CE - Euro Estates

Propaganda
Nº CER
CE73168934
CERTIFICADO DE DESEMPENHO
ENERGÉTICO E DA QUALIDADE
DO AR INTERIOR
TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: PEQUENO EDIFÍCIO DE SERVIÇOS SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO
Morada / Localização Entre as Ruas Carlos Anjos e Cabo Guilherme Santos nº135, 1º e 2º piso
Localidade Alcabideche
Freguesia ALCABIDECHE
Concelho CASCAIS
Região Portugal Continental
Data de emissão
29/11/2013
Nome do perito qualificado
Imóvel descrito na
sob o nº
2ª
5020
Data de validade
Inês de Matos Sottomayor de Macedo
29/11/2023
N.º de PQ
PQ01242
Conservatória do Registo Predial de Cascais
Art. matricial nº
10673
Fogo/Fracção autón. A
Este certificado resulta de uma verificação efectuada ao edifício ou fracção autónoma por um perito devidamente qualificado para o efeito, em relação aos requisitos previstos no Regulamento das
Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE, Decreto-Lei 80/2006 de 4 de Abril), classificando o imóvel em relação ao respectivo desempenho energético. Este certificado
permite identificar possíveis medidas de melhoria de desempenho aplicáveis à fracção autónoma ou edifício, suas partes e respectivos sistemas energéticos e de ventilação, no que respeita ao
desempenho energético e à qualidade do ar interior. Para verificar a validade do presente certificado consulte www.adene.pt.
1.
ETIQUETA DE DESEMPENHO ENERGÉTICO
INDICADORES DE DESEMPENHO
CLASSE ENERGÉTICA
Necessidades anuais globais estimadas de
energia primária para climatização e águas
quentes
2,74
kgep/m².ano
Valor limite máximo regulamentar para as
necessidades anuais globais de energia
primária para climatização e águas quentes
(limite inferior da classe B¯ )
0,68
kgep/m².ano
Emissões anuais de gases de efeito de estufa
associadas à energia primária para climatização
e águas quentes
2.
0,7
toneladas de CO2
equivalentes por ano
DESAGREGAÇÃO DAS NECESSIDADES NOMINAIS DE ENERGIA ÚTIL
Necessidades nominais de energia útil
para...
Valor estimado para as condições de
conforto térmico de referência
Valor limite regulamentar para as
necessidades anuais
Aquecimento
89,07 kWh/m².ano
53,09 kWh/m².ano
Arrefecimento
16,64 kWh/m².ano
22 kWh/m².ano
0 kWh/m².ano
0 kWh/m².ano
Preparação das águas quentes
sanitárias
NOTAS EXPLICATIVAS
As necessidades nominais de energia útil correspondem a uma previsão da quantidade de energia que terá de ser consumida por m² de área útil do edifício ou fracção autónoma para manter o
edifício nas condições de conforto térmico de referência e para preparação das águas quentes sanitárias necessárias aos ocupantes. Os valores foram calculados para condições convencionais de
utilização, admitidas como idênticas para todos os edifícios, de forma a permitir comparações objectivas entre diferentes imóveis. Os consumos reais podem variar bastante dos indicados e
dependem das atitudes e padrões de comportamento dos utilizadores.
As necessidades anuais globais de energia primária (estimadas e valor limite) resultam da conversão das necessidades nominais estimadas de energia útil em kilogramas equivalente de petróleo
por unidade de área útil do edifício, mediante aplicação de factores de conversão específicos para a(s) forma(s) de energia utilizada(s) (0,290 kgep/kWh para electricidade e 0,086 kgep/kWh para
combustíveis sólido, líquido ou gasoso) e tendo em consideração a eficiência dos sistemas adoptados ou, na da sua definição, sistemas convencionais de referência.
As emissões de CO2 equivalente traduzem a quantidade anual estimada de gases de efeito de estufa que podem ser libertados em resultado da conversão de uma quantidade de energia primária
igual às respectivas necessidades anuais globais estimadas para o edifício, usando o factor de conversão de 0,0012 toneladas equivalentes de CO2 por kgep.
A classe energética resulta da razão entre as necessidades anuais globais estimadas e as máximas admissíveis de energia primária para aquecimento, arrefecimento e para preparação de águas
quentes sanitárias no edifício ou fracção autónoma. O melhor desempenho corresponde à classe A+, seguida das classes A, B, B¯, C e seguintes, até à classe G de pior desempenho. Os edifícios
com licença ou autorização de construção posterior a 4 de Julho de 2006 apenas poderão ter classe energética igual ou superior a B¯. Para mais informações sobre o desempenho energético,
sobre a qualidade do ar interior e sobre a classificação energética de edifícios, consulte www.adene.pt
1/4
CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR
Nº do perito qualificado PQ01242
3.
Data de emissão 29/11/2013
| Nº CER CE0000073168934
Data de validade 29/11/2023
DESCRIÇÃO SUCINTA DO EDIFÍCIO OU FRACÇÃO AUTÓNOMA
Fracção autónoma destinada a espaço comercial de um edifício multifamiliar, sita na freguesia de Alcabideche, Concelho de Cascais (zona
climática I1 / V1 Sul), no interior de uma zona urbana, a menos de 5Km da costa, com implantação a 75m de altitude. A construção da fracção é
de 1994, data do registo da propriedade horizontal, em estrutura de betão armado e paredes exteriores e interiores em alvenaria de tijolo. A
entrada da fracção é feita pelo exterior a Oeste, a fachada tardoz é orientada a Este e encontra-se enterrada na sua totalidade, confronta a Norte
com exterior e a Sul com edifício adjacente. As palas horizontais dos avanços das varandas provocam sombreamento normal nos vãos
envidraçados. É composta por espaço amplo de loja, instalações sanitárias, salas e piso superior aberto sobre o espaço amplo da loja. A fracção
não dispõe de sistemas de aquecimento nem de arrefecimento. Não se encontram instalado qualquer equipamento de preparação de águas
quentes sanitárias. A ventilação é natural. Considerou-se para o presente estudo uma inércia térmica forte.
Área útil de pavimento
4.
215,56
m²
Pé-direito médio
ponderado
2,95
Ano de construção
m
1994
PROPOSTAS DE MEDIDAS DE MELHORIA DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA
QUALIDADE DO AR INTERIOR
Sugestões de medidas de melhoria (implementação não obrigatória)
(destacadas a negrito aquelas usadas no cálculo da nova classe energética)
Redução anual da
factura energética
Custo estimado
de investimento
Período de retorno
do investimento
1 Aplicação de isolamento térmico pelo interior com
revestimento leve em paredes interiores
2 Aplicação de isolamento térmico na cobertura horizontal
3 Aplicação de isolamento térmico pelo interior com
revestimento leve em paredes exteriores
As medidas de melhoria acima referidas correspondem a sugestões do perito qualificado na sequência da análise que este realizou ao desempenho energético e da qualidade do ar interior do
edifício ou fracção autónoma e não pretendem por em causa as opções e soluções adoptadas pelo(s) arquitecto(s), projectista(s) ou técnico(s) de obra.
Legendas
Redução anual da
factura energética
Custo estimado de
investimento
Período de retorno do
investimento
mais de 1000€/ano
mais de 5000€
inferior a 5 anos
entre 500€ e 999€/ano
entre 1000€ e 4999€
entre 5 e 10 anos
entre 100€ e 499€/ano
entre 200€ e 999€
entre 10 e 15 anos
menos de 100€/ano
menos de 200€
mais de 15 anos
SE FOREM CONCRETIZADAS TODAS AS MEDIDAS DESTACADAS NA LISTA, A CLASSIFICAÇÃO ENERGÉTICA PODERÁ SUBIR PARA...
Pressupostos e observações a considerar na interpretação da informação apresentada:
Trata-se de uma fracção existente com classificação de G. Não cumpre com os requisitos mínimos, os valores das necessidades nominais de energia útil
para aquecimento não são regulamentares face ao Decreto- Lei 80/2006. Considerou-se a título de prevenção de ocorrência de patologias e como redução
das necessidades de energia pela envolvente 3 medidas de melhoria: Colocação de isolamento térmico nas paredes interiores, pelo interior com revestimento
leve, estima-se um investimento na ordem dos 3600,00 euros em material e mão de obra (30€x120,33m²), que se traduz numa poupança anual de 340,00
euros em electricidade ( 0,170 €/KWh ), com um periodo de retorno de cerca de 10 anos. Colocação de isolamento térmico na cobertura exterior plana, pelo
interior com revestimento leve, estima-se um investimento na ordem dos 900,00 euros em material e mão de obra (30€x29.30m²), que se traduz numa
poupança anual de cerca de 250,00 euros em electricidade ( 0,117 €/KWh ), com um periodo de retorno de cerca de 4 anos. Colocação de isolamento
térmico nas paredes exteriores orientadas a Norte, pelo interior com revestimento leve, estima-se um investimento na ordem dos 2900,00 euros em material e
mão de obra (30€x95,53m²), que se traduz numa poupança anual de 400,00 euros em electricidade ( 0,170 €/KWh ), com um periodo de retorno de de 7 anos.
Consideraram-se todas as medidas de melhoria porque permitem elevar a classificação energética da fracção para F.
5.
PAREDES, COBERTURAS, PAVIMENTOS E PONTES TÉRMICAS PLANAS
PAREDES
Coeficiente de transmissão
térmica superficial (U) em W/m².ºC
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
da solução
máximo regulamentar
• Parede exterior em alvenaria de tijolo furado revestida interiormente por reboco de cor
clara e exteriormente por reboco (posterior a 1960), com uma espessura total da parede de
0.24 m. Parede localizada nas fachadas Oeste e Norte, serve todos os espaços.
1,3
1,8
• Parede interior em contacto com o espaço não útil do edifício adjacente (Tau=0,75)
composta por parede de alvenaria de tijolo rebocada em ambas as faces com uma
espessura de 0,24m, valores por defeito para paredes posteriores a 1960 com a correcção
de Ulna=1/(1/U+0,09)
1,16
1,8
Sugestões de medidas de melhoria associadas
Proposta 1 Medida de melhoria com vista à redução das necessidade de energia pela envolvente e prevenção de patologias construtivas.
Colocação de isolamento térmico em poliestireno espandido (EPS) com 0,03m nas paredes interiores, em contacto com o espaço
2/4
CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR
Nº do perito qualificado PQ01242
Data de emissão 29/11/2013
| Nº CER CE0000073168934
Data de validade 29/11/2023
não útil do edifício adjacente, pelo interior com revestimento leve tipo pladur. Passando o coeficiente de transmissão térmica para
Ulna=0,60W/m2.ºC . Esta medida isoladamente não altera a classificação energética mas contribui para um maior conforto e
prevenção de patologias construtivas. Em conjunto com as medidas de melhoria 2 e 3 permite elevar a classificação da fracção para
F.
Proposta 3 Medida de melhoria com vista à redução das necessidade de energia pela envolvente e prevenção de patologias construtivas.
Colocação de isolamento térmico em poliestireno espandido (EPS) com 0,03m nas paredes exteriores, orientadas a Norte. Passando
o coeficiente de transmissão térmica para U=0,63W/m2.ºC . Esta medida isoladamente não altera a classificação energética mas
contribui para um maior conforto e prevenção de patologias construtivas. Em conjunto com as medidas de melhoria 1 e 2 permite
elevar a classificação da fracção para F.
COBERTURAS
Coeficiente de transmissão
térmica superficial (U) em W/m².ºC
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
da solução
• Cobertura exterior sobre a faixa de entrada na loja, é varanda do piso1 composto por laje
de betão armado e revestimento exterior a mosaico ceramico, valor por defeito para
coberturas pesadas.
máximo regulamentar
2,6
1,25
Sugestões de medidas de melhoria associadas
Proposta 2 Medida de melhoria com vista à redução das necessidade de energia pela envolvente e prevenção de patologias construtivas.
Colocação de isolamento térmico em poliestireno espandido (EPS) com 0,03m na cobertura exterior plana, pelo interior com
revestimento leve tipo pladur. Passando o coeficiente de transmissão térmica para Uasc.=0,84W/m2.ºC, Udesc.=0,79W/m2.ºC . Esta
medida isoladamente não altera a classificação energética mas contribui para um maior conforto e prevenção de patologias
construtivas. Em conjunto com as medidas de melhoria 1 e 3 permite elevar a classificação da fracção para F.
PAVIMENTOS
Coeficiente de transmissão
térmica superficial (U) em W/m².ºC
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
da solução
máximo regulamentar
• Não aplicável
PONTES TÉRMICAS PLANAS
Coeficiente de transmissão
térmica superficial (U) em W/m².ºC
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
da solução
máximo regulamentar
• Não aplicável
6.
VÃOS ENVIDRAÇADOS
Factor solar
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)*
da solução
máximo regulamentar
• Caixilharia metálica de cor castanha de abrir, com vidro simples incolor, sem classificação
de permeabilidade ao ar sem protecção solar exterior .Coeficiente de transmissão térmica
U= 6,20 W/m2.ºC. Vãos localizados na fachada Oeste, portas de entrada no espaço amplo
da loja e de saída para a varanda no piso 1.
0,7
0,56
• Caixilharia metálica de cor castanha fixa, com vidro simples incolor, sem classificação de
permeabilidade ao ar sem protecção solar exterior .Coeficiente de transmissão térmica U=
6,00 W/m2.ºC. Vãos localizados na fachada Oeste, sobre a dupla altura do piso 0.
0,7
0,56
*Nota: Apenas vãos envidraçados com área superior a 5% da área útil de pavimento do espaço que servem, não orientados a Norte e considerando o(s) respectivo(s) dispositivo(s) de protecção
100% activos (portadas, persianas, estores, cortinas, etc.)
7.
CLIMATIZAÇÃO
SISTEMA(S) DE AQUECIMENTO
Necessidades anuais
de energia útil
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
• Não aplicável ou considerada solução prevista na legislação especifíca ou informação técnica complementar
SISTEMA(S) DE ARREFECIMENTO
Necessidades anuais
de energia útil
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
• Não aplicável ou considerada solução prevista na legislação especifíca ou informação técnica complementar
3/4
CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR
Nº do perito qualificado PQ01242
8.
Data de emissão 29/11/2013
| Nº CER CE0000073168934
Data de validade 29/11/2023
PREPARAÇÃO DE ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS (AQS)
SISTEMAS CONVENCIONAIS (USAM ENERGIA NÃO RENOVÁVEL)
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
• Não aplicável
9.
SISTEMAS DE APROVEITAMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS
SISTEMA DE COLECTORES SOLARES PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA QUENTE SANITÁRIA
Energia fornecida
pelo sistema
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
• Não aplicável
OUTROS SISTEMAS DE APROVEITAMENTO DE FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS
Energia fornecida
pelo sistema
Descrição da(s) solução(ções) adoptada(s)
• Não aplicável
10. VENTILAÇÃO
Descrição dos principais elementos e da forma como se processa a ventilação
• A ventilação é Natural : o edifício encontra-se no interior de uma Zona Urbana - Rugosidade I; no território continental, a menos de 5 Km da
costa e a menos de 600m de altitude - Região B. Sendo a altura média da fachada inferior a 10m, determinou-se classe de Exposição 1. O
sistema não cumpre a NP 1037-1. Não existem grelhas de admissão de ar na fachada, a caixilharia não possui classificação de
permeabilidade ao ar, não existem caixas de estore, a área de envidraçados é inferior a 15% da área útil de pavimento da fracção. A porta da
rua não se encontra bem vedada. Resulta numa taxa de renovação horária (rph) =0,90h-1
OBSERVAÇÕES E NOTAS AO PRESENTE CERTIFICADO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO
AR INTERIOR
O Certificado Energético refere-se a uma fracção autónoma de comércio existente. A determinação da classe energética foi efectuada de acordo
com a metodologia definida no Decreto-Lei 80/2006, tendo-se introduzido sempre que necessário as regras de simplificação constantes da Nota
Técnica NT-SCE-04. Foi consultada a documentação fornecida pelo proprietário para a identificação da fracção, nomeadamente a Caderneta
Predial e a Certidão da Conservatória do Registo Predial. Os valores máximos para os coeficientes de transmissão térmica (Umáx.) e o factor
solar máximo admissível, indicados no certificado apenas são aplicáveis a novos edifícios, para edifícios existentes, devem ser tomados como
referência para efeitos de identificação de oportunidades de melhoria. Os coeficientes de transmissão térmica foram obtidos, através do ITE50 /
ITE54 e Nota Técnica SCE 01. Os coeficientes de transmissão térmica dos elementos da envolvente opaca exterior e interior foram, para efeitos
de cálculo, majorados em 35% devido à existência de pontes térmicas. Foi considerado o valor de Tau = 0,75 para os espaços não úteis do
edifício adjacente. Não se encontram instalados quaisquer equipamentos para aquecimento, arrefecimento e preparação de águas quentes
sanitárias. Verificou-se no local que a entrada da fracção efectua-se pela R. Carlos Anjos nº300, sendo a outra morade de acesso às fracções
habitacionais dos pisos superiores. Foi igualmente visível que o espaço comercial funcionava como oficina e como tal estaria isento de
certificação energética, mas eventualmente poderá vir a ter um outro uso. O levantamento dimensional é aproximado devido à torção em planta e
dificil acessibilidade aos espaços posteriores, não foi igualmente possível medir os vãos da dupla altura, pelo que se considerou uma medida por
aproximação.
Como informação complementar a este certificado foram elaborados um Relatório de Peritagem e um Estudo de Medidas de Melhoria.
O Perito Qualificado esteve presente no imóvel para efectuar a vistoria no dia 20/11/2013 entre as 12:00 e as 13:00.
4/4
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards