12° Festival de Música de Itajaí

Propaganda
12° Festival de Música de Itajaí
Shows Nacionais de 01 à 08 de novembro.
Badi Assad--------------- 01 de novembro (domingo)
Local: Teatro Municipal de Itajaí / hora 21hs
Ingresso: R$ 30,00 / meia: R$ 15,00
Trio 202 ------------------03 de novembro (terça-feira)
Local: Teatro Municipal de Itajaí / hora: 21hs
Ingresso: R$ 30,00 / meia: R$ 15,00
Duo Buxixo --------------04 de novembro (quarta-feira)
Local: Teatro Municipal de Itajaí / hora: 21hs
Ingresso: Gratuito
Mawaca ------------------ 05 de novembro (quinta-feira)
Local: Teatro Municipal de Itajaí / hora: 21hs
Ingresso: R$ 30,00 / meia: R$ 15,00
Monica Salmaso --------06 de novembro (sexta-feira)
Local: Teatro Municipal de Itajaí / hora: 21hs
Ingresso: R$ 30,00 / meia: R$ 15,00
Toquinho -----------------07 de novembro (sábado)
Local: Teatro Municipal de Itajaí / hora 22
Ingresso: R$ 50,00 / meia: R$ 25,00
Ingresso à venda no Teatro Municipal das 9:00 às 12:00 / 14:00 às 21
Rua Gregório Chaves, 110
Itajaí - SC, 88302400
(0xx)47 3349-6447
Conservatório de Música Popular Cidade de Itajaí
Rua Felipe Reiser, 200, São João, Itajaí/SC
Fone (47) 3344-3895
Casa da Cultura Dide Brandão
Carlos Hugo Praun, 128 Centro – Itajaí/SC
Fone: (47) 3349-1665
Na secretaria das oficinas durante o Evento.
Oficinas
de 03 à 08 de novembro de 2009
Inscrições: Conservatório de Música Popular Cidade de Itajaí
Rua Felipe Reiser, 200, São João, Itajaí/SC
Fone (47) 3344 3895
Informações:
Fundação Cultural de Itajaí
Rua Lauro Muller, 53, Centro, Itajaí/SC
CEP 88301-400 Fone/Fax (47) 3348-3610 e/ou 3349-1516
E-mail: [email protected]
Web site: www.festivaldemusicadeitajaí.com.br??????
Secretaria das Oficinas:
IMCARTI Escola de Música
Praça 1° de maio
ed. Vila Real, Vila Operária, Itajaí/SC
Palestra de Abertura das Oficinas no Auditório da Prefeitura Municipal de
Itajaí – gratuito
Rua Alberto Werner, 100 Vila Operária 88304-053
Preço das oficinas e mini-oficina: R$ 30,00 (por curso)
Fazer depósito na conta do Banco do Brasil - Agência 0305-0 c/c n° 5061 –
x, em nome de Fundação de Cultura de Itajaí 12° Festival de Música e
remeter o comprovante de depósito bancário com ficha de inscrição para o
FAX n° (47) 3344-3895
Em caso de desistência, os valores não serão devolvidos;
Condições para participar das oficinas
1. O aluno deverá apresentar-se à Secretaria das Oficinas,
impreterivelmente, dia 02 de novembro, no período matutino, para
receber o seu cartão de identificação e todas as informações relativas ao
(s) curso (s) em que se matriculou;
2. O aluno deverá trazer seu instrumento (exceto bateria), estante de
música e cabos para seu instrumento;
3. Não serão aceitos alunos que não preencham as exigências dos prérequisitos, pois os professores farão uma triagem no início do curso;
4. É vedada a participação de alunos ouvintes em qualquer dos cursos
oferecidos, exceto no curso VOZ-in-VENTO.
5. Receberá certificado de participação o aluno que obtiver um mínimo de
85% de freqüência em cada curso;
6. O aluno que não se comparecer ao curso no primeiro dia de aula poderá
perder direito a vaga, caso hajam outros candidatos em lista de espera;
7. Os casos não constantes nestas condições serão estudados e
resolvidos pela Coordenação das Oficinas.
IMPORTANTE
Não haverá alojamento
Hotéis
Adry Hotel
(47) 3348 – 6720
Calçaras Palace Hotel
(47) 3348 – 8600
Grajú Turismo Hotel
(47) 3348 – 6585
Grande Hotel
(47) 3348 – 2179
Hotel e Pousada Cirandinha
(47) 3344 – 2193
Hotel Ibis Itajaí
(47) 3249- 6800
Hotel Leste Oeste
(47) 3344 – 4491
Hotel Marambaia Cabeçudas
(47) 3348 – 7373
Hotel Rocha
(47) 3348 – 3282
Hotel Rota do Mar
(47) 3348 – 4274
Hotel Vitória
(47) 3348 – 2066
Itajaí Tur Hotel
(47) 3348 – 4600
Marjaí Tourist Hotel
(47) 3344 – 0798
Reese Mariner Plaza Hotel
(47) 3045 – 1880
Sandri Palace Hotel
(47) 3348 - 1855
Mais informações:
Conservatório de Música Popular Cidade de Itajaí
Rua Felipe Reiser, 200, São João.
Fone (47) 3344 3895
Eventos Paralelos:
Jam Session – Célio's Restaurante (ao lado do mercado público)
03 a 07 de novembro a partir das 23:00h.
Roda de Choro e Samba – Centro de Cultura Popular (Mercado Velho)
02 a 07 de novembro a partir das 23:00h
Hora da Sineta – Praça 1º de Maio
Show com alunos e professores
03 a 07 de novembro das 11:30 às 12:00 e das 16:00 às 16:30
Encerramento:
08 de novembro a partir das 10:00 – Praça 1º de Maio.
12º Festival de Música de Itajaí
Professores, oficinas
Mini Oficina: Terça e quarta-feira – auditório da prefeitura
ZUZA HOMEM DE MELLO (SP)
Zuza Homem de Mello é musicólogo, jornalista, radialista e produtor musical.
Estudou
na
School
of
Jazz
de
Tanglewood,
Massachussets
com
o
contrabaixista Ray Brown, na Juilliard School of Music de Nova York
(musicologia) e na New York University (literatura inglesa) acrescido de estágio
na Atlantic Records, nos USA em 1957 e 1958. São mais de 40 anos dedicados
ao garimpo e estímulo do que há de melhor na música brasileira incluindo
cursos, palestras e os livros A Canção no Tempo (2 volumes, com Jairo
Severiano), A Era dos Festivais, João Gilberto, Música nas veias e Eis aqui os
Bossa Nova.
Mini-Oficina: Arranjo ou Desarranjo?
(terça e quarta, dias 03 e 04 de novembro)
Descrição:
. Até que ponto o arranjador pode interferir na composição?
. O arranjo pode valorizar ou prejudicar.
. O que um arranjador deve ter em vista para respeitar a criação?
Questões como essas serão abordadas e discutidas neste fórum, neste espaço
aberto por esta oficina.
Público: arranjadores, compositores e músicos em geral.
OFICINAS de terça à sábado – 03 à 07 de novembro.
ARISMAR DO ESPÍRITO SANTO (SP)
Multiinstrumentista reconhecido como músico completo, pela fluência com
que toca contrabaixo, guitarra, violão, piano e bateria. Sua maneira de tocar
e compor, as harmonias inusitadas, o ritmo e a criatividade têm sido sua marca
registrada. Recebeu o Prêmio Sharp de música e foi eleito pela Revista Guitar
Player um dos dez melhores guitarristas/violonistas do Brasil. Em 36 anos de
carreira se apresentou ao lado de grandes artistas brasileiros e internacionais.
Tem assinado e dirigido vários Espetáculos: Cordas à Solta, Alô Bateria,
Canção sem Fronteiras, Tributo à Delicadeza, Som da Cidade, Bossa: um
tributo Paulista, Encontro Brasileiro do Acordeon, Encontro das Águas, são
alguns exemplos. Possui 3 CDs lançados pela Maritaca (“Arismar do Espírito
Santo: 10 anos”; “Estação Brasil” e “Foto do Satélite”.). Pela Biscoito Fino, “Uma
porção de Marias”; e pela Rob Digital, “Essa Maré”. Em 2008 gravou “Cape
Horn”, com Toninho Horta, a ser lançado em breve.
1) Oficina de Prática de Conjunto – 30 vagas
Descrição: Praticar formas musicais fundamentais e ritmos brasileiros, com
várias formações e combinações instrumentais.
Público alvo: instrumentistas em geral (piano, baixo, bateria, violão, guitarra,
percussão e sopro) e cantores.
Pré-requisitos: ler cifras, ter alguma iniciação em seu instrumento.
Material necessário: instrumento, estande e cabo.
2) Oficina de Improviso e Criação Musical – 30 vagas
Descrição: O Curso valoriza os caminhos da composição, improvisação e
interpretação musical, formal e espontânea. Apresenta possibilidades
melódicas, harmônicas e técnicas, sem fórmulas, para a criação musical.
Público alvo: Curso destinado a músicos de instrumentos de base e sopro,
compositores, arranjadores e cantores.
Pré-requisitos: ler cifras, ter alguma iniciação em seu instrumento.
Material necessário: instrumento, estande e cabo.
NELSON AYRES (SP)
Em dezembro de 2008, John Neshling e a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
encerraram o ano apresentando o Concertino para Percussão e Orquestra composto por Nelson
Ayres, e o Concerto Antropofágico com Nelson Ayres ao piano e o grupo Pau Brasil. Nesse
mesmo mês foi lançado o CD do filme O Menino da Porteira, cuja trilha sonora (“Melhor
Trilha Sonora de 2009 – 2º Festival de Cinema de Paulínia) é assinada por Nelson Ayres, com
sua composição Vida Estradeira interpretada pelo cantor sertanejo Daniel.
Iniciou sua carreira na década de 60, dividindo o palco com outros estudantes que
traziam para São Paulo o nascente movimento da bossa nova, como Taiguara, Toquinho e Chico
Buarque.
Com César Camargo Mariano, estrelou em 1984 o espetáculo Prisma, primeiro show
brasileiro a usar intensivamente recursos de computação aliados a instrumentos eletrônicos.
Na década de 90, Nelson Ayres voltou-se novamente para a música orquestral, atuando
por nove anos como regente e diretor artístico da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São
Paulo, e o principal responsável por seu enorme sucesso. Tem regido freqüentemente outras
orquestras no Brasil e no exterior, incluindo a prestigiosa Orquestra Filarmônica de Israel.
Em 2004 lançou o CD, Perto do Coração, cuja faixa-título, apesar de ser instrumental,
ficou entre as três finalistas como "melhor canção" do Prêmio Tim 2004.
Nelson Ayres também pode ser visto ao piano com o grupo Pau Brasil e também com o
Trio 202, ao lado de Toninho Ferragutti (acordeom) e Ulisses Rocha (violão).
3) Oficina de Piano Popular – 12 vagas
Descrição: Aulas conjuntas em formato master class focalizando arranjos para piano,
harmonização, re-harmonização, improvisação, técnica instrumental.
Público alvo: Pianistas em geral
Pré-requisitos: Conhecimento de escalas, formação de acordes, leitura de cifras, leitura básica
de melodias cifradas.
Material necessário: -
4) Oficina de Harmonia – 15 vagas
Descrição: Aulas teóricas focalizando: análise harmônica, utilização de escalas pouco usuais,
re-harmonização.
Público alvo: Músicos em geral
Pré-requisitos: Conhecimento de escalas, formação de acordes, leitura de cifras. Leitura básica
de melodias cifradas.
Material necessário: -
ITAMAR COLLAÇO (SP)
Instrumentista e compositor, Itamar Collaço toca com habilidade e técnica o baixo
acústico e o baixo elétrico.
Nascido em 1958, em São Paulo, aos 14 anos iniciou sua formação musical como
autodidata. Aos 15 anos já tinha o seu primeiro emprego tocando em uma orquestra de baile, e
aí começa sua carreira de músico, vindo a tocar em estúdio, televisão, teatro, bares e shows.
Tem participado como professor de cursos e oficinas culturais da U.L.M. Convidado do
primeiro e segundo Encontro Nacional de Contrabaixo organizado pelo Instituto de Artes UNESP, em 1990 e 1992 respectivamente.
De 1995 a 1999 preparou os alunos para se apresentarem na Big Band nos Festivais de
Inverno de Campos do Jordão. Em 1998 proferiu cursos no Festival de Jazz de Tatuí e em 2000
no Festival de Inverno de São Caetano. Desde 1993 leciona baixo elétrico na Universidade
Livre de Música - ULM.
Gravou dois discos solo: o primeiro em 1998, "De Outra Forma", com 16 músicas, e o
segundo em 2000, "Já Nas Bancas", com 12 músicas. Participou de outros discos: CD Projeto
Arranjadores, Festival da MPB da Record, Cada da Lua Cheia de Cláudio Nucci, Eugênia Mello
e Castro, Vera Figueiredo From Brasil, Amor e Sonhos da Febraban, CD Happy Hour de
Roberto Sion, Trio Márcia Lopes, Gloria Yousha e Wanderley Simões, Grupo Dica, entre outros.
5) Oficina Evolução Sonora do Contrabaixo (intermediário) – 12 vagas
Descrição: Destina-se a demonstrar com vídeos-aula, livros e através da experiência pessoal a
evolução sonora do contrabaixo na musica popular.
Público alvo: Todos os interessados no instrumento.
Pré-requisitos: Possuir o instrumento.
Material necessário: Instrumento, estande e cabo.
6) Oficina Evolução Sonora do Contrabaixo (avançado) – 12 vagas
Descrição: Destina-se a demonstrar com vídeos-aula, livros e através da experiência pessoal a
evolução sonora do contrabaixo na musica popular.
Público alvo: Todos os interessados no instrumento.
Pré-requisitos: Conhecimento de escalas, formação de acordes, leitura de cifras. Leitura básica
de melodias cifradas.
Material necessário: Instrumento, estande e cabo.
NELSON FARIA (SP)
Na estrada como músico profissional desde 1980, Nelson Faria celebra com orgulho, o
lançamento de seu quinto sexto livro – Harmonia Aplicada ao Violão e à Guitarra e o CD
Buxixo em duo com o pianista Gilson Peranzzetta.
Se apresentado regularmente em turnês internacionais, onde além de vários concertos realizados
solo e em trio, tem também atuado como arranjador e solista convidado de Big bands nos EUA
e na Europa, Nelson Faria constrói ao longo dos anos uma das carreiras mais respeitadas e
admiradas entre músicos Brasileiros.
Em 1983, mudou-se para Los Angeles, Estados Unidos, onde cursou o G.I.T. (Guitar Institute of
Technology) e teve o privilégio de aprender com os mestres Joe Pass, Joe Diorio, Frank
Gambale, Scott Henderson, Howard Roberts, Ron Eschete e Ted Greene.
O nome de Nelson Faria aparece em mais de uma centena de discos, tendo trabalhado ao lado
de João Bosco, Cassia Eller, Zélia Duncan, Milton Nascimento, Toninho Horta, Tim Maia,
Leila Pinheiro, Paulo Moura, Ivan Lins, Wagner Tiso, Edu Lobo, Fátima Guedes, Gonzalo
Rubalcaba, Lisa Ono, Baby do Brasil, Mauro Senise, Maurício Einhorn, Till Broenner,
Cliff Korman, Gilson Peranzzetta, Nico Assumpção.
7) Oficina de Guitarra – 15 vagas
Descrição: Serão abordados em sala de aula aspectos técnicos, de leitura e harmonia aplicada
ao violão e à guitarra, com ênfase em arranjos em chord melody.
Como material de apoio, é recomendado os livros Harmonia Aplicada à Guitarra e Acordes
arpejos e escalas de autoria de Nelson Faria.
Público alvo: Guitarristas e violonistas.
Pré-requisitos: Leitura básica de cifras, conhecimento básico de formação de acordes e escalas.
Material necessário: Instrumento, estande e cabo.
8) Oficina de Improvisação para todos os instrumentos – 20 vagas
Descrição: Aplicação de escalas maiores e menores sobre os respectivos acordes diatônicos;
Exercícios diatônicos; Desenvolvimento de motivos; Escalas para alteração da dominante;
Escala alterada e lídio b7; Escalas simétricas: Usos;
Construção de fraseado a partir de notas “alvo” com aproximações cromáticas; Arpejos em
estruturas superiores; Conexão de arpejos; Notas guias; Modos Gregos, Modos gerados pela
escala menor melódica, Modos gerados pela escala menor harmônica, além da prática de
repertório que inclua as ocorrências acima descritas.
Público alvo: Músicos e estudantes de musica, voltado para todos os instrumentos.
Pré-requisitos: Leitura básica de cifras, conhecimento básico de formação de acordes e
intervalos.
Material necessário: Instrumento, estande e cabo.
GUILHERME GONÇALVES (RJ)
Nascido no Rio de Janeiro, iniciou seus estudos musicais em 1974. Ingressou na Escola
de Música Villa-Lobos em 1977, onde estudou com Edgard Rocca. Formou-se no Berklee
College of Music em Boston, EUA, no ano de 1986, onde também estudou bateria com Alan
Dawson e Gary Chaffee e percussão sinfônica com Dean Anderson.
De volta ao Brasil,
como percussionista atuou com as Orquestras Sinfônica Nacional Jovem, do Teatro Municipal,
Pró-Música do Rio de Janeiro e Sinfônica do Paraná. Apresentou-se nas Bienais de Música
Contemporânea de 1989 e 1993. Como baterista atuou ao lado de diversos grupos e artistas da
música popular tais como a Orquestra Tabajaras, Rio Jazz Orchestra, Rio Dixieland Jazz Band,
Orquestra do Conservatório de MPB de Curitiba, Juarez Araujo, Idriss Boudrioua, Pascoal
Meirelles, Ileana Carneiro, Chico Oliveira, Marcelo Martins, Glauton Campelo, Garganta
Profunda, Yuri Popoff, Marvio Ciribelli, Leo Jaime, Bibi Ferreira, etc
Entre 2000 e 2006 foi responsável pelo naipe de Agogôs da bateria da Escola de Samba
Estácio de Sá. Atuou como Julgador do quesito Bateria nos desfiles das Escolas de Sambas de
Vitória/ES, promovido pela LICES – Liga das Escolas de Samba do Espírito Santo entre 2006 e
2008. É autor de dois livros: O Ritmos Pelas Subdivisões e O Batuque Carioca. Desde 2004 é
diretor musical do GRUPO RIO PERCUSSÃO (www.myspace.com/gruporiopercussao), espaço
que tem como objetivo difundir e ensinar os diversos aspectos da percussão popular, erudita e
contemporânea, brasileira e internacional.
9) Oficina de Bateria de Escola de Samba – 40 vagas
Descrição: O curso é baseado no livro "O Batuque Carioca" de autoria de Guilherme Gonçalves
e aborda os seguintes tópicos:
1 – Ensinar a tocar todos os instrumentos que compõe a bateria de uma escola de samba; (Surdo
de 1ª, de 2ª, de 3ª, Repenique, Caixa, Tamborim, Chocalho etc.)
2 – Mostrar as diferenças entre as diversas baterias das Escolas de samba do Rio de Janeiro.
3 – Ensinar os deferentes tipos de "entradas", "breques" e "paradinhas".
4 – Explicar a função rítmica da bateria e como acompanhar diferentes sambas enredos.
Todo este trabalho prático visa à formação de uma bateria de escola de samba.
Público alvo: Músicos e estudantes de musica com interesse em percussão.
Pré-requisitos: Não há pré-requisitos.
Material necessário: Se possível, levar um dos instrumentos abaixo citados:
Surdo de 1ª, de 2ª, de 3ª, Repenique, Caixa, Tamborim, ganzá, xequerê, agogô, timbau.
CADA ALUNO DEVERÁ TRAZER UM TAMBORIM, UM PAR DE BAQUETAS DE CAIXA
E UMA BAQUETA PARA TAMBORIM.
10) Oficina de Leitura Rítmica – 20 vagas
Descrição: Este curso é baseado no livro “O RÍTMO PELAS SUBDIVISÕES” de autoria de
Guilherme Gonçalves. A leitura rítmica será ministrada através das subdivisões dos tempos.
Este método tem como objetivo atingir maior precisão e desenvoltura na leitura musical.
Serão estudados os compassos simples, compostos e mistos; mudança de compassos;
modulação métrica e polirritmia.
Público alvo: Músicos e estudantes de música.
Pré-requisitos: Conhecimento teórico musical básico.
Material necessário: -
JOSÉ EDUARDO NAZÁRIO (MG)
Nascido em São Paulo em 1952, Zé Eduardo Nazário começou sua carreira muito precocemente. Ao
ingressar no grupo de Hermeto Pascoal criou o que é conhecido como "barraca de percussão", que
consistia numa barraca semelhante às usadas em feiras livres, onde os instrumentos de percussão
eram colocados de forma a serem tocados como um só instrumento. Participa com Hermeto do
Festival Abertura da TV Globo em 1975 com a música "Porco na Festa", cuja introdução foi escrita
especialmente para sua performance na barraca e orquestra. Com essa interpretação, Hermeto
ganhou o prêmio de Melhor Arranjo. Nesse período, também participou do lendário e censurado
disco de Taiguara, "Ymira Tayra Ypi Taiguara", que reuniu um time extraordinário de músicos.
No ano de 1977 Egberto Gismonti programou sua primeira grande turnê no Brasil. Ao saber que Zé
havia se desligado do grupo do Hermeto, convidou-o a integrar o Academia de Danças, do qual
participariam também Marlui Miranda, Mauro Senise e Zeca Assumpção. No meio da turnê gravam
o disco "Olho d'Água", de Marlui. Depois veio a gravação de "Nó Caipira" de Gismonti , o Festival
de Jazz de São Paulo em 1978, e em maio de 1979 a turnê com John McLaughlin, chamada Tropical
Jazz Rock, que terminou em Buenos Aires (Argentina).
Em novembro de 2007 viajou aos Estados Unidos para gravar o cd "Encounterpoint" com o
guitarrista norte americano John Stein. Participou do show de lançamento do cd "Green Street", do
referido músico, no Scullers Jazz Club e atuou com o pianista brasileiro Alfredo Cardim no Ryles
Jazz Club, tendo ainda realizado clinicas no Berklee College of Music e na Brimmer and May
School.
Atualmente Zé Eduardo Nazario divide seu tempo entre aulas particulares, workshops, shows,
gravações e projetos criativos.
11) Oficina de Bateria (intermediário) – 15 vagas
Descrição: Conteúdos em História da Bateria, seu desenvolvimento nas áreas de Jazz e as
transformações desenvolvidas no Brasil, estabelecendo-se o estilo brasileiro de tocar. Dentro
desse tema básico, se obtém uma larga margem de materiais a serem desenvolvidos durante o
curso. Dividindo-se em: parte técnica para caixa, exercícios de coordenação motora para os
quatro membros, técnicas melódicas para os tambores, formas na música improvisada, estilos,
leitura e ritmos.
Público alvo: Estudantes (iniciantes ouvintes, intermediários), Professores de Música e
Músicos Profissionais.
Pré-requisitos: Interesse nos conteúdos do curso.
Material necessário: Baquetas.
12) Oficina de Bateria (avançado) – 15 vagas
Descrição: Conteúdos em História da Bateria, seu desenvolvimento nas áreas de Jazz e as
transformações desenvolvidas no Brasil, estabelecendo-se o estilo brasileiro de tocar. Dentro
desse tema básico, se obtém uma larga margem de materiais a serem desenvolvidos durante o
curso. Dividindo-se em: parte técnica para caixa, exercícios de coordenação motora para os
quatro membros, técnicas melódicas para os tambores, formas na música improvisada, estilos,
leitura e ritmos.
Público alvo: Professores de Música e Músicos Profissionais.
Pré-requisitos: Interesse nos conteúdos do curso.
Material necessário: Baquetas.
OSCAR BOLÃO (RJ)
Baterista e percussionista nascido e criado no Rio de Janeiro, Oscar Luiz Werneck Pellon
começou a se interessar por percussão na adolescência, quando passou a freqüentar ensaios das
escolas de samba. Sua formação profissional foi com Luiz Anunciação e Luciano Perrone, cuja
escola de bateria segue. Estreou profissionalmente em 1974 no conjunto Coisas Nossas,
especializando-se no repertório de Noel Rosa. Mais tarde tocou com grandes nomes da música
brasileira, como Elza Soares, Elizeth Cardoso, Aracy de Almeida, Dorival Caymmi, Lenine e
muitos outros. Também integrou orquestras e cameratas de conotação mais erudita, como a
Orquestra de Cordas Brasileiras, Orquestra de Música Brasileira (de Roberto Gnattali), Banda
de Câmara Anacleto de Medeiros, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica Nacional,
entre outras. Tem experiência também música erudita contemporânea, e teve duas peças escritas
por Tim Rescala especialmente para ele: "Concerto Para Dois Pandeiros e Cordas" e "Drummer
Drama", para bateria e bateria eletrônica. Atuou em musicais de sucesso, como "Dolores" (sobre
Dolores Duran), "Metralha" (sobre Nelson Gonçalves), "Somos Irmãs" (sobre Linda e Dircinha
Batista) e outras produções. Atualmente integra o conjunto Pife Muderno e um trio com o
clarinetista Paulo Sergio Santos e o violonista Caio Márcio. É convidado com freqüência para
dar workshops de percussão e bateria em todo o Brasil.
13) Oficina “A PERCUSSÃO DO SAMBA CARIOCA” – vagas 20
Descrição: Prática dos instrumentos mais característicos do samba carioca como: caixa,
pandeiro, surdo, tamborim, agogô, reco-reco, repique de mão e tantã. A oficina tem como
objetivo fazer com que o aluno perceba e desenvolva a verdadeira linguagem do samba.
Público alvo: Percussionistas de todos os níveis.
Pré-requitos: Nenhum.
Material necessário: se possível levar um dos instrumentos descritos acima.
ULISSES ROCHA (SP)
Violonista, compositor e arranjador, com 10 CDs gravados, Ulisses Rocha é um dos violonistas
mais atuantes de sua geração.
Dono de um estilo inconfundível atua tanto na área artística, participando de concertos dos mais
importantes dentro e fora do país, quanto na acadêmica, ministrando aulas práticas e teóricas na
Unicamp.
Além de seu trabalho próprio já atuou em concertos e gravações ao lado de artistas como Gal
Costa, Al Di Meola, César Camargo Mariano, Eliane Elias Egberto Gismonti e Hermeto
Pascoal.
14) Oficina de Violão (intermediário) – 20 vagas
Descrição: Curso abordará aspectos técnicos e teóricos de base, tais como: posicionamento,
fundamentos técnicos, teoria e harmonia aplicadas ao instrumento, preparação de repertório e
organização de tempo de estudo.
Público alvo: Estudantes de violão de nível médio.
Pré-requisitos: Conhecimento das notas no braço do instrumento, leitura básica (até a 2ª
posição) e leitura de cifras.
Material necessário: instrumento, estande e cabo.
15) Oficina de Violão (avançado) – 20 vagas
Descrição: Curso abordará questões técnicas de nível avançado como sonoridade, velocidade e
técnicas especiais, improvisação, arranjo para violão, tecnologia aplicada ao violão e projeto de
carreira.
Público alvo: Estudantes de violão de nível avançado e violonistas profissionais.
Pré-requisitos: Conhecimento de escalas, acordes, leitura, leitura de cifras, repertório
considerável da obra para violão solo, teoria e harmonia.
Material necessário: instrumento, estande e cabo.
PABLO TRINDADE (RS)
O maestro, compositor e arranjador uruguaio, Pablo Trindade, nascido em Montevidéu, Uruguai
em 1961, estudou Regência orquestral e coral, piano, contrabaixo e composição. Foi bolsista da
OEA e do Conselho Inter-Americano de Música, na Venezuela. É Regente e Diretor do grupo
Expresso 25 de Porto Alegre, RS, Brasil, desde 1996. Foi regente e fundador da “Suite
Montevideo”, criador e Diretor Geral do Coro Juvenil Uruguaio, Diretor das Federações de
Coros do Litoral e Centro de Uruguai no Ministério de Educação e Cultura em Montevidéu.
Suas composições e arranjos integram o repertório de grupos vocais e coros da América e da
Europa. Tem ministrado cursos de Regência Coral, Arranjos, Coro de Música Popular Brasileira
e Dinâmica de Canto em grupo, em diversas cidades do Brasil, Uruguai e Alemanha, atuando
também como Regente de orquestra nos mesmos países e na Venezuela.
Já levou seu trabalho artístico a Alemanha, Argentina, Brasil, Espanha, EEUU, França, Portugal,
Paraguai e Venezuela, além do e o seu país natal, Uruguai.
É ganhador do “Prêmio Açorianos de Música 2004” como melhor intérprete de MPB, pelo CD
Expresso 25, com os seus Arranjos e Regência.
Realizou na Alemanha em 2008, um curso sobre obras de Johann Sebastian Bach com o
Maestro Hellmuth Rilling em Stuttgart. Em Março do mesmo ano, ministrou Oficinas sobre os
seus Arranjos de MPB, para os Coros brasileiros de Stuttgart, Munique e Colônia, na Alemanha.
Apresentou-se com o seu grupo Expresso 25 no Teatro Solís de Montevideo, Uruguay, em Maio
de 2008, com ingressos esgotados para uma sala de mais de 1200 pessoas, obtendo um grande
sucesso e volta ao mesmo Teatro, no mês de maio de 2010.
Em dezembro de 2008 começou a gravação do CD com o Expresso 25 junto a Guinga,
integrado por obras do compositor e com arranjos de Pablo Trindade.
Durante 2009 ministrará cursos no Brasil, Uruguai, Espanha e Alemanha, antes de sua próxima
tournée pela Alemanha e França em janeiro e fevereiro de 2010.
16) Oficina “Performance de Artes Integradas na MPB” – 50 vagas
Descrição: Através da música vocal, a movimentação cênica, a percussão corporal e
instrumental e com acompanhamento instrumental, elaboraremos o conceito da interpretação
plena, integrando diferentes artes e construindo uma proposta estética original a partir da MPB.
Público alvo: Músicos e artistas de todas as áreas que tenham experiência no canto grupal,
afinação, ritmo e consigam acompanhar a oficina integramente, podendo participar também da
apresentação final.
Pré-requisitos: Afinação, ritmo, independência harmônica, experiência vocal, assistir a todas as
aulas e apresentação final.
Material necessário: -
SUELY MESQUITA (RJ)
Suely Mesquita é compositora, cantora e preparadora vocal. Está lançando seu segundo CD
solo, Microswing e iniciando as gravações do terceiro, Dio&Baco, com Eugenio Dale. Em 2006
fez shows pelo Projeto Pixinguinha em sete cidades e relançou pelo selo Duncan Discos o
CD Sexo Puro (2002). Tem músicas gravadas por seus parceiros Paulinho Moska, Fernanda
Abreu, Pedro Luís e a Parede, Kátia B., George Israel, Celso Fonseca, Leoni, Mathilda Kóvak,
Kali C., Luís Capucho e também pelos cantores Ney Matogrosso, Ceumar, Daúde, Rosana,
14Bis e outros artistas. Foi selecionada pelo projeto Rumos Musicais, do Instituto Itaú Cultural
(2001).
Assina a preparação vocal de CDs de Pedro Luís e a Parede, George Israel, Farofa Carioca,
Gabriel Moura, Rogê, Baia e outros, com produção musical de Nilo Romero, Liminha, Tom
Capone, Carlos Trilha, Pedro Luís, Beni, Igor Eça, Paulo Moura etc. Criou e ministra em todo o
Brasil os cursos Mapa Vocal, 6x8, VOZinVENTO e Microfone Relâmpago. O VOZinVENTO,
atualmente em sua 11a. edição, já foi realizado no Espaço SESC RJ, três vezes no Parque das
Ruínas RJ, em Campo Grande MS, três vezes em Itajaí SC e duas vezes como parte do Festival
de Inverno do SESC RJ 2009 (Petrópolis e Teresópolis).
Suely é ainda co-fundadora do GEV - Grupo de Estudos da Voz do Rio de Janeiro, que desde
1992 se dedica especialmente a adaptar o conhecimento das escolas clássicas de canto e a
abordagem científica sobre fisiologia da voz ao treinamento do cantor popular. Criou a lista de
discussão preparação vocal (http://preparacaovocal.blogspot.com), atualmente com mais de 700
membros em todo o Brasil.
18) Oficina “VOZinVENTO” – 30 vagas
Descrição: Oficina de criação para cantores, a partir da voz e do movimento em cena. O curso
acontece no palco e na platéia de um teatro, privilegiando exercícios práticos com o corpo e a
voz e induzindo um estado de espírito propício à criação de sons, movimentos, cenas e
interpretações com personalidade e presença cênica. Os jogos são montados de maneira a
permitir a participação, na mesma turma, de profissionais e amadores, que se relacionam
harmonicamente e são exigidos de acordo com sua experiência e disponibilidade individual.
Público alvo: cantores populares, atores, bailarinos e outros artistas, profissionais e amadores.
Qualquer outra pessoa curiosa acerca dos processos criativos que envolvem a voz humana e o
palco, com ou sem experiência anterior nessa área.
Pré-requisitos: para os solistas e para os alunos que quiserem se inscrever nos sorteios para
solar: levar no ato da inscrição duas músicas cifradas e no seu tom. Os solistas e alunos inscritos
nos sorteios (para cantar solos) devem obrigatoriamente se comunicar, pelo e-mail
[email protected] (uma semana antes do curso).
Material necessário: Microfone, pedestal e para a saúde vocal dos participantes, água potável à
temperatura ambiente, se possível em garrafas de 500ml.
Obs* Número de vagas em cada turma: 30 alunos participantes, inscritos por ordem de chegada
+ 8 cantores solistas selecionados na segunda-feira dia 02 a partir das 9:00 (nivelamento)
ouvintes até a lotação do teatro. Ao longo do curso, 16 alunos participantes serão sorteados para
cantar como solistas. O solista que faltar será substituído por um aluno participante. O aluno
participante que faltar será substituído por um ouvinte.
LUIZ OTÁVIO BRAGA (RJ)
Violonista e compositor nasceu em Belém do Pará em 1953. Tem larga atividade como
instrumentista e arranjador, podendo ser citados, entre outros, os trabalhos em discos e
em concertos com a Camerata Carioca - liderada pelo grande Radamés Gnattali -, Joel
Nascimento e Sexteto Brasileiro, Elizeth Cardoso, Chico Buarque de Hollanda, Nara
Leão, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra de Blumenau e a Orquestra de
Música Popular de Curitiba. Em 1983, com a Camerata Carioca e a Orquestra
Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, participou da festa de premiação de
Radamés Gnattali, o Prêmio Shell de Música Brasileira daquele ano. É responsável pela
implementação de várias Oficinas de Choro instrumental, como as de Ouro Preto,
Londrina, Curitiba e Itajaí.
Luiz Otávio Braga é mestre (MSc) em Informática na Educação (COPPE/UFRJ), título
obtido com a dissertação LADAM: laboratório digital para aprendizagem musical e
doutor (PHd) em História Social pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ
com a tese A Invenção da Música Popular Brasileira: de 1930 ao final do Estado Novo.
Foi diretor do Instituto Villa-Lobos da Universidade Federal do Estado do Rio de
Janeiro (Uni-Rio) no quatriênio 2005-2009 e é professor do Programa de PósGraduação em Música da mesma universidade.
20) Oficina O Violão de Sete Cordas Na Tradição do Choro e do Samba
Urbano – 20 vagas
Descrição: O Violão de Sete Cordas, teoria e prática, na tradição do Choro Instrumental
e do Samba Urbano brasileiros.
Público alvo: Estudantes de Música e violonistas.
Pré-requisitos: leitura fluente de cifra popular (condição necessária) e relativa leitura de
partitura musical (mesmo que em modo não muito fluente), além de relativo conhecimento do
repertório do Choro e do Samba.
Material necessário: Violão de 7 cordas, cabo e estande.
21) Oficina de Prática de Conjunto de Choro – 30 vagas
Descrição: Prática de conjuntos abordando a música instrumental do Choro Brasileiro. A
oficina desenvolver-se-á tomando arranjos do repertório tradicional para os grupos
instrumentais cuja base de acompanhamento será a formação composta por 2 ou 3 violões,
sendo um de sete cordas, cavaquinho e pandeiro. A oficina está aberta para todo e qualquer
instrumento. Para instrumento não-harmônico exige-se a leitura de partitura musical ou, em
caso contrário, o conhecimento do repertório. Exige-se a leitura de cifra popular para
violonistas, cavaquinistas, baixista, guitarristas e pianistas.
Público alvo: Estudantes de Música e instrumentistas de modo geral.
Pré-requisitos: solistas: leitura de partitura ou amplo conhecimento do repertório; violões,
cavaquinho, piano e outros instrumentos de harmonia: leitura e realização de cifra popular. Não
serão utilizados teclados eletrônicos nas práticas.
Material necessário: instrumento, cabo e estande.
RAFAEL DOS SANTOS (SP)
Pianista, arranjador, compositor e professor de Piano Popular, Improvisação, Arranjo e História
do Jazz no Departamento de Música, Instituto de Artes da UNICAMP, tendo exercido o cargo
de Chefe de Departamento de 1998 a 2002. Participou da comissão responsável pela idealização
e implantação da modalidade Música Popular no Curso de Música daquela Instituição, em 1989.
De 1992 a 1997 morou nos Estados Unidos, onde, com bolsa do CNPq, obteve o título de
Doutor em Música/Piano pela Universidade de Iowa – EUA. Atualmente coordena juntamente
com o Prof. Dr. José Roberto Zan um Grupo de Pesquisa voltado para a história, produção e
linguagem da Música Popular, dentro do programa de Pós – Graduação em Música do Instituto
de Artes (Unicamp) . Como compositor, tem quatro obras para Big-Band publicadas pela
Editora Daniel Barry Publications, em Seattle, EUA. Participou como arranjador, diretor
musical, regente e tecladista da gravação do CD Tempo da Delicadeza, da cantora Consiglia
Latorre, lançado em abril de 2005 pelo Selo SESC. É líder e arranjador do grupo “Café Forte”.
22) Oficina de Prática de BIG-BAND – 40 vagas
Descrição: leitura e aprimoramento de peças do repertório da música popular arranjados para
big band, destacando-se aspectos relacionados a estilo, execução e improvisação, entre outros.
Desenvolver a prática de grupo com o estudo de repertório escrito especificamente para a
formação instrumental: sopros (flauta, clarinete, saxofone, trompete, trombone) e instrumentos
de base (baixo, violão, guitarra, teclado, bateria e percussão).
Público Alvo: instrumentistas (estudantes e profissionais).
Pré-requisitos: Nível médio ou avançado de proficiência no instrumento, possibilitando assim a
leitura e execução de repertório durante o Festival.
Material necessário: Instrumento, estande de partituras.
PROVETA (RJ)
Bacharel em Saxofone - Faculdade de Música Mosarteum em 1992.
Conservatório Carlos Gomes - Campinas 1977- Curso de Clarinete e Teoria Musical.
Curso - Orquestração, Harmonia Avançada e Instrumentação - Professor Claudio Leal.
Participou de vários trabalhos entre eles: Trabalhos de Duo: Laércio de Freitas,
Nelson Ayres, Arismar do E. Santo, Guinga e Edson Alves.Trabalhos de Trio: Maestro
Laércio de Freitas, Edson Alves, Arismar do Esp. Santo, Jane Duboc. Trabalhos de
Quarteto: Mauricio Carrilho, Pedro Amorin, Jorginho do Pandeiro e Proveta.
Líder da Banda Mantiqueira desde 1991, a qual participou em 1996 do
centenário de Pixinguinha. Foi convidada a representar o Brasil em Portugal na Expo 98
e em seguida participou do Free Jazz Festival no Rio de Janeiro e em São Paulo, ano no
qual foi reconhecida internacionalmente quando veio a ser indicada e nomeada ao
Grammy.
Participou do Festival de Jazz em Toquio - Kirin The Club - em 1994 com Cesar
Camargo Mariano, Festival em Fukuoka - Japão em 1996 - Blue Note, Latim &
Brazilian Jazz Festival - Tokio - 1996 - com a cantora e compositora Joyce.
Banda Mantiqueira - Lançamento do 2º CD “Bixiga” - sala São Paulo em 2000. Em
2002 participa como músico e arranjador no CD da cantora ROSA PASSOS e participa
do Festival de Música Instrumental de Tatuí (Banda Mantiqueira).
BANDA MANTIQUEIRA realiza sua primeira turnê nos EUA em 2002 juntamente
com a OSESP.
Em 2004 viaja com Mônica Salmaso (USA) e encerra o ano com a Banda Mantiqueira,
Luciana Souza e OSESP. Em 2005 participa com a Banda Mantiqueira de um
importante festival na cidade de BREMEN (Alemanha), logo em seguida participa de
outro festival na Europa com a cantora Joyce.
Participou 2007e 2008 do festival Zé Dantas em Carnaíba (PE) junto do saxofonista
Cacá Malaquias e família. Final de 2008 encerra o ano com B. Mantiqueira, Mônica
Salmaso e OSESP.
Lança o CD “Brasileiro Saxofone” em 2009 com Maurício Carrilho e Paulo Aragão,
mais convidados.
23) Prática de Repertório da Banda Mantiqueira – 40 vagas
Descrição: Técnica de linguagem do instrumento e prática instrumental. Cada grupo revezará o
número de arranjos. Serão três arranjos para cada grupo.
Público alvo: Instrumentistas de sopro, guitarristas, baixistas, bateristas, percussionistas,
estudantes e músicos profissionais.
Pré-requisitos: Leitura musical básica.
Material necessário: Instrumento, cabos e estante de partituras.
Ficha de inscrição Nº__________
Faça sua inscrição via fax (047) 3344-3895 enviando a ficha de inscrição
preenchida junto com o comprovante de depósito bancário (Banco do Brasil
Agência 0305 – 0 C/C nº 5061 – X, em nome de Fundação Cultural de Itajaí
12º Festival de Música, ou diretamente na Secretaria do Festival, no
Conservatório de Música popular Cidade de Itajaí - Rua Felipe Reiser nº 200
São João Itajaí SC).
Nome:
Data de nascimento:
Idade:
Rua / Avenida:
Nº:
Bairro:
/ Complemento:
/ Cidade:
CEP:
/ Estado:
/ Tel/Fax:
E-mail:
Escolaridade:
Registro Vocal (para cantores):
Instrumento Principal:
Dados do responsável legal, caso menor de 18 anos:
Nome:
Endereço:
RG:
CPF:
Assinatura:
Local__________________________Data:_______/________/_______
HORÁRIOS DAS OFICINAS DO 12º FESTIVAL DE MÚSICA DE ITAJAÍ
Marque com “X” o(s) curso(s) que deseja ser inscrito
( ) Palestra de abertura das oficinas do Festival de Musica de Itajaí com
Zuza Homem de Mello (Auditório da Prefeitura) – Gratuito. (150 vagas)
Oficinas de 03 a 08 de Novembro de 2009
Manhã – 09h30 às 11h30
( ) Oficina de Harmonia -------------------------------------------15 vagas
( ) Oficina de Contrabaixo (avançado)---------------------------12 vagas
( ) Oficina de Bateria (intermediário)-----------------------------15 vagas
( ) Oficina de Leitura rítmica---------------------------------------20 vagas
( ) Oficina de Violão (intermediário)-----------------------------20 vagas
( ) Oficina de Prática de Big Band--------------------------------40 vagas
( ) Oficina de VOZinVENTO--------------------------------------30 vagas
( ) Oficina de Guitarra----------------------------------------------15 vagas
Tarde – 14h00 às 16h00
( ) Oficina de Prática de Conjunto-------------------------------30 vagas
( ) Oficina de Piano Popular--------------------------------------10 vagas
( ) Oficina de Contrabaixo (intermediário) --------------------12 vagas
( ) Oficina de Bateria (avançado)--------------------------------15 vagas
( ) Oficina de Violão (avançado)---------------------------------20 vagas
( ) Oficina de A percussão do samba carioca-------------------20 vagas
( ) Oficina de Conjunto de Sopros (arr. da Mantiqueira)------40 vagas
( ) Oficina de Violão 7 cordas-------------------------------------20 vagas
( ) Oficina de VOZ in VENTO-------------------------------------30 vagas
( ) Mini-oficina: Arranjo ou Desarranjo? -------------------------50 vagas
Tarde – 16h30 às 18h30
( ) Oficina de Improviso e criação musical----------------------30 vagas
( ) Oficina de Prática de Choro------------------------------------30 vagas
( ) Oficina de Bateria de Escola de Samba----------------------40 vagas
( ) Oficina de Improvisação para todos os instrumentos ------20 vagas
( ) Oficina de Performance de Artes integradas na MBP------50 vagas
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards