Turma - Ceap

Propaganda
CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ
Avaliação- 1º SEMESTRE/2010
Disciplina
Antropologia Urbana
Curso
Arquitetura e Urbanismo
Professor(a)
Maura Leal da Silva
Turno/Horário
Noturno
Turma:
2- ARQN
II AVALIAÇÃO PARCIAL – Estudo Dirigido em Grupo (Valor: 10 pontos)
Texto de Apoio: VELHO, Gilberto. Antropologia Urbana: encontro de tradição e novas
perspectivas. Revista Sociologia, problemas e práticas, n. 59, 2009, pp.11-18.
Objectivo:
-Introduzir o objeto de estudo da antropologia urbana visando pensar antropologicamente o urbano,
através da observação das mudanças de uma antropologia tradicional para uma antropologia do
urbanismo.
Questões:
1- Discorra sobre os antecedentes (históricos e teóricos) da antropologia urbana: do estudo dos
primitivos ao estudo das cidades, e ao estudo do urbanismo.
2- Comente sobre os modelos de crescimento urbano da Escola de Chicago.
3- Disserte sobre o campo de estudo da antropologia urbana na atualidade
15.1. INTRODUÇÃO: ANTECEDENTES DA ANTROPOLOGIA URBANA
Entre outros temas os antropólogos urbanos dedicaram-se a investigar os seguintes: migrações, redes
sociais, vizinhanças, processos políticos, comerciantes, ofícios, relações clientelares, associações
voluntárias, congregações religiosas, cerimônias públicas, festivais urbanos, movimentos sociais, etc.
Também atenderam a perspectivas mais holísticas, e estudaram as formas e qualidades do urbanismo,
o continuum rural-urbano, os centros urbanos, as ordenações urbanas regionais e transnacionais, as
redes comerciais, as dimensões da escala e da especialização, o simbolismo espacial e os domínios
cross-culturais da vida urbana.
Todos estes temas foram abordados pela antropologia na cidade e a antropologia da cidade. A
antropologia na cidade (cenário da investigação) é a predominante pelos seus trabalhos (exemplos:
pobreza urbana, processos de urbanização...), e a antropologia da cidade (objeto de investigação) têm
o seu eixo central nos estudos sobre o urbanismo.
O trabalho de campo antropológico em localidades urbanas começou nos anos 30 e 40 do
século XX. Durante essas décadas, o método etnográfico da observação participante, foi utilizado por
W. Lloyd Warner e os seus estudantes em "Yankee City" (Chicago) e Natchez (Missisippi); Robert
Redfield e os seus associados no Yucatán (México) e por William F.Whyte em Boston (1943). Também
é preciso ter em conta a:
-Edward Spicer, sobre os "iaqui" em Tucson (Arizona).
-Horace Miner, em Timbuctoo.
-William Bascom, em Ife.
-Godfrey Wilson, em Zâmbia.
-Ellen Hellmann e Bengt Sundkler, na África do Sul.
1
CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ
Avaliação- 1º SEMESTRE/2010
Todos estes trabalhos seguiram a direção teórica da antropologia social de Malinowski e RadcliffeBrown, e no seu tempo não foram denominados nem pensados como uma "antropologia urbana"
separada da antropologia social. Estas investigações tiveram também raízes não antropológicas. A mais
importante foi a da tradição sociológica da Universidade de Chicago, iniciada por Robert Park logo da 1ª
guerra mundial, quem estudou com método etnográfico comunidades de imigrantes, vizinhanças e o
tempo de lazer. Park e os seus colegas elaboraram uma teoria da organização industrial da cidade e o
seu crescimento concentrado.
Mas antes que Park, é preciso salientar o trabalho de Frederick Engels (1892) sobre o impacto
que o capitalismo produz na cidade de Manchester nos anos 40 do s. XIX. Outro precedente importante
foi o trabalho de W.E.B. Du Bois intitulado "The Philadelphia Negro" (1899). Du Bois foi um historiador, o
primeiro doutor afro-americano na Universidade de Harvard. Além da sua contextualização histórica e
documental e a sua análise estatística das entrevistas extensivas, Du Bois viveu na vizinhança
estudada, estudando as classes sociais e os prejuízos raciais.
No ano 1963 aparece por primeira vez a denominação "antropologia urbana", e no 1972 nasce a
revista “Urban Anthropology”. Desde mediados dos anos 50 do século XX foram aparecendo numerosas
monografias de antropologia urbana, entre estas têm uma especial relevância as do Rhodes-Livingston
Institute, um grupo de antropólogos de Manchester com um interesse central en África (sobre todo as
cidades de Zâmbia e a destribalização). Mas também foram aparecendo outras etnografias urbanas
(vizinhanças, grupos sociais e processos culturais) em EUA, Reino Unido, América Latina e Ásia.
Todos estes trabalhos são reunidos e discutidos por Richard Fox no ano 1977.
Nas décadas de 1980 e 1990, a antropologia urbana cobra novos impulsos (Sanjek, 1990). Um
ponto central deste impulso está no seguinte dato: a finais dos anos 1990 mais da metade da população
mundial vive em cidades, e a proporção parece ser que tenderá a aumentar no século XXI. Perto do ano
2000 seis cidades terão mais de 15 milhões de pessoas.
Os problemas que todo isto traz consigo é de grande interesse para a antropologia urbana, por
isso cada vez mais os antropólogos centram o seu trabalho nas cidades e nos processos de
urbanização.
Na atualidade, na antropologia urbana predominam as análises desde unha perspectiva
relacional (Hannerz, 1986), isto é, estudando as conexões entre os fenômenos urbanos e o sistema
mais amplo, a nível regional, nacional e internacional. A antropologia urbana permanece também aberta
às análises históricas e à introdução de novos temas e enfoques: os estudos das classes medias, a
classe operária, a burguesia, as elites e os conflitos de classe, a etnicidade, o gênero, a natureza das
relações humanas e a identidade, a informação e os meios de comunicação, etc. Hoje também há um
acordo entre os especialistas em antropologia urbana em relação ao conceito de complexidade, que
englobaria à realidade urbana, mas também à atitude com a que os científicos sociais tem de se
enfrentar com ela. Assim, qualquer tema ou objeto de estudo urbano pode ser aceite como
representação da complexidade urbana, a condição de que o antropólogo não retifique e essencialice o
seu objeto, impondo umas fronteiras artificialmente construídas que o separam e isolam do seu
contexto. Destaca-se assim a interdependência econômica entre os territórios, a urbanização dos
espaços rurais, e o caráter poroso e permeável dos fenômenos urbanos, combinado com o sistema
total, analisado desde a óptica da complexidade societária.
15. 2. DO ESTUDO DOS PRIMITIVOS AO ESTUDO DAS CIDADES E AO ESTUDO DO URBANISMO
O papel que os antropólogos podemos realizar na análise dos fenómenos urbanos convida a uma
detida reflexão, pois o urbano é um fenômeno relativamente novo como objeto da nossa atenção.
Após o abandono progressivo do “exótico” lá fora, como domínio quase exclusivo da nossa
reflexão e análise, os estudos mais relevantes da antropologia profissional da pós-guerra européia
centraram-se nas sociedades agrárias e camponesas, nesse quadro insere-se a chamada antropologia
do mediterrâneo e antropologia da honra e a vergonha. Mas, chegou um momento no qual, por reflexão
epistemológica, mas também pela crise do objeto de estudo e da academia, os antropólogos
começaram a orientar as suas investigações em direção aos estudos urbanos e os processos de
urbanização.
2
CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ
Avaliação- 1º SEMESTRE/2010
A antropologia foi identificada tradicionalmente como uma disciplina que estudava os povos mau
chamados “primitivos”, é dizer, grupos humanos não urbanos. Ligada ao colonialismo, o antropólogo era
uma espécie de herói que trabalhava longe do seu lar, estudando pequenas comunidades sem
tradições escritas nem estatísticas (Peattie e Robins, 1984: 83-95). Como exemplos temos os trabalhos
de Malinowski e de Radcliffe Brown.
Porém, os sociólogos estudavam nas suas próprias sociedades. Mas quando os antropólogos
começaram a estudar as suas próprias sociedades, aplicaram os métodos etnográficos aplicados nas
pequenas comunidades que tinham estudado. O resultado era um estudo de comunidades em contexto
urbano (Lynd e Lynd, 1929), ou o estudo de cidades como se fossem tribos (Warner e Lunt, 1941).
Uma aproximação algo diferente foi a linha de força seguida pela antropologia da pobreza e da
imigração, que tem como máximo representante ao antropólogo Oscar Lewis e os seus estudos sobre a
pobreza e a imigração rural-urbana no México.
Outra tradição importante em antropologia urbana foi a da Escola do Rhodes-Livinstone ou
Escola de Manchester, centrada na tribalização e na destribalização das cidades africanas, junto com
os problemas de adaptação cultural a uma nova economia industrial (Banton, 1980).
Na atualidade a antropologia urbana deixou de estudar partes da cidade para estudar os
problemas do urbanismo, deixou de ser uma antropologia na cidade para converter-se em antropologia
da cidade e do urbanismo como problema antropológico.
BIBLIOGRAFIA
BANTON, M. (comp.)(1980): Antropología social de las sociedades complejas. Madrid: Alianza.
BELMONTE, T.(1989, or. 1979): The Broken Fountain. New York: Columbia University Press.
DA MATA, R.(1991, Or. 1987): A casa, a rua. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
DU BOIS, W.E.B. (1995, or. 1903): Las almas del pueblo negro. León: Universidad de León.
DU BOIS, W.E.B.(1899): The Philadelphia Negro: A Social Study. New York: Schocken.
EAMES, E. e GOODE, J.(1977): Anthropology of the City. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall.
ENGELS, F.(1969, or. de 1892): The Condition of the Working Class in England. London: Panther.
FERNÁNDEZ-MARTORELL, M.(1996): Creadores y vividores de ciudades. Ensayo de antropología
urbana. Barcelona: Universidad de Barcelona.
FERNÁNDEZ MARTORELL, M.(1997): Antropología de la convivencia. Manifiesto de antropología
urbana. Madrid: Cátedra.
FOSTER, G. E VAN KEMPER, R.(eds.)(1974): Anthropologists In Cities. Boston: Little Brown.
FOX, R.(1977): Urban Anthropology. Cities In Their Cultural Settings. Englewood Cliffs-New Jersey:
Prentice Hall.
GOTTDIENER, M.(1985): A Produção social do espaço urbano. São Paulo: Edusp.
GOTTDIENER, M. e PICKVANCE CH. G.(eds.)(1991): Urban Life In Transition. London: Sage.
HANNERZ, U. (1986, or. 1982): Exploración de la ciudad. Mexico: FCE.
HANNERZ, U.(1992): Cultural Complexity Studies in the Social Organization of Meaning. New York:
Columbia University Press.
LEWIS, O (1966): Antropología de la pobreza. México: FCE.
LYND, R.S. e LYND, H.M.(1929): Middletown: A Study in Contemporary American Culture. London:
Constable.
MONREAL, P.(1996): Antropología y pobreza urbana. Madrid: Los Libros de la Catarata.
MUNFORD, L. (1982): A cidade na História. Suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo:
Livraria Martins Fontes.
PEATTIE, L.R. e ROBBINS, E.(1984): "Anthropological Approaches to the city", em Rodwin, Ll. e
Hollister, R.M. (eds.): Cities of the Mind. Images and Themes of the City in the Social Sciences. New
York and London: Plenum Press, pp. 83-95.
PEREIRO PÉREZ, X.; CASTRO SEIXAS, P. E MOTA SANTOS, P. (Coords.)(1999): Cultura e
Arquitectura. Incursións antropolóxicas no espacio construído. Santiago de Compostela: Ediciós Lea.
PEREIRO PÉREZ, X. (2005): Galegos de vila. Antropoloxía dun espazo rurbano. Santiago de
Compostela: Sotelo Blanco.
3
CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ
Avaliação- 1º SEMESTRE/2010
PUJADAS, J.J.(1996): "Antropología urbana", em Prat, J. e Martínez, A.(eds.): Ensayos de Antropología
Cultural. Barcelona: Ariel, pp. 241-255.
PUJADAS, J.J.(1991): "Presente y futuro de la antropología urbana en España", en VV.AA.(eds.):
Malestar y conflicto en la sociedad madrileña. Madrid: A.M.A., pp. 45-80.
SANJEK, R.(1990): "Urban Anthropology in the 1980´ S: A World View", em Annual Review of
Anthropology n.º 19, pp. 151-186.
SANJEK, R.(1996): "Urban anthropology", em Barnard, A. e Spencer, J.(eds.): Encyclopedia of Social
and Cultural Anthropology. London: Routledge, pp. 555-558.
SIGNORELLI, A.(1999): Antropología Urbana. Barcelona: Anthropos
SILVANO, F.(1996): Territórios da Identidade. Oeiras: Celta.
SOUTHALL, A.(ed.) (1973): Urban Anthropology. Cross-Cultural Studies Of Urbanization. London:
Oxford University Press.
VELHO O.G.(Comp.)(1979) O Fenômeno Urbano, Rio De Janeiro: Zahar Editores.
VELHO, G. (org.) (1999): Antropologia Urbana. Cultura e sociedade no Brasil e em Portugal. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Editor.
WARNER, W.L. e LUNT, P.S.(1941): The Social Life of a Modern Community. New Haven (Connectica):
Yale University Press.
WEBER, M.(1987): La Ciudad. Madrid: La Piqueta.
WIRTH, L.(1938): "Urbanism As A Way Of Life", em American Journal of Sociology n.º 44, pp. 1-24.
SÍTIOS EM INTERNET
http://www.ameranthassn.org/sua.htm (Society for Urban Anthropology)
Fonte: © APONTAMENTOS DE ANTROPOLOGIA CULTURAL 2006-2007- Prof. Dr. Xerardo Pereiro –
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)- antropólogo- Correio electrónico:
[email protected] Web: www.utad.pt/~xperez/ . Acesso em 22 de setembro de 2009.
4
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards