Enviado por Do utilizador7119

Tarefa 1

Propaganda
Ana Duarte, nº3, 11ºB
24/04/2020
Pág. 247 do manual
1. Faça a caracterização do interior e do exterior do Ramalhete.
A habitação dos Maias, localizada em Lisboa, mais precisamente na rua de S. Francisco
da Paula, no bairro das Janelas Verdes onde era conhecida por Casa do Ramalhete,
possuía no exterior paredes severas, um renque de varandas de ferro no primeiro
andar, e por cima janelas pequenas em fila “tímida” perto do telhado, com uma sineta
e uma cruz no topo; em alusão ao nome, havia um revestimento em azulejos a fazer de
painel no lugar de um escudo heráldico de armas que nunca fora colocado, e que tinha
um ramo de girassóis atado por uma fita onde eram visíveis letras e números de uma
data. Os portões estavam cheios de teias de aranha; no fundo, a seguir a um terraço,
tinha um quintal oculto, cheio de ervas selvagens com uma estátua de Vénus Citereia
pelo meio.
Embora estivesse desabitado durante largos anos, e ganhara tons de degradação e
ruína, o seu interior manifesta o bom gosto, o requinte e a riqueza da família:
«disposição apalaçada», «tetos apainelados», «paredes cobertas de 'frescos'».
2. Demonstre que é recorrente a referência a elementos ou a aspetos que apontam
para o carácter trágico deste espaço, explicitando o seu valor simbólico.
Todo o historial do Ramalhete está carregado de símbolos trágicos, sobretudo porque
aquelas quatro paredes já haveriam testemunhado “tantos desagouros domésticos”
(linha 58). É precisamente por essa razão que se carrega nos elementos que provam a
degração da casa, nomeadamente “aspeto tristonho de residência eclesiástica” (l. 7);
“colégio de Jesuítas” (l. 9); ou melhor, “Longos anos permanecera o Ramalhete
desabitado, com teias de aranha pelas grades dos postígios térreos, e cobrindo-se de
tons de ruína.” (ll. 13-14) e “(…) e o Ramalhete possuía apenas (…), um pobre quintal
oculto, abandonado às ervas bravas, com um cipestre, um cedro, uma cascatazinha
seca, um tanque entulhado, e uma estátua de mármore (…) enegrecendo a um canto
na lenta humidade das ramagens silvestres.” (ll 21-25). Tudo isto aludindo ao visível
abandono e descuido da propriedade.
De referir, também, um elemento no interior, os panos brancos em cima dos móveis
do escritório de Afonso, que fazem lembrar as mortalhas em que se embrulham os
mortos.
4. Justifique o número reduzido de elementos desta família, considerando o seu
conhecimento da obra.
É do meu saber, que futuramente na obra, Pedro da Maia irá se apaixonar por Maria
Eduarda, que é a sua irmã, e de que a história não terá um desfecho propriamente
positivo (mortes de Afonso e Pedro) contribuindo para a redução dos elementos da
família; como dizem as linhas 47 e 48, “Os Maias eram uma antiga família da Beira,
sempre pouco numerosa, sem linhas colaterais, sem parentelas- e agora reduzida a
dois varões (…)”.
5. Clarifique o papel do narrador na descrição do Ramalhete.
Sendo heterodiegético e assumindo uma atitude sobretudo, de observação, é também
omnisciente, sabendo tudo sobre as personagens: o seu passado, presente e futuro,
bem como os seus sentimentos e desejos mais íntimos.
Porém, perspetivar a diegese (conceito que diz respeito à dimensão ficcional de uma
narrativa) de acordo com uma determinada focalização não é só ver a diegese por
certos olhos; é tomar em relação a ela uma posição afetiva e/ou ideológica. Constituirse-á assim uma imagem particular da história, configurada pela subjetividade da
personagem que a perspetiva.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards