sistematização da assistência em enfermagem: proposta de

Propaganda
Projeto de Informatização da Sistematização da Assistência de Enfermagem no Alojamento
Conjunto do HC/UFPE.
Computerization project of the Systematization of Nursing Care in Joint Lodging HC / UFPE.
Proyecto de informatización de la sistematización de los cuidados de enfermería en
Alojamiento Conjunto HC / UFPE.
Danielle Santos Alves1, Sheyla Costa de Oliveira 2, Magdala de Araújo Novaes 3
Luiz Miguel Picelli Sanches4
Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco
Coordenação da Residência de Enfermagem
Recife/PE
2008
Endereço para correspondência: UFPE, Hospital das Clínicas, 2º andar.
Av. Prof. Moraes Rego, s/n. Cidade Universitária, Recife-PE, Brasil.
CEP: 50.670-420 . Telefone/FAX: (81) 2126-3903
Endereço eletrônico: www.nutes.ufpe.br
1
Residente de Enfermagem em Saúde da Mulher do HC/UFPE, Enfermeira Pesquisadora do
Núcleo de Telesaúde (NUTES), HC/UFPE. [email protected]
2
Mestre em Nutrição, Professora Adjunta em Materno-Infantil do Departamento de Enfermagem,
CCS, UFPE. [email protected]
3
Doutora em Biomedicina, Coordenadora do Núcleo de Telesaúde (NUTES), Professora do
Departamento de Medicina Interna, CCS, UFPE. [email protected]
4
Professor Assistente da Universidade Federal de Pernambuco, Coordenador do Curso de
Graduação em Enfermagem. Mestre em Enfermagem pela Universidade Estadual de Campinas Pósgraduação Latu-sensu a nível de Aprimoramento em Cuidados Intensivos pela Universidade
Estadual de Campinas.
Projeto de Informatização da SAE no AC – HC/UFPE
2
Resumo
Os sistemas de informação vêm sendo utilizados para gestão dos serviços de saúde e para
assistência. A presente pesquisa foi realizada no Alojamento Conjunto do HC/UFPE em parceria
com a equipe do Núcleo de Telesaúde (NUTES/UFPE). A proposta foi elaborar um protótipo de
sistema, em ambiente Web, para informatizar a Sistematização da Assistência de Enfermagem no
AC do HC/UFPE, fundamentada na CIPE. Estudo do tipo descritivo, com abordagem quantitativa,
visando caracterizar a utilização das tecnologias da informação para o planejamento da Assistência
de Enfermagem à mulher no AC. A metodologia utilizada foi a prototipação evolucionária. A
estratégia foi a adota por Michael Bourke no desenvolvimento de Sistema de Informação em Saúde.
O protótipo de sistema foi desenvolvido no APR NUTES, em ambiente web, para facilitar sua
utilização e a incorporação de novos recursos em trabalhos futuros, tais como o uso de dispositivos
móveis. Pretende-se que o protótipo contribua de forma pioneira no processo de informatização da
SAE.
Descritores: Informática Aplicada à Enfermagem, Assistência de Enfermagem, Obstetrícia.
Abstract
Information systems have been used for management of health services and assistance. This study
was conducted in Joint Lodging of the HC / UFPE in partnership with the staff of Center for
Telesaúde (NUTES / UFPE). The proposal was to develop a prototype system in web environment,
to computerize the Systematization of nursing care in the AC, HC / UFPE, based on CIPE.
Descriptive study with quantitative approach, to characterize the use of information technology for
the planning of nursing care to women in AC. The methodology used was the evolutionary
prototyping. The strategy was adopted by Michael Bourke in the development of Health
Information System. The prototype system was developed in the APR NUTES in web environment,
to facilitate their use and incorporation of new features in future work, such as the use of mobile
devices. It is intended that the prototype will form the pioneer in the computerization of SAE.
Keywords: Information Technology Applied to nursing, nursing care, Obstetrics
Resumen
Sistemas de información, se han utilizado para la gestión de los servicios de salud y asistencia. El
estudio se realizó en Alojamiento Conjunto de la HC / UFPE en colaboración con el personal del
Centro de Telesaúde (NUTES / UFPE). La propuesta fue desarrollar un prototipo de sistema en
entorno web, para informatizar la sistematización de los cuidados de enfermería en la AC, HC /
UFPE, sobre la base de CIPE. De un estudio descriptivo con enfoque cuantitativo, para caracterizar
el uso de la tecnología de la información para la planificación de los cuidados de enfermería a la
mujer en AC. La metodología utilizada fue la evolución de prototipos. La estrategia fue adoptada
por Michael Bourke en el desarrollo del Sistema de Información de Salud. El prototipo del sistema
se desarrolló en la APR NUTES en entorno web, para facilitar su uso y la incorporación de nuevas
funciones en la labor futura, como el uso de dispositivos móviles. Se pretende que el prototipo será
la pionera en la informatización de la SAE.
Palabras clave: Tecnologías de la Información Aplicada a la Enfermería, Cuidados de Enfermería,
Obstetricia.
3
Introdução
Com o advento das tecnologias, a sociedade moderna está presenciando momentos de
grandes transformações nas relações interpessoais, de trabalho, etc. Essas transformações geraram
mudanças no relacionamento entre as pessoas e na forma de produção. Os computadores estão
envolvidos neste contexto, assumindo importantes funções no cotidiano das pessoas. Nos últimos
anos, a informática revolucionou as instituições e as residências, provocando uma mudança nas
atitudes dos indivíduos.
E a área da saúde não estaria isenta de ser atingida e beneficiada por esta revolução.
Segundo algumas autoras, esta seria “uma das revoluções mais importantes desse século, a chamada
Revolução Eletrônica da Informação Computacional”
(1)
. Ainda segundo as mesmas autoras, os
computadores estariam realizando “funções de arquivamento e recuperação de dados e informações,
processamento e comunicação” (1).
No Brasil, o que se observa é que os Sistemas de Informação (SI) estão voltados
principalmente para gestão dos serviços de saúde em detrimento ao assistencial. Em relação à
Enfermagem, se dá da mesma forma. Os dados registrados são voltados para os aspectos
administrativos e não abrange toda a complexidade do Processo de Enfermagem, pois não estão
baseadas em protocolos, e não permitem a inserção da Sistematização da Assistência de
Enfermagem (SAE), com o diagnóstico e a prescrição de Enfermagem (2-3).
Como já profetizava a professora Évora em 1999:
Trazer o computador para a beira do leito é, atualmente, uma das metas dos
hospitais brasileiros e um grande desafio para a Enfermagem. Considerando
que a Enfermagem brasileira atua de uma forma muito diversificada, com
certeza será através da informatização que iremos sistematizar a prática de
Enfermagem e proporcionar uma assistência mais individualizada ao cliente
(4)
.
Com a utilização de um sistema informatizado, o profissional de Enfermagem que faz a
documentação manual das etapas da SAE, passará a fazê-lo com a padronização da informação
consistente, dispondo de acesso rápido e simultâneo, compartilhamento de dados atualizados,
mobilidade, pesquisa rápida, e com a possibilidade de realizar estudos administrativos, de auditoria,
estatísticos e epidemiológicos, entre outras vantagens.
E esta padronização da documentação das etapas da SAE deveria ser realizada em um
padrão internacional da prática de Enfermagem, para que, estas informações, quando forem
trocadas com outros sistemas e instituições, utilizem uma linguagem universal, a fim de facilitar
esta troca (5).
4
A Enfermagem, tentando padronizar um modelo de classificação universal, aprovou a
proposta de criação de uma Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem (CIPE) ou
International Classification for Nursing Practice (ICNP), tendo como justificativa a falta de um
sistema único e de uma linguagem específica da profissão (6).
No tocante ao manejo da assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher, faz-se necessário
chamar a atenção ao momento de grandes transformações biopsicossociais vivenciadas no ciclo
gravídico-puerperal
(7)
. Diante disto, faz-se necessários que a equipe de Enfermagem esteja
preparada para dispensar a maior atenção requerida por esta mulher e familiares
(8)
. Por isso, a
importância de que a SAE esteja bem concretizada para que esta puérpera receba uma assistência
personalizada e holística, auxiliando-a nos processos e adaptações que estão ocorrendo consigo,
com seu bebê e sua família (7).
Sendo assim, motivada pela necessidade de elaborar uma ferramenta computacional que
favoreça o saber e o fazer da Enfermagem, este trabalho teve como objetivo elaborar um protótipo
de sistema para informatização da SAE voltado ao atendimento à puérpera e familiares,
fundamentado na CIPE, subsidiando o desenvolvimento de um sistema pioneiro e inovador que
venha a ser introduzido na prática da Enfermagem obstétrica no Alojamento Conjunto (AC) do
Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC/UFPE) e implantar este modelo
em um protótipo de sistema baseado na Web.
O projeto de pesquisa foi aprovado no Comitê de Ética e Pesquisa com Seres Humanos do
Centro de Ciências da Saúde da UFPE, sob o número do CEP 347/07, aprovado em 22 de Janeiro de
2008 e obteve uma carta de anuência da Instituição participante, disponibilizando as necessárias
condições de infra-estrutura para a execução da pesquisa. Além disto, este estudo foi baseado nas
regulamentações para elaboração de software recomendado pela Sociedade Brasileira de
Informática em Saúde (SBIS), obedecendo aos preceitos éticos e legais envolvidos em pesquisas de
caráter científico, bem como na regulamentação do exercício profissional dos profissionais
envolvidos (9).
Objetivos
Geral
Elaborar um projeto de informações visando à informatização da Sistematização da Assistência de
Enfermagem no Alojamento Conjunto de um hospital escola do Recife/PE.
Específicos
 Realizar avaliação diagnóstica para implementação do processo da SAE fundamentada na CIPE,
no Alojamento Conjunto do hospital em estudo para o atendimento das puérperas;
5
 Construir um modelo de informações para informatização da SAE;
 Implantar este modelo em um protótipo de sistema baseado na Web.
Revisão de Literatura
O puerpério é o período de restabelecimento do organismo da mulher à situação não
gravídica, ocorrendo transformações endócrinas, genitais e, sobretudo psicológicas. Sendo assim,
neste momento, como em todos os outros, a mulher deve ser vista como um ser integral, não
excluindo seu comportamento psíquico (10). E o AC vem a ser uma idéia defendida por vários
estudiosos como uma proposta que tem como objetivo melhorar este relacionamento da mãe com o
filho, com os familiares, e com a equipe de saúde (7).
A elaboração da SAE é um dos meios que o Enfermeiro dispõe para aplicar seus
conhecimentos técnico-científicos e humanos na assistência aos pacientes. Hoje, percebe-se a
ênfase que se tem dado à importância na documentação e registro do plano de cuidados de saúde da
sua clientela, inclusive exigido pela Lei do Exercício Profissional. (11-12).
E a Enfermagem atual, buscado um modelo de classificação universal, aprovou a criação da
Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem - CIPE (International Classification for
Nursing Practice – ICNP). Esta Classificação Internacional da Prática de Enfermagem virá a ser
anexada ao Código Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS) onde
fará parte do núcleo da Classificação Internacional das Doenças e Problemas Relacionados com a
Saúde, como outras Classificações relacionadas com a saúde (5-6).
E para tal, a Enfermagem se beneficia do uso dos Sistemas de Informação em Saúde (SIS).
Os primeiros SIS tinham como objetivo a realização atividades administrativas e financeiras.
Atualmente são inúmeros os sistemas computacionais desenvolvidos para a área da saúde visando a
melhoria de outros tantos aspectos do contexto da saúde. O SIS oferece inúmeros benefícios ao
serviço de saúde, através da melhoria da comunicação entre seus principais usuários: serviço,
profissional, paciente, e a comunidade; no suporte a tomada de decisão clínica ou administrativofinanceira; e principalmente na qualidade do atendimento ao paciente (13-14).
Para a o desenvolvimento de um SIS, faz-se necessário o entendimento do funcionamento
do serviço de saúde que se quer informatizar para potencializar os resultados do trabalho. Existem
diversas metodologias e estratégias para o desenvolvimento do SIS. A escolhida foi a análise de
requisitos para construção do protótipo baseada estratégia proposta por Bourke para
desenvolvimento de Sistema de Informação em Saúde, onde se considera que uma instituição pode
ser representada por um conjunto de processos que utilizam dados e que estão apoiados pela
6
tecnologia. Nesta estratégia de construção, algumas etapas de análises, a saber, são preconizadas:
análise ambiental, por objetivos, estrutural, funcional e comportamental. Esta cascata de eventos
seqüenciais auxilia e dá embasamento ao pesquisador para elaboração de um sistema de informação
coerente com a realidade analisada (15).
A proposta tecnológica para desenvolvimento da ferramenta computacional que
implementará o modelo de informações proposto para o SIS, inclui a definição da aquisição de uma
solução (software) de mercado que atenda as necessidades do serviço ou o desenvolvimento de uma
solução específica (14).
O uso da informática cresce cada vez mais nas instituições de saúde, principalmente após a
exigência da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar. Recentemente o padrão TISS –
Troca de Informação em Saúde Suplementar proposto pela ANS – Agência Nacional de Saúde
Suplementar exige que a informação necessária ao faturamento de consultas, SADT e internações
seja enviada às operadoras de forma segura e eletrônica. Ainda segundo outros autores, com essa
perspectiva, o Ministério da Saúde (MS) brasileiro está propondo uma Política Nacional de
Informação e Informática em Saúde (PNIIS), tendo os seguintes pontos essenciais na sua
formulação: educação, informação e comunicação. Estes pontos visam gerar conhecimentos e
consolidar o Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil.
Metodologia
Tipo de Estudo
Estudo do tipo descritivo exploratório com abordagem quantitativa que visou caracterizar a
utilização das tecnologias da informação e das comunicações (ciência da computação) como
instrumento de informações e dados para o planejamento da assistência em Enfermagem.
Local do Estudo
O presente estudo foi realizado no AC do Hospital das Clínicas (HC) da UFPE - um
Hospital Universitário do Estado de Pernambuco - e no Núcleo de Telesaúde do Hospital das
Clínicas (NUTES).
Atualmente, o HC dispõe de um bloco obstétrico com uma média de 146 partos/mês, entre
alto e baixo risco, e um alojamento conjunto com 32 leitos, com mesma média de internados/ mês.
A equipe de Enfermagem do referido setor é composta por sete enfermeiras distribuídas da seguinte
forma: uma gerente, uma enfermeira assistencial no turno da manhã, uma outra no turno da tarde e
três no plantão noturno, garantindo a permanência de um profissional enfermeiro durante as 24
7
horas. Além disso, tem-se 21 auxiliares de Enfermagem distribuídos em três plantões sendo diurno
e noturno.
Outro local de estudo foi o Núcleo de Telesaúde (NUTES) do Hospital das Clínicas. No
NUTES foi desenvolvido o protótipo de sistema computacional que implementou o modelo de
informação da SAE para o AC do HC. Este desenvolvimento contou com o apoio de uma equipe
multidisciplinar do NUTES constituída por analistas de sistemas, engenheiros de software e
designers (16).
População e amostra
A população estudada foi constituída de puérperas internadas no AC do HC/UFPE. A
amostra foi do tipo intencional composta de 25 puérperas. Estas amostras foram utilizadas para um
teste sumário do protótipo, visando avaliar os erros de funcionalidade encontrados para torná-lo o
mais fidedigno possível em relação à população a qual foi proposta a sua elaboração.
Foram incluídas puérperas no puerpério imediato e mediato de parto normal ou cesário, com
idade superior a 18 anos e que aceitou participar da pesquisa após leitura do termo de
consentimento livre e esclarecido (TCLE). Foram excluídas do estudo puérperas que não atendem
aos critérios de inclusão.
Análise de requisitos e coleta de dados
A metodologia utilizada para construção do modelo de informação e prototipação do sistema
se baseou em Bourke
(15)
. Para o desenvolvimento do protótipo de sistema foi realizada a análise
ambiental, definiram-se os objetivos do sistema, identificou-se a estrutura e funcionalidades do
serviço, e impactos comportamentais. Os resultados destas etapas produziram os requisitos
necessários para construção do protótipo do sistema.
Foi realizada uma avaliação diagnóstica para implementação do processo informatizado da
SAE, no mês de Fevereiro de 2008, determinando-se os requisitos de funcionalidades (hardware e
software) necessários à realidade local do setor do hospital. Nesta avaliação diagnóstica,
observaram-se os aspectos relativos aos recursos materiais e humanos envolvidos, para
implementação da SAE informatizada.
Os requisitos para a construção do protótipo relacionados à SAE foram feitos a partir de um
vasto levantamento bibliográfico das literaturas especializadas e de referência em SAE, além de
estudos realizados no HC que versaram sobre o assunto da Sistematização da Assistência para a
elaboração do instrumento de coleta de dados voltados para clínica obstétrica do hospital.
8
Neste instrumento de coleta de dados previamente elaborado, constou de um histórico de
Enfermagem que foi preenchido com informações fornecidas pelas pacientes após a assinatura do
TCLE e por dados colhidos em prontuário como, por exemplo, exames e medicações, para
complementação das informações fornecidas pelas pacientes.
Este instrumento foi o norteador da coleta de dados sobre a população-alvo, visando
determinar os aspectos mais relevantes que foram utilizados para elaboração dos módulos. Estes
dados colhidos também serviram como casos-base para a avaliação destas telas baseada na clientela
atendida no setor. A coleta de dados se deu no período de 15 de Março a 30 de Abril de 2008.
Após este levantamento bibliográfico, situacional e de coleta de dados, utilizando a
metodologia explicitada, foi iniciada a fase de prototipação e elaboração dos módulos de cada etapa
da SAE, iniciado por volta de março de 2008.
Desenvolvimento do protótipo do sistema de informação
A metodologia para a construção do protótipo utilizada foi baseada no que a Engenharia de
Software denomina de prototipação, ou seja, o desenvolvimento rápido de software (sistema),
baseada no ciclo de vida deste, com o objetivo de validar os requisitos. Um protótipo de sistema
pode ser usado para dar aos usuários finais uma impressão concreta das capacidades desse sistema
. Segundo estudiosas do assunto, “este conceito representaria a melhor abordagem para a
(17)
construção do software, uma vez que propicia ao desenvolvedor criar um modelo de software que,
posteriormente, será avaliado pelo cliente e então, implementado” (18).
A primeira versão do protótipo do sistema foi construída baseada nos requisitos levantados
durante a avaliação diagnóstica do setor, tendo como fontes primárias o instrumento de coleta de
dados e o fluxo de atendimento do paciente construído. Essa etapa foi iniciada em Abril e se
estendeu até Maio de 2008. E dando continuidade, foi feita a experimentação deste protótipo inicial
para avaliação dos erros e funcionalidades, baseada nos dados coletados com as puérperas. A partir
deste preenchimento inicial, os erros e problemas de funcionalidade encontrados foram corrigidos
em Maio e Junho de 2008.
Uma vez o protótipo corrigido e testado, iniciou-se a etapa gráfica de elaboração das
interfaces. O uso de interfaces gráficas torna mais agradável o uso do protótipo e facilita a
compreensão de suas funcionalidades para o usuário. O período utilizado para etapa gráfica foram
os meses de Agosto e Setembro de 2008.
Por fim, uma avaliação final sumária da funcionalidade do protótipo foi feita simulando o
preenchimento de casos reais baseado na coleta de dados realizada anteriormente. Para observar os
preceitos éticos da pesquisa, a identidade das pacientes foi preservada, pois foram atribuídos
9
números seqüenciais às mesmas. O período desta avaliação foram os meses de Setembro e Outubro
de 2008.
O protótipo do sistema foi implementado no Ambiente de Prototipação Rápida em ambiente
web do Núcleo de Telesaúde (NUTES), o APR-NUTES. Este ambiente é baseado no software
Moodle, uma ferramenta opensource (ou código livre) e gratuita, desenvolvida para gestão de
cursos usando princípios pedagógicos para ajudar a educadores criar comunidades online de
aprendizagem eficazes (19).
O uso de um ambiente web para desenvolvimento de um protótipo facilita o acesso, testes e
sua atualização, permitindo que o mesmo evolua rapidamente. O protótipo gerado vem sendo
utilizado para aprimorar os dados e fluxos de informação do sistema. São realizados testes e
identificados erros de concepção e funcionalidades que são rapidamente corrigidos.
Resultados
Análise ambiental
Realizada no AC, esta análise consiste em uma observação e determinação de setores e
atores externos e internos relacionadas às atividades de assistência do AC, conforme demonstrados
ilustrativamente na figura 1 abaixo.
Figura 1 - Análise ambiental do Alojamento Conjunto HC/UFPE. Recife, 2008.
Análise estrutural e funcional
Essa etapa foi realizada durante o mês de Fevereiro de 2008. Neste momento, foi feito um
levantamento das atividades realizadas no setor para o atendimento à puérpera e os diversos
10
profissionais da saúde que atuam neste setor, resultando no principal fluxo de informação do
sistema: o atendimento à puérpera (Fig. 2).
A figura 2 apresenta o fluxo de atendimento da paciente nos diversos setores do hospital. As
letras estão representando os diversos profissionais de saúde (atores) e os números representam as
ações (processos ou funções) que serão desenvolvidas por estes profissionais.
Figura 2 - Fluxo de atendimento à puérpera, resultado da análise funcional do setor. Recife, 2008.
Proposta Tecnológica
Após as análises ambiental, funcional, estrutural e dos objetivos do SIS, foi elaborada a
proposta do ambiente tecnológico que implementará o sistema de informação para assistência em
enfermagem no AC do Hospital das Clínicas. Na análise estrutural, foi observada a necessidade de
se instalar uma rede de computadores gerenciada pelo Serviço de Informática do HC. Neste Serviço
ficaria o servidor central desta rede de computadores, onde estaria armazenado o sistema e seu
banco de dados. O gerenciamento da rede deverá ser feito pelo Serviço de Informática do HC, pois
este já dispõe de toda infra-estrutura necessária para manutenção e segurança do sistema de
11
Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) a ser implantado, otimizando assim os custos para
manutenção do sistema.
Para instalação dos terminais de computadores, foram sugeridos os melhores pontos para
sua instalação visando o acesso ao PEP pelos usuários do sistema no setor. Os locais sugeridos
foram: sala anexa ao BLH, por esta ser uma sala mais centralizada em relação aos leitos e mais
próxima do posto de Enfermagem; sala de evolução; Posto de Enfermagem e a Sala da Gerência.
Sendo assim, seriam necessários apenas quatro computadores interligados em rede.
Protótipo do Sistema de Informação para SAE na Obstetrícia
O Sistema de Informação proposto neste trabalho é do tipo PEP para SAE para o AC do
HC/UFPE. Este foi desenvolvido utilizado o Ambiente de Prototipação Rápida do NUTES (APRNUTES).
Para acesso ao protótipo, o profissional necessita fazer um cadastramento prévio, onde será
determinado o nome do usuário (login) e senha. Este cadastramento é fundamental, pois determina
as restrições de acesso ao sistema, conferindo-lhe maior segurança. O uso de logins e senhas em
sistemas são de extrema importância, pois caracteriza o usuário que é fornecedor de determinada
informação, funcionando como uma assinatura digital.
Ainda neste ambiente de prototipação, foram desenvolvidas as fichas clínicas de cada etapa
da SAE. Cada ficha clínica contém um conjunto de informações relativas ao processo de
assistência. Nestas fichas, as informações ou variáveis foram agrupadas em função de sua natureza.
A separação dos processos da assistência em fichas e dentro destas em grupos de variáveis foi
realizada com o intuito de facilitar o acesso e preenchimento das informações pelos profissionais.
A figura 3 apresenta como estas fichas estão organizadas no sistema. E para melhor
compreensão, na figura 4 é apresentado um exemplo de ficha, a ficha clínica da História da gestação
atual. Nesta ficha temos o subitem denominado Pré-natal, onde estão contidas informações
(variáveis) como o número de consultas, o local, etc.
12
Figura 3 – Divisão das fichas Clínicas. Recife, 2008.
Figura 4 - Tela da Ficha Clínica da história da gestação atual. Recife, 2008.
Neste módulo estão dispostos os diagnósticos e intervenções de Enfermagem baseado na
CIPE versão alfa. Foram dispostos os campos para formação do diagnóstico a partir de cada eixo,
obedecendo às recomendações da CIPE.
Interface do Protótipo do Sistema de Informação para SAE na Obstetrícia
A partir do protótipo do sistema no APR-NUTES foi elaborada uma proposta para interface
gráfica do futuro sistema. A interface é um conjunto de telas com os módulos propostos no
13
protótipo web. Na interface, também encontramos a tela inicial de login, seguindo os preceitos de
segurança.
Nas interfaces gráficas são apresentados os módulos do sistema com as funcionalidades que
permitem o acesso as fichas do paciente. Estas representações gráficas foram elaboradas com o
objetivo de facilitar ao usuário a visualização das funcionalidades projetadas no ambiente do APRNUTES.
Na figura 5 é apresentado um modelo contendo a organização das Fichas Clínicas e subitens
com suas respectivas variáveis.
Divisões das Fichas Clínicas
Subitens da Ficha Clínica
História da gestação atual
Ilustração 5 - Tela com a divisão das fichas clínicas e seus subitens. Recife, 2008.
Os resultados deste trabalho são os modelos de informação para a SAE, refletido nas fichas
do sistema de prontuário eletrônico do paciente, o protótipo deste sistema no APR-NUTES que se
encontra disponível na web através do site www.nutes.ufpe.br/apr_nutes para visitantes,
profissionais e colaboradores, e sua interface gráfica.
Discussão e Conclusão
É notório que a saúde fará muito uso e será muito beneficiada por estes avanços
tecnológicos. A assistência médica é um dos maiores beneficiários potenciais da era da informação.
Por tudo isso, os profissionais de saúde devem manter-se atualizados no tocante às novas
14
informações e descobertas da ciência para suprir as exigências emergentes do mercado e,
principalmente, estar preparada para uma clientela cada vez mais exigente. E, da mesma forma,
buscar desenvolver tecnologias com todas essas funcionalidades.
Desta forma, este estudo considera que a Enfermagem será muito beneficiada com o uso das
ferramentas computacionais, o seu uso auxilia o fazer do enfermeiro, contribuindo em diversos
aspectos da assistência: diminuindo o tempo para o registro de informações, na avaliação da
qualidade da assistência, na auditora e contas médicas, na pesquisa, como banco de dados do
sistema sendo a fonte primária, e no ensino, como ferramenta no processo do ensino-aprendizagem,
preparando-os para o mercado de trabalho que começa a fazer uso de recursos tecnológicos para
prestação de serviços.
Espera-se que este trabalho contribua de forma pioneira e inovadora com o início da
informatização da SAE do HC/UFPE, tendo como desafio abrir novas perspectivas para que a SAE
seja implantada de forma completa não apenas escrita. E que este sistema desenvolvido em
plataforma Web, venha a incorporar suporte para tecnologias de mobilidade (por exemplo,
palmtops) para que o seu preenchimento, atualização e consulta seja realizada em qualquer local.
Tudo isso, contribuindo para facilitar a mobilidade desejada.
O protótipo de sistema proposto foi concluído, e será utilizado para desenvolvimento do
sistema de informação ou produto final. Este trabalho faz parte de uma estratégia de implementação
de sistemas mais ampla que terá continuidade em projetos posteriores, que além de agilizar os
processos de trabalho do enfermeiro, possa ser utilizada por outros profissionais de saúde.
Agradecimentos
À equipe do Núcleo de Telesaúde (NUTES/UFPE), aos professores da UFPE e aos profissionais
envolvidos.
Referências
1. Sperandio DJ, Leite CA, Soares F, Felice KZ, Évora YDM. Estudo sobre a informatização
do Serviço de Enfermagem de um Hospital Universitário no Interior do Estado de São
Paulo. Procceedings of the X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde – CBIS; 10;
2006; Florianópolis; Santa Catarina; 2006. [citado em 2008 Mar 12]. Disponível em:
www.sbis.org.br/cbis/arquivos/983.PDF
2. FREIRE SM, Fuly PSC, Almeida RT. Desenvolvimento de um Sistema de Informação para
a aplicação do Processo de Enfermagem. Proceedings of the IX Congresso Brasileiro de
Informática em Saúde; 9; 2004; Ribeirão Preto; São Paulo; 2004. [citado em 2008 Mar 12].
Disponível em: www.sbis.org.br/cbis9/arquivos/678.pdf.
15
3. Santos SR, Paula AFA, Lima JP. O enfermeiro e sua percepção sobre o sistema manual de
registro no prontuário. Rev. Latino-Am. Enfermagem [texto na Internet]. 2003 Fev [citado
em 2007 Dez 03]; 11(1): 80-87. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rlae/v11n1/16563.pdf
4. Évora YDM. O computador a beira do leito. Rev. Latino-Am. Enfermagem [texto na
Internet]. 1999 Dez [citado 2007 Set 11] ; 7(5): 133-135. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0104-11691999000500019
5. Yoshica MR et al. Classificação Internacional das atividades de enfermagem: uma amostra
da realidade brasileira. [texto na internet]. In: Congresso Brasileiro de Enfermagem, 45,
Recife, 1993. Programa. Associação Brasileira de Enfermagem – Seção PE. Revista
Brasileira de Enfermagem [série online]. 1993 Jul.-Dez.[citado em 2008 Abr 06]; v.
46(3/4):258-65,. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&n
extAction=lnk&exprSearch=143750&indexSearch=ID .
6. Nóbrega MML, Gutierrez MGR. Equivalência semântica da Classificação de Fenômenos de
Enfermagem da CIPE versão alfa. João Pessoa (PB): IDÉIA; 2000.
7. Lima, ACL. Proposta de protocolo para assistência de Enfermagem à puérpera em um
alojamento conjunto. [Monografia]. Recife; Residência de Enfermagem em Saúde da
Mulher. Hospital das Clínicas. Departamento de Enfermagem. Universidade Federal de
Pernambuco. 2003.
8. Burroughs, A. Uma introdução à enfermagem materna. 6ª ed. Porto Alegre (SC): Artes
médicas; 1995.
9. SBIS/CFM. Manual de requisitos de Segurança, Conteúdo e funcionalidades para sistema de
registro eletrônico em saúde. Versão 2.1. [texto na Internet]. Sociedade Brasileira de
Informática em Saúde/Conselho Federal de Medicina. São Paulo. Fev 2004. [citado em 2008
Mar 31]. Disponível em: http://www.sbis.org.br/certificacao.htm.
10. BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da
Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizado à mulher/ Ministério da
Saúde – FEBRASGO – ABENFO. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
11. COFEN. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM.Resolução COFEN nº272/2002 –
Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem. Disponível em: <http://
www.portalcofen.org.br> Acesso em10 jun. 2006.
12. BETTA, Cristiane Aparecida; BAPTISTA, Maria Aparecida Camargo, NISHIO, Elizabeth
Akemi, FUSCALDI, Fernanda Silva. Implantação da Sistematização da Assistência de
Enfermagem Através de Instrumento Informatizado. In: Congresso Brasileiro de Informática
em Saúde, 2006. Ribeirão Preto. Anais eletrônicos do X CBIS. Florianópolis: 2006.
Disponível em: < http://www.sbis.org.br/cbis/anaiscbis2006.htm >. Acesso em: 12 mar.
2008.
13. MARIN, Heimar F. Informática em Enfermagem. 1ª Edição. Editora EPU, São Paulo,
1995. 110p
14. NOVAES, Magdala, MELLO, Marcelo, MÉLO, Cláudia. Sistema de Informação em
Saúde. TIS. Curso Médico. Disciplina de Informática em Saúde (aula ministrada).
Departamento de Medicina Clínica. 2006.
15. Bourke, M. Strategy and architecture of Health Care Information Sistems. Spring. Editora
Springer-Verlag, 1997.
16. NUTES. Núcleo de Telessaúde. Disponível em: www.nutes.ufpe.br.
17. UNESP. Universidade Estadual Paulista. Prototipação de Software. Instituto de Biociências,
Letras e Ciências Exatas. Departamento de Ciências de Computação e Estatística.
Engenharia de Software, 2o Semestre. São Paulo. 2005
18. Sperandio DJ, Évora YDM. A Introdução de Tecnologias na Prática de Enfermagem:
construção de Software para o Planejamento da Assistência de Enfermagem. Procceedings
16
of the IX Congresso Brasileiro de Informática em Saúde; 9; 2004; Ribeirão Preto; São
Paulo; 2004. [citado em 2008 Mar 25]. Disponível em:
http://www.sbis.org.br/cbis9/arquivos/623.doc
19. Moodle. [homepage na Internet]. 2008. [citado em 2008 Jul 28]. Disponível em:
http://moodle.org/ .
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards