PRELÚDIO AO PROBLEMA COSMOLÓGICO

Propaganda
PRIMEIRA SEÇÃO
PRELÚDIO AO PROBLEMA COSMOLÓGICO
“KcCL ó (pLXÓ piXóoopóç 7níç rtv”. “também o amante do mito é de algum modo
filósofo
Aristóteles, Metafisica A 2, 982 b 18s.
Baixo-relevo que representa Anaximandro (como se lê na inscrição no alto), pensativo,
rosto apoiado na mão esquerda.
1. OS MITOS TEOGÔNICOS E COSMOGÔNICOS
Já foi há muito tempo observado que o antecedente da cosmologia filosófica é constituído
pelas teogonias e cosmogonias mítico-poéti cas, das quais é muito rica a literatura grega, e
cujo protótipo paradigmático é a Teogonia de Hesíodo, a qual, explorando o patri mônio da
precedente tradição mitológica, traça uma imponente sínte se de todo o material,
reelaborando-o e sistematizando-o organica mente. A Teogonia de Hesíodo narra o
nascimento de todos os deu ses; e, dado que alguns deuses coincidem com partes do
universo e com fenômenos do cosmo, além de teogonia ela se torna também cosmogonia,
ou seja, explicação fantástica da gênese do universo e dos fenômenos cósmicos.
Hesíodo imagina, no proêmio, ter tido, aos pés do Hélicon, na Beócia, uma visão das
Musas, e ter recebido delas a revelação da verdade da qual ele se faz, mediatamente, arauto.
Em primeiro lugar, diz ele, gerou-se o Caos, em seguida gerou-se Gea (a Terra), em cujo
seio amplo estão todas as coisas, e ias profundidades da Terra gerou-se o Tártaro escuro, e, por fim, Eros (o Amor) que, depois, deu origem a todas as outras
coisas. Do Caos nasceram Erebo e Noite, dos quais se geraram o Eter (o Céu superior) e
Emera (o Dia). E da Terra sozinha se geraram Urano (o Céu estrelado), assim como o mar e
os montes; depois, juntando-se com o Céu, a Terra gerou Oceano e os rios.
Procedendo no mesmo estilo, Hesíodo narra a origem dos vários deuses e numes divinos.
Zeus pertence à última geração: de fato, foi gerado de Crono e de Rea (que, por sua vez,
tinham sido gerados da Terra e de Urano); e, como Zeus, fazem parte da última geração
todos os outros deuses do Olimpo homérico, vale dizer, os deuses que o grego então
venerava.
Ora, como dissemos, é indubit que a Teogonia de Hesíodo e, em geral, as representações
teogônico-cosmológicas são o anteceden te da cosmologia filosófica; todavia, é igualmente
indiscutível que entre essas tentativas e a cosmologia filosófica (mesmo a mais primi tiva,
isto é, a de Tales) há uma ní diferença. Para compreender a diferença entre uma e outra,
voltensos às três características que acima indicamos como distintivas da filosofia, ou seja,
a) a representação da totalidade do real, b) o método de explicação racional, c) o puro
42 OS PROBLEMAS DA PHYSIS, DO SER E DO COSMO
OS MITOS TEOGÔNICOS E COSMOGÔNICOS
43
interesse teórico. Ora, não há dúvida de que as teogonias possuem a primeira e a terceira
dessas características, mas carecem da segunda, que é qualificante e determinante. Elas
procedem com o mito, com a representação fantástica, com a imaginação poética, com
intuitivas analogias sugeridas pela experiência sensível; portanto, permanecem aquém do
lógos, ou seja, aquém da explicação racional.
E quando Aristóteles disse que o amante do mito é de algum modo filósofo, disse-o
referindo-se exatamente ao fato de que, como a filo sofia, o mito nasce para satisfazer a
admiração ou o puro desejo de saber, não por fins pragmáticos mas o mito permanece mito,
parente da filosofia, não filosofia.
E dado que sobre este ponto, recentemente, se discutiu, e alguns acreditaram poder negar a
existência dessa diferença, é bom que nos detenhamos em reafirmar alguns conceitos que
consideramos essen ciais. Jaeger escreveu: “Na Teogonia hesiodiana reina de alto a baixo o
mais obstinado intelecto construtivo, com toda a coerência de um ordenamento e de uma
pesquisa racional. Na sua cosmologia, por outra parte, há ainda uma força inata de intuição
mítica, a qual permanece eficaz, além do limite no qual costumamos apontar o começo do
reino da filosofia ‘científica’, nas doutrinas dos ‘fisicos’ e sem a qual nos resultaria
incompreensível a maravilhosa fecundidade filosófica daquele antiquíssimo período
científico. As forças naturais de atração e de repulsão da doutrina de Empédocles, o Amor e
o Odio, têm a mesma origem espiritual do Eros cosmogônico de Hesíodo. O início da
filosofia cien tífica não coincide, pois, nem com o do pensamento racional nem com o fim
do pensamento mítico. Encontramos ainda a mais genuína mítogonia no núcleo da filosofia
de Platão e de Aristóteles, como no mito platônico da alma ou na intuição aristotélica do
amor das coisas para com o motor imóvel do mundo” Mas Jaeger é vítima de uma ilusão de
ótica: ninguém nega que antes do advento da filosofia existisse a razão e ninguém afirma
que na Teogonia hesiodiana (assim como na épica homénca) não existam mais que mito e
fantasia e nada de razão; assim como ninguém nega, ao contrário, que na filosofia
permaneçam
por muito tempo elementos míticos e fantásticos. Mas o ponto essencial está no papel
determinante que desempenham uns e outros fatores; e veremos logo que, enquanto em
Hesíodo ou nos autores de teogonias, o papel determinante é dado ao elemento fantásticopoético-mitológico, em Tales será, ao invés, dado ao lógos e à razão: e é precisamente por
isso que a tradição chamou Tales de primeiro filósofo, dando-se perfei tamente conta de
que no seu discurso algo mudara radicalmente com relação ao discurso dos poetas, e que
esse algo assinalava a passagem do mito ao lógos.
De resto, note-se que na Teogonia hesiodiana falta exatamente o ponto que qualifica a
cosmologia filosófica, vale dizer, a tentativa de individuar o primeiro princípio
imprincipiado, a fonte absoluta de tudo. E o próprio Jaeger, contradizendo a tese da qual
falamos acima, revela-o escrevendo: “O pensamento genealógico de Hesíodo considera advindo também o caos.
Ele não diz: no princípio era o caos, mas: primeiro adveio o caos, depois a terra etc. Neste
ponto se apresenta a questão de se não deve haver também uni início do devir que, por sua
vez, não seja advindo. A tal questão Hesíodo não responde, nem sequer a põe. Isso
pressupõe uma lógica de pensamento ainda muito longe dele”
Mas, note-se, não põe a questão e não pode pô-la, justamente por que a fantasia, que se
alimenta cio sensível e das analogias extraidas do sensível, quando chega ao caos se apaga,
e, não sabendo mais imaginar formas ulteriores, se detém; e a fantasia pode se representar
como ge rando o próprio caos, vale dizer, a realidade primeira, justamente porque vê que
tudo é gerado (deuses e coisas); para representar-se isso em sentido contrário, ela deveria ir
contra si mesma e, portanto, negar-se. E é exatamente isso que fará a filosofia desde o seu
nascimento: irá contra a fantasia, a imaginação e os sentidos e inferirá suas figuras
especulativas com a força do lógos, contestando o mito e as aparências sensíveis, criando
algo completamente novo.
E quando se diz que a Teogonia é de grande importância para o advento da futura filosofia,
diz-se algo justo: mas o advento da filosofia pressupõe a aquisição do novo plano do lógos,
isto é, uma revolução, como em seguida veremos.
4. Jaeger, Die Theologie der frilhen griechischen Denker, Stuttgart 1953; trad. ital. de E.
Poc La teologia dei prirni pensatori greci, La Nuova Italia, Florença 1961, p.
16 (citado sempre da execelente tradução italiana).
1. Aristóteles, Metafísica A 2, 982 b 18s.
2. Ibidem.
3. Jaeger, Paideia, 1, p. 286.
r
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards