Novelas brasileiras passam imagem de país branco, critica escritora

Propaganda
18/04/12
Novelas brasileiras passam imagem de país branco, critica escritora moçambicana | Agência Brasil
A+ A-
Pesquisar...
C idadania
Economia
Últimas Notícias
Educação
Justiça
Galeria de Imagens
Meio ambiente
Arquivo de notícias
Internacional
Política
Reportagens Especiais
Saúde
Nacional
Esporte
The News in English
C ultura
Ouvidoria
Expediente
Pesquisa e Inovação
Novelas brasileiras passam imagem de país branco, critica
escritora moçambicana
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14h34 Internacional
17/04/2012 - 15h35
Cultura
Vulcão mexicano espalha
cinzas, vapor e rochas
incandescentes
14h27 Cultura, Educação
Alex Rodrigues
Repórter da Agência Brasil
Professoras do DF buscam
estimular o gosto pela
leitura com espetáculos
teatrais
Brasília - "Temos medo do Brasil." Foi com um desabafo
inesperado que a romancista moçambicana Paulina Chiziane
chamou a atenção do público do seminário A Literatura Africana
Contemporânea, que integra a programação da 1ª Bienal do Livro
e da Leitura, em Brasília (DF). Ela se referia aos efeitos da
presença, em Moçambique, de igrejas e templos brasileiros e de
produtos culturais como as telenovelas que transmitem, na
opinião dela, uma falsa imagem do país.
14h23 Economia
Gerdau defende reforma
tributária e investimentos
em educação e logística
para o Brasil ser competitivo
14h09 Esporte, Política
"Para nós, moçambicanos, a imagem do Brasil é a de um país branco ou, no máximo, mestiço. O único negro
brasileiro bem-sucedido que reconhecemos como tal é o Pelé. Nas telenovelas, que são as responsáveis por
definir a imagem que temos do Brasil, só vemos negros como carregadores ou como empregados domésticos.
No topo [da representação social] estão os brancos. Esta é a imagem que o Brasil está vendendo ao mundo",
criticou a autora, destacando que essas representações contribuem para perpetuar as desigualdades raciais e
sociais existentes em seu país.
"De tanto ver nas novelas o branco mandando e o negro varrendo e carregando, o moçambicano passa a ver
tal situação como aparentemente normal", sustenta Paulina, apontando para a mesma organização social em
seu país.
A presença de igrejas brasileiras em território moçambicano também tem impactos negativos na cultura do
país, na avaliação da escritora. "Quando uma ou várias igrejas chegam e nos dizem que nossa maneira de crer
não é correta, que a melhor crença é a que elas trazem, isso significa destruir uma identidade cultural. Não há
o respeito às crenças locais. Na cultura africana, um curandeiro é não apenas o médico tradicional, mas
também o detentor de parte da história e da cultura popular", detacou Paulina, criticando os governos dos dois
países que permitem a intervenção dessas instituições.
Primeira mulher a publicar um livro em Moçambique, Paulina procura fugir de estereótipos em sua obra,
principalmente, os que limitam a mulher ao papel de dependente, incapaz de pensar por si só, condicionada a
apenas servir.
"Gosto muito dos poetas de meu país, mas nunca encontrei na literatura que os homens escrevem o perfil de
uma mulher inteira. É sempre a boca, as pernas, um único aspecto. Nunca a sabedoria infinita que provém das
mulheres", disse Paulina, lembrando que, até a colonização europeia, cabia às mulheres desempenhar a função
narrativa e de transmitir o conhecimento.
"Antes do colonialismo, a arte e a literatura eram femininas. Cabia às mulheres contar as histórias e, assim,
socializar as crianças. Com o sistema colonial e o emprego do sistema de educação imperial, os homens
passam a aprender a escrever e a contar as histórias. Por isso mesmo, ainda hoje, em Moçambique, há poucas
mulheres escritoras", disse Paulina.
Líder do governo vai pedir
urgência para votação da
Lei Geral da Copa no
Senado
14h05 Economia
Saída de dólares supera
entrada em US$ 799
milhões neste mês, até dia
13
NOTÍCIAS DO MESMO DIA
23h10 Nacional
Polícia Militar do DF vai ter
que refazer inquérito que
apura denúncias contra
PMs
22h11 Nacional
Câmara aprova MP sobre
isenção de impostos para
trigo e pão
21h54 Política
Líderes protocolam
requerimento para criação
de CPMI
21h38 Nacional
Belo Monte: negociações
avançam, mas proposta
final aos trabalhadores só
será apresentada amanhã
"Mesmo independentes [a partir de 1975], passamos a escrever a partir da educação europeia que havíamos
recebido, levando os estereótipos e preconceitos que nos foram transmitidos. A sabedoria africana
propriamente dita, a que é conhecida pelas mulheres, continua excluída. Isso para não dizer que mais da
metade da população moçambicana não fala português e poucos são os autores que escrevem em outras
línguas moçambicanas", disse Paulina.
Durante a bienal, foi relançado o livro Niketche, uma história de poligamia, de autoria da escritora
moçambicana.
Edição: Lílian Beraldo
Bienal do Livro e da Leitura
Cultura
Moçambique
brasil
literatura
literatura africana
literatura contemporânea
livros
telenovelas
» Leia também:
…ebc.com.br/…/novelas-brasileiras-passam-imagem-de-pais-branco-critica-escritora-mocambicana
1/2
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards