Apolo e Posêidon

Propaganda
POSÊIDON
O palácio dourado do deus marinho cintilava nas águas profundas e calmas de uma ilha.
Posêidon vivia ali em companhia da rainha Anfitrite. Às vezes saía do fundo arenoso; o mar então
se abria para deixar seu carro passar. E ao lado dele se viam as ninfas e os monstros pulando de
alegria.
Seus passeios nem sempre eram de bom agouro. O deus era muito irritadiço. Quando sua
raiva chegava ao auge, ele surgia das águas brandindo seu tridente. Podia desencadear
tempestades e promover a subida da água dos rios, que transbordavam. Também sabia fazer o
chão tremer, provocando os terremotos. Por isso, os homens o temiam e tomavam a precaução de
lhe oferecer esplêndidos sacrifícios antes de iniciar uma viagem no mar.
APOLO E POSÊIDON
A pobre Leto teve grande dificuldade para pôr no mundo seus dois filhos com Zeus. Nova
conquista do soberano dos céus, também suportou o rancor tenaz da esposa dele, Hera.
Quando ela estava prestes a parir, a deusa, morrendo de ciúme, proibiu todos os lugares da
terra de acolhê-la. As montanhas, as planícies, os rios, a natureza inteira temiam enfrentar a
cólera divina e fugiam à aproximação da jovem mulher.
Leto já estava quase sem forças quando uma pequena ilha, sem levar em conta as ameaças
de Hera, ofereceu-lhe hospitalidade e o repouso tão ansiado. Delos, pobre rochedo deserto,
batido pelos ventos e pelas ondas, nada tinha a perder. Foi aí, ao pé da única palmeira da ilha,
que dois novos deuses vieram à luz.
O nascimento de Apolo foi anunciado por um sinal prodigioso: sete cisnes sagrados deram
sete voltas ao redor de Delos; sete vezes eles cantaram para a parturiente. Na oitava volta,
calaram-se de súbito, e o bebê saiu do ventre materno. Desde então, essas aves de voz
melodiosa passaram a ser os fetiches de Apolo, e Delos, seu lugar favorito.
O menino cresceu entre os hiperbóreos, para junto dos quais os cisnes o levaram quando
nasceu. Esse povo habitava uma região distante, no extremo Norte do oceano, e vivia sob um céu
sempre puro. Ao se tornar adulto, o deus foi para a Grécia.
Mal chegou a Delfos, onde queria fundar um santuário, soube que um dragão chamado Píton
guardava o lugar e semeava o terror, massacrando homens e animais. Libertou a região desse
monstro e foi aclamado salvador por seus habitantes, que logo o adotaram. Edificaram para ele
um templo colossal, onde Apolo instalou sua sacerdotisa, a Pitonisa ou Pítia. Ela era encarregada
de pronunciar as palavras que o deus lhe soprava. A seguir, um adivinho explicava o oráculo aos
que vinham de toda a Grécia conhecer seu destino ou encontrar uma solução para um problema
embaraçoso.
Apolo não era amado apenas por seus atos benéficos; também lhe apreciavam a grande
beleza. Tinha os traços delicados de uma mulher e a musculatura bem-feita de um atleta. Sua
pele muito branca se destacava sob os cachos da cabeleira castanha. Ele encantava tanto as
moças como os rapazes, mas, apesar disso, teve amores infelizes.
A ninfa Dafne, filha do rio Peneu, foi a primeira a abrasar seu coração. Essa paixão
repentina lhe foi inspirada por Eros, o deus do amor, que procurava se vingar de Apolo porque
este o surpreendera um dia esticando a corda do seu arco. Rindo por ver aquela criança a brincar
com suas armas, Apolo as tomou dizendo que elas estavam reservadas para deuses mais
poderosos. Eros pronunciou então estas palavras misteriosas:
"Suas flechas não são as únicas que ferem a quem atingem."
Eros atirou no deus uma seta que fez nascer o amor e, na ninfa, uma que gerou o
sentimento oposto. Dafne rejeitou as investidas de Apolo e fugiu do deus, que foi atrás dela.
Quando ele achava que a estava alcançando, a ninfa escapava, e então recomeçava a corrida.
Dafne logo se cansou e, temendo não ter mais forças para se esquivar a perseguidor, suplicou ao
pai que a ajudasse. Peneu ouviu o apelo desesperado da filha e lhe deu imediatamente outra
aparência. No momento em que Apolo ia enfim agarrá-la, encontrou um tronco de árvore rugoso e
misturou seus cachos castanhos às folhas escuras de um loureiro: a moça havia perdido para
sempre sua forma humana. Com o coração partido, Apolo jurou amar eternamente aquela árvore,
com cujas folhas fez uma coroa, que pôs na cabeça. Foi assim que a coroa de louros se tornou o
símbolo de Apolo.
Por duas vezes, Apolo teve que servir a um mortal. Com outros deuses, ele havia conspirado
contra Zeus, mas a conjuração fracassou. Para pagar pelo que fizeram, Zeus mandou Apolo e
Posêidon como escravos a Laomedonte, rei de Troia. Ora, este último estava precisando de mãode-obra, porque queria construir uma grossa muralha em volta de sua cidade.
Satisfeitíssimo por contar com operários desse calibre, o rei de Tróia incumbiu Posêidon do
trabalho. Um salário estabelecido previamente deveria recompensá-lo. O deus dos mares trocou
então seu célebre tridente por uma pá de pedreiro e trabalhou, como escravo, na construção da
cidadela. Erguida por um deus, ela seria inexpugnável enquanto outro deus não ajudasse a tomála.
Enquanto isso, Apolo cuidava de outra tarefa. Nas encostas cobertas de bosques do Ida,
guardava os rebanhos do rei. Os devaneios nas pastagens correspondiam melhor a seu
temperamento.
Terminado o trabalho com que pagaram por seu erro, as duas divindades foram reclamar ao
rei o salário combinado. Mas Laomedonte desrespeitou o compromisso assumido, recusando-se a
remunerá-los. Os deuses, furiosos, protestaram, porém o rei os ameaçou,dizendo que mandaria
cortar as orelhas deles e os venderia como escravos. Eles não puderam reagir de imediato,
porque haviam deixado no céu seu poder divino. Foram embora, então, jurando vingança. De volta
ao Olimpo, Apolo recuperou o poder e ordenou que a peste assolasse a cidade.
(Pouzadoux, Claude - Contos e Lendas da Mitologia Grega.Cia. das Letras.2001)
769896157
2
Download
Random flashcards
Criar flashcards