1SOC711 Antropologia II

Propaganda
Centro: Centro de Letras e Ciências Humanas (CCH)
ANO LETIVO
Departamento: Ciências Sociais
2006
PLANO DE CURSO
NOME
CÓDIGO
1SOC711 Antropologia II
CURSO
SÉRIE
Ciências Sociais
2ª.
CARGA HORÁRIA
T
P
TOTAL
SEM. DE OFERTA
HABILITAÇÃO(ÕES)
ANUAL
1º
68hs.
X
2º
X SEMESTRAL
PROGRAM1.DOC
*1 - EMENTA
Funcionalismo, estrutural-funcionalismo, Escola de Manchester, Escola Sociológica Francesa.
Diferenças e desigualdades. Repensando o relativismo cultural. Antropologia realizada no Brasil.
2 - OBJETIVO(S)
Introduzir o aluno ao pensamento antropológico através das teorias clássicas e modernas. As
discussões dos diferentes autores e escolas devem se dar a partir de seus pressupostos teóricometodológicos, assim como de seus limites e desdobramentos.
*3 - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/CRONOGRAMA
UNIDADE I (março): “O funcionalismo britânico”
- Malinowski e o trabalho de campo – uma ruptura metodológica
- Estrutura e função nas sociedades primitivas: Radcliffe-Brown
- O estrutural-funcionalismo: Evans-Pritchard
UNIDADE II (abril): “O funcionalismo: desdobramentos e impasses”
- A Escola de Manchester e a Teoria da Ação.
- O processo ritual e o drama social (Turner, Gluckman).
- O ritual como expressão simbólica e organização da experiência (Douglas)
UNIDADE III (maio): “A Escola Sociológica Francesa”
- Émile Durkheim
- Marcel Mauss
UNIDADE IV (junho): “Marcel Mauss e os desdobramentos de sua obra”
- O Ensaio sobre a Dádiva
- A Noção de Pessoa
4 - PROCEDIMENTOS DE ENSINO/FORMAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Aulas expositivas. Leitura e discussão em sala de aula dos textos indicados. Seminários e Prova
escrita, individual e sem consulta.
1
*5 - BIBLIOGRAFIA BÁSICA
1) CARDOSO DE OLIVEIRA, R. “Tempo e tradição: interpretando a antropologia”. In: ______
Sobre o pensamento antropológico. R.J.: Tempo Brasileiro; Brasília: CNPq, 1988.
2) DURHAM, E. (org. ). Malinowski/ Argonautas do Pacífico ocidental. SP: Abril Cultural, 1984.
3) RADCLIFFE-BROWN, A. R. “Da estrutura social” e “Do conceito de função nas Ciências
Sociais”. In: ______ Estrutura e função nas sociedades primitivas. Lisboa: Edições 70, s/d.
RADCLIFFE-BROWN, A. R. “A posição atual dos estudos antropológicos” e “O método
comparativo em antropologia social”. In: GUIMARÃES, A. Z. Desvendando máscaras sociais.
R.J.: Francisco Alves, 1975.
4) EVANS-PRITCHARD, E. E. Os Nuer. S. P.: Perspectiva, 1978.
5) FELDMAN-BIANCO, B. (org.). A antropologia das sociedades contemporâneas. SP: Global, 1987.
6) GLUCKMAN, M. Rituais de rebelião no sudeste da África. Cadernos de antropologia, n.4, Brasília:
UNB, 1974.
______ “Análise de uma situação social na Zuzulândia moderna”. In: FELDMAN-BIANCO, B. (org.). A
antropologia das sociedades contemporâneas. SP: Global, 1987.
7) TURNER, V. O processo ritual. Petrópolis/RJ: Vozes, 1974.
8) VAN VELSEN, J. “A análise situacional e o método de estudo de caso detalhado”. In: FELDMANBIANCO, B. (org.). A antropologia das sociedades contemporâneas. SP: Global, 1987.
9) DOUGLAS, M. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.
10) DURKHEIM, E.; MAUSS, M. “Algumas formas primitivas de classificação”. Mauss, M. Ensaios de
sociologia. São Paulo: Perspectiva, 1981 (Estudos, n.47).
11) MAUSS, M. “Ofício de etnógrafo, método sociológico (1902)” e “A expressão obrigatória de
sentimentos (1021)”. In: CARDOSO DE OLIVEIRA, R. (org.). Mauss: antropologia. SP: Ática,
1979 (Grandes Cientistas Sociais, 11).
12) ______ “Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a noção do `eu´ “. In: ______
Sociologia e antropologia, v.1. SP: EPU, 1974.
13) SEEGER, A; DA MATTA, R.; VIVEIROS DE CASTRO, E. A construção da pessoa nas
sociedades indígenas brasileiras. In: OLIVEIRA, J. P. (Org.). Sociedades indígenas e indigenismo
no Brasil. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1987.
14) DA MATTA, R. “Você sabe com quem está falando?”: um ensaio sobre a distinção entre
indivíduo e pessoa no Brasil. In: Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
15) MAUSS, M. “Ensaio sobre a dádiva. Formas e razão da troca nas sociedades arcaicas”. In: ______
Sociologia e antropologia, v.2. SP: EPU, 1974.
16) LANNA, Marcos. “Nota sobre Marcel Mauss e o ensaio sobre a Dádiva”. In. Revista de
Sociologia
Política nº.14.
Curitiba June 2000.
Disponível
no
site:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-44782000000100010&script=sci_arttext&tlng=pt.
Acessado
em 08 dez. 2005.
17) BOURDIEU, P. Marginália. Algumas notas adicionais sobre o Dom. Mana, 2(2): 7-20, 1996.
*6 - BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BRUMANA, F. G. Antropologia dos sentidos: introdução às idéias de Marcel Mauss. SP:
Brasiliense, 1983 (Primeiros Vôos).
CARDOSO DE OLIVEIRA, R. (org.). Mauss: antropologia. SP: Ática, 1979 (Grandes Cientistas
Sociais, 11).
DUARTE, L. F. D. A construção social da pessoa moderna. In: Da vida nervosa nas classes
trabalhadoras urbanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.
DUARTE, L. F. D.; GIUMBELLI, E. A. As concepções cristã e moderna da pessoa: paradoxos de
uma continuidade. Anuário Antropológico 93. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995, p.77-111.
DURHAM, E. R. A reconstituição da realidade. Um estudo sobre a obra etnográfica de Bronislaw
Malinowski. SP: Ática, 1978.
2
DURKHEIM, E. “As formas elementares da vida religiosa”. In: GIANNOTTI, A.J. (org.) Durkheim. São
Paulo: Abril Cultural, 1983 (Os Pensadores).
EVANS-PRITCHARD, E. E. Bruxaria, oráculos e magia entre os azande. Rio de Janeiro: Zahar Ed.,
1978.
FARDON, R. Mary Douglas: uma biografia intelectual. RJ: Editora UFRJ, 2004.
GOLDMAN, M. Uma categoria do pensamento antropológico: a noção de pessoa. Revista de
Antropologia, São Paulo, v.39, n.1, 1996 (ou: Alguma antropologia. Rio de Janeiro: RelumeDumará, 1999).
GOODY, J. Domesticação do pensamento selvagem. Lisboa: Editorial Presença, 1988.
KUPER, A. Antropólogos e antropologia. RJ: Francisco Alves, 1978.
LAPLANTINE, F. “Os pais fundadores da etnografia: Boas e Malinowski”. In: ______ Aprender
antropologia. SP: Brasiliense, 1988.
LEFORT, Claude. “A troca e a luta dos homens”. In. As formas de história. São Paulo: Brasiliense,
1990.
DA MATTA, R. Individualidade e liminaridade: considerações sobre os ritos de passagem e a
modernidade. Mana, 6(1):7-29, 2000.
MAUSS, M. Sociologia e antropologia, v.1 e v. 2. São Paulo: EPU, 1974.
MELLATI, J. C. (org.). Radcliffe-Brown: antropologia. SP: Ática, 1978 (Grandes Cientistas
Sociais. 3).
PEIRANO, M. Rituais ontem e hoje. RJ: Jorge Zahar, 2003 (Passo-a-passo; v.24).
PONTES, H. “Durkheim: uma análise dos fundamentos simbólicos da vida social e dos
fundamentos sociais do simbolismo”. Cadernos de Campo. Ano III, n.3, 1993, São Paulo:
USP/FFLCH, p.89-102
SIGAUD, L. As vicissitudes do “Ensaio sobre o Dom”. Mana 5(2): 89-124, 1999.
TURNER, V. Floresta de símbolos. Niterói, RJ: Editora UFF, 2005.
VAN GENNEP, A. Os ritos de passagem. Petrópolis/RJ: Vozes, 1978.
ZALUAR, A. (Entrevista). Cadernos de Campo. Ano IX, n.8, 1999. SP: USP/FFLCH, p.125-1347.
______________________________
Professor responsável pelo plano: Leila Sollberger Jeolás
Chapa:
Aprovado pelo Depto. em ___/___/___
Aprovado pelo Colegiado em ___/___/___
______________________________
Assinatura do Chefe do Departamento
______________________________
Assinatura do Coord. do Colegiado
* Itens correspondentes ao programa oficial a ser cadastrado na PROGRAD (antiga CAE).
3
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards