- Forma-te

Propaganda
CURSO T. DE ACÇÃO SOCIAL - SAÚDE E SOCORRISMO - 11º ANO – “DESEQUILÍBRIOS DE
SAÚDE”
4. Doenças infecciosas / Contagiosas
MENINGITE
Sob esta designação clínica, incluem-se habitualmente duas formais agudas:
1) Meningite asséptica, grupo de doenças de vírus (alguns autores consideram também outros
agentes de doenças específicas não víricas), com predomínio, nos casos diagnosticados laboratorialmente
nos E.U.A., de vírus Coxsackie B dos tipos 2, 3, 4, 5 (40 %), ECHO, 2, 5, 6, 7, 9, 10, 11, 14, 17, 18 (14%),
poliovírus (7%), trasorelho (6 %), caracterizada por sintomas de irritação meníngea, ausência de bactérias
no líquor (Líquido cefalorraquidiano) e presença de polinucleares no início, e linfócitos mais tarde;
2) Meningite cérebro-espinhal epidémica ou de meningococos, doença bacteriana exclusivamente do homem, mais comum nas zonas temperadas, mas frequente nos climas quentes, que aparece
sob a forma de casos esporádicos, de endemia e de epidemias. Tem incidência predominante nas crianças
até aos 4 anos de idade.
A meningite consiste numa infecção das meninges, as membranas que envolvem o cérebro. Se
não for tratada a tempo, pode danificar as meninges e o próprio cérebro de uma forma permanente,
podendo causar a morte.
Agente etiológico — Neisseria meningitides (meningococo), bactéria gram negativa, de que se conhecem
os grupos A, B, C e D (W135 e Y), antigenicamente diferentes, e de que o
A, ou I, se observa principalmente durante as epidemias. O grupo B, ou II,
é o mais frequente nos períodos inter-epidémicos e casos esporádicos. O
grupo C está a tornar-se frequente em algumas populações. O importante
a reter, em toda esta variedade do meningococo, é que não existe uma
única vacina para todas estas variantes. São portanto destituídas de
Neisseria
fundamento afirmações de que é possível com uma só vacina adquirir
meningitides
protecção contra todas as formas de DM. Por maioria de razão, também
não existe uma vacina contra todas as formas de meningite, uma vez
que esta infecção pode ser causada pelas variantes do meningococo, por outras bactérias e ainda por
vírus. Estas meningites virais «são doenças autolimitadas, mas que também requerem internamento
porque muitas vezes as crianças têm febre e vomitam, precisando de um apoio hidroelectrolítico para não
se desidratarem.
Período de incubação — Impreciso, de dois a dez dias.
Modo de infecção — O reservatório é o homem doente ou portador e o agente chega às vias respiratórias
1
superiores do novo hospedeiro por contacto directo ou por via aérea: gotículas do espirro e da tosse. A
transmissão indirecta, pela via dos artigos contaminados pelais secreções respiratórias das pessoas
infectadas, é rara, dada a fragilidade do germe. Não são conhecidos o grau e a duração da imunidade que
a doença confere. Os portadores não mantêm o germe por mais de três semanas, habitualmente.
Características — Na forma ordinária, a doença surge bruscamente, com febre alta, sintomas meníngeos,
[rigidez da nuca, mal-estar e vómitos, e, algumas vezes, rash petequial (
petéquia -pequenas hemorragias na pele ou manchas tipo picada de pulga,
que avançam rapidamente) . Na forma aguda fulminante, frequente nas
crianças, não há localização meníngea, mas septicemia aguda (- do Gr.
septikós, que causa putrefacção + haíma, sangue; intoxicação geral do
sangue por bactérias.) ou hemorragia das cápsulas supra-renais e rash
purpúrico ( figura ao lado). A forma crónica septicémica é acompanhada de
febre persistente, por vezes com rash. Os casos leves e as formas frustes
rino-faríngeas são frequentes. O prognóstico, tanto das formas meníngeas
como septicémicas, outrora grave (70 % de mortos), melhorou com as
sulfamidas e antibióticos, sendo a letalidade média, no presente, de 6 %. As complicações mais frequentes
são lesões transitórias do sistema nervoso, das articulações e surdez permanente, por localização no
ouvido interno.
Diagnóstico — Tratamento — Isolamento do agente do líquor (líquido da medula espinal) e ou do sangue.
Os sintomas clínicos e as mudanças de aspecto (turvação), pressão, citologia (aumento do número de
células) composição (aumento da albumina, diminuição da glicose, pequena alteração dos cloretos) do
líquor, são dados importantes para o diagnóstico. O tratamento específico é feito pelas sulfamidas e penicilina.
Medidas preventivas ( Profilaxia )— Para os doentes, isolamento, desinfecção concorrente das
secreções naso-faríngeas e objectos contaminados e declaração obrigatória. Para os escolares, a evicção
é até à cura, e, para os contactos, de 10 dias. Paira localizar os portadores, devem ser examinadas
zaragatoas naso-faríngeas e aplicadas sulfamidas nos casos positivos. As medidas gerais de profilaxia
colectiva compreendem: evitar aglomerações, particularmente em quartas de dormir, que devem ser bem
ventilados; evitar a fadiga e exposição ao frio; e, nas pessoas expostas, nos períodos epidémicas, a
químio-prevenção com sulfonamidas. O inquérito epidemiológico deve esclarecer sobre a fonte do contágio
e a incidência da doença na comunidade.
Vacinas
Existem dois tipos de vacinas contra o meningococo. As vacinas polissacáridas, mais antigas e, desde
2001, as vacinas conjugadas. Em ambos os casos são vacinas inactivadas (a partir de fracções).
Vacinas polissacáridas
Estas vacinas são eficazes apenas a partir dos 2 anos de idade, não cobrindo portanto a faixa etária de
maior incidência da doença, e não induzem memória imunológica prolongada. São dirigidas contra os
serogrupos A, C, W135 e Y, destinando-se sobretudo à vacinação de adultos. A sua utilização é recomendada a viajantes para áreas hiperendémicas e em situação de surto. Em Portugal apenas está registada a
vacina Mengivac A+C (marca comercial) sendo, no entanto, a vacina Mencevax ACWY (marca comercial)
distribuída, por autorização especial, para prescrição e administração nas consultas do viajante.
Vacinas conjugadas(*) - (*) A designação "conjugada" é puramente técnica. Deve-se a que a vacina
conjuga um polissacárido da cápsula da bactéria N. meningitidis com uma proteina da bactéria da difteria
ou com o toxóide do tétano.
As vacinas conjugadas têm eficácia a partir dos 2 meses de idade, induzem memória imunológica
prolongada e destinam-se apenas ao serogrupo C. Em Portugal estão autorizadas desde 2001 a
Meningitec, Meninvact/Menjugate e a NeisVac-C (tudo marcas comerciais).
Quanto à vacinação contra o meningococo B, indispensável no actual contexto europeu e português,
embora haja intensa investigação sobre formulações vacinais, algumas já em fase de ensaio clínico, não
existe ainda vacina disponível com eficácia persistente.
2
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards