Baixar este arquivo PDF - Revista Eletrônica Faculdade Montes Belos

Propaganda
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência de dengue no
município de São Luis de Montes Belos-GO1
Cilamar Aparecida da Costa2,Eliane Silva Alves², Jakelinny Mendes Pereira Alves²,
Maria Aparecida Ferreira Mariano², Linamar Teixeira de Amorim3
Resumo: O tratamento dos pacientes acometidos com Dengue está preconizado pela Organização Mundial de
Saúde no Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD) desde 2002, o que colaborou drasticamente para
a redução da incidência de casos. Este trabalho relata a construção de propostas em ações preventivas para a
redução da incidência de Dengue e internações pela doença, junto às equipes da Estratégia Saúde da Família e
unidade hospitalar do Município de São Luís de Montes Belos. A tabela foi construída por concluintes e
docentes do curso de Pós-Graduação em Saúde Pública Lato Sensu da Faculdade Montes Belos-GO. A
construção da tabela foi acompanhada e validada por profissionais e pesquisadores da área, a partir da coleta de
dados no Núcleo de Vigilância Epidemiológico in lócuo, do referencial teórico atualizado e orientações
preconizadas pelo Ministério da Saúde nas seguintes palavras-chave: Dengue, Prevenção e Políticas Públicas. A
realização da proposta em ações preventivas foi possível, a partir de dados coletados, considerando todos os
recursos estruturais e de pessoas, disponíveis do município, de modo a viabilizar a implementação das Políticas
Públicas já existentes para o controle da Dengue no Município.
Palavras-chave: Dengue, Prevenção e Políticas públicas de saúde.
Public politics of health for prevention and dedution of dengue incidence
in São Luís de Montes Belos - GO
Abstract: The treatment of the patients acometidos with Affection is praised by the World-wide Organization
of Health in the National Program of Control of Dengue (PNCD) since 2002, what it collaborated drastically
will be the reduction of the incidence of marries. This work tells you the construction of proposals in
injunctions will be the reduction of the incidence of Affection and internments will be the illness, next you the
teams of the Strategy Health of the Family and hospital unit of the City of São Luís de Beautiful Mounts. The
table was constructed by concluintes and professors of the course of After-Graduation in Public Health Broad
Sensu of the College Beauty Mounts. The construction of the table was folloied and validated will be
professionals and researchers of the area, from the collection of dates in the Nucleus of Monitoring
Epidemiologist in lócuo, of the theoretical referencial brought up you dates and orientações praised will be the
Health department in following the word-key: Public affection, Prevention and Politics. Proposal The
accomplishment of in injunctions was possible, from collected dates, considering all the structural resources
and of people, available of the City, in to order you make possible the implementation of existing the Public
Politics already will be the control of the Affection in the City.
Word-key: Affection, Prevention and public Politics of health.
1
Trabalho desenvolvido pelo departamento de Pós-Graduação em Saúde Pública da Faculdade Montes Belos.
Acadêmicas de Enfermagem da Faculdade Montes Belos. E-mails: ([email protected]; [email protected] ;
[email protected] ; [email protected] )
3
Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás. Docente da Faculdade do Curso de Pós-Graduação Latu Sensu da
Faculdade Montes Belos. E-mail: [email protected]
2
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
2
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
registrada no período de 1981 a 1982, em Boa Vista-
1. Introdução
RR, causada pelo sorotipo I e IV, desta forma, vem
A dengue é uma doença considerada como um
ocorrendo e geralmente associada à introdução de
dos principais problemas relacionado à saúde pública
novos sorotipos em áreas anteriormente indenes e/ou
no mundo estima-se que, 2,5 bilhões de indivíduos
alteração do sorotipo predominante (BRASIL, 2009).
encontram-se expostos ao risco de contrair dengue, e
Conforme Art. 2º decreto No 6.732, de 07 de
550 mil provavelmente necessitam de hospitalização
abril/2008 (D.O. de 10-04-2008) que estabelece no
aonde pelo menos 20 mil vem a óbito (BRASIL,
âmbito da administração direta e indireta do Poder
2009).
Executivo Estadual, o “dia especial de combate à
O Aedes aegypti não é nativo das Américas;
DENGUE”
e
dá
outras
providências.
Fica
foi inserido no Brasil a partir da África, possivelmente
estabelecido que os órgãos, as entidades e respectivas
no inicio do século XIX. Onde encontrou um meio
unidades administrativas adotarão, nas dependências
ambiente
e
de suas sedes, medidas de combate ao mosquito
reprodução, sendo erradicado do país em 1957 e
“Aedes aegypti”. Os órgãos e as entidades notificarão
reintroduzido em 1967 e novamente eliminado em
à
1973 (HINO, et al, 2010).
comprovados de incidência de DENGUE em seus
satisfatório
à
sua
sobrevivência
No Brasil, a Dengue encontra-se disseminada
por todo território nacional, o que consequentemente é
Secretaria
de
Estado
da
Saúde
os
casos
funcionários e em alunos da rede pública estadual de
ensino (BRASIL, 2008).
visivelmente classificado como epidemias. A Dengue
Este trabalho objetiva verificar a possibilidade
é uma doença viral transmitida pelos mosquitos Aedes
de redução das internações por dengue com propostas
aegypti e Aedes albopictus que pica apenas durante o
de ações preventivas, nas unidades da Estratégia
dia, ao contrário do mosquito comum (Culex), que
Saúde da Família (E.S. F) em São Luis de Montes
pica à noite (ARAGÃO, et al, 2010).
Belos - GO. Ele justifica-se pelo fato de ser a Dengue
Os episódios de Dengue no Brasil como
um problema de saúde pública e sua alta incidência no
epidemia não deve ser considerada como uma
município de São Luiz de Montes Belos, bem como
singularidade, mas sim, observados os pontos críticos,
pelo alto risco de exposição da população a morbi-
tanto no ponto de vista biológico, ambiental, social e
mortalidade
institucional. Há desafios relacionados a atividades de
hemorrágica, doença passível de prevenção. Medida
vigilância e eliminação de reservatórios infestados ou
efetiva para a sensibilização da comunidade e equipe
potenciais, elemento importante para a promoção e
multiprofissional para a reorganização dos serviços
prevenção de saúde (LENZI & COURA, 2004).
em saúde nas ações básicas de saúde. A metodologia
A primeira epidemia de dengue registrada e
documentada clinica e laboratorialmente no Brasil foi
empregada
causada
refere-se
pela
a
dengue
consultas
clássica
em
e
fontes
secundárias informais de informação no Núcleo de
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
3
C. A. Costa et al.
Vigilância
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
Epidemiológica,
bem
como
de
A avaliação inicial para identificar casos de
profissionais que atuam na atenção básica na rede
Dengue, pode ser realizada no exame clinico do
pública de saúde no município de São Luís de Montes
paciente, através da prova do laço, pois pode ser a
Belos - GO.
única manifestação hemorrágica de casos complicados
Para assegurar a viabilidade desta proposta e
fundamentar
a
sua
construção,
buscou-se
embasamento teórico de análise e realização, no
de FHD, podendo representar a presença de
plaquetopenia ou de fragilidade capilar (BRASIL,
2010).
método dedutivo e dialético. Referem que a partir das
O diagnóstico da doença é predominantemente
teorias e leis, a maioria das vezes prenuncia a
clínico, manifesta-se de várias formas desde um
ocorrência dos fenômenos particulares, bem como o
simples resfriado a uma febre hemorrágica e choque.
método dialético que adentra o mundo dos fenômenos
O exame da sorologia deve ser feito para controle da
através de sua ação recíproca, da contradição inerente
vigilância epidemiológica, pois em geral é inútil na
ao fenômeno e da mudança dialética que ocorre na
realização do tratamento. Desta forma, é indicado
natureza e sociedade (MARCONI & LAKATOS,
colher após sete dias do início dos sintomas, pois os
2001).
anticorpos
do tipo
IgM
contra o
vírus
são
identificados desde o 6º dia e perduram até 90 dias, já
2. Revisão teórica
o IgG é detectável nos primeiros dias, até dois ou três
dias após a infecção (ARAGÃO, et al, 2010).
A dengue é uma doença do gênero flavivírus
Os sintomas surgem de uma hora para outra,
família flaviviridae, com existência de múltiplos
geralmente de 3 a 5 dias depois da picada, e variam de
sorotipos da dengue classificados em: (1, 2, 3,4). A
acordo com o tipo da dengue: Dengue Clássica, com
infecção possui um vasto aspecto clinico capaz de
febre alta (hiperemia), dor de cabeça (cefaléia) e atrás
acometer o indivíduo de forma sintomática ou
dos olhos (dor retrocular), perda do paladar e do
assintomática, até mesmo evoluir para a letalidade
apetite (anorexia), manchas e erupções na pele
(CASAI, et al. 2004; BRASIL, 2007).
(petéquias, prurido), náuseas, vômitos, tonturas,
O fator de transmissão da dengue envolve a
cansaço, moleza, mal estar geral (astenia), dor nos
necessidade do conhecimento sobre os seus múltiplos
ossos e nas articulações (mialgia e artralgia)
fatores determinantes, desta forma, requer estudos
(BRASIL, 2010).
multidisciplinares, na questão do urbanismo, da
Quanto a Dengue Hemorrágica, além dos
sociologia, educação, geografia e epidemiologia.
sintomas da dengue comum a outras que agravam o
Assim, é preciso ponderar sobre as questões como a
quadro como dores abdominais fortes e contínuas,
ocupação do espaço urbano, fatores culturais e
vômitos persistentes, pele pálida (hipocorada), fria,
educação para a cidadania. (PESSANHA, et al, 2010).
úmida, sede excessiva, (polidipsia), sonolência,
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
4
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
agitação, confusão mental, dificuldade para respirar
Os modelos de controle de doenças, pautados,
(dispnéia), perda de consciência e hemorragia pelo
fundamentalmente, no combate químico, sem a devida
nariz, boca e gengivas (BRASIL, 2008).
participação da população, integração intersetorial e
A identificação e classificação da dengue são
de suma importância para determinar ações e
com escassos recursos de análise epidemiológica, são
incapazes de obter sucesso (FERREIRA, et al, 2009).
programar medidas preventivas, a fim de evitar
A doença é de transmissão basicamente
consequências mais danosas à saúde da população,
urbana, ambiente fundamental para sua ocorrência: o
desta
vigilância
homem, vírus, vetor e especialmente as condições
epidemiológica e a efetivação de planos para o
políticas, econômicas e culturais que formam a
controle da dengue nas várias estâncias (BRASIL,
estrutura que facilita o estabelecimento da cadeia de
2007).
transmissão. Assim, existi a necessidade de se
forma
prima
pela
área
de
A diversidade intra-urbana na infestação da
dengue é, em grande parte dependente de indicadores
gerarem dados e ações efetivas de prevenção e
controle da dengue (HINO, et al, 2010).
contextuais de vulnerabilidade, e não de indicadores
A relação entre transmissão da dengue e
individuais. Desta forma, o exemplo de vigilância
condições socioeconômicas e ambientais é uma
epidemiológica, com base em informação passiva de
questão a ser avaliada, de modo a considerar a
casos, se mostra deficiente para detectar de forma
realidade de cada município, bem como outras
precoce o risco aumentado de epidemias de dengue e
variáveis: a efetividade das medidas de controle, o
o controle mais efetivo das ações (PESSANHA, et al,
grau de infestação pelo vetor, os hábitos e
2010).
comportamentos da população (RESENDES, et al,
Com o avanço da epidemicidade dos múltiplos
2010).
sorotipos da dengue, é previsto um aumento de casos,
nas
suas
várias
formas,
tanto
clássica
O contexto socioeconômico é caracterizado e
como
apresenta forte relação à doença pela falta de
hemorrágica, por isso, medidas de profilaxia, como
saneamento ambiental, saneamento básico, serviço de
eliminar os focos de reprodução, removendo água
coleta de lixo, domicílios em que o lixo é jogado em
parada no interior de garrafas, pneus e vasos,
terreno baldio ou logradouro; condições de renda e de
tampando caixas d'águas; usando telas protetoras em
acesso a bens de consumo, escolaridade, densidade
janelas e portas, são medidas imprescindíveis para
populacional urbana (ALMEIDA; MEDRONHO;
impedir o acesso e proliferação do mosquito, bem
VALENCIA, 2009).
como usar inseticidas e desinfetantes para reduzir a
Deste modo, ao se referir à heterogeneidade
presença dos mosquitos são essenciais e devem ser
espacial de distribuição de casos e/ou incidência de
amplamente divulgadas (ARAGÃO, et al, 2010).
casos
da
dengue,
remete-nos
também
à
heterogeneidade espacial de condições de vida. Cada
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
5
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
região ou localidade tem história própria, fruto de
estâncias na educação em saúde, primando informar à
processos sociais e políticos singulares. Assim,
população sobre a doença, o vetor, as medidas
expressa
os
preventivas e melhoria das condições de vida,
processos de transmissão da doença em que se
urbanização, saneamento básico e habitação (HINO,
concretizam, com diferentes padrões de condições de
et al, 2010).
suas
particularidades,
bem
como
vida e, diferentes riscos de contrair a dengue
(FLAUZINO, et al., 2009).
Atualmente,
é
realizada
a
vigilância
virológica laboratorial a fim de, detectar o vírus
É apropriado salientar que, em acréscimo a
dengue dentro do mosquito vetor, sinalizando para os
falta de serviços essenciais dispensados a população
sistemas de monitoramento possíveis casos de surtos
como água tratada, instalações sanitárias, serviços de
de
esgoto e coleta de resíduos sólidos, práticas sanitárias
SANTOS; BARBOSA, 2009).
dengue,
prevenindo
epidemias
(COSTA;
e educação em saúde, configuram um conjunto
A Dengue é transmitida pela picada do
peculiar de fatores de risco para o surgimento de
mosquito Aedes aegypti que libera o vírus e, o atual
doenças (GIATTI, et al, 2007).
programa de controle não contempla o objetivo de
O ciclo de vida do Aedes aegypti se mantém
ativo no período de estiagem, através de criadouros
impedir
sua
transmissão
causando
a
doença
(BARBOSA & LOURENÇO, 2010).
artificiais permanentes, como caixas d'água e caixas
A conduta terapêutica basicamente indicada
de passagem do sistema hidrossanitário. O mosquito
consiste na hidratação oral; uso de antitérmicos e
sobrevive em densidade baixa, mantendo viável o
analgésicos, antieméticos e outros são indicados a
suficiente para que haja a transmissão contínua,
partir do diagnóstico e clínica médica (BRASIL,
embora em declínio, no período seco (SOUZA;
2007).
SILVA & SILVA, 2010).
O interesse em analisar criticamente como
Certamente, o panorama de incidência da
ocorre às ações educativas para prevenção e controle
doença indica uma necessidade de revisão da
da dengue é justificada pela sua relevância e pelo fato
estratégia de controle e a adoção de um novo olhar
de acreditar que para o controle da infestação do
para o surgimento desta doença (FERREIRA, et al,
Aedes aegypti é vital a adesão da população. Desta
2009).
forma, apesar da literatura existente, identificou-se a
As ações de prevenção da dengue requerem
escassez de estudos com o enfoque que se querem
um desafio para os serviços de saúde, pois atualmente
imprimir, tais conhecimentos são necessários para
é pautado no combate ao vetor, o Aedes aegypti, único
desenvolver estratégias mais efetivas e contribuir para
transmissor com importância epidemiológica nas
as políticas de prevenção e controle da Dengue
Américas. Necessita assim, repensar a atual estratégia
(SALES, 2008).
de controle da doença, devendo envolver as diversas
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
6
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
É possível afirmar ainda, que os modelos de
controle
para
doenças
endêmicas,
pautados,
mosquito Aedes aegypti ocorre à disseminação de
mosquito contaminado pela sua alta incidência no
basicamente, no combate químico, sem a devida
município,
o
ocorrendo
consequentemente
à
valorização e estímulo à participação da população,
desestruturação dos serviços em saúde local levando a
sem a integração intersetorial e com poucos recursos
elevada incidência de casos de dengue.
de análise epidemiológica, são incapazes de obter
Considerando que a sociedade brasileira e,
resultados satisfatórios nas ações (FERREIRA, et al.,
especificamente a montebelense, nos últimos anos
2009).
tem sofrido com a alta ocorrência da dengue deve-se
pensar como é que pode ser minimizada por meio de
ações preventivas e educativas. É possível afirmar
3. Material e Métodos
que, apesar de muitas equipes de profissionais
O município de São Luis de Montes Belos
comporem a área da saúde local, na Estratégia Saúde
situa-se na região Oeste de Goiás a 120 km de
da Família (ESF), rede hospitalar, núcleo de
Goiânia capital e cuja população estimada de 29.822
vigilância epidemiológica, e outros serviços, a
habitantes pelo Instituto Brasileiro de Geografia
assistência e ações voltadas para prevenção da
(IBGE, 2010). O estudo foi realizado referente ao
infestação do mosquito e da dengue, está concentrada
período de janeiro de 2007 a dezembro de 2010 em
nas mãos de poucos. O que dificulta a adesão popular
São Luis de Montes Belos - GO,
para as ações de prevenção à dengue. Daí a
Neste período, porque segundo a pesquisa, até
2007 as notificações eram deficientes e realizadas
aleatoriamente a digitação no sistema de notificação
necessidade de uma análise baseada no princípio da
contradição.
Desta
forma,
proposta
ações
para
o
direcionadas
a
de agravos do Ministério da Saúde no SINAN. Além
desenvolvimento
do fato que da Dengue apresenta-se como grave
conscientização da população para a redução dos
problema de Saúde Pública, acometendo a população
índices de incidência da dengue se basearam na
com alta incidência, bem como a exposição dos
avaliação acadêmica no curso de pós-graduação em
montebelenses a morbi-mortalidade causada pela
Saúde Pública e da necessidade de contribuir com as
dengue, doença passível de prevenção e controle.
Políticas Públicas de Saúde
GO,
de
a
já existentes
no
O município de São Luís de Montes Belos -
município. A fim de, servir como atores na construção
oferta
de propostas em saúde, para
serviços
a
outros
municípios
o fortalecimento do
circunvizinhos no hospital municipal local, através de
Sistema Único de Saúde (SUS) em colaboração com
pactuação entre gestores municipais. Desta forma,
profissionais,
recebe inúmeros pacientes com diversas patologias e
características estruturais, nos materiais disponíveis e
referencial
teórico
existente
e
entre elas, a dengue. Com a alta infestação do
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
7
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
recursos humanos das unidades da Saúde e ESF do
porte (público municipal e particular), um Centro de
Município de São Luís de Montes Belos.
Especialidades
Odontológicas
(CEO),
quatro
Para tanto, buscou-se como fundamentação
laboratórios de análises clínicas, (01 público e 03
teórica, a revisão de literaturas do Ministério da Saúde
conveniados), um Centro de Reabilitação (CRER)
(MS) e 30 artigos científicos consultados com
municipal,
publicações na base de dados da SCIELO, referente o
especialidades médicas e radiológicas. Uma unidade
período de 2007 a 2010, sendo 15 artigos refinados e
de Reabilitação de Assistência Social (CRAS), quatro
utilizados nas seguintes áreas temáticas: Dengue,
clínicas de Fisioterapia (conveniadas), um Núcleo de
Incidência, Prevenção e Tratamento. Otimizando a
Vigilância Sanitária, um Núcleo de Vigilância
construção da tabela com as possíveis ações de
Epidemiológica,
prevenção e controle de vetores para a redução dos
(FUNASA), um Centro Regulador (SISREG), uma
índices incidência e de internações por dengue,
Unidade Móvel do SAMU, sete unidades de
implementando
pelo
Estratégia Saúde da Família (04 urbanas, 02 mistas e
Ministério da Saúde, para prevenção e atendimento ao
01 rural). Além do apoio de unidades de referencia e
paciente acometido por dengue na unidade hospitalar
contra referencia de alta complexidade como Hospital
e na Estratégia Saúde da Família (ESF).
das Clinicas de Goiânia (HC-UFG); Hospital Geral de
propostas
preconizadas
duas
Clínicas
Fundação
(conveniadas)
Nacional
de
de
Saúde
Ao passo que se propunha a construção dessa
Urgências e Emergência (HUGO); Hospital Materno
proposta, seguia-se, avaliação dos indicadores de
Infantil (HMI); Hospital de Doenças Tropicais
saúde através dos casos notificados no SINAN e a
(HDT); Laboratório Central (LACEN) de Goiânia.
avaliação
de
números
reais
de
casos,
com
Desta forma, apresenta, portanto, um contexto
levantamento de casos autóctone do município, e/ou
onde atuam cotidianamente médicos, enfermeiros,
não notificados na rede hospitalar e Núcleo de
odontólogos,
Vigilância Epidemiológico in lócuo. O que valida e
psicólogos, nutricionistas, técnicos de enfermagem,
remete a necessidade de implementar as ações em
técnicos em radiologia, técnicos de próteses dentárias,
vigilância em saúde no município. Assim, o mesmo
auxiliar
foi avaliado e reavaliado pelos atores, até sua
fonoaudiólogos, agentes de endemias e agentes
consolidação e aprovação junto aos profissionais de
comunitários de saúde.
fisioterapeutas,
de
consultórios
assistentes
social,
odontológicos,
saúde das unidades da ESF e a aceitação de líderes ou
O município mantém em atividade sete
coordenadores das unidades ESF e hospital local, e
equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) com a
apoio de profissionais em saúde com larga experiência
área de abrangência e cobertura das ações em saúde
na temática e de outras unidades.
da Família contemplando 85% da totalidade da
O sistema de saúde do município de São Luís
população. Cada equipe da ESF compõe-se médico,
de Montes Belos conta com dois hospitais de pequeno
enfermeiro, técnico ou auxiliar de enfermagem,
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
8
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
agentes comunitários de saúde, agentes de endemias,
níveis de infestação dos vetores, para assim, controlar
odontólogos, auxiliares de consultório odontológico,
a transmissão das doenças, e consequentemente
recepcionistas, e auxiliares de serviços gerais.
evitarem as epidemias (BRASIL, 2011).
Nesse
sentido,
é
possível
perceber
a
Segundo o critério de avaliação do Ministério
importância do investimento na saúde em relação à
da Saúde (2010) o município é considerado como
conscientização da população e profissionais para o
hiperendêmico para a incidência de casos de dengue
desenvolvimento de ações que favoreçam a redução
clássico tipo I, conta com a somatória de 1.753 de
dos índices de incidência da dengue no município,
casos examinados (SINAN, 2011). Sendo 1.066,
através do controle de infestação dos vetores.
confirmados através de critério Laboratorial (LACEN)
Acredita-se que o sucesso das propostas em
como dengue clássico tipo I e descarte de 687 como
relação à redução da incidência da dengue e
negativo
para
dengue,
através
implementação das ações em serviços no município,
laboratório/clínico e epidemiológico.
de
vinculo
se dará a partir da estruturação, operacionalização e
Dos confirmados, houve 15 hospitalizações,
conscientização da população quanto ao grave
com 05 casos de dengue tipo III, com complicações e
problema de Saúde Pública que envolve a prevenção
03 óbitos, além 1.174 casos atendidos, com campo em
da dengue.
branco para hospitalização na ficha de notificação
dados referente ao período de janeiro de 2007 a
dezembro de 2010, obtidos no Sistema de Informação
4. Resultados e Discussão
Nacional de Agravos de Notificação (SINAN, 2011).
É possível perceber que as doenças endêmicas
Desta forma, a incidência de casos novos de
transmitidas por vetores como Malária, Doença de
dengue permanece muito acima do preconizado pelo
Chagas, Dengue, e outros devem ser controlados por
Ministério
não
como
inconclusivos para internação, o que demonstra
existem para algumas doenças transmissíveis. Desta
preocupantes em relação à gravidade dos casos de
forma, são imprescindíveis que seja controlado os
dengue. Conforme quadro 1 abaixo:
existir
imunobiológicos
disponíveis,
de
Saúde
(MS),
além
de
dados
Quadro 1: Casos de dengue em São Luís de Montes Belos - GO/2007-2010.
Anos de Referencia
2007
2008
2009
2010
Total de Casos
303
212
333
905
Dengue Clássico
146
123
249
548
Dengue com Complicações
02
0
01
02
Casos Descartados
149
89
83
351
Aguardando Resultados
06
0
0
04
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
9
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
Hospitalizados
01
Campo em Branco para 291
hospitalização
(ficha
01
03
11
212
330
341
0
01
02
de
notificação do SINAN)
Total de Óbitos por Dengue
0
FONTE: Pesquisa de campo com base em informações secundárias do SINAN_NET/ (BRASIL, 2011)
Ao analisar a incidência de casos registrados
Nesse sentido, as diretrizes preconizadas para
de dengue no período de 2007 a 2010, percebe-se a
a elaboração das ações deverão estar pautadas nos
elevação crescente da curva e o salto de 2009 para
indicadores epidemiológicos, segundo a realidade
2010. Assim, demonstra que os casos tiveram maior
local e as preconizadas pelo Ministério da Saúde nas
incidência, ou a melhora no registro dos, nesse
Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de
sentido, é preciso imprimir um olhar crítico nessas
Epidemias de Dengue (2009). Avaliar a classificação
questões e avaliar todas as possibilidades, a fim de
de risco de epidemia, organização dos serviços,
construir ações em saúde mais direcionadas e
estratégias, melhoria dos indicadores em saúde e
consistentes.
promover melhor resolutividade nos serviços quanto à
incidência de casos de Dengue, conforme gráfico 1
abaixo:
Gráfico 1 - Incidência de Casos de Dengue
ANO X N° DE CASOS
1000
905
800
600
400
333
303
212
200
N° DE CASOS
0
2007
2008
2009
2010
FONTE: Pesquisa de campo com base em informações secundárias do (SINAN_NET/BRASIL, 2011)
Partindo deste contexto, é de fundamental
importância a intensificação da eliminação de
vulneráveis devam ficar descobertos de ações
preventivas.
criadouros até o controle de formas aladas, permitindo
Considerando o cenário, recomenda-se aos
a focalização e racionalização dos recursos. Porém,
municípios, principalmente aqueles de risco alto ou
isso não significa que outros municípios menos
muito alto para epidemia de dengue, a adoção
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
10
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
imediata das ações de reconhecimento da dengue
A finalidade desta avaliação seguinte de
como prioridade em saúde pública. Além de garantir
acordo com Brasil (2010) é de fornecer subsídios que
apoio logístico aos técnicos do Núcleo de vigilância
possam auxiliar na identificação de cidades que
epidemiológica
necessitam de maior intensificação das ações de
e
controle
de
vetores
para
monitoramento da situação e desenvolvimento das
combate ao
vetor,
desde a
intensificação
da
ações preventivas durante todo ano.
eliminação de criadouros até o controle de formas
Além das ações em saúde preventiva, é
aladas, permitindo a focalização e racionalização dos
necessário que haja notificação oportuna de todos os
recursos. Porém, isso não significa que municípios
casos suspeitos de dengue pelas unidades de saúde
menos vulneráveis devam ficar descobertos.
pública e privada; comunicação imediata dos casos a
Segundo Brasil, (2010), Municípios goianos
equipe de controle de vetores; atualização periódica
que apresentam vulnerabilidade para ocorrência de
dos dados epidemiológicos no SINAN; organização
dengue no período de transmissão 2010/2011.
dos serviços de saúde com prioridade para a Atenção
Classificação para ocorrência de epidemia: Goiânia
Básica, a fim de, estabelecer rede de referência e
(risco moderado); São Luís de Montes Belos -GO
contra-referência para o atendimento do paciente;
(risco muito alto) conforme Figura 1 abaixo:
capacitação de profissionais de saúde em manejo
clínico do paciente com dengue; Implementação de
ações de comunicação e mobilização social em
parceria com a iniciativa privada e outros setores; bem
Figura 1 - Classificação de municípios segundo
vulnerabilidade para ocorrência de epidemias de
dengue no período de transmissão 2010/2011 em
Goiás.
como a avaliação periódica de resultados.
A Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO)
vai utilizar a tecnologia do celular como estratégia
educativa da população, por meio de mensagens. Será
feito o alerta diário contra a dengue, conforme boletim
informativo da SES, nas primeiras semanas do ano foi
registrado 3.812, e um caso de óbito confirmado, em
Luziânia, outros cinco óbitos suspeitos estão sob
investigação das cidades de Anápolis, Aparecida de
Goiânia, Itapuranga, Portelândia e Goiás. Embora a
Classificação para ocorrência de epidemia.
queda registrada em comparação ao mesmo período
1 – Amarelo Claro - Moderado (27,24%)
do ano passado seja de 86%, os casos de dengue ainda
2 – Amarelo Fechado-Moderado Alto (26,83%)
são preocupantes (BRASIL, 2011).
3 – Laranjada - Alto (25,20%)
4 – Marrom - Muito Alto (20,73%)
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
11
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
Quanto às medidas imediatas de controle da
dengue,
FONTE: BRASIL, 2010.
exige
sem
dúvida,
um
esforço
dos
profissionais e autoridades de saúde, e o envolvimento
de outros setores da administração do município, a
Conforme,
mostra
o
texto
anterior,
o
município de São Luís de Montes Belos apresenta
exemplo da limpeza urbana, abastecimento de água,
saneamento, educação em saúde, entre outros.
casos de dengue como grave problema de Saúde
Publica e vulnerável para a ocorrência de epidemia
em dengue.
É necessário ainda, que as ações para controle
da dengue sejam feitas de maneira intersetorial e
contínua com participação efetiva de cada morador,
Segundo o Programa Nacional de Controle da
Dengue (PNCD) que caracteriza as áreas do
país de acordo com a taxa de incidência, onde
as áreas de baixa incidência são regiões,
estados ou municípios com taxa de incidência
menor que 100 casos por 100.000 habitantes;
e áreas de média incidência as regiões, estados
ou municípios com taxa de incidência entre
100 e 300 casos por 100.000 habitantes e
áreas de alta incidência as regiões, estados ou
municípios com taxa de incidência maior que
300 casos por 100.000 habitantes o que
caracteriza a Região Centro-Oeste como o de
maior taxa de incidência do país (827 casos
por 100.000 habitantes), sendo classificada como
região de alta incidência de dengue. Em 2007
foram notificados 111.757 casos e confirmados
192 casos de FHD (Dengue Hemorrágico), sendo
que 35 destes evoluíram para óbito (BRASIL,
2010).
Partindo desse contexto, para ocorrer à
redução da incidência de casos de dengue e minimizar
os agravos à saúde da população, a melhor forma está
em aplicar
medidas
preventivas,
combater
os
criadouros que possam acumular água como: latas,
embalagens, garrafas, copos plásticos, tampinhas de
refrigerantes, pneus velhos, pratos de vasos de
plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d’água,
tambores, latões, lajes das casas, cisternas, sacos
plásticos, lixeiras, floreiras de cemitério, calhas em
desnível que escorrem as águas de chuva e ralos, entre
como
sujeitos
na
construção
da
saúde
e
multiplicadores de informação, assim, a única maneira
é dificultar a proliferação do mosquito, interrompendo
seu ciclo de reprodução, ou seja, impedindo que os
ovos sejam depositados em locais com água limpa e
parada desfavorecendo sua eclosão, o que geralmente
ocorre após vários meses de estiagem das chuvas
(BRASIL, 2008).
Colaborar com as ações e serviços em saúde
no Município de São Luís de Montes Belos - GO,
para a prevenção e redução da alta incidência de casos
de Dengue, bem como os seus agravantes causados
pela presença e a alta infestação do vetor Aedes
aegypti
foi
proposto
à
construção
de
ações
preventivas, onde se fazem necessárias a adesão de
equipe multiprofissional, Gestores e comunidade
local. Para o sucesso desta, deverão ser inseridas no
cotidiano
dos
indispensável
e
montebelenses,
imprescindível
como
como
forma
educação
continuada em saúde e Vigilância Epidemiológica,
conforme mostra a prevenção da Dengue no quadro 2
abaixo:
outros.
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
12
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
Quadro 2: Ações Preventivas e Políticas Públicas
de Saúde:
 Mobilizar o Gestor, Conselho Municipal de
Saúde, Equipe multiprofissional e comunidade
para a adesão ao combate a dengue;
 Capacitar os profissionais das unidades
Hospitalares e Estratégia Saúde da Família
(ESF) para o manejo clínico de pacientes
suspeitos de Dengue;
 Buscar parcerias com representantes de
bairros, igrejas, ONGs, empresas e outras
instituições;
 Divulgar em meios de comunicação local
como rádio, jornais e site, distribuir faixas,
cartazes informativos, o alerta dos sinais e
sintomas da doença; os índices de infestação;
 Realizar a organização dos serviços em saúde
local para receber, acompanhar e diminuir a
letalidade pelas formas graves;
 Realizar em domicílio ou em unidade de saúde
a prova do laço, aferição de pressão arterial,
aferição de temperatura, investigação e
orientações ao cliente; monitoramento de
suspeitos até a cura;
 Realizar a coleta precoce para isolamento
viral; identificar qual o vírus circulante para
definir estratégias;
 Realizar notificação individual e digitação de
todos os casos suspeitos ou confirmados de
dengue no Sistema de Informação Nacional de
Agravos e Notificação (SINAN) com todos os
campos da ficha preenchida, enviar ao
Ministério da Saúde para alimentação dos
dados;
 Trabalhar com educação continuada em saúde
com distribuição de folders informativos
através do Agente Comunitário de Saúde
(ACS) da Estratégia de Saúde da Família
(ESF) em visitas domiciliares;
 Orientar a população a não deixar acumular
água em pratos de vasos de plantas e xaxins.
Colocar areia preenchendo o prato até a sua
borda ou lavar, semanalmente, com esponja ou
bucha e sabão, para eliminar completamente
os ovos do mosquito;
 *Não deixar qualquer depósito de água sem
estar bem fechado (ex.: potes, tambores,
filtros, tanques, caixas d’água e outros).
 *Manter as caixas d’ água, poços, latões e
tambores bem vedados; limpar as calhas e
lajes das casas;
 *Guardar garrafas vazias de boca para baixo;
tampar antes de colocá-las no lixo; e não jogar
lixos em terrenos baldios;
 *Separar copos descartáveis, tampas de
garrafas, latas, embalagens plásticas, enfim
tudo que possa acumular água. Colocar em
saco plástico, fechar bem e colocar para serem
coletados no lixo;
 Fechar o caso após investigação e cura, na
ficha de notificação individual, digitar no
SINAN e enviar ao Ministério da Saúde.
FONTE: *Saúde (BRASIL, 2008)
Ao analisar o quadro acima com as propostas
para a prevenção da Dengue percebe-se que são
necessárias a participação imprescindível do Gestor
em Saúde, equipe multiprofissional e comunidade em
uma ação integrada e voltada para a saúde preventiva,
não se esquecendo da assistência que deve ser
prestada ao cliente já acometido pela doença, nesse
sentido, busca-se o apoio incondicional da população
no sentido de aderir à causa, para encontrar a
viabilidade das propostas.
Nesse sentido, a prevenção e o envolvimento
de “todos” para o combate ao mosquito e as
conseqüências causadas por ele, sem dúvida deixa
claro que é primordial quebrar a cadeia de
proliferação, incidência e transmissão a fim de
alcançarmos à redução de casos de dengue e
minimizar seus agravos a saúde da população,
promovendo assim, melhor qualidade de vida aos
montebelenses.
5. Considerações finais
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
13
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
O artigo em debate pretendeu apresentar
hospitalização dos casos mais severos, já que o
proposta para a implementação de Políticas Públicas
tratamento é basicamente ambulatorial para pacientes
em Saúde, relativos a ações preventivas para o
acometidos pela doença.
controle da dengue no município de São Luís de
É importante lembrar, dos gastos que recaem
Montes Belos - GO, para tanto introduziu o alto índice
sobre as famílias, incluindo-se os dias perdidos de
de incidência de casos da doença como problema de
trabalho dos doentes e dos cuidadores e, finalmente,
Saúde Pública, quando este passa a ser objeto de
sobre os prejuízos para a economia do município e o
intervenção em unidades hospitalares e risco para
país.
epidemia.
Nesse sentido, é possível afirmar que o
Ao avaliar a incidência de casos de dengue
trabalho apresentado pode consubstanciar avaliação
notificados em São Luís de Montes Belos - GO,
das ações existentes, permitirem assim, estimar custos
relativo ao período pesquisado, o número de
e prevenir a ocorrência de epidemias diante dos vários
internações em relação à ocorrência de óbitos é alto,
cenários que a doença apresenta ou possa apresentar
percebe-se, que a população está exposta com o grau
em situações futuras. O aumento do número de casos
muito alto para ocorrência de epidemia conforme
autóctones no Município de São Luís de Montes
mostra Brasil, (2010). Desta forma, o custo das
Belos teve um expressivo aumento de 2007 a 2010,
internações, o risco de exposição e o impacto
conforme mostra os dados do SINAN/Ministério da
econômico da dengue no Município, representam à
Saúde, (2010). Nessa perspectiva de aumentos de
necessidade de conhecer não somente os custos dos
casos de dengue, faz-se necessário, investimento para
vários componentes do Plano Nacional de Controle da
reverter esse quadro, envolver todo o contingente de
Dengue (PNCD), mas também, a intensificação das
profissionais e Gestor da saúde, bem como a
ações em Saúde Pública Preventiva e local.
população para o enfoque da prevenção através de
Assim,
é
imprescindível a
adesão
da
ações cotidianas extras sazonais.
população e outros profissionais para a prevenção,
Nesse sentido, exigirão recursos financeiros
tratamento dos pacientes e controle dos vetores da
suplementares aos já existentes, sem considerar o
dengue, foco deste trabalho. Partindo deste contexto,
aumento da frota, para coleta do lixo, limpeza,
as ações em prevenção e conscientização da
saneamento de bairros, que poderá exigir gastos
população sobre os riscos da doença, implicam
adicionais. Isso totalizaria um incremento, que
também, em refletir sobre os gastos relacionados ao
deverão estar nas projeções orçamentárias para 2011,
tratamento da doença, desde o atendimento nas
além
Estratégias de Saúde da Família (ESFs) até o
despendidos, para o combate à dengue no Município
diagnóstico
de São Luís de Montes Belos. Vale ressaltar que, o
de
dengue,
ou
mesmo,
até
a
dos
recursos
financeiros
atualmente
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
14
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
preconizado pelo Ministério da Saúde (2010), é que
em Saúde já existentes em São Luís de Montes Belos
municípios com infestação de Aedes aegypti, devem
- GO em conformidade com as preconizadas pelo
ter um agente de campo para cada 800 imóveis.
Ministério da Saúde (MS) e proposta neste.
É necessário, avaliar todo o contexto que
envolve a doença, é imperativo o envolvimento do
6. Rerências Bibliográficas
Gestor em Saúde, para o sucesso dessa proposta,
diante das crescentes epidemias que assolam o país e a
possibilidade desta no Município. Devem-se conhecer
as estratégias de ações, priorizarem a prevenção e
conscientização da população como
ferramenta
importante para a tomada de decisões na aplicação
dos recursos orçamentários disponíveis ao controle da
dengue. Um dos desafios atuais deparados pela
ALMEIDA, Andréa Sobral de; MEDRONHO,
Roberto de Andrade and VALENCIA, Luís Iván
Ortiz. Análise espacial da dengue e o contexto
socioeconômico no município do Rio de Janeiro, RJ.
Rev. Saúde Pública [online]. 2009, vol.43, n.4, p.
666-673.
ARAGÃO, Ricardo Evangelista Marrocos de et al.
Neurite óptica bilateral após infecção viral por
dengue: relato de casos. Arq. Bras. Oftalmol.
[online]. 2010, vol.73, n.2, pp. 175-178.
enfermagem e profissionais em saúde está em oferecer
atendimento de melhor qualidade, mais humanizado,
conciliando variáveis em meio a tempo, custo e
qualidade nos serviços em proporções adequadas.
Para enfrentar esse desafio, novos caminhos são
buscados em estudos que envolvam novos modelos
em comunicação que sejam facilitadores para a
aquisição de habilidades e competências gerenciais de
um
líder
em
enfermagem
(SPAGNUOLO
&
PEREIRA, 2007).
Sendo
prioritária
nesse
momento,
a
intensificação das ações cruciais de conscientização,
envolvimento e combate ao vetor para garantir o
controle da doença em um futuro próximo. Desse
modo, a adesão a essas propostas em ações
preventivas
certamente
resultarão
num
cenário
favorável para a redução significativa do número de
incidência de casos e internações por dengue. O que
consequentemente irá maximizar as Políticas Públicas
BARBOSA, Gerson Laurindo and LOURENCO,
Roberto Wagner. Análise da distribuição espaçotemporal de dengue e da infestação larvária no
município de Tupã, Estado de São Paulo. Rev. Soc.
Bras. Med. Trop. [online]. 2010, vol.43, n.2, p. 145151.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de
Vigilância em Saúde. Diretoria Técnica de Gestão em
Dengue: Roteiro para capacitação de profissionais
médicos no diagnostico e tratamento: manual do
aluno. 3 ed. Serie A. Normas e Manuais técnicos Brasília/DF: 2007.88 p.
BRASIL, Gabinete Civil da Governadoria/Governo
do Estado de Goiás. Goiânia – GO. Superintendência
de Legislação: Palácio do Governo do Estado de
Goiás, 120o da República. DECRETO No 6.732, DE
07 DE ABRIL DE 2008 (D.O. de 10-04-2008).
Disponível
em:
http://www.sgc.goias.gov.br/upload/links/arq_591_
DECRETOA6732-DENGUE.doc
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância
epidemiológica. Diretrizes Nacionais para Prevenção
e controle de epidemia de dengue/Ministério da
Saúde, Secretaria em Vigilância em saúde.
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
15
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
Departamento de Vigilância Epidemiológica Brasília: Ministério da Saúde. - 1º ed. Serie A.
Normas e manuais técnicos. Brasília/DF. 2009, 160 p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância
epidemiológica. Diretrizes Nacionais para Prevenção
e controle de epidemia de dengue/Ministério da
Saúde, Secretaria Estadual de Saúde em Vigilância
em
saúde.
Departamento
de
Vigilância
Epidemiológico-GO.
2011.
http://www.saude.go.gov.br/index.php?
idEditoria=4171 Acesso: 25/01/2011
BRASIL. Ministério da Saúde-Esplanada dos
Ministérios. Programa Nacional de Controle da
Dengue- Bloco G- Brasília-DF. 2010. Secretaria
Estadual de Saúde em Vigilância em saúde.
Departamento de Vigilância Epidemiológico - SESGO,
Disponível
em:
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/boletim
_dengue_010208.pdf Acesso: 25 jan2011
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância
Epidemiológica.
Nota
Técnica
nº118/2010CGPNCD/DEVEP. Ministério da Saúde, Secretaria de
Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância
Epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.
12p.
Disponível
http://www.sgc.goias.gov.br/
upload/links/arq_798_NotaAtecnicaAGoiasAnovembr
oA2010.pdfAcesso em: 29/01/2011
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância
epidemiológica. Secretaria Estadual de Saúde em
Vigilância em saúde. Departamento de Vigilância
Epidemiológica (SES-GO). Boletim Informativo/ fev.
2011.
Disponível
em:
http://www.saude.go.gov.br/index.php?idMateria=962
44 Acesso: 04/02/2011.
BRASIL, Ministério da Saúde/SE/DATASUS.
Sistema de Informações de Agravos de Notificação
(SINAN_NET), Versão 4.0.0.0/Patch 4.1.0.0. Base
Municipal-Núcleo de Vigilância Epidemiológica da
Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de São Luís de
Montes Belos - GO - Sistema Local. Acesso: 21 de
janeiro de 2011.
BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE).
Dados do Censo 2010, Publicação no Diário Oficial
da União (DOU): Região Centro Oeste/Goiás. São
Luís de Montes Belos-GO em 04/11/2010. Disponível
em:http://www.censo2010.ibge.gov.br/dados
divulgados/ index.php?uf=52 Acesso: 31/01/2011
BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção
a Saúde. Departamento de Atenção Básica –
Cadernos de Atenção Básica n°21. Vigilância em
Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase,
Malária, Tracoma e Tuberculose. Brasília-DF. 2 . ed.
rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2008 Cap. 4, p.
66-100.
CASALI, Clarisse Guimarães; PEREIRA, Marcelo
Ricardo Reis; SANTOS, Luciana Maria Jabor Garcia;
PASSOS, Maila Naves Pereira; FORTES, Bruno de
Paula Menezes Drumond; VALENCIA, Luis Ivan
Ortitiz; ALEXANDRE, Aline de Jesus and
MEDRONHO, Roberto de Andrade. A epidemia de
dengue/ dengue hemorrágico no município do Rio de
Janeiro, 2001/2002. Rev.da sociedade brasileira de
medicina tropical. 2004, vol.37, n.4, p.296-299.
COSTA, Cristóvão Alves da; SANTOS, Ilia Gilmara
Carvalho dos and BARBOSA, Maria da Graça.
Detecção e tipagem de vírus dengue em Aedes
aegypti (Diptera: Culicidae) na Cidade de Manaus,
Estado do Amazonas. Rev. Soc. Bras. Med. Trop.
[online]. 2009, vol.42, n.6, p. 677-681.
FERREIRA, Beatriz Jansen; SOUZA, Maria de
Fátima Marinho; SOARES FILHO, Adauto Martins
and CARVALHO, André Anderson. Evolução
histórica dos programas de prevenção e controle da
dengue no Brasil. Ciênc. saúde coletiva [online].
2009, vol.14, n.3, pp. 961-972.
FLAUZINO,
Regina
Fernandes
et
al.
Heterogeneidade espacial da dengue em estudos
locais, Niterói, RJ. Rev. Saúde Pública [online].
2009, vol.43, n.6, p. 1035-1043.
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
16
C. A. Costa et al.
Políticas públicas de saúde para prevenção e redução da incidência
de dengue no município de São Luis de Montes Belos-GO
GIATTI, Leandro Luiz, et al. Ciência & Saúde
Coletiva. Pobreza, desigualdades sociais e saúde:
desafios para as políticas públicas. Condições
Sanitárias e Socioambientais em Iauretê, área indígena
em São Gabriel da Cachoeira, AM. Centro de
Pesquisa
Leônidas
e
Maria
Deane,
FIOCRUZ/Amazônia. Manaus-AM. 476. 2007. Vol.
12, n. 6, p.1.603 -1.609.
HINO, Paula et al. Evolução temporal da dengue no
município de Ribeirão Preto, São Paulo, 1994 a 2003.
Ciênc. saúde coletiva [online]. 2010, vol.15, n.1, p.
233-238.
LAKATOS, Eva Maria: MARCONI, Marina de
Andrade. Metodologia do trabalho científico:
procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto
e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed.
São Paulo: Atlas, 2001.
LENZI, Márcia de Freitas and COURA, Leia Camillo.
Prevenção da dengue; a informação em foco.
Sociedade brasileira de medicina tropical. 2004,
vol.37, n.4, p.343-350.
PESSANHA, José Eduardo Marques; CAIAFFA,
Waleska Teixeira; KROON, Erna Gessien and
PROIETTI, Fernando Augusto. Dengue em três
distritos sanitários de Belo Horizonte, Brasil:
inquérito soroepidemiológico de base populacional,
2006 a 2007. Rev Panam Salud Publica [online].
2010, vol.27, n.4, p. 252-258.
RESENDES, Ana Paula da Costa; SILVEIRA, Nelson
Artur Prado Rodrigues da; SABROZA, Paulo
Chagastelles and SOUZA-SANTOS, Reinaldo.
Determinação de áreas prioritárias para ações de
controle da dengue. Rev. Saúde Pública [online].
2010, vol.44, n.2, pp. 274-282.
SALES, Fátima Maria de Sousa. Ações de educação
em saúde para prevenção e controle da dengue: um
estudo em Icaraí, Caucaia, Ceará. Ciênc. saúde
coletiva [online]. 2008, vol.13, n.1, pp. 175-184.
SOUZA, Sócrates Siqueira de; SILVA, Ionizete
Garcia da and SILVA, Heloísa Helena Garcia da.
Associação entre incidência de dengue, pluviosidade e
densidade larvária de Aedes aegypti, no Estado de
Goiás. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2010,
vol.43, n.2, pp. 152-155.
SPAGNUOLO, Regina Stella; Pereira, Maria Lúcia
Toralles. Ciência & Saúde Coletiva. Pobreza,
desigualdades sociais e saúde: desafios para as
políticas públicas. Práticas de Saúde em Enfermagem
e Comunicação: Um estudo de revisão da literatura.
ABRASCO. Associação Brasileira de Pós-Graduação
em Saúde Coletiva, 2007. Vol. 12, n. 6, PP.1.603 1.609.
Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards