Maria: mãe de Jesus, Mãe da Misericórdia

Propaganda
Maria: mãe de Jesus, Mãe da Misericórdia
Jesus, o rosto da misericórdia.
O Papa Francisco nos mostra o Deus da misericórdia na Misericordiae Vultus. Jesus Cristo é o rosto da
misericórdia do Pai. A missão que Jesus recebeu do Pai foi a de revelar o mistério do amor divino na sua
plenitude. “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1). Os sinais que
realiza, sobretudo para com os pecadores, os pobres e marginalizados, os doentes, são a manifestação
da misericórdia. Nele tudo fala de misericórdia e Jesus revela a natureza de Deus como um Pai que
nunca se dá por vencido enquanto não estiver dissolvido o pecado e superada a recusa com a
compaixão e a misericórdia. A parábola do filho pródigo apresenta o coração de Deus.
O filho decide voltar para casa e o Pai o espera livre, acolhe, nada cobra e comemora o retorno do filho
que estava perdido e retornou.
Maria, mãe da misericórdia.
Mas isso só foi possível porque o Verbo se fez carne e nasceu de Maria. Se Jesus é o rosto da
misericórdia, Maria é a Mãe da Misericórdia: “O pensamento volta-se agora para a Mãe da Misericórdia.
A doçura do seu olhar nos acompanhe neste ano santo, para podermos todos nós redescobrir a alegria
da ternura de Deus. Ninguém, como Maria, conheceu a profundidade do mistério de Deus feito homem.
Na sua vida, tudo foi plasmado pela presença da misericórdia feita carne. A mãe do Crucificado
Ressuscitado entrou no santuário da misericórdia divina, porque participou intimamente no mistério do
seu amor” . Isso fez dela participante íntima da misericórdia divina.
A Mãe do Filho de Deus guardou, no seu coração, a misericórdia divina em perfeita sintonia com seu
Filho. Ao pé da cruz, junto com João, o discípulo do amor, é testemunha das palavras de perdão que
saem dos lábios de Jesus, que mostra até onde pode chegar a misericórdia divina, perdoando quem o
crucificou. Verificamos uma relação muito profunda entre Maria, Mãe de Jesus, o mistério da
misericórdia divina e a vivência da misericórdia. O Papa João Paulo II na Encíclica “Dives in misericordia”
destaca que “Maria é a pessoa que conhece mais a fundo o mistério da misericórdia divina” n. (9). Pois
Maria é a mãe que gerou a misericórdia divina na Encarnação, disse seu sim para gestar em seu ventre a
misericórdia.
Assim justifica-se o título “Mãe da Misericórdia”, pois Maria é a mulher que experimentou de modo
único a misericórdia de Deus, gestou-a e a envolveu em seus braços, viveu como discípula fiel e
seguidora do Filho até o grande momento de sua Páscoa (paixão, morte, ressurreição, glorificação e
Pentecostes). Com exclusividade, carregou em seu seio o Senhor da vida que se tornou sangue de seu
sangue e carne de sua carne. Ela lhe ensinou os primeiros passos e as palavras humanas e, por sua
parte, aprendeu Dele os caminhos da Boa Nova. Maria é a intercessora incansável do povo de Deus; não
deixa de apresentar as necessidades dos fiéis ao seu Filho. Nas bodas de Caná mostra-nos uma atitude
concreta de sua presença misericordiosa. Ela se compadece da situação dos noivos e pede ao seu Filho
para realizar um primeiro sinal. Nessa atitude manifesta-se uma mãe aflita para a iniciação do filho. E
esse, mesmo contrário à sua mãe nas palavras, não o foi na ação: “A mãe de Jesus lhe disse: Não tem
mais vinho. Respondeu-lhe Jesus: O que queres de mim, mulher? Minha hora ainda não chegou. Sua
mãe disse aos serventes: Fazei tudo o que eles vos disser. Havia ali seis talhas de pedra para a
purificação dos judeus, cada uma contendo de duas a três medidas. Jesus lhes disse: Enchei as talhas de
água. Eles as encheram até a borda.[…] Todo homem serve o primeiro o vinho bom e, quando os
convidados já estão embriagados serve o inferior. Tu guardaste o vinho bom até agora!” (Jo 2, 1-10).
Vê-se aqui a mulher Maria que se dirige aos seres humanos e pede que eles coloquem em prática as
palavras de Jesus. Maria, a partir de então, assume uma função evangelizadora e missionária. Não
somente crê, mas escuta e põe em prática a Palavra do Filho porque o amor de mãe a fez sinal visível da
misericórdia divina. Mais. Ela suplica aos seres humanos que façam o mesmo. Vincula-se agora ao Filho
não somente com laço biológico, mas pela fé, e procura que outros façam o mesmo. Ela reconhece que
é chamada a orientar a humanidade para Cristo. Ou seja, Maria projeta-nos para fora dela mesma, para
a transcendência de Deus, para o mistério insondável. Ela se encontra presente, num gesto de
solidariedade que transcende e supera toda atividade. Maria fez-se presente nos momentos decisivos
de seu filho, bem como se fez presente na vida das pessoas. Uma presença própria de uma mãe:
solidária, marcada pela atenção, sensível, perseverante e que nunca abandona. Foi uma presença
silenciosa nos lugares cotidianos e escondidos, firme e terna, viu e ouviu as inquietações que procedem
desses lugares e guardou-as em seu coração. Soube entrar em sintonia com os sentimentos dos outros e
construir vida em abundância. Isso tudo nos remete ao quanto uma mãe misericordiosa ama, perdoa,
cuida,
protege
e
está
atenta
aos
sinais.
Mas nada teria sentido se sua presença misericordiosa não revelasse um gesto profético de
solidariedade e de anúncio que aponta para a presença de seu Filho, a verdadeira misericórdia visível.
Maria nos convida a viver a Misericórdia.
E ainda mais. A presença silenciosa e mobilizadora de Maria nos impulsiona para uma
presença inspiradora que nos faz sair de nós mesmos para entrarmos em sintonia com a
realidade e suas carências. Maria é o caminho e a ponte que nos levam a nos sensibilizarmos
com as feridas da humanidade apontadas por seu Filho. Tal atitude misericordiosa nos
mobiliza a sair de nosso meio e buscar um horizonte mais amplo: deixar-nos afetar pelo que
está marginalizado e que sofre, acolher em nossa vida histórias, pessoas que estão na
“periferia” da sociedade.
Maria embarcou na história da humanidade para transformá-la para sempre, gestando em seu
seio o amor. Assim, apresenta, representa, significa e encarna a mãe da misericórdia trazendo
em seu bojo tantos outros rostos e histórias que se identificam com a mãe do sim, da coragem,
do silêncio que perseverou junto com seu Filho. Ela própria não desejou que sua figura
constituísse o centro da Igreja, nem exerceu algum tipo de magistério que tirasse a
centralidade de Jesus. Ela foi o grão de trigo que morre, mas que depois de morto produz
fruto.
Andreia Cristina Serrato
É doutoranda na área de Teologia – Corporeidade e Mística: Experiência, Ética e Práxis
em Simone Weil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010).
Graduação em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2005). Leciona
Introdução à Teologia, Teologia da Espiritualidade, Mariologia e Cultura Religiosa na PUCParaná.
REFERÊNCIAS:
FRANCISCO. O nome de Deus é misericórdia. Uma conversa com Andrea Tronielli. São
Paulo: Planeta, 2016, p. 135.
FRANCISCO. MISERICORDIAE VULTUS. O rosto da misericórdia. Bula da proclamação
do jubileu extraordinário da misericórdia. São Paulo: Paulinas, 2015.
LACOSTE, Jean-Yves. Dicionário Crítico de teologia. São Paulo: Loyola/Paulinas, 2004.
NOUWEN, Henri. O regresso do filho pródigo. Braga: Editorial, 1995.
BOFF, Clodovis. Introdução à mariologia. Petrópolis: Vozes, 2004.
PAREDES, José Cristo R. G. Mariologia. Síntese bíblica, histórica e sistemática. São
Paulo: Ave Maria, 2011.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards