Geografia - Estuda Que Passa

Propaganda
Geografia
Vegetação
Professor Luciano Teixeira
www.acasadoconcurseiro.com.br
Geografia
VEGETAÇÃO
Mandacaru, umbuzeiro, juazeiro, angico, baraúna. Teiú, tatu-peba, cotia, preá, asa-branca, carcará. Espalhados por aproximadamente 800 quilômetros quadrados do território brasileiro, os
personagens da flora e fauna catingueira lhe impingem beleza própria. Mas não são só eles. O
povo da Caatinga também contribui com sua bravura, resistência e, principalmente, com o orgulho que sente de ser sertanejo (nome típico de seus habitantes) para que ela seja única.
Luiz Gonzaga, nosso eterno “Rei do Baião”, que o diga! A canção “Asa Branca”, que o pernambucano compôs com o parceiro Humberto Teixeira, e que ficou eternizada em sua voz e sanfona
inconfundíveis, é uma das mais bonitas declarações de amor ao Sertão brasileiro, lugar que,
à primeira vista, pode até parecer uma desolação sem fim, mas que, com um pouco mais de
atenção, revela-se um cenário onde a luta pela vida e a bravura falam muito mais alto.
Chamada pelos índios de “mata branca”, a vegetação retorcida, o solo pedregoso, árido, e o
baixo índice pluviométrico da Caatinga não são para qualquer um. A natureza e toda a gente do
Sertão tiveram de se adaptar. Na ausência das chuvas, que pode se estender por meses a fio,
plantas, bichos e gente desenvolveram estratégias para se manterem vivos. Os peixes anuais,
por exemplo, enquanto aguardam a chegada das primeiras águas, enterram seus ovos na areia
do leito de lagoas, poças e rios intermitentes (aqueles que desaparecem na estiagem e reaparecem após as “cheias”). Assim que a chuva cai, os ovos eclodem, dando início ao ciclo vital
novamente.
Mesmo quando chove, o solo pedregoso da Caatinga não dá conta de armazenar água e a temperatura elevada, com médias que variam entre 25 e 29 graus Celsius, provoca intensa evaporação. Na longa estiagem enfrentada ano a ano, o Sertão assemelha-se a um semideserto. As
folhas da maioria das árvores já caíram, o gado e a fauna nativa começam a emagrecer, os rios
intermitentes deixam de correr e as lagoas secam.
Sem folhas, as árvores, de caule e casca finos, adquirem cor esbranquiçada, o que justifica o
apelido de “mata branca” da Caatinga. O calor do sol atinge o solo em cheio, o qual se racha
e fica coberto de trincas. Cíclicas e prolongadas, as secas interferem de forma decisiva na vida
dos bichos, plantas e do povo do sertão. Para driblá-la, o sertanejo se vira como pode e a natureza “paga o pato”.
No Araripe, em Pernambuco, os agricultores familiares desmatam a mata nativa e vendem a
madeira para alimentar as fornalhas do Polo Gesseiro da região. Responsável pela produção de
95% da produção nacional de gesso, o englobado de 11 municípios fica a 600 quilômetros de
Recife (PE). “A matriz energética para a fabricação de gesso é a vegetação da Caatinga”, conta
Márcio Moura, agrônomo da ONG Caatinga, presente há 17 anos na região.
www.acasadoconcurseiro.com.br
3
Foto: Matheus ML/CC Flickr
O trabalho que realiza, de conscientização ecológica com práticas de conservação do solo, não
é capaz de frear os agricultores locais. Na atividade pecuária, eles também impactam a Caatinga, provocando o empobrecimento do solo, a poluição e a contaminação dos lençóis freáticos.
Foi esse o jeito que encontraram de reduzir os custos de mão de obra.
“Os agricultores daqui desmatam a vegetação catingueira para criar bovinos. Quando a área
perde todo o capim, eles procuram outra e outra e outra. Até que retornam a primeira e, para
acabar com a vegetação primária que cresceu ali, usam e abusam de herbicidas. Em seguida
plantam novamente o capim”, relata Moura.
A Caatinga, assim como o Cerrado, não está incluída na Constituição Federal do Brasil, e desde o período colonial vem sofrendo degradação: “É como se não fôssemos importantes como
a Amazônia ou a Mata Atlântica. Nem a intensa produção de mel na região, com mais de mil
espécies melíferas, é valorizada. O poder público local é despreparado e não há fiscalização”,
alerta o agrônomo da ONG Caatinga.
Há pouco mais de dois anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais
Renováveis (Ibama) divulgou os números da degradação na Caatinga. O desmatamento do bioma havia saltado de 43,38% em 2002, para 45,39% em 2008, o que significa que 16.576 km2
(área equivalente a 1.657.600 campos de futebol) da Caatinga já haviam sido retirados. Entre
2002 e 2008, a taxa média de desmatamento anual registrou 2.763 km2, com precisão na identificação de 98,4%.
Os estados que mais desmataram foram Bahia (638 km2), Ceará (440 km2) e Piauí (408 km2).
Entre os municípios que apresentaram maiores áreas de supressão de floresta estão Mucugê e
Ruy Barbosa (BA) e Cabrobó (PE).
A ONG Caatinga informa, entretanto, que dados mais atuais da Embrapa apontam que 60% da
vegetação catingueira já foram desmatadas.
Êxodo rural – Embora os antigos agricultores ainda permaneçam no Sertão do Araripe e, corajosos, continuem a enfrentar a seca, a juventude está migrando para as grandes cidades. “Falta
crédito, falta terra, falta assessoria técnica. Tudo isso, aliado a ausência de escolas (no lugar do
professor vir até a zona rural é o aluno que vai até a cidade para cursar o Ensino Fundamental e
Médio) é um prato cheio para a migração”, avalia Moura.
4
www.acasadoconcurseiro.com.br
Geografia – Vegetação – Prof. Luciano Teixeira
Contrariando essa realidade, está Lourivalnda Alves de Souza, 25 anos. Nascida no município de
Bodocó (PE), a jovem, que trabalha e estuda em Ouricuri (PE), diz que “não há política pública
aqui que valorize a cultura dos jovens; influenciados pela mídia, eles se sentem desvalorizados,
sem identidade própria e vão embora”. E sinaliza para a importância da educação no processo
de valorização da cultura: “O ensino deveria se basear na realidade local. O ‘a’ que aprendi na
escola era de avião e não de um dos bichos ou árvores de nossa fauna”.
A Caatinga é única, de beleza indiscutível quando floresce. Sua resistência se compara à de seu
próprio povo que, apesar de sofrido, é forte! ”
De Ouricuri, Lourivalnda revela de onde vem essa força do povo do Sertão. “O sertanejo é altivo, bravo e estrategista por natureza; aprendeu com a Caatinga a guardar o alimento, a semente e a água para, na época da escassez, garantir a própria sobrevivência”, orgulha-se.
Zona da Mata e Região Litorânea
A vegetação litorânea do Estado de Pernambuco apresenta matas, manguezais e cerrados, que
recebem a denominação de "tabuleiro", formado por gramíneas e arbustos tortuosos, predominantemente representados, entre outras espécies por batiputás e mangabeiras.
Formadas por floresta Atlântica, as matas registram a presença de árvores altas, sempre verdes, como a peroba e a sucupira. Localizados nos estuários, os manguezais apresentam árvores
com raízes de suporte, adaptadas à sobrevivência neste tipo de ambiente natural.
http://www.revistaecologico.com.br/materia.php?id=34&secao=459&mat=469
A caatinga, vegetação típica do Sertão Nordestino – Foto: Maria HSU/CC Wikimedia
•• Zona da Mata (faixa próxima ao litoral) – A maior cidade nessa região é a capital, Recife. O
litoral pernambucano tem belas praias, destacando-se a Praia de Boa Viagem (na própria
capital) e Porto de Galinhas. Toda a faixa é uma grande planície, com alguns locais abaixo
do nível do mar, várzeas e lagos. A vegetação predominante são os manguezais. O clima na
Zona da Mata é tropical.
•• Agreste (faixa de transição) – A maior cidade dessa região é Caruaru, a 120 km de Recife.
Trata-se de um planalto, com altitudes que variam de 400 a 1000 metros. A vegetação
predominante é a Mata Atlântica. O clima no Agreste é semiárido.
www.acasadoconcurseiro.com.br
5
•• Sertão (zona semiárida) – Trata-se do oeste do Estado, região marcada por Serras, chapadas
e depressões. A principal cidade da região é Petrolina. A vegetação típica da região é a
caatinga. O clima é semiárido quente.
Ao sul do estado, encontra-se uma região serrana, continuação da Chapada Diamantina (Bahia).
Devido à altitude, as cidades de Garanhuns e Gravatá são conhecidas pelo clima moderado.
Os rios mais importantes de Pernambuco são: Rio São Francisco, Capibaribe, Una, Pajeú, Ipojuca e Jaboatão.
Outras cidades importantes de Pernambuco são: Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Paulista e
Camaragibe.
Outro grande destaque de Pernambuco é o Arquipélago de Fernando de Noronha, formado por
21 ilhas, localizado a uma distância de 545 km de Recife.
6
www.acasadoconcurseiro.com.br
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards