Enviado por Do utilizador5053

Captura de inseto e confecção de insetário

Propaganda
2009
Manual simplificado de coleta de
insetos e formação de insetário.
Universidade Federal de Goiás
Ensino a Distância em Biologia
Ficha Técnica
- Composição:
Aline Helena da Silva Cruz (Graduação em Ciências
Biológicas – Mestre em Biologia)
Elaine Ferreira de Oliveira (Graduação em Ciências Biológicas
– Especialista em Docência Universitária)
Rafael Alves de Freitas (Graduação em Ciências Biológicas)
- Formatação e Organização:
Aline Helena da Silva Cruz
- Revisão:
Gláucia Maria Cavasin (Graduação em Ciências Biológicas –
Mestrado em Zoologia – Doutorado em Zoologia)
Joanna D`Arc A. Herzog Soares (Graduação em Ciências
Biológicas – Mestrado em Microbiologia – Doutorado em
Parasitologia)
2
Apresentação
O livro didático é um instrumento de trabalho de professores e
estudantes e deve atender a necessidade de ambos, mas não é
sempre que eles têm acesso a estes instrumentos didáticos.
Infelizmente nem todas as cidades possuem bibliotecas públicas
que supram as necessidades dos alunos no decorrer do curso.
Além disso, a dificuldade em obter livros atualizados em diferentes
regiões do país eleva os gastos financeiros dos estudantes,
dificultando a conclusão do curso.
Como apresentado por Carla Wandscheer Krieger Langsch no
seu artigo sobre Avaliação no Ensino à Distância via Web „O EAD já
vem sendo praticado ao longo dos anos, tendo a correspondência
como a forma inicialmente utilizada. Com o surgimento das novas
tecnologias o EAD foi evoluindo e passou a ser também praticado
através de meios de comunicação como rádio, televisão, vídeo e
áudio.
A Internet representa atualmente a principal alternativa para o
ensino a distância, por proporcionar ao aluno a possibilidade dele
mesmo determinar seu horário e local de estudo, além de, facilitar a
busca da construção do seu conhecimento durante o processo de
ensino-aprendizagem‟.
Seria muito ingênuo de nossa parte acreditar que todos
nossos alunos desde o início da graduação possuem maturidade
para selecionar o que há de melhor na internet, se muitos
aprenderam a utilizá-la nos primeiros semestres do curso.
Com o objetivo de diminuir ainda mais as barreiras que
impedem a aprendizagem dos alunos de EAD em Ciências
Biológicas, produzimos este manual simplificado de coleta de
insetos e formação de insetário, complementado com informações
3
sobre entomologia forense e técnicas alternativas utilizadas pelos
biólogos no preparo e armazenagem dos insetos.
Esperamos que através deste manual produzido com
informações obtidas em sites universitários, artigos científicos e
livros didáticos os alunos tenham a oportunidade de aprofundar
seus conhecimentos em entomologia além de verificarem a
disponibilidade de informações confiáveis em diferentes sites
sugeridos ao final do manual. Todas as críticas e sugestões que
permitam melhorar a qualidade deste trabalho serão muito bem
vindas, e desde já as agradecemos.
Aline Helena da Silva Cruz
4
Índice
Página
Introdução sobre insetos
6
Entomologia forense
9
Acessórios básicos em Aula Prática – Aula de campo
11
Coleta de insetos
13
Matança de Insetos
24
Montagem dos insetos
27
Conservação de Insetos
33
Câmara úmida
37
Armazenagem de pequenos insetos secos
43
Mini-atlas de insetos
46
Bibliografia
65
Sugestões de sites para pesquisa
67
5
Introdução
A classe Insecta contém o maior número de espécies de
qualquer grupo de animais. Os insetos são superiores aos
vertebrados como os habitantes de maior sucesso do ambiente
terrestre. Os insetos são distinguidos dos outros artrópodes
unirremes por terem o corpo dividido em uma cabeça, um tórax e
um abdômen. A cabeça porta um par de antenas e os apêndices
alimentares; o tórax transporta três pares de pernas; o abdômen
não tem apêndices.
A capacidade da maioria dos insetos em voar contribui
bastante para o seu sucesso. O vôo potencializou a distribuição, a
exploração de fontes alimentares e de habitats, a fuga de
predadores e os processos reprodutivos. A maioria dos insetos tem
dois pares de asas toráxicas, embora um par se encontre reduzido,
modificado ou perdido em vários grupos. O vôo evoluiu
precocemente na história evolutiva dos insetos, mas alguns grupos
(apterigotos), tais como os calêmbolos e os tisanuros, são
primitivamente não-alados.
As peças bucais consistem de um par de mandíbulas, um par
de maxilas e de um lábio (segundas maxilas fundidas).
Primitivamente, as peças bucais adaptaram-se para mastigar o
material vegetal, mas também modificaram–se para uma larga
variedade de dietas e modos alimentares, incluindo perfuração e
sucção.
Um sistema traqueal proporciona uma troca gasosa. Os
espiráculos localizam-se ao longo dos lados do tórax e abdômen,
mas variam em número dependendo da espécie. O resíduo
nitrogenado dos insetos é o ácido úrico, excretado atreavés dos
túbulos de Malpighi. Os insetos são capazes de produzir uma urina
hiperosmótica, que junto com a epicutícula cérrea, é uma adaptação
importante para a redução da perda hídrica e contribui para o
sucesso dos insetos como animais terrestres.
6
O coração tubolar localiza-se na parte dorsal do abdômen e
propele o sangue anteriormente através de uma aorta curta. O
restante do sistema sanguíneo vascular é uma hemocele. A maioria
dos insetos possui um par de grandes olhos laterais, três ocelos no
topo ou na frente da cabeça e uma grande variedade de tipos de
órgãos sensoriais localizados sobre a superfície corporal,
especialmente nas antenas e pernas.
A maioria dos insetos transfere o esperma em
espermatóforos. Primitivamente, a transferência é indireta, como
como em muitos outros artrópodos terrestres, mas na maioria dos
insetos, o macho deposita os espermatóforos diretamente dentro do
sistema reprodutivo feminino. A fêmea deposita os ovos envoltos
em revestimentos protetores. A clivagem é tipicamente superficial.
Nos insetos primitivos, os estágios juvenis são semelhantes
aos adultos. Nas ordens superiores, o juvenil adquire gradualmente
determinadas estruturas (tais como asas) durante o curso do
desenvolvimento. O desenvolvimento com estágios larvais e
metamorfose completa é uma especialização das ordens que
contêm os besouros, as moscas, as abelhas e as vespas. O
desenvolvimento desse tipo permite que os juvenis e os adultos
explorem os diferentes habitats e fontes alimentares.
O parasitismo evoluiu várias vezes na evolução dos insetos.
Os juvenis, os adultos ou ambos podem ser parasitas. Uma
organização social (colonial) altamente desenvolvida evoluiu dentro
de duas ordens: os Isoptera (cupins) e os Hymenoptera (formigas,
abelhas e vespas). Somente alguns himenópteros são sociais, e
existe uma grande variedade na complexidade da organização
social.
Resumo sistemático da classe insecta ou hexápoda.
Reino: Animal
Phyllum: Arthropoda
Sub – Phyllum: Mandibulata
Super – Classe: Hexapoda
Classe: Insecta
7
Subclasse Entognatha: peças bucais afundadas no interior de uma
bolsa, olhos compostos e túbulos de Malpighi ausentes ou
reduzidos.
 Ordem Collembola: Poduras (insetos sem asas)
 Ordem Protura: protura (insetos sem olhos)
Subclasse Ectognatha: peças bucais não afundadas no interior de
uma bolsa na cabeça.
























Ordem Anoplura: piolhos sugadores
Ordem Blattodea: baratas
Ordem Colembola: Colembola
Ordem Coleoptera: besouros e brocas
Ordem Dermaptera: tesourinhas
Ordem Diptera: moscas verdadeiras, mosquitos
Ordem Embioptera: tecedores-de-teia
Ordem Hemiptera: Percevejos verdadeiros
Ordem Hymenoptera: formigas, abelhas, vespas e tentredéns
Ordem Isoptera: cupins
Ordem Lepdoptera: borboletas e mariposas
Ordem Mallophaga: piolhos mastigadores e piolhos das aves.
Ordem Mecoptera: moscas-escorpião
Ordem Neuroptera: crisopas, formigas-leão, mantispídeos,
moscas-cobra e megalópteros.
Ordem Odonata: libélulas e agriões
Ordem Orthoptera: gafanhotos, catidídeos, grilos, bichos-pau
Ordem Phasmantodea: Louva deus, Bicho pau, Phasmideos
Ordem Plecoptera: perlas
Ordem Psocoptera ou Corrodentia: piolhos-dos-livros, piolhosdas-cascas-de-árvores
Ordem Siphonaptera: pulgas
Ordem Thysanoptera: Tripes
Ordem Thysanura: traças-dos-livros
Ordem Trichoptera: friganas, friganidos e mariposas d‟água
Ordem Zorapttera: Zorápteros
8
Entomologia forense
A palavra entomologia é originada do grego, Entomon
significa Inseto e Logos siginifica Estudo. A entomologia forense
apresenta grande valor na nossa sociedade, nesse sentido
apresentamos a seguir algumas informações fornecidas por
PUJOL-LUZ, et al.2003 sobre os 100 anos de entomologia forense.
A Entomologia Forense - o estudo de insetos e outros
artrópodes associados a diversas questões criminais – serve como
uma ferramenta auxiliar, por exemplo, na investigação de crimes
contra pessoas vítimas de morte violenta. Esses estudos iniciaramse no Brasil em 1908, com os trabalhos pioneiros de Edgard
Roquette Pinto e Oscar Freire, respectivamente nos Estados do Rio
de Janeiro e da Bahia.
Com base em estudos de casos em humanos e animais
realizados na primeira década do Século XX, esses autores
registraram a diversidade da fauna de insetos necrófagos em
regiões de Mata Atlântica, então ainda bastante preservadas. Tais
trabalhos foram realizados pouco tempo depois da publicação do
livro de Mégnin (1894), o primeiro a tratar do tema de forma
sistemática, e chamaram a atenção por postura crítica e seu esforço
em desenvolver métodos adequados às condições locais do Brasil.
O desenvolvimento da Entomologia Forense no Brasil tem
sido facilitado pela sólida tradição brasileira no estudo de insetos
das Ordens Diptera e Coleoptera. Outros grupos de insetos também
são relevantes para a Entomologia Forense, mas as moscas e os
besouros são os mais importantes, especialmente em casos
envolvendo morte.
O primeiro caso documentado de Entomologia Forense está
relatado em um manual de Medicina Legal Chinês do Século XIII.
Foi um caso de homicídio em que um lavrador apareceu degolado
por uma foice. Para resolver o caso, todos os lavradores da região
foram obrigados a depositar suas foices no solo, ao ar livre. As
moscas pousaram em apenas uma delas, atraídas pelos restos de
sangue que ainda estavam aderidos à lâmina. A conclusão foi de
que aquela era a foice do assassino.
Aplicações da entomologia na solução de casos criminais,
depende de estudos básicos sobre taxonomia, biologia, ciclo de
vida e ecologia dos insetos de potencial interesse forense. Isso
inclui não apenas insetos necrófagos, mas também os insetos
9
envolvidos em questões urbanas e ataques aos produtos
armazenados. A seguir estão listadas as linhas prioritárias de
pesquisa, desenvolvimento e ações nesse sentido, ou seja, as
principais diretrizes e metas da Entomologia Forense no Brasil.:
1- Identificação de insetos de interesse forense.
2- Estudos sobre biologia e ciclo de vida de insetos de interesse
forense, principalmente dípteros e coleópteros das famílias
Calliphoridae,
Muscidae,
Fanniidae,
Sarcophagidae,
Stratiomyidae, Dermestidae, Cleridae, Histeridae, Silphidae e
Scarabaeidae.
3- Estudos sobre ecologia e padrões de sucessão na fauna
cadavérica.
4- Bancos de dados. Um banco de dados sobre Entomologia
Forense seria uma ferramenta extremamente útil tanto para o
trabalho de pesquisa como para o trabalho de rotina dos
peritos. Esse banco de dados poderia conter informações
sobre os insetos de interesse forense, incluindo distribuição
geográfica conhecida e informações detalhadas sobre casos e
bibliografia relevante. O banco de dados deverá ser
alimentado tanto por pesquisadores como por peritos.
5- Fontes de financiamento. Os órgãos tradicionais de apoio à
pesquisa, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico (CNPq), as fundações de apoio à
pesquisa dos Estados da Federação e o Ministério da Justiça,
entre outros, têm financiado estudos de Entomologia Forense.
Entretanto, seria interessante a existência de linhas
específicas de demanda induzida priorizando a produção do
conhecimento básico necessário para viabilizar e aperfeiçoar
o trabalho de rotina dos peritos
6- Formação de recursos humanos. Cursos de mestrado e
doutorado, universidades, têm contribuído com a formação de
excelentes profissionais nas áreas de taxonomia, biologia e
ecologia de insetos, entre outras.
7- Publicação de uma revista especializada nas áreas de
Ciências Forenses.
10
Acessórios básicos em Aula Prática – Aula de campo
Quando pensamos em aulas práticas precisamos avaliar o local
em que será a aula. Em um laboratório utilizamos jaleco, sapato
fechado, luvas e até máscara. Em uma aula de campo as normas
de segurança também devem ser seguidas. Por isso, apresentamos
a seguir alguns acessórios básicos necessários em uma aula de
campo.













Sapato fechado (Tênis, bota)
Calça comprida de tecido mais grosso
Boné
Cantil com água
Protetor solar
Repelente
Antialérgico (principalmente para aqueles que são alérgicos a
picadas de insetos)
Lanches leves, para não fazer peso na mochila (como barras
de cereal, se a viagem for mais longa deve-se organizar
melhor toda a alimentação a ser levada)
Caderneta de anotações
Lápis e borracha (lembre-se que se você escrever a caneta e
sua caderneta molhar, você poderá perder seus dados)
Pinças e frascos de vidro/acrílico, bem como todo material
para a coleta dos insetos de interesse.
Vale ressaltar que independente do local que será a aula ou
mesmo a pesquisa, faz-se necessário obter informações
sobre o local com outros pesquisadores e até com o IBAMA e
corpo de bombeiros, em caso, por exemplo, de bosques.
Todas as unidades de conservação (UCs) do Brasil estão
definidas, em sua concepção e abrangência, na Lei do
Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC (Lei
Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000), e o Estado de
Goiás também se instrumentalizou em uma Lei do Sistema
Estadual de Unidades de Conservação – SEUC (Lei Estadual
11
nº 14.247, de 29 de julho de 2002). Segundo a Lei nº 5.197
(de 03 de janeiro de 1967), todos os animais são propriedades
da União. Assim, todas as atividades relativas à fauna
silvestre são licenciadas pelo Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA),
através de sua Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros
(DIFAP) e Coordenação Geral da Fauna (CGFAU) da
Administração Central em Brasília. Como o Estado de Goiás
possui uma Lei de Fauna (Lei de Proteção à Fauna nº 14.241,
de 29 de julho de 2002), todas as atividades também devem
ter a anuência da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e
dos Recursos Hídricos (SEMARH) e da Agência Goiana de
Meio Ambiente (AGMA). Assim, se forem realizar pesquisas
como, por exemplo, um Inventário Faunístico é necessário
obter na AGMA, uma Licença de Atividades (Mais
informações você pode obter no site www.semarh.goias.gov.br).
12
Coleta de Insetos
Coletar, montar e preservar insetos é uma excelente maneira
de aprender sobre eles. Quase não há restrições quanto a se
coletar insetos; o mesmo não pode ser dito de outros animais, ou de
plantas. Você pode defrontar-se com restrições à coleta apenas em
certos parques ou reservas nacionais. Os insetos constituem um
grupo tão abundante e que se reproduz com tanta pujança que
ninguém realmente se importa com o fato de que você irá coletar
alguns espécimes.
Como dito na introdução, o habitat dos insetos é o mais
variado possível. Você os encontrará em diversos locais, e não é
preciso ir muito longe para achá-los. Comece pelo próprio quintal de
sua casa, ou nas áreas do campus. Use o tempo que lhe sobra
entre as aulas; aproveite as aulas de campo de outras disciplinas,
que muitas vezes criam oportunidades únicas de coleta; esteja
sempre atento e preparado, trazendo consigo um frasco de
matança. Você irá encontrar insetos diferentes em diferentes
épocas do ano; os períodos de atividade dessas criaturas variam ao
longo das estações. É verdade que os insetos são mais abundantes
na época das chuvas, mas isso não significa que estejam
completamente ausentes durante os meses de estiagem. É preciso
saber onde procurar. E se possível utilize uma máquina fotográfica
para registrar o habitat de cada um, ao final de suas coletas você
terá um arquivo de fotos bem interessante e poderá produzir seu
próprio mini-atlas.
Muitos insetos podem ser encontrados sobre plantas. Eles
estão presentes também no ambiente doméstico, às vezes em
grãos alimentícios, ou em livros e papéis, ou ainda sobre os animais
domésticos ou de estimação. Alguns insetos vivem em situações
ocultas, como sob pedras, pedaços de madeira ou cascas de
árvores. Frutas caídas do pé e em decomposição contêm
verdadeiras comunidades de insetos. Procure no solo, entre folhas
caídas, nas copas das árvores e em pequenos corpos e cursos
d'água. Lembre-se que para a sua coleção didática os insetos não
precisam ser grandes ou vistosos; basta que estejam montados
corretamente.
O equipamento mais simples que você pode utilizar para coletar
insetos são suas próprias mãos, mas muito cuidado, principalmente
com os insetos desconhecidos. Para evitar transtornos sugerimos
13
alguns equipamentos que apresentados por Rafael (2002) e pela
UFMT (http://www.ufmt.br/famev/ento/montagem.htm) que podem
ajudá-lo nessa tarefa. Considere os seguintes:

REDE ENTOMOLÓGICA. Também denominada puçá, é
constituída por um cabo de madeira ou outro material leve (como
alumínio), ao qual vai preso um aro de metal e um saco de filó ou
organza (voile) com o fundo arredondado. É ótima para se
capturar insetos em vôo, como libélulas, borboletas e mariposas,
moscas, abelhas, vespas, cigarras e outros. No site
www.webbee.org.br/didatico/pg05c.htm você pode obter mais
informações sobre o uso da rede, como mostrado na figura
abaixo.
Utilização da rede
1 - Passar a rede "varrendo" a área
cima das flores
2 - Dobrar a rede sobre si mesma
mantendo o inseto no fundo
3 - Apanhar o inseto da rede com o
frasco mortífero, tomando
cuidade para não danificar ou
quebrar o animal
14

REDE DE VARREDURA. É parecida com a rede entomológica,
mas a armação de metal é mais reforçada e reta na extremidade.
O saco é geralmente feito de lona ou outro tecido resistente. A
vegetação é "varrida" com ela, assim, muitos insetos são
coletados.

ARMADILHA LUMINOSA. Usada para a coleta de insetos
noturnos. Existem vários modelos de armadilhas luminosas. A
lâmpada deve ser de luz negra, incandescente ou fluorescente
(códigos BL ou BLB). Uma variação da armadilha luminosa é a
coleta no pano. Coletar insetos sob as lâmpadas da iluminação
pública ou na iluminação externa das residências ou outros
edifícios também é um método que acaba rendendo bons
exemplares. De forma geral, as lâmpadas isoladas, situadas
longe das grandes concentrações urbanas de luz produzem os
melhores resultados.
15

BANDEJA D'ÁGUA ou prato colorido (Pan Trap): De fácil
construção e emprego, a bandeja d'água consiste de uma fôrma
de bolo ou prato cujo fundo foi pintado com uma coloração
atrativa qualquer, como o branco, amarelo, verde, etc. É uma
armadilha atrativa que coleta os insetos atraídos por cor e que
pousam no meio líquido. A tonalidade da cor pode fazer toda a
diferença no sucesso da coleta. A cor amarela para Diptera é
muito eficiente na captura de Sciaridae, Phoridae, Anthomyiidae e
Muscidae (Barták, 1997). A fôrma deve ser colocada no solo e
ficar cheia de água à qual se acrescentam algumas poucas gotas
de detergente, que serve para facilitar o afundamento dos insetos
que nela caírem. Os insetos capturados não devem ser deixados
na água por muito tempo para que não estraguem. O método tem
a desvantagem de transbordamento causado por chuvas;
necessidade de retirada diária do material e evaporação do
liquido em locais quentes. Para solucionar esses problemas
recomenda-se pequenos orifícios, com tela, logo abaixo do topo
do prato ou bandeja, que permitam o extravasamento do líquido
mas que retenham os insetos; para suprimir a retirada diária do
material substituir a água pelo etileno glicol (10%) que funciona
como líquido fixador, pouco volátil, e permanece eficiente até
mais de um mês.
16

ASPIRADOR: É empregado na captura de insetos pequenos e
delicados, como formigas, moscas brancas, pulgões, vespinhas
etc. Existem muitos tipos de aspiradores, alguns sendo até
bastante sofisticados. Um dos mais simples consiste de um
recipiente cilíndrico de vidro ou plástico cuja tampa, de borracha
ou cortiça, é vazada por dois tubos flexíveis; por um deles, de
extremidade protegida por uma pequena tela, o coletor aspira
com a boca, e pelo outro os insetos são admitidos ao interior do
frasco de coleta. No site www.webbee.org.br/didatico/pg05c.htm
você pode obter mais informações sobre o uso do aspirador,
como mostrado na figura abaixo.
Utilização do aspirador
1 - Montar o aspirador (Cuidado: use frasco
2 - Evite deixar vários insetos acumulados
limpo). Aspirar os insetos que estão
no aspirador. Eles podem brigar
nas flores.
ficando assim danificados.
2 - Substituir a rolha do aspirador pela
rolha com algodão e éter,
montando um frasco mortífero.
2 - Deixar o inseto no frasco até sua
imobilização.
17

ARMADILHA DE MALAISE (Malaise Trap): Esse tipo de
armadilha é construído com tela de material sintético e lembra
uma barraca de camping. No alto da armação existe uma gaiola
que recebe os insetos coletados. É ótima para coletar moscas,
abelhas e outros insetos que têm o hábito de subir quando
aprisionados. Para aumentar o número de insetos coletados
recomenda-se montar a armadilha transversalmente a caminhos
naturais (sobre riachos) ou artificiais (picadas, estradas) onde os
insetos com vôos mais fortes preferem voar. Em áreas abertas
montar preferencialmente em sentido transversal ao do vento. Em
áreas fechadas, de floresta, orientar o frasco coletor no sentido
de maior luminosidade.
http://www.scielo.br/img/revistas/rbent/v46n2/a11fig02.gif
18

FRASCO CAÇA-MOSCAS: Consiste de uma garrafa de tamanho
médio com tampa rosqueável; ao redor da garrafa são feitos furos
cuja entrada é em forma de funil, com tamanho suficiente para a
entrada de moscas das frutas (família Tephritidae). No fundo da
garrafa coloca-se suco de frutas ou proteína hidrolisada de milho.
A fermentação da isca atrai as moscas, que conseguem entrar,
mas não sair da garrafa. Essa técnica é usada como forma de
controle de moscas-das-frutas em pomares. Na publicação de
2006 de Aguiar-Menezes et al. Você pode obter detalhes muito
importantes sobre o uso da garrafa PET e a produção do suco
atrativo .
www.todafruta.com.br/todafruta/imgsis/16759.JPG
19

Armadilha suspensa (suspendable Malaise trap): Face às
dificuldades de se atingir a copa das árvores alguns
pesquisadores construíram plataformas e torres para realizarem
coletas no dossel. Essas têm a grande desvantagem de serem
dispendiosas e explorarem uma área muito limitada. Para superar
essa dificuldade foi desenvolvida uma armadilha Malaise
modificada, leve e prática de ser montada, denominada armadilha
suspensa, descrita por Rafael & Gorayeb (1982) para coletar
insetos em diferentes alturas. Possui o mesmo princípio da
armadilha Malaise tradicional, o de coletar insetos com tendência
de subir ao encontrar um obstáculo vertical. Foi desenvolvida
para ser içada por uma corda para coletar insetos a qualquer
altura na floresta, principalmente na copa das árvores. Pode ser,
também, montada em outros ambientes onde não é possível
colocar uma armadilha Malaise tradicional, como por exemplo,
sobre a lâmina d´água de rios e lagos. Consiste de três peças
principais: 1) septo inferior que serve como interceptador de vôo;
2) cobertura, que deve ser clara para direcionar os insetos para o
topo e; 3) frasco coletor, preferencialmente transparente,
contendo no seu interior uma substância fixadora ou gás
mortífero, no topo da armadilha, onde os insetos ficam
temporariamente armazenados. O frasco coletor possui
externamente uma peça resistente (suporte) com dois orifícios
por onde passa a corda que sustentará a armadilha. O frasco
coletor fica preso à cobertura por meio de uma braçadeira. A
armadilha fica aberta por meio de quatro pedaços Protocolo e
técnicas de captura de Diptera 303 de cano PVC de ½ polegada
conectados entre si por joelhos de mesmo diâmetro, formando
um quadrado. Os canos são colocados em uma faixa de pano
costurada na base da cobertura. Os canos e joelhos podem ser
substituídos por varas finas e retas retiradas na mata e
amarradas entre si com barbantes. O septo inferior, que pode
variar de cor conforme os objetivos, é amarrado nos cantos dos
canos ou varas. Após arremessar uma corda no galho alto de
uma árvore, o conjunto é içado pelo frasco coletor. Vantagens. É
eficiente para captura de insetos voadores que habitam
preferencialmente a copa das árvores, habitat pouco explorado
pelos colecionadores e com poucos representantes nas coleções.
Pode ser montada em diferentes alturas. É eficiente para coleta
de insetos que voam próximo à superfície da água nos rios e
lagos. Não há a necessidade de estruturas adicionais, armações
para se elevar a armadilha até a copa, como o descrito por
Faulds & Crabtree (1995). É mais eficiente na coleta de Diptera e
20
Hymenoptera. Pode ficar montada por tempo indeterminado, de
dia e de noite. É leve e de fácil transporte. O septo inferior pode
ser de diferentes cores para funcionar como atrativo. As coletas
com armadilha suspensa podem ser padronizadas facilmente por
meio do modelo e estipulando-se a quantidade e o tempo de
coleta. Desvantagens. As mesmas apresentadas para a
armadilha Malaise. A armadilha pode ser construída com
diferentes tipos de tecidos e nas cores que atendam os objetivos
da pesquisa.

Armadilha Shannon (Shannon trap): É um método utilizado
para capturar insetos atraídos por iscas. A armadilha foi descrita
por Shannon (1939) para captura de insetos hematófagos e,
atualmente, todas as armadilhas, tipo tenda, que coletam insetos
atraídos por iscas, sejam de origem animal ou vegetal, são
conhecidas, em sua homenagem, como armadilhas Shannon.
Consiste de uma tenda retangular ou quadrada, fechada em
todos os lados, exceto o inferior. Deve ser montada levemente
suspensa do solo, 10 a 30 cm, para permitir a entrada dos
insetos. Destina-se a coletar insetos voadores atraídos pela isca
e com tendência de subir quando se encontram enclausurados.
Essa armadilha permite uma grande variação no tamanho. Para
uso com iscas de frutas fermentadas, cadáveres de pequenos
animais ou excrementos usa-se uma tenda pequena e para
grandes animais vivos utilizados como iscas usa-se uma tenda
grande. É mais utilizada para coleta de insetos hematófagos
vivos. Para iscas com frutas ou excrementos, o Instituto Nacional
de pesquisa da Amazônia (INPA) vem utilizando um modelo
modificado, que coleta os insetos em um frasco coletor, sem a
necessidade de visitas constantes para retirada do material.
Consiste de uma tenda fechada com uma cobertura inclinada, de
cor clara para direcionar os insetos ao frasco coletor (semelhante
ao da armadilha Malaise). Este deve ser total ou parcialmente
transparente, situado na parte mais alta, contendo no seu interior
uma substância fixadora ou gás mortífero. À semelhança da
armadilha Malaise, a cobertura e o frasco coletor devem permitir
entrada de luz para induzir a subida dos insetos. São construídas
com tecido fino e leve, com amarradouros reforçados nas
extremidades. O frasco coletor é preso ao tecido através de uma
braçadeira. A armadilha é facilmente montada através de cordas
que partem das extremidades do tecido e podem ser amarradas
em estacas, galhos, troncos ou raízes da vegetação. São
excelentes para captura de Diptera que são atraídos por iscas.
21
Podem ficar montadas por tempo indeterminado, de dia e de
noite. As coletas com armadilhas Shannon podem ser
padronizadas facilmente estipulando-se o modelo, quantidade de
armadilhas, o tipo de isca e o tempo de coleta.

Termonebulização ou fumigação (fogging): É um método que
utiliza inseticida liberado na fumaça e que vem sendo utilizado
principalmente para coleta de artrópodes alados e ápteros que
vivem na copa das árvores. Foi a partir da aplicação desse
método para captura da fauna do dossel, que as estimativas do
número de espécies de insetos aumentaram assustadoramente.
Atualmente há uma tendência de se estimar entre 5 – 10 milhões
de espécies (Hammond, 1992). A aplicação do inseticida é feita
por uma máquina termonebulizadora. O inseticida dissolvido em
querosene é queimado e liberado na fumaça que se espalha no
ambiente a ser explorado. Recomenda-se que o inseticida seja
um piretro natural com baixa toxidade para outros animais
vertebrados e que se decomponha rapidamente sob ação da luz
solar, não deixando resíduos tóxicos. Os insetos sofrem o efeito
do inseticida e caem em bandejas coletoras de diâmetro
conhecido, suspensas cerca de 1 metro do solo. É um método
que vem sendo utilizado de maneira padronizada entre diferentes
coletores de maneira a tornar os dados de diferentes regiões
comparáveis. O protocolo seguido é o seguinte: 1) colocar no
mínimo 20 bandejas cônicas coletoras de 1m2 sob a árvore,
suspensas aproximadamente 1 metro do solo; 2) fumigar a copa
da árvore selecionada de madrugada entre 04:00 e 06:00 horas
da manhã, horário com menos vento; 3) aguardar um período de
2 horas para a queda dos insetos; 4) fazer a lavagem das
bandejas com álcool 80% para retirada das amostras (Guerrero,
1999). As vantagens e desvantagens do método são enumeradas
por Stork & Hammond (1997). As principais vantagens são: não
seletivo; não depende da atividade dos artrópodes; não é atrativo;
não é influenciado pela armadilha; coleta espécies que
normalmente não são coletados por outros métodos; é bastante
preciso quanto a procedência dos espécimes; as amostras são
limpas e fáceis de serem triadas; o inseticida não é residual e de
baixa toxicidade; sua principal vantagem é a de poder 304 J. A.
Rafael explorar a fauna de difícil acesso da copa das árvores,
inclusive os ápteros. As principais desvantagens são: trabalho
intensivo e equipamentos relativamente volumosos; limitação
pelas condições climáticas, ou seja, não pode ser utilizado em
condições de muito vento; não é efetivo para espécies minadoras
22
de folhas; o inseticida pode agir em outras plantas da
proximidade. Por isso, nas nossa aulas não utilizaremos esta
técnica.

Armadilha adesiva (sticky trap): É uma armadilha de
interceptação de vôo que prende os insetos a uma substância
adesiva. Compreende um septo transparente (de vidro ou folha
de acetato) com substância adesiva em ambos os lados. Destinase a coleta de pequenos insetos voadores que ficam colados ao
bater no obstáculo e é bastante eficiente na captura de dípteros
pequenos. Coleta insetos que normalmente não são capturados
com os outros métodos. A padronização pode ser feita com a
utilização de um septo transparente de 1 m2 , uso de uma cola
comercial (tangle-trap) ou óleos de motores de carro com alta
viscosidade e estipulando-se o número de armadilhas e o tempo
de coleta. É um método relativamente barato, possibilita grande
número de repetições e recomendável para o estudo de
distribuição espacial e de estratificação. O inconveniente é a
aplicação da substância adesiva, a lavagem do septo
interceptador e dos insetos com solvente. Murphy (1985) discorre
sobre os procedimentos mais usuais com armadilhas adesivas.
www.ascendglobal.com
www.ascendglobal.com
23
Matança de Insetos
É desejável que os insetos capturados sejam mortos o mais
rápido possível, diminuindo o sofrimento do animal e evitando que
se debatam na rede ou armadilha, e acabem por danificar
apêndices como antenas, pernas, asas e outras partes do corpo.
Existem muitas técnicas que podem ser empregadas para se matar
os insetos capturados. Podemos citar:
- ÁLCOOL 70%. Os insetos são simplesmente colocados no álcool
70%, aí permanecendo. Entretanto, nem todos os insetos podem
ser mortos através desse método, que deve ser usado
exclusivamente para insetos pequenos, de corpo mole ou delicado.
As seguintes ordens de insetos devem ser mortas através de álcool
70%:


















Dermaptera (tesourinhas)
Embioptera (oligoneuros ou néticos)
Ephemeroptera (efêmeras)
Hemiptera,
subordem
Homoptera
(apenas
pulgões,
cochonilhas e moscas brancas)
Hymenoptera (apenas as formigas pequenas)
Isoptera (cupins)
Mecoptera (panorpatos)
Microcoryphia (Archaeognatha) (traças saltadeiras)
Orthoptera (apenas os espécimes bem pequenos de grilos ou
gafanhotos)
Phasmatodea (bichos-pau, exemplares menores)
Plecoptera (perlários ou perlópteros)
Ordem Psocoptera ou Corrodentia: piolhos-dos-livros, piolhosdas-cascas-de-árvores
Siphonaptera (pulgas)
Strepsiptera (estrepsípteros ou ripípteros)
Thysanoptera (tripes)
Thysanura (traças dos livros)
Trichoptera (friganidos)
Zoraptera (zorápteros)
O álcool 70% ou 70°GL pode ser facilmente preparado a partir do
álcool 96°GL (álcool de uso farmacêutico), ou do álcool 92,8°GL
(álcool de uso doméstico) água encontrado em qualquer
supermercado.
24
70ml de álcool 96°GL + 26ml de água = 96ml de álcool 70°GL
75ml de álcool 92,8°GL + 25ml de = 100ml de álcool 70°GL
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
- GASES TÓXICOS. Deve-se construir um frasco de veneno para
tal fim. Sua construção é simples: em um vidro (um frasco de
maionese de 500g, vazio e com tampa, servirá muito bem) colocase uma camada de gesso de uns 2 ou 3 cm; o gesso deve secar por
completo, o que ocorre em uns 2 dias. Acrescenta-se então um
pouco de veneno, suficiente para umedecer (não encharcar) o
gesso. As seguintes substâncias podem ser usadas como veneno:





Éter etílico ou sulfúrico - era relativamente fácil de adquirir;
como o éter é um ingrediente usado no refino e preparo de
drogas ilegais como a cocaína e os lança-perfumes, sua
aquisição tem-se tornado bastante difícil ultimamente; é muito
volátil.
Acetato de etila - pouco menos volátil que o éter, e de fácil
aquisição (removedor de esmalte de unhas, sem acetona).
Tetracloreto de carbono (altamente tóxico e cancerígeno;
desaconselhamos seu uso).
Clorofórmio (muito tóxico e de custo elevado; era usado em
procedimentos de anestesia).
Cianeto (de cálcio, potássio ou sódio) - o cianeto é
extremamente tóxico e apresenta-se na forma de pó ou
grânulos finos; nesse caso, o cianeto é colocado no frasco
antes de se colocar o gesso. O cianeto de potássio ou o
cianeto de sódio têm maior durabilidade (1 ano) como agentes
mortíferos no frasco do que o cianeto de cálcio (1 mês).
Deve-se tomar o cuidado de identificar cuidadosamente o frasco
com uma etiqueta onde se leia "VENENO". Uma idéia bastante
conveniente é envolver o vidro todo com fita adesiva forte (duct
tape), pois se o mesmo quebrar-se, os cacos não serão
esparramados e sua eliminação tornar-se-á mais fácil.
Os insetos são colocados dentro do frasco mortífero sobre uma
folha de papel toalha ou outro papel absorvente. O frasco deve ser
fechado e os insetos devem aí permanecer somente até que
morram. A montagem deve ser feita tão rapidamente quanto
25
possível após a morte dos exemplares, para que não endureçam.
As seguintes ordens de insetos devem ser mortas com gases
tóxicos:











Blattodea (baratas)
Coleoptera (besouros)
Diptera (moscas, mutucas etc.)
Hemiptera (percevejos, cigarras, cigarrinhas etc.)
Hymenoptera (abelhas, vespas, mamangavas, formigas
grandes etc.)
Lepidoptera (borboletas e mariposas)
Megaloptera (formigas-leão, sialóideos)
Neuroptera (formigas-leão, crisopas)
Odonata (libélulas)
Orthoptera (gafanhotos, esperanças, grilos, taquarinhas e
paquinhas)
Phasmatodea (bichos-pau,louva deus e exemplares maiores)
Uma alternativa aos gases tóxicos consiste em colocar-se o
exemplar num saco plástico (Zip Loc) bem fechado e com o mínimo
de ar, dentro de um freezer (-18ºC), por tempo suficiente para que
morra. Não se esqueça de identificar o inseto dentro do saquinho
com local e data de coleta, e o nome do coletor. Alguns insetos,
como certas vespinhas, possuem uma grande quantidade de
glicerol no corpo, que age como um anti-congelante, e assim esse
método não funciona para matar certos insetos mesmo após
dezenas de horas de congelamento.
Larvas de insetos podem ser mortas com água quente e depois
fixadas para não sofrerem melanização (escurecimento). Um fixador
bastante usado é o KAAD. Imediatamente após a morte, as larvas
são colocadas no KAAD por 12 a 24 horas e então transferidas para
álcool 70%. O KAAD compõe-se de:
Querosene ................1 parte
Álcool 96º GL ............7-9 partes
Ácido Acético Glacial ....1 parte
Dioxana ..................1 parte
Como a dioxana é muito tóxica, pode ser substituída por detergente
incolor. O KAAD pode ser utilizado para larvas de insetos das
seguintes ordens: Lepidoptera, Coleoptera, Hymenoptera,
Neuroptera, Diptera e Megaloptera.
26
Montagem de Insetos
Os insetos que você coletou devem ser montados tão
rapidamente quanto possível, para evitar que seus apêndices e
outras partes do corpo endureçam na posição errada. Se o
exemplar ressecar e endurecer, use uma câmara úmida para
amolecê-lo. A câmara úmida é feita com um vidro de ± 5 litros de
capacidade, com boca larga (vidros vazios de picles são perfeitos);
no fundo do vidro coloca-se uma camada de areia (± 3cm)
misturada com bolinhas de naftalina trituradas (para prevenir mofo).
A areia é umedecida e os insetos secos são colocados no vidro
sobre uma folha de papel toalha; o vidro deve ser bem fechado; os
insetos amolecem em cerca de dois dias, por causa da umidade.
A montagem é feita com alfinetes entomológicos, que variam
em espessura de 000 até 10; o comprimento é em geral de 37 a 38
mm. Os mais usados são os de números 0 e 1. Esses alfinetes são
importados e vendidos em lotes de 100 ou 1000. Algumas marcas
tradicionais são: "Elefant" (austríacos), "Morpho" (tchecos),
"Karlsbader" (alemães) e "Asta" (ingleses). Existe um fornecedor
nacional: Alfinetes "Papillon". Saiba que os alfinetes comuns de
costura enferrujam prontamente. Portanto, preferencialmente, use
somente alfinetes entomológicos. É a melhor forma de conservar
insetos de corpo duro.
Observe abaixo o esquema básico de um inseto e atente para
algumas regrinhas gerais que você deve observar ao montar seus
insetos:





O inseto deve ser espetado em posição rigorosamente
perpendicular ao alfinete.
Os apêndices como antenas e pernas devem ficar em posição
simétrica.
As antenas, quando longas, devem ser voltadas para trás e
circundar o inseto. É necessário distender as asas cujas
características sejam importantes para a identificação
(Lepidoptera, Diptera, Himenoptera).
As pernas, principalmente P3 em gafanhotos e esperanças,
devem ficar distendidas e baixas, juntas do corpo.
As margens anais das asas anteriores de borboletas e
mariposas devem fazer um ângulo de 90° com o eixo
longitudinal do corpo.
27



As margens costais das asas posteriores de borboletas e
mariposas devem fazer um ângulo de 90° com o eixo
longitudinal do corpo.
As asas de um dos lados de gafanhotos, esperanças, grilos,
louva-deuses e baratas podem ser montadas abertas.
Os apêndices são mantidos no lugar durante a fase de
secagem do exemplar através de alfinetes-guia, que JAMAIS
deverão traspassar quaisquer estruturas do inseto.
http://www.webbee.org.br/didatico/fig05_pg02.jpg
Os insetos são alfinetados em certos locais, dependendo da
ordem a que pertencem:
Coleptera: no élitro direito perto da base.
Hemiptera (Heteroptera): no escutelo.
Dermaptera: no meio do élitro direito.
Mantodea: no metatórax.
Demais ordens: no mesotórax.
28
O bloco de montagem (veja figura abaixo) é usado para se
obter altura uniforme dos exemplares e das etiquetas no alfinete.
O local de alfinetagem deve seguir as recomendações abaixo,
deixando sempre 1 cm entre a cabeça do alfinete e o inseto:

Abelhas, vespas, moscas, borboletas e mariposas no tórax,
entre a base das asas.

Percevejos e barata, d'água através do escutelo, um pouco a
direita da linha mediana se o inseto for grande.

Gafanhotos,na parte posterior do pronoto, a direita da linha
mediana

Besouros,através do élitro direito, próximo a sua base

Mantodea no metatórax

Bicho-pau no mesotórax

Barata abaixo do pronoto, a direita da linha mediana
29
VEJA AS FIGURAS.
Figura 24a - Bloco de
madeira com três orifícios
de diferentes
Figura 24b - Apoiar o inseto
profundidades, que serve
no orifício 1.
para uniformizar a altura
dos insetos e das etiquetas
no alfinete.
Figura 25 - Ajeitar as patas do
inseto com auxílio de outros
alfinetes, no bloco de isopor.
Deixar secar. (Lembre-se que
o animal se tornará
quebradiço depois de seco, de
modo que não poderemos
mais modificar sua posição.)
Figura 24c - Espetar o
inseto com o alfinete,
através do tórax.
Figura 26 - Os animais muito
pequenos para serem
espetados podem ser colados,
com uma gotinha de cola no
ápice de pequenos triângulos
de cartolina, ou na ponta de
pequenos alfinetes, que serão
fixados em bloquinhos de
cortiça ou isopor.
30
Nos espécimes de pequeno porte (até mais ou menos 5 ou 6
mm) ou delicados, os alfinetes, mesmo os mais finos, podem
destruir o exemplar. Nesses casos, usa-se uma técnica chamada
dupla montagem. A dupla montagem consiste em colar o inseto
em um pequeno triângulo de papel cartão e depois alfinetar o
triângulo. Deve-se tomar cuidado para que a quantidade de cola
usada seja a mínima possível e não interfira com as estruturas
diagnósticas do exemplar.
Quando são disponíveis vários exemplares da mesma espécie
(por exemplo, formigas, vespinhas poliembriônicas etc.) pode-se
montar três triângulos no mesmo alfinete, nas posições dorsal,
ventral e lateral. A dupla montagem pode ainda ser feita espetandose o inseto com um microalfinete em um pequenino bloco de isopor
ou cortiça, que é por sua vez traspassado por um alfinete
entomológico. Veja as ilustrações abaixo.
Um inseto, ainda que bem montado, terá pouco ou nenhum
valor científico se não for etiquetado de forma correta. Pode-se
colocar no alfinete quantas etiquetas forem necessárias. É comum
em coleções de museus encontrarem-se insetos com mais de uma
dezena de etiquetas. Uma delas, entretanto, deve obrigatoriamente
estar presente. Essa etiqueta obrigatória deve conter as seguintes
informações:
-ORDEM DO INSETO COLETADO 1- País, estado e cidade.
2‐ Local
3‐ Em que foi encontrado ( sobre planta, no chão, etc )
4‐ Último sobrenome, iniciais anteriores (crescente ), Col.
(coletor)
31
5‐ Data, mês em romano, ano com 4 dígitos
6‐ Cartolina branca
→ Tudo deve ser feito com a maior precisão possível. Ex: data,
local.
Exemplo da etiqueta obrigatória:
Coleoptera
Goiânia, GO, BRA
No chão
Cruz, A.H.S. col
03-VI-2009
As etiquetas devem ser preferencialmente manuscritas com
tinta nanquim; se forem impressas em computador, a impressora
deve ser do tipo laser; pode-se imprimir uma matriz em impressora
a jato de tinta e depois copiá-la em máquina "Xerox"; a
termoimpressão com pó é indelével mas a tinta líquida não é. Não
existe tamanho padronizado; sugerimos 10 × 20mm ou ½ × 1" como
tamanhos razoáveis.
Borboletas e mariposas devem ter suas asas distendidas, o
que pode ser conseguido com um bloco de montagem. Esse bloco
(veja a ilustração) pode ser construído de isopor, cortiça ou uma
madeira leve como a balsa ou a pita. O exemplar, depois de
alfinetado, é colocado no bloco e as asas são montadas com tiras
de papel manteiga presas por alfinetes. NUNCA atravesse as asas
com alfinetes!!!
32
Conservação de Insetos
Os insetos que são mortos com álcool a 70% devem ser
conservados dentro do próprio frasco com álcool. Em coleções
desse tipo, é preciso verificar o nível do álcool periodicamente para
evitar que o material se estrague. Os insetos mortos a seco (com
gases tóxicos) são guardados em caixas de madeira com tampa de
vidro, ou em gavetas entomológicas construídas especialmente
para esse fim. As caixas ou gavetas têm fundo de isopor para fixar
os alfinetes. Para evitar bolor e ataque de outros insetos usam-se
pastilhas de paraformol ou bolinhas de naftalina; a naftalina ataca o
isopor se ficar em contato direto com ele; por isso deve ser
colocada dentro de uma caixinha de papelão (o fundo de uma
caixinha de fósforo é um protetor perfeito).
http://www.ccb.ufsc.br/beg/fplaumann/imagens/colecao1.jpg
Se os insetos mofarem, podem ser limpos com um pincel
molhado no éter ou numa mistura de éter + xilol. Insetos
engordurados podem ser limpos imergindo-se os mesmos em éter
por 1 a 2 dias.
33
Vamos retomar as informações de coleta até a montagem dos
insetos no insetário. A coleta de insetos é feita por meio de
diferentes tipos de redes, por meio de coleta direta em plantas, sob
pedras etc. Nesta etapa, os alunos podem construir instrumentos de
coleta de insetos. Veja um exemplo de uma rede de coleta de
insetos
que
pode
ser
construída
pelos
alunos:
http://www.ib.usp.br/didatico/pg05.htm#coletar.
Durante a coleta, é importante que os alunos tenham uma
caderneta para anotação da data e do local da captura de cada
inseto. Tais informações podem enriquecer a coleção de insetos e
aumentar seu valor científico; recipientes para acomodar os
insetos capturados vivos (pequenos vidros transparentes, por
exemplo); veneno para matar os insetos capturados vivos (acetona
comum, éter ou amoníaco, por exemplo); alguns vidros com boca
grande, para asfixiar insetos maiores e, sobretudo, borboletas,
cujas asas não podem ter contato com os venenos líquidos;
pequenos envelopes para acomodar borboletas. Museu Virtual
de Ciência e Tecnologia da Universidade de Brasília Projetos
Pedagógicos para uso nas escolas. A coleta deve respeitar o meio
ambiente e ser pautada por critérios éticos. É um momento de
grande ludicidade e intenso potencial educativo, que deve ser
adequadamente explorado pelo professor.
Preservação temporária dos insetos antes da montagem
do insetário
Após a coleta de insetos, é necessário que eles sejam
conservados até o momento da montagem do insetário. O princípio
de base da conservação dos insetos coletados é evitar que eles se
desidratem e, ao mesmo tempo, evitar que eles sejam atacados por
fundos característicos da humidade.
Um inseto seco pode, na maior parte dos casos, ser
recuperado por um processo de reidratação, mas um inseto com
mofo é um inseto perdido. Um inseto desidratado torna-se difícil de
ser manuseado porque suas patas e antenas podem se quebrar
facilmente. Muitos insetos de corpo maleável devem ser
conservados em álcool.
34
O
site
“Colecionando
Lepidópteros”
(http://www.lepidoptera.datahosting.com.br/colecionando1.html)
indica que exemplares que já estão mortos há mais de dois dias
começam a secar, e a montagem desses exemplares poder resultar
em danos sérios aos mesmos. Para contornar isso usa-se a câmara
úmida, onde o inseto seco é colocado para absorver umidade e
então poder ser montado normalmente após alguns dias. Esse
processo é indispensável para se preparar exemplares adquiridos já
secos, quando estes podem ter estado armazenados em envelopes
por alguns meses (veja como preparar uma câmara úmida em
http://www.lepidoptera.datahosting.com.br/c_umida.html).
Os
exemplares que são coletados e preparados no mesmo dia não
necessitam passar por esse processo.
As asas das borboletas precisam ser esticadas antes que
sequem, para que sejam mantidas posicionadas para a exposição.
Veja
aqui
como
construir
um
esticador:
http://www.lepidoptera.datahosting.com.br/esticador.html.
Veja
como esticar as asas de borboletas e mantê-las esticadas em
http://www.lepidoptera.datahosting.com.br/colecionando1.html.
Montagem da coleção
A coleção de insetos pode ser montada e acomodada em
caixas com tampa transparente e vedação perfeita para manter os
insetos livres de fungos e de bactérias. Veja alguns exemplos:
http://www.tassidermia.com/prodimages/ento_insetti.jpg
Museu Virtual de Ciência e Tecnologia da Universidade de
Brasília
Projetos
Pedagógicos
pra
uso
nas
escolas
http://www.revolutionsaglac.com/revolution_saglac/loisir_scientifiques/entomologie/image
s/boxpapillon14janv2002.gif
Vale lembrar que dentro da caixa, deve-se colocar naftalina ou
algum outro produto anti-mofo. É fundamental proteger os insetos
da umidade, que pode deteriorá-los rapidamente. No fundo da
caixa, uma camada de isopor fino poderá receber os insetos, presos
por alfinetes.
Relembre como espetar os insetos em nas
35
informações
anteriores,
ou
http://www.webbee.org.br/didatico/pg05d.htm#d
em
Etiquetando os insetos
Como dito anteriormente, é preciso etiquetar cada espécime.
Etiquetas para esta finalidade são feitas com pequeninos retângulos
de papel branco e duro. Os dados na etiqueta devem ser escritos
de modo bem legível.
36
CÂMARA ÚMIDA
Normalmente todo colecionador de insetos prefere, ao final do
dia de coleta, preparar os espécimes coletados e esticá-los naquele
mesmo dia, enquanto estes ainda estão frescos. Contudo quando
se viaja para coletar longe, onde se passam vários dias antes que
se possa retornar para casa, se torna inviável preparar os
espécimes. Não é bom ter que viajar levando esticadores, com
insetos neles, o risco de acidentes é sempre muito grande.
Nesses casos, o ideal é coletar os espécimes e mantê-los em seus
envelopes, deixando-os secar ali mesmo, com as asas fechadas.
Desse modo o transporte dos espécimes é muito mais seguro e
ocupa muito menos espaço. Uma vez secos, voce não precisa ter
pressa em preparar os espécimes. Pode fazer isso em qualquer
tempo.
Em um dado momento você decide esticar aqueles espécimes
já secos que você coletou na semana passada, nas últimas férias,
ou mesmo aqueles espécimes que você adquiriu já secos, aqui,
mesmo do Brasil ou vindos de qualquer outra parte do mundo.
Nesse momento você irá precisar da câmara úmida para relaxar as
articulações ressecadas dos espécimes secos.
A câmara úmida é simplesmente um recipiente plástico plano,
ou mesmo uma lata de biscoitos, na qual é colocada uma camada
de papel absorvente (papel-toalha) no fundo, algo perto de 10
folhas desse papel. Adiciona-se água até umedecer bem toda a
camada de papéis e é nesse recipiente plástico ou de lata, que
deve ser hermético, que você coloca os espécimes secos, sem os
envelopes.
RELAXANDO OS ESPÉCIMES - Método tradicional
Retire os insetos de seus envelopes e os coloque dentro da
câmara úmida. Se os dados referentes aos insetos estiverem
anotados nos envelopes, reserve-os com cuidado para não
confundir um com outro. Será prudente que você não coloque os
insetos diretamente sobre a camada de papéis úmidos, pois isso
poderá fazer com que a umidade seja absorvida de forma desigual
pelo corpo do inseto, fazendo com que do lado em contato direto
com a superfície úmida ele amoleça rapidamente enquanto
permanece rígido do outro.
37
Coloque tiras de isopor no fundo da câmara, e coloque os
espéciemes por sobre isso, como as carnes de um churrasco que
ficam em cima de uma grelha, e não diretamente sobre as brasas.
Desse modo o corpo ressecado do inseto absorve a umidade
presente no ar circundante. É fundamental colocar naftalina ou
qualquer outro produto anti-mofo dentro da câmara úmida, pois o
ambiente extremamente úmido pode propiciar a formação de fungos
e mofo nos insetos.
Normalmente o tempo necessário para relaxar um espécime
de porte pequeno, como por exemplo uma Phoebis (Pieridae), é de
aproximadamente uma semana. Esse tempo irá variar de acordo
com o tamanho do inseto e a vedação da câmara. Se o nível de
umidade dentro da câmara úmida diminuir por falha de vedação, o
tempo necessário até o inseto estar apropriadamente relaxado irá
se estender. Caso voce coloque insetos de diferentes tamanhos
simultâneamente na câmara, voce terá que verificar periodicamente
o progresso do relaxamento dos exemplares. Quando um inseto
grande como uma Caligo estiver relaxada, uma Eurema já estará se
desmanchando... Um inseto apropriadamente relaxado terá o
movimento de asas fácil, semelhante ao de um inseto fresco.
RELAXANDO OS ESPÉCIMES - Método rápido
Muitas vezes a expectativa faz com que fiquemos ansiosos
para preparar aquele espécime exótico, de uma espécie que
normalmente você teria que viajar para muito longe caso quisesse
ter uma oportunidade (não a certeza...) de coletá-lo você mesmo,
algo que demandaria muito tempo e dinheiro.
38
Para esses casos há um macete muito interessante que pode
ser utilizado, desde que se tenha um pouco de cuidado. A câmara
úmida continua sendo importante, mas passa a ser o segundo
passo do processo que consiste em utilizar água fervente para
acelerar o processo de relaxamento do espécime. A coisa funciona
da mesma forma que cozer massas.
Se você pegar uma vareta de macarrão crú e colocar em água
à temperatura ambiente, este irá amolecer da mesma forma que
sendo cozido, só que levará muito, muito mais tempo... Quando a
água impregnar a massa em seu ponto mais profundo, o exterior
estará se desmanchando.
A água fervente acelera esse processo e penetra rapidamente
na massa, fazendo em alguns minutos o que a água fria levaria dias
para fazer. O mesmo se pode fazer com um inseto seco. Tudo o
que é necessário fazer é injetar água fervente no tórax do inseto,
mantendo o fluxo da água constante para "cozer" as ligaduras e
músculos ressecados em seu interior. Com esse processo você
consegue em alguns minutos algo que você somente veria depois
de muitos dias. Siga as etapas abaixo:
Você precisará de uma seringa hipodérmica com agulha, uma
pinça e um recipiente para ferver água. Devido a temperatura da
água, seria oportuno se a seringa fosse de vidro e a agulha tivesse
39
a base de metal. O uso constante de água fervente dentro da
agulha e seringa plásticas não é uma situação prevista no projeto
desses itens e isso irá reduzir o tempo de vida útil de ambas. É
importante ter mais de uma em reserva e alternar o uso entre os
dois conjuntos sempre que sentir que o plástico começa a amolecer
sob o efeito da temperatura da água. Isso geralmente começa a ser
notado na base da agulha, que é metálica, e absorve mais
rapidamente a temperatura.
Retire o inseto de seu envelope e, segurando-o pelo tórax
entre os dedos polegar e indicador, introduza a agulha no tórax,
pela parte inferior posterior, logo abaixo do abdomen. Avance com
a agulha até que você possa concluir que a ponta desta, por onde
sairá a água fervente, está posicionada no centro do tórax.
É importante que você faça isso com cuidado e atenção, pois nesse
momento o inseto ainda está bastante seco e quebradiço.
Não é necessário que a agulha esteja conectada à seringa nesse
momento.
Com a água já fervendo, encha a seringa em toda a sua
capacidade e conecte-a à agulha que está no inseto. Feito isso vá
injetando a água fervente lentamente e em ritmo constante, algo
como 2/10ml por segundo. A água irá inundar todo o tórax do
inseto e começará a transbordar, vazando por poros entre as
divisões do tórax e a base da cabeça. Voce deve continuar
injetando a água fervente, desconectando a seringa da agulha (que
deve permanecer no inseto) e re-abastecendo-a de água repetidas
vezes. Voce deve continuar até sentir que as asas do inseto
começam a afrouxar ao ponto destas estarem tão flexíveis quanto
as de um inseto fresco. Com um espécime grande como o Caligo
martia da foto, isso acontece em tres minutos
40
DICA:
Muitas espécies de lepidópteros, especialmente os noturnos,
apresentam o corpo coberto de escamas filiformes (em forma de
pelos) na parte superior do corpo. Estas escamas normalmente são
impermeáveis à água fria, porém a água fervente pode encharcá-las
se transbordar pela face superior da articulação das asas. A
aparência do inseto será severamente prejudicada se isso ocorrer,
pois as escamas encharcadas não retornarão ao aspecto "felpudo"
que tinham quando estavam secas, de modo que é bom fazer
pequenos furos com a agulha nas laterais do tórax antes de injetar
a água fervente, e assim dar pontos de fuga para o fluxo de água,
impedindo que ela encharque os "pelos" do inseto.
Com esse processo alternativo de relaxamento, você abreviou
muitos dias de espera, se comparado com o método tradicional. No
entanto a água fervente não surte efeito algum em outras partes do
corpo do inseto, como patas e antenas, mesmo as asas só são
relaxadas em sua articulação. A superfície geral da asa do inseto
guardado em um envelope pode estar enrugada, e precisa ser um
pouco impregnada de umidade para que isso possa ser corrigido.
Desse modo após o breve "cozimento" com água fervente, o inseto
deve então ser colocado na câmara úmida para relaxar essas
partes citadas. O processo todo se conclui em dois ou três dias
41
Download
Random flashcards
A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards