A Astrologia

advertisement
A Astrologia
A Astrologia é uma linguagem simbólica para o estudo da Consciência.
Baseia-se no princípio "O que está em cima é como o que está em baixo..." e
estuda a relação entre o Universal e o Individual. Este estudo tem como base a
interpretação simbólica da posição relativa dos astros e da Terra.
A Astrologia permite-nos interpretar a nossa relação (o Individual) com o Todo (o
Universal). Esta relação não é estática nem linear; desenrola-se no tempo. Por isso, só
é compreendida na sua totalidade quando estudamos os seus vários momentos, ciclos
e etapas.
Se tomarmos o indivíduo como o "centro", teremos esta dinâmica retratada no mapa
natal. Contudo, nem só de indivíduos trata a Astrologia: a perspectiva pessoal (e o
"mapa natal") é apenas uma, entre as múltiplas áreas de estudo que constituem este
vasto corpo de conhecimentos.
A Astrologia parte de uma perspectiva geocêntrica (salvo raras excepções). Mesmo a
faixa zodiacal, aparentemente exterior ao planeta, resulta de um factor terrestre: a
órbita aparente do Sol ao redor do planeta.
Assim, todos os factores astrológicos vão ser intepretados segundo as suas posições
vistas a partir da Terra (geocêntricas).
Em termos simbólicos, este é o primeiro passo para correlacionar directamente os
eventos celestes (o que está em cima) com acontecimentos terrestres (o que está em
baixo).
Na interpretação, leva-se em conta os planetas, segundo a sua posição por signo. Em
Astrologia, os planetas têm um valor simbólico; o estudo dos planetas como corpos
físicos é da área da Astronomia.
Outro importante factor de interpretação astrológica são as casas, que enquadram
numa referência terrestre o acontecimento em análise.
Todos estes factores são interpretados e correlacionados, formando um todo único: um
mapa astrológico. Deste, é possível extrair uma imagem simbólica, um padrão
comportamental. Este aplica-se tanto aos seres humanos individuais como aos eventos
colectivos.
O que é a Astrologia?
A Astrologia tem sido, desde sempre, alvo das mais estremadas reacções: alguns
condenam-na totalmente, enquanto outros a aceitam sem questionar; poucos são os
que lhe ficam indiferentes.
Contudo, qualquer destes extremos - tanto a recusa como a aceitação total - são fruto
do mesmo desconhecimento. No meio termo fica quem sabe que, antes de acreditar ou
condenar, importa compreender.
É este conhecimento que nos propomos descobrir nesta série de artigos dedicados à
Astrologia.
Assim como é no Céu, é na Terra...
A Astrologia é o estudo da relação entre o Homem e o Universo, através da simbologia
dos corpos celestes. Esta linguagem simbólica baseia-se no princípio da sincronia entre
o Universo e o ser humano. Ou seja: "O que está em cima é como o que está em
baixo..."
Os Astrólogos partem, portanto, do princípio que os acontecimentos da Terra (quer à
escala individual, quer colectiva) reflectem a dinâmica representada nos céus. É a
partir desta base que se desenvolve o conhecimento astrológico.
Importa acrescentar que a Astrologia é uma das mais antigas formas de
Conhecimento. Tem atravessado séculos, civilizações e Eras.
Esta longa viagem tem deixado as suas marcas. Em determinadas fases da História da
Humanidade, a Astrologia tem sido dignificada como linguagem reveladora da Alma
Humana e do seu papel na Ordem Universal. Noutras fases, tem sido deturpada,
espoliada do seu carácter "sagrado" e reduzida a simples "arte divinatória".
Em todas as épocas, contudo, a Astrologia conseguiu manter a capacidade de
interpretar as necessidades e a dinâmica humanas.
Acreditar ou compreender?
Quando conhecemos a essência da Astrologia, compreendemos que não vale a pena
condená-la, alegando uma suposta "invalidade científica".
Também não vale a pena aceitar totalmente a ideia de supostas "influências" celestes,
como se de um dogma religioso se tratasse, e através deste dogma procurar explicar
todos os acontecimentos da vida. Aliás, os "crentes" mal-informados acabam por ser
ainda mais prejuciciais para a Astrologia do que os chamados "cépticos".
Vale a pena, isso sim, procurar entender as bases e ter pelo menos uma noção geral
sobre o "funcionamento" da Astrologia. Só assim estarão reunidas as condições para,
com pleno conhecimento de causa, formarmos uma opinião consistente sobre o
assunto.
Como "funciona"?
Quando um astrólogo intepreta uma carta natal, "lê" um conjunto de símbolos. Este
representam, entre outras coisas, a posição relativa dos planetas e signos. A partir da
interpretação destes símbolos, vai compreendendo, a níveis cada vez mais profundos,
a dinâmica interna do indivíduo ou acontecimento ali representado.. Por outras
palavras: o astrólogo "lê" nos céus o que se passa na Terra.
Porque é que na interpretação astrológica, a posição dos astros nos céus representa a
dinâmica interna de um ser humano ou de um acontecimento?
Porque é que as estrelas e os planetas, nos "falam" de coisas que se passam sobre a
Terra? Em resumo: porque é que as estrelas "falam" de nós?
A interpretação astrológica parte do princípio de que "o que está em cima é como o
que está em baixo". Significa isto que existe uma relação simbólica entre a posição
relativa dos astros nos céus (o que está em cima) e a vida humana (o que está em
baixo). É a relação entre o Todo e a Parte: o ser humano é, em pequena escala, um
reflexo dos céus.
Influência ou símbolo?
Importa realçar que este conceito nada tem a ver com as supostas "influências"
(gravitacionais ou outras) que os corpos celestes possam ter sobre a vida no nosso
planeta. Não se trata de "raios misteriosos", tracções gravitacionais, radiações ou
quaisquer outras "influências" que os planetas projectem sobre nós.
Em Astrologia, a relação entre o Todo e a Parte não é física mas simbólica.
Quer isto dizer que a posição relativa dos astros nos céus é, em si mesma, um
símbolo: representa um momento específico, com toda a sua dinâmica de
probabilidades. A pessoa que nasceu naquele momento, terá, portanto, uma relação
directa com o que ali está representado. Ela é, de certo modo, uma "encarnação"
daquele momento; é, por assim dizer, o momento em forma humana. Ao longo da
vida, a pessoa irá "desenrolar" as probabilidades ali representadas e deparar-se com
os obstáculos ali descritos.
Consciência e Liberdade
Existe ainda um terceiro - e importantíssimo - aspecto nesta equação: a consciência.
Assim, num mapa natal, é o grau de consciência pessoal que vai determinar até que
ponto cada indivíduo está condicionado.
Quanto maior for o grau de consciência de si mesmo e do Todo, maior será a
possibilidade de escolha pessoal, maior será o grau de liberdade (o tão falado livrearbítrio) e menor será o condicionamento ditado pelo exterior (a velha questão da
predestinação).
Compreender a relação entre o Todo, a Parte e a Consciência é, portanto, o primeiro
passo para quem quer estudar Astrologia.
Por Helena Avelar e Luís Ribeiro
Como nasceu a Astrologia?
A Astrologia é considerada uma das mais antigas formas de conhecimento. A sua
origem perde-se nos tempos.
Esta arte teve, provavelmente, a sua origem em tempos remotos quando a vida dos
seres humanos estava intimamente ligada ao ciclos da Natureza.
A origem...
Num mundo de caçadores e recolectores, os ciclos mais importantes seriam os ciclos
lunares e os das estações. Estes ciclos condicionavam a caça e o tipo de alimentos
disponíveis.
A observação e estudo destes ciclos naturais levou o ser humano a criar todo um corpo
de conhecimentos. A vertente simbólica e mística destes conhecimentos viriam a
constituir as bases da Astrologia, enquanto o aspecto "matemático" constituiria, mais
tarde, a Astronomia. Até muito tarde na história da humanidade estas duas vertentes
do conhecimento foram indissociáveis.
Embora o vestígio mais antigo de observação Astrológica/Astronómica seja de 15.000
AC, a Astrologia, tal como a entendemos hoje, só começa a desenvolver-se com o
sedentarismo causado pelo aparecimento da Agricultura (10.000 a 5.000 AC). A
necessidade de compreender os ciclos torna-se vital para as colheitas. Com a
atribuição de cargas simbólicas a estes ciclos, desenvolve-se toda uma mística e uma
metafísica ao redor do estudo dos astros.
Período Mesopotâmico
Os primeiros astrólogos aparecem em 4.000 AC com o desenvolvimento das
civilizações mesopotâmicas e egípcias no Médio Oriente. Começam nesta altura a
desenvolver-se os métodos de observação e cálculo astronómico; paralelamente,
desenvolvem-se também algumas das bases fundamentais da Astrologia,
nomeadamente, o conceito de Zodíaco, as características planetárias e a atribuição das
regências.
Os astrólogos desta época são conhecido por "caldeus", por grande parte deste
conhecimento desenvolveu-se na Caldeia. Todo o panorama religioso é favorável ao
desenvolvimento da Astrologia. Aliás, esta é praticada por sacerdotes, enfatizando o
seu lado mágico, religioso e sagrado.
A Astrologia é utilizada para o estudo e previsão de eventos colectivos. Os horóscopos
individuais raramente são utilizados; geralmente, são feitos apenas para os reis ou
para figuras muito importantes para a nação.
Período Grego
Por volta de 700 AC a expansão das rotas de comércio e do contacto entre os povos
leva a que muito do conhecimento filisófico, religioso e místico seja difundido. O
interesse dos gregos pela Astrologia começa a crescer.
A civilização grega vai dar um grande impulso ao desenvolvimento da Astrologia.
Figuras muito importantes, como Pitágoras, vão trazer do Médio Oriente todo um
manancial de conhecimento que será apurado ao longo de séculos. Surgem nesta
altura as teorias geométricas e as grandes bases filosóficas que sustentam a Astrologia
moderna. Grandes pensadores gregos, como Anaximandro, Platão, Anaximenes e
Aristóteles vão desenvolver a Astronomia e a Astrologia com a criação de modelos
físicos e metafísicos do Universo.
Com os gregos, a Astrologia torna-se um estudo organizado e adquire um estatuto
escolástico.
A civilização grega vai definir as bases filosóficas e promover a estruturação da
Astrologia desenvolvida pelas civilizações do Médio Oriente. Até aqui a Astrologia tinha
uma função religiosa que passa a ser substituída por uma abordagem mais intelectual
e escolástica.
Nos séculos que antecederam o nascimento de Cristo, a Astrologia esteve
principalmente centrada no estudo de determinados momentos e na análise de
situações mundanas, cultivando uma carga muito fatalista e determinista.
Só na viragem do primeiro milénio da Era Cristã é que os horóscopos individuais
passam a desempenhar um papel importante. Desenvolve-se a Astrologia Natal e com
ela implementam-se e reestruturam-se uma série de conceitos, entre eles o
Ascendente e as Casas Astrológicas.
O Novo Milénio
Nos primeiros séculos da Era Cristã surgem uma série de pensadores e de astrólogos.
Escrevem-se muitos tratados e manuais. Destes estudiosos destaca-se Claudius
Ptolomeu que na sua obra "Tetrabiblos" reune grande parte do conhecimento
astrológico da época. Este livro vai tornar-se mais tarde uma das grandes bases da
Astrologia Árabe e Europeia.
Com o crescimento do Cristianismo e queda do Império Romano (410 DC) surge duma
forte corrente de anti-paganismo e a Astrologia torna-se pouco tolerada. Só
determinadas abordagens são oficialmente toleradas embora a Astrologia continue a
ser praticada na clandestinidade.
Com a constante hostilidade por parte da crescente religião cristã, a Astrologia refugiase no mundo árabe.
Período Árabe e Medieval
A partir de 632 DC os Árabes vão tornar-se uma das grandes potências do mundo
ocupando todo Médio Oriente, Norte de África e Europa.
Os Árabes vão reunir todo o conhecimento grego, sumério, babilónico e persa, entre
outros. Eles vão preservar o conhecimento antigo e desenvolver a Arquitectura,
Medicina, Astrologia/Astronomia, Filosofia, etc. Por volta 700 DC começam a surgir no
mundo árabe grandes pensadores, cujas obras de Astrologia vão influênciar e modelar
o pensamento Astronómico/Astrológico ocidental.
Com o avanço dos reinos do Norte sobre os territórios ocupados pelos Árabes inicia-se
uma troca de conhecimento que vai permitir o desenvolvimento e a renovação da
Astrologia no mundo cristão.
Muitas obras árabes e gregas vão ser traduzidas, e muito do conhecimento perdido é
recuperado.
Os astrólogos conquistam um papel importante na sociedade, actuando como
conselheiros junto dos reis e nobres. No entanto, os atritos com a Igreja continuam,
atingindo o seu auge com o surgimento da Inquisição em 1536.
Declínio e Renascimento
O declínio da Astrologia começa a fazer-se sentir com a Inquisição e, mais tarde, o
Iluminismo, o desenvolvimento da Razão e a chamada "abordagem ciêntifica". A
separação final entre a Astrologia e a Astronomia dá-se em 1650. Ao deixar de ser
ensinada na Universidade de Salamanca, em 1770, a Astrologia separa-se
definitivamente do meio académico.
As tentativas de ajustar o conhecimento simbólico e metafísico da Astrologia à visão
mecanicista do racionalismo científico, causa uma excessiva simplificação e, por
consequência, uma perda de qualidade. Também a descoberta dos planetas Urano e
Neptuno vai "destruir" a suposta perfeição do antigo sistema astrológico. Na tentativa
de serem aceites, muitos dos astrólogos da época vão tentar explicar cientificamente a
Astrologia, o que leva à deturpação os princípios fundamentais deste ramo do
conhecimento.
Podemos, no entanto, encontrar neste tempo alguns nomes sonantes da Astrologia,
como Jon Dee e William Lilly.
Na segunda metade do sec. XIX, ocorre um revivalismo do esoterismo e da
espiritualidade no Ocidente. Muitos conceitos e ramos de conhecimento esotérico
começam a ser estudados e recuperados. Entre estes encontra-se a Astrologia.
Infelizmente, com o aumento da popularidade da Astrologia, surgem também os
primeiros almanques, que divulgam uma astrologia demasiado simplificada e
"popular". Exemplo disso é o aparecimento do conceito do "signo solar" e os primeiros
"horóscopos de revista".
Na passagem para o século XX surgem novas correntes de abordagem à Astrologia.
Com o surgimento da Psicologia e o crescente interesse no desenvolvimento pessoal
nasce a Astrologia Psicológica e a Astrologia Humanista.
A Astrologia na actualidade
A Astrologia tem acompanhado a Humanidade ao longo da sua evolução. Embora
bastante debilitada com o advento do racionalismo e do materialismo científico, ela
continua hoje, mais do que nunca, a ter um papel activo no desenvolvimento humano.
A visão clássica
Ao contrário do conceito mais divulgado, a Astrologia não é um conhecimento estático.
Como qualquer campo do conhecimento humano, está em constante evolução,
adaptando-se às necessidade do ser humano e às correntes de pensamento da época.
A Astrologia começou por ser um conhecimento do foro religioso, místico e iniciático. A
sua função era dar ao ser humano uma linguagem que lhe permitisse relacionar-se
com as verdades ocultas e metafísica do Universo.
Mais tarde, na era de ouro da Filosofia grega as verdades metafísicas nela contidas são
aprofundadas e estruturadas na sua forma actual.
Apesar de tudo, sempre existiu uma vertente mais popular da Astrologia. Para as
massas, o seu lado "divinatório" e "preditivo" foi sempre muito enfatizado. Devido à
incapacidade de compreensão metafísica do ser humano comum (ainda hoje notável) a
prática da Astrologia reduziu-se desde muito cedo a presságios fatalistas e
predestinações sinistras. Isto é, como facilmente se compreende, uma tremenda
deturpação da sua verdadeira natureza.
Nesta abordagem da Astrologia, o ser humano não era muito importante. O seu
objecto de análise eram os momentos (favoráveis ou desfavoráveis) e os
acontecimentos mundanos. Predominavam as vertentes Horária e Mundana da
Astrologia. Sobre estas, falaremos mais tarde.
A importância do indivíduo
Actualmente, o ser humano é, sem dúvida, considerado o centro do Universo. Muito do
pensamento e das ideologias actuais vão centrar-se na importância do indivíduo e do
seu bem estar. Este tipo de pensamento, no entanto, não é nenhuma novidade: ele já
era tema de discussão das grandes mentes do planeta, milénios antes da nossa era.
No entanto, só agora ele chegou às massas.
Esta perspectiva de centragem no ser humano modificou grandemente as artes e
ciências. A Astrologia não é excepção. Com o aparecimento da Psicologia e das
Ciencias Sociais, na viragem do sec. XIX, vão surgir na Astrologia movimentos
ideológicos que apelam para o seu uso como "ferramenta de auto conhecimento".
Adapta-se, então, a linguagem psicológica à Astrologia, e surge uma excelente
ferramenta de aconselhamento.
Esta perspectiva vai influenciar e determinar todas as linhas de desenvolvimento da
Astrologia no Sec. XX. Desenvolvem-se as linhas Humanista e Psicológica.
A Astrologia Natal, que estuda o horóscopo indivídual, torna-se a forma mais
praticada, relegando para uma posição mais secundária outras linhas, como a
Mundana e a Horária.
A Espiritualidade e o "New Age"
Nos anos 60, há um florescer de toda uma cultura pró-espiritual que surge de uma
"migração" de conhecimento oriental para o Ocidente. Começa a falar-se de temas
como reencarnação, karma, meditação, Yoga.
Este influxo de novas ideias vai afectar também a Astrologia. Enfatiza-se a Astrologia
"kármica" e a Astrologia Espiritual ou Esotérica começa a dar os primeiros passos.
No entanto, há que realçar que a maior parte das bases espirituais da Astrologia foram
perdidas ou esquecidas à 1500 anos atrás. Todos os actuais conceitos esotéricos foram
reconstruídos recentemente. São ainda um pálido reflexo da verdadeira essência desta
arte. As ilações que se fazem actualmente são muitas vezes "colagens" feitas por
indivíduos que, por muito boa vontade que tenham, não possuem um verdadeiro
conhecimento esotérico.
O terceiro milénio
Na véspera do Sec. XXI a Astrologia enfrenta grandes desafios e perigos.
A sua crescente popularidade faz com que muitas opiniões baseadas em escassos
conhecimentos sejam tomadas por Astrologia séria. Abundam os chamados "astrólogos
de fast-food" que, baseando-se em "receitas" e interpretações computorizadas, apenas
contribuem para o simplismo e deturpação de verdades muito profundas. Além disso a
moda das terapias alternativas fez surgir nesta classe uma série de pseudo-terapeutas
mal preparados cuja prática põe em perigo os seus pacientes.
Urge na actualidade tornar a Astrologia num corpo coeso de conhecimentos, evitando a
sua degradação. Felizmente, paralelamente à degradação, existem movimentos de
recuperação e de estudo sério desta arte. A actual crise do materialismo científico,
provocado pelo aparecimento da "visão quântica" e da relatividade, fez com que a
necessidade de "explicação ciêntifica" que prendia muito do avanço da Astrologia
Moderna esteja a diminuir.
Vamos ver, então, o que o "futuro nos reserva".
Os Ramos da Astrologia
Um corpo de conhecimentos tão vasto como a Astrologia tem uma tendência natural a
especializar-se em vários "ramos". Estes definem-se de acordo com o objecto de
estudo em questão. Este "objecto" pode ser um ser humano, um evento político, um
questão específica, um problema de saúde, etc.
Em qualquer dos ramos astrológicos, o horóscopo é sempre a ferramenta base.
Contudo, o modo como é calculado pode mudar; o mesmo acontece com as técnicas
de interpretação e o significado prático dos seus componentes.
Quais são então os principais ramos da Astrologia? Eis alguns dos principais.
A Astrologia Natal
Este é o ramo mais utilizado actualmente, de tal modo que eclipsou os restantes
ramos. O seu objecto de estudo é o ser humano. O mapa utilizado é o mapa de
nascimento (ou mapa natal) calculado para a data, hora e local de nascimento.
Considera-se o momento de nascimento aquele em que o bébé respira pela primeira
vez.
Hoje em dia, este tipo de Astrologia assumiu um carácter de estudo psicológico. O
objectivo desta abordagem é auxiliar o indivíduo no seu auto-conhecimento e
desenvolvimento pessoal. Antigamente este tipo de Astrologia era mais raro (pois
raramente existia um registo da hora de nascimento) e possuia uma abordagem mais
preditiva e fatalista.
A Astrologia Mundana
Esta é a Astrologia dos grandes acontecimentos e dos movimentos colectivos. É
considerada a mais nobre de todas as Astrologias, pois estuda o Macrocosmos, os
designios da divindade e o desenrolar do plano divino.
Este ramo é muito complexo e tem vários níveis de abordagem. Ele incluí outros ramos
dos quais se destaca a Astrologia Política, que estuda os mapas de paises e os eventos
políticos. Estuda também as influências cíclicas, os grandes alinhamentos, os eclipses
e, em geral os factores de grande impacto, capazes de afectar a Humanidade como um
todo.
A Astrologia Horária
Esta vertente da Astrologia foi no passado a mais utilizada. A sua filosofia diverge um
pouco das restantes: procura das resposta directa a perguntas específicas. Para tal,
estuda-se o "mapa natal" do momento em que a pergunta é feita, acreditando
encontrar-se nele, através da Lei da sincronicidade, a própria resposta. Rege-se por
regras e simbolismo muito específicos.
Esta Astrologia sempre foi bastante questionada, não devido aos seus princípios, mas
devido ao seu uso abusivo com sistema divinatório, de que foi vítima ao longo da eras.
Neste ramo inclui-se a Astrologia Electiva cujo objectivo é tentar encontrar o melhor
momento para um evento ocorrer (por exemplo: uma coroação de um rei, a fundação
de uma empresa, etc.)
A Astrologia Médica
Este ramo tem como objectivo tentar compreender as condições médicas de um
indíviduo. É, no fundo, uma especialização combinada da Astrologia Natal e da Horária,
pois emprega métodos de ambas. Aqui os factores astrológicos são interpretados como
partes do corpo (os Signos), funções fisiológicas (os Planetas) e áreas de expressão
(as Casas).
Esta Astrologia caiu em desuso com o aparecimento da Medicina moderna.
Actualmente parece estar a sofrer um revivalismo devido ao ressurgimento das
chamadas "medicinas alternativas"
A linguagem dos arquétipos - A mandala astrológica
Um horóscopo é uma mandala: é um símbolo composto por vários outros símbolos.
Esta mandala representa o céu, visto a partir da Terra, num determinado dia, hora e
local. No entanto, há que ter em conta que os corpos celestes ali representados devem
ser encarados mais como princípios simbólicos do que como corpos físicos.
Em Astrologia, cada elemento do mapa tem um significado muito rico.
Os símbolos revelam-se progressivamente a quem sabe interpretá-los. A primeira fase
de compreensão é de carácter intelectual: compreendemos o significado geral.
Passamos depois a uma aproximação "emocional", em que nos deixamos tocar pelo
conceito representado. Finalmente, o símbolo começa a "falar" à nossa intuição. E
quando chegamos a este estágio, descobrimos que, afinal, ainda nos falta muito mais
para descobrir!
O mais interessante é que, apesar de toda a sua riqueza e mistério, os símbolos
atribuídos aos planetas e signos têm mantido muitas semelhanças ao longo dos
séculos. Assim, por exemplo, o planeta Vénus, que recebeu o seu nome actual da
deusa romana da beleza e do amor, foi em tempos chamado Ishtar, que é o nome de
uma outra deusa, também ela associada à sensualidade e à beleza física. O nome
muda, os pormenores mudam, a ideia mantém-se.
Como é possível que várias culturas, separadas por milhares de quilómetros e
existindo em épocas diferentes, tenham atribuído aos mesmos factores astrológicos
uma simbologia tão semelhante?
Os Arquétipos
A resposta a esta questão leva-nos directamente ao Inconsciente Colectivo, onde
surgem os arquétipos. É no Arquétipo - palavra grega que significa tipo ou modelo
primordial - que os símbolos têm a sua fonte e raíz.
Por estarem tão profundamente radicados no nível colectivo do inconsciente humano,
estes arquétipos pouco mudam com o passar dos tempos e com a evolução das
culturas. Contudo, não são estáticos e muito menos estagnados. Pelo contrário,
renovam-se a cada momento e a cada momento ressurgem, sempre sob novas
aparências, em cada época, em cada cultura e em cada país.
O estudante atento poderá reconhecer, subjacente às diferentes aparências, a raíz
primordial.
Estes arquétipos (fonte de todos os símbolos) são, portanto, as "palavras" da
linguagem astrológica. Por estar enraizada no próprio inconsciente colectivo, esta
linguagem é intemporal e perene. É comum a todos os seres humanos,
independentemente da suas raízes culturais, religiosas ou étnicas.
A Astrologia fala-nos, portanto, dos grandes temas de Humanidade, daquilo que está
subjacente a todas as culturas e épocas: a consciência do ser humano e do seu papel
no Universo.
O Horóscopo
A palavra Horóscopo significa em grego "considerar os céus" ou "ver a hora". Para
fazer o horóscopo ou mapa natal, os astrólogos consideram, portanto, a posição
relativa dos astros nos céus (entre outros factores) num dado momento.
Como já referimos, o horóscopo representa o aspecto do céu, visto a partir da Terra,
num determinado dia, hora e local. O mapa natal é, portanto, uma representação
bidimensional do conjunto dos corpos celestes do Sistema Solar e das estrelas que
formam o Zodíaco.
Em termos muito simplificados, diríamos que o que está representado num mapa natal
pode resumir-se em três palavras: signos, planetas e casas. Existem muitos outros
factores astrológicos, mas estes são, sem dúvida, os principais.
Os doze signos astrológicos são os factores primordiais do mapa. Eles constituem doze
"modos" ou "estados do ser", através dos quais a natureza humana se manifesta.
Estes signos formam uma "cintura", que tem o nome de Zodíaco (em grego: "roda da
Vida" ou "círculo de animais"). Quando observamos os planetas a partir da Terra, estes
parecem movimentar-se ao longo desta "cintura".
Existem dez corpos celestes que em Astrologia recebem a designação genérica de
"planetas": Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Neptuno, Plutão e ainda
os Luminares: o Sol e a Lua. (Alguns astrólogos utilizam também o planeta Terra como
factor de interpretação).
Em Astrologia, considera-se que a designação de "planeta", que em grego quer dizer
"corpo errante" (ou seja: em movimento), se aplica a todos os corpos que circulam
através do Zodíaco, incluíndo o Sol e a Lua.
A perspectiva actual da Astrologia, considera que os planetas representam "funções"
ou aspectos da natureza humana. Eles mostram partes de nós, aspectos da nossa
natureza. A Lua, por exemplo, simboliza as necessidades e os apegos emocionais,
enquanto Marte diz respeito à capacidade de acção e à afirmação pessoal.
Quanto às Casas Astrológicas, são projecções geocêntricas, calculadas a partir do
horizonte. Simbolizam as doze áreas de vida onde vamos viver os temas indicados
pelos signos, através dos aspectos indicados pelos planetas. Por exemplo: se tivermos
o planeta Vénus no signo de Gémeos e na Casa VII, podemos inferir que a nossa
função afectiva e relacional (Vénus) está a expressar um tema de comunicação, troca
de ideias e curiosidade (Gémeos) na área dos relacionamentos (Casas VII). Assim,
podemos concluir várias coisas: que temos a capacidade de nos relacionarmos de
forma viva, rápida e "cerebral"; que procuramos parceiros com estas características;
que a nossa curiosidade e versatilidade relacional nos levam a ter várias relações ou
ainda que somos demasiado "leves" e descomprometidos para ter uma relação séria!
Claro que todos estes factores são apenas um aspecto da nossa natureza. Este aspecto
deverá ser comparado com o resto do mapa natal, para termos uma ideia correcta.
Assim, podemos comparar o mapa natal a uma peça de teatro: os Signos seriam os
"papéis" que nos compete desempenhar; os Planetas seriam os "actores" que os
desempenham, enquanto as Casas são os "palcos" ou áreas de vida onde vivemos
esses papéis.
Existe ainda um quarto factor: os aspectos, que são os ângulos formados pelos
planetas entre si, vistos (mais uma vez) do ponto de vista terrestre. São geralmente
representados por linhas no centro do mapa. Dizem-nos o tipo de relacionamento que
os planetas (os factores da personalidade) têm entre si. Na comparação da peça de
teatro, seriam os diálogos entre os vários actores.
Os Quatro Elementos
Um dos principais conceitos-chave para a Astrologia é o de Elemento. Os Elementos
são os componentes básico da estrutura do Universo. Eles representam os estados de
energia fundamentais da manifestação.
Em Astrologia consideramos quatro Elementos: a Terra e a Água, de polaridade
feminina ou Yin e o Fogo e o Ar, de polaridade masculina ou Yang.
Podemos descrever cada elemento do seguinte modo:
Fogo: este Elemento expressa-se por actividade, energia e busca de conhecimento e
identidade. A acção é o factor base do Fogo. Ele é o que ajuda a criação, dá vida e
aquece quando moderado. E é poder que queima, destrói, seca e ofusca quando
excessivo.
Terra: este é o Elemento da concretização, da tomada de forma, da densidade e peso.
Ele dá uma estrutura concreta a todas as coisas, confere solidez e substância quando
moderado. Mas é também o Elemento que prende, rigidifica e limita quando excessivo.
Ar: é o Elemento da comunicação, da ligação. É ele que conceptualiza, relaciona,
idealiza e explica o Universo. Utilizado correctamente ele dá a capacidade da palavra, o
poder criador, leve e fluído do pensamento. Utilizado em excesso origina dispersão,
nervosismo mental e uma comunicação errática, vaga e descontrolada.
Água: este é o Elemento da emotividade e sentimento. Ele amolece a rigidez da Terra,
controla e regula o poder do Fogo e dá sentimento á comunicação do Ar. Utilizado de
forma controla dá sensibilidade, intuição, empatia. Em excesso, origina
sentimentalismo exagerado, pieguice, histeria emocinal, descontrole e confusão.
Os Elementos Yang têm um relacionamento fácil, dizemos que são compatíveis por
serem da mesma polaridade. O mesmo acontece entre os dois Elementos Yin. No
entanto a combinação entre elementos de polaridades opostas é conflituosa.
Os Elementos também se complementam entre si, existindo Elementos
diametralmente opostos. Ao Elemento Fogo opõe-se a Água, ao Elemento Ar opõe-se a
Terra e vice versa. Ao oporem-se estes Elementos vão criar uma complementariedade
entre si, tal como pólos magnéticos de um íman.
Qualidades ou modos
A trama do Universo é contudo mais complexa e não se compõe somente de
combinações entre Elementos. A cada Elemento (ou energia base) pode ser incutido
um tipo de movimento. Em Astrologia chamamos a estes factores Qualidades ou
Modos.
Exitem três tipos de movimento ou qualidade:
Cardinal: o início do movimento. Representa o impulso, a afirmação, o movimento
que começa todos os outros e proporciona a compreensão da actividade do Elemento.
Fixo: a estabilização do movimento. Aqui tudo pára, define-se e estabiliza obrigando a
uma profundidade de percepção do Elemento.
Mutável: a transformação do movimento. Este é o modo que altera, "muta" o estado
de expressão do Elemento, obrigando-o a rever-se e a relativizar-se.
Ao combinarmos os Elementos com as Qualidades surgem doze combinações
possíveis: Os 12 Signos do Zodíaco.
Elemento:
Qualidade:
Signo:
Fogo
Cardinal
Carneiro
Terra
Fixo
Touro
Ar
Mutável
Gémeos
Água
Cardinal
Caranguejo
Fogo
Fixo
Leão
Terra
Mutável
Virgem
Ar
Cardinal
Balança
Água
Fixo
Escorpião
Fogo
Mutável
Sagitário
Terra
Cardinal
Capricórnio
Ar
Fixo
Aquário
Água
Mutável
Peixes
Como podemos ver na tabela existem três Signos de cada Elemento, a cada uma
destas tríades chamamos Triplicidade. Temos então Triplicidades de Fogo, de Terra,
Ar e Água.
As Qualidades distribuem-se por quatro Signos - Quadruplicidades. Temos então a
Quadruplicidade Cardinal, a Fixa e a Mutável.
O Fogo é o elemento mais masculino: é yang, quente e seco.
Os signos de Fogo são o Carneiro, o Leão e o Sagitário.
Os três signos de Fogo têm em comum as características do elemento: expansão,
optimismo, afirmação, etc, mas cada um deles vai vivê-las à sua maneira.
Assim, o Fogo do Carneiro poderia ser representado por uma faísca ou por um fogo de
palha: acende-se rapidamente mas também se apaga depressa.
O Fogo do Leão seria a labareda de uma grande fogueira ou o fogo do próprio Sol:
brilha com intensidade e constância, é bem visível e deslumbrante.
O Fogo do Sagitário poderá ser comparado ao fogo de uma vela ou ao de uma chama
de altar: é um fogo controlado, serve um propósito mais definido e exterior ao "eu".
Este elemento simboliza o espírito, os planos superiores, a vitalidade, a identidade
pura. Relaciona-se com a função da Intuição: entusiasmo, paixão e individualismo.
A predominância do elemento Fogo num mapa natal sugere um indivíduo enérgico,
apaixonado, auto-expressivo, activo, intenso, alegre e com uma fé natural e
espontânea na vida.
Quando existe excesso deste elemento, estamos perante um ser exagerado,
incomodativo, pouco sensível e egocêntrico.
A falta de Fogo pode, por seu turno, indicar uma pessoa desalentada, "apagada", que
raramente se entusiasma, dificilmente acredita e que tem medo de se afirmar.
Nota: Para determinar o excesso ou a falta de um elemento num mapa natal há que
ter um conta a distribuição das principais energias desse mapa (Sol, Lua, planetas e o
Ascendente) nos signos e também nas casas. Por vezes, a falta de energia nos signos
de um determinado elemento pode ser compensada pelas casas ligadas ao mesmo
elemento.
A Terra é um elemento moderadamente feminino: é yin, frio e seco.
Os signos de Terra são o Touro, a Virgem e o Capricórnio
Os três signos de Terra têm em comum as características do elemento: objectividade,
capacidade de realização, sentido prático, etc, mas cada um deles vai vivê-las à sua
maneira.
A Terra do Touro é comparável à terra da Primavera, cheia de sementes em
germinação e de pequenos organismos: é rica, fértil, fervilhante de vida.
A Terra da Virgem seria a dos campos depois das colheitas: solta e repousada depois
de ter dado os seus frutos, receptiva a futuras sementeiras.
A Terra do Capricórnio é a terra do Inverno: aparentemente dura, gelada e árida,
guarda em si, secretamente, as sementes que germinarão na Primavera seguinte.
Este elemento simboliza as sensações e a identidade através destas. Corresponde à
função da Sensação/Experiência: segurança no que é sólido, objectividade, acção,
pensamento concreto, o corpo, substância, matéria.
Quando existe muita Terra no mapa, estamos perante um indivíduo prático, objectivo,
com uma boa noção do real, estável e responsável.
Excesso deste elemento pode indicar algum materialismo, tendência à valorização da
posse e excessiva ligação aos sentidos (percepção física das coisas).
A falta de Terra leva a uma perda de contacto com a realidade, falta de sentido prático
e incapacidade de prover as próprias necessidades físicas e materiais.
Nota: Para determinar o excesso ou a falta de um elemento num mapa natal há que
ter um conta a distribuição das principais energias desse mapa (Sol, Lua, planetas e o
Ascendente) nos signos e também nas casas. Por vezes, a falta de energia nos signos
de um determinado elemento pode ser compensada pelas casas ligadas ao mesmo
elemento.
O Ar um elemento moderadamente masculino: é yang, quente e húmido.
Os signos de Ar são os Gémeos, a Balança e o Aquário.
Os três signos de Ar têm em comum as características do elemento: comunicação,
troca de ideias, tendência para os relacionamentos sociais, etc, mas cada um deles vai
vivê-las à sua maneira.
Assim, o Ar dos Gémeos poderá ser comparado ao de um pequeno remoinho: é rápido,
ligeiro, instável.
O Ar da Balança seria, um vento de fim de tarde: tranquilo, descansado, gentil.
O Ar do Aquário poderia ser comparado ao de um vento das altas camadas
atmosféricas: forte, direcionado, capaz de alcançar longas distâncias.
O Ar simboliza as ideias colectivas, a intelectualidade, a identidade através dos
relacionamentos. Tem a ver com a função do Pensamento: sociabilidade, comunicação
mental, leve, penetrante e relacional.
Uma forte ênfase de Ar num mapa natal indica uma pessoa que gosta de comunicar,
de partilhar ideias, é muito virada para a vida social e com a capacidade natural de
ajustar o seu "eu" aos dos outros.
Demasiado Ar num mapa natal pode revelar excessiva intelectualização, gosto pelos
contactos "mentais" e tendência para "viver no mundo das ideias", com uma tendência
a ser "cerebral" e pouco contacto com a realidade física.
A falta do elemento Ar, por seu turno, indica alguém com dificuldade em racionalizar e
conceptualizar, falta de pensamento abstracto, pouca curiosidade e deficiente
capacidade relacional.
Nota: Para determinar o excesso ou a falta de um elemento num mapa natal há que
ter um conta a distribuição das principais energias desse mapa (Sol, Lua, planetas e o
Ascendente) nos signos e também nas casas. Por vezes, a falta de energia nos signos
de um determinado elemento pode ser compensada pelas casas ligadas ao mesmo
elemento.
A Água é o elemento mais feminino. É yin, frio e húmido.
Os signos de Água são o Caranguejo, o Escorpião e os Peixes.
Os três signos de Água têm em comum as características do elemento: recolhimento,
memórias, sentimento, etc, mas cada um deles vai vivê-las à sua maneira.
A Água do Caranguejo, por exemplo, seria comparável à dos lagos tranquilos cheios de
vida ou às "águas" do útero materno, onde o bebé vive durante os nove meses de
gestação: é nutriente, maternal e protectora.
A Água do Escorpião seria a dos pântanos, a retorta do alquimista ou a do caldeirão da
bruxa: é misteriosa, secreta, pode ser destrutiva ou profundamente transformadora.
A Água dos Peixes seria á do próprio mar imensa, abrangente, total, variável,
incontrolável, fonte de vida e de morte.
A Água simboliza o inconsciente, o irracional, o caos. Relaciona-se com a Função do
Sentimento/Emoção: preservação, fertilidade, osmose, sensibilidade, esfera psíquica,
renovação, ligações, memórias.
Uma preponderância deste elemento num mapa natal tem uma tendência natural à
simpatia, compreensão, sintonia, imaginação, nutrição física e emocional, protecção e
comunhão.
Excesso deste elemento indica uma intensa ligação ao passado, alienação das
emoções, dificuldade em expressar os sentimentos (por ficar "afogado" neles) e medo
de ficar excessivamente envolvido nas ligações emocionais.
A falta deste elemento leva a uma dificuldade de estabelecer laços afectivos, medo das
emoções, a pessoa pode ter dificuldade em identificar os próprios sentimentos e
necessidades afectivas e ser totalmente "impermeável" aos sentimentos alheios.
Nota: Para determinar o excesso ou a falta de um elemento num mapa natal há que
ter um conta a distribuição das principais energias desse mapa (Sol, Lua, planetas e o
Ascendente) nos signos e também nas casas. Por vezes, a falta de energia nos signos
de um determinado elemento pode ser compensada pelas casas ligadas ao mesmo
elemento.
A Combinação de Elementos
Num mapa astrológico, os Elementos nunca se manifestam em estado "puro".
Ninguém pertence exclusivamente a um só elemento. No mapa astrológico estes
aparecem combinados em várias proporções. A interpretação desta combinação
elemental dá-nos a base das tendencias comportamentais de um indivíduo.
Como interagem os Elementos num mapa natal?
O resultado da combinação de Elementos depende da natureza dos próprios
elementos. O esquema seguinte apresenta as diversas possibilidades de
relacionamento:
Os Elementos da mesma polaridade são os que apresentam a combinação mais fluída
pois têm origens semelhantes. Assim os Elementos Yang - Fogo e Ar - tem uma
relação naturalmente fluente. Se fizermos a analogia com os elementos físicos,
veremos que o Ar alimenta o Fogo e este dá movimento e energia ao Ar.
Os Elementos Yin - Água e Terra - são igualmente compatíveis. A Terra suporta e dá
forma à Água e esta alimenta e fertiliza a Terra.
Noutro extremo, temos as relações tensas. Estas ocorrem em Elementos de
caracteristicas totalmente opostas, ou seja entre Fogo (quente e seco) e Água (fria e
húmida) e também entre Ar (quente e húmido) e Terra (fria e seca). O Fogo evapora a
Água e esta apaga o Fogo, o Ar e a Terra têm "densidades" completamente opostas,
pelo que têm dificuldade em interagir.
No termo intermédio temos as relações moderadas, em que os Elementos envolvidos
são basicamente incompativeis mas, ainda assim, têm algo em comum: Fogo e Terra
(ambos secos) e Ar e Água (ambos húmidos).
Como "funcionam" estas combinações no plano psicológico?
Fogo e Ar - Indivíduos dinâmicos, muito "acelerados", com grande actividade mental
mas dificuldade em trazer as idéias à "terra".
Fogo e Terra - Grande poder de concretização e estabilidade. Muito direcionados para
os resultados das sua acções, mas correndo o risco de serem pouco sentimentais e
pouco sensíveis.
Fogo e Água - Seres emocionalmente intensos, passionais. Dividem-se entre a
expressão radiante das suas emoções e periodos mais introvertidos e sentimentais.
Ar e Água - Sonhadores, sentimentais e românticos mas com pouco sentido prático e
muitas vezes perdidos no seu mundo de sonho.
Ar e Terra - Expressão primariamente mental e racional dando origem muitas vezes a
uma abordagem "cerebral" e pouco sentimental da vida.
Terra e Água - Sensibilidade, estabilidade e uma natureza introvertida e calma que
pode muitas vezes originar uma grande inércia.
Como saber que combinação está presente num mapa natal?
É necessário realçar que estas combinações resultam de uma "soma" dos vários
factores astrológicos de uma mapa astrológico. Muitas vezes a "pesagem" de
elementos é muito complexa sendo difícil perceber qual o elemento dominante ou qual
a combinação presente.
Um exemplo de pesagem muito simples seria a combinação Sol - Lua - Ascendente.
Mas mesmo esta pode ser desiquilibrada pelos restantes planetas.
O Modos ou Qualidades
Em Astrologia existem três estados possíveis para cada Elemento: Cardinal, Fixo e
Mutável. Estes estados caracterizam o tipo de acção ou "movimento" que o elemento
apresenta. Cada um dos signos resulta, portanto, da combinação entre um Elemento Fogo, Terra, Ar ou Água - e um Modo - Cardinal, Fixo ou Mutável.
Estes três modos de movimento representam as três qualidades da matéria segundo a
metafísica: Rajas - Actividade, Tamas - Inércia, Sattva - Equilíbrio.
Representam as três fases da energia: o impulso inicial (Cardinal), a estabilização e
concentração (Fixo) e a transformação e adaptabilidade (Mutável).
Como surge esta divisão?
Para melhor compreender estes três modos, podemos compará-los às estações do
ano: ele representam o princípio, meio e fim de uma sequência sazonal. Cada uma das
quatro estações (Primavera, Verão, Outono e Inverno) divide-se em três tempos, ou
melhor, em três signos.
O primeiro signo é sempre Cardinal, pois representa o impulso inicial que começa a
estação.
O signo seguinte representa o meio da estação e é aquele que melhor a define (ou
"fixa"); temos então um signo Fixo.
O último momento é o de transição entre duas estações, temos então um signo
Mutável, durante o qual a estação "muda".
Assim, as Primavera, por exemplo, teria início com o Carneiro, seria fixada em Touro e
mudaria em Gémeos. A sequência repete-se para as restantes estações. (Falaremos
deste assunto, com mais pormenores, nos próximos artigos).
Os modos também são conhecidos por Quadruplicidades, pois existem quatro signos
de cada modo.
Cardinal: Carneiro, Caranguejo, Balança e Capricórnio
Todos estes signos marcam o início de uma estação. Todos se caracterizam pela
necessidade de iniciar coisas. São geralmente impulsivos e activos. Cconcentram-se no
imediato e no momento. Dão mais importancia ao movimento do que ao resultado.
Fixo: Touro, Leão, Escorpião e Aquário
Estes signos marcam o meio das estações. Todos apostam na estabilidade e
necessitam de bases sólidas. Têm tendência à permanência, sendo por vezes um
pouco inertes. Resistem à mudanças mas, quando se "movimentam" ou transformam,
fazem-no com grande intensidade.
Mutável: Gémeos, Virgem, Sagitário e Peixes
Este quatro signos surgem no fim das estações. Têm em comum uma forma de estar
variável e "instável", como resultado da sua necessidade de adaptação. Mudam
constantemente de forma de expressão, oscilando entre o extremamente preciso e o
incrivelmente vago.
Note-se que estas caracteristicas base são alteradas e "mascaradas" pelos Elementos
presentes no mapa astrológico. Tal como para estes, uma análise das Qualidades ou
Modos requer um "contagem" dos planetas em cada signo.
O Modo Cardinal
O Modo ou Qualidade Cardinal indica acção, actividade, afirmação, assertividade e
energia direccionada. A abordagem é lenta e segura: precisa de um tempo para
assimilar novos acontecimentos e situações,
Os signos cardinais são o Carneiro, o Caranguejo, a Balança e o Capricórnio.
A presença de energia Cardinal num mapa astrológico dá-nos a noção da capacidade
de impulso e de iniciativa desse indivíduo. É o motor da energia pessoal. Os processos
mentais manifestam-se de forma franca e simples, passando facilmente do plano das
ideias ao da acção.
Excesso de Modo Cardinal indica actividade, impulsividade, impaciência, dificuldade em
respeitar limites, recursos e pessoas. Há uma grande actividade, que começa muitos
projectos, mas dificilmente acaba algum.
Falta de Cardinal sugere falta de iniciativa, dificuldades em agir e pôr as coisas em
movimento.
No Carneiro, signo de Fogo, a energia Cardinal manifesta-se primariamente na área da
individualidade, do ser: é a identidade (Fogo) em acção (Cardinal). A expressão da
identidade é directa, franca, aberta e imediata. Quando em desequilíbrio pode também
ser demasiado activa, agressiva, susceptível, incapaz de entender o ponto de vista
alheio e de fazer compromissos.
No Caranguejo, signo de Água, a actividade Cardinal tem como área de expressão a
vida afectiva, as memórias e os sentimentos: é o sentimento (Água) em acção
(Cardinal). A expressão é geralmente reservada e defensiva mas, quando ameaçada,
pode tornar-se extremamente agressiva.
Na Balança, signo de Ar, o tom Cardinal manifesta-se sobretudo a nivel da
comunicação e dos relacionamentos: é a relacionalidade (Ar) em acção (Cardinal).
Tendo como motor os relacionamentos (tanto pessoais como sociais), a energia
Cardinal pode tornar-se muito activa no estabelecimento de pontes e vias de
comunicação. Em excesso, pode ser inconsequente e superficial, por ser demasiado
focado nos relacionamentos, esquecendo o propósito dos mesmos.
No Capricórnio, signo de Terra, o tema Cardinal vai manifestar-se através do que é
físico, experienciável, prático, mensurável: é a acção (Cardinal) concreta (Terra). Há
uma necessidade de estruturação, planeamento e actividade estratégica. Em excesso,
pode gerar uma actividade muito rígida, demasiado virada para os fins mas sem olhar
a meios, e "materialista" (focada na forma exterior e não na essência das coisas).
O Modo Fixo
O Modo ou Qualidade Fixa indica concentração, fixidez, necessidade de segurança e de
"saber onde pisa".
Os signos fixos são o Touro, o Leão, o Escorpião e o Aquário.
A presença de energia Fixa num mapa astrológico mostra-nos uma forte motivação
para a segurança, a defesa e o auto-controlo. Há uma certa rigidez e alguma
dificuldade em fazer compromissos ou ceder.
Excesso de Modo Fixo sugere reacções lentas, receosas, defensivas, muito
controladoras e fechadas. Há tendência para manter tenazmente os seus pontos de
vista, sendo por vezes incapaz de compreender outras ideias e perspectivas.
Falta de energia Fixa pode indicar pouca estabilidade, insegurança, medos e, por
vezes, em certo grau de descontinuidade afectiva: é difícil manter o mesmo nível de
interesse e motivação nos relacionamentos.
O Touro, signo de Terra, é fixo ao nível da experiência concreta: procura segurança na
vivência do que é palpável, sólido, passível de ser possuído. Aproveita os prazeres da
vida mas receia largar o que possui (quer a nível material, quer na área das ideias e
dos relacionamentos). Pode tornar-se muito apegado e "avarento".
O Leão, signo de Fogo, é fixo ao nível da identidade: procura segurança na autoexpressão exuberante, viva, expansiva. É muito criativo e generoso mas não quer
abandonar o seu "teatro", por medo de perder a personalidade. Pode tornar-se
demasiado teatral e exibicionista.
O Escorpião, signo de Água, é fixo ao nível emocional: procura segurança no reviver
de emoções intensas, mesmo as mais dolorosas e negativas. Vive de forma intensa e
profunda mas teme "largar" velhas emoções e sentimentos, por receio de perder-se e
de ficar "vazio". Corre o risco de se tornar rancoroso, amargo ou mesmo destrutivo.
O Aquário, signo de Ar, é fixo ao nível das idéias: procura segurança em ideologias e
pontos de vista. Tem dificuldade em largar as suas ideias e não se deixa "convencer",
para não ser "privado de liberdade e autonomia". Goza de grande liberdade e
originalidade de pensamento mas pode tornar-se teimoso, excêntrico e "rebelde sem
causa".
O Modo Mutável
O Modo ou Qualidade Mutável indica variedade, dispersão, adaptação, experimentação
e flexibilidade.
Os signos Mutáveis são os Gémeos, a Virgem, o Sagitário e os Peixes.
A presença de energia Mutável num mapa astrológico indica vivacidade, curiosidade e
poder de síntese. Há uma tendência natural para a adaptação e para a experiência
directa: é muito virada para a aprendizagem.
Excesso de modo Mutável pode revelar falta de concentração, desgaste nervoso e
dificuldade em levar os projectos até ao fim.
Falta de Mutável sugere pouca curiosidade, pouca motivação para a troca de ideias e
um certo grau de estagnação intelectual.
Devido à sua grande adaptabilidade e poder de sínrtese, os Signos Mutáveis podem,
em certas situações, apresentar caracterísicas do seu oposto polar. Assim, Gémeos
pode "trocar de papéis" com Sagitário, o mesmo acontecendo entre Virgem e Peixes.
Para os Gémeos, signo de Ar, a mutabilidade expressa-se através dos
relacionamentos e das trocas intelectuais: é a aprendizagem das ideias e do
quotidiano. Relaciona-se com o estabelecimento de "pontes" e de vias de comunicação.
É muito curioso e diversificado mas, se se apegar demasiado à variedade, pode tornarse fútil, instável, superficial e pouco profundo.
Na Virgem, signo de Terra, a energia Mutável manifesta-se através do que é concreto
e palpável: é a apredizagem do trabalho e do serviço. Funciona de forma meticulosa,
procurando sempre a exactidão e a correcta funcionalidade das coisas. O seu desejo de
perfeição pode, contudo, gerar criticismo desnecessário, que leva à perda da visão
global das situações.
A qualidade Mutável do Sagitário, signo de Fogo, expressa-se sobretudo através da
expressão da identidade: é a aprendizagem do Ser. Procura identificar-se com algo
maior: um sistema de referências social, ético ou religioso. Esta procura, que o leva a
horizontes mais vastos, pode também degenerar em dogmatismo, opiniões excessivas
e descabidas e arrogância intelectual.
Para os Peixes, signo de Água, a energia Mutável encontra o seu campo de expressão
na emotividade: é a aprendizagem do sentir. Há uma enorme sensibilidade, muitas
vezes "osmótica" e uma permeabilidade a tudo o que é sentimento e emoção. Esta
faculdade pode gerar muita empatia e compaixão mas, nalguns casos, é também fonte
de auto-piedade, dispersão e caos emocional.
Para determinar o excesso ou a falta de um modo num mapa natal há que ter em
conta a distribuição das principais energias desse mapa (Sol, Lua, planetas e o
Ascendente) nos signos e também nas casa.
Elementos e Modos no Zodíaco
Vamos ver agora como os Elementos e Modos vão estar associados e caracterizar os
doze signos zodiacais.
Ao combinarmos estes três Modos ou Qualidades com os quatro Elementos obtemos
doze combinações diferentes. São estas combinações que definem grande parte das
características dos Signos.
Os Elementos surgem no zodíaco com uma sequência definida e inalterável: Fogo,
Terra, Ar, Água. Esta sequência inicia-se no signo de Carneiro e repete-se três vezes
até ao último signo do Zodíaco, Peixes. Por isso muitas vezes os elementos são
designados por Triplicidades (três signos para cada elemento)
Os Modos sugem na sequência: Cardinal, Fixo, Mutável, novamente começando no
Carneiro e terminando em Peixes. Esta sequência repete-se quatro vezes, sendo os
modos conhecidos também como Quadriplicidades (quatro signos para cada modo).
Ao fazermos a combinação obtemos:
Elemento + Modo = Signo
1 - Fogo + Cardinal = Carneiro
2 - Terra + Fixo = Touro
3 - Ar + Mutável = Gémeos
4 - Água + Cardinal = Caranguejo
5 - Fogo + Fixo = Leão
6 - Terra + Mutável = Virgem
7 - Ar + Cardinal = Balança
8 - Água + Fixo = Escorpião
9 - Fogo + Mutável = Sagitário
10 - Terra + Cardinal = Capricórnio
11 - Ar + Fixo = Aquário
12 - Água + Mutável = Peixes
Os Signos e o Zodíaco
Os Signos são o grande pilar da Astrologia. Eles representam os 12 modos de ser, os
12 modos de expressão da energia, as 12 fases do ciclo anual.
Tecnicamente são sectores de 30º da eclíptica - o caminho aparente do Sol ao redor da
Terra. É nesta faixa que circulam também os planetas e a Lua.
A divisão é feita a partir do Equinócio da Primavera. Este evento marca os 0º de
Carneiro. A partir daqui, fazendo divisões em sectores de 30º cada, surgem os
restantes Signos. O Caranguejo marca o Solstício de Verão, a Balança (oposto a
Carneiro) marca o Equinócio de Outono e finalmente Capricórnio (oposto a
Caranguejo) o Solstício de Inverno.
Existem portanto 3 Signos por cada estação:




Primavera: Carneiro, Touro e Gémeos
Verão: Caranguejo, Leão e Virgem
Outono: Balança, Escorpião e Sagitário
Inverno: Capricórnio, Aquário e Peixes
A este conjunto ou faixa de 12 Signos chamamos Zodíaco, que significa disco da vida
ou disco dos animais, devido a muitas das suas constelações representarem animais.
No entanto, é importante frisar que um Signo não é o mesmo que uma constelação,
embora existam signos e constelações com os mesmos nomes. Uma constelação é um
conjunto ou agrupamento de estrelas, enquanto que um Signo é, como dissemos, um
sector de 30º da eclíptica cuja divisão surge dos ciclos do próprio planeta Terra.
Houve um tempo em que Signos e constelações coíncidiram; contudo devido a um
fenómeno complexo, chamado Precessão dos Equinócios,começou a haver um
desfasamento entre estes dois factores. Este desfasamento, que se vai acentuando ao
longo dos séculos, dá origem às Eras Astrológicas.
Qual é então o significado prático dos Signos?
Cada Signo representa um modo de expressão, um processo. Nenhum Signo é igual a
outro, assim como nehum é bom ou mau, cada um tem característica bem definidas.
- Carneiro representa a acção impulsiva baseada numa necessidade de exprimir um
desejo, a identidade. Simboliza tudo o que é impulsivo, imediato, desde a precipitação
não pensada ao pioneirismo.
Elemento: Fogo, Modo: Cardinal
- Touro representa a fase de estruturação, do adquirir de forma e substância.
Simboliza todos os processos em que o sentido de ter e de valor estão envolvidos. A
estabilidade é um tema deste Signo que tanto se pode manifestar por possessividade e
teimosia ou como resistência e preserverança.
Elemento: Terra, Modo: Fixo
- Gémeos é o Signo da diversidade, da comunicação e do movimento constante.
Caracteriza-se por uma necessidade de relativizar do Universo, uma constante
conceptualização da vida e de todas as coisas. Os processos deste Signo são
maioritariamente cerebrais, sendo a comunicação, a informação e entendimento uma
parte muito importante. As manifestações podem variar desde a leveza e futilidade até
à curiosidade e comunicação.
Elemento: Ar, Modo: Mutável
- Caranguejo é o Signo da maternidade, do conforto emocional, o nutrir e ser nutrido.
Neste Signo as coisas vão ser vivenciadas através das ligações emocionais de conforto
e desconforto com as experiências de vida. Este é o Signo do apego e da dependência
e também da maternidade e protecção.
Elemento: Água, Modo: Cardinal
- Leão relaciona-se com a expressão criativa do ego. Representa todos os processos
de procura de identidade. Todas as experiências de vida do Leão são vistas como uma
transformação de identidade, um desafio à estrutura pessoal. É tanto o Signo da
vaidade e egoísmo com o da dignidade e generosidade.
Elemento: Fogo, Modo: Fixo
- Virgem representa o processo da purificação e da busca da perfeição. Neste Signo
vive-se a procura de eficiência e funcionalidade. Há nele uma necessidade inata de
"arrumar, limpar e organizar" o Universo e a Vida. Neste Signo encontramos tanto a
"piquinhice" e o criticismo como a eficiência e a ordem.
Elemento: Terra, Modo: Mutável
- Balança representa o confronto e a comparação entre o Eu e o Outro. Neste Signo, a
busca do equilíbrio e a harmonia com o exterior são peças fundamentais. Há um forte
impulso para os relacionamentos, pois os outros vão servir de espelho e de "válvula
reguladora" a essa necessidade de harmonia.
Elemento: Ar, Modo: Cardinal
- Escorpião tem como temática o desejo e as suas consequências. Aqui o indivíduo
vai ao encontro das suas motivações mais profundas (as "forças ocultas" que o
movem) e também dos resultados dos seus actos. Este processo, que é um "teste de
poder", implica uma transformação profunda da natureza emocional, uma "morte" de
padrões comportamentais. É tanto o Signo da manipulação como o da purificação e
regeneração.
Elemento: Água, Modo: Fixo
- Sagitário é o Signo da aventura e dos ideiais. Expressa o processo de busca de uma
identidade maior, que relaciona o indivíduo não apenas com ele próprio mas com um
significado mais colectivo e abrangente. Neste Signo tudo vai ser vivenciado segundo
filosofias, valores e padrões de ética, que tanto podem ser dognáticos e doutrinadores,
como altamente idealistas e éticos.
Elemento: Fogo, Modo: Mutável
- Capricórnio representa o processo de estruturação e hierarquização da Vida e de
todas as coisas. Neste Signo, há uma necessidade de compreender as estruturas de
poder geralmente associadas a uma vivência do social muito intensa. O
posicionamente na estrutura geral de forças (status) é muito importante. São
expressão deste Signo a avareza e a rigidez mas também a estratégia, a sobriedade e
a estruturação.
Elemento: Terra, Modo: Cardinal
- Aquário representa o procesos de individualização e de reconhecimentos dos
"papéis" sociais face ao colectivo. Neste Signo há uma tendência ideológica
revolucionária que procura o entendimento do colectivo humano. Podemos também
encontrar um certo orgulho intelectual e uma resistência em "ser como os outros". Sâo
expressão deste Signo o humanismo, a fraternidade e a globalização, assim como a
rigidez mental, o orgulho arrogante e a excetricidade sem sentido.
Elemento: Ar, Modo: Fixo
- Peixes é o último Signo do Zodíaco e, assim sendo, é nele que se sintetizam os
processos de todos os Signos anteirores. Há uma tentativa de apreender
emocionalmente o Todo: as coisas são vividas com grande sensibilidade emocional ao
Universo. Como as fronteiras emocionais são difusas, existe a possibilidade de
transcendência e "iluminação" mas também a de perda e desagregação do Eu. São
expressões deste Signo a confusão e a "vaguez", asism como a intuição e a empatia.
Elemento: Água, Modo: Mutável
Estas doze qualidades (Signos) ou modos de ser vão "colorir" e qualificar os planetas,
casas e outros pontos de um mapa natal. São o factor mais abstracto na Astrologia,
mas também o mais importante e fundamental.
O Signo solar
Quando dizemos que somos do Signo de Balança (por exemplo), estamos, na verdade,
a dizer que quando nascemos o Sol estava posicionado nesse Signo. A importância od
Signo solar é muito relativa, pois há que ter em conta não só aLua e os outros
planetas, mas também outros factores astrológicos, que podem estar posicionaod sme
Signos completamente diferentes. Signifrica isto que saber o Signo solar não basta, de
maneira nenhuma, para ter uma ideia, mínima que seja, da estrutura psicológica de
um indivíduo. Assim, qualquer afirmação (seja uma interpretação de personalidade ou
uma previsão) baseada apenas no Signo solar, é, sempre, extremamente incompleta e
descontextualizada. (Assim, podemos comprender que os chamados "horóscopos de
revista" que são derivados do Signo solar são uma forma simplista e redutora de dar
informação astrológica e em nada contribuem para a correcta divulgação da
Astrologia).
O Zodíaco
O Zodíaco é uma estrutura celeste muito antiga. Foi, provavelmente, definida pelas
civilizações mesopotâmicas à 7.000 anos.
Podemos encontrar representações do Zodíaco em quase todas as civilizações antigas,
mesmo as mais orientais. Apenas muda o seu nome e o das 12 constelações (ou
signos) que o constituem.
Do ponto de vista Astronómico o Zodíaco é uma faixa de constelações na qual a partir
da Terra se podem observar os movimentos do Sol (através da linha imaginária
chamada eclíptica), da Lua e dos planetas.
Ao observar isto, os antigos definiram nesta faixa doze constelações, que
representariam "lugares" ou "terrenos" por onde os vários astros estariam situados e
que lhes dariam diferentes características. Estas doze divisões foram provavelmente
originadas pelas estações do ano (ver próximo artigo) e pelo movimento lunar.
Constelação versus Signo
Em Astrologia falamos de signos e não de constelações. Qual a diferença? Na
antiguidade os astrólogos decidiram (porque a Astrologia é um conhecimento
basicamente simbólico) associar e definir o Zodíaco a partir dos ciclos naturais do
nosso planeta.
Assim sendo, os signos passaram a ser definidos pelos equinócios e solstícios e não
pelas constelações. Esta definição foi introduzida pelos gregos na época clássica. Parte
da razão pelo qual isto aconteceu foi a discórdia geral de onde começava e terminava
cada constelação.
O signos foram definidos como divisões de 30º do Zodíaco (ou melhor da eclíptica)
começando os 0º ou zero de Carneiro (ou ponto vernal) com o equinócio da Primavera
e fazendo divisões sucessivas de 30º, tendo como marcadores os 0º de Caranguejo
(solstício de Verão), 0º Balança (equinócio de Outono) e 0º de Capricórnio (solstício de
Inverno).
É devido ao facto de haver esta diferença entre Signo e Constelação que o movimento
celeste conhecido por Precessão dos Equinócios faz com que actualmente as
constelações e signos não coincidam.
Quando alguém diz que que nasceu no Signo da Balança (referindo-se, portanto, ao
signo solar) ficará, talvez, surpreso ao descobrir que, do ponto de vista astronómico, o
Sol estava, afinal, na Constelação de Virgem.
Este facto não invalida a Astrologia, como tantas vezes se afirma, apenas realça uma
diferença substancial de método e de abordagem em relação à Astronomia.
A Astronomia estuda os astros enquanto corpos físicos e a Astrologia estuda esses
mesmos astros numa perspectiva simbólica.
Os signos e o ciclos natural
Nos tempos antigos, quando as comunidades humanas viviam segundo os ritmos da
Natureza, a sequência das estações marcava o ritmo da vida.
Vejamos, então, como o ritmo sazonal determina as energias de cada signo. Importa
realçar que estas energias dizem respeito ao próprio signo e não às pessoas desse
signo, já que a personalidade de que um ser humano resulta de uma combinação
complexa de factores e não de um único signo.
Há que ter em conta que as datas apresentadas para cada signo são aproximadas:
devido à existência de anos bisextos e a outros factores, estas datas podem anteciparse ou atrasar-se um dia
Primavera - Época de esperanças e promessas. Plantar as sementes.
Carneiro - de 21 de Março a 20 de Abril - Fogo Cardinal.
Equinócio da Primavera: o verdadeiro início do ano. A vida em "hibernação", retorna à
actividade: a seiva volta a circular. Um novo ciclo começa.
Forte impulso vital, afirmação, "agressividade", vontade de avançar.
Touro - de 21 de Abril a 21 de Maio - Terra Fixa.
Meio da Primavera: fecundação da terra fértil; a vida desponta, cria raízes.
Estabilização do impulso vital: experiência centrada na sensação física (sentidos).
Gémeos - de 22 de Maio a 21 de Junho - Ar Mutável.
Fim da Primavera: as plantas estão em flor e trocam pólen. As sementes já fertilizadas
começam a dividir-se. Trocas, divisões, intercâmbios.
Transformação do impulso vital: curiosidade, variadade, comunicação.
Verão - Época de crescimento e plenitude. Nutrir de plantas e frutos.
Caranguejo - de 22 de Junho a 23 de Julho - Água Cardinal
Solstício de Verão: nutrição das plantas, formação e crescimento dos frutos.
Impulso de exteriorização: gestação protegida; a vida adquire forma.
Leão - de 24 de Julho a 23 de Agosto - Fogo Fixo.
Meio do Verão: frutos na sua total expressão, amadurecimento.
Máximo da exteriorização: crescimento e expressão pessoal, auto- afirmação.
Virgem - de 24 de Agosto a 23 de Setembro - Terra Mutável
Fim do Verão: época das colheitas, da organização e do armazenamento; sementes e
frutos como símbolo de perfeição e de esperança no futuro.
Transformação da exteriorização: sentido do trabalho feito, da ordem alcançada.
Outono - Época de colheita. Ceifar, guardar e armazenar.
Balança - de 24 de Setembro a 23 de Outubro - Ar Cardinal
Equinócio do Outono: meio do ciclo. Ponto de equilíbrio: as colheitas estão feitas, é
tempo de trocas, dádivas, festas e romarias (pontos de convívio).
Impulso de interiorização, virado para o equilíbrio e a harmonização.
Escorpião - de 24 de Outubro a 22 de Novembro - Água Fixa
Meio do Outono: tempos dos frutos secos (sementes); as folhas caem e apodrecem;
cortam-se os ramos velhos; fermentação e transformação: prepara-se o humus que
fertilizará e sustentará uma nova Primavera.
Máximo da interiorização: tempo de fazer o luto de tudo o que morreu neste ciclo;
libertar-se de emoções do ciclo passado, aceitar a transformação.
Sagitário - de 23 de Novembro a 22 de Dezembro - Fogo Mutável
Fim do Outono: todos os frutos colhidos, últimas folhas secas, últimas sementes,
época de abundância e preparação para a escassez futura.
Transformação da interiorização: antecipação do Inverno, tempo pensar no sentido da
vida, para fazer o balanço de tudo o que se aprendeu neste ciclo.
Inverno - Época de protecção da vida latente. Abrigar e conservar.
Capricórnio - de 23 de Dezembro a 20 de Janeiro - Terra Cardinal
Solstício de Inverno: culminar do ano, o auge do frio; altura de proteger a vida latente
nas sementes que jazem adormecidas na terra.
Impulso de protecção e recolhimento: começam a consumir-se os recursos
armazenados; tempo fazer o balanço material do que foi obtido neste ciclo, gozando o
êxito e reputação social alcançados.
Aquário - de 21 de Janeiro a 19 de Fevereiro - Ar Fixo
Meio do Inverno: escassez de recursos, vive-se agora quase excluvidvamente do que
foi acumulado no Verão anterior; trocam-se e partilham-se recusos.
Máximo da protecção: tempo para recolher-se, meditar e libertar-se de ideias e
conceitos do ciclo passado e preparar o futuro. Vida em comunidade.
Peixes - de 20 de Fevereiro a 20 de Março - Água Mutável
Fim do Inverno: gastam-se os últimos recursos; altura do degelo; redenção, fim de um
ciclo, o fechar do ano "natural".
Transformação da protecção: à medida que o ciclo termina, aumenta o sentimento de
perda, de fatalidade, de términus; contudo, se todas as etapas anteriores tiverem sido
devidamente vivenciadas, este fim pode ser sentido como uma libertação emocional
profunda; estão, assim, criadas as condições para que as sementes deste ciclo nasçam
enfim, na Primavera que se seguirá.
Nota: Os signos relacionam-se com as estações do ano no Hemisfério Norte, uma vez
que foi aqui que nasceram e floresceram todas as civilizações que contribuíram para a
sua simbologia. Contudo, são também aplicáveis aos nascidos no Hemisfério Sul, uma
vez que a sua simbologia é universal.
O Signo de Carneiro
Elemento: Fogo
Modo: Cardinal
Planeta regente: Marte.
Palavra-chave: "Eu ajo".
Disposição: Iniciar, ser activo.
Este é o signo onde tudo começa: é o primeiro signo do Zodíaco.
O Carneiro marca o início de um ciclo completo de experiência. Está cheio de energia,
vitalidade e força.
O seu principal impulso é direccionado para a acção. O tema do signo tem, por isso, a
ver com os inícios, o pioneirismo, a coragem, a vontade de ser o primeiro. A outra face
da acção é a luta, o combate e a conquista, estas também características deste signo.
O Fogo, elemento deste signo, confere-lhe a capacidade de expansão, a expressão de
vontade e de identidade. Ao associar-se ao Modo Cardinal, toda esta expansão
exterioriza-se de modo imediato, rápido, directo.
Por ser Fogo Cardinal, o Carneiro é o signo que mais directamente se relaciona com o
aspecto masculino da personalidade.
Quando o signo de Carneiro está muito acentuado num mapa natal, a necessidade de
acção imediata e directa é parte integrante da personalidade.
A expressão é, muitas vezes, competitiva e bélica, mesmo em situações que requerem
equilíbrio e diplomacia. Há uma resposta imediata, quase que uma reacção às
situações, que pode gerar atritos. Longe de serem temidos e evitados, estes atritos
são, muitas vezes, desejados e vividos como desafios estimulantes.
A necessidade de ser sempre o primeiro pode levar a grandes vitórias e a importantes
empreendimentos. Contudo, é esta mesma necessidade que constitui também um dos
seus principais problemas: a sua impaciência leva-o a desvalorizar o que já
conquistou, a deixar a meio o que começou. Procura, então, novas conquistas e novas
batalhas.
Quando este signo está bloqueado no mapa, pode dar origem à dificuldade de tomar
iniciativas, expressar a vontade e ser assertivo.
Como signo complementar ao Carneiro temos a Balança, onde as qualidades de
diplomacia, tacto, equilíbrio e consideração aos outros temperam a impulsividade de
Carneiro.
O regente de Carneiro é o planeta Marte que, como veremos mais adiante, é o
indicador de acção, conquista, iniciativa e movimento.
O Signo de Touro
Elemento: Terra
Modo: Fixo
Planeta regente: Vénus
Palavra-chave: "Eu construo".
Disposição: Suster, ser aquisitivo.
Em Touro, a energia primordial começa a ser estabilizada e toma forma pela primeira
vez. O impulso é para a estabilidade, para a vivência do lado "prático" da vida. Todo o
tema do signo envolve posses, "lucro" e a segurança que surge da obtenção de um
território pessoal e bem definido. Neste contexto, pode surgir um grande apego a
formas (de pensar, sentir, obejctos materiais, etc.) A outra face deste signo é a
inércia, a preguiça, a indolência e a possessividade.
O elemento Terra que caracteriza este signo, confere-lhe o modo de funcionar concreto
e prático. Há uma tendência a experimentar do mundo através dos sentidos saborear, cheirar, sentir, etc. O Modo Fixo aumenta a tendência para a estabilidade e a
"estática" associadas ao elemento Terra.
A combinação Terra Fixa exterioriza-se muitas vezes por uma resistência à mudança,
forte ênfase no mundo concreto e muita teimosia.
Quando este signo está muito acentuado num mapa natal, existem valores muito
concretos e práticos, grande capacidade de trabalho, persistência e paciência. O
sentido estético e a sensualidade andam a par: há uma capacidade natural para
apreciar a beleza e as "coisas boas" da vida. O exagero destas qualidades pode,
contudo, gerar um forte apego à segurança e ao bem-estar, que acentuam a
sensualidade de forma pouco saudável, impedem o progresos e estagnam a natural
gestão dos recursos.
Quando este signo está de alguma forma bloqueado no mapa, pode haver uma falta de
sentido prático, incapacidade de tomar forma ou dar forma; e uma dificuldade em
"saborear" a vida.
No signo complementar, Escorpião, vamos encontrar a capacidade de reciclagem da
segurança e das posses. A estabilidade de Touro é substituida por uma constante
transformação.
O Planeta Vénus, que rege o signo de Touro, dá-lhe capacidade valorativa, capacidade
de empatia, e sensibilidade à beleza e à estética.
O Signo de Gémeos
Elemento: Ar
Modo: Mutável
Planeta regente: Mercúrio
Palavra-chave: "Eu comunico".
Disposição: Transmitir, ser volátil.
Em Gémeos, vive-se pela primeira vez a dualidade e a comunicação.
O tema do signo é a troca de ideias, a relativização, a compreensão intelectual do meio
próximo. A curiosidade e a vontade de comunicar, que estão sempre presentes,
transforma-se, por vezes, num "saltitar" nervoso e desgastante.
Por ser o primeiro signo do elemento Ar, Gémeos representa a comunicação próxima,
pessoal e informal, sem grandes pretensões generalistas. O Modo Mutável acrescentalhe um toque de "nervosismo", indecisão e versatilidade.
O Ar Mutável confere ao signo de Gémeos a sua característica vivacidade mental,
leveza e capacidade adaptativa.
Quando o signo de Gémeos está acentuado num mapa natal, toda a personalidade é
permeada pela constante necessidade de comunicação, movimento e leveza.
A expressão natural tende a ser rápida, dispersa, juvenil e alegre. Há uma grande
acentuação na comunicação verbal e na troca de ideias.
Esta tendência a verbalizar e a "intelectualizar" todos os aspectos da vida pode ser
exagerada ao ponto de não deixar espaço para outras formas de estar. Nessa situação,
o sentimento, a intuição e até a experiência concreta podem ser relegados para
segundo plano.
Quando a vivência intelectual ganha primazia sobre tudo o mais, a capacidade
valorativa pode perder-se; surge então a dificuldade em distinguir entre o "bem" e o
"mal", entre o "sério" e o "fútil": há uma espécie de postura "amoral", que se recusa a
tomar posição pessoal entre o enorme conjunrto de conceitos e idéias que vai juntado
ao longo das suas vivências quotidianas.
Quando este signo está bloqueado num mapa natal pode representar dificuldades em
comunicar no meio próximo e em gerir os conceitos do dia-a-dia.
O signo complementar dos Gémeos, o Sagitário, representa o contraporto que faltava:
vem dar significado e direcção a este mundo de idéias soltas e sem propósito comum.
O regente de Gémeos é Mercúrio, planeta da comunicação e expressão em geral (em
particular na sua forma falada e escrita).
O Signo de Caranguejo
Elemento: Água
Modo: Cardinal
Planeta regente: Lua
Palavra-chave: "Eu alimento".
Disposição: Conter/nutrir, ser defensivo.
No Caranguejo, signo com que se inicia o Verão, surge pela primeira vez a componente
emocional. Neste quarto signo, a ênfase está nas qualidades de protecção,
acolhimento, sustentação e carinho.
O tema geral do signo é a manutenção de um estado de protecção e segurança que é
por vezes pode tornar-se excessivamente receoso e desconfiado.
Este primeiro signo de Água relaciona-se com a expressão primordial dos sentimentos;
a emoção é vivida de modo simples, quase infantil. Esta emotividade, contudo,
expressa-se através do Modo Cardinal, que lhe acrescenta uma nota de dinamismo e
assertividade.
A Água Cardinal revela uma interessante combinação de fragilidade e força: a sua
acção, que pode ser muito directa e assertiva, é basicamente motivada pela segurança
emocional.
Se o signo de Caranguejo estiver muito destacado num mapa natal, há tendência a pôr
as necessidades emocionais pessoais em primeiro lugar, em detrimento de quaisquer
outras considerações.
Estas necessidades são, como já foi referido, principalmente direccionadas para a
segurança e o conforto. O sentido de família e de "tribo" é muito forte assim como o
sentimento de "pertencer" a um determinado grupo com características familiares.
Uma excessiva ênfase de Caranguejo pode indicar uma necessidade de segurança de
tal ordem que tudo o mais fica relegado para segundo plano. O resultado extremo
desta situação pode ser estreiteza de vistas (dificuldade em pensar para além do ponto
de vista pessoal) e uma incapacidade total de responder emocionalmente a pessoas ou
situações que não sejam conhecidas ou familiares.
Se houver alguma forma de bloqueio nas energias deste signo, a capacidade de
reacção emocional pode ser fraca ou estar inibida. Há dificuldade em apreciar um
ambiente seguro e familiar e é quase impossível ter o sentimento de pertencer ou
"estar em família".
Capricórnio, o signo complementar de Caranguejo, representa a estrutura e a
organização necessárias para conter e dar rumo a todo este fluxo emocional.
A Lua, regente de Caranguejo, está ligada à temática do inconsciente, à sensibilidade e
à receptividade.
O Signo de Leão
Elemento: Fogo
Modo: Fixo
Planeta regente: Sol
Palavra-chave: "Eu brilho".
Disposição: Exibir, governar.
No pino do Verão o impulso vital iniciado em Carneiro atinge a sua máxima expressão.
É a época da realização das promessas iniciadas na Primavera e desenvolvidas ao
longo da primeira fase do ano.
Assim, o quinto signo do Zodíaco tem como tema a expressão plena de um potencial.
Esta expressão, que geralmente é forte, rica, diversificada e criativa, pode também
tornar-se excessiva, descabida e pomposa.
O segundo signo de Fogo representa a expressão criativa da identidade; em vez de
uma expresão directa e imediata, como em Carneiro, a identidade procura agora
formas únicas, exuberantes e carismáticas de se manifestar. O Modo Fixo vem
potenciar esta manifestação, conferindo-lhe força e estabilidade.
Por ser um signo de Fogo Fixo, o Leão corresponde à mais intensa, tenaz e exuberante
expressão de identidade.
Se o signo de Leão estiver acentuado num mapa natal, a expressão da personalidade é
viva, alegre, generosa e multifacetada. Há uma necessidade constante de enquadrar
todas as circunstâncias da vida segundo um referencial próprio, único, pessoal.
Apesar de existir uma auto-imagem forte e irradiante, há uma busca constante pela
expressão total: o Leão procura no processo criativo o reflexo da sua própria criação procura descobrir quem em através daquilo que cria.
O excesso de energia leonina num mapa natal é bastante fácil de identificar: a
expressão pessoal é tão forte (e por vezes tão exagerada) que raramente permite que
qualquer outra se manifeste. Em casos extremos, esta tendência pode chegar ao
egocentrismo total, acompanhado de mania das grandezas e pomposidade. Pode haver
uma auto-imagem exageradamente positiva, levando à total falta de perspectiva do
valor próprio e das capacidades pessoais.
Se houver algum bloqueio deste signo, a expressão da identidade pode ficar bastante
debilitada; a auto-imagem pode ser vaga, fraca ou confusa.
O signo de Aquário, com a sua acentuada consciência de grupo, apresenta o
complemento directo à postura egocentrada de Leão.
O signo de Leão é regido pelo Sol, planeta da auto-consciência e da irradiação.
O Signo de Virgem
Elemento: Terra
Modo: Mutável
Planeta regente: Mercúrio
Palavra-chave: "Eu analizo".
Disposição: Analizar, ser descriminativo.
É chegado agora o momento de experimentar, classificar e apurar o sentido do ego,
que atingiu o seu máximo desenvolvimento na etapa anterior.
O tema deste signo é a funcionalidade e a visão pragmática, mas também busca da
perfeição na forma e o serviço aos outros.
O segundo signo de Terra vai, tal como o primeiro (Touro), experimentar o mundo
num nível prático e concreto; contudo, aquilo que no primeiro signo de Terra era vivido
como pura sensação passa agora a ser testado, descriminado e qualificado. O Modo
Mutável vai conferir vivacidade e mobilidade a este pragmatismo: há uma grande
capacidade classificar e apurar tudo o que é experimentado.
A combinação Terra Mutável representa a experiência do concreto; este signo é, por
isso, o que melhor representa a eficiência e a capacidade de agir no mundo material.
Se o signo da Virgem estiver forte num mapa natal, a personalidade é naturalmente
propensa à busca de perfeição. Todas as acções e empreendimentos estão submetidos
a um sentido de propósito prático e de eficiência. Neste sentido, a Virgem (signo de
Terra e, portanto, ligado à matéria e à realização concreta), pode chegar à visão da
perfeição na forma.
Excesso de energia neste signo poderá levar a uma tão forte preocupação com os
detalhes que se perde de vista o foco central. A necessidade de perfeição em todos os
aspectos da vida pode envolver e dominar completamente a personalidade, exigindolhe esforços constantes e cada vez mais pormenorizados. Este "mergulho" na matéria
e nas suas imperfeições leva a um constante criticismo, que pode tornar-se
paralizante.
Quando a energia deste signo se encontra debilitada ou bloqueada, a eficiência e
capacidade de descriminar pode estar enfraquecida; o trabalho pode ser atabalhoado
ou confuso.
O signo complementar, Peixes, representa a capacidade de ver - e de sentir - o Todo,
sem se perder em pormenores.
Mercúrio, planeta regente de Virgem, rege também o signo de Gémeos. Na Virgem,
contudo, Mercúrio está mais ligado à capacidade de análise e de raciocínio directo, e
não tanto à comunicação e expressão (como em Gémeos).
O Signo de Balança
Elemento: Ar
Modo: Cardinal
Planeta regente: Vénus
Palavra-chave: "Eu relaciono-me".
Disposição: Equilibrar, ser apreciativo.
Completo que está o primeiro ciclo da experiência humana, surge agora a Balança,
signo de relação e equilíbrio. A sua temática, aparentemente ligeira e harmoniosa é,
talvez, das mais subtis e complexas: a Balança representa o ponto de equilíbrio entre a
perspectiva pessoal e a perspectiva relacional - o Eu perante o Outro.
Balança, segundo signo de Ar, está ligado (tal como Gémeos) à comunicação e à
relativização. Contudo a comunicação rápida e a atenção "saltitante" de Gémeos dá
agora lugar a uma ponderação diplomática e à atenção ao outro. O Modo Cardinal
confere uma boa dose de assertividade e esta dinâmica, de que outra forma poderia
ser algo incaracterística.
O Ar Cardinal apresenta, assim, uma curiosa mescla de indecisão e assertividade,
hesitação e força, indecisão e focagem.
Balança representa a passagem da esfera pessoal à esfera relacional. O eu, que já
vivenciou um vasto leque de experiências, procura agora definir-se em relação ao
outro (parceiro) e aos outros (meio social).
Esta busca de parceria traduz-se, na maior parte dos casos, por uma capacidade de
"funcionar" com naturalidade e elegância nos meios mais diversos, aptidão espontânea
para negociar situações de forma diplomática e um grande sentido estético.
Como a afirmação pessoal cede facilmente lugar à relação, pode haver alguma
dificuldade com o conceito de independência (só existe em relação a alguém).
O excesso de energia em Balança pode assumir formas um tanto contraditórias. Por
um lado, há grande indecisão nas escolhas pessoais, o que leva à dependência da
aprovação e da iniciativa dos outros. Por outro lado, podem surgir inesperados "picos"
de assertividade, em que se tomam súbitas decisões, seguidas de esforços activos
para levar os outros a apoiar e acompanhar essas escolhas.
Se este signo estiver de bloqueado num mapa natal, a capacidade negociar situações e
de entrar em sintonia com os outros está debilitada. O mesmo pode acontecer com o
sentido estético e a capacidade de se sentir à vontade em diferentes meios sociais.
O Carneiro, com o característico sentido de individualidade, assertividade,
independência e pioneirismo, vem complementar a diplomacia, hesitação e
necessidade de equilíbrio da Balança.
Vénus, o planeta regente de Balança, rege também o Touro. Em Balança, a
valorização, empatia, e sensibilidade estética de Vénus manifestam-se mais no plano
das ideias e conceitos do que no mundo dos sentidos (como acontece em Touro).
O Signo de Escorpião
Elemento: Água
Modo: Fixo
Planeta regente: Marte (Plutão)
Palavra-chave: "Eu transformo-me".
Disposição: Escrutinar, ser intenso.
Este signo representa uma fase de morte e transformação que deverá ser
intensamente vivenciada, para dar lugar à última etapa do ciclo. O seu tema, muitas
vezes mal entendido, é a mudança profunda e definitiva. Esta mudança é quase
sempre temida e evitada a todo o custo: só acontece após uma luta demorada e por
vezes dolorosa.
Neste segundo signo de Água, a vivência dos sentimentos é intensa, profunda e,
muitas vezes, inconsciente. Os sentimentos "infantis" do Caranguejo, dão agora lugar
a uma expressão mais interiorizada e secreta, com um toque de imposição e
extremismo. O Modo Fixo vem acrescentar a esta intensidade emocional uma grande
tenacidade, bem como uma necessidade de continuidade e segurança.
A Água Fixa de Escorpião é a que mais se apega aos sentimentos, procurando
segurança, mas é também a que tem maior capacidade de transformá-los.
Quando o signo de Escorpião está acentuado num mapa natal, toda expressão da
personalidade é permeada por uma forte intensidade. Existe carisma, poder de
sedução e capacidade de descobrir as motivações ocultas nos outros. Numa primeira
fase, estas capacidades podem ser usadas de forma defensiva e algo manipuladora,
tendo em vista a preservação emocional. Quando se atinge uma certa maturidade
interior, estas mesmas características tornam-se os principais auxiliares da
transformação.
Quando o Escorpião compreende que não tem de estar sempre a defender-se, inicia a
verdadeira descoberta de si mesmo: um ser em permanente mudança.
Uma excessiva ênfase de energia escorpiónica num mapa natal pode indicar uma
emocionalidade imperativa, presa de motivações inconscientes. O mal-estar interior
pode ser tão forte que se torna incomodativo não apenas para a própria pessoa, mas
para as demais - esta situação pode complicar-se ainda mais se todas as partes se
mantiverem inconscientes do processo.
O bloqueio destas energias pode indicar dificuldade em transformar-se. Pode haver
uma espécie de apatia ou estagnação emocional: como não têm capacidade de se
regenerar, os sentimentos não têm poder transformativo.
Touro, o signo complementar, representa a capacidade de manter, estabilizar e
construir, dando assim sentido à morte e transformação escorpiónica.
Escorpião tem o mesmo planeta regente que Carneiro: Marte, planeta do guerreiro, da
acção e da luta. No primeiro signo do Zodíaco, esta luta é projectada para o exterior e
vivida "às claras"; em Escorpião, contudo, a luta torna-se interior, secreta e por vezes
inconsciente - o guerreiro é aqui levado a confrontar e a transformar os seus demónios
interiores. Alguns astrólogos actuais atribuem a regência deste signo a Plutão, planeta
associado à morte e à transformação.
O Signo de Sagitário
Elemento: Fogo
Modo: Mutável
Planeta regente: Júpiter
Palavra-chave: "Eu busco".
Disposição: Estender, ser explorador.
O nono signo transporta consigo uma mudança de fase. Após os dolorosos processos
transformativos vivenciados em Escorpião, a necessidade de sentido e de propósito
torna-se o foco principal.
O terceiro signo de Fogo volta a viver a temática da identidade. Já não se trata,
contudo, da expressão imediata de Carneiro, nem da expressão exuberante de Leão; O
Fogo de Sagitário traz consigo a busca - não da identidade - mas do significado dessa
identidade. É um fogo de aventura e procura. O Modo Mutável traz versatilidade,
mobilidade e vivacidade a esta busca.
A combinação Fogo Mutável indica uma identidade que se experimenta e descobre
através de um referencial sempre em expansão.
Sagitário é um signo que se expressa através de um ideal ou padrão ideológico -existe
sempre um referencial filosófico e ético que serve de linha condutora.
A faceta exuberante (caracterísca dos signos de Fogo) é muito marcante. Expressa-se
geralmente em forma de popularidade, expansividade e "à vontade" em todas as
situações. A jovialidade e optimismo estão muito presentes, assim como um natural
sentido de ética e rectidão.
Se este signo estiver demasiado acentuado num mapa natal, esta exuberância tornase exagerada, chegando mesmo a superar as referências éticas e gerando um
comportamento "amoral": vive segundo conceitos de moralidade próprios e mutáveis
de acordo com as circunstâncias. Em casos extremos, coloca-se na posição de juíz,
condenando tudo o que não se enquadre no seu critério "moralista" mas, ao mesmo
tempo, considerando-se acima da lei.
Pode ser fanático nas suas crenças ou atitudes e ter a tentação de impõr aos outros
esses pontos de vista.
Um bloqueio das energias sagitarianas implica uma falta de direccionamento e de
sentido na existência. O optimismo é fraco, assim como a fé nos sonhos e ideiais. Há
dificuldade em viver o aspecto lúdico, divertido e aventureiro da vida.
O signo complementar, Gémeos, age aqui como a capacidade de relativizar todas e
qualquer crença ou ideologia: mostra a outra face e põe as situações na devida
perspectiva.
Júpiter, planeta regente de Sagitário, representa a capacidade de expansão, fé e
espírito de aventura; é também o significador dos padrões morais e éticos que
predominam este signo.
O Signo de Capricórnio
Elemento: Terra
Modo: Cardinal
Planeta regente: Saturno
Palavra-chave: "Eu estruturo".
Disposição: Construir, ser estratega.
É agora chegada a altura de focar todas as energias rumo a uma meta. O tema deste
signo a concentração de esforços tendo em vista a realização de objectivos concretos.
Esta concentração leva à conquista de grandes metas mas pode também transformarse em ambição exagerada.
O terceiro signo de Terra está, tal como os outros signos do mesmo elemento, ligado à
vivência do mundo concreto mas, desta vez, a tónica é colectiva, social. Aquilo que em
Touro foi vivido a nível pessoal (como experiência sensorial) e em Virgem foi
qualificado (como experiência funcional) vai ser agora empregue para fins colectivos
(como experiência social). O Modo Cardinal confere a esta vivência uma tónica de
acção e assertividade.
A Terra Cardinal de Capricórnio reúne, assim, as qualidades necessárias para a
concretização directa e activa de objectivos concretos.
Quando o signo de Capricórnio está acentuado num mapa natal, há a tendência para
encarar a vida como se se tratasse de uma escalada: a abordagem é séria, estratégica,
ambiciosa e programada.
A atitude geral pode ser muito simples, despojada, quase espartana: a simplicidade
concentra esforços, evita dispersões de energia e mantém o foco nos objectivos
previamente definidos. Estes são, geralmente, de carácter concreto e exterior:
situação económica e social, carreira, etc. Contudo, a tendência inata ao despojamento
pode levá-lo (em geral na maturidade) a desinteressar-se do que alcançou, virando-se
para a sua vida interior, que é reservada, quase secreta, mas também muito rica e
intensa.
Excesso de energia capricorniana sugere que os aspectos sociais e exteriores da vida
deixam pouco espaço para o sentimento. A tristeza e (em casos extremos) a
depressão ameaçam instalar-se. A tendência será a procurar compensações materiais
para uma emocionalidade carente, imatura e, muitas vezes, inconsciente.
Se as energias deste signo estiverem bloqueadas, pode haver falta de ambição social e
dificuldade em estruturar a vida em função de objectivos concretos.
O signo complementar, Caranguejo, representa aqui as necessidades emocionais, a
segurança da intimidade, que o Capricórnio tende a esquecer, na sua escalada rumo a
metas exteriores (sociais).
O regente de Capricórnio, Saturno, é o planeta do Tempo e das dificuldades, mas
também da maturidade e da Sabedoria.
O Signo de Aquário
Elemento: Ar
Modo: Fixo
Planeta regente: Urano (Saturno)
Palavra-chave: "Eu globalizo".
Disposição: Inovar, ser observador.
Atingidas que estão as metas pessoais, é agora o momento de levar em contra as
necessidades e anseios comuns a toda a Humanidade.
O tema geral do Aquário é o da comunicação grupal das correntes ideológicas e
comunitárias. Esta tendência generalizante, contudo, corre o risco de se tornar
excessivamente desprendida, excêntrica e distanciada da realidade.
Em Aquário, terceiro signo do Ar, a comunicação e a troca de ideias ganham uma
dimensão global. Para além da curiosidade despreocupada e informal (Gémeos) e da
ponderação diplomática dos relacionamentos (Balança), temos agora a constante
busca por novos conceitos, mais abrangentes e expansivos. O Modo Fixo acrescenta
uma nota de estabilidade e persistência a esta busca.
O Ar Fixo de Aquário está, portanto, equipado para estabelecer e seguir uma linha de
pensamento impessoal, tendo em vista a liberdade e o bem comum.
Quando o signo de Aquário está acentuado num mapa natal, toda a personalidade
ganha uma expressão viva, eléctrica e original. A forma de estar é cooperativa,
idealista e dinâmica, um pouco avessa a exibições emocionais mas, ainda assim,
solidária e prestativa.
O indivíduo parece responder a estímulos e apelos diferentes dos demais. Pode haver
muito interesse pelo futuro, em especial pelo progresso ideológico e tecnológico. É
possível que exista um equilíbrio dinâmico entre a necessidade de ser único e a
preocupação com os interesses e direitos da comunidade, entre a necessidade de
liberdade pessoal e o empenho por causas comuns.
Um excesso de energia aquariana poderá levar a uma postura excêntrica, teimosa e
rebelde, completamente inadequada à cooperação grupal. A necessidade de ser
diferente e "livre" sobrepõe-se a tudo, gerando comportamentos de excentricidade
gratuita e irresponsável. Podem estar presentes algumas dificuldades emocionais,
prontamente disfarçadas por uma capa de desprendimento intelectual e pretenso
individualismo.
Com um bloqueio das energias do signo de Aquário, a dificuldade está em viver a
liberdade pessoal e a interacção grupal como elementos da vida quotidiana. Pode
haver uma situação de conformismo, em que se abafam as capacidades pessoais,
seguida de momentos de revolta súbita e inconsequente.
Leão, o signo complementar de Aquário, vem acrescentar uma nota de individualidade
e expressão pessoal a esta tónica grupal. A vivência do "Nós" equilibra-se com a
expressão do "Eu".
Muitos astrólogos consideram que o actual regente de Aquário é Urano, um dos
"planetas modernos". Urano tem a ver com tudo o que é novo, imprevisto,
progressista, rebelde e revolucionário. Na Antiguidade a regência deste signo estava
atribuída a Saturno.
O Signo de Peixes
Elemento: Água
Modo: Mutável
Planeta regente: Júpiter (Neptuno)
Palavra-chave: "Eu redimo".
Disposição: Fundir, ser impressionável.
Chegámos agora ao final de um ciclo. É tempo de sentir todas as experiências
anteriores, redimir o que tem significado e, ao fazê-lo, formar a semente do ciclo
futuro. O tema dos Peixes é o da síntese emocional de toda a gama de experiências
humanas. Esta síntese pode ser muito abrangente, criativa e inspirada mas também
pode cair no caos, na falta de sentido e na perda de identidade.
Peixes é o terceiro signo de Água, representando, por isso, a totalidade dos
sentimentos colectivos. Da sentimentalidade simples do Caranguejo passámos à
expressão intensa de Escorpião e chegámos agora a um sentir total, globalizante,
indiferenciado. O Modo Mutável vem acrescer a esta globalidade mais uma nota de
variedade, dispersão e mudança.
A Água Mutável dos Peixes representa a maior capacidade de percepção sensível do
Todo: é o sentir mais abrangente, o único capaz de abarcar toda a experiência
emocional humana.
Quando o signo de Peixes está muito acentuado num mapa natal, a expressão pessoal
tende a ser interessante e criativa, mas também vaga e dispersa. A pessoa parece
responder a estímulos diferentes e reagir em tempos diferentes dos outros. Estes
estímulos, por vezes inconscientes, são de carácter emocional (no signo anterior,
Aquário, os estímulos eram mentais).
Excesso de energia pisciana pode levar a uma indefinição da identidade. Esta poderá
ficar "à mercê" dos sentimentos e ilusões do colectivo. O indivíduo pode ser de tal
forma sensível aos outros que perde a noção dos limites pessoais, tornando-se caótico,
dependente e pouco funcional.
Se houver um bloqueio destas energias, pode verificar-se alguma dificuldade tornar-se
sensível ao colectivo (a nível emotivo).
Virgem, o signo complementar, vem colocar uma nota de definição, lucidez e eficiência
na sensibilidade e criatividade de Peixes.
Júpiter, o planeta regente de Peixes, rege também o Sagitário. A capacidade de
expansão e de fé (que em Sagitário estava dirigida para a acção e para o exterior)
torna-se em Peixes interiorizada e meditativa. Alguns astrólogos actuais atribuem a
regência de Peixes a Neptuno, planeta da universalidade, sonhos e ilusões.
O Signo Solar e o Signo Ascendente
O que é o Ascendente?
Para compreendermos este importante aspecto astrológico, vamos recordar que o
mapa natal é o retrato simbólico do céu, visto a partir da Terra, num determinado dia,
hora e local. O centro do mapa será o próprio local de nascimento, na Terra. A partir
desse centro, é determinado um horizonte: à esquerda está o Este, Oriente, ou
Nascente; à direita fica o Oeste, Ocidente ou Poente. O Ascendente é o signo que está
a subir - ou a ascender -- no horizonte oriental (à esquerda, portanto) naquele
momento.
Como o signo Ascendente muda de 2 em 2 horas (aproximadamente), só pode ser
determinado através de cálculos matemáticos muito precisos.
Em termos simbólicos, o Ascendente representa o impulso inicial para a vida, o
momento do nascimento, o primeiro choro do bebé. Indica a nossa forma imediata e
genuína de reagir, a forma como entramos na vida.
O Ascendente simboliza a primeira impressão que damos aos outros e também a
primeira mensagem que recebemos do mundo.
O signo que se encontra no Ascendente indica a primeira impressão que causamos e a
forma como iniciamos as coisas. Refere-se às condições que encontrámos quando
nascemos: o "estado de espírito" do momento. Pode igualmente dar-nos pistas sobre o
nosso aspecto físico, a "máscara" exterior (tanto física, como emocional e intelectual),
o estado geral de saúde e alguns hábitos e maneirismos pessoais.
Como interage com o signo solar?
O signo onde se encontra o Sol representa o processo de auto-conhecimento
individual. É através das energias (do tema) do signo do Sol que crescemos em
consciência. Simboliza aquilo que somos (no sentido mais básico e natural), e também
aquilo que ao longo da vida aprendemos a expressar de forma cada vez mais
consciente.
O Sol mostra a expressão natural e duradoura da individualidade, enquanto o
Ascendente revela a forma como esta individualidade se expressa no imediato.
Por outras palavras: através do signo Ascendente "tocamos" o mundo, através do
signo do Sol transformamos essa experiência em consciência.
À medida que amadurecemos, vamos aprendendo a integrar as energias totais do
nosso mapa em torno do signo solar; todos os outros factores (incluíndo o Ascendente)
passam, assim, a enriquecer e fortalecer essa expressão global.
Esta integração não implica, contudo, a perda de importância do Ascendente ou de
qualquer outro elemento do mapa. Pelo contrário: quando a personalidade se constela
em torno do Sol central, cada factor astrológico ganha uma dimensão própria, única e
dinâmica, capaz de contribuir para um todo harmonioso e criativo - uma personalidade
integrada.
Os Signos e o Mapa Natal
Os signos representam as energias básicas da Astrologia. São os arquétipos (ou
símbolos) primordiais, dos quais surge todo o conhecimento astrológico.
Num num mapa astrológico estão sempre representados todos os doze signos do
Zodíaco. A nível individual, cada um deles representa um modo de ser, uma possível
forma de expressão da Consciência.
Mais importante do que identificarmo-nos com este ou aquele signo específico é
compreendermos cada um dos doze. Nenhum deles é "melhor" ou "pior" que qualquer
outro: todos representam características e energias fundamentais da experiência
humana. Cada um deles estará presente na nossa personalidade, embora alguns
possam estar mais acentuados que outros.
Qual é o signo principal de um horóscopo?
O signo solar é, obviamente, um dos mais destacados.
Representa o processo de auto-conhecimento de um dado indivíduo. Simboliza aquilo
que somos, num sentido mais básico e natural, e também aquilo que ao longo da vida
aprendemos a expressar de forma cada vez mais consciente.
O signo solar é, como o próprio nome indica, o signo onde o Sol se encontra num dado
momento. Como o Sol tem um movimento muito regular (um signo por mês), é fácil
saber em que ponto do zodíaco se encontra a cada dia*.
Para conhecer o signo solar de uma determinada pessoa ou acontecimento basta-nos,
portanto, saber o dia e o mês em que ocorreu esse acontecimento.
Por ser muito fácil de calcular, o signo do Sol tornou-se o mais conhecido de todos. A
sua maior divulgação ficou a dever-se à publicação de almanaques que falavam das
características do signo solar. Estas seriam, supostamente, compartilhadas por todos
os nascidos num determinado período.
É interessante verificar que o signo solar tinha uma importância muito pequena para
os astrólogos da Antiguidade, já que a sua análise astrológica levava em consideração
muitos outros factores. Para eles, não faria sentido alguém afirmar "Eu sou Touro" ou
"Eu sou Sagitário".
Que outros signos são marcantes num mapa natal?
O signo lunar - o signo onde se encontra a Lua num dado momento -- indica os
condicionamentos, as emoções e as condições de receptividade que prevaleciam
naquela altura. Para determinar o signo lunar é preciso uma tabela, já que a Lua
demora apenas 28 dias a dar a volta ao Zodíaco.
O signo ascendente é signo que está a subir (a ascender) no horizonte oriental no
momento em que o mapa é calculado. Simboliza a forma de expressão exterior, as
primeiras impressões, as reacções imediatas. Numa perspectiva espiritual, dá-nos
indicações sobre o propósito do mapa astrológico. O Ascendente muda de 2 em 2
horas; é determinado através de cálculos matemáticos muito precisos.
Num horóscopo, será também marcante qualquer outro signo que contenha uma
grande concentração de planetas.
Em resumo: de pouco serve escolher o signo "mais importante" e identificamo-nos
com as suas características; há que manter sempre presente que todos os doze signos
têm o seu lugar e a sua forma de expressão no mapa astrológico.
Em artigos futuros, veremos de que forma cada um deles se manifesta.
O que São os Planetas?
Os planetas são as peças chave em Astrologia. São eles que "encarnam" e canalizam
as qualidades (energias) dos Signos. Cada Planeta representa um elemento da psique
humana, uma parte da nossa consciência.
Os planetas dividem-se em vários tipos. O Sol e a Lua não sendo propriamente
planetas são conhecidos como os lumináres ou luzes. Eles representam as grandes
polaridades humanas: Consciente - Inconsciente, Masculino - Feminino, etc. Seguemse os planetas vitais (ou pessoais) que, juntamente com os lumináres, representam os
elementos básicos da personalidade. Depois temos os planetas sociais, que
representam elementos de sociabilização e finalmente os transpessoais que simbolizam
a nossa capacidade de transformação e transcendência.
Eis algumas caracteristicas dos planetas:
Luminares (planetas vitais)
O Sol representa o Consciente, a capacidade de auto-percepção e auto-consciencia do
ser humano. Ele representa num mapa astrológico o modo como tomamos consciência
do mundo ao nosso redor e o nosso sentido de identidade.
A Lua simboliza a nossa capacidade de sentir, de nos sensibilizar-mos ao meio
ambiente. Representa a nossa vida emocional, o instinto e a autopreservação. Num
mapa astrológico indica-nos o relacionamento com o feminino, com a imagem da mãe
e com a procura de alimento (físico ou psiquíco)
Planetas Vitais ou Pessoais
Mercúrio representa a nossa capacidade de comunicar e de "fazer pontes". Ele
simboliza a fala, escrita e toda a capacidade de transmitir ou receber informação. Nele
está expresso o modo como falamos, raciocinamos, etc.
Vénus simboliza a capacidade que temos de dar valor e qualificar. Representa a modo
como valorizamos, a nossa vida afetiva, a troca e partilha de valores.
A Terra representa o nosso corpo, o lugar onde temos as nossas experiências. É o
campo de testes onde vamos viver aquilo que vai ser transformado em consciência
Marte é o simbolo do desejo. Ele representa a nossa capacidade de acção, de
movimento, de expressão física. No mapa astrológico indica a agressividade, a
impulsividade e tudo o que diga respeito a actividade.
Planetas Sociais
Júpiter simboliza a capacidade de expansão. Indica o nosso sentido ético, filosófico,
religioso e ideológico. Representa a capacidade que temos de percepcionar as leis e de
nos relacionarmos socialmente através delas
Saturno é o último planeta visível da Terra. Ele representa o limite do pessoal, ou
seja, os nossos próprios limites. Num mapa ele indica os medos, bloqueios e barreiras
pessoais. No entanto, superados os obstáculos ele é também o símbolo da maturidade,
da estrutura e solidez.
Planetas Transpessoais
Urano é o primeiro dos planetas transpessoais (ou modernos). Ele representa a
capacidade de quebrar barreiras, ultrapassar os limites pessoais. A capacidade de
individualização das massas e liberdade pessoal.
Neptuno simboliza o contacto com o absoluto, representa todos os processos que nos
unem emocionalmente ao colectivo. É tanto símbolo da união com o absoluto, da
expectativa mística, como símbolo da ilusão, do engano e decepção.
Plutão representa a capacidade transformativa do ser. Simboliza a nossa capacidade
de lidar com os aspectos mais sombrios da personalidade, tudo aquilo que está
adormecido nas profundezas. Numa primeira fase indica também a nossa resistência à
transformação e a nossa expressão de poder
Num mapa astrológico ou horóscopo, cada planeta está colocado num dos signos o
qual vai atribuir à qualidade psicológica representada pelo planeta uma qualidade e
modo de expressão.
O Sistema Solar
Numa primeira abordagem, a Astrologia e a Astronomia parecem estudar os mesmos
fenómenos: estrelas, planetas e outros corpos celestes.
Assim acontece, de facto. Existe, porém, uma diferença fundamental: a Astronomia
estuda os aspectos físicos, objectivos e materiais dos corpos celestes, enquanto a
Astrologia estuda o seu aspecto simbólico e mitológico.
É por isso que alguns termos comuns ganham sentidos diferentes*. Uma dessas
diferenças reside na própria palavra "planeta", que deriva do termo grego "errante"
(ou em movimento). Em Astronomia, o termo planeta designa apenas os corpos
celestes que orbitam em torno de uma estrela. Em Astrologia, por seu turno, o termo
aplica-se a todos os corpos do Zodíaco.
Considera-se assim que num mapa astrológico estão representados dez corpos
celestes genericamente designados "planetas". Oito deles são, de facto, planetas:
Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Neptuno e Plutão orbitam em volta do
Sol, tal como a própria Terra. Quanto aos outros, um deles - o Sol - é uma estrela, e o
outro - a Lua - é um satélite ou planeta secundário. Estes dois corpos celestes
recebem por vezes a designação de Luminares.
Alguns astrólogos utilizam também o planeta Terra como factor de interpretação.
Outros incluem no mapa corpos celestes secundários, nomeadamente alguns
asteróides e planetóides, dos quais Quíron é o mais conhecido. (Mais adiante,
estudaremos alguns destes elementos.)
No simbolismo astrológico, os planetas representam diversas funções ou aspectos da
natureza humana, de acordo com a sua posição relativa no Sistema Solar e de acordo
com a mitologia que lhe está associada.
Diz-se que um planeta "está" num determinado signo. Por exemplo: Mercúrio está em
Capricórnio. Significa isto que, visto a partir da Terra, o planeta Mercúrio (ao qual foi
atribuída uma carga simbólica) está a passar por uma área específica da abóbada
celeste, o signo de Capricórnio (que tem também um simbolismo associado).
Se compararmos um mapa astrológico a uma peça de teatro, podemos considerar os
doze signos como outros tantos papéis ou formas de ser. Nesta comparação, os
planetas seriam os actores que representam esses papéis.
Assim, o planeta Mercúrio está, simbolicamente, a representar o papel de Capricórnio.
Mercúrio está associado, entre outras coisas, à comunicação e à aprendizagem.
Capricórnio está associado à reserva, sobriedade e vontade de agir no colectivo.
Assim, a capacidade de comunicar e de aprender está tingida pela reserva e pela
sobriedade. A maneira de pensar é estruturada, prática e concreta com um senso de
estratégia apurado.
Antes, porém, de passarmos à interpretação da posição dos planetas nos signos,
vamos começar por estudar o Sistema Solar no seu todo e, seguidamente, os planetas
um a um.
* Devido à precessão dos equinócios, existe um desvio (Ayanamsa) de cerca de 22
graus entre signos e constelações. O que acima foi dito diz respeito ao signo e não à
constelação. O signo determina-se a partir das datas dos solstícios e equinócios.
Alguns tipos de Astrologia, como a Astrologia Védica, trabalham com as constelações,
mas o ramo ocidental trabalha com os signos.
O Sistema Solar como modelo do ser Humano
O princípio "o que está em cima é como o está em baixo..." recorda-nos que o Homem
é, do ponto de vista simbólico, um reflexo do próprio Sistema Solar.
Podemos, assim, encarar o Sistema Solar como um ser vivo gigantesco, cujos "órgãos"
ou funções estão representados pelos planetas.
No centro do Sistema Solar encontramos o Sol. Tal como a consciência humana se
expressa através de diferentes formas, também a energia solar se diferencia através
dos planetas. A posição relativa de cada planeta define a função que simboliza.
Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol. Liga a consciência central (Sol) ao exterior
(o resto do Sistema). Define a forma como apreendemos o Universo e, por
consequência, a forma como comunicamos.
A seguir a Mercúrio encontramos Vénus. Representa a nossa capacidade de qualificar
(dar valor) a algo exterior a nós. É, por isso, frequentemente associado aos
relacionamentos amorosos (só podemos gostar daquilo que valorizamos).
É na Terra que são vividas todas as experiências perceptivas e valorativas da
Humanidade. É nela que as funções representadas pelos planetas se expressam.
Representa o campo de experiência, o campo da vivência concreta.
Na órbita da Terra temos a Lua. Simboliza a receptividade, a sensibilidade ao exterior.
Funciona também como um "amortecedor" das experiências físicas, indica os
mecanismos de defesa, hábitos, acomodações e instintos. Representa os
condicionamentos, a ilusão da forma. A experiência concreta (Terra) está protegida
pela Lua, mas é por ela limitada e condicionada.
Seguidamente encontramos Marte, o primeiro planeta exterior. Simboliza todos os
movimentos para "fora", a acção, a actividade exterior, a agressividade.
Passamos depois para o domínio de Júpiter. Relaciona a esfera pessoal com a esfera
social, faz a ponte entre o indivíduo, como ser separado, e os outros seres humanos.
Simboliza expansão, o alargar das fronteiras pessoais.
Complementando Júpiter temos Saturno. Simboliza a estrutura, a contenção. Marca o
limite da experiência pessoal e social. É o construtor das formas. Define e dá
existência material a todas as coisas. É o que restringe o Homem, o fecha em
estruturas rígidas, o aprisiona e limita aos factores que já consciencializou.
Júpiter e Saturno são os planetas sociais.
Urano, Neptuno e Plutão são planetas invisíveis a olho nu. Levam-nos para além dos
limites da vivência humana "normal", para lá da personalidade. São os Planetas
Transpessoais, que vêm "desafiar" a personalidade.
Urano é um apelo mental e ideológico. Representa a inovação, o inesperado, o
original, o novo, o excêntrico, a individualização e a globalização.
Neptuno representa um apelo emocional. É um anseio de absoluto e de
transcendência. Simboliza a empatia, a dissolução do ego, o Amor Universal.
Plutão, último planeta conhecido, representa um apelo físico, "visceral", de
transformação. Vem destruir ("matar") os padrões não funcionais do ego e fazer
emergir ("renascer") tudo o que está oculto no inconsciente.
O Sol
No horóscopo natal, o Sol é o símbolo da autoconsciência. É o principal ponto de
síntese e o foco central que alimenta os restantes factores astrológicos. Representa o
"self", o ego, a consciência central e a capacidade de autoconhecimento.
Para além da consciência, o Sol representa também a vitalidade. É a fonte de vida.
Simboliza o princípio vital que anima todas as formas - o Espírito. Na mitologia, este
astro corresponde quase sempre a uma divindade criadora, ou mesmo ao próprio deus
principal.
O Sol é o arquétipo masculino. Num mapa astrológico está associado à vontade e
vitalidade características da polaridade yang.
Tanto para homens como para mulheres, pode corresponder àquilo que tomamos
como modelos de comportamento masculino. Esses modelos foram-nos transmitidos
nos primeiros anos de vida pelo pai e, em certa medida, por outros homens que
representem autoridade e poder. Algumas mulheres podem ainda projectar esta
imagem no próprio parceiro, enquanto outras a interiorizam e integram, vivenciando-a
na sua própria estrutura de personalidade.
Em Alquimia, representa o ouro, o mais nobre dos metais, produto final do processo
alquímico. Ao transformar os outros metais em ouro, transformamos, por analogia, as
experiências da personalidade em consciência (o outro aspecto simbolizado pelo Sol).
Como já referimos anteriormente, o movimento do Sol através do Zodíaco é fácil de
entender - demora sensivelmente um mês em cada signo (com variações de um dia,
nos anos bissextos) e leva um ano para dar a volta completa. O signo onde o Sol se
encontra será, por isso, de grande importância para o horóscopo natal. No entanto,
importa frisar que esta importância é relativa e que os restantes factores do mapa
poderão acentuar ou atenuar a "mensagem" do signo do Sol.
Antes de "interpretar"...
Esta abordagem, contudo, não é suficiente para "descrever a personalidade" de quem
quer que seja. Para tal, será necessário tomar em consideração outros aspectos
igualmente importantes para além do signo. Há que analisar, entre outras coisas, a
Casa onde o Sol se encontra e os aspectos que este forma com outros planetas e
ângulos do mapa natal. Além disso, qualquer destas considerações terá um peso
relativo no contexto geral do mapa. Nenhuma delas por si só é suficiente para uma
interpretação válida.
Aliás, a "descrição da personalidade" é apenas um dos aspectos da interpretação
astrológica e, de resto, um dos menos importantes.
Outra questão a ter em conta é o carácter dinâmico dos próprios signos. Ao longo da
vida, temos a possibilidade de viver e reviver o nosso signo (solar ou outro) de formas
cada vez mais completas, apuradas e conscientes. Compreende-se, assim, que não faz
grande sentido limitarmo-nos a associar uma série de "características de
personalidade" a cada signo, passando a considerar esta lista de adjectivos como algo
de estático, definitivo e "predestinado". Tal atitude viria negar um dos mais elevados
aspectos da condição humana: a capacidade de evoluir
A Lua
No simbolismo astrológico, a Lua é a contraparte do Sol.
Tal como o Sol ilumina o dia, a Lua ilumina a noite. Juntos, formam uma classe
especial de corpos celestes: os Luminares.
O Sol é activo e irradiante, a Lua é receptiva e reflectora. Ao contrário do Sol a Lua
não é sempre igual: a sua forma e luminosidade variam ao longo de um ciclo de 28
dias. A Lua simboliza, assim, tudo o que é cíclico, os ritmos naturais e biológicos.
Simboliza a imagem do Feminino e, em particular, a imagem de mãe, que nos gerou
ao longo de dez ciclos lunares (9 meses). Desta ideia de geração surgem os conceitos
de nutrição e forma - a nível físico, energético ou emocional.
A Lua representa também toda a "herança" familiar de condicionamentos biológicos
que recebemos através da mãe. Dá-nos também indicações sobre a experiência
emocional da infância, o "ambiente emocional" da família. As "mensagens" desses
primeiros tempos determinam os condicionamentos emocionais, que nos ficam
gravados no inconsciente.
Assim, a Lua simboliza também o Inconsciente, as respostas instintivas, as
necessidades e carências, os hábitos pessoais e a capacidade de adaptação. Esta
capacidade adaptativa protege-nos do desconhecido mas, ao mesmo tempo, limita-nos
e restringe-nos a consciência.
Existe, um processo de aprendizagem associado à Lua: começamos ser inconscientes,
defensivos e instintivos e, aos poucos, percebemos as inseguranças e começamos a
refazer o padrão de comportamento. Assim, a Lua dá-nos indicações sobre o que nos
deixa inseguros, mas também sobre o que nos protege e alimenta.
Mercúrio
Mercúrio é o planeta que orbita mais perto do Sol. Representa, por isso, a capacidade
de perceber a realidade para além do Ser (Sol).
Liga a consciência aos outros aspectos da individualidade e, noutro nível, liga também
a própria individualidade (o "Eu") a tudo o que lhe é exterior (o "não-eu"). Esta
percepção eu e não-eu é a primeira dualidade, a primeira relativização.
Assim, Mercúrio estabelece vias de comunicação, tanto a nível interno (as várias
facetas da personalidade), como a nível externo (eu e os outros). Mercúrio é o
mensageiro dos deuses e o deus da comunicação.
Como planeta da comunicação, põe em contacto o Sol e os outros planetas. Sem este
intermediário, não poderia haver a síntese de experiências em consciência.
É uma divindade dual, com uma faceta fútil e "trapaceira" e uma face profunda e
transcendente. Por causa desta dualidade, pode "saltitar" entre a conversa trivial e a
reflexão profunda. Reflexo desta dualidade é também a dupla função de deus dos
comerciantes, ladrões e "pessoas comuns" e como o solene condutor das almas nos
reinos subterrâneos.
Está associado aos vários aspectos da aprendizagem: linguagem, descrição, memória
(a ponte entre o passado e o presente).
No mapa astrológico, Mercúrio define o modo como apreendemos a realidade. É a
partir da nossa visão particular da realidade que descrevemos o mundo e com ele
comunicamos. Mercúrio está, por isso, ligado à linguagem (gestual, falada, escrita,
simbólica, etc.).
Indica o nosso modo particular de aprender e de comunicar e dá-nos indicações sobre
os nossos processos de pensamento.
No seu aspecto negativo, Mercúrio divide em vez de ligar, faz intrigas, critica, disseca,
engana e mente.
Vénus
Vénus é o segundo planeta a orbitar o Sol. Representa a capacidade individual de dar
valor e de, desta forma, criar uma relação empática com o exterior.
Vénus vai mais além de Mercúrio: enquanto este faz pontes e põe em contacto, vénus
une, através do valor e da empatia. É o planeta da coesão, da ligação, da harmonia e,
nesse sentido, do Amor.
Vénus pode ser vivida a vários níveis.
No seu aspecto mais simples, pode simbolizar a atracção física e o valor que se dá a
objectos, relacionamentos ou pessoas. Define o que gostamos, o que não gostamos e
o modo como o fazemos. Numa perspectiva mundana, a atracção venusiana é vivida
de forma material e concreta. Nesse sentido, representa o colectar e acumular de
recursos físicos: posses e dinheiro. Quando Vénus está disfuncional, pode indicar
superficialidade, sentimentos de posse e de inveja.
Num aspecto mais refinado, simboliza as relações amorosas de igualdade, prazer e
respeito. Só nestes relacionamentos pode existir a verdadeira noção de valor, troca e
reconhecimento.
Na sua expressão máxima, Vénus é a união para lá de emoções e sentimentos, a
relação de compreensão, a fusão amorosa. Representa o sagrado, o valor na sua
expressão divina e transcendental, o Arquétipo da Perfeição. É o "espelho" que reflecte
todas as potencialidades de ser e o incentiva à expressão mais refinada: a estética e a
arte.
Tal como a Lua, Vénus é um arquétipo do feminino.
Enquanto a Lua é a imagem do Feminino (em particular da mãe), Vénus representa a
mulher, enquanto companheira e amante. Alguns homens integram este símbolo,
enquanto outros o projectam no exterior, dando origem ao conceito de "mulher ideal".
Para as mulheres, é a imagem da "mulher perfeita", indicando as qualidades que
devem ter para se sentirem bem com a sua feminilidade.
Vénus pode surgir no céu como Estrela da Manhã em certas épocas do ano e noutras
como Estrela da Tarde, conforme nasce antes ou depois do Sol. Só pode ser vista de
madrugada, antes da aurora, ou ao crepúsculo, pouco depois do poente.
Marte
Marte é o primeiro planeta exterior à órbita da Terra. Representa a energia, a
actividade, o desejo e o movimento.
Em mitologia, Marte é o deus da guerra. Defende e define as fronteiras do pessoal. A
sua função é o movimento que leva a novos estados de ser e a novos processos de
consciência através do desejo.
Só podemos agir depois de termos alcançado alguma integração pessoal. Só quando a
consciência do ser (Sol), os instintos protectores e necessidades emocionais (Lua), a
percepção do exterior (Mercúrio) e a capacidade de relação e valoração (Vénus) estão
em uníssono podemos entrar em acção. Sem esta condição prévia, qualquer acção
seria desagregada e inconsequente.
Na sua expressão mais equilibrada, Marte serve os Luminares e os Planetas Pessoais,
de forma a garantir a integridade e expansão da individualidade. A acção e o desejo,
representados por este planeta, são postos ao serviço da consciência (Sol) e defendem
as necessidades e inseguranças pessoais (Lua).
Quando disfuncional, a acção de Marte não é posta ao serviço dos outros planetas,
tornando-se um entrave à expressão pessoal. O desejo pode tomar o comando da
personalidade, tornando-a irracional, violenta e até animalesca, sem respeito por si
nem por outros.
Tal como o Sol, Marte é um arquétipo do masculino.
Enquanto o Sol representa a imagem do Masculino e, em particular, a imagem do pai,
Marte indica a imagem do Homem, no seu papel de companheiro, defensor e amante.
Algumas mulheres integram esta imagem na sua personalidade, enquanto outras a
projectam no exterior, fazendo surgir a imagem do "homem ideal". Para os homens,
esta é a imagem do "homem perfeito", aquele que devem ser para se sentirem bem
com a sua masculinidade.
Marte é também um indicador das reacções sexuais e físicas. Juntamente com Vénus
(o outro planeta relacional), indica a dinâmica relacional e sexual de um indivíduo.
Júpiter
Quando já atingimos uma boa integração pessoal e um sentido de independência
pessoal, estamos prontos para nos expandirmos rumo ao exterior. Ao fazê-lo, vamos
encontrar outros indivíduos, com características muito diferentes das nossas. Se cada
indivíduo quisesse a todo o custo impor a sua vontade, a vida em sociedade seria
impossível.
Júpiter, o primeiro planeta social, simboliza a expansão e os valores éticos, que
reúnem e ultrapassam todas as preferências, necessidades e vontades pessoais em
torno de um propósito comum.
Para agir em sociedade, é preciso primeiro interiorizar um valor colectivo, Júpiter apela
para o que há de mais elevado em nós, é a ética, a Lei Universal. É também o ideal, a
fé perante a qual vontade pessoal se submete de bom grado. Simboliza a
autoconfiança, o sentido de aventura as viagens e o gosto pela aprendizagem. Em
qualquer destas situações temos sempre possibilidade de conseguir uma expansão de
consciência. Temos a possibilidade de passar do desejo pessoal, egoísta, à vontade de
bem comum, altruísta.
Quando em desequilíbrio, Júpiter pode indicar exageros, abusos e "vigarices". O
indivíduo é um juiz severo para os outros e um amigo indulgente para si mesmo. Pode
ser irresponsável e ter o vício do jogo e da aventura gratuita.
Saturno
Durante muito tempo Saturno marcou o limite do Universo conhecido e também, em
termos simbólicos, o limite da experiência humana.
Apesar da descoberta dos planetas transpessoais ter alargado estas fronteiras, o
simbolismo de Saturno continua a manter-se. Este segundo planeta social marca ainda
os limites pessoais e sociais da dimensão humana comum.
Saturno simboliza as barreiras, as estruturas, tudo o que põe limites e restringe.
Trata-se, contudo, de uma limitação aparente: ao criar restrições, Saturno cria
também a possibilidade de, através do esforço, ganharmos experiência e
aperfeiçoamento. À medida que enfrentamos complexos e medos (de carácter pessoal
ou colectivo), ganhamos responsabilidade sobre nós mesmos.
Saturno é, por isso, o planeta da Maturidade, do Tempo. É o planeta da Sabedoria, a
única qualidade capaz de transformar limites e medos em experiência e solidez.
Saturno e Júpiter são complementares. Enquanto Júpiter representa a expansão, a
ética, o optimismo e a fé, Saturno simboliza as dúvidas e os obstáculos que nos
permitirão testar essa fé. Júpiter é a Lei interior, Saturno a lei exterior, as regras cujo
não-cumprimento implica sanções. Saturno é, por isso, chamado o Senhor do Karma.
Recorda-nos que somos responsáveis pelo nosso próprio destino e desafia-nos a
crescer, vencendo medos e limitações.
O lado negativo deste planeta manifesta-se quando a rigidez e os medos ganham
terreno, cristalizando toda a individualidade. Do ponto de vista psíquico, esta
cristalização representa a paragem de algo que deveria ser dinâmico. Por este motivo,
Saturno é por vezes representado como a própria figura da Morte.
Para lá de Saturno
Durante muito tempo, Saturno marcou o limite do Sistema Solar. A descoberta dos
planetas para lá de Saturno só aconteceu depois de se desenvolverem telescópios
suficientemente potentes.
Urano foi oficialmente descoberto em 1881, Neptuno em 1846 e Plutão em 1930.
Do ponto de vista simbólico, os trans-saturninos representam desafios de
transformação. Desafiam-nos a ultrapassar os limites pessoais e sociais e a
transcender a personalidade. Têm, por isso, a designação de planetas transpessoais.
Como estão muito distantes do Sol, estes planetas têm ciclos muito lentos. Urano
demora 7 anos a transitar por cada signo, Neptuno leva 14 anos e Plutão tem um ciclo
irregular, que varia entre 13 aos 30 anos em cada signo.
Assim, todas as pessoas de uma mesma faixa etária terão estes planetas
aproximadamente na mesma posição zodiacal.
Desta forma, as várias "gerações" serão caracterizadas por diferentes combinações
destes três planetas.
A dinâmica dos transpessoais indica, portanto, as grandes tendências transformativas
globais.
Antes de qualquer interpretação pessoal, importa compreender a importância destes
planetas na definição das temáticas das gerações. Eles definem, antes de mais, uma
dinâmica colectiva de transformação.
A forma como cada indivíduo responderá a estes desafios depende de uma série de
factores astrológicos e, em última análise, do próprio grau de autoconsciência pessoal.
Urano, Neptuno e Plutão
Urano
Urano demora 84 anos a dar a volta completa ao Zodíaco e ocupa cada signo durante
cerca de sete anos.
A sua descoberta oficial data de 1781, pouco depois da revolução francesa.
Representa um desafio mental de transformação ideológica.
Manifesta-se como uma súbita "onda" de descontentamento e impaciência colectiva.
Este descontentamento, que se manifesta de forma súbita ou até excêntrica, leva ao
debate, à abertura de novas possibilidades e ao progresso.
O signo de Urano num mapa natal indica os desafios de transformação ideológica.
Quando disfuncional, pode indicar imprevisibilidade, dificuldade em cooperar e
excentricidade gratuita. Bem integrado, manifesta-se pela rapidez mental, abertura de
espírito, ideias globais, originalidade e por vezes um toque de génio.
Neptuno
Neptuno demora cerca de 164 anos a dar a volta completa ao Zodíaco; ocupa cada
signo durante cerca de 13 anos.
Foi oficialmente descoberto em 1846, na época do movimento romântico.
Representa um anseio de transformação emocional.
Manifesta-se como uma idealização colectiva, uma visão de transmutação mística e
absoluta que eleva ao Absoluto o tema do signo por onde transita. Segue-se uma fase
de desilusões, que serão o ponto de partida para uma reformulação de base, mais
abrangente e universal.
O signo de Neptuno num mapa natal indica os anseios de transformação emocional e
mística comuns a toda uma faixa etária ou "geração".
Quando disfuncional, Neptuno pode indicar uma sensibilidade excessiva, ilusões,
adicção a substâncias, fuga à realidade e perda de identidade. Bem ajustado,
manifesta-se através da sensibilidade rica e criativa, sentimentos abrangentes e
capacidade de sintonizar as vertentes transcendentes e místicas da vida.
Plutão
Plutão demora 248 anos a completar o seu ciclo Zodiacal. Como tem uma órbita
irregular, a sua passagem pelos signos varia entre os 12 e os 30 anos.
Plutão, o último trans-saturnino conhecido, foi descoberto em 1930, no período entre
as duas guerras mundiais.
Representa um impulso intenso, compulsivo, de transformação total e definitiva.
Começa pelo intensificar das qualidades do signo por onde transita. Este tema terá de
"morrer" nas suas antigas formas, para "renascer", numa expressão mais abrangente
e poderosa.
A nível pessoal, a vivência disfuncional deste arquétipo poderá levar a obsessividade,
compulsões e até violência. Quando bem integrado, indica uma poderosa capacidade
de transformação, baseada no autocontrole.
A Terra com campo de experiência
Do ponto de vista astrológico, a Terra é um complemento do Sol.
No mapa natal, podemos considerar que se localiza no grau, signo e casa exactamente
opostos ao Sol, formando com este um eixo.
Para quem estuda Astrologia, a Terra aparece como um conceito de teor mais
simbólico do que prático. A sua interpretação é, portanto, diferente da dos outros
planetas. Na verdade, só fará sentido quando considerada em função do Sol.
Como já vimos, o Sol simboliza a autoconsciência, a criatividade e a individualidade. A
Terra, por seu turno, representa a manifestação concreta da consciência e a utilização
prática da criatividade.
A vivência prática deste signo leva o signo do Sol a relativizar-se e tornar-se mais
auto-consciente. Na verdade, só podemos realizar totalmente o signo solar quando
tivermos experimentado em plenitude o seu oposto, ou seja, o signo da Terra.
Este eixo remete-nos para as polaridades dos signos e para a sua relação mútua - um
signo só se define totalmente perante o seu signo complementar.
Num horóscopo natal, a Terra representa também o corpo físico, a base de operações,
a existência física do ser. A Terra é o campo de experiência do Sol e, por extensão, de
todo o mapa natal. Representa o corpo físico, a base de operações, a existência física
do ser.
Num outra perspectiva, a relação Lua-Terra espelha a mobilidade face à permanência.
A Lua simboliza tudo o que é móvel, variável, cíclico, moldável, enquanto a Terra
indica a própria vida concreta. A Lua representa o sonho, a Terra indica a realização
das coisas.
A relação entre a Lua e a Terra será, portanto, indicadora da capacidade materializar e
tornar reais as sensibilidades, sonhos e necessidades do indivíduo.
Podemos também considerar a relação entre o Sol, a Lua e a Terra.
Estes três importantes pontos do mapa formam um triângulo simbólico, que
representa o Espírito (Sol), a Alma (Lua) e o Corpo (Terra), ou, numa outra
perspectiva, a consciência, a necessidade e a vivência concreta.
Torna-se, por isso, fundamental que a análise da relação Sol-Lua tome sempre em
consideração o terceiro ponto: a Terra.
O símbolo da Terra mostra-nos um círculo com uma cruz sobreposta. Representa o
Espírito na Matéria.
O eixo Sol-Terra
O campo de experiência e aprendizagem do Sol é a Terra.
É na Terra que temos oportunidade de testar na prática o nosso processo de
consciência, simbolizado pelo Sol.
Este processo de aprendizagem manifesta-se pelo equilíbrio dos opostos: o eixo SolTerra.
Quando o Sol está num signo de Fogo, a Terra está num signo de Ar.
A identidade expansiva, enérgica e irradiante experimenta a comunicação e a relação
com os outros, aprendendo assim a relativizar-se.
Sol em Carneiro, Terra em Balança: a acção e a impulsividade pessoais vão ser
temperadas pelo relacionamento, o equilíbrio e a harmonização dos opostos.
Sol em Leão, Terra em Aquário: a expressão pessoal e auto-centrada vai
experimentar-se no grupo, confrontando-se com outras personalidades.
Sol em Sagitário, Terra em Gémeos: a busca de identificação com ideais e filosofias
é confrontada com outras formas de pensar e de comunicar.
Quando o Sol está num signo de Terra, a Terra está num signo de Água.
A expressão concreta e prática da identidade confronta-se com a profundidade e
subjectividade do mundo do sentir.
Sol em Touro, Terra em Escorpião: a vivência da posse e acumulação, é
dinamizada pela experiência da troca, partilha e perda.
Sol em Virgem, Terra em Peixes: a identidade definida, eficiente e perfeccionista
aprende a lidar com a indefinição e inconstância dos sentimentos.
Sol em Capricórnio, Terra em Caranguejo: o ego ambicioso, austero e motivado
para a expressão social sensibiliza-se para a necessidade de protecção e recolhimento
juntos dos "seus".
Quando o Sol está num signo de Ar, a Terra está num signo de Fogo.
A capacidade de comunicar e estabelecer relações encontra identidades fortes e
centradas, aprendendo assim a focar as suas energias.
Sol em Gémeos, Terra em Sagitário: a relatividade e multiplicidade de ideias
confronta-se com a busca de um propósito e de um sentido.
Sol em Balança, Terra em Carneiro: a expressão equilibrada, harmoniosa e virada
para as relações é dinamizada pela acção directa e pessoal.
Sol em Aquário, Terra em Leão: a identidade focada no grupo e nas ideologias
sociais complementa-se com a expressão assertiva de uma identidade bem definida.
Quando o Sol está num signo de Água, a Terra está num signo de Terra.
A identidade emotiva, vaga e fluida aprende a expressar-se de forma prática, eficaz e
concreta.
Sol em Caranguejo, Terra em Capricórnio: a necessidade de alimento e protecção
emocional é potenciada pelo suporte de estruturas sociais.
Sol em Escorpião, Terra em Touro: o poder e intensidade do ego são testados
através da experiência de construção e gestão de formas.
Sol em Peixes, Terra em Virgem: a capacidade de sentir de forma total é
temperada pela funcionalidade e eficiência.
Regentes planetários
Como já referimos, os signos do Zodíaco podem ser comparados a papéis numa peça
de teatro. Os planetas seriam os actores que vão representar esses papéis, de acordo
com o signo em que se encontrem.
Estes actores (os planetas) terão naturalmente mais facilidade em representar
determinados papéis (signos) e sentir-se-ão menos adequados a outros. Podemos,
assim, dizer que alguns signos são "confortáveis" para alguns planetas, enquanto
outros poderão ser considerados "desconfortáveis".
Nos signos onde parece ser mais fácil ao planeta expressar-se com facilidade diz-se
que está em dignidade. Nos signos onde o planeta parece menos adaptado diz-se estar
em debilidade.
Antes, contudo, de avançarmos com quaisquer tentativas de interpretação, importa
frisar que o facto de um planeta estar em dignidade não significa necessariamente que
seja "bom", tal como a debilidade não indica que seja "mau".
Assim, um planeta dignificado terá, à partida, a sua expressão facilitada. A sua
expressão estará, portanto, altamente energizada. No entanto, esta facilidade e
energia pode também levar a alguns exageros. Da mesma forma, um planeta em
debilidade poderá encontrar dificuldades de expressão, mas estas mesmas dificuldades
podem catalisar um processo interno de compreensão e trabalho interior que é, em si
mesmo, muito positivo.
Podemos interpretar as dignidades e debilidades planetárias como indicadores da
"força" ou capacidade de manifestação de um planeta.
Das dignidades planetárias clássicas, estudaremos a regência e a exaltação. Das
debilidades, estudaremos o exílio e a queda.
Para melhor entendermos estes termos, vamos por um momento encarar os signos
como se fossem reinos.
Cada reino tem o seu próprio rei. Da mesma forma, cada signo terá um planeta que
vai regê-lo - o planeta regente - tal como veremos na tabela do próximo artigo.
Quando um planeta está no seu próprio signo diz-se que está em regência ou
em trono.
Importa, contudo, realçar que o rei é o representante do reino mas não é o próprio
reino. Há que distinguir entre a Inglaterra e a rainha Isabel II, por exemplo.
Da mesma forma, o dinâmico e assertivo signo de Carneiro é regido pelo planeta
Marte, com as suas qualidades de acção e iniciativa. Quando Marte está em Carneiro,
atinge a sua expressão ideal. Ele rege (reina) nesse signo. Por essa mesma razão,
pode também cair em excessos.
Contudo, apesar das claras semelhanças entre ambos, signo não deve ser confundido
com o seu planeta regente, ou vice-versa.
Quando o rei se encontra muito longe do seu reino, numa terra estranha, ninguém lhe
presta homenagem e o seu poder está enfraquecido. Assim, quando o planeta está
no signo oposto ao da sua regência, diz-se que está em exílio ou detrimento.
Por exemplo, Marte em Balança (signo oposto ao Carneiro) está em exílio. As
capacidades guerreiras de Marte não encontram terreno propício em Balança, onde
reinam as leis da harmonia, da estética e dos relacionamentos. O desafio aqui será o
de dominar a sua impaciência e aprender a ser diplomata.
Por outro lado, o rei pode não estar no seu reino mas ser o convidado de honra de
num reino amigável. Nesse reino, será tão homenageado como em sua própria casa
(ou talvez mais) e terá o seu poder muito fortalecido. Se for o convidado de honra,
diz-se que está em exaltação (no sentido de ser elevado ou "posto ao alto").
Continuando com o nosso exemplo, Marte está exaltado em Capricórnio, signo que
representa o esforço e o trabalho em direcção a um objectivo. Aí, a actividade e
energia de Marte poderão ser trabalhadas, através do esforço e disciplina
capricornianas, até darem o seu máximo rendimento.
Finalmente, quando o rei se encontra no reino mais distante daquele onde foi exaltado,
as suas qualidades são pouco apreciadas e tem poucas oportunidades de expressão.
Quando um planeta está no signo oposto ao da sua exaltação diz-se que está
em queda.
Marte está em queda no Caranguejo, o signo oposto ao Capricórnio. A acção agressiva,
directa, frontal tem pouca receptividade num reino onde a prioridade é a defesa,
protecção e nutrição. Em Caranguejo o guerreiro irá aprender a canalizar a sua
agressividade natural para a protecção e a manutenção da estabilidade.
Existem, obviamente, alguns signos em que o planeta não se encontra em nenhum
estado especial. Diz-se então que está neutro ou peregrino. (Na Astrologia clássica, o
planeta estaria peregrino se não estivesse situado em nenhuma das suas dignidades.
Estas incluem, além das já mencionadas, as triplicidades, termos e faces.)
Planetas nos Signos
Sol nos Elementos e Signos
Sol em Signos de Fogo
Quando o Sol está num signo do elemento Fogo a expressão da identidade é
naturalmente viva, enérgica e calorosa.
Sol em Carneiro: "Sou aquilo que faço".
O processo de auto-conhecimento passa pela acção directa e imediata. Esta pode ser
pensada e assertiva ou, pelo contrário, impulsiva e agressiva.
Sol em Leão: "Sou aquilo que manifesto".
O auto-conhecimento passa pela expressão criativa do ego, em função do próprio
indivíduo (é auto-referenciado). É generoso e brilhante, mas pode ter um toque de
egocentrismo e arrogância.
Sol em Sagitário: "Sou aquilo em que acredito".
O conhecimento de si mesmo é feito através da identificação com ideais e filosofias.
Tem uma faceta aventureira e optimista, mas por vezes é irresponsável e exagerado,
podendo tornar-se dogmático e "evangelizador".
Sol em Signos de Terra
Nos signos do elemento Terra, a expressão da identidade assume um carácter mais
reservado e contido, tornando-se funcional e pragmática.
Sol em Touro: "Sou aquilo que tenho".
Conhece-se pela concretização, realização, posse e vivência dos sentidos (ver,
saborear, cheirar...). Tem uma faceta estética, estável e concretizadora, mas pode
tornar-se possessivo, comodista e "boçal".
Sol em Virgem: "Sou o que analiso e purifico".
O indivíduo conhece-se pela sua capacidade de análise detalhada e funcional. Pureza,
perfeição e eficiência ajudam-no a perceber quem é. Arrisca-se a cair num excesso de
criticismo e em perfeccionismos descabidos.
Sol em Capricórnio: "Sou um lugar na hierarquia social".
Conhece-se através da estrutura, da ordem e da sua posição nas hierarquias sociais. É
esforçado, trabalhador, sóbrio e estratega, mas a sua necessidade de reconhecimento
social pode torná-lo rígido, ambicioso e "frio".
Sol em Signos de Ar
Em signos do elemento Ar, o auto-conhecimento é atingido através da visão
conceptual do mundo, da comunicação e dos relacionamentos.
Sol em Gémeos: "Sou o que digo e penso".
É através da relativização e da experimentação que a identidade se organiza. Oscila
entre a superficialidade nervosa e a capacidade de ver todos os aspectos da natureza
das coisas.
Sol em Balança: "Sou parte de uma relação".
A identidade espelha-se nos outros. Os relacionamentos têm de ser "de igualdade",
sejam eles pessoais, sociais ou de negócios. É diplomático e sociável, mas também
pode ser muito dependente e indeciso.
Sol em Aquário: "Sou a minha diferença/sou o meu grupo".
O processo de consciência passa por uma conceptualização do mundo com base em
grandes ideais e ideologias sociais. Tem uma expressão original, diferente, que pode
ser muito criativa ou tornar-se excêntrica e rebelde.
Sol em Signos de Água
Quando o Sol está num signo do elemento água a expressão da identidade é
naturalmente reservada, sentimental e empática.
Sol em Caranguejo: "Sou o que sinto e protejo".
Conhece-se através da busca de segurança e de "alimento" emocional. Pode oscilar
entre uma atitude de "mãe" (que protege e nutre mas também "abafa"), ou o de
"filho" (que dá amor e companhia mas exige amor e atenção contínua).
Sol em Escorpião: "Sou a morte e a transformação".
Conhece-se através da vivência profunda e intensa das suas emoções. O medo desta
turbulência emocional leva-o a resistir, controlar e manipular, no entanto, se superar
esta barreira, encontra em si grandes poderes de transformação.
Sol em Peixes: "Sou o absoluto".
Aqui o auto-conhecimento tem como base um sentir muito abrangente. Tem poucas
barreiras e absorve o "sentir dos outros" como se fosse seu. É sensível e abnegado,
mas pode perder-se nos próprios sentimentos de auto-piedade.
A Lua nos Elementos e Signos
Lua em Fogo: as inseguranças têm como centro a identidade e a expressão pessoal.
Pode tentar compensar-se por reactividade (Carneiro), manifestações exageradas de
personalidade (Leão) ou demasiada ênfase nas opiniões e pontos de vista pessoais
(Sagitário). A correcta expressão da Lua passa por aprender a expressar-se e a gerir a
identidade de forma íntegra e coerente.
Lua em Terra: é na área da realização concreta e prática que se manifestam as
inseguranças. Estas podem gerar possessividade e avidez (Touro) criticismo e
dificuldades de expressão emocional (Virgem) ou rigidez e necessidade de
reconhecimento social (Capricórnio). Quando aprende a encarar o lado prático e
concreto da existência como uma faceta natural da vida e não um campo de provas,
consegue estruturar e tomar consciência das suas necessidades.
Lua em Ar: as inseguranças expressam-se através de uma conceptualização do
instinto e dos sentimentos. Tem uma necessidade exagerada de falar do que sente
(Gémeos), dependência excessiva dos relacionamentos (Balança) ou compulsão para
ser diferente e, ao mesmo tempo, aceite pelos outros (Aquário). Para conseguir uma
boa expressão da sua faceta lunar, terá de unir o sentir com o pensar, fugindo assim
às ideias vazias e desligadas de vida prática.
Lua em Água: as inseguranças estão enraizadas no sentir. Podem ser expressas
através de uma necessidade de ser acarinhado e alimentado (Caranguejo), de estar
profundamente envolvido e controlar (Escorpião) ou de estar mergulhado num
"oceano" de sentimentos (Peixes). À medida que vai conseguindo separar os seus
próprios sentimentos dos outros, ganha uma estrutura emocional mais coerente e
equilibrada.
Mercúrio nos Elementos e Signos
O signo onde se encontra Mercúrio num mapa natal dá-nos indicações sobre a forma
como o indivíduo comunica, pensa e aprende.
Mercúrio em Fogo: Pensamento vivo, enérgico e caloroso. A comunicação e a
aprendizagem passam sempre por um processo de identificação. Este pode ser rápido
e impaciente (Carneiro), auto-referenciado (Leão) ou ideológico e opinioso (Sagitário).
Mercúrio em Terra: Pensamento pragmático, experimental, concreto. A
aprendizagem passa pela experiência do concreto, pelas coisas "físicas". Comunica de
forma lenta e segura (Touro), meticulosa e analítica (Virgem) ou estruturada e
estratégica (Capricórnio).
Mercúrio em Ar: Curiosidade, facilidade em conceptualizar. A comunicação podem ser
muito dispersa, relativista e contrastante (Gémeos), diplomática, hesitante e
harmoniosa (Balança) ou excêntrica, racional e focalizada (Aquário).
Mercúrio em Água: Pensamento e comunicação ligados ao sentir e às memórias. Fala
de forma intimista e nostálgica (Caranguejo), intensa e penetrante (Escorpião) ou
vaga, poética e difusa (Peixes).
Vénus nos Elementos e Signos
O signo ocupado por Vénus num mapa natal dá-nos indicações sobre aquilo que o
indivíduo valoriza, a sua capacidade de empatia e a forma como se relaciona.
Vénus em Fogo: valoriza a acção, o entusiasmo e a expressão calorosa dos afectos.
O valor de uma relação é medido pela "competitividade" e desafio que apresenta
(Carneiro), a capacidade de brilhar e fazer brilhar o parceiro (Leão) ou pela
componente de aventura e idealismo que contém (Sagitário).
Vénus em Terra: valoriza o concreto, o tangível, o aspecto prático. A relação é tanto
melhor quanto mais estável, presente e duradoura (Touro), funcional e "arrumada"
(Virgem) ou estruturada, adequada e "sóbria" (Capricórnio).
Vénus em Ar: valoriza o próprio conceito da relação e a troca de ideias. Para a
relação ter valor terá de incluir comunicação e diversidade (Gémeos), equilíbrio,
harmonia e estética (Balança) ou liberdade, diferença e amizade (Aquário).
Vénus em Água: valoriza o sentimento e a partilha emocional. O valor de uma
relação reside na sua capacidade de protecção e nutrição emocional (Caranguejo),
paixão, intensidade e profundidade (Escorpião) ou a comunhão, empatia e fusão com o
outro (Peixes).
Marte nos Elementos e Signos
O signo onde Marte se encontra num mapa natal dá-nos indicações sobre as formas de
acção, as reacções e a expressão sexual do indivíduo.
Marte em Fogo: expressão intensa e assertiva. A acção é rápida, directa e primária
(Carneiro), exaltada, firme e exuberante (Leão) ou aventureira, "devocional" e
idealista (Sagitário).
Marte em Terra: expressão prática e concretizadora. Age de forma lenta, segura e
persistente (Touro), meticulosa, ordenada e perfeccionista (Virgem) ou estruturada,
cautelosa e estratégica (Capricórnio).
Marte em Ar: expressão mental e conceptual. A acção é vivida no plano da
comunicação e das ideias (Gémeos), na relação e através do outro (Balança) ou
através de um grupo ou ideologia (Aquário).
Marte em Água: a expressão tem uma motivação emocional e sentimental. A acção é
condicionada pelo sentir e pode manifestar-se de formas indirectas. Pode reagir com
reserva, defensividade e tenacidade (Caranguejo), intensidade, manipulação e
secretismo (Escorpião) ou com dispersão, mordacidade ou - se tudo o mais falhar apelo à piedade (Peixes).
Júpiter nos Elementos e Signos
Num mapa natal, a posição de Júpiter indica uma área de expressão em que nos
sentimos mais à vontade, onde nos é fácil expandir. Há uma noção de alegria,
abundância e prazer associado àquele elemento.
Júpiter em Fogo: há um sentido de optimismo geral, de alegria, exuberância e
actividade. Acredita na acção e na iniciativa (Carneiro), em si mesmo e no que cria
(Leão) e no que aprende e no que considera Sabedoria (Sagitário).
Júpiter em Terra: por ter como base o mundo concreto, a expansão é mais segura e
estruturada. Acredita na experiência concreta, naquilo que constrói e tem (Touro), no
que analisa e qualifica (Virgem) e nas estruturas e hierarquias (Capricórnio).
Júpiter em Ar: é no plano mental e na comunicação que sente um maior à-vontade e
confiança. Acredita na relatividade e multiplicidade das coisas (Gémeos), na harmonia
e na justiça (Balança) e nas ideologias liberais e vanguardistas (Aquário).
Júpiter em Água: o sentimento é o campo de expansão natural. Acredita no que
sente, na tradição e na segurança (Caranguejo), na intensidade emocional e na
transformação (Escorpião) e no sentir total, devocional, absoluto (Peixes).
Saturno nos Elementos e Signos
A posição de Saturno num mapa natal indica uma área onde nos sentimos restringidos,
limitados e por vezes até em desvantagem. É, ao mesmo tempo, uma área onde
vamos ter oportunidade de aprender através da experiência e do esforço, e onde
temos possibilidade de ganhar sabedoria.
Saturno em Fogo: a insegurança está na própria expressão da identidade. Só com o
tempo o indivíduo aprenderá a estruturar os impulsos e a agir sem medo (Carneiro), a
ter confiança e solidez naquilo que é (Leão) e a ter fé na sua sabedoria e sentido
interior (Sagitário).
Saturno em Terra: é no plano concreto e prático que as dificuldades se fazem sentir.
Com o tempo, o indivíduo aprenderá a gerir recursos e valores (Touro), a confiar na
sua funcionalidade e poder de organização (Virgem) e a ter segurança na sua posição
e imagem social (Capricórnio).
Saturno em Ar: há um fundo de insegurança perante os relacionamentos e a
comunicação. O tempo ajudará o indivíduo a estruturar a sua comunicação, vencendo
a desconfiança (Gémeos), a relacionar-se livremente sem necessidade de formalidades
(Balança) e a estar em grupo sem precisar de afirmar constantemente a sua diferença
(Aquário).
Saturno em Água: é na expressão dos sentimentos que reside a dificuldade. Aos
poucos, o indivíduo consegue ter confiança na sua projecção afectiva (Caranguejo), na
intensidade e poder dos seus sentimentos (Escorpião) e na capacidade de entrega e
devoção (Peixes).
Urano nos signos
O signo de Urano num mapa natal indica os desafios de transformação ideológica.
Quando disfuncional, pode indicar imprevisibilidade, dificuldade em cooperar e
excentricidade gratuita. Bem integrado, manifesta-se pela rapidez mental, abertura de
espírito, ideias globais, originalidade e por vezes um toque de génio.
Urano em Carneiro - 1927-1934
Impulso para novos começos e projectos, impaciência, pioneirismo e progresso.
Urano em Touro - 1935-1942
Novas formas de gerir questões territoriais, posses e recursos.
Urano em Gémeos - 1942-1949
Criatividade e originalidade na comunicação, ensino, literatura e ciência.
Urano em Caranguejo - 1949-1956
Desconforto perante os conceitos tradicionais de Pátria e Família.
Urano em Leão - 1955-1963
Vontade de ser diferente, único, independente, original, "artístico" e criativo.
Urano em Virgem - 1963-1969
Aptidões tecnológicas e científicas; hábitos originais (saúde, ecologia, etc.).
Urano em Balança - 1969-1975
Contestação e desajuste nos relacionamentos e parcerias tradicionais.
Urano em Escorpião - 1975-1981
Criatividade e excentricidade nas áreas da sexualidade, desejo e emoção.
Urano em Sagitário - 1981-1988
Inconformismo perante velhos conceitos filosóficos, religiosos e educacionais.
Urano em Capricórnio - 1988-1996
Impaciência e contestação social; novas vivências políticas e hierárquicas.
Urano em Aquário - 1996-2003
Abertura a ideologias e valores universais; ciência, ocultismo e religião.
Urano em Peixes - 2003-2011
Religiosidade universalista; anseios de liberdade e abertura emocional.
Neptuno nos signos
Neptuno em Caranguejo - 1901/2 - 1914/16
Idealização dos conceitos de Pátria, Família e Lar; psiquismo intenso: empatia e
comunhão ou mediunidade descontrolada.
Neptuno em Leão - 1914/16 - 1928/29
Culto dos grandes líderes carismáticos. Romantismo e criatividade mas também
especulações financeiras e excessos de todo o tipo.
Neptuno em Virgem - 1928/29 - 1942/43
Perfeição espiritual através do detalhe. Espiritualização da Matéria mas também
movimentos materialistas e adulteração química do ambiente.
Neptuno em Balança - 1942/43 - 1955/57
Sonho da relação e da sociedade perfeita; sensibilidade estética, sonhos românticos;
falta de objectividade e desapontamento nas relações.
Neptuno em Escorpião - 1956 - 1970
O sonho reside na intensidade no potencial transformativo do desejo. Busca do êxtase
final, da experiência mística, transformadora e absoluta.
Neptuno em Sagitário - 1970 - 1985
Ânsia de ideais e de sentido para a vida: toda a geração persegue uma espécie de
"Graal". Possível clivagem entre os ideais e a vida prática.
Neptuno em Capricórnio - 1985-1998
Dissolução das estruturas de poder político (Muro de Berlim, Bloco de Leste, etc.) e de
muitas das antigas referências sociais e políticas. Busca da "sociedade ideal".
Neptuno em Aquário - 1998-2012
Crescente preocupação como o bem-estar do Homem, movimentos de solidariedade
global. Possível mitificação do grupo, "massificação aquariana".
Plutão nos signos
Plutão em Caranguejo - 1913-1938
Remodelação das estruturas colectivas de base: fronteiras, dinastias, etc. Nacionalismo
que contribuiu para a 1ª Guerra Mundial. Mudanças na alimentação, governos e
segurança (alianças internacionais, novos movimentos políticos).
Plutão em Leão - 1938-1957
Apogeu dos líderes da Segunda Guerra Mundial (Hitler, Mussolini, Churchill, de
Gaulle...). Energia atómica, nascimento de novas nações. O poder do ego vai ser
desafiado ao seu limite, provocando a sua transformação total.
Plutão em Virgem - 1957-1972
Necessidade de compreender a fundo o funcionamento das coisas. Mentes activas,
curiosas, com pendor para o controlo e para conceitos muito exigentes de
funcionalidade e perfeição.
Plutão em Balança - 1972-1984
As questões de poder dentro de uma relação são as chaves para a transformação. O
poder passa pelo relacionamento, a troca e a partilha. Faceta "certinha", protocolar,
convencional.
Plutão em Escorpião - 1984-1995
Época marcada pelo terrorismo, pela Sida e pelo medo de uma guerra nuclear
eminente. Capacidade para transformar e transcender os desejos pessoais, depois de
vencido o medo e a resistência iniciais.
Plutão em Sagitário - 1995-2008
Profunda renovação de mentalidades. Procura de significado para a vida e de libertação
do vazio criado pelo consumismo e pela falta de valores. Duas grandes tendências:
uma ânsia por significado e verdadeira compreensão do sentido da vida, e a
possibilidade de um obscurecimento egocêntrico deste significado, pervertido por
questões de poder pessoal.
Nota: Devido ao movimento retrógrado aparente dos planetas, as datas são
aproximadas. Para mais detalhes, sugerimos a consulta de uma tabela de efemérides
planetárias.
As Casas Astrológicas
As Casas astrológicas são doze divisões do círculo que representa o mapa natal. A sua
determinação faz-se começando por calcular o Ascendente e o Meio-do-Céu, os dois
eixos principais do mapa. Oprimeiro horizontal e o outro vertical. O Ascendente vai ser
o início da 1ª casa.
Depois de determinadas as Casas, podemos então começar a recolher alguma
informação delas. Eis as suas características:
A 1ª Casa mostra de que modo a pessoa "vê" o mundo, e como "é vista" pelos outros,
como age naturalmente nas situações mais imediatas. Mostra também que tipo físico a
pessoa poderá ter. Está associada ao signo de Carneiro
A 2ª Casa, elucida-nos sobre o tipo de valores básicos que a pessoa tem
relativamente às "posses materiais" e ao seu "valor próprio", "O que é que eu valho?",
"O que é que eu valorizo?", "Quais são os meus recursos?". Está associada ao signo de
Touro.
A 3ª Casa, indica-nos como a pessoa apreende e comunica no quotidiano, como
raciocína na aprendizagem e descreve o mundo onde vive. É a casa da aprendizagem,
da comunicação e das pequenas viagens. Está associada ao signo de Gémeos.
A 4ª Casa, mostra-nos como é o ambiente familiar. Que tipo de relação a pessoa tem
com a família, com as suas "raízes". De que modo fomos ou somos "alimentados" por
ela. Está associada ao signo de Caranguejo.
A 5ª Casa, informa-nos que tipo de individualidade a pessoa tem. O que é sozinha,
fora da família. Que tipo de criatividade lhe é característica. como lida com os
"romances" e com os "divertimentos". É também a casa dos filhos. Está associada ao
signo de Leão.
A 6ª Casa diz-nos como a pessoa produz (ou pode produzir) no mundo do trabalho. É
através desse trabalho que ela põe a funcionar o seu potencial criativo de uma forma
produtiva e ao mesmo tempo o vai aprimorando. Também nos dá informações sobre
eventuais doenças "psico.somáticas". Está associada ao signo de Virgem.
A 7ª Casa, fala-nos sobre o modo como a pessoa se comporta nos relacionamentos a
dois, incluindo, como é obvio, o casamento. Que género de pessoas atrai para se
relacionar, para partilhar e trocar afecto. Está associada ao signo de Balança.
A 8ª Casa, indica-nos o tipo de valores que se tem nos relacionamentos a dois ou nas
associações. "O que é que a relação vale?", "Quais são os recurso da relação?". É
também a Casa das grandes transformaões, da regeneração, da morte, das heranças.
Está associada ao signo de Escorpião.
A 9ª Casa está relacionada com o ensino "superior", desde o académico ao
transpessoal. É também uma indicadora das "grandes viagens", das crenças e de tudo
o que indique expansão de horizontes. Está associada ao signo de Sagitário.
A 10ª Casa indica-nos o modo como funcionamos em sociedade, o tipo de "carreira
profissional" que escolhemos, enfim, como nos expressamos socialmente e com que
responsabilidade. Está associada ao signo de Capricórnio.
A 11ª Casas diz-nos que tipo de ideais grupais têm a haver connosco, com que tipo
de amigos nos identificamos e gostamos de colaborar para um projecto comum que
vise o bem estar de todos. É portanto a Casa dos ideais, das aspirações. Está
associada ao signo de Aquário.
A 12ª Casas, é a que nos revela o nosso mais profundo mundo interior, o modo como
procuramos ligar-nos à nossa Alma. Também é indicadora das prisões e isolamento e
possíveis doenças. Está associada ao signo de Peixes.
A casa é uma área de expressão onde as energias planetárias e zodiacais vão ser
expressadas. Num mapa astrológico ou horóscopo, cada casa vai conter um signo que
a vai qualificar e poderá também conter ou não planetas.
As Casas Astrológicas
O que são?
As Casas Astrológicas são divisões da esfera celeste, projectadas a partir de um dado
local na Terra.
Surgem do cruzamento entre os dois eixos principais: um horizontal
Ascendente/Descendente) e outro vertical (Meio-do-Céu/Fundo-do-Céu). Estes eixos
correspondem a projecções dos quatro pontos cardeais.
O Ascendente, ou Oriente, corresponde ao Nascente. Por oposição, o Descendente ou
Ocidente corresponde ao Poente.
O Meio-do-Céu ou Sul e o Fundo-do-Céu corresponde ao Norte.
Como se determinam?
Esses quatro pontos - ou ângulos - marcam o início dos quadrantes. O Ascendente dá
início ao primeiro quadrante, o Fundo-do-Céu ao segundo, o Descendente ao terceiro e
o Meio-do-Céu ao quarto. Em cada um destes quadrantes vão surgir três casas,
originando um total de doze.
Existem vários sistemas de casas: alguns são baseados no tempo, outros no local.
Todos implicam cálculos matemáticos complexos.
Alguns astrólogos utilizam diferentes sistemas de casas para diferentes tipos de
Astrologia.
A contagem das casas faz-se no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, a partir
do Ascendente. Cada marcador de separação tem a denominação de cúspide.
Casas e signos
Vamos encontrar uma notável semelhança entre os signos e as casas. Ao primeiro
signo corresponde simbolicamente a primeira casa, ao segundo signo a segunda casa,
e assim por diante.
Contudo, há que ter sempre presente que existe uma importante diferença: os signos
são os temas ou arquétipos principais do mapa, enquanto as casas representam áreas
de vida.
Podemos afirmar que os signos são causais: dão energia, originam, determinam
qualidades. As casas, por seu turno, são receptáculos e áreas de expressão das
energias dos signos (Nesta perspectiva, os planetas seriam mediadores da expressão
de energia).
Voltando à comparação do mapa natal com uma peça de teatro, podemos considerar
os signos como os temas ou "papéis" dessa peça e os planetas como os actores que
representam esses papéis. Nessa comparação, as casas astrológicas seriam os
diversos cenários ou palcos onde a peça se vai desenrolar.
Numa outra perspectiva, podemos também interpretar as casas como marcadores de
tempos específicos de vida. Assim, o Ascendente corresponderia ao momento do
nascimento, a Casa X à maturidade e ao culminar da carreira, etc.
Os Hemisférios
Tal como acontece com os signos do Zodíaco, podemos agrupar as casas astrológicas
de diversas formas: por hemisférios, quadrantes, elementos, modos ou polaridades.
A forma mais simples é o agrupamento por hemisférios.
Os hemisférios surgem, como já vimos, a partir dos ângulos principais do mapa
(Ascendente, Descendente, Meio-do-Céu e Fundo-do-Céu).
Se dividirmos o mapa pelo eixo Ascendente/Descendente (a linha do horizonte)
surgem dois hemisférios.
Abaixo do horizonte vemos o Hemisfério Nocturno, que contém as casas I, II, III, IV, V
e VI. Representa a área de vivência pessoal, auto-centrada, nocturna ou "invisível" da
vida. Quando este hemisfério está acentuado no mapa natal, o indivíduo tende a ser
reservado, introvertido e a viver no seu mundo interior. Pode ser tímido e
egocentrado.
Acima do horizonte fica o Hemisfério Diurno, que contém as casas VII, VIII, IX, X, XII
e XII. Simboliza as áreas sociais, diurnas, "visíveis" e do domínio público. Se estiver
muito acentuado num mapa natal, representa extroversão, sociabilidade, capacidade
de comunicar e gosto pelas "luzes da ribalta". Quando em exagero, pode indicar falta
de bases e pouca interiorização.
Também o eixo Meio-do-Céu/Fundo-do-Céu, que divide o mapa de alto a baixo, gera
dois hemisférios, que vão repartir as casas de forma diferente.
O Hemisfério Oriental, situado do lado do Ascendente, contém as casas X, XI, XII, I,
II e III. Indica áreas de vida na qual o indivíduo se expressa a age por impulso
pessoal, automotivado. Quando este hemisfério está acentuado, o indivíduo tem
bastante iniciativa, é assertivo, capaz de se impor e depende pouco da opinião alheia.
Se exagerar, corre o risco de tornar-se egoísta.
O Hemisfério Ocidental, do lado do Descendente, contém as casas IV, V, VI, VII,
VIII, e IX. Representa áreas de vida que dependem de factores exteriores ao indivíduo.
Quem tem esta área acentuada tende a agir em função dos outros, procurando uma
resposta, uma motivação ou uma referência exterior. Nalguns casos, pode ser
dependente dos outros.
Os Quadrantes
Da interacção entre os eixos Ascendente/Descendente e Meio do Céu/Fundo do Céu
surgem os quatro quadrantes. Estes são, afinal, especificações dos próprios
hemisférios.
O Primeiro Quadrante contém as casas I, II e III.
Diz respeito à definição pessoal e autoconsciência.
Faz as perguntas: o que eu sou? o que tenho / o que valho? como comunico / como
defino o mundo?
Neste quadrante estão representadas as áreas básicas da vida, onde vamos criar as
condições para o posterior desenvolvimento e expressão da personalidade.
Quando está muito acentuado, o indivíduo tende a focalizar a sua atenção na autoafirmação e auto-descoberta.
O Segundo Quadrante contém as casas IV, V e VI.
Refere-se à expressão pessoal.
Interroga-se: de onde venho? quem sou? qual a minha utilidade?
Neste quadrante está subjacente a consolidação e aperfeiçoamento da personalidade.
Se estiver forte num mapa, revela uma personalidade que se experimenta e põe à
prova, tendo em vista a auto-expressão e o aperfeiçoamento.
O Terceiro Quadrante contém as casas VII, VIII e IX.
Relaciona-se com a definição social.
Aqui as perguntas são: com quem e como me relaciono? qual a minha capacidade de
partilhar? que significado dou ao mundo?
Aqui temos uma autoconsciência social, na qual o indivíduo aprende a estruturar-se e
a agir em interacção directa com os seus semelhantes.
Se estiver muito acentuado indica uma grande capacidade de relacionamentos, quer a
nível social, quer em áreas de emoção e intimidade.
O Quarto Quadrante contém as casas X, XI e XII.
Tem a ver com a expressão social.
Pergunta-se: qual o meu lugar na sociedade? como interajo no colectivo? qual o meu
propósito último?
Neste quadrante a expressão é de teor colectivo. Aqui, a acção do indivíduo tem como
base a sua identidade social; a sua criatividade e capacidade construtiva é expressa
num contexto colectivo.
Quando está muito forte num mapa, revela uma personalidade que se expressa
principalmente através de propósitos criativos sociais
As Casas e os Elementos
Tal como acontece com os signos, as casas astrológicas podem ser agrupadas por
elemento e por modo.
À semelhança dos signos, os elementos vão indicar campos de experiência:
Casas de Fogo - Casas I, V, IX
Palavra-Chave: Identidade/Vitalidade
São por vezes designadas a Trindade da Vida. Estão relacionadas com a expressão de
identidade, a vitalidade geral do indivíduo.
Muitos planetas em casas de Fogo mostra uma expressão activa, forte, enérgica,
positiva e, por vezes, inspirada. O indivíduo tem muita vitalidade e usa-a para
expressar a sua identidade, de formas directas e criativas.
Uma excessiva ênfase nas casas de Fogo pode indicar demasiada necessidade de
expressão exterior do ego, em detrimento da interiorização e da vida interior.
Casas de Terra - Casas II, VI, X
Palavra-Chave: Concreto/Material
Chamadas Trindade da Riqueza / do Poder Objectivo. Relacionam-se com a
valorização, realização prática e recursos concretos.
Muita energia em casas de Terra mostra uma marcada capacidade de trabalho e
realização concreta. O indivíduo tem determinação e estabilidade: um "construtor" por
natureza.
Excesso de energia nestas casas indicam que a prioridade está na expressão material
(posses, trabalho, carreira), deixando para segundo plano
Casas de Ar - Casas III, VII, XI
Palavra-Chave: Social/Intelectual
Alguns autores chamam-lhes a Trindade da Relação / da Comunicação. Têm a ver com
a comunicação, o mundo das ideias e os relacionamentos.
Quando há muitos planetas em casas de Ar, há uma tendência natural para os
relacionamentos. O indivíduo tende a ser um forte comunicador, e campo da
comunicação e dá grande importância às suas ideias e conceitos.
Uma ênfase exagerada nas casas de Ar pode indicar um risco de "desligamento" geral
a personalidade e tendência a refugiar-se no mundo das ideias.
Casas de Água - Casas IV, VIII, XII
Palavra-Chave: Emocional/Alma
Trindade da Alma / do Poder Subjectivo.
Estão associadas à vida interior, ao sentir, à "gestação" interna da personalidade e à
transformação de memórias emocionais. Ligam-se também ao conceito de karma.
Quando as energias do mapa estão concentradas em casas de Água, há uma atracção
natural para a vida recolhida e interiorizada. O indivíduo tende a ser reservado,
sensível para proteger a sua própria sensibilidade.
Excesso de planetas em casas de Água indicam uma grande permeabilidade aos outros
e ao meio ambiente, que pode, em determinadas circunstâncias, fugir do controlo
consciente do indivíduo.
As Casas e os Modos
Tal como acontece com os signos, a classificação por modos também se aplica às
casas. Existem, contudo, algumas diferenças, como veremos a seguir.
ANGULAR - Casas I, IV, VII, X.
Palavra-Chave: Acção
Estão ligadas aos 4 ângulos do mapa: Asc. (I), Desc. (VII), MC (X) e FC (IV).
Marcam o início de cada um dos quadrantes do mapa natal.
São casas de Ser, de expressão de energia.
Estão ligadas ao Presente, à forma.
Os planetas que se encontrem nestas casas vão ter importância destacada na
expressão da personalidade.
SUCEDENTE - Casas II, V, VIII, XI.
Palavra-Chave: Segurança
As casas que sucedem às angulares são denominadas casas sucedentes. Ficam no
meio de cada um dos quadrantes do mapa.
São casas de Usar, de consolidação de energia, relacionam-se com a concretização de
actividades.
Os planetas aqui situados serão postos ao serviço da concretização de objectivos.
Estão ligadas ao Futuro, à actividade.
CADENTE - Casas II, V, VIII, XI.
Palavra-Chave: Aprendizagem / Experiência
As casas seguintes receberam a designação de casas cadentes, porque completam
aquela parte do círculo e parecem "cair" para o ângulo seguinte. São as casas situadas
depois das sucedentes e antes das angulares.
São casas de Entender e de Transformar, têm a ver com a movimentação de energia.
Estão ligadas ao Passado, à substância.
Quando há planetas nestes sectores, serão aplicados na procura do entendimento e
síntese.
Compreendemos, assim, que a classificação das casas - angulares, sucedentes e
cadentes - vai ter correspondência com os modos Cardinal, Fixo e Mutável, que se
aplicam aos signos.
O Ascendente
O Ascendente é um dos factores mais complexos do mapa astrológico.
Representa o impulso inicial para a vida, o momento do nascimento, o primeiro choro
do bebé.
Mostra a qualidade do nosso primeiro contacto como o Mundo, a primeira vez que
"tocamos" a Vida.
Neste ponto inicia-se o primeiro quadrante, no qual o indivíduo vai perceber aquilo que
é, o seu valor e a capacidade de interpretar o mundo.
O signo que se encontra no Ascendente indica a primeira impressão que causamos e a
forma como iniciamos as coisas. Pode igualmente dar-nos pistas sobre o aspecto físico,
a "máscara" exterior (tanto física, como emocional e intelectual) e alguns pequenos
hábitos e maneirismos pessoais.
Planetas conjuntos ao Ascendente vão também ter uma importância primordial na
expressão imediata da personalidade.
A presença de um planeta muito próximo do Ascendente pode mesmo tornar-se a
característica mais óbvia da personalidade, ofuscando até o próprio signo ascendente.
É por esta razão que encontramos, por exemplo, indivíduos com ascendente Carneiro
que, em vez da tradicional impulsividade e assertividade, têm um aspecto comedido e
até mesmo um tanto receoso. Um Saturno próximo do Ascendente (entre outros
factores) pode ser o "causador" desta retenção das energias do Carneiro.
Num outro exemplo, podemos encontrar alguém que tem ascendente Virgem e que,
em vez da reserva e precisão próprios deste signo, avança para a vida com inesperado
optimismo e expansividade. A presença de Júpiter próximo Ascendente, poderá ajudar
a compreender a extroversão e o gosto pela aventura numa pessoa de quem, à
partida, se esperaria um comportamento modesto, cuidadoso e pormenorizado.
Outro aspecto a levar em conta é o planeta que rege o signo ascendente. A sua
posição por signo e casa vai acrescentar dados importantes sobre a expressão
imediata da personalidade.
Assim, se alguém com Ascendente Gémeos tiver Mercúrio (regente do Ascendente) em
Touro, a natural expressão geminiana, conversadora e "leve", será moldada pelo
sentido prático do Touro, tornando-se mais comedida, moderada e concreta.
Se Mercúrio estivesse em Aquário, haveria um toque muito mais acentuado de
comunicação e de velocidade do pensamento. Em Caranguejo, a comunicação
geminiana seria colorida pelos sentimentos e imaginações próprias do primeiro signo
de água.
Em resumo: ao considerarmos o Ascendente, há que levar em contra todo um
conjunto de factores a ele associados:
1- o signo Ascendente
2- os planetas que se encontrem próximos (cerca de 10º antes ou
depois) do Ascendente
3- o planeta regente do signo Ascendente (segundo a sua posição por
signo e casa)
Só assim teremos uma visão correcta deste importante factor de
interpretação astrológica.
Os Signos Ascendentes
Ascendente Carneiro
A primeira abordagem da vida, a expressão imediata da personalidade, é feita através
do Fogo Cardinal: a identidade em acção.
Quem tem Ascendente Carneiro entra na vida como quem entra num desafio: com
impulsividade, pioneirismo, ousadia, impaciência. A expressão é activa, espontânea,
competitiva, directa e assertiva.
Quem tem este ascendente tende a acreditar que o caminho mais curto entre dois
pontos é uma recta e a pôr isso em prática em todas as circunstâncias da vida, por
vezes com grandes ganhos de tempo e benefícios, outras vezes com consequências
menos felizes.
O indivíduo com este ascendente tem necessidade de se pôr continuamente à prova
através da acção. Na verdade, só tem a sensação de existir, de estar vivo, se estiver a
fazer alguma coisa.
Quando aprende a agir por vontade e escolha própria, em vez de reagir continuamente
à necessidade de se afirmar, o indivíduo consegue vivenciar plenamente as qualidades
de acção, assertividade e decisão associadas ao seu signo ascendente.
Em termos físicos, o Ascendente Carneiro pode caracterizar-se por uma postura
enérgica, viva, rápida e impaciente. Os movimentos são repentinos, por vezes até
bruscos e directos. O olhar é vivo, franco e directo.
Ascendente Touro
A primeira impressão é vivenciada através da Terra Fixa: segurança e continuidade na
concretização de objectivos.
O Ascendente Touro entra na vida com calma, ponderação e segurança. Há que
avançar sem pressas, experimentar bem o terreno e medir cada passo. O avanço é
lento mas é também seguro: uma vez conquistado o terreno, raramente se dá um
recuo.
Existe geralmente uma habilidade natural em lidar com os recursos materiais, tendo
em vista estabilidade e a abundância material. A abordagem é prática, física e
sensorial: pode haver uma sensualidade forte, simples e desinibida, uma certa
tendência à gula e, em geral, uma grande capacidade de apreciar os confortos e
prazeres da vida. O sentido estético, que está quase sempre presente, pode ser
também simples e um pouco rústico, dando preferência ao que é natural e confortável.
Com a maturidade, a necessidade de segurança material e financeira pode ser
gradualmente substituída pela segurança emocional e pela estabilidade interior; nessa
altura o Ascendente Touro descobre a sua faceta mais espiritualizada, capaz de
vislumbrar beleza e transcendência nas formas mais concretas.
Existem dois tipos físicos bem distintos que podem ser considerados associados ao
Ascendente Touro. Um é pesado e sólido, com pescoço forte e tendência a aumentar
de peso; o outro apresenta uma constituição harmoniosa, delicada e elegante. Alguns
indivíduos reunem características de ambos os tipos.
Ascendente Gémeos
A primeira abordagem à vida é feita através do Ar Mutável: aprendizagem,
comunicação e experimentação no plano mental.
Com Ascendente Gémeos, abordamos a vida de forma ligeira, curiosa e um tanto
dispersa. Há uma forte necessidade de compreender as coisas mentalmente e de
apreender todas as faces da realidade.
A diversidade da vida diária, com todos os seus pequenos e variados acontecimentos,
é um elemento-chave para a expressão imediata da individualidade. Há uma tendência
natural para se identificar com as ideias ("sou aquilo que penso"), embora estas
possam estar continuamente em mudança.
A comunicação é também uma importante via de expressão pessoal.
Quando aprende a seguir um rumo de pensamento, entre a multiplicidade dos seus
apelos mentais, o indivíduo com ascendente Gémeos começa a manifestar o que de
mais elevado existe no signo: a capacidade de relativizar e de compreender, no plano
mental, todas as faces de um assunto ou situação.
Os factores físicos geralmente associados ao Ascendente Gémeos são uma figura ágil e
um tanto andrógina, que tende a manter o aspecto juvenil até muito tarde. As mãos e
braços podem estar em evidência, tanto pelo gesticular contínuo como pela sua
elegância e delicadeza. O rosto pode ser vivo, móvel, expressivo e marcado por um ar
de eterna adolescência.
Ascendente Caranguejo
A primeira impressão da vida é sentida através da Água Cardinal: acção motivada
pelos sentimentos.
Expressão cautelosa e grande necessidade de segurança emocional são características
de quem tem Ascendente Caranguejo. A expressão da individualidade é cautelosa e
"tradicional", aparentemente pouco marcada e pouco assertiva.
Há uma qualidade mimética, camaleónica na expressão pessoal: o indivíduo procura
confundir-se com o ambiente, e não se mostra competitivo, chegando por vezes ao
ponto de apresentar comportamentos desprotegidos ou mesmo "infantis". Pode
manter-se sempre muito próximo da mãe ou da família de origem (do ponto de vista
físico, emocional ou ambos). Ao evitar uma imagem saliente e agressiva, evita
também ser ameaçado ou agredido.
Esta camuflagem pode, contudo, ser apenas aparente. Por detrás dela esconde-se, por
vezes, uma grande tenacidade e uma inesperada capacidade de se "agarrar"
teimosamente a comportamentos de preservação (física e emocional) e a situações em
que sinta familiaridade e segurança, mesmo que esta segurança seja feita à custa de
outros.
À medida que integra um certo grau de maturidade, o indivíduo consegue desfrutar
toda sensibilidade e riqueza emocional associadas a este signo.
O aspecto físico ligado a este ascendente é arredondado, agradável e um pouco
infantil. Um rosto redondo e um tronco desenvolvido são características comuns.
Alguns indivíduos, contudo, apresentam um rosto oblongo e uma figura esguia.
Ascendente Leão
A entrada na vida surge através do Fogo Fixo: segurança na expressão da identidade.
Quem tem Ascendente Leão entra na vida com grandes passadas: a expressão pessoal
é calorosa, "quente", digna e poderosa. O mundo, os outros e as circunstâncias em
geral podem ser vistas como um grande palco onde, ao longo de diversos actos e
cenas, a individualidade vai manifestar-se de forma brilhante e poderosa. A
necessidade de protagonismo é imperativa e quase constante.
O indivíduo com este ascendente tende a dominar as situações com a sua projecção
carismática; esta contudo, pode ser demasiado abrupta, autoritária ou avassaladora,
tocando mesmo, em casos extremos, as raias da arrogância.
Ao longo da vida, esta forte expressão tende a ser posta em causa e a modificar-se.
Na maturidade, poderá deixar de encarar a vida como um grande palco e passar a vêla como uma oportunidade criativa. Nessa altura, as manifestações pomposas e
gratuitas, de carácter personalístico, dão lugar a uma atitude verdadeiramente
criativa, generosa, desinteressada e vitalizante.
No aspecto físico ligado a este ascendente surge, em geral, associado a uma atitude
naturalmente altiva, quase régia, e a uma cabeleira bonita, volumosa, tipo "juba de
leão".
Ascendente Virgem
O primeiro contacto com a vida é feito através da Terra Mutável: aprendizagem e
experimentação das coisas concretas.
Para quem tem Virgem ascendente a vida é um "projecto de perfeição". Todas as
atitudes, funções, relações e comunicações são, por isso, sujeitas a uma forte crítica,
revelando-se sempre aquém de tão exigentes expectativas.
A expressão pessoal tende a ser precisa, funcional, ordenada e ergonómica. Tudo é
feito com método, funcionalidade, detalhe e eficiência, tendo em vista a ideia de
perfeição. "A qualidade acima da quantidade" poderia ser o seu lema.
Esta forma de abordar a vida pode levar a uma atitude de crítica implacável, que se
torna muito desmoralizadora e, em casos extremos, chega a tornar-se paralizante.
A partir de uma certa fase da vida, o indivíduo com este ascendente começa a
aprender que a perfeição está subjacente a tudo, mas que não tem possibilidades de
se manifestar plenamente no plano físico. Nessa altura, a tolerância e a compreensão
começam a temperar o seu sentido crítico, levando-o a encarar todas as coisas (e a si
mesmo) como manifestações terrenas do arquétipo da Perfeição.
Um ar limpo, preciso e resistente, ao mesmo tempo aprumado e simples são
qualidades típicas do Ascendente Virgem. O aspecto geral pode ser bastante juvenil,
mantendo uma figura delgada e muita vivacidade.
Ascendente Balança
A primeira abordagem à vida é feita através do Ar Cardinal: acção dirigida para o
relacionamento e a comunicação.
Com Balança ascendente, a expressão pessoal é pensada, medida e considerada,
levando sempre em conta a opinião ou a reacção dos outros. A atitude geral é de
cooperação e de busca de harmonia. Pode haver uma qualidade estética e uma
elegância natural nos gestos, na fala e na escolha de roupas e adornos.
O sentido de justiça e de equilíbrio inerentes a este signo conferem-lhe graça e
harmonia. Podem, contudo, tornar-se factores obstaculizantes sempre que as
circunstâncias exigem decisões directas e imediatas. Quando tem de actuar sozinho e
de escolher por si mesmo, o indivíduo pode sentir-se perdido.
Em casos mais extremos, a tendência para se apoiar nos outros degenera em
sociabilidade exagerada, falta de descriminação nos relacionamentos, inércia, preguiça
e dependência emocional.
Quando aprende a equilibrar a sua necessidade de ouvir os outros e os seus próprios
desejos e vontades, o indivíduo com este ascendente ganha a capacidade de
harmonizar com ligeireza e desembaraço todas as polaridades da vida: eu-o outro;
pessoal-social; formal-informal; mundano-sagrado.
O tipo físico associado a este ascendente é proporcionado, naturalmente ágil e
elegante, apesar de um pouco roliço e com tendência a ganhar peso.
Ascendente Escorpião
É através da Água Fixa que as primeiras impressões da vida são sentidas: intensa
necessidade de segurança e transformação emocional.
Para o Ascendente Escorpião, a expressão pessoal é intensa, carismática, poderosa e
sempre um tanto secreta. Para ele, a vida é uma batalha, onde vitórias e derrotas
marcam e transformam a expressão individual.
O indivíduo com este ascendente pode ver-se como um lutador, um reformista ou um
investigador. O seu carisma que começa por ser fascinante, pode torná-lo
incomodativo ou mesmo belicoso.
Todos os aspectos da vida são sentidos com grande intensidade, mas também com
uma profunda contradição interior. Perante qualquer desafio imediato (em coisas
simples do dia-a-dia), reage com um misto de atracção e repulsa, avidez e
desconfiança, desejo e negação do próprio desejo.
Esta turbulência emocional leva-o ao principal tema deste signo - o da morte e
transformação. Ao compreender que a verdadeira batalha é interior, o Escorpião
ascendente inicia uma nova fase na sua vida - deixa de lutar contra inimigos exteriores
e lança-se na cruzada contra os seus demónios interiores, trazendo-os para a luz da
consciência e transcendendo-os. É nessa altura que descobre em si recursos e
capacidades que até então desconhecia. Deixa de ser um lutador e torna-se um
guerreiro espiritual.
Olhos de expressão intensa e profunda, sublinhados por sobrancelhas espessas e
bonitas, são característicos deste ascendente.
Ascendente Sagitário
A primeira abordagem da vida é feita através do Fogo Mutável: aprendizagem e
experiência da identidade.
Quem tem ascendente Sagitário tende a entrar na vida como quem começa uma
viagem: com entusiasmo, curiosidade, optimismo e boa-disposição. Na sua abordagem
existe sempre uma componente de aventura, descoberta.
O indivíduo com este ascendente lança-se à descoberta de uma nova fronteira, de uma
nova ideia ou da solução para os problemas globais com o mesmo entusiasmo e
convicção com que parte em busca de um tesouro, descobre um novo disco ou, mais
prosaicamente, explora a despensa em busca de guloseimas. É optimista: acredita que
"hão-de acontecer coisas boas" e que a vida, afinal, "não é assim tão má". Com a sua
fé jovial e inabalável, encara tudo como um jogo e não hesita em correr riscos. O que
poderá correr mal?...
O seu entusiasmo e idealismo são contagiantes e, na maior parte dos casos,
contribuem para o bem-estar geral. Contudo, o indivíduo com este ascendente corre o
risco de se tornar pomposo, arrogante e "doutrinário". Quer que os outros "acreditem"
naquilo que acha que está certo e não hesita em "ensinar" ou mesmo impor as
atitudes e conceitos morais que considera correctos.
Quando passa da atitude de sabedoria pomposa á de partilha de conhecimentos, dá
um importante passo em direcção à maturidade. Esta etapa, que é alcançada através
do controlo da fala e dos pensamentos (evitando exageros e indiscrições), vem trazer
à sua vida o sentido e a Sabedoria que tanto procurou. O aventureiro transforma-se,
então, no cruzado.
Associa-se a este ascendente um aspecto descontraído e jovial. Pode ter um rosto
aberto, com um grande sorriso e cabelos encaracolados (às vezes arruivados), coxas
fortes e tendência a aumentar de peso.
Ascendente Capricórnio
A entrada na vida é feito através da Terra Cardinal: acção prática e concreta.
O Ascendente Capricórnio entra na vida com os passos firmes, medidos e planeados de
quem escala uma montanha. Não brinca em serviço: a expressão pessoal é séria,
responsável, convencional, retraída e um pouco seca.
Avalia-se a si mesmo e aos outros pelas conquistas profissionais, a carreira e o
estatuto social. As figuras de autoridade impressionam-no.
Há uma tendência latente para a inibição, a rigidez e a "depressão". Longe de ser
nefasta, esta "depressão" revela-se fundamentais para o crescimento da
individualidade: abala a rigidez, permitindo uma reestruturação em moldes mais
abrangentes e flexíveis. As qualidades de resistência, planeamento e estratégia
passam, então, a ajudar à transformação, em ver de lhe resistirem.
É, por isso, frequente que os indivíduos com Ascendente Capricórnio venham ao
mundo com uma postura sisuda, triste e desmotivada (nascem "velhinhos") e que, ao
longo dos anos, aprendam a gozar as coisas boas da vida. Dir-se-ia que rejuvenescem
com a idade. Na maturidade, é frequente serem muito mais descontraídos, simpáticos
e comunicativos do que foram em jovens.
Esta alegria interior representa o culminar das qualidades de trabalho e associadas a
este ascendente. É uma "marca de Sabedoria".
Um aspecto magro, tenso e seco pode ser associado a este ascendente. As maçãs do
rosto são marcadas. Algumas pessoas (principalmente mulheres) têm uma beleza
refinada, assente no equilíbrio de linhas e na elegância da estrutura óssea..
Ascendente Aquário
É através do Ar Fixo que se faz a primeira entrada na vida: segurança nas ideologias e
pontos de vista globais.
Quem tem Aquário ascendente baseia a sua expressão pessoal numa aparente
contradição. Tem uma necessidade imperativa (embora por vezes disfarçada) de ser
único, diferente e inconvencional mas precisa de ser aceite pelo colectivo, pela
sociedade. Por outras palavras: tem de ser diferente e, ao mesmo tempo, igual; é
simultaneamente rebelde e gregário.
A solução deste conflito interno varia de indivíduo para indivíduo.
Alguns sufocam o seu individualismo em prol da aceitação social. Mantém-se numa
atitude de falso conformismo, mas correm o risco de "explodir".
Outros proclamam-se "espíritos livres" e mantém-se à margem da sociedade. Ganham
"liberdade" para serem inconvencionais, teimosos, excêntricos, rebeldes e até
chocantes, mas perdem o prazer da companhia humana.
Na maior parte dos casos, contudo, a faceta experimental e pioneira deste signo
consegue encontrar soluções originais e equilibradas (geralmente depois de várias
tentativas). Pode juntar-se a grupos diferentes e originais que lhe dêem espaço e
liberdade; pode ter diversos grupos de amigos, que representem diversas facetas da
sua personalidade; ou pode tentar compartilhar o seu "mundo paralelo", onde reina a
busca da liberdade e a visão do futuro.
Qualquer destas soluções vai permitir ao indivíduo trocar ideias e pontos de vista,
sentindo-se, desta forma, acompanhado na sua diferença.
Ao compreender que não precisa de se rebelar para ser livre, o indivíduo com este
ascendente começa a encarar a vida como uma grande experiência de solidariedade.
Descobre, então, que tem a capacidade de partilhar com todas a humanidade as suas
ideias largas globais, numa perspectiva de serviço, esperança e fraternidade. As
utopias tornam-se, então, ideias realizáveis.
Este ascendente é associado a figuras grandes, altas e a rostos de expressão aberta.
Pode ter uma espécie de "aura eléctrica", que lhe dá um toque excêntrico.
Ascendente Peixes
A primeira impressão da vida é sentida através da Água Mutável: percepção sensível
ao todo, aprendizagem do sentir.
Uma espécie de névoa vaga e intangível parece permear a expressão pessoal de Peixes
ascendente. Ao expressar-se, o indivíduo procura incluir nessa expressão algo mais
abrangente, total e inclusivo, algo muito maior do que próprio "eu". Esta "névoa"
confere empatia e permeabilidade mas, ao mesmo tempo, traz um certo isolamento e
distanciamento. Assim, o indivíduo pode ter sentimentos e comportamentos um tanto
contraditórios.
Em determinadas situações, pode entrar em empatia emocional com toda a
Humanidade e procurar redimi-la dos seus sofrimentos. Nessa altura, a sua
sensibilidade manifesta-se como compaixão, expressão artística ou devoção mística.
No momento seguinte, contudo, pode perder o foco e passar a centrar-se apenas nas
próprias necessidades emocionais. Cai então num caos emocional, numa auto-piedade
quase "autista" do qual só sairá (segundo julga) se viver alguém "salvá-lo".
Se conseguir o distanciamento necessário para distinguir entre os seus problemas e os
dos outros, o indivíduo com este ascendente poderá pôr a sua enorme sensibilidade ao
serviço do colectivo. Nessa altura, deixa de oscilar entre os papéis de salvador e
vítima, tornando-se capaz de passar da empatia emocional à ajuda efectiva, mesmo
que isso implique sacrifícios pessoais.
Um aspecto físico vago, etéreo e um pouco "perdido" pode ser a marca deste signo
ascendente. Alguns indivíduos são verdadeiros "espelhos vivos", reflectindo e imitando
tudo o que os impressiona.
Nota: Os textos apresentados constituem uma primeira abordagem, muito
simplificada. Para uma completa compreensão do Ascendente, há que levar
em contra muitos outros aspectos, que serão estudados futuramente.
Casa I
Casa Angular de Fogo - identidade em acção
A Casa I começa no Ascendente (que é a cúspide da Casa I) e pode prolongar-se pelo
signo ou signos seguintes.
Tal como todas as outras casas do mapa astrológico, pode estar "vazia" ou conter
vários planetas.
No seu conjunto, o complexo Ascendente-Casa I constitui um dos mais importantes
aspectos do horóscopo.
Complementando o Ascendente, a Casa I dá-nos mais informações sobre a nossa
primeira identificação com a vida: é a primeira inspiração do bebé recém-nascido, a
sua primeira troca energética com o meio.
Por estar naturalmente ligada ao nascimento, o Ascendente (e a Casa I) são activadas
sempre que começamos alguma coisa. Quando tomamos iniciativas e encetamos
algum projecto, estamos a "nascer" de novo para alguma actividade ou acção.
Pela análise desta área do mapa astrológico, podemos ter indicações adicionais sobre o
tipo de experiência através da qual nos descobrimos como indivíduo, a forma como
tomamos iniciativas e a forma como começamos as acções.
Descreve mais pormenores sobre a imagem que projectamos exteriormente: dá
algumas pistas sobre a maneira como os outros nos vêem, tanto do ponto de vista
físico como no aspecto comportamental.
Casa II
Casa Sucedente de Terra - segurança concreta
É nesta área de vida que vamos concretizar, fixar e dar forma ao que iniciámos sob o
impulso do Fogo Angular da Casa I.
É aqui que entramos em contacto com os recursos, valores próprios e posses pessoais;
é aqui que nos deparamos com o conceito de valorização, segurança e estabilidade.
A Casa II representa os recursos que temos ou queremos ter para nos sentirmos
seguros e "importantes". Esta área do mapa mostra aquilo que valorizamos, o que nos
dá segurança; os recursos e atributos que nos dão o sentido de valor.
Estes recursos são físicos e patrimoniais, mas também podem ser emocionais,
psicológicos ou espirituais Nesse sentido, os amigos, a cultura ou a saúde podem
também ser considerados "recursos pessoais" tão ou mais importantes como o dinheiro
e a gestão e acumulação de bens.
Assim, vamos vivenciar o auto-valor, os recursos e as posses, nos mais diversos
níveis:
- material e concreto: os objectos que possuímos; o corpo físico como
elemento de auto-valor, com a sua resistência e aptidão fisica.
- moral e psicológico: as nossas qualidades, os recursos de que
dispomos para sobreviver - coragem, preserverança, inteligência, etc.
- espiritual: devoção, desapego, generosidade, etc.
Vemos, assim, que esta casa indica não apenas o "ter" mas também o usar e o gerir,
actividades aqui encaradas como complementares ao "ser".
Casa III
Casa Cadente de Ar - conhecimento intelectual e social
Depois da grande libertação de energia do nascimento e da sua "descida à Terra",
chega o momento de perceber e interagir com o mundo exterior.
Esta casa representa a primeira tomada de consciência do não-e, o primeiro o
processo de distinção sujeito-objecto.
É, assim, a casa do meio próximo, do "ambiente" da infância. Indica de que forma
vivemos as relações com os irmãos, vizinhos e colegas de escola, o processo de
aprendizagem. Também nos dá pistas sobre o processo de aquisição da linguagem
(como forma de apreender o mundo).
A Casa III rege:
·
·
·
·
·
todas as situações de comunicação, os processos mentais lógicos
a aprendizagem
a mente concreta e o lado esquerdo do cérebro (raciocínio, dedução, etc.)
as deslocações de curta distância, as "pequenas viagens"
as relações com ambiente imediato (aquilo que nos rodeia)
Dá indicações sobre a forma como pensamos, comunicamos, escrevemos e nomeamos
as coisas, a nossa atitude face ao conhecimento, e ainda sobre a maneira como
exploramos o ambiente imediato. É a nossa "descrição" do Mundo.
O Fundo do Céu
É o ponto mais "interno" do mapa natal. Representa o sentido de unidade interior que
cada ser transporta consigo. É o "eu aqui dentro", o centro da existência de cada ser.
Tal como o Ascendente (outro ângulo importante do mapa natal), o Fundo do Céu
representa um aspecto essencial da estrutura do indivíduo. Mas ao contrário do
Ascendente, que se manifesta na expressão imediata e directa, o Fundo do Céu
raramente é vivido de forma consciente.
Por este motivo, o Ascendente representa a auto-imagem imediata, enquanto o Fundo
do Céu simboliza a auto-imagem inconsciente. O primeiro mostra a forma como nos
expressamos no imediato, a forma como começamos as coisas; o segundo revela o
que somos "cá dentro", a nossa base interior.
Para além de ser a cúspide da Casa IV, o Fundo do Céu marca também o início do
Segundo Quadrante.
Neste ponto de interiorização máxima começamos a refinar (Segundo Quadrante) tudo
aquilo que somos (Primeiro Quadrante).
O signo que se encontra na cúspide da 4ª Casa dá indicações sobre o princípio e o fim
da vida. Simboliza simultaneamente o berço e o túmulo.
Revela ainda a forma como nos comportamos na intimidade e em todas as situações
em que nos sentimos "em casa".
Casa IV
Casa Angular de Água - acção emocional
A Casa IV, que tem a sua cúspide (início) no Fundo do Céu, representa as origens, o
passado, as raízes emocionais, psíquicas, familiares e raciais.
Esta Casa vem complementar o significado do Fundo do Céu, da mesma forma que a
Casa I complementa as indicações dadas pelo Ascendente.
A Casa IV descreve a forma como agimos na privacidade, a influência familiar, a
vivência e "atmosfera emocional" da infância. Pode também dar indicações sobre a
forma como vemos/sentimos um dos progenitores (o pai ou a mãe, conforme os
casos).
Simboliza igualmente a relação com a linhagem familiar, o espírito de família ou de
"tribo". Representa não apenas o lar de família, mas também ao nosso refúgio interior.
É o ponto de assimilação da experiência emocional relativa a tudo o que foi vivido nas
casas anteriores (as "memórias de infância"). É na Casa IV que se faz a integração e
estruturação da mente, corpo e sentimentos, bem como a manutenção das
características individuais do eu.
É a matriz, a base de operações e o centro de poder.
Rege tudo o que tenha a ver com abrigos, refúgios e lares de infância, assim como a
experiência emocional do início e do fim da vida.
Casa V
Casa Sucedente de Fogo - segurança da identidade
A Casa V marca o início de um novo ciclo de identidade.
Nesta área de vida, porém, já não basta existir, como acontecia na Casa I. Aqui,
sentimos a necessidade de sermos especiais.
Estamos agora, na fase da manifestação do ser como entidade individual,
independente e única: a afirmação do indivíduo como "ele mesmo".
Enquanto na casa anterior, de Água, vivemos o sentimento de sermos quem somos,
nesta casa de Fogo aprendemos a exteriorizar esse sentimento, transformando-o em
auto-expressão criativa.
A Casa V rege todas as actividades associadas à auto-expressão do ego.
Esta auto-expressão pode tomar diversas formas, todas elas associadas à Casa V:
Criação: a capacidade de criar, as minhas criações. Estas podem ter um carácter
artístico ou estender-se a outras áreas de expressão.
Procriação: a capacidade de gerar, os filhos. As crianças são aqui encarados mais como
projecções do ego do que como "outras pessoas" independentes e autónomas.
Recriação: capacidade lúdica, de criar divertimentos e jogos. O "flirt", os namoros, os
casos amorosos, a popularidade em geral estão incluídos neste grupo, por se tratarem
de expressões do eu, mais do que de "relacionamentos" com parceiros.
Complementando a Casa IV, a Casa V dá-nos indicações sobre a Criança Interior que
existe em cada adulto.
Casa VI
Casa Cadente de Terra - conhecimento concreto, material
A Casa VI representa o ajustamento, aprimoramento e diferenciação do Eu. Está
associada à purificação, tanto fisica como espiritual.
Esta Casa refere-se ao disciplinamento do eu, ao "trabalho de bastidores", que será
uma preparação para um melhor funcionamento e integração em sociedade.
Dá-nos pistas sobre o nosso "funcionamento" do dia-a-dia e sobre a forma como
encaramos os rituais da vida mundana, as rotinas diárias.
Revela as "ferramentas", habilidades e técnicas de que dispomos para o autoaperfeiçoamento. Mostra também a nossa atitude perante o "dever" o trabalho.
A Casa VI está rege vários temas aparentemente distintos mas, na verdade,
profundamento relacionados: a saúde, as doenças, o trabalho, o aperfeiçoamento
pessoal, os deveres e os animais domésticos.
As doenças são aqui encaradas como bloqueios de energia criativa que não é usada
produtivamente. Quando os nossos deveres e rotinas no mundo do trabalho não
correspondem às nossas verdadeiras necessidades, arriscamo-nos a ficar doentes. Da
mesma forma, um trabalho compensador pode promover o bem-estar e a saúde.
Quanto aos animais domésticos, é por demais conhecido o efeito benéfico que podem
ter sobre as condições de saúde dos donos. Além disso, os animais eram antigamente
vistos como serviçais (outro tema da Casa VI), que ajudavam aos cumprimento das
rotinas diárias.
A Casa VI rege, assim, tudo o que está tem a ver com limpezas, rotinas e deveres.
Relaciona-se também com a nossa capacidade de trabalho e de auto-aperfeiçoamento.
O Descendente
Ao longo do percurso que nos levou da Casa I à Casa VI, experienciámos a nossa
dimensão física, intelectual e emocional.
Todo este campo de experiências pertence à primeira metade do mapa, àquela que
está "abaixo do horizonte" e que diz respeito à vida pessoal, privada.
Na Casa VII emergimos "acima do horizonte", iniciando o Hemisfério Diurno.
um contexto cada vez mais abrangente: primeiro os parceiros, depois a Sociedade,
finalmente o Colectivo.
O Descendente indica essa mudança de direcção: é "o ponto de consciência do Outro",
o momento em que percebemos que nada existe como entidade separada.
O signo que se encontra no Descendente mostra o que procuramos no parceiro (por
vezes de forma totalmente inconsciente), o "ambiente" que queremos ter nas relações
e também as energias que precisamos desenvolver para ficarmos completos.
Casa VII
Casa Angular de Ar - acção social e intelectual
Sendo a primeira Casa acima do horizonte, a VII refere-se aos relacionamentos.
Define as relações "de igual-para-igual", o compromisso mútuo e a forma como
encaramos a Sociedade.
Rege todas as associações oficiais, coom casamentos e contratos de negéocio; rege
igualmente todas as associações ou confrontos pessoais, incluíndo as inimizades
declaradas.
A Casa VII dá-nos indicações sobre a forma como estamos na relação e sobre o tipo de
pessoas que atraímos nas nossas parcerias. É, por isso, considerada a casa do
cônjuge, do casamento.
Muitas vezes, encontramos nos nossos parceiros as características e "defeitos" que não
conseguimos ver em nós mesmos. Assim, está também relacionada com os inimigos
declarados.
Representa O Outro, tanto no sentido da complementariedade como no do confronto.
Casa VIII
Casa Sucedente de Água - segurança emocional
A Casa VIII representa os relacionamentos íntimos e as grandes transformações
emocionais que deles resultam.
Pode ser comparada ao caldeirão da bruxa ou ao forno do alquimista: é o lugar das
crises e mudanças que decorrem em segredo, no íntimo do ser.
Mostra a forma como misturamos as nossas energias com algo maior.
Esta tentativa de união pode ser vivenciada como uma forma de aumentar o poder e o
domínio do ego, ou como uma via para a transcedência, através da transformação
desse mesmo ego.
Este processo pode ocorrer a vários níveis:
material: dinheiro, heranças, empreendimentos; gerir e
administrar os valores dos outros; a confiança mútua
emocional: ligações, profundas; a sexualidade; o
relacionamento como catalizador de transformações; a
destruição de velhas fronteiras do ego
social: o poder; a busca do que está escondido,
desconhecido, oculto no relacionamento e na sociedade;
manipulação, intrigas, temas-tabu
espiritual: morte, renascimento; a transcendência, a
relação com o chamado Plano Astral; é nesta área de vida
que enfrentamos e transformamos os "demónios"
internos: o ciúme, a inveja, a ganância, o egoísmo, etc.
Casa IX
Casa Cadente de Fogo - conhecimento da identidade
A Casa IX marca o começo de um novo ciclo de identidade. Nesta terceira casa de
Fogo este ciclo é bastante complexo.
Já não falamos aqui da identidade primordial, que trazemos à vida no nascimento
(Casa I) nem tão-pouco da expressão criativa da individualidade (Casa V); trata-se
agora da procura de um significado, de uma direcção, de um propósito maior do que o
ser individual, algo que transcende a própria personalidade.
A Casa IX é, por isso, a casa da identificação com o significado último das coisas: com
a Verdade ou a "Pedra Filosofal".
Está igualmente relacionada com o conhecimento superior, a mente abstracta, os
processos intuitivos de pensamento, a Fé, a Filosofia e a Religião. Mostra a maneira
como concebemos a Imagem de Deus.
Para além das questões filosóficas e religiosas, a Casa IX rege também o "ambiente"
que se vive nos relacionamentos, a ética conjugal e as relações com os parentes por
afinidade (sogros, cunhados, etc). Rege ainda as grandes viagens, pois a viagem, por
nos permitir conhecer novas culturas, filosofias, modos de vida, religiôes, faz-nos
alargar horizontes.
Nota: Os textos apresentados constituem uma primeira abordagem, muito
simplificada. Para uma completa compreensão do Ascendente, há que levar
em contra muitos outros aspectos, que serão estudados futuramente.
O Meio do Céu
Estamos agora no ponto mais "elevado" do mapa. Vivenciámos todo o hemiciclo de
auto-conhecimento (o Hemisfério Nocturno) e uma boa parte da experiência com os
outros (Terceiro Quadrante). A nossa identidade sofreu importantes crises
transformativas e delas conseguimos extrair um significado maior.
Entramos então no Quarto e último Quadrante, no qual o foco de expressão do
indivíduo vai ser primariamente colectivo, resultado de uma transformação pessoal e
pessoal-social anteiror.
Resta-nos agora pôr toda esta experiência ao serviço do Colectivo, tarefa que
levaremos a cabo no conjunto de casas deste último quadrante.
O signo que se encontra no Meio do Céu indica o modo como gostaríamos de ser vistos
pela sociedade; sugere qualidades e modos de expressão pelas quais gostaríamos de
ser lembrados.
São temas que valorizamos a ponto de exibirmos publicamente - é a nossa máscara
(persona) social.
Indica a forma como nos descrevemos quando queremos mostrar-nos no nosso
melhor; é através das qualidades associadas a este signo que queremos ser admirados
e respeitados, são, por isso, qualidades que queremos ter e mostrar perante a
sociedade.
Casa X
Casa Angular de Terra - Acção concreta, material
Sendo uma casa de Angular e de Terra, indica primariamente a nossa capacidade de
integração, estruturação e realização perante o social. Mostra o momento em que
temos reconhecimento social (oposta à casa IV em que a estruturação era individual).
É a casa onde nos vemos como seres sociais.
É o momento de projectar perante a Sociedade tudo que integrámos como estruturaraíz (Casa IV): neste sentido, podemos afirmar que "a copa da árvore (Casa X) começa
a dar os seus frutos".
Sendo a última Casa de Terra, a X representa o culminar funcional do nosso eu
individual; indica de que forma projectamos na Sociedade os recursos que
reconhecemos e aprendemos a gerir na II e que aperfeiçoámos e rentabilizámos na VI.
Indica, assim, a nossa projecção e influência na Sociedade e nos processos sociais, o
"status", a carreira, a ambição, a vocação. Dá também indicações sobre a nossa
capacidade de realização pessoal. É a capacidade de estruturar e influenciar a
sociedade (casa X) através de leis e princípios éticos (casa IX).
Define também aquilo que representamos para a Sociedade, a nossa imagem social.
Casa XI
Casa Sucedente de Ar - segurança social e intelectual
Nesta casa vivemos a possibilidade de nos integrarmos num esquema ainda mais vasto
do que a própria imagem social.
É a área de vida onde as nossas conquistas sociais (Casa X) se relativizam perante a
Humanidade. A nossa posição social tem aqui a possibilidade de integrar-se com as
ideologias e correntes de pensamento colectivas.
Na Casa XI vivenciamos, portanto, uma ânsia de ir além da identidade individual, de
nos vermos como parte de uma "moldura conceptual" maior que os nosso limites
individuais. Aqui, vamos procurar ser criativos mas agora num contexto colectivo e não
individual (e não individual, como acontecia na casa oposta, a Casa V).
Assim, a casa XI mostra:
- como funcionamos enquanto parte de um todo maior (grupos, associações,
corporações, conglomerados, etc.).
- o tipo de amigos e o tipo de grupos com que nos envolvemos.
- de que forma estabelecemos a ligação com a "mente colectiva": a nossa capacidade
de captar os grandes conceitos e arquétipos.
Nesta área de vida, vemo-nos como seres criativos individuais, integrados num todo
maior (o grupo, a Humanidade). Relaciona-se com o estágio em que somos capazes de
comunicar a nível global.
A Casa XI rege a nossa atitude relativamente à realização e sucesso social ou à sua
falta, a capacidade de reformular e transformar a Sociedade do seu tempo. Tem a ver
com sonhos, visões, imaginações a projectos de carácter humanitário, idealista e
mesmo utópico.
Casa XII
Casa Cadente de Água - conhecimento/aprendizagem emocional e para a
Alma
Nesta última Casa de Água dá-se a integração emocional das experiências de todo o
mapa. Representa o mergulho nas memórias do inconsciente.
A Casa XII indica o tipo de experiências através das quais alcançamos o que de mais
íntimo e profundo existe em nós; é o momento do confronto do Eu consigo mesmo.
Pode ser vivenciada como experiência mística ou onírica, meditação, dádiva, rendição
e entrega perante algo maior que o ser. Todos os factores nela contidos são
vivenciados de forma interior e subjectiva.
Esta casa refere-se a tudo o que diz respeito à vida anímica e interna: é através dela
que temos acesso ao inconsciente colectivo, com os seus mitos intemporais - é onde
tocamos o "sentir colectivo".
Do ponto de vista tradicional, é também a casa do carma (juntamente com a VIII) e a
casa dos inimigos ocultos. Está ainda associada a hospitais, prisões e asilos, sendo
considerada a casa do isolamento e das "prisões emocionais". Perante o isolamento, a
reclusão e o silênco interior, poderemos perceber o sentido da vida; encontrarmo-nos
a nós mesmos; fazer contacto com o nosso verdadeiro Eu, a Alma.
Só depois deste mergulho no Todo poderá, mais tarde, surgir um verdadeiro
renascimento.
A XII representa, por isso, a dissolução que antecede o renascimento; é o "eu
subjectivo", interior, inconsciente, enquanto a Casa I representa a manifestação
obectiva, exterior e consciente da identidade.
Nota: Os textos apresentados constituem uma primeira abordagem, muito
simplificada. Para uma completa compreensão do Ascendente, há que levar
em contra muitos outros aspectos, que serão estudados futuramente.
Os Planetas nas Casas: 1 a 6
CASA 1
Planetas na Casa I indicam funções úteis ao processo de descoberta do nosso
verdadeiro Eu. Representam a nossa "maneira de ser" mais imediata, o tipo de
interacção primária que temos com o Mundo. Indicam também o tipo de atitude
imediatamente visível, aquilo que nos "sai sem pensar".
Assim, se na Casa I estiver ...
O Sol: Projecção imediata da identidade. Capacidade natural de irradiação de energias.
A tradição atribui a esta posição planetária uma expressão aberta, franca e irradiante
e, por vezes, cabelos fortes e ondulados.
A Lua: Capacidade instintiva de adaptação ao meio ambiente; a impressão geral é de
macieza e adaptabilidade. O aspecto físico, especialmente a expressão do rosto, pode
ser tão apelativa como o de um bebé.
Mercúrio: Comunicação e vivacidade. A atitude geral pode ser dispersa, curiosa e
animada. Pode começar várias coisas ao mesmo tempo, ou fazer muitas mudanças de
percurso. A tradição astrológica associa esta posição planetária a uma figura esguia,
delgada e frágil, com feições miúdas e olhos vivos.
Vénus: Um aspecto agradável, por vezes refinado, pode marcar esta posição
planetária. Quer agradar e necessita de estar em relação com os outros. Segundo a
tradição, a figura é agradável, proporcionada e roliça, com pele morena e cabelos
escuros e lisos.
Marte: Assertividade, frontalidade, impaciência. Postura de combatividade natural. A
tradição atribui a esta posição planetária uma figura angulosa, com cabelo
avermelhado ou ruivo.
Júpiter: Boa disposição, bonomia, optimismo. Expansividade natural. Tendência a
engordar, rosto grande, lábios cheios.
Saturno: Abordagem cautelosa, retraída e por vezes desconfiada. A figura tende a ser
esguia e seca, com rosto melancólico e olhos de expressão triste.
Urano: Impulso para ser diferente e único, grande individualismo. A figura pode ser
original, às vezes irreverente e excêntrica.
Neptuno: Expressão difusa, misteriosa. A imagem que o indivíduo projecta é vaga e
difícil de definir. Pode haver uma grande expectativa associada à expressão pessoal. A
sensibilidade, muito apurada, torna-se facilmente susceptibilidade.
Plutão: Presença forte, poderosa, incontornável. Concentração de energias. Pode
haver uma interessante combinação de intensidade e reserva. O aspecto físico pode ter
qualquer coisa de inquietante. Pode passar por grandes alterações físicas ao longo da
vida.
CASA 2
Planetas na Casa II indicam aspectos em que devemos ganhar valor, ou que temos de
aprender a valorizar e gerir. Mostram a forma como lidamos com o mundo material e
com o sentimento de "ter".
Se na Casa II estiver ...
O Sol: O sentido de identidade é muitas vezes alcançado pela auto-valorização. O
indíviduo identifica-se com aquilo que realiza, constrói, adquire. A atitude geral é "sou
aquilo que tenho/obtenho/acumulo".
A Lua: A segurança material e o sustento são necessidades primárias. Pode haver
grande apego à figura materna, devido à sua capacidade de nutir e sustentar. Os
valores e recursos são muitas vezes experimentados a partir de um sentimento de
carência e insuficiência.
Mercúrio: As comunicações e trocas de toda a espécie estão imbuídas da ideia de
valor e recursos. Pode haver uma constante pesagem de "perdas e ganhos". Mercúrio
assume o seu papel de "comerciante". Pode haver uma certa versatildade ao lidar com
recursos. Muitas vezes, a capacidade de comunicar e a agilidade mental são encaradas
como fontes e auto-valor ou fontes de lucro (escritores, por exemplo).
Vénus: Há uma afinidade natural entre este planeta e a Casa II. O sentido de posse e
a apreciação estética passam a estar intimamente ligadas: adquire coisas bonitas,
confortáveis e "emocionalmente agradáveis". Os relacionamentos podem também ser
encarados como "aquisições" de valor
Marte: Toda a área de posses e gestão de valores está directamente ligada à acção,
luta e agressividade. Pode haver uma competitividade acentuada na aquisição de
recursos pessoais. A tendência será valorizar tudo o que tiver sido conquistado pela
acção e luta (o tipo de luta vai ser indicado pelo signo).
Júpiter: A segurança material e o auto-valor são áreas em que existe optimismo e àvontade. Esta facilidade natural em lidar com valore se posses pode levar a "golpes de
sorte" e consequente enriquecimento, mas pode também gerar exageros, perdas
desnecessárias e atitudes e avidez material.
Saturno: Todo o tema dos valores e das posses está imbuído de forte cautela e
pessimismo. O receio de "não ter" ou de perder subitamente o que se tem pode levar a
atitudes de poupança exagerada (avareza) ou, no extremo oposto, recusa em lidar
com questões materiais. Em ambos os casos, o desafio de Saturno, é o de aprender a
gerir responsavelmente valores e recursos.
Urano: A individualidade e o direito à diferença podem ser valores fundamentais. As
fontes de rendimento podem ser diferentes do comum, inesperadas ou excêntricas.
Neptuno: O valores podem ser vividos como uma grande expectativa. Há uma
indefinição de geral de valores que muitas vezes se expressa por uma confusão entre
ideais (geralmente de pendor "espiritual") e valores concretos.
Plutão: Necessidade compulsiva de ter e acumular recursos. Há uma tendência muito
precoce de prover o seu próprio sustento, pois o poder pessoal expressa-se na área do
auto-valor.
CASA 3
Planetas na 3ª casa dão-nos indicações sobre a maneira de comunicar, as formas de
aprendizagem e o tipo de informação que valorizamos.
Descrevem a maneira como vivenciamos o ambiente exterior, as qualidades que lhe
atribuímos e a impressão subjtectiva que dele retiramos.
Se na Casa III estiver ...
O Sol: A identidade expressa-se no meio próximo, nas comunicações simples do dia-adia. Identifica-se com a informação que recebe e transmite; conhece-se através da
troca de ideias, da curiosidade, das conversas ligeiras.
A Lua: As inseguranças e carências manifestam-se no contacto com o meio
envolvente. Precisa de escrever ou falar das suas emoções - em situações de stress,
pode até agir como um "falador compulsivo". Sensibilidade ao meio imediato,
adaptabilidade.
Mercúrio: Há uma afinidade natural entre este planeta e a Casa III. Curiosidade,
versatilidade, gosto pela aprendizagem e capacidade de troca de informação (escrita
ou falada).
Vénus: Procura de harmonia e situações agradáveis nas comunicações do dia-a-dia.
Expressa encanto e sedução quando fala ou escreve. Pode ter gosto pela
aprendizagem. Aprende através da empatia.
Marte: Confere alguma agressividade e assertividade à comunicação: oscila entre a
expressão directa e incisiva e o estilo defensivo e sarcástico. A comunicação e a
aprendizagem, podem ser vistos como "campos de batalha".
Júpiter: Comunicação expansiva e optimista. Gosto pela aprendizagem. Expressa
ideais, procura um "sentido maior" para as coisas do quotidiano. Pode cair em
exageros e impor opiniões com simpatia mas também com algum dogmatismo
Saturno: Comunicação retraída e defensiva. Tende a ver os defeitos do "ambiente",
sem reparar nas virtudes. A aprendizagem pode ter sido sentida como pesada, morosa
e complicada. Pode desenvolver uma capacidade de pensamento estruturado e
ordenado.
Urano: Rapidez mental, originalidade e por vezes excentricidade. Capacidade
inventiva. Gosto por assuntos diferentes, novass abordagens e métodos de ensino. A
necessidade de ser diferente pode levar ao "espírito de contradição".
Neptuno: Expressão vaga, nebulosa e indefinida. Grande sensibilidade ao ambiente:
capta as coisas por "osmose". Pode ser imaginativo, sonhador e disperso, mas também
"perdido", "desligado" e ineficaz.
Plutão: Intensidade e poder ligados à comunicação. A palavra pode ser muito
penetrante e, nalguns casos, ter um certo poder destrutivo. Os processos de
aprendizagem e comunicação com o meio podem ser coloridos por alguma teimosia ou
mesmo obsessividade.
CASA 4
Planetas nesta casa descrevem a vivência do lar de origem. Representam aspectos do
ser que que podem estar condicionados por experiências de infância. Estes aspectos
são vivenciados no íntimo, no refúgio do lar. A proposta será fazê-los passar do estado
de "latência" para o de expressão.
Se na Casa IV estiver ...
O Sol: A identidade pode ter sido profundamente marcada pela infância e pelo meio
familiar em geral. Esta fase de crescimento será sempre uma referência (agradável ou
desagradável). Para "crescer", há que passar por um processo de "emancipação" do
meio familiar.
A Lua: Há uma afinidade natural entre este planeta e a Casa IV. A vida emocional está
intimamente ligada ao lar. Há uma necessidade de refúgio e de introspecção que
"alimentam" a equilíbram as emoções. Pode existir um forte apego à imagem materna.
Mercúrio: Os processos de comunicação e a aprendizagem podem ser vividos de
forma reservada e introvertida. É na intimidade, quando os sentimentos de confiança e
intimidade estão presentes, que o indivíduo comunica de forma mais activa.
Vénus: O sentimento de valor e a capacidade relacional atingem a sua máxima
expressão na intimidade. Grande valorização do ambiente de família e do próprio lar.
No ambiente de infância pode ter havido uma figura particularmente agradável,
empática e afectuosa.
Marte: É nas situações de segurança e intimidade que o indivíduo consegue
manifestar a sua assertividade e até a sua agressividade. Por este motivo, pode haver
confrontos e lutas interiores, que geram irritabilidade. Uma das figuras do ambiente de
infância pode ter demonstrado alguma agressividade (não necessariamente de forma
negativa).
Júpiter: É na intimidade que o indivíduo se expande e busca conforto. Pode ter havido
algum aspecto filosófico ou idealista na infância. Pode também haver uma grande
expectativa em relação à família, que nem sempre se cumpre.
Saturno: Medos e restrições sentidos muito cedona vida. O lar de infância pode ter
sido rígido e "seco". A infância pode ter sido marcada por responsabilidades precoces.
Desta situação surge uma postura de retraimento e fuga às emoções
Urano: Cortes e rupturas no lar de infância. O início de vida pode ter sido muito
instável e cheio de situações imprevisíveis. Pode haver uma grande necessidade de
liberdade, que é vivida de uma forma subjectiva e interiorizada.
Neptuno: Lar de infância instável, pouco estruturado ou mesmo caótico. Idealização
do "lar perfeito", nostalgia da "infância perdida". Apego inconsciente ao lar. Pode haver
um sentimento de ausência ou a idealização de um dos pais
Plutão: A vida interior é palco de profundas crises emocionais. Pode ter havido alguma
figura de poder que marcou a infância. O indivíduo busca poder pessoal na família e no
lar. É também aqui que se confronta com as suas maiores transformações
CASA 5
Planetas nesta casa são projectados de uma forma criativa, teatral, lúdica; são
expressos através da afirmação de identidade. Para algumas pessoas, são veículos de
criatividade e de auto-afirmação; para outras, podem ser "projectados" nos filhos.
Se na Casa V estiver...
O Sol: Há uma afinidade natural entre este planeta e a Casa V. O sentido de
identidade atinge a sua máxima expressão nesta casa. A expressão pessoal é de um
modo geral energética e intensa.
A Lua: Muitas das inseguranças pessoais estão ligadas à expressão da identidade.
Expressa-se como forma de compensar carências afectivas. Necessidade emocional de
aceitação pelos outros.
Mercúrio: A expressão verbal e a comunicação encontram na Casa V uma via de
expressão privilegiada. Muito do sentido de identidade da pessoa advem da
comunicação e do pensamento que pode eventualmente assumir uma expressão
poética ou artística.
Vénus: O sentido e valor e dos relacionamentos está directamente ligado à
criatividade. A capacidade estética pode ser muito acentuada. Gosta de seduzir e
encantar.
Marte: Aspecto conquistador e aguerrido na expressão do "eu". A criatividade pode
ser um "campo de batalha" onde dá largas à combatividade e à competição.
Júpiter: Vive a criatividade como um campo de expansão e idealismo. Há uma certa
exuberância na expressão, podendo mesmo passar pelo exagero.
Saturno: Receio de se expressar plenamente. A manifestação criativa está associada à
dificuldade, podendo, por isso, ser reprimida. Pode sentir que a sua capacidade de
expressão é limitada.
Urano: A expressão criativa é diferente, inconvencional e inovadora, mas por vezes
torna-se desconexa e até chocante. Pode identificar-se com a imagem do rebelde.
Neptuno: Quer expressar o absoluto, a totalidade da experiência. Projecta sonhos e
ilusões na sua expressão. Pode ser muito criativo, mas também vago e indefinido.
Plutão: É na área da criatividade que enfrenta os maiores desafios de transformação.
É também aqui que tem os maiores apegos. A criatividade e do poder pessoal
dependem directamente da capacidade de transformação emocional.
CASA 6
Planetas nesta casa mostram aspectos da individualidade que são normalmente vividos
de modo produtivo e eficiente. Definem também a forma de estar no mundo do
trabalho e dão indicações sobre o tipo de trabalho mais adequado.
Se os planetas nesta casa forem usados de forma desequilibrada, podem representar
bloqueios ou questões de saúde.
Se na Casa VI estiver ...
O Sol: Conhece-se através do que é capaz de produzir. A identidade expressa-se de
forma prática e funcional. Por vezes há uma vocação para o serviço. Identifica-se com
o aquilo que faz.
A Lua: O ambiente de trabalho pode ser uma área carregada de emoções.
Inseguranças quanto à eficiência pessoal. Pode ser atraído por profissões do tipo
"maternal" e encarar as relações de trabalho como uma continuação da família.
Mercúrio: Atitude viva, curiosa e comunicativa no ambiente de trabalho. Adapta-se
bem a empregos onde possa falar, estabelecer contactos e cumprir várias tarefas
diferentes. Precisa de diversidade e estímulo intelectual no trabalho.
Vénus: As relações pessoais e a noção de valor encontram no trabalho uma área de
expressão privilegiada. Gosta de harmonia no ambiente de trabalho. Há uma
componente afectiva no relacionamento com os colegas. Por vezes, pode até escolher
uma área de trabalho ligada à arte, à estética ou às relações humanas.
Marte: Atitude afirmativa, por vezes bélica, no ambiente de trabalho. Tende a impôrse. Tende a escolher empregos onde possa usar a assertividade e pode aspirar a
posições de comando. Gosta de acção, "luta" e competição.
Júpiter: A boa disposição e o optimismo marcam o ambiente de trabalho. Acredita que
"tudo está bem". Por vezes projecta excessivamente as suas crenças e ideias no
emprego. Qualquer rotina de limpeza e "purificação" pessoal - dietas, exercícios, yoga,
etc. - pode tornar-se numa "filosofia de vida" ou mesmo numa cruzada pessoal.
Saturno: O ambiente de trabalho pode ser visto como limitativo, pesado e, nalguns
casos, assustador. Alguns indivíduos começam a trabalhar muito cedo, enquanto
outros evitam ter emprego fixo. Em ambos os casos , a responsabilidade e o dever são
factores de peso. O mundo do trabalho contribuirá para o amadurecimento e a
responsabilidade pessoal.
Urano: O ambiente de trabalho pode ser marcado pela diferença e a originalidade. Há
uma grande necessidade de movimento e inovação nesta área. Detesta a rotina.
Neptuno: Situações confusas, mal-entendidos e ilusões tendem a marcar o mundo
laboral. Contudo, é também nesta área que poderão ser vividas situações de grande
idealismo, devoção e dádiva.
Plutão: O poder pessoal está fortemente ligado ao trabalho. Há um impulso (por vezes
inconsciente) para dominar e tomar controlo dessa área de vida. As situações de
serviço e o emprego podem ser potenciais áreas de transformação.
Nota: Esta é apenas uma abordagem inicial e sintética. Para um estudo completo,
seria necessário acrescentar muitos outros factores.
Os Signos nas Casas: 7 a 12
CASA 7
Planetas em VII expressam-se estabelecendo laços de contacto com o outros.
Funcionam através dos relacionamentos. Definem não só como nos relacionamos, mas
também o tipo de pessoas que atraímos nos nossos relacionamentos.
São qualidades que vivenciamos através do outro, como se o relacionamento fosse um
espelho através do qual nos conhecemos.
Se na Casa VII estiver ...
O Sol: A identidade é vivida através dos relacionamentos. O individuo tende a definirse à medida das suas parcerias e contactos sociais. Os outros tornam-se "espelhos"
onde a identidade se vê reflectida.
A Lua: Necessidade de estar com os outros. A segurança emocional passa pelos
relacionamentos e pela aceitação social. Pode procurar relações onde protege e/ou é
protegido.
Mercúrio: A comunicação e a diversidade são factores determinantes nas parcerias.
Há uma vertente de estímulo mental e de troca de idéias. Tende a procurar uma certa
"juventude" e amizade nos relacionamentos.
Vénus: Nesta casa Vénus atinge a sua expressão máxima. A busca de harmonia e
estética é vivida através da relação. A empatia e troca são valores fundamentais.
Procura parceiros agradáveis e sociáveis.
Marte: A competição, a "luta" e o desejo são factores importantes na relação. Prefere
parceiros activos dinâmicos e assertivos. Um toque de rivalidade pode marcar a
relação e ajudar a mantê-la viva.
Júpiter: Os relacionamentos e os contactos sociais são motivo de expansão e prazer.
As parcerias revestem-se de um ambiente de optimismo e bem-estar. Há uma
tendência para projectar valores éticos e ideais no parceiro.
Saturno: Os medos e limites pessoais são vividos principalmente através das relações.
O outro pode personificar algo de assustados, limitativo e opressivo. Há uma tendencia
a procurar estrutura e suporte nos relacionamentos o que leva muitas vezes a
relacionamentos com pessoas mais velhas ou mais "maduras". As parcerias tornam-se
oportunidades de crescimento pessoal.
Urano: Uma postura desafiadora e até rebelde marca os relacionamentos pessoais.
Pode escolher parceiros originais e criativos, mas também excêntricos e imprevisiveis.
Todas estas situações podem esconder o medo de ficar preso no relacionamento
"convencional".
Neptuno: Projecta sonhos e anseios nos relacionamentos. As parceiras adquirem um
tom "mistico" e romanceado que encanta mas também ilude. Através de desilusões o
indivíduo aprende a amar de forma equilibrada, sem precisar de oscilar entre os papeis
de "martir" ou "salvador".
Plutão: O poder pessoal é projectado no relacionamento. Há uma grande necessidade
de estabelecer parceiras com forma de garantir a sua estabilidade emocional. Pode
atrair parceiros poderosos, intensos e magnéticos com quem desenvolverá relações
potencialmente transformadoras.
CASA 8
Os planetas nesta casa representam factores da personalidade que estão
condicionados por factores exteriores ou por motivações pessoais inconscientes. Por
vezes, estes factores são vividos através de jogos de poder e manipulação. Outras
vezes, tornam-se factores de transformação, devido à forte carga emocional que
transportam.
Planetas na VIII podem também representar aspectos do ser que estão ocultos e que
poderão vir a ser transformados.
Se na Casa VIII estiver ...
O Sol: O sentido de identidade está directamente ligado ao poder pessoal. Há uma
compulsão para resguardar a identidade, evitando a exposição excessiva. As crises
emocionais poderão ajudar a revelar e a transformar as motivações inconscientes.
A Lua: Há uma enorme sensibilidade e uma espantosa capacidade de perceber (de
forma quase instintiva) as relações de poder. A vida emocional é muito intensa. Pode
haver um forte apego a uma figura feminina.
Mercúrio: Curiosidade inata perante os assuntos ocultos e as questões de poder. A
comunicação e a aprendizagem têm uma vertente emocional, com um toque de
manipulação. Pode ter uma grande profundidade de pensamento.
Vénus: Valoriza a intensidade emocional, especialmente na relação com os outros.
Pode, por isso, ser atraído por relacionamentos intensos, de cariz dramático e
manipulador. Devido à sua forte carga emocional, estes relacionamentos podem
também ser potencialmente transformadores.
Marte: A acção e a afirmação pessoal são determinadas por um forte (mas
inconsciente) desejo de poder. Pode proceder de forma secretiva, sem revelar todo o
curso de acção. A sexualidade assume sempre um papel muito importante na vida. Os
desejos são intensos e por vezes difíceis de controlar.
Júpiter: A intimidade é um campo de expansão pessoal e prazer. Pode haver uma
capacidade inata de reconhecer o que de melhor existe nos outros e de compartilhar
esses valores. Quando em desequilíbrio, tende a apoiar-se excessivamente nos valores
e emoções dos outros.
Saturno: A transformação pessoal e os relacionamentos intensos são vistas como
potencialmente ameaçadoras. Há algum receio na vivência da sexualidade e da
afectividade. Os jogos de poder também causam reservas e medos.
Urano: Necessita de liberdade, especialmente a nível emocional, mas nem sempre a
alcança, devido a medos e restrições inconscientes. Pode experimentar situações
diferentes e inesperadas na área da sexualidade.
Neptuno: Sensibilidade psíquica, que por vezes causa mal-estar e transtornos. Pode
haver uma grande expectativa nas áreas do oculto e da sexualidade. O envolvimento
íntimo pode ser revestido de grande idealização e expectativa.
Plutão: As questões de poder pessoal revestem-se de uma importância fundamental.
A sexualidade é experienciada como algo secreto e profundamente transformador.
CASA 9
Planetas nesta área do horóscopo representam o modo como vivemos as experiências
filosóficas, éticas, religiosas, etc.
Dão também indicações sobre aquilo em que acreditamos e a atitude perante o ensino
superior e a religião. Num certo sentido, representam a imagem que temos da
Divindade.
Se na Casa IX estiver ...
O Sol: Identifica-se com aquilo em que acredita. Pode ter uma perspectiva autoreferenciada para vivenciar todos os conhecimentos e formas de estar na vida.
A Lua: Comunica os seus ideiais de forma emotiva e, por vezes, um pouco imatura.
Por vezes tem alguma insegurança em relação àquilo que sabe, pelo que poderá
tornar-se demasiado opinativo.
Mercúrio: Curiosidade, gosto pelos estudos superiores, especialmente se envolverem
assuntos ligados ao estrangeiro. Os temas ligados à filosofia e à aprendizagem podem
ser aspectos privilegiados da comunicação.
Vénus: Os relacionamentos, a expressão de afectos e os valores pessoais são
inconscientes e indiferenciados. Pode gerar confusões nos relacionamentos. Pode ter
também uma profunda capacidade de aceitação e de empatia.
Marte: A acção e a expressão sexual são difusas e inconscientes: envia fortes
"mensagens" de carácter sexual, afirmativo ou agressivo sem disso se aperceber. Pode
ter espírito de sacrifício em prol de uma causa.
Júpiter: Ideais profundos mas vagos e indefinidos. Grande projecção emocional nas
crenças e nas questões de fé. Quando bem integrada, esta configuração pode
representar inpiração e "boa fortuna".
Saturno: Receios inconscientes podem causar rigidez e "paralizar" grande parte da
personalidade. Dificuldade em lutar contra as próprias limitações, porque as
desconhece. No sentido positivo, confere estabilidade e responsabilidade interior, que
podem ser usadas como "ferramentas" para ajudar os outros.
Urano: Sensibilidade geral às correntes ideológicas colectivas. Pode ter fortes
"insights". Inquietude interior. O sentido de liberdade é vago e indefinido. Pode
"sufocar dentro de si mesmo".
Neptuno: Profunda receptividade e sensibilidade às correntes emocionais do colectivo.
Pode não saber distinguir entre as suas emoções e as dos outros. Dificuldade em
diferenciar entre realidade e fantasia.
Plutão: Dificuldade na expressão do poder pessoal, que pode ser exercido de forma
inconsciente ou "ilícita". Profunda capacidade de "limpar" e regenerar as vivências
inconscientes.
Nota: Esta é apenas uma abordagem inicial e sintética. Para um estudo completo,
seria necessário acrescentar muitos outros factores.
CASA 1 /Ascendente
Ver artigo: Os Signos Ascendentes
CASA 2
Carneiro: Os valores são geridos de forma aguerrida e impulsiva. Pode haver
precipitação, necessidade de competir e de agir. É imediatista: valoriza a rapidez e o
imediato.
Touro: Quando o segundo signo está na segunda casa, temos uma sobreposição de
energias semelhantes. O valor pessoal está muito associado àquilo que se tem. Pode
haver uma grande ênfase em questões de estabilidade material.
Gémeos: Os valores têm um teor muito conceptual: manifestam-se mais no plano das
ideias do que no concreto. Há uma atitude geral de ligeireza, versatilidade e
desprendimento ao lidar com posses e gestão de valores.
Caranguejo: Associação emocional aos valores: há que "garantir todas as faltas",
"manter o celeiro cheio" e "trazer comida para a mesa". Necessidade de manter na
ordem e preservar. Pode valorizar as coisas antigas (tipo "herança de família") ou as
tradições em geral.
Leão: O valor está directamente ligado à identidade. Pode procurar a qualidade e a
grandeza naquilo que adquire, chegando por vezes à pompa e ao luxo. Por outro lado,
pode haver muita generosidade e capacidade de dádiva ("irradia").
Virgem: Abordagem analítica e cuidadosa com os recursos. Necessidade de controle,
aperfeiçoamento e catalogação de bens, recurso e valores. Pode haver uma vertente
"comerciante" e "contabilista" na forma como vive as posses.
Balança: Valorização dos relacionamentos e de tudo o que é harmónico, belo e
equilibrado. Por estar muito ligado aos outros, a noção de auto-valor pode ser
flutuante e, em casos extremos, pode até tornar-se dependente da "aprovação social".
Escorpião: Vivência profunda e intensa de tudo o que valoriza e pode compartilhar.
"Agarra-se" com tenacidade, identificando-se profundamente com o que possui. Esta
identificação pode levar a situações de perda que, por sua vez, iniciam processos de
transformação.
Sagitário: Valores associados à aventura, à exploração e ao que "está longe". Forte
projecção idealista nas questões de posse: pode usar o que tem para valorizar aquilo
em que acredita.
Capricórnio: Postura séria e responsável perante valores e posses. Pode valorizar a
estrutura e a ordem. Componente de planeamento e estratégia que pode levar a uma
atitude frugal ou mesmo "espartana".
Aquário: Podem viver situações de instabilidade a nível de posses e recursos: agora
tem, agora não tem. A própria noção de auto-valor pode estar intrínsecamente ligada
à capacidade de ser diferente e original. Partilha de recursos, principalmente a nível
grupal.
Peixes: Difuso e disperso: não tem a noção exacta do que possui e do que vale.
Dificuldade em lidar com limites e barreiras. Valoriza o despojamento e a humildade.
Pode culpabilizar-se por "ter coisas" e tentar fugir através da dádiva indiscriminada.
Sensibilidade para a falta de recursos alheios.
CASA 3
Carneiro: Comunicação rápida, directa, precipitada. A interacção com o meio
ambiente é feita de uma forma assertiva e por vezes agressiva. Aprende de uma forma
competitiva.
Touro: Comunicação estável e melancólica. Aprende de forma lenta, mas "sólida". Há
uma procura de estabilidade e segurança na relação com o meio próximo.
Gémeos: Quando o terceiro signo está na terceira casa temos uma sobreposição de
energias semelhantes. A comunicação é variada e dinâmica. Aprende atravéz da troca,
da expressão de ideias. Versatilidade e adaptabilidade ao meio ambiente.
Caranguejo: A comunicação tem um teor emotivo. Precisa de um ambiente
confortável e protector. A aprendizagem faz-se através de associações emotivas
(memória). Componente imaginativa bastante forte.
Leão: Comunicação radiante e calorosa. A expressão escrita e falada pode ser um dos
principais meios de projecção da identidade. Há uma tendência para se impôr no meio
ambiente. A aprendizagem faz-se através da identificação com os assuntos que
comunica.
Virgem: Comunicação cuidada e inquisitiva. A aprendizagem faz-se através da
organização metódica e categorização dos assuntos. A utilidade da informação é muito
importante para o indivíduo. A relação com o meio ambiente baseia-se na observação,
critica e funcionalidade.
Balança: Comunicação harmoniosa e cordial. A aprendizagem tem um teor clássico e
baseia-se muito no relacionamento com o professor/formador. A expressão com o
meio ambiente é bastante relacional e diplomática. Há uma preocupação estética na
comunicação em geral.
Escorpião: Comunica com intensidade, por vezes com secretismo. Porque projecta
fortes cargas emocionais no meio próximo, pode sentir necessidade de controlá-lo. A
emoção e o sentimentos são factores muito presentes na expressão falada e escrita.
Sagitário: Comunicação expansiva e "bem-disposta". Há uma procura de valores
sociais e ideais no meio ambiente. O contacto com pessoas de diferentes meios e
culturas pode ser comum. A aprendizagem é vivida com paixão.
Capricórnio: Comunica com sobriedade e reserva. Aprende de forma paciente,
estruturada e ordenada. Pode ter tendência a "hierarquizar" a informação, de acordo
com a sua própria escala de importâncias
Aquário: Comunicação inventiva, muito ideológica. Pode ser "desligado" do meio
ambiente. Procura contrastes e abordagem diferentes no processo de aprendizagem.
Peixes: Comunicação emotiva, empática. Identifica-se emocionalmente com aquilo
que diz. Aprende através de uma ligação afectiva com os assuntos. Pode ser vago e
disperso em relação ao meio ambiente. Pode também ser muito imaginativo.
CASA 4 / Fundo-do-Céu
O signo que se encontra no Fundo do Céu mostra a "raíz" do ser, o que somos no
íntimo. Dá também indicações sobre o tipo de ambiente de infância e sobre o nosso
conceito de lar.
Carneiro: independência no ambiente familiar; a família como conjunto de indivíduos
dinâmicos e "competitivos", que por vezes se confrontam.
Touro: ligação à Terra, estabilidade interior, valoriza tradições familiares; lado
"caseiro", lar estável, elegante e confortável.
Gémeos: comunicação associada à família; diversidade, por vezes dispersão e
inquietação; pode ter vários lares.
Caranguejo: tradição familiar; lado sentimental, apego à segurança emocional da
intimidade; a casa tem de ser um refúgio, um "ninho".
Leão: grandiosidade e resplendor associado ao lar; orgulho na familia; precisa de ser o
centro das atenções na intimidade.
Virgem: lar organizado e prático; a família como um todo funcional, arrumado e
limpo; pode trabalhar em casa (ex: uma oficina).
Balança: aspecto artístico, estético e "social" associado à casa; o "diplomata" do lar; a
família como "sociedade"; procura de paz e harmonia em casa.
Escorpião: secretismo no lar e na família; transformações emocionais na infância; o
lar como "toca" e centro de poder pessoal.
Sagitário: aspecto filosófico e ideológico associado ao conceito de família; viagens ou
vários lares na infância; casa espaçosa, com muitos visitantes.
Capricórnio: casa ligada ao "status"; infância inibida, sóbria, marcada por
responsabilidades e rigor; o lar como local de trabalho
Aquário: lar dinâmico, imprevisível, diferente; desapego; família invulgar, "os amigos
como família"; pode sentir-se desenraizado.
Peixes: idealização da família: o "paraíso perdido"; sentimento de perda, sacrifício e
vitimização; transferência dos ideiais para a família.
CASA 5
Carneiro: Expressão impulsiva e necessidade de acção no que diz respeito à
criatividade. Aspecto fogoso e aguerrido, com um espírito de conquista e de batalha
sempre presente.
Touro: A criatividade é vivida como algo construtivo. Sentido estético e de harmonia.
Expressão forte, calma e estruturada, sendo muitas vezes pontuada por momentos de
inércia e preguiça.
Gémeos: Expressão dinâmica e comunicativa, transmitindo ao exterior muitas idéias.
A criatividade - de teor mais mental e conceptual do que prático - pode tomar forma
através da linguagem.
Caranguejo: Expressão pessoal cuidadora e envolvente. Criatividade permeada por
um teor emocional forte. Apresenta, muitas vezes, um aspecto maternal e protector
Leão: Quando o quinto signo está na quinta casa, temos uma sobreposição de
energias semelhantes. Expressão criativa radiante e intensa. Necessidade de ser o
centro das atenções e de não passar desprecebido em tudo o que faz.
Virgem: Expressão cuidada e perfeccionista. Nas suas criações, dá especial atenção ao
promenor e à minúcia. Pode ter uma imagem de "limpeza" e impecabilidade na sua
interação com os outros.
Balança: Muita da expressão pessoal passa por situações sociais e de relacionamento.
A imagem social é muito importante para a pessoa fazendo parte do seu sentido de
identidade. Pode ter expressões diferentes, de acordo com os diversos grupo e pessoas
com quem convive.
Escorpião: Expressão pessoal intensa. Necessidade de segurança emocional associada
ao sentido de identidade, o que leva o individuo a ter uma postura de controle. Muitos
dos processos de transformação advem da expressão criativa.
Sagitário: A critividade e a aventura estão muito associadas. A expressão é dinãmica
e exploradora estando muitas vezes associada a um conjunto de ideais, regras e ética
pessoais.
Capricórnio: A criatividade é sóbria e estruturada, raramente sendo expontânea. A
expressão pessoal é vezes determinada e planeada pelo indivíduo, segundo o ambiente
social em que se encontra e as necessidades do momento.
Aquário: A expressão pessoal está muito rodada e ideologias pessoais. Pode haver
uma postura irreverente, individualista ou excentrica. A criatividade tem uma
expressão mais intelectual e conceptual do que prática.
Peixes: A criatividade está embuida de sentimentos e emoções tendo muitas vezes
uma forte faceta mística. A expressão pessoal procura o contacto emocional com os
outros e com o ambiente imediato.
CASA 6
Carneiro: Impulsividade, pioneirismo e determinação no ambiente de trabalho. Pode
ser impaciente e precipitado. Tendência para a competição.
Touro: Prático e pragmático. Tende a escolher áreas de trabalho convencionais, onde
possa progredir de forma segura. Gosta de coisas concretas.
Gémeos: Dinâmico, disperso e curioso. Tende a escolher trabalhos onde possa estar
em contacto com os outros e mover-se livremente. Pode experimentar diversos tipos
de trabalho.
Caranguejo: Cuidar e proteger são questões sempre presentes na vivência desta
casa. Cria ligações emocionais fortes no trabalho e tende a encarar os colegas um
pouco como "família".
Leão: O trabalho tem a ver com a expressão pessoal e a procura da identidade.
Prefere empregos onde possa "brilhar", chefiar ou, de alguma forma, expressar a sua
criatividade.
Virgem: Há uma relação natural entre o sexto signo e a sexta casa. Abordagem
metódica, precisa, pormenorizada. Gosta de funcionar com exactidão e perfeição no
emprego. Pode ser atraído por áreas ligadas ao serviço, gestão e saúde.
Balança: O contacto social é muito importante no trabalho. Há uma forte ênfase na
comunicação, harmonia e saber-estar. O relacionamento com os colegas pode ser
determinante para o sucesso nesta área.
Escorpião: Projecta uma grande intensidade emocional no mundo do trabalho. Pode
ter uma atitude secretista e pouco reveladora. As relações de poder são muito
importantes nesta área.
Sagitário: O mundo do trabalho pode ser encarado como uma aventura ou como um
campo de expressão de ideiais. Há uma atitude optimista, confiante e naturalmente
bem disposta.
Capricórnio: Estruturado, sério e ambicioso. Considera as hierarquias de poder muito
importantes. O trabalho pode ser um trampolim para alcançar um determinado
estatuto social.
Aquário: Original e criativo no trabalho, embora possa ser também irregular e
imprevisível. Trabalha bem em grupo, desde que seja reconhecida a sua criatividade
única e "diferente".
Peixes: Normalmente é vago, disperso e confuso no seu ambiente de trabalho,
embora por vezes possa dar mostras de grande eficácia e funcionalidade. Funciona
melhor em ambientes onde possa explorar a sua criatividade.
Os Signos nas Casas: 7 a 12
CASA 7 /Descendente
O signo Descendente indica o tipo de energias que nos atraem em possíveis parceiros,
e também as qualidades que precisamos de pôr em acção nos relacionamentos.
Carneiro: procura independência, autonomia, acção eacção;
pode ser conquistador, impulsivo e por vezes agressivo.
Touro: quer estabilidade, segurança emocional e a "construção"
algo duradouro; convencionalismo; sentido prático e
sensualidade.
Gémeos: procura comunicação e afinidades mentais; amoramizade; indecisão, variedade, dispersão.
Caranguejo: sprecisa de segurança, intimidade e
"familiaridade"; necessita de cuidar e ser cuidado, nutrir e ser
nutrido.
Leão: quer entusiasmo, generosidade, divertimento, brilho e
atenção; identifica-se e projecta-se na relação.
Virgem: procura uma relação perfeita, correcta e funcional;
exigência, criticismo; gosta de cuidar das necessidades práticas
do outro.
Balança: quer ter paz e harmonia nos relacionamentos,
dualidade entre excesso de compromisso e indecisão;
relacionamentos são muito importantes.
Escorpião: quer intensidade, paixão, poder e dramatismo;
relações amor-ódio; oscila entre a atitude de controlar e a de ser
controlado.
Sagitário: busca idealismo, entusiasmo e aventura nos
relacionamentos; pode projjectar demasiadas crenças e ideias no
outro; "nomadismo emocional".
Capricórnio: precisa de compromisso, respeito, estrutura,
convencionalismo, propósito social e de "status" na relação.
Emoções "sóbrias" e contidas.
Aquário: procura independência, inconvencionalismo e liberdade
na relação; dificuldade no compromisso; não gosta de se prende.
Peixes: necessita de empatia amorosa, partilha artísitia ou
espiritual; pode ter complexo de "mártir"; compassivo e idealista
mas pouco prático.
CASA 8
Carneiro: Atitude directa, rápida e um pouco precipitada
perante as situações emocionais. Por vezes, essa mesma rapidez
de reacção pode impedir o devido aprofundamento das
situações. Sexualidade impulsiva.
Touro: Pode resistir às transformações devido à sua natural
tendência ao apego e conservação. Chega a sentir avidez face
aos haveres e recursos dos outros. O desapego será
provavelmente uma das suas grandes lições de vida.
Importância da sensualidade.
Gémeos: Curiosidade muito viva e atitude "racional" perante as
situações emocionais e a sexualidade. Pode resistir ao carácter
emotivo, intenso e até irracional desta área da vida. Atitude
"leve" e brincalhona perante a sexualidade
Caranguejo: Caranguejo: Procura relações íntimas em que
estejam presentes o cuidado e a segurança. Pode transportar
para a sua sexualidade algumas memórias infantis.
Leão: É na partilha íntima que vê espelhada a sua identidade.
Sexualidade forte, onde procura ver reflectivo o seu próprio
conceito de brilho e generosidade.
Virgem: Sexualidade reservada, com uma faceta secretamente
sensual. Procura compreender em pormenor todas as questões
ligadas ao poder, à transformação pessoal e aos assuntos
ocultos.
Balança: Procura harmonia e partilha nas suas relações íntimas.
Os parceiros têm grande peso nos processos de transformação
pessoal.
Escorpião: Há uma relação natural entre o oitavo signo e a
oitava casa. As questões de partilha e transformação emocional
são vividades com grande intensidade e secretismo.
Sagitário: As crises de poder pessoal estão marcadas pela
busca de um significado maior e transcendente. O oculto e a
sexualidade podem ser vistos como áreas de descoberta e
aventura.
Capricórnio: Reserva e algumas inibições caracterizam a
atitude perante os relacionamentos íntimos. Pode procurar
relações que lhe confiram alguma espécie de estatuto social.
Aquário: Na maior parte dos casos, há uma atitude original e
um tanto excêntrica perante a sexualidade. Pode também ser
um pouco desprendido e evitar envolver-se demasiado em
questões emocionais. Nalguns indivíduos, esta reserva pode
traduzir-se por uma atitude surpreendentemente convencional.
Peixes: Extrema sensibilidade e receptividade perante as
relações íntimas. Pode atrair pessoas complicadas ou envolverse em relações onde esteja presente um elemento de caos e
redenção.
CASA 9
Carneiro: Gosta de aprender de forma rápida e directa. Pode
ser muito competitivo na sua atitude face ao conhecimento.
Touro: Aprende de forma lenta e segura, mostrando especial
interesse por conhecimentos de aplicação prática. Tem especial
interesse por filosofias de aplicação prática. Viaja por prazer.
Gémeos: Conhecimentos diversificados e versáteis. Gosta de
dissertar, conversar e aprender um pouco de tudo. Aprende
atravéz da troca, da expressão de ideias. Prefere aprender
temas de aplicação prática. Viaja para comunicar.
Caranguejo: A aprendizagem tem um teor emotivo. Aprende
melhor num ambiente confortável e acolhedor. A sua forma de
estar na vida reflecte a necessidade de dar e receber protecção.
Viaja para "encontrar as raízes".
Leão: Gosta de brilhar pela sua cultura e sabedoria. Aprende
através da identificação com os temas assuntos. Viaja para se
expressar.
Virgem: Os processos de aprendizagem são pormenorizados e
cuidadosos. Organização metódica daquilo que sabe.
Categorização dos assuntos. Dá especial importância à utilidade
daquilo que aprende. Pode ser mutto crítico.
Balança: Gosta de aprender num ambiente harmonioso e
cordial. Atracção por pessoas cultas ou pertencentes a outro
meio cultural. Gosto por filosofias de vida de teor equilibrado e
"clássico". Viaja para conhecer pessoas e partilhar
conhecimentos.
Escorpião: Intensidade e secretismo. Projecta fortes cargas
emocionais naquilo que aprende e ensina. Pode tornar-se
impositivo em relção aos seus pontos de vista. As viagens
poderão ser poderosos factores de transformação.
Sagitário: Há uma afinidade natural entre o nono signo e a
nona casa. Procura de ideias e valores abrangentes. Aprende
através do contacto com pessoas de diferentes meios e culturas.
Viaja para se identificar com horizontes mais vastos.
Capricórnio: Avança para a sabedoria de forma paciente,
estruturada e ordenada. Tendência a "hierarquizar" as pessoas
de acordo com aquilo os conhecimentos que têm. Pode ser muito
reservado e sóbrio na sua filosofia de vida.
Aquário: Aprendizagem inovadora, vanguardista e inventiva.
Pode ter uma filosofia de vida futurista. Procura abordagem e
pessoas originais. Viaja para conhecer o que é insólito e
diferente. Gosta de "viajar" no mundo das ideias.
Peixes: Emotividade e empatia têm de estar presentes no
processo de aprendizagem. Identifica-se emocionalmente com a
Sabedoria. Filosofia de vida imaginativa, humanitária e
abrangente, mas um tanto vaga e dispersa. Viaja para "perderse no Absoluto".
CASA 10 / Meio-do-Céu
O signo que se encontra no Meio do Céu indica as qualidades que valorizamos, o que
ambicionamos e também o tipo de atitude que temos perante a sociedade.
Carneiro: capacidade de liderança, energia, ambição, impulso,
pioneirismo; quer ser visto como um ser autónimo e com
liberdade de escolha.
Touro: estabilidade, capacidade de lidar com a rotina; quer ser
visto com um "construtor " fiável e ponderado; desejo de
abundância.
Gémeos: quer ser visto como um intelectual capaz de criar
"pontes" de ligação entre vários factores; poder de comunicação,
pode ter várias profissões.
Caranguejo: quer segurança e aprovação mas pode ser indeciso
e mutável; valoriza a capacidade de nutrir os outros; pode
trabalhar em casa.
Leão: ambição, identidade muito ligada ao estatuto e ao
reconhecimento público; quer mostrar força, segurança, brilho,
poder, criatividade.
Virgem: precisa de ordem no trabalho, pode ser crítico e
perfeccionista; quer ser visto como escrupuloso, organizado,
trabalhador, confiável.
Balança: ligado à estética e à ética (justiça, aconselhamento,
diplomacia, etc); valoriza a elegância e o desembaraço; pode
ligar casamento e trabalho.
Escorpião: intensidade, poder, capacidade de pesquisa;
reformista e revolucionário, usa as crises para reformar o Mundo
(ou para alcançar poder).
Sagitário: entusiasmo e fé; valoriza o conhecimento superior, o
ensino, a religião, as viagens e os intercâmbios culturais;
largueza de horizontes.
Capricórnio: ambição, convencionalismo: quer ser visto como
alguém importante, respeitável, com autoridade e estatuto
social.
Aquário: originalidade, inconvencionalismo; humanitarismo;
valoriza as acções globais, liberdade de escolha, trabalho de
grupo e profissões alternativas.
Peixes: mudanças e flutuações na profissão, que pode ser
estranha, indefinida; quer servir ou "salvar" Humanidade mas
pode ser pouco prático.
CASA 11
Carneiro: Uma atitude de assertividade, actividade, rapidez e
impaciência pode marcar a vivência grupal. Atracção por grupos
activos, inovadores, pioreiros, por vezes com um toque "bélico".
Touro: Cultiva as amizades de forma lenta e segura. Prefere as
situações amigos estáveis, de longa data, com quem compartilhe
valores sólidos e duradouros.
Gémeos: Atitude viva, curiosa e versátil face aos grupos e às
amizades. Aposta em associações onde predomine o aspecto
intelectual e a troca de ideias. Pode ter vários grupos ou preferir
amigos com "mentalidade jovem".
Caranguejo: Prefere grupos ou amizades onde estejam bem
marcados os temas do cuidado e da protecção. Pode procurar
nos grupos uma família alternativa.
Leão: A vivência grupal é sentida como irradiante, calorosa e
como fonte de energia e inspiração. Procura amigos e grupos
com quem se sinta identificado. Pode ser demasiado
egocentrado nas suas amizades.
Virgem: Há uma componente de serviço ligada às amizades.
Procura ajudar, ser útil, ter um papel definido e práticos nos
grupos e associações que frequenta. Noutras situações, poderá
olhar amigos e grupos através de um agudo criticismo.
Balança: Procura situações de equilíbrio, elegância e harmonia
nos grupos. Pode ser muito conciliador e recorrer aos seus
encantos para manter a concórdia. Em contrapartida, há
situações em que fica indeciso, chegando a tornar-se
dependente de decisões alheias.
Escorpião: Atitude profunda e emocionalmente intensa perante
os amigos. Existe uma atitude inconsciente de defesa, que pode
chegar ao controlo e à manipulação. Pode ver nos grupos o
catalizador ideal para os processos transformativos internos.
Sagitário: Gosta de grupos aventureiros, entusiastas, idealistas
e com espírito positivo. Partilha de ideais e aventuras
empolgantes com os amigos. Nalguns casos, tende a juntar-se a
pessoas demasiado opiniosas e "evangelizadoras".
Capricórnio: Vive as amizades com seriedade e reserva. Pode
ser atraído por grupos estruturados, com uma hierarquia e um
papel social bem definidos.
Aquário: Há uma afinidade natural entre o 11º signo e a Casa
XII. Atracção por grupos inovadores, diferentes e arrojados.
Amizades que começam e acabam subitamente. Pode também
mostrar-se rebelde e "diferente" perante os amigos. Precisa de
sentir-se diferente, único, original.
Peixes: A atitude perante as amizades pode ser vaga, imprecisa
mas, ainda assim, profundamente idealista. Pode ser atraído por
pessoas que precisem de ajuda.
CASA 12
Os signos que se encontram na Casa XII são, porventura, os mais difíceis de
compreender de todo o mapa natal, já que dizem respeito a vivências interiores. Para
muitas pessoas, estas energias são vividas de forma indiferenciada, parcial ou
distorcida. Quando assim acontece, manifestam-se como os "inimigos secretos" da
Casa XII, tantas vezes referenciados na Astrologia Medieval.
Existe, contudo, a possibilidade de, através da introspecção, do cresimento interior, e
da abertura a experiências espirituais, começarmos a aceder a esta área de vida.
Quando tal acontece, os "inimigos secretos" tranformam-se em tesouros interiores,
provenientes do reservatório inesgotável da Alma.
Carneiro: Os seus "inimigos secretos" são a impaciência, a
frustração e a falta de paz interior urgência. Quando entra em
contacto com a sua natureza mais profunda, estas qualidades,
até então vividas como obstáculos, passarão a conferir-lhe a
coragem e iniciativa necessárias ao crescimento espiritual.
Touro: Resiste inconscientemente à transformação interior, por
necessidade de segurança e estabilidade. O seu "inimigo" é a
tendência à inércia, que poderá, através do trabalho interior, ser
transformada em capacidade de integrar, de forma anímica, os
próprios ciclos da natureza.
Gémeos: Tem como "inimigo interior" a impaciência e a
permanente racionalização daquilo que é, por natureza,
absoluto. Estas qualidades, tão pouco favoráveis ao recolhimento
e crescimento interior, podem contudo ser transformadas numa
visão límpida das dualidades e paradoxos presentes nos
conceitos universais
Caranguejo: Uma sensibilidade inconsciente e exagerada, um
enorme apego às emoções e seguranças do passado são os seus
"inimigos secretos". Há uma tendência à indiferenciação
emocional, que pode vir a transformar-se numa grande riqueza
sensitiva e intuitiva
Leão: Encontramos aqui uma indiferenciação ao nível da
identidade, um sentimento de "não ser" que actua como
obstáculo e impede o crescimento. Este "inimigo", contudo,
poderá vir a tornar-se o maior aliado na caminhada rumo à
identificação com o todo.
Virgem: Aqui, a mente pode trabalhar sem descanso,
procurando manter bem nítidos os contornos do inconsciente.
Gera-se asism uma incapacidade de sentir/intuir conceitos
universais, que é a principal "inimiga" da vida interior. Através
da introspecção e recolhimento, pode transformar-se este
obstáculo numa sábia capacidade de descriminar, que leva ao
contínuo refinamento do Eu.
Balança: Os "inimigos secretos" podem neste caso aparecer
como pessoas próximas ou parceiros (que escolhemos
inconscientemente). Pode haver uma grande necessidade de
companhia, acompanhada da ilusão de que "os outros" nos
impedem e bloqueiam. Esta ilusão poderá vir a transformar-se
numa verdadeira capacidade de partilha de experiências e
conquistas espirituais.
Escorpião: A defensividade inconsciente e o medo da
transformação actuam aqui como poderosos "inimigos secretos".
Pode haver uma tendência para se envolver em lutas de poder,
por vezes com motivações pouco definidas. Este obstáculo pode,
contudo, transformar-se numa compreensão anímica dos ciclos
da existência e de se regenerar profundamente, a nível interior.
Sagitário: Tendência a refugiar-se numa postura de moralidade
ou espiritualidade ilusória. Os "inimigos" aqui são a excessiva
opiniosidade e a crença inconsciente de que se é "melhor do que
todos os outros". Esta postura, contudo, poderá vir a tornar-se
numa verdadeira capacidade de buscar valores internos. O falso
moralista torna-se então num "cavaleiro do Graal".
Capricórnio: Sentimentos inconscientes de tristeza, repressão,
derrota e rigidez são os piores "inimigos" nesta combinação
astrológica. Estes podem, contudo, ser transformados em
sobriedade interior e numa noção muito clara e esturutrada do
Universo enquanto hierarquia criadora.
Aquário: Medo de perder a diferença e individualidade perante
os outros. Os "inimigos secretos" são a noção de ser diferente e
um sentimento inconsciente de rebeldia. Esta pode, contudo, vir
a tornar-se numa partilha das diferenças com toda a
Humanidade, sem nunca perder o respeito pela diferença
individual.
Peixes: Os "inimigos secretos" desta combinação astrológica,
são a indiferenciação emocional e a expectativa exagerada. Pode
haver uma postura passiva, confusa e escapista, "à espera de
ser salvo". Esta passividade inconsciente poderá ser revertida
numa grande capacidade de empatia e de depuração de resíduos
emocionais do passado.
Nota: Esta é apenas uma abordagem inicial e sintética. Para um estudo completo,
seria necessário acrescentar muitos outros factores.
As Doze Casas no Mapa Natal
As casas astrológicas são o factor mais "quotidiano" do mapa natal. Enquanto os
signos tratam de arquétipos ou modos de ser e os planetas representam aspectos
pessoais e colectivos da individualidade, as casas mostram as áreas de vida humana.
Esta função, aparentemente modesta, é contudo da maior importância. As casas
mostram a que área de vida corresponde cada signo e cada planeta. Elas representam
os "campos de manifestação" das forças celestes.
É por este motivo que os mapas onde não é possível determinar o ascendente (e, por
consequência, também não se determinam as casas) são tão imprecisos e impessoais.
Relacionar as 12 casas
Para uma total compreensão das casas astrológicas precisamos de olhá-las como um
todo: nenhuma das áreas de vida ali representadas faz sentido se não tomarmos em
conta todas as outras.
Vejamos um exemplo:
A Casa V representa, entre outras coisas, a expressão criativa.
Para melhor a entendermos, devemos lembrar-nos que a Casa V é produto directo da
Casa IV (as bases emocionais, o lar e a vivência familiar na infância). Com efeito, sem
esta base interior, nada do que cria tem sentido ou "alma".
Podemos ainda considerar que a Casa V dá origem à Casa VI: a auto-expressão
criativa pode dar lugar ao trabalho de perfeiçoamento, tendo em vista uma maior
eficiência e funcionalidade. E, se quisermos ir mais longe, este apuramento pessoal
permite-nos estabelecer relações de igualdade - um assunto da Casa VII.
Voltando à Casa V, podemos também complementá-la com a casa XI, a casa oposta.
De facto, a criatividade pessoal alcançará a sua maior expressão quando for
enquadrada num contexto grupal (casa XI).
Sabemos que a Casa V é uma casa de Fogo e Sucedente (ou Fixa).
Por ser de Fogo, está ligada à expressão da identidade e pode ser relacionada com as
outras casas do mesmo elemento: a I (identidade imediata) e a IX (identidade mais
abrangente). Por ser Sucedente, indica uma tendência à estabilidade a à continuidade.
Podemos por isso relacioná-la com as outras casas sucedentes: a II (coisas concretas),
a VIII (sentimentos e inconsciente) e a XII (pensamentos e relacionamentos grupais).
O mesmo tipo de inter-relação pode ser estabelecido para todas as outras casas.
Épocas ou áreas de vida?
Para quem começa a estudar Astrologia, pode existir alguma confusão quanto à
interpretação das casas.
Devemos interpretá-las como épocas de vida ou como áreas de vida?
Na verdade, ambas as interpretações são válidas e úteis.
As casas podem ser olhadas numa perspectiva temporal, já que mostram etapas da
vida: a I indica o nascimento, a IV a infância, a X a maturidade, etc. Não obstante, as
casas continuam presentes e actuantes mesmo quando já ultrapassámos essa etapa
de vida. Por isso, podemos também considerá-las áreas de vida.
Vejamos alguns exemplos:
A Casa I representa o nascimento, a época inicial da existência. O que acontece à Casa
I na vida adulta? Na fase adulta, esta casa é indicadora de inícios e de "primeiras
impressões". Sempre que sempre que tomamos contacto com uma nova situação ou
iniciamos um projecto, estamos a funcionar na área representada pela Casa I. Na vida
adulta, ela indica a forma como iniciamos as coisas e também a nossa imagem
imediata, espontânea.
Numa outra perspectiva, a Casa IX indica a área dos estudos superiores, das viagens e
das buscas espirituais. Esta casa reveste-se de especial significado sempre que
estivermos a viver uma época de vida em que esses assuntos estejam em grande
destaque.
Esta abordagem poderá ser aplicada a todas as outras casas, tornando a interpretação
mais abrangente e esclarecedora.
Os Aspectos Astrológicos
Chamam-se aspectos aos ângulos que os planetas fazem entre si ou com eixos e
outros elementos do mapa astrológico. Quando um astrólogo diz que que o planeta
Vénus faz um aspecto de determinado tipo à Lua, está simplesmente a dizer que entre
Vénus e a Lua existe um ângulo específico. Os aspectos são muitas vezes
representados no mapa por linhas que unem os planetas.
As relações angulares entre os planetas indicam o tipo de relacionamento que existe
entre as partes da estrutura psicológica representadas por eles.
Existem vários tipos de relações angulares ou, melhor dizendo, aspectos. Estes
resultam da divisão da roda zodiacal, originando ângulos de 0º, 30º, 90º, 120º, etc.
Cada um destes angulos define um tipo de relação. Podemos então ter quatro tipos de
relação principais: de Fusão, Conflituante, Harmoniosa ou de Ajuste.
Assim temos o seguinte tipo de aspectos:
Aspecto de Fusão
A Conjução surge da divisão do Zodíaco por 1. Ocorre
quando os planetas estão num ângulo de cerca de 0º. Indica
uma fusão das caracteristicas representadas pelos dois (ou
mais) planetas envolvidos. Pode indicar uma relação
conflitante ou harmoniosa, dependendo da natureza dos
planetas envolvidos.
Aspectos de Conflito ou Dissonância
A Oposição surge da divisão do Zodíaco por 2 e relaciona
planetas em signos opostos - ângulo de 180º. Indica um
conflito por oposição dos factores psicológicos representados
pelos planetas envolvidos. Geralmente projecta-se no
exterior como um conflito de relacionamento ou vivido no
relacionamento. É na verdade um confronte entre o indíviduo
e outro "objecto" exterior a ele. Qualquer dos planetas
envolvidos pode representar o objecto e o indivíduo.
A Quadratura surge da divisão do Zodíaco por 4 e relaciona
planetas a 90º de distância, ou seja, em signos do mesmo
modo mas de elemento diferente. Indica uma tensão no
relacionamento dos planetas envolvidos, tensão que o
indivíduo vai viver como uma pressão e conflito interior.
Exterioriza-se por esforço, conquista e transformação.
Aspectos de Harmonia e Fluidez
O Trígono surge da divisão por 3, sendo, portanto, uma
relação angular de 120º. Este aspecto relaciona planetas em
signos do mesmo elemento e por isso indica uma relação
harmoniosa e fluída entre as duas (ou mais) qualidades
psicológicas. Embora seja fluído este aspecto é pouco
dinâmico e transformativo, podendo expressar-se tanto por
talento como por indolência.
O Sextil surge da divisão por 6, originando um ângulo de
60º. Este tipo de relação é também harmoniosa como a do
Trígono mas mais dinâmica, pois relaciona planetas em
signos de elementos compatíveis, embora diferentes, o que
requer alguma dinâmica funcional. Expressa-se como
capacidade de adaptação e funcionalidade.
Aspectos de Ajuste
O Semi-sextil surge da divisão por 12 e coloca em contacto
planetas em signos adjacentes (30º). Este aspecto assim
como o seu complementar, o Quincunce, tentam criar
relacionamentos entre planetas em signos que nada têm de
comum. Manifestam-se como um incómodo, um desajuste na
expressão dos factores psicológicos representados pelos
planetas.
O Quincôncio surge por complementariedade ao Semisextil: 180º-30º=150º. Indica também um ajuste mas de
natureza interna, algo que sentimos dentro de nós.
Estes dois últimos aspectos são considerados por alguns
autores "aspectos menores ou secundários" sendo os outros
"aspectos maiores".
Os ângulos não necessitam de ser exactos para serem considerados como
aspecto, cada um deles têm um determinado numero de graus de
liberdade. A este número chamamos Orbe, esta é atribuída conforme a
importência do aspecto. Eis a Orbe para cada aspectos:







Conjunção - 10º
Oposição - 10º
Trígono - 8º
Quadratura - 6º/8º
Sextil - 4º/5º
Quincunce - 2º/3º
Semi-sextil - 2º
Estas são medidas antes e depois do ângulo exacto. Por exemplo
consideramos em quadratura planetas que estejam a uma distância entre
84º e 96º (Orbe 6º).
Existem ainda outros aspectos denominados aspectos menores ou
modernos, mas cuja interpretação é muito secundária ou específica:




Quintil - 72º
Biquintil - 144º
Septil - 51,43º
Novil - 40º
A Previsão em Astrologia
Uma das mais conhecidas (e discutidas) facetas da Astrologia é a capacidade (ou não)
que esta arte tem de prever determinados acontecimentos.
Entende-se por previsão a capacidade de antever acontecimentos de uma forma muito
precisa e específica. Algo do género: "no dia tal vai tropeçar num tijolo verde, cair e
partir a perna direita". Geralmente estas previsões antevêm alguma desgraça ou
situação mais infeliz.
Considera-se actualmente que este tipo de previsão caiu em desuso, partir do princípio
que a vida humana esta predestinda, desde o nascimento até à morte nos seus mais
ínfimos promenores.
Hoje, considera-se, em Astrologia, que a "previsão" surge da compreensão da
"qualidade" do momento actual e da comparação com as potêncialidade demonstradas
na carta natal ou horóscopo. Da relação entre o momento actual e o momento de
nascimento surge a "previsão" astrológica. Com base na carta natal é depois possível
perceber que aspecto(s) da pessoa e que área(s) de vida estão em questão.
Muitas desta previsões baseiam-se em ciclos planetários e/ou simbólicos. E há em todo
o pensamento preditivo uma lógica e estrutura própria, não surge de sensibilidades ou
visões, mas sim de uma capacidade de relacionar e comprender intuitiva e
inteligentemente a interacção dos ciclos zodiacais. Nada em Astrologia se deve a
"vidências" ou "poderes fantásticos", mas sim a deduções baseadas no riquissimo
simbolismo astrológico.
Existem várias técnicas para este tipo de estudo.As mais conhecidas são os Trânsitos e
as Progressões. Existem outras como o Retorno Solar (ou mapa anual) e muitos outros
tipos de direcções e progressões simbólicas.
É importante frisar que a base de toda e qualquer previsão é o mapa natal. Se a sua
leitura for incorrecta ou este não for consultado devidamente, toda e qualquer previsão
falha e pode levar a pessoa a erros e falsas expectativas. Além disso, a pessoa é
sempre livre para lidar com as situações da forma que desejar, não tendo cabimento
aqui o clássico (e conveniente) elemento de "fatalismo inevitável" que só serve para
nos descartar de responsabilidade sobre a nossa propria vida.
Os Trânsitos
Os trânsitos são o método mais conhecido e talvez mais fácil de utilizar em Astrologia.
Eles baseiam-se na relação entre as posições planetárias num dado momento
(geralmente o actual) e as posições natais.
Nesta técnica, o astrólogo relaciona os planetas na sua posição actual (planetas
transitantes) com o mapa natal da pessoa em questão e analisa os aspectos que
fazem ao mapa e a sua posição por casa.
Quando se diz que determinada pessoa está a sofrer um trânsito de Plutão (por
exemplo), quer dizer que na sua posição do momento, Plutão está a fazer um ângulo
(aspecto) a algum ponto do seu mapa natal (planeta, eixo, etc.).
Nem todos os planetas têm a mesma importância nos trânsitos. Geralmente apenas se
utilizam os planetas mais lentos: Plutão, Neptuno, Urano, Saturno e Júpiter (por vezes
Marte). Os restantes planetas só se utilizam numa análise de um dia muito específico,
pois o seu movimento é muito rápido. Trânsitos da Lua duram apenas duas horas, do
Sol, Mercúrio e Vénus, cerca de um dia e Marte não mais de cinco dias. Logo, o seu
efeito é muito pontual. Os transitos dos planetas lentos duram meses ou anos (1 a 2
anos).
A orbe (ou grau de actuação) utilizado nos trânsitos é geralmente de 1º, o que implica
aspectos muito exactos.
Regra geral, os trânsitos manifestam-se exteriormente através de eventos na vida da
pessoa.
As Progressões
As progressões são, como os trânsitos, um método de análise de um dado momento
no "tempo" de um mapa astrológico.
Embora este termo inclua uma série de técnicas diferentes, geralmente refere-se às
Progressões Secundárias. Esta técnica é a mais utilizada logo a seguir aos trânsitos.
As progressões secundárias são uma técnica dita "simbólica". Isto porque,
diferentemente da dos trânsitos não se baseia em posições de tempo real, mas em
posições de tempo simbólico. Nas progressões secundárias cada dia após o nascimento
corresponde a um ano de vida. Ou seja, as posições planetárias progredidas para os
30 anos de vida correspondem às posições planetárias que ocorreram 30 dias após o
nascimento - 1 dia por 1 ano.
Como os movimentos dos planetas de dia para dia são relativamente lentos, nas
progressões, ao contrário dos trânsitos, os planetas mais rápidos vão ter maior
importância. O Sol, Mercúrio e Vénus vão progredir aproximadamente 1º por ano e a
Lua 1º a cada mês. Marte move-se cerca de 0,5º por ano e os planetas mais lentos, os
Transpessoais, pouco mais de 1º a vida inteira.
Em geral, as progressões secundárias não se manifestam como eventos exteriores. Ao
contráro dos trânsitos, elas são indicadores dos "tempos" internos e receptividade aos
processos de expansão de consciência
A Consulta Astrológica
Ir ao astrólogo para fazer o horóscopo pode ser um importante momento de
descoberta e de definição de novas perspectivas de vida.
A Astrologia é, como sempre foi, uma arte direccionada para o auto-conhecimento e
para a compreensão do Universo. Estabelece uma "ponte" entre o indivíduo e o
Universo numa perspectiva de causa-efeito-transformação, conferindo-lhe a
compreensão da natureza cíclica da existência. O mapa astrológico é a "ferramenta"
essencial para este estudo.
O que é, então, necessário para fazer o mapa? Os dados necessários para levantar o
horóscopo natal são a data, hora e local de nascimento do consulente. Isto porque a
carta astral - ou horóscopo - vai representar a configuração do céu, visto a partir da
Terra, tal como estava naquele dia, hora e local. A exactidão dos dados é, portanto, da
máxima importância.
Outro aspecto fundamental é a qualidade da interpretação do horóscopo, que deverá
sempre ser encarado como um todo dinâmico e integrado, capaz de se "desdobrar" ao
longo do tempo, de forma a manifestar sempre novos aspectos do seu potencial.
Não basta, portanto, estar em posse das chamadas "receitas" astrológicas, que
fornecem interpretações baseadas na posição dos planetas por signo, casa e aspectos.
Apesar de terem alguma validade, estas receitas revelam apenas aspectos parciais,
reduzidos e, muitas vezes, contraditórios do indivíduo em questão.
Em consulta, o astrólogo vai fazer a síntese desse enorme conjunto de dados, tendo
sempre em vista de que se trata não apenas de um mapa abstracto mas da
representação de um ser humano, em toda a sua riqueza multidimensional.
O objectivo da interpretação não é tanto "acertar" ou "predizer" o futuro, mas antes
pôr o consulente em contacto com o seu próprio potencial, relacionando-o ainda com o
contexto maior em que está integrado - o Universo em que vivemos.
Em vez de prognósticos fatalistas, a consulta poderá indicar novas possibilidades de
acção, mostrando aspectos e capacidades até então latentes. Também revela os ciclos
e "timings" do indivíduo, com especial destaque para os momentos críticos de
transformação.
Tendo isto em vista, consultar um astrólogo profissional pode proporcionar um "abrir
de portas" muito positivo para o desenvolvimento pessoal.
A Astrologia Natal
A Astrologia Natal é o ramo do conhecimento astrológico que está essencialmente
virado para o indivíduo e para o estudo das suas dinâmicas pessoais.
É, sem dúvida, o aspecto mais divulgado da Astrologia e também o mais
incompreendido e mal intepretado.
Neste ramo da Astrologia estuda-se a dinâmica de um determinado indivíduo: o seu
potencial e motivações, os condicionamentos e limitações que dificultam o
desenvolvimento e ainda os momentos e as vias mais adequadas para o seu
crescimento.
O estudo é feito a partir do mapa natal ou horóscopo, ou seja, o "retrato" do céu tal
como ele estava no dia, hora e local de nascimento desses indivíduo.
Como se estabelece, então, a relação entre o mapa e o indivíduo?
Ou, por outras palavas, porque razão é que se olha para a dinâmica exterior
(representada no céu pela disposição dos astros) e, através desta, se interpreta a
dinâmica interior, oculta, de um determinado ser? A resposta está no princípio "o que
está me cima é como o que está em baixo". Existe uma relação simbólica entre estes
dois factores e é através dessa "ponte" que surge a rleção entre o "Céu" e o ser
humano.
Assim, ao estudarmos o mapa do céu, podemos fazer um "reconhecimento do
terreno", começando a compreender a "paisagem interior" de cada pessoa
Comparação de Mapas
Um dos aspectos mais atraentes para quem começa a estudar Astrologia é a
possibilidade fazer a comparação entre os mapas natais de duas ou mais pessoas,
para ver qual é o grau de compatibilidade existente numa relação.
Esta área da Astrologia, por vezes chamada Astrologia Relacional, é sempre das mais
requisitadas, por estudar a dinâmica dos relacionamentos humanos.
O estudo astrológico do potencial de uma relação exige, contudo, alguns prérequisitos, sem os quais qualquer análise ou avaliação do relacionamento será
incompleta e impessoal.
Antes ainda de qualquer comparação, importa compreender bem os mapas individuais
de cada uma das partes envolvidas. Cada pessoa traz, à partida, uma dinâmica
própria: cada uma é um ser independente e autónomo, com necessidades, motivações
e expectativas muito específicas.
O estudo dos mapas individuais permite entender melhor este complexo conjunto de
factores, ajudando ainda a enquadrar o relacionamento no contexto geral da vida de
cada uma das pessoas.
Nesta pré-análise estudam-se os principais aspectos do mapa - Sol, Lua e Ascendente
- para ter uma ideia da energias básicas de cada uma das pessoas envolvidas. Vê-se
também as Casas VII e VIII (as áreas do mapa que reflectem os relacionamentos
sociais, pessoais e íntimos) e os planetas mais directamente ligados ao tema dos
relacionamentos: Vénus e Marte. Só depois desta abordagem geral será possível fazer
o estudo da relação, com garantias de fiabilidade.
As técnicas usadas em Astrologia Relacional incluem, entre outras, a Sinastria e o
Mapa Composto.
Sinastria e Mapas Compostos
Sinastria
A Sinastria consiste em fazer uma comparação directa entre os mapas envolvidos
(geralmente não mais do que dois), para ver de que forma a dinâmica de uma das
pessoas "afecta" a da outra.
Para tal, coloca-se os dois mapas lado a lado e analisa-se de que forma as energias de
um interagem com as do outro. Por exemplo: escolhe-se uma posição planetária no
primeiro mapa e analisa-se o mesmo grau do mesmo signo do segundo mapa. Este
método permite-nos ver qual é o Signo e a Casa que vai ser "afectada" e quais são os
aspectos formados entre o referido planeta e os planetas do outro mapa.
O processo deverá ser repetido com todas as posições planetárias de ambos os mapas
e também com outros pontos importantes, como o Ascendente, o Meio-do-Céu e os
Nodos Lunares.
Mapas Compostos
Os Mapas Compostos são mapas "virtuais", construídos a partir dos pontos médios
(midpoints) dos mapas envolvidos numa comparação.
Constroem-se tomando a posição dos planetas (por exemplo, o Sol do mapa A e o Sol
do mapa B) e determinando o ponto médio entre os dois. Por exemplo: se no mapa A
o Sol se encontra a 10 graus de Carneiro e no mapa B o Sol está a 10 graus de Leão, o
midpont destas duas posições planetárias será a 10 graus de Gémeos. Assm, o Sol do
mapa composto estaria situado no dícimo grau do signo de Gémeos. As restantes
posições planetárias determinam-se da mesma forma. Quando ao Ascendente, ao
Meio-do-Céu e às Casas astrológicas, existem diversas técnicas (e algumas delas não
se baseiam em midpoints).
Compreende-se agora que os mapas compostos sejam considerados mapas "virtuais":
não representam uma situação objectiva (as posições planetárias são, obviamente,
fictícias) mas antes a dinâmica da própria relação. Por este motivo, a interpretação de
um mapa composto obedece a regras específicas.
Regra geral, a interpretação de um mapa composto serve de complemento à sinastria
e a outras técnicas de análise relacional. Raramente é usada de forma isolada.
A Astrologia Mundana
Este ramo da Astrologia, também conhecido como Astrologia Mundial, estuda o
Macrocosmos Humano, em lugar de se debruçar sobre a dinâmica dos mapas
individuais. A sua análise dirige-se, portanto, ao colectivo humano: nações, países,
grupos étnicos e religiosos, bem como as alterações e mundanças globais de carácter
"natural", que alcançam milhões de pessoas.
Pertence a este âmbito o estudo dos grandes movimentos das Eras Astrológicas e os
ciclos de conjunções planetárias, com especial destaque para o ciclo Júpiter-Saturno,
ligado a fenómenos políticos, sociais e económicos repetidos de 20 em 20 anos.
Outro aspecto importante é a análise dos ingressos vernais (entrada do Sol nos signos
cardinais - Carneiro, Caranguejo, Balança e Capricórnio - nas mudanças de estação).
Estes dão a tónica para as actividades globais naquela estação, no mundo ou num país
específico (bastando fazer o mapa de ingresso para a capital do país em questão).
Este ramo da Astrologia tem técnicas de interpretação muito próprias, afastando-se
um pouco da Astrologia Natal, mais comummente praticada.
Foi dos poucos ramos da Astrologia a não ser muito atacado. Sempre lhe foi
reconhecida alguma validade pelas autoridades políticas, religiosas e filosóficas,
sobretudo pelo facto de não interferir muito nas questões do livre arbitrio.
Está, por exemplo, associado a esta Astrologia o estudo da produtividade das
colheitas, o estudo do clima (Astrometerologia) e de outros fenómenos como cometas,
terremotos, etc.
Signos associados a Países, Cidades e Regiões
Estas regências são apenas sugestões. Diferentes autores dão diferentes
correspondências, assim, determinados países ou cidades aparecem ligados a dois
signos
Carneiro
Países e regiões - Inglaterra, Alemanha (também: Escorpião),
Dinamarca, Palestina.
Cidades - Florença, Nápoles, Verona, Marselha, Birmingham. Na
Antiguidade: Atenas e Esparta.
Touro
Países e regiões - Irlanda, Rússia (actualmente também
Aquário), Suíça (centro bancário internacional; co-regente:
Virgem), Polónia, Chipre, Pérsia e Creta (co-regente: Sagitário).
Cidades - Dublin, Mantua, Leipzig e Lucerna.
Gémeos
Países e regiões - Estados Unidos da América, Bélgica, Gales,
Sardenha (co-regente: Escorpião), costa nordeste de África,
Baixo Egipto (Alto-Egipto: Peixes; Egipto actual: Escorpião),
Flandres e Lombardia.
Cidades - Londres, Melbourne, São Francisco, Córdoba,
Versailhes, Plymouth, Nuremberga e Cardiff.
Caranguejo
Países e regiões - Escócia, Holanda, Paraguai, Nova Zelândia,
grande parte de África, Estados Unidos da América (Sol em
Caranguejo).
Cidades - Nova Yorque, Constantinopla, Veneza, Génova,
Estocolmo (co-regente: Aquário), Tunis, Algiers, Amsterdão,
Manchester e Milão.
Leão
Países e regiões - França, Itália, Sicília, Roménia, Bohemia e
os Alpes. Antiguidade: Caldeia, Fenícia, Macedónia (co-regente:
Capricórnio), Frígia e Roma.
Cidades - Roma (actual), Praga, Damasco, Bombaim, Bristol,
Bath, Chicago, Filadélfia e Los Angeles.
Virgem
Países e regiões - Creta, parte da Grécia (co-regente:
Capricórnio), Croácia, Brasil, Turquia, Suíça (co-regente: Touro),
Índias Ocidentais. Antiguidade: Assíria, Arcadia, Babilónia, Ionia,
Mesopotâmia, Rodes e as planícies dóricas.
Cidades - Lyons, Jerusalém, Paris, Corinto, Atenas (actual;
antigo regente: Carneiro), Heidelberg, Boston, Toulouse e
Estrasburgo. E também: termas e cidades ligadas ao cultivo e
industrialização de frutos.
Balança
Países e regiões - Áustria, Alsácia, Argentina, Birmânia, China
(pós-revolução: também Aquário), parte da Índia (principal
regente: Capricórnio), Indochina, Japão e Tibete.
Cidades - Lisboa, Antuérpia, Copenhaga, Frankfurt,
Johannesburg (em "desequilíbrio"), Leeds, Nottingham,
Charleston, South Carolina
Escorpião
Países e regiões - Noruega, Catalunha, Mauritânia, parte da
Alemanha (co-regente: Carneiro), Sardenha (co-regente:
Gémeos), Marrocos, Argélia, Síria, Líbia e actual Egipto
(influência árabe; antigos regentes: Gémeos e Peixes).
Cidades - Valência, Fez, Messina, Dover, Liverpool, Nova
Orléans, Baltimore, Cincinnati, Milwaukee, Halifax e Washington
D.C.
Sagitário
Países e regiões - Hungria, Espanha, Dalmácia, Moravia,
Provença e Madagascar. Antiguidade: Creta (co-regente: Touro)
e o Lácio (região onde surgiu Roma).
Cidades - Avignon, Colónia, Toledo, Estrugarda, Budapeste,
York e Nottingham.
Capricórnio
Países e regiões - Albania, Lituânia (co-regente: Aquário),
Bulgária, parte da Grécia (co-regente: Virgem), Afeganistão,
México e a Índia. Antiguidade: Macedónia (co-regente: Leão),
Illiria e Trácia.
Cidades - Oxford, Bruxelas, Port Said, Delhi e grande parte dos
centros administrativos das cidades.
Aquário
Países e regiões - Suécia, Etiópia, Prussia, Russia (co-regente:
Touro), Lituânia (co-regente: Capricórnio), Vestefália, Canadá,
partes da Arábia (co-regente: Escorpião) e Polónia.
Cidades - Hamburgo, Bremen, Salzburg, Trent, Estocolmo (coregente: Caranguejo) e Leningrado.
Peixes
Países e regiões - Portugal, Normandia, Alto Egipto-Nubia
(Baixo Egipto: Gémeos; Egipto actual: Escorpião), Galiza e
Calábria.
Cidades - Alexandria, Sevilha, Worms, Lancaster e Compostela
A Astrologia Horária
A "Astrologia da Hora", como também é chamada, consiste na interpretação do mapa
de um determinado momento, usando-o como "resposta" a uma pergunta específica. A
técnica consiste em formular uma determinada pergunta e procurar a resposta no
mapa do momento exacto em que a pergunta foi formulada.
Na base da Astrologia Horária está a princípio de que "a Parte reflecte o Todo".
Considera-se por isso que o mapa reflecte o estado do Todo num determinado
momento. No mapa da pergunta estaria, assim, simbolizada a natureza da questão e a
própria solução.
Contudo, para que a Astrologia da hora resulte exacta e eficaz, é necessário que o
praticante conheça muito bem a técnica.
Em primeiro lugar, é fundamental saber formular a questão. O ponto focal deverá
sempre ser o indivíduo e o seu grau de consciência perante a situação.
Por outro lado, a técnica de interpretação obedece a regras próprias, diferentes das da
interpretação de mapas natais. Por exemplo: num mapa horário, cada signo, cada
planeta e cada casa têm um simbolismo próprio, indicando situações, lugares,
direcções e qualidades que nada tem a vcer com outros tipos de interpretação. A
dinâmica dos aspectos é também da máxima importância.
Finalmente, é necessário que o praticante verifique se existe alguma das chamadas
"considerações prévias", situação que invalida qualquer leitura horária.
Aqui ficam algumas dessas considerações, a título de curiosidade.






Ascendente do mapa horário nos três primeiros ou nos três últimos graus de
cada signo.
Lua Vazia de Curso.
Saturno na Casa I ou na Casa VII.
Saturno regente da VII, especialmente se estiver conjunto ao Meio-do-Céu.
"desacordo" entre o planeta regente do Ascendente e o regente da Hora
Planetária.
Lua ou planeta regente da Casa I em Via Combusta.
Outro importante factor é a atitude em relação à pergunta e também em relação à
resposta obtida. Não vale a pena colocar perguntas fúteis nem repetir a mesma
questão várias vezes, para tentar obter a resposta que se pretende.
Dane Rudhyar salienta que este tipo de Astrologia "não pretende substituir a leitura do
mapa natal; não é uma vulgar "leitura de sorte" nem um meio de escapar à
responsabilidade pessoal".
A Astrologia Horária "é um sinal consciente da ligação do indivíduo com o Todo
Universal, na qual ele aceita ter uma participação plena e deliberada".
A Astrologia Médica
A Astrologia Médica é um ramo da Astrologia que faz corresponder às diferentes
posições planetárias, diversas condições fisiológicas, psíquícas e energéticas. Ao
interpretar os astros, podemos compreender as principais tendências e fraquezas
fisiológicas do indivíduo.
Tal como os outros, este ramo da Astrologia baseia-se no conceito de que o Homem
(Microcosmo) é o reflexo do Universo (Macrocosmo).
Assim, o corpo humano fica dividido em doze partes principais, que equivalem aos
doze signos zodiacais: à cabeça corresponde o signo de Carneiro, ao pescoço o de
Touro, etc.
A cada signo corresponde ainda um conjunto de órgãos e uma série de funções
fisiológicas.
Da mesma forma, os planetas e os aspectos planetários têm as suas equivalências no
corpo humano. Por exemplo, a febre está associada a Marte, a homeostasia (equilíbrio
de sais) a Vénus, os ossos, pele e cabelo a Saturno, o fígado a Júpiter, etc.
É da relação de todos estes aspectos que se pode deduzir as tendências fisiolóficas
dominantes do indivíduo. Este estudo indica também os métodos de prevenção e cura
mais indicado para cada pessoa, de acordo com a sua constituição.
Tabelas de regências médicas e fisiológicas - Signos:
Carneiro
Cabeça: ossos do crânio e face (excepto nariz), dentes da maxila
superior, cérebro, olhos. Os cinco sentidos, especialmente a
visão. Musculatura motora.
Touro
Pescoço, garganta e nuca (toda a zona do corpo situada entre o
céu-da-boca e as clavículas). Cerebelo, maxilar inferior, orelhas,
audição, língua, linguagem, laringe e faringe, glote e epiglote,
cordas vocais e voz, amígdalas, tireóide, parte superior do
esófago. As sete vértebras cervicais. O timo (nas crianças).
Gémeos
Aparelho respiratório e sistema nervoso (conjuntamente com
Sagitário): traqueia, brônquios; sistema nervoso periférico,
especialmente o tacto. Toda a região dos ombros, clavículas,
omoplatas e braços, pulsos e mãos: os ossos costelas
superiores, úmero, rádio e cúbito; os músculos correspondentes
e também os peitorais.
Caranguejo
Aparelho digestivo, transformação dos alimentos: órgãos de
nutrição: estômago e toda a região epigástrica, fígado, sucos
gástricos, saliva, seios e leite materno. Rege também a zona dos
busto, incluíndo pulmões, costelas, esterno, músculos
intercostais e difragma.
Leão
Coração e costas: aorta, artérias coronárias. Espinha dorsal e
medula espinal (conjuntamente com Aquário). Vértebras dorsais
e músculos adjacentes; centros nervosos superiores.
Virgem
Aparelho digestivo, absorção e assimilação dos alimentos:
ventre, abdomen, intestinos (conjuntamente com Peixes, ligado
ao muco), apêndice, vesícula biliar e baço. Sistema nervoso
simpático.
Balança
Sistema venoso em geral e parte do aparelho urinário. Rins,
glândulas supra-renais, região lombar e órgãos genitaís internos.
Sistema vasomotor (conjuntamente com Sagitário).
Escorpião
Órgãos genitais externos e parte do aparelho urinário. Rege a
renovação das células, a eliminação de toxinas (recto, ânus) e a
produção de células de auto-defesa e de reprodução. Rege
também o nariz e o olfacto.
Sagitário
Aparelho respiratório e sistema nervoso (conjuntamente com
Gémeos). Sistema vasomotor (conjuntamente com Balança).
Sistema arterial. Quadris, coxas, sacro, cóccix, osso ilíaco e
músculos correspondentes.
Capricórnio
Todo o esqueleto, cabelos, unhas, pele, joelhos, articulações,
dentes e parte superior do rosto.
Aquário
Circulação sanguínea; coluna vertebral e medula espinal
(juntamente com Leão); centros medulares, medula óssea,
sistema nervoso. Pernas: tíbia, perónio, jarretes e tornozelos.
Peixes
Aparelho grandular: gânglios, vasos linfático, tecido slinfóides,
mucosidades. Líquido seroso pleural. Intestinos (conjuntamente
com Virgem); Pés.
Tabelas de regências médicas e fisiológicas - Planetas:
O Sol
Coração, artérias circulação sanguínea, espinha dorsal e medula
espinal. O olho direito no homem, o olho esquerdo na mulher.
A Lua
Estômago, digestão, seios, órgãos de fecundação e reprodução
(especialmente útero e ovários). Membranas, mucosas,
glândulas e respectivas secreções, linfa e leite materno. O olho
direito na mulher, o olho esquerdo no homem.
Mercúrio
Sistema nervoso, vias respiratórias e intestinos. Ombros, braços
e mãos, orelhas, língua e respiração.
Vénus
Garganta e respectivos órgãos, rins e sistema renal, hepático e
glandular, seios e órgãos genitais internos. As veias, secreções
humorais e as funções transformadoras.
Marte
Cabeça e face. Sistema nervoso encefálico, glândulas vasculares
sanguíneas e sistema geniturinário. Os glóbulos vermelhos, a
bílis, os músculos, a orelha esquerda.
Júpiter
Quadris, coxas, flancos e pés. Glândulas supra-renais, fígado,
pulmões, músculos do coração, músculo vesical e diafragma. Os
vasos sanguíneos em geral, especialmente as artérias e o
sangue arterial.
Saturno
Esqueleto, ossos, cartilagens e articulações. Dentes, cabelos,
unhas, pele. Joelhos, bexiga e baço. A orelha direita.
Urano
Circulação, sistema nervoso. As hormonas e a barriga da perna.
Neptuno
Influência geral sobre o sistema nervoso, glândulas, mucosas e
secreção líquida.
Plutão
Processos regenerativos
Tabela de Regentes Esotéricos dos Signos
Signo
Regente
Esotérico
Carneiro
Mercúrio
Touro
Vulcano*
Gémeos
Venus
Caranguejo
Neptuno
Leão
Sol
Virgem
Lua
Balança
Urano
Escorpião
Marte
Sagitário
Terra
Capricórnio
Saturno
Aquário
Júpiter
Peixes
Plutão
* Vulcano é um planeta hipotético situado na orbita interior à de
Mercúrio. Postula-se que está algures numa orbe de 8º do Sol.
Simbolos Astrológicos
Signos
Planetas
Aspectos
Carneiro
Sol
Conjunção
Touro
Lua
Oposição
Gémeos
Mercúrio
Trígono
Caranguejo
Venus
Quadratura
Leão
Marte
Sextil
Virgem
Júpiter
Quincunce
Balança
Saturno
Semi-sextil
Escorpião
Urano
Sagitário
Neptuno
Fogo
Capricórnio
Plutão
Terra
Pontos
Secundários
Aquário
Peixes
Nodo Norte
Elementos
Ar
Água
Nodo Sul
Lua Negra
Quiron
Parte da
Fortuna
Dignidades e Debilidades Planetárias
- a força relativa dos Planetas nos Signos Signo
Regente
Exaltação
Detrimento
Queda
Carneiro
Marte
Sol
Venus
Saturno
Touro
Venus
Lua
Marte
Urano
Gémeos
Mercúrio
Caranguejo
Lua
Leão
Sol
-----
Júpiter
-----
Júpiter
-----
Saturno
Marte
Urano
-----
Virgem
Mercúrio
Mercúrio
Neptuno
Venus
Balança
Venus
Saturno
Marte
Sol
Escorpião
Plutão
Urano
Venus
Lua
Sagitário
Júpiter
Capricórnio
Saturno
Aquário
Urano
Peixes
Neptuno
-----
Marte
-----
Venus
Mercúrio
Lua
-----
Júpiter
Sol
Mercúrio
-----
Mercúrio
Palavras-Chave: Signos
Carneiro: impulsivo, pioneiro, impaciente, fogoso
Touro: estável, concretizador, teimoso
Gémeos: inquieto, versátil, inconstante, conceptual
Caranguejo: reservado, sensível, retraído
Leão: expansivo, generoso, pomposo, solene,
egocêntrico, exagerado
Virgem: perfeccionista, dedicado, crítico, retraído,
mesquinho, preciso
Balança: concicliador, elegante, diplomata, indeciso
Escorpião: transformador, intenso, centrado,
secreto
Sagitário: jovial, expansivo, entusiasta, optimista,
aventureiro, exagerado
Capricórnio: ambicioso, organizado, estruturado,
rígido, "hierarquizado"
Aquário: liberal, globalista, "anarquista", desligado,
errático, descontínuo, teimoso
Peixes: sonhador, sensível, vago, utópico,
sentimentalista
Palavras-Chave: Planetas
Sol: calor, força, brilho, vida, identidade
Lua: forma, anseio, ausência, necessidade
Mercúrio: troca de ideias, agitação, comunicação
Vénus: beleza, partilha, valorização
Marte: afirmação, luta, desejo, acção
Júpiter: positivismo, exagero, expansão
Saturno: retracção, pessimismo, medo, censura,
secura, inibição
Urano: inovação, descondicionamento,
descontinuidade, revolução
Neptuno: utopia, nebolusidade, dissolução
Plutão: morte e renascimento, corte abrupto,
renascimento, regeneração
Palavras-Chave: Casas
Casa I: eu (ser)
Casa II: meu, os meus valores, os meus recursos
(ter)
Casa III: meio próximo, dia-a-dia, assuntos
mundanos, pequenas viagens (comunicar)
Casa IV: raíz, casa, infância (nutrir, enraizar)
Casa V: criação e procriação, jogos, romances, autoexpressão criativa (criar-gerar)
Casa VI: trabalho, serviço, rotinas, saúde, dia-a-dia,
pormenores (servir)
Casa VII: relacionamentos, associações "de
igualdade", parceiros, inimigos (trocar)
Casa VIII: valores dos outros, sexualidade, poder,
transcendência (transformar)
Casa IX: visões filosóficas e religiosas, viagens
longas (dar sentido)
Casa X: colectivo, social, estruturação,
regulamentação (organizar)
Casa XI: comunitário, grupal, amigos, futuro,
ideiais, (servir globalmente)
Casa XII: isolamento, restrição, inconsciência
(redimir)
Palavras-Chave: Aspectos
Conjunção:



fusão
união
identificação
Oposição:



confronto
face a face
objectivação
Quadratura:




desafio
entrave
frustação
dinamismo
Trígono:



facilidade
fluidez
apoio
Sextil:

compreensão

suporte
Quincôncio:



desconforto
irritação
adaptabilidade
Semisextil:


mal-estar
desajuste
Download