PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA
ESTADO DE MINAS GERAIS
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/SEÇÃO DE ENSINO FORMAL
Centro de Formação Pedagógica - CENFOP
CONHECENDO O MUNICÍPIO DE IPATINGA
GEOGRAFIA:
Área - 165,509 km²
População - 244.508 hab. (MG: 10º) – est. IBGE/2009
Densidade - 1.447,3 hab./km²
Indicadores:
IDH- 0,806 elevado PNUD/2000
PIB - R$ 5 509 973 mil (BR: 71º) - IBGE/2007
PIB per capita - R$ 23.113,00 IBGE/2007
Relevo
Topografia:
Plano: 55%
Ondulado: 30%
Montanhoso: 15%
Altitude: 220 metros acima do nível do mar
Máxima: Serra dos Cocais: 1.163m
Mínima: Foz do Rio Piracicaba: 200m
Clima - Tropical subquente e subseco
Temperatura:
Média Anual: 23º C.
Máxima (verão): 35º C.
Mínima (inverno): 7,6º C.
Umidade relativa do ar :
Inverno: 78,2%
Verão: 84,0%
Regime pluviométrico:
Regime Unimodal: 166,5 Km2,
Precipitação Mensal: 343,6 mm (verão).
A geografia de Ipatinga é homogênea. O município conta com um relevo plano e uma
vegetação atlântica. A área do município é de 165,509 km², representando 0,0282% do
território mineiro, 0,0179 da área da região Sudeste do Brasil e 0,0019% de todo o
território brasileiro.[ Localiza-se na região leste do estado de Minas Gerais, entre os rios
Piracicaba, Doce e tendo a sub-bacia do Ribeirão Ipanema papel importante em sua
configuração. A cidade tem a altitude média de 250 metros. O ponto culminante do
município está na Serra dos Cocais, que mede 1.163 metros, próximo a divisa com
Coronel Fabriciano. A altitude mínima se encontra na foz do Rio Piracicaba, com 235
metros.
No município, predomina um relevo variando entre montanhoso e plano. Cerca de 55%
do território ipatinguense é plano, 30% das terras são de mares de morros e nos 15%
restantes o terreno é montanhoso . Grande parte do relevo montanhoso está na Serra
dos Cocais.
HIDROGRAFIA:
Principais rios:Rio Piracicaba, Rio Doce e Ribeirão Ipanema (nasce e deságua dentro
do município)
O município está localizado no exato local onde o Rio Piracicaba encontra-se com o
Rio Doce. A cidade de Ipatinga ainda é cortada pelo Ribeirão Ipanema, que nasce e
deságua em seu território.
Rio Piracicaba: Nasce na Serra do Caraça em Ouro Preto, é afluente da margem
esquerda do Rio Doce. Rio que abriga a Usina Hidrelétrica de Guilman Amorin, que
atende à Companhia BElgo Mineira / Samarco Mineração. O Rio Piracicaba banha o
município em sua porção leste, margeando Ipatinga iniciando seu trajeto junto ao Bairro
Imbaúbas, contornando o Bairro Bom Retiro, Bela Vista, Bairro das águas, Bairro Cariru
e Bairro Castelo e logo a frente se encontra com o Rio Doce que logo em seguida
recebe as águas do Ribeirão Ipanema.
Ribeirão Ipanema:
Nasce nos pontos mais altos do Ipaneminha e vêm ao longo do seu percurso
recebendo águas dos córregos e nascentes. Em alguns pontos formam belíssimas
cachoeiras. E deságua após o encontro do Rio Piracicaba com Rio Doce, próximo ao
Bairro Castelo..
O Ribeirão Ipanema recebe suas primeiras águas das nascentes do Ipanemão (nome
popular dado às partes mais altas do Ipaneminha). No início de seu curso recebe
águas das primeiras fontes que jorram em abundância, mais a frente recebe águas do
Córrego dos Lúcios, Córrego dos Becas, Córrego do Ipaneminha, Córrego Tribuna,
Ribeirão Pedra Branca, Córrego Rosário, Córrego Morro Escuro, Córrego Taúbas,
Córrego Santa Cruz, Córrego Limoeiro, Córrego Furquilha, Córrego Bom Jardim.
Atualmente o ribeirão sofre gravemente com a degradação ambiental, principalmente
com o despejo de lixo e esgoto ao longo de seu curso, assoreamento das margens,
poluição hídrica com esgotos domésticos e de pequenas indústrias, oficinas ou
matadouros, extinção da biodiversidade local e erosão. Para evitar esse problema, a
prefeitura fez plantio de mudas de plantas ao longo de áreas críticas ( recomposição da
mata ciliar).
Em diversos pontos do município observa-se a formação de lagoas naturais e fontes
(subterrâneas e superficiais) águas que também chegam até o Ribeirão ipanema.
A Usiminas ocupa uma área privilegiada, dentro do espaço reservado o parque
industrial da Usiminas há uma grande lagoa que recebeu o nome de Lagoa da Anta.
A área Rural de Ipatinga e áreas próximas aos Cursos D’águas encontra-se nos limites
da APA ( área de Preservação Ambiental). Este espaço encontra-se preservado contra
o desmatamento, principalmente para manutenção da mata nativa e proteção dos
mananciais, consequentemente ainda é possível encontrar alguns animais silvestres
nestas áreas.
APA IPANEMA
Objetivos:
I - assegurar a proteção dos recursos naturais locais;
II – promover a melhoria da qualidade de vida das comunidades integrantes da área;
III – estabelecer critérios de uso e ocupação de região;
IV – proteger a bacia de drenagem do ribeirão Ipanema pelo ordenamento
A APA IPANEMA é comporta por uma área de 74 Km².(Observe o mapa
hidrográfico/vegetação do Município de Ipatinga em seu contorno rosado).
Ipatinga está localizada na microrregião Siderúrgica de Minas Gerais (o maior pólo
siderúrgico da América Latina) abrange parte da bacia do Rio Doce (Rio Piracicaba e
Ribeirão Ipanema). A Bacia do rio Doce e principais afluentes, no entorno do Parque
Estadual do Rio Doce (PERD), é dominada por silvicultura intensiva e por áreas de
pastos. Nessa região existem ainda três grandes concentrações industriais a saber:
Monlevade, Acesita, Ipatinga (Usiminas) e Cenibra (Cia Vale do Rio Doce). Extraído de
Barbosa et al. (2000).
BACIA DO RIO DOCE
CLIMA:
O clima de Ipatinga é tropical, podendo nos pontos mais altos apresentar
características típicas de clima tropical de altitude, com diminuição de chuvas no
inverno e temperatura média anual de 21,6°C, tendo invernos secos e amenos
(raramente frios) e verões chuvosos com temperaturas moderadamente altas. Os
mêses mais quentes, fevereiro e março, tem temperatura média de 29,2°C e o mês
mais frio, julho, de 11,5°C. Outono e primavera são estações de transição.
A precipitação média anual é de 1254,9 mm, sendo julho o mês mais seco, quando
ocorrem apenas 11,4 mm. Em dezembro, o mês mais chuvoso, a média fica em
257,1mm. Nos últimos anos, entretanto, os dias quentes e secos durante o inverno têm
sido cada vez mais frequentes, não raro ultrapassando a marca dos 30°C
especialmente entre os meses de julho e setembro. Durante a época das secas e em
longos veranicos em pleno período chuvoso, também são comuns registros de fumaça
de queimadas em morros e matagais. Principalmente na zona rural da cidade. Em
agosto de 2004, a precipitação de chuva não passou dos 0 mm. Os índices de URA
(Umidade relativa do ar) ficam entre 78,2% no inverno a 84% no Verão. A média anual
de precipitações fica em torno de 1260mm.
A temperatura mínima já registrada na cidade foi de 9 °C no dia 8 de agosto de 1961. A
máxima registrada foi de 40 °C, nos dias 8 de fevereiro do ano de 2006 e em 1º de
novembro de 2007. O maior acumulado de chuva em menos de 24 horas foi de
110 mm registrados em 13 de dezembro de 2004 e 22 de setembro de 2009.
Tempestades de granizo também não são comuns na cidade, uma das piores ocorreu
em 4 de setembro de 2006. Nevoeiros são comuns durante os meses frios.
Temperatura e precipitação média de Ipatinga
Mês
Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez
Ano
Temperatura
média °C
23,6
23,9
23,9
22,1
20,2
18,7
18,1
18,8
20,6
22,2
22,9
23,2
21,6
Mínima
temperatura
média °C
18,3
18,5
18,5
16,7
14,3
12,4
11,5
12,5
14,5
16,9
18
18,3
15,9
Máxima
temperatura
média °C
29
29,2
29,2
27,6
26,1
25,1
24,8
26
26,7
27,4
27,8
28
27,2
Precipitação
média mm
200,5
130 152,2 81,5
29,8
14
11,4
17
47
112,8 201,3 257,1
VEGETAÇÃO:
Nativa: A vegetação nativa do município pertence ao domínio florestal Atlântico onde
se destacam árvores como o Jequitibá-rosa, a Sapucaia, o Jacarandá-caviuna, a
Braúna e o Palmito-doce
Exótica: Em função das atividades siderúrgicas e da produção de celulose, grande
parte da cobertura vegetal nativa foi destruída, dando lugar às plantações de eucalipto.
1254,9
FLORA:
A cidade possui uma Legislação Ambiental que diz que é de total responsabilidade do
município proteger a fauna e a flora local existentes nos logradouros públicos, cabendo
somente a ele o controle de suas populações, em atuação coordenada com órgãos
federais e estaduais que direta ou indiretamente exerçam tais atribuições. Cerca de
26,8% das matas existentes em território ipatinguense são naturais e 15,9% artificiais.
Como Ipatinga fica localizada no país de maior biodiversidade do planeta, é fácil
encontrar diversas aves, peixes, e insetos, que dificilmente se encontra em outro país
do mundo, já que uma entre cada cinco espécies encontram-se no Brasil. A vegetação
nativa do município pertence ao domínio florestal Atlântico (Mata Atlântica), onde se
destacam-se árvores como o Jequitibá-rosa (Cariniana legalis), a Sapucaia (Lecythis
pisonis), o Jacarandá-caviuna (Dalbergia nigra), a Braúna (Schinopsis brasiliensis) e o
Palmito-doce (Euterpe edulis). Porém, devido a exploração nos períodos colonial e
imperial e, atualmente com as atividades siderúrgicas e da produção de celulose para
as grandes empresas da cidade e da região, grande parte da cobertura vegetal nativa
foi destruída, dando lugar às grandes plantações de eucalipto.
FAUNA:
Na fauna ipatinguense é comum observar animais típicos de sua vegetação nativa,
como o Gato-do-mato (Leopardus tigrinus), Tatu (Chlamyphorus), Paca (Cuniculus
paca), Raposa (Vulpes), Rato silvestre (Microtus arvalis), Sabiá-laranjeira (Turdus
rufiventris), Sanhaço (Thraupidae), Tico-tico (Zonotrichia capensis), Rolinha
(Columbinae), Saíra (Schinus terebinthifolia), Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus), além de
algumas espécies de aves de rapina, dentre outros.
CONTINUA...
Download

prefeitura municipal de ipatinga