Enviado por Do utilizador8446

academico 62 190226 190158

Propaganda
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO
ADM 01009 – Filosofia e Ética na Administração
Professor Aida Maria Lovison
“POR UMA ANTROPOLOGIA DA CONDIÇÃO
HUMANA NAS ORGANIZAÇÕES”
(Jean-François Chanlat)
Elisa Cristofolini da Silva
00134201
Porto Alegre, junho de 2006.
“POR UMA ANTROPOLOGIA DA CONDIÇÃO HUMANA NAS ORGANIZAÇÕES”
(Jean-François Chanlat)
No conto “O Espelho – Esboço de uma nova teoria da alma humana”, o
protagonista Jacobina conta algo que lhe acontecera aos seus 20 anos, época
em que havia se tornado alferes. Amigos e parentes não o chamavam mais
pelo nome, apenas de “senhor alferes”.
(...) 0 certo é que todas essas coisas, carinhos, atenções, obséquios, fizeram em
mim uma transformação, que o natural sentimento da mocidade ajudou e
completou. Imaginam, creio eu?
- Não.
- O alferes eliminou o homem. Durante alguns dias as duas naturezas
equilibraram-se; mas não tardou que a primitiva cedesse: à outra; ficou-me uma
parte mínima de humanidade. Aconteceu então que a alma exterior, que era
dantes o sol, o ar, o campo, os olhos das moças, mudou de natureza, e passou a
ser a cortesia e os rapapés da casa, tudo o que me falava do posto, nada do que
me falava do homem.
Fora convidado a fazer uma visita à fazenda de sua tia Marcolina. Um
dos agrados feitos pela tia a ele foi colocar em seu quarto um grande espelho,
herança de família que tinha lugar de original na sala de estar. Ocorre que a
filha de Marcolina fica enferma e ela o deixa com os escravos, que no dia
seguinte fogem. Jacobina encontra-se solitário, mas resolve ficar ali cuidando
da fazendo até sua tia voltar. Muitos dias se passam e ele continua ali
sozinho.
- Oh! fora bom se eu pudesse ter medo! Viveria. Mas o característico daquela
situação é que eu nem sequer podia ter medo, isto é, o medo vulgarmente
entendido. Tinha uma sensação inexplicável. Era como um defunto andando, um
sonâmbulo, um boneco mecânico. Dormindo, era outra coisa. O sono dava-me
alívio, não pela razão comum de ser irmão da morte, mas por outra. Acho que
posso explicar assim esse fenômeno. - o sono, eliminando a necessidade de uma
alma exterior, deixava atuar a alma interior. Nos sonhos, fardava-me,
orgulhosamente, no meio da família e dos amigos, que me elogiavam o garbo,
que me chamavam alferes; vinha um amigo de nossa casa, e prometia-me o
posto de tenente, outro o de capitão ou major; e tudo isso fazia-me viver. Mas
quando acordava, dia claro, esvaía-se com o sono a consciência do meu ser novo
e único, - porque a alma interior perdia a ação exclusiva, e ficava dependente da
outra, que teimava em não tornar... Não tornava.
(...)
- Vão ouvir coisa pior. Convém dizer-lhes que, desde que ficara só, não olhara
uma só vez para o espelho. Não era abstenção deliberada, não tinha motivo; era
um impulso inconsciente, um receio de achar-me um e dous, ao mesmo tempo,
2
naquela casa solitária; e se tal explicação é verdadeira, nada prova melhor a
contradição humana, porque no fim de oito dias, deu-me na veneta olhar para o
espelho com o fim justamente de achar-me dois. Olhei e recuei. 0 próprio vidro
parecia conjurado com o resto do universo; não me estampou a figura nítida e
inteira, mas vaga, esfumada, difusa, sombra de sombra. A realidade das leis
físicas não permite negar que o espelho reproduziu-me textualmente, com os
mesmos contornos e feições; assim devia ter sido. Mas tal não foi a minha
sensação. Então tive medo; atribuí o fenômeno à excitação nervosa em que
andava; receei ficar mais tempo, e enlouquecer. - Vou-me embora, disse comigo.
E levantei o braço com gesto de mau humor, e ao mesmo tempo de decisão,
olhando para o vidro; o gesto lá estava, mas disperso, esgaçado, mutilado.
Entrei a vestir-me, murmurando comigo, tossindo sem tosse, sacudindo a roupa
com estrépito, afligindo-me a frio com os botões, para dizer alguma cousa. De
quando em quando, olhava furtivamente para o espelho; a imagem era a mesma
difusão de linhas, a mesma decomposição de contornos. Continei a vestir-me.
Subitamente por uma inspiração inexplicável, por um impulso sem cálculo,
lembrou- me... Se forem capazes de adivinhar qual foi a minha idéia...
- Diga.
- Estava a olhar para o vidro, com uma persistência de desesperado,
contemplando as próprias feições derramadas e inacabadas, uma nuvem de
linhas soltas, informes, quando tive o pensamento... Não, não são capazes de
adivinhar.
- Mas, diga, diga.
- Lembrou-me vestir a farda de alferes. Vestia-a, aprontei-me de todo; e, como
estava defronte do espelho, levantei os olhos, e... não lhes digo nada; o vidro
reproduziu então a figura integral; nenhuma linha de menos, nenhum contorno
diverso; era eu mesmo, o alferes, que achava, enfim, a alma exterior. Essa alma
ausente com a dona do sítio, dispersa e fugida com os escravos, ei-la recolhida
no espelho. Imaginai um homem que, pouco a pouco, emerge de um letargo, abre
os olhos sem ver, depois começa a ver, distingue as pessoas dos objetos, mas
não conhece índivídualmente uns nem outros; enfim, sabe que este é Fulano,
aquele é Sicrano; aqui está uma cadeira, ali um sofá. Tudo volta ao que era
antes do sono. Assim foi comigo. Olhava para o espelho, ia de um lado para
outro, recuava, gesticulava, sorria, e o vidro exprimia tudo. Não era mais um
autômato, era um ente animado. Daí em.diante, fui outro. Cada dia, a uma certa
hora, vestia-me de alferes, e sentava-me diante do espelho, lendo, olhando,
meditando; no fim de duas, três horas, despia-me outra vez. Com este regímen
pude atravessar mais seis dias de solidão sem os sentir...
Chanlat diz que a realidade social transforma-se em suporte para a
realidade psíquica. E é através das relações que se identifica e reconhece sua
existência. Machado de Assis no conto citado já dizia algo sobre essa questão.
O Homem possui duas almas: a interna e a externa. “Uma que olha de dentro
para fora, outra que olha de fora para dentro.”
O ser humano é um ser de significações. Tudo o que conhece (material
ou não), ele atribui um significado. Ao perguntar a alguém se ela sabe o que é
o amor ela responderá que sim. Ao pedir que explique o que ele é, ela poderá
3
dizer que amor “é fogo que arde sem se ver; é ferida que dói e não se sente; é
um contentamento descontente” *, ou seja, dirá o significado do amor, mas
não o que ele é realmente. A comunicação também é repleta de significações.
Segundo o autora Flora Davis em sua obra “Comunicação Não-Verbal”,
mais de 80% de nossa comunicação não é verbal. Temos, portanto, um grave
problema nas organizações na medida em que a comunicação fica restrita à
troca de informações entre os “recursos” da organização. Perde-se em
profundidade do simbolismo organizacional e a identidade individual e
coletiva.
A racionalidade econômica trata as pessoas apenas como recursos
dentro das organizações modernas, não havendo preocupação com suas
relações entre si e, sim, com a relação entre elas e as “coisas”. Transformamse, assim, em objetos também. Por isso, homens e mulheres buscam
satisfação em suas vidas pessoais, e muitos consideram ser impossível havê-la
no meio profissional, como se podia esperar tradicionalmente. Essa mudança
é reflexo do individualismo extremo que a sociedade chegou.
O Homem é um ser de reflexão e ação, de linguagens, de significações,
de simbolismos. Chanlat diz, então, que é chegado o momento de uma
verdadeira
antropologia
da
organização
que
agrupe
o
conjunto
de
conhecimentos sobre o ser humano, destacando suas dimensões e seus níveis
de análise.
NÍVEL DO INDIVÍDUO,
NÍVEL DA INTERAÇÃO,
NÍVEL DA ORGANIZAÇÃO,
NÍVEL SOCIEDADE,
NÍVEL MUNDIAL.
Esses cinco níveis de análise não possuem linearidade e nem hierarquia
entre si. Estão estreitamente relacionados de forma circular. Isso quer dizer
que qualquer um dos níveis influencia os outros e assim por diante.
Origens sócio-culturais, herança biológica, história pessoal, etc.,
influenciaram nas atitudes de cada indivíduo. Por isso o NÍVEL DO
INDIVÍDUO explica por que pessoas reagem de formas diferentes a situações
organizacionais similares. A perspectiva de que os indivíduos são socialmente
*trecho do poema “Amor é Fogo que Arde sem se Ver” de Luís de Camões
4
determinados, vem abrindo caminho para a de indivíduos que participam da
construção e destruição da realidade.
Chanlat escreve que “é na relação com o outro que o ego se constrói”.
Essa sentença fica bem justificada no conto “O Espelho”. O outro é para o
indivíduo um modelo, um objeto, uma sustentação e um adversário ao mesmo
tempo. Eis, então, o NÍVEL DA INTERAÇÃO que pode ser dividido em três
categorias:
- Relação “self-outro” (indivíduo com outro): conversas de corredor,
entrevista entre superior e subordinado, troca de informações entre colegas,
etc.
- Relação ego-massa (indivíduo com grupo): assembléias gerais, greve,
manifestações sindicais, esportivas e religiosas, etc .
- Relação nós a nós (entre grupos): executivos-operários, masculino
feminino, etc.
Em qualquer das categorias, as interações podem ser tanto formais
como informais.
As próprias organizações têm sua história organizacional, seu universo
cultural, enfim, características que configuram cada uma delas de forma
singular
e
influenciam
comportamentos
coletivos
e
individuais.
As
organizações contemporâneas edificam a ordem social mundial, ou seja, não
contribuem apenas para o desenvolvimento econômico do país ao qual
pertencem, mas fazem parte da imagem dele, sendo vetores de cultura. É
nesse NÍVEL DA ORGANIZAÇÃO que podemos distinguir, por exemplo, as
empresas samurais e yankees, cada uma retrata particularidades de seus
países de origem.
As organizações são fundamentos importantes para a sociedade pósmoderna. Toda sociedade é constituída pela esfera econômica, política, social e
cultural. O NÍVEL DA SOCIEDADE engloba os outros níveis na medida em que
toda pessoa é socializada em determinado meio. Desde o nascimento de cada
um de nós, passamos pelo processo de socialização, aprendendo as normas da
sociedade na qual estamos inseridos. A socialização não apenas dá uma
identidade para um indivíduo, mas codifica igualmente as interações e leva
para as organizações os valores do universo social. Por isso, então, que é
fundamental para as organizações que elas conheçam a cultura e a sociedade
à qual está inserida.
5
A economia de nossa sociedade é integrada, diferentemente das
sociedades que nos precederam que era regional. Fronteiras nacionais estão
desaparecendo, ameaças ecológicas se mundializam. Junto com isso a
distância entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos aumenta cada vez
mais. Esses e muitos outros acontecimentos no NÍVEL MUNDIAL acarretam
na mudança da dinâmica humana nas organizações.
6
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards