ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO AO CÂNCER DE

advertisement
ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO AO CÂNCER
DE INTESTINO
NURSING ACTIVITY IN PREVENTION OF INTESTINAL CANCER
Fernanda Sozzo Saltori ([email protected])¹
Iara Aparecida Ventura ([email protected])¹
Leonardo Leonel dos Santos ([email protected])¹
Taís F. Maimoni Contieri Santana ([email protected])²
Jovira Maria Sarraceni ([email protected])3
1. Graduandos em Enfermagem, Unisalesiano Lins, São Paulo (SP), Brasil.
2. Bacharel em Enfermagem, Especialista em Saúde Mental. Mestre e Doutoranda em
Enfermagem pela Unesp/Botucatu. São Paulo (SP), Brasil.
3. Bacharel em Administração, Especialista em Desenvolvimento Gerencial, Especialista em
Marketing e Recursos Humanos, Mestre em Administração pela Universidade Metodista de
Piracicaba.
Resumo: O câncer colorretal é considerado a principal causa de morte em todo país
desenvolvido segundo a OMS, levantando preocupação em relação a sua alta
epidemiologia e diagnóstico tardio. Desta forma esta pesquisa objetiva sensibilizar a
população quanto aos fatores de risco e a necessidade de atenção para prevenção
do câncer colorretal; aprofundar o conhecimento sobre a temática; divulgar maneiras
diversas para prevenção de CA colorretal, envolvendo hábitos alimentares
saudáveis. Para tanto utilizou-se como a pesquisa descritiva e exploratória, pautada
no método quantitativo comparativo, utilizando como instrumento de coleta de dados
a aplicação de um questionário fechado. Os resultados apontaram que após a
atividade educativa realizada em forma de palestra, cerca de 90% dos indivíduos
envolvidos com a pesquisa apresentaram um ótimo discernimento em relação aos
sinais e sintomas, aos exames diagnósticos e aos processos que podem levar ao
desenvolvimento de câncer colorretal. Conclui-se a importância da divulgação da
educação em saúde não só no âmbito empresarial, mas como para toda à
sociedade, educando desde cedo os cidadãos quanto aos cuidados individuais e
coletivos de saúde.
Descritores: Neoplasias Intestinais. Promoção da Saúde. Conscientização.
Abstract: Colorectal cancer is considered the leading cause of death in every
country developed according to the WHO, raising concern regarding its high
epidemiology and late diagnosis. In this way this research aims to sensitize the
population regarding the risk factors and the need of attention for the prevention of
colorectal cancer; Deepen the knowledge on the subject; To disclose diverse ways
for colorectal CA prevention, involving healthy eating habits. For this purpose it was
used as descriptive and exploratory research, based on the comparative quantitative
method, using as a data collection instrument the application of a closed
questionnaire. The results indicated that after the educational activity carried out in
the form of a lecture, about 90% of the individuals involved in the research presented
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
an excellent insight regarding the signs and symptoms, the diagnostic exams and the
processes that can lead to the development of colorectal cancer. The importance of
the dissemination of health education not only in the corporate sphere, but also in
society as a whole, has been educated at an early age by the citizens regarding
individual and collective health care.
Keywords: Intestinal Neoplasms. Health Promotion. Awareness.
Introdução
O câncer de intestino (colorretal) é considerado a principal causa de morte em
todos os países desenvolvidos, segundo a OMS é uma das doenças malignas
comumente diagnosticadas. Segundo a última estimativa mundial, o câncer de cólon
e reto configura-se como o terceiro tipo de câncer mais comum entre os homens,
com 746 mil casos novos, e o segundo nas mulheres, com 614 mil casos novos.
Estimam-se, para 2016, no Brasil, 16.660 casos novos de câncer de cólon e reto em
homens e de 17.620 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco
estimado de 16,84 casos novos a cada 100 mil homens e 17,10 para cada 100 mil
mulheres. Mais da metade dos casos são provenientes de regiões mais
desenvolvidas. Os padrões geográficos são bem semelhantes em relação ao sexo,
sendo que o sexo masculino apresenta uma maior incidência na maioria das
populações. (INCA, 2016)
O câncer de colorretal é um grave problema de saúde pública que possui
medidas de prevenção primária e secundária. Além disso, dada a sua elevada
morbidade, mortalidade e bem conhecida história natural, a disponibilidade de
métodos diagnósticos que permitam a detecção precoce desses tumores, ou mesmo
de suas lesões precursoras, e a existência de terapias que aumentem a
sobrevivência quando utilizadas em fases iniciais, satisfaz os critérios de rastreio
estabelecidos pelo Organização Mundial da Saúde. (BRASIL, 2015)
Abrange tumores que acometem um segmento do intestino grosso (o cólon) e
o reto. É tratável e, na maioria dos casos, curável, ao ser detectado precocemente,
quando ainda não se espalhou para outros órgãos. Grande parte desses tumores se
inicia a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do
intestino grosso. Uma maneira de prevenir o aparecimento dos tumores seria a
detecção e a remoção dos pólipos antes de eles se tornarem malignos. (INCA, 2016)
Questiona-se, então, se o aumento dos índices de câncer de intestino tem
ocorrido devido à falta de orientação e conscientização da população adulta frente a
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
um diagnóstico precoce e a negligencia da enfermagem com seu papel educativo
em saúde.
Emergem como suposições o fato dos adultos desconhecerem a importância
da investigação de lesões e hábitos intestinais que indiquem alerta para o câncer de
intestino e até mesmo desconhecerem a doença e os fatores que contribuem para
seu elevado índice. E também ao fato dos profissionais de enfermagem não estarem
exercendo seu papel educativo de forma contundente na sociedade e principalmente
com os grupos de risco.
Desta forma torna-se imprescindível que os profissionais de enfermagem
estejam engajados na orientação da população quanto aos fatores de risco e
detecção precoce de lesões colorretais, para contribuir com um diagnóstico e
tratamento em estágio iniciais da doença.
Método
Trata-se de um estudo exploratório de abordagem quantitativa. A pesquisa
atendeu a Resolução 466/12, foi submetida e aprovada pelo Comitê de Ética e
Pesquisa (CEP), sob número 1.565.911 em 30 de maio de 2016, realizado com
moradores do município de Lins/SP, de ambos os sexos, a partir dos dezoitos anos.,
utilizando para abordagem o TCLE. O lócus do estudo foi uma empresa frigorífica,
participando 50 funcionários, dentre o período de 01 de agosto de 2016 a 16 de
setembro de 2016, utilizando como instrumento de coleta de dados um questionário
com perguntas fechadas para levantamento do conhecimento do câncer colorretal,
versando sobre: conhecimento da doença, causas, sintomas, fatores de risco,
presença de sangue nas fezes, riscos de detecção tardia, presença de câncer
colorretal na família. De início foi aplicado o questionário para levantar o
conhecimento prévio sobre câncer de colorretal e reaplicado o mesmo após uma
atividade educativa, para avaliar o que foi apreendido sobre o tema e se esta teve
impacto positivo.
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
Resultados e Discussão
Figura 1 - Sexo
Sexo
21
29
Masculino
Feminino
Fonte: Autores, 2016
Houve uma discreta diferença entre os gêneros da população estudada,
sendo mais expressiva a população masculina, este fato fortaleceu a pesquisa pois
os homens, segundo o INCA (2016), possuem um estilo de vida predisponente a
coloca-los em igual ou maior risco que o grupo feminino visto que estes não
apresentam preocupação com a alimentação, atividades físicas ou saúde quando
comparados as mulheres.
Figura 2 - Estado civil
Fonte: Autores, 2016
Os dados revelaram um número maior de pessoas casadas, isto nos instiga a
repensar que o fato de estar casado requer maiores atribuições quanto a família, a
existência da redução de tempo para o cuidado com a saúde. Oliveira e Fortes
(2013), reforça que além da acomodação física e psicológica num estado de vida
sedentário, além do estresse diário que levam juntos a hábitos de vida cheios de
fatores de risco para o desenvolvimento do câncer colorretal.
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
Figura 3 – Etnia
Fonte: Autores, 2016
Observou-se que a maior parte dos indivíduos da pesquisa eram de etnia
parda ou negra, abre-se a observação, segundo Pinho (2014), de que existe uma
relação entre as etnias e o desenvolvimento e tratamento da patologia abordada
levando em consideração as diferentes concentrações de vitaminas produzidas
pelos organismos de acordo com a concentração de melanina na pele, com enfoque
nas vitaminas D e K, estas que estão correlacionadas com a síntese de diversas
proteínas e substâncias responsáveis pelo sistema imunológico orgânico.
Figura 4 - Escolaridade
Fonte: Autores, 2016
Os dados apontam a relação entre baixo grau de instrução e a dificuldade de
acesso a informação, estudos de Silva (2016), apontam uma maior dificuldade em
reconhecer os sinais e sintomas da doença, quando se tem menos instrução,
observando-se que grande parte da população estudada possuía instrução até o
ensino médio, apenas.
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
Figura 5 - Questão 1
Questionário 1
Questionário 2
Conhecimento sobre câncer de intestino
Conhecimento sobre câncer de intestino
0
24
26
50
Sim
Sim
Não
Não
Fonte: Autores, 2016
Observa-se que no momento anterior a educação em saúde, mais da metade
da população pesquisada não possuía conhecimento sobre o tema abordado
mesmo este apresentando grande importância em sua vivência, posteriormente a
apresentação, todos os indivíduos afirmavam conhecer o assunto por completo. De
acordo com Souza, Pinheiro e Pinheiro (2010) a educação em saúde é um
instrumento que possibilita ao enfermeiro um estabelecimento de uma relação com o
cliente, no intuito de torná-lo capaz de refletir e perceber-se como um sujeito de
transformação sobre sua situação de saúde-doença.
Figura 6 - Questão 2
Fonte: Autores, 2016
Quando
questionados
sobre
os
fatores
que
poderiam
levar
ao
desenvolvimento do câncer colorretal, menos da metade dos indivíduos respondeu
corretamente à questão, alguns apresentaram dificuldade em entender o princípio do
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
desenvolvimento da patologia acima de tudo, isto também foi constatado em
estudos.
Após
a
apresentação
educativa,
todos
os
envolvidos
responderam
corretamente a essa questão, mesmo afirmando outras alternativas em conjunto a
correta, demonstrando que absorveram as informações apresentadas da melhor
maneira possível.
A comparação de gráficos evidencia o desenvolvimento da população ao
relacionar de maneira eficaz a alternativa que melhor demonstra fatores que podem
levar ao desenvolvimento do câncer colorretal no momento pós apresentação
educativa. Zandonai, Sonode e Sawada (2012), faz menção a importância da
atividade educativa como transformadora do conhecimento.
Figura 7 - Questão 3
Fonte: Autores, 2016
Ao questionar a população pesquisada sobre a relação exames para
diagnósticos de câncer colorretal houveram indivíduos que afirmaram que exame de
urina e exame de toque poderiam ser utilizados na detecção da patologia,
demonstrando o baixo conhecimento da comunidade em relação ao tema abordado,
Queiroz e Melo (2016) contribuiu com esta informação em seus estudos enfatizando
a falta de conhecimento de indivíduos em relação ao CA colorretal.
No momento posterior a apresentação educativa, os indivíduos apresentaram
respostas concisas relacionando de maneira efetiva os exames diagnósticos a
patologia
abordada,
demonstrando
uma
boa
absorção
apresentadas.
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
das
informações
A comparação de gráficos evidencia o desenvolvimento da população ao
relacionar de maneira eficaz os exames diagnósticos que podem levar a detecção,
precoce ou não, do câncer colorretal no momento pós apresentação educativa,
desvelada também em estudos de Queiroz e Melo (2016).
Figura 8 - Questão 4
Questionário 1
Questionário 2
O CA de intestino é
previnivel?
O CA de intestino é
previnivel?
0
11
2
37
Sim
Não
50
Não sei informar
Sim
Não
Fonte: Autores, 2016
Na
análise
comparativa
dos
gráficos fica
em
evidência
que
anteriormente a educação em saúde, muitos indivíduos possuíam dúvidas em
relação a possibilidade de prevenção do câncer colorretal, assunto que foi salientado
durante a apresentação educativa e bem absorvido ao observar o gráfico posterior a
esta atividade, Forno (2012) contribuiu com esta afirmativa.
Figura 9 - Questão 5
Questionário 1
Idades nas quais mais ocorrem
CA de intestino
4
Acima de 40 anos
Idades nas quais mais ocorrem CA
de intestino
0
2
9
37
Entre 5 e 13 anos
Questionário2
48
Entre 15 e 21 anos
Entre 5 e 13 anos
Entre 15 e 21 anos
Acima de 40 anos
Fonte: Autores, 2016
A análise gráfica demonstrou que muitos dos indivíduos possuíam dificuldade
em relacionar o fator idade como sendo um fator de risco ao desenvolvimento do
câncer colorretal, dificuldade sanada quando observamos a mesma população em
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
um momento posterior a atividade educacional, estudos de Costa (2013) também
coadunam com a informação em questão.
Figura 10 - Questão 6
Fonte: Autores, 2016
Foi observado certa dificuldade apresentada pela população na interpretação
da questão em relação aos sinais e sintomas predisponentes do câncer colorretal,
sendo ainda notado que alguns indivíduos afirmaram que nenhuma das alternativas
possuía relação com o mesmo.
Observou-se em um momento pós atividade educacional que esta dificuldade
em relacionar os sinais e sintomas ao câncer colorretal foi sanada com informações
precisas sobre o tema e explicações sobre o mesmo, com grande enfoque nesta
parte permitindo a melhoria do autocuidado individual e comunitário da população
pesquisada.
Ao comparar os gráficos fica em evidência o desenvolvimento dos indivíduos
da pesquisa quanto a absorção de informações passadas através da educação em
saúde, sobre o tema, permitindo a melhor relação entre os sinais e sintomas e o
câncer colorretal, Queiroz e Melo (2016) contribui em relação a ao poder
transformação da educação em saúde.
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
Figura 11 - Questão 7
Questionário 1
Questionário 2
Sangramento anal
relacionado a CA coloretal
Sangramento anal
relacionado a CA coloretal
3
5
21
29
24
Sim
Não
Às vezes
Sim
18
Não
Às vezes
Fonte: Autores, 2016
A análise gráfica demonstra a dificuldade da população estudada em
relacionar o sangramento anal ao câncer colorretal, um dos sinais marcadores da
patologia, Souza (2016) desvelou esta mesma dificuldade em seus estudos.
Figura 12 - Questão 8
Fonte: Autores, 2016
Analisa-se neste gráfico o conhecimento dos indivíduos em relação aos sinais
que podem ser precursores do câncer colorretal, observando a dificuldade dos
indivíduos em interpretar as alternativas e relaciona-las com a patologia.
Observa-se então que em um momento após a educação em saúde, os
indivíduos tiveram maior facilidade em compreender o que cada item representava
possibilitando assim que estes conseguissem relacionar da melhor maneira
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
A comparação dos gráficos evidencia o desenvolvimento intelectual dos
indivíduos que responderam melhor a questão após a atividade educativa, sendo
reforçada esta informação em estudos de Zandonai, Sonode e Sawada (2012).
Figura 13 - Questão 9
Questionário 1
Já obteve informações algum
conhecimento sobre o assunto?
Questionário 2
Já obteve informações algum
conhecimento sobre o assunto?
0
9
50
41
Sim
Sim
Não
Não
Fonte: Autores, 2016
Observou-se, como Gomes et al (2014), que os indivíduos compreendiam a
atividade educativa como sendo um método de obtenção de conhecimento, o qual
facilitou a interação equipe-indivíduos de pesquisa, pois os mesmos demonstraram
grande interesse no tema abordado, além de questionar sobre assuntos de saúde
variados que foram esclarecidos no mesmo momento.
Figura 14 - Questão 10
Questionário 1
Você ou alguém da sua família tem
ou teve CA de intestino?
Questionário 2
Você ou alguém da sua família
tem ou teve CA de intestino?
6 2
5 3
42
Sim
Não
Não sei informar
42
Sim
Não
Não sei informar
Fonte: Autores, 2016
Como pode-se observar o desenvolvimento intelectual pessoal dos indivíduos
relacionados a pesquisa após a apresentação da educação continuada sobre saúde
vê-se que a produção e os resultados trouxeram benefícios de forma inovadora e
descontraída, aproximando realidades de educação continuada em saúde. Segundo
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
Gomes et al (2014) esta é uma estratégia que possui práticas que consolidam o
conhecimento e uma troca de saberes da equipe com a comunidade, sendo
um diálogo entre a formação e o trabalho.
Conclusões
De acordo com o desenvolvimento da pesquisa, notou-se que, em média 80%
da população alvo das entrevistas possuíam baixo ou nenhum conhecimento sobre
o tema abordado mesmo este sendo de alta importância. Apresentaram-se, também,
problemas na interpretação das perguntas e na diferenciação dos tipos de
neoplasias que podem ser originadas no organismo humano.
Dada as circunstâncias, houve grande evolução intelectual ao analisar-se as
respostas do mesmo questionário em um momento pós apresentação de educação
em saúde, onde cerca de 90% dos indivíduos envolvidos com a pesquisa
apresentaram um ótimo discernimento em relação aos sinais e sintomas, aos
exames diagnósticos e aos processos que podem levar ao desenvolvimento de
câncer colorretal.
Observando o expressivo número de indivíduos que possuíam ensino
fundamental e médio completos e incompletos e relacionando a absorção e busca
por informações passadas pela equipe do projeto sobre o tema abordado e outros
assuntos em saúde, observa-se que a implementação de educação em saúde no
meio escolar poderia elevar os índices de prevenção relacionados a diversas
patologias vendo que as pessoas buscam informação sempre que possível, mas a
escassez de tempo na vida cotidiana inviabiliza tal tarefa.
Referências
COSTA, R. N. P., SILVA, R. R. Caracterização Epidemiológica de Pacientes com
diagnóstico de Câncer Colorretal: uma revisão bibliográfica. São Luis:
Universidade federal do Maranhão. Maranhão, 2013. Disponível em:
<https://monografias.ufma.br/jspui/handle/123456789/362> Acesso em: 24 set. 2016
FORNO, S. E. A., POÇAS, F. C., SANTOS, M. E. G. D. O cancro colorretal e o
rastreio: conhecimentos e atitudes dos portuenses. GE Jornal Português de
Gastrenterologia, 19(3), 118-125. Portugal, 2012. Disponível em: <
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0872817812000136> Acesso em:
22 set. 2016.
GOMES, A. M.; et al. O teatro no projeto interministerial saúde e prevenção nas
escolas. Encontro Regional Centro-Oeste, 2014. Disponível em:
<http://conferencia2016.redeunida.org.br/ocs/index.php/regionais/centrooeste/paper/view/258> Acesso em: 24 set. 2016.
OLIVEIRA, T. R.; FORTES, R. C. Hábitos alimentares de pacientes com câncer
colorretal. J. Health Sci. Inst, 31(1).2013.
PINHO, J. R. R.; SITNIK, R.; MANGUEIRA C. L. P. (2014). Personalized medicine
and the clinical laboratory Einstein. São Paulo,2014. 12(3), 366-373. Disponível
em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S167945082014000300366&script=sci_arttext&tlng=pt > Acesso em: 24 set. 2016.
QUEIROZ, A.; MELO M. D. C. Prevenção secundária do câncer colorretal
esporádico com colonoscopia em pacientes assintomáticos. XXVII Jornada
Científica do Internato do Curso de Medicina do UNIFESO. 2016. Disponível em:
<http://www.revistasunifeso.filoinfo.net/index.php/jornadaunifeso/article/view/123>
Acesso em: 24 set. 2016
SILVA, G. S. A.; et al. Percepção de estresse entre pacientes em período
précolonoscópico e em tratamento quimioterápico. Ver Rene, São Paulo, 2016.
Disponível em:
<http://www.periodicos.ufc.br/index.php/rene/article/viewFile/2716/2100> Acesso em:
25 set. 2016.
SOUZA, R. H. S. Dos primeiros sintomas ao início do tratamento: trajetória dos
pacientes do Sistema Único de Saúde com neoplasia colorretal atendidos em
Hospital Público de Curitiba. 2016. Disponível em: <
http://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/41947> Acesso em: 23 set. 2016.
ZANDONAI, A. P.; SONOBE; H. M.; SAWADA, N. O. Os fatores de riscos
alimentares para câncer colorretal relacionado ao consumo de carnes. Revista
da Escola de Enfermagem da USP, 46(1), 234-239. 2012. Disponível em: <
http://www.revistas.usp.br/reeusp/article/download/40941/44449 > Acesso em: 22
set. 2016.
Universitá[email protected] - Revista Científica do Unisalesiano – Lins – SP
Download