Este trabalho teve como publico alvo pais ou responsáveis por

Propaganda
1
UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS
NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
Alessandra de Souza Lima
Osmar Gomes Pontes
Rosana Loureiro Arrivabene
Rosely Salgado Menin de Souza
Título: Etnobotânica: Resgate Do Conhecimento Popular.
Introdução Das Plantas Medicinais Dentro Da Escola, Com Pais de Alunos
Que estejam cursando o Ensino Fundamental
SANTOS
2009
2
UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS
NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
Alessandra de Souza Lima
Osmar Gomes Pontes
Rosana Loureiro Arrivabene
Rosely Salgado Menin de Souza
Título: Etnobotânica: Resgate Do Conhecimento Popular.
Introdução Das Plantas Medicinais Medicinais Dentro Da Escola, Com Pais
de Alunos Que estejam cursando o Ensino Fundamental
Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado à Faculdade de Educação e
Ciências Humanas UNIMES, como parte
dos requisitos para obtenção do título de
Licenciado em Ciências Biológicas, sob a
orientação da (o) Prof.ª Rosana Carreira
SANTOS
2009
3
Alessandra de Souza Lima
Osmar Gomes Pontes
Rosana Loureiro Arrivabene
Rosely Salgado Menin de Souza
Título: Etnobotânica: Resgate Do Conhecimento Popular.
Introdução Das Plantas Medicinais Dentro Da Escola, Com Pais de Alunos Que
estejam cursando o Ensino Fundamental
BANCA EXAMINADORA
(Nome, titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora e Instituições a
que pertencem).
__________________________________
Orientador
__________________________________
Professor convidado
__________________________________
Professor suplente
Santos, 09 de Dezembro de 2009.
4
AGRADECIMENTOS
Agradecemos a Deus por ter nos dado força e
condições de realizar este sonho, aos companheiros de
curso Alessandra de Souza Lima, Fernanda Rosa
Gonçalves, Osmar Gomes Pontes, Rosana Loureiro
Arrivabene e Rosely Salgado Menin de Souza pela
dedicação e paciência e aos familiares e amigos que muito
nos incentivaram. Agradecemos também à Diretora
Lorayne S. de Paula Lima por nos receber e dar atenção ao
nosso trabalho.
5
“Tudo tem seu tempo e até certas
manifestações mais vigorosas e originais
entram em voga ou saem da moda. Mas a
sabedoria tem uma vantagem: é eterna”
Baltasar Graciam.
6
RESUMO
Este trabalho teve como objetivo resgatar o conhecimento popular sobre a utilização de
plantas como medicamento, optou-se por desenvolver o método qualitativo para melhor
se avaliar a percepção das pessoas a respeito do resgate do uso de plantas medicinais
levando para a comunidade uma alternativa de medicamento de baixo custo, através do
resgate do conhecimento popular que esta se perdendo ao longo do tempo, foi realizado
um estudo etnobotânico das plantas medicinais utilizadas por pais de alunos ou
responsáveis do Ensino Fundamental, na cidade de Peruíbe – na Vila Barra do Una, a
partir de um questionário destinado aos mesmos, cuja catalogação resultou em XX
espécies entre nativa e exóticas.
Alunos, aqui ainda faltam detalhar a metodologia (o questionário foi com questões
abertas ou fechadas? Ou ambas? Também tem que detalhar mais os resultados: quais as
plantas nativas que mais foram citadas e as exóticas? E quais as conclusões do grupo
sobre o trabalho?
Alessandra olhe se gosta deste como exemplo mas isto tudo não seria só aqui
no resumo, aqui seria o pouquinho que foi colocado no capitulo II escola , também
seria exemplo de complementação se precisar no capitulo II escola...pois no resumo
consta XX espécies aqui que deveria citar só um pouquinho e lá mais não seria isso que
a professora esta pedindo??? Este é só exemplo veja:
Ver:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_art
text&pid=S0102-05362008000200023
MATERIAL E MÉTODOS
A pesquisa de campo foi realizada no município de Ariquemes,
em Rondônia, localizado, de acordo com o Zoneamento Sócio-
7
Econômico-Ecológico do Estado de Rondônia (ZSEE), na zona 01
(áreas de usos agropecuários, agroflorestais e florestais)
(Millikan, 1998). Conta atualmente com aproximadamente 84
mil habitantes (projeção IBGE, 2005) e com uma área de
4.706,70 km², localizando-se 198 km ao Sul da capital Porto
Velho. A economia do município está voltada para o setor
primário: agricultura, pecuária, extrativismo vegetal e mineral.
Para o levantamento dos dados foram realizadas entrevistas de
abril a dezembro de 2005. O entrevistador empregou diálogos
para direcionar a conversa, baseando-se em questionários já
estruturados. Buscou-se dar mais ênfase aos dados
etnobotânicos, como indicação terapêutica, parte da planta
utilizada nas preparações e modo de preparo. Os 44
informantes foram escolhidos por possuírem prestígio junto à
comunidade em relação ao conhecimento e uso de plantas
medicinais e foram entrevistados individualmente, em suas
residências, nos dias laborais e finais de semana.
Foram obtidas médias, dividindo-se o número de citações
(somatório do número de todas as citações de utilizações de
plantas com alguma finalidade terapêutica mencionadas pelos
entrevistados) pelo número de entrevistados, em relação aos
fatores: forma de aquisição dos conhecimentos (pessoas
conhecidas, livros, parentes e pastorais), religião (adventista,
católico, evangélico, outros e sem religião), região de origem
(Centro-Oeste, Nordeste, Norte, Sudeste e Sul), nível de
escolaridade (analfabetos, alfabetizados, Ensino Fundamental da
1ª à 4ª série, Ensino Fundamental da 5ª à 8ª série, Ensino
Médio e Ensino Superior), tempo de residência no local (até 3
anos; de 4 a 6 anos; de 7 a 9 anos; de 10 a 12 anos; de 13 a
15 anos; de 16 a 18 anos; de 19 a 21 anos; de 22 a 24 anos;
de 25 a 27 anos; e de 28 a 30 anos), e gênero dos
entrevistados. A utilização deste procedimento teve por objetivo
a identificação de como está distribuído o conhecimento sobre
fitoterápicos nesta população, em relação aos fatores
mencionados. Por exemplo, dentro do fator "nível de
escolaridade", para se inferir sobre o conhecimento
etnobotânico dentro do grupo "analfabetos" da população,
dividiu-se o número de citações (utilizações de plantas com
finalidade terapêutica mencionadas em entrevistas com os
analfabetos da população) pelo número de indivíduos
analfabetos, obtendo-se a média de citações por indivíduo. Da
mesma forma, foram obtidas médias para os outros grupos
populacionais, e estas foram comparadas entre si, dentro de
cada fator, utilizando-se o teste t de Student (p<0,05).
Não foi possível a identificação taxonômica de todos os
espécimes, devido à indisponibilidade de material vegetal
adequado para a classificação à época do levantamento. As
plantas que apresentavam floração e frutificação foram
coletadas, posteriormente herborizadas, seguindo o
procedimento de prensagem entre jornais, papelão e corrugado,
em prensa de madeira, sendo que cada espécime foi identificada
com número de coleta, data, local e nome do coletor. Após esse
processo, o material foi colocado em estufa elétrica para
desidratação, por um período de três dias. Depois de
8
desidratado, o material vegetal foi descrito e identificado com
auxílio de lupa, literatura especializada, ou por comparação com
material já identificado e, posteriormente, incorporado ao
acervo do herbário Dr. Ary Tupinambá Penna Pinheiro,
pertencente à Faculdade São Lucas (FSL), município de Porto
Velho, Rondônia.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Foram coletados 77 espécimes, sendo identificadas 63 espécies
distribuídas em 38 famílias botânicas (Tabela 1). As famílias
mais representativas em número de espécies foram Lamiaceae,
com sete espécies, e Asteraceae, Leguminosae e Compositae,
com quatro espécies cada, enquanto as demais tiveram apenas
uma ou duas espécies mencionadas. Foram constatadas oito
formas de preparo dos fitoterápicos, sendo a mais utilizada o
decocto, ou seja, o cozimento da parte vegetal em água e, em
segundo lugar, o infuso, que consiste na submersão da parte
vegetal em água, logo após a fervura desta. Isto também foi
observado por Rodrigues (1998) durante levantamento florístico
e etnobotânico de plantas medicinais do Cerrado, na Região do
Alto Rio Grande, em Minas Gerais. Destacou-se também nesse
levantamento o uso combinado de plantas com outros
ingredientes como: poejo (Mentha pulegium L.) com mel,
babosa (Aloe vera (L.) Burn. F.) com mel e cachaça, pé-degalinha (Eleusine indica (L.) Gaertn) com pedaço de cupim e
álcool. Outro fato constatado foi o uso de várias ervas
medicinais com chimarrão, conforme já anteriormente
observado por Garlet & Irgang (2001), em Cruz Alta, no Rio
Grande do Sul.
As plantas mencionadas com maior freqüência foram crajiru
(Arrabidaea chica (Bonpl.) B. Verl.), boldo (Plectranthus
barbatus Andrews), hortelã (Mentha sp.), erva-cidreira (Lippia
alba (Mill.) N. E. Br), erva-de-Santa-Maria (Chenopodium
ambrosioides L.), poejo (Mentha pulegium L.), hortelã-grande
(Plectranthus amboinicus (Lour) Spreng.), algodão (Gossypium
hirsitum L.), babosa (Aloe vera (L.) Burn. F.) e alfavaca
(Ocimum selloi Benth.). Também foram mencionadas com
freqüência a associação de mais de uma planta nas
formulações, dentre elas romã (Punica granatum L.) e gengibre
(Zingiber officinale Roscoe), chapéu-de-couro (Echinodorus
grandiflorus Mitch) e crajiru (Arrabidaea chica (Bonpl.) B. Verl.),
cana-do-brejo (Costus spicatus (Jack) SW) e pata-de-vaca
(Bauhinia forficata Link) e abacate (Persea americana Mill) e
quebra-pedra (Phyllanthus niruri L.). Observações semelhantes
foram constatadas por Ming & Amaral Júnior (2005) em estudo
realizado na reserva extrativista "Chico Mendes"...
9
PALAVRAS-CHAVE: Etnobotânica, Plantas Medicinais, Conhecimento Popular e
Cultura
Alê pagina do sumario esta com outras margens diferentes das demais as
medidas padrão do TCC são :
4. A Formatação do TCC
As medidas padrões para a formatação de cada lauda do TCC são:









Margem superior: 3,0 cm
Margem inferior: 2,0 cm
Margem direita: 2,0 cm
Margem esquerda: 3,0 cm
Citações: espaço simples (justificando à direita)
Entre linhas (espaço): duplo
Fonte do texto: Times ou Arial - tamanho 12
Fonte da citação: Times ou Arial - tamanho 10
Formato de papel: A4
E a profª fez menção na correção que a citação deveria ser igual ao texto
Não esquecer depois que o trabalho arrumado vai precisar arrumar os
números das paginas no sumário
10
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ....................................................................................................................8
CAPITULO I .....................................................................................................................10
1.1 CONHECIMENTO EMPIRICO ...........................................................................10
1.2 A UTILIZAÇÃO DAS PLANTAS NA MEDICINA ALTERNATIVA ..............11
1.3 SOBRE AS PLANTAS MEDICINAIS ................................................................14
CAPITULO II ...................................................................................................................16
2.1 A ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA O RESGATE E
VALORIZAÇÃO DA CULTURA POPULAR .................................................................16
2.2 ATIVIDADES MULTIDISCIPLINARES NAS ESCOLAS ...............................19
CONCIDERAÇÕES FINAIS .............................................................................................20
REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS ...............................................................................21
ANEXOS .......................................................................................................................25/26
ANEXO 1 TABELA ESPÉCIES MEDICINAIS
ANEXO 2 MODELO DO QUESTIONÁRIO PARA PESQUISA DE DADOS
ANEXO 3 APRESENTAÇÃO DE DADOS COLETADOS
ANEXO 4 GRÁFICO
11
INTRODUÇÃO
A interação entre o homem e as plantas foi moldada pela historia através do
conhecimento tradicional, que esteve presente no dia a dia das comunidades tradicionais
suprindo suas necessidades, tanto para medicamentos, utensílios, alimentos, artesanatos
etc. (Araujo, 2007).
Com o passar do tempo, a cultura dos medicamentos alopáticos toma conta
desse processo natural por ter efeito mais rápido e estar disponível nos postos de saúde,
e também pelo preconceito de determinadas religiões. Nesse sentido poucas pessoas
ainda buscam a cura através das plantas medicinais, como era de costume antigamente.
Essa cultura vem se perdendo, prejudicando o modo de vida das comunidades
tradicionais, pois ao utilizarem os medicamentos alopáticos tem um resultado mais
rápido e ao mesmo tempo desencadeando outros sintomas de doenças em determinados
órgãos do corpo. Com essas observações verifica-se que falta um trabalho de resgate
dos conhecimentos e da cultura popular, que veio se perdendo com o passar dos anos
devido à vida moderna e a praticidade das coisas. Identificamos esta questão como um
problema, pois estamos preocupados com as próximas gerações, que talvez não tenham
mais essa cultura dentro delas. Há um grande problema em deixar se perder as
tradições que há séculos são utilizadas pelas comunidades tradicionais, neste caso o uso
das plantas medicinais “...a humanidade está cada vez mais enferma, por conta situação
atual do homem, ele se afastou das leis naturais” (KOZEL, 1997).
O desenvolvimento deste trabalho proporcionou apresentar para os alunos a
importância das plantas para os seres vivos, aqui vamos enfocar a importância
medicinal, fazendo um resgate do uso das plantas pelas gerações futuras, hoje em dia
muitos jovens não valorizam o conhecimento dos mais velhos, e com o projeto
12
pretendemos mostrar como é importante a troca de experiência entre as diferentes
gerações. Com o levantamento de dados, foi possível ver a necessidade de sensibilizar
os alunos sobre a importância do uso e das plantas medicinais e mostrar formas de
manejo, conservação e manutenção das plantas, para que estes possam repassar o
conhecimento para seus pais e futuramente seus filhos, valorizando assim o
conhecimento empírico no uso das plantas medicinais.
A metodologia adotada foi à compilação de dados teóricos feito nas literaturas
estudadas, seguindo para levantamento de campo junto a alunos e professores do ensino
fundamental e com moradores tradicionais na cidade de Peruíbe.
O Capitulo I, trata da questão do conhecimento empírico, que é chamado
também de Popular ou vulgar é o modo comum, corrente e espontâneo de conhecer,
que se adquire no trato direto com as coisas e os seres humanos, as informações são
assimiladas por tradição, experiências causais, ingênuas, é caracterizado pela aceitação
passiva, sendo mais sujeito ao erro nas deduções e prognósticos “...é o saber que
preenche nossa vida diária e que se possui sem o haver procurado, sem aplicação de
método e sem se haver refletido sobre algo” (BABINI, 1957:21).
No capitulo II abordamos a questão da utilização da escola como espaço
multiplicador do conhecimento popular, onde é possível repassar informações para um
grande número de pessoas, através das diferentes atividades. Com a inclusão das
multidisciplinares, que hoje abre um espaço importante para serem tratados diferentes
temas na sala e em diferentes matérias.
13
CAPÍTULO I
1.1
CONHECIMENTO EMPÍRICO
O empirismo, ou senso-comum é um saber de grande importância para esses
povos que vivem afastados dos grandes centros culturais, segundo nossa pesquisa
entendemos que deveríamos dar maior atenção aos conhecimentos e cultura destes
povos.
As sociedades de uma forma geral, e em especial os meios acadêmicos
deveriam, na medida do possível estudar, essas culturas e conhecimentos ditos
empíricos e procurar associá-los aos já existentes para um maior aproveitamento das
novas gerações. Em nosso entendimento, os governos deveriam dar maior atenção
especialmente às comunidades indígenas e sua cultura; esse descaso do poder publico
tem de certa forma deixado uma lacuna, e é ai que os cientistas estrangeiros tem
procura tirar proveito, se apoderando, de certas descobertas destes povos, e em especial
na
sua medicina tradicional, os
mesmos tem
ao longo dos tempos traficado e
patenteado essas descobertas de origem deste povos, com isso trazendo prejuízos não
só a comunidade mas também ao país (YAMANE, 2008).
Dentro do conhecimento empírico, temos a utilização das plantas como
medicamento, que foi e é utilizada por muitas comunidades, que permanecem com seu
modo de vida tradicional utilizando os recursos naturais disponíveis na natureza. As
plantas são utilizadas ha muito tempo pelas comunidades, e o conhecimento para
utilização das plantas foi adquirido conforme as necessidades que encontravam, e esses
conhecimentos são passados de geração para geração. As plantas apresentam
propriedades fitoterápicas que com evolução dos estudos científicos vem ampliando o
número de plantas catalogadas (VALDIR FILHO & YUNES, faltou a data da
publicação).
o ano 1998 OU 1997 fiquei em duvida
14
Mas, à medida que esta sociedade cresce e se sofistica, enquanto ela se expande
e se subdivide, aquelas informações básicas que serviam de orientação e guia, acabam
se perdendo em meio ao labirinto de novas técnicas, de artefatos mais numerosos e
complexos, de bens cada vez mais provisórios. Não se pode, pois, esperar do
conhecimento empírico, do senso-comum, explicações definitivas e consistentes sobre a
realidade das coisas, sobre suas causas e a maneira como evoluíram. Ele não nos oferece
uma relação causal segura, apenas algum tipo de evidência correlacionada e, por isto,
poucas vezes se desdobra em uma tecnologia específica (YAMANE, 2008).
1.2
A UTILIZAÇÃO DAS PLANTAS NA MEDICINA
ALTERNATIVA
O uso de plantas medicinais, caracterizadas como “espécies vegetais cultivadas
ou não, utilizadas com propósitos terapêuticos”, é forma de tratamento muito, antiga,
relacionada aos primórdios da medicina e fundamentada no acúmulo de informações
por sucessivas gerações (BRASIL, 2006). O trabalho de pesquisa desenvolvido na
Ponta da Almada –SP, onde o ecossistema é de Mata Atlântica que predomina, focou o
levantamento das atividades desenvolvidas pelas comunidades caiçaras que mantém
uma estreita relação com o ambiente, contribuindo para a sua conservação, utilizam os
recursos naturais de forma a desenvolver o manejo, entre esses recursos, encontramos
as plantas medicinais, neste levantamento foram encontradas 152 etnoespécies
vegetais, sendo 76 para uso medicinal (HANAZAKI, 1996).
O Levantamento de plantas da Mata Atlântica indica que muitas das
espécies vegetais são utilizadas como medicinais pelas comunidades tradicionais.
Mostra também a importância de se desenvolver o manejo das plantas, para garantir a
15
sustentabilidade das espécies, e para isso é importante ter áreas de amostras para fazer o
comparativo em áreas que precisam ser recuperadas (FRUEHAUF, 2000).
Com os avanços científicos, esta prática milenar cedeu espaço aos medicamentos
sintéticos, entretanto, o alto custo destes fármacos e seus efeitos colaterais contribuíram
para o ressurgimento da fitoterapia (OLIVEIRA, 2004). No Brasil, a utilização de
plantas com fins medicinais é uma prática difundida, enriquecida pela diferenças
culturais, provenientes dos índios, negros e europeus. Esta miscigenação de raças,
associada à grande diversidade vegetal do país, conduziu a uma medicina tradicional
baseada em diferentes plantas e métodos de tratamento (BRANDÃO, 1996).
Com a enorme população de seres humanos na Terra, os altos índices de doenças
existentes que afligem a humanidade e o aumento do número de formas de patógenos
que debelam a saúde e o bem-estar do ser humano, torna-se evidente a dependência aos
efeitos terapêuticos das plantas (OLIVEIRA et al., 2001).
Desde a Declaração de Alma-Ata, em 1978, a Organização Mundial de Saúde
tem expressado a sua posição a respeito da necessidade de valorizar a utilização de
plantas medicinais no âmbito sanitário, tendo em conta que grande parte da população
mundial utiliza plantas medicinais ou preparações destas no que se refere à Atenção
Primária à Saúde (BRASIL, 2005).
Essa citação acima é de 2005 poderiamos continuar falando que houver
mudanças depois disso como em dez 2008 o governo autorizou o uso de plantas
medicinais nos postos de saúde pelo SUS como consta nesta e em outras pesquisas
http://www.ecodebate.com.br/2009/02/16/ministerio-da-saude-lista-plantas-quepoderao-ser-usadas-como-medicamentos-fitoterapicos-pelo-sus/
Atualmente, as plantas medicinais representam uma alternativa barata, de fácil
manutenção
e
comprovadamente
eficiente,
quando
corretamente
cultivadas,
16
manipuladas e utilizadas. Alguns estudos afirmam que é urgente a orientação da
população no uso correto de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos, devido a
indicações terapêuticas equivocadas, troca de medicamentos prescritos por plantas
medicinais e outras situações de risco a saúde do usuário (VIEIRA et al., 2004). Porém
para isso, é necessário que os mesmos possuam conhecimentos acerca de plantas
medicinais e medicamentos fitoterápicos O cultivo de plantas medicinais torna-se uma
etapa de grande relevância no processo de obtenção de medicamentos. Por não requerer
uma área muito grande nem depender de custos elevados para a sua implantação, o
cultivo destas plantas é uma alternativa para os quintais urbanos ou da zona rural
(LIMA, 2000).
1.3
SOBRE AS PLANTAS MEDICINAIS
A fitoterapia constitui uma forma de medicina que vem crescendo
visivelmente ao longo dos anos onde atualmente o mercado mundial de fitofármacos
gira em torno de 15 bilhões de dólares. Talvez o principal fator a contribuir
consideravelmente para o crescimento em questão consista na evolução dos estudos
científicos, particularmente os estudos químicos e farmacológicos, que comprovam,
cada vez mais, a eficácia das plantas medicinais, principalmente aquelas empregadas
na medicina popular com finalidades terapêuticas (VALDIR FILHO & YUNES,
1997).
Entretanto, a necessidade de se chegar aos compostos puros responsáveis pelos
efeitos biológicos apresentados pelos extratos, leva a uma obrigatória integração entre
a química e a farmacologia molecular, cujo elo pode levar à obtenção de substâncias
17
naturais ou sintéticas de grande interesse químico-medicinal (VALDIR FILHO &
YUNES, 1997).
Em nosso país, os estudos científicos envolvendo produtos naturais ativos,
suas indicações e contra-indicações, podem proporcionar aos fitofármacos um maior
nível de aceitação médica, respaldados pela comprovação de sua eficácia terapêutica
em experimentos farmacológicos pré-clínicos e clínicos. Este fato é de extrema
importância, considerando-se que o Brasil se encontra atualmente nas primeiras
posições no mercado mundial de fármacos, necessitando urgentemente que as
indústrias de fitofármacos existentes se desenvolvam para competir inclusive a nível
internacional. A instalação de indústrias envolvendo a síntese de fármacos a partir de
produtos naturais poderia, assim, ser um considerável polo de crescimento para a
química e a farmacologia (VALDIR FILHO & YUNES, 1997).
O valor dos produtos bioativos das plantas medicinais para a sociedade e para
a economía do Estado é incalculável. Um em cada quatro produtos comercializados
nas farmácias é preparado a partir de materiais extraídos de plantas das florestas
tropicais ou de estruturas químicas derivadas desses vegetais. Somente cerca de 10%
das espécies vegetais têm sido sistematicamente estudadas em termos decompostos
bioativos, das 1100 especies estudadas por suas propriedades medicinais, entre as
365.000 espécies já conhecidas (GARCIA, 1995).
Esses valores demonstram a importancia das pesquisas sobre plantas medicinais
nativas nos vários biomas brasileiros. Particularmente na Mata Atlântica, o
desmatamento é motivo de preocupação entre os ambientalistas mundiais, não só pela
biodiversidade local como também por ser onde a devastação florestal demonstrou sua
maior eficiência (BRASIL, 2002).
18
Alê será que aquí poderiamos falar que Peruibe onde nosso trabalho foi
realizado faz parte da Mata Atlantica? Que isso os alunos também precisa conhecer e
dar valor Ou no 2.2 A ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA O RESGATE E
VALORIZAÇÃO DA CULTURA POPULAR onde a professora esta pedindo para
completar mais...
No entanto, com o crescimento demográfico, os seres humanos, em sua busca do
desenvolvimento econômico e do gozo das riquezas naturais, por século a fio, se
esqueceram de que os recursos naturais são finitos e a capacidade dos ecossistemas é
limitado.
Dessa
forma,
colocavam
em
risco
vários
sistemas
ambientais,
consequentemente provocando um processo de ameaça de desaparecimento de varias
espécies de seres vivos no planeta (IUCN, 1984; TOWNSEND et AL., 2006).
Atualmente como conseqüência do grande crescimento populacional e de suas
atividades os processos de destruição, degradação e de fragmentação de habitats tem
sido os principais responsáveis pela perda da biodiversidade, com mudanças na
distribuição a abundancia dos seres vivos (BIERREGAARD & DEALE, 1996;
WHITMORE, 1997; PIMM & RAVEN, 2000).
Entre as alterações ambientais, Bierregaard & Deale (1996) consideram que a
mais importante é as transformações de florestas continuas em um mosaico de
paisagens com remanescentes de ecossistemas naturais rodeados por áreas desmatadas,
para cultivos e pastagens formando as “Ilhas de Habitats”.
19
CAPITULO II
2.2 A ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA O RESGATE E
VALORIZAÇÃO DA CULTURA POPULAR
Ainda acho que esse item, o mais importante do trabalho, está incompleto. Vcs
não colocaram uma base sólida isso já não esta respondido no próximo item 2.2
ATIVIDADES MULTIDISCIPLINARES NAS ESCOLAS
da literatura para justificar o estudo ( será aqui para dar ênfase que Peruíbe faz
parte da Mata Atlantica além do resgate) . Faltam ainda dados da literatura que façam a
união da escola com a cultura popular. Alê sobre a parte da escola vou procurar
mais e se DEUS quiser eu logo falo...
Além disso, sugiro que não iniciem esse item dando os resultados do
questionário (aliás.... por que não fizeram gráficos com as respostas? Iria engrandecer e
muito o trabalho de vcs). Ah! Sobre o gráfico podemos fazer sobre o resultado das
pesquisas por favor e se você quiser que faça, passe pra mim o quanto antes a
pontuação das pesquisas exemplo hortelã o mais falado depois o manjericão
depois o ... depois o ... que eu posso pedir logo para o meu genro Leo fazer um
gráfico que fica ótimo, se você quiser passe logo as pesquisas e esse gráfico entra
nos anexos ...
20
Sugiro que coloquem dados teóricos da literatura para embasar a pesquisa de
vcs.
Foram realizados levantamento etnobotânico que correspondeu a elaboração de
um questionário visando à busca de informações a respeito das plantas utilizadas, bem
como sua forma de utilização,
identificação e catalogação das plantas através do
questionário.
Foi possível se avaliar através de questionários, que as plantas medicinais ainda
são muito utilizadas, por vários motivos, dentre eles se destacam o fato de ser de graça.
Este trabalho teve como publico alvo pais ou responsáveis por alunos de Ensino
Fundamental, para saber qual o conhecimento de medicina alternativa e sua importância
na rotina destas pessoas. O trabalho mostrou que a maior parte dos entrevistados utiliza
ou acreditam no potencial das plantas medicinais, foram citadas mais de 50 espécies
entre pais de alunos e responsáveis e mais de 50% dos entrevistados, a família utiliza as
benzedeiras com recursos de medicina (SANTOS et al., 1995).
Entre as plantas medicinais mais utilizadas podemos citar: Hortelã (Figura 1),
Quebra Pedra (Figura 2), Erva- Baleeira (Figura 3), Caqueija (Figura 4), Aroeira,
(Figura 5) e Sabugueiro (Figura 6). Os entrevistaram adquiriram estes conhecimentos
com vizinhos, parentes e amigos.
NP=Nome popular, NC = Nome Científico e F = Família
Figura: 1
N P: Hortelã.
N C: Mentha sp.
F: Lamiaceae.
Para que serve: Febre, Dor de barriga (cólica),
Reumatismo, Dor de cabeça.
21
Figura: 2
N P: Quebra-Pedra .
N C: Phyllanthus niruri
F: Euphorbiaceae.
Para que serve: Infecção urinária,
Hemorragia.
Figura: 3
NP: Aroeira
NC: Schinus terebinthifolius
F: Anacardiaceae
Para que serve: Azia, gastrite, febre, cistite,
uretrite, diarréia, blenorragia, tosse, bronquite,
Figura: 4
NP: Erva-Baleeira
NC: Cordia curassavica
F: Boraginaceae
Para que serve: Anti-inflamatória, cicatrizante,
tem a propriedade de remover hematomas.
22
Figura: 5
NP: Carqueijo
NC: Baccharis sp.
F: Asteraceae
Para que serve: fígado e intestinos, limpa as
toxinas do sangue.
Figura: 6
NP: Sabugueira
N C: Sambucos sp.
F: Caprifoliáceae
Para que serve: inflamações, é antidiarréico, ótimo para crianças com doenças
como o sarampo e a catapora.
23
2.2 ATIVIDADES MULTIDISCIPLINARES NAS ESCOLAS
Projeto multidisciplinar é um ótimo recurso para ensinar desde os anos iniciais,
pois além de motivador, esta ferramenta faz com que os alunos construam seus
conhecimentos interligando as diversas áreas da aprendizagem; faz com que os alunos
compreendam as relações existentes entre as linguagens e dão a eles a oportunidade de
transformar a sala de aula em uma comunidade de investigação e pesquisa (citação?).
Alê esse parágrafo acima e o debaixo poderia ser continuação e não parágrafo
novo
o
que
você
acha
são
da
mesma
pessoa
,
foi
pegou
de
http://blogs.abril.com.br/professorabia/2009/02/por-que-trabalhar-projetosmultidisciplinares.html : se foi tem que estar na ref bio e não esta e pode falar segundo
Vanja Ferreira ou colocar o ano 2009 Vanja Ferreira – Mestre em Educação,
pedagoga, coordenadora pedagógica, escritora, docente universitária,
educadora física, gestora escolar e Prêmio Victor Civita Professor Nota 10.
O projeto multidisciplinar constitui uma condição para a melhoria da qualidade
do ensino, pois supera a clássica fragmentação existente entre as disciplinas e contribui
para a formação global do educando (Ferreira, (citação completa?)).
O desenvolvimento de estudos multidisciplinares com as plantas medicinais
mostra que os pesquisadores de diferentes áreas como: química, botânica, farmacologia
e outras áreas, facilitam o desenvolvimento das pesquisas para se chegar aos resultados
esperados mais rápidos, facilitando com que estes medicamentos cheguem mais rápido
até o consumidor. Os pesquisadores utilizam muito o conhecimento popular para chegar
24
até as espécies e o seu uso, e com suas pesquisas vão aprimorando a sua eficácia
(MACIEL et
al., 1995).
Pessoal, esse item está deslocado das demais partes do texto.Ou vcs fazem uma
ligação com o objetivo do trabalho de vcs, inserindo essa parte no contexto, ou retirem
essa parte. Além disso, o texto desse item ainda precisa ser melhor desenvolvido. Está
superficial, considerando as poucas citações que usaram.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao concluir o trabalho, foi possível analisar, a importância das atividades
multidisciplinares na escola, que permite desenvolver atividades, de diferentes temas em
diferentes matérias, no nosso caso utilizamos a escola como instrumento de divulgação
e promoção, neste caso do conhecimento popular (empírico). O fato de levar para dentro
25
da sala de aula o conhecimento que muitos alunos ouvem em casa, eles passam a
valorizar o conhecimento dos mais velhos, e começam a se apropriar deste
conhecimento para a vida. Analisamos também, que a utilização das plantas medicinais
é de suma importância, para muitas comunidades, que estão situadas longe de centros
urbanos, onde para suprir suas necessidades, tem que adquirir a técnica de identificar as
plantas medicinais e as formas de preparo. Estas comunidades servem de bases para
varias pesquisas científicas, que analisam as propriedades fitoterápicas das plantas e
publicam suas pesquisas e artigos, e conseqüentemente surgem remédios novos nas
farmácias. Já as comunidades que estão próximas dos centros urbanos, são aquelas que
engavetam o conhecimento adquirido e passam a usar somente os medicamentos
alopáticos. Com a aplicação dos questionários, foi possível fazer com que essas pessoas
perceberem o conhecimento que tem e está esquecido devido a facilidade de acesso a
medicamentos convencionais.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA
ACCORSI, W. R. Medicina natural: Um novo conceito.
BOTSARIS, A. S.;
Vol. 2. p.5.
ALENCAR, E.; GOMES, M. A. O. Metodología de pesquisa social e
diagnóstico rápido participativo. Lavras: UFLA/ FAEPE, 1998.
ALMEIDA, E. R. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e
científicos. São Paulo: Hemus,1993.
26
AMOROZO, M. C. M. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo
Antonio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p.
189-203, 2002.
ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP II. An update of the Angiosperm
Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APGII
the linnean society of London. Botanical Journal of the Linnean Society, London, 2003.
A.R. Tôrres; R.A.G. Oliveira, M.F.F.M Diniz, E.C. Araújo Estudo sobre o uso
de plantas medicinais em crianças hospitalizadas da cidade de João Pessoa: riscos
e benefícios.Revista Brasileira de Farmacognosia. vol.15 no.4 João
Pessoa Out./Dez. 2005
ARAUJO, Luciana Gomes de. Diversidade de uso de recursos vegetais em
duas comunidades caiçaras da Estação Ecológica Juréia-Itatins, Litoral Sul de São
Paulo.Unesp-Rio Claro - TCC 2000.
BERNARD, H. R. Research method s in an thr op ology- qualitative and
quantitative approaches. 3. ed. Walnut Creek: Altamira, 2002. 753 p.
BIAZZI, Eliza S. Saúde pelas plantas.11ed. Tatuí. Casa,1996.
BOTREL, R. T. Fragmentação florestal no município de Ingaí, MG:
composição florística, estrutural da comunidade arbórea e etnobotânica. 2001. 186
p. Dissertação (Mestrado em Engenharia
Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2001
BOTRE L, R. T.; RODRIGUES , L. A.; GOMES , L. J.; CARVALHO, D. A.;
FONTE, M. A. Espécies vegetais nativas usadas pela população local em Ingaí, MG.
Lavras: UFLA, 2004. 32 p. (Boletim agropecuário, 59).
BRANDÃO, M.G.L. Plantas Medicinais. In: GUERRA, C. B., BARBOSA, F.
A. R. (org.). Programa de Educação Ambiental na Bacia do Rio Piracicaba. Belo
Horizonte: Editora da UFMG, 1996. p.173-193.
BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos
municípios. 2ª Ed. Brasília: Editora MS, 2006. 384p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Medicinal Natural e
Práticas Complementares (PMNPC). Conselho Nacional de Saúde. Brasília, 2005.
47p.
CORRÊA, M. P. Dicionário das Planta Úteis do Brasil e das Exóticas
Cultivadas. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura,1926.
DUNIAU, M. C. M. Plantas Medicinais: da magia à ciência. Rio de Janeiro:
Brasport; 2003.
27
FERREIRA, V.Porque Trabalhar Projetos Interdisciplinares? 2009
GARCIA, E. S. Biodiversidade, biotecnologia e saúde. Cadernos de Saúde
Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, jul./set. 1995.
HANAZAKI, N., Leitão-Filho, H.F. & Begossi, A. 1996. Uso de recursos na
Mata Atlântica: o caso da Ponta do Almada (Ubatuba, Brasil). Interciencia 21: 268276.
UICN 1984 Estratégia mundial para a conservação: a conservação dos
recursos vivos, para um desenvolvimento sustentado. São Paulo: CESP (colab.
UNEP, WWF, FAO e UNESCO).
KOZEL, Carlos. Saúde e cura pelas plantas: e outros recursos naturais.
9.ed. São Paulo SP: Casa Editora Firmamento. 1997;415p
LIMA, C. B. Plantas medicinais utilizadas em duas localidades do município
de Bandeirantes-PR. 2000. 103p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) –
Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2000
LORENZI, H.; ABREU M. F. J. Plantas Medicinais No Brasil - Nativas e
Exóticas. São Paulo: Instituto Plantarum, 2002. p.512
MACHADO, P.V. Introdução à fitoterapia: Memento Terapêutico
. Rio de Janeiro: Flora Medicinal, 1999. p.8-11.
MACIELl, M. A. M.; Pinto, A. C.; Nunes, D. S.; Resumos da 18a
ReuniãoAnual da Sociedade Brasileira de Química, Caxambu, Brasil, 1995.
MARTINS, E. R. ; CASTRO, D. M. ; CASTELLANI, D. C. ; DIAS, J. E.
Plantas Medicinais. Viçosa: Ed. Imprensa Universitária, 1994. p. 220
MATOS, F.J.A. Entrevista ao Jornal O POVO. Jornalista Ana Cecília
Mesquita da Redação. Fortaleza/CE. 26/ Jan/ 2004
OLIVEIRA, J.E.Z., AMARAL, C.L.F., CASALI, V.W.D., Plantas Medicinais
e Aromáticas: Avanços no Melhoramento Genético. Viçosa. UFV, Departamento de
Fitotecnia, 2001. 155p
PAVAN-FRUEHAUF, S. Plantas medicinais de Mata Atlântica: manejo
sustentado e amostragem. São Paulo: Annablume, FAPESP. 216p., il.2000.
PEREIRA, R.C.I; OLIVEIRA, M.T.R.; LEMOS, G.C.S. Plantas utilizadas
como medicinais no município de Campos de Goytacazes - RJ. Rev. bras.
farmacogn. vol.14 suppl.0 João Pessoa 2004
28
ROSA, S.M.F.L.; VERRA, S.F. & MAIA, C.M.M., [199-]. Introdução a
Fitoterapia. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal de Duque de Caxias. 21p., il.
SANTOS, M.A.P.; REIS, M. C. P.; Relato de uma experiência de incentivo ao
uso popular da planta medicinal dentro de uma prática médica generalista numa
comunidade adstrita ( ilha de Paquetá - Rio de Janeiro ). In: XV SIMPÓSIO DE
111 PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL, 15, 1998, Águas de Lindóia. Programa e
Resumos. Águas de Lindóia, SP: Brasil, 1998.
SANTOS M.G.; DIAS A.G.P.; Martins M.M. Conhecimento e uso da
medicina alternativa entre alunos e professores de primeiro grau. Rev Saúde
Pública. 1995;29:221-7.
SELEÇÕES do Reader’s Digest (SARL). Segredos e virtudes das Plantas
Medicinais. Lisboa (Portugal): Lisgráfica, 1983. p. 767-800.
SCHENKEL, E. P. Plantas Tóxicas. In: SIMÕES, C. M. O., SCHENKEL, E.
P., GOSMANN, G., MELLO, J. C. P.de, MENTZ, L. A. & PETROVICK, P. R.
(ORGS.). Farmacognosia da planta aomedicamento. 3a ed. Editora da UFRGS. 2001.
833p.
VEIGA JUNIOR, V.F. et al. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova,
São Paulo, v. 28, p. 519-528, 2005.
VIEIRA, L.A., MEDEIROS, J.C., CARVALHO, J.G., Projeto Farmácia Viva
– Implantação da Fitoterapia no SUS/Betim. In: X Seminário Mineiro de Plantas
Medicinais, 2004, São João del-Rei. Anais ... São João del-Rei: UFSJ/UFV , 2004.
p.151-152.
VICTOR, P.; ANDRADE, L. H. C. Flora medicinal: estudo comparativo entre
dois municípios de Pernambuco. Biológica Brasílica, Recife, v. 3, n. 2, p. 179-200,
1991.
YAMANE, T.R.; SABEDORIA POPULAR, EMPIRISMO OU SENSOCOMUM, 2008, Japão
YUNES, R.A.,; Filho, C.V.,; ESTRATÉGIAS PARA A OBTENÇÃO DE
COMPOSTOS FARMACOLOGICAMENTE ATIVOS A PARTIR DE PLANTAS
MEDICINAIS. CONCEITOS SOBRE MODIFICAÇÃO ESTRUTURAL PARA
OTIMIZAÇÃO DA ATIVIDADE - 1997 FAQFAR - Universidade do Vale do Itajaí
(UNIVALI) - CP 360 - 88302-202 - Itajaí – SC-
29
ANEXO 1 TABELA DE ESPECIES MEDICINAIS
Familia
Laueaceae
Moraceae
Anacardiáceae
Liliáceae
Musaceae
Convolvulaceae
Bromeliàciae
Poaceae
Rubiaceae
Cucurbitaceae
Gramíneas
Nome Cientifico
Persea americana Mill
Morus nigra
Nome Popular
Abacate
Amora
Schinus terebinthifolius
Aroeira
Aloe sp.
Musa sp.
Ipomea batatas
Cymbopogon citratus
Babosa
Banana
Batata - Doce
Bromélias
Capim - cidrão
Calliandra depauperata
Carqueijo
Coffea arabica
Sechium edule
Cymbopogon winterianus
Café
Chuchu
Citronela
30
Apiaceae
Verbenaceae
Lamiaceae
Lamiaceae
Solanáceae
Myrtaceae
Sapotaceae
Lamiaceae
Rutaceae
Rutaceae
Rutaceae
Caricáceas
Labitaceae
Caprifoliáceas
Apiaceae
Coriandrum sativum L.
Coentro
Cordia curassavica
Erva Baleeira
Lippia alba
Mentha sp.
Ocimum gratissimum
Solanum malacoxylon
Psidium guajava
Ecclinusa ramiflora
Mentha arvensis L.
Citrus sinensis
Citrus sinensis
Citrus aurantifolia
Carica papaya
Mentha SP
Sambucus sp
Petroselinum crispum
Erva -Cidreira
Favaca
Favacão
Gelol
Goiaba
Guacá
Hortelã
Laranja
Laranja Lima
Limão tahiti
Mamão
Hortelã
Sabugueiro
Salsinha
ANEXO 2- MODELO DO QUESTIONÁRIO PARA PESQUISA DE DADOS
DADOS
Nomes:_________________________________________________________
Idade: _____________________
Profissão: ___________________
Estado Civil: ________________
QUESTIONÁRIO:
31
1) Em sua opinião o resgate da cultura popular através das ervas medicinais, é uma
melhora da qualidade de vida?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
2) Você conhece alguma erva medicinal? Se sim, qual? Para que serve? Onde adquiriu
este conhecimento?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
3) Em sua opinião, o por que as plantas medicinais está tão esquecidas na nossa cultura
e/ou em nosso dia-a-dia? Qual a melhor forma de se resgatar esta cultura?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
4) Você conhece os benefícios de usar plantas medicinais? Se sim, quais?
ANEXO 3 APRESENTAÇÃO DE DADOS COLETADOS aqui vai ser o scanner de
todos os questionários, pesquisas feitas SCANIADOS AQUI
32
Anexo 4 GRAFICO
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

Criar flashcards