Enviado por alexsandro.alencar

Fatores Intervenientes na Consulta de Enfermagem na Atenção Psicossocial

Propaganda
Available online at http://www.journalijdr.com
ISSN: 2230-9926
International Journal of Development Research
Vol. 09, Issue, 12, pp. 32746-32750, December, 2019
RESEARCH ARTICLE
OPEN ACCESS
FATORES INTERVENIENTES NA CONSULTA DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL
1Andreza
Kelly C. S. Soares, *2José Maria X. Guimarães, 3Ana Ruth M. Monteiro, 4Alexsandro de
Batista de Alencar, 2Ana Patrícia P. Morais, 5Paulo Ayslen N. Macedo,
3Aretha F. de Araújo and 2Ellen P. Mendes
1Laboratório
Eco-Bio-Social. Universidade Estadual do Ceará. Av. Dr. Silas Munguba, 1700 – Itaperi,
Fortaleza, Ceará, Brasil. CEP 60714-903
2Curso de Mestrado Profissional em Saúde da Família. Universidade Estadual do Ceará. Av. Dr. Silas Munguba, 1700 –
Itaperi, Fortaleza, Ceará, Brasil. CEP 60714-903
3Programa de Pós-graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde. Universidade Estadual do Ceará. Av. Dr. Silas
Munguba, 1700 – Itaperi, Fortaleza, Ceará, Brasil. CEP 60714-903
4Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas. Rua Betel, 1895, Itaperi, Fortaleza, Ceará, Brasil. CEP 60.714-230
5Hospital Municipal Abelardo Gadelha da Rocha. Secretaria Municipal de Saúde de Caucaia. R. Paulo Gomes da Silva, s/n –
Parque Soledade, Caucaia, Ceará, Brasil. CEP 61600-000
ARTICLE INFO
ABSTRACT
ArticleHistory:
History:
Article
th
Received 19
xxxxxx,
2019 2019
Received
September,
Received in
in revised
revised form
form
Received
th
xxxxxxxx,
2019
26
October,
2019
rd
Accepted 03
xxxxxxxxx,
2019
Accepted
November,
2019
th
Published online
online 31
xxxxx,
2019 2019
Published
December,
Objetivo: analisar os aspectos intervenientes na realização da Consulta de Enfermagem em
centros de atenção psicossocial, considerando os saberes e as práticas dos enfermeiros. Material
e Método: pesquisa qualitativa, numa perspectiva crítico-reflexiva. Os dados foram coletados por
meio de grupo focal e analisados com base na hermenêutica crítica. Resultados: a realização da
Consulta de Enfermagem não é uma prática instituída nos Centros de Atenção psicossocial
observados. As dificuldades para sua realização podem estar relacionadas ao despreparo
profissional, à dicotomia teoria-prática, à estrutura organizacional dos centros de atenção
psicossocial e ao não reconhecimento e/ou desvalorização da atuação do enfermeiro. Destarte,
suas práticas reproduzem traços do modelo asilar, o que dificulta a consolidação do modelo
psicossocial. Contudo, os enfermeiros indicam reconhecê-la como ação privativa, constituindo-se
instrumento que confere autonomia ao saber-fazer da enfermagem. Considerações finais: o
cuidado de enfermagem na atenção psicossocial não é organizado e registrado, conforme
estabelecido na legislação profissional, uma vez que a Consulta de Enfermagem não executada
sistematicamente. Mostra-se relevante implantar a Consulta de Enfermagem e implementar ações
de educação permanente para qualificação do cuidado de enfermagem na atenção psicossocial.
Key Words:
Consulta de Enfermagem; Centros de Atenção
Psicossocial; Cuidados de Enfermagem;
Processo de Enfermagem; Saúde Mental.
*Corresponding author:
José Maria X. Guimarães
Copyright © 2019, Andreza Kelly C. S. Soares et al. This is an open access article distributed under the Creative Commons Attribution License, which permits
unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.
Citation: Andreza Kelly C. S. Soares, José Maria X. Guimarães et al., 2019. “Fatores intervenientes na consulta de enfermagem na atenção psicossocial”,
International Journal of Development Research, 09, (12), 32746-32750.
INTRODUCTION
A atenção à Saúde Mental, no Brasil, vem passando por
transformações, nas últimas décadas, que resultam das
reivindicações do Movimento Brasileiro de Reforma
Psiquiátrica (MBRP), ao intensificarem as críticas ao modelo
asilar. Nesse contexto, inaugura-se a construção de um novo
modelo de atenção à saúde mental pautado na
desinstitucionalização, na
reinserção
social e no
reconhecimento da complexidade do sujeito em sua
experiência-sofrimento e de sua cidadania. Assim, a produção
do cuidado efetiva-se preferencialmente em serviços de saúde
comunitários,
situados
no
território,
representados
principalmente pelos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS),
considerados estratégicos na organização da Rede de Atenção
Psicossocial (RAPS). O cuidado ganha centralidade na
construção de projetos terapêuticos singulares, considerando o
sujeito em sua experiência de sofrimento, como estruturante de
uma clínica ampliada, que o articula ao território, requisitando
a construção permanente de novos modos de acolher e de
cuidar (KURIMOTO et al., 2017). Assim, o enfermeiro, ao
integrar a equipe multidisciplinar de saúde mental, deverá
constituir-se agente terapêutico, considerando o cuidado no
território como valor de cidadania, mediando projetos de vida,
uma vez que o cuidar passa a incorporar a singularidade do
32747
Andreza Kelly C. S. Soares et al, Fatores intervenientes na consulta de enfermagem na atenção psicossocial
cotidiano dos sujeitos (SILVA et al., 2013; GARCIA et al.,
2017). O agir como agente terapêutico é potencializado pelo
vínculo com o usuário, que é construído por meio da relação
terapêutica, entendida como ação central do enfermeiro de
saúde mental e mediada pela Consulta de Enfermagem (CE),
que organiza a prática profissional e a oferta do cuidado
(GARCIA et al., 2017). Atualmente em vigor, a Resolução do
COFEN nº 358/2009 estabelece que a Sistematização da
Assistência de Enfermagem organiza o trabalho profissional
quanto ao método, pessoal e instrumentos, tornando possível a
operacionalização do Processo de Enfermagem. Em
instituições de prestação de serviços ambulatoriais de saúde, a
exemplo dos CAPS, o Processo de Enfermagem corresponde à
Consulta de Enfermagem. Esta, por sua vez, é um instrumento
metodológico que orienta o cuidado profissional e sua
documentação, além de possibilitar o reconhecimento e a
valorização da profissão. As etapas para sua execução
consistem na elaboração do histórico de enfermagem,
identificação dos diagnósticos de enfermagem, planejamento
de enfermagem, implementação e avaliação de enfermagem
(COFEN, 2009). Do ponto de vista ético-legal, a CE é uma
atividade privativa do enfermeiro e obrigatória em todos os
níveis de atenção, que possibilita a tomada de decisões
terapêuticas e a organização de práticas de cuidado,
contribuindo para a construção do projeto terapêutico singular
do usuário. Nesse contexto, a CE qualifica a atuação do
enfermeiro, favorecendo a promoção da saúde, o diagnóstico e
o tratamento precoce, bem como a prevenção de situações
evitáveis (OLIVEIRA et al., 2012). Para além de uma
exigência normativa, permite a abordagem integral do sujeito,
considerando suas necessidades de saúde. Assim, além de
organizar e documentar a prática do enfermeiro, potencializa a
formação do vínculo entre o profissional e o sujeito, necessário
ao
desenvolvimento
do
relacionamento
terapêutico
(ALMEIDA; MAZZAIA, 2018). Reconhece-se, portanto, a
relevância da CE na prática clínica do enfermeiro na atenção
psicossocial. Entretanto, cabe problematizar de que modo tem
sido operada no cotidiano dos CAPS, tendo em vista as
determinações legais e as diretrizes da Reforma Psiquiátrica e
da Política de Saúde Mental. Diante do exposto, o presente
estudo teve por objetivo analisar os aspectos intervenientes na
realização da Consulta de Enfermagem em Centros de Atenção
Psicossocial, considerando os saberes e as práticas dos
enfermeiros.
MATERIAL E MÉTODO
Trata-se de um estudo qualitativo, realizado nos três CAPS,
situados no município de Maranguape, Ceará, Brasil, os quais
são classificados nas seguintes modalidades: um CAPS geral –
serviço especializado para atendimento à população adulta
com transtornos mentais; um CAPS ad – que realiza
atendimento às pessoas com transtornos mentais decorrentes
do uso de álcool e outras drogas; e um CAPS i – que realiza
atendimento a crianças e adolescentes com transtornos
mentais. Os participantes da pesquisaforamtodos os
enfermeiros que atuavam nos CAPS, compondo um grupo de
quatro informantes-chave. Dentre eles, três eram do sexo
feminino. A idade variou de 26 a 42 anos. O tempo de atuação
em CAPS variou de 1 a 10 anos. Contudo, nenhum dos
participantes era especialista em saúde mental. A inclusão dos
participantes, consoante as premissas da investigação
qualitativa, não conferiu relevância à representatividade
estatística da amostra, com vistas à generalização dos achados,
mas ao acúmulo subjetivo referente ao fenômeno que se deseja
desvelar, caracterizando o que se designa por amostra teórica
(MINAYO, 2013). A coleta de dados ocorreu em dezembro de
2016, com utilização de grupo focal, realizado numa sala do
CAPSad, conforme pactuação prévia com os enfermeiros,
considerando a facilidade de acesso e a disponibilidade de
espaço. Seguiu-se um roteiro com questões norteadoras sobre a
realização da consulta de enfermagem, as quais foram
desdobradas progressivamente respeitando-se o princípio da
não diretividade. A discussão grupal teve duração aproximada
de 110 minutos, considerado tempo adequado para um bom
emprego da técnica, tendo em vista a complexidade do tema, o
aprofundamento da discussão e o critério de saturação dos
argumentos, expressos em sua repetição e previsibilidade
(TRAD, 2009). Foi realizada a gravação eletrônica de áudio,
com posterior transcrição integral do conteúdo. De modo
complementar, procedeu-se a observação direta do campo,
durante, aproximadamente, 60 horas em distintos turnos,
registrando-se em diário de campo. Os dados foram analisados
com base nos pressupostos da hermenêutica crítica (MINAYO,
2013). Para tanto, após a transcrição das falas foram realizadas
leituras horizontais e transversais, o que permitiu a
identificação dos núcleos de sentido. O material procedente
das observações foi utilizado de modo complementar na
análise empreendida. Por fim, buscou-se articular a produção
subjetiva dos sujeitos à materialidade a que se vincula no
cotidiano dos CAPS, bem como ao referencial teórico adotado
no estudo. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em
Pesquisa da Escola de Saúde Pública do Ceará, sob Parecer nº
1.762.472. Todos os participantes assinaram Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido. Para assegurar o
anonimato dos participantes, foi atribuída uma sigla composta
por Enf. (enfermeiro), seguida de um numeral ordinal atribuído
aleatoriamente (Enf1, ..., Enf4).
RESULTADOS
Com base no processamento e interpretação das informações,
foram estruturadas as categorias temáticas que apresentamos
na sequência.
Aspectos que restringem a realização da Consulta de
Enfermagem
Os enfermeiros dos CAPS assumem a responsabilidade por
atividades burocráticas, além da triagem dos usuários para
atendimento, preenchimento das receitas, com base na
prescrição médica nos prontuários, nos turnos em que há
atendimento do psiquiatra, sob a justificativa de que esta é uma
maneira de assegurar a continuidade do tratamento
psicofarmacológico dos usuários, dada a reduzida carga
horária desse profissional nos serviços e a elevada demanda
por essa terapêutica.
O enfermeiro está fazendo as atribuições dele: triagem.
[...] aqui, a gente é vista para transcrever receita. (Enf1)
Foi observado no horário de atendimento do psiquiatra,
que há sempre uma grande fila de usuários. Nestes
momentos, a enfermeira transcreve as receitas para
assinatura do prescritor. Ela observa intervalo entre as
consultas e alerta para o agendamento da próxima
consulta, em que será avaliada a continuidade ou mudança
do tratamento. No ato da entrega da receita, pergunta ao
usuário se há dúvida ou algo que queira conversar. É
responsável por intermediar “encaixes” na agenda médica.
Preenche, ainda, os mapas de produtividade diária,
32748
International Journal of Development Research, Vol. 09, Issue, 12, pp. 32746-32750, December, 2019
atuando na organização e administração do CAPS.
(observação)
Ademais, evidencia-se que as práticas de cuidado dos
enfermeiros nos CAPS não seguem uma racionalidade
instrumental e metodológica, conforme estabelecem os
preceitos ético-legais, que oriente a execução e documentação
da prática profissional. Nesse sentido, a CE parece não ser
exequível no cotidiano do enfermeiro de saúde mental,
conforme representado na fala seguir.
[...] Eu escuto assim, nas receitas, algum comentário. Mas
uma consulta mesmo, de saber como tá a medicação,
como é que com a família, uma conversa de verdade, não.
(Enf3)
No modelo de atenção psicossocial, o modo como se
organizam e executam as ações de enfermagem, com vistas à
produção do cuidado integral, é determinado por múltiplas
dimensões, as quais podem estar relacionadas à formação
profissional, ao referencial teórico-prático, à estrutura e
organização do CAPS, à gestão do trabalho e ao
reconhecimento do papel do enfermeiro nas equipes de saúde
mental. Assim, os relatos a seguir apontam os determinantes
da não realização da CE no cenário investigado:
Na minha formação, a gente vê muito SAE voltado para a
área hospitalar. No CAPS, a gente não usa, às vezes por
falta de conhecimento dos diagnósticos. Não tem um
protocolo pra seguir, um instrumento. (Enf2).
A gente não tem tempo para fazer uma Consulta de
Enfermagem. Eu nunca fiz uma consulta de enfermagem
no CAPS. [...] aqui, você conversa com o paciente no
corredor... (Enf3)
Se você um dia for falar com algum coordenador, ele vai
dizer assim: não dá, eu não vou implantar aqui. Não se dá
importância, por quê? Porque não é atribuição do
enfermeiro fazer consulta. (Enf1)
De modo complementar, um enfermeiro sinaliza que nos
CAPS ainda predomina uma lógica de produção do cuidado
médico-centrada, expressa na hegemonia do saber-poder
psiquiátrico valorizado na cultura local.
Se não acontece essa questão das consultas de
enfermagem, é por vários aspectos, tem a questão
cultural do paciente que não acha importante. O paciente
só vem no dia do médico. (Enf2)
Evidencia-se que essa racionalidade acaba por determinar, por
um lado, o modo como os usuários constroem socialmente sua
demanda, assim como norteia a definição de seus itinerários de
busca por cuidado. Por outro lado, direciona os modos de
produção de saúde, tal como a oferta de ações e serviços no
CAPS.
A Enfermagem na (des) construção da atenção psicossocial
Com base nas falas dos participantes, apreende-se que a
Enfermagem nos CAPS estudados detém baixa autonomia,
cuja atuação depende do profissional médico e da terapia
medicamentosa.
Como a gente não faz consulta de enfermagem, [...] a
gente acaba tendo esse modelo bem antigo, que é só a
medicação. [...] o enfermeiro depende muito do que o
médico diz. Porque o enfermeiro é muito subalterno ao
médico, infelizmente ainda é. [...], o paciente já tem o
médico como supremacia maior. (Enf2)
Eles (usuários) chegam e, muitas vezes, nem olham pra
gente. Quero logo meu rivotril, diz logo é assim. Fica
dependendo daquela medicação. (Enf1)
Os participantes verbalizam, ainda, dificuldades na
organização de seu processo de trabalho, relacionadas à oferta
de intervenções individuais e coletivas, assim como não
conseguem ultrapassar os muros do serviço para empreender
articulação com o território, o que acaba por comprometer a
construção da atenção psicossocial, mediante a reprodução de
traços do modelo asilar.
Você chama para vir para um grupo, não [vem]. Mas tem
que ter a medicação. [...] você marca, mas será que eles
vão vir? Ah, é só uma consulta com a enfermeira, ela vai
só conversar. (Enf3)
A gente não tem tempo pra sair do CAPS. [...] Porque a
gente não consegue fazer minimamente um trabalho no
CAPS, a gente vai fazer na comunidade? Não vai. (Enf2)
As visitas domiciliares, ainda têm, mas é muito difícil.
Tinha uma paciente, uma família, que eu toda semana
fazia visita. Mas foi cortado. Aí o que é que eu posso
fazer? Eu não vou descumprir uma ordem. (Enf1)
Evidencia-se, finalmente, que os participantes sinalizam
dificuldades para a produção do cuidado, mas, ao mesmo
tempo, apontamestratégias que poderiam ser implementadas
para melhorar a integração entre equipes e serviços que
compõem a RAPS.
Necessidade de reunião de equipe, de discussão de caso...
porque se as pessoas não fazem isso, como vão se
conhecer melhor, ganhar confiança? (Enf1)
Era pra gente trabalhar essa questão junto da ESF ou até
mesmo outros equipamentos, alguma coisa sobre
matriciamento. (Enf1)
Aspectos que favorecem a realização da Consulta de
Enfermagem
Os enfermeiros indicam aspectos que podem favorecer a
implantação da CE, tais como a experiência do profissional,
seu reconhecimento como instrumento de trabalho, como
atividade privativa do enfermeiro e como estratégia para a
valorização profissional.
Eu trabalhei em um CAPS Geral que tinha consultas de
retorno dos pacientes que estavam estáveis. Então, eu
conversava, acompanhava a medicação, conforme ele
tivesse. (Enf1). É uma atividade privativa do enfermeiro,
nosso instrumento de trabalho é a SAE. (Enf2)
Além disso, os enfermeiros sinalizam que a realização da CE
favorece a abordagem holística do sujeito, com vista à
ampliação da produção do cuidado integral. Contudo, sua
operacionalização
requer
escuta
e
habilidades
comunicacionais.
(a CE) permite uma abordagem do tipo de forma holística,
no geral. (Enf1)
É muito importante, mas antes vem a comunicação, vem
o diálogo, a escuta. Investigar também como é que está a
32749
Andreza Kelly C. S. Soares et al, Fatores intervenientes na consulta de enfermagem na atenção psicossocial
situação relacional, social, familiar, lazer, trabalho [...]
(Enf2)
DISCUSSÃO
O processo de cuidar de enfermagem na atenção psicossocial
requer competências e habilidades, além da utilização de
método e instrumentos que permitam a realização da CE, como
estratégia que contribui para a qualidade do cuidado. No
cotidiano da clínica na atenção psicossocial, o enfermeiro
desenvolve um conjunto de ações de caráter individual e
coletivo, voltadas ao alívio do sofrimento psíquico dos
usuários e seus familiares. Entretanto, observa-se que existe no
cenário sob análise uma centralidade nas atividades
burocráticas e de apoio ao atendimento médico. Portanto,
capturado pela lógica de organização do serviço orientada pelo
modelo biomédico. Contudo, o profissional de enfermagem
integra a equipe multiprofissional que deve atuar de modo
interdisciplinar, em que a CE possibilita a organização e
registro da assistência prestada, contribuindo para
integralidade do cuidado, segundo os postulados da reforma
psiquiátrica, quais sejam a desinstitucionalização, reinserção
social, cidadania, autonomia e território (NUNES;
GUIMARÃES; SAMPAIO, 2016). Todavia, a realização da
CE ainda não é uma prática instituída nos CAPS observados.
Embora desenvolvam diversas atividades junto aos usuários
dos CAPS, de modo compartilhado com a equipe
multiprofissional, os enfermeiros não as compreendem como
parte de suas atribuições específicas, as quais representam
oportunidade para a coleta de informações, elaboração de
diagnósticos, planejamento da assistência e intervenção, assim
como avaliação. Desse modo, realizam ações que
correspondem às dimensões da CE, mas não as reconhece
como tal, o que se assemelha aos resultados de estudo
realizado no Estado de São Paulo (ALMEIDA; MAZAIA,
2018). Evidencia-se, com base nas falas, que distintos aspectos
dificultam a realização da CE, bem como sua implementação
como método que organiza o processo de trabalho e a
produção do cuidado, os quais podem estar relacionados ao
despreparo profissional, à dicotomia teoria-prática, à estrutura
organizacional dos CAPS e ao não reconhecimento das
competências do enfermeiro e, consequentemente, a
desvalorização no cotidiano de trabalho. Nesse caso, em
particular, acredita-se que as dificuldades relacionadas à
formação professional decorrem do fato de que esses
enfermeiros não possuem especialização em saúde mental. A
afirmativa dos enfermeiros de que não sabem fazer a CE, é
corroborada por Silva et al. (2013), que relatam a formação e a
capacitação profissional como um aspecto dificultador para o
desempenho das atividades desses profissionais. Porquanto,
tem-se observado permanentemente a falta de conhecimento
e/ou qualificação insuficiente dos profissionais, revelando um
descompasso entre o modelo de formação e a realidade dos
serviços de saúde. Nesse sentido, reconhecem-se o fato de que
o modelo de formação ainda é centrado na doença, com
seleção de conteúdos insuficientes e tempo inadequado para
apreensão do aporte teórico-prático da saúde mental (SOUZA;
AFONSO, 2015).
Ao se considerar a influência da estrutura do serviço na
organização do trabalho dos enfermeiros, expressa quando
asseveram que a conversa com os pacientes se dá nos
corredores, entre uma atividade e outra, denota-seque não há
espaço adequado para o encontro, dificultando a
relaçãoenfermeiro-paciente e todos os desdobramentos
posteriores, inclusive a criação de vínculo, a identificação e a
intervenção adequada frente às demandas biológicas e
psíquicas dos usuários (NICACIO; TOLEDO; GARCIA,
2018). Nesses termos, a ambiência mostra-se inadequada, onde
o espaço físico e de relações interpessoais não permitem o
atendimento acolhedor, resolutivo e humanizado, conforme
preconizado pela Política Nacional de Humanização (BRASIL,
2010). Denota-se uma aparente confusão entre SAE e CE, o
que se assemelha à realidade encontrada em alguns CAPS de
São Paulo (ALMEIDA; MAZZAIA, 2018). Apreende-se,
ainda, a ausência de bases teóricas que fundamentam o
cuidado de enfermagem, além da reivindicação de protocolos
que confiram racionalidade instrumental ao processo de cuidar.
Cabe assinalar que o processo saúde-doença mental é
complexo, permeado por intensos processos de subjetivação,
cujo objeto de intervenção deve ser o sujeito em seu
sofrimento-existência. Assim, o cuidado é singular, com uma
margem estreita para generalizações, uma vez que o principal
recurso terapêutico é o uso do EU e da relação terapêutica, os
quais não podem ser transpostospara outros contextos, além
daquele espaço singular do encontro enfermeiro-paciente.
Ademais, a prática de enfermagem em saúde mental não é
apriorística, não cabe procedimento prévio e o enquadramento
em protocolos rígidos, uma vez que é um campo aberto à
imprevisibilidade (OLIVEIRA; LOYOLA, 2006).
O fato de que os enfermeiros não implementam a CE,
representa, ainda, descumprimento dos preceitos ético-legais
da profissão, além de possivelmente contribuir para o não
reconhecimento e/ou desvalorização do saber-fazer desses
profissionais, tanto por parte dos gestores quanto dos usuários
dos CAPS. Com efeito, a Resolução COFEN nº 358/2009
estabelece que a CE deve ser realizada, de modo deliberado e
sistemático, em todas as instituições, independente da natureza
pública ou privada, prestadoras de serviços ambulatoriais de
saúde, domicílios, escolas, associações comunitárias, entre
outros, onde ocorram cuidados de enfermagem (COFEN,
2009). A atuação dos enfermeiros, sobretudo quando orientada
pelas premissas dimensões da RP, é estratégica na
consolidação do modelo de atenção psicossocial. Nesse
sentido, seu saber-fazer é dotado de relativa autonomia
inerente ao processo criativo, subjacente à reconstrução de
saberes e práticas, que se materializa no trabalho vivo em ato,
característico do processo de trabalho em saúde. Nesse campo
de atuação tem-se por finalidade mediar projetos de vida e
interditar a reprodução do aparato manicomial, desinterditar a
produção do desejo e gerar novas redes inclusivas, na
produção de sentidos para o viver no âmbito social e na
fabricação de cidadanias novas e inovadoras, o que se reveste
de elevada complexidade (KANTORSKI; MIELKE, 2008). No
entanto, os enfermeiros dos CAPS sob análise demonstram
postura de forte subordinação ao profissional médico, o que
representa a reprodução de traços do modelo médicohegemônico que fundou a construção do aparato manicomial.
Assim, não ocupam o lugar de agente terapêutico, com
autonomia no seu saber-fazer, permanecem tornando sua
prática dependente do saber do outro (ALMEIDA; MAZZAIA,
2018). Nesse sentido, estudos apontam que os enfermeiros não
vislumbram a execução de outras possibilidades de
intervenção e apresentam imensa dificuldade de atuação na
ausência de rotinas padronizadas, o que concorre para o
desenvolvimento de práticas semelhantes àquelas do ambiente
hospitalar, predominantemente administrativas (DIAS;
32750
International Journal of Development Research, Vol. 09, Issue, 12, pp. 32746-32750, December, 2019
ARANHA E SILVA, 2010). Esse entendimento remete à
necessidade de reflexão e reorientação das práticas de
Enfermagem, ainda arraigadas no modelo manicomial,
mostrando-se urgente avançar na incorporação das premissas
da clínica da atenção psicossocial. No caso dos enfermeiros
deste estudo, foi possível observar a intencionalidade de
implementar estratégias de aprimoramento do trabalho em
equipe, de discussão clínica e de articulação da rede de atenção
para produção do cuidado, resultante do reconhecimento de
que estas são necessidades do CAPS. Entretanto, chama
atenção o fato de que não mencionaram a construção de
Projetos
Terapêuticos
Singulares
(PTS),
estes
potencializadores da discussão clínica, da produção do cuidado
integral, além de sua operacionalização coincidir com as fases
da CE. Não desenvolver
o PTS como oportunidade de
realização da CE, por qualquer que seja a razão, compromete o
processo de cuidado,conforme preconizado nas políticas de
saúde vigentes (ALMEIDA; MAZZAIA, 2018).
Ao se discutir as práticas dos enfermeiros, emergiram aspectos
potencialmente favoráveis à implementação da CE nos CAPS,
o que requisita mudanças na lógica organizacional e cultura
local. Apesar de não a realizarem de modo sistematizado no
cotidiano, indicam reconhecê-la como ação privativa,
constituindo-se
instrumento
científico
que
confere
especificidade ao saber-fazer da enfermagem na identificação
de necessidades de saúde, tal como na promoção, prevenção,
recuperação e reabilitação de sujeitos e coletivos (ALMEIDA;
MAZZAIA, 2018). A articulação de tais dimensões no
processo de cuidado converge para a construção da
integralidade da atenção à saúde, em sua dimensão individual e
coletiva. Faz-se necessário, portanto, desenvolver práticas de
cuidado pautadas no acolhimento, escuta qualificada e
construção de vínculos, com vistas ao desenvolvimento de
projetos terapêuticos que ancorados na desinstitucionalização e
na mediação das relações no território, potencializando a
reinserção social.
Considerações Finais
O cuidado de enfermagem na atenção psicossocial não é
organizado e registrado em prontuários, conforme estabelecido
na legislação profissional, uma vez que a Consulta de
Enfermagem não executada sistematicamente, o que decorre
de distintos fatores intervenientes ao agir do enfermeiro em
saúde mental, desde aspectos inerentes ao profissional até
aqueles relacionados ao serviço de saúde. Mostra-se relevante
a implantação da CE nos CAPS, com vistas a qualificação da
atuação dos enfermeiros, o que possibilita a organização e o
registro das práticas de cuidado de enfermagem, conferindo
maior visibilidade a atuação desses profissionais. Ademais, é
pertinente e relevante a estruturação de uma política de
educação permanente em saúde mental com vistas à
qualificação dos enfermeiros, contribuindo para a
reorganização dos processos de trabalho. Soma-se a isso
pactuações com a coordenação dos serviços e entre os
membros da equipe multiprofissional, com vistas a viabilizar a
efetivação da CE.
REFERÊNCIAS
Almeida, PA., Mazzaia, MC. 2018. Consulta de Enfermagem
em Saúde Mental: vivência de enfermeiros da rede. Rev.
Bras. Enferm., 71 (Supl 5), pp. 2154-2160.
COFEN. Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução n.
358, de 15 de outubro de 2009. Dispõem sobre a SAE e a
implementação do processo de Enfermagem [Internet].
Brasília: COFEN, 2009. Disponível em: http://www.
cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html.
Dias, CB., Aranha e Silva, AL. (2010) O perfil e a ação
profissional da(o) enfermeira(o) no Centro de Atenção
Psicossocial. Rev. Esc. Enferm. USP, 44(2), pp. 469-475.
Garcia, APRF., Freitas, MIP., Lamas, JLT., Toledo, VP. 2017.
Processo de enfermagem na saúde mental: revisão
integrativa da literatura. Rev Bras Enferm., 70(1), pp:
220-230.
Kantorski, LP., Mielke, FB., Teixeira Júnior, S. 2008. O
trabalho do enfermeiro nos centros de atenção
psicossocial. Trabalho, Educação e Saúde, 6(1), pp. 87106.
Kurimoto, TCS., Penna, CMM., Nitkin, DIRK. 2017. Saberes
e fazeres no cuidado de enfermagem em saúde mental.
Rev Bras Enferm., 70(5), pp. 1024-1031.
Minayo, MCS. 2013. O desafio do conhecimento: pesquisa
qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec, Brasil.
Ministério da Saúde (BR). Ambiência. 2a ed. Brasília (DF);
Ministério da Saúde; 2010.
Nicacio, TR, Toledo, VP, Garcia, APRF. 2018. Da alienação à
clínica da enfermagem: cuidado aos pacientes
psiquiátricos com comorbidade. Rev Bras Enferm.,
71(Suppl 5), pp. :2229-36.
Nunes, JMS, Guimarães, JMX, Sampaio, JJC. 2016. A
produção do cuidado em saúde mental: avanços e desafios
à implantação do modelo de atenção psicossocial
territorial. Physis, 26(4), pp. 1213-1232.
Oliveira, RMP, Loyola, CMD. 2006. Pintando novos
caminhos: a visita domiciliar em saúde mental como
dispositivo de cuidado em enfermagem. Esc. Anna Nery,
10(4), pp. 645-651.
Oliveira, SKP, Queiroz, APO, Matos, DPM, Moura, AF, Lima,
FET. 2012. Temas abordados na consulta de enfermagem:
revisão integrativa da literatura. Rev Bras Enferm., 65(1),
pp. 155-61.
Silva, NS, Esperidião E, Bezerra, ALQ, Cavalcante, ACG,
Souza, ACS, Silva, KKC. 2013. Percepção de enfermeiros
sobre aspectos facilitadores e dificultadores de sua prática
nos serviços de saúde mental. Rev Bras Enferm., 66(5),
pp. 745-52.
Souza, MC, Afonso, MLM. 2015. Saberes e práticas de
enfermeiros na saúde mental: desafios diante da Reforma
Psiquiátrica. Gerais: Revista Interinstitucional de
Psicologia, 8(2), pp. 332-347.
Trad, LAB. 2009. Grupos focais: conceitos, procedimentos e
reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica
em pesquisas de saúde. Physis, 19(3), pp. 777-796.
*******
Download
Random flashcards
A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards