Enviado por mariasilviadourado

TABUADA1

Propaganda
Título: BRINCANDO, BRINCANDO APRENDI A TABUADA
Autor: Jussara Aparecida Rentz de Anhaia
Disciplina/Área:
Escola de Implementação
Projeto e sua localização:
Educação Especial
do Colégio Estadual “Prof. Leandro Manoel da
Costa”
Município da escola:
Piraí do Sul
Núcleo Regional de Educação:
Ponta Grossa
Professor Orientador:
Daiana Camargo
Instituição de Ensino Superior:
UEPG - Universidade Estadual de Ponta
Grossa
Relação Interdisciplinar:
Matemática, Língua Portuguesa, Geografia.
Resumo:
A motivação para a pesquisa/intervenção tem
origem na dificuldade dos alunos com necessidades educacionais especiais de sala de recursos do Colégio Est. Prof. Leandro Manoel
da Costa em compreender, aprender e memorizar a tabuada, instrumento fundamental ao
avanço das operações matemáticas. Entendemos que as dificuldades de aprendizagem são
marcas na vida de muitas crianças, causando
problemas no processo ensino-aprendizagem,
podendo desencadear bloqueios para a vida
toda. Desta forma, pensamos que as atividades educacionais lúdicas favorecem o desenvolvimento físico, intelectual, emocional e contribuem de maneira significativa para o desenvolvimento dos educandos especiais, devendo
ser aplicado como estratégia metodológica diante de um planejamento preparado e adequado. Diante desses aspectos, justificamos a
necessidade de se estudar o lúdico como estratégica metodológica para ensino de matemática.
Palavras-chave:
Inclusão;
dizagem.
tabuada;
jogos;
lúdicos; apren-
Formato do Material Didático:
Público:
Caderno Pedagógico
alunos com necessidades educacionais especiais de Sala de Recursos Multifuncional tipo I
1
BRINCANDO, BRINCANDO
APRENDI A TABUADA
PRODUÇÃO DIDÁTICA PEDAGÓGICA
Autora: JUSSARA A. RENTZ DE ANHAIA
Orientadora: DAIANA CAMARGO
Colégio: Prof. LEANDRO MANOEL DA COSTA
Município: PIRAÍ DO SUL
N.R.E: PONTA GROSSA
Instituição de Ensino Superior: UEPG - UNIVERSIDADE ESTADUAL
DE PONTA GROSSA
Disciplina/Área: EDUCAÇÃO ESPECIAL
- Trilha da multiplicação
Sugestões:
- Tabuada dos dedos
- Vídeos
Material concreto para a
- Textos para fundamultiplicação:
mentação teórica
- Dobrando a tabuada
- Tabuada de tampinhas
Relação Interdisciplinar
- Tabuada das linhas
Geografia – Língua Portuguesa - Matemática
Jogos:
- Tabela de Pitágoras
Público Alvo :
- Bingo da multiplicação alunos com necessidades
Unidade Didática:
Brincando, brincando
aprendi a tabuada
educacionais especiais
de Sala de Recursos
Multifuncional tipo I
Localização :
Colégio Estadual Professor Leandro Manoel
da Costa, situada a
Avenida 5 de março,
número 170, na cidade
de Piraí do Sul – PR
2
RESUMO
A motivação para a pesquisa/intervenção tem origem na dificuldade
dos alunos com necessidades educacionais especiais de sala de re-
cursos do Colégio Est. Prof. Leandro Manoel da Costa em compreender, aprender e memorizar a tabuada, instrumento fundamental ao
avanço das operações matemáticas. Entendemos que as dificuldades
de aprendizagem são marcas na vida de muitas crianças, causando
problemas no processo ensino-aprendizagem, podendo desencadear
bloqueios para a vida toda. Desta forma, pensamos que as atividades
educacionais lúdicas favorecem o desenvolvimento físico, intelectual,
emocional e contribuem de maneira significativa para o desenvolvimento dos educandos especiais, devendo ser aplicado como estratégia metodológica diante de um planejamento preparado e adequado.
Diante desses aspectos, justificamos a necessidade de se estudar o
lúdico como estratégica metodológica para ensino de matemática.
Palavras chave: Inclusão; tabuada; jogos;
lúdicos; aprendizagem
3
APRESENTAÇÃO
SUMÁRIO
1 A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA APRENDIZAGEM DA
MULTIPLICAÇÃO NA SRM - TIPO I
5
7
1.1 Educação especial: a especificidade das salas de recurso
8
1.2 A matemática e o lúdico: reflexões na prática pedagógica
11
2 CURIOSIDADES SOBRE A MATEMÁTICA
14
3 MATERIAL CONCRETO
14
3.1 Dobrando a Tabuada
16
3.2 Tabuada de Tampinhas
19
3.3 Tabuada das Linhas
22
4 JOGOS
22
4.1 Tabela de Pitágoras
24
4.2 Bingo da Multiplicação
26
4.3 Trilha da Multiplicação
28
4.4 Jogo Quebra –cabeça
30
4.5 Jogo Dodecaedro
31
5 SUGESTÕES
33
5.1 Tabuada dos Dedos
33
5.2 Outras atividades e material complementar para aulas de matemática:
35
5.3 Sugestões de textos para aprofundamento teórico:
35
5.4 Vídeos
36
REFERÊNCIAS
36
APÊNDICE
37
4
APRESENTAÇÃO
As dificuldades de aprendizagem são realidade na vida de muitas crianças, causando
problemas no processo global ensino-aprendizagem, podendo desencadear bloqueios
para a vida toda. Desta forma, entendemos que as atividades educacionais lúdicas
favorecem o desenvolvimento físico, intelectual, emocional e contribuem de maneira
significativa para o desenvolvimento dos educandos especiais, devendo ser aplicado
como estratégia metodológica diante de um planejamento preparado e adequado.
Os alunos de Sala de Recursos Multifuncional – SRM, tipo I, apresentam muitas dificuldades na aprendizagem, principalmente no que se refere a disciplina de
matemática. Durante a experiência como professora de sala de recursos foi possível
observar que a tabuada é um dos conteúdos da matemática no qual são apresentados
inconsistências no entendimento dos processos, a maioria dos alunos chegam sem a
compreensão necessária das operações básicas que antecedem o multiplicar, fragilizando a aprendizagem desta operação. Identificamos que não há aprendizagem da
ação de multiplicar nem tão pouco a memorização, consequentemente terá dificuldades nas resoluções das operações de maior complexidade, divisões, problemas e cálculos avançados envolvendo fórmulas mais complexas. Portanto, se faz necessário
uma pesquisa aprofundada sobre a tabuada, para inovar em metodologias e jogos envolvendo a ludicidade para que o aluno aproprie-se da compreensão, aprendizagem e
memorização da tabuada.
Diante desses aspectos, justificamos a necessidade de se estudar o lúdico como estratégica metodológica para ensino de matemática (em específico a tabuada)
na mediação pedagógica do processo ensino-aprendizagem de alunos com necessidades especiais que frequentam a Sala de Recursos Multifuncional – Tipo I.
5
Apresentamos como ponto de partida para a proposta de pesquisa e intervenção a dificuldade dos alunos com necessidades educacionais especiais de sala
de recursos do Colégio Est. Prof. Leandro Manoel da Costa em compreender, aprender e memorizar a tabuada, instrumento fundamental ao avanço das operações matemáticas. Diante disso, o que os alunos revelam sobre seu processo de aprendizagem da tabuada quando são inseridos em situações que envolvem o jogo como recurso metodológico? Como o jogo pode contribuir com a aprendizagem da tabuada dos
alunos em sala de recurso?
Apresentamos como objetivo, construir o conceito da multiplicação a partir de
um cenário que privilegie o contato com material concreto e o uso de jogos, minimizando as dificuldades no processo de ensino-aprendizagem dos alunos em Sala de
Recursos Multifuncional tipo I.
Deste objetivo geral decorrem os seguintes objetivos específicos: apresentar
o conceito da multiplicação por meio dos jogos; proporcionar o reconhecimento da
tabuada como organização de um múltiplo grupamento de valores; sistematizar os
dados utilizando a linguagem matemática adequada a situação de multiplicação.
6
A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA APRENDIZAGEM DA
MULTIPLICAÇÃO NA SRM - TIPO I
Tendo em vista a problemática apresentada e a necessidade de um movimento
formativo teórico-prático para a superação das dificuldades apontadas no âmbito da
aprendizagem da matemática, buscamos referenciais teóricos que nos auxiliem a
pensar tal temática. Apresentamos uma breve contextualização da SRM tipo I, tratamos das dificuldades de aprendizagem relacionadas a matemática amparados na
perspectiva de construção conceitual do número e da organização do raciocínio matemático, para o qual optamos pelos escritos de Jean Piaget (1972/1973) e as discussões apresentadas por Constance Kamii (1990) quanto ao lúdico e aos jogos na
aprendizagem.
Educação especial: a especificidade das salas de recurso
As discussões sobre os direitos das pessoas com algum tipo de deficiência foi
se intensificando a partir da década de 70, quando pessoas interessadas em um
atendimento mais digno a essas pessoas, mobilizaram-se e organizaram instituições
como as APAEs, que surgiram a fim de atender esse público.
A LDB n. 4024/61 - inovou destinando um espaço para a educação especial,
onde ofertava serviços educacionais aos portadores de deficiência, com o termo
“educação de excepcionais”, mais tarde na LDB nº 5.692/71 o público alvo atendido
na educação especial foi definido com maior clareza em seus termos. Na atual legislação educacional (LDB nº9394/96), aparecem termos ora como “educandos com necessidades especiais”, ora como "educandos portadores de necessidades especiais”.
No Paraná o grande passo sobre a educação especial se deu no ano de 2004,
quando foi ofertado no concurso público a modalidade “Educação Especial”, na oportunidade foram nomeados 4.555 professores especializados ao Quadro próprio do
Magistério. Isso contribuiu para promover o atendimento especializado em dois aspectos: na extensão de apoios na rede pública e na melhor qualificação dos professores da rede pública. (Diretrizes Curriculares da Educação Especial para a Construção de Currículos inclusivos p. 34).
¹SRM – de acordo com a instrução n. 16/11 do Estado do Paraná a nomenclatura refere-se a Sala de Recursos
Multifuncional.
7
Sala de Recursos Multifuncional – Tipo I, na Educação Básica é um atendimento educacional especializado, de natureza pedagógica que complementa a escolarização de alunos que apresentam deficiência Intelectual, deficiência física neuromotora, transtornos globais do desenvolvimento e transtornos funcionais específicos, matriculados na Rede Pública de Ensino. (INSTRUÇÃO N° 016/2011 – SEED/SUED p.1)
Portanto as SRM tipo I, é extremante importante para a inclusão dos alunos
com necessidades educacionais especiais, esses que amargavam várias reprovações
por não ter um atendimento especializado, passaram a ser atendidos nestes espaços em contra turno, possibilitando um melhor aproveitamento educacional ensino
aprendizagem, as salas deixaram para trás a visão de segregação e discriminação
trazendo um trabalho compartilhado e multidisciplinar envolvendo toda a comunidade escolar, promovendo a socialização e contribuição de todos, ao alunos frequentam
a SRM tipo I em contra turno, sem deixar de frequentar o ensino regular, esse
apoio com o professor especializado é necessário para aprimorar seu conhecimento,
aja visto que por uma dificuldade seja ela qual for, o aluno necessita de atenção específica e direcionada, vale ressaltar a interação do professor da sala de recursos
com os demais professores é essencial para um bom desenvolvimento do trabalho em
questão, pois o professor especializado precisa estar bem informado sobre o desempenho de seus alunos em sala com os demais professores, para que juntos possam ajudá-lo no que for preciso, buscando sempre a valorização e enriquecimento
educacional dos alunos.
A matemática e o lúdico: reflexões na prática pedagógica
Tendo como ponto de partida as dificuldades de aprendizagem vivenciadas ao
tratarmos do ensino da tabuada, buscamos elementos teóricos que associem a matemática e a ludicidade, que venham a nos fundamentar para o aprimoramento das práticas pedagógicas na SRM tipo I
Segundo o dicionário etimológico: a palavra Lúdico, vem do latim ludus, que significa:
exercício, drama, teatro, circo e também possui o significado de escola onde exista
muitos exercícios (militar, de gladiadores, primária, de ler e escrever), significa
também exercício escolar (magister ludi).
Portanto, o lúdico quer dizer prazer, alegria, brincadeira, esse conceito nos
remete a uma aprendizagem diferenciada onde o aprender relacionado ao brincar,
porém sem deixar de ser uma tarefa extremamente séria e comprometida.
8
Luckesi (1998) ao tratar ludicidade destaca que a atividade lúdica é aquela que
propicia a “plenitude da experiência”, podendo ser divertida ou não, o que realmente
caracteriza a ludicidade é a experiência plena que proporcionou ao indivíduo que a
vivenciou, Ele ainda exemplifica sobre as experiências pessoais, o quanto ficariam
mais ricas e agradáveis para se compreender se fossem envolvidas em ludicidade,
preparando para a vida. Toda e qualquer situação da vida pessoal quando encarada
com ludicidade de forma prazerosa, livre, sem limites ou restrições transforma-se
em puro prazer, isso traz ao indivíduo a plenitude nas experiências vividas.
Ao tratarmos da aprendizagem da matemática pelo viés lúdico, encontramos importantes contribuições nos escritos de Piaget (1972), nos quais o autor destaca que os
jogos e as brincadeiras não são apenas atividades lúdicas que servem para alegrar e
entreter as crianças, mas é também uma importante arma para o desenvolvimento
intelectual e cognitivo. Esses tornam-se cada vez mais significativos de acordo com
o seu desenvolvimento natural. Enfatiza também a grande importância da autonomia,
onde a criança manipula diferentes materiais buscando o seu conhecimento de modo
autônomo, assim a própria criança alcança novos níveis saindo do concreto para o
abstrato aperfeiçoando a linguagem escrita.
O jogo é, portanto sob as suas duas formas essenciais de exercício
sensoriomotor e de simbolismo, uma assimilação do real à atividade
própria, fornecendo a esta seu alimento necessário e transformando o
real em função das necessidades múltiplas do eu. Por isso os métodos
ativos de educação das crianças exigem todos que se forneça às crianças um material conveniente, a fim de que, jogando, elas cheguem a
assimilar as realidades intelectuais que, sem isso, permanecem exteriores à inteligência infantil. (PIAGET, 1972 p. 158)
Partindo do pressuposto que a criança aprende com a intercessão do lúdico,
por meio dos estímulos oferecidos através dos brinquedos, faz com que aguce seus
sentidos, explore o ambiente e consequentemente a leve ao aprendizado. Assim
compreendemos que o lúdico deve acompanhar as ações de ensino e aprendizagem
ao longo da vida do indivíduo auxiliando-o na aquisição de novos conhecimentos.
Infelizmente as brincadeiras vão se perdendo com o tempo e jogos que poderiam
estimular para aprender e compreender é deixado de lado, dando ênfase apenas ao
conteúdo puro e simples nas escolas, portanto pretende-se com este projeto estudar o ensino da matemática a “vilã” entre os alunos, mais especificamente ao estudo
da tabuada.
9
Sobre o ensino da matemática, Kamii (1990) traz reflexões importantes sobre
as teorias de Piaget, no que diz respeito ao número, ela defende aspectos como:
igualdade; conservação; contra-argumentação; quotidade (significa quantidade). Esses aspectos são amplamente defendidos baseando-se nas provas piagetianos, os
quais possibilita ao pesquisador observar a reação da criança quando apresentada ao
teste.
Kamii (1990) sugere que a criança quantifique objetos na escola, pois este
exercício ajuda a construir a ideia de número, a criança precisa ter contato com
quantidades mesmo que ainda não tenha esse conceito totalmente interiorizado, ela
precisa de experiências e vivencias para que este processo possa acontecer, por isso
defende que o simples fato de ir comprar pão por exemplo, mesmo que ela ainda não
saiba contar o dinheiro, esta experiência vai trazer o aprendizado prático e concreto, assim como em qualquer outra situação vivenciada por ela que envolva ou não o
dinheiro.
Assim como Piaget, Kamii (1990) acredita na evolução e interação da criança, a
aprendizagem pode ocorrer de modo crescente saindo do concreto para o abstrato
de forma natural e progressiva, com responsabilidade e principalmente respeitando
as especificidades de cada criança.
As crianças não aprendem conceitos numéricos com desenhos tampouco aprendem conceitos numéricos meramente pela manipulação de objetos. Elas constroem esses conceitos pela abstração reflexiva à medida que atuam (mentalmente) sobre os objetos. (KAMII 1990 p.55)
Portanto a criança necessita de situações reflexivas para que possam apropriar-se da aprendizagem, num processo gradativo do concreto para o abstrato, vivenciando diferentes realidades na construção desse raciocínio.
As crianças não aprendem conceitos numéricos com desenhos tampouco aprendem conceitos numéricos meramente pela manipulação de objetos. Elas constroem esses conceitos pela abstração reflexiva à medida que atuam (mentalmente) sobre os objetos. (KAMII 1990 p.55)
Outro aspecto abordado por Kamii segundo Piaget é a heteronomia (significa
ser governado por outrem) e a autonomia (significa ser governado por si próprio).
Piaget (1948) afirma que o bloqueio emocional que muitos estudantes desenvolvem
em relação à matemática é completamente evitável. Uma vez que o professor ofereça a oportunidade de discussão entre as crianças, levando-os ao conhecimento
através experimentação e comprovação dos dados, proporcionando assim a autonomia. Já a heteronomia se dá justamente ao contrário, quando a criança não tem a
liberdade de pensar, agir e discutir, aceitando que o professor é o detento do saber, aprendo a se conformar com a autoridade.
10
Considerando a importância do uso de jogos/material concreto para a aprendizagem, no decorrer deste estudo buscaremos ampliar a compreensão do conceito de
número e multiplicação pautados nos escritos de Jean Piaget e nas discussões de
Constance Kamii para fundamentarmos a aprendizagem das operações matemáticas,
em específico a multiplicação.
CURIOSIDADES SOBRE A MATEMÁTICA
História da matemática
Em minhas pesquisas descobri que existem relatos de que em alguns livros an-
tigos referem-se à tabuada como tabuada de Pitágoras. Esse termo teve origem
porque os cálculos eram registrados em tábuas para facilitar a contagem de grandes
quantidades, servindo como um gabarito para as transações comercias, portanto, tábuas, logo tabuada. Essa prática agilizava o trabalho dos responsáveis pelas contagens. Em matemática, a Tabuada de multiplicar ou tabuada de multiplicação é usada
para definir uma operação de multiplicação e divisão, tornando-se indispensável para
a execução dessas operações.
Quem foi Pitágoras:
Pitágoras foi um filósofo e um matemático grego que nasceu em 570 a.C. ou em
571 a.C. na cidade de Samos e morreu em 497 a.C. Ou 496 a.C. em Metaponto. Pitágoras inaugurou uma escola que se chamava “Pitagórica” que tinha um símbolo que
era o “Pentagrama” Pitágoras ale de matemático e filosofo foi astrónomo, músico e
místico grego. Foi Pitágoras que inventou a palavra filósofo. Pitágoras também descobriu os NÚMEROS irracionais, o teorema de Pitágoras, a tabuada, o estudo de
propriedades dos números, a construção dos primeiros três sólidos platónicos e a
relação existente entre a altura de um som e o comprimento da cor da vibrante que
produz. A escola pitagórica, de natureza científica e religiosa, desenvolvia estudos
de matemática, filosofia e astronomia. (Wikipédia)
11
É fascinante saber o quanto a tabuada é importante para a matemática, ela surgiu
como facilitador e tornou-se indispensável nas operações matemáticas.
Ao longo dos tempos a evolução foi notória em todo e qualquer seguimento da
sociedade, inclusive no que se refere a matemática, as tecnologias e inovações trouxeram avanços significativos, porém não vemos muitas inovações no que tange a
aprendizagem da tabuada.
Em uma análise mais recente sobre o aprendizado da tabuada não vejo avanços
ou novas estratégias de como compreender, aprender e memorizar a tabuada, vejamos:
No século XIV a tabuada era ensinada em circunstâncias bastante rigorosas e
autoritária, em um método totalmente tradicional. O aprendizado acontecia em meio
a castigos físicos e constrangimentos morais, o aluno deveria decorar a tabuada e
era obrigado a responder corretamente a qualquer fator que lhe fosse perguntado
pela professora, caso não respondesse de pronto, era hostilizado e remetido a denominação de: “burro”, “atrasado”, “retardado”, “ignorante” e muitos outros termos,
isso quando não tinha que pagar por sua ignorância de não saber com castigos físicos, como: ficar ajoelhado no milho, tampinhas de garrafas, estender a mão para ser
impiedosamente agredida por palmatória (peça circular de madeira com cinco orifícios, formando uma cruz e provida de um cabo, us. para bater na palma da mão de
pessoa castigada), ou por réguas enormes de madeira. Folgo em saber que a educação evoluiu neste sentido, abolindo esses castigos físicos, porém as agressões e humilhações morais infelizmente passou por um processo mais lento e gradual.
Nos anos 70 a 80 década em que estudei o antigo primário a tabuada era ensinada no mesmo processo tradicional o famoso “decoreba”, felizmente os castigos físicos já não eram permitidos, mas a tortura psicológica pairava sobre nós, a professora marcava o dia “D”, para tomar a tabuada, era preciso estudar com afinco para
estar apto a responder sem hesitar, para evitar a retaliações.
O processo de avaliação geralmente não era assim tão justo, pois ao perguntar
3x2 a aluna “A” e a mesma responder corretamente, isso queria dizer que estava apta para receber elogios e ficar na fila dos adiantados e inteligentes, todavia ao interrogar o aluno “B” com a consigna 8x7 e a resposta não for a correta, isso significaria estar na fila dos atrasados, aqueles que precisariam estudar mais, para se apropriar do
conhecimento da tabuada.
12
A inclusão veio para amenizar desigualdades, a partir da década de 90 já se
fomentava o tema “inclusão”, com a Declaração de Salamanca (Salamanca - 1994) é
uma resolução das Nações Unidas que trata dos princípios, política e prática em educação especial.)
Metodologia da implementação do projeto
Os oito jogos serão divididos em oito encontros com quatro horas cada, totalizando
32 horas aula. No primeiro será reservada uma aula para uma avaliação diagnóstica
com o objetivo de apresentar gráfico comparativo dos resultados obtidos na avalia-
ção final no último encontro.
A avaliação será o preenchimento da tabela de Pitágoras.
OBS: os alunos terão 15 minutos
para preencher o quadro.
13
MATERIAL CONCRETO
Dobrando a tabuada
Objetivo:
- Agrupar as quantidades facilitando a visualização dos resultados
- Possibilitar resolução de fatores que envolvem as tabuadas de 1 a 10
Material necessário:
- Tecido medindo 50 cm por 50 cm;
- Viés para acabamento;
- E.V.A. colorido – de preferência 10 cores diferentes;
- Cola quente;
- Máquina de costura ou fio e agulha, caso queira costurar à mão;
A quantidade é representada por quadrinhos de E.V.A. medindo 2 cm X 2 cm, colados em um quadrado de tecido, assim a criança terá a referência concreta dos valores. A montagem do material corresponde a 10 colunas costuradas medindo 3 cm
por 3 cm, cada uma delas com 10 pequenos quadrados de EVA, preferencialmente
com 10 cores diferentes.
* Todas as imagens contidas
neste trabalho são de responsabilidade da autora, as imagens
são decorrentes da construção
do material didático.
14
OPÇÃO 1
O aluno terá que dobrar o tecido deixando visível o resultado correspondente a multiplicação pedida, Exemplo: 5 x 6 = 30

Cada quadrado equivale a uma unidade, somando todos os pedacinhos o produto
será 30, então: 5 x 6 = 30
OPÇÃO 2
Colar os números correspondentes a tabela de Pitágoras em tampinhas.
O aluno deverá colocar a tampinha com o valor correto em cima do quadradinho de
E.V.A. que corresponder ao fator específico que sortear ou que for solicitado pela
professora.
15
OPÇÃO 3
Usar um cadarço ou um cordão, fita ou elástico para circular o fator sorteado ou solicitado pela professora.
Tabuada de Tampinhas
Objetivo:
- Agrupar as quantidades facilitando a visualização dos resultados
- Possibilitar resolução de fatores que envolvem as tabuadas de 1 a 10
Material necessário:
- 100 tampinhas, sendo 10 de cada cor;
- Barbante ou linha de pesca;
- Prego, furadeira ou outro objeto que sirva para furar as tampinhas;
- Elástico;
- retângulos de MDF ou qualquer outro material de base sólida, medindo 30 cm por
40 cm;
16
Passo a passo
1 – Fure todas as tampinhas com o prego quente ou com a furadeira utilizando uma
broca fina;
2 – Corte 10 pedaços de barbante com aproximadamente 70 cm de comprimento;
3 – Coloque 10 tampinhas, (mesma cor) em cada barbante;
17
4 – Dê um nó em cada extremidade;
5 – Fixe uma das extremidades de cada uma das 10 linhas de barbante na base superior traseira da placa de MDF com cola, use um fita de E.V.A. para acabamento;
6 – Circule a placa de E.V.A. com o elástico para poder separar as tampinhas que vai
trabalhar.
Como trabalhar esse material

Explique aos alunos que cada barbante representa uma tabuada, se preferir pode numerar cada barbante;

Peça que os alunos que separem as linhas correspondente a tabuada que vão
trabalhar com uma régua ou com outro objeto qualquer, (exemplo 5x5);
18

Separe 5 tampinhas de cada linha com o elástico;

Pedir que os alunos contem a quantidade separada, irão observar que será a
quantidade correspondente à tabuada pedida, 25 tampinhas. (5x5= 25)
Tabuada das Linhas
Toda a tabuada é feita em linhas, cada linha corresponde a uma unidade, que
serão representadas nos sentidos horizontal e vertical, a som do encontro de cada
linha será o produto dos fatores apresentados. Exemplo 3 x 2 = 6
O fator 3, está representado pelas três linhas horizontais.
O fator 2, está representado pelas linhas verticais.
Objetivo:
Fortalecer noção espacial – horizontal- vertical
Compreender conceito de linha
Identificar intercessões das linhas como resultado da tabuada
Possibilitar construção dos fatores com linhas, visualizando resultados
Material necessário:
- Tirinhas coloridos de feltro, de preferência 2 cores diferentes;
- Papelão grosso ou outro material resistente como E.V.A., papel paraná, papel car19
Passo a passo
1 – Corte o papelão, E.V.A. ou outro material escolhido na medida de: 17 cm por 17
cm;
2 – Corte 10 tirinhas de cada cor do feltro com aproximadamente 25 cm cada;
3 – Cole as 10 tirinhas de cada cor em dois lados do quadrado;
20
OBS: a criatividade fica livre para enfeitar o material como quiser, assim como a
utilização de materiais alternativos.
Como trabalhar o material

Pedir que o aluno cruze as linhas de feltro correspondente a tabuada pedida,
exemplo 7x5 ;

Contar o cruzamento dessas linhas na parte frontal do suporte, este será o resultado correto.
OBS: este material poderá ser utilizado como jogo desafiador para dois ou mais alunos.
21
JOGOS
Tabuada de Pitágoras
A tabela de Pitágoras, esta tabela foi criada por Pitágoras, filósofo e matemático grego, do século VI a.C., com ela é possível efetuar todas as operações de
multiplicação existentes na tabuada tradicional.
Objetivo:
- Compreender a construção da tabuada e seus resultados
- Aperfeiçoar habilidade visual/localização por meio do uso de quadro
- Retomar contagem um a um dos campos do quadro, como elemento de construção
da tabuada.
Material necessário
- Tecido ou TNT;
- E.V.A, de preferência 10 cores diferentes;
- Cola quente;
- Sacolinha escura ou uma caixinha.
Obs: Se preferir pode mandar imprimir a tabela.
22
Passo a passo
1 – Corte o tecido ou TNT na medida: 100 cm por 80 cm, faça quadriculado de 10
cm, utilizando canetas, costuras ou qualquer outro material que queira utilizar para
fazer essa marcação;
2 – Cole ou costure um pedacinho de velcro ou ima dentro de cada espaço do quadriculado ou pedacinhos de papel imantado.
3 – Enumere cada linha de quadrados de 1 a 10, tanto na vertical quanto na horizontal, para identificar a tabuada.
4 – Faça 100 quadradinhos de E.V.A. de 9 cm por 9 cm, sendo 10 de cada cor, escreva o resultado de cada tabuada em uma cor específica e cole o outro pedaço de
velcro ou ima correspondente.
OBS: Se preferir poderá montar a tabela no computador e imprimir em lona, além
de ficar mais resistente também fica mais fácil.
Como trabalhar o material

Divida a turma em duas equipes A e B, (os alunos podem designar nomes para
cada equipe ou o professor);

Fixe a tabela no quadro negro ou em uma parede qualquer.

Misture e distribua os 100 quadradinhos com os resultados em uma mesa grande na frente das equipes;

Faça um sorteio para indicar a equipe que começará o jogo;

Prepare fichas da multiplicação envolvendo 2 fatores do 1 a 10, ex; 3x4; 5x6...
e coloque em uma sacolinha para fazer o sorteio.

Sorteie uma ficha e a equipe terá alguns segundos para
achar a resposta e colar no quadro, (utilizar uma ampu-
lheta ou um cronometro para marcar o tempo), caso não
consiga responder dentro do tempo, a equipe não marca
ponto.
Está em anexo o passo a passo
para fazer esta ampulheta.
23

Seguir a ordem em que os alunos da equipe se organizarem, um aluno de cada
vez, alternando as equipes.

Ganha a equipe que obtiver maior número de pontos.
OBS: Pode-se variar a dinâmica do jogo fazendo que todos os integrantes da equipe
possam interagir para achar os resultados.
Tabela de Pitágoras
Para se calcular, por meio desta tabela, o produto de dois números, 3 x 4 por exemplo, basta localizar o multiplicando (3) na primeira linha e o multiplicador (4) na primeira coluna. O resultado do produto está no encontro da linha com a coluna, no caso
o produto é 12, também é possível observar que mesmo invertendo-se a ordem dos
fatores o produto não é alterado, (representado com a mesma cor laranja), outros
exemplos; 3 x 7 representado pela cor roxa; 9 x 4 representado pela cor amarela e
9 x 7 representado pela cor azul.
Bingo da Multiplicação
Objetivo:
- Possibilitar aprendizagem da tabuada
por meio do jogo;
- Relacionar fatores e resultados.
Material necessário
- Cartolina;
- Pincel atômico;
- Sacolinha escura ou caixinha de papelão.
- Tampinhas de cores variadas;
- Tesoura
24
Passo a passo
1 – Corte cartelas na cartolina em retângulos medindo 14 cm por 9 cm, passe linhas
com o pincel atômico formando pequenos retângulos de 3,5 cm por 3 cm.
2 – Escreva as opções da tabuada de forma aleatória nos retângulos formado pelas
linhas;
3 – Faça as fichas com os resultados em pequenos quadrados de cartolina.
Obs: Também é possível montar as cartelas do Bingo no computador e imprimir.
Como trabalhar o material

Distribua as cartelas para os alunos ou deixe que cada aluno escolha a sua cartela.

Coloque as fichas com os resultados na sacolinha e sorteie um de cada vez;

O aluno marca a operação, correspondente, na sua cartela, com tampinhas;

Ganha quem preencher a cartela primeiro, porém o jogo pode continuar com 2º.
e 3º. Lugar.
Variação:
Pode-se fazer a cartela com os resultados e sortear as fichas com as operações.
25
Trilha da Multiplicação
Material necessário
- Cartolinas e E.V.A.;
- Pincel atômico;
- Cola, cola quente;
- Tampinhas coloridas;
- Tecido ou TNT;
Objetivos:
- Incentivar a ludicidade por meio de atividade recreativa
- Possibilitar a resolução da tabuada por meio de
jogos
- Retomar o calculo mental
- 1 dado.
Passo a passo
1 – Corte o tecido ou TNT em forma de círculo com 150 cm de diâmetro formando
uma toalha de mesa, faça o acabamento com viés ou como preferir;
2 – Recorte 47 hexágonos de E.V.A. em alguns deles escreva desafios como preferir
3 - Recorte pequenas fichas, de mais ou menos 4cm por 4 cm. Nestas fichas cole
desafios para serem sorteados de acordo com o número que tirou no dado.
26
4 - Com a cola quente fixe os hexágonos na toalha formando uma trilha, deixe uns
20 cm de sobra ou o necessário para que a trilha fique apenas na superfície da mesa;
Como trabalhar o material

O número de participante pode variar de 2 a 6 alunos, para não se tornar muito
demorado;

Use tampinhas coloridas como marcador para cada jogador;

Organize a ordem de participação por sorteio ou acordo entre os participantes;

O participante joga o dado e terá que sortear uma ficha de acordo com o número correspondente que tirou no dado, ele terá que responder corretamente o
que estiver indicado na ficha, se acertar andará o número de casas sorteado no
dado, caso contrário fica no mesmo lugar até a próxima jogada. O participante
terá um minuto para responder. (o tempo poderá ser controlado por cronometro, relógio ou por uma ampulheta, veja confecção passo a passo no item sugestões).

Ganha o jogo quem chegar no final primeiro.
27
Jogo Quebra-cabeça da Tabuada
Objetivos:
- Incentivar a competitividade
- Valorizar a agilidade de cálculo mental
- Relacionar áreas de conhecimento ( matemática-geografia)
Material necessário
- Caixa de papelão tamanho médio, ou caixa de sapato;
- Fichas com todos os fatores da tabuada;
- Mapa do Brasil para fazer o contorno e também para usar como gabarito.
28
Passo a passo
1 – Faça um recorte circular na tampa da caixa, certifique-se que a abertura seja
suficiente para passar a mão. Cole pedaços de E.V.A. para que a abertura fique discretamente fechada;
2 – Faça o contorno de 2 mapas do Brasil em tamanho grande, para facilitar a visualização, utilize contornos fortes.
3 – Recorte em E.V.A os Estados dos dois mapas do Brasil, de preferência em cores
diferentes para cada região, para posteriormente montarem o quebra cabeça;
29
Como trabalhar o material

O jogo pode ter dois de participantes, caso vários alunos queiram participar divida a turma em duas equipes.

Cada jogador, sorteia uma ficha da caixa surpresa, se acertar o resultado tem
direito a uma peça do quebra cabeça no caso um Estado. Casos contrário passa
a vez para o próximo competidor ou próxima equipe.

Ganha o jogador ou a equipe que montar o quebra cabeça Mapa do Brasil primeiro.

O gabarito do mapa deverá ficar bem visível aos alunos para que eles possam
consultar sempre que achar necessário.
Variações de trabalho:
O professor poderá explorar conceitos da área de Geografia como: Estados e Capi-
tais, Siglas dos Estados, as Regiões, Relevos, Climas etc...
Pode colocar plaquinhas com o nome dos Estados e Capitais para que o aluno depois
de colocar a peça às nomeie.
30
Jogo Dodecaedro
Objetivos:
- Incentivar a aprendizagem da multiplicação;
- Tabuada por meio de jogos.
Material necessário
- Papel paraná ou outro papel grosso;
- Tinta ou pincel atômico;
- Cola ou cola quente.
Passo a passo
1 – Recorte o molde dos 2 dodecaedros, dobre nas marcações e cole;
2 - Enumere os lados de 1 a 10 e nas duas bases oposta coloque um ponto o sinal da
multiplicação;
31
Como trabalhar o material

O número de participante pode variar de 2 até 6, ou divida a turma em duas
equipes.

Cada jogador, lança os dois dodecaedros e os números correspondentes será a
multiplicação que deverá ser resolvida, com o resultado correto o jogador ou a
equipe ganha um ponto.

Quando um dos dodecaedros ou os dois caírem com o sinal da multiplicação o jogador poderá escolher o número que para multiplicar;

Ganha o jogador ou a equipe que tiver maior número de pontos ao final de 20
rodadas, ou quantas o professor estipular.
Molde:
32
SUGESTÕES
Tabuada dos Dedos
Objetivos:
Propiciar o uso de diferentes recursos para compreensão da tabuada
Relacionar o cálculo com elementos concretos que facilitem acesso ao resultado
Tabuada com as mãos
Para fazer esta tabuada é necessário já ter se apropriado das tabuadas 1, 2, 3, 4 e
5. A tabuada dos dedinhos é a partir do 6 até ao 10, é necessário ter conhecimento
prévio em dezenas e com um pouco de atenção é possível perfeitamente ter sucesso
na aprendizagem.
O primeiro passo é escrever na ponta dos dedos os números de 6 a 10 iniciando com
o 10 no polegar e terminar com o 6 no dedo mínimo, como pode ver na imagem.
Vamos pegar como exemplo 7 x 8, encontra os dedos com os números respectivos.
Observe a imagem
33
Depois você deve contar os dedos que estão da junção para baixo no caso do nosso
exemplo, 5 dedos, cada dedo terá o valor de uma dezena, correspondendo a 50 unidades. Observe a imagem
Em seguida multiplica os dedos de uma mão pela outra, os quais estão acima da junção, o resultado dessa multiplicação é 6. Observe a imagem.
Agora soma-se os resultados 50 + 6 = 56, portanto 7 x 8 = 56. Observe a imagem.
34
Outras atividades e material complementar para aulas de
matemática:
Matematicando: a gente aprende brincando
http://www.ufrgs.br/matematicando
Blog: Ensino Fundamental I
https://ensfundamental1.wordpress.com/407-2/415-2/
Recursos educacionais multimídia para a matemática do ensino médio.
http://m3.ime.unicamp.br/
Sugestão de textos para aprofundamento teórico:
Três Jogos para o Ensino e Aprendizagem de Números e Operações no Ensino Fundamental José Ricardo de Rezende Zeni
http://www.feg.unesp.br/~jrzeni/pesquisa/2007/3Jogos/3Jogos-Zeni.pdf
Formação Inicial de Professores de Matemática na Educação Básica: um trabalho em imersão
via tarefas investigativas e resolução de problemas – Willian Beline (org)
http://www.pibidunespar.com.br/index.php/livros
Jogando com as quatro operações e outros conteúdos – Maria Ivete Basniak (org)
http://www.pibidunespar.com.br/index.php/livros
Construindo com a Matemática: uma coletânea de atividades desenvolvidas por bolsistas do
PIBID – Fabio Luis Baccarin e Diego Aparecido Maronese (org)
http://www.pibidunespar.com.br/index.php/livros
O ensino de multiplicação mediado pelo recurso didático de Jogo “argolas da multiplicação” Paulo José dos Santos Pereira - José Ronaldo Melo
http://sbempe.cpanel0179.hospedagemdesites.ws/enem2016/anais/pdf/5232_3572_ID.pdf
Ensino de ciências e matemática IV: temas de investigação. Nelson Antonio Pirola (org.)
http://books.scielo.org/id/bpkng
35
VÍDEOS
Labirinto da multiplicação
http://acervo.novaescola.org.br/matematica/pratica-pedagogica/jogo-tabuada-428051.shtml
Multiplicação com dominó
https://www.youtube.com/watch?v=LB5i5_1Bt-k
Multiplicação usando linhas
https://www.youtube.com/watch?v=L_VeYHv4j_A
Tabuada: método simples e rápido
https://www.youtube.com/watch?v=gW-4VHuTCWU
Tabuada: Tábua de Pitágoras
https://www.youtube.com/watch?v=vTduRszGz0w
Tabuada com as mãos
https://www.youtube.com/watch?v=8X5hzSlUO10
36
REFERÊNCIAS
BRASIL, LDB 4.024/61. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 1961. Disponível em
http://wwwp.fc.unesp.br/~lizanata/LDB%20402 4-61.pdf. Acesso em 10 maio de 2016.
_____ Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 1971. Disponível em http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692. htm. Acesso em 10 maio de 2016
_____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 1996. Disponível em http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394. htm. Acesso em 10 maio de 2016
_____.Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituica o/constituicao.htm. Acesso em 10 maio de 2016.
PARANÁ, Leis, decretos, portarias, etc. Instrução n. 16/11: Estabelece normas para o funcionamento da Sala de Recursos Multifuncional, na Educação Básica, na área da deficiência intelectual, deficiência física neuromotora, transtornos globais do desenvolvimento e transtornos funcionais específicos. Curitiba SEED/SUED, 2011.
KAMII C. A criança e o número 11. ed. Campinas SP, Papirus, 1990.
PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1972.
_____ Estudos Sociológicos 1 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1973.
PIAGET, J. e SZEMINSKA, A. (1952) A gênese do número na criança 2 ed. Rio de Janeiro,
Zahar, Brasília.
LUCKESI, C. C. Desenvolvimento dos estados de consciência e ludicidade. v. 2, n.21, 1998, p.
9-25. Disponível em: http://www.luckesi.com.br/artigoseducacaoludicidade.htm . Acesso em: 21
jun. 2016
37
APÊNDICE
Jogo Dobrando a Tabuada
1 2 3
4
5
6
7 8 9 10 2
4
6 8 10 12 14 16
18 20 3
6
9 12
15 18 21 24 27 30
4 8 12 16 20 24
28 32 36 40 5 10
15 20 25 30 35 40
38
45 50 6 12 18 24
30 36 42 48 54 60
7 14 21 28 35 42
49 56 63 70 8 16
24 32 40 48 56 64
72 80 9 18 27 36
45 54 63 72 81 90
10 20 30 40 50 60
70 80 90
100
1
2
3 4 5
6
7
8
39
Jogo DO Bingo
5x3
5x1
2x5
6x4
9x4
5x2
3x8
4x6
8x2
2x4
6x3
3x7
9x3
5x5
4x5
8x4
3x8
2x6
6x5
9x5
3x9
7x7
4x7
3x9
40
2x2
8x2
2x7
6x6
9x3
5x6
3x6
4x1
8x6
2x8
6x7
9x3
5x6
3x3
4x5
8x6
3x8
2x8
6x7
9x3
3x4
3x3
4x5
3x8
41
5x7
8x9
2x3
6x9
9x7
5x2
4x3
4x2
7x3
4x9
7x4
2x1
7x5
9x9
5x9
8x1
6x2
4x1
2x10
9x8
3x1
5x1
4x10
7x7
42
9x10
7x3
6x10
5x4
4x1
10x8
10x5
3x3
9x6
5x2
4x4
4x6
10x7
8x4
8x8
6x1
5x2
4x3
2x2
7x5
3x9
3x1
8x1
5x10
43
80
24
27
60
12
48
30
18
24
54
64
50
72
35
32
48
42
15
10
45
20
40
8
81
63
16
70
16
4
90
49
6
28
40
14
6
32
9
21
5
2
36
3
25
44
Jogo Trilha da Multiplicação
2X1
2X2
2X3
2X4
2X5
2X6
2X7
2X8
2X9
2X10
3X1
3X2
3X3
3X4
3X5
3X6
3X7
3X8
3X9
3X10
4X1
4X2
4X3
4X4
4X5
4X6
4X7
4X8
4X9
4X10
45
5X1
5X2
5X3
5X4
5X5
5X6
5X7
5X8
5X9
5X10
6X1
6X2
6X3
6X4
6X5
6X6
6X7
6X8
6X9
6X10
7X1
7X2
7X3
7X4
7X5
7X6
7X7
7X8
7X9
7X10
46
8X1
8X2
8X3
8X4
8X5
8X6
8X7
8X8
8X9
8X10
9X1
9X2
9X3
9X4
9X5
9X6
9X7
9X8
9X9
9X10
10X1
10X2
10X3
10X4
10X5
10X6
10X7
10X8
10X9
10X10
47
OPS!! VOCÊ
CAIU NUM BURACO NEGRO,
FIQUE UMA
RODADA SEM
JOGAR.
OPS!! VOCÊ
CAIU NUM BURACO NEGRO,
FIQUE UMA
RODADA SEM
JOGAR.
SINAL VERDE!
VOCÊ TEM
SINAL VERDE!
VOCÊ TEM
DIREITO A
MAIS UMA
JOGADA
DIREITO A
MAIS UMA
JOGADA
LARGADA
CHEGADA
48
PARABÉNS!!!
VOCÊ
PARABÉNS!!!
VOCÊ
PARABÉNS!!!
VOCÊ
GANHOU
GANHOU
GANHOU
BÔNUS...
AVANCE 2
BÔNUS...
AVANCE 2
BÔNUS...
AVANCE 2
CASAS.
SINAL
CASAS.
O TEMPO
CASAS.
O TEMPO
VERDE! VOCÊ
TEM DIREITO
A MAIS UMA
JOGADA
ESTÁ
ESTÁ
NUBLADO!
VOLTE 1
NUBLADO!
VOLTE 1
CASA
CASA
INÍCIO
FIM
49
50
AMPULHETA
PASSO A PASSO

Dois recipientes de iogurte fermentado;

Coloque areia colorida em um deles, não precisa encher muito;

No recipiente vazio cole na abertura um pedacinho de E.V.A. com um peueno
orifício no centro;

Cole o recipiente vazio em cima do cheio de areia e faça o acabamento como
preferir.
51
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards