título do resumo

Propaganda
PSICOEDUCAÇÃO E TERAPIA DE ACEITAÇÃO E COMPROMISSO EM
UMA INTERVENÇÃO EM GRUPO PARA O TRATAMENTO DO
TRANSTORNO BIPOLAR: UM ESTUDO DE CASO
Isabela Bendine Gastaldi; Maria Rita Zoéga Soares
[email protected]
Universidade Estadual de Londrina, Centro de Ciências Biológicas
Área e subárea do conhecimento: Ciências Humanas, Psicologia.
Palavras-chave: Transtorno Bipolar. Análise do Comportamento. Intervenção.
Resumo
O Transtorno Bipolar (TB) caracteriza-se como uma condição crônica grave, a
qual apresenta episódios de mania, hipomania e depressão. Por se tratar de
um distúrbio do humor, pode afetar diversos aspectos da vida de um indivíduo
como o emocional, físico, social e profissional. A combinação de tratamento
farmacológico e psicoterapêutico se faz essencial para melhorar a qualidade de
vida do indivíduo com TB. A partir disso, foi realizada uma intervenção em
grupo com base nos princípios da Psicoeducação e da Terapia de Aceitação e
Compromisso (ACT), sob a ótica da Análise do Comportamento, como uma
forma de tratamento para indivíduos com o TB. O presente trabalho buscou
analisar os efeitos dessa intervenção em um dos clientes que participou da
psicoterapia em grupo e apresentar os efeitos da Psicoeducação e da ACT. A
análise foi feita por meio de instrumentos como as escalas Hamilton, Young e
WHOQOL – Bref, que avaliaram, respectivamente, sintomas de depressão,
sintomas de mania e hipomania e aspectos relacionados à qualidade de vida.
Introdução e Objetivos
O Transtorno Bipolar (TB) é uma condição crônica grave que afeta o
humor e possui causas biológicas, neuroquímicas e psicossociais. O TB é
caracterizado por oscilações de humor: episódios de mania ou hipomania
alternados com episódios depressivos. Assim como todas as psicopatologias, o
TB necessita de tratamento, tanto farmacológico como psicoterapêutico, sendo
essencial a combinação dessas duas formas de tratamento para que se
apresente um melhor resultado quanto aos sintomas dessa condição. O
1
Behaviorismo Radical desenvolvido por Skinner nos apresenta o conceito de
comportamento operante, por meio do qual o indivíduo age transformando o
ambiente e sendo também transformado por ele. Sob essa ótica, pode-se dizer
que os episódios de humor presentes na vida de um indivíduo com TB
envolvem comportamentos que afetam não só a si próprio como também a sua
família, emprego, relacionamentos, entre outras áreas. Por isso, ressalta-se a
importância não apenas do tratamento como da informação sobre as
características do TB. A Psicoeducação é uma alternativa de tratamento que
oferece informações sobre o TB e tem se mostrado muito eficaz. Por meio dela,
o cliente conhece melhor a condição psicológica em que se encontra e tende a
aderir mais facilmente aos tratamentos indicados. A Psicoeducação sob o viés
da Análise do Comportamento permite que o cliente possa também identificar
certos tipos de comportamentos e relacioná-los com seus antecedentes e as
consequências produzidas, o que permite um maior controle por sua parte e
diminui o número de recaídas. A Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT)
se coloca da mesma forma como possibilidade de tratamento do TB, uma vez
que promove um aumento da flexibilidade psicológica, o que irá permitir ao
cliente uma consciência maior sobre seus comportamentos, emoções e
pensamentos e que a partir disso possa escolher, conforme seus próprios
valores, a melhor maneira de lidar com eles. A partir da compreensão acerca
do Transtorno Bipolar, suas características e as consequências na vida dos
indivíduos que sofrem dessa psicopatologia, o presente trabalho buscou
analisar de que forma esses recursos mencionados contribuíram no tratamento
psicológico de uma das clientes que apresentavam o Transtorno Bipolar,
durante uma psicoterapia realizada em grupo, e acompanhar seu caso clínico
desde a primeira até a última sessão, avaliando seu progresso.
Procedimentos metodológicos
O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo
Seres Humanos da Universidade Estadual de Londrina e documentos como o
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido do participante e o Termo de
Confiabilidade e Sigilo da equipe de pesquisa foram preenchidos, assinados e
arquivados. O grupo de intervenção realizado envolveu 5 participantes de faixa
etária entre 18 e 65 anos, de ambos os sexos, diagnosticados com Transtorno
Bipolar e livres de prejuízos cognitivos que pudessem comprometer a
compreensão das atividades. A participante que foi escolhida para a análise
funcional desse trabalho será tratada pelo nome fictício de Rosa. A mesma foi
selecionada a partir do critério de participação assídua em todos os 10
encontros, para que se pudesse avaliar de maneira integral o seu tratamento.
Para avaliar os sintomas de depressão foi utilizada a escala de HAMILTON –
2
HDRS (Gorenstein, Andrade & Zuardi, 2000), ela possui 17 itens com
pontuações de 0 a 2 e de 0 a 4, que variam conforme o item. Os sintomas de
mania foram avaliados pela escada YOUNG – YMRS (Gorenstein, Andrade &
Zuardi, 2000), que adota uma pontuação de 0 a 4, na qual 0 é ausência de
sintoma e 4 o sintoma em sua forma mais grave. A escala WHOQOL – Bref.
avalia questões relacionadas à qualidade de vida e é composta por 26 itens
que apresentam uma escala de 1 a 5. Pontuações inferiores a 2,9 são
consideradas como “necessita melhorar”, de 3 a 3,9 considera-se regular, de 4
a 4,9 são classificadas como bom e acima de 5 como muito bom. Essa escala
abrange 4 domínios: físico, psicológico, relações sociais e meio-ambiente. A
pesquisa foi realizada na sala de espelho da Clínica Psicológica da
Universidade Estadual de Londrina. Como recursos materiais foram utilizados:
gravador de áudio digital, microcomputador, impressora, filmadora digital,
projetor multimídia e caixas de som. Primeiramente, foi realizada a seleção dos
participantes a partir dos critérios de inclusão e exclusão, realizada pela
psicóloga responsável pela condução das sessões de psicoterapia em grupo.
Posteriormente, foram realizadas 10 sessões de aproximadamente 90 minutos
cada, fundamentadas de acordo com os pressupostos da Psicoeducação e da
ACT. Os instrumentos foram aplicados antes do início da intervenção, ao
término da mesma e no follow-up de 3 meses depois. O estudo do caso clínico
da participante foi realizado por meio das observações na sala-espelho e
também pela análise das gravações de áudio e vídeo das sessões de
psicoterapia em grupo.
Resultados e Discussão
Rosa, sexo feminino, tinha 28 anos no período de tratamento, cursava
graduação, porém havia se afastado do emprego em razão do TB. Morava com
a mãe, o irmão, o esposo e o filho. A cliente relatou sua primeira crise de
depressão há cerca de 3 anos e desde então se submeteu ao tratamento
psiquiátrico, há um ano foi diagnosticada com TB. Suas queixas envolviam
aumento da irritabilidade, dificuldade de concentração, falta de disposição para
realizar tanto atividades de lazer, como de trabalho e dificuldade em concluir
objetivos. Relatou duas tentativas de suicídio e pensamentos recorrentes de
morte que, segundo ela, haviam cessado a partir do tratamento farmacológico.
Nas primeiras sessões, mantinha pouco contato visual e olhava para baixo a
maior parte do tempo. Em alguns momentos os terapeutas sugeriam mudanças
de comportamento e Rosa aparentava resistência ao utilizar de justificativas.
Como exemplo, quando terapeutas indicaram alternativas frente à falta de
disposição para sair com a família e os amigos, Rosa justificou dizendo que
coisas ruins poderiam acontecer, sendo esse sentimento uma intuição que
3
deveria dar atenção. Esses comportamentos de Rosa eram aparentemente
mantidos por uma contingência de reforçamento negativo, na medida em que
ela recusava os convites para sair e assim evitava tanto a interação social
como a possibilidade de seus pensamentos negativos se concretizarem de
fato. Os terapeutas, considerando os pilares da ACT, apontaram que aqueles
sentimentos que ela considerava intuitivos não controlavam o seu
comportamento, de modo que ela poderia se expor a essas situações
independentemente desses pensamentos. Ainda conforme os pressupostos da
ACT, os terapeutas discutiram no grupo o conceito de valores, de modo que a
cliente pudesse estabelecer aquilo que considerava importante em sua vida. A
partir da consolidação da ideia sobre valores, que para a cliente, estavam
relacionados a estar junto da família e dos amigos, ser mais presente na vida
do filho e do esposo, Rosa passou a aceitar convites para passear em família e
com os amigos, experienciando novas vivências, que passaram a atuar então
como reforços positivos, mantendo esse comportamento de sair de casa e
procurar se relacionar mais. Na sessão, alguns comportamentos de melhora
também foram apresentados por Rosa, mostrava-se mais sorridente a aberta
ao que os outros tinham a dizer, participava com maior frequência e relatava
também as suas experiências. Além disso, assim como indicado anteriormente,
pode-se apontar que houve uma generalização dos comportamentos de
melhora, que não ocorriam apenas na psicoterapia como também em sua casa
e nos momentos em que interagia com família e amigos. De acordo com a
Escala Hamilton, a cliente apresentava depressão leve antes do início do
tratamento e após o grupo obteve redução do escore, indicando eutimia (humor
estável). Tal dado se manteve no follow-up, indicando que as consequências
no ambiente natural foram capazes de manter os comportamentos adequados.
Houve uma considerável redução de sintomas. Quanto ao aumento de
sintomas da mania apresentados na escala Young no pós-teste, pode-se
hipotetizar que esse seria um indicativo de melhora, tendo em vista que o
aumento da disposição para realizar atividades, por exemplo, é um ponto
positivo no contexto do repertório comportamental de Rosa. A escala
WHOQOL – Bref apontou resultados positivos de melhora em todos os
domínios, com destaque para o psicológico. Rosa manteve essa melhora no
período de follow-up, o que sugere uma eficácia do tratamento realizado na
psicoterapia em grupo por meio da ACT e da Psicoeducação no que tange à
modelagem de repertórios comportamentais e à generalização dos mesmos.
Conclusões
A melhora apresentada por Rosa foi observada em todos os aspectos
avaliados, como foi mostrado nos gráficos das escalas HAMILTON, Young e
4
WHOQOL - Bref. A análise individual de cada um dos participantes de
psicoterapias realizadas em grupo é essencial pra compreender a avaliar de
que forma cada um reagiu ao tratamento e como certas variáveis. A presença
assídua da participante nos encontros auxiliou na análise dos dados e
provavelmente pode ter sido fundamental para os resultados observados. A
categorização dos comportamentos envolvidos nesse tipo de pesquisa, tanto
dos terapeutas quanto dos participantes, é importante para que se possa
trabalhar com comportamentos-problema, comportamentos-alvo, entre outros,
da maneira mais eficaz possível.
Referências
Associação Psiquiátrica Americana (2013) Manual Diagnóstico e Estatístico de
Transtornos Mentais. Trad. Nascimento, M. I. C.; et al. 5.ed. Porto Alegre:
Artmed.
Berk, L.; Berk, M.; Castle, D. & Lauder, S. (2010) Vivendo com Transtorno
Bipolar: Um guia para entender e manejar o transtorno. Porto Alegre: Artmed.
Delitti, M. (2008) Terapia Analítico-Comportamental em Grupo. In: Delitti, A. M.
C. & Derdyk, P. Terapia Analítico-Comportamental em Grupo (pp. 33-58).
Santo André, Esetec Editores.
Delitti, M. & Derdyk, P. (2012) O trabalho da análise do comportamento com
grupos: possibilidades de aplicação a casais e famílias. In: Borges, N. B. &
Cassas, F. A. (Orgs.) Clínica analítico-comportamental: aspectos teóricos e
práticos (pp. 259-269). Porto Alegre, Artmed.
Hayes, S. C., Strosahl, K., & Wilson, K. G. (1999). Acceptance and
Commitment Therapy: An experiential approach to behavior change. New York:
Guilford Press.
Moreno, A. R. & Moreno, D. H. (2000). Escalas de Avaliação para Depressão
de Hamilton (HAM-D) e Montgomery-Åsberg (MADRS). In: Gorestein, C.,
Andrade, L.H.S.G. & Zuardi, A. W. (Orgs.). Escalas de Avaliação Clínica em
Psicologia e Psicofarmacologia (71-87). São Paulo: Lemos - Editorial.
5
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards