SIMULADO 1)“Entre a primitiva indústria artesanal da colônia e a

Propaganda
SIMULADO
1)“Entre a primitiva indústria artesanal da colônia e a moderna
maquinofatura, interpõe-se na evolução econômica do Brasil um
grande hiato. Aquela decaiu e praticamente se anulou antes que a
outra surgisse. (...) A orientação da economia brasileira, organizada
em produções regionais, que se voltavam para o exterior, impedira a
efetiva unificação do país e o estabelecimento de uma estreita rede
de comunicações internas que as condições naturais já tornavam por
si muito difíceis.”
(Júnior, Caio Prado. In: História Econômica do Brasil, p. 259)
Sobre o processo de industrialização do Brasil, é correto afirmar:
I- A participação flamenga na montagem da agro-indústria
açucareira se deu através de financiamentos e assegurou, aos
investidores, o direito de transporte, refino e distribuição do açúcar
brasileiro.
II- O surto industrial do século XIX (Era Mauá) está relacionado
tanto aos investimentos estatais no setor de bens-de-produção como
a ampliação dos mercados consumidores, conseqüência da abolição
da escravidão.
III- O projeto industrialista de Rui Barbosa, implantado através de
uma política emissionista, resultou na aguda crise financeira
conhecida como Encilhamento.
IV- Como conseqüência da I Grande Guerra o Brasil experimentou a
expansão das indústrias de bens-de-consumo não duráveis,
financiada, em grande parte, por capitais provenientes das
exportações cafeeiras.
São Verdadeiros:
a) I, II e III
b) II, III e IV
c) I, III e IV
d) I, II, III e IV
e) I e III
Gabarito C
Comentário:
I- verdadeiro
II- falso: o surto industrial do século XIX (Era Mauá) não foi
bancado por investimentos estatais e nem a escravidão tinha sido
abolida. Inclusive o Império tinha uma mentalidade agroexportadora.
III- verdadeiro
IV- verdadeiro
2) "A filosofia do século, a política inglesa, a ambição da França e a
estupidez da Espanha influíram bastante na América" (Simon
Bolívar). São fatores que influenciaram os movimentos separatista
na América Latina:
I- O pensamento Iluminista, que se projetou ao mundo a partir da
Independência dos EUA e da Revolução Francesa.
II- O crescimento da produção capitalista após a Revolução
industrial inglesa, tensionando o colonialismo na busca de novos
mercados.
III- Ao enfraquecimento das elites coloniais criollas frente ao
crescimento do movimento popular nativista, a exemplo de Tupac
Amaru.
IV- O fim do tráfico negreiro e da escravidão africana,
comprometendo a base de exploração metropolitana nas minas de
prata de Potosi.
São Verdadeiros:
a) I, II e III
b) II, III e IV
c) I, III e IV
d) I, II, III e IV
e) I e II
Gabarito E
Comentário:
I- verdadeiro
II- verdadeiro
III- Ao contrário. Quem liderou a luta pela independência das
colônias espanholas foram os criollos, a exemplo de Simon Bolívar.
Já o movimento popular nativista, a exemplo de Tupac Amaru, foi8
violentamente reprimido.
IV- A exploração metropolitana nas minas de prata de Potosi não era
feita com base na escravidão africana, mas sim com base na mita.
3) Pode-se dizer que no Brasil, com a transmigração da Família Real
terminou o período colonial e inaugurou-se a fase independente.
Sobre esse período é correto afirmar:
a) A Abertura dos Portos, decretada por D. João VI, atendia aos
interesses econômicos da burguesia comercial instalada em Portugal.
b) A elevação do Brasil a Reino Unido, em 1815, foi concretizada
com o objetivo de assegurar a autonomia política necessária para
que o Brasil defendesse Portugal da ocupação napoleônica.
c) As medidas adotadas durante o Período Joanino representaram
um rompimento definitivo com a estrutura social de produção.
d) Os tratados de 1810, assinados entre D. João VI e a Inglaterra,
estimularam a transferência de tecnologia industrial para o Brasil.
e) As tentativas de recolonização empreendidas pelas Cortes
portuguesas através da Revolução do Porto, estimularam o processo
de emancipação política do Brasil.
Gabarito E
Comentário:
a) Falsa. A Abertura dos Portos atendia aos interesses da burguesia
inglesa, prejudicando os interesses comerciais da burguesia instalada
em Portugal, pois esta dependia do pacto colonial, extinto com a
Abertura dos Portos.
b) Falsa. A elevação do Brasil a Reino Unido foi concretizada por
sugestão inglesa, para que D. João VI participasse do Congresso de
Viena.
c) Falsa. As medidas adotadas durante o Período Joanino não
alteraram a estrutura social de produção, ou seja, o escravismo.
d) Falsa. Os tratados de 1810 reduziram as tarifas alfandegárias em
favor da Inglaterra, aumentando ainda mais a dependência do Brasil.
e) Verdadeiro.
4)“O Primeiro Reinado caracterizou-se pela organização da máquina
burocrática do Estado, estabelecimento das relações internacionais
do Brasil, definição da lei fundamental do país e funcionamento,
algumas vezes precário, das instituições legislativas.” A partir do
texto acima e de seus conhecimentos sobre o I Império, assinale:
a) Inspirado em filósofos franceses, a introdução do Poder
Moderador na Constituição de 1824 assegurou a existência de um
governo forte, porém de caráter liberal.
b) O reconhecimento da independência política do Brasil, por parte
das nações latino-americanas recém independentes, foi facilitado
pelo caráter progressista reformista do novo Estado brasileiro.
c) A crise política brasileira ocorrida ao longo do Primeiro Reinado
revelava o continuísmo lusitano do Estado brasileiro em formação,
mesmo após a independência.
d) A Confederação do Equador foi uma reação de grupos ligados aos
interesses portugueses e, portanto, um movimento de caráter
restaurador.
e) O Primeiro Reinado foi um período de consolidação do Estado
Nacional, em que a aristocracia agrária, através de um a Assembléia
Constituinte modernizou as instituições políticas brasileiras,
promulgando a através da Constituição de 1824.
Gabarito C
Comentário:
a) Falso. A introdução do Poder Moderador na Constituição de 1824
assegurou plenos poderes autoritários ao imperador, criando um
perfil absolutista.
b) Falso. As nações latino-americanas recém independentes se
recusaram a reconhecer a independência do Brasil pelo seu caráter
conservador (monárquica) e continuísta (mantém um príncipe
português no poder).
c) Verdadeiro
d) Falso. A Confederação do Equador foi uma reação liberal e
nordestina contra o centralismo e o continuísmo do Império
brasileiro.
e) Falso. A Assembléia Constituinte foi fechada por D. Pedro I e a
primeira Constituição brasileira, além de imposta em 1824 tinha um
perfil autoritário.
5) “Durante mais de cem anos pairou uma onda de mentiras sobre a
Guerra do Paraguai. Junta-se a essa onda de mentiras um silêncio
criminoso, procurando ocultar de todas as formas possíveis o que foi
aquela guerra, o que representou para os povos envolvidos e,
principalmente, como, por sua causa, o Brasil e a Argentina
(levando o Uruguai de contrapeso) ficaram definitivamente
colonizados pelo capital inglês. Apesar de sua transcendental
importância histórica, faz-se silêncio. Ou mente-se. Ou, num
comportamento ingênuo criticamente, mas que tem conseguido seus
resultados, conspurca-se a história e a verdade, alimentando a
fantasia nacionalista com episódios heróicos e militaristas.”
Chiavenatto, Júlio José. In: Genocídio Americano: A Guerra do
Paraguai.
Da leitura do texto acima e com base em seus conhecimentos, podese afirmar:
I- A historiografia tradicional procura transformar a Guerra do
Paraguai em um momento heróico para o exército brasileiro.
II- Para o governo brasileiro, a Guerra contra o Paraguai tinha como
objetivo maior a reconquista de territórios na região centro-oeste,
perdidos para a Espanha durante o período colonial.
III-Um dos interesses da Inglaterra em ver o Paraguai derrotado,
relaciona-se ao desenvolvimento econômico autônomo daquele país,
caso único no cenário latino-americano.
IV- A Guerra do Paraguai revela também a situação de tensão da
Bacia Platina, existente desde o período colonial, em função das
disputas pela livre navegação nos rios da Bacia do Prata.
São Verdadeiros:
a) I, II e III
b) II, III e IV
c) I, III e IV
d) I, II, III e IV
e) I e II
Gabarito: C
Comentário:
I- Verdadeiro
II- Falso. Na formação colonial das fronteiras brasileiras foi
Portugal, e por conseqüência o Brasil, quem avançou sobre os
territórios para além de Tordesilhas, terras espanholas.
III-Verdadeiro
IV- Verdadeiro
6) “A massa humana que tira a subsistência da terra vive no mais
lamentável estado de pobreza e abandono ( ...). É o grande
proprietário de terra ou de gado que tem meios de obter recursos e
financiamentos. É, pois, para ele que o roceiro apela nos momentos
de apertura, comprando fiado em seu armazém para pagar com a
colheita ou pedindo dinheiro, nas mesmas condições, para outras
necessidades. Com essas dívidas o sertanejo se torna dependente das
vontades dos ricos latifundiários ou perde o pouco que tem e vira um
homem errante, um eterno retirante. DestituÍdo de posses, de terra,
de trabalho, resta-lhe vagar a esmo pelo sertão, na esperança de que
alguma ação divina venha mudar a sua sorte. Mas se a sina se
mantém inflexível, seu último ato, talvez de desespero, pode ser a
força das armas”
Considerando o período da República Velha, a situação do meio
rural brasileiro descrita no texto acima está diretamente
relacionada a situações como:
I- o aparecimento de movimentos milenaristas e messiânicos,
envolvendo a população rural de retirantes, como foi o caso do
arraial de Canudos, liderado por Antonio Conselheiro.
II- estimular o fanatismo religioso entre os sertanejos, fortalecendo a
mística em torno do Padre Cícero Romão, figura de grande
popularidade no Ceará no início do século.
III- produzir violentos levantes armados nas instituições militares, a
exemplo da Revolta da Chibata e do Tenentismo, movimentos
revolucionários com forte participação popular.
IV- provocar a eclosão do primeiro movimento rural brasileiro em
defesa da reforma agrária, a Revolta de Contestado, organizada
pelos imigrantes anarquistas italianos da região de Santa Catarina e
Paraná.
São verdadeiras:
a) I e II
b) II e III
c) II e IV
d) I e IV
e) II e IV
Gabarito: A
Comentário:
I- Verdadeiro
II- Verdadeiro
III- Falso. Os levantes armados nas instituições militares conhecidos
como Revolta da Chibata e Tenentismo não tem origem nas
contradições do meio rural e nem devem ser classificados de
revolucionários.
IV- Falsa. A Guerra de Contestado não foi o primeiro movimento
rural brasileiro em defesa da distribuição de terras (Canudos) e não
foi organizada por imigrantes italianos.
UFBA – 2000.1 – GABARITO COMENTADO PROF. RENATO
SANTOS
QUESTÃO 11 – acrescentar enunciado da questão e das proposições,
inclusive o MAPA
(01) Verdadeiro. (I-Egito) Todas as características apresentadas
correspondem à Civilização Egípcia.
(02) Falso. (II-Mesopotâmia) Embora a região mesopotâmica tenha sido
dominada por diferentes povos (sumérios, acádios, assírios, caldeus), o modo
de produção asiático ali desenvolvido determinou a formação de um Estado
complexo, do tipo teocrático, fortemente hierarquizado e de poder altamente
centralizado.
(04) Verdadeiro. (III-Índia) A fulminante expansão militar encabeçada por
Alexandre Magno em direção ao Oriente, e que resultou na formação efêmero
Império Alexandrino, ultrapassou as fronteiras da Índia, chegando até o rio
Indo.
(08) Gabarito Oficial: Verdadeiro. (IV-Índia) O rio Ganges faz parte da
Índia, inclusive sendo considerado sagrado. E de fato “nessa região surgiram
sistemas religiosos fundamentados na submissão do corpo às forças do
espírito, na crença na reencarnação da alma e na interferência divina nas
hierarquias sociais”, como atesta a mais importante religião indiana -o
hinduismo, e a mais importante religião tibetana -o budismo. Entretanto, o que
é inaceitável na proposição é a afirmação “cuja influência tem alcançado o
Ocidente nos dias atuais”. Influência é uma expressão determinante. E não se
observa, no cotidiano da civilização ocidental, nenhum tipo de presença
marcante de tais sistemas religiosos. Nesse sentido descordamos do gabarito
oficial.
(16) Falso. (V-China) Não só a formação do Império Chinês é anterior a Era
Cristã como a Civilização Chinesa foi uma das mais brilhantes e sofisticadas
civilizações da Antigüidade, como atesta seu notável legado cultural. Na
verdade, a presença européia no século XIX, de caráter imperialista, foi
trágica para o povo chinês. Na Guerra do Ópio (1839-41) o Império Britânico
impôs uma humilhante derrota ao Império Chinês, dando início a um longo
período de degradação cultural e material da Civilização Chinesa.
(32) Falso. (VI-Palestina) É falso primeiro porque o Estado de Israel só foi
fundado em 1948, séculos depois das Cruzadas. E segundo porque o conflito
militar pela posse das terras, por ocasião das Cruzadas, foi entre a cristandade
ocidental e turcos otomanos, que invadiram a Palestina vindos do extremo
oriente.
(64) Verdadeiro. (VII- Grécia-Macedônia-Turquia) O algarismo romano está
assinalado de forma imprecisa no mapa. Tanto pode ser a Macedônia, que na
Antiguidade foi o ponto de partida para a formação do Império Macedônico e
da Civilização Helenística, que representam uma síntese entre a cultura
ocidental e oriental, como pode ser o Império Romano Oriental, que através da
sua capital, Constantinopla, promoveu intenso intercâmbio entre ocidente e
oriente.
QUESTÃO 12 – acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Falso. Primeiro porque o enunciado contradiz o texto, que considera
como “os mais poderosos” apenas o alto clero. Segundo porque a Igreja
Católica só se firmou como instituição reconhecida universalmente -do ponto
de vista eurocêntrico- ao longo da Idade Média.
(02) Falso. Em todo o período medieval os detentores das maiores
propriedades territoriais foram os senhores feudais laicos, isto é os nobres, e a
Igreja Católica.
(04) Gabarito Oficial: Verdadeiro. De fato é inquestionavelmente
verdadeira a assertiva. Entretanto, a proposição se torna FALSA,
inquestionavelmente falsa, quando diz: “como está descrito no texto”. Ora, o
texto não faz nenhuma referência à expansão mercantil e a aliança rei x
burguesia. Portanto discordamos do gabarito oficial.
(08) Verdadeiro. De fato a ideologia medieval, moldada nos corredores dos
mosteiros, é essencialmente teocêntrica e fatalista, coibindo as interpretações
racionalistas. Entretanto as transformações econômicas e sociais pelas quais a
Europa Ocidental passou na Baixa Idade Média, a partir do Renascimento
Comercial e Urbano, estimularam o renascimento do humanismo e do
racionalismo.
(16) Verdadeiro. As transformações econômicas, sociais e culturais da Baixa
Idade Média estimularam a eclosão de movimentos religiosos cristãos -a
Reforma Protestante, que condenavam, entre outras coisas, o monopólio
religioso católico e a autoridade papal.
(32) Verdadeiro. A Idade Moderna foi um longo período de transição entre o
feudalismo medieval e o capitalismo contemporâneo. Portanto, um período em
que se encontram, na Europa Ocidental, elementos dos dois modos de
produção: o feudal e o capitalista. A superação definitiva dos elementos
feudais só aconteceu através das Revoluções Burguesas, ocorridas na
Inglaterra do século XVII e na França do século XVIII.
QUESTÃO 13 – acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Falso. O texto se refere à Revolução Gloriosa, ocorrida na Inglaterra do
século XVII, e a Política das Nacionalidades (unificações e propaganda
nacionalista) faz parte do contexto do século XIX.
(02) Verdadeiro. A “Declaração dos Direitos” da Revolução Gloriosa de
1689 é um documento burguês que condena o Absolutismo, sistema político
que, como sustenta o texto, “fundamentava-se no mercantilismo, no controle
real sobre o exército e a justiça e na teoria do direito divino dos reis” .
(04) Falso. Não só porque o rei estaria sob a vigilância do Parlamento e não
da Igreja, como porque não foi o primeiro documento, já que a Carta Magna,
da Inglaterra do século XIII, também limitava a ação dos soberanos.
(08) Falso. No contexto histórico mencionado o Parlamento contestava o
poder absoluto do rei e funcionava como instrumento de poder da burguesia,
já que o voto que elegia os deputados era censitário.
(16) Falso. Na Inglaterra a perda da hegemonia por ocasião da Reforma
Anglicana nunca foi revertida pela Igreja Católica. Além disso, a burguesia
que ascendeu ao poder através do Parlamento era essencialmente puritana.
(32) Verdadeiro. O sistema parlamentarista de governo, predominante na
Europa atual, tem origem na Inglaterra da Revolução Gloriosa e se
fundamenta no item 13.
(64) Verdadeiro. Embora a Declaração dos Direitos do Homem editada por
ocasião da Revolução Francesa enfatize a igualdade jurídica, as duas
declarações são igualmente contundentes na crítica ao absolutismo.
QUESTÃO 14 – acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Falso. Nos trinta primeiros anos que se seguiram à chegada oficial dos
portugueses, através de Cabral, Portugal, envolvido com o comércio de
especiarias com as Índias Orientais, deixou o Brasil relegado a um segundo
plano, sem investimentos de ocupação. Nesse período, chamado de précolonial, o Estado Lusitano limitou-se a permitir a realização do escambo de
pau-brasil, atividade praticada sem a necessidade de colonização.
(02) Falso. Não houve a transferência para o Brasil da hierarquia nobiliárquica
existente na Europa. Aqui na América Portuguesa os cargos de poder e
comando no Governo Geral eram exercidos por funcionários nomeados pelo
rei e que poderiam ser demitidos a qualquer tempo. Ao contrário das
Capitanias, que eram hereditárias, o Governo Geral era cargo de confiança,
não havendo nem vitaliciedade e nem hereditariedade.
(04) Verdadeiro. As relações entre Brasil e Portugal se inscrevem nos marcos
no mercantilismo, sendo, portanto, definidas pelo Sistema Colonial. Entre as
medidas do sistema de exploração colonial a mais relevante é o Pacto
Colonial, que valoriza a atividade mercantil (Capitalismo Comercial) ao impor
o monopólio comercial à colônia.
(08) Verdadeiro. Como colônia de exploração que produzia excedente
agrícola e, posteriormente, ouro, a administração portuguesa instalada no
Brasil priorizou o controle fiscal das áreas portuárias e produtivas. A criação
do Conselho Ultramarino, no século XVII, foi uma forma de intensificar o
combate ao contrabando e a sonegação fiscal.
(16) Verdadeiro. No Brasil Colonial o título de homem bom era atribuído aos
grandes proprietários de escravos e terras. Além do poder econômico, os
homens bons eram também donos do poder político, pois controlavam as
Câmaras Municipais. Brancos europeus, recebiam “mercês e privilégios” que
os colocavam acima das massas populares, formada por mestiços e negros,
visivelmente excluídos.
(32) Verdadeira. A criação do Governo Geral teve como objetivo estimular o
intercâmbio e a proteção das capitanias, e não extingui-las.
(64) Falso. Embora a mais importante das ordens estabelecidas na colônia, a
Cia de Jesus, tenha tido atritos com o Estado Lusitano, o papel dessas ordens
religiosas era o de sustentar ideologicamente a colonização, promovendo a
europeização das comunidades nativas e justificando a escravidão negra.
QUESTÃO 15 – acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeiro. Embora a estrutura do tipo plantation seja semelhante em
ambos os casos, a expansão cafeeira no século XIX permitiu que a região
sudeste acumulasse mais capital e se modernizasse mais rapidamente, através
da implantação de infra-estrutura de transporte (ferrovias e portos) e
urbanização.
(02) Verdadeiro. O Convênio de Taubaté, realizado durante o governo do
presidente Rodrigues Alves, reuniu os governadores de São Paulo, Minas e
Rio -os grandes produtores de café- que decidiram comprar e estocar todo o
excedente de café produzido (Política de Valorização do Café).
(04) Verdadeiro. A divisão internacional do trabalho da Era Imperialista
impôs aos países periféricos da América Central e Sul, como a Brasil, a
condição de “países das sobremesas”, exportadores de produtos agrícolas
baratos como o açúcar, o café, o cacau, a banana, etc e importadores dos
valiosos manufaturados.
(08) Falso. Ao longo do século XX o Brasil experimentou a expansão
industrial em diferentes fases. Primeiro, como conseqüência da I Guerra
(1914-18), houve a expansão de indústrias leves de substituição. A partir dos
Anos 30, como conseqüência da Crise de 29, Vargas implantou uma política
industrial nacionalista, estimulando indústrias de base. Já nos Anos JK a
ênfase foi à entrada de indústrias de substituição de bens de consumo
duráveis, sob a forma de multinacionais. E nos Anos 70, a Ditadura Militar
consolidou o modelo de industrialização dependente, iniciado nos Anos 50,
com JK.
(16) Falso. A expansão industrial registrada na questão anterior estimulou sim
foi a urbanização. Tanto que podemos afirmar que a partir dos Anos 50, com
JK, o Brasil deixa de ser aquele “velho” país agrário e rural, para se
transformar num país industrial e urbano. É claro que essa transição é notável
na região sudeste.
(32) Falso. A desigualdade regional era facilmente perceptível. O
desenvolvimento industrial e urbano do sudeste contrastava com a estagnação
econômica e social das regiões norte-nordeste. Daí, inclusive, a proposta do
economista Celso Furtado, realizada pelo governo JK, de criar a SUDENE.
(64) Verdadeiro. A expansão dos setores secundário e terciário da economia,
particularmente no sudeste e nas regiões litorâneas, estimulou a formação de
uma sociedade de consumo mais dinâmica, base para a formação da classe
média.
QUESTÃO 16 – acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeiro. O avanço alcançado pelo modo de produção capitalista após
a II Revolução Industrial (XIX) determinou a formação do Capitalismo
Monopolista, fundamentado na intensa concentração de capital, na formação
dos trustes e cartéis, no surgimento das S/A. Tendo como novidade a
necessidade de exportar capital e mão de obra, a expansão capitalista pelo
mundo atinge a nova e agressiva etapa do imperialismo.
(02) Verdadeiro. A II Revolução Industrial representou um avanço técnico
notável (a eletricidade, as ferrovias, o uso do aço e dos derivados de petróleo,
o telégrafo, etc) mas que não pôde ser assimilado pelas pequenas e médias
empresas, que, ultrapassadas, foram sendo engolidas por empresas maiores.
Como conseqüência ocorreu uma rápida concentração de capital e a imediata
formação de grupos monopolistas poderosíssimos, com capacidade de investir
em qualquer parte do mundo, impondo a quase todas as regiões do planeta o
modelo capitalista, não só no plano econômico, mas também no plano social e
cultural.
(04) Verdadeiro. Uma proposição simples, que trata da Quebra da Bolsa de
Valores de Nova Iorque e da Crise de 29. Entretanto, o uso da expressão
falência criou dúvidas, um típico problema de interpretação, que deixa bons
alunos em “sinuca de bico”. O termo “falência” foi utilizado no sentido
transitório, de fracasso.
(08) Verdadeiro. A proposição se refere as décadas de 20 até 80 do século
XX, período em que a URSS sempre representou um contraponto ao mundo
capitalista. Primeiro sozinha, até a II Guerra. Depois, no contexto da Guerra
Fria, liderando o Bloco Comunista, particularmente o Leste Europeu. Até ser
extinta no início dos Anos 90 (natal de 1991).
(16) Verdadeiro. A vitória de Israel na Guerra do Yom Kippur levou os
países árabes da OPEP a embargarem o fornecimento do produto aos EUA e
às potências européias e, posteriormente, elevarem estupidamente o preço do
“ouro negro”, desencadeando a Crise do Petróleo (1973).
(32) Verdadeiro. A proposição se refere ao final do século XX, período em
que ocorre a falência do modelo comunista burocrático do Leste Europeu e a
dissolução da URSS, determinando o fim da Guerra Fria. Mas quando, ao
mesmo tempo e sob efeito da Revolução Tecno-científica dos anos 70, começa
a se configurar a fase global do sistema capitalista, que para crescer precisava
superar as barreiras nacionais e conquistar ampla liberdade de circulação de
capital, de mercadorias, de investimentos, de tecnologia, de serviços, etc.
Nesse sentido são retiradas do fundo do baú as velhas teses liberais de Adam
Smith e reaplicadas com o rótulo de neoliberalismo, isto é, a política
econômica liberal da fase de globalização do capitalismo.
(64) Falso. As distâncias regionais, tanto do ponto de vista tecnológico como
social, só tem aumentado. A globalização da economia capitalista e a política
neoliberal produziram, na década de 90, um mundo muito mais desigual,
injusto e excludente.
QUESTÃO 17 – acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Falso. A questão queria chamar a atenção do vestibulando para um fato
recente, que demonstrava a fragilidade dos meios de transporte no Brasil,
dependente do sistema rodoviário.
(02) Falso. Apesar da intensa desnacionalização da economia brasileira na
década de 90 -a década do neoliberalismo- o sistema de transporte rodoviário
de carga e de passageiros no Brasil continua hegemonizado por empresas
brasileiras.
(04) Gabarito Oficial: Verdadeira. Uma proposição inicialmente simples
(“a necessidade de viabilizar a utilização do transporte ferroviário como
alternativa eficiente na circulação de mercadoria,...) mas que se torna
indecifrável a partir de ...a abertura de frentes de trabalho, o crescimento na
exploração de minérios e o conseqüente barateamento dos custos.
(08) Verdadeiro. O desenvolvimentismo de JK priorizou, entre outras metas,
a expansão do transporte rodoviário, abandonando os projetos ferroviários até
então existentes, tão mais adaptados ao Brasil, país de relevo e hidrografia
favoráveis. Tal opção atendia a demanda das multinacionais do setor
automotivo, que começava a se instalar no país.
(16) Verdadeiro. Sendo o Brasil um país de relevo e hidrografia favoráveis, é
pertinente imaginar a revitalização do sistema hidroviário como importante
alternativa de transporte.
(32) Verdadeiro. A redação compromete, e muito, a interpretação dessa
proposição. O que a proposição tentou dizer foi que na década de 90, como
conseqüência do neoliberalismo, o desemprego disparou e o movimento
sindical, enfraquecido, passou a lutar por direitos imediatos. Segmentos da
classe trabalhadora passaram a realizar ações espontaneístas, de forma
autônoma e até despreparada. E o governo não soube negociar, reprimindo
dura e desrespeitosamente o movimento sindical.
Prova da UFBa 1a Fase - 2001 - GARARITO COMENTADO pelo prof.
Renato Santos
11) acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Falsa. A Grécia Antiga jamais promoveu a unificação política, ou seja,
nunca se constituiu enquanto Estado unificado. A autonomia e soberania das
cidades-estados foi sempre uma “marca registrada” daquela civilização.
Ademais, a classe sacerdotal era inexpressiva no universo político helênico.
(02) Verdadeira. O feudo se constituía em uma unidade econômica autônoma
e auto-suficiente sendo, por via de conseqüência, uma unidade política
também autônoma, onde o poder se realizava localmente, isto é, no âmbito do
próprio feudo. Assim, como cada senhor feudal era o soberano de seu feudo, o
poder deve ser considerado descentralizado. Essa fragmentação política
(descentralização) está relacionada as relações feudo-vassálicas, que definiam
a concessão do feudo através de um cerimonial conhecido como Homenagem:
os senhores feudais cessionários (suseranos) e concessionários (vassalos) do
feudo estabeleciam entre si uma relação contratual pessoal, não escrita, de
fidelidade, respeito e proteção recíprocas.
(04) Falsa. Os teóricos do absolutismo, a exemplo de Jean Bodin, Jacques
Bossuet, Maquiavel e Thomas Hobbes, embora utilizando diferentes teorias e
argumentos, sempre justificaram a supremacia da autoridade do governante
sobre os governados, sendo estes considerados como meros súditos do rei. Ao
contrário do que afirma a proposição, a defesa dos direitos naturais do homem,
como propôs o pensador inglês John Locke no sáculo XVII, serviu de crítica
ao absolutismo dos Estados Modernos.
(08) Verdadeira. Os pensadores iluministas, a exemplo de Montesquieu,
Rousseau e Voltaire na área sócio-política e de Adam Smith na área
econômica, criticavam duramente o absolutismo monárquico e o
intervencionismo estatal mercantilista. Final do século XVIII, numa
conjuntura de consolidação do capitalismo, eram vinculados aos interesses
burgueses, defendendo uma sociedade onde a economia seguisse as regras de
mercado (lei de oferta e procura) e o Estado fosse estruturado por uma
legislação (constituição) que definisse direitos e deveres nas relações entre o
governo e a sociedade. Portanto, tais pensadores conceberam uma sociedade
liberal.
(16) Verdadeira. Segundo a concepção marxista da história, na evolução dos
modos de produção -efeito da luta de classes- a humanidade ainda chegará ao
comunismo, modo-de-produção em que toda a forma de exploração e opressão
será abolida, ocorrendo inclusive o fim do Estado, instrumento político de
opressão a serviço das classes dominantes. Contudo, a fase de transição entre
o capitalismo e o comunismo, por ele chamada de socialismo, será ainda
caracterizada pela existência de um Estado autoritário, a ditadura do
proletariado, necessária para combater as forças capitalistas remanescentes da
revolução social comunista.
(32) Verdadeira. A proposição elenca algumas das principais características
do nazi-fascismo, modelo político extremamente agressivo e violento,
totalitário na sua forma e conteúdo, e que foi financiado pela alta burguesia,
notadamente da Itália e Alemanha, para combater a expansão do socialismo
(perigo vermelho), que crescia aceleradamente diante da crise geral do
capitalismo liberal.
(64) Falsa. Assim como os pensadores liberais do século XVIII defendiam as
leis de mercado nas relações sócio-econômicas, os economistas, políticos,
partidos e governos neoliberais da atualidade defendem o livre cambismo,
cultuando o livre mercado como um agente natural, regulador das atividades
econômicas. Nesse sentido, os neoliberais propõe minimizar do papel do
Estado e maximizar a função do mercado nas relações econômicas, financeiras
e até mesmo sociais, incluindo, inclusive, as questões trabalhistas.
Privatizações, livre circulação de mercadorias, de tecnologia e de serviços,
integração econômica regional, redução dos direitos sociais e trabalhistas etc,
fazem parte do ideário neoliberal, na atual fase do capitalismo: a globalização.
12) acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeira. O caráter ainda rudimentar das técnicas de produção
associado a necessidade de produzir em larga escala para se obter
lucratividade, determinaram a utilização de mão-de-obra numerosa e
concentrada, tanto nas fábricas européias como nos engenhos do Brasil
colonial. Esse mecanismo de exploração garantia maior produtividade e
controle sobre os trabalhadores.
(02) Falsa. Nem os escravos, no sistema escravista colonial, nem o
proletariado, no sistema capitalista industrial, detém os meios de produção. No
capitalismo os meios de produção pertencem à burguesia, restando ao
trabalhador vender sua força de trabalho como meio de sobrevivência.
(04) Verdadeira. Tanto as fábricas européias como os engenhos coloniais
produziam para atender a crescente demanda de consumo e trocas mercantis.
(08) Verdadeira. No escravismo o trabalhador é transformado em uma
mercadoria, que pode ser comprada/vendida, e portanto é coisificado. Já no
sistema fabril moderno, onde as relações capitalistas de produção vão sendo
engendradas, é o trabalho que é comprado/vendido, o trabalho sim é
transformado em mercadoria.
(16) Falsa. Ao longo da história das sociedades os trabalhadores sempre
criaram mecanismos de luta e resistência contra a opressão. Entretanto, a ação
libertária dos trabalhadores assumiu formas e mecanismos específicos, de
acordo com cada contexto histórico. Assim, enquanto os operários europeus
criaram seus sindicatos para enfrentar a exploração capitalista, os escravos do
Brasil colonial desenvolveram outros mecanismos de resistência contra a
opressão escravista, destacando-se como ação coletiva mais expressiva a
formação dos quilombos.
(32) Verdadeira. O tráfico negreiro contribuiu direta e indiretamente o para a
acumulação primitiva de capital na Inglaterra, estimulando assim a Revolução
Industrial. Indiretamente no período em que Portugal detinha o monopólio do
tráfico negreiro mas acabava transferindo seus lucros para a Inglaterra através
do consumo de manufaturados. E diretamente no período posterior a União
Ibérica (1580-1640), quando os ingleses passaram a praticar o tráfico negreiro.
(64) Falsa. Ao contrário, querendo ampliar o mercado consumidor e o capital
disponível para o consumo de produtos industriais, o governo britânico, portavoz dos interesses da burguesia inglesa, pressionou o Império Brasileiro a
extinguir o tráfico negreiro, chegando a ponto de editar, em 1845, o Bill
Aberdeen, lei que dava a marinha inglesa o direito de aprisionar navios
negreiros de qualquer bandeira.
13)acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeira. Atrás de mercados consumidores para seus manufaturados, a
burguesia industrial inglesa queria quebrar o pacto colonial. Para tanto utilizou
e propagou o ideário liberal-iluminista, combatendo as restrições e o controle
comercial, o intervencionismo estatal e o sistema de monopólios, práticas
características do sistema colonial mercantilista.
(02) Verdadeira. Usando o argumento de que a população colonial foi a
grande beneficiada com a derrota dos franceses na Guerra dos Sete Anos
(1756-1763), o Estado inglês quis transferir o ônus dessa guerra para a
população colonial, criando uma série de novos impostos e restrições
comerciais. Exemplos desse contexto, a Lei do Açúcar, a Lei do Selo e a Lei
do Chá representaram não só um arrocho fiscal, como a perda da autonomia
relativa de que dispunham as colônias. Reagindo contra essa política
opressora, que transferia os lucros da elite colonial para a burguesia
metropolitana, as 13 colônias se uniram e deflagraram a Guerra de
Independência dos Estados Unidos.
(04) Falsa. A ocupação da Espanha pelas tropas francesas, em 1808, serviu de
pretexto para que as elites coloniais declarassem lealdade ao rei espanhol
deposto, rompessem com a “Espanha Napoleônica” e iniciassem uma
experiência de autonomia colonial. Dois anos depois, em 1810, quando a
Espanha foi libertada do jugo napoleônico e a Coroa espanhola foi restaurada,
a tentativa metropolitana de restabelecer as regras do pacto colonial provocou
uma reação efetiva da elite colonial criolla, que iniciou as Guerras de
Independência. Portanto, ao contrário do que afirma a proposição, o
expansionismo napoleônico estimulou a luta pela independência das colônias
hispano-americanas.
(08) Falsa. O Bloqueio Continental, decretado por Napoleão Bonaparte em
1806, com a intenção de estrangular as exportações inglesas, fracassou.
Primeiro porque a indústria francesa, ainda incipiente, não tinha como atender
a demanda de consumo das demais nações européias, que continuavam
dependentes dos manufaturados britânicos. E segundo porque a Inglaterra
passou a negociar diretamente com as colônias ibero-americanas, como
aconteceu com o Brasil, devido a Abertura dos Portos promovida no Período
Joanino.
(16) Verdadeira. Instalado no Rio de Janeiro em 1808, D. João VI autorizou
investimentos que pretendiam dar a capital da colônia uma certa modernidade
européia. A criação da biblioteca real, da imprensa real, do jardim botânico e a
vinda de uma missão de artistas plásticos franceses são algumas das iniciativas
que se inscrevem nesse cenário. Além disso, é importante destacar que a
comitiva de mais de dez mil nobres que acompanhou o rei na sua fuga de
Portugal para o Brasil, resultou na formação de uma burocracia estatal que
passou a interferir diretamente nos hábitos, nos costumes, no modo de vida
local, inclusive centralizando de forma mais efetiva o poder colonial. Tais
mudanças alteraram sensivelmente o cotidiano da população da capital.
(32) Verdadeira. O tratado citado definia em favor dos interesses ingleses as
tarifas aduaneiras cobradas pela Corte Portuguesa instalada no Brasil: imposto
de 24 % para os produtos vindos das nações amigas, 16 % para os produtos
vindos de Portugal, que na época estava sob tutela inglesa e, finalmente,
apenas 15 % para os produtos que chegassem da Inglaterra, já então dona dos
melhores produtos e dos menores preços. Como conseqüência o Brasil ficou
abarrotado de produtos ingleses, abortando qualquer iniciativa local de
desenvolvimento fabril.
(64) Falsa. É verdade que a ruptura política do Brasil em relação a Portugal
atendeu a interesses de segmentos dominantes, como proprietários de terras e
de escravos, mas foi feita para assegurar o continuísmo das estruturas que
caracterizavam a economia colonial e não para conquistar a ruptura, como
afirma a proposição. Veja, o processo de separação política deflagrado no
“Sete de Setembro” foi, na verdade, uma reação das elites coloniais contra a
Revolução Liberal do Porto, que queria restabelecer o pacto colonial.
Conquistada a independência, essa elite manteve o Brasil latifundiário,
agrário-exportador, escravista e negociando livremente com a Inglaterra. Por
outro lado não podemos deixar de mencionar o fato de que na região nordeste
a ruptura com Portugal não foi um processo conduzido apenas pelas elites,
como nos demonstram os exemplos históricos do Pará e da Bahia, províncias
em que a participação popular foi determinante na conquista da
independência.
14) acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeira. A partilha afro-asiática definida pela Conferência de Berlim
(1884), foi insuficiente para fazer superar as divergências entre as potências
européias na disputa por mercados internacionais. Afinal, o que estava em
jogo era a afirmação das grandes empresas monopolistas nacionais, do
capitalismo de base nacional. E o caráter belicoso dessa disputa imperialista
entre as burguesias nacionais européias se revelou plenamente na corrida
armamentista e na política de alianças então forjada. Tríplice Aliança
(Alemanha, Itália e Áustria) de um lado e Tríplice Entente (Inglaterra, França
e Rússia) de outro, criaram, ainda no final do século XIX, um clima de “Paz
Armada”, diretamente responsável pela deflagração da I Grande Guerra.
(02) Verdadeira. A Alemanha (pan-germanismo) e a Rússia (pan-eslavismo)
estimularam, através de intensa propaganda, inclusive nas escolas primárias, a
exacerbação do sentimento étnico-nacional e de hostilidade aos estrangeiros.
Através desse mecanismo ideológico procuravam não só mobilizar a
população comum para a guerra, apresentada como uma forma de afirmação
do progresso nacional, como também atrair aliados étnicos, contra um inimigo
estrangeiro comum. Nessas sociedades o nacionalismo-étnico agia como
elemento mitificador, que procurava transformar o choque de interesses
imperialistas em um conflito entre povos e etnias, justificando-se assim a
intensa militarização em curso.
(04) Falsa. A proposta de paz feita pelo presidente dos EUA, Woodrow
Wilson e lançada por aviões estadunidenses nas trincheiras alemãs através de
mulhares de folhetos, propunha uma “paz sem vencedores”. Isto é, não haveria
indenizações ou punições para os países europeus envolvidos no conflito.
Apenas algumas reparações e ajustes nacionais e imperialistas. No entanto,
assim que o governo alemão assinou o armistício e suas tropas evacuaram as
trincheiras, a Conferência de Paris, manipulada pela França e Inglaterra,
impôs o Tratado de Versalhes, expediente punitivo e humilhante para os
alemães. A proposta original dos “14 Pontos de Paz” do presidente Wilson foi
abandonada e a Alemanha passou a ser considerada culpada e derrotada, sendo
obrigada a pagar indenizações milionárias, ceder territórios e colônias,
desmilitarizar-se, etc. O caráter altamente punitivo e humilhante do Tratado de
Versalhes lhe rendeu dois apelidos muito apropriados: Paz dos Vencedores ou
Paz Cartaginesa. E deve ser considerado como o embrião da II Guerra
Mundial.
(08) Verdadeira. A implantação de um modelo comunista na Rússia pósrevolucionária sofreu intensa represália: fuga de capital e de mão de obra
especializada, isolamento internacional, guerra contra-revolucionária
financiada pelas potências imperialistas, etc. Tudo isso, em conjunto, anulou
os efeitos positivos das medidas adotadas logo após a Revolução e ainda
produziu um caos econômico: é a fase chamada de Comunismo de Guerra.
Para tirar a Rússia revolucionária da crise do Comunismo de Guerra seu mais
destacado dirigente, Lênin, adotou a Nova Política Econômica (NEP), através
da qual definiu algumas medidas de livre mercado (capitalistas) para
reaquecer as atividades econômicas e, na seqüência, avançar com a
socialização dos meios de produção. A NEP foi, inicialmente, um sucesso.
Mas com a morte de Lênin...
(16) Verdadeira. Após a Revolução Bolchevique de 1917 o socialismo deixou
de ser apenas um sonho a alimentar a luta de milhares de trabalhadores
oprimidos para ser também um pesadelo a atormentar o sono da alta burguesia
européia. Em meio a crise do capitalismo liberal ocorrida no período entreguerras, o crescimento dos partidos e organizações de esquerda foi espetacular
e passou a representar uma ameaça cada vez mais concreta ao sistema
capitalista. Foi então que latifundiários, industriais, banqueiros, capitalistas de
todas as matizes, passaram a financiar líderes e grupos fascistas para combater
o chamado “perigo vermelho”. Hitler e o Partido Nazista, Mussolini e o
Partido Fascista, são os mais expressivos protagonistas desse macabro projeto
burguês, diretamente responsável pela II Guerra.
(32) Falsa. Os EUA, que tinha no seu modelo de desenvolvimento, desde o
período colonial, um alto grau de autonomia dos agentes econômicos,
emergem no período subseqüente a I Guerra Mundial como a maior potência
do mundo capitalista e sob a direção de um governo de orientação
extremamente liberal. Essa liderança liberal, numa época de Europa em crise,
provocou um aumento contínuo da produção industrial e agrícola, destinada a
atender o crescente consumo interno e mundial. Entretanto, o aumento da
produção, conquistado através de intensa mecanização e feito sem nenhum
controle e regulamentação estatal, seguindo apenas as regras do livre mercado,
acabou por gerar desemprego em massa e produção de excedentes. O
agravamento dessa situação gerou um cenário explosivo, de superprodução em
contraste com o subconsumo. Resultado: a grande Crise de 1929, uma crise de
proporções mundiais, uma crise geral do capitalismo liberal.
(64) Verdadeira. Largamente beneficiadas com o Tratado de Versalhes e
temerosas com os resultados positivos do socialismo soviético, as duas
grandes potências capitalistas da Europa Ocidental, França e Inglaterra,
adotaram uma política de neutralidade e apaziguamento em relação ao
crescimento e a expansão nazi-fascista, realizada pelo Eixo Berlim-RomaTóquio. Vistos como uma espécie de escudo à expansão soviética, os fascistas
eram tolerados até mesmo nos seus atos mais agressivos, a exemplo da
remilitarização da Alemanha e da participação italiana e alemã na Guerra
Civil Espanhola.
15) acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeira. A exclusão econômica, representada pelo latifúndio, a
exclusão política, representada pelo coronelismo e a exclusão social,
representada pela miséria e ignorância, são ingredientes que produzem no
nordeste brasileiro uma realidade assustadora, potencialmente explosiva:
milhares de indivíduos famélicos, vagando a esmo pelo sertão. São os
sertanejos retirantes, categoria social que vive em total abandono e desespero.
Na República Velha esses retirantes depositaram suas últimas esperanças de
sobrevivência na fé religiosa, produzindo movimentos sociais messiânicos,
como Canudos, liderado pelo beato Antonio Conselheiro. Mas houve também
quem passou a fazer o enfrentamento direto contra estrutura opressora do
coronelismo. Através de apropriações forçadas, saques e roubos, foram se
articulando grupos de sertanejos rebeldes, conhecidos como cangaceiros, que
passaram a agir ilegal e clandestinamente, como forma de sobrevivência
naquela caatinga infernal, tórrida por natureza e miserável pela ação dos
latifundiários e seus prepostos.
(02) Falsa. Assim como na Inglaterra do século XVIII, no Brasil da República
Velha não havia uma única lei trabalhista em vigor. Sendo assim, os
trabalhadores livres, camponeses ou operários, brasileiros ou imigrantes, eram,
indistintamente, destituídos de qualquer direito legal, estando sujeitos a todo
tipo de exploração imposta pela classe patronal. Os trabalhadores só contavam
mesmo com a sua capacidade de organização e luta, o que era mais freqüente
entre os operários urbanos, de origem imigrante.
(04) Falsa. A reurbanização do Rio de Janeiro, então capital do Brasil, foi um
processo profundamente autoritário, que excluía a população pobre dos
benefícios da modernização: limpeza pública, iluminação, saneamento básico,
praças, avenidas, calçamento de ruas, etc... Retirados da “Paris Tropical” e
lançados à periferia, o povo pobre ficou isolado, a margem da cidade, em
áreas carentes de qualquer infra-estrutura. E revoltado evidentemente. Em
outras palavras, para fazer do Rio de Janeiro uma “cidade maravilhosa”,
retiraram dela o seu povo, sua alma. E foi nesse contexto que, por proposta do
médico sanitarista Oswaldo Cruz, iniciou-se uma ampla campanha de
vacinação para a erradicação da varíola. Contudo, a campanha, corretíssima
do ponto de vista da saúde pública, foi implantada de forma profundamente
autoritária: vacinação obrigatória imposta por agentes sanitário e policiais, e
ainda sem nenhuma campanha prévia de esclarecimento público. Resultado: a
população pobre, já descontente com exílio imposto, reagiu violentamente
contra a obrigatoriedade da vacina, provocando a Revolta da Vacina.
(08) Falsa. A forte presença de imigrantes italianos no seio da classe operária
brasileira do início do século tingiu com as cores e símbolos anarquistas o
movimento operário da época. Sindicatos e associações propugnavam o
ideário anarco-sindicalista, que pode ser resumido em uma frase de efeito: “se
há governo, eu sou contra”. Sim, os anarquistas condenam o capitalismo, a
propriedade privada, a burguesia, a religião e, sobretudo, o Estado. Acreditam
na auto-gestão, isto é, na capacidade revolucionária dos trabalhadores se autoorganizarem e se auto-dirigirem.
(16) Verdadeira. A vitória dos bolcheviques na Rússia fez com que milhares
de trabalhadores abandonassem a eterna espera anarquista da auto-gestão em
troca da possibilidade concreta de mudar o mundo através da revolução
comunista e da tomada do poder pelo proletariado, como asseverava Karl
Marx. No Brasil, o movimento operário, até então hegemonizado pelos
anarquistas, passa a creditar suas esperanças de um mundo melhor nos
militantes comunistas. A partir de 1917 a imprensa comunista vai superando a
imprensa anarquista. Os líderes comunistas vão conquistando sindicatos até
então dirigidos por anarquistas. Com a funadação do Partido Comunista do
Brasil (sigla PCB) em 1922, tem início assim a hegemonia comunista no
movimento operário brasileiro.
(32) Verdadeira. “A questão trabalhista é caso de polícia”. Essa frase do
presidente Washington Luís (1926/1930) sintetiza a visão e a prática do
Estado Oligárquico em relação às reivindicações dos trabalhadores: repressão
permanente. Fosse contra operários brasileiros, fosse contra operários
imigrantes.
(64) Falsa. O movimento tenentista, embora tenha combatido alguns governos
e algumas características da República Velha, como o voto de cabresto e a
política do café-com-leite, não questionava a estrutura latifundiária e agrárioexportadora do país. Falava em modernizar algumas instituições políticas, mas
não discutia reforma agrária, luta de classes, direitos trabalhistas, etc. Queria
reformar, mas não revolucionar o país. Ademais, em suas ações concretas
mais importantes, a Revolta dos 18 do Forte e a Coluna Prestes, assumiu uma
postura salvacionista, se distanciando das reivindicações populares. Mais
tarde, na Revolução de 1930, os tenentes se aliaram às oligarquias rurais
dissidentes para combater as oligarquias rurais paulistas. Portanto, sendo um
movimento salvacionista, reformista, de vago nacionalismo e ainda aliado das
oligarquias dissidentes, o tenentismo não pode ser caracterizado como
movimento popular, assumindo, de fato, um contorno mais elitista.
16) acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeira. No cenário econômico da Guerra Fria a bipolaridade
comunismo x capitalismo foi materializada exatamente na economia
planificada do socialismo soviético (E) em contraposição a economia de
mercado praticada pelos Estados Unidos (A).
(02) Falsa. Os ataques genocidas das bombas atômicas lançadas pelos EUA
sobre as cidades de Hiroshima e Nagasaki, dobraram a última resistência do
eixo nazi-fascista, o Japão (F), encerrando assim a II Guerra Mundial.
Derrotado, o país foi desmilitarizado e ocupado pelos EUA até 1952. Ao
longo do período pós-guerra, no cenário da Guerra Fria, o Japão teve sua
produção bélica limitada e sua defesa passou a ser realizada de forma
conjunta, com os EUA, que inclusive instalou bases militares naquela ilha
asiática. Portanto, ao contrário do que afirma a proposição, a indústria bélica
japonesa é inexpressiva.
(04) Verdadeira. No contexto da Guerra Fria a letra C representa,
grosseiramente, a Europa Ocidental, área de influência dos EUA (A) e a letra
D a Europa Oriental ou Leste Europeu, área de influência da URSS (E).
(08) Verdadeira. No processo de Descolonização Afro-Asiática, as lutas
travadas pelos povos africanos contra os antigos agentes imperialistas, ou as
disputas internas africanas travadas entre etnias e projetos rivais, foi então
envolvida pelo contexto geral da bipolarização mundial, da Guerra Fria. Por
conseqüência, povos e nações se aliaram política e militarmente a URSS, a
exemplo da Argélia, Angola, Moçambique ou aos EUA, como aconteceu com
Uganda, Nigéria, Marrocos.
(16) Verdadeira. A vitória da Revolução Cubana em 1959 e sua opção pelo
socialismo, em 1961, provocaram a ira dos EUA. Em resposta, a potência
estadunidense não só impôs um bloqueio político e econômico a Cuba (B),
como ainda financiou a frustrada tentativa de invasão da ilha por tropas
mercenárias, a chamada “Invasão da Baia dos Porcos”. Uma política de
alinhamento automático de Cuba com a URSS (E) e, por conseqüência, de
grandes investimentos soviéticos naquela ilha, que até então vivia na condição
de “quintal” dos EUA, foi sintomático, um desdobramento natural no contexto
da Guerra Fria.
(32) Falsa. O governo burocrático (ou nomenclatura) que se apossou do poder
na extinta URSS (E) nas décadas de 70 e 80, concentrou seus investimentos
nos setores bélico e aeroespacial, provocando um atraso fantástico no
desenvolvimento da ciência, tecnologia e nas demais áreas de produção e
conhecimento, estagnando completamente o país. Assim, enquanto as
potências capitalistas avançavam através da Revolução Técnico-Científica dos
Anos 70, desenvolvendo a robótica, a microeletrônica, a informática, etc, a
URSS, dominada por uma burocracia retrógrada, definhava cientifica,
econômica, política e socialmente, implodindo em dezembro de 1991.
(64) Verdadeira. O contexto da bipolarização mundial começa a ser alterado
ainda antes da crise do Leste Europeu e da dissolução da URSS, com a
emergência de centros econômicos poderosos, a exemplo do Japão (F).
17) acrescentar enunciado da questão e das proposições
(01) Verdadeira. A unidade da cúpula militar no momento da deflagração do
golpe deu lugar, logo em seguida, a formação de dois grupos. De um lado
estavam os moderados, conhecidos como militares da Sorbone e vinculados a
ESG (Escola Superior de Guerra), que liderados inicialmente pelo general
Castelo Branco, pretendiam fazer uma “assepsia política” no país, “livrandoo” das esquerdas e setores nacionalistas radicais, considerados subversivos,
para em seguida devolver o poder aos civis de direita. Do outro estava a linha
dura, simbolizada pelo AI-5 e pelo Governo Médici, e que pretendia não só se
perpetuar no poder, como impor a sociedade os mais elevados índices de
repressão política.
(02) Verdadeira. O AI-2 e, em seguida, o AI-3, outorgados durante o governo
do general Castelo Branco, impuseram o bipartidarismo e as eleições indiretas
para prefeitos de capitais, prefeitos de cidades consideradas de segurança
nacional, governadores de estados e presidente da república.
(04) Falsa. Apesar da repressão política imposta pela Ditadura desde o seu
início, com o general Castelo Branco, quando a UNE (União Nacional dos
Estudantes) foi fechada e teve sua sede incendiada, o movimento estudantil foi
um dos mais importantes instrumentos de resistência ao regime militar.
Passeatas, protestos, pichações, panfletagens, congressos clandestinos,
assembléias eram formas de luta do movimento estudantil até dezembro de
1968, quando o AI-5, através de sua estúpida brutalidade, silenciou
praticamente todo o movimento social, restando aos jovens, trabalhadores e
intelectuais ativistas, a luta armada como único caminho de resistência. E
alguns trilharam heroicamente aquele trágico caminho.
(08) Verdadeira. Uma das principais causas da participação dos EUA, através
da CIA, na articulação da derrubada do Governo Constitucional de João
Goulart, foi o repúdio a regulamentação da Lei de Remessa de Lucros, que
pretendia dar ao governo brasileiro algum controle sobre a atuação das
multinacionais. Consolidado o Golpe de 1964, uma das primeiras medidas
econômicas do ministro da fazenda de Castelo Branco, Roberto Campos,
político e economista ultraliberal, que sempre atuou aliado aos interesses dos
EUA, foi revogar essa Lei, considerada um obstáculo à internacionalização da
economia brasileira, isto é, a integração subserviente do Brasil ao
imperialismo.
(16) Verdadeira. A Doutrina de Segurança Nacional, criada pelos EUA no
contexto da Guerra Fria, considerava que a ação prioritária das Forças
Armadas dos paises da América Latina era combater os inimigos ideológicos,
os comunistas, que atuavam internamente, querendo subverter a ordem
estabelecida. Com base nessa doutrina, de sigla DSN, a Ditadura Militar
montou um sistema repressivo que considerava subversivo todo indivíduo,
associação ou agrupamento político de oposição ao regime. O SNI (Serviço
Nacional de Informações), com status de ministério, investigava as ações
“subversivas” e entregava os “casos” aos órgãos de repressão, particularmente
ao DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) e ao DOI-CODI
(Destacamento de Operações e Informações - Centro de Operações de Defesa
Interna), que se responsabilizavam pela ação prática ilegal: torturas e
assassinatos. As oposições eram simplesmente aniquiladas.
(32) Falsa. O Milagre Econômico, concebido pela tecnoburocracia que
orientava as diretrizes econômicas do período de apogeu do regime militar
(1969-73), foi profundamente favorável ao capital externo, não só
beneficiando as empresas multinacionais que aqui se instalaram, como
enriquecendo banqueiros internacionais, endividando o país junto ao FMI. Por
outro lado, com o movimento sindical amordaçado, os trabalhadores eram
impedidos de reagir contra o arrocho salarial imposto, que estrangulava a
classe trabalhadora. Resultado: no Brasil do Milagre, cresceu estupidamente a
concentração de rendas e a pobreza foi se transformando em miséria latente.
(64) Verdadeira. Embora a “Campanha das Diretas Já” tenha levado milhões
de brasileiros às ruas, na esperança de aprovar a Emenda Constitucional Dante
de Oliveira, que estabelecia eleições presidenciais diretas já na sucessão de
Figueiredo, os votos dos parlamentares do então PDS, liderados por Maluf,
ACM e Sarney, derrubaram o projeto. Derrotados, os partidos de oposição,
com exceção do PT, aceitaram participar do Colégio Eleitoral, que indicaria,
através de eleição indireta, o próximo presidente. Foi então lançada a Aliança
Democrática, tendo como candidato Tancredo Neves, que derrotou o
candidato oficial do governo, Paulo Maluf, do PDS.
Download
Random flashcards
A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards