Bibliografia Geral

Propaganda
Espaço Comportamental
_____________________________________________________________________________________________________________
|Índex| |Introdução| |Trabalhos| |Softwares| |Técnicas| |Escalas| |Textos| |Links| |Humor|
Bibliografia Geral (atualizada)
A - Livros
1. ABREU, C. N. & GUILHARDI. H. J. (Orgs.). Terapia comportamental e cognitivo-comportamental Práticas clínicas. São Paulo: Editora Roca, 2004.
2. ABREU-RODRIGUES, J. & RIBEIRO, M. R. Análise do Comportamento: pesquisa, teoria e aplicação.
Porto Alegre: Artmed, 2005.
3. ALBERTI, R. E. & EMMONS, M. L. Comportamento Assertivo - Guia de Auto-expressão. Belo
Horizonte: Interlivros, 1978.
4. AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM IV-TR Manual Diagnóstico e Estatístico de
Transtornos Mentais - Texto Revisado. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.
5. ANASTASI, A. & URBINA, S. Testagem Psicológica. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
6. BANDURA, A. Modificação do Comportamento. Rio: Interamericana, 1979.
7. BARLOW, D. H. Manual Clínico dos Transtornos Psicológicos. Porto Alegre: Artmed, 1999.
8. BAUM, W. M. Compreender o Behaviorismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
9. BECK, A. T. & FREEMAN, A. Terapia Cognitiva dos Transtornos da Personalidade. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1988.
10. BECK, A. T.; RUSH, A. J.; SHAW, B. F. & EMERY, G. Terapia Cognitiva da Depressão. Rio: Zahar,
1982.
11. BEECH, H. R. Como Alterar o Comportamento Humano. São Paulo: IBRASA, 1971.
12. BOCKUS, F. Terapia do Casal. Rio: Imago.
13. BRANDÃO, M. Z. S; CONTE, F. C. S. & MEZZAROBA, S. Comportamento Humano – Tudo (ou
quase tudo) que você gostaria de saber para viver melhor. Santo André: ESETec, 2003.
14. CABALLO, V. E. Manual de Avaliação e Treinamento das Habilidades Sociais. São Paulo: Livraria
Santos Editora, 2003.
15. CABALLO, V. E. Manual de Técnicas de Terapia e Modificação do Comportamento. São Paulo:
Livraria Santos Editora, 1996.
16. CABALLO, V. E. Manual para o Tratamento Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Psicológicos.
São Paulo: Livraria Santos, 2003.
17. CABALLO, V. E. & SIMÓN, M. Á. Manual de Avaliação de Psicologia Clínica Infantil e do
Adolescente - Transtornos Gerais. São Paulo: Livraria Santos, 2005.
18. CABALLO, V. E. & SIMÓN, M. Á. Manual de Avaliação de Psicologia Clínica Infantil e do
Adolescente - Transtornos Específicos. São Paulo: Livraria Santos, 2005.
19. CAMPOS, F. C. B. Psicologia e Saúde: repensando práticas. São Paulo: Hucitec, 1992.
20. CAMPOS, T. C. P. & SEBASTIANI, R. W. Psicologia Hospitalar: a atuação do psicólogo em
hospitais. São Paulo: EPU, 1995.
21. CATANIA, A. C. Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição. P. Alegre: Artmed, 1999.
22. CORDIOLI, ARISTIDES V. Vencendo o Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Porto Alegre: Artmed,
2004.
23. CRAIG, R. J. Entrevista Clínica e Diagnóstica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
24. CUNHA, J. A. Psicodiagnóstico - V. Porto Alegre: Artmed, 2000.
25. DATTILIO, F. M. & FREEMAN, A. Estratégias Cognitivo-Comportamentais para Intervenções em
Crises. Campinas: Editorial Psy, 1995.
26. DATTILIO, F. M. & PADESKY, C. A. Terapia Cognitiva com Casais. Porto Alegre: Artes Médicas,
1995.
27. DAVIS, M.; ESHELMAN, E. R. & McKAY, M. Manual de Relaxamento e Redução do Stress. São
Paulo: Summus, 1996.
28. DAVISON, GERALD & NEALE, JOHN M. Psicologia do Comportamento Especial. Rio: LTC, 2003.
29. DEL PRETTE, Z. A. P. & DEL PRETTE, A. Psicologia das Habilidades Sociais: terapia e educação.
Petrópolis: Vozes, 1999.
30. DELITTI, Mali. (Org.), Sobre comportamento e cognição. São Paulo: ESETec, 2001.
31. DIXON, MARK R. & HAYES, LINDA J. Uma Análise Comportamental de Sonhar. The Psycological
Record, 49, nº. 4, 613-628, Fall, 1999. (Tradução de Ildenor Mascarenhas Cerqueira e Yasmine de
Gouvêa Schneiter, 2006).
32. ELLIS, A. Humanistic psychoterapy: The rational emotive approach. New York: Julian Press, 1974.
33. FERREIRA, A. E. & CARNEIRO, T. F. Personalidade e Psicoterapia Hoje. Rio: Zahar, 1983.
34. FERSTER, C. B; CULBERTSON, S & BOREN, M. C. P. Princípios de Psicologia. São Paulo: Hucitec.
Cap. 18 – Depressão Clínica, 1982.
35. GABBARD, G. O; BECK, J. S. & HOLMES, J. Compêndio de Psicoterapia de Oxford. Porto Alegre:
Artmed, 2007.
36. GESSMANN, P. & BOUSINGEN, R. D. Os Métodos de Relaxação. São Paulo: Loyola, 1987.
37. GORENSTEIN, C; ANDRADE, L. H. S. G. & ZUARDI, A. W. Escalas de Avaliação Clínica em
Psiquiatria e Psicofarmacologia. São Paulo: Lemos-Editorial, 2000.
38. HACKNEY, H & NYE, S. Aconselhamento: estratégias e objetivos. São Paulo: EPU, 1977.
39. HALEY, J. Aprendendo e Ensinando Terapia. Porto Alegre: Artmed, 1998.
40. HAWTON, K; SALKOVSKIS, P. M; KIRK, J. & CLARK, D. M. Terapia Cognitivo-comportamental
para Problemas Psiquiátricos – Um Guia Prático. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
41. HAYES, S. C. Rule-Governed Behavior: Cognition, Contingencies and Instructional Control. New
York: Plenum Press, 1989.
42. HAYES, S. C; BATTEN, S; GIFFORD, E; WILSON, K; AFAIRI, N. & McCURRY, M.S. Acceptance
and Commitment Therapy: An Individual Psychoterapy Manual for the Treatment of Experiential
Avoidance. Reno: Context Press, 2000.
43. HAYES, S. C; STROSAHL, K. D. & WILSON, K. G. Acceptance and Commitment Therapy – An
Experiential Approach to Behavior Change. New York: Guilford, 1999.
44. HEIMAN, J. R. & LoPICCOLO, J. Descobrindo o Prazer. São Paulo: Summus, 1992.
45. HOLMES, David. Psicologia dos Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
46. IÑESTA, E. R. Técnicas de Modificação do Comportamento. São Paulo: EPU, 1980.
47. ISHAQ, W. Human Behavior in Today's World. New York: Praeger, 1991.
48. JACOBSON. N. S. Psychotherapist in Clinical Practice: Cognitive and Behavioral Perspectives. New
York: Guilford Press, 1987.
49. KANDEL. E. R.; SCHWARTZ, J. H. & JESSELL T. M. Princípios da Neurociência. Barueri, SP:
Manole, 2003.
50. KANFER, F. H. & PHILLIPS, J. Princípios da Aprendizagem na Terapia Comportamental. São Paulo:
EPU, 1974.
51. KAPLAN, H. I. & SADOCK, B. J. Compêndio de Psiquiatria. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.
52. KAPLAN, M. S. A Nova Terapia do Sexo. Rio: Nova Fronteira, 1977.
53. KENDALL, P. C. (Org.) Advances in Cognitive-Behavioral Research and Therapy. New York:
Academic Press, 1982.
54. KOHLENBERG, R. & TSAI, M. Psicoterapia Analítica Funcional - Criando Relações Terapêuticas
Intensas e Curativas. Santo André: ESETec, 2001.
55. KOLB, B. & WHISHAW, I. Q. Neurociência do Comportamento. Barueri: Manole, 2002.
56. KRASNER, L. & ULLMANN. L. P. Pesquisas sobre Modificação do Comportamento. São Paulo: EPU,
1974.
57. LANGE, A. J. & JAKUBOWSKI, P. Responsible Assertive Behavior. Champaign (Illinois): Research
Press, 1977.
58. LAZARUS, A. A. A Terapia Multimodal do Comportamento. São Paulo: Manole, 1980.
59. LAZARUS, A. A. Terapia Comportamental na Clínica. Belo Horizonte: Interlivros, 1979.
60. LETTNER, W. & RANGÉ, B. Manual de Psicoterapia Comportamental. São Paulo: Manole, 1988.
61. LENT, ROBERTO. Cem Bilhões de Neurônios – Conceitos Fundamentais de Neurociência. São Paulo:
Atheneu, 2001.
62. LOEW, C. A; GRAYSON, H. & LOEW, G. H. Três Abordagens em Psicoterapia. São Paulo: Summus,
1984.
63. LUNDIN, R. W. Personalidade - Uma Análise do Comportamento. São Paulo: EPU, 1977.
64. MEJIAS, N. P. Modificação de Comportamento em Situação Escolar. São Paulo: EPU, 1978.
65. MITCHELL, L. Relaxamento Básico. São Paulo. Martins Fontes, 1988.
66. NERI, A. L. Modificação do Comportamento Infantil. Campinas: Papirus, 1987.
67. NICHOLS, M. P. & SCHUARTZ, R. C. Terapia Familiar - conceitos e métodos. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1998.
68. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento
da CID -10. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.
69. OTHMER, E. & OTHMER, S. C. A Entrevista Clinica Utilizando o DSM-IV-TR. Porto Alegre: Artmed,
2003.
70. RANGÉ, B. Psicoterapia Comportamental e Cognitiva - Pesquisa, Prática, Aplicação e Problemas. São
Paulo: Livro Pleno, 1998.
71. RANGÉ, B. Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre:
Artmed, 2001.
72. RANGÉ, B. Psicoterapia Comportamental e Cognitiva de Transtornos Psiquiátricos. São Paulo: Livro
Pleno, 1998.
73. REESE, Ellen P. Análise do Comportamento Humano. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora,
1973.
74. REINECKE, M. A; DATTLIO, F. M. & FREEMAN, A. Terapia Cognitiva com Crianças e
Adolescentes - Manual para a Prática Clínica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
75. RIMM, D. C. & MARSTERS, J. C. Terapia Comportamental. São Paulo: Manole, 1988.
76. SATIR, Virgínia. Terapia do Grupo Familiar. Rio: Francisco Alves, 1988.
77. SCHERKENBACH, WILLIAM W. O Caminho de Deming para a Qualidade e Produtividade. Rio:
Qualitymark, 1990.
78. SCOTT, J; WILLIAMS, J. M. G. & BECK, A. T. Terapia Cognitiva da Prática Clínica. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1994.
79. SÉRIO, T. M. A. P; ANDERY, M. A; GIOIA, P. S. & MICHELETTO, N. Controle de Estímulos e
Comportamento Operante: uma introdução. São Paulo: EDUC, 2002.
80. SILVARES, E. F. M. & GONGORA, M. A. N. Psicologia Clínica Comportamental - A Inserção da
Entrevista com Adultos e Crianças. São Paulo: EDICON, 1998.
81. SILVARES, Edwiges F. M. (Org.). Estudos de Caso em Psicologia Clínica Comportamental Infantil.
Campinas: Papirus, 2000.
82. SKINNER, B. F. Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix, 1982.
83. SKINNER, B. F. Contingencies of Reinforcement: A Theoretical Analysis. New York: AppletonCentury-Crofts, 1969.
84. SKINNER, B. F. Cumulative Records - a Selection of Papers. New York: Appleton-Century-Crofts,
1972.
85. SKINNER, B. F. O Comportamento Verbal. São Paulo: Cultrix e EDUSP, 1978.
86. SKINNER, B. F. Questões Recentes na Análise Comportamental. São Paulo: Papirus, 1991.
87. SKINNER, B. F. Ciência e Comportamento Humano. São Paulo: Martins Fontes, 1953/2002.
88. SPITZER, R. L. DSM-IV - Casos Clínicos. Complemento Didático para o Manual Diagnóstico e
Estatístico de Transtornos Mentais - IV. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
89. STUART, R. B. Como e Quando a Psicoterapia Falha. Belo Horizonte: Interlivros, 1977, págs. 59-75;
227-231.
90. TALBOTT, J; HALLES, R. & YUDOFSKY, S. Tratado de Psiquiatria. Porto Alegre: Artes Médicas,
1992.
91. THORENSEN, C. & MAHONEY, J. M. Autocontrol de la Conducta. Mexico: Fondo de Cultura
Economica, 1981.
92. WOLPE, J. Prática de Terapia Comportamental. São Paulo: Brasiliense, 1980.
93. YALOM, I. The Theory and Practice of Group Psychoterapy. London: Basic Books, 1970.
94. ZARO, J. S; BARACH, R; NEDELMAN, D. J. & DREIBLATT, I. S. Introdução à Prática
Psicoterapêutica. São Paulo: EPU e EDUSP, 1980.
95. ZUK, G. H. Psicoterapia Familiar - Un Enfoque Triádrico. Mexico: Fondo de Cultura Economica.
1962.
B - Artigos
1. ABIB, J. A. D. (1994). O contextualismo do comportamento verbal: a teoria skinneriana do significado
e sua crítica ao conceito de referência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 10, nº. 3, pp. 473-487.
2. ABIB, J. A. D. (1994). A atualidade do livro Verbal Behavior de B. F. Skinner: um comentário.
Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 10, nº. 3, pp. 467-472.
3. ADES, C. (1984) Animais ao espelho e autoconhecimento. Ciência e Cultura, 36(4) 583-595.
4. ALBUQUERQUE, A. R. & MELO, R. M. (2005). Equivalência de Estímulos: conceito, implicações e
possibilidades de aplicação. Em: ABREU-RODRIGUES, J. & RIBEIRO, M. R. (Orgs.). Análise do
Comportamento: pesquisa, teoria e aplicação. Porto Alegre, RS: Artmed.
5. ARAUJO, R. B; OLIVEIRA, M. S; PICCOLOTO, L. B; MAGRINELLI, M. e SZUPSZYNSKY, K.
(2004). A abordagem cognitivo-comportamental dos sonhos de alcoolistas. Revista de Psiquiatria do Rio
Grande do Sul, Vol. 26, 1.
6. ATKINSON, R. L; ATKINSON, R. C; SMITH, E. E. & BEM, D. J. (2002). Introdução á Psicologia. P.
Alegre: Artmed. Pág. 543 (A Resposta ao Placebo).
7. ATKINSON, R. L; ATKINSON, R. C; SMITH, E. E. & BEM, D. J. (2002). Introdução á Psicologia. P.
Alegre: Artmed. Págs. 172-179 (O Sono e os Sonhos).
8. AUSTIN, J., CARR, J. E. & AGNEW, J. L. (1999). The need for assessment of maintaining variables in
OBM. Journal of Organizational Behavior Management, 19, 59-87.
9. BANACO, R. A. (1993). Fantasia como instrumento de diagnóstico e tratamento – a visão de um
behaviorista radical. II Encontro Brasileiro de Psicoterapia e Medicina Comportamental da ABPMC,
Campinas, Setembro.
10. BARBARA, M. M. (1999). Reestruturação produtiva, qualificação, requalificação e desemprego:
percepção e sofrimento do trabalhador. Psicologia: Ciência e Profissão, 19, 30-49.
11. BEKERT, M. E. (2005). Correspondência verbal/não-verbal: pesquisa básica e aplicações clínicas. Em:
ABREU-RODRIGUES, J. & RIBEIRO, M. R. (Orgs.). Análise do Comportamento: pesquisa, teoria e
aplicação. Porto Alegre, RS: Artmed.
12. BELLAK, L. & SHALL, L. (/1980) Psicoterapia de Emergência e Psicoterapia Breve. P. Alegre:
Artmed. Págs. 3-15.
13. BLACKBURN, I. M.; BISHOP, S.; GLEN, A. I. M.; WHALEY, J. L. & CHRISTIE, J. E. (1981). The
Efficacy of Cognitive Therapy in Depression: A Treatment Trial Using Cognitive Therapy and
Pharmacotherapy, each Alone and in Combination. British Journal of Psychiatry, 9, 96-14. (Traduzido
para o português).
14. BOTOMÉ, S. P. (1981). Participação de psicólogos em administração de recursos de saúde pública:
Análise de uma experiência. Psicologia, 7, 1-25.
15. BRANCH, M. N. (1987). Behavior analysis: a conceptual and empirical base for behavior therapy.
Behavior Therapist, 4, 79-84. (Traduzido para o português).
16. BRETHOWER, D. M. (2000). Organizational behavior management and instructional systems. Em J.
Austin & J. E. Carr (Orgs.), Handbook of applied behavior analysis (pp. 405-429). Reno, NV: Context
Press.
17. CABALLO, V. (1996). Comunicação não verbal como aspecto essencial do treinamento em habilidades
sociais. Boletim Informativo ABPMC. Nº. 10, 2-3.
18. CABALLO, V. (1996). Manual de Técnicas de Terapia e Modificação do Comportamento. S. Paulo:
Livraria Santos Editora. Págs. 361-398.
19. CAPOVILLA, F. C. (199 ). Linguagem e cognição: panorama histórico, conceituação básica e
desenvolvimentos recentes em pesquisa. Departamento de Psicologia da USP. Apostila.
20. CAVALCANTE, M. R. (2000). Comportamento governado por regras e comportamento modelado por
contingências: uma breve apresentação. Boletim Informativo ABPMC, Nº. 22.
21. CAVALCANTE, SIMONE. N. (1997). Notas sobre o fenômeno depressão a partir de uma perspectiva
analítico-comportamental. Psicologia: Ciência e Profissão, 17 (2) 2-12.
22. CERQUEIRA, ILDENOR M. A (In)Consciência Skinneriana da Mente. Disponível na World Wide Web:
<http://www.br.geocities.com/estagioildenor> (2005).
23. CHIATTONE, H. & SEBASTIANI, R. W. (1998). Introdução à Psicologia Hospitalar. Série Cadernos
de Psicologia Hospitalar, 6. Ed. São Paulo, Nº. 01.
24. CHIESA, M. (1994). Radical Behaviorism: the Philosophy and the Science. Boston: Authors
Cooperative, Inc., Publishers. Cap. 9 (Ainda Sobre o Behaviorismo Radical - Tradução de ).
25. CONTE, F. C. S. (1987). Procedimentos e metas em terapia comportamental: implicações éticas. Em: A.
L. Néri. (org.), Modificação do Comportamento Infantil. Campinas: Papirus.
26. CONTE, F. C. S; BRANDÃO, M. Z. S. & SILVA, V. L. M. (1987). O ensino e a prática da terapia
comportamental. Psicologia: Ciência e Profissão, 7, Nº. 2.
27. de-FARIAS, A. K. C. R. (2005). Comportamento social: cooperação, competição e trabalho individual.
Em: Abreu-Rodrigues, J. & Ribeiro, M. R. (Orgs.). Análise do Comportamento: pesquisa, teoria e
aplicação. Porto Alegre, RS: Artmed.
28. DELITTI, Mali (1998). O uso dos encobertos na prática da terapia comportamental. Em: B. Rangé
(Org.), Psicoterapia Comportamental e Cognitiva de Transtornos Psiquiátricos. Campinas: Editorial
Psy.
29. deROSE, J. C. C. (1982). Consciência e propósito no behaviorismo radical. Em: PRADO Jr., B. (1982)
Filosofia e Comportamento. S. Paulo: Brasiliense.
30. deROSE, J. C. (1989). Equivalência de Estímulos: problemas atuais de pesquisa. Anais da Sociedade de
Psicologia de Ribeirão Preto. 18ª Reunião Anual, pp. 19-32.
31. deROSE, J. C. (1993). Classes de estímulos: implicações para uma análise comportamental da cognição.
Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 9, nº. 2, pp. 283-303.
32. deROSE, J. C. (1994). Análise comportamental da aprendizagem de leitura e escrita. Em: M. A.
Azevedo & C. Witter. Leituras em Alfabetização Escolar.
33. deROSE, J. C. (1994). O livro Verbal Behavior de Skinner e a pesquisa empírica sobre comportamento
verbal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 10, nº. 3, pp.
34. deROSE, J. C.; GAROTTI, M. F. & RIBEIRO, I. G. (1992). Transferência de funções discriminativas
em classes de estímulos equivalentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 8, nº. 1, pp. 43-65.
35. deROSE, J. C.; SOUZA, D. G.; ROSSITO, A. L. & deROSE, T. M. S. (1989). Aquisição de leitura após
história de fracasso escolar: equivalência de estímulos e generalização. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.
5, nº. 3, pp. 325-346.
36. DEL PRETTE, A. & DEL PRETTE, Z.A.P. (1984). Tratamento de vômito psicogênico em uma criança.
Psicologia Ciência e Profissão, 4, (2).
37. DIXON, M. R. & HAYES, L. J. (1999). A behavioral analysis of dreaming. The Psychological Record,
49, Nº. 4, 613-628.
38. EDWARDS, D. J. A. (1996/1999). Pesquisa sobre Estudo de Caso. Em: M. A. Reinecke; F. M. Dattilio
& A. Freeman (Orgs.), Terapia Cognitiva com Crianças e Adolescentes – Manual para a prática clínica.
P. Alegre: Artmed.
39. ELLIS, A. (1993). Changing Rational-Emotive Therapy (RET) to Rational Emotive Behavior Therapy.
Behavioral Therapist, 16(10), 257-258.
40. FRALEY, L. E. & VARGAS, E. A. (1986). Disciplinas distintas: o estudo do comportamento e o estudo
da psique. The Behavior Analyst, 9, Nº. 1, 47-59.
41. GLENN, SIGRID & MALOTT, MARIA E. (2004). Complexity and Selection: Implications for
Organizations Changes. Behavior and Social Issues, 13, 89-106.
42. GUILHARDI, J. H. (1993). Modelo Comportamental de Análise dos Sonhos. I Encontro Internacional
de Terapia Cognitivo-Comportamental. Campinas, Maio.
43. GUIMARAES, R. P. Deixando o preconceito de lado e entendendo o Behaviorismo Radical. Psicol.
Ciênc. Prof. [online], set. 2003, vol.23, no.3 [citado 03 Março 2007], p.60-67. Disponível na World
Wide
Web:
<http://scielo.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141498932003000300009&lng=pt&nrm=iso> e em <http://www.br.geocities.com/estagioildenor>.
44. HAYES, S. C. (1984). Compreendendo o que é espiritualidade. Behaviorism, 184, Vol. 12, N°. 2.
45. HAYES, S. C. A. (1987). Contextual Approach to Therapeutic Change. Em: N. Jacobson (Ed.).
Psychoterapist in clinical practice: Cognitive and behavioral perspective. New York: Guilford Press.
(Tradução para português de Adriana C. B. Barcellos e Verônica B. Haydy).
46. HAYES, S. C. (1998). Construindo uma relação útil entre ciência aplicada e básica na terapia
comportamental. Boletim Informativo da ABPMC, Nº. 15.
47. HAYES, S. C; KOHLENBERG, B. & MELANCON, S. (1989). Evitar e Alterar o Controle por Regra
como uma Estratégia de Intervenção Clínica. Em: Steven C. Hayes (Ed.), Rule-Governed and Behavior –
cognition, contingencies, and intructional control. New York: Plenum Press. Cap. 10.
48. KANFER, F. H. & SASLOW, G. ( …). An outline for behavioral diagnosis. Em: E. J. Mash & L. G.
Terda (Ed.). Behavioral Therapy Assessment. New York: Springer Publishing Company (Cap. 5 Tradução para português de Noreen Campbell de Aguire e Helio José Guilhardi).
49. KOHLENBERG, R. J. & TSAI, M. (199 ). I speak, therefore I am: a behavioral approach to
understanding problems of the self. The Behavior Therapist, 18, 113-116.
50. LAMBERT, M. J. (1983) Os efeitos da psicoterapia: uma análise comparativa dos estudos sobre
psicoterapia. Em: Ferreira, A. E. & Carneiro T. F. (Orgs.) Personalidade e Psicoterapia Hoje. Rio:
Zahar. Págs. 161-178.
51. LAMBERT, M. J. (2003) A Efetividade da Psicoterapia: O que um século de pesquisa tem nos ensinado
sobre os efeitos de tratamento? American psychological Association – Division of Psychotherapy (29).
Págs. 1-4.
52. LOUREIRO, S. R. & PAVAN, M. L. O. (1982). Tratamento de um caso de fobia por água em uma
criança de três anos e meio. Psicologia, 8 (2), 57-71.
53. MACHADO, L. M. de C. M. (1997). Consciência e comportamento verbal. Psicologia USP, São Paulo,
v. 8, nº. 2, pp. 101-107.
54. MALERBI, F. E. K. & MATOS, M. A. (1992). A análise do comportamento verbal e a aquisição de
repertórios autodescritivos de eventos privados. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 8, nº. 3, pp. 407-421.
55. MALLOT, R. W. (2003). Behavior analysis and linguistic productivity. The Analysis of Verbal Behavior,
19, 11-18.
56. MARÇAL, J. V. S. (2002). Variação do comportamento e personalidade: como a análise do
comportamento interpreta? Brasília: UniCEUB (apostila).
57. MARINOTTI, M. (1994) Psicopedagogia comportamental. Em: Coleção sobre Comportamento e
Cognição. S. André: Esetec. Vol. 2. Cap. 37.
58. MATOS, M. A. (1995). Introspecção: método ou objeto de estudo para a análise do comportamento?
Palestra apresentada no IV Encontro Brasileiro de Psicoterapia e Medicina Comportamental. Campinas:
ABPMC.
59. MATOS, M. A. (1999). Controle de estímulo condicional, formação de classes conceituais e
comportamentos cognitivos. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva da ABPMC, v.
i, Nº. 2, pp. 159-178.
60. MATOS. M. A. (1983). A medida do ambiente de desenvolvimento infantil. Psicologia, 9(1), 5-18.
61. MEDEIROS. CARLOS. A. (2002). Comportamento verbal na terapia comportamental. Revista
Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva da ABPMC, Vol. IV, Nº. 2, pp. 105-118.
62. MELO E SILVA, FRANCYNETE (2000). Uma análise behaviorista radical dos sonhos. Psicologia:
Reflexão e Crítica. Vol. 13, Nº. 3.
63. MEYER, S. B. (2005). Regras e auto-regras no laboratório e na clínica. Em: ABREU-RODRIGUES, J.
& RIBEIRO, M. R. (Orgs.). Análise do Comportamento: pesquisa, teoria e aplicação. Porto Alegre, RS:
Artmed.
64. MILANI, I. (1989). Análise do comportamento aplicada à organização: Modelo de Engenharia
Comportamental – BEM. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 4, 149-155.
65. MOURA, C. B. & CONTE, F. C. S. (1997). A Psicoterapia analítico-funcional aplicada à terapia
comportamental infantil: a participação da criança. Torre Babel, Londrina, v.4, Nº. 1, 131-144.
66. NERI, A. A. (2001). Mudanças no cenário econômico e os impactos no comportamento dos indivíduos
nas organizações. Em M. Delitti (Org.), Sobre comportamento e cognição (pp. 275-281). São Paulo:
ESETec.
67. OLIVEIRA-CASTRO, J. M. & FOXALL, G. R. (2005). Em: ABREU-RODRIGUES, J. & RIBEIRO,
M. R. (Orgs.). Análise do Comportamento: pesquisa, teoria e aplicação. Porto Alegre, RS: Artmed.
68. POPPEN, R. L. (1989). Algumas Implicações Clínicas do Comportamento Governado por Regras. Em:
Steven C. Hayes (Ed.), Rule-Governed and Behavior – cognition, contingencies, and instructional
control. New York: Plenum Press. Cap. 9. (Traduzido para o português por ).
69. POSER, Ernest G. (1966). The effect of therapists' training on group therapeutic outcome. Journal of
Consulting Psychology, Vol. 30, Nº. 4 283-289. (Traduzido para o português)
70. REDMON, WILLIAM K. (1991). Behavior Analysis in Organizations. Em: Waris Ishaq (Org.). Human
Behavior in Today's World. New York: Praeger.
71. REGRA, J. A. G. (1994). Habilidade desenvolvida em alunos de psicologia no atendimento de crianças
com problemas de escolaridade e suas famílias. Em: Mali Delliti (Org.) Coleção sobre Comportamento e
Cognição. S. André: Esetec. Vol. 2. Cap. 38.
72. REGRA, JAÍDE A. G. (1995). Depressão Infantil: Aspectos Teóricos e Atuação Clínica. Trabalho
apresentado no IV Encontro Brasileiro de Psicoterapia e Medicina Comportamental. Campinas/SP.
73. REHM, L. P. & SHARP, R. N. (1996/1999). Estratégias para a Depressão Infantil. Em: M. A. Reinecke;
F. M. Dattilio & A. Freeman (Orgs.), Terapia Cognitiva com Crianças e Adolescentes – Manual para a
prática clínica. Porto Alegre: Artmed.
74. SKINNER, B. F. (1966). Selection by Consequences. Science, 213, 501-504. (Tradução para o português
de Ildenor Mascarenhas Cerqueira).
75. RIBEIRO, ROSANE S. (1998). O Curso GQT e a Implantação da Qualidade Total na Administração
Pública Indireta do RGS: O Caso PROSAC. Porto Alegre: Escola de Administração da UFRGS.
Dissertação de Mestrado.
76. SANABIO, E. T. (2000). O papel dos auto-relatos na análise do comportamento e na terapia
comportamental. Contexto - Boletim Informativo da ABPMC, nº. 22, pp. 4-5, Dezembro.
77. SANT'ANNA, R. C. (1994). Uma análise de relatos verbais na primeira pessoa no contexto clínico.
Psicologia: Teoria e Pesquisa, Vol. 10, Nº. 3, pp. 489-494..
78. SANTOS, J. G. W.; FRANCO, R. N. A. & MIGUEL, C. F. (2003). Seleção de pessoal: considerações
preliminares sobre a perspectiva behaviorista radical. Psicol. Reflex. Crit., vol.16 Nº.2, Porto Alegre.
79. SHAPIRO, Francine (1989). Eye movement desensitization: a new treatment for post-traumatic stress
disorder. Journal of Behavior Therapy & Experimental Psychiatry. Vol. 20, Nº. 3, 211-217.
80. SHOOK, G. L; HARSTSFIELD, F. & HEMINGWAY, M. (1995). Conteúdo essencial no treinamento
de analistas do comportamento. The Behavior Analyst, 18, Nº. 1, 83-91.
81. SILVARES, E. F. M. (1995). Terapia Comportamental Familiar: Evoluções.
82. SILVARES, E. F. M. (1998). Intervenção Clínica e Comportamental com Crianças. Em: B. Rangé
(Org.), Psicoterapia Comportamental e Cognitiva - pesquisa, prática, aplicações e problemas.
Campinas: Editorial Psy.
83. SILVENTE, M. G. (2000). Relaciones de Equivalencia: las últimas aportaciones del análisis de conducta
a la Psicologia. Recol Networks, S. L. http://www.conducta.org .
84. SKINNER, B. F. (1945). The operational analysis of Psychological terms. Psychological Review, 52,
270-277.
85. SKINNER, B. F. (1968/1972). Tecnologia do Ensino. São Paulo: Herder/ Edusp. (Tradução de Rodolpho
Azzi).
86. SKINNER, B. F. (1977). Porque não sou um psicólogo cognitivista. Behaviorism, Vol. 5, Nº. 2.
(Tradução de Olavo Faria Galvão).
87. SKINNER, B. F. (1981). Selection by Consequences. Science, v. 213, nº. 4507, 501-504. (Tradução de
Ildenor Mascarenhas Cerqueira, para uso exclusivo da disciplina "Comportamento Verbal", 2005).
88. SKINNER, B. F. (1987). A Evolução do Comportamento Verbal. Em: B. F. Skinner, Upon Further
Reflection. New Jersey: Prentice-Hall. (Tradução de Ildenor Mascarenhas Cerqueira, para uso exclusivo
da disciplina "Comportamento Verbal", 2006).
89. SKINNER, B. F. (1988). A fable. The Analysis of Verbal Behavior, 6, 1-2.
90. SKINNER, B. F. (1990). Can psychology be a science of mind? American Psychologist, 1990, 45 (11):
1206-1210. (Tradução do original por Hélio José Guilhardi e André Luis Jonas).
91. STOYVA, J. & KAMYA, J. (1968). Electrophysiological studies of dreaming as the protohtype of a new
strategy in the study of consciousness. Psychological Review. Vol. 75, Nº 3, 192-295.
92. STROMMER, R. (1991). Stimulus equivalence: implications for teaching. Em: ISHAQ, W. (Ed.).
Human Behavior in Today's World. New York; Praeger Publishers.
93. ULRICH, R. & KENT, N. D. (1978). Tácticas Recomendables para Entrenar a los Psicólogos. Em:
ULRICH, R; STACHNIK, T. & MABRY, J. (1978). Control de la Conduta Humana. México: Trilhas.
Cap. 11.
94. VAUGHN, Margareth (1995). Comportamento governado por regras e processos mentais superiores.
Informativo ABPMC, Nº. 8, 2-8, Junho.
95. WHANGER, A. D. (1992). Tratamento Hospitalar do Paciente Psiquiátrico Idoso. In: Busse, E. W. e
Blazer, D. G. (Orgs.). Psiquiatria Geriátrica. Porto Alegre: Artes Médicas.
96. WILLIAMS, L. C. A. & MATOS, M. A. (1984). Pais como agentes de mudança comportamental dos
filhos: uma revisão de área. Psicologia, 10(2), 5-25.
97. ZAMIGNANI, D. (2003). O papel dos eventos privados para a construção do autoconhecimento na
terapia. Contexto - Boletim Informativo da ABPMC, Nº. 28, Dezembro.
98. ZEILBERGER, J; SAMPEN, S. E. & SLOANE, N. H. (1968). Modification of a child's problem
behaviors in the home with the mother as therapist. Journal of Applied Behavior Analysis, 1, 47-53.
99. ZETTLE, R. D. (1990). Comportamento governado por regra: uma resposta do behaviorismo radical ao
desafio cognitivo. The Psychological Record, 40, 41-49. (Tradução de Hélio José Guilhardi).
100. ZETTLE, D. R. (1990). Comportamento governado por regras: uma resposta do behaviorismo radical
ao desafio cognitivo. The Psychological Record, 40, 41-49.
101. ZETTLE, R. D. & HAYES, S. C. (1982). Rule-governed behavior: a potencial theoretical framework
for cognitive-behavior therapy. Em: D. C. KENDALL (Org.). Advances in Cognitive-Behavioral
Research and Therapy. New York: Academic Press, Vol. 1, pp. 73-118.
|Index| |Introdução| |Trabalhos| |Softwares| |Técnicas| |Escalas| |Textos| |Links| |Humor|
.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards