Bibliografia - Estado do Paraná

Propaganda
Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Mestrado em Administração – PPAGEI
RESENHA
Aluno: Luiz Carlos de Almeida Oliveira
CRÍTICA
Data: outubro de 2000
Professora: Dra. Isabella Freitas G. de Vasconcelos
Identificação da Obra: A Construção Social da Realidade - Editora Vozes Ltda.,
1976, Petrópolis.
Autor: Berger, Peter L. e Luckmann, Thomas. Professores de Sociologia na
Rutgers University e Universidade de Frankfurt, respectivamente. Autores
representativos do Interacionismo Simbólico.
Introdução
A obra analisada coloca-se como um tratado a respeito da Sociologia do
Conhecimento, no sentido de ser uma análise de como o Homem constrói o seu
próprio conhecimento da realidade, tratando das relações entre o pensamento
humano e o contexto social dentro do qual ele vive.
Realidade esta que existe independente de nós, entendida no âmbito sociológico
como sendo o conjunto de fatos que acontecem no mundo independente da
vontade do indivíduo. Mas que ao ser vista e percebida em perspectivas diferentes
pelos ditos Homens comuns forma o conhecimento.
Assim, também neste contexto sociológico, o conhecimento pode ser definido
como a interpretação que o indivíduo faz da sua realidade, são os aspectos que o
indivíduo pensa que compõem a realidade.
Realidade esta que ainda apresenta-se de forma sui gêneres entre a facticidade
objetiva e o significado subjetivo.
Se fosse para reproduzir em poucas palavras a essência do entendimento do livro,
sintetizaria focando que a realidade da qual temos consciência, o conhecimento
que temos dela, é um produto da sociedade. Sociedade essa construída pelo
próprio homem. Assim ao mesmo tempo que o Homem constrói e molda a
sociedade é por ela influenciado, é por ela moldado.
O obra explora a questão apresentada passando por uma abordagem dos
aspectos sociológicos da realidade e conhecimento, pela análise dos fundamentos
do conhecimento na vida cotidiana, pela análise da sociedade como realidade
objetiva e pela análise da sociedade como realidade subjetiva.
Na seqüência deste trabalho estão apresentados os aspectos considerados
relevantes na obra analisada, expostos segundo a estrutura da própria obra.
A realidade e o indivíduo (a geração do conhecimento)
A relação entre o indivíduo e o mundo social é ditada pela percepção do mundo
que o indivíduo tem, que passa a ser o seu conhecimento, e que construiu
influenciado pelo próprio mundo e pelo seu significado subjetivo. Assim a
realidade social vai se reforçando e se moldando na dialética da facticidade
objetiva e significado subjetivo, dando, entretanto, caráter de afastamento da
realidade a eventuais desvios radicais da ordem institucionalizada.
A citada construção se dá em três níveis: indivíduos (como citado), grupo e
sociedade. O indivíduo percebe os fatos, aplica nesses fatos os seus valores e
obtém seu conhecimento, formando assim a sua ideologia individual, ou seja, se
conjunto de idéias individuais, seus valores. Numa segunda instância, observa-se
que esse indivíduo pertence a vários grupos, ou a uma classe, e suas idéias
também ajudarão a formar a ideologia desses grupos e dessa classe juntamente
com o contexto social em que estão inseridos. Os vários valores, as várias
ideologias de classes, vão coexistir, interagir-se subjulgar uma às outras formando
o que pode ser chamado de ideologia, O conjunto de idéias da sociedade.
Essa questão é de dupla mão, pois tanto os indivíduos como os grupos constróem
e influenciam na sociedade quanto a sociedade influencia nos grupos e nos
indivíduos.
Outra questão, cujo extremo foi citado anteriormente como afastamento da
realidade, é que nenhum indivíduo ou grupo vai conseguir passar todas as suas
idéias para o outro de modo que estas sejam aceitas integralmente. Assim surge
classificações para os indivíduos como: mais alienados, menos alienados,
revolucionários, loucos etc. As sociedades buscam, também, mecanismos de
exclusão dos casos extremos, chegando inclusive a eliminação pela morte.
Os Fundamentos do Conhecimento da Vida Cotidiana
A vida cotidiana apresenta-se como uma realidade interpretada pelo Homem
comum. Os autores apresentam uma diferenciação entre os Homens comuns e os
filósofos, atribuindo aos primeiros uma interpretação simples da realidade, no
contexto da sua vida diária, enquanto que atribui aos segundos um constante
questionamento da realidade.
2
O estudo proposto parte da análise da consciência desse Homem comum,
considerando principalmente que é na realidade da vida cotidiana que a sua
consciência é exigida ao máximo, daí a necessidade de abordar alguns
fundamentos do conhecimento dessa vida cotidiana.
Temos a consciência também que o mundo apresenta diversas realidades, que
existem choques entre as percepções dessas realidades, mas que permanece
como fundamental a percepção da vida cotidiana. Por exemplo, as artes ou as
religiões são produtores de outros significados, de outras realidades.
A realidade da vida cotidiana apresenta-se ao homem de forma já pronta.
Nascendo num determinado local, numa determinada época, numa determinada
família, com determinadas influências políticas, religiosas ou culturais o homem
passa a incorporar estes aspectos antes de ter condições de influenciar sobre
eles. Esta realidade já pronta apresenta também duas possibilidades: uma mais
próxima e outra mais longe. A mais próxima é a com a qual se tem o convívio
diário, a mais longe refere-se a que não existe um convívio diário mas existe uma
relação de proximidade pelo assunto ou pelo interesse.
A intersubjetividade também está presente na realidade cotidiana, ao participar do
mundo junto com os demais indivíduos. Isso distingue a realidade cotidiana das
outras que ele tem consciência, como o mundo dos sonhos. A realidade cotidiana
pode ser interpretada de diversas formas dependendo que quem o faz. Porém há
um senso comum, que é a realidade que todos partilham e fazem parte.
Assim, mesmo existindo um visão já estabelecida, cada um tem experiências
pessoais diferentes que acabam dando uma nova forma pessoal ao conhecimento
existente, permanecendo entretanto uma visão comum, um senso comum.
A temporalidade também influencia no desvio da realidade cotidiana. A estrutura
temporal de uma sociedade é extremamente complexa dado que as restrições
temporais são interdependentes.
A estrutura temporal também influencia no posicionamento do indivíduo na
sociedade, assim aspectos relacionados ao “quando” o indivíduo pode isto ou
aquilo sempre estão presentes.
As interações sociais, o convívio pessoal são elementos essenciais da realidade
da vida cotidiana. Somente esta realidade permite um efetivo convívio. O
estabelecimento de padrões comuns, pela própria realidade cotidiana, é o agente
que permite a interação entre os indivíduos, justamente a partir dos referenciais
comuns estabelecidos.
A forma mais básica de interação social é a interação face a face. Nesta situação
um indivíduo é apreendido pelo outro. Um é plenamente real para o outro,
convivendo num mesmo local e num mesmo momento histórico, podendo um
3
observar as reações do outro em relação às suas atitudes. Porém nunca irá
compreendê-lo por completo, mesmo que o outro conte todo o seu passado, toda
a sua história.
Nessas interações está presente o conceito de tipificação. Ela é que, muitas
vezes, determina o tipo de relação que um indivíduo terá com o outro, através de
relações entre padrões, por exemplo associações de características físicas com
preferencias pessoas ou com atividades profissionais.
A realidade da vida cotidiana é expressa e representada por sinais e pela
linguagem. Isto é fundamental para que ocorra a objetivação, ou seja o fato de
transmitir o conhecimento. Além da interação direta, como a face a face, existem
outras influenciadas por fatores como o tempo, que exigem outra forma de
transmissão. É ai que surge a linguagem e os sinais.
A compreensão destes são fundamentais para o entendimento da realidade. Há
que se fazer uma diferenciação entre os significados subjetivos e as objetivações
a partir dos sinais produzidos pelos Homens. Assim, por exemplo, uma arma pode
ser tanto o símbolo da caça de animais (como instrumento fundamental de um
povo primitivo) como símbolo de violência na vida contemporânea.
A linguagem da interação face a face é a mais efetiva, nenhum outro modelo pode
reproduzi-la. Entretanto se faz necessário o estabelecimento de pontes entre as
diferentes zonas dentro da realidade da vida cotidiana, em função, principalmente
do tempo, do espaço e dos aspectos sociais, assim a linguagem transcende o
hiato do tempo, do espaço e dos fatores sociais, tornando presente coisas
separadas por estes fatores.
E esta análise do papel da linguagem é válido não só com relação aos fatos
associados aos outros mas também ao associado “comigo”. É a linguagem um
elemento fundamental para “falar de si mesmo até conhecer a si mesmo”.
A linguagem acaba dando uma
cotidiana. Este conhecimento
básicas da vida cotidiana
conhecimento. Neste estoque
estoque, é distribuído.
representação simbólica ao conhecimento da vida
é um elemento importante, pois as estruturas
são apresentadas pelo “estoque” social do
está também o conhecimento de como ele, o
A Sociedade como realidade Objetiva
Institucionalização – Organismo e atividade.
Diferente de outros animais o homem não nasce biologicamente completo,
determinando um desenvolvimento orgânico submetido a uma contínua
interferência socialmente determinada. Quer dizer: à medida que vai tendo o
4
complemento do seu desenvolvimento orgânico, vai também sendo socialmente
formado. Os mesmos processos sociais que determinam a constituição do
organismo, produzem também o EU em sua forma particular. Assim esse EU não
pode ser compreendido fora do contexto social onde foi formado.
O organismo humano não possui meios biológicos necessários para dar
estabilidade à conduta humana, assim surge a Ordem Social, um produto do
homem, uma progressiva criação humana, existindo unicamente a partir da
atividade humana.
As origens da institucionalização.
A institucionalização surge como uma certa comodidade para as pessoas.
Atividades sujeitas aos hábitos, já institucionalizados, libertam o sujeito de uma
carda das decisões, economizando uma carga psicológica. Toda
institucionalização tem uma história e não pode ser compreendida sem a
compreensão da história.
A institucionalização ocorre sempre que há uma tipificação recíproca de ações de
determinado grupo de indivíduos por esse grupo. Em segunda instância as
tipificações começam a passar para gerações sucessoras do grupo
institucionalizante. A nova geração vai interiorizar a instituição primária e, quando
forem capazes, vai também modificar aquela instituição de modo a realizar a
tarefa de alcançar os seus objetivos e suprir as suas necessidades. Mas somente
a partir do aparecimento de uma nova geração é possível falar propriamente de
um novo mundo social.
Organizações institucionalizam realidades cotidianas que existem objetivamente,
independente das pessoas. As pessoas não as entendem, necessitam “sair de si”
para entendê-las. Entretanto as objetividades do mundo institucional, por mais
maciça que apareça ao indivíduo, é uma objetividade produzida e construída pelo
próprio homem.
Assim a sociedade é um produto Humano. A Sociedade é uma realidade objetiva.
O Homem é um produto social, gerando a dialética do Homem criador X Homem
criado.
Afirmando o processo de institucionalização, devemos considerar que os
indivíduos analisa o seu mundo social pela ótica construída a partir de próprio
mundo. Assim, o mundo funciona, para o indivíduo, exatamente como ele o vê,
exatamente como deveria funcionar. É a análise de um fato pelos próprios
caminhos que levaram a este fato. Isto reforça o discurso e dá legitimação à
realidade social. É nesse contexto que qualquer desvio da ordem institucional tem
caráter de afastamento da realidade, visto como depravação moral, doença mental
ou ignorância crassa.
Sedimentação e tradição
5
Partes das experiências humanas são consideradas de relevantes para um grupo
ou indivíduo,
sendo mantidas nas memórias e discutidas nos grupos
(sedimentação). A linguagem é novamente a forma de transmissão das
sedimentações objetivadas, de forma que quem não passou pela experiência
possa ter possibilidade de entendê-la.
Com o tempo ou a repetição dessas experiências, cria-se a necessidade de que
sejam repassadas na forma de informação para as futuras gerações. Surge,
assim, a tradição.
Existem papéis e responsabilidades, normalmente estipulados e aceitos pela
sociedade, de repasse desses conhecimentos, normalmente associados a alguns
símbolos ou ritos. Cabendo destacar que toda a transmissão de significado implica
em procedimentos de controle e legitimação.
Papéis
As instituições requerem e determinam um conjunto de papéis para os indivíduos.
Esses papéis têm a função primordial de controlar a institucionalização,
representando a instituição e sua conduta. Assim os papéis credenciam os
executores ao mesmo tempo que servem de referência para os controles. Por
outro lado, quanto aos executores, ao praticar um papel participa de um mundo
social, ao interiorizar este papel, o mesmo mundo torna-se agora subjetivamente
real para ele.
Os papéis ainda representam as instituições ao mesmo tempo que também são
aparelhos legitimadores da sociedade. Exemplo clássico é um Monarca, símbolo
vivo da monarquia.
Também o acervo de conhecimento de uma sociedade é dividido, parte dele é
geral , de acesso a todos, parte dele é de acesso restrito somente a alguns
papéis. Esta diferenciação também faz parte do acervo e assim também só é
destinada a alguns papéis.
Assim uma nova dialética se estabelece, a partir do entendimento que as ordens
sociais só existem a partir dos papéis e estes são estruturados a partir da ordem
social vigente.
Extensão e modos de institucionalização
Finalmente a institucionalização pode ser completa ou parcial. Em situações onde
todos os problemas são comuns, todas as realidades são compartilhadas, onde a
ordem institucional abrange toda a vida social, a institucionalização é completa.
Exemplos são as sociedades reais.
6
O oposto é verificado quando existem um pequeno conjunto de problemas em
comum, havendo a institucionalização apenas deste pequeno conjunto de
problema, não existindo, em decorrência, um acervo de conhecimento.
Legitimação
O processo de legitimação se dá a partir do entendimento da origem dos
universos simbólicos, dos mecanismos conceituais para a sua manutenção e das
ações das organizações sociais no papel de manutenção deste universo.
As origens dos universos simbólicos: A partir do significado das coisas, do
universo simbólico, é que se objetiva a realidade. O Universo simbólico cria uma
hierarquia da mais real até a mais fugitiva da realidade. Está em contínua
transformação, desenvolvimento, crescimento ou empobrecimento, dependendo
da qualidade da metamorfose quando se interioriza alguma coisa.
Os mecanismos conceituais para manutenção do universo são idéias, instituição,
mecanismos, processos, estratégias e planos que trabalham para manter a
realidade objetiva como ela é, para legitimar esta realidade.
É através da
legitimação que os mecanismos conceituais tem base no universo simbólico.
Estes mecanismos conceituais são, cronologicamente, a mitologia, a teologia, a
filosofia, a ciência que se desmembram na terapêutica e na aniquilação. Esses
mecanismos são apropriados por uma classe específica que deseja que se
perpetue a realidade vigente, com a exceção da mitologia. A mitologia pode ser
criada por qualquer pessoa que presencie um fenômeno natural. Quando a
mitologia é apropriada por uma classe, acaba virando religião, prática, dogma,
ritual.
Já a terapêutica age no sentido de reintegrar o indivíduo rebelde ao grupo, à
sociedade, normalmente por processos punitivos. A aniquilação busca a total
exclusão do indivíduo do grupo ou da sociedade, se dando por mecanismos que
vão da deportação à morte.
Um terceiro fator para a legitimação são as organizações sociais, pois os
mecanismos sociais para a manutenção do universo têm base na organização das
atividades humanas, nas instituições, na necessidade do ser humano trabalhar.
Nas organizações há confronto de teorias que influenciam sobre elas. De um lado
há os teóricos, que fundamentam suas teorias com base no empirismo e não
podem ser negados, por outro lado os especialistas não conseguem provar suas
teorias de forma prática e assim são atacados. Isto acaba formando um universo
simbólico que, como todo o universo simbólico, acaba condicionando uma
realidade. Nesta formação os impasses são resolvidos pela validade dos
argumentos, vencendo as teorias mais articuladas, que não são, necessariamente,
as melhores.
7
Estes são os principais mecanismos de legitimação que somam-se aos
institucionalização na formação da sociedade como realidade objetiva.
A sociedade como realidade subjetiva
A interiorização da realidade.
As objetivações da realidade estão à disposição das pessoas para que sejam
interiorizadas. Interiorizar é assimilar, compreender, tornar subjetivo. A
interiorização consiste na percepção, interpretação, questionamento, conclusão,
argumentação de uma situação que está objetivada. É o sujeito assimilando a
realidade segundo suas interpretações e suas conclusões, decorrentes de suas
particularidades.
Dessa interiorização forma-se o universo simbólico, a identidade subjetiva e o
acervo social do conhecimento. Tudo o que está objetivado é um reflexo do acervo
social do conhecimento. Tudo aquilo que as pessoas pensam reflete o que está
objetivado na sociedade. Aquilo que as pessoas acreditam que são, ou seja, a sua
identidade subjetiva nada mais é do que o resultado do relacionamento delas com
o mundo objetivado.
Tudo o que um indivíduo objetiva é algo socialmente condicionado. É
condicionado pelo que ele é, pelo que ele fala, pelo seu estudo, pelo seu
vocabulário, enfim pelos seus valores. A sociedade influencia na objetivação
particular pois o indivíduo a interioriza primeiro antes de formar a sua opinião
através do seu conhecimento. Se o indivíduo participa do processo de
interiorização-subjetivação-objetivação, sente-se participante da sociedade e
forma e transforma a sociedade subjetiva.
A socialização primária
A socialização consiste em fazer com que o indivíduo seja capaz de interagir na
sociedade, de interiorizar, subjetivar, objetivar e, dessa forma ser um ser social
capaz de modificar o meio em que vive no intuito de suprimir as suas
necessidades.
A socialização primária é desenvolvida na infância. O indivíduo se torna um
membro da sociedade. A primeira coisa que acontece é a formação da identidade.
No início a pessoa forma a sua personalidade em função daquilo que ela não é
nos outros ("ainda não sei o que sou, mas sei o que não sou"). O bebê, por
exemplo, não sabe quem ele é, mas sabe que não é sua mãe, nem seu pai, nem o
que come, nem o lugar onde dorme, etc. Nessa socialização o indivíduo aprende
a falar, a se comunicar e se comportar diante das regras gerais da sociedade
como um todo.
8
A socialização secundária
É um processo que introduz o indivíduo já socializado em novos setores da
sociedade. É dentro das instituições que se dá a socialização secundária. O
indivíduo agora começa a interiorizar conceitos inerentes àquela instituição em
que ele tem que viver, ou trabalhar, ou se divertir.
Ao contrário da socialização primária, onde o indivíduo aceitava tudo
passivamente devido à confiança dispensada à seus pais, por exemplo; na
socialização secundária o indivíduo já se reserva o direito de contestar o que lhe é
objetivado condicionado pelo seu universo simbólico.
A conservação e a transformação da realidade subjetiva
A conservação dos conhecimentos da socialização primária é muito grande. Já na
socialização secundária, é mais difícil: um aprendizado teórico necessário à
formação profissional tende a ser esquecido se não for de interesse do estudante,
por exemplo.
A realidade subjetiva interiorizada pelas duas socializações pode ser vulnerável à
realidade dinâmica. Isto é, aquilo que o indivíduo sabe é constantemente
desafiado por aquilo que acontece. Há dois tipos de conservação: a rotineira e a
crítica.
A conservação rotineira mantém a realidade interiorizada na vida cotidiana. Ao
passo que a conservação crítica mantém a realidade interiorizada nas situações
de crise.
A conservação rotineira é dada todo o dia no contato com as coisas. Os indivíduos
se afirmam de como e o quê eles são pelo fato de exercerem suas atividades e
observar o mundo. O veículo mais importante para a conservação da realidade é a
conversa, é a intersubjetividade. E, de forma implícita, é responsável pela
conservação de boa parte da realidade subjetiva.
Porém ao mesmo tempo em que a conversa mantém a realidade, também à
modifica. Abandona alguns pontos, acrescenta outros. Enfraquece alguns setores,
reforça outros. O simples fato de não falar, não conversar sobre determinado
assunto, torna-o constante, por falta de crítica a respeito. Assim, o diálogo também
é um agente de transformação.
Na conservação crítica da realidade subjetiva os procedimentos de manutenção
são quase idênticos aos rotineiros, exceto que as confirmações de realidade
devem se tornar mais explícitas e intensas: técnicas, rituais, uso da força etc.
A interiorização e a estrutura social
9
A sociedade é interiorizada pelo indivíduo e influencia-o em seus interesses, na
sua capacidade de vocabulário, nos seus interesses político partidários, nos seus
interesses econômicos, etc. Assim, o indivíduo somente interioriza aquilo que é de
seu interesse. O que ele necessita tornar subjetivo para ele. E o seu interesse é
socialmente condicionado.
Não existe socialização perfeitamente bem sucedida onde tudo o que está
objetivado pela sociedade se torna subjetivo para um indivíduo qualquer. E
também não há possibilidade de que toda a identidade e todo o universo simbólico
de um indivíduo ser totalmente objetivado. Então a proposta de interação total a
sociedade é impossível.
O maior grau de socialização pode ser observado em sociedades com uma
divisão muito simples do trabalho e mínima distribuição do conhecimento. Nestas
condições as identidades produzidas pela socialização são socialmente préestabelecidas. Todos têm consciência do seu papel na sociedade, não gerando
crises de identidade.
Quanto maior o conhecimento disponível em estruturas sociais, maior é a
dificuldade de uma socialização perfeitamente bem sucedida, permanecendo uma
dialética entre as realidades objetiva e subjetiva.
Teorias sobre a identidade
A identidade começa a nascer devido à localização que a pessoa tem em
determinado grupo (sou um pai, sou um filho) e em determinado estado social
(sou menino, sou menina). Os processos de formação da identidade e do acervo
social do conhecimento são processos que acontecem simultaneamente na
sociedade. É disso que a sociedade vive. Estar em sociedade significa participar
da dialética desse processo. Ser um ser social é fazer parte desse processo de
interiorizar, subjetivar e exteriorizar, objetivar.
As estruturas sociais definem tipos de identidade. Por razões diversas, certos
sujeitos se afastam deste tipo padrão definido, Normalmente este afastamento é
decorrente de um processo inadequado de socialização primária. Assim passa a
existir um conflito entre a identidade individual e o modelo desenhado pela
sociedade. As iniciativas psicológicas e terapêuticas surgiram no sentido de
amenizar o efeito deste afastamento, de busca a reintegração da identidade do
sujeito à sociedade.
É possível e verificável a existência de mais de uma identidade individual. Uma
predominante e outra, digamos assim, mais escondida. Por vezes, em situações
específicas, a identidade escondida se apresenta no lugar da predominante.
Assim, a identidade individual é o elemento chave da realidade subjetiva, formada
por processos sociais.
10
Organismo e identidade
O organismo influencia as atividades humanas, influenciando assim a construção
da realidade, ao mesmo tempo que é influenciado por ela. Um exemplo de
influência da realidade sobre o organismos é a questão de diferentes expectativas
de vida em sociedades ou culturas diferentes.
A sociedade também define certos hábitos como por exemplo, padrões de
alimentação de atividades físicas, de cuidados com o corpo etc.
O homem é, na sua essência, um animal que busca a sobrevivência, tendo as
atividades de reprodução e alimentação como fundamentais. As sociedades, as
realidades construídas definem padrões para estes comportamentos, mas mesmo
com estes padrões já estabelecidos (já socialmente construídos), permanece,
mesmo no indivíduos já socializado, a dialética interna contínua entre a identidade
construída e o componente biológico. É uma dialética entendida como uma luta
entre um “eu superior” e um “eu inferior”, associados respectivamente à identidade
social e à animalidade pré-social, possivelmente anti-social.
11
Conclusões:
A questão relevante abordada diz respeito ao referenciado no título da obra: “A
Construção Social da Realidade”. A realidade, entendida como fenômenos que
existem independentes da nossa vontade, é construída por uma conjunção de
fatores sociais, decorrentes da ação humana. A abordagem complementar
apresenta a dialética realçada em toda a obra: O Homem constrói a realidade
social ao mesmo tempo que é por ela influenciado.
Coexistem diversas realidades, mas a que atua como com maior intensidade na
dialética comentada é a realidade da vida cotidiana, que apresenta
comportamentos diferentes entre o homem simples e o filósofo.
Sustentada pela realidade da vida cotidiana, a sociedade se apresenta em duas
perspectivas complementares, como realidade objetiva e como realidade
subjetiva. A primeira com seus mecanismos básicos de institucionalização e
legitimação. A segunda a partir de um processo de interiorização da primeira, com
seus mecanismos de interiorização, dependente ou não das estruturas sociais,
complementados pelas teorias sobre a identidade e pela relação entre o
organismo e a identidade, dando ao indivíduo uma condição única na sociedade,
embora por ela influenciado.
Esta condição única do indivíduo na sociedade é construída tendo como
elementos básicos tanto os aspectos culturais do grupo social no qual o indivíduo
está inserido, quanto as escolhas e os critérios de decisão do referido indivíduo.
Assim, ele não assume apenas papel de fantoche, mas também de ator, embora
fortemente influenciado pela realidade. Esta possibilidade de assumir o papel de
ator e não de fantoche, é que move e constrói a sociedade, bem como a
identidade individual.
A obra analisada situa-se no Interacionismo Simbólico, apresentando um ponto de
equilíbrio entre outras abordagens da conduta humana, em especial entre
extremos como o pressuposto weberiano, que considera que o homem não é um
refém do passado e o modelo sistêmico parsoniano, de natureza mais
determinista, que prega que as ações e condutas humanas são sempre
decorrentes de valores incorporados na socialização primária. [1]
12
Críticas:
Não cabem aqui críticas, mas alguns comentários e questões que foram se
apresentando de forma relevante ao longo da leitura e análise da obra citada:

Existe um entendimento comum que as organizações têm como fim maior a
sobrevivência, elas trabalham para se manterem vivas. Será isto uma
construção social feita pelo próprio homem, que levou às organizações uma
de suas características orgânicas mais relevantes ?

Os processos de mudanças nas organizações são difíceis também pela
questão apresentada na obra analisada. As organizações funcionam segundo
uma lógica construída ao longo do tempo, esta lógica influencia os que
trabalham nas organizações e estes a reforçam.
Quando existe a
necessidade de mudança fica muito difícil quebrar esta seqüência.

Uma questão que chama a atenção é o convívio do indivíduo com várias
realidades. Embora exista uma supostamente predominante (da vida
cotidiana) podemos identificar a existência de muitas outras. Essas devem ter
relação direta com as Identidades dos Indivíduos. Ai se explicam as origens
de muitos dos conflitos, pois o que pode ser predominante para o indivíduo
não o é para a sociedade.

Um dos foco deste conflito deve residir nas organizações onde os indivíduos
trabalham. Este conflito deve/pode ser suportável enquanto estiver gerando
algum resultado que, de alguma forma, alimenta a realidade individualmente
predominante.

Uma questão que despertou curiosidade durante a leitura e análise diz
respeito à alguns processos de mudanças que ocorrem nas sociedades,
principalmente os que são de difícil identificação quanto a origem da sua
“construção social”. Quer dizer: fiquei curioso em saber de onde surge alguns
movimentos de mudança na sociedade que não se explicam segundo a ótica
da construção social da realidade, pois parece que recebem influencias
externas.

O mesmo ocorrendo com alguns indivíduos, que passam por processos quase
radicais de mudança, decorrente muitas vezes de reflexões pessoais que
fogem totalmente do padrão vigente na sociedade (tanto a mudança, quanto o
ato e a forma da reflexão, bem como a própria essência da reflexão).

Quando são citadas as diversas realidades (referenciando a da vida cotidiana
como a fundamental para o estudo em questão), penso existirem também
outras realidades que apresentam características que transcendem as
abordadas na obra. Por exemplo: Como justificar o entendimento comum
acerca da existência dos paradigmas e suas decorrentes mudanças. Por
13
exemplo, parece existir um entendimento comum (construído socialmente ??)
que a cada tempo uma nova abordagem surge, uma nova visão de algum
aspecto significativo do mundo aparece. Parece existir um ciclo maior que
ordena esta mudança de paradigmas, ciclo este que é impossível ser
vivenciado e construído socialmente de forma direta, mas que para alguns
parece claro e elementar, enquanto para outros parece absurdos e
aberrações.

Considerando as perspectivas apresentadas pelos autores, surge uma dúvida
de como seriam consideradas questões como as sugeridas por Carl Jung
acerca de um tal “inconsciente coletivo” [2], que nos afeta nas nossas
condutas, no nosso entendimento de algumas questões e na definição de
alguns valores. A consideração da existência deste tal inconsciente coletivo
poderia alterar de alguma forma as formulações propostas pelos autores.
(pareceu-me existir uma resposta na pg. 229: “.... Se tivermos em mente esta
dialética podemos evitar a noção equivocada de – identidades coletivas -)

Finalizando, não consigo deixar de registrar um segundo aspecto, de natureza
similar ao anterior, que diz respeito ao tratamento da espiritualidade humana
e da sua interferência na sua conduta e na construção da realidade. Se
levada em conta, podemos concluir que a construção social da realidade tem
também uma interferência da “mão divina”, talvez de forma próxima à proposta
por Jung em seu inconsciente coletivo. Esta consideração traz à tona alguns
aspectos que mereceriam uma abordagem complementar em relação à
abordagem proposta pelos autores. Naturalmente não invalidando, apenas
complementando, assim como soe acontecer com os novos paradigmas.
Bibliografia
[1] Vasconcelos, Isabella F.G. & Vasconcelos, Flávio C. (2000) “A Administração
de Recursos Humanos e os Processos de Formação da Identidade no Trabalho:
Uma Análise Crítica da Mudança Organizacional da Bull/França”, Curitiba
[2] Guimarães, Carlos A. F. (1997) “Carl Gustav Jung e a Psicologia Analítica”,
site: http://www.geocities.com/Viena/2809/jung.html acessado em 25/09/2000.
Berger, P. & Luckmann, T. (1976). “A Construção Social da Realidade”, Editora
Vozes, Petrópolis.
14
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Criar flashcards