Enviado por Do utilizador5880

Apostila SME SP ATE 2019

Propaganda
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
1
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Há 17 anos, o Curso BR é referência nacional
na preparação para Concursos Públicos e
Exames da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
Pensando na praticidade e acessibilidade de uma
nova ferramenta de ensino, o Curso BR oferece um novo
material em formato Digital.
Aproveite a praticidade do material digital e
estude onde e quando quiser.
“Muito obrigado pela preferência e bons estudos.”
Sua aprovação começa agora!
© - Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/98. Nenhuma parte deste livro, sem autorização
prévia por escrito da editora, poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados:
eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.
2
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
SUMÁRIO
4
Língua Portuguesa
89
Matemática
141 Noções de Informática
Legislações e Publicações Institucionais:
293 LEGISLAÇÃO FEDERAL
422 LEGISLAÇÃO MUNICIPAL
539 PUBLICAÇÕES INSTITUCIONAIS
3
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Língua Portuguesa
Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários)
O hábito da leitura é fundamental durante a preparação para qualquer concurso público.
Mas para uma disciplina específica é ponto chave para que os candidatos consigam o maior
número de acertos.
A interpretação de textos, tão comum em provas de Português, sempre foi um tópico de
grande dificuldade para os candidatos a concursos públicos ou vestibulares.
As pessoas têm pouca disposição de mergulhar no texto, conseguem lê-lo, mas não
aprofundam a leitura, não extraem dele aquelas informações que uma leitura superficial,
apressada, não permite.
Ao tentar resolver o problema, as pessoas buscam os materiais que julgam poder ajudá-las.
Caem, então, no velho vício de ler teoria em excesso, estudar coisas que nem sempre dizem
respeito à compreensão e interpretação dos textos e no final, cansadas, não fazem o
essencial: ler uma grande quantidade de textos — e tentar interpretá-los.
Interpretar um texto é penetrá-lo em sua essência, observar qual é a ideia principal, quais os
argumentos que comprovam a ideia, como o texto está escrito e outras nuanças. Em suma,
procurar interpretar corretamente um texto é ampliar seus horizontes existenciais.
Compreensão
A base conceitual da interpretação de texto é a compreensão. A etimologia, ainda que não
seja um recurso confiável para estabelecer o significado das palavras, pode ser útil aqui,
para mostrar a diferença entre compreender e interpretar. “Compreender” vem de duas
palavras latinas: “cum”, que significa “junto” e “prehendere” que significa “pegar”.
Compreender é, portanto, “pegar junto”.
Essa ideia de juntar é óbvia em uma das principais acepções do verbo compreender: ser
composto de dois ou mais elementos, ou seja, abarcar, envolver, abranger, incluir.
Vejamos alguns exemplos para ilustrar essa acepção:
•
O ensino da língua compreende o estudo da fala e da escrita.
4
BR CONCURSO
•
APOSTILA DIGITAL
A gramática tradicional compreende o estudo da fonologia, da morfologia, da
sintaxe e da semântica.
•
A leitura compreende o contato do leitor com vários textos.
Saber ler corretamente
Ler adequadamente é mais do que ser capaz de decodificar as palavras ou combinações
linearmente ordenadas em sentenças. O interessado deve aprender a “enxergar” todo o
contexto denotativo e conotativo. É preciso compreender o assunto principal, suas causas e
consequências, críticas, argumentações, polissemias, ambiguidades, ironias, etc.
Ler adequadamente é sempre resultado da consideração de dois tipos de fatores: os
propriamente linguísticos e os contextuais ou situacionais, que podem ser de natureza
bastante variada. Bom leitor, portanto, é aquele capaz de integrar estes dois tipos de fatores.
Erros de Leitura
Extrapolar
Trata-se de um erro muito comum. Ocorre quando saímos do contexto, acrescentando-lhe
ideias que não estão presentes no texto. A interpretação fica comprometida, pois passamos
a criar sobre aquilo que foi lido. Frequentemente, relacionamos fatos que conhecemos, mas
que eram realidade em outros contextos e não naquele que está sendo analisado.
Reduzir
Trata-se de um erro oposto à extrapolação. Ocorre quando damos atenção apenas a uma
parte ou aspecto do texto, esquecendo a totalidade do contexto. Privilegiamos, desse
modo, apenas um fato ou uma relação que podem ser verdadeiros, porém insuficientes se
levarmos em consideração o conjunto das ideias.
Contradizer
É o mais comum dos erros. Ocorre quando chegamos a uma conclusão que se opõe ao
texto. Associamos ideias que, embora no texto, não se relacionam entre si.
Nas provas de concursos públicos, o candidato deve ter o hábito de fazer leituras diárias,
pois é através dela que o indivíduo terá um vocabulário mais amplo e um conhecimento
aprimorado da língua portuguesa. Praticar a leitura, faz com que a interpretação seja mais
aguçada e o concurseiro possa entender os enunciados de outras questões no decorrer de
sua prova. Ao estudar, se houverem palavras não entendidas, procure no dicionário. Ele será
seu companheiro na hora das dúvidas.
5
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Em questões que cobram a interpretação de textos como, por exemplo, aquelas que existem
textos de autores famosos ou de notícias, procure entender bem o enunciado e verificar o
que está sendo cobrado, pois é preciso responder o que exatamente está sendo cobrado no
texto e não aquilo que o candidato pensa.
Ao ler um texto procure atingir dois níveis de leitura: leitura informativa e de
reconhecimento e leitura interpretativa.
No primeiro caso, deve-se ter uma primeira noção do tema, extraindo informações
importantes e verificando a mensagem do escritor.
No segundo tipo de leitura, é aconselhável grifar trechos importantes, palavras-chaves e
relacionar cada parágrafo com a ideia central do texto.
Geralmente, um texto é organizado de acordo com seus parágrafos, cada um seguindo uma
linha de raciocínio diferente e de acordo com os tipos de texto, que podem ser narrativo,
descritivo e dissertativo. Cada tipo desses, possui uma forma diferente de organização do
conteúdo.
Tipos de textos
A narração consiste em arranjar uma sequência de fatos na qual os personagens se
movimentam num determinado espaço à medida que o tempo passa.
O texto narrativo é baseado na ação que envolve personagens, tempo, espaço e conflito.
Seus elementos são: narrador, enredo, personagens, espaço e tempo.
Dessa forma, o texto narrativo apresenta uma determinada estrutura:
Esquematizando temos:
– Apresentação;
– Complicação ou desenvolvimento;
– Clímax;
– Desfecho.
Protagonistas e Antagonistas: A narrativa é centrada num conflito vivido pelos personagens.
Diante disso, a importância dos personagens na construção do texto é evidente.
Podemos dizer que existe um protagonista (personagem principal) e um antagonista
(personagem que atua contra o protagonista, impedindo-o de alcançar seus objetivos). Há
também os adjuvantes ou coadjuvantes, esses são personagens secundários que também
exercem papéis fundamentais na história.
Narração e Narratividade: Em nosso cotidiano encontramos textos narrativos; contamos
e/ou ouvimos histórias o tempo todo. Mas os textos que não pertencem ao campo da
ficção não são considerados narração, pois essas não têm como objetivo envolver o leitor
pela trama, pelo conflito. Podemos dizer que nesses relatos há narratividade, que quer dizer,
o modo de ser da narração.
Os Elementos da Narrativa: Os elementos que compõem a narrativa são:
– Foco narrativo (1º e 3º pessoa);
– Personagens (protagonista, antagonista e coadjuvante);
– Narrador (narrador- personagem, narrador observador).
6
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
– Tempo (cronológico e psicológico);
– Espaço.
Exemplo de Texto Narrativo:
Conta à lenda que um velho funcionário público de Veneza noite e dia, dia e noite rezava e
implorava para o seu Santo que o fizesse ganhar sozinho na loteria cujo valor do premio o
faria realizar todos seus desejos e vontades. Assim passavam os dias, as semanas, os meses
e anos.E nada acontecia. Até que no dia do Santo, de tanto que seu fiel devoto chorava e
implorava, o Santo surgiu do nada e numa voz de desespero e raiva gritou:
Pelo menos meu filho compra o bilhete!!!
Descritivo
“Descrição é a representação verbal de um objeto sensível (ser, coisa, paisagem), através da
indicação dos seus aspectos mais característicos, dos pormenores que o individualizam, que
o distinguem.”
Descrever não é enumerar o maior número possível de detalhes, mas assinalar os traços
mais singulares, mais salientes; é fazer ressaltar do conjunto uma impressão dominante e
singular. Dependendo da intenção do autor, varia o grau de exatidão e minúcia na descrição.
Diferentemente da narração, que faz uma história progredir, a descrição faz interrupções na
história, para apresentar melhor um personagem, um lugar, um objeto, enfim, o que o autor
julgar necessário para dar mais consistência ao texto.
Texto descritivo é, então, desenhar, pintar, usando palavras em vez de tintas. Um bom
exercício para levar a criança a vivenciar o texto descritivo e pedir que ela olhe em volta e
escreva ou fale o que está vendo, descrever objetos como, sua mochila, estojo, etc. Ou que
ela conte como é o coleguinha ao lado, (nessa é bom ter cuidado, pois elas costumam achar
defeitos horrorosos).
Algumas das características que marcam o texto descritivo são:
•presença de substantivo, que identifica o que está sendo descrito.
•adjetivos e locuções adjetivas.
•presença de verbos de ligação.
•há predominância do predicado verbal, devido aos verbos de ligação e aos adjetivos.
•emprego de metáforas e comparações, para auxiliar na “visualização” das características
que se deseja descrever.
Essa é a explicação básica e resumida de “como ensinar texto descritivo para crianças”.
Lembrando que ao descrever seres vivos, as características psicológicas e comportamentais,
também fazem parte da descrição.
Exemplo de texto descritivo:
“A árvore é grande, com tronco grosso e galhos longos”. É cheia de cores, pois tem o
marrom, o verde, o vermelho das flores e até um ninho de passarinhos. O rio espesso com
suas águas barrentas desliza lento por entre pedras polidas pelos ventos e gastas pelo
tempo.
7
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Dissertativo
Dissertar é o mesmo que desenvolver ou explicar um assunto, discorrer sobre ele. Assim, o
texto dissertativo pertence ao grupo dos textos expositivos, juntamente ao texto de
apresentação científica, o relatório, o texto didático, o artigo enciclopédico. Em princípio, o
texto dissertativo não está preocupado com a persuasão e sim, com a transmissão de
conhecimento, sendo, portanto, um texto informativo.
Os textos argumentativos, ao contrário, têm por finalidade principal persuadir o leitor sobre
o ponto de vista do autor a respeito do assunto. Quando o texto, além de explicar, também
persuade o interlocutor e modifica seu comportamento, temos um texto dissertativoargumentativo. O texto dissertativo argumentativo tem uma estrutura convencional,
formada por três partes essenciais.
Introdução (1o parágrafo): Apresenta a ideia principal da dissertação, podendo conter uma
citação, uma ou mais perguntas (contanto que sejam respondidas durante o texto),
comparação, pensamento filosófico, afirmação histórica, etc.
Desenvolvimento (2o aos penúltimos parágrafos): Argumentação e desenvolvimento do
tema, na qual o autor dá a sua opinião e tenta persuadir o leitor, sem nunca usar a primeira
pessoa (invés de “eu sei”, use “nós sabemos” ou “se sabe”).
Conclusão (último parágrafo): Resumo do que foi dito no texto e/ou uma proposta de
solução para os problemas nele tratados.
Exemplo de texto dissertativo:
Uma nova ordem
Nunca foi tão importante no País uma cruzada pela moralidade. As denúncias que se
sucedem, os escândalos que se multiplicam, os casos ilícitos que ocorrem em diversos níveis
da administração pública exibem, de forma veemente, a profunda crise moral por que passa
o País.
O povo se afasta cada vez mais dos políticos, como se estes fossem símbolos de todos os
males. As instituições normativas, que fundamentam o sistema democrático, caem em
descrédito. Os governantes, eleitos pela expressão do voto, também engrossam a caldeira
da descrença e, frágeis, acabam comprometendo seus programas de gestão.
Para complicar, ainda estamos no meio de uma recessão que tem jogado milhares de
trabalhadores na rua, ampliando os bolsões de insatisfação e amargura.
Não é de estranhar que parcelas imensas do eleitorado, em protesto contra o que vêem e
sentem, procurem manifestar sua posição com o voto nulo, a abstenção ou o voto em
branco. Convenhamos, nenhuma democracia floresce dessa maneira.
A atitude de inércia e apatia dos homens que têm responsabilidade pública os condenará
ao castigo da história. É possível fazer-se algo, de imediato, que possa acender uma
pequena chama de esperança.
O Brasil dos grandes valores, das grandes ideias, da fé e da crença, da esperança e do futuro
necessita, urgentemente da ação solidária, tanto das autoridades quanto do cidadão
comum, para instaurar uma nova ordem na ética e na moral.
Lembre-se
8
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Não existe texto difícil, existe texto mal interpretado.
O texto é como uma colcha de retalhos. O candidato deve dividi-lo em partes, ver as ideias
mais importantes em cada uma e enxergar a coerência entre elas.
9
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
10
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Questões de Concursos
1 - FCC - 2015 - TCM-GO - Auditor Controle Externo
Prazer sem humilhação
O poeta Ferreira Gullar disse há tempos uma frase que gosta de repetir: “A crase não
existe para humilhar ninguém". Entenda-se: há normas gramaticais cuja razão de ser é
emprestar clareza ao discurso escrito, valendo como ferramentas úteis e não como
instrumentos de tortura ou depreciação de alguém.
Acho que o sentido dessa frase pode ampliar-se: “A arte não existe para humilhar
ninguém", entendendo-se com isso que os artistas existem para estimular e desenvolver
nossa sensibilidade e inteligência do mundo, e não para produzir obras que separem e
hierarquizem as pessoas. Para ficarmos no terreno da música: penso que todos devem
escolher ouvir o que gostam, não aquilo que alguém determina. Mas há aqui um ponto
crucial, que vale a pena discutir: estamos mesmo em
condições de escolher livremente as músicas de que gostamos?
Para haver escolha real, é preciso haver opções reais. Cada vez que um carro passa com
o som altíssimo de graves repetidos praticamente sem variação, num ritmo mecânico e
hipnótico, é o caso de se perguntar: houve aí uma escolha? Quem alardeia os infernais
decibéis de seu som motorizado
pela cidade teve a chance de ouvir muitos outros gêneros musicais? Conhece muitos outros
ritmos, as canções de outros países, os compositores de outras épocas, as tendências da
música brasileira, os incontáveis estilos musicais já inventados e frequentados? Ou se limita
a comprar no mercado o que está vendendo na prateleira dos sucessos, alimentando o
círculo vicioso e enganoso do “vende porque é bom, é bom porque vende"?
Não digo que A é melhor que B, ou que X é superior a todas as letras do alfabeto; digo
que é importante buscar conhecer todas as letras para escolher. Nada contra quem escolhe
um “batidão" se já ouviu música clássica, desde que tenha tido realmente a oportunidade de
ouvir e escolher compositores clássicos que lhe digam algo. Não acho que é preciso
escolher, por exemplo, entre os grandes Pixinguinha e Bach, entre Tom Jobim e Beethoven,
entre um forró e a música eletrônica das baladas, entre a música dançante e a que convida a
uma audição mais serena; acho apenas que temos o direito de ouvir tudo isso antes de
escolher. A boa música, a boa arte, esteja onde estiver, também não existe para humilhar
ninguém.
(João Cláudio Figueira, inédito)
A diversidade de épocas e de linguagens em que as artes se manifestam
11
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
• a) representa uma riqueza cultural para quem foi contemplado com uma inata e
especial sensibilidade.
• b) obriga o público a confiar no mercado, cujos critérios costumam respeitar tal
diversidade.
• c) não interessa ao gosto popular, que costuma cultivar as exigências artísticas mais
revolucionárias.
• d) constitui uma vantagem para quem se habilita a escolher de acordo com o
próprio gosto.
• e) cria uma impossibilidade de opções reais, razão pela qual cada um de nós
aprimora seu gosto pessoal.
2 - FCC - 2015 - TCM-GO - Auditor Controle Externo
O autor da crônica se reporta ao emprego da crase, ao sentido da arte em geral e ao da
música clássica em particular. A tese que articula esses três casos e justifica o título da
crônica é a seguinte:
• a) É comum que nos sintamos humilhados quando não conseguimos extrair prazer
de todos os níveis de cultura que se oferecem ao nosso desfrute.
• b) Costumamos ter vergonha daquilo que nos causa prazer, pois nossas escolhas
culturais são feitas sem qualquer critério ou disciplina.
• c) A possibilidade de escolha entre os vários níveis de expressão da linguagem e das
artes não deve constranger, mas estimular nosso prazer.
• d) Tanto o emprego da crase como a audição de música clássica são reveladores do
mau gosto de quem desconsidera o prazer verdadeiro dos outros.
• e) Somente quem se mostra submisso e humilde diante da linguagem culta e da
música clássica está em condições de sentir um verdadeiro prazer.
3 - FCC - 2015 - TCM-GO - Auditor Controle Externo
Considere as seguintes afirmações:
I. Têm significação equivalente, no 2° parágrafo, estes dois segmentos: estimular e
desenvolver nossa sensibilidade e separem e hierarquizem as pessoas.
II. O autor se refere ao som altíssimo do que toca num carro que passa para ilustrar o caso
de quem, diante de tantas opções reais, fez uma escolha de gosto discutível.
III. O que importa para a definição do nosso gosto é que se abram para nós todas as opções
12
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
possíveis, para que a partir delas escolhamos a que de fato mais nos apraz.
Em relação ao texto, está correto o que se afirma APENAS em
• a) II e III.
• b) III.
• c) II.
• d) I e III.
• e) I.
4 - FCC - 2015 - TCM-GO - Auditor Controle Externo
Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um segmento em:
• a) clássicos que lhe digam algo (4º parágrafo) = eruditos que lhe transmitam alguma
coisa.
• b) instrumentos de tortura ou depreciação (1º parágrafo) = meios de aviltamento ou
rejeição.
• c) ritmo mecânico e hipnótico (3º parágrafo) = toque automático e insone.
• d) alardeia os infernais decibéis (3º parágrafo) = propaga os pérfidos excessos.
• e) alimentando o círculo vicioso (3º parágrafo) = nutrindo a esfera pecaminosa.
5 - FCC - 2015 - TCM-GO - Auditor Controle Externo
Pátrio poder
Pais que vivem em bairros violentos de São Paulo
chegam a comprometer 20% de sua renda para manter seus
filhos em escolas privadas. O investimento faz sentido? A
questão, por envolver múltiplas variáveis, é complexa, mas, se
fizermos questão de extrair uma resposta simples, ela é
"provavelmente sim". Uma série de estudos sugere que a
influência de pais sobre o comportamento dos filhos, ainda que
não chegue a ser nula, é menor do que a imaginada e se dá por
vias diferentes das esperadas. Quem primeiro levantou essa
hipótese foi a psicóloga Judith Harris no final dos anos 90.
Para Harris, os jovens vêm programados para ser
socializados não pelos pais, como pregam nossas instituições e
13
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
nossa cultura, mas pelos pares, isto é, pelas outras crianças
com as quais convivem. Um dos muitos argumentos que ela usa
para apoiar sua teoria é o fato de que filhos de imigrantes não
terminam falando com a pronúncia dos genitores, mas sim com
a dos jovens que os cercam.
As grandes aglomerações urbanas, porém, introduziram
um problema. Em nosso ambiente ancestral, formado por
bandos de no máximo 200 pessoas, o "cantinho" das crianças
era heterogêneo, reunindo meninos e meninas de várias idades.
Hoje, com escolas que reúnem centenas de alunos, o(a)
garoto(a) tende a socializar-se mais com coleguinhas do mesmo
sexo, idade e interesses. O resultado é formação de nichos com
a exacerbação de características mais marcantes. Meninas se
tornam hiperfemininas, e meninos, hiperativos. O mau aluno
encontra outros maus alunos, que constituirão uma subcultura
onde rejeitar a escola é percebido como algo positivo. O mesmo
vale para a violência e drogas. Na outra ponta, podem surgir
meios que valorizem a leitura e a aplicação nos estudos.
Nesse modelo, a melhor chance que os pais têm de
influir é determinando a vizinhança em que seu filho vai viver e
a escola que frequentará.
(Adaptado de: SCHWARTSMAN, Hélio. Folha de São Paulo,
7/12/2014)
À pergunta O investimento faz sentido? o próprio autor responde: “provavelmente sim”. Essa
resposta se justifica, porque
• a) as grandes concentrações humanas estimulam características típicas do que já foi
nosso ambiente ancestral.
• b) a escola particular, mesmo sendo cara, acaba por desenvolver nos alunos uma
subcultura crítica em relação ao ensino.
• c) a escola, ao contrário do que se imagina, tem efeitos tão poderosos quanto os
que decorrem da convivência familiar.
• d) as influências dos pares de um educando numa escola pública são menos nocivas
do que os exemplos de seus pais.
• e) a qualidade do convívio de um estudante com seus colegas de escola é um fator
determinante para sua formação.
6 - FCC - 2015 - TCM-GO - Auditor Controle Externo
14
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Com a frase O resultado é formação de nichos com a exacerbação de características mais
marcantes (3º parágrafo) o autor está afirmando que a socialização nas escolas se dá de
modo a
• a) criar grupos fortemente tipificados.
• b) dissolver os agrupamentos perniciosos.
• c) promover a competitividade entre os grupos.
• d) estabelecer uma hierarquia no interior dos grupos.
• e) incentivar o desempenho dos alunos mais habilitados.
7 - FCC - 2015 - TCM-GO - Auditor Controle Externo
Considere as seguintes afirmações:
I. A hipótese levantada pela psicóloga Judith Harris é a de que os estudantes migrantes são
menos sensíveis às influências dos pais que às de seus professores.
II. O fato de um mau aluno se deixar atrair pela amizade de outro mau aluno prova que as
deficiências da vida familiar antecedem e determinam o mau aproveitamento escolar.
III. Do ponto de vista do desempenho escolar, podem ser positivos ou negativos os traços
de afinidade que levam os estudantes a se agruparem.
Em relação ao texto, está correto o que se afirma APENAS em
• a) I e III.
• b) I.
• c) III.
• d) II e III.
• e) I e II.
8 - FGV - 2015 - TJ-BA - Analista Judiciário
Texto 1 – “A história está repleta de erros memoráveis. Muitos foram cometidos por pessoas
bem-intencionadas que simplesmente tomaram decisões equivocadas e acabaram sendo
responsáveis por grandes tragédias. Outros, gerados por indivíduos motivados por ganância
e poder, resultaram de escolhas egoístas e provocaram catástrofes igualmente terríveis.” (As
piores decisões da história, Stephen Weir)
A primeira frase do texto 1, no desenvolvimento desse texto, desempenha o seguinte papel:
15
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
• a) aborda o tema de “erros memoráveis”, que são enumerados nos períodos
seguintes;
• b) introduz um assunto, que é subdividido no restante do texto;
• c) mostra a causa de algo cujas consequências são indicadas a seguir;
• d) denuncia a história como uma sequência de erros cometidos por razões
explicitadas a seguir;
• e) faz uma afirmação que é comprovada pelas exemplificações seguintes.
GABARITO
1-D
2-C
3-B
4-A
5-E
6-A
7-C
8-B
Significação das Palavras
Quanto à significação, as palavras são divididas nas seguintes categorias:
Sinônimos
As palavras que possuem significados próximos são chamadas sinônimos. Exemplos:
casa - lar - moradia - residência
longe - distante
delicioso - saboroso
carro - automóvel
Observe que o sentido dessas palavras são próximos, mas não são exatamente
equivalentes. Dificilmente encontraremos um sinônimo perfeito, uma palavra que signifique
exatamente a mesma coisa que outra.
Há uma pequena diferença de significado entre palavras sinônimas. Veja que,
embora casa e lar sejam sinônimos, ficaria estranho se falássemos a seguinte frase:
Comprei um novo lar.
Observação: o uso de palavras sinônimas pode ser de grande utilidade nos processos de
retomada de elementos que inter-relacionam as partes dos textos.
16
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Antônimos
São palavras que possuem significados opostos, contrários. Exemplos:
mal / bem
ausência / presença
fraco / forte
claro / escuro
subir / descer
cheio / vazio
possível / impossível
Polissemia
Polissemia é a propriedade que uma mesma palavra tem de apresentar mais de um
significado nos múltiplos contextos em que aparece. Veja alguns exemplos de palavras
polissêmicas:
cabo (posto militar, acidente geográfico, cabo da vassoura, da faca)
banco (instituição comercial financeira, assento)
manga (parte da roupa, fruta)
Homônimos
São palavras que possuem a mesma pronúncia (algumas vezes, a mesma grafia), mas
significados diferentes. Veja alguns exemplos no quadro abaixo:
acender (colocar fogo)
ascender (subir)
acento (sinal gráfico)
assento (local onde se senta)
acerto (ato de acertar)
asserto (afirmação)
apreçar (ajustar o preço)
apressar (tornar rápido)
bucheiro (tripeiro)
buxeiro (pequeno arbusto)
bucho (estômago)
buxo (arbusto)
caçar (perseguir animais)
cassar (tornar sem efeito)
cegar (deixar cego)
segar (cortar, ceifar)
cela (pequeno quarto)
sela (forma do verbo selar; arreio)
censo (recenseamento)
senso (entendimento, juízo)
céptico (descrente)
séptico (que causa infecção)
17
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
cerração (nevoeiro)
serração (ato de serrar)
cerrar (fechar)
serrar (cortar)
cervo (veado)
servo (criado)
chá (bebida)
xá (antigo soberano do Irã)
cheque (ordem de pagamento)
xeque (lance no jogo de xadrez)
círio (vela)
sírio (natural da Síria)
cito (forma do verbo citar)
sito (situado)
concertar (ajustar, combinar)
consertar (reparar, corrigir)
concerto (sessão musical)
conserto (reparo)
coser (costurar)
cozer (cozinhar)
esotérico (secreto)
exotérico (que se expõe em público)
espectador (aquele que assiste)
expectador (aquele que tem esperança, que
espera)
esperto (perspicaz)
experto (experiente, perito)
espiar (observar)
expiar (pagar pena)
espirar (soprar, exalar)
expirar (terminar)
estático (imóvel)
extático (admirado)
esterno (osso do peito)
externo (exterior)
estrato (camada)
extrato (o que se extrai de algo)
estremar (demarcar)
extremar (exaltar, sublimar)
incerto (não certo, impreciso)
inserto (inserido, introduzido)
incipiente (principiante)
insipiente (ignorante)
laço (nó)
lasso (frouxo)
ruço (pardacento, grisalho)
russo (natural da Rússia)
tacha (prego pequeno)
taxa (imposto, tributo)
tachar (atribuir defeito a)
taxar (fixar taxa)
Homônimos Perfeitos
Possuem a mesma grafia e o mesmo som.
Por Exemplo:
Eu cedo este lugar para a professora. (cedo = verbo)
Cheguei cedo para a entrevista. (cedo = advérbio de tempo)
Atenção: Existem algumas palavras que possuem a mesma escrita (grafia), mas a pronúncia
e o significado são sempre diferentes. Essas palavras são chamadas de homógrafas e são
uma subclasse dos homônimos.
Observe os exemplos:
18
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
almoço (substantivo, nome da refeição)
almoço (forma do verbo almoçar na 1ª pessoa do sing. do tempo presente do modo
indicativo)
gosto (substantivo)
gosto (forma do verbo gostar na 1ª pessoa do sing. do tempo presente do modo
indicativo)
Parônimos
É a relação que se estabelece entre palavras que possuem significados diferentes, mas são
muito parecidas na pronúncia e na escrita. Veja alguns exemplos no quadro abaixo.
absolver (perdoar, inocentar)
absorver (aspirar, sorver)
apóstrofe (figura de linguagem)
apóstrofo (sinal gráfico)
aprender (tomar conhecimento)
apreender (capturar, assimilar)
arrear (pôr arreios)
arriar (descer, cair)
ascensão (subida)
assunção (elevação a um cargo)
bebedor (aquele que bebe)
bebedouro (local onde se bebe)
cavaleiro (que cavalga)
cavalheiro (homem gentil)
comprimento (extensão)
cumprimento (saudação)
deferir (atender)
diferir (distinguir-se, divergir)
delatar (denunciar)
dilatar (alargar)
descrição (ato de descrever)
discrição (reserva, prudência)
descriminar (tirar a culpa)
discriminar (distinguir)
despensa (local onde se guardam
mantimentos)
dispensa (ato de dispensar)
docente (relativo a professores)
discente (relativo a alunos)
emigrar (deixar um país)
imigrar (entrar num país)
eminência (elevado)
iminência (qualidade do que está iminente)
eminente (elevado)
iminente (prestes a ocorrer)
esbaforido (ofegante, apressado)
espavorido (apavorado)
estada (permanência em um lugar)
estadia (permanência temporária em um
lugar)
flagrante (evidente)
fragrante (perfumado)
fluir (transcorrer, decorrer)
fruir (desfrutar)
fusível (aquilo que funde)
fuzil (arma de fogo)
imergir (afundar)
emergir (vir à tona)
inflação (alta dos preços)
infração (violação)
infligir (aplicar pena)
infringir (violar, desrespeitar)
19
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
mandado (ordem judicial)
mandato (procuração)
peão (aquele que anda a pé, domador de
cavalos)
pião (tipo de brinquedo)
precedente (que vem antes)
procedente (proveniente; que tem
fundamento)
ratificar (confirmar)
retificar (corrigir)
recrear (divertir)
recriar (criar novamente)
soar (produzir som)
suar (transpirar)
sortir (abastecer, misturar)
surtir (produzir efeito)
sustar (suspender)
suster (sustentar)
tráfego (trânsito)
tráfico (comércio ilegal)
vadear (atravessar a vau)
vadiar (andar ociosamente)
Denotação e Conotação
A significação das palavras não é fixa, nem estática. Por meio da imaginação criadora do
homem, as palavras podem ter seu significado ampliado, deixando de representar apenas a
ideia original (básica e objetiva). Assim, frequentemente remetem-nos a novos conceitos por
meio de associações, dependendo de sua colocação numa determinada frase.
Observe os seguintes exemplos:
A menina está com a cara toda pintada.
Aquele cara parece suspeito.
No primeiro exemplo, a palavra cara significa "rosto", a parte que antecede a cabeça,
conforme consta nos dicionários. Já no segundo exemplo, a mesma palavra cara teve seu
significado ampliado e, por uma série de associações, entendemos que nesse caso significa
"pessoa", "sujeito", "indivíduo".
Algumas vezes, uma mesma frase pode apresentar duas (ou mais) possibilidades de
interpretação. Veja:
Marcos quebrou a cara.
Em seu sentido literal, impessoal, frio, entendemos que Marcos, por algum acidente,
fraturou o rosto. Entretanto, podemos entender a mesma frase num sentido figurado, como
"Marcos não se deu bem", tentou realizar alguma coisa e não conseguiu.
20
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Pelos exemplos acima, percebe-se que uma mesma palavra pode apresentar mais de um
significado, ocorrendo, basicamente, duas possibilidades:
a) No primeiro exemplo, a palavra apresenta seu sentido original, impessoal, sem considerar
o contexto, tal como aparece no dicionário. Nesse caso, prevalece o sentido denotativo ou denotação - do signo linguístico.
b) No segundo exemplo, a palavra aparece com outro significado, passível de interpretações
diferentes, dependendo do contexto em que for empregada. Nesse caso, prevalece o
sentido conotativo - ou conotação do signo linguístico.
Observação: A linguagem poética faz bastante uso do sentido conotativo das palavras, num
trabalho contínuo de criar ou modificar o significado. Na linguagem cotidiana também é
comum a exploração do sentido conotativo, como consequência da nossa forte carga de
afetividade e expressividade.
Pontuação
Os sinais de pontuação são recursos gráficos próprios da linguagem escrita. Embora não
consigam reproduzir toda a riqueza melódica da linguagem oral, eles estruturam os textos e
procuram estabelecer as pausas e as entonações da fala. Basicamente, têm como finalidade:
1) Assinalar as pausas e as inflexões de voz (entoação) na leitura;
2) Separar palavras, expressões e orações que devem ser destacadas;
3) Esclarecer o sentido da frase, afastando qualquer ambiguidade.
Vírgula (,)
É usada para:
a) separar termos que possuem mesma função sintática na oração: O menino berrou,
chorou, esperneou e, enfim, dormiu.
Nessa oração, a vírgula separa os verbos.
b) isolar o vocativo: Então, minha cara, não há mais o que se dizer!
21
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
c) isolar o aposto: O João, ex-integrante da comissão, veio assistir à reunião.
d) isolar termos antecipados, como complemento ou adjunto:
1. Uma vontade indescritível de beber água, eu senti quando olhei para aquele copo suado!
(antecipação de complemento verbal)
2. Nada se fez, naquele momento, para que pudéssemos sair! (antecipação de adjunto
adverbial)
e) separar expressões explicativas, conjunções e conectivos: isto é, ou seja, por exemplo,
além disso, pois, porém, mas, no entanto, assim, etc.
f) separar os nomes dos locais de datas: Brasília, 30 de janeiro de 2009.
g) isolar orações adjetivas explicativas: O filme, que você indicou para mim, é muito mais do
que esperava.
Ponto-final (.)
É usado ao final de frases para indicar uma pausa total:
a) Não quero dizer nada.
b) Eu amo minha família.
E em abreviaturas: Sr., a. C., Ltda., vv., num., adj., obs.
Ponto de Interrogação (?)
O ponto de interrogação é usado para:
a) Formular perguntas diretas:
Você quer ir conosco ao cinema?
Desejam participar da festa de confraternização?
b) Para indicar surpresa, expressar indignação ou atitude de expectativa diante de uma
determinada situação:
O quê? não acredito que você tenha feito isso! (atitude de indignação)
22
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Não esperava que fosse receber tantos elogios! Será que mereço tudo isso? (surpresa)
Qual será a minha colocação no resultado do concurso? Será a mesma que imagino?
(expectativa)
Ponto de Exclamação (!)
Esse sinal de pontuação é utilizado nas seguintes circunstâncias:
a) Depois de frases que expressem sentimentos distintos, tais como: entusiasmo, surpresa,
súplica, ordem, horror, espanto:
Iremos viajar! (entusiasmo)
Foi ele o vencedor! (surpresa)
Por favor, não me deixe aqui! (súplica)
Que horror! Não esperava tal atitude. (espanto)
Seja rápido! (ordem)
b) Depois de vocativos e algumas interjeições:
Ui! que susto você me deu. (interjeição)
Foi você mesmo, garoto! (vocativo)
c) Nas frases que exprimem desejo:
Oh, Deus, ajude-me!
Observações dignas de nota:
* Quando a intenção comunicativa expressar, ao mesmo tempo, questionamento e
admiração, o uso dos pontos de interrogação e exclamação é permitido. Observe:
Que que eu posso fazer agora?!
* Quando se deseja intensificar ainda mais a admiração ou qualquer outro sentimento, não
há problema algum em repetir o ponto de exclamação ou interrogação. Note:
Não!!! – gritou a mãe desesperada ao ver o filho em perigo.
23
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Ponto e vírgula (;)
É usado para:
a) separar itens enumerados:
A Matemática se divide em:
- geometria;
- álgebra;
- trigonometria;
- financeira.
b) separar um período que já se encontra dividido por vírgulas: Ele não disse nada, apenas
olhou ao longe, sentou por cima da grama; queria ficar sozinho com seu cão.
Dois-pontos (:)
É usado quando:
a) se vai fazer uma citação ou introduzir uma fala:
Ele respondeu: não, muito obrigado!
b) se quer indicar uma enumeração:
Quero lhe dizer algumas coisas: não converse com pessoas estranhas, não brigue com seus
colegas e não responda à professora.
Aspas (“”)
São usadas para indicar:
a) citação de alguém: “A ordem para fechar a prisão de Guantánamo mostra um início firme.
Ainda na edição, os 25 anos do MST e o bloqueio de 2 bilhões de dólares do Oportunity no
exterior” (Carta Capital on-line)
b) expressões estrangeiras, neologismos, gírias: Nada pode com a propaganda de
“outdoor”.
24
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Reticências (...)
São usadas para indicar supressão de um trecho, interrupção ou dar ideia de continuidade
ao que se estava falando:
a) (...) Onde está ela, Amor, a nossa casa,
O bem que neste mundo mais invejo?
O brando ninho aonde o nosso beijo
Será mais puro e doce que uma asa? (...)
b) E então, veio um sentimento de alegria, paz, felicidade...
c) Eu gostei da nova casa, mas do quintal...
Parênteses ( )
São usados quando se quer explicar melhor algo que foi dito ou para fazer simples
indicações.
Ele comeu, e almoçou, e dormiu, e depois saiu. (o e aparece repetido e, por isso, há o
predomínio de vírgulas).
Travessão (–)
O travessão é indicado para:
a) Indicar a mudança de interlocutor em um diálogo:
- Quais ideias você tem para revelar?
- Não sei se serão bem-vindas.
- Não importa, o fato é que assim você estará contribuindo para a elaboração deste projeto.
b) Separar orações intercaladas, desempenhando as funções da vírgula e dos parênteses:
Precisamos acreditar sempre – disse o aluno confiante – que tudo irá dar certo.
Não aja dessa forma – falou a mãe irritada – pois pode ser arriscado.
25
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
c) Colocar em evidência uma frase, expressão ou palavra:
O prêmio foi destinado ao melhor aluno da classe – uma pessoa bastante esforçada.
Gostaria de parabenizar a pessoa que está discursando – meu melhor amigo.
Classes de Palavras
A parte da gramática que estuda as classes de palavras é a MORFOLOGIA (morfo = forma,
logia = estudo), ou seja, o estudo da forma. Na morfologia, portanto, não estudamos as
relações entre as palavras, o contexto em que são empregadas, ou outros fatores que
podem influenciá-la, mas somente a forma da palavra.
São 10 classes de palavras: substantivo, adjetivo, advérbio, verbo, conjunção, interjeição,
preposição, artigo, numeral e pronome.
Vamos aos estudos!
Colômbia, bola, medo, trovão, paixão, etc. Essas palavras estão dando nome a lugar, objeto,
sensação física, fenômenos da natureza, emoções, enfim as coisas em geral. Esses nomes
são chamados SUBSTANTIVOS.
Assim, podemos dizer que substantivo é a palavra que dá nome aos seres. Eles podem ser
classificados da seguinte forma:
Concretos
Quando tratam de coisas reais, ou tidas como reais.
homem, menino, lobisomem, fada.
Abstratos
Quando tratam de estados e qualidades, sentimentos e ações.
vida (estado), beleza (qualidade), felicidade (sentimento), esforço (ação).
Simples
Quando formados por um só radical.
flor, tempo, chuva...
26
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Compostos
Quando possuem mais de um radical.
couve-flor, passatempo, guarda-chuva...
Primitivos
Quando não derivam de outra palavra da língua portuguesa.
pedra, ferro, porta...
Derivados
Quando derivam de outra palavra da língua portuguesa.
pedreira, pedreiro, ferreiro, portaria...
Comuns
Quando se referem a seres da mesma espécie, sem especificá-los.
país, cidade, pessoa...
Próprios
Quando se referem a seres, pessoas, entidades determinados. São escritos sempre com
inicial maiúscula.
Brasil, Santos, João, Deus...
Coletivos
Quando se referem a um conjunto de seres da mesma espécie.
álbum (fotografias, selos), biblioteca (livros), código (leis)...
Flexionam-se em gênero para indicar o sexo dos seres vivos. (quanto aos seres inanimados a
classificação é convencional).
Masculino
Quando podem ser precedidos dos artigos o ou os.
Feminino
Quando podem ser precedidos dos artigos a ou as.
Existem ainda substantivos que são uniformes em gênero:
Epicenos
Quando um só gênero se refere a animais macho e fêmea.
jacaré (macho ou fêmea)...
Sobrecomuns
Quando um só gênero se refere a homem ou mulher.
a criança (tanto menino quanto menina)
Comuns de dois gêneros
Quando uma só forma existe para se referir a indivíduos dos dois sexos.
o artista, a artista, o dentista, a dentista...
Flexionam-se em número para indicar a quantidade (um ou mais seres).
27
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Singular
Quando se refere a um único ser ou grupo de seres.
homem, povo, flor...
Plural
Quando se refere a mais de um ser ou grupo de seres.
homens, povos, flores...
Existem ainda substantivos que só se empregam no plural.
férias, pêsames, núpcias...
Flexionam-se em grau para se referir ao tamanho e também emprestar significado
pejorativo, afetivo, etc.
Normal: gente, povo...
Aumentativo: gentalha, povão (com sentido pejorativo)
Diminutivo: gentinha, povinho (com sentido pejorativo)
Adjetivos
Adjetivos são palavras que caracterizam o substantivo atribuindo-lhes qualidades, estados,
aparência, etc.
Quanto à classificação podem ser:
-Simples
Quando formados por apenas um radical.
claro, escuro...
- Compostos
Quando formados por dois ou mais radicais.
amarelo-claro, azul-escuro...
-Primitivos
Quando não derivados de outra palavra em língua portuguesa.
bom, feliz...
-Derivados
Quando derivados de outros substantivos ou verbos.
bondoso, amado...
Existem ainda os adjetivos pátrios, que se referem à origem ou nacionalidade.
brasileiro, paulistano, santista...
Os adjetivos flexionam-se um gênero, número e grau.
Quanto ao gênero, podem ser:
28
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- Uniformes
Quando uma única forma é usada tanto para concordar com substantivos masculinos
quanto com femininos.
menino feliz, menina feliz...
-Biformes
Quando se flexionam para concordar com o substantivo que qualificam.
menino bonito, menina bonita...
Quanto ao número, podem ser singular ou plural para acompanhar o substantivo que
qualificam.
menina bonita - meninas bonitas
pessoa feliz - pessoas felizes
Flexionam-se em grau para expressar a intensidade das qualidades do substantivo ao qual
se referem.
Quanto ao grau, podem ser comparativos ou superlativos.
O grau comparativo pode designar:
igualdade: Sou tão bonita quanto ela.
superioridade: Sou mais bonita que ela.
inferioridade : Ela é menos bonita do que eu.
O grau superlativo pode ser absoluto ou relativo.
absoluto analítico: Ela é muito bonita.
absoluto sintético: Ela é belíssima.
relativo de superioridade
analítico: Ela é a mais bonita de todas.
sintético: Esta vila é a maior de todas.
relativo de inferioridade: Ela é a menos bonita de todas nós.
29
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Pronomes
Pronome é a classe de palavras que substitui uma frase nominal. Inclui palavras como ela,
eles e algo. Os pronomes são reconhecidos como uma parte do discurso distinta das
demais desde épocas antigas. Essencialmente, um pronome é uma única palavra (ou
raramente uma forma mais longa), com pouco ou nenhum sentido próprio, que funciona
como um sintagma nominal completo.
O pronome é a palavra que acompanha ou substitui o substantivo, relacionando-o com uma
das pessoas do discurso.
Quando um pronome substitui o substantivo ele é chamado de pronome substantivo.
Os pronomes classificam-se em vários tipos.
PRONOMES PESSOAIS são termos que substituem ou acompanham o substantivo. Servem
para representar os nomes dos seres e determinar as pessoas do discurso, que são:
1ª pessoa............a que fala
2ª pessoa............com quem se fala
3ª pessoa............de quem se fala
Eu aprecio tua dedicação aos estudos. Será que ela aprecia também?
Os pronomes pessoais classificam-se em retos e oblíquos:
São pronomes retos, quando atuam como sujeito da oração.
Singular
Plural
Exemplo
1ª pessoa
eu
nós
Eu estudo todos os dias.
2ª pessoa
tu
vós
Tu também tens estudado?
3ª pessoa
ele/ela
eles/elas
Será que ela estuda também?
São pronomes oblíquos, quando atuam como complemento (objeto direto ou indireto).
Quanto à acentuação, classificam-se em oblíquos átonos (acompanham formas verbais) e
oblíquos tônicos ( acompanhados de preposição):
Pronomes oblíquos átonos: me, te, o, a, lhe, se, nos, vos, os, as, lhes.
Desejo-te boa sorte...
Faça-me o favor...
Em verbos terminados em -r, -s ou -z, elimina-se a terminação e os pronomes o(s), a(s) se
tornam lo(s), la(s).Em verbos terminados em -am, -em, -ão e -õe os pronomes se tornam
no(s), na(s).
30
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Pronomes oblíquos tônicos: mim, ti, ele, ela, si, nós, vós, eles, elas.
A mim pouco importa o que dizem...
Os pronomes de tratamento tem a função de pronome pessoal e serve para designar as
pessoas do discurso.
PRONOMES POSSESSIVOS - Indicam posse. Estabelece relação da pessoa do discurso com
algo que lhe pertence.
Singular
Plural
1ª pessoa
meu(s), minha(s)
nosso(s), nossa(s)
2ª pessoa
teu(s), tua(s)
vosso(s), vossa(s)
3ª pessoa
seu(s), sua(s)
dele(s), dela(s)
PRONOMES DEMONSTRATIVOS – Indicam a posição de um ser ou objeto em relação às
pessoas do discurso.
1ª pessoa este(s), esta(s), isto.................se refere a algo que está perto da pessoa que fala.
2ª pessoa esse(s), essa(s), isso................se refere a algo que esta perto da pessoa que ouve.
3ª pessoa aquele(s), aquela(s), aquilo...se refere a algo distante de ambos.
Estes livros e essas apostilas devem ser guardadas naquela estante.
Estes - perto de quem fala
essas - perto de quem ouve
naquela - distante de ambos
PRONOMES INDEFINIDOS – São imprecisos, vagos. Se referem à 3ª pessoa do discurso.
Podem ser variáveis (se flexionando em gênero e número) ou invariáveis.
São formas variáveis: algum(s), alguma(s), nenhum(s),nenhuma(s), todo(s), toda(s), muito(s),
muita(s), pouco(s), pouca(s), tanto(s), tanta(s), certo(s), certa(s), vário(s), vária(s), outro(s),
outra(s), certo(s), certa(s), quanto(s), quanta(s), tal, tais, qual, quais, qualquer, quaisquer...
São formas invariáveis: quem, alguém, ninguém, outrem, cada, algo, tudo, nada..
Algumas pessoas estudam diariamente. Ninguém estuda diariamente.
PRONOMES INTERROGATIVOS – São empregados para formular perguntas diretas ou
indiretas. Podem ser variáveis ou invariáveis.
Variáveis: qual, quais, quanto(s), quanta(s).
Invariáveis: que, onde, quem...
Quantos de vocês estudam diariamente? Quem de vocês estuda diariamente?
31
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
PRONOMES RELATIVOS – São os que relacionam uma oração a um substantivo que
representa. Também se classificam em variáveis e invariáveis.
Variáveis: o(a) qual, os(as) quais, quanto(s), quanta(s), cujo(s), cuja(s).
Invariáveis:que, quem, onde.
Conseguiu o emprego que tanto queria.
Verbos
Verbo é a palavra que exprime um fato (geralmente uma ação, estado ou fenômeno da
natureza) e localiza-o no tempo, usados também para ligar o sujeito ao predicado. Mas o
verbo é identificado principalmente por ser a classe de palavras que mais admitem flexões
em número, pessoa, modo, tempo e voz.
Estrutura das Formas Verbais
Do ponto de vista estrutural, uma forma verbal pode apresentar os seguintes elementos:
a) Radical: é a parte invariável, que expressa o significado essencial do verbo.
Por exemplo:
fal-ei; fal-ava; fal-am. (radical fal-)
b) Tema: é o radical seguido da vogal temática que indica a conjugação a que pertence o
verbo.
Por exemplo:
fala-r
São três as conjugações:
1ª - Vogal Temática - A - (falar)
2ª - Vogal Temática - E - (vender)
3ª - Vogal Temática - I - (partir)
c) Desinência modo-temporal: é o elemento que designa o tempo e o modo do verbo.
Por exemplo:
32
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
falávamos ( indica o pretérito imperfeito do indicativo.)
falasse ( indica o pretérito imperfeito do subjuntivo.)
d) Desinência número-pessoal: é o elemento que designa a pessoa do discurso ( 1ª, 2ª ou
3ª) e o número (singular ou plural).
Por exemplo:
falamos (indica a 1ª pessoa do plural.)
falavam (indica a 3ª pessoa do plural.)
Observação: o verbo pôr, assim como seus derivados ( compor, repor, depor, etc.),
pertencem à 2ª conjugação, pois a forma arcaica do verbo pôr era poer. A vogal "e", apesar
de haver desaparecido do infinitivo, revela-se em algumas formas do verbo: põe, pões,
põem, etc.
Formas Rizotônicas e Arrizotônicas
Ao combinarmos os conhecimentos sobre a estrutura dos verbos com o conceito de
acentuação tônica, percebemos com facilidade que nas formas rizotônicas, o acento tônico
cai no radical do verbo: opino, aprendam, nutro, por exemplo. Nas formas arrizotônicas, o
acento tônico não cai no radical, mas sim na terminação verbal: opinei, aprenderão,
nutriríamos.
Classificam-se em:
a) Regulares: são aqueles que possuem as desinências normais de sua conjugação e cuja
flexão não provoca alterações no radical.
Por exemplo:
canto
cantei
cantarei
cantava
cantasse
b) Irregulares: são aqueles cuja flexão provoca alterações no radical ou nas desinências.
Por exemplo:
faço
fiz
farei
fizesse
c) Defectivos: são aqueles que não apresentam conjugação completa. Classificam-se
em impessoais,unipessoais e pessoais.
Impessoais: são os verbos que não têm sujeito. Normalmente, são usados na terceira
pessoa do singular. Os principais verbos impessoais são:
33
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) haver, quando sinônimo de existir, acontecer, realizar-se ou fazer (em orações
temporais).
Por exemplo:
Havia poucos ingressos à venda. (Havia = Existiam)
Houve duas guerras mundiais. (Houve = Aconteceram)
Haverá reuniões aqui. (Haverá = Realizar-se-ão)
Deixei de fumar há muitos anos. (há = faz)
b) fazer, ser e estar (quando indicam tempo)
Por exemplo:
Faz invernos rigorosos no Sul do Brasil.
Era primavera quando a conheci.
Estava frio naquele dia.
c) Todos os verbos que indicam fenômenos da natureza são impessoais: chover,
ventar, nevar, gear, trovejar, amanhecer, escurecer, etc. Quando, porém, se
constrói, "Amanheci mal-humorado", usa-se o verbo "amanhecer" em sentido
figurado. Qualquer verbo impessoal, empregado em sentido figurado, deixa de
ser impessoal para ser pessoal.
Por exemplo:
Amanheci mal-humorado. (Sujeito desinencial: eu)
Choveram candidatos ao cargo. (Sujeito: candidatos)
Fiz quinze anos ontem. (Sujeito desinencial: eu)
d) São impessoais, ainda:
1. o verbo passar (seguido de preposição), indicando tempo. Ex.: Já passa
das seis.
2. os verbos bastar e chegar, seguidos da preposição de, indicando suficiência.
Ex.: Basta detolices. Chega de blasfêmias.
3. os verbos estar e ficar em orações tais como Está bem, Está muito bem
assim, Não fica bem, Fica mal, sem referência a sujeito expresso
anteriormente. Podemos, ainda, nesse caso, classificar o sujeito
como hipotético, tornando-se, tais verbos, então, pessoais.
4. o verbo deu + para da língua popular, equivalente de "ser possível". Por
exemplo:
Não deu para chegar mais cedo.
Dá para me arrumar uns trocados?
34
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Unipessoais: são aqueles que, tendo sujeito, se conjugam apenas nas terceiras pessoas, do
singular e do plural.
Por exemplo:
A fruta amadureceu.
As frutas amadureceram.
Observação: os verbos unipessoais podem ser usados como verbos pessoais na
linguagem figurada:
Teu irmão amadureceu bastante.
Entre os unipessoais estão os verbos que significam vozes de animais; eis alguns:
bramar: tigre
bramir: crocodilo
cacarejar: galinha
coaxar: sapo
cricrilar: grilo
Os principais verbos unipessoais são:
1. cumprir, importar, convir, doer, aprazer, parecer, ser (preciso, necessário, etc.).
Observe os exemplos:
Cumpre trabalharmos bastante. (Sujeito: trabalharmos bastante.)
Parece que vai chover. (Sujeito: que vai chover.)
É preciso que chova. (Sujeito: que chova.)
2. fazer e ir, em orações que dão ideia de tempo, seguidos da conjunção que.
Observe os exemplos:
Faz dez anos que deixei de fumar. (Sujeito: que deixei de fumar.)
Vai para (ou Vai em ou Vai por) dez anos que não vejo Cláudia. (Sujeito: que não
vejo Cláudia)
Obs.: todos os sujeitos apontados são oracionais.
Pessoais: não apresentam algumas flexões por motivos morfológicos ou eufônicos.
Por exemplo:
verbo falir
35
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Este verbo teria como formas do presente do indicativo falo, fales, fale, idênticas às do
verbo falar - o que provavelmente causaria problemas de interpretação em certos
contextos.
Por exemplo:
verbo computar
Este verbo teria como formas do presente do indicativo computo, computas, computa formas de sonoridade considerada ofensiva por alguns ouvidos gramaticais. Essas razões
muitas vezes não impedem o uso efetivo de formas verbais repudiadas por alguns
gramáticos: exemplo disso é o próprio verbo computar, que, com o desenvolvimento e a
popularização da informática, tem sido conjugado em todos os tempos, modos e pessoas.
d) Abundantes: são aqueles que possuem mais de uma forma com o mesmo valor.
Geralmente, esse fenômeno costuma ocorrer no particípio, em que, além das formas
regulares terminadas em -ado ou -ido, surgem as chamadas formas curtas (particípio
irregular).
Observe:
INFINITIVO
PARTICÍPIO REGULAR
PARTICÍPIO IRREGULAR
Anexar
Anexado
Anexo
Dispersar
Dispersado
Disperso
Eleger
Elegido
Eleito
Envolver
Envolvido
Envolto
Imprimir
Imprimido
Impresso
Matar
Matado
Morto
Morrer
Morrido
Morto
Pegar
Pegado
Pego
Soltar
Soltado
Solto
e) Anômalos: são aqueles que incluem mais de um radical em sua conjugação.
Por exemplo:
Ir
Pôr
Ser
Saber
36
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
vou
vais
ides
fui
foste
ponho
pus
pôs
punha
sou
és
fui
foste
seja
sei
sabes
soube
saiba
f) Auxiliares
São aqueles que entram na formação dos tempos compostos e das locuções verbais. O
verbo principal, quando acompanhado de verbo auxiliar, é expresso numa das formas
nominais: infinitivo, gerúndio ou particípio.
Por exemplo:
Vou
(verbo auxiliar)
Está
todos
os
as
noivos
moscas.
(verbo principal no infinitivo)
chegando
(verbo auxiliar)
Os
espantar
a
hora
do
debate.
(verbo principal no gerúndio)
foram
cumprimentados
(verbo auxiliar)
(verbo principal no particípio)
por
presentes.
Obs.: os verbos auxiliares mais usados são: ser, estar, ter e haver.
g) Pronominais
São aqueles verbos que se conjugam com os pronomes oblíquos átonos me, te, se, nos, vos,
se, na mesma pessoa do sujeito, expressando reflexibilidade (pronominais acidentais) ou
apenas reforçando a ideia já implícita no próprio sentido do verbo (reflexivos essenciais).
Veja:
1. Essenciais: são aqueles que sempre se conjugam com os pronomes oblíquos me, te, se,
nos, vos, se. São poucos: abster-se, ater-se, apiedar-se, atrever-se, dignar-se, arrepender-se,
etc. Nos verbos pronominais essenciais a reflexibilidade já está implícita no radical do verbo.
Por exemplo:
Arrependi-me de ter estado lá.
37
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
A ideia é de que a pessoa representada pelo sujeito (eu) tem um sentimento
(arrependimento) que recai sobre ela mesma, pois não recebe ação transitiva nenhuma
vinda do verbo; o pronome oblíquo átono é apenas uma partícula integrante do verbo, já
que, pelo uso, sempre é conjugada com o verbo. Diz-se que o pronome apenas serve de
reforço da ideia reflexiva expressa pelo radical do próprio verbo.
Veja uma conjugação pronominal essencial (verbo e respectivos pronomes):
Eu me arrependo
Tu te arrependes
Ele se arrepende
Nós nos arrependemos
Vós vos arrependeis
Eles se arrependem
2. Acidentais: são aqueles verbos transitivos diretos em que a ação exercida pelo sujeito
recai sobre o objeto representado por pronome oblíquo da mesma pessoa do sujeito; assim,
o sujeito faz uma ação que recai sobre ele mesmo. Em geral, os verbos transitivos diretos ou
transitivos diretos e indiretos podem ser conjugados com os pronomes mencionados,
formando o que se chama voz reflexiva.
Por exemplo: Maria se penteava.
A reflexibilidade se diz acidental, pois a ação reflexiva pode ser exercida também sobre
outra pessoa.
Por exemplo: Maria penteou-me.
Observações:
1- Por fazerem parte integrante do verbo, os pronomes oblíquos átonos dos verbos
pronominais não possuem função sintática.
2- Há verbos que também são acompanhados de pronomes oblíquos átonos, mas que não
são essencialmente pronominais, são os verbos reflexivos. Nos verbos reflexivos, os
38
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
pronomes, apesar de se encontrarem na pessoa idêntica à do sujeito, exercem funções
sintáticas.
Por exemplo:
Eu me feri. ----- Eu (sujeito)-1ª pessoa do singular
me (objeto direto) - 1ª pessoa do singular
Modos Verbais
Dá-se o nome de modo às várias formas assumidas pelo verbo na expressão de um fato. Em
Português, existem três modos:
Indicativo - indica uma certeza, uma realidade. Por exemplo: Eu sempre estudo.
Subjuntivo - indica uma dúvida, uma possibilidade. Por exemplo: Talvez eu estude amanhã.
Imperativo - indica uma ordem, um pedido. Por exemplo: Estuda agora, menino.
Formas Nominais
Além desses três modos, o verbo apresenta ainda formas que podem exercer funções de
nomes (substantivo, adjetivo, advérbio), sendo por isso denominadas formas nominais.
Observe:
a) Infinitivo Impessoal: exprime a significação do verbo de modo vago e indefinido,
podendo ter valor e função de substantivo.
Por exemplo:
Viver é lutar. (= vida é luta)
É indispensável combater a corrupção. (= combate à)
O infinitivo impessoal pode apresentar-se no presente (forma simples) ou no passado
(forma composta).
Por exemplo:
É preciso ler este livro.
Era preciso ter lido este livro.
b) Infinitivo Pessoal: é o infinitivo relacionado às três pessoas do discurso. Na 1ª e 3ª
pessoas do singular, não apresenta desinências, assumindo a mesma forma do impessoal;
nas demais, flexiona-se da seguinte maneira:
2ª pessoa do singular: Radical + ES
Ex.: teres(tu)
39
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
1ª pessoa do plural: Radical + MOS
Ex.: termos (nós)
2ª pessoa do plural: Radical + DES
Ex.: terdes (vós)
3ª pessoa do plural: Radical + EM
Por exemplo:
Ex.: terem (eles)
Foste elogiado por teres alcançado uma boa colocação.
c) Gerúndio: o gerúndio pode funcionar como adjetivo ou advérbio.
Por exemplo:
Saindo de casa, encontrei alguns amigos. (função de advérbio)
Nas ruas, havia crianças vendendo doces. (função adjetivo)
Na forma simples, o gerúndio expressa uma ação em curso; na forma composta, uma ação
concluída.
Por exemplo:
Trabalhando, aprenderás o valor do dinheiro.
Tendo trabalhado, aprendeu o valor do dinheiro.
d) Particípio: quando não é empregado na formação dos tempos compostos, o particípio
indica geralmente o resultado de uma ação terminada, flexionando-se em gênero, número
e grau.
Por exemplo:
Terminados os exames, os candidatos saíram.
Quando o particípio exprime somente estado, sem nenhuma relação temporal, assume
verdadeiramente a função de adjetivo (adjetivo verbal).
Por exemplo:
Ela foi a aluna escolhida para representar a escola.
Tempos Verbais
Tomando-se como referência o momento em que se fala, a ação expressa pelo verbo pode
ocorrer em diversos tempos. Veja:
1. Tempos do Indicativo
Presente - Expressa um fato atual.
40
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Por exemplo:
Eu estudo neste colégio.
Pretérito Imperfeito - Expressa um fato ocorrido num momento anterior ao atual, mas que
não foi completamente terminado.
Por exemplo:
Ele estudava as lições quando foi interrompido.
Pretérito Perfeito (simples) - Expressa um fato ocorrido num momento anterior ao
atual e que foi totalmente terminado.
Por exemplo:
Ele estudou as lições ontem à noite.
Pretérito Perfeito (composto) - Expressa um fato que teve início no passado e que
pode se prolongar até o momento atual.
Por exemplo:
Tenho estudado muito para os exames.
Pretérito-Mais-Que-Perfeito - Expressa um fato ocorrido antes de outro fato já
terminado.
Por exemplo:
Ele já tinha estudado as lições quando os amigos chegaram. (forma
composta)
Ele já estudara as lições quando os amigos chegaram. (forma simples)
Futuro do Presente (simples) - Enuncia um fato que deve ocorrer num tempo
vindouro com relação ao momento atual.
Por exemplo:
Ele estudará as lições amanhã.
Futuro do Presente (composto) - Enuncia um fato que deve ocorrer
posteriormente a um momento atual, mas já terminado antes de outro fato futuro.
Por exemplo:
Antes de bater o sinal, os alunos já terão terminado o teste.
Futuro do Pretérito (simples) - Enuncia um fato que pode ocorrer posteriormente a
um determinado fato passado.
Por exemplo:
41
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Se eu tivesse dinheiro, viajaria nas férias.
Futuro do Pretérito (composto) - Enuncia um fato que poderia ter ocorrido
posteriormente a um determinado fato passado.
Por exemplo:
Se eu tivesse ganho esse dinheiro, teria viajado nas férias.
2. Tempos do Subjuntivo
Presente - Enuncia um fato que pode ocorrer no momento atual.
Por exemplo:
É conveniente que estudes para o exame.
Pretérito Imperfeito - Expressa um fato passado, mas posterior a outro já ocorrido.
Por exemplo:
Eu esperava que ele vencesse o jogo.
Obs.: o pretérito imperfeito é também usado nas construções em que se expressa a
ideia de condição ou desejo.
Por exemplo:
Se ele viesse ao clube, participaria do campeonato.
Pretérito Perfeito (composto) - Expressa um fato totalmente terminado num momento
passado.
Por exemplo:
Embora tenha estudado bastante, não passou no teste.
Pretérito Mais-Que-Perfeito (composto) - Expressa um fato ocorrido antes de outro fato
já terminado.
Por exemplo:
Embora o teste já tivesse começado, alguns alunos puderam entrar na sala de
exames.
Futuro do Presente (simples) - Enuncia um fato que pode ocorrer num momento futuro
em relação ao atual.
Por exemplo:
Quando ele vier à loja, levará as encomendas.
Obs.: o futuro do presente é também usado em frases que indicam possibilidade ou
desejo.
42
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Por exemplo:
Se ele vier à loja, levará as encomendas.
Futuro do Presente (composto) - Enuncia um fato posterior ao momento atual mas já
terminado antes de outro fato futuro.
Por exemplo: Quando ele tiver saído do hospital, nós o visitaremos.
Formação dos Tempos Simples
Quanto à formação dos tempos simples, estes dividem-se em primitivos e derivados.
Primitivos:
presente do indicativo
pretérito perfeito do indicativo
infinitivo impessoal
Derivados do Presente do Indicativo:
Presente do subjuntivo
Imperativo afirmativo
Imperativo negativo
Derivados do Pretérito Perfeito do Indicativo:
Pretérito mais-que-perfeito do indicativo
Pretérito imperfeito do subjuntivo
Futuro do subjuntivo
Derivados do Infinitivo Impessoal:
Futuro do presente do indicativo
Futuro do pretérito do indicativo
Imperfeito do indicativo
Gerúndio
Particípio
Tempos Compostos
São formados por locuções verbais que têm como auxiliares os verbos ter e haver e como
principal, qualquer verbo no particípio. São eles:
01) Pretérito Perfeito Composto do Indicativo:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Presente do Indicativo e o
principal no particípio, indicando fato que tem ocorrido com frequência ultimamente.
Por exemplo:
Eu tenho estudado demais ultimamente.
43
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
02) Pretérito Perfeito Composto do Subjuntivo:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Presente do Subjuntivo e o
principal no particípio, indicando desejo de que algo já tenha ocorrido.
Por exemplo:
Espero que você tenha estudado o suficiente, para conseguir a aprovação.
03) Pretérito Mais-que-perfeito Composto do Indicativo:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Pretérito Imperfeito do
Indicativo e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o Pretérito Mais-queperfeito do Indicativo simples.
Por exemplo:
Eu já tinha estudado no Maxi, quando conheci Magali.
04) Pretérito Mais-que-perfeito Composto do Subjuntivo:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Pretérito Imperfeito do
Subjuntivo e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o Pretérito Imperfeito do
Subjuntivo simples.
Por exemplo:
Eu teria estudado no Maxi, se não me tivesse mudado de cidade.
Obs.: perceba que todas as frases remetem a ação obrigatoriamente para o passado. A
frase Se eu estudasse, aprenderia é completamente diferente de Se eu tivesse
estudado, teria aprendido.
05) Futuro do Presente Composto do Indicativo:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Futuro do Presente simples
do Indicativo e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o Futuro do Presente
simples do Indicativo.
Por exemplo:
Amanhã, quando o dia amanhecer, eu já terei partido.
06) Futuro do Pretérito Composto do Indicativo:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Futuro do Pretérito simples
do Indicativo e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o Futuro do Pretérito
simples do Indicativo.
Por exemplo:
Eu teria estudado no Maxi, se não me tivesse mudado de cidade.
44
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
07) Futuro Composto do Subjuntivo:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Futuro do Subjuntivo
simples e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o Futuro do Subjuntivo
simples.
Por exemplo:
Quando você tiver terminado sua série de exercícios, eu caminharei 6 Km.
Veja os exemplos:
Quando você chegar à minha casa, telefonarei a Manuel.
Quando você chegar à minha casa, já terei telefonado a Manuel.
Perceba que o significado é totalmente diferente em ambas as frases apresentadas. No
primeiro caso, esperarei "você" praticar a sua ação para, depois, praticar a minha; no
segundo, primeiro praticarei a minha. Por isso o uso do advérbio "já".
Assim, observe que o mesmo ocorre nas frases a seguir::
Quando você tiver terminado o trabalho, telefonarei a Manuel.
Quando você tiver terminado o trabalho, já terei telefonado a Manuel.
08) Infinitivo Pessoal Composto:
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Infinitivo Pessoal simples e
o principal no particípio, indicando ação passada em relação ao momento da fala.
Por exemplo:
Para você ter comprado esse carro, necessitou de muito dinheiro.
Locuções Verbais
Outro tipo de conjugação composta - também chamada conjugação perifrástica - são as
locuções verbais, constituídas de verbos auxiliares mais gerúndio ou infinitivo. São
conjuntos de verbos que, numa frase, desempenham papel equivalente ao de um verbo
único. Nessas locuções, o último verbo, chamado principal, surge sempre numa de suas
formas nominais; as flexões de tempo, modo, número e pessoa ocorrem nos verbos
auxiliares. Observe os exemplos:
Estou lendo o jornal.
Marta veio correndo: o noivo acabara de chegar.
Ninguém poderá sair antes do término da sessão.
A língua portuguesa apresenta uma grande variedade dessas locuções, conseguindo
exprimir por meio delas os mais variados matizes de significado. Ser (estar, em algumas
45
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
construções) é usado nas locuções verbais que exprimem a voz passiva analítica do
verbo. Poder e dever são auxiliares que exprimem a potencialidade ou a necessidade de
que determinado processo se realize ou não. Veja:
Pode ocorrer algo inesperado durante a festa.
Deve ocorrer algo inesperado durante a festa.
Outro auxiliar importante é querer, que exprime vontade, desejo.
Por exemplo:
Quero ver você hoje.
Também são largamente usados como auxiliares: começar a, deixar de, voltar a, continuar
a, pôr-se a, ir, vire estar, todos ligados à noção de aspecto verbal.
Aspecto Verbal
No que se refere ao estudo de valor e emprego dos tempos verbais, é possível perceber
diferenças entre o pretérito perfeito e o pretérito imperfeito do indicativo. A diferença entre
esses tempos é uma diferença deaspecto, pois está ligada à duração do processo verbal.
Observe:
- Quando o vi, cumprimentei-o.
O aspecto é perfeito, pois o processo está concluído.
- Quando o via cumprimentava-o.
O aspecto é imperfeito, pois o processo não tem limites claros, prolongando-se por
período impreciso de tempo.
O presente do indicativo e o presente do subjuntivo apresentam aspecto imperfeito, pois
não impõem precisos ao processo verbal:
- Faço isso sempre.
- É provável que ele faça isso sempre.
Já o pretérito mais-que-perfeito, como o próprio nome indica, apresenta aspecto perfeito
em suas várias formas do indicativo e do subjuntivo, pois traduz processos já concluídos:
- Quando atingimos o topo da montanha, encontramos a bandeira que
ele fincara (ou havia fincado) dois dias antes.
- Se tivéssemos chegado antes, teríamos conseguido fazer o exame.
Outra informação aspectual que a oposição entre o perfeito e imperfeito pode fornecer diz
respeito à localização do processo no tempo. Os tempos perfeitos podem ser usados para
exprimir processos localizados num ponto preciso do tempo:
46
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- No momento em que o vi, acenei-lhe.
- Tinha-o cumprimentado logo que o vira.
Já os tempos imperfeitos podem indicar processos frequentes e repetidos:
- Sempre que saía, trancava todas as portas.
O aspecto permite a indicação de outros detalhes relacionados com a duração do processo
verbal. Veja:
- Tenho encontrado problemas em meu trabalho.
Esse tempo, conhecido como pretérito perfeito composto do indicativo, indica um processo
repetido ou frequente, que se prolonga até o presente.
- Estou almoçando.
A forma composta pelo auxiliar estar seguido do gerúndio do verbo principal indica um
processo que se prolonga. É largamente empregada na linguagem cotidiana, não só no
presente, mas também em outros tempos (estava almoçando, estive almoçando, estarei
almoçando, etc.).
As formas compostas: estará resolvido e estaria resolvido, conhecidas como futuro do
presente e futuro do pretérito compostos do indicativo, exprimem processo concluído - é a
ideia do aspecto perfeito - ao qual se acrescenta a noção de que os efeitos produzidos
permanecem, uma vez realizada a ação.
- Os animais noturnos terminaram de se recolher mal começou a raiar o dia.
Nas duas locuções destacadas, mais duas noções ligadas ao aspecto verbal: a indicação do
término e do início do processo verbal.
- Eles vinham chegando à proporção que nós íamos saindo.
As locuções formadas com os auxiliares vir e ir exprimem processos que se prolongam.
- Ele voltou a trabalhar depois de deixar de sonhar projetos irrealizáveis.
As locuções destacadas exprimem o início de um processo interrompido e a interrupção de
outro, respectivamente.
Emprego do Infinitivo Impessoal e Pessoal
Infinitivo Impessoal
Quando se diz que um verbo está no infinitivo impessoal, isso significa que ele apresenta
sentido genérico ou indefinido, não relacionado a nenhuma pessoa, e sua forma é
invariável. Assim, considera-se apenas o processo verbal.
47
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Por exemplo:
Amar é sofrer.
O infinitivo pessoal, por sua vez, apresenta desinências de número e pessoa.
Veja:
Eu
falar
-es
vender
partir
Tu
Ele
-mos
Nós
-des
Vós
-em
Eles
Observe que, embora não haja desinências para a 1ª e 3ª pessoas do singular (cujas formas
são iguais às do infinitivo impessoal), elas não deixam de referir-se às respectivas pessoas
do discurso (o que será esclarecido apenas pelo contexto da frase).
Por exemplo:
Para ler melhor, eu uso estes óculos. (1ª pessoa)
Para ler melhor, ela usa estes óculos. (3ª pessoa)
Note: as regras que orientam o emprego da forma variável ou invariável do infinitivo não
são todas perfeitamente definidas. Por ser o infinitivo impessoal mais genérico e vago, e o
infinitivo pessoal mais preciso e determinado, recomenda-se usar este último sempre que
for necessário dar à frase maior clareza ou ênfase.
Observações importantes:
O infinitivo impessoal é usado:
1. Quando apresenta uma ideia vaga, genérica, sem se referir a um sujeito
determinado;
Por exemplo:
Querer é poder.
Fumar prejudica a saúde.
É proibido colar cartazes neste muro.
2. Quando tiver o valor de Imperativo;
Por exemplo:
Soldados, marchar! (= Marchai!)
48
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
3. Quando é regido de preposição e funciona como complemento de um substantivo,
adjetivo ou verbo da oração anterior;
Por exemplo:
Eles não têm o direito de gritar assim.
As meninas foram impedidas de participar do jogo.
Eu os convenci a aceitar.
No entanto, na voz passiva dos verbos "contentar", "tomar" e "ouvir", por exemplo, o
Infinitivo (verbo auxiliar) deve ser flexionado.
Por exemplo:
Eram pessoas difíceis de serem contentadas.
Aqueles remédios são ruins de serem tomados.
Os CDs que você me emprestou são agradáveis de serem ouvidos.
4. Nas locuções verbais;
Por exemplo:
Queremos acordar bem cedo amanhã.
Eles não podiam reclamar do colégio.
Vamos pensar no seu caso.
5. Quando o sujeito do infinitivo é o mesmo do verbo da oração anterior;
Por exemplo:
Eles foram condenados a pagar pesadas multas.
Devemos sorrir ao invés de chorar.
Tenho ainda alguns livros por (para) publicar.
Observação: quando o infinitivo preposicionado, ou não, preceder ou estiver distante do
verbo da oração principal (verbo regente), pode ser flexionado para melhor clareza do
período e também para se enfatizar o sujeito (agente) da ação verbal.
Por exemplo:
Na esperança de sermos atendidos, muito lhe agradecemos.
Foram dois amigos à casa de outro, a fim de jogarem futebol.
Para estudarmos, estaremos sempre dispostos.
Antes de nascerem, já estão condenadas à fome muitas crianças.
6. Com os verbos causativos "deixar", "mandar"e "fazer" e seus sinônimos que não
formam locução verbal com o infinitivo que os segue;
Por exemplo:
49
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Deixei-os sair cedo hoje.
7. Com os verbos sensitivos "ver", "ouvir", "sentir" e sinônimos, deve-se também
deixar o infinitivo sem flexão.
Por exemplo:
Vi-os entrar atrasados.
Ouvi-as dizer que não iriam à festa.
Observações:
a) É inadequado o emprego da preposição "para" antes dos objetos diretos de verbos como
"pedir", "dizer", "falar" e sinônimos;
Pediu para Carlos entrar. (errado)
Pediu para que Carlos entrasse. (errado)
Pediu que Carlos entrasse. (correto)
b) Quando a preposição "para" estiver regendo um verbo, como na oração "Este trabalho
é para eu fazer", pede-se o emprego do pronome pessoal "eu", que se revela, neste caso,
como sujeito.
Outros exemplos:
Aquele exercício era para eu corrigir.
Esta salada é para eu comer?
Ela me deu um relógio para eu consertar.
Atenção:
Em orações como "Esta carta é para mim!", a preposição está ligada somente ao pronome,
que deve se apresentar oblíquo tônico.
Infinitivo Pessoal
Quando se diz que um verbo está no infinitivo pessoal, isso significa que ele atribui um
agente ao processo verbal, flexionando-se.
O infinitivo deve ser flexionado nos seguintes casos:
1. Quando o sujeito da oração estiver claramente expresso;
Por exemplo:
Se tu não perceberes isto...
Convém vocês irem primeiro.
O bom é sempre lembrarmos desta regra (sujeito desinencial, sujeito implícito
= nós)
50
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
2. Quando tiver sujeito diferente daquele da oração principal;
Por exemplo:
O professor deu um prazo de cinco dias para os alunos estudarem bastante para a
prova.
Perdoo-te por me traíres.
O hotel preparou tudo para os turistas ficarem à vontade.
O guarda fez sinal para os motoristas pararem.
3. Quando se quiser indeterminar o sujeito (utilizado na terceira pessoa do plural);
Por exemplo:
Faço isso para não me acharem inútil.
Temos de agir assim para nos promoverem.
Ela não sai sozinha à noite a fim de não falarem mal da sua conduta.
4. Quando apresentar reciprocidade ou reflexibilidade de ação;
Por exemplo:
Vi os alunos abraçarem-se alegremente.
Fizemos os adversários cumprimentarem-se com gentileza.
Mandei as meninas olharem-se no espelho.
Nota: como se pode observar, a escolha do Infinitivo Flexionado é feita sempre que se quer
enfatizar o agente (sujeito) da ação expressa pelo verbo.
DICAS:
a) Se o infinitivo de um verbo for escrito com "j", esse "j" aparecerá em todas as outras
formas.
Por exemplo:
Enferrujar: enferrujou, enferrujaria, enferrujem, enferrujarão, enferrujassem, etc.
(Lembre, contudo, que o substantivo ferrugem é grafado com "g".)
Viajar: viajou, viajaria, viajem ( 3ª pessoa do plural do presente do subjuntivo, não
confundir com o substantivo viagem) viajarão, viajasses, etc.
b) Quando o verbo tem o infinitivo com "g", como em "dirigir" e "agir" este "g" deverá ser
trocado por um "j" apenas na primeira pessoa do presente do indicativo.
Por exemplo:
51
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
eu dirijo/ eu ajo
c) O verbo "parecer" pode relacionar-se de duas maneiras distintas com o infinitivo.
- Quando "parecer" é verbo auxiliar de um outro verbo: Elas parecem mentir.
- Elas parece mentirem - Neste exemplo ocorre, na verdade, um período composto.
"Parece" é o verbo de uma oração principal cujo sujeito é a oração subordinada substantiva
subjetiva reduzida de infinitivo "elas mentirem". Como desdobramento dessa reduzida,
podemos ter a oração "Parece que elas mentem."
Vozes do Verbo
Dá-se o nome de voz à forma assumida pelo verbo para indicar se o sujeito gramatical é
agente ou paciente da ação. São três as vozes verbais:
a) Ativa: quando o sujeito é agente, isto é, pratica a ação expressa pelo verbo.
Por exemplo:
Ele
fez
o trabalho.
sujeito agente
ação
objeto (paciente)
b) Passiva: quando o sujeito é paciente, recebendo a ação expressa pelo verbo.
Por exemplo:
O trabalho
foi feito
por ele.
sujeito paciente
ação
agente da passiva
c) Reflexiva: quando o sujeito é ao mesmo tempo agente e paciente, isto é, pratica e recebe a
ação.
Por exemplo:
O menino feriu-se.
Obs.: não confundir o emprego reflexivo do verbo com a noção de reciprocidade.
Por exemplo:
Os lutadores feriram-se. (um ao outro)
Formação da Voz Passiva
A voz passiva pode ser formada por dois processos: analítico e sintético.
52
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
1- Voz Passiva Analítica
Constrói-se da seguinte maneira: Verbo SER + particípio do verbo principal.
Por exemplo:
A escola será pintada.
O trabalho é feito por ele.
Obs. : o agente da passiva geralmente é acompanhado da preposição por, mas pode
ocorrer a construção com a preposição de.
Por exemplo:
A casa ficou cercada de soldados.
- Pode acontecer ainda que o agente da passiva não esteja explícito na frase.
Por exemplo:
A exposição será aberta amanhã.
- A variação temporal é indicada pelo verbo auxiliar (SER), pois o particípio é invariável.
Observe a transformação das frases seguintes:
a)
Ele fez o trabalho. (pretérito perfeito do indicativo)
O trabalho foi feito por ele. (pretérito perfeito do indicativo)
b)
Ele faz o trabalho. (presente do indicativo)
O trabalho é feito por ele. (presente do indicativo)
c)
Ele fará o trabalho. (futuro do presente)
O trabalho será feito por ele. (futuro do presente)
- Nas frases com locuções verbais, o verbo SER assume o mesmo tempo e modo do verbo
principal da voz ativa. Observe a transformação da frase seguinte:
O vento ia levando as folhas. (gerúndio)
As folhas iam sendo levadas pelo vento. (gerúndio)
Obs.: é menos frequente a construção da voz passiva analítica com outros verbos que
podem eventualmente funcionar como auxiliares.
Por exemplo:
A moça ficou marcada pela doença.
2- Voz Passiva Sintética
53
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
A voz passiva sintética ou pronominal constrói-se com o verbo na 3ª pessoa, seguido do
pronome apassivador SE.
Por exemplo:
Abriram-se as inscrições para o concurso.
Destruiu-se o velho prédio da escola.
Obs.: o agente não costuma vir expresso na voz passiva sintética.
Conversão da Voz Ativa na Voz Passiva
Pode-se mudar a voz ativa na passiva sem alterar substancialmente o sentido da frase.
Por exemplo:
Gutenberg
inventou
Sujeito da Ativa
A imprensa
a imprensa
(Voz Ativa)
Objeto Direto
foi inventada por Gutenberg
Sujeito da Passiva
(Voz Passiva)
Agente da Passiva
Observe que o objeto direto será o sujeito da passiva, o sujeito da ativa passará
a agente da passiva e overbo ativo assumirá a forma passiva, conservando o mesmo
tempo. Observe mais exemplos:
- Os mestres têm constantemente aconselhado os alunos.
Os alunos têm sido constantemente aconselhados pelos mestres.
- Eu o acompanharei.
Ele será acompanhado por mim.
Obs.: quando o sujeito da voz ativa for indeterminado, não haverá complemento
agente na passiva.
Por exemplo:
- Prejudicaram-me.
Fui prejudicado.
Saiba que:
1) Aos verbos que não são ativos nem passivos ou reflexivos, são chamados neutros.
Por exemplo:
54
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O vinho é bom.
Aqui chove muito.
2) Há formas passivas com sentido ativo:
Por exemplo:
É chegada a hora. (= Chegou a hora.)
Eu ainda não era nascido. (= Eu ainda não tinha nascido.)
És um homem lido e viajado. (= que leu e viajou)
3) Inversamente, usamos formas ativas com sentido passivo:
Por exemplo:
Há coisas difíceis de entender. (= serem entendidas)
Mandou-o lançar na prisão. (= ser lançado)
4) Os verbos chamar-se, batizar-se, operar-se (no sentido cirúrgico) e vacinar-se são
considerados passivos, logo o sujeito é paciente.
Por exemplo:
Chamo-me Luís.
Batizei-me na Igreja do Carmo.
Operou-se de hérnia.
Vacinaram-se contra a gripe.
Advérbios
Advérbio é a classe gramatical das palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou um
outro advérbio. Raramente modifica um substantivo. É a palavra invariável que indica as
circunstâncias em que ocorre a ação verbal.
Tipos de Advérbios
DE MODO: Ex.:Sei muito BEM que ninguém deve passar atestado da virtude alheia.
Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa, acinte, debalde,devagar, ás pressas, às
claras, às cegas, à toa, à vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo, dessa
maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de cor, em vão e a maior parte dos que
terminam em -mente:calmamente, tristemente, propositadamente, pacientemente,
amorosamente, docemente, escandalosamente, bondosamente, generosamente
DE INTENSIDADE: Ex.:Acho que, por hoje, você já ouviu BASTANTE.
Muito, demais, pouco, tão, menos, em excesso, bastante, pouco, mais, menos, demasiado,
quanto, quão, tanto, assaz, que(equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de todo, de
muito, por completo,bem (quando aplicado a propriedades graduáveis)
DE TEMPO: Ex.: Leia e depois me diga QUANDO pode sair na gazeta.
55
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde outrora, amanhã, cedo, dantes, depois, ainda,
antigamente, antes, doravante, nunca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal,
amiúde, breve, constantemente, entrementes, imediatamente, primeiramente,
provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à tarde, à noite, de manhã, de repente, de vez
em quando, de quando em quando, a qualquer momento, de tempos em tempos, em breve,
hoje em dia
DE LUGAR: Ex.: A senhora sabe AONDE eu posso encontrar esse pai-de-santo?
Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás, além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde,
perto, aí, abaixo, aonde, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora, alhures,
nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distancia, à distancia de, de longe, de perto, em
cima, à direita, à esquerda, ao lado, em volta
DE NEGAÇÃO :Ex.: DE MODO ALGUM irei lá
Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de forma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum
DE DÚVIDA: Ex.: TALVEZ ela volte hoje
Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente, quiçá, talvez, casualmente, por certo,
quem sabe
DE AFIRMAÇÃO: Ex.: REALMENTE eles sumiram
Sim, certamente, realmente, decerto, efetivamente, certo, decididamente, realmente,
deveras, indubitavelmente
DE EXCLUSÃO:
Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente, simplesmente, só, unicamente
DE INCLUSÃO:
Ex.: Emocionalmente o indivíduo TAMBÉM amadurece durante a adolescência. Ainda, até,
mesmo, inclusivamente, também
DE ORDEM:
Depois, primeiramente, ultimamente
DE DESIGNAÇÃO: Eis
DE INTERROGAÇÃO:
Ex.: E então?QUANDO é que embarca?
onde?(lugar), como?(modo), quando?(tempo), porque?(causa), quanto?(preço e
intensidade), para que?(finalidade
Palavras Denotativas
Há, na língua portuguesa, uma série de palavras que se assemelham a advérbios. A
Nomenclatura Gramatical Brasileira não faz nenhuma classificação especial para essas
palavras, por isso elas são chamadas simplesmente de palavras denotativas.
ADIÇÃO: Ex.: Comeu tudo e ainda queria mais
Ainda, além disso
56
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
AFASTAMENTO: Ex.: Foi embora daqui.
embora
AFETIVIDADE: Ex.: Ainda bem que passei de ano
Ainda bem, felizmente, infelizmente
APROXIMAÇÃO:
quase, lá por, bem, uns, cerca de, por volta de
DESIGNAÇÃO: Ex.: Eis nosso novo carro
eis
EXCLUSÃO: Ex.: Todos irão, menos ele.
Apenas, salvo, menos, exceto, só, somente, exclusive, sequer, senão,
EXPLICAÇÃO: Ex.: Viajaremos em julho, ou seja, nas férias.
isto é, por exemplo, a saber, ou seja
INCLUSÃO: Ex.: Até ele irá viajar.
Até, inclusive, também, mesmo, ademais
LIMITAÇÃO: Ex.: Apenas um me respondeu.
só, somente, unicamente, apenas
REALCE: Ex.: E você lá sabe essa questão?
é que, cá, lá, não, mas, é porque, só, ainda, sobretudo.
RETIFICAÇÃO: Ex.: Somos três, ou melhor, quatro
aliás, isto é, ou melhor, ou antes
SITUAÇÃO: Ex.: Afinal, quem perguntaria a ele?
então, mas, se, agora, afinal
Grau dos Advérbios
Os advérbios, embora pertençam à categoria das palavras invariáveis, podem apresentar
variações com relação ao grau. Além do grau normal, o advérbio pode-se apresentar no
grau comparativo e no superlativo.
- GRAU COMPARATIVO: quando a circunstância expressa pelo advérbio aparece em relação
de comparação. O advérbio não é flexionado no grau comparativo. Para indicar esse grau
utilizam as formas tão...quanto, mais...que, menos...que. Pode ser:
comparativo de igualdade:
Ex.; Chegarei tão cedo quanto você.
comparativo de superioridade:
Ex.: Chegarei mais cedo que você.
57
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
comparativo de inferioridade:
Ex.: Chegaremos menos cedo que você.
- GRAU SUPERLATIVO: nesse caso, a circunstancia expressa pelo advérbio aparecerá
intensificada. O grau superlativo do advérbio pode ser formado tanto pelo processo
sintético (acréscimo de sufixo), como pelo processo analítico (outro advérbio estará
indicando o grau superlativo).
superlativo (ou absoluto) sintético: formado com o acréscimo de sufixo.
Ex.:Cheguei tardíssimo.
superlativo (ou absoluto) analítico: expresso com o auxilio de um advérbio de intensidade.
Ex.:Cheguei muito tarde.
Quando se empregam dois ou mais advérbios terminados em –mente, pode-se acrescentar
o sufixo apenas no ultimo.
Ex.: Nada omitiu de seu pensamento; falou clara, franca e nitidamente.
Quando se quer realçar o advérbio, pode-se antecipá-lo.
Ex.: Imediatamente convoquei os alunos.
Numeral
Numeral é toda palavra que encerra a ideia de número.
Exemplos:
- Andei por duas quadras.
- Fui a segunda colocada no concurso.
- Comi um quarto da pizza.
- Tenho triplo da idade de meu filho.
Classificação do numeral: cardinal, ordinal, multiplicativo e fracionário.
CARDINAL
Indica quantidade, serve para fazer a contagem.
ORDINAL
Expressa ordem.
MULTIPLICATIVO
Indica multiplicação.
FRACIONÁRIO
Expressa divisão, fração e partes.
COLETIVO
Indica um conjunto. Exemplo: centena, dúzia, dezena, década e milheiro.
58
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
*Observação: "zero" e "ambos" são considerados como numerais.
Diferença entre um artigo e o um numeral, um artigo indica indefinição do substantivo e o
um numeral indica quantidade do substantivo.
Flexão dos numerais:
Alguns variam em gênero e número.
Dois – duas
segundo – segunda
Com funções adjetivas são variáveis.
- Ficou em coma por tomar doses triplas de veneno.
Números fracionários.
É meio-dia e meia (hora).
Cardinais
Ordinais
Multiplicativos
Fracionários
um
primeiro
-
-
dois
segundo
dobro, duplo
meio
três
terceiro
triplo, tríplice
terço
quatro
quarto
quádruplo
quarto
cinco
quinto
quíntuplo
quinto
seis
sexto
sêxtuplo
sexto
sete
sétimo
sétuplo
sétimo
oito
oitavo
óctuplo
oitavo
nove
nono
nônuplo
nono
dez
décimo
décuplo
décimo
onze
décimo primeiro
-
onze avos
doze
décimo segundo
-
doze avos
treze
décimo terceiro
-
treze avos
catorze
décimo quarto
-
catorze avos
quinze
décimo quinto
-
quinze avos
dezesseis
décimo sexto
-
dezesseis avos
dezessete
décimo sétimo
-
dezessete avos
dezoito
décimo oitavo
-
dezoito avos
dezenove
décimo nono
-
dezenove avos
vinte
vigésimo
-
vinte avos
trinta
trigésimo
-
trinta avos
quarenta
quadragésimo
-
quarenta avos
cinquenta
quinquagésimo
-
cinquenta avos
sessenta
sexagésimo
-
sessenta avos
setenta
septuagésimo
-
setenta avos
oitenta
octogésimo
-
oitenta avos
59
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
noventa
nonagésimo
-
noventa avos
cem
centésimo
cêntuplo
centésimo
duzentos
ducentésimo
-
ducentésimo
trezentos
trecentésimo
-
trecentésimo
quatrocentos quadringentésimo
-
quadringentésimo
quinhentos
quingentésimo
-
quingentésimo
seiscentos
sexcentésimo
-
sexcentésimo
setecentos
septingentésimo
-
septingentésimo
oitocentos
octingentésimo
-
octingentésimo
novecentos
nongentésimo ou noningentésimo
-
nongentésimo
mil
milésimo
-
milésimo
milhão
milionésimo
-
milionésimo
bilhão
bilionésimo
-
bilionésimo
Preposição
Preposição é uma palavra invariável que liga dois elementos da oração, subordinando o
segundo ao primeiro, ou seja, o regente e o regido. Isso significa que a preposição é o
termo que liga substantivo a substantivo, verbo a substantivo, substantivo a
verbo, adjetivo a substantivo, advérbio a substantivo, etc. Junto com as posposições e as
raríssimas circumposições, as preposições formam o grupo das adposições.
Tipos de Preposição
1. Preposições essenciais: palavras que atuam exclusivamente como preposições.
A, ante, perante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, por, sem, sob, sobre, trás,
atrás de, dentro de, para com.
2. Preposições acidentais: palavras de outras classes gramaticais que podem atuar como
preposições.
Como, durante, exceto, fora, mediante, salvo, segundo, senão, visto.
3. Locuções prepositivas: duas ou mais palavras valendo como uma preposição, sendo que a
última palavra é uma delas.
Abaixo de, acerca de, acima de, ao lado de, a respeito de, de acordo com, em cima de,
embaixo de, em frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por causa de, por
cima de, por trás de.
A preposição, como já foi dito, é invariável. No entanto pode unir-se a outras palavras e
assim estabelecer concordância em gênero ou em número.
Ex: por + o = pelo
por + a = pela
60
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Vale ressaltar que essa concordância não é característica da preposição e sim das palavras a
que se ela se une.
Esse processo de junção de uma preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois
processos:
1. Combinação: A preposição não sofre alteração.
preposição a + artigos definidos o, os
a + o = ao
preposição a + advérbio onde
a + onde = aonde
2. Contração: Quando a preposição sofre alteração.
Preposição + Artigos
De + o(s) = do(s)
De + a(s) = da(s)
De + um = dum
De + uns = duns
De + uma = duma
De + umas = dumas
Em + o(s) = no(s)
Em + a(s) = na(s)
Em + um = num
Em + uma = numa
Em + uns = nuns
Em + umas = numas
A + à(s) = à(s)
Por + o = pelo(s)
Por + a = pela(s)
Preposição + Pronomes
De + ele(s) = dele(s)
De + ela(s) = dela(s)
De + este(s) = deste(s)
De + esta(s) = desta(s)
De + esse(s) = desse(s)
De + essa(s) = dessa(s)
De + aquele(s) = daquele(s)
61
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
De + aquela(s) = daquela(s)
De + isto = disto
De + isso = disso
De + aquilo = daquilo
De + aqui = daqui
De + aí = daí
De + ali = dali
De + outro = doutro(s)
De + outra = doutra(s)
Em + este(s) = neste(s)
Em + esta(s) = nesta(s)
Em + esse(s) = nesse(s)
Em + aquele(s) = naquele(s)
Em + aquela(s) = naquela(s)
Em + isto = nisto
Em + isso = nisso
Em + aquilo = naquilo
A + aquele(s) = àquele(s)
A + aquela(s) = àquela(s)
A + aquilo = àquilo
O “a” pode funcionar como preposição, pronome pessoal oblíquo e artigo. Como distinguilos?
- Caso o “a” seja um artigo, virá precedendo a um substantivo. Ele servirá para determiná-lo
como um substantivo singular e feminino.
- A dona da casa não quis nos atender.
- Como posso fazer a Joana concordar comigo?
- Quando é preposição, além de ser invariável, liga dois termos e estabelece relação de
subordinação entre eles.
- Cheguei a sua casa ontem pela manhã.
- Não queria, mas vou ter que ir à outra cidade para procurar um tratamento adequado.
- Se for pronome pessoal oblíquo estará ocupando o lugar e/ou a função de um
substantivo.
- Temos Maria como parte da família. / A temos como parte da família
- Creio que conhecemos nossa mãe melhor que ninguém. / Creio que a conhecemos melhor
que ninguém.
62
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Algumas relações semânticas estabelecidas por meio das preposições:
Destino
Irei para casa.
Modo
Chegou em casa aos gritos.
Lugar
Vou ficar em casa;
Assunto
Escrevi um artigo sobre adolescência.
Tempo
A prova vai começar em dois minutos.
Causa
Ela faleceu de derrame cerebral.
Fim ou finalidade
Vou ao médico para começar o tratamento.
Instrumento
Escreveu a lápis.
Posse
Não posso doar as roupas da mamãe.
Autoria
Esse livro de Machado de Assis é muito bom.
Companhia
Estarei com ele amanhã.
Matéria
Farei um cartão de papel reciclado.
Meio
Nós vamos fazer um passeio de barco.
Origem
Nós somos do Nordeste, e você?
Conteúdo
Quebrei dois frascos de perfume.
Oposição
Esse movimento é contra o que eu penso.
63
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Preço
Essa roupa sai por R$ 50 à vista.
Conjunção
Conjunção é uma das classes de palavras definidas pela gramática general. As conjunções
são palavras invariáveis que servem para conectar orações ou dois termos de mesma função
sintática, estabelecendo entre eles uma relação de dependência ou de simples coordenação.
CLASSIFICAÇÃO
- Conjunções Coordenativas
- Conjunções Subordinativas
CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
Dividem-se em:
- ADITIVAS: expressam a ideia de adição, soma.
Observe os exemplos:
- Ela foi ao cinema e ao teatro.
- Minha amiga é dona-de-casa e professora.
- Eu reuni a família e preparei uma surpresa.
- Ele não só emprestou o joguinho como também me ensinou a jogar.
Principais conjunções aditivas: e, nem, não só...mas também, não só...como também.
- ADVERSATIVAS
Expressam ideias contrárias, de oposição, de compensação. Exemplos:
- Tentei chegar na hora, porém me atrasei.
- Ela trabalha muito mas ganha pouco.
- Não ganhei o prêmio, no entanto dei o melhor de mim.
- Não vi meu sobrinho crescer, no entanto está um homem.
Principais conjunções adversativas: mas, porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto.
ALTERNATIVAS
Expressam ideia de alternância.
- Ou você sai do telefone ou eu vendo o aparelho.
- Minha cachorra ora late ora dorme.
- Vou ao cinema quer faça sol quer chova.
Principais conjunções alternativas: Ou...ou, ora...ora, quer...quer, já...já.
CONCLUSIVAS
64
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Servem para dar conclusões às orações. Exemplos:
- Estudei muito por isso mereço passar.
- Estava preparada para a prova, portanto não fiquei nervosa.
- Você me ajudou muito; terá, pois sempre a minha gratidão.
Principais conjunções conclusivas: logo, por isso, pois (depois do verbo), portanto, por
conseguinte, assim.
EXPLICATIVAS
Explicam, dão um motivo ou razão:
- É melhor colocar o casaco porque está fazendo muito frio lá fora.
- Não demore, que o seu programa favorito vai começar.
Principais conjunções explicativas: que, porque, pois (antes do verbo), porquanto.
CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS
CAUSAIS
Principais conjunções causais: porque, visto que, já que, uma vez que, como (= porque).
Exemplos:
- Não pude comprar o CD porque estava em falta.
- Ele não fez o trabalho porque não tem livro.
- Como não sabe dirigir, vendeu o carro que ganhou no sorteio.
COMPARATIVAS
Principais conjunções comparativas: que, do que, tão...como, mais...do que, menos...do que.
- Ela fala mais que um papagaio.
CONCESSIVAS
Principais conjunções concessivas: embora, ainda que, mesmo que, apesar de, se bem que.
Indicam uma concessão, admitem uma contradição, um fato inesperado.Traz em si uma
ideia de “apesar de”.
- Embora estivesse cansada, fui ao shopping. (= apesar de estar cansada)
- Apesar de ter chovido fui ao cinema.
CONFORMATIVAS
Principais conjunções conformativas: como, segundo, conforme, consoante
- Cada um colhe conforme semeia.
- Segundo me disseram a casa é esta.
Expressam uma ideia de acordo, concordância, conformidade.
65
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
CONSECUTIVAS
Expressam uma ideia de consequência.
Principais conjunções consecutivas: que ( após “tal”, “tanto”, “tão”, “tamanho”).
- Falou tanto que ficou rouco.
- Estava tão feliz que desmaiou.
FINAIS
Expressam ideia de finalidade, objetivo.
- Todos trabalham para que possam sobreviver.
- Viemos aqui para que vocês ficassem felizes.
Principais conjunções finais: para que, a fim de que, porque (=para que),
PROPORCIONAIS
Principais conjunções proporcionais: à medida que, quanto mais, ao passo que, à proporção
que.
- À medida que as horas passavam, mais sono ele tinha.
- Quanto mais ela estudava, mais feliz seus pais ficavam.
TEMPORAIS
Principais conjunções temporais: quando, enquanto, logo que.
- Quando eu sair, vou passar na locadora.
- Chegamos em casa assim que começou a chover.
- Mal chegamos e a chuva desabou.
Obs: Mal é conjunção subordinativa temporal quando equivale a "logo que".
O conjunto de duas ou mais palavras com valor de conjunção chama-se locução conjuntiva.
Exemplos: ainda que, se bem que, visto que, contanto que, à proporção que.
Algumas pessoas confundem as circunstâncias de causa e consequência. Realmente, às
vezes, fica difícil diferenciá-las.
Observe os exemplos:
- Correram tanto, que ficaram cansados.
“Que ficaram cansados” aconteceu depois deles terem corrido, logo é uma consequência.
Ficaram cansados porque correram muito.
“Porque correram muito” aconteceu antes deles ficarem cansados, logo é uma causa.
66
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Artigo
Artigo é a palavra que, vindo antes de um substantivo, indica se ele está sendo empregado
de maneira definida ou indefinida. Além disso, o artigo indica, ao mesmo tempo, o gênero e
o número dos substantivos.
Classificação dos Artigos
Artigos Definidos: determinam os substantivos de maneira precisa: o, a, os, as.
Por exemplo:
Eu matei o animal.
Artigos Indefinidos: determinam os substantivos de maneira vaga: um, uma, uns, umas.
Por exemplo:
Eu matei um animal.
Combinação dos Artigos
É muito presente a combinação dos artigos definidos e indefinidos com preposições. Este
quadro apresenta a forma assumida por essas combinações:
Preposições
Artigos
o, os
a, as
um, uns
uma, umas
a
ao, aos
à, às
-
-
de
do, dos
da, das
dum, duns
duma, dumas
em
no, nos
na, nas
num, nuns
numa, numas
por (per)
pelo, pelos
pela, pelas
- As formas à e às indicam a fusão da preposição a com o artigo definido a. Essa fusão de
vogais idênticas é conhecida por crase.
- As formas pelo(s)/pela(s) resultam da combinação dos artigos definidos com a forma per,
equivalente a por.
Interjeição
Interjeição é a palavra invariável que exprime emoções, sensações, estados de espírito, ou
que procura agir sobre o interlocutor, levando-o a adotar certo comportamento sem que,
para isso, seja necessário fazer uso de estruturas linguísticas mais elaboradas. Observe o
exemplo:
Droga! Preste atenção quando eu estou falando!
67
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
No exemplo acima, o interlocutor está muito bravo. Toda sua raiva se traduz numa palavra:
Droga!
Ele poderia ter dito: - Estou com muita raiva de você! Mas usou simplesmente uma palavra.
Ele empregou a interjeição Droga!
As sentenças da língua costumam se organizar de forma lógica: há uma sintaxe que
estrutura seus elementos e os distribui em posições adequadas a cada um deles. As
interjeições, por outro lado, são uma espécie de "palavra-frase", ou seja, há uma ideia
expressa por uma palavra (ou um conjunto de palavras - locução interjetiva) que poderia ser
colocada em termos de uma sentença. Veja os exemplos:
1.Bravo! Bis!
bravo e bis: interjeição
sentença (sugestão): "Foi muito bom! Repitam!"
2.Ai! Ai! Ai! Machuquei meu pé...
ai: interjeição
sentença (sugestão): "Isso está doendo!" ou "Estou com dor!"
A interjeição é um recurso da linguagem afetiva, em que não há uma ideia organizada de
maneira lógica, como são as sentenças da língua, mas sim a manifestação de um suspiro,
um estado da alma decorrente de uma situação particular, um momento ou um contexto
específico.
Exemplos:
1.Ah, como eu queria voltar a ser criança!
ah: expressão de um estado emotivo = interjeição
2.Hum! Esse pudim estava maravilhoso!
hum: expressão de um pensamento súbito = interjeição
O significado das interjeições está vinculado à maneira como elas são proferidas. Desse
modo, o tom da fala é que dita o sentido que a expressão vai adquirir em cada contexto de
enunciação.
Exemplos:
1.Psiu!
contexto: alguém pronunciando essa expressão na rua
significado da interjeição (sugestão): "Estou te chamando! Ei, espere!"
2.Psiu!
68
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
contexto: alguém pronunciando essa expressão em um hospital
significado da interjeição (sugestão): "Por favor, faça silêncio!"
3.Puxa! Ganhei o maior prêmio do sorteio!
puxa: interjeição
tom da fala: euforia
4.Puxa! Hoje não foi meu dia de sorte!
puxa: interjeição
tom da fala: decepção
As interjeições cumprem, normalmente, duas funções:
a) Sintetizar uma frase exclamativa, exprimindo alegria, tristeza, dor, etc.
Por exemplo:
- Você faz o que no Brasil?
-Eu? Eu negocio com madeiras.
-Ah, deve ser muito interessante.
b) Sintetizar uma frase apelativa
Por exemplo:
Cuidado! Saia da minha frente.
As interjeições podem ser formadas por:
a) simples sons vocálicos: Oh!, Ah!, Ó, Ô
b) palavras: Oba!, Olá!, Claro!
c) grupos de palavras (locuções interjetivas): Meu Deus!, Ora bolas!
A ideia expressa pela interjeição depende muitas vezes da entonação com que é
pronunciada; por isso, pode ocorrer que uma interjeição tenha mais de um sentido.
Por exemplo:
Oh! Que surpresa desagradável! (ideia de contrariedade)
Oh! Que bom te encontrar. (ideia de alegria)
Classificação das Interjeições
Comumente, as interjeições expressam sentido de:
Advertência: Cuidado!, Devagar!, Calma!, Sentido!, Atenção!, Olha!, Alerta!
69
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Afugentamento: Fora!, Passa!, Rua!, Xô!
Alegria ou Satisfação: Oh!, Ah!,Eh!, Oba!, Viva!
Alívio: Arre!, Uf!, Ufa! Ah!
Animação ou Estímulo: Vamos!, Força!, Coragem!, Eia!, Ânimo!, Adiante!, Firme!,
Toca!
Aplauso ou Aprovação: Bravo!, Bis!, Apoiado!, Viva!, Boa!
Concordância: Claro!, Sim!, Pois não!, Tá!, Hã-hã!
Repulsa ou Desaprovação: Credo!, Irra!, Ih!, Livra!, Safa!, Fora!, Abaixo!,
Francamente!, Xi!, Chega!, Basta!, Ora!
Desejo ou Intenção: Oh!, Pudera!, Tomara!, Oxalá!
Desculpa: Perdão!
Dor ou Tristeza: Ai!, Ui!, Ai de mim!, Que pena!, Ah!, Oh!, Eh!
Dúvida ou Incredulidade: Qual!, Qual o quê!, Hum!, Epa!, Ora!
Espanto ou Admiração: Oh!, Ah!, Uai!, Puxa!, Céus!, Quê!, Caramba!, Opa!, Virgem!,
Vixe!, Nossa!, Hem?!, Hein?, Cruz!, Putz!
Impaciência ou Contrariedade: Hum!, Hem!, Irra!, Raios!, Diabo!, Puxa!, Pô!, Ora!
Pedido de Auxílio: Socorro!, Aqui!, Piedade!
Saudação, Chamamento ou Invocação: Salve!, Viva!, Adeus!, Olá!, Alô!, Ei!, Tchau!,
Ô, Ó, Psiu!, Socorro!, Valha-me, Deus!
Silêncio: Psiu!, Bico!, Silêncio!
Terror ou Medo: Credo!, Cruzes!, Uh!, Ui!, Oh!
Locução Interjetiva
Ocorre quando duas ou mais palavras formam uma expressão com sentido de interjeição.
Por exemplo :
Ora bolas!
Quem me dera!
Virgem Maria!
Meu Deus!
Ó de casa!
Ai de mim!
Valha-me Deus!
Graças a Deus!
Alto lá!
Muito bem!
Observações:
1) As interjeições são como frases resumidas, sintéticas.
70
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Por exemplo:
Ué! = Eu não esperava por essa!
Perdão! = Peço-lhe que me desculpe.
2) Além do contexto, o que caracteriza a interejeição é o seu tom exclamativo; por isso,
palavras de outras classes gramaticais podem aparecer como interjeições.
Por exemplo:
Viva! Basta! (Verbos)
Fora! Francamente! (Advérbios)
3) A interjeição pode ser considerada uma "palavra-frase" porque sozinha pode constituir
uma mensagem.
Por exemplo:
Socorro!
Ajudem-me!
Silêncio!
Fique quieto!
4) Há, também, as interjeições onomatopaicas ou imitativas, que exprimem ruídos e vozes.
Por exemplo:
Pum! Miau! Bumba! Zás! Plaft! Pof!
Catapimba! Tique-taque! Quá-quá-quá!, etc.
5) Não se deve confundir a interjeição de apelo "ó" com a sua homônima "oh!", que
exprime admiração, alegria, tristeza, etc. Faz-se uma pausa depois do" oh!" exclamativo e
não a fazemos depois do "ó" vocativo.
Por exemplo:
"Ó natureza! ó mãe piedosa e pura!" (Olavo Bilac)
Oh! a jornada negra!" (Olavo Bilac)
6) Na linguagem afetiva, certas interjeições, originadas de palavras de outras classes, podem
aparecer flexionadas no diminutivo ou no superlativo.
Por exemplo:
Calminha! Adeusinho! Obrigadinho!
71
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Concordância verbal e nominal
Concordância é o mecanismo pelo qual as palavras alteram sua terminação para se
adequarem harmonicamente na frase.
Concordância verbal
Na concordância verbal, o verbo concorda em número e pessoa com o sujeito. A
concordância verbal pode se dar com:
Sujeito simples: antecedendo ou não o seu sujeito simples, o verbo concorda com ele em
número e pessoa (E o vento forte quebra as telhas e vidraças – verbo e sujeito no singular);
Sujeito composto anteposto ao verbo: o verbo pode ir para o plural, estar no singular ou no
plural (com palavras sinônimas, ou caso os núcleos do sujeito expressem uma gradação), ou
permanecer no singular (caso os núcleos do sujeito estejam se referindo à mesma pessoa
ou coisa, ou caso os núcleos do sujeito estejam resumidos por tudo, nada, ninguém);
Sujeito composto posposto ao verbo: o verbo irá para o plural (Explodem, como granadas,
os arrozais e as águas.), é admissível também a concordância do verbo com o núcleo mais
próximo (Só cabe no poema o homem sem estômago);
Sujeito composto de pessoas diferentes: o verbo vai para o plural na pessoa que prevalecer
(O trabalhador e eu plantamos muita mandioca por esse mundão);
Sujeito representado por um coletivo: o verbo concorda com o coletivo (A manada de
touros tomava a paisagem em largura);
Sujeito constituído de pronomes de tratamento: o verbo não concorda com a segunda
pessoa: vai para a terceira pessoa (Vossa Excelência se enganou).
Concordância nominal
Na concordância nominal, deve haver concordância entre os nomes (substantivos) e as
72
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
palavras que com eles se relacionam (adjetivos, artigos, numerais, pronomes adjetivos,
particípios). Observe os casos gerais de concordância nominal:
Concordância do adjetivo com o substantivo: um só adjetivo relacionando-se com mais de
um substantivo de gênero ou número diferentes (Claros cabelos e semblante que esvaecem)
ou mais de um adjetivo referindo-se a um só substantivo (Entramos pelas terras italiana e
suíça);
Concordância do predicado com o sujeito: predicado e sujeito simples (Lindas sombras
ficaram opacas na madrugada) ou predicado e sujeito composto (O ódio e o amor pareciam
idênticos);
Concordância do numeral com o substantivo: os numerais cardinais devem concordar com o
substantivo a que se referem (No mercado havia vinte e duas pessoas), se aparecer antes
dos numerais, o substantivo irá para o plural (As pessoas segunda e terceira são alegres);
Concordância dos pronomes de tratamento: é obrigatória a concordância com os pronomes
de tratamento sempre em terceira pessoa e usual o adjetivo concordar com o sexo da
pessoa relacionada ao pronome citado (Vossa Majestade está bem atrasada para a
cerimônia);
Concordância ideológica ou silepse: modo especial de concordar as palavras, e não a forma
gramatical, pode ser: de gênero (Extraordinária e bela Recife, Veneza brasileira), de pessoa
(Os paulistanos abominados a violência urbana) ou de número (Memórias de um sargento
de milícias satiriza o Rio do tempo do rei).
Regência verbal e nominal
A regência enfoca o relacionamento entre os termos da oração, verificando o nível de
dependência entre eles.
Chama-se regente o termo que exige complemento e regido o termo complementar
(Ninguém assistiu – termo regente – ao formidável enterro – termo regido).
Na regência nominal, alguns nomes (substantivo, adjetivo, advérbio) podem apresentar mais
de uma regência, como acontece com os verbos (Estava ansioso para ouvi-lo./ Estava
ansioso por ouvi-lo./ Estava ansioso de ouvi-lo.).
73
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Apresentamos a seguir vários nomes acompanhados da preposição ou preposições que os
regem. Observe-os atentamente e procure, sempre que possível, associar esses nomes entre
si ou a algum verbo cuja regência você conhece.
Substantivos
Admiração a, por
Devoção a, para, com, por
Medo de
Aversão a, para, por
Doutor em
Obediência a
Atentado a, contra
Dúvida acerca de, em, sobre
Ojeriza a, por
Bacharel em
Horror a
Proeminência sobre
Capacidade de, para
Impaciência com
Respeito a, com, para com, por
Adjetivos
Acessível a
Entendido em
Necessário a
Acostumado a, com
Equivalente a
Nocivo a
Agradável a
Escasso de
Paralelo a
Alheio a, de
Essencial a, para
Passível de
Análogo a
Fácil de
Preferível a
Ansioso de, para, por
Fanático por
Prejudicial a
Apto a, para
Favorável a
Prestes a
Ávido de
Generoso com
Propício a
Benéfico a
Grato a, por
Próximo a
Capaz de, para
Hábil em
Relacionado com
Compatível com
Habituado a
Relativo a
Contemporâneo a, de
Idêntico a
Satisfeito com, de, em, por
74
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Contíguo a
Impróprio para
Semelhante a
Contrário a
Indeciso em
Sensível a
Descontente com
Insensível a
Sito em
Desejoso de
Liberal com
Suspeito de
Diferente de
Natural de
Vazio de
Advérbios
Longe de
Perto de
Observação: os advérbios terminados em -mente tendem a seguir o regime dos adjetivos
de que são formados:paralela a; paralelamente a; relativa a; relativamente a.
Quanto à regência verbal, os verbos podem ser:
- Transitivo direto
- Transitivo indireto
- Transitivo direto e indireto
- Intransitivo
Verbos que requerem uma ligação direta do complemento. São os VTD, que dispensam
auxílio de preposição (Ver filmes. Parecer cansado.);
Verbos que requerem complemento sempre com a mesma preposição. São os VTI
(Depender do carro. Incorrer em erro.);
Verbos cujo complemento pode variar de preposição, sem alterar o sentido. São também
VTI (Contentar-se de ser feliz – Contentar-se com ser feliz);
Verbos cujo sentido varia conforme o complemento – com ou sem preposição (Aspirar ao
cargo – Desejar o cargo / Aspirar o pó – Sugar o pó).
ASPIRAR
O verbo aspirar pode ser transitivo direto ou transitivo indireto.
75
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Transitivo direto: quando significa “sorver”, “tragar”, “inspirar” e exige complemento
sem preposição.
- Ela aspirou o aroma das flores.
- Todos nós gostamos de aspirar o ar do campo.
Transitivo indireto: quando significa “pretender”, “desejar”, “almejar” e exige complemento
com a preposição “a”.
- O candidato aspirava a uma posição de destaque.
- Ela sempre aspirou a esse emprego.
Obs: Quando é transitivo indireto não admite a substituição pelos pronomes lhe(s).
Devemos substituir por “a ele(s)”, “a ela(s)”.
- Aspiras a este cargo?
- Sim, aspiro a ele. (e não “aspiro-lhe”).
ASSISTIR
O verbo assistir pode ser transitivo indireto, transitivo direto e intransitivo.
Transitivo indireto: quando significa “ver”, “presenciar”, “caber”, “pertencer” e exige
complemento com a preposição “a”.
- Assisti a um filme. (ver)
- Ele assistiu ao jogo.
- Este direito assiste aos alunos. (caber)
Transitivo direto: quando significa “socorrer”, “ajudar” e exige complemento sem preposição.
- O médico assiste o ferido. (cuida)
Obs: Nesse caso o verbo “assistir” pode ser usado com a preposição “a”.
- Assistir ao paciente.
Intransitivo: quando significa “morar” exige a preposição “em”.
- O papa assiste no Vaticano. (no: em + o)
- Eu assisto no Rio de Janeiro.
“No Vaticano” e “no Rio de Janeiro” são adjuntos adverbiais de lugar.
CHAMAR
O verbo chamar pode ser transitivo direto ou transitivo indireto.
É transitivo direto quando significa “convocar”, “fazer vir” e exige complemento sem
preposição.
- O professor chamou o aluno.
É transitivo indireto quando significa “invocar” e é usado com a preposição “por”.
- Ela chamava por Jesus.
76
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Com o sentido de “apelidar” pode exigir ou não a preposição, ou seja, pode ser transitivo
direto ou transitivo indireto.
Admite as seguintes construções:
- Chamei Pedro de bobo. (chamei-o de bobo)
- Chamei a Pedro de bobo. (chamei-lhe de bobo)
- Chamei Pedro bobo. (chamei-o bobo)
- Chamei a Pedro bobo. (chamei-lhe bobo)
VISAR
Pode ser transitivo direto (sem preposição) ou transitivo indireto (com preposição).
Quando significa “dar visto” e “mirar” é transitivo direto.
- O funcionário já visou todos os cheques. (dar visto)
- O arqueiro visou o alvo e atirou. (mirar)
Quando significa “desejar”, “almejar”, “pretender”, “ter em vista” é transitivo indireto e exige
a preposição “a”.
- Muitos visavam ao cargo.
- Ele visa ao poder.
Nesse caso não admite o pronome lhe(s) e deverá ser substituído por a ele(s), a ela(s). Ou
seja, não se diz: viso-lhe.
Obs: Quando o verbo “visar” é seguido por um infinitivo, a preposição é geralmente
omitida.
- Ele visava atingir o posto de comando.
ESQUECER – LEMBRAR
- Lembrar algo – esquecer algo
- Lembrar-se de algo – esquecer-se de algo (pronominal)
No 1º caso, os verbos são transitivos diretos, ou seja exigem complemento sem preposição.
- Ele esqueceu o livro.
No 2º caso, os verbos são pronominais (-se, -me, etc) e exigem complemento com a
preposição “de”. São, portanto, transitivos indiretos.
- Ele se esqueceu do caderno.
- Eu me esqueci da chave.
- Eles se esqueceram da prova.
- Nós nos lembramos de tudo o que aconteceu.
Há uma construção em que a coisa esquecida ou lembrada passa a funcionar como sujeito e
o verbo sofre leve alteração de sentido. É uma construção muito rara na língua
contemporânea , porém, é fácil encontrá-la em textos clássicos tanto brasileiros como
portugueses. Machado de Assis, por exemplo, fez uso dessa construção várias vezes.
77
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- Esqueceu-me a tragédia. (cair no esquecimento)
- Lembrou-me a festa. (vir à lembrança)
O verbo lembrar também pode ser transitivo direto e indireto (lembrar alguma coisa a
alguém ou alguém de alguma coisa).
PREFERIR
É transitivo direto e indireto, ou seja, possui um objeto direto (complemento sem
preposição) e um objeto indireto (complemento com preposição)
- Prefiro cinema a teatro.
- Prefiro passear a ver TV.
Não é correto dizer: “Prefiro cinema do que teatro”.
SIMPATIZAR
Ambos são transitivos indiretos e exigem a preposição “com”.
- Não simpatizei com os jurados.
QUERER
Pode ser transitivo direto (no sentido de “desejar”) ou transitivo indireto ( no sentido de “ter
afeto”, “estimar”).
- A criança quer sorvete.
- Quero a meus pais.
NAMORAR
É transitivo direto, ou seja, não admite preposição.
- Maria namora João.
Obs: Não é correto dizer: “Maria namora com João”.
OBEDECER
É transitivo indireto, ou seja, exige complemento com a preposição “a” (obedecer a).
- Devemos obedecer aos pais.
Obs: embora seja transitivo indireto, esse verbo pode ser usado na voz passiva.
- A fila não foi obedecida.
VER
É transitivo direto, ou seja, não exige preposição.
78
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- Ele viu o filme.
Colocação Pronominal
Fernanda, quem te contou isso?
Fernanda, contaram-te isso?
Nos exemplos acima, observe que o pronome "te" foi expresso em lugares distintos: antes e
depois do verbo. Isso ocorre porque os pronomes átonos (me, te, se, lhe, o, a, nos, vos, lhes,
os, as) podem assumir três posições diferentes numa oração: antes do verbo, depois do
verbo e no interior do verbo. Essas três colocações chamam-se, respectivamente: próclise,
ênclise e mesóclise.
1) Próclise
Na próclise, o pronome surge antes do verbo. Costuma ser empregada:
a) Nas orações que contenham uma palavra ou expressão de valor negativo.
Exemplos:
Ninguém o apoia.
Nunca se esqueça de mim.
Não me fale sobre este assunto.
b) Nas orações em que haja advérbios e pronomes indefinidos, sem que exista pausa.
Exemplos:
Aqui se vive. (advérbio)
Tudo me incomoda nesse lugar. (pronome indefinido)
Obs.: caso haja pausa depois do advérbio, emprega-se ênclise.
Por Exemplo:
Aqui, vive-se.
c) Nas orações iniciadas por pronomes e advérbios interrogativos.
Exemplos:
Quem te convidou para sair? (pronome interrogativo)
Por que a maltrataram? (advérbio interrogativo)
79
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
d) Nas orações iniciadas por palavras exclamativas e nas optativas (que exprimem desejo).
Exemplos:
Como te admiro! (oração exclamativa)
Deus o ilumine! (oração optativa)
e) Nas conjunções subordinativas:
Exemplos:
Ela não quis a blusa, embora lhe servisse.
É necessário que o traga de volta.
Comprarei o relógio se me for útil.
f) Com gerúndio precedido de preposição "em".
Exemplos:
Em se tratando de negócios, você precisa falar com o gerente.
Em se pensando em descanso, pensa-se em férias.
g) Com a palavra "só" (no sentido de "apenas", "somente") e com as conjunções
coordenativas alternativas.
Exemplos:
Só se lembram de estudar na véspera das provas.
Ou se diverte, ou fica em casa.
h) Nas orações introduzidas por pronomes relativos.
Exemplos:
Foi aquele colega quem me ensinou a matéria.
Há pessoas que nos tratam com carinho.
Aqui é o lugar onde te conheci.
2) Mesóclise
Emprega-se a mesóclise quando o verbo estiver no futuro do presente ou no futuro do
pretérito do indicativo, desde que não se justifique a próclise. O pronome fica intercalado ao
verbo.
Exemplos:
Falar-lhe-ei a teu respeito. (Falarei + lhe)
Procurar-me-iam caso precisassem de ajuda. (Procurariam + me)
Observações:
80
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) Havendo um dos casos que justifique a próclise, desfaz-se a mesóclise.
Por Exemplo:
Tudo lhe emprestarei, pois confio em seus cuidados. (O pronome "tudo" exige o uso
de próclise.)
b) Com esses tempos verbais (futuro do presente e futuro do pretérito) jamais ocorre a
ênclise.
c) A mesóclise é colocação exclusiva da língua culta e da modalidade literária.
3) Ênclise
A ênclise pode ser considerada a colocação básica do pronome, pois obedece à sequência
verbo-complemento. Assim, o pronome surge depois do verbo. Emprega-se geralmente:
a) Nos períodos iniciados por verbos (desde que não estejam no tempo futuro), pois, na
língua culta, não se abre frase com pronome oblíquo.
Exemplos:
Diga-me apenas a verdade.
Importava-se com o sucesso do projeto.
b) Nas orações reduzidas de infinitivo.
Exemplos:
Convém confiar-lhe esta responsabilidade.
Espero contar-lhe isto hoje à noite.
c) Nas orações reduzidas de gerúndio (desde que não venham precedidas de preposição
"em".)
Exemplos:
A mãe adotiva ajudou a criança, dando-lhe carinho e proteção.
O menino gritou, assustando-se com o ruído que ouvira.
d) Nas orações imperativas afirmativas.
Exemplos:
Fale com seu irmão e avise-o do compromisso.
Professor, ajude-me neste exercício!
Observações:
81
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
1) A posição normal do pronome é a ênclise. Para que ocorra a próclise ou a mesóclise é
necessário haver justificativas.
2) A tendência para a próclise na língua falada atual é predominante, mas iniciar frases com
pronomes átonos não é lícito numa conversação formal. Por Exemplo:
Linguagem Informal: Me alcança a caneta.
Linguagem Formal: Alcança-me a caneta.
3) Se o verbo não estiver no início da frase, nem conjugado nos tempos Futuro do Presente
ou Futuro do Pretérito, é possível usar tanto a próclise como a ênclise.
Exemplos:
Eu me machuquei no jogo.
Eu machuquei-me no jogo.
As crianças se esforçam para acordar cedo.
As crianças esforçam-se para acordar cedo.
Colocação dos Pronomes Oblíquos Átonos nas Locuções Verbais
As locuções verbais podem ter o verbo principal no infinitivo, no gerúndio ou no particípio.
1) Verbo Principal no Infinitivo ou Gerúndio
a) Sem palavra que exija a próclise:
Geralmente, emprega-se o pronome após a locução.
Por Exemplo:
Quero ajudar-lhe ao máximo.
b) Com palavra que exija próclise:
O pronome pode ser colocado antes ou depois da locução.
Exemplos:
Nunca me viram cantar. (antes)
Não pretendo falar-lhe sobre negócios. (depois)
Observações:
1) Quando houver preposição entre o verbo auxiliar e o infinitivo, a colocação do pronome
será facultativa.
Por Exemplo:
82
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Nosso filho há de encontrar-se na escolha profissional.
Nosso filho há de se encontrar na escolha profissional.
2) Com a preposição "a" e o pronome oblíquo "o" (e variações) o pronome deverá ser
colocado depois do infinitivo.
Por Exemplo:
Voltei a cumprimentá-los pela vitória na partida.
2) Verbo Principal no Particípio
Estando o verbo principal no particípio, o pronome oblíquo átono não poderá vir depois
dele.
Por Exemplo:
As crianças tinham-se perdido no passeio escolar.
a) Se não houver fator que justifique a próclise, o pronome ficará depois do verbo auxiliar.
Por Exemplo:
Seu rendimento escolar tem-me surpreendido.
b) Se houver fator que justifique a próclise, o pronome ficará antes da locução.
Por Exemplo:
Não me haviam avisado da prova que teremos amanhã.
Obs.: na língua falada, é comum o uso da próclise em relação ao particípio. Veja:
Por Exemplo:
Haviam me convencido com aquela história.
Não haviam me mostrado todos os cômodos da casa.
Crase
Na língua portuguesa, crase é a fusão de duas vogais idênticas, mas essa denominação visa
a especificar principalmente a contração ou fusão da preposição a com os artigos definidos
femininos a, as ou com os pronomes demonstrativos a, as, aquele, aquela, aquilo.
83
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a+a=à
a + as = às
a + aquele(s) = àquele(s)
a + aquela(s) = àquela(s)
a + aquilo = àquilo
Para saber se ocorre ou não a crase, basta seguir três regras básicas:
01)
Só ocorre crase diante de palavras femininas, portanto nunca use o acento grave
indicativo de crase diante de palavras que não sejam femininas.
- O sol estava a pino. Sem crase, pois pino não é palavra feminina.
- Ela recorreu a mim. Sem crase, pois mim não é palavra feminina. Pode até refereir-se a
uma mulher, mas a palavra em si não é feminina.
- Estou disposto a ajudar você. Sem crase, pois ajudar não é palavra feminina; é verbo.
02)
Se a preposição a for exigida por um verbo que indica destino (ir, vir, voltar, chegar,
cair, comparecer, dirigir-se...), troque este verbo por outro que indique procedência (vir,
voltar, chegar...); se, diante do que indicar procedência, surgir da, diante do que indicar
destino, ocorrerá crase; caso contrário, não ocorrerá crase. Essa substituição serve para
demonstrar a existência da preposição e do artigo, cuja junção exige o acento indicador de
crase.
venho de = vou a
venho da = vou à
- Vou a Porto Alegre. Sem crase, pois Venho de Porto Alegre.
- Vou à Bahia. Com crase, pois Venho da Bahia.
03) Se não houver verbo indicando destino, troca-se a palavra feminina por outra masculina;
se, diante da masculina, surgir ao, diante da feminina, ocorrerá crase; caso contrário, não
ocorrerá crase. Essa substituição serve para demonstrar a existência da preposição e do
artigo, cuja junção exige o acento indicador de crase.
84
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- Assisti à peça. Com crase, pois Assisti ao filme.
- Paguei à cabeleireira. Com crase, pois Paguei ao cabeleireiro.
- Respeito as regras. Sem crase, pois Respeito os regulamentos.
Casos especiais:
01) Nas expressões adverbiais à moda de e à maneira de, mesmo que as palavras moda e
maneira fiquem subentendidas, ocorre crase.
- Fizemos um churrasco à gaúcha. (À moda gaúcha; à moda dos gaúchos)
- Comemos bife à milanesa e espaguete à bolonhesa. (À moda milanesa e à moda
bolonhesa; à moda de Milão e à moda de Borgonha)
- Joãozinho usa cabelos à Príncipe Valente. (À moda do Príncipe Valente)
02) Nos adjuntos adverbiais de modo, lugar e tempo femininos, ocorre crase.
à tarde, à noite, às pressas, às escondidas, às escuras, às tontas, à direita, à esquerda, à
vontade, à revelia ...
- Encontrei Tiago ontem à noite.
- Saí às pressas de casa.
03) Nas locuções prepositivas e conjuntivas femininas ocorre crase.
Locução prepositiva feminina é a junção de a + substantivo feminino + de;
Locução conjuntiva feminina é a junção de a + substantivo feminino + que.
à maneira de, à moda de, às custas de, à procura de, à espera de, à medida que, à
proporção que...
- Ele está à procura da esposa.
- À proporção que o tempo passa, mais sábios ficamos.
85
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
04) Diante da palavra distância, só ocorrerá crase, se houver a formação de locução
prepositiva (à distância de) apesar de, modernamente, muitos cursos a distância escreverem
tal expressão com crase.
- Reconheci-o a distância.
- Reconheci-o à distância de duzentos metros.
05) Diante do pronome relativo que ou da preposição de, quando for fusão da preposição a
com o pronome demonstrativo a, as, que pode ser substituído por aquela, aquelas, esta,
estas
- Essa roupa é igual à que comprei ontem. (A roupa é igual a esta)
- Sua voz é igual à de um primo meu. (A voz é igual a esta)
06) Diante dos pronomes relativos a qual, as quais, quando o verbo da oração subordinada
adjetiva (o que vem logo depois de a qual, as quais) exigir a preposição a, ocorre crase.
- A cena à qual assisti foi chocante. (quem assiste assiste a algo)
07) Quando o a estiver no singular, diante de uma palavra no plural, não ocorre crase, pois
falta-lhe o artigo.
- Referi-me a todas as alunas, sem exceção.
- Não gosto de ir a festas desacompanhado.
08) Nos adjuntos adverbiais de meio ou de instrumento, a não ser que cause ambiguidade.
- Preencheu o formulário a caneta.
86
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- Matou o desafeto a faca.
Nota: Modernamente, alguns gramáticos admitem crase diante de adjuntos adverbias de
meio, mesmo não ocorrendo ambiguidade. É o que tem ocorrido, por exemplo, com o
adjunto adverbial de meio (pagar) a vista.
09) Diante de pronomes possessivos femininos, é facultativo o uso do artigo se o pronome
acompanhar substantivo, então, quando houver a preposição a, será facultativa a ocorrência
de crase.
- Referi-me a sua professora.
- Referi-me à sua professora.
Observação: Caso o pronome possessivo não acompanhe substantivo, mas o substitua, o
artigo será obrigatório; se, então, houver a preposição a, o acento indicador de crase
também será obrigatório.
- Não me referi a (ou à) sua esposa, e sim à minha.
10) Após a preposição até, é facultativo o uso da preposição a, quando esta for necessária
ao elemento anterior ao até, portanto, caso haja substantivo feminino à frente, a ocorrência
de crase será facultativa.
- Fui até a secretaria ou Fui até à secretaria, pois quem vai, vai a algum lugar.
11) A palavra CASA:
A palavra casa só terá artigo, se estiver especificada, portanto só ocorrerá crase diante da
palavra casa nesse caso.
87
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- Cheguei a casa antes de todos.
- Cheguei à casa de Ronaldo antes de todos.
12) A palavra TERRA:
- Significando planeta, é substantivo próprio e tem artigo, consequentemente, quando
houver a preposição a, ocorrerá a crase.
- Os astronautas voltaram à Terra.
- Significando chão firme, solo, só tem artigo, quando estiver especificada, portanto só
nesse caso poderá ocorrer a crase.
- Os marinheiros voltaram a terra.
- Irei à terra de meus avós.
88
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Matemática
Sistema de numeração decimal, problemas do campo aditivo (adição e subtração) e
multiplicativo (multiplicação e divisão), números racionais e regra de três simples
O francês Viète (1540 - 1603) desenvolveu um método para escrever as frações decimais; no
lugar de frações, Viète escreveria números com vírgula. Esse método, modernizado, é
utilizado até hoje.
Observe no quando a representação de frações decimais através de números decimais:
89
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Os números 0,1, 0,01, 0,001; 11,7, por exemplo, são números decimais.
Nessa representação, verificamos que a vírgula separa a parte inteira da parte decimal.
Quando desejamos realizar operações de adição ou de subtração, podemos utilizar o
algoritmo de cada operação. Mas devemos nos lembrar de que a parte inteira deve somar
apenas com outra parte inteira, do mesmo modo a parcela decimal deve ser operada com a
outra que também é decimal. Para evitar enganos, é recomendável que façamos o algoritmo
colocando sempre a vírgula embaixo de outra vírgula. Vejamos alguns exemplos:
Na imagem, temos alguns “zeros” em vermelho. Isso aconteceu porque nem sempre todos
os números terão a mesma casa de números decimais e, a fim de melhorar nossos cálculos,
devemos preencher com zeros os espaços vazios à direita.
Em se tratando de multiplicação, não há a necessidade de colocarmos vírgula embaixo de
vírgula. Devemos realizar a multiplicação da forma tradicional, mas devemos lembrar que é
necessário unir a quantidade de casas decimais. Por exemplo, o caso da multiplicação de
0,075 por 0,001. Ao fazermos a multiplicação normalmente, desconsiderando a vírgula,
obtemos o resultado 75, mas o primeiro número tem três algarismos após a vírgula, e o
segundo, três algarismos. Portanto, a resposta é 0,000075. Vejamos alguns exemplos:
90
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
A divisão de números inteiros requer a nossa atenção para alguns detalhes. Vejamos os
possíveis casos de divisões:
1º – Divisão de números inteiros
a) Quando o dividendo é maior que o divisor:
91
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Nesse caso, poderíamos ter finalizado a divisão tendo como quociente o número 8 e
deixando 3 como resto. Como demos continuidade, foi necessário acrescentar o zero ao fim
dos números que seriam divididos para concluir a divisão. Quando é necessário fazer o
acréscimo do zero, colocamos uma vírgula no quociente.
b) Quando o dividendo é menor que o divisor:
Nesse exemplo, queremos dividir 4 por 8. Mas para conseguir fazer esse cálculo, é
necessário aumentar o dividendo. Então antes de iniciar a divisão, precisamos acrescentar
um zero após o 4, transformando-o em 40. Ao fazer isso, colocamos um zero e uma vírgula
no início do quociente para em seguida iniciar de fato a divisão. Caso fosse necessário,
poderíamos colocar outro zero no dividendo, então haveria 400, e, no quociente,
acrescentar outro zero após a vírgula, ficando com 0,0. É possível realizar esse processo
quantas vezes forem necessárias.
2º – Divisão entre inteiros e decimais
a) Dividendo inteiro e divisor decimal
92
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Quando precisamos dividir um número inteiro por outro que é decimal, é necessário tornar
o dividendo também um número decimal. Para isso, basta acrescentar uma vírgula e um
zero e verificar se o dividendo e o divisor possuem a mesma quantidade de números após a
vírgula. Se for necessário, podemos acrescentar zeros até ficarem iguais. Feito isso,
desconsideramos a vírgula e realizamos a divisão normalmente.
a) Dividendo decimal e divisor inteiro
Semelhantemente ao caso anterior, precisamos que o divisor seja também um número
decimal. Para tanto, acrescentamos nele a vírgula e um zero e verificamos se a quantidade
de zeros após a vírgula é mesma para o divisor e para o dividendo. Feito isso, podemos
realizar a divisão como de costume.
3º – Divisão entre decimais
93
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Para realizar a divisão entre números decimais, é necessário que ambos tenham a mesma
quantidade de números após a vírgula. Como já foi dito, acrescentamos zeros ao fim do
número até que consigamos igualar a quantidade de casas decimais. Feito isso,
desconsideramos as vírgulas e realizamos a divisão.
Números Racionais
Os números racionais são números reais que podem ser expressos como relação de
dois números inteiros.
Por exemplo:
•-2
•-5/4
•-1
•3/5
•1
•3/2
.. são números racionais.
O conjunto dos números racionais é representado pela letra
Q
94
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
A realização de qualquer uma das quatro operações aritméticas entre dois números
racionais quaisquer terá como resultado também um número racional, obviamente no caso
da divisão, o divisor deve ser diferente de zero. Sejam a e b números racionais, temos:
Regra de três simples
Quando, em uma relação entre duas grandezas, conhecemos três valores de um problema e
desconhecemos apenas um, poderemos chegar a sua solução utilizando os princípios da
regra de três simples. Para isso, basta que multipliquemos os meios entre si e os extremos
também entre si. Acompanhe:
Exemplo: os números 6 e 10 são diretamente proporcionais a 12 e x respectivamente.
Nessas condições, vamos encontrar o valor de x que torne essa afirmação verdadeira.
Vamos à solução dos problemas (1) e
(2) propostos no início deste
trabalho.
(1)
Um quilo de farinha de trigo é
suficiente para fazer 12 pães. De quanta farinha necessito para fazer 18 pães?
95
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
● Vamos chamar o valor desconhecido de x e montar uma tabela contendo os valores.
Inicialmente teremos
que analisar se as
grandezas quantidade de farinha de trigo e número de pães são inversa ou diretamente
proporcionais.
•Se duplicarmos a quantidade de farinha de trigo, a quantidade de pães também
duplicará. Se triplicarmos a farinha, os pães também serão triplicados, e assim por
diante. Sendo assim, somos levados a concluir que essas duas grandezas são
diretamente proporcionais;
•Sabendo dessa informação, basta escrevermos a proporção de acordo com o
quadro acima e partir para sua solução;
•As flechas no mesmo sentido indicam que as grandezas são diretamente
proporcionais.
Conclusão: para fazer 18 pães
precisaremos de 1,5 kg de farinha
de trigo.
(2) Quatro pedreiros constroem uma pequena casa em 90 dias. Dois pedreiros construirão
a mesma casa em quanto tempo?
● Vamos chamar o valor desconhecido de x e montar uma tabela contendo os valores.
Como no caso anterior,
teremos que analisar se
as grandezas quantidade de pedreiros e dias gastos na construção são inversa ou
diretamente proporcionais.
96
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
•Se aumentarmos o número de pedreiros, a duração da obra será reduzida, portanto,
essas grandezas são inversamente proporcionais;
•Sabendo dessa informação, basta escrevermos a proporção de acordo com o
quadro acima e partir para sua solução;
•Como as grandezas são inversamente proporcionais, devemos inverter uma das
frações;
•As setas contrárias indicam que as grandezas são inversamente proporcionais.
Conclusão: se reduzirmos o número de
pedreiro a dois, teremos a obra concluída
em 180 dias.
Localização e deslocamento
A Localização é um conceito abstrato criado para referir-se a um lugar ou local que uma
pessoa, objeto, fenômeno ou porção de território tem no espaço. Há muitas maneiras,
dentre elas científicas, para falar da localização de um elemento ou de uma entidade
qualquer, e isso depende de cada caso.
Uma das formas mais comuns e tradicionais de conhecer a localização de um elemento se
refere ao campo da geografia. Esta convenção artificial criada pelo ser humano divide o
planeta em um grupo exato e detalhado que permite dar a localização geral e específica de
um lugar em qualquer parte do globo. Assim, através da combinação de paralelos e
meridianos, além da designação específica de cada lugar, pode-se saber a localização de
espaços imensos e gigantes tais como continentes, países e até mesmo localidades menores
que não podem ser distinguidas facilmente em um mapa. Quando ocorre a especialização
de um trabalho sobre uma área mais detalhada e complexa se torna um mapa.
Na geografia, a localização de uma cidade, de um lugar ou de um povo tem a ver com a
área que está ao nosso redor e altera sua disposição, caráter e história. É por isso que, por
exemplo, a localização de um povo entre as montanhas não é a mesma que uma
encontrada em plena planície.
Entretanto, o termo localização não se limita apenas a questão geográfica, mas também
está presente em muitas situações da vida cotidiana em que é necessário estabelecer
parâmetros e diretrizes de localização de determinados elementos de acordo com a
necessidade. Assim, quando se constrói uma casa, por exemplo, é necessário pensar
97
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
previamente na localização dos cômodos ou dos diferentes espaços para poder ter uma
melhor distribuição e equilibrar as forças arquitetônicas.
Por último, devemos dizer também que a palavra localização se refere aos deslocamentos
abstratos e não concretos de algo ou alguém. Isto fica claro quando falamos da localização
de um empregado dentro da hierarquia de uma empresa, ou da localização ideológica de
um partido político dentro da construção de cidadania.
Paralelos
Os paralelos são linhas imaginarias que estão dispostas ao redor do planeta no sentido
horizontal, ou seja, de leste a oeste. O paralelo principal é chamado de Linha do
Equador que está situado na parte mais larga do planeta, a partir dessa linha tem origem ao
hemisfério sul e o hemisfério norte. Existem outros paralelos secundários mais de grande
importância como Trópico de Câncer, O Trópico de Capricórnio, o Circulo Polar Ártico e o
Circulo Polar Antártico.
As latitudes são medidas em graus entre os paralelos, ou qualquer ponto do planeta até a
Linha do Equador, as latitudes oscilam de 0º Linha do Equador e 90º ao norte e 90º ao sul.
Meridianos correspondem a semicircunferências imaginarias que parte de um pólo até
atingir o outro. O principal meridiano é o Greenwich, esse é o único que possui um nome
especifico, esse é utilizado como referência para estabelecer a divisão da Terra entre
Ocidente (oeste) e Oriente (leste).
98
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
As longitudes representam o intervalo entre os meridianos ou qualquer ponto do planeta
com o meridiano principal. As longitudes podem oscilar de 0º no meridiano de Greenwich
até 180º a leste e a oeste.
Através do conhecimento da latitude e longitude de um lugar é possível identificar as
coordenadas geográficas, que correspondem a sua localização precisa ao longo da
superfície terrestre. A partir dessas informações a definição de coordenadas geográficas são
medidas em graus, minutos e segundos de pontos da Terra localizadas pela latitude e
longitude.
Formas espaciais e planas
Prismas
Consideremos o prisma como um sólido geométrico formado pelos seguintes elementos:
base, altura, vértices, arestas e faces laterais. Os prismas podem apresentar diversas formas,
mas algumas características básicas definem esse sólido geométrico. Por exemplo, o número
de faces do prisma será exatamente igual ao número de lados do polígono que constitui
suas bases (superior e inferior), dessa forma, sua classificação quanto ao número de lados
pode ser:
Triangular – base constituída de triângulos.
Quadrangular – base constituída de quadriláteros.
Pentagonal – base constituída de pentágonos.
Hexagonal – base constituída de hexágonos.
Heptagonal – base constituída de heptágonos.
99
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Octogonal – base constituída de octógonos.
Os prismas também podem ser classificados como retos ou oblíquos. Os prismas retos são
aqueles em que a aresta lateral forma com a base um ângulo de 90º, os oblíquos são
aqueles em que as arestas formam ângulos diferentes de 90º.
Todos os prismas
possuem área da base,
área lateral, área total e
volume. Todas essas
medidas dependem do
formato do polígono que
se encontra nas bases; por exemplo, os prismas acima possuem em sua base um
pentágono, portanto, para calcularmos a área dessa base devemos determinar a área do
pentágono. No caso do prisma pentagonal reto, as faces laterais constituem retângulos e a
do prisma oblíquo é formada por paralelogramos.
A área total de um prisma é calculada somando a área lateral e o dobro da área da base. E o
volume é determinado calculando a área da base multiplicada pela medida da altura.
Observe alguns exemplos de prismas:
Ao procurarmos a área de um
prisma qualquer, estamos
determinados a descobrir a
quantidade de material
utilizada em sua criação.
100
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Para encontrar a área de um prisma, devemos calculá-la em etapas. Primeiramente devemos
encontrar o valor da área da base. Para isso, basta um só calculo, pois as bases são idênticas.
A área da base deve ser multiplicada por dois, pois sempre haverá duas bases em um
prisma. Feito isso, devemos encontrar a área lateral, verificando as medidas de um retângulo
da lateral para calcular sua área. Então, multiplicamo-la pela quantidade de retângulos que
compõem a lateral. Dessa forma, a área de um prisma será dada por:
At = Al + 2.Ab,
At é a área total do prisma;
Al é a área lateral;
Ab é a área da base.
Vamos aplicar a fórmula encontrada na resolução de um exemplo. “Calcule a área de um
prisma triangular reto de 15 cm de altura cuja base é um triângulo equilátero com 4 cm de
lado.”
A base é um triângulo equilátero de 4 cm de lado. Então, sua área é dada por:
A lateral é composta por três
retângulos cujas dimensões são 4
cm e 15 cm. Portanto, a área lateral
é dada por:
Mas a área total é dada por At =
Al + 2.Ab, temos então:
A área total do prisma triangular é
193,84 cm².
Pirâmides
101
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Dada uma região poligonal de n vértices e um ponto V fora da região (outro plano), ao
traçarmos segmentos de retas entre os vértices da região poligonal e o ponto V,
construímos uma pirâmide que será classificada de acordo com o número de lados do
polígono da base.
Os segmentos AV, BV e CV são as
arestas laterais da pirâmide.
Os pontos A, B, C e V são os
vértices.
Os triângulos VAB,VBC e VCA são as faces laterais.
O triângulo ABC é outra face da pirâmide e constitui a base.
A distância do ponto V ao centro da base constitui a altura da pirâmide.
A classificação de uma pirâmide depende do número de arestas da região da área da base.
Base é um triângulo
Nome: pirâmide triangular
Número de faces: três faces laterais mais face da base, portanto, quatro faces.
Base é um quadrado
Nome: pirâmide quadrangular
Número de faces: quatro faces laterais mais face da base, portanto, cinco faces.
Base é um pentágono
Nome: pirâmide pentagonal
Número de faces: cinco faces laterais mais face da base, portanto, seis faces.
Base é um hexágono
Nome: pirâmide de base hexagonal
Número de faces: seis faces laterais mais face da base, portanto, sete faces.
102
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Altura, apótema da base e apótema da pirâmide
h: altura da pirâmide
m’: apótema da pirâmide
m: apótema da base
Pelo teorema de Pitágoras temos:
m’² = h² + m²
Área da base
A área da base de uma pirâmide depende da área do polígono em questão, sendo calculada
pela expressão:
onde P: perímetro do polígono e a:
apótema do polígono.
Área lateral
É a soma de todas as áreas laterais.
Área total
Soma da área lateral com a área da base.
At = Al + Ab
103
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Volume
O volume de uma pirâmide é dado pela expressão:
Planificação de uma pirâmide
Cilindros
Sejam α e β dois planos paralelos distintos, uma reta s secante a esses planos e um círculo C
de centro O contido em α. Consideremos todos os segmentos de reta, paralelos a s, de
modo que cada um deles tenha um extremo pertencente ao círculo C e o outro extremo
pertencente a β.
A reunião de todos esses
segmentos de reta é um sólido
chamado de cilindro circular,
limitado de bases C e C’ ou
simplesmente cilindro circular.
Cilindro circular reto
104
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
No cilindro circular reto a geratriz forma com o plano da base um ângulo de 90º. No cilindro
circular reto a medida h de uma geratriz é a altura do cilindro.
O cilindro circular reto também é
conhecido por cilindro de
revolução, pois pode ser obtido
pela revolução de 360º de uma
região retangular em torno de um
eixo.
Cilindro equilátero
O cilindro que possui as
seções meridianas
quadradas é chamado de
cilindro equilátero.
No cilindro equilátero a altura é igual ao diâmetro da base: h = 2r.
Área Lateral e Área
total de um cilindro
circular reto
A superfície de um
cilindro reto de altura h e raio da base r é equivalente à reunião de uma região retangular,
de lados 2πr e h, com dois círculos de raio r. Observe a planificação do cilindro.
105
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
A área do retângulo equivalente à superfície lateral do cilindro é a área lateral Aℓ do cilindro,
ou seja:
Aℓ = 2*π*r*h
A área total At do cilindro é igual à soma da área lateral Aℓ com as áreas das duas bases, ou
seja:
At = 2*π*r*h + π*r2 + π*r2 → At = 2*π*r*h + 2π*r2
Volume do cilindro circular
O volume V de um cilindro circular de altura h e raio da base r é igual ao produto da área da
base, πr2, pela altura h, isto é:
V = π*r2*h
Cones
Dado um círculo de centro O e raio R no plano B, e um ponto P fora do plano. O cone será
formado por segmentos de reta unindo o ponto P aos pontos do círculo.
Outra forma de construir o cone é através da revolução do triângulo retângulo sobre um
eixo vertical.
Elementos do cone
106
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Classificação do cone
No cone reto podemos aplicar a relação de Pitágoras para o cálculo da geratriz (g), do raio
da base (r) e da altura (h), pois vimos que o cone pode ser formado através da revolução do
triângulo retângulo. Comparando os elementos do cone aos do triângulo retângulo temos:
Geratriz no cone, hipotenusa no triângulo.
Altura no cone, cateto no triângulo.
Raio da base no cone, cateto no triângulo.
Uma importante relação no cone é dada por: r² + h² = g², observe a figura:
Áreas no cone
Área da base
Por ser uma circunferência, a área da base de um cone é dada pela seguinte expressão:
Área da lateral
A área lateral do cone é dada pela seguinte expressão:
Área total
É dada somando-se a área lateral e a área da base.
107
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
At = Al + Ab
At = Πr(g+r)
Volume do cone
O volume do cone é dado pelo produto da área da base pela altura divido por três.
V = (Πr²h)/3
Planificação
Superfície esférica,
esfera e partes da
esfera
A esfera é obtida através da revolução da semicircunferência sobre um eixo. Podemos
considerar que a esfera é um sólido.
Alguns conceitos básicos
estão relacionados à esfera,
se considerarmos a superfície
esférica destacamos os
seguintes elementos básicos:
 Polos
 Equador
 Paralelo
 Meridiano
108
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Área de uma superfície esférica
Temos que a área de uma superfície esférica de raio r é igual a:
Posição relativa entre plano e
esfera
Plano secante à esfera
O plano intersecciona a esfera formando duas partes, se o plano corta a esfera passando
pelo centro temos duas partes de tamanhos iguais.
Plano tangente à esfera
O plano tangencia a esfera
em apenas um ponto,
formando um ângulo de 90º graus com o eixo de simetria.
Plano externo à esfera
O plano e a esfera não possuem pontos em comum.
Volume
Os cálculos matemáticos, envolvendo área e volume de uma esfera, abrangem a medida do
raio que é a distância entre o centro da esfera e sua extremidade e o valor constante do
número irracional π (pi), dado por aproximadamente 3,14. Veja a esfera e seus elementos:
109
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Exemplo:
Uma esfera de plástico possui
raio medindo 20 centímetros.
Determine a área dessa região
esférica.
Outro exemplo
Um reservatório possui a forma
esférica com 15 metros de raio. Calcule a capacidade total de armazenamento desse
reservatório.
Temos que 1 m³ corresponde a
1000 litros. Então 14.130 m³
equivalem a 14.130 000 litros de
capacidade de armazenamento.
Sistema Legal de Medidas
Ao medirmos a altura de uma pessoa, usamos a unidade conhecida como “metro”: 1,60m,
1,83m etc.
Mas seria muito difícil se usássemos a mesma unidade para calcular a distância entre
cidades ou países, pois são longas distâncias, ou seja, números que podem ser muito
grandes.
110
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Teríamos dificuldade também ao escrever a espessura de um fio de cabelo ou a tampa de
uma caneta: pequenas distâncias, pequenos números.
Logo, para resolver esse problema, criou-se uma convenção para as unidades de
comprimento.
Do maior ao menor: quilômetro, hectômetro, decâmetro, metro, decímetro, centímetro e
milímetro. Seus símbolos são respectivamente: km, hm, dam, dam, m, dm, cm, mm.
Tomando o metro como referência, temos:
Quilômetro
Hectômetro
Decâmetro
Metro
Decímetro
Centímetro
Milímetro
km
hm
dam
m
dm
cm
mm
1000m
100m
10m
1m
0,1m
0,01m
0,001m
Exemplo
Helena quis usar uma fita em seu embrulho de Natal. Após uma rápida medição notou que
bastavam 45cm (quarenta e cinto centímetros). No entanto, a papelaria aonde foi só vendia
a fita por 3,50 reais a cada metro. Quanto Helena teve que pagar para comprar o tamanho
necessário de fita?
Assim, com a ajuda da tabela acima, temos que: 1cm = 0,01m, portanto 45cm = 0,45m. Daí,
Helena necessita de 0,45m, mas se a cada metro temos 4,00 reais, basta multiplicar 3,50 por
0,45 e temos 1,80 real.
Conversão: 57,83 hectômetros em centímetros:
111
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
km
hm
dam
m
dm
cm
5
7,
8
3
0
0
mm
Veja, deixamos a vírgula no hm, completamos o número normalmente e acrescentamos
zeros até chegar à unidade desejada. Então 57,83hm = 578300cm.
Mas e para medir o piso que gostaria de colocar na minha casa? Ou o terreno da minha
casa? Lembre-se de que para calcular a área de um quadrado, basta multiplicar
comprimento de seu lado duas vezes (o que chamamos de elevar ao quadrado). Então a
unidade de área é basicamente elevar ao quadrado a unidade de comprimento. Portanto
temos:
Quilômetro
Quadrado
Hectômetro
Quadrado
Decâmetro
Quadrado
Metro
Quadrado
Decímetro
Quadrado
Centímetro
Quadrado
Milímetro
Quadrado
km²
hm²
dam²
m²
dm²
cm²
mm²
1000m x 1000m =
1.000.000m²
100m x 100m
=10.000m²
10m x 10m
= 100m²
1m x 1m
= 1m²
0,1m x
0,1m =
0,01m²
0,01m x 0,01m
= 0,0001m²
0,001m x 0,001m
=0,000001m²
Exemplo
Uma loja de construção vende um determinado tipo de ladrilho por 0,04 reais o cm².
Roberto mediu os lados da parede de seu banheiro - de forma retangular - e achou
comprimento 2m por 3m. Quanto Roberto deverá desembolsar para comprar o ladrilho? Se
a parede tem forma retangular, basta multiplicar os lados para descobrir sua área, portanto
6m². Temos que transformar 6m² em cm². Se, pela tabela, 0,00001m² = 1cm² então 1m² =
10.000cm² , portanto, 6m² = 60.000cm². Como cada cm² custa 0,04 reais, então 0,04 x
60.000 = 2.400. Ou seja, Pedro irá gastar 2400,00 reais.
km²
hm²
0
0
dam²
0
0
m²
7
8
dm²
4
5
cm²
6,
mm²
3
112
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Note que nesse caso dividimos as casas em duas, pois temos a unidade ao quadrado.
Repare também que o caso é bem parecido com a unidade de comprimento.
Portanto, 78456,3dm² = 0,000784563km².
Repare que, para descrever as unidades de área, multiplicamos as unidades duas vezes. O
caso do volume será muito parecido. Basta lembrar que para calcular o volume de um cubo,
devemos fazer a multiplicação do comprimento de suas arestas três vezes (elevar ao cubo),
portanto, basta multiplicar essa quantidade de vezes a unidade de comprimento.
Quilômetro
Cúbico
Hectômetro
Cúbico
Decâmetr
o Cúbico
Metro
Cúbico
Decímetr
o Cúbico
Centímetro
Cúbico
Milímetro Cúbico
km³
hm³
dam³
m³
dm³
cm³
mm³
1000m x 1000m
x 1000m =
1.000.000.000m³
100m x
100m x 100
=1.000.000
m³
10m x
10m x
10m =
1000m³
1m x 1m
x
1m
= 1m³
0,1m x
0,1m x
0,1m =
0,001m³
0,01m x
0,01m x
0,01m =
0,000001m³
0,001m x 0,001m
x 0,001m =
0,000000001m³
Exemplos
Uma viagem de caminhão recolhe uma caçamba de lixo de 5m³ por vez. Se após a obra de
um edifício o entulho foi calculado em 0,015hm³, quantas viagens serão necessárias para
remover o lixo?
Com auxílio da tabela, temos 1hm³ = 1.000.000m³, daí temos um entulho de 0,0152 x
1.000.000 = 15200m³. Se uma viagem retira 5m³, obtemos 15200 ÷ 5 = 3040 viagens.
Conversão: 89.123.539mm³ em dam³
km³
hm³
dam³
m³
0
0
dm³
0
0
0
cm³
8
9
1
mm³
2
3
5
3
9,
Mais uma vez, tomemos de exemplo a unidade de comprimento. Lembrando que dessa vez
dividimos cada casa em três, pois elevamos ao cubo. Daí, 89.123.539mm³ =
0,000089123539dam³.
113
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Unidades de Tempo
Juntamente com o metro, as unidades de medição do tempo são, talvez, as mais comuns.
Segundo (s). E as demais: minuto, hora, dia, ano, década, século e milênio.
1 milênio = 1000 anos ; 1 ano = 365 dias ; 1 dia = 24horas ; 1 hora = 60 min ; 1 minuto = 60
segundos.
Unidades de Massa
Grama (g). Deve ser tratado de maneira semelhante ao da unidade de comprimento. Daí,
temos: quilograma (kg), hectograma (hg), decagrama (dag), grama, decigrama, centigrama e
miligrama. Acrescentando a tonelada (ton). Onde, 1ton = 1.000kg.
Sistema monetário brasileiro
Sistema monetário é o conjunto de moedas utilizadas num país por imposição de curso
legal, isto é, obrigatoriedade de aceitação em pagamento de mercadorias, débitos ou
serviços. Constitui-se de uma moeda fundamental (moeda padrão), que serve de unidade
de valor (padrão de medida de valores) e de moedas auxiliares, cujos valores são múltiplos
ou submúltiplos daquela.
O sistema monetário abrange, portanto, o numerário da Nação, isto é, todas as moedas
metálicas ou de papel que nela tenham curso legal.
Glossário Básico
MOEDA: (do latim "moneta") - deriva do nome da deusa JUNO MONETA, templo que
manufaturavam as moedas romanas. É qualquer objeto que sirva como meio de troca em
um sistema econômico;
DINHEIRO: Sinônimo de moeda, origem do latim: DENARIUS.
114
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
MOEDA FIDUCIÁRIA: Moeda que tem curso obrigatório, por Lei, em um país. No Brasil a
Moeda Fiduciária é o Real - R$.
MOEDA METÁLICA: Cunhagem da moeda em metais preciosos, trazendo seu peso
impresso. Hoje trazem impressos os seus valores;
PAPEL-MOEDA Emissão de recibos pelos cunhadores de moedas. Atualmente é a moeda
escritural emitida pelo Banco Central de cada país.
MOEDA-ESCRITURAL: Foi criada pelo sistema bancário. Emprestavam os valores acima do
lastro do sistema bancário.
As moedas metálicas
Por muito tempo, os objetos de metal foram mercadorias muito apreciadas. Como sua
produção exigia, além do domínio das técnicas de fundição, o conhecimento dos locais
onde o metal poderia ser encontrado, essa tarefa, naturalmente, não estava ao alcance de
todas as pessoas.
A valorização, cada vez maior, destes instrumentos levou à sua utilização como moeda, e ao
aparecimento de réplicas de objetos metálicos, em pequenas dimensões, que circulavam
como dinheiro. Surgem, então, no século VII a.C., as primeiras moedas com características
das atuais: são pequenas peças de metal, com peso e valor definidos e com a impressão do
cunho oficial, isto é, a marca de quem as emitiu, e lhes garante seu valor.
Moedas de prata foram cunhadas na Grécia.
A princípio, essas peças
eram fabricadas por processos manuais muito rudimentares e não eram exatamente iguais,
como as de hoje, que são peças absolutamente iguais umas às outras.
MOEDAS UTILIZADAS NO BRASIL (REAL)
As moedas utilizadas oficialmente no Brasil, e que compõem o Sistema Monetário Brasileiro
são:
115
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
1 Real R$ 1,00
50 centavos R$ 0,50
25 centavos R$ 0,25
10 centavos R$ 0,10
5 centavos R$ 0,05
As moedas do Real são fabricadas pela Casa da Moeda do Brasil, que é um órgão do
governo federal criado em 1694. Como seu nome já diz, a Casa da Moeda é responsável por
produzir todo o dinheiro que utilizamos para pagar nossas contas, comprar remédios e ir ao
cinema, por exemplo. Esse “dinheiro” inclui não só as moedas, mas também as cédulas do
Real.
116
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Cédulas do Real
117
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Valores:
R$ 2,00
R$ 5,00
R$ 10,00
R$ 25,00
R$ 50,00
R$ 100,00
Agora que você já conhece todas as moedas do Real, vamos observar como isso é cobrado
em prova.
1 - O carro do pai de Tiago gasta R$ 1,00 em gasolina a cada 1min. Para levar Tiago à
escola, seu pai sai de casa às 13h45min e chega lá às 13h55min. Sabendo que o pai dele só
tem moedas de R$ 0,50 no bolso, quantas moedas ele deverá gastar com a gasolina deste
percurso?
a) 5 moedas
b) 10 moedas
c) 15 moedas
d) 20 moedas
2 - Lita comprou um sorvete por R$ 1,55. Que moedas ela utilizou para realizar essa
compra?
a) 1 moeda de 1 real, 1 moeda de 25 centavos e 1 moeda de 10 centavos
b) 1 moeda de 1 real, 1 moeda de 25 centavos e 2 moedas de 10 centavos
118
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
c) 1 moeda de 1 real, 2 moedas de 25 centavos e 1 moeda de 5 centavos
d) 1 moeda de 1 real, 2 moedas de 25 centavos e 1 moeda de 10 centavos
RESPOSTAS
1–D
2–C
Leitura de gráficos de barras ou colunas e tabelas simples
A interpretação de Gráficos, de Tabelas e de Imagens é cada vez mais frequente em provas
de concursos. Como vimos no tópico anterior, ao “ler um mapa”, por exemplo, você está
exercitando interpretação. Ao decodificar uma imagem, novamente é a capacidade de
observar, compreender e de interpretar que está em jogo.
Imagine a seguinte situação: na sala de reuniões de uma empresa, existe um painel com a
seguinte informação “em fevereiro deste ano, foram vendidas 7850 unidades de nosso
principal produto; em março, 6555; em abril, 4570; em maio, 3220; e, em junho, 2195”.
Se você achou que esses números não ajudam em nada para mostrar de forma clara a
queda acentuada no número de vendas do principal produto da empresa, tem toda razão.
Existe uma forma mais interessante e eficaz de apresentar esses valores: um gráfico.
119
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Veja no gráfico:
Esse tipo de linguagem facilita a leitura pois é mais visual e em apenas alguns segundos,
imagino, que você tenha conseguido identificar que o número de vendas caiu a cada mês.
Esse exemplo deixa claro que para cada tipo de informação que se quer apresentar, existe
uma forma mais adequada, e é aí que aparecem os gráficos e tabelas.
Os tipos de gráficos são inúmeros: linhas, barras, colunas, setores (popularmente conhecido
como gráfico de pizzas), etc. É essencial saber que o Enem, os vestibulares e o Encceja
(Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos) não exigem do(a)
estudante apenas saber ler tabelas e gráficos. É necessário também saber retirar deles as
informações precisas para chegar à resposta do problema proposto.
Na análise de gráfico de uma questão, é fundamental saber qual o tipo de gráfico que
estamos lidando e, além disso, levar em consideração que ele está fazendo uso de duas
grandezas. Ademais, para que a nossa análise tenha êxito, ela deve vir acompanhada de
muita atenção na leitura do enunciado.
Elementos dos Gráficos
Alguns elementos importantes que estão incluídos nos gráficos são:
•Título: na maioria dos casos possuem um título que indica a que informação ele se
refere.
120
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
•Fonte: a maioria dos gráficos, contém uma fonte, ou seja, de onde as informações
foram retiradas juntamente com o ano de publicação.
•Números: o mais importante, pois é deles que precisamos para comparar as
informações dadas pelos gráficos. Usados para representar quantidade ou tempo
(mês, ano, período).
•Legendas: ajuda na leitura das informações apresentadas. Na maioria dos casos, o
uso de cores destaca diferentes informações.
Gráfico de Colunas
Um dos mais utilizados. O valor de cada coluna é proporcional a sua altura, onde as
categorias são indicadas no eixo x (eixo horizontal) e os valores para cada categoria, no eixo
y (eixo vertical).
Fonte: IBGE 2017
121
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Gráficos em barra
Apresentam basicamente a mesma função dos gráficos de colunas, com os valores para
cada categoria na posição horizontal e as categorias na posição vertical.
Fonte: fifa.com
122
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Gráfico de Linhas
O gráfico de linha é usado para apresentar uma sequência de valores de um elemento (eixo
y) ao longo do tempo (eixo x). São muito úteis para representar a evolução de um certo
dado.
Veja mais um exemplo de gráfico de linhas:
123
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Gráfico de Setores
Popularmente conhecido como “Grafico de Pizza”, a representação por meio de um Gráfico
de Setores é também muito utilizada, principalmente para a visualização de números
percentuais. Em geral, é utilizado para representar partes de um todo.
Consiste num círculo, representando o todo, dividido em setores com cores diferentes, que
correspondem às partes de maneira proporcional.
Exemplo
Suponha que no decorrer ano de 2015, uma determinada cidade recebeu um grande
número de turistas e classificou-os de acordo com a nacionalidade, conforme mostra a
tabela a seguir:
124
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
De acordo com a tabela, o gráfico de setores, dos turistas segundo a nacionalidade, destaca
as diferenças entre as percentagens com setores de diferentes cores. Veja:
Tabelas
As tabelas são usadas para estruturar informações ou dados. Assim como os gráficos, elas
facilitam o entendimento, através de linhas e colunas que separam as informações e cabe a
você relacioná-las.
É importante conhecer alguns elementos desse tipo de representação, pois será
fundamental para que a análise seja bem sucedida.
•Título – indica o assunto e também tem a função de chamar a atenção do leitor.
•Subtítulo – detalha o tema da tabela e contextualiza a situação.
•Cabeçalho – corresponde ao título dos conteúdos das colunas e linhas.
•Corpo – os dados da tabela.
•Fonte –possui a mesma função que nos gráficos e que usualmente aparece no
rodapé da tabela.
125
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Tabela simples
Usada para apresentar a relação entre uma informação e outra (como produto e preço). É
formada por duas colunas e deve ser lida horizontalmente.
Funções
Função do 1º grau
Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR
dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados e a 0.
Na função f(x) = ax + b, o número a é chamado de coeficiente de x e o número b é
chamado termo constante.
Veja alguns exemplos de funções polinomiais do 1º grau:
f(x) = 5x - 3, onde a = 5 e b = - 3
f(x) = -2x - 7, onde a = -2 e b = - 7
f(x) = 11x, onde a = 11 e b = 0
Gráfico
O gráfico de uma função polinomial do 1º grau, y = ax + b, com a 0, é uma reta oblíqua
aos eixos Ox e Oy.
Exemplo:
126
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Vamos construir o gráfico da função y = 3x - 1:
Como o gráfico é uma reta, basta obter dois de seus pontos e ligá-los com o auxílio de
uma régua:
a)
Para x = 0, temos y = 3 · 0 - 1 = -1; portanto, um ponto é (0, -1).
b)
Para y = 0, temos 0 = 3x - 1; portanto,
Marcamos os pontos (0, -1) e
e outro ponto é
.
no plano cartesiano e ligamos os dois com uma
reta.
x
y
0
-1
0
Já vimos que o gráfico da função afim y = ax + b é uma reta.
O coeficiente de x, a, é chamado coeficiente angular da reta e, como veremos adiante, a
está ligado à inclinação da reta em relação ao eixo Ox.
O termo constante, b, é chamado coeficiente linear da reta. Para x = 0, temos y = a · 0 + b
= b. Assim, o coeficiente linear é a ordenada do ponto em que a reta corta o eixo Oy.
Zero e Equação do 1º Grau
Chama-se zero ou raiz da função polinomial do 1º grau f(x) = ax + b, a 0, o número
real x tal que f(x) = 0.
Temos:
Vejamos alguns exemplos:
127
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Crescimento e decrescimento
Consideremos a função do 1º grau y = 3x - 1. Vamos atribuir valores cada vez maiores a x
e observar o que ocorre com y:
Notemos que, quando aumentos o valor de x, os correspondentes
valores de y também aumentam. Dizemos, então que a
função y = 3x - 1 é crescente.
Observamos novamente seu gráfico:
Regra geral:
a função do 1º grau f(x) = ax
+ b é crescente quando o
coeficiente de x é positivo (a
> 0);
a função do 1º grau f(x) = ax
+ b é decrescente quando o coeficiente de x é negativo (a < 0);
Justificativa:
•para a > 0: se x1 < x2, então ax1 < ax2. Daí, ax1 + b < ax2 + b, de onde vem f(x1) <
f(x2).
128
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
•para a < 0: se x1 < x2, então ax1 > ax2. Daí, ax1 + b > ax2 + b, de onde vem f(x1) >
f(x2).
Sinal
Estudar o sinal de uma qualquer y = f(x) é determinar os valor de x para os quais y é
positivo, os valores de x para os quais y é zero e os valores de x para os quais y é negativo.
Consideremos uma função afim y = f(x) = ax + b vamos estudar seu sinal. Já vimos que
essa função se anula pra raiz
. Há dois casos possíveis:
Conclusão: y é positivo
para valores de x maiores
que a raiz; y é negativo para
valores de x menores que a raiz
Conclusão: y é
positivo para valores
de x menores que a
raiz; y é negativo
para valores de x
maiores que a raiz.
Função do 2º grau
Chama-se função
quadrática, ou função polinomial do 2º grau, qualquer função f de IR em IR dada por uma
129
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
lei da forma f(x) = ax2 + bx + c, onde a, b e c são números reais e a
0.
Vejamos alguns exemplos de função quadráticas:
1.f(x) = 3x2 - 4x + 1, onde a = 3, b = - 4 e c = 1
2.f(x) = x2 -1, onde a = 1, b = 0 e c = -1
3.f(x) = 2x2 + 3x + 5, onde a = 2, b = 3 e c = 5
4.f(x) = - x2 + 8x, onde a = -1, b = 8 e c = 0
5.f(x) = -4x2, onde a = - 4, b = 0 e c = 0
Gráfico
O gráfico de uma função polinomial do 2º grau, y = ax2 + bx + c, com a
0, é uma curva
chamada parábola.
Exemplo:
Vamos construir o gráfico da função y = x2 + x:
Primeiro atribuímos a x alguns valores, depois calculamos o valor correspondente de y e,
em seguida, ligamos os pontos assim obtidos.
x
y
-3
6
-2
2
-1
0
0
0
1
2
2
6
Observação:
Ao construir o gráfico de uma função quadrática y = ax2 + bx + c, notaremos sempre que:
•se a > 0, a parábola tem a concavidade voltada para cima;
130
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
•se a < 0, a parábola tem a concavidade voltada para baixo;
Zero e Equação do 2º Grau
Chama-se zeros ou raízes da função polinomial do 2º grau f(x) = ax2 + bx + c , a
0, os
números reais x tais que f(x) = 0.
Então as raízes da função f(x) = ax2 + bx + c são as soluções da equação do 2º
grau ax2 + bx + c = 0, as quais são dadas pela chamada fórmula de Bhaskara:
Temos:
Observação
A quantidade de raízes reais de uma função quadrática depende do valor obtido para o
radicando
, chamado discriminante, a saber:
•quando
é positivo, há duas raízes reais e distintas;
•quando
é zero, há só uma raiz real (para ser mais preciso, há duas raízes iguais);
•quando
é negativo, não há raiz real.
Coordenadas do vértice da parábola
Quando a > 0, a parábola tem concavidade voltada para cima e um ponto de mínimo V;
quando a < 0, a parábola tem concavidade voltada para baixo e um ponto de máximo V.
Em qualquer caso, as coordenadas de V são
131
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Veja os gráficos:
Imagem
O conjuntoimagem Im da função y
= ax2 + bx + c, a
0, é
o conjunto dos valores
que y pode assumir. Há
duas possibilidades:
1ª - quando a > 0,
2ª quando a < 0,
Construção da
Parábola
É possível construir o
gráfico de uma função
do 2º grau sem
montar a tabela de
pares (x, y), mas
seguindo apenas o
roteiro de observação
seguinte:
1.O valor do
coeficiente a define a concavidade da parábola;
132
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
2.Os zeros definem os pontos em que a parábola intercepta o eixo dos x;
3.O vértice V
indica o ponto de mínimo (se a > 0), ou máximo (se a<
0);
4.A reta que passa por V e é paralela ao eixo dos y é o eixo de simetria da parábola;
5.Para x = 0 , temos y = a · 02 + b · 0 + c = c; então (0, c) é o ponto em que a
parábola corta o eixo dos y.
Sinal
Consideramos uma função quadrática y = f(x) = ax2 + bx + c e determinemos os valores
de x para os quais y é negativo e os valores de x para os quais y é positivo.
Conforme o sinal do discriminante
1º -
= b2 - 4ac, podemos ocorrer os seguintes casos:
>0
Nesse caso a função quadrática admite dois zeros reais distintos (x1
x2). a parábola
intercepta o eixo Ox em dois pontos e o sinal da função é o indicado nos gráficos abaixo:
2º -
=0
3º -
<0
133
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Função exponencial
Função exponencial é
toda função
Neste tipo de função
como podemos
observar
em
,a
variável independente x está no expoente, daí a razão da sua denominação. É importante
também observar que a base a é um valor real constante, isto é, um número real.
Note que temos algumas restrições, visto que temos
Se
teríamos uma função constante e não exponencial, pois 1 elevado a
qualquer x real sempre resultaria
em1. Neste caso
que é uma função constante.
E para
, por que tal restrição?
Ao estudarmos a potenciação sabemos que
indeterminado quando
No caso de
é indeterminado, então
.
não devemos nos esquecer de que não existe a raiz real de um
radicando negativo e índice par, portanto se tivermos, por exemplo,
valor de
seria
e
o
não será um número real, pois teremos:
134
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Para
representarmos graficamente uma função exponencial, podemos fazê-lo da mesma forma
que fizemos com a função quadrática, ou seja, arbitrarmos alguns valores para x,
montarmos uma tabela com os respectivos valores de f(x), localizarmos os pontos no plano
cartesiano e traçarmos a curva do gráfico.
Para a representação gráfica da função
arbitraremos os seguintes valores
para x:
-6, -3, -1, 0, 1 e 2.
Montando a tabela temos:
x y = 1,8x
-6 y = 1,8-6 = 0.03
-3 y = 1,8-3 = 0.17
-1 y = 1,8-1 = 0.56
0
y = 1,80 = 1
1
y = 1,81 = 1.8
2
y = 1,82 = 3.24
Abaixo temos o gráfico desta função exponencial, onde localizamos cada um dos pontos
obtidos da tabela e os interligamos através da curva da função:
Função Crescente e
Decrescente
Assim como no caso
das funções afim, as funções exponenciais também podem ser classificadas como função
crescente ou função decrescente.
135
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Isto se dará em função da base a ser maior ou menor que 1. Lembre-se que segundo a
definição da função exponencial
Função Exponencial Crescente
Se
temos uma função exponencial crescente, qualquer que seja o valor real de x.
No gráfico da função ao lado podemos observar que à medida que x aumenta, também
aumenta f(x) ou y. Graficamente vemos que a curva da função é crescente.
Função
Exponencial
Decrescente
Se
te
mos uma função
exponencial decrescente em todo o domínio da função.
Neste outro gráfico podemos observar que à medida que x aumenta, y diminui.
Graficamente observamos que a curva da função é decrescente.
Note também
que
independentemente de a função ser crescente ou decrescente, o gráfico da função sempre
cruza o eixo das ordenadas no ponto (0, 1), além de nunca cruzar o eixo das abscissas.
136
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Logarítmicas
Toda função definida pela lei de formação f(x) = logax, com a ≠ 1 e a > 0 é denominada
função logarítmica de base a. Nesse tipo de função o domínio é representado pelo conjunto
dos números reais maiores que zero e o contradomínio, o conjunto dos reais.
Exemplos de funções logarítmicas:
f(x) = log2x
f(x) = log3x
f(x) = log1/2x
f(x) = log10x
f(x) = log1/3x
f(x) = log4x
f(x) = log2(x – 1)
f(x) = log0,5x
Determinando o domínio da função logarítmica
Dada a função f(x) = log(x – 2) (4 – x), temos as seguintes restrições:
1) 4 – x > 0 → – x > – 4 → x < 4
2) x – 2 > 0 → x > 2
3) x – 2 ≠ 1 → x ≠ 1+2 → x ≠ 3
Realizando a intersecção das restrições 1, 2 e 3, temos o seguinte resultado: 2 < x < 3 e 3 <
x < 4.
Dessa forma, D = {x ? R / 2 < x < 3 e 3 < x < 4}
Gráfico de uma função logarítmica
Para a construção do gráfico da função logarítmica devemos estar atentos a duas situações:
?a>1
?0<a<1
137
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Para a > 1, temos o gráfico da seguinte forma:
Função crescente
Para 0 < a < 1, temos o
gráfico da seguinte forma:
Função decrescente
Características do gráfico
da função logarítmica y =
logax
O gráfico está totalmente à
direita do eixo y, pois ela é
definida para x > 0.
Intersecta o eixo das abscissas no ponto (1,0), então a raiz da função é x = 1.
Note que y assume todos as soluções reais, por isso dizemos que a Im(imagem) = R.
Através dos estudos das funções logarítmicas, chegamos à conclusão de que ela é uma
função inversa da exponencial. Observe o gráfico comparativo a seguir:
138
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Podemos notar que (x,y) está no gráfico da função logarítmica se o seu inverso (y,x) está na
função exponencial de mesma base.
Trigonométricas
Função Seno
Dado um ângulo cuja medida é dada em radianos é x, chamamos de função seno à função
que associa a cada x ∈ R o número (senx) ∈ R. Indicamos essa função por:
f(x) = sen(x)
O gráfico da função seno, no plano cartesiano, será uma curva denominada senóide.
Atribuindo valores ao arco x, pode-se chegar ao gráfico.
Propriedades:
- Domínio:
- Imagem: [-1;1]
- Período: 2πrad
Função Co-seno
Dado um ângulo cuja medida é dada em radianos é x, chamamos de função co-seno à
função que associa a cada x ∈ R o número (cosx) ∈ R. Indicamos essa função por:
139
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
f(x) = cos(x)
O gráfico da funcão co-seno, no cartesiano, será uma curva denominada co- senóide.
Atribuindo valores ao arco x, pode-se chegar ao gráfico.
Propriedades:
- Domínio:
- Imagem: [1;1]
- Período:
2πrad
Função
Tangente
Dado um
ângulo cuja medida é dada em radianos é x, chamamos de função tangente à função que
associa a cada x ∈ R/x ≠ π/2+kπ o número (tg x) ∈ R. Indicamos essa função por:
f(x) = tg(x)
O gráfico da função tangente, no cartesiano, será uma curva denominada tangentóite.
Atribuindo valores ao arco x, pode-se chegar ao gráfico.
140
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Noções de Informática
Hardware e Software
Informática pode ser considerada como significando “informação automática”, ou seja, a
utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para tal, é
preciso uma ferramenta adequada: o computador.
O computador é uma máquina que processa dados, orientada por um conjunto de
instruções e destinada a produzir resultados completos, com um mínimo de intervenção
humana. Entre vários benefícios, podemos citar:
: grande velocidade no processamento e disponibilização de informações;
: precisão no fornecimento das informações;
: próprio para execução de tarefas repetitivas;
: propicia a redução de custos em várias atividades
O computador não é uma máquina com inteligência. Na verdade, é uma máquina com uma
grande capacidade para processamento de informações, tanto em volume de dados quanto
na velocidade das operações que realiza sobre esses dados. Basicamente, o computador é
organizado em três grandes funções ou áreas, as quais são: entrada de dados,
processamento de dados e saída de dados.
Um computador é, na verdade, composto por hardware e software.
Componentes de hardware e software de computadores.
Quando falamos em Hardware, estamos falando também em componentes físicos que
compõe toda a estrutura do nosso computador, interno ou externo, como é o caso do
Periféricos.
A estrutura física do nosso computador é composta pela:
 UCP: Unidade Central de Processamento ou CPU, o cérebro do computador.
Componente principal por processar as informações que são enviadas
141
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
por meio de periféricos. Podemos dizer então, que a CPU é o Microprocessador que já
conhecemos. Exemplos:
Intel Celerom, Dual Core, Core2Duo, QuadCore, e outros.
Atenção: O desempenho, a velocidade de um processador é medida por meio de Hertz.
Exemplo de velocidades atuais: 1Ghz, 2Ghz, 3Ghz. O termo usado quando falamos em
velocidade de processador é Clock.

MEMÓRIAS PRIMÁRIAS / PRINCIPAIS que são:
RAM (Randon Access Memory) ou Memória de Acesso aletório e volátil, é a principal das
memórias físicas do computador. É a memória usada pelo processador na execução de
tarefas. O processador tem acesso a esta memória para ler suas informações e gravar
temporariamente dados na mesma. Quando o computador é desligado, tais informações
são perdidas.
Capacidades atuais: 512MB, 1GB (1024MB), 2GB (2048MB), 3GB (3072MB) e contando...
ROM (Read Only Memory) ou Memória de apenas leitura é específica para armazenar
informações da BIOS (Sistema de Entrada e Saída), configurações da placa-mãe onde são
conectados os dispositivos e periféricos do computador. Além da BIOS, encontramos: SETUP
(software de configuração da BIOS) e POST (programa que verifica o funcionamento dos
componentes).
 MEMÓRIAS SECUNDÁRIAS ou Memórias de Massa são aqueles que utilizamos para
armazenar uma grande quantidade de coesrmações e principalmente realizar cópia de
segurança (backup) de informações do nosso computador.
Vejamos algumas e suas capacidades:
HD (HARD DISK) / Disco Rígido / Winchester – Possui atualmente as
seguintes capacidades: 40GB, 80GB, 120GB, 160GB, 200GB, 250GB, 300GB,
500GB, 750GB, 1TB, 1,5TB, 2TB
CD-R / CD-RW – Compact Disk – Gravação e Regravação – Alguns anos
antes de 2005, os CD-ROM com capacidade para 650 megabytes, foram
substituídos pelos de 700 megabytes, passando então estes a ser os mais
comuns, existindo no entanto, outros formatos superiores. Mas, atualmente
existem CDs de até 2GB.
DVD – As capacidades variam:
DVD5 tem 4.7GB – Face simples
DVD9 tem 8.5GB – Face Dupla
DVD10 tem 9.5GB – Face Simples
DVD18 tem 17GB – Face Dupla
142
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
BLUE-RAY – Gravação de vídeos em alta definição – Hi-Definition
Capacidade de uma camada
Capacidade com camada dupla
25GB (23.3GiB)
50GB (46.6GiB)
50GB (46.6GiB)
100GB (93.2GiB)
7.8GB (7.3GiB)
15.6GB (14.5GiB)
15.06GB (14.5GiB)
30.12GB (29GiB)
Capacidade de
camada única
Capacidade de dupla
camada
Capacidade de tripla
camada
15 GB
30 GB
45 GB, 51 GB
30 GB
60 GB
90 GB
4.7 GB
9.4 GB
9.4 GB
18.8 GB
PENDRIVE – Um tipo de memória Flash que se conecta através da porta USB.
As capacidades variam de 128MB à 256GB aproximadamente.
 PERIFÉRICOS DE ENTRADA que são:
- Mouse;
- Teclado;
- Scanner;
- Microfone;
- Leitor de CD/DVD
- Leitores de Códigos de Barra
 PERIFÉRICOS DE SAÍDA que são:
- Impressoras;
- Monitores de Vídeo Padrão;
- Caixa de Som;
 PERIFÉRICOS ENTRADA/SAÍDA que são aqueles que servem para enviar
informações para CPU ou são usados pela CPU para sair as informações, exemplo:
- Multifuncionais;
143
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- Monitores TouchScreen;
- Gravadores de CD/DVD/Blu-Ray;
- Drive Disquete;
- Modem e Fax/modem.
 PLACA-MÃE, Motherboard ou Mainboard é o componente base para os demais
dispositivos do computador, como o processador, a memória RAM e outros.
A conexão das peças componentes do computador como o processador, memória,
placa de vídeo, HD, teclado e mouse são feitas diretamente na placa-mãe. Por isso ela
possui componentes eletrônicos e entradas especiais (slots) para a conexão de diversos
dispositivos. Vejamos os principais conectores:
- Slots de Expansão (AGP, ISA, PCI, PCI-e ou PCI Express, AMR, CNR)
- Conector IDE / SATA usado principalmente para conectar discos rígidos, drives de
disquete, CD/DVD, Zip e outros.
Outros conectores para dispositivos externos:
USB (Universal Serial Bus) ou Barramento Serial Universal. Já nas versões: USB 1.0, USB 2.0 e
USB 3.0 para conexão de inúmeros componentes como: Mouse, Teclado, Monitores,
Câmeras Digitais, Celulares, Modems e outros.
144
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
PS/2 que são conectores para Mouse e Teclado.
FIREWIRE que, como o USB, permite a conexão de diversos dispositivos e oferece rapidez
na transferência de dados.
HDMI conexão para transmitir áudio e vídeo totalmente digitais. É uma versão melhorada
da antiga VGA, S-Video e outros.
SERIAL (RS-232) para conexão de Mouse e outros componentes que exigem baixa
velocidade de transmissão.
PARALELO (LPT) para conexão de impressoras e scanners que também, não exigiam alta
velocidade de transferência de dados.
 CONCEITO DE BIT & BYTE
Bit é a menor unidade computacional usada para armazenamento de informações
digitais. Um bit pode ser representador por dois valores: 0 ou 1, verdadeiro ou falso.
Porém, as informações no computador, são armazenadas em formas de Byte, que são
múltiplos de bits. Um byte armazena 8 bits, chamado de octetos.
Na hora de representá-los, o Byte usa a letra (B) em maiúsculo e bit (b) minúsculo.
Vejamos a tabela abaixo:
1 Byte = 8bits
1 Kilobyte = 1024 bytes
1 Megabyte = 1024 Kilobytes
1 Gigabyte = 1024 Megabytes
1 Terabyte = 1024 Gigabytes
1 Petabyte = 1024 Terabytes
Softwares
São instruções enviadas para o processador que são interpretadas para execução de tarefas
no computador. Software são programas que são desenvolvidos e que permitem a interface
do usuário com a máquina.
Exemplos de Softwares:
Softwares básicos ou do sistema são aqueles essenciais para o funcionamento e uso
do computador. São eles: Os sistemas operacionais Windows, Linux e outros. A Bios,
SETUP e Post encontrados no computador. Os firmwares encontrados em dispositivos
eletrônicos como celulares, drivers de computadores, etc.
Softwares Aplicativos são aqueles de uso específico do usuário que visa atender as
necessidades particulares e executar tarefas de escritório. Exemplo: Os Editores de
145
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Textos, Word e Writer, Planilha eletrônica Calc e Excel, Apresentação de Slides Power
Point e Impress, Tratamento de Imagens Photoshop, e outros.
QUANTO A LICENÇAS DE USO cada software, quando desenvolvido, escolhe a licença
que deseja adotar. Exemplo:
Freeware: Software de uso gratuito, onde é permitido a cópia e redistribuição para
outros usuários.
Shareware: O usuário deste software têm um período de uso gratuito do software
estipulado pelo fabricante. Após excedido este limite, o mesmo é bloqueado para uso,
exigindo assim, que o usuário, caso queira continuar usando o software compre uma
licença de uso ou adquiria por meio de cadastros junto ao desenvolvedor.
Demo: Software de demonstração. Não existem tempo de uso estipulado, é gratuito,
porém suas funcionalidades estão limitadas, ou seja, é um programa incompleto.
Software Livre: É um software que pode ser Gratuito ou não, onde o desenvolvedor deixa o
seu código de criação (código-fonte) aberto para modificações por outros usuários. Um
software livre permite o usuário: Usá-lo em qualquer e quantas máquinas quiser, redistribuilo para outros usuários, modificá-lo para atender necessidades próprias e coletivas, estudálo seu funcionamento.
Windows
Todo computador precisa, além das partes físicas, de programas que façam essa parte física
funcionar corretamente. Como sabemos, existem vários programas para várias funções,
como digitar textos, desenhar, calcular, e muitas outras...
Para poder utilizar os programas que têm função definida (como os citados acima), é
necessário que o computador tenha um programa chamado Sistema Operacional.
O SO (Sistema Operacional) é o primeiro programa a “acordar” no computador quando este
é ligado, ou seja, quando ligamos o computador, o Sistema Operacional é automaticamente
iniciado, fazendo com que o usuário possa dar seus comandos ao computador.
Entre as atribuições do SO, estão:
146
BR CONCURSO
•
o reconhecimento dos comandos do usuário
•
o controle do processamento do computador
•
o gerenciamento da memória, etc.
APOSTILA DIGITAL
Resumindo, quem controla todos os processos do computador é o Sistema Operacional,
sem ele o computador não funcionaria.
Existem diversos tipos e versões de Sistemas Operacionais no mundo, entre eles podemos
citar, para conhecimento: Windows, Linux, Unix, Netware, Windows NT ,2000, Vista, Seven
(7), OS 2, MacOS, entre outros.
Os mais cobrados nos concursos da atualidade são o Windows XP, Windows Vista, Windows
7, Windows 8 e Linux.
Vamos apresentar agora algumas informações básicas a respeito do ambiente gráfico
do Windows e suas principais telas como: Área de Trabalho, Menu Iniciar, Painel de
Controle, Pastas e Arquivos e Windows Explorer.
Windows – Principais Características
Sistema Operacional Gráfico
O Sistema Operacional MS-DOS é um exemplo de sistema operacional não-gráfico. A
característica visual, ou interface não é nada amigável. Tem apenas uma tela escura e uma
linha de comando.
Quando desejávamos acessar algum arquivo, pasta ou programa, digitamos seu endereço
no computador e vale lembrar que um ponto a mais ou a menos é o suficiente para não
abri-lo.
147
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
MS-DOS
O Linux também não é um
sistema operacional gráfico,
porém utiliza um ambiente
gráfico para tornar mais
amigável sua utilização como,
por exemplo, GNOME e KDE.
Linux KDE
GNOME
Ambientes visuais como o Windows 3.11
facilitavam muito, mas são duas coisas
distintas, a parte operacional (MS-DOS) e
parte visual (Windows 3.11).
A partir do Windows 95 temos, então, as duas coisas juntas, a parte operacional e gráfica,
logo, um Sistema Operacional Gráfico.
A partir da versão do Windows 7 (Windows Seven) a aparência e características visuais
mudaram em relação ao Vista e, muito mais, em relação ao XP.
E o mesmo aconteceu com a versão da Windows 8, como novas mudanças gráficas e de
acesso.
Windows XP
148
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Windows Vista
Windows Seven
Windows 8
Multitarefa
Mais uma característica das versões atuais do Windows. Um sistema operacional multitarefa
permite trabalhar com diversos programas ao mesmo tempo.
A capacidade de realizar diversas tarefas ao mesmo tempo pode ser exemplificada da
seguinte maneira: O MS-DOS é mono tarefa, o que isso que dizer?
Quer dizer que se eu estivesse trabalhando com um editor de texto como o Word e
desejasse trabalhar com um programa de planilhas, deveria fechar o editor de texto
primeiro e depois executar o programa de planilhas.
Diferente disso um sistema operacional multitarefa permite trabalhar com diversos
programas ao mesmo tempo (Word e Excel abertos ao mesmo tempo).
Isso é válido para qualquer versão do windows a partir do XP, ok?!
Multiusuário
Capacidade de criar diversos perfis de usuários. O administrador pode instalar de desinstalar
impressoras, alterar as configurações do sistema, modificar a conta dos outros usuários
149
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
entre outras configurações. Já, o usuário padrão poderá apenas usar o computador, não
poderá, por exemplo, alterar a hora do Sistema.
Plug And Play (PnP)
Instalação automática dos itens de hardware. Sem a necessidade de desligar o computador
para iniciar sua instalação. O Windows possui dezenas de Drivers (pequenos arquivos de
configuração e reconhecimento que permitem o correto funcionamento do item de
hardware, ou seja, ensinam ao Windows como utilizar o hardware). Quando plugado o
Windows inicia a tentativa de instalação procurando nos Drivers, já existentes, que condizem
com o hardware plugado.
Área de Trabalho (Desktop)
Como vimos, a área de trabalho varia, visualmente, de acordo com a versão do windows.
Porém, alguns conceitos básicos sofrem poucas alterações.
Ícones
Representação gráfica de um arquivo, pasta ou programa. Você pode adicionar ícones na
área de trabalho, assim como pode excluir. Alguns ícones são padrões do Windows:
Computador, Painel de Controle, Rede, Lixeira e a Pasta do usuário. Os ícones de atalho são
identificados pela pequena seta no canto inferior esquerdo da imagem. Eles permitem que
você acesse programas, arquivos, pastas, unidades de disco, páginas da web, impressoras e
outros computadores.
Exemplos:
150
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Barra de tarefas
A barra de tarefas mostra quais as janelas estão abertas neste momento, mesmo que
algumas estejam minimizadas ou ocultas sob outra janela, permitindo assim, alternar entre
estas janelas ou entre programas com rapidez e facilidade.
A barra de Tarefas, na visão da Microsoft, é uma das maiores ferramentas de produtividade
do Windows. Podemos alternar entre as janelas abertas com a sequência de teclas ALT+TAB
(permitindo escolher qual janela, ou programa deseja manipular) e ALT+ESC (alterna entre
as janelas sequencialmente).
Pode conter ícones e atalhos e também como uma ferramenta do Windows. Desocupa
memória RAM, quando as janelas são minimizadas.
A barra de tarefas também possui o menu Iniciar e a área de notificação, onde você verá o
relógio. Outros ícones na área de notificação podem ser exibidos temporariamente,
mostrando o status das atividades em andamento.
Por exemplo, o ícone da impressora é exibido quando um arquivo é enviado para a
impressora e desaparece quando a impressão termina. Você também verá um lembrete na
área de notificação quando novas atualizações do Windows estiverem disponíveis para
download no site da Microsoft.
151
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
As novas versões do Windows mantém a barra de tarefas organizada consolidando os
botões quando há muitos acumulados.
Por exemplo, os botões que representam arquivos de um mesmo programa são agrupados
automaticamente em um único botão. Clicar no botão permite que você selecione um
determinado arquivo do programa.
Outra característica muito interessante é a pré-visualização das janelas ao passar a seta do
mouse sobre os botões na barra de tarefas.
Botão Iniciar
O botão Iniciar é
o principal
elemento da
Barra de Tarefas.
Ele dá acesso ao
Menu Iniciar, de
onde se podem acessar outros menus que, por sua vez, acionam programas do Windows.
Ao ser acionado, o botão Iniciar mostra um menu vertical com várias opções. Alguns
comandos do menu Iniciar têm uma seta para a direita, significando que há opções
adicionais disponíveis em um menu secundário. Se você posicionar o ponteiro sobre um
item com uma seta, será exibido outro menu.
A sequência de teclas para ativar o Botão Iniciar é CTRL+ESC ou a tecla Winkey (tecla com o
logo do Windows).
Importante
152
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
No windows 8 a tela do iniciar é diferente, veja:
Botão Iniciar
Tela
Tela Start do Windows 8
Essa tela nova funciona como o antigo Menu Iniciar e consiste em um mosaico com
imagens animadas. Cada mosaico representa um aplicativo que está instalado no
computador. Os atalhos dessa área de trabalho, que representam aplicativos de versões
anteriores, ficam com o nome na parte de cima e um pequeno ícone na parte inferior.
Novos mosaicos possuem tamanhos diferentes, cores diferentes e são atualizados
automaticamente.
A tela pode ser customizada conforme a conveniência do usuário. Alguns utilitários não
aparecem nessa tela, mas podem ser encontrados clicando com o botão direito do mouse
em um espaço vazio da tela. Se deseja que um desses aplicativos apareça na sua tela inicial,
clique com o botão direito sobre o ícone e vá para a opção Fixar na Tela Inicial.
153
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Barra de tarefas
A barra de tarefas mostra quais as janelas estão abertas neste momento, mesmo que
algumas estejam minimizadas ou ocultas sob outra janela, permitindo assim, alternar entre
estas janelas ou entre programas com rapidez e facilidade.
A barra de Tarefas, na visão da Microsoft, é uma das maiores ferramentas de produtividade
do Windows. Podemos alternar entre as janelas abertas com a sequência de teclas ALT+TAB
(permitindo escolher qual janela, ou programa deseja manipular) e ALT+ESC (alterna entre
as janelas sequencialmente).
Pode conter ícones e atalhos e também como uma ferramenta do Windows. Desocupa
memória RAM, quando as janelas são minimizadas.
A barra de tarefas também possui o menu Iniciar e a área de notificação, onde você verá o
relógio. Outros ícones na área de notificação podem ser exibidos temporariamente,
mostrando o status das atividades em andamento.
Por exemplo, o ícone da impressora é exibido quando um arquivo é enviado para a
impressora e desaparece quando a impressão termina. Você também verá um lembrete na
área de notificação quando novas atualizações do Windows estiverem disponíveis para
download no site da Microsoft.
Botão Iniciar
O botão Iniciar é o principal elemento da Barra de Tarefas. Ele dá acesso ao Menu Iniciar, de
onde se podem acessar outros menus que, por sua vez, acionam programas do Windows.
Ao ser acionado, o botão Iniciar mostra um menu vertical com várias opções. Alguns
comandos do menu Iniciar têm uma seta para a direita, significando que há opções
adicionais disponíveis em um menu secundário. Se você posicionar o ponteiro sobre um
item com uma seta, será exibido outro menu.
154
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
A sequência de teclas para ativar o Botão Iniciar é CTRL+ESC ou a tecla Winkey (tecla com o
logo do Windows).
Menu Iniciar
O Menu Iniciar é uma lista de atalhos para iniciar diversas aplicações.
Todos os Programas
O menu Todos os
Programas ativa,
automaticamente,
outro submenu, no
qual aparecem todas
as opções de
programas.
155
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Executar
Apresenta uma linha de comando que executa programas, arquivos, pastas, acessar páginas
da internet, entre outras utilidades.
Pesquisar
Apresenta janela que permite realizar de forma simples buscas na internet, computadores
em rede e arquivos no computador local. O Windows utiliza caracteres coringas como o (*)
e o (?) para personalizar suas consultas
Logoff - (encerrar a sessão do Windows) ou mudar de usuário.
Opções - Botão Desligar o
Computador
Clicando neste botão, o
Windows salvará o estado da área de trabalho no disco rígido e depois desligará o
computador. Desta forma, quando ele for ligado novamente, a área de trabalho se
apresentará exatamente como você deixou, com os programas e arquivos que você estava
usando, abertos.
Desliga o Windows, fechando todos os
programas abertos para que você possa
desligar o computador com segurança.
Encerra o Windows e reinicia o
computador.
156
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Lixeira
É uma pasta que armazena temporariamente arquivos e outras pastas excluídos. Permite a
restauração dos arquivos e pastas excluídos. O tamanho padrão é de 10% do disco rígido
onde o Windows está instalado. Os arquivos dentro da pasta Lixeira não podem ser
manipulados (editados ou acessados).
Meus Documentos
Tem por objetivo organizar os documentos do computador conforme familiaridade.
Ex.: Minhas músicas, Minhas imagens e etc. Cada novo usuário do sistema terá uma pasta
Meus Documentos exclusiva, com o intuito de permitir a confidencialidade dos documentos
ali encontrados.
Windows Explorer
Windows Explorer (literalmente do inglês "Explorador do Windows", nome pelo qual é
encontrado na versão portuguesa de todas as versões do Windows) é um gerenciador de
arquivos e pastas do sistema Windows. Ou seja, é utilizado para a cópia, exclusão,
organização, movimentação e todas as atividades de gerenciamento de arquivos, podendo
também ser utilizado para a instalação de programas. Seu ícone é uma pasta (diretório)
amarela com uma lupa por cima da mesma e o nome de seu arquivo é Explorer.exe, o qual
normalmente se encontra em C:\Windows. Para encontrar esse programa, clique no botão
"Iniciar", em seguida, em Programas e em Acessórios, lá estará o Windows Explorer.
157
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Pastas
Para
procurar
um arquivo
ou pasta:
Clique em
Iniciar e,
em
seguida,
clique em
Pesquisar.
Na caixa de diálogo,
clique em Todos os
arquivos e pastas.
Digite parte ou todo o
nome do arquivo ou
da pasta, ou digite uma palavra ou frase no arquivo.
Na caixa Examinar , clique na unidade ou unidades, pasta ou local da rede que você deseja
pesquisar.
Escolha uma das opções a seguir:
Clique em quando ele foi modificado para procurar arquivos que foram criados ou
modificados em datas específicas ou entre.
Clique em qual é o tamanho para procurar arquivos de tamanho específico.
Clique em mais opções avançadas para especificar critérios de pesquisa adicionais.
Clique em Pesquisar.
Painel de Controle
158
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O Painel de Controle é uma pasta de sistema do Microsoft Windows, na qual é possível
personalizar as configurações do computador.
Confira a tabela abaixo com os ícones principais.
Ferramentas do Sistema
159
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Limpeza do Disco
Quando se usa um computador, diversos arquivos temporários são gerados. Eles deveriam
ser automaticamente apagados pelo Windows, mas isso nem sempre acontece e eles
acabam permanecendo no HD (disco rígido), ocupando espaço desnecessariamente. O
programa "Limpeza de disco" realiza o trabalho de remoção automaticamente, eliminando
os seguintes tipos de arquivo:
•
Temporários armazenados durante a navegação pela internet;
•
De programas instalados, que apagamos de nosso sistema, mas que continuam
armazenados e;
•
Temporários do próprio sistema.
Desfragmentador de
Disco
O Desfragmentador de
Disco do Windows ou
simplesmente Desfragmentador de Disco é um aplicativo incluído no Windows que visa
melhorar a velocidade com que o computador lê as partições de arquivos fragmentados.
Como o nome já diz, ele procura em todo o disco rígido por arquivos que estão
fragmentados (em pedaços) e os "une" novamente tornando a leitura dos mesmos mais fácil
e rápida.
160
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Back up
O utilitário de Backup do Windows tem a função de fazer cópias de segurança (backups) de
arquivos específicos do seu computador. As cópias de segurança podem ser de cinco tipos:
 Normal: Limpa os marcadores. Faz o backup de arquivos e pastas selecionados. Agiliza o
processo de restauração, pois somente um backup será restaurado.
 Cópia: Não limpa os marcadores. Faz o backup de arquivos e pastas selecionados que
foram alterados após o último backup.
 Diferencial: Não limpa os marcadores. Faz o backup somente de arquivos e pastas
selecionados que foram alterados após o último backup.
 Incremental: Limpa os marcadores. Faz o backup somente de arquivos e pastas
selecionados que foram alterados após o último backup.
 Diário: Não limpa os marcadores. Faz o backup de arquivos e pastas selecionados que
foram alterados durante o dia.
161
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Restauração
do Sistema
A
ferramenta
Restauração
do Sistema é
usada para
voltar a um
estado de
trabalho
anterior de seu computador. A Restauração do Sistema faz uma varredura instantânea de
arquivos de sistema críticos e alguns arquivos de programas e armazena essas informações
como pontos a restaurar. Você pode usar esses pontos de restauração para retornar a um
estado anterior do Windows.
Editor de textos – Word
Não existiria nenhuma função útil no computador se este não possuísse programas que
pudéssemos usar na vida profissional e pessoal, estes programas que têm funções definidas
para nosso uso são chamados de APLICATIVOS.
Os aplicativos estão divididos em várias categorias, como: Processadores de texto, Planilhas,
Bancos de Dados, Linguagens de Programação, Jogos, Ilustradores gráficos, Animadores,
Programas de Comunicação, etc...
Abaixo estão listados alguns dos programas mais comuns:
Processadores de Texto: Microsoft Word, Write...
Planilha de Cálculos: Microsoft Excel, Quattro Pro, Lotus...
Bancos de Dados: Microsoft Access, Paradox, SQL, Oracle, dBase...
Programação: Microsoft Visual Basic, Delphi, Clipper, C++, Java...
Gráficos: Corel Draw, Adobe Illustrator, Macromedia Freehand...
Animação: Macromedia Flash, Macromedia Director...
162
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Quando falamos em texto (cartas, memorandos, ofícios, livros, apostilas), o programa que
precisamos é um processador de textos.
O mais famoso processador de textos do mundo é o Microsoft Word. Fabricado pela
mesma empresa que fabrica o Windows, este programa já teve várias versões as quais
abordaremos as principais na apostila.
Vamos aos estudos do Word?
O Word abre e cria documentos em diversos formatos/Extensões. Veja alguns formatos
suportados por este aplicativo:
.DOC = Formato padrão de documentos do Word
.DOT = Modelo de Documento do Word
.HTM/HTML = Modelo de documento para Web
.XML = Arquivos XML
.RTF = Modelo de Documento do WordPAD
.TXT = Documento de Bloco de Notas (Notepad)
Menu
Barra de Ferramentas Padrão
Novo – Inicia um novo documento em branco
Abrir – Abre um documento existente
Salvar – Permite salvar um documento em edição
163
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Permissão (Irrestrito) – Permite proteger os direitos autorais do documento em edição
Imprimir – Envia diretamente o documento em edição para a impressora
Visualizar Impressão – Permite a visualização do documento antes da impressão
Ortografia e Gramática – Realiza a busca por erros de grafia e gramática no documento
em edição
Pesquisar – Permite pesquisa de termos sinônimos ou em outro idiomas.
Recortar
Copiar
Colar
Pincel – Permite copiar a formatação usada em uma palavra/texto e colar em outra
palavra/texto
Desfazer Ações
Refazer Ações
Inserir Hiperlinks
Tabelas e Bordas
Inserir Tabela
Inserir Planilha do Excel
Colunas Formatar Documento para Duas ou Mais colunas
Desenho – Exibe / Oculta a barra de ferramentas Desenho
Estrutura do Documento
Mostrar / Ocultar caracteres não imprimíveis
ZOOM - Aumentar / Diminuir Zoom da Área de Trabalho do Word
164
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Ajuda do Word
LER – Permite o usuário visualizar o documento como se fosse um livro.
Barra de Ferramentas Formatação
Estilos e Formatação – Exibe a coluna de Estilos
Caixa de Estilos e Formatação
Caixa de Fontes
Caixa Tamanho da Fonte
Negrito
Itálico
Sublinhado
Alinhar texto à Esquerda
Centralizar Texto
Alinhar texto à Direita
Justificar Texto – Alinhar simultaneamente à direita e a Esquerda
Espaçamento entre linhas
Numeração
Marcadores
Diminuir Recuo
Aumentar Recuo
Bordas
Realçar
Cor da Fonte
165
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
BARRA DE MENUS
Na Barra de Menus do Word, encontramos diversos comandos utilizados na formatação,
configuração e edição de um documento do Word. Vejamos algumas opções encontradas:
MENU ARQUIVO
Através do
Menu Arquivo,
por exemplo, é
possível abrir um documento existente, iniciar um novo documento, salvar um documento
em edição, imprimir e visualizar os últimos documentos abertos no Word.
É possível também realizar pesquisas de arquivos compatíveis com o Word.
MENU EDITAR
MENU EXIBIR
166
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
MENU INSERIR
167
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
MENU FORMATAR
MENU FERRAMENTAS
168
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
MENU TABELA
169
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
MENU JANELA
MENU AJUDA
RÉGUA DO WORD
Através da Régua Horizontal podemos ajustar as margens direita e esquerda e as Margens
Superior e Inferior por meio da Régua Vertical do Word.
BARRA DE ROLAGEM
170
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Além de ter a função de movimentar a tela ou área de trabalho do Word, na barra de
rolagem podemos encontrar diversas funções. Através do botão “Selecionar Objeto de
Procura”
é possível localizar uma página, texto, expressão, tabela, figura, objeto que
estão dentro do documento em edição.
LOCALIZAR E SUBSTITUIR
Para Localizar uma palavra ou expressão dentro de um documento, você poderá fazê-lo
utilizando a tecla de atalho CTRL + L, para Substituir CTRL+U e para Ir Para outra página
CTRL+Y ou acessar estas mesmas opções por meio do menu Editar.
SELECIONANDO TEXTO COM O TECLADO
Você pode facilmente selecionar uma linha, uma palavra ou o texto inteiro por meio de
comandos realizados com auxílio do Teclado. Vejamos alguns exemplos:
TECLAS
Shift + 
POSIÇÃO DO CURSOR
Shift + 
Seleciona caractere à esquerda, um a um
Shift + ↓
Shift + ↑
“Ctrl” + “Shift” +
“”
Seleciona um caractere à direita, um a um
Seleciona para as linhas abaixo, selecionando, ao mesmo tempo,
tudo o que
estiver à direita do posicionamento do cursor e à esquerda da
última linha.
Seleciona para as linhas acima, selecionando, ao mesmo tempo,
tudo o que
estiver à esquerda do posicionamento do cursor e à direita da
primeira linha.
Seleciona palavra à direita.
171
BR CONCURSO
“Ctrl” + “Shift” +
“”
“Ctrl” + “Shift” +
“↓”
“Ctrl” + “Shift” +
APOSTILA DIGITAL
Seleciona palavra à esquerda.
Seleciona parágrafo abaixo.
“↑”
Seleciona parágrafo acima.
“Shift” + “End”
“Shift” + “Home”
“Shift” + “Page Up”
“Shift” + “Page
Down”
“Ctrl” + “T”
“F8” (duas vezes)
“F8” (três vezes)
“F8” (quatro vezes)
“F8” (cinco vezes)
Seleciona até o fim da linha.
Seleciona até o início da linha
Seleciona página acima
Seleciona página abaixo.
Seleciona todo o texto.
Seleciona palavra atual.
Seleciona a linha atual.
Seleciona o parágrafo atual.
Seleciona todos o texto.
SELECIONANDO TEXTO COM O MOUSE
Para selecionarmos uma palavra é suficiente aplicar um Clique Duplo sobre a palavra que se
deseja selecionar.
Para selecionar um parágrafo, é suficiente aplicar um Clique Triplo sobre qualquer palavra
do parágrafo desejado. Você ainda pode usar teclas auxiliares para selecionar parcialmente
um parágrafo ou uma palavra. As teclas auxiliares são: CTRL, SHIFT e ALT.
FORMATANDO TEXTOS
Caso desejarmos alterar o formato dos caracteres e suas respectivas cores, seja parcialmente
ou total de um texto, devemos selecionar o trecho ou a palavra que iremos “formatar” antes
de qualquer ação.
Para alterar a cor da fonte, além dos comandos encontramos na Barra de Ferramentas de
Formatação.
Você pode aplicar outros formatos de fontes (letras), espaçamento de caracteres e efeitos
animados no texto.
MARCADORES E NUMERAÇÃO
Na janela Marcadores e Numeração podemos enumerar (Numeração) ou ordenar
(Marcadores) uma lista no texto em edição ou ainda podemos personalizar utilizando o
botão Personalizar.... ´
172
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
É possível utilizar esta ferramenta antes de iniciarmos a digitação de um texto ou após. Para
atribuir estes formatos o texto ou parágrafo deverá ser selecionado.
CONFIGURAÇÃO & IMPRESSÃO
Antes de fazermos um documento devemos realizar configurações para que o texto não
esteja desalinhado e não ocorra problemas durante a impressão deste documento. Para
configurar as margens, o papel que será usado na impressão e o Layout do documento,
temos acima a janela Configurar Página que encontramos no Menu Arquivo > Configurar
Página.
As configurações feitas por meio desta janela, poderão ser aplicadas em todo o documento
ou em apenas uma seção deste mesmo documento.
IMPRIMIR
O caminho para realizar a impressão de um texto é através do Menu arquivo > imprimir... ou
também podemos utilizar a tecla de atalho CTRL + P, ou na barra de ferramentas padrão
acionarmos o botão
. Nas duas primeiras alternativas, a janela de configuração de
impressão é aberta antes da impressão do documento.
COLUNAS
Podemos dividir o texto em colunas (com em jornais e revistas) é muito simples e pode ser
realizado através do menu “Formatar” e da opção “Colunas...” ou ainda utilizando o ícone
atalho da barra de ferramentas padrão
. podemos criar até seis colunas automáticas.
NUMERAÇÃO DE PÁGINAS
A numeração de página permite o usuário identificar facilmente as páginas de um
documento que está sendo editado sem ter que usar o recurso cabeçalho e rodapé. Para
inserir números de páginas em um documento do Word é suficiente acessar o Menu Inserir
> Números de Páginas. Você ainda pode escolher a posição onde a numeração deverá ficar
na página do documento.
INSERIR TABELA
Durante a criação de um documento, poderemos inserir uma tabela com diversas células
que poderão ser preenchidas por u texto, figura ou gráfico. Para isso, basta acessar o menu
Tabela ou pressionar o botão
na barra de ferramentas padrão.
173
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
WORDART
É um recurso do pacote Microsoft Office que permite a criação de um texto baseado em um
formato predefinido pelo programa.
INSERIR IMAGEM
Para inserir uma imagem no Word, você poderá acessar através do menu Inserir > Imagem
e escolher uma das opções.
TECLAS DE ATALHO
AÇÕES
ATALHO
Abrir
CTRL + A
Abrir o dicionário de sinônimos
SHIFT + F7
Alterar maiúsculas e minúsculas
SHIFT + F3
Colar
CTRL + V
Copiar
CTRL + C
Cortar
CTRL + X
Desfazer
CTRL + Z
Excluir uma palavra
CTRL + BACKSPACE
Imprimir
CTRL + P
Inserir um hiperlink
CTRL + K
Ir para o fim do documento
CTRL + END
Ir para o início do documento
CTRL + HOME
Itálico
CTRL + I
Localizar e substituir
CTRL + L ou U
Negrito
CTRL + N
Repetir a última ação
F4
Salvar
CTRL + B
Selecionar até o fim do documento
CTRL + SHIFT + END
Selecionar até o início do documento
CTRL + SHIFT + HOME
Selecionar tudo
CTRL + T
Vai para início da página seguinte
ALT + CTRL + Y
Abre caixa de formatação de tipo de letra
CTRL + D
174
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Planilha eletrônica - Excel
Planilha eletrônica, é um tipo de programa de computador que utiliza tabelas para
realização de cálculos ou apresentação de dados. Cada tabela é formada por uma grade
composta de linhas e colunas. O nome eletrônica se deve à sua implementação por meio de
programas de computador.
Existem no mercado diversos aplicativos de planilha eletrônica. Os mais conhecidos são
Microsoft Excel, Lotus123 e o OpenOffice.org Calc.
Vamos aos estudos!
As Planilhas Eletrônicas são utilizadas para criação de gráficos, cálculos financeiros e
matemáticos, criação de listas, entre outras diversas finalidades.
Podemos dividir estes programas em algumas partes como:
PASTAS: Janela onde estão localizadas as planilhas que serão utilizadas.
PLANILHAS: Local onde estão as células, onde os dados serão digitados
CÉLULAS: Onde os dados são digitados pelo usuário. As mesmas podem ser mescladas.
175
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Confira na próxima página a tela principal do Excel:
Nome
Finalidade
Nova Pasta de Trabalho
cria uma nova pasta de trabalho
176
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Abrir
abre uma pasta de trabalho existente
Salvar
salva a planilha da janela ativa
Imprimir
imprime a planilha ou gráfico da janela ativa
Visualizar Impressão
inicia visualização de prévia de impressão da planilha
ativa
Verificar Ortografia
inicia a verificação ortográfica da planilha ativa
Recortar
remove a área selecionada e a insere na Área de
Transferência
Copiar
copia a área selecionada e a insere na Área de
Transferência
Colar
insere o conteúdo que fora recortado ou copiado para a
Área de Transferência na seleção.
Pincel
copia o formato das células selecionadas. Um clique
permite colar uma única vez o formato. Duplo clique
permite colar inúmeras vezes esse formato.
Desfazer
desfaz as últimas ações ou comandos: um comando
efetuado ou uma entrada digitada
Repetir
repete a última ação ou comando
Inserir Hyperlink
Efetua vínculos com endereço URL (Internet)
Barra de Ferramentas WEB
Contém ícones para abrir, pesquisar e procurar em
qualquer documento, inclusive páginas na WEB
AutoSoma
Aciona automaticamente a função SOMA. Se houver
dados numéricos acima ou à esquerda, irá sugerir o
intervalo de células a serem somadas.
Colar Função
para escolher função a ser inserida na célula ou na barra
177
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
de fórmulas
Classificação Crescente
ordena a lista selecionada do menor para o maior valor,
usando a coluna que contém a célula ativa
Classificação Decrescente
ordena a lista selecionada do maior para o menor,
usando a coluna que contém a célula ativa
Assistente de Gráfico
tutorial para auxiliar a criação de um gráfico
Mapa
cria um mapa com recursos geográficos e dados
associados.
Desenho
exibe a barra de ferramentas de Desenho
Controle de Zoom
amplia ou reduz a visualização da planilha
Assistente do Office
Para auxiliar no esclarecimento de dúvidas sobre as ações
e comandos do Excel.
Barra de Ferramentas PADRÃO
Contém os ícones daqueles comandos que são frequentemente usados. Podem ser
utilizados em lugar dos comandos dos menus.
Barra de Formatação
Assim como a Barra de Ferramentas, contém os ícones daqueles comandos que são
freqüentemente usados, podendo ser utilizados em lugar dos comandos dos menus.
178
BR CONCURSO
Nome
APOSTILA DIGITAL
Finalidade
179
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Fonte
exibe a lista de fontes disponíveis
Tamanho da fonte
exibe a lista de tamanhos de fontes
Negrito
transforma o trecho selecionado em
negrito
Itálico
transforma o trecho selecionado em
itálico
Sublinhado
sublinha o trecho selecionado
Alinhamento a esquerda
alinha à esquerda os caracteres da
seleção
Alinhamento centralizado
centraliza os caracteres da seleção
Alinhamento a direita
alinha à direita os caracteres da seleção
Mesclar e centralizar
Mescla e Centraliza colunas
Formato de Moeda
formata a seleção como R$ 000.000,00
Formato de porcentagem
formata a seleção como ## % (sem
casas decimais)
Separador de milhares
formata a seleção como 000.000,00
(com duas casas decimais)
Aumentar casas decimais
aumenta em uma unidade as casas
decimais da seleção
Diminuir casas decimais
diminui uma casa decimal na seleção
Diminuir recuo
diminui a distância entre o texto e a
margem esquerda da planilha
Aumentar recuo
aumenta a distância entre o texto e a
margem esquerda da planilha
Bordas
aplica o tipo escolhido ao redor da área
180
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
selecionada da planilha
Cor do Preenchimento
aplica a cor escolhida ao fundo da
seleção
Cor da Fonte
aplica a cor escolhida ao conteúdo da
seleção
INICIANDO UMA PLANILHA
Ao iniciamos o Excel percebemos que sua área de trabalho nos sugere uma planilha, que é
identificada por letras na parte superior, fazendo referência às colunas e por números no
lado esquerdo da tela como referência às linhas.
Cada célula será identificada pelo cruzamento destas letras e números, como, por exemplo,
A10, B12, G2, F1 etc.
SALVANDO UMA PASTA
Podemos salvar uma pasta do Excel através do Menu Arquivo, escolhendo as opções: Salvar
e Salvar como... ou através do botão
encontrado na barra de ferramentas padrão do
Excel. Também temos a opção de tecla de Atalho: (CTRL+B para Salvar) e (F12 para Salvar
como...)
LOCALIZAR OU SUBSTITUIR
Para substituir ou pesquisar dados na planilha é suficiente pressionarmos a tecla CTRL + L.
INTERVALO
É uma região da planilha que é representada pelo endereço da primeira
célula (canto superior esquerdo), dois pontos (:) e o endereço da última
célula (canto inferior direito). Usamos os intervalos para calcular uma
181
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
seqüência de células sem precisar digitar repetidamente. Exemplo. Caso desejamos somar
os números das seguintes células: A1, A2, A3, A4, A5, A6 e A7, podemos resumidamente
digitar a fórmula: =soma(A1:A7).
Para somar número em intervalos, podemos realizar a seguinte ação: =soma(A1;A4;A7).
Assim, somaremos apenas os números das células A1, A4 e A7.
( : ) Dois pontos = Indica intervalo e lemos “ATÉ”.
( ; ) Ponto e Vírgula = Intervalos separados. Lemos “E”
ARRASTANDO / MOVENDO UMA CÉLULA
Movimentamos uma célula e seu
conteúdo e arrastamos em outra posição
através da figura exibida ao lado. Uma
célula também pode ser movida para
outra planilha ou até outra pasta do Excel.
DIGITANDO DADOS NAS CÉLULAS
Textos: É interpretado como texto toda a informação que se inicia com uma letra ficando
alinhados à esquerda. Utilizamos o texto em títulos e definições.
Números: É interpretado como número todo dado precedido pelos seguintes caracteres: 0 1
2 3 4 5 6 7 8 9 + menos, abre e fecha parênteses, / $ %. Utilizamos os números para
cálculos. Os valores numéricos sempre são alinhados à direita e podem assumir vários
formatos como: número fixo de casas decimais, percentual entre outros.
Fórmulas: são compostas por números, operadores matemáticos, referências de células etc.
Funções: são as fórmulas criadas pelo Excel. Existem funções estatísticas, matemáticas,
financeiras etc.
BARRA DE FÓRMULAS
182
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Na Barra de Fórmulas estão os dados que digitamos dentro das células. Portanto, quando
há a necessidade alterar estes dados, podemos faze-lo efetuando um duplo clique sobre a
célula desejada, ou clicando na barra de fórmulas. Encontramos na barra de fórmula o botão
de Inserir Funções.
OPERAÇÕES BÁSICAS
As Fórmulas do Excel são iniciadas através sinal igual (=) seguido dos elementos que serão
calculados.
Exemplo: =5+2*3. O resultado é 11.
O Excel calcula os elementos da Esquerda para a direita, obedecendo os seguintes critérios:
1º Parênteses ( )
2º Expoentes ^
3º Multiplicação e/ou Divisão
3º Soma e/ou Subtração
Uma fórmula também pode conter uma célula referenciada, exemplo: =A2+B3*C4
SÍMBOLOS UTILIZADOS
MATEMÁTICOS
LÓGICOS
^
Exponenciação
=
Igual
-
Subtração
<
Menor que
+
Adição
>
Maior que
*
Multiplicação
<=
Menor ou igual a
/
Divisão
>=
Maior ou igual a
183
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Estes elementos são usados para especificar a operação que irá ser utilizada.
Exemplo: =10^2*25% (eleva 10 ao quadrado e multiplica o resultado por 0,25).
OPERADORES DE COMPARAÇÃO
São utilizados para realizar a comparação do conteúdo de uma célula com outra. A
comparação produz um valor lógico que será: Verdadeiro ou Falso.
Ex.: =A2<=F6
OUTRAS FUNÇÕES DO EXCEL
Nome da
Fórmula
MAIOR
MENOR
Máximo
Mínimo
Exemplo
Descrição da Fórmula
=MAIOR(B3:C3;
O resultado será o 2º maior. O 2 na formula é um
2)
parâmetro obrigatório
=MENOR(B3:C3;
2)
=MÁXIMO(A1:A
4)
=MINIMO(A1:A
4)
Mostrará o 2º menor número do intervalo.
Calcula o maior valor dentro de um intervalo
Calcula o menor valor dentro de um intervalo
DESCONTO
=B3-(B3*20%)
Aplica um desconto à um valor especificado
MÉDIA
=MÉDIA(A1:A7)
Calcula a Média entre os intervalos referenciados.
Porcentagem
=(B3*25%)
Subtração
=(B3-C3-D3)
Subtrai quantos valores forem necessários
Multiplicação
=(B3*C3)
Multiplica apenas dois valores
Divisão
=(B3/C3)
Divide quantos valores forem necessários
Moda
=MODO(B3:C3)
Busca por valores repetidos e o exibe na célula
MOD
=MOD(B3;7)
Realiza uma divisão, porém o resultado será o resto.
Retira o valor em porcentagem de um valor
qualquer
FUNÇÃO CONT.SE
184
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Basicamente, usamos a função cont.se para contar o número de células que possui o
conteúdo especificado na fórmula.
Exemplo: =cont.se(A1:A3;"amor"). Nesta fórmula, a função calcula o número de células entre
os intervalos A1 até A3 que contém a palavra Amor. O resultado será: 2.
FUNÇÃO SE( )
Diferentemente da função cont.se, a função lógica SE calcula um conjunto de células a fim
de detectar se o conteúdo de uma célula é maior, menor, igual ou diferente de outra. Vamos
analisar o exemplo abaixo:
A fórmula: =se(A1<SOMA(B1;B2); "APROVADO "; "REPROVADO")
A sintaxe da fómula é: =se(teste_lógico;Valor_se_verdadeiro;valor_se_falso).
Então: Se o valor da célula A1 for menor que o valor da soma das células B1 e B2, o
resultado final será Aprovado. Caso contrário será Reprovado.
FUNÇÃO SOMASE
A Função SOMASE adiciona as células especificadas por um determinado critério.
185
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Exemplo: =SOMASE(A1:A3;"aprovado";B1:B3)
AUTO-PREENCHIMENTO
Este recurso é de grande utilidade no Excel, pois permite a continuação de dados digitação
sem a necessidade de repetição dos mesmos. A ferramenta de “Auto-Preenchimento” está
na alça da célula. Vejamos abaixo na figura:
AUTO-PREENCHIMENTO EM FUNÇÕES
Fazemos a soma da primeira linha (Linha 3), clicamos e arrastamos a alça para baixo e
vejamos o que ocorre:
186
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
SIGNIFICADO DOS ERROS DE DADOS
•
A coluna não é larga o suficiente para exibir o conteúdo. Aumente a largura da
coluna, diminua o conteúdo para ajustá-lo à coluna ou aplique um formato
numérico diferente.
•
REF! Uma referência de célula não é válida. Células podem ter sido excluídas ou
sobrepostas.
•
NOME? Você pode ter digitado o nome de uma função incorretamente.
•
DIV/0! Está dividindo um número por zero
•
VALOR! Introduziu uma fórmula matemática e está usando um operando que é
texto, ou está a indicando um intervalo de células quando é esperado um valor
único
•
N/D Não está disponível a informação para o cálculo que quer executar
•
NÚM! Está utilizando um argumento que não é valido para a função, ou a função
que está usando não encontrou resultado nenhum, ou introduziu uma fórmula cujo
o resultado é demasiado pequeno ou demasiado grande para ser representado na
folha de cálculo
•
NULO! Utilização de um operador de intervalos ou de uma referência de célula
incorretos. Por exemplo na intersecção de intervalos quando não há células comuns
PLANILHAS DO EXCEL
Normalmente quando iniciamos uma pasta nova do Excel, esta pasta já possui 3 planilhas.
Veja na figura abaixo:
187
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Você pode ter quantas planilhas puder. Quanto mais planilhas, mais memória RAM você irá
precisar. É possível portanto, mudar o nome da planilha e inserir novas planilhas
pressionando o botão direito do mouse sobre qualquer uma delas e escolher as opções
abaixo:
Podemos efetuar a soma dos valores que estão em planilhas diferentes. Exemplo:
Selecione a planilha e após a célula que irá receber o valor; Digite: =Plan1!A10+Plan2!
B20+Plan4!A15
Esta fórmula irá somar a célula A10 da planilha 1 com a célula B20 da planilha 2 e também
com a célula A15 da planilha 4. Se você renomear as planilhas, a fórmula deverá conter os
nomes corretos das planilhas.
Veja o exemplo. =ContasReceber!A10-ContasPagar!B20
Esta fórmula irá subtrair o valor da célula A10 da planilha “ContasReceber” com o valor da
célula B20 da planilha “ContasPagar”.
AUTO-FORMATAÇÃO
A Auto-Formação é um recurso do Excel que permite a criação automática de modelos
prontos de células para agilizar o desenvolvimento da estética de uma planilha.
CÉLULAS RELATIVAS E ABSOLUTAS
188
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Relativa: Cada referência de célula relativa em uma fórmula é automaticamente alterada
quando essa fórmula é copiada verticalmente em uma coluna ou transversalmente em uma
linha. Ex.: =C4*$D$9 é
copiada de uma linha para a outra, as referências de célula relativas são alteradas de C4 para
C5 e para C6.
Absoluta: Uma referência de célula absoluta é fixa. Referências absolutas não serão alteradas
se você copiar uma fórmula de uma célula para a outra. Referências absolutas apresentam
cifrões ($) como este: $D$9. Como mostra a imagem, quando a fórmula =C4*$D$9 é
copiada de uma linha para a outra, a referência de célula absoluta permanece como $D$9.
Mista: Uma referência de célula mista possui uma coluna absoluta e uma linha relativa ou
uma linha absoluta e uma coluna relativa. Por exemplo, $A1 é uma referência absoluta para
a coluna A e uma referência relativa para a linha 1. À medida que uma referência mista é
copiada de uma célula para a outra, a referência absoluta permanece a mesma, mas a
referência relativa é alterada. A figura a seguir mostra um exemplo de fórmulas usando
referências constantes e variáveis (absoluta, relativa e mista).
CRIANDO UM GRÁFICO
Podemos criar um gráfico no Excel da seguinte maneira: Selecionando primeiro os dados
que farão parte do gráfico ou iniciar o “Assistente de Criação de Gráfico” por meio do botão
e depois selecionar os dados do Gráfico.
PASSOS PARA CRIAÇÃO DO GRÁFICO
1º Passo: Tipos de Gráfico
2º Passo: Dados de Origem
3º Passo: Opções do Gráfico
4º Passo: Escolha do Local onde o gráfica ficará
189
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
FILTRO DE DADOS
Este permite que você visualize rapidamente conteúdos de uma planilha e um modo bem
rápido prático de defini-los é através do auto-filtro.
AUTO FILTRO
190
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Caso queira fazer a filtragem automática de dados, você poderá utilizar o recurso chamado
Auto-Filtro que pode ser encontrado no menu DADOS.
FORMATAÇÃO CONDICIONAL
O Excel possui uma função que permite ao usuário aplicar formatos especiais na planilha,
dependendo do seu resultado. Esta função se chama Formatação Condicional. Para
adicionar um formato condicional, clique no menu Formatar/Formatação Condicional.
PROTEGENDO UMA PLANILHA
Através do menu Ferramentas, encontramos uma opção que permite você proteger uma
pasta, planilha ou célula contra formatação ou edição por meio de uma senha, por exemplo.
SALVANDO UMA PLANILHA / PASTA
Através da Janela Salvar Como... é possível salvar a pasta utilizada no excel em outros
formatos. Por exemplo: XLS, XML, HTML, HTM, DBF, CSV e outras extensões.
191
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Se você quiser salvar as modificações feitas na planilha pelo navegador de Internet, terá de
editá-la no Excel usando o botão Exportar para o Excel.
Responda
1 - CESGRANRIO - 2014 - Petrobras - Técnico(a) de Administração e Controle Júnior
Um profissional liberal que está trabalhando em determinada planilha Excel 2010 deseja
gerar um gráfico de seus dados financeiros.
Para tanto, ele tem a possibilidade de selecionar, no Excel 2010, alguns tipos, como os
gráficos de
• a) colunas, linhas, pizza ou barras
• b) colunas, diapasão, Laplace ou Pitágoras
• c) colunas, Pitágoras, barras ou diapasão
• d) barras, Pitágoras, espirais ou Fourier
• e) Laplace, linhas, pizza ou Fourier
2 - CONSULPLAN - 2014 - MAPA - Agente Administrativo
Observe a planilha produzida com a ferramenta Microsoft Office Excel 2007 (configuração
padrão).
192
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Se na célula A7 for inserida a fórmula =SE(A4=B5;SOMA(C4:C5);SE(B2="RJ";A2;C2)), o
resultado será
• a) 300.
• b) 500.
• c) RIO DE JANEIRO.
• d) ESPÍRITO SANTO.
GABARITO
1-A
2- C
Power Point
Microsoft PowerPoint é um programa utilizado para edição e exibição de apresentações
gráficas originalmente escrito para sistema operacional Microsoft Windows e também
suportado na plataforma Mac OS X.
O PowerPoint é usado em apresentações, cujo objetivo é informar sobre um determinado
tema, podendo usar: imagens, sons, textos e vídeos que podem ser animados de diferentes
maneiras. O PowerPoint tem suporte a objetos OLE e inclui uma ferramenta especial de
formatação de texto (WordArt), modelos de apresentação pré-definidos, galeria de objetos
gráficos e uma gama de efeitos de animação e composição de slides.
193
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O formato nativo do PowerPoint é o PPT, para arquivos de apresentações, e o PPS, para
apresentações diretas. A partir da versão 2007 do programa, a Microsoft introduziu o
formato .PPTX.
Para executar o Powerpoint em máquinas que não o tenham instalado, é necessário usar o
software PowerPoint Viewer, uma vez que o PowerPoint não tem suporte nativo para outros
formatos como o SWF, o PDF e mesmo o OpenDocument Format.
Os arquivos do PowerPoint em geral são lidos sem problemas por outros softwares similares
como o Impress.
Interface
194
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Barra de Menu
Modos de Exibição
Barra de Status
195
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Criando um slide
O que é SLIDE?
É o conjunto de texto, desenho e cor em um só plano, em uma só página. O conjunto de
slides chama-se apresentação, e pode conter quantos slides for preciso.
Criando o primeiro Slide
Este primeiro slide da sua apresentação ainda não foi salvo. Para salvá-lo existem três
formas.
· Clique no botão
: (Salvar
· Acione o menu: Arquivo – Salvar, ou;
· Pressione as teclas de atalho: Ctrl + B.
196
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
NOVO SLIDE
Para inserirmos o segundo slide, escolha uma das três opções a seguir:
 Clique no botão:
, ou;
Pressione as teclas de atalho: Ctrl + M, ou;
Acione o menu: Inserir – Novo slide...
GALERIA DE DIAGRAMAS
ANIMANDO O SLIDE – TRANSIÇÃO DE SLIDES
clique no botão:
Transição de slides, ou acione o menu:
Apresentações – Transição de slides...;
197
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
ADICIONANDO EFEITOS – FONTES/IMAGENS
Acione o menu: Exibir – Normal, ou clique, no rodapé da tela, à esquerda, no botão: (Modo
normal) ou clique duas vezes sobre o slide número 1;
· No seu primeiro slide, clique no título;
· Acione o menu: Apresentações – Personalizar animação...;
198
BR CONCURSO
· No painel à direita, clique no botão:
APOSTILA DIGITAL
;
Para testar a animação basta clicar no botão:
Ou pressionar o botão F5 do teclado.
Obs.: É possível inserir imagens e vídeos nos slides e ainda salvar no formato HTML
199
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Internet e Intranet
A Internet é um amplo sistema de comunicação que conecta muitas redes de
computadores. Existem várias formas e recursos de vários equipamentos que podem ser
interligados e compartilhados, mediante meios de acesso, protocolos e requisitos de
segurança.
A Internet oferece aos usuários um conjunto de serviços de transporte de informação,
pesquisa e armazenamento com um bom tempo de resposta e alto nível de interatividade.
A Internet já é considerada por alguns cientistas sociais, antropólogos e psicólogos como
um fenômeno que leva o ser humano a outro ambiente, o ambiente virtual. Já existem até
doenças relacionadas ao uso da Internet. O usuário interage com a Internet através dos
serviços por ela oferecidos.
Exemplos de Serviços oferecidos na Internet:
Salas de Bate Papo
Serviços de Busca e Pesquisas (Google, Bing, etc.)
Correio Eletrônico (serviços de mensagens off-line)
Conversação (Skype) (serviços de mensagens on-line)
Navegação em Páginas (WWW)
Comunidades (Twitter Facebook, Linkedin, etc.)
Os serviços oferecidos pela Internet são utilizados com grande facilidade pelos usuários.
Esta facilidade esconde do usuário final a infraestrutura complexa que dá suporte a estes
serviços.
A complexidade da infraestrutura que oferece este suporte passa por entidades como:
Roteadores, Concentradores, Modem’s, Sistemas telefônicos, Meios de Transmissão e
fundamentalmente por um conjunto de protocolos encabeçados pelo TCP/IP.
A Intranet também pode oferecer todos os serviços citados acima e muitos outros, porém,
estão restritos à uma organização. Desenvolvida apenas para atender um público de
usuários interno, a Intranet é uma rede de acesso para uso local, também podendo ser
acessada externamente por funcionários de uma empresa, por exemplo. Neste caso, a
200
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
intranet pode ser denominada Extranet que é, justamente, o acessa externo de uma
intranet.
A intranet também permite um melhor gerenciamento de rede, controle de usuários e
dados que serão transmitidos para a internet ou que são recebidos da internet. Existem
alguns softwares e equipamentos de gerenciamento de rede, exemplo: Proxy e Firewalls.
A intranet oferece esta solução. Existem outros benefícios:

Unifica as informações

Fácil instalação e administração

Arquitetura Aberta

Interface Universal

Baixo custo de implementação

Conecta todas as plataformas de sistemas operacionais

Compartilha conhecimento

Reduz tempo e custo de desenvolvimento de novas aplicações

Melhora tomada de decisões.
201
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Quadro comparativo
Protocolo de Comunicação
Para que os computadores de uma rede possam trocar informações entre si é necessário
que todos os computadores adotem as mesmas regras para o envio e o recebimento de
informações. Este conjunto de regras é conhecido como Protocolo de Comunicação. No
protocolo de comunicação estão definidas todas as regras necessárias para que o
computador de destino, “entenda” as informações no formato que foram enviadas pelo
computador de origem. Existem diversos protocolos, atualmente a grande maioria das redes
utiliza o protocolo TCP/IP já que este é utilizado também na Internet.
O protocolo TCP/IP acabou se tornando um padrão, inclusive para redes locais, como a
maioria das redes corporativas hoje tem acesso Internet, usar TCP/IP resolve a rede local e
também o acesso externo.
Endereço IP
Endereço que o protocolo IP usa para localizar origem e destino. O endereço IP é um
número no seguinte formato: X.Y.Z.W, ou seja, são quatro números separados por ponto.
Não podem existir duas máquinas, com o mesmo número IP, dentro da mesma rede. Caso
seja configurado um novo equipamento com o mesmo número IP de uma máquina já
existente, será gerado um conflito de números IP e um dos equipamentos não se
202
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
conseguirá comunicar com a rede. O valor máximo para cada um dos números (X.Y.W OU Z)
é 255.
O Endereço IP pode ser fornecido a um computador de duas formas:
Endereço IP Fixo - é fornecido ao computador pelo administrador da rede. Esse endereço
é configurado diretamente dentro das propriedades do computador e este computador
sempre vai apresentar este endereço.
Endereço IP Dinâmico - é usado em todas as conexões domésticas à Internet. Nesse caso,
o endereço IP é fornecido ao computador no momento em que este se conecta à rede, e
devolvido quando o computador é desligado da rede.
Um computador recebe o endereço IP dinâmico de um servidor que usa um protocolo
chamado DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol – Protocolo de Configuração
Dinâmica de Host). O protocolo DHCP é, em suma, o responsável pela atribuição automática
de endereços IP aos computadores na rede.
Não pode haver computadores, na rede, com enderecos IP que terminem em 255 ou 0. Isso
porque 0, no final do endereço IP, representa o endereço da rede. No caso do 255, no fim
do endereço, ele é chamado de “endereço de broadcast”, pois é usado para o envio de
pacotes a todos os micros da mesma rede.
Outros Protocolos
ICMP (Protocolo de Mensagens de Controle de Inter Redes)
Usado em conjunto com o IP para enviar mensagens de controle entre os equipamentos
envolvidos na comunicação. Essas mensagens consistem em avisos como fluxo
interrompido, congestionamento em um determinado roteador, tempo de resposta de um
computador, entre outras coisas. Uma das aplicações mais comuns desse protocolo é o
comando PING, usado para medir o tempo de resposta de um computador na rede.
UDP (Protocolo de Datagrama de Usuário)
Protocolo de transporte sem conexão que fornece uma entrega rápida, mas não confiável,
dos pacotes.
SMTP (Protocolo de Transferência Simples de Correio)
Protocolo usado para o envio de mensagens de correio eletrônico (e-mail).
MIME do inglês Multipurpose Internet Mail Extensions
É uma norma da internet para o formato das mensagens de correio eletrônico. A grande
maioria das mensagens de correio eletrônico são trocadas usando o protocolo SMTP e
usam o formato MIME
203
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
POP (Protocolo de Agência de Correio)
Usado para realizar o recebimento das mensagens de correio eletrônico. Com este
protocolo, as mensagens armazenadas na caixa postal do usuário são trazidas para o
computador do usuário e retiradas do servidor. Atualmente esse protocolo encontra-se em
sua terceira versão (POP3).
HTTP (Protocolo de Transferência de Hiper Texto)
Protocolo usado para realizar a transferência das páginas da Web para nossos
computadores. O HTTP é usado para trazer o conteúdo das páginas para nossos programas
navegadores (Browsers).
HTTPS (Protocolo de Transferência de Hiper Texto Seguro)
O HTTP tem uma variação, o HTTPS, que é uma implementação do protocolo HTTP sobre
uma camada SSL, essa camada adicional permite que os dados sejam transmitidos através
de uma conexão cifrada (criptografada) e que se verifique a autenticidade do servidor e do
cliente através de certificados digitais (porta 443 dp TCP).
SSL (Secure Socket Layer)
É um protocolo de segurança desenvolvido pela Netscape Communications que tem por
finalidade compensar a falta de proteção no ambiente Web. SSL faz três coisas: 1 - SSL
autentica que o servidor ao qual você se conectou é o que deveria ser. Você pode se
certificar que você está realmente se comunicando com o banco e não um terceiro tentando
interceptar a transação. 2 - SSL cria um canal de comunicação seguro através da criptografia
de todas as comunicações entre o usuá- rio e o servidor. 3 - SSL conduz a contagem de
palavras criptografadas para assegurar a integridade dos dados entre o servidor e o usuário.
Se uma mensagem não for recebida em toda sua integridade, ela é rejeitada e outra cópia
da mensagem é enviada automaticamente.
FTP (Protocolo de Transferência de Arquivos)
Usado para realizar a transferência de arquivos entre dois computadores através da Internet.
O protocolo FTP exige o estabelecimento de uma sessão, com o uso de login e senha. Este
protocolo utiliza um caminho para os caminhos e outro para transferência dos dados.
TELNET (Emulador de Terminal)
Protocolo que realiza a conexão entre dois computadores para que um deles “finja” ser
terminal do outro. Isso significa que qualquer comando executado no computador
“terminal” será realizado, na verdade, no computador servidor.
IMAP (Protocolo de Acesso a Mensagens na Internet)
É usado em opção ao POP porque facilita o acesso aos dados nas caixas postais sem a
necessidade de “baixá-los” para o computador cliente. Através do IMAP, é possível realizar
204
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
um acesso on-line aos dados na caixa postal localizada no servidor sem que isso signifique
trazer as mensagens ao micro do usuário.
DHCP (Protocolo de Configuração Dinâmica de Estação)
É o protocolo que fornece as informações IP necessárias para as estações poderem se ligar
na rede. Ao ligar o computador é enviada uma mensagem ao servidor DHCP, assim que o
servidor recebe esta mensagem responde com um endereço IP disponível na rede.
VNC
É um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas. Através deste
protocolo um usuário pode conectar-se a um computador remotamente, e utilizar as suas
funcionalidades visuais como se estivesse sentado em frente do computador. Também é um
programa gratuito para o acesso remoto.
Navegadores (Browser)
Um browser, também conhecido como navegador, é um programa que habilita seus
usuários a interagirem com documentos HTML hospedados em um servidor Web. O
browser ou navegador interpreta o código HTML e constrói a página no computador do
usuário. Os Browsers são clientes dos servidores HTTP. Existem vários Clientes de HTTP no
mercado, sendo que alguns se sobressaem.
Os Browsers ou Navegadores mais usados são:
 Internet Explorer
 Mozilla Firefox
 Chrome
 Safari
 Netscape
Domínios e URL
Embora os computadores conectados a Internet utilizem os endereços IP´s para localização
e troca de informações, os usuários utilizam nomes amigáveis. Os nomes amigáveis são
chamados de URL.
URL - Uniform Resource Locator (localizador de destino padrão), é uma indicação do
protocolo e do endereço para acessar informações na Internet.
205
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Os domínios são nomes que respeitam certas regras de hierarquia, que nós podemos
apresentar como níveis separados por pontos. A leitura dos níveis é feita da direita para a
esquerda
Exemplos de URL´s:
 http://www.globo.com
 http://www.uol.com.br
 http://www.terra.com.br
Um domínio é uma forma encontrada para facilitar o acesso das pessoas na Internet onde
podemos dar nomes a números.
É um nome que serve para localizar e identificar conjuntos de computadores na Internet. O
nome de domínio foi concebido para facilitar a memorização dos endereços de
computadores na Internet. Sem ele, teríamos que memorizar sequências grandes de
números.
Abaixo estão listadas todas as categorias de domínio .br oferecidas pelo Registro.br. As
categorias podem ser divididas em 3 tipos. Os domínios de pessoa física e profissionais
liberais só podem ser registrados por um titular com CPF. Os domínios de pessoa jurídica
devem ser associados a um CNPJ. Já os domínios genéricos podem ser registrados por CPF
ou CNPJ. Algumas categorias possuem ainda restrições adicionais por serem direcionadas a
empresas de setores específicos, sendo necessária comprovação por meio de envio de
documentos, ou ainda exigirem o uso de DNSSEC.
Embora o
nome de
domínio
facilite a
206
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
memorização de endereços na Internet, vale ressaltar que o IP é que fornece a rota para
acessar e enviar informações pela rede. Então resta uma pergunta.
Se digitamos URL´s com nomes de domínio como é que o endereço do computador
remoto é encontrado através do IP?
DNS é a resposta.
DNS (Tradução de nomes em IP´s)
Sigla para Domain Name System ou Sistema de Nomes de Domínios. É uma base de dados
hierárquica, distribuída para a resolução (tradução) de nomes de domínios em endereços IP.
Quando digitamos um URL na barra de endereços de um navegador e pressionamos o
ENTER ele é enviado ao provedor, ai então o Servidor de DNS traduz o URL em um
endereço IP, depois da tradução o IP é informado para o computador que fez a solicitação, a
partir deste momento a conexão lógica está estabelecida entre os pontos que irão se
comunicar. O esquema de DNS que traduz os nomes de domínios para endereços IP´s foi
criado para facilitar a vida do usuário, mas se quiser digitar diretamente o endereço IP na
barra de endereços do navegador o site será acessado normalmente.
Proxy
O proxy é um intermediário que fica entre o computador do usuário e a Internet. Pode ser
utilizado para registrar o uso e também para bloquear o acesso a sites da Internet. O firewall
do servidor proxy bloqueia sites ou páginas da Web que considera indesejados. O Proxy
pode armazenar em cache as páginas da Web acessadas por hosts da rede durante
determinado período. Sempre que um host solicita a mesma página da Web, o servidor
proxy utiliza as informações armazenadas em cache em vez de recuperá-las do provedor de
conteúdo. Isso proporciona acesso mais rápido às páginas da Web. O Proxy não permite
comunicação direta entre a rede interna e a Internet. Tudo deve passar pelo Proxy, que atua
como um intermediador. O Proxy efetua a comunicação entre ambos os lados por meio da
avaliação da sessão TCP dos pacotes.
O IPv6 (novo modelo de endereçamento)
O IP é o elemento comum encontrado na internet pública dos dias de hoje. É descrito no
RFC 791 (Request For Comments) da IETF (The Internet Engineering Task Force) que foi
publicada pela primeira vez em Setembro de 1981. Este documento descreve o protocolo da
camada de rede mais popular e atualmente em uso. Esta versão do protocolo é designada
de versão 4, ou IPv4.
O IPv4 possui limitações para atender as necessidades criadas pela Internet moderna,
limitações como, conjunto de endereços limitados a aproximadamente 4,3 bilhões (com 32
207
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
bits), graves problemas de segurança, e muitos outros. IPv6 – ou IPng “IP Next Generation”
O IPv6 (RFC´s 1883 e 1884) é a nova versão do protocolo IP utilizado futuramente na
Internet, tem endereçamento de 128 bits, oferecendo mais endereços que os 32 bits do
IPv4.
Combinações de endereços possíveis no IPv4: 2 32 (2 elevado a 32) que seria: 4.294.967.296
Combinações de endereços possíveis no IPv6: 2 128 (2 elevado a 128) que seria:
340.282.366.920.938.000.000.000.000.000.000.000.000
Esta é uma faixa de endereçamento extremamente grande.
Teoricamente, isto representa aproximadamente 665.570.793.348.866.943.898.599 endereços
por metro quadrado da superfície do planeta Terra (assumindo que a superfície da Terra seja
de 511.263.971.197.990 m2).
Considerando estas estimativas, seria improvável que alguém tivesse a necessidade de
utilização de tantos endereços em um espaço tão pequeno.
Navegadores
Um navegador (também conhecido como web browser ou simplesmente browser) é um
programa que habilita seus usuários a interagirem com documentos HTML hospedados em
um servidor Web. É o tipo mais comumente usado de agente. A maior coleção interligada
de documentos hipertexto, dos quais os documentos HTML são uma substancial fração, é
conhecida com a World Wide Web.
Na prática ele é um programa que deve ser instalado em seu computador para permitir o
acesso aos sites em que deseja visitar.
Há muitos navegadores Web no mercado. Uma pequena lista dos navegadores existentes
podem ser vistos em http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_web_browsers.
No entanto, cinco navegadores tem sido adotados com maior popularidade por parte das
empresas e organizações, e consequentemente são as mais cobradas em concursos.
Os mais cobrados são:
•Internet Explorer: produto da empresa Microsoft, é o navegador nativo do sistema
operacional Windows, o que o torna um dos navegadores mais utilizados. É um
sistema proprietário, de código-fechado, sendo historicamente um navegador
208
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
suscetível a falhas e programas maliciosos.
•Google Chrome: produto da empresa Google, é um navegador de código-aberto
que possui diversas funcionalidades como a adição de extensões e aplicativos
diversos, desenvolvidos por terceiros, que permite expandir a sua capacidade. É o
navegador atualmente mais utilizado no mundo, possuindo um padrão de
atualizações constantes o que permite atender rapidamente a falhas e brechas de
sistema.
•Mozilla Firefox: produto da Mozilla, uma fundação sem fins lucrativos, é um
navegador de código-aberto que, assim como o Chrome, possui diversas
funcionalidades como a adição de extensões e aplicativos diversos, desenvolvidos
por terceiros, que permite expandir a sua capacidade. É considerado o navegador
mais apropriado para usuários experientes nos quesitos de segurança e privacidade.
Navegadores não tão cobrados em concursos:
•Opera: é um navegador da web e uma suíte de internet desenvolvida pela
companhia Opera Software. Ele é oferecido gratuitamente para computadores
pessoais e smartphones, mas para outros dispositivos é preciso pagar por ele. É um
navegador criado para oferecer rapidez de acesso às páginas web, além de diversos
outros recursos ainda não encontrados em outros navegadores, como comandos por
voz.
•Safari: o Safari é um navegador desenvolvido pela Apple Inc. e incluído como o
navegador padrão a partir do sistema operacional Mac OS X para os produtos da
Apple.
Mozilla Firefox
O navegador Mozilla Firefox é um dos navegadores mais usados no mundo e possui
diversas vantagens funcionais. Uma das vantagens é o Recurso de Abas (Que atualmente já
foi copiado por todos os outros navegadores) que permite que sejam abertos vários sites
usando uma mesma janela do navegador.
209
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O Mozilla Firefox é compatível com qualquer site da Web, não havendo assim, distinção
quando acessar um site na internet.
Barra de Navegação
Esta é a barra onde são exibidos os recursos que possibilitam fazer a navegação entre as
páginas da Internet. Esta barra é composta pelos seguintes recursos:
Barra de Botões de Navegação
OPÇÕES DO
MENU DO
FIREFOX
FERRAMENTAS > OPÇÕES
As configurações e personalizações são realizadas através desta opção do Firefox. Vejamos
algumas telas de configuração:
210
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Geral
Uma das
principais
opções é
aquela que
permite alterar
a página inicial
que é aberto
quando o
programa é
inicial ou
quando o
botão de
página inicial é
pressionado
pelo usuário.
Aba
Permite o usuário personalizar a utilização das Abas de Navegação quando clicar em um
link ou quando um endereço URL for digitado, por exemplo.
Conteúdo
Através desta
janela o
usuário tem a
opção de
impedir que
janelas popup’s sejam
abertas
automaticamente ao acessar um site na internet. Permite também a utilização de recursos
Java e personalizar fontes do navegador.
211
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Aplicativos
O
Painel Aplicativos permite
que você escolha como o
Firefox lida com diferentes
tipos de arquivos. Para
cada tipo de conteúdo que
o Firefox reconhece, você
pode selecionar uma ação
para o Firefox usar para
lidar com esse tipo de
conteúdo. Você pode visualizar o conteúdo do arquivo na janela do Firefox com os formatos
suportados nativamente (podcast, feed da Web, PDF) ou com uma extensão, abra o arquivo
com um aplicativo instalado no seu computador (ou em alguns casos, com um aplicativo
web), ou você pode salvar o arquivo para a pasta de downloads.
Privacidade
212
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Histórico, Cookies e Dados Pessoais podem ser facilmente configurados através da janela
Privacidade. O usuário tem a opção de excluir todos os cookies, o histórico de navegação e
limpar os dados pessoais que são digitados em determinados sites. Há também opção que
permite que todos estes dados não sejam gravados.
213
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Segurança
Através desta
janela o
usuário tem
opções de:
•
Alertar se sites tentarem instalar complementos
O Firefox sempre pedirá a sua confirmação para a instalação de complementos. Para
evitar que tentativas de instalação não requisitadas resultem em instalações
acidentais, o Firefox exibe um aviso quando um site tentar instalar um complemento
e bloqueia a tentativa de instalação. Para permitir que sites específicos instalem
complementos, você deve clicar em Exceções…, digitar o endereço do site e clicar
em Permitir. Desmarque essa opção para desativar esse aviso para todos os sites.
• Bloquear sites reportados de ataque: Marque isso se você quer que o Firefox
verifique se o site que você está visitando pode ser uma tentativa de interferir nas
funções normais do computador ou mandar dados pessoais sobre você sem
autorização através da Internet.
• A ausência deste aviso não garante que o site seja confiável.
• Bloquear sites reportados como Fraudes: Marque isso se você quer que o Firefox
verifique ativamente se o site que você está visitando pode ser uma tentativa de
enganar você fazendo com que passe suas informações pessoais (isto é
frequentemente chamado de "phishing").
• A ausência deste aviso não garante que o site é confiável.
214
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Sync
Quando configurar o Firefox Sync no seu computador, todos os seus dados e preferências
(como os seus favoritos, histórico, senhas, abas abertas e complementos instalados) serão
armazenados com segurança nos servidores da Mozilla. Você pode compartilhar essas
informações em todos os seus dispositivos.
Avançado
Possui 5 sub
abas: Geral,
Escolha de Dados, Rede, Atualizações e Certificados.
215
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Aba Geral
Acessibilidade
•Usar teclas de setas para percorrer pelas páginas: Quando essa opção está
ativada, o Firefox mostrará um cursor móvel nas páginas, que lhe permite selecionar
texto usando o teclado. Esse modo é conhecido como Caret Browsing e pode ser
ativado ou desativado com a tecla F7.
•Localizar texto ao começar a digitar: Quando essa opção está ativada, o Firefox
tenta localizar na página exibida qualquer texto que você digitar. Enquanto estiver
digitando o texto a ser localizado, a barra de ferramentas Localizar é
automaticamente exibida na parte inferior da janela, mostrando informações sobre a
216
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
pesquisa.
•Alertar se sites tentarem redirecionar ou recarregar a página: Quando
essa opção está ativada, o Firefox impedirá que sites tentem redirecioná-lo para outra
página ou sejam recarregados automaticamente.
Navegação
•Autorrolagem: A autorrolagem é um recurso útil que permite rolar a página exibida
segurando o botão do meio do mouse (normalmente a roda de rolagem) e movendoo para cima ou para baixo. Alguns usuários podem achar esse recurso irritante e, por
isso, a autorrolagem pode ser desativada por essa opção.
•Rolagem suave: A rolagem suave pode ser muito útil se você costuma ler páginas
muito longas. Normalmente, quando você pressiona a tecla Page Down, a exibição
desce uma página inteira. Com a rolagem suave, a página rola suavemente,
permitindo que você veja o quanto a página rolou. Isso torna mais fácil continuar uma
leitura do ponto que você estava.
•Quando disponível, usar aceleração por hardware: O Firefox pode usar sua placa
de vídeo para exibir páginas com vídeos e animações. Isso deixa o Firefox muito mais
rápido para essa tarefa, pois o processador da sua placa de vídeo é muito melhor que
seu processador principal para exibir esse tipo de conteúdo. Essa opção está
assinalada por padrão, mas o recurso não está disponível para todas as placas de
vídeo. O Firefox irá ativá-lo quando possível.
•Verificar ortografia ao digitar: Quando essa opção está ativada, o Firefox
irá verificar a ortografia do seu texto e sugerir possíveis correções enquanto estiver
digitando informações em formulários. Lembre-se de que você precisa instalar um
dicionário; para fazer isso, clique com o botão direito em qualquer campo de texto,
ative a verificação ortográfica se necessário e então utilize o menu Idiomas para
adicionar dicionários.
Aba Escolha de Dados
217
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Telemetria
•Ativar telemetria: Esta opção assinalada permitirá o envio de dados anônimos (leia
mais) à Mozilla, sobre como tem sido o desempenho do Firefox no mundo real.
Usaremos essa informação para deixar o Firefox ainda melhor.
Relatório de Integridade do Firefox
•Ativar Relatório de Integridade do Firefox: O Relatório de Integridade do Firefox
(leia mais) lhe dá informações sobre a estabilidade do seu navegador através do
tempo. A Mozilla usa esses dados para lhe dar dicas e informações significativas. Nós
também agregamos as informações fornecidas por todo mundo para fazer o Firefox
melhor para você.
Relatórios de travamento
•Ativar Crash Reporter: Se o Firefox trava, o Mozilla Crash Reporter (Relator de
Travamentos do Firefox) aparecerá, perguntando se você quer enviar o relatório de
travamento para a Mozilla. Com essa opção ativada, Enviar um relatório à Mozilla para
que eles possam resolver o problema estará marcada por padrão.
Aba Rede
Conexão
Talvez a empresa ou provedor de Internet ofereça ou exija o uso de um proxy. Proxy é um
programa que age como intermediário entre seu computador e a Internet. Ele intercepta
todas as solicitações à Internet e verifica se a solicitação poderá ser atendida diretamente
do seu cache. Servidores proxy são utilizados para aumentar o desempenho, filtrar
solicitações e ocultar o seu computador na Internet para aumentar sua segurança.
Servidores proxy também podem ser parte de um firewall corporativo.
218
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Janela Configurar conexão
•Sem proxy: Escolha esta opção se não quiser usar um servidor proxy.
•Autodetectar as configurações de proxy para esta rede: Escolha esta opção se
quiser que o Firefox tente detectar automaticamente as configurações de proxy para
sua rede.
•Usar as configurações de proxy do sistema: Escolha esta opção se quiser usar as
configurações de proxy do seu sistema.
•Essa é a configuração padrão.
•Configuração manual de proxy: Escolha esta opção se tiver uma lista de um ou
mais servidores de proxy. Peça informações ao administrador do seu sistema para
fazer a configuração. Cada proxy exige um nome de servidor e o número de uma
porta.
•Se o mesmo nome de servidor e porta forem usados para todos os protocolos,
assinale a opção Usar este proxy para todos os protocolos.
•Sem proxy para: Lista de nomes de servidores ou endereços de IP que não
passarão pelo proxy.
•Endereço para configuração automática de proxy: Escolha esta opção se você tem
um arquivo (.pac) de configuração de proxy (PAC, em inglês). Insira a URL e clique em
OK para salvar as alterações e carregar a configuração de proxy.
•Recarregar: O botão para recarregar carregará a configuração de proxy disponível
no momento.
Aba Atualizações
Atualizações do Firefox
•Instalar automaticamente (recomendado: maior segurança): O Firefox
automaticamente baixa e instala as atualizações disponíveis.
219
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
•Alertar caso desative alguma extensão: Se você deseja ser alertado caso as
atualizações forem desabilitar alguma extensão, assinale esta opção.
•Verificar, mas perguntar se desejo instalar: O Firefox lhe permite escolher se
deseja baixar e instalar as atualizações. Se optar por não instalar no momento, poderá
fazer isso posteriormente.
•Nunca verificar (não recomendado: risco de segurança): O Firefox não verificará
se existem atualizações.
Atualizar automaticamente
•Mecanismos de pesquisa: Marque esta opção para receber automaticamente as
atualizações para os seus mecanismos de pesquisa.
Aba Certificados
Os Certificados ajudam a criptografar e descriptografar as conexões com sites.
•Quando um servidor solicitar meu certificado pessoal: Alguns servidores solicitam
que você se identifique com um certificado pessoal. Para fazê-lo, eles pedem ao
Firefox para gerar um para você. Quando você visitar o site no futuro, o Firefox
perguntará qual certificado deve ser usado. Se você deseja que o Firefox escolha
automaticamente um certificado, selecione a opção Selecionar um
automaticamente.
Nota: Um certificado pessoal pode conter informações de identificação pessoal, como
nome e endereço. Pode ser perigoso para sua privacidade assinalar a opção Selecionar um
automaticamente. Ao usar essa opção, você não será alertado quando sites requisitarem seu
certificado pessoal, e você poderá perder o controle de quem pode acessar suas
informações pessoais.
• Consultar servidores de resposta OCSP para confirmar a validade de certificados:
O Firefox pode pergunta a um servidor OCSP (Online Certificate Status Protocol) para
confirmar que um certificado ainda é válido. Por padrão, o Firefox valida um
certificado se o certificado fornece um servidor OCSP. Provavelmente só precisa ser
alterado se o seu ambiente de Internet exigir.
220
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
•Certificados: Clique neste botão para exibir certificados armazenados, importar novos
certificados e fazer backup ou excluir certificados antigos do Firefox.
•Dispositivos de segurança: Dispositivos de segurança podem criptografar e
descriptografar conexões e armazenar certificados e senhas. Se você precisar utilizar
um dispositivo de segurança diferente do fornecido pelo Firefox, clique no botão
Dispositivos de segurança.
Barra de Pesquisas
A Barra de Pesquisas fica próximo a barra de endereço e oferece a comodidade para o
usuário realizar pesquisa de sites no mecanismo de busca automática de sua escolhe. E
ainda poderá adicionar novos mecanismos de pesquisas de Livros, Compras, Produtos e
serviços, traduções de músicas, etc., através da opção Organizar.
Abas de Navegação
Aba com uma página em
exibição
Barra de menu
Composta por 7 opções:
221
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Indicador de
Página
Segura
Existem pelo
menos dois itens que podem ser
visualizados na janela do seu
browser, e que significam que as
informações transmitidas entre o browser e o site visitado estão sendo criptografadas.
O primeiro pode ser visualizado no local onde o endereço do site é digitado. O endereço
deve começar com https:// (diferente do http:// nas conexões normais), onde o s antes do
sinal de dois-pontos indica que o endereço em questão é de um site com conexão segura e,
portanto, os dados serão criptografados antes de serem enviados.
A figura abaixo apresenta o primeiro item, indicando uma conexão segura
O segundo item a ser
visualizado
corresponde a algum
desenho ou sinal, indicando que a conexão é segura.
Normalmente, o desenho mais adotado nos browsers recentes é de um "cadeado fechado",
apresentado na barra de status, na parte inferior da janela do browser (se o cadeado estiver
aberto, a conexão não é segura).
A figura abaixo apresenta desenhos dos cadeados fechados, indicando conexões seguras,
observados nas barras de status do Internet Explorer
Ao clicar sobre o cadeado, será exibida uma tela que permite verificar as informações
referentes ao certificado emitido para a instituição que mantém o site, bem como
222
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
informações sobre o tamanho da chave utilizada para criptografar os dados.
Teclas de Atalho
Comando
Navegação
Voltar
Alt+Seta para a direita
Shift+Backspace
Início
Abrir arquivo
Recarregar
Recarregar (sobrepor a cache)
Parar
Página atual
Ir para o fim da página
Ir para o início da página
Ir para a próxima frame
Ir para a frame anterior
Informações da Página
Código-fonte da página
Imprimir
Guardar a página como
Reduzir
Ampliar
Repor
Editar
Copiar
Cortar
Apagar
Colar
Refazer
Selecionar tudo
Anular
Procurar
Procurar
Procurar seguinte
Procurar ao escrever uma hiperligação
Procurar ao escrever texto
Procurar anterior
Atalho
Alt+Seta para a esquerda
Backspace
Alt+Home
Ctrl+O
F5
Ctrl +R
Ctrl+F5
Ctrl+Shift+R
Esc
End
Home
F6
Shift+F6
+I}
Ctrl+U
Ctrl+P
Ctrl+S
Ctrl+Ctrl+ +
Ctrl+0
Ctrl+C
Ctrl+X
Delete
Ctrl+V
Ctrl+Y
Ctrl+A
Ctrl+Z
Ctrl+F
F3
Ctrl+G
'
/
Shift+F3
223
BR CONCURSO
Pesquisa na Web
APOSTILA DIGITAL
Ctrl+K
Ctrl+E
Janela e separadores(consulte Navegação com separadores )
Fechar separador
Fechar janela
Mover o separador para a esquerda
(quando o separador está ativo)
Mover o separador para a direita
(quando o separador está ativo)
Mover o separador para o início
(quando o separador está ativo)
Mover o separador para o fim
(quando o separador está ativo)
Novo separador
Nova janela
Próximo separador
Abrir endereço num novo separador
(a partir da barra de navegação ou da barra de pesquisa)
Separador anterior
Reabrir separador fechado
Selecionar separador (1 a 8)
Selecionar último separador
Ferramentas
Adicionar todos os separadores abertos aos marcadores
Adicionar esta página aos marcadores
Marcadores
Janela da Biblioteca
Navegação com o cursor
Transferências
Histórico
Ativar Navegação Privada
Limpar Histórico Recente
Consola de erros
Outros
Completar endereços do tipo .com
Completar endereços do tipo .net
Completar endereços do tipo .org
Eliminar entrada de conclusão automática selecionada
Ecrã inteiro
Selecionar barra de endereço
Selecionar ou gerir motores de pesquisa
Ctrl+W
Ctrl+F4
Ctrl+Shift+W
Alt+F4
Ctrl+Seta para a esquerda
Ctrl+Seta para cima
Ctrl+Seta para a direita
Ctrl+Seta para baixo
Ctrl +Home
Ctrl+End
Ctrl+T
Ctrl+N
Ctrl+Tabulação
Ctrl+Page Down
Alt+Enter
Ctrl+Shift+Tabulação
Ctrl+Page Up
Ctrl+Shift+T
Ctrl+(1 a 8)
Ctrl+9
Ctrl+Shift+D
Ctrl+D
Ctrl+B
Ctrl+I
Ctrl+Shift+B
F7
Ctrl+J
Ctrl+H
Ctrl+Shift+P
Ctrl+Shift+Del
Ctrl+Shift+J
Ctrl+Enter
Shift+Enter
Ctrl+Shift+Enter
Del
F11
Alt+D
Ctrl+L
Alt+Seta para cima
224
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
(quando a barra de pesquisa está ativa)
Alt+Seta para baixo
F4
Responda
1 - PR-4 Concursos - 2015 - UFRJ - Assistente em Administração
Janelas pop-up, ou simplesmente pop-ups, são janelas que aparecem automaticamente sem
serem solicitadas. O Mozilla Firefox permite você controlar pop-ups, que já são bloqueados
por padrão. O desbloqueio desta opção é feita por meio do painel:
• a) de controle do sistema operacional
• b) avançado na janela de Preferências
• c) de configurações Geral na janela de Preferências
• d) configurações de Conteúdo na janela de Preferências
• e) configurações de Segurança na janela de Preferências
2 - UFPB - Assistente em Administração
O Mozilla Firefox permite que o armazenamento de dados pessoais do usuário (histórico de
navegação e downloads, por exemplo) seja configurado através dos itens Ferramentas,
Opções, Segurança que estão disponíveis a partir da barra de menus.
• ( ) Certo
( ) Errado
3 - CESGRANRIO - 2013 - BR Distribuidora - Técnico de Administração e Controle
Júnior
Na internet, para visualização de sites, são usados programas navegadores, tais como o
• a) Adobe Reader
• b) Mozilla Firefox
• c) Office Publisher
225
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
• d) Outlook Express
• e) Windows Explorer
4 - CESPE - 2012 - Pefoce - Todos os Cargos
O serviço Firefox Sync do navegador Mozilla Firefox permite a sincronização de favoritos,
históricos de navegação, senhas, músicas e fotos de computadores diferentes ou até mesmo
de celular.
• ( ) Certo
( ) Errado
GABARITO
1-D
2-E
3-B
4-E
226
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
227
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Internet Explorer
Desenvolvido pela Microsoft e distribuído integrado ao Sistema Operacional Windows, o
Internet Explorer é um browser (programa navegador), que permite que o usuário visualize
páginas HTML disponível na Internet.
O Internet Explorer 11 é a versão mais recente do Internet Explorer que foi desenvolvido
pela Microsoft. É parte integrante do sistema operacional Windows 8. Tem duas distintas
apresentações, de acordo com a interface escolhida pelo usuário do sistema: na interface
Metro UI
Principais Conceitos
Barra de Endereços
A barra de endereços é local do navegador onde são digitados ou mostrados os endereços
eletrônicos dos sites que se deseja acessar. Você pode fazer pesquisas na Internet
diretamente da Barra de endereços dos navegadores modernos e escolher o mecanismo de
228
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
pesquisa a ser utilizado. Também é possível permitir que um mecanismo de pesquisa faça
sugestões de termos de pesquisa ou de resultados enquanto você digita.
Navegação por Guias
A navegação com guias é um recurso no nos navegadores modernos que permite a
abertura de vários sites em uma única janela do navegador. Você pode abrir páginas da
Web em novas guias, e alternar entre elas clicando nas guias que desejar exibir. Ao usar a
navegação com guias, você reduz potencialmente o número de itens exibidos na barra de
tarefas. Quando há várias páginas da Web abertas ao mesmo tempo, cada uma é exibida
em uma guia separada. Essas guias facilitam a alternância entre os sites abertos. Você pode
abrir uma guia clicando no botão Nova Guia à direita da guia aberta mais recentemente.
Central de
Favoritos
O Centro de favoritos é o local onde você pode gerenciar seus Favoritos, Feeds e Histórico.
Favoritos: Favoritos são links de páginas da Web que você pode adicionar ao seu navegador.
Feeds: Feeds são novos conteúdos baixados automaticamente de sites para que o RSS
assinado esteja sempre atualizado. Um feed, também conhecido como feed RSS, feed XML
ou conteúdo agregado, é o conteúdo de um site que pode ser fornecido automaticamente
para o navegador. Assinando um feed, você pode obter conteúdo atualizado, como notícias
recentes ou o seu blog favorito, sem ter que visitar o site.
Histórico: O Histórico traz os links visitados pelo usuário do computador em determinados
períodos de tempo. O IE organiza os links de acordo com os sites visitados, agrupando site
a site. O histórico NÃO guarda arquivo, ele é apenas uma listagem de links
Botão de Ferramentas
Botão Início
ou Página
Inicial
Barra de
Menus
Por padrão a
barra de
229
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
menu do Internet Explorer fica oculta, para ativar pasta pressionar o ALT da esquerda do
teclado.
Arquivo
Editar
Exibir
Favoritos
Ferramentas
230
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Ajuda
Principais Funções do
Menu
Arquivo
Nova Guia - Abre uma nova aba na janela selecionada do Internet Explorer.
Duplicar Guia - Cria outra guia com o conteúdo igual a que está aberta no momento.
231
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Nova janela - Abre uma nova janela do Internet Explorer com a mesma página que está
acessando no momento.
Nova Sessão - Abre uma nova janela do Internet Explorer.
Abrir – Abre uma caixa de dialogo solicitando um endereço de página a ser aberta.
Editar - Ele abre a janela no editor de arquivos HTML instalado no computador.
Salvar - Salva a página que está sendo exibida.
Salvar como... - Salva a página que está sendo exibida. Pode escolher entre salvar toda a
página (completa, inclusive com imagens), somente a página HTML, ou somente
o texto da página.
Fechar Guia - Fecha a guia aberta no momento.
Configurar Página.. - Abre a janela Configurar Página para que você possa efetuar alterações
nas configurações de impressão de seu documento.
Imprimir - Exibe a caixa de diálogo Imprimir, com opções de impressão.
Visualizar impressão - Mostra como a página exibida ficará quando for impressa.
Enviar – Opções para escolher como enviar a página esta sendo exibida para destinatária de
e-mail ou área de trabalho. Opções: Página por E-mail, Link por E-mail ou
Atalho para Área de Trabalho.
Importar e Exportar - Abre o Assistente de importação e exportação, de opções, favoritos,
histórico, senhas e outros dados de navegadores como o Microsoft Internet
Explorer ou Mozilla.
Propriedades - Abre uma janela de informação sobre a página acessada no momento.
Trabalhar Offline - Alterna entre os modos online e offline. O modo offline permite que
visualize páginas que já tenha visitado anteriormente sem a necessidade de estar conectado
à internet.
Sair - Fecha todas as janelas abertas.
Editar
Recortar – Esta fica sempre desabilitada.
232
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Copiar – Envia o conteúdo selecionar para área de transferência.
Colar – Cola o conteúdo da área de transferência.
Selecionar tudo - Seleciona todo o texto e outros itens da página.
Localizar nesta Página - Exibe a barra de ferramentas Localizar logo abaixo da barra de
Guias do Internet Explorer.
Exibir
Barras de ferramentas - Oculta ou exibe as barras de ferramentas na janela do Internet
Explorer.
Barra do Explorer - Oculta ou exibe as barras Favoritos, Histório e Feeds.
Ir Para - Através desta opção você pode Voltar para uma página acessada anteriormente,
Avançar para a pagina seguinte e voltar à Home Page (Página inicial).
Parar - Interrompe o carregamento da página que você está visitando.
Painel - O Painel pode exibir os seus favoritos ou o seu histórico.
Atualizar - Recarrega a página novamente em caso de algum problema.
Zoom - Caso a página exibida seja muito grande ou muito pequena, você pode alterá-la
para um tamanho mais confortável.
Tamanho do Texto - Permite que você selecione o tamanho do texto exibido na página do
site: Muito Grande, Grande, Médio, Pequeno e Muito Pequeno.
Codificação - Permite que você selecione manualmente a codificação de caracteres de uma
página.
Estilo - Personaliza o layout de navegação.
Navegação por cursor - é uma maneira mais simples de selecionar textos e se mover pelas
páginas da web, tudo através do seu teclado. Ao invés de utilizar o cursor do
mouse para selecionar texto e se mover, você pode usar as teclas de navegação do seu
teclado: Home, End, Page Up, Page Down, Enter, Backspace e as setas direcionais.
Código-fonte - Exibe o código-fonte do documento exibido. Códigos HTML
Política de Privacidade da Página da Web - Permitem visualizar quais paginas da internet
podem gerar cookies ou não
233
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Tela inteira - Alterna para o modo Tela inteira
Favoritos
Adicionar a Favoritos - Adiciona a página exibida aos seus Favoritos.
Adicionar à Barra de Favoritos - Adiciona a página aberta à barra de favoritos.
Adicionar Guias atuais a Favoritos - Adiciona todas as guias da janela exibida em uma nova
pasta dos Favoritos.
Organizar favoritos: Exibe a Biblioteca, uma janela onde você modificar seus favoritos.
Ferramentas
Excluir Histórico de navegação - Exclui (limpa) o histórico de acesso a sites.
Navegação InPrivate - Permite navegar na Web sem deixar vestígios no Internet Explorer.
Não gerando histórico, cookies ou arquivos temporários.
Reabrir Última Sessão de Navegação - Reabre a última janela fechada com a última página
de internet aberta.
Filtragem InPrivate - Ajuda a evitar que provedores de conteúdo de sites da web coletem
informações sobre os sites visitados.
Configurações da Filtragem InPrivate - Configura quais os sites que estão permitidos a
coletar informações sobre a navegação.
Bloqueador de Pop-ups: É um recurso do Internet Explorer que permite limitar ou bloquear
a maioria dos pop-ups.
Filtro SmartScreen: É um recurso no Internet Explorer que ajuda a detectar sites de phishing
software que solicitam preenchimento de formulários falsos para capturar as informações
do usuário.
Gerencias Complementos - Serve para habilitar/desabilitar ou até mesmo conferir os
complementos ou plugins do Internet Explorer.
Modo de Exibição de Compatibilidade: Se uma página não foi desenhada para o IE, mas
funcionam bem nas demais versões, ela pode não ser exibida corretamente no Internet
Explorer para resolver isso foi criado este item.
234
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Assinar este feed - Ao clicar nesta opção será oferecido conteúdos atualizados do site
atualmente acessado.
Windows Update – Acessa o site da Fabricante do Navegar a busca de novas atualizações
ou correções de falhas.
Opções da Internet
Geral:
Gerencia a
página
inicial,
Histórico de
navegação,
ferramentas
de pesquisa,
Guias/abas e
aparência do
navegador.
235
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Segurança: Gerencia os níveis de segurança na rede e permite personalizar a execução de
complementos e funcionalidades.
Privacidade: Gerencia
funcionalidades de
privacidade na rede:
Cookies e Pop-ups
Conteúdo: Gerencia
conteúdos com
visualização restrita
(Filtro dos Pais),
Certificados digitais,
Preenchimento
automático e Feeds
Conexões: Gerencia a
conexão com a Internet.
Permite configuração de
conexões para discagem
automática.
Programas: Gerencia os
programas padrões para
funcionamento na
Internet, o navegador
padrão e os
complementos
instalados e disponíveis.
Avançadas: Gerencia as
configurações avançadas
236
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
do navegador (para usuários experientes). Permite alterar detalhes de acessibilidade,
impressão, navegação, arquivos multimídia, pesquisa e segurança.
Outras Funções
Gerenciar Complementos
Os complementos de
navegador da Web
adicionam recursos extras
ao navegador, como
barras de ferramentas e
controles ActiveX. Diversos
complementos são préinstalados no navegador,
mas muitos são
provenientes da Internet.
Os complementos
geralmente exigem a sua
permissão para que sejam
instalados no computador.
Entretanto, alguns podem ser instalados sem o seu conhecimento. Isso pode acontecer se o
complemento for parte de outro programa que você tenha instalado.
Gerenciador de Downloads
O Gerenciador de Download lista os arquivos que você baixou da Internet, mostra onde eles
estão armazenados no computador e permite facilmente pausar downloads, abrir arquivos e
executar outras ações.
237
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Bloqueador de Pop-ups
O Bloqueador de Pop-ups limita ou bloqueia popups nos sites que você visita. Você pode
escolher o nível de bloqueio que prefere, ative ou desative o recurso de notificações quando
os pop-ups estão bloqueados ou criar uma lista de sites cujos pop-ups você não deseja
bloquear.
Do Not Track (Não Rastrear)
Rastreamento se refere à maneira como sites, provedores de conteúdo terceirizados,
anunciantes e outros ficam sabendo sobre o modo como você interage com sites. Eles
podem, por exemplo, monitorar as páginas que você visita, os links em que você clica e os
produtos que você compra ou avalia. Isso ajuda esses sites a oferecer conteúdo
personalizado como anúncios ou recomendações, mas também significa que a sua atividade
de navegação está sendo coletada e, muitas vezes, compartilhada com outras empresas.
Quando o recurso Do Not Track está ativado, o Internet Explorer envia uma solicitação Do
Not Track tanto para os sites que você visita como para os terceiros cujo conteúdo está
hospedado nesses sites. A solicitação Do Not Track informa a esses sites e provedores de
conteúdo que você prefere que sua atividade de navegação não seja rastreada.
Indicador de Página Segura
Existem pelo menos dois itens que podem ser visualizados na janela do seu browser, e que
significam que as informações transmitidas entre o browser e o site visitado estão sendo
criptografadas.
O primeiro pode ser visualizado no local onde o endereço do site é digitado. O endereço
deve começar com https:// (diferente do http:// nas conexões normais), onde o s antes do
sinal de dois-pontos indica que o endereço em questão é de um site com conexão segura e,
portanto, os dados serão criptografados antes de serem enviados.
A figura abaixo apresenta o primeiro item, indicando uma conexão segura
238
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O segundo item a ser visualizado corresponde a algum desenho ou sinal, indicando que a
conexão é segura.
Normalmente, o desenho mais adotado nos browsers recentes é de um "cadeado fechado",
apresentado na barra de status, na parte inferior da janela do browser (se o cadeado estiver
aberto, a conexão não é segura).
A figura abaixo apresenta desenhos dos cadeados fechados, indicando conexões seguras,
observados nas barras de status do Internet Explorer
Ao clicar sobre o cadeado, será exibida uma tela que permite verificar as informações
referentes ao certificado emitido para a instituição que mantém o site, bem como
informações sobre o tamanho da chave utilizada para criptografar os dados.
Teclas de Atalho
Para fazer isto
Adicionar o site atual aos
favoritos
Fechar a guia
Ir para a home page
Excluir o histórico de
navegação
Obter ajuda e suporte
Abrir o histórico de
navegação
Abrir uma nova guia
Abrir uma nova janela de
Pressione o seguinte no
Internet Explorer 11
Pressione o seguinte no Abrir o
Internet Explorer para área de
trabalho
Ctrl+D
Ctrl+D
Ctrl+W
(Não disponível)
Ctrl+W
Alt+Home
(Não disponível)
Ctrl+Shift+Delete
F1
F1
(Não disponível)
Ctrl+H
Ctrl+T
Ctrl+Shift+P
Ctrl+T
Ctrl+Shift+P
239
BR CONCURSO
Para fazer isto
Navegação InPrivate
Imprimir a página atual
Atualizar a página
Alternar entre guias
Exibir os comandos de
aplicativo (barra de
endereços, sites
frequentes, etc.)
Exibir os downloads
APOSTILA DIGITAL
Pressione o seguinte no
Internet Explorer 11
Pressione o seguinte no Abrir o
Internet Explorer para área de
trabalho
Ctrl+P
F5
Ctrl+Tab
Ctrl+P
F5
Ctrl+Tab
Alt+D
(Não disponível)
Ctrl+J
Ctrl+J
Pesquisar
Para fazer isto
Pressione o seguinte no
Internet Explorer 11
Abrir uma consulta de
pesquisa na barra de
Ctrl+E
endereços
Abrir uma consulta de
(não disponível)
pesquisa em uma nova guia
Abrir a barra de endereços
(para exibir o histórico, os
Ctrl+Seta para baixo
favoritos e os provedores de
pesquisa)
Pesquisar usando texto
Ctrl+Shift+L
copiado
Pressione o seguinte no Abrir o
Internet Explorer para área de
trabalho
Ctrl+E
Alt+Enter
Ctrl+Seta para baixo
Ctrl+Shift+L
Aplicar zoom
Para fazer Pressione o seguinte no
isto
Internet Explorer 11
Ampliar (+
Ctrl+Sinal de adição
10%)
Reduzir (Ctrl+Sinal de subtração
10%)
Aplicar zoom
Ctrl+0
de 100%
Pressione o seguinte no Abrir o
Internet Explorer para área de trabalho
Ctrl+Sinal de adição
Ctrl+Sinal de subtração
Ctrl+0
240
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
241
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Chrome
O Google Chrome é um navegador desenvolvido pelo Google e compilado com base em
componentes de código aberto e sua estrutura de desenvolvimento de aplicações
(Framework). Em menos de dois anos de uso, o Google Chrome já era o terceiro navegador
mais usado do mundo, atrás apenas do Internet Explorer e Mozilla Firefox. Em outubro de
2010, cerca de 8,50% dos usuários de Internet do mundo mantiveram o Google Chrome
como seu navegador principal.
Atualmente, o Chrome é o navegador mais utilizado no mundo, com 49,18% dos usuários
de Desktop, contra 22,62% do Internet Explorer e 19,25% do Mozilla Firefox, segundo a
StatCounter. O nome do navegador deriva do término usado para o marco da interface
gráfica do usuário ("chrome").
Principais Conceitos
Navegação por Guias
A navegação com guias é um recurso que permite a abertura de vários sites em uma única
janela do navegador. Você pode abrir páginas da Web em novas guias, e alternar entre elas
clicando nas guias que desejar exibir. Ao usar a navegação com guias, você reduz
potencialmente o número de itens exibidos na barra de tarefas.
242
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Gerenciador de favoritos
Você pode ver e organizar seus favoritos na
guia do Gerenciador de favoritos da
Biblioteca. Para abrir a guia "Gerenciador de Favoritos”, clique no botão Personalizar e
Controlar , ao lado direito da Barra de Endereço, e selecione a opção Favoritos –
Gerenciador de Favoritos.
Histórico
O Histórico traz os links visitados pelo usuário do computador em determinados períodos
de tempo. O Google Chrome organiza os links de acordo com os sites visitados, agrupando
site a site. O histórico NÃO guarda arquivos, ele é apenas uma listagem de links.
Barra de Endereço
Na Barra de Endereço pode ser também utilizada como Campo de Pesquisa.
Campo de Endereço
Como campo de Endereço você pode navegar para uma nova página da web digitando seu
endereço ou URL na Barra de Endereço. URLs normalmente começam com "http://" seguido
de um ou mais nomes que identificam o endereço.
243
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Navegação Anônima
Quando você
navega na
web, o Google
Chrome
guarda
informações para você - sites que você visitou, arquivos que você baixou e muito mais. No
entanto, pode haver momentos em que você não quer que outros usuários tenham acesso a
tais informações. Por exemplo, se você compartilha um computador com alguém e quer lhe
comprar um presente de aniversário.
A Navegação Anônima permite-lhe navegar na Internet sem guardar qualquer informação
sobre os sites e páginas que você visitou.
A Navegação Anônima não o torna indetectável na Internet. O fornecedor de serviços
internet, entidade patronal, ou os próprios sites ainda podem localizar as páginas que você
visitou.
Extensões
As extensões ou complementos (add-ons) do Google Chrome são pequenos pedaços de
programas que adicionam novas características ou funcionalidades ao navegador. As
extensões podem incrementar o Google Chrome com novos sistemas de busca, dicionários
de língua estrangeira, ou mudar a aparência do Google Chrome.
Através dos complementos, você pode customizar o Google Chrome para encontrar suas
necessidades e gostos.
244
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Downloads
A opção Downloads mantém o usuário informado dos arquivos que você baixou ao usar o
Google Chrome, incluindo arquivos que você abre e salva os arquivos em seu computador.
O Downloads exibe informações sobre cada download, como o nome do arquivo, tempo
restante para o download está completo, onde o arquivo foi baixado, e o tempo ou a data
do download. Por padrão, o gerenciador de downloads será exibido um histórico de
downloads do passado até que você limpe a lista.
Configurações
Na guia de Configurações do Google Chrome o usuário pode realizar, entre outras funções:
Configurar uma conta de acesso Google, definir padrões de inicialização, ajustar aparência e
pesquisar, alterar configurações de Privacidade, Idiomas, Downloads e Sistema.
245
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Principais Símbolos e Ícones
Voltar e Avançar
Botões usados para
realizar as ações de
“Voltar” e “Avançar” entre
o histórico de páginas
navegadas. O botão
“Voltar” fica disponível quando você sai da página inicial e vai para uma outra página,
permitindo que o usuário possa retornar a página anterior. O Botão “Avançar” fica disponível
quando o usuário “Volta” de uma página acessada, permitindo ao usuário avançar para a
página de onde voltou.
Recarregar
Atualiza o conteúdo da página atualmente exibida, é o famoso F5
246
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Página Inicial
Carrega a página inicial configurada no Google Chrome na guia atual e, caso aja mais de
uma página inicial configurada no Chrome, elas serão abertas em outras abas
Favoritos
A estrela branca indica que a página atualmente exibida não faz parte dos favoritos do
Google Chrome. Ao clicar na estrela branca a página atual é automaticamente inserida
como favorito e a estrela dourada passará a ser sempre exibida para esse site.
Indicador de Página Segura
Existem pelo menos dois itens que podem ser visualizados na janela do seu browser, e que
significam que as informações transmitidas entre o browser e o site visitado estão sendo
criptografadas.
O primeiro pode ser visualizado no local onde o endereço do site é digitado. O endereço
deve começar com https:// (diferente do http:// nas conexões normais), onde o s antes do
sinal de dois-pontos indica que o endereço em questão é de um site com conexão segura e,
portanto, os dados serão criptografados antes de serem enviados.
A figura abaixo apresenta o primeiro item, indicando uma conexão segura
O segundo item a ser
visualizado corresponde a algum desenho ou sinal, indicando que a conexão é segura.
Normalmente, o desenho mais adotado nos browsers recentes é de um "cadeado fechado",
apresentado na barra de status, na parte inferior da janela do browser (se o cadeado estiver
aberto, a conexão não é segura).
A figura abaixo apresenta desenhos dos cadeados fechados, indicando conexões seguras,
observados nas barras de status do Internet Explorer
Ao clicar sobre o cadeado, será exibida uma tela que permite verificar as informações
referentes ao certificado emitido para a instituição que mantém o site, bem como
informações sobre o tamanho da chave utilizada para criptografar os dados.
247
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Teclas de Atalho
Atalhos de guias e
janelas
Windows
Ctrl+N
Abre uma nova janela.
Ctrl+T
Abre uma nova guia.
Ctrl+Shift+N
Abre uma nova janela no modo
de navegação anônima.
Pressionar Ctrl+O e, em seguida, selecionar arquivo.
Abre um arquivo do seu
computador no Google
Chrome.
Pressionar Ctrl e clicar em um link. Ou clicar em um link com o
botão do meio do mouse (ou rolar o mouse).
Abre o link em uma nova guia
em segundo plano.
Pressionar Ctrl+Shift e clicar em um link. Ou pressionar Shift e
clicar em um link com o botão do meio de seu mouse (ou rolar
o mouse).
Abre o link em uma nova guia
e alterna para a guia recémaberta.
Pressionar Shift e clicar em um link.
Abre o link em uma nova
janela.
Ctrl+Shift+T
Reabre a última guia que você
fechou. O Google Chrome
lembra as dez últimas guias
fechadas.
Arrastar um link para uma guia.
Abre o link na guia.
Arrastar um link para uma área em branco na barra de guias.
Abre o link em uma nova guia.
Arrastar uma guia para fora da barra de guias.
Abre a guia em uma nova
janela.
Arrastar uma guia para fora da barra de guias e em uma janela
já existente.
Abre a guia na janela já
existente.
Pressionar Esc ao arrastar uma guia.
Retorna a guia para sua
posição original.
Ctrl+1 a Ctrl+8
Alterna para a guia no número
de posição especificado na
barra de guias.
Ctrl+9
Alterna para a última guia.
Ctrl+Tab ou Ctrl+PgDown
Alterna para a próxima guia.
248
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Ctrl+Shift+Tab ou Ctrl+PgUp
Alterna para a guia anterior.
Alt+F4 ou Ctrl + Shift + W
Fecha a janela atual.
Ctrl+W ou Ctrl+F4
Fecha a guia ou pop-up atual.
Clicar em uma guia com o botão do meio do mouse (ou rolar o
mouse).
Fecha a guia em que você
clicou.
Clicar com o botão direito do mouse ou clicar e manter
pressionada a seta "Voltar" ou "Avançar" na barra de
ferramentas do navegador.
Exibe seu histórico de
navegação na guia.
Pressionar Backspace ou Alt e a seta para esquerda ao mesmo
tempo.
Vai para a página anterior no
seu histórico de navegação da
guia.
Pressionar Shift+Backspace ou Alt e a seta para a direita ao
mesmo tempo.
Vai para a próxima página no
seu histórico de navegação da
guia.
Pressionar Ctrl e clicar na seta "Voltar", na seta "Avançar" ou no
botão "Ir" na barra de ferramentas. Ou clicar em um dos botões
com o botão do meio do mouse (ou rolar o mouse).
Abre o destino do botão em
uma nova guia em segundo
plano.
Clicar duas vezes na área em branco na barra de guias.
Maximiza ou minimiza a janela.
Alt+Home
Abre sua página inicial na
janela atual.
Linux
Ctrl+N
Abre uma nova janela.
Ctrl+T
Abre uma nova guia.
Ctrl+Shift+N
Abre uma nova janela no modo de
navegação anônima.
Pressionar Ctrl+O e, em seguida, selecionar arquivo.
Abre um arquivo do seu computador
no Google Chrome.
Pressionar Ctrl e clicar em um link. Ou clicar em um
link com o botão do meio do mouse (ou rolar o
mouse).
Abre o link em uma nova guia em
segundo plano.
Pressionar Ctrl+Shift e clicar em um link. Ou
pressionar Shifte clicar em um link com o botão do
meio de seu mouse (ou rolar o mouse).
Abre o link em uma nova guia e
alterna para a guia recém-aberta.
Pressionar Shift e clicar em um link.
Abre o link em uma nova janela.
Ctrl+Shift+T
Reabre a última guia que você fechou.
O Google Chrome lembra as dez
249
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
últimas guias fechadas.
Arrastar um link para uma guia.
Abre o link na guia.
Arrastar um link para uma área em branco na barra
de guias.
Abre o link em uma nova guia.
Arrastar uma guia para fora da barra de guias.
Abre a guia em uma nova janela.
Arrastar uma guia para fora da barra de guias e em
uma janela já existente.
Abre a guia na janela já existente.
Pressionar Esc ao arrastar uma guia.
Retorna a guia para sua posição
original.
Ctrl+1 a Ctrl+8
Alterna para a guia no número de
posição especificado na barra de
guias.
Ctrl+9
Alterna para a última guia.
Ctrl+Tab ou Ctrl+PgDown
Alterna para a próxima guia.
Ctrl+Shift+Tab ou Ctrl+PgUp
Alterna para a guia anterior.
Ctrl+Shift+Q
Fecha o Google Chrome.
Ctrl+W ou Ctrl+F4
Fecha a guia ou pop-up atual.
Clicar em uma guia com o botão do meio do mouse
(ou rolar o mouse).
Fecha a guia em que você clicou.
Clicar com o botão direito do mouse ou clicar e
manter pressionada a seta "Voltar" ou "Avançar" na
barra de ferramentas do navegador.
Exibe seu histórico de navegação na
guia.
Pressionar Alt e a seta para a esquerda ao mesmo
tempo.
Vai para a página anterior no seu
histórico de navegação da guia.
Pressionar Alt e a seta para a direita ao mesmo
tempo.
Vai para a próxima página no seu
histórico de navegação da guia.
Clicar na seta "Voltar", na seta "Avançar" ou no botão
"Ir" na barra de ferramentas com o botão do meio do
mouse (ou rolar o mouse).
Abre o destino do botão em uma
nova guia em segundo plano.
Clicar duas vezes na área em branco na barra de
guias.
Maximiza ou minimiza a janela.
Atalhos de recursos do Google Chrome
Windows
Alt+F ou Alt+Eo
Abre o menu do Google Chrome
, que permite personalizar e controlar as
250
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
u F10
configurações do Chrome.
Ctrl+Shift+B
Ativa e desativa a barra de favoritos.
Ctrl+H
Abre a página "Histórico".
Ctrl+J
Abre a página "Downloads".
Ctrl+Shift+Esc
Abre o "Gerenciador de tarefas".
Shift+Alt+T
Define o foco na primeira ferramenta da barra de ferramentas do navegador.
Você pode usar os seguintes atalhos para se mover na barra de ferramentas:
Pressione Tab, Shift+Tab, Home, End, seta para a direita e seta para a
esquerda para mover o foco para diferentes itens na barra de ferramentas.
Pressione Espaço ou Enter para ativar os botões da barra de ferramenta,
incluindo ações da página e do navegador.
Pressione Shift+F10 para acessar qualquer menu de contexto associado (por
exemplo, o histórico de navegação do botão "Voltar").
Pressione Esc para mudar o foco da barra de ferramentas de volta à página.
•
•
•
•
•
F6 ou Shift+F6 •
•
•
Muda o foco para o próximo painel acessível pelo teclado. Os painéis incluem:
Destaca o URL na barra de endereço
Barra de favoritos (se visível)
O conteúdo principal da Web (incluindo qualquer barra de informações)
Barra de downloads (se visível)
Ctrl+Shift+J
Abre as ferramentas do desenvolvedor.
Ctrl+Shift+Delet
Abre a caixa de diálogo "Limpar dados de navegação".
e
F1
Abre a Central de Ajuda em uma nova guia (nosso favorito).
Ctrl+Shift+M
Alternar entre vários usuários.
Linux
Alt+F
Abre o menu "Ferramentas", que permite personalizar e controlar as
configurações no Google Chrome.
Ctrl+Shift+B
Ativa e desativa a barra de favoritos.
Ctrl+H
Abre a página "Histórico".
Ctrl+J
Abre a página "Downloads".
Shift+Esc
Abre o "Gerenciador de tarefas".
Ctrl+Shift+J
Abre as ferramentas do desenvolvedor.
Ctrl+Shift+Del
ete
Abre a caixa de diálogo "Limpar dados de navegação".
251
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
F1
Abre a Central de Ajuda em uma nova guia (nosso favorito).
Ctrl+Shift+M
Alternar entre vários usuários.
Atalhos da barra de endereço
Digitar um termo de pesquisa e
pressionar Enter.
Executa uma pesquisa usando seu mecanismo de
pesquisa padrão.
Digitar a palavra-chave de um mecanismo de
Executa uma pesquisa usando o mecanismo de
pesquisa, pressionar Espaço, digitar um
pesquisa associado à palavra-chave.
termo de pesquisa e pressionar Enter.
Começar a digitar o URL de um mecanismo
de pesquisa, pressionar Tab quando for
solicitado, digitar um termo de pesquisa e
pressionar Enter.
Executa uma pesquisa usando o mecanismo de
pesquisa associado ao URL.
Ctrl+Enter
Adiciona www. e .com para a entrada na barra de
endereços e abre o URL resultante.
Digitar um URL e pressionar Alt+Enter.
Abre o URL em uma nova guia.
Ctrl+L ou Alt+D
Destaca o URL.
Ctrl+K ou Ctrl+E
Coloca um "?" na barra de endereço. Digite um
termo de pesquisa após o ponto de interrogação
para realizar uma pesquisa usando seu
mecanismo de pesquisa padrão.
Pressionar Ctrl e a seta para a esquerda ao
mesmo tempo.
Move seu cursor para o termo-chave anterior na
barra de endereço
Pressionar Ctrl e a seta para a direita ao
mesmo tempo.
Move seu cursor para o próximo termo-chave na
barra de endereço
Ctrl+Backspace
Exclui o termo-chave antes do cursor na barra de
endereço
Selecionar uma entrada no menu suspenso
da barra de endereço com as setas de seu
teclado e pressionar Shift+Delete.
Exclui a entrada do seu histórico de navegação, se
for possível.
Clicar em uma entrada no menu suspenso da
Abre a entrada em uma nova guia em segundo
barra de endereço com o botão do meio do
plano.
mouse (ou rolar o mouse).
Pressionar Page Up ou Page Down quando
o menu suspenso da barra de endereço
estiver visível.
Seleciona a primeira ou a última entrada no menu
suspenso.
252
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Linux
Digitar um termo de pesquisa e
pressionar Enter.
Executa uma pesquisa usando seu mecanismo de
pesquisa padrão.
Digitar a palavra-chave de um mecanismo de
pesquisa, pressionar Espaço, digitar um termo
de pesquisa e pressionar Enter.
Executa uma pesquisa usando o mecanismo de
pesquisa associado à palavra-chave.
Começar a digitar o URL de um mecanismo de
pesquisa, pressionar Tab quando for
Executa uma pesquisa usando o mecanismo de
solicitado, digitar um termo de pesquisa e
pesquisa associado ao URL.
pressionar Enter.
Ctrl+L
Destaca o URL.
Ctrl+K ou Ctrl+E
Coloca um "?" na barra de endereço. Digite um
termo de pesquisa após o ponto de interrogação
para realizar uma pesquisa usando seu
mecanismo de pesquisa padrão.
Pressionar Ctrl+Shift e a seta para a esquerda Move seu cursor para o termo-chave anterior na
ao mesmo tempo.
barra de endereço
Pressionar Ctrl+Shift e a seta para a direita ao Move seu cursor para o próximo termo-chave na
mesmo tempo.
barra de endereço
Exclui o termo-chave antes do cursor na barra de
endereço
Ctrl+Backspace
Selecionar uma entrada no menu suspenso da
Exclui a entrada do seu histórico de navegação,
barra de endereço com as setas de seu teclado
se for possível.
e pressionar Shift+Delete.
Clicar em uma entrada no menu suspenso da
barra de endereço com o botão do meio do
mouse (ou rolar o mouse).
Abre a entrada em uma nova guia em segundo
plano.
Pressionar Page Up ou Page Down quando o
menu suspenso da barra de endereço estiver
visível.
Seleciona a primeira ou a última entrada no
menu suspenso.
Atalhos de páginas da Web
Windows
Ctrl+P
Imprime sua página atual.
Ctrl+S
Salva sua página atual.
253
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
F5 ou Ctrl+R
Recarrega sua página atual.
Esc
Interrompe o carregamento de sua página atual.
Ctrl+F
Abre a barra "Localizar".
Ctrl+G ou F3
Localiza a próxima correspondência para sua entrada na barra
de localização.
Ctrl+Shift+G, Shift+F3 ouShif
t+Enter
Localiza a correspondência anterior para sua entrada na barra
de localização.
Clicar no botão do meio do
mouse (ou rolar o mouse).
Ativa o rolamento automático. Conforme você movimenta o
mouse, a página rola automaticamente de acordo com a
direção do mouse.
Ctrl+F5 ou Shift+F5
Recarrega sua página atual, ignorando o conteúdo armazenado
em cache.
Pressionar Alt e clicar em um
link.
Faz download do destino do link.
Ctrl+U
Abre o código-fonte da página atual.
Arrastar um link para a barra de
Salva o link como um favorito.
favoritos
Ctrl+D
Salva a página da Web atual como um favorito.
Ctrl+Shift+D
Salva todas as páginas abertas como favoritos em uma nova
pasta.
F11
Abre sua página no modo de tela cheia.
Pressione F11 novamente para sair desse modo.
Ctrl e + ou pressionar Ctrl e
rolar o mouse para cima.
Aumenta tudo na página.
Ctrl e - ou pressionar Ctrl e
rolar o mouse para baixo.
Diminui tudo na página.
Ctrl+0
Tudo da página volta ao tamanho normal.
Barra de espaço
Rola a página da Web para baixo.
Home
Vai para a parte superior da página.
End
Vai para a parte inferior da página.
Pressionar Shift e rolar o
mouse.
Rola a página na direção horizontal.
Linux
Ctrl+P
Imprime sua página atual.
254
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Ctrl+S
Salva sua página atual.
Ctrl+R
Recarrega a página atual.
Esc
Interrompe o carregamento de sua página atual.
Ctrl+F
Abre a barra "Localizar".
Ctrl+G ou Enter
Localiza a próxima correspondência para sua entrada na
barra "Localizar".
Ctrl+Shift+G ou Shift+Enter
Localiza a correspondência anterior da sua entrada na
barra "Localizar".
Pressionar Alt e clicar em um link.
Faz download do destino do link.
Ctrl+U
Abre o código-fonte da página atual.
Arrastar um link para a barra de
favoritos
Salva o link como um favorito.
Ctrl+D
Salva a página da Web atual como um favorito.
Ctrl+Shift+D
Salva todas as páginas abertas como favoritos em uma
nova pasta.
F11
Abre sua página no modo de tela cheia.
Pressione F11 novamente para sair desse modo.
Ctrl e + ou pressionar Ctrl e rolar o
mouse para cima.
Aumenta tudo na página.
Ctrl e - ou pressionar Ctrl e rolar o
mouse para baixo.
Diminui tudo na página.
Ctrl+0
Tudo da página volta ao tamanho normal.
Barra de espaço
Rola a página da Web para baixo.
Home
Vai para a parte superior da página.
End
Vai para a parte inferior da página.
Atalhos de texto
Windows e Linux
Ctrl+C
Copia o conteúdo realçado na área de transferência.
Ctrl+V ou Shift+Insert
Cola o conteúdo da área de transferência.
Ctrl+Shift+V
Cola o conteúdo da área de transferência sem formatação.
Ctrl+X ou Shift+Delete
Exclui o conteúdo realçado e o copia na área de transferência
255
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Busca e Pesquisa na Internet
Os motores de busca surgiram logo após o aparecimento da Internet, com a intenção de
prestar um serviço extremamente importante: a busca de qualquer informação na rede,
apresentando os resultados de uma forma organizada, e também com a proposta de fazer
isto de uma maneira rápida e eficiente.
A partir deste preceito básico, diversas empresas se desenvolveram, chegando algumas a
valer milhões de dólares.
Entre as maiores empresas encontram-se o Google, o Yahoo, o Bing, o Lycos, o Cadê e, mais
recentemente, a Amazon.com com o seu mecanismo de busca A9 porém inativo.
Os buscadores se mostraram imprescindíveis para o fluxo de acesso e a conquista novos
visitantes.
O Google Search é, atualmente, o site de busca mais famoso, eficaz e visitado da web. Mas
será que todo mundo sabe como fazer buscas eficientes no Google? A partir desta pergunta
decidimos trazer-lhes algumas informações relevantes sobre como usar a busca
do Google da melhor maneira.
Por exemplo: você sabia que é possível saber o horário local das principais cidades do
mundo pelo Google? Sabia que também é possível consultar a previsão do tempo,
converter moedas ou fazer contas matemáticas? Pois é, estas são apenas algumas de muitas
outras ferramentas que o Google oferece.
Conteúdo entre aspas: o comando “entre aspas” efetua a busca pela ocorrência exata de
tudo que está entre as aspas, agrupado da mesma forma.
Sinal de subtração: este comando procura todas as ocorrências que você procurar, exceto
as que estejam após o sinal de subtração. É chamado de filtro (ex: baixaki -download)
256
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
OR (ou): OR serve para fazer uma pesquisa alternativa. No caso de “Carro (vermelho OR
verde)” (sem as aspas), Google irá procurar Carro vermelho e Carro verde. É necessário usar
os parênteses e OR em letra maiúscula.
Asterisco coringa: utilizar o asterisco entre aspas o torna um coringa. (ex: café * leite:
Google buscará ocorrências de café + qualquer palavra + leite.
Define: comando para procurar definições de qualquer coisa na internet (define:abacate).
Info: info serve para mostrar as informações que o Google tem sobre algum site
(info:www.brasi.com.br).
Palavra-chave + site: procura certa palavra dentro de um site específico (download
site:www.brasi.com.br).
Link: procura links externos para o site especificado (ex: link:www.brasi.com.br).
Intitle: restringe os termos da busca aos títulos dos sites (ex: intitle:eu ja fui).
Allinurl: restringe os termos da busca às URL dos sites (ex: allinurl:cachorro).
Time: pesquisa o horário das principais cidades do mundo (ex: time:new york).
Weather: pesquisa a previsão do tempo para as principais cidades do mundo (ex:
weather:tokyo).
Calculadora: serve para efetuar contas matemáticas com o Google (ex: 10 / 2).
Conversão de moedas: serve para comparar o atual valor de duas moedas (ex: 7 dollar in
real).
Conversão de temperatura: converte temperatura em Celsius para Fahreinheit (ex: 140 C in
F).
Conversão de distâncias: utilizada para ver a correspondente distância em diferentes
medidas (ex: 100 miles in kilometers).
Conversão de velocidade: comando para converter medidas de velocidade (ex: 48 kph to
mph).
Find a business: procure lojas ou restaurantes em certa cidade. (não disponível para o
Brasil) (ex: shopping, Chicago).
Movie: comando para procurar por títulos de filmes (ex: movie: Batman).
Director: o comando director serve para descobrir o nome de um diretor de certo filme (ex:
director braveheart).
Barra de Pesquisa do Google
257
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O Google possui a ferramenta “estou com sorte” há muito tempo, este recurso basicamente
leva você para o primeiro resultado da pesquisa.
O Google define que o primeiro resultado é o mais “relevante” para o que você está
procurando, porém este recurso gera um custo de oportunidade muito grande pois quem
clica no “estou com sorte” normalmente não visualiza os anúncios presentes nos resultados
da busca e não gera receita para o Google através dos anunciantes.
Uma das ferramentas do Google permite que o usuário faça pesquisas de voz pelo
computador, em português.
Basta acessar o ícone
258
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Responda
1 - IBFC - 2014 - PC-SE - Escrivão Substituto
Na pesquisa avançada do Google, temos como padrão, condições de limitar os resultados
de pesquisa por:
I. tipo de arquivo
II. tamanho da página
III. idioma
Estão corretos os itens:
• a) I e II
• b) II e III.
• c) I e III
• d) todos os itens
2 - VUNESP - 2014 - SP-URBANISMO - Assistente Técnico - Planejamento
O site de buscas www.google.com é um dos mais utilizados para realização de buscas na
internet e é o buscador padrão de alguns navegadores. Outra opção de site de buscas é o
site ____________.
Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna do texto.
• a) www.iexplorer.exe
• b) www.vunesp.com.br
• c) www.bing.com
• d) www.facebook.com
• e) ftp.chrome.com
259
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
3 - VUNESP - 2014 - SP-URBANISMO - Assistente Administrativo
O site de buscas www.google.com é um dos mais utiliza- dos para realização de buscas na
internet e é o buscador padrão de alguns navegadores. Outra opção de site de buscas é o
site______________.
Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna do texto.
• a) www.iexplorer.exe
• b) www.vunesp.com.br
• c) www.bing.com
• d) www.facebook.com
• e) ftp.chrome.com
4 - FGV - 2014 - BNB - Analista Bancário
Em certas situações, a caixa de busca para o Google mostra-se como na figura abaixo.
Nesse caso, o ícone
indica que a pesquisa:
• a) se refere a termos de busca previamente gravados num arquivo;
• b) ficará restrita à localização de vídeos e arquivos de áudio;
• c) ficará restrita aos sites do país onde o computador está conectado;
• d) será realizada por meio de protocolos seguros, criptografados;
• e) será determinada por comando de voz.
GABARITO
1-C
2-C
3-C
4- E
260
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Email
E-Mail ou Correio Eletrônico é um serviço disponível na Internet que possibilita o envio e o
recebimento de mensagens de texto ("mails").
Surgido em 1965 aproximadamente, o serviço de troca de mensagens eletrônicas permite
que pessoas situadas em localidades diversas troquem mensagens simples ou mensagens
com arquivos anexos, de maneira fácil e rápido. Porém, para que a troca de dados,
mensagens ocorra sem erros é necessário que:
O Emissor e o Receptor (Remetente e Destinatários) tenham um endereço de correio
eletrônico que pode ser, hoje, criado gratuitamente por meio de provedores de e-mail.
Vejamos alguns:
Gmail da Google: [email protected]
Hotmail: [email protected] / [email protected]
Yahoo: [email protected] / [email protected]
Utilizar um software para enviar, receber e ler as mensagens de correio eletrônico, que pode
ser um Browser (Navegador) ou Gerenciador de Contas de Correio, como o Microsoft
Outlook Express.
Protocolos
Protocolos são regras de comunicação úteis para que a troca de informações seja realizada
com sucesso.
261
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
POP (Post Office Protocol) / POP3 – Este protocolo é usada para transferir, copiar
(download) mensagens de correio de uma conta do Servidor para a máquina do usuário.
Exemplo: pop.servidorweb.com.br
O POP portanto é usado no recebimento de mensagens de e-mail. A porta de comunição é
110.
SMTP (Simple Message Transfer Protocol / Protocolo de Transferência de Mensagens
Simples) – Já este, tem o objetivo de transferir as mensagens do computador do usuário
para um servidor de correio da Web. Exemplo: smtp.servidorweb.com.br.
Portanto, o SMTP é usado para enviar mensagens de e-mail. A porta de comunicação é 25.
IMAP (Internet Message Access Protocol / Protocolo de Acesso à mensagens da
Internet) – É um protocolo superior ao POP3. Atualmente, se encontra na versão IMAP4. O
interessante, é que, este protocolo permite que o usuário acesse suas mensagens de
qualquer computador usando qualquer sofrware, Outlook ou Internet Explorer.
Diferentemente do POP ou POP3, o IMAP não copia as mensagens do servidor para a
máquina do usuário, apesar de que, é possível, por meio de configuração, realizar a
transferência local. A Porta de comunicação do IMAP é 993 ou 995.
WebMail
O WebMail é
uma aplicação
acessada
diretamente na
Internet, sem a
necessidade de usar um programa de correio eletrônico. Praticamente todos os e-mails
possuem aplicações para acesso direto na Internet. É grande o número de provedores que
oferecem correio eletrônico gratuitamente, mais os 3 mais populares no mundo são:
262
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
» Outlook – http://www.outlook.com (Antigo Hotmail)
» GMail – http://www.gmail.com
» Yahoo – http://www.yahoo.com.br
Para criar seu e-mail basta visitar o endereço do provedor desejado e seguir as instruções
do site.
Outro importante fator a ser observado é o tamanho máximo permitido por anexo onde
atualmente a maioria já oferece em média 20 a 25 Mb.
Além de caixa postal os provedores costumam oferecer serviços de agenda e contatos.
A figura abaixo mostra a interface dos principais e-mails gratuitos.
263
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Programas de Email
Os gerenciadores de contas de correio eletrônico são software específicos para o Envio e
recebimento de mensagens de e-mail. Pos principais são:
264
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
MICROSOFT OUTLOOK que acompanha o pacote de aplicativos Office da Microsoft (Word,
Excel, PowerPoint, Access). Possui diversas ferramentas como:
- Agenda de Compromissos
- Lista de Contatos
- Tarefas
- Calendário
É o mais completo programa de correio da Microsoft e para usá-lo, é necessário realizar as
configurações necessárias de protocolo de correio.
MICROSOFT OUTLOOK EXPRESS é uma versão compacta do Microsoft Outlook. Possui
ferramenta de Contatos. O software vem acompanhado do Sistema Operacional Windows.
MOZILLA THUNDERBIRD é um software alternativo para quem não quer usar o Outlook
ou também para que é usuário Linux. O Thunderbird da empresa Mozilla pode ser instalado
nas plataformas de Sistemas Windows da Microsoft ou Linux (software livre). Não há
incompatibilidade na troca de mensagens entre Outlook e Thunderbird ou vice-versa. E
também, para que ele seja usado, é necessário realizar configurações específicas dos
protocolos de correio.
Microsoft Outlook
O Microsoft Outlook é um cliente de e-mail, integrante do Microsoft Office. Diferentemente
do Outlook Express, que é usado basicamente para receber e enviar e-mail, o Microsoft
Outlook além das funções de e-mail, ele é um calendário completo, onde você pode
agendar seus compromissos diários, semanais e mensais.
Ele traz também um rico gerenciador de contatos, onde você pode além de cadastrar o
nome e e-mail de seus contatos, todas as informações relevantes sobre os mesmos, como
endereço, telefones, Ramo de atividade, detalhes sobre emprego, Apelido, etc.
265
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Oferece também um Gerenciador de tarefas, as quais você pode organizar em forma de
lista, com todos os detalhes sobre determinada atividade a ser realizada. Conta ainda com
um campo de anotações, onde ele simula aqueles post-its, papeis amarelos pequenos
autoadesivos. Utilizado geralmente no sistema operacional Windows.
266
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Automaticamente o Outlook realiza a conexão com seu servidor de e-mails e a configuração
da sua conta.
Outras
Funções
Pesquise
Localize
mensagens
de e-mail,
anexos,
compromissos do calendário e contatos de forma ainda mais rápida através da pesquisa
avançada para poder se comunicar com as pessoas certas sem perder tempo.
Filtros rápidos e comandos de contexto
Descubra como os filtros e os comandos de contexto aceleram os processos. Com um único
clique, veja instantaneamente o conteúdo do calendário de hoje, da próxima semana ou do
próximo mês. Escolha entre as várias formas de filtrar, organizar e trabalhar com o e-mail.
Cartão de Pessoas
Integre vários contatos em uma única vista com todas as informações de contato dessa
pessoa (incluindo atualizações da rede social) para identificar o contexto social das pessoas
mais rapidamente e remover duplicações desnecessárias.
Conectores sociais
267
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Mantenha-se informado. Obtenha automaticamente atualizações de pessoas nas redes
sociais em que você mais confia, como o LinkedIn, o Facebook, etc.
Interface
Modo de exibição Backstage ou Guia Arquivo
Quando você clicar na Guia Arquivo,
verá os mesmos comandos básicos
disponíveis nas versões anteriores do
Microsoft Office para abrir, salvar e imprimir arquivos, além de novos comandos como
Concluir e Publicar. Essa guia que contém todas as operações com arquivos é também
conhecida como Modo de Exibição Backstage.
268
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Essa opção apresenta um espaço centralizado para todas as tarefas de gerenciamento de
arquivos, incluindo salvar, compartilhar, imprimir, publicar e a nova opção exportar, que
permite a criação de arquivos portáveis como o PDF.
Painel de Pastas
Painel de Navegação
269
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Painel de Leitura
Barra de
Status
Exibe uma
série de
informações
a respeito da
apresentação
em edição
como: Indicador de Slide, Tema utilizado e outros, além de permitir alterar o modo de
visualização e o nível de zoom do documento.
Ícones e Funções
270
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Exibe Detalhes/Propriedades do
documento atual. Apresenta as
funcionalidades: Otimizar Compatibilidade, Tamanho e Desempenho de Mídia, Proteger
Documento e Versões.
Salva o email ativo/aberto.
Exibe tela com opções para salvar o email
ativo em um local diferente do atual, com
nome diferente do atual ou com tipo de arquivo diferente do atual.
Exibe uma lista dos arquivos anexados a
mensagem, permitindo que o usuário
posso escolher o local de destino do download do anexo.
Imprimir (Ctrl + P) - Chama o modo de
impressão, responsável por configurar a
impressão e imprimir o documento atual.
Permite realizar o login com uma conta
Microsoft para acessar documentos de
forma online e utilizar as ferramentas online do Office. Exibe as informações de atualização
e da licença ativa do Office.
Exibe as opções para realizar os ajustes:
Geral, Email, Calendário, Pessoas, Tarefas,
Pesquisar, Idioma, Avançado, Personalizar Faixa de Opções, Barra de Ferramentas de Acesso
Rápido, Suplementos e Central de Confiabilidade.
271
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Outros ícones importantes
Responda
1 - CESPE - 2014 - MTE - Contador
No Microsoft Outlook 2013, o cartão de visita reúne os principais detalhes de um contato,
como telefone, e-mail e endereço, bem como permite ao usuário enviar uma mensagem
instantânea, fazer uma chamada ou agendar uma reunião.
• ( ) Certo
( ) Errado
2 - FCC - 2013 - Sergipe Gás S.A. - Assistente Técnico Administrativo - RH
Roberto utiliza o Microsoft Office Outlook para enviar e receber e-mails e para baixar os emails de sua conta de e-mail corporativa para o computador de sua residência, de forma
que ele possa ler posteriormente os e-mails baixados sem estar conectado à Internet.
Quando recebe spam e e-mails que não lhe interessam na Caixa de Entrada, ele os seleciona
e pressiona a tecla Delete para excluí-los. Os e-mails excluídos são então enviados para a
pasta Itens Excluídos, mas não são apagados de fato do computador. Certo dia, Roberto
excluiu por engano um e-mail importante de sua Caixa de Entrada. Dias depois, notou a
falta do e-mail e o encontrou na pasta Itens Excluídos.
Para devolver o e-mail para sua pasta Caixa de Entrada, Roberto deve clicar com o botão
direito do mouse sobre o e-mail excluído, selecionar a opção ...... e, em seguida, selecionar a
opção referente à pasta Caixa de Entrada.
A palavra que preenche corretamente a lacuna é
• a) Desfazer
• b) Mover
• c) Enviar para
• d) Encaminhar
272
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
• e) Reverter
GABARITO
1-C
2-B
Outlook Express
Muitas vezes existe uma certa confusão quando nos referimos ao Outlook Express somente
como Outlook. São dois aplicativos diferentes, embora eles executem a mesma função.
A principal diferença entre esses dois aplicativos é que um grátis e o outro é pago.
O Outlook Express faz parte do sistema operacional Windows e é grátis enquanto o Outlook
faz parte do pacote Office dependendo da versão adquirida.
Muitas pessoas acham que o Outlook Express é uma versão básica do Microsoft Outlook, o
que não procede. O Outlook Express permite, gerir diversas contas em diversas entidades e
oferece aos grupos de discussão facilidades não proporcionadas pelo Microsoft Outlook.
Portanto o Outlook Express pode ser atá mais capaz que o Microsoft Outlook, exceto em
duas situações, que podem ser relevantes apenas para uma pequena parte dos usuários.
1.Pessoas que utilizam o aplicativo numa empresa que possui internamente
servidores de correio eletrônico da Microsoft, podem ser obrigados pelo
administrador a migrar para o Outlook.
2.Aqueles que desejam fazer uso de agenda eletrônica na gestão do correio
eletrônico.
273
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Para todas as outras utilizações o Outlook Express desempenha seu papel de maneira
excelente, independente do volume de dados que tratam.
É muito mais fácil realizar cópias de segurança, pois no Outlook Express usa-se um arquivo
em disco para cada pasta, contrário do que realiza o Outlook, que junta todo o conteúdo de
todas as pastas em um único arquivo, pouco interessante em termos de cópias de
segurança parciais e incrementais.
Outra vantagem é que o Outlook Express é instalado automaticamente ao se instalar o
Internet Explorer, pois é parte integrante dele.
Importante
O Outlook Express não está mais disponível e não tem mais suporte da Microsoft. Ou seja,
na versão do Windows 7 e Windows 8 ele não existe!
Mozilla Thunderbird
Mozilla Thunderbird é um cliente de email que permite a você gerenciar várias contas de
email diretamente no sue computador. Com isso, não é necessário abrir seu email no
navegador e ficar lidando com problemas de lentidão na conexão com a internet.
Por ser um cliente de emails local, o Mozilla Thunderbird permite a você compor mensagens
e ler o que você recebeu mesmo que a web não esteja ajudando, já que ele se conecta
apenas para receber e enviar seus emails de uma forma mais passiva.
274
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O Mozilla Thunderbird é mais indicado para quem precisa cuidar de muitas contas de email
de servidores diferentes. Por exemplo, você pode ter duas contas Gmail, uma Outlook.com e
uma Yahoo!. Eventualmente, problemas para conectar todas elas a uma só vão acontecer
por conta das várias incompatibilidades. No Thunderbird, isso não acontece, já que ele é
desenvolvido justamente para lidar com essas diferenças.
Para começar a usar o Mozilla Thunderbird, você deve primeiro terminar a instalação no
modo rápido (nenhum software adicional entra no pacote neste caso) e, quando ele estiver
iniciado, uma janela de boas vindas será mostrada e você deve clicar em “Ignorar e usar um
email existente”. Em seguida, você terá que digitar o seu endereço de email, sua senha e
confirmar a operação em “Continuar” na próxima tela.
Diferente de
outros clientes de
email, o Mozilla
Thunderbird
consegue
identificar todas
as configurações
necessárias
automaticamente,
275
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
evitando que você precise digitar detalhes de servidores e domínios.
Complementos
Um dos grandes diferenciais dos produtos da família Mozilla sempre foi a possibilidade de
estender as suas funções por meio de complementos. Com o Thunderbird não poderia ser
diferente! Inclusive o aplicativo disponibiliza um gerenciador para as extensões em sua
própria interface.
Principais botões
Não possui diferença para os demais programas de e-mail.
Abas de mensagens
Abas de mensagens é um novo recurso que permite que as mensagens, pastas, resultados
de pesquisa e até mesmo algum conteúdo web seja exibido em abas dentro de uma única
janela do Thunderbird. Semelhante a navegação por abas do Firefox, várias mensagens
podem ser exibidas sem abrir várias janelas de mensagens do Thunderbird.
276
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Sistema de busca
O mecanismo de busca do aplicativo é integrado ao do Windows. Logo, você pode
selecionar filtros de pesquisa para escolher quais tipos de resultado você deseja que sejam
exibidos (conteúdo de mensagens e notícias, por exemplo). Vale lembrar que esse tipo de
mecanismo faz com que os resultados demorem um pouco mais para ser exibidos.
Além disso, se você necessita realizar as mesmas pesquisas constantemente, o Thunderbird
tem por padrão salvar o histórico de suas buscas, para que possam ser acessadas
rapidamente no futuro.
Segurança da informação
As informações digitais estão sujeitas a uma série de ameaças (intencionais ou não) que lhes
conferem uma situação de “não confiável”.
A segurança da informação trata justamente dos conceitos, técnicas e recursos que
conseguem diminuir essa fragilidade, dando níveis de confiabilidade altos às informações
digitais.
Princípios Básicos da Segurança da Informação
Disponibilidade
É a garantia de que os sistemas e as informações de um computador estarão disponíveis
quando necessário.
Confidenciabilidade
É a capacidade de controlar quem vê as informações e sob quais condições. Assegurar que
a informação só será acessível por pessoas explicitamente autorizadas.
Autenticidade
Permite a verificação da identidade de uma pessoa ou agente externo de um sistema. É a
confirmação exata de uma informação.
Integridade
277
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Princípio em que as informações e dados serão guardados em sua forma original evitando
possíveis alterações realizadas por terceiros.
Auditoria
É a possibilidade de rastrear os diversos passos que o processo realizou ou que uma
informação foi submetida, identificando os participantes, locais e horários de cada etapa.
Exame do histórico dos eventos dentro de um sistema para determinar quando e onde
ocorreu violação de segurança.
Privacidade
Capacidade de controlar quem viu certas informações e quem realizou determinado
processo para saber quem participou, o local e o horário.
Legalidade
É a garantia de legalidade de uma informação de acordo com a legislação vigente.
Não Repúdio
Não há como "dizer não" sobre um sistema que foi alterado ou sobre um dado recebido.
Responda
1 - FUNIVERSA - 2015 - SEGPLAN-GO - Auxiliar de Autópsia
O princípio da segurança da informação que se refere a manter as informações protegidas
de acessos não autorizados é chamado de princípio da
• a) autenticidade.
• b) disponibilidade.
• c) integridade.
• d) confidencialidade.
• e) irretratabilidade.
278
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
GABARITO
1-D
Ameaças
Uma ameaça acontece quando há uma ação sobre uma pessoa ou sobre um processo
utilizando uma determinada fraqueza e causa um problema ou consequência. Sendo assim,
são caracterizados como divulgação ruim, usurpação, decepção e rompimento.
As ameaças podem ter origem natural, quando surgem de eventos da natureza, como
terremotos ou enchentes; podem ser involuntárias, como falta de energia ou erros causados
por pessoas desconhecidas; ou se tratam de ameaças voluntárias em que hackers e
bandidos acessam os computadores no intuito de disseminar vírus e causar danos.
Tipos de Ameaça
Ameaça Inteligente: Situação em que seu adversário possui capacidade técnica e
operacional para fazer uso de algo vulnerável no sistema;
Ameaça de Análise: Após uma análise poderão descobrir as possíveis consequências da
ameaça a um sistema.
Principais Ameaças ao Sistema de Informação: incêndio, problemas na eletricidade, erros no
hardware e software, alterações em programas, furto de dados, invasão ao terminal de
acesso, dificuldades de telecomunicação, etc.
Ataques
Um ataque pode ser decorrente de um furto a um sistema de segurança no intuito de
invadir sistemas e serviços. Ele pode ser dividido em ativo, passivo e destrutivo;o ativo muda
os dados, o passivo libera os dados e o destrutivo proíbe qualquer acesso aos dados. Para
que um ataque seja considerado bem sucedido o sistema atacado deve estar vulnerável.
Tipos de Ataque
279
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Malware, adware, cavalo de Troia e spyware
O termo malware é proveniente do termo em inglês MALicious software. Trata-se de um
software destinado a se infiltrar em um computador alheio de forma ilícita, com o intuito de
causar algum dano ou roubo de informações (confidenciais ou não).
Vírus de computador, worms, cavalos de Troia e spywares são considerados malware.
Adwares trazem propagandas sem autorização
Adware vem do inglês ad = anuncio + software = programa, e são programas que exibem
propagandas e anúncios sem a autorização do usuário, tornando o computador e a conexão
lentos. Normalmente, assumem o formato de pop-up – aquelas janelas incômodas que
abrem a todo instante enquanto se navega em determinado site.
Cavalo de Tróia invade o computador disfarçado
O cavalo de Tróia ou Trojan Horse é um tipo programa malicioso que pode entrar em um
computador disfarçado como um programa comum e legítimo. Ele serve para possibilitar a
abertura de uma porta de forma que usuários com más intenções possam invadir o PC.
Seu nome surgiu devido à história da Guerra de Troia e que culminou com a destruição
dessa cidade.
O cavalo de Troia, feito de madeira, fora supostamente oferecido como um pedido de paz
por parte dos gregos. Sendo um presente para o rei, os troianos levaram o cavalo para
dentro das muralhas da cidade.
Durante a noite, quando todos dormiam, este revelou-se uma armadilha e os soldados
gregos que se escondiam dentro da estrutura oca de madeira do cavalo saíram e abriram os
portões para que todo o exército entrasse e queimasse a cidade.
Assim como na história, um Trojan se passa por um programa que simula alguma
funcionalidade útil quando de fato ele esconde um programa que pode causar malefícios
aos computadores e seus usuários, como abrir portas e possibilitar invasões ou roubar
senhas de usuário. A principal forma de propagação destes é pela internet, onde são
oferecidos como ferramentas com funções úteis – ou até mesmo vitais – para os
computadores.
280
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Spywares espionam para coletar informações
Spywares são programas espiões, isto é, sua função é coletar informações sobre uma ou
mais atividades realizadas em um computador. Existem muitos spywares de má índole,
criados para coletar informações pessoais e, com elas, praticar atividades ilegais. Entretanto,
nem todos são assim. Por exemplo: existem empresas de anúncio que se utilizam de
spywares para, de forma legal, coletar informações de seus assinantes, com vistas a
selecionar o tipo de anúncio que irão lhes apresentar.
O fato é que não existe um modo de saber qual spyware é bom e qual é mau. O critério
para se proteger é sempre desconfiar. Um spyware não-prejudicial só será instalado
mediante a autorização do usuário. Um spyware maligno, porém, irá se instalar sem que o
usuário perceba.
Scam
O scam (ou "golpe") é qualquer esquema ou ação enganosa e/ou fraudulenta que,
normalmente, tem como finalidade obter vantagens financeiras.
Apresentamos duas situações envolvendo este tipo de fraude, sendo que a primeira
situação se dá através de páginas disponibilizadas na Internet e a segunda através do
recebimento de e-mails. Observe que existem variantes para as situações apresentadas e
outros tipos de scam. Além disso, novas formas de scam podem surgir, portanto é muito
importante que você se mantenha informado sobre os tipos de scam que vêm sendo
utilizados pelos fraudadores, através dos veículos de comunicação, como jornais, revistas e
sites especializados.
Os vírus são programas maliciosos desenvolvidos para infectar um sistema e realizar cópias
de si mesmo para se espalhar por computadores de uma rede local ou mundial, utilizando
diversos meios, como: E-Mail, CD, DVD, HD, PenDrive, e muitos outros.
Um arquivo infectado por um vírus de computador pode ser recuperado por meio de
softwares Anti-Virus. Através deste mesmo software de proteção é possível, também,
detectar um arquivo contaminado antes que o mesmo seja executado no computador.
Denial Of Service (DOS)
Ataque que consiste em sobrecarregar um servidor com uma quantidade excessiva de
solicitações de serviços. Há muitas variantes, como os ataques distribuídos de negação de
serviço (DDoS). Nessa variante, o agressor invade muitos computadores e instala neles um
software zumbi, como o Tribal Flood Network ou o Trinoo. Quando recebem a ordem para
iniciar o ataque, os zumbis bombardeiam o servidor-alvo, tirando-o do ar.
281
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Smurf
O Smurf é outro tipo de ataque de negação de serviço. O agressor envia uma
rápida seqüência de solicitações de Ping(um teste para verificar se um servidor da Internet
está acessível) para um endereço de broadcast. Usando spoofing, o cracker faz com que o
servidor de broadcast encaminhe as respostas não para o seu endereço, mas para o da
vítima. Assim, o computador-alvo é inundado pelo Ping.
Sniffing
O sniffer é um programa ou dispositivo que analisa o tráfego da rede. Sniffers são úteis para
gerenciamento de redes. Mas nas mãos de hackers, permitem roubar senhas e outras
informações sigilosas.
Spoofing
É a técnica de se fazer passar por outro computador da rede para conseguir acesso a um
sistema. Há muitas variantes, como o spoofing de IP. Para executá-lo, o invasor usa um
programa que altera o cabeçalho dos pacotes IP de modo que pareçam estar vindo de outra
máquina.
Métodos de proteção de dados digitais
Criptografia
É a codificação de uma informação usando um código secreto. Os métodos mais seguros e
eficientes, baseiam-se no uso de Chaves. Chave é uma sequencia de caracteres, que pode
conter letras, dígitos e símbolos (como uma senha), e que é convertida em número, usados
para Codificar e Descodificar as informações.



autenticar a identidade de usuários;
autenticar e proteger o sigilo de comunicações pessoais e de transações comerciais
e bancárias;
proteger a integridade de transferências eletrônicas de fundos.
Criptografia de Chave Única
A criptografia de chave única utiliza a mesma chave tanto para codificar quanto para
decodificar mensagens. Apesar deste método ser bastante eficiente em relação ao tempo de
processamento, ou seja, o tempo gasto para codificar e decodificar mensagens, tem como
principal desvantagem a necessidade de utilização de um meio seguro para que a chave
282
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
possa ser compartilhada entre pessoas ou entidades que desejem trocar informações
criptografadas.
Criptografia de Chave Pública e Privada
A criptografia de chaves pública e privada utiliza duas chaves distintas, uma para codificar e
outra para decodificar mensagens. Neste método cada pessoa ou entidade mantém duas
chaves: uma pública, que pode ser divulgada livremente, e outra privada, que deve ser
mantida em segredo pelo seu dono. As mensagens codificadas com a chave pública só
podem ser decodificadas com a chave privada correspondente.
Seja o exemplo, onde José e Maria querem se comunicar de maneira sigilosa. Então, eles
terão que realizar os seguintes procedimentos:




José codifica uma mensagem utilizando a chave pública de Maria, que está
disponível para o uso de qualquer pessoa;
Depois de criptografada, José envia a mensagem para Maria, através da Internet;
Maria recebe e decodifica a mensagem, utilizando sua chave privada, que é apenas
de seu conhecimento;
Se Maria quiser responder a mensagem, deverá realizar o mesmo procedimento,
mas utilizando a chave pública de José.
Certificado digital
É um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição para comprovação
de identidades. São armazenados no computador, em mídia, exemplo token ou smart card.
Exemplos de Certificados digitais: CPF, RG, CPF e a Carteira de Habilitação de uma pessoa.
O objetivo da assinatura digital no certificado é indicar que uma outra entidade (a
Autoridade Certificadora) garante a veracidade das informações nele contidas.
Alguns exemplos típicos do uso de certificados digitais são:



quando você acessa um site com conexão segura, como por exemplo o acesso a sua
conta bancária pela Internet (vide Parte IV: Fraudes na Internet), é possível checar se
o site apresentado é realmente da instituição que diz ser, através da verificação de
seu certificado digital;
quando você consulta seu banco pela Internet, este tem que se assegurar de sua
identidade antes de fornecer informações sobre a conta;
quando você envia um e-mail importante, seu aplicativo de e-mail pode utilizar seu
certificado para assinar "digitalmente" a mensagem, de modo a assegurar ao
destinatário que o e-mail é seu e que não foi adulterado entre o envio e o
recebimento.
Antivírus
283
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Os antivírus são programas de computador concebidos para prevenir, detectar e eliminar
vírus de computador.
Existe uma grande variedade de produtos com esse intuito no mercado, e a diferença entre
eles está nos métodos de detecção, no preço e nas funcionalidades.
Para o usuário doméstico, existe a opção de utilizar um antivírus gratuito ou um pago. A
diferença está nas camadas a mais de proteção que a versão paga oferece, além do suporte
técnico realizado por equipe especializada.
Antispywares eliminam adwares também
Um antispyware é um software de segurança que tem o objetivo de detectar e remover
adwares e spywares. A principal diferença de um anti-spyware de um antivírus é a classe de
programas que eles removem. Adwares e spywares são consideradas áreas “cinza”, pois nem
sempre é fácil determinar o que é um adware e um spyware.
Muitos antivírus já incorporam detecção de spyware e adware, mas um antispyware
específico ainda faz parte da programação de segurança da maioria dos usuários.
Firewall controla tráfego da rede
Firewall em português é o mesmo que parede corta-fogo, um tipo de parede, utilizada
principalmente em prédios, e que contém o fogo em casos de incêndio. O firewall da
informática faz jus ao nome, funcionando de maneira análoga ao mecanismo de contenção
de fogo. Ao invés de barrar o avanço deste, age interceptando e impedindo a difusão de
conexões não autorizadas e/ou nocivas em uma rede.
Um firewall trabalha controlando o tráfego em uma rede, usando para isso um conjunto de
regras. Ele determina qual o conteúdo poderá trafegar pela rede, bem como as conexões
que serão aceitas ou negadas. Se, por exemplo, um hacker tentar acessar a rede, ou até
mesmo um único computador ligado à internet, e há um firewall configurado
adequadamente, o acesso dele será interceptado e bloqueado. O mesmo vale para os
worms, pragas que utilizam a rede para se disseminarem.
284
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Os firewalls podem se apresentar sob duas formas: software e hardware. A primeira, mais
comum, são programas que o usuário instala na máquina para realizar o controle das
conexões, tanto as que entram, como as que saem.
Já sob a forma de hardware, temos equipamentos específicos que reforçam a segurança de
uma rede. Esses geralmente são empregados em redes de grande porte, principalmente em
empresas que necessitam de mais segurança a suas máquinas, uma vez que são
equipamentos nem um pouco baratos.
Embora utilizar os dois tipos seja o ideal para reforçar a segurança de uma rede, dispor de
um bom software e navegar com cautela pela Internet são medidas triviais que ajudarão, e
muito, a impedir que o computador — ou rede — seja invadido por um hacker
Responda
1 - FGV - 2015 - TJ-BA - Técnico Judiciário
Os criminosos virtuais, também chamados de hackers, atacam computadores conectados à
internet para roubar informações ou danificar o computador. Para protegê-lo, utiliza-se um
software ou hardware que verifica as informações vindas da internet, conforme ilustrado na
figura a seguir.
O software ou hardware utilizado para rejeitar
ou permitir que informações da internet entrem
no computador é o:
• a) firewall;
• b) cavalo de tróia (trojan);
• c) anti-spyware;
• d) certificado digital;
• e) anti-vírus.
GABARITO
285
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
1-A
Backup
Cópia de segurança é a transferência de dados de um dispositivo de armazenamento para
outro dispositivo.
Exemplo: de um HD para outro HD, de um CD para um DVD, do PC para o PenDrive.
Existem regras para se realizar uma cópia de segurança:
Tipos de dispositivos para Backup:
- HD (Disco Rígido – Winchester)
- PenDrive
- CD
- DVD
- BluRay
- HD-DVD
- Fitas DAT (Fitas Magnéticas)
Antes de se realizar uma cópia de segurança, é necessário observar os seguintes itens:
- Frequência em que serão realizados os backup e suas restaurações;
- Quantidade de Dados que serão armazenados;
- Capacidade dos dispositivos de armazenamentos;
- Número de backups que serão realizados por dia.
Tipos de backup

Backup Total (Full): É a cópia total dos dados de um dispositivo para outro.
286
BR CONCURSO

APOSTILA DIGITAL
Backup Incremental: É a cópia mais rápida de dados de um dispositivo para outro.
Neste caso só são copiados os arquivos que foram modificados depois do último
backup, seja o TOTAL (Full) ou Parcial.

Backup Diferencial: é a cópia de arquivos que foram modificados/alterados desde o
último backup total. Para restaurar é necessário, no entanto, o último backup total e
o último backup diferencial.
Também podemos citar:
Backup diário: Copia todos os arquivos selecionados pelo usuário esse é o mais simples.
Esses arquivos podem aparecem em provas com o termo "Desmarcado" porque os arquivos
não são marcados por terem sido copiados.
Backup normal: Backup normal copia todos os arquivos selecionados e os marca como
arquivos que passaram por backup.
Aplicativos para backup
No Windows existe uma ferramenta que pode ser utilizada para realização de cópias de
segurança.
Clique em Menu Iniciar, Painel de Controle para ter acesso a todas as opções de
configurações do Windows. Depois de aberto, clique em "Fazer backup do computador" no
menu Sistema e Segurança como mostrado na imagem abaixo.
287
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Na janela de configuração de backups do Windows irá aparecer uma mensagem:
"O Backup do Windows não foi configurado" por padrão, indicando que esta é a primeira
vez que essa opção é acessada. Clique em "Configurar backup" ao lado da mensagem para
iniciar o processo, lembrando que é necessário ter privilégios de administrador para realizar
essa opção.
288
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
A tela seguinte pede que seja inserido um dispositivo externo para realizar o backup, o que
pode ser desde um pendrive até um disco rígido externo. O Windows exige essa opção pois
caso a partição utilizada dê problema os dados continuarão seguros em outro lugar.
Arquivos de backup realizados no Windows tem a extensão .BKF. (Backup File – Arquivo de
Backup)
Windows 8
Em versões anteriores do Windows, era possível usar Backup e Restauração para fazer
backup de arquivos ou criar e usar um disco de backup ou de reparo da imagem do sistema.
O Windows 8 fornece opções sobre como você pode recuperar seu computador e fazer
backup de arquivos pessoais.
289
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Redefinir ou restaurar o computador
Se o seu computador apresentar algum problema, você poderá atualizar o Windows sem
perder seus arquivos pessoais. Você também pode reiniciar restaurando as configurações
originais de fábrica.
Fazer backup ou restaurar arquivos
Você pode usar o Histórico de Arquivos para fazer backup dos arquivos existentes no
computador e localizados nas pastas Documentos, Música, Imagens, Vídeos e Área de
Trabalho. Com o tempo, o Histórico de Arquivos cria um histórico dos seus arquivos.
Primeiro, é preciso configurar uma unidade Histórico de Arquivos e ativá-la. Se os arquivos
originais forem perdidos, danificados ou excluídos, você poderá restaurar todos eles.
Também é possível procurar e restaurar as diferentes versões de arquivos.
Usar Backup de Imagem de Sistema
Você pode usar o Backup de Imagem de Sistema tal como fazia na versão anterior do
Windows.
Para abrir o Backup de Imagem de Sistema
1. Passe o dedo da borda direita da tela e toque em Pesquisar.
(Se você estiver usando um mouse, aponte para o canto inferior direito da tela, mova o
ponteiro do mouse para cima e clique em Pesquisar.)
2. Digite Histórico de Arquivos na caixa de pesquisa, toque ou clique em Histórico de
Arquivos e então clique em Backup de Imagem de Sistema.
Responda
1 - AOCP - 2012 - BRDE - Assistente Administrativo
A segurança das informações é algo muito importante na informática, por isso nos dias
atuais a utilização de rotinas de backup tem aumentado. Ao contrário do que muitos
pensam que backup é apenas copiar e colar em um outro local, existem alguns tipos de
backup, e cada um tem suas características. Assinale a alternativa correta a respeito dos
tipos de backup.
290
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
• a) O Backup incremental copia os arquivos criados ou alterados desde o último
backup sequencial. Não marca os arquivos como arquivos que passaram por backup.
• b) O Backup diário copia apenas os arquivos criados no dia em que o backup é
executado.
• c) O Backup diferencial copia os arquivos criados ou alterados desde o último
backup normal ou incremental.
• d) O Backup incremental copia apenas arquivos criados desde o último backup
normal.
• e) O Backup diferencial copia apenas arquivos criados desde o último backup
incremental.
2 - FCC - 2011 - TRE-AP - Técnico Judiciário
Em relação aos tipos de backup, é correto afirmar que o Backup Incremental
• a) é uma cópia extraída diariamente, contendo todos os incrementos que ocorreram
no sistema operacional.
• b) é uma cópia de segurança que incrementa todas as inclusões e alterações de
programas e configurações.
• c) é a cópia de segurança na qual são copiados somente os arquivos alterados
depois do último backup.
• d) copia todos os arquivos do sistema operacional, assinalando aqueles que foram
alterados.
• e) é programado para ser executado sempre que houver alteração nos dados
armazenados.
3 - FCC - 2010 - MPE-RN - Agente Administrativo
O utilitário de Backup do Windows XP grava as cópias de arquivos para proteger os dados
contra perda acidental, normalmente com a extensão
• a) .seg
• b) .cop
• c) .bks
291
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
• d) .bkp
• e) .bkf
GABARITO
1-C
2-C
3-E
292
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Legislações e Publicações Institucionais
LEGISLAÇÃO FEDERAL
Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988. Artigos 5°, 37 ao 41,
205 ao 214, 227 ao 229.
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se
aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta
Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude
de lei;
III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização
por dano material, moral ou à imagem;
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre
exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a
suas liturgias;
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades
civis e militares de internação coletiva;
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção
filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e
recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,
independentemente de censura ou licença;
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas,
assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua
violação;
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem
consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar
293
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial;
2015)
(Vide Lei nº 13.105, de
(Vigência)
XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de
dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas
hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução
processual penal;
(Vide Lei nº 9.296, de 1996)
XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as
qualificações profissionais que a lei estabelecer;
XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte,
quando necessário ao exercício profissional;
XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer
pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;
XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público,
independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente
convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade
competente;
XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter
paramilitar;
XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de
autorização, sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento;
XIX - as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvidas ou ter suas
atividades suspensas por decisão judicial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em
julgado;
XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado;
XXI - as entidades associativas, quando expressamente autorizadas, têm legitimidade
para representar seus filiados judicial ou extrajudicialmente;
XXII - é garantido o direito de propriedade;
XXIII - a propriedade atenderá a sua função social;
XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou
utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro,
ressalvados os casos previstos nesta Constituição;
XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de
propriedade particular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano;
294
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela
família, não será objeto de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua
atividade produtiva, dispondo a lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento;
XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou
reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar;
XXVIII - são assegurados, nos termos da lei:
a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à reprodução da
imagem e voz humanas, inclusive nas atividades desportivas;
b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das obras que criarem ou de
que participarem aos criadores, aos intérpretes e às respectivas representações sindicais e
associativas;
XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para
sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos
nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o
desenvolvimento tecnológico e econômico do País;
XXX - é garantido o direito de herança;
XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será regulada pela lei
brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais
favorável a lei pessoal do "de cujus";
XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor;
XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse
particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena
de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da
sociedade e do Estado; (Regulamento)
(Vide Lei nº 12.527, de 2011)
XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas:
a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra
ilegalidade ou abuso de poder;
b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e
esclarecimento de situações de interesse pessoal;
XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;
XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa
julgada;
XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;
295
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei,
assegurados:
a) a plenitude de defesa;
b) o sigilo das votações;
c) a soberania dos veredictos;
d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida;
XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação
legal;
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades
fundamentais;
XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena
de reclusão, nos termos da lei;
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a
prática da tortura , o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os
definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os
que, podendo evitá-los, se omitirem; (Regulamento)
XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis ou
militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático;
XLV - nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de
reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos
sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido;
XLVI - a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre outras, as seguintes:
a) privação ou restrição da liberdade;
b) perda de bens;
c) multa;
d) prestação social alternativa;
e) suspensão ou interdição de direitos;
XLVII - não haverá penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX;
b) de caráter perpétuo;
c) de trabalhos forçados;
296
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
d) de banimento;
e) cruéis;
XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a
natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;
XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;
L - às presidiárias serão asseguradas condições para que possam permanecer com
seus filhos durante o período de amamentação;
LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime
comum, praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito
de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;
LII - não será concedida extradição de estrangeiro por crime político ou de opinião;
LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente;
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;
LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são
assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;
LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos;
LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal
condenatória;
LVIII - o civilmente identificado não será submetido a identificação criminal, salvo nas
hipóteses previstas em lei;
(Regulamento)
LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se esta não for intentada
no prazo legal;
LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quando a defesa da
intimidade ou o interesse social o exigirem;
LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e
fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar
ou crime propriamente militar, definidos em lei;
LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados
imediatamente ao juiz competente e à família do preso ou à pessoa por ele indicada;
LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado,
sendo-lhe assegurada a assistência da família e de advogado;
LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis por sua prisão ou por seu
interrogatório policial;
297
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária;
LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade
provisória, com ou sem fiança;
LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento
voluntário e inescusável de obrigação alimentícia e a do depositário infiel;
LXVIII - conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado
de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de
poder;
LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não
amparado por habeas corpus ou habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou
abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de
atribuições do Poder Público;
LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:
a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em
funcionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou
associados;
LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma
regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das
prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania;
LXXII - conceder-se-á habeas data:
a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante,
constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter
público;
b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso,
judicial ou administrativo;
LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise a anular
ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade
administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo
comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência;
LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem
insuficiência de recursos;
LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, assim como o que ficar
preso além do tempo fixado na sentença;
298
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na forma da lei: (Vide Lei nº
7.844, de 1989)
a) o registro civil de nascimento;
b) a certidão de óbito;
LXXVII - são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas data, e, na forma da lei, os
atos necessários ao exercício da cidadania. (Regulamento)
LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração
do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
§ 1º As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação
imediata.
§ 2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros
decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em
que a República Federativa do Brasil seja parte.
§ 3º Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem
aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos
votos dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais. (Incluído
pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
(Atos aprovados na forma deste
parágrafo: DLG nº 186, de 2008, DEC 6.949, de 2009, DLG 261, de 2015, DEC 9.522, de
2018)
§ 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja criação
tenha manifestado adesão. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Seção I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os
requisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei; (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
299
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso
público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do
cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em
comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
III - o prazo de validade do concurso público será de até dois anos, prorrogável uma
vez, por igual período;
IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado
em concurso público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre
novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira;
V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo
efetivo, e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos,
condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de
direção, chefia e assessoramento; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical;
VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei
específica; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas
portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão;
IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a
necessidade temporária de excepcional interesse público;
X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art. 39
somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica, observada a iniciativa privativa
em cada caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem distinção de
índices; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) (Regulamento)
XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da
administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo
e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória,
percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra
natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo
Tribunal Federal, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos
Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder
Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e
o subsidio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e
300
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo
Tribunal Federal, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do
Ministério Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos; (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não
poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo;
XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o
efeito de remuneração de pessoal do serviço público; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados
nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores; (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos públicos são
irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150,
II, 153, III, e 153, § 2º, I; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando houver
compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso XI: (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
a) a de dois cargos de professor; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões
regulamentadas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 34, de 2001)
XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange autarquias,
fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e
sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público; (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas
de competência e jurisdição, precedência sobre os demais setores administrativos, na forma
da lei;
XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia e autorizada a instituição de
empresa pública, de sociedade de economia mista e de fundação, cabendo à lei
complementar, neste último caso, definir as áreas de sua atuação; (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
301
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
XX - depende de autorização legislativa, em cada caso, a criação de subsidiárias das
entidades mencionadas no inciso anterior, assim como a participação de qualquer delas em
empresa privada;
XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, serviços, compras e
alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure
igualdade de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam
obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da lei, o
qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à
garantia do cumprimento das obrigações. (Regulamento)
XXII - as administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios, atividades essenciais ao funcionamento do Estado, exercidas por servidores de
carreiras específicas, terão recursos prioritários para a realização de suas atividades e
atuarão de forma integrada, inclusive com o compartilhamento de cadastros e de
informações fiscais, na forma da lei ou convênio. (Incluído pela Emenda Constitucional nº
42, de 19.12.2003)
§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos
públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não
podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de
autoridades ou servidores públicos.
§ 2º A não observância do disposto nos incisos II e III implicará a nulidade do ato e a
punição da autoridade responsável, nos termos da lei.
§ 3º A lei disciplinará as formas de participação do usuário na administração pública direta e
indireta, regulando especialmente: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
I - as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral, asseguradas a
manutenção de serviços de atendimento ao usuário e a avaliação periódica, externa e
interna, da qualidade dos serviços; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a informações sobre atos de governo,
observado o disposto no art. 5º, X e XXXIII; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
III - a disciplina da representação contra o exercício negligente ou abusivo de cargo,
emprego ou função na administração pública. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19,
de 1998)
§ 4º - Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direitos
políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao
erário, na forma e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.
302
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 5º A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados por qualquer
agente, servidor ou não, que causem prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de
ressarcimento.
§ 6º As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de
serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a
terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.
§ 7º A lei disporá sobre os requisitos e as restrições ao ocupante de cargo ou emprego da
administração direta e indireta que possibilite o acesso a informações
privilegiadas. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 8º A autonomia gerencial, orçamentária e financeira dos órgãos e entidades da
administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato, a ser firmado entre
seus administradores e o poder público, que tenha por objeto a fixação de metas de
desempenho para o órgão ou entidade, cabendo à lei dispor sobre: (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
I - o prazo de duração do contrato;
II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, direitos, obrigações e
responsabilidade dos dirigentes;
III - a remuneração do pessoal."
§ 9º O disposto no inciso XI aplica-se às empresas públicas e às sociedades de economia
mista, e suas subsidiárias, que receberem recursos da União, dos Estados, do Distrito Federal
ou dos Municípios para pagamento de despesas de pessoal ou de custeio em
geral. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 10. É vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria decorrentes do art.
40 ou dos arts. 42 e 142 com a remuneração de cargo, emprego ou função pública,
ressalvados os cargos acumuláveis na forma desta Constituição, os cargos eletivos e os
cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 20, de 1998)
§ 11. Não serão computadas, para efeito dos limites remuneratórios de que trata o
inciso XI do caput deste artigo, as parcelas de caráter indenizatório previstas em
lei. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
§ 12. Para os fins do disposto no inciso XI do caput deste artigo, fica facultado aos Estados
e ao Distrito Federal fixar, em seu âmbito, mediante emenda às respectivas Constituições e
Lei Orgânica, como limite único, o subsídio mensal dos Desembargadores do respectivo
Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do
subsídio mensal dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, não se aplicando o disposto
303
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
neste parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais e Distritais e dos
Vereadores. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
Art. 38. Ao servidor público da administração direta, autárquica e fundacional, no exercício
de mandato eletivo, aplicam-se as seguintes disposições: (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital, ficará afastado de seu
cargo, emprego ou função;
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, emprego ou função,
sendo-lhe facultado optar pela sua remuneração;
III - investido no mandato de Vereador, havendo compatibilidade de horários,
perceberá as vantagens de seu cargo, emprego ou função, sem prejuízo da remuneração do
cargo eletivo, e, não havendo compatibilidade, será aplicada a norma do inciso anterior;
IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o exercício de mandato eletivo,
seu tempo de serviço será contado para todos os efeitos legais, exceto para promoção por
merecimento;
V - para efeito de benefício previdenciário, no caso de afastamento, os valores serão
determinados como se no exercício estivesse.
Seção II
DOS SERVIDORES PÚBLICOS
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998)
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão, no âmbito
de sua competência, regime jurídico único e planos de carreira para os servidores da
administração pública direta, das autarquias e das fundações públicas. (Vide ADIN nº 2.1354)
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de
política de administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores designados
pelos respectivos Poderes.
1998)
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de
(Vide ADIN nº 2.135-4)
§ 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais componentes do sistema
remuneratório observará: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes
de cada carreira; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
II - os requisitos para a investidura; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
III - as peculiaridades dos cargos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
304
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas de governo para a
formação e o aperfeiçoamento dos servidores públicos, constituindo-se a participação nos
cursos um dos requisitos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a celebração de
convênios ou contratos entre os entes federados. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
§ 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o disposto no art. 7º, IV, VII,
VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos
diferenciados de admissão quando a natureza do cargo o exigir. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os
Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado
em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio,
verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o
disposto no art. 37, X e XI. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios poderá estabelecer
a relação entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos, obedecido, em
qualquer caso, o disposto no art. 37, XI. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
§ 6º Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publicarão anualmente os valores do
subsídio e da remuneração dos cargos e empregos públicos. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
§ 7º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios disciplinará a
aplicação de recursos orçamentários provenientes da economia com despesas correntes em
cada órgão, autarquia e fundação, para aplicação no desenvolvimento de programas de
qualidade e produtividade, treinamento e desenvolvimento, modernização,
reaparelhamento e racionalização do serviço público, inclusive sob a forma de adicional ou
prêmio de produtividade. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em carreira poderá ser fixada
nos termos do § 4º. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
Art. 40. Aos servidores titulares de cargos efetivos da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, é assegurado regime de
previdência de caráter contributivo e solidário, mediante contribuição do respectivo ente
público, dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas, observados critérios que
preservem o equilíbrio financeiro e atuarial e o disposto neste artigo. (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
305
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º Os servidores abrangidos pelo regime de previdência de que trata este artigo
serão aposentados, calculados os seus proventos a partir dos valores fixados na forma dos
§§ 3º e 17: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
I - por invalidez permanente, sendo os proventos proporcionais ao tempo de
contribuição, exceto se decorrente de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença
grave, contagiosa ou incurável, na forma da lei; (Redação dada pela Emenda Constitucional
nº 41, 19.12.2003)
II - compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição, aos 70
(setenta) anos de idade, ou aos 75 (setenta e cinco) anos de idade, na forma de lei
complementar;
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 88, de 2015)
III - voluntariamente, desde que cumprido tempo mínimo de dez anos de efetivo exercício
no serviço público e cinco anos no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria,
observadas as seguintes condições: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de
15/12/98)
a) sessenta anos de idade e trinta e cinco de contribuição, se homem, e cinqüenta e cinco
anos de idade e trinta de contribuição, se mulher; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 20, de 15/12/98)
b) sessenta e cinco anos de idade, se homem, e sessenta anos de idade, se mulher, com
proventos proporcionais ao tempo de contribuição. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 2º - Os proventos de aposentadoria e as pensões, por ocasião de sua concessão, não
poderão exceder a remuneração do respectivo servidor, no cargo efetivo em que se deu a
aposentadoria ou que serviu de referência para a concessão da pensão. (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 3º Para o cálculo dos proventos de aposentadoria, por ocasião da sua concessão,
serão consideradas as remunerações utilizadas como base para as contribuições do servidor
aos regimes de previdência de que tratam este artigo e o art. 201, na forma da lei. (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
§ 4º É vedada a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de
aposentadoria aos abrangidos pelo regime de que trata este artigo, ressalvados, nos termos
definidos em leis complementares, os casos de servidores: (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 47, de 2005)
I portadores de deficiência; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
II que exerçam atividades de risco; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de
2005)
306
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
III cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde
ou a integridade física. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
§ 5º - Os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão reduzidos em cinco anos, em
relação ao disposto no § 1º, III, "a", para o professor que comprove exclusivamente tempo
de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental
e médio. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 6º - Ressalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos acumuláveis na forma desta
Constituição, é vedada a percepção de mais de uma aposentadoria à conta do regime de
previdência previsto neste artigo. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de
15/12/98)
§ 7º Lei disporá sobre a concessão do benefício de pensão por morte, que será
igual: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
I - ao valor da totalidade dos proventos do servidor falecido, até o limite máximo
estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art.
201, acrescido de setenta por cento da parcela excedente a este limite, caso aposentado à
data do óbito; ou (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
II - ao valor da totalidade da remuneração do servidor no cargo efetivo em que se deu
o falecimento, até o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de
previdência social de que trata o art. 201, acrescido de setenta por cento da parcela
excedente a este limite, caso em atividade na data do óbito. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 41, 19.12.2003)
§ 8º É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter
permanente, o valor real, conforme critérios estabelecidos em lei. (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
§ 9º - O tempo de contribuição federal, estadual ou municipal será contado para efeito de
aposentadoria e o tempo de serviço correspondente para efeito de
disponibilidade. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 10 - A lei não poderá estabelecer qualquer forma de contagem de tempo de contribuição
fictício. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 11 - Aplica-se o limite fixado no art. 37, XI, à soma total dos proventos de inatividade,
inclusive quando decorrentes da acumulação de cargos ou empregos públicos, bem como
de outras atividades sujeitas a contribuição para o regime geral de previdência social, e ao
montante resultante da adição de proventos de inatividade com remuneração de cargo
acumulável na forma desta Constituição, cargo em comissão declarado em lei de livre
nomeação e exoneração, e de cargo eletivo. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de
15/12/98)
307
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 12 - Além do disposto neste artigo, o regime de previdência dos servidores públicos
titulares de cargo efetivo observará, no que couber, os requisitos e critérios fixados para o
regime geral de previdência social. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 13 - Ao servidor ocupante, exclusivamente, de cargo em comissão declarado em lei de
livre nomeação e exoneração bem como de outro cargo temporário ou de emprego
público, aplica-se o regime geral de previdência social. (Incluído pela Emenda Constitucional
nº 20, de 15/12/98)
§ 14 - A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, desde que instituam regime
de previdência complementar para os seus respectivos servidores titulares de cargo efetivo,
poderão fixar, para o valor das aposentadorias e pensões a serem concedidas pelo regime
de que trata este artigo, o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de
previdência social de que trata o art. 201. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de
15/12/98)
§ 15. O regime de previdência complementar de que trata o § 14 será instituído por lei
de iniciativa do respectivo Poder Executivo, observado o disposto no art. 202 e seus
parágrafos, no que couber, por intermédio de entidades fechadas de previdência
complementar, de natureza pública, que oferecerão aos respectivos participantes planos de
benefícios somente na modalidade de contribuição definida. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 41, 19.12.2003)
§ 16 - Somente mediante sua prévia e expressa opção, o disposto nos §§ 14 e 15 poderá ser
aplicado ao servidor que tiver ingressado no serviço público até a data da publicação do ato
de instituição do correspondente regime de previdência complementar. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)
§ 17. Todos os valores de remuneração considerados para o cálculo do benefício
previsto no § 3° serão devidamente atualizados, na forma da lei. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 41, 19.12.2003)
§ 18. Incidirá contribuição sobre os proventos de aposentadorias e pensões concedidas
pelo regime de que trata este artigo que superem o limite máximo estabelecido para os
benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201, com percentual
igual ao estabelecido para os servidores titulares de cargos efetivos. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 41, 19.12.2003)
§ 19. O servidor de que trata este artigo que tenha completado as exigências para
aposentadoria voluntária estabelecidas no § 1º, III, a, e que opte por permanecer em
atividade fará jus a um abono de permanência equivalente ao valor da sua contribuição
previdenciária até completar as exigências para aposentadoria compulsória contidas no § 1º,
II. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
308
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 20. Fica vedada a existência de mais de um regime próprio de previdência social para
os servidores titulares de cargos efetivos, e de mais de uma unidade gestora do respectivo
regime em cada ente estatal, ressalvado o disposto no art. 142, § 3º, X. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)
§ 21. A contribuição prevista no § 18 deste artigo incidirá apenas sobre as parcelas de
proventos de aposentadoria e de pensão que superem o dobro do limite máximo
estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201
desta Constituição, quando o beneficiário, na forma da lei, for portador de doença
incapacitante. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)
Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo
de provimento efetivo em virtude de concurso público. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
§ 1º O servidor público estável só perderá o cargo: (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado; (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa; (Incluído
pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
III - mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei
complementar, assegurada ampla defesa. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável, será ele reintegrado, e
o eventual ocupante da vaga, se estável, reconduzido ao cargo de origem, sem direito a
indenização, aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remuneração
proporcional ao tempo de serviço. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servidor estável ficará em
disponibilidade, com remuneração proporcional ao tempo de serviço, até seu adequado
aproveitamento em outro cargo. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obrigatória a avaliação especial de
desempenho por comissão instituída para essa finalidade. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO
Seção I
309
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
DA EDUCAÇÃO
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e
incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa,
seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.
Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber;
III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições
públicas e privadas de ensino;
IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;
V - valorização dos profissionais da educação escolar, garantidos, na forma da lei, planos de
carreira, com ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos, aos das
redes públicas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei;
VII - garantia de padrão de qualidade.
VIII - piso salarial profissional nacional para os profissionais da educação escolar
pública, nos termos de lei federal. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
Parágrafo único. A lei disporá sobre as categorias de trabalhadores considerados
profissionais da educação básica e sobre a fixação de prazo para a elaboração ou
adequação de seus planos de carreira, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal
e dos Municípios. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de
gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre
ensino, pesquisa e extensão.
§ 1º É facultado às universidades admitir professores, técnicos e cientistas estrangeiros, na
forma da lei. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 11, de 1996)
§ 2º O disposto neste artigo aplica-se às instituições de pesquisa científica e
tecnológica. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 11, de 1996)
Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de:
I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade,
assegurada inclusive sua oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na
idade própria; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009) (Vide Emenda
Constitucional nº 59, de 2009)
310
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - progressiva universalização do ensino médio gratuito; (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 14, de 1996)
III - atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência,
preferencialmente na rede regular de ensino;
IV - educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças até 5 (cinco) anos de
idade; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística,
segundo a capacidade de cada um;
VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando;
VII - atendimento ao educando, em todas as etapas da educação básica, por meio de
programas suplementares de material didáticoescolar, transporte, alimentação e assistência
à saúde. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
§ 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito público subjetivo.
§ 2º O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder Público, ou sua oferta
irregular, importa responsabilidade da autoridade competente.
§ 3º Compete ao Poder Público recensear os educandos no ensino fundamental, fazerlhes a chamada e zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela freqüência à escola.
Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as seguintes condições:
I - cumprimento das normas gerais da educação nacional;
II - autorização e avaliação de qualidade pelo Poder Público.
Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a
assegurar formação básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e
regionais.
§ 1º O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários
normais das escolas públicas de ensino fundamental.
§ 2º O ensino fundamental regular será ministrado em língua portuguesa, assegurada
às comunidades indígenas também a utilização de suas línguas maternas e processos
próprios de aprendizagem.
Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão em
regime de colaboração seus sistemas de ensino.
§ 1º A União organizará o sistema federal de ensino e o dos Territórios, financiará as
instituições de ensino públicas federais e exercerá, em matéria educacional, função
redistributiva e supletiva, de forma a garantir equalização de oportunidades educacionais e
padrão mínimo de qualidade do ensino mediante assistência técnica e financeira aos
311
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
14, de 1996)
§ 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no ensino fundamental e na educação
infantil. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 3º Os Estados e o Distrito Federal atuarão prioritariamente no ensino fundamental e
médio. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
§ 4º Na organização de seus sistemas de ensino, a União, os Estados, o Distrito Federal e os
Municípios definirão formas de colaboração, de modo a assegurar a universalização do
ensino obrigatório. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
§ 5º A educação básica pública atenderá prioritariamente ao ensino regular. (Incluído pela
Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o
Distrito Federal e os Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de
impostos, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e
desenvolvimento do ensino.
§ 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela União aos Estados, ao
Distrito Federal e aos Municípios, ou pelos Estados aos respectivos Municípios, não é
considerada, para efeito do cálculo previsto neste artigo, receita do governo que a transferir.
§ 2º Para efeito do cumprimento do disposto no "caput" deste artigo, serão
considerados os sistemas de ensino federal, estadual e municipal e os recursos aplicados na
forma do art. 213.
§ 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará prioridade ao atendimento das
necessidades do ensino obrigatório, no que se refere a universalização, garantia de padrão
de qualidade e equidade, nos termos do plano nacional de educação. (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
§ 4º Os programas suplementares de alimentação e assistência à saúde previstos no art.
208, VII, serão financiados com recursos provenientes de contribuições sociais e outros
recursos orçamentários.
§ 5º A educação básica pública terá como fonte adicional de financiamento a contribuição
social do salário-educação, recolhida pelas empresas na forma da lei. (Redação dada pela
Emenda Constitucional nº 53, de 2006)
§ 6º As cotas estaduais e municipais da arrecadação da contribuição social do salárioeducação serão distribuídas proporcionalmente ao número de alunos matriculados na
educação básica nas respectivas redes públicas de ensino. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 53, de 2006)
312
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às escolas públicas, podendo ser
dirigidos a escolas comunitárias, confessionais ou filantrópicas, definidas em lei, que:
I - comprovem finalidade não-lucrativa e apliquem seus excedentes financeiros em
educação;
II - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra escola comunitária, filantrópica
ou confessional, ou ao Poder Público, no caso de encerramento de suas atividades.
§ 1º - Os recursos de que trata este artigo poderão ser destinados a bolsas de estudo
para o ensino fundamental e médio, na forma da lei, para os que demonstrarem
insuficiência de recursos, quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública
na localidade da residência do educando, ficando o Poder Público obrigado a investir
prioritariamente na expansão de sua rede na localidade.
§ 2º As atividades de pesquisa, de extensão e de estímulo e fomento à inovação
realizadas por universidades e/ou por instituições de educação profissional e tecnológica
poderão receber apoio financeiro do Poder Público. (Redação dada pela Emenda
Constitucional nº 85, de 2015)
Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de duração decenal, com o
objetivo de articular o sistema nacional de educação em regime de colaboração e definir
diretrizes, objetivos, metas e estratégias de implementação para assegurar a manutenção e
desenvolvimento do ensino em seus diversos níveis, etapas e modalidades por meio de
ações integradas dos poderes públicos das diferentes esferas federativas que conduzam
a: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
I - erradicação do analfabetismo;
II - universalização do atendimento escolar;
III - melhoria da qualidade do ensino;
IV - formação para o trabalho;
V - promoção humanística, científica e tecnológica do País.
VI - estabelecimento de meta de aplicação de recursos públicos em educação como
proporção do produto interno bruto. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
Da Família, da Criança, do Adolescente, do Jovem e do Idoso
Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e
ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao
lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência
313
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência,
discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (Redação dada Pela Emenda
Constitucional nº 65, de 2010)
§ 1º O Estado promoverá programas de assistência integral à saúde da criança, do
adolescente e do jovem, admitida a participação de entidades não governamentais,
mediante políticas específicas e obedecendo aos seguintes preceitos:(Redação dada Pela
Emenda Constitucional nº 65, de 2010)
I - aplicação de percentual dos recursos públicos destinados à saúde na assistência
materno-infantil;
II - criação de programas de prevenção e atendimento especializado para as pessoas
portadoras de deficiência física, sensorial ou mental, bem como de integração social do
adolescente e do jovem portador de deficiência, mediante o treinamento para o trabalho e
a convivência, e a facilitação do acesso aos bens e serviços coletivos, com a eliminação de
obstáculos arquitetônicos e de todas as formas de discriminação. (Redação dada Pela
Emenda Constitucional nº 65, de 2010)
§ 2º A lei disporá sobre normas de construção dos logradouros e dos edifícios de uso
público e de fabricação de veículos de transporte coletivo, a fim de garantir acesso
adequado às pessoas portadoras de deficiência.
§ 3º O direito a proteção especial abrangerá os seguintes aspectos:
I - idade mínima de quatorze anos para admissão ao trabalho, observado o disposto no art.
7º, XXXIII;
II - garantia de direitos previdenciários e trabalhistas;
III - garantia de acesso do trabalhador adolescente e jovem à escola; (Redação dada Pela
Emenda Constitucional nº 65, de 2010)
IV - garantia de pleno e formal conhecimento da atribuição de ato infracional, igualdade na
relação processual e defesa técnica por profissional habilitado, segundo dispuser a
legislação tutelar específica;
V - obediência aos princípios de brevidade, excepcionalidade e respeito à condição peculiar
de pessoa em desenvolvimento, quando da aplicação de qualquer medida privativa da
liberdade;
VI - estímulo do Poder Público, através de assistência jurídica, incentivos fiscais e subsídios,
nos termos da lei, ao acolhimento, sob a forma de guarda, de criança ou adolescente órfão
ou abandonado;
314
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VII - programas de prevenção e atendimento especializado à criança, ao adolescente e ao
jovem dependente de entorpecentes e drogas afins. (Redação dada Pela Emenda
Constitucional nº 65, de 2010)
§ 4º A lei punirá severamente o abuso, a violência e a exploração sexual da criança e do
adolescente.
§ 5º A adoção será assistida pelo Poder Público, na forma da lei, que estabelecerá casos e
condições de sua efetivação por parte de estrangeiros.
§ 6º Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos
direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação.
§ 7º No atendimento dos direitos da criança e do adolescente levar-se- á em consideração o
disposto no art. 204.
§ 8º A lei estabelecerá: (Incluído Pela Emenda Constitucional nº 65, de 2010)
I - o estatuto da juventude, destinado a regular os direitos dos jovens; (Incluído Pela
Emenda Constitucional nº 65, de 2010)
II - o plano nacional de juventude, de duração decenal, visando à articulação das várias
esferas do poder público para a execução de políticas públicas. (Incluído Pela Emenda
Constitucional nº 65, de 2010)
Art. 228. São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às normas da
legislação especial.
Art. 229. Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores, e os filhos maiores
têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade.
Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do
Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF, 1990. Artigos 53 a 59; 136 a 137.
Do Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer
Art. 53. A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno
desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o
trabalho, assegurando-se-lhes:
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II - direito de ser respeitado por seus educadores;
III - direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares
superiores;
315
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
IV - direito de organização e participação em entidades estudantis;
V - acesso à escola pública e gratuita próxima de sua residência.
Parágrafo único. É direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagógico, bem
como participar da definição das propostas educacionais.
Art. 54. É dever do Estado assegurar à criança e ao adolescente:
I - ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram
acesso na idade própria;
II - progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade ao ensino médio;
III - atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência,
preferencialmente na rede regular de ensino;
IV – atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a cinco anos de
idade;
(Redação dada pela Lei nº 13.306, de 2016)
V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a
capacidade de cada um;
VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do adolescente trabalhador;
VII - atendimento no ensino fundamental, através de programas suplementares de material
didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde.
§ 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito público subjetivo.
§ 2º O não oferecimento do ensino obrigatório pelo poder público ou sua oferta irregular
importa responsabilidade da autoridade competente.
§ 3º Compete ao poder público recensear os educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a
chamada e zelar, junto aos pais ou responsável, pela freqüência à escola.
Art. 55. Os pais ou responsável têm a obrigação de matricular seus filhos ou pupilos na rede
regular de ensino.
Art. 56. Os dirigentes de estabelecimentos de ensino fundamental comunicarão ao
Conselho Tutelar os casos de:
I - maus-tratos envolvendo seus alunos;
II - reiteração de faltas injustificadas e de evasão escolar, esgotados os recursos escolares;
III - elevados níveis de repetência.
Art. 57. O poder público estimulará pesquisas, experiências e novas propostas relativas a
calendário, seriação, currículo, metodologia, didática e avaliação, com vistas à inserção de
crianças e adolescentes excluídos do ensino fundamental obrigatório.
316
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 58. No processo educacional respeitar-se-ão os valores culturais, artísticos e históricos
próprios do contexto social da criança e do adolescente, garantindo-se a estes a liberdade
da criação e o acesso às fontes de cultura.
Art. 59. Os municípios, com apoio dos estados e da União, estimularão e facilitarão a
destinação de recursos e espaços para programações culturais, esportivas e de lazer
voltadas para a infância e a juventude.
Das Atribuições do Conselho
Art. 136. São atribuições do Conselho Tutelar:
I - atender as crianças e adolescentes nas hipóteses previstas nos arts. 98 e 105,
aplicando as medidas previstas no art. 101, I a VII;
II - atender e aconselhar os pais ou responsável, aplicando as medidas previstas no art.
129, I a VII;
III - promover a execução de suas decisões, podendo para tanto:
a) requisitar serviços públicos nas áreas de saúde, educação, serviço social, previdência,
trabalho e segurança;
b) representar junto à autoridade judiciária nos casos de descumprimento injustificado
de suas deliberações.
IV - encaminhar ao Ministério Público notícia de fato que constitua infração
administrativa ou penal contra os direitos da criança ou adolescente;
V - encaminhar à autoridade judiciária os casos de sua competência;
VI - providenciar a medida estabelecida pela autoridade judiciária, dentre as previstas
no art. 101, de I a VI, para o adolescente autor de ato infracional;
VII - expedir notificações;
VIII - requisitar certidões de nascimento e de óbito de criança ou adolescente quando
necessário;
IX - assessorar o Poder Executivo local na elaboração da proposta orçamentária para
planos e programas de atendimento dos direitos da criança e do adolescente;
X - representar, em nome da pessoa e da família, contra a violação dos direitos
previstos no art. 220, § 3º, inciso II, da Constituição Federal;
XI - representar ao Ministério Público para efeito das ações de perda ou suspensão do
poder familiar, após esgotadas as possibilidades de manutenção da criança ou do
317
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
adolescente junto à família natural.
(Redação dada pela Lei nº 12.010, de
2009) Vigência
XII - promover e incentivar, na comunidade e nos grupos profissionais, ações de
divulgação e treinamento para o reconhecimento de sintomas de maus-tratos em crianças e
adolescentes.
(Incluído pela Lei nº 13.046, de 2014)
Parágrafo único. Se, no exercício de suas atribuições, o Conselho Tutelar entender
necessário o afastamento do convívio familiar, comunicará incontinenti o fato ao Ministério
Público, prestando-lhe informações sobre os motivos de tal entendimento e as providências
tomadas para a orientação, o apoio e a promoção social da família.
(Incluído pela Lei
nº 12.010, de 2009) Vigência
Art. 137. As decisões do Conselho Tutelar somente poderão ser revistas pela
autoridade judiciária a pedido de quem tenha legítimo interesse.
Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Brasília, DF, 1996. (redação atualizada)
TÍTULO I
Da Educação
Art. 1º A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na
convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos
sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais.
§ 1º Esta Lei disciplina a educação escolar, que se desenvolve, predominantemente, por
meio do ensino, em instituições próprias.
§ 2º A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social.
TÍTULO II
Dos Princípios e Fins da Educação Nacional
Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos
ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando,
seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.
Art. 3º O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o
saber;
318
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas;
IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância;
V - coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;
VI - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;
VII - valorização do profissional da educação escolar;
VIII - gestão democrática do ensino público, na forma desta Lei e da legislação dos sistemas
de ensino;
IX - garantia de padrão de qualidade;
X - valorização da experiência extra-escolar;
XI - vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais.
XII - consideração com a diversidade étnico-racial.
(Incluído pela Lei nº 12.796, de
2013)
XIII - garantia do direito à educação e à aprendizagem ao longo da vida.
(Incluído
pela Lei nº 13.632, de 2018)
TÍTULO III
Do Direito à Educação e do Dever de Educar
Art. 4º O dever do Estado com educação escolar pública será efetivado mediante a garantia
de:
I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de
idade, organizada da seguinte forma:
a) pré-escola;
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
b) ensino fundamental;
c) ensino médio;
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
II - educação infantil gratuita às crianças de até 5 (cinco) anos de idade;
(Redação
dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
III - atendimento educacional especializado gratuito aos educandos com deficiência,
transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, transversal a
todos os níveis, etapas e modalidades, preferencialmente na rede regular de ensino;
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
319
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
IV - acesso público e gratuito aos ensinos fundamental e médio para todos os que não
os concluíram na idade própria;
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a
capacidade de cada um;
VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando;
VII - oferta de educação escolar regular para jovens e adultos, com características e
modalidades adequadas às suas necessidades e disponibilidades, garantindo-se aos que
forem trabalhadores as condições de acesso e permanência na escola;
VIII - atendimento ao educando, em todas as etapas da educação básica, por meio de
programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência
à saúde;
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
IX - padrões mínimos de qualidade de ensino, definidos como a variedade e quantidade
mínimas, por aluno, de insumos indispensáveis ao desenvolvimento do processo de ensinoaprendizagem.
X – vaga na escola pública de educação infantil ou de ensino fundamental mais próxima de
sua residência a toda criança a partir do dia em que completar 4 (quatro) anos de
idade.
(Incluído pela Lei nº 11.700, de 2008).
Art. 4º-A. É assegurado atendimento educacional, durante o período de internação, ao
aluno da educação básica internado para tratamento de saúde em regime hospitalar ou
domiciliar por tempo prolongado, conforme dispuser o Poder Público em regulamento, na
esfera de sua competência federativa.
(Incluído pela Lei nº 13.716, de 2018).
Art. 5o O acesso à educação básica obrigatória é direito público subjetivo, podendo
qualquer cidadão, grupo de cidadãos, associação comunitária, organização sindical,
entidade de classe ou outra legalmente constituída e, ainda, o Ministério Público, acionar o
poder público para exigi-lo.
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
§ 1o O poder público, na esfera de sua competência federativa,
deverá:
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
I - recensear anualmente as crianças e adolescentes em idade escolar, bem como os
jovens e adultos que não concluíram a educação básica;
(Redação dada pela Lei nº
12.796, de 2013)
II - fazer-lhes a chamada pública;
III - zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela freqüência à escola.
320
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2º Em todas as esferas administrativas, o Poder Público assegurará em primeiro lugar o
acesso ao ensino obrigatório, nos termos deste artigo, contemplando em seguida os demais
níveis e modalidades de ensino, conforme as prioridades constitucionais e legais.
§ 3º Qualquer das partes mencionadas no caput deste artigo tem legitimidade para
peticionar no Poder Judiciário, na hipótese do § 2º do art. 208 da Constituição Federal,
sendo gratuita e de rito sumário a ação judicial correspondente.
§ 4º Comprovada a negligência da autoridade competente para garantir o oferecimento do
ensino obrigatório, poderá ela ser imputada por crime de responsabilidade.
§ 5º Para garantir o cumprimento da obrigatoriedade de ensino, o Poder Público criará
formas alternativas de acesso aos diferentes níveis de ensino, independentemente da
escolarização anterior.
Art. 6o É dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula das crianças na educação
básica a partir dos 4 (quatro) anos de idade.
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de
2013)
Art. 7º O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as seguintes condições:
I - cumprimento das normas gerais da educação nacional e do respectivo sistema de ensino;
II - autorização de funcionamento e avaliação de qualidade pelo Poder Público;
III - capacidade de autofinanciamento, ressalvado o previsto no art. 213 da Constituição
Federal.
Art. 7º-A Ao aluno regularmente matriculado em instituição de ensino pública ou
privada, de qualquer nível, é assegurado, no exercício da liberdade de consciência e de
crença, o direito de, mediante prévio e motivado requerimento, ausentar-se de prova ou de
aula marcada para dia em que, segundo os preceitos de sua religião, seja vedado o exercício
de tais atividades, devendo-se-lhe atribuir, a critério da instituição e sem custos para o
aluno, uma das seguintes prestações alternativas, nos termos do inciso VIII do caput do art.
5º da Constituição Federal:
(Incluído pela Lei nº 13.796, de 2019)
(Vigência)
I - prova ou aula de reposição, conforme o caso, a ser realizada em data alternativa, no
turno de estudo do aluno ou em outro horário agendado com sua anuência
expressa;
(Incluído pela Lei nº 13.796, de 2019)
(Vigência)
II - trabalho escrito ou outra modalidade de atividade de pesquisa, com tema, objetivo
e data de entrega definidos pela instituição de ensino.
de 2019)
(Incluído pela Lei nº 13.796,
(Vigência)
321
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º A prestação alternativa deverá observar os parâmetros curriculares e o plano de
aula do dia da ausência do aluno.
2019)
(Incluído pela Lei nº 13.796, de
(Vigência)
§ 2º O cumprimento das formas de prestação alternativa de que trata este artigo
substituirá a obrigação original para todos os efeitos, inclusive regularização do registro de
frequência.
(Incluído pela Lei nº 13.796, de 2019)
(Vigência)
§ 3º As instituições de ensino implementarão progressivamente, no prazo de 2 (dois)
anos, as providências e adaptações necessárias à adequação de seu funcionamento às
medidas previstas neste artigo.
2019)
(Incluído pela Lei nº 13.796, de
(Vigência)
§ 4º O disposto neste artigo não se aplica ao ensino militar a que se refere o art. 83
desta Lei.
(Incluído pela Lei nº 13.796, de 2019)
(Vigência)
(Vide
parágrafo único do art. 2)
TÍTULO IV
Da Organização da Educação Nacional
Art. 8º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão, em regime de
colaboração, os respectivos sistemas de ensino.
§ 1º Caberá à União a coordenação da política nacional de educação, articulando os
diferentes níveis e sistemas e exercendo função normativa, redistributiva e supletiva em
relação às demais instâncias educacionais.
§ 2º Os sistemas de ensino terão liberdade de organização nos termos desta Lei.
Art. 9º A União incumbir-se-á de:
(Regulamento)
I - elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração com os Estados, o Distrito
Federal e os Municípios;
II - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais do sistema federal de
ensino e o dos Territórios;
III - prestar assistência técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios
para o desenvolvimento de seus sistemas de ensino e o atendimento prioritário à
escolaridade obrigatória, exercendo sua função redistributiva e supletiva;
322
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
IV - estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio,
que nortearão os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação
básica comum;
IV-A - estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
diretrizes e procedimentos para identificação, cadastramento e atendimento, na educação
básica e na educação superior, de alunos com altas habilidades ou
superdotação;
(Incluído pela Lei nº 13.234, de 2015)
V - coletar, analisar e disseminar informações sobre a educação;
VI - assegurar processo nacional de avaliação do rendimento escolar no ensino
fundamental, médio e superior, em colaboração com os sistemas de ensino, objetivando a
definição de prioridades e a melhoria da qualidade do ensino;
VII - baixar normas gerais sobre cursos de graduação e pós-graduação;
VIII - assegurar processo nacional de avaliação das instituições de educação superior, com a
cooperação dos sistemas que tiverem responsabilidade sobre este nível de ensino;
IX - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das
instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino.
(Vide
Lei nº 10.870, de 2004)
§ 1º Na estrutura educacional, haverá um Conselho Nacional de Educação, com funções
normativas e de supervisão e atividade permanente, criado por lei.
§ 2° Para o cumprimento do disposto nos incisos V a IX, a União terá acesso a todos os
dados e informações necessários de todos os estabelecimentos e órgãos educacionais.
§ 3º As atribuições constantes do inciso IX poderão ser delegadas aos Estados e ao Distrito
Federal, desde que mantenham instituições de educação superior.
Art. 10. Os Estados incumbir-se-ão de:
I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de
ensino;
II - definir, com os Municípios, formas de colaboração na oferta do ensino fundamental, as
quais devem assegurar a distribuição proporcional das responsabilidades, de acordo com a
população a ser atendida e os recursos financeiros disponíveis em cada uma dessas esferas
do Poder Público;
III - elaborar e executar políticas e planos educacionais, em consonância com as diretrizes e
planos nacionais de educação, integrando e coordenando as suas ações e as dos seus
Municípios;
323
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
IV - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das
instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino;
V - baixar normas complementares para o seu sistema de ensino;
VI - assegurar o ensino fundamental e oferecer, com prioridade, o ensino médio a todos que
o demandarem, respeitado o disposto no art. 38 desta Lei;
(Redação dada pela Lei nº
12.061, de 2009)
VII - assumir o transporte escolar dos alunos da rede estadual.
(Incluído pela Lei nº
10.709, de 31.7.2003)
Parágrafo único. Ao Distrito Federal aplicar-se-ão as competências referentes aos Estados e
aos Municípios.
Art. 11. Os Municípios incumbir-se-ão de:
I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de
ensino, integrando-os às políticas e planos educacionais da União e dos Estados;
II - exercer ação redistributiva em relação às suas escolas;
III - baixar normas complementares para o seu sistema de ensino;
IV - autorizar, credenciar e supervisionar os estabelecimentos do seu sistema de ensino;
V - oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas, e, com prioridade, o ensino
fundamental, permitida a atuação em outros níveis de ensino somente quando estiverem
atendidas plenamente as necessidades de sua área de competência e com recursos acima
dos percentuais mínimos vinculados pela Constituição Federal à manutenção e
desenvolvimento do ensino.
VI - assumir o transporte escolar dos alunos da rede municipal.
(Incluído pela Lei nº
10.709, de 31.7.2003)
Parágrafo único. Os Municípios poderão optar, ainda, por se integrar ao sistema estadual de
ensino ou compor com ele um sistema único de educação básica.
Art. 12. Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema
de ensino, terão a incumbência de:
I - elaborar e executar sua proposta pedagógica;
II - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros;
III - assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula estabelecidas;
IV - velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente;
V - prover meios para a recuperação dos alunos de menor rendimento;
324
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VI - articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da
sociedade com a escola;
VII - informar pai e mãe, conviventes ou não com seus filhos, e, se for o caso, os
responsáveis legais, sobre a frequência e rendimento dos alunos, bem como sobre a
execução da proposta pedagógica da escola;
(Redação dada pela Lei nº 12.013, de
2009)
VIII – notificar ao Conselho Tutelar do Município a relação dos alunos que apresentem
quantidade de faltas acima de 30% (trinta por cento) do percentual permitido em
lei;
(Redação dada pela Lei nº 13.803, de 2019)
IX - promover medidas de conscientização, de prevenção e de combate a todos os
tipos de violência, especialmente a intimidação sistemática (bullying), no âmbito das
escolas;
(Incluído pela Lei nº 13.663, de 2018)
X - estabelecer ações destinadas a promover a cultura de paz nas escolas.
(Incluído
pela Lei nº 13.663, de 2018)
Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de:
I - participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;
II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do
estabelecimento de ensino;
III - zelar pela aprendizagem dos alunos;
IV - estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento;
V - ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos
períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;
VI - colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade.
Art. 14. Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público
na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes
princípios:
I - participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da
escola;
II - participação das comunidades escolar e local em conselhos escolares ou equivalentes.
Art. 15. Os sistemas de ensino assegurarão às unidades escolares públicas de educação
básica que os integram progressivos graus de autonomia pedagógica e administrativa e de
gestão financeira, observadas as normas gerais de direito financeiro público.
325
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 16. O sistema federal de ensino compreende:
(Regulamento)
I - as instituições de ensino mantidas pela União;
II - as instituições de educação superior criadas e mantidas pela iniciativa privada;
III - os órgãos federais de educação.
Art. 17. Os sistemas de ensino dos Estados e do Distrito Federal compreendem:
I - as instituições de ensino mantidas, respectivamente, pelo Poder Público estadual e pelo
Distrito Federal;
II - as instituições de educação superior mantidas pelo Poder Público municipal;
III - as instituições de ensino fundamental e médio criadas e mantidas pela iniciativa privada;
IV - os órgãos de educação estaduais e do Distrito Federal, respectivamente.
Parágrafo único. No Distrito Federal, as instituições de educação infantil, criadas e mantidas
pela iniciativa privada, integram seu sistema de ensino.
Art. 18. Os sistemas municipais de ensino compreendem:
I - as instituições do ensino fundamental, médio e de educação infantil mantidas pelo Poder
Público municipal;
II - as instituições de educação infantil criadas e mantidas pela iniciativa privada;
III – os órgãos municipais de educação.
Art. 19. As instituições de ensino dos diferentes níveis classificam-se nas seguintes
categorias administrativas:
(Regulamento)
(Regulamento)
I - públicas, assim entendidas as criadas ou incorporadas, mantidas e administradas pelo
Poder Público;
II - privadas, assim entendidas as mantidas e administradas por pessoas físicas ou jurídicas
de direito privado.
Art. 20. As instituições privadas de ensino se enquadrarão nas seguintes
categorias:
(Regulamento)
(Regulamento)
I - particulares em sentido estrito, assim entendidas as que são instituídas e mantidas por
uma ou mais pessoas físicas ou jurídicas de direito privado que não apresentem as
características dos incisos abaixo;
II - comunitárias, assim entendidas as que são instituídas por grupos de pessoas físicas
ou por uma ou mais pessoas jurídicas, inclusive cooperativas educacionais, sem fins
lucrativos, que incluam na sua entidade mantenedora representantes da
comunidade;
(Redação dada pela Lei nº 12.020, de 2009)
326
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
III - confessionais, assim entendidas as que são instituídas por grupos de pessoas físicas ou
por uma ou mais pessoas jurídicas que atendem a orientação confessional e ideologia
específicas e ao disposto no inciso anterior;
IV - filantrópicas, na forma da lei.
TÍTULO V
Dos Níveis e das Modalidades de Educação e Ensino
CAPÍTULO I
Da Composição dos Níveis Escolares
Art. 21. A educação escolar compõe-se de:
I - educação básica, formada pela educação infantil, ensino fundamental e ensino médio;
II - educação superior.
CAPÍTULO II
DA EDUCAÇÃO BÁSICA
Seção I
Das Disposições Gerais
Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a
formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para
progredir no trabalho e em estudos posteriores.
Art. 23. A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos,
alternância regular de períodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, na
competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o
interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar.
§ 1º A escola poderá reclassificar os alunos, inclusive quando se tratar de transferências
entre estabelecimentos situados no País e no exterior, tendo como base as normas
curriculares gerais.
§ 2º O calendário escolar deverá adequar-se às peculiaridades locais, inclusive climáticas e
econômicas, a critério do respectivo sistema de ensino, sem com isso reduzir o número de
horas letivas previsto nesta Lei.
Art. 24. A educação básica, nos níveis fundamental e médio, será organizada de acordo com
as seguintes regras comuns:
I - a carga horária mínima anual será de oitocentas horas para o ensino fundamental e para
o ensino médio, distribuídas por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar,
327
BR CONCURSO
excluído o tempo reservado aos exames finais, quando houver;
APOSTILA DIGITAL
(Redação dada pela
Lei nº 13.415, de 2017)
II - a classificação em qualquer série ou etapa, exceto a primeira do ensino fundamental,
pode ser feita:
a) por promoção, para alunos que cursaram, com aproveitamento, a série ou fase anterior,
na própria escola;
b) por transferência, para candidatos procedentes de outras escolas;
c) independentemente de escolarização anterior, mediante avaliação feita pela escola, que
defina o grau de desenvolvimento e experiência do candidato e permita sua inscrição na
série ou etapa adequada, conforme regulamentação do respectivo sistema de ensino;
III - nos estabelecimentos que adotam a progressão regular por série, o regimento escolar
pode admitir formas de progressão parcial, desde que preservada a seqüência do currículo,
observadas as normas do respectivo sistema de ensino;
IV - poderão organizar-se classes, ou turmas, com alunos de séries distintas, com níveis
equivalentes de adiantamento na matéria, para o ensino de línguas estrangeiras, artes, ou
outros componentes curriculares;
V - a verificação do rendimento escolar observará os seguintes critérios:
a) avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos
qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de
eventuais provas finais;
b) possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar;
c) possibilidade de avanço nos cursos e nas séries mediante verificação do aprendizado;
d) aproveitamento de estudos concluídos com êxito;
e) obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período letivo,
para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições de
ensino em seus regimentos;
VI - o controle de freqüência fica a cargo da escola, conforme o disposto no seu regimento
e nas normas do respectivo sistema de ensino, exigida a freqüência mínima de setenta e
cinco por cento do total de horas letivas para aprovação;
VII - cabe a cada instituição de ensino expedir históricos escolares, declarações de
conclusão de série e diplomas ou certificados de conclusão de cursos, com as especificações
cabíveis.
§ 1º A carga horária mínima anual de que trata o inciso I do caput deverá ser
ampliada de forma progressiva, no ensino médio, para mil e quatrocentas horas, devendo os
328
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
sistemas de ensino oferecer, no prazo máximo de cinco anos, pelo menos mil horas anuais
de carga horária, a partir de 2 de março de 2017.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de
2017)
§ 2o Os sistemas de ensino disporão sobre a oferta de educação de jovens e adultos e
de ensino noturno regular, adequado às condições do educando, conforme o inciso VI do
art. 4o.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
Art. 25. Será objetivo permanente das autoridades responsáveis alcançar relação adequada
entre o número de alunos e o professor, a carga horária e as condições materiais do
estabelecimento.
Parágrafo único. Cabe ao respectivo sistema de ensino, à vista das condições disponíveis e
das características regionais e locais, estabelecer parâmetro para atendimento do disposto
neste artigo.
Art. 26. Os currículos da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio
devem ter base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e em
cada estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características
regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e dos educandos.
(Redação
dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
§ 1º Os currículos a que se refere o caput devem abranger, obrigatoriamente, o estudo
da língua portuguesa e da matemática, o conhecimento do mundo físico e natural e da
realidade social e política, especialmente do Brasil.
§ 2o O ensino da arte, especialmente em suas expressões regionais, constituirá componente
curricular obrigatório da educação básica.
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 3o A educação física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente
curricular obrigatório da educação básica, sendo sua prática facultativa ao
aluno:
(Redação dada pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
I – que cumpra jornada de trabalho igual ou superior a seis horas;
(Incluído pela Lei nº
10.793, de 1º.12.2003)
II – maior de trinta anos de idade;
(Incluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
III – que estiver prestando serviço militar inicial ou que, em situação similar, estiver obrigado
à prática da educação física;
(Incluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
IV – amparado pelo Decreto-Lei no 1.044, de 21 de outubro de 1969;
(Incluído pela Lei
nº 10.793, de 1º.12.2003)
V – (VETADO)
(Incluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
VI – que tenha prole.
(Incluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
329
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 4º O ensino da História do Brasil levará em conta as contribuições das diferentes culturas e
etnias para a formação do povo brasileiro, especialmente das matrizes indígena, africana e
européia.
§ 5o No currículo do ensino fundamental, a partir do sexto ano, será ofertada a língua
inglesa.
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 6o As artes visuais, a dança, a música e o teatro são as linguagens que constituirão o
componente curricular de que trata o § 2o deste artigo.
(Redação dada pela Lei nº
13.278, de 2016)
§ 7o A integralização curricular poderá incluir, a critério dos sistemas de ensino,
projetos e pesquisas envolvendo os temas transversais de que trata
o caput.
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 8º A exibição de filmes de produção nacional constituirá componente curricular
complementar integrado à proposta pedagógica da escola, sendo a sua exibição obrigatória
por, no mínimo, 2 (duas) horas mensais.
(Incluído pela Lei nº 13.006, de 2014)
§ 9o Conteúdos relativos aos direitos humanos e à prevenção de todas as formas de
violência contra a criança e o adolescente serão incluídos, como temas transversais, nos
currículos escolares de que trata o caput deste artigo, tendo como diretriz a Lei no 8.069, de
13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), observada a produção e
distribuição de material didático adequado.
(Incluído pela Lei nº 13.010, de 2014)
§ 9º-A. A educação alimentar e nutricional será incluída entre os temas transversais de que
trata o caput.
(Incluído pela Lei nº 13.666, de 2018)
§ 10. A inclusão de novos componentes curriculares de caráter obrigatório na Base
Nacional Comum Curricular dependerá de aprovação do Conselho Nacional de Educação e
de homologação pelo Ministro de Estado da Educação.
(Incluído pela Lei nº 13.415,
de 2017)
Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e
privados, torna-se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e
indígena.
(Redação dada pela Lei nº 11.645, de 2008).
§ 1o O conteúdo programático a que se refere este artigo incluirá diversos aspectos da
história e da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses
dois grupos étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos
negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o
índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social,
econômica e política, pertinentes à história do Brasil.
(Redação dada pela Lei nº
11.645, de 2008).
330
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2o Os conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira e dos povos indígenas
brasileiros serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas
de educação artística e de literatura e história brasileiras.
(Redação dada pela Lei nº
11.645, de 2008).
Art. 27. Os conteúdos curriculares da educação básica observarão, ainda, as seguintes
diretrizes:
I - a difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres dos
cidadãos, de respeito ao bem comum e à ordem democrática;
II - consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento;
III - orientação para o trabalho;
IV - promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não-formais.
Art. 28. Na oferta de educação básica para a população rural, os sistemas de ensino
promoverão as adaptações necessárias à sua adequação às peculiaridades da vida rural e de
cada região, especialmente:
I - conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às reais necessidades e interesses dos
alunos da zona rural;
II - organização escolar própria, incluindo adequação do calendário escolar às fases do ciclo
agrícola e às condições climáticas;
III - adequação à natureza do trabalho na zona rural.
Parágrafo único. O fechamento de escolas do campo, indígenas e quilombolas será
precedido de manifestação do órgão normativo do respectivo sistema de ensino, que
considerará a justificativa apresentada pela Secretaria de Educação, a análise do diagnóstico
do impacto da ação e a manifestação da comunidade escolar.
(Incluído pela Lei nº
12.960, de 2014)
Seção II
Da Educação Infantil
Art. 29. A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o
desenvolvimento integral da criança de até 5 (cinco) anos, em seus aspectos físico,
psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade.
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
Art. 30. A educação infantil será oferecida em:
I - creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade;
331
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - pré-escolas, para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade.
(Redação dada
pela Lei nº 12.796, de 2013)
Art. 31. A educação infantil será organizada de acordo com as seguintes regras
comuns:
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
I - avaliação mediante acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças,
sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental;
(Incluído
pela Lei nº 12.796, de 2013)
II - carga horária mínima anual de 800 (oitocentas) horas, distribuída por um mínimo
de 200 (duzentos) dias de trabalho educacional;
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
III - atendimento à criança de, no mínimo, 4 (quatro) horas diárias para o turno parcial
e de 7 (sete) horas para a jornada integral;
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
IV - controle de frequência pela instituição de educação pré-escolar, exigida a
frequência mínima de 60% (sessenta por cento) do total de horas;
(Incluído pela Lei nº
12.796, de 2013)
V - expedição de documentação que permita atestar os processos de desenvolvimento
e aprendizagem da criança.
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
Seção III
Do Ensino Fundamental
Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola
pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do
cidadão, mediante:
(Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)
I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno
domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das
artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;
III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de
conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores;
IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de
tolerância recíproca em que se assenta a vida social.
§ 1º É facultado aos sistemas de ensino desdobrar o ensino fundamental em ciclos.
332
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2º Os estabelecimentos que utilizam progressão regular por série podem adotar no ensino
fundamental o regime de progressão continuada, sem prejuízo da avaliação do processo de
ensino-aprendizagem, observadas as normas do respectivo sistema de ensino.
§ 3º O ensino fundamental regular será ministrado em língua portuguesa, assegurada às
comunidades indígenas a utilização de suas línguas maternas e processos próprios de
aprendizagem.
§ 4º O ensino fundamental será presencial, sendo o ensino a distância utilizado como
complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais.
§ 5o O currículo do ensino fundamental incluirá, obrigatoriamente, conteúdo que trate dos
direitos das crianças e dos adolescentes, tendo como diretriz a Lei no 8.069, de 13 de julho
de 1990, que institui o Estatuto da Criança e do Adolescente, observada a produção e
distribuição de material didático adequado.
(Incluído pela Lei nº 11.525, de 2007).
§ 6º O estudo sobre os símbolos nacionais será incluído como tema transversal nos
currículos do ensino fundamental.
(Incluído pela Lei nº 12.472, de 2011).
Art. 33. O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica
do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino
fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas
quaisquer formas de proselitismo.
(Redação dada pela Lei nº 9.475, de 22.7.1997)
§ 1º Os sistemas de ensino regulamentarão os procedimentos para a definição dos
conteúdos do ensino religioso e estabelecerão as normas para a habilitação e admissão dos
professores.
(Incluído pela Lei nº 9.475, de 22.7.1997)
§ 2º Os sistemas de ensino ouvirão entidade civil, constituída pelas diferentes denominações
religiosas, para a definição dos conteúdos do ensino religioso.
(Incluído pela Lei nº
9.475, de 22.7.1997)
Art. 34. A jornada escolar no ensino fundamental incluirá pelo menos quatro horas de
trabalho efetivo em sala de aula, sendo progressivamente ampliado o período de
permanência na escola.
§ 1º São ressalvados os casos do ensino noturno e das formas alternativas de organização
autorizadas nesta Lei.
§ 2º O ensino fundamental será ministrado progressivamente em tempo integral, a critério
dos sistemas de ensino.
Seção IV
Do Ensino Médio
Art. 35. O ensino médio, etapa final da educação básica, com duração mínima de três anos,
terá como finalidades:
333
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino
fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos;
II - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar
aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de
ocupação ou aperfeiçoamento posteriores;
III - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o
desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico;
IV - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos,
relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina.
Art. 35-A. A Base Nacional Comum Curricular definirá direitos e objetivos de
aprendizagem do ensino médio, conforme diretrizes do Conselho Nacional de Educação,
nas seguintes áreas do conhecimento:
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
I - linguagens e suas tecnologias;
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
II - matemática e suas tecnologias;
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
III - ciências da natureza e suas tecnologias;
(Incluído pela Lei nº 13.415, de
2017)
IV - ciências humanas e sociais aplicadas.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 1o A parte diversificada dos currículos de que trata o caput do art. 26, definida
em cada sistema de ensino, deverá estar harmonizada à Base Nacional Comum Curricular e
ser articulada a partir do contexto histórico, econômico, social, ambiental e
cultural.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 2o A Base Nacional Comum Curricular referente ao ensino médio incluirá
obrigatoriamente estudos e práticas de educação física, arte, sociologia e
filosofia.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 3o O ensino da língua portuguesa e da matemática será obrigatório nos três anos
do ensino médio, assegurada às comunidades indígenas, também, a utilização das
respectivas línguas maternas.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 4o Os currículos do ensino médio incluirão, obrigatoriamente, o estudo da língua
inglesa e poderão ofertar outras línguas estrangeiras, em caráter optativo,
preferencialmente o espanhol, de acordo com a disponibilidade de oferta, locais e horários
definidos pelos sistemas de ensino.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 5o A carga horária destinada ao cumprimento da Base Nacional Comum Curricular
não poderá ser superior a mil e oitocentas horas do total da carga horária do ensino médio,
334
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
de acordo com a definição dos sistemas de ensino.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de
2017)
§ 6o A União estabelecerá os padrões de desempenho esperados para o ensino
médio, que serão referência nos processos nacionais de avaliação, a partir da Base Nacional
Comum Curricular.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 7o Os currículos do ensino médio deverão considerar a formação integral do aluno,
de maneira a adotar um trabalho voltado para a construção de seu projeto de vida e para
sua formação nos aspectos físicos, cognitivos e socioemocionais.
(Incluído pela Lei nº
13.415, de 2017)
§ 8o Os conteúdos, as metodologias e as formas de avaliação processual e formativa
serão organizados nas redes de ensino por meio de atividades teóricas e práticas, provas
orais e escritas, seminários, projetos e atividades on-line, de tal forma que ao final do ensino
médio o educando demonstre:
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
I - domínio dos princípios científicos e tecnológicos que presidem a produção
moderna;
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
II - conhecimento das formas contemporâneas de linguagem.
(Incluído pela Lei nº
13.415, de 2017)
Art. 36. O currículo do ensino médio será composto pela Base Nacional Comum Curricular e
por itinerários formativos, que deverão ser organizados por meio da oferta de diferentes
arranjos curriculares, conforme a relevância para o contexto local e a possibilidade dos
sistemas de ensino, a saber:
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
I - linguagens e suas tecnologias;
II - matemática e suas tecnologias;
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
III - ciências da natureza e suas tecnologias;
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
IV - ciências humanas e sociais aplicadas;
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de
2017)
V - formação técnica e profissional.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 1o A organização das áreas de que trata o caput e das respectivas competências e
habilidades será feita de acordo com critérios estabelecidos em cada sistema de ensino.
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
I - (revogado);
II - (revogado);
III – (revogado).
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
(Redação dada pela Lei nº 11.684, de 2008)
335
BR CONCURSO
§ 2º
APOSTILA DIGITAL
(Revogado pela Lei nº 11.741, de 2008)
§ 3o A critério dos sistemas de ensino, poderá ser composto itinerário formativo integrado,
que se traduz na composição de componentes curriculares da Base Nacional Comum
Curricular - BNCC e dos itinerários formativos, considerando os incisos I a V do caput.
(Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 4º
(Revogado pela Lei nº 11.741, de 2008)
§ 5o Os sistemas de ensino, mediante disponibilidade de vagas na rede, possibilitarão
ao aluno concluinte do ensino médio cursar mais um itinerário formativo de que trata
o caput.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 6o A critério dos sistemas de ensino, a oferta de formação com ênfase técnica e
profissional considerará:
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
I - a inclusão de vivências práticas de trabalho no setor produtivo ou em ambientes de
simulação, estabelecendo parcerias e fazendo uso, quando aplicável, de instrumentos
estabelecidos pela legislação sobre aprendizagem profissional;
(Incluído pela Lei nº
13.415, de 2017)
II - a possibilidade de concessão de certificados intermediários de qualificação para o
trabalho, quando a formação for estruturada e organizada em etapas com terminalidade.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 7o A oferta de formações experimentais relacionadas ao inciso V do caput, em áreas
que não constem do Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, dependerá, para sua
continuidade, do reconhecimento pelo respectivo Conselho Estadual de Educação, no prazo
de três anos, e da inserção no Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, no prazo de cinco
anos, contados da data de oferta inicial da formação.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de
2017)
§ 8o A oferta de formação técnica e profissional a que se refere o inciso V do caput,
realizada na própria instituição ou em parceria com outras instituições, deverá ser aprovada
previamente pelo Conselho Estadual de Educação, homologada pelo Secretário Estadual de
Educação e certificada pelos sistemas de ensino.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 9o As instituições de ensino emitirão certificado com validade nacional, que
habilitará o concluinte do ensino médio ao prosseguimento dos estudos em nível superior
ou em outros cursos ou formações para os quais a conclusão do ensino médio seja etapa
obrigatória.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 10. Além das formas de organização previstas no art. 23, o ensino médio poderá ser
organizado em módulos e adotar o sistema de créditos com terminalidade específica.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
336
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 11. Para efeito de cumprimento das exigências curriculares do ensino médio, os
sistemas de ensino poderão reconhecer competências e firmar convênios com instituições
de educação a distância com notório reconhecimento, mediante as seguintes formas de
comprovação:
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
I - demonstração prática;
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
II - experiência de trabalho supervisionado ou outra experiência adquirida fora do
ambiente escolar;
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
III - atividades de educação técnica oferecidas em outras instituições de ensino
credenciadas;
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
IV - cursos oferecidos por centros ou programas ocupacionais;
(Incluído pela Lei nº
13.415, de 2017)
V - estudos realizados em instituições de ensino nacionais ou estrangeiras;
(Incluído
pela Lei nº 13.415, de 2017)
VI - cursos realizados por meio de educação a distância ou educação presencial
mediada por tecnologias.
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 12. As escolas deverão orientar os alunos no processo de escolha das áreas de
conhecimento ou de atuação profissional previstas no caput.
(Incluído pela Lei nº 13.415,
de 2017)
Seção IV-A
Da Educação Profissional Técnica de Nível Médio
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 36-A. Sem prejuízo do disposto na Seção IV deste Capítulo, o ensino médio,
atendida a formação geral do educando, poderá prepará-lo para o exercício de profissões
técnicas.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Parágrafo único. A preparação geral para o trabalho e, facultativamente, a habilitação
profissional poderão ser desenvolvidas nos próprios estabelecimentos de ensino médio ou
em cooperação com instituições especializadas em educação profissional.
(Incluído
pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 36-B. A educação profissional técnica de nível médio será desenvolvida nas
seguintes formas:
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
I - articulada com o ensino médio;
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
II - subseqüente, em cursos destinados a quem já tenha concluído o ensino médio.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
337
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Parágrafo único. A educação profissional técnica de nível médio deverá observar:
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
I - os objetivos e definições contidos nas diretrizes curriculares nacionais estabelecidas
pelo Conselho Nacional de Educação;
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
II - as normas complementares dos respectivos sistemas de ensino;
(Incluído
pela Lei nº 11.741, de 2008)
III - as exigências de cada instituição de ensino, nos termos de seu projeto
pedagógico.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 36-C. A educação profissional técnica de nível médio articulada, prevista no inciso
I do caput do art. 36-B desta Lei, será desenvolvida de forma:
(Incluído pela Lei nº
11.741, de 2008)
I - integrada, oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino fundamental,
sendo o curso planejado de modo a conduzir o aluno à habilitação profissional técnica de
nível médio, na mesma instituição de ensino, efetuando-se matrícula única para cada
aluno;
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
II - concomitante, oferecida a quem ingresse no ensino médio ou já o esteja cursando,
efetuando-se matrículas distintas para cada curso, e podendo ocorrer:
(Incluído pela
Lei nº 11.741, de 2008)
a) na mesma instituição de ensino, aproveitando-se as oportunidades educacionais
disponíveis;
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
b) em instituições de ensino distintas, aproveitando-se as oportunidades educacionais
disponíveis;
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
c) em instituições de ensino distintas, mediante convênios de intercomplementaridade,
visando ao planejamento e ao desenvolvimento de projeto pedagógico
unificado.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 36-D. Os diplomas de cursos de educação profissional técnica de nível médio,
quando registrados, terão validade nacional e habilitarão ao prosseguimento de estudos na
educação superior.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Parágrafo único. Os cursos de educação profissional técnica de nível médio, nas
formas articulada concomitante e subseqüente, quando estruturados e organizados em
etapas com terminalidade, possibilitarão a obtenção de certificados de qualificação para o
trabalho após a conclusão, com aproveitamento, de cada etapa que caracterize uma
qualificação para o trabalho.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Seção V
Da Educação de Jovens e Adultos
338
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 37. A educação de jovens e adultos será destinada àqueles que não tiveram acesso ou
continuidade de estudos nos ensinos fundamental e médio na idade própria e constituirá
instrumento para a educação e a aprendizagem ao longo da vida.
(Redação dada
pela Lei nº 13.632, de 2018)
§ 1º Os sistemas de ensino assegurarão gratuitamente aos jovens e aos adultos, que não
puderam efetuar os estudos na idade regular, oportunidades educacionais apropriadas,
consideradas as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho,
mediante cursos e exames.
§ 2º O Poder Público viabilizará e estimulará o acesso e a permanência do trabalhador na
escola, mediante ações integradas e complementares entre si.
§ 3o A educação de jovens e adultos deverá articular-se, preferencialmente, com a
educação profissional, na forma do regulamento.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 38. Os sistemas de ensino manterão cursos e exames supletivos, que compreenderão a
base nacional comum do currículo, habilitando ao prosseguimento de estudos em caráter
regular.
§ 1º Os exames a que se refere este artigo realizar-se-ão:
I - no nível de conclusão do ensino fundamental, para os maiores de quinze anos;
II - no nível de conclusão do ensino médio, para os maiores de dezoito anos.
§ 2º Os conhecimentos e habilidades adquiridos pelos educandos por meios informais serão
aferidos e reconhecidos mediante exames.
CAPÍTULO III
DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
Da Educação Profissional e Tecnológica
(Redação dada pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 39. A educação profissional e tecnológica, no cumprimento dos objetivos da
educação nacional, integra-se aos diferentes níveis e modalidades de educação e às
dimensões do trabalho, da ciência e da tecnologia.
(Redação dada pela Lei nº 11.741,
de 2008)
§ 1o Os cursos de educação profissional e tecnológica poderão ser organizados por
eixos tecnológicos, possibilitando a construção de diferentes itinerários formativos,
observadas as normas do respectivo sistema e nível de ensino.
(Incluído pela Lei nº
11.741, de 2008)
§ 2o A educação profissional e tecnológica abrangerá os seguintes
cursos:
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
339
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I – de formação inicial e continuada ou qualificação profissional;
(Incluído pela Lei
nº 11.741, de 2008)
II – de educação profissional técnica de nível médio;
(Incluído pela Lei nº 11.741,
de 2008)
III – de educação profissional tecnológica de graduação e pósgraduação.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
§ 3o Os cursos de educação profissional tecnológica de graduação e pós-graduação
organizar-se-ão, no que concerne a objetivos, características e duração, de acordo com as
diretrizes curriculares nacionais estabelecidas pelo Conselho Nacional de
Educação.
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 40. A educação profissional será desenvolvida em articulação com o ensino regular ou
por diferentes estratégias de educação continuada, em instituições especializadas ou no
ambiente de trabalho.
(Regulamento)
(Regulamento)
(Regulamento)
Art. 41. O conhecimento adquirido na educação profissional e tecnológica, inclusive
no trabalho, poderá ser objeto de avaliação, reconhecimento e certificação para
prosseguimento ou conclusão de estudos.
(Redação dada pela Lei nº 11.741, de 2008)
Art. 42. As instituições de educação profissional e tecnológica, além dos seus cursos
regulares, oferecerão cursos especiais, abertos à comunidade, condicionada a matrícula à
capacidade de aproveitamento e não necessariamente ao nível de
escolaridade.
(Redação dada pela Lei nº 11.741, de 2008)
CAPÍTULO IV
DA EDUCAÇÃO SUPERIOR
Art. 43. A educação superior tem por finalidade:
I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento
reflexivo;
II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em
setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e
colaborar na sua formação contínua;
III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento
da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o
entendimento do homem e do meio em que vive;
IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que
constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de
publicações ou de outras formas de comunicação;
340
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
V - suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a
correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos
numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração;
VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os
nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta
uma relação de reciprocidade;
VII - promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das
conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica
geradas na instituição.
VIII - atuar em favor da universalização e do aprimoramento da educação básica, mediante
a formação e a capacitação de profissionais, a realização de pesquisas pedagógicas e o
desenvolvimento de atividades de extensão que aproximem os dois níveis
escolares.
(Incluído pela Lei nº 13.174, de 2015)
Art. 44. A educação superior abrangerá os seguintes cursos e programas:
(Regulamento)
I - cursos seqüenciais por campo de saber, de diferentes níveis de abrangência, abertos a
candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos pelas instituições de ensino, desde
que tenham concluído o ensino médio ou equivalente;
(Redação dada pela Lei nº
11.632, de 2007).
II - de graduação, abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou
equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo;
III - de pós-graduação, compreendendo programas de mestrado e doutorado, cursos de
especialização, aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos diplomados em cursos de
graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino;
IV - de extensão, abertos a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos em cada
caso pelas instituições de ensino.
§ 1º O resultado do processo seletivo referido no inciso II do caput deste artigo será
tornado público pela instituição de ensino superior, sendo obrigatórios a divulgação da
relação nominal dos classificados, a respectiva ordem de classificação e o cronograma das
chamadas para matrícula, de acordo com os critérios para preenchimento das vagas
constantes do edital, assegurado o direito do candidato, classificado ou não, a ter acesso a
suas notas ou indicadores de desempenho em provas, exames e demais atividades da
seleção e a sua posição na ordem de classificação de todos os
candidatos.
(Redação dada pela Lei nº 13.826, de 2019)
§ 2º No caso de empate no processo seletivo, as instituições públicas de ensino superior
darão prioridade de matrícula ao candidato que comprove ter renda familiar inferior a dez
341
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
salários mínimos, ou ao de menor renda familiar, quando mais de um candidato preencher o
critério inicial.
(Incluído pela Lei nº 13.184, de 2015)
§ 3o O processo seletivo referido no inciso II considerará as competências e as
habilidades definidas na Base Nacional Comum Curricular.
(Incluído pela lei nº 13.415,
de 2017)
Art. 45. A educação superior será ministrada em instituições de ensino superior, públicas ou
privadas, com variados graus de abrangência ou
especialização.
(Regulamento)
(Regulamento)
Art. 46. A autorização e o reconhecimento de cursos, bem como o credenciamento de
instituições de educação superior, terão prazos limitados, sendo renovados, periodicamente,
após processo regular de avaliação. (Regulamento)
(Regulamento)
(Vide Lei nº
10.870, de 2004)
§ 1º Após um prazo para saneamento de deficiências eventualmente identificadas pela
avaliação a que se refere este artigo, haverá reavaliação, que poderá resultar, conforme o
caso, em desativação de cursos e habilitações, em intervenção na instituição, em suspensão
temporária de prerrogativas da autonomia, ou em descredenciamento.
(Regulamento)
(Regulamento)
(Vide Lei nº 10.870, de 2004)
§ 2º No caso de instituição pública, o Poder Executivo responsável por sua manutenção
acompanhará o processo de saneamento e fornecerá recursos adicionais, se necessários,
para a superação das deficiências.
§ 3o No caso de instituição privada, além das sanções previstas no § 1 o deste artigo, o
processo de reavaliação poderá resultar em redução de vagas autorizadas e em suspensão
temporária de novos ingressos e de oferta de cursos. (Incluído pela Lei nº 13.530, de 2017)
§ 4o É facultado ao Ministério da Educação, mediante procedimento específico e com
aquiescência da instituição de ensino, com vistas a resguardar os interesses dos estudantes,
comutar as penalidades previstas nos §§ 1o e 3o deste artigo por outras medidas, desde que
adequadas para superação das deficiências e irregularidades constatadas. (Incluído pela Lei
nº 13.530, de 2017)
§ 5o Para fins de regulação, os Estados e o Distrito Federal deverão adotar os critérios
definidos pela União para autorização de funcionamento de curso de graduação em
Medicina. (Incluído pela Lei nº 13.530, de 2017)
Art. 47. Na educação superior, o ano letivo regular, independente do ano civil, tem, no
mínimo, duzentos dias de trabalho acadêmico efetivo, excluído o tempo reservado aos
exames finais, quando houver.
342
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1o As instituições informarão aos interessados, antes de cada período letivo, os
programas dos cursos e demais componentes curriculares, sua duração, requisitos,
qualificação dos professores, recursos disponíveis e critérios de avaliação, obrigando-se a
cumprir as respectivas condições, e a publicação deve ser feita, sendo as 3 (três) primeiras
formas concomitantemente:
(Redação dada pela lei nº 13.168, de 2015)
I - em página específica na internet no sítio eletrônico oficial da instituição de ensino
superior, obedecido o seguinte:
(Incluído pela lei nº 13.168, de 2015)
a) toda publicação a que se refere esta Lei deve ter como título “Grade e Corpo
Docente”;
(Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
b) a página principal da instituição de ensino superior, bem como a página da oferta
de seus cursos aos ingressantes sob a forma de vestibulares, processo seletivo e outras com
a mesma finalidade, deve conter a ligação desta com a página específica prevista neste
inciso;
(Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
c) caso a instituição de ensino superior não possua sítio eletrônico, deve criar página
específica para divulgação das informações de que trata esta Lei;
(Incluída pela lei nº
13.168, de 2015)
d) a página específica deve conter a data completa de sua última atualização;
(Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
II - em toda propaganda eletrônica da instituição de ensino superior, por meio de
ligação para a página referida no inciso I;
(Incluído pela lei nº 13.168, de 2015)
III - em local visível da instituição de ensino superior e de fácil acesso ao
público;
(Incluído pela lei nº 13.168, de 2015)
IV - deve ser atualizada semestralmente ou anualmente, de acordo com a duração das
disciplinas de cada curso oferecido, observando o seguinte:
(Incluído pela lei nº
13.168, de 2015)
343
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) caso o curso mantenha disciplinas com duração diferenciada, a publicação deve ser
semestral;
(Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
b) a publicação deve ser feita até 1 (um) mês antes do início das aulas;
(Incluída
pela lei nº 13.168, de 2015)
c) caso haja mudança na grade do curso ou no corpo docente até o início das aulas, os
alunos devem ser comunicados sobre as alterações;
(Incluída pela lei nº 13.168, de
2015)
V - deve conter as seguintes informações:
(Incluído pela lei nº 13.168, de 2015)
a) a lista de todos os cursos oferecidos pela instituição de ensino superior;
(Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
b) a lista das disciplinas que compõem a grade curricular de cada curso e as
respectivas cargas horárias;
(Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
c) a identificação dos docentes que ministrarão as aulas em cada curso, as disciplinas
que efetivamente ministrará naquele curso ou cursos, sua titulação, abrangendo a
qualificação profissional do docente e o tempo de casa do docente, de forma total, contínua
ou intermitente.
(Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
§ 2º Os alunos que tenham extraordinário aproveitamento nos estudos, demonstrado por
meio de provas e outros instrumentos de avaliação específicos, aplicados por banca
examinadora especial, poderão ter abreviada a duração dos seus cursos, de acordo com as
normas dos sistemas de ensino.
§ 3º É obrigatória a freqüência de alunos e professores, salvo nos programas de educação a
distância.
§ 4º As instituições de educação superior oferecerão, no período noturno, cursos de
graduação nos mesmos padrões de qualidade mantidos no período diurno, sendo
obrigatória a oferta noturna nas instituições públicas, garantida a necessária previsão
orçamentária.
Art. 48. Os diplomas de cursos superiores reconhecidos, quando registrados, terão validade
nacional como prova da formação recebida por seu titular.
344
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º Os diplomas expedidos pelas universidades serão por elas próprias registrados, e
aqueles conferidos por instituições não-universitárias serão registrados em universidades
indicadas pelo Conselho Nacional de Educação.
§ 2º Os diplomas de graduação expedidos por universidades estrangeiras serão revalidados
por universidades públicas que tenham curso do mesmo nível e área ou equivalente,
respeitando-se os acordos internacionais de reciprocidade ou equiparação.
§ 3º Os diplomas de Mestrado e de Doutorado expedidos por universidades estrangeiras só
poderão ser reconhecidos por universidades que possuam cursos de pós-graduação
reconhecidos e avaliados, na mesma área de conhecimento e em nível equivalente ou
superior.
Art. 49. As instituições de educação superior aceitarão a transferência de alunos regulares,
para cursos afins, na hipótese de existência de vagas, e mediante processo seletivo.
Parágrafo único. As transferências ex officio dar-se-ão na forma da lei.
(Regulamento)
Art. 50. As instituições de educação superior, quando da ocorrência de vagas, abrirão
matrícula nas disciplinas de seus cursos a alunos não regulares que demonstrarem
capacidade de cursá-las com proveito, mediante processo seletivo prévio.
Art. 51. As instituições de educação superior credenciadas como universidades, ao deliberar
sobre critérios e normas de seleção e admissão de estudantes, levarão em conta os efeitos
desses critérios sobre a orientação do ensino médio, articulando-se com os órgãos
normativos dos sistemas de ensino.
Art. 52. As universidades são instituições pluridisciplinares de formação dos quadros
profissionais de nível superior, de pesquisa, de extensão e de domínio e cultivo do saber
humano, que se caracterizam por:
(Regulamento)
(Regulamento)
I - produção intelectual institucionalizada mediante o estudo sistemático dos temas e
problemas mais relevantes, tanto do ponto de vista científico e cultural, quanto regional e
nacional;
II - um terço do corpo docente, pelo menos, com titulação acadêmica de mestrado ou
doutorado;
III - um terço do corpo docente em regime de tempo integral.
Parágrafo único. É facultada a criação de universidades especializadas por campo do
saber.
(Regulamento)
(Regulamento)
Art. 53. No exercício de sua autonomia, são asseguradas às universidades, sem prejuízo de
outras, as seguintes atribuições:
345
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - criar, organizar e extinguir, em sua sede, cursos e programas de educação superior
previstos nesta Lei, obedecendo às normas gerais da União e, quando for o caso, do
respectivo sistema de ensino;
(Regulamento)
II - fixar os currículos dos seus cursos e programas, observadas as diretrizes gerais
pertinentes;
III - estabelecer planos, programas e projetos de pesquisa científica, produção artística e
atividades de extensão;
IV - fixar o número de vagas de acordo com a capacidade institucional e as exigências do
seu meio;
V - elaborar e reformar os seus estatutos e regimentos em consonância com as normas
gerais atinentes;
VI - conferir graus, diplomas e outros títulos;
VII - firmar contratos, acordos e convênios;
VIII - aprovar e executar planos, programas e projetos de investimentos referentes a obras,
serviços e aquisições em geral, bem como administrar rendimentos conforme dispositivos
institucionais;
IX - administrar os rendimentos e deles dispor na forma prevista no ato de constituição, nas
leis e nos respectivos estatutos;
X - receber subvenções, doações, heranças, legados e cooperação financeira resultante de
convênios com entidades públicas e privadas.
§ 1º Para garantir a autonomia didático-científica das universidades, caberá aos seus
colegiados de ensino e pesquisa decidir, dentro dos recursos orçamentários disponíveis,
sobre:
(Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017)
I - criação, expansão, modificação e extinção de cursos;
(Redação dada pela Lei nº
13.490, de 2017)
II - ampliação e diminuição de vagas;
(Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017)
III - elaboração da programação dos cursos;
(Redação dada pela Lei nº 13.490, de
2017)
IV - programação das pesquisas e das atividades de extensão;
(Redação dada pela
Lei nº 13.490, de 2017)
V - contratação e dispensa de professores;
(Redação dada pela Lei nº 13.490, de
2017)
VI - planos de carreira docente.
(Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017)
346
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2o As doações, inclusive monetárias, podem ser dirigidas a setores ou projetos
específicos, conforme acordo entre doadores e universidades.
(Incluído pela Lei nº
13.490, de 2017)
§ 3o No caso das universidades públicas, os recursos das doações devem ser dirigidos ao
caixa único da instituição, com destinação garantida às unidades a serem
beneficiadas.
(Incluído pela Lei nº 13.490, de 2017)
Art. 54. As universidades mantidas pelo Poder Público gozarão, na forma da lei, de estatuto
jurídico especial para atender às peculiaridades de sua estrutura, organização e
financiamento pelo Poder Público, assim como dos seus planos de carreira e do regime
jurídico do seu pessoal.
(Regulamento)
(Regulamento)
§ 1º No exercício da sua autonomia, além das atribuições asseguradas pelo artigo anterior,
as universidades públicas poderão:
I - propor o seu quadro de pessoal docente, técnico e administrativo, assim como um plano
de cargos e salários, atendidas as normas gerais pertinentes e os recursos disponíveis;
II - elaborar o regulamento de seu pessoal em conformidade com as normas gerais
concernentes;
III - aprovar e executar planos, programas e projetos de investimentos referentes a obras,
serviços e aquisições em geral, de acordo com os recursos alocados pelo respectivo Poder
mantenedor;
IV - elaborar seus orçamentos anuais e plurianuais;
V - adotar regime financeiro e contábil que atenda às suas peculiaridades de organização e
funcionamento;
VI - realizar operações de crédito ou de financiamento, com aprovação do Poder
competente, para aquisição de bens imóveis, instalações e equipamentos;
VII - efetuar transferências, quitações e tomar outras providências de ordem orçamentária,
financeira e patrimonial necessárias ao seu bom desempenho.
§ 2º Atribuições de autonomia universitária poderão ser estendidas a instituições que
comprovem alta qualificação para o ensino ou para a pesquisa, com base em avaliação
realizada pelo Poder Público.
Art. 55. Caberá à União assegurar, anualmente, em seu Orçamento Geral, recursos
suficientes para manutenção e desenvolvimento das instituições de educação superior por
ela mantidas.
347
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 56. As instituições públicas de educação superior obedecerão ao princípio da gestão
democrática, assegurada a existência de órgãos colegiados deliberativos, de que
participarão os segmentos da comunidade institucional, local e regional.
Parágrafo único. Em qualquer caso, os docentes ocuparão setenta por cento dos assentos
em cada órgão colegiado e comissão, inclusive nos que tratarem da elaboração e
modificações estatutárias e regimentais, bem como da escolha de dirigentes.
Art. 57. Nas instituições públicas de educação superior, o professor ficará obrigado ao
mínimo de oito horas semanais de aulas.
(Regulamento)
CAPÍTULO V
DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
Art. 58. Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade de
educação escolar oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos
com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou
superdotação.
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
§ 1º Haverá, quando necessário, serviços de apoio especializado, na escola regular, para
atender às peculiaridades da clientela de educação especial.
§ 2º O atendimento educacional será feito em classes, escolas ou serviços especializados,
sempre que, em função das condições específicas dos alunos, não for possível a sua
integração nas classes comuns de ensino regular.
§ 3º A oferta de educação especial, nos termos do caput deste artigo, tem início na
educação infantil e estende-se ao longo da vida, observados o inciso III do art. 4º e o
parágrafo único do art. 60 desta Lei.
(Redação dada pela Lei nº 13.632, de 2018)
Art. 59. Os sistemas de ensino assegurarão aos educandos com deficiência, transtornos
globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação:
(Redação dada pela
Lei nº 12.796, de 2013)
I - currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e organização específicos, para atender
às suas necessidades;
II - terminalidade específica para aqueles que não puderem atingir o nível exigido para a
conclusão do ensino fundamental, em virtude de suas deficiências, e aceleração para
concluir em menor tempo o programa escolar para os superdotados;
III - professores com especialização adequada em nível médio ou superior, para
atendimento especializado, bem como professores do ensino regular capacitados para a
integração desses educandos nas classes comuns;
IV - educação especial para o trabalho, visando a sua efetiva integração na vida em
sociedade, inclusive condições adequadas para os que não revelarem capacidade de
348
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
inserção no trabalho competitivo, mediante articulação com os órgãos oficiais afins, bem
como para aqueles que apresentam uma habilidade superior nas áreas artística, intelectual
ou psicomotora;
V - acesso igualitário aos benefícios dos programas sociais suplementares disponíveis para
o respectivo nível do ensino regular.
Art. 59-A. O poder público deverá instituir cadastro nacional de alunos com altas
habilidades ou superdotação matriculados na educação básica e na educação superior, a fim
de fomentar a execução de políticas públicas destinadas ao desenvolvimento pleno das
potencialidades desse alunado.
(Incluído pela Lei nº 13.234, de 2015)
Parágrafo único. A identificação precoce de alunos com altas habilidades ou superdotação,
os critérios e procedimentos para inclusão no cadastro referido no caput deste artigo, as
entidades responsáveis pelo cadastramento, os mecanismos de acesso aos dados do
cadastro e as políticas de desenvolvimento das potencialidades do alunado de que trata
o caput serão definidos em regulamento.
Art. 60. Os órgãos normativos dos sistemas de ensino estabelecerão critérios de
caracterização das instituições privadas sem fins lucrativos, especializadas e com atuação
exclusiva em educação especial, para fins de apoio técnico e financeiro pelo Poder Público.
Parágrafo único. O poder público adotará, como alternativa preferencial, a ampliação do
atendimento aos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e
altas habilidades ou superdotação na própria rede pública regular de ensino,
independentemente do apoio às instituições previstas neste artigo.
(Redação dada
pela Lei nº 12.796, de 2013)
TÍTULO VI
Dos Profissionais da Educação
Art. 61. Consideram-se profissionais da educação escolar básica os que, nela estando
em efetivo exercício e tendo sido formados em cursos reconhecidos, são:
(Redação
dada pela Lei nº 12.014, de 2009)
I – professores habilitados em nível médio ou superior para a docência na educação
infantil e nos ensinos fundamental e médio;
(Redação dada pela Lei nº 12.014, de
2009)
II – trabalhadores em educação portadores de diploma de pedagogia, com habilitação
em administração, planejamento, supervisão, inspeção e orientação educacional, bem como
com títulos de mestrado ou doutorado nas mesmas áreas;
(Redação dada pela Lei nº
12.014, de 2009)
III – trabalhadores em educação, portadores de diploma de curso técnico ou superior
em área pedagógica ou afim.
(Incluído pela Lei nº 12.014, de 2009)
349
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
IV - profissionais com notório saber reconhecido pelos respectivos sistemas de ensino,
para ministrar conteúdos de áreas afins à sua formação ou experiência profissional,
atestados por titulação específica ou prática de ensino em unidades educacionais da rede
pública ou privada ou das corporações privadas em que tenham atuado, exclusivamente
para atender ao inciso V do caput do art. 36;
(Incluído pela lei nº 13.415, de 2017)
V - profissionais graduados que tenham feito complementação pedagógica, conforme
disposto pelo Conselho Nacional de Educação.
(Incluído pela lei nº 13.415, de 2017)
Parágrafo único. A formação dos profissionais da educação, de modo a atender às
especificidades do exercício de suas atividades, bem como aos objetivos das diferentes
etapas e modalidades da educação básica, terá como fundamentos:
(Incluído pela Lei nº
12.014, de 2009)
I – a presença de sólida formação básica, que propicie o conhecimento dos
fundamentos científicos e sociais de suas competências de trabalho;
(Incluído pela Lei
nº 12.014, de 2009)
II – a associação entre teorias e práticas, mediante estágios supervisionados e
capacitação em serviço;
(Incluído pela Lei nº 12.014, de 2009)
III – o aproveitamento da formação e experiências anteriores, em instituições de ensino
e em outras atividades.
(Incluído pela Lei nº 12.014, de 2009)
Art. 62. A formação de docentes para atuar na educação básica far-se-á em nível superior,
em curso de licenciatura plena, admitida, como formação mínima para o exercício do
magistério na educação infantil e nos cinco primeiros anos do ensino fundamental, a
oferecida em nível médio, na modalidade normal.
(Redação dada pela lei nº 13.415, de
2017)
§ 1º A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios, em regime de colaboração,
deverão promover a formação inicial, a continuada e a capacitação dos profissionais de
magistério.
(Incluído pela Lei nº 12.056, de 2009).
§ 2º A formação continuada e a capacitação dos profissionais de magistério poderão utilizar
recursos e tecnologias de educação a distância.
(Incluído pela Lei nº 12.056, de 2009).
§ 3º A formação inicial de profissionais de magistério dará preferência ao ensino presencial,
subsidiariamente fazendo uso de recursos e tecnologias de educação a
distância.
(Incluído pela Lei nº 12.056, de 2009).
§ 4o A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios adotarão mecanismos
facilitadores de acesso e permanência em cursos de formação de docentes em nível
superior para atuar na educação básica pública.
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
350
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 5o A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios incentivarão a formação
de profissionais do magistério para atuar na educação básica pública mediante programa
institucional de bolsa de iniciação à docência a estudantes matriculados em cursos de
licenciatura, de graduação plena, nas instituições de educação superior.
(Incluído pela
Lei nº 12.796, de 2013)
§ 6o O Ministério da Educação poderá estabelecer nota mínima em exame nacional
aplicado aos concluintes do ensino médio como pré-requisito para o ingresso em cursos de
graduação para formação de docentes, ouvido o Conselho Nacional de Educação CNE.
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
§ 7o (VETADO).
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
§ 8o Os currículos dos cursos de formação de docentes terão por referência a Base
Nacional Comum Curricular.
(Incluído pela lei nº 13.415, de 2017)
(Vide Lei nº 13.415,
de 2017)
Art. 62-A. A formação dos profissionais a que se refere o inciso III do art. 61 far-se-á
por meio de cursos de conteúdo técnico-pedagógico, em nível médio ou superior, incluindo
habilitações tecnológicas.
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
Parágrafo único. Garantir-se-á formação continuada para os profissionais a que se
refere o caput, no local de trabalho ou em instituições de educação básica e superior,
incluindo cursos de educação profissional, cursos superiores de graduação plena ou
tecnológicos e de pós-graduação.
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
Art. 62-B. O acesso de professores das redes públicas de educação básica a cursos
superiores de pedagogia e licenciatura será efetivado por meio de processo seletivo
diferenciado.
(Incluído pela Lei nº 13.478, de 2017)
§ 1º Terão direito de pleitear o acesso previsto no caput deste artigo os professores
das redes públicas municipais, estaduais e federal que ingressaram por concurso público,
tenham pelo menos três anos de exercício da profissão e não sejam portadores de diploma
de graduação.
(Incluído pela Lei nº 13.478, de 2017)
§ 2o As instituições de ensino responsáveis pela oferta de cursos de pedagogia e
outras licenciaturas definirão critérios adicionais de seleção sempre que acorrerem aos
351
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
certames interessados em número superior ao de vagas disponíveis para os respectivos
cursos.
(Incluído pela Lei nº 13.478, de 2017)
§ 3o Sem prejuízo dos concursos seletivos a serem definidos em regulamento pelas
universidades, terão prioridade de ingresso os professores que optarem por cursos de
licenciatura em matemática, física, química, biologia e língua portuguesa.
(Incluído
pela Lei nº 13.478, de 2017)
Art. 63. Os institutos superiores de educação manterão:
(Regulamento)
I - cursos formadores de profissionais para a educação básica, inclusive o curso normal
superior, destinado à formação de docentes para a educação infantil e para as primeiras
séries do ensino fundamental;
II - programas de formação pedagógica para portadores de diplomas de educação superior
que queiram se dedicar à educação básica;
III - programas de educação continuada para os profissionais de educação dos diversos
níveis.
Art. 64. A formação de profissionais de educação para administração, planejamento,
inspeção, supervisão e orientação educacional para a educação básica, será feita em cursos
de graduação em pedagogia ou em nível de pós-graduação, a critério da instituição de
ensino, garantida, nesta formação, a base comum nacional.
Art. 65. A formação docente, exceto para a educação superior, incluirá prática de ensino de,
no mínimo, trezentas horas.
Art. 66. A preparação para o exercício do magistério superior far-se-á em nível de pósgraduação, prioritariamente em programas de mestrado e doutorado.
Parágrafo único. O notório saber, reconhecido por universidade com curso de doutorado
em área afim, poderá suprir a exigência de título acadêmico.
Art. 67. Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação,
assegurando-lhes, inclusive nos termos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério
público:
I - ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos;
II - aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive com licenciamento periódico
remunerado para esse fim;
III - piso salarial profissional;
IV - progressão funcional baseada na titulação ou habilitação, e na avaliação do
desempenho;
352
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
V - período reservado a estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho;
VI - condições adequadas de trabalho.
§ 1o A experiência docente é pré-requisito para o exercício profissional de quaisquer outras
funções de magistério, nos termos das normas de cada sistema de ensino.
(Renumerado pela Lei nº 11.301, de 2006)
§ 2o Para os efeitos do disposto no § 5º do art. 40 e no § 8o do art. 201 da Constituição
Federal, são consideradas funções de magistério as exercidas por professores e especialistas
em educação no desempenho de atividades educativas, quando exercidas em
estabelecimento de educação básica em seus diversos níveis e modalidades, incluídas, além
do exercício da docência, as de direção de unidade escolar e as de coordenação e
assessoramento pedagógico.
(Incluído pela Lei nº 11.301, de 2006)
§ 3o A União prestará assistência técnica aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios
na elaboração de concursos públicos para provimento de cargos dos profissionais da
educação.
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
TÍTULO VII
Dos Recursos financeiros
Art. 68. Serão recursos públicos destinados à educação os originários de:
I - receita de impostos próprios da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
II - receita de transferências constitucionais e outras transferências;
III - receita do salário-educação e de outras contribuições sociais;
IV - receita de incentivos fiscais;
V - outros recursos previstos em lei.
Art. 69. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o Distrito
Federal e os Municípios, vinte e cinco por cento, ou o que consta nas respectivas
Constituições ou Leis Orgânicas, da receita resultante de impostos, compreendidas as
transferências constitucionais, na manutenção e desenvolvimento do ensino
público.
(Vide Medida Provisória nº 773, de 2017) (Vigência encerrada)
§ 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela União aos Estados, ao Distrito
Federal e aos Municípios, ou pelos Estados aos respectivos Municípios, não será
considerada, para efeito do cálculo previsto neste artigo, receita do governo que a transferir.
§ 2º Serão consideradas excluídas das receitas de impostos mencionadas neste artigo as
operações de crédito por antecipação de receita orçamentária de impostos.
353
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3º Para fixação inicial dos valores correspondentes aos mínimos estatuídos neste artigo,
será considerada a receita estimada na lei do orçamento anual, ajustada, quando for o caso,
por lei que autorizar a abertura de créditos adicionais, com base no eventual excesso de
arrecadação.
§ 4º As diferenças entre a receita e a despesa previstas e as efetivamente realizadas, que
resultem no não atendimento dos percentuais mínimos obrigatórios, serão apuradas e
corrigidas a cada trimestre do exercício financeiro.
§ 5º O repasse dos valores referidos neste artigo do caixa da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios ocorrerá imediatamente ao órgão responsável pela educação,
observados os seguintes prazos:
I - recursos arrecadados do primeiro ao décimo dia de cada mês, até o vigésimo dia;
II - recursos arrecadados do décimo primeiro ao vigésimo dia de cada mês, até o trigésimo
dia;
III - recursos arrecadados do vigésimo primeiro dia ao final de cada mês, até o décimo dia
do mês subseqüente.
§ 6º O atraso da liberação sujeitará os recursos a correção monetária e à responsabilização
civil e criminal das autoridades competentes.
Art. 70. Considerar-se-ão como de manutenção e desenvolvimento do ensino as despesas
realizadas com vistas à consecução dos objetivos básicos das instituições educacionais de
todos os níveis, compreendendo as que se destinam a:
I - remuneração e aperfeiçoamento do pessoal docente e demais profissionais da educação;
II - aquisição, manutenção, construção e conservação de instalações e equipamentos
necessários ao ensino;
III – uso e manutenção de bens e serviços vinculados ao ensino;
IV - levantamentos estatísticos, estudos e pesquisas visando precipuamente ao
aprimoramento da qualidade e à expansão do ensino;
V - realização de atividades-meio necessárias ao funcionamento dos sistemas de ensino;
VI - concessão de bolsas de estudo a alunos de escolas públicas e privadas;
VII - amortização e custeio de operações de crédito destinadas a atender ao disposto nos
incisos deste artigo;
VIII - aquisição de material didático-escolar e manutenção de programas de transporte
escolar.
Art. 71. Não constituirão despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino aquelas
realizadas com:
354
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - pesquisa, quando não vinculada às instituições de ensino, ou, quando efetivada fora dos
sistemas de ensino, que não vise, precipuamente, ao aprimoramento de sua qualidade ou à
sua expansão;
II - subvenção a instituições públicas ou privadas de caráter assistencial, desportivo ou
cultural;
III - formação de quadros especiais para a administração pública, sejam militares ou civis,
inclusive diplomáticos;
IV - programas suplementares de alimentação, assistência médico-odontológica,
farmacêutica e psicológica, e outras formas de assistência social;
V - obras de infra-estrutura, ainda que realizadas para beneficiar direta ou indiretamente a
rede escolar;
VI - pessoal docente e demais trabalhadores da educação, quando em desvio de função ou
em atividade alheia à manutenção e desenvolvimento do ensino.
Art. 72. As receitas e despesas com manutenção e desenvolvimento do ensino serão
apuradas e publicadas nos balanços do Poder Público, assim como nos relatórios a que se
refere o § 3º do art. 165 da Constituição Federal.
Art. 73. Os órgãos fiscalizadores examinarão, prioritariamente, na prestação de contas de
recursos públicos, o cumprimento do disposto no art. 212 da Constituição Federal, no art.
60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e na legislação concernente.
Art. 74. A União, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
estabelecerá padrão mínimo de oportunidades educacionais para o ensino fundamental,
baseado no cálculo do custo mínimo por aluno, capaz de assegurar ensino de qualidade.
Parágrafo único. O custo mínimo de que trata este artigo será calculado pela União ao final
de cada ano, com validade para o ano subseqüente, considerando variações regionais no
custo dos insumos e as diversas modalidades de ensino.
Art. 75. A ação supletiva e redistributiva da União e dos Estados será exercida de modo a
corrigir, progressivamente, as disparidades de acesso e garantir o padrão mínimo de
qualidade de ensino.
§ 1º A ação a que se refere este artigo obedecerá a fórmula de domínio público que inclua a
capacidade de atendimento e a medida do esforço fiscal do respectivo Estado, do Distrito
Federal ou do Município em favor da manutenção e do desenvolvimento do ensino.
§ 2º A capacidade de atendimento de cada governo será definida pela razão entre os
recursos de uso constitucionalmente obrigatório na manutenção e desenvolvimento do
ensino e o custo anual do aluno, relativo ao padrão mínimo de qualidade.
355
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3º Com base nos critérios estabelecidos nos §§ 1º e 2º, a União poderá fazer a
transferência direta de recursos a cada estabelecimento de ensino, considerado o número
de alunos que efetivamente freqüentam a escola.
§ 4º A ação supletiva e redistributiva não poderá ser exercida em favor do Distrito Federal,
dos Estados e dos Municípios se estes oferecerem vagas, na área de ensino de sua
responsabilidade, conforme o inciso VI do art. 10 e o inciso V do art. 11 desta Lei, em
número inferior à sua capacidade de atendimento.
Art. 76. A ação supletiva e redistributiva prevista no artigo anterior ficará condicionada ao
efetivo cumprimento pelos Estados, Distrito Federal e Municípios do disposto nesta Lei, sem
prejuízo de outras prescrições legais.
Art. 77. Os recursos públicos serão destinados às escolas públicas, podendo ser dirigidos a
escolas comunitárias, confessionais ou filantrópicas que:
I - comprovem finalidade não-lucrativa e não distribuam resultados, dividendos,
bonificações, participações ou parcela de seu patrimônio sob nenhuma forma ou pretexto;
II - apliquem seus excedentes financeiros em educação;
III - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra escola comunitária, filantrópica ou
confessional, ou ao Poder Público, no caso de encerramento de suas atividades;
IV - prestem contas ao Poder Público dos recursos recebidos.
§ 1º Os recursos de que trata este artigo poderão ser destinados a bolsas de estudo para a
educação básica, na forma da lei, para os que demonstrarem insuficiência de recursos,
quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública de domicílio do educando,
ficando o Poder Público obrigado a investir prioritariamente na expansão da sua rede local.
§ 2º As atividades universitárias de pesquisa e extensão poderão receber apoio financeiro
do Poder Público, inclusive mediante bolsas de estudo.
TÍTULO VIII
Das Disposições Gerais
Art. 78. O Sistema de Ensino da União, com a colaboração das agências federais de fomento
à cultura e de assistência aos índios, desenvolverá programas integrados de ensino e
pesquisa, para oferta de educação escolar bilingüe e intercultural aos povos indígenas, com
os seguintes objetivos:
I - proporcionar aos índios, suas comunidades e povos, a recuperação de suas memórias
históricas; a reafirmação de suas identidades étnicas; a valorização de suas línguas e
ciências;
356
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - garantir aos índios, suas comunidades e povos, o acesso às informações, conhecimentos
técnicos e científicos da sociedade nacional e demais sociedades indígenas e não-índias.
Art. 79. A União apoiará técnica e financeiramente os sistemas de ensino no provimento da
educação intercultural às comunidades indígenas, desenvolvendo programas integrados de
ensino e pesquisa.
§ 1º Os programas serão planejados com audiência das comunidades indígenas.
§ 2º Os programas a que se refere este artigo, incluídos nos Planos Nacionais de Educação,
terão os seguintes objetivos:
I - fortalecer as práticas sócio-culturais e a língua materna de cada comunidade indígena;
II - manter programas de formação de pessoal especializado, destinado à educação escolar
nas comunidades indígenas;
III - desenvolver currículos e programas específicos, neles incluindo os conteúdos culturais
correspondentes às respectivas comunidades;
IV - elaborar e publicar sistematicamente material didático específico e diferenciado.
§ 3o No que se refere à educação superior, sem prejuízo de outras ações, o atendimento aos
povos indígenas efetivar-se-á, nas universidades públicas e privadas, mediante a oferta de
ensino e de assistência estudantil, assim como de estímulo à pesquisa e desenvolvimento de
programas especiais.
(Incluído pela Lei nº 12.416, de 2011)
Art. 79-A. (VETADO)
(Incluído pela Lei nº 10.639, de 9.1.2003)
Art. 79-B. O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro como ‘Dia Nacional da
Consciência Negra’.
(Incluído pela Lei nº 10.639, de 9.1.2003)
Art. 80. O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de
ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação
continuada.
(Regulamento)
(Regulamento)
§ 1º A educação a distância, organizada com abertura e regime especiais, será oferecida por
instituições especificamente credenciadas pela União.
§ 2º A União regulamentará os requisitos para a realização de exames e registro de diploma
relativos a cursos de educação a distância.
§ 3º As normas para produção, controle e avaliação de programas de educação a distância e
a autorização para sua implementação, caberão aos respectivos sistemas de ensino,
podendo haver cooperação e integração entre os diferentes sistemas.
(Regulamento)
§ 4º A educação a distância gozará de tratamento diferenciado, que incluirá:
357
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - custos de transmissão reduzidos em canais comerciais de radiodifusão sonora e de sons
e imagens e em outros meios de comunicação que sejam explorados mediante autorização,
concessão ou permissão do poder público;
(Redação dada pela Lei nº 12.603, de
2012)
II - concessão de canais com finalidades exclusivamente educativas;
III - reserva de tempo mínimo, sem ônus para o Poder Público, pelos concessionários de
canais comerciais.
Art. 81. É permitida a organização de cursos ou instituições de ensino experimentais, desde
que obedecidas as disposições desta Lei.
Art. 82. Os sistemas de ensino estabelecerão as normas de realização de estágio em
sua jurisdição, observada a lei federal sobre a matéria.
(Redação dada pela Lei nº
11.788, de 2008)
Parágrafo único. (Revogado).
(Redação dada pela Lei nº 11.788, de 2008)
Art. 83. O ensino militar é regulado em lei específica, admitida a equivalência de estudos, de
acordo com as normas fixadas pelos sistemas de ensino.
Art. 84. Os discentes da educação superior poderão ser aproveitados em tarefas de ensino e
pesquisa pelas respectivas instituições, exercendo funções de monitoria, de acordo com seu
rendimento e seu plano de estudos.
Art. 85. Qualquer cidadão habilitado com a titulação própria poderá exigir a abertura de
concurso público de provas e títulos para cargo de docente de instituição pública de ensino
que estiver sendo ocupado por professor não concursado, por mais de seis anos,
ressalvados os direitos assegurados pelos arts. 41 da Constituição Federal e 19 do Ato das
Disposições Constitucionais Transitórias.
Art. 86. As instituições de educação superior constituídas como universidades integrar-seão, também, na sua condição de instituições de pesquisa, ao Sistema Nacional de Ciência e
Tecnologia, nos termos da legislação específica.
TÍTULO IX
Das Disposições Transitórias
Art. 87. É instituída a Década da Educação, a iniciar-se um ano a partir da publicação desta
Lei.
§ 1º A União, no prazo de um ano a partir da publicação desta Lei, encaminhará, ao
Congresso Nacional, o Plano Nacional de Educação, com diretrizes e metas para os dez anos
seguintes, em sintonia com a Declaração Mundial sobre Educação para Todos.
§ 2º (Revogado).
(Redação dada pela lei nº 12.796, de 2013)
358
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3o O Distrito Federal, cada Estado e Município, e, supletivamente, a União,
devem:
(Redação dada pela Lei nº 11.330, de 2006)
I - (revogado);
(Redação dada pela lei nº 12.796, de 2013)
a) (Revogado)
(Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)
b) (Revogado)
c) (Revogado)
(Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)
(Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)
II - prover cursos presenciais ou a distância aos jovens e adultos insuficientemente
escolarizados;
III - realizar programas de capacitação para todos os professores em exercício, utilizando
também, para isto, os recursos da educação a distância;
IV - integrar todos os estabelecimentos de ensino fundamental do seu território ao sistema
nacional de avaliação do rendimento escolar.
§ 4º (Revogado).
(Redação dada pela lei nº 12.796, de 2013)
§ 5º Serão conjugados todos os esforços objetivando a progressão das redes escolares
públicas urbanas de ensino fundamental para o regime de escolas de tempo integral.
§ 6º A assistência financeira da União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, bem
como a dos Estados aos seus Municípios, ficam condicionadas ao cumprimento do art. 212
da Constituição Federal e dispositivos legais pertinentes pelos governos beneficiados.
Art. 87-A. (VETADO).
(Incluído pela lei nº 12.796, de 2013)
Art. 88. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios adaptarão sua legislação
educacional e de ensino às disposições desta Lei no prazo máximo de um ano, a partir da
data de sua publicação.
(Regulamento)
(Regulamento)
§ 1º As instituições educacionais adaptarão seus estatutos e regimentos aos dispositivos
desta Lei e às normas dos respectivos sistemas de ensino, nos prazos por estes
estabelecidos.
§ 2º O prazo para que as universidades cumpram o disposto nos incisos II e III do art. 52 é
de oito anos.
Art. 89. As creches e pré-escolas existentes ou que venham a ser criadas deverão, no prazo
de três anos, a contar da publicação desta Lei, integrar-se ao respectivo sistema de ensino.
Art. 90. As questões suscitadas na transição entre o regime anterior e o que se institui nesta
Lei serão resolvidas pelo Conselho Nacional de Educação ou, mediante delegação deste,
pelos órgãos normativos dos sistemas de ensino, preservada a autonomia universitária.
Art. 91. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
359
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 92. Revogam-se as disposições das Leis nºs 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e 5.540,
de 28 de novembro de 1968, não alteradas pelas Leis nºs 9.131, de 24 de novembro de
1995 e 9.192, de 21 de dezembro de 1995 e, ainda, as Leis nºs 5.692, de 11 de agosto de
1971 e 7.044, de 18 de outubro de 1982, e as demais leis e decretos-lei que as modificaram
e quaisquer outras disposições em contrário.
Brasília, 20 de dezembro de 1996; 175º da Independência e 108º da República.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga Convenção Internacional sobre
os direitos das pessoas com deficiência e seu protocolo facultativo. Brasília, DF, 2009.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da
Constituição, e
Considerando que o Congresso Nacional aprovou, por meio do Decreto Legislativo n o 186,
de 9 de julho de 2008, conforme o procedimento do § 3º do art. 5º da Constituição, a
Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo,
assinados em Nova York, em 30 de março de 2007;
Considerando que o Governo brasileiro depositou o instrumento de ratificação dos referidos
atos junto ao Secretário-Geral das Nações Unidas em 1 o de agosto de 2008;
Considerando que os atos internacionais em apreço entraram em vigor para o Brasil, no
plano jurídico externo, em 31 de agosto de 2008;
DECRETA:
Art. 1o A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo
Facultativo, apensos por cópia ao presente Decreto, serão executados e cumpridos tão
inteiramente como neles se contém.
Art. 2o São sujeitos à aprovação do Congresso Nacional quaisquer atos que possam resultar
em revisão dos referidos diplomas internacionais ou que acarretem encargos ou
compromissos gravosos ao patrimônio nacional, nos termos do art. 49, inciso I, da
Constituição.
Art. 3o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 25 de agosto de 2009; 188o da Independência e 121o da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Celso Luiz Nunes Amorim
Este texto não substitui o publicado no DOU de 26.8.2009
360
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
Preâmbulo
Os Estados Partes da presente Convenção,
a) Relembrando os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas, que reconhecem a
dignidade e o valor inerentes e os direitos iguais e inalienáveis de todos os membros da
família humana como o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo,
b) Reconhecendo que as Nações Unidas, na Declaração Universal dos Direitos Humanos e
nos Pactos Internacionais sobre Direitos Humanos, proclamaram e concordaram que toda
pessoa faz jus a todos os direitos e liberdades ali estabelecidos, sem distinção de qualquer
espécie,
c) Reafirmando a universalidade, a indivisibilidade, a interdependência e a inter-relação de
todos os direitos humanos e liberdades fundamentais, bem como a necessidade de garantir
que todas as pessoas com deficiência os exerçam plenamente, sem discriminação,
d) Relembrando o Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, o Pacto
Internacional dos Direitos Civis e Políticos, a Convenção Internacional sobre a Eliminação de
Todas as Formas de Discriminação Racial, a Convenção sobre a Eliminação de todas as
Formas de Discriminação contra a Mulher, a Convenção contra a Tortura e Outros
Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes, a Convenção sobre os Direitos
da Criança e a Convenção Internacional sobre a Proteção dos Direitos de Todos os
Trabalhadores Migrantes e Membros de suas Famílias,
e) Reconhecendo que a deficiência é um conceito em evolução e que a deficiência resulta da
interação entre pessoas com deficiência e as barreiras devidas às atitudes e ao ambiente
que impedem a plena e efetiva participação dessas pessoas na sociedade em igualdade de
oportunidades com as demais pessoas,
f) Reconhecendo a importância dos princípios e das diretrizes de política, contidos no
Programa de Ação Mundial para as Pessoas Deficientes e nas Normas sobre a Equiparação
de Oportunidades para Pessoas com Deficiência, para influenciar a promoção, a formulação
e a avaliação de políticas, planos, programas e ações em níveis nacional, regional e
internacional para possibilitar maior igualdade de oportunidades para pessoas com
deficiência,
g) Ressaltando a importância de trazer questões relativas à deficiência ao centro das
preocupações da sociedade como parte integrante das estratégias relevantes de
desenvolvimento sustentável,
h) Reconhecendo também que a discriminação contra qualquer pessoa, por motivo de
deficiência, configura violação da dignidade e do valor inerentes ao ser humano,
i) Reconhecendo ainda a diversidade das pessoas com deficiência,
361
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
j) Reconhecendo a necessidade de promover e proteger os direitos humanos de todas as
pessoas com deficiência, inclusive daquelas que requerem maior apoio,
k) Preocupados com o fato de que, não obstante esses diversos instrumentos e
compromissos, as pessoas com deficiência continuam a enfrentar barreiras contra sua
participação como membros iguais da sociedade e violações de seus direitos humanos em
todas as partes do mundo,
l) Reconhecendo a importância da cooperação internacional para melhorar as condições de
vida das pessoas com deficiência em todos os países, particularmente naqueles em
desenvolvimento,
m) Reconhecendo as valiosas contribuições existentes e potenciais das pessoas com
deficiência ao bem-estar comum e à diversidade de suas comunidades, e que a promoção
do pleno exercício, pelas pessoas com deficiência, de seus direitos humanos e liberdades
fundamentais e de sua plena participação na sociedade resultará no fortalecimento de seu
senso de pertencimento à sociedade e no significativo avanço do desenvolvimento humano,
social e econômico da sociedade, bem como na erradicação da pobreza,
n) Reconhecendo a importância, para as pessoas com deficiência, de sua autonomia e
independência individuais, inclusive da liberdade para fazer as próprias escolhas,
o) Considerando que as pessoas com deficiência devem ter a oportunidade de participar
ativamente das decisões relativas a programas e políticas, inclusive aos que lhes dizem
respeito diretamente,
p) Preocupados com as difíceis situações enfrentadas por pessoas com deficiência que estão
sujeitas a formas múltiplas ou agravadas de discriminação por causa de raça, cor, sexo,
idioma, religião, opiniões políticas ou de outra natureza, origem nacional, étnica, nativa ou
social, propriedade, nascimento, idade ou outra condição,
q) Reconhecendo que mulheres e meninas com deficiência estão freqüentemente expostas a
maiores riscos, tanto no lar como fora dele, de sofrer violência, lesões ou abuso, descaso ou
tratamento negligente, maus-tratos ou exploração,
r) Reconhecendo que as crianças com deficiência devem gozar plenamente de todos os
direitos humanos e liberdades fundamentais em igualdade de oportunidades com as outras
crianças e relembrando as obrigações assumidas com esse fim pelos Estados Partes na
Convenção sobre os Direitos da Criança,
s) Ressaltando a necessidade de incorporar a perspectiva de gênero aos esforços para
promover o pleno exercício dos direitos humanos e liberdades fundamentais por parte das
pessoas com deficiência,
362
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
t) Salientando o fato de que a maioria das pessoas com deficiência vive em condições de
pobreza e, nesse sentido, reconhecendo a necessidade crítica de lidar com o impacto
negativo da pobreza sobre pessoas com deficiência,
u) Tendo em mente que as condições de paz e segurança baseadas no pleno respeito aos
propósitos e princípios consagrados na Carta das Nações Unidas e a observância dos
instrumentos de direitos humanos são indispensáveis para a total proteção das pessoas com
deficiência, particularmente durante conflitos armados e ocupação estrangeira,
v) Reconhecendo a importância da acessibilidade aos meios físico, social, econômico e
cultural, à saúde, à educação e à informação e comunicação, para possibilitar às pessoas
com deficiência o pleno gozo de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais,
w) Conscientes de que a pessoa tem deveres para com outras pessoas e para com a
comunidade a que pertence e que, portanto, tem a responsabilidade de esforçar-se para a
promoção e a observância dos direitos reconhecidos na Carta Internacional dos Direitos
Humanos,
x) Convencidos de que a família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e tem o
direito de receber a proteção da sociedade e do Estado e de que as pessoas com deficiência
e seus familiares devem receber a proteção e a assistência necessárias para tornar as
famílias capazes de contribuir para o exercício pleno e eqüitativo dos direitos das pessoas
com deficiência,
y) Convencidos de que uma convenção internacional geral e integral para promover e
proteger os direitos e a dignidade das pessoas com deficiência prestará significativa
contribuição para corrigir as profundas desvantagens sociais das pessoas com deficiência e
para promover sua participação na vida econômica, social e cultural, em igualdade de
oportunidades, tanto nos países em desenvolvimento como nos desenvolvidos,
Acordaram o seguinte:
Artigo 1
Propósito
O propósito da presente Convenção é promover, proteger e assegurar o exercício pleno e
eqüitativo de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas
com deficiência e promover o respeito pela sua dignidade inerente.
Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza
física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem
obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdades de condições com as
demais pessoas.
Artigo 2
363
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Definições
Para os propósitos da presente Convenção:
“Comunicação” abrange as línguas, a visualização de textos, o braille, a comunicação tátil, os
caracteres ampliados, os dispositivos de multimídia acessível, assim como a linguagem
simples, escrita e oral, os sistemas auditivos e os meios de voz digitalizada e os modos,
meios e formatos aumentativos e alternativos de comunicação, inclusive a tecnologia da
informação e comunicação acessíveis;
“Língua” abrange as línguas faladas e de sinais e outras formas de comunicação não-falada;
“Discriminação por motivo de deficiência” significa qualquer diferenciação, exclusão ou
restrição baseada em deficiência, com o propósito ou efeito de impedir ou impossibilitar o
reconhecimento, o desfrute ou o exercício, em igualdade de oportunidades com as demais
pessoas, de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais nos âmbitos político,
econômico, social, cultural, civil ou qualquer outro. Abrange todas as formas de
discriminação, inclusive a recusa de adaptação razoável;
“Adaptação razoável” significa as modificações e os ajustes necessários e adequados que
não acarretem ônus desproporcional ou indevido, quando requeridos em cada caso, a fim
de assegurar que as pessoas com deficiência possam gozar ou exercer, em igualdade de
oportunidades com as demais pessoas, todos os direitos humanos e liberdades
fundamentais;
“Desenho universal” significa a concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a
serem usados, na maior medida possível, por todas as pessoas, sem necessidade de
adaptação ou projeto específico. O “desenho universal” não excluirá as ajudas técnicas para
grupos específicos de pessoas com deficiência, quando necessárias.
Artigo 3
Princípios gerais
Os princípios da presente Convenção são:
a) O respeito pela dignidade inerente, a autonomia individual, inclusive a liberdade de fazer
as próprias escolhas, e a independência das pessoas;
b) A não-discriminação;
c) A plena e efetiva participação e inclusão na sociedade;
d) O respeito pela diferença e pela aceitação das pessoas com deficiência como parte da
diversidade humana e da humanidade;
e) A igualdade de oportunidades;
f) A acessibilidade;
364
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
g) A igualdade entre o homem e a mulher;
h) O respeito pelo desenvolvimento das capacidades das crianças com deficiência e pelo
direito das crianças com deficiência de preservar sua identidade.
Artigo 4
Obrigações gerais
1.Os Estados Partes se comprometem a assegurar e promover o pleno exercício de todos os
direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência, sem
qualquer tipo de discriminação por causa de sua deficiência. Para tanto, os Estados Partes se
comprometem a:
a) Adotar todas as medidas legislativas, administrativas e de qualquer outra natureza,
necessárias para a realização dos direitos reconhecidos na presente Convenção;
b) Adotar todas as medidas necessárias, inclusive legislativas, para modificar ou revogar leis,
regulamentos, costumes e práticas vigentes, que constituírem discriminação contra pessoas
com deficiência;
c) Levar em conta, em todos os programas e políticas, a proteção e a promoção dos direitos
humanos das pessoas com deficiência;
d) Abster-se de participar em qualquer ato ou prática incompatível com a presente
Convenção e assegurar que as autoridades públicas e instituições atuem em conformidade
com a presente Convenção;
e) Tomar todas as medidas apropriadas para eliminar a discriminação baseada em
deficiência, por parte de qualquer pessoa, organização ou empresa privada;
f) Realizar ou promover a pesquisa e o desenvolvimento de produtos, serviços,
equipamentos e instalações com desenho universal, conforme definidos no Artigo 2 da
presente Convenção, que exijam o mínimo possível de adaptação e cujo custo seja o
mínimo possível, destinados a atender às necessidades específicas de pessoas com
deficiência, a promover sua disponibilidade e seu uso e a promover o desenho universal
quando da elaboração de normas e diretrizes;
g) Realizar ou promover a pesquisa e o desenvolvimento, bem como a disponibilidade e o
emprego de novas tecnologias, inclusive as tecnologias da informação e comunicação,
ajudas técnicas para locomoção, dispositivos e tecnologias assistivas, adequados a pessoas
com deficiência, dando prioridade a tecnologias de custo acessível;
h) Propiciar informação acessível para as pessoas com deficiência a respeito de ajudas
técnicas para locomoção, dispositivos e tecnologias assistivas, incluindo novas tecnologias
bem como outras formas de assistência, serviços de apoio e instalações;
365
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
i) Promover a capacitação em relação aos direitos reconhecidos pela presente Convenção
dos profissionais e equipes que trabalham com pessoas com deficiência, de forma a
melhorar a prestação de assistência e serviços garantidos por esses direitos.
2.Em relação aos direitos econômicos, sociais e culturais, cada Estado Parte se compromete
a tomar medidas, tanto quanto permitirem os recursos disponíveis e, quando necessário, no
âmbito da cooperação internacional, a fim de assegurar progressivamente o pleno exercício
desses direitos, sem prejuízo das obrigações contidas na presente Convenção que forem
imediatamente aplicáveis de acordo com o direito internacional.
3.Na elaboração e implementação de legislação e políticas para aplicar a presente
Convenção e em outros processos de tomada de decisão relativos às pessoas com
deficiência, os Estados Partes realizarão consultas estreitas e envolverão ativamente pessoas
com deficiência, inclusive crianças com deficiência, por intermédio de suas organizações
representativas.
4.Nenhum dispositivo da presente Convenção afetará quaisquer disposições mais propícias
à realização dos direitos das pessoas com deficiência, as quais possam estar contidas na
legislação do Estado Parte ou no direito internacional em vigor para esse Estado. Não
haverá nenhuma restrição ou derrogação de qualquer dos direitos humanos e liberdades
fundamentais reconhecidos ou vigentes em qualquer Estado Parte da presente Convenção,
em conformidade com leis, convenções, regulamentos ou costumes, sob a alegação de que
a presente Convenção não reconhece tais direitos e liberdades ou que os reconhece em
menor grau.
5.As disposições da presente Convenção se aplicam, sem limitação ou exceção, a todas as
unidades constitutivas dos Estados federativos.
Artigo 5
Igualdade e não-discriminação
1.Os Estados Partes reconhecem que todas as pessoas são iguais perante e sob a lei e que
fazem jus, sem qualquer discriminação, a igual proteção e igual benefício da lei.
2.Os Estados Partes proibirão qualquer discriminação baseada na deficiência e garantirão às
pessoas com deficiência igual e efetiva proteção legal contra a discriminação por qualquer
motivo.
3.A fim de promover a igualdade e eliminar a discriminação, os Estados Partes adotarão
todas as medidas apropriadas para garantir que a adaptação razoável seja oferecida.
4.Nos termos da presente Convenção, as medidas específicas que forem necessárias para
acelerar ou alcançar a efetiva igualdade das pessoas com deficiência não serão consideradas
discriminatórias.
Artigo 6
366
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Mulheres com deficiência
1.Os Estados Partes reconhecem que as mulheres e meninas com deficiência estão sujeitas a
múltiplas formas de discriminação e, portanto, tomarão medidas para assegurar às mulheres
e meninas com deficiência o pleno e igual exercício de todos os direitos humanos e
liberdades fundamentais.
2.Os Estados Partes tomarão todas as medidas apropriadas para assegurar o pleno
desenvolvimento, o avanço e o empoderamento das mulheres, a fim de garantir-lhes o
exercício e o gozo dos direitos humanos e liberdades fundamentais estabelecidos na
presente Convenção.
Artigo 7
Crianças com deficiência
1.Os Estados Partes tomarão todas as medidas necessárias para assegurar às crianças com
deficiência o pleno exercício de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais, em
igualdade de oportunidades com as demais crianças.
2.Em todas as ações relativas às crianças com deficiência, o superior interesse da criança
receberá consideração primordial.
3.Os Estados Partes assegurarão que as crianças com deficiência tenham o direito de
expressar livremente sua opinião sobre todos os assuntos que lhes disserem respeito,
tenham a sua opinião devidamente valorizada de acordo com sua idade e maturidade, em
igualdade de oportunidades com as demais crianças, e recebam atendimento adequado à
sua deficiência e idade, para que possam exercer tal direito.
Artigo 8
Conscientização
1.Os Estados Partes se comprometem a adotar medidas imediatas, efetivas e apropriadas
para:
a) Conscientizar toda a sociedade, inclusive as famílias, sobre as condições das pessoas com
deficiência e fomentar o respeito pelos direitos e pela dignidade das pessoas com
deficiência;
b) Combater estereótipos, preconceitos e práticas nocivas em relação a pessoas com
deficiência, inclusive aqueles relacionados a sexo e idade, em todas as áreas da vida;
c) Promover a conscientização sobre as capacidades e contribuições das pessoas com
deficiência.
2.As medidas para esse fim incluem:
367
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) Lançar e dar continuidade a efetivas campanhas de conscientização públicas, destinadas
a:
i) Favorecer atitude receptiva em relação aos direitos das pessoas com deficiência;
ii) Promover percepção positiva e maior consciência social em relação às pessoas com
deficiência;
iii) Promover o reconhecimento das habilidades, dos méritos e das capacidades das pessoas
com deficiência e de sua contribuição ao local de trabalho e ao mercado laboral;
b) Fomentar em todos os níveis do sistema educacional, incluindo neles todas as crianças
desde tenra idade, uma atitude de respeito para com os direitos das pessoas com
deficiência;
c) Incentivar todos os órgãos da mídia a retratar as pessoas com deficiência de maneira
compatível com o propósito da presente Convenção;
d) Promover programas de formação sobre sensibilização a respeito das pessoas com
deficiência e sobre os direitos das pessoas com deficiência.
Artigo 9
Acessibilidade
1.A fim de possibilitar às pessoas com deficiência viver de forma independente e participar
plenamente de todos os aspectos da vida, os Estados Partes tomarão as medidas
apropriadas para assegurar às pessoas com deficiência o acesso, em igualdade de
oportunidades com as demais pessoas, ao meio físico, ao transporte, à informação e
comunicação, inclusive aos sistemas e tecnologias da informação e comunicação, bem
como a outros serviços e instalações abertos ao público ou de uso público, tanto na zona
urbana como na rural. Essas medidas, que incluirão a identificação e a eliminação de
obstáculos e barreiras à acessibilidade, serão aplicadas, entre outros, a:
a) Edifícios, rodovias, meios de transporte e outras instalações internas e externas, inclusive
escolas, residências, instalações médicas e local de trabalho;
b) Informações, comunicações e outros serviços, inclusive serviços eletrônicos e serviços de
emergência.
2.Os Estados Partes também tomarão medidas apropriadas para:
a) Desenvolver, promulgar e monitorar a implementação de normas e diretrizes mínimas
para a acessibilidade das instalações e dos serviços abertos ao público ou de uso público;
b) Assegurar que as entidades privadas que oferecem instalações e serviços abertos ao
público ou de uso público levem em consideração todos os aspectos relativos à
acessibilidade para pessoas com deficiência;
368
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
c) Proporcionar, a todos os atores envolvidos, formação em relação às questões de
acessibilidade com as quais as pessoas com deficiência se confrontam;
d) Dotar os edifícios e outras instalações abertas ao público ou de uso público de
sinalização em braille e em formatos de fácil leitura e compreensão;
e) Oferecer formas de assistência humana ou animal e serviços de mediadores, incluindo
guias, ledores e intérpretes profissionais da língua de sinais, para facilitar o acesso aos
edifícios e outras instalações abertas ao público ou de uso público;
f) Promover outras formas apropriadas de assistência e apoio a pessoas com deficiência, a
fim de assegurar a essas pessoas o acesso a informações;
g) Promover o acesso de pessoas com deficiência a novos sistemas e tecnologias da
informação e comunicação, inclusive à Internet;
h) Promover, desde a fase inicial, a concepção, o desenvolvimento, a produção e a
disseminação de sistemas e tecnologias de informação e comunicação, a fim de que esses
sistemas e tecnologias se tornem acessíveis a custo mínimo.
Artigo 10
Direito à vida
Os Estados Partes reafirmam que todo ser humano tem o inerente direito à vida e tomarão
todas as medidas necessárias para assegurar o efetivo exercício desse direito pelas pessoas
com deficiência, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas.
Artigo 11
Situações de risco e emergências humanitárias
Em conformidade com suas obrigações decorrentes do direito internacional, inclusive do
direito humanitário internacional e do direito internacional dos direitos humanos, os Estados
Partes tomarão todas as medidas necessárias para assegurar a proteção e a segurança das
pessoas com deficiência que se encontrarem em situações de risco, inclusive situações de
conflito armado, emergências humanitárias e ocorrência de desastres naturais.
Artigo 12
Reconhecimento igual perante a lei
1.Os Estados Partes reafirmam que as pessoas com deficiência têm o direito de ser
reconhecidas em qualquer lugar como pessoas perante a lei.
2.Os Estados Partes reconhecerão que as pessoas com deficiência gozam de capacidade
legal em igualdade de condições com as demais pessoas em todos os aspectos da vida.
3.Os Estados Partes tomarão medidas apropriadas para prover o acesso de pessoas com
deficiência ao apoio que necessitarem no exercício de sua capacidade legal.
369
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
4.Os Estados Partes assegurarão que todas as medidas relativas ao exercício da capacidade
legal incluam salvaguardas apropriadas e efetivas para prevenir abusos, em conformidade
com o direito internacional dos direitos humanos. Essas salvaguardas assegurarão que as
medidas relativas ao exercício da capacidade legal respeitem os direitos, a vontade e as
preferências da pessoa, sejam isentas de conflito de interesses e de influência indevida,
sejam proporcionais e apropriadas às circunstâncias da pessoa, se apliquem pelo período
mais curto possível e sejam submetidas à revisão regular por uma autoridade ou órgão
judiciário competente, independente e imparcial. As salvaguardas serão proporcionais ao
grau em que tais medidas afetarem os direitos e interesses da pessoa.
5.Os Estados Partes, sujeitos ao disposto neste Artigo, tomarão todas as medidas
apropriadas e efetivas para assegurar às pessoas com deficiência o igual direito de possuir
ou herdar bens, de controlar as próprias finanças e de ter igual acesso a empréstimos
bancários, hipotecas e outras formas de crédito financeiro, e assegurarão que as pessoas
com deficiência não sejam arbitrariamente destituídas de seus bens.
Artigo 13
Acesso à justiça
1.Os Estados Partes assegurarão o efetivo acesso das pessoas com deficiência à justiça, em
igualdade de condições com as demais pessoas, inclusive mediante a provisão de
adaptações processuais adequadas à idade, a fim de facilitar o efetivo papel das pessoas
com deficiência como participantes diretos ou indiretos, inclusive como testemunhas, em
todos os procedimentos jurídicos, tais como investigações e outras etapas preliminares.
2.A fim de assegurar às pessoas com deficiência o efetivo acesso à justiça, os Estados Partes
promoverão a capacitação apropriada daqueles que trabalham na área de administração da
justiça, inclusive a polícia e os funcionários do sistema penitenciário.
Artigo 14
Liberdade e segurança da pessoa
1.Os Estados Partes assegurarão que as pessoas com deficiência, em igualdade de
oportunidades com as demais pessoas:
a) Gozem do direito à liberdade e à segurança da pessoa; e
b) Não sejam privadas ilegal ou arbitrariamente de sua liberdade e que toda privação de
liberdade esteja em conformidade com a lei, e que a existência de deficiência não justifique
a privação de liberdade.
2.Os Estados Partes assegurarão que, se pessoas com deficiência forem privadas de
liberdade mediante algum processo, elas, em igualdade de oportunidades com as demais
pessoas, façam jus a garantias de acordo com o direito internacional dos direitos humanos e
370
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
sejam tratadas em conformidade com os objetivos e princípios da presente Convenção,
inclusive mediante a provisão de adaptação razoável.
Artigo 15
Prevenção contra tortura ou tratamentos ou penas cruéis,
desumanos ou degradantes
1.Nenhuma pessoa será submetida à tortura ou a tratamentos ou penas cruéis, desumanos
ou degradantes. Em especial, nenhuma pessoa deverá ser sujeita a experimentos médicos
ou científicos sem seu livre consentimento.
2.Os Estados Partes tomarão todas as medidas efetivas de natureza legislativa,
administrativa, judicial ou outra para evitar que pessoas com deficiência, do mesmo modo
que as demais pessoas, sejam submetidas à tortura ou a tratamentos ou penas cruéis,
desumanos ou degradantes.
Artigo 16
Prevenção contra a exploração, a violência e o abuso
1.Os Estados Partes tomarão todas as medidas apropriadas de natureza legislativa,
administrativa, social, educacional e outras para proteger as pessoas com deficiência, tanto
dentro como fora do lar, contra todas as formas de exploração, violência e abuso, incluindo
aspectos relacionados a gênero.
2.Os Estados Partes também tomarão todas as medidas apropriadas para prevenir todas as
formas de exploração, violência e abuso, assegurando, entre outras coisas, formas
apropriadas de atendimento e apoio que levem em conta o gênero e a idade das pessoas
com deficiência e de seus familiares e atendentes, inclusive mediante a provisão de
informação e educação sobre a maneira de evitar, reconhecer e denunciar casos de
exploração, violência e abuso. Os Estados Partes assegurarão que os serviços de proteção
levem em conta a idade, o gênero e a deficiência das pessoas.
3.A fim de prevenir a ocorrência de quaisquer formas de exploração, violência e abuso, os
Estados Partes assegurarão que todos os programas e instalações destinados a atender
pessoas com deficiência sejam efetivamente monitorados por autoridades independentes.
4.Os Estados Partes tomarão todas as medidas apropriadas para promover a recuperação
física, cognitiva e psicológica, inclusive mediante a provisão de serviços de proteção, a
reabilitação e a reinserção social de pessoas com deficiência que forem vítimas de qualquer
forma de exploração, violência ou abuso. Tais recuperação e reinserção ocorrerão em
ambientes que promovam a saúde, o bem-estar, o auto-respeito, a dignidade e a autonomia
da pessoa e levem em consideração as necessidades de gênero e idade.
371
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
5.Os Estados Partes adotarão leis e políticas efetivas, inclusive legislação e políticas voltadas
para mulheres e crianças, a fim de assegurar que os casos de exploração, violência e abuso
contra pessoas com deficiência sejam identificados, investigados e, caso necessário,
julgados.
Artigo 17
Proteção da integridade da pessoa
Toda pessoa com deficiência tem o direito a que sua integridade física e mental seja
respeitada, em igualdade de condições com as demais pessoas.
Artigo 18
Liberdade de movimentação e nacionalidade
1.Os Estados Partes reconhecerão os direitos das pessoas com deficiência à liberdade de
movimentação, à liberdade de escolher sua residência e à nacionalidade, em igualdade de
oportunidades com as demais pessoas, inclusive assegurando que as pessoas com
deficiência:
a) Tenham o direito de adquirir nacionalidade e mudar de nacionalidade e não sejam
privadas arbitrariamente de sua nacionalidade em razão de sua deficiência.
b) Não sejam privadas, por causa de sua deficiência, da competência de obter, possuir e
utilizar documento comprovante de sua nacionalidade ou outro documento de identidade,
ou de recorrer a processos relevantes, tais como procedimentos relativos à imigração, que
forem necessários para facilitar o exercício de seu direito à liberdade de movimentação.
c) Tenham liberdade de sair de qualquer país, inclusive do seu; e
d) Não sejam privadas, arbitrariamente ou por causa de sua deficiência, do direito de entrar
no próprio país.
2.As crianças com deficiência serão registradas imediatamente após o nascimento e terão,
desde o nascimento, o direito a um nome, o direito de adquirir nacionalidade e, tanto
quanto possível, o direito de conhecer seus pais e de ser cuidadas por eles.
Artigo 19
Vida independente e inclusão na comunidade
Os Estados Partes desta Convenção reconhecem o igual direito de todas as pessoas com
deficiência de viver na comunidade, com a mesma liberdade de escolha que as demais
pessoas, e tomarão medidas efetivas e apropriadas para facilitar às pessoas com deficiência
o pleno gozo desse direito e sua plena inclusão e participação na comunidade, inclusive
assegurando que:
372
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) As pessoas com deficiência possam escolher seu local de residência e onde e com quem
morar, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, e que não sejam obrigadas
a viver em determinado tipo de moradia;
b) As pessoas com deficiência tenham acesso a uma variedade de serviços de apoio em
domicílio ou em instituições residenciais ou a outros serviços comunitários de apoio,
inclusive os serviços de atendentes pessoais que forem necessários como apoio para que as
pessoas com deficiência vivam e sejam incluídas na comunidade e para evitar que fiquem
isoladas ou segregadas da comunidade;
c) Os serviços e instalações da comunidade para a população em geral estejam disponíveis
às pessoas com deficiência, em igualdade de oportunidades, e atendam às suas
necessidades.
Artigo 20
Mobilidade pessoal
Os Estados Partes tomarão medidas efetivas para assegurar às pessoas com deficiência sua
mobilidade pessoal com a máxima independência possível:
a) Facilitando a mobilidade pessoal das pessoas com deficiência, na forma e no momento
em que elas quiserem, e a custo acessível;
b) Facilitando às pessoas com deficiência o acesso a tecnologias assistivas, dispositivos e
ajudas técnicas de qualidade, e formas de assistência humana ou animal e de mediadores,
inclusive tornando-os disponíveis a custo acessível;
c) Propiciando às pessoas com deficiência e ao pessoal especializado uma capacitação em
técnicas de mobilidade;
d) Incentivando entidades que produzem ajudas técnicas de mobilidade, dispositivos e
tecnologias assistivas a levarem em conta todos os aspectos relativos à mobilidade de
pessoas com deficiência.
Artigo 21
Liberdade de expressão e de opinião e acesso à informação
Os Estados Partes tomarão todas as medidas apropriadas para assegurar que as pessoas
com deficiência possam exercer seu direito à liberdade de expressão e opinião, inclusive à
liberdade de buscar, receber e compartilhar informações e idéias, em igualdade de
oportunidades com as demais pessoas e por intermédio de todas as formas de
comunicação de sua escolha, conforme o disposto no Artigo 2 da presente Convenção,
entre as quais:
373
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) Fornecer, prontamente e sem custo adicional, às pessoas com deficiência, todas as
informações destinadas ao público em geral, em formatos acessíveis e tecnologias
apropriadas aos diferentes tipos de deficiência;
b) Aceitar e facilitar, em trâmites oficiais, o uso de línguas de sinais, braille, comunicação
aumentativa e alternativa, e de todos os demais meios, modos e formatos acessíveis de
comunicação, à escolha das pessoas com deficiência;
c) Urgir as entidades privadas que oferecem serviços ao público em geral, inclusive por meio
da Internet, a fornecer informações e serviços em formatos acessíveis, que possam ser
usados por pessoas com deficiência;
d) Incentivar a mídia, inclusive os provedores de informação pela Internet, a tornar seus
serviços acessíveis a pessoas com deficiência;
e) Reconhecer e promover o uso de línguas de sinais.
Artigo 22
Respeito à privacidade
1.Nenhuma pessoa com deficiência, qualquer que seja seu local de residência ou tipo de
moradia, estará sujeita a interferência arbitrária ou ilegal em sua privacidade, família, lar,
correspondência ou outros tipos de comunicação, nem a ataques ilícitos à sua honra e
reputação. As pessoas com deficiência têm o direito à proteção da lei contra tais
interferências ou ataques.
2.Os Estados Partes protegerão a privacidade dos dados pessoais e dados relativos à saúde
e à reabilitação de pessoas com deficiência, em igualdade de condições com as demais
pessoas.
Artigo 23
Respeito pelo lar e pela família
1.Os Estados Partes tomarão medidas efetivas e apropriadas para eliminar a discriminação
contra pessoas com deficiência, em todos os aspectos relativos a casamento, família,
paternidade e relacionamentos, em igualdade de condições com as demais pessoas, de
modo a assegurar que:
a) Seja reconhecido o direito das pessoas com deficiência, em idade de contrair matrimônio,
de casar-se e estabelecer família, com base no livre e pleno consentimento dos
pretendentes;
b) Sejam reconhecidos os direitos das pessoas com deficiência de decidir livre e
responsavelmente sobre o número de filhos e o espaçamento entre esses filhos e de ter
acesso a informações adequadas à idade e a educação em matéria de reprodução e de
planejamento familiar, bem como os meios necessários para exercer esses direitos.
374
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
c) As pessoas com deficiência, inclusive crianças, conservem sua fertilidade, em igualdade
de condições com as demais pessoas.
2.Os Estados Partes assegurarão os direitos e responsabilidades das pessoas com
deficiência, relativos à guarda, custódia, curatela e adoção de crianças ou instituições
semelhantes, caso esses conceitos constem na legislação nacional. Em todos os casos,
prevalecerá o superior interesse da criança. Os Estados Partes prestarão a devida assistência
às pessoas com deficiência para que essas pessoas possam exercer suas responsabilidades
na criação dos filhos.
3.Os Estados Partes assegurarão que as crianças com deficiência terão iguais direitos em
relação à vida familiar. Para a realização desses direitos e para evitar ocultação, abandono,
negligência e segregação de crianças com deficiência, os Estados Partes fornecerão
prontamente informações abrangentes sobre serviços e apoios a crianças com deficiência e
suas famílias.
4.Os Estados Partes assegurarão que uma criança não será separada de seus pais contra a
vontade destes, exceto quando autoridades competentes, sujeitas a controle jurisdicional,
determinarem, em conformidade com as leis e procedimentos aplicáveis, que a separação é
necessária, no superior interesse da criança. Em nenhum caso, uma criança será separada
dos pais sob alegação de deficiência da criança ou de um ou ambos os pais.
5.Os Estados Partes, no caso em que a família imediata de uma criança com deficiência não
tenha condições de cuidar da criança, farão todo esforço para que cuidados alternativos
sejam oferecidos por outros parentes e, se isso não for possível, dentro de ambiente familiar,
na comunidade.
Artigo 24
Educação
1.Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência à educação. Para
efetivar esse direito sem discriminação e com base na igualdade de oportunidades, os
Estados Partes assegurarão sistema educacional inclusivo em todos os níveis, bem como o
aprendizado ao longo de toda a vida, com os seguintes objetivos:
a) O pleno desenvolvimento do potencial humano e do senso de dignidade e auto-estima,
além do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos, pelas liberdades fundamentais
e pela diversidade humana;
b) O máximo desenvolvimento possível da personalidade e dos talentos e da criatividade
das pessoas com deficiência, assim como de suas habilidades físicas e intelectuais;
c) A participação efetiva das pessoas com deficiência em uma sociedade livre.
2.Para a realização desse direito, os Estados Partes assegurarão que:
375
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) As pessoas com deficiência não sejam excluídas do sistema educacional geral sob
alegação de deficiência e que as crianças com deficiência não sejam excluídas do ensino
primário gratuito e compulsório ou do ensino secundário, sob alegação de deficiência;
b) As pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino primário inclusivo, de qualidade
e gratuito, e ao ensino secundário, em igualdade de condições com as demais pessoas na
comunidade em que vivem;
c) Adaptações razoáveis de acordo com as necessidades individuais sejam providenciadas;
d) As pessoas com deficiência recebam o apoio necessário, no âmbito do sistema
educacional geral, com vistas a facilitar sua efetiva educação;
e) Medidas de apoio individualizadas e efetivas sejam adotadas em ambientes que
maximizem o desenvolvimento acadêmico e social, de acordo com a meta de inclusão
plena.
3.Os Estados Partes assegurarão às pessoas com deficiência a possibilidade de adquirir as
competências práticas e sociais necessárias de modo a facilitar às pessoas com deficiência
sua plena e igual participação no sistema de ensino e na vida em comunidade. Para tanto,
os Estados Partes tomarão medidas apropriadas, incluindo:
a) Facilitação do aprendizado do braille, escrita alternativa, modos, meios e formatos de
comunicação aumentativa e alternativa, e habilidades de orientação e mobilidade, além de
facilitação do apoio e aconselhamento de pares;
b) Facilitação do aprendizado da língua de sinais e promoção da identidade lingüística da
comunidade surda;
c) Garantia de que a educação de pessoas, em particular crianças cegas, surdocegas e
surdas, seja ministrada nas línguas e nos modos e meios de comunicação mais adequados
ao indivíduo e em ambientes que favoreçam ao máximo seu desenvolvimento acadêmico e
social.
4.A fim de contribuir para o exercício desse direito, os Estados Partes tomarão medidas
apropriadas para empregar professores, inclusive professores com deficiência, habilitados
para o ensino da língua de sinais e/ou do braille, e para capacitar profissionais e equipes
atuantes em todos os níveis de ensino. Essa capacitação incorporará a conscientização da
deficiência e a utilização de modos, meios e formatos apropriados de comunicação
aumentativa e alternativa, e técnicas e materiais pedagógicos, como apoios para pessoas
com deficiência.
5.Os Estados Partes assegurarão que as pessoas com deficiência possam ter acesso ao
ensino superior em geral, treinamento profissional de acordo com sua vocação, educação
para adultos e formação continuada, sem discriminação e em igualdade de condições. Para
376
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
tanto, os Estados Partes assegurarão a provisão de adaptações razoáveis para pessoas com
deficiência.
Artigo 25
Saúde
Os Estados Partes reconhecem que as pessoas com deficiência têm o direito de gozar do
estado de saúde mais elevado possível, sem discriminação baseada na deficiência. Os
Estados Partes tomarão todas as medidas apropriadas para assegurar às pessoas com
deficiência o acesso a serviços de saúde, incluindo os serviços de reabilitação, que levarão
em conta as especificidades de gênero. Em especial, os Estados Partes:
a) Oferecerão às pessoas com deficiência programas e atenção à saúde gratuitos ou a
custos acessíveis da mesma variedade, qualidade e padrão que são oferecidos às demais
pessoas, inclusive na área de saúde sexual e reprodutiva e de programas de saúde pública
destinados à população em geral;
b) Propiciarão serviços de saúde que as pessoas com deficiência necessitam
especificamente por causa de sua deficiência, inclusive diagnóstico e intervenção precoces,
bem como serviços projetados para reduzir ao máximo e prevenir deficiências adicionais,
inclusive entre crianças e idosos;
c) Propiciarão esses serviços de saúde às pessoas com deficiência, o mais próximo possível
de suas comunidades, inclusive na zona rural;
d) Exigirão dos profissionais de saúde que dispensem às pessoas com deficiência a mesma
qualidade de serviços dispensada às demais pessoas e, principalmente, que obtenham o
consentimento livre e esclarecido das pessoas com deficiência concernentes. Para esse fim,
os Estados Partes realizarão atividades de formação e definirão regras éticas para os setores
de saúde público e privado, de modo a conscientizar os profissionais de saúde acerca dos
direitos humanos, da dignidade, autonomia e das necessidades das pessoas com
deficiência;
e) Proibirão a discriminação contra pessoas com deficiência na provisão de seguro de saúde
e seguro de vida, caso tais seguros sejam permitidos pela legislação nacional, os quais
deverão ser providos de maneira razoável e justa;
f) Prevenirão que se negue, de maneira discriminatória, os serviços de saúde ou de atenção
à saúde ou a administração de alimentos sólidos ou líquidos por motivo de deficiência.
Artigo 26
Habilitação e reabilitação
1.Os Estados Partes tomarão medidas efetivas e apropriadas, inclusive mediante apoio dos
pares, para possibilitar que as pessoas com deficiência conquistem e conservem o máximo
377
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
de autonomia e plena capacidade física, mental, social e profissional, bem como plena
inclusão e participação em todos os aspectos da vida. Para tanto, os Estados Partes
organizarão, fortalecerão e ampliarão serviços e programas completos de habilitação e
reabilitação, particularmente nas áreas de saúde, emprego, educação e serviços sociais, de
modo que esses serviços e programas:
a) Comecem no estágio mais precoce possível e sejam baseados em avaliação
multidisciplinar das necessidades e pontos fortes de cada pessoa;
b) Apóiem a participação e a inclusão na comunidade e em todos os aspectos da vida social,
sejam oferecidos voluntariamente e estejam disponíveis às pessoas com deficiência o mais
próximo possível de suas comunidades, inclusive na zona rural.
2.Os Estados Partes promoverão o desenvolvimento da capacitação inicial e continuada de
profissionais e de equipes que atuam nos serviços de habilitação e reabilitação.
3.Os Estados Partes promoverão a disponibilidade, o conhecimento e o uso de dispositivos
e tecnologias assistivas, projetados para pessoas com deficiência e relacionados com a
habilitação e a reabilitação.
Artigo 27
Trabalho e emprego
1.Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência ao trabalho, em
igualdade de oportunidades com as demais pessoas. Esse direito abrange o direito à
oportunidade de se manter com um trabalho de sua livre escolha ou aceitação no mercado
laboral, em ambiente de trabalho que seja aberto, inclusivo e acessível a pessoas com
deficiência. Os Estados Partes salvaguardarão e promoverão a realização do direito ao
trabalho, inclusive daqueles que tiverem adquirido uma deficiência no emprego, adotando
medidas apropriadas, incluídas na legislação, com o fim de, entre outros:
a) Proibir a discriminação baseada na deficiência com respeito a todas as questões
relacionadas com as formas de emprego, inclusive condições de recrutamento, contratação
e admissão, permanência no emprego, ascensão profissional e condições seguras e salubres
de trabalho;
b) Proteger os direitos das pessoas com deficiência, em condições de igualdade com as
demais pessoas, às condições justas e favoráveis de trabalho, incluindo iguais
oportunidades e igual remuneração por trabalho de igual valor, condições seguras e
salubres de trabalho, além de reparação de injustiças e proteção contra o assédio no
trabalho;
c) Assegurar que as pessoas com deficiência possam exercer seus direitos trabalhistas e
sindicais, em condições de igualdade com as demais pessoas;
378
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
d) Possibilitar às pessoas com deficiência o acesso efetivo a programas de orientação
técnica e profissional e a serviços de colocação no trabalho e de treinamento profissional e
continuado;
e) Promover oportunidades de emprego e ascensão profissional para pessoas com
deficiência no mercado de trabalho, bem como assistência na procura, obtenção e
manutenção do emprego e no retorno ao emprego;
f) Promover oportunidades de trabalho autônomo, empreendedorismo, desenvolvimento de
cooperativas e estabelecimento de negócio próprio;
g) Empregar pessoas com deficiência no setor público;
h) Promover o emprego de pessoas com deficiência no setor privado, mediante políticas e
medidas apropriadas, que poderão incluir programas de ação afirmativa, incentivos e outras
medidas;
i) Assegurar que adaptações razoáveis sejam feitas para pessoas com deficiência no local de
trabalho;
j) Promover a aquisição de experiência de trabalho por pessoas com deficiência no mercado
aberto de trabalho;
k) Promover reabilitação profissional, manutenção do emprego e programas de retorno ao
trabalho para pessoas com deficiência.
2.Os Estados Partes assegurarão que as pessoas com deficiência não serão mantidas em
escravidão ou servidão e que serão protegidas, em igualdade de condições com as demais
pessoas, contra o trabalho forçado ou compulsório.
Artigo 28
Padrão de vida e proteção social adequados
1.Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência a um padrão
adequado de vida para si e para suas famílias, inclusive alimentação, vestuário e moradia
adequados, bem como à melhoria contínua de suas condições de vida, e tomarão as
providências necessárias para salvaguardar e promover a realização desse direito sem
discriminação baseada na deficiência.
2.Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência à proteção social e
ao exercício desse direito sem discriminação baseada na deficiência, e tomarão as medidas
apropriadas para salvaguardar e promover a realização desse direito, tais como:
a) Assegurar igual acesso de pessoas com deficiência a serviços de saneamento básico e
assegurar o acesso aos serviços, dispositivos e outros atendimentos apropriados para as
necessidades relacionadas com a deficiência;
379
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
b) Assegurar o acesso de pessoas com deficiência, particularmente mulheres, crianças e
idosos com deficiência, a programas de proteção social e de redução da pobreza;
c) Assegurar o acesso de pessoas com deficiência e suas famílias em situação de pobreza à
assistência do Estado em relação a seus gastos ocasionados pela deficiência, inclusive
treinamento adequado, aconselhamento, ajuda financeira e cuidados de repouso;
d) Assegurar o acesso de pessoas com deficiência a programas habitacionais públicos;
e) Assegurar igual acesso de pessoas com deficiência a programas e benefícios de
aposentadoria.
Artigo 29
Participação na vida política e pública
Os Estados Partes garantirão às pessoas com deficiência direitos políticos e oportunidade
de exercê-los em condições de igualdade com as demais pessoas, e deverão:
a) Assegurar que as pessoas com deficiência possam participar efetiva e plenamente na vida
política e pública, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, diretamente ou
por meio de representantes livremente escolhidos, incluindo o direito e a oportunidade de
votarem e serem votadas, mediante, entre outros:
i) Garantia de que os procedimentos, instalações e materiais e equipamentos para votação
serão apropriados, acessíveis e de fácil compreensão e uso;
ii) Proteção do direito das pessoas com deficiência ao voto secreto em eleições e plebiscitos,
sem intimidação, e a candidatar-se nas eleições, efetivamente ocupar cargos eletivos e
desempenhar quaisquer funções públicas em todos os níveis de governo, usando novas
tecnologias assistivas, quando apropriado;
iii) Garantia da livre expressão de vontade das pessoas com deficiência como eleitores e,
para tanto, sempre que necessário e a seu pedido, permissão para que elas sejam auxiliadas
na votação por uma pessoa de sua escolha;
b) Promover ativamente um ambiente em que as pessoas com deficiência possam participar
efetiva e plenamente na condução das questões públicas, sem discriminação e em
igualdade de oportunidades com as demais pessoas, e encorajar sua participação nas
questões públicas, mediante:
i) Participação em organizações não-governamentais relacionadas com a vida pública e
política do país, bem como em atividades e administração de partidos políticos;
ii) Formação de organizações para representar pessoas com deficiência em níveis
internacional, regional, nacional e local, bem como a filiação de pessoas com deficiência a
tais organizações.
380
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Artigo 30
Participação na vida cultural e em recreação, lazer e esporte
1.Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência de participar na vida
cultural, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, e tomarão todas as
medidas apropriadas para que as pessoas com deficiência possam:
a) Ter acesso a bens culturais em formatos acessíveis;
b) Ter acesso a programas de televisão, cinema, teatro e outras atividades culturais, em
formatos acessíveis; e
c) Ter acesso a locais que ofereçam serviços ou eventos culturais, tais como teatros, museus,
cinemas, bibliotecas e serviços turísticos, bem como, tanto quanto possível, ter acesso a
monumentos e locais de importância cultural nacional.
2.Os Estados Partes tomarão medidas apropriadas para que as pessoas com deficiência
tenham a oportunidade de desenvolver e utilizar seu potencial criativo, artístico e
intelectual, não somente em benefício próprio, mas também para o enriquecimento da
sociedade.
3.Os Estados Partes deverão tomar todas as providências, em conformidade com o direito
internacional, para assegurar que a legislação de proteção dos direitos de propriedade
intelectual não constitua barreira excessiva ou discriminatória ao acesso de pessoas com
deficiência a bens culturais.
4.As pessoas com deficiência farão jus, em igualdade de oportunidades com as demais
pessoas, a que sua identidade cultural e lingüística específica seja reconhecida e apoiada,
incluindo as línguas de sinais e a cultura surda.
5.Para que as pessoas com deficiência participem, em igualdade de oportunidades com as
demais pessoas, de atividades recreativas, esportivas e de lazer, os Estados Partes tomarão
medidas apropriadas para:
a) Incentivar e promover a maior participação possível das pessoas com deficiência nas
atividades esportivas comuns em todos os níveis;
b) Assegurar que as pessoas com deficiência tenham a oportunidade de organizar,
desenvolver e participar em atividades esportivas e recreativas específicas às deficiências e,
para tanto, incentivar a provisão de instrução, treinamento e recursos adequados, em
igualdade de oportunidades com as demais pessoas;
c) Assegurar que as pessoas com deficiência tenham acesso a locais de eventos esportivos,
recreativos e turísticos;
381
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
d) Assegurar que as crianças com deficiência possam, em igualdade de condições com as
demais crianças, participar de jogos e atividades recreativas, esportivas e de lazer, inclusive
no sistema escolar;
e) Assegurar que as pessoas com deficiência tenham acesso aos serviços prestados por
pessoas ou entidades envolvidas na organização de atividades recreativas, turísticas,
esportivas e de lazer.
Artigo 31
Estatísticas e coleta de dados
1.Os Estados Partes coletarão dados apropriados, inclusive estatísticos e de pesquisas, para
que possam formular e implementar políticas destinadas a por em prática a presente
Convenção. O processo de coleta e manutenção de tais dados deverá:
a) Observar as salvaguardas estabelecidas por lei, inclusive pelas leis relativas à proteção de
dados, a fim de assegurar a confidencialidade e o respeito pela privacidade das pessoas
com deficiência;
b) Observar as normas internacionalmente aceitas para proteger os direitos humanos, as
liberdades fundamentais e os princípios éticos na coleta de dados e utilização de
estatísticas.
2.As informações coletadas de acordo com o disposto neste Artigo serão desagregadas, de
maneira apropriada, e utilizadas para avaliar o cumprimento, por parte dos Estados Partes,
de suas obrigações na presente Convenção e para identificar e enfrentar as barreiras com as
quais as pessoas com deficiência se deparam no exercício de seus direitos.
3.Os Estados Partes assumirão responsabilidade pela disseminação das referidas estatísticas
e assegurarão que elas sejam acessíveis às pessoas com deficiência e a outros.
Artigo 32
Cooperação internacional
1.Os Estados Partes reconhecem a importância da cooperação internacional e de sua
promoção, em apoio aos esforços nacionais para a consecução do propósito e dos objetivos
da presente Convenção e, sob este aspecto, adotarão medidas apropriadas e efetivas entre
os Estados e, de maneira adequada, em parceria com organizações internacionais e
regionais relevantes e com a sociedade civil e, em particular, com organizações de pessoas
com deficiência. Estas medidas poderão incluir, entre outras:
a) Assegurar que a cooperação internacional, incluindo os programas internacionais de
desenvolvimento, sejam inclusivos e acessíveis para pessoas com deficiência;
b) Facilitar e apoiar a capacitação, inclusive por meio do intercâmbio e compartilhamento de
informações, experiências, programas de treinamento e melhores práticas;
382
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
c) Facilitar a cooperação em pesquisa e o acesso a conhecimentos científicos e técnicos;
d) Propiciar, de maneira apropriada, assistência técnica e financeira, inclusive mediante
facilitação do acesso a tecnologias assistivas e acessíveis e seu compartilhamento, bem
como por meio de transferência de tecnologias.
2.O disposto neste Artigo se aplica sem prejuízo das obrigações que cabem a cada Estado
Parte em decorrência da presente Convenção.
Artigo 33
Implementação e monitoramento nacionais
1.Os Estados Partes, de acordo com seu sistema organizacional, designarão um ou mais de
um ponto focal no âmbito do Governo para assuntos relacionados com a implementação da
presente Convenção e darão a devida consideração ao estabelecimento ou designação de
um mecanismo de coordenação no âmbito do Governo, a fim de facilitar ações correlatas
nos diferentes setores e níveis.
2.Os Estados Partes, em conformidade com seus sistemas jurídico e administrativo,
manterão, fortalecerão, designarão ou estabelecerão estrutura, incluindo um ou mais de um
mecanismo independente, de maneira apropriada, para promover, proteger e monitorar a
implementação da presente Convenção. Ao designar ou estabelecer tal mecanismo, os
Estados Partes levarão em conta os princípios relativos ao status e funcionamento das
instituições nacionais de proteção e promoção dos direitos humanos.
3.A sociedade civil e, particularmente, as pessoas com deficiência e suas organizações
representativas serão envolvidas e participarão plenamente no processo de
monitoramento.
Artigo 34
Comitê sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência
1.Um Comitê sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (doravante denominado
"Comitê") será estabelecido, para desempenhar as funções aqui definidas.
2.O Comitê será constituído, quando da entrada em vigor da presente Convenção, de 12
peritos. Quando a presente Convenção alcançar 60 ratificações ou adesões, o Comitê será
acrescido em seis membros, perfazendo o total de 18 membros.
3.Os membros do Comitê atuarão a título pessoal e apresentarão elevada postura moral,
competência e experiência reconhecidas no campo abrangido pela presente Convenção. Ao
designar seus candidatos, os Estados Partes são instados a dar a devida consideração ao
disposto no Artigo 4.3 da presente Convenção.
4.Os membros do Comitê serão eleitos pelos Estados Partes, observando-se uma
distribuição geográfica eqüitativa, representação de diferentes formas de civilização e dos
383
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
principais sistemas jurídicos, representação equilibrada de gênero e participação de peritos
com deficiência.
5.Os membros do Comitê serão eleitos por votação secreta em sessões da Conferência dos
Estados Partes, a partir de uma lista de pessoas designadas pelos Estados Partes entre seus
nacionais. Nessas sessões, cujo quorum será de dois terços dos Estados Partes, os
candidatos eleitos para o Comitê serão aqueles que obtiverem o maior número de votos e a
maioria absoluta dos votos dos representantes dos Estados Partes presentes e votantes.
6.A primeira eleição será realizada, o mais tardar, até seis meses após a data de entrada em
vigor da presente Convenção. Pelo menos quatro meses antes de cada eleição, o SecretárioGeral das Nações Unidas dirigirá carta aos Estados Partes, convidando-os a submeter os
nomes de seus candidatos no prazo de dois meses. O Secretário-Geral, subseqüentemente,
preparará lista em ordem alfabética de todos os candidatos apresentados, indicando que
foram designados pelos Estados Partes, e submeterá essa lista aos Estados Partes da
presente Convenção.
7.Os membros do Comitê serão eleitos para mandato de quatro anos, podendo ser
candidatos à reeleição uma única vez. Contudo, o mandato de seis dos membros eleitos na
primeira eleição expirará ao fim de dois anos; imediatamente após a primeira eleição, os
nomes desses seis membros serão selecionados por sorteio pelo presidente da sessão a que
se refere o parágrafo 5 deste Artigo.
8.A eleição dos seis membros adicionais do Comitê será realizada por ocasião das eleições
regulares, de acordo com as disposições pertinentes deste Artigo.
9.Em caso de morte, demissão ou declaração de um membro de que, por algum motivo,
não poderá continuar a exercer suas funções, o Estado Parte que o tiver indicado designará
um outro perito que tenha as qualificações e satisfaça aos requisitos estabelecidos pelos
dispositivos pertinentes deste Artigo, para concluir o mandato em questão.
10.O Comitê estabelecerá suas próprias normas de procedimento.
11.O Secretário-Geral das Nações Unidas proverá o pessoal e as instalações necessários
para o efetivo desempenho das funções do Comitê segundo a presente Convenção e
convocará sua primeira reunião.
12.Com a aprovação da Assembléia Geral, os membros do Comitê estabelecido sob a
presente Convenção receberão emolumentos dos recursos das Nações Unidas, sob termos e
condições que a Assembléia possa decidir, tendo em vista a importância das
responsabilidades do Comitê.
13.Os membros do Comitê terão direito aos privilégios, facilidades e imunidades dos peritos
em missões das Nações Unidas, em conformidade com as disposições pertinentes da
Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Nações Unidas.
384
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Artigo 35
Relatórios dos Estados Partes
1.Cada Estado Parte, por intermédio do Secretário-Geral das Nações Unidas, submeterá
relatório abrangente sobre as medidas adotadas em cumprimento de suas obrigações
estabelecidas pela presente Convenção e sobre o progresso alcançado nesse aspecto,
dentro do período de dois anos após a entrada em vigor da presente Convenção para o
Estado Parte concernente.
2.Depois disso, os Estados Partes submeterão relatórios subseqüentes, ao menos a cada
quatro anos, ou quando o Comitê o solicitar.
3.O Comitê determinará as diretrizes aplicáveis ao teor dos relatórios.
4.Um Estado Parte que tiver submetido ao Comitê um relatório inicial abrangente não
precisará, em relatórios subseqüentes, repetir informações já apresentadas. Ao elaborar os
relatórios ao Comitê, os Estados Partes são instados a fazê-lo de maneira franca e
transparente e a levar em consideração o disposto no Artigo 4.3 da presente Convenção.
5.Os relatórios poderão apontar os fatores e as dificuldades que tiverem afetado o
cumprimento das obrigações decorrentes da presente Convenção.
Artigo 36
Consideração dos relatórios
1.Os relatórios serão considerados pelo Comitê, que fará as sugestões e recomendações
gerais que julgar pertinentes e as transmitirá aos respectivos Estados Partes. O Estado Parte
poderá responder ao Comitê com as informações que julgar pertinentes. O Comitê poderá
pedir informações adicionais ao Estados Partes, referentes à implementação da presente
Convenção.
2.Se um Estado Parte atrasar consideravelmente a entrega de seu relatório, o Comitê poderá
notificar esse Estado de que examinará a aplicação da presente Convenção com base em
informações confiáveis de que disponha, a menos que o relatório devido seja apresentado
pelo Estado dentro do período de três meses após a notificação. O Comitê convidará o
Estado Parte interessado a participar desse exame. Se o Estado Parte responder entregando
seu relatório, aplicar-se-á o disposto no parágrafo 1 do presente artigo.
3.O Secretário-Geral das Nações Unidas colocará os relatórios à disposição de todos os
Estados Partes.
4.Os Estados Partes tornarão seus relatórios amplamente disponíveis ao público em seus
países e facilitarão o acesso à possibilidade de sugestões e de recomendações gerais a
respeito desses relatórios.
385
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
5.O Comitê transmitirá às agências, fundos e programas especializados das Nações Unidas e
a outras organizações competentes, da maneira que julgar apropriada, os relatórios dos
Estados Partes que contenham demandas ou indicações de necessidade de consultoria ou
de assistência técnica, acompanhados de eventuais observações e sugestões do Comitê em
relação às referidas demandas ou indicações, a fim de que possam ser consideradas.
Artigo 37
Cooperação entre os Estados Partes e o Comitê
1.Cada Estado Parte cooperará com o Comitê e auxiliará seus membros no desempenho de
seu mandato.
2.Em suas relações com os Estados Partes, o Comitê dará a devida consideração aos meios e
modos de aprimorar a capacidade de cada Estado Parte para a implementação da presente
Convenção, inclusive mediante cooperação internacional.
Artigo 38
Relações do Comitê com outros órgãos
A fim de promover a efetiva implementação da presente Convenção e de incentivar a
cooperação internacional na esfera abrangida pela presente Convenção:
a) As agências especializadas e outros órgãos das Nações Unidas terão o direito de se fazer
representar quando da consideração da implementação de disposições da presente
Convenção que disserem respeito aos seus respectivos mandatos. O Comitê poderá
convidar as agências especializadas e outros órgãos competentes, segundo julgar
apropriado, a oferecer consultoria de peritos sobre a implementação da Convenção em
áreas pertinentes a seus respectivos mandatos. O Comitê poderá convidar agências
especializadas e outros órgãos das Nações Unidas a apresentar relatórios sobre a
implementação da Convenção em áreas pertinentes às suas respectivas atividades;
b) No desempenho de seu mandato, o Comitê consultará, de maneira apropriada, outros
órgãos pertinentes instituídos ao amparo de tratados internacionais de direitos humanos, a
fim de assegurar a consistência de suas respectivas diretrizes para a elaboração de
relatórios, sugestões e recomendações gerais e de evitar duplicação e superposição no
desempenho de suas funções.
Artigo 39
Relatório do Comitê
A cada dois anos, o Comitê submeterá à Assembléia Geral e ao Conselho Econômico e
Social um relatório de suas atividades e poderá fazer sugestões e recomendações gerais
baseadas no exame dos relatórios e nas informações recebidas dos Estados Partes. Estas
386
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
sugestões e recomendações gerais serão incluídas no relatório do Comitê, acompanhadas,
se houver, de comentários dos Estados Partes.
Artigo 40
Conferência dos Estados Partes
1.Os Estados Partes reunir-se-ão regularmente em Conferência dos Estados Partes a fim de
considerar matérias relativas à implementação da presente Convenção.
2.O Secretário-Geral das Nações Unidas convocará, dentro do período de seis meses após a
entrada em vigor da presente Convenção, a Conferência dos Estados Partes. As reuniões
subseqüentes serão convocadas pelo Secretário-Geral das Nações Unidas a cada dois anos
ou conforme a decisão da Conferência dos Estados Partes.
Artigo 41
Depositário
O Secretário-Geral das Nações Unidas será o depositário da presente Convenção.
Artigo 42
Assinatura
A presente Convenção será aberta à assinatura de todos os Estados e organizações de
integração regional na sede das Nações Unidas em Nova York, a partir de 30 de março de
2007.
Artigo 43
Consentimento em comprometer-se
A presente Convenção será submetida à ratificação pelos Estados signatários e à
confirmação formal por organizações de integração regional signatárias. Ela estará aberta à
adesão de qualquer Estado ou organização de integração regional que não a houver
assinado.
Artigo 44
Organizações de integração regional
1."Organização de integração regional" será entendida como organização constituída por
Estados soberanos de determinada região, à qual seus Estados membros tenham delegado
competência sobre matéria abrangida pela presente Convenção. Essas organizações
declararão, em seus documentos de confirmação formal ou adesão, o alcance de sua
competência em relação à matéria abrangida pela presente Convenção. Subseqüentemente,
as organizações informarão ao depositário qualquer alteração substancial no âmbito de sua
competência.
387
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
2.As referências a "Estados Partes" na presente Convenção serão aplicáveis a essas
organizações, nos limites da competência destas.
3.Para os fins do parágrafo 1 do Artigo 45 e dos parágrafos 2 e 3 do Artigo 47, nenhum
instrumento depositado por organização de integração regional será computado.
4.As organizações de integração regional, em matérias de sua competência, poderão exercer
o direito de voto na Conferência dos Estados Partes, tendo direito ao mesmo número de
votos quanto for o número de seus Estados membros que forem Partes da presente
Convenção. Essas organizações não exercerão seu direito de voto, se qualquer de seus
Estados membros exercer seu direito de voto, e vice-versa.
Artigo 45
Entrada em vigor
1.A presente Convenção entrará em vigor no trigésimo dia após o depósito do vigésimo
instrumento de ratificação ou adesão.
2.Para cada Estado ou organização de integração regional que ratificar ou formalmente
confirmar a presente Convenção ou a ela aderir após o depósito do referido vigésimo
instrumento, a Convenção entrará em vigor no trigésimo dia a partir da data em que esse
Estado ou organização tenha depositado seu instrumento de ratificação, confirmação formal
ou adesão.
Artigo 46
Reservas
1.Não serão permitidas reservas incompatíveis com o objeto e o propósito da presente
Convenção.
2.As reservas poderão ser retiradas a qualquer momento.
Artigo 47
Emendas
1.Qualquer Estado Parte poderá propor emendas à presente Convenção e submetê-las ao
Secretário-Geral das Nações Unidas. O Secretário-Geral comunicará aos Estados Partes
quaisquer emendas propostas, solicitando-lhes que o notifiquem se são favoráveis a uma
Conferência dos Estados Partes para considerar as propostas e tomar decisão a respeito
delas. Se, até quatro meses após a data da referida comunicação, pelo menos um terço dos
Estados Partes se manifestar favorável a essa Conferência, o Secretário-Geral das Nações
Unidas convocará a Conferência, sob os auspícios das Nações Unidas. Qualquer emenda
adotada por maioria de dois terços dos Estados Partes presentes e votantes será submetida
pelo Secretário-Geral à aprovação da Assembléia Geral das Nações Unidas e,
posteriormente, à aceitação de todos os Estados Partes.
388
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
2.Qualquer emenda adotada e aprovada conforme o disposto no parágrafo 1 do presente
artigo entrará em vigor no trigésimo dia após a data na qual o número de instrumentos de
aceitação tenha atingido dois terços do número de Estados Partes na data de adoção da
emenda. Posteriormente, a emenda entrará em vigor para todo Estado Parte no trigésimo
dia após o depósito por esse Estado do seu instrumento de aceitação. A emenda será
vinculante somente para os Estados Partes que a tiverem aceitado.
3.Se a Conferência dos Estados Partes assim o decidir por consenso, qualquer emenda
adotada e aprovada em conformidade com o disposto no parágrafo 1 deste Artigo,
relacionada exclusivamente com os artigos 34, 38, 39 e 40, entrará em vigor para todos os
Estados Partes no trigésimo dia a partir da data em que o número de instrumentos de
aceitação depositados tiver atingido dois terços do número de Estados Partes na data de
adoção da emenda.
Artigo 48
Denúncia
Qualquer Estado Parte poderá denunciar a presente Convenção mediante notificação por
escrito ao Secretário-Geral das Nações Unidas. A denúncia tornar-se-á efetiva um ano após
a data de recebimento da notificação pelo Secretário-Geral.
Artigo 49
Formatos acessíveis
O texto da presente Convenção será colocado à disposição em formatos acessíveis.
Artigo 50
Textos autênticos
Os textos em árabe, chinês, espanhol, francês, inglês e russo da presente Convenção serão
igualmente autênticos.
EM FÉ DO QUE os plenipotenciários abaixo assinados, devidamente autorizados para tanto
por seus respectivos Governos, firmaram a presente Convenção.
PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS
DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
Os Estados Partes do presente Protocolo acordaram o seguinte:
Artigo 1
1.Qualquer Estado Parte do presente Protocolo (“Estado Parte”) reconhece a competência
do Comitê sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (“Comitê”) para receber e
considerar comunicações submetidas por pessoas ou grupos de pessoas, ou em nome
389
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
deles, sujeitos à sua jurisdição, alegando serem vítimas de violação das disposições da
Convenção pelo referido Estado Parte.
2.O Comitê não receberá comunicação referente a qualquer Estado Parte que não seja
signatário do presente Protocolo.
Artigo 2
O Comitê considerará inadmissível a comunicação quando:
a) A comunicação for anônima;
b) A comunicação constituir abuso do direito de submeter tais comunicações ou for
incompatível com as disposições da Convenção;
c) A mesma matéria já tenha sido examinada pelo Comitê ou tenha sido ou estiver sendo
examinada sob outro procedimento de investigação ou resolução internacional;
d) Não tenham sido esgotados todos os recursos internos disponíveis, salvo no caso em que
a tramitação desses recursos se prolongue injustificadamente, ou seja improvável que se
obtenha com eles solução efetiva;
e) A comunicação estiver precariamente fundamentada ou não for suficientemente
substanciada; ou
f) Os fatos que motivaram a comunicação tenham ocorrido antes da entrada em vigor do
presente Protocolo para o Estado Parte em apreço, salvo se os fatos continuaram ocorrendo
após aquela data.
Artigo 3
Sujeito ao disposto no Artigo 2 do presente Protocolo, o Comitê levará confidencialmente
ao conhecimento do Estado Parte concernente qualquer comunicação submetida ao
Comitê. Dentro do período de seis meses, o Estado concernente submeterá ao Comitê
explicações ou declarações por escrito, esclarecendo a matéria e a eventual solução adotada
pelo referido Estado.
Artigo 4
1.A qualquer momento após receber uma comunicação e antes de decidir o mérito dessa
comunicação, o Comitê poderá transmitir ao Estado Parte concernente, para sua urgente
consideração, um pedido para que o Estado Parte tome as medidas de natureza cautelar
que forem necessárias para evitar possíveis danos irreparáveis à vítima ou às vítimas da
violação alegada.
2.O exercício pelo Comitê de suas faculdades discricionárias em virtude do parágrafo 1 do
presente Artigo não implicará prejuízo algum sobre a admissibilidade ou sobre o mérito da
comunicação.
390
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Artigo 5
O Comitê realizará sessões fechadas para examinar comunicações a ele submetidas em
conformidade com o presente Protocolo. Depois de examinar uma comunicação, o Comitê
enviará suas sugestões e recomendações, se houver, ao Estado Parte concernente e ao
requerente.
Artigo 6
1.Se receber informação confiável indicando que um Estado Parte está cometendo violação
grave ou sistemática de direitos estabelecidos na Convenção, o Comitê convidará o referido
Estado Parte a colaborar com a verificação da informação e, para tanto, a submeter suas
observações a respeito da informação em pauta.
2.Levando em conta quaisquer observações que tenham sido submetidas pelo Estado Parte
concernente, bem como quaisquer outras informações confiáveis em poder do Comitê, este
poderá designar um ou mais de seus membros para realizar investigação e apresentar, em
caráter de urgência, relatório ao Comitê. Caso se justifique e o Estado Parte o consinta, a
investigação poderá incluir uma visita ao território desse Estado.
3.Após examinar os resultados da investigação, o Comitê os comunicará ao Estado Parte
concernente, acompanhados de eventuais comentários e recomendações.
4.Dentro do período de seis meses após o recebimento dos resultados, comentários e
recomendações transmitidos pelo Comitê, o Estado Parte concernente submeterá suas
observações ao Comitê.
5.A referida investigação será realizada confidencialmente e a cooperação do Estado Parte
será solicitada em todas as fases do processo.
Artigo 7
1.O Comitê poderá convidar o Estado Parte concernente a incluir em seu relatório,
submetido em conformidade com o disposto no Artigo 35 da Convenção, pormenores a
respeito das medidas tomadas em conseqüência da investigação realizada em
conformidade com o Artigo 6 do presente Protocolo.
2.Caso necessário, o Comitê poderá, encerrado o período de seis meses a que se refere o
parágrafo 4 do Artigo 6, convidar o Estado Parte concernente a informar o Comitê a
respeito das medidas tomadas em conseqüência da referida investigação.
Artigo 8
Qualquer Estado Parte poderá, quando da assinatura ou ratificação do presente Protocolo
ou de sua adesão a ele, declarar que não reconhece a competência do Comitê, a que se
referem os Artigos 6 e 7.
Artigo 9
391
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
O Secretário-Geral das Nações Unidas será o depositário do presente Protocolo.
Artigo 10
O presente Protocolo será aberto à assinatura dos Estados e organizações de integração
regional signatários da Convenção, na sede das Nações Unidas em Nova York, a partir de 30
de março de 2007.
Artigo 11
O presente Protocolo estará sujeito à ratificação pelos Estados signatários do presente
Protocolo que tiverem ratificado a Convenção ou aderido a ela. Ele estará sujeito à
confirmação formal por organizações de integração regional signatárias do presente
Protocolo que tiverem formalmente confirmado a Convenção ou a ela aderido. O Protocolo
ficará aberto à adesão de qualquer Estado ou organização de integração regional que tiver
ratificado ou formalmente confirmado a Convenção ou a ela aderido e que não tiver
assinado o Protocolo.
Artigo 12
1.“Organização de integração regional” será entendida como organização constituída por
Estados soberanos de determinada região, à qual seus Estados membros tenham delegado
competência sobre matéria abrangida pela Convenção e pelo presente Protocolo. Essas
organizações declararão, em seus documentos de confirmação formal ou adesão, o alcance
de sua competência em relação à matéria abrangida pela Convenção e pelo presente
Protocolo. Subseqüentemente, as organizações informarão ao depositário qualquer
alteração substancial no alcance de sua competência.
2.As referências a “Estados Partes” no presente Protocolo serão aplicáveis a essas
organizações, nos limites da competência de tais organizações.
3.Para os fins do parágrafo 1 do Artigo 13 e do parágrafo 2 do Artigo 15, nenhum
instrumento depositado por organização de integração regional será computado.
4.As organizações de integração regional, em matérias de sua competência, poderão exercer
o direito de voto na Conferência dos Estados Partes, tendo direito ao mesmo número de
votos que seus Estados membros que forem Partes do presente Protocolo. Essas
organizações não exercerão seu direito de voto se qualquer de seus Estados membros
exercer seu direito de voto, e vice-versa.
Artigo 13
1.Sujeito à entrada em vigor da Convenção, o presente Protocolo entrará em vigor no
trigésimo dia após o depósito do décimo instrumento de ratificação ou adesão.
2.Para cada Estado ou organização de integração regional que ratificar ou formalmente
confirmar o presente Protocolo ou a ele aderir depois do depósito do décimo instrumento
392
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
dessa natureza, o Protocolo entrará em vigor no trigésimo dia a partir da data em que esse
Estado ou organização tenha depositado seu instrumento de ratificação, confirmação formal
ou adesão.
Artigo 14
1.Não serão permitidas reservas incompatíveis com o objeto e o propósito do presente
Protocolo.
2.As reservas poderão ser retiradas a qualquer momento.
Artigo 15
1.Qualquer Estado Parte poderá propor emendas ao presente Protocolo e submetê-las ao
Secretário-Geral das Nações Unidas. O Secretário-Geral comunicará aos Estados Partes
quaisquer emendas propostas, solicitando-lhes que o notifiquem se são favoráveis a uma
Conferência dos Estados Partes para considerar as propostas e tomar decisão a respeito
delas. Se, até quatro meses após a data da referida comunicação, pelo menos um terço dos
Estados Partes se manifestar favorável a essa Conferência, o Secretário-Geral das Nações
Unidas convocará a Conferência, sob os auspícios das Nações Unidas. Qualquer emenda
adotada por maioria de dois terços dos Estados Partes presentes e votantes será submetida
pelo Secretário-Geral à aprovação da Assembléia Geral das Nações Unidas e,
posteriormente, à aceitação de todos os Estados Partes.
2.Qualquer emenda adotada e aprovada conforme o disposto no parágrafo 1 do presente
artigo entrará em vigor no trigésimo dia após a data na qual o número de instrumentos de
aceitação tenha atingido dois terços do número de Estados Partes na data de adoção da
emenda. Posteriormente, a emenda entrará em vigor para todo Estado Parte no trigésimo
dia após o depósito por esse Estado do seu instrumento de aceitação. A emenda será
vinculante somente para os Estados Partes que a tiverem aceitado.
Artigo 16
Qualquer Estado Parte poderá denunciar o presente Protocolo mediante notificação por
escrito ao Secretário-Geral das Nações Unidas. A denúncia tornar-se-á efetiva um ano após
a data de recebimento da notificação pelo Secretário-Geral.
Artigo 17
O texto do presente Protocolo será colocado à disposição em formatos acessíveis.
Artigo 18
Os textos em árabe, chinês, espanhol, francês, inglês e russo e do presente Protocolo serão
igualmente autênticos.
EM FÉ DO QUE os plenipotenciários abaixo assinados, devidamente autorizados para tanto
por seus respectivos governos, firmaram o presente Protocolo.
393
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com
deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 2015. Cap. I e Cap. IV.
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 1º É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa
com Deficiência), destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o
exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à
sua inclusão social e cidadania.
Parágrafo único. Esta Lei tem como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência e seu Protocolo Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por meio
do Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008 , em conformidade com o
procedimento previsto no § 3º do art. 5º da Constituição da República Federativa do Brasil ,
em vigor para o Brasil, no plano jurídico externo, desde 31 de agosto de 2008, e
promulgados pelo Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009 , data de início de sua
vigência no plano interno.
Art. 2º Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo
de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais
barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de
condições com as demais pessoas.
§ 1º A avaliação da deficiência, quando necessária, será biopsicossocial, realizada por equipe
multiprofissional e interdisciplinar e considerará: (Vigência)
I - os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo;
II - os fatores socioambientais, psicológicos e pessoais;
III - a limitação no desempenho de atividades; e
IV - a restrição de participação.
§ 2º O Poder Executivo criará instrumentos para avaliação da deficiência.
Art. 3º Para fins de aplicação desta Lei, consideram-se:
I - acessibilidade: possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e
autonomia, de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, edificações, transportes,
informação e comunicação, inclusive seus sistemas e tecnologias, bem como de outros
serviços e instalações abertos ao público, de uso público ou privados de uso coletivo, tanto
na zona urbana como na rural, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida;
394
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - desenho universal: concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a serem
usados por todas as pessoas, sem necessidade de adaptação ou de projeto específico,
incluindo os recursos de tecnologia assistiva;
III - tecnologia assistiva ou ajuda técnica: produtos, equipamentos, dispositivos, recursos,
metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivem promover a funcionalidade,
relacionada à atividade e à participação da pessoa com deficiência ou com mobilidade
reduzida, visando à sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social;
IV - barreiras: qualquer entrave, obstáculo, atitude ou comportamento que limite ou impeça
a participação social da pessoa, bem como o gozo, a fruição e o exercício de seus direitos à
acessibilidade, à liberdade de movimento e de expressão, à comunicação, ao acesso à
informação, à compreensão, à circulação com segurança, entre outros, classificadas em:
a) barreiras urbanísticas: as existentes nas vias e nos espaços públicos e privados abertos ao
público ou de uso coletivo;
b) barreiras arquitetônicas: as existentes nos edifícios públicos e privados;
c) barreiras nos transportes: as existentes nos sistemas e meios de transportes;
d) barreiras nas comunicações e na informação: qualquer entrave, obstáculo, atitude ou
comportamento que dificulte ou impossibilite a expressão ou o recebimento de mensagens
e de informações por intermédio de sistemas de comunicação e de tecnologia da
informação;
e) barreiras atitudinais: atitudes ou comportamentos que impeçam ou prejudiquem a
participação social da pessoa com deficiência em igualdade de condições e oportunidades
com as demais pessoas;
f) barreiras tecnológicas: as que dificultam ou impedem o acesso da pessoa com deficiência
às tecnologias;
V - comunicação: forma de interação dos cidadãos que abrange, entre outras opções, as
línguas, inclusive a Língua Brasileira de Sinais (Libras), a visualização de textos, o Braille, o
sistema de sinalização ou de comunicação tátil, os caracteres ampliados, os dispositivos
multimídia, assim como a linguagem simples, escrita e oral, os sistemas auditivos e os meios
de voz digitalizados e os modos, meios e formatos aumentativos e alternativos de
comunicação, incluindo as tecnologias da informação e das comunicações;
VI - adaptações razoáveis: adaptações, modificações e ajustes necessários e adequados que
não acarretem ônus desproporcional e indevido, quando requeridos em cada caso, a fim de
assegurar que a pessoa com deficiência possa gozar ou exercer, em igualdade de condições
e oportunidades com as demais pessoas, todos os direitos e liberdades fundamentais;
VII - elemento de urbanização: quaisquer componentes de obras de urbanização, tais como
os referentes a pavimentação, saneamento, encanamento para esgotos, distribuição de
395
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
energia elétrica e de gás, iluminação pública, serviços de comunicação, abastecimento e
distribuição de água, paisagismo e os que materializam as indicações do planejamento
urbanístico;
VIII - mobiliário urbano: conjunto de objetos existentes nas vias e nos espaços públicos,
superpostos ou adicionados aos elementos de urbanização ou de edificação, de forma que
sua modificação ou seu traslado não provoque alterações substanciais nesses elementos,
tais como semáforos, postes de sinalização e similares, terminais e pontos de acesso
coletivo às telecomunicações, fontes de água, lixeiras, toldos, marquises, bancos, quiosques
e quaisquer outros de natureza análoga;
IX - pessoa com mobilidade reduzida: aquela que tenha, por qualquer motivo, dificuldade
de movimentação, permanente ou temporária, gerando redução efetiva da mobilidade, da
flexibilidade, da coordenação motora ou da percepção, incluindo idoso, gestante, lactante,
pessoa com criança de colo e obeso;
X - residências inclusivas: unidades de oferta do Serviço de Acolhimento do Sistema Único
de Assistência Social (Suas) localizadas em áreas residenciais da comunidade, com
estruturas adequadas, que possam contar com apoio psicossocial para o atendimento das
necessidades da pessoa acolhida, destinadas a jovens e adultos com deficiência, em
situação de dependência, que não dispõem de condições de autossustentabilidade e com
vínculos familiares fragilizados ou rompidos;
XI - moradia para a vida independente da pessoa com deficiência: moradia com estruturas
adequadas capazes de proporcionar serviços de apoio coletivos e individualizados que
respeitem e ampliem o grau de autonomia de jovens e adultos com deficiência;
XII - atendente pessoal: pessoa, membro ou não da família, que, com ou sem remuneração,
assiste ou presta cuidados básicos e essenciais à pessoa com deficiência no exercício de
suas atividades diárias, excluídas as técnicas ou os procedimentos identificados com
profissões legalmente estabelecidas;
XIII - profissional de apoio escolar: pessoa que exerce atividades de alimentação, higiene e
locomoção do estudante com deficiência e atua em todas as atividades escolares nas quais
se fizer necessária, em todos os níveis e modalidades de ensino, em instituições públicas e
privadas, excluídas as técnicas ou os procedimentos identificados com profissões
legalmente estabelecidas;
XIV - acompanhante: aquele que acompanha a pessoa com deficiência, podendo ou não
desempenhar as funções de atendente pessoal.
CAPÍTULO IV
DO DIREITO À EDUCAÇÃO
396
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 27. A educação constitui direito da pessoa com deficiência, assegurados sistema
educacional inclusivo em todos os níveis e aprendizado ao longo de toda a vida, de forma a
alcançar o máximo desenvolvimento possível de seus talentos e habilidades físicas,
sensoriais, intelectuais e sociais, segundo suas características, interesses e necessidades de
aprendizagem.
Parágrafo único. É dever do Estado, da família, da comunidade escolar e da sociedade
assegurar educação de qualidade à pessoa com deficiência, colocando-a a salvo de toda
forma de violência, negligência e discriminação.
Art. 28. Incumbe ao poder público assegurar, criar, desenvolver, implementar, incentivar,
acompanhar e avaliar:
I - sistema educacional inclusivo em todos os níveis e modalidades, bem como o
aprendizado ao longo de toda a vida;
II - aprimoramento dos sistemas educacionais, visando a garantir condições de acesso,
permanência, participação e aprendizagem, por meio da oferta de serviços e de recursos de
acessibilidade que eliminem as barreiras e promovam a inclusão plena;
III - projeto pedagógico que institucionalize o atendimento educacional especializado, assim
como os demais serviços e adaptações razoáveis, para atender às características dos
estudantes com deficiência e garantir o seu pleno acesso ao currículo em condições de
igualdade, promovendo a conquista e o exercício de sua autonomia;
IV - oferta de educação bilíngue, em Libras como primeira língua e na modalidade escrita
da língua portuguesa como segunda língua, em escolas e classes bilíngues e em escolas
inclusivas;
V - adoção de medidas individualizadas e coletivas em ambientes que maximizem o
desenvolvimento acadêmico e social dos estudantes com deficiência, favorecendo o acesso,
a permanência, a participação e a aprendizagem em instituições de ensino;
VI - pesquisas voltadas para o desenvolvimento de novos métodos e técnicas pedagógicas,
de materiais didáticos, de equipamentos e de recursos de tecnologia assistiva;
VII - planejamento de estudo de caso, de elaboração de plano de atendimento educacional
especializado, de organização de recursos e serviços de acessibilidade e de disponibilização
e usabilidade pedagógica de recursos de tecnologia assistiva;
VIII - participação dos estudantes com deficiência e de suas famílias nas diversas instâncias
de atuação da comunidade escolar;
IX - adoção de medidas de apoio que favoreçam o desenvolvimento dos aspectos
linguísticos, culturais, vocacionais e profissionais, levando-se em conta o talento, a
criatividade, as habilidades e os interesses do estudante com deficiência;
397
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
X - adoção de práticas pedagógicas inclusivas pelos programas de formação inicial e
continuada de professores e oferta de formação continuada para o atendimento
educacional especializado;
XI - formação e disponibilização de professores para o atendimento educacional
especializado, de tradutores e intérpretes da Libras, de guias intérpretes e de profissionais
de apoio;
XII - oferta de ensino da Libras, do Sistema Braille e de uso de recursos de tecnologia
assistiva, de forma a ampliar habilidades funcionais dos estudantes, promovendo sua
autonomia e participação;
XIII - acesso à educação superior e à educação profissional e tecnológica em igualdade de
oportunidades e condições com as demais pessoas;
XIV - inclusão em conteúdos curriculares, em cursos de nível superior e de educação
profissional técnica e tecnológica, de temas relacionados à pessoa com deficiência nos
respectivos campos de conhecimento;
XV - acesso da pessoa com deficiência, em igualdade de condições, a jogos e a atividades
recreativas, esportivas e de lazer, no sistema escolar;
XVI - acessibilidade para todos os estudantes, trabalhadores da educação e demais
integrantes da comunidade escolar às edificações, aos ambientes e às atividades
concernentes a todas as modalidades, etapas e níveis de ensino;
XVII - oferta de profissionais de apoio escolar;
XVIII - articulação intersetorial na implementação de políticas públicas.
§ 1º Às instituições privadas, de qualquer nível e modalidade de ensino, aplica-se
obrigatoriamente o disposto nos incisos I, II, III, V, VII, VIII, IX, X, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, XVII
e XVIII do caput deste artigo, sendo vedada a cobrança de valores adicionais de qualquer
natureza em suas mensalidades, anuidades e matrículas no cumprimento dessas
determinações.
§ 2º Na disponibilização de tradutores e intérpretes da Libras a que se refere o inciso XI
do caput deste artigo, deve-se observar o seguinte:
I - os tradutores e intérpretes da Libras atuantes na educação básica devem, no mínimo,
possuir ensino médio completo e certificado de proficiência na Libras; (Vigência)
II - os tradutores e intérpretes da Libras, quando direcionados à tarefa de interpretar nas
salas de aula dos cursos de graduação e pós-graduação, devem possuir nível superior, com
habilitação, prioritariamente, em Tradução e Interpretação em Libras.(Vigência)
Art. 29. (VETADO).
398
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 30. Nos processos seletivos para ingresso e permanência nos cursos oferecidos pelas
instituições de ensino superior e de educação profissional e tecnológica, públicas e privadas,
devem ser adotadas as seguintes medidas:
I - atendimento preferencial à pessoa com deficiência nas dependências das Instituições de
Ensino Superior (IES) e nos serviços;
II - disponibilização de formulário de inscrição de exames com campos específicos para que
o candidato com deficiência informe os recursos de acessibilidade e de tecnologia assistiva
necessários para sua participação;
III - disponibilização de provas em formatos acessíveis para atendimento às necessidades
específicas do candidato com deficiência;
IV - disponibilização de recursos de acessibilidade e de tecnologia assistiva adequados,
previamente solicitados e escolhidos pelo candidato com deficiência;
V - dilação de tempo, conforme demanda apresentada pelo candidato com deficiência,
tanto na realização de exame para seleção quanto nas atividades acadêmicas, mediante
prévia solicitação e comprovação da necessidade;
VI - adoção de critérios de avaliação das provas escritas, discursivas ou de redação que
considerem a singularidade linguística da pessoa com deficiência, no domínio da
modalidade escrita da língua portuguesa;
VII - tradução completa do edital e de suas retificações em Libras.
Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as
Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de
julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Brasília, DF, 2010.
TÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Art. 1o Esta Lei institui o Estatuto da Igualdade Racial, destinado a garantir à população
negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais,
coletivos e difusos e o combate à discriminação e às demais formas de intolerância étnica.
Parágrafo único. Para efeito deste Estatuto, considera-se:
I - discriminação racial ou étnico-racial: toda distinção, exclusão, restrição ou preferência
baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto
anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício, em igualdade de condições, de
399
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social,
cultural ou em qualquer outro campo da vida pública ou privada;
II - desigualdade racial: toda situação injustificada de diferenciação de acesso e fruição de
bens, serviços e oportunidades, nas esferas pública e privada, em virtude de raça, cor,
descendência ou origem nacional ou étnica;
III - desigualdade de gênero e raça: assimetria existente no âmbito da sociedade que
acentua a distância social entre mulheres negras e os demais segmentos sociais;
IV - população negra: o conjunto de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas,
conforme o quesito cor ou raça usado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), ou que adotam autodefinição análoga;
V - políticas públicas: as ações, iniciativas e programas adotados pelo Estado no
cumprimento de suas atribuições institucionais;
VI - ações afirmativas: os programas e medidas especiais adotados pelo Estado e pela
iniciativa privada para a correção das desigualdades raciais e para a promoção da igualdade
de oportunidades.
Art. 2o É dever do Estado e da sociedade garantir a igualdade de oportunidades,
reconhecendo a todo cidadão brasileiro, independentemente da etnia ou da cor da pele, o
direito à participação na comunidade, especialmente nas atividades políticas, econômicas,
empresariais, educacionais, culturais e esportivas, defendendo sua dignidade e seus valores
religiosos e culturais.
Art. 3o Além das normas constitucionais relativas aos princípios fundamentais, aos direitos e
garantias fundamentais e aos direitos sociais, econômicos e culturais, o Estatuto da
Igualdade Racial adota como diretriz político-jurídica a inclusão das vítimas de desigualdade
étnico-racial, a valorização da igualdade étnica e o fortalecimento da identidade nacional
brasileira.
Art. 4o A participação da população negra, em condição de igualdade de oportunidade, na
vida econômica, social, política e cultural do País será promovida, prioritariamente, por meio
de:
I - inclusão nas políticas públicas de desenvolvimento econômico e social;
II - adoção de medidas, programas e políticas de ação afirmativa;
III - modificação das estruturas institucionais do Estado para o adequado enfrentamento e a
superação das desigualdades étnicas decorrentes do preconceito e da discriminação étnica;
IV - promoção de ajustes normativos para aperfeiçoar o combate à discriminação étnica e às
desigualdades étnicas em todas as suas manifestações individuais, institucionais e
estruturais;
400
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
V - eliminação dos obstáculos históricos, socioculturais e institucionais que impedem a
representação da diversidade étnica nas esferas pública e privada;
VI - estímulo, apoio e fortalecimento de iniciativas oriundas da sociedade civil direcionadas
à promoção da igualdade de oportunidades e ao combate às desigualdades étnicas,
inclusive mediante a implementação de incentivos e critérios de condicionamento e
prioridade no acesso aos recursos públicos;
VII - implementação de programas de ação afirmativa destinados ao enfrentamento das
desigualdades étnicas no tocante à educação, cultura, esporte e lazer, saúde, segurança,
trabalho, moradia, meios de comunicação de massa, financiamentos públicos, acesso à terra,
à Justiça, e outros.
Parágrafo único. Os programas de ação afirmativa constituir-se-ão em políticas públicas
destinadas a reparar as distorções e desigualdades sociais e demais práticas discriminatórias
adotadas, nas esferas pública e privada, durante o processo de formação social do País.
Art. 5o Para a consecução dos objetivos desta Lei, é instituído o Sistema Nacional de
Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), conforme estabelecido no Título III.
TÍTULO II
DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS
CAPÍTULO I
DO DIREITO À SAÚDE
Art. 6o O direito à saúde da população negra será garantido pelo poder público mediante
políticas universais, sociais e econômicas destinadas à redução do risco de doenças e de
outros agravos.
§ 1o O acesso universal e igualitário ao Sistema Único de Saúde (SUS) para promoção,
proteção e recuperação da saúde da população negra será de responsabilidade dos órgãos
e instituições públicas federais, estaduais, distritais e municipais, da administração direta e
indireta.
§ 2o O poder público garantirá que o segmento da população negra vinculado aos seguros
privados de saúde seja tratado sem discriminação.
Art. 7o O conjunto de ações de saúde voltadas à população negra constitui a Política
Nacional de Saúde Integral da População Negra, organizada de acordo com as diretrizes
abaixo especificadas:
I - ampliação e fortalecimento da participação de lideranças dos movimentos sociais em
defesa da saúde da população negra nas instâncias de participação e controle social do
SUS;
401
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - produção de conhecimento científico e tecnológico em saúde da população negra;
III - desenvolvimento de processos de informação, comunicação e educação para contribuir
com a redução das vulnerabilidades da população negra.
Art. 8o Constituem objetivos da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra:
I - a promoção da saúde integral da população negra, priorizando a redução das
desigualdades étnicas e o combate à discriminação nas instituições e serviços do SUS;
II - a melhoria da qualidade dos sistemas de informação do SUS no que tange à coleta, ao
processamento e à análise dos dados desagregados por cor, etnia e gênero;
III - o fomento à realização de estudos e pesquisas sobre racismo e saúde da população
negra;
IV - a inclusão do conteúdo da saúde da população negra nos processos de formação e
educação permanente dos trabalhadores da saúde;
V - a inclusão da temática saúde da população negra nos processos de formação política
das lideranças de movimentos sociais para o exercício da participação e controle social no
SUS.
Parágrafo único. Os moradores das comunidades de remanescentes de quilombos serão
beneficiários de incentivos específicos para a garantia do direito à saúde, incluindo
melhorias nas condições ambientais, no saneamento básico, na segurança alimentar e
nutricional e na atenção integral à saúde.
CAPÍTULO II
DO DIREITO À EDUCAÇÃO, À CULTURA, AO ESPORTE E AO LAZER
Seção I
Disposições Gerais
Art. 9o A população negra tem direito a participar de atividades educacionais, culturais,
esportivas e de lazer adequadas a seus interesses e condições, de modo a contribuir para o
patrimônio cultural de sua comunidade e da sociedade brasileira.
Art. 10. Para o cumprimento do disposto no art. 9o, os governos federal, estaduais, distrital
e municipais adotarão as seguintes providências:
I - promoção de ações para viabilizar e ampliar o acesso da população negra ao ensino
gratuito e às atividades esportivas e de lazer;
II - apoio à iniciativa de entidades que mantenham espaço para promoção social e cultural
da população negra;
402
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
III - desenvolvimento de campanhas educativas, inclusive nas escolas, para que a
solidariedade aos membros da população negra faça parte da cultura de toda a sociedade;
IV - implementação de políticas públicas para o fortalecimento da juventude negra
brasileira.
Seção II
Da Educação
Art. 11. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e
privados, é obrigatório o estudo da história geral da África e da história da população negra
no Brasil, observado o disposto na Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
§ 1o Os conteúdos referentes à história da população negra no Brasil serão ministrados no
âmbito de todo o currículo escolar, resgatando sua contribuição decisiva para o
desenvolvimento social, econômico, político e cultural do País.
§ 2o O órgão competente do Poder Executivo fomentará a formação inicial e continuada de
professores e a elaboração de material didático específico para o cumprimento do disposto
no caput deste artigo.
§ 3o Nas datas comemorativas de caráter cívico, os órgãos responsáveis pela educação
incentivarão a participação de intelectuais e representantes do movimento negro para
debater com os estudantes suas vivências relativas ao tema em comemoração.
Art. 12. Os órgãos federais, distritais e estaduais de fomento à pesquisa e à pós-graduação
poderão criar incentivos a pesquisas e a programas de estudo voltados para temas
referentes às relações étnicas, aos quilombos e às questões pertinentes à população negra.
Art. 13. O Poder Executivo federal, por meio dos órgãos competentes, incentivará as
instituições de ensino superior públicas e privadas, sem prejuízo da legislação em vigor, a:
I - resguardar os princípios da ética em pesquisa e apoiar grupos, núcleos e centros de
pesquisa, nos diversos programas de pós-graduação que desenvolvam temáticas de
interesse da população negra;
II - incorporar nas matrizes curriculares dos cursos de formação de professores temas que
incluam valores concernentes à pluralidade étnica e cultural da sociedade brasileira;
III - desenvolver programas de extensão universitária destinados a aproximar jovens negros
de tecnologias avançadas, assegurado o princípio da proporcionalidade de gênero entre os
beneficiários;
IV - estabelecer programas de cooperação técnica, nos estabelecimentos de ensino
públicos, privados e comunitários, com as escolas de educação infantil, ensino fundamental,
403
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
ensino médio e ensino técnico, para a formação docente baseada em princípios de
equidade, de tolerância e de respeito às diferenças étnicas.
Art. 14. O poder público estimulará e apoiará ações socioeducacionais realizadas por
entidades do movimento negro que desenvolvam atividades voltadas para a inclusão social,
mediante cooperação técnica, intercâmbios, convênios e incentivos, entre outros
mecanismos.
Art. 15. O poder público adotará programas de ação afirmativa.
Art. 16. O Poder Executivo federal, por meio dos órgãos responsáveis pelas políticas de
promoção da igualdade e de educação, acompanhará e avaliará os programas de que trata
esta Seção.
Seção III
Da Cultura
Art. 17. O poder público garantirá o reconhecimento das sociedades negras, clubes e outras
formas de manifestação coletiva da população negra, com trajetória histórica comprovada,
como patrimônio histórico e cultural, nos termos dos arts. 215 e216 da Constituição Federal.
Art. 18. É assegurado aos remanescentes das comunidades dos quilombos o direito à
preservação de seus usos, costumes, tradições e manifestos religiosos, sob a proteção do
Estado.
Parágrafo único. A preservação dos documentos e dos sítios detentores de reminiscências
históricas dos antigos quilombos, tombados nos termos do § 5o do art. 216 da Constituição
Federal, receberá especial atenção do poder público.
Art. 19. O poder público incentivará a celebração das personalidades e das datas
comemorativas relacionadas à trajetória do samba e de outras manifestações culturais de
matriz africana, bem como sua comemoração nas instituições de ensino públicas e privadas.
Art. 20. O poder público garantirá o registro e a proteção da capoeira, em todas as suas
modalidades, como bem de natureza imaterial e de formação da identidade cultural
brasileira, nos termos do art. 216 da Constituição Federal.
Parágrafo único. O poder público buscará garantir, por meio dos atos normativos
necessários, a preservação dos elementos formadores tradicionais da capoeira nas suas
relações internacionais.
Seção IV
Do Esporte e Lazer
Art. 21. O poder público fomentará o pleno acesso da população negra às práticas
desportivas, consolidando o esporte e o lazer como direitos sociais.
404
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 22. A capoeira é reconhecida como desporto de criação nacional, nos termos do art.
217 da Constituição Federal.
§ 1o A atividade de capoeirista será reconhecida em todas as modalidades em que a
capoeira se manifesta, seja como esporte, luta, dança ou música, sendo livre o exercício em
todo o território nacional.
§ 2o É facultado o ensino da capoeira nas instituições públicas e privadas pelos capoeiristas
e mestres tradicionais, pública e formalmente reconhecidos.
CAPÍTULO III
DO DIREITO À LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA E DE CRENÇA E AO LIVRE EXERCÍCIO DOS
CULTOS RELIGIOSOS
Art. 23. É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre
exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a
suas liturgias.
Art. 24. O direito à liberdade de consciência e de crença e ao livre exercício dos cultos
religiosos de matriz africana compreende:
I - a prática de cultos, a celebração de reuniões relacionadas à religiosidade e a fundação e
manutenção, por iniciativa privada, de lugares reservados para tais fins;
II - a celebração de festividades e cerimônias de acordo com preceitos das respectivas
religiões;
III - a fundação e a manutenção, por iniciativa privada, de instituições beneficentes ligadas
às respectivas convicções religiosas;
IV - a produção, a comercialização, a aquisição e o uso de artigos e materiais religiosos
adequados aos costumes e às práticas fundadas na respectiva religiosidade, ressalvadas as
condutas vedadas por legislação específica;
V - a produção e a divulgação de publicações relacionadas ao exercício e à difusão das
religiões de matriz africana;
VI - a coleta de contribuições financeiras de pessoas naturais e jurídicas de natureza privada
para a manutenção das atividades religiosas e sociais das respectivas religiões;
VII - o acesso aos órgãos e aos meios de comunicação para divulgação das respectivas
religiões;
VIII - a comunicação ao Ministério Público para abertura de ação penal em face de atitudes
e práticas de intolerância religiosa nos meios de comunicação e em quaisquer outros locais.
405
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 25. É assegurada a assistência religiosa aos praticantes de religiões de matrizes
africanas internados em hospitais ou em outras instituições de internação coletiva, inclusive
àqueles submetidos a pena privativa de liberdade.
Art. 26. O poder público adotará as medidas necessárias para o combate à intolerância com
as religiões de matrizes africanas e à discriminação de seus seguidores, especialmente com
o objetivo de:
I - coibir a utilização dos meios de comunicação social para a difusão de proposições,
imagens ou abordagens que exponham pessoa ou grupo ao ódio ou ao desprezo por
motivos fundados na religiosidade de matrizes africanas;
II - inventariar, restaurar e proteger os documentos, obras e outros bens de valor artístico e
cultural, os monumentos, mananciais, flora e sítios arqueológicos vinculados às religiões de
matrizes africanas;
III - assegurar a participação proporcional de representantes das religiões de matrizes
africanas, ao lado da representação das demais religiões, em comissões, conselhos, órgãos e
outras instâncias de deliberação vinculadas ao poder público.
CAPÍTULO IV
DO ACESSO À TERRA E À MORADIA ADEQUADA
Seção I
Do Acesso à Terra
Art. 27. O poder público elaborará e implementará políticas públicas capazes de promover
o acesso da população negra à terra e às atividades produtivas no campo.
Art. 28. Para incentivar o desenvolvimento das atividades produtivas da população negra no
campo, o poder público promoverá ações para viabilizar e ampliar o seu acesso ao
financiamento agrícola.
Art. 29. Serão assegurados à população negra a assistência técnica rural, a simplificação do
acesso ao crédito agrícola e o fortalecimento da infraestrutura de logística para a
comercialização da produção.
Art. 30. O poder público promoverá a educação e a orientação profissional agrícola para os
trabalhadores negros e as comunidades negras rurais.
Art. 31. Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas
terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos
respectivos.
406
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 32. O Poder Executivo federal elaborará e desenvolverá políticas públicas especiais
voltadas para o desenvolvimento sustentável dos remanescentes das comunidades dos
quilombos, respeitando as tradições de proteção ambiental das comunidades.
Art. 33. Para fins de política agrícola, os remanescentes das comunidades dos quilombos
receberão dos órgãos competentes tratamento especial diferenciado, assistência técnica e
linhas especiais de financiamento público, destinados à realização de suas atividades
produtivas e de infraestrutura.
Art. 34. Os remanescentes das comunidades dos quilombos se beneficiarão de todas as
iniciativas previstas nesta e em outras leis para a promoção da igualdade étnica.
Seção II
Da Moradia
Art. 35. O poder público garantirá a implementação de políticas públicas para assegurar o
direito à moradia adequada da população negra que vive em favelas, cortiços, áreas urbanas
subutilizadas, degradadas ou em processo de degradação, a fim de reintegrá-las à dinâmica
urbana e promover melhorias no ambiente e na qualidade de vida.
Parágrafo único. O direito à moradia adequada, para os efeitos desta Lei, inclui não apenas
o provimento habitacional, mas também a garantia da infraestrutura urbana e dos
equipamentos comunitários associados à função habitacional, bem como a assistência
técnica e jurídica para a construção, a reforma ou a regularização fundiária da habitação em
área urbana.
Art. 36. Os programas, projetos e outras ações governamentais realizadas no âmbito do
Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS), regulado pela Lei no 11.124, de
16 de junho de 2005, devem considerar as peculiaridades sociais, econômicas e culturais da
população negra.
Parágrafo único. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios estimularão e facilitarão a
participação de organizações e movimentos representativos da população negra na
composição dos conselhos constituídos para fins de aplicação do Fundo Nacional de
Habitação de Interesse Social (FNHIS).
Art. 37. Os agentes financeiros, públicos ou privados, promoverão ações para viabilizar o
acesso da população negra aos financiamentos habitacionais.
CAPÍTULO V
DO TRABALHO
Art. 38. A implementação de políticas voltadas para a inclusão da população negra no
mercado de trabalho será de responsabilidade do poder público, observando-se:
I - o instituído neste Estatuto;
407
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - os compromissos assumidos pelo Brasil ao ratificar a Convenção Internacional sobre a
Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, de 1965;
III - os compromissos assumidos pelo Brasil ao ratificar a Convenção n o 111, de 1958, da
Organização Internacional do Trabalho (OIT), que trata da discriminação no emprego e na
profissão;
IV - os demais compromissos formalmente assumidos pelo Brasil perante a comunidade
internacional.
Art. 39. O poder público promoverá ações que assegurem a igualdade de oportunidades
no mercado de trabalho para a população negra, inclusive mediante a implementação de
medidas visando à promoção da igualdade nas contratações do setor público e o incentivo
à adoção de medidas similares nas empresas e organizações privadas.
§ 1o A igualdade de oportunidades será lograda mediante a adoção de políticas e
programas de formação profissional, de emprego e de geração de renda voltados para a
população negra.
§ 2o As ações visando a promover a igualdade de oportunidades na esfera da
administração pública far-se-ão por meio de normas estabelecidas ou a serem estabelecidas
em legislação específica e em seus regulamentos.
§ 3o O poder público estimulará, por meio de incentivos, a adoção de iguais medidas pelo
setor privado.
§ 4o As ações de que trata o caput deste artigo assegurarão o princípio da
proporcionalidade de gênero entre os beneficiários.
§ 5o Será assegurado o acesso ao crédito para a pequena produção, nos meios rural e
urbano, com ações afirmativas para mulheres negras.
§ 6o O poder público promoverá campanhas de sensibilização contra a marginalização da
mulher negra no trabalho artístico e cultural.
§ 7o O poder público promoverá ações com o objetivo de elevar a escolaridade e a
qualificação profissional nos setores da economia que contem com alto índice de ocupação
por trabalhadores negros de baixa escolarização.
Art. 40. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) formulará
políticas, programas e projetos voltados para a inclusão da população negra no mercado de
trabalho e orientará a destinação de recursos para seu financiamento.
Art. 41. As ações de emprego e renda, promovidas por meio de financiamento para
constituição e ampliação de pequenas e médias empresas e de programas de geração de
renda, contemplarão o estímulo à promoção de empresários negros.
408
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Parágrafo único. O poder público estimulará as atividades voltadas ao turismo étnico com
enfoque nos locais, monumentos e cidades que retratem a cultura, os usos e os costumes
da população negra.
Art. 42. O Poder Executivo federal poderá implementar critérios para provimento de cargos
em comissão e funções de confiança destinados a ampliar a participação de negros,
buscando reproduzir a estrutura da distribuição étnica nacional ou, quando for o caso,
estadual, observados os dados demográficos oficiais.
CAPÍTULO VI
DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO
Art. 43. A produção veiculada pelos órgãos de comunicação valorizará a herança cultural e
a participação da população negra na história do País.
Art. 44. Na produção de filmes e programas destinados à veiculação pelas emissoras de
televisão e em salas cinematográficas, deverá ser adotada a prática de conferir
oportunidades de emprego para atores, figurantes e técnicos negros, sendo vedada toda e
qualquer discriminação de natureza política, ideológica, étnica ou artística.
Parágrafo único. A exigência disposta no caput não se aplica aos filmes e programas que
abordem especificidades de grupos étnicos determinados.
Art. 45. Aplica-se à produção de peças publicitárias destinadas à veiculação pelas emissoras
de televisão e em salas cinematográficas o disposto no art. 44.
Art. 46. Os órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica ou
fundacional, as empresas públicas e as sociedades de economia mista federais deverão
incluir cláusulas de participação de artistas negros nos contratos de realização de filmes,
programas ou quaisquer outras peças de caráter publicitário.
§ 1o Os órgãos e entidades de que trata este artigo incluirão, nas especificações para
contratação de serviços de consultoria, conceituação, produção e realização de filmes,
programas ou peças publicitárias, a obrigatoriedade da prática de iguais oportunidades de
emprego para as pessoas relacionadas com o projeto ou serviço contratado.
§ 2o Entende-se por prática de iguais oportunidades de emprego o conjunto de medidas
sistemáticas executadas com a finalidade de garantir a diversidade étnica, de sexo e de
idade na equipe vinculada ao projeto ou serviço contratado.
§ 3o A autoridade contratante poderá, se considerar necessário para garantir a prática de
iguais oportunidades de emprego, requerer auditoria por órgão do poder público federal.
§ 4o A exigência disposta no caput não se aplica às produções publicitárias quando
abordarem especificidades de grupos étnicos determinados.
409
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
TÍTULO III
DO SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL
(SINAPIR)
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÃO PRELIMINAR
Art. 47. É instituído o Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir) como
forma de organização e de articulação voltadas à implementação do conjunto de políticas e
serviços destinados a superar as desigualdades étnicas existentes no País, prestados pelo
poder público federal.
§ 1o Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão participar do Sinapir mediante
adesão.
§ 2o O poder público federal incentivará a sociedade e a iniciativa privada a participar do
Sinapir.
CAPÍTULO II
DOS OBJETIVOS
Art. 48. São objetivos do Sinapir:
I - promover a igualdade étnica e o combate às desigualdades sociais resultantes do
racismo, inclusive mediante adoção de ações afirmativas;
II - formular políticas destinadas a combater os fatores de marginalização e a promover a
integração social da população negra;
III - descentralizar a implementação de ações afirmativas pelos governos estaduais, distrital
e municipais;
IV - articular planos, ações e mecanismos voltados à promoção da igualdade étnica;
V - garantir a eficácia dos meios e dos instrumentos criados para a implementação das
ações afirmativas e o cumprimento das metas a serem estabelecidas.
CAPÍTULO III
DA ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA
Art. 49. O Poder Executivo federal elaborará plano nacional de promoção da igualdade
racial contendo as metas, princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional
de Promoção da Igualdade Racial (PNPIR).
410
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1o A elaboração, implementação, coordenação, avaliação e acompanhamento da PNPIR,
bem como a organização, articulação e coordenação do Sinapir, serão efetivados pelo órgão
responsável pela política de promoção da igualdade étnica em âmbito nacional.
§ 2o É o Poder Executivo federal autorizado a instituir fórum intergovernamental de
promoção da igualdade étnica, a ser coordenado pelo órgão responsável pelas políticas de
promoção da igualdade étnica, com o objetivo de implementar estratégias que visem à
incorporação da política nacional de promoção da igualdade étnica nas ações
governamentais de Estados e Municípios.
§ 3o As diretrizes das políticas nacional e regional de promoção da igualdade étnica serão
elaboradas por órgão colegiado que assegure a participação da sociedade civil.
Art. 50. Os Poderes Executivos estaduais, distrital e municipais, no âmbito das respectivas
esferas de competência, poderão instituir conselhos de promoção da igualdade étnica, de
caráter permanente e consultivo, compostos por igual número de representantes de órgãos
e entidades públicas e de organizações da sociedade civil representativas da população
negra.
Parágrafo único. O Poder Executivo priorizará o repasse dos recursos referentes aos
programas e atividades previstos nesta Lei aos Estados, Distrito Federal e Municípios que
tenham criado conselhos de promoção da igualdade étnica.
CAPÍTULO IV
DAS OUVIDORIAS PERMANENTES E DO ACESSO À JUSTIÇA E À SEGURANÇA
Art. 51. O poder público federal instituirá, na forma da lei e no âmbito dos Poderes
Legislativo e Executivo, Ouvidorias Permanentes em Defesa da Igualdade Racial, para
receber e encaminhar denúncias de preconceito e discriminação com base em etnia ou cor e
acompanhar a implementação de medidas para a promoção da igualdade.
Art. 52. É assegurado às vítimas de discriminação étnica o acesso aos órgãos de Ouvidoria
Permanente, à Defensoria Pública, ao Ministério Público e ao Poder Judiciário, em todas as
suas instâncias, para a garantia do cumprimento de seus direitos.
Parágrafo único. O Estado assegurará atenção às mulheres negras em situação de violência,
garantida a assistência física, psíquica, social e jurídica.
Art. 53. O Estado adotará medidas especiais para coibir a violência policial incidente sobre a
população negra.
Parágrafo único. O Estado implementará ações de ressocialização e proteção da juventude
negra em conflito com a lei e exposta a experiências de exclusão social.
411
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 54. O Estado adotará medidas para coibir atos de discriminação e preconceito
praticados por servidores públicos em detrimento da população negra, observado, no que
couber, o disposto na Lei no 7.716, de 5 de janeiro de 1989.
Art. 55. Para a apreciação judicial das lesões e das ameaças de lesão aos interesses da
população negra decorrentes de situações de desigualdade étnica, recorrer-se-á, entre
outros instrumentos, à ação civil pública, disciplinada na Lei no 7.347, de 24 de julho de
1985.
CAPÍTULO V
DO FINANCIAMENTO DAS INICIATIVAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL
Art. 56. Na implementação dos programas e das ações constantes dos planos plurianuais e
dos orçamentos anuais da União, deverão ser observadas as políticas de ação afirmativa a
que se refere o inciso VII do art. 4o desta Lei e outras políticas públicas que tenham como
objetivo promover a igualdade de oportunidades e a inclusão social da população negra,
especialmente no que tange a:
I - promoção da igualdade de oportunidades em educação, emprego e moradia;
II - financiamento de pesquisas, nas áreas de educação, saúde e emprego, voltadas para a
melhoria da qualidade de vida da população negra;
III - incentivo à criação de programas e veículos de comunicação destinados à divulgação de
matérias relacionadas aos interesses da população negra;
IV - incentivo à criação e à manutenção de microempresas administradas por pessoas
autodeclaradas negras;
V - iniciativas que incrementem o acesso e a permanência das pessoas negras na educação
fundamental, média, técnica e superior;
VI - apoio a programas e projetos dos governos estaduais, distrital e municipais e de
entidades da sociedade civil voltados para a promoção da igualdade de oportunidades para
a população negra;
VII - apoio a iniciativas em defesa da cultura, da memória e das tradições africanas e
brasileiras.
§ 1o O Poder Executivo federal é autorizado a adotar medidas que garantam, em cada
exercício, a transparência na alocação e na execução dos recursos necessários ao
financiamento das ações previstas neste Estatuto, explicitando, entre outros, a proporção
dos recursos orçamentários destinados aos programas de promoção da igualdade,
especialmente nas áreas de educação, saúde, emprego e renda, desenvolvimento agrário,
habitação popular, desenvolvimento regional, cultura, esporte e lazer.
412
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2o Durante os 5 (cinco) primeiros anos, a contar do exercício subsequente à publicação
deste Estatuto, os órgãos do Poder Executivo federal que desenvolvem políticas e
programas nas áreas referidas no § 1o deste artigo discriminarão em seus orçamentos
anuais a participação nos programas de ação afirmativa referidos no inciso VII do art.
4o desta Lei.
§ 3o O Poder Executivo é autorizado a adotar as medidas necessárias para a adequada
implementação do disposto neste artigo, podendo estabelecer patamares de participação
crescente dos programas de ação afirmativa nos orçamentos anuais a que se refere o §
2o deste artigo.
§ 4o O órgão colegiado do Poder Executivo federal responsável pela promoção da
igualdade racial acompanhará e avaliará a programação das ações referidas neste artigo nas
propostas orçamentárias da União.
Art. 57. Sem prejuízo da destinação de recursos ordinários, poderão ser consignados nos
orçamentos fiscal e da seguridade social para financiamento das ações de que trata o art.
56:
I - transferências voluntárias dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;
II - doações voluntárias de particulares;
III - doações de empresas privadas e organizações não governamentais, nacionais ou
internacionais;
IV - doações voluntárias de fundos nacionais ou internacionais;
V - doações de Estados estrangeiros, por meio de convênios, tratados e acordos
internacionais.
TÍTULO IV
DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 58. As medidas instituídas nesta Lei não excluem outras em prol da população negra
que tenham sido ou venham a ser adotadas no âmbito da União, dos Estados, do Distrito
Federal ou dos Municípios.
Art. 59. O Poder Executivo federal criará instrumentos para aferir a eficácia social das
medidas previstas nesta Lei e efetuará seu monitoramento constante, com a emissão e a
divulgação de relatórios periódicos, inclusive pela rede mundial de computadores.
Art. 60. Os arts. 3o e 4o da Lei nº 7.716, de 1989, passam a vigorar com a seguinte redação:
“Art. 3o ........................................................................
413
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Parágrafo único. Incorre na mesma pena quem, por motivo de
discriminação de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional,
obstar a promoção funcional.” (NR)
“Art. 4o ........................................................................
§ 1º Incorre na mesma pena quem, por motivo de discriminação de
raça ou de cor ou práticas resultantes do preconceito de
descendência ou origem nacional ou étnica:
I - deixar de conceder os equipamentos necessários ao empregado
em igualdade de condições com os demais trabalhadores;
II - impedir a ascensão funcional do empregado ou obstar outra
forma de benefício profissional;
III - proporcionar ao empregado tratamento diferenciado no
ambiente de trabalho, especialmente quanto ao salário.
§ 2o Ficará sujeito às penas de multa e de prestação de serviços à
comunidade, incluindo atividades de promoção da igualdade racial,
quem, em anúncios ou qualquer outra forma de recrutamento de
trabalhadores, exigir aspectos de aparência próprios de raça ou etnia
para emprego cujas atividades não justifiquem essas
exigências.” (NR)
Art. 61. Os arts. 3o e 4o da Lei nº 9.029, de 13 de abril de 1995, passam a vigorar com a
seguinte redação:
“Art. 3o Sem prejuízo do prescrito no art. 2o e nos dispositivos legais
que tipificam os crimes resultantes de preconceito de etnia, raça ou
cor, as infrações do disposto nesta Lei são passíveis das seguintes
cominações:
...................................................................................” (NR)
“Art. 4o O rompimento da relação de trabalho por ato
discriminatório, nos moldes desta Lei, além do direito à reparação
pelo dano moral, faculta ao empregado optar entre:
...................................................................................” (NR)
Art. 62. O art. 13 da Lei no 7.347, de 1985, passa a vigorar acrescido do seguinte § 2o,
renumerando-se o atual parágrafo único como § 1o:
“Art. 13. ........................................................................
414
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1o ...............................................................................
§ 2º Havendo acordo ou condenação com fundamento em dano
causado por ato de discriminação étnica nos termos do disposto no
art. 1o desta Lei, a prestação em dinheiro reverterá diretamente ao
fundo de que trata o caput e será utilizada para ações de promoção
da igualdade étnica, conforme definição do Conselho Nacional de
Promoção da Igualdade Racial, na hipótese de extensão nacional, ou
dos Conselhos de Promoção de Igualdade Racial estaduais ou locais,
nas hipóteses de danos com extensão regional ou local,
respectivamente.” (NR)
Art. 63. O § 1o do art. 1o da Lei nº 10.778, de 24 de novembro de 2003, passa a vigorar com
a seguinte redação:
“Art. 1o .......................................................................
§ 1º Para os efeitos desta Lei, entende-se por violência contra a
mulher qualquer ação ou conduta, baseada no gênero, inclusive
decorrente de discriminação ou desigualdade étnica, que cause
morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher,
tanto no âmbito público quanto no privado.
...................................................................................” (NR)
Art. 64. O § 3o do art. 20 da Lei nº 7.716, de 1989, passa a vigorar acrescido do seguinte
inciso III:
“Art. 20. ......................................................................
.............................................................................................
§ 3o ...............................................................................
.............................................................................................
III - a interdição das respectivas mensagens ou páginas de
informação na rede mundial de computadores.
...................................................................................” (NR)
Art. 65. Esta Lei entra em vigor 90 (noventa) dias após a data de sua publicação.
Brasília, 20 de julho de 2010; 189o da Independência e 122o da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Eloi Ferreira de Araújo
415
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Resolução CEB/ CNE nº 5 de 17 de dezembro de 2009.
O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, no uso de
suas atribuições legais, com fundamento no art. 9º, § 1º, alínea "c" da Lei nº 4.024, de 20 de
dezembro de 1961, com a redação dada pela Lei nº 9.131, de 25 de novembro de 1995, e
tendo em vista o Parecer CNE/CEB nº 20/2009, homologado por Despacho do Senhor
Ministro de Estado da Educação, publicado no DOU de 9 de dezembro de 2009,
Resolve:
Art. 1º A presente Resolução institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Infantil a serem observadas na organização de propostas pedagógicas na Educação Infantil.
Art. 2º As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil articulam-se com as
Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica e reúnem princípios, fundamentos e
procedimentos definidos pela Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de
Educação, para orientar as políticas públicas na área e a elaboração, planejamento, execução
e avaliação de propostas pedagógicas e curriculares.
Art. 3º O currículo da Educação Infantil é concebido como um conjunto de práticas que
buscam articular as experiências e os saberes das crianças com os conhecimentos que
fazem parte do patrimônio cultural, artístico, ambiental, científico e tecnológico, de modo a
promover o desenvolvimento integral de crianças de 0 a 5 anos de idade.
Art. 4º As propostas pedagógicas da Educação Infantil deverão considerar que a criança,
centro do planejamento curricular, é sujeito histórico e de direitos que, nas interações,
relações e práticas cotidianas que vivencia, constrói sua identidade pessoal e coletiva,
brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona e constrói
sentidos sobre a natureza e a sociedade, produzindo cultura.
Art. 5º A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica,é oferecida em creches e
pré-escolas, as quais se caracterizam como espaços institucionais não domésticos que
constituem estabelecimentos educacionais públicos ou privados que educam e cuidam de
crianças de 0 a 5 anos de idade no período diurno, em jornada integral ou parcial, regulados
e supervisionados por órgão competente do sistema de ensino e submetidos a controle
social.
§ 1º É dever do Estado garantir a oferta de Educação Infantil pública, gratuita e de
qualidade, sem requisito de seleção.
§ 2º É obrigatória a matrícula na Educação Infantil de crianças que completam 4 ou 5 anos
até o dia 31 de março do ano em que ocorrer a matrícula.
416
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3º As crianças que completam 6 anos após o dia 31 de março devem ser matriculadas na
Educação Infantil.
§ 4º A freqüência na Educação Infantil não é pré-requisito para a matrícula no Ensino
Fundamental.
§ 5º As vagas em creches e pré-escolas devem ser oferecidas próximas às residências das
crianças.
§ 6º É considerada Educação Infantil em tempo parcial, a jornada de, no mínimo, quatro
horas diárias e, em tempo integral, a jornada com duração igual ou superior a sete horas
diárias, compreendendo o tempo total que a criança permanece na instituição.
Art. 6º As propostas pedagógicas de Educação Infantil devem respeitar os seguintes
princípios:
I - Éticos: da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem
comum, ao meio ambiente e às diferentes culturas, identidades e singularidades.
II - Políticos: dos direitos de cidadania, do exercício da criticidade e do respeito à ordem
democrática.
III - Estéticos: da sensibilidade, da criatividade, da ludicidade e da liberdade de expressão
nas diferentes manifestações artísticas e culturais.
Art. 7º Na observância destas Diretrizes, a proposta pedagógica das instituições de
Educação Infantil deve garantir que elas cumpram plenamente sua função sociopolítica e
pedagógica:
I - oferecendo condições e recursos para que as crianças usufruam seus direitos civis,
humanos e sociais;
II - assumindo a responsabilidade de compartilhar e complementar a educação e cuidado
das crianças com as famílias;
III - possibilitando tanto a convivência entre crianças e entre adultos e crianças quanto a
ampliação de saberes e conhecimentos de diferentes naturezas;
IV - promovendo a igualdade de oportunidades educacionais entre as crianças de diferentes
classes sociais no que se refere ao acesso a bens culturais e às possibilidades de vivência da
infância;
V - construindo novas formas de sociabilidade e de subjetividade comprometidas com a
ludicidade, a democracia, a sustentabilidade do planeta e com o rompimento de relações de
dominação etária, socioeconômica, étnico-racial, de gênero, regional, lingüística e religiosa.
Art. 8º A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo
garantir à criança acesso a processos de apropriação, renovação e articulação de
417
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens, assim como o direito à proteção,
à saúde, à liberdade, à confiança, ao respeito, à dignidade, à brincadeira, à convivência e à
interação com outras crianças.
§ 1º Na efetivação desse objetivo, as propostas pedagógicas das instituições de Educação
Infantil deverão prever condições para o trabalho coletivo e para a organização de materiais,
espaços e tempos que assegurem:
I - a educação em sua integralidade, entendendo o cuidado como algo indissociável ao
processo educativo;
II - a indivisibilidade das dimensões expressivo-motora, afetiva, cognitiva, lingüística, ética,
estética e sociocultural da criança;
III - a participação, o diálogo e a escuta cotidiana das famílias, o respeito e a valorização de
suas formas de organização;
IV - o estabelecimento de uma relação efetiva com a comunidade local e de mecanismos
que garantam a gestão democrática e a consideração dos saberes da comunidade;
V - o reconhecimento das especificidades etárias, das singularidades individuais e coletivas
das crianças, promovendo interações entre crianças de mesma idade e crianças de
diferentes idades;
VI - os deslocamentos e os movimentos amplos das crianças nos espaços internos e
externos às salas de referência das turmas e à instituição;
VII - a acessibilidade de espaços, materiais, objetos, brinquedos e instruções para as crianças
com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação;
VIII - a apropriação pelas crianças das contribuições histórico-culturais dos povos indígenas,
afro-descendentes, asiáticos, europeus e de outros países da América;
IX - o reconhecimento, a valorização, o respeito e a interação das crianças com as histórias e
as culturas africanas, afro-brasileiras, bem como o combate ao racismo e à discriminação;
X - a dignidade da criança como pessoa humana e a proteção contra qualquer forma de
violência - física ou simbólica e negligência no interior da instituição ou praticadas pela
família, prevendo os encaminhamentos de violações para instâncias competentes.
§ 2º Garantida a autonomia dos povos indígenas na escolha dos modos de educação de
suas crianças de 0 a 5 anos de idade, as propostas pedagógicas para os povos que optarem
pela Educação Infantil devem:
I - proporcionar uma relação viva com os conhecimentos, crenças, valores, concepções de
mundo e as memórias de seu povo;
418
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - reafirmar a identidade étnica e a língua materna como elementos de constituição das
crianças;
III - dar continuidade à educação tradicional oferecida na família e articular-se às práticas
sócio-culturais de educação e cuidado coletivos da comunidade;
IV - adequar calendário, agrupamentos etários e organização de tempos, atividades e
ambientes de modo a atender as demandas de cada povo indígena.
§ 3º As propostas pedagógicas da Educação Infantil das crianças filhas de agricultores
familiares, extrativistas, pescadores artesanais, ribeirinhos, assentados e acampados da
reforma agrária, quilombolas, caiçaras, povos da floresta, devem:
I - reconhecer os modos próprios de vida no campo como fundamentais para a constituição
da identidade das crianças moradoras em territórios rurais;
II - ter vinculação inerente à realidade dessas populações, suas culturas, tradições e
identidades, assim como a práticas ambientalmente sustentáveis;
III - flexibilizar, se necessário, calendário, rotinas e atividades respeitando as diferenças
quanto à atividade econômica dessas populações;
IV - valorizar e evidenciar os saberes e o papel dessas populações na produção de
conhecimentos sobre o mundo e sobre o ambiente natural;
V - prever a oferta de brinquedos e equipamentos que respeitem as características
ambientais e socioculturais da comunidade.
Art. 9º As práticas pedagógicas que compõem a proposta curricular da Educação Infantil
devem ter como eixos norteadores as interações e a brincadeira, garantindo experiências
que:
I - promovam o conhecimento de si e do mundo por meio da ampliação de experiências
sensoriais, expressivas, corporais que possibilitem movimentação ampla, expressão da
individualidade e respeito pelos ritmos e desejos da criança;
II - favoreçam a imersão das crianças nas diferentes linguagens e o progressivo domínio por
elas de vários gêneros e formas de expressão: gestual, verbal, plástica, dramática e musical;
III - possibilitem às crianças experiências de narrativas, de apreciação e interação com a
linguagem oral e escrita, e convívio com diferentes suportes e gêneros textuais orais e
escritos;
IV - recriem, em contextos significativos para as crianças, relações quantitativas, medidas,
formas e orientações espaço temporais;
V - ampliem a confiança e a participação das crianças nas atividades individuais e coletivas;
419
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VI - possibilitem situações de aprendizagem mediadas para a elaboração da autonomia das
crianças nas ações de cuidado pessoal, auto-organização, saúde e bem-estar;
VII - possibilitem vivências éticas e estéticas com outras crianças e grupos culturais, que
alarguem seus padrões de referência e de identidades no diálogo e reconhecimento da
diversidade;
VIII - incentivem a curiosidade, a exploração, o encantamento, o questionamento, a
indagação e o conhecimento das crianças em relação ao mundo físico e social, ao tempo e à
natureza;
IX - promovam o relacionamento e a interação das crianças com diversificadas
manifestações de música, artes plásticas e gráficas, cinema, fotografia, dança, teatro, poesia
e literatura;
X - promovam a interação, o cuidado, a preservação e o conhecimento da biodiversidade e
da sustentabilidade da vida na Terra, assim como o não desperdício dos recursos naturais;
XI - propiciem a interação e o conhecimento pelas crianças das manifestações e tradições
culturais brasileiras;
XII - possibilitem a utilização de gravadores, projetores, computadores, máquinas
fotográficas, e outros recursos tecnológicos e midiáticos.
Parágrafo único. As creches e pré-escolas, na elaboração da proposta curricular, de acordo
com suas características, identidade institucional, escolhas coletivas e particularidades
pedagógicas, estabelecerão modos de integração dessas experiências.
Art. 10. As instituições de Educação Infantil devem criar procedimentos para
acompanhamento do trabalho pedagógico e para avaliação do desenvolvimento das
crianças, sem objetivo de seleção, promoção ou classificação, garantindo:
I - a observação crítica e criativa das atividades, das brincadeiras e interações das crianças
no cotidiano;
II - utilização de múltiplos registros realizados por adultos e crianças (relatórios, fotografias,
desenhos, álbuns etc.);
III - a continuidade dos processos de aprendizagens por meio da criação de estratégias
adequadas aos diferentes momentos de transição vividos pela criança (transição
casa/instituição de Educação Infantil, transições no interior da instituição, transição
creche/pré-escola e transição pré-escola/Ensino Fundamental);
IV - documentação específica que permita às famílias conhecer o trabalho da instituição
junto às crianças e os processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança na
Educação Infantil;
420
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
V - a não retenção das crianças na Educação Infantil.
Art. 11. Na transição para o Ensino Fundamental a proposta pedagógica deve prever
formas para garantir a continuidade no processo de aprendizagem e desenvolvimento das
crianças, respeitando as especificidades etárias, sem antecipação de conteúdos que serão
trabalhados no Ensino Fundamental.
Art. 12. Cabe ao Ministério da Educação elaborar orientações para a implementação dessas
Diretrizes.
Art. 13. A presente Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as
disposições em contrário, especialmente a Resolução CNE/CEB nº 1/1999.
CESAR CALLEGARI
421
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
LEGISLAÇÃO MUNICIPAL
Lei Orgânica do Município de São Paulo. Título VI, Capítulo 1, artigos 200 a 211. São
Paulo, 1990.
DA EDUCAÇÃO
Art. 200 - A educação ministrada com base nos princípios estabelecidos na Constituição da
República, na Constituição Estadual e nesta Lei Orgânica, e inspirada nos sentimentos de
igualdade, liberdade e solidariedade, será responsabilidade do Município de São Paulo, que
a organizará como sistema destinado à universalização do ensino fundamental e da
educação infantil.
§ 1º - O sistema municipal de ensino abrangerá os níveis fundamental e da educação infantil
estabelecendo normas gerais de funcionamento para as escolas públicas municipais e
particulares nestes níveis, no âmbito de sua competência.
§ 2º - Fica criado o Conselho Municipal de Educação, órgão normativo e deliberativo, com
estrutura colegiada, composto por representantes do Poder Público, trabalhadores da
educação e da comunidade, segundo lei que definirá igualmente suas atribuições.
§ 3º - O Plano Municipal de Educação previsto no art. 241 da Constituição Estadual será
elaborado pelo Executivo em conjunto com o Conselho Municipal de Educação, com
consultas a:
órgãos descentralizados de gestão do sistema municipal de ensino, comunidade
educacional, organismos representativos de defesa de direitos de cidadania, em específico,
da educação, de
educadores e da criança e do adolescente e deverá considerar as necessidades das
diferentes regiões do Município. (Alterado pela Emenda 24/01)
§ 4º - O Plano Municipal de Educação atenderá ao disposto na Lei Federal nº 9.394/96 e
será complementado por um programa de educação inclusiva cujo custeio utilizará recursos
que
excedam ao mínimo estabelecido no artigo 212, § 4º, da Constituição Federal.
§ 5º - A lei definirá as ações que integrarão o programa de educação inclusiva referido no
parágrafo anterior. (Acrescentados pela Emenda 24/01)
Art. 201 - Na organização e manutenção do seu sistema de ensino, o Município atenderá ao
disposto no art. 211 e parágrafos da Constituição da República e garantirá gratuidade e
padrão de qualidade de ensino.
§ 1º - A educação infantil, integrada ao sistema de ensino, respeitará as características
próprias dessa faixa etária, garantindo um processo contínuo de educação básica.
§ 2º - A orientação pedagógica da educação infantil assegurará o desenvolvimento
psicomotor, sócio-cultural e as condições de garantir a alfabetização.
§ 3º - A carga horária mínima a ser oferecida no sistema municipal de ensino é de 4 (quatro)
horas diárias em 5 (cinco) dias da semana.
§ 4º - O ensino fundamental, atendida a demanda, terá extensão de carga horária até se
atingir a jornada de tempo integral, em caráter optativo pelos pais ou responsáveis, a ser
alcançada pelo aumento progressivo da atualmente verificada na rede pública municipal.
§ 5º - O atendimento da higiene, saúde, proteção e assistência às crianças será garantido,
assim como a sua guarda durante o horário escolar.
422
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 6º - É dever do Município, através da rede própria, com a cooperação do Estado, o
provimento em todo o território municipal de vagas, em número suficiente para atender à
demanda quantitativa e qualitativa do ensino fundamental obrigatório e progressivamente à
da educação infantil.
§ 7º - O disposto no § 6º não acarretará a transferência automática dos alunos da rede
estadual para a rede municipal.
§ 8º - Compete ao Município recensear os educandos do ensino fundamental, fazer-lhes a
chamada e zelar, junto aos pais e responsáveis, pela frequência à escola.
§ 9º - A atuação do Município dará prioridade ao ensino fundamental e de educação
infantil.
Art. 202 - Fica o Município obrigado a definir a proposta educacional, respeitando o
disposto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação e legislação aplicável.
§ 1º - O Município responsabilizar-se-á pela integração dos recursos financeiros dos
diversos programas em funcionamento e pela implantação da política educacional.
§ 2º - O Município responsabilizar-se-á pela definição de normas quanto à autorização de
funcionamento, fiscalização, supervisão, direção, coordenação pedagógica, orientação
educacional e assistência psicológica escolar, das instituições de educação integrantes do
sistema de ensino no Município.
§ 3º - O Município deverá apresentar as metas anuais de sua rede escolar em relação à
universalização do ensino fundamental e da educação infantil.
Art. 203 - É dever do Município garantir:
I - educação igualitária, desenvolvendo o espírito crítico em relação a estereótipos sexuais,
raciais e sociais das aulas, cursos, livros didáticos, manuais escolares e literatura;
II - educação infantil para o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em
seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social;
III - ensino fundamental gratuito a partir de 7 (sete) anos de idade, ou para os que a ele não
tiveram acesso na idade própria;
IV - educação inclusiva que garanta as pré-condições de aprendizagem e acesso aos
serviços educacionais, a reinserção no processo de ensino de crianças e jovens em risco
social, o analfabetismo digital, a educação profissionalizante e a provisão de condições para
que o processo educativo utilize meios de difusão, educação e comunicação;
V - a matrícula no ensino fundamental, a partir dos 6 (seis) anos de idade, desde que
plenamente atendida a demanda a partir de 7 (sete) anos de idade.
Parágrafo único - Para atendimento das metas de ensino fundamental e da educação
infantil, o Município diligenciará para que seja estimulada a cooperação técnica e financeira
com o Estado e a União, conforme estabelece o art. 30, inciso VI, da Constituição da
República. (Alterado pela Emenda 24/01)
Art. 204 - O Município garantirá a educação visando o pleno desenvolvimento da pessoa,
preparo para o exercício consciente da cidadania e para o trabalho, sendo-lhe assegurado:
I - igualdade de condições de acesso e permanência;
II - o direito de organização e de representação estudantil no âmbito do Município, a ser
definido no Regimento Comum das Escolas.
423
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Parágrafo único - A lei definirá o percentual máximo de servidores da área de educação
municipal que poderão ser comissionados em outros órgãos da administração pública.
Art. 205 - O Município proverá o ensino fundamental noturno, regular e adequado às
condições de vida do aluno que trabalha, inclusive para aqueles que a ele não tiveram
acesso na idade própria.
Art. 206 - O atendimento especializado às pessoas com deficiência dar-se-á na rede regular
de ensino e em escolas especiais públicas, sendo-lhes garantido o acesso a todos os
benefícios conferidos à clientela do sistema municipal de ensino e provendo sua efetiva
integração social.
§ 1º - O atendimento às pessoas com deficiência poderá ser efetuado suplementarmente,
mediante convênios e outras modalidades de colaboração com instituições sem fins
lucrativos, sob supervisão dos órgãos públicos responsáveis, que objetivem a qualidade de
ensino, a preparação para o
trabalho e a plena integração da pessoa deficiente, nos termos da lei.
§ 2º - Deverão ser garantidas às pessoas com deficiência as eliminações de barreiras
arquitetônicas dos edifícios escolares já existentes e a adoção de medidas semelhantes
quando da construção de novos. (Alterado pela Emenda 29/07)
Art. 207 - O Município permitirá o uso pela comunidade do prédio escolar e de suas
instalações, durante os fins de semana, férias escolares e feriados, na forma da lei.
§ 1º - É vedada a cessão de prédios escolares e suas instalações para funcionamento do
ensino privado de qualquer natureza.
§ 2º - Toda área contígua às unidades de ensino do Município, pertencente à Prefeitura do
Município de São Paulo, será preservada para a construção de quadra poliesportiva, creche,
centros de educação e cultura, bibliotecas e outros equipamentos sociais públicos, como
postos de saúde.
(Alterado pela Emenda 24/01)
Art. 208 - O Município aplicará, anualmente, no mínimo 31% (trinta e um por cento) da
receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de transferências, na
manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental, da educação infantil e inclusiva.
§ 1º - O Município desenvolverá planos e diligenciará para o recebimento e aplicação dos
recursos adicionais, provenientes da contribuição social do salário-educação de que trata o
art. 212, § 5º, da Constituição da República, assim como de outros recursos, conforme o art.
211, § 1º da Constituição da República.
§ 2º - A lei definirá as despesas que se caracterizam como de manutenção e
desenvolvimento do processo de ensinoaprendizagem, bem como da educação infantil e
inclusiva.
§ 3º - A eventual assistência financeira do Município às instituições de ensino filantrópicas,
comunitárias ou confessionais, não poderá incidir sobre a aplicação mínima prevista no
"caput" deste artigo. (Alterado pela Emenda 24/01, que também revogou os §§ 4º e 5º)
Art. 209 - O Município publicará, até 30 (trinta) dias após o encerramento de cada semestre,
informações completas sobre receitas arrecadadas, transferências e recursos recebidos e
destinados à educação nesse período, bem como a prestação de contas das verbas
utilizadas, discriminadas por programas.
424
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 210 - A lei do Estatuto do Magistério disciplinará as atividades dos profissionais do
ensino.
Art. 211 - Nas unidades escolares do sistema municipal de ensino será assegurada a gestão
democrática, na forma da lei.
Lei nº 8.989, de 29 de outubro de 1979. Estatuto dos Funcionários Públicos do
Município de São Paulo. São Paulo, 1979.
O Documento oficial encontra-se no link anexo da apostila.
Instrução Normativa SME nº 22, de 11 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a
organização das unidades de educação infantil, de ensino fundamental, de ensino
fundamental e médio e dos centros educacionais unificados da rede municipal de
ensino para o ano de 2019. São Paulo, 2018.
O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, e
CONSIDERANDO:
- a Lei federal nº 8.069, de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente;
- a Lei federal nº 9.394, de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional
– LDB e alterações posteriores, em especial, a Lei Federal nº 12.796, de 2013;
- a Lei federal nº 10.639, de 2003 – instituiu a obrigatoriedade do ensino de história e
cultura africana e afro-brasileira;
- a Lei federal nº 11.645, de 2008 – instituiu a obrigatoriedade do ensino de história e
cultura indígena;
- a Lei Federal nº 13.005, de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação – PNE;
- a Lei federal nº 11.947, de 2009, que dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e
institui a alimentação escolar como direito dos estudantes da educação básica pública;
- as Diretrizes Curriculares Nacionais contidas nas diferentes Resoluções do Conselho
Nacional de Educação, com destaque à Resolução CNE/CEB nº 04, de 2010;
- a Lei nº 14.660, de 2007, que reorganiza os quadros dos Profissionais de Educação do
Município de São Paulo;
- a Lei nº 16.271, de 2015, que aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo;
- a Lei 16.710, de 11 de outubro de 2017, que dispõe sobre Princípios e Diretrizes para a
Elaboração e Implementação das Políticas Públicas pela Primeira Infância e sobre o Plano
Municipal pela Primeira Infância;
- o Decreto nº 54.453, de 2013, que fixa as atribuições dos Profissionais da Educação que
integram as equipes escolares das Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino;
425
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- o Decreto nº 54.454, de 2013, que fixa diretrizes gerais para a elaboração dos regimentos
educacionais das Unidades integrantes da Rede Municipal de Ensino e decorrentes normas
complementares estabelecidas pela Portaria SME nº 5.941, de 2013;
- o Decreto nº 57.379, de 2016, que institui, na Secretaria Municipal de Educação, a Política
Paulistana de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, regulamentado pela
Portaria SME nº 8.764, de 23/12/16;
- o Decreto nº 57.478, de 2016, que aprova o Regimento Padrão dos Centros Educacionais
Unificados – CEUs;
- a Portaria nº 6.571, de 2014, que institui as Matrizes Curriculares das Escolas Municipais de
Ensino Fundamental – EMEFs, de Ensino Fundamental e Médio – EMEFMs e nas Escolas
Municipais de Educação Bilíngue para Surdos EMEBSs e dá outras providências;
- a Portaria SME nº 3.844, de 2016, que dispõe sobre as atividades a serem desenvolvidas
pelos Analistas de Informações, Cultura e Desporto – Educação Física, em exercício nos
CEUs;
- a Instrução Normativa 13, de 2018, que reorienta o Programa “São Paulo Integral” nas
Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino;
- a Instrução Normativa nº 14, de 2018 e a Instrução Normativa nº 16, de 2018, que
estabelecem diretrizes, normas e procedimentos para matrículas na Rede Municipal de
Ensino;
- o Plano de Metas da Prefeitura do Município de São Paulo - 2017-2020;
- as orientações fixadas pela Base Nacional Comum Curricular;
- as diretrizes da política educacional emanadas pela Secretaria Municipal de Educação por
meio do Currículo da Cidade de São Paulo;
RESOLVE:
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 1º As Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino deverão organizar-se de
modo a assegurar um trabalho educacional voltado para a constante melhoria das
condições de desenvolvimento e aprendizagens dos estudantes, considerando os objetivos
propostos no Projeto Político-Pedagógico – PPP, de cada Unidade Educacional e os
dispositivos emanados pela presente Instrução Normativa.
Art. 2º A organização das Unidades Educacionais fundamentar-se-á na legislação vigente,
nas metas da Prefeitura do Município de São Paulo-2017-2020 e nos princípios e diretrizes
pedagógicas do Currículo da Cidade que regem a Política Educacional da Secretaria
Municipal de Educação conforme segue:
426
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - a implementação do Currículo da Cidade em todas as Unidades Educacionais a fim de
alinhar o trabalho pedagógico da RME;
II - a educação integral considerando o estudante nas suas dimensões intelectual, social,
emocional, física e cultural;
III - o fortalecimento de políticas que traduzam os direitos e objetivos de aprendizagem,
desenvolvimento e assegurem aos estudantes igualdade de oportunidades, acesso e
permanência na escola;
IV - as metas estabelecidas pelas Unidades Educacionais, Diretorias Regionais de Educação e
Coordenadorias da Secretaria Municipal de Educação em consonância com o Programa de
Metas da Cidade de São Paulo 2017-2020;
V - o Currículo da Cidade enquanto política educacional de articulação entre a Educação
Infantil (CEMEI, CEI e EMEI) e o Ensino Fundamental e como fundamentador no
planejamento das propostas pedagógicas;
VI - a ampliação do número de matrículas em Centros de Educação Infantil em regiões com
maior demanda e população mais vulnerável;
VII - o fortalecimento das avaliações interna e externa de forma a subsidiar o trabalho
pedagógico;
VIII - o acompanhamento pedagógico, em especial, aos estudantes com desempenho
abaixo do adequado nas avaliações internas e externas;
IX - a alfabetização até o final do 2º ano do Ensino Fundamental;
X - a formação permanente aos professores, em especial, nas horas adicionais da Jornada de
Trabalho, destinadas ao trabalho coletivo e aos demais profissionais que atuam nas
Unidades Educacionais;
XI - a formação dos supervisores, diretores e coordenadores pedagógicos da RME para a
implementação do Currículo da Cidade, a gestão e o acompanhamento das aprendizagens
nas Unidades Educacionais;
XII - o desenvolvimento e realização de programas e ações que assegurem o acesso e a
permanência dos estudantes na educação básica;
XIII - a implantação de Rede de Laboratórios de Educação Digital, Experimentação e
Aprendizagem - LED;
XIV - a formação da equipe gestora com vistas a planejar e coordenar o trabalho
pedagógico e administrativo da Unidade Educacional, observadas as diretrizes da SME;
XV - a educação inclusiva considerando o modo de ser, de pensar e de aprender de cada
estudante, propiciando desafios adequados às suas características e eliminando as barreiras
para a participação plena e a aprendizagem;
XVI - a equidade reconhecendo as diferenças, desnaturalizando as desigualdades e
diversificando as práticas pedagógicas;
XVII - o Currículo de Libras e o Currículo de Língua Portuguesa para Surdos assegurando a
Educação Bilíngue aos estudantes com surdez, ofertada em: Escolas Municipais de Educação
Bilíngue para Surdos – EMEBSs; Unidades Polo de Educação Bilíngue e escolas comuns:
427
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
unidades educacionais de Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação
de Jovens e Adultos;
XVIII - a oferta do Atendimento Educacional Especializado - AEE, aos estudantes público
alvo da educação especial que dele necessitem.
XIX - a execução do Programa de Alimentação Escolar por meio do fornecimento de
refeições adequadas, de acordo com a faixa etária do educando e do incentivo da formação
de hábitos alimentares saudáveis.
Art. 3º As Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino deverão elaborar seu Projeto
Político-Pedagógico ou redimensioná-lo, sob a coordenação da Equipe Gestora, com a
participação da comunidade educacional e aprovação do Conselho de Escola/CEI/CIEJA, a
fim de nortear toda a sua ação educativa.
Art. 4º O Projeto Político-Pedagógico deverá considerar os princípios e diretrizes
pedagógicas da SME, contidas no artigo 2º desta Instrução Normativa, bem como
considerar as especificidades de cada etapa ou modalidade de ensino.
§ 1º - O Projeto Político-Pedagógico é documento norteador da ação pedagógica das
Unidades Educacionais podendo ser redimensionado quando necessário, com aprovação do
Conselho de Escola/CEI/CIEJA, posterior aprovação do Supervisor Escolar e homologação
do Diretor Regional de Educação.
§ 2º - Nas Unidades Educacionais que mantêm Ensino Fundamental ou Ensino Fundamental
e Médio o Projeto Político-Pedagógico deverá ser elaborado considerando-se, além dos
dispositivos constantes do artigo 2º desta Instrução Normativa, as seguintes especificidades:
I - a implementação do Currículo da Cidade;
II - os resultados da avaliação institucional - avaliação da UE – 2018, e os indicativos das
dimensões do trabalho educativo e da organização escolar que requerem tomadas de
decisão coletivas na direção da melhoria institucional e garantia da aprendizagem de todos
os estudantes;
III - os resultados das avaliações internas, realizadas pela própria Unidade Educacional, e
externas, seja no âmbito municipal ou federal, com ênfase na Prova São Paulo 2018 e seus
indicativos acerca dos níveis de aprendizagem dos estudantes do Ensino Fundamental;
IV - a garantia dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento dos estudantes por ano
do Ciclo;
V - a garantia de alfabetização de 100% (cem por cento) dos estudantes até o 2º ano do
Ciclo de Alfabetização;
VI – a recuperação das aprendizagens dos estudantes e a diminuição da reprovação.
§ 3º - Nas Unidades Educacionais de Educação Infantil o Projeto Político-Pedagógico deverá
ser elaborado considerando-se, além dos dispositivos constantes do artigo 2º desta
Instrução Normativa, as seguintes especificidades:
428
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I – a implementação do Currículo da Cidade;
II – a Orientação Normativa n° 01/13 - Avaliação na Educação Infantil: aprimorando os
olhares;
III – os Indicadores de Qualidade da Educação Infantil Paulistana.
Art. 5º As prioridades estabelecidas pela comunidade educacional, expressas no Projeto
Político-Pedagógico deverão ser objeto de estudo do Projeto Especial de Ação – PEA, que
definirão as ações a serem desencadeadas e as responsabilidades pela sua execução e
avaliação, de acordo com o estabelecido em normatização específica, adotando-se como
prioridade o estudo e a implementação do Currículo da Cidade.
Art. 6º As Jornadas de Trabalho/Opção dos Profissionais de Educação serão cumpridas no
âmbito das Unidades Educacionais, de acordo com a pertinente legislação em vigor.
Art. 7º Nos CEIs, CEMEIs, EMEIs, EMEFs, EMEFMs, EMEBSs e CIEJAs os servidores cumprirão
suas jornadas de trabalho, na seguinte conformidade:
I - JORNADA BÁSICA – JB: 20 horas-aula, sendo 18 horas-aula em regência + 2 horasatividade;
II - JORNADA ESPECIAL INTEGRAL DE FORMAÇÃO – JEIF: 40 horas-aula, sendo 25 horasaula em regência + 15 horas adicionais;
III - JORNADA BÁSICA DO DOCENTE – JBD: 30 horas-aula, sendo 25 horas-aula em regência
+ 5 horas-atividade;
IV - JORNADA BÁSICA DE 30 HORAS – J 30: 30 horas, sendo 25 horas em regência + 5
horas-atividade;
V - JORNADA DE 40 HORAS – J40: 40 horas/relógio.
§ 1º - Na JB, prevista no inciso I deste artigo, quando se referir ao Professor de Educação
Infantil e Ensino Fundamental I - PEIF, as 18 horas-aulas deverão ser distribuídas por todos
os dias da semana.
§ 2º - Na JEIF referida no inciso II deste artigo, as 15 horas adicionais serão cumpridas
conforme segue:
a) 8 horas-aula em horário coletivo;
b) 3 horas-aula (HA) realizadas na UE;
c) 4 horas-aula em local de livre escolha.
§ 3º - As 5 horas-atividade que compõem a JBD referida no inciso III deste artigo deverão
ser cumpridas : 3(três) horas-aula realizadas na UE e 2(duas) horas-aula em local de livre
escolha.
§ 4º - As 5 horas-atividade, referidas no inciso IV deste artigo e nos termos da Lei nº
16.416/16, serão cumpridas: 3 horas realizadas na UE e 2 horas em local de livre escolha.
429
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 5º - As 40 horas da J-40 previstas no inciso V deste artigo serão distribuídas em 8 horasrelógio ao dia cumpridas na Unidade Educacional.
§ 6º - As horas-atividade descritas neste artigo destinar-se-ão à elaboração de atividades
previstas no art. 16 da Lei nº 14.660/07 e sua organização deverá integrar o Projeto PolíticoPedagógico das Unidades Educacionais, com aprovação do Conselho de Escola/CEI/CIEJA.
Art. 8º Os Profissionais da Educação em exercício nas
Unidades Educacionais deverão participar das atividades propostas no período de
organização escolar, da análise coletiva dos registros que compõem a documentação
pedagógica e dos estudos do Currículo da Cidade, das Reuniões Pedagógicas, dos
Conselhos de Classe, se for o caso, dos grupos de formação continuada, da avaliação do
trabalho educacional, dentre outras propostas de trabalho coletivo, considerando-se, para
efeitos de remuneração, as horas-aula efetivamente cumpridas, conforme legislação em
vigor.
§ 1º - As atividades referidas no caput deste artigo deverão ser realizadas dentro do horário
regular de trabalho do Professor, podendo ser programadas em horário diverso, mediante
sua anuência expressa.
§ 2º - Considerar-se-á como frequência individual presencial nos horários destinados à
formação, referidos no caput deste artigo, aqueles realizados pela Unidade Educacional ou,
quando o educador for convocado para ações pedagógicas oferecidas por SME e/ou DRE,
em local diverso do de sua Unidade Educacional, desde que comprovada a frequência.
§ 3º - As Unidades Educacionais poderão organizar momentos de formação da Equipe de
Apoio à Educação dentro do horário de trabalho dos envolvidos.
Art. 9º As horas adicionais da Jornada Especial Integral de Formação – JEIF e as horas
atividade da Jornada Básica do Docente – JBD deverão ser cumpridas de acordo com o
disposto nos artigos 16 e 17 da Lei nº 14.660/07 e destinadas a ações que favoreçam o
processo de construção e implementação do Projeto Político-Pedagógico e o alcance do
desenvolvimento e aprendizagem dos estudantes, com registro em livro próprio.
Art. 10. As 8 (oito) horas-aula adicionais da Jornada Especial Integral de Formação-JEIF
cumpridas em horário coletivo, destinar-se-ão:
I - 4 (quatro) horas-aula para a formação docente por meio do Projeto Especial de Ação –
PEA;
II - Demais horas:
a) planejamento docente a partir de orientações do POA (Professor Orientador de Área) e
coordenação do Coordenador Pedagógico, para as áreas/componentes de Alfabetização,
Língua Portuguesa e Matemática;
430
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
b) análise dos resultados de desenvolvimento e de aprendizagem dos estudantes;
c) atividades de planejamento e organização didática, a partir da orientação do
Coordenador Pedagógico.
§ 1º - Cada Unidade Educacional organizará um PEA e, em decorrência, a participação
docente se dará num único PEA.
§ 2º - Visando à construção de um coletivo com maior número de Professores da Unidade
Educacional e à possibilidade de um melhor acompanhamento do Coordenador
Pedagógico, deverão ser constituídos para cumprimento do horário coletivo da Jornada
Especial Integral de Formação – JEIF um agrupamento por turno de funcionamento da
Unidade Educacional.
§ 3º - O número de grupos estabelecido no parágrafo anterior poderá ser flexibilizado, a fim
de viabilizar a participação dos docentes nas atividades que compõem o Programa “São
Paulo Integral”, nos termos da Instrução Normativa nº 13, de 2018, ou outras desenvolvidas
fora do horário regular de atendimento dos estudantes, mediante anuência expressa do
Supervisor Escolar e homologação do Diretor Regional de Educação.
§ 4º - Nas Escolas Municipais de Educação Infantil – EMEIs com funcionamento em 2(dois)
turnos de 6(seis) horas serão formados até 3(três) grupos, considerando os turnos de
trabalho dos professores, e respeitado o horário de funcionamento da Unidade.
§ 5º - Excepcionalmente, com anuência expressa do Supervisor Escolar, as Escolas
Municipais de Ensino Fundamental - EMEFs que não possuem EJA poderão submeter à
Diretoria Regional de Educação – DRE proposta de funcionamento até às 20h00, de modo a
propiciar a organização dos horários coletivos dos professores em Jornada Especial Integral
de Formação – JEIF.
EDUCAÇÃO INFANTIL
Art. 11. A Educação Infantil destina-se a bebês crianças de 0 (zero) a 5 (cinco) anos de idade,
nos termos do que dispõe a respectiva Instrução Normativa de Matrícula, e será oferecida
em:
I - Centros de Educação Infantil - CEIs destinados ao atendimento de bebês crianças dos
agrupamentos de Berçário I, Berçário II e Mini-Grupos I e Mini-Grupo II;
II - Escolas Municipais de Educação Infantil - EMEIs destinadas ao atendimento de crianças
dos agrupamentos Infantil I e Infantil II, na faixa etária de 4 (quatro) e 5 (cinco) anos;
III - Centros Municipais de Educação Infantil – CEMEIs destinados ao atendimento de
crianças dos agrupamentos de Berçário I, Berçário II, Mini-Grupos I e Mini-Grupo II, Infantil I
e Infantil II, observadas as especificidades de cada agrupamento;
IV - Escola Municipal de Educação Bilíngue para Surdos - EMEBS destinados ao atendimento
de crianças Berçário I, Berçário II, Mini-Grupos I e Mini-Grupo II, Infantil I e Infantil II,
observadas as especificidades de cada agrupamento.
431
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 12. Os CEIs atenderão as crianças em período integral de 10 (dez) horas, respeitado o
período compreendido entre 7h00 e 19h00 sendo que o início e o término dos turnos serão
indicados pelo Conselho de CEI e aprovados pela respectiva DRE.
§ 1º - De acordo com a necessidade dos pais/responsáveis o atendimento poderá ser
flexibilizado para 5(cinco) horas, mediante solicitação dos interessados e análise e parecer
da Supervisão Escolar.
§ 2º - Havendo necessidade de regimes diferenciados de permanência das crianças para
atendimento à comunidade, a Diretoria Regional de Educação – DRE poderá, em conjunto
com a Supervisão Escolar, Equipe Gestora da Unidade e ouvido o Conselho de CEI, definir
pela proposta que melhor se adeque àquela realidade.
§ 3º - A organização dos horários de intervalo dos Centros de Educação Infantil - CEIs,
deverá assegurar o atendimento ininterrupto às crianças e o intervalo de 15 (quinze)
minutos para os Professores de Educação Infantil - PEIs em regência de
classe/agrupamento, respeitadas as seguintes regras:
a) cada Unidade Educacional deverá elaborar plano específico integrado ao Projeto PolíticoPedagógico de modo a assegurar o estabelecido neste parágrafo;
b) durante o período mencionado, as crianças deverão estar sob os cuidados de outro
profissional de educação;
c) nas Unidades cuja estrutura organizacional comporte 2(dois) ou mais agrupamentos no
mesmo espaço, o intervalo poderá ocorrer em sistema de alternância entre os profissionais
envolvidos, desde que assegurado o atendimento pedagógico ininterrupto às crianças;
d) na programação dos horários de intervalo, as unidades educacionais poderão se utilizar
de outros recursos humanos do CEI para dar atendimento às crianças, a saber: Professores
ocupantes de vagas no módulo sem regência; Auxiliares de Desenvolvimento Infantil – ADIs
e Auxiliares Técnicos de Educação – ATEs.
§ 4º - Excepcionalmente, esgotados todos os recursos para assegurar o atendimento
ininterrupto às crianças, o Diretor de Escola poderá propor outras alternativas do
atendimento observado o disposto no parágrafo anterior.
§ 5º - As unidades de educação infantil deverão organizar os horários de lanche e refeição
observadas as orientações e normas estabelecidas pela Coordenadoria de Alimentação
Escolar – CODAE e o intervalo mínimo de 2(duas) a 3(três) horas entre eles, de acordo com o
disposto no artigo 42 desta
Instrução Normativa.
Art. 13. A formação das turmas/agrupamentos nos CEIs observará ao disposto na Instrução
Normativa nº 16, de 2018.
Art. 14. As Escolas Municipais de Educação Infantil – EMEIs terão o seu funcionamento
conforme segue:
432
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - 1º turno: das 7h00 às 13h00;
II - 2º turno: das 13h00 às 19h00.
Parágrafo único- Atendida a demanda e havendo possibilidade de organização dos espaços,
poderão ser formadas turmas com atendimento de 8 (oito) horas diárias.
Art. 15. Nas Escolas Municipais de Educação Infantil – EMEIs, a organização do horário de
intervalo será de 15 (quinze) minutos para professores e crianças e deverá prever o
acompanhamento das atividades das crianças, de acordo com planejamento específico,
elaborado pelos integrantes da Unidade Educacional, constante do Projeto PolíticoPedagógico e aprovado pelo Conselho de Escola.
Art. 16. Os CEMEIs atenderão:
I - em período integral de 10 (dez) horas - faixa etária de creche - de (0(zero) a 3(três) anos
de idade), podendo flexibilizar para 5 (cinco) horas de acordo com a necessidade dos pais
ou responsáveis;
II - em período de 6 horas – faixa etária de pré - escola – de 4 e 5 anos de idade.
Parágrafo único - Nos CEMEIS os horários de intervalo para as crianças de 0(zero) a 3(três)
anos será o mesmo estabelecido para os CEIs e para crianças de 4(quatro) e 5(cinco) anos,
será o mesmo que os das EMEIs.
Art. 17. Excepcionalmente, visando a acomodação da demanda e aos princípios
pedagógicos previstos no art. 38 da Instrução Normativa nº 16, de 2018, as unidades
educacionais de Educação Infantil poderão propor outras formas de organização de turmas
e faixas etárias, mediante autorização da Diretoria Regional de Educação e da SME/COGED.
Parágrafo único - As propostas de horário diferenciado deverão ser encaminhadas às
respectivas Diretorias Regionais de Educação para aprovação e homologação até 18/12/18.
ENSINO FUNDAMENTAL
Art. 18. O Ensino Fundamental destina-se aos estudantes com idade mínima de 6(seis) anos
completos ou a completar até 31/03/19, e será organizado em Ciclos de Aprendizagem,
conforme segue:
I – Ciclo de Alfabetização – abrangendo do 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental;
II – Ciclo Interdisciplinar – abrangendo do 4º ao 6º ano do Ensino Fundamental;
III – Ciclo Autoral – abrangendo do 7º ao 9º ano do Ensino Fundamental.
§ 1º - No Ciclo Interdisciplinar, conforme normatização específica, serão programadas aulas
em docência compartilhada, ficando vedadas outras formas de docência compartilhada em
quaisquer dos demais Ciclos.
433
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2º - A formação das classes/turmas no Ensino Fundamental deverá observar o número de
estudantes previsto na Instrução Normativa nº 16, de 2018.
Art. 19. As Unidades Educacionais que mantêm o Ensino Fundamental, ou o Ensino
Fundamental e Médio, de modo a garantir o pleno atendimento à demanda, deverão
funcionar:
I - Quando organizadas em dois turnos diurnos:
1º turno: das 7h00 às 12h00;
2º turno: das 13h30 às 18h30;
II - Quando organizadas em dois turnos diurnos e um noturno:
1º turno: das 7h00 às 12h00;
2º turno: das 13h30 às 18h30;
3º turno: das 19h00 às 23h00;
III - Excepcionalmente, onde houver demanda excedente:
Quando organizadas em três turnos diurnos e/ou quatro turnos:
1º turno: das 6h50 às 10h50;
2º turno: das 10h55 às 14h55;
3º turno: das 15h00 às 19h00;
4º turno: das 19h05 às 23h05.
Art. 20. As Unidades Educacionais organizadas em dois turnos diurnos ou dois turnos
diurnos e um noturno observarão as seguintes diretrizes específicas:
I - nos turnos diurnos deverá ser assegurada a duração da hora-aula de 45(quarenta e
cinco) minutos e intervalo de 20(vinte) minutos para estudantes e professores.
II - no noturno deverá ser assegurada a duração da hora-aula de 45(quarenta e cinco)
minutos e intervalo de 15(quinze) minutos para estudantes e professores.
III - nos horários de lanche e refeição, deverão ser observadas as orientações e normas
estabelecidas pela Coordenadoria de Alimentação Escolar – CODAE e o intervalo mínimo de
2(duas) a 3(três) horas entre eles.
IV - as aulas de Educação Física, Arte e Inglês serão ministradas pelo professor especialista.
V - na ausência do Professor especialista nas turmas do 1º ao 5º anos do Ensino
Fundamental, as aulas de Arte poderão ser ministradas pelo Professor da classe, sendo
remuneradas como Jornada Especial de Hora-Aula Excedente – JEX, exceto quando optante
pela permanência na Jornada Básica – JB.
VI - na impossibilidade, ou não havendo interesse dos Professores mencionados no inciso IV
deste artigo em assumi-las, as referidas aulas serão assumidas pelo Professor ocupante de
vaga no módulo da Unidade em atividades de Complementação de Jornada - CJ, dentro de
sua carga horária ou como Jornada Especial de Hora-Aula Excedente- JEX.
434
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VII - na ausência do Professor de Educação Física, as aulas poderão ser ministradas por
outro professor não habilitado, desde que sejam ministradas outras atividades que não
aquelas próprias do componente curricular.
VIII - as atividades de Sala de Leitura e de Informática Educativa do Ciclo I do Ensino
Fundamental serão desenvolvidas, respectivamente, pelo Professor Orientador de Sala de
Leitura - POSL e Professor Orientador de Informática Educativa - POIE, dentro dos turnos
estabelecidos.
IX - na ausência do Professor Orientador de Sala de Leitura - POSL e do Professor
Orientador de Informática Educativa POIE, o Professor ocupante de vaga no módulo da
Unidade em atividades de Complementação de Jornada- CJ assumirá a hora-aula,
ministrando atividades curriculares que desenvolvam as competências leitora e escritora, de
acordo com o Currículo da Cidade, dentro de sua carga horária ou como Jornada Especial
de Hora-Aula Excedente - JEX.
X - no horário de aulas e atividades de Educação Física, Arte, Sala de Leitura e Informática
Educativa, os Professores regentes cumprirão horas-atividade quando em Jornada Básica do
Docente – JBD ou em Jornada Básica – JB ou as 03 (três) horas-aula não coletivas da Jornada
Especial Integral de Formação- JEIF.
XI - no período noturno do Ensino Fundamental, as atividades de Sala de Leitura e de
Informática Educativa serão desenvolvidas dentro do horário regular de aulas, com
acompanhamento do Professor regente, e as aulas de Educação Física serão oferecidas fora
do turno.
XII - na ausência do Professor Orientador de Sala de Leitura - POSL e do Professor
Orientador de Informática Educativa- POIE, no período noturno, o Professor regente da
classe assumirá a hora-aula.
Art. 21. Excepcionalmente, as Unidades Educacionais que ainda mantêm o Ensino
Fundamental organizado em três turnos diurnos ou em quatro turnos observarão as
seguintes diretrizes específicas:
I - deverá ser assegurada a duração da hora-aula de 45 (quarenta e cinco) minutos;
II - as aulas de Educação Física do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental serão ministradas
pelo Professor especialista dentro dos turnos estabelecidos, devendo ser acompanhadas
pelo Professor regente da classe, exceto quando optante pela permanência da Jornada
Básica - JB.
III - na hipótese de o Professor regente da classe ter optado pela permanência na Jornada
Básica - JB, não poderá acompanhar as aulas ministradas pelo Professor especialista.
IV - o Professor regente das demais aulas remanescentes da JB deverá acompanhar o
Professor especialista e, também, substituí-lo nas suas ausências, com atividades de outros
componentes curriculares.
435
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
V - As atividades de Sala de Leitura e de Informática Educativa serão desenvolvidas dentro
do horário regular de aula dos estudantes, com o acompanhamento do Professor regente
da classe e aplicando-se, no que couber, o contido nos incisos III e IV deste artigo.
Art. 22. A Unidade Educacional que tiver proposta de horário diferenciado do estabelecido
nesta Instrução Normativa, inclusive as que aderiram ao Programa “São Paulo Integral”,
desde que consoante com o seu Projeto Político-Pedagógico e a Política Educacional da
SME, deverá propor a alteração, justificando-a, em projeto específico, aprovado pelo
Conselho de Escola e enviá-lo à Diretoria Regional de Educação-DRE para análise e
autorização do Supervisor Escolar e homologação do Diretor Regional de Educação.
§ 1º - As propostas de horário diferenciado referidas no caput deste artigo deverão ser
encaminhadas às respectivas Diretorias Regionais de Educação para aprovação e
homologação até 18/12/18.
§ 2º - As unidades de Ensino Fundamental deverão organizar os horários de lanche e
refeição observadas as orientações e normas estabelecidas pela Coordenadoria de
Alimentação Escolar – CODAE e o intervalo mínimo de 2(duas) a 3(três) horas entre eles, de
acordo com o disposto no art. 42 desta Instrução Normativa.
Art. 23. Nas Unidades Educacionais que mantêm o Ensino Fundamental, cujo funcionamento
envolver atividades com estudantes, além do horário regular de aulas, nos finais de semana,
recessos e férias escolares, deverá ser observado o contido nas normatizações específicas.
Art. 24. Dos 1ºs aos 5ºs anos do Ensino Fundamental, os estudantes terão duas aulas de
Inglês, a serem ministradas pelo Professor especialista, acompanhada do Professor regente
da classe, dentro dos turnos estabelecidos, visando à articulação com os conteúdos dos
diferentes componentes curriculares.
Parágrafo Único - Na ausência do Professor especialista de Inglês, o Professor regente
ministrará as aulas desenvolvendo conteúdos de outros componentes curriculares.
Art. 25. O horário de trabalho dos Professores de Ensino Fundamental II e Médio, inclusive
os da EJA, deverá ser organizado pela Equipe Escolar, observando-se:
I – a quantidade máxima de 10 (dez) horas-aula por dia por jornada de trabalho, excluindose as horas adicionais, as horas-atividade e as horas/trabalho excedentes;
II – preferencialmente, com a regência de aulas consecutivas do mesmo componente
curricular/disciplina;
III – intervalo de 15 (quinze) minutos após a quinta hora/aula consecutiva de Educação
Física.
436
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 26. Os horários de funcionamento da Sala de Leitura e do Laboratório de Informática
Educativa deverão ser organizados de acordo com as diretrizes expressas nas respectivas
Instruções Normativas e no Projeto Político-Pedagógico da U.E., assegurando-se a
participação de todos os estudantes nas atividades que lhe são próprias.
Art. 27. As Unidades Educacionais deverão reorganizar as atividades de Apoio Pedagógico –
Recuperação de Aprendizagens, de acordo com as diretrizes expressas em normatização
específica, prevendo ações intensivas e diferenciadas para atender aos estudantes retidos
e/ou com dificuldades no processo de ensino e aprendizagem.
Art. 28. As atividades ministradas pelos Assistentes de Atividades Artísticas – AAAs, bem
como as de Bandas e Fanfarras, comporão as atividades desenvolvidas fora do turno do
estudante, nos termos das Portarias específicas.
Art. 29. A organização das classes em cada turno deverá ser aprovada pelo Conselho de
Escola/CEI/CIEJA e considerar, prioritariamente, a necessidade das famílias com filhos
matriculados na Unidade Educacional.
Art. 30. Os professores em cumprimento de atividades de CJ, CCH ou em vaga no módulo
sem regência, de acordo com as necessidades da UE e respeitada a prioridade, incumbir-seão de:
I - ministrar aulas na ausência dos regentes de agrupamentos, classes, aulas, tempos
destinados à orientação de projetos/docência compartilhada e no enriquecimento curricular
previamente planejadas com a orientação do Coordenador Pedagógico e considerando o
Currículo da Cidade;
II - atuar pedagogicamente junto aos professores em regência de classes/aulas,
especialmente nas atividades de recuperação contínua;
III - participar de todas as atividades pedagógico-educacionais que envolvam os regentes
de agrupamento/classes/aulas e/ou estudantes, dentro do seu turno/horário de trabalho.
Parágrafo Único - As atividades realizadas na conformidade dos incisos anteriores serão
planejadas pelas equipes gestora e docente, e registradas no Projeto Político-Pedagógico da
Unidade Educacional.
Art. 31. A organização dos agrupamentos/turmas/classes nas Unidades Educacionais da
Rede Municipal de Ensino deverá ser realizada dentro dos princípios estabelecidos na
presente Instrução Normativa, de forma a atender as especificidades dos estudantes com
deficiência, Transtornos Globais de Desenvolvimento - TGD ou altas habilidades ou
437
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
superdotação, considerando a idade cronológica e/ou outros critérios definidos em
conjunto , pelos educadores da UE, supervisão escolar e profissionais responsáveis pelo AEE,
ouvidos, se necessário, a família, outros profissionais envolvidos e, sempre que possível, o
próprio estudante.
Parágrafo único: Cada Unidade Educacional deverá incluir no seu Projeto PolíticoPedagógico as formas de atendimento aos estudantes referidos neste artigo.
Art. 32. Em todas as etapas da Educação Básica poderão ser adotados modelos de
organização diferenciados do estabelecidos, desde que aprovados pelo Conselho Municipal
de Educação.
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS – EJA
Art. 33. Nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental e Escolas Municipais de Educação
Bilíngue para Surdos que mantêm a modalidade Educação de Jovens e Adultos - EJA, o
currículo organizar-se-á em Etapas, na periodicidade semestral, conforme segue:
I - Etapa de Alfabetização - Duração de dois semestres;
II - Etapa Básica - Duração de dois semestres;
III - Etapa Complementar - Duração de dois semestres;
IV - Etapa Final - Duração de dois semestres.
§ 1º - No período noturno do Ensino Fundamental, inclusive a EJA, as atividades de Sala de
Leitura e de Informática Educativa serão desenvolvidas dentro do horário regular de aulas,
acompanhados do Professor regente da classe.
§ 2º - Na ausência do Professor para ministrar as atividades/aulas referidas no parágrafo
anterior, no período noturno, o Professor regente da classe assumirá a hora-aula.
Art. 34. As Escolas Municipais que mantêm a Educação de Jovens e Adultos – EJA deverão
organizar o curso no horário noturno, na periodicidade semestral, prevendo 05 (cinco)
horas-aula diárias, de 45 (quarenta e cinco) minutos cada, assegurando o intervalo de
15(quinze) minutos para estudantes e professores.
Parágrafo Único - Excetuam-se do disposto no caput deste artigo as Unidades participantes
do Projeto EJA-Modular e dos CIEJAs que se organizarão segundo normatização própria.
Art. 35. Em todas as Etapas da EJA, as aulas de Educação Física serão ministradas fora do
horário de aulas regulares, pelo Professor especialista e observado o disposto na Lei Federal
10.793, de 2003.
438
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 36. Nos Centros Integrados de Educação de Jovens e Adultos - CIEJAs, o atendimento se
realizará em encontros presenciais e atividades extraclasse, com caráter de efetivo trabalho
escolar, na conformidade da pertinente legislação em vigor.
§ 1º - Para o desenvolvimento das atividades curriculares e elaboração do Projeto PolíticoPedagógico deverão ser observadas, no que couber, as disposições contidas no Programa
“São Paulo Integral” e outros de acordo com normatização específica.
§ 2º - O atendimento aos estudantes dar-se-á na seguinte conformidade:
a) 1º turno: das 7h30 às 09h45 e das 10h00 às 12h15;
b) 2º turno: das 12h30 às 14h45 e das 15h00 às 17h15;
c) 3º turno: das 17h30 às 19h45 e das 20h00 às 22h15.
EDUCAÇÃO INTEGRAL
Art. 37. Atendida a demanda e havendo possibilidade de espaços para o desenvolvimento
de projeto em tempo integral, as Unidades Educacionais poderão organizar-se com
formação de turmas que permanecerão em atividades pelo período de, no mínimo, 7(sete)
horas não excedendo a 10(dez) horas diárias.
§ 1º - O currículo da educação integral, em tempo integral, será concebido como um
projeto educativo, de caráter optativo e integrará o Programa “São Paulo Integral”,
Programa “Mais Educação São Paulo”, e/ou Programa de Ampliação de Jornada de âmbito
federal.
§ 2º - A Educação Integral deverá organizar-se segundo os critérios definidos na Instrução
Normativa nº 13, de 2018.
§ 3º - O atendimento aos estudantes dar-se-á na seguinte conformidade:
a) 1º turno: das 7h00 às 14h00;
b) 2º turno: das 11h30 às 18h30 ou das 12h00 às 19h00.
§ 4º - O horário de intervalo dos estudantes será de 1 (uma) hora diária, distribuída na sua
jornada, conforme Portaria específica.
§ 5º - As unidades de Educação Integral deverão organizar os horários de lanche e refeição
observadas as orientações e normas estabelecidas pela Coordenadoria de Alimentação
Escolar – CODAE e o intervalo mínimo de 2(duas) a 3(três) horas entre eles, de acordo com o
disposto no art. 42 desta Instrução Normativa.
CENTROS EDUCACIONAIS UNIFICADOS
Art. 38. A organização dos Centros Educacionais Unificados - CEUs observará os dispositivos
contidos no Regimento Padrão do CEU dentro do princípio do direito à educação integral e
deverá contemplar no seu Projeto Educacional Anual as diferentes formas de acesso e de
participação da comunidade local aos espaços e serviços de educação, cultura, esporte,
lazer e novas tecnologias que compõem a sua estrutura organizacional.
439
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º - Os Centros Educacionais Unificados – CEUs funcionarão ininterruptamente na
seguinte conformidade:
a) de segunda a sexta-feira: das 7h00 às 22h00;
b) aos sábados e domingos: das 08h00 às 20h00;
c) nos Feriados, pontos facultativos e dias definidos como de suspensão das atividades das
unidades educacionais: das 8h00 às 18h00.
§ 2º - Os CEUs que mantêm a EJA ou UNICEU, o atendimento estender-se-á até 23h00.
§ 3º - Nos CEIs, EMEIs e EMEFs dos CEUs, o atendimento iniciar-se-á às 07h00.
§ 4º - O funcionamento estará suspenso nos dias 1º de janeiro e 24, 25 e 31 de dezembro,
além de outros dias determinados pela Secretaria Municipal de Educação, destinados à
desratização, dedetização, desinsetização e/ou limpeza da caixa d’água dos equipamentos.
§ 5º - O horário de funcionamento da Biblioteca do CEU será de terça-feira a sexta-feira das
08h00 às 21h00 e, aos sábados, domingos, pontos facultativos, feriados e dias definidos
como de suspensão de atividades nas Unidades Educacionais, das 8h00 às 17h00.
§ 6º - Em caso de redução do Quadro de Analistas nas Bibliotecas dos CEUs, caberá ao
Conselho Gestor do CEU redimensionar o horário de funcionamento da Biblioteca durante
os dias da semana, sendo vedada a redução dos horários aos finais de semana, mediante
aprovação do Supervisor Escolar e homologação do Diretor Regional de Educação.
§ 7º - As Bibliotecas dos CEUs estarão fechadas ao público às segundas-feiras para
organização do acervo e catalogação.
§ 8º - Os Telecentros terão o horário de funcionamento de, no mínimo, 9 (nove) horas por
dia, de segunda a sexta-feira, admitindo-se seu funcionamento também aos sábados e
domingos.
Art. 39. Os servidores que compõem as equipes de Gestão, a Secretaria Geral, os Núcleos de
Ação Educacional e Cultural e Núcleo de Lazer e Recreação terão seus horários fixados pelos
Gestores, aprovados pelo Conselho Gestor e pelo Supervisor Escolar e homologados pelo
Diretor Regional de Educação, observadas as diretrizes da SME, ficando assegurado:
I - atendimento ininterrupto, no horário de funcionamento e ouvidos os interessados;
II - um servidor da equipe de Gestão no início e no final de seu funcionamento;
III - carga horária semanal distribuída em todos os dias da semana, exceto o(s) dia(s) de
folga(s) semanal(ais);
IV - início e término da jornada diária fixados em horas exatas e meias horas;
V - intervalo obrigatório para refeições, no cumprimento de carga horária de 8(oito) horas
de trabalho, acrescido de intervalo:
a) de trinta minutos, quando cumprido no interior do CEU;
b) de, no mínimo, uma hora e, no máximo, duas horas, quando cumprido em local externo.
440
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 40. A jornada de trabalho dos Analistas em Informações, Cultura e Desporto –
Disciplina: Biblioteca será de 40 (quarenta) horas semanais, assegurado o cumprimento de
jornada diária de 8(oito) horas por dia, organizadas de forma a garantir a presença de, no
mínimo, 1 (um) analista, durante todo o período de funcionamento da Biblioteca.
Art. 41. A jornada de trabalho dos Analistas em Informações, Cultura e Desporto –
Disciplina: Educação Física será cumprida na seguinte conformidade:
I - Quando em jornada de 20 (vinte) horas semanais:
a) distribuída em 5(cinco) dias da semana, assegurando o cumprimento da jornada diária de
4(quatro) horas, sendo, no mínimo, 3(três) atividades com turma por dia;
b) 1(uma) hora semanal destinada a reunião com a Coordenação de Núcleo para
planejamento/ formação/ avaliação garantida, preferencialmente, a totalidade dos analistas ;
c) 1(uma) hora semanal para planejamento individual.
II - Quando em jornada de 40 (quarenta) horas semanais:
a) distribuídas em 5(cinco) dias da semana, assegurando o cumprimento da jornada diária
de 8(oito) horas, sendo, no mínimo, 6 (seis) atividades com turma por dia;
b) 2 (duas) horas semanais de planejamento/ formação/avaliação com reunião com a
Coordenação do Núcleo, garantida, preferencialmente, a totalidade dos especialistas;
c) 2(duas) horas semanais para planejamento individual.
§ 1º - Propostas diferenciadas das contidas neste artigo poderão ser apresentadas para
análise e aprovação do Supervisor Escolar e homologação do Diretor Regional de Educação.
§ 2º - O descanso semanal remunerado dos profissionais referidos no caput deste artigo
deverá ser previsto de forma a não acarretar prejuízos ao desenvolvimento das atividades
dos CEUs.
§ 3º - Para o desenvolvimento das atividades, as turmas deverão ser planejadas e definidas
na conformidade do previsto nos arts. 9º e 14 da Portaria SME nº 3.844, de 2016.
Art. 42 - Os horários de distribuição das refeições nas Unidades Educacionais deverão
observar as seguintes recomendações:
§ 1º - Atendimento 4 (quatro) horas:
a) matutino: oferecer lanche quando decorrido meio turno
b) intermediário: oferecer refeição quando decorrido meio turno
c) vespertino: oferecer lanche no início do turno
d) noturno: oferecer refeição no início do turno
§ 2º - Atendimento 5/6 (cinco ou seis) horas:
a) matutino: oferecer
a.1. Lanche: no início do turno (entre 7h00 e 8h00) ou preferencialmente, no meio do turno;
a.2. Refeição: a partir das 11h00 (preferencialmente mais tarde), respeitando o intervalo
mínimo de 2 a 3 horas do horário do lanche.
441
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
b) vespertino:
b.1. Refeição: no início do período, finalizando a distribuição até as 14h30.
b.2. Lanche: após intervalo de 2 a 3 horas (a partir das 16h00) ou quando decorrido meio
turno e refeição após intervalo de 2 a 3 horas;
c) noturno: refeição no início do turno.
§ 3º - Atendimento educação integral (sete a dez horas):
a) matutino: oferecer
a.1. Lanche: entre 8h00 e 9h00;
a.2. Refeição: entre 11h00 e 12h00;
a.3. Lanche: entre 14h30 e 15h00.
b) vespertino:
b.1. Refeição: entre 11h00 e 12h00
b.2.Lanche: entre 14h00 e 15h00
b.3.Lanche ou Refeição: entre 17h30 e 19h00.
§ 4º - Atendimento CEIs (sete a dez horas) horas:
a) desjejum: oferecer na primeira hora após início do período
b) colação: oferecer após intervalo de 2h00 horas do desjejum
c) almoço: oferecer após intervalo de 2h30 horas da colação
d) lanche: oferecer após intervalo de 2 horas do almoço
e) refeição da tarde: oferecer após intervalo de 2h30 horas do lanche
§ 5º - Atendimento CIEJA:
a) matutino: oferecer alimentação quando decorrido meio turno
b) vespertino: oferecer alimentação quando decorrido meio turno
d) noturno: oferecer alimentação no início de cada turno
Parágrafo único. Os horários referidos nos § 1º, 2º, 3º, 4º e 5º deste artigo poderão ser
flexibilizados mediante justificativa fundamentada da Unidade Educacional, após discussão
com o Conselho de Escola/CEI e anuência do Supervisor Escolar.
DAS COMPETÊNCIAS
Art. 43. Caberá:
I - Às Unidades Educacionais:
a) elaborar ou redimensionar o seu Projeto Político-Pedagógico e encaminhá-lo, até
15/03/19, para a respectiva Diretoria Regional de Educação para aprovação;
b) encaminhar, até 15/03/19, o Projeto Especial de Ação - PEA à respectiva Diretoria
Regional de Educação, para análise e aprovação pelo Supervisor Escolar e homologação do
Diretor Regional de Educação;
c) garantir horários de atendimento ininterrupto ao público em todos os turnos de
funcionamento;
442
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
d) definir seu horário de funcionamento para o ano subsequente e torná-lo público no mês
de setembro, após aprovação pelo Conselho de Escola/CEI/CIEJA e ouvido o Supervisor
Escolar;
e) organizar os horários dos Agentes Escolares/Agentes de Apoio e Auxiliares Técnicos de
Educação – Área: Inspeção Escolar, que podem ser estabelecidos antes ou após o horário de
funcionamento da Unidade Educacional, desde que justificada a necessidade e com ciência
do Supervisor Escolar;
f) proceder à análise das informações do Sistema de Gestão Pedagógica – SGP e do Sistema
Educacional de Registro da Aprendizagem – SERAP, e elaborar o registro individualizado do
estudante objetivando a continuidade dos estudos, sem suspensão de aulas, no caso das
unidades de Ensino Fundamental, de acordo com as datas especificadas no Calendário de
Atividades - 2019;
g) encaminhar a documentação pedagógica do processo de aprendizagens e
desenvolvimento das crianças, às unidades de destino, até o final de janeiro/2019, na
seguinte conformidade:
g.1 – do CEI para a EMEI;
g.2 – da EMEI para o Ensino Fundamental;
g.3 – no CEMEI: do Mini-grupo II para o Infantil I e do Infantil II para o Ensino Fundamental.
h) organizar os horários dos Profissionais de Educação que compõem a Equipe Gestora de
modo a garantir o atendimento administrativo e pedagógico a todos os turnos de
funcionamento da Unidade Educacional;
i) assegurar a presença do Diretor de Escola/Coordenador Geral ou do Assistente de
Diretor/Assistente de Coordenação Geral, no início do primeiro e final do último turno das
Unidades Educacionais;
j) encaminhar, até 15/03/19, o horário da Equipe Gestora à respectiva DRE, para análise e
aprovação do Supervisor Escolar e homologação do Diretor Regional de Educação;
II - Às Equipes Gestoras das Unidades Educacionais e dos CEUs, com apoio das Diretorias
Regionais de Educação:
a) propor os horários da Equipe Gestora e fixar os da Equipe de Apoio à Educação,
consideradas as necessidades de serviço, ouvidos os envolvidos, observadas as seguintes
regras:
1. início e término da jornada diária fixados em horas exatas e meias horas;
2. intervalo obrigatório, para refeição no cumprimento da carga horária de 8(oito) horas
diárias, sendo este intervalo de:
2.1. no mínimo, 30(trinta) minutos quando cumprido no interior da Unidade Educacional;
2.2. no mínimo, 1(uma) e, no máximo 2(duas) horas quando cumprido em local externo.
b) otimizar os recursos físicos, humanos e materiais, criando as condições necessárias para a
realização da ação pedagógica da Unidade Educacional;
443
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
c) promover e acompanhar as ações planejadas e desenvolvidas nas Unidades Educacionais
e a avaliação de seus impactos nos resultados de aproveitamento, na permanência dos
estudantes e na melhoria das condições de trabalho docente;
d) participar das reuniões de formação e orientações oferecidas pelas Diretorias Regionais
de Educação, quando convocadas;
e) dar ciência e orientar os servidores, no início de cada ano, sobre suas responsabilidades,
conforme legislação em vigor;
f) assegurar a plena utilização dos recursos financeiros das Unidades Educacionais e deles
prestar contas, observados os prazos estipulados e respeitada a legislação em vigor.
g) validar os registros de planejamento, avaliação, frequência, retenção, atividades de
compensação de ausências e recuperação no SGP.
III - Às Diretorias Regionais de Educação – DREs:
a) orientar a elaboração do Projeto Político-Pedagógico, acompanhar a sua execução e
avaliação, assegurando o fiel cumprimento dos dispositivos estabelecidos nesta Instrução
Normativa, por meio do Supervisor Escolar;
b) aprovar e homologar os Projetos Político-Pedagógicos das Unidades Educacionais a elas
vinculadas;
c) aprovar os Projetos Especiais de Ação – PEAs propostos pelas Unidades Educacionais,
mediante análise do Supervisor Escolar e homologação do Diretor Regional de Educação,
considerando a implementação do Currículo da Cidade;
d) homologar os horários de trabalho dos Profissionais de Educação que compõem a
Equipe Gestora das Unidades Educacionais e dos CEUs, mediante prévia análise e aprovação
do Supervisor Escolar.
e) favorecer a implementação da jornada ampliada para, no mínimo, 06(seis) horas diárias
aos estudantes, com atividades integrantes dos projetos e programas da Secretaria
Municipal de Educação, desenvolvidas pelas Unidades Educacionais, em especial, na
articulação com os Centros Educacionais Unificados – CEUs e demais equipamentos
culturais e esportivos disponíveis na cidade, por meio do Diretor Regional de Educação;
f) favorecer a implementação da Educação Integral em tempo integral com a expansão do
tempo de permanência dos estudantes para, no mínimo, 07(sete) horas diárias de acordo
com o disposto do art. 37 desta Instrução Normativa;
g) aprovar os Projetos do Programa “São Paulo Integral”, “Mais Educação São Paulo” e/ou
Programas de âmbito federal, dentre outros ora em vigor;
h) promover a formação e orientar as equipes gestoras quanto às diretrizes educacionais da
SME e do Currículo da Cidade, acompanhando os registros e os resultados das avaliações da
aprendizagem, tanto internas quanto externas, da avaliação institucional, por meio da ação
supervisora e das equipes das Divisões Pedagógicas;
i) aprovar Projeto da Docência Compartilhada nos termos da legislação vigente;
j) validar os registros de planejamento, avaliação, frequência, retenção, atividades de
compensação de ausências e recuperação no SGP, por meio da Supervisão Escolar.
444
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 43. O Diretor de Escola, o Coordenador Geral do CIEJA ou o Gestor do CEU deverá dar
ciência expressa do contido na presente Instrução Normativa a todos os integrantes da
respectiva Unidade Educacional.
Art. 44. Os Diretores Regionais de Educação decidirão os casos omissos ou excepcionais,
consultada, se necessário, a Secretaria Municipal de Educação.
Art. 45. Esta Instrução Normativa entrará em vigor na data de sua publicação, produzindo
efeitos a partir de 01/01/19, revogando-se, então, a Portaria nº 8.945, de 2017.
Publicado no DOC de 12/12/2018 – pp, 15 a 17
Instrução Normativa SME nº 13, de 11 de setembro de 2018. Reorienta o Programa
"São Paulo Integral" nas EMEIs, EMEFs, EMEFMs, EMEBS e nos CEUs da RME. São
Paulo, 2018.
O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, e,
CONSIDERANDO:
- a Constituição Federal de 1988;
- a Lei federal nº 8.069/90, que institui o Estatuto da Criança e do Adolescente;
- a Lei federal nº 9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB,
com ênfase no seu art. 1º e alterações posteriores, em especial, a Lei federal nº 12.796/13;
- a Lei federal nº 11.494/07, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento
da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB;
- as Leis nºs 10.639/04 e 11.645/08, que dispõem sobre a obrigatoriedade do ensino da
História e Cultura Africana, Afro-Brasileira e Indígena;
- a Lei federal nº 13.005/14, que aprova o Plano Nacional de Educação – PNE;
- a Lei federal nº 13.146/15, que dispõe sobre a Inclusão da Pessoa com Deficiência
"Estatuto da Pessoa com Deficiência";
- o Decreto federal nº 6.949/09, que trata da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência;
- a Resolução CNE/CP nº 2/17 - institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum
Curricular;
445
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- a Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, MEC/08;
- as Diretrizes Curriculares Nacionais contidas nas diferentes Resoluções do Conselho
Nacional de Educação, em especial, a Resolução CNE/CEB nº 04, de 2010;
- a Lei nº 16.271/15, que aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo;
- o Decreto nº 54.454/13, que fixa diretrizes gerais para a elaboração dos regimentos
educacionais das Unidades integrantes da Rede Municipal de Ensino e decorrentes normas
complementares estabelecidas pela Portaria SME nº 5.941/13;
- o Decreto nº 57.379/16, que institui no âmbito da SME a Política Paulistana de Educação
Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, regulamentado pela Portaria SME nº
8.764/16;
- o Decreto nº 57.478/16, que aprova o Regimento Padrão dos Centros Educacionais
Unificados – CEUs;
- a Portaria SME nº 1.224/14, que instituiu o Sistema de Gestão Pedagógica;
- a Portaria SME nº 7.464/15, que instituiu o Programa “São Paulo Integral” nas escolas da
RME e suas alterações;
- a Portaria SME nº 1.185/16, que dispõe sobre o Atendimento Educacional Especializado
nas Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino participantes do Programa “São
Paulo Integral”;
- a Educação Integral em tempo integral, enquanto Política Pública de Educação de uma
Cidade Educadora;
- a Educação Integral como direito de cidadania da infância e da adolescência e promotora
do desenvolvimento dos estudantes em todas as suas dimensões (intelectual, física, social,
emocional e cultural);
- o compromisso de garantir a alfabetização a todas as crianças até o 2º ano do Ensino
Fundamental e aprendizagens adequadas em todos os anos, nos termos do Programa de
Metas da Cidade e do Currículo da Cidade;
- a necessidade de incentivar a implementação da expansão dos territórios e espaços
educativos e da jornada diária dos estudantes para, no mínimo, de 7(sete) horas diárias,
prioritariamente, das turmas do Ciclo de Alfabetização, bem como de turma(s) com
estudantes dos 5º anos do Ciclo Interdisciplinar e dos 9º anos do Ciclo Autoral que
apresentem dificuldades de aprendizagem;
- os Indicadores de Qualidade da Educação Infantil Paulistana, o Currículo Integrador da
Infância Paulistana e o Currículo da Cidade como Documentos que subsidiam a prática
pedagógica;
- o Currículo da Cidade, documento curricular inovador, como subsídio importante para
orientar a prática pedagógica no Ensino Fundamental, orientado pelos princípios da
Inclusão, Equidade e Educação Integral, que se alinha à história da Rede e apresenta a
Matriz de Saberes e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, na perspectiva da
educação para o século XXI;
446
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
RESOLVE:
I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS
Art. 1º O Programa “São Paulo Integral - SPI”, instituído pela Portaria SME nº 7.464, de
03/12/15 e suas alterações, nas Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino, com o
objetivo de promover experiências pedagógicas diferenciadas e diversificadas nos Territórios
do Saber, expandindo os tempos de permanência dos estudantes na escola de forma
qualificada, ressignificando espaços e o Currículo, garantindo o direito de acesso aos
territórios educativos na escola e para além dela, numa perspectiva de formação e
desenvolvimento integral, contemplando as aprendizagens multidimensionais e a
integralidade dos sujeitos, fica reorientado na conformidade dos dispositivos estabelecidos
na presente Instrução Normativa, fundamentados nos seguintes princípios e diretrizes
pedagógicas:
A - PRINCÍPIOS:
a) o território educativo em que os diferentes espaços, tempos e sujeitos, compreendidos
como agentes pedagógicos, podem assumir intencionalidade educativa e favorecer o
processo de formação das crianças e adolescentes para além da escola, potencializando a
Educação Integral e integrando os diferentes saberes, as famílias, a comunidade, a
vizinhança, o bairro e a cidade; configurando-se, assim, a Cidade de São Paulo como Cidade
Educadora;
b) a educação como instrumento de democracia que possibilita às crianças e adolescentes
entenderem a sociedade e participarem das decisões que afetam o lugar onde vivem;
c) o diálogo como estratégia na implementação de políticas socioculturais que reconhecem
as diferenças, promovem a equidade e criam ambientes colaborativos que consideram a
diversidade dos sujeitos, da comunidade escolar e de seu entorno;
d) a autonomia das Unidades Educacionais com responsabilidade coletiva, favorecendo a
criatividade e as diferentes aprendizagens, na diversidade cultural existente em cada
território;
e) a comunidade de aprendizagem como rede de construção de um projeto educativo e
cultural próprio para educar a si mesma, suas crianças e seus adolescentes;
f) a garantia às crianças e adolescentes do direito fundamental de circular pelos territórios
educativos, apropriando-se deles, como condição de acesso às oportunidades, espaços e
recursos existentes e ampliação contínua do repertório sociocultural e da expressão
autônoma e crítica, asseguradas as condições de acessibilidade aos que necessitarem;
g) a expansão qualificada do tempo de aprendizagem como possibilidade de superar a
fragmentação curricular e a lógica educativa demarcada por espaços físicos e tempos
rígidos, na perspectiva da garantia da aprendizagem multidimensional dos estudantes;
447
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
h) a intersetorialidade das políticas sociais e educacionais como interlocução necessária à
corresponsabilidade na formação integral, colocando no centro o ser humano e, em
especial, as crianças, os adolescentes e seus educadores;
i) integrar a Proposta Pedagógica das UEs assegurando o direito ao convívio das crianças e
adolescentes em ambientes acolhedores, seguros, agradáveis, desafiadores, que
possibilitem a apropriação das diferentes linguagens e saberes que circulam na sociedade e
considerem o Atendimento Educacional Especializado, sempre que necessário;
j) fomentar a intersetorialidade consolidando, nos territórios, o diálogo permanente e ações
conjuntas com as Secretarias de Cultura, Esporte, Assistência Social, Saúde, Verde e Meio
Ambiente, Direitos Humanos e Cidadania, Mobilidade e Transportes, Urbanismo e
Licenciamento, Segurança Urbana, entre outras, assim como com as organizações da
sociedade civil;
l) fortalecer os processos democráticos nas Unidades Educacionais, em suas diferentes
instâncias decisórias como: Conselhos de Escola, Grêmios Estudantis, Associações de Pais e
Mestres – APMs, Conselho Gestor e Colegiado de Integração (CEUs);
j) desenvolver ações na perspectiva da Educação Inclusiva e criar oportunidades para que
todas as crianças e adolescentes aprendam e construam conhecimentos juntos, de acordo
com suas possibilidades, em todas as etapas e modalidades de ensino;
k) identificar possibilidades para o desenvolvimento de novas estratégias, ancoradas na
concepção da Educação Integral e promover ações que integrem as políticas públicas de
inclusão social;
B - DIRETRIZES PEDAGÓGICAS:
a) o Currículo da Cidade em diálogo com o Projeto Político-Pedagógico das Unidades
Educacionais, significativo e relevante, organizador da sua ação pedagógica na perspectiva
da integralidade, que garante que práticas, costumes, crenças e valores, que estão na base
da vida cotidiana dos estudantes, sejam articulados ao saber acadêmico, produzindo
aprendizagens significativas, promovendo o protagonismo, a autoria e a autonomia;
b) o atendimento à criança com base na pedagogia da infância, de modo a articular suas
experiências e saberes com os conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural,
artístico, ambiental, científico e tecnológico e o acesso a processos de apropriação,
renovação e articulação de conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens a fim
de promover o seu desenvolvimento integral;
c) as experiências educativas que levam em consideração o direito das crianças e
adolescentes ao lúdico, à imaginação, à criação, ao acolhimento, à curiosidade, à
brincadeira, à democracia, à proteção, à saúde, à liberdade, à confiança, ao respeito,
dignidade, à conveniência e à interação com seus pares para a produção de culturas infantis;
d) a articulação das experiências e saberes dos estudantes com os conhecimentos que
fazem parte do patrimônio cultural, artístico, ambiental, científico e tecnológico, assim como
atitudes e valores, de modo a promover aprendizagens multidimensionais, com vistas ao
seu desenvolvimento integral;
448
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
e) a valorização do diálogo entre as pedagogias: social, popular, formal, participativa e de
projetos;
f) a potencialização do Currículo Integrador da Infância Paulistana como subsídio
fortalecedor do Projeto Político-Pedagógico nas Unidades de Educação Infantil, no intuito
de promover reflexões sobre as práticas pedagógicas e o processo de transição da
Educação Infantil para o Ensino Fundamental, na articulação dos trabalhos desenvolvidos
nas duas etapas da Educação Básica;
g) a aplicação e analise dos resultados dos Indicadores de Qualidade da Educação Infantil
Paulistana, com o objetivo de auxiliar as equipes de profissionais das Unidades
Educacionais, juntamente com as famílias e pessoas da comunidade, a desenvolver um
processo de auto avaliação institucional participativa que leve a um diagnóstico coletivo
sobre a qualidade da educação promovida pela Unidade, de forma a obter melhorias no
trabalho educativo desenvolvido com as crianças;
h) a promoção de reflexões e discussões formativas acerca do Currículo da Cidade, como
subsídio importante para orientar a prática pedagógica no Ensino Fundamental, tendo por
base os princípios da Inclusão, da Equidade e da Educação Integral, em diálogo com o
Projeto Político-Pedagógico das Unidades Educacionais, com a “Matriz de Saberes” e com
os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, articulados aos Territórios do Saber
propostos pelo Programa São Paulo Integral;
i) a concepção das Experiências Pedagógicas como possibilidades de exprimir as
intencionalidades e abordagens pedagógicas propostas, com vistas a promover
aprendizagens nos Territórios do Saber, dentre os quais: 1) Educomunicação, Oralidade e
Novas Linguagens; 2) Culturas, Arte e Memória; 3) Orientação de Estudos e Invenção
Criativa; 4) Consciência e Sustentabilidade Socioambiental e Promoção da Saúde; 5) Ética,
Convivência e Protagonismos; 6) Cultura Corporal, Aprendizagem emocional, Economia
Solidária e Educação Financeira, além de outras experiências locais e/ou universais que
dialoguem com o Projeto Político-Pedagógico da Unidade Educacional;
j) a ressignificação do currículo, na perspectiva da Educação Integral, Integrada e
Integradora de forma a torná-lo mais eficaz na aprendizagem do conjunto de
conhecimentos que estruturam os saberes escolares, qualificando a ação pedagógica e
fortalecendo o desenvolvimento integral dos estudantes como cidadãos de direito,
ampliando assim, as possibilidades de participação e de aprendizagens para a valorização
da vida.
II – DA ADESÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL
Art. 2º Poderão solicitar a adesão ao Programa “São Paulo Integral” as Unidades
Educacionais de Ensino Fundamental – EMEFs, EMEFMs e EMEBSs que detiverem as
seguintes condições:
449
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - espaços educativos compatíveis com o número de estudantes a serem envolvidos em
turno de tempo integral, na própria Unidade Educacional, em outra Unidade ou
equipamentos/espaços do entorno, considerando também as possibilidades de organização
dos espaços entre os turnos de funcionamento;
II - sua proposta de adesão amplamente discutida e aprovada pelo Conselho de Escola;
III - possibilidade de assegurar a permanência do estudante em turno de tempo integral, ou
seja, 07 (sete) horas diárias, totalizando 08 (oito) horas-aula durante todo o período de
efetivo trabalho educacional.
§ 1º - A solicitação de que trata o caput será formalizada mediante o preenchimento do
Formulário de Adesão – Anexo II, parte integrante desta Instrução Normativa, que deverá
ser encaminhado à respectiva Diretoria Regional de Educação, no período estabelecido em
Comunicado específico.
§ 2º - Além das condições mencionadas nos incisos de I a III deste artigo, para a efetivação
da adesão ao Programa será observado pelas DREs e pela SME a disponibilidade
orçamentária, os critérios pedagógicos e a consonância da proposta com os demais
programas vigentes.
§ 3º - Havendo Unidades Educacionais inscritas em número superior ao determinado pela
SME, serão considerados, ainda, os seguintes critérios:
a) se a UE pertence a um dos CEUs;
b) o número de estudantes participantes em situação de vulnerabilidade social ou
dificuldade de aprendizagem.
Art. 3º Anualmente, a SME incumbir-se-á de publicar Comunicado específico com o
cronograma e as orientações que se fizerem necessárias para organizar as adesões das UEs
ao Programa “São Paulo Integral”.
Art. 4º As EMEFs, EMEFMs e EMEBSs, que aderirem ao Programa “São Paulo Integral”, terão
como prerrogativa:
I - priorizar a formação das turmas do Ciclo de Alfabetização e de turma(s) com estudantes
dos 5ºs anos do Ciclo Interdisciplinar e dos 9ºs anos do Ciclo Autoral que apresentem
dificuldades de aprendizagem.
II- possibilitar a expansão gradativa do atendimento às demais turmas da escola.
Art. 5º As EMEFs, EMEFMs e EMEBSs que participam do Programa “São Paulo Integral”, no
ano vigente, deverão preencher o Formulário de Continuidade constante do Anexo III, parte
integrante desta Instrução Normativa, e encaminhá-lo à respectiva Diretoria Regional de
Educação, no período estabelecido em Comunicado específico.
450
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º - As UEs mencionadas no caput deverão atender, no ano subsequente, as turmas dos
1ºs e/ou, 5ºs ou 9ºs anos do Ensino Fundamental.
§ 2º - Será possibilitada a continuidade no Programa das turmas atendidas no ano vigente,
ficando vedada a inclusão de novas turmas exceto aquelas mencionadas no parágrafo
anterior.
III - DA ADESÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL
Art. 6º Poderão solicitar a adesão ao Programa “São Paulo Integral” as Unidades
Educacionais de Educação Infantil – EMEIs que detiverem as seguintes condições:
I - demanda escolar atendida;
II - espaços educativos compatíveis com o número de estudantes a serem envolvidos em
turno de tempo integral, na própria Unidade Educacional, em outra Unidade ou
equipamentos/espaços do entorno;
III - ter sua proposta de adesão amplamente discutida e aprovada pelo Conselho de Escola;
IV - possibilidade de assegurar a permanência do estudante em turno de tempo integral, ou
seja, 08 (oito) horas diárias.
Parágrafo Único - A solicitação de que trata o caput será formalizada mediante o
preenchimento do Formulário de Adesão - Anexo II, parte integrante desta Instrução
Normativa, que deverá ser encaminhado à respectiva Diretoria Regional de Educação, no
período estabelecido por comunicado específico.
Art. 7º Na composição do tempo de permanência diário dos estudantes atendidos nas
Unidades Educacionais de Educação Infantil deverá ser observada:
I - a garantia, durante o tempo de permanência na unidade, de momentos de cuidados,
destinados à higiene, alimentação e atividades livres, conforme as necessidades das
crianças, em diálogo permanente com o Projeto Pedagógico da Unidade, considerando o
Currículo Integrador da Infância Paulistana, ampliando repertórios de experiências
pedagógicas na perspectiva da Pedagogia Participativa e de Projetos, considerando os
Territórios do Saber;
II – nas experiências de aprendizagem e na associação do cuidar e educar em diferentes
espaços, flexibilizando o tempo conforme o interesse da criança;
III – a intencionalidade docente, manifestada por meio de vivências que possibilitem o
protagonismo infantil, em diálogo com a formação integral das crianças em todas as suas
dimensões.
IV – DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
Art. 8º Ficam regulamentadas pela Portaria SME nº 1.185/16, o Atendimento Educacional
Especializado – AEE e pela Portaria nº 8.764/16, alterada pela Portaria nº 9.268/17, o
451
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Atendimento Educacional Especializado e a atuação dos professores das Salas de Recursos
Multifuncionais - S.R.M. nas escolas participantes do Programa “São Paulo Integral”.
V – DOS CENTROS EDUCACIONAIS UNIFICADOS - CEUs
Art. 9º. A participação dos Centros Educacionais Unificados – CEUs no Programa “São Paulo
Integral” dar-se-á por meio da construção coletiva de ações com as unidades educacionais
que o compõe e com as do entorno.
Parágrafo Único – A participação de que trata o caput será articulada pelos Coordenadores
de Núcleos dos CEUs, equipes Gestoras e Docentes das UEs envolvidas e Conselho Gestor
do CEU.
VI – DA ORGANIZAÇÃO DAS TURMAS
Art. 10. As turmas das Unidades de Ensino Fundamental participantes do Programa “São
Paulo Integral” serão organizadas nos seguintes horários:
a) se no 1º turno: das 7h às 14h;
b) se no 2º turno: das 11h30 às 18h30 ou das 12h às 19h.
Parágrafo único: Os horários estabelecidos no caput deste artigo poderão sofrer alterações,
em casos excepcionais, de acordo com normatização própria.
Art. 11. Para as turmas dos 5ºs e 9ºs anos as turmas poderão ser formadas com 15(quinze) a
20(vinte) estudantes da série indicada independentemente da turma a que pertence.
VII – DA EXPANSÃO CURRICULAR
Art. 12. A expansão curricular configurar-se-á com os seguintes Territórios do Saber:
I - Educomunicação, Oralidade e Novas Linguagens;
II - Culturas, Arte e Memória;
III - Orientação de Estudos e Invenção Criativa;
IV - Consciência e Sustentabilidade Socioambiental e Promoção da Saúde;
V - Ética, Convivência e Protagonismos;
VI - Cultura Corporal, Aprendizagem emocional, Economia Solidária e Educação Financeira,
§ 1º - Para contemplar os Territórios do Saber, considerando a diversidade da Rede
Municipal de Ensino, a Unidade Educacional deverá optar pelas experiências pedagógicas
abaixo elencadas, assegurando as questões da acessibilidade arquitetônica, comunicacional,
metodológica, instrumental e atitudinal:
1- Clubes de Leitura (Academia Estudantil de Letras, clube de leitura, contação de histórias,
cordel, cultura popular, oratória, diversidade cultural, sarau, língua estrangeira): docência
realizada pelos PEIFs e/ou PEFIIs – Português ou professor com experiência na atividade
proposta;
452
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
2- Arte (artes visuais, canto coral, dança, hip hop, música, teatro): docência realizada pelos
PEFIIs – Arte ou professor com experiência na atividade proposta;
3- Jogos e brincadeiras (brinquedos e brincadeiras, brincadeiras inclusivas, diversidade
cultural, jogos de tabuleiro): docência realizada pelos PEFIIs – Matemática ou professor com
experiência na atividade proposta;
4- Atividades Físicas e recreativas (circo, iniciação esportiva): docência realizada pelos PEFIIs
- Educação Física ou professor com experiência na atividade proposta;
5- Educomunicação (cinema e vídeo, fotografia, imprensa jovem, rádio, jornal, jornal
escolar): docência realizada pelos PEIFs ou PEFIIs com experiência em tecnologias e mídia.
6- Horta e Educação Alimentar (culinária, educação alimentar e nutricional, alimentação,
saúde, jardinagem): docência realizada pelos PEFIIs – Ciências ou professor com experiência
na atividade proposta;
7- Conhecimentos Matemáticos (memória, robótica): docência realizada pelos PEFIIs –
Matemática ou professor com experiência na atividade proposta;
8- Ações Cidadãs (cidadania e participação, economia solidária, mobilidade urbana):
docência realizada pelos PEIFs ou PEFIIs;
9 - Ações de Apoio Pedagógico / Lição de Casa (aprofundamento de estudos,recuperação, e
língua estrangeira): docência realizada pelos PEIFs, PEFIIs ou designados para a função de
Professor de Apoio Pedagógico;
10- LIBRAS: docência realizada por com PEIFs ou PEFIIs habilitação na área;
§ 2º - Todas as atividades curriculares deverão ser planejadas e desenvolvidas com
metodologias, estratégias e recursos didático-pedagógicos específicos, em diferentes
espaços e territórios educativos, observado o respeito à forma e a característica de ensinar
para todos, conduzindo ao mesmo objetivo educacional.
§ 3º - Fica mantida a quantidade de aulas respectivas em LIBRAS, para as Unidades
Educacionais de Educação Bilíngue para Surdos, previstas na matriz constante no Anexo II
da presente Instrução Normativa.
§ 4º - O planejamento das experiências pedagógicas elencadas no § 1º deste artigo deverá,
também, considerar o atendimento às necessidades específicas das crianças e adolescentes
público alvo da Educação Especial garantindo sua plena participação e assegurando o
direito à educação com os princípios da equidade.
§ 5º - O detalhamento da matriz curricular, conforme opção da Unidade Educacional deverá
ser apresentado no descritivo do conjunto da proposta pedagógica, integrando o Projeto
Político-Pedagógico da U.E.
§ 6º - A Unidade Educacional que tiver proposta de organização curricular diferenciada da
estabelecida nesta Instrução Normativa, desde que consoante com o seu Projeto PolíticoPedagógico e a Política Educacional da SME, deverá propor a alteração, justificando-a, em
projeto específico, previamente aprovado pelo Conselho de Escola e enviá-lo à Diretoria
Regional de Educação para análise conjunta da Supervisão da Unidade Escolar, e os
453
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
membros do GT Cidade Educadora que acompanham o Programa “São Paulo Integral”, para
autorização do Supervisor Escolar e homologação do Diretor Regional de Educação.
VIII - DA ORGANIZAÇÃO DO TEMPO INTEGRAL
Art. 13. Na composição do tempo de permanência diária dos estudantes matriculados nas
EMEFs, EMEFEMs e EMEBSs, observar-se-á:
I - carga horária mínima de 08 (oito) horas-aula diárias durante todo o período de efetivo
trabalho educacional;
II - 01 (uma) hora diária de intervalo, distribuída na jornada do estudante, garantindo, no
mínimo, dois tempos destinados à higiene, alimentação e atividade livre, em horários
previamente definidos, para todos os dias da semana;
III – as aulas da expansão curricular prevista na matriz curricular constante do Anexo I desta
Instrução Normativa deverão, preferencialmente, ser atribuídas ao longo do turno das 08
(oito) horas-aula diárias, de forma a compor o horário das turmas.
Parágrafo único - Na composição do tempo de permanência do estudante na escola
poderão ser organizados quadros de expansão curricular, de acordo com as prioridades
estabelecidas no Projeto-Político Pedagógico da Unidade e com ênfase nas dimensões
intelectuais, cognitivas, sociais, emocionais, físicas e culturais em consonância com
orientações a serem publicadas oportunamente.
Art. 14. Outras formas de expansão gradativa da jornada diária dos estudantes com
dificuldades de aprendizagem poderão integrar o Programa de que trata esta Instrução
Normativa a partir da oferta de atividades complementares desenvolvidas na ampliação da
jornada escolar.
XI - DA ATRIBUIÇÃO DE CLASSES /AULAS
Art. 15. A regência das classes, das aulas dos componentes curriculares e das 06 (seis) aulas
do Território do Saber, das turmas do Ciclo de Alfabetização participantes do Programa “São
Paulo Integral”, serão atribuídas aos profissionais abaixo discriminados, de acordo com o
Projeto Político-Pedagógico da U.E. e na seguinte conformidade:
I - Professor de Educação Infantil e Ensino Fundamental I, regência da classe: 25 (vinte e
cinco) horas-aula;
II - Professor de Ensino Fundamental II e Médio – Arte: 02 (duas) horas-aula;
III - Professor de Ensino Fundamental II e Médio – Educação Física: 03 (três) horas-aula;
IV - Professor de Ensino Fundamental II e Médio – Inglês: 02 (duas) horas-aula;
V- Professor Orientador de Sala de Leitura – POSL: de 01 (uma) a 03 (três) horas-aula;
VI - Professor Orientador de Informática Educativa – POIE: de 01 (uma) a 03 (três) horasaula;
454
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VII - Professor de Apoio Pedagógico – PAP: mínimo de 02 (duas) horas-aula;
VIII - Professores de Educação Infantil e Ensino Fundamental I e/ou de Ensino Fundamental
II e Médio: de 02 (duas) a 06 (seis) horas-aula do Território do Saber.
§ 1º - Na hipótese da continuidade dos projetos e com a anuência da Equipe Gestora da
U.E., as aulas dos Territórios do Saber poderão ser atribuídas com prioridade aos regentes
dessas aulas no ano de 2018, exceto aos excedentes.
§ 2º - As aulas remanescentes serão atribuídas, compulsoriamente, respeitado o turno de
trabalho e na ordem:
a) até 15 horas-aula aos professores com jornada incompleta;
b) aos ocupantes de vaga no módulo sem regência.
§ 3º - Poderão ser previstas 02 (duas) horas-aula do Território do Saber ao Professor
mencionado no inciso I deste artigo.
Art. 16. A regência das 10 (dez) horas-aula do Território do Saber das turmas do Ciclo
Interdisciplinar e do Ciclo Autoral participantes do Programa “São Paulo Integral” será
atribuída aos profissionais abaixo relacionados, de acordo com o projeto da escola e na
seguinte conformidade:
I - Professor Orientador de Sala de Leitura – POSL: de 01 (uma) a 03 (três) horas-aula;
II - Professor Orientador de Informática Educativa – POIE: de 01 (uma) a 03 (três) horas-aula;
III – Professor de Apoio Pedagógico – PAP: asseguradas, no mínimo, 02 (duas) horas-aula.
IV - Professores de Educação Infantil e Ensino Fundamental I e/ou de Ensino Fundamental II
e Médio: de 02 (duas) a 10 (dez) horas-aula de Território do Saber.
§ 1º - Na hipótese da continuidade dos projetos e com a anuência da Equipe Gestora da
U.E., as aulas dos Territórios do Saber poderão ser atribuídas com prioridade aos regentes
dessas aulas no ano em curso, exceto aos excedentes.
§ 2º - As aulas remanescentes serão atribuídas, compulsoriamente, respeitado o turno de
trabalho e na ordem:
a) até 10 horas-aula aos professores com jornada incompleta;
b) aos ocupantes de vaga no módulo sem regência.
Art. 17. Poderá ser ampliado o tempo de permanência dos estudantes matriculados nos 5º e
9º anos, com prioridade, para aqueles que se encontrarem em situação de vulnerabilidade
social e/ou com dificuldade de aprendizagem, mediante a oferta de plano de expansão
curricular.
§ 1º - Para a formação das turmas mencionadas no caput serão fixados blocos com 10 (dez)
horas-aulas e, com turmas de, no mínimo, 15 (quinze) e máximo de 20 (vinte) estudantes.
§ 2º - Serão consideradas para a ampliação do tempo de permanência dos estudantes
mencionados no caput as horas-aula desenvolvidas na ampliação da jornada escolar, nos
termos do art. 14 desta Instrução Normativa.
455
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 18. Poderão, ainda, ser previstas na composição da JOP do Professor regente de classe
do 1º ao 5º ano, 02 (duas) horas-aula, que a critério da Equipe Gestora serão assim
organizadas:
I – regência com atividades do Território do Saber com atividades de Apoio Pedagógico; ou
II – ministrada em docência compartilhada de Língua Inglesa.
Parágrafo único – Na hipótese de a opção ser pelo inciso II deste artigo, deverão ser
asseguradas 02 (duas) horas-aula do Território do Saber para apoio aos estudos ministradas
pelo Professor de Apoio Pedagógico ou Professor com experiência na atividade proposta.
Art. 29. Na impossibilidade ou não havendo interesse do POIE/POSL em assumir as aulas a
título de JEX, as aulas remanescentes poderão ser escolhidas/atribuídas aos demais
professores da U.E.
Art. 20. Os professores em regência de classes e aulas e os designados para funções
docentes participarão da atribuição de aulas do Território do Saber, desde que, esgotadas as
possibilidades de aulas de seu componente curricular/titularidade de concurso.
§ 1º - As aulas do Território do Saber, serão atribuídas para compor a Jornada de
Trabalho/Opção – JOP ou a título de Jornada Especial de Trabalho Excedente – JEX.
§ 2º - Os Professores ocupantes de vaga no módulo sem regência escolherão/terão
atribuídas aulas de Expansão Curricular a título de JEX e em turno diverso ao de sua jornada
regular de trabalho.
Art. 21. Deverão ser respeitados os limites previstos na Lei nº 14.660/07 e observadas as
disposições do Decreto nº 49.589/08, para a atribuição de aulas a título de JEX.
Art. 22. Para participar da atribuição de aulas que compõem o Território do Saber aos
professores mencionados no inciso VIII do artigo 15 e inciso IV do artigo 16 desta Instrução
Normativa, os interessados serão classificados em ordem decrescente de pontuação,
considerando, a Ficha de Pontuação e os pontos da coluna 1, para os professores lotados na
UE e, pontos da coluna 2, para os professores não lotados na UE.
Art. 23. A Equipe Gestora da Unidade Educacional organizará as aulas do Território do Saber
de modo a possibilitar que sejam ministradas por diferentes professores.
456
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 24. Esgotadas todas as possibilidades de atribuição no âmbito da UE, as aulas do
Território do Saber, serão encaminhadas para a DRE para divulgação e atribuição nos
Processos de Escolha/Atribuição Inicial e ou Periódico.
Parte inferior do formulário
Parte inferior do formulário
X – DO MÓDULO DE SERVIDORES
Art. 25. As Unidades Educacionais com turmas de Ensino Fundamental I participantes do
Programa “São Paulo Integral”, terão seu módulo de profissionais acrescido de:
I – de 3 a 7 classes: 02 (dois) Professores de Educação Infantil e Ensino Fundamental I, além
de 01 (um) Auxiliar Técnico de Educação, para exercício de atividades de Inspeção Escolar;
II – a partir de 8 classes: 03 (três) Professores de Educação Infantil e Ensino Fundamental I,
além de 01 (um) Auxiliar Técnico de Educação, para exercício de atividades de Inspeção
Escolar;
§ 1º - A permanência na UE dos profissionais mencionados nos incisos I e II deste artigo
estará condicionada à continuidade no Programa “São Paulo Integral”.
§ 2º - A organização dos horários do profissional do módulo de Docentes deverá
contemplar o horário de funcionamento do turno da Unidade Educacional, em articulação
com os horários dos demais docentes que atuarão com as turmas integrantes do Programa
“São Paulo Integral”.
XI - DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO
Art. 26. A adesão das Unidades Educacionais de Educação Infantil e de Ensino Fundamental
ao Programa “São Paulo Integral” implicará em decorrente redimensionamento de seu
Projeto Político-Pedagógico e de seu Regimento Educacional, sob a coordenação da Equipe
Gestora, com a participação da comunidade educacional, aprovação do Conselho de Escola,
análise conjunta do Supervisor da Unidade Escolar e GT da Diretoria Regional de Educação
do Programa São Paulo Integral, autorização do Supervisor Escolar e homologação do
Diretor Regional de Educação.
XII – DOS RECURSOS FINANCEIROS
Art. 27. Nas Unidades Educacionais de Ensino Fundamental e de Educação Infantil em que
forem organizadas turmas do Programa “São Paulo Integral”, os recursos repassados do
Programa de Transferência de Recursos Financeiros – PTRF, destinados a atividades e ações
que efetivamente contribuam para potencializar as demandas em relação aos tempos,
espaços e materiais imprescindíveis à implantação e implementação do referido Programa,
serão acrescidos dos percentuais abaixo especificados, observada a seguinte
proporcionalidade:
457
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I – 20% sobre o valor fixo quando organizadas até 03 (três) turmas;
II – 25% sobre o valor fixo quando organizadas até 04 (quatro) turmas;
III – 30% sobre o valor fixo quando organizadas até 05 (cinco) ou mais turmas.
§ 1º - As UEs de Educação Infantil e Ensino Fundamental, que no ano subsequente aderirem
ao Programa terão o acréscimo de R$10.000,00 (dez mil reais), aos recursos repassados por
meio do PTRF;
§ 2º - O recurso mencionado no parágrafo anterior será devido uma única vez e no ano da
implantação do Programa.
§ 3º- As Unidades Educacionais de Educação Infantil e Ensino Fundamental aderiram ao
Programa de São Paulo Integral no ano vigente e permanecerem no programa no ano
subsequente, terão além dos percentuais estabelecidos nos incisos I, II e III acréscimo de R$
5.000,00 (cinco mil reais) aos recursos repassados por meio do PTRF;
§ 4º - A transferência dos recursos mencionados neste artigo será repassada às UEs
participantes do Programa conforme texto legal anual específico.
XIII – DA DESIGNAÇÃO DO POEI
Art. 28. As Unidades Educacionais de Ensino Fundamental participantes do Programa “São
Paulo Integral” e/ou o Programa “Mais Educação Federal” poderão designar 1 (um)
professor para exercer a função de “Professor Orientador de Educação Integral - POEI”, sem
prejuízo de suas atividades de regência de classes/aulas.
§ 1º - O “Professor Orientador de Educação Integral - POEI” deverá ser eleito dentre os
integrantes do Quadro do Magistério Municipal, em exercício, preferencialmente, na própria
Unidade Educacional, optante por Jornada Básica do Docente - JBD ou Jornada Especial
Integral de Formação – JEIF, e observará os seguintes critérios:
a) ter disponibilidade de horário para atendimento às necessidades dos referidos
Programas;
b) apresentar proposta de trabalho a ser referendada pelo Conselho de Escola para seleção
e indicação do profissional de que trata este artigo;
c) participar dos cursos ou encontros de formação/orientação promovidos pela Diretoria
Regional de Educação e/ou pela Secretaria Municipal de Educação-SME.
§ 2º - Os “Professores Orientadores de Educação Integral - POEIs” atuarão nas Unidades
Educacionais, desempenhando suas atribuições em corresponsabilidade com o Diretor de
Escola, o Coordenador Pedagógico e o Conselho de Escola.
§ 3º - O “Professor Orientador de Educação Integral - POEI” será designado por ato do
Secretário Municipal de Educação.
§ 4º - Respeitados os limites previstos em lei, as horas efetiva e exclusivamente
desempenhadas pelo POEI no desenvolvimento dos Programas serão remuneradas a título
de Jornada Especial de Hora- Trabalho – TEX.
458
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 5º - As horas-aula desempenhadas pelo POEI referidas no § anterior, observarão o limite
de, no mínimo, 10 (dez) e, no máximo, 15 (quinze) horas-aula semanais, observados os
limites estabelecidos no disposto nas alíneas “a” e “b” do inciso IV, do artigo 15 da Lei nº
14.660/07.
Art. 29. O Professor Orientador de Educação Integral – POEI, que se afastar de suas funções
por períodos iguais ou superiores a 30 (trinta) dias consecutivos terão sua designação
cessada.
Art. 30. Compete ao “Professor Orientador de Educação Integral - POEI”:
I – articular as atividades propostas pelos Programas “São Paulo Integral” e/ ou “Mais
Educação Federal” com o Projeto Político-Pedagógico da UE e diretrizes dos demais
programas desta Secretaria;
II – buscar parcerias que promovam a utilização de espaços educativos existentes no seu
entorno;
III – promover a intersetorialidade com vistas a potencializar as experiências de
aprendizagem possíveis no território educativo;
IV – organizar e acompanhar o desenvolvimento das diferentes experiências/vivências/
itinerários de aprendizagem na perspectiva da integralidade e integração das atividades
educacionais, culturais, esportivas e sociais, promovidas na Unidade Educacional e em
outros espaços educativos;
V – articular e implementar ações educativas que favoreçam o desenvolvimento dos
Programas;
VI – propor ações que promovam a circulação dos estudantes pelos “Territórios do Saber” e
a ambiência no convívio escolar;
VI – auxiliar na implantação de uma política intersetorial e intersecretarial entre os setores e
Secretarias dos diferentes órgãos públicos.
VII - desempenhar outras atividades necessárias à execução do Programa SPI, inclusive
eventual substituição de docentes, sendo remunerado a título de JEX.
Art. 31. Na 2ª quinzena do mês de novembro de cada ano, o Conselho de Escola avaliará o
desempenho do Professor Orientador de Educação Integral - POEI, para decidir sobre a sua
continuidade ou não, assegurando- lhe a permanência na função até o término do ano
letivo.
Parágrafo Único - O não referendo do POEI pelo Conselho de Escola, devidamente
fundamentado, desencadeará novo processo eletivo, no período de 30 (trinta) dias
subsequentes, envolvendo outros docentes interessados.
459
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
XIV - DAS ATRIBUIÇÕES
Art. 32. Atribuições da Equipe Gestora da UE:
I - articular o processo de adesão ao Programa, por meio da divulgação e incentivo à
participação dos estudantes, assegurando o compartilhamento de informações entre os
professores, funcionários e as famílias;
II - promover o debate acerca dos conceitos e concepções da Educação Integral, bem como,
dos princípios e diretrizes pedagógicas que balizam a adesão ao Programa “São Paulo
Integral” e seu significado no Projeto Político-Pedagógico da Unidade Educacional, nos
diferentes espaços e colegiados da escola, dentre os quais reuniões pedagógicas, reuniões
de planejamento, reuniões de estudo, reuniões de conselhos de classe, reuniões de
Conselho de Escola, reuniões de Associação de Pais e Mestres, assembleias de estudantes,
reuniões de grêmio estudantil, entre outros;
III - tecer as relações interpessoais, promovendo a participação de todos que compõem os
diferentes segmentos da escola nos procedimentos de tomada de decisão, na construção de
estratégias para enfrentar demandas e dificuldades e nas metodologias para mediar
conflitos;
IV - promover o envolvimento de toda a comunidade, em especial dos estudantes, em
estratégias de ação/reflexão/ação com vistas a assegurar o acompanhamento e avaliação
contínua da nova dinâmica, reafirmando o papel da escola, a importância e o lugar dos
estudantes, professores, gestores e demais funcionários, das famílias e demais
setores/organizações da sociedade na superação das fragilidades ainda estabelecidas na
relação entre a escola e a comunidade, entre a conceituação de turno e contraturno, entre o
entendimento do currículo e das ações complementares/suplementares, de forma a garantir,
de fato, ambiência à educação integral;
V - garantir percursos e tomada de decisões coletivas acerca das escolhas dos Territórios do
Saber que comporão a expansão curricular na definição do currículo do Programa “São
Paulo Integral” selecionados pela Unidade Educacional;
VI - promover a intersetorialidade com vistas a potencializar as experiências de
aprendizagem possíveis nos territórios educativos;
VII - realizar a avalição institucional do programa por meio de uma autoavaliação
participativa com a equipe gestora, professores, quadro de apoio, estudantes, pais e demais
membros da comunidade escolar que realizaram a adesão ao programa, considerando: as
experiências pedagógicas desenvolvidas, a integração curricular, a articulação dos territórios
educativos nas e entre as escolas, a intersetorialidade e outras diretrizes que a unidade
educacional considerar pertinente;
VIII – monitorar o Programa São Paulo Integral nas Unidades Educacionais por meio da
aplicação de Indicadores de Qualidade, nos quais as escolas que aderirem deverão informar
dados quantitativos e qualitativos sobre a implementação do plano de atendimento da
Educação Integral em Tempo Integral;
460
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
IX – elaborar carta explicativa aos pais/responsáveis com destaque para os benefícios da
ampliação do tempo de permanência do estudante na Unidade Educacional.
Art. 33. Atribuições da Diretoria Regional de Educação - DRE, por meio da articulação de
suas Divisões e da Supervisão Escolar, no âmbito de sua atuação:
I - fomentar discussões e reflexões acerca da organização dos tempos, da relação com os
saberes e práticas contemporâneos, dos espaços potencialmente educacionais da
comunidade e da cidade;
II - subsidiar os profissionais das Unidades Educacionais e propor atividades de formação
que potencializem o debate, as estratégias e metodologias de implantação,
acompanhamento e avaliação do Programa “São Paulo Integral”;
III - subsidiar as equipes das Unidades Educacionais no redimensionamento de seu Projeto
Político- Pedagógico e Regimento Educacional;
IV - propor atividades de formação em conjunto com Secretaria Municipal de Educação com
a participação das equipes envolvidas;
V - indicar avanços, desafios e necessidades na implantação do Programa “São Paulo
Integral” à Secretaria Municipal de Educação;
VI - promover a intersetorialidade com vistas a potencializar as experiências de
aprendizagem possíveis nos território educativos;
VII - auxiliar na implantação de uma política intersetorial e intersecretarial entre os setores e
Secretarias dos diferentes órgãos públicos no âmbito de sua região;
VIII - propor ações que promovam a circulação dos estudantes pelos “Territórios do Saber”
e a ambiência no convívio escolar;
IX – realizar o acompanhamento dos registros dos professores das experiências pedagógicas
e da avaliação institucional do programa em conjunto com a equipe gestora das escolas
que realizaram a adesão ao programa, considerando: as experiências pedagógicas
desenvolvidas, a integração curricular, as aprendizagens multidimensionais, a articulação
dos territórios educativos nas e entre as escolas e a intersetorialidade bimestralmente;
X – Incluir no Plano de Trabalho da DRE;
a) o trabalho regionalizado, baseado em indicadores de aprendizagem e vulnerabilidade
social, objetivando orientar o estabelecimento das prioridades para participação no
Programa,
b) a expansão do Programa nos CEUs.
Art. 34. Atribuições da Secretaria Municipal de Educação em conjunto com as Diretorias
Regionais de Educação para subsidiar as Unidades Educacionais na implementação e
desenvolvimento do Programa “São Paulo Integral”, bem como, na formação dos
profissionais envolvidos:
461
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I – realizar visitas itinerantes às DREs/UEs para: apresentação da política de Educação
Integral em Tempo integral da SME, planejamento e organização das ações de formação,
escuta sensível das Equipes Pedagógicas nos territórios, alinhamentos sobre a concepção e
conceito de Educação Integral e procedimentos do Programa SPI, encaminhamentos para o
funcionamento orgânico do Programa SPI;
II - construir pautas coletivas e realizar formação mensal com os representantes membros
do Grupo de Trabalho “São Paulo Educadora”;
III – formar e orientar os POEIs em conjunto com as DREs;
IV - formar e orientar os Coordenadores Pedagógicos das UEs que aderiram ao Programa
SPI;
V - orientar os representantes dos Grupos de Trabalho das DREs para a realização da adesão
das UEs ao Programa SPI;
VI – acompanhar a construção e publicação de documentos curriculares: Documento
Conceitual e Orientador da Política São Paulo Educadora, Documento Indicadores de
Monitoramento do Programa São Paulo Integral, Avaliação e Aprimoramento das atividades
de expansão da jornada, Cadernos de Subsídios da Educação Integral, dentre outros;
VII – acompanhar por meio da análise e leitura de dados do CIEDU – EOL o fluxo de
estudantes participantes do Programa SPI, adequando o sistema EOL para garantir o
registro das matrículas em tempo integral na rede Municipal de Educação São Paulo;
VIII – elaborar e desenvolver planos de ações e formação conjuntas articuladas com a
COPED;
IX – propor a formação de GT Intersecretarial para consolidação da política “São Paulo
Educadora”;
X - mapear Unidades Educacionais potenciais, para expansão da politica “São Paulo
Educadora” em consonância com as Equipes das DREs;
Art. 35. O Grupo de Trabalho - GT “São Paulo Educadora” responsável pela
implementação, acompanhamento e avaliação do Programa “São Paulo Integral”, terá
as seguintes atribuições:
I - garantir subsídios para implementação e desenvolvimento do Programa;
II - propor ações de formação dos profissionais envolvidos;
III - articular a intersetorialidade do Programa, especialmente com as Secretarias de Cultura,
Esporte, Assistência Social, Saúde, Verde e Meio Ambiente, Direitos Humanos e Cidadania,
Mobilidade e Transportes, Urbanismo e Licenciamento, Segurança Urbana, entre outras,
assim como com as organizações da sociedade civil;
IV – acompanhar as aprendizagens das crianças e adolescentes a partir dos registros
realizados e das itinerâncias.
§ 1º – O Grupo de Trabalho mencionado no caput e instituído pela Portaria SME 7.464/15,
passa a ser constituído por:
462
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) 9(nove) representantes da SME, sendo 1 (um) de cada Coordenadoria: COCEU, COPED,
COGEP, COGED, Gabinete, COTIC/CIEDU, CODAE.
b) 4 (quatro) representantes de cada DRE, sendo 1 (um) da Divisão Pedagógica - DIPED; 1
(um) da Divisão dos Centros Educacionais Unificados e da Educação Integral – DICEU, 1 (um)
da Divisão de Administração e Finanças – DIAF e 1 (um) Supervisor Escolar.
§ 2º - A Composição do Grupo de Trabalho, nos termos do parágrafo anterior, será objeto
de publicação anual no Diário Oficial da Cidade de São Paulo - DOC.
XV - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 36. Para assegurar a expansão do tempo de permanência dos estudantes será
possibilitada, mediante autorização expressa do Diretor Regional de Educação, a realização
de trabalho coletivo de formação, nos termos do inciso I do artigo 17 da Lei 14.660/07, até
às 20h30min.
Art. 37. Os casos omissos ou excepcionais serão resolvidos pelo Diretor Regional de
Educação, ouvida a Secretaria Municipal de Educação, se necessário.
Art. 38. Esta Instrução Normativa entrará em vigor na data de sua publicação, revogada em
especial, a Portaria SME nº 8.003, de 09/10/17.
463
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
464
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
465
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
466
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
467
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Publicado no DOC de 12/09/2018 – pp. 18 a 21
Decreto nº 57.379, de 13 de outubro de 2016. Institui no âmbito da Secretaria
Municipal de Educação, a Política Paulistana de Educação Especial, na Perspectiva da
Educação Inclusiva. São Paulo, 2016.
FERNANDO HADDAD, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe
são conferidas por lei,
CONSIDERANDO as disposições da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas
com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, promulgada pelo Decreto Federal nº 6.949, de
25 de agosto de 2009, e das Leis Federais nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e nº
13.146, de 6 de julho de 2015, bem como a Política Nacional de Educação Especial na
Perspectiva da Educação Inclusiva e as orientações do Ministério da Educação para sua
implementação;
CONSIDERANDO, ainda, a Lei Municipal nº 16.271, de 17 de setembro de 2015, que aprovou
o Plano Municipal de Educação de São Paulo, bem como as diretrizes da atual Política
Municipal da Educação;
CONSIDERANDO, finalmente, a deficiência como um conceito em evolução, resultante da
interação entre as pessoas com deficiência e as barreiras atitudinais e ambientais que
impedem a sua plena e efetiva participação na sociedade em igualdade de oportunidades
com as demais pessoas,
D E C R E T A:
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Art. 1º Fica instituída a Política Paulistana de Educação Especial, na Perspectiva da Educação
Inclusiva, com o objetivo de assegurar o acesso, a permanência, a participação plena e a
468
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
aprendizagem de crianças, adolescentes, jovens e adultos com deficiência, transtornos
globais do desenvolvimento – TGD e altas habilidades nas unidades educacionais e espaços
educativos da Secretaria Municipal de Educação, observadas as diretrizes estabelecidas
neste decreto e os seguintes princípios:
I – da aprendizagem, convivência social e respeito à dignidade como direitos humanos;
II – do reconhecimento, consideração, respeito e valorização da diversidade e da diferença e
da não discriminação;
III – da compreensão da deficiência como um fenômeno sócio-histórico-cultural e não
apenas uma questão médico-biológica;
IV – da promoção da autonomia e do máximo desenvolvimento da personalidade, das
potencialidades e da criatividade das pessoas com deficiência, bem como de suas
habilidades físicas e intelectuais, considerados os diferentes tempos, ritmos e formas de
aprendizagem;
V – da transversalidade da Educação Especial em todas as etapas e modalidades de
educação ofertadas pela Rede Municipal de Ensino, a saber, Educação Infantil, Ensino
Fundamental, Ensino Médio, Educação de Jovens e Adultos, Educação Profissional e
Educação Indígena;
VI – da institucionalização do Atendimento Educacional Especializado - AEE como parte
integrante do Projeto Político-Pedagógico – PPP das unidades educacionais;
VII – do currículo emancipatório, inclusivo, relevante e organizador da ação pedagógica na
perspectiva da integralidade, assegurando que as práticas, habilidades, costumes, crenças e
valores da vida cotidiana dos educandos e educandas sejam articulados ao saber
acadêmico;
469
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VIII – da indissociabilidade entre o cuidar e o educar em toda a Educação Básica e em todos
os momentos do cotidiano das unidades educacionais;
IX – do direito à brincadeira e à multiplicidade de interações no ambiente educativo,
enquanto elementos constitutivos da identidade das crianças;
X – dos direitos de aprendizagem, visando garantir a formação básica comum e o respeito
ao desenvolvimento de valores culturais, geracionais, étnicos, de gênero e artísticos, tanto
nacionais como regionais;
XI – do direito de educação ao longo da vida, bem como qualificação e inserção no mundo
do trabalho;
XII – da participação do próprio educando e educanda, de sua família e da comunidade,
considerando os preceitos da gestão democrática.
Art. 2º Serão considerados público-alvo da Educação Especial os educandos e educandas
com:
I - deficiência (visual, auditiva, física, intelectual, múltipla ou com surdocegueira);
II - transtornos globais do desenvolvimento - TGD (autismo, síndrome de Asperger,
síndrome de Rett e transtorno desintegrativo da infância);
III - altas habilidades.
CAPÍTULO II
ACESSO E PERMANÊNCIA
Art. 3º A matrícula nas classes comuns e a oferta do Atendimento Educacional Especializado
- AEE serão asseguradas a todo e qualquer educando e educanda, visto que reconhecida,
470
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
considerada, respeitada e valorizada a diversidade humana, vedadas quaisquer formas de
discriminação, observada a legislação vigente.
§ 1º A matrícula no agrupamento, turma e etapa correspondentes será efetivada com base
na idade cronológica e outros critérios definidos, em conjunto, pelos educadores da
unidade educacional, Supervisão Escolar e profissionais responsáveis pelo AEE, ouvidos, se
necessário, a família, outros profissionais envolvidos e, sempre que possível, o próprio
educando ou educanda.
§ 2º A unidade educacional deverá mobilizar os recursos humanos e estruturais disponíveis
para garantir a frequência dos educandos e educandas.
§ 3º Fica vedado o condicionamento da frequência e da matrícula dos educandos e
educandas a quaisquer situações que possam constituir barreiras ao seu acesso,
permanência e efetiva participação nas atividades educacionais.
Art. 4º A Secretaria Municipal de Educação, em suas diferentes instâncias, assegurará a
matrícula, a permanência qualificada, o acesso ao currículo, a aprendizagem e o
desenvolvimento dos educandos e educandas, de modo a garantir resposta às suas
necessidades educacionais, mediante:
I - identificação do público-alvo da Educação Especial, por meio do preenchimento do
cadastro de educandos e educandas no Sistema Escola On Line - Sistema EOL;
II - formação específica dos professores para atuação nos serviços de Educação Especial e
de formação continuada dos profissionais de educação que atuam nas classes comuns das
unidades educacionais;
III - elaboração e redimensionamento do PPP das unidades educacionais para assegurar a
oferta do AEE nos diferentes tempos e espaços educativos, consideradas as mobilizações
indispensáveis ao atendimento das necessidades específicas do público-alvo da Educação
471
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Especial, bem como as condições e recursos humanos, físicos, financeiros e materiais que
favoreçam seu processo de aprendizagem e desenvolvimento;
IV - trabalho articulado entre os professores responsáveis pelo AEE, professores das classes
comuns e demais educadores da unidade educacional;
V - avaliação pedagógica para a aprendizagem, utilizada para reorientação das práticas
educacionais e promoção do desenvolvimento, realizada pelos educadores da unidade
educacional, com a participação, se necessário, do Supervisor Escolar, das famílias e de
representantes de Centro de Formação e Acompanhamento à Inclusão – CEFAI, além de
outros profissionais envolvidos no atendimento;
VI - prioridade de acesso em turno que viabilize os atendimentos na área da saúde, quando
necessários, e a compensação de ausências nos termos do regimento educacional;
VII - atendimento às necessidades de locomoção, higiene e alimentação a todos que
necessitem, por meio da mobilização de profissionais da unidade educacional, considerando
as atribuições especificadas nos artigos 3º, 6º, 8º, 15, 17, 20 e 24 do Decreto nº 54.453, de
10 de outubro de 2013, em relação ao público-alvo da Educação Especial, mediante
discussão da situação com o próprio educando e educanda, a família, os professores
responsáveis pelo AEE e a Supervisão Escolar;
VIII - adequação do número de educandos e educandas por agrupamento, turma e etapa,
se necessário, considerando o atendimento à demanda, a apresentação de justificativa
pedagógica fundamentada no PPP e a avaliação dos profissionais da unidade educacional,
da Supervisão Escolar e do CEFAI, com posterior autorização expressa do Diretor Regional
de Educação;
IX - modificações e ajustes necessários e adequados nas unidades educacionais e em sua
organização, que não acarretem ônus desproporcional ou indevido, como acessibilidade
472
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
arquitetônica, nos mobiliários e nos equipamentos, nos transportes, na comunicação e na
informação;
X - articulação intersetorial na implementação das políticas públicas.
§ 1º Para dar cumprimento ao disposto no inciso VII do “caput” deste artigo, a unidade
educacional deverá, se necessário, acionar os profissionais da saúde, as instituições
conveniadas e outras visando a orientação dos procedimentos a serem adotados pela
comunidade educativa.
§ 2º A matrícula do educando e educanda público-alvo da Educação Especial não
caracterizará, por si só, justificativa para adequação do número de educandos e educandas,
devendo ser considerados os critérios previstos no inciso VIII do “caput” deste artigo.
CAPÍTULO III
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – AEE
Art. 5º Para os fins do disposto neste decreto, considera-se Atendimento Educacional
Especializado - AEE o conjunto de atividades e recursos pedagógicos e de acessibilidade
organizados institucionalmente, prestado em caráter complementar ou suplementar às
atividades escolares, destinado ao público-alvo da Educação Especial que dele necessite.
§ 1º O AEE terá como função identificar, elaborar e organizar recursos pedagógicos e de
acessibilidade que eliminem as barreiras existentes no processo de escolarização e
desenvolvimento dos educandos e educandas, considerando as suas necessidades
específicas e assegurando a sua participação plena e efetiva nas atividades escolares.
§ 2º A oferta do AEE será realizada, de maneira articulada, pelos educadores da unidade
educacional e pelos professores responsáveis pelo AEE.
473
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3º A oferta do AEE dar-se-á nos diferentes tempos e espaços educativos, sob as seguintes
formas:
I - no contraturno;
II - por meio de trabalho itinerante;
III - por meio de trabalho colaborativo.
§ 4º Será assegurado o AEE às crianças matriculadas em Centros de Educação Infantil - CEIs,
Escolas Municipais de Educação Infantil – EMEIs e Centros Municipais de Educação Infantil –
CEMEIs.
§ 5º Para os fins do disposto no § 4º deste artigo, o Secretário Municipal de Educação
editará portaria regulamentando a oferta e organização do AEE.
Art. 6º Na Educação de Jovens e Adultos - EJA, a Educação Especial atuará nas unidades
educacionais e espaços educativos a fim de possibilitar a ampliação de oportunidades de
escolarização, a formação para inserção no mundo do trabalho, a autonomia e a plena
participação social.
§ 1º Na EJA, a oferta e a organização do AEE serão condizentes com os interesses,
necessidades e especificidades desses grupos etários.
§ 2º Visando dar cumprimento ao disposto no § 1º deste artigo, o trabalho dos professores
das classes e turmas da EJA deverá ser articulado com o trabalho dos professores do AEE no
que diz respeito à elaboração de estratégias pedagógicas e formativas e às metodologias,
de modo a favorecer a aprendizagem e a participação dos educandos e educandas jovens e
adultos no contexto escolar e na vida social.
CAPÍTULO IV
SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL
474
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 7º Consideram-se Serviços de Educação Especial aqueles prestados por:
I - Centros de Formação e Acompanhamento à Inclusão – CEFAIs;
II - Salas de Recursos Multifuncionais – SRMs (antes denominadas Salas de Apoio e
Acompanhamento à Inclusão – SAAIs);
III - Professores de Atendimento Educacional Especializado – PAEEs (antes denominados
Professores Regentes de SAAIs);
IV - Instituições Conveniadas de Educação Especial;
V - Escolas Municipais de Educação Bilíngue para Surdos – EMEBSs;
VI - Unidades Polo de Educação Bilíngue.
Parágrafo único. De acordo com as suas especificidades, os Serviços de Educação Especial
serão responsáveis pela oferta do AEE, juntamente com as unidades educacionais.
Art. 8º O CEFAI será composto por:
I - Coordenador: profissional de educação, integrante da carreira do Magistério Municipal,
nomeado como Assistente Técnico de Educação I, com habilitação ou especialização em
Educação Especial, em uma de suas áreas, ou em Educação Inclusiva;
II - Professores de Apoio e Acompanhamento à Inclusão - PAAIs, designados pelo Secretário
Municipal de Educação, dentre os professores da carreira do Magistério Municipal, com
habilitação ou especialização em Educação Especial, em uma de suas áreas, ou em Educação
Inclusiva;
III - Auxiliar Técnico de Educação, integrante do Quadro dos Profissionais da Educação da
Rede Municipal de Ensino.
475
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º O CEFAI será composto por 8 (oito) PAAIs, podendo esse número ser ampliado,
justificada a necessidade, por solicitação fundamentada do Diretor Regional de Educação e
com anuência do Secretário Municipal de Educação.
§ 2º O CEFAI será vinculado à Divisão Pedagógica – DIPED e integrará a DRE.
§ 3º A DRE será responsável por disponibilizar, aos CEFAIs, os recursos humanos e materiais
necessários ao desenvolvimento de seus trabalhos nas unidades educacionais.
§ 4º Competirá à DIPED e ao CEFAI, em conjunto com os demais profissionais da DRE,
articular e desenvolver ações que garantam a implementação das políticas públicas de
Educação Especial e das diretrizes da Secretaria Municipal de Educação em cada território.
§ 5º Competirá ao Coordenador elaborar, coordenar, implementar e avaliar o plano de
trabalho do CEFAI, em consonância com as diretrizes da Secretaria Municipal de Educação e
da DRE.
§ 6º Competirá ao PAAI realizar trabalho de orientação, de formação continuada e de
acompanhamento pedagógico para as unidades educacionais, ficando responsável pela
organização do AEE, por meio de trabalho itinerante e mediante atuação conjunta com os
profissionais da DRE e da unidade educacional.
§ 7º Competirá ao Auxiliar Técnico de Educação executar as atividades técnicoadministrativas do CEFAI que lhe forem atribuídas pelo Coordenador, respeitada a legislação
em vigor.
Art. 9º A Sala de Recursos Multifuncionais – SRM poderá ser instalada em unidades
educacionais e espaços educativos com local adequado e dotada, pela unidade educacional,
pela DRE e pela Secretaria Municipal de Educação, com equipamentos, mobiliários e
materiais didáticos e pedagógicos para a oferta do AEE no contraturno.
476
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Parágrafo único. A SRM será instalada mediante indicação do CEFAI em conjunto com o
Supervisor Escolar, em função da existência de demanda.
Art. 10. O Professor de Atendimento Educacional Especializado - PAEE será designado, por
ato do Secretário Municipal de Educação, dentre integrantes da Classe dos Docentes do
Quadro do Magistério Municipal, efetivos e estáveis, com habilitação ou especialização em
Educação Especial, em uma de suas áreas, ou em Educação Inclusiva.
Art. 11. As instituições de direito privado, sem fins lucrativos, voltadas ao atendimento do
público-alvo da Educação Especial e que tenham convênio com a Secretaria Municipal de
Educação deverão observar as diretrizes deste decreto e a legislação vigente.
Parágrafo único. Quando necessário e caso haja anuência da família, os educandos e as
educandas serão encaminhados às instituições de que trata o “caput” deste artigo,
atendidos os seguintes critérios:
I - indicação, mediante avaliação pedagógica, de que o educando ou educanda se
beneficiará do atendimento oferecido;
II - verificação da capacidade de atendimento da demanda para AEE no contraturno escolar,
nas SRMs existentes no território;
III - modalidade de atendimento estabelecida no termo de convênio;
IV – público-alvo estabelecido no termo de convênio.
CAPÍTULO V
EDUCAÇÃO BILÍNGUE
Art. 12. A Educação Bilíngue, no âmbito da Rede Municipal de Ensino, será assegurada aos
educandos e educandas com surdez, surdez associada a outras deficiências e surdocegueira,
477
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
ficando adotada a Língua Brasileira de Sinais - Libras como primeira língua e a língua
portuguesa, na modalidade escrita, como segunda língua.
§ 1º A Educação Bilíngue deverá contemplar os Componentes Curriculares da Base Nacional
Comum e as condições didático-pedagógicas para que a Libras e a língua portuguesa
constituam línguas de instrução, comunicação e de circulação na escola.
§ 2º A Educação Bilíngue será ofertada em:
I - Escolas Municipais de Educação Bilíngue para Surdos – EMEBSs;
II - Unidades Polo de Educação Bilíngue, para surdos e ouvintes;
III - escolas comuns: unidades educacionais de Educação Infantil, Ensino Fundamental,
Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos para surdos e ouvintes, com a indicação de:
a) agrupar os educandos e educandas com surdez na mesma turma, considerando a idade
cronológica e o agrupamento, turma e etapa no processo de compatibilização da demanda,
devido à diferença linguística, objetivando a circulação e o uso de Libras;
b) assegurar a oferta do AEE aos educandos e educandas com surdez, contemplando
atividades em Libras, bem como ensino e aprimoramento de Libras e ensino de língua
portuguesa.
Art. 13. A oferta da Educação Bilíngue nas unidades educacionais deverá, de acordo com a
necessidade dos educandos e das educandas, contar com o apoio dos seguintes
profissionais:
I - para as EMEBSs, instrutor de Libras, preferencialmente surdo, e guia-intérprete de
Libras/língua portuguesa;
478
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - para as Unidades Polo de Educação Bilíngue e as escolas comuns, instrutor de Libras,
preferencialmente surdo, intérprete de Libras/língua portuguesa e guia-intérprete de
Libras/língua portuguesa.
Art. 14. A aquisição de Libras dar-se-á por meio da interação dos educandos e educandas
com surdez com toda a comunidade educativa em que a Libras seja considerada língua de
comunicação e de instrução, devendo possibilitar aos surdos o acesso ao conhecimento, a
ampliação do uso social da língua nos diferentes contextos e a reflexão sobre o
funcionamento da língua e da linguagem em seus diferentes usos.
Art. 15. A língua portuguesa, como segunda língua, deverá contemplar o ensino da
modalidade escrita, considerada como fonte necessária para que o educando e a educanda
com surdez possam construir seu conhecimento, para uso complementar e auxiliar na
aprendizagem das demais áreas de conhecimento.
Art. 16. As unidades educacionais deverão garantir ações interdisciplinares visando a
circulação de Libras e o desenvolvimento e aprendizagem dos educandos e das educandas
com surdez, bem como a formação continuada em Libras, envolvendo os profissionais da
unidade educacional, educandos e educandas, famílias e comunidade por meio da
organização de projetos e de atividades previstos no PPP.
Art. 17. As DREs poderão, em atuação conjunta com o CEFAI e a Supervisão Escolar, propor
a implantação de Unidades Polo de Educação Bilíngue em unidades educacionais da Rede
Municipal de Ensino, quando constatada a existência de demanda, espaço físico adequado,
recursos necessários e parecer favorável do Conselho de Escola quanto à adesão ao projeto.
Parágrafo único. A implantação de Unidade Polo de Educação Bilíngue nas unidades
educacionais dar-se-á por ato oficial do Secretário Municipal de Educação.
479
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 18. As atuais SAAIs Bilíngue I e SAAIs Bilíngue II instaladas nas Unidades Polo de
Educação Bilíngue passarão a ser denominadas Classes Bilíngue I e Classes Bilíngue II.
Art. 19. Os professores que atuam nas EMEBSs e Classes Bilíngues serão denominados
Professores Bilíngues.
Parágrafo único. Os Professores Bilíngues deverão comprovar habilitação em sua área de
atuação, habilitação específica na área de surdez, em nível de graduação ou especialização,
na forma da legislação em vigor, além do domínio de Libras.
Art. 20. A Educação Bilíngue desenvolvida nas unidades educacionais deverá compor o PPP
de cada unidade educacional e considerar as diretrizes estabelecidas pela Secretaria
Municipal de Educação.
CAPÍTULO VI
SERVIÇOS DE APOIO
Art. 21. Os serviços de apoio serão oferecidos por:
I - Auxiliar de Vida Escolar – AVE: profissional com formação em nível médio, contratado por
empresa conveniada com a Secretaria Municipal de Educação, para oferecer suporte
intensivo aos educandos e educandas com deficiência e TGD que não tenham autonomia
para as atividades de alimentação, higiene e locomoção;
II - Estagiário do Quadro Aprender Sem Limite: estudante do curso de Licenciatura em
Pedagogia, contratado por empresa conveniada com a Secretaria Municipal de Educação,
para apoiar, no desenvolvimento do planejamento pedagógico e atividades pedagógicas, os
professores das salas de aula que tenham matriculados educandos e educandas
considerados público-alvo da Educação Especial, mediante avaliação da necessidade do
serviço pela DRE, DIPED e CEFAI.
480
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º A indicação do AVE será realizada mediante avaliação da necessidade do serviço pela
DRE, por meio da DIPED e do CEFAI.
§ 2º As atividades relacionadas aos cuidados oferecidos pelo profissional de que trata o
inciso I do “caput” deste artigo não configuram atendimento na área da saúde.
Art. 22. A existência dos serviços de apoio não será condição para a efetivação da matrícula
ou frequência na unidade educacional.
Parágrafo único. As unidades educacionais deverão se organizar com o seu quadro de
profissionais, a fim de assegurar o atendimento às necessidades dos educandos e
educandas, de acordo com o disposto no inciso VII do artigo 4º deste decreto.
Art. 23. Serão assegurados os seguintes serviços de suporte técnico e de apoio intensivo:
I - Auxiliar de Vida Escolar – AVE, nos termos do inciso I do “caput” e do § 1º do artigo 21
deste decreto;
II - Supervisão Técnica, com a função de orientar a atuação dos AVEs, oferecer às equipes
escolares suporte e orientação técnica sobre sua área de atuação, ações formativas aos
profissionais da Rede Municipal de Ensino, além da indicação de tecnologia assistiva;
III - Núcleo Multidisciplinar, que integra a equipe do Núcleo de Apoio e Acompanhamento
para a Aprendizagem – NAAPA, criado pelo Decreto nº 55.309, de 17 de julho de 2014,
desenvolvendo, quando necessário:
a) atividades de avaliação, apoio e encaminhamento dos educandos e educandas com
suspeita ou quadros de deficiência, TGD, altas habilidades e outros;
b) apoio às unidades educacionais e CEFAIs, mediante articulação intersetorial no território e
fortalecimento da Rede de Proteção Social, observada a sua área de atuação.
481
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Parágrafo único. Os serviços de que trata este artigo poderão ser realizados por meio da
celebração de convênios ou parcerias com instituições especializadas e serão
regulamentados em portaria do Secretário Municipal de Educação.
CAPÍTULO VII
ELIMINAÇÃO DE BARREIRAS E ACESSIBILIDADE
Art. 24. A Secretaria Municipal de Educação promoverá a acessibilidade e a eliminação de
barreiras de acordo com as normas técnicas em vigor.
§ 1º Para os fins deste decreto, consideram-se barreiras, dentre outras, quaisquer entraves,
obstáculos, atitudes ou comportamentos que limitem ou impeçam o exercício dos direitos
dos educandos e educandas à participação educacional, gozo, fruição, acessibilidade,
liberdade de movimento e expressão, comunicação, acesso à informação, compreensão e
circulação.
§ 2º As barreiras classificam-se em:
I - barreiras arquitetônicas: entraves estruturais do equipamento educacional que dificultem
a locomoção do educando e educanda;
II - barreiras nas comunicações e na informação: qualquer entrave, obstáculo, atitude ou
comportamento que dificulte ou impossibilite a comunicação expressiva e receptiva, por
meio de códigos, línguas, linguagens, sistemas de comunicação e de tecnologia assistiva;
III - barreiras atitudinais: atitudes ou comportamentos que impeçam ou prejudiquem a
participação plena da pessoa com deficiência em igualdade de condições e oportunidades
com as demais pessoas.
Art. 25. A promoção da acessibilidade, visando a eliminação das barreiras, considerará:
482
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
I - a acessibilidade arquitetônica: a eliminação das barreiras arquitetônicas nas unidades
educacionais, criando condições físicas, ambientais e materiais à participação, nas atividades
educativas, dos educandos e educandas que utilizam cadeira de rodas, com mobilidade
reduzida, cegos ou com baixa visão;
II - a acessibilidade física: a aquisição de mobiliário adaptado, equipamentos e materiais
específicos, conforme a necessidade dos educandos e educandas, com acompanhamento
dos responsáveis pelo AEE, para assegurar a sua adequada utilização;
III - a acessibilidade de comunicação, que abrange:
a) a eliminação de barreiras na comunicação, estabelecendo mecanismos e alternativas
técnicas para garantir o acesso à informação, à comunicação e ao pleno acesso ao currículo;
b) a consideração da comunicação como forma de interação por meio de línguas, inclusive a
Libras, visualização de textos, Braille, sistema de sinalização ou comunicação tátil, caracteres
ampliados, dispositivos multimídia, linguagem simples, escrita e oral, sistemas auditivos,
meios de voz digitalizados, modos, meios e formatos aumentativos e alternativos de
comunicação e de tecnologias da informação e das comunicações, dentre outros;
c) a implantação e ampliação dos níveis de comunicação para os educandos e educandas
cegos, surdos ou surdocegos;
d) o acesso à comunicação para educandos e educandas com quadros de deficiência ou
TGD que não fazem uso da oralidade, por meio de recursos de comunicação alternativa ou
aumentativa, quando necessário;
e) o acesso ao currículo para os educandos e educandas com baixa visão, assegurando os
materiais e equipamentos necessários;
483
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
IV - o transporte escolar municipal gratuito, por meio de veículos adaptados, quando
necessário.
CAPÍTULO VIII
DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 26. As disposições deste decreto aplicam-se, no que couber, às instituições de Educação
Infantil sob a supervisão da Secretaria Municipal de Educação.
Art. 27. A Secretaria Municipal de Educação, por meio da Divisão de Educação Especial,
fixará as normas complementares, específicas e intersetoriais que viabilizem a implantação e
implementação da Política Paulistana de Educação Especial, na Perspectiva da Educação
Inclusiva, ora instituída.
Art. 28. As despesas decorrentes da execução deste decreto correrão por conta de dotações
orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.
Art. 29. Este decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogados os Decretos nº
45.415, 18 de outubro de 2004, e nº 51.778, de 14 de setembro de 2010.
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 13 de outubro de 2016, 463º da fundação
de São Paulo.
FERNANDO HADDAD, PREFEITO
NADIA CAMPEÃO, Secretária Municipal de Educação
FRANCISCO MACENA DA SILVA, Secretário do Governo Municipal
Publicado na Secretaria do Governo Municipal, em 13 de outubro de 2016.
484
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Portaria nº 8.764, de 23 de dezembro de 2016. Regulamenta o Decreto nº 57.379/2016
que Institui no Sistema Municipal de Ensino a Política Paulistana de Educação Especial,
na Perspectiva da Educação Inclusiva. São Paulo, 2016.
A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, e,
CONSIDERANDO:
- os princípios que fundamentam a Política Paulistana de Educação Especial, na Perspectiva
da Educação Inclusiva;
- a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (ONU 2007), ratificada no
Brasil com status de emenda constitucional por meio dos Decretos nº 186/2008 e nº
6.949/2009, que indicam que a “pessoas com deficiência são aquelas que têm
impedimentos de longo prazo, de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em
interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na
sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas”;
- que a Educação Especial é uma modalidade de ensino não substitutiva ao ensino regular,
que perpassa todas as etapas e modalidades do Sistema Municipal de Ensino, e será
ofertada em consonância com a legislação vigente e com os documentos e diretrizes desta
Secretaria;
- a necessidade de se estabelecer critérios que organizem o acesso e as garantias para a
permanência dos educandos(as) público alvo da Educação Especial nas Unidades
Educacionais da RME; a oferta do Atendimento Educacional Especializado – AEE; os serviços
de Educação Especial e os Serviços de Apoio a esta modalidade; a oferta da Educação
Bilíngue e as ações para eliminação de barreiras e promoção de acessibilidade,
RESOLVE:
Art. 1º - A Política Paulistana de Educação Especial, na perspectiva da educação inclusiva,
instituída pelo Decreto nº 57.379, de 13/10/16, fica estabelecida nos termos do referido
Decreto e regulamentada na conformidade da presente Portaria.
I - ACESSO E PERMANÊNCIA
Art. 2º - Para os fins do disposto nesta Portaria serão considerados como público-alvo da
educação especial os educandos e educandas com deficiência, transtornos globais do
desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação.
485
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Parágrafo Único - O responsável pelo cadastramento dos educandos e educandas públicoalvo da Educação Especial no Sistema EOL e no Censo Escolar, deverá basear-se no Anexo I,
parte integrante desta Portaria, consultado os CEFAIs, se necessário.
Art. 3º - Os educandos e educandas público-alvo da Educação Especial serão matriculados
nas classes comuns e terão assegurada a oferta do Atendimento Educacional Especializado
– AEE.
Art. 4º - O Projeto Político-Pedagógico - PPP de todas as Unidades Educacionais/Espaços
Educativos da RME deverá considerar as mobilizações indispensáveis ao atendimento das
necessidades específicas dos educandos e educandas público-alvo da Educação Especial,
assegurando a institucionalização da oferta do AEE nos diferentes tempos e espaços
educativos.
Parágrafo Único - A descrição das mobilizações citadas no caput deste artigo está
especificada no documento constante do Anexo II, parte integrante desta Portaria.
II - SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL
Art. 5º - Considerar-se-ão serviços de Educação Especial nos termos do art. 7º do Decreto
nº 57.379, de 13/10/16, organizados de acordo com as diretrizes da SME e oferecidos na
Rede Municipal de Ensino:
I - Centro de Formação e Acompanhamento à Inclusão – CEFAI;
II - Salas de Recursos Multifuncionais – SRM;
III – Professores de Atendimento Educacional Especializado – PAEE;
IV – Instituições Conveniadas de Educação Especial;
V - Escolas Municipais de Educação Bilíngue para Surdos – EMEBSs;
VI – Unidades Polo de Educação Bilíngüe.
Art. 6º - Os CEFAIs, compostos por Coordenadores, PAAIs e ATEs, deverão funcionar em
espaços adequados, que comportem:
a) formações de educadores;
b) produção de materiais;
c) acervo de materiais e equipamentos específicos;
d) acervo bibliográfico;
e) desenvolvimento de projetos.
Art. 7º - O CEFAI, por meio da atuação de seu Coordenador e pelo trabalho dos Professores
de Apoio e Acompanhamento à Inclusão – PAAIs, profissionais vinculados a este Centro e
que realizam o apoio e acompanhamento pedagógico à Comunidade Educativa, terão como
atribuições:
I - analisar a demanda do território otimizando o uso dos serviços de Educação Especial e
dos recursos humanos disponíveis, visando ampliar a oferta de AEE;
II - implementar as diretrizes relativas às Políticas de Educação Especial da SME, articular as
ações intersetoriais e intersecretariais com vistas a fortalecer a Rede de Proteção Social no
âmbito de cada território;
486
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
III - organizar, coordenar, acompanhar e avaliar ações de formação permanente aos
educadores das Unidades Educacionais por meio de cursos, reuniões formativas, grupos de
estudo, seminários e formação in loco, nos horários coletivos e em outros planejados pelas
Equipes Gestoras;
IV - participar das discussões sobre as práticas educacionais desenvolvidas nas U.Es, em
parceria com o Coordenador Pedagógico, os familiares e responsáveis e demais educadores
envolvidos, na construção de ações que garantam a aprendizagem, o desenvolvimento, a
autonomia e a participação plena dos educandos e educandas;
V – disponibilizar, com recursos fornecidos pela SME/DRE, materiais às Unidades
Educacionais, bem como orientá-las quanto à utilização dos recursos financeiros para a
aquisição de materiais e o desenvolvimento de suas ações voltadas ao AEE;
VI - apoiar a institucionalização do AEE no Projeto Político - Pedagógico das Unidades
Educacionais;
VIII - realizar o AEE itinerante, por meio da atuação colaborativa, nos diferentes tempos e
espaços educativos, dentro do turno de aula do educando e educanda, colaborando com o
professor regente da classe comum e demais educadores no desenvolvimento de
estratégias e recursos pedagógicos e de acessibilidade;
IX – orientar, acompanhar a elaboração e execução do Plano de AEE, de forma articulada
com os demais educadores da U.E, nas formas de contraturno e colaborativo nos termos do
§ 3º do Artigo 5º do Decreto nº 57.379/16, dos educandos e educandas de acordo com o
Anexo III, parte integrante desta Portaria;
X – acompanhar, avaliar e reorientar as ações desenvolvidas pelo Professor de Atendimento
Educacional Especializado – PAEE;
XI - promover ações que fortaleçam o diálogo, a participação e orientem à comunidade
escolar, em relação aos direitos das pessoas com deficiência, bem como a importância do
envolvimento dos familiares e responsáveis no acompanhamento da vida escolar;
XII – estabelecer parceria com o Supervisor Escolar, no acompanhamento, orientação e
avaliação do trabalho desenvolvido nas instituições de Educação Especial conveniadas à
SME;
XIII – sistematizar e documentar as práticas pedagógicas do território, produzindo dados e
registros para contribuir na elaboração de políticas para a área no âmbito da SME;
XIV – elaborar e manter atualizados os registros do acompanhamento às U.Es e das demais
ações desenvolvidas;
XV - elaborar, ao final de cada ano, relatório circunstanciado de suas ações, divulgando-o e
mantendo os registros e arquivos atualizados.
Art. 8º - Caberá a SME/DIEE, em parceria com os CEFAIs, oferecer formação continuada aos
Professores, inclusive em nível de especialização/ pós-graduação para o trabalho nas classes
comuns e com as atividades próprias do AEE.
Art. 9º - As Salas de Recursos Multifuncionais – SRMs são destinadas à oferta do
Atendimento Educacional Especializado, no contraturno escolar, em caráter complementar
487
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
ou suplementar para educandos e educandas público-alvo da educação especial, desde que
identificada a necessidade deste serviço, após avaliação pedagógica/estudo de caso;
Art. 10 – As Salas de Recursos Multifuncionais – SRMs serão instaladas por ato oficial do
Secretário Municipal de Educação, de acordo com o Art. 9º do Decreto nº 57.379, de
13/10/2016.
§ 1º - O AEE no contraturno, ofertado nas SRM de que trata o caput deste artigo poderá
estender-se a educandos e educandas matriculados em outras U.Es da RME onde inexista
tal atendimento.
§ 2º - O acervo inicial de mobiliários e recursos didático-pedagógicos, bem como os
equipamentos tecnológicos e os de informática que comporão a SRM, deverão ser
adquiridos pela U.E/DRE/SME.
Art. 11 – Para instalação da SRM constituir-se-á expediente a ser enviado a SME, composto
dos seguintes documentos:
I – parecer sobre a análise da demanda da U.E. e/ou do território a ser atendida, elaborado
pelo CEFAI em parceria com a Supervisão Escolar;
II – parecer da DIAF/DRE quanto aos aspectos de infraestrutura que assegurem o
atendimento, com posterior homologação do Diretor Regional de Educação.
Parágrafo Único – A SME/ Divisão de Educação Especial - DIEE ratificará a solicitação e
enviará o expediente para publicação no DOC.
Art. 12 – A extinção da SRM dar-se-á por ato do Secretário Municipal de Educação,
mediante expediente próprio instruído com:
I – ofício da U.E ou da DRE, justificando a extinção;
II – parecer favorável do Supervisor Escolar e do CEFAI, justificando de que forma se dará a
oferta do AEE à demanda na U.E e entorno;
III – parecer conclusivo da DIEE.
Art. 13 – Os Professores de Atendimento Educacional Especializado – PAEEs terão suas
funções e atribuições descritas nos termos do art. 43 desta Portaria.
Art. 14 – O atendimento prestado pelas instituições conveniadas de Educação Especial
deverá estar em consonância com as diretrizes e princípios da política educacional da SME.
Art. 15 – Visando facilitar a necessária articulação entre o AEE e o ensino comum, os
educandos e educandas devem ser, preferencialmente, atendidos pelos serviços de
Educação Especial da rede direta e encaminhados para as Instituições Conveniadas de
Educação Especial, quando constatada a necessidade, de acordo com o estabelecido no art.
11, do Decreto nº 57.379/2016.
Art. 16 – A organização e funcionamento das Escolas Municipais de Educação Bilíngue para
Surdos - EMEBSs e Unidades-Polo de Educação Bilíngue, respeitadas as especificidades de
cada unidade, estarão elencadas nos arts. 46 a 82 desta Portaria;
III - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – AEE
488
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 17 – O AEE, institucionalizado no Projeto Político-Pedagógico das U.Es, será organizado
e prestado de acordo com o disposto nos artigos 5º e 6º do Decreto nº 57.379/16, bem
como no art. 23 desta Portaria;
Art. 18 - O Professor de Atendimento Educacional Especializado - PAEE e o Professor de
Apoio e Acompanhamento à Inclusão – PAAI serão os responsáveis pelo AEE, e por sua
oferta, de maneira articulada com os educadores da U.E, observadas as funções que lhe são
próprias.
§ 1º – Para cada educando ou educanda atendido deverá ser elaborado um Plano de
Atendimento Educacional Especializado, conforme disposto no Anexo III, parte integrante
desta Portaria, que se constituirá em orientador do atendimento, independentemente da
forma ofertada.
§ 2º - Quando, após avaliação pedagógica/estudo de caso se constatar que o educando ou
educanda não será encaminhado ao AEE, em quaisquer de suas formas, para fins de
registro, o Plano do AEE deverá ser elaborado com esta orientação.
Art. 19 - A oferta do AEE deve ser assegurada, cabendo aos educadores da Unidade
Educacional e aos demais profissionais envolvidos orientar os familiares e responsáveis, bem
como o educando e educanda quanto à importância do atendimento e suas diferentes
formas.
Art. 20 - Os educandos e educandas público-alvo da Educação Especial, acometidos por
enfermidades ou doenças que os impossibilitem de frequentar as aulas, com permanência
prolongada em domicílio, terão assegurados o AEE, quando necessário, considerando as
atividades específicas constantes no art.22 desta Portaria e o Plano de AEE.
Parágrafo Único - Compete à Equipe Gestora e ao professor da classe comum, orientados
pelo Supervisor Escolar, a operacionalização do atendimento pedagógico domiciliar, visando
o acesso ao currículo aos educandos e educandas referidos no caput do artigo;
Art. 21 - O encaminhamento dos educandos e educandas público-alvo da Educação Especial
para o AEE dar-se-á após avaliação pedagógica/estudo de caso conforme o Anexo IV desta
Portaria, envolvendo a equipe escolar, o educando e educanda, os professores que atuam
no AEE, os familiares e responsáveis e, se necessário, a Supervisão Escolar e outros
profissionais envolvidos no atendimento.
§ 1º - A necessidade de avaliação pedagógica/ estudo de caso de que se trata o caput deste
artigo poderá ser constatada:
a) pelos educadores das classes comuns e/ou pela equipe gestora;
b) pelo PAEE, nas U.Es que contam com o profissional;
c) pelo PAAI que realiza o acompanhamento pedagógico à U.E.
§ 2º - O encaminhamento dos educandos e educandas para o AEE deverá ser orientado
pelas necessidades específicas quanto às atividades próprias deste atendimento, e não
apenas pela existência da deficiência, TGD ou AH/SD.
489
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3º - O processo de encaminhamento de educandos e educandas para o AEE, bem como a
decisão sobre seu desligamento ou permanência neste atendimento, poderá ocorrer em
qualquer época do ano e deverá ser acompanhado pelo CEFAI, considerando:
a) o Projeto Político-Pedagógico da Unidade Educacional que deverá assegurar os direitos
de aprendizagem, o trabalho com a diversidade, as estratégias de ensino inclusivas, os
recursos pedagógicos e a acessibilidade;
b) a problematização das práticas pedagógicas desenvolvidas e o atendimento das
necessidades específicas dos educandos e educandas no âmbito da classe comum sob a
orientação do Coordenador Pedagógico, dos professores responsáveis pelo AEE e
educadores da Unidade Educacional;
c) o Plano do AEE.
Art. 22 - As atividades próprias do Atendimento Educacional Especializado - AEE, de acordo
com as necessidades educacionais específicas do público-alvo da educação especial serão:
I - ensino do sistema Braille, do uso do soroban e das técnicas para a orientação e
mobilidade;
II - estratégias para o desenvolvimento da autonomia e independência;
III - estratégias para o desenvolvimento de processos mentais;
IV - ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras, como primeira língua, para educandos e
educandas com surdez;
V - ensino de Língua Portuguesa na modalidade escrita, como segunda língua, para
educandos e educandas com surdez;
VI - ensino do uso da Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA);
VII - ensino da informática acessível e do uso dos recursos de Tecnologia Assistiva – TA;
VIII - orientação de atividades de enriquecimento curricular para as altas habilidades ou
superdotação.
Parágrafo Único - As atividades próprias do Atendimento Educacional Especializado
elencadas no caput deste artigo estão descritas no Anexo I desta Portaria.
Art. 23 - O AEE nas Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino será organizado
nas seguintes formas:
I – colaborativo: desenvolvido dentro do turno, articulado com profissionais de todas as
áreas do conhecimento, em todos os tempos e espaços educativos, assegurando
atendimento das especificidades de cada educando e educanda, expressas no Plano de AEE,
por meio de acompanhamento sistemático do PAEE;
II – contraturno: atendimento às especificidades de cada educando e educanda, expressas
no Plano de AEE, no contraturno escolar, realizado pelo PAEE, na própria U.E, em U.E do
entorno ou em Centro de Atendimento Educacional Especializado – CAEE em Instituição de
Educação Especial conveniada com a SME.
III - Itinerante: dentro do turno, de forma articulada e colaborativa com professores da
turma, a Equipe Gestora, o PAAI e demais profissionais, assegurando atendimento às
especificidades de cada educando e educanda, expressas no Plano de AEE.
490
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 1º - No AEE Colaborativo previsto no inciso I deste artigo, o trabalho a ser realizado
deverá considerar o fortalecimento da atuação dos professores do AEE em parceria com os
Coordenadores Pedagógicos, junto aos professores regentes das classes comuns, com apoio
ao planejamento, acompanhamento e avaliação das estratégias para a eliminação de
barreiras e acesso ao currículo;
§ 2º – As atividades previstas no AEE colaborativo, contraturno ou itinerante não
substituirão aquelas desenvolvidas para todos os educandos e educandas nas classes
comuns e demais espaços educativos, não devendo ser confundido ou considerado como
recuperação paralela ou atividade terapêutica.
§ 3º - Fica vedada qualquer forma de organização do AEE ou estratégia/recurso que impeça
a acesso às atividades educacionais com seu agrupamento/turma/etapa.
§ 4º - Para educandos e educandas com matrícula em período integral, ou de
agrupamento/turma que aderiram ao Programa “São Paulo Integral”, por período mínimo
de 07 (sete) horas (relógio) diárias, o atendimento previsto na forma contraturno escolar, em
ampliação à sua jornada integral somente será ofertado nos casos onde o educando ou
educanda, comprovadamente, não puder se beneficiar das formas de atendimento previstas
nos incisos I e III deste artigo, mediante anuência expressa dos pais ou responsáveis.
§ 5º - O CEFAI acompanhará a composição dos grupos e organização do atendimento a
demanda para o AEE nas Unidades Educacionais.
Art. 24 – O Plano de AEE será elaborado e executado pelos educadores da UE em conjunto
com o Professor do AEE e/ou com apoio do PAAI e deverá ser precedido de avaliação
pedagógica/estudo de caso, contemplando:
I – a identificação das habilidades, barreiras existentes, e necessidades educacionais
específicas dos educandos e educandas;
II – a definição e organização das estratégias, serviços e recursos pedagógicos e de
acessibilidade;
III – o tipo de atendimento conforme as necessidades educacionais específicas dos
educandos e educandas;
IV – o cronograma de atendimento;
V – a carga horária.
Art. 25 - A oferta do AEE na educação infantil deverá considerar o disposto na Nota Técnica
Conjunta N° 02/2015/MEC/SECADI/DPEE/SEB/DICEI, de 04 de agosto de 2015, que trata de
“Orientações para a organização e oferta do Atendimento Educacional Especializado na
Educação Infantil”.
§ 1º - O atendimento educacional especializado aos bebês e crianças público-alvo da
Educação Especial será feito, preferencialmente, no contexto da Unidade Educacional e em
seus diferentes espaços educativos, não substituindo as experiências oferecidas para todos
os bebês e crianças, de acordo com as propostas pertinentes ao currículo da infância.
491
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 2º - A organização do AEE na Educação Infantil demandará a articulação entre o professor
de referência do agrupamento/turma e o professor responsável pelo AEE, que de forma
colaborativa e articulada, observam e discutem:
a) as necessidades e potencialidades dos bebês e crianças público alvo da Educação
Especial;
b) as formas de promoção da estimulação necessária para a aprendizagem e
desenvolvimento dos bebês e crianças com deficiência;
c) a definição de estratégias e recursos pedagógicos e de acessibilidade que removam as
barreiras encontradas neste processo, bem como favoreçam o acesso deste público a todas
as experiências educacionais, assim como sua interação no grupo e sua plena participação;
d) as atividades próprias do AEE articuladas ao currículo da infância.
§ 3º - Para os bebês e as crianças de 0 a 3 anos, matriculadas nos Centros de Educação
Infantil – CEIs, CEMEIs e EMEIs, e para as crianças de 4 a 5 anos, matriculadas em EMEIs ou
CEMEIs em período integral, o AEE deverá ser realizado no seu horário de frequência à
unidade educacional, com atuação colaborativa entre os professores responsáveis pelo AEE
colaborativo, ou itinerante e os demais profissionais da U.E.
§ 4º - As crianças de 4 e 5 anos com matrícula na EMEI ou no CEMEI, em período parcial,
poderão ser encaminhadas para o AEE no contraturno escolar, após avaliação
pedagógica/estudo de caso que indique não ser possível o atendimento nas formas
previstas nos incisos I e III do art. 23, utilizando como critério, a necessidade específica da
criança em relação às atividades próprias do AEE elencadas no art. 22.
Art. 26 – Os CEFAIs deverão, no início de cada ano letivo, realizar chamamento público, via
DOC, com ampla divulgação entre as Unidades Educacionais para os profissionais
interessados em atuar como PAEE.
§ 1º - Os professores inscritos irão compor cadastro de reserva;
§ 2º - Os professores que não participaram do cadastramento inicial e manifestarem a
intenção de atuar como PAEE poderão, em qualquer período do ano letivo, realizar a sua
inscrição no CEFAI.
Art. 27 – São requisitos para o professor atuar na função de PAEE:
I- ser professor efetivo ou estável de Educação Infantil e Ensino Fundamental I ou Professor
de Ensino Fundamental II e Médio;
II - ser optante pela Jornada Básica do Docente – JBD ou Jornada Especial de Formação JEIF,
sendo vedada a designação de professores que optaram pela permanência na Jornada
Básica do Professor – JB;
III – possuir habilitação ou especialização em Educação Especial, em uma de suas áreas, ou
em Educação Inclusiva;
IV - quando em JBD, o professor deverá cumprir, obrigatoriamente, 10 h/a a título de
Jornada Especial de Trabalho Excedente - JEX, para atendimento a educandos e educandas;
V - disponibilidade para realizar o AEE colaborativo e no contraturno, atuando nos
diferentes períodos de funcionamento da escola;
492
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VI – conhecimento da legislação que organiza a Política Paulistana de Educação Especial e
as diretrizes da SME;
§ 1º - Estarão dispensados do cumprimento obrigatório da JEX descrita no Inciso IV deste
artigo os professores que acumulam cargos, desde que estejam designados para a função
de PAEE em ambos os cargos.
§ 2º – Os Professores da RME, que atenderem os critérios estabelecidos nos incisos I, II, IV, V
e VI deste artigo e que estejam regularmente matriculados em Cursos de Especialização em
Educação Especial (Pós Graduação Lato Sensu) oferecidos por instituições de ensino
superior, promovidos por SME/DIEE, poderão se inscrever e participar do processo seletivo
para exercer a função de PAEE e PAAI e, serem designados mediante autorização do
Secretário Municipal de Educação, em caráter excepcional.
Art. 28 – Os profissionais interessados em atuar como PAEE deverão:
I - se inscrever no(s) CEFAI(s) de sua preferência, preenchendo a ficha cadastral, conforme
Anexo V desta portaria, e apresentar os seguintes documentos:
a) documentos pessoais;
b) demonstrativo de pagamento;
c) diploma de graduação;
d) certificação da habilitação ou especialização em Educação Especial em uma de suas áreas
ou em educação inclusiva ou comprovante de matrícula e freqüência nos termos do § 2º do
art. 27 desta Portaria;
II - Entregar currículo e Projeto de Trabalho.
III – Participar de entrevista com o CEFAI.
Art. 29 – O CEFAI entrevistará os candidatos, analisará o currículo e a proposta de trabalho e
emitirá parecer que integrará a sua documentação no cadastro de reserva.
§ 1º - O candidato poderá solicitar ciência do parecer emitido pelo CEFAI.
§ 2º - O parecer emitido pelo CEFAI terá um caráter técnico com o intuito de contribuir com
as discussões do Conselho de Escola.
Art. 30 – Quando da existência de U.E que necessite de designação de PAEE, o CEFAI
realizará ampla divulgação da vaga aos educadores constantes do cadastro de reserva para
inscrição na U.E e participação da reunião de Conselho de Escola.
§ 1º - O período de inscrição na U.E deverá ser definido entre CEFAI e escola, não podendo
ser inferior a 3 (três) dias úteis;
§ 2º - Serão indeferidas as inscrições de professores que não tenham participado do
cadastramento inicial no CEFAI;
§ 3º - Após a comunicação da Unidade Educacional sobre as inscrições recebidas, o CEFAI
encaminhará à U.E os seguintes documentos: ficha de inscrição, proposta de trabalho,
currículo e parecer, com no mínimo 2 (dois) dias úteis de antecedência à realização da
reunião do Conselho de Escola;
493
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 4º - O Conselho de Escola deverá analisar a documentação dos professores interessados
considerando o Projeto Político-Pedagógico da U.E e às especificidades da demanda a ser
atendida, sendo responsável pela eleição do PAEE;
§ 5º - O CEFAI poderá participar da reunião de Conselho, com direito à voz, caso a U.E
entenda que colaborará com as discussões.
§ 6º – Na inexistência de candidatos interessados em atuar na U.E, serão abertas inscrições à
Rede Municipal de Ensino, divulgadas por meio de publicação no DOC, pela DRE/CEFAI,
procedendo-se, no que couber, nos termos dos artigos 26 a 30 desta Portaria;
Art. 31 – Uma vez eleito o PAEE, constituir-se-á expediente a ser enviado à SME, para fins de
designação, composto por:
I – documentos do interessado:
a) cópia dos documentos pessoais;
b) cópia do demonstrativo de pagamento;
c) cópia do diploma de graduação;
d) cópia da certificação da habilitação ou especialização em Educação Especial, em uma de
suas áreas ou em Educação Inclusiva;
e) comprovação de matrícula em curso de Especialização em Educação Especial, em uma de
suas áreas ou em Educação Inclusiva, e declaração de frequência emitida pela Instituição de
Ensino Superior nos casos em que o professor a ser designado atenda aos critérios contidos
no § 2º do art. 27, desta Portaria;
II – declaração da Unidade Educacional de lotação do professor eleito de que existe
professor substituto para a sua classe/aulas;
III - análise e emissão de parecer da SME/DIEE.
§ 1º - Designado, o PAEE deverá realizar, no prazo de, até, 2 (duas) semanas, estágio de 30
(trinta) horas-aula, sendo 20 (vinte) horas-aula em U.E(s) indicada(s) pelo CEFAI e 10 (dez)
horas-aula no próprio CEFAI, para orientação sobre o início do trabalho.
§ 2º - O início das atividades do PAEE na Unidade Educacional ficará condicionado à
publicação de sua designação no DOC e ao cumprimento do estágio referido no parágrafo
anterior.
§ 3º - Os Professores que já tiverem exercido a função de PAEE deverão realizar, no prazo de
1 (uma) semana, estágio de 15 (quinze) horas-aula, sendo 10 (dez) horas-aula em Unidade
Educacional indicada pelo CEFAI e 5 (cinco) horas-aula no próprio CEFAI, para orientação
sobre o início do trabalho.
§ 4º - O Diretor da(s) U.E(s) onde o estágio foi realizado deverá(ão) expedir documento
comprobatório do cumprimento do estagio, encaminhando-o à Unidade Educacional de
exercício do PAEE para ciência do Diretor de Escola e Supervisor Escolar, com posterior
arquivamento.
Art. 32 – Na 2ª quinzena do mês de novembro de cada ano, o Conselho de Escola deliberará
quanto à continuidade ou não da designação do PAEE, mediante avaliação do trabalho
494
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
desenvolvido, assiduidade e demais registros disponibilizados para esse fim, ouvidos o
CEFAI e, se necessário, a Supervisão Escolar;
Art. 33 – A cessação da designação do PAEE ocorrerá:
I – a pedido do interessado;
II – por deliberação do Conselho de Escola, conforme o art. 32 desta Portaria;
III – na hipótese referida no art. 34 desta Portaria.
Parágrafo Único – Em casos que, por meio do acompanhamento do trabalho desenvolvido
durante o ano letivo, o CEFAI e a Supervisão Escolar avaliarem a necessidade de cessação da
designação do PAEE, deverão se manifestar expressamente, fundamentados nos registros do
processo e nas diretrizes educacionais da SME, observado o prazo de, até, 15 (quinze) dias
de antecedência da data do referendo;
Art. 34 – Nos afastamentos do PAEE por períodos iguais ou superiores a 30 (trinta) dias
consecutivos, será cessada a sua designação, e adotar-se-ão os procedimentos previstos no
art. 30 desta Portaria, para escolha e designação de outro docente para a função.
Art. 35 – Cada PAEE atenderá de 12 (doze) a 20 (vinte) educandos e educandas,
independentemente da forma de AEE e da necessidade de acompanhamento às classes
comuns, considerando as necessidades específicas dos educandos e educandas e a
organização da Unidade Educacional.
Art. 36 – Para o pleno atendimento a demanda, o PAEE poderá cumprir sua jornada de
trabalho em 2(duas) U.Es da mesma DRE, que tenham de 05 (cinco) a 11 (onze) educandos e
educandas que necessitem de AEE, não ultrapassando o número máximo de educandos
atendidos previsto no art. 35 desta Portaria;
§ 1º – Para autorização da composição das duas Unidades que trabalharão com PAEE
compartilhado, a DRE/DIPED/CEFAI e a Supervisão Escolar deverão considerar:
a) atendimento integral da demanda das duas U.Es;
b) a proximidade;
c) a compatibilidade de horários e turnos.
§ 2º - Para organização do compartilhamento do PAEE, poderão ser consideradas a junção
de:
- EMEI com EMEI;
- EMEI com EMEF/EMEFM/CIEJA; ou
- EMEF/EMEFM/CIEJA com EMEF/EMEFM/CIEJA.
Art. 37- A indicação de um professor para à eleição de PAEE compartilhado para duas U.Es
nos termos do Art. 36 desta Portaria será de competência da DRE/CEFAI;
§ 1º - Os respectivos Diretores de Escola organizarão, em conjunto com o CEFAI o processo
eletivo, estabelecendo-se o mesmo período de inscrições nas duas U.Es e datas de reuniões
de Conselho de Escola, respeitando os prazos estabelecidos no art. 30 desta Portaria.
§ 2º - Na hipótese de o professor indicado não seja eleito nas duas U.Es, a DRE/CEFAI/UEs,
informadas, organizará novo processo eletivo, com a indicação de outro professor.
495
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3º - Caso seja eleito o mesmo candidato nas duas U.Es, será dada sequência ao processo
de designação, pela U.E onde o professor cumprirá a maior parte de sua jornada de
trabalho.
§ 4º - A 2ª Unidade Educacional de designação deverá providenciar.mensalmente, em
tempo hábil, o envio da FFI do PAEE à U.E sede;
§ 5º - Caso o PAEE eleito seja lotado em uma das U.Es de exercício, esta será sua sede; e no
caso das duas U.Es sejam diferentes da U.E de lotação, será considerada sede aquela onde o
PAEE exercer a maior parte de sua jornada.
§ 6º - Na hipótese do professor já estar designado como PAEE em uma U.E. e houver a
necessidade de designação em uma segunda U.E, o processo seguirá o descrito nos arts. 36
e 37 desta Portaria.
Art. 38 – Nas U.Es com número menor que 5 (cinco) educandos e educandas público alvo da
Educação Especial, estes deverão ser encaminhados para Unidades do entorno ou CAEE ou
contar com o AEE itinerante, por meio do CEFAI.
Art. 39 - A Unidade Educacional, que não possuir SEM instalada poderá designar um
Professor de AEE para atuar prestando Atendimento Educacional Especializado na forma
colaborativa e desde que:
I - comprovada a matrícula de, no mínimo 12 (doze) educandos ou educandas que
necessitem de AEE; ou
II - nos casos previstos no caput do art.36, desta Portaria.
Art. 40 - Visando a organização das escolas e o pleno atendimento à demanda, situações
não previstas nos arts. 35 a 39 desta Portaria, poderá, em caráter excepcional, ser autorizada
a designação de PAEE, após analise do CEFAI, Supervisão Escolar e posterior autorização do
Diretor Regional de Educação, sempre visando beneficiar os educandos e educandas que
serão atendidos.
Art. 41 – Os Professores de AEE, deverão cumprir semanalmente, respeitados os limites
estabelecidos na legislação em vigor:
I - JEIF ou JBD em acúmulo de cargos, quando designado PAEE em ambos os cargos, sendo:
a) 20 (vinte) horas/aula semanais: destinadas ao atendimento de educandos e educandas
em AEE no contraturno, ou colaborativo, de acordo com a demanda a ser atendida e seu
Plano de Trabalho, aprovado pela Supervisão Escolar;
b) 05 (cinco) horas, destinadas à articulação do trabalho com os demais educadores da
própria Unidade ou de Unidade do Entorno, quando educandos e educandas de outras
unidades frequentarem o AEE no contraturno;
c) horas-aula a título de Jornada Especial de Hora-Aula Excedente – JEX: destinadas à
ampliação do atendimento aos educandos e educandas, se necessário;
d) horas-aula a título de Jornada Especial de Trabalho Excedente – TEX: até 05 (cinco) horasaula, destinadas ao cumprimento de horário coletivo, planejamento da ação educativa e
atendimento aos pais, se necessário;
496
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - Em JBD: além da organização prevista no inciso I deste artigo - cumprimento de 10 h/a
semanais a título de JEX, destinadas ao atendimento de alunos em AEE no contraturno, ou
colaborativo, de acordo com a demanda a ser atendida e seu Plano de Trabalho, aprovado
pela Supervisão Escolar;
§ 1º - Em relação à articulação com Unidade do entorno, prevista na alínea “b” do inciso I do
art. anterior, ela poderá se dar:
a) por meio de visitas às Unidades do Entorno, devendo a U.E emitir atestado de presença
do PAEE, a ser entregue na sua U.E. de exercício, sendo esta a forma de articulação que deve
ser privilegiada;
b) recebimento de professores ou da Equipe Gestora da U.E. do entorno;
c) estabelecimento de contato telefônico ou digital;
§ 2º - O educando ou educanda atendido no contraturno escolar deverá ser acompanhado
sistematicamente pelo PAEE no seu turno regular, na sala de aula e nos demais espaços
educativos para acompanhamento da aplicabilidade dos recursos e estratégias de
acessibilidade desenvolvidas na SRM e o processo de aprendizagem.
Art. 42 - O horário de trabalho do PAEE, independentemente de sua jornada de trabalho,
deverá ser distribuído por todos os dias da semana;
§ 1º - O horário de trabalho do PAEE deve assegurar, além do Atendimento Educacional
Especializado, sua articulação no horário coletivo da(s) U.E(s) e sua articulação com os
demais educadores da(s) Unidade(s);
§ 2º - A organização do horário de trabalho do PAEE será de responsabilidade do próprio
servidor em conjunto com a Equipe Gestora da U.E. com a aprovação do Supervisor Escolar.
Art. 43 – São atribuições do Professor de Atendimento Educacional Especializado – PAEE:
I – identificar as barreiras que impedem a participação plena dos educandos e educandas
público-alvo da Educação Especial, nos diferentes tempos e espaços educativos, bem como
a necessidade de estratégias e recursos pedagógicos e de acessibilidade, considerando as
especificidades deste público;
II – elaborar e executar, de forma articulada com os demais educadores da UE, o Plano de
AEE dos educandos e educandas de acordo com o estabelecido no § 1º do art. 18 desta
Portaria;
III – acompanhar e avaliar a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos pedagógicos e de
acessibilidade na SRM, na classe comum e nos demais espaços educativos, por meio do
trabalho articulado com professores, com os demais profissionais da UE e com os familiares
e responsáveis;
IV– produzir materiais didáticos e pedagógicos, considerando as necessidades educacionais
específicas dos educandos e educandas, a partir dos objetivos e das atividades propostas no
currículo;
V - orientar professores, demais educadores, familiares e responsáveis sobre os recursos
pedagógicos e de acessibilidade utilizados pelos educandos e educandas;
497
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
VI – utilizar a tecnologia assistiva de forma a ampliar habilidades funcionais dos educandos
e educandas, promovendo autonomia e participação;
VII - articular, acompanhar e orientar o trabalho dos professores em relação ao
desenvolvimento, aprendizagem e a participação plena dos educandos e educandas nas
atividades educacionais;
VIII – desenvolver atividades próprias do AEE, conforme art. 22 desta Portaria;
IX – manter atualizados os registros da SRM e o controle de frequência dos educandos e
educandas que estão matriculados neste serviço, bem como os registros relativos ao
acompanhamento do AEE colaborativo;
X – assegurar, em parceria com o Coordenador Pedagógico e CEFAI, quando os educandos
ou educandas atendidos na SEM forem de outra Unidade Educacional, a articulação do
trabalho e dos profissionais envolvidos;
XI – Elaborar a cada ano letivo, Plano de Trabalho para registro e acompanhamento da
Equipe Escolar, CEFAI e Supervisão Escolar sobre: educandos e educandas atendidos,
distribuição de sua jornada de trabalho, formas de atendimento, articulação com os
professores da classe comum e demais educadores e outras ações relevantes;
XII – comparecer às ações de formação continuada oferecidas pela DIPED/CEFAI e pela
DIEE/SME;
Art. 44 – Em relação ao AEE competirá:
I - Ao Coordenador Pedagógico:
a) coordenar a elaboração, implementação e avaliação do Projeto Político-Pedagógico da
U.E., contemplando o AEE, em consonância com as diretrizes educacionais da SME;
b) identificar, em conjunto com a Equipe Escolar, na avaliação pedagógica/estudo de caso,
os educandos e educandas que necessitam de AEE e orientar quanto à tomada de decisão
para os encaminhamentos adequados;
c) acompanhar a elaboração e execução do Plano de Trabalho do PAEE;
d) participar da elaboração e assegurar a execução dos Planos de AEE dos educandos e
educandas da U.E, orientando a Equipe Escolar;
e) garantir o fluxo de informações com a comunidade educativa e discutir, mediante
registros atualizados, o processo de aprendizagem e desenvolvimento dos educandos e
educandas com deficiência, TGD e altas habilidades ou superdotação;
f) assegurar a articulação do trabalho desenvolvido na Unidade Educacional entre os
professores responsáveis pelo AEE e demais educadores;
g) apoiar a articulação entre os professores responsáveis pelo AEE e os educadores de
Unidade Educacional do entorno, quando a SRM atender educandos e educandos de outra
U.E.;
h) assegurar a participação do PAEE nos horários coletivos e nas diversas ações de formação
dos profissionais da Unidade Educacional.
II - Ao Diretor de Escola:
498
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
a) assegurar as condições necessárias para a plena participação dos educandos e educandas
com deficiência, TGD e altas habilidades ou superdotação em todas as atividades
educacionais;
b) coordenar a elaboração do PPP, assegurando em seu processo de elaboração/ revisão, a
institucionalização do AEE;
c) organizar o funcionamento da Unidade Educacional, de modo a atender a demanda e os
aspectos relativos aos educandos e educandas público-alvo da Educação Especial, tanto de
ordem administrativa quanto pedagógica;
d) garantir a articulação do trabalho entre os professores responsáveis pelo AEE e
educadores da U.E. e outros profissionais vinculados aos serviços de Educação Especial;
e) estabelecer parcerias intersetoriais e intersecretarias no território fortalecendo as
condições de acesso e permanência qualificada dos educandos e educandas;
f) propiciar a participação da comunidade educativa, além dos familiares e responsáveis
pelos educandos e educandas na tomada de decisões em relação ao processo de
aprendizagem e desenvolvimento;
g) garantir a participação do professor do AEE nas atividades formativas promovidas pela
SME/DIEE/DRE/DIPED/CEFAI para as quais for solicitada sua presença.
h) gerir, juntamente com as instituições auxiliares constituídas e em consonância com as
determinações legais, os recursos humanos e financeiros recebidos pela U.E para o
desenvolvimento de ações voltadas ao AEE no âmbito das U.Es.
III - À Supervisão Escolar:
a) orientar, acompanhar e avaliar a implementação das diretrizes da Política Paulistana de
Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, em parceria com o CEFAI, nas
Unidades educacionais do território, de acordo com o previsto nesta Portaria;
b) orientar, acompanhar e avaliar a implementação do PPP das unidades educacionais
assegurando a institucionalização do AEE;
c) tomar conhecimento e orientar a equipe gestora da unidade educacional quanto à
execução das ações/orientações dos registros de acompanhamento dos professores
responsáveis pelo AEE;
d) acompanhar e avaliar em parceria com os CP’s e com o CEFAI o Plano de Trabalho do
PAEE, participando da organização do atendimento a demanda para o AEE;
IV - Aos docentes da Unidade Educacional:
a) participar da elaboração, execução e avaliação do Plano de AEE, no âmbito da classe
comum, nos diferentes tempos e espaços educativos, articuladamente com os professores
responsáveis pelo AEE;
b) discutir com os educandos e educandas público alvo da Educação Especial e familiares as
propostas de trabalho da Unidade Educacional específicas do AEE, as formas de
acompanhamento da vida escolar e procedimentos adotados no processo de avaliação;
c) identificar, em conjunto com o Coordenador Pedagógico e Professores responsáveis pelo
AEE os educandos e educandas que necessitem desse atendimento;
499
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
d) organizar, articuladamente com os professores responsáveis pelo AEE, os recursos
didáticos e pedagógicos que visem eliminar as barreiras para o acesso ao currículo e
participação plena dos educandos em igualdade de condições.
V - Do Quadro de Apoio:
a) auxiliar os educandos e educandas nas atividades desenvolvidas no AEE, apoiando suas
ações nos diferentes tempos e espaços educativos, adotando como princípio o caráter
educacional de sua função;
VI - Ao Centro de Formação e Acompanhamento à Inclusão – CEFAI, além das atribuições
previstas no art. 7º desta Portaria:
a) responsabilizar-se pela tramitação, controle e fluxo das informações referentes à
Educação Especial.
Art. 45 – Para a implementação das diretrizes da Política Paulistana de Educação Especial, na
perspectiva da Educação Inclusiva, competirá a SME/COPED/DIEE:
I – coordenar e acompanhar as ações de Educação Especial e a implementação das
diretrizes para o AEE no âmbito da SME, em articulação com os CEFAIs;
II - apoiar os CEFAIs na garantia do acompanhamento dos educandos e educandas públicoalvo da Educação Especial em cada território;
III - definir critérios, metodologias, indicadores e instrumentos de acompanhamento e
avaliação do trabalho com os educandos e educandas, coordenando sua implementação,
em articulação com os CEFAIs;
IV - promover a formação inicial e continuada para atuação nos serviços de educação
especial da Rede Municipal de Ensino, bem como a formação dos demais profissionais de
educação e comunidade educativa sobre questões relacionadas à educação especial na
perspectiva da educação inclusiva, alinhada às diretrizes da SME e em articulação com os
CEFAIs;
V - assegurar, em conjunto com os demais setores responsáveis, o acesso, permanência,
aprendizagem e desenvolvimento dos educandos e educandas público-alvo da educação
especial nas U.Es;
VI - garantir o direito à avaliação para aprendizagem aos educandos e educandas com
deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento – TGD, altas habilidades ou
superdotação nas várias instâncias da SME;
VII - articular projetos e ações intersecretariais e intersetoriais para o atendimento aos
educandos e educandas público-alvo da educação especial, com vistas ao fortalecimento da
Rede de Proteção Social no Município de São Paulo;
VIII - articular e acompanhar ações intersetoriais que objetivem a garantia de acessibilidade
em todos os seus aspectos;
IX - assegurar recursos e estrutura necessários ao atendimento do público-alvo da Educação
Especial, articulando-se com as demais instâncias da SME.
IV - EDUCAÇÃO BILÍNGUE
500
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
Art. 46 - As U.Es que ofertam a Educação Bilíngue para os educandos e educandas com
surdez, com surdez associada a outras deficiências, limitações, condições e disfunções e
surdocegueira, no âmbito da RME, deverão organizar-se de acordo com os dispositivos
previstos na presente Portaria e legislação, diretrizes, metas e objetivos da SME,
especialmente o explicitado nos arts. 12 a 20 do Decreto nº 57.379/16.
§ 1º – A Educação Bilíngue, de que trata o caput deste artigo, será ofertada às crianças,
adolescentes, jovens e adultos, cujos familiares/ responsáveis ou o próprio educando ou
educanda, optarem por esta proposta.
§ 2º Além das diretrizes mencionadas no “caput” deste artigo, a organização e a oferta da
Educação Bilíngüe no âmbito da SME considerará:
a) Libras adotada como primeira língua;
b) Libras e Língua Portuguesa - na modalidade escrita - como línguas de instrução e de
circulação, que devem ser utilizadas de forma simultânea no ambiente escolar, colaborando
para o desenvolvimento de todo o processo educativo;
c) promoção do uso da visualidade e das tecnologias da informação e da comunicação para
assegurar o pleno acesso ao currículo;
d) organização de práticas educativas que respeitem as especificidades dos educandos e
educandas;
e) organização dos tempos e dos espaços que privilegiem as relações entre os educandos e
educandas surdos, surdocegos e ouvintes, com a mesma idade e também de faixas etárias
diferentes, com os interlocutores bilíngues, para que se constituam e se reconheçam como
usuários da Língua de Sinais;
f) oferta de esclarecimentos aos familiares e responsáveis sobre os princípios e demandas
da Educação Bilíngue, a fim de que tenham confiança e familiaridade com esta proposta,
incluindo orientação em relação à necessidade do conhecimento, aquisição e uso da Libras
por parte dos mesmos;
g) articulação entre os profissionais que atuam na Educação Bilíngüe: educadores,
Instrutores de Libras, Interpretes de Libras/Língua Portuguesa e Guias-interpretes
Libras/Língua Portuguesa.
§ 3º - Na etapa da Educação Infantil, as EMEBSs poderão atender bebês e crianças na faixa
etária de zero a três anos, quando constatada a existência de demanda e, desde que
apresentem estrutura própria para este atendimento, após parecer favorável do Supervisor
Escolar e do CEFAI e anuência do Diretor Regional de Educação.
Art. 47 – As U.Es, visando o conhecimento e circulação de Libras, poderão organizar projetos
e atividades para oferta de formação aos educadores, educandos e educandas, comunidade
educativa, incluindo familiares ou responsáveis, em consonância com seu Projeto PolíticoPedagógico.
§ 1º - Nos projetos e atividades, a Libras poderá ser ensinada e aprimorada por meio:
a) Nas EMEBSs:
501
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
- da atuação dos professores regentes de Libras e os professores bilíngues, com o apoio dos
instrutores de LIBRAS, quando necessário;
b) Nas Unidades Polo de Educação Bilíngue:
- dos professores bilíngues, pelos professores responsáveis pelo AEE, com o apoio do
instrutor de Libras, quando necessário.
c) Nas Escolas Comuns, quando atender educandos e educandas com surdez:
- pelos professores responsáveis pelo AEE, com o apoio do instrutor de Libras, quando
necessário.
§ 2º - As Equipes Gestoras das U.Es deverão organizar, nos horários coletivos, momentos de
articulação, planejamento de atividades, execução e avaliação do trabalho realizado pelos
educadores, professores responsáveis pelo AEE, Instrutor de Libras, Intérprete e GuiaIntérprete de Libras/Língua Portuguesa.
Art. 48 - A Língua Portuguesa, na modalidade escrita, como segunda língua, deverá ter
como finalidade a ampliação do uso social da língua nos diferentes contextos e a reflexão
sobre o seu funcionamento, tanto nos processos de leitura como na produção textual; o
conhecimento da língua, considerada também, como fonte para a construção de
conhecimentos, acesso ao currículo e promoção da cidadania.
§ 1º - A alfabetização, considerada na perspectiva do letramento e direito social deverá ser
garantida a todos os educandos e educandas surdos;
§ 2º - A Língua Portuguesa deverá ser ensinada ao surdo por meio de metodologia própria
para o ensino de segunda língua, fazendo uso de recursos visuais e outros necessários para
o atendimento às especificidades deste público.
Art. 49 – Nas EMEBSs e nas Unidades Pólo Bilíngüe, os professores bilíngues serão
responsáveis pela acessibilidade linguística em atividades desenvolvidas pelas respectivas
U.Es e deverão aprimorar, de maneira constante, o seu conhecimento e fluência em Libras.
§ 1º - Os professores bilíngues poderão atuar com os educandos e educandas surdocegos,
desde que comprovada a formação na área de surdocegueira ou em cursos de GuiaInterpretação.
§ 2º – Na ausência de professores bilíngues com formação em Guia-Interpretação, deverão
ser contratados profissionais Guias-Intérpretes de Libras/Língua Portuguesa credenciados
pela SME com comprovada certificação.
§ 3º - Caberá à SME/DIEE/DRE oferecer, aos educadores que atuam na Educação Bilíngue,
oportunidades para aprimorar a fluência em Libras e para atuação como Guia-Intérprete de
Libras/Língua Portuguesa, por meio de formação continuada.
Art. 50 – A oferta da Educação Bilíngue deverá, de acordo com a necessidade dos
educandos e educandas com surdez e surdocegueira, contar com o apoio dos seguintes
profissionais:
I - para as EMEBSs: instrutor de Libras, preferencialmente surdo, e Guia-Intérprete de
Libras/Língua Portuguesa;
502
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
II - para as Unidades Polo de Educação Bilíngue: instrutor de Libras, preferencialmente
surdo, Intérprete e Guia-Intérprete de Libras/Língua Portuguesa;
III – para as Escolas Comuns: instrutor de Libras, preferencialmente surdo, intérprete e GuiaIntérprete de Libras/Língua Portuguesa;
§ 1º - Os profissionais referidos nos incisos I, II e III deste artigo, serão contratados pela
SME/DRE e deverão possuir certificação mínima em Ensino Médio e certificação em
proficiência na sua área de atuação, PROLIBRAS/MEC ou cursos de graduação ou PósGraduação, credenciados anualmente pela SME, mediante apresentação de certificação e
avaliação da proficiência em Libras por banca examinadora.
§ 2º – As atividades realizadas pelos Instrutores de Libras, Intérpretes e Guias-Intérpretes de
Libras/Língua Portuguesa deverão ser organizadas de forma colaborativa e,
sistematicamente orientadas e acompanhadas pelo professor regente da classe em que
estiver atuando, pelo Coordenador Pedagógico e quando necessário, pelo CEFAI.
Art. 51 – A carga horária de trabalho dos Instrutores de Libras, Interpretes e Guias-Interprete
de Língua Portuguesa/Libras será organizada da seguinte forma:
I - Nas EMEBSs e nas Unidades Polo de Educação Bilíngue: 30 horas (relógio) semanais;
II – Nas escolas comuns e para atuação em atividades de formação: será definida pelo CEFAI
em parceria com a EU ou SME/DIEE/DRE, mediante verificação da necessidade desse
serviço.
Art. 52 - São atribuições dos Instrutores de Libras, Intérpretes e Guias-Intérpretes de
Libras /Língua Portuguesa, respectivamente:
I - Instrutor de Libras:
a) acompanhar e apoiar os educadores, que atuam nas EMEBSs, Unidades Polo de Educação
Bilíngue e Escolas Comuns que desenvolvam projetos de educação bilíngue para educandos
e educandas com surdez ou surdocegueira;
b) confeccionar, utilizar e disponibilizar recursos didáticos para o ensino de Libras;
c) estudar os termos científicos próprios das áreas do conhecimento em Libras e orientar os
professores para o uso com o objetivo de ampliar o vocabulário técnico da Libras, criar
novos sinais e aprofundar os conhecimentos nessa língua;
d) planejar e acompanhar as atividades pedagógicas desenvolvidas em parceria com os
demais educadores da UE, na perspectiva do trabalho colaborativo e da comunidade
escolar, quando necessário, em consonância com o Projeto Político-Pedagógico;
e) elaborar e realizar registros solicitados pela UE em documentos como: planos de
trabalho, frequência de participantes nas oficinas, cursos, avaliação, relatórios, pareceres
descritivos, dentre outros;
f) participar do planejamento, acompanhamento e avaliação das atividades desenvolvidas
com educandos e educandas surdos ou com surdocegueira, na perspectiva do trabalho
colaborativo;
g) participar e acompanhar os educandos e educandas nas saídas pedagógicas e estudos de
campo em colaboração com o professor regente da turma;
503
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
h) participar das reuniões pedagógicas, dos horários coletivos de estudo, de espaços de
formação e projetos promovidos pela/na UE, sem prejuízo de recebimento pelo tempo
utilizado para tais recursos;
i) participar do planejamento das ações específicas, juntamente com os demais profissionais,
em âmbito regional e central e dos encontros de formação organizados na Unidade
Educacional, SME/DRE/DIPED/CEFAI;
j) promover espaços nos quais os participantes das atividades possam expressar suas ideias,
avaliar suas possibilidades, participar, desenvolvendo o conhecimento da Libras, bem como
a conversação e fluência nesta língua;
k) desenvolver oficinas de Libras à comunidade educativa;
l) realizar os registros da frequência da atividade oferecida e dos participantes das oficinas.
II - Intérpretes de Libras/Língua Portuguesa:
a) realizar a interpretação das duas línguas: Libras /Língua Portuguesa e Língua Portuguesa/
Libras, dos conteúdos ministrados, de maneira simultânea e consecutiva;
b) interpretar as atividades didático-pedagógicas, esportivas e culturais e outras
desenvolvidas nas U.Es nos diversos tempos e espaços, sempre que necessário, de forma a
viabilizar o acesso aos conteúdos curriculares e informações em circulação;
c) viabilizar a comunicação entre usuários e não usuários de Libras junto à comunidade
educativa;
d) solicitar, antecipadamente, os conteúdos que serão trabalhados, em sala de aula, para a
realização de processo tradutório significativo;
e) acompanhar os momentos de intervenções pedagógicas do professor e o processo de
avaliação para a aprendizagem atuando, sempre que necessário;
f) exercer o seu trabalho com rigor técnico, zelando pelos valores éticos a ele inerentes, pelo
respeito à pessoa humana e à cultura do surdo e, em especial:
f.1) pela honestidade e discrição, protegendo o direito de sigilo da informação recebida;
f.2) pela atuação livre de preconceito de origem, raça, credo religioso, idade, gênero e
sexualidade;
f.3) pela imparcialidade e fidelidade aos conteúdos que lhe couber traduzir;
f.4) pela postura e conduta adequadas aos ambientes que frequentar por causa do exercício
profissional;
f.5) pela solidariedade e consciência de que o direito de expressão é um direito social
independentemente da condição social e econômica daqueles que dele necessitem;
f.6) pelo conhecimento das especificidades da comunidade surda;
g) realizar as atividades previstas nas alíneas f, g, h, i do inciso I desta Portaria.
III - Guias-Intérpretes de Libras /Língua Portuguesa:
a) transmitir mensagens na forma de comunicação utilizada pela pessoa com surdocegueira,
tais como: Libras em campo reduzido, escrita ampliada, leitura labial, fala ampliada, Libras
tátil, braille tátil, alfabeto manual tátil, escrita na palma da mão, uso do dedo como lápis,
504
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
placas alfabéticas, meios técnicos com saída em braille, tadoma e outras que sejam
desenvolvidas e utilizadas de forma sistemática;
b) fazer descrição de pessoas, ambiente e objetos;
c) guiar a pessoa com surdocegueira conforme as técnicas do guia-vidente;
d) viabilizar a comunicação entre os alunos com surdocegueira e a comunidade escolar;
e) guiar o educando e educanda surdocego durante a realização das atividades
desenvolvidas nas Unidades Educacionais ou em outros ambientes;
f) realizar as atividades previstas nas alíneas f, g, h, i do inciso I e alíneas b e f do inciso II
deste artigo.
Parágrafo Único – Os profissionais especificados no caput deste artigo deverão preencher e
assinar a folha de frequência diariamente e comparecer ao local de trabalho com
assiduidade e pontualidade executando suas atribuições com eficiência, presteza e ética.
Art. 53 – Em relação aos profissionais: Instrutores de Libras, Intérpretes e Guias-Intérpretes
de Libras /Língua Portuguesa, caberá:
I - às Unidades Educacionais:
a) solicitar a contratação destes profissionais à DRE/DIPED/CEFAI, quando constatada a
necessidade;
b) organizar os horários e as atividades dos profissionais contratados, orientadas pelo CEFAI;
c) encaminhar a frequência mensal dos profissionais contratados à DRE/DIPED/CEFAI;
d) orientar, acompanhar e avaliar o trabalho realizado pelos profissionais contratados,
considerando as atribuições especificadas nesta portaria.
II – ao CEFAI:
a) mapear as escolas e agrupamentos, turmas e etapas em que há educandos e educandas
com surdez ou surdocegueira e avaliar se há necessidade do apoio de Instrutores de Libras
Intérpretes e Guias-Intérpretes de Libras /Língua Portuguesa;
b) informar a DRE/DIAF quando da necessidade de contratação destes profissionais, para
que seja feito o planejamento e as reservas orçamentárias necessárias;
c) acompanhar e orientar a atuação dos profissionais contratados nas U.Es.
III - à Diretoria Regional de Educação - DRE:
a) contratar os Instrutores de Libras, Intérpretes e Guias-Intérpretes de Libras/Língua
Portuguesa para atuarem no âmbito de sua jurisdição;
b) – planejar e assegurar recursos do orçamento para a formalização dos contratos,
mediante demanda apontada pelo CEFAI.
IV - à SME:
a) – elaborar e homologar edital de credenciamento de Instrutor de Libras, Intérprete e
Guia-Intérprete de Libras/Língua Portuguesa;
b) – credenciar Instrutor de Libras, Intérprete e Guia-Intérprete de Libras/Língua Portuguesa
para atender necessidades das SME/DRE/CEFAI/Unidades Educacionais;
c) – promover a formação dos Instrutores de Libras, Intérpretes e Guias Intérpretes de
Libras/Língua Portuguesa;
505
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
d) – contratar os Instrutores de Libras, Intérpretes e Guias-Intérpretes de Libras /Língua
Portuguesa para atuarem em eventos e/ou ações formativas organizados pela DIEE.
Art. 54 – A SME/DIEE/DRE deverá assegurar a formação continuada dos educadores que
atuam na Educação Bilíngue de forma a:
I – promover encontros para a criação de novas redes de aprendizagem dinâmicas e
colaborativas entre as U.Es que desenvolvem a Educação Bilíngue, de modo a favorecer a
análise coletiva do trabalho realizado, discutir estratégias relativas ao processo de
aprendizagem e desenvolvimento dos educandos e educandas surdos e a produção de
materiais que possam ser compartilhados entre as unidades;
II – manter em funcionamento espaço virtual em Educação Bilíngue para disponibilização de
acervo bibliográfico, de formação, das atividades realizadas, de informações atualizadas e
glossário de Libras propiciando a formação continuada, a troca e divulgação de produções
interunidades.
Art. 55 - A Unidade Polo de Educação Bilíngue deverá designar professores regentes, para
atuar na Classe bilíngue I (anteriormente denominada SAAI bilíngue I) e Classe bilíngue II
(anteriormente designada SAAI Bilíngue II), a fim de assegurar o atendimento.
Parágrafo Único - O professor regente das classes bilíngues deverá ministrar 25 horas/aula
aos educandos e educandas com surdez, conforme diretrizes curriculares previstas para a
Educação Infantil e o Ensino Fundamental, em Libras.
Art. 56 - O atendimento na classe bilíngue será organizado conforme segue:
I –Classe Bilíngue I:
a) na Educação Infantil, composta por crianças surdas do Infantil I e Infantil II;
b) no Ensino Fundamental, composta por educandos e educandas surdos e ouvintes do
Ciclo de Alfabetização e do 4º e 5º ano do Ciclo Interdisciplinar.
II – Classe Bilíngue II:
a) No Ensino Fundamental – atenderá os educandos e educandas surdos matriculados no 6º
ano do Ciclo Interdisciplinar e 7º, 8º e 9º ano do Ciclo Autoral no componente Língua
Portuguesa, ministrada no mesmo horário daquela ofertada para os ouvintes, com
metodologia de ensino de segunda Língua e em espaço próprio;
Art. 57 - A Unidade Polo de Educação Bilíngue poderá ter Professores de Atendimento
Educacional Especializado para atender a demanda por AEE da U.E.
§ 1º - Na SRM será realizado prioritariamente, o AEE, no contraturno escolar, contemplando
atividades em Libras, bem como ensino e aprimoramento de Libras e ensino de língua
portuguesa como segunda língua para os educandos e educandas com surdez, atividades
anteriormente desenvolvidas pela SAAI Bilíngue Complementar.
§ 2º - Os educandos e educandas, público-alvo da educação especial matriculados nas
Unidades Polo de Educação Bilíngue, inclusive os educandos e educandas com surdez,
quando necessário, terão Atendimento Educacional Especializado;
506
BR CONCURSO
APOSTILA DIGITAL
§ 3º - A organização do AEE, a instalação e extinção da SRM, bem como a designação e
cessação de PAEE nas Unidades Polo de Educação Bilíngue seguirá o especificado nos
artigos 17 a 44 desta Portaria;
Art. 58 - Os Professores de Educação Infantil e Ensino Fundamental I e os Professores de
Ensino Fundamental II e Médio, com a formação especificada no art.19, do Decreto
57.379/16, efetivos ou estáveis, em Jornada Básica do Docente – JBD ou optante por
Jornada Especial Integral de Formação – JEIF, que se interessem em desempenhar a função
de “Professor Regente de Classe Bilíngue” deverão:
I – inscrever-se na Unidade-Polo de Educação Bilíngue de interesse, apresentando os
documentos constantes das alíneas a, b, c do inciso I e inciso II do Art. 28 e certificação da
habilitação ou especialização em Educação Especial, na área da Deficiência Auditiva/Surdez;
II – Participar de Reunião de Conselho de Escola, conforme previsto no § 4º do Art. 30, desta
Portaria;
§ 1º – A Unidade-Polo de Educação Bilíngue deverá divulgar, por meio do DOC, a abertura
de inscrições à RME, procedendo-se, no que couber, nos termos deste artigo.
§ 2º Fica vedada a designação de professores que optaram em permanecer na JB.