contaminação do solo pela disposição incorreta de - ABES-RS

Propaganda
CONTAMINAÇÃO DO SOLO PELA DISPOSIÇÃO INCORRETA DE RESÍDUOS
SÓLIDOS EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP).
Nome Primeiro Autor –Melina Maschio. E-mail: [email protected] Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Sertão. Endereço: Capela Nossa Senhora das Graças, Interior, S/N. Cidade:
Sananduva CEP: 99840-000 Estado: RS.
Nome Segundo Autor –Juliana Fatima Loss. E-mail: [email protected] Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Sertão. Endereço: Avenida Jorge Alfredo Streit – 517; CEP: 99170-000 –
Cidade: Sertão – Estado: RS
Nome Terceiro Autor – Carlos André Pazinato. E-mail: [email protected] Instituto Federal de Educação, Ciência
e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Sertão. Endereço: Rua Jeonice Candido dos Santos- 100 CEP : 95055-057
Cidade: Caxias do Sul Estado: RS
Nome Quarto Autor – Franciéli Frank. E-mail: [email protected] Endereço: Avenida Ernesto Dorneles 520 CEP:
99170-000 – Cidade: Sertão – Estado: RS.
Nome Quinto Autor: Guilherme de Souza. E-mail: [email protected] Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Sertão. Endereço: Avenida Ernesto Dorneles 1207. CEP: 99170-000
Cidade: Sertão
Estado: RS
Nome Sexto Autor: Luiz Felipe Borges Martins / Docente; E-mail: [email protected] Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Endereço: Rodovia RS 135, Km 25 | Distrito Eng. Luiz Englert. CEP:
99170-000 Cidade: Sertão Estado: RS
Resumo: A existência de áreas onde se encontram altos índices de contaminantes é um grave problema para o meio
ambiente e práticas de recuperação de áreas degradadas se mostram alternativas imprescindíveis e cada vez mais regulares
para se obter tal objetivo, capacitando novamente a área a retomar seu potencial produtivo. Este trabalho buscou
diagnosticar uma área onde ocorre a disposição inadequada de resíduos sólidos, localizada no norte do Rio Grande do Sul.
Para a realização do trabalho foi necessário realizar o diagnóstico da situação ambiental encontrada no local por meio de
análises do solo para quantificação de metais como Manganês (Mn), Zinco (Zn), Cobre (Cu), Boro(B), Enxofre (S), Cadmio
(Cd), Chumbo (Pb), Cromo(Cr), Níquel(Ni) bem como análises básicas de solo. A metodologia utilizada foi de cunho
exploratório e descritivo, dispondo de meios como pesquisa documental, bibliográfica, levantamento de dados e pesquisas
de campo. Constatou-se a presença de contaminantes severos na área de estudo, e conclui-se que medidas de remediação
devem ser adotadas urgentemente para realização da revitalização e equilíbrio ambiental da área de estudo.
Palavras-chave: Contaminantes, Recuperação Ambiental, Diagnóstico.
ANALYSIS OF SOIL PARAMETERS IN AREA CONTAMINATED BY SOLID WASTE
Abstract: The existence of areas with high levels of contaminants is a serious problem for the environment and practices of
recovery are essential alternatives and show increasingly importance to achieve this goal , enabling the area again to
recover their productive potential. This study aimed to diagnose an area where the improper disposal of solid waste occurs,
located in the north of Rio Grande do Sul. It was necessary to make a diagnosis of environmental conditions found at the site
through soil analysis for quantification of metals such as manganese (Mn ) , zinc (Zn ), copper ( Cu) , boron (B ) , sulfur
( S) , cadmium (Cd) , lead (Pb), chromium (Cr) , nickel (Ni) and were conducted soil basic analysis. The methodology used
had exploratory and descriptive nature, having means as literature research, data collection and field research. Were found
the presence of severe contaminants in the study area, and it is concluded that remedial actions must be taken urgently to
perform the revitalization and environmental balance of the study area
Keywords: Contaminants Environmental Recovery, Diagnosis.
1. INTRODUÇÃO
A geração de resíduos é atualmente um dos maiores problemas enfrentados pela civilização moderna, a falta de
locais para a sua disposição e técnicas que apresentam valores cada vez mais elevados para seu tratamento são cada vez mais
difíceis de serem implementadas (BARREIRA, 2005).
As agressões ao meio ambiente, cujos danos são na maioria das vezes irreparáveis, ganha relevância a grande
quantidade de resíduos gerados nos centros urbanos. São toneladas de lixo que na maioria das vezes não têm destino
adequado, tornando-se, por conseguinte, um dos grandes problemas enfrentados pela sociedade dos dias correntes (MORAIS,
2006), e a geração de resíduos sólidos é atualmente um dos maiores problemas, a falta de locais para a disposição representa
um risco á saúde pública e ao meio ambiente, sendo necessário adotar medidas para gerenciar o destino final dos resíduos
sólidos (BRINGHENTI, 2004).
O Cd pode ser encontrado em resíduos de cimento, lixo municipal e de esgoto, sendo importante fonte de
contaminação do solo. O chumbo no solo é influenciado por atividades antropogênicas e pelo transporte do metal através do
ar, oriundo de varias fontes (ROESE, 2008).
Os metais se diferenciam dos poluentes orgânicos por serem não degradáveis podendo se acumular nos diversos
influenciando em sua toxicidade (ROSA et al., 2012). O entendimento destes fenômenos é fundamental o conhecimento e a
compreensão da química da solução do solo (MOURA, 2006).
A contaminação e/ou poluição do solo por estes elementos deve ser avaliada não somente pela concentração
total, mas, sobretudo pela sua biodisponibilidade, sendo esta uma propriedade relacionada com a mobilidade no solo e
absorção pelas plantas (IWAI, 2012). A persistência dos metais no ambiente garante os efeitos ao longo do tempo ou de longo
prazo mesmo depois de interrompidas as emissões (ROSA et al., 2012). Em estudos de recuperação de áreas degradadas é
essencial considerar que a vida útil dos metais pesados no solo varia muito, e as etapas de remoção destes contaminantes
metálicos são complexas e muitas vezes inviável a ser executado (NOGUEIROL, 2008).
Os metais pesados formam o ultimo grupo de contaminantes de grande importância na poluição das águas. Seus
efeitos sobre a biota aquática e sobre os seres humanos são bastante variados, dependendo do tipo de metal e de sua
concentração no meio, e dentre os problemas causados pela disposição de resíduos sólidos, tem-se a disponibilidade de
metais tóxicos existentes nestas áreas, sendo considerados metais de menor risco o Magnésio (Mn) , Ferro (Fe), Alumínio
(Al),Cromo (Cr), Selênio (Se) , e de maior risco o Arsênio (As), Chumbo (Pb) , Mercúrio (Hg), Zinco (Zn), Cobre (Cu),
Níquel (Ni), Molibdênio (Mo) e Cadmio (Cd) (MIRANDA, 2010).
Os metais pesados como Pb, Hg, Cd, As, Cr, Zn e Manganês (Mn) , estão presentes em diversos tipos de
resíduos, como lâmpadas, pilhas galvânicas, baterias, restos de tintas, componentes eletrônicos, óleos lubrificantes entre
outros (MARQUES, 2011). Entre os metais pesados mais estudados, encontram-se elementos não essenciais para os vegetais,
como o Pb, Cd e Cr, e os micronutrientes Cu, Zn e Ni (MIRANDA, 2010).
Segundo Stipp & Stipp (2004) o diagnóstico ambiental é um instrumento fundamental na investigação
interdisciplinar que auxilia no aprofundamento do conhecimento científico. É uma investigação imprescindível face à
degradação ambiental imposta a Terra pela ação antrópica. Dessa forma propõe-se uma pesquisa qualitativa, para descobrir
quais as características locais mais relevantes, para atenuar a eventual contaminação, sem implicar agravos ao meio ambiente
e resguardando a saúde pública (IWAI, 2012).
No estudo da degradação ambiental é necessário conhecer as relações entre os elementos que constituem o meio
natural, entender os processos, fenômenos e comportamentos do meio físico relacionados com as interferências das ações
humanas (PONS, 2006).
Devido ao grande aumento no interesse público pela proteção do meio ambiente atualmente, torna-se necessário
o correto entendimento dos conceitos relacionados à recuperação de áreas degradadas (REIS, 2010). Indubitavelmente os
resíduos sólidos se apresentam como grandes problemas como a degradação ambiental e impactam diretamente a qualidade
de vida, ensejando a intervenção do poder público em sua gestão (GUERRA, 2012).
Para a reabilitação de ambientes degradados deve-se buscar um pleno conhecimento da funcionalidade do
ecossistema local, bem como suas necessidades e demandas. Assim como identificar e entender as causas da degradação com
a intenção de buscar causas para que elas possam ser sanadas, e se buscar técnicas para que se possa revertê-las.
Como formas de identificação dos possíveis poluentes, é preciso fazer um diagnóstico detalhado do que é
encontrado no solo, os tipos de dejetos sólidos poluentes, os tipos de contaminantes presentes no solo e seus danos ao meio
ambiente. E em virtude do exposto, esse trabalho foi desenvolvido em uma área de disposição irregular de resíduos sólidos,
nas proximidades do município de Sertão, norte do RS.
O problema dos resíduos traz várias consequências para o meio ambiente. Portanto, pensar em alternativas como
diagnosticar o local, onde são dispostos resíduos irregularmente, sem dúvida, ajuda a minimizar o problema.
2.MATERIAL E MÉTODOS
A área estudada se localiza no município de Sertão – Rio Grande do Sul, localizado na região norte do estado,
com área de 439 km², estando situada em Área de Preservação Permanente (APP), com a presença de dois riachos no local,
os mesmos foram caracterizados por Riacho 1 e Riacho 2.
O município não possui sistema de coleta seletiva, para sanar este problema são buscadas alternativas para a
destinação do lixo gerado, contendo um plano de gerenciamento de resíduos em andamento, com pretensões de sanar esta
necessidade.
Quanto à tipologia da metodologia, optou-se por realizar inicialmente uma pesquisa bibliográfica, visando obter
informações e conhecimento, juntamente com atividades realizadas em campo, na área de estudo, para análise das
características do local. Durante visitas investigativas, pôde-se evidenciar a disposição incorreta de resíduos na área de estudo
(Figura 1).
Figura 1. Identificação da presença de resíduos sólidos na área de estudo. Fonte: Autor do trabalho.
Para elaborar um diagnóstico ambiental do local de estudo, na primeira etapa foram realizadas visitas técnicas ao
local de estudo no intuito de coletar amostras de solo. Para estas análises foram coletadas amostras de solo em seis pontos
aleatórios no percurso do riacho, desde a nascente até o final da vegetação como pode se observar na Figura 2. Nas amostras
de solo coletadas foram realizadas análises dos atributos físico-químicos, dos metais tóxicos (Cd, Pb, Cr e Ni) segundo
metodologia descrita por Tedesco et al. (1995).
Figura 2. Pontos de coleta de amostras de solo no percurso do riacho, no município de Sertão-RS. Fonte: Google
Earth (2013).
3.RESULTADOS E DISCUSSÕES
Os resultados obtidos através das analises de solo no percurso do riacho 1, são apresentados abaixo (Tabelas 1, 2
e 3).
Tabela 1: Análise de micronutrientes + enxofre nas amostras de solo coletadas no percurso do riacho do
município de Sertão-RS.
Pontos de
Enxofre
Boro(B)
Manganês (Mn)
Zinco( Zn)
Cobre(Cu)
3
......................................................mg/dm .............................................................
coletas
P-1
32,0
0,3
12,0
9,60
15,63
P-2
9,0
0,6
21,2
9,60
13,88
Para os parâmetros, Mn, Zn, Cu, B e S constataram-se valores altos em ambos os pontos de coleta de solo
comparando com a Comissão de Química e Fertilidade do Solo (CQFS-RS/SC, 2004). O que indica que há concentrações
acima do teor permitido causando a contaminação de ambos os pontos de coletas.
Concentrações fitotóxicas de Cu e Zn nos solos são mais prováveis em locais que receberam resíduos com alta
concentração de Cu e Zn como lodo de esgoto, resíduos de indústrias de fundição e de suinícolas.
Já o enxofre está presente em moléculas orgânicas, que ao se decomporem anaerobicamente, são responsáveis
pela emissão de compostos gasosos que contem enxofre em sua estrutura, originando odor desagradável (ROSA et al, 2012).
Tabela 2. Teores de metais tóxicos no solo das amostras coletadas no percurso do riacho 1 do município de
Sertão-RS, 2013
Cd (1)
Pb (1)
Cr (2)
Ni (1)
Amostras
............................................mg/kg.........................................................
P-3
2,73
0,0
94,25
82,18
P-4
2,73
0,0
84,32
84,67
P-5
P-6
2,73
2,73
0,0
0,0
54,56
79,36
84,67
82,18
U
Elemento altamente tóxico, o Cd pode ser encontrado na forma iônica em pigmento de plásticos coloridos, bem
como em monitores de TV. As diversas formas de lançamento de Cd no meio ambiente podem resultar em efeitos da
intoxicação prejudicais a saúde humana como a atividade catalítica importante para a manutenção de um organismo sadio
(ROSA et al., 2012).
Analisando os resultados, pode-se observar que a maioria dos contaminantes são encontrados em valores
superiores ao permitido pela legislação, sejam eles metais ou metais pesados. A título de comparação optou-se por utilizar os
valores orientados para solos e para águas subterrâneas da (CETESB, 2005).
Todos os resultados demonstram que os níveis de metais estão superiores aos recomendados. Os resultados
referentes ao Cádmio, que apresentam referência de qualidade deve ser <0,5 e na área de estudo foi encontrado 2,73 mg/kg.
Outro elemento que possui nível bastante alterado é o cromo, sendo o valor de referência de qualidade, conforme CETESB
(2005) de 40 mg/kg, enquanto na área encontrou-se no P-3 valor superior a 90 mg/kg.
Uma das maiores dificuldades do uso de métodos químicos para diagnosticar o Cr no solo está no preparo das
amostras para a análise. Como o Cr é altamente influenciado pelo potencial de oxirredução do solo é aconselhável utilizar
amostras úmidas para quantificação do Cr prontamente disponível (Cr VI). A matéria orgânica no solo é, provavelmente, o
principal agente redutor na superfície do solo (ROSA et al., 2012).
Tabela 3. Resultado da análise básica de solo (P-1 e P-2) no município de Sertão-RS.
Parâmetros
Unidade
P-1
Argila
%
19,5
pH H2O
5,6
Ind SMP
6,0
3
P
mg/dm
4,8
K
mg/dm3
537
MO
%
5,2
Al
Cmolc/dm3
0,0
Ca
Cmolc/dm3
6,2
Mg
Cmolc/dm3
2,5
3
H+Al
Cmolc/dm
4,4
CTC
Cmolc/dm3
14,5
Saturação
Bases
%
70
Al
%
0
k
%
9,5
P-2
40,7
5,9
6,1
6,0
632
3,2
0,0
7,4
3,4
3,9
15,5
75
0
6,0
Observando-se os resultados da MO do P-1 e P-2, percebe-se que no P-1 o índice de MO é considerado muito
bom, em relação ao P-2 onde a MO esta num nível médio, comparado com o valor indicado pela CQFS – RS/SC (2004).
Levando em consideração de que como a área em estudo não é utilizada para cultivo agrícola, utiliza-se como
referência o pH natural da unidade de mapeamento, sendo o solo classificado como um Nitossolo onde o pH natural é em
torno de 5 a 5,2.
Pela comparação com as recomendações de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de
Santa Catarina (2004), evidencia-se que tanto no P-1 com valor 5,6 e P-2 com valor 5,9, o pH tem um teor elevado, o que
indica que o pH solo de ambos os pontos possui a acidez levemente elevada.
Com relação ao P e ao K, as análises das amostras do P-1 e P-2, obtiveram como resultados para o P com teor
considerado médios para ambos os pontos. Já os valores dos resultados das amostras coletadas no P-1 e P-2 para K foram
considerados muito altos em ambos os pontos de coleta solo. Isso indica que há um teor mais elevado de K no local do de P,
comparados com os valores da CQFS/RS e SC, (2004).
O fósforo tem sua absorção controlada pelo pH da solução de solo, e quanto menor for o pH maior será a sua
absorção (ROCHA, 2011). O potássio é absorvido, principalmente, durante o estagio de crescimento vegetativo, isso
pressupõe a competição com a absorção de outros cátions. (ROCHA, 2011).
4. CONCLUSÕES
Os metais pesados têm uma grande utilidade prática em nosso cotidiano, pois são usados na fabricação de
utensílios, baterias e pilhas, por exemplo, porém apresentam alta toxicidade para a saúde humana e meio ambiente. O grande
problema do uso desses metais e demais componentes químicos é o descarte inadequado dos rejeitos, que muitas vezes são
descartados em qualquer espaço pela ação humana, sem considerar o entorno.
Nesse caso, a área utilizada para jogar esses diversos tipos de resíduos é uma área de preservação permanente.
Infelizmente a população perpetua o impacto ambiental da disposição incorreta de diversos tipos de resíduos, uma vez que a
área continua sendo utilizada diariamente para o descarte de resíduos sólidos. Após o estudo da área e os resultados das
amostras de solo coletadas in loco, foi observado que a mesma apresenta altas concentrações de metais, inclusive metais
pesados, sendo, portanto, imprópria para o uso humano. São necessárias ações urgentes de recuperação da área, para evitar a
perpetuidade destes impactos ambientais negativos.
REFERÊNCIAS
BARREIRA, L.P. Avaliação das usinas de compostagem do estado de São Paulo em função da qualidade dos compostos e
processos de produção. São Paulo, 2005. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6134/tde-08032006111308/pt-br.php. Acesso em: 14/10/2013.
BRINGHENTI, J. Coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos: aspectos operacionais e da participação da população. São
Paulo 2004.disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6134/tde.../JacquelineBringheti.pdf. Acesso em: 25/10/2013.
COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO - RS/SC. Manual de adubação e de calagem para os Estados do
Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo - Núcleo Regional Sul. Porto Alegre, 2004,
394p.
COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL - CETESB Decisão de diretoria nº 195-2005- E, de
23 de novembro de 2005. Dispõe sobre a aprovação dos Valores Orientadores para Solos e Águas Subterrâneas no Estado de
São Paulo – 2005, em substituição aos Valores Orientadores de 2001, e dá outras providências. Disponível em:
http://www.cetesb.sp.gov.br/Solo./relatorios/tabela_valores_2005.pdf. Acesso em:09/11/2013.
GUERRA, S. Resíduos sólidos: comentários à Lei 12.305/2010. Rio de Janeiro: Forense, 2012.p 75.
IWAI, C. K. Avaliação da qualidade das águas subterrâneas e do solo em áreas de disposição final de resíduos sólidos
urbanos em municípios de pequeno porte: aterro sanitário em valas. São Paulo. 2012. Disponível em:
www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/.../tde-24042012-092035/. Acesso em: 4/10/2013.
MARQUES, R.F.P.V. Impactos ambientais da disposição de resíduos sólidos urbanos no solo e na água superficial em três
municípios de Minas Gerais. Lavras: UFLA, 2011. Disponível em: http://bdtd.ufla.br/tde_busca/arquivo.php?
codArquivo=3607. Acesso em21/10/2013.
MIRANDA, V. S. Reabilitação de área degradada pela deposição de resíduos sólidos urbanos usando gramíneas
forrageiras. Diamantina, MG, 2010. Disponível em: http://acervo.ufvjm.edu.br:8080/jspui/bitstream/1/128/1/Disserta
%C3%A7ao_Vanessa_versao_final_corrigida_2010_%284%29.pdf. Acesso em: 20/10/2013.
MORAIS, G. M. D. Diagnóstico da deposição clandestina de resíduos de construção e demolição em bairros periféricos de
Uberlândia:
subsídios
para
uma
gestão
sustentável.
UFU.Uberlândia
2006.
Disponível
em:
http://www.webposgrad.propp.ufu.br/ppg/producao_anexos/009_Greiceana%20Marques%20Dias%20de%20Morais.pdf.
Acesso em: 05/11/2013.
MOURA, A.N. Remediação de áreas contaminantes com metais pesados utilizando Acidithiobacillus sp. São Paulo, 2006.
Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3147/tde-15032007-113057/en.php. Acesso em: 6/11/2013
NOGUEIROL,R.C. Extração sequencial e especiação de metais pesados, e emissão de gases do efeito estufa em neossolo
litólico contaminado em resíduo rico em Ba, Cu, Ni, Pb e Zn.
Piracicaba, 2008. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11140/tde.../Roberta_Nogueirol.pdf. Acesso em:
07/11/2013.
PONS, N.A.D. Levantamento e diagnóstico geológico-geotécnico de áreas degradadas na cidade de São Carlos – São Paulo,
2006. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/.../tde-26052006-145812/. Acesso em: 04/11/2013.
REIS, M. R. Recuperação de áreas degradadas como ferramenta da gestão ambiental. Rio de Janeiro, 2010
ROCHA, R. G. Avaliação biogeoquímica da contaminação do solo e água subterrânea na área do Parque Ecológico do Tietê,
Região
Metropolitana
de
São
Paulo
RMSP,
SP.
São
Paulo,2011.Disponívelem:www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44138/tde.../RGRcorrigida.pdf. Acesso em: 15/10/2013.
ROESE, F. M. Metais em água, solo e hortaliças produzidas na região urbana do município de Campo Grande, MS.
UFMGS.Campo Grande, 2008. Disponível em: https://sistemas.ufms.br/sigpos/portal/trabalhos/download/.../cursoId:33.
Acesso em: 28/10/2013.
ROSA, A. H. FRACETO, L. F. CARLOS, V. M. Meio ambiente e sustentabilidade. Porto Alegre: Bookman, 2012.
STIPP ,N.A. F; STIPP, M.E.F. Análise ambiental e, cidades de pequeno e médio porte. Geografia – Volume 13 – Numero 2.
Julho/ Dezembro, 2004. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/geografia/v13n2/2.pdf. Acesso em: 26/09/2013.
TEDESCO, M.J; GIANELO, C; BISSANI,C.A; BOHNEN,H; VOLKWEISS, S. J. Análise de solo, plantas e outros
materiais. Boletim técnico n°5 (2° ed. Revisada e ampliada). Departamento de solos Faculdade de Agronomia UFGR. Porto
Alegre, 1995.
Download