ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS Parasitologia e Saneamento Prof

Propaganda
ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS
Parasitologia e Saneamento
Prof. Thelma de Filippis
Prática nº 1: UTILIZAÇÃO DO MICROSCÓPIO ÓPTICO - Imersão
Objetivos:
 Identificar as partes do microscópio óptico e suas funções;
 Utilizar corretamente os componentes do microscópio evitando danos ao aparelho e ao material examinado;
 Conhecer os cuidados de limpeza e conservação do aparelho.
Material necessário:
 Microscópio óptico
 Lâminas
Metodologia:
1) Estudo das principais partes do microscópio
Identifique no seu microscópio, as seguintes estruturas e suas respectivas funções:
Corpo
Revólver
Tubo de observação
Mesa ou Platina
Charriot
Comandos de
focalização
Ocular
Objetiva
Condensador
Pinhão
Local indicado para segurar o microscópio durante o seu transporte, enquanto a outra
palma da mão deverá estar apoiando o aparelho por baixo.
Serve para fixar as objetivas. Facilita a troca de uma objetiva para outra.
Local onde está (ão) localizada (s) a (s) ocular (es) e o jogo de prismas. Fixado ao
corpo através de um parafuso de fixação. Não gire o parafuso para a retirada do tubo de
observação sem ser autorizado!!!!!!
Plataforma sobre a qual se apóia a lâmina de vidro.
Peça fixada na mesa e munida de garras para fixar a lâmina.
Macrométrio: Promove movimentos verticais da mesa, com espaço grande. Pode
causar facilmente a quebra da lâmina com o uso das objetivas de 40X e 100X, exigindo
prudência no seu manuseio.
Micrométrio: Desloca a mesa em pequenas distâncias. Usado somente para ajustes
finos. OBS: Ao utilizar as objetivas de 40X e 100X, deve-se evitar o uso do
macrométrio, mas, se necessário, usar com cuidado!!!!!
Lente que fica junto ao olho e que tem a função de ampliar a imagem produzida pela
objetiva.
Tubos que ficam próximos ao material examinado, sendo formados por um conjunto
de lentes que influenciam o poder de aumento ( 4X, 10X, 40X, 100X).
Conjunto de lentes de grande abertura, localizado abaixo da mesa, cuja função é
condensar feixes luminosos. Aumento de 40X e 100X: condensador próximo à mesa.
Aumento de 4X, 10X, 20X: posição variável
Parafuso que serve para movimentar verticalmente o condensador, segundo a objetiva
utilizada.
2) Focalização
a) Ajuste a distância interpupilar para que sejam evitadas dores de cabeça e cansaço.
b) Coloque a lâmina a ser examinada sobre a platina, cujo revólver deve estar posicionado na objetiva de menor aumento.
c) Ligue o microscópio, abaixe o condensador, feche o seu diafragma e focalize o material a ser examinado.
Nessa operação inicial, utilize o comando macrométrio para, em seguida, após visualizar a preparação, ir abrindo o diafragma
até uma iluminação homogênea. Com auxílio do micrométrio obter-se-á uma focalização mais delicada e um contraste
satisfatório.
d) Gire o revólver no sentido da objetiva de aumento mais próximo. Nunca passe da objetiva 4X, p. ex., para a objetiva 40X.
Mude gradualmente.
e) Focalize até a objetiva de 40X, afaste-a, pingue uma gota de óleo de imersão na lâmina. Passe para a objetiva de imersão
(100X) e ajuste o foco utilizando o parafuso micrométrico.
Esse procedimento preliminar é importante para a preparação em menor aumento. Tratando-se de preparações
onde é
necessário o uso de uma camada fina de óleo de imersão.
Nos exames de preparações a fresco, use sempre lamínula.
Não movimente o microscópio enquanto a lâmpada estiver ligada ou ainda quente. Sempre que for interromper a observação,
diminua a luz, sem desligá-la.
Limpe sempre as objetivas após o uso de óleo de imersão, ao final do trabalho, não sendo recomendado removê-lo todas as
vezes que o trabalho de observação for interrompido.
Prática nº 2:
Filo Arthropoda
Classe Insecta
Ordem Diptera
Subordem Muscomorpha
1) Família Muscidae
Musca domestica: Acinzentada, com quatro faixas longitudinais negras no tórax, abdome amarelo e aparelho bucal
lambedor.
2) Família Calliphoridae: possui várias espécies causadoras de miíases, geralmente são de cor verde com reflexos azulmetálico.
a) Chrysomya sp: Cor verde/azul metálica com faixas transversais escuras no tórax e/ou abdome.
b) Cochliomyia hominivorax (varejeira): Cor azul/verde metálica com três faixas escuras longitudinais no tórax.
3) Família Cuterebridae: são moscas robustas de corpo piloso e com aparelho bucal atrofiado, uma vez que a alimentação e a
formação de reservas nutritivas ocorrem na fase larvária.
Dermatobia hominis: Robusta, tórax cinza-metálico e abdome azul-metálico, aparelho bucal atrofiado, patas e asas amarelas.
4) Família Sarcophagidae: são moscas de médias a grandes, de cor acizentada, com três faixas longitudinais negras no tórax e
abdome axadrezado.
Sarcophagidae: Cor cinza, com quatro faixas longitudinais negras no tórax, abdome axadrezado. São larvíparas.
Prática nº 3 Subordem Nematocera
1) Família Culicidae: Nessa família estão presentes os verdadeiros mosquitos ou pernilongos. Apenas as fêmeas são
hematófagas, todos se criam em água e são holometábolos. O dimorfismo sexual é nítido: os machos possuem as
antenas plumosas e palpo longo, já nas fêmeas, as antenas são pilosas com palpo curto.
Macho
Fêmea
Aedes aegypti: é o principal transmissor da Dengue e da Febre Amarela urbana. Esse mosquito tem como criadouro água limpa
presente em pneus, latas, vasos, piscinas abandonadas, caixas d`água destampada ou mal tampadas. Pica preferencialmente
durante o dia, dentro das casas. As fêmeas depositam os ovos na parede do recipiente e estes podem sobreviver até um ano fora
da água. Mosquito de cor escura , com nítida marcação prateada no tórax, em forma de lira. Apresenta manchas brancas nas
patas (Lam. 12 e 13).
Culex sp: é uma espécie que ocorre no mundo todo, sendo um grande pertubador do repouso noturno, pois pica à noite,
especialmente entre 22:00 horas da noite 02:00 da madrugada.Tem como criadouros preferenciais água rica em matéria
orgânica, como esgotos. Os ovos são marrons, colocados em cima da água justapostos, formando uma jangada. O corpo é
marrom claro e não possui manchas nas patas (Lam. 14).
Prática nº 4 Ordem Siphonaptera
As pulgas são insetos comprimidos lateralmente, com aparelho bucal picador-sugador, ambos os sexos se alimentam de sangue
de aves e mamíferos. São insetos saltadores apresentando pernas longas e coxas grandemente dilatadas. Na ordem Siphonaptera
estão incluídos os insetos vulgarmente conhecidos como pulgas e bichos-de-pé.
Pulex irritans: apresenta a mesopleura não dividida e apenas uma longa cerda na região pós-antenal. Nas fêmeas, a espermateca
apresenta-se transparente, com o corpo globoso. (Lam. 11)
Xenopsylla cheopis: apresenta a mesopleura dividida e duas fileiras de cerdas em forma de V na região pós-antenal. Nas
fêmeas, a espermateca é pigmentada e o corpo globoso. (Lam. 19)
Ctenocephalides felis: apresenta a mesopleura dividida e um ctenídio (pente) na cabeça e no tórax. As fêmeas exibem
espermateca transparente, com o corpo globoso. (Lam. 15)
Tunga penetrans: é a menor espécie de pulga conhecida, medindo apenas 1mm de comprimento. Segmentos torácicos
reduzidos, presença de lacínia serrilhada. A fêmea penetra na pele do hospedeiro, transformando-se no bicho-de-pé.
Prática nº 5 Ordem Anoplura
Os anopluros são insetos de metamorfose incompleta (paurometábolos). Os piolhos sugadores são geralmente parasitos de
mamíferos. São pragas irritantes e alguns importantes vetores de doenças. Os anopluros tiveram grande importância na
antiguidade e durante as guerras como causadores e vetores de doenças. As espécies de maior interesse, ligadas diretamente ao
homem, são: Pediculus humanus, Pediculus capitis e Pthirus pubis, vulgarmente conhecidos por piolhos e chatos. Uma
característica dos anopluros é apresentar pernas fortes com uma garra na extremidade dos tarsos.
Pediculus capitis: tórax mais estreito que o abdome, presença de garras nas patas. (Lam.16)
Helmintos
Prática nº 6 Esquistossomose mansônica
A esquistossomose é uma doença crônica e debilitante que atinge aproximadamente 200 milhões de pessoas em todo o mundo,
produzindo cerca de 500 mil mortes anualmente. No Brasil, apenas a espécie S. mansoni se estabeleceu, provavelmente por
encontrar hospedeiro suscetível para completar seu ciclo (caramujos do gênero Biomphalaria). A esquistossomose mansoni é
uma das endemias de importância médica na nossa área, apresentando mais de 8 milhões de pessoas infectadas em todo o
Brasil.
Casal adulto de Shistosoma mansoni: casal de vermes adultos, que vivem acasalados dentro dos vasos componentes do sistema
porta (vasos da veia mesentérica inferior), vendo-se a fêmea com parte dentro do canal ginecóforo do macho. O macho mede
cerca de 1,0 cm de comprimento, enquanto a fêmea mede cerca de 1,5 cm. (Lam. 23)
Granuloma hepático e intestinal. Reação inflamatória circular em torno do ovo. (Lam. 25 e 26)
Ovo de S. mansoni: observar o tamanho, a forma, a localização do espículo e a presença da larva (miracídio) no seu interior.
Cercaria: a larva de S. mansoni, infectante para o homem é denominada cercaria. Apresenta basicamente as seguintes
características: (Lam. 24)
 Cauda cilíndrica, alongada, bifurcando na extremidade final.
 Glândulas de adesão e de penetração.
Hospedeiros intermediários: São moluscos de água doce, pertencentes ao gênero Biomphalaria,
conhecidos como planorbídeos e, popularmente, como caramujos. Esses moluscos têm a concha em
espiral, com as voltas ou giros no mesmo plano e, por isso, recebem a denominação de planorbídeo. Os
caramujos planorbídeos criam-se e vivem na água doce de corrégos, riachos, valas, alagados, brejos,
açudes, represas ou outros locais onde haja pouca correnteza.. Das várias espécies de caramujos existentes
em nosso meio, três mostraram-se capazes de infectar-se com o S. mansoni: Biomphalaria tenagophila, B.
glabrata e B. straminea.
Prática nº 7 Teníase
Compreende animais de corpo geralmente em forma de fita, segmentado e provido anteriormente de um órgão de fixação
(escólex), com estruturas adesivas de vários tipos. Em seguida possuem o colo ou pescoço que é o órgão de crescimento do
parasito. O corpo é chamado de estróbilo e é composto pela união de proglotes. Estas podem ser de três tipos: jovens, maduras
e grávidas. São todos parasitos obrigatórios, não possuem tubo digestivo e possuem um aparelho reprodutor muito
desenvolvido. São hermafroditas.
Cisticerco de Taenia solium (Cysticercus cellulosae)
Observar: Rostro armado de ganchos, localizado entre as quatro ventosas. (Lam. 10)
Cisticerco de Taenia saginata (Cysticecus bovis)
Observar: Não apresenta rostro armado de ganchos entre as quatro ventosas. (Lam. 10)
Prática nº 8 Estrongiloidíase
Na estrongiloidíase humana, larvas rabditóides de S. stercoralis são eliminadas nas fezes das pessoas infectadas. A fase
infectante é a larva filarióide (L3), que penetra ativamente pela pele do homem, e após uma migração pulmonar, se estabelece
no intestino delgado (região do duodeno e jejuno) onde se desenvolve até o estágio de fêmeas partenogenéticas.
Larva filarióide: Observar a cauda bifurcada, esôfago ocupando metade do corpo.
(Lam. 28)
Larva rabditóide: observar a cauda afilada, granulações no corpo, esôfago dilatado ocupando um terço do corpo. (Lam. 29)
Prática nº 9 Ancilostomíase e Necatoríase
Essas duas espécies se assemelham muito, especialmente no que se refere ao ciclo biológico, à patogenia, à epidemiologia e à
profilaxia, sendo dois helmintos de enorme importância em saúde pública. Esses parasitos vivem presos à mucosa duodenal
pela cápsula bucal, que apresenta uma diferença entre as duas espécies: em A.duodenale cápsula é munida de dentes, enquanto
em N. americanus a cápsula contém placas cortantes.
Ancylostoma caninum: Verme adulto – observar a presença de cápsula bucal com dois pares de dentes. Em algumas lâminas
contém um verme macho onde pode ser observado a presença de bolsa copuladora na extremidade posterior. (Lam. 30 e 31)
Ancylostoma duodenale: Verme adulto – observar a presença de cápsula bucal com um par de dentes. Em algumas lâminas
contém um verme macho onde pode ser observado a presença de bolsa copuladora na extremidade posterior. (Lam. 30 e 31)
Prática nº 10 Enterobiose
Os vermes adultos são pequenos, medindo cerca de um centímetro de comprimento e vivem no ceco; as fêmeas grávidas são
encontradas na região perianal. Os ovos usualmente não saem junto com as fezes, pois as fêmeas grávidas os elimina ao nível
do ânus, razão pela qual os ovos podem ser encontrados nessa área ou nas roupas de dormir.
Enterobius vermiculares: Na região anterior do verme, observar a asa cefálica, (prolongamento cuticular). As regiões mediana e
posterior das fêmeas encontram-se repletas de ovos. Os machos são menores e com a extremidade posterior recurvada. ( Lam.
22)
Prática nº 11 Ascaridiose
O Ascaris lumbricoides, é um parasito de distribuição cosmopolita, vulgarmente denominado lombriga, sendo o maior
nematódio intestinal do homem.
Ascaris lumbricoides: de coloração amarelo-rosada, o verme adulto macho é pouco menor do que a fêmea, medindo de 15 a 30
cm de comprimento por uma largura máxima de 4mm; tem a extremidade posterior afilada e encurvada ventralmente sob a
forma de gancho. A fêmea mede de 35 a 40 cm de comprimento comlargura máxima; apresenta a extremidade posterior cônica
e retilínea, o que facilmente a distingue do macho.
Protozoários
Prática nº 12 Amebíase
A Entamoeba. histolytica é uma ameba encontrada praticamente em todos os países do mundo. Ela é mais comum nas regiões
tropicais e subtropicais, não só devido às condições climáticas, mas principalmente devido às precárias condições sanitárias e
ao baixo nível socioeconômico das populações que vivem nessas regiões.
Trofozoíto: forma evolutiva, em geral arredondada, com diferenciação entre o endo e ectoplasma. Núcleo bem visível com um
cariossoma central. (Lam. 7)
Giardíase
A Giardia lamblia é um parasito cosmopolita que atinge ambos os sexos, sendo mais comum em grupos etários inferiores a 10
anos. A OMS estima que ocorre mais de 200 milhões de casos anuais de giardíase na África, Ásia e América Latina. No Brasil,
o último levantamento multicêntrico das parasitoses intestinais, em 1988, revelou a prevalência de 28,5% em escolares com
faixa etária entre 7 a 14 anos, sendo este também o principal parasito em indivíduos de renda familiar média e alta.
Trofozoíto: possui forma de pêra, apresentando a extremidade anterior dilatada e a posterior afilada. Na superfície ventral
encontra-se de cada lado o disco suctorial, com função de fixação do parasito às células epiteliais. Possui dois núcleos ovóides,
próximos aos quais saem oito flagelos. (Lam. 6)
Prática nº 13 Leishmaniose
Existem duas formas básicas de leishmaniose: a leishmaniose tegumentar, que atinge a pele do paciente e a leishmaniose
visceral, que atinge as vísceras do paciente, isto é, o baço, o fígado e a medula óssea. Essas duas formas podem apresentar
variáveis clínicas e epidemiológicas.
Amastígota - Leishmania sp: forma arredondada ou oval com flagelo que não se exterioriza. Aparece no microscópio em
grupos dentro de macrófagos ou livres pelo rompimento do macrófago durante a execução do esfregaço. No seu interior vemos
o núcleo grande e corado em vermelho, além da presença de vacúolos no citoplasma. É a forma evolutiva presente no homem e
no cão. (Lam. 4).
Amastígota
Promastígota- Leishmania sp.: forma alongada com cinetoplasto (em forma de bastão) localizado entre o núcleo e a
extremidade anterior do flagelo. Flagelo longo. É a forma inoculada durante a picada do flebótomo (Lam. 5).
Lutzomyia sp. : é o vetor da leismaniose. Possui o corpo densamente coberto por pêlos finos. A cabeça forma um ângulo de
cerca de 90o com o eixo longitudinal do tórax. Quando vivos as asas são mantidas em posição semi-ereta. As pernas são
compridas e esbeltas. Extremidade posterior do abdome é bem diferenciada – nos machos é bifurcada e nas fêmeas é pontuda
ou ligeiramente arredondada.
Fêmea - Extremidade do abdome arredondada
Macho – abdome com uma terminália bifurcada
MACHO
FÊMEA
Prática nº 14 Doença de Chagas
A doença de Chagas é uma antropozoonose característica do continente americano, em especial da América Latina, descoberta
em 1909 pelo médico e cientista brasileiro Dr. Carlos Ribeiro Justiniano das Chagas. Integrante da valorosa equipe de Oswaldo
Cruz, Carlos Chagas dedicou-se desde 1903 ao estudo da protozoologia, especialmente da malária. Mas foi em 1909 que
Chagas detecta o flagelado Trypanosoma cruzi no esfregaço de sangue de uma criancinha febril de dois anos de idade –
Berenice.
Amastigota: observar o ninho de amastígotas entre as fibras musculares do coração. (Lam. 1)
Epimastígota: forma alongada com cinetoplasto justanuclear e anterior ao núcleo. Encontrada predominantemente no intestino
do barbeiro.(Lam. 2)
Tripomatígota: forma alongada com cinetoplasto posterior ao núcleo e flagelo com uma extensa membrana ondulante. Pode ser
encontrada no sangue do hospedeiro vertebrado ou nas fezes do vetor (tripomastígota metacíclica, infectante). (Lam. 3).
Prática nº 15 Toxoplasmose
O Toxoplasma gondii é um protozoário parasita intestinal de felinos com uma grande gama de hospedeiros intermediários,
animais de sangue quente, incluindo o homem. O nome toxoplasma (toxon = arco, plasma = forma) é derivado de sua forma em
crescente da fase mais comumente observada.
Taquizoíto: apresenta-se com uma forma de banana ou meia-lua, com uma das extremidades mais afilada e a outra
arredondada., com o núcleo central e corado em vermelho. Forma encontrada na fase aguda, nos líquidos corporais (sangue,
leite, saliva) (Lam. 8).
Taquizoítos
Bradizoíto (cisto): observar o cisto repleto de bradizoítos, que se encontra em um corte de cérebro. É a forma encontrada em
vários tecidos , geralmente na fase crônica. (Lam. 9)
Cisto com bradizoítos
Prática nº 16 Hemípteros
Nessa ordem serão mostrados duas famílias, isto é, Reduviidae, onde estão os “barbeiros” e Cimicidae, onde se encontram os
“percevejos”. Os mais importantes são os barbeiros, pois são os transmissores do Trypanosoma cruzi, agente da doença de
Chagas.
Observar o inseto de perfil, para se identificar o hábito alimentar:
 Se a probóscida (aparelho bucal) for longa ( ultrapassar o primeiro par de patas) e reta, é um FITÓFAGO ( se alimenta de
seiva de plantas).
 Se a probóscida for curta (não ultrapassar o primeiro par de patas) e curva, é um PREDADOR (se alimenta de outros insetos)
 Se a probóscida for curta e reta, é um HEMATÓFAGO (ingere sangue), podendo ser transmissor.
Para identificar o gênero dos hematófagos, observa-se a implantação das antenas:
 Se as antenas estiverem implantadas junto dos olhos, pertencerá ao gênero Panstrongylus..
 Se as antenas estiverem entre os olhos e a ponta da cabeça, é do gênero Triatoma:
 Se as antenas estiverem implantadas na ponta da cabeça, é do gênero Rhodnius.
.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards