Enviado por Do utilizador6580

As Primeiras Civilizacoes - Jaime Pinsky

Propaganda
DADOS DE COPYRIGHT
Sobre a obra:
A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros,
com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos
acadêmicos, bem como o simples teste da qualidade da obra, com o fim
exclusivo de compra futura.
É expressamente proibida e totalmente repudiável a venda, aluguel, ou quaisquer
uso comercial do presente conteúdo
Sobre nós:
O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio publico e
propriedade intelectual de forma totalmente gratuita, por acreditar que o
conhecimento e a educação devem ser acessíveis e livres a toda e qualquer
pessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso site: LeLivros.site ou em
qualquer um dos sites parceiros apresentados neste link.
"Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando
por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo
nível."
Copyright© 2001 Jaime Pinsky
Todos os direitos desta edição reservados à
Editora Contexto (Editora Pinsky Ltda.)
Coordenação de texto
Carla Bassanezi Pinsky
Preparação
Camila Kintzel
Diagramação
José Luis Guijarro/Texto & Arte Serviços Editoriais
Revisão
Dida Bessana/Texto & Arte Serviços Editoriais
Projeto de capa
Antonio Kehl
Montagem de capa
Fábio Amancio
Formato Digital
Schaffer Editorial
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Pinsky, Jaime
As primeiras civilizações / Jaime Pinsky. 25. ed. – São Paulo : Contexto, 2011. –
(Repensando a História)
Bibliografia
ISBN 978-85-7244-178-0
1. Civilização – História 2. Civilização antiga 3. Cultura – História 4. História
antiga 5. Homem – Origem I. Título II. Série.
01-3045 CDD-909
Índices para catálogo sistemático:
1. Civilização : História 909
2. Cultura : História 909
3. Humanidade : História 909
EDITORA CONTEXTO
Diretor editorial: Jaime Pinsky
Rua Dr. José Elias, 520 – Alto da Lapa
05083-030 – São Paulo – SP
PABX: (11) 3832 5838
[email protected]
www.editoracontexto.com.br
2011
Proibida a reprodução total ou parcial.
Os infratores serão processados na forma da lei.
Eu aprecio a felicidade,
mas também gosto
de me divertir
de vez em quando.
Hagar
Dedico este livro
a todos aqueles
que têm partilhado comigo
a aventura da vida.
Sumário
Introdução
História natural, história social
Caçadores e coletores
Agricultores e criadores
...E o homem criou as cidades
Mesopotâmia
A civilização do Nilo
Os hebreus
Conversando com o autor
Cronologia
Bibliografia
Introdução
Como toda criança, o autor deste livro brigava com seus irmãos toda vez que
havia uma oportunidade. Nosso pai nem sempre considerava a ocasião que
escolhíamos adequada para nossa atividade belicista e nos chamava – achando
que nos ofendia muito – de não civilizados. Para ele, a conotação era clara:
civilizados eram os adultos, que não se cutucavam durante as refeições, não
pisavam no sapato novo do outro, não puxavam o rabo de cavalo da irmã.
Aprendi logo, porém, que não eram as crianças que deflagravam guerras,
torturavam prisioneiros, poluíam o ambiente, competiam sem tréguas por
dinheiro e prestígio: eram os adultos. Os civilizados, segundo meu pai.
É comum, o que não significa que seja adequado, dar aos termos e
conceitos que usamos conotações valorativas. Civilização, como explicaremos
em um dos capítulos seguintes, é um estágio que inclui uma série de requisitos
objetivos. O que não quer dizer, necessariamente, que viver nessa época seja
melhor ou pior do que outro momento da história do homem na Terra. Nessa
área, evolução não é sinônimo de progresso, mas de transformação. Do nosso
ponto de vista de humanos, modernos e ocidentais, e só por isso, civilização pode
ser melhor do que barbárie e o homem pode ser considerado superior ao
macaco. Mas que tal olhar tudo isso do ponto de vista do chamado bárbaro? Ou
do macaco?
Até para intentar esse olhar, dividi o livro de forma a dar ênfase especial ao
período pré-histórico. Acredito que nos nossos colégios e universidades deveria
haver um empenho mais sério em trabalhar com o processo evolutivo do ponto
de vista do historiador e não apenas do cientista da natureza. Acredito também
que uma forte carga de racismo e outros preconceitos, subjacentes na mente de
nossa população, deveriam ser trazidos à tona e discutidos claramente para
poderem ser superados. Isso só se dá por meio de leituras benfeitas e debates
sérios. E a sala de aula é um ótimo lugar para se propor o debate.
Pretendo mostrar, neste trabalho, que civilização não é sinônimo de cultura.
Pode haver cultura sem civilização, mas a relação inversa, no entanto, não se
aplica. Discuto também aqui a relação entre cultura material e não material, e
ouso falar de como diferentes grupos humanos respondem ao desafio básico do
próprio sentido de se constituírem: buscar a felicidade de seus membros.
Optei por três importantes civilizações antigas do Oriente Próximo: os
mesopotâmicos, os egípcios e os hebreus. Para não tornar a obra aborrecida,
evitei repetir processos ocorridos em mais de uma dessas civilizações; busquei
trabalhar com particularidades ao lado de generalidades. E, é claro, tratei de
fugir daquela eterna listagem de reis e faraós, de elementos jogados como
condições geoclimáticas, artes, economia e da imensa sucessão de itens e
subitens destinados a transformar a História numa chatice ímpar – justo ela, que
é a mais apaixonante das formas de conhecimento.
Esta edição, a primeira publicada pela Editora Contexto, sai após uma
cuidadosa revisão, algumas atualizações, outros olhares. Acredito ter tornado
minhas ideias mais claras, sem comprometer o espírito e a letra do trabalho.
Muito do que está aqui é mérito dos autores que aparecem na bibliografia. A
responsabilidade total pela estruturação do livro, bem como as interpretações, são
apenas minhas. Isto, porém, não me desobriga de agradecer observações e
sugestões de numerosos leitores, particularmente Pedro Paulo, Daniel, Carla,
Camila, meus ex-alunos da Unicamp e os mais de 50 mil leitores das edições
anteriores.
•••
Os que confundem seriedade com sisudez identificam simplicidade com
condescendência. Não penso assim. Entendo que a clareza é um objetivo a ser
buscado pelo autor e o discurso “competente” tem caráter preconceituoso e
excludente. Pensando no leitor, refiz algumas passagens muitas vezes em busca
do exemplo adequado, da comparação compreensível, do conceito preciso. Aqui
as palavras não têm a intenção de esconder, mas de revelar. Mesmo assim, sei
que alguns trechos são mais fáceis, outros mais exigentes em vista do tema, da
abordagem, da necessidade do livro. Deve-se ter em conta que todas as datas do
livro são a.C.; esperamos ainda que as pessoas pesquisem, em atlas históricos, as
regiões e as cidades cujos mapas não pudemos reproduzir aqui. Eu ficaria muito
feliz se o leitor, em vez de entender suas dificuldades como uma barreira, as
considerasse uma homenagem que lhe foi prestada pelo autor.
1. História natural, história social
O ANIMAL homem
De um ponto de vista puramente natural, o homem é o mais inadequado dos
seres vivos existentes em nosso planeta. Por outro lado, é o mais poderoso de
todos os animais.
O lhama nasce com uma grossa proteção que lhe permite adequar-se ao
frio dos Andes, seu ambiente natural; o homem, dotado de pele fina e delicada,
teve de aprender a tirar o pelo de outros animais para proteger-se do frio, o que
lhe permitiu habitar todas as regiões da Terra. Tempos depois o ser humano
aprendeu a se vestir com tecidos de fibras naturais e até artificiais, eliminando a
aparente vantagem dos mais bem-dotados.
Ratos e toupeiras são instintivamente industriados a cavar a terra em busca
de calor e proteção, graças a suas patas e focinhos especialmente desenvolvidos
para isso. O homem, em vez de escavar a terra com suas mãos, utiliza-se de
instrumentos como a enxada, a pá ou, mais recentemente, de máquinas
modernas, com as quais constrói abrigos mais quentes e mais bem protegidos do
que os outros animais.
Garoupas devoram outros peixes enquanto nadam, os felinos têm garras
com as quais dilaceram suas vítimas, as aves de rapina capturam suas presas
com garras e bicos especialmente projetados para o ataque. Já o homem, frágil e
sem habilidade natural, criou as armas e as armadilhas com as quais derrota o
adversário e providencia o futuro alimento a distância, sem perigosos confrontos
pessoais em que poderia se dar mal.
Os animais herdam, individualmente, suas capacidades; cada rato nasce
sabendo roer, cada lhama nasce com seu casaco natural, cada peixe nasce
sabendo procurar seu alimento.
Nenhum homem nasce sabendo construir casas, fabricar armas ou utilizar o
pelo de outro animal. Só com o exemplo dos mais velhos, ou seja, por meio da
aprendizagem, é que ele chega a receber sua herança.
Por isso, especialistas como Gordon Childe costumam dizer que, na história
humana, roupas, ferramentas, armas e tradições tomam o lugar de pelos, garras,
presas e instintos na busca de alimentos e abrigos.
Essa diferença não é apenas quantitativa, mas também qualitativa, já que
estabelece uma distinção, um momento de ruptura entre a História Natural e a
Social, entre a história construída pela natureza e aquela em que os seres
humanos, além de pacientes, são também agentes. Sim, pois enquanto o ser
humano era apenas um dos integrantes do “reino animal”, sua trajetória no
planeta poderia ser contada pela História Natural, com destaque pouco maior ou
menor do que a dos outros animais da Terra. Mas a partir do momento em que
começa a criar cultura, a transmiti-la e, depois, a difundi-la, ele passa a escrever
sua própria história, não mais apenas a da natureza. É principalmente dessa
história, a chamada social, que trataremos aqui. Aliás, é por isso que existe uma
história das sociedades humanas e não uma história das sociedades de abelhas ou
de macacos. Abelhas e macacos são apenas elementos da natureza; seres
humanos constroem sua própria história. E, se frequentemente encontramos
motivos para não nos envaidecermos muito dela, temos muito mais motivos para
nos orgulhar de fazer parte do gênero humano. Basta nos inteirarmos de parte do
magnífico patrimônio cultural que nossos ancestrais nos forneceram, da roda à
vacina Sabin, da invenção da escrita aos poemas de Fernando Pessoa, das
pinturas rupestres a Van Gogh e Chagall, passando por Leonardo da Vinci, de
Beethoven a Tom Jobim, das pirâmides a Niemey er, do monoteísmo ético a
Betinho.
Afinal, se geramos monstros, também geramos gênios: na mesma terra em que
nasceu Hitler, nasceu Mozart...
A evolução de nossas mãos e as
habilidades manipulativas que
elas desenvolveram têm sido
fatores
importantes
no
aprimoramento
de
nosso
cérebro, e vice-versa. Os
desenhos comparam as mãos de
um gibão, de um chimpanzé e de
um Homo, mostrando na mão de
um homem atual a culminância
da preensão de precisão, que
permite a manipulação delicada
de artefatos.
O NASCER da humanidade
Aqueles que acompanham o noticiário dos jornais devem se espantar com
especulações feitas a partir de escavações coordenadas por arqueólogos ou
mesmo leigos. Parece haver uma competição entre os vários continentes para
terem a honra de ser o berço da humanidade.
O assunto é ainda fruto de muitas controvérsias, não só entre os estudiosos,
mas também entre curiosos que ficam fascinados com pretensas “provas” da
existência de civilizações altamente desenvolvidas em regiões insuspeitadas. Há
mesmo os que garantem a presença de seres extraterrenos na origem da nossa
civilização...
O fato é que a intensificação das pesquisas e a aplicação de métodos mais
precisos de datação, como o carbono-14, vêm trazendo sucessivas notícias da
presença de seres humanos – ou de nossos ancestrais – em locais e condições até
poucos anos atrás insuspeitados.
Descobertas arqueológicas podem desatualizar qualquer afirmação
definitiva que se faça nessa área. Por isso mesmo é necessário avançar com
cautela e apresentar nossas “verdades” como históricas, isto é, como fruto do
desenvolvimento do conhecimento e da forma de analisar os fatos neste
momento. Um bom exemplo da necessidade de se manter atualizado nesse
campo encontra-se neste mesmo livro: o leitor notará que mostramos uma
justificada preocupação em apresentar os egípcios como um povo de alto
desenvolvimento material, com domínio de várias técnicas, incluindo a de
mumificação de cadáveres, no que teriam sido pioneiros e artesãos
incomparáveis. Ora, há alguns anos, em plena cidade de Arica, no extremo norte
do Chile, arqueólogos da Universidade de Tarapacá encontraram quase cem
múmias, algumas delas, segundo o carbono-14, com cerca de 8 mil anos e ainda
se mantendo em excelente estado de conservação. As múmias egípcias mais
antigas possuem, no máximo, 5 mil ou 6 mil anos. Os estudiosos estão pasmados,
pois consideravam até agora os chinchorros, prováveis mumificadores, uma tribo
de indígenas primitivos...
No intuito de estabelecer uma sequência lógica de povos que habitaram uma
determinada região, historiadores e arqueólogos – muitas vezes sob o impacto do
evolucionismo e cientificismo do século XIX –, reinventavam o passado em vez
de reconstruí-lo. O resultado era bonito e lógico, mas nem sempre verdadeiro.
Recriar séculos e milênios de maneira arbitrária pode ser um bom exercício de
imaginação ou de lógica, mas sem sentido algum se não for apoiado por
evidências materiais.
Por outro lado, um simples arrolamento de escavações e descobertas
isoladas não nos interessa muito, já que não ajudam a responder às verdadeiras
questões que nos apaixonam, do tipo como nos tornamos humanos, como
evoluímos (ou involuímos) até chegar às sociedades complexas que temos hoje.
Crânios – e silhuetas hipotéticas – das diferentes espécies humanas.
Neste livro, em vez de apresentar verdades prontas e acabadas, queremos
propor problemas a serem debatidos e pesquisados com mais profundidade, de
preferência sob a orientação de professores e com o apoio da bibliografia que
sugerimos ao final do volume.
NOSSOS avós
O século XIX legou-nos uma concepção científica de mundo na vã
suposição de que a ciência tudo explica e tudo resolve –
em contraste com uma concepção de verdade “revelada” que dominara a Idade
Média e mesmo alguns séculos do Período Moderno. Essa atitude, percebemos
agora, é bastante equivocada; mais equivocado, entretanto, é distorcer e falsear o
pensamento dos cientistas, tentando ridicularizá-los.
Um dos que, dentro do túmulo, devem se contorcer de ódio é Darwin.
Criador de uma sofisticada teoria evolucionista, a ele são atribuídas ideias que
não apenas não lhe pertencem, como até foram combatidas por ele. “Darwin
disse que as girafas tiveram seus pescoços alongados pela natureza para poderem
alimentar-se das folhas de árvores altas”, afirmava convicto um antigo professor
de colégio. Mentira! “Muitos peixes tiveram transformadas suas barbatanas em
patas no processo de mutação para animais anfíbios”, ensina-se por aí. Também
não é assim. E bem verdade que Darwin rompeu com a crença bíblica da
imutabilidade das espécies. Em suas viagens, adquiriu a convicção de que elas
eram passíveis de transformações. Mas ele não acreditava que cada indivíduo
pudesse ter alterações biológicas no decorrer de sua vida, consequentemente não
aceitando a ideia de mutações da noite para o dia. Para ele, o que houve foi uma
seleção natural, que implicou a reprodução dos mais aptos e, por conseguinte, a
não reprodução dos menos aptos.
Claro que a seleção, fruto de uma adaptação passiva e gradual, provoca, ao
longo de gerações, diferenças que podem ser significativas. Algumas
experiências realizadas nos dias de hoje reforçam e explicam a concepção da
seleção das espécies e a concepção evolucionista da natureza.
A pequena ilha de Koshima, no Japão, é habitada por um pequeno grupo de
primatas da família macaca que têm sido observados por pesquisadores. O
cientista David Attenborough narra que, para atrair os macacos que vinham
demonstrando desconfiança em relação aos humanos, os estudiosos começaram
a alimentá-los com batata-doce. Uma vez, ao receber a sua batata-doce coberta
de terra e areia, uma jovem macaca foi até uma poça de água e lavou-a com as
mãos. Os cientistas não asseguram que sua ação resultasse de um raciocínio
abstrato, mas observam que a macaca passou a repeti-la; um mês depois, uma
companheira também lavou a batata; quatro meses depois, sua mãe e, aos
poucos, o hábito se espalhou entre quase todos os membros do grupo, exceto os
mais idosos.
Trata-se de instinto? Não. Apenas de aprendizagem social. Cada macaco
individual necessitará do grupo para repetir o comportamento adquirido. Onde
entra, então, Darwin? Na sequência da história.
Acostumados à batata-doce, os macacos passaram a disputá-la, até de
forma agressiva. Quando os cientistas atiram uma pilha de batatas-doces na
praia, os macacos se lançam sobre o alimento, enfiam um pedaço na boca,
agarram outro com uma das mãos e saem manquitolando com os três membros
restantes. Alguns, porém, são mais eficientes: conseguem empilhar vários
pedaços junto ao peito, prendendo-os com ambos os braços, e correm com eles,
eretos sobre as patas traseiras, até o refúgio seguro. Se por gerações seguidas o
episódio se repetisse a ponto de ser decisivo na alimentação do grupo, é lícito
supor que os mais bem alimentados seriam aqueles com requisitos genéticos
apropriados à situação: pernas proporcionais e equilíbrio. Mais bem nutrido, esse
grupo tornar-se-ia dominante; dominante, teria mais chances de reproduzir-se
geneticamente, de maneira a, em milhares de anos, seus membros
transformarem-se em bípedes.
De alguma forma, repetição do que aconteceu com os nossos avós
ancestrais.
RAMAPITHECUS, o patriarca
Atualmente se acredita, que há cerca de 12 milhões de anos, viviam em
diferentes regiões da Europa, Ásia e África pequenos macacos – de não mais
que um metro de altura – cujo desenvolvimento teve importante significado com
relação ao homem.
Vivendo inicialmente nas florestas, delas foram se afastando para morar nas
savanas. Dotado de algumas habilidades como atirar objetos nos inimigos,
carregar bebês e alongar-se para vigiar a redondeza contra perigos potenciais, o
Ramapithecus, graças à seleção natural, foi se tornando cada vez mais bípede. E,
à medida que isso ocorria, seus pés iam se adaptando para caminhar com mais
segurança.
Essa evolução, se trouxe aspectos positivos, gerou também dificuldades: ao
desenvolver a capacidade de pisar; os pés do bebê Ramapithecus iam perdendo a
capacidade de agarrar e, dessa forma, o sistema de “grudar” na mãe com as
quatro mãos-patas ia sendo desativado, criando dificuldade no transporte. A saída
foi um aperfeiçoamento da postura ereta, com a finalidade de liberar duas mãos
da mãe para carregar o bebê; por meio de seleção natural.
Evolução do homem, do Ramapithecus aos nossos dias, segundo o atual estágio
das pesquisas arqueológicas.
Com as mãos livres que o andar ereto propiciava, que faziam os primatas?
Carregar bebês, por mais atraente que fosse, não era tarefa de tempo integral,
especialmente para os machos... Tudo leva a crer que carregavam ferramentas
com o objetivo de defesa e, talvez, de ataque: frágeis e sem a rapidez de tantos
quadrúpedes predadores, os bípedes peludos contavam com pedras e pedaços de
pau para conseguirem se impor no meio ambiente agressivo.
As descobertas de fósseis não seguem a ordem de um roteiro
preestabelecido nem a vontade dos pesquisadores. Ocorrem, apenas. Como nas
minas que passam a ser superexploradas quando um veio promissor é
encontrado, numerosos acampamentos são montados em regiões próximas ou
equivalentes àquelas onde importantes descobertas são feitas. Dessa forma, não é
de estranhar a enxurrada de descobertas a respeito de determinados temas que
ocorrem de forma quase simultânea.
Será essa a razão da enorme quantidade de descobertas sobre um
determinado período e da quase inexistência delas sobre outros? É provável.
Mas, mesmo assim, há pontos de difícil explicação. Para falar mais
claramente, há períodos a respeito dos quais sabemos fazer excelentes perguntas,
às quais, entretanto, somos incapazes de fornecer alguma resposta mais
elucidativa.
Um desses períodos dura milhões de anos e vai desde as descobertas do
Ramapithecus até cerca de 3 milhões. Dessa data foram descobertos fósseis
daqueles que se convencionou chamar de Australopithecus africanus e
Australopithecus boisei. No início acreditou-se que eles fossem ancestrais diretos
do Homo sapiens. Contudo, em 1972, no Quênia, foi encontrado um fóssil que,
reconstruído, demonstrou ter características físicas bem mais “modernas” que os
Australopithecus e, para felicidade e excitação dos pesquisadores, datado da
mesma época que eles.
Contemporâneo e não descendente, o Homo habilis (como passou a ser
chamado) é um indivíduo de grande capacidade craniana e postura quase
humana. A partir dessa descoberta, pesquisadores como Leakey tendem a achar
que os dois, o Australopithecus e o Homo habilis, descendem igualmente do
Ramapithecus, cujo tronco principal teria se diversificado há cerca de 5 ou 6
milhões de anos em decorrência de alterações climáticas ou outras mudanças
ambientais.
Nesse caso, cabe aqui a seguinte pergunta: por que a linha Homo obteve
tamanho sucesso, enquanto a linha Australopithecus desapareceu?
Não há resposta para isso, ao menos por enquanto. E talvez jamais venha a
existir resposta alguma. Mas seria muito bom que os jovens leitores
encontrassem nisso não uma razão de irritação, mas um estímulo no sentido de
colaborar para a construção do saber. Tarefa, por sinal, difícil.
Queremos desde já esclarecer que os esqueletos de milhares de anos não
ficam inteirinhos e reluzentes aguardando a chegada do cientista ou do curioso.
De resto, todo bom cientista sabe que o local do encontro do fóssil indica o local
onde as criaturas se fossilizaram, não necessariamente onde elas viveram.
Algumas convicções, pelo menos, existem. E uma delas, já bem
cristalizada, é de que a África foi o berço da humanidade.
DA ÁFRICA para o mundo
Há 1 milhão de anos, o Homo erectus, descendente direto e aperfeiçoado do
Homo habilis, começou sua marcha da África para mundo. A bem da verdade,
ele saiu da África centro-oriental para a Ásia e a Europa.
O que o levou a sair foi, sem dúvida, uma organização social que garantia
uma estabilidade econômica e um domínio tecnológico que o deixava seguro de
suas possibilidades; mas não teriam sido a curiosidade e o espírito de aventura
que desempenharam significativo papel nesse êxodo, nessa diáspora?
É possível, como discutiremos logo adiante. Nossa preocupação é
a de não impor a nossos ancestrais, a pessoas que viveram em época muito
distinta da nossa, valores, padrões de comportamento e vontades que são nossos,
criaturas de nossa civilização. Conhecemos ainda hoje tribos de seres bem mais
evoluídos que esses ancestrais e que nem por isso se interessam em rasgar os
limites de seu território.
O fato é que, por uma razão ou por outra – ou por nenhuma delas –, o Homo
erectus sai da África para o mundo numa expansão que, tanto do ponto de vista
de área como de população, só faz crescer. Sob o aspecto puramente biológico, o
homem representa hoje uma praga tão ou até mais desafiadora do que os ratos
ou mesmo do que várias espécies de insetos. E, provavelmente, com um
potencial de destruição ainda maior.
Na verdade, o Homo erectus não era exatamente um homem idêntico a nós.
Seu corpo até que não era muito diferente de, por exemplo, um homem robusto,
com bastante atividade física; mas seu rosto emoldurado por uma cabeça
achatada, de maxilares salientes e proeminentes arcos superciliares, nos
assustaria, se visto numa elegante recepção ou mesmo em uma sala de aula
informal.
Acredita-se que o arredondamento da cabeça e a redução dos maxilares e
arcos superciliares ocorreram ao longo do último milhão de anos, com o
surgimento do Homo sapiens básico há 500 mil anos e do Homo sapiens sapiens
há 50 mil anos. O Homo erectus propiciou outros descendentes – que não
vingaram –, dos quais o mais conhecido é o Homo sapiens neanderthalensis: o
famoso homem de Neanderthal. Todos esses são descendentes daquele Homo
que um belo dia saiu da África centro-oriental.
Se não sabemos – e provavelmente jamais saberemos – o que motivou o
êxodo do Homo erectus, podemos ao menos conhecer as condições que
permitiram sua mobilidade, as quais, segundo Leackey, se resumem na
capacidade de transportar. Primeiro, o transporte de alimento, permitindo um
distanciamento cada vez maior com relação ao acampamento-base. Em segundo
lugar, o transporte de água, seja em estado natural, seja em frutas como a
melancia. Em terceiro, o fogo, tanto pelo que representava objetivamente – de
maneira especial contra os climas temperados e frios –, como pelo símbolo de
poder, de domínio da natureza.
Finalmente, era importante transportar a própria experiência. Afinal, como
vimos, o que caracteriza o homem é a aprendizagem social. A maneira pela qual
a experiência é transmitida chama-se linguagem, processo lenta e
paulatinamente adquirido e que iria permitir o transporte das experiências do
grupo.
A capacidade de transportar a água, os alimentos, o fogo e a experiência
dota nossos ancestrais de independência indispensável para ousarem a longa
viagem da África para a Ásia e a Europa.
Isso não significa que os que ficaram não tivessem evoluído.
Contrariamente a preconceitos hoje ainda correntes, pode-se afirmar que
todos os homens atuais pertencem à subespécie Homo sapiens sapiens e que as
variações físicas que se podem verificar são variações dentro da subespécie. Por
uma questão de seleção natural, constata-se uma pigmentação mais intensa entre
os habitantes de regiões muito quentes, uma vez que a melanina tem por função
proteger a pele das fortes radiações solares. O oposto ocorreu entre habitantes de
regiões frias. Da mesma forma, não é acidental o fato de a população esquimó
ser relativamente gorda, já que necessita de reservas de gordura para melhor
combater o frio. O que não se pode é identificar características físicas do homem
atual com parentesco maior ou menor dos primatas. Essa é uma atitude
ignorante, fundamentada em preconceitos racistas pulverizados pelo estado atual
do conhecimento científico.
A AVENTURA humana
O historiador, como qualquer cientista, trabalha com evidências e
suposições. Não pode romper o tênue equilíbrio entre esses dois elementos. Se
não se arrisca a lançar hipóteses a partir de suposições, corre o risco de repetir o
já conhecido, reafirmar o óbvio, transformar a aventura humana numa narrativa
sistemática e organizada como cadeias de elementos químicos ou rígidas
fórmulas matemáticas. Se, por outro lado, abandona as evidências e se permite
“delirar” à vontade, pode criar uma interessante obra de ficção desvinculada do
conhecimento acumulado por gerações, comprometida apenas com a
imaginação criadora do autor.
Correndo, conscientemente, esse último risco – mas respaldados pela sisudez
do texto até a presente página –, gostaríamos de voltar a discutir a motivação que
teria levado o Homo erectus a sair de seu hábitat. Já vimos que ele tinha
condições para sair. Mas o que o levou mesmo a sair é outra história, tendo em
vista que poder fazer algo não é sinônimo de fazê-lo.
De fato, a grande aventura humana de ocupação do planeta se iniciou há 1
milhão de anos, quando algum membro do grupo dos Homo erectus, firmando-se
sobre seus pés, esticou a cabeça por sobre a rala vegetação da savana africana e
se perguntou sobre o que haveria para além das montanhas que ele percebia
acima da linha do horizonte. Naquele instante talvez não fossem relevantes o
problema alimentar ou a necessidade de mais espaço. Nada nos leva a crer que
aquele nosso ancestral tenha abandonado seu hábitat para resolver alguma
questão material. Tanto isso é verdade que a esmagadora maioria de membros
do grupo permaneceu no continente africano. É até provável que sua saída tenha
sido um risco não devidamente calculado, uma vez que estaria trocando o seguro
pelo duvidoso, o poço de água conhecido ou o riacho ao lado do acampamento
pelo perigo de uma área desértica; poderia estar ameaçado em sua segurança,
saindo de uma área onde os perigos eram conhecidos, rumo ao desconhecido;
abandonava uma região em que a tecnologia da sobrevivência era dominada
para se embrenhar em situações novas.
Então, por quê?
Por espírito de aventura.
Não negamos condições objetivas como fundamentais para a ação humana.
Mas que não se negue a ação do homem na História, seu poder decisório, sua
iniciativa.
Aliás, a própria humanização do homem se dá nesse processo. Sabemos
que, quanto mais primitivo o ser vivo, mais indiferenciado ele é. Dois
protozoários são mais semelhantes entre si do que dois peixes que, por sua vez,
são mais semelhantes entre si do que dois cães. Entre os homens, as diferenças
são maiores; não se veem dois indivíduos iguais. Nessa linha de raciocínio, que
não vale apenas para a aparência física, mas também para o comportamento
psicossocial, a atitude de aventurar-se, de ousar, é em certo nível um passo
importante no processo de humanização.
É impossível explicar historicamente todas as atitudes humanas. O que se
pode é verificar as condições históricas para que elas se expressem. No caso
exposto anteriormente, essas condições existiam, como vimos. Há, contudo,
muitas atitudes pessoais que não podemos explicar historicamente, do tipo “por
que este e não aquele?”. Isso faz parte da liberdade de escolha do indivíduo. Um
bom exemplo é a grande imigração de italianos para o Brasil, ocorrida entre fins
do século XIX e começo do século XX. O historiador pode e deve verificar as
condições sociais e econômicas da Itália no período referido. Pode e deve
também analisar o mesmo para o Brasil. Provavelmente verificará que a
situação dos camponeses italianos era miserável, que o Brasil demandava por
braços, daí o grande fluxo de imigrantes ter ocorrido. Isso explica, porém, apenas
o fenômeno social, mas não o individual. Por que uma família veio e outra, que
vivia nas mesmas condições, não veio? Além de explicações objetivas,
seguramente existirão outras de caráter puramente subjetivo. Ou seja, o
indivíduo atua subjetivamente no condicionamento histórico.
E não se deve esquecer que certas sensações e sentimentos não são
históricos, embora possam encontrar formas históricas de manifestação.
Vamos tentar explicar isso melhor. Se concebermos, em um hipotético filme
sobre a Idade Média, uma mulher saindo para as compras, com o entusiasmo de
uma consumidora compulsiva em um shopping center moderno, estaremos
cometendo um grave anacronismo. Afinal, só após a massificação da produção,
da transformação do produto em mercadoria decorrente da industrialização, é
que se desenvolvem ideologia e prática consumistas. E claro que a cabeça da
mulher medieval, que viveu muito antes da Revolução Industrial, não estava
voltada para essa atividade (ou diversão ou passatempo) que requer inserção na
sociedade industrial e estímulos para consumir.
Entretanto, se colocamos uma mulher medieval sofrendo ou amando, tendo
medo ou sentindo coragem, estaremos atribuindo a ela um sentimento ou um
comportamento compatível ao momento histórico em que viveu, uma vez que se
trata de sentimentos e comportamentos atemporais, portanto supra-históricos.
Por isso não acreditamos estar incorrendo em anacronismo ao pensar nesse
nosso ascendente como um ser que é diferenciado (afinal, não é um protozoário),
que ousa, que se aventura.
Ao abandonar seu território, o Homo erectus não sentiria medo?
Cremos que sim. Mas o medo não é, necessariamente, paralisante. Com
frequência nós o buscamos, desde crianças, no carrossel e na roda-gigante, nos
túneis povoados por bruxos e caveiras, nas montanhas-russas dos parques de
diversão. E que dizer do louco amor à velocidade, da volúpia por situações
perigosas, das escaladas em montanhas lisas e geladas, das excursões nas selvas?
Amamos contos de fada porque terminam bem, mas principalmente por
que neles corremos riscos, na confortável condição
de leitores engajados. O homem não pode viver num estado permanente de
equilíbrio: tranquilidade, serenidade e calma excessivos são sinônimos não só de
aborrecimento, de tédio, mas até de ausência de vida. O risco, aparentemente
uma declaração de amor à morte, é paradoxalmente uma atitude radical que faz
com que nos sintamos vivos. Precisamos de situações de risco, de momentos de
desequilíbrio para podermos em seguida nos reequilibrar. Na paz e na
tranquilidade da nossa casa, sentados em nossa poltrona, no calor de nossa cama,
logo nos pomos a lembrar saudosos dos momentos de risco, de nossa aventura.
Caverna de Shanidai, Iraque,
onde foram feitos importantes
achados
do
homem
de
Neanderthal.
Condicionantes sociais e talvez genéticos nos fazem diferentes uns dos
outros, também nesse aspecto. Para uns, a vida não pode dar descanso, há que
estar em estado de tensão permanente: vida e aventura são sinônimos. Outros
precisam de longos, imensos intervalos entre uma aventura e outra e seu medo os
leva a viver as aventuras alheias: para isso há os programas de prêmios, imensas
maratonas domingueiras na televisão, em que alguns de nós permanecem horas
diante do aparelho eletrônico, sofrendo sem riscos a emoção do risco alheio.
PRINCIPAIS SÍTIOS de hominídeos do mundo
O Homo erectus, aquele indivíduo que saiu da África oriental não teria sido,
nem que pudesse, um telespectador-padrão de Silvio Santos. Viver, para ele, era
ousar, ousadia própria.
A escritora francesa Simone de Beauvoir, em seu maravilhoso livro Todos os
homens são mortais, demonstra que a consciência da morte não deve ser uma
limitação à vida, mas sua própria razão de ser: a existência é uma aventura da
qual se deve usufruir a cada dia.
Nossos ancestrais não leram Simone de Beauvoir, mas não estavam
dispostos a perder a vida pensando nos seus riscos. Antes, saíram para a aventura
humana, a própria razão de ser da vida.
Vida sabidamente perecível. Por isso mesmo, vivida com intensidade.
Principais sítios arqueológicos do mundo
2. Caçadores e coletores
A RECONSTRUÇÃO do passado
Um químico pode, a qualquer instante, combinar vários elementos em
determinadas condições e proporções para comprovar um resultado obtido
anteriormente. Poderá também experimentar outras combinações ou ainda se
restringir àquela já escolhida, em proporções e condições diferentes, para tentar
provar alguma hipótese. O próprio caráter da química é ser experimental, razão
pela qual o cientista, utilizando-se de determinada metodologia, pode fazer
afirmações universais, fundadas exatamente nos experimentos.
O pesquisador que tem como matéria-prima o passado não tem esse
recurso. Pelo menos enquanto a máquina do tempo não for viabilizada (sonhar é
preciso...), não temos como saber exatamente o que aconteceu no passado. É
bem verdade que se utilizássemos uma maquininha corriqueira, daquelas que
aparecem em filmes de ficção científica, correríamos sérios riscos; poderíamos
ver algumas coisas acontecendo, mas não saberíamos como explicá-las. Por
vezes, ver a aparência das coisas é a maneira mais distante de conhecer sua
essência. Em vista disso, temos algo que se chama teoria ou método, que é a
forma pela qual tentamos, a partir da aparência, chegar à essência das coisas.
Admitimos, portanto, chegar ao passado, equipados por uma belíssima máquina e
por uma metodologia adequada. Nosso conhecimento tornar-se-ia muito mais
rico, sem dúvida.
Mas o fato é que essa máquina não existe. E nós queremos saber o que
aconteceu ao nosso aventureiro Homo erectus que há 1 milhão de anos saiu da
África centro-oriental. Como refazer seus passos? Como recompor seu cotidiano,
imaginar suas práticas, conhecer seus valores? Como saber se esses homens
viviam isolados ou em grupos, formavam famílias, desenvolviam crenças? Como
chegar a seres tão distantes no tempo, considerando que só de poucos milênios
para cá o homem inventou a escrita?
Cientistas e pensadores contemporâneos têm tentado responder a essas
questões por meio de basicamente três formas, isoladas ou combinadas:
1. O raciocínio lógico e a teoria;
2. Escavações e análise de vestígios;
3. Observação de grupos contemporâneos que, supostamente, tenham
padrões de existência semelhantes.
Todos os métodos têm suas vantagens e seus limites.
Conhecer o passado apenas por meio de argumentos lógicos e de teorias
argutamente concebidas e habilmente formuladas pode transformar-se num
excelente exercício mental, mas não necessariamente em algo mais do que isso.
Já no século XIX, os cientistas sociais estabeleceram uma linha divisória entre as
sociedades contemporâneas “civilizadas” – as chamadas sociedades complexas –
e as “pré-civilizadas”, as chamadas simples ou primitivas. O pressuposto implícito
nessa concepção era o de que todos os grupos sociais haviam passado por etapas
mais primitivas. Alguns teriam evoluído até chegar ao ponto em que os europeus
(e as nações “civilizadas” pelos europeus) se encontravam. Outros continuariam
marcando passo, permanecendo no mesmo estado durante séculos e séculos
(seriam as tribos africanas e americanas, entre outros grupos). A ideia era a de
que a um primarismo tecnológico corresponderiam uma organização social
incipiente, um sistema de crenças baseado em superstições infantis e uma arte
ingênua, o tempo todo tomado pela preocupação angustiante da sobrevivência.
Potes, ferramentas e adorno
encontrados
em
sepulturas
megalíticas (4000-3500 a.C.), na
região de Carnac, França.
Durante muito tempo chegou-se a comparar o homem “primitivo” a uma
criança, no sentido de que sua mente era pré-lógica. Segundo alguns, a lógica
seria uma criação dos gregos, momento de ruptura entre civilização e barbárie...
Hoje, essas concepções são objeto de severa revisão. Podemos até
compreender a autossuficiência do europeu do século XIX desenvolvendo a
indústria, colonizando o planeta todo, criando a ciência moderna e contrapondo-a
à visão teológica do medievo, assentando as bases do que julgara ser um mundo
de abundância e saber. Hoje, porém, quando questionamos as consequências
desse progresso, que aparentemente tinha como meta a felicidade humana, não
podemos continuar repetindo a mesma divisão.
Sabemos que riqueza técnica e progresso material não representam
necessariamente garantia de riqueza espiritual ou artística ou de organização
social. E que dizer da felicidade de seus membros, objetivo final de qualquer
grupo? Ou não será essa a meta das sociedades humanas?
Será que a humanidade, cada vez mais evoluída em termos materiais e
dotada de teorias cada vez mais sofisticadas, vem garantindo à grande massa da
humanidade uma boa qualidade de vida? E – radicalizando o argumento –,
mesmo entre aqueles que possuem toda espécie de tralha eletrônica e moram
em apartamentos com guarita e academia de ginástica, a vida é conduzida sem
tensões e competitividade, plena de paz, compreensão e solidariedade?
Não se trata, é claro, de negar os nossos avanços tecnológicos, mas será que
nada temos para aprender dos “pré-civilizados”?
Há um hiato entre o saudosismo irrealista e a euforia acrítica com a
modernidade. Adotar, sem um exame mais detalhado, qualquer teoria que
pretenda em poucas páginas ensinar a “ler” a realidade é ingênuo. Mesmo
porque o perigo das grandes teorias é que, quando confrontadas com fatos,
tomam aparência de dogmas de fé. Entre a teoria imaginada e os fatos
comprovados, os místicos da ciência abstrata decidem, sem dó: pior para os
fatos; quem mandou eles ousarem enfrentar sua concepção teórica tão bem
construída?
COMO VIVEM os primitivos
O século xx, ao questionar um pouco mais a sabedoria do homem
contemporâneo, passou a se situar mais humildemente diante de nossos
ancestrais. Escavações sistemáticas e cuidadosas revelaram, inicialmente, que o
hominídeo originava-se da África e não da Europa, contestando a certeza que se
instalara entre os sábios europeus. De repente, os ocidentais “civilizados”
passaram a se perguntar a respeito dos “primitivos”. Seriam eles tão primitivos
assim? Em vista dessas interrogações, cientistas resolveram fazer observações
sistemáticas, tanto em grupos de primatas como chimpanzés, gorilas e gibões,
quanto em algumas tribos de humanos que sobrevivem como caçadorascoletoras, forma de existência que se supõe tenha sido universal desde 1 milhão
até pouco mais de 10 mil anos atrás.
Os relatos das observações são surpreendentes e mostram sociedades muito
mais sofisticadas do que se imaginava. O caso mais interessante talvez seja o
estudo feito por pesquisadores da Universidade de Harvard em uma comunidade
dos !Kung, coletores-caçadores que vivem no deserto de Calaari entre os países
de Angola, Namíbia e Botsuana.
Durante a estação úmida de verão (de outubro a maio) pequenos grupos de
trinta pessoas, cerca de seis famílias, constroem seus acampamentos temporários
próximo de bosques e se mudam a cada três ou quatro semanas. Sua mobilidade,
no dizer de Richard Lee, um dos pesquisadores, não é decorrente de qualquer ato
de desespero, mas de simples conveniência: quanto mais permanecem num
único local, maior será o percurso diário para coletar alimentos.
Nada é acidental: trinta pessoas é considerado um número ideal, nem tão
pequeno que tire a capacidade defensiva e de captação de alimentos, nem tão
grande que impeça a subsistência de todos.
No período paleolítico, a arte
representa
prioritariamente
animais: pintura rupestre, gruta
de Lascaux, de cerca de 21 mil
a.C.
Nos meses de seca, inicia-se o período mais social dos grupos: três ou quatro
deles congregam-se em torno de um ponto com água permanente e há uma
intensa troca de presentes (não se trata de comércio, nem mesmo de escambo),
intercâmbio de experiências com histórias contadas de lado a lado, elaboração ou
estreitamento de alianças e atividades que levam à formação de novos pares.
Paralelamente às atividades agradáveis que o grupo maior propicia, vem a
grande desvantagem: para alimentar todo o pessoal, o trabalho aumenta muito e
distâncias muito grandes têm de ser percorridas para encontrar-se caça ou
alimento para ser coletado. Assim, logo que as primeiras chuvas começam a
cair, cada grupo de trinta volta a viver sua própria vida. Ocorre, no entanto, uma
diferença importante: defecções, cisões e acréscimos alteram a composição
interna dos pequenos grupos, propiciando uma constante renovação e adequação,
permitindo uma válvula de escape aos descontentes de maneira que conflitos e
tensões possam ser resolvidos. Como se vê, uma solução inteligente. Nem
sempre nós conseguimos resolver com a mesma habilidade problemas de
pessoas descontentes em nosso grupo, sejam elas minorias, marginais ou
dissidentes.
Poder-se-ia alegar que os !Kung não têm cultura. Na verdade, seu modo de
vida não permite uma produção intensa de bens materiais, uma vez que a
mobilidade frequente faz com que cada um não carregue mais de doze quilos de
bagagem. Entretanto, segundo Lee, as danças, canções e histórias praticadas pelo
grupo sintetizam uma cultura tão rica quanto a de qualquer outro povo.
Há no grupo uma divisão sexual das tarefas: as mulheres coletando, os
homens caçando. Acredita-se que isso muito tenha a ver com a própria
característica da caça, que exige movimentos furtivos e silêncio total,
incompatíveis com a presença das mulheres acompanhadas por crianças
barulhentas. Por isso, a mulher coleta e tem filhos, os quais ela amamenta até a
vinda do seguinte, após três ou quatro anos. Esse espaçamento é idêntico ao de
outros grupos coletores-caçadores ainda existentes no mundo e certamente tem
relação com a necessidade de transporte/locomoção das crianças. Se o
espaçamento fosse muito curto, a mobilidade do grupo ficaria prejudicada.
Os !Kung deslocam-se para novos acampamentos a cada quinze ou vinte dias.
Evitam ter de percorrer longas distâncias nas suas atividades diárias de caça e
coleta.
A caça e a coleta são atividades distintas em muitos aspectos. A primeira
tanto pode resultar em sucesso, ou seja, no abate de um grande animal que
alimente o grupo por semanas, como pode redundar em fracasso completo. Ela é
feita por homens e em silêncio. Já a coleta, ruidosamente feita por mulheres (que
a utilizam como eficaz forma de socialização), sistematicamente termina com
vegetais suficientes para que o grupo coma durante três dias.
Em oposição ao mito de que as pessoas nesse tipo de cultura vivem apenas
para a subsistência, Richard Lee apresenta a tabulação das horas de trabalho:
vinte e uma horas semanais os homens despendem com a caça e doze as
mulheres, com a coleta (que fornece 70% da dieta do grupo). Acrescentando-se
a elaboração das ferramentas e o trabalho doméstico, Lee chega a quarenta e
quatro horas de trabalho para os homens e quarenta para as mulheres, as quais,
por outro lado, têm quase total responsabilidade pela educação das crianças.
Como se vê, nada além da média considerada aceitável em nossos dias.
A repartição da carne de caça passa por longos rituais que se iniciam com a
autodepreciação do feito pelo próprio caçador e culminam com um complexo
sistema de distribuição do produto, em que interferem alianças, parentescos e
devolução de favores.
No final das contas todos acabam sendo atendidos, recebendo seu quinhão.
Interessante é que o caçador deve desvalorizar seu feito (tanto mais quanto maior
for a caça) diante de todos os membros do grupo para que não se sinta superior a
quem quer que seja. Embora alguns sejam melhores caçadores do que outros,
isso não implica uma ascendência ou mesmo um prestígio maior. Como
decorrência dessa postura, o grupo não tem líder nem subordinados; todas as
coisas são decididas em conjunto, e as pendências, resolvidas mediante
zombarias.
O baixo nível da tecnologia dos !Kung é compensado com a extrema
habilidade que possuem para as tarefas vinculadas à sua sobrevivência e à sua
profunda ligação e adequação ao meio ambiente. Sua forma de vida permite
muito lazer, levando a uma profunda socialização: visitas entre membros de
acampamentos vizinhos são frequentes e realizadas com ruidosas manifestações
de prazer.
Assim viviam nossos antepassados há 1 milhão de anos ou há 20 mil anos?
Não sabemos, com certeza. Mas, em caso positivo, não temos por que sentir
vergonha de descender deles.
UM MILHÃO de anos caçando
A partir do instante em que nossos antepassados africanos iniciaram sua
caminhada em direção à Ásia e Europa, cerca de 1 milhão de anos atrás, muito
tiveram de caminhar para se transformarem no Homo sapiens sapiens, o homem
moderno, alguém como nós.
É interessante constatar que deve ter sido relativamente pequeno o número
de hominídeos que saiu da África, o que dá corpo à nossa especulação
apresentada anteriormente e questiona bastante a hipótese do êxodo por razões de
sobrevivência: acredita-se que 900 mil anos após o início da viagem do Homo
erectus, ou seja, há 100 mil anos, a população africana ainda era cerca de dez
vezes superior à de todo o restante do globo.
De qualquer forma, na África, na Europa ou na Ásia, as atividades
continuavam baseadas na caça e na coleta. Talvez uma caça mais organizada e
planejada, em grandes grupos e demandando uma sofisticação administrativa
maior, mas sempre caça.
O domínio do fogo é uma das
mais significativas diferenças
entre os homens e os animais.
Além de sua função objetiva, o
fogo tem funcionado para as
pessoas como meio de reforçar
os laços sociais e de espantar os
espíritos do mal. Na foto, grupo
!Kung reúne-se em torno de
uma fogueira.
O Homo erectus, que, como vimos, tinha tronco e membros basicamente
idênticos ao nosso, vai dando lugar a dois descendentes, o Homo neanderthalensis
e o Homo sapiens fossilis, nosso ancestral direto. Alguns pesquisadores
desenvolveram a hipótese de que o homem de Neanderthal teria chegado, à
custa de uma especialização genética excessiva, a um beco sem saída, tornandose inadequado a alguma importante mudança climática e tenha desaparecido há
cerca de 30 mil anos. É possível, contudo, que o homem moderno, como nós,
Homo sapiens sapiens, datado de 30 mil anos atrás, tenha incorporado o
Neanderthal por meio de cruzamentos sucessivos em que algumas diferenças
genéticas tenham deixado de existir. Há ainda os que acenam com a
impossibilidade de cruzamento genético entre espécies diferentes e acreditam
que os neanderthalenses tenham sido mortos pelos nossos ancestrais diretos, que
formavam imensa maioria.
Cena de caça: pintura rupestre
do período neolítico localizada
em Valcamonica, Itália.
A coisa toda está envolta em hipóteses de difícil comprovação, pelo menos
até que novas evidências apareçam, o que se espera para logo, com as
inovadoras pesquisas baseadas no DNA. O fato é que uns e outros eram
caçadores e, embora se acredite agora que ocasionais experiências de
agricultura tenham ocorrido antes, a data-chave para a grande revolução situa-se
10 mil anos atrás. Só nessa época é que o homem teria se iniciado
sistematicamente como agricultor, mudando sua História, alterando sua relação
com a natureza, passando de simples consumidor a produtor, e de paciente a
agente transformador da natureza.
É verdade que essa revolução não ocorreu acidentalmente e não faz
nenhum sentido especular, o que poderia ter acontecido se outro animal tivesse
descoberto a agricultura. O fato é que não poderia. Afinal, mesmo antes de nos
transformarmos em homens modernos (ou Homo sapiens sapiens), aprendemos
coisas que nenhum animal aprendeu. Uma delas é criar ferramentas. Um
primata até pode saber usar um pedaço de pau ou uma pedra, mas não saberá
usar uma ferramenta para adequar essa pedra ou esse pau ao objetivo a que se
destina. Outra delas é a administração do fogo. Dominando o fogo, o homem
teve vantagens simbólicas e objetivas. Assando a carne, tornou-a mais digestiva,
conseguindo dessa forma controlar melhor o sono, mesmo após refeições
pantagruélicas. Dormindo em volta do fogo também descansava melhor, sem
tantos sobressaltos, pois sabia que as feras temiam aproximar-se daquela
luminosidade mágica.
Consciente do seu domínio sobre o fogo, sabendo utilizar as ferramentas,
organizando caçadas de animais maiores e mais poderosos que ele e atuando em
grupos de solidariedade, o homem estava pronto para uma mudança radical na
sua forma de existência: aquilo que chamamos de Revolução Agrícola.
3. Agricultores e criadores
DE CAÇADOR a criador, de coletor a agricultor.
Grupos humanos sofreram essa transformação em momentos diferentes,
com intensidade diversa e em diferentes locais do mundo.
Até pouco tempo, sob a influência do evolucionismo e de um marxismo mal
digerido, acreditava-se que essas passagens fossem necessárias e positivas, ou
seja, tivessem acontecido em todas as sociedades, melhorando-as sempre. Hoje
já se discute, em Antropologia, se a felicidade de um grupo depende do gado
confinado e da terra domada. Pensávamos, com alguma ingenuidade, que o
homem deveria ficar mais seguro e tranquilo quando chegasse a ter uma
plantação em sua propriedade, superando sua condição de “selvagem coletor”
que, para sobreviver, tem de sair “procurando” raízes ou frutos. O fato é que as
coisas não se passavam exatamente assim na cabeça do coletor (a quem
acabamos atribuindo inseguranças que são nossas e de hoje). Para ele, raízes e
frutas lá estão para serem colhidas e não como um acidente, uma eventualidade.
O domínio que os coletores tinham do seu ambiente lhes dava um grau de
segurança bastante grande para saberem, nas diferentes épocas do ano, quais os
locais que ofereciam determinados alimentos.
Autores como o antropólogo Pierre Clastres chamam a atenção para mitos
que tomaram corpo pela repetição e não pela evidência. Um deles é o de que,
necessariamente, a coleta e a caça seriam atividades primitivas porque
inseguras, enquanto a agricultura e a criação engendrariam forte sentimento de
segurança material. Como todas as falácias, essa é uma meia verdade, uma vez
que a agricultura, como atividade humana na busca de submeter a natureza,
corre riscos naturais como secas, pragas e enchentes. Por se constituir em
riqueza concentrada (muito alimento num só lugar), a agricultura atraía a cobiça
de vizinhos mais preocupados em atividades de guerra do que em organização
agrícola. Já um grupo de coletores, vivendo em simbiose com a natureza, poderia
ter uma certeza até maior de sua sobrevivência, sem tanto temor das desgraças
climáticas ou de grupos invasores.
Centros de culturas primitivas no
Crescente Fértil
Centros de grandes civilizações
O que estamos questionando – fique bem claro – é o caráter necessário e
positivo da passagem de um tipo de organização social “primitivo” para outro tipo
de organização social mais “evoluído”. Essas transformações ocorrem em
situações concretas que precisam ser estudadas particularmente.
Não está em discussão – porque são uma evidência – a importância, o
significado histórico das transições, onde elas de fato ocorreram. O que não se
pode é, simplesmente, atribuir ao “primitivismo” de um grupo, a seu caráter de
“pré-civilizado”, a não ocorrência da passagem de coletor a agricultor.
A REVOLUÇÃO Agrícola
Pelos conhecimentos atuais supõe-se que a primeira atividade agrícola tenha
ocorrido na região de Jericó, num grande oásis junto ao Mar Morto, há cerca de
10 mil anos. A hipótese que atribuía ao Egito a condição de berço da agricultura
já não tem tantos seguidores. Estabelecer uma certeza a esse respeito torna-se
difícil. Não há como levantar uma documentação indiscutível: os trigais
desapareceram com o tempo. Só por meio de comprovações indiretas – ruínas
arqueológicas dos silos em que os cereais eram armazenados – é que se pode
tentar datar o início de uma atividade agrícola sistemática.
De qualquer forma, por meio de difusão ou de movimentos independentes,
supõe-se que o fenômeno tenha se desenvolvido também na Índia (há 8 mil
anos), na China (7 mil), na Europa (6500), na África Tropical (5 mil) e nas
Américas (4500).
Os produtos cultivados variavam de região para região com a natural
predominância de espécies nativas, como os cereais (trigo e cevada), o milho,
raízes (batata-doce e mandioca) e o arroz, principalmente. Uma vez iniciada a
atividade, o homem foi aprendendo a selecionar as melhores plantas para a
semeadura e a promover o enxerto de variedades, de modo a produzir grãos
maiores e mais nutritivos do que os selvagens.
Por que se fala em Revolução Agrícola? Porque o impacto da nova
atividade na história do homem foi enorme. E não se trata apenas de questão
acadêmica, mas de algo real e palpável como o próprio número de seres
humanos sobre a face da Terra.
De fato, nos sistemas de caça e coleta estabelece-se um controle
demográfico resultante da limitação da oferta de alimentos. Pouco alimento,
pouca gente. Não é por não existirem alimentos na natureza, mas porque sua
obtenção torna-se extremamente mais complicada para grandes grupos (como
já vimos em capítulo anterior).
Além disso, o caçador e o coletor não podem chegar ao extremo de dizimar
suas reservas alimentares (animal ou vegetal) sob pena de prejudicar a reposição
ou reprodução; a técnica de caça, sendo levada para além de certos limites, pode
criar um desequilíbrio ambiental. Nós, “civilizados”, sabemos disso, pois já
conseguimos destruir raças e espécies inteiras de animais graças a técnicas
sofisticadas de caça. Viver em simbiose com a natureza significa, exatamente,
respeitá-la.
Há outro fator que determinava o controle populacional: em grupos de
caçadores e coletores, crianças pequenas constituem empecilhos tanto para a
fácil locomoção da tribo (que precisa, como já vimos, ter grande mobilidade)
quanto para a própria obtenção do alimento. Elas não podiam caçar e
atrapalhavam as mães nas longas caminhadas que precisavam ser feitas para a
busca de raízes; caminhadas tanto maiores quanto maior fosse o grupo (pois
necessitava de mais alimento) e quanto mais tempo estivesse o grupo acampado
no mesmo local (pois o alimento mais próximo ia se esgotando).
A PRIMEIRA explosão demográfica
Já na agricultura, a coisa mudava de figura. Mesmo quando transumante, o
grupo agrícola tinha de se fixar num local tempo suficiente para que sua
plantação produzisse ao menos uma vez. A área plantada ficava bem próxima ao
acampamento (ou melhor, não havia porque fixar o acampamento longe de
áreas agricultáveis), propiciando trabalho com menos locomoção por parte das
mulheres. De resto, mesmo crianças de pouca idade eram utilizadas pelo grupo
como força auxiliar de trabalho. De empecilhos que eram em sociedades préagrícolas, tornavam-se braços úteis. Locomovendo-se menos, usando as crianças
para a agricultura e tendo um suprimento alimentar menos limitado, os grupos
passam a se reproduzir mais, propiciando um crescimento demográfico notável.
Com o advento da agricultura, os grupos podem ser maiores, desde que
dentro de limites estabelecidos pela fertilidade do solo, quantidade de terra
disponível e estrutura organizacional da tribo. Quando o crescimento do grupo
entrava em contradição com qualquer um desses fatores, ocorria uma
cissiparidade, procurando a tribo derivada – e às vezes até a de origem – um
outro local. Esse processo intenso de subdivisões e deslocamentos iria provocar
uma onda de difusão da agricultura e da atividade pastoril.
Acredita-se, portanto, que durante muito tempo a atividade agrícola não
fixou em definitivo o homem ao solo; apenas deixou-o mais sedentário do que
quando coletor e caçador.
A transumância foi uma característica importante do início da Revolução
Agrícola. E, por consequência, a difusão cultural também caracterizou essa
revolução: podemos imaginar numerosos grupos reproduzindo-se e subdividindo-
se, plantando e criando, invadindo espaços de caçadores e coletores, convivendo
entre si ou em guerras, ou ensinando e submetendo os habitantes da região
ocupada.
Não se pode pensar em agricultores “respeitando” a cultura de coletores,
compreendendo e aceitando o estágio de desenvolvimento socioeconômico deles.
Não é razoável supor que agricultores e criadores aguardassem, liricamente, que
o crescimento de suas forças produtivas os levasse a se tornarem também
plantadores e criadores... Como toda grande revolução da humanidade, essa
também teve seus arautos e corifeus, bem como sua massa de cooptados e
subjugados.
A revolução agrícola torna-se quase irresistível. Seu avanço, a partir de
poucos focos difusores, atinge áreas cada vez mais extensas, cercadas por
contornos marginais, como diz o antropólogo brasileiro Darcy Ribeiro. Esses
contornos vão diminuindo a ponto de se tornarem simples pontos quase
esquecidos pelo avanço da História.
Isso é bom? Isso é mau?
O fato é que a revolução agrícola paulatinamente destrói formas de
existência anteriores, e os povos que se mantêm coletores são poucos e
facilmente assimiláveis às ideias da revolução, quando atingidos.
COMO COMEÇOU a criação
O homem aprendeu antes a plantar, a domesticar os animais e a criá-los, ou
ambas atividades surgiram de maneira simultânea? Pelos dados que se tem até
hoje, a maior parte dos especialistas acredita que a agricultura se desenvolveu
antes da criação. Ainda hoje há tribos de agricultores que não possuem animais
domésticos; há grupos que aliam a agricultura à caça; e não se tem notícia de
criadores que desconheçam a atividade agrícola.
Gordon Childe imagina que a criação pode ter-se iniciado a partir de alguma
seca prolongada no Oriente Médio. Em razão disso, animais que viviam
adequadamente com uma baixa precipitação de chuva teriam ficado em
situação desesperada, sem água e tendo a necessidade de procurar um oásis em
busca de algum alimento ou líquido. Lá já estariam os animais predatórios – em
busca de água e caça – e o próprio homem. Sendo o homem agricultor, é
possível imaginá-lo permitindo que os animais pastassem em seus campos já
colhidos – ou ceifados – e se alimentassem das hastes de cereais que ficavam no
chão. Fracos demais para fugirem e magros demais para servirem de alimento,
carneiros e bois instalavam-se e eram aceitos pelos homens, que teriam estudado
seus hábitos, expulsando leões e lobos e eventualmente até lhes oferecendo
alguma sobra de cereal como alimento complementar.
Em troca, os animais teriam sido domesticados, habituando-se à presença do
homem e confiando nele (no que cometeram um evidente erro de avaliação...).
O gado confinado funcionava como uma reserva de caça, no início. Aos
poucos, o homem teria estabelecido critérios no abate dos animais, sacrificando
apenas o necessário à sua alimentação. Preservando os mais dóceis e matando os
não domesticáveis, ia promovendo uma criação seletiva.
Ao chegar novamente o momento de plantar, alguns agricultores teriam
simplesmente expulsado os animais. Outros, porém, já conhecendo seus hábitos,
levavam-nos a locais onde havia abundância de água e alimentos, impedindo o
ataque de animais selvagens e deixando-os tranquilos com relação à sua
sobrevivência. Assim, aos poucos, o rebanho passou a ser não apenas
domesticado, mas verdadeiramente dependente do homem.
Em alguns casos esse processo não teria dado certo porque o animal
escolhido não seria domesticável, pela sua própria natureza. Mas, em outros, o
sistema ter-se-ia aperfeiçoado a ponto de mostrar ao homem outras vantagens da
criação, entre as quais o esterco, que ele havia aprendido a utilizar para adubar
seus campos e conseguir maior produtividade; e ainda o leite, transformado num
alimento muito importante, com a grande vantagem de não exigir a morte do
animal.
Mais tarde, o couro passa a ter grande importância em alguns grupos e a lã
de algumas espécies, como da ovelha, passa a desempenhar significativo papel
na economia de outros grupos.
Em alguns casos, a criação continua sendo atividade complementar: um
pequeno número de animais, alimentados por pastos naturais em volta do
aldeamento e por restos de colheita em diferentes épocas do ano. Com jovens,
não muito úteis para outras atividades atuando como pastores, a vida econômica
do grupo não sofre muitas alterações, permanecendo baseada na atividade
agrícola organizada.
Expansão agrícola no mundo
EXPANSÃO agrícola no mundo
O crescimento do rebanho poderia ocorrer, exigindo algumas definições.
Nesse caso seria necessário promover o desmatamento de uma área,
transformando mato e floresta em pasto.
Eventualmente, seriam plantadas determinadas espécies exclusivamente
para alimentar o gado. Poderia ocorrer também uma migração de parte da
população atrás do gado que caminhava em busca de pastos verdejantes. Em
alguns lugares uma pequena fração da comunidade migra, mas em outros a
maior parte da população acompanha o gado, o qual deixa de ser uma atividade
complementar, tornando-se a mais importante base econômica do grupo. É
provável que essa tenha sido a origem de tribos e povos criadores.
O fato de a criação ter existido ou existir quase como atividade única em
povos da Arábia ou da Ásia central não significa, portanto, que eles não tenham
passado pela Revolução Agrícola antes do início de sua atual atividade pastoril.
De qualquer forma, é difícil estimar a data do início da economia criadora.
Vasilhas de couro em vez de potes de cerâmica e tendas de couro em vez de
paredes de alvenaria quase não deixam resquícios que possam fornecer base aos
arqueólogos. Vale, nesse caso, a capacidade de dedução a partir de casos
semelhantes. E, por que não, uma boa dose de imaginação.
HÁ UMA cultura neolítica?
O conceito de Revolução Agrícola não deve ser entendido como o de uma
mudança estrutural em ritmo acelerado, conotação que acompanha
habitualmente a palavra revolução. Não se deve pensar que a passagem da
atividade coletora para a agrícola tenha se dado de uma forma brusca ou por um
toque de mágica. Deu-se, antes, por meio de um longo processo que inclui
cuidadosa percepção dos fenômenos naturais, elaboração de teoria causa/efeito e
mesmo doses de acidentalidade. Um grão caído na terra começa a germinar e é
observado em seu crescimento por algumas mulheres que estão coletando na
área: aí temos, provavelmente, o ponto de partida da transformação. Mas só o
ponto de partida. Afinal, entre saber que os vegetais crescem se plantados, e
conseguir organizar uma plantação racional e rentável, existe uma longa
distância que passa pela necessidade de alteração em padrões de comportamento
já arraigados. Daí se acreditar que a convivência da agricultura com a coleta
deve ter sido o fenômeno mais comum durante muito tempo.
De todo modo, a transformação da economia coletora em uma economia
produtora (mesmo que uma economia simples, de produção de alimentos)
provocará grande transformação no grupo. Pela primeira vez haverá um
excedente a ser armazenado. Isso não decorre da vontade manifesta dos
membros do grupo ou de algum sentimento de usura, mas da própria realidade
ditada pela natureza: os grãos produzidos ficam maduros de uma só vez numa
certa época, não ao longo do ano todo. Deverão no entanto ser consumidos
lentamente, em refeições distribuídas por todo o ano. Além disso, parte da
colheita deverá servir de semente na próxima semeadura. O grupo precisa
mudar sua atitude com relação ao alimento: começa a planejar e a poupar;
começa também a construir silos, depósitos adequados para armazenamento dos
grãos.
Durante o período neolítico, as
formas de habitação evoluem,
tornando-se mais estáveis para
abrigarem comunidades que
praticam a criação e a
agricultura.
Entre as construções mais antigas que sobreviveram até hoje estão os silos
de Faium, no Egito, e Jericó, na atual Cisjordânia, comprovando uma mudança
na organização econômica e na mentalidade dos grupos neolíticos.
A produção de um excedente agrícola, somada à atividade criadora (que no
fundo representa a produção de um excedente de carne), servirá para atender às
necessidades da comunidade em períodos mais duros, propiciando crescimento
da população e o surgimento posterior de um comércio incipiente. Mas isso só
virá depois. De início a comunidade é autossuficiente, uma vez que coleta ou
produz todo o alimento de que necessita, utiliza matérias-primas da região para os
equipamentos necessários (madeira e palha, argila e pedra, ossos e chifres) e
fabrica suas próprias ferramentas e utensílios.
A agricultura e a criação
mudaram as condições de vida
dos grupos humanos que
passaram a construir aldeias
permanentes, o que lhes permitiu
também erguer monumentos de
pedra elaborados como os
megalitos.
O
túmulo
de
Dissignac, na ilustração, é um
exemplo de megalito.
Independência econômica não pode ser confundida com isolamento.
Contatos entre tribos neolíticas devem ter sido frequentes e até amistosos.
Encontros de pastores nos pastos e de agricultores nos oásis ocorreram muito, o
que não ocorreu foi a transformação de contatos informais em algum tipo de
união ou integração política. Trocas eventuais de produtos excedentes não
alteram a estrutura dos grupos.
Por isso mesmo, dificilmente poder-se-ia falar em uma cultura neolítica
comum a todos os povos do período. Cada grupo, a partir do número de seus
membros, condições geoclimáticas, fauna e flora naturais, matéria-prima
disponível, além de outros fatores, estabelecia sua especificidade cultural
concretamente construída. Sem apelar para o determinismo geográfico,
devemos reconhecer que sua diversidade era tão grande quanto a variedade dos
territórios ocupados.
Só um evolucionista fanático e obtuso poderia imaginar realidades culturais
idênticas a partir de vivências tão distintas. Se na Europa Ocidental a agricultura
nômade foi predominante, em Creta e na Tessália mesmo os aldeamentos mais
antigos parecem ter sido permanentes. Alguns grupos tinham na caça uma
atividade central, outros na criação, enquanto para terceiros a carne era
desprezível como alimento. As mesmas diferenças se estabeleciam no que se
refere ao tipo de cereal predominante, à característica do artesanato, às práticas
e rituais, e assim por diante.
Assim, em vez de cultura neolítica, seria mais correto referir-se às culturas
neolíticas, no plural.
DIVISÃO sexual de tarefas
Nos grupos precedentes à Revolução Agrícola já havia uma divisão sexual
de tarefas: ao homem cabia a caça e a preparação de todo o equipamento para
essa atividade, enquanto a mulher era a coletora e a responsável pela educação
dos filhos. Com as mudanças proporcionadas com o advento da agricultura, o
homem passa a derrubar os bosques e preparar a terra para a plantação,
deixando a rotina da lavoura nas mãos das mulheres. São elas que cuidam da
casa, das crianças, da comida e da colheita, submetidas à rotina massacrante dos
dias iguais, que tolhem a criatividade e reduzem a imaginação ao horizonte de
suas vidas.
O homem não é o principal produtor. De resto já não o era antes. Vimos que
a atividade de coleta propiciava na maioria das vezes mais alimentos ao grupo
que a caça. O homem mantinha sua importância pelo significado simbólico que a
carne tinha, pela sua relativa raridade até. De uma forma ou de outra, o homem
trazia alimentos para casa. Já nas sociedades agrícolas, a mulher era quem
semeava, colhia e preparava os alimentos, ficando os homens fora da produção
direta.
Como então eles mantinham sua dominação sobre as mulheres? Por meio
de mitos, ritos e instituições que garantem seu poder. Crenças e cultos perpetuam
uma precedência social que já não corresponde ao papel masculino na nova
economia dos povos agrícolas. Força física para dissuadir e manipulação do
sistema ideológico para manter e reproduzir o poder foram armas do homem nas
comunidades agrícolas.
Nas sociedades pastoris a dominação não precisava dessas sofisticações,
uma vez que os homens desempenhavam relevante papel no sistema produtivo.
Como resultado, a mulher ficava em uma atitude ainda mais submissa.
A força física do homem, que lhe dá condições melhores de guerrear –
atividade frequente no Neolítico – faz com que sua precedência sobre a mulher
se amplie. A diferença entre os sexos tem uma origem biológica, mas vai
adquirindo uma explicação histórica. Simone de Beauvoir costumava dizer que
ninguém nasce mulher, mas se transforma em mulher.
Ela não nega, é claro, que alguns seres humanos venham ao mundo com
características físicas diferentes de outros. É evidente que há a mulher objetiva,
aquela que é mais fraca que o homem, que fica menstruada, que engravida, que
dá à luz, que amamenta. Mas, se nessas características podem estar plantadas as
origens da diferença, esta se materializa na História, isto é, na prática cotidiana e
nos valores cristalizados, nos estereótipos e na manipulação ideológica. Valorizar
a carne sobre o cereal, a derrubada da mata sobre o cultivo contínuo resulta em
sacerdotes masculinos e deuses executivos machos assessorados por belas (e
necessariamente “puras”) sacerdotisas.
A reprodução da desigualdade (qualquer que seja) continuará ocorrendo
enquanto houver dominadores interessados e dominados conformados e/ou
ignorantes.
A sociedade neolítica estabelecia divisão de tarefas e não de trabalho, a
chefia era um ônus e não privilégio, não havia apropriação de excedente por
parte de alguns. Mas, entre os iguais, os homens eram um pouco mais iguais que
as mulheres.
4. ...E o homem criou as cidades
A vida nas grandes cidades modernas estabelece uma distância enorme entre
seus habitantes e a natureza. É comum as professoras darem às crianças da préescola um grão de feijão deitado sobre um pedaço de algodão molhado para que
o aluno tenha ao menos uma ideia sobre o ciclo de vida vegetal: de outra forma,
ele poderia pensar que vegetais são fabricados em sacos plásticos ou caixas,
ostentado cores atraentes e códigos de barras. O fato é que o habitante de uma
cidade recebe sua formação em vista do mundo que espera, e não de uma
ligação com a natureza orgânica. Despreparado, é candidato à morte por
inanição caso se perca num bosque não muito distante de casa: não reconhece
árvores frutíferas e raízes que podem servir de alimento; é incapaz de matar
pequenos animais improvisando armas; não sabe tecer com fibras de piteiras e
palmeiras uma proteção adequada; e, sem instrumentos industriais, perde o senso
de localização, não encontrando o caminho de volta.
Há toda uma sabedoria desenvolvida ao longo de milênios, que nós, urbanos,
jogamos fora pela janela do nosso confortável apartamento. A natureza foi
dominada pelos humanos como grupo, não como indivíduos isolados. O poder
que sentimos na qualidade de reis dos animais nos dá a falsa sensação de que
cada um de nós é capaz de perpetrar as proezas que apenas alguns conseguem
realizar.
Como, por exemplo, sobreviver num bosque.
Urbanos por excelência, somos dependentes. Dependemos do agricultor que
planta e do boia-fria que colhe; do engenheiro que projeta, do operário que
fabrica e do comerciante que vende; dependemos da prospecção de petróleo no
Golfo Pérsico, da água domada em Itaipu, da lenha das florestas dizimadas pelo
país todo. Nossas pernas são as rodas dos ônibus e dos trens, nossos olhos são o
vídeo da televisão, nosso horizonte são os postais que amigos nos impingem após
suas viagens pasteurizadas.
Não, não é da cidade moderna, muito menos da metrópole que vamos falar
aqui. Quando falamos de revolução urbana, não se pense em cidades como as
nossas, nem em cidadãos com valores semelhantes aos nossos.
POR QUE surgem as cidades?
Antes de tudo, por quê? Mais uma vez a resposta não é fácil. Não havia
fundadores destemidos ou idealistas decididos a fundar uma cidade. Não havia
consciência individual ou de grupo que tenha levado pessoas a plantar os
alicerces de agrupamentos urbanos no Egito ou na Mesopotâmia. Não havia
modelos e objetivos bem determinados como os daqueles que criaram Brasília,
Belo Horizonte ou Londrina, nem mesmo projetos mais ou menos claros, como
os daqueles que fundaram tantas cidades em nosso país.
Há 5 ou 6 mil anos não havia referências para serem seguidas ou
parâmetros previamente estabelecidos e a estruturação das cidades decorre de
uma série de circunstâncias sociais complexas a ponto de, até hoje, não haver
consenso a respeito dos fatores mais relevantes a respeito do tema.
Voltando ao porquê: Gordon Childe fala de uma revolução que “transformou
pequenas aldeias de agricultores autossuficientes em cidades populosas”. A
impressão que a frase nos passa é a de que logo após se organizar
sedentariamente como agricultor, atingindo a autossuficiência e administrando o
excedente, o homem administra uma nova mudança, desta feita quase natural e
sempre obrigatória: a urbanização.
Um rápido olhar acusa uma aparente coincidência: a agricultura inicia-se no
Oriente Próximo, a urbanização também. Falamos mais exatamente do
Crescente Fértil (vide mapa na página 44) como local onde as Revoluções
Agrícola e Urbana teriam se realizado.
Assunto resolvido, portanto? Não. Se houve uma relação mecânica entre
uma revolução e outra, por que a organização de cidades não ocorreu com todos
os produtores de alimento do Crescente Fértil? Por qual motivo em alguns lugares
as aldeias se transformaram em cidades e noutros elas continuam no mesmo
estado durante séculos (e até milênios)? O que fez com que a urbanização tenha
sido um privilégio, ao menos inicial, do sul da Mesopotâmia e do vale do Nilo?
O especialista Braidwood arrisca uma engenhosa hipótese para explicar a
questão. Para ele, as encostas das montanhas e os vales podem ser cultivados
sem grande dificuldade. No caso de regiões onde hoje ficam o Líbano, a Síria ou
Israel, a terra fértil e a chuva de inverno funcionaram como elementos
favoráveis ao plantio e as montanhas razoavelmente verdejantes como local
adequado ao pastoreio. Um local “feito de encomenda para agricultores
principiantes” que poderiam “levar uma vida aprazível, sem muito trabalho”. A
larga extensão de terras permitiria ainda pequenos deslocamentos por parte dos
grupos por ocasião do esgotamento do solo.
Já no sul do Egito e da Mesopotâmia, as condições geoclimáticas eram (e
continuam sendo) bastante diferentes. A chuva, nesses locais, é praticamente
inexistente. A fertilidade da terra, após as cheias, é excelente. Mas para ela ser
utilizada pela agricultura, de forma sistemática, os rios precisam ser domados.
Tome-se o Nilo, por exemplo. O rio, anualmente em fins de setembro ou
começo de outubro, inundava suas margens, depositando nelas vivificante
camada de solo novo, rico em matéria orgânica. Junto com os benefícios que
trazia, a cheia criava pântanos e infestava as margens de crocodilos. Era
necessário construírem-se diques e reservatórios para controlar a água, soltandoa lenta e adequadamente, de modo a não encharcar em excesso após as cheias
nem permitir que a terra gretasse meses depois.
Com o Tigre e o Eufrates, na Mesopotâmia, as condições naturais eram
diferentes, mas o processo caminhava na mesma direção. Lá, por conta da
irregularidade do degelo nas vertentes, as cheias eram surpreendentes e
intempestivas – às vezes destruidoras. A extrema fertilidade das terras às suas
margens (pelo menos ao sul de Bagdá) requeria uma defesa contra a
imprevisibilidade dos rios, o que era obtido por meio da construção de valas que,
graças à topografia plana e aos canais e braços naturais, desviavam as águas
para onde fosse necessário.
No Egito e na Mesopotâmia havia, portanto, condições potenciais altamente
favoráveis à agricultura, condições essas, entretanto, que precisavam ser
aproveitadas com um trabalho sistemático, organizado e de grande envergadura.
Talvez por isso a urbanização tenha-se desenvolvido antes aí e não em outras
regiões do Oriente Próximo.
A necessidade é a mãe das invenções. Nos vales e encostas férteis e
relativamente chuvosos, a vida corria normalmente e as pessoas não precisavam
tornar mais complexas suas relações de trabalho. Mas construir diques, cavar
valetas, estabelecer regras sobre a utilização da água (para que quem tivesse
terras perto dos diques não fosse o único beneficiário) significava controlar o rio,
fazê-lo trabalhar para a comunidade.
Claro que isso demandava trabalho e organização. O resultado, no entanto,
foi fertilidade para a terra e alimento abundante para os homens.
Essa foi a base das primeiras civilizações.
URBANIZAÇÃO e civilização
Durante muito tempo, e por inspiração dos filósofos racionalistas do século
XVIII, a palavra civilização significou um conjunto de instituições capazes de
instaurar a ordem, a paz e a felicidade, favorecendo o progresso intelectual e
moral da humanidade.
Dessa forma, como já vimos na introdução deste livro, haveria um corte
nítido entre pré-civilizados e civilizados. Estes, europeus e alguns de seus
descendentes diretos, e os outros, todos aqueles que por terem cultura e padrões
de comportamento muito distinto do nosso constituiriam uma espécie de homens
inferiores, criando ou sociedades primitivas ou simplesmente se situando à
margem da lei.
Essa concepção eurocêntrica de mundo (a qual, no limite, reduziria a noção
de civilizado a apenas meia dúzia de povos que tiveram influência na formação
do mundo ocidental) encontra seu contraponto numa outra, no extremo oposto,
que opta por atribuir a qualquer pequeno grupo de indivíduos capazes de amassar
o barro e construir palhoças o conceito de civilização.
As cidades representam a
grande
revolução
da
humanidade. Elas permitem
o trabalho organizado de um
grande número de pessoas
sob uma liderança que vai
adquirindo legitimidade, a
ponto
de
estabelecer
sanções para os que se
recusam a cumprir as
tarefas estabelecidas.
É muito difícil, mas altamente conveniente despir essa palavra de
conotações valorativas. Evitando isso, poderemos estabelecer com maior
facilidade e precisão as características que definem uma civilização.
Civilização, já o dissemos em páginas anteriores, não é um elogio e précivilizados não pode ser tomado como ofensa. Devemos caracterizar a
civilização com parâmetros objetivos para não fazermos demagogia, dificultando
mais ainda a compreensão do processo histórico.
Uma civilização, via de regra, implica uma organização política formal com
normas estabelecidas para governantes (mesmo que autoritários e injustos) e
governados; implica projetos amplos que demandem trabalho conjunto e
administração centralizada (como canais de irrigação, grandes templos,
pirâmides, portos etc.); implica a criação de um corpo de sustentação política
(como a burocracia de funcionários públicos ligados ao poder central, militares
etc.); implica a incorporação das crenças por uma religião vinculada ao poder
central, direta ou indiretamente (os sacerdotes egípcios, o templo de Jerusalém
etc.); implica uma produção artística que tenha sobrevivido ao tempo e ainda nos
encante (o passado não existe em si. Se dele não temos notícia é como se não
tivesse existido); implica a criação ou incorporação de um sistema de escrita
(esse item não é eliminatório): os incas não tinham propriamente uma escrita,
nem por isso deixavam de ser civilizados); implica finalmente, mas não por
último, a criação de cidades.
De fato, sem cidades não há civilização.
As grandes descobertas e invenções do Neolítico seriam apenas
comodidades se não provocassem, por meio e por causa da urbanização, uma
significativa mudança socioeconômica.
A roda, a metalurgia, o animal de tração, o barco a vela tiveram seu caráter
transformador por se integrarem a uma nova organização social propiciada pela
urbanização.
Nas numerosas aldeias espalhadas pelo Crescente Fértil não havia
necessidade de levar os inventos e as descobertas até a sua utilização máxima. Já
no sul da Mesopotâmia e do Egito tudo foi usado para que o homem pudesse
enfrentar e dominar a natureza.
Isso significa grande número de pessoas atuando de forma organizada pela
incorporação de conhecimentos sociais e sob uma liderança que vai se
estabelecendo e adquirindo legitimidade.
Há aí uma relação dialética: invenções e descobertas são pré-condições
para a organização social do tipo urbano, que por seu lado provoca novas
descobertas, mediante o processo de exploração e adequação ao meio ambiente.
A cidade não apenas decorre de um determinado grau de desenvolvimento
das técnicas e do conhecimento humano, em geral. Ela também impele a
espécie humana a crescer.
DO CAOS à cidade
Há, na Bíblia, logo no início do Livro do Gênesis, a descrição de como Deus
criou do caos os céus e a terra. Hoje sabemos que muito do que lemos nos
primeiros livros bíblicos são adaptações de mitos criados a partir do mundo
concreto em que os sumérios e outros povos mesopotâmicos viviam, tendo em
vista que os hebreus constituíam um povo semita de origem mesopotâmica.
É bem possível que esse caos bíblico, que culminou com a separação entre
céu e terra, não fosse senão a representação do caos mesopotâmico, em que
água e terra não tinham separação definida, e no qual pântanos cobertos de
juncos entremeados de tamareiras e de animais anfíbios não fossem terra nem
água.
Aqui, contudo, não foi nenhum deus quem provocou a separação das partes:
foi o homem, abrindo canais para irrigar os campos e secar os pântanos;
construindo plataformas para proteger homens e gado das enchentes; dominando
a água por meio de diques e definindo a terra no meio dos juncos.
Criando, do caos, a terra e a água.
Como Deus.
A recompensa – terra para lavrar, água para irrigar, tâmaras para colher e
pastos para a criação – fixou o homem à terra.
A partir do primeiro montículo de terra fértil conquistado ao caos, mais terra
foi sendo liberada pelo homem – com a disseminação de canais ampliados e o
crescimento do agrupamento humano.
Homem algum, por mais poderoso que fosse, e família alguma, por mais
numerosa que fosse, poderiam dominar sozinhos esse ambiente. Era um trabalho
de grupo que exigia estoques de alimento a fim de liberar muitos indivíduos para
a tarefa coletiva, pois estes, enquanto realizavam tais obras, não produziam
diretamente seus alimentos. Quanto maior o pedaço de terra a ser resgatado ao
caos, maior número de trabalhadores tinha de ser requisitado e mais comida
tinha de ser colocada à disposição deles.
Alimento excedente em quantidade crescente exige quantidade crescente de
força de trabalho concentrada e organização social mais complexa.
É o caminho do caos à cidade.
CIDADE e poder
Na aldeia de terras férteis do Neolítico, o indivíduo isolado ou em grupo
familiar tinha mais poder do que nos primeiros agrupamentos que se constituíam
no sul do Egito e da Mesopotâmia. Lá ele podia se desgarrar do grupo para
exercer sua atividade de lavrador e de criador, com possibilidade de sucesso.
Aqui tinha de fazer parte do grupo maior, um de muitos, elemento da
engrenagem: o grupo dependia dele e ele do grupo. Colocar-se à margem da
comunidade era colocar-se à margem da terra resgatada aos pântanos e da água
canalizada. A sociedade que premiava o membro que demonstrava bom
comportamento, punia aquele que falhava, por meio de sanções que o
condenavam a viver fora da estrutura de produção.
Quando o líder exigia o trabalho de alguém, fazia-o em nome do grupo que
o apoiava: a solidariedade social podia ser imposta.
O próprio espírito de aventura encontrava limites bem-estabelecidos: quando
além do oásis (no caso do Egito) ou da terra firme e fértil (na Mesopotâmia)
havia apenas deserto ou caos, o jovem tinha mais razões para se conformar e
desenvolver um comportamento de “bom menino”.
O rei investia-se do poder moral, que era outorgado pelo interesse do grupo
e do poder de coação, podendo aplicar sanções a preguiçosos, marginais ou
descontentes em geral. Tratava-se de opor o interesse geral ao particular e o
restante não contava.
Ricos no que se refere à fertilidade das terras, mesopotâmios e egípcios
eram muito pobres em matérias-primas, algumas delas essenciais. O vale do
Nilo não tinha madeira para construção, nem pedras ou minérios. A Suméria não
estava em situação melhor.
Com as obras hidráulicas, os egípcios e os sumérios desenvolveram um
comércio com povos vizinhos destinado a suprir suas terras das matérias-primas
fundamentais. Forma-se então um grupo de comerciantes, de trabalhadores em
transportes e de artesãos para trabalhar a matéria-prima, todos eles alimentados
pelo restante da sociedade que continuava a produzir alimentos.
Depois surgiram os soldados para proteger os comboios, escribas para
registrar os negócios e toda uma gama de funcionários do Estado para conciliar
eventuais conflitos de interesses. Aparecem também funcionários religiosos e
templos e uma série de cortesãos inúteis, familiares e amigos do rei.
Os achados arqueológicos confirmam esse processo. Pesquisadores de
campo notam uma substancial diferença entre os objetos encontrados datados de
5 mil e os de 6 mil anos. Os mais antigos são instrumentos de agricultura e caça e
um ou outro objeto de uso doméstico, denotando uma comunidade de
agricultores simples. Já os de 5 mil anos constituem mobiliário dos templos,
armas, jarros e outros objetos feitos em série. Encontramos ainda templos,
túmulos imensos (como as pirâmides) e palácios.
A mudança no material arqueológico denota alterações na economia das
sociedades que produziam o material. Denota também maior complexidade nos
papéis sociais, uma verdadeira divisão de trabalho em vez de simples divisão de
tarefas e a instituição de um poder político que não é mais aleatório ou ocasional,
mas que se solidifica e busca perpetuar-se.
Ao contrário da liderança nas aldeias, provisória e sujeita a permanentes
contestações, aqui o rei esquece as razões que o levaram a liderar (o consenso do
grupo social com vistas ao bem comum) e sob a alegação de sua origem divina
(no caso do Egito) ou legitimação divina (no caso da Mesopotâmia e, mais tarde,
entre os reis de Israel e Judá) passa a justificar suas atitudes autoritárias, seu luxo
acintoso e sua vida desligada da dos produtores diretos.
A cidade é populosa. Concentrações entre 10 mil e 35 mil habitantes eram
comuns, segundo os especialistas. Há lugares predeterminados para as casas e as
oficinas, mas os palácios e templos ocupam os locais de destaque. A
solidariedade que justificara sua construção se esvai; o camponês, produtor direto
de alimentos, é marginalizado pela sociedade urbana que ele ajudou a construir e
que continua a alimentar.
A CIDADE se expande
Ao necessitar de matérias-primas que não eram encontradas em seu
território, os governantes das primeiras cidades expandem os seus tentáculos. Por
meio dos contatos propiciados pelo comércio, vemos vários povos, vizinhos aos
sumérios e aos egípcios, transformando aldeias em cidades. Isso ocorre no que é
hoje a Síria, o Iraque, o Irã, Israel, Creta e, depois, cada vez mais longe.
Agrupamentos humanos simples, compostos de aldeia e campo, antes produtores
autossuficientes de alimentos, metamorfoseiam-se em cidades complexas com
atividades manufatureiras.
É interessante verificar a influência que as cidades-mães desempenham
sobre as outras. Isso se evidencia não só por meio de estruturas sociopolíticas
muito semelhantes, como por padrões de comportamento e valores. Enquanto a
Revolução Agrícola ocorreu em grande parte de forma espontânea, a Revolução
Urbana desenvolveu-se mais pela difusão, por meio de vários mecanismos, um
dos quais o desenvolvimento da atividade comercial.
Atrás das matérias-primas, os comerciantes procuravam as regiões que as
produziam, onde encontravam grupos humanos já estabelecidos. Coube aos
egípcios e sumérios convencer esses grupos a extraírem metais, madeiras ou
pedras em quantidade muito superior à que estavam habituados. Quando
obtinham sucesso em suas tentativas, os comerciantes provocavam profundas
alterações no dia a dia desses povos, que deveriam especializar-se para dar conta
da demanda dos produtos solicitados. Na verdade, uma parte da população tinha
de produzir alimentos para esses que haviam se especializado, reproduzindo o
esquema que já vimos acima. Em casos extremos, a coisa foi ainda mais longe.
É o caso de Biblos, cidade situada no que hoje é o Líbano, onde os egípcios iam
buscar o cedro, excelente madeira para barcos e construção de edifícios e
templos.
A presença egípcia em Biblos foi muito grande: seus funcionários levaram
para a região suas crenças e sua escrita, sua arte e sua administração. Os fenícios
tomaram contato com a cultura egípcia, assimilando-a, e criaram suas cidades a
partir daí.
Às vezes a presença do comerciante não era aceita pacificamente, mas
imposta pela força. Nesses casos, o invadido ou se organizava tecnicamente para
a defesa ou era massacrado, num tipo de guerra comum na Antiguidade. Para se
defenderem de maneira eficaz contra inimigos que dominavam a metalurgia,
era necessário que os invadidos também conhecessem a técnica da fabricação
de armas brancas, o que, de uma outra forma acabava provocando a difusão da
cultura urbana, ou seja, da civilização.
O trágico para a cultura era quando um povo aprendia apenas as técnicas
ligadas à atividade bélica e se aperfeiçoava ao máximo, a ponto de destruir a
civilização da qual obtivera seu conhecimento.
Nessas ocasiões – que foram muitas ao longo dos tempos – a impressão é de
que a História caminha para trás.
A cheia que anualmente beneficiava o Egito também criava pântanos. Diques e
reservatórios necessários ao controle da água só podiam ser realizados pela ação
de grande número de pessoas socialmente organizadas.
5. Mesopotâmia
O terceiro milênio a.C. testemunha um grande número de núcleos urbanos se
desenvolvendo ao longo do Tigre e do Eufrates. Historiadores como Paul Garelli
levantaram, só para o período que vai de 2700 a 2100 a.C., uma enorme lista de
reis em localidades como Lagash, Umma, Kish, Ur, Uruk, Akad, Gatium e Elam
– incluindo o herói Gilgamesh e outros, de nomes quase impronunciáveis por nós,
como Lugalkinishedudu, Meskiagnunna e Kutik-in-shushinak.
Em Uruk foram encontrados vestígios de um templo que tinha mais de dois
mil metros quadrados (exatamente 80 m por 33 m). Perto dele foi edificado um
monte artificial (zigurate) com 11 metros de altura, construído com tijolos e
enfeitado com pedaços de cerâmica. Com o uso de uma escada chega-se ao
pequeno templo, no alto; paredes de tijolos brancos e madeira importada, altares
nas extremidades e outros detalhes mostram o requinte e a técnica da construção.
Há aqui uma força de trabalho organizada pelos próprios dirigentes dos
templos, que faziam as vezes de arquitetos, engenheiros e mestres de obras em
nome dos deuses que representavam na terra.
Provavelmente a “casa divina” tenha sido o primeiro local em que se
desenvolve uma especialização de tarefas, ao contrário da atividade
coletivamente realizada pelos habitantes das aldeias neolíticas. Ao especializarse, o artesão (pedreiro, pintor, tecelão) ganha em habilidade e, portanto, em
produtividade, mas passa a depender dos que organizam a atividade produtiva, já
que ele não realizará sozinho todas as tarefas necessárias à sua alimentação e
produção de vestuário e moradia. É uma passagem histórica fundamental, uma
vez que marca a transição de uma economia de autossuficiência individual ou
grupal para uma estrutura que contempla trabalhadores braçais de um lado e
organizadores da força de trabalho de outra.
Perdendo parte de sua liberdade – por se tornar dependente –, o artesão a
cede ao sacerdote do templo que, paulatinamente, vai se fortalecendo e
explorando aqueles que, muitas vezes, passam a ser seus trabalhadores e não
mais do templo ou do deus.
Graças a essa nova situação, era comum os sacerdotes disporem
abusivamente das terras lavradas pelos seus trabalhadores, confiscarem objetos e
animais, além de remunerarem o trabalho deles no limite da sobrevivência dos
trabalhadores.
Embora em momento, local e situação histórica diferente, isso nos faz
lembrar um fenômeno acontecido aqui mesmo, em terras brasileiras: durante
alguns anos, na época do regime militar, o Brasil teve um crescimento
econômico extraordinário, provocando o chamado “milagre econômico
brasileiro”. Cansados de ver o país enriquecer à custa do seu empobrecimento, os
trabalhadores solicitaram sua fatia no bolo. O ministro que dirigia a economia
naquela época foi logo avisando que era necessário deixar antes o bolo crescer
para depois dividi-lo.
E não foi dividido até agora, num país em que as disparidades sociais são tão
grandes a ponto de fazer parecer que as principais nações capitalistas vivem uma
espécie de socialismo.
Aqui, à custa da fome do povo foram construídos verdadeiros palácios para
a ociosidade remunerada dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.
Na Suméria também os templos e zigurates foram construídos graças ao
bolo que os sacerdotes administravam à custa do trabalho de grande parte da
população.
Será a concentração da renda – e a injustiça social dela decorrente –
fundamental para o crescimento material da humanidade?
A DIVISÃO social do trabalho
A exploração do trabalho de uma parte da sociedade por outra cria, pela
primeira vez na humanidade, antagonismos determinados pelo papel econômico
exercido pelo indivíduo no grupo.
É importante notar que não se está falando de divergências pessoais,
questões subjetivas, mas de oposição socialmente determinada, impessoal
portanto. O sacerdote não explorava o artesão pelo fato de ser, pessoalmente, um
mau elemento, de possuir um mau-caráter. Ele na verdade desempenhava o
papel de organizador do processo de trabalho, em nome de cuja racionalidade
agia.
Havia, contudo, uma contradição aqui: os sacerdotes representavam um
deus determinado, um templo determinado; não uma região, uma cidade. Os
trabalhos públicos, os grandes empreendimentos não religiosos – como,
principalmente, a construção de canais – eram atividades que afetavam regiões
ligadas a vários templos. Por isso surgiram os dirigentes não vinculados aos
templos, aqueles que mais tarde tornar-se-iam os reis.
Sacerdote
sumério
do
Templo de Ishtar, na antiga
cidade de Mari, no Eufrates,
aproximadamente 2800 a.C.
Com os reis, os sumérios tinham também um chefe para as guerras, que
eram atividades muito úteis tanto para a iniciativa comercial quanto para a
obtenção de novas terras.
Não é de acreditar que o rei tenha rompido com a religião. Pelo contrário,
ele passa a atuar junto dela. Dá dinheiro para construir ou decorar templos,
fornece matéria-prima e às vezes até mão de obra. Em troca, busca a
legitimação de seu poder, que, surgido dos homens, vai adquirindo caráter divino,
fórmula que se tornou frequente na humanidade (lembra-nos as moedas
espanholas cunhadas em pleno século xx, em que junto à efígie do ditador vinha
gravada a frase “Francisco Franco, caudillo de España por la gracia de Diós”).
Por se apresentar e ser reconhecido como representante dos deuses, o rei
recebia a maior parte das terras das tribos sobre as quais tinha influência, além
de impostos que eram a forma alternativa dos presentes tradicionalmente
oferecidos aos chefes tribais. Em casos de guerra, cabia-lhe a parte do leão dos
saques efetuados, o que provocava uma concentração de riqueza maior ainda.
Nesse período não há ainda algo que se pareça com unificação política: as
cidades têm organizações de poder independentes, embora sejam
interdependentes na esfera econômica e extremamente homogêneas do ponto de
vista cultural.
Ao contrário do Egito, em que a uma cultura unificada corresponde uma
chefia única, na Mesopotâmia isso não ocorrerá tão cedo: pelo contrário,
assistimos a um desfilar de reinos e reis que lutam entre si, não pela hegemonia,
mas por um espaço político-econômico próprio.
A cultura, entretanto, estava em plena ebulição. Administrar uma cidade
exigia mais que disposição e procuração divina: exigia instrumentos adequados,
que se desenvolveram de forma notável na Mesopotâmia.
ESCREVER e contar
Numa aldeia neolítica, a transmissão oral e pessoal era suficiente para a
sofisticação que as relações no interior de um pequeno grupo exigiam. Mas em
agrupamentos maiores, em que nem todos conheciam todos e, mais ainda, em
que um empreendimento podia durar mais de uma geração, a simples
transmissão oral não era mais suficiente. Tornava-se necessário encontrar
formas interpessoais e objetivas. Um sinal qualquer deixado por alguém não
podia se transformar numa obra aberta, sujeita a diversas interpretações, mas
devia ser um símbolo específico que significasse uma mensagem específica.
Tratava-se, afinal, não de concepções ou teoria, mas de largura de canais, de
altura de paredes de templos, de quantidades de cereal, de volume de água, e
assim por diante.
Zigurate de Ur, na Mesopotâmia: uma foto das escavações realizadas no lugar.
Ao lado, um desenho da provável aparência do zigurate, com escadas, terraços e
o templo no alto da edificação.
Noutras palavras, a complexidade e a objetividade das relações econômicas
que se estabelece, decorrentes de sua amplitude em termos de espaço e tempo,
vão exigir cálculos precisos e anotações claras, enfim, registros inteligíveis não
apenas para quem os fazia como para outros participantes ou coordenadores do
projeto comum.
Como diz Gordon Childe, “a invenção de um sistema de escrita foi apenas
um acordo sobre os significados que deviam ser atribuídos aos símbolos pela
sociedade que deles se utilizava para seus objetivos comuns”. Assim, os
primeiros símbolos são praticamente autoexplicativos, os pictogramas. A escrita
pictográfica não se constitui, contudo, numa exaustiva reprodução naturalista do
objeto a ser representado; para falar de boi, não havia necessidade de mostrar
seus pelos ou seus cascos ou o comprimento exato da cauda. Bastava traçar sua
figura de forma esquemática para se saber a que se queria referir.
Cuneiformes
mesopotâmicos:
originalmente pictográficos, os
cuneiformes evoluíram para
ideogramas e, eventualmente,
para escrita silábica. Os sinais
eram produzidos mediante a
pressão de estiletes em forma de
cunha sobre argila úmida.
De início, essa simplificação encontrava vários caminhos: para um bastava
representar a cabeça de boi para saber do que se tratava; para outro seria melhor
rascunhar o conjunto do seu corpo, e assim por diante. Aos poucos,
convencionalmente, decidia-se por uma das versões ou pela síntese de algumas
delas, de acordo com o interesse e o consenso do grupo.
Aí estava o início da escrita.
Só o início. Nem todas as coisas, no entanto, eram bois ou trigo, cuja
representação estilizada era possível. A solução foi atribuir a certas coisas
representações mais ou menos arbitrárias. Por exemplo, um jarro de bico
representava um volume determinado (um gur). Um gur de cerveja era
representado desenhando-se três traços no jarro, enquanto um gur de cevada era
representado por dois traços.
Hieróglifos egípcios: escrita
complexa
dominada
pelos
escribas, que a utilizavam
principalmente para relatórios
burocráticos, crônicas de feitos
dos faraós e hinos de louvor aos
deuses.
Mas isso também não resolvia a questão da representação de nomes ou
ideias. Daí uma nova evolução no processo. Boca em sumério era ka. Assim, a
representação de uma boca não queria dizer apenas boca, mas também o som
atribuído à representação, ou seja, ka. Combinando-se o fonograma ka com
outros fonogramas, era possível pronunciar certos nomes compostos ou ideias
sem a necessidade de criar novos ideogramas. Ou melhor, diminuindo o número
de ideogramas, mantendo apenas os básicos. Acredita-se que o número de
ideogramas caiu de 2 mil para seiscentos, entre os anos de 3000 e 2500.
Também os signos se simplificaram. Aos poucos, por causa da necessidade
de se escrever rapidamente, os sinais passam a guardar apenas pouca lembrança
– ou nenhuma – dos rascunhos estilizados iniciais. São formados com a impressão
de um estilete em forma de cunha na argila ainda mole – daí o nome de escrita
cuneiforme dada a ela.
O mesmo processo, do complexo ao simples, dá-se com a numeração.
Inicialmente anota-se um traço para cada unidade. Com volumes grandes isso
ficava difícil, daí a necessidade de se estabelecerem sinais específicos para
números maiores. Criou-se também um sistema decimal, mas o sexagesimal foi
o que prevaleceu na Suméria após 2500 a.C.
TRANSMISSÃO formal da cultura
Cada geração tinha de encontrar formas de passar à outra o conjunto de
conhecimentos já adquiridos e codificados. Isso, de certo, ocorria desde a
humanização do homem. A novidade aqui é que o saber ia se tornando mais
complexo, mais especializado, necessitando portanto de veículos adequados para
sua transmissão.
A obtenção da língua falada, veículo básico de transmissão cultural, poderia
se efetuar no espaço da própria família, o que já não ocorria no que se refere à
língua escrita. Não estamos falando de conhecer e combinar vinte e poucas
letras, simplesmente. O jovem tinha de saber o significado de cada um dos
fonogramas utilizados, centenas deles. Este estudo só poderia ser realizados em
locais a isso destinados e dentro de um padrão único.
Os padrões de mensuração também tinham de ser definidos: arrecadar ou
pagar impostos, fixar volumes e medidas ou mesmo comerciar sem estabelecer
padrões, era impossível. Quando um produto não tem valor comercial ou quando
se trata de trabalho individual, as medidas têm uma importância menor. Se um de
nós resolver construir sozinho um galinheiro no fundo do quintal, nada nos impede
de medir em palmos a madeira a ser serrada: como uma única pessoa estará
serrando e como não é muito importante a exatidão no comprimento das tábuas,
o padrão de mensuração que estabelecemos – o palmo – pode ser útil, tenha ele
vinte, 18 ou 15 centímetros. Entretanto, para construir um templo na Suméria, em
que dezenas ou centenas de trabalhadores se empenhavam, o palmo seria um
instrumento extremamente inadequado, uma vez que o tamanho das mãos dos
operários, certamente diferentes, provocaria divergências significativas nas
medidas da obra, podendo até comprometer a edificação.
Em documentos brasileiros a respeito de propriedade fundiária, deparamos
com outra medida variável, a braça. Teoricamente ela é a extensão
compreendida entre a ponta do dedo médio da mão direita até a ponta do mesmo
dedo da mão esquerda, estando os braços esticados perpendicularmente ao
corpo. Se o leitor quiser fazer a experiência pode tentar: a distância entre as
extremidades dos braços abertos lateralmente de uma pessoa é idêntica ou muito
próxima ao seu comprimento. Dessa forma, a braça de um homem como o
autor deste livro terá 1,80 m, enquanto a de outras pessoas poderá ser
consideravelmente maior ou menor. Essa medida, que funcionava bem no
período colonial e mesmo imperial, quando a terra não valia quase nada (o que
valia era o escravo) passa a ser substituída. Nos dias de hoje (quando o valor do
homem é mínimo e a terra supervalorizada) o que vale são medidas
internacionais e precisas, obtidas por meio de técnicas refinadas produzidas por
agrimensores especializados.
Assim, é compreensível que na Suméria estabeleçam-se padrões mais
cuidadosos, referências mais precisas quando o comércio se desenvolve e os
tributos têm de ser arrecadados. Padrões e referências objetivas dependiam de
transmissão formal, de sistemas de ensino.
Ensinava-se também a dividir o dia em doze horas duplas e o ano pelos
ciclos da Lua. Como no atual calendário hebraico, de vez em quando criava-se
um 13o mês para corrigir as discrepâncias acumuladas.
Ensinavam-se noções de volume (concretizadas em terra ou grãos), daí se
aprenderem as principais operações aritméticas. A relação da circunferência de
um círculo com o seu diâmetro era estabelecida em 3 (quase igual ao nosso π,
que vale 3,1416...), o que, na prática, servia muito bem para calcular o conteúdo
de um celeiro cilíndrico, deduzindo-se eventuais espaços vazios.
Cria-se, finalmente, um padrão de trocas. Intercambiar bens e serviços por
meio do simples escambo trazia dificuldades numerosas. Instituiu-se, portanto,
antes a cevada e depois os metais (como o cobre) como padrão para pequenas
somas, e a prata para grandes valores. Não era ainda a moeda formal, com peso
e valor constantes, mas já se monetariza a economia, produzindo-se para o
mercado (para trocar o produto por prata) e cobrando-se juros por empréstimos
feitos (ou seja, o metal de troca passa a ter um valor em si). Com isso, os
comerciantes se enriquecem e se fortalecem, ganhando em influência política, o
que iria provocar mudanças significativas na Suméria.
Os códigos de transmissão cultural já estavam nesse período estabelecidos e
o processo civilizatório em franco andamento.
SARGÃO, o Velho
Neste livro, o foco tem sido o processo civilizatório, razão pela qual estamos
evitando referências – geralmente enfadonhas – a governantes e grandes heróis.
Mas a figura de Sargão ultrapassa os limites da simples história política. Ele é
visto como um herói civilizador pelos seus contemporâneos e retratado com a
dimensão de um profeta, ou até de um semideus pelos pósteros. Veja-se o trecho
de documento da época que chegou até nós:
Sargão, o poderoso rei de
Agade, eu sou.
Minha mãe foi uma
concubina, meu pai eu não
conheci.
Os irmãos de meu pai
amavam as montanhas.
Minha cidade é Azupiranu,
que está situada às margens
do Eufrates.
Minha
mãe
concubina
concebeu-me,
secretamente ela me fez
nascer.
Ela me colocou numa cesta
de junco, com betume ela
selou minha tampa.
Ela me jogou ao rio, que
não me cobriu.
O rio me conduziu e me
levou até Akki, o tirador de
água.
Akki, o tirador de água,
retirou-me
quando
mergulhava seu jarro.
Akki, o tirador de água,
tomou-me como seu filho e
criou-me.*
Compare-se esse texto com o seguinte:
Foi-se um homem da casa
de Levi e casou-se com
uma descendente de Levi.
E a mulher concebeu e deu
à luz um filho; e vendo que
era formoso, escondeu-o
por três meses.
Não
podendo,
porém,
escondê-lo por mais tempo,
tomou um cesto de junco,
calafetou-o com betume e
piche e, pondo nele o
menino,
largou-o
no
carriçal à beira do rio.
Sua irmã ficou de longe,
para observar o que haveria
de lhe suceder.
Desceu a filha do Faraó
para se banhar no rio,
juntamente
com
suas donzelas que passavam
pela beira do rio; vendo ela
o cesto no carriçal, enviou a
sua criada e o tomou.
Abrindo-o, viu a criança
que
chorava.
Teve
compaixão
dele
e
disse: Este é o menino dos
hebreus.**
Trata-se, sem dúvida, de descrições semelhantes de crianças que,
malnascidas, tiveram seu destino ameaçado e, uma vez salvas, tornaram-se
heróis de seus povos. De Moisés, a criança retratada no segundo texto, falaremos
depois. Mas Sargão, herói agadiano (ou akadiano), correu todos os riscos para,
em seguida, entrar na corte do rei de Kish, lutar contra ele, fundar a cidade de
Agade e se tornar, a partir de 2370, o dominador de toda a Suméria e regiões
limítrofes. Há referências à presença de Sargão no Elam, em Mati e até na
Anatólia.
Não se sabe até onde o exagero das descrições pode ter superestimado o
papel do grande Sargão, mas o que se sabe é que a partir dele existe uma nova
realidade na região: um Estado que tenta impor, acima dos particularismos
regionais, uma política comum. Para isso, marchava com um exército de
milhares de soldados (5400 na conquista da Síria, por exemplo), número às vezes
igual ao da população de algumas cidades.
A centralização administrativa leva ao desenvolvimento do artesanato e
principalmente ao incremento da atividade comercial, mediante a importação de
metais preciosos e madeiras. Com isso, há uma tendência à secularização do
poder, uma vez que os templos perdem sua função econômica.
Mesmo provocando todas essas mudanças, Sargão é visto por alguns
historiadores com ceticismo. Há mesmo quem diga que Sargão foi para os
sumérios o que Alexandre viria a ser para os gregos: aquele que ampliou as
fronteiras de uma cultura já existente sem ter contribuído de forma substancial
para sua mudança ou crescimento.
Estandarte sumério da cidade de Ur (início do terceiro milênio): mosaico
ornamental com cenas de paz (à esquerda) ao lado de cenas de guerra (à
direita).
É possível.
Mas como unificador daquela enorme teia de cidades, Sargão passa para a
História como o primeiro verdadeiro rei mesopotâmico e não um simples chefe
local.
Após Sargão há um período de ausência de poder central, coroado pela
invasão de tribos gútias; em seguida há predominância da cidade de Ur, depois
vêm os assírios, em seguida quem lidera é Uruk e assim sucessivamente. Por
fim, sobe ao trono de toda a Babilônia, em 1792, o mais famoso de seus reis,
Hamurábi, o do Código.
O CÓDIGO de Hamurábi
Alguns nomes ficam na História por mérito. Outros, nem tanto. Um
faraozinho insignificante, cuja tumba não foi saqueada por ladrões, acaba
recebendo homenagens em todos os museus importantes do mundo, tendo sua
biografia conhecida e feitos divulgados; enquanto outro, que não teve a mesma
sorte, figura apenas como um nome numa lista dinástica.
Nós, historiadores, ficamos sem saber sobre a importância a ser dada a
essas personagens. Maravilhados e envolvidos pela documentação revelada,
começamos por transformar “nosso” rei em um grande herói, ou sábio, ou
conquistador, acreditando demais no autopanegírico que ele faz. Depois,
passamos por um período de profundo ceticismo quando verificamos que ele
afirmou ter conquistado uma região que não conquistou ou levantado um templo
que já estava pronto. Qual governantes de hoje, especialistas em reinaugurar
obras já inauguradas ou ainda em construção, os reis antigos mentiam em sinais
cuneiformes ou hieroglíficos.
Com Hamurábi aconteceu o mesmo fenômeno, de superestimação seguido
de subestimação de sua obra e de seu reinado; ou melhor, de seu código.
De início, imaginou-se estar diante de um grande legislador, autor de uma
série de leis básicas para o mundo civilizado, novas e até revolucionárias. Seu
código, a partir do momento de sua divulgação, há 38 séculos, vem merecendo
sucessivas reedições em todas as línguas.
Depois, verificou-se que Hamurábi não criara novas leis e que seu código
não era propriamente inovador, tendo em vista que revelava apenas práticas
sociais comuns, encontradas em documentos de outros povos da região. E
passou-se a minimizar sua importância.
Hoje podemos ter uma visão mais equilibrada do assunto. Hamurábi, grande
chefe militar do século XVIII a.C., teve a preocupação, após efetuar importantes
conquistas militares, de unificar a legislação.
O resultado foi dos melhores, já que o Código não é apenas um modelo de
jurisprudência, mas de língua babilônica. Não é, no entanto, um projeto de
mudanças sociais. Muito pelo contrário, legisla a partir do reconhecimento da
existência de três classes distintas: os ricos, o povo e os escravos. Os primeiros
com mais privilégios e obrigações (pelo menos em teoria); os ricos pagavam
mais impostos, mas um delito contra eles seria, reconhecidamente, punido de
forma mais severa; os escravos, que tinham direitos delimitados em lei (não
eram apenas um objeto, como diria deles Aristóteles, na Grécia), podiam casarse com uma mulher livre e possuir bens, mas eram marcados como gado, já que
não deixavam de ser propriedade de alguém.
A mulher tinha grande independência com relação ao marido,
administrando o dote que recebia do pai quando do casamento, podendo assumir
cargos públicos e demandar em juízo. O marido tinha o direito de castigá-la em
caso de infidelidade e de tomar uma esposa secundária (concubina), a qual,
contudo, não teria os mesmos direitos da primeira (no capítulo relativo aos
hebreus veremos, no caso de Abrahão e suas mulheres, a aplicação da lei
mesopotâmica). Os filhos varões herdavam a fortuna do pai, que deixava sempre
um dote para a filha.
As terras e demais propriedades podiam pertencer ao Estado, ao templo ou
a particulares. Todos deveriam permitir a passagem dos dutos de água pelas suas
propriedades, assim como zelar pela manutenção dos canais, mas fora isso os
particulares tinham liberdade formal para dispor de seus bens.
As terras reais eram cultivadas mediante um complexo sistema de
posse/propriedade, que incluía desde rendeiros (que pagavam um aluguel pelos
lotes) e colonos (que pagavam em espécie) até homens de corveia (que não
tinham título regular) e funcionários públicos (que em troca ofereciam seus
serviços ao rei). Há os que encontrem identificação entre o que ocorria na
Mesopotâmia e o sistema feudal; trata-se, porém, de uma opção fácil, mas
leviana, de identificar o que não é escravista, capitalista ou socialista como
feudal. Basta ler um pouco sobre feudalismo e fazer uma ligeira apreciação dos
documentos babilônicos para ver que se trata de formações sociais muito
diferentes.
Akad durante
Sargão
o reinado de
Babilônia
Hamurábi
no
reinado
de
Detalhe da famosa Estela
de Hamurábi, que contém o
código de leis em prática na
época. A ilustração mostra o
rei recebendo as leis do
deus Shamach e, abaixo,
um pedaço do texto, de
aproximadamente 1900 a.C.
A importância dada ao comércio pode ser avaliada pelo papel do tamkarum,
misto de mercador, atacadista, usuário e funcionário do governo. Auxiliava na
arrecadação de taxas, comprava em nome do rei e emprestava dinheiro para os
agricultores. As taxas deviam ser escorchantes, muitas vezes difíceis de serem
pagas, pois encontramos várias vezes documentos em que o rei decretava a
abolição das dívidas dos súditos para tranquilizar a população e permitir a
continuidade do trabalho produtivo. Não se tratava de generosidade, mas de não
se matar a galinha dos ovos de ouro. Hamurábi, em seu código, intervém de
forma enérgica na economia, estabelecendo regras de trabalho, valores para
aluguéis e arrendamento de terras e animais, salários e normas de comércio.
Não se trata, contudo, de um Estado consolidado, organizado para durar
muito, como o Egito. Sua estrutura administrativa sustentava apenas um poder
regional, mesmo assim com frequência questionado pelos vizinhos. Colocando de
uma outra forma, há estados mesopotâmicos e não um Estado mesopotâmico,
definitivamente implantado e solidamente unificado.
Em outros aspectos, contudo, a unificação existia. As línguas, semíticas, não
apresentam muita variação; a cultura é semelhante, a atividade econômica
praticamente igual: agricultores nos campos, artesãos e comerciantes nas
cidades.
Há, pois, aquilo que podemos chamar de civilização mesopotâmica, mesmo
que desacompanhada de um Estado unificado. Civilização cuja influência iria
marcar a região e a História por muitos e muitos séculos.
* Jaime Pinsky. 100 textos de História antiga. 7a ed. São Paulo, Contexto, 2001,
p. 49.
** Êxodo, 2, 1-6.
6. A civilização do Nilo
Terra do Nilo e das pirâmides, o Egito fascina quem dele se aproxima,
envolvendo a todos num clima de mistério e grandiosidade. Maravilhados com
aquela civilização encantadora, cercada de deserto por quase todos os lados, tanto
seus próprios habitantes como estrangeiros e visitantes, de Heródoto a Napoleão,
costumavam creditar o que viam a determinações geográficas e fatores místicos,
raramente à ação do homem.
Entretanto, o segredo da civilização egípcia não é etéreo, nem líquido e
muito menos um presente da natureza. É humano e decorre de uma organização
do trabalho muito bem elaborada e da assistência do felá (nome usado no Egito
para designar o camponês atual e seus antepassados do período faraônico).
UM PRESENTE do Nilo
Heródoto, historiador grego que viveu no século V, tem uma célebre frase
em que afirma ser o Egito uma dádiva, um presente do Nilo. Bem da verdade,
existe uma discussão bizantina em torno da paternidade da expressão, que alguns
atribuem a Hecateu de Mileto; mas não importa tanto o pai natural e sim o de
criação: este foi Heródoto.
A frase atravessou séculos e é repetida sem discussão por quase todos os
manuais de história que falam do Egito. Fica, para muitos, a impressão de que
mais importante do que a ação do homem é o dom da natureza. Etnocêntricos e
pretensiosos, os gregos tinham um despeito enorme do Egito, sabidamente já
uma grande civilização, quando eles mesmos ainda viviam em aldeias isoladas.
Considerando-se superiores, não podiam aceitar esse fato a não ser atribuindo-o a
razões sobrenaturais ou, simplesmente, geográficas.
Algumas das técnicas do
aproveitamento das águas do
Nilo, utilizadas ainda hoje,
remontam ao período faraônico,
como o demonstram a foto atual
e a reprodução de uma pintura
antiga.
Que os gregos subestimassem os egípcios é, pois, compreensível. O que não
é aceitável, contudo, é a repetição do mesmo preconceito, livro após livro. Como
já vimos em capítulos anteriores, não há um milagre egípcio, o desenvolvimento
egípcio tem bases muito concretas. O rio oferece condições potenciais, que
foram aproveitadas pela força de trabalho dos camponeses egípcios – os felás –,
organizados por um poder central, no período faraônico. Trabalho e organização
foram, pois, os ingredientes principais da civilização egípcia. O rio, como pode
ser visto em ilustrações, ao mesmo tempo que fertilizava, inundava. A cheia
atingia de modo violento as regiões mais ribeirinhas e parcamente as mais
distantes. Era necessário organizar a distribuição da água de forma mais ampla,
para se poderem evitar alagados ou pântanos em algumas áreas e terrenos secos
em outras. A solução foi o trabalho coletivo e solidário, intenso e organizado.
Egito – Império Antigo e
Império Médio
É verdade que a civilização egípcia começou a ser construída com o
trabalho organizado a partir de condições geográficas favoráveis. Mas a
civilização não é uma dádiva dessas condições geográficas, do Nilo, uma vez que
surge quando o homem atua, modificando e domando a natureza.
Uma truta que chega a um riacho límpido, de água corrente e fria, dotado
de vegetação que lhe sirva de alimento, recebe uma dádiva da natureza: isso é
História Natural.
Um grupo humano que se organiza mediante o trabalho para explorar as
condições favoráveis de uma determinada região, alterando-a no processo de
extração de sua substância, é algo muito diferente: é História Social.
O trabalho no Egito: mulher
moendo cereais.
CONTINUIDADE e ruptura
Observando o mapa do Egito, podemos notar suas duas grandes regiões: o
delta e o vale. Este, acompanhando o rio por mais de mil quilômetros (algo
equivalente a duas vezes a distância entre Rio e São Paulo), constitui-se em
estreita faixa de não mais de dez quilômetros de terras adequadas ao cultivo. O
delta, uma espécie de triângulo com duzentos quilômetros de lado, possui rica
vegetação e abundância de água. O Egito tem no delta uma região rica e
densamente povoada, próxima ao mar, sendo o vale mais isolado, que depende
essencialmente do rio como única forma de comunicação entre as aldeias
distantes.
O trabalho no Egito: camponeses
conduzindo gado.
O trabalho no Egito: cultivando a
uva para fazer vinho.
Os primeiros faraós – os reis egípcios – se diziam, por isso, senhores das
duas terras, do delta e do vale, diferença reconhecida e por todos respeitada.
Acima das diferenças e das divergências havia, porém, uma preocupação
enorme com a unidade. Qualquer divisão implicava menor capacidade de
explorar a natureza, de tirar dela o alimento e as demais necessidades básicas.
Também implicava perder a capacidade de construir templos e monumentos.
A enorme duração da civilização egípcia fez com que vivesse durante muito
tempo à sombra das pirâmides seculares. As grandes pirâmides datam,
efetivamente, do Antigo Império egípcio; a de Quéops deve ter sido construída
por volta de 2800. Ramsés II, do Novo Império, um dos momentos de glória do
Egito, reinou no século XIII, ou seja, 1500 anos após a construção da grande
pirâmide e mais de um milênio antes de Cristo! Testemunho silencioso de um
passado de grandeza, as pirâmides e outros monumentos misturavam mito com
realidade, reproduzindo ideias de imortalidade, de permeio com a cultura egípcia
e lembrando da força que se baseava na unidade.
A realidade e o mito alimentavam o presente e o passado perdido nas
brumas da imaginação e projetavam um futuro com a duração da eternidade.
O trabalho
produzindo
no
Egito:
Cercado de desertos por quase todos os lados, o Egito Antigo manteve,
durante toda a sua existência, algumas características que emergem da
diversidade produzida ao longo de milênios. É surpreendente que a continuidade
de sua cultura tenha resistido a assírios, persas, macedônios e até romanos.
Alexandre, líder macedônico, quando lá chegou, aceitou a sagração segundo
os rituais dos templos egípcios. A cidade que fundou, Alexandria, ficava junto do
Egito e não no Egito, segundo expressões da época. Isso significa que o país
continuou o mesmo, com os felás e o templo, com o Nilo e os cereais, com os
deuses, as múmias e a escrita sagrada: apenas se sobrepunha à estrutura do Egito
a estrutura do invasor.
Respeito pela cultura egípcia? Medo de maldições do templo? Talvez isso
também, mas muito mais outra coisa. Domando o rio, o felá acabou domado
pelo poder faraônico. Realizava sua parte no trabalho coletivo, mas não tinha
controle sobre o resultado final de sua obra. Nem como camponês que tinha
parte da produção expropriada, nem como braçal que lutava contra os excessos
do rio. O felá vivia no seu canto, na sua região, sentindo-se parte do todo, mas
não conseguindo perceber esse todo. Dominado material e ideologicamente pela
estrutura de poder, temia igualmente a lança do soldado, a maldição do sacerdote
e os impostos e taxas arrecadados pelos escribas. Nenhum invasor quis modificar
essa força de trabalho útil e mansa. Isso implicava não alterar outros elementos
do Egito Antigo, como a religião e a língua, as formas de organização local e as
técnicas de plantio e irrigação.
A continuidade da civilização egípcia é um testemunho da extrema
adequação de seus valores ideológicos às suas estruturas de poder.
Convém analisar isso mais demoradamente.
O FARAÓ
Como em muitos outros grupos, o início da civilização era atribuído a um
único indivíduo, Menés, que teria sido o primeiro rei da primeira dinastia, o
herdeiro dos deuses, assim como aquele que revelou aos egípcios a agricultura, o
artesanato e a escrita.
O corpo do faraó morto,
depois de mumificado, era
guardado em um sarcófago
ricamente
decorado:
sarcófago de ouro de
Tutancâmon.
Não há, evidentemente, nenhuma comprovação arqueológica disso, nem
poderia haver, uma vez que unificar um reino pressupõe um certo nível de
desenvolvimento material e de organização social. A unificação, lenta e com
dificuldade, decorreu de um processo em que a centralização administrativa
passou a ser necessária para a maior racionalização do trabalho. Mesmo assim,
durante muito tempo, Alto e Baixo Egito constituíram-se como dois países quase
separados, governados de forma central. É curioso verificar um dos símbolos do
poder faraônico, a coroa cerimonial, que combina duas coroas diferentes: a alta
mitra branca do sul, com a touca vermelha do norte. Também o papiro, planta
dos charcos do delta, aparece associado ao lótus, do vale, em outro símbolo do
poder.
Esculturas
representando
soldados egípcios em marcha.
De qualquer forma, o mito mistura-se com a realidade e o rei aparece
legitimado pela sua origem divina. Isso é comum em muitos povos, mas entre os
egípcios adquire uma expressão literal: o rei não tem apenas origem divina, ele é
a expressão do próprio deus. Mais que senhor dos exércitos ou supremo juiz, o
faraó é o símbolo vivo da divindade.
Ao longo dos tempos, o faraó era identificado com diferentes deuses: de
início ele era o falcão, Horo; depois Horo-Rá, e no Novo Império, em Tebas,
Amon-Rá. Depois de morto transfigura-se em Osíris.
O milagre do rei-deus era o próprio milagre do Egito, pelo menos sob a
visão dos contemporâneos. Num mundo de fome e carência, o Egito era como
que uma ilha de abundância, ou mais precisamente um imenso oásis em que não
faltava alimento. Devia saltar aos olhos da população o contraste entre a ordem e
a previsibilidade da natureza em seu território e a imprevisibilidade do mundo
sem nilos. No Egito, as cheias no tempo certo, com intensidade prevista, cobrindo
aproximadamente a mesma área, deixando sempre uma camada fértil renovada
sobre a terra cansada. Fora do Egito, o deserto, as chuvas e inundações
carregando camadas férteis. Dentro do Egito, o mesmo sistema político, com
pequenas variações. Fora do Egito, instabilidade e insegurança.
Sob a ótica do egípcio, só um deus que nunca morre explica uma natureza
sempre vivificada pelo sopro de vida do rio. O faraó podia morrer como
indivíduo, não como deus-vivo; da mesma forma as águas do Nilo passavam
para nunca mais voltar, mas o rio continuava no mesmo lugar, sempre igual,
criando e permitindo a vida.
Vida, rio, deus, faraó – num certo nível tudo se confundia, tudo era a mesma
coisa. Graças ao poder divino do faraó as colheitas são abundantes: o Nilo, ponto
de partida de toda a prosperidade, tem de respeitá-lo. Nas inscrições, lembram os
historiadores Ay mard e Auboy er, o nome do rei é seguido pelos sinais “vida,
saúde, força”, cuja presença exprimia um desejo não só em seu favor, mas
também, por seu intermédio, em favor de todo o reino e seus habitantes.
Pela certeza de seu papel a favor da população é que havia de assegurar ao
faraó a vida eterna.
Sabe-se muito a respeito dos faraós, mas desconhece-se muito também. Os
historiadores não podem afirmar que a primogenitura garantia a sucessão ou se
cabia a um rei designar seu sucessor. De qualquer forma, ele só se tornava faraó
após a cerimônia de coroação, em Mênfis, na qual em meio a uma série de ritos
recebia os símbolos de poder, o cetro, o látego e a coroa, e uma série de títulos.
Ramsés II, por exemplo, era “touro poderoso armado da justiça; defensor do
Egito, que amarra os países estrangeiros; rico de anos; grande pelas vitórias; rico
da justiça de Rá; eleito de Rá e amado de Amon; Ramsés”.
Ainda bem que não tinha de assinar documentos apondo todos os seus
títulos...
O faraó vivia, na verdade, uma vida dupla: em público era o deus vivo,
objeto de culto e adoração, apresentando-se sempre de maneira formal e
distante, trajes rituais, barba postiça, joias e insígnias sagradas. Em sua vida
particular cultivava sua família – geralmente composta de várias mulheres, entre
as quais irmãs e meias-irmãs – e permitia-se ser apenas um rei. Ilustrações nos
revelam também faraós caçando e pescando, o que devia ocorrer com a
colaboração de enorme séquito.
O rei era também chefe militar,
senhor
dos
exércitos:
Tutancâmon guerreando os
asiáticos.
Filho do deus, era o único capaz de dialogar devidamente com o pai. Assim,
a ideia segundo a qual o Egito era uma teocracia encontra pouco respaldo. Não
eram os sacerdotes os donos do poder – salvo em alguns momentos bem
determinados –, mas instrumentos desse poder. Não necessitando de
intermediários (os sacerdotes) nos seus contatos com a divindade, em nome de
quem exercia o governo, o faraó manipulava os sacerdotes mais do que por eles
era manipulado.
Para os egípcios, além de
ser de origem divina, o
faraó é a expressão do
próprio deus: espaldar do
trono
de
Tutancâmon,
XVIII Dinastia.
O rei era também chefe militar. Essa função teve importância diversa em
diferentes momentos da história egípcia. Acredita-se que durante o Antigo
Império e até o Médio o isolamento do território deve ter sido mantido, exceto
por poucas e menos significativas incursões. Já no Novo Império, o Egito torna-se
expansionista, desempenhando papel militar e político na região. Mesmo em
tempo de paz, torna-se necessário prevenir e zelar para que não ocorram as
guerras. O faraó cuidava do policiamento das rotas, vigilância das fronteiras e
portos. Produtos básicos tinham de chegar de outras regiões e comerciantes
precisavam ser protegidos, sempre.
Ramsés II e Tutmés III, ambos do Novo Império, são os nomes mais
famosos de faraós que ampliaram as fronteiras do país, levando-as durante
algum tempo até o Eufrates.
O faraó passa a ser também um guerreiro, qualidade exaltada nos
monumentos a ele levantados. Há aqui um somatório de funções, não mudança
delas. E, afinal, todas as conquistas são para a glorificação dos deuses.
Um cuidado parece terem tomado os faraós, o de evitar conduzir os felás
como soldados, nas campanhas. Líbios, núbios e hebreus são contratados como
mercenários, corre-se até riscos com a entrada desses militares estrangeiros no
país, mas evita-se ao máximo o pior, a transformação dos camponeses em
soldados. Há autores que falam da falta de espírito bélico dos egípcios, mas não
se trata disso, propriamente. É o próprio governo que não quer desestruturar o
sistema produtivo, tirando do campo os felás. Quando circunstancialmente são
transformados em soldados, não conseguem um resultado brilhante, o que é
compreensível.
O faraó é, além de sumo sacerdote e chefe militar, o juiz supremo, aquele
que decide as petições em última instância. Centralizador, divino e absoluto,
poderia parecer que o faraó tudo pode e governa sem limites. Mas não é bem
assim.
ESCRIBAS: intelectuais ou fiscais?
Falar do Egito como um todo é uma temeridade. Estabelecem-se
generalizações perigosas, correm-se séculos como se fossem dias e fica-se mais
com estereótipos do que com uma visão crítica. Por outro lado, é impossível nos
limites deste livro arriscar uma periodização que, de resto, não nos interessa
muito. Na verdade, a busca do passado não é, para nós, um objetivo em si. O
acontecido não tem sentido senão quando resgatado, recuperado e reconstruído.
O passado que não nos incomoda, não nos estimula e não nos toca de alguma
forma, não merece ser estudado. No fundo, há uma só história, aquela que nós
tentamos conhecer.
Quem quiser, portanto, uma cronologia de faraós, não vai encontrá-la aqui.
Tendo uma ideia de como a civilização egípcia se ergue e alguma noção sobre o
papel do faraó, fica a questão da instrumentalização do poder faraônico: quem
age em seu nome, como age e por meio de quais mecanismos? Essa questão é
extremamente atual, tendo a ver com formas de domínio político em diferentes
sociedades. É interessante verificar que o poder, embora exercido em nomes de
entidades abstratas diferentes (deus, justiça, povo, proletariado, Reich, Igreja
etc.), materializa-se frequentemente em pessoas muito próximas. Daí o sentido
de se buscar entender o papel dos escribas na sociedade egípcia.
A centralização administrativa supõe uma máquina eficiente que faça com
que as ordens emanadas do faraó cheguem a todo o reino. A própria palavra
faraó significa “casa grande”, sede da administração, de onde tudo emana e para
onde tudo converge.Acredita-se que o rei pessoalmente dirigia tudo, não sendo
seus ministros senão sua extensão, seus olhos, bocas e ouvidos, sem autonomia
para criar ou conceber. Havia a figura do primeiro-ministro, que ocupava
espaços que o rei, eventualmente, deixasse vazios, por falta de vontade ou talento
para governar.
A autoridade regional era o nomarca (não confundir com monarca), espécie
de governadores que administravam os nomos, em número de quarenta,
espalhados pelo Egito. Cada aldeia podia eleger o seu líder local e um conselho,
composto por representantes de diferentes categorias. A autonomia desses
“prefeitos” e “vereadores” variou muito ao longo da história egípcia, mas deve
ter sido sempre limitada pela presença de funcionários do governo central que
vinham constantemente fiscalizar campos, conferir rebanhos, orientar
construções ou transmitir normas, de modo a permitir a manutenção de ligação
estreita entre o poder central e o mais obscuro dos habitantes.
O executor material das ordens reais era o escriba.
Era ele o funcionário do poder central, responsável físico pela articulação
entre as ordens dadas e sua execução.
É necessário agora fazer uma observação sobre a figura do escriba, da
maneira como aparece em vários manuais e mesmo em obras mais ambiciosas.
Sua importância na sociedade egípcia derivaria, segundo esses livros, do fato de
se tratar de alguém que dominava a arte da escrita e da leitura em um local em
que o analfabetismo era quase geral. Ora, esse argumento é pouco inteligente,
uma vez que saber ler e escrever, em si, não remunera ninguém: depende do
papel que desempenham esses “detentores do saber” numa sociedade concreta.
Se dominar a escrita fosse sinônimo de bons salários e prestígio social, os
professores em nosso país viveriam uma realidade muito diferente, quando,
como é sabido, ganham abaixo dos limites da dignidade e, às vezes, até da
simples sobrevivência.
O escriba não era, pois, prestigiado por saber escrever e contar, mas porque
essas atividades eram úteis e estavam a serviço do faraó, do governo central,
fonte da autoridade e do poder.
O escriba era o funcionário
do
poder
central,
responsável concreto pela
articulação entre as ordens
dadas e sua execução. Na
foto, a estátua de um
escriba sentado, fim da IV
Dinastia.
Burocrata e frio, o escriba deve ser antes identificado com um funcionário
de cartório ou um fiscal arrecadador de impostos do que com um intelectual
inquieto e criativo. Raramente colocava sua técnica a favor da produção original.
Antes, passava o tempo conferindo rebanhos e áreas cultivadas, taxas pagas e a
pagar, quantidade de cereais nos silos, volume da colheita realizada, e assim por
diante.
Claro que há exceções e vez ou outra aparece alguma obra mais criativa
redigida por um escriba. Contudo, como regra, não se deve esperar
espiritualidade nele. A imagem que nos fica é a de um carreirista, ar parado,
olhar bovino. Disposto a sacrificar a maior parte de sua vida em troca de um
emprego seguro embora aborrecido, o escriba manipulava seu poder oprimindo
os subalternos e bajulando os chefes. As maiores aventuras permitidas eram
enganar ou roubar seus superiores e praticar o mais deslavado tráfico de
influências.
Será que deu para reconhecer o tipo?
UMA CIVILIZAÇÃO original
A originalidade da civilização egípcia revela-se de diferentes formas, todas
elas merecedoras de uma análise mais longa. Tomaremos alguns desses aspectos
como aperitivo para o leitor, que deve buscar obras específicas listadas no final
do livro para um aprofundamento no tema.
Uma das características do Egito que surpreenderam os gregos foi a
inexistência do infanticídio e da exposição. O infanticídio era uma prática
comum na Antiguidade, e consistia na morte (ritual ou não) de crianças,
geralmente recém-nascidos. A exposição, típica do mundo grego, era o abandono
da criança do lado de fora da cidade, sujeita à morte por inanição ou pelo ataque
dos animais.
Embora extremamente cruéis, essas práticas se explicam pela limitação de
alimentos que as comunidades precisavam considerar, quando do crescimento
vegetativo do grupo. A morte de parte das crianças seria uma forma drástica de
controle populacional.
A pintura, bem como outras artes, desenvolveu-se para dar forma às convicções
religiosas: Livro dos mortos, pintura sobre papiro.
Acredita-se que o mundo de relativa abundância em que viviam os egípcios
lhes tenha permitido criar todas as crianças que nasciam e não morriam
naturalmente. Os hebreus também não praticavam o infanticídio, mas por razões
diferentes.
Outro aspecto original da civilização egípcia foi a edificação das construções
monumentais. Tanto isso é verdade que até hoje projetos ousados, barragens de
concreto em usinas, estádios e palácios são denominados faraônicos.
De fato, ao contrário dos gregos, os egípcios (governantes e arquitetos, não
camponeses, é claro) não tinham o homem como medida de todas as coisas. As
grandes pirâmides são um bom exemplo disso.
Quéops, Quéfren e Miquerinos foram faraós da IV dinastia, no Antigo
Império, e reinaram no início do III milênio. Construídas em blocos imensos de
pedra, demandaram esforço imenso de grande parte da população.
A pirâmide de Quéops, por exemplo, tem mais de 230 metros de base e
quase 150 de altura. As pedras para sua construção eram trazidas de longa
distância, uma vez que Gizé, onde se levanta a pirâmide (assim como as duas
outras grandes pirâmides), é uma área desértica onde não existe esse material. A
grandiosidade da obra é tal que tem despertado a imaginação de quem se
aproxima dela. Heródoto, por exemplo, garantiu que levou dez anos para ser
preparada e outros vinte para execução, com 100 mil homens trabalhando
continuadamente, por turnos, e morrendo sob o peso de blocos imensos de pedra.
As pedras vinham de Tura, na margem oriental do Nilo, e eram conduzidas
rio abaixo em balsas e depois arrastadas por rampas até o local da pirâmide.
Toda essa multidão trabalhava praticamente sem a ajuda de ferramentas, a não
ser as mais elementares. Assim, as pedras eram cortadas, em seguida polidas
com areia (único material abundante na região), depois levantadas por meio de
manivelas e finalmente colocadas em seu lugar. Não era só uma questão de
trabalho, mas também de organização e competência dos arquitetos. Não se
estava, afinal, construindo um monumento qualquer, mas um edifício que devia
conter uma tumba, pleno portanto de significados místicos. As proporções tinham
de ser respeitadas, a orientação, preservada e as medidas, cuidadosamente
controladas.
É espantoso o sucesso obtido. A base da pirâmide, por exemplo,
teoricamente um quadrado perfeito, tem uma diferença máxima de três
centímetros em cada lado (em 230 metros significa algo em torno de 0,01%!).
Por conta dessa perfeição quase incrível é que, até nos dias de hoje, alguns
escritores incultos em vez de tentar entender as pirâmides dentro do conjunto da
civilização egípcia preferem atribuí-las a seres extraterrestres. De vez em
quando aparece um livro como Eram os deuses astronautas? e apresentam ETs e
androides levantando pirâmides. Pura bobagem, delírios alimentados pela
ingenuidade popular e pela qualidade das edificações.
A relação entre religião, ciência e arte é estreita e significativa no Egito. As
convicções dos egípcios acerca de reis mortos propiciaram enorme
desenvolvimento científico, já que, sem matemática, geometria, mecânica e
outros conhecimentos, construções como as pirâmides não teriam sido possíveis.
Também a pintura, a arquitetura, a escultura e a arte de embalsamar, entre
outras artes, desenvolveram-se para dar forma às convicções religiosas.
Construir pirâmides com blocos
imensos de pedra, exigia, de
grande parte da população, um
enorme esforço: pirâmides de
Gizé.
Há uma última especificidade da civilização egípcia que precisa ser
destacada. Enquanto na Mesopotâmia a unidade era a cidade, no Egito, logo após
sua unificação, passou a ser o reino. Material e ideologicamente, a identidade do
egípcio se assentava no conjunto de aldeias e de nomos reunidos sob a tutela do
rei-deus, enquanto na Mesopotâmia ela ocorria localmente.
O gigantismo do Egito foi a base de sua força. Foi também o que provocou o
esmagamento do seu povo. Muitos esforços foram envidados para manter a
unidade da terra do faraó; uma administração complexa foi mantida à custa de
muito trabalho e a submissão do felá foi massacrante. Mas os hieróglifos e as
pirâmides, os templos e os sarcófagos, o primeiro modelo de administração
centralizada no mundo e uma religião fascinante são um patrimônio da
humanidade.
Como avaliar se valeu a pena?
7. Os hebreus
Os hebreus desenvolveram sua civilização no primeiro milênio a.C. Ela não tem,
portanto, a antiguidade da civilização egípcia ou da mesopotâmica, embora tenha
convivido de maneira estreita com essas duas civilizações (na proto-história dos
hebreus, Moisés tira o seu povo do Egito no século XIII e Nabucodonossor da
Babilônia destrói o templo de Jerusalém em 586). O fato de Jericó ser
considerada por importantes arqueólogos a aldeia mais antiga do mundo não tem
nada a ver com o fato de termos escolhido os hebreus para fazerem parte deste
livro, uma vez que o aldeamento (não era uma cidade) de Jericó data de um
período muito anterior ao da existência da cultura hebraica.
A religião judaica moderna, originária daquela praticada pelos hebreus
antigos, tem um calendário que já chega perto dos 6 mil anos. Não se engane o
leitor com isso, imaginando que a datação refere-se às origens da civilização
hebraica. Ela foi resultante de uma reunião de sábios que determinaram, a partir
de acuradas contas feitas com base em textos bíblicos, a idade do universo. Que
por sinal é um bocado mais velho, coisa que qualquer judeu lúcido aceita
tranquilamente, hoje em dia.
Se não é uma das mais antigas civilizações, o que fazem aqui os hebreus?
Estão aqui por várias razões. Entram porque se constituem em ponte entre as
civilizações do Oriente Próximo e a nossa, a civilização ocidental. Por meio deles
conhecemos mitos e ciência, práticas sociais e valores de povos de toda a região.
Estudos que utilizam a Bíblia não de forma dogmática, mas como fonte de
informações históricas, obtiveram referências que descobertas arqueológicas
depois confirmaram.
Gostamos muito de exemplificar trazendo a história de Abrahão e Sara,
contada na Bíblia: os dois eram casados, mas Sara não conseguia engravidar. Ela
acabou pegando uma de suas servas, Hagar, entregando-a como concubina ao
marido para que, embora em ventre alheio, o casal pudesse ter filhos. Hagar de
fato dá à luz um garoto, Ismael. Acontece que, depois, Iavé (uma das
denominações de Deus) anuncia que Sara iria engravidar. O casal ri, não
acreditando que ele com cem anos e ela com noventa ainda pudessem ter um
filho. Mas como o deus hebreu era todo- poderoso, o filho acaba nascendo e se
chama Isaac. O garoto mais velho, Ismael, deixa de ser o queridinho de Sara,
que protege o seu. Ismael, mais velho, tem o hábito de zombar de Isaac, menor,
e, por isso, menos esperto. Sara chega a Abrahão e solicita que ele mande
embora a concubina com seu filho. O patriarca resiste, mas deus dá força à Sara
e, Hagar e Ismael, partem para o deserto. Final da história: de Isaac descendem
todos os hebreus, e de Ismael descendem os povos do deserto, os árabes.
Por essa rápida passagem do Gênesis (16-21), os estudiosos perceberam
que: 1) o homem tinha uma esposa principal e podia dispor de concubinas; 2) a
mulher principal tinha direitos que a outra não tinha e uma certa força junto ao
marido; 3) a herança não se transmitia de forma idêntica para filhos de esposa
legítima e concubina.
Não por acaso, esses três princípios do direito de família faziam parte do
Código de Hamurábi, o que reitera a origem mesopotâmica dos hebreus e
legitima a interpretação bíblica dos especialistas.
O estudo dos hebreus é importante também, e principalmente, por causa do
monoteísmo ético que surge e se desenvolve entre eles, constituindo-se em ponto
de partida do judaísmo, do cristianismo e do islamismo.
O leitor deverá ter percebido que fala-se do Egito, da Babilônia, da Assíria,
de Roma etc. e fala-se dos hebreus e não de Judá, Israel ou outro nome de Estado
político. Não que os hebreus nunca tenham tido um Estado: só que ele nunca teve
maior importância e seria um dos numerosos pequenos reinos desaparecidos nas
brumas da História, não fosse a existência do monoteísmo ético e de uma religião
para a qual o conhecimento era uma forma de aproximação com deus, daí a
necessidade de escrever, documentar tudo e ser capaz de ler também.
Se o Egito constituiu-se numa grande civilização plantada num grande
Estado e a Mesopotâmia outra grande civilização sediada em vários Estados, os
hebreus criaram sua grande civilização quase sem Estado.
Quase.
SAINDO de Ur, na Caldeia
As origens dos hebreus localizam-se na Mesopotâmia. Isso é contado na
Bíblia e comprovado por diversas evidências. O hebraico é uma língua semita,
pertencente ao mesmo grupo do aramaico e de outras faladas na Mesopotâmia,
com palavras estruturadas em raízes triconsonantais, uma particularidade delas.
Reprodução egípcia, da XII
Dinastia, mostrando um
semita e seu asno.
Notável mesmo é verificar a utilização de mitos mesopotâmicos entre os
hebreus. Vimos em capítulo anterior a história de Sargão e sua semelhança com
a de Moisés. Vimos também o conceito de caos bíblico que teria sido subtraído à
situação concreta das populações ribeirinhas do Tigre e do Eufrates. Mas a mais
interessante incorporação dá-se com o mito do dilúvio universal, aquele de Noé.
O dilúvio sumério fala de Ziusudra construindo um enorme barco, da
inundação varrendo as cidades, de tempestades de vento, do barco jogado em
todas as direções, da luz finalmente aparecendo no céu, do sacrifício que faz
Ziusudra e da reconstrução do mundo. Vale a pena ver a tradução integral do
documento na coletânea 100 textos de História Antiga para sentir a força da
descrição, a despeito de muitas linhas ilegíveis ou desaparecidas do original
sumério.
E que dizem os hebreus?
Falam de uma arca construída por Noé, de quarenta dias e noites de chuva,
da cheia superando os montes mais altos, da arca resistindo a tudo, até que
“cerraram-se as janelas dos céus e a chuva dos céus se deteve”. Noé sacrifica
um animal a deus e a reconstrução se inicia.
Coincidência? Não.
O mito é mesopotâmico e foi apropriado pelos hebreus, para os quais o
importante não era a história, mas a moral da história. Nem teria muito sentido
um mito sobre dilúvio desenvolver-se numa região onde as chuvas são limitadas
(400 mm anuais são excepcionais na região), os rios insignificantes (o Jordão
quase pode ser atravessado por um bom saltador, em certos trechos) e não há
degelo de montanhas nevadas.
Já na Mesopotâmia os rios pregavam constantes sustos, ora mansos, ora
violentos, em vista do degelo em sua origem, nas montanhas da Armênia. Até os
deuses nos dão conta da instabilidade dos rios e do temor que os habitantes tinham
de sua variação.
Por tudo isso é de se acreditar na origem mesopotâmica dos hebreus.
O INÍCIO do povo hebreu
É preciso ter presente que a Bíblia tem um compromisso básico com a
unidade do povo hebreu e não com a narrativa fiel de acontecimentos. Hoje em
dia até autores religiosos, cristãos e judeus, duvidam, se não da existência física
dos três patriarcas (Abrahão, Isaac, Jacó), ao menos da genealogia que
estabelece a sucessão entre eles (Abrahão pai de Isaac pai de Jacó). O fato de
questionarmos a historicidade de alguma personagem não significa que não
possam tirar da história contada informações que nos interessam. O narrador
acaba referindo-se a costumes e padrões de comportamento que caracterizam
uma época e dizem respeito também a mitos que derivam de uma região. Assim,
não há contradição entre questionar a historicidade de personagens bíblicos,
colocar em dúvida alguns dos fatos milagrosos ali narrados e utilizar o material
como fonte para o trabalho do historiador.
O monoteísmo ético que surge e
se desenvolve entre os hebreus é
o ponto de partida das mais
importantes religiões ocidentais:
parte de um rolo com texto da
Bíblia.
A questão da historicidade dos patriarcas tem a ver com a própria questão de
quem teria sido o primeiro hebreu, isto é, de quando poderíamos datar a
existência dos hebreus como povo. As opiniões são muitas. Ouve-se, com
frequência, a data de 2000 para Abrahão, seguido de seus descendentes. Outros
já preferem datas bem mais recentes, talvez o século XIV a.C. para Jacó (que,
nesse caso, não poderia mesmo ter sido neto de Abrahão).
A Bíblia fala de José, filho de Jacó, indo para o Egito, aprisionado e depois
funcionando como ponta de lança para a vinda de toda a família. Isso bateria
bem com a presença de clãs semíticos durante um certo tempo no delta do Nilo,
documentada em material egípcio. Fiquemos pois com o século XIV, em
princípio, e prossigamos a narrativa.
Ramsés II reinou de 1290 a 1224 e teria sido ele o faraó da história de
Moisés. De qualquer forma, há uma referência aos apirus ou abiru trabalhando
para Ramsés II. Abiru e ibri ou ivri (hebreu, em hebraico) devem ser o mesmo
povo. Como saíram do Egito, por que e quantos não sabemos, mas a ideia da
entrada de um grupo de tribos na Cananeia lá por 1230/1220 é apoiada em
documentos. Pouco depois, por volta de 1190 estabeleciam-se os filisteus,
derrotados por Ramsés III, e ocupavam as cidades litorâneas como Ascalon,
Asdod e Gaza. Convém lembrar que da palavra filisteu (plishtim, em hebraico)
deriva o termo Palestina, uma das várias denominações da região.
As tribos que se instalaram em Canaã seriam as mesmas que de lá haviam
saído tempos antes, ao ir para o Egito? É de acreditar que não. Quando para lá se
transferiram, premidas pela fome, não foram sozinhas, mas no bojo de um largo
movimento de povos famintos. Uma parte dos descendentes de Jacó teria talvez
ficado lá, outra teria se miscigenado. O nome de Moisés, tipicamente egípcio,
mostra bem certa preocupação com a assimilação que as tribos instaladas no
Egito tinham. Também o grupo levado por Moisés a Canaã não era homogêneo,
como reconhece a própria Bíblia. Bastava o líder voltar as costas, que a turma
adorava outros deuses. Tanto assim que o grupo, não sendo ainda um povo ou
uma tribo, foi denominado “geração do deserto”, tendo de caminhar durante
anos até adquirir alguma solidariedade grupal.
Assim, embora reconhecendo as origens dos hebreus nos descendentes de
Jacó (José e seus irmãos, na narrativa bíblica), só podemos aceitar o início do
povo hebreu a partir do momento em que se instalam na região de Jericó
algumas tribos que lutam juntas, sob a chefia de Josué, para conquistar um
espaço onde possam viver.
Com isso, inaugura-se o ciclo de mais ou menos duzentos anos que vai até o
início da monarquia, com Saul, em 1030.
JUÍZES e reis
De 1200 a 1030 os hebreus desenvolvem um sistema tribal com a ausência
de propriedade particular de bens de produção. Governantes existiram só de
passagem e por ocasião de guerras, quase sempre contra os filisteus. Sansão terá
sido o mais conhecido dos juízes, denominação dada a esses líderes que não
diferiam de outros chefes militares instituídos por federações tribais. A passagem
da tribo para a monarquia, da aldeia para a cidade, terá tido um desenvolvimento
semelhante ao já descrito anteriormente. Mas não deixa de ser interessante
observar a narrativa bíblica.
Segundo ela, os anciãos de Israel vêm a Samuel, juiz na ocasião, e solicitam
um rei “como o têm todos os povos”. Samuel conversa com o seu deus, que
discorda da ideia, alegando uma série de mazelas que iriam ocorrer com a
instituição da monarquia: o rei se apropriaria dos jovens do povo, transformandoos em soldados e cocheiros, em “lavradores dos seus campos e segadores de suas
messes”; exigiria dízimos, expropriaria servos e animais e os colocaria a seu
serviço. E, finalmente, colocaria o próprio povo a seu serviço, em servidão.
Trata-se de uma preciosa descrição da transição de uma sociedade tribal
sem poder central e métodos coercitivos de trabalho para uma monarquia
centralizada, cuja organização exige mão de obra disciplinada a serviço da
organização que precisa alimentar muitas bocas destinadas a tarefas não
produtivas.
O cronista que escreveu esse trecho da Bíblia (I Livro de Samuel) teria sido
um profeta se não tivesse escrito isso tudo alguns séculos depois de os
acontecimentos terem ocorrido. É como se alguém, sabedor de um fato,
relatasse-o e colocasse uma data bem anterior para dar a impressão de ter
antevisto a história. Isso é muito utilizado como recurso narrativo na Bíblia, que,
ao contrário do que muita gente pensa, não foi escrita na ordem cronológica que
aparece agora. No caso, nosso cronista foi um profeta do passado.
Com Saul, instaura-se a monarquia entre os hebreus. Mas já nessa ocasião
havia uma divisão entre as tribos do norte (Israel) e as do sul (Judá) e Saul
fracassa na tentativa de atrair Judá ao seu reino. Morre nessa tentativa
fracassada.
Descobriu com os fenícios que o comércio podia dar mais lucro que a
pilhagem, mas não deve ter tido um sucesso muito grande nisso, já que foi
obrigado a cobrar taxas de seus súditos, o que lhe proporcionou muita
impopularidade. Figura das mais mitificadas, a ele são atribuídos tanto textos
filosóficos como eróticos (Cântico dos Cânticos), o que comprovadamente não é
verdade. Ao mesmo tempo que julgava com extrema sabedoria, era um amante
voraz e sofisticado – consta que tinha setecentas esposas princesas e trezentas
concubinas (I Reis, 11, 3)! Além de opções noturnas, elas representavam uma
extensa rede de alianças políticas.
A mitificação de Salomão decorre do fato de ter sido ele o construtor do
famoso templo de Jerusalém, ponto de referência espiritual e material do povo,
tanto na época em que foi construído como depois. O templo passou a funcionar
como uma espécie de símbolo nacional; da mesma forma como Jerusalém,
metaforicamente, tinha o significado de Israel toda, o templo significava
Jerusalém. Até hoje, judeus religiosos pedem a Deus a honra de estarem “o ano
que vem em Jerusalém” para poderem rezar junto ao muro ocidental, o único
que restou do templo.
Com o templo, Salomão dá um novo local a Iavé, o deus dos hebreus, a
quem tinham sido atribuídas diversas residências antes.
Inicialmente, Iavé morava nos desertos do sul (Juízes 5, 4). Depois, aos
poucos, Iavé mudou para a terra de Canaã, passando a possuí-la toda, mas não
saindo dela. Um deus “nacional” que não fazia prosélitos, nem gostava de ser
adorado fora de seu país, pois terra estranha não é local adequado, por ser
impuro. A ligação material com a terra era tão forte que quando Naaman,
general arameu, foi curado por Eliseu e quis dar graças a Iavé, transportou para
o seu país, no dorso de duas mulas, um pouco da terra de Canaã, sobre a qual
construiu um altar (II Reis, 5, 17); para todos os efeitos, ele se erguia sobre
território de Iavé...
Pode-se inferir, pela leitura de alguns textos, que Iavé habitava os santuários
e depois, de forma especial, o santuário do templo. E em outros fala-se no céu
como habitat de Iavé. Salomão, ao levantar o templo, buscava localizar
fisicamente Iavé, encarcerá-lo em seu palácio e submetê-lo aos interesses da
monarquia.
Davi tem mais sucesso. Começa organizando o pequeno reino de Judá,
constituído de hebreus da tribo de Judá e de cineus, iemareus e outros povos não
hebreus, sediados na cidade de Hebron. Bom soldado e líder carismático, Davi
estende seu poderio derrotando os arqui-inimigos filisteus e conquistando a cidade
de Jerusalém, a qual transforma em capital do reino.
Manda construir um palácio e verifica que falta algo muito importante ao
seu reino e a Jerusalém: o prestígio religioso. Descobre, ou manda fazer, em
algum local o que afirma ser a arca da aliança e a traz, com muita pompa. Com
isso, legitima o seu poder “pela graça de deus”, fortalecendo-o mais e mais.
A organização do Estado torna-se mais complexa e cara; os mercenários,
que constituíam parte importante do exército de Davi, tinham de ser pagos, assim
como tinha de haver recursos para as construções que edificava com bastante
luxo. A solução era manter o expansionismo, conquistar e saquear, o que passou a
ser feito com considerável sucesso.
Mesmo no seu momento máximo, o reino de Davi era insignificante se
comparado aos grandes impérios egípcios, babilônicos ou hititas. Mas era o
máximo que se edificara na região em séculos. Aos olhos dos hebreus, então
pouco mais que beduí-nos, aquilo devia ser considerado uma coisa de outro
mundo e Davi passa a ser glorificado em prosa e verso. Até hoje Davi é o
símbolo do poder político dos hebreus, na Antiguidade e, por extensão, no
moderno Estado de Israel. O historiador Adolphe Lods lembra, a propósito, que a
primeira referência de caráter messiânico entre os hebreus foi a esperança da
volta à idade de ouro dos tempos do rei Davi.
SALOMÃO e o templo
Salomão foi um soldado inferior a seu pai, Davi, mas compensou essa
deficiência com uma grande habilidade política. Logo que subiu ao poder, perdeu
algumas terras. Compensou-as com acordos e casamentos em que recebia como
dote cidades inteiras. Foi amigo de faraós e reis fenícios, possuiu um enorme
harém, construiu palácios e fortalezas.
As regras da religião tinham sido bastante livres até então; cada qual
dialogava com Iavé da sua maneira e sem intermediários. A instauração de
sacerdotes para fazer os sacrifícios segundo determinadas normas inacessíveis
aos simples mortais visava estabelecer uma forte relação de dependência entre
povo e poder político, por meio da ritualização da religião.
O MONOTEÍSMO ético
Apesar dos esforços de Salomão, seu reino não sobreviveria após sua morte.
O novo rei, Roboão, só consegue governar Judá, já que as tribos de Israel se
desmembram. Pressionados pelos pequenos Estados em volta e pelos grandes
impérios próximos, nunca mais haveria um Estado forte e independente na
região. Os reinos perderam poder, mas seus governantes não perderam a
arrogância e a vontade de conservar a suntuosidade a que estavam acostumados.
Isso lhes custou desobediência civil e questionamento de sua autoridade.
Restos do muro ocidental do
Templo de Jerusalém.
O reino de Israel sobrevive até o ano 720, quando é destruído pelos assírios,
os quais removem grande parte da população para outras partes do seu império.
O reino de Judá vai se mantendo, aos trancos e barrancos, até o ano de 586,
quando Nabucodonossor destrói Jerusalém e o templo, símbolo do deus nacional
e da ligação entre a divindade e o poder político.
As tribos de Israel acabam assimilando os hábitos e a cultura dos povos
vizinhos e perdem totalmente sua identidade com Iavé. Entre os descendentes
destes homens devem estar os sírios e os iraquianos de hoje. O reino de Judá é
reconstruído, meio século após sua destruição, com o apoio dos persas; o templo
de Jerusalém, reerguido; e Iavé volta a reinar. Os israelitas ou judeus,
descendentes dos hebreus, tomam sua herança cultural e, por meio de uma série
de transformações, carregam-na até agora.
Mas não é deles apenas que se fala quando o assunto é a herança cultural
dos hebreus, mas sim da grande contribuição dada pelos hebreus à civilização: o
monoteísmo ético.
Vamos tentar esclarecer bem esse assunto, clareando inicialmente alguns
conceitos. Monolatria é o culto a um único deus, embora acreditando-se na
existência de outros; isso era muito comum na Antiguidade, com os deuses de
cada tribo, cada clã ou mesmo cada povo. Monoteísmo, porém, é a crença na
existência de apenas um deus, não sendo considerados os outros, porventura
cultuados, senão falsos deuses. Finalmente, o monoteísmo ético é a crença em
um deus único, que dita normas de comportamento e exige uma conduta ética
por parte de seus seguidores.
Entre os hebreus, Iavé evoluiu de um deus tribal para um deus universal; de
um deus de guerra, senhor dos exércitos, para um juiz sereno, consciência social
e individual, exigente de justiça social.
Os profetas sociais, Amós e Isaías, principalmente, foram os grandes
responsáveis por esse passo.
Vivendo no século VIII, os profetas sentiam o peso da monarquia sobre o
povo, o luxo dos poderosos convivendo com a miséria dos camponeses e
criadores, palácios ao lado de palhoças. Utilizando-se de antiga tradição do
templo dos cananitas, a tradição de prever o futuro em nome de uma entidade
superior inspiradora, os profetas lançam suas negras profecias sobre os que
tratam tão mal o pobre, pensando apenas em si mesmos.
É possível que no seu discurso estivesse presente o grito de liberdade de um
povo de criadores, livre por excelência, preso agora a obrigações de pagar
impostos a um governo que pouco lhe dava em troca. Deviam os profetas
representar o inconsciente coletivo do inconformado grupo com a perda de
campos de pastagem, insatisfeito com a centralização monárquica, desconfiado
daquele templo que exigia tributos.
O povo tinha nostalgia do período tribal: o olhar para o passado sem
injustiças sociais, sem opressão, sem impostos para sustentar a nobreza e o
exército inúteis acabou se constituindo em mensagem para o futuro.
Vejam o que diziam os profetas:
De que me serve a multidão
de vossas vítimas? Diz o
senhor
Já estou farto de holocaustos
de cordeiros
e da gordura de novilhos
cevados [...]
Deixai de pisar nos meus
átrios.
De nada serve trazer
oferendas [...]
Vossas mãos estão cheias de
sangue, lavai-vos, purificaivos.
Tirai vossas más ações de
diante de meus olhos.
Cessai de fazer o mal,
aprendei a fazer o bem.
Respeitai o direito, protegei
o oprimido:
Fazei justiça ao órfão,
defendei a viúva.*
Esboço hipotético do templo de Jerusalém.
O texto é claro no seu antirritualismo, na sua crítica aos sacrifícios do templo
– prática incorporada à religião –, na sua crítica àqueles que, por meio de uma
religião formal, buscavam a divindade. Isaías diz que Iavé não quer oferendas
nem rezas, quer que as pessoas ajam de forma correta, isto é, pratiquem a
justiça social.
O que fica dos hebreus não é, portanto, o som da lira de Davi ou o discutível
e limitado poder político; não fica também o deus tribal nem o Senhor dos
Exércitos. Fica a mensagem por uma sociedade mais justa, utopia sem a qual é
difícil imaginar o sentido das próprias sociedades humanas.
Jerusalém, berço do monoteísmo
ético, tornou-se cidade sagrada
de
judeus,
cristãos
e
muçulmanos. Na foto, Jerusalém
nos dias de hoje.
* (Isaías, 1, 2-7)
Conversando com o autor
No lugar de conclusão-padrão, Jaime Pinsky preferiu responder algumas
perguntas que lhe fizemos, a propósito do livro.
P. Com o mundo conturbado de hoje, qual o sentido de se estudar civilizações
que já não existem mais e mesmo culturas pré-históricas?
R. Já se disse que não há outra História, a não ser a História Contemporânea.
Isso não tem a ver com o período estudado, mas com o olhar que a ele se lança.
Se alguém estudar um episódio do século XX, como, por exemplo, a II Guerra
Mundial, e tratá-lo como algo acabado e enterrado, estará lançando um olhar não
contemporâneo, mesmo estudando fatos contemporâneos. Por outro lado, é
evidente que sempre haverá um enorme interesse pelo espírito humano, onde e
quando quer que ele tenha produzido algo que, a partir de nossa ótica, seja
universal. A urbanização das cidades mesopotâmicas, as obras faraônicas, o
monoteísmo hebraico e mesmo a habilidade demonstrada pelas tribos “précivilizadas” em resolver os conflitos internos são manifestações do homem e,
como tais, dizem respeito a todos os homens. Procurei trazer as questões da
Antiguidade até o presente, dar-lhes contemporaneidade sem torná-las
anacrônicas, despindo-as do cheiro de mofo que a erudição vazia cria nelas.
Tenho a convicção de que, dessa forma, estudar a História passa a ser um
exercício de autoconhecimento, que permite ao ser humano uma percepção
mais profunda de sua vivência por meio do conhecimento de sua herança.
P. Pelo entusiasmo com que você descreve as primeiras sociedades préhistóricas, parece que as considera melhores do que as nossas. Você gostaria de
viver naquela época?
R. Gosto de viver minha aventura da vida nos dias de hoje, o que não quer
dizer que não poderia ser feliz se tivesse nascido há 3, 6 ou 10 mil anos. Mas a
questão que apresento não é a de preferir aqui ou acolá, hoje ou ontem. Sugiro
apenas que se pare um pouco para olhar sem preconceitos experiências sociais
diferentes das nossas. Nós temos uma tendência em considerar nossos valores,
comportamento, religião e práticas os corretos, o ponto de referência de tudo.
Viramos o umbigo do mundo e não percebemos outros centros de gravitação.
Veja bem, falamos das divindades dos outros com artigo e em minúscula (por
exemplo, “o deus dos egípcios”), desqualificando-as desde logo ao restringirmos
sua ação como um dos deuses de um povo num momento histórico determinado.
Ao nosso, porém, referimo-nos como Deus, com maiúscula, sem artigo e sem
qualificações, como o absoluto que pretendemos que ele seja. O mesmo se
repete em relação aos padrões estéticos, à organização social, aos valores morais
e até às práticas cotidianas. É por isso que consideramos exóticos hábitos alheios,
sem nos darmos conta de que muitos dos nossos hábitos seriam ridículos e risíveis
se vistos de fora.
Acredito que conhecer e respeitar práticas diferentes seja um exercício de
tolerância muito útil para todos nós. E eu tentei mostrar que nós, civilizados,
automatizados e informatizados, nem sempre encontramos as melhores soluções
para os problemas da vida social. Afinal, não creio que houvesse mais gente com
fome nas sociedades neolíticas do que na nossa...
P. Você fala de espírito de aventura como um dos elementos que deflagram a
ação do homem. Esse espírito seria uma categoria histórica equivalente à luta de
classes ou algo parecido?
R. Descontando a ironia da pergunta, devo dizer que pensei muito se deveria
ou não deixar no texto a passagem que trata do assunto. Optei por deixar. Acho
que não se pode reduzir o processo histórico a mecanismos determinados. Claro
que o homem não tem liberdade total de ação, uma vez que tempo, espaço,
condição social, vinculação política, formação ideológica e outros fatores
constituem elementos limitadores de sua ação. Mas não aceitar que ele tenha
uma autonomia – ainda que relativa – seria transformar seres humanos em
autômatos, a vida humana em vegetal. Continuo achando que há categorias
históricas e categorias supra-históricas. A estas últimas pertencem, entre outras, a
coragem, o medo e o amor; categorias essas que encontram formas de se
manifestar em todas as sociedades humanas.
Cronologia
(Todas as datas são a.C.)
1.500.000 Homo erectus.
Início da migração do
1.000.000
Homo erectus.
300.000 Homo sapiens.
Homo
sapiens
50.000
sapiens.
Revolução Agrícola.
8.000
Jericó.
7000
4000
Revolução Urbana.
O homem aprende a
3500
2700
27002350
2350
1800
1730
1370
1230
1030
escrever.
Cidades-estado
na
Mesopotâmia.
As grandes pirâmides
no Egito.
Reino de Sargão, em
Akad.
Código de Hamurábi.
Hicsos no Egito.
Amenófis
iv
(Aquenâton), o faraó
monoteísta.
Hebreus em Canaã.
Saul, rei de Israel.
1000
961
922
722
700
586
Davi
unifica
os
hebreus.
Salomão reina em
Jerusalém.
Divisão da monarquia.
Queda de Samaria.
Os profetas começam
a criar o monoteísmo
ético.
O rei babilônico
Nabucodonossor
destrói Jerusalém.
•••
Homens assassinam,
em
campos
de
extermínio nazistas,
19391945 d.C. milhões de seres da
mesma espécie.
Bibliografia
A lista de livros utilizada durante a longa confecção desta pequena obra é
bem superior à que consta abaixo. Procuramos nos ater, com apenas duas
exceções, aos trabalhos em nossa língua e preferencialmente em edições
acessíveis. Não se trata, pois, de um levantamento exaustivo, mas de uma
bibliografia operacional que poderá auxiliar o leitor interessado em aprofundar
alguns temas.
ALBRIGHT, William Foxwell. From the Stone Age to Christianity. Nova York:
Doubleday Anchor Books, 1957.
ATTENBOROUGH, David. A vida na terra. São Paulo/Brasília: Martins
Fontes/Ed. da Univ. de Brasília, 1981.
AYMARD, André e AUBOYER, Jeannine. O Oriente e a Grécia Antiga. In:
CROUZET, Maurice. História geral das civilizações. Trad. Pedro Moacy r
Campos. 3ª ed. São Paulo: Difel, 1960/2. t. 1, v. 1-2.
BRAIDWOOD, Robert. Homens pré-históricos. Trad. Carlota B. Martín. Brasília:
Ed. da Univ. de Brasília, 1985.
CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. Rio de Janeiro: Francisco
Alves, 1978.
CLEVENOT, Michel. Enfoques materialistas da Bíblia. Trad. Paulo Ramos Filho.
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
DRIOTON, Étienne. L’Égypte pharaonique. Paris: A. Colin, 1969. (Col. U.Z.)
ENGELS, F. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. São Paulo:
Global, 1984.
FROMM, E. O coração do homem. Trad. Octávio Alves Velho. 5ª ed. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 1977.
GARELLI, Paul. O Oriente Próximo asiático: das origens às invasões dos povos
do mar. Trad. Emanuel Araújo. São Paulo: Pioneira/Edusp, 1982.
______ e NIKIPROWETZKY, V. O Oriente Próximo asiático: impérios
mesopotâmicos e Israel. Trad. Emanuel Araújo. São Paulo:
Pioneira/Edusp, 1982.
GORDON CHILDE, V. A evolução cultural do homem. 4a ed. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar, 1978.
______ O que aconteceu na História. 5ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981.
KINGSLEY, Davis et alii. Cidades: a urbanização da humanidade. Trad. José
Reznik, 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1972.
LEACKEY, Richard. A evolução da humanidade. São Paulo/Brasília:
Melhoramentos/Círculo do Livro/Ed. da Univ. de Brasília, 1981.
______ e LEWINI, Roger. Origens. 2a ed. São Paulo/Brasília: Melhoramentos/Ed.
da Univ. de Brasília, 1981.
LODS, Adolphe. Israel, das origens até meados do século VIII a.C. Trad. Maria
Isabel Castro Henrique. Lisboa: Início, s.d.
MORIN, Edgar. O enigma do homem. 2a ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1979.
PINSKY, Jaime (org). 100 textos de História antiga. 7ª ed. São Paulo: Contexto,
2001.
RIBEIRO, Darcy. O processo civilizatório. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
1968.
VARAGNAC, André (org.) O homem antes da escrita. Lisboa: Cosmos, 1963.
Table of Contents
Sumário
Introdução
História natural, história social
Caçadores e coletores
Agricultores e criadores
...E o homem criou as cidades
Mesopotâmia
A civilização do Nilo
Os hebreus
Conversando com o autor
Cronologia
Bibliografia
Chamada
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards