Pós-Graduação em Geociências e Meio Ambiente. Rio Claro-SP,
Brasil. [email protected] 2 Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Departamento de Geologia Aplicada.
Rio Claro-SP, Brasil. [email protected]
O Pantanal do Nabileque está localizado na região Centro-Oeste do Brasil, na borda sul do Pantanal Mato-Grossense. O
Nabileque é um leque aluvial peculiar, pois apresenta características distintas dos sistemas deposicionais da bacia sedimentar
do Pantanal, destacando-se o fato de não estar associado a sistemas distributários formados por rios oriundos de relevos
altos situados nas bordas da bacia. Trata-se de um megaleque fluvial construído pelo rio Paraguai, rio-tronco coletor das
águas do todo sistema hidrográfico do Pantanal, na saída do rio para a planície do Chaco, onde coalesce com o megaleque do
Pilcomayo. Fazendo uso de dados de sensores remotos (imagens de satélite Landsat e Aster, e dados SRTM), com verificação
de campo, foi possível compartimentar e caracterizar geomorfologicamente o megaleque, que ocupa área aproximada de
9100 km². A maior parte da área é uma vasta planície aluvial desenvolvida sobre depósitos pleistocênicos, marcada pela
presença de intrincada rede de paleocanais distributários e de tributários a eles superimpostos. Feições erosivas evidenciam
que as áreas de ocorrência dos depósitos pleistocênicos encontram-se em degradação, mas sujeitas a frequentes inundações
responsáveis pela existência de delgadas e irregulares coberturas de sedimentos recentes. A superfície do leque é marcada
pela presença de dois vales entrincheirados, escavados sobre os depósitos aluviais mais antigos, nos quais se encontram
alojados cinturões de meandros. Os vales incisos apontam para evento de rebaixamento do nível de base de erosão anterior
à sua agradação por depósitos de rios meandrantes, cujas datações revelaram, até o momento, idade holocênica. O rio
Paraguai corre num dos vales incisos, onde se encontra estreito cinturão de meandros, cuja largura decresce de sul para
norte. O vale corta o leque longitudinalmente, ajustado a padrões de fratura NE-SW do lineamento Transbrasiliano, com
deflexão para SE ao se encontrar com o rio Negro (Bolívia), com o qual compõe a drenagem periférica do leque. O outro
vale inciso tem direção N-S, extensão de cerca de 150 km e largura média de 5 km. Os paleocanais, encontrados neste
cinturão abandonado de meandros, têm larguras similares às do canal atual do rio Paraguai, sendo interpretado que este
vale inciso é mais antigo e que nele corria o rio Paraguai antes da mudança para seu curso atual. No cinturão abandonado
de meandros corre hoje o rio Nabileque, um rio com dimensões muito inferiores às paleogeoformas encontradas na sua
planície, o que permite seja reconhecido como um rio subajustado (underfit river). Processos de avulsão fluvial e de captura
são aventados e discutidos para explicar a notável mudança de curso do rio Paraguai e a configuração do rio Nabileque
como um rio subajustado (apoio: FAPESP 07/55987-3).
73
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
THE GEOMORPHOLOGIC RESPONSE OF A LARGE PRISTINE ALLUVIAL RIVER TO TREMENDOUS
DEFORESTATION IN THE SOUTH AMERICAN TROPICS: THE CASE OF THE ARAGUAIA RIVER
E.M. Latrubesse a,b, M.L. Amsler c, R.P. de Morais a, S. Aquino a
a) Laboratory of Geology and Physical Geography, Federal University of Goias-IESA/CIAMB, Campus II, 74001-970,
Goiânia, GO, Brazil. b) Centro de Investigaciones Geológicas-CIG-LATYR-CONICET, Universidad Nacional de La PlataFCNyM, Calle 1 N 644 (1900), La Plata, Argentina
c) National Council of Scientific and Technical Research (CONICET), School of Engineering and Water Sciences (FICH),
Littoral National University, CC 217, 3000, Santa Fe, Argentina
The geomorphic response of the Araguaia River to catastrophic deforestation of the Cerrado since 1970s is discussed.
With a mean annual discharge of 6500 m3/s and a drainage area of ~380,000 km2, the Araguaia River is the main system
draining the savannas of Central Brazil. Here, we demonstrate that the river is undergoing a substantive increase in bed load
transport and changes in its geomorphology. A multi-approach methodology was used and involved detailed geomorphologic
mapping for three decades (60, 70, and 90), a budget of erosional and deposition areas using GIS, volumetric calculations,
and estimations of bed load transport. Our results show that the alluvial plain is undergoing active sedimentation and 233
Mt of sediments were stored by channel activity in a reach 570 km long of the middle Araguaia. The bed load transport has
increased 31% from 6.6 Mt in the sixties to 8.8 Mt in the 1990s and the channel pattern has been metamorphosed to some
extent. This is an outstanding current example of short term geomorphic response to deforestation in a large pristine tropical
fluvial system without direct human interventions in the channel.
VARIABILIDADE TEMPORAL NO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS EM NOVO PORTO TAQUARA
RIO IVAÍ
Isabel T. Leli1,2, José Cândido Stevaux1,2, Edvard E. Souza Filho1,2, Maria T. Nobrega1
1-Universidade Estadual de Maringá, [email protected] 2-GEMA – Universidade Estadual de Maringá, PR,
Brasil
A bacia do rio Ivaí estende-se por aproximadamente 38.000 km2 constituindo um dos principais tributários do rio Paraná
em seu trecho brasileiro não represado. Sua morfologia alongada inclui diferentes zonas climáticas que abrangem várias
províncias geológico-geomorfológicas do Estado do Paraná. Esta peculiaridade influencia fortemente na característica,
quantidade e regime do fluxo de água e sedimento suspenso. Este trabalho avalia o comportamento da carga sedimentar
suspensa do rio Ivaí por um período de 32 anos aferidos por sua estação mais jusante de Novo Porto Taquara. Os parâmetros
utilizados neste foram as descargas totais anuais de sedimento suspenso e de água obtidas a partir de dados da SUDERSA.
A relação entre a concentração de sedimento suspenso e a descarga de água não apresentou boa correlação (R = 0,56), sendo
bastante evidente o efeito de histerese. A justificativa para esse comportamento é dada pelo regime hidrológico heterogêneo,
pela geometria e ocupação da bacia. Não foram observadas alterações significativas nas vazões anuais que permaneceram as
mesmas durante o período estudado. Já a o coeficiente de transporte em suspensão mostrou um pequeno declínio ao longo
do tempo sugerindo uma redução efetiva na carga sedimentar suspensa atribuída às alterações na ocupação da bacia.
GEOLOGIA, GEOMORFOLOGIA E EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO RIO
SÃO FRANCISCO EM ALAGOAS
Rochana Campos de Andrade Lima1, Jovesi de Almeida Costa2, Maria do Rosário de Oliveira3, Ricardo José Queiroz dos
Santos4, Benício Emanoel Omena Monte5
1.UFAL, [email protected]; 2. [email protected]; 3. [email protected];
4. CESMAC, [email protected]; 5. graduando em Geografia, [email protected]
74
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
O rio São Francisco tem desempenhado um importante papel na ocupação e desenvolvimento do Nordeste brasileiro,
especialmente no semi-árido. No período colonial funcionou como via de integração e como canal de comunicação para o
interior. A partir da década de 40 do século passado, suas águas passaram a ser usadas para produzir energia e posteriormente
para irrigação, e, na década de 90 passou a ser alvo de um projeto de transposição para rios do Nordeste Setentrional, como
alternativa para solucionar o problema das secas que assolam a região. Os estados que serão beneficiados, esperam que
esse projeto venha sanar seu problema, enquanto os doadores, Bahia, Sergipe e Alagoas preocupam-se com os impactos
causados. Em Alagoas, o São Francisco abrange terras das Três Mesorregiões Geográficas: Sertão, Agreste e Leste
Alagoano. No seu percurso banha onze municípios e recebe vinte e quatro afluentes, em sua maioria temporários, que foram
agrupados, para fins de planejamento, pela Secretaria Estadual de Recursos Hídricos e Meio Ambientes, em sete regiões
hidrográficas. Destas, quatro correspondem aos maiores rios que drenam o semi-árido alagoano e três agrupam riachos
que nascem na própria região. Esses rios cortam rochas magmáticas e metamórficas do Maciço Pernambuco/Alagoas e
do Sistema de Dobramento Sergipano e sedimentos da Bacia Alagoas. Em conseqüência dessas estruturas e do clima, os
rios percorrem diferentes formas de relevo: Depressão do São Francisco, forma erosiva, que se estende por grande parte
do sertão alagoano. Na margem do rio, devido à presença de rochas sedimentares, ocorre um relevo de cuesta a jusante da
Usina de Xingó, e, a montante da foz, a maior umidade e o tipo de rocha favoreceu a ocorrência de um relevo de colinas,
com encostas convexas denominado Patamar Colinoso do São Francisco. Já próximo à foz, as rochas da Bacia Sedimentar
propiciam o aparecimento de um relevo tabular dissecado. Finalmente na planície costeira as variações do nível do mar
condicionaram a presença de terraços, cordões litorâneos, dunas, pantanos e ilhas. Os onze municípios banhados pelo São
Francisco tiveram sua ocupação ligada à atividade de apoio ao ciclo canavieiro e à pecuária e até o momento apresentam
características tipicamente rurais. Em oito deles, a população rural supera a urbana, e em três, onde o processo de urbanização
chegou, os problemas da favelização, desemprego e violência também estão presentes. O rio São Francisco tinha como
importante característica em território alagoano, a fertilidade de suas margens, condição responsável pela implantação de
diversas lavouras, como a de milho, cebola, feijão, batata e arroz. Essa fertilidade renovada constantemente pelas aluviões
transportadas nas cheias sazonais permitia à população, estabelecer-se ao longo do seu vale implantando também fazendas,
muitas das quais evoluíram para núcleos de povoamento, e transformaram-se em cidades.
Palavras – chaves: paisagem, ocupação, território.
LATE QUATERNARY CLIMATE CHANGE IN CENTRAL AUSTRALIA: MEGA-LAKE PHASES, RIVER
ACTIVITY AND THE EXCEPTIONAL CLIMATIC CONDITIONS THAT DROVE THEM.
Gerald Nanson¹ and Tim Cohen²
1-GeoQUEST Research Centre, School of Earth and Environmental Sciences,
2- University of Wollongong.
The Lake Eyre basin drains approximately one-seventh of the Australian continent. Large dryland rivers periodically supply
terminal playas in southern Australia that record exceptional filling and drying episodes during the late Quaternary. The
filling episodes identify the magnitude of moist air flow onto the Australian continent. But from which oceans did so much
moisture come? The filling of Lake Eyre to 20-25 m above the current lake floor and an area of some 25,000 km2 represents
climatic conditions vastly different to those of today. Clarifying and consolidating the timing of river and lake filling
episodes is critical to unravelling the history of Late Quaternary climate and hydrological change at a time when humans
arrived and when there were large-scale biophysical changes across the Australian landmass. A number of key questions
remain for the terminal playas of the Lake Eyre basin. These include identifying the occurrence of beach ridges in the
adjacent Lake Frome basin and the operation of a major channel that connected these two huge lake systems. This paper
presents preliminary correlations of alluvial and lacustrine data that are reshaping our understanding of the late Quaternary
climate and hydrology of central Australia. We show that Lake Eyre filled to 10-12 m above sea level (asl) in Marine Isotope
Stage (MIS) 5, in MIS 4 and early MIS 3 (75-50 ka). There is preliminary evidence for much more recent fillings that
correlate with high levels in Lake Frome, but this requires more detailed investigation. Interestingly, the high lake levels
do not always correlate well with evidence of extensive alluviation on river floodplains proximal to Lake Eyre; what drove
one did apparently not necessarily drive the other. The floodplains of Cooper Creek and Warburton Creek grade to levels
some 5-10 m below those of maximum lake heights. Long periods of enhanced runoff must have been required to form
75
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
extensive floodplains to relatively modest lake levels (~0m asl), while exceptional lake stages of ~5 and ~10 asl were likely
fed by short-duration extreme events. Furthermore, Lake Frome south of Eyre appears to have records for exceptionally
high stages that extend to immediately after the Last Glacial Maximum and even into the Holocene, possibly indicating
a significant southern source of moisture onto the Australian continent then. Using a combination of differential GPS, the
SRTMv.2 digital elevation model (DEM), geochronological techniques (OSL, AMS 14C and U/Th) and stable isotopes, we
present findings for Lake Frome which filled to 15m asl in MIS 5 at ~90-85 ka, in MIS 4 at 70-63 ka, also to 15m asl MIS
3 at 45-42 ka, to 10 m later in MIS 3 at 38 and 30 ka, 6 m at 12 and 16 - 15 ka, and to ~3-4m in the mid Holocene (5.3 and
4.4 ka). Remarkably, the lake rose to nearly 4 m as recently as 900 years ago (i.e. the Medieval Warm Period). This ‘recent’
filling of Frome to approximately 4 times the depth of the largest flood since European settlement presents an intriguing
insight into the magnitude of what was likely an extreme monsoon-driven event, something that, presumably, could reoccur today. Our MIS 3 and younger results agree well with existing radiocarbon and U/Th chronologies and pollen records
for both Lake Frome and for the Flinders Ranges. We present preliminary isotopic analyses that suggest vastly different
hydrological and ecological conditions for the lakes and river systems of central Australia compared to the present. We also
suggest diverse oceanic sources for moisture that led to remarkable variations in Australian Quaternary flow regime. During
the late Quaternary, central Australia has at times been very much wetter than now.
SEDIMENTOS TRANSPORTADOS POR EL RÍO PILCOMAYO EN LA SECCIÓN MISIÓN LA PAZ
(ARGENTINA) – POZO HONDO (PARAGUAY): VARIACIONES CUALI-CUANTITATIVAS EN EL CICLO
HIDROLÓGICO 2006-2007
Oscar Orfeo
Centro de Ecología Aplicada del Litoral (CECOAL-CONICET) y Facultad de Ciencias Exactas y Naturales (FACENAUNNE) Casilla de Correo 291 – 3400 Corrientes. [email protected]
Dentro de los grandes ríos de Argentina, el río Pilcomayo presenta una de las mayores tasas de transporte de sedimentos
generando importantes cambios recurrentes en la morfología fluvial, los cuales necesitan ser atendidos con adecuado grado
de detalle para comprender la dinámica del agente. Para ello se analizan algunos aspectos del transporte fluvial de materiales
detríticos en la sección transversal localizada entre Misión La Paz (Argentina) y Pozo Hondo (Paraguay) (22º 22’ 35” S
- 62º 31’ 18” O), donde las variaciones hidrométricas locales en el período Diciembre 2006 a Diciembre 2007 oscilaron
entre 2,3 y 6,6 m. Los resultados obtenidos permitieron apreciar que alturas hidrométricas superiores a 3 m se relacionaron
con valores de conductividad eléctrica próximos a 600 μS/cm, concentración total de sales en el orden de los 370 mg/l
en promedio, pH igual a 7,7 y temperatura del agua superior a los 30ºC. Con alturas hidrométricas inferiores a 3 m se
duplicaron los anteriores valores de conductividad eléctrica y concentración total de sales disueltas, el pH fue superior a 8
y la temperatura del agua descendió unos 10ºC. La concentración promedio de sedimentos suspendidos en toda la sección
varió entre 1357 mg/l y 7749 mg/l manteniendo una relación directa con el caudal. Al igual que con los parámetros físicoquímicos, los registros de concentración total de sedimentos también pudieron asociarse empíricamente en dos grandes
grupos. Con niveles hidrométricos superiores a 3 m la concentración general promedio de sedimentos suspendidos fue
aproximadamente igual a 7000 mg/l, en cambio con niveles inferiores a 3 m la concentración promedio estuvo en el orden
de los 1500 mg/l. La distribución de los sedimentos en niveles horizontales mostró una estratificación conspicua con los
mayores valores de concentración cerca del fondo del cauce, independientemente de la situación hidrológica considerada.
Las clases granulométricas de los sedimentos transportados en suspensión fueron: arena, limo y arcilla. La fracción limo
fue la más abundante con una frecuencia aproximadamente igual al 50% de las poblaciones presentes y una distribución
relativamente uniforme en el flujo. La abundancia de la fracción arena mantuvo una relación directa con la energía de la
corriente y sus variaciones en el tiempo acompañaron a los niveles hidrométricos. La arcilla tuvo variabilidad inversamente
proporcional al nivel hidrométrico. La fracción limo mostró un incremento sostenido en el tiempo, es decir, que su abundancia
aumentó con la disminución de caudal. El transporte de sedimentos suspendidos varió aproximadamente entre 1200 tn/dia
en aguas bajas y 155000 tn/dia en aguas altas, manteniendo una clara correlación directa con los valores de caudal. Los
materiales extraídos en el fondo del canal fueron dominantemente arenosos, con extremos de abundancia de arena variables
entre 88% y 99%. En forma subordinada, se registró la presencia de limo (entre 2% y 6% aproximadamente), mientras
que la abundancia de arcilla en el fondo del canal fue siempre inferior al 1%. El esquema anterior de distribución de
frecuencias mantuvo una invariable regularidad en el tiempo, sin registrarse tendencias de cambio definidas ni en relación
a las verticales seleccionadas para la toma de muestras ni en relación a las fechas de muestreo. Lo dicho estaría indicando
que la expresión granulométrica de los sedimentos del fondo del canal no se encuentra regulada por la dinámica fluvial sino
por la homogeneidad de la oferta detrítica.
76
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
GENETICAL, MORPHOLOGICAL AND EVOLUTIONAL RELATIONSHIPS OF THE FLOODPLAIN LAKES
IN THE MIDDLE PARANÁ RIVER HYDROSYSTEM
Aldo R. Paira and Edmundo C. Drago
Instituto Nacional de Limnología (CONICET-UNL), J. Macia 1933, 3016 Santo Tomé, Santa Fe. Argentina.
The large river basins of South America are important freshwater reservoirs which also harbor an exceptional biodiversity.
Immense floodplains develop along most of these rivers being highly productive areas of the catchments. The Paraná is the
second largest fluvial hydrosystem of South America, draining 15 % of the continental surface and discharging to the sea
annually about 630 km3 of freshwater. The fringing floodplain of the Middle Paraná River is ca. 20,000 km2 in area, being
connected with several important tributary floodplains as well as large wetlands. The floodplain lakes of the Middle Paraná
River alluvial landscape vary considerably in shape and size. These basins range in shape from circular to irregular and in
area from less 0.01 km2 to greater than 15 km2, showing the 78.7 % of lakes a range between 0.01 and 0.40 km2. Lakes with
elongated-channel shaped basins are generally the predominant class of lakes on the floodplain. River dynamics through
lateral scouring and filling processes together with long-term channel changes at the riverscape scale, generates and changes
the lentic water bodies giving rise to a diverse morphology and hydrologic behaviour. Thus, in lake-rich terrain as river
floodplains, the lakes are essentially the short- and long-term residual landforms of the river dynamics. The purpose of this
paper is to summarize a basin-wide survey of lake morphometries and to examine the relationships with the main channel
and floodplain evolution, as well as with the hydrological connectivity.
GEOMORFOLOGÍA Y SEDIMENTOLOGÍA DE ISLAS SIMPLES Y COMPUESTAS
DEL RÍO PARANÁ EN SU TRAMO MEDIO
M. S. Pereira1, C. G. Ramonell2, E. M. Latrubesse1, E. D. Cafaro2
Facultad de Cs. Naturales y Museo, Universidad Nacional de La Plata, Buenos Aires, Argentina
Facultad de Ingeniería y Cs. Hídricas, Universidad Nacional del Litoral. Santa Fe, Argentina
[email protected], [email protected], [email protected], [email protected]
1
2
Bancos e islas de cauce son geoformas predominantes en numerosos sistemas fluviales, y su conocimiento deriva
mayoritariamente de ríos de dimensiones menores. Para los grandes ríos del mundo, en los que las islas son particularmente
abundantes, existen pocos estudios detallados. En el caso del río Paraná se cuenta con los trabajos de Drago (1973, 1977),
Orfeo (1996) y Ramonell et al. (2000), quienes caracterizaron modos y tasas de crecimiento de estas geoformas, incluyendo
en sus análisis fotos aéreas y cartografía batimétrica de los últimos 150 años. Orfeo (1995) propuso una clasificación de tales
morfologías en base a diferentes parámetros, distinguiendo las “barras agradacionales” de las islas formadas por escisión
de la planicie aluvial, o “barras relictuales”. Nuestra investigación, que aborda la morfodinámica de bancos e islas del
cauce principal entre las latitudes de Corrientes y Rosario, incluye el estudio detallado de sus geoformas constitutivas, las
arquitecturas sedimentarias asociadas, y las transformaciones que experimentan al adosarse a la planicie aluvial. Avanzando
sobre la propuesta de Orfeo, las islas de este tramo pueden diferenciarse en “simples”, “compuestas” y “complejas”. Las
primeras están formadas mayoritariamente por un solo elemento geomorfológico (e.g., barras cuspidales), mientras que las
segundas son asociaciones de diferentes geoformas deposicionales, cuyas márgenes son concordantes con la traza en planta
de estos. Las islas complejas, por su parte, presentan tanto márgenes concordantes como erosivas, y mayor diversidad de
elementos geomorfológicos, como ser: bancos de punta, espiras de meandro, albardones en torno a riachos estrechos, etc.;
parte de estas corresponden a las “barras relictuales” referidas. Un área representativa de islas simples y compuestas se
extiende entre Pto. Curtiembre y Pto. Celina, en un tramo de 20 km de longitud centrado en 31º 31‘ S. En este tramo el cauce
principal describe dos amplias ondas de ca. 7 km de amplitud, limitadas por estrechamientos de menos que 1,3 km. En las
ondas las islas suman unos 60 km2 de superficie, siendo las de tipo simple formadas por un núcleo sedimentario oval, aguas
arriba del cual se acrecionaron bancos cordoniformes que lo envuelven a modo de herraduras paralelas (barras cuspidales).
Las islas compuestas se desarrollaron a partir de un núcleo original en forma de V con vértice hacia aguas arriba, en torno al
cual se adosaron bancos laterales y cuspidales; los primeros están separados entre sí por canales menores, que suelen tener
en su extremo bancos de desembocadura; bancos con geometrías diversas originados posiblemente por efectos de “sombra”
al escurrimiento se encuentran aguas abajo de los núcleos en V. Albardones, surcos de desborde y derrames asociados se
77
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
disponen en el perímetro de las islas compuestas. Más del 50 % de la superficie de estas islas se desarrolló en los últimos
50 años, a partir del crecimiento de bancos subacuáticos del cauce identificables en batimetrías 20 años más antiguas que
ellas. El 45 % restante se formó en los 100 años anteriores. Sedimentológicamente, se reconocen en ambos tipos de isla dos
facies granulométricas: la principal es de arenas medias a finas, con arenas gruesas (y hasta guijas finas) subordinadas; sobre
esta se encuentran sedimentos finos de inundación, y arenas finas y muy finas que formaban parte de la carga en suspensión,
integrando cuerpos lenticulares y filiformes de hasta 3 m de espesor, en los que predominan los limos y las arenas muy finas
limosas. Considerando la antigüedad de estas islas, las tasas de depositación de sedimentos finos llegan a superar los 5 cm/
año.
Drago, E. (1973). “Caracterización de la llanura aluvial del Paraná Medio y de sus cuerpos de agua”. Bol. Paranaense de
Geociéncias, Nº 31: 31-44.
Drago, E. (1977). “Erosión y sedimentación en un tramo del cauce del Río Paraná Medio”. Rev. Asoc. Geol. Arg., T. XXXII,
Nº 4, pp. 277-290.
Orfeo, O. (1996). “Criterios para la clasificación de barras en grandes ríos entrelazados de llanura subtropical”. VI Reunión
Argentina de Sedimentología, Bahía Blanca, Actas: 231-236.
Ramonell, C. G., M. L. Amsler y H. Toniolo (2000). “Geomorfología del cauce principal”. En: ‘El Río Paraná en su tramo
medio. Una contribución al conocimiento y prácticas ingenieriles en un gran río de llanura’ (C. Paoli y M. Schreider, eds.),
Tomo 1: 173-232. Centro de Publicaciones de la Univ. Nac. del Litoral. Santa Fe.
RIVER MORPHODYNAMICS IN ARGENTINA: A REGIONAL PERSPECTIVE
Carlos G. Ramonell1,2, María D. Montagnini1, Edgardo D. Cafaro1,2, Manuel G. Gallego1,2, Juan J. Alarcón1 y Mario L.
Amsler 1,2
Facultad de Ingeniería y Cs. Hídricas, Universidad Nacional del Litoral,
Santa Fe, Argentina. [email protected] 2 Consejo Nacional de Investigaciones
Científicas y Técnicas (CONICET)
1
Argentina is the seventh largest country in the world, extending over more than 2,700,000 sq km between 22º lat. S and
55º lat. S, with a N-S length of ca. 3500 km. Twelve physiographic realms, each of them with a distinctive assocciation of
climate, relief and superficial geology, could be recognized, including more than ninety fluvial basins and hydrographic
regions with hundreds of river channels. Following a zonation of their river morphodynamics, the major regions were
divided into some subregions (commonly three or four), attending to location of different channel patterns, rates and modes
of channel shiftings, and regime of liquid and solid discharges. Both, sandy or gravelly meandering and wandering channels
prevail at a country scale and over a wide range of river sizes, with shift rates strongly controlled by, in order of importance,
bank material, sediment supply and discharge (variability prevailing over magnitude). Thus, most mobile river channels
are found in the piedmont areas of the northwest, i.e., in the Subandean Ranges and the associated piedmont in the Chaco
Plain. At the same scale, the most common external influence for sudden channel pattern change is seen where the rivers
attach themselves to the valley sides, frequently evolving into straight channels in these reaches. Braided rivers predominate
in the western mountain belts of Argentina, mostly restricted to the upper zones of alluvial fans. Braided incised rivers
are found in the fan apexes around the middle-eastern mountains, probably due to the low sediment production in these
environments, without considering tectonism. Gravelly anastomosing systems predominate in perennial rivers of Patagonia
lowlands, south of 39º lat. S; single channels of these systems are high sinuosity meandering streams. The anastomosing
pattern may be related to avulsion phenomena into floodplains incised in plateau reliefs, where there are no chances for
alluvial fan development. Patagonian rivers have low rates of continuous shifting, but the potential for avulsions is present
in a wide range of river size systems. Events of the recent geologic past explain several properties of the current behavior
of Argentinian rivers. Non-alluvial streams are found in some areas of the Pampa Plain, as a result of a complex history,
including climatic and sea level changes. It is well known that vulcanism, tectonism and glacial history of Patagonia
during the Quaternary disarticulated the hydrographic networks, creating the largest diversity of fluvial morphodynamic
environments of the country. In a similar way, some of the river systems north of 39º lat. S cross through inactive aeolian
dune fields, changing their pattern and sediment size. An unfinished process of drainage integration in these systems could
explain some differences in the morphodinamic behavior within (and among) the longest rivers of the same physiographic
region.
78
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
THE EFFECTS OF GEOMORPHOLOGIC CONTROLS ON SEDIMENT YIELD IN THE ANDEAN RIVERS
OF COLOMBIA
Juan D. Restrepo A.
Department of Geological Sciences, EAFIT University-Carrera 49 No. 7 sur 50-AA 3300-Medellín
Colombia-Tel: 57-4-2619329-Fax: 57-4-2664284, [email protected]
This study examines sediment yield rates and its response to control variables in the principal rivers of Colombian draining
into the Caribbean and Pacific coasts. Based on a multi-year dataset of sediment loads from six rivers, including Mira,
Patía, and San Juan on the Pacific margin, and Magdalena, Atrato, and Sinú, on the Caribbean basin, various morphometric,
hydrologic, and climatic variables were estimated in order to understand and predict the variation in sediment yield. The
Pacific rivers are characterized by small basins with high sediment yield. The San Juan occupies a 16,465 km2 basin with the
highest mean sediment load (16 MT yr-1) and basin-wide sediment yield (1150 t km-2 yr-1) on the entire west coast of South
America. The Patía River, with a drainage area of 23,700 km2, has a sediment load and basin-wide sediment yield of 14 MT
yr-1 and 972 t km-2 yr-1, respectively. The total sediment load into the Pacific Ocean from the Mira is 9.7 MT yr-1. This results
in a sediment yield estimate of 1025 t km-2 yr-1. Along the Caribbean, the sediment load of the Atrato River is 11.3 MT yr--1,
and the corresponding sediment yield 515 t km-2 yr-1. The sediment load of the Sinú River is 4.2 MT yr-1 with a basin-wide
sediment yield of 589 t km-2 yr-1. Load measurements in the Magdalena during the 1972–2002 year-period yielded an annual
sediment load of 144 MT yr-1. The calculated sediment yield for the entire drainage basin area is 689 t km-2 yr-1. A multiple
regression model, including two control variables, runoff and relief ratio (the ratio of the maximum height of the drainage
basin and the basin length), explains 82% of the variance in sediment yield. This model is efficient (ME= 0.92) and is a
valuable tool for predicting total sediment yield from Colombian rivers. These two selected estimators refer to the relative
importance of the fluvial transport component in the sediment routing system. Thus, regional-scale variance of sediment
yield in the Andean basins of Colombia seems to be explained by the combined influence of tectonics (relief), precipitation,
storminess and surface runoff available for weathering and transport processes. When considering the three gauged Pacific
rivers at their furthest downstream stations, the measured annual sediment loads of these rivers into the Pacific Ocean is 40
MT yr–1. In contrast, the Magdalena, Atrato and Sinu rivers deliver 1795 MT yr-1 into the Caribbean. Overall, Colombian
rivers have the highest sediment yields of any catchment draining into the Atlantic and Pacific margins of South America
due to combination of the following factors: (1) strong tectonic activity, (2) steep slopes, (3) high rates of runoff (1750-7300
mm yr-1), and (4) low values of discharge variability (Qmax-Qmin).
LATE QUATERNARY PALEOHYDROLOGY OF THE MADRE DE DIOS RIVER, SOUTHWESTERN
AMAZON BASIN, PERU
Catherine A. Rigsbya, Erin M. Hemrica, and Paul A. Bakerb
a
b
Department of Geological Sciences, East Carolina University, Greenville, NC 27858 USA
Division of Earth & Ocean Sciences, Nicholas School of the Environment, Duke University, Durham, NC 27705 USA
Late Quaternary climatic and hydrologic variability triggered changes in fluvial deposition and erosion along the course
of the Madre de Dios River, Peru, the largest tributary basin of the Madeira basin, itself the largest tributary basin of the
Amazon. Three laterally extensive, Quaternary-age, terrace tracts are present within the Madre de Dios basin. Analysis of
sedimentary facies,, present in the modern cut banks and terraced sequences, along with radiocarbon dates on fossil wood
and leaf material preserved in the terraced strata, allow reconstruction of the Late Quaternary depositional history of the
sedimentary sequences, including determination of the approximate timing of aggradation and downcutting episodes and its
relationship to the timing of past climate change in this portion of the Amazon basin and beyond. The Quaternary sediments
underlying the terraces most often recorded deposition in a coarse-grained meandering fluvial system. The T3 terrace, the
highest terrace, is underlain by the Miocene (?) Ipururi Formation, which is unconformably overlain by the late Miocene-
79
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Pleistocene (?) (>48,000 cal yrs BP) Madre de Dios Formation, a multistory coarse-sandy to gravelly channel and point bar
complex. The latter was downcut before 29,850± 100 cal yrs BP. This downcut landscape was infilled by meandering fluvial
strata characterized by gravelly channel deposits in a sequence dominated by floodplain and lateral accretion deposits. These
strata were in turn downcut to form the T2 terrace before 11,970 ± 100 cal yrs BP. A third episode of aggradation resulted in
the deposition of a sand-dominated meandering channel complex that infilled the T2 valley and was subsequently downcut
after 3780 ± 50 cal yrs BP. This most recent terrace is infilled by the modern fluvial sediment, which has been actively
aggrading since at least 870 ± 50 cal yrs BP. Importantly, the Madre de Dios fluvial system actively aggraded between
30,000 and 25,000 cal yrs BP, (and likely much younger, as dated samples were, thus far, only found near the base of the
T2 sequence). This observation implies that some combination of (1) increased precipitation and decreased temperature,
(2) decreased evapotranspiration and increased runoff, (3) increased Andean glacial erosion and increased sediment supply,
and (4) decreased atmospheric CO2 (hence decreased rain-forest primary productivity and altered rain-forest physiology/
ecology), entering the last glacial maximum period brought about increased floodplain deposition in the southwestern
Amazon. Elsewhere in the Amazon basin few, if any, fluvial sediments of this age range have been observed. The start of
the next major phase of aggradation coincided with the Younger Dryas and suggested that floodplain sedimentation in the
lowlands was again related to cold and wet conditions in the adjacent highlands (and perhaps in the lowlands as well) and
that Madre de Dios history was also tied to large-scale global climate. This aggradation may have continued throughout the
early and mid-Holocene, until at least 3,780 cal yr BP. If so (and this is uncertain), this episode of sedimentation took place
during a dry period.
NEW RESULTS ON PALAEOENVIRONMENTAL CONDITIONS IN EQUATORIAL AFRICA DERIVED
FROM ALLUVIAL SEDIMENTS OF CAMEROONIAN RIVERS.
Mark Sangen
Institute of Physical Geography, Goethe University Frankfurt am Main;
[email protected]; [email protected]
As part of the DFG-Project 510, the ReSaKo-sub-Project (Prof. Dr. J. Runge) realized extended fieldworks across south
Cameroon (2004-2008). In order to study the palaeoenvironmental information inherited in the alluvial sedimentary
record of equatorial African rivers, along selected meandering, anabranching and anastomosing river sections of mayor
Cameroonian fluvial systems (Boumba, Ntem, Ngoko, Nyong and Sanaga) more than 160 hand-corings reaching maximum
depths of 550 cm were carried out on alluvial ridges and adjacent floodplains. Sampled cut-off and periodical channels,
islands, terraces, backswamps and seasonally inundated floodplains consist of multilayered, sandy to clayey alluvia
containing sedimentary form-units and palaeosurfaces, which provide excellent additional proxy-data archives for the
reconstruction of palaeoenvironmental conditions in western equatorial Africa (e.g. Sangen 2008). Corresponding coring
transects and sedimentary profiles document abrupt grain-size shifts and alternating sedimentary units in the stratigraphic
records, which evidence modifications in the fluvial-morphological respond (e.g. channel migration, aggradation, avulsion)
of the fluvial systems to extrinsic and intrinsic changes. 76 14C-(AMS)-dated samples (Universities of Erlangen and Lecce)
from fossil organic layers and macro-rests embedded in the sedimentary units indicate Late Pleistocene to recent ages
(14C-ages from 48 to 0.2 ky BP), including the Last Glacial Maximum (LGM) and Holocene record. The interpretation of
these alluvial sedimentary archives will offer more precise and profound information on the complex feedbacks between
climate, ocean, fluvial as well as ecological systems and human activity in a regionally marginal studied region, sustaining
high sensitive tropical ecosystems (dense evergreen and semi-deciduous rain forest and savanna-rain forest margin). Major
climatic induced reorganizations of the fluvial systems, which mainly correspond to insolation oscillations and associated
monsoon modifications, can partly be traced in the sedimentary record. The arising hypothetical palaeohydrological and
palaeoclimatic reconstruction shows striking consistency with further regional and supra-regional proxy-data archives (ice
and deep sea cores, lacustrine and hemi-pelagical sediments). δ13C-values (-35.5 to -18.0 ‰) of the dated samples indicate
the persistence of C3-dominated gallery forest habitats (“fluvial refuge”) in the study area, despite major disturbances of
the African rain forest during the Quaternary (e.g. LGM, Maley 1996). Some alluvial archives also demonstrate increasing
80
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
anthropogenic impacts since the Neolithic, which have considerably intensified in sub-recent to recent times (mining,
shifting cultivation, dam construction, industrial logging, sand extraction etc.). This research complements earlier results
from additional terrestrial and marine proxy data archives on the Late Quaternary history of monsoonal western equatorial
Africa (Gasse et al. 2008). Actually continuative research is being carried out on the alluvial sediments. Next to comparison
with hemi-pelagic core MD03-2707 off Cameroon (S. Weldeab, cf. Weldeab et al. 2007), diatoms (F. Nguetsop, cf.
Nguetsop et al. 2004) and phytoliths as well as spiculae (K. Neumann) from selected alluvial samples will be analysed and
interpreted in the context of past and present environmental conditions.
THE GREAT KOSI AVULSION OF 18TH AUGUST, 2008
Rajiv Sinha
Engineering Geosciences Group, Department of Civil Engineering. Indian Institute of Technology Kanpur, [email protected]
On August 18, 2008 the Kosi River shifted by ~ 120 kilometers eastward triggered by the breach of the eastern afflux bund
at Kusaha in Nepal at a location 12 km upstream of the Kosi barrage. This event was widely perceived as a major flood in
the media and scientific circles. Although a large area was indeed inundated after this event, it is important to appreciate that
this inundation was different from a regular flooding event. It is argued that this event marked a mega-avulsion of the Kosi
River. Unlike the previous westward avulsions, the August 18 avulsion recorded an eastward jump of ~120 km which is an
order of magnitude higher than any single avulsive shift recorded in historical times. This avulsed channel ‘reoccupied’ one
of the paleochannels of the Kosi and 80-85% of the flow of the river was diverted into the new course. Since the new course
had a much lower carrying capacity, the water flowed like a sheet, 15-20 km wide and 150 km long with a velocity of 1m/s at
the time of breach. Interestingly, the new course did not join back the Kosi nor did this find through-drainage into the Ganga
as a result of which a very large remained inundated for several weeks. A ground visit to the breach site at Kusaha revealed
that a well-defined seepage channel parallel to the eastern afflux bund has been causing significant toe erosion of the afflux
bund for some years. In contrast, the river bed around the western afflux bund was observed to be at least 4-5 m higher
than the surrounding floodplain level. It is argued that (a) this avulsion resulted due to accelerated bed aggradation after
the construction of embankments along both banks of the Kosi, and (b) the consequent inundation was not a regular flood.
PROCESSOS CONSTRUTORES DE PLANÍCIE ALUVIAL: EXEMPLO DO HOLOCENO DO ALTO RIO
PARANÁ1
José C. Stevaux2, Mauro Parolin3, Isabel T. Leli2, Rafael S. Stevaux4, Édipo Henrique Cremon2, Helton Rogério Menezes3
CNPq/PROSUL; 2Universidade Estadual de Maringá/GEMA;
Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão, PR,
4
Universidade Federal do Rio Grande do Sul/CECO . [email protected]
1
3
A grande maioria dos sistemas fluviais brasileiros apresenta em geral certa semelhança em sua história evolutiva condicionada
fortemente pelas alterações climáticas que transcorreram desde o Último Máximo Glacial até as mudanças durante o
Holoceno Superior. Essa evolução, salvo nos casos de forte influência neotectônica, produziu um padrão morfo-sedimentar
relativamente simples composto de duas unidades fundamentais: um terraço (raramente mais que um) e de uma planície
aluvial ativa ou em abandono. Contudo, a constituição, composição e arquitetura sedimentar dessas unidades variam muito
conforme as condições climático-geológicas específicas a que estavam submetidas as bacias. Neste trabalho é apresentado
o modelo para a construção da planície aluvial do alto rio Paraná durante todo o Holoceno. Tratam-se de processos bastante
peculiares que envolvem avulsão, acrescimento vertical e anexação de barras e que diferem dos processos de outros rios
anastomosados descritos na literatura. a) Avulsão: É o processo responsável pela construção da maior parte da planície de
inundação atual do Paraná. Esse processo gera: a) uma planície marcada por uma topografia deprimida e alongada formada
81
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
por lagos e pântanos ocupantes decorrentes dos antigos canais (paleocanais), b) unidades mais elevadas de morfologia
grosseiramente losângica derivada de antigas ilhas e barras (paleo-ilhas/barras). No caso específico estudado as avulsões
mais significativas para a construção da atual planície deram-se por volta de 2,8 ka B.P. b) Acréscimo vertical: Esse tipo
de construção de planície está ligado à inundação e envolve tanto os processos de decantação do material fino provindo
do canal, como processos de fluxo unidirecional nos canais secundários de planície provindo do rompimento do dique
marginal (“crevasse”). Apresenta taxas de sedimentação que variam entre 1,0 (nas bacias de inundação) até 3,87 mm/ano
(preenchimento de canais abandonados). Os depósitos relacionados a este tipo de processo acumulam-se sobre os antigos
canais de avulsões que, com o passar do tempo, são preenchidos dando à planície uma nova fisiografia. c) Anexação de
barras: São produtos de um tipo de sedimentação que se desenvolve nas margens das ilhas e do canal por meio de barras
laterais do tipo de soldadura. O processo de anexação de barras é atualmente o principal responsável pelo crescimento
areal das ilhas e da planície de inundação. Este processo inicia-se pela formação de uma barra arenosa alongada que se
desenvolve paralelamente à linha de margem das ilhas ou da planície que, no caso de estabilização, pode evoluir para
condições progressivamente menos “eupotâmicas” até ser totalmente incorporada à ilha ou planície (fase terrestre). As
ilhas mais antigas formadas por este processo apresentam idades a partir de 1,9 ka BP. Tal complexidade de processos
constrói uma planície formada por um mosaico de subambientes, que operando em diferentes escalas temporais e espaciais,
controlam a conectividade das variáveis ecológicas do sistema.
82
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
SIMPOSIO
Ambientes costeros y de plataforma de América del sur.
Coordinadores:
Dr. Roberto A. Violante
Dr. José Luis Cavallotto
Dr. Michel de Mahiques
Dr. Helenice Vital
Risks resources record of the past on the Quaternary continental shelves
83
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ASSOCIAÇÕES DE FORAMINÍFEROS BENTÔNICOS DO QUATERNÁRIO DA PLATAFORMA EXTERNA
E TALUDE SUPERIOR DO RIO GRANDE DO SUL (BRASIL) E SUAS APLICAÇÕES PALEOECOLÓGICAS
UNISINOS. [email protected]
Eduardo da Silva Aguiar
No presente trabalho analisou-se a distribuição dos principais gêneros de foraminíferos bentônicos provenientes de 19
amostras de sedimentos superficiais da plataforma externa e talude superior do extremo sul do Estado do Rio Grande do Sul.
Foram separados e identificados 30 gêneros distribuídos em 2187 espécimes. Contatou-se que os gêneros mais abundantes
representados por Planulina, Bulimina, Cassidulina, Globocassidulina e Cibicidoides são dominantes na fácies sílticoarenosa e entre os 147 a 214 m. Já os gêneros Bolivina e Uvigerina são amplamente abundantes na fácies argilo-síltica e
entre os 280-600 m. Com base nesta relação observou-se que a isóbata de 200 metros marca uma nítida separação entre
dois ambientes distintos, com diferentes concentrações de gêneros abaixo e acima deste limite. A análise das associações
de foraminíferos bentônicos baseadas somente na abundância da distribuição dos gêneros de foraminíferos bentônicos
mostrou-se eficiente para a caracterização ambiental da plataforma externa e talude do Rio Grande do Sul constituindo-se
em excelente ferramenta de análise em reconstruções paleoecológicas e paleoambientais.
MORFODINÂMICA DA PRAIA DO FUTURO, FORTALEZA-CE:
UMA SINTESE DE DOIS ANOS DE ESTUDO
Miguel Albuquerque¹*, Lauro Calliari², Iran Corrêa¹ & Lidriana Pinheiro³
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica. Porto
Alegre, RS. +55 (51) 3308-9855 [email protected]; [email protected] 2Universidade Federal do Rio Grande
– FURG. Laboratório de Oceanografia Geológica. Rio Grande, RS +55 (53) 3233-6518 [email protected] 3Instituo de
Ciências do Mar - LABOMAR. Fortaleza, CE. +55 (85) 3366-7000 [email protected]
1
O entendimento dos processos responsáveis pela morfodinâmica dos ambientes costeiros e, formação e migração dos bancos
arenosos são importantes, tendo em vista que assumem um importante papel na conformação, estabilização do ambiente
praial e identificação de riscos costeiros. No que diz respeito à morfodinâmica de praias, diferentes modelos conceituais,
abordando variações nos estágios morfodinâmicos, tem sido aplicados com intuito de estabelecer uma classificação
universal para praias submetidas a diferentes regimes de marés. O presente estudo foi conduzido na praia do Futuro,
Fortaleza-CE, onde através de dados morfológicos, hidrodinâmicos e de sedimentologia, sazonais, pode-se acompanhar
a evolução dos ciclos de acresção e erosão na localidade em função da variação de energia na zona de arrebentação. A
área foi dividida em três setores de monitoramento e classificada de acordo com o Parâmetro Relativo da Maré (RTR),
modelo de estágios morfodinâmicos característico de ambientes de meso maré. Os dois primeiros setores, caracterizados
por granulometria predominantemente grossa e média, respectivamente, foram enquadrados nos estágios morfodinâmicos
intermediários. O setor 02 (P03) apresentou os maiores valores para o índice de mobilidade da praia (σYb=34,65m), durante
os monitoramentos sazonais. As variações do pacote sedimentar nos dois primeiros setores são mais acentuadas na região
do estirâncio médio e inferior. No setor 03, caracterizado por sedimentos finos, predominou o estágio ultra-dissipativo.
Palavras - chave: morfodinâmica sazonal, mobilidade da praial e parâmetro relativo da maré.
MODELO DE PREENCHIMENTO DO VALE INCISO DA LAGOA ENCANTADA, BAHIA -BRASIL,
SOB A ÓTICA DA ESTRATIGRAFIA DE SEQÜÊNCIAS
Angela Brito Almeida¹ e José Maria Landim Dominguez ²
¹ MSc em Geologia pela Universidade Federal da Bahia, PETROBRAS/UN-SEAL/EXP/ABIG; ² PH.D. Geologia e Geofísica
Marinha, LEC – CPGG - Universidade Federal da Bahia.
Sistemas de vales incisos formados durante o último máximo glacial, quando o nível do mar desceu cerca de 120m e expôs
84
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
em várias regiões praticamente toda a plataforma, têm sido documentados em várias partes do mundo, incluindo os estados
do Texas (Thomas & Anderson, 1994; Rodriguez et al., 2004), da Louisiana (Nichol et al., 1994, 1996) e do Alabama
(Kindinger et al., 1994), nos EUA, o leste da China (Li et al., 2000, 2002; Hori et al., 2002; Wellner & Bartek, 2003), os
estados da Bahia (Almeida, 2006; Dominguez et al., 2009) e do Paraná (Lessa et al., 1998), no Brasil, e o vale inciso do
rio Gironde, na França (Allen & Posamentier, 1994). Para o vale inciso da Lagoa Encantada, sul da Bahia, foi proposto um
modelo de preenchimento sob a ótica da Estratigrafia de Seqüências e das variações do nível do mar durante o Quaternário.
Este modelo é resultado da integração do mapeamento das unidades quaternárias com o estudo da arquitetura deposicional
da porção subaérea do vale. Este estudo se deu por meio de 10 furos de sondagem, totalizando mais de 230m, em que
foram coletadas 360 amostras e realizadas 15 datações pelo método do Carbono 14. Foram identificadas duas seqüências
deposicionais. Na Seqüência Inferior, de idade pleistocênica, foram reconhecidas duas fácies sedimentares pertencentes
ao Trato de Sistema de Nível Alto (TSNA). Já na Seqüência Superior foram identificadas nove fácies sedimentares, sendo
uma de idade pleistocênica, pertencente ao Trato de Sistema de Nível Baixo (TSNB), e oito fácies acumuladas durante
o Holoceno, que pertencem ao Trato de Sistema Transgressivo (TST) e ao TSNA. As idades obtidas mostram que o vale
começou a ser preenchido por sedimentos fluviais relacionados ao rio Almada, ainda no Pleistoceno, em torno de 45.000
anos cal AP. As primeiras incursões marinhas ocorreram por volta de 9.600 anos cal AP, quando o nível do mar ainda estava
posicionado a mais de 20m abaixo do atual. Entretanto, o assoreamento só ocorreu depois de 7.000 anos cal AP, quando a
taxa de subida do nível do mar sofreu uma desaceleração, e por volta de 5.800 anos cal AP toda a baía estava preenchida.
Quanto ao preenchimento holocênico, este ocorreu em dois estágios: um primeiro estágio de baía, completamente assoreada
no TST, que inclui fácies de cascalho biodetrítico lamoso com fragmentos de corais, de lama de margem de baía, de
areia de fundo de baía, de areias médias a grossas biodetríticas com alga coralina e parte da fácies de lama plataformal;
e um segundo estágio de estuário dominado por ondas, que se desenvolveu depois do aparecimento de uma barreira que
bloqueava a entrada da baía no TSNA, este representado por fácies de lama plataformal, de areias litorâneas regressivas e
pela fácies de preenchimento de paleocanal estuarino. O rio Almada, embora tenha tido um papel importante na escavação
do vale, praticamente não contribuiu para o seu preenchimento, uma vez que os sedimentos que estão acumulados no vale
são de caráter essencialmente marinho.
SEDIMENTOLOGICAL AND PALEOECOLOGICAL EVOLUTION OF THE ABROLHOS PARCEL
CARBONATE SHELF, BAHIA, BRAZIL
Carine M. de Almeida 1, Cátia F.Barbosa1, Renato C. Cordeiro1, Gerson M. Fermino2 , Alessandra C. Farias2, José Carlos
S. Seoane2, Oliveira-Silva1, P. & Bruno Jean Turcq3
Universidade Federal Fluminense-UFF 1 Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ 2 Institut de Recherche pour le
Développement-IRD 3 ([email protected])
The Abrolhos Archipelago, located in the State of Bahia, Brazil, is the most important coral reef ecosystem of the South
Atlantic due to its great biodiversity and importance for carbonate and biogenic sediment production. The purpose of this
work was the study of palaeoecological and sedimentary evolution of this system along the late Quaternary by the use
of standard benthic foraminiferal methods besides physical and geochemical analysis. This analysis was conducted on a
two-meter-long core (AB05-1), which was collected at a twenty-three-meters water depth at a carbonate platform to the
east of the Abrolhos Archipelago. It was suggested that some changes in the sedimentological and organic matter inputs
might have caused changes on the benthic foraminiferal community, as a result of climate and oceanographic variations at
different spatial and time scales within the last five thousand years. The core was transversally sectioned and sub-samples at
each two-centimeter was retrieved totalizing ninety samples, from which four were sampled to be dated by the 14C method.
Moreover, some granulometric, mineralogic, Total Organic Carbon (TOC), total nitrogen, C/N ratio, besides 13C and 15N
isotopes analyses were conducted to the paleoecological analyses. The foraminifera were washed, through a 0,063mm
mesh sieve, picked up, identified and separated in trophic groups. After the radiocarbon dating the sediment at the base of
the core was found to be 5.230 years (cal. B.P.). The grain size decreased toward the top of the core, what suggested lower
hydrodynamic conditions to the recent. The occurrence of carbonate minerals along the core AB05-1 was predominant and
showed a variation between 60 and 99%. However, there was a percentage variation in Kaolinite between 1215 years cal
B.P. and 345 years cal B.P. The organic matter results suggested an increase of TOC and further increase of total Nitrogen,
which consequently diminishes the C/N ratio and suggested an increase of phytoplankton and/or increase of coral reefs
85
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
productivity from the nearby goblet shape structures of the “chapeirões”. The δ13C values ranged from -21‰ to -18‰ in
all parts of the studied core, suggesting the non-existence of continental land influence on this system along the studied
period. Simbiont-bearing foraminifera (Peneroplis and Archaias) diminished toward the top of the core, and heterotrophic
genera (Miliolinella and Cornuspira) as well as stress tolerant genera (Bolivina, Elphidium and Ammonia) increased. This
could be related to changes observed in grain size and organic matter, what can be linked to regional alterations, such as
changes in wind, and climate patterns, and sea-level oscillation along the years. However, it could have been the result of a
local factor caused by the evolution of the coral reef structure during the late Quaternary along the last 5 ky. In conclusion,
the use of faunistic parameters with geochemical and physical studies on the sediment showed a good resolution on the
paleoecological evolution of the carbonate platform on the Abrolhos Archipelago.
Keywords: paleoecology; sedimentology; mineralogy; benthic foraminifera; geochemistry; southwest Atlantic.
CARACTERIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE HIDRODINÂMICA E MORFODINÂMICA
DO ATUAL DELTA DO RIO PARAÍBA DO SUL, RJ BRASIL
Albano Ribeiro Alves1, Guilherme Borges Fernandez 2, Karoline Machado3, Thais Baptista da Rocha4, Thiago Gonçalves
Pereira5 y Sérgio Cadena de Vasconcelos 6
Diretoria de Hidrografia e Navegação. E-mail: [email protected] 2Departamento de Geografia, Universidade
Federal Fluminense. Programa de Pós Graduação em Geologia e Geofísica Marinha. E-mail : [email protected] .
3
Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geofísica Marinha - E-mail : [email protected] 4Programa
de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense. E-mail: [email protected] 5Programa de
Pós-Graduação em Geologia e Geofísica Marinha, Universidade Federal Fluminense. E-mail: [email protected] 6
Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geofísica Marinha, Universidade Federal Fluminense. E-mail: [email protected]
igeo.uff.br
1
O Delta do Rio Paraíba do Sul pode ser classificado como um clássico delta dominado por ondas. Apesar de diversos estudos
relacionados à evolução deltáica terem sido realizados de forma mais sistemática a partir da década de 1980, algumas
lacunas relacionadas aos atuais processos morfodinâmicos, principalmente relativos à dinâmica sedimentar impulsionada
por ondas, a morfodinâmica de praia, antepraia e dunas frontais e a configuração morfológica distinta observada nos dois
flancos do delta, se mostram ainda presentes. Outro elemento motivador repousa em eventos de recuo da linha de costa na
borda sul, causando severos transtornos a cidade de Atafona, atingindo edificações posicionadas frontalmente ao mar que
se mostram sem explicações relacionadas à ação das ondas. No intuito de contribuir para o esclarecimento destas questões,
as características da dinâmica sedimentar efetuada pelas ondas foram modeladas numericamente, com o uso de uma série
temporal de dados, gerados pelo modelo Wave Model (WAM), cedida pela Marinha do Brasil. Desta forma foi feita uma
caracterização do clima de ondas que atua diretamente sobre o delta. Desta forma foi possível se determinar o gradiente de
transporte litorâneo na evolução sub atual da linha de costa, calculado através o transporte residual, a partir dos resultados
da reconstituição do clima de ondas de quatro anos, por meio do somatório dos transportes instantâneos a cada unidade
espacial de linha de costa. As características geomorfológicas e morfodinâmicas da franja costeira foram determinadas
sobre imagens digitais para mapeamentos em planta e levantamentos topobatimétricos, prolongados para o interior em
aproximadamente 1000 metros e em direção ao oceano algo em torno de 300 metros, a partir da linha de costa. Desta forma
foram verificadas características morfológicas distintas entre os dois flancos do delta, que foram associadas ao clima de
ondas. Os resultados da obliqüidade de incidência de ondas sobre a linha de costa mostraram que o Delta do Rio Paraíba do
Sul é exposto a clima de ondas assimétrico em relação a frente deltáica, mostrando que a feição é submetida a aproximação
de ondas antidifusivas percentualmente representativas. As diferenças morfológicas observadas foram definidas em função
do percentual de ondas com estas características marcando a geomorfologia de cada flanco. O flanco sul é submetido a ondas
antidifusivas percentualmente menos representativas, que criaram condições predominantes para a formação de cordões
litorâneos uniformes e paralelos entre si. O inverso ocorre no flanco norte com maior exposição às ondas antidifusivas,
onde embaiamentos serão formados entre os cordões litorâneos, que tem seu desenvolvimento gerado a partir de emersão
de barras submarinas. Em relação à erosão costeira, no flanco sul verificou-se que junto a foz do Rio Paraíba do Sul ocorre
divergência de transporte sedimentar, ocasionando realinhamento da linha de costa. Desta forma a erosão observada na
cidade de Atafona é resultado de divergência do transporte de sedimentos ao longo da praia, ajustando a linha de costa às
86
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ondas. Assim em condições de ondas de nordeste a linha de costa se ajusta em direção recuando em direção ao continente
afetando a cidade, e formando dunas frontais transgressivas agradacionais.
MONITORAMENTO MORFODINÂMICO NAS PRAIAS DO BALNEÁRIO DE
PONTAL DO SUL (PR) NO BIÊNIO 2008/09.
Larissa Cristina Alves y Marcelo R. Lamour
Laboratório de Oceanografia Geológica – Centro de Estudos do Mar – Universidade Federal do Paraná. PO BOX 50.002
– Pontal do Paraná – Paraná – Brasil - [email protected]
O balneário Pontal do Sul (25o34’S – 48o21’W) encontra-se no litoral sul do Brasil, junto à desembocadura sul do Complexo
Estuarino de Paranaguá (CEP). A região é influenciada por interações entre ondas, correntes de deriva litorânea e de maré,
assim como por atividades antrópicas. O presente trabalho tem como objetivo analisar as variações morfo-sedimentares
ao longo de um arco praial sob influência de desembocadura estuarina. Para tanto, foram realizadas campanhas bimensais
de campo entre março/08 e abril/09 com coleta de amostras sedimentares e topografia de praia. Os perfis topográficos
foram distribuídos com espaçamento de 2 km entre si, sendo cada um composto por 3 segmentos, eqüidistantes em 30
metros (2 laterais e 1 central), desde o pós-praia até a linha de água. A caracterização granulométrica foi realizada através
do método de peneiramento, enquanto que as variações volumétricas foram obtidas a partir da comparação entre as
superfícies de uma mesma área entre coletas consecutivas. As características granulométricas verificadas apresentaram
praias predominantemente arenosas, constituídas por areias finas a muito finas, muito bem a bem selecionadas, com baixas
porcentagens de carbonatos (<3,2%). Nos perfis 1 e 2, situados na porção sudoeste do balneário, entre março/08 e abril/09,
identificaram-se processos erosivos, sendo os volumes iguais a 1924,1 m3 em uma área de 4800 m2 e 1788,3 m3 em 6000
m2 do perfil praial, respectivamente. À nordeste, o perfil 3 passa por processos deposicionais, com acreção de 2085,7
m3 em 9000 m2 de praia no período de 11 meses. Na porção nordeste de Pontal de Sul o perfil 4, localizado na entrada
da desembocadura do CEP, em uma região de pontal arenoso, apresentou indícios de processos erosivos. No intervalo
entre julho/08 a abril/09 o volume sedimentar erodido do perfil foi de 8363,5 m3 em uma área de 9600 m2. O perfil 5,
localizado no interior da baía, na porção noroeste do balneário, entre março/08 a abril/09, apresentou processo deposicional,
somando-se 6303,2 m3 de sedimento em uma área de 4200 m2. As maiores variações volumétricas constatadas ocorreram
nos perfis 4 e 5. Devido à localização desses perfis e a dinâmica local, que transporta sedimentos de sudeste para nordeste,
é possível que a corrente de deriva litorânea transporte sedimentos do perfil 4, e estes acabam depositados no perfil 5. Esse
estudo vem corroborar e enriquecer os conhecimentos sobre a morfodinâmica local, assim como enfatiza a necessidade de
monitoramento dessas áreas.
ESTUDO DO SISTEMA FLÚVIO-ESTUARINO DO RIO ARARI (ILHA DE MARAJÓ-PA).
I.C.C. Alves1, M. El-Robrini 2, S.M. Monteiro1, M.L.S. Santos3 y M.P. Porfírio4
Estudante de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica - UFPA, [email protected], 2Grupo de Estudos Marinhos e
Costeiros-UFPA, [email protected], 3UFPA-Campus de Bragança, [email protected], 4Estudante de graduação
em Oceanografia-UFPA
1
Na margem Leste da Ilha de Marajó as drenagens mais importantes são: os rios Arari, Paracauari, Camará e o Atuá.O rio
Arari nasce no lago Arari e percorre de forma meandrante cerca de 118 km até sua foz na Baia de Marajó. O clima da
margem leste da Ilha de Marajó é classificado como tipo “A”, divide-se em dois períodos sazonais o período chuvoso
(dezembro a maio) com precipitação média de 2.566 mm, representando 86 % do total anual e menos chuvoso de (junho
a novembro) com média de 414,3 mm de chuvas, equivalentes a 14 % do total pluviométrico anual (FERREIRA, 2001;
LIMA, 2002). O relevo da Ilha de Marajó é constituído por duas grandes unidades morfoestruturais: Planalto Rebaixado
da Amazônia e Planície Amazônica. O Planalto Rebaixado da Amazônia é constituído por sedimentos terciários do Grupo
Barreiras/Pós-Barreiras (BEMERGUY,1997). A região do Lago Arari vem sendo alvo de diversos estudos sedimentológicos,
palinológicos e isotópicos (VITAL, 1988; LIMA et al., 2007; MIRANDA et al., 2007; ROSSETTI et al., 2008), por outro
87
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
lado tem-se uma carência de estudos no rio Arari. O objetivo deste estudo foi avaliar a dinâmica dos parâmetros físicos
e físico-químicos (salinidade, temperatura, transparência, pH, oxigênio dissolvido) das águas superficiais na foz do rio
Arari observando as variações sazonais e com as marés. Foram realizadas duas campanhas, a primeira em 13/11/2008
(período menos chuvoso) e a segunda em 09/04/2009 (período chuvoso) em condições de maré de sizígia. Amostras de água
foram coletadas com garrafa do tipo Van Dorn, armazenadas em frascos de polietileno, refrigeradas e transportadas para
o Laboratório de Geologia Marinha da UFPA. Os dados de temperatura, pH e salinidade da água foram registrados in situ
com uma sonda multiparâmetros (Hanna 2998). A transparência da água foi medida com uso de um disco de Secchi e para
a determinação do teor do oxigênio dissolvido foi utilizado o método de Winkler descrito em STRICKLAND e PARSONS
(1972). A medição da maré foi realizada utilizando-se uma régua instalada no trapiche da vila de Santana, localizada na
região da foz do rio Arari, com medição dos valores a cada 15 min. durante 12 horas. Os resultados mostraram valores de
salinidade sempre inferiores a 1, entre 0,02 e 0,19 no período menos chuvoso e 0,00 para o período chuvoso, por outro
lado Monteiro (2009) registrou na foz do rio Paracauari, distante cerca de 60 km da foz do rio Arari, valores de salinidade
8 durante o período menos chuvoso, valor esse característico de zonas de mistura estuarina.A temperatura da água oscilou
entre 28,00ºC e 30,33ºC, essa variação foi diurna e não houve variação sazonal. Os valores de pH ficaram em torno de 6,26
e 7,66 variando de acordo com as marés, sendo estes maiores na enchente e menores durante a vazante, a transparência não
ultrapassou 0,4m, contudo os maiores valores foram observados próximos a preamar, para as duas campanhas, em relação
ao oxigênio dissolvido os valores nas duas campanhas ficaram entre 4,82 mg.L-1 e 6,91 mg.L-1, águas bem oxigenadas
que indicam um ambiente produtivo, a média para o período menos chuvoso foi de 5,52 mg.L-1 e de 4,89 mg.L-1 para o
período chuvoso, essa diminuição nos valores pode estar relacionada com o maior aporte de matéria orgânica no período
chuvoso, o OD não apresentou variação com as marés, no entanto ao longo do dia verifica-se um incremento nos valores
nas duas campanhas, fato que pode ser explicado pela atividade fotossintética. Em relação à onda de maré foi observado um
comportamento assimétrico nos dois períodos, com intervalos de tempo entre enchente e vazante iguais a 5,0 e 7,0 horas
respectivamente. De acordo com Miranda (2002) o fenômeno de desigualdade da maré também ocorre no porto de Santana
(AP), onde os intervalos de tempo de enchente e vazante são de 4,0 e 8,0 horas respectivamente. A amplitude de maré
apresentou uma diferença sazonal, no período menos chuvoso a amplitude foi de 2,36m e no período chuvoso foi 3,28m.
Conclui-se que a foz do rio Arari está inserida em um ambiente dinâmico (sistema fluvio estuarino do rio Pará), localizada
na parte superior do estuário, onde de acordo com a classificação de Kjerfve (1980), os valores de salinidade correspondem
à zona de rio, indicando uma forte influência da descarga continental, que mesmo no período menos chuvoso não permite o
avanço de águas salobras provenientes do Oceano Atlântico. A maré é do tipo semidiurna, com ocorrência de maré dinâmica
e ausência de maré salina, o regime é de mesomarés e dominado pela maré enchente. Os valores dos parâmetros físicos e
físico-químicos são característicos de um rio de águas brancas.
Apoio: CAPES
RELAÇÃO ENTRE AS IDADES DE FORMAÇÃO DOS ESPODOSSOLOS E DA BARREIRA PROGRADANTE
HOLOCÊNICA DE VOLTA VELHA, ITAPOÁ, SUL DO BRASIL
Rodolfo J. Angulo1, Thomasz Boski2 y Maria Cristina de Souza1
LECost - Laboratório de Estudos Costeiros, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil. 2 CIMA - Centro de
Investigação Marinha e Ambiental, Universidade do Algarve, 8000 Faro, Portugal
1
Espodossolos são freqüentes nas barreiras costeiras quaternárias do sul e sudeste brasileiros. O horizonte B destes solos se
caracteriza pelas concentrações de ácidos húmicos e sesquióxidos de ferro, que conferem às areias quartzosas esbranquiçadas
das barreiras cor castanha escura e cimentação incipiente. Este horizonte escuro e endurecido é conhecido popularmente
como piçarra. Em trabalhos da década de 80 a ocorrência de piçarras nas barreiras era considerada elemento diagnóstico de
idade pleistocênica, pois se especulava que não poderia se formar em poucos milênios. Trabalhos posteriores evidenciaram
que este horizonte podia se formar em apenas 3000 anos. Contudo, pouca atenção foi dada à possibilidade de utilizar a idade
de formação do horizonte B de espodossolos para inferir a idade de formação das barreiras. Na localidade de Volta Velha,
planície costeira de Itapoá, norte do litoral catarinense, ocorre uma barreira holocênica progradante de 2,5 km de largura. A
matéria orgânica de duas amostras de horizonte B, obtidas uma próxima da borda mais antiga da barreira e outra a 1,2 km
desta, a 80 cm de profundidade, foi datada, fornecendo idades de 6890-6670 e 2690-2340 anos antes do presente (aAP) 14C
calibrados, respectivamente. Estas idades são compatíveis com as idades inferidas da barreira por outros métodos, tais como
88
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
correlação com barreiras próximas datadas por 14C, modelos evolutivos e curvas de variação do nível relativo do mar no
Holoceno médio e tardio para região. A idade de 6890-6670 aAP corresponde a um período anterior e próximo ao máximo
do nível do mar no Holoceno na região que ocorreu entre 5800-5000 aAP, quando devido à desaceleração da elevação
do nível do mar e conseqüente diminuição da taxa de formação do espaço de acomodação as barreiras começaram a se
formar em diversos locais na costa sul e sudeste do Brasil. Neste período é freqüente a formação de esporões arenosos. Já,
a idade de 2690-2340 aAP corresponde ao período de descida do nível do mar que favoreceu a formação de largas barreiras
progradantes. A idade de 6890-6670 aAP sugere que o horizonte B se formou já no estágio inicial da emersão da barreira e
colonização pela vegetação, pois as barreiras do Holoceno na região não são mais antigas que 7000 aAP. Assumindo que a
velocidade de formação do horizonte B foi constante entre 6890-6670 e 2690-2340 aAP a taxa de progradação no período
seria de 0,28 m/ano e a taxa entre a data mais recente e o presente de 0,52 m/ano, que são compatíveis com os modelos
evolutivos de outras barreiras da região, onde durante os estágios iniciais predomina a formação de esporões e progradação
mais lenta e durante os estágios de regressão forçada as taxas de progradação aumentam. Maior número de datações é
necessário para testar as hipóteses propostas. Se confirmadas, a datação de horizonte B de espodossolos de barreiras do
Holoceno pode se constituir numa importante ferramenta para auxiliar a reconstrução da evolução das barreiras; pois,
são abundantes e com ampla distribuição, em contraste com outros materiais datáveis pelo método do 14C, tais como
conchas e detritos vegetais, que são escassos. Deve se considerar também que a datação das areias das barreiras por termoluminescência ou luminescência oticamente estimulada, freqüentemente, fornece resultados pouco confiáveis.
O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA BARREIRA DA ILHA COMPRIDA, SUDESTE DO BRASIL
Rodolfo José Angulo1, Maria Cristina de Souza1, Paulo César Fonseca Giannini2, Carlos Conforti Ferreira Guedes3 & Luiz
Carlos Ruiz Pessenda4
1 LECost - Laboratório de Estudos Costeiros, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil ([email protected] ,
[email protected]) , 2Instituto de Geociências USP, São Paulo, Brasil ([email protected]), 3 Programa de PósGraduação em Geoquímica e Geotectônica, Instituto de Geociências, USP, São Paulo, Brasil ([email protected])
, 4Laboratório C-14, CENA/USP, Piracicaba, Brasil ([email protected])
A Ilha Comprida, localizada no litoral sul do Estado de São Paulo, é constituída principalmente por uma planície arenosa,
de orientação NE, com 63,5 km de comprimento e 2 a 5 km de largura. Em sua porção sul, um corpo de rocha alcalina
mesozóica sustenta o Morrete, com altitude de 42 m e área inferior a 1 km2. A ilha é separada do continente e ilha de Cananéia
pelo Mar Pequeno. Cordões litorâneos paralelos à linha de costa com terminações encurvadas evidenciam a progradação da
barreira para SE e o crescimento de esporões para NE. Apenas no setor sudoeste mais interno da ilha, os cordões litorâneos
não são visíveis. Segundo parte dos trabalhos anteriores sobre evolução sedimentar da região, este setor teria sido formado
no Pleistoceno e o restante da ilha no Holoceno. Outros trabalhos propõem que toda a ilha se tenha formado no Holoceno
médio e tardio e se iniciado como um esporão ou praia, ancorada no Morrete, ou como uma barreira encostada ao terraço
pleistocênico da ilha de Cananéia. Em afloramentos do extremo sudoeste da ilha, observaram-se séries de mais de 30 cm
de espessura de estratificação cruzada tangencial com mergulho para SW, sob séries, com espessuras de 10 a 30 cm, de
estratificação cruzada planar e acanalada mergulhando para SE. Estas estruturas foram interpretadas como correspondentes
respectivamente a megaondulações maiores de crista reta, migrando para o interior do estuário sob ação de correntes de
maré enchente, e megaondulações menores de crista reta e curva migrando em direção ao mar sob ação de correntes de maré
vazante, ambas em contexto de delta de maré enchente. Detritos vegetais provenientes da calha de estratificação cruzada
acanalada forneceram idade de 4104-4528 anos antes do presente 14C calibrados (aAP). Admitindo que estes detritos
possam ser mais antigos que a formação do depósito sedimentar, conforme verificado em datações semelhantes em barreiras
localizadas mais ao sul (costa paranaense), esta datação evidencia que o delta era ativo durante ou após este período. A partir
do contato entre os estratos com estratificações cruzadas com tubos atribuídos a Callichirus e a fácies de estratificações
plano-paralelas, interpretado como correspondente ao limite entre depósitos do delta de maré enchente e os de face praial,
e equivalente ao nível médio de maré baixa, inferiu-se um paleonível marinho de + 2,6 m, que é compatível com as
curvas de variação relativa do nível do mar para a região. Conchas e fragmentos de troncos provenientes de sedimentos
paleolagunares na parte interna da ilha, datados de 7659-6949 e 6050-5519 aAP, indicam que nessa época já existia uma
barreira isolando um corpo lagunar. O conjunto de dados mencionados sugere que a Ilha Comprida se iniciou como uma ilha
barreira em aproximadamente 7600-7000 aAP. Esta idade corresponde a período anterior e próximo ao do máximo nível do
89
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
mar holocênico na região, o qual ocorreu entre 5800-5000 aAP, quando, devido à desaceleração da elevação do nível do mar
e conseqüente diminuição da taxa de formação do espaço de acomodação, barreiras começaram a ser geradas em diversos
locais na costa sul e sudeste do Brasil. Neste período, é freqüente a formação de esporões arenosos. Em 4104-4528 aAP,
ou posteriormente, existia um delta de maré enchente ativo a sudoeste da ilha. Configurações semelhantes foram propostas
para as barreiras localizadas mais ao sul, no litoral paranaense, onde existem evidências de amplos deltas de maré enchente,
ativos durante as primeiras fases de formação dos estuários, até pelo menos 3520-3169 aAP. Em seguida, teria havido a
diminuição ou interrupção da entrada dos sedimentos marinhos que alimentavam estes deltas.
Análise multitemporal da evolução da linha de costa das praias Espraiado
e Volta do Rio no litoral leste de Acaraú – Ceará – Brasil
Maria Valdirene Araújo
Universidade Federal de Pernambuco ([email protected])
Este trabalho compara as imagens do satellite Landsat 5 TM de 7 de Julho de 1987, 10 de Junho de 1991, 2 de Julho de
1999 e 11 de Agosto de 2008, para analisar as mudanças morfológicas do litoral de Acaraú, no estado do Ceará. Após o
tratamento digital (composição RGB, razão de bandas, análikse de componente principal, entre outras técnicas) foi possível
gerar várias imagens e mapas multitemporais sobre a morfodinâmica da área. Foi possível identificar o limite terra/água, as
feições da zona sumbersa rasa e a extensão da zona de sedimentos em suspensão. A análise multitemporal da morfodinâmica
costeira possibilitou a identificação e avaliação semi-quantitativa das regiões submetidas a processos de erosão e construção
nas últimas duas décadas.
Palavras-chave: sensoriamento remoto, processamento de imagens
FORMAÇÃO E EROSÃO DE UMA DUNA FRONTAL EM MANGUE SECO,
COSTA DOS COQUEIROS, BAHIA, BRASIL
Liana Maria Barbosa¹, Maíse Ferreira Oliveira²
¹Área de Geociências, Depto. Ciências Exatas, Universidade Estadual de Feira de Santana, Labexa 13. ²Licenciada em
Geografia, Colégio Limite, bolsista FAPESB (2005-2007) ([email protected]). Convênio CNPq conv. 479.479-2007.0
A Área de Proteção Ambiental de Mangue Seco, no extremo nordeste da costa da Bahia, é caracterizada pela presença de
um campo de dunas ativas, onde foi experimentado um programa de fixação de areia eólica entre 1983 e 1986. Bordejando
a linha de costa, desenvolveu-se uma duna frontal nas proximidades da vila de Mangue Seco. Nos últimos dez anos,
aproximadamente, os processos costeiros estão favorecendo a dissecação da duna frontal e o recuo da linha de costa.
INTERPRETAÇÃO DE SEÇÕES DE GEORADAR NO ESTUDO DA EVOLUÇÃO
DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL
Eduardo Guimarães Barboza, Maria Luiza Correa da Camara Rosa, Luiz José Tomazelli y Sérgio Rebello
Dillenburg
Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica (CECO), Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Av. Bento Gonçalves, 9.500. CEP: 91501-970. Porto Alegre, RS, Brasil. Fone/Fax: (51) 3308-7160 E-mail: [email protected]
O presente estudo apresenta os resultados obtidos através da utilização da Geofísica no reconhecimento de feições geológicas
em subsuperfície. Essas feições representam a evolução do sistema costeiro holocênico no Rio Grande do Sul. A Planície
Costeira do Rio Grande do Sul (PCRS) representa a porção superior emersa da Bacia de Pelotas, localizada no sul do Brasil.
90
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Essa região possui características singulares no que diz respeito à evolução costeira durante o Holoceno. Essa evolução
é marcada por uma linha de costa que possui setores retrogradacionais, agradacionais e progradacionais. Este estudo foi
realizado através da aquisição de perfis com Georadar (GPR) perpendiculares à linha de costa no litoral sul da PCRS. A
interpretação desses perfis permitiu distinguir setores da barreira costeira retrogradacionais e progradacionais. Em algumas
regiões é possível identificar a transição do sistema retrogradacional para o progradacional. Nesses setores verificamse truncamentos e inversões no sentido de migração dos refletores presentes nas seções de GPR. Esses elementos são
representados por superfícies de descontinuidade e por terminações em downlap, as quais indicam o sentido de deslocamento
dos sistemas deposicionais. Os dados adquiridos contribuem para um melhor entendimento da geometria, dos elementos
arquiteturais e da evolução dos sistemas deposicionais que compõem a barreira costeira holocênica da região sul da PCRS.
A utilização do GPR na área desse estudo obteve excelentes resultados, e mostrou-se muito eficiente para a identificação
de estruturas em subsuperfície. Essas estruturas, até então não observadas, nem sempre possuem uma correspondência que
permita a sua percepção em superfície.
DEPÓSITOS ESTUARINOS DA BAÍA DE VITÓRIA – PRIMEIRAS DATAÇÕES, INTERPRETAÇÃO SISMO
ESTRATIGRÁFICA E BIOFACIOLÓGICA
Alex Cardoso Bastos1, Claudia Gutterres Vilela2, Fabiana Karla de Almeida2 y Valéria da Silva Quaresma1
1 – Laboratório de Oceanografia Geológica, Depto. Oceanografia e Ecologia Universidade Federal do Espírito Santo
2- MicroCentro, Laboratório de Análise Micropaleontológica, Depto. Geologia, Instituto de Geociências, Universidade
Federal do Rio de Janeiro
A evolução sedimentar dos ambientes costeiros está diretamente ligada às variações relativas do nível do mar e as taxas
de criação de espaço de acomodação e aporte sedimentar. De uma maneira geral, os estuários brasileiros formados a partir
do Holoceno têm sua origem ligada diretamente à última transgressão pós-glacial, quando vales fluviais foram afogados,
formando então depósitos transgressivos sobrepostos a depósitos de tratos de nível de mar baixo (lowstand). As curvas de
variação relativa do nível do mar para a costa leste brasileira, mostram que em torno de 7000 anos BP o nível do mar passou
o nível atual, chegando a um nível máximo acima do atual de até 5m em alguns setores da costa brasileira, por volta de 5000
anos BP (Martin et al.,1996; Angulo & Lessa, 1997). Após este máximo transgressivo, o nível do mar vem descendo até
atingir o nível atual, o que caracteriza uma costa regressiva. A Baía de Vitória (Espírito Santo, Brasil) é um estuário do tipo
planície costeira, de grande importância para a região da Grande Vitória em função da intensa atividade portuária que ali é
desenvolvida. A parte inferior do estuário, da desembocadura até o Porto de Vitória, sofre com a ação antrópica, incluindo
constantes dragagens. O setor superior do estuário se encontra mais preservado, sem nenhuma atividade de dragagem e
a presença de áreas de manguezais nas margens. A Baía de Vitória se tornou então foco de várias pesquisas associadas à
dinâmica e evolução sedimentar deste ambiente estuarino. O objetivo deste trabalho é apresentar os primeiros resultados
obtidos para a Baía em termos de datação dos depósitos estuarinos, e interpretação sismo-estratigráfica e biofaciológica.
Os dados aqui apresentados correspondem a cinco datações por radiocarbono obtidas em dois testemunhos coletados
no canal e na margem, assim como a interpretação de seções sísmicas. Análises de foraminíferos bentônicos em quatro
testemunhos, incluindo os dois testemunhos datados, foram realizadas para a determinação de biofácies. Os resultados
mostram depósitos variando entre 7200 e 1010 anos AP (Bastos et al., submetido). O dado sísmico em conjunto com
os dados sedimentológicos dos testemunhos revelaram uma superfície ondulada, que está sendo interpretada como uma
superfície de máxima inundação, que pode ter sofrido um processo de erosão durante o início da fase regressiva, e depois
no máximo de transgressão, em torno de 5000 anos AP. O depósito transgressivo é caracterizado por sedimento lamoso
com fragmentos de conchas. Sobreposto à superfície de máxima inundação, observam-se refletores com terminação do tipo
downlap e onlap, em função da característica ondulada desta superfície. Estes refletores são caracterizados por sedimentos
areno-lamosos, lamo-arenosos, sendo que a datação obtida para este horizonte foi em torno de 4000 anos AP. Essa idade
coloca estes refletores como depósitos formados durante a fase regressiva. Os depósitos mais recentes, datados entre 2700 e
1010 anos AP são caracterizados por refletores paralelos e sub-paralelos que são truncados pela morfologia do canal atual.
Concluindo, os resultados obtidos até então sobre a evolução sedimentar holocênica da Baía de Vitória revelam a ocorrência
de uma superfície de máxima inundação, potencialmente erodida, que separa depósitos transgressivos e regressivos. Vale
salientar que a morfologia atual do fundo da baía evidencia um processo de ravinamento com a formação de um canal
de maré que já erodiu depósitos de até 2700 anos BP. O padrão de distribuição das biofácies de foraminíferos bentônicos
91
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
identificadas na Baía de Vitória confirma as interpretações sismoestratigráficas. Foi observada a passagem de ambiente
marinho para marinho restrito, até a efetiva implantação dos manguezais no presente. Através da presença e ausência das
biofácies no topo dos testemunhos, pode-se inferir um hiato deposicional interpretado o canal de maré descrito acima.
Referências
Angulo, R.J., Lessa, G., 1997. The Brazilian sea level curves: a critical review with emphasis on the curves from Paranagua´
and Cananeia regions. Marine Geology 140, 141–166.
Bastos, A.C.; Gutterres, C.V.; Quaresma, V.S., Almeida, F., submetido. Modern Estuarine Infilling Process studied by
Radiocarbon Method and High Resolution Seismic, Vitória Bay-Espírito Santo, southeastern Brazil. Anais da Academia
Brasileira de Ciências, submetido.
Martin, L.; Suguio, K.; Flexor, J-M.; Dominguez, J.M.L. & Bittencourt, A.C.S.P. 1996.
Quaternary Sea-level history and variation in Dynamics along the central Brazilian coast: consequences on coastal plain
construction. Anais Academia Brasileira de Ciências, 68: 303-354.
SIGNIFICADO FACIOLÓGICO DOS SEDIMENTOS DE FUNDO DA BAÍA DE VITÓRIA
Alex Cardoso Bastos, Paulo Veronez Junior y Valéria da Silva Quaresma
Laboratório de Oceanografia Geológica, Depto. Oceanografia e Ecologia Universidade Federal do Espírito Santo
[email protected]
O modelo faciológico clássico de distribuição sedimentar em estuários é proposto por Dalrymple et al. (1992). Neste modelo
fica claro que a distribuição de sedimentos é função da relação entre as forçantes hidrodinâmicas principais no estuário: a
descarga fluvial e os processos marinhos (ondas e marés). De uma maneira geral, os estuários apresentam sedimentação
tipicamente marinha (arenosa) na sua desembocadura, passando para uma sedimentação tipicamente de lamas estuarinas
em direção ao centro do estuário, onde a energia do sistema diminui. A cabeceira do estuário seria então dominada pelos
processos fluvias, onde ocorreria a deposição de areia fluvial, formando um delta. A morfologia e a distribuição faciológica
deste sistema variam em função do predomínio de ondas e/ou marés. O equílibrio entre as taxas de aporte sedimentar e de
criação de espaço de acomodação, dentro de uma sequência de variações relativas do nível do mar, passariam a controlar
os processos de preenchimento e evolução sedimentar do estuário. A Baía de Vitória é a parte principal de um complexo
sistema estuarino tropical localizado no estado do Espírito Santo. O sistema apresenta dois canais de comunicação com o
mar: o Canal da Passagem e o Canal do Porto, que na verdade é a porção Sul da Baía de Vitória. Este sistema é formado
pelo deságue de vários rios, sendo o Rio Santa Maria da Vitória de porte médio, e os rios Formate-Marinho, Bubu, Aribiri,
Córrego Piranema e o Canal da Costa de pequeno porte. A baía tem um regime de micromaré, sendo que medições analisadas
por Rigo (2004) mostram um aumento da assimetria da maré nas áreas mais interiores da Baía de Vitória, sendo que as
defasagens da preamar são geralmente maiores que na baixamar em relação a maré no Porto de Tubarão, principalmente
no interior da Baía. Este trabalho tem como objetivo discutir a faciologia de fundo da Baía de Vitória no que tange a fase
atual de evolução sedimentar deste sistema estuarino. Vários dados já coletados e disponíveis estão sendo usados para
esta discussão, entre eles: mapa de distribuição de sedimento de fundo da Baía, mapa batimétrico, seções sísmicas de
alta resolução, imageamento do fundo com sonar de varredura lateral, quantificação do aporte sedimentar fluvial, análise
composicional dos sedimentos e dados hidrodinâmicos. A análise integrada da morfologia com a distribuição sedimentar
e os padrões sonográficos apresentou boa correlação e revelou a grande complexidade dos padrões de sedimentação na
baía. Esta complexidade pode ser função da não relação entre a dinâmica atual e a distribuição sedimentar. Levantamentos
sísmicos de alta resolução revelam que o canal principal da baía (não dragado) é fruto de processo erosivo, o que poderia
indicar uma tendência de baixa taxa de sedimentação. A seção sísmica indica que, localmente, o aporte de sedimentos finos
pode estar recobrindo parcialmente sedimentos pretéritos que foram erodidos na formação do canal. Os dados mostram que
localmente esta camada de sedimento moderno não ultrapassa 15cm. Imagens sonográficas revelam padrões complexos
de formas de fundo, aparentemente, sendo soterradas por sedimento lamoso. A análise de testemunhos em conjunto com
a sísmica, revela que ao longo do canal de maré atual o fundo é tipicamente formado por sedimentos do início da fase
regressiva, após o máximo transgressivo, ou por lamas transgressivas. A ocorrência de lamas transgressivas no fundo do
canal é mais comum na cabeceira do estuário, sendo que espacialmente, estas lamas estariam em contato com areias médias
de origem fluvial, que formam um delta de cabeceira. Concluindo, a análise da morfologia e do sedimento de fundo da Baía
de Vitória revela que o estuário, embora esteja situado em uma costa regressiva (pelo menos nos últimos 5000 anos), parece
92
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
apresentar um processo erosivo ao longo do seu canal de maré que se estende até a cabeceira do estuário.
Referências
Darymple, R.W.; Zattlin, B.A.; Boyd, R. 1992. Estuarine facies models: conceptual basis and stratigraphic
implications. Journal of Sedimentary Petrology, 62: 1130-1146.
RIGO, D. Análise do escoamento em regiões estuarinas com manguezais – medições e modelagem na Baía de Vitória, ES.
2004. 140 p. Tese (Doutorado em Engenharia Oceânica) Programa de Pós-Graduação de Engenharia, Universidade Federal
do Rio de Janeiro - COPPE, Rio de Janeiro, RJ.
EVOLUÇÃO DAS DUNAS COSTEIRAS ATIVAS DA RESERVA BIOLÓGICA
DE SANTA IZABEL (SE-BRASIL)
Soraia Conceição Bispo1, José Maria Landim dominguez2 y Liana Maria Barbosa3
[email protected] 2 Lab. de Estudos Costeiros CPGG,Instituto de geociências /UFBA, [email protected] 3Depto.
Exatas, Lab. de geociências/UEFS, [email protected]
1
Esta pesquisa descreve as mudanças morfológicas ocorridas no campo de dunas ativas da Reserva Biológica de Santa Izabel
(Sergipe), no período de 1955 a 2005. As principais técnicas usadas envolveram mapeamento geológico e GIS. Os principais
resultados incluem: (i) areias das praias são predominantemente finas muito bem selecionadas, (ii) nas dunas em ambas
as estações (seca e chuvosa) predominou areia fina, (iii) durante o período de 48 anos de estudo, a área total do campo de
dunas aumentou aproximadamente 1,3km2, (iv) os domínios, Lençol de Areia (LA) e Duna e Interduna (DI), apresentaram
um aumento de área respectivamente de 0,63km2 e 1,47 km2, enquanto que, a área do domínio das Dunas de Precipitação
(DP) diminuiu aproximadamente 0,75 km2, tornando-se mais estreito, (v) as dunas isoladas no domínio (DI) tem aumentado
em comprimento com uma simultânea redução em largura onde dunas parabólicas se desenvolveram a partir de dunas sem
cristas e faces de deslizamento bem definidas e (vi) a cobertura vegetal (restinga) expandiu durante o período de 1971-2003,
com um aumento de 35,48%. O estreitamento das dunas de precipitação associadas com numerosos blowouts sugeri que
o sedimento não está suprindo esse domínio, as quais estão, portanto, experimentando um processo de canibalização. Os
dados climáticos disponíveis (precipitação), não mostram uma correlação direta com as mudanças observadas. A falta de
dados de ventos na estação próxima a área de estudo impossibilitou uma análise conclusiva das mudanças documentada. A
expansão da cobertura vegetal na área de estudo pode estar associada a: (i) criação da Reserva Biologia de Santa Izabel, (ii)
diminuição de suprimento sedimentar para a zona costeira devido às construções de barragens no rio são Francisco e (iii)
mudanças na freqüência direcional dos ventos causando uma diminuição da taxa de migração das dunas.
EL SECTOR NORTE DEL TALUD CONTINENTAL ARGENTINO: NUEVA INFORMACIÓN
SEDIMENTOLÓGICA ADQUIRIDA EN LAS CAMPAÑAS METEOR Y PUERTO DESEADO
Graziella Bozzano y Roberto A. Violante
Servicio de Hidrografía Naval, Depto. Oceanografía, División Geología y Geofísica Marina. Av. Montes de Oca 2124,
ABV1271, Buenos Aires, Argentina. E-mail: [email protected]
El margen continental argentino está caracterizado por una compleja dinámica sedimentaria debida a la particular interacción
entre diferentes factores, dentro de los cuales los principales son geomorfológicos, oceanográficos, estructurales y climáticos.
El aporte sedimentario procedente del continente por vía fluvial, aérea y erosión costera queda distribuido a lo largo del
margen por la acción de corrientes que fluyen tanto longitudinales como transversales al margen. Según estudios recientes y
sobre la base de registros sísmicos y batimétricos de alta resolución, los procesos transversales en el sector norte del margen
parecerían dominar sobre los longitudinales (Hernández-Molina et al., 2009, Violante et al, enviado). Los objetivos de este
trabajo son realizar estudios sedimentológicos que aporten a la determinación de aspectos dinámicos de la transferencia
sedimentaria continente-océano en el sector norte del margen y establecer cómo su complejidad queda reflejada en el
registro sedimentario del Cuaternario reciente (Pleistoceno-Holoceno). El sector norte el margen argentino se distingue por
una amplia plataforma (170-200 km de ancho), un escarpado talud (comprendido entre 120 y 3500 m de profundidad) –en el
cual se desarrolla, entre 1000 y 1300 m, la Terraza Ewing- y por último la emersión (entre 3500 y 5000 m aprox.) (Violante
93
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
et al, enviado). La región comprende también el Cañón submarino Mar del Plata que se extiende desde 500 hasta 37003800 m de profundidad. Se están estudiando testigos verticales ubicados al norte de dicho cañón a lo largo de una transecta
plataforma-talud inferior. Los análisis realizados hasta el momento permiten definir a grandes rasgos las características
sedimentológicas y mineralógicas de los depósitos, los cuales están constituidos por limos-arenosos y/o arenas-limosas en
la parte superior del talud y limos-arcillosos y fangos en la emersión, con intercalaciones de niveles arenosos en mayoría
asociados a depósitos turbidíticos (Bozzano et al. 2008). La composición de los sedimentos es terrígena y la paragénesis
mineralógica es típicamente volcánico-piroclástica (Marcolini y Bozzano 2007). Ulteriores análisis granulométricos, de
las propiedades físicas y del contenido faunístico en muestras de sedimento se están llevando a cabo. Además, nuevas
campañas de recopilación de datos sísmicos y batimétricos de alta resolución, así como de recolección de nuevos testigos se
han realizado entre mayo y julio de este año a bordo de los buques Meteor (Alemania; en colaboración con la Universidad de
Bremen) y Puerto Deseado (Argentina). Los resultados de estas campañas así cómo el avance de los análisis de laboratorio
nos permitirán profundizar en nuestra investigación además de completar e integrar la información hasta ahora alcanzada.
Referencias
Bozzano, G., Marcolini, S. y Violante, R.A., 2008. Régimen depositacional de los sedimentos en el sector norte del Talud
Continental Argentino. 2008. XVII Congreso Geológico Argentino, S.S. de Jujuy, Actas III: 11877-1188.
Hernández-Molina, F.J., Paterlini, C.M., Violante, R.A., Marshall, P., de Isasi, M., Somoza, L. y Rebesco, M., 2009. A
contourite depositional system on the Argentine slope: an exceptional record of the influence of Antarctic water masses.
Geology, 37, 6, doi:10.1130/G25578A.1.
Marcolini, S. y Bozzano, G., 2007. Caracterización sedimentológica y mineralógica de los depósitos recientes del Margen
Continental Argentino. Sextas Jornadas Geológicas y Geofísicas Bonaerenses, Mar del Plata, G. Bértola et al. (Eds.),
Actas de Resúmenes: 106.
Violante, R.A., Paterlini, C.M., Costa, I.P., Hernández-Molina, F.J., Segovia, L.M., Cavallotto, J.L., Marcolini, S., Bozzano,
G., Laprida, C., García Chapori, N., Bickert, T. y Spieβ, V., 2009. El talud continental adyacente al litoral del este bonaerense:
morfología, registro geológico y evolución. Enviado a Latin American Journal of Sedimentology and Basin Analysis.
FÁCIES SEDIMENTARES DE UM SETOR DA BARREIRA PLEISTOCÊNICA
EM PARANAGUÁ, SUL DO BRASIL
José Carlos Branco, Rodolfo José Angulo, Maria Cristina de Souza
LECost - Laboratório de Estudos Costeiros, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil; [email protected]; [email protected]
ufpr.br; [email protected]
A barreira pleistocênica paranaense tem aproximadamente 20 km de comprimento e 30 km de largura. Caracteriza-se por
terraços arenosos, de 2 a 10 m de altitude, formados durante o último interglacial há aproximadamente 120.000 anos antes
do presente (estágio 5e). O objetivo deste trabalho é descrever as fácies sedimentares de um setor da barreira localizado a
oeste da cidade de Paranaguá, para auxiliar a compreensão da evolução paleogeográfica. Foram descritos afloramentos de
até 100 m de largura em cavas de extração de areia e testemunhos de sondagens obtidos com vibrotestemunhador. Na área
estudada, a barreira pleistocênica é constituída por areia fina a média, com grãos, grânulos e pequenos seixos, pobremente
selecionada e com grãos subarredondados. Estas características são atribuídas à proximidade da fonte dos sedimentos e
escasso retrabalhamento. As principais fácies identificadas foram: areia com estratificação cruzada swaley (Ssc), planar (Sp),
acanalada (St), sigmóide (Ssg), de baixo ângulo (Sli); areia com marcas onduladas (Sr), maciça (Sm), com acamamento
flaser (Sf); lama maciça (Fm) e lama maciça com linsen (Fm(l)). Nas fáceis arenosas foram observados tubos Ophiomorpha
atribuídos a Callichirus sp e moldes de bivalves e nas fácies de lama, troncos e outros detritos vegetais. As análises de
laboratório revelaram a ocorrência do foraminífero Blysmasphaera brasiliensis, além de polens e esporos. Nas análises de
troncos e fragmentos de raízes foram identificados Ilex sp, Inga sp e Calyptranthes sp que sugerem a ocorrência de floresta
subtropical e Laguncularia racemosa, que indica a existência de mangue. Foram definidas duas associações de fácies:
lamas estuarinas e areias costeiras. A associação das lamas estuarinas é constituída pelas fácies Fm, Fm(l) e Sf. A facies
Fm apresenta abundante bioturbação, detritos vegetais e fragmentos de troncos e raízes transportados. A associação foi
interpretada como formada por decantação e fluxos trativos em fundos rasos em sistema estuarino. A associação de areias
costeiras é formada pelas fácies Sli, Sr, Sp, St, Ssg e Ssc e foi interpretada como formada por fluxos trativos unidirecionais
e oscilatórios dominados por correntes de maré e ação de ondas possivelmente em ambiente de delta de maré enchente.
94
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Aspectos Hidrodinâmicos de um Estuário de Macromaré, Costa Norte do Brasil
R. N. R. Brito1, N. E. Asp2, A. J. E. Nascimento3, E. Siegle4 y C. A. F. Schettini5
- Aluno de Mestrado em Biologia Ambiental - UFPA/Bragança - [email protected] 2 - Instituto de Estudos
Costeiros - UFPA/Bragança - [email protected] 3 - Ciências Biológicas - UFPA/Bragança - [email protected]
4
- USP, Instituto Oceanográfico, Departamento de Oceanografia Física - http://ldc.io.usp.br. 5 - Universidade Federal do
Ceará - http://www.ufc.br/
1
O estuário do Taperaçu está localizado na costa nordeste do Estado do Pará, Norte do Brasil, estando sujeito a um regime
de macromarés. O estuário tem dimensões gerais da ordem de 18 km de extensão e 3 km de largura, recebendo pouca
drenagem de água continental, o que caracteriza, portanto, um ambiente dominado por forças marinhas. O objetivo do
presente trabalho é avaliar a hidrodinâmica do estuário com base em medições de níveis d’água e velocidades de corrente
em diferentes pontos do estuário. Dois marégrafos foram usados para medidas do nível d’água, e medições de corrente
foram realizadas com um ADCP (Perfilador Acústico de Correntes) na parte mais externa e com molinetes na parte mais
interna do estuário. Uma clara deformação e atenuação da maré foi observada no estuário, onde no ponto mais externo a
amplitude chegou a 6 m, enquanto na porção mais interna ficou em torno de 4 m. As amplitudes de marés mais comuns para
essa região são da ordem de 5 m, sendo uma maior amplitude de maré o resultado de medições em uma situação de maré
equinocial de sizígia. Para estuários de macromaré é esperada inicialmente uma amplificação da maré ao longo do canal, o
que já não ocorre com o estuário do Taperaçu. Sedimentos arenosos advindos da plataforma continental interna e das fácies
praiais são carregados pelas marés para dentro do estuário, tornando-o um ambiente altamente preenchido por sedimentos,
o que leva a uma redução interna da amplitude de maré dentro do estuário, além de uma forte assimetria. Na parte mais
externa, uma pequena diferença entre as fases de vazante e enchente foi observada, com aproximadamente 6,5 h de duração
da maré vazante e 5,83 h da maré enchente, enquanto na parte mais interna essa diferença foi mais significativa, com 8,33 h
para maré vazante e 4 h para a enchente, o que indica uma forte assimetria entre as duas fases nesse setor. No que diz respeito
às medidas de velocidade de corrente, uma sutil diferença entre vazante e enchente foi constatada na parte mais externa,
com as velocidades de enchente (1,84 m/s) um pouco maior que as de vazante (1,72 m/s). Por outro, na parte mais interna,
uma significativa diferença foi observada na velocidade, com a enchente mostrando um pico de 2,04 m/s e a vazante de 1,7
m/s, com isso o estuário pode ser definido como dominado por enchente. Essa grande diferença registrada na parte mais
interna está relacionada ao grau de preenchimento do estuário, onde os grandes bancos de intermarés retardam a entrada da
maré de enchente na porção interna do estuário, assim como uma grande capacidade de estocagem de água (manguezais)
provém um fluxo residual de vazante, resultando então em velocidades de enchente consideravelmente maiores, em função
de uma fase muito mais curta de enchente. Em estuários de macromaré com grandes áreas de manguezal, como é o caso
do Taperaçu, uma dominância por vazante é esperada. Por outro lado, estuários rasos, onde a amplitude de maré é grande
em relação à profundidade do canal, ocorre uma dominância de enchente. O Taperaçu se enquadra nesse último contexto,
devido ao avançado estado de preenchimento por sedimentos arenosos. Adjacente ao estuário do Taperaçu encontra-se o
estuário do rio Caeté, com uma importante descarga fluvial, especialmente durante o período de chuvas. Trabalhos anteriores
demonstraram que o efeito de altas vazões fluviais naquele estuário é similar ao efeito dos bancos intermareais no estuário
do Taperaçu, fato este que teria grandes implicações para o estudo evolutivo dos numerosos estuários da região.
RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE CARBONATO DE CÁLCIO (CaCO3) E A DISTRIBUIÇÃO DE
FORAMINÍFEROS NA PLATAFORMA DE ILHÉUS, BAHIA
R. L. M. Bruno1, A. J. Machado2 y T. M. F. Araújo3
Universidade Federal do Rio de Janeiro CCMN-IGEO. Av. Athos da Silveira Ramos, 274, Cidade Universitária, Ilha do
Fundão 21.941-916 Rio de Janeiro-RJ, Brasil. (e-mail: [email protected]). 2,3Universidade Federal da Bahia
- Rua Caetano Moura, 123, Federação, 40 210-340 Salvador – BA, Brasil. (e-mail: [email protected], [email protected])
1
Comparações entre assembléias de foraminíferos e teor de carbonato de cálcio (CaCO3) foram realizados em 30 pontos
no sedimento superficial de fundo (batimetria ≈ 20-50m) na plataforma de transição carbonato-siliciclasto da região de
Ilhéus, Bahia. A fim de determinar a influência do carbonato de cálcio na distribuição dos foraminíferos, foram relacionados
padrões batimétricos, granulométricos, além de densidade populacional e freqüência relativa das espécies representativas
carbonáticas. Foram triadas 10.631 indivíduos, distribuídos em 75 gêneros bentônicos e 5 planctônicos. Do total de 255
95
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
espécies identificadas, 32 são consideradas constantes, 38 acessórias e 185 acidentais. Dos 30 pontos amostrais, 15 obtiveram
valores carbonáticos (acima de 60%), sendo cinco estações com picos variando entre 74,30-81,16% nas proximidades
próximo a quebra da plataforma (≈ 50m). As demais estações dispersaram em sedimento siliciclasto a levemente carbonático.
Dentre as espécies principais carbonáticas como: Amphistegina gibbosa, A. lessonii, Archaias angulatus, Peneroplis
pertusus, P. proteus, P. carinatus, Discorbis mira e Cibicides aknerianus, a forma Amphistegina lessonii obteve a melhor
representatividade para acompanhar os níveis de carbonato, exibindo altos índices de freqüência relativa (24,34%-36,73%)
em comparação com as demais estações e espécies. Índices de densidade populacional não demonstraram correspondência
às taxas de carbonato, pois quatro das 15 amostras carbonáticas exibiram quantidades de indivíduos acima da média. Em
contrapartida, os maiores picos populacionais de foraminíferos distribuíram-se no sedimento lamoso enriquecido de matéria
orgânica. Desta forma, a interpretação geoquímica dos dados de CaCO3 e foraminíferos para a região de Ilhéus corroboraram
para uma melhor compreensão a respeito da distribuição e comportamento endêmico faunal.
INTERPRETAÇÕES DE ÍNDICES ECOLÓGICOS DOS FORAMINÍFEROS DA ZONA DE TRANSICÃO
CARBONATO-SILICICLASTO, DA PLATAFORMA DE ILHÉUS, BAHIA
Bruno1, R. L. M.; Machado2, A. J.; Araújo3, T. M. F.
Universidade Federal do Rio de Janeiro CCMN-IGEO. Av. Athos da Silveira Ramos, 274, Cidade Universitária, Ilha
do Fundão 21.941-916 Rio de Janeiro. (e-mail: [email protected]). 2,3Universidade Federal da Bahia - Rua
Caetano Moura, 123, Federação, 40 210-340 Salvador- BA, Brasil. (e-mail: [email protected], [email protected])
1
Foram coletadas 30 amostras do sedimento superficial de fundo entre as isóbatas 20-50m, situadas entre as latitudes
14º36’ e 14º51’ S e longitudes 38º51’ e 39º3’ W na plataforma continental de Ilhéus, Bahia. Procedidos aos procedimentos
de preparação das amostras, foi retirada de cada amostra 1g de sedimento seco e em seguida quarteada para a triagem
total de foraminíferos. Após a identificação, foram calculados parâmetros de riqueza, diversidade e equitatividade para
investigar com maior clareza as variantes de proporcionalidade dentre as espécies da população. Quanto ao índice de
riqueza (R), observou-se uma maior representatividade no sedimento lamoso siliciclasto e tendência a ascensão dos valores
nas proximidades da faixa de transição do sedimento lamoso siliciclasto (20-40m) para arenoso levemente carbonático
(25-35m), procedido de diminuição dos valores na região próxima a quebra da plataforma (≈50m). A equitatividade (J’),
isto é, os valores referentes ao equilíbrio da população, variaram entre 0,7 a 0,9%, e se mantiveram praticamente constante
ao longo da transição carbonato-siliciclasto, apresentando discreta e gradual ascensão no sedimento arenoso (25-35m),
seguido de diminuição e equilíbrio faunal até a linha da costa (40-50m). O índice de diversidade (H’), não demonstrou
simetria ao longo da zona de transição carbonato-siliciclasto, entretanto, exibiu correlação aos padrões de riqueza, ou seja,
aumento dos valores na faixa de transição do sedimento lamoso siliciclasto para o arenoso enriquecido de carbonato. Estes
três parâmetros estatísticos (R), (J’) e (H’) analisados na área de estudo, permitiram uma ampla interpretação da relação
entre as assembléias de foraminíferos e as mudanças da composição sedimentar.
HOLOCENE SEA-LEVEL FLUCTUATIONS BASED ON CARBON AND NITROGEN ELEMENTAL
RATIO AND ISOTOPES OF LAKE SEDIMENT AT COASTAL REGION OF ESPÍRITO SANTO STATE,
SOUTHEASTERN BRAZIL.
Antonio Alvaro Buso Junior, Luiz Carlos Ruiz Pessenda, Paulo Eduardo de Oliveira, Jaime Rissi Passarini Junior, Mariah
Izar Francisquini, Renato de Jesus, Geovane Siqueira
CENA/USP [email protected] ; Luiz Carlos Ruiz Pessenda CENA/USP [email protected]; Paulo Eduardo de
Oliveira Universidade Guarulhos [email protected] ;Jaime Rissi Passarini Junior CENA/USP [email protected] ;
Mariah Izar Francisquini CENA/USP [email protected] ; Renato de Jesus VALE [email protected] ;Geovane
Siqueira VALE [email protected]
The use of carbon and nitrogen elemental ratio (C/N) and isotopes (δ13C and δ15N) as palaeoenvironmental indicators in
96
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
studies of relative sea-level changes, relies on the determination of the origin of the sediment organic matter. Two meters
deep sediment core was collected at Lagoa do Macuco (19°02,584’S, 39°56,695’W), a fresh water lake located at Sooretama
Biological Reserve, ~20 km from the northern coast of Espírito Santo state, southeastern Brazil. C and N elemental and
isotope analyses were carried out in a mass spectrometer each 2 cm of the sediment core and AMS 14C dating performed.
At 200 cm an age of 6730 ± 80 years BP was obtained from plant fragments and the results show a gradual reduction of
C/N (from 75 to 12), and δ13C (-29‰ to -25,5‰) and δ15N (+1‰ to +5‰) enrichment to 2440 ± 70 years BP (80 cm).
The high C/N values in the sediment bottom are characteristic of vascular vegetation, and the change towards a reduction
of these values to 2440 years BP is associated to a major phytoplankton influence. δ13C and δ15N enrichments suggest
an organic matter influence from marine sources. From 2440 years BP to 1090 ± 90 years BP (68 cm) the increase of C/N
(from 12 to 22) and δ13C and δ15N depletion (-25,5‰ to -28,25‰ and +5‰ to +2‰, respectively) suggest an increase of
the influence of terrestrial organic matter. From 1090 years BP to modern age (top of the core) the results show an overall
tendency to stabilization and δ13C depletion to -30‰ in the shallow layer. Based on these results it is possible to infer that
the period from ~6730 to ~2440 years BP is marked by an increasing influence of phytoplankton organic matter (due to C/N
and δ15N values), probably associated to a marine (due to δ13C enrichment) transgression event. From 2440 to 1090 years
BP the results suggest higher influence of terrestrial sources and a probable regression event. From 1090 years BP to the
present the modern lake ecosystem is established. Additional analyses (pollen and diatoms) will contribute to more refined
and detailed interpretations.
FORAMINÍFEROS DE AMBIENTES INTERMAREALES COMO INDICADORES DE CAMBIO AMBIENTAL,
ESTUARIO DE BAHÍA BLANCA, BUENOS AIRES, ARGENTINA
Lydia Calvo-Marcilese1 y Gabriela Cusminsky1
Centro Regional Universitario Bariloche. Universidad Nacional del Comahue. INIBIOMA-CONICET. Quintral 1250.
Bariloche, CP. (8400) Río Negro. Argentina. [email protected], [email protected]
1
Los foraminíferos bentónicos debido a su abundancia, diversidad y desarrollo en un amplio rango de ambientes marinos,
ofrecen aspectos únicos para la realización de inferencias paleoambientales. Son utilizados como proxies para análisis de
impacto y monitoreo ambiental, reconstrucción paleoambiental y como indicadores de las fluctuaciones del nivel del mar.
Muestras superficiales tomadas en 2 sectores del estuario de Bahía Blanca (correspondientes a la cabecera y desembocadura)
han sido analizadas a fin de establecer la distribución, abundancia y diversidad de estos organismos en función de las
características de cada uno de los sitios. El estuario de Bahía Blanca es un sistema marino marginal, con una superficie de
2.300 km2, de los cuales 410 km2 están constituidos por marismas y más de 1.150 km2 por planicies de marea fangosas. En
cada una de las zonas de estudio se establecieron sitios de muestreo, cubriendo la zona intermareal desde el nivel de bajamar
hasta la parte superior de las marismas, teniendo en cuenta cambios en la topografía y transiciones entre tipos de vegetación.
Fueron registradas 4 asociaciones faunísticas a partir del análisis de los ejemplares presuntamente vivos al momento del
Maré Taperaçu Barra
2,1
2
1,75
1
1,4
0
1,05
-1
0,7
-2
0,35
-3
26/3/09
18:00
0
26/3/09
22:00
27/3/09
2:00
27/3/09
6:00
27/3/09
10:00
Salinópolis - 30min
27/3/09
14:00
27/3/09
18:00
Velocidade de corrente
97
27/3/09
22:00
Velocidade (m/s)
Nível d'água (m)
3
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
muestreo, una de ellas dominada por la presencia de ejemplares aglutinados y las restantes predominantemente calcáreas:
Asociación de Haynesina germanica (Ehrenberg) y Ammonia parkinsoniana (d´Orbigny) (H-A), se caracteriza por la
dominancia de individuos de estas 2 especies, particularmente asociada a marismas de Spartina alterniflora tanto en el sector
interno como en la desembocadura del estuario, acompañadas por representantes aislados de Ammonia tepida Cushman y
Elphidium gunteri Cole; Asociación de Haynesina germanica (H), dominada por Haynesina germanica con la presencia de
unos pocos individuos de Ammonia tepida, Ammonia parkinsoniana y Elphidium gunteri, caracteriza sitios desprovistos de
vegetación, con salinidades elevadas, pero que retienen humedad durante la bajamar; Asociación de individuos calcáreos
(C), posee muy baja abundancia y riqueza específica (< 4sp., en general Haynesina germanica y/o Ammonia parkinsoniana
están presentes), se desarrollan tanto en el sector interno como en el externo del estuario en ambientes con muy altas
densidades de cangrejos e importante bioturbación. Asociación de Trochammina inflata (Montagu) (T), es una asociación
con baja diversidad (< 5sp.) caracterizada por la presencia de Trochaminna inflata en todas las muestras, comúnmente se
encuentra acompañada por Jadammina macrescens (Brady). Esta asociación suele desarrollarse en sitios que se ubican
entre el nivel medio de pleamar y el de mareas extraordinarias. Por consiguiente, la distribución de las asociaciones está
esencialmente relacionada a gradientes de salinidad, tiempo de exposición y tipo de marisma. Asociaciones similares han
sido halladas en otras regiones a nivel mundial, siendo utilizadas para evaluar fluctuaciones del nivel del mar con una
precisión de unos pocos cm. De esta forma, se puede ratificar el potencial de esta información, basada en el análisis de
muestras modernas, como herramienta útil para realizar inferencias paleoambientales en esta y otras regiones de la Provincia
de Buenos Aires. A su vez, se prevé la utilización de estos datos en futuros estudios de impacto ambiental y acción antrópica,
ya que el estudio comparativo de foraminíferos fósiles y vivientes (análisis de conchillas deformadas, presencia-ausencia de
especies, especies pioneras en colonizar ambientes contaminados, etc.) hallados en sitios afectados por polución, permite
dilucidar la evolución ambiental y los efectos de la contaminación en una localidad.
Trabajo financiado por los proyectos PICT 26057; PICT07/109; PIP 6416/04; PIP 112-200801-00819 y UNC 04/B001
MOBILIDADE DOS SEDIMENTOS PELA AÇÃO DE ONDAS NA PLATAFORMA CONTINENTAL DO
LITORAL NORTE DO ESTADO DA BAHIA
Raissa Helena Simões Campos & José Maria Landim Dominguez
Laboratório de Estudos Costeiros – Universidade Federal da Bahia - [email protected]
O conhecimento das condições de escoamento próximo ao fundo marinho é importante, por exemplo, para a previsão
do transporte de sedimento e da estabilidade de estruturas de engenharia, como oleodutos. A interação entre os fluxos
oscilatórios e os sedimentos inconsolidados que recobrem o fundo marinho pode originar diferentes formas de leito, como
as marcas de onda de granulação grossa (Coarse Grained Ripples – CGR). As CGR são típicas de substratos de areia grossa
e cascalho, presentes virtualmente em qualquer tipo de sedimento em plataformas continentais modernas influenciadas por
ondas. Na plataforma continental do município de Conde, Litoral Norte da Bahia, é possível identificar essas ondulações
a partir de registros de sonar de varredura lateral. A distribuição dessas formas de leito pode assim ser utilizada como
um indicador da remobilização do sedimento superficial de fundo. Modelos baseados em simplificações físicas, mas
que oferecem bons resultados quando comparados aos mais complexos, têm sido usados para analisar a mobilidade do
sedimento em diversas escalas. Partindo dessas considerações, o presente trabalho teve por objetivo investigar a mobilidade
dos sedimentos superficiais de fundo da plataforma continental em frente à planície costeira do rio Itapicuru, no município
de Conde, Litoral Norte da Bahia. Para tal, foram preparados diagramas de refração a partir de dados de altura significativa
e período de onda para as direções mais frequentes. Esses diagramas foram integrados (i) aos dados batimétricos para se
obter os valores de velocidade orbital máxima; e (ii) aos mapas de distribuição espacial do tamanho do sedimento de fundo
(D50), para se obter a velocidade orbital crítica para remobilização do sedimento. A comparação entre essas velocidades
possibilitou a análise da mobilização do sedimento na área de estudo. Foi constatado que, para os valores de altura e
período de onda significativos (Hsig(m), Tsig(s)) utilizados, a remobilização do sedimento ocorre até uma profundidade
máxima em torno de 26 m. Verificou-se variação na profundidade máxima de mobilização para as diferentes direções de
ondas. As ondas oriundas de N60° (1,8m, 6,5s), mais comuns na primavera / verão, só conseguem mobilizar o sedimento
em cerca de 16% da área da plataforma continental, até uma profundidade máxima de 22m. Já as ondas mais comuns
no período de outono / inverno, remobilizam o sedimento para uma área maior: as oriundas de N90°(2,0m, 6,7s), cerca
de 21% da plataforma e 24m de profundidade; e as de N120° (2,2 m, 6,9s) e N150 (2,2m, 7,3s), cerca de 25% e 26m de
98
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
profundidade. A comparação desses resultados com a distribuição espacial das CGR mostrou, entretanto, que a mobilidade
do sedimento se estendia para uma área muito maior que aquela obtida na modelagem. Deste modo, optou-se por refazer
a modelagem para a área, utilizando a média dos valores sugeridos como ideais para a formação de CGR (4m, 11s), que
também se encontram registrados nas estatísticas de onda para a região, apesar de apresentarem uma freqüência menor. Para
a confecção do diagrama de refração foi considerada a direção de propagação de N90°, por ser essa a mais frequente. Dessa
vez constatou-se uma mobilização do sedimento em praticamente toda a extensão da plataforma continental (~95%), ou
seja, até cerca de 60m de profundidade (além da quebra da plataforma). Boa parte da área em que não houve remobilização
do sedimento apresenta granulometria bem maior que a restante. Pôde-se constatar uma maior influência do período de
onda em relação à altura na remobilização do sedimento, uma vez que um período maior causou uma remobilização bem
maior do sedimento de fundo. Isso demonstra que as CGR observadas foram geradas em eventos menos freqüentes, que
apresentavam alturas de onda relativamente maiores e períodos bem mais longos. A depender do tipo de estudo que se
deseja realizar, os valores de altura e período de onda significativos podem não produzir uma boa análise da mobilidade do
sedimento de uma determinada região. A remobilização ocorre de forma mais abrangente em eventos menos freqüentes,
sendo importante considerar os valores de altura de onda e período desses eventos para uma análise mais detalhada e real
da mobilidade do sedimento.
EVOLUÇÃO GEOLÓGICA HOLOCÊNICA DA PLANÍCIE COSTEIRA DE ITAGUAÍ LITORAL
SUL DO RIO DE JANEIRO: UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR
Soraya Gardel Carelli 1; Paula Lúcia Ferrucio da Rocha 2; Dione Nunes do Nascimento 3; Irakli
Inashiville1; Helio Roncarati 1
1 - [email protected]; 2 - [email protected]; 3 - [email protected] Address1: BR 465, Km 07 Geosciences
Department, UFRRJ. City: Seropédica. Rio de Janeiro State. Brazil. Zip Code: 23890000.
O entendimento dos processos da sedimentação Holocênica na planície costeira da baía de Sepetiba na região de Itaguaí
é relevante, uma vez que esta área tem sido considerada estéril em relação à sedimentação marinha. Entretanto, neste
estudo encontraram-se evidências contrárias provenientes dos resultados de fotointerpretação e mapeamento de campo,
entre outros sugerindo uma origem marinha para um dos cordões arenosos encontrados na área. Os sedimentos também
foram datados através da técnica de termoluminescência e 14C e as idades obtidas mostraram-se coerentes com variações
do nível do mar ocorridas durante o Holoceno para a região sudeste do Brasil. A integração desses dados proporcionou a
confecção de mapas geológicos e paleogeográficos, renovando-se assim o conhecimento acerca do posicionamento da linha
de costa na baía de Sepetiba.
AGE OF MOBILE TRANSVERSAL DUNES IN THE COAST BETWEEN MACAU, IN RIO GRANDE DO
NORTE STATE, AND JERICOACOARA, IN CEARÁ STATE, BRAZIL
João Wagner Alencar Castro¹
¹ Laboratório de Geologia Costeira, Sedimentologia & Meio Ambiente - LAGECOST Museu Nacional e Departamento de
Geologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, E -mail [email protected]
The exposed Atlantic coast of northeastern Brazil supports numerous dunefields derived largely from Barreiras Formation
deposits. The present work attempts to determine the age of mobile transversal dunes along the northern seaboard of
Northeastern Brazil. Eolianites dating, data interpretation regarding prevailing wind patterns (past and current), and
monitoring of the mobile transversal aeolian forms’ movement process are used as parameters for this paper. Age of the
mobile transversal dunes was established through C14 eolianites dating and surveying of the dunes’ movement processes.
Carbon dating results indicate that the third generation dunes correspond to eolianites that are between 1780 ± 80 to 1320
± 50 yrs BP. The CALIB 5.0.1 calibration software was used for the conversion of the 14C conventional ages to a calibrated
calendar, providing a trustful range for each conventional age. Considering that material transportation by the prevailing
east winds towards the transversal dunes is estimated to be on the order of 11 m/year, the aeolian system is less than 1320
± 50 yrs BP (calibrated age 736 - 961). Within this context, the geological evolution model which we applied proved to be
99
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
satisfactory in aiding our comprehension of the age of the coastal mobile transversal dunes of the Brazilian Northeast. This
result, obtained through the projection of an annual dune migratory rate of 11.0 m/year over a wind fetch of 12 km, confirms
with a reasonable degree of approximation the age recorded by the carbon-dated eolianites samples and the beginning of
the current dune sedimentation process which has generated the present mobile transversal dunes. This is considered to be
very recent from a geological standpoint, especially when we take into consideration the immense amount of material which
is deposited in these mobile dunes.
METODOLOGIA PARA EXECUÇÃO DE PERFIS DE PRAIA:
APLICAÇÕES NO LITORALDO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL
João Wagner Alencar Castro¹ ² & Sergio Pinto de Moura Souza Borges¹ ³
¹ Laboratório de Geologia Costeira, Sedimentologia & Meio Ambiente - LAGECOST (Museu Nacional) e ² Departamento de Geologia - Universidade Federal do Rio de Janeiro / UFRJ. E-mail: [email protected] ¹ ³ Escola Politécnica /
Curso de Engenharia de Petróleo - Universidade Federal do Rio de Janeiro / UFRJ.
Praias arenosas são ambientes de sedimentação que passam naturalmente por ciclos de erosão e acreção (emagrecimento
ou engordamento). A dinâmica dos processos geológicos e oceanográficos modifica ao longo do ano, o perfil topográfico de
uma praia arenosa. O monitoramento desses processos é fundamental para o estabelecimento de programas de recuperação
sedimentar (engordamento artificial) de praias submetidas à erosão costeira. Emery (1961) propôs um método simples
para execução de perfis de praia, utilizando duas varas graduadas, separadas uma da outra por uma distância de 1,5 m,
cujo alinhamento e leitura da interseção com o horizonte, permitem determinar as diferenças de nível ao longo de um
perfil. Apesar das limitações, devido à sua simplicidade, muitos pesquisadores utilizam ainda hoje o “Método de Emery”,
como ficou mundialmente conhecido, em estudos de monitoramento de praias arenosas. O presente trabalho tem como
objetivo apresentar um método simples e eficaz para o cálculo do volume transversal de sedimentos utilizando um par de
receptores GPS ligados a uma estação geodésica em qualquer situação de tempo. Através desse método é possível calcular
por integrais numéricas a vazão sólida decorrente do transporte transversal durante o período analisado. A metodologia
consiste na medição seqüencial da elevação diferencial entre a pós-praia e a ante-praia definida pelas coordenadas (x,y) com
precisão milimétrica no modulo estático, cinemático ou stop and go. Os dados coletados pelos receptores são processados
no programa astech solutions complementados com informações obtidas no relatório da estação geodésica utilizada.
As transformações das altitudes elipsoidais em ortométricas são realizadas através da expressão matemática H = h +
N, onde: h é a altura elipsoidal; H é a altura ortométrica e N, ondulação geoidal. Em seguida são calculados os volumes
erodidos e depositados por integrais simples. Os resultados obtidos nos últimos 4 (anos) apresentam vantagens sobre os
métodos convencionais por ser prático, quantitativo, rápido e funcional em qualquer condição de tempo. Por ser um método
quantitativo torna-se valoroso na aplicação de estudos de erosão aplicados a projetos de engenharia costeira relacionados
principalmente a engordamento artificial de praia.
INDICADORES DE OSCILAÇÕES DO NÍVEL RELATIVO DO MAR EM ARRAIAL DO CABO,
RIO DE JANEIRO NA TRANSIÇÃO ENTRE O PLEISTOCENO E O HOLOCENO
João Wagner A. Castro¹; Kenitiro Suguio², Renato R.C.Ramos³;& Maria C. Tenório4
¹ ³ Laboratório de Geologia Costeira, Sedimentologia & Meio Ambiente (Museu Nacional) UFRJ e Departamento de
Geologia – UFRJ. E - mail: [email protected] ² Professor Emérito do Instituto de Geociências – USP; ² Professor
Titular da Universidade Guarulhos; 4 Setor de Arqueologia - Departamento de Antropologia (Museu Nacional) UFRJ
Indicadores de oscilações positivas e negativas do nível relativo do mar ao longo do tempo geológico foram identificados por
diversos pesquisadores nos últimos 50 anos em várias partes do mundo. Trabalhos de reconstrução de antigas posições do
nível relativo do mar durante os últimos 7000 anos realizados entre as décadas de 80 e 90 evidenciaram oscilações também
para a faixa costeira do nordeste oriental, sudeste e sul do Brasil. Um dos indicadores geológicos de níveis do mar pretéritos
são as rochas de praia (beachrocks) bastante comuns no litoral da zona intertropical brasileira. Essas rochas normalmente
100
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
marcam a linha de costa pretérita, bem como a constituição sedimentar de antigas praias. Caracterizam-se de modo geral por
areias quartzosas, variando desde fina a grossa até cascalhos e conchas de moluscos, entre outros, consolidados por cimento
carbonático. Dispõem-se sobre uma faixa estreita e retilínea paralela à linha de praia, situada na zona de intermarés. Frontal
à ilha costeira do Cabo Frio no município de Arraial do Cabo, Rio de Janeiro foram identificados 4 (quatro) alinhamentos
pouco expressivos de rochas de praia, muito próximos uns aos outros. Os dois primeiros encontram-se emersos, entre o zero
atual e a altitude de 1,0 m, enquanto, os outros dois, apresentam-se submersos entre as cotas batimétricas de - 2,0 a - 4,5 m.
O presente trabalho tem como objetivo estudar as oscilações do nível do mar na transição entre o Pleistoceno e Holoceno
na ilha do Cabo Frio. A metodologia consistiu de coleta de amostras emersas e submersas através de mergulho autônomo,
posicionamento de afloramentos com rastreador geodésico GPS e ecobatímetro portátil. Em seguida 5 (cinco) amostras
foram analisadas ao microscópio petrográfico e datadas ao 14C no Laboratório Beta Analytic Radiocarbon Dating em Miami
(Estados Unidos). Os resultados das análises petrográficas das rochas emersas e submersas indicaram maiores diferenças
texturais em relação à composição do material. As rochas emersas apresentam seleção bem mais elevada comparadas às
submersas. A composição do material analisado em ambos os níveis de rochas de praia, é predominantemente carbonática,
constituída de 80% de bioclastos (fragmentos de algas rodophitas e bivalves) e 20% de litoclastos de sienito e cristaloclastos
de quartzo, anfibólio, piroxênio e feldspato, refletindo de certa forma as rochas alcalinas adjacentes. Na amostra Beta
248.721, na profundidade de - 4,5 m, a idade foi de 10.460 +/- 70 anos AP, calibrada em dois sigmas entre 11.940 - 11.240
cal AP. Na amostra Beta 243.863, na profundidade de - 3,0, a idade foi de 10.250 +/- 50, calibrada em dois sigma entre
11.149 - 11.337 anos. Nessa profundidade também foi identificado, sobre as rochas de praia, um sambaqui datado em 2330
+/- 50 anos AP, calibrado em 1824 - 2089 anos (Beta 243864). Na amostra Beta 248.722 (nível médio atual) foi obtida uma
idade de 11.210 +/- 80 AP, calibrada em dois sigmas entre 12.910 - 12.690 anos. Na amostra Beta 248.723 (1,0 m acima do
nível médio atual) foi obtida uma idade de 11.210 +/- 80 anos AP, calibrada em dois sigmas entre 13.130 - 12.860 anos. Os
resultados obtidos sugerem que entre 13.130 a 11.149 cal AP, ocorreu localmente uma variação do nível relativo do mar em
torno de 5,0 m, correspondendo provavelmente oscilações negativas de - 4,5 m e positivas de + 1,0 m.
SEDIMENTOLOGIA DO ENTORNO DO PORTO DE ITAQUI (BAÍA DE SÃO MARCOS, SÃO LUIS – MA):
HIDRODINÂMICA VERSUS GEOLOGIA ANTECEDENTE
M. S. Castro1, N. E. Asp2, J. P. C. M. Santos1 y M. S. Silva3
- Aluno de Mestrado em Biologia Ambiental – UFPA/Bragança – [email protected]; [email protected]
yahoo.com.br. 2 – Instituto de Estudos Costeiros – UFPA/Bragança – [email protected] 3 – Instituto de Pesquisas
Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá – IEPA/Amapá - [email protected]
1
A região costeira é, de uma forma geral, extremamente dinâmica, possuindo uma grande produtividade e diversidade
biológica, sendo bastante sensível a impactos antrópicos. Neste contexto destaca-se a Baía de São Marcos (MA), área
de estudo deste trabalho. Foram efetuadas coletas de sedimentos durante outubro de 2007 em 134 pontos no entorno do
Porto de Itaqui. As análises granulométricas foram efetuadas por peneiragem mecânica, com intervalo entre as peneiras
de ¼ de PHI. Os resultados gerados a partir da análise dos dados granulométricos mostram uma distribuição na Baía de
São Marcos de forma heterogênea, sendo encontrados desde cascalhos a argilas. A diversidade sedimentológica estaria
associada principalmente a uma dinâmica muito intensa nos canais e bancos, contrastando com a baixa dinâmica de áreas
protegidas e entorno do manguezal, abundante na região, bem como a presença de afloramentos de sedimentos antigos
e rochas. A partir dos resultados nota-se o predomínio de areia muito fina, com contribuições de areia média e fina, no
canal principal. Nas áreas protegidas junto à costa ou em áreas de sombra de barreiras naturais ou instalações portuárias,
tem-se a presença de sedimentos finos (lama), desde silte médio à argila. Para ocorrência de sedimentos desta natureza,
faz-se necessário uma baixa dinâmica, o que de fato ocorre nos locais onde foram constatados estes sedimentos. Pode-se
notar que a sedimentologia na Baia de São Marcos segue uma tendência de aumento do tamanho médio dos sedimentos
da região portuária em direção ao centro da baía. Este fato estaria principalmente associado a presença de afloramentos
rochosos e sedimentos relictos no continente, atuando como fonte de material para a baía. Em relação ao grau de seleção,
as amostras classificadas como finos das áreas protegidas apresentaram frações significativas de areia e/ou grânulos, sendo
classificadas como muito pobremente selecionadas, enquanto as amostras dos canais principais, classificadas como grossas,
não apresentaram frações significativas de finos, sendo classificadas como bem selecionadas a muito bem selecionadas,
com exceção das amostras coletadas próximas a promontórios ou rochas, fornecendo sedimentos mais grossos, causando
101
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
uma forte baixa no grau de seleção destas amostras, essencialmente compostas por areias finas. Em relação a Assimetria,
no canal, onde se verifica maior fluxo de corrente, a maioria das amostras foram classificadas como simétricas, porém, as
amostras coletadas próximas aos promontórios tiveram tendência a assimetria negativa, devido a estes funcionarem como
fontes de sedimentos de maior granulometria. Também foram calculados os percentuais dos teores de Matéria Orgânica
(M.O.) das amostras. Os percentuais de M.O. encontrados para os canais mais profundos e para a área protegida pela
estrutura portuária variaram de 0% a 35%. Nas áreas de dinâmica mais expressiva, os registros de M.O. atingiram, como
esperado, valores baixos, que variaram de 0% a 5%. Este situação pode ser explicada pela alta dinâmica do local, uma
vez que os valores de corrente são bastante expressivos, não favorecendo a deposição de sedimentos finos e M.O. a eles
associada, embora haja produção da mesma nos manguezais adjacentes. Já nas áreas protegidas da Baía de São Marcos
ocorre o oposto, onde, além da presença dos manguezais, a baixa dinâmica permite a deposição de sedimentos finos e
de matéria orgânica. Os resultados mostram uma importante interação entre a dinâmica local e a geologia antecedente
na determinação dos padrões de distribuição de sedimentos, onde nenhum dos aspectos pode ser subestimado. As fortes
correntes observadas (por exemplo, 4 m/s) são capazes de transportar uma infinidade de tamanhos de grão, assim como uma
cobertura geológica e sedimentar complexa, juntamente com uma topografia antecedente irregular, promovem áreas mais
protegidas e fontes diversificadas de sedimentos.
ESTABELECIMENTO DE TAXAS DE ASSOREAMENTO NO COMPLEXO ESTUARINO DE PARANAGUÁ
(PR) PELA IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS CRÍTICAS DE ASSOREAMENTO: DADOS PRELIMINARES.
Pâmela E. Cattani & Marcelo R.Lamour
LOGEO – Laboratório de Oceanografia Geológica – Centro de Estudos do Mar - Universidade Federal do Paraná – Caixa
Postal 50.002, Pontal do Sul, Pontal do Paraná, Paraná, Brasil. [email protected]
A complexa dinâmica sedimentar em regiões litorâneas é resultado da coexistência de diferentes ambientes deposicionais
(fluviais, estuarinos e marinhos), assim como pela interação entre os processos sedimentares resultantes. A morfologia
da costa, na grande maioria dos casos, é controlada pelo aporte sedimentar e a interação entre as diversas forçantes
hidrodinâmicas. O Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP) apresenta características distintas ao longo do seu eixo E-W,
com domínio fluvial na porção interna, marinho na porção externa e entre estes, uma zona de mistura com uma zona de
máxima turbidez bem definida. A área externa do CEP possui desembocaduras com deltas de maré vazante e enchente, que
mudam sua configuração em períodos curtos de tempo podendo causar mudanças nas costas adjacentes. Um destes deltas de
maré foi seccionado em 1975 para abertura de um canal navegável, denominado pela autoridade portuária de Galheta, que
desde então tem funcionado como zona preferencial para assoreamento, interpretado como uma “armadilha sedimentar”. O
objetivo geral deste trabalho é identificar áreas críticas de preenchimento sedimentar para o eixo E-W do CEP, relacionandoas a diferentes ambientes deposicionais como subsídio ao estabelecimento de taxas de assoreamento. Para tanto, foram
utilizados 67 levantamentos batimétricos, dispostos ao longo de 55 km do eixo E-W do CEP, desde a plataforma continental até
o interior do estuário. Os dados abrangem uma área de 31,95 km² de um total de aproximadamente 260 km² (correspondente
ao eixo E-W). Tais dados fazem parte do acervo da empresa Paranaguá Pilots (Praticagem dos portos costeiros do Paraná),
os quais foram realizados ao longo das áreas de interesse portuário (canais de acesso, bacias de evolução e áreas de perigo
à navegação) em diferentes datas (entre 1999 e 2008). O conjunto de dados foi padronizado a um mesmo sistema de
coordenadas (UTM) e datum horizontal (SAD69). Os arquivos batimétricos foram então agregados por data da execução
da sondagem e área de recobrimento. Deste ponto em diante, o Sistema de Informações Geográfico (SIG) foi utilizado para
gerar modelos digitais de elevação (MDEs) e perfis batimétricos. As áreas que apresentaram maior número de sondagem
foram aquelas que mostraram perigo para a navegação como rochas submersas (13 levantamentos), delta de maré vazante
(5 levantamentos) e áreas destinadas à atracação de embarcações junto aos portos (20 levantamentos). Na porção interna
do CEP observou-se assoreamento, devido à progradação dos deltas fluviais na cabeceira do estuário, processo confirmado
pelos perfis batimétricos na porção interna do eixo E-W do CEP. A literatura pertinente à porção média (zona estuarina)
indica está área com tendência ao assoreamento com sedimentos finos, porém os MDEs apresentaram pouca variação, não
sendo possível a determinação das áreas críticas, interpretando-se então que toda a área sofre assoreamento homogêneo.
Com os perfis batimétricos foi observado na área externa do CEP, um ponto crítico de assoreamento sobre o lóbulo terminal
do delta de maré vazante. Com base no banco de dados formado por este estudo, será possível a quantificação das taxas de
assoreamento para os diferentes ambientes deposicionais do CEP. O processo a ser utilizado será o de comparação entre as
diferentes superfícies obtidas na análise com o SIG.
102
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
VALES INCISOS QUATERNÁRIOS E O CONTEXTO GEOMORFOLÓGICO DA MARGEM
CONTINENTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO – BRASIL.
Paulo H. Cetto 1,3; Cleverson G. Silva 1; Alex C. Bastos 2
1 Laboratório de Geologia Marinha (LAGEMAR – UFF). 2 Departamento de Ecologia e Recursos Naturais (DERN –
UFES); 3 MICROARS Consultoria e Projetos Ltda - [email protected]
As incisões fluviais são morfologias típicas de bacias com margens tipo plataforma/talude formadas durante quedas
eustáticas em ciclos de alta frequência. Os últimos grandes eventos dessa natureza foram gerados simultaneamente ao
redor de todo o mundo em decorrência da última era glacial no final do Pleistoceno, quando o nível dos oceanos regrediu
para cerca de 130 m abaixo do atual. Os terrenos de plataforma foram expostos subaereamente e dissecados por redes de
drenagens que passaram a se adaptar a um novo nível de base. Após o último máximo glacial as feições resultantes dessa
ação erosiva experimentaram diferentes processos ou os mesmos processos em diferentes graus, mudando de um local para
outro de acordo com uma série de fatores, na maioria das vezes interdependentes. Dessa forma, as incisões fluviais podem
ser identificadas nos dias atuais em diferentes panoramas geomorfológicos nas margens continentais, como resultado das
condições de remobilização e retrabalhamento experimentadas durante a transgressão holocênica subseqüente; e em última
instância, dos processos deposicionais do presente, já com a efetiva implantação do trato de sistemas de mar alto. Dentro
dessa problemática, a questão a ser considerada gira em torno do fato de que em certos trechos da plataforma continental
brasileira podem ser encontrados resquícios dessas incisões fluviais na atual morfologia na forma de depressões alongadas,
com boas condições de preservação. Casos como esses são encontrados, por exemplo, na plataforma continental leste-sudeste
brasileira, ao largo dos estados do Espírito Santo e Bahia, onde esse tipo de feição pode ser traçada desde áreas proximais
até áreas distais e facilmente correlacionáveis às drenagens fluviais atuais. No modelo gerado para um trecho da margem
continental do Espírito Santo, entre o Rio Doce e o Rio Itapemirim, notam-se as drenagens fluviais relacionadas ao início
da escala hipsométrica. Os dois rios citados acima são os mais importantes, com origens mais distantes continente adentro.
As demais bacias são menos desenvolvidas, percorrendo trechos menores e mais íngremes entre as encostas pré-cambrianas
e a linha de costa. A batimetria revela que desde a parte norte da área de estudo até a Ponta de Ubú (imediatamente ao sul
de Guarapari) as isóbatas de até 20 m acompanham com certa regularidade a configuração da linha de costa. Deste ponto
em diante, essa isóbata se afasta do continente em direção ao sul, conferindo grande irregularidade ao trecho na forma de
bruscas inflexões, associadas à presença de bancos de algas calcárias e aos vestígios das incisões fluviais. Destacam-se
na zona submersa as seguintes feições: paleocanais de Itapemirim-Guarapari e de Vitória (encontrados nas plataformas
continentais ao largo das cidades de mesmo nome); depressões no extremo sul com orientações preferencialmente nortesul ou noroeste-sudeste e caráter descontínuo; terraços (baixios) entremeados por canalizações relativamente delgadas,
definidos por isóbatas mais rasas que 40 m em alguns trechos da plataforma entre as localidades de Ponta da Fruta e Nova
Almeida; agrupamento de cinco paleocanais na plataforma continental nordeste da área de estudo, entre as cidades de
Nova Almeida e Barra do Riacho; e finalmente, os ravinamentos do talude continental, observados, sobretudo ao largo da
planície deltaica do Rio Doce, onde se inserem também dois cânions endentando a plataforma continental externa. Dados
preliminares de aquisição geofísica, tomados sobre o paleocanal ao largo de Guarapari, revelam algumas relações entre
os padrões de reflexão sonográficos, de eco-caráter e a morfologia do fundo marinho. Em áreas marginais são observados
padrões sonográficos de alta reflexão, um fundo com alta impedância acústica composto basicamente por sedimentos de
natureza carbonática com texturas grossas. Nas calhas são observadas baixas reflexões, associadas a sedimentos de textura
fina e teores de CaCO3 superiores a 50% (margas, margas/vasas arenosas). Na plataforma média e externa são identificados
refletores a 5m na maioria das vezes (preenchimento escasso). Na plataforma interna a colmatação é maior, onde foram
obtidos registros que mostram um forte refletor em profundidade máxima de 25m abaixo do fundo, interpretado como o
contato entre o Pleistoceno e o Holoceno.
TAFONOMÍA DE FORAMINÍFEROS EN PLAYAS ACTUALES Y HOLOCENAS, NORESTE DE LA
PROVINCIA DE BUENOS AIRES
Damián D. E. Chandler y Cecilia Laprida
Departamento de Ciencias Geológicas, Facultad de Ciencias Exactas y Naturales, Universidad de Buenos Aires. Consejo
Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas, CONICET.E-mail: [email protected]; [email protected]
Al presente, no existen estudios tafonómicos de foraminíferos en las playas norbonaerenses, a pesar de que pueden
103
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
representar una valiosa herramienta para la interpretación de las secuencias transgresivas cuaternarias. El objetivo de este
trabajo es caracterizar tafonómica y sistemáticamente las asociaciones totales de foraminíferos de distintos subambientes de
playa actual en el noreste bonaerense, comparar dichas asociaciones con las tafocenosis presentes en registros sedimentarios
holocenos de la Bahía de Samborombón y, a partir de dicha comparación, establecer las similitudes y diferencias entre los
subambientes actuales y los fósiles. Uno de los muestreos se llevó a cabo en una barranca artificial ubicada en el km 187
de la ruta provincial Nº 11 (Perfil KM187). Los sedimentos de este perfil, asignables al Miembro Cerro de la Gloria de la
Formación Las Escobas, fueron depositados durante el Máximo Transgresivo del Holoceno Medio. La entidad posee una
potencia de 3,90 metros. De este perfil se extrajeron y analizaron 29 muestras. El muestreo de ambientes de playa actual
se realizó en la ciudad de Mar de Ajó (Pdo. de la Costa). Geomorfológicamente corresponde a costas de dunas de baja
pendiente, con presencia de barras o bermas estacionales y circunstancialmente barras de lavado. Sedimentológicamente,
son arenas pardo-amarillentas, con abundantes conchillas. Para los análisis micropaleontológicos se tomaron 26 muestras
superficiales de sedimentos, representativas de cada subambiente de playa, a lo largo de dos transectas perpendiculares
a la línea de costa, las cuales se extendieron desde la duna costera hasta una profundidad de 10,5m. Con respecto al
estado de preservación de las tafocenosis halladas, se consideró el grado de preservación y el tipo de alteración de los
microfósiles. Se discriminaron dos tipos básicos de alteraciones: físicas (roturas, pérdida de cámaras y fracturas); y químicas
(recristalización y relleno de minerales autigénicos). Las especies más abundantes en asociaciones de playa actual son
Buccella peruviana, Amonia beccarii, Elphidium discoidale, Quinqueloculina seminulina y Q. patagonica. La rotura por
acción mecánica es el principal agente de alteración de las conchillas en todos los subambientes, pero en la zona de playa
emergida se incrementan significativamente el desgaste y la abrasión, mientras que en los sectores de playa sumergida
predomina la fragmentación. Los mayores porcentajes de alteración se encuentran en el sector de playa emergida. En cuanto
a la asociación obtenida del Perfil KM187, las especies más abundantes son B. peruviana, E. discoidale y A. beccarii. La
aparición de individuos químicamente alterados se produce en forma recurrente, pero son más frecuentes hacia el techo del
perfil. El taxón más frecuentemente alterado es E. discoidale. Por su parte, la aparición de individuos físicamente alterados
se produce preferentemente en la base y sección media del perfil. Es de destacarse la ausencia casi absoluta de miliólidos
que se presenta en este perfil. En los ambientes actuales, los miliólidos se encuentran fundamentalmente en el sector de
playa sumergida. Para poder establecer la relación existente entre las asociaciones de los ambientes de playa actual y las del
perfil holoceno, se compararon las asociaciones tafonómicamente y se efectuó un análisis de agrupamiento aplicando como
medida de similitud la distancia euclidiana. Para el análisis se utilizaron las abundancias de las especies más significativas.
Se estableció mediante el criterio de regla fija un nivel de corte al 50%, obteniéndose como resultado 8 grupos, dos de los
cuales son entidades independientes. Sólo 5 niveles del perfil (KM187-1, KM187-2, KM187-7, KM187-19 y KM187-21)
presentan características que los asocian con algunos de los subambientes de playa actuales. Del análisis de agrupamiento
se desprende que, en líneas generales, los ambientes de playa holocenos registrados en el perfil KM187 no tienen análogos
en los subambientes de playa actual. Esto indicaría que las condiciones imperantes en las costas de la transgresión holocena
que originó los sedimentos del perfil KM187 eran diferentes a las actuales del Partido de la Costa, y no corresponden a
bermas estacionales o de lavado, y probablemente tampoco a condiciones subácueas. Las características tafonómicas de las
asociaciones del perfil KM187 permiten suponer condiciones de exposición subaérea e incorporación de material alóctono
(E. discoidale químicamente alterados) desde ambientes reductores tales como lagunas marginales.
Características morfosedimentarias y ecológicas del perfil de playa en la
localidad de Mar de Ajó (provincia de Buenos Aires).
Damián D. E. Chandler a, b, Rubén A. López a, Silvia C. Marcomini a y Cecilia Laprida a, b.
a. Departamento de Ciencias Geológicas, Facultad de Ciencias Exactas y Naturales, Universidad de Buenos Aires. b.
Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas, CONICET. [email protected]; [email protected];
[email protected]; [email protected]
En los últimos 30 años, numerosas localidades costeras de la provincia de Buenos Aires han experimentado un fuerte
impacto como consecuencia de modificaciones severas (naturales y antropogénicas) de sus costas. Una de las formas de
evaluar los impactos de la actividad antrópica sobre las zonas costeras es analizar las comunidades que en ellas habitan y
sus potenciales modificaciones. Por lo tanto, cualquier estudio de impacto que se efectúe en el litoral marítimo bonaerense
requiere un estudio de base previo que describa conjuntamente al ambiente costero y las comunidades bentónicas que lo
104
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
habitan previamente a la introducción de la perturbación. Los estudios comparativos antes y después de la perturbación
permitirán evaluar los efectos de la misma sobre las comunidades y su relación con modificaciones de la dinámica costera,
como así también con las modificaciones propias en el paisaje y sus implicancias ambientales. A pesar de su importancia
y pertinencia, estos tipos de estudios no están suficientemente extendidos en las zonas costeras bonaerenses. El presente
trabajo constituye un estudio interdisciplinario cuyo objetivo es generar información de base sobre la diversidad de la
fauna bentónica de invertebrados (principalmente moluscos, crustáceos decápodos y foraminíferos), presente en la playa
emergida y sumergida de la localidad de Mar de Ajó, y analizar su distribución en función de la batimetría, granulometría
y morfología de los distintos subambientes de playa. El área de estudio se localiza en la localidad de Mar de Ajó (provincia
de Buenos Aires). Geomorfológicamente corresponde a costas de dunas con playas de baja pendiente con presencia de
bermas estacionales y barras de lavado. Sedimentológicamente, son arenas pardo-amarillentas, con abundantes conchillas.
Se tomaron muestras de sedimentos superficiales a lo largo de una transecta perpendicular a la línea de costa, a la altura de
la calle Blanco Encalada. El relevamiento del perfil se llevó a cabo mediante la utilización de estación total y GPS hasta
una profundidad de 10m. Se obtuvieron muestras representativas de cada subambiente de la playa emergida, y muestras a
distintas profundidades en la playa sumergida (con draga tipo Van Veen), hasta un máximo de 10m de profundidad. Para
llevar a cabo la caracterización biológica, se tomaron muestras en el sector de playa sumergida mediante la utilización de
una rastra. El sector de playa distal presenta arenas finas, muy bien seleccionadas, y no se observa berma estable. No se
hallaron organismos vivos, aunque sí se recuperaron conchillas de foraminíferos, abundando las de las especies Buccella
peruviana, Ammonia beccarii y Elphidium gunteri. La playa frontal presenta arenas finas a medianas, moderadamente
bien seleccionadas, y se observó una barra de lavado. En este sector se hallaron moluscos bivalvos (D. hanleyanus y M.
mactroides) y foraminíferos (B. peruviana, A. beccarii y Elphidium discoidale). El sector de cara de playa está constituido por
arenas finas a muy finas, moderadamente a bien seleccionadas. En este subambiente únicamente se recuperaron conchillas
de foraminíferos, abundando las de las especies B. peruviana, A. beccarii y E. discoidale. La zona de transición y el sector
de aguas profundas presentan una granulometría variable en distintas profundidades, que va desde la arena mediana a
limo-arcilla. Estos sectores presentan la mayor diversidad faunística. En la zona de transición se encontraron: crustáceos
decápodos (Artemesia longinaris, Loxopagurus loxochelis y Libinia spinosa); moluscos gasterópodos (Adelomelon
brasiliana, Olivancillaria deshayesiana, Buccinanops cochlidium, B. globulosus y B. monilifer), y el molusco bivalvo
Corbula patagonica. En cuanto a los foraminíferos, las especies más frecuentes fueron B. peruviana, Textularia gramen y
Discorbis williamsoni. En el sector de aguas profundas se hallaron los crustáceos A. longinaris, L. loxochelis y Corystoides
chilensis; los gasterópodos Olivancillaria carcellesi, Buccinanops gradatum, B. cochlidium y B. monilifer, y los bivalvos
Amiantis purpurata y C. patagonica. Con respecto a los foraminíferos, las especies más abundantes fueron B. peruviana, A.
beccarii y Quinqueloculina seminulina.
IDENTIFICAÇÃO DE DIFERENTES ZONAS MORFOLÓGICAS A PARTIR DE DADOS
BATIMÉTRICOS NO ESTUÁRIO DO RIO AÇU, MACAU/RN
Ana Karolina Rodrigues da Rocha1,2,3 e Helenice Vital1,2,4
Departamento de Geologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, C.P.1639 CEP. 59.072-970, Natal - RN
Brasil; 2Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica do Petróleo da UFRN; 3 Bolsista Agencia Nacional do
Petróleo-ANP [email protected]; 4Pesquisadora CNPq, [email protected]
1
Estuários são regiões costeiras de significativa importância ambiental e geológica capazes abrigar diversas espécies
marinhas e de fornecer informações sobre a morfodinâmica atual, auxiliando no entendimento da história geológica recente.
A área de estudo compreende o Estuário do rio Açu, localizado no litoral setentrional do estado do Rio Grande do Norte.
Esta região encontra-se sob domínio dos climas muito quente e semi-árido com estações secas entre os meses de junho a
janeiro e uma estação chuvosa entre os meses de fevereiro a maio. A umidade relativa do ar é de aproximadamente 71%, e
a insolação neste litoral é uma das mais elevadas do Brasil, com médias anuais em torno de 2600 horas/ano equivalente a
7,1 horas/dia. A insolação, aliada com os ventos constantes, escassez de chuvas e altas temperaturas faz com que a região de
Macau seja a mais propícia do país para a produção de sal marinho. As marés são identificadas como do tipo semidiurnas,
com maré média de sizígia de 3,0 m e maré média de quadratura de 1,27m, que permitem o enquadramento no regime
de mesomaré. Nesta região são desenvolvidas atividades da indústria petrolífera, salineira e carcinicultura, passíveis a
contaminações acidentais. Tais acidentes, ainda que raros, são de difícil controle, podendo provocar danos materiais e
105
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ecológicos de grandes proporções. Além disso, esta região apresenta grandes problemas em relação à navegação, devido
à intensa dinâmica costeira atuante na região que permite a formação de numerosos bancos arenosos ao longo de toda
área. Desta forma foram realizados levantamentos batimétricos na porção mais externa do estuário a fim de auxiliar nos
trabalhos de monitoramento ambiental e no tráfego de embarcações. Para o desenvolvimento dos trabalhos batimétricos foi
utilizado um ecobatímetro de alta precisão (resolução de 0,01 m de profundidade), modelo Hydrotra csystem, para aquisição
de 88 perfis transversais e longitudinais ao canal principal do rio Açu. O processamento e análise dos dados permitiu o
reconhecimento de duas zonas morfológicas distintas, denominadas por zona de canal principal e zona altos fundos. O canal
principal apresenta profundidades variando de 2 à 3 metros, atingindo localmente profundidades máximas de 4 metros.
Desta forma, o estuário é relativamente raso, considerando-se as dimensões do rio Açu. Esta diminuição da profundidade
pode estar associada à retenção de água em barragens encontradas ao longo do seu curso o que diminui a vazão de água
fluvial que chega ao estuário, além disto, assim como outros rios do semi-árido nordestino, este é um rio intermitente em
suas condições naturais. A zona denominada por altos fundos compreende toda a margem do rio, com isóbatas menores
que 1 metro, estando relacionado aos bancos arenosos e as planícies lamosas que se encontram margeando toda a área. Os
bancos próximo à cidade de Macau e nos atracadouros de barcaças salineiras são de menor porte, porém ao aproximar-se da
foz os bancos aumentam de dimensão, devido a intensa deposição de sedimentos que são trazidos de praias vizinhas através
de ação de agentes costeiros, limitando a navegação neste estuário.
Palavra Chave: Estuário, morfologia de fundo, Batimetria
GEOMORFOLOGIA DA PAISAGEM COSTEIRA NAS ADJACÊNCIAS DA FOZ DO RIO ASSU (NE DO
BRASIL) COM BASE EM IMAGENS ÓPTICAS E DE RADAR
Dalton Rosemberg Valentim da Silva1,2; Venerando Eustáquio Amaro3,4
1 – Curso de Geologia/UFRN. 2 – PRH22-ANP-UFRN. 3 – Departamento de Geologia/UFRN. 4 – Programa de Pósgraduação em Geodinâmica e Geofísica/UFRN: [email protected]; [email protected]
O litoral norte do estado do Rio Grande do Norte, situado no nordeste do Brasil, tem uma alta sensibilidade ambiental
e é intensamente ocupado pelas atividades das indústrias petrolífera, salineira e de carcinicultura que oferecem riscos
potenciais aos ecossistemas que nele estão presentes. Processos hidrodinâmicos (ventos, ondas, correntes e maré) de alta
energia atuam na área, condicionando a dinâmica sedimentar, sob influência de fatores neotectônicos. A área está inserida no
contexto geológico da Bacia Potiguar, com rochas e sedimentos cujas idades variam do Cretáceo ao Quaternário. Técnicas
de sensoriamento remoto têm sido aplicadas com o objetivo de obter informações úteis para a melhor compreensão do
contexto geodinâmico da área, contribuindo assim com o monitoramento ambiental desenvolvido na região. O objetivo deste
trabalho é descrever as informações geomorfológicas obtidas a partir da integração de dados de RADAR (SRTM-Shutlle
Radar Topographic Mission e Radarsat) com imagens ópticas (Landsat e CBERS). Composições coloridas em RGB foram
criadas a partir da análise estatística das imagens ópticas e das informações disponíveis na literatura, para que pudessem ser
integradas com os dados de RADAR. A interpretação destes dados híbridos 2D e 3D permitiu o mapeamento e descrição
das unidades geomorfológicas. As unidades são os tabuleiros costeiros, a planície flúvio-marinha, planície flúvio-marinha
vegetada (manguezal), dunas fixas, dunas móveis e zona de praia. Esta metodologia é bastante eficiente para a compreensão
do contexto morfodinâmico da área, criando uma boa base cartográfica que pode ser utilizada em planos de contenção no
caso de derramamentos de óleo, otimizando a proteção dos ambientes mais sensíveis, além de auxiliar no planejamento de
novas áreas de exploração. Os dados de interferometria de RADAR SRTM permitiram a análise de parâmetros relevantes
para o monitoramento ambiental, como altimetria, declividade e aspecto, uma vez que em casos de acidentes que ofereçam
riscos ambientais, o conhecimento destes fatores influencia diretamente a eficiência das medidas mitigadoras. A integração
dos sombreamentos do SRTM com combinações RGB das imagens Landsat e CBERS oferece um ganho relevante para
a análise morfológica das unidades de paisagem, uma vez que integra os fatores relacionados ao relevo com o aspecto
geológico das unidades realçadas pela análise multiespectral das imagens ópticas. Da mesma forma, é de grande relevância
a integração dos dados ópticos com a imagem Radarsat, realçando os limites entre as unidades de paisagem em produtos
híbridos com 12,5m de resolução, ampliando a escala de trabalho. Os modelos 3D desenvolvidos a partir da integração dos
dados SRTM com composições RGB são bem mais eficientes na caracterização da área do que um MDT tradicional que
representa a altimetria em uma escala de cores, uma vez que a superfície imageada pelos sensores ópticos pode ser analisada
106
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
em três dimensões. A metodologia permitiu ampliar o conhecimento dos aspectos morfológicos da região, um importante
subsídio ao planejamento de medidas de contenção em casos de derramamento acidental de óleo e outros poluentes, assim
como na tentativa de minimizar e/ou evitar danos maiores ao meio ambiente e às comunidades que dependem do uso
sustentável dos recursos naturais para a sua subsistência. As informações e resultados obtidos contribuem também para o
monitoramento das instalações industriais petrolífera, salineira e de carcinicultura que já estão em funcionamento na área.
Palavras-Chave: Indústria petrolífera; Monitoramento ambiental; RADAR; Imagens ópticas; Geomorfologia.
CLASSIFICAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DOS ESTUÁRIOS DO ESTADO DE PERNAMBUCO
(BRASIL) COM BASE EM IMAGENS DE SATÉLITE
Janaina Barbosa da Silva1, Danielle Gomes da Silva1; Célia Cristina Clemente Machado3 y Josiclêda
Domiciano Galvíncio2
1Alunas de Doutorado em Geografia – UFPE ([email protected]).3Bolsista de Apoio Técnico CNPq – UFPE.
2Profª.Drª. Adjunto do Departamento de Ciências Geográfica – UFPE ([email protected])
O presente estudo visou classificar, tomando como base as características geomorfológicas, os estuários do Estado de
Pernambuco. Na zona costeira pernambucana encontram-se treze estuários, ocupando área de aproximadamente 17.372ha,
apresentando baixas altitudes, chegando a atingir, em vários pontos, cotas inferiores ao nível do mar. A base de dados
utilizado para a classificação foram as imagens satélites do Landsat-TM. Foram realizadas análises visuais das imagens
de satélite e posteriormente foram efetuados trabalhos de campo a fim de validar as interpretações realizadas. Na zona
costeira pernambucana são encontradas três classificações de estuários: Planície costeira (vale inundado), formado
por barras e por outros processos. As interações espaço-temporal dos processos ambientais durante Quaternário foi de
fundamental importância para a atual configuração das áreas estuarinas classificadas, tendo em vista que tectonismo, erosão
e sedimentação recorrente das regressões e transgressões marinhas foram processos recursivos durante a formação dos
estuários e que deixaram registros na paisagem.
ANÁLISE MORFOTEXTURAL E APLICAÇÃO DE MODELOS DE TRANSPORTE DE SEDIMENTOS NA
ZONA SUBMERSA ADJACENTE A UMA PRAIA ARTIFICIAL EM PROCESSO EROSIVO.
a, 1,
Tatiana Pinheiro Dadalto
a, 2
e Jacqueline Albino
aDepartamento de Oceanografia e Ecologia, UFES.
1 [email protected], 2 [email protected]
Este trabalho consistiu na aplicação de modelos de tendência granulométrica e de caracterização morfotextural da porção
submersa adjacente à Praia da Curva da Jurema, Vitória, ES, Basil. Foram levantados dados batimétricos e granulométricos
e aplicados os modelos GSTA (Grain-Size Trend Analysis) de Gao (1996) e GSTAST (Grain-Size Trend Analysis with
Significant Test) de Chang et al. (2001), que vetorizam o transporte de sedimentos. A análise morfotextural apontou a
batimetria e o grau de exposição à incidência de ondas como os principais fatores determinantes do padrão de transporte,
que por sua vez, mostrou o transporte e deposição de sedimentos finos da praia, que apresenta escarpas erosivas, rumo à área
de maiores profundidades. A maré foi considerada um importante agente do transporte de sedimento na área. Os modelos
de transporte de sedimento foram considerados válidos para esta área de estudo, uma vez que os vetores resultantes estão
de acordo com o padrão de transporte mostrado pela caracterização morfotextural. A aplicação do GSTA mostrou-se mais
satisfatória, uma vez que há a representação vetorial de todas as estações amostrais sem se distanciar do padrão morfotextural
encontrado. Este trabalho representa uma grande contribuição ao estudo da análise de tendências granulométricas, pois
mostra que a aplicação de modelos pode ser satisfatória em ambientes de grande dinamismo e em costas artificiais.
Palavras-Chave: caracterização morfotextural; transporte de sedimento; Análise de Tendência Granulométrica; erosão
costeira; costa artificial.
107
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
GEOLOGIA DA PLANÍCIE COSTEIRA DO ENTORNO DA LAGUNA DO RIBEIRÃO, MUNICÍPIO DE
PAULO LOPES, SC, BRASIL
Michelle Damasio¹ & Norberto Olmiro Horn Filho²
¹Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, [email protected]
; ²Departamento de Geociências**, Universidade Federal de Santa Catarina, Bolsista Produtividade em Pesquisa do
CNPq, [email protected]
A planície costeira abriga um mosaico de sistemas de alta relevância ambiental, cuja diversidade é marcada pela transição
de ambientes marinhos e terrestres, com interações que lhe conferem um caráter de fragilidade e, que requerem, por isto,
atenção especial. O Brasil apresenta vasta planície costeira onde são reconhecidos depósitos de idade pleistocênica e
holocênica, originados durante os processos transgressivos e regressivos marinhos, que geraram sedimentos de diferentes
origens, formas, idades e altitudes. Neste contexto, são encontradas na planície costeira diversas feições geomorfológicas,
tais como, praias, cordões regressivos, campos de dunas, lagoas, lagunas, entre outros, formadas por processos marinhos e
continentais, durante o Quaternário. Na planície costeira do município de Paulo Lopes, mais precisamente nas adjacências da
laguna do Ribeirão, podem ser observados depósitos do sistema deposicional continental e depósitos do sistema deposicional
litorâneo de idade pleistocênica e holocênica, correspondentes aos sistemas laguna-barreira III e IV, respectivamente. A
área de estudo localiza-se no litoral Centro-sul ou setor IV do Estado de Santa Catarina, nas coordenadas geográficas
27º56’36’’S e 48º39’10’’W. A laguna do Ribeirão, que possui área de 1,67 km2, pertence a bacia hidrográfica do rio da
Madre, a qual está inserida no sistema da vertente Atlântica. Com o objetivo de evidenciar os depósitos quaternários
existentes na planície costeira do entorno da laguna do Ribeirão foi realizado o mapeamento geológico, compreendendo
as seguintes atividades: fotointerpretação, trabalho de campo, coleta de amostras superficiais de sedimentos dos principais
depósitos, análises granulométricas, tratamento de dados estatísticos e elaboração do mapa geológico da planície costeira.
As unidades litoestratigráficas mapeadas na área de estudo são descritas a seguir. No que se refere ao embasamento foi
considerada somente uma unidade litoestratigráfica denominada de Embasamento cristalino indiferenciado representado
pelo Escudo catarinense, que tem seu arcabouço estruturado por granitóides com idades que variam do Proterozóico superior
ao Eopaleozóico. Com relação ao sistema deposicional continental, destaca-se na área o depósito coluvial do Quaternário
indiferenciado em contato com as rochas do embasamento, na forma de rampa coluvial que interdigita-se com os depósitos
lagunar e paludial, ambos de idade holocênica. No sistema deposicional litorâneo são evidenciados ao sul e a sudoeste da
área de estudo, depósitos eólicos de idade pleistocênica, na forma de paleodunas, constituído por areias quartzosas médias
até muito finas. Os depósitos paludiais e lagunares são observados no entorno da laguna do Ribeirão, na forma de planícies
de maré, assim como em todo restante da área de estudo, na forma de terraços lagunares de idade holocênica, relacionados
a sedimentos da paleolagoa existente anteriormente no local. Estes sedimentos são constituídos de areias síltico-argilosas,
mal selecionadas e ricas em matriz orgânica. Interdigitando-se com o depósito lagunar são reconhecidos depósitos marinho
praiais e eólicos, na forma de cordões litorâneos e dunas. A planície costeira adjacente à laguna do Ribeirão apresenta
ainda fácies sedimentares singulares dos depósitos flúvio-lagunar e deltaico intralagunar, ambos de idade holocênica,
originados do rio Paulo Lopes que se encontra à montante do corpo lagunar. O mapeamento geológico além de contribuir
com a caracterização geológica e geomorfológica do entorno da laguna do Ribeirão, evidenciando a presença dos sistemas
deposicionais do Quaternário, também irá contribuir significativamente com o zoneamento ambiental local, servindo como
instrumento de planejamento para o uso e ocupação do solo, possibilitando ações de gerenciamento costeiro no município
de Paulo Lopes.
*Apoio institucional do PPGG/UFSC - Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa
Catarina.
**Instituição efetiva do PGGM – Programa de Geologia e Geofísica Marinha
DISTRIBUIÇÃO DE FORAMINÍFEROS BENTÔNICOS AO LONGO DE TESTEMUNHOS NA BAÍA DE
VITÓRIA, ES, SUDESTE DO BRASIL.
Fabiana Karla de Almeida1, Claudia Gutterres Vilela1, Renata Moura de Mello2 e Alex Cardoso Bastos3
1 Departamento de Geologia, IGEO/CCMN, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2 CENPES/PETROBRAS; 3
Departamento de Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo - E-mail: [email protected]
108
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
A aplicabilidade dos foraminíferos bentônicos em reconstruções paleoambientais tem se mostrado eficiente. A análise desta
microfauna na Baía de Vitória é considerada inédita, e os dados obtidos neste trabalho contribuem para a compreensão
do processo evolutivo desta região. A Baía de Vitória está localizada na região costeira centro-sul do Estado do Espírito
Santo, região sudeste brasileira. Esta baía situa-se em uma região estuarina compreendida por um conjunto de tributários
de médio e de pequeno porte que, combinados com o aporte marinho, propiciaram a criação dos manguezais, que se
encontram preservados somente na parte noroeste da baía. É ainda um ambiente com alto índice de degradação ambiental
causado pelo crescimento das regiões metropolitanas do entorno da mesma e pela implantação da atividade portuária.
A partir de quatro testemunhos (T1, T2, T3 e T4) foram estudados os foraminíferos bentônicos da Baía de Vitória. A
composição da microfauna foi correlacionada com dados abióticos de sedimentologia, Carbono Orgânico Total, Enxofre
Total e datação com C14. A maior diversidade de espécies foi encontrada nos foraminíferos bentônicos de tecas calcáriohialinas, porcelanosas e aglutinantes, respectivamente. Efeitos da dissolução foram consistentemente observados em
Ammonia parkinsoniana, sendo atribuído a processos tafonômicos. Em geral, as tecas dos foraminíferos encontraram-se
preenchidas por pirita framboidal, um indício da característica redutora deste sistema. Através de análises de agrupamento
foi possível identificar quatro biofácies de foraminíferos bentônicos. As Biofácies Nonion-Pseudononion atlanticum (NP)
e Cribroelphidium-Globocassidulina subglobosa (CG), que são compostas por espécies calcário-hialinas marinhas. A
Biofácies Ammonia-Elphidium (AE), que possui espécies calcário-hialinas comuns em ambientes marinhos moderadamente
restritos. E a Biofácies Ammotium morenoi-Textularídeos (AT), com predominância de espécies aglutinantes típicas de
ambientes com baixa salinidade. O padrão de distribuição das biofácies ao longo dos testemunhos permitiu inferir que na
Baía de Vitória, progressivamente, houve a passagem do ambiente marinho para um marinho restrito, até as condições mais
atuais com a efetiva implantação dos manguezais. Através da ausência de biofácies no topo dos testemunhos, correlacionada
à profundidade da lâmina d’água dos mesmos, pode-se inferir que esta baía possui um hiato deposicional. Datações com
C14 revelaram idades entre 7240 anos AP a 1010 anos AP. Tais idades associadas à microfauna e demais dados abióticos
indicam um estuário não poluído por atividade antrópica, que pode servir de referência para futuros estudos de diagnóstico
e monitoramento ambiental na Baía de Vitória e demais sistemas estuarinos semelhantes.
Palavras-chave: foraminíferos bentônicos; biofácies; sistema estuarino; Baía de Vitória.
CARACTERIZAÇÃO BATIMÉTRICA DO CANAL DO VARADOR DE MARACÁ, REGIÃO COSTEIRA DO
AMAPÁ-AMAZÔNIA-BRASIL
Artur Gustavo Oliveira de Miranda ¹; Odete Fátima Machado da Silveira ¹; Marcos Henrique Abreu Martins ²
Universidade Federal do Pará. Centro de Geociências. Faculdade de Oceanografia, C. Postal:1611. CEP: 66075-110.
Belém-PA, Brasil. ²Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá. CEP:78.912-250. Macapá-Ap,
Brasil. ( [email protected]; [email protected]; [email protected])
O Canal do Varador de Maracá apresenta aproximadamente 42 km de extensão e 8 km de largura. Está localizado no
Setor Atlântico entre a porção nordeste da zona costeira amapaense e a Ilha de Maracá e caracteriza-se como uma
área de extrema importância ambiental devido à ocorrência de manguezais. Trata-se de área extremante dinâmica com
macromarés semidiurnas superiores a 8 metros, sob influência direta dos processos oceanográficos, sendo os mesmos
os agentes modeladores da porção costeira e do extremo oeste da Ilha de Maracá. O principal objetivo deste trabalho foi
realizar a caracterização batimétrica do Canal do Varador de Maracá, com enfoque voltado para identificar e caracterizar
a distribuição das unidades morfológicas. Os dados batimétricos foram coletados utilizando-se a metodologia do Fio de
Prumo. Um prumo de 9 kg foi lançado por um cabo aferido no mínimo duas vezes na água até tocar o substrato. As
profundidades representam a média das medidas tomadas. Foram realizados 19 transectos transversais e 8 perpendiculares
ao eixo principal do Canal do Varador espaçados regularmente de 2 em 2 km, e cada ponto batimétrico eqüidistante 100
metros em cada transecto, englobando o levantamento de uma área de aproximadamente 320 km². Para a correção da maré
foram utilizados os dados de maré adquiridos a partir de ADCP que permaneceu durante todo levantamento acoplado
em uma embarcação poitada no meio do canal. As profundidades foram “reduzidas”, ou seja, estão no mesmo plano de
referência conhecido como Nível de Redução, e não na superfície da água. Desta forma, foram subtraídas do nível da
superfície da água as variações determinadas pela maré. Os dados coletados foram exportados e processados no software
SURFER 8.0 e realizado o seguinte processamento: plotagem dos dados em planilha apropriada, geração do GRID’s,
109
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
filtragem e suavização. O melhor método de gridagem para a topografia do canal do Varador e a análise das diferenças
entre o espaçamento das linhas de levantamento foi o método da krigagem. Este método mostrou melhores resultados na
definição da topografia submarina, devido à distribuição de cada perfil do levantamento batimétrico, possibilitando assim
uma boa interpolação dos dados da topografia para plotagem de superfície de contorno em três dimensões (3D Surface),
isolinhas da morfologia e perfis batimétricos. Em relação à distribuição das profundidades, o Canal do Varador, é uma área
atípica da região costeira do estado do Amapá, devido apresentar profundidade média em torno de -10 metros e máxima
profundidade de -38 metros no Furo da Cobra. O Canal do Varador apresenta duas feições fisiográficas proeminentes, o
Canal do Céu com cerca de 25 Km de extensão e o Banco da Jacitara que permanece exposto aproximadamente 4 km em
marés baixas. Perfis batimétricos dispostos transversalmente ao eixo principal do Canal do Varador foram confeccionados
para facilitar a compreensão das reais disposições das feições morfológicas. O cruzamento das informações da morfologia
de fundo, e futuros levantamentos dos parâmetros hidrodinâmicos, principalmente as correntes fluviais e de maré podem
ser excelente parâmetros para modelagem hidrodinâmica e, por conseguinte, para o melhor entendimento do padrão de
circulação e transporte de sedimentos no Canal do Varador.
Palavras Chave: Zona Costeira Amazônica, Batimetria, Canal do Varador de Maracá
CIRCULATION AND MIXTURE PROCESSES ON THE JAGUARIBE RIVER ESTUARINE WATERS,
CEARÁ-BRAZIL
Jáder Onofre de Morais1,Davis Pereira de Paula2 & Lidriana de Souza Pinheiro3
Universidade Estadual do Ceará, [email protected]; 2 Universidade do Algarve, [email protected]; 3Universidade
Federal do Ceará, [email protected]
1
The Jaguaribe River estuary is located in the Brazilian Northeastern Region, throughout Fortim, Aracati and Itaiçaba
municipalities. The estuary extends for 36 km and occupies 641,216 km², being limited landward by the Itaiçaba dam.
This research aims to identify the effect of saline tide on Jaguaribe river estuary classification. Eight monitoring stations
were established for water sampling, hydrodynamics and salinity measurement, during a complete tidal cycle. Using a
CTD SeaBird SBE-19 and a Current meter Sensordata SD-30. For evaluation of hydrodynamics and saline intrusion at the
Jaguaribe River estuary, the classification based on saline structure (highly stratified or saline wedge, partially stratified or
partially mixed, and well mixed), was adopted. At Aracati city, 23 km from the estuary mouth, stratifications of the water
column were found only in the rainy period. The influence of tide dynamics is observed up to the locality of Itaiçaba.
The construction of dams along the Jaguaribe River reduced the volume of fresh water. In the dry period, the estuary was
classified as vertically well mixed or homogeneous. However, in the rainy period, the estuary was classified as partially or
moderately stratified.
Keywords: Dynamic tide; Saline intrusion; Dam.
BIOESTRATIGRAFIA E ISÓTOPOS DE OXIGÊNIO EM FORAMINÍFEROS QUATERNÁRIOS
DO TALUDE DA BACIA DE CAMPOS, SUDESTE DO BRASIL
David Holanda De Oliveira A,1; Alcina Magnólia Franca Barreto A,2; Alcides Nóbrega Sial A,3; Renata Moura De Mello B,4 &
Oscar Strohschoen Jr. B,5
Departamento de Geologia, UFPE. b CENPES, PETROBRAS. [email protected]; [email protected]; [email protected]
br; [email protected]
a
Foram realizados estudos bioestratigráficos e isotópicos em amostras de foraminíferos, coletadas através de box-corer,
no talude médio e inferior no campo Marlim Leste, Bacia de Campos, em quatro estações: 84 (1050m), 85 (1350m),
86 (1650m) e 87 (1950m). O tamanho das amostras de sedimento variou entre 20 e 35 cm de profundidade. Objetivo foi
observar as variações de d18O PDB‰ extraídos das carapaças de foraminíferos, planctônicos e bentônicos quaternários, e
110
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
correlacionar com os dados bioestratigráficos para inferir possíveis registros de paleotemperaturas, estágios isotópicos
e mudanças paleoclimáticas. O material sub-amostrado verticalmente foi lavado, secado e analisado sob microscópio
estereoscópico. Na análise bioestratigráfica observou-se a distribuição das espécies planctônicas indicadoras de águas
quentes e frias (Globorotalia menardii, Globorotalia truncatulinoides). Para análise de δ18O foi feita a triagem das
espécies indicadas Globigerinoides ruber (planctônica) e Cibicidoides wuellestorfi (bentônica). A correlação da análise
bioestratigráfica e dados isotópicos, inferiu na estação 84 (1050m) o limite Pleistoceno/Holoceno na profundidade de 10cm
do sedimento, foi inferido estágio isotópico 1 e zona climática Z, Holoceno (00-02, 02-05 e 05-10 cm) e estágio isotópico
2 na zona climática Y Pleistoceno (10-15 e 15-20 cm). A paleotemperatura das águas superficiais para o Pleistoceno foi
de 14,42°C e profundas foi de 3,16°C. As demais estações foram incluídas no estágio isotópico 1, que corresponde ao
Holoceno e zona climática Z. As análises de δ18O das estações apresentaram os seguintes resultados: a estação 84 entre
0,49% PDB a -2,09%PDB e paleotemperaturas das águas superficiais entre 14,42ºC a 26,09°C; na estação 85 -1,35 %PDB a -1,90
%PDB e paleotemperaturas de 22,56°C a 25,17°C. Estação 86, -2,00 %PDB a -1,18 %PDB e paleotemperaturas de 25,66°C a
21,76°C e estação 87, de -3,26 %PDB e -1,46 % PDB com paleotemperaturas de 32,00°C a 23,07°C.
Palavras-chave: isótopos de oxigênio; paleotemperaturas; Pleistoceno/Holoceno
RELAÇÕES ENTRE A MORFODINÂMICA E A UTILIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO EM
TRECHOS DA ORLA OCEÂNICA DA ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL
Ulisses Rocha de Oliveira1, Norberto Olmiro Horn Filho2, Rodrigo do Carmo Barletta3, Janice Rezende Vieira Peixoto4
Instituto de Ciências Humanas e da Informação, Fundação Universidade Federal de Rio Grande*, Programa de Pósgraduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, [email protected] ; 2Departamento de
Geociências*, Universidade Federal de Santa Catarina, Bolsista Produtividade em Pesquisa do CNPq, [email protected]
br; 3Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, Coastal Planning Brasil, [email protected]
hotmail.com; 4Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, [email protected]
1
O presente estudo caracteriza relações entre a morfodinâmica e a utilização e conservação de trechos da orla oceânica
da Ilha de Santa Catarina, município de Florianópolis, sul do Brasil. Para isto foi efetivada uma análise de parâmetros
morfométricos em 40 perfis transversais à linha de costa atual, o que possibilitou o agrupamento de tipos de praia. Paralelo
a isto se realizou uma classificação genérica da orla terrestre quanto ao uso humano distinguindo orlas naturais, em processo
de urbanização e urbanizadas. Por fim, foram comparados os dados obtidos pela integração quantitativa dos parâmetros
morfométricos e a classificação genérica da orla terrestre. As principais características geológico/geomorfológicas e
oceanográficas das praias arenosas oceânicas da Ilha de Santa Catarina resultaram da relação estabelecida ao longo do
Quaternário entre as rochas do embasamento cristalino, os depósitos sedimentares da planície costeira e os processos
aerodinâmicos e hidrodinâmicos costeiros. Deste modo, praias de areia fina bem selecionada, com baixa variabilidade
na largura e volume subaéreo, representam os estágios morfodinâmicos Reflectivo/Intermediário Terraço de Baixa Mar.
Estas se situam em áreas abrigadas da alta energia das ondas pela presença de promontórios rochosos. Praias de areia fina,
bem a muito bem selecionada, com moderada à alta variabilidade morfológica, caracterizam os estágios morfodinâmicos
intermediários (Barras Transversais, Banco e Praia de Cúspide, Banco e Cava Longitudinal) e o Dissipativo. Estas se situam
em áreas expostas à moderada e à alta energia de onda. Praias de areia média a muito grossa e alta declividade da face
praial representam os estágios morfodinâmicos Reflectivo/Intermediário Banco e Cava Longitudinal, estando localizadas
nos setores centrais das enseadas mais expostas à alta energia das ondas, em áreas afastadas dos promontórios considerados
tômbolos ou pseudo tômbolos. A ocupação histórica da Ilha de Santa Catarina mostra que a orla dessas praias arenosas
oceânicas apresenta trechos conservados (áreas comunais, parques e áreas de preservação) e urbanizados. Quanto ao tipo
de urbanização predomina o horizontalizado (casas) sem recuo caracterizado. Coincidentemente, mas não aleatoriamente,
as praias mais abrigadas da alta energia das ondas foram as mais utilizadas (urbanizadas) ao longo da história de ocupação
da orla. Conforme houve crescimento populacional e urbano, esta urbanização se adensou junto às zonas de sombra e/ou
se alastrou lateralmente em direção às praias mais expostas. Atualmente, grande parte dos trechos de orla onde as praias
apresentam estágios morfodinâmicos Reflectivo/Intermediário Terraço de Baixa Mar são urbanizados ou se encontram em
processo de urbanização. Com isto, os principais problemas ambientais na orla oceânica da Ilha de Santa Catarina referem
a processos de erosão costeira em orlas urbanizadas em zonas abrigadas da ação direta de ondas de alta energia. Como estas
recebem pouco aporte sedimentar comparadas a outras áreas costeiras, a urbanização acaba sendo fundamental para que
111
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
haja déficit sedimentar. Nas áreas mais expostas da orla oceânica da Ilha de Santa Catarina, teoricamente mais variáveis
morfologicamente, não há sérios problemas ambientais visto que seu estágio natural vem sendo em geral conservado,
fazendo com que, a princípio, não haja modificação dos padrões de aporte sedimentar.
*Instituições efetivas do PGGM – Programa de Geologia e Geofísica Marinha
Estudo Sedimentológico da Plataforma Interna Adjacente aos Campos MacauSerra, Bacia Potiguar Submersa, RN.
Claudete Rodrigues de Souza 1 Paulo Roberto Cordeiro de Farias 1,2 & Helenice Vital1,3
Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, - PRH ANP 22, Campus
Universitário C.P.1639, Natal-RN, 59072-970; [email protected] 2Professor Msc, UFRN, Campus
Universitário s/n, CxPostal: 1596, 0xx84 (2153808); PRH-ANP22, [email protected] 3 Professora Drª,
Pesquisadora CNPq, Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica, UFRN, Campus Universitário s/n, Cx
Postal: 1596, 0xx84 (2153808);PRH-ANP 22, [email protected]
1
As bacias sedimentares constituem províncias geológicas importantes sendo, alvo de diversas pesquisas sobre sua geologia e
características tectono-estratigráficas.A área estudada deste trabalho está inserida na Bacia Potiguar, que situa-se na Região
Nordeste do Brasil, no litoral setentrional do Estado do Rio Grande do Norte (RN). Neste litoral as plataformas de produção
de petróleo e suas respectivas linhas de produção estão inseridas em águas rasas, submetidas ao impacto ocasionado pelos
processos costeiros erosivos. São, portanto, de suma importância os estudos sistemáticos com coletas de dados sedimentares
na plataforma rasa adjacente para mapeamento faciológico. Objetivou-se expor os resultados das atividades desenvolvidas
em uma porção da plataforma continental rasa brasileira, na região parálica adjacente aos campos de petróleo de Macau
e Serra – RN. Este trabalho constou da realização de estudos sedimentológicos sistemáticos, com coletas de amostras de
fundo para o mapeamento faciológico. Sedimentos do fundo marinho foram coletados com amostrador pontual tipo VanVeen, em uma malha amostral de 1 km x 1 km. Através da interpretação e tabulação dos dados adquiridos foi possível
apresentar discussões e as seguintes conclusões dos resultados no presente trabalho: Constatou-se a predominância de
areias quartzosas (60 a 80%). O material carbonático, representado principalmente por conchas de moluscos e rodolitos,
ocorre predominante no extremo norte da área e numa estreita faixa no quadrante sudoeste da mesma. Os sedimentos foram
classificados de acordo com a média como areia média (46%), seguindo-se de areia fina (37%), areia grossa (13%) e areia
muito fina (4%). De acordo com a classificação textural de Folk (1974) os sedimentos foram classificados como areia
com cascalho esparso (50%), areia (37%), areia com cascalho (11%) e areia siltosa (2%). Um mapa faciológico para a
área de estudo foi construído com base na classificação de Freire et al (1997) modificada por Vital et al (2005), tendo sido
identificadas as fácies Areia siliciclástica (50%), areia silicibioclástica (31%), areia biosiliciclástica (15%) e lama terrígena
(2%).
Palavras-Chave: Plataforma Continental, parálica, sedimentos.
MAPA FACIOLÓGICO DA BAÍA DO GUAJARÁ
Danielle Cristina Costa de Souza¹, Amilcar Carvalho Mendes², Helenice Vital¹
¹Universidade Federal do Rio Grande do Norte/GGEMMA-Grupo de Pesquisa em Geologia e Geosífica Marinha
e Monitoramento Ambiental/ Caixa Postal 1596-UFRN-59078-970-Natal-RN; [email protected],
[email protected] ²Museu Paraense Emílio Goeldi/CCTE-Centro de Ciências da Terra e Ecologia/[email protected]
museu-goeldi.br.
A Baía de Guajará está localizada no Estado do Pará, entre os paralelos 1°22’S e 1°30’S e os meridianos 48°25’W e 48°35W.
Esta baía abrange um complexo portuário importante para a cidade de Belém, demandando portanto estudos geológicos que
visem obter um diagnóstico e uma relação de causa e efeito entre variações naturais e ações antrópicas neste ambiente. Neste
sentido, o presente trabalho tem por objetivo caracterizar os sedimentos de fundo presentes e sua distribuição faciológica
na Baía de Guajará. Os estudos foram desenvolvidos no âmbito do Projeto “Monitoramento Ambiental de áreas de Risco a
112
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Derrames de Petróleo e seus Derivados (REDE 05 - PETRORISCO-FINEP/CNPq/CTPETRO)”, e iniciou pela atualização
da faciologia de fundo elaborada por Pinheiro (1987) para a Baía de Guajará e foz do rio Guamá, associando-a ao atual
quadro morfológico no intuito de contribuir para a análise geoambiental da área em questão. Utilizando como base a carta
batimétrica elaborada por Mendes et al (2005), foi delineada uma malha amostral regular, com perfis perpendiculares às
margens, com intervalos entre as linhas de aproximadamente 2 km, de forma que todas as unidades morfológicas fossem
amostradas, perfazendo um total de 128 pontos de coleta de sedimentos de fundo. Todos os pontos de coleta foram devidamente
georreferenciados e organizados em ordem crescente em planilha em formato .xls. A coleta de sedimentos de fundo foi
realizada no período de 8 a 14 de fevereiro de 2006, tendo como ponto inicial de coleta a Ilha de Outeiro. A navegação foi
realizada com o auxilio de GPS Garmin. Em cada ponto foi coletado aproximadamente 1 kg de sedimento, utilizando um
amostrador tipo Petersen. No laboratório as amostras foram retiradas do resfriamento e mantidas em temperatura ambiente
para o descongelamento e, posteriormente, lavadas para a homogeneização, seguindo a metodologia de Suguio (1973). O
processamento dos dados granulométricos foi efetuado no Software SAG desenvolvido pelo LAGEMAR-UFF, utlizando a
classificação de Larsonneur (1977), modificado por Dias (1996) com base na distribuição de sedimentos de fundo elaborada
por Gregório et al. (2006). Os sedimentos de fundo são eminentemente litoclásticos, com predominância de lama (72%
das amostras). Foram definidas as fácies areia média a grossa com grânulos, areia fina e muito fina e lama terrígena.
A facies areia média a grossa com grânulos predomina em setores com acentuadas profundidades e, portanto, de maior
hidrodinâmica como é o caso nos canais do Meio, da Ilha das Onças, Oriental e do rio Guamá. A fácies areia fina a muito
fina distribui-se preferencialmente ao longo de toda a margem direita da baía, sobretudo, nos bancos Sul da Cidade, da
Barra, do Meio e da Cidade. A fácies lama terrígena encontra-se em regiões com baixa hidrodinâmica, próximo aos bancos.
A distribuição faciológica de fundo da Baía de Guajará apresentou estreita relação com a morfologia e, sobretudo, refletiu
as características de hidrodinâmica para esta área.
Palavra Chave: Faciologia, Baía do Guajará e Sedimentologia.
DESLIZAMENTOS SUBMARINOS: AMBIENTES, MECANISMOS DISPARADORES,
PROCESSOS E ESTATÍSTICAS
Danielly Falqueto Delpupoa,1 & Arthur Ayres Neto a,2
Universidade Federal Fluminense - [email protected]; [email protected] ,
a
No Brasil existem várias evidências de deslizamentos submarinos, recentes e antigos. O entendimento dos processos
envolvidos nestes eventos é crítico para a avaliação dos riscos associados à instalação de estruturas de exploração e
produção de óleo e gás em áreas offshore. Os taludes continentais são ambientes típicos nos quais podem ocorrem os
deslizamentos submarinos, porém alguns estudos documentam que esses processos também ocorrem em fiordes, deltas
fluviais ativos e cânions submarinos. Em estudos realizados na margem atlântica dos EUA são apresentadas informações
acerca de estatísticas de escorregamentos submarinos ocorridos. Essas demonstram que os principais deslizamentos são
comumente observados em taludes submarinos com inclinação média de 4° e em uma área de 1 a 50 km². A maioria
desses processos ocorre em taludes continentais, embora valores de ocorrência muito semelhantes são presentes nos cânions
submarinos. Provavelmente, a freqüência dos deslizamentos por unidade de área é maior nos cânions, já que recobrem
uma menor área total, quando comparados ao talude submarino. Os deslizamentos submarinos podem ser causados por
diferentes fatores, relacionados tanto a atributos geológicos do material como aos fatores ambientais transientes que
afetam o ambiente submarino. Os principais mecanismos disparadores incluem: i) acumulação sedimentar, ii) erosão, iii)
terremotos, iv) vulcanismo, v) ondas, vi) gás e hidratos de gás, vii) diapirismo ou viii) atividade humana. Esse estudo
apresenta-se, de forma geral, como uma revisão sobre deslizamentos submarinos. Os processos de transporte de massa
foram classificados de várias maneiras, utilizando terminologias diferenciadas, porém as mais usadas são as nomenclaturas
baseadas na classificação dos processos de movimento de massa elaborado por Varnes (1958): i) Queda de rochas ou
queda de blocos (Rock fall), ii) Rastejamento (Creep), iii) Escorregamento ou deslizamento (Slide) e Desmoronamento ou
colapso (Slump), iv) Fluxo de detritos (Debris flow), v) Fluxo de grãos (Grain flow), ou vi) Corrente de turbidez. Dessa
forma, a compreensão de mecanismos do leito submarino, bem como a quantificação da freqüência dos eventos de risco e
suas conseqüências às estruturas submarinas é imprescindível para a exploração e produção nos campos de petróleo, visto
que a avaliação de estratégias de respostas e análise de logística para possíveis eventos extremos é justificada pelos altos
investimentos feitos na instalação e recuperação de estruturas danificadas.
113
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
PROGNÓSTICO DE RECUO DA LINHA DE COSTA NA PRAIA DO PERÓ: CONTRIBUIÇÃO PARA O
PLANEJAMENTO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CABO FRIO, RIO DE JANEIRO – BRASIL
Fábio Ferreira Dias¹, João Wagner Alencar Castro², José Carlos Sícoli Seoane³ & Felipe Leite Silva4
¹ ²Laboratório de Geologia Costeira, Sedimentologia & Meio Ambiente (Museu Nacional) UFRJ. E-mail: [email protected]
mn.ufrj.br ¹ ² ³ Programa de Pós Graduação em Geologia - UFRJ e 4 Programa de Pós Graduação Engenharia
Oceânica – COPPE / UFRJ
A praia do Peró no município de Cabo Frio, Estado do Rio de Janeiro - Brasil, desde início da década de 80, vem apresentando
crescimento desordenado sem nenhum planejamento que leve em consideração a dinâmica dos depósitos eólicos (dunas) e
as alterações sazonais das vazões sólidas decorrentes do transporte transversal e longitudinal de sedimentos induzido por
ondas e correntes. A falta de planejamento acarretou sucessivos problemas de soterramentos por dunas em residências e recuo
de linha de costa (erosão) sobre a infraestrutura urbana existente. O problema torna-se mais grave em função da implantação
do Resort Peró e da crescente concentração populacional nessa faixa costeira de origem recente (Holoceno). Na literatura
pertinente ao assunto, existem vários métodos prognósticos de recuo de linha de praia ou de costa. O método mais utilizado
mundialmente é o de Brunn (1962). Esse método leva em consideração a sobrelevação do nível do mar e características
do perfil ativo definido pelo comprimento, profundidade de fechamento e altura da berma. O presente trabalho tem como
objetivo desenvolver um prognóstico de recuo de linha de costa na praia do Peró – Cabo Frio/RJ utilizando a equação de
Brunn e estimativas de sobrelevação do nível do mar fornecidas pelo IPCC (2001). Como procedimento metodológico
selecionou-se informações do clima de ondas local entre 1965 a 1999. Em seguida utilizou-se todas as combinações possíveis
de alturas e períodos de ondas para determinação das profundidades máxima e mínima de fechamento do perfil ativo para
cada profundidade. O posicionamento das profundidades determinadas foi estabelecido a partir da utilização da folha de
bordo da praia do Peró (1:10.000) fornecida pela IEAPM - Marinha do Brasil. Em seguida estabeleceu-se um prognóstico
de posicionamentos de linha de costa através de um intervalo definido pelo máximo recuo e a atual linha de vegetação
que marca o inicio da pós praia (berma). Os resultados obtidos sugerem um prognóstico para os próximos 100 anos de um
recuo máximo de linha de costa em torno de 37 m no segmento sul, considerado como área de maior risco geológico e de
35 metros no segmento norte a ser ocultado pelo empreendimento Resort Peró. Estimativas mais recentes do IPCC (2007)
apontam elevações de 1,04 m para o litoral brasileiro. Tal estimativa resultaria em um recuo de aproximadamente 45m,
acarretando dessa forma, sérios danos às instalações urbanas. Dessa forma, o modelo prognóstico aqui proposto poderá ser
uma ferramenta útil para implantação de grandes empreendimentos na região, entre estes, o Resort Peró.
A FORMAÇÃO (OU IMPLANTAÇÃO) DA BARREIRA COSTEIRA HOLOCÊNICA
NO LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL
Sérgio R. Dillenburg
Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica, IG-UFRGS - [email protected]
As três condições ou fatores determinantes da existência de barreiras costeiras são: disponibilidade de sedimentos grossos
(areia e/ou cascalho), ondas de energia moderada a alta e a declividade do substrato da barreira (declividades da planície
costeira e plataforma continental). Este último fator tem controle, também, sobre a energia das ondas. A costa do Rio
Grande do Sul (RS) satisfaz plenamente essas condições, razão pela qual seus 620 km de extensão apresentam uma barreira
holocênica praticamente contínua, à exceção de aproximadamente 1 – 2 km, correspondentes à desembocadura dos canais
lagunares de Tramandaí e Rio Grande. Há 18 ka, com o nível do mar posicionado a cerca de 120/130 metros abaixo do
atual, a linha de costa estava posicionada próxima ao bordo da plataforma continental. Assim como relatado para as costas
leste norte-americana e sudeste australiana, é provável que também existissem barreiras costeiras, no bordo da plataforma
continental do RS, por ocasião do mar baixo de 18 ka. Com a posterior elevação do nível do mar essas barreiras migraram
no sentido do continente, de modo quase continuo, ou com descontinuidades, determinadas, por exemplo, por variações
na declividade do substrato, no estoque de sedimentos e nas taxas de elevação do nível do mar. No Litoral Norte do RS, a
formação (implantação) da barreira holocênica deu-se como o resultado da translação (migração), no sentido do continente,
de uma barreira pré-existente, no mínimo há um tempo equivalente a 11 cal ka, quando o nível do mar estava posicionado
a cerca de 20 m abaixo do seu nível atual. Neste tempo, e como conseqüência da continuidade de elevação do nível do mar,
114
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
foi iniciada a inundação da atual área da laguna de Tramandai. Esta inundação deu-se por águas lagunares, o que é possível
somente com a já existência da barreira costeira. Há cerca de 7 cal ka, a barreira em processo de migração alcançou sua atual
posição. Sua implantação inicial deu-se pela formação de depósitos dominantemente arenosos de leques de sobre-lavagem e
deltas de maré enchente. Estes processos foram ativos na implantação da barreira até um tempo próximo, mas anterior a 5,4
cal ka. Há este tempo, já estava em curso uma nova fase de sedimentação lagunar (sedimentos finos, lamosos), desenvolvida
sobre os depósitos de sobre-lavagem e deltas de maré enchente, a qual se relaciona a uma fase de agradação (crescimento
vertical da barreira) operante nos estágios finais de elevação do nível do mar durante o Holoceno Médio.
MAPEAMENTO FACIOLÓGICO DO FUNDO MARINHO E ANALISE DE ECO-CARÁTER COMO
FERRAMENTA AO ENTENDIMENTO DA DINÂMICA SEDIMENTAR DA BAÍA DO ESPÍRITO SANTO,
VITÓRIA – ES
Dannilo Alves do Carmo1; Alex Cardoso Bastos2; José Antônio Baptista Neto1
1
LAGEMAR/UFF; 2DERN/UFES
O estudo da dinâmica sedimentar caracteriza-se por ser de grande interesse acadêmico, em função da crescente preocupação
com os problemas relacionados aos processos sedimentares em zonas costeiras (e.g. a erosão de praias e a sedimentação em
portos). A utilização integrada de diferentes ferramentas de investigação do fundo marinho, como por exemplo a sísmica
de alta resolução e a sedimentologia, vem tendo ampla aceitação e aplicabilidade no estudo de ambientes sedimentares,
principalmente em águas rasas, o que permite que seja feita a caracterização da distribuição das feições sedimentares, dos
tipos de sedimentos e dos processos deposicionais envolvidos. Dessa forma, é possível ter uma melhor compreensão da
variabilidade regional dos sedimentos de fundo e dos processos de deposição atuantes. A analise acústica ou analise de ecocaráter é baseada na resposta acústica (ou fácies acústica) do sedimento e na morfologia detalhada do fundo. A distribuição
e os tipos de eco-caráter podem ser usados como base para a interpretação de processos deposicionais e erosivos, visto
que são principalmente controlados pela topografia superficial, geometria sub-superficial e textura sedimentar de rochas
e sedimentos sub-superficiais e superficiais. É possível diferenciar quantitativamente o tipo de eco-caráter em função da
litologia predominante, do grau de compactação sedimentar, do arranjo interno das estruturas e das camadas sedimentares
em subsuperfície. O objetivo deste trabalho é apresentar a distribuição das fácies sedimentares de fundo associando-as aos
perfis de eco-caráter encontrados na região de estudo para a interpretação da dinâmica sedimentar local. A metodologia
empregada foi a coleta de 60 amostras superficiais com um busca fundo do tipo Van Veen e a analise granulométrica
deste material e a perfilagem com sísmica de alta resolução realizada com um perfilador de 3,5-7,0kHz. As amostras
foram processadas para determinação da granulometria, teor de carbonato e mineral pesado. Os dados sísmicos foram
interpretados no software The Kingdom Software para a geração da linha sísmica. As fácies sedimentares encontradas
diferem bastante da enconstrada na plataforma interna adjacente, onde esta é praticamente em sua totalidade carbonática
enquanto a baia encontra-se como litoclástica, soma-se a isso uma variação brusca na granulometria média dos sedimentos
na costa, podendo estar associada a uma presença de sedimentos relictas cobertos com sedimento fino oriundo da praia
após as obras de engorda para a sua recuperação. A perfilagem sísmica possibilitou o mapeamento de áreas com feições
sedimentares distintas que estão associadas ao padrão hidrodinâmico e a geologia local, como a ocorrência de lama fluida
na região do canal de acesso ao Porto de Tubarão. A ocorrência de eco-caráter que indica uma cobertura de sedimentos mais
grossos por sedimentos finos corrobora a idéia do sedimento relicta assim como ajuda a entender a hidrodinâmica local
atual e pretérita.
ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO SEDIMENTAR ATRAVES DE METODOS DIRETOS E INDIRETOS DE
INVESTIGAÇÃO NA BAÍA DO ESPÍRITO SANTO, VITÓRIA – ES
Dannilo Alves do Carmo1; Alex Cardoso Bastos2; José Antônio Baptista Neto1
1
LAGEMAR/UFF; 2DERN/UFES
A aplicação de métodos indiretos aliada ao reconhecimento direto da natureza do fundo marinho permite que seja feita a
caracterização da distribuição das feições sedimentares, dos tipos de sedimentos e dos processos deposicionais envolvidos.
115
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
O uso da sonografia pode fornecer dados mais detalhados do assoalho marinho, como as características morfológicas
das estruturas sedimentares, além das características sedimentológicas, corroboradas pela amostragem superficial de
sedimento. O método acústico é capaz de revelar feições expressivas do relevo e determinar a variação espacial dos
sedimentos superficiais. A baía do Espírito Santo abriga um dos portos mais importantes e movimentados do Brasil (Porto
de Tubarão) além de ser uma área de intensa atividade recreativa e de esportes náuticos. O objetivo deste trabalho é
apresentar a distribuição das fácies sedimentares de fundo associando-as ao imageamento de feições morfológicas de fundo.
A metodologia empregada foi a coleta de 60 amostras superficiais com um busca fundo do tipo Van Veen e o imageamento
do fundo foi realizado com um sonar de varredura lateral, modelo Edgetech 4100, que operou na frequência de 100 e 500
kHz. As amostras foram processadas para determinação da granulometria, teor de carbonato e mineral pesado. Os dados
sonográficos foram processados pelo software SonarWiz.Map (Chesapeak Inc.) para a geração de mosaicos. A distribuição
da granulometria média na baía mostra um padrão de aumento do diâmetro das partículas sedimentares em direção a saída
da baía, além de apresentar sedimentos finos próximos à costa, provavelmente oriundos da migração destes para fora da
praia após as obras de engorda para a restauração da orla. O estudo granulométrico apontou para um transporte de material
fino originário da praia seguindo pelo limite norte da baía e sendo depositado no canal de acesso do Porto de Tubarão. O
imageamento do fundo possibilitou o mapeamento de áreas com feições sedimentares distintas que estão associadas ao
padrão hidrodinâmico e a geologia local. A ocorrência de um afloramento rochoso atravessando transversalmente a baia
ilustra a influência da geologia na morfologia do fundo. Arenitos de praia também foram observados. Quanto a feições
sedimentares, observa-se a presença de manchas arenosas típicas de eventos de tempestade, bem como a ocorrência de
sandwaves assimétricas na parte central da baía. Regiões de menor hidrodinâmica apresentam um fundo homogêneo sem
feições aparentes nos sonogramas.
ORIGEM DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS – BAHIA BRASIL
José Maria Landim Dominguez e Abílio Carlos da Silva Pinto Bittencourt
Laboratório de Estudos Costeiros – Instituto de Geociências – UFBA – Salvador – Bahia
A Baía de Todos os Santos (BTS), está localizada no Estado da Bahia, região costeira central do Brasil e ocupa uma área
total de 1200 km2. A BTS está implantada sobre os remanescentes erodidos da bacia sedimentar do Recôncavo, um rifte
abortado formado, durante a separação entre a América do Sul e África. A bacia do Recôncavo durante sua evolução inicial
no Cretáceo inferior, nunca foi invadida pelo mar, e desde o final do Aptiano esteve submetida quase que continuadamente
à erosão. Durante o Cenozóico o planeta experimentou um progressivo resfriamento que pouco a pouco resultou na
acumulação de gêlo em altas latitudes. Uma conseqüencia desta acumulação foi o progressivo abaixamento do nível do
mar. Esta tendência de queda foi interrompida no Mioceno inferior/médio, quando uma elevação da temperatura resultou
em degelo e portanto elevação do nível do mar. A altura máxima alcançada pelo nível do mar nesta época ainda não está bem
estabelecida mas se situaria entre 25 e 150m acima do nível atual dependendo da metodologia utilizada. Associado a este
episódio de nível de mar alto teriam sido depositados, na Bacia do Recôncavo folhelhos marinhos fossilíferos da Formação
Sabiá e a Formação Barreiras. A retomada da acumulação de gêlo na Antártica e o inicio do desenvolvimento dos grandes
lençóis de gêlo no Hemisfério Norte, a partir do Plioceno, resultaram no progressivo abaixamento do nível do mar. Nos
últimos 2 milhões de anos, durante a maior parte do tempo o nível do mar esteve abaixo do nível atual, desencadeando um
intenso processo erosivo nas zonas costeiras. A origem da BTS tem sido classicamente associada a processos neo-tectônicos
atuantes durante o Quaternário. Entretanto, esta hipótese desconsiderou o papel fundamental das variações eustáticas
cenozóicas do nível do mar e seus efeitos no modelado das paisagens costeiras. Este é talvez o principal fator a determinar
a origem e o modelado da BTS, que teria resultado da erosão diferencial associada a um dramático rebaixamento do nível
de base. Durante a maior parte do Quaternário, o nível eustático médio do mar situou-se cerca de 30m abaixo do nível
atual. Durante os últimos 500.000 anos, com o aumento na amplitude das variações do nível do mar, a posição média deste
nível situou-se em torno de -45 m, ou seja próximo à quebra da plataforma atual (ponto de cachoeira = knick point). A
propagação do sinal eustático via recuo do ponto de cachoeira pelos tributários, resultou na ampliação e geração de novas
bacias hidrográficas, ajustadas a um nível de base situado na borda da plataforma. A tendência dos processos erosivos é de
rebaixar topográficamente as áreas ocupadas pelas rochas sedimentares, que deste modo ficam circundadas pelos relevos
mais altos sustentados pelas litologias mais resistentes do embasamento. Assim durante o Quaternário, apenas nos raros
intervalos de nível de mar alto, como o que vivemos atualmente, a região topograficamente rebaixada da BTS foi inundada
pelo mar, originando uma baía. A BTS é assim uma feição transitória, presente apenas nos raros intervalos de nível de mar
alto, que ocorreram nas últimas centenas de milhares de anos.
116
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
DISTINÇÃO E EVOLUÇÃO DO SISTEMA DELTAICO DO RIO TUBARÃO (SANTA CATARINA, BRASIL)
COM AUXÍLIO DE RAZÕES QUÍMICAS E ISOTÓPICAS DE CARBONO E NITROGÊNIO
Daniel R. do Nascimento Jr.1; Paulo César F. Giannini2; Priscila M. Leal-Menezes1; Milene Fornari1; Carlos C.F. Guedes1;
André O. Sawakuchi2; Ana Paula B. Tanaka1; Luiz Carlos R. Pessenda3
Pós-Graduação, Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (IG-USP), Rua do Lago, 562, Cidade
Universitária, São Paulo, SP, CEP 05508-080 ([email protected]). 2 Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental,
IG-USP. 3 Laboratório de Carbono 14, CENA/USP, Av. Centenário 303, Caixa Postal 96, 13400-970, Piracicaba, SP
1
Deltas figuram entre os mais complexos sistemas deposicionais de transição conhecidos. A passagem gradual, ou mesmo
a inter-relação, entre aporte sedimentar da bacia receptora (lago, laguna, mar etc.) e aporte fluvial resulta por vezes em
sucessões de difícil interpretação, inclusive quanto a distinção entre suas fácies características. Esta dificuldade torna
oportuna, em estudos de deltas quaternários, a aplicação de análise isotópica voltada à determinação da origem da matéria
orgânica (MO) presente nos sedimentos, como ferramenta complementar para a análise de fácies e a reconstituição da
evolução deposicional. A MO fornecida por diferentes fontes, por exemplo organismos fotossintetizantes de vida terrestre
e aquática, possui características distintas, relacionadas principalmente ao fracionamento isotópico de carbono e nitrogênio
resultante de seus metabolismos diferenciados. Essa diferença é imposta por condições físicas e químicas particulares de
seus respectivos meios de vida, especialmente salinidade, pH e precipitação. Desse modo, por exemplo, para sedimentos
de sistemas deposicionais costeiros, que possuem carbono orgânico particulado, razões 13C/12C da ordem de -21‰ (PDB)
ou menores são atribuídas à contribuição predominante de plantas terrestres C3 (arbóreas); e razões da ordem de -17‰
ou maiores refletem contribuição por plantas terrestres C4 (gramíneas). Entretanto, organismos aquáticos (plantas, algas
e bactérias) são capazes de fracionar carbono em números semelhantes, o que torna conveniente o uso paralelo da razão
isotópica do nitrogênio (15N/14N), cujos valores, se superiores a 8‰, são tipicamente relacionados à MO de vida aquática.
A distinção entre contribuição orgânica terrestre e aquática (inclusive se de água doce ou salgada) aprimora-se ainda mais,
porém, se for também utilizada a razão química entre carbono (orgânico) total e nitrogênio total (razão C/N). O delta
holocênico do rio Tubarão, situado nos municípios de Tubarão, Jaguaruna e Laguna, no litoral centro-sul catarinense, e
desprovido de seções aflorantes, foi estudado por meio de sete vibrotestemunhos (até 3,5m) e três sondagens a trado oco
(STO; até 20m), distribuídos ao longo de seus distributários principais. Embora análises de fácies e sedimentológicas
tenham contribuído para discriminação entre intervalos deltaicos e bacinais, a distinção de seus limites precisos e detalhes
sobre a história deposicional foram dificultados pela escassez de estruturas sedimentares e pela relativa homogeneidade
granulométrica e mineralógica das sucessões. O principal critério previamente usado para distinção de depósitos bacinais
em relação aos deltaicos foi o da presença de conchas carbonáticas, inteiras ou fragmentadas; alternativamente, a presença
de agregado glauconítico e de foraminíferos também foi importante. O resultado de 129 análises químicas e isotópicas
mostrou-se em grande parte concordante com esta distinção. A razão 13C/12C revelou-se a variável melhor discriminante:
89% das amostras previamente tidas como bacinais apresentaram valores maiores (menos negativos) que -24‰, contra
apenas 17% das amostras deltaicas. Este contraste deve-se ao aporte de MO de origem terrestre, que se vale de água doce,
menos enriquecida de 13C, através do rio Tubarão. A razão 15N/14N também apresentou boa eficácia: 71% das amostras
bacinais obtiveram valores superiores a 6‰, contra apenas 9% das amostras deltaicas. Neste caso, a hidroquímica mais
enriquecida em NH4+, comum em corpos de água salgada semi-confinados de alta produtividade, como lagunas e baías, pode
ter favorecido o fracionamento isotópico do nitrogênio por atividade bacteriana e algácea (diatomáceas), com conseqüente
enriquecimento relativo em 15N. A sondagem mais profunda e completa (20m, 31 amostras), realizada na localidade de
Ribeirão Grande (RIB), apresentou valores 13C/12C e C/N que variam, da base para o topo, do campo intermediário entre
plantas C4 e marinho para o campo marinho, e daí para o campo C3. Considerados a curva de variação local do NRM e
modelos prévios de evolução sedimentar da região, essa tendência de variação das razões é sugestiva de: 1. importantes
mudanças locais no tipo de MO vegetal aportada; 2. idades pré-máximo NRM (> ~6ka AP) para as amostras mais
profundas, por encontrarem-se abaixo do intervalo de amostras posicionadas no campo COP-M (marinho); 3. progressivo
assoreamento dos corpos lagunares, por apresentar as amostras mais rasas da sondagem em deslocamento progressivo do
campo COP-M para o campo C3. Em adição, as razões químicas e isotópicas ajudaram a confirmar o caráter bacinal de
intervalos desprovidos de conchas, como na fácies AFL (areia fina lamosa) em Rio da Madre (vibrotestemunho RMA).
117
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
A TIME DISTRIBUTION BARRIER ISLAND SYSTEM ON POTIGUAR BASIN (NE-BRAZIL),
BASED ON GEOLOGICAL AND REMOTE SENSING DATA
Miriam Cunha do Nascimento1; Venerando Eustáquio Amaro1,2; Michael Vandesteen Silva Souto1,3; Dalton Rosemberg
Valentim da Silva3,4;; Caio Graco de Medeiros Franco3,4;
1 – Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica/UFRN; 2 – Departamento de Geologia/UFRN ; 3 –
PRH22-ANP-UFRN; 4 – Curso de Geologia/UFRN. E-mail: [email protected]; amaro[email protected]
This study is accomplished at the northern coastal zone of Rio Grande do Norte state, central portion of the petroliferous
Potiguar Basin, inserted on the fluvial-estuarine plain of the Piranhas-Assu River, on northeastern Brazil. This coast is
under influence of strong hydrodynamic process and neotectonic activities which both control the changes in landscape.
The purpose is to present a time-space distribution of the barrier island systems intending to rebuild old coast lines since
the Pleistocene until nowadays. The methodology considers the variations on relative sea level from the Pleistocene to the
Holocene. The data used consist in: existent drilling from previous works with its geochronological ages dated with C14
(radiocarbon age) and U-Th methods, which were integrated to structural maps and historical survey of the remote sensing
products such as aerial photographs and orbital images. The orbital images from Landsat (MSS, TM, ETM+) and CBERS-2/
CCD satellite were geocoded basing on control points obtained on field with DGPS, providing the required precision that
the study demands. Techniques such as bands ratio, principal component analysis, and contrast enhancement were applied
resulting on color RGB images which made easy to discern the boundaries between different units on surface, including
the barrier islands. By such digital image processing methods, the analysis and multitemporal interpretation were made
in a GIS ambience suggesting five sequence of paleo-shorelines: Sequence 1 with Pleistocenic age of 120,000 years BP;
Sequence 2 with Holocenic age of 7,020 years BP; Sequence 3 with 2,340 years BP; Sequence 4 of intermediate occurrence
between 2,340 years BP and the actual coast line; and Sequence 5 occurring in the last 54 years. Until the fourth sequence,
it is suggestive that the standard progradation is remarkable and on Sequence 5 there is an intense reworking by the coast
process acting on the coastal region. It is notorious on this sequence that the majority barrier islands are found on an erosion
and migration process from the East to the West, tendentious to deposit on the West direction.
Palavras-Chave: Potiguar Basin; Barrier island; remote sensing.
MAPEAMENTO DO QUATERNÁRIO COSTEIRO DA ILHA DE SÃO FRANCISCO DO SUL,
SUL DO BRASIL
Maria Luiza Martini dos Anjos, Rodolfo José Angulo e Maria Cristina de Souza
LECost - Laboratório de Estudos Costeiros, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil
A ilha de São Francisco do Sul (ISFS) localiza-se no litoral norte do estado de Santa Catarina, sul do Brasil. Trata-se
de uma área de pouco menos de 300 km² cujo substrato é composto por rochas graníticas e gnáissicas formadas entre o
Proterozóico Superior e o Cambriano. A sua cobertura sedimentar é composta por sedimentos continentais, concentrados
principalmente a oeste da ilha, e sedimentos costeiros quaternários, distribuídos por toda a ilha. O objetivo desse trabalho
é o mapeamento dos depósitos quaternários costeiros da ilha, com ênfase nos holocênicos. O mapeamento foi realizado a
partir de 101 fotografias aéreas, escala 1:25.000, de 1978, cuja interpretação foi digitalizada em Sistema de Informações
Geográficas, e cinco etapas de levantamentos de campo. Os principais critérios utilizados para determinar as unidades de
mapeamento na fotointerpretação foram as suas texturas, morfologia e distribuição na planície costeira da ilha. Nas etapas
de campo foram descritas fácies sedimentares em afloramentos de cada unidade e também a morfologia das mesmas.
As idades dessas unidades foram inferidas utilizando-se critérios tais como diferenças de altitude, morfologia e posição
geográfica e comparação com áreas próximas semelhantes em Itapoá e litoral paranaense, nas quais existem datações
14
C. Foram definidas oito unidades de mapeamento: (1) rochas do embasamento e sedimentos continentais associados
a vertentes; (2) depósitos fluviais quaternários, (3) depósitos de barreira pleistocênicos e (4) holocênicos; (5) depósitos
lagunares e (6) eólicos holocênicos; (7) depósitos de planícies de maré e (8) praiais atuais. Os depósitos fluviais quaternários
118
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
possuem uma área pequena e concentram-se nas margens do rio Acaraí, localizado no centro-leste da ilha. Os depósitos de
barreira pleistocênicos são predominantemente arenosos e estendem-se desde os afloramentos do embasamento, a oeste,
até os depósitos lagunares holocênicos, a leste. Eles apresentam em planta contornos sinuosos, cordões litorâneos e feições
erosivas atribuídas a antigas redes de drenagem de padrão retangular. Os depósitos lagunares holocênicos são parte de
um sistema barreira-laguna e constituem uma faixa orientada NE com largura média de 3.400 m. Possuem relevo plano
e, em alguns locais, feições de cordões litorâneos curvos e retilíneos, paralelos entre sim ou truncados. Os depósitos são
constituídos por areias-argilosas, argilas-arenosas e argilas. A leste dessa unidade localizam-se os depósitos arenosos de
barreira holocênicos, que compõem uma faixa NE de largura média 550 m. Apresentam relevo plano ou suave ondulado
devido á presença de com cordões litorâneos. Sobrepostos a estes depósitos, na sua porção norte e central, ocorrem areias
eólicas holocênicas na forma de dunas parabólicas com alturas de até 30 m na parte norte e progressivamente menores para
o sul. Os depósitos de planícies de maré da ilha, de composição principalmente argilosa, localizam-se ao longo da costa
oeste da mesma e estão voltadas para o estuário. As praiais atuais, constituídas por areias, situam-se junto à costa leste,
extremo norte e extremo sul da ilha, voltadas para mar aberto.
Palavras-chave: Mapeamento, depósitos quaternários, ilha de São Francisco do Sul
VARIAÇÕES DA LINHA DE COSTA NAS BAÍAS DE SANTOS E SÃO VICENTE
Alessandro Farinaccio1, Samara Cazzoli y Goya1,2, Moysés Gonsalez Tessler1
1
– Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP). 2 – Centro Universitário Monte Serrat (UNIMONTE)
Praias urbanas são ambientes muito complexos devido à interação da ocupação antropogênica com os já delicados
processos naturais que envolvem a transição entre continente – atmosfera e oceano, sendo que muitas vezes, os estudos
para conhecimento da magnitude dos processos naturais envolvidos na morfodinâmica praial só começam a ser efetuados
após ocorrerem os primeiros problemas com erosão costeira. O objetivo deste trabalho é estudar as praias oceânicas situadas
na Ilha de São Vicente, dentro das baías de Santos e São Vicente, a fim de determinar as causas destas mudanças na linha
de costa. A baía de Santos apresenta orientação para sul e é exposta à ação de ondas originadas pelos sistemas frontais,
oriundos do quadrante sul O único obstáculo que nela se encontra é a Ilha de Urubuqueçaba, localizada próximo à divisa
com o município de São Vicente, onde ocorre a difração de ondas e a presença de um tômbolo natural, como resultado
da área de sombra de deposição da ilha. A linha de costa na Baía de Santos é composta por um arco praial, com direção
aproximada E-W, mais larga na porção central e estreitando-se em direção ao Canal do Porto. A baía de São Vicente está
confinada entre a ilha de São Vicente, o tômbolo da ilha Porchat e a Ponta do Itaipu, já no continente e sua saída apresentase rumo SE, mais protegida pelos afloramentos do embasamento, o que faz com que as praias em seu interior sejam mais
resguardadas da ação de ondas. Esta linha de costa apresenta duas orientações: NW-SE e E-W. O arco praial da baía de São
Vicente, que até a década de 50 era contínuo, atualmente é bastante segmentado pela presença de espigões perpendiculares
à linha de costa. A ocupação da ilha de São Vicente começou com a chegada da primeira expedição colonizadora, e devido,
sobretudo ao Porto de Santos, a população se multiplicou muito rapidamente. Obras de saneamento como os canais de
drenagem e a construção de um emissário submarino de esgotos foram muito necessárias. O trabalho foi efetuado com base
na fotointerpretação e posterior sobreposição das linhas de costas obtidas, a partir de conjuntos de fotografias aéreas da área,
com idades distintas (1962, 1977, 1994 e 2000), levantados pela empresa Isomapas Ltda. De um modo geral, as maiores
variações de linha de costa no período entre 1962 e 2000 estão associadas à intervenções antropogênicas efetuadas com os
mais variados fins, a saber: resguardo de infraestrutura urbana, saída de emissário submarino, facilitação de acesso a áreas
como é o caso da Ilha Porchat ou mesmo como solução para processos erosivos existentes. Acredita-se que os processos
ditos naturais, por exemplo, elevação do nível relativo do mar e aumento da intensidade de tempestades, devem exercer
alguma influência nestes processos, porém esta influência é de difícil mensuração. As fotografias aéreas se mostraram uma
excelente ferramenta de gestão, uma vez que podem indicar as tendências de variação da linha de costa. Esta ferramenta,
entretanto não substitui o monitoramento constante das praias, que deve ser efetuado a fim de confirmar ou não a veracidade
das informações extraídas das fotografias aéreas e também para auxiliar na determinação das políticas públicas a serem
adotadas na região.
119
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
OS CAMPOS DE DUNAS COSTEIRAS NO LITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:
CONSIDERAÇÕES SOBRE A MORFODINÂMICA E EVOLUÇÃO
Guilherme Borges Fernandez 1, Thiago Gonçalves Pereira 2 & Thais Baptista da Rocha 3
Departamento de Geografia, Programa de Pós-graduação em Geografia, [email protected], 2 Programa de PósGraduação em Geologia e Geofísica Marinha. Universidade Federal Fluminense, [email protected] ;3 Programa de
Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense. [email protected]
1
A ocorrência de dunas costeiras ao longo da costa do estado do Rio de Janeiro é resultado da inter-relação entre fatores
climáticos, morfodinâmicos associados às praias, de sedimentação na zona submarina e em um caso específico de fontes
sedimentares oriundas da rede fluvial. Para a caracterização dos campos de dunas observados no litoral fluminense foram
mapeadas as principais formas eólicas observadas por meio de imagens confrontadas com dados obtidos em campo em escalas
de detalhe. Desta forma foram mapeadas ocorrências de dunas no litoral entre Niterói e a Ilha do cabo Frio; entre o Cabo Frio
e o Cabo Búzios e por último ao sul da desembocadura do Rio Paraíba do Sul. Além do mapeamento morfológico das dunas
foram feitas considerações relativas à evolução quaternária, em termos regionais, frente às oscilações do nível relativo do
mar no Quaternário tardio, além de relacionar os aspectos relativos à morfodinâmica atual atrelados a fontes ainda ativas no
presente. Em termos climáticos observa-se que existe um gradiente de decréscimo dos índices pluviométricos entre Niterói
e Cabo Frio, resultando num enclave climático associado a condições semi-áridas nas proximidades do cabo. Este enclave,
entre outros fatores, tem como elemento de contribuição a distribuição de ventos associados à Alta Pressão do Atlântico Sul
gerando ventos preferenciais de direção nordeste, atingindo o litoral entre o Cabo Frio e o norte fluminense, do mar para a
terra. A inversão da direção dos ventos ocorre em condições de frentes frias migratórias criando condições de tempestade,
que atingem principalmente o litoral orientado para o sul. Em relação às dunas observadas entre o litoral de Niterói e o
Cabo Frio, outros autores verificaram a ocorrência de dunas frontais na barreira holocênica, e retrabalhamento eólico sobre
a barreira pleistocênica, principalmente no arco praial da Massambaba. A evolução morfodinâmica das dunas frontais foi
associada a eventos de tempestade, formando leques de transposição que recuperam o estoque sedimentar erodido por ventos
que sopram da terra para o mar, em condições de ventos de tempo bom. Desta forma, em função de balanço sedimentar
negativo, a resultante evolutiva mostra a migração transgressiva da barreira frontal. As dunas mapeadas entre o Cabo Frio e
o Cabo Búzios se encontram na área de dominância do semi-árido, submetidas a ventos preferencialmente soprando do mar
para a terra se desenvolvendo a retaguarda de arcos de praia separados por promontórios rochosos, cujos nomes foram aqui
considerados como Cabo Frio, Peró e Tucuns. A morfologia das dunas observadas nestes campos apresenta dunas frontais
bastante desenvolvidas ao longo da barreira holocênica dando origem a barreiras associadas a características agradacionais
ou transgressivas com dunas frontais. Estas dunas estão presentes em todos os arcos mencionados, principalmente nos
trechos morfodinâmicos dissipativos de praia. Em direção ao interior são observadas formas barcanas, barcanóides e
parabólicas, nas planícies do Cabo Frio e do Peró, como resultado consorciado do retrabalhamento eólico de depósitos préexistentes no Pleistoceno, com a migração de areias da plataforma para o interior, na forma de dunas incipientes sobre a
berma, ativas no atual. Por último foram verificados depósitos eólicos associados a dois tipos de dunas nas proximidades da
borda meridional do Delta do Paraíba do Sul. Estas dunas poder ser classificadas como do tipo foredune ridge relacionadas
a fases progradacionais da linha de costa sugerindo formas de agradação altimétrica sobre a berma. O segundo tipo foi
associado a dunas classificadas como erosional and transgressive dunes formadas durante fases de erosão costeira criando
condições agradacionais evidentes durante fases de retrogradação da linha de costa. As fontes sedimentares observadas
nestas dunas sugerem que o Rio Paraíba do Sul represente a fonte principal.
FORMAÇÃO RECENTE DOS ARENITOS DE PRAIA NA COSTA CENTRAL DE PERNAMBUCO – BRASIL
Antonio Vicente Ferreira Jr1; Tereza Cristina Medeiros de Araújo 2 & Núbia Chaves Guerra2
Programa de Pós-Graduação em Geociências, UFPE ([email protected]) 2Laboratório de Oceanografia Geológica/
LABOGEO – DOCEAN/UFPE
1
O presente trabalho procura conhecer o processo de formação dos arenitos de praia, na costa central de Pernambuco –
120
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Brasil. Neste estudo foram utilizadas técnicas que auxiliam na classificação, composição e diagênese dos arenitos de praia,
dentre as quais podem ser citadas microscopia eletrônica de varredura (MEV), energia dispersiva de raios-X (EDX) e a
razão isotópica de C e O. Desta feita, foi permitido inferir que esta rocha apresenta, em média, de 75% a 90% do arcabouço
composto por grãos detríticos de quartzo, com predominância na sua forma de quartzo monocristalino e em menor número
grãos de quartzo policristalino. Com relação ao cimento, a estrutura dos cristais possuem forma dominante de calcita rica
em magnésio (calcita magnesiana), contudo com hábitos e morfologias diferenciadas, identificadas como grãos: micrítico,
criptocristalino e franjas prismáticas isópacas. Os resultados da razão isotópica de C e O do cimento representam valores
oriundos de um ambiente marinho com algas verdes, com três amostras de arenitos de praia emersos apresentando valores
dentro do campo de moluscos e foraminíferos de água rasa, levando a interpretação de que a precipitação do cimento
ocorreu em um ambiente marinho raso, com influência de água doce a partir do ambiente vadoso, de onde se conclui que
as praias foram cimentadas na zona de estirâncio. Dados de paleotemperatura apresentaram um trend negativo entre a
temperatura e d18O, sendo que a paleotemperatura dos arenitos de praia submersos variaram de 22,8°C a 24,2°C, enquanto
que os emersos entre 22,9°C a 28,2°C, caracterizando o fato de que o aumento da profundidade influência na temperatura,
revelando que no caso das amostras coletadas há uma diminuição da paleotemperatura da água, bem como observou-se
que a paleotemperatura da água manteve-se relativamente variável entre os valores dos arenitos emersos com relação ao
submersos.
Palavras-chaves: Arenitos de praia; diagênese, cimentação; microscopia eletrônica de varredura; razão isotópica
FORAMINÍFEROS E TECAMEBAS RECENTES DA PLANÍCIE COSTEIRA NORTE
DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL.
Fabricio Ferreira; Itamar Ivo Leipnitz; Carolina Jardim Leão; Eduardo Silva Aguiar e Thiers Wilberger
Laboratório de Micropaleontologia. Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Av. Unisinos, 950, 93022-000,
São Leopoldo, RS, Brasil. E-mail: [email protected]
O estudo das associações entre foraminíferos e tecamebas e suas relações com o meio, vem se revelando uma ferramenta
muito útil para avaliar as características ambientais e paleoambientais regionais. Isto se deve ao fato da maioria de suas
espécies serem sensíveis a oscilações no meio. Por meio da análise da fauna de tecamebas e foraminíferos dividiu-se
a região final da bacia hidrográfica do rio Tramandaí (RS, Brasil) em três setores, de acordo com o grau de influência
marinha e/ou fluvial. O setor A apresenta apenas influência fluvial, onde a fauna é composta exclusivamente por tecamebas,
destacando-se espécies de Difflugia spp. seguida de Centropyxis spp., Pontigulasia spp. e Cucurbitella spp. O setor B
apresenta intensa mistura das águas fluviais com marinhas e a fauna encontrada é composta pela associação entre tecamebas
e foraminíferos onde se destacam as espécies de tecamebas D. oblonga, Cucurbitella spp. e Centropyxis platystoma, e os
foraminíferos Ammotium salsum e Miliammina fusca. O setor C apresenta características francamente mixohalinas onde as
principais espécies foram M. fusca, A. salsum, Trilocularena patensis e Throchamminita salsa. Os resultado demonstram
que as alterações ocorridas no ambiente refletem-se na distribuição da fauna, permitindo assim identificar as diferentes
zonas de influência marinha e fluvial, com base nos dados da fauna de tecamebas e foraminíferos.
SEDIMENTATION RATES AND SEA-LEVEL VARIATIONS AS RECORDED
IN GUANABARA BAY, BRAZIL IN THE LAST 6,000 YEARS BP
Alberto Garcia de Figueiredo Jr 1, Mauro B. de Toledo 2, Renato C. Cordeiro 3, José M. O. Godoy 4, Fabiano T. da Silva 5,
Sérgio C. Vasconcelos 6, Ricardo A. dos Santos 7
Departamento de Geologia, LAGEMAR – UFF, [email protected]; 2 [email protected];, 3 Departamento de
Geoquímica, – UFF, [email protected]; 4 Departamento de Química, PUC – Rio, [email protected] ; 5 Fabiano
T. da Silva, [email protected] ; 6 Sérgio C. Vasconcelos, [email protected] , 7 Ricardo A. dos Santos, [email protected]
uff.br .
1
Cores collected in Guanabara Bay indicated that its filling started before 6,000 years BP and it was not uniform as indicated
121
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
by the variable rate of sedimentation along time. A comparison between this variable sedimentation rates with sea-level
fluctuation in the last 5,500 years suggests a straight relation between them. A comparison between core BG-28 radiocarbon
dates and sea-level curve indicates that the sea-level drop between 5,500 and 5,000 years BP corresponds to higher
sedimentation rates between 5,130 and 4,350 years BP. At this time sea-level change from 5 to 2 m above present sea-level
caused a drop of base level and consequently an increase of sediment supply to Guanabara Bay. Approximately between
4,350 and 2,000 – 1,800 years BP sea-level became stable with consequent reduction in the sedimentation rate. From this
time till approximately 500 years BP sedimentation rates increased again influenced by another drop of sea-level from 2
m to the present sea-level. The rate of the second sea-level drop wasn’t as high as the first one, and following this pattern,
so was the sedimentation rate. While radiocarbon dates suggests a dramatic reduction of sedimentation rates, between
+/- 4,000 – 2,000 yrs., estimates for the last 150 years based on 210Pb indicates a progressive increase in the sedimentation
rates despite the supposed stability of modern sea-level or even a small elevation in the last 150 years as deduced from tide
gauges records. Since 1910 sedimentation rate shows and increase from 0.14 cm.yr-1 to 0.49 cm.yr-1 for the period of 1922
to 1951, and 0.60 cm.yr-1 from 1963 to1993, and in the last five years sedimentation rates double, passing from 0.60 cm.yr-1
to 1.25 cm.yr-1 The apparent non sense of higher sedimentation rates during a sea-level rising period can be explained by the
increase in deforestation, expansion of farming land, rectification of channels and increase of paving.
FÁCIES DEPOSICIONAIS NA RETROBARREIRA HOLOCÊNICA DAS LAGUNAS GAROPABA DO SUL,
CAMACHO E SANTA MARTA, SANTA CATARINA, SUL DO BRASIL
Milene Fornari1, Daniel Rodrigues Nascimento Junior1 & Paulo César Fonseca Giannini2
Pós-Graduação, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, Rua do Lago, 562, Cidade Universitária, São
Paulo, 05508-080, Brasil ([email protected]); 2Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, Rua do
Lago, 562, Cidade Universitária, São Paulo, 05508-080, Brasil
1
A proposta deste estudo é a descrição e interpretação de fácies deposicionais, complementadas por análises sedimentológicas
(granulometria e minerais pesados) e geocronológicas (datações 14C), em trincheiras (1m), testemunhos rasos (3m) e
sondagens (15m) realizados no setor retrobarreira entre o morro de Passagem da Barra (Laguna) e Garopaba do Sul. Este
setor foi dividido em quatro domínios geográficos, de SW para NE: margem oeste da laguna Garopaba do Sul; área de
migração da desembocadura lagunar do Camacho e respectivos deltas de maré enchente; planície interlagunar do rio do
Meio e a planície de cordões litorâneos de Campos Verdes. Estes domínios incluem ou correspondem às áreas que separam
entre si os principais corpos de água remanescentes do sistema lagunar holocênico: Laranjal, Garopaba do Sul, Camacho,
Santa Marta e Santo Antônio. Apesar das diferenças entre eles quanto às feições morfológicas preservadas em superfície,
a sucessão sedimentar de fácies encontrada em cada domínio é, em linhas gerais, a mesma. Caracteriza-se, da base para
o topo, por pelo menos quatro fácies / associações de fácies: fundo lagunar, margem lagunar, planície de maré vegetada e
dunas eólicas. A fácies fundo lagunar, formada por areia fina com conchas, possui espessura mínima entre 40 e 100 cm.
Entre as conchas, destacam-se espécimes inteiros de pelecípodes (95%), articulados ou não, com disposição aparentemente
caótica, entre os quais se incluem Anomalocardia brasiliana, Tagelus plebeius, Tellina sp, Divaricella quadrisulcata e
Codakia constricta. Espécies de gastrópodes (5%) identificadas foram Bulla striata e Eliobia australis. A associação
de moluscos encontrada corresponde predominantemente a epifauna e infauna que habita fundos sedimentares de baixa
energia, como lagunas, baías e estuários, maior parte do tempo abaixo do nível médio de ação de ondas. Os resultados
de datação 14C para conchas da fácies fundo lagunar, selecionadas por critérios de preservação e articulação, forneceram
idades entre 5652-5303 e 2247-1852 anos calibrados antes do presente (cal AP), intervalo de tempo cujo início coincide
grosso modo com a máxima elevação de nível relativo do mar (NRM) holocênico na região. A associação de fácies seguinte,
formada pelas fácies areia fina com conchas fragmentadas e areia fina mosqueada, registra a deposição por correntes e ondas
em margem lagunar, sob processo incipiente, mas crescente, de colonização vegetal, possivelmente incluindo marismas.
Sobre ela, encontra-se a fácies areia fina com detritos vegetais e raízes in situ, interpretada como registro da deposição em
planície de maré vegetada (marismas, brejos e pântanos de maré). Localmente, a associação de fácies de margem lagunar
pode estar sobreposta por depósitos de areia limpa fina a muito fina, interpretados como fácies eólica (antigos campos de
dunas livres ou dunas parabólicas). Em relação à variação vertical nos resultados de quantificação de minerais pesados, o
índice ZTR de maturidade química apresenta seu valor máximo na fácies fundo lagunar, e diminui progressivamente para
122
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
cima até a associação de fácies planície de maré vegetada. Comportamento oposto é observado para os índices somatórios
de minerais metaestáveis e instáveis. A diminuição ascendente de maturidade pode estar ligada a pelo menos três fatores:
retrabalhamento progressivo de sedimentos, com re-incorporação preferencial de minerais menos densos (coincidentemente,
neste caso, mais instáveis); mudança de fonte, devido à progradação e aumento da influência do delta do rio Tubarão; e
dissolução pós-deposicional mais intensa dos sedimentos mais antigos. Com base no conjunto de resultados obtidos, é
possível inferir que o registro deposicional sob a retrobarreira reflete a evolução sedimentar em dois momentos distintos.
O primeira, até cerca de 2000 anos AP, representa o final da subida de NRM no meio do Holoceno e a fase subseqüente de
declínio suave e aproximadamente contínuo de NRM, quando teria havido assoreamento e fechamento lento e progressivo
do sistema lagunar. Na fase posterior, a taxa de declínio de NRM e/ou o aporte teriam sido mais elevados. Desse modo, o
assoreamento da laguna teria sido mais intenso, com variação mais rápida de fácies, culminando no aparecimento de ampla
planície intermarés superior vegetada e na fragmentação do sistema em várias lagunas e lagos residuais.
PROCESOS QUE AFECTAN LA ESTABILIDAD DE LOS ACANTILADOS EN LAS GRUTAS,
PROVINCIA DE RÍO NEGRO, ARGENTINA
Enrique E. Fucks1, Armando H. Scalise2 y Enrique J. Schnack1,3
Facultad de Ciencias Naturales y Museo y Agrarias y Forestales, LATYR. Universidad Nacional de La Plata. [email protected]
netverk.com.ar. Consultor Independiente [email protected] 3Comisión de Investigaciones Científicas de la
Provincia de Buenos Aires. [email protected]
1
Los acantilados de la franja costera del Balneario Las Grutas se encuentran en situación de marcada inestabilidad. Con
cierta frecuencia se producen desprendimientos de grandes bloques de la pared del acantilado en diferentes sectores de playa
habilitados como balnearios públicos, caracterizados por la presencia de un elevado número de personas en la temporada
turística, cuya integridad física se encuentra amenazada. La zona costera es de carácter macromareal, con rangos máximos
de más de 8 m, con playas de suave pendiente y sometida a un oleaje de baja energía en condiciones normales. Presenta
un frente de acantilados compuestos por una variedad de facies sedimentarias correspondientes a una transgresión marina
del Mioceno. El sustrato que compone los acantilados y parte del banco de erosión está constituido fundamentalmente por
arcilitas, arcilitas areno margosas, calcoarenosas, areniscas de grano mediano a fino, areniscas coquinoideas, arcillosas
y calcáreas, presentándose en algunas oportunidades materiales tobáceos y niveles de yeso, ya sea cristalizado o en
forma pulverulenta. La magnitud del retroceso del acantilado, según surge de relevamientos topográficos y fotográficos
comparados, no arroja valores promedio significativos. Las evidencias obtenidas entre 1960 y 1997 muestran que las
máximas tasas de retroceso se constatan en sectores localizados, con valores máximos de 20 cm/año. El resto del frente
costero mantiene tasas de retroceso muy bajas y puede considerarse relativamente estable. Los factores más importantes
que provocan el retroceso del frente del acantilado radican en la combinación de la acción mecánica de las olas (abrasión y
acción hidráulica), la remoción en masa (puntual y esporádica) y la meteorización. Esta acción erosiva se potencia cuando
ocurren ondas de tormenta. Otros factores contribuyentes son el escurrimiento superficial en lluvias torrenciales a través
de la formación de cárcavas, el drenaje urbano no conducido que se infiltra en el sustrato a través de planos de fractura
provocando disolución e inestabilidad por presión, y procesos de bioerosión. A diferencia de otros sectores del litoral
atlántico en los que los procesos erosivos están vinculados a la acción de olas asociadas a ondas de tormenta (sudestadas),
en esta localidad se manifiestan múltiples forzantes concurrentes que incluyen, además, la creciente urbanización hasta
el mismo borde del acantilado. Si bien no se poseen datos locales sobre la tendencia del nivel del mar, si se toman como
referencia las curvas más representativas de la región bonaerense, que indican un incremento de 1-2 mm/año, con posibles
escenarios de aceleración hacia el futuro según datos globales y regionales, cabe esperar una intensificación de la erosión,
en particular si las ondas de tormenta experimentan una mayor intensidad y frecuencia, como lo indicarían las evidencias
de sectores más estudiados en el Río de la Plata y en el litoral atlántico pampeano. Frente a esta situación, el manejo local
de los procesos erosivos deberá contemplar medidas no estructurales, que mantendrían la calidad paisajística y ambiental
del área. La suavización de pendientes de la parte superior del acantilado, junto con modificaciones urbanísticas de la
avenida costanera, constituyen los principales medidas de estabilización del acantilado a corto plazo. Éstas deberán ser
complementadas por acciones de comunicación y alerta, y programas de monitoreo.
123
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
DEPÓSITOS LITORALES EN EL SECTOR CONTINENTAL DEL NORTE DEL GOLFO SAN JORGE
E. Fucks1, M. Aguirre2, S. Richiano2, G. Boretto2, G. Zanchetta 3, I. Consoloni3, I. Isola 3, M. Pappalardo3 y A. Ribolini3
UNLP-LATYR; 2CONICET-UNLP; 3Universidad de Pisa, Italia.
El sector continental del N del Golfo San Jorge (entre Bahía Bustamante y el Cabo dos Bahías) constituye uno de los
ambientes donde mejor están representados los distintos depósitos litorales del Pleistoceno y Holoceno del litoral argentino.
El conjunto de estos depósitos, debido a una gran multiplicidad de factores, son difíciles de separar y/o agrupar en función
de los diferentes pulsos transgresivos. Los elementos más importantes para establecer una correlación geocronológica se
relaciona con las características geomorfológicas, la altura topográfica, los componentes fosilíferos, estadíos isotópicos
y claro está, las edades absolutas obtenidas a partir de métodos como ESR, OCR, U/Th y 14C, entre los más utilizados.
Los depósitos litorales abarcan una franja que fluctúa entre los 8 y los 15 km a partir de la línea de costa actual. Esta
distribución permite observar un paisaje suave, redondeado, organizado en lineaciones subparalelas a la costa, relacionado
geneticamente con los procesos litorales, y uno interno, más quebrado, anárquico, con mayores contrastes de tonos y
texturas, que se relacionaría con los diversos procesos continentales. En el sector E del área se desarrollan una serie de 15
cordones en una franja de 11 km fluctuando su altura entre los 160 m hasta el nivel del mar actual. Hacia el O las lineaciones
de mayor altitud se sitúan a partir de 90-100 m reduciéndose su numero de 10 lineaciones y ya en el sector O a partir de los
70-80 m snm. con unas 6 lineaciones. En toda la región los cordones mas alejados de la línea de costa están conformados
por tenues lineaciones que no superan los 4 km de longitud. A partir de los 100 m de altura hacia abajo, se observan con
mucha claridad, con longitudes que pueden superar los 15 km. Las lineaciones más elevadas se presentan con formas más
rectas que las inferiores, más simples, bien individualizadas, con un radio de amplitud más amplio y diferentes grados de
erosión, lo que no dificulta su individualización. En la cima de éstas se encuentran comúnmente moluscos o restos de ellos
y donde hay afloramientos o se han realizado canteras pueden observarse los sedimentos muy bien estratificados en forma
entrecruzada de bajo ángulo, compuesta fundamentalmente de rodados. Las lineaciones situadas a niveles inferiores, son
más complejas, constituyendo aparte de los cordones individuales, planicies con crestas de playa, espigas y asociaciones de
cordones. Los radios de curvatura son menores, motivados posiblemente por las irregularidades de la línea de costa con un
sustrato más cercano, que inclusive aflora entre los depósitos litorales o constituye paleoacantilados o antiguas plataformas
de abrasión, donde se acuñaron estos depósitos. Las únicas edades absolutas de estos depósitos han sido obtenidas a través
de ESR, U/Th y 14C y corresponden a los depósitos que se desarrollan en las cercanías de la línea de costa actual, situados
a cotas inferiores a los 20 m., asociándose a los estadios isotópicos 1, 5 y 7. En función de estos valores y la cota de actual
se calculó una tasa de levantamiento continental del orden de los 0,10 m/ka. A fin de profundizar estos estudios, un grupo
multidisciplinario Italo-Argentino, se encuentra trabajando en el área litoral patagónica a fin de complementar con estudios
geomorfológicos, estratigráficos, paleontológicos, cronológicos e isotópicos de las diferentes unidades transgresivas
cuaternarias.
1
TESTIGO SP1251 (ATLÁNTICO SW): NUEVAS EVIDENCIAS PARA LA DETERMINACIÓN DE SU EDAD
Natalia García Chapori y Cecilia Laprida
Departamento de Ciencias Geológicas. Facultad de Ciencias Exactas y Naturales, Universidad de Buenos Aires.
CONICET. [email protected] [email protected]
El testigo SP1251 (38°29,7´S – 53° 40,7´W, 3400m, 877cm, Atlántico Sudoccidental) fue objeto de estudios preliminares
cuyo principal propósito fue la determinación de la edad de los sedimentos y su interpretación paleoclimática. En tal sentido,
Watanabe et al. (2005), definieron una edad pleistocena inferior cercana al límite Plio-Pleistoceno para los últimos 90cm
del testigo. Con posterioridad, García Chapori y Laprida (2008) efectuaron reconstrucciones preliminares de la SST en
base al registro de foraminíferos planctónicos, para lo cual analizaron un mayor número de muestras, algunas intercaladas
a las estudiadas originalmente, pero respetando las edades asignadas previamente. Esta reconstrucción preliminar y la
adquisición de un nuevo set de datos arrojó dudas sobre las interpretaciones previas respecto de la edad y de la evolución
paleoclimática del registro vertidas en Watanabe et al. (2005). En los trabajos citados, la edad de la secuencia estaba basada
en la presencia conjunta de G.tosaensis y G.truncatulinoides en el nivel 60 cm. Hacia el techo del testigo, la ausencia
124
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
de G.tosaensis y la persistencia de G.truncatulinoides indicaban una edad Pleistoceno Inferior para los últimos 20cm.
La incorporación de nuevas muestras permitió una mejor resolución temporal y el reconocimiento de la operatividad de
procesos sedimentarios que afectaron tafonómicamente las asociaciones, impactando en la asignación de las edades del
sedimento. Ante todo, se confirmó que la presencia de G.tosaensis se verifica casi con exclusividad en el nivel 60cm, y en
escasa proporción (12 ejemplares sobre 1210 planctónicos), estando ausente en todos los niveles inferiores y presente sólo
en un nivel superior al mencionado, y representado únicamente por 1 individuo. Existen evidencias que demuestran que
la presencia de G.tosaensis en el nivel 60cm y posteriores es una inconsistencia bioestratigráfica asociada probablemente
a procesos turbidíticos o conturníticos, que involucraron sedimentos de edad Pleistoceno inferior. Entre ellos podemos
mencionar la presencia constante de G.hirsuta a partir de los 74cm, lo que indicaría edades más jóvenes que Pleistoceno
Medio a partir de dicho nivel; el notable aumento en la densidad de foraminíferos, principalmente bentónicos, que triplica
el de los otros niveles analizados del testigo; el incremento en la relación bentónicos/planctónicos; y el porcentaje de la
fracción arena, que en el nivel 60cm alcanza el 96%. Esto nos permite afirmar que la presencia de G. tosaensis está asociada
probablemente a fenómenos de desplazamiento de fauna, y que la sucesión analizada corresponde enteramente a la Zona
PT1b, o Subzona de Rango Parcial de Globorotalia truncatulinoides. Estas consideraciones no invalidan la reconstrucción de
la SST efectuada por García Chapori y Laprida (2008) para el nivel 60cm, ya que las técnicas de análogos modernos (MAT)
utilizadas analizan estadísticamente las asociaciones de foraminíferos planctónicos y, en apariencia, la incorporación de
fauna retrabajada no alteró la señal climática calculada a partir del total de planctónicos. Si bien las SSTs reconstruidas para
dicho nivel son relativamente altas, son consistentes con las del nivel 74cm, donde no existen evidencias de modificación
del registro. Las modificaciones tafonómicas más notables se verificarían entre los foraminíferos bentónicos, sumamente
abundantes en el nivel 60cm. Allí, la mayor abundancia de Uvigerina peregrina y Globocassidulina subglobosa indican la
operatividad de la Circumpolar Deep Water (CPDW) y una señal climática contraria a la determinada por las MAT en base
a los foraminíferos planctónicos. Esto podría estar indicando el origen alóctono de dichas especies bentónicas y explicar
al mismo tiempo la disolución diferencial de los foraminíferos planctónicos en los sedimentos del Pleistoceno temprano
de donde habrían provenido. Esta disolución preferencial previa a los eventos de introducción del material alóctono habría
impedido una masiva incorporación de ejemplares planctónicos retrabajados a las asociaciones más jóvenes del Pleistoceno
medio.
García Chapori, N. y Laprida, C., 2008. Plio-Pleistocene SST reconstruction: essay for the Southwest South Atlantic. Actas
Fourth Congress RCANS: 24. Buenos Aires.
Watanabe, S., Totah, V., Laprida, C., García, N., Violante, R. y Parker, G., 2005. Estudio preliminar de los foraminíferos
planctónicos y bentónicos de un testigo del talud bonaerense, Atlántico sudoccidental. Actas 16º Congreso Geológico
Argentino, 3: 357-364. La Plata.
SOBRE EL ROL DE LA VARIABILIDAD NATURAL Y LOS IMPACTOS ANTROPOGÉNICOS EN LA ZONA
COSTERA DEL SUDESTE DEL URUGUAY DURANTE EL HOLOCENO
F. García-Rodríguez1, L. del Puerto1, H. Inda1, R. Bracco2, C. Castiñeira3, D. Panario1, Hutton1, N. Venturini1, L. Burone4,
E. Brugnoli1, P. Muniz1
Universidad de la República, Facultad de Ciencias, Montevideo Uruguay [email protected]
Universidad de la República, Laboratorio de Radioquímica, Facultad de Química, Montevideo Uruguay. 3 División
Mineralogía y Petrología – Museo de La Plata – UNLP. 4 Instituito Oceanográfico, Universidade de Sao Paulo, Brazil
1
2
La costa sudeste de Uruguay exhibe una serie de lagunas y lagos, que presentan excelentes registros sedimentarios de los
paleoambientes del Holoceno. En el año 2000 se comenzaron a realizar trabajos con enfoque paleolimnológico en varios
cuerpos de agua costeros. Se reconstruyeron las condiciones paleoambientales de los cuerpos de agua, utilizando variables
geoquímicas, biológicas, físicas y dataciones 14C y 210Pb. En este trabajo se presenta una síntesis de los hallazgos sobre
las relaciones entre variaciones del nivel mar, principales eventos climáticos, el desarrollo trófico de los cuerpos de agua
y el efecto de los impactos humanos sobre los sistemas acuáticos. Las lagunas costeras se originaron como consecuencia
de la transgresión del Holoceno, datada entre 7000 y 5000 años AP. Durante dicha fase transgresiva las lagunas exhibieron
condiciones marino/salobres, evidenciadas por la flora diatomológica dominante (i.e., Actinoptychus senarius, Paralia
sulcata, Hyalodiscus subtilis, Amphitetras antediluvuana, Coscinodiscus radiatus, Tabularia tabulata, Synedra ulna, entre
otras) Se constataron bajos estados tróficos de los sistemas, inferidos a partir de pobres contenidos de materia orgánica y de
125
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
nutrientes. Luego de ~5000 años AP, comenzó una fase regresiva que condujo a una disminución de los valores de salinidad
de los cuerpos de agua. Como consecuencia de esta fase regresiva y del establecimiento de un clima más cálido y húmedo a
partir de ~3000 años AP, se observaron incrementos en los estados de trofía de los cuerpos de agua. Luego de la separación
de los cuerpos de agua del océano y con el establecimiento de un clima de mayor humedad, muchos cuerpos de agua se
transformaron en dulceacuícolas, aunque permanecieron bajo la influencia del spray marino. Aquí se constató dominancia
de diatomeas de agua dulce (Aulacoseira granulata, Aulacoseira granulata var angustissima, Eunotia monodon, Cyclotella
meneghiniana, Nitzschia denticula, Pinnularia latevittata, entre otras) con concomitantes incrementos de las crisofitas.
Durante la época contemporánea, los impactos antropogénicos asociados a la producción de agua potable, forestación,
desarrollo urbano/turismo y ausencia de saneamiento, condujeron a intensos episodios de eutrofización. En el caso de Laguna
Blanca, la producción de agua potable colapsó debido a la excesiva toma de agua junto a las bajas precipitaciones durante El
Niño 97-98. En el caso de Laguna del Diario se observó una dramática proliferación de macrófitas en todo el espejo de agua.
En la Laguna del Sauce se observan recurrentes floraciones de fitoplancton. Si bien durante el Holoceno se hallaron estados
tróficos similares a aquellos consecuentes del impacto humano, debe destacarse que las tasas de eutrofización provocadas
por el impacto humano, fueron mayores a aquellas causadas por fenómenos naturales. Recientemente, se han comenzado a
realizar perforaciones de la zona costera de Montevideo para inferir las condiciones paleoambientales durante el Holoceno
y los efectos de los impactos humanos en la Bahía de Montevideo. Los datos preliminares indican que este sistema costero
exhibe respuestas similares a las lagunas costeras ante los cambios del nivel del mar. Asimismo, las actividades industriales
y la falta de saneamiento provocaron contaminación por metales pesados e hipereutrofización, que han venido afectando la
calidad ambiental desde hace varios años y se traducen en el actual deterioro ambiental de este ecosistema.
Identificación sismoestratigráfIca de una secuencia aluvial en el subsuelo
marino del estuario de Bahía Blanca, Argentina
Darío A. Giagante1, Salvador Aliotta1, 2, Silvia S. Ginsberg1, 3 y Laura G. Vecchi1, 3
Instituto Argentino de Oceanografía (CONICET). CCT-Bahía Blanca, camino La Carrindanga km 7, 8000- Bahía Blanca.2
Universidad Nacional del Sur, Departamento de Geología, San Juan 670, 8000- Bahía Blanca.3 Universidad Tecnológica
Nacional, FRBB, Departamento de Ingeniería Civil, 11 de Abril 461, 8000- Bahía Blanca. E-mail: [email protected],
[email protected], [email protected], [email protected]
1
Los procesos hidrológicos y sedimentarios asociados con los cambios cuaternarios del nivel del mar originaron la
configuración morfológica de la región costero-marina del suroeste de la provincia de Buenos Aires. Allí se localiza el
estuario de Bahía Blanca, caracterizado por una densa red de canales de marea separados por sectores emergidos y amplias
llanuras de marea limo arcillo arenosas. Recientes investigaciones geofísicas del fondo y subfondo marino (ecosonda,
sonar de barrido lateral y perfilador sísmico de alta resolución), permitieron definir diferentes secuencias sedimentarias.
En particular, en el entorno de puerto Belgrano se ha determinado una unidad sismoestratigráfica, cuya distribución areal
y configuración acústica constituyen rasgos distintivos, los cuales fundamentan un análisis detallado de la misma, a fin de
estimar su paleoambiente sedimentario y su relación espacial con las unidades adyacentes. En el subfondo marino, el piso de
la secuencia sísmica estudiada está conformado por una superficie de discontinuidad erosiva, evidenciada por la presencia
de varios paleocauces, reflejados por típicos cortes en “v”, labrados sobre los materiales subyacentes. El mayor de estos
antiguos cauces posee un ancho aparente que alcanza los 270 m y una profundidad promedio de 10 m. Los sedimentos que
constituyen a esta unidad sismoestratigráfica están representados por una arena fina a mediana, con niveles enriquecidos en
limo y un grado de compactación variable. Los mismos se manifiestan acústicamente semitransparentes. No obstante, en el
relleno de los paleocanales se definieron estructuras agradantes-progradantes y reflectores curvados que señalan su paulatina
colmatación. A su vez, en la parte superior de la unidad se han identificado estratos horizontales, inclinados y algunos
formando pequeñas concavidades. Hacia los límites laterales situados al este y oeste, el depósito sedimentario exhibe un
marcado acuñamiento hasta desaparecer. El techo de la secuencia manifiesta irregularidades y pequeños cortes en “v”, lo
cual atestigua un proceso erosivo posterior a la depositación de la unidad. El origen fluvial de la secuencia queda establecido
por la presencia de estructuras de paleocanales. Sus facies de relleno y colmatación denotan el consecuente cambio de nivel
de base del sistema de drenaje, lo cual derivó en una migración de los tributarios fluviales. Las características litológicas
y sismoestratigráficas de la secuencia, así como la trayectoria de los antiguos cauces identificados en su piso, permitieron
asociar a esta unidad con depósitos originados en sistemas fluviales de zona distal. Dentro de este contexto ambiental, y a
partir del paleodrenaje determinado en el subfondo marino, a esta secuencia sedimentaria se la asocia con un paleoambiente
126
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
fluvial, desarrollado en la antigua zona de desembocadura de la cuenca hídrica del río Napostá Chico, la cual actualmente
posee características endorreicas. En esta región habría sido frecuente el desarrollo de llanuras aluviales, con forma de
abanico, en las cuales habrían actuado cursos fluviales bajo un diseño relativamente dendrítico. Las antiguas condiciones
de sedimentación que intervinieron durante la depositación de la unidad, se desarrollaron desde el Pleistoceno medio-tardío
hasta la transgresión marina holocena. El proceso de ascenso del nivel del mar produjo un cambio del nivel de base del
antiguo sistema de drenaje costero, con la consecuente migración y modificación de los cursos fluviales.
Variação Morfológica Superficial de um Trecho de Manguezal na Baía de Vitória
Estefania Godinho1 e V.S. Quaresma2
Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Oceanografia e Ecologia, Av. Fernando Ferrari 514 Campus
Goiabeiras [email protected] 2 Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Oceanografia e
Ecologia, Av. Fernando Ferrari 514 Campus Goiabeiras, [email protected]
1
As zonas intertidais (entre – marés) fazem parte da região costeira e ocupam a zona de transição entre o ambiente terrestre
e marinho. São regiões geralmente abrigadas, de baixa energia e sujeitas ao regime de marés (ALLEN & PIE, 1992). Os
sedimentos lamosos ocorrem comumente em sistemas estuarinos, planícies de maré, manguezais e outros ambientes que
possibilitem a sua deposição e são tecnicamente chamados de sedimentos coesivos (WHITEHOUSE, 2000). São sedimentos
compostos por uma mistura de material orgânico e não orgânico. Os constituintes não-orgânicos compreendem os argilominerais (ilita, caulinita, clorita e smectita), silte e areia; os componentes orgânicos, por sua vez, incluem algas, fungos,
bactérias, entre outros (MAGGI, 2005). A estabilidade do sedimento coesivo pode ser influenciada por fatores físicos e
biológicos. O processo de consolidação aumenta a força de resistência do sedimento ao stress do fundo sob ação das ondas e
correntes do canal da maré. Mas o principal fator controlador da estabilidade do fundo é a atividade biológica (SYMONDS,
2006). Os organismos que vivem no sedimento podem influenciar na erosão do sedimento negativamente em que há
declínio na estabilidade do sedimento; e positivamente com um aumento da estabilidade. (QUARESMA; AMOS; FLINDT,
2004). Em um trecho do manguezal da baía de Vitória investigou-se a variação morfológica superficial identificando e
caracterizando a tendência da área (erosiva, deposicional ou de estabilidade) e a relação entre o tempo de consolidação,
atividade biológica e densidade do sedimento local. Estudos dessa natureza buscam o conhecimento das características e
do comportamento do sedimento coesivo e são de grande importância para se obter informações imprescindíveis para o
manejo e conservação do ecossistema manguezal. A metodologia abrange amostragem em campo e análises laboratoriais.
Os campos foram mensais nas horas de maré mais baixa onde se coletou amostras de sedimentos em dois pontos do
manguezal e medição através da instalação de pólos acrecionais da morfologia superficial. Em laboratório determinouse matéria orgânica, carbonato de cálcio e areia. A densidade das amostras foi determinada segundo método de Amos &
Sutherland (1994). Para avaliar a influência do tempo de consolidação na densidade do sedimento, a amostra foi colocada
em uma proveta graduada completada por água salgada, e o volume de deposição para cada tempo de consolidação (2, 6,
10, 24 e 48) foi medido. Esses testes foram realizados sob a influência das atividades conjunta de respiração e fotossíntese e
só de respiração (QUARESMA et al., 2004). Durante a estação chuvosa, observou-se um comportamento muito semelhante
entre os pontos amostrais, o qual estaria relacionado, provavelmente, ao maior aporte de sedimento que o sistema recebe.
Enquanto que na estação seca, pôde-se observar a tendência normal de uma planície de maré, se comportar como uma
praia. Pethick (1992) comparou o comportamento do sistema planície de maré-marisma e as mudanças da dinâmica de
uma praia devido à chegada de tempestades. Em momentos de maior energia no sistema estuarino da área de estudo, há
retirada de sedimento próximo ao mangue e depósito próximo ao canal. Durante a estação seca, houve diminuição do
aporte de sedimento ao sistema, restringindo-se a uma troca de sedimentos maior dentro desse pequeno sistema. Observouse também que houve uma tendência geral da densidade aumentar com o tempo de consolidação (nos experimentos sob
ação da luz) levando a uma maior resistência do sedimento às forças hidrodinâmicas sendo mais difícil de ser erodido e,
conseqüentemente, mais estável. Nos experimentos que foram colocados no escuro o comportamento foi diferenciado. A
tendência é a desestabilização do sedimento porque com ausência da luz não há atividade fotossintética somente os processos
de respiração e presença de bactéria (Quaresma et al., 2004). Segundo esses autores, a atividade bacteriana produzia bolhas
de gases na superfície do sedimento o que levava a desestabilização da superfície do sedimento e conseqüente diminuição
da sua densidade. Os resultados acabaram por demonstrar que a área em questão não apresentou uma tendência conclusiva
em termos de erosão e/ou deposição. O padrão de variação morfológica identificado apresentou uma tendência estável entre
os pontos 1 e 2 durante o período da pesquisa.
127
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
CAMBIOS CLIMÁTICOS GLOBALES Y FLUCTUACIONES DEL NIVEL DEL MAR EN EL HOLOCENO.
RELACIÓN CON EL CAMBIO GLOBAL ACTUAL
Eduardo A. Gómez1, C. Marcela Borel2, Dina E. Martínez3 y Jorge O. Pierini4
1 IADO (CONICET-UNS), CC 804 y Univ. Tecnol. Nac. FRBB-8000 Bahía Blanca; Argentina. 2 INGEOSUR (CONICETUNS) B8000ICN Bahía Blanca; Argentina. 3 Dpto. de Geología, Univ. Nac. Del Sur, 8000 Bahía Blanca; Argentina. 4
IADO (CONICET-UNS), CC 804 y Univ. Nac. Del Sur; 8000 Bahía Blanca; Argentina.
El consenso general en Argentina sostiene que con posterioridad al último máximo glaciar, el nivel medio del mar (NMM)
ascendió desde profundidades mayores a los 100 m, alcanzando las máximas alturas por encima del NMM actual a los cal
6900-6000 años AP, aproximadamente; para luego descender paulatinamente hasta su posición actual. Sin embargo, existen
evidencias que indican que sobre este comportamiento de mayor escala temporal, ocurrieron oscilaciones negativas breves
del NMM. Extensos relevamientos submarinos (sonar de barrido lateral, muestreo y testigos) efectuados en el estuario de
Bahía Blanca, determinaron la ocurrencia regional de afloramientos de materiales cohesivos a profundidades de hasta 17 m
y los análisis sedimentológicos y micropaleontológicos revelaron, sin lugar a dudas, que estos afloramientos son antiguas
planicies de marea (Gómez et al., 2005). Las dataciones 14C AMS sobre fango orgánico indican que parte de estos depósitos
corresponderían a dos oscilaciones negativas del NMM: a los cal 7300-6600 años AP (A) y a los cal 2700-2330 años AP (C),
aunque la amplitud de estas oscilaciones no pueda ser leída directamente sobre la cota batimétrica a la que se encuentran
por factores como la compactación de los sedimentos y el rango de marea. Ello no habría sido reconocido hasta el presente
debido a la escasez de estudios submarinos completos y a que la mayoría de aquellos efectuados en zonas emergidas basan
su cronología en dataciones 14C de conchillas, las que en la provincia de Buenos Aires llegan a presentar incertidumbres
que superan el milenio debido al efecto de aguas duras (Gómez et al., 2008). Al mismo tiempo, tanto en el Río de la Plata
(Cavallotto et al., 2004) como en Bahía Blanca (Farinati, 1985), entre cal 3300 y cal 1700 años AP no se registran niveles
costeros por encima del actual, mientras que ambos registros muestran una disminución del NMM distinguible en torno
a los cal 4700 años AP, lo que sugiere la ocurrencia de otra pequeña oscilación negativa del NMM (B). En Brasil, las
oscilaciones B y C fueron propuestas por Martin et al. (2003) aunque Angulo et al. (2006), basándose en dataciones 14C
obtenidas por encima del NMM actual, las desestimaron. Sin embargo, la información temporal calibrada que presenta este
último autor posee una incertidumbre del orden de los 700 años, por lo que no es posible con ellas descartar la ocurrencia
de tales eventos. El análisis numérico de la radiación solar holocena mediante el contenido de 14C permitió visualizar
enfriamientos a escala global con una periodicidad de aproximadamente 2250 años, los que salvo para la Pequeña Edad
de Hielo, coinciden temporalmente con la ocurrencia de las oscilaciones del NMM descritas. Ello indica que hoy nos
encontraríamos casi a mitad de camino hacia el próximo pico “caliente”, que ocurrirá dentro de aproximadamente 600 años.
Ello es una fuerte evidencia a favor del origen natural para el cambio climático que se registra en la actualidad.
Referencias
Angulo, R. J., Lessa, G., de Souza, M. C., 2006. A critical review of mid to late Holocene sea - level fluctuations on the
eastern Brazilian coastline. Quaternary Science Reviews 25, 486-506.
Cavallotto, J.L., Violante, R.A. y Parker, G., 2004. Sea-level fluctuations during the last 8600 years in the de la Plata River
(Argentina). Quaternary International 114 155–165.
Farinati, E., 1985. Radiocarbon dating of Holocene marine deposits in the Bahía Blanca area, Buenos Aires province,
Argentina. Quaternary of South America and Antarctic Peninsula 3, 197–206.
Gómez, E.A., Martínez, D.E., Borel, C.M., Guerstein, G.R. y Cusminsky, G.C. 2005. Submarine evidence of Holocene
sea-level fluctuations in the Bahía Blanca Estuary, Argentina. Journal of South American Earth Sciences, 20 (1-2): 135-155.
Gómez, E.A., Borel, C.M., Aguirre, M.L y Martínez, D. E., 2008. Radiocarbon Reservoir Ages and Hard-Water Effect for
the northeastern coastal waters of Argentina. Radiocarbon, 50 (1): 119-129. Martin, L., Dominguez, J.M.L., y Bittencourt
A.C.S.P., 2003. Fluctuating Holocene Sea Levels in Eastern and Southeastern Brazil: Evidence from Multiple Fossil and
Geometric Indicators. Journal of Coastal Research, 19(1): 101–124.
ASOCIACIONES DE MOLUSCOS HOLOCENOS DEL CANAL BEAGLE, TIERRA DEL FUEGO: UN
ANÁLISIS CUALITATIVO Y CUANTITATIVO DE ENSAMBLES DE VALVAS FÓSILES Y ACTUALES
Sandra Gordillo1,2, María Sol Bayer1,2 y Julieta Martinelli2
Centro de Investigaciones en Ciencias de la Tierra, Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas
1
128
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
(CICTERRA, CONICET). 2Centro de Investigaciones Paleobiológicas (CIPAL), Facultad de Ciencias Exactas, Físicas
y Naturales, Universidad Nacional de Córdoba. Av. Vélez Sársfield 299 X5000JJC Córdoba, Argentina. [email protected]
uncor.edu
En la isla Grande de Tierra del Fuego, el Holoceno marino (ca. últimos 8000 años AP) está representado por terrazas -en
su mayoría elevadas hasta 10 m s.n.m.- que se extienden paralelas a la costa actual, y se caracterizan por la presencia de
valvas de moluscos, principalmente bivalvos y gasterópodos. En este trabajo, centrado en las asociaciones de moluscos del
Holoceno del canal Beagle, se realiza un análisis cualitativo y cuantitativo de los ensambles de valvas fósiles y actuales
provenientes, respectivamente, de depósitos marinos elevados y playas adyacentes. Para la realización de este estudio se
recolectaron valvas de moluscos actuales y fósiles de diferentes localidades ubicadas sobre la costa norte del mencionado
canal. Los moluscos actuales fueron muestreados mediante una cuadrata, mientras que el material paleontológico se obtuvo
a partir de muestras volumétricas de sedimento, que posteriormente fueron tamizadas. Todos los especímenes fueron
identificados a la menor categoría taxonómica posible. Se determinó el número de especies encontradas, la abundancia
relativa, la uniformidad y la diversidad específica. Se midieron los especímenes de las especies mejor representadas. En
los bivalvos, se determinó el tipo de valva encontrada, y se analizaron sus atributos tafonómicos, incluyendo: articulación,
fragmentación, abrasión, bioerosión, color e incrustación. Tanto los ensambles actuales como fósiles exhiben una buena
preservación, y son tafonómicamente comparables. El 80-90% de estos ensambles está conformado por 3 especies: Mytilus
chilensis, Tawera gayi y Retrotapes exalbidus, y el porcentaje restante por otros 20 taxones aproximadamente. Otra similitud
entre los ensambles fósiles y actuales es que los bivalvos desarticulados presentan igual proporción de valvas derechas
y valvas izquierdas, lo que indicaría que estas asociaciones sufrieron un mínimo transporte lateral. Sin embargo, hay
diferencias en el grado de fragmentación de los venéridos, que aparecen menos fragmentados que los mitílidos, lo cual es
esperable dadas las características intrínsecas (estructura de la conchilla, grosor, tamaño) y extrínsecas (ambiente y modo
de vida) de ambos grupos de bivalvos. Se concluye que las principales diferencias cuali-cuantitativas entre los ensambles
de moluscos obedecen a características locales y ambientales de cada sitio, donde el sustrato sería un factor relevante para
el establecimiento de los organismos. En tal sentido, se reconocen dos tipos de asociaciones faunísticas: una característica
de sustratos duros dominada por mitílidos (Mytilus chilensis), y otra típica de sustratos arenosos, dominada por venéridos
(Tawera gayi); ambas representan 2 subambientes típicos del canal Beagle. La similitud taxonómica y tafonómica entre
los ensambles fósiles y actuales sugiere que las fluctuaciones de temperatura, y las variaciones del nivel del mar en la
región durante el Holoceno, no generaron cambios drásticos en las comunidades de moluscos. Trabajos futuros en el área
se complementarán con análisis isotópicos de paleotemperaturas, y análisis morfométricos y esclerocronológicos a nivel
de especie para establecer con mayor claridad las variaciones ambientales y los efectos paleoclimáticos sobre los moluscos
marinos en el extremo austral de Sudamérica.
RELAÇÕES ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DOS SEDIMENTOS SUPERFICIAIS DO AMBIENTE PRAIAL
E O DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA DO NORDESTE DO BRASIL – RECIFE (PE)
Maria das Neves Gregório1, Tereza Cristina Medeiros de Araújo2 ,Valdomiro Severino Souza Júnior3 Milton César Costa
Campos4
Departamento de Oceanografia – UFPE. 2Departamento de Oceanografia – UFPE. 3Departamento de Agronomia –
UFRPE. 4Instituto de Agricultura e Ambiente – UFAM
1
Uma das importâncias da sedimentologia marinha é a sua aplicação na tentativa de correlação dos sedimentos submarinos
recentes, com os sedimentos continentais adjacentes originados em vários ambientes. Este estudo tem como objetivo
analisar e correlacionar as características sedimentológicas entre o ambiente praial e a plataforma continental interna, que
se localiza na costa do Nordeste Brasileiro, cujas praias, nas últimas décadas vêm sofrendo um processo de erosão marinha.
As amostras do pós-praia e face da praia foram coletadas com um busca-fundo do tipo ”Van Veen”. Foram analisados
os parâmetros estatísticos, morfoscopia, textura superficial e composição. Os sedimentos do ambiente praial apresentam
predominância de areia fina a média, valores aproximadamente simétricos, moderadamente selecionados e mesocúrticos.
O estudo apresentou diferentes características dos sedimentos entre o ambiente praial e a plataforma continental interna
fronteira à cidade de Recife. Os sedimentos da plataforma variaram de areia muito fina a muito grossa, moderadamente
selecionados e bem selecionados e com valores mais altos ou mais baixos de assimetria e curtose. Palavras Chaves –
Sedimentos; ambiente praial; plataforma; Recife.
129
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
CARACTERÍSTICAS MORFOSSEDIMENTARES DO SISTEMA DUNA PRAIA AO LONGO DA COSTA
OCEÂNICA DA ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL
Norberto Olmiro Horn Filho1, Janice Rezende Vieira Peixoto2, Ulisses Rocha de Oliveira³ & Tânia Tarabini Castellani 4
¹Departamento de Geociências**, Universidade Federal de Santa Catarina, Bolsista Produtividade em Pesquisa
do CNPq, [email protected], 2Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina,
[email protected]; ³Instituto de Ciências Humanas e da Informação, Fundação Universidade Federal de Rio
Grande, [email protected]; 4 Departamento de Ecologia e Zoologia, Universidade Federal de Santa Catarina,
[email protected]
Este trabalho visa analisar a morfologia do sistema duna-praia em áreas com diferentes estágios morfodinâmicos ao longo
da costa oceânica da ilha de Santa Catarina. Nove trechos de praia foram pré-estabelecidos para aplicação da metodologia:
nas praias do Santinho (setores central e norte), Joaquina, Campeche, Pântano do Sul, Moçambique (setores central e
norte), Morro das Pedras e Armação. Os perfis praiais foram monitorados durante o inverno de 2008 e no verão de 2009,
utilizando a estação total (TOPCON GPT 3007W). Estes pontos foram estabelecidos de forma perpendicular à linha de
costa atual tendo a extensão do reverso da duna frontal até a face praial. Foram também coletadas amostras superficiais
de sedimentos ao longo dos perfis transectos, as quais foram processadas do ponto de vista textural com uso do software
Sysgran. Os resultados mostram que a praia da Armação apresenta declividade de 15o na face praial, tendo uma largura
média de 20 m e altura da duna frontal de 0,5 cm. Na praia do Morro das Pedras, a declividade na face praial é de 6o, largura
média de 14 m e 0,7 cm de altura da duna frontal. A praia do Moçambique apresenta a sua duna frontal com altura média de
1,8 m, largura média de 23 m e declividade da face praial de 9o. As praias da Armação, Morro das Pedras e Moçambique
exibem características morfossedimentares areias médias à grossas, típicas do estágio morfodinâmico reflectivo. Na praia
do Pântano do Sul, a largura média é de 25 m, a altura média da duna frontal é de 2 m e a declividade média da face praial
é de 3o. A praia do Campeche possui 38 m de largura média, altura da duna frontal de 3 m e declividade média da face
praial de 3o. A praia do Santinho, no setor central, apresentou largura média de 25 m, altura média da duna frontal de 2,5 m
e a declividade oscilou em 2,5o. Do ponto de vista textural, as praias do Pântano do Sul, Campeche e Santinho apresentam
características são constituídas de areias finas, típicas do estágio intermediário. Na praia da Joaquina, a largura média é
de 40 m, a altura média da duna frontal é de 4 m e a declividade média da face praial é de 2,5o. O setor norte da praia do
Moçambique apresenta 35 m de largura média; 3,5 m de altura média da duna frontal e declividade da face praial de 2,5o. O
setor norte da praia do Santinho exibe largura média de 40 m, altura de duna frontal de 4 m e declividade de 2,5o. A praia
da Joaquina e os setores norte das praias do Moçambique e do Santinho apresentam tendências ao estágio dissipativo, cujas
características são a presença de dunas frontais mais elevadas, maior largura de praia e baixa declividade da face praial.
Os aspectos morfológicos e texturais dos sistemas de praia duna das praias amostrados possibilitam inferir que os mesmos
sejam agrupados em sistemas praiais reflectivos (Armação, Morro das Pedras e Moçambique); intermediários (Pântano do
Sul, Campeche e Santinho) e dissipativos (Moçambique e Santinho).
*Apoio financeiro da FAPESC – Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica de Santa Catarina (CP03/2006
UNIVERSAL) e apoio institucional do PPGG/UFSC - Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal
de Santa Catarina.
**Instituição efetiva do PGGM – Programa de Geologia e Geofísica Marinha
ANÁLISE PRELIMINAR DE DIATOMÁCEAS EM SEDIMENTOS QUATERNÁRIOS DA ESTAÇÃO
ECOLÓGICA JURÉIA-ITATINS (SP): CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DE VARIAÇÕES DO NÍVEL
RELATIVO DO MAR NO HOLOCENO
Maria Cristina Santiago Hussein-Vilela1, Kenitiro Suguio2,3 & Paulo Eduardo De Oliveira2
Pós-graduanda do Programa de Pós-Graduação do M estrado em Análise Geoambiental, Universidade Guarulhos,
SP; email: [email protected] 2 Professor Titular do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Análise
Geoambiental, Universidade Guarulhos, SP; Email: [email protected] ; [email protected] 3 Professor Emérito do
Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo
A área de estudo situa-se na EEJI (Estação Ecológica Juréia-Itatins), que se estende por parte dos municípios de Peruíbe,
Iguape, Itariri e Miracatu, na região sudeste do Estado de São Paulo. Compreende uma área de cerca de 600 m2, dos quais
1
130
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
mais de 100 km2 são ocupados pelo Morro da Juréia e maciços menores de rochas cristalinas pré-cambrianas. O restante
da área é constituída pela planície costeira, da qual cerca de 200 km2 estão ocupados por depósitos lagunares e paludiais
pretéritos, ambos pertencentes à Formação Ilha comprida do Holoceno. No âmbito deste estudo foi realizada uma sondagem
com vibrotestemunhador nas coordenadas 24º29’19’’S e 47º15’43’’W, com recuperação de um testemunho com 5,79 m de
comprimento, que foi amostrado em intervalos de 5 cm (de 0 a 2 m), de 10 cm (de 1 a 2 m) e de 20 cm (de 2 m até a base).
As datações por radiocarbono indicam que a coluna sedimentar possui idades variáveis entre 280±40 anos A.P. no topo e
8.370±50 anos A.P. na base. As amostras para estudo de diatomáceas foram tratadas com H2O2 (peróxido de hidrogênio)
a quente, até a eliminação total da matéria orgânica. Além disso, foi utilizado HCl (ácido clorídrico) para a dissolução de
carbonatos e, no final foram adicionadas pílulas do esporo exótico Lycopodium clavatum. Este trabalho visa a obtenção de
informações sobre as comunidades fósseis de diatomáceas, contidas nos sedimentos amostrados, que podem subsidiar as
reconstruções paleoambientais e, eventualmente, confirmar as ocilações de níveis marinhos abaixo do atual no Holoceno,
conforme trabalhos anteriores. As análises preliminares das comunidades fósseis de diatomáceas encontradas no testemunho
permitiram verificar que apesar de algumas espécies marinhas como Aulacoseira sulcata, Cyclotella stylorum e Diploneis
bombus prevalecerem ao longo de todo o testemunho a partir dos 40 cm iniciais (com idade de 3.890±40 A.P.), os gêneros
Synedra e Eunotia também estão presentes a partir de 1,30 m (com idade entre 6.830 e 7.600 ± 50 A.P.). Essas informações
podem indicar a grande influência marinha num ambiente de águas salobras com a possibilidade de que possa ter ocorrido
a diminuições do nível relativo do mar. A presença do táxon eurialino Cyclotella stylorum, poderia indicar esses momentos.
Posteriormente, as análises quantitativas que têm sido realizadas poderão fornecer dados mais precisos.
ESTRUTURA VERTICAL DA CORRENTE LONGITUDINAL NA PRAIA DE TRAMANDAÍ, RS, BRASIL
Gabriela B. Jung1 & E.E Toldo2.
1, 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.1 [email protected]
2 [email protected]
Longshore currents vertical profiles were measured in Tramandaí beach, South Brazil, in order to investigate the direction
and velocity current’s behavior along the water column. Four profiles indicate that near the surface and middle depths are
the areas with stronger currents, also presenting higher propagation angles. Near the bottom the current is not as strong and
flows more parallel to the beach. The direction of propagation it’s the same as waves and wind directions, and the flow
shows itself as a pulsating current. Wave’s turbulence and momentum transferred from wind explain higher velocities near
the surface, and the larger depths in the trough, creating a less dynamic area, are related to less intense currents.
EVOLUCIÓN GEOMORFOLÓGICA DE LA BAHÍA DE SAN ANTONIO (RIO NEGRO, ARGENTINA). SU
IMPORTANCIA PARA EL REGISTRO DE OCUPACIONES HUMANAS
Roberto R. Kokot1 y Cristian M. Favier-Dubois2
1CONICET-Dep. de Ciencias Geológicas, Fac. de Ciencias Exactas y Naturales, UBA. [email protected]
2CONICET-INCUAPA, Dep. de Arqueología, Fac. de Ciencias Sociales, UNCPBA. [email protected]
En la bahía de San Antonio afloran depósitos marinos correspondientes a antiguas líneas de costa, que evidencian cambios
del nivel del mar ocurridos durante el Cuaternario. Fueron estudiados por Feruglio (1950), Angulo et al. (1978), Porro y
Fidalgo (1981), Gelós et al. (1993) y Kokot et al. (2004). Este trabajo forma parte del relevamiento del área costera según
subsidio Ubacyt X110, mientras que los aspectos de interés arqueológico, en el área se desarrollaron ocupaciones humanas
que se remontan al menos a unos 6000 años atrás, se desarrollaron en forma conjunta en el marco del proyecto PICT 38264.
Se determinó la evolución del área costera en la localidad de San Antonio Oeste y zonas aledañas. Los datos geológicos y
geomorfológicos fueron obtenidos a partir de reconocimientos en el terreno y de la interpretación de imágenes satelitales
y fotogramas. También se efectuaron dataciones radimétricas a partir de moluscos encontrados en las terrazas marinas
de acumulación, que permitieron datar la secuencia evolutiva. En este marco, los estudios arqueológicos han provisto
numerosas edades obtenidas en conchales antrópicos desarrollados sobre terrazas holocenas y pleistocenas. Interesa
evaluar los escenarios costeros correspondientes a cada período de ocupación, por lo que los estudios en curso involucran
la reconstrucción de la configuración de la costa desde el máximo transgresivo del Holoceno medio hasta la actualidad.
En relación con las unidades geológicas reconocidas, aflora en el área la Formación Baliza San Matías constituida por
131
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
conglomerados con matriz arenosa, gravas y valvas de pelecípodos con estratificación gruesa. El tamaño de las gravas varía
entre 5 y 15 cm y el cemento es calcáreo de color castaño amarillento. Hacia el este se encuentra la espiga de punta Villarino,
formada por depósitos de cordones litorales compuestos por arena mediana y gravas. Hacia el oeste, la espiga de punta
Delgado, también constituida por depósitos de cordones litorales gravoarenosos con porcentaje variable de conchillas. Estos
depósitos son conocidos como Formación San Antonio. Entre ambas espigas, el área costera de la bahía de San Antonio está
compuesta por depósitos de planicie de mareas arcillo arenosas con abundantes gravas. Hacia el norte, fuera de la planicie
de mareas actual, se hallan depósitos de cordones litorales. El área es conocida como terraza de San Antonio Oeste, tiene
forma de lengua y está ubicada en la zona norte del golfo San Matías. La faja costera está cubierta por depósitos de dunas
móviles de hasta 10 m de altura en los que suele hallarse evidencia arqueológica. A unos 10 km al SO los depósitos marinos
yacen sobre una superficie de erosión labrada en rocas del Terciario. Estos depósitos están compuestos por arena, grava y
cascajo de rocas principalmente porfíricas, a veces cementados por carbonato de calcio. Poseen una abundante fauna de
bivalvos y la altitud de la terraza se halla entre 10 y 12 metros. Feruglio afirmó que todas las especies pertenecen a formas
que viven en el mar adyacente, que por ello y por la baja posición altimétrica fue asignada al Holoceno. En las proximidades
de San Antonio Oeste, dataciones anteriores y las realizadas en este proyecto dan edades C14 mayores a 40.000 años
AP, que permiten adjudicar esta terraza al Pleistoceno. En los trabajos mencionados se descartaba la edad pleistocena
argumentando que las muestras datadas estaban ambientalmente contaminadas. Los datos radimétricos obtenidos durante
nuestros estudios y las relaciones de campo permiten aseverar en principio, que dichos depósitos son pleistocenos. Gran
parte de los afloramientos costeros están cubiertos por depósitos eólicos y depósitos coluviales constituidos por gravas,
arenas, limos y arcillas no consolidados. A partir de los datos geológicos y geomorfológicos fue posible la realización de un
mapeo de detalle del área que permitió reconstruir la secuencia evolutiva a partir de una antigua línea de costa pleistocena,
otra holocena y la actual. Este marco permitirá evaluar de qué manera las modificaciones en la morfología costera y sus
ambientes asociados han repercutido en la ocupación humana de esos espacios a lo largo del tiempo.
FLUCTUACIONES DEL NIVEL DEL MAR NORBONAERENSE DURANTE EL HOLOCENO MEDIO Y SU
VINCULACIÓN CON LOS CAMBIOS CLIMÁTICOS EN EL HEMISFERIO SUR
Cecilia Laprida y Natalia García Chapori
Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas, Av. Rivadavia 1917 - C1033AAJ - Ciudad de Buenos Aires,
Argentina. Facultad de Ciencias Exactas y Naturales, Universidad de Buenos Aires, Av. Intendente Güiraldes 2160,
Ciudad Universitaria, C1428EGA – Ciudad de Buenos Aires, Argentina. [email protected] (C. Laprida), [email protected]
gl.fcen.uba.ar (N. García Chapori).
El testigo T9-1 (36º45’43”S - 56º 37’13”W) muestra dos episodios de depositación de fangos estuarinos que han sido
asociados a sendos pulsos de descenso relativo del nivel del mar. De acuerdo al modelo de edades propuesto, estos episodios
habrían tenido lugar alrededor del ~5300 cal. yr BP y ~4200 cal. yr BP. En este trabajo se analiza la sincronicidad de estos
pulsos con otros registros de variaciones del nivel del mar que manifiestan eventos climáticos en las costas bonaerenses,
y con registros de variaciones climáticas en el Hemisferio Sur. A pesar de ciertas limitaciones en la determinación precisa
de su edad, las variaciones relativas del nivel del mar registradas en el Testigo T9-1 y la existencia de episodios fríos en el
Hemisferio Sur parecen mostrar cierta sincronicidad, por lo que puede concluirse que los descensos relativos del nivel del
mar analizados son climáticamente controlados.
A DINÂMICA EROSIVA DO BALNEÁRIO PONTAL II E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A GESTÃO
COSTEIRA.
Diogenes Magno Laube1 & M. R. Lamour1
¹Universidade Federal do Paraná, Centro de Estudos do Mar, Laboratório de Oceanografia Geológica, Av. Beira Mar s/
no. CP 50.002, Pontal do Paraná – PR - [email protected]
Processos erosivos ocorrem naturalmente ao redor do planeta, entretanto quando associados à interferências antrópicas estes
processos tornam-se problemas. Neste cenário está incluído o balneário Pontal II, onde a estabilização da desembocadura de
um canal dragado para drenagem de áreas urbanas (Departamento Nacional de Obras e Saneamento) interrompeu as correntes
132
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
de deriva litorânea gerando déficit sedimentar em áreas adjacentes e conseqüente erosão. Com um aumento da urbanização
ocorrido nesta área, principalmente na década de 1990 houve incremento na edificação de obras para estabilização da
linha de costa. O balneário Pontal II possui uma extensão de aproximadamente 2,5 km e está localizado na desembocadura
sul do Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP). Suas praias apresentam características de desembocadura o que indica
influência de correntes de maré e ondas sobre os processos sedimentares que atuam sobre o perfil praial. O objetivo geral
deste trabalho é compreender a morfodinâmica praial associada a diversas intervenções antrópicas em um trecho do litoral
do Paraná. Para tanto, foi estabelecido o monitoramento topo-sedimentar da área durante 16 meses (bimensalmente), entre
dezembro de 2007 e abril de 2009. Os levantamentos topográficos foram dispostos em 4 posições distintas no arco praial em
questão, com as respectivas posições georeferenciadas. Para a caracterização granulométrica foram coletadas amostras dos
sedimentos superficiais ao longo dos perfis. As amostras são processadas segundo os métodos tradicionais de peneiramento
e pipetagem. Os dados topográficos inseridos foram analisados com ferramentas SIG gerando modelos digitais de elevação
(MDE). A comparação para a par entre os MDEs possibilitou o calculo da taxa de variação volumétrica no período. A
determinação da taxa de variação de posição na linha de costa será realizada pelo uso do GPS, com o cadastro das obras de
estabilização costeira. Entrevistas com os moradores e veranistas foram realizadas nas campanhas de campo para obtenção
de um panorama geral das modificações ocorridas na morfologia do balneário, nos aspectos turísticos e no cotidiano da
população local. Segundo a literatura, após a construção dos molhes do canal do DNOS, o aporte sedimentar no balneário
Pontal II foi modificado, gerando um recuo da linha de costa de 150 m, desde a década de 1960. A variação volumétrica total
no balneário foi de 3154,3 m³, sendo o volume máximo erodido de 2251,4 m³ para a porção noroeste da região. No geral, o
comportamento morfodinâmico da área de estudo, durante a maior parte do ano, foi de redução no volume de sedimentos
no perfil praial, indicando um panorama erosivo. Os sedimentos encontrados na região são arenosos com predominância de
areia fina, muito bem a bem selecionadas e com taxas de carbonato de cálcio inferiores a 3%. Na porção sudeste próximo ao
canal DNOS, nota-se a fixação de novas áreas vegetadas por Spartina alterniflora e Rizophora mangle sobre o estirâncio,
o que pode ser interpretado como um indício de estabilização da costa. Porém no balanço volumétrico anual nesta região
apresenta tendência erosiva podendo ocorrer influencia de outros fatores, além da dinâmica praial. Na porção noroeste do
balneário o maior déficit sedimentar é evidenciado por árvores caídas, redução de áreas urbanizadas com a queda de cercas
e muros, além do panorama erosivo em um manguezal. Nesta última, onde observam-se diversas árvores mortas e a redução
gradual de sua área ao longo do tempo. A principal conclusão preliminar deste trabalho é que as estabilizações não estão
surtindo os efeitos esperados, pois a erosão local é gerada por modificações no sistema sedimentar, devido à interrupção
da corrente de deriva litorânea. Além destes fatores estas obras estão apenas transferindo o problema erosivo para a porção
noroeste do balneário, causando diminuição de áreas úteis, perda de recursos potenciais e a diminuição de habitat de
diversas espécies com a degradação do manguezal. Com isto se faz necessário um monitoramento contínuo da região para
um melhor entendimento da dinâmica local em uma escala de tempo maior, para a mitigação dos problemas associados à
erosão e para a gestão competente deste recurso.
Foraminifera And thecamoebians AS environmental indicators in tropical
estuaries – Brazil
Lazaro L.M. Laut1, C. Bonetti2 & A.G.Figueiredo Jr3
Laboratório de Micropaleontologia – LabMicro – UERJ ([email protected]). 2Laboratório de Oceanografia
Costeira – LOC – UFSC ([email protected]) . 3Departamento de Geologia – LAGEMAR – UFF ([email protected])
1
The aim of this study was the classification of seven estuaries from the Brazilian Coast, from North Cape to Santa Catarina
Island (Araguari – AP, Caeté – PA, Potengi – RN, Mataripe – BA; Paraíba do Sul – RJ, Suruí – RJ e Itacorubí – SC),
using foraminifera and thecamoebians assemblages associated with sedimentological parameters. Eighty-three foraminifera
and twenty-three thecamoebians taxons were identified throughout the estuaries. The commonest foraminifera species
throughout the estuaries were A. mexicana and H. wilberti. On the other hand, Difflugia spp., P. compressa, C. corana and
Cyclopyxis spp. were the most abundant thecamoebian species. It was not possible to identify a latitudinal restriction (1º N to
28º S) of species. The assemblages’ composition reflected the characteristics of each coastal segment. In the Northern coast
two distinct macrotidal systems could be identified. The Araguari River was classified as a Tropical Macrotidal Succession
Species Estuary. The Caeté River was classified as Tropical Macrotidal Non–Succession Species Estuary because it showed
a homogeneous distribution of foraminifera and thecamoebian assemblages. In the Northeast Coast, the two studied systems
presented similarities in the species distribution. They were both classified as Tropical Mesotidal Succession Species
Estuaries. The Paraíba do Sul River Delta was classified as a Tropical Microtidal Succession Species Estuary for presenting
133
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
a high thecamoebians species diversity throughout the system and the species of agglutinant foraminifera were next the
river mouth. In the Southeast coast it was possible to identify two different systems: the Suruí River that didn’t show an
estuarine gradient, being classified as a Tropical Microtidal Non-Succession Species Estuary; and the Itacorubí Estuary was
classified as Microtidal Tropical Succession Species Estuary.
Key Word: foraminifera; thecamoebians; environmental indicators; tropical estuaries.
Modern diatoms distribution from Guanabara Bay sediment, Rio de Janeiro (Brazil)
Lazaro L.M. Laut1, V.M. Laut2, F.S. Silva3 & A.G. Figueiredo Jr2
Laboratório de Micropaleontologia – LabMicro – UERJ ([email protected]). 2Departamento de Geologia – LAGEMAR
– UFF ([email protected], [email protected]) . 3Departamento de Geologia – UFRJ ([email protected])
1
One hundred twenty eight superficial sediments were collected in Guanabara Bay to physical-chemistry and diatom
analysis in the ambit to Monitoring Project (CENPES/PETROBRAS). Total of 146 taxons of diatoms were identified. The
considerable variation in the composition and distribution of the diatom assemblages among this bay was mainly related
to differences in the water quality which is the reflex of estuarine gradient. The most frequently taxons in Guanabara Bay
were Amphora spp., Coscinodiscus spp. and Navicula yarrensis var. yarrensis. Potentially harmful species that might harm
fisheries and mariculture during blooms were identified in many stations. The values of relative frequency of benthonic
species were processed with the cluster analysis. The samples were divided in seven groups. Detrended Correspondence
analysis (DCA) was used to analyze the correlation between environmental variables and sampling stations. Axis 1 of
DCA showed high explicability of the eigenvectors indicating that pH follows to depth were de most influence in diatoms
assemblages’ distribution. Analysis of diatom assemblages proved an efficient tool in the environmental diagnosis of
Guanabara Bay. The results obtained can be used in monitoring and environmental planning studies, as well as in studies of
Quaternary paleoenvironmental reconstruction.
Keywords: Guanabara bay, diatoms assemblages, environmental diagnosis.
FORAMINÍFEROS RECENTES DA BAÍA DE GUANABARA, RJ.
Lazaro L.M. Laut1, F.O. Santos-Leal 1, F.S.Silva2 & V.M. Laut3
1Laboratório de Micropaleontologia – LabMicro- UERJ. E-mail: [email protected], [email protected]
2Departamento de Geologia – UFRJ. E-mail: [email protected] 3Departamento de Geologia – LAGEMAR – UFF.
E-mail: [email protected]
This work presents a preliminary study of the benthic foraminifera from 150 stations in Guanabara Bay, Rio de Janeiro
collected in the Project of Environmental Monitoring (CENPES/PETROBRAS). The benthic foraminifera were separated
for identification and ecological analysis. We found 88 foraminifera taxons. The species Ammonia tepida was dominant
in all the stations followed by Elphidium spp. The ecological indexes value such as richness and diversity were greater
at seaward stations and lower at landward stations. These indexes showed the estuarine characteristic of bay. The cluster
analysis in Q mode indicated the existence of five groups of stations where the population of foraminifera corresponded to
the hydrodynamic and pollution conditions.
FORAMINÍFEROS RECUPERADOS EM SEDIMENTOS QUATERNÁRIOS DA PLATAFORMA E TALUDE
SUPERIOR DA PORÇÃO NORTE DA BACIA DE PELOTAS, ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL
Carolina Jardim Leão, Itamar Ivo Leipnitz, Fabricio Ferreira, Eduardo Silva Aguiar y Thièrs Porfirio Wilberger
Carolina Jardim Leão Laboratório de Micropaleontologia. Universidade do Vale do Rio dos Sinos –UNISINOS.
[email protected] , Itamar Ivo Leipnitz PPGeo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS [email protected]
unisinos.br. Fabricio Ferreira Laboratório de Micropaleontologia. Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS
134
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
[email protected] Eduardo Silva Aguiar Laboratório de Micropaleontologia. Universidade do Vale do Rio dos
Sinos – UNISINOS [email protected] Thièrs Porfirio Wilberger Laboratório de Micropaleontologia. Universidade
do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS [email protected]
Este trabalho apresenta a análise qualitativa e quantitativa da fauna de foraminíferos retirados de oito amostras de
sedimentos superficiais provenientes da Bacia de Pelotas, coletadas entre 150 e 586 metros de lâmina d’água. Registrou-se
a presença de 2.400 espécimes de foraminíferos, sendo 2.012 espécimes planctônicos e 388 bentônicos. A fauna bentônica
teve como espécies mais representativas Planulina foveolata, Eponides antillarum, Uvigerina hispido-costata, Cibicides
robertsonianus e Planulina arimiensis. As espécies mais abundantes na fauna planctônica foram Globorotalia menardii
menardii e Globigerinoides ruber, que se alternam como primeiro e segundo lugar em abundância em todas as amostras.
Verificou-se que as amostras mais rasas concentram a grande maioria da fauna bentônica e também abriga maior número de
espécies, quando comparadas com as amostras provenientes de maior profundidade. Em contraponto, na fauna planctônica
observou-se um pequeno aumento de abundância nas amostras de sedimento mais profundo. A comparação das espécies
encontradas com as de outros trabalhos realizados em áreas adjacentes posiciona a fauna como pertencente às subprovíncias
biogeográficas Sul-brasileira, Norte da Patagônia e Malvinense.
AVALIAÇÃO DA AÇÃO EÓLICA NO DISTRITO DE PECÉM - MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO DO
AMARANTE / ESTADO DO CEARÁ – BRASIL
Loreci Gislaine de Oliveira Lehugeur1, Mônica Pimenta de Novaes Castelo Branco2, Maria Tereza Farias Sales3, Mauro
Ferreira Lima4 & Márcia Thelma Rios Donato Marino 5
Docente Dept Geologia/UFC [email protected] 2Pesquisadora LABOMAR/UFC [email protected]
gmail.com. 3Secretaria da Ouvidoria do Meio Ambiente. 4Docente Dept Fitotecnia/UFC. 5Docente CCT/UNIFOR
[email protected]
1
A Planície Litorânea do Distrito do Pecém caracteriza-se por depósitos eólicos, praiais e por afloramentos rochosos
que constituem a ponta do Pecém. Os campos dunas apresentam predomínio de dunas móveis, que estão em contínua
movimentação devido à atuação das correntes eólicas. Essas feições migram por entre as redes de distribuição de energia
elétrica, em direção às casas de veraneio e, por vezes, atingem corpos de água, necessários para o abastecimento do município.
A análise da dinâmica do campo de dunas por meio da determinação da freqüência percentual (direção e velocidade) das
correntes eólicas tornou-se importante para compreender o processo de migração dessas feições. A parametrização do
agente eólico envolveu a caracterização das variações das freqüências percentuais (direção e velocidade) das correntes
eólicas em área previamente estabelecidas no campo dunar, denominadas de Áreas Pilotos I, II, II e IV, As caracterizações
forma determinadas mensalmente no período de um ano. A direção do vento foi verificada utilizando-se biruta e bússola
ao início de cada jornada de trabalho e sempre que fossem observadas mudanças na direção do vento. A velocidade do
transporte sedimentar eólico foi tomada utilizando-se anemômetro do tipo Molinete Texto 440 fazendo-se medidas nas
alturas de 5, 25, 50, 100 e 200 centímetros da superfície do terreno, a barlavento do corpo dunar, seguindo alinhamento de
aproximadamente 100m, com eqüidistância de 5 metros. Os dados levantados foram colocados em fichas e apresentados
em gráficos. A parametrização do agente eólico contou, também, com dados das Estações Metereológicas Pecém I e II
colocadas em locais próximo da área em estudo onde não tinham obstáculos que interferissem na passagem da corrente
eólica. A análise das velocidades do vento obtidas durante nas etapas de campo permitiram individualizar dois períodos
sazonais, que correspondem a sazonalidade climática que atua no nordeste brasileiro. O primeiro correspondendo aos meses
de janeiro a julho, período chuvoso, caracterizado por ventos amenos e o segundo marcado por ventos intensos, período
de estiagem. As velocidades mínimas foram verificadas nos meses de janeiro a julho (2004) com intervalo de 0,25 a 8,0
m/s, correspondendo ao período chuvoso. De maneira geral, os valores das velocidades do vento apresentaram-se maiores
nos meses de agosto a dezembro (2003/2004) correspondendo a períodos de estiagem, onde foram registrados ventos com
velocidades de 2,0 a 16,0 m/s. As direções das correntes eólicas registradas em campo e pelas Estações Metereológicas
Pecém I e II apresentaram predomínio do quadrante SE/NW, por vezes, sendo verificado oscilações aproximando-se do
quadrante E-W.
Referências
BAGNOLD, R. A. 1941.The physics of blown sand and desert dunes. London: Methurn., 256 p.
CEARÁ/FUNCEME. Normais Climatológicos. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária – Secretaria Nacional de
135
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Irrigação. Departamento Nacional de Metereologia. Brasília. 1992. 84p.
KÕPPEN, W. 1948. Climatologia com um estudio de los climas de la Terra. México. FCE.
NICKLING, W. G. 1994. Aeolian sediment transport and deposition. Oxford; Blackweel Scientific Publ. 379p.
Agradecimentos. Os autores agradecem a Companhia Energética do Ceará (COELCE) por ter possibilitado a realização
da pesquisa.
CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA ACRESÇÃO SEDIMENTAR NO ISTMO ARENOSO DA ILHA DO MEL
M.O. Leis¹*, B.L.P. Luz¹, A.C.G. Peixoto & M.R. Lamour¹
¹ Laboratório de Oceanografia Geológica – Centro de Estudos do Mar – Universidade Federal do Paraná. PO BOX 50.002
– Pontal do Paraná – Paraná – Brasil *[email protected]
A Ilha do Mel situa-se no litoral centro-norte paranaense (25º30’S e 48º20’W), na desembocadura do Complexo Estuarino
de Paranaguá, o que lhe confere uma dinâmica sedimentar complexa, suscetível à ação de processos erosivo/deposicionais.
Esta ilha abriga unidades de conservação (Estação ecológica e Parque Estadual) e apresenta importância econômica e
turística para o Estado do Paraná. A região adjacente apresenta um extenso histórico de atividades portuárias, com a
dragagem de canais navegáveis, desde o século XVII. O istmo arenoso que liga as porções nordeste e sudeste da Ilha do
Mel apresenta uma região ocidental, banhada pelo “Mar de dentro”, popularmente chamada de “Saco do Limoeiro”, que
tem sua dinâmica influenciada principalmente por correntes de maré; na sua porção oriental, os processos sedimentares são
regidos por ondas de caráter oceânico. O istmo apresenta morfodinâmica instável, com períodos de retrogradação em ambas
as porções (~150 m) desde 1950, o que culminou na divisão da ilha no biênio 2000/01. Neste intervalo de tempo, áreas
urbanizadas e de conservação foram perdidas pela ação da dinâmica costeira, causando prejuízos financeiros à população
local. Posteriormente, foi verificado um processo de acresção progressiva com a instalação de vegetação e pequenos campos
de dunas. O objetivo deste trabalho é estabelecer a taxa de acresção sedimentar na linha de costa do istmo arenoso da Ilha
do Mel, focando posteriormente suas relações com eventos climáticos e a morfodinâmica das praias adjacentes. Para tanto,
foi estabelecido um monitoramento topo-sedimentar bimensal desta área, iniciado em setembro de 2007, o qual segue até
o presente. Cada campanha de amostragem consiste em 6 perfis (5 normais e 1 longitudinal à costa), os quais transpassam
a superfície emersa do istmo arenoso, onde são tomadas amostras de sedimentos. Os dados topográficos dão origem a
modelos tridimensionais de terreno, para posterior comparação e estabelecimento das principais mudanças na forma do
perfil praial. As amostras de sedimentos foram submetidas aos processos laboratoriais de peneiramento e estabelecimento
de porcentagem de CaCO3 contido. A literatura a respeito da área evidencia que a erosão no istmo é episódica, ocorrendo
preferencialmente durante conjunções de marés de sizígia sob influência meteorológica originada pela passagem de frentes
frias (ressacas). Os resultados obtidos até o momento apontam que as frações granulométricas que caracterizam a área
encontram-se na classe areia fina. As informações referentes à topografia indicam uma atual tendência à progradação da
linha de costa, evidenciada ainda pelo aumento da área tomada por campos de dunas e colonizada por vegetação. Entretanto,
na porção ocidental do istmo, são observadas evidências de erosão costeira pela exposição de sacos preenchidos com
concreto, os quais foram utilizados como obras de estabilização da linha de costa no passado. Atualmente, esta situação
apresenta agravamento em áreas restritas. Informações relativas à dinâmica costeira são uma ferramenta importante quando
utilizadas em projetos que visem a preservação da biodiversidade, a urbanização e o desenvolvimento sustentável, de
modo a reduzir impactos tanto para a população como para o ambiente, uma vez que atividades antrópicas podem acentuar
processos erosivo/deposicionais.
Palavras-chave: Baia de Paranaguá; Linha de costa; Nivelamento topográfico; Granulometria.
CONCENTRAÇÃO DE MATERIAL PARTICULADO TRANSPORTADO EM SUSPENSÃO POR CORRENTES
LONGITUDINAIS NO LITORAL DO PARANÁ, BRASIL.
Maria Aline Lisniowski1, Rodolfo José Angulo1, Clécio José Lopes de Quadros1, Eduardo Marone2
(1) Laboratório de Estudos Costeiros - LECost – UFPR ([email protected]) (2) Laboratório de Física Marinha Centro de Estudos do Mar –UFPR
136
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
A região central do litoral do Paraná situa-se na planície costeira de Praia de Leste, que possui aproximadamente 35 km de
extensão e é limitada pelas desembocaduras das baías de Guaratuba e Paranaguá, no sul e no norte, respectivamente. A linha
de costa é alinhada no sentido nordeste-sudoeste, sendo que as ondas se aproximam principalmente de sudeste e nordeste.
Neste trabalho, armadilhas de sedimento (streamer traps) foram usadas para coletar perfis verticais de concentração de
sedimento em suspensão, transportados pelas correntes longitudinais, em três pontos ao longo da planície costeira de Praia
de Leste: Praia Brava, Caravelas (ambos no município de Matinhos) e Atami (Pontal do Sul). A Praia Brava é o único local
que apresenta urbanização muito próxima da linha de costa e efeitos localizados de processos erosivos. As armadilhas de
sedimento são compostas por um suporte metálico de 1,80 m onde são fixadas 6 armações menores, dispostas verticalmente
com distância de 4,5 cm entre elas. As armações possuem abertura de 9 cm de altura e 13 cm de largura, onde estão presas
redes de poliéster com abertura de 63 mm. Medições de ondas (período, altura e ângulo de aproximação em relação à linha de
costa), velocidade da corrente longitudinal e profundidade foram obtidas através de medições visuais, derivadores e nível. O
tempo de permanência da armadilha na água é de 10 minutos, podendo ser de 5 minutos quando as condições hidrodinâmicas
não se apresentam favoráveis. Os resultados primários desta amostragem são representados pela quantidade de sedimento
(em gramas) retido em cada rede, os quais são utilizados para calcular perfis de concentração. Dados granulométricos do
material particulado em cada porção da coluna d’água também foram analisados e utilizados para calcular as concentrações.
Foram realizadas 4 coletas, com o objetivo de caracterizar a influência do padrão hidrodinâmico sazonal nas concentrações de
sedimentos transportadas, compreendendo um total de 24 perfis verticais. Os dados mostram que as maiores concentrações
são transportadas pelas correntes no sentido norte e nos meses de inverno. Os perfis topográficos da Praia Brava e Caravelas
apresentarem maior semelhança, com um declive mais acentuado, correntes mais velozes e alturas de onda maiores. A praia
do Atami é caracterizada por um perfil topográfico mais suave e com características dissipativas e as ondas se aproximam
de forma mais paralela à costa e com menores alturas, gerando correntes longitudinais mais fracas. Portanto, era esperado
que neste ponto as concentrações de material particulado transportadas fossem menores do que nos outros locais, o que não
foi observado. O ponto Caravelas foi o que apresentou as maiores concentrações (até 1,042 g/l), seguido do ponto Atami,
que apresentou concentrações de até 0,796 g/l. Contrariamente ao esperado, o ponto afetado por processos erosivos (Praia
Brava) apresentou as menores concentrações de material transportado (até 0,326 g/l). Estes perfis de concentração obtidos
através dos dados de campo também foram comparados aos dados gerados através de um modelo de perfis (C-profiles),
que indicaram uma grande relação com a velocidade das correntes, onde as maiores velocidades resultavam em perfis
superestimados, quando comparados aos dados reais, e as velocidades menores resultaram em perfis subestimados. De
forma geral, os resultados suportam a predominância do transporte preferencial para norte, causando maior vulnerabilidade
aos processos erosivos na região da Praia Brava e Caravelas.
DESPLAZAMIENTO DE LA LÍNEA DE COSTA POR ACRECIÓN EÓLICA
Rubén López y Silvia Marcomini
Departamento de Geología, [email protected], [email protected], Facultad de Ciencias Exactas y Naturales,
Universidad de Buenos Aires Intendente Güiraldes 2160, Ciudad Universitaria, C1428EGA - Capital Federal. República
Argentina.
El sur del cabo de San Antonio es uno de los sectores marinos de mayor progradanción en los últimos 50 años en la costa
de la provincia de Buenos Aires. La capacidad de desplazamiento de la línea de costa está regulada fundamentalmente por
el proceso eólico, asociado a las características geomorfológicas y por las condiciones de humedad del área. Para obtener
la tendencia de la velocidad de desplazamiento de la línea de costa, se realizó un análisis geomorfológico secuencial, que
permitió determinar sus distintas posiciones debido al desarrollo de sucesivos cordones de dunas costeras. La velocidad
obtenida es de 5,7 m/año, lo que indica un desplazamiento de 288 m en los últimos 50 años. La utilización de indicadores
históricos para determinar la progradación costera permitió obtener valores cualitativos.
137
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ANÁLISE MORFO-SEDIMENTAR DA PRAIA, ANTEPRAIA E PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA
DA LINHA DE COSTA DO PARQUE NACIONAL DE JURUBATIBA- RJ
Giseli Modolo Vieira Machado
Doutoranda em Engenharia Ambiental da UFES, [email protected]
A análise morfo-sedimentar do sistema praia-antepraia-plataforma continental interna objetiva caracterizar e identificar os
processos hidrodinâmicos e morfo-sedimentares atuantes no referido sistema e analisar mais detalhadamente a aplicação
do conceito de perfil de equilíbrio (DEAN, 1977). É avaliada a hipótese de que o recobrimento sedimentar na antepraia
não controla a forma do perfil de equilíbrio, sendo o substrato reliquiar da antepraia o dominador de tal formato. Análises
histórico-geomorfológicas, oceanográficas e sedimentológicas da área e, observações de campo permitiram avaliar a
estabilidade da linha de costa na faixa costeira do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba – RJ. A forte erosão observada
na praia manifestou-se de maneira pontual, conseqüência de variações de: altura das ondas, principalmente de S, SW
e SSW; sedimentos finos e lamosos na antepraia e na plataforma continental interna e orientação da linha de costa. O
estado morfodinâmico refletivo da praia e a presença de areia muito fina e lama na antepraia dificultam o deslocamento
transversal dos sedimentos, incumbindo a deriva litorânea o papel principal de manutenção do material grosso neste sistema.
O histórico geológico-geomorfológico transgressivo da área favorece também uma maior instabilidade deste litoral. Os
desequilíbrios morfológicos observados na praia são compensados pelo grande volume de sedimentos mobilizados pela
corrente longitudinal de sentido sudoeste-nordeste. A aparente estabilidade desta praia pode estar comprometida caso
ocorram alterações do padrão de ondas, como por exemplo, a intensificação das frentes frias e/ ou, cesse ou seja reduzido o
trânsito longitudinal de sedimentos.
THE SOUTHERN BRAZILIAN SHELF: GENERAL CHARACTERISTICS, SEDIMENT DISTRIBUTION AND
QUATERNARY EVOLUTION
Michel Michaelovitch de Mahiques1*; Silvia Helena de Mello e Sousa1; Valdenir Veronese Furtado1; Moysés Gonsalez
Tessler1; Felipe Antonio de Lima Toledo1; Leticia Burone1; Rubens Cesar Lopes Figueira1; Daniel Andreas Klein2;
Cristina Celia Martins3 & Daniel Pavani Vicente Alves1
1 Institute of Oceanography of the University of São Paulo, Brazil; 2 Presently at Conservation International, Brazil;
3 Presently at CETESB, Brazil; (*) Corresponding Address: 05508-900 Praça do Oceanográfico, 191 - São Paulo SP
BRAZIL. E-mail: [email protected]
Extending from latitude 34oS to 22oS the Southern Brazilian shelf constitutes the only part of the Brazilian shelf with a
subtropical to temperate environment. The studies on the different geological aspects of the area began in the 1960´s and
have recently been reassessed after the studies related to the determination of the Economic Exclusive Zone. In terms
of morphology, the Southern Brazilian shelf may be divided into three sectors, the São Paulo Bight, the FlorianópolisMostardas Sector and the Rio Grande Cone, characterized by conspicuous differences in terms of geological determining
factors, bathymetry, declivities and the presence of canyons and channels. Despite the existence of hundreds of radiocarbon
datings the sea level changes curve of southern Brazil during the Last Glacial Cycle is still a matter of debate. A recent
controversy on the Middle and late Holocene sea level changes curve raised the question of the amplitude of the oscillations
which occurred in the period. Also, a few but relatively consistent radiocarbon datings suggest the occurrence of a high sea
level during Isotope Stage 3. In terms of sedimentary cover the Southern Brazilian shelf exhibits a very strong hydrodynamic
control, both latitudinal and bathymetrical. The sector southward from 25oS is characterized by the influence of the plume
of water carrying sediments originating from the Río de La Plata. Actually its presence is conspicuous up to 28oS, with the
area between this latitude and 24oS constituting a transitional zone. In terms of bathymetry the outer shelf is marked by the
“floor-polisher” effect of the Brazil Current, which is responsible for the maintenance of a relict facies in areas deeper than
100 meters.
138
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
ARQUITETURA SEDIMENTAR DOS SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS DA PLATAFORMA
CONTINENTAL AO LARGO DO ESTADO RIO DE JANEIRO, BACIA DE SANTOS-BRASIL
1
2
3
4
3
3
2
2
R. M. C. Maia , A. T. Reis , E. C. Alves , C. Gorini , C. G. Silva , A. Silva , J. V. Guerra & F. P. Fleming
1
2
3
Bolsista ANP-mestrado / LAGEMAR/UFF
- Brasil, Departamento de Oceanografia/UERJ - Brasil, Departamento de
4
Geologia LAGEMAR/UFF – Brasil, Université Pierre et Marie Curie-Paris 6, UMR 7072 75252 Paris cedex 05, France
Vários estudos de caso ao redor do globo abordam os diferentes aspectos arquiteturais e graus de preservação de seqüências
deposicionais de plataformas continentais quaternárias, resultantes de mudanças de nível de base e da relação entre taxa de
aporte e de acomodação sedimentar. Estudos dessa natureza, abrangendo grandes porções das plataformas continentais, são
ainda relativamente raros no Brasil, e mesmo inexistentes na plataforma continental adjacente ao Estado do Rio de Janeiro.
O presente estudo focaliza a organização e as modificações do registro sedimentar da plataforma continental da porção
nordeste da bacia de Santos, em função da intervenção de parâmetros, tais como as oscilações glacio-eustáticas e diferentes
taxas de acomodação sedimentar. O estudo baseia-se na interpretação de cerca de 4.000 km de linhas sísmicas monocanal das
Comissões Geomar XX e XVI coletadas com sistema Sparker, com penetração do sinal sísmico de cerca de 300-400 ms. A
análise sísmica realizada permitiu a identificação de 8 seqüências sísmicas progradacionais (SqC a SqA e Sq1 a Sq5, da mais
antiga para mais recente), limitadas por superfícies discordantes que sugerem processos erosivos por prolongada exposição
subaérea (discordâncias SA, SB, S1 a S5). As seqüências sísmicas foram agrupadas em dois conjuntos principais (I e II) em
função de suas configurações sismo-estratigráficas, separadas por uma discordância fortemente erosiva (Superfície S1): o
conjunto I (SqC a SqA) é composto por clinoformas progradantes oblíquas e/ou sigmoidais, revelando fácies sísmicas tanto
progradacionais como agradacionais; o conjunto II (Sq1 a Sq5) é caracterizado por clinoformas essencialmente oblíquas,
resultanto em seqüências sísmicas progradacionais. A análise sísmica também evidenciou variabilidade lateral na geometria
externa, na espessura e na extensão das seqüências sísmicas do conjunto II, no sentido leste-oeste da área de estudo: na porção
leste (adjacente ao segmento costeiro Cabo-Frio-Maricá), a maioria das seqüências sísmicas é pobremente preservada,
presente apenas na região de borda de plataforma continental como sistemas sedimentares regressivos, limitadas por
superfícies irregulares indicativas de fortes processos erosivos; já na porção oeste da área de estudo (adjacente ao segmento
costeiro Rio de Janeiro-Paraty), as seqüências sísmicas são mais espessas e alcançam a plataforma continental média/interna,
preservando sistemas deposicionais agradacionais (sistemas deposicionais transgressivos ou de mar alto ?). A variabilidade
da preservação das seqüências sísmicas no sentido leste-oeste indica um maior espaço de acomodação sedimentar na porção
oeste da área, sugerindo diferentes taxas de subsidência no sentido leste-oeste. Além disso, o cruzamento da base de dados
sísmicos com informações crono-estratigráficas fornece possíveis limites temporais para algumas seqüências/discordâncias
sísmicas mapeadas: a correlação das seções interpretadas com dados crono-estratigráficos de poços na bacia de Santos
indica que a seqüência sísmica SqB encontra-se na janela estratigráfica do Plioceno (Plioceno indiferenciado, datado a
250m de profundidade abaixo do fundo submarino na plataforma média, a -110m); enquanto a correlação com seções
sísmicas disponíveis na literatura indica que a discordância S1 é correlacionável a uma superfície regional da plataforma
continental da bacia de Campos, chamada de Marco P, cujos sedimentos sotopostos são datados em cerca de 0,5 Ma (MesoPleistoceno). Finalmente, a integração dos resultados da análise sísmica, das informações crono-estratigráficas disponíveis
e de dados de estratigrafia isotópica indicam que as 5 seqüências sísmicas (Sq1-Sq5) empilhadas sobre a superficie S1
(~0,5 Ma) tenham se depositado num intervalo temporal de cerca de 500 Ka, o que permite a suposição de que registrem
seqüências deposicionais relacionadas a ciclos glacio-eustáticos de cerca 100 ka de duração. Neste contexto, a seqüência
Sq5 representa a seqüência deposicional holocênica (em construção), composta por depósitos transgressivos (transgressive
lags) e de mar alto (infralittoral prograding wedges ?).
GEOFORMAS Y VEGETACIÓN EN LA RESERVA DE FARO QUERANDÍ, PROVINCIA DE BUENOS AIRES
Silvia Marcomini 1, Rubén López1, Nora Madanes2, Pablo Picca 3 y Lila Bertolín4 5
Departamento de Geología, [email protected], [email protected] 2 Departamento de Ecología Genética
y Evolución, [email protected] 3 Departamento de Biodiversidad y Biología Experimental, [email protected]
uba.ar. Facultad de Ciencias Exactas y Naturales Universidad de Buenos Aires. Intendente Güiraldes 2160, Ciudad
Universitaria, C1428EGA - Capital Federal República Argentina.4 CONICET, [email protected] 5 Instituto Antártico
Argentino
1
La reserva Faro Querandí constituye una de las únicas áreas costeras donde el campo de dunas litoral se conserva en estado
139
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
natural. Por otro lado es uno de los principales reservorios de arena de intercambio para la alimentación de las playas de
las localidades costeras construidas sobre la barrera medanosa. Por este motivo se ha elegido este sector como escenario
natural para evaluar el balance y la geomorfología eólica y su relación con la cobertura vegetal, cuyo equilibrio condiciona
directamente la estabilidad de las playas aledañas. Se realizó un relevamiento morfológico, morfométricos y de vegetación
durante los meses de Diciembre de 2008 y Enero de 2009, en coincidencia con uno de los registros climáticos más secos
de la provincia de Buenos Aires. Las características morfológicas del paisaje permitieron diferenciar tres campos de dunas
dependiendo de la actividad eólica presente en la actualidad: un campo activo, un campo semestabilizado y un campo
estabilizado. En el campo activo se reconocieron como geoformas principales crestas barjanoides, barjans y dunas costeras.
Las crestas barjanoides reversibles son las geoformas con mayor actividad, la vegetación se halla establecida solamente en
los sectores interdunales con presencia de Spartina coarctata, Cakile maritima y Panicum racemosum. La duna costera posee
una cobertura vegetal del 22 %, siendo dominante P. racemosum y acompañantes Calycera crassifolia, Cortaderia selloana
y Ccakile maritima. Como geoformas del campo semiestabilizado se observaron dunas degradadas y dunas en voladura. En
las primeras se reconoció una asociación de P. racemosum, Hydrocotyle bonariensis y Calycera crassifolia. Las dunas en
voladura tienen en sus lóbulos de acumulación un 36% de cobertura total de plantas y poseen como especies dominantes a
P. racemosum y H. bonariensis y como acompañantes a Androtichum trigynum. El campo de dunas estabilizado tiene como
especies dominantes en las dunas parabólicas complejas a Achyrocline satureoides, P. racemosum y Tessaria absinthioides
y especies acompañantes Cortaderia selloana e H. bonariensis. Los interdunales presentaron la mayor cobertura total de
plantas (100 %) con superposición de estratos. En los bajos de mayor profundidad se halló como especie dominante a Typha
sp. y como acompañantes a Mikania parodii, Eleocharis aff. viridans e H. bonariensis. En los más someros, en cambio,
dominaron Melilotus aff indicus, Eleocharis aff viridans, Melilotus albus, C. selloana e H. bonariensis.
Paleoecología de foraminíferos en un testigo holoceno en la planicie
costera de la laguna Mar Chiquita.
Melina Márquez y Laura Ferrero
Instituto de Geología de Costas y del Cuaternario, C.C.722, C. Central, (7600) Mar del Plata
[email protected], [email protected]
Se estudiaron las asociaciones de foraminíferos en un testigo de 182 cm obtenido mediante el sistema vibracore al este
de la laguna costera Mar Chiquita en el sector llamado La Lagunita (37º36’52,91”S; 57º20’32,16” O). El objetivo de este
trabajo fue obtener información paleoecológica que permita reconstruir la evolución de los paleoambientes representados
en esa secuencia depositada durante el Holoceno medio y tardío. Se contó con dos dataciones radiocarbónicas realizadas
sobre moluscos que arrojaron edades de 5130 ± 50 años C14 AP y 2570 ± 70 años C14 AP (a aproximadamente 56 cm y 25
cm, respectivamente). Fueron estudiadas 20 muestras a intervalos de 10 cm aproximadamente, en las que se determinaron
los taxones presentes hasta la categoría de especie y las abundancias absolutas, se calcularon las frecuencias relativas de las
distintas especies en cada muestra y se realizaron análisis de agrupamiento usando el coeficiente de Momento Producto de
Pearson. Bucella peruviana (d’Orbigny) f. campsi (Boltovskoy) y Elphidium discoidale (Boltovskoy) fueron registradas en
la totalidad de los niveles estudiados. En base a los resultados obtenidos a partir de los análisis cualitativos y cuantitativos, se
pudo dividir a la secuencia La Lagunita en cuatro secciones. La sección A (182-179 cm) que corresponde a un nivel de arcilla
gris con abundantes conchas de moluscos, fue poco diversa y dominaron las especies Elphidium gunteri Cole y Ammonia
beccarii (Linné), siguiendo en abundancia, B. peruviana f. campsi. Las secciones B y C (179-52 cm) corresponden a un
nivel de arena fina masiva con clastos intraformacionales de arcilla gris y escasas conchas de moluscos marinos. La sección
B (179-76 cm) fue la más diversa, se observó un aumento en las frecuencias de B. peruviana f. campsi y E. discoidale,
una abrupta disminución de E. gunteri y A. beccarii y también se registraron importantes proporciones de miliólidos. La
sección C (76-52 cm), que hacia arriba presenta una mayor abundancia de conchas fragmentadas y abradidas de moluscos
marinos, fue menos diversa que la anterior, las frecuencias de B. peruviana f. campsi y E. discoidale se mantuvieron con
los mismos valores con respecto a la sección anterior y A. beccarii y E. gunteri aumentaron. Finalmente, en la sección D
(52-0 cm), que corresponde a un nivel de arcilla gris masiva con abundantes conchas de bivalvos estuáricos articulados y
en posición de vida, las frecuencias de E. gunteri y A. beccarii aumentaron abruptamente, siendo esta sección la menos
diversa. Sobre la base de las asociaciones de foraminíferos registradas en el testigo La Lagunita, se pudieron reconocer
cuatro etapas principales en la evolución paleoambiental que podrían responder a los cambios del nivel del mar ocurridos
durante el último ciclo transgresivo-regresivo Holoceno. En una primera etapa (sección A) habrían prevalecido condiciones
140
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
estuáricas de baja salinidad y que pueden ser asociadas a una situación anterior a la transgresión marina holocena. Luego,
en una segunda etapa (sección B) el ambiente habría evolucionado hacia condiciones más marinas que son consistentes con
el máximo transgresivo holoceno. Con posterioridad a los 5000 años AP, esta influencia marina comienza a disminuir (C)
observándose una progresiva evolución hacia ambientes más restringidos, salobres y de baja energía (D) lo que respondería
al establecimiento de la barrera medanosa propuesta por otros autores durante la fase regresiva de la transgresión holocena.
Sin embargo, debido a que la primera datación (5130 ± 50 años C14 AP) fue realizada sobre un nivel medio-superior del
testigo y que presenta una mezcla tafonómica de varias especies de moluscos, sería necesario contar al menos con otra
datación hacia la base de la secuencia para ajustar mejor la cronología de esta secuencia.
INDICADORES BIOLOGICOS Y NIVELES RELATIVOS DEL MAR PARA EL CUATERNARIO EN
URUGUAY. EL PROBLEMA
Sergio Martínez, Alejandra Rojas y Mariano Verde
Dpto. Evolución de Cuencas, Facultad de Ciencias, Iguá 4225, 11400 Montevideo, Uruguay. [email protected]
A lo largo de la costa Uruguaya, entre Fray Bentos y la Laguna Merín, se encuentra una razonable cantidad y continuidad
de afloramientos con depósitos cuaternarios marinos o estuarinos, ya sea del Pleistoceno Tardío como del Holoceno. Gran
parte de los mismos contiene asociaciones de moluscos y un buen número de ellas han sido datadas radiocarbónicamente
y estudiadas desde varios puntos de vista, incluyendo Taxonomía, Tafonomía y Paleoecología. La mayor parte de las
asociaciones fosilíferas encontradas son parautóctonas y presentan mezcla temporal (“time averaging”) para la escala del
Cuaternario y están incluidas en cordones cuyos posibles lugares de depósito bajo la columna de agua brindan un rango
demasiado amplio para los posibles cambios de nivel del mar que se quieren discernir (metros). Esto implica que podamos
registrar simplemente la presencia de niveles positivos y sus niveles de cota, pero sin poder refinar las inferencias (Martínez
& Rojas, 2006). Como una de las maneras de lograr un mejor nivel de precisión, se ha buscado localizar depósitos con
bivalvos infaunales sepultados in situ (o sus icnofósiles), y discutir su capacidad para cuantificar el nivel del mar efectivo
para estos niveles positivos. Por el momento, dos candidatos han surgido. Uno de ellos es Tagelus plebeius, que ha sido
hallado en esta situación favorable en capas pleistocenas con cota 0 (edades mínimas 14C mayores de 30.000 años, edad
inferida alrededor de 126.000 años, piso isotópico 5e) (localidades Zagarzazú y La Coronilla) (Martínez et al., 2001; Rojas
& Martínez, 2004), y holocenas (localidades: Playa Pascual ca. 5870 años 14C, cota ca. 0,4 m; Arroyo Sarandí, sin edad
propia, una localidad a 1 km presenta ca. 4790 años 14C, cota ca. 0,4 m; Arroyo Pando ca. 6630 años 14C, cota ca. 0.5 m)
(Martínez et al., 2006; Rojas & Martínez, 2004). Se están evaluando actualmente algunos factores que inciden en el cálculo
a ser realizado, como profundidad de enterramiento, altura de la columna de agua por encima, densidad de las poblaciones
y predación. Las edades fueron obtenidas mediante el método 14C convencional y calibradas –para el Holoceno- mediante
el programa CALIB 4.4.1 (Stuiver & Reimer, 1993), con datos de calibración de Stuiver et al. (1998), asumiendo un
delta 13C de 15 +/- 2/oo y un delta R de 82 +/- 46. El otro candidato, con márgenes verticales también en evaluación, es el
icnofósil Gastrochaenolites, que ha sido ubicado en tres localides (La Negra, cota ca. 5 m; San Pedro, cota ca. 4,5 m y
Arroyo Caño, cota ca. 2 m), sobre sustrato del Mioceno (Fm. Camacho) (Verde, 2003) pero con relleno muy probablemente
pleistoceno, con datación más precisa en curso (TL/OSL). Otros posibles indicadores, como balanomorfos in situ, no han
sido encontrados por el momento. Contribución al Proyecto ANII FCE2007-058.
Martínez, S. & A. Rojas. 2006. Oscilaciones del nivel del mar durante el Cuaternario en Uruguay. Incertidumbres y certezas.
Res. 9º Cong. Arg. Paleont. Bioestrat.: 71.
Martínez, S, M. Ubilla, M. Verde, D. Perea, A. Rojas, R. Guérèquiz & G. Piñeiro. 2001. Paleoecology and
Geochronology of Uruguayan Coastal Marine Pleistocene Deposits . Quat. Res. 55: 246-254.
Martínez, S., A. Rojas., M. Ubilla, M. Verde, D. Perea & Piñeiro G. 2006. Molluscan assemblages from the marine Holocene
of Uruguay: composition, geochronology and paleoenvironmental signals. Ameghiniana 43: 385-398.
Rojas, A. & S. Martínez. 2004. Nuevas dataciones radiocarbónicas para el Cuaternario marino de Uruguay. Actas IV Cong.
Urug. Geol., CD-ROM, 2 pp.
Stuiver, M. & P. J. Reimer. 1993. Extended 14C database and revised CALIB radiocarbon calibration program. Radiocarbon
35: 215-230.
Stuiver, M., P.J. Reimer, E. Bard, J.W. Beck, G.S. Burr, K.A. Hughen, B. Kromer, F.G. McCormac, J. v. d. Plicht & M.
141
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Spurk. 1998. INTCAL98 Radiocarbon age calibration 24,000-0 cal BP. Radiocarbon 40: 1041-1083.
Verde, M. 2003. The significance of a densely bored surface at the top of the Camacho Formation (Late Miocene) of
Uruguay. APA Publ. Esp. 9:169-175.
ESTUDO DA DINÂMICA COSTEIRA DA PRAIA DE PONTA NEGRA, NATAL, RIO GRANDE DO NORTE,
BRASIL.
Ana Catarina de Almeida Moura1,2; Helenice Vital2,3; Gustavo Rodrigues Rocha2,4; Artur Alexandre Macena Oliveira2,5 &
Everton Nóbrega Barbosa2,5
[email protected] ; 2 Departamento de Geologia - UFRN. 3 Pós-Graduação em Geodinâmica e GeofísicaPPGG, PRH-ANP 22, Pesquisador CNPq. ([email protected]) 4 Bolsista IC ANP, PRH-ANP 22. 5 Bolsista IC
CNPq.
1
O presente trabalho de monitoramento resulta da preocupação relativa à ocupação desordenada na orla da praia de
Ponta Negra, principal praia urbana da cidade de Natal, estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Nesta praia observamse atividades pesqueira, turística, comercial, de lazer e esportiva, sem que necessariamente sejam respeitadas a dinâmica
costeira e/ou a vulnerabilidade ambiental da área, portanto, se fazendo necessário o estudo dos processos naturais que regem
aquele ambiente, justificando e direcionando futuras tomadas de decisão dos órgãos públicos competentes, como medidas
mitigadoras adequadas. A área de estudo se localiza na cidade de Natal, estado do Rio Grande do Norte, no Nordeste do
Brasil. Esta porção do litoral leste do estado se encontra geologicamente inserida na Bacia Sedimentar de PernambucoParaíba, sendo observadas na área de estudo, as unidades mais recentes da estratigrafia da referida Bacia, correspondendo
à Formação Barreiras, que faz pare da Seqüência N20 – N50, que tem início no Mioceno inferior/médio e, principalmente
os Sedimentos de Praia e Aluviões, datados do Pleistoceno e constante na Seqüência N60 que ocorre na porção emersa da
Bacia e, neste caso, constituída pelos sedimentos que compõem os cordões litorâneos ao longo da costa. A metodologia
utilizada neste trabalho constou de levantamentos mensais, nas marés de sizígia, de dados hidrodinâmicos na preamar
e planialtimétricos na baixa-mar. No levantamento hidrodinâmico foram obtidos dados de ondas, correntes e ventos, e
para isso foram utilizados equipamentos como balizas, flutuadores, régua graduada, biruta, anemômetro, cronômetro. Os
dados planialtimétricos foram adquiridos com um GPS geodésico do tipo L1 L2, com antenas Hiper Lite +, composto por
dois GPS: um base e outro móvel, e um com computador de mão utilizado para orientação e configuração do sistema em
tempo real. Os resulatdos obtidos permitem a geração de Modelo Digital de Terreno para cada mês coletado, permitindo
comparações mensais de morfologia e cálculos de volume de sedimento a partir dos MDTs para a determinação de taxas de
erosão e deposição periódicas na área recoberta. O produto deste trabalho são taxas de erosão e deposição mensais/sazonais
que, correlacionadas com os dados hidrodinâmicos obtidos, permitem uma discussão/investigação dos fatores ambientais
que tem maior contribuição para o transporte de sedimentos e a sua sazonalidade.
VARIAÇÃO DIÁRIA DE CORRENTES, SALINIDADE E MATERIAL PARTICULADO EM SUSPENSÃO EM
UM PONTO DO SISTEMA ESTUARINO DA BAÍA DE VITÓRIA – ES
Marcel G. Moura*1, Paulo Veronez Jr*2, Alex C. Bastos*3, e Valéria S. Quaresma*4
* Programa de Pós-Graduação em Oceanografia Ambiental. Departamento de Oceanografia e Ecologia,
UFES – Brasil. 1 E-mail: [email protected], [email protected], [email protected],
[email protected]
Stratification occurs when prevailing estuarine hydrodynamics have no power to cause complete vertical mixing. This study
aims to investigate daily variations on currents, salinity and suspended particulated matter in a shallow region of Vitória Bay
(Espirito Santo State, SE Brazil). The investigation was carried out by sampling the water column and deployment of optical
(OBS) and acoustic (ADP and ADV) equipments. The deployment was undertaken during neap tides, in two consecutive
days. A major difference was observed between the two days of field work. During the first day (16/05/2008) results
indicate a partially stratified water column, mainly during the padding of the tide. During the second day (17/05/2008)
142
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
no stratification was observed and a mixed water column was present, despite the short time interval between the surveys
(approximately 12h). Also, SPM concentration was higher and much more widespread through the water column when
compared to day 1. Estuaries commonly have distinct characteristics of the water column throughout the year, but usually
this is commonly related to seasonal patterns in fluvial regime or major phases of tidal range. Herein, the difference in tidal
range within neap tides seems to be responsible for the observed changes, and, therefore, should also be considered.
MONITORAMENTO DO ROMPIMENTO DO ESPORÃO DA RESTINGA DO ARARAPIRA – LITORAL SUL
DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL
Marcelo Eduardo José Müller 1, Rodolfo José Angulo 2, Maria Cristina Souza 2 & Eduardo Marone 3
Pós Graduação em Geologia – Universidade Federal do Paraná [email protected] 2 LECost - Laboratório
de Estudos Costeiros, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil ([email protected], [email protected]). 3
Grupo de Física Marinha, Centro de Estudos do Mar, Universidade Federal do Paraná [email protected]
1
A restinga do Ararapira apresenta aproximadamente 16 km de extensão e largura média de aproximadamente 400 m.
Representa a porção extremo sul do estado de São Paulo. O Canal que a separa do continente é conhecido como Canal do
Ararapira, sendo este também o demarcador costeiro entre os estados de São Paulo e Paraná. O Canal do Ararapira, em seu
curso meandrante em direção à desembocadura, erode as margens côncavas e deposita nas convexas. A erosão nas margens
côncavas se intensifica com a passagem de frentes frias que empilham água na costa. Quando ocorre a coincidência do
término dos ventos do quadrante Sul com uma maré vazante de sizígia, este efeito é intensificado. A erosão das margens
côncavas na restinga do Ararapira provocou três estreitamentos com largura inferior a 100 m. O mais estreito destes
apresenta uma alta taxa de erosão, podendo se romper ainda nesta década. Foi monitorada a largura do esporão in situ, do
limite entre a vegetação e a areia na margem interna até o mesmo limite na margem oceânica, nas seguintes datas: novembro
de 2006, fevereiro de 2007, maio de 2007, outubro de 2007, abril de 2008, agosto de 2008, dezembro de 2008 e abril de
2009. A metodologia utilizada foi a de nivelamento topográfico com nível, mira e trena. A largura do esporão em novembro
de 2006 era de 19,58 m, chegando a ficar com 17,35 m em outubro de 2007. A partir desta data, o esporão voltou a ampliarse, apresentando 26,44 m em abril de 2009. No entanto, para maiores conclusões sobre o processo de estreitamento do
esporão, é necessário analisar os efeitos de erosão e/ou progradação em cada margem, em separado. Na margem do Canal
do Ararapira a linha de costa sofreu uma erosão contínua no período monitorado, totalizando três metros de recuo entre
novembro de 2006 e abril de 2009. Na margem oceânica, houve tanto processos de erosão, como de progradação da linha
de costa, porém, no balanço geral, de novembro de 2006 até abril de 2009, houve a progradação de 9,25 m. Os resultados
indicam que na margem interna do Canal do Ararapira a erosão é lenta e contínua, sendo provocada pela ação erosiva das
correntes de maré nas margens côncavas do Canal. Já, na margem oceânica, os processos alternados de erosão e progradação
são mais rápidos, devido à ação de ondas.
PETROGRAFIA DE BEACHROCK EM AMBIENTE OFFSHORE ADJACENTE AO LITORAL NORTE DO
RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL
Izaac Cabral Neto1; V.C. Córdoba1,2 & H. Vital1,2,3
Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica – UFRN, PRH-ANP22 ([email protected],
[email protected], [email protected]). 2Departamento de Geologia – UFRN. 3Pesquisadora CNPq - UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Caixa Postal 1596, CEP. 59072-970, Natal/RN, Brasil. Laboratório de
Geologia e Geofísica do Petróleo - LGGP, sala 18.Fone: ++55 84 3215-3727 ramal 34.
1
O nordeste brasileiro possui um litoral marcado por afloramentos rochosos de arenitos de praia, beachrocks, paralelos à
atual linha de costa e situados em regiões de intermaré a submaré. A presença desses afloramentos também é constatada
em ambiente offshore, como ocorre na plataforma norte do Rio Grande do Norte (RN). Os afloramentos offshore dessa
143
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
plataforma nunca foram analisados a partir do ponto de vista petrográfico. Visando suprir essa lacuna, um afloramento
situado a 18 km offshore da linha de costa, paralelo aos municípios de Galinhos e Guamaré (RN) foi selecionado para o
desenvolvimento de estudos petrográficos. Esse corpo, com profundidades de até 25 m, é reconhecido nas cartas náuticas da
Diretoria de Hidrografia e Navegação como Urca do Minhoto. Para delimitação desse afloramento empregou-se um recorte
da cena 215-063 do Landsat 7ETM+ com aplicação de técnicas de processamento digital de imagem. A combinação RGB123 e ferramentas de realce linear e filtro gaussiano passa-baixa foram aplicadas à imagem. Amostras da Urca do Minhoto
foram coletadas com auxílio de mergulhador profissional provido de GPS, marreta (1,5 kg), talhadeira de metal e sacos
plásticos. Tais amostras foram analisadas de forma qualitativa e quantitativa sob microscópio petrográfico convencional e
sem a utilização de lamínulas. Azul de oracet B foi empregado para identificação e quantificação da porosidade da rocha.
Quartzo, bioclastos, feldspatos e fragmentos de rocha, respectivamente em ordem decrescente de porcentagem, formam os
principais constituintes do arcabouço. O cimento de carbonato de cálcio está presente sob as formas micrítica, espática e
em franja, precipitado tanto no interior dos poros como nas bordas dos grãos. Uma película escura de óxido de ferro ocorre
ao redor dos siliciclastos antecipando a precipitação do cimento carbonático. A fração granulométrica varia desde areia
muito fina até grânulo, que pode ser resultado de variações no meio deposicional. O empacotamento frouxo é reflexo da
cimentação precoce da rocha, que ocorreu provavelmente em ambiente de soterramento raso (eodiagênese?). O cimento,
tipicamente carbonático, e o arcabouço sugerem que essas rochas podem ser enquadradas como beachrock.
Palavras-chave: beachrock; petrografia; Urca do Minhoto.
INVESTIGAÇÃO PRELIMINAR DE RADIOLÁRIOS EM SEDIMENTOS QUATERNÁRIOS
DO GOLFO DA CALIFÓRNIA: TESTEMUNHO K47
N. Z.G. Passos1 & L. Perez-Cruz2
PPGGL, Departamento de Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Geofísica, Universidad Nacional Autônoma de México
1
2
Instituto de
Investigações sobre a ocorrência e distribuição de radiolários em comunidades oceânicas pretéritas resultam em importantes
fontes de dados para estudos bioestratigráficos, paleoecológicos, paleoceanográficos, paleoambientais, entre outros. As
análises de biofácies de radiolários em depósitos quaternários marinhos, em áreas de ressurgência no golfo da Califórnia,
mostram resultados no aumento da produtividade biológica marinha onde a preservação da sílica é reconhecidamente
relevante. Conforme registros prévios, a fauna de radiolários no golfo é abundante e diversificada. Esses elementos tornam
esta área importante para o estudo da sedimentação silicosa, possibilitando o estabelecimento de modelos que poderão ser
utilizados em outras áreas geográficas auxiliando no conhecimento geológico de áreas subsaturadas em sílica, como nos
depósitos Quaternários da Margem Continental Brasileira. O golfo da Califórnia é uma bacia oceânica que teve o início
de sua formação ~ 4 M.a. e faz parte da província de expansão localizada no limite entre a placa do Pacífico e a placa
Norte americana. Está localizada aproximadamente entre 23°- 32° de latitude norte e 107°- 115° de longitude oeste e é
uma área bastante estudada por sua importância científica e econômica. O material analisado consta do testemunho K47
(143 cm), perfurado a uma profundidade de 830m através de um nucleador de gravidade tipo kasten (kasten core) com
uma estrutura laminada, cuja seqüência sedimentológica é fundamentalmente constituída de sedimento lamoso. Optouse por dividir o testemunho de 3 em 3 cm, para que desta forma acusasse a maior representatividade dos radiolários
encontrados. As 143 amostras foram processadas pelo método tradicional de recuperação de radiolários do Quaternário
e confeccionadas 48 lâminas permanentes que foram fotografadas e editadas. Os 168 táxons encontrados nas amostras
foram identificados com base na morfologia esqueletal de acordo com a classificação apresentada por Benson (1966, 2003,
2005), Molina Cruz (1982, 1983), Boltovskoy (1998), De Wever (2001) e Van de Paverd (2005) , sendo distribuídas em 3
ordens, 33 famílias e 84 gêneros. O trabalho é o resultado preliminar da análise de ocorrência de radiolários nos sedimentos
holocênicos marinhos do golfo da Califórnia, onde a preservação de elementos silicosos é significativa, e a riqueza do
material encontrado possibilitarão a comparação com as espécies encontradas no Oceano Atlântico Sul.
Palavras chave: Golfo da Califórnia, Radiolários, Quaternário
144
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
VARIAÇÃO SAZONAL DO ESTOQUE SEDIMENTAR E DA VEGETAÇÃO DA DUNA FRONTAL NA PRAIA
DO SANTINHO, ILHA DE SANTA CATARINA, BRASIL
Janice Rezende Vieira Peixoto¹, Norberto Olmiro Horn Filho², Tânia Tarabini Castellani³, Ulisses Rocha de Oliveira4
¹Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, [email protected];
²Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, [email protected]; ³Departamento de Ecologia
e Zoologia, Universidade Federal de Santa Catarina, [email protected]; 4Departamento de Geografia, Fundação
Universidade Federal de Rio Grande, [email protected]
Este trabalho tem como objetivos avaliar a variação sazonal do estoque sedimentar e descrever a variação sazonal da
cobertura vegetal da duna frontal em uma praia arenosa oceânica do litoral da ilha de Santa Catarina, localizada na costa
Sudeste do Brasil, nas coordenadas geográficas de 27°27’26.9” de latitude sul e 48°22’30.0” de longitude oeste. A praia
do Santinho, situada na costa Nordeste da ilha de Santa Catarina, apresenta 1.908 m de extensão, 54 m de largura média e
declividade de 3° do setor de ante praia superior. Representa morfologicamente uma típica praia de bolso, cujos aspectos
oceanográficos se caracterizam pela presença de fortes ondas, principalmente quando sujeitas à ventos do sul, estando
sempre presentes correntes litorâneas tanto as longitudinais como as de retorno. Através do monitoramento praial e aplicação
de parâmetros morfodinâmicos têm sido possível a proposição de um modelo seqüencial de evolução morfológica para
praias arenosas oceânicas da ilha de Santa Catarina sujeitas à ação de moderado-alta energia de onda sob ação de regime de
micro maré. Da mesma forma, a distribuição das espécies vegetais da duna frontal está diretamente ligada com os processos
dinâmicos que determinam um perfil praial. Alguns estudos têm demonstrado que em períodos acrescivos praiais ocorre uma
expansão da vegetação, enquanto que em períodos erosivos praiais, a tendência é de retração da cobertura vegetal. O nível
de energia das praias pode também determinar diferenças de riqueza e padrão de zonação de espécies da duna frontal. Para
a caracterização do estoque sedimentar na praia do Santinho foi realizado um monitoramento praial mensal a partir de três
perfis transversais à linha de costa atual, localizados nos setores sul, central e norte da praia, entre os meses de novembro de
2002 à janeiro de 2004. A extensão de cada perfil foi considerada do reverso da duna frontal até a face praial, sendo avaliada
pelo método de nivelamento topográfico, com uso de nível automático e mira graduada. A cobertura vegetal foi avaliada
sazonalmente, da primavera de 2002 à primavera de 2003, sempre ao final de cada estação, tendo sido realizada em pontos
fixos ao longo dos perfis topográficos, utilizando-se o método do ponto. Em cada amostragem foram avaliados o número
de espécies e a porcentagem de cobertura vegetal de cada uma delas. Destacam-se entre as espécies vegetais presentes
Paspalum vaginatum Sw., Dalbergia ecastaphyllum (L.) Taub., Ipomoea imperati (Vahl) Griseb., Eragrostis lugens Nees,
Panicum racemosum (P. Beauv.) Spreng., Ipomoea pes-caprae (L.) R. Br. e Senecio crassiflorus (Poir.) DC. No período
de monitoramento, a praia do Santinho mostrou uma tendência à bi sazonalidade em seus perfis, ocorrendo acréscimo na
primavera e no verão e feições mais erosivas durante o outono e inverno. Quanto ao volume sedimentar, verifica-se que na
primavera/verão ocorreu o máximo acréscimo de sedimentos atingindo 34,59 m/m3 no setor sul; 26,16 m/m3 no setor central
e 32,32 m/m3 no setor norte. O máximo erosivo ocorreu no outono (junho) nos três setores, com média de (-) 33,70 m/m3.
Este mesmo comportamento foi observado para a cobertura vegetal. Na primavera/verão ocorrem os maiores valores na
média de incremento de vegetação, com porcentagens de 4,6% no setor sul; 1,77% no setor central e 1,39% no setor norte.
No outono/inverno predominam médias menores, com valores de (-) 1,24% para o setor sul; (-)1,89% para o setor central e
(-) 1,21% para o setor norte, mostrando uma tendência à sazonalidade de expansão e redução da vegetação.
*Apoio financeiro da FAPESC – Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica de Santa Catarina (CP03/2006
UNIVERSAL) e apoio institucional do PPGG/UFSC - Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal
de Santa Catarina.
INVESTIGAÇÃO GEOFÍSICA DO BAIXO DA BOCA DO RIO - PLATAFORMA CONTINENTAL
DO MUNICÍPIO DE SALVADOR - BAHIA - BRASIL.
Pedro Moreira Santos Pereira & José Maria Landim Dominguez
Laboratório de Estudos Costeiros - Universidade Federal da Bahia
A plataforma continental do município de Salvador apresenta uma feição submarina, na sua porção interna/média, caracterizada por uma reentrância batimétrica denominada Baixo da Boca do Rio onde existe uma expressiva acumulação de sedimentos lamosos. O estudo desta região é importante, pois representa um exemplo de transição areia-lama, com implicações
para condições físico-químicas, biológicas e sedimentológicas do fundo. Areias e lamas possuem características distintas
145
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
pois abrigam diferentes comunidades bentônicas, exibem diferentes propriedades acústicas e adsorvem teores diferenciados
de metais e matéria orgânica. Comparando com outras regiões semelhantes no litoral norte baiano, ou seja, depressões com
acumulações lamosas, a única feição que não está associada a grandes desembocaduras fluviais importantes é o Baixo da
Boca do Rio. Desta forma, o presente trabalho teve como objetivo principal investigar a morfologia da distribuição superficial e espessura dos sedimentos finos presentes no Baixo da Boca do Rio. Os registros obtidos por meio do levantamento
sísmico de alta resolução (Perfilagem de Subfundo) foram tratados por dois aplicativos distintos: Discover Sub-Bottom da
EdgeTech para extrair os dados de batimetria e os coeficientes de reflexão do substrato; e SonarWiz.MAP da Chesapeake
Technology Inc., para determinar a espessura mínima das camadas sedimentares presentes na área de estudo. Os dados obtidos foram exportados para o aplicativo ArcGIS 9.2 da ESRI, onde foram interpolados pelo método Inverso do Quadrado
da Distância, para construção de mapas, mostrando a distribuição espacial das propriedades analisadas. A integração dos
dados no Sistema de Informações Geográficas permitiu produzir um mapa batimétrico, um mapa do coeficiente de reflexão
do substrato e um mapa de espessura sedimentar mínima. A batimetria obtida mostra uma morfologia semelhante àquela
descrita em outros trabalhos anteriores, ou seja, uma reentrância das isóbatas, definição dos limites do Baixo da Boca do
Rio. A quebra está situada a cerca de 8 quilômetros da linha de costa em profundidades em torno de 70m. Os Coeficientes de
Reflexão apresentam valores entre 46 e 97%, com os menores valores de reflexão associados às regiões centrais do Baixo da
Boca do Rio, onde os sedimentos são mais finos, enquanto que os valores maiores estão associados a substratos duros, como
afloramentos rochosos nas bordas do Baixo da Boca do Rio e em algumas partes da sua porção central. O mapa de espessura
sedimentar mínima mostra que as regiões com maiores espessuras de sedimentos estão próximas à linha de costa, atingindo
uma espessura máxima de 28 metros, e na região próxima à quebra da plataforma (em torno de 35 metros). Neste trabalho,
também foi possível definir 5 tipos de ecocaracteres distintos ocorrentes no Baixo da Boca do Rio, sendo estes: Substrato
Consolidado Liso, Substrato Consolidado Rugoso, Sedimento com forte Reflexão, Sedimento com Fraca Reflexão e Sedimentação com Geometria em Drape. Os dados obtidos permitiram assim um maior aprofundamento do conhecimento
sobre o Baixo da Boca do Rio em relação as suas características morfológicas, batimétricas, texturais e sedimentares. Estas
informações serão úteis para avaliar os impactos futuros advindos de descargas pontuais do segundo emissário submarino,
atualmente em construção neste local.
DISTRIBUIÇÃO DOS COMPONENTES BIOGÊNICOS DO SEDIMENTO NA ÁREA DO CANAL DE
SALVADOR, BAÍA DE TODOS OS SANTOS, BAHIA
Carolina de Almeida Poggio1, Facelúcia Barros Côrtes Souza2, Orane Falcão de Souza Alves3, José Maria
Landim Dominguez4
Programa de Pós-graduação em Geologia, UFBA, e-mail: [email protected] 3Instituto de Biologia, UFBA,
e-mail: [email protected]
1,2,4
This study presents a preliminary analysis of biogenic composition for bottom sediments collected at the Salvador Channel,
one of the main accesses to the Todos os Santos Bay. In order to characterize the biogenic composition and identify the
groups of organisms contributing to the production of recent carbonatic sediment, samples of bottom sediments were
used; 300 grains were recorded in grain fractions larger than 0.125mm. The occurrence of biogenic sediments is inversely
proportional to deepness and directly proportional to carbonate rate. Among the carbonatic biogenic components, the more
representative ones were the mollusks, with a 30.2% frequency. Additionally, mollusks are the organisms most actively
contributing with the current carbonatic sediment of the site, since in almost every sampling station their shells are well
preserved.
EVIDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR EM UM DELTA DE MARÉ
ENCHENTE NO LITORAL DO PARANÁ.
Suzimara Possenti & Marcelo R. Lamour
LOGEO – Laboratório de Oceanografia Geológica – Centro de Estudos do Mar – Universidade Federal do Paraná. Caixa
Postal 50.002 – Pontal do Paraná – Paraná – Brasil. [email protected]
A ilha do Mel é um importante destino turístico no litoral do Paraná, o que fomenta o desenvolvimento da estrutura urbana
em detrimento das Unidades de Conservação. Entre 1990 e 2003, esta ilha apresentou tendência erosiva em diversos pontos,
146
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
culminando na sua divisão no ano de 2001. O Saco do Limoeiro compõe um hemi-delta de maré enchente, localizado na sua
porção oriental, onde existem são observadas feições de fundo como ondas de areia e pequenas ondulações do substrato.
Suas praias foram classificadas como terraços de baixa-mar reflexivos de circulação normal. O objetivo deste trabalho é
testar a aplicabilidade da relação “profundidade do corpo de água – velocidade do fluxo – tamanho de grão”, sobre o limiar
de transporte sedimentar. Esta relação, quando plotada em um diagrama de campos de formas de fundo, indica o campo
de formas de fundo resultante da interação entre estes três fatores. Os resultados plotados neste diagrama indicam se o
ambiente apresenta campos sem formas de fundo, com formas de fundo pequenas, com formas de fundo grandes, ou com
leito plano de fluxo superior. Para este estudo foram selecionados 2 locais próximos ao istmo arenoso da Ilha do Mel. O fator
selecionado em primeira instância foi a profundidade do corpo aquoso, sendo denominados C-1 e C-2 (profundidades de ~1
e ~3 m, respectivamente). As campanhas de amostragem foram realizadas em período de maré de sizígia com tempo bom,
abrangendo ¼ de ciclo de maré enchente. Uma filmadora foi fixada no substrato sedimentar com o intuito de observação da
velocidade de deslocamento das formas de fundo e o grau de deformação imposto pelo fluxo de água sobre as cristas. Uma
armadilha de sedimentos foi fundeada na área para mensuração do volume sedimentar transportado por tração de fundo
(>0,125 mm de diâmetro). As velocidades máximas instantâneas de corrente foram obtidas pelo uso de um fluxômetro.
Amostras de sedimentos da área foram coletadas para análises granulométricas posteriores. Os resultados mostraram que
ambas as estações apresentam grau de seleção moderado, com diâmetros médios e velocidades de corrente diferentes. Em
C-1 as velocidades de corrente de maré (máx = 45 cm.s-1 e mín = 3 cm.s-1) apresentaram menor capacidade de transporte
sedimentar, em relação às verificadas em C-2 (máx = 75 cm.s-1 e mín = 38 cm.s-1). O ponto C-2 apresentou taxas de
transporte sedimentar de 1,33 x 10-3 kg.h-1. A correlação entre velocidade de corrente, tamanho de grão (0,177 - 0,125 mm) e
profundidade, foi plotada no diagrama de campos de formas de fundo, e resultou em campo de formas de fundo grandes. No
ponto C-1 não foi detectado transporte por tração nem fração significativa de sedimentos finos. Para C-1, a correlação entre
a média granulométrica (0,250 - 0,177 mm), a profundidade e a velocidade de corrente resultou em campo sem presença
de ondulações, quando plotado no diagrama. Apesar disto, em C-1 foram observadas pequenas ondulações que podem ser
resultado da incidência do vento sobre coluna de água pouco profunda. A correlação entre os parâmetros granulométricos,
de velocidade de corrente, e de profundidade de lâmina de água resultaram em diferentes limiares de transporte para C-1
e C-2, portanto estes dois locais não podem ser comparados. Os valores mensurados in situ e as previsões descritas no
diagrama de campos de formas de fundo, mostraram eficiência na aplicabilidade desta relação, com o uso de armadilha de
sedimentos, análises granulométricas e medições por fluxômetro. O método de filmagem das formas de fundo e de suas
características de deslocamento requer otimização, pois a baixa transparência da água não permitiu imagens claras do
deslocamento sedimentar.
HISTORIA GEOMORFOLÓGICA PRELIMINAR DEL CAMPO DE DUNAS DE LA BARRERA AUSTRAL EN
LA ZONA DE BALNEARIO ORENSE, PROVINCIA DE BUENOS AIRES.
Agustín Quesada a1 y Silvia Marcomini a2
Laboratorio de Costas, FCEyN-UBA, [email protected],2 [email protected]
a
El paisaje de la zona de estudio es compuesto, dominado por procesos eólicos que se representan una faja de medanos
de 1500 a 2500 metros de ancho a partir de la línea de costa, conocida como Barrea Austral, que es un campo de dunas
trasgresivo en los términos de Hesp y Thom (1990) y separa los ambientes de planicie de acreción loéssica, de los costeros
con influencia marina. En menor medida el paisaje es modelado por procesos marinos y fluviales. Chaar y Toubes (1978)
identificaron tres tipos de campos de dunas. En el presente trabajo se reconocieron cuatro unidades teniendo en cuenta el
grado de actividad, las geoformas eólicas y el tipo y densidad de la cobertura vegetal. De esta manera desde la costa al
interior del continente se han identificado un Campo de Dunas Activo compuesto por grandes dunas complejas y planicies
de progradación eólicas, un Campo de Dunas Semiactivo con mayor cobertura vegetal en los sectores interdunales, un
Campo de Dunas de Transición integrado por dunas parabólicas complejas y bajo relieve relativo y por último un Campo
de Dunas Inactivo, de mayor altura con respecto al nivel del mar, completamente cubierto de vegetación herbácea con
excepción de dunas en voladura de distintos tamaños.Como parte del relevamiento de campo se realizó, en julio de 2008,
una transecta topográfica de 2700m de largo utilizando dos varas marcadas a 1,5 m de altura, clinómetro, cinta métrica y
brújula. La misma atravesó toda la faja de dunas, desde un punto ubicado en la playa (38º49’07,1”S; 59º45’48,9”O) al oeste
del balneario, con rumbo 342º. Sobre esta transecta se identificaron las unidades paisajísticas de dunas.
147
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
O BANCO DE SANTO ANTÔNIO: UMA FEIÇÃO SINGULAR DA PLATAFORMA CONTINENTAL DE
SALVADOR, BAHIA, BRASIL.
Renata Cardia Rebouças1, Pedro Moreira Santos Pereira1 & José Maria Landim Dominguez1
Laboratório de Estudos Costeiros, Universidade Federal da Bahia. [email protected]; [email protected]
hotmail.com; [email protected]
1
O Banco de Santo Antônio (BSA) é uma feição singular da plataforma continental em frente a Salvador, quiçá da plataforma
continental brasileira. Sua origem, ainda é controversa. Alguns autores (Lessa et al, 2001) sugeriram que o BSA seria parte
de um delta de maré vazante associado à entrada da Baía de Todos os Santos. Mais recentemente Rebouças et al, 2008
sugeriram a provável existência de um alto estrutural, o qual em associação com as correntes de maré, condicionaria a
deposição de sedimentos originando o BSA. Este trabalho teve como objetivo caracterizar a morfologia e o substrato do
BSA, através de métodos geofisícos. Foram realizados levantamentos da área de estudo, utilizando um sonar de varredura
lateral com freqüências de 100 – 500 KHz e um perfilador de subfundo, chirp, operando com a faixa de freqüência de 2 a
15 KHz, bem como a coleta de sedimentos. A batimetria e os coeficientes de reflexão foram extraídos dos registros sísmicos
e manipulados no aplicativo ArcGIS 9.2 da ESRI, para a construção de um mapa do coeficiente de reflexão do substrato e
um mapa batimétrico. O Banco Santo Antônio (BSA) apresenta um comprimento de aproximadamente 12,7 km e largura
média entre 3 e 3,5 km, com orientação aproximada norte-sul. Sua largura aumenta no sentido de costa-afora, e é separado
da linha de costa por um canal que atinge uma profundidade máxima de 50 m, preenchido parcialmente por sedimentos
arenosos. A face oeste do banco é suave apresentando declividade em torno de 0,35°, enquanto a face leste apresenta uma
declividade mais acentuada, em torno de 5°. No sentido de costa afora o BSA exibe uma declividade suave. A comparação
entre a batimetria das cartas náuticas da DHN (1978, 1980) e a batimetria obtida através dos levantamentos geofísicos
mostrou que o BSA não sofreu deslocamento significativo num período de 20 anos. Os registros obtidos através do sonar
de varredura lateral mostraram a existência de quatro tipos de ecocaracter, interpretados da seguinte forma: Ecocaracter
1 – corresponde a afloramentos rochosos, localizados próximo a linha de costa e na extremidade sul do banco; Ecocaracter
2 - corresponde a dunas hidráulicas, com comprimento de onda da ordem de algumas dezenas de metros, localizados na
porção mais rasa do banco, onde as correntes de maré são mais intensas (1 m/s); Ecocaracter 3 - corresponde a formas de
leito com comprimento de onda variável entre 3 e 10m, presentes na porção central do BSA; Ecocaracter 4 – associado a
fundo uniforme, presente nas porções mais externas do BSA. O mapa do coeficiente de reflexão mostra índices mais altos
coincidentes com os ecocaracteres dos tipos 1 e 2. Em relação ao sedimento pode-se dizer que próximo a linha de costa
predominam areias cascalhosas, com alto teor de biodetritos, no topo do banco predominam areias média a finas, enquanto
areias finas lamosas estão presentes nas bordas do BSA. Concluindo, as evidências aqui apresentadas, reforçam a hipótese
proposta por Rebouças et al, 2008, ou seja, o BSA é uma estrutura de origem mista, envolvendo um alto do embasamento
sobre o qual se acumularam sedimentos arenosos em decorrência da ação de correntes de maré.
Referências Bibliográficas
DHN (Diretoria de Hidrografia e Navegação), 1978. Carta Náutica nº. 1100 – Brasil Costa Leste: do Rio Itariri a Ilhéus.
Escala 1:308.541.
DHN (Diretoria de Hidrografia e Navegação), 1980. Carta Náutica nº. 1101 – Brasil Costa Leste: proximidades do Porto de
Salvador. Escala 1:29.976.
LESSA, G.C., DOMINGUEZ, J.M.L. BITTENCOURT, A.C.S.P., BRICHTA, A. 2001. The Tides and Tidal Circulation of
Todos os Santos Bay, Northeast Brazil: a general characterization. An. Acad. Bras. Cienc., 73(2), p 245-261.
REBOUÇAS, R.C. SANTOS, N.E. OLIVEIRA JUNIOR, E.A. MOREIRA, P.P.S. DOMINGUEZ, J.M.L. 2008. Investigação
Geofísica do Banco de Santo Antônio (Plataforma Continental de Salvador-BA). 44º Congresso Brasileiro de Geologia.
Curitiba, Paraná.
MONITORAMENTO DA EROSÃO COSTEIRA, CANAL DO ARROMBADO MACAU-RN
Gustavo R. Rocha1,3, Helenice Vital 1,2 & A.K.R. Rocha 1,2,3
Departamento de Geologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, C.P.1639 CEP. 59.072-970, Natal - RN
Brasil. 2 Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica, [email protected], [email protected]
yahoo.com.br. 3 Bolsista da Agência Nacional do Petróleo, [email protected]
1
148
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
A coleta e análise sistemática de dados altimétricos e oceanográficos in situ, são de grande importância para caracterização
da dinâmica costeira e quantificação da erosão atuante. Este trabalho fornece uma base de dados científicos para o
desenvolvimento sustentável e manejo integrado da zona costeira, com influência direta nas operações da Indústria do
Petróleo. A área encontra-se no município de Macau-RN, situada entre o sistema de ilhas barreiras da Ponta do Tubarão
(a leste desta área) e a foz do rio Açu, principal rio da região (a oeste). A geologia da área é constituída por rochas
sedimentares da Formação Barreiras e Formação Tibau, de idade Tércio-Quaternário que se superpõem às rochas cretáceas
da Bacia Potiguar. As praias nesta região apresentam areias finas a médias, predominantemente de composição quartzosa.
Esporadicamente, são observadas conchas carbonáticas ou concentração de minerais pesados. A Metodologia utilizada
neste trabalho envolveu estudos morfodinâmicos e hidrodinâmicos através da coleta de dados altimétricos com GPS-RTK e
dados oceanográficos com sensor do tipo ADCP. Os dados altimétricos foram adquiridos com um GPS Geodésico, modelo
L1L2, através do processamento RTK (Real Time Kinematic), onde se obtém pontos em tempo real, adquiridos percorrendo
a área de interesse, com um bastão acoplado a uma estação móvel, conectada via freqüência de rádio a uma estação base
conhecida para correção dos pontos. Os dados hidrodinâmicos foram adquiridos com um ADCP que possui 4 transdutores
em ângulo de 20° operando em freqüências de 600 kHz e 1200 kHz. Tanto os dados morfodinâmicos quanto hidrodinâmicos
foram coletados mensalmente durante as marés de sizígia e quadratura. A coleta dos dados hidrodinâmicos foi feita por um
período médio de 25 horas, de forma a registrar um ciclo de maré completo. Estes dados foram coletados durante os meses
de Junho, Julho, Agosto e Dezembro de 2008; e Janeiro e Abril de 2009. Os dados foram processados em laboratório para
quantificação dos volumes de superfície e valores de corrente, além da geração de modelos digitais do terreno (MDT), que
servirão de base para caracterização da dinâmica costeira e quantificação da erosão atuante.
POTENCIAL ECONÔMICO DOS SEDIMENTOS ARENOSOS DA PLATAFORMA
CONTINENTAL INTERNA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Marcelo Rodrigues1, Samara Cazzoli y Goya1 & Moysés Gonsalez Tessler1
1
Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo
Ao longo das duas últimas décadas, o litoral do estado de São Paulo (BR), na sua porção centro-norte, mais especificamente
entre a região de Bertioga (litoral centro) e a divisa geográfica do estado do Rio de Janeiro, vem apresentando fenômenos
erosivos, de média a alta intensidade, com escalas de dezena de metros lineares de recuo por década. Paralelamente aos
projetos de implantação das obras de estruturas rígidas (muros, espigões, etc), preconizadas pela engenharia costeira
como solução de contenção dos processos erosivos, ou de recuperação do espaço costeiro erodido, os procedimentos de
recomposição praial (Realimentação Praial Controlada – RPC), estão sendo considerados como solução de visual menos
agressivo e de menor custo econômico e social. Para a implantação de projetos de RPC é necessária a delimitação e
utilização de jazidas de sedimentos arenosos de caracteristica texturais similares, ou pouco maiores do que as existentes
nas praias erodidas. A evolução sedimentar da plataforma continental sudeste do Brasil está fortemente condicionada pelo
aporte de sedimentos da Serra do Mar localizada junto a atual linha de costa, soerguida paralelamente à subsidência da Bacia
de Santos. Associados aos eventos de escala geológica, os mecanismos de dinâmica sedimentar litorânea, particularmente
os processos de sistemas de ondas incidentes sobre as linhas de costa, geraram um predomínio de sedimentação arenosa
fina a muito fina nas formações quaternárias que recobrem as atuais planícies costeiras, e na superfície de fundo atual da
plataforma continental adjacente. O desenvolvimento de áreas portuárias e industriais da região do porto de Santos a partir
dos anos 1950, e da indústria do turismo no litoral norte do estado ao longo das últimas duas décadas vêm exigindo uma
crescente necessidade de material granular para a indústria da construção civil. A quase ausência de planícies costeiras bem
desenvolvidas ao norte da região do porto de Santos implica na pequena disponibilidade de material arenosos para uso da
construção civil. Ao longo de todo o segmento costeiro do norte do estado, associado a pequena disponibilidade de fontes
arenosas, as restrições de ordem ambiental como proteção de parques, restingas, mangues, etc., agravam a necessidade
de obtenção de material granular para usos diversos. Material granular para a industria da construção civil está sendo
transferido de áreas continentais distantes, a um custo financeiro crescente limitando sua utilização apenas para obras
de maior valor agregado. Anteriormente ao aumento das preocupações ambientais pela sociedade e do poder público, os
materiais arenosos de cordões litorâneos e de regiões praiais eram utilizados agravando significativamente o quadro dos
processos erosivos observados ao longo deste segmento costeiro. O mapeamento sedimentar da plataforma continental
do estado de São Paulo evidencia um predomínio de distribuição atual de sedimentos de superfície de fundo de termos
149
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
arenosos finos a muito finos, extensivamente ao sul da ilha de São Sebastião. Na área ao norte da ilha, correspondente na
área continental ao litoral norte do estado, o padrão sedimentar de fundo é caracterizado por uma distribuição na forma
de mosaico, com presença de sedimentos de textura variada entre sedimentos arenosos grossos e lamas. A caracterização
tecnológica dos materiais arenosos da plataforma indica que ao norte da ilha de São Sebastião ocorrem concentrações de
sedimentos grossos com características tecnológicas mínimas, e volume suficiente, para utilização nos processos de RPC.
Porém, o estabelecimento pelo governo do estado de São Paulo de áreas de proteção marinha (APA Marinha do Litoral
Norte), introduz obstáculos jurídicos adicionais as questões de ordem ambiental para a utilização do material granular dos
atuais fundos marinhos, nas obras de recuperação dos segmentos costeiros afetados por processos erosivos intensos.
ANÁLISE DAS MUDANÇAS DA LINHA DE COSTA DA DESEMBOCADURA DO RIO SERGIPE – BRASIL
Tais Kalil Rodrigues1, José Maria Landim Dominguez1, Ana Claudia da Silva Andrade2
Universidade Federal da Bahia – [email protected][email protected] 2Universidade federal de Sergipe –
[email protected]
1
O objetivo deste trabalho consistiu em identificar e analisar mudanças de médio prazo e de longo prazo na linha de costa na
desembocadura do rio Sergipe. As principais técnicas usadas envolveram o mapeamento da linha de costa, talvegue dos rios,
cordões litorâneos e truncamento destes, com base em imagens fotográficas (1955-2003), sensoriamento remoto e Sistema de
Informações Geográficas (SIG). Os achados deste estudo evidenciam que nos últimos 50 anos o litoral sergipano apresentou
um intenso processo de urbanização. As regiões adjacentes à desembocadura fluvial, caracterizadas por manguezais e dunas
nas décadas de 1950/60, foram ocupadas sem considerar a dinâmica costeira. No caso do rio Sergipe, o canal aproximouse muito da sua margem direita, causando forte erosão das praias adjacentes, com recuo de até 503 m. A integração dos
resultados no SIG possibilitou correlacionar os processos de mudanças morfológicas da linha de costa na área estudada
com os modelos esquemáticos de “bypass” (passagem) de sedimentos, a partir da migração de bancos arenosos descritos na
literatura. Os trechos adjacentes à desembocadura do rio Sergipe foram classificados como áreas de risco devido à ocupação
antrópica. Propõe-se uma faixa de recuo mínima de 300 m nos trechos mais críticos e remoção de construções existentes, a
exemplo da praia da Orlinha da Coroa do Meio e da Praça de Eventos, na Praia de Atalaia. Para trechos não urbanizados ou
com intervenção antrópica incipiente, propõe-se uma faixa de segurança mínima de 500 m.
REVISIÓN DEL REGISTRO DE QUITONES (MOLLUSCA, POLYPLACOPHORA)
EN LOS DEPÓSITOS DEL CUATERNARIO MARINO DE URUGUAY
Alejandra Rojas1 & Diego Urteaga2
1
2
Deptartamento de Evolución de Cuencas, Facultad de Ciencias. [email protected]
Museo Argentino de Ciencias Naturales “Bernardino Rivadavia”.
El registro fósil de quitones de Uruguay se restringe a los depósitos originados por ingresiones del mar durante el Cuaternario.
Sus restos se hallan en asociaciones ricas en bivalvos y gasterópodos, por lo que han sido sólo superficialmente mencionados
como fauna acompañante. En esta contribución se presenta una revisión y síntesis del registro de quitones en los depósitos
del Cuaternario marino de Uruguay y se explora su potencial para la reconstrucción paleoambiental. Fueron analizados
especímenes depositados en la Colección Paleontológica de la Facultad de Ciencias (FCDPI) y material colectado en nuevos
muestreos. Los quitones se preservan como valvas aisladas en el depósito pleistoceno de La Coronilla y en los yacimientos
holocenos de Saglia (Rocha), Punta Rasa, Punta Fría (Maldonado), Areneras de Carrasco (Canelones) y Punta Espinillo
(Montevideo). Las especies registradas fueron Chaetopleura angulata (Spengler, 1797), C. isabellei (d´Orbigny, 1841), C.
asperrima (Gould, 1852) e Ischnochiton striolatus (Gray, 1828). Las dos primeras fueron citadas por autores precedentes,
mientras que las dos últimas representan el primer registro para el Cuaternario marino uruguayo. La ocurrencia de quitones
en los depósitos de Punta Espinillo y Areneras de Carrasco determina que al menos durante parte del Holoceno, el límite
occidental de su distribución costera se ubicaba más al Oeste que en la actualidad (Punta Negra en Maldonado), indicando
una mayor salinidad para esta área en el intervalo de tiempo considerado. Por otro lado, el límite austral de distribución
150
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
geográfica de I. striolatus se encuentra actualmente en Santa Catarina (Brasil), indicando su presencia en la costa uruguaya
durante el Pleistoceno, temperatura más alta que la actual. Es pertinente resaltar que el escenario paleoambiental inferido
a partir del registro de quitones es consistente con el derivado del análisis paleoecológico de los taxones de bivalvos y
gasterópodos presentes en las asociaciones. Esta es una contribución a los Proyectos CSIC C614 y ANII/FCE2007_034.
INTEGRAÇÃO DE PRODUTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DA EVOLUÇÃO
GEOLÓGICA DA REGIÃO SUL DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL
Maria Luiza Correa da Camara Rosa, Eduardo Guimarães Barboza, Luiz José Tomazelli, Sérgio Rebello Dillenburg
Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica (CECO), Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Av. Bento Gonçalves, 9.500. CEP: 91501-970. Porto Alegre, RS, Brasil. Fone/Fax: (51) 3308-7160.
E-mail: [email protected]
O crescente desenvolvimento de sistemas de aquisição de dados e a facilidade no acesso a produtos do sensoriamento remoto
tem auxiliado na identificação de feições geomorfológicas. Essas feições contribuem para a compreensão da evolução
geológica de áreas costeiras. Na região sul da planície costeira do Rio Grande do Sul (RS), entre o norte do Banhado
do Taim e o sul do Município de Rio Grande, encontram-se presentes sistemas deposicionais do tipo laguna-barreira.
De acordo com o mapeamento pioneiro executado pelo Grupo de Geologia Costeira do Centro de Estudos de Geologia
Costeira e Oceânica (CECO) da UFRGS, esses sistemas deposicionais são definidos como sistemas laguna-barreira I,
II, III e IV. Os três primeiros sistemas possuem idades pleistocênicas e o último se desenvolveu durante o Holoceno. Na
região de estudo uma das barreiras pleistocênicas, com idade em torno de 120 ka (Barreira III), mapeada na maior parte da
planície costeira do Rio Grande do Sul, não foi identificada e registrada nos mapas publicados até agora. Com o objetivo de
observar as variações altimétricas dos sistemas deposicionais presentes nessa região, o modelo digital de elevação do terreno
(SRTM/NASA) foi integrado com imagens de satélite (Landsat 7 - ETM+) e com perfis obtidos através de GPS Diferencial
(DGPS) em um Sistema de Informações Geográficas (SIG). As imagens do satélite Landsat foram processadas (correção
do espalhamento atmosférico e ajustes de contraste), realizadas composições coloridas e fusão com a banda pancromática
de maior resolução espacial. A análise do modelo digital de elevação do terreno permitiu identificar um alto alongado com
orientação NE-SW, no centro da área mapeada, até agora, como pertencente ao sistema Lagunar III (pleistocênico). Junto
a esse alto observa-se nas imagens de satélite uma textura rugosa, diferenciada dos terrenos adjacentes. Os perfis de DGPS
indicam altitudes de até 12,5 m junto ao alto e diferenças de 4 m entre essas altitudes e as áreas mais baixas adjacentes. Em
campo, observa-se a morfologia suavemente ondulada desta unidade, a qual se diferencia das regiões mais baixas que são
extremamente planas. As observações realizadas permitiram identificar uma unidade geológica até então não reconhecida
na região. Uma hipótese é que essa unidade represente a barreira pleistocênica correspondente a Barreira II com idade de
325 ka. Assim, a barreira mapeada na região como II, a qual se encontra a leste do alto identificado, poderia ser a Barreira
III, com idade de 120 ka. Para testar essa hipótese sedimentos provenientes de sondagens serão datados por luminescência
opticamente estimulada. Desta forma, espera-se definir os sistemas deposicionais e as idades das unidades identificadas e,
possivelmente, propor uma modificação nos mapas geológicos correspondentes.
GEOMORFOLOGIA SUBMARINA DA PLATAFORMA CONTINENTAL PARANAENSE:
DADOS PRELIMINARES
João R Santos Filho & Marcelo R. Lamour Santos
*Laboratório de Oceanografia Geológica (LOGEO) - Centro de Estudos do Mar, Universidade Federal do Paraná, Caixa
Postal 50.002, Pontal do Sul, Pontal do Paraná, PR - Brasil. [email protected]
No estado do Paraná (PR) a plataforma continental se encaixa nas características gerais da região Sul/Sudeste do Brasil, ou
seja, é ampla e de gradiente suave até o talude continental. A morfologia do fundo desta plataforma rasa está relacionada
ao sistema deposicional da planície costeira adjacente, respondendo às mudanças no nível médio do mar durante o período
Quaternário. O objetivo deste estudo foi caracterizar a geomorfologia submarina da plataforma continental paranaense até
151
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
60m de profundidade, desde o extremo sul do estado de São Paulo (SP) até o norte do estado de Santa Catarina (SC). Para
tanto, foram utilizadas duas cartas batimétricas do projeto REMPLAC, digitalizadas pela Marinha do Brasil. As batimetrias,
referentes aos anos de 1960 e 1972 (SP/PR e PR/SC, respectivamente), foram obtidas no formato de arquivo de texto
(latitude, longitude e profundidade) recobrindo uma área aproximada de 9,8x105 km2. Tais arquivos foram organizados
em planilhas para posterior adequação a um mesmo sistema de projeção e de coordenadas (UTMS SAD 1969), sendo
integrados à uma base de dados batimétricos. As áreas de recobrimento, os mapas de curvas de nível, o Modelo Digital de
Elevação (MDE) e os perfis batimétricos (espaçados em 5 km, totalizando 30 perfis) foram obtidos com a utilização de um
SIG. Apesar da diferença de 12 anos entre as datas das sondagens batimétricas, o nível de redução das marés não apresentou
diferença de altura de sobreposição. As profundidades variaram entre 1 e 60 m de profundidade, com inclinação média da
plataforma de 0,062º (máximo de 0,1º e o mínimo de 0,039º) com a proporção de incremento de aproximadamente 70 cm
na profundidade a cada quilômetro percorrido plataforma à fora. A partir da análise de similaridade (cluster) entre os perfis
foi possível a setorização da plataforma, com a identificação de quatro classes de inclinação distintas. Essas classes estão
associadas às desembocaduras das baías da Babitonga (SC), de Guaratuba (PR) e do Complexo Estuarino de Paranaguá
(CEP; PR), além da zona de transição entre elas. O setor de maior inclinação está localizado em frente à ilha de São Francisco
do Sul (SC), apresentando inclinação média de 0,08º. A área de fronte à desembocadura do CEP representa outro setor,
com uma inclinação de aproximadamente 0,06º (possuindo dois valores maiores que 0,065º nos perfis que abrangem as
desembocaduras Norte e Sul). Esses dois setores são intercalados por zonas com declividades intermediárias (~0,054º). Em
seguida estão os perfis próximos a desembocadura da baía de Guaratuba, com uma angulação discreta em relação ao CEP
(~0,057º). O setor com as áreas de menor inclinação (entre 0,039º e 0,043º) estão localizadas ao norte, em frente à ilha do
Cardoso (SP). As diferentes classes de inclinação da plataforma continental paranaense e norte catarinense estão associados
a ambientes deposicionais distintos. Esses ambientes são regulados por variáveis hidroceanográficas (configuração da costa,
correntes, ventos e regime de ondas), pela capacidade de aporte de sedimentos pela drenagem continental, pelo transporte
da deriva litorânea ao longo da costa e pelas variações do nível relativo do mar que ocorreram durante o Pleistoceno e o
Holoceno.
FOCOS DE CONVERGÊNCIA DE ONDAS NO LITORAL DO ESTADO DE ALAGOAS,
BRASIL E SEUS EFEITOS NA GEOMORFOLOGIA COSTEIRA
Adeylan N.Santos 1, L. Nascimento1, A.C.S.P. Bittencourt 2, J.M.L. Dominguez 2 & F.C. Livramento 3
Curso de Pós-Graduação em Geologia, Instituto de Geociências/UFBA, Campus Universitário da Federação,
40170-290/Salvador/Bahia/Brasil, E-mail: [email protected] ; 2Laboratório de Estudos Costeiros/CPGG, Instituto de
Geociências/UFBA, Campus Universitário da Federação, 40170-290/Salvador/Bahia/Brasil; 3Curso de Graduação em
Geologia, Instituto de Geociências/UFBA, Campus Universitário da Federação, 40170-290/Salvador/Bahia/Brasil
1
As modificações causadas pela topografia do fundo da plataforma continental, bem como a orientação da linha de costa,
são fatores fundamentais na distribuição da energia das ondas ao longo da costa. Áreas com concentração ou dispersão
de energia de ondas são visíveis nos diagramas de refração, causando convergência ou divergência dos raios-de-onda,
respectivamente. Dessa forma, o fenômeno da erosão costeira localizada pode ser o resultado de descontinuidades no
campo de ondas causadas pelo processo de refração da onda. Este trabalho tem como objetivo avaliar, a partir de diagramas
de refração de ondas, os efeitos resultantes da convergência dos raios-de-onda sobre a geomorfologia da linha de costa do
Estado de Alagoas. O litoral em estudo estende-se por aproximadamente 260 km na direção predominante de nordestesudoeste, sendo limitado a nordeste pela desembocadura do rio Persinunga e, a sudoeste, pelo rio São Francisco, entre
as coordenadas geográficas de 08°55’ e 10°30’ de latitude sul e 35°09’ e 36°24’ de longitude oeste. Na sua metade norte
apresenta-se bastante recortado em função da presença de inúmeros recifes de coral e bancos de arenito, que propiciam o
desenvolvimento de várias saliências e tômbolos na sua retaguarda. Ao longo deste litoral são observados significativos
trechos sobre erosão contínua, representada por falésias costeiras ativas esculpidas nas formações Barreiras e Maceió.
Trabalhos de âmbito geral referentes à costa nordeste brasileira sugerem que a linha de costa do Estado de Alagoas apresenta
uma tendência geral de erosão ou pouca/nenhuma deposição, desde o Pleistoceno Tardio até o atual, excetuando o trecho em
que está localizada a planície costeira do rio São Francisco. A erosão observada no litoral em estudo é considerada como uma
conseqüência do balanço negativo de sedimentos para esta região. A partir de um caminhamento realizado por vinte dias do
mês de novembro de 2006 ao longo das praias da área em estudo, foram identificados outros diversos pequenos trechos com
evidências de erosão costeira, situados, em muitos casos, na retaguarda de recifes costeiros. Diagramas de refração de ondas
152
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
construídos na escala de 1:100.000, para as direções médias de ondas (NE, E, SE e S), resultaram em um modelo de clima
de ondas genérico para a área de estudo. Os dados batimétricos usados na construção desses diagramas foram extraídos de
cartas náuticas da Marinha do Brasil, em escala aproximada de 1:300.000. A análise dos diagramas de refração comparada
às observações de campo mostrou que, muitos desses trechos apresentam focos de convergência em uma ou mais direções
de raios-de-onda. Este fato resulta num aumento significativo na altura das ondas, induzindo a formação e ampliação nos
gradientes laterais de altura de ondas e nível d’água, resultando em correntes de sentido divergente paralelas à costa, que
condicionam a retirada de sedimentos destes locais para as áreas vizinhas onde não há convergência.
EVIDÊNCIAS DA VARIAÇÃO DO NÍVEL DO MAR NO HOLOCENO COM BASE NA ANÁLISE
DE SILICOFLAGELADOS E ESPÍCULAS DE ESPONJAS SUBFÓSSEIS DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA
JURÉIA-ITATINS, SÃO PAULO, BRASIL
Camilla da Silva Santos 2, Kenitiro Suguio 3,4, Fernando Coreixas de Moraes 5 , Paulo Eduardo De Oliveira 3, Vanda Brito
de Medeiros ², Alethea Ernandes Martins Sallun 6, William Sallun Filho6
Universidade Guarulhos- Laboratório de Palinologia e Paleobotânica. Mestrado em Análise Geoambiental. Guarulhos, SP, Brasil
([email protected]; [email protected]).
3
Universidade Guarulhos, CEPPE- Centro de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão. Guarulhos, SP, Brasil ([email protected]).4
Universidade de São Paulo, IGc-USP, Instituto de Geociências, Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental. São Paulo,
SP, Brasil ([email protected]).5 Museu Nacional-UFRJ- Departamento de Invertebrados, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
([email protected]).6 Instituto Geológico- Secretaria de Estado do Meio Ambiente. São Paulo, SP, Brasil ([email protected]
sp.gov.br; [email protected]).
2
Entender as flutuações do nível relativo do mar (NRM) do Quaternário é fundamental no estudo da evolução das planícies
costeiras brasileiras. O nível do mar varia no tempo geológico, e apresenta oscilações globais, regionais e locais, que
causaram transgressões e regressões marinhas, acompanhadas de avanços (progradações) e recuos (retrogradações) da
linha de costa. Após 7.000 anos A.P. o NRM alcançou um máximo de 5m acima do nível do mar atual, para as costas sul,
sudeste e parte da nordeste do Brasil. A curva para esta última elevação do nível do mar, apresentou oscilações em curtos
espaços de tempo (centenas de anos). As variações relativas do nível do mar de pequena amplitude e curta duração, a
partir de 5.100 anos A.P., foram muito importantes no desenvolvimento das porções mais recentes das planícies costeiras
do Brasil. Para entender a evolução geomorfológica e a influência das variações positivas e/ou negativas do NRM na
costa sul do Estado de São Paulo, neste estudo foram examinados dois tipos de microfósseis preservados em testemunho
sedimentar paleolacustre e paleolagunar, datado entre 108.1 +/- 0.4 e 8.370 +/- 50 anos A.P., coletado na Estação Ecológica
Juréia-Itatins (EEJI), litoral sul do Estado de São Paulo. Foram estudados restos silicosos de microrganismos comuns ao
longo do testemunho coletado: o esqueleto de silicoflagelados (Divisão Heterokontophyta) e as espículas de esponjas (Filo
Porifera). Os restos silicosos foram extraídos de subamostras de 1 cm3 de sedimento após oxidação da matéria orgânica.
Foram contados 300 indivíduos de silicoflagelados por nível amostrado, juntamente com os esporos exóticos recuperados
(Lycopodium clavatum). Após descrição, classificação e contagem, os dados dos silicoflagelados foram tratados com o
“software” Tilia/TiliaGraph para a transformação dos dados brutos em valores percentuais e valores de concentração por cm3
de sedimento. Três gêneros de silicoflagelados foram reconhecidos: Dictyocha, Distephanus e Corbisema. Após inserção
dos dados de silicoflagelados no Tilia/TiliaGraph observou-se dois momentos de elevação do nível do mar seguido de
rebaixamento, o primeiro ocorre por volta de 6.500 anos A.P. e o segundo 3.900 anos A.P. As espículas foram classificadas
morfologicamente, constituindo 27 tipos distintos, todos representantes da Classe Demospongiae. Até o momento, foram
identificadas gemoscleras de Throcospongilla variabilis, nos níveis 0,05/ 0,15/ 0,90 cm, e de Heterorotula fistula, nos
níveis 0,05/ 0,35/ 0,70/ 0,85 cm, ambas espécies de esponjas continentais. A partir de 0,25 cm foram encontradas espículas
de espécies marinhas representantes das ordens Astrophorida, Hadromerida, Poecilosclerida, Haposclerida e Chondrosida.
A presença de espículas diagnósticas permitiu identificar a presença de ao menos três espécies de esponjas continentais
(Throcospongilla variabilis, Heterorotula fistula e uma Potamolepidae) e sete espécies marinhas (Tedania sp., Acarnus sp.,
Sceptrella sp., Chondrilla sp., Pachataxa sp. e Terpios sp. e uma Thrombidae). Com um total de 10 espécies de esponjas
identificadas no presente estudo, representantes de ambientes continentais e marinhos, incluindo registros de gêneros
inéditos para o Brasil (Sceptrella), acredita-se que as esponjas podem ser um interessante componente em reconstruções
paleoambientais e paleobiogeográficas. A perspectiva atual deste estudo é o detalhamento das análises do primeiro metro do
testemunho, visando uma maior compreensão das oscilações do nível do mar entre 6.500 – 3.900 anos A.P.
Projeto financiado pela FAPESP (Processo 06/04467-7) e CNPq (309281/2006-7).
153
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
CARACTERIZAÇÃO DOS SEDIMENTOS DA REGIÃO COSTEIRA SUL DO ESTADO DE SANTA
CATARINA, BRASIL
Débora Pimentel Diniz Santos1 & Gilberto Henrique Griep2
1 Aluna do curso de Pós Graduação em Oceanografia Física Química e Geológica, Instituto de Oceanografia,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FURG), [email protected] . 2 Professor do Instituto de
Oceanografia, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
A composição sedimentológica de uma região é uma importante fonte de informações para o estudo da evolução da zona
costeira e dos processos hidrodinâmicos e eólicos atuantes. Este estudo foi desenvolvido no estado de Santa Catarina, entre
os municípios de Passo de Torres e Laguna, em um trecho de praia contínuo (sem esporões rochosos). Foram realizadas
duas saídas de campo, em julho de 2007 e maio de 2008, sendo as amostras coletadas no estirâncio, berma e duna de cada
um dos pontos amostrados. Em laboratório, as amostras foram processadas de acordo com a metodologia de Wenthworth
(1973) e analisadas com auxílio do programa Sysgran 3.0, de acordo com a classificação de Folk e Ward(1957). Do total de
amostras de 2007, 11,5 % foram classificadas como bem selecionadas e 88,5% como muito bem selecionadas. Em relação
à assimetria, 11,4% foram positivas, 17,2% negativas e 71,4% aproximadamente simétricas. As curvas de distribuições
sedimentares (curtose) foram em sua maioria mesocúrticas (54,3%), sendo que do restante das amostras, 42,85% foram
leptocúrticas e 2,86% platicúrticas. Nas amostras de 2008 observou-se uma pequena modificação nos parâmetros. A seleção
das amostras passou a 95,75% muito bem selecionada e 4,25% bem selecionada. Em contrapartida, as amostras se tornaram
mais assimétricas, sendo que somente 51% foram aproximadamente simétricas; com assimetria positiva obtiveram-se 32%
e negativa 17%. Nas curvas de distribuições sedimentares para o parâmetro curtose, nas amostras de 2008, foi incluída
mais uma classe, muito leptocúrtica (4,3%). Para o restante das amostras 55,2% foram leptocúrtica, 36,2% mesocúrtica e
4,3% platicúrtica. Através da granulometria, a diferenciação das amostras quanto ao local de coleta, no perfil de praia, foi
impossibilitada devido à homogeneidade destas. Este fato é atribuído à atuação dos ventos de nordeste e a passagem de
sistemas frontais. Devido à posição da linha de costa, a ação dos ventos de nordeste incide primeiramente sobre as dunas,
transportando estes sedimentos para a berma e o estirâncio. Em contrapartida, durante as passagens de sistemas frontais
(ondas de alta energia) os sedimentos são transportados em direção oposta. A combinação da ação do vento de nordeste com
a passagem do sistema frontal conferiu homogeneidade aos sedimentos para todo o perfil de praia. A variação na assimetria
bem como na curtose, em relação aos dois períodos, provavelmente está atrelado ao evento de tempestade que ocorreu
dias antes da coleta de amostras em 2008. Como estes eventos são caracterizados por ondas de alta energia, sedimentos de
maior diâmetro podem ter sido remobilizados e transportados para a praia, conferindo às amostras de 2008 uma assimetria
mais positiva. Concomitantemente, sedimentos de menor granulometria possivelmente foram removidos da face da praia
devido à alta energia das ondas. Desta forma, somente sedimentos de maior diâmetro ficaram depositados na praia, tornado
as curvas de distribuição granulométricas mais leptocúrticas (menos classes granulométricas).
DINÂMICA E MORFOLOGIA DO ENTORNO DO PORTO DE ITAQUI
(BAÍA DE SÃO MARCOS, SÃO LUIS – MA): IMPLICAÇÕES PARA DIVERSIDADE DE HABITATS
J. P. C. M Santos1, N. E.Asp2, M. S. Castro1 & M.S. Silva3
- Aluno de Mestrado em Biologia Ambiental – UFPA/Bragança – [email protected]; [email protected]
yahoo.com.br; 2 – Instituto de Estudos Costeiros – UFPA/Bragança – [email protected]; 3 – Instituto de Pesquisas
Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá – IEPA/Amapá – [email protected]
1
A região costeira é, de uma forma geral, extremamente dinâmica, possuindo uma grande produtividade e diversidade biológica,
sendo bastante sensível a impactos antrópicos, destacando-se neste contexto a Baía de São Marcos (MA). O objetivo deste
trabalho foi avaliar a diversidade de hábitats de fundo na área, através da morfologia, sedimentologia e levantamentos de
dados hidrodinâmicos, sendo as coletas (Medições de velocidade/direção de correntes e salinidade/temperatura) efetuadas
no entorno do Porto de Itaqui. Os dados foram avaliados em termos de variações entre ciclos de maré de quadratura e
sizígia, fundo e superfície e entre o período de chuvas (maio de 2007) e seca (outubro/novembro de 2007). A baía de São
154
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Marcos se caracteriza como um grande sistema estuarino, com velocidades de corrente extremas e canais escavados de
profundidades de até 90 m. De acordo com as medições realizadas, as velocidades de corrente aproximam-se de 4 m/s
durante ciclos de sizígia, e 3 m/s durante períodos de quadratura. Nos locais em que foram realizadas as medições notou-se
que, embora as velocidades de corrente decaiam substancialmente próximas dos momentos de maré baixa e de maré alta,
estas se mantêm sempre com valores substanciais, nunca inferiores a 0,5 m/s. A utilização de perfis verticais e as estações
fixas de CTD permitiu a obtenção de um bom panorama da circulação salina na baía, incluindo o comportamento nas fases
de vazante e enchente, durante ciclos de quadratura e sizígia, nas estações de seca e de chuvas e, ainda, comparativamente
entre superfície e fundo e entre a porção mais externa (Itaqui) da baía. Durante o período de chuvas, a salinidade variou
entre 19,5 e 24,5, sem variações expressivas entre marés de quadratura e sizígia. Durante a estação de seca os dados
de salinidade apresentaram valores oscilando entre 32 e 34,7. Como esperado, valores durante a enchente apresentaramse levemente superiores àqueles observados durante a vazante. Porém, não foram observadas variações significativas de
salinidade entre a superfície e o fundo (estratificação vertical). Desta forma, como esperado para estuários de macromaré, a
área estudada pode ser classificada como um estuário bem misturado, ou verticalmente homogêneo. Este comportamento foi
observado tanto na estação de chuvas quanto na estação de seca, sendo este fato atribuído a intensidade das velocidades de
correntes de maré e conseqüentemente ao grau de mistura na coluna d’água. A temperatura apresentou um comportamento
inverso ao da salinidade, mas com oscilações ainda menores, ficando normalmente entre os 27 e 28 °C. Suas oscilações
estavam mais atreladas ao ciclo dia-noite e a oscilações na cobertura de nuvens e chuvas eventuais, que também causaram
oscilações de alta freqüência na salinidade superficial. Em relação a morfologia, a área é caracterizada principalmente por
um canal profundo ao largo do porto de Itaqui, alguns afloramentos e pequenas ilhas rochosas, além de áreas rasas de baixa
declividade adjacente às margens e bancos de profundidade intermediária em áreas de canal, associados à dinâmica das
correntes de maré. As áreas rasas e protegidas são dominadas por lamas, enquanto que as áreas de canais apresentam areias
de granulometrias variáveis. Do ponto de vista da morfologia estuarina pode-se afirmar que a área estudada está inserida no
baixo estuário, onde as forçantes marinhas dominam, como ficou evidenciado na dinâmica e circulação da área. Com base
em um conjunto de dados chegou-se a classificação geral da área em três tipos de habitats básicos: 1) Fundos arenosos; Alta
velocidade de corrente e baixas variações de salinidade e temperatura; Canais e bancos (profundidade variável); 2) Fundos
lamosos; Baixa velocidade de corrente, altas variações de salinidade e temperatura; Margens e áreas protegidas (baixa
profundidade); 3) Afloramentos; Alta velocidade de corrente, baixas variações de salinidade e temperatura; Escavamento
de canais e erosão de margens (profundidade variável).
FORAMINIFERA PALEOECOLOGICAL ANALYSIS OF SEPETIVA BAY – RJ
F. O. Santos-Leal1, L.L.M. Laut2, L.M.A. Kalil-Thiago2 & M.A.C. Rodrigues2
1 Departamento de Ciências Biológicas – Universidade Gama Filho [email protected] 2Departamento de
Estratigrafia e Paleontologia – UERJ – [email protected]
A Baía de Sepetiba é um corpo d`água semi-confinado, que é parte integrante do complexo costeiro Guaratiba-Sepetiba no
sudoeste do Rio de Janeiro. Em virtude do desenvolvimento industrial e dos núcleos urbanos, a região tornou-se a segunda
principal receptora de efluentes do Estado, afetando sobremaneira o índice de diversidade dos organismos aquáticos. Tratase o presente trabalho de uma abordagem biofaciológica de Foraminíferos Bentônicos Holocênicos de um testemunho
coletado no centro da baía. As análises revelaram uma baixa riqueza e abundância indicando um baixo potencial de
preservação. Foram identificados quinze espécies, distribuídas em nove gêneros com dominância da Ordem Rotaliida. As
espécies dominantes foram Amonia beccarii f. tepida e Buliminella elegantissima. As análises de agrupamento em modo –
Q e modo – R permitiram identificar três sutis mudanças ambientais ocorridas na região. O primeiro ambiente caracteriza
um ambiente de águas marinhas rico em matéria orgânica. O segundo ambiente marca uma fase mais marinha onde os
organismos são típicamente de sedimentos arenosos com elevada oxigenação. O terceiro ambiente representa o ambiente
de baía com sedimentos lamosos, rico em matéria orgânica. Possivelmente relacionado com a atuação antrópica na região
nos ultimos anos.
155
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
GRAIN SIZE AND HEAVY MINERALS OF THE LATE QUATERNARY EOLIAN SEDIMENTS FROM THE
IMBITUBA-JAGUARUNA COAST, SOUTHERN BRAZIL: DEPOSITIONAL CONTROLS LINKED TO
RELATIVE SEA LEVEL CHANGES
A.O. Sawakuchi1, P.C.F. Giannini1, C.T. Martinho2, A.P.B. Tanaka1
1- Instituto de Geociências, Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental, Universidade de São Paulo, Rua do
Lago, 562, 05508-080, São Paulo, SP, Brazil. 2-Instituto de Geociências, Universidade de Brasília, Asa Norte, 70910900, Brasília, DF, Brazil.
Some large coastal zones worldwide, like coastal sectors of Brazil and Australia, show many generations of Quaternary
dunefields. Dune sands show a wide variety of geomorphologic aspects, but they show poor fossil content and a low range
of sedimentary facies. Thus, the stratigraphic division and correlation of dune deposits is difficult when dating methods are
not applied. Studies of the relationship between the eolian system dynamics, operating on a thousand year timescale, and
the heavy minerals and grain size of dune sands are scarce. Models of the controls on texture and composition of eolian
sands are necessary to interpret ancient eolian sediments. In this context, the Imbituba-Jaguaruna coastal zone (Southern
Brazil, 28o-29oS) stands out due to its four well-preserved Late Pleistocene (eolian generation 1) to Holocene eolian units
(eolian generations 2, 3, and 4). In this study, we evaluate the grain size and heavy mineral characteristics of the ImbitubaJaguaruna eolian units through a statistical analysis of hundreds of sediment samples. The grain size and heavy minerals
discriminate the Pleistocene from the Holocene eolian generations. The grain size shows a pattern of fining and better
sorting from eolian generation 1 (older) to 4 (younger). The content of denser and harder heavy minerals decreases from
eolian generation 1 to 4. The variation in grain size and heavy minerals relates to shifts in the origin and balance (input vs.
output) of the eolian sedimentary supply controlled by relative sea level changes. Dunefields present at low relative sea level
phases (eolian generation 1) show low accumulation rates due to the lack of accommodation space for the development of
coastal depositional systems. Low accumulation rates favor deflation in the eolian system. The deflation of low sea level
dunefields concentrates denser and harder heavy minerals (increase of ZTR index) and promotes coarsening and decreasing
of sorting of the eolian sands. Under a high rate of relative sea level rise and coastline transgression (eolian generation
2), coastal erosion prevents deflation through a high input of sediments to the coastal eolian source. This condition favors
dunefield growth. However, coastal erosion feeds the eolian system with sand from local sources, including sands from
previous dunefields (eolian generation 1). Therefore, dunefields of transgressive phases inherit the grain size and heavy
mineral characteristics of previous dunefields. Eolian generations 3 and 4 develop during a regressive-progradational phase
(Holocene relative sea level highstand). The high sediment supply of the highstand phase prevents deflation. The lack of
coastal erosion favors the sediment supply from distal sources (fluvial sediments rich in unstable heavy minerals). Thus,
high rates of accumulation (low deflation) set apart the transgressive and highstand sea level dunefields from the low sea
level ones. The origin of the sediment supply distinguishes the transgressive (high input of previously deposited coastal
sands) from the highstand dunefields (high input of fluvial distal sands). Based on this case study, we hypothesize a general
framework to explain the relation between relative sea level, sediment supply and the texture and mineralogy of coastal
eolian sediments deposited in analogous settings.
CAMBIOS DEL NIVEL DEL MAR: PERSPECTIVA GLOBAL, ESCENARIOS DE ACELERACION Y
PROGNOSIS PARA LA COSTA ARGENTINA
Enrique J. Schnack1,2, Jorge L. Pousa3,4, Enrique E. D’Onofrio5,6 y M.M. Fiore5
Comisión de Investigaciones Científicas de la Provincia de Buenos Aires.2 Laboratorio de Oceanografía Costera y
Cátedra de Geología del Cuaternario, Facultad de Ciencias Naturales y Museo, Universidad Nacional de La Plata.
[email protected] 3 CONICET.4 Laboratorio de Oceanografía Costera y Cátedra de Oceanografía Física,
Facultad de Ciencias Naturales y Museo, Universidad Nacional de La Plata. [email protected] 5 Departamento de
Oceanografía, Servicio de Hidrografía Naval. [email protected] 6 Instituto de Geodesia, FIUBA [email protected]
1
Durante el siglo pasado el nivel del mar ascendió globalmente ~1-2 mm/año, la mayor parte por la adición de agua al
océano debido al derretimiento de hielo terrestre y en menor proporción por expansión térmica del océano. Según algunas
evidencias, la mayor contribución proviene del derretimiento de Groenlandia, con aportes menores de la Antártida, glaciares
de montaña y pequeños casquetes de hielo. Recientemente se han planteado distintos escenarios de aceleración del aumento
156
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
del nivel del mar. El informe del IPCC formula proyecciones que sugieren que, debido al calentamiento global, el aumento
del nivel medio del mar, promediado globalmente, se hallará entre 0,09 y 0,88 m para fines de este siglo, con un valor medio
de ca. 0,50 m. En la Argentina, análisis previos de niveles medios anuales del registro del Rio de la Plata sobre un periodo
de 99 años indican un incremento de 1,68 ± 0,05 mm/año; en Mar del Plata (periodo 1956‑2005) 1,6±0,1 mm/año y en el
estuario del rio Quequén 1,6±0,2 mm/año. Los valores obtenidos son bastante coincidentes y sugieren estabilidad tectónica.
La aplicación de un ajuste por mínimos cuadrados de acuerdo con una parametrización cuadrática efectuado sobre los
ú1timos 50 años en el Rio de la Plata indica una aceleración del aumento del nivel medio de +0.052±0.005 mm/año2 que,
de permanecer más o menos constante, significaría un incremento total de 0,43 m hacia fines del presente siglo. Idéntica
parametrización cuadrática para Mar del Plata arrojó una aceleración de +0,120±0,006 mm/año2 en el periodo (1953‑2006).
Con esta aceleración (más del doble de la de Buenos Aires) Mar del Plata tendría un aumento total del nivel del mar de 0,76
m para el mismo periodo. Se plantea, por lo tanto, el desafío de encontrar una explicación física de esta diferencia, que muy
probablemente radique en la influencia que la hidrodinámica del Rio de la Plata, comparada con la de Mar del Plata, pueda
tener en el cálculo de una variable como la aceleración, tal vez más sensible que la velocidad a los efectos hidrodinámicos
de un régimen estuárico. Aún con esta discrepancia, los valores de incremento total se encuentran dentro del rango de
variación de distintas proyecciones planteadas a nivel global. E1 valor calculado para Mar del Plata se aproxima a la escala
transgresiva postglacial, en la que el nivel del mar ascendió en promedio a un ritmo de algo más de 1 m/100 años. Por otra
parte, tanto en el estuario del Plata como en el litoral atlántico bonaerense se ha verificado un incremento en la frecuencia,
intensidad y altura de las ondas de tormenta positivas durante las ú1timas décadas. Pese a que los escenarios planteados en
el marco del “cambio climático” son atribuidos fundamentalmente a la emisión de gases de invernadero, y aún coincidiendo
los valores de la Argentina con la tendencia global, el hecho de que las zonas costeras más afectadas por erosión, inundación
e impactos asociados se hallan en las áreas sometidas a una fuerte presión humana, sugiere que la acción directa sobre el
sistema es de una influencia mucho más significativa que la contribución del cambio global.
OCORRÊNCIA DE SEDIMENTOS RELÍQUIA NA PLATAFORMA INTERNA
RASA DO ESTADO DO PARANÁ (BRASIL)
B.I. Simioni 1, F.A. Veiga 2, L.H.S. Oliveira 3 & R.J. Angulo4
Laboratório de Estudos Costeiros (LECost) – Departamento de Geologia - Universidade Federal do Paraná.
[email protected] ; [email protected] ; [email protected] ; [email protected]
1,2,3,4
1
As características atuais das regiões costeiras são resultantes das constantes alterações morfodinâmicas às quais as costas
estão sujeitas e da herança geológica (litológica, tectônica) marcada pelas oscilações do nível relativo do mar durante o
Quaternário. A cobertura sedimentar encontrada atualmente nas plataformas continentais permite análises fundamentais
para a compreensão das dinâmicas atuais e passadas predominantes nesta região. Indicativos de níveis relativos do mar
(NRM) abaixo do atual são mais difíceis de serem descobertos pois, em sua maioria, encontram-se submersos, havendo
assim muito mais evidências de épocas onde o NRM encontrava-se acima do atual. O presente trabalho teve como objetivo
realizar a caracterização sedimentar em duas áreas do fundo marinho na região de plataforma interna rasa do Estado do
Paraná, região Sul do Brasil. Foram coletados sedimentos de fundo em 381 pontos previamente definidos utilizando-se de
equipamento busca-fundo (van veen). O material foi então analisado em laboratório para dados granulométricos, carbonatos
totais e teor de matéria orgânica. Os dados foram processados para a obtenção dos parâmetros estatísticos (média, grau de
seleção e assimetria) e histogramas. Para melhor vizualização dos resultados, foram confeccionados mapas de distribuição
de sedimentos através do método de triangulação com interpolação linear. Os resultados descrevem a presença de areias
muito finas, areias finas e corpos de areia variando de média à grossa. A maior parte deste material grosso ocorre após a
isóbata de 10 metros para o fundo, onde a presença deste não condiz com as características deposicionais atuais na região,
pois os rios mais importantes desaguam no interior dos estuários de Paranaguá e Guaratuba e o material grosso trazido por
eles não poderia ser transportado até a região das plataformas devido às condições hidrodinâmicas atuais. Para a região Sul
do Brasil é descrito um episódio máximo regressivo durante o Pleistoceno (18.000 anos Antes do Presente (AP)) quando
o NRM estaria a 100m abaixo do atual. Datações 14C de recifes de arenito (beachrocks) existentes na mesma plataforma
indicam para recifes de arenito presentes nos 18m de profundidade que estes foram formados há 8.500 anos AP, quando
o NRM estaria 16m abaixo do atual. Para os recifes presentes nos 33m de profundidade, as datações fornecem idades
próximas a 25.000 anos AP com o NRM 31m abaixo do atual. Desta forma, conclui-se que os sedimentos encontrados pelo
atual trabalho podem ser interpretados como depósitos relictos remanescentes de praias ou paleocanais formados durante
períodos de NRM mais baixos que o atual, e que foram posteriormente afogadas durante a fase transgressiva holocênica. Na
157
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
região das plataformas onde estes sedimentos se encontram, as ondas e as correntes interagem de maneira menos frequente
e significativa com o fundo, diminuindo assim a ressuspensão dos sedimentos pelas ondas e o transporte ocasionado por
correntes. A importância da análise destes depósitos nas plataformas vai além do auxílio para compreensão de paleoníveis
marinhos. Também é essencial seu estudo para futuros projetos de extração de areia para fins de alimentação artificial de
praias e construção civil, prática bastante frequente em países como o Reino Unido, Estados Unidos, Holanda e Noruega,
e que deve ser realizada com o conhecimento máximo desta região para evitar impactos na biodiversidade, alterações
hidrodinâmicas e sedimentares que resultem em processos erosivos e destruição do registro geológico.
Caracterização hidrodinâmica e morfodinâmica do estuário do rio das Conchas,
Porto do Mangue – RN, Nordeste do Brasil, a partir de perfis acústicos e imagens de
sonar
Camila Hyslava Campos Soares1,3, Helenice Vital1,2,4, Maria de Fátima Alves de Matos1,2
1 – Departamento de Geologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte – DG/UFRN. 2 – Programa de PósGraduação em Geodinâmica e Geofísica, Universidade Federal do Rio Grande do Norte – PPGG/UFRN. 3 – Bolsista da
Agência Nacional do Petróleo – ANP/PRH22, 4- Pesquisadora CNPq. [email protected] r, [email protected]
ufrn.br
Estuários são ambientes costeiros dinâmicos influenciados tanto pelas correntes marinhas quanto pela atividade do fluxo
do rio, ocorrendo assim no seu interior a interação entre a água salgada (marinha) e doce (fluvial). A região do litoral
setentrional do Rio Grande do Norte, Nordeste do Brasil, onde está localizado a foz do estuário do rio das Conchas é
caracterizada como dominada por processos mistos de ondas e marés, e pelo estabelecimento de diferentes atividades
socioeconômicas da região, tais como a indústria petrolífera, salineira e de carcinicultura. Adicionalmente, a atividade
fluvial na região é, em geral, de baixa energia. O que se tem registrado na foz do rio são as crescentes barras longitudinais e a
formação de dunas, que aumentam o seu assoreamento, influenciado também pela ação eólica. O material que contribui com
a formação das feições morfológicas da foz é transportado da linha de costa para o interior do rio. O baixo aporte hídrico em
consonância com os processos atuantes no litoral ocasiona o retrabalhamento dos sedimentos já existentes na linha de costa
intensificando a erosão na região. A localização do ambiente de estudo foi definida com base na problemática acima descrita
e pela carência de dados sobre o rio. Este trabalho tem como objetivo o estudo integrado de dados sedimentológicos,
hidrodinâmicos e sonográficos do estuário do rio das Conchas. A metodologia empregada constou da coleta de amostras
de fundo utilizando uma draga pontual tipo van veen, de dados hidrodinâmicos com a utilização de um perfilador do tipo
ADCP (Acoustic Doppler Current Profiler) e coleta de dados sonográficos com um sonar de varredura lateral. Os dados
foram coletados tanto no período de chuva quanto no período de seca, nas marés de sigízia e quadratura, para notificar a
variação sazonal do rio durante o período de menor e maior influência das marés e menor e maior influência climática. Com
os resultados obtidos foi possível caracterizar o estuário quanto à influência da maré; possibilidade na atuação da erosão na
linha de costa e interpretar a morfologia de fundo do leito do rio de forma integrada com os dados hidrodinâmicos.
TAXAS DE RETROGRADAÇÃO DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (LITORAL NORTE
DE SÃO PAULO) SOB RISCO MUITO ALTO DE EROSÃO COSTEIRA, COM BASE EM FOTOGRAFIAS
AÉREAS DE 1962 A 2001
Celia Regina de Gouveia Souza¹ & Graciele da Costa Luna2
¹Instituto Geológico-SMA/SP e Depto. de Geografia Física da FFLCH-USP [email protected] 2Operator
Assessoria e Análises Ambientais Ltda. [email protected]
A maioria das praias do município de Caraguatatuba encontra-se em risco muito alto de erosão costeira. As causas do
fenômeno são diversas, incluindo fatores naturais como a elevação atual do nível do mar e mudanças na dinâmica costeira,
bem como fatores antrópicos associados a diversas intervenções ao longo da linha de costa. Essa classificação de risco à
erosão costeira foi estabelecida a partir do número de indicadores de erosão costeira e sua distribuição espacial ao longo
das praias, monitoradas desde 1992 através de perfilagem praial. Um dos 11 indicadores de erosão costeira monitorados
em São Paulo é a retrogradação da linha de costa nas últimas décadas, a priori observada expeditamente em fotografias
158
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
aéreas a partir de 1962 (vôo mais antigo e disponível para todo o litoral paulista). O objetivo deste trabalho é apresentar os
resultados dos estudos realizados em 3 praias desse município que estão sob risco muito alto de erosão costeira (Praias de
Caraguatatuba/Enseada, Massaguaçu e Tabatinga), visando ao cálculo das taxas de retogradação das mesmas em fotografias
aéreas de 1962 (escala 1:25.000), 1977 (escala 1:45.000) e 2001(ortofotos georreferenciadas, escala 1:35.000). Inicialmente
foi necessária a preparação das fotografias de 1962 e 1977, envolvendo trabalhos de geoprocessamento de escaneamento
das mesmas, criação de arquivos raster e georreferenciamento a partir das ortofotos de 2001, as quais foram escolhidas
como base cartográfica de referência. A partir daí, foi aplicado o método do End Point (EPR) para os cálculos das taxas
de variação da linha de costa, cujos limites adotados foram: limite superior – linha de vegetação permanente na planície
costeira ou estruturas rígidas construídas pelo homem na pós-praia; limite inferior – linha de água mais alta (high water
line) observada nas fotos pela diferença de tonalidade clara(seca)/escura(úmida) na praia. Uma vez individualizados os
polígonos de cada praia, foram traçados transectos perpendiculares à linha de costa e eqüidistantes entre si, sempre que
possível coincidentes com a localização dos perfis de monitoramento praial. A partir daí foram obtidos: os valores de largura
da praia (em cada transecto) em cada ano e seus respectivos desvios padrões; as taxas de variação da linha de costa (EPR)
para cada intervalo de tempo (1962-1997, 1977-2001 e 1962-2001); as médias dos EPRs (average of end points method),
que representam as tendências de cada praia; as áreas de cada praia e as perdas em área correspondentes a cada intervalo de
tempo; e o balanço sedimentar (volume médio de sedimentos perdidos) no intervalo de tempo amostrado. Como esperado,
nas últimas quatro décadas, todas as praias de Caraguatatuba apresentaram grandes tendências erosivas, identificadas em
90% dos transectos. A maior erosão foi observada no transecto T2 da Praia de Tabatinga, com mais de 57 m de recuo na
comparação 1962-2001, e média de 38,15 m de recuo para os 40 anos. De maneira geral, a Praia de Caraguatatuba foi a
que mais apresentou variações em termos de área e perda de volume de sedimentos. Com os estudos realizados foi possível
identificar áreas mais e menos estáveis em cada praia, bem como relacioná-las aos indicadores de erosão monitorados e às
principais causas da erosão.
TAXAS DE RETROGRADAÇÃO DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA (LITORAL NORTE DE SÃO
PAULO) SOB RISCO MUITO ALTO DE EROSÃO COSTEIRA, COM BASE EM FOTOGRAFIAS AÉREAS DE
1962 A 2001
Celia Regina de Gouveia Souza¹ & Graciele da Costa Luna2
¹Instituto Geológico-SMA/SP e Depto. de Geografia Física da FFLCH-USP [email protected] 2Operator
Assessoria e Análises Ambientais Ltda. [email protected]
Cerca de 22% das praias do município de Ubatuba encontram-se em risco muito alto de erosão costeira. As causas do
fenômeno são diversas, incluindo fatores naturais como a elevação atual do nível do mar e mudanças na dinâmica costeira,
bem como fatores antrópicos associados a diversas intervenções ao longo da linha de costa. Essa classificação de risco à
erosão costeira foi estabelecida a partir do número de indicadores de erosão costeira e sua distribuição espacial ao longo das
praias, monitoradas desde 1992 através de perfilagem praial. Um dos 11 indicadores de erosão costeira monitorados em São
Paulo é a retrogradação da linha de costa nas últimas décadas, a priori observada expeditamente em fotografias aéreas a
partir de 1962 (vôo mais antigo e disponível para todo o litoral paulista). O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados
dos estudos realizados em 4 praias desse município que estão sob risco muito alto de erosão costeira (Maranduba, Praia
Grande, Barra Seca e Ubatumirim), visando ao cálculo das taxas de retogradação das mesmas em fotografias aéreas de 1962
(escala 1:25.000), 1973 (escala 1:25.000) e 2001 (ortofotos georreferenciadas, escala 1:35.000). Inicialmente foi necessária
a preparação das fotografias de 1962 e 1977, envolvendo trabalhos de geoprocessamento de escaneamento das mesmas,
criação de arquivos raster e georreferenciamento a partir das ortofotos de 2001, as quais foram escolhidas como base
cartográfica de referência. A partir daí, foi aplicado o método do End Point (EPR) para os cálculos das taxas de variação
da linha de costa, cujos limites adotados foram: limite superior – linha de vegetação permanente na planície costeira ou
estruturas rígidas construídas pelo homem na pós-praia; limite inferior – linha de água mais alta (high water line) observada
nas fotos pela diferença de tonalidade clara(seca)/escura(úmida) na praia. Uma vez individualizados os polígonos de cada
praia, foram traçados transectos perpendiculares à linha de costa e eqüidistantes entre si, sempre que possível coincidentes
com a localização dos perfis de monitoramento praial. A partir daí foram obtidos: os valores de largura da praia (em cada
transecto) em cada ano e seus respectivos desvios padrões; as taxas de variação da linha de costa (EPR) para cada intervalo
de tempo (1962-1973, 1973-2001 e 1962-2001); as médias dos EPRs (average of end points method), que representam as
tendências de cada praia; as áreas de cada praia e as perdas em área correspondentes a cada intervalo de tempo; e o balanço
sedimentar (volume médio de sedimentos perdidos) no intervalo de tempo amostrado. Como esperado, nas últimas quatro
décadas, todas as praias analisadas apresentaram grandes tendências erosivas, identificadas em 97% dos transectos. A maior
159
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
erosão foi observada em toda a Praia Grande e, mais acentuadamente, em seu transecto T1, cuja praia recuou mais de 130
m no período da comparação 1962-2001, sofrendo em média 87,25 m de recuo nos 40 anos. Da mesma forma, as maiores
variações em área da praia e em perda de volume de sedimentos foram também dessa praia. Essa expressiva erosão foi
devida principalmente à construção da avenida a beira mar (BR-101) em 1976, e de quiosques de alvenaria, a partir da
década de 1990, todos sobre a pós-praia. Com os estudos realizados foi possível identificar áreas mais e menos estáveis em
cada praia, bem como relacioná-las aos indicadores de erosão monitorados e às principais causas da erosão.
ANÁLISE MORFOLÓGICA E HIDRODINÂMICA DA PRAIA DO MINHOTO – GUAMARÉ/RN.
Ilka Emmanuele Santos Souza1,4, Iracema Miranda da Silveira1,2 & Helenice Vital1,3
Departamento de Geologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, C.P.1639 CEP. 59.072-970, Natal - RN Brasil.
² Museu Câmara Cascudo, Av. Hermes da Fonseca, 1398 – Tirol, Natal/RN CEP: 59015-001, [email protected]
com. 3 Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica, [email protected] 4 [email protected]
1
O estado do Rio Grande do Norte possui uma costa de 410 km de extensão, sendo considerado um estado privilegiado
por possuir uma grande faixa de praia ainda considerada intacta, sem atuação antrópica. Na porção setentrional do estado,
onde se localiza a área de interesse, há interação de diversas atividades econômicas, sendo necessário, portanto, um
contínuo monitoramento morfológico já que alí se registra uma intensa dinâmica costeira. A área do estudo localiza-se
em uma porção da Praia do Minhoto, município de Guamaré/RN, onde estão presentes oleodutos, gasodutos e emissários
submarinos pertencente à uma indústria petrolífera instalada no local. Geologicamente, a área está situada na Bacia
Potiguar, sendo composta predominantemente por sedimentos de praia. O objetivo principal deste trabalho consistiu em um
monitoramento morfológico e hidrodinâmico realizado no período de maré de sizígia nos meses de maio e novembro entre
os anos 2005 e 2007, visando entender, num curto espaço de tempo, a dinâmica ocorrida na região. A metodologia adotada
para este monitoramento seguiu duas atividades distintas: a aquisição de dados planialtimétricos, que foram levantados
com nível de precisão e mira de quatro metros, realizados em quatro perfis praiais perpendiculares à linha de costa; e o
levantamento hidrodinâmico tradicional, utilizando balizas, flutuadores, régua graduada, biruta, anemômetro e cronômetro,
para aquisição de diferentes parâmetros costeiros, incluindo ondas (altura, período e ângulo de incidência), correntes
(intensidades e direções), ventos (intensidade e direção) e feições de praia, como inclinação e cúspides praiais. Os dados
planialtimétricos e hidrodinâmicos foram processados no Laboratório de Geologia e Geofísica Marinha e Monitoramento
Ambiental - GGEMMA/PPGG da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e, a partir deles, foi possível identificar e
analisar os principais aspectos morfodinâmicos que atuam na região, bem como caracterizar as variações anuais do volume
de sedimentos e da morfologia dos perfis de praia, identificando a ocorrência ou não de erosão e/ou deposição e sua taxa
relativa. De acordo com a análise comparativa dos perfis, observou-se que o perfil mais representativo quanto à variação
morfológica, e portanto, mais afetado quanto ao volume de sedimentos depositados e/ou erodidos, foi o perfil 1, influenciado
diretamente pela ação do Canal do Amaro, e evidenciado pelo afloramento de um material lamoso interpretado como um
paleomangue. A análise dos dados hidrodinâmicos permitiu definir que para a área do estudo, o vento apresentou direções
preferenciais de SE-NW para o mês de maio e NE-SW para o mês de novembro, com apenas uma situação anômala no mês
de maio/2006, onde os ventos apresentaram direção NE-SW. A velocidade média calculada dos ventos foi de 14,45 m/s entre
os anos de 2005 e 2007, acima da média regional. Os parâmetros de altura, período e ângulo de incidência de onda foram
registrados com máximas de 0,33 metros, 84,43 segundos e 15° com direção de propagação NE-SW respectivamente, e
classificadas visualmente quanto ao tipo de arrebentação predominantemente como mergulhante, com apenas uma exceção,
onde foi classificada como deslizante para o mês de maio/2005. Com relação às correntes superficiais, os resultados obtidos
para a velocidade média foram de 0,34 m/s com sentido para oeste. Para tanto, faz-se necessário o contínuo monitoramento
desta região para o melhor entendimento dos ciclos naturais que ali atuam.
VARIAÇÃO DAS PROPRIEDADES SEDIMENTOLÓGICAS EM UMA SUCESSÃO DE CORDÕES
LITORÂNEOS DA PLANÍCIE DO JI (LAGUNA, SANTA CATARINA, BRASIL)
Ana Paula Burgoa Tanaka1, Paulo César Fonseca Giannini2 & André Oliveira Sawakuchi2
1- Programa de Pós-Graduação em Geoquímica e Geotectônica, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo
- Rua do Lago, 562, Cidade Universitária, CEP 05508-080, São Paulo - SP, Brasil; e-mails: [email protected];2Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo - Rua do Lago,
160
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
562, Cidade Universitária, CEP 05508-080, São Paulo - SP, Brasil; e-mails: [email protected]; [email protected]
Situada no município de Laguna, litoral sul de Santa Catarina, a planície de cordões litorâneos do Ji encontra-se a norte
dos morros da Glória e do Mar Grosso, testemunhos do embasamento cristalino pré-cenozóico junto à margem norte da
desembocadura lagunar de Entrada da Barra. Limita-se ao interior (oeste) por paleodunas eólicas parabólicas da região
de Barbacena, a sul pela laguna Santo Antônio e a leste pela praia do Ji. Por ocorrer ancorada em paleodunas datadas em
trabalhos prévios como da primeira metade do Holoceno, esta planície teria sido formada na regressão posterior à última
inundação marinha. Os alinhamentos de cordões apresentam, na sua porção norte, direção sub-paralela à atual linha de
costa e às paleodunas parabólicas (NE), mas defletem-se gradualmente e em padrão curvilíneo para SE, na porção sul,
rumo ao morro do Mar Grosso. Esta deflexão deve-se à formação inicial da planície na forma de tômbolo de mar aberto.
Com o intuito de reconstituir a evolução morfossedimentar da planície do Ji, cinco conjuntos de alinhamentos de cordões
concordantes foram delimitados, via aerofotointerpretação, a partir da identificação de truncamentos. Buscou-se em seguida
avaliar a variação espacial de atributos sedimentológicos, por meio de análises granulométricas e de minerais pesados em
sedimentos coletados pontualmente, em trincheiras de até 1m de profundidade, ao longo de um perfil transversal aos feixes.
A distribuição de pontos de amostragem foi feita de modo a permitir avaliar também mudanças em perfil longitudinal à
paleocosta. Encontrou-se padrão McLaren de variação granulométrica “mais grosso, melhor selecionado e mais positivo”,
para E, o que pode ser atribuído a sucessivo retrabalhamento sedimentar no decorrer da progradação. Em perfil longitudinal
aos cordões, a tendência de engrossamento, melhora de seleção e assimetria mais positiva para NE estaria relacionada
ao transporte por deriva litorânea. Ao exame da variação transversal e em área dos índices de maturidade mineralógica,
ressalta-se a maior freqüência de componentes instavéis (iINS) e metaestáveis (iMET) em relação aos ultraestáveis (iZTR)
na porção mais externa da planície, com tendência geral de queda de maturidade para E. Este padrão de variação espacial
da mineralogia pode ser explicado pela concentração progressiva, por seleção hidráulica durante o retrabalhamento
progradacional, de minerais pesados relativamente menos densos, na sua maioria instáveis, combinada à atuação da
dissolução pós-deposicional por maior tempo, com efeito de eliminação preferencial de minerais instáveis na parte sudoeste
(mais antiga) da planície. Para testar a primeira hipótese, de seleção hidráulica, construíram-se gráficos de variação e mapas
de interpolação do índice turmalina-zircão (iTZ), dois minerais de mesma estabilidade mas de equivalentes hidráulicos
diferentes. O resultado encontrado, aumento do iTZ rumo E, reforça a hipótese de controle hidráulico na variação espacial
da mineralogia. Para testar a segunda hipótese, de dissolução pós-deposicional, foram elaborados gráficos de variação
e mapas de interpolação do índice hornblenda-turmalina (iHT), dois minerais de equivalentes hidraúlicos semelhantes,
porém de estabilidades químicas contrastantes (turmalina mais estável que hornblenda). Observa-se aumento do iHT para
E, coerente com a hipótese de menor tempo de atuação da dissolução pós-deposicional, e menor eliminação química
de hornblenda, na porção leste da planície; porém, este aumento não apresenta distribuição uniforme. Desse modo, a
primeira hipótese seria mais plausível ou o fator hidráulico representaria controle mais efetivo sobre a mineralogia. Quanto
à variação de atributos mineralógicos em perfil longitudinal ao cordão, tem-se aumento de iINS em detrimento do iZTR na
porção nordeste da planície, acompanhado de incremento nas razões iTZ e iHT. Essa combinação de variações, admitida a
hipótese de controle hidráulico e atuação da dissolução pós-deposicional sobre a distribuição dos sedimentos numa mesma
linha de tempo, pode ser interpretada como reflexo de paleoderiva litorânea dirigida para NE, com transporte preferencial
do componente menos denso nesse rumo.
PROJETO DE ESTUDO DE VALES INCISOS NA PORÇÃO SUL DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO
GRANDE DO SUL, BRASIL: UM EXEMPLO DE SUCESSO NA INTEGRAÇÃO DE MÉTODOS DE
INVESTIGAÇÃO DA EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DE REGIÕES COSTEIRAS.
Luiz J. Tomazelli1; Eduardo G. Barboza1; Sergio R. Dillenburg1; Maria Luiza C. C. Rosa1; Felipe Caron1;
Leonardo G. Lima1; Antonio J. L. de Andrade Ramos2; José E. Faccion2 & Amilsom R. Rodrigues2
1
CECO - Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2 CENPES – PETROBRAS
O projeto “Implantação, Preenchimento e Desenvolvimento de Vales Incisos na Porção Sul da Planície Costeira do Rio Grande
do Sul” foi executado por pesquisadores do Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica (CECO) da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob encomenda e financiamento do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento
(CENPES) da PETROBRAS. O objetivo principal do projeto foi a busca de dados quantitativos que permitissem a modelagem
dos processos responsáveis pela gênese e evolução geológica de vales incisos. Os vales incisos são importantes feições
erosivas-deposicionais que, além de atuarem como condutos na transferência de sedimentos das áreas fontes para as bacias
adjacentes, podem acumular e preservar depósitos com boas qualidades como reservatórios. Tendo em vista o objetivo do
161
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
projeto, o primeiro ponto a ser definido foi sua limitação espacial-temporal. A área escolhida para o detalhamento foi um
sistema de vale inciso situado na porção sul da Planície Costeira do Rio Grande do Sul, nas proximidades da região conhecida
como “Banhado do Taim”, um antigo canal de ligação entre a Lagoa Mirim e o Oceano Atlântico. O intervalo de tempo a ser
investigado restringiu-se ao registro da última incisão do vale (ocorrida, aproximadamente, entre 100 e 18 ka) e seu posterior
preenchimento, como resultado da Transgressão Pós-Glacial. Esta definição quanto à abrangência espacial-temporal do
projeto permitiu uma focalização clara dos objetivos e uma escolha mais apropriada para a metodologia a ser empregada. O
projeto foi executado em dois anos e apresentou uma ótima oportunidade de integrar vários métodos de estudos aplicáveis
não só ao estudo de vales incisos, mas, de forma geral, à pesquisa da evolução geológica de regiões costeiras. Os métodos
empregados incluíram: (a) Técnicas preliminares (Compilação e análise de dados antecedentes, definição espaço-temporal
da área de estudo, interpretação de imagens de satélite e fotografias aéreas, elaboração de um Sistema de Informação
Geográfica (SIG); (b) Geologia de superfície (análise de afloramentos e mapeamento geológico da região de interesse); (c)
Métodos geofísicos potenciais (gravimetria e magnetometria); (d) Sísmica de alta resolução; (e) GPR – Radar de penetração
no solo; (f) Sondagens SPT; (g) Técnicas de laboratório diversas, incluindo: análises composicionais (bióticas e abióticas),
análises texturais (granulométricas), análises geocronológicas (C14) e processamento dos dados geofísicos. Os resultados
mostram que a área investigada comportou-se, durante o Quaternário, como uma importante zona de passagem ligando os
terrenos da porção sul da Planície Costeira do Rio Grande do Sul com o Oceano Atlântico. Durante os períodos de mar alto
a região comportava-se como um canal de ligação (inlet) entre a Lagoa Mirim e o mar. Durante os períodos de nível de mar
baixo a região sofria incisões provocadas pelos rios que a ela convergiam. Portanto, atuando ora como inlet e ora como vale
fluvial, a região mostrou-se geologicamente interessante para ser investigada em uma pesquisa sobre formação, evolução e
preenchimento de um modelo alternativo de vale inciso.
EVOLUCION GEOMORFOLOGICA DE UN SISTEMA DE CANALES DE MAREA EN EL ESTUARIO DE
BAHIA BLANCA, ARGENTINA
Laura G. Vecchi1, 2, Silvia Susana Ginsberg 1,2, Salvador Aliotta 1, 3, Darío A. Giagante 1.
Instituto Argentino de Oceanografía (CONICET-UNS). CCT-BBca, camino La Carrindanga Km. 7, C.C. 804, 8000Bahía Blanca, Argentina. (2) Universidad Tecnológica Nacional. FRBB: Dpto. de Ingeniería Civil. 11 de Abril 461, 8000Bahía Blanca, Argentina.(3) Universidad Nacional del Sur, Dpto. Geología, San Juan 670, 8000- Bahía Blanca, Argentina.
E-mail: [email protected], [email protected], [email protected], [email protected]
(1)
El estuario de Bahía Blanca ocupa una amplia zona al sur de la provincia de Buenos Aires (Argentina). Su configuración
regional se caracteriza por el desarrollo de una densa red de canales de diferentes dimensiones, generalmente de tipo
meandroso, los cuales muchas veces conforman sistemas de canales interconectados. Las áreas adyacentes a los mismos
se presentan como extensas planicies de marea y marismas. En particular, los canales El Alambre, La Lista y Principal
constituyen uno de los mayores sistemas interconectados del estuario. El estudio de las facies subsuperficiales y rasgos
morfológicos de fondo determinados con métodos sismo-acústicos (perfilador sísmico de 3,5 kHz, ecosonda y sonar de
barrido lateral), así como el análisis de datos de corrientes (seis correntógrafos fondeados a 1 m del fondo) y del sedimento
superficial, permitieron definir un modelo morfoevolutivo para el sistema. La acción de la corriente de marea sobre el
cauce de los canales genera procesos erosivos y depositacionales evidenciados en los registros sísmicos. De esta manera,
la erosión se manifiesta en el truncamiento de reflectores y terminaciones toplap. Mientras que, conjuntos de reflectores
concordantes con la superficie y configuraciones progradantes oblicuas, sigmoides y tangenciales, determinan las áreas
con predominio de la depositación. Por otro lado, la distribución, disposición y características morfológicas de los rasgos
de fondo (dunas, lineaciones sedimentarias, barras arenosas, afloramiento de materiales antiguos), conjuntamente con el
análisis de las corrientes, brindan información sobre la acción del flujo y reflujo en los canales, las cuales demuestran
el dominio de la corriente de bajante. Los patrones en planta de canales marinos y los de los cursos fluviales muestran
grandes semejanzas, las que han dado origen a fuertes analogías referidas a la dinámica de estos tipos de geoformas. Así,
la presencia de tramos depositacionales y erosivos a lo largo de los flancos de El Alambre y La Lista se relaciona con el
curso meandriforme de los mismos. El desarrollo de procesos erosivos en los veriles cóncavos y la depositación en capas
inclinadas progradantes en las márgenes convexas, con el desarrollo de barras en espolón, son similitudes morfológicas
con los meandros fluviales. Si bien en el ambiente mareal las corrientes son reversibles, el análisis de las configuraciones
sismoestratigráficas superficiales define que los cauces curvados de los canales evolucionan como meandros, dominados
por la corriente de reflujo, la cual le confiere características unidireccionales a sus rasgos morfológicos y estratigráficos.
Además, se establece que las principales variaciones en los canales se relacionan a un desplazamiento de los veriles, sin
162
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
producirse una significativa profundización del fondo. La erosión del lecho estaría litológicamente controlada por la elevada
compactación de los materiales de las secuencias subyacentes antiguas. Al considerar las tendencias morfoevolutivas
mencionadas, se estima que el sistema estudiado sufrirá la migración lateral de los cauces de los canales, acentuándose la
sinuosidad de sus cursos. Asimismo, las barras arenosas y los sectores de mayor profundidad tenderán a evolucionar en
sentido de la corriente de reflujo, hacia el exterior del sistema.
MAPEAMENTO SISTEMÁTICO DOS SEDIMENTOS DO FUNDO MARINHO ATÉ A ISÓBATA DE 30
METROS NA PLATAFORMA CONTINENTAL RASA DO ESTADO DO PARANÁ, SUL DO BRASIL
Fernando Alvim Veiga1,2,3,5; Luiz Henrique Sielski de Oliveira1,4,6; Rodolfo José Angulo1,2,7; Andre Luiz
Alberti1,4,8.
Universidade Federal do Paraná, 2Laboratório de Estudos Costeiros-LECost, 3Programa Nacional de Pós-doutorado,
4
Centro de Estudos do Mar.E-mail: [email protected] ; [email protected] ; [email protected] ; [email protected]
com.br .
1
O litoral paranaense apresenta várias praias com déficit sedimentar. Além das variações naturais que ocorrem neste
ambiente que está sempre buscando o equilíbrio, as alterações antrópicas são a causa da maior parte dos problemas erosivos
que ocorrem na região costeira. A ocupação de campos de dunas frontais e sua destruição pela instalação de passagens
para pedestres; construção de obras rígidas para contenção, pavimentação ou estética; canalização de rios; construção de
barragens; aquecimento global; são alguns dos fatores que, atuando em conjunto, contribuem e agravam as mudanças na
posição da linha de costa. Além disso, como signatário da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM),
assinada pelo país em Montego Bay (Jamaica) em dezembro de 1982 e ratificada em dezembro de 1988, o Brasil deve
estabelecer os limites da Plataforma Continental Jurídica do Brasil (PCJB) utilizando-se de critérios geológicos e geofísicos
o que depende do maior número de informações disponíveis. As políticas nacionais relativas ao ambiente marinho como
a Política Nacional para os Recursos do Mar (PNRM) e o Plano Setorial para os Recursos do Mar (PSRM) também
devem ser baseadas em informações da área. Recentemente, o programa Recursos Minerais da Plataforma Continental
(REMPLAC) mostrou o interesse em avaliar o potencial mineral da plataforma continental junto ao Programa de Geologia
e Geofísica Marinha (PGGM). O detalhamento de jazidas próximas a locais com problemas erosivos é um dos interesses
do REMPLAC. Para que projetos desta natureza obtenham sucesso, é fundamental o estudo de áreas submersas rasas
próximas à costa, ainda pouco conhecidas em escala de detalhe. Este trabalho tem por objetivo caracterizar os sedimentos
do fundo marinho do litoral do estado do Paraná, e identificar fontes potenciais de areia para alimentação artificial de
praias sob processo erosivo. Foram definidos 20 perfis ao longo da costa paranaense (da Barra do rio Saí Mirim à Barra do
Ararapira) com comprimento médio aproximado de 20 milhas náuticas. Os perfis foram distribuídos com um espaçamento
de aproximadamente duas milhas náuticas entre perfis e duas milhas náuticas entre pontos ao longo dos perfis. Os dados
preliminares da região indicam que as areias da plataforma continental rasa são finas a muito finas, bem selecionadas,
semelhantes às das praias paranaenses. Ocorrem também areias médias a grossas remanescentes de períodos passados, nos
quais o nível relativo do mar era mais baixo que o atual, sendo que estes depósitos podem constituir importantes jazidas de
areia quando associados a preenchimento de canais (paleocanais). Os mapas interpolados mostram áreas muito promissoras
para ocorrência de importantes jazidas de areia. Estudos mais aprofundados como adensamento da malha amostral em
alguns locais, campanhas geofísicas com equipamento perfilador de subsuperfície, imageamento com sonar de varredura
lateral e sondagens executadas por mergulhadores estão previstos para detalhar e cubar os volumes destas possíveis jazidas.
EL CUATERNARIO MARINO EN EL SECTOR NORTE DEL TALUDCONTINENTAL ARGENTINO
Roberto A. Violante
Servicio de Hidrografía Naval, Depto. Oceanografía, División Geología y Geofísica Marina.
Av. Montes de Oca 2124, Buenos Aires C1271ABV, Argentina. E-mail: [email protected]
Se interpretó la Secuencia Depositacional del Plioceno superior-Cuaternario (SDPC) en el talud continental bonaerense
(entre 37 y 39ºS), aplicando los conceptos de estratigrafía secuencial basados en relevamientos sísmicos de alta resolución
y análisis sedimentológico-microfaunístico de testigos verticales. Limitaciones impuestas por el método sísmico a las
163
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
profundidades de trabajo no permitieron discriminar subunidades, tal como se hizo previamente en la continuación de la
unidad en la plataforma adyacente. El trabajo forma parte del Proyecto MINCyT-ANPCyT-PICT 2003-14417. La base de
la SDPC es el horizonte reflector “N” (edad: 2.41 Ma, Parker et al., 2005, 2008; Paterlini et al., 2005), que representa una
marcada discordancia manifestada por el contraste sísmico entre las capas infra y suprayacentes. La disposición regional
del horizonte revela que se extiende en el subsuelo de la plataforma y se corta contra la pendiente del talud superior (a unos
300 m b.n.m), luego reaparece en el subsuelo de l talud medio (Terraza Ewing) aunque vuelve a desaparecer nuevamente
en la transición a la pendiente del talud inferior (1100 m b.n.m.). Si bien la unidad está presente a profundidades mayores,
la discordancia no se manifiesta allí por falta de contraste sísmico. La SDPC tiene en el talud medio espesores entre varias
decenas y 200 m. Su estructura sísmica interna está caracterizada por reflectores subparalelos entre sí y también al fondo
marino. Dentro de esa configuración se evidencian estructuras de agradación, progradación, retrogradación, canales y
superficies de erosión, que reflejan procesos complejos de erosión-acumulación de variado origen. Los sedimentos que la
constituyen (al menos los 9 m superiores que pudieron ser muestreados) son de carácter silicoclástico, formados por arcillas y
fangos verde grisáceos no consolidados con delgadas intercalaciones de arenas de probable origen turbidítico. La asociación
mineralógica es típicamente volcánico-piroclástica de procedencia pampeano-patagónica. Contienen una relativamente
abundante fauna de foraminíferos, cuyo estudio (particularmente de los planctónicos) permitió establecer la edad Plioceno
superior-Pleistoceno-Holoceno de la unidad (Laprida et al., este volumen). La SDPC se correlaciona con la secuencia de
unidades (de orden menor) de carácter transgresivo-regresivo de origen glacioeustático reconocidas en plataforma (SD1,
SD2, SD3 y SD4, Parker et al., 2008), aunque su conformación en el talud no es de depósitos litorales-marinos someros
directamente asociados a las fluctuaciones del nivel del mar sino de depósitos propios de ambientes profundos. El análisis
de la estratigrafía sísmica y estructuras sedimentarias señala que los procesos profundos se habrían manifestado en el talud
de manera diferente durante las etapas de nivel del mar alto (períodos interglaciales) y bajo (glaciaciones), con predominio
de sedimentación contornítica y agradación del talud en las primeras, y de acción turbidítica, deslizamientos , flujos de
detritos, excavación de cañones submarinos y formación de superficies erosivas durante las segundas, cuando la línea de
costa y las condiciones de mayor energía se encontraban cerca del borde plataforma-talud. Las relaciones estratigráficas
y configuraciones morfosedimentarias señalan que a partir del Plioceno superior se estableció la configuración actual del
talud, con el desarrollo definitivo de la Terraza Ewing y del Cañón Submarino Mar del Plata.
Referencias
Parker, G., Paterlin i, C.M., Violante, R.A., Costa, I. P., Marcolini, S. y Cavallotto, J.L., 2005. Geología submarina:
Plataforma continental frente a Mar del Plata, Provincia de Buenos Aires. XVI Congreso Geológico Argentino, La Plata.
Actas III: 817-824.
Parker, G., Violante, R.A., Paterlini, C.M., Costa, I.P., Marcolini, S. y Cavallotto, J.L., 2008. Las
secuencias depositacionales del Plioceno-Cuaternario en la Plataforma Submarina adyacente al Litoral del Este Bonaerense.
LAJSBA - Asoc. Arg. de Sedimentología , 15 (2): 105-124.
Paterlini, C.M., Violante, R.A., Costa, I. P., Marcolini, S., Laprida, C., García Chapori, N. y Parker, G., 2005. Fisiografía y
Edad del Cañón Submarino Mar del Plata. XVI Congreso Geológico Argentino, La Plata. Actas III: 825-832.
164
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
SIMPOSIO
Paleoclimas de América del Sur
Coordinadores:
Dr. Aldo Prieto
Dr. Bruno Turcq.
165
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO PLEISTOCENO SUPERIOR NO SUDESTE BRASILEIRO:
RESULTADOS PRELIMINARES A PARTIR DE DATAÇÕES DE C14
Cristina H.R.R. Augustin
CPMTC-lGC—UFMG, Av. Antonio Carlos 6627, CEP: 31 270-901, BH MG-Brazil — [email protected]
Studies about the climatic changes during the last glacial maximum (LGM) in Brazil are particularly centralized around the
Amazonian Basin, where a diversified set of data has been produced involving MC, pollen, organic matter and sediment
analyses. The same set of information is not available for the highlands of Brazil, partially because of the great extension
of this region, which produces only scant amounts of representative data from this part of the country. Another reason can
be related to the increased attention the Amazonian area has received from all over the world. This work presents a detailed
description of one alluvial/colluvial profile from one site collected in the southeastern Brazilian shield where organic clay
material was found and submitted to MC dating. The results from MC vary from ca. 38.000 yr BP to ca. 17.000 yr BP and
indicate the occurrence of more than one episodes of organic clay deposition in an environment characterized by a low
hydraulic energy of the drainage/slope system, and the occurrence of either a long process of organic matter decomposition
or decomposition under colder conditions than those of the present climate. This research intends to contribute towards
some of the information required, although much more detailed research must be conducted to cover such an expanse.
LATE QUATERNARY CLIMATE OF TROPICAL SOUTH AMERICA
Paul A. Baker1, Sherilyn C. Fritz2, and Catherine A. Rigsby3
1. Duke University, [email protected], 2. University of Nebraska-Lincoln, [email protected], 3. East Carolina
University, [email protected]
Published speleothem records of past climate indicate that precipitation varied in the South American summer monsoon
(SASM) region due to orbital forcing. This is not a surprise because wet-season insolation varies on precessional timescales
by about one-third of the range of the modern annual cycle. Thus, during periods of high summer insolation, including
the present, the last glacial maximum (LGM), and ~40 Ka BP, summertime heating of the South American continent and
the continental-scale heat low were enhanced resulting in enhanced convection and precipitation throughout much of the
southern tropics of the continent. On centennial to millennial time-scales, variation of SASM precipitation was partly forced
by variation of the north-south hemispheric-scale surface temperature gradient. Thus, during known cold periods in the
North Atlantic sector (i.e. Heinrich events, the LGM, and Dansgaard-Oeschger stadials), the north-south Atlantic surface
temperature gradient decreased dramatically and SASM precipitation was enhanced. Paleoclimate observations suggest that
the magnitude of precipitation increase due to both forcings (in solation and north-south temperature) was approximately
equal. To first order, glacial and hydrologic mass balances, controlling lake levels and river discharge, are given by the
difference between rates of precipitation and evaporation. Evaporation rate is partly a function of surface temperature. To
the extent that they are known, paleo-temperatures in tropical South American paralleled global-scale paleo-temperatures
such that global glacial stages were colder in South America and interglacial stages were warmer. The difference between
these precipitation and temperature models allows simple “prediction” of hydrologic mass balance for comparison with
known glacial and lake level histories of the sub-tropical Andes, “prediction” of past river discharge for the great subtropical rivers of South America, and “prediction” of the extent of rain forest in the southern Amazon.
ANÁLISE PALINOLÓGICA DE UM TESTEMUNHO OBTIDO PRÓXIMO AO LITORAL DE SÃO GONÇALO,
À NORDESTE DA BAÍA DE GUANABARA, RIO DE JANEIRO, BRASIL
Cintia Ferreira Barreto1,2, Alex da Silva de Freitas1,2, Claudia Gutterres Vilela3, José Antônio Baptista-Neto4, Ortrud
Monika Barth5
Universidade Federal Fluminense, Instituto de Geociencias, Departamento de Geologia, e-mail: [email protected]
com.br. 2 Laboratório de Palinologia, Departamento de Geologia e Departamento de Botânica, Universidade Federal do
1
166
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Rio de Janeiro. 3 Laboratório de Análise Micropaleontológica, Departamento de Geologia, Universidade Federal do Rio
de Janeiro.
4
Laboratório de Geologia Marinha, Departamento de Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal
Fluminense.. 5 Laboratório de Morfologia e Morfogênese Viral, Instituto Oswaldo Cruz, Fiocruz.
Estudos palinológicos em sedimentos da Baía de Guanabara (RJ) têm fornecido novas informações para o esclarecimento
paleoambiental durante o Holoceno Tardio no litoral sudeste do Estado do Rio de Janeiro. No presente trabalho foram
analisados grãos de pólen, esporos e outros palinomorfos encontrados em amostras de um testemunho de sondagem (T14)
com 220 cm de comprimento, coletado próximo ao litoral de São Gonçalo (22° 50’40”S e 43°07’00” W), com o objetivo
de reconhecer e interpretar a dinâmica temporal da vegetação na região, bem como observar a influência antrópica. As
amostras do testemunho foram submetidas ao tratado químico com HCL 10% para eliminação dos carbonatos, HF 40%
para eliminação dos silicatos, acetólise e gradiente de CL2 Zn (densidade 2) para recuperação dos palinomorfos. Para
cada amostra analisada foram contados no mínimo 300 grãos de pólen, observados em três lâminas. Duas pastilhas de
Lycopodium clavatum foram introduzidas em cada amostra para obtenção da concentração absoluta dos palinomorfos por
volume de sedimento. Foram realizadas datações radiocarbônicas a 70 cm e 200 cm de profundidade, indicando uma idade
de 550 + 40 anos AP e 5700+ 40 anos AP, respectivamente. A descrição sedimentológica do T14 apresenta uma lama fluida
com laminações plano-paralelas até 46 cm de profundidade e, abaixo deste intervalo, lama compactada com presença de
biodetritos até a base. Os resultados obtidos na análise do testemunho de sondagem, com base nos diagramas palinológicos,
possibilitaram determinar três zonas palinológicas. A zona I, a mais basal, foi caracterizada por um significativo aumento
nos valores de concentração total dos palinomorfos em relação a todos os níveis analisados. A partir de 5700 anos AP foi
registrada uma mudança das condições ambientais na região de estudo, sugerida pelo aumento no percentual dos tipos
polínicos de Floresta Ombrófila, ocorrência de tipos polínicos de Floresta Montana, associada a uma queda expressiva nos
valores percentuais do pólen de plantas hidrófitas, vegetação campestre e esporos de pteridófitas. Esta mudança ambiental
pode estar associada ao evento máximo transgressivo holocênico que favoreceu a expansão da superfície do espelho d’água
da baía e aproximou a vegetação de mata mais densa localizada nas encostas da serra do mar. A zona II é caracterizada pela
diminuição na concentração total dos palinomorfos. No nível 120 cm de profundidade, ocorreu uma queda importante dos
tipos polínicos da Floresta Ombrofila, de Higrófitas e esporos de pteridófitas, sugerindo uma fase de clima menos úmido que,
provavelmente, pode ter sido influenciada pela segunda regressão do nível do mar. O percentual dos táxons de Vegetação
Campestre permaneceu baixo e constante nesta zona. No topo da zona II do testemunho foi possível observar um aumento
expressivo de pólen herbáceo da Vegetação Campestre, associado ao aparecimento de táxons exóticos introduzidos pelos
Europeus tais como Casuarina, Eucalyptus e Pinus. A redução da Mata Atlântica e a expansão da Vegetação Campestre
estão relacionados ao início dos processos de colonização pelos Europeus, com a implantação dos grandes ciclos agrícolas,
que se expandiram por quase todos os terrenos baixos e de colinas da Baixada Fluminense causando, já nos primeiros
séculos de colonização, o desmatamento de quase toda a região da Baixada da Guanabara.
FORÇANTES CLIMÁTICAS DAS VARIAÇÕES DE PALEOPLUVIOSIDADE DURANTE O
QUATERNÁRIO TARDIO NO NORDESTE DO BRASIL
Eline A.S Barreto1, Francisco W. Cruz1, Ivo Karmann1, Xianfeng Wang2, Hai Cheng2 & Augusto Auler3
1. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, Rua do Lago, 562, CEP 05508-080, São Paulo-SP, Brazil; 2.
Department of Geology and Geophysics, University of Minnesota, Minneapolis, Minnesota 55455, USA; 3. Instituto do
Carste, Rua Kepler 385/04, Belo Horizonte, MG 30360-240, Brazil
Perfis isotópicos de d18O de espeleotemas da porção central do estado da Bahia confirma forte relação entre mudanças
climáticas com mudanças na insolação de verão nos últimos 90 mil anos em toda região nordeste do Brasil. Essa relação
recentemente estabelecida em registros de espeleotemas do Rio Grande do Norte (Cruz et al., 2009) indica predomínio de
clima mais úmido em todo o Nordeste durante o Holoceno Inferior e Médio (entre 10 e 4 mil anos A.P.), caracterizados
por valores mais negativos de d18O, numa fase de insolação mais baixa no hemisfério sul, sendo o contrário observado
durante os últimos 4 mil anos. Esse novo resultado confirma também uma relação oposta entre as variações insolação de
verão e paleopluviosidade observadas na região nordeste e nas regiões sul/sudeste do Brasil e dos Altiplanos Andinos.
Durante o período glacial, as variações das razões isotópicas do oxigênio nos espeleotemas da Bahia mantém a mesma
relação observada no Holoceno, marcada pelo aumento de valores de d18O em fases de insolação alta. No entanto, as curvas
isotópicas somente mantêm claramente esse padrão em ciclos de maior amplitude, da forma semelhante ao que tem sido
167
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
observado em registros de espelotemas da China. Entretanto, existe aparente predomínio de valores anomalamente altos
de d18O durante o período correspondente aos estágios isotópicos 4, 3 e 2, mais especificamente entre 40 e 20 ky A.P. na
China e na Bahia e valores anomalamente negativos mais a sul do Brasil, em São Paulo e Santa Catarina (Fig. 8). O presente
resultado sugere que a insolação de verão não é a única forçante climática que exerce influência sobre os sistemas climáticos
tropicais durante o período glacial, especialmente no Último Máximo Glacial (Fig. 9). É bem provável que a expansão do
gelo sobre os continentes e oceanos tenham indiretamente favorecido o deslocamento da Zona de Convergência Intertropical
(ZIC) para sul, como sugerido por Cruz et al. (2007).
Cruz FW, Vuille M, Burns SJ, Wang X, Cheng H, Werner M, Edwards R. L, Karmann I, Auler AS, Nguyen, H. (2009).
Orbitally driven east-west anti-phasing of South American precipitation. Nature Geoscience 2, 210 – 214.
Cruz FW, Burns SJ, Jercinovic M, Karmann I, Sharp WD, Vuille M (2007). Evidence of rainfall variations in southern
Brazil from trace element ratios (Mg/Ca and Sr/Ca) in a Late Pleistocene stalagmite. Geochim Cosmochim Acta 71:
2250-2263.
PALINOGIA DOS SEDIMENTOS DE SUPERFÍCIE DE FUNDO DA LAGOA DE ITAIPU,
NITERÓI, RIO DE JANEIRO, BRASIL
Robson Lucas Bartholomeu1, 2, Marcia Aguiar de Barros2, Ortrud Monika Barth2, 3, Cláudia Gutterres Vilela4 & Cleverson
Guisan Silva5.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, IGEO, Pós-Graduação em Paleontologia e Estratigrafia. Rio de
Janeiro, RJ, Brasil ([email protected]).2Universidade Federal do Rio de Janeiro, IGEO, Departamento
de Geologia, Laboratório de Palinologia. Rio de Janeiro, RJ, Brasil ([email protected]).3Fundação
Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil ([email protected]).4Universidade Federal
1
do Rio de Janeiro, IGEO, Departamento de Geologia. Rio de Janeiro, RJ, Brasil ([email protected]).5Universidade
Federal Fluminense, LAGEMAR, Departamento de Geologia Marinha. Niterói, RJ, Brasil ([email protected]).
A Lagoa de Itaipu é um corpo costeiro semi-fechado com cerca de 1,5 km2, localizada no litoral setentrional do município
de Niterói, Rio de Janeiro, entre as latitudes 22º57´S e 22º 59´S e as longitudes 43º 01´W e 43º 03´W. Esta lagoa foi formada
através das flutuações holocênicas do nível do mar, ocorridas em torno de 7.000 anos A.P. A geologia da área é caracterizada
por um embasamento pré-cambriano cristalino, apresentando-se sobre a forma de montanhas. O clima da área é quente
e úmido, segundo a classificação de Koppen. A vegetação da área é composta por remanescentes de restinga, mangue,
Mata Atlântica e campos antrópicos. Foram selecionadas seis amostras da superfície de fundo da lagoa para as análises
palinológicas, coletadas ao longo de um transect com o auxílio de um busca fundo do tipo Van-Veen. As amostras foram
processadas de acordo com a técnica proposta como padrão, com adição de HF (40%) e HCl (10%) e acetólise clássica. O
trabalho tem com objetivo caracterizar e conhecer a deposição palinológica atual na área de estudo, visando identificar as
relações existentes entre o conjunto palinológico depositado na superfície de fundo e as formações vegetais encontradas
na região. A família Poaceae apresenta os maiores percentuais principalmente nas amostras A4 (43,3%) e A5 (43,1%). Os
tipos polínicos Typha (nas amostras A5 - 13.7% e A6 - 23,9%) e Cyperaceae (nas amostras A2 - 6.5% e A6 - 6.8%) são
representativos da vegetação encontrada às margens da lagoa atualmente. Os microforaminíferos e algas nas amostras A1,
A2 e A3 localizadas próximas ao canal de ligação da lagoa com o mar, evidenciam a influência marinha nessas amostras.
Os palinomorfos encontrados estão bem preservados em sua maioria, evidenciando o processo de sedimentação rápido
dos mesmos após a sua deposição em condições anóxicas. O predomínio da vegetação de Campo em todas as amostras
de superfície de fundo caracteriza as condições ambientais do entorno da lagoa de Itaipu, principalmente devido à forte
presença antrópica no local.
Mudanças na densidade da cobertura arbórea da região de Búzios /Cabo Frio, RJ, Brasil,
durante o Holoceno inferidas através de assembléias fitolíticas extraídas de solos
Heloisa Helena Gomes Coe1, Anne Alexandre2, Cacilda Nascimento de Carvalho3, Guaciara M. Santos4,
Marcelo Bernardes3, Leandro O. F. de Sousa5, Antônio Soares6, Igo F. Lepsch7 & Daniel Vidal8
1Lagemar, UFF, Brasil; UERJ-FFP, Brasil, [email protected]; ²CEREGE, Aix en Provence, France;
168
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Departamento de Geoquímica, UFF, Brasil; 4Earth System Science, University of California,USA; 5Museu Nacional,
UFRJ, Brasil; 6Departamento de Geografia Física, UERJ, Brasil; 7Esalq, USP, Brasil; 8 Embrapa-Solos.
A região de Búzios /Cabo Frio, Rio de Janeiro, é considerada um “enclave” fitogeográfico, apresentando um clima mais
seco que o restante do litoral fluminense, relacionado, entre outros fatores, à presença de uma ressurgência costeira local.
Sua vegetação, dominada por florestas xeromórficas, com fisionomia semelhante à caatinga, tem abundância de Cactaceae
e Bromeliaceae e é cercada por florestas úmidas da Mata Atlântica. Estudos paleoambientais desenvolvidos na região,
em sedimentos lagunares e oceânicos, revelaram mudanças no nível relativo do mar e na intensidade da ressurgência.
Entretanto, a história desta região ainda é pouco conhecida, sendo raros os sedimentos que tenham preservado traçadores
de vegetação, como o pólen. Os fitólitos, partículas de sílica biogênica amorfa, por apresentarem-se bem preservados
em solos e paleossolos, foram escolhidos como marcadores para inferir a evolução desta vegetação durante o Holoceno.
Identificou-se, assim, mudanças na densidade arbórea, através do estudo morfológico de assembléias fitolíticas extraídas
de horizontes de quatro perfis de solo, cujas amostras foram submetidas a análises pedológicas (Embrapa-solos, RJ, Brasil)
e micromorfológicas (UFRJ, Brasil). Quantificou-se a abundância e o grau de alteração dos fitólitos e calculou-se índices
fitolíticos indicadores da densidade da cobertura arbórea (D/P1) e de palmeiras (Pa/P) (CEREGE, França). As assembléias
fósseis foram interpretadas por comparação com assembléias fitolíticas modernas, coletadas de horizontes superficiais
sob diferentes tipos atuais de vegetação na região: mata seca, mata úmida, caatinga hipoxerófila e brejo. Os resultados
fitolíticos foram comparados com os de análises da matéria orgânica elementar e de δ13C e de ligninas (UFF, Niterói, Brasil).
Amostras da MOS de quase todos os horizontes foram datadas por 14C por AMS (UCI, Irvine, USA). Observações de
campo, corroboradas pelas análises pedológicas e micromorfológicas, identificaram que três dos quatro perfis apresentam
descontinuidades litológicas advindas de fases de erosão/deposição. Assim, as assembléias fitolíticas podem ter registrado a
vegetação in situ e a da região fonte dos colúvios, que hoje são similares. O horizonte com MOS mais antiga (Perfil 1-BC),
atualmente sob floresta xeromórfica, tem idade média de 13ka anos cal BP e um índice D/P1 menor que o atual. Acima dele,
encontra-se um paleohorizonte Ab (idade média da MOS 9,4ka anos cal BP), que marca uma descontinuidade interpretada
como advinda de eventos(s) erosivos(s), e com um D/P1 ligeiramente superior ao atual. Sobre este horizonte Ab, existe um
de mistura da MOS do horizonte enterrado, do material depositado sobre ele e do desenvolvimento de solo mais recente,
tendo idade média de 4,5ka anos cal BP e o maior D/P1 do perfil. Infere-se daí que o período entre 9,4ka e 4,5ka anos cal
BP, quando ambos os horizontes se desenvolveram, foi mais úmido. A floresta xeromórfica atual apresenta valores de D/
P1 de 0,4 a 0,5. Os valores em todos os quatro perfis não ultrapassaram 0,8, sugerindo que as vegetações local e regional
nunca atingiram uma densidade de cobertura arbórea próxima da atual floresta mais úmida, nos limites da região (D/P1=2).
No perfil 1, valores D/P1 são mais baixos que os atuais no horizonte BC e mais elevados, abaixo e acima, do horizonte de
mistura. Duas hipóteses de interpretação podem ser inferidas: 1) uma mudança na vegetação registrada antes de 13ka anos
cal BP , com menor cobertura arbórea que a atual, seguida de aumento na densidade arbórea, que atingiu um valor maior que
o moderno antes da fase erosiva; 2) um registro de erosão/deposição, onde colúvios depositados, originários de pontos mais
elevados da vertente, e com maior densidade arbórea, aumentaram os valores do D/P1. Estes registros foram comparados
com reconstruções da linha de costa e da intensidade da ressurgência, com resultados coerentes. Embora limitadas pela
baixa resolução temporal, inerente às reconstruções a partir de solos, e pela falta de calibrações com datações de outros
marcadores, as análises fitolíticas auxiliaram na reconstrução da história das florestas xeromórficas de Cabo Frio durante o
Holoceno.
HILLSLOPE SEDIMENTS OF THE SEMI-ARID NORTHEASTERN BRAZIL AS
PALAEOCLIMATIC MARKERS
Antonio Carlos de Barros Corrêa1, Danielle Gomes da Silva2
Prof.Dr. do Departamento de Ciências Geográficas – UFPE. ([email protected])
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia – UFPE. ([email protected])
1
2
The assessment of the geomorphological dynamics of ecologically discontinuous areas in the elevated compartments of
Borborema Highlands has revealed the occurrence of datable sedimentary deposits, which have been identified following a
qualitative surveying of geomorphological features. The chosen pilot-areas for the conduction of this research were the Baixa
169
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Verde massif and the highlands of Brejo da Madre de Deus, State of Pernambuco. Among the several identified features, hill
slope deposits, colluvium, in the shape of ramps and aprons were chosen for reconstructing the geomorphological dynamics.
The stratigraphy of materials that overlie the surface of the landscape was defined following the elaboration of log sections.
Optically stimulated luminescence dating of sediments was used a s a tool for the qualitative reconstruction of depositional
events and establishing models for landforms evolution. The obtained results indicated the occurrence of discrete events of
material remobilization along the slopes as a response to climatic oscillations following the last glacial maximum.
CONTRASTES NA PALEOPLUVIOSIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO DESDE O ÚLTIMO
MÁXIMO GLACIAL COM BASE EM REGISTROS ISOTÓPICOS DE ESPELEOTEMAS
Francisco W. Cruz1, M. Vuille2, S. J. Burns3, Xianfeng Wang4, Hai Cheng4, Ivo Karmann1, Augusto S Auler5
1. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, Rua do Lago, 562, CEP 05508-080, São Paulo-SP, Brazil; 2.
Department of Earth and Atmospheric Sciences, University at Albany, SUNY, 1400 Washington Ave, Albany, New York
12222, USA; 3. Department of Geosciences, Morrill Science Center, University of Massachusetts, Amherst, Massachusetts
01003, USA;4. Department of Geology and Geophysics, University of Minnesota, Minneapolis, Minnesota 55455, USA;
5. Instituto do Carste, Rua Kepler 385/04, Belo Horizonte, MG 30360-240, Brazil
Perfis isotópicos de alta resolução de δ18O e δ13C de estalagmites de cavernas no Rio Grande do Norte compõe um registro
paleoclimático singular dos últimos 26 mil anos do nordeste brasileiro. Ambos perfis de δ18O e δ13C apresentam grande
amplitude de variação, caracterizado por valores superiores a 8‰ e 10‰, respectivamente, e traz a tona informações muito
valiosas sobre a estória paleoclimática da porção oriental da região. Os dados de δ18O desse registro foram associados
com os dados de simulações climáticas para o Holoceno, produzidos a partir de experimentos realizados pelo modelo
ECHAM-4 (Cruz et al., 2009). A curva isotópica do δ18O de RN confirma condições mais secas durante o período glacial
entre 24 e 17,5 mil anos, ao mesmo tempo que condições mais úmidas são registradas no sul do Brazil (Cruz et al., 2007).
Essa fase climática é sucedida por um episódio de clima bem mais úmido entre 17,5 e 16 mil anos, o que coincide com
o evento Heinrich 1, que também coincide com clima bem úmido no sul do país. No entanto, o mesmo clima úmido não
ocorreu durante o Yonger Dryas, assim como é apontado pelos registros de espeleotemas de São Paulo e Santa Catarina
(Cruz et al., 2005). Diferentemente dos demais registros paleoclimáticos do Nordeste, a curva do δ18O de RN indica fortes
variações de pluviosidade durante o Holoceno, que segue a curva de insolação de verão. Valores mais baixos de δ18O nas
estagmites entre 9 e 5 mil anos indicam clima relativamente mais úmido no Holoceno inferior e médio, o que é consistente
com resultados das simulações a partir do ECHAM-4. Por outro lado, a tendência de clima mais seco foi estabelecida nos
últimos 4 mil anos, contrariamente ao que tem sido observado nos espeleotemas do sul do Brazil (Cruz et al., 2005; Wang et
al., 2007). Essa tendência também verificada nos dados de δ13C sugere que o clima dominantemente mais seco no Holoceno
Tardio resultou na formação de florestas mais secas e abertas, tipo caatinga.
Cruz FW, Vuille M, Burns SJ, Wang X, Cheng H, Werner M, Edwards R. L, Karmann I, Auler AS, Nguyen, H. (2009).
Orbitally driven east-west anti-phasing of South American precipitation. Nature Geoscience 2, 210 – 214.
Cruz FW, Burns SJ, Karmann I, Sharp WD, Vuille M, Cardoso AO, Ferrari, JA, Silva Dias PL, Viana O (2005).
Insolation-driven changes in atmospheric circulation over the past 116,000 years in subtropical Brazil. Nature 434: 63-66.
Cruz FW, Burns SJ, Jercinovic M, Karmann I, Sharp WD, Vuille M (2007). Evidence of rainfall variations in southern
Brazil from trace element ratios (Mg/Ca and Sr/Ca) in a Late Pleistocene stalagmite. Geochim Cosmochim Acta 71:
2250-2263.
oCORRÊNCIA DE pALEOINCÊNDIOS NA sERRA nORTE DOS cARAJÁS (pARÁ-bRASIL).
Marcela Cardoso Guilles da Conceição1, Renato de Aragão Ribeiro Rodrigues1, Renato Campello Cordeiro1,
Abdelfettah Sifeddine1-2, Bruno Jean Turcq1-2, Marcelo Roberto Barbosa3, José Carlos Sícolli Seoane3
1- Universidade Federal Fluminense, Departamento de Geoquímica, Programa de Pós Graduação em
170
IV Congreso Argentino de Cuaternario y Geomorfología
XII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário
II Reunión sobre el Cuaternario de América del Sur
Geoquímica Ambiental.. 2- IRD, Bondy, França. 3-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de
Geologia.
O fogo é um processo crítico no sistema terrestre que promoveu conseqüências para a dinâmica da vegetação, para os
ciclos biogeoquímicos e para a química da atmosfera. Variações na atividade do fogo foram importantes na reorganização
da biota e são importantes agentes primários de mudanças em ecossistemas. Atividades do fogo estão ligadas a mudanças
na circulação atmosférica e marinha que afetam padrões regionais de vegetação. Atividades humanas no passado, presente
e futuro também afetam as ligações fogo-clima-vegetação em todas as escalas espaciais. Incêndios florestais no Holoceno
foram documentados por fragmentos de carvão encontrados em muitos lugares na Amazônia. Durante o médio Holoceno, o
fluxo de carbono atingiu um pico devido à presença de grandes quantidades de fragmentos de microcarvões no sedimento.
Tais carvões são resultantes de incêndios florestais que ocorreram durante o mesmo período (7000 – 4000 14C anos BP)
em diferentes regiões da Amazônia. Por isso o presente trabalho visa elucidar a dimensão da deposição de partículas
carbonizadas durantes as fases secas holocênicas e as fases secas pleistocênicas (~40000 à 10000). Por isso, o objetivo geral
deste trabalho é, através de sondagens em sistemas lacustres na região de Carajás, identificar a ocorrência de incêndios
em ecossistemas florestais durante as fases secas do Holoceno e Pleistoceno, e fazer um comparativo entre essas fases,
para entender a dimensão dos incêndios entre as fases climáticas identificadas. O testemunho coletado possui 450 cm e foi
fatiado a cada dois centímetros. Foram feitas análises de partículas de carvão presentes no sedimento, através de observação
microscópica, além de mercúrio. De acordo com as analises de partículas de carvão pode-se observar a presença de fases
com maior concentração de carvão (20, 85 e 360 cm) que são decorrentes de incêndios, sendo indicativos de fases mais
secas. Foi encontrado as maiores concentrações de mercúrio no topo do testemunho. Sendo tanto as partículas de carvão e
a concentrações de mercúrio indicativos de fases mais secas.
VARIABILIDADE PALEOAMBIENTAL DO LAGO BOQUEIRÃO, –RIO GRANDE DO NORTE
Renata Lima da Costa1, Bruno Turcq2 & Renato Campello Cordeiro1
1. Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.2. IRD Institute de Recherche pour le Developpment,
Bondy, França.
O presente trabalho tem como principal objetivo identificar os deslocamentos da Zona de Convergência Intertropical, assim
como sua amplitude, ocorridos durante o Holoceno. Para tal, foi escolhido como área de estudo a lagoa do Boqueirão,
que fica situada no estado do Rio Grande do Norte, numa região onde a Zona de Convergência Intertropical atinge seu
limite mais ao sul. Dessa forma, será possível identificar os períodos em que a Zona de Convergência Intertropical estava
latitudinalmente mais ao sul, assim como quanto tempo ela permaneceu em tal posição. A metodologia desenvolvida neste
trabalho seguiu as seguintes etapas: perfilagem sísmica (3,5kHz); planejamento dos pontos de amostragem de acordo com
os ecocaráters apresentados; coleta de testemunhos, com o auxílio de vibrotestemunhador; abertura dos testemunhos; e
análise laboratorial. Em laboratório, a caracterização das unidades litológicas é feita através de medidas de densidade
aparente, teor em água e, granulometria (analisador de partículas). A caracterisação da matéria orgânica é feita a partir
dos teores de carbono orgânico total e nitrogênio (analisador elementar CHNS), e isótopos (espectrometria de massa). A
identificação das frações minerais é realizada através de difratometria de raiosX, e a quantificação dos minerais através de
espectrometria FTIR. O perfil granulométrico apresentou variabilidade entre o teor de areia e silte, o que pode ser explicado
pela localização marginal do testemunho. As variações granulométricas do perfil BOQC07/02 podem estar relacionadas
ao nível lacustre, fases com mais areia representariam nível mais baixo; e fases com mais silte representariam nível mais
alto. As modificações bem marcadas no comportamento da densidade aparente e teor em água evidenciam as variações no
processo sedimentar ao longo do tempo. Dessa forma, foram identificadas quatro fases de sedimentação para o testemunho
BOQC07/02: I)0cm-20cm; II)20cm-30cm; III)30cm-45cm; e IV) 45cm-62cm. A fase IV de sedimentação (entre 62 e 40
cm), iniciada há aproximadamente 3800 anos AP, apresenta alta variabilidade do nível lacustre. Neste período, o isótopo
de carbono tende à redução, sugerindo uma influ&am