Aula 07 – 3A - O Mundo Grego I

Propaganda
Aula 07 – 3A - O Mundo Grego I
A civilização grega tem
grande
importância
na
formação cultural e política do
Ocidente. Os gregos foram os
primeiros
a
falar
em
DEMOCRACIA, o “governo
do povo”.
Antiga grécia, também chamada Hélade pelos gregos
(helenos) pode ser divida em três regiões distintas:
- Grécia Continental – relevo montanhoso, solo pobre, agricultura
praticada nas encostas das montanhas, pecuária importante, litoral
recheado de golfos e baías.
- As dificuldades econômicas, aliadas a um litoral favorável, fizeram
com que os gregos se lançassem ao comércio marítimo e
ocupassem o litoral da Ásia Menor.
Grécia Asiática – Litoral da Ásia Menor.
Grécia Insular – destacaram-se as ilhas de Creta,
Eubeia. Delos, Lesbos.
OS MICÊNICOS
• A civilização micênica ou aqueana desenvolveu-se na Grécia
Continental.
• Apogeu séculos XV e XIV a.C. e crise final 1100 a.C.
• Micenas (cidade principal), Tebas, Pilos, Tirinto, Iolco.
• Os gregos chamaram estas cidades de ciclópicas (devido às suas
grande muralhas, que teriam sido construídas por gigantes.
• Aprenderam com os Cretenses – navegação, técnicas agrícolas, a
escrita, influência política e religiosa (basileus).
• Principais fontes: Ilíada, Odisséia (Homero),
Os trabalhos e os dias (Hesíodo).
• Micênicos ou Aqueus – viviam sob o regime da sociedade de
classes, sistema monárquico (rei chamado wanax possuía caráter
divino).
• Micênicos derrotaram Troianos, Cretenses e foram derrotados
pelos Dórios (Período Homérico).
• PERÍODO HOMÉRICO (1200-1100 a.C.) – invasão dos Dórios –
utilização de armas de ferro, destruíram a civilização micênica,
população escravizada.
• Uma parte da população micênica emigrou para a Ásia Menor
(primeira diáspora grega) – fundação de Mileto, Éfeso,
Halicarnasso.
• Séc. XII a.C. – sociedade grega dividida em genos (comunidades
gentílicas).
• Laços de parentesco e/ou religioso, propriedade coletiva (não podia ser
vendida ou repartida), economia agropastoril, trabalho coletivo.
• CRISE DA COMUNIDADE GENTÍLICA – falta de terras, aumento da
população e do consumo.
• Guerra entre genos, surge a propriedade privada, luta de classes,
Aristocracia.
• Segunda Diáspora Grega.
• Colonização de outras áreas
sécs VIII-VI.
• Colonização (VIII-VI).
• Consequência da pobreza dos solos, aumento da população (genos), lutas
sociais e também o desenvolvimento da navegação ( comércio marítimo).
• A colônias começam agrícolas e, mais tarde, desenvolvem o comércio.
• Semear cidades gregas por várias regiões.
• Colonização (VIII-VI).
• Principais colônias – Magna Grécia (Península Itálica) – Nápoles, Cumes,
Tarento, Siracusa; No Sul da França – Marselha e Nice; Sudeste da
Espanha – Málaga; Norte da África - Cirene e Náucratis; No Mar Negro
– Calcedônia, Bizâncio e Ólbia.
Principais Metrópoles – Corinto, Megara (Grécia Continental), Mileto e
Focéia (Grécia Asiática).
Distinção entre apoikia (lar distante) – fundada para ser uma cidade
independente e empórion (estabelecimento
comercial) – subordinado à metrópole.
Diversos fatores contribuíram para o aparecimento da moeda na
Grécia Antiga:
-Desenvolvimento do papel fiscal do Estado (multas, impostos).
-Financiamento de mercenários.
-Desenvolvimento da consciência cívica (a moeda seria um emblema
da cidade).
-Facilitar as trocas comerciais.
• Aristocratas (genos) para protegerem-se, uniram-se em frátrias –
tribos - vilarejos ou demos (cinesismo) e consequentemente
origem da cidade-estado.
• O relevo montanhoso e o consequente isolamento das localidades
facilitaram a organização de Cidades-Estado autônomas (Pólis),
característica marcante da Grécia Antiga.
• PÓLIS – desagregação dos genos.
Cidade-Estado ou PÓLIS
Acrópole – parte alta da cidade
Ágora – praça central e Asty mercado
Cidades-Estados ou PÓLEIS - independentes
entre si, autonomia política (pequenos Estados
juridicamente soberanos e autônomos) umas
democráticas, outras oligárquicas.
ESPARTA ou Lacedemônia
- Localizava-se na Península do Peloponeso.
- Fundaram colônias – Tarento (Península Itálica).
- Conquistaram a Messênia – séc. VIII.
ESPARTA - Oligárquica, patriarcal, aristocrática e
militar.
SOCIEDADE ESPARTANA
1. Espartanos ou Esparciatas: principal grupo social e elite
militar – descendentes dos antigos dórios, únicos
cidadãos.
2. Periecos: chamados os da periferia, eram pequenos
proprietários que se dedicavam ao artesanato e ao
comércio em pequena escala. Eram livres sem direitos
políticos.
3. Hilotas: Servos de propriedade do Estado, sem direito
políticos.
Economia
-
Toda atividade era proibida aos
espartanos – foco no militarismo –
formação de uma casta guerreira
profissional..
- Dependência dos periecos e hilotas.
Mulher Espartana
Não tinha direitos
políticos, porém era
responsável pela
gestão total dos
bens do marido
sendo tratada por
este com respeito.
Frequentavam os
ginásios, não por
razões estéticas,
mas para gerarem
filhos sadios.
Aula 08 – 3A - O Mundo Grego II
ATENAS - Democracia
Ática – península montanhosa que possui três planícies: Maratona, Elêusis
e Atenas.
Região mais afastada da grande via de comunicação da Grécia Central e o
Peloponeso.
/ Pobreza do solo e mais livre de invasões.
Povoadores – Jônios, Aqueus e Eólios.
Predominou o modo de produção escravista – em todas as atividades.
Base econômica – agricultura.
Comércio – papel importante.
Exportadores de azeite, figo, cerâmica, prata, etc.
Importavam – tecidos, tapetes, perfumes, etc.
Moeda – dracma (dólar da Antiguidade).
SOCIEDADE DE ATENAS
1. Eupátridas (grandes proprietários de
terra – poder político) – “Bem Nascidos”
2. Geomores (pequenos proprietários)
3. Demiurgos (comerciantes e artesãos)
________ até aqui o demos ateniense_____
4. Metecos (estrangeiros).
5. Escravos – prisioneiros, comprados,
dívidas – Aristóteles “o escravo é uma
propriedade instrumental animada”.
Mulheres
Atenas – sociedade masculina.
Mulheres não eram cidadãs.
Esperava-se que as mulheres cuidassem da
casa e se conservassem à distância.
Subordinadas ao marido.
Jovens atenienses – gineceu – aprendiam com
as mães a se tornarem boas esposas.
O pai escolhia o marido – entre 14 e 16
anos.
POLÍTICA
Séc VIII – Basileus – autoridade decorativa.
Poder – estava com as famílias nobres
(eupátridas) reunidas no Areópago.
Mais tarde – Arcontado (nove) – substituiu o
rei nas funções executivas.
Arcontes – início mandato de 10 anos; mais
tarde 1 ano.
LEGISLADORES DE ATENAS
• Drácon 621 a.C.: redigiu as leis – até
então
orais
dificultando
sua
manipulação pelos eupátridas.
• Sólon 594 a.C.: Proibiu a escravidão por
dívidas e determinou a devolução de
terras
confiscadas
pelos
credores
eupátridas.
TIRANOS DE ATENAS
• Psístrato 528 a.C. – primeiro tirano.
• Hiparco (514 a.C.) – assassinado.
• Hípias (510 a.C.) – derrubado pelos
espartanos.
• Iságoras (510 – 506
a.C.) tirano
antipopular.
• Clístenes 506 a.C.: Instituiu a democracia
na cidade de Atenas.
• Concedeu direitos políticos para todos os
cidadãos e a participação direta dos
cidadãos no governo.
DEMOCRACIA ATENIENSE
•A
democracia
ateniense
era
formada com a participação de
cidadãos
atenienses
(adultos
maiores de 18 anos, filhos de pai
e
mãe
ateniense)
que
correspondiam a uma minoria de
10%.
• Eram excluídos os estrangeiros,
escravos e mulheres.
• Todos os cidadãos participavam da vida política por
meio da ECLÈSIA (Assembleia do Povo) –
Democracia direita.
• Ostracismo – quando um cidadão era considerado
perigoso para a Democracia pelo seu prestígio ou
influência – a Assembleia poderia desterrá-lo por
10 anos.
• Os cargos públicos eram preenchidos por eleições
ou sorteios.
• Misthós (Mistoforia) – ajuda de custo para que os
pobres participassem da política.
• Ser sorteado ou eleito não significava que o cidadão
assumiria o cargo – era submetido à docimásia
(exame) para ver se preenchia as condições
requeridas (cidadania, idade, culto familiar,
antepassados, pagamentos dos impostos e serviço
militar).
Educação em Atenas
• Formação militar – jovens de 18
anos (serviço militar).
• Crianças – formação intelectual,
artística, valores cívicos para a
produção de cidadãos.
• Mulher – submissão – papel de
permanecer em casa.
Instituições de Atenas
• ECLÉSIA – todos os cidadãos inscritos nos registros
dos DEMOS.
• Clístenes 506a.C. – dividiu a Ática em 100 distritos
(DEMOS). Cada 10 DEMOS formavam uma TRIBO.
• Nas TRIBOS misturavam-se todos os atenienses,
sem distinção de classes.
• Quorum de 6000 para qualquer votação respeitante a
pessoas.
• FUNÇÕES – votação e emenda das leis e propostas.
• Política externa – alianças, paz, guerras, colocação
dos Estrategos (comandavam o exército).
• Despesas
públicas,
eleições
de
magistrados,
atribuição ou destituição da cidadania.
Instituições de Atenas
• BULÉ – 500 cidadãos com mais de 30 anos (50 de
cada uma das tribos tirados à sorte, por um ano).
• Não podiam servir mais do que 2 vezes na vida.
• FUNÇÕES – administração geral, preparação das
sessões da assembleia, fiscalização dos magistrados,
recepção das embaixadas, exame (docimásia - ver se
preenchia as condições requeridas - cidadania,
idade, culto familiar, antepassados, pagamentos dos
impostos e serviço militar).
•
Instituições de Atenas
• AREÓPAGO – antigos arcontes – membros de
uma assembleia de nobres da Atenas antiga
(Arcontado).
• Hereditários e vitalícios.
• 10 arcontes.
• Funções religiosas (não desempenhavam papel
político importante).
Instituições de Atenas
• ESTRATEGOS – 10 eleitos por 1 ano, mas
reelegíveis.
• FUNÇÕES – comando do exército, negociações
da tréguas, grande influência graças à sua
eleição e eventual reeleição, seu papel na
defesa e acesso
à Bulé (500 cidadãos –
administração geral).
Aulas 09 e 10 – História A - O
Mundo Grego III e IV
Legado cultural na Grécia Antiga
Aspectos da cultura grega forneceram as
bases da nossa atual forma de viver...
UFPR
Partenon
• Embora os antigos gregos vivessem
em diferentes cidades-estados,
falavam a mesma língua, tinham os
mesmos hábitos e costumes e
praticavam a mesma religião.
UNIDADE CULTURAL
Religião
Era muito importante para os gregos.
seu dia-a-dia estava organizado nas
crenças e nas práticas realizadas em
seus rituais.
Religião
Eram politeístas.
Divindades representadas de maneira
antropomórfica.
Deuses gregos:
Conforme a crença, esses deuses formavam uma
família, habitavam o Monte Olimpo e cada um deles
deveria desempenhar o seu papel.
Deuses gregos:
Esses deuses eram homens e mulheres, fortes, belos,
inteligentes e comportavam-se de maneira semelhante
à dos seres humanos pois eram dotados de
sentimentos,
como amor, ódio, raiva e compaixão. Eles não
adoeciam
ou envelheciam e eram considerados imortais.
Religião
Desenvolveram suas crenças por
intermédio das narrativas realizadas
pelos poetas, músicos, artistas ou mulheres
que transmitiam a seus filhos os contos,
as fábulas e as histórias dos deuses.
Esses relatos são chamados MITOS.
MITOS
Eram transmitidos tanto oralmente quanto por
meio de textos poéticos de geração a geração.
Minotauro
Deuses gregos:
Eles casavam entre si e com os mortais. Os filhos
dos casamentos com os mortais eram conhecidos
como heróis ou semideuses.
Deuses Gregos
Heróis ou semideuses:
Cada cidade cultuava um Deus ou uma Deusa que a
protegia.
Rituais domésticos
Fogo Sagrado
Representava a
União da Família
Rituais públicos:
Deus protetor
(Pritaneus)
Representavam o
espírito cívico e
patriótico da
população.
Cultura Grega
• O pensamento grego tinha por
base a razão e, por isso,
supervalorizava
o
homem
(antropocentrismo).
A partir de 776a.C. Olimpíadas
Arquitetura:
•
•
•
•
Ordem dórica.
Ordem jônica.
Ordem coríntia.
Templos.
A ordem dórica
era a mais
simples.
A ordem jônica, mais
esbelta, tinha um capitel
decorado por duas volutas
(espirais).
A ordem coríntia, que
surge somente na época
clássica, era ainda mais
esbelta e ornamentada,
sendo famosa pelo seu
alto capitel em forma de
sino invertido, decorado
com folhas de acanto.
O Pártenon é de estilo dórico.
O Templo de Teseu é de estílo dórico.
O templo de Erectéion erguido em Atenas, é de
estilo jônico.
O Templo de Atena Nike erguidos em Atenas, é
de estilo jônico.
PERÍODO CLÁSSICO (VI e IV a. C.)
• Esse período foi marcado por violentas lutas
dos gregos contra os povos invasores (persas)
e entre si.
• Foi considerado o apogeu da antiga civilização
grega, concentrando suas maiores realizações
culturais.
• A primeira das grandes guerras de gregos
contra persas ficou conhecida como Guerras
Greco-Pérsicas ou Guerras Médicas 492a.C –
448 a.C. (os gregos chamavam os Persas de
Medos).
Guerras Médicas
• Gregos X Persas.
• Causas: imperialismo persa (expansão persa na
Ásia Menor).
Primeira Guerra Médica – 492 a.C. – Imperador
Dario I
• 490 a.C. - Batalha de Maratona (vitória grega)
Exército Persa desembarcou a leste da Península
da Ática, nas proximidades da planície de
Maratona. O ateniense Milcíades à frente de
10.000 hoplitas venceram as tropas persas.
Guerras Médicas
• Segunda Guerra Médica – 480a.C.- Imperador Xerxes
(filho de Dario).
• Cidades gregas formaram uma simaquia (aliança
defensiva).
• Ofensiva persa foi avassaladora.
• Desfiladeiro de Termópilas: o exército espartano (300)
comandado por Leônidas é derrotado por Xerxes – Atenas
foi incendiada.
• Batalha Naval de Salamina: os persas são derrotados por
Temístocles.
• Batalha de Platéia (sul da Grécia): Xerxes é derrotado.
• Paz de Címon ou Calias: os persas se comprometiam a
abandonar o mar Egeu.
• Tratado de Susa ou Paz de Cálias – 448 a.C. marcou o
fim das Guerras Médicas – persas reconheciam a
hegemonia dos gregos no mar Egeu e prometiam não
atacar mais a Grécia ou suas colônias na Ásia.
LIGA DE DELOS
GUERRA DO PELOPONESO 431 a.C. – 404
a.C.
• A hegemonia ateniense, com a expansão de sua
influência política, foi combatida por Esparta, que não
desejava que o império de Atenas colocasse em risco
as alianças de Esparta com outras cidades. A
formação da Liga do Peloponeso inseriu-se nesse
contexto.
• Esparta, Corinto, Tebas, Megara contra Atenas.
• Foram 27 anos de lutas, que terminaram com a
derrota ateniense. A supremacia espartana teve curta
duração, sendo seguida pelo predomínio de Tebas e
por um período de perturbações generalizadas. As
principais cidades gregas estavam esgotadas por
décadas de guerra. Eram alvos fáceis para um inimigo
exterior: a Macedônia.
PERÍODO HELENÍSTICO (IV a.C. – I a.C.)
• Período caracterizado pela invasão da
Grécia pelos macedônios comandados
por Filipe II (Batalha de Queronéia –
338a.C.) .
• A política expansionista iniciada por
Filipe II teve continuidade com seu
filho e sucessor Alexandre Magno, que
consolidou a dominação da Grécia e
conquistou a Pérsia, o Egito e a
Mesopotâmia.
• Alexandre respeitou as instituições
políticas e religiosas dos povos vencidos
e promoveu casamentos entre seus
oficiais e jovens das populações locais;
ele próprio desposou uma princesa
persa.
• A fusão dos valores gregos com as
tradições das várias regiões asiáticas
conquistadas deu origem a uma nova
manifestação cultural, o helenismo.
HELENISMO
• Fusão dos elementos gregos
com as culturas locais.
• Recebeu este nome pois os
gregos chamavam a si mesmos
de helenos
Período helenístico ou greco-romano – final do século
III a.C. ao século VI d.C.
Pensamento grego sofreu importantes modificações.
GRÉCIA DOMINADA
Macedônios
Romanos
Nasceram comunidades filosóficas em que se
PARTILHAVAM IDEIAS e CONDUTAS PESSOAIS.
MAIORES PREOCUPAÇÕES.
SER HUMANO
ÉTICA, voltada à maneira
correta de se viver.
EPICURISTAS
-O homem deve BUSCAR SEMPRE o PRAZER e EVITAR a
DOR.
-PRAZERES DURADOUROS e NÃO PASSAGEIROS.
-VIDA com SIMPLICIDADE e AUTONOMIA.
-VIDA ENTRE AMIGOS.
Epicuro
ESTOICOS
-SERENIDADE diante de quaisquer acontecimentos
(bons ou maus).
Zenão
(discípulo de Aristóteles)
NEOPLATÔNICOS (PLOTINO)
Retomada de alguns princípios da filosofia de Platão.
-Busca da VERDADE e da VIRTUDE.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards