Nosso programa nuclear

Propaganda
Jornal A Tarde, sábado, 14/06/1975
Assunto:
NOSSO PROGRAMA NUCLEAR
O acordo nuclear entre Brasil e Alemanha Federal estourou como uma bomba antes que
falássemos em produzir uma autêntica bomba atômica. O acordo, a utilização da energia
atômica, o eventual fabrico de um artefato nuclear são questões nossas realmente, sobre as
quais não importa que proteste quem quiser. Essa fonte de energia nos é necessária para fins
industriais e econômicos para gerar eletricidade, abrir canais e romper montanhas, para fundir
metais, já que as fontes hidráulicas se aproximam da plena utilização e o nosso petróleo, que
deve continuar sendo nosso sem partilhas nem contratos de risco, é escasso, além de que não
temos carvão e não existe tecnologia econômica para captar a força das marés, dos ventos do
sol. Já devíamos ter pensado no átomo, há mais tempo. Pena é que, à imitação da índia, da
Argentina, da China, não houvéssemos planejado uma tecnologia genuinamente nacional que
não precisasse ser dividida ou pedida a outros. É melancólico que justamente ao ultimar-se o
acordo de agora também se ultime, por falta de visão e de apoio oficial, o Centro Brasileiro de
Pesquisas Físicas, de tão bons começos, e que perdêssemos, por negligência e por razões
políticas alguns dos melhores líricos brasileiros, com cuja competência poderíamos estar
contando em vez de importar especialistas estrangeiros. Por outro lado, é do desejar que não
cedamos à tentação de construir mais uma “força de dissuasão” em forma de bomba.
Nem força de dissuasão do caráter militar voltada para fora nem uma força de dissuasão
político-econômica, tal o custo de um programa nuclear que não se destine de modo direto e
imediato à melhoria real das condições de existência da nossa gente e que sirva para dissuadir
a Nação de remediar sem delongas os desníveis que distanciam crescentemente as classes
sociais, as regiões, o campo e a cidade. Esse programa será certamente calibrado com
precisão para que não venha a ser mais um motivo para retardar a célebre “divisão do bolo” do
progresso, do crescimento econômico, da afluência da economia. Ainda há dias o Banco
Mundial distribuía um relatório mostrando que de 1960 a 1970, a parcela da renda nacional
recebida pelos 40% de brasileiros situados na base da pirâmide de renda, em que se
encontram os mais pobres, caiu de 10% para 8% da renda do País, enquanto que a parcela
destinada aos 5% da população situada no topo da pirâmide cresceu - e só ela cresceu - de 29
para 38% . Repete-se, assim em escala nacional o que ocorre em termos internacionais na
economia de consumo, de tal maneira que os países em desenvolvimento são cada dia mais
subdesenvolvidos e dependentes e os desenvolvidos, mais ricos e poderosos. Diz ainda o
relatório que “a sociedade brasileira continua a ser dualista: existem uma classe média e alta
de retativamente alto poder de compra e de sofisticação de mercado: abaixo, existe um largo
substrato de extrema pobreza que partilha de poucos dos bens e vantagens que a economia
oferece”.
Essas diferenças agravam-se pela circunstância de que há no País regiões muito mais
prósperas do que outras, apesar de que também naquelas a distribuição da renda e do bemestar é igualmente injusta. Mesmo em São Paulo, o grande centro industrial e de mais
elevados salários, os rendimentos por trabalhador são baixos e decrescentes em poder
aquisitivo real. Ali uma família de operários tem hoje um padrão pouco melhor da existência
porque trabalha não apenas o chefe da família mas s mulher, os filhos menores. E que dizer do
Nordeste o do Norte e do Centro-Oeste? Todos sabemos que são das áreas mais pobres de
todo o mundo e que seus problemas se eternizam, obrigando a níveis ínfimos de passadio e à
migração em busca de subemprego nos centros mais adiantados.
Há também distâncias enormes entre as grandes cidades e as pequenas. Estudo distribuído
aos ministros do Tribunal de Contas da União pelo Ministro Waqner Estelita revela que a
receita total dos 3.933 municípios brasileiros varia entre 10 cruzeiros por habitantes/ano e
1.500 cruzeiros.
Os municípios de mais de 500 mil hab. ocupam apenas 0,2% da superfície do Brasil mas
monopolizam 48% das indústrias e a mesma proporção do comércio; produzem, por outro lado,
56.5% da receita municipal. Já os municípios de menos de 30 mil habitantes são mais
extensos, ocupando em globo 79,3% do território nacional e 40% da população brasileira; pois
nesses estão somente 13.5% da indústria e 20% do comércio, arrecadando 16.5 de toda
aquela receita. Como se vê, em termos médios de abstratos índices econômicos que mal dão
idéia da efetiva participação no trabalho e na renda, os 19% da população que vivem nos
municípios mais populosos usufruem condições que lhes permitem produzir mais da metade da
receita municipal total. E os restantes 44% de brasileiras dos municípios médios e pequenos
produzem, porque têm padrões de rendimento baixíssimos, menos da metade.
Esses algarismos, que aliás não exprimem exatamente a distribuição individual dos
rendimentos e da produtividade fiscal, são mais que suficientes para destacar quanto nos resta
fazer para que tenhamos um regime sócio-econômico mais justo, mais equânime, mais
equilibrado. E isto é tanto mais sério quanto a aplicação de recursos para o desenvolvimento
também diminuiu em anos recentes nas regiões mais necessitadas, aquelas sob a jurisdição da
Sudene, Nordeste. A concentração da renda em diversas perspectivas prossegue
caracterizando o “milagre brasileiro” e o nosso modelo de desenvolvimento. É preciso, pois,
que o programa nuclear contribua poderosamente, com a mesma energia que vai libertar do
átomo, para a paz internacional e a justiça social com liberdade no País.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards