Enviado por Do utilizador5956

ELETROTERAPIA INTRODUÇÃO

Propaganda
ELETROTERAPIA
INTRODUÇÃO
Prof.ª: Kátia Damasceno
ELETROTERAPIA
A denominação clássica de eletroterapia
consiste na aplicação da eletricidade com
finalidade terapêutica.
Consiste
na
aplicação
de
energia
eletromagnética ao organismo, com o fim de
produzir sobre eles reações biológicas e
fisiológicas .
Jones E. Agne,2007
ELETROTERAPIA
A eletroterapia vem sendo cada vez mais
utilizada nos tratamentos estéticos faciais e
corporais, sendo até considerada como
fundamental por muitos profissionais da área.
Por esse fato, torna-se imprescindível o
conhecimento pleno das técnicas e sua correta
utilização, evitando lesões.
ELETROTERAPIA
Quando se fala em eletroterapia, tem-se que ter
consciência dos efeitos da eletricidade em nosso
organismo, pois, quando se pensa em
tratamentos
estéticos,
baseados
na
eletroterapia, pode-se dizer que ela vai
estimular ou inibir a eletricidade do nosso
organismo, baseando-se na terapêutica
aplicada.
FREGUÊNCIA
A frequência (Hz) é a quantidade de repetições
por um determinado tempo. A faixa de
frequência terapêutica do nosso organismo é de
1 à 200Hz, quando se refere à corrente elétrica
excitomotora. Fora isso o nosso organismo não
trabalha, portanto não existe terapia.
FREGUÊNCIA
» 1-10Hz – alcança músculo liso (exemplo vasos
linfáticos); músculo esquelético do tipo I;
Analgesia.
» 30-100Hz – alcança músculo esquelético tipo
II.
» 80-200Hz – alcança analgesia.
Não adianta aplicar frequências mais elevadas, para correntes exitomotoras porque
não existe nada no organismo que trabalhe fora dessas frequências.
PARÂMETROS FÍSICOS
• Eletricidade
É uma forma básica de energia na ciência física e
pode produzir efeitos sobre os tecidos.
• Carga Elétrica
É uma propriedade física, com cargas positivas e
negativas. A carga é carregada por elétrons
(negativa) e prótons (positiva).
PARÂMETROS FÍSICOS
Cargas iguais se repelem umas às outras, enquanto
cargas opostas se atraem.
» Átomo: Formado por elétrons e prótons.
» Íons: São átomos carregados positivamente ou
negativamente.
Átomo (positivos) cátions.
Átomo (negativos) ânions.
Os tecidos biológicos são condutores, porque os íons são livres para se moverem, quando
expostos às forças eletromotrizes.
PARÂMETROS FÍSICOS
• Campo Elétrico
Um campo eletromagnético é um espaço onde
agem forças magnéticas, que se formam em
torno de um condutor elétrico. Quando há uma
corrente elétrica num condutor, não somente o
condutor é submetido a alterações, mas
também a região que o circunda sofre
modificações.
Forma-se
um
campo
eletromagnético em volta do condutor.
PARÂMETROS FÍSICOS
• Pulso (ms ou μs)
Largura de fase da onda, a medida de onde inicia
até onde termina uma onda, em cada pulso se
obtém uma determinada quantidade de energia já
preestabelecida.
• Frequência (Hz)
Frequência é a quantidade de pulso em um
determinado tempo.
PARÂMETROS FÍSICOS
• Relação Frequência versus largura de pulso
Sempre que for alterada a frequência de um
equipamento é o repouso do pulso que está
sofrendo alteração.
É uma grandeza física associada a movimentos
de característica ondulatória que indica o
número de revoluções (ciclos, voltas, oscilações
etc) por unidade de tempo.
PARÂMETROS FÍSICOS
• Relação Frequência versus largura de pulso
Sempre a frequência é inversamente
proporcional a largura da onda, quanto maior a
largura da onda menor a frequência. E quanto
maior a frequência menor a resistência cutânea,
portanto mais agradável é a corrente.
PARÂMETROS FÍSICOS
Classificação das Frequências:
» Baixa Frequência: 1 a 1.000 Hz, mais utilizada na
prática clínica a faixa de 1 a 200Hz. Galvânica, Farádica,
Diadinâmicas, Tens e FES.
» Média Frequência: 1.000 a 100.000 Hz, sendo utilizado
na eletroterapia de 2.000 a 4.000 Hz. Interferêncial e
Corrente Russa.
» Alta Frequência: Acima de 100.000 Hz. Ondas Curtas,
Ultracurtas, Decimétricas, Microondas, Ultrassom.
PARÂMETROS FÍSICOS
• Intensidade (μA ou mA)
Quando se aumenta a intensidade no aparelho
aumenta-se a unidade motora recrutada, o
tamanho da área que está sendo atingida e
também a magnitude com que ela está sendo
atingida. Serve também para manter o estimulo
sensorial.
PARÂMETROS FÍSICOS
• Algumas
modulações
existentes
nos
aparelhos
» TON/ TOFF – tempo de transmissão da
corrente/ tempo de repouso (sem corrente)
– unidade em segundos. A contração da
corrente elétrica é mais fatigante que a
voluntária. Por isso o TON/TOFF é usado
exclusivamente em correntes exictomotoras.
PARÂMETROS FÍSICOS
O tempo on que é composto do tempo de subida e
tempo de descida, é importante devido aos efeitos
de “acomodação”. O tempo off é o tempo em que
não existe corrente passando.
» Subida/descida – Tempo de subida é o tempo
necessário para que a extremidade de uma fase
saia da linha de base zero até atingir a amplitude de
pico. Tempo de descida é o tempo necessário para
que a extremidade de uma fase diminua da
amplitude de pico até a linha de base zero.
PARÂMETROS FÍSICOS
» Burst ou salva – É o tempo que a corrente fica
em TON. Quando ouvimos a pronuncia
burst, logo imaginamos o tempo que ela está
sendo conduzida.
» Repouso (R) – É o que está entre as fases das
ondas.
OBS: Cuidado para não confundir Repouso (R) com Tempo off (TOFF)
TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS
» Corrente direta: Sem repouso e pausa,
constituindo portanto, entrada contínua de
energia no organismo.
TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS
» Corrente Pulsada: Caracterizada por possuir o
Tempo on (subida e descida) Tempo
off.
TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS
• Resistência
É a propriedade do material em promover
oposição de fluxo:
» Materiais Isolantes: alta resistência.
» Materiais Condutores: baixa resistência.
Eletrodo
É o meio pelo qual o fluxo de elétrons do circuito de
saída do estimulador é convertido em fluxo de
corrente iônica nos tecidos vivos. São necessários
pelo menos dois eletrodos para completar o
circuito elétrico e levar a corrente do estimulador
até os tecidos-alvos.
Podem ser: Borracha de silicone tratada com
carbono; Autoadesivo; Placa de alumínio com
bucha umedecida.
CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES
ELÉTRICAS
Antes de começarmos a falar de correntes
utilizadas no tratamento estético, é importante
saber que existem duas classificações para as
correntes elétricas:
Despolarizadas
Polarizadas
CORRENTES ELÉTRICAS POLARIZADAS
Também conhecidas como correntes Diretas. São
correntes monofásicas, apresentam polos definidos:
um negativo (-) na cor preta e um positivo (+) na cor
vermelha.
Essas correntes são usadas, principalmente, para
cicatrização, diminuição de edema (drenagem)
e tratamento de estrias, mas também podem ser
utilizadas no alívio da dor. Utilizam-se eletrodos de
alumínio com bucha umedecida.
A definição dos polos é importante quando se
necessita de correntes com efeitos polares. Já
sabemos que nosso organismo possui energia
elétrica, portanto, cargas positivas (cátions) e
cargas negativas (ânions). Quando aplicamos
uma corrente polarizada temos que ter em
mente que as cargas positivas (+) de nosso
organismo vão em direção ao eletrodo negativo
(-), e que as cargas negativas (-) vão em direção
ao eletrodo positivo (+).
Devido a isso essa corrente se torna útil quando
temos interesse em efeitos ionizantes.
CORRENTES ELÉTRICAS
DESPOLARIZADAS
Também conhecidas como as correntes Pulsadas. São
correntes bifásicas, não apresentando polos definidos,
uma vez que eles se alteram a cada fase da corrente.
Num primeiro momento o negativo (-) é preto e o
positivo (+) vermelho, e num segundo momento, isso
inverte, o negativo (-) é vermelho e o positivo (+) é
preto.
São usadas, principalmente, em correntes para efeito
analgésico e contração muscular. São utilizados eletrodos
de borracha ou ato adesivo.
CORRENTES ELÉTRICAS USADAS NA
ESTÉTICA
• Corrente RUSSA
É uma corrente usada para o fortalecimento
muscular. Para que possamos entender como
usá-la é importante lembrar um pouco sobre a
fisiologia muscular.
• Fibras do TIPO I – contração lenta /
metabolismo oxidativo / alta resistência à
fadiga.
» São estimuladas na frequência 20 a 30Hz.
• Fibras do TIPO II – contração rápida /
metabolismo glicolítico / baixa resistência
à fadiga.
» São estimuladas na frequência 50 a 150Hz.
CORRENTE RUSSA
» Parâmetros Físicos
A frequência portadora é de 2500Hz.
CORRENTE RUSSA
Por que a corrente russa (corrente
excitomotora) trabalha com uma frequência de
2500Hz, se VIMOS QUE “o nosso organismo
trabalha
com
estímulo
apenas
na faixa entre 1 e 200Hz?
CORRENTE RUSSA
Porque, quando se aumenta a frequência da
corrente, ela se torna mais suportável. O nosso
organismo não é sensível a essa frequência. Com
isso a resistência diminui, e a frequência não
encontra nenhuma barreira até chegar à fibra
nervosa. Essa frequência permite, inclusive, um
aumento na intensidade sem que se torne
desconfortável.
CORRENTE RUSSA
Porém a frequência de 2500Hz serve apenas para
“enganar” o organismo, pois o que acontece com a
corrente russa é que a frequência é modulada, em um
modo conhecido como burst.
Cada burst vai ser modulado de acordo com o tipo de
fibra que se deseja estimular (branca ou vermelha). Para
fibras brancas, frequências mais altas, na ordem de 80Hz
são indicadas. Já para fibras vermelhas, a frequência
que indicamos é a de 20Hz. Dependendo do grupamento
muscular, o profissional deve dar ênfase a um
tipo de fibra ou a outro. Dentro de cada burst tem-se uma
frequência de 2500Hz.
CORRENTE RUSSA
O tempo médio, para pacientes sedentários é de
20 minutos. Durante a evolução do tratamento
ou em pacientes que realizam atividade física, o
tempo pode ser estendido para 25 ou 30
minutos. Para maior conforto, deve-se
programar o tempo de sustentação e Toff (em
segundos) iguais ou com o Toff um pouco
maior, para diminuir os riscos de fadiga
muscular.
CORRENTE RUSSA
A largura de pulso da sinapse de uma contração
muscular, no estado normal, varia de 100 a
500ms.
O eletrodo mais utilizado é o de borracha, sendo
recomendado um, no ponto motor, local de
maior inervação da fibra muscular, e um, no
ventre muscular.
CORRENTE RUSSA
• Contraindicações:
»cardiopatias congestivas;
»portadores de marca-passo;
»patologias circulatórias como flebites, embolias,
tromboflebites;
»gestantes;
»hiper e hipotensos descompensados;
»processos infecciosos e inflamatórios;
»neoplasia;
»problemas renais crônicos;
»patologias pulmonares como enfisema pulmonar;
»epilepsia;
»regiões com dermatites ou dermatoses;
»lesões musculares;
»prótese metálica.
varizes,
Exemplo de colocação dos eletrodos
para a corrente russa
RECOMENDAÇÕES
• Primeiramente é importante lembrar que a pele
do cliente deve sempre estar bem limpa e
desengordurada.
• Pedir para o paciente retirar anéis, joias ou outros
objetos de metal.
• Antes do aparelho ser ligado, o eletrodo deve
encontrar-se encostado na pele do cliente,
evitando que ele tome um susto. Enquanto o
aparelho permanecer ligado, o eletrodo deve
manter contato com a pele.
RECOMENDAÇÕES
Explanação prévia do tratamento é um elemento
fundamental. Isso não só tranquiliza o paciente, mas
assegura o seu consentimento esclarecido. O tipo de
sensação que será experimentada é explicado e o
paciente é avisado sobre quais efeitos devem ser
relatados.
Não se esquecer dos exames específicos feitos na parte a
ser tratada, para identificação de possíveis
contraindicações ou riscos, além dos testes relevantes
como, por exemplo, o teste de sensibilidade normal
à temperatura e de que é fundamental uma boa
anaminese.
RECOMENDAÇÕES
Todos os acessórios do equipamento devem ser
montados e posicionados adequadamente. Deve
ser feita também uma inspeção visual nos
eletrodos,
cabos,
plugues,
tomadas,
interruptores,
controles,
e
luzes
de
indicação.
RECOMENDAÇÕES
Isto inclui o acoplamento dos acessórios e todos
os testes necessários previamente à aplicação.
Depois que essa etapa for cumprida
satisfatoriamente, o tratamento pode começar.
O operador deve minimizar a sua exposição aos
efeitos da modalidade que estiver sendo
utilizada.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards