www.interseccaopsicanalitica.com.br A identidade de Freud Dulce

Propaganda
www.interseccaopsicanalitica.com.br
A IDENTIDADE DE FREUD
Dulce Campos1
Ao tratar da identidade, sentimento que faz o sujeito dizer-se identificado a,
identificado com, experiência de um devir em busca do si mesmo, damo-nos conta da
existência de um movimento que se desenvolve a revelia do pensamento lógico e
racional. Neste sentido Freud fala apenas uma vez em toda a sua obra ao referir-se à
própria identidade na homenagem que lhe presta no 70º aniversário a B’nai B’rith de
Londres. A identidade é o resultado um longo processo de identificações em que o
sujeito assimila, total ou parcialmente, à maneira de uma incorporação oral,
propriedades e atributos de um outro. (1) Trata-se de processo inconsciente diferente de
imitação.
Levantando dados sobre ocorrências ao longo da vida de Freud, ousaremos
focalizar nas suas memórias, fatos, pensamentos, sugestões que revelam a origem da sua
forma peculiar de ser e de existir para entender o posicionamento de historiadores que
procuram marcá-lo por influências culturais. Procuraremos nos ater às suas palavras,
tomando-as ao pé da letra com o intuito de manter a fidedignidade do que ele deseja
comunicar.
Vários autores têm procurado escutar Freud, atribuindo à cultura judaica sua
forma de proceder como cientista e pesquisador. Não nos parece que tenha sido a
cultura judaica o determinante da construção da psicanálise. Marcado por uma
multicultura buscou nos gregos, em Édipo os escopos para a teoria do inconsciente; nos
mitos e nas ciências dos sonhos, vias régias de abordagem do real; procurou explicar o
nascimento da sociedade contestando as teses vigentes da antropologia, da sociologia,
da teologia e da religião fora do âmbito da antropologia, da sociologia e da teologia. Ao
afirmar palavra e linguagem - matéria prima do trabalho analítico - lança mão da
literatura (Shakespeare, Göethe, os trágicos gregos, Dostoiewsky) e das artes plásticas
(Leonardo da Vinci, Michelangelo). Utilizou-se do alemão como língua materna, tendo
sofrido resistência dos franceses mais pela influência da cultura germânica do que por
ser judeu como havia acontecido com Einstein. Várias vezes lastimou não dominar o
1
Psicanalista, membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil/PE. E-mail: [email protected]’
1
www.interseccaopsicanalitica.com.br
hebraico, considerando falha na sua cultura, ficando impossibilitado de ler a dedicatória
do seu pai na bíblia que lhe foi presenteada (Carta a A.A. Roback a 20 de fevereiro de
1930 publicada em “Correspondances”. (5)
A sede pulsional em psicanálise que se situa entre o somático e o psíquico é
interpretada por Fuks (2, p. ) como a marca judaica no corpo e na linguagem de Freud: o
fato da circuncisão após sete dias do seu nascimento e a dedicatória na bíblia da família
presente recebido do pai no trigésimo quinto aniversário revela o desejo do pai na
constituição do filho:
“...Filho que me é querido, Shelomoh.. No sétimo dia dos anos de tua vida, o
Espírito do Senhor começou a te animar e falou em ti: “Vai. Vê meu livro
que eu escrevi e nele irromperão para ti as fontes da compreensão, do
conhecimento e da sabedoria. Vê, é o Livro dos livros do qual sábios
escavaram e legisladores aprenderam conhecimento e julgamento. Uma
visão do Todo-Poderoso tiveste, ouviste e te esforçaste para fazê-lo, e te
elevaste nas asas do Espírito”. Desde então o Livro tem sido guardado
como um fragmento das tábuas em uma arca comigo. Para o dia em que
seus anos chegaram a cinco mais trinta, pus nela uma capa de pele nova e
chamei-o: “Brota, ó poço!. Entoai-lhe cânticos.” E o dei a ti como
comemoração e lembrança de amor de teu pai que te ama com perene amor.
Jakob filho de R. Shelomon Freud”(1, Vol. XX).
A palavra escrita transmite o desejo do pai revelando-se como identificação no
discurso pronunciado pelo filho na B’nai B’rith pela voz do médico e amigo Ludwig
Braun: (1, Vol. XX):
“...o que me ligava ao povo judeu não era (envergonho-me de admitir) nem
a fé nem o orgulho nacional..., mas restavam muitas outras coisas que
tornavam a atração do mundo judeu e dos judeus irresistível - muitas forças
emocionais obscuras que eram mais poderosas quanto menos pudessem ser
expressas em palavras, bem como uma nítida consciência de identidade
interna, reserva segura de uma construção interna comum. E além disso
havia uma percepção de que era somente à minha natureza judaica que eu
devia duas características que se tornaram indispensáveis no curso da
minha vida. Por ser judeu encontrei-me livre de preconceitos que
restringiam outros no uso de seu intelecto; como Judeu estava preparado
para aliar-me à Oposição e passar sem o consenso da maioria compacta ”.
Freud figurou no Index da Igreja Católica em consequência do seu ateísmo;
rotulado pelo moralismo da época como pansexualista, resistiu à pressão de Jung,
mantendo-se fiel a um dos postulados fundamentais da psicanálise: a etiologia sexual
das neuroses. Em “O futuro de uma Ilusão” (1, Vol. XX, p. 15) reafirma seu ceticismo
religioso, colocando no futuro da ciência a esperança de solução dos conflitos humanos.
2
www.interseccaopsicanalitica.com.br
A referência a um sentimento “Oceânico” representa um transcender do puro
materialismo de que era acusado em consequência do seu ateísmo.
No trabalho “Uma dificuldade no caminho da Psicanálise” (1, Vol. XVII )
procura explicar as feridas narcísicas do homem: a primeira de caráter cosmológico
decorrente da afirmação de que a Terra não era o centro do sistema planetário, mas o
Sol. Verdadeira revolução copernicana aponta para a indisposição do homem com
relação ao novo, suscitando revolta; a segunda, de caráter biológico, diz respeito à
origem animal do homem oposição à concepção vigente da origem divina do homem –
teoria evolucionista de Darwin; finalmente, um terceiro golpe ao narcisismo infligido
pela psicanálise com a teoria do inconsciente, afirmando não ser o homem senhor da sua
própria casa. O cogito cartesiano é esmagado por forças internas cuja origem o homem
desconhece. As forças pulsionais se afirmam em detrimento do império da vontade e da
razão, provocando no mundo violenta reação de caráter moral, ético, religioso e
científico. Freud descreve o que tais descobertas produziram nele ao mergulhar nas
profundezas da vida instintiva humana:
“... alcançara minha primeira compreensão interna das profundezas da
vida dos instintos humanos... vira certas coisas que eram tranquilizadoras
e, mesmo de início, assustadoras. Por outro lado, a comunicação das
minhas descobertas desagradáveis teve como resultado a ruptura da maior
parte os meus contatos humanos; senti-me como se fosse desprezado e
universalmente evitado... Em minha solidão fui presa do anseio de encontrar
um círculo de homens de escol de caráter elevado, que me recebesse com
espírito amistoso, apesar da minha temeridade. Vossa sociedade foi-me
indicada como o lugar onde tais homens seriam encontrados. Foi assim que
me tornei um dos vossos... Não houve absolutamente qualquer dúvida em
convencer-vos das minhas teorias. Numa época em que na Europa ninguém
me dava ouvidos e eu não tinha nenhum discípulo nem mesmo em Viena,
Vós me concedestes vossa amável atenção. Vós fostes meu primeiro
auditório...”(1, Vol. XX).
Reafirmando sua identidade com o povo judeu neste mesmo discurso
registramos: “O fato de serdes judeus só me poderia ser agradável, pois eu próprio sou
judeu e sempre me parecera não somente indigno como positivamente insensato negar
esse fato...” (1, Vol. XX).
Neste sentido Freud escreveu ao Dr. Siegfried Fehl: “...espero que o senhor não
ignore que sempre me mantive fiel ao nosso povo, e nunca pretendi ser senão o que
sou: um judeu da Morávia, cujos pais provém da Galícia austríaca...” (4, pg. 540-542).
3
www.interseccaopsicanalitica.com.br
Assim Freud afirma sua cidadania, característica ligada à condição de pessoa,
um dos traços formadores do sentimento de identidade – um sentimento que liga as
pessoas no tempo e no espaço, na profissão e ou em qualquer outra atividade reveladora
de uma pertinência grupal.
A Maria Bonaparte em maio de 1926, após seus setenta anos, expressa:
“... Têm me festejado como um herói nacional, embora meu mérito na causa
judaica se restrinja ao fato de que jamais neguei meu judaísmo...” (
).
Em consequência do sionismo, levado a opinar sobre o tema, lastima que os
judeus estivessem despertando suspeitas nos árabes:
“... A mim pareceria mais compreensível fundar uma pátria judaica em solo
novo historicamente desobstruído...”
Peter Gay refere-se à identidade judaica de Freud como enfaticamente singular.
Considera assustador o abismo intelectual entre ele e os judeus batizados que
praticavam a fé dos seus pais. Tão ateísta quanto judeu, Freud nos adverte contra o risco
do discurso religioso na psicanálise (carta a Pfister, 25.11.1928), propondo um modelo
de cientificidade original, ao sugerir as associações livres no trabalho clínico, voltado ao
indizível, à inquietante estranheza do homem que vai além da memória (3 ,p. 56).
Por ocasião da morte de David Edler, seu colega e amigo, em carta dirigida a
Bárbara Low, diz Freud: “... éramos judeus e sabíamos que carregávamos essa coisa
milagrosa que - até agora inaccessível a qualquer análise - faz o judeu ( 3, p. 74).
Ao que interpreta Fuks ( 3, p.74) observando o judaísmo de Freud:
“ É como se fosse possível surpreender em Freud, para além da identidade
judaica, uma judeidade infigurável e inominável, que se traduz pela busca
permanente de si mesmo!... seu êxodo permanente de uma identidade fixa e
imutável, espelhada em qualquer mimética religiosa e política...”
Até podemos concluir a partir dessa afirmação que tal característica, avessa ao
“fixo e imutável” não se refere exclusivamente a uma herança recebida por Freud do
povo judeu. Nem o seria de uma raça específica. Diz respeito à sua vocação como
homem de ciência que não obedece aos limites do pensamento dominante – as ciências
do século XIX, notadamente a psicologia e a psiquiatria. Mas um conhecimento que
procede de um outro registro e se constrói por uma metodologia compatível com o seu
objeto de trabalho – o inconsciente e a sexualidade.
4
www.interseccaopsicanalitica.com.br
Como observa Peter Gay a Judeidade de Freud é absolutamente singular... As
identificações formadoras da identidade são seletivas, parciais e não se produzem
maciçamente. (2) Essa seletividade sempre se faz em função do desejo que é sempre o
desejo do Outro.
Opondo-se à valorização da racionalidade, da coerência e da identidade como
formas de verdade a psicanálise se oferece como método de escuta do incoerente, do
não-idêntico e do deformado, sempre obediente à lógica do Outro (3 ).
Resultante de um processo de identificações sucessivas, processo inconsciente
que tem início nas primeiras relações interpessoais, inferimos o quanto a partir das
palavras de Jakob, “homem bem vestido, portando um gorro de pelo novo, num dia de
sábado”, após haver se resignado e obedecido a um pequeno ofensor cristão “Judeu,
desça da calçada...produziu-se em Freud uma identificação com Aníbal.
Podemos ler nesta fantasia identificatória a expressão do desejo de vingar as
humilhações do pai e solapar o cristianismo, substituindo o papado de Roma por um
“papado internacional da Razão” (3, págs. 154,56). Sua identificação ao pai neste
episódio reforça sua aliança com o judaísmo. Tais identificações se sucederam,
caminhando em direção ao povo estigmatizado pelo antissemitismo.
Karl Abraham chama nossa atenção para a homologia estrutural entre a
interpretação talmúdica e a interpretação psicanalítica, vendo nisso um sinal de
identificação de Freud com os judeus, na forma como desenvolve seus estudos. Numa
carta que lhe enviou, diz:
“Fui cativado de um modo singular na leitura dos Chistes e sua relação com
o Inconsciente” ao considerá-lo mais detalhadamente por sua técnica e em
toda a sua composição, completamente talmúdico”.(3, p., 120).
Não cremos que as incursões da psicanálise sejam derivadas das formas de
pensar sobre o talmude. Longe de estabelecer esta ligação de caráter identificatório de
Freud com a metodologia do talmude, como afirmam Fuks e Abraham, o fato de a
interpretação psicanalítica não se propor a fazer sínteses para o paciente e de se abrir à
multiplicidade de sentidos, não significa que seja herança judaica advinda do manejo do
talmude. A metodologia utilizada na descoberta da psicanálise é decorrência dos seus
próprios objetivos, sem apelo a modelos de cunho religioso ou da tradição, mas da
proposta de operar com o desejo do homem na via da subjetivação. Por isso as sínteses
são da alçada do paciente e das suas escolhas. (3 )
5
www.interseccaopsicanalitica.com.br
Freud sempre reagiu à tradição hermenêutica explicativa e descritiva que
reduziam o sujeito a um mero objeto interpretável dentro de um código pré-fixado;
preferiu convocar a palavra mesmo “vindo de fora para dentro” priorizando a escuta do
outro, apelar para um sentido prévio. Mas não podemos afirmar que tais orientações
sejam uma identificação ao modo de pensar e de ler o talmude. Coincidência não é
decorrência. Diferentemente desta metodologia e dos objetivos de estudo, a psicanálise,
na busca do conhecimento, dirige-se às “profundezas” do homem, fazendo-o defrontarse com a condição de desejante.
Ler o inconsciente é procurar decifrar a língua do “Estranho”, linguagem do
Outro, diz Assoun é reconhecer a força de uma verdade singular e de uma verdade
histórica, é procurar o exílio mais recôndito, onde se escondem as letras para fazê-las de
novo navegar numa narrativa singular de um sujeito sempre em deslocamento (3, págs.
27, 81, 126, 164).
Concordando com Fuks, (3, p. 134) reconhecemos na psicanálise, como no
judaísmo e em outras ciências humanas, uma vocação de pensar e viver a história, a de
reconhecer a relação do passado como cenas conjugadas uma a outra, o passado
convivendo virtualmente com o presente. Virtual, apresenta-se como um conjunto de
singularidades que nada designa, nada significa até haver uma atualização significante
que demande interpretação. A reconstituição da história do sujeito na psicanálise não
consiste numa simples coleta de dados historiográficos: o recurso à memória tem como
função servir de apoio ao tornar-se sujeito. O tempo psicanalítico é devir, neste sentido,
por sempre remeter a uma outra história, numa cadeia análoga à cadeia significante.
Com relação a esse devir diz Lévinas: “o que marca o judeu é a impossibilidade
de se dizer sempre o mesmo...”
Ao que indagamos sem contestá-lo, procurando universalizar a afirmação: não
será essa uma contingência do humano em torno do que a clínica psicanalítica se move
excluindo a mesmidade?
Enfrentar esse dinamismo montado em um passado que
sempre se projeta para um amanhã?
Deixando-nos a impressão de que se tornou um judeu nacionalista ou religioso,
embora o houvesse expressamente negado no seu discurso na B’nai B’rith, assim se
pronuncia Freud quando consultado por Max Graff sobre o batizado do filho para
protegê-lo do antissemitismo: “... senão deixar seu filho crescer como judeu, vai priválo dessas fontes de energia que não podem ser substituídas por nada. Ele terá de
6
www.interseccaopsicanalitica.com.br
combater como um judeu, com toda a energia necessária para esse combate. Não o
prive dessa vantagem...” (3, p 30).
Não é o espírito judaico que leva Freud a fazer tal recomendação, mas sua
crença numa premissa fundamental relativa à formação do sujeito, que não diz respeito
a uma cidadania, a uma raça ou a uma religião. Na teoria psicanalítica a “vantagem” é
estimular a ação evitando os temores, negações e denegações, priorizando o
reconhecimento da pulsão, na via do desejo passível de ser simbolizado.
BIBLIOGRAFIA:
CAMPOS, Dulce. Identificação e Identidade. Tese de Mestrado. PUC. Rio deJaneiro,
1974.
FREUD, Sigmund. Obras Completas. Vol . I
- págs. 435-436-439-475-495-501- 503-
504-506. Imago, Rio de Janeiro.
______________. . Obras Completas. Vol. IV pág. 640. Imago, Rio de Janeiro.
______________. Obras Completas. Vol. XVII pág. 174. Imago, Rio de Janeiro.
______________. Obras Completas. Vol. XVIII pág. 91 em diante. Imago, Rio de
Janeiro.
______________. Obras Completas. Vol. XX pág. 315. Imago, Rio de Janeiro.
______________. Obras Completas. Vol. XXI pág. 15. Imago, Rio de Janeiro.
FUKS, Betty. Freud e a Judeidade. Zahar, Rio de Janeiro, 2000
GAY, Peter. Freud. Uma vida para o nosso tempo. Companhia das Letras: São Paulo,
2004
ROBACK, A.A. Correspondances.
ROUDINESCO, E. História da Psicanálise. A Batalha dos Cem Anos. Zahar, Rio de
Janeiro, 1986
Judeidade: o fato, maneira de ser judeu
Judaicidade: conjunto de pessoas judias
Judaísmo, conjunto das doutrinas e instituições judaicas (p. 405)
7
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards