Baixar este arquivo PDF

Propaganda
!
ANAIS
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
!
!
Prezado(a) participante,
É com grande satisfação que o(a) recebemos para a realização da nona edição do Simpósio
Brasileiro de Etnoecologia e Etnobiologia, evento que, cada vez mais, ganha projeção no universo
científico. Acreditamos tratar-se de oportunidade ímpar para a troca de conhecimento e para a vivência
entre os participantes.Nesta edição, o principal objetivo é promover discussões sobre identidade
cultural, conservação e uso da biodiversidade, buscando, com a colaboração de cada um de vocês,
contribuir para a construção e divulgação de conhecimento científico de alta qualidade. Nos anais do
evento, você encontrará os resumos da programação científica.
Florianópolis, novembro de 2012
A Comissão Organizadora
!
!
COMISSÃO ORGANIZADORA
Presidente: Natalia Hanazaki
Presidente de Honra: Maria Franco T. Medeiros
Cultural: Dannieli F. Herbst, Julia V.C. Ávila, Mel S. Marques, Sofia Zank, Takumã Machado
Divulgação: Heitor S.N. Liporacci, Tatiana M. Miranda, Thiago Gomes
Espaço físico: Daniel G. Martins, Elaine M. Nakamura, Gabriela O. Gomes
Fotografia/oficinas e exposições Ariana S.M. Sarmento, Bianca Lindner, Juliana H. Saldanha, Marina
F.C. Pinto, Takumã Machado
Monitores: Amanda F. Cerveira, Daniel G. Martins, Heitor S.N. Liporacci, Marian R. Heineberg,
Rubana P. Alves
Painéis: Heitor S.N. Liporacci, Juliana H. Saldanha, Rubana P. Alves, Takumã M. Scarponi
Povos tradicionais: Ana Luiza A.A. Assis, Julia V.C. Ávila, Marina F.C. Pinto, Mel S. Marques,
Natália Adán, Sofia Zank
Premiações: Rubana P. Alves
Secretaria: Anna Jacinta Mello, Bianca Lindner, Elaine M. Nakamura, Mariana Giraldi, Renata A.
Poderoso, Tatiana M. Miranda
Segurança alimentar: Renata A. Poderoso, Rubana P. Alves
Tesouraria: Ana Luiza A.A. Assis, Dannieli F. Herbst
Editores de Anais: Nivaldo Peroni, Anna Jacinta Machado Mello, Heitor Suriano Nascimento
Liporacci, Renata A. Poderoso, Tatiana Miranda.
Confecção de Anais: Anna Jacinta Machado Mello, Bruno Ribeiro da Silva
COMISSÃO CIENTÍFICA
Presidente: Nivaldo Peroni
Comissão: Alexandre Siminski, Alexandre Schiavetti, Anna Jacinta Mello, Cristiana Simão Seixas,
Charles R. Clement, Ernani M. de Freitas Lins Neto, Erika Matsuno Nakazono, Francisco José Bezerra
Souto, Gabriela P. Coelho de Souza, José da Silva Mourão, Juarez Carlos Brito Pezzuti, Julio
Marcelino Monteiro, Maria Christina de Mello Amorozo, Laure Emperaire, Maurício Sedrez dos Reis,
Mara Rejane Ritter, Maria Dorothea Post Darella, Natalia Hanazaki, Nivaldo Peroni, Priscila Fabiana
Macedo Lopes, Raquel Mombelli, Raquel R. B. Negrelle, Renato Azevedo Ma. Silvano, Rômulo R.
Nobrega Alves, Rumi R. Kubo, Tatiana M. Miranda, Valdeline A. da Silva, Valdely Ferreira Kinupp,
Vanilde Citadini-Zanette e Viviane Stern da Fonseca Kruel.
DIRETORIA DA SBEE / GESTÃO 2011-2012
Presidente: Maria Franco Trindade Medeiros (UFRPE)
Vice-Presidente: Ulysses Paulino de Albuquerque (UFRPE)
1ª. Secretária: Cecília de Fátima C. B. Rangel de Almeida (CESVASF)
2º. Secretário: Luiz Vital Fernandes Cruz da Cunha (UNICAP)
1º. Tesoureiro: Marcelo Alves Ramos (UFRPE)
2ª. Tesoureira: Rumi Regina Kubo (UFRGS)
Conselheiros: Elaine Elisabetsky (UFRGS), Hiroshi Noda (INPA), José Geraldo W. Marques (UEFS),
Maria Christina M. Amorozo (UNESP), Maria das Graças P. Sablayrolles (UFPA), Maria de F.
Barbosa Coelho (UFMT)
Representantes regionais
Centro-Oeste: Márcia Regina Maciel, Suelma Ribeiro Silva
Nordeste: Julio Marcelino Monteiro, Ernani Machado de Freitas Lins Neto
Norte: Sandra Noda, Ayrton Martins
Sudeste: Gustavo Taboada Soldati, Carolina Weber Kffuri
Sul: Vanilde Citadini-Zanette, Guilherme Fuhr.
!
!
ÍNDICE DE RESUMOS
1. ENCONTRO DE POPULAÇÕES TRADICIONAIS.......................1-2
CARTA DE FLORIANÓPOLIS - Redigida após o I Encontro com populações tradicionais do IX
Simposio de Etnobiologia e Etnoecologia
2. PALESTRAS E MESAS REDONDAS..........................................3
PALESTRANTES
Rodrigo R. de Freitas
Cristiana Simão Seixas
José Geraldo Marques
Ângelo Giuseppe Chaves
Alves
Mariana A. Policarpo
Milton Rosa e
Daniel Clark Orey
TÍTULO
SINERGIA ENTRE A ESCOLA DE COMMONS E DO
DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARA A GOVERNANÇA
DE ÁREAS MARINHAS PROTEGIDAS
ETNOBIOLOGIA MÉDICA: IMAGINÁRIO E RAZÃO PRÁTICA
“ANTHROPOLOGICAL BLUES”: O PRAZER E O PADECER NO
TRABALHO
DE
CAMPO
EM
ETNOBIOLOGIA
E
ETNOECOLOGIA
COMO! PENSAR! O! DESENVOLVIMENTO! TERRITORIAL!
SUSTENTÁVEL:! UM! ESTUDO! DE! CASO! NA! ZONA! COSTEIRA! DE!
SANTA!CATARINA!
AS APROXIMAÇÕES DA ETNOMATEMÁTICA COM A
ETNOBIOLOGIA E A ETNOECOLOGIA
PÁGINA
4
5
6
759!
10
3. ETNOZOOLOGIA.........................................................................11
TÍTULO
USO DE LARVAS DE BESOUROS COMO ALIMENTO ENTRE OS
GUARANIS ÑANDÉVA: UMA VISÃO DE SEGURANÇA
Cajetano Vera
ALIMENTAR E SUSTENTABILIDADE SOCIAL, NA ALDEIA
PIRAJUÍ, MUNICIPIO DE PARANHOS - MS.
AVES E ZOOSSEMIÓTICA: ORNITOÁUGURES SEGUNDO OS
Ana Teresa Galvagne Loss MORADORES DO POVOADO DE PEDRA BRANCA, SANTA
TERESINHA, BAHIA.
Fernando Augusto de
ESTUDO ETNOORNITOLÓGICO NA COMUNIDADE DO BONÉ,
Almeida Valério Carvalho MUNICÍPIO DE ARAPONGA, MINAS GERAIS.
MAPEAMENTO DE ESPÉCIES-CHAVE CULTURAL DA FAUNA
Wallisson Sylas Luna de
NO AGRESTE PARAIBANO: SALIÊNCIA CULTURAL E USOS
Oliveira
DE ANIMAIS
AVES SILVESTRES COMO ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO NO
Dandara Monalisa Mariz
SEMIÁRIDO DO RIO GRANDE DO NORTE, NORDESTE DO
da Silva Quirino Bezerra
BRASIL
RELAÇÃO ENTRE AS DENSIDADES DE AVES SILVESTRES E
Dandara Monalisa Mariz
SEU VALOR DE USO NO SEMIÁRIDO DO RIO GRANDE DO
da Silva Quirino Bezerra
NORTE, NORDESTE DO BRASIL
FAZ MAL POR QUÊ? AVES MORTAS POR CONFLITO NO
Iamara Policarpo
SERIDÓ PARAIBANO
AUTOR INSCRITO
!
PÁGINA
12
13
14
15
16
17
18
!
O COMÉRCIO DE ANIMAIS MEDICINAIS NO NORDESTE DO
BRASIL
Bruna Monielly Carvalho
DO MEDO DA JARARACA AO SANTO REMÉDIO DA BANHA
de Araújo
DE TEJU: ETNOHERPETOLOGIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO
Carlos Alberto Batista
OS INSETOS NA PERCEPÇÃO DOS QUILOMBOLAS DA VILA
Santos
BARRINHA DA CONCEIÇÃO, JUAZEIRO, ESTADO DA BAHIA
VISÃO ETNOBIOLÓGICA SOBRE O ENCALHAMENTO DE
Loyana Docio Santos
ESPONJAS (Porifera: Animalia) EM PRAIAS DO BAIXO-SUL DA
BAHIA.
RELAÇÃO ENTRE MORADORES RURAIS E A ESPÉCIE
Luciana Costa de Castilho AMEAÇADA Chaetomys subspinosus (OLFERS 1818) EM DUAS
ÁREAS PROTEGIDAS NO NORDESTE BRASILEIRO
ASPECTOS
SÓCIO-CULTURAIS
E
ECOLÓGICOS
DA
Jamylle Barcellos de
ATIVIDADE CINEGÉTICA REALIZADA POR CAÇADORES DO
Souza
MUNICÍPIO
DO
CONDE,
PARAÍBA:
RESULTADOS
PRELIMINARES.
ASPECTOS DA CAÇA DOS ÍNDIOS XERENTE (TOCANTINS,
Milton José de Paula
BRASIL) EM RELAÇÃO AOS MAMÍFEROS TERRESTRES DE
MÉDIO E GRANDE PORTE: RESULTADOS PRELIMINARES
USO DOS MAMÍFEROS TERRESTRES DE MÉDIO EM GRANDE
Milton José de Paula
PORTE PELOS ÍNDIOS XERENTE (TOCANTINS, BRASIL):
RESULTADOS PRELIMINARES.
ESTUDO ETNOENTOMOLÓGICO NA COMUNIDADE RURAL
Ernandes Fernandes da
DE MALHADA COMPRIDA, MUNICÍPIO DE CABACEIRAS,
Silva
PARAÍBA, BRASIL.
ESTUDO ETNOENTOMOLÓGICO NA COMUNIDADE RURAL
Ernandes Fernandes da
DE ALTO FECHADO, MUNICÍPIO DE CABACEIRAS, PARAÍBA,
Silva
BRASIL.
CONHECIMENTO TRADICIONAL E UTILIZAÇÃO DA
Suellen Santos
MASTOFAUNA EM UMA COMUNIDADE RURAL NA
DEPRESSÃO SERTANEJA (PARAÍBA, NORDESTE, BRASIL).
PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE ESPÉCIES ÚTEIS DA
MASTOFAUNA UTILIZADAS POR MORADORES DE UMA
Suellen Santos
COMUNIDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE LAGOA, PARAÍBA
(NORDESTE DO BRASIL)
Carlos Frederico Alves
A IDADE PODE INFLUENCIAR NO CONHECIMENTO E
De Vasconcelos Neto
UTILIZAÇÃO DA FAUNA CINEGÉTICA?
CONHECIMENTO TRADICINOAL E UTILIZAÇÃO DE
Carlos Frederico Alves de
RECURSOS FAUNÍSTICOS POR CAÇADORES DE FLORESTAS
Vasconcelos Neto
SECAS (PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL)
VALOR DE USO DAS TÉCNICAS DE PESCA E AS
ETNOESPÉCIES DE PEIXES NA COMUNIDADE DE
Juliane Marques de Souza
PESCADORES ARTESANAIS DE SACAÍ, NO BAIXO RIO
BRANCO, RORAIMA, BRASIL
A FAUNA NA ARTE KARAJA: ETNOZOOLOGIA E
Maria Nazaré Stevaux
IDENTIDADE CULTURAL
CONHECIMENTO TRADICIONAL DE CAÇADORES VERSUS
Claudio César Montenegro UMA COMUNIDADE RURAL DA DEPRESÃO SERTANEJA:
Júnior
UMA
COMPARAÇÃO
DO
CONHECIMENTO
MASTOZOOLÓGICO
Felipe Ferreira
!
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
!
CONHECIMENTO E USO DE ANIMAIS POR UMA
COMUNIDADE RURAL NO CURIMATAÚ DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL).
SINURBIZAÇÃO DO SARIGUÊ (DIDELPHIS) NO ECOSSISTEMA
Mônica Abreu
URBANO DE FEIRA DE SANTANA (BA): OCORRÊNCIA E
INTERAÇÃO COM OS SERES HUMANOS
CONHECIMENTO E USO DA FAUNA SILVESTRE UMA
José Ribamar Farias Lima COMUNIDADE RURAL DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL).
PADRÕES DE CONHECIMENTO SOBRE A FAUNA EM UMA
José Ribamar Farias Lima COMUNIDADE RURAL DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL).
SÍNTESIS
DEL
CONOCIMIENTO
SOBRE
EL
Blanca Roldan Clara
APROVECHAMIENTO DE AVES VIVAS EN LATINOAMÉRICA,
CON ÉNFASIS EN MÉXICO
CONHECIMENTO
ETNOMASTOZOOLÓGICO
DOS
Luiz Frederico Petla
MORADORES DOS ARREDORES DA COMUNIDADE DE
BISCAIA, PONTA GROSSA (PARANÁ)
ESTUDO COMPARATIVO DA RIQUEZA DE MAMÍFEROS
Hugo Fernandes-Ferreira
CINEGÉTICOS ENTRE AMAZÔNIA E CAATINGA: NOVOS
SUBSÍDIOS PARA A CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA.
CONHECIMENTO ETNOZOOLÓGICO DA COMUNIDADE DO
Alanza Mara Zanini
ENTORNO DA FLORESTA NACIONAL DE CHAPECÓ, SANTA
CATARINA, BRASIL
CONSERVANDO OS BOTOS E RESPEITANDO AS LENDAS:
Ana Marta Andrade Costa CONHECIMENTO ETNOBIOLÓGICO ENTRE ESTUDANTES DE
ESCOLAS PÚBLICAS DO PARÁ.
ETNOZOOLOGIA
E
QUILOMBOLAS:
CONHECIMENTO
Maria Clara Silveira
ECOLÓGICO TRADICIONAL E O USO MEDICINAL E
Santos
ALIMENTÍCIO
DOS
RECURSOS
FAUNÍSTICOS
NA
COMUNIDADE DE POÇÕES- NORTE DE MINAS GERAIS
DIVERSIDADE DE INSETOS DO GRUPO HUR?T? NA ETNIA
Stefani Nascimento
KARAJÁ
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE AVES DE RAPINA
Hyago Keslley Lucena
EM UMA COMUNIDADE RURAL NO CURIMATAÚ DA
Soares
PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE AVES DE RAPINA
Hyago Keslley Lucena
EM UMA COMUNIDADE RURAL NO CARIRI PARAIBANO:
Soares
DADOS PARCIAIS
IMPORTÂNCIA RELATIVA DE MAMÍFEROS MEDICINAIS
Priscilla Clementino
UTILIZADOS EM DUAS COMUNIDADES RURAIS NO
Coutinho
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
Marina Albuquerque
O TABU NA CONSERVAÇÃO: MANEJO LOCAL DA CAÇA NA
Regina de Mattos Vieira
RDS PIAGAÇU-PURUS, AM
CONHECIMENTO POPULAR SOBRE SERPENTES NAS
Rafaela Cândido de França PROXIMIDADES DA RESERVA BIOLÓGICA GUARIBAS, RIO
TINTO, PB.
IMPACTOS DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE Podocnemis
Cesar Santos
unifilis NA REGIÃO DOS LAGOS DO MUNICÍPIO DE
PRACUÚBA, AMAZÔNIA, BRASIL
Filipe Mariano de Sousa
!
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
!
Cesar Santos
Luanna Oliveira de Freitas
Isis Tamara Lopes de
Sousa Alves
Isis Tamara Lopes de
Sousa Alves
Ricardo Antonio Zanella
Reinaldo Farias Paiva de
Lucena
Maria Laura Fontelles
Ternes
Vanessa Moura
Vanessa Moura
Larissa Cavalcante Costa
Larissa Cavalcante Costa
ETNOBIOLOGIA DO APAIARI, Astronotus ocellatus (AGASSIZ,
1831), NA REGIÃO DOS LAGOS DE PRACUÚBA, AMAZÔNIA,
BRASIL.
UTILIZAÇÃO MEDICINAL DE RECURSOS PESQUEIROS PELOS
PESCADORES DE DELMIRO GOUVEIA-AL
COMPARAÇÃO DO CONHECIMENTO DA MASTOFAUNA
ENTRE ESPECIALISTAS DE DUAS COMUNIDADES RURAIS
DO SEMIÁRIDO PARAIBANO
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DA AVIFAUNA EM
UMA COMUNIDADE RURAL NO CARIRI PARAIBANO
(NORDESTE, BRASIL): DADOS PARCIAIS
ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE OS TURISTAS E OS QUATIS
(Nasua Nasua) NO MACUCO SAFÁRI - PARQUE NACIONAL
IGUAÇU, FOZ DO IGUAÇU- PR.
CRENDICE POPULAR SOBRE ASPECTOS MÍSTICOS E
RELIGIOSOS DE ANIMAIS NO SEMIÁRIDO DO NORDESTE DO
BRASIL
CONHECIMENTO DOS JANGADEIROS SOBRE O CAVALOMARINHO (Hippocampus reidi GINSBURG 1933) EM
MARACAÍPE, IPOJUCA/PE
UTILIZAÇÃO DE AVES EM QUATRO COMUNIDADES RURAIS
NO NORDESTE BRASILEIRO
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DA AVIFAUNA EM
UMA COMUNIDADE RURAL NO CURIMATAÚ DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL).
TRANSMISSÃO
CULTURAL
DO
CONHECIMENTO
TRADICIONAL SOBRE AVIFAUNA EM DUAS COMUNIDADES
RURAIS DA PARAÍBA
COMPARAÇÃO DE CONHECIMENTO DA AVIFAUNA ENTRE
ESPECIALISTAS DE DUAS COMUNIDADES RURAIS DA
DEPRESSÃO SERTANEJA (PARAÍBA,BRASIL)
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
Flávio Bezerra Barros
USO MEDICINAL DA FAUNA LOCAL POR UMA
COMUNIDADE TRADICIONAL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA
64
Camila Alvez Islas
A ETNOZOOLOGIA COMO IMPORTANTE FERRAMENTA
PARA A CONSERVAÇÃO DE MAMÍFEROS SILVESTRES
65
4. ETNOTAXONOMIA.........................................................................66
AUTOR INSCRITO
Welinton Ribamar Lopes
!
TÍTULO
PÁGINA
PERCEPÇÕES DE REPRESENTANTES INDÍGENAS DA TRIBO
KARAJA (ALDEIA BURIDINA, ARUANÃ, GO) SOBRE A FAUNA
LOCAL DE INVERTEBRADOS TERRESTRES E SUA
DIVERSIDADE
67
!
Welinton Ribamar Lopes
CRITÉRIOS DE IDENTIFICAÇÃO DA AVIFAUNA LOCAL
UTILIZADOS PELOS ÍNDIOS KARAJAS DA ALDEIA
BURIDINA, ARUANÃ, GO
68
Maria Lucia Cereda
Gomide
ETNOCLASSIFICAÇÕES XAVANTE DOS CERRADOS - RÓ
69
Dannieli Herbst
Ana Luiza Arraes de
Alencar Assis
Jaime Ribeiro Carvalho
Júnior
ETNOTAXONOMIA DE MUGILÍDEOS POR PESCADORES DE
TAINHA DO LITORAL DE SANTA CATARINA
PERCEPÇÃO SOBRE VARIEDADES DE Araucaria angustifolia
ENTRE OS EXTRATORES DE PINHÃO NO FAXINAL DO BOM
RETIRO (PINHÃO-PR, BRASIL).
ETNOICTIOLOGIA NA TERRA INDÍGENA TRINCHEIRA
BACAJÁ (TITB) - POVO XIKRIN, PARÁ
70
71
72
5. EDUCAÇÃO AMBIENTAL.........................................................................73
AUTOR INSCRITO
Hani Rocha el Bizri
Elvira Cynthia Alves
Horácio
Carolina Colombo
Bruno de Matos Casaca
João Paulo Silva Spindola
André Rocha Franco
Marlua Socorro Batista
TÍTULO
A
PRODUÇÃO
E
UTILIZAÇÃO
DE
UM
VÍDEO
DOCUMENTÁRIO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTUDO DE
CASO "MINHOCUÇU - QUE BICHO É ESSE?"
A LITERATURA DE CORDEL COMO FERRAMENTA PARA O
RESGATE CULTURAL DE COMUNIDADES TRADICIONAIS
RIBEIRINHAS - O CASO DAS COMUNIDADES DO RIO
PARAUNINHA
TROTE BIOCONSCIENTE - ATUAÇÕES EM EDUCAÇÃO
SOCIOAMBIENTAL
CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES FINALISTAS DO ENSINO
MÉDIO SOBRE O TEMA BIODIVERSIDADE
PERCEPÇÕES HUMANAS ACERCA DA FAUNA E AS
IMPLICAÇÕES NA CONSERVAÇÃO
REDE SOCIAL PARA A VALORIZAÇÃO DOS PATRIMÔNIOS
AMBIENTAIS E CULTURAIS EM REGIÃO DA RESERVA DA
BIOSFERA DA SERRA DO ESPINHAÇO, ENTORNO DO
PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO INTENDENTE
CONHECIMENTOS ECOLÓGICOS LOCAIS E GESTÃO DA
PESCA NA COMUNIDADE DO GUARAÚ, PERUÍBE/SP
PRÉ
74
75
76
77
78
79
80
Samuel Molina Schnorr
CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES DE UM
VESTIBULAR SOBRE A ORIGEM DA VIDA
Ariana Sousa de Moraes
Sarmento
O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA UNIDADE DE
CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL A PARTIR DA
PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DO ENTORNO
82
Thaís Queiroz Morcatty
CAPIVARAS DA LAGOA DA PAMPULHA: INIMIGAS OU
ALIADAS?
83
Kesley Paiva da Silva
ETNOBIOLOGIA DE TARTARUGA MARINHA, COM USO DE
MAPAS
MENTAIS,
POR
DISCENTES
DO
ENSINO
FUNDAMENTAL, NA APA DELTA DO PARNAÍBA - PI/MA.
84
!
CURSO
PÁGINA
81
!
Elvira Cynthia Alves
Horácio
REGISTRO DA HISTORIA ORAL: RESGATANDO CULTURA A
PARTIR DE TEMÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS ATRAVÉS DE
VÍDEO DOCUMENTÁRIO COM AS COMUNIDADES DO RIO
PARAUNINHA
85
6. ETNOMEDICINA E ETNOFARMACOLOGIA..................................86
AUTOR INSCRITO
Patricia Fernandes
Patricia Fernandes
Camila Gonzaga de Jesus
Felipe Ferreira
Evlyn Vilar
Karina Mayumi Higa
Márcia de Farias
Cavalcante
TÍTULO
HOMEOPATIA NO PLANALTO SERRANO CATARINENSE: DO
USO POPULAR AO ACESSO ELITIZADO
FITOTERAPIA E CURAS POPULARES: ETNOCONHECIMENTO
DOS
AGRICULTORES
DO
PLANALTO
SERRANO
CATARINENSE
UTILIZAÇÃO MEDICINAL POPULAR DE RECURSOS
GENÉTICOS VEGETAIS EM ÁREAS DE FUNDO DE PASTO NO
MUNICÍPIO DE CURAÇÁ BAHIA BRASIL
POTENCIAL BACTERICIDA DE PRODUTOS PROVENIENTES
DE ANIMAIS MEDICINAIS: ZOOTERÁPICOS PODEM SER
BONS ANTIBIÓTICOS?
CONCEITOS LOCAIS DE INFLAMAÇÃO E PLANTAS
MEDICINAIS UTILIZADAS COMO ANTI-INFLAMATÓRIAS
PELO POVOADO CANGANDU NO AGRESTE ALAGOANO: UM
ESTUDO ETNOBOTÂNICO E ETNOFARMACOLÓGICO
PLANTAS COM NOME DE MEDICAMENTOS NO RIO GRANDE
DO SUL: CONCORDÂNCIA ENTRE USOS POPULARES E
INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS CONTIDAS NAS BULAS
PLANTAS
MEDICINAIS
UTILIZADAS
COMO
ANTIINFLAMATÓRIAS
E
OS
CONCEITOS
LOCAIS
DE
INFLAMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DO AGRESTE
ALAGOANO
PÁGINA
87
88
89
90
91
92
93
7. ECOLOGIA HUMANA.........................................................................94
AUTOR INSCRITO
Camilah Zappes
Fernanda Savicki de
Almeida
Deborah Santos Prado
Martinho Alves de
Andrade Júnior
!
TÍTULO
PESCA ARTESANAL VERSUS COMPLEXO LOGÍSTICO
INDUSTRIAL PORTUÁRIO DO AÇU: INTERFERÊNCIAS NA
MANUTENÇÃO DO CONHECIMENTO LOCAL E CONFLITOS
FRENTE À COMUNIDADE PESQUEIRA DE ATAFONA, RJ
O CONHECIMENTO LOCAL DE POPULAÇÕES NÃO
TRADICIONAIS E OS ASSENTAMENTOS DE REFORMA
AGRÁRIA BRASILEIROS.
MUDANÇAS SOCIOECOLÓGICAS E RESILIÊNCIA DE MODOS
DE VIDA NA PRAIA DO AVENTUREIRO, ILHA GRANDE (RJ)
DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO JUNTO AOS
INDÍGENAS POTIGUARA EM SAGI/TRABANDA, BAÍA
FORMOSA/RN
PÁGINA
95
96
97
98
Martinho Alves de
Andrade Júnior
Marcelino Araújo
Marcelino Araújo
Denison Melo de Aguiar
Fabiana Calacina
Fabiana Calacina
Marco Túlio da Silva
Ferreira
Luanna Oliveira de Freitas
Francinalda Maria
Rodrigues Rocha
Monalisa Marinelli
Jessé Renan Scapini
Sobczak
Mariana Aparecida Farias
Almeida
Flávio Bezerra Barros
Sofia Zank
Elaine Mitie Nakamura
Wilson Moreira Junior
DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO JUNTO AOS
CABOCLOS DE AÇU, EM ASSÚ/RN
A CONEXÃO SER HUMANO/MINERAL CONTEXTUALIZADA
NUMA FEIRA LIVRE DE PAULO AFONSO/BA
CONEXÃO SER HUMANO/SOBRENATURAL EM ECOLOGIA
HUMANA NA FEIRA LIVRE DE PAULO AFONSO - BA
IDENTIDADE RIBEIRINHA E TUTELA DOS RECURSOS
PESQUEIROS NA AMAZÔNIA BRASILEIRA: UM ESTUDO DE
CASO EM SANTO ANTÔNIO DO RIO URUBU (BOA VISTA DO
RAMOS, AMAZONAS)
CONHECIMENTO DOS PESCADORES DA COLÔNIA Z-16
SOBRE A REPRODUÇÃO DO ARACU-DA-PEDRA Leporinus cf
melanostictus (CHARACIFORMES:ANOSTOMIDAE) NO MÉDIO
RIO ARAGUARI, AP
ETNOICTIOLOGIA DE PESCADORES ARTESANAIS DO MÉDIO
RIO ARAGUARI, AMAPÁ.
ECOLOGIA HISTÓRICA E SABERES ECOLÓGICOS LOCAIS
COMO FERRAMENTAS PARA A GESTÃO AMBIENTAL
COMUNITÁRIA: ESTUDO DE CASO DA TERRA INDÍGENA
MAXAKALI, MINAS GERAIS
A ATIVIDADE PESQUEIRA E SUAS IMPLICAÇÕES NA SAÚDE
DOS PESCADORES ARTESANAIS DO CÂNION SÃO
FRANCISCO, EM TRECHOS DE ALAGOAS E BAHIA - BRASIL
INTEGRANDO SABERES PARA GESTÃO PARTICIPATIVA DOS
RECURSOS PESQUEIROS NO ESTUÁRIO DOS RIOS TIMONHA
E UBATUBA (CE/PI).
A PESCA ARTESANAL NA COMUNIDADE DE PESCADORES
DA PRAIA DE FOLES, PARQUE ESTADUAL ILHA DO
CARDOSO, SP: CARACTERIZAÇÃO E IMPORTÂNCIA LOCAL.
LOCAL ECOLOGICAL KNOWLEDGE AND WATER QUALITY:
SUBSIDIES FOR THE MANAGEMENT OF WATER RESOURCES
IN A CONSERVATION UNIT IN THE SOUTHERN REGION OF
BRAZIL
GESTÃO DO TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADES NO RIO
SÃO FRANCISCO: A ARTE DO SABER-FAZER E O
SENTIMENTO DE PERTENCIMENTO DOS PESCADORES
ARTESANAIS DA CIDADE DE SÃO FRANCISCO - MG
XERIMBABOS? SOBRE A RELAÇÃO DE SENTIMENTO ENTRE
O HOMEM E O ANIMAL NA AMAZÔNIA
ETNOBOTÂNICA DE PLANTAS MEDICINAIS E DIREITOS DOS
POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS NO LITORAL DE
SANTA CATARINA.
USO
DE
RECURSOS
NATURAIS
LOCAIS
PARA
ALIMENTAÇÃO POR DUAS COMUNIDADES NO ENTORNO DE
UNIDADE DE CONSERVAÇÃO EM SANTA CATARINA.
ESTÍMULOS UTILIZADOS PELOS PESCADORES ARTESANAIS
PARA INDUÇÃO AO SALTO DOS PEIXES NA EXTINTA PESCA
DO TRIBOMBÓ, NA REGIÃO ESTUARINA DA BAIXADA
SANTISTA/SP.
99
100
101
102
103
104
105
106
107
108
109
110
111
112
113
114
Mariana Aparecida Farias
Almeida
POSSIBILIDADES
E
DESAFIOS
DA
GESTÃO
COMPARTILHADA DOS RECURSOS PESQUEIROS NO ALTOMÉDIO SÃO FRANCISCO
115
8. ETNOBOTÂNICA................................................................................116
AUTOR INSCRITO
Rubens Pessoa de Barros
Rubens Pessoa de Barros
Regina Célia
Regina Célia
TÍTULO
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS
ENCONTRADAS NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE
ARAPIRACA-AL
AVALIAÇÃO
DAS
ESPIGAS
DE
MILHO
VERDE
COMERCIALIZADAS NAS FEIRAS LIVRES DE ARAPIRACA-AL
NUM CONTEXTO ETNOBOTÂNICO
USO, CONHECIMENTO E EXTRAÇÃO DO CANDOMBÁ
(Vellozia Sincorana) NA CHAPADA DIAMANTINA, BAHIA,
BRASIL
PERCEPÇÕES ECOLÓGICAS DE COMUNIDADES RESIDENTES
NO ENTORNO DO PARQUE NACIONAL DA CHAPADA
DIAMANTINA, BAHIA, BRASIL
117
118
119
120
Valdely Ferreira Kinupp
ASPECTOS ETNOBOTÂNICOS DE ARACEAE JUSS.
COMUNIDADE SANTA MARIA, BAIXO RIO NEGRO - AM
Camilo Tomazini Pedrollo
UMA BREVE REVISÃO SOBRE OS ENTRAVES PARA A
PESQUISA E O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS
NATURAIS NO BRASIL, EM ESPECIAL NA AMAZÔNIA
122
Clovis José Fernandes de
Oliveira Júnior
ETNOBOTÂNICA E DIVERSIDADE DE USOS DE ESPÉCIES DE
EUGENIA NO BRASIL
123
Maria Elizangela Ramos
Junqueira
Marcelo Alves Ramos
Marcelo Alves Ramos
NA
PÁGINA
CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO DOS VENDEDORES DE
PLANTAS DITAS COMO MEDICINAIS NA FEIRA LIVRE DO
MUNICÍPIO DE GUANAMBI, BAHIA.
O COMPORTAMENTO DE CITAÇÃO EM TRABALHOS
CIENTÍFICOS POPULARES: O QUE ESTÁ OCULTO POR TRÁS
DAS CITAÇÕES? UM ESTUDO DE CASO NA ETNOBOTÂNICA
O USO DOMÉSTICO DE LENHA EM DUAS COMUNIDADES
RURAIS DA CAATINGA: COMO A SAZONALIDADE
AMBIENTAL INTERFERE NOS PADRÕES DE COLETA DESSE
RECURSO?
121
124
125
126
Renata Palandri Sigolo
Sell
PLANTAS MEDICINAIS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA
EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
127
Edinei Santos da Silva
ESTUDO ETNOBOTÂNICO
ASSENTAMENTO IPORÁ-AM
128
DE
PLANTAS
ÚTEIS
NO
!
Juliana Lins Góes de
Carvalho
A SÍNDROME
AMAZÔNIA
João Everthon da Silva
Ribeiro
ANÁLISE DO VALOR DE USO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS
EM SEIS COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO DA
PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
130
João Everthon da Silva
Ribeiro
APARÊNCIA ECOLÓGICA E IMPORTÂNCIA DE PLANTAS
ÚTEIS: TESTANDO DIFERENTES VALORES DE USO
131
João Paulo Ribeiro
João Paulo Ribeiro
Carlos Antonio Belarmino
Alves
Karine Santos
Natan Medeiros Guerra
Natan Medeiros Guerra
Ezquiel da Costa Ferreira
Ezquiel da Costa Ferreira
DE
DOMESTICAÇÃO
DO
URUCUM
NA
O USO DE ESPÉCIES VEGETAIS NATIVAS ÚTEIS PODE SER
EXPLICADO POR SUA DISPONIBILIDADE LOCAL EM UMA
ÁREA DO SERTÃO DA PARAÍBA?
ÍNDICE DE PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE PLANTAS
ÚTEIS EM UMA ÁREA DO SERTÃO DA PARAÍBA (NORDESTE
DO BRASIL)
FLORA BIOINDICADORA DE FENÔMENOS NATURAIS EM
REGIÕES NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO
BRASIL)
COMUNIDADES LOCAIS E A AGROBIODIVERSIDADE NO
PLANALTO SUL CATARINENSE
ÍNDICE DE PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE PLANTAS
ÚTEIS EM UMA ÁREA DA DEPRESSÃO SERTANEJA
(PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL)
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS EM
UMA COMUNIDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO
(PARAÍBA, NORDESTE, BRASIL)
IMPORTÂNCIA RELATIVA DE PLANTAS MEDICINAIS
LENHOSAS EM SEIS COMUNIDADES RURAIS NO ESTADO DA
PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL
CONHECIMENTO
TRADICIONAL
SOBRE
PLANTAS
MEDICINAIS EM DUAS COMUNIDADES RURAIS NA
DEPRESSÃO SERTANEJA, NORDESTE DO BRASIL
129
132
133
134
135
136
137
138
139
Kamila Marques Pedrosa
ESTUDO ETNOBOTÂNICO E DISPONIBILIDADE LOCAL DE
Sideroxylon obtusifolium (ROEM. & SCHULT.) T.D. PENN. EM
TRÊS REGIÕES DA DEPRESSÃO SERTANEJA (NORDESTE DO
BRASIL)
140
Kamila Marques Pedrosa
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE Sideroxylon
obtusifolium (ROEM. & SCHULT.) T.D. PENN. EM
COMUNIDADES RURAIS DO CURIMATAÚ E
CARIRIS
VELHOS DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL)
141
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE Schinopsis brasiliensis ENGL. EM
Gysleynne Gomes da Silva
CINCO COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
Costa
(NORDESTE DO BRASIL.)
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE Prosopis juliflora
Gysleynne Gomes da Silva
(SW.) DC. POR COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO,
Costa
PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL
!
142
143
!
Josenildo Santos Machado
Josenildo Santos Machado
Wellington Miguel Dantas
Arliston Pereira Leite
Arliston Pereira Leite
Gabriela Schmitz Gomes
Amabile Arruda
Amabile Arruda
Simone Silva
Zenneyde Alves Soares
DIVERSIDADE BIÓLOGICA E CULTURAL DE CACTÁCEAS NO
CARIRI ORIENTAL, PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL:
DADOS PARCIAIS
IMPORTÂNCIA DAS CACTÁCEAS PARA OS AGRICULTORES
EM UMA ÁREA DO CURIMATAÚ PARAIBANO (NORDESTE
DO BRASIL)
A HIPÓTESE DA APARÊNCIA ECOLÓGICA PODE SER
APLICADA EM FLORESTAS TROPICAIS SECAS?
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES UTILIZADAS PARA
FINS ENERGÉTICOS EM SEIS COMUNIDADES RURAIS DO
NORDESTE DO BRASIL.
A APARÊNCIA ECOLÓGICA PODE EXPLICAR A UTILIZAÇÃO
DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA?
ETNOCONHECIMENTO
NO
MANEJO
DA
AGROBIODIVERSIDADE EM QUINTAIS URBANOS EM IRATI,
PARANÁ
CONHECIMENTO
TRADICIONAL
SOBRE
PRÁTICAS
VETERINÁRIAS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE,
BRASIL)
ESTUDO
COMPARATIVO
DO
CONHECIMENTO
ETNOVETERINÁRIO EM DOIS MUNICÍPIOS DO SEMIÁRIDO.
PARAÍBA, BRASIL
USO E CONHECIMENTO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS EM
UMA COMUNIDADE RURAL NO CURIMATAÚ DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL).
ESTUDO COMPARATIVO SOBRE O USO DE ESPÉCIES
VEGETAIS PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL (FORRAGEM) EM
DIFERENTES REGIÕES DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL)
144
145
146
147
148
149
150
151
152
153
Zenneyde Alves Soares
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS DA
CAATINGA NO SERTÃO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
154
Viviany Teixeira do
Nascimento
ESPÉCIES VEGETAIS UTILIZADAS EM CONSTRUÇÕES
RURAIS (CERCAS) NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA, NORDESTE
DO BRASIL.
155
Viviany Teixeira do
Nascimento
TIPOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES RURAIS (CERCAS) NO
MUNICÍPIO DE CABACEIRAS, PARAÍBA, BRASIL.
156
Samantha Filippon
Juliane Marques de Souza
!
CARACTERIZAÇÃO DO CONHECIMENTO LOCAL SOBRE USO
E MANEJO Bromelia Antiacantha (BROMELIACEAE) NO
PLANALTO NORTE CATARINENSE.
O USO DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO-CONVENCIONAIS
NA COMUNIDADE RIBEIRINHA DE SACAI, CARACARAÍ,
RORAIMA
157
158
!
Nathália Alves de Sousa
JARDIM BOTÂNICO DE OURO PRETO: UMA ABORDAGEM
ETNOBOTÂNICA HISTÓRICA.
159
Vivian Zambon
SABER POPULAR SOBRE PLANTAS: UM LEVANTAMENTO
ETNOBOTÂNICO EM ÁREAS RURAIS DE PIRACICABA/SP.
160
Nubia da Silva
Nubia da Silva
João Paulo Ribeiro
Daniel da Silva Gomes
Daniel da Silva Gomes
Ernane Nogueira Nunes
Ernane Nogueira Nunes
Elizabethe Quintella de
Lima
Ricardo Batista dos Santos
CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES VEGETAIS EM
UMA COMUNIDADE RURAL NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL)
A APARÊNCIA ECOLÓGICA EXPLICA A UTILIZAÇÃO DE
PLANTAS EM UMA COMUNIDADE RURAL NOS CARIRIS
VELHOS DA PARAÍBA
AVALIAÇÃO DE PLANTAS UTÉIS POR MEIO DO ÍNDICE DE
PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO EM UMA COMUNIADE
RURAL NOS CARIRIS VELHOS DA PARAÍBA.
CONHECIMENTO TRADICIONAL E UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES
VEGETAIS EM CONSTRUÇÕES RURAIS E DOMÉSTICAS NO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE Myracrodruon
urundeuva ALLEMÃO E Anadanthera colubrina (VELL.) BRENAN
EM QUATRO MUNICÍPIOS DO SEMIÁRIDO PARAÍBANO
(NORDESTE DO BRASIL).
EXPLORANDO AS POTENCIALIDADES ALIMENTÍCIAS E
FORRAGEIRAS DE CACTÁCEAS EM REGIÕES DO SEMIÁRIDO
DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
CONHECIMENTO
TRADICIONAL
SOBRE
PLANTAS
ALIMENTÍCIAS EM TRÊS COMUNIDADES RURAIS DO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL.
ESTUDO ETONOBOTÂNICO DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS EM
TRÊS COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
(NORDESTE DO BRASIL).
IMPORTÂNCIA RELATIVA X VALOR DE USO DE PLANTAS
MEDICINAIS EM DIFERENTES COMUNIDADES RURAIS NO
ESTADO DA PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL.
161
162
163
164
165
166
167
168
169
Antônio Honório do
Nascimento Filho
TIPOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES RURAIS (CERCAS) NO
MUNICÍPIO DE REMÍGIO, PARAÍBA, BRASIL.
170
Antônio Honório do
Nascimento Filho
INVENTÁRIO DAS ESPÉCIES VEGETAIS UTILIZADAS EM
CONSTRUÇÕES RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
(NORDESTE, BRASIL).
171
Camilla Marques de
Lucena
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE Spondia Tuberosa
ÁRVORE SAGRADA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO
172
Camilla Marques de
Lucena
USO DE CACTÁCEAS NATIVAS COMO RECURSO
MADEIREIRO EM COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO
(PARAÍBA, NORDESTE, BRASIL)
!
Arruda:
173
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE CACTÁCEAS NO CARIRI
Gyslaynne Gomes da Silva
OCIDENTAL DA PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL: DADOS
Costa
PARCIAIS
174
Michele Fernanda
Marques de Brito
CONHECIMENTO POPULAR SOBRE PLANTAS MEDICINAIS
NO ASSENTAMENTO TAMBABA, CONDE, PARAÍBA, BRASIL
175
Rodrigo Leonardo Costa
de Oliveira
QUINTAIS EM ÁREA DE VÁRZEA NA COMUNIDADE SACAÍ,
RORAIMA, BRASIL.
176
Hanna Ayres Burnier
USO DAS PLANTAS NA COMUNIDADE PESQUEIRA
ARTESANAL DA VILA DE ZACARIAS, MARICÁ, RIO DE
JANEIRO, BRASIL.
177
Pedro Glecio Costa Lima
PLANTAS
MEDICINAIS
AMAZÔNICOS
178
Bernardo Tomchinsky
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE UMA HATI PARESI
EM
MERCADOS
PÚBLICOS
179
Késsia Virgínia dos Santos PLANTAS MEDICINAIS DE USO FEMININO NA COMUNIDADE
Lima
INDÍGENA KANTARURÉ BATIDA, GLÓRIA/BA, BRASIL.
180
USOS E CRITÉRIOS PERCEBIDOS POR ESPECIALISTAS
LOCAIS NA INDICAÇÃO DE PLANTAS PARA O TRATAMENTO
DE DOENÇAS: INVESTIGANDO UM SISTEMA MÉDICO LOCAL
NO NORDESTE BRASILEIRO.
181
Washington Soares
CONHECIMENTO TRADICIONAL DE PLANTAS ÚTEIS EM
Claudio César Montenegro
UMA COMUNIDADE RURAL NO CARIRI PARAIBANO,
Júnior
NORDESTE DO BRASIL
CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS LENHOSAS
Nayze de Almeida
NA MEDICINA TRADICIONAL EM UMA COMUNIDADE
Marreiros
RURAL NO ESTADO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
PLANTAS MEDICINAIS LENHOSAS CONHECIDAS E
Nayze de Almeida
UTILIZADAS EM DUAS COMUNIDADES RURAIS NO
Marreiros
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
PROJETO PRÓ FRUTAS NATIVAS - RECURSOS VEGETAIS
Claudine Abreu
LOCAIS E A CONSERVAÇÃO DAS ÁREAS NATURAIS DO
MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE, RS, BRASIL
IMPORTÂNCIA RELATIVA DE PLANTAS MEDICINAIS
Marilia da Silva Santos
APLICADAS NA VETERINÁRIA EM QUATRO COMUNIDADES
RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO, NORDESTE - BRASIL
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE PLANTAS TÓXICAS
Marilia da Silva Santos
PARA ANIMAIS E HUMANOS EM COMUNIDADES RURAIS NO
SEMIÁRIDO PARAIBANO, NORDESTE, BRASIL.
CONSENSO CULTURAL SOBRE CONHECIMENTO E USO DE
Henrique Hermenegildo
PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA COMUNIDADE
QUILOMBOLA DO CARRASCO, ARAPIRACA-AL.
!
182
183
184
185
186
187
188
!
Gleicy Deise Santos Lima
Gleicy Deise Santos Lima
Leonardo Kumagai A.
Sampaio
Maurício Lamano Ferreira
Ana Paula do Nascimento
Lamano Ferreira
Josaline Costa
Josaline Costa
Merieli Araújo do Carmo
Silva
INVENTÁRIO IN SITU DO USO DE RECURSOS VEGETAIS
MADEIREIROS EM UMA COMUNIDADE RURAL NO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
INVENTÁRIO IN SITU DO USO DE RECURSOS VEGETAIS NÃO
MADEIREIROS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE,
BRASIL).
ETNOBOTÂNICA DA CHACRONA (Psychotria viridis Ruiz &
Pavon Rubiaceae) UTILIZADA PELA COMUNIDADE DA UNIÃO
DO VEGETAL, CACOAL/RO - RESULTADOS PRELIMINARES.
USO DE PLANTAS EM QUINTAIS DOMÉSTICOS EM CIDADES
DE TRÊS REGIÕES BRASILEIRAS
PERCEPÇÃO DE QUINTAL E SUA RELAÇÃO COM O CULTIVO
DE PLANTAS NA REGIÃO NORTE DO MUNICÍPIO DE SÃO
PAULO
IMPORTÂNCIA RELATIVA DAS PLANTAS MEDICINAIS
COMERCIALIZADAS NAS FEIRAS DOS MUNICÍPIOS DE
PAULO
AFONSO-BA,
DELMIRO
GOUVEIA-AL
E
PETROLÂNDIA-PE
CONCORDÂNCIA DE USO E IMPORTÂNCIA DAS ESPÉCIES
UTILIZADAS COMO MEDICINAIS PELA COMUNIDADE DO
POVOADO JUÁ, PAULO AFONSO - BA
OFERTA E USO DE RECURSOS FLORESTAIS NA RESERVA
LEGAL DO ASSENTAMENTO RENDEIRAS EM GIRAU DO
PONCIANO-AL
189
190
191
192
193
194
195
196
Joyce Alves Rocha
ETNOBOTÂNICA: ENTRAVES E POSSIBILIDADES
197
Wilton da Silva Santos
Santos
LEVANTAMENTO
ETNOBOTANICO
ESPONTÂNEAS UTILIZADOS PARA
QUALIDADE DO SOLO
198
Simone Silva
UTILIZAÇÃO DE PLANTAS EM CRENÇAS POPULARES NO
NORDESTE DO BRASIL
Diego Batista de Oliveira
Abreu
Raphael Cavalcante Paulo
Julia Vieira da Cunha
Avila
Andréa Gabriela Mattos
!
DE
PLANTAS
AVALIAÇÃO DA
CONHECIMENTO E USO DE Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. POR
MORADORES DE SETE COMUNIDADES RURAIS DO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
ESPÉCIES VEGETAIS UTILIZADAS NA FABRICAÇÃO DE
ARTEFATOS TECNOLÓGICOS EM SEIS COMUNIDADES
RURAIS DO SEMIÁRIDO PARAÍBANO (NORDESTE DO
BRASIL).
A PERCEPÇÃO DOS BENZEDORES DE IMBITUBA E
GAROPABA-SC (BRASIL) SOBRE A OBTENÇÃO DAS
PLANTAS MEDICINAIS.
RELAÇÃO
ENTRE
AGRICULTORES
FAMILIARES
EXTRATIVISTAS DE ERVA-MATE (Ilex paraguarienis A. St.-Hil)
E A FLORESTA DE ARAUCARIA NA REGIÃO DO PLANALTO
NORTE CATARINENSE
199
200
201
202
203
!
Luciana Nascimento
Luciana Nascimento
Cirlane Alves
A SELEÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS POR POPULAÇÕES
LOCAIS BRASILEIRAS SOFRE INFLUÊNCIA TAXONÔMICA?
UMA ANÁLISE
USO DOMÉSTICO DE LENHA NA COMUNIDADE RURAL DE
NOVO HORIZONTE, MUNICÍPIO DE JARDIM (CE):
PREFERÊNCIAS LOCAIS E COLETA DE PRODUTOS
FLORESTAIS MADEIREIROS NA FLORESTA NACIONAL DO
ARARIPE (FLONA)
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE FARMACOLÓGICA DO
EXTRATO ETANÓLICO DE Solanum stipulaceum ROEM &
SCHULT, INDICADA COMO ANTIULCEROGÊNICA GÁSTRICA
EM UM ESTUDO ETNOBOTÂNICO NO POVOADO VILA
CAPIM, ARAPIRACA-AL.
204
205
206
Nilo Leal Sander
CONHECIMENTO
ECOLÓGICO
TRADICIONAL
DOS
QUILOMBOLAS DE VILA BELA DE SANTÍSSIMA TRINDADE MT SOBRE ÁRVORES FRUTÍFERAS DAS ÁREAS INUNDÁVEIS
DO RIO GUAPORÉ.
207
Carla Korndörfer
O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NOS QUINTAIS DO BAIRRO
FLOR DO CAMPO, CAMPO MAIOR, PIAUÍ, BRASIL.
208
Diana Carolina Martinez
Sanchez
A ETNOBOTÂNICA E AS MATAS
COMUNIDADE RAIZAMA, CUIABÁ-MT
209
José Rodrigues de
Almeida Neto
José Rodrigues de
Almeida Neto
DE
GALERIA
NA
CONHECIMENTO POPULAR SOBRE PLANTAS MEDICINAIS
NO BAIRRO FLORES EM CAMPO MAIOR, PIAUÍ, NORDESTE,
BRASIL.
ETNOBOTÂNICA DE PLANTAS MEDICINAIS EM QUINTAIS
NORDESTINOS: O CASO DO BAIRRO SANTA RITA EM CAMPO
MAIOR, PIAUÍ, BRASIL.
210
211
Thamires Kelly Nunes
Carvalho
O USO DE RECURSOS VEGETAIS DE FLORESTAS SECAS
PODE SER EXPLICADO POR SUA DISPONIBILIDADE LOCAL?
212
Thamires Kelly Nunes
Carvalho
AVALIANDO A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS NATIVAS DO
SEMIÁRIDO POR MEIO DO ÍNDICE DE PRIORIDADE DE
CONSERVAÇÃO (PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL)
213
Reginaldo de Oliveira
Nunes
RECURSOS
VEGETAIS
UTILIZADOS
PELOS
POVOS
INDÍGENAS DE RONDÔNIA E NOROESTE DE MATO GROSSO
214
Mariana Giraldi
Mel Simionato Marques
Marcelo Rodrigues de
Souza Júnior
!
LISTA LIVRE, RECORDATÓRIO 24 HORAS E ANÁLISE DE
DESPENSA - REGISTRANDO A RIQUEZA DE PLANTAS
ALIMENTÍCIAS QUE PERMEIAM A DIETA CAIÇARA
ETNOBOTÂNICA E A IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA
NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS: UM
POSSÍVEL DIÁLOGO
TRANSMISSÃO DO CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO EM
UMA COMUNIDADE RURAL DO SEMIÁRIDO (PARAÍBA,
NORDESTE, BRASIL)
215
216
217
!
Marcelo Rodrigues de
Souza Júnior
Aline Camila Silva de
Oliveira
AS DIFERENÇAS DE GÊNERO QUANTO AO CONHECIMENTO
ECOLÓGICO TRADICIONAL EM UMA POPULAÇÃO DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
IMPORTÂNCIA CULTURAL DE PLANTAS MEDICINAIS
UTILIZADAS NA COMUNIDADE CANGANDU, MUNICÍPIO DE
ARAPIRACA-AL, NORDESTE DO BRASIL.
218
219
Gyslaynne Gomes da Silva DINÂMICA DO CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE
Costa
CACTÁCEAS EM REGIÕES DO SEMIÁRIDO NORDESTINO
220
USO DE ESPÉCIES VEGETAIS EM SEIS COMUNIDADES
RURAIS DO SEMIÁRIDO PARAIBANO, NORDESTE, BRASIL
221
Wellington Miguel Dantas
Nathália Alves De Sousa
André Santos Souza
Leidanne Silva
Madson Trindade
Madson Trindade
Thamires Kelly Nunes
Carvalho
Diego Dael Olio Cesarino
Jose Ribamar S. Junior
Jose Ribamar S. Junior
Sebastião Gabriel Chaves
Maia
Priscilla Clementino
Coutinho
!
CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES ARBÓREAS
POR AGRICULTORES DA APA COSTA DE ITACARÉ-SERRA
GRANDE, BAHIA, BRASIL.
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE ESPÉCIES
VEGETAIS PARA FORNECIMENTO DE ENERGIA EM UMA
COMUNIDADE RURAL DO SEMIÁRIDO PARAIBANO
IMPORTÂNCIA CULTURAL DE PLANTAS MEDICINAIS
UTILIZADAS NA COMUNIDADE CANGANDU, MUNICÍPIO DE
ARAPIRACA-AL, NORDESTE DO BRASIL.
USO DA DIVERSIDADE DE PLANTAS VASCULARES POR
COMUNIDADES RURAIS EM ÁREAS DE CAATINGA NO RIO
GRANDE DO NORTE, BRASIL
A CAATINGA QUE ALIMENTA: O USO DA FLORA NATIVA NA
ALIMENTAÇÃO HUMANA E ANIMAL POR COMUNIDADES
RURAIS NO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL
ÍNDICE DE PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE PLANTAS
UTILIZADAS EM UMA COMUNIDADE RURAL NO SEMIÁRIDO
DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
PRODUÇÃO DE SEMENTES E ASPECTOS DA GERMINAÇÃO
DE Renealmia petasites GAGNEP
VARIAÇÃO DO TAMANHO DE SEMENTES E FRUTOS DE
Caryocar coriaceum WITTM DA FLORESTA NACIONAL DO
ARARIPE DO ARARIPE
DIVERSIDADE MORFOLÓGICA DE Caryocar coriaceum WITTM.
NA FLORESTA NACIONAL DO ARARIPE EM DIFERENTES
UNIDADES DE PAISAGEM
O CONHECIMENTO SOBRE AS PLANTAS MEDICINAIS ENTRE
OS ESTUDANTES DAS FACULDADES MAGSUL, PONTA PORÃ
- MS
ESTUDO ETNOBOTÂNICO COM MULHERES: DA ORALIDADE
AO CONHECIMENTO.
UMA COMPRAÇÃO EM CINCO
COMUNIDADES
DO
SEMIÁRIDO
PARAIBANO
(NORDESTE/BRASIL.
222
223
224
225
226
227
228
229
230
231
232
!
Diego Batista de Oliveira
Abreu
Ricardo Batista dos Santos
Elizabethe Quintella de
Lima
COMPARAÇÃO ENTRE CONHECIMENTO LOCAL SOBRE
PLANTAS LENHOSAS EM QUATRO COMUNIDADES RURAIS
DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
ANÁLISE DO CONSENSO DE INFORMANTES SOBRE
CACTÁCEAS EM TRÊS COMUNIDADES RURAIS DO
SEMIÁRIDO NORDESTINO
ESTUDO ETNOBOTÂNICO SOBRE CONHECIMENTO DE
ESPECIALISTAS LOCAIS NA DEPRESSÃO SERTANEJA NO
NORDESTE DO BRASIL
233
234
235
Cecilia De Fátima Castelo PLANTAS DE USO ETNOVETERINÁRIO NO SEMI-ÁRIDO
Branco Rangel de Almeida BAHIANO
236
UMA REVISÃO DAS PUBLICAÇÕES ETNOBOTÂNICAS NO
BRASIL
237
Mara Rejane Ritter
Adriana Samper
Carla Fernanda Mussio
Oscar Adolfo Perdomo
Baez
Julia Vieira da Cunha
Avila
Mariane Nardi Santos
CULTIVO
E
COMERCIALIZAÇÃO
DE
PLANTAS
ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS (PANC) EM PORTO
ALEGRE, RIO GRANDE SUL
O CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO E A IMPLANTAÇÃO DE
SISTEMAS AGROFLORESTAIS BIODIVERSOS NA REGIÃO DO
ENTORNO DA FLORESTA NACIONAL DE IRATI - PR
ETNOBOTÂNICA DE PALMEIRAS (ARECACEAE) EM
FLORESTA TROPICAL MONTANA NUBLADA, CAQUETÁ COLÔMBIA.
CONHECIMENTOS, USOS E APRENDIZADOS VINCULADOS À
ARTE DE BENZER: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS
BENZEDORES DA CHAPADA DO ARARIPE (CE) E DO
LITORAL CATARINENSE (SC).
EXTRAÇÃO ARTESANAL DO ÓLEO DE ANDIROBA DE
FLORESTA DE VÁRZEA EM AMBIENTE PERI- URBANO, APA
DA FAZENDINHA, AMAPÁ
238
239
240
241
242
9. AGROECOLOGIA................................................................................243
AUTOR INSCRITO
TÍTULO
PÁGINA
Clovis José Fernandes de
Oliveira Júnior
PROJETO FLORES DE MEL: PRODUÇÃO AGROECOLOGIA DE
PLANTAS ORNAMENTAIS
244
Letícia Costa
VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SOLO, A PARTIR DE
PARÂMETROS FÍSICOS QUÍMICOS, E MICROBIOLÓGICOS EM
RELAÇÃO
AOS
SISTEMAS
DE
AGRICULTURA
CONVENCIONAL, ORGÂNICA E DE UM SISTEMA NATURAL.
245
Naiana Lunelli
SERVIÇOS
AMBIENTAIS
E
INDICADORES
DE
SUSTENTABILIDADE EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS DE
BASE AGROECOLÓGICA
246
!
!
Pedro Mouzinho
Pedro Mouzinho
DIVERSIDADE
DE
ESPÉCIES
CULTIVADAS
POR
AGRICULTORES NOS CARIRIS VELHOS DA PARAÍBA.
NORDESTE DO BRASIL
TÉCNICAS TRADICIONAIS UTILIZADAS NA PRODUÇÃO
AGRÍCOLA NOS CARIRIS VELHOS DA PARAÍBA (NORDESTE
DO BRASIL)
247
248
João Fert Neto
CONHECIMENTO TRADICIONAL CAMPONÊS E PRÁTICAS
AGROECOLÓGICAS COMO FORMA DE RESISTÊNCIA DA
RURALIDADE E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE
NUMA REGIÃO DE REFLORESTAMENTOS COM PINUS
249
Eliane Dalmora
AÇÕES INTEGRADAS DE PESQUISA E EXTENSÃO
PARTICIPATIVA NA PROMOÇÃO DA AGROBIODIVERSIDADE
EM ASSENTAMENTOS DO TERRITÓRIO SUL SERGIPANO.
250
Vivian do Carmo Loch
ETNOBOTÂNICA E DIVERSIDADE GENÉTICA DO BACURI
(Platonia insignis) NA RESEX CHAPADA LIMPA/MA: IMPACTOS
AMBIENTAIS DO USO POR POPULAÇÕES TRADICIONAIS EM
UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO.
251
Antonia Ivanilce Castro da
Silva
SEGURANÇA ALIMENTAR NA AGRICULTURA FAMILIAR NO
ALTO SOLIMÕES, AM
252
Antonia Ivanilce Castro da
Silva
Ayrton Luiz Urizzi
Martins
Elis Fernanda Corrado
Ezequiel Antonio de
Moura
Ezequiel Antonio de
Moura
Rumi Regina Kubo
Rumi Regina Kubo
Lúcia Helena Pinheiro
Martins
Luciano Figueiredo
!
O PAPEL DA COMERCIALIZAÇÃO PARA OS AGRICULTORES
FAMILIARES TICUNA E COCAMA, MUNICÍPIO DE BENJAMIN
CONSTANT, AM
O COMPONENTE SÍTIO E SUA IMPORTÂNCIA NA
REGULARIZAÇÃO
AMBIENTAL
DE
UNIDADES
DE
AGRICULTURA FAMILIAR
MOVIMENTO DE RETOMADA KAIOWÁ
A CONSTRUÇÃO DE UMA MANDALA DE PLANTAS
MEDICINAIS A PARTIR DE UM ESTUDO ETNOBOTÂNICO NO
ASSENTAMENTO ESTRELA, ORTIGUEIRA - PR
CONTRIBUIÇÕES DE UM ESTUDO ETNOBOTÂNICO PARA
CONSERVAÇÃO
DA
AGROBIODIVERSIDADE
EM
COMUNIDADES
CAMPONESAS
NO
MUNICIPIO
DE
ORTIGUEIRA - PR
FORTALECIMENTO DOS SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO
VALE DO RIO DOS SINOS: IMPLANTAÇÃO PARTICIPATIVA
EM ARARICÁ E SAPIRANGA, RIO GRANDE DO SUL
SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS AGROFLORESTAIS:
UMA REFLEXÃO METODOLÓGICA
VARIEDADES
LOCAIS
DE
ESPÉCIES
AGRÍCOLAS
CULTIVADAS NA AGRICULTURA FAMILIAR NA CALHA DO
RIO SOLIMÕES-AMAZONAS
OBSERVATÓRIO
SOCIOAMBIENTAL
DE
SEGURANÇA
ALIMENTAR E NUTRICIONAL: CONSTRUÇÃO DE REDE
ENTRE O RIO GRANDE DO SUL E PIAUÍ
253
254
255
256
257
258
259
260
261
!
Alana Casagrande
Horasa Maria Lima da
Silva Andrade
Luciano Pires de Andrade
CHÁCARAS QUILOMBOLAS DO LIMOEIRO NO LITORAL
MÉDIO DO RIO GRANDE DO SUL: RESISTÊNCIA E
AGROBIODIVERSIDADE
A ATUAÇÃO DO NÚCLEO DE AGROECOLOGIA E
AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA NA FORMAÇÃO
DOS GRADUANDOS DA UFRPE/UAG
RELAÇÃO DE AGRICULTORES FAMILIARES COM A
AVIFAUNA EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS N0 MUNICÍPIO
DE ANGELIM, PERNAMBUCO.
262
263
264
Luciano Pires de Andrade
INTERAÇÃO ALUNO/AGRICULTOR FAMILIAR NO RESGATE
DE PRÁTICAS AGROECOLÓGICAS
265
Helionora da Silva Alves
CRITÉRIOS CLASSIFICATÓRIOS DE ETNOVARIEDADES
CULTIVADAS EM ROÇAS DE AGRICULTORES CAMPONESES
DO BAIRRO DA SERRA, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE
IPORANGA/SP
266
10. ETNOECOLOGIA................................................................................267
AUTOR INSCRITO
Thiago Gomes
Reginaldo de Oliveira
Nunes
Helionora da Silva Alves
Ketlen dos Santos
Sampaio
Laura Helena de Oliveira
Côrtes
Alexandre Schiavetti
TÍTULO
RESTAURAÇÃO ETNOECOLÓGICA COMO ESTRATÉGIA
PARA ASSEGURAR INTEGRIDADE ECOLÓGICA E CULTURAL
EM ÁREAS DEGRADADAS: ESTUDOS DE CASO NA COSTA
OESTE DO CANADÁ E NA REGIÃO SUL DO BRASIL.
CONHECIMENTO DOS PESCADORES DA COMUNIDADE BOM
SUCESSO (VÁRZEA GRANDE - MT) SOBRE A ICTIOFAUNA DA
REGIÃO
DESCRIÇÃO E MANEJO DE UNIDADES PRODUTIVAS
CAMPONESAS DO BAIRRO DA SERRA- IPORANGA/SP.
QUER FAZER, FAÇA, MAS QUE VAI ACABAR COM A GENTE
VAI": UMA ABORDAGEM ETNOECOLÓGICA DE CONFLITOS
SOCIOAMBIENTAIS."
CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL DOS CATADORES DE
CARANGUEJO-UÇÁ (Ucides cordatus) E IMPLICAÇÕES PARA A
CONSERVAÇÃO DA ESPÉCIE NO NORTE DO RIO DE JANEIRO
TABUS ALIMENTARES, CRENÇAS E USOS MEDICINAIS DE
TARTARUGAS
MARINHAS
(Reptilia:
Testudines)
POR
PESCADORES ARTESANAIS E SUAS IMPLICAÇÕES NA
CONSERVAÇÃO EM ILHÉUS, SUL DA BAHIA, BRASIL
PÁGINA
268
269
270
271
272
273
Camilah Zappes
INTERAÇÕES ENTRE A PESCA ARTESANAL E O GOLFINHO
NARIZ-DE-GARRAFA Tursiops truncatus NO ATLÂNTICO SUL
274
Renata Montalvão Gama
ETNOECOLOGIA
COMPORTAMENTAL
DA
TONINHA,
Pontoporia blainvillei (GERVAIS & D´ORBIGNY, 1844), ATRAVÉS
DA PERCEPÇÃO DE PESCADORES ARTESANAIS DA ILHA
DAS PEÇAS, PARANÁ
275
!
!
Camila Ventura da Silva
Carlos Alberto Batista
Santos
Rafael Silva
Rafael Silva
Sandra do Nascimento
Noda
Márcio Luiz Vargas
Barbosa Filho
Márcio Luiz Vargas
Barbosa Filho
Letícia Costa
Roberta Monique
Amâncio de Carvalho
Mariana Martins da Costa
Quinteiro
Daiany Erler
José Aécio Alves Barbosa
José Aécio Alves Barbosa
Daniela Trigueirinho
Alarcon
Hani Rocha El Bizri
Ana Paula Silveira
!
USO DE PRANCHAS ILUSTRATIVAS EM ESTUDO
ETNOBIOLÓGICO RELACIONADO À BALEIA FRANCA
(Eubalaena australis), APA DA BALEIA FRANCA, SANTA
CATARINA
USO DOS RECURSOS NATURAIS NA PERCEPÇÃO DA
COMUNIDADE SERTANEJA POVOADO JUÁ - PAULO
AFONSO/BA
ASPECTOS ECONÔMICOS NA COMERCIALIZAÇÃO DO PIQUI
(Caryocar coriaceum Wittm.) NA REGIÃO DA FLORESTA
NACIONAL DO ARARIPE-APODI, NORDESTE DO BRASIL
RELAÇÕES SOCIOECONOMICAS NA COMERCIALIZAÇÃO DA
FAVA-D'ANTA (Dimorphandra gardneriana Tul.) NA REGIÃO DA
FLORESTA NACIONAL DO ARARIPE-APODI, NORDESTE DO
BRASIL
ORGANIZAÇÃO
E
MANEJO
DOS
TERREIROS
NA
AGRICULTURA TICUNA, AM
ASPECTOS BIOFÍLICOS DA INTERAÇÃO ENTRE OS
TUBARÕES E PESCADORES ARTESANAIS DO SUL DE BAHIA,
BRASIL
CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL E INTERAÇÃO DOS
PESCADORES ARTESANAIS DA CIDADE DE CANAVIEIRAS,
BAHIA, BRASIL COM TUBARÕES-BALEIA Rhincodon typus
Smith, 1828
LEVANTAMENTO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS EM DUAS
PROPRIEDADES
DE
AGRICULTURA
FAMILIAR
NO
MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU (PR)
O
CONHECIMENTO
ETNOECOLÓGICO
DOS
MELIPONICULTORES DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS
DE IPIRANGA E GURUGI, ESTADO DA PARAÍBA
ETNOBOTÂNICA APLICADA À DEFINIÇÃO DE FORMAS
TRADICIONAIS DE USO, MANEJO E PERCEPÇÃO DOS
RECURSOS VEGETAIS EM VISCONDE DE MAUÁ (RJ/MG):
AÇÕES CONJUNTAS PARA ETNOCONSERVAÇÃO FLORESTAL
DA MATA ATLÂNTICA
ANÁLISE ETNOECOLÓGICA DA PESCA NA RESERVA
EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS/BA
A CAÇA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO: UMA ABORDAGEM
ETNOECOLÓGICA E ETNOHISTÓRICA
APROPRIAÇÃO DA HERPETOFAUNA NO SEMIÁRIDO
PARAIBANO: UMA QUESTÃO SOCIAL-UTILITÁRIA OU
CULTURAL-REPULSIVA?
USO DE RECURSOS PELOS PESCADORES DA RESERVA
EXTRATIVISTA DE CANAVIEIRAS, BAHIA
CONHECIMENTO ECOLÓGICO POPULAR SOBRE UMA
ESPÉCIE DE MINHOCUÇU (Rhinodrilus alatus, Oligochaeta,
Glossoscolecidae), USADA TRADICIONALMENTE NO BRASIL
COMO ISCA PARA A PESCA AMADORA
ETNOCONHECIMENTO NO ENSINO DE BIOLOGIA: A
EXPERIÊNCIA COM A TURMA DE EJA DE RATONES,
FLORIANÓPOLIS (SC).
276
277
278
279
280
281
282
283
284
285
286
287
288
289
290
291
!
Renata Iwamoto
Denise Wolf
Cássia Silene Cervi Anéas
Washington Soares
Eliane Dalmora
Arlene Oliveira Souza
Dirceu Dácio
Barbara Andrade
Juliana Saldanha
Bianca Campedelli
Moreira Rocco
Marco Túlio da Silva
Ferreira
Rubana Palhares Alves
Carolina Freitas
Cristiane Façanha
João Fert Neto
Moisés da Luz
Takumã Machado
!
O JEITO DE SER MBYA GUARANI, UMA FERRAMENTA PARA
A ETNOCONSERVAÇÃO
AÇÕES DE RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL E
ETNODESENVOLVIMENTO EM ALDEIAS (TEKOÁ) GUARANI
DO RIO GRANDE DO SUL-RS
PANORAMA
BRASILEIRO
DAS
PESQUISAS
SOBRE
ETNOBIOLOGIA E COMUNIDADES INDÍGENAS: UMA
CONTRIBUIÇÃO
PARA
A
CONSERVAÇÃO
DA
BIODIVERSIDADE E DA IDENTIDADE CULTURAL
REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES SOBRE
ELEMENTOS DA FLORESTA ATLÂNTICA NO MUNICÍPIO DE
IGARASSU, PERNAMBUCO, NORDESTE DO BRASIL.
METODOLOGIAS
PARTICIPATIVAS
EM
AÇÕES
DE
CONSERVAÇÃO DA AGROBIODIVERSIDADE
INTERAÇÕES ENTRE Acacia mangium E COMUNIDADE
INDÍGENA NO LAVRADO DE RORAIMA
ORGANIZAÇÃO SOCIAL E RELAÇÕES DE TRABALHO:
ETNOCONSERVAÇÃO DO AMBIENTE NA LOCALIDADE DOS
LAGOS DO PARU E CALADO, MANACAPURU/AM
ANALISE DE SUSTENTABILIDADE DA COMUNIDADE DOS
REMANESCENTES DO QUILOMBO DE BOMBAS
CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL NO ENTORNO DA
ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE CARIJÓS, FLORIANÓPOLIS - SC
AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA E DA PERCEPÇÃO DE
PRODUTORES
RURAIS
SOBRE
O
PROCESSO
DE
RESTAURAÇÃO DE MATAS CILIARES EM JAÚ E SALTINHO SP
SABERES AMBIENTAIS EM UM POEMA DO SÉCULO XIX: POR
UMA ETNOBIOLOGIA HISTÓRICO-LITERÁRIA
A DESINFORMAÇÃO SOBRE A CONSERVAÇÃO: A RELAÇÃO
DE MORADORES DO ENTORNO DA RESERVA EXTRATIVISTA
DE PIRAJUBAÉ COM O SEU PROCESSO DE CRIAÇÃO E
GESTÃO
ETNOECOLOGIA E USO LOCAL DE MATUPÁS NA RESERVA
DE
DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL
AMANÃ,
AMAZÔNIA CENTRAL
CONHECIMENTO
ECOLÓGICO
TRADICIONAL
SOBRE
LUGARES DO PANTANAL E SUA RELAÇÃO COM O BEMESTAR HUMANO
IDENTIDADE SOCIAL E A RELAÇAO HOMEM-FLORESTA
ENTRE OS
COLETORES DE PINHÃO NA SERRA
CATARINENSE
CARIJOS E BARBAQUÁS NO RIO GRANDE DO SUL: A
CONSERVAÇÃO AMBIENTAL E A CONTINUIDADE DA
AGRICULTURA CAMPONESA, NO ÂMBITO DA FABRICAÇÃO
ARTESANAL DE ERVA-MATE
INTERFACE DO CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL COM A
RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA.
292
293
294
295
296
297
298
299
300
301
302
303
304
305
306
307
308
!
Ricardo Filipe Riffel
Emmanuel Duarte Almada
Liane Galvão de Lima
Renata Eiko Minematsu
Marina Ferreira Campos
Pinto
Mário Sérgio Muniz
Tagliari
Alcieila Farias
Carlos Antonio Belarmino
Alves
Verônica Belchior
Gabriela de Oliveira
Gomes
Thaís Queiroz Morcatty
Luciano Figueiredo
Aldilene Lobato dos
Santos
Maria do Socorro Santos
dos Reis
Maria do Socorro Santos
dos Reis
Jaime Ribeiro Carvalho
Júnior
!
DINÂMICA POPULACIONAL DE Butia catarinensis NOBLICK &
LORENZI E A INFLUÊNCIA DO MANEJO NA ESTRUTURA
POPULACIONAL NO LITORAL CENTRO-SUL DE SANTA
CATARINA
EM BUSCA DA TERRA SEM MALES: AS ROMARIAS DAS
ÁGUAS E DA TERRA E A ECOLOGIA DO CATOLICISMO
POPULAR
ESTUDOS ETNOICTIOLÓGICOS DE PEIXES AMAZÔNICOS NA
AMAZÔNIA CENTRAL.
USO DE APETRECHOS DE PESCA A PARTIR DO CALENDÁRIO
ASTRONÔMICO-ECOLÓGICO INDÍGENA NO MÉDIO RIO
TIQUIÉ, TI ALTO RIO NEGRO.
A CRIAÇÃO DA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL DOS AREAIS DA RIBANCEIRA COMO
ESTRATÉGIA
PARA
CONSERVAÇÃO
IN
SITU
DE
ETNOVARIEDADES DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz.)
ETNOECOLOGIA E ESTRUTURA POPULACIONAL DE
Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze COMO SUBSÍDIOS PARA
PROPOSTAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL NA REGIÃO DE
URUBICI - SC, BRASIL.
DINÂMICA ESPAÇO-TEMPORAL DAS UNIDADES DE
PAISAGEM MANEJADAS PELOS INDÍGENAS DO RIO
MAPUERA (ORIXIMINÁ-PA)
A CHUVA CHEGOU!!!": AVISO METEOROLÓGICO DAS AVES
NA PERCEPÇÃO DE POPULAÇOES TRADICIONAIS NO
NORDESTE DO BRASIL"
COMUNIDADES DE SERINGUEIROS DAS RESERVAS
EXTRATIVISTAS DO RIO CAUTÁRIO, RO: POTENCIAIS
CONFLITOS NA INTERAÇÃO COM A FAUNA
O CONHECIMENTO LOCAL SOBRE MUDANÇAS NOS
ESTOQUES PESQUEIROS NOS LIMITES DA APA DA BALEIA
FRANCA, NO LITORAL SUL DE SANTA CATARINA.
TÉCNICAS
E
CONHECIMENTOS
TRADICIONAIS
DE
EXTRAÇÃO DE ANELÍDEOS PARA USO COMO ISCA NA
PESCA
AGROFLORESTAS NAS REGIÕES FITOECOLÓGICAS DO RIO
GRANDE DO SUL: CARACTERIZAÇÃO SOCIOAMBIENTAL E
PRODUTOS DA SOCIOBIODIVERSIDADE
ETNOCONHECIMENTO DOS PESCADORES ARTESANAIS
SOBRE REGIME ALIMENTAR DOS PACU-CURUPETÉ Tometes
trilobatus NO MÉDIO RIO ARAGUARI, AP.
ETNOECOLOGIA DA PESCA E USO DOS RECURSOS
PESQUEIROS NA PORÇÃO SUDOESTE DA BAÍA DE TODOS OS
SANTOS, BAHIA
INTERAÇÕES ENTRE BOTOS, Sotalia guianensis E PESCADORES
NA PORÇÃO SUDOESTE DA BAÍA DE TODOS OS SANTOS
(BAHIA, BRASIL)
O USO DOS PEIXES NA TERRA INDÍGENA TRINCHEIRA
BACAJÁ (TITB) - POVO XIKRIN, PARÁ
309
310
311
312
313
314
315
316
317
318
319
320
321
322
323
324
!
Alana Casagrande
Artema Santana Almeida
Lima
Artema Santana Almeida
Lima
Tathiane Muriel Medeiros
Horasa Maria Lima da
Silva Andrade
Anna Jacinta Machado
Mello
Macelly Correia Medeiros
Alexandre Schiavetti
Ana Paula Glinfskoi Thé
Renata Iwamoto
Paula Chamy
Denise Wolf
Daniele Mariz
Emmanuel Duarte Almada
Dannieli Herbst
Gabriela Coelho-de-Souza
!
DINÂMICAS
AMBIENTAIS
E
PRODUÇÃO
DE
CONHECIMENTOS INTERGERACIONAIS NAS COMUNIDADES
DA LAGOA DO BACUPARI E DE REMANESCENTES DE
QUILOMBO DA CASCA NO LITORAL DO RIO GRANDE DO
SUL
CATEGORIAS DE PAISAGENS MANOKI: DESCRIÇÃO, USOS E
CORRELAÇÃO COM A NOMENCLATURA DOS NÃO ÍNDIOS
CALENDÁRIO ECOLÓGICO ECONÔMICO DO POVO MANOKI
(CEE-MANOKI): UM OLHAR NA PERSPECTIVA SÓCIOECONÔMICA
SEGURANÇA ALIMENTAR: UM ESTUDO DE CASO
COMPARATIVO
NOS
SISTEMAS
DE
PRODUÇÃO
CONVENCIONAIS E SAF DE BANANA NO LITORAL NORTE
DO RIO GRANDE DO SUL
LEVANTAMENTO DAS PRATICAS DOS AGRICULTORES
FAMILIARES DO MUNICÍPIO DE JUPI - PE, NO CULTIVO DA
MANDIOCA, MILHO E FEIJÃO
ETNOECOLOGIA E MANEJO LOCAL DAS ESPÉCIES
ARBÓREAS NAS PAISAGENS ANTRÓPICAS DA FLORESTA
OMBRÓFILA MISTA
CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL DOS PESCADORES DO
MUNICIPIO DE CABEDELO-PARAÍBA, SOBRE A ICTIOFAUNA
MARINHA E ESTUARINA
ATITUDES DE CONSERVAÇÃO E CONHECIMENTO DE
PESCADORES
ARTESANAIS
SOBRE
TARTARUGAS
MARINHAS (REPTILIA: TESTUDINES) NO SUL DA BAHIA,
BRASIL
CADÊ NOSSO TERRITÓRIO? PESQUISAS ETNOECOLÓGICAS
EM
CONTRIBUIÇÃO
A
SUSTENTABILIDADE
SOCIOAMBIENTAL E A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO
SERTÃO MINEIRO
ETNOBIOLOGIA
MBYA GUARANI,
UM EXEMPLO DE
SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL
O DIREITO ENCONTRADO NA PRAIA DE ITAIPU, NITERÓI/RJ
UMA POSSÍVEL ALIANÇA ENTRE A CONSERVAÇÃO DA
NATUREZA E O NHANDEREKÓ (MODO DE SER E VIVER
GUARANI)
CLASSIFICAÇÃO TERMINOLÓGICA E DISTRIBUIÇÃO DAS
UNIDADES ESPACIAIS DE PESCA MARINHA PELOS
PESCADORES ARTESANAIS DE RECIFE, PERNAMBUCO.
ETNOECOLOGIA CABOCLA: CRUZANDO SABERES NA LUTA
POR DIREITOS TERRITORIAIS E IDENTITÁRIOS
MUDANÇAS HISTÓRICAS NA PESCA DA TAINHA (MUGIL
LIZA
VALENCIENNES,
1836)
E
MUDANÇAS
NOS
REFERENCIAIS DOS PESCADORES DO LITORAL DE SANTA
CATARINA
FORTALECIMENTO DAS AGROFLORESTAS GUARANI MBYA
NA REGIÃO DE PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL
325
326
327
328
329
330
331
332
333
334
335
336
337
338
339
340
!
CARTA DE FLORIANÓPOLIS
Redigida após o I Encontro com populações tradicionais do IX Simposio de Etnobiologia e
Etnoecologia
Nós, representantes de comunidades tradicionais, organizações da sociedade civil, técnicos,
estudantes e pesquisadores e professores, reunidos nos dias 27 a 28 de novembro de 2012, no
“Encontro de Comunidades Tradicionais da Região Sul: construindo uma rede para o
fortalecimento da identidade cultural, a conservação e o uso da biodiversidade” do IX Simpósio
Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia, no Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de
Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis buscamos aprofundar a questão da relação das comunidades
tradicionais com a universidade, visando fortalecer o movimento coletivo. O evento contou com a
participação de cerca de 40 representantes de comunidades tradicionais.
Considerando que esta reunião, congregando um número expressivo de grupos representando
as comunidades, considerando como comunidades tradicionais inclusive as comunidades quilombolas
e indígenas, e reconhecendo que este encontro representa para a Sociedade Brasileira de Etnobiologia
e Ecologia (SBEE) o resultado de um processo de amadurecimento e aprimoramento de um de seus
objetivos fundamentais, ou seja, o apoio e a valorização das comunidades tradicionais, seus saberes e
práticas.
Considerando que cada um dos grupos que compõem o repertório das comunidades tradicionais
no Brasil tem suas dinâmicas de luta próprias, com reivindicações específicas, destacamos que a
prioridade fundamental e comum esta na demarcação dos territórios desses grupos.
Considerando que a ciência ainda é o pilar fundamental pela qual a sociedade se guia para estabelecer
suas diretrizes, regras e formas de ordenamento da sociedade, reivindicamos o reconhecimento e a
operacionalização de um espaço concreto para as outras ciências que existem na sociedade - que
correspondem as de cada um dos grupos, presentes neste evento - e que constituem e enriquecem o
conhecimento da sociedade como um todo.
Reconhecemos que a Universidade tem se configurado como um espaço de apoio para as
reivindicações das comunidades tradicionais, a partir da atuação de alguns pesquisadores, professores e
estudantes, na forma de projetos de pesquisa, de extensão ou relatório técnico. Mas de forma a
aprimorar esta relação, destacamos alguns itens fundamentais a serem considerados e incorporados no
âmbito das universidades públicas.
- O respeito à cultura e à vontade dos grupos, enfatizando o direito de ter as questões das comunidades
contempladas nos projetos de pesquisa e extensão e não o contrário, ou seja, as comunidades pautando
os temas de pesquisa e nesse sentido, ressalta-se inclusive o direito das comunidades recusarem
determinadas propostas de pesquisa;
- A priorização e aprimoramento da dimensão participativa e dialógica das pesquisas, ou seja, além da
participação ativa dos membros de comunidades tradicionais também como pesquisador, reconhecido
como produtor de conhecimento;
- Ressalta-se a importância da Universidade na produção de conhecimento, no retorno dos resultados
das pesquisas para as próprias comunidades, nas respostas a alguma demanda ou pergunta da
comunidade, inclusive na captação de recursos a partir da parceria na proposição de projetos para as
diferentes instituições de fomento;
!
- a necessidade de editais específicos das instituições de fomento para o atendimento das demandas das
comunidades;
- A necessidade do reconhecimento institucional por parte da Universidade de sua função de apoio às
comunidades tradicionais, de forma a não depender apenas da boa vontade e iniciativa de um
pesquisador ou grupo de pesquisa, seja oferecendo qualificação profissional para pesquisadores
atuarem junto às comunidades tradicionais, seja incorporando em suas instâncias organizacionais um
espaço para a presença de representantes de tradicionais;
- A importância da dimensão multidisciplinar dos grupos que trabalham com as comunidades, no
sentido de que as demandas são complexas e a resolução dessas, depende dos conhecimentos de
diferentes disciplinas científicas, que devem trabalhar juntas para a resolução do problema;
- A importância da geração de conhecimento por parte da universidade, coletando, sistematizando e
analisando os dados, mas ressalta-se a importância do retorno, não somente na forma de devolução dos
dados, mas considerando a linguagem ou formato adequado para que estes dados tenham uma função
adequada para ser utilizado e apropriado pelas comunidades.
Finalmente, como uma forma de encaminhar estas questões reivindicamos o fortalecimento e
operacionalização de um espaço para uma rede de comunidades tradicionais na SBEE que acolha as
reivindicações e possibilite o encaminhamento destas para os pesquisadores e para as Universidades e
que propicie a continuidade da articulação de todas as comunidades tradicionais, aqui iniciada.
Florianópolis, novembro de 2012.
!
PALESTRAS E
MESAS REDONDAS
!
SINERGIA ENTRE A ESCOLA DE COMMONS E DO DESENVOLVIMENTO
TERRITORIAL PARA A GOVERNANÇA DE ÁREAS MARINHAS PROTEGIDAS
Rodrigo Rodrigues de Freitas e Cristiana Simão Seixas
As Escolas dos recursos de propriedade comum (commons) e do Desenvolvimento Territorial
Sustentável (DTS) convergem na sua abordagem sobre ação coletiva e na oposição a intervenções
desenvolvimentistas que não reconhecem a diversidade institucional e organizacional do contexto em
que atuam. Por possuírem jargões e recursos metodológicos próprios, a integração entre as abordagens
destas Escolas constitui um desafio. A análise da trajetória de desenvolvimento (DTS) enfoca a adoção
de inovações técnicas enquanto a mudança institucional (commons) trata do jogo entre as
organizações. Abordagens integradas permitem delinear políticas públicas que contemplem a
especificidade da situação da ação analisada na sua interação com as demais atividades praticadas
pelos atores sociais que compartilham o território. A análise institucional do território compreende as
dimensões formais e informais do sistema de regras, levando o território a ser, ao mesmo tempo, uma
criação coletiva e um recurso institucional. A abordagem do “jogo de atores” (DTS) é tratado na teoria
da mudança institucional como o processo de barganha realizado pelas organizações com o intuito de
alterar o status quo de determinada instituição. Os princípios para o design de instituições robustas
(commons) é um parâmetro para analisar o desempenho do jogo de atores no nível local. Visando
integrar o enfoque dos commons e do DTS estão investigadas as mudanças institucionais e as
implicações das políticas de conservação da biodiversidade e de desenvolvimento na pesca artesanal
em uma Área Marinha Protegida (AMP) na Baía da Ilha Grande (BIG), Estado do Rio de Janeiro. Em
cada período da trajetória de desenvolvimento da BIG são apresentadas as respostas da mudança
institucional ocorrida na pesca artesanal costeira de duas comunidades afetadas pela AMP. Com base
no design principles, no jogo de atores e na revisão de literatura sobre AMP está sendo realizada uma
discussão do atual momento de mudança institucional da AMP.
!
ETNOBIOLOGIA MÉDICA: IMAGINÁRIO E RAZÃO PRÁTICA
José Geraldo Marques
A utilização direta de plantas e animais para efeitos terapêuticos, diagnósticos e profiláticos
vem sendo documentada intensiva e extensivamente nas mais diversas culturas tradicionais. Trata-se
de fenômeno muito antigo: o uso terapêutico desses elementos parece mesmo ter acompanhado a
humanidade desde o seu alvorecer. Uma questão, porém, ainda remanesce e frequentemente ressurge
na literatura pertinente: haveria alguma razão prática nessa atividade ou tudo não passaria de eficácia
simbólica? Apresentamos exemplos em que a comprovação científica incontestavelmente aponta para
a eficácia bioquímica de práticas de povos e populações tradicionais. A eficácia simbólica também não
pode ser descartada e talvez atue sinergisticamente em alguns casos.
!
“ANTHROPOLOGICAL BLUES”: O PRAZER E O PADECER NO TRABALHO DE
CAMPO EM ETNOBIOLOGIA E ETNOECOLOGIA
Ângelo Giuseppe Chaves Alves
A etnoecologia e a etnobiologia mantêm uma estreita relação com as ciências naturais, mas também
descendem, historicamente, da antropologia cognitiva e por isso têm sua prática associada, em maior
ou menor grau, ao trabalho de campo. Este, por sua vez, representa uma iniciação à experiência
etnográfica, no contato com o “outro” antropológico. Entretanto, a dupla tarefa de transformar em
exótico o familiar e transformar em familiar o exótico, que é essencial ao jogo etnográfico, não é
suficientemente explorada no treinamento cotidiano da maioria dos etnoecólogos e etnobiólogos. Essas
transformações podem ser encaradas tanto em sua dimensão metodológica (operacional), quanto pela
dimensão subjetiva (emocional). Surge daí um questionamento: será possível buscar um caminho do
meio, articulando essas duas dimensões? Quanto ao método, vale salientar a sugestão de Darrell Posey,
para a possibilidade de elaborar, a partir de indicações aparentemente estranhas fornecidas pelos
informantes no campo, hipóteses cientificamente testáveis. É interessante confrontar por um lado essa
sugestão e por outro a demanda hipotético-dedutiva de se formular hipóteses anteriormente à
observação de campo. Pergunta-se, neste caso: nós, etnobiólogos e etnoecólogos, estamos preparados
para satisfazer as exigências dessas duas abordagens? Ou temos que escolher apenas uma delas? E
quanto aos aspectos emocionais, os prazeres e desprazeres do pesquisador no trabalho de campo, que
Roberto da Matta associou ao “Anthropological Blues”? Devem eles ser discutidos conjuntamente à
elaboração de métodos e hipóteses? Ou permanecerão como aspectos idiossincráticos que o
pesquisador deve resolver fora do âmbito da pesquisa, para não influenciar os métodos e resultados?
Buscar as respostas para estas questões pode ser um desafio interessante para os praticantes de
etnoecologia e etnobiologia.
!
COMO PENSAR O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO
DE CASO NA ZONA COSTEIRA DE SANTA CATARINA
Mariana Aquilante Policarpo
O enfoque de Desenvolvimento Territorial Sustentavel (DTS) vem se consolidando recentemente no
âmbito acadêmico. Ele pode ser entendido como parte de um esforço de complexificação do enfoque
do ecodesenvolvimento, articulando melhor as categorias de sustentabilidade e territorialidade,
podendo ser aplicado em zonas rurais e urbanas. Também reforça a preocupação por uma visão
sistêmica do processo de descentralização e pelo fomento de iniciativas endógenas de valorização dos
chamados recursos territoriais – estes se constituem numa vantagem comparativa importante para o
territorio, mas que nem sempre são percebidos pelos atores como tal, ou são pouco mobilizados nas
estratégias de desenvolvimento. Deste modo, as próprias populações locais passam a desempenhar um
papel central na construção e na condução de suas trajetórias de desenvolvimento, e as instituições
locais se tornam atores legítimos deste processo.
Nos últimos anos, buscando a aplicação deste enfoque na zona costeira de Santa Catarina, foi
realizado um estudo em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina, o Ministério da Pesca
e Aquicultura, a EPAGRI e o Centro Latinoamericano para el Desarrollo Rural (RIMISP),
denominado “Desenvolvimento territorial sustentável na zona costeira catarinense: estratégias
integradas de geração de trabalho e renda a partir da valorização da identidade cultural das
comunidades pesqueiras tradicionais”. Os principais objetivos deste projeto eram compreender a
gênese e a evolução das dinâmicas de desenvolvimento territorial e os seus múltiplos efeitos em
termos de crescimento econômico, de inclusão social, de descentralização política, de valorização da
diversidade cultural e de viabilidade ambiental, bem como analisar as relações envolvendo a
valorização dos ativos culturais e o DTS na zona costeira catarinense.
Partiu-se da constatação de que atividades contrastantes convivem de forma sinérgica e
conflituosa na região, impactando a qualidade do patrimônio natural e cultural, mas permitindo
também o surgimento de dinâmicas territoriais de desenvolvimento. Estas dinâmicas baseiam-se num
esforço de valorização do potencial de recursos latentes, virtuais ou ainda desconhecidos, sob a
!
influência de fatores endógenos ou exógenos e suas tendências de evolução. Três delas já estão
consolidadas na região, que impactam profundamente as comunidades tradicionais, mas não
comprometem a sua existência, e outras duas estão em emergência. Destaca-se como dinâmica
emergente a Dinâmica de Desenvolvimento Territorial Sustentável com Identidade Cultural (DTS-IC),
que se refere às iniciativas de valorização do patrimônio cultural criando melhores oportunidades de
inclusão socioeconômica e sociopolitica para as comunidades de pescadores artesanais e agricultores
familiares de origem açoriana.
Como pricipais resultados, constatou-se que estas dinâmicas são exitosas devido à
especificidade do modelo de desenvolvimento catarinense e às novas respostas específicas dos atores
sociais que tem fortalecido a competitividade do territorio. Entre as principais respostas destacamos: i)
o carater pluriativo das comunidades rurais; ii) a existência de sistemas produtivos flexiveis no meio
rural e de iii) sistemas produtivos locais inovadores, como o da pesca e os sistemas agroalimentares
localizados em torno da produção, processamento e comercialização direta; iv) a interdependência das
dinâmicas e a presença de vinculos solidarios; e o v) surgimento de novas coalizões dos atores, que
permitem o surgimento de diferentes inovações sociotécnicas na área envolvendo os setores
governamental e empresarial, as comunidades e as organizações da sociedade civil.
A partir da análise da trajetória de desenvolvimento da zona costeira catarinense e da
caracterização do jogo de atores existente, verificou-se que durante os últimos trinta anos
modificaram-se consideravelmente as posições e as relações entre os atores. Entraram em cena novos
representantes da sociedade civil e emergiram novos espaços de discussão e de negociação de ações
coletivas. Com estas mudanças, diferentes relações de cooperação, de concorrência e até de conflitos
se estabelecem entre os diferentes grupos, sendo as principais dificuldades relacionadas ao uso do
espaço (terra e mar), dos recursos naturais e a construção de vários projetos políticos para o território.
Os recursos naturais e culturais existentes também são apropriados de formas diferenciadas, existindo
visões distintas sobre os recursos e ativos do território e a forma de valorizá-los. Entretanto, existe uma
dependência entre as estratégias econômicas de um grande número de atores do território e dos atores
extraterritoriais e a sua capacidade de mobilizar e preservar o capital natural e os serviços ambientais
que derivam dos mesmos.
Além disso, os territórios e os atores locais contribuem para a construção de uma nova
competitividade territorial, levando em conta os recursos do território e os ativos culturais, a
emergência de novos arranjos institucionais e a integração dos diferentes setores (agricultura familiar,
!
pesca artesanal, turismo, atividades não-agrícolas, artesanato, etc.). E quando existe a valorização do
patrimônio cultural e natural das comunidades tradicionais de pescadores/agricultores de origem
açoriana, como no caso da dinâmica de DTS-IC, esta pode ser considerada um vetor de criação de
novas oportunidades de inclusão econômica, social e política para os atores. E a coexistência de varias
dinâmicas e suas relações de sinergia e dependência também podem ser decisivas para a viabilidade do
enfoque de DTS na zona costeira catarinense.
!
!
AS APROXIMAÇÕES DA ETNOMATEMÁTICA COM A ETNOBIOLOGIA E A
ETNOECOLOGIA
!
Milton Rosa e Daniel Clark Orey
Atualmente, o interrelacionamento de saberes locais com as diversas áreas de conhecimento é muito
importante para que possamos obter informações mais precisas e estruturadas sobre um determinado
campo do conhecimento. Assim, para que tenhamos condições de abordar com clareza essas
interrelações, necessitamos compreender os conceitos específicos encontrados em grandes áreas de
conhecimento tradicionais, como por exemplo, a Biologia, a Ecologia e a Matemática, que podem estar
respaldadas em campos de pesquisas mais recentes denominados de Etnobiologia, Etnoecologia e
Etnomatemática. Nessa palestra, de cunho teórico, julgamos necessário discutirmos sobre o surgimento
de algumas terminologias importantes com relação a determinadas áreas de pesquisa denominadas
etno-x. Nesse direcionamento, de uma maneira geral, partiremos desse termo genérico, no qual x
denomina uma determinada disciplina ou área de estudo pertencente à classificação metodológica do
conhecimento acadêmico enquanto que etno refere-se aos grupos culturais, que são identificados pelas
tradições, pelos códigos de conduta, pelos símbolos, pelos mitos e de uma maneira mais específica,
pelos modos por meio dos quais os membros pertencentes aos grupos socioculturais raciocinam e
inferem. Assim, um dos principais objetivos da etnobiologia bem como da etnoecologia é promover
um embasamento teórico capaz de integrar diferentes ramos das ciências naturais e sociais a outros
campos de conhecimento científico. Além disso, filosoficamente, devem servir de elo entre diferentes
culturas na intenção de aclarar a compreensão e o respeito mútuo entre os povos. Nesse contexto, o
Programa Etnomatemática visa estimular reflexões mais abrangentes acerca da natureza do
pensamento matemático no âmbito cognitivo, histórico, social e pedagógico, motivado pela intenção
de esclarecer a compreensão a partir do saber e do fazer enquanto conhecimento construído pela
humanidade em diferentes contextos por grupos de interesses, comunidades, povos e nações. De
acordo com essa perspectiva, podemos afirmar que existem algumas aproximações epistemológicas
entre a etnomatemática, a etnobiologia e a etnoecologia.
!
!
!
!
ETNOZOOLOGIA
!
USO DE LARVAS DE BESOUROS COMO ALIMENTO ENTRE OS GUARANIS ÑANDÉVA:
UMA VISÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR E SUSTENTABILIDADE SOCIAL, NA
ALDEIA PIRAJUÍ, MUNICIPIO DE PARANHOS - MS
Cajetano Vera1
1
Mestrado, Programa Desenvolvimento Local, Universidade Católica Dom Bosco – UCDB. Campo
Grande, MS.
Os povos indígenas do Estado de Mato Grosso do Sul possuíam territórios imensos. O processo de
confinamento em terras pequenas inviabilizou a sustentabilidade dentro do modelo cultural de uso da
terra como fonte na produção primária de alimentos. Com isso, detectou-se distúrbios alimentares,
como a desnutrição entre as crianças. Além da perda de seus territórios, ocorreram mudanças nos
hábitos alimentares tradicionais. Um destes hábitos era o consumo de larvas de besouros.
Para avaliar o conhecimento do uso das larvas de besouros como alimento, procurou-se detectar as
informações disponíveis através dos relatos da comunidade. Também, utilizou-se de substratos,
cortando os coqueiros Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd., fazendo cavidades em seus troncos para
atrair os besouros, coletando as larvas e capturando os besouros. Assim foi possível a identificação
taxonômica e as análises bromatológicas. Identificou-se a espécie do besouro Rhynchophorus
palmarum, “Aramanday Guasu”, na língua Guarani e a planta hospedeira, Acrocomia aculeata (Jacq.)
Lodd., espécie da Família Palmae. A composição bromatológica em base seca, das larvas coletadas no
mês de setembro de 2010, mostrou elevado teor de gordura (61,56%), proteínas (23,50%) e fibra bruta
14,77%, apontando para alimento altamente calórico. Os resultados obtidos confirmam o valor
nutricional, citados em outras literaturas, pois o teor proteico é equivalente ao encontrado em carne de
aves, peixes e bovinos. Os indígenas dominam as informações sobre essa importante fonte alimentar,
mas percebe-se a necessidade da reeducação alimentar dentro dos seus próprios parâmetros culturais a
fim de que os Guaranis não venham deixar de usá-los como alimento, colaborando assim com a sua
Segurança Alimentar.
Palavras-chave: etnoconhecimento, entomofagia, indígena guarani.
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
AVES E ZOOSSEMIÓTICA: ORNITOÁUGURES SEGUNDO OS MORADORES DO
POVOADO DE PEDRA BRANCA, SANTA TERESINHA -BA
Ana Teresa Galvagne Loss1, Eraldo Medeiros Costa Neto1, Fernando Moreira Flores1
1
Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
Os sons emitidos pelas aves costumam ser culturalmente interpretados de diferentes maneiras. Este
estudo registra os ornitoáugures, segundo informações obidas junto aos moradores do povoado de
Pedra Branca, Santa Teresinha - BA. Os dados foram coletados de outubro de 2011 a março de 2012
por meio de entrevistas semi-estruturadas, realizadas com 36 moradores, de ambos os gêneros, que
indicaram 18 espécies de aves, cujas vocalizações têm diferentes significados zoossemióticos. Foram
identificados cinco tipos de ornitáugures: funéreo, funesto, ditoso, meteórico e societário. Acauã
(Herpetotheres cahinnans Linnaeus) foi a mais citada pelos moradores como exemplo de ornitoáugure
funéreo e meteórico, por possuir uma transcrição augural da voz que quer dizer adivinhador de morte
e, dependendo do galho no qual esteja pousada, indica chuva. Anu-preto (Crotophaga ani Linnaeus)
foi a segunda ave considerada agourenta por possuir assobio melodioso e por cantar próximo à casa de
um doente, anunciando sua morte. Aracuã (Ortalis guttata Spix) também foi citada como prenúncio de
chuva e de seca. Como exemplo de ornitoáugure societário, citam-se o bem-te-vi (Pitangus
sulphuratus Linnaeus) e o beija-flor (Trochilidae), porque seus cantos avisam chegada de visitas. Além
da vocalização, o comportamento do beija-flor entrar, “piar” e sair das casas pode ser interpretado
como ornitoáugure funesto, quando significa notícias ruins, ou ornitoáugure ditoso, quando significa
acontecimentos bons. Observa-se a existência da interação afetiva dos moradores com a avifauna local,
dentro da perspectiva da transmutação zoossemiótica, onde eles interpretam tanto os sinais emitidos
pela vocalização das aves, quanto por seu comportamento.
Palavras-chave: etnoornitologia, transmutação zoosemiótica, ornitoáugure.
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
ESTUDO ETNOORNITOLÓGICO NA COMUNIDADE DO BONÉ, MUNICÍPIO DE
ARAPONGA - MG
Fernando Augusto Valério1, Marcelo Ferreira de Vasconcelos2, Ricardo Ferreira Ribeiro1, Camila
Barcelos1, Luiz Queiroga1
1
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais- PUCMinas
2
Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados, Pontifícia Universidade Católica de Minas
Gerais – PUCMinas
Este estudo teve como objetivo de avaliar o conhecimento sobre a avifauna da Mata Atlântica entre os
moradores da comunidade do Boné, localizada no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro
(PESB), município de Araponga - MG, registrando-se os critérios da identificação e a nomenclatura
utilizada por estes moradores, além de abordar relações comportamentais e simbólicas. A pesquisa foi
realizada entre julho de 2011 e janeiro de 2012, sendo realizadas 15 entrevistas semi-estruturadas e
duas trilhas guiadas aos fragmentos de mata da comunidade e ao PESB, acompanhado de moradores
que apresentaram os melhores níveis de conhecimento para o reconhecimento visual e/ou auditivo das
espécies. Os entrevistados mostraram uma boa percepção sobre a biologia das aves da região,
identificando 66 etnoespécies, destacando-se a araponga (Procnias nudicollis), ave considerada
criticamente ameaçada de extinção em Minas Gerais. Revelou-se, também, a habilidade dos
entrevistados em observar características para distinguir as etnoespécies de aves, além de
características que adquirem conotações culturais, permitindo uma leitura real ou imaginária, como é o
caso do gavião-morre-que-é-hora (Herpetotheres cachinnans), ave considerada agourenta, a caribomba
(Hydropsalis albicollis), ave que espanta assombração e a pomba-preta (Patagioenas plumbea), que
possui uma carne amarga. Contudo, não foi comum observar os mais jovens acompanharem os mais
velhos pelas florestas e em conversas para aprender sobre as aves, o que sugere o possível
desaparecimento deste conhecimento etnoornitológico na região em um futuro próximo.
Palavras-chave: etnoornitologia, aves, conhecimento local.
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
MAPEAMENTO DE ESPÉCIES-CHAVE CULTURAL DA FAUNA NO AGRESTE
PARAIBANO: SALIÊNCIA CULTURAL E USOS DE ANIMAIS
Wallison Sylas Luna de Oliveira1, Macilene Pereira de Araújo1, Rômulo Romeu Nóbrega Alves1,
Wedson Medeiros Silva Souto2
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
2
Prorgrama de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia), Universidade Federal da Paraíba –
UFPB
As espécies-chave cultural (ECC) podem desempenhar um papel positivo em transformar as tensões e
conflitos entre utilização da fauna e conservação, uma vez que os moradores locais tendem a
reconhecê-las e valorizá-las em função de sua importância de uso ou do conhecimento que possuem
delas, fazendo deste modo, potenciais espécies que podem ser utilizadas em estratégias de conservação
da biota local. Neste contexto, o presente estudo teve por objetivo identificar as ECC baseadas tanto no
potencial de utilização da fauna realizada por moradores do município de Lagoa Seca-PB, como na
Saliência cultural de cada espécie. Foram entrevistados 36 caçadores oportunisticamente encontrados,
os quais, por meio de entrevistas livres, forneceram listas dos animais silvestres localmente
explorados. Informações relativas aos usos da fauna foram obtidas por meio de questionários semiestruturados. Com auxílio do software Anthropac® 4.8 foi calculada a Saliência Cultural de Smith
(Smith S) para cada espécie, a fim de identificar aquelas culturalmente mais importantes. Também foi
calculado o Valor de Uso (VU) para identificar aquelas mais importantes em função do número médio
de citações de utilização/exploração. O Coeficiente de correlação de Pearson (r) foi calculado a fim de
verificar se existe associação entre o Smith S e o VU. Das 59 espécies localmente exploradas, aquelas
com maior VU (>0,4) foram o teju – Tupinambis merianae, o preá - Cavia aperea, o lambú-do-pévermelho - Crypturellus parvirostris, o tatu-peba – Euphractus sexcinctus e a rolinha-branca Columbina picui. Tais espécies, juntamente com a Columbina talpacoti também são as mais salientes
(Smith S>0,3) e correspondem as principais ECC da localidade, tal como observado in situ.
Considerando que VU e Smith S tiveram uma elevada correlação (r=0,87, p<0,001), nós acreditamos
que eles são indicadores eficientes de ECC em estudos etnozoológicos e, possivelmente, podem ser
combinados na formulação de um índice para identificação de ECC.
Palavras-chave: espécies-chave cultural, saliência de smith, usos da fauna.
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
AVES SILVESTRES COMO ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO NO SEMIÁRIDO DO RIO
GRANDE DO NORTE, NORDESTE DO BRASIL
Dandara Monalisa Mariz Bezerra1, Helder Farias Pereira de Araujo2, Rômulo Romeu Nóbrega Alves3
1
Doutoranda, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal da Paraíba –
UFPB
2
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Na região semiárida do Brasil, as aves constituem um dos grupos de vertebrados de maior importância
cinegética, sendo o uso como animais de estimação uma das principais finalidades de captura de aves
silvestres por populações locais. Os objetivos deste estudo consistiram em listar as espécies de aves
silvestres utilizadas como animais de estimação pelas populações locais no semiárido do Rio Grande
do Norte, calcular o valor de uso e identificar os motivos da manutenção em cativeiro. A área de
estudo englobou os municípios de Caicó, São João do Sabugi, Serra Negra do Norte e Timbaúba dos
Batistas. A pesquisa foi realizada entre os meses de setembro de 2009 a março de 2010. As aves
citadas foram identificadas em nível específico através de visualização direta, registros fotográficos e
da técnica checklist-entrevista. O valor de uso foi calculado através da fórmula: VUs = ΣiVUis / ns
(VUs = valor de uso total da espécie; ns = número de informantes entrevistados para a espécie s).
Foram entrevistados, por meio de entrevistas semi-estruturadas, 101 moradores locais (9 do sexo
feminino e 92 do sexo masculino), com idades variando de 10 a 75 anos. Estes citaram 26 espécies de
aves, distribuídas em 10 famílias, sendo Emberizidae (n=7), Columbiade (n=5) e Icteridae (n=5) as
mais representativas. O golinha (Sporophila albogularis, VU=0,61), o galo-de-campina (Paroaria
dominicana, VU=0,50) e o concriz (Icterus jamacaii, VU=0,46) apresentaram os maiores valores de
uso. O canto e a beleza da plumagem são as principais razões que levam os entrevistados a criarem
aves como animal de estimação. Os resultados evidenciaram que o hábito de criar aves silvestres
possui um valor cultural na área estudada, destacando-se a preferência pelos Passeriformes, sendo
muitas vezes pela admiração às aves, um fator que pode ser agregado para sensibilizar a população
local em relação à insustentabilidade dessa atividade.
Palavras-chave: atividade cinegética, aves de estimação, etnoornitologia.
Área temática: Etnozoologia
!
RELAÇÃO ENTRE AS DENSIDADES DE AVES SILVESTRES E SEU VALOR DE USO NO
SEMIÁRIDO DO RIO GRANDE DO NORTE, NORDESTE DO BRASIL
Dandara Monalisa Mariz Bezerra1, Helder Farias Pereira de Araujo2, Rômulo Romeu Nóbrega Alves3
1
Doutoranda, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal da Paraíba –
UFPB
2
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
As intervenções humanas têm afetado as espécies de aves que habitam os ecossistemas naturais
brasileiros. Assim, o monitoramento de populações de aves torna-se uma importante ferramenta na
conservação, principalmente, quando se deseja saber a situação de espécies amplamente usadas por
populações locais. O presente estudo procurou responder se as aves mais capturadas pela população
local em uma região do semiárido brasileiro estão correlacionadas com suas disponibilidades no
ambiente. Entrevistas semi-estruturadas e o valor de uso (VUs =ΣiVUis / ns) foram as técnicas
empregadas para detectar as espécies de aves silvestres mais utilizadas. Foram entrevistadas 120
pessoas, sendo 110 dos entrevistados do sexo masculino, com idades variando de 10 a 75 anos.
Empregou-se o método das transeções lineares para as estimativas de densidade, sendo calculadas no
programa DISTANCE 6.0. A correlação de Pearson foi utilizada para verificar uma possível
correlação entre o VU das aves mais capturadas com suas densidades. As espécies Sporophila
albogularis (0,53), Paroaria dominicana (0,41) e Icterus jamacaii (0,40) apresentaram maior VU e
são capturadas com a finalidade de criar em gaiolas. A espécie P. dominicana obteve a maior
densidade (258,6 ind/km2), seguida de S. albogularis (118,1 ind/km2) e I. jamacaii (91,9 ind/km2).
Através da correlação de Pearson, apenas S. albogularis teve correlação significativa (r = 0,9173; p =
0,0282) entre o VU e a densidade. Evidenciou-se que os maiores VU estão relacionados a aves
comumente usadas para estimação, revelando a importância cultural deste uso na área estudada. Além
disso, o teste estatístico demonstrou que, no caso de S. albogularis, há uma associação diretamente
proporcional entre a disponibilidade da ave e a preferência de uso pelos moradores locais. Assim, não
somente o canto e a plumagem, mais também a oferta do recurso pode ser outra variável atuando na
presença da espécie na prática ilegal de criação de aves.
Palavras-chave: caatinga, conservação, uso da avifauna.
Área temática: Etnozoologia
!
!
FAZ MAL POR QUÊ? AVES MORTAS POR CONFLITO NO SERIDÓ PARAIBANO
Iamara Silva Policarpo1, Bruna Monielly Carvalho de Araújo1, Rômulo Romeu Nóbrega Alves2,
Wedson Medeiros Silva Souto3
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
2
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
3
Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia), Universidade Federal da Paraíba –
UFPB
No semiárido nordestino, muitas espécies de aves são exploradas para fins de alimento, remédios,
ornamentos ou criadas como pets. Contudo, em muitos casos as aves são capturadas e abatidas por
relações de conflito com determinadas atividades humanas. Neste contexto, o presente trabalho teve
por objetivo identificar quais aves são capturadas e abatidas devido a questões de conflito em cinco
áreas do Seridó Ocidental Paraibano (Municípios de São Mamede, Santa Luzia, São José do Sabugi,
Várzea e a comunidade Quilombo do Talhado). No período de Junho de 2010 a Abril de 2011 foram
entrevistados 223 caçadores oportunisticamente selecionados. Foram registradas ao menos 40 espécies
de aves, pertencentes a 19 famílias. Três tipos básicos de conflitos foram identificados: (1) aves que
causam danos em plantações agrícolas e frutíferas, (2) predadoras de animais de criação, (3) abatidas
em função de crenças locais. As famílias mais representativas em termos de espécies foram:
Accipitridae (n=7), Icteridade (n=7) e Columbidae (n=4). As espécies mais citadas foram: o gaviãotorona - Geranoaetus melanoleucus [n=91], o gavião-vermelho - Buteogallus meriodinalis [n=70] e o
carcará - Caracara plancus [n=69]. Apesar da maioria dos conflitos serem decorrentes do fato de que
as espécies agrícolas cultivadas ou animais criados estarem inseridos na gama de possibilidades de
alimentos para as espécies de aves abatidas, em alguns casos, não há justificativa numa perspectiva
ecológica para o abate/captura do espécime (e.g., a peitica - Tapera naevia (Linnaeus, 1766) morta por
ser considerada uma praga para plantações de milho e feijão). Embora os conflitos existentes
provavelmente não constituam a principal ameaça para as espécies envolvidas, torna-se necessário a
realização de mais estudos sobre o tema, uma vez que este tipo de interação “humanos-avifauna”
necessita ser melhor abordada em estratégias de conservação, notadamente sensibilizando os
moradores locais do papel ecológico que as aves desempenham.
Palavras-chave: aves, conflitos, seridó.
Área temática: Etnozoologia
!
!
O COMÉRCIO DE ANIMAIS MEDICINAIS NO NORDESTE DO BRASIL
Felipe Ferreira1, Ulysses Albuquerque2, Henrique Coutinho3, Waltécio Almeida3, Rômulo Alves4
1
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
3
Universidade Regional do Cariri – URCA
4
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Zooterápicos são amplamente comercializados em mercados públicos ou feiras livres, contudo, os
estudos realizados em mercados objetivando avaliar o comércio de animais medicinais ainda são
escassos. O presente estudo objetivou: elencar quais animais são comercializados para fins medicinais
nas cidades de Aracajú-SE, Fortaleza-CE, Recife-PE, Maceió-AL e Salvador-BA; avaliar a
versatilidade das espécies de animais, através da importância relativa; testar a hipótese da redundância
utilitária; estimar a riqueza de espécies comercializadas. As pesquisas foram realizadas no período de
Janeiro a Novembro de 2010, utilizando formulários semi-estruturados. O presente trabalho foi
aprovado no Comitê de Ética UFPB (Protocolo: CEP/HULW n° 065/10). Um total de 68 espécies de
animais são comercializadas para fins medicinais nas cidades pesquisadas. A maioria das espécies
listadas aqui são as mesmas comercializadas em outras cidades do Nordeste, com exceção a: Achatina
fulica, Trachycardium muricatum, Leptodactylus vastus, Philodryas olfersii e Desmodus rotundus. As
espécies mais versáteis (com maiores valores de IR) são: Trichechus manatus (1,91), Sotalia
guianensis (1,85), Caudisona durissa (1,68) e Tupinambis merianae (1,67). De forma inversa, os
resultados obtidos mostram que uma mesma doença pode ser tratada por mais de uma espécie animal,
evidenciando a hipótese de redundância utilitária. Dentre as doenças citadas, 19 são “altamente
redundantes”, 23 são “redundantes” e 15 são “não muito redundantes”. As espécies inclusas na
categoria “não muito redundantes” deveriam ser prioritárias no desenvolvimento de estratégias de
conservação, pois não teriam espécies equivalentes para o uso medicinal. Considerando as dificuldades
de obtenção de informações sobre as espécies, presume-se que o número de espécies animais
envolvidas no comércio zooterápico é maior. Utilizando estimadores de riqueza observou-se que o
número de espécies comercializadas é maior do que foi registrado aqui. De forma geral, o
conhecimento da fauna utilizada na medicina alternativa é imprescindível para a conservação e o uso
racional deste conhecimento.
Palavras-chave: zooterapia, comércio, conservação.
Área temática: Etnozoologia
!
DO MEDO DA JARARACA AO SANTO REMÉDIO
ETNOHERPETOLOGIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO
DA
BANHA
DE
TEJU:
Bruna Monielly Carvalho de Araújo1, Iamara Silva Policarpo1, Wedson Medeiros Silva Souto2,
Rômulo Romeu Nóbrega Alves1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
2
Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia), Universidade Federal da Paraíba –
UFPB
No semiárido nordestino, répteis tem um importante valor cultural, podendo ter valor utilitário ou
serem alvo de conflitos. Essas interpelações podem ter importantes implicações para conservação. Este
estudo objetivou identificar os tipos de usos de répteis por moradores de duas áreas do Seridó
paraibano (municípios de Santa Luzia e São Mamede). Entre Junho de 2010 a Março de 2011 foram
entrevistados 58 caçadores em São Mamede e 34 em Santa Luzia. Registraram-se 24 espécies que são
exploradas como alimento, remédios, ornamento, criadas como animais de estimação, comercializadas
para alguma finalidade, utilizadas para fins lúdicos ou ainda mortas por alguma questão de conflito. As
espécies com maior número de citações de uso foram: teju – Tupinambis merianae (n=221 citações), a
cobra-de-veado – Boa constrictor (n=142 citações) e o cágado Phrynops tuberosus (n=124 citações).
Não houve diferença entre o número total de citações para cada espécie entre as duas localidades (Z(U)
=1,72,p=0,08). As categorias com maior número de espécies citadas foram: Conflito (n=23 espécies),
Alimento e Medicinal (n=7 espécies para ambas). Também não houve diferença significativa para
número de espécies usadas para cada categoria entre as localidades (Z(U)=0,63,p=0,52). Pode-se supor
que, no geral, as espécies tendem a ser utilizadas para os mesmos fins nas duas áreas, suportando a
ideia de uma homogeneidade cultural na interação dos entrevistados com a herpetofauna local. O
predomínio de espécies capturadas e abatidas por conflito está de acordo com outros estudos realizados
no Nordeste do Brasil, os quais suportam a ideia generalizada de que, para os habitantes, a maioria dos
répteis, especialmente cobras, é nociva. Sugere-se que estratégias de conservação foquem a
sensibilização dos moradores locais acerca dos papéis ecológicos que estes animais possuem, visando
desmistificar a concepção popular de riscos da herpetofauna para com os humanos.
Palavras-chave: herpetologia, etnozoologia, seridó.
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
OS INSETOS NA PERCEPÇÃO DOS QUILOMBOLAS DA VILA BARRINHA DA
CONCEIÇÃO, JUAZEIRO, ESTADO DA BAHIA
Carlos Alberto Batista Santos1, Rômulo Romeu Nóbrega Alves2, Wbaneide Martins de Andrade1,
Durval Júnior do Nascimento1
1
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
2
Universidade do Estado da Paraíba – UEPB
A população residente no povoado Barrinha da Conceição, localizada em Juazeiro, Bahia (09º27’791’’
e 40º33’181’’), com 140 indivíduos, distribuídos em 20 famílias, se identificam como negros
remanescentes de quilombo, oriundos de Canudos, sertão baiano. Os estudos etnozoológicos dão
enfoque aos saberes dos povos tradicionais e buscam explicar como estes ordenam, designam ou
distinguem esses recursos. Este estudo buscou registrar o modo como os quilombolas de Barrinha da
Conceição caracterizam o domínio etnozoológico “inseto”, além de identificar os sentimentos que
intermedeiam as relações da comunidade com a entomofauna local. Foram entrevistadas 21 pessoas,
selecionadas através de amostra aleatória simples, entre os indivíduos adultos maiores de 18 anos.
Estes agrupam na etnocategoria ‘insetos’ todos os animais dos quais ‘sentem medo’. Algumas dessas
espécies ou seus produtos são utilizados como medicamento, alimentação, ou com fins religiosos,
demonstrando, portanto, o valor utilitário e cultural dos insetos. Um total de 67% dos entrevistados
sente medo quando pensam em inseto e 24% desejam matá-los; 33% os consideram animais
causadores de doenças; 67% dos entrevistados não conhecem utilidade para os insetos, mas 24%
apontam as abelhas como produtoras de mel; 91% dos entrevistados foram medicados utilizando
produtos de animais considerados insetos, tais como banha de cobra contra estrepe (60%) e chá de
escorpião contra picadas do mesmo (31%). Os insetos mais conhecidos são os barbeiros (71%), cobras
(48%), lacraias (38%), escorpiões (33%), baratas (28%), aranhas (24%), cascudos (14%) e sapos
(10%). O estudo sinaliza que o conhecimento e percepção da população, aponta a necessidade de
pesquisas que enfoquem a diversidade dos insetos e da fauna associada, através do registro dos saberes
tradicionais da população local.
Palavras-chave: etnoentomologia, conhecimento tradicional, insetos.
Área temática: Etnozoologia
!
VISÃO ETNOBIOLÓGICA SOBRE O ENCALHAMENTO DE ESPONJAS (PORIFERA:
ANIMALIA) EM PRAIAS DO BAIXO-SUL DA BAHIA.
Loyana Docio1
1
Universidade Estadual da Bahia – UNEB
As esponjas são organismos aquáticos conspícuos e dominantes em costões rochosos, grutas
submersas e substratos artificiais. Devido à exuberância das cores são fáceis de ser percebidas,
principalmente quando estão encalhadas nas praias. Assim, o objetivo do presente estudo foi o de
verificar se as causas do encalhamento das esponjas são percebidas pelos moradores da região. A
presente pesquisa foi desenvolvida na Ilha do Contrato, Baía de Camamu, Bahia, Brasil. Nesta
localidade constam 506 habitantes, dos quais, 66 foram considerados informantes (homens e mulheres
entre 18 e 75 anos). Este número foi atingindo utilizando a técnica amostral bola de neve. Foram feitas
entrevistas com enfoque emicista-eticista balanceado, iniciadas com teste projetivo. Dessa forma, os
informantes disseram que sempre aparecem esponjas ou seus pedaços encalhados na praia. Porém,
uma maior quantidade desses organismos é encontrada durante o inverno (34% dos informantes). Os
motivos declarados para que estes organismos se desprendam e encalhem na praia são desde as
tempestades de inverno (bagaceira–39%); as redes de arrasto para o camarão, que também são postas
durante o inverno (29%), bem como a marés de sizígia (5%). As esponjas constituem um dos grupos
marinhos produtores de compostos secundários de importância terapêutica. Assim, os dados do
presente estudo se fazem propícios ao serem considerados nos monitoramento das comunidades de
esponjas, ao que remete a avaliação de impacto ambiental bem como no manejo racional de espécies
com potencial econômico.
Palavras-chave: porifera, comunidade pesqueira, bagaceira
!
!
RELAÇÃO ENTRE MORADORES RURAIS E A ESPÉCIE AMEAÇADA Chaetomys
subspinosus (OLFERS 1818) EM DUAS ÁREAS PROTEGIDAS NO NORDESTE
BRASILEIRO
Luciana Costa de Castilho1; Gabriela Cunha Ribeiro1; Alexandre Schiavetti2
1
Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
2
Depto. de Ciências Agrárias Ambientais, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
Reconhecer mecanismos que influenciam ou promovem a conservação de recursos por populações
humanas locais em áreas protegidas pode ser um importante instrumento para o manejo de áreas
protegidas e para a conservação de espécies da fauna ameaçadas de extinção. Este estudo buscou
investigar as atitudes sobre conservação de moradores rurais e o conhecimento destes com relação ao
endêmico e ameaçado ouriço-preto (Chaetomys subspinosus). Entre 2007 e 2010, foram realizadas 125
entrevistas com os moradores de propriedades situadas em duas áreas protegidas localizadas no sul da
Bahia, o Refúgio de Vida Silvestre de Una (REVIS Una) e o Parque Estadual da Serra do Conduru
(PESC). Nas duas áreas, a espécie além de ser utilizada como fonte de alimento, é utilizada para fins
medicinais, seus espinhos são utilizados como defumadores para curar doenças e para apurar o faro de
cães de caça. No entanto, na região do PESC, a espécie encontra-se sob tabu segmentar, apresentando
restrições para seu uso como fonte alimentar. As atitudes mais freqüentes na região do PESC e do
REVIS Una foram as negativas moderadas, estando relacionadas às pessoas de menor escolaridade e
maior tempo de residência na região. O conhecimento sobre a espécie nas duas áreas se mostrou
concentrado nas pessoas de menor grau de instrução escolar, do gênero masculino e que
principalmente estavam relacionadas à prática da caça na região. As informações obtidas através das
atitudes e do conhecimento dos moradores sobre o ouriço-preto destacam a necessidade de uma maior
atenção para espécies endêmicas e ameaçadas menos populares para as populações locais. A
frequência de atitudes negativas pode afetar a conservação da espécie, no entanto, valorizar os
mecanismos que regulam o uso da espécie por parte dos moradores locais e as atitudes positivas, pode
ser uma estratégia alternativa para a conservação na região.
Palavras-chave: áreas protegidas, comunidades locais, atitudes
Área temática: Etnozoologia
!
!
ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS E ECOLÓGICOS DA ATIVIDADE CINEGÉTICA
REALIZADA POR CAÇADORES DO MUNICÍPIO DO CONDE, PARAÍBA: RESULTADOS
PRELIMINARES.
Jamylle Barcellos de Souza1; Rômulo Romeu da Nóbrega Alves2
1
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
A caça de vertebrados silvestres é uma prática disseminada no Brasil. Sob uma perspectiva
socioeconômica, tem papel importante por fornecer carne e outros produtos. Por outro lado, tem
importantes implicações conservacionistas, resultando em impacto sobre as espécies exploradas, o que
evidencia a necessidade de pesquisas que abordem a atividade cinegética e os seus conhecimentos
associados. Este trabalho objetiva investigar, a partir da abordagem etnozoológica, os elementos sócioculturais, ecológicos e econômicos associados às atividades cinegéticas no município do Conde, área
inserida na Mesorregião Mata Paraibana do Estado da Paraíba. A coleta de dados envolveu a pesquisa
participante, o procedimento amostral “bola de neve”, entrevistas estruturadas e semi-estruturadas e a
técnica lista livre. Foram entrevistados nove caçadores especialistas, sendo registrados 59 animais
cinegéticos, distribuídos nas categorias mamíferos (23), répteis (19) e aves (17). As técnicas utilizadas
durante a captura dos animais incluem a caça com cachorro, espingarda, tocaia, arremedo e
armadilhas. O uso dos recursos faunísticos associa-se principalmente ao consumo da carne, também
sendo relatados usos zooterápicos. Não foi registrado o comércio desses animais. A caça é considerada
uma atividade antiga na região, sendo motivada principalmente pelo entretenimento, com exceção da
caça aos animais que ameaçam a agricultura e a criação de galinhas. Há o registro do declínio de
algumas espécies animais, tal fato é atribuído na opinião dos informantes, principalmente ao
desmatamento e queimadas na região. O registro das espécies cinegéticas registradas amplia o
conhecimento da fauna cinegética no estado da Paraíba, onde ainda não foram realizadas pesquisas
sobre caça em áreas de Mata Atlântica. Espera-se que nossos resultados contribuam com a
implementação / aprimoramento de políticas públicas direcionadas ao manejo da fauna silvestre,
visando à conservação da biodiversidade da região.
Palavras-chave: caça, mata atlântica, etnozoologia
Área temática: Etnozoologia
!
!
ASPECTOS DA CAÇA DOS ÍNDIOS XERENTE (TOCANTINS, BRASIL) EM RELAÇÃO
AOS MAMÍFEROS TERRESTRES DE MÉDIO E GRANDE PORTE: RESULTADOS
PRELIMINARES
Milton José de Paula1; Wedson de Medeiros Silva Souto2; Alberto Akama1; Odair Giraldin1
1
Universidade Federal do Tocantins – UFT
2
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Este trabalho tem o objetivo de apresentar dados preliminares sobre os aspectos da caça relacionados
aos mamíferos terrestres de médio e grande porte entre os índios Xerente habitantes do Cerrado, estado
do Tocantins. A coleta de dados ocorreu nos meses de setembro de 2010, julho de 2011, fevereiro e
abril de 2012, totalizando 19 dias, onde foram realizadas entrevistas livres com nove índios das aldeias
Kâzase, Ktêpo, Porteira e Salto. Utilizou-se da técnica de observação participante não-membro para
registro das atividades cinegéticas, possibilitando registro preciso da maioria das espécies caçadas e
das técnicas empregadas. Fotos de 39 espécies da mastofauna em estudo, que ocorrem no entorno da
reserva, foram também apresentadas aos caçadores locais para identificação do total da mastofauna
cinegética e quanto de eventuais técnicas que não foram registradas durante o acompanhamento de
caçadas. Das 39 espécies em estudo, 33 foram citadas com cinegéticas, sendo que oito foram
mencionadas por todos os entrevistados, são elas: quati (Nasua nasua), paca (Cuniculus paca), cutia
(Dasyprocta prymnolopha), anta (Tapirus terrestris), caitetu (Pecari tajacu), tatu-peba (Euphractus
sexcinctus), tatu-galinha (Dasypus novemcinctus), e tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla). As
espécies de maior preferência cinegética foram: paca, cutia, caititu e tatu-peba. Cinco técnicas de caça
foram identificadas, sendo elas: a espera, a carreira, a caminhada, o trabuco e utilização de cachorros.
A técnica de espera juntamente com a caminhada são as técnicas mais utilizadas, ambas citadas por
todos. A espingarda é o equipamento mais utilizado nas caçadas. As atividades de caça são realizadas
frequentemente perto das Aldeias e preferencialmente no período noturno. Os dados registrados até o
momento sugerem que as espécies em estudo são os animais mais procurados pelos Xerente para
obtenção de carne e que diferentes técnicas são empregadas para essa finalidade. Novas coletas de
dados serão realizadas entre os Xerente, dando sequência a esse estudo.
Palavras-chave: etnobiologia, etnozoologia, cerrado
Área temática: Etnozoologia
!
!
USO DOS MAMÍFEROS TERRESTRES DE MÉDIO E GRANDE PORTE PELOS ÍNDIOS
XERENTE (TOCANTINS, BRASIL): RESULTADOS PRELIMINARES.
Milton José de Paula1; Wedson de Medeiros Silva Souto2; Alberto Akama1; Odair Giraldin1
1
Universidade Federal do Tocantins – UFT
2
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Este trabalho tem o objetivo de apresentar dados preliminares sobre o uso dos mamíferos terrestres de
médio e grande porte pelos índios Xerente, habitantes do Cerrado, estado do Tocantins. Para obtenção
dos dados foi utilizado entrevistas abertas, onde fotos dos mamíferos terrestres de médio e grande
porte (n=39), de ocorrência para área próxima da Reserva Indígena, foram apresentadas para nove
caçadores indígenas distribuídos entre as aldeias Kâzase, Ktêpo, Porteira e Salto. Dos 39 mamíferos
em estudo, 29 são utilizados e estão distribuídos em cinco categorias de uso: alimentar, medicinal,
cultural, artesanal e estimação. As categorias de uso mais citadas foram a alimentar, seguida pela
medicinal e cultural. 29 espécies foram citadas como recurso alimentar, sendo que 15 espécies foram
citadas por todos os entrevistados, são elas: quati (Nasua nasua), paca (Cuniculus paca), cutia
(Dasyprocta prymnolopha), anta (Tapirus terrestris), veado-campeiro (Ozotoceros bezoarticus),
veado-catingueiro (Mazama gouazoubira), veado-mateiro (Mazama americana), caitetu (Pecari
tajacu), queixada (Tayassu pecari), tatu-peba (Euphractus sexcinctus), tatu-do-rabo-mole (Cabassous
unicinctus), tatu-galinha (Dasypus novemcinctus), tatuí (Dasypus septemcinctus), tamanduá-bandeira
(Myrmecophaga tridactyla) e tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla). No uso medicinal, dez
espécies são utilizadas pelos entrevistados, sendo: raposa-do-campo (Lycalopex vetulus), irara (Eira
barbara), capivara (Hydrochoerus hydrochaeris), anta, tatupeba, tatu-do-rabo-mole, tamanduábandeira e tamanduá-mirim. Para o uso cultural quatro espécies foram citadas: lobo-guará (Chrysocyon
brachyurus), quati, guaxinim (Procyon cancrivorus) e a paca. A multiplicidade de uso dessas espécies
pelos índios Xerente sugerem, até o momento, que os mamíferos em estudo desempenham um recurso
bastante utilizado por eles. Os trabalhos nesse sentido terão sequência na comunidade Xerente, com
novos levantamentos de dados a fim de identificar outras possíveis relações e utilização da fauna pelo
grupo indígena estudado.
Palavras-chave: etnobiologia, etnozoologia, cerrado
Área temática: Etnozoologia
!
ESTUDO ETNOENTOMOLÓGICO NA COMUNIDADE
COMPRIDA, MUNICÍPIO DE CABACEIRAS - PB, BRASIL
RURAL
DE
MALHADA
Ernandes Fernandes da Silva1, Janderson Batista Rodrigues Alencar2, Luciene R. Andrade2, Carlos
Henrique de Brito2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Laboratório de Zoologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A Etnoentomologia estuda o conhecimento das comunidades tradicionais a respeito dos insetos e busca
entender suas inter-relações. Deste modo, este trabalho registrou as percepções e usos dos moradores
da comunidade rural de Malhada Comprida, Cabaceiras, Paraíba (Brasil) dos insetos de sua região.
Esse município está localizado na microrregião do Cariri Oriental, em domínio de Caatinga. A coleta
de dados foi realizada entre os meses de fevereiro a maio de 2012, por meio de entrevistas semiestruturadas, contendo perguntas relacionadas à categoria folk “insetos”, sendo aplicados nos chefes
domiciliares (homem e mulher) de cada residência. Foram entrevistados no total 13 informantes,
compostos de cinco homens e oito mulheres, somando 100% dos informantes, os quais concordaram
em assinar o termo de consentimento livre e esclarecido, exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(aprovado pelo CEP/HULW nº 297/11 da UFPB). Foi contabilizado um total de 46 animais descritos
como “insetos”, destes 37 pertencem à classe Insecta, quatro ao subfilo Chelicerata, quatro a
superclasse Myriapoda e um ao grupo dos Mammalia. A comunidade apresentou um rico
conhecimento a respeito da utilização desses animais, sendo positivos os usos como recursos alimentar
(Atta sp.); medicinal, mel de Apis mellifera (Linnaeus, 1758) e Partamona cupira (Smith, 1863); uso
da cera de Trigona spinipes (Fabricius, 1793); para vedar silos de sementes; importância para
polinização do maracujazeiro pelo mangangá (Apidae). Negativos: causadores de doenças, barbeiro
(Triatoma sp.), dengue (Aedes sp.); pragas agrícolas, como: a cochonilha (Hemiptera), lagartas
(Lepidoptera), Formiga de roça (Atta sp.), grilo e gafanhotos (Orthoptera). De uma forma geral, a
maior parte dos entrevistados tende a projetar sentimentos de repugnância, periculosidade, nocividade,
medo e menosprezo a maioria dos animais associados com o grupo dos insetos. Os informantes
apresentam uma definição ambígua sobre o que é a categoria “inseto”, mas quase sempre associando
estes animais a percepções negativas.
Palavras-chave: etnozoologia, insetos, conhecimento tradicional.
Área temática: Etnozoologia
!
!
ESTUDO ETNOENTOMOLÓGICO NA COMUNIDADE RURAL DE ALTO FECHADO,
MUNICÍPIO DE CABACEIRAS, PARAÍBA, BRASIL.
Ernandes Fernandes da Silva1; Janderson Batista Rodrigues Alencar2; Ítalo Félix Montenegro2; Carlos
Henrique de Brito2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Depto. de Ciências Biológicas, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnoentomologia define-se como a ciência que estuda as relações, sentimentos, comportamento e
conhecimento das populações humanas para com os insetos. O presente trabalho buscou identificar as
percepções e uso dos insetos pelos moradores da comunidade rural de Alto Fechado, Cabaceiras,
Paraíba (Nordeste do Brasil). O município localiza-se na microrregião do cariri oriental do estado da
Paraíba, em domínio fitogeográfico da caatinga. A coleta dos dados foi realizada com base em
entrevistas, com perguntas sobre os animais da categoria folk “inseto”, no período de janeiro a
fevereiro/2012. Foram entrevistados 27 moradores (13 homens e 14 mulheres), compreendendo a
100% dos chefes domiciliares que concordaram em participar da pesquisa e assinar o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética e pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). Foram descritos
49 animais como “insetos”, 34 pertencentes à classe Insecta, quatro ao Subfilo Chelicerata, três ao
grupo Reptilia, três a Superclasse Myriapoda, dois ao grupo Amphibia, duas ao grupo de Aves e um ao
grupo Mammalia. Insetos como barbeiro (Triatoma sp.) e mosquito da dengue (Aedes sp.) foram
reconhecidos como causadores de doenças, enquanto lagarta (Lepidoptera), formiga de roça (Atta sp.),
gafanhoto (Orthoptera) e cochonilha (Hemiptera) como as principais pragas agrícolas da região.
Tanajura (Atta sp.), cupim (Isoptera) e tejú (Tupinambis sp.) são utilizados para fins alimentícios. A
picada e subprodutos (mel e cera) de abelha são utilizados no combate a algumas enfermidades como
reumatismo e gripe, e a cera é usada para vedar silos de armazenagem de sementes. Outros insetos
como mangangá (Xylocopa frontalis), abelha arapuá (Trigona spinipes), abelhas (Apidae) e beija-flor
(Eupetomena macroura) foram citados como polinizadores de plantas. O tipo de percepção e uso dos
“insetos” pelos moradores está intimamente ligado a como eles percebem, identificam, classificam e
usam esses animais, e não a classificação acadêmica do que seria um inseto.
Palavras-chave: categoria folk, etnozoologia, conhecimento popular
Área temática: Etnozoologia
!
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E UTILIZAÇÃO DA MASTOFAUNA EM UMA
COMUNIDADE RURAL NA DEPRESSÃO SERTANEJA (PARAÍBA, NORDESTE, BRASIL).
Suellen da Silva Santos¹, Vanessa Moura dos Santos¹, Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto¹,
Hugo Fernandes Ferreira², Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia), 1Laboratório de Etnoecologia, Universidade
Federal da Paraíba – UFPB
A etnozoologia estuda as relações cognitivas, simbólicas e comportamentais entre os seres humanos e
os animais. O presente estudo registrou o conhecimento e uso que os moradores da comunidade rural
de Barroquinha no sertão da Paraíba, município de Lagoa (Nordeste/Brasil), possuem sobre a
mastofauna. Foram entrevistados os chefes domiciliares, totalizando 62 informantes, os quais
assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW nº297/11). Os dados etnozoológicos foram coletados por meio de entrevistas e conversas
informais. As citações de uso foram organizadas em quatro categorias utilitárias. O valor de uso (VU)
foi calculado como VUgeral (todos os usos), VUatual (usos correntes) e VUpotencial (uso
passado/abandonado), VU=∑Ui/n; Ui=número de usos mencionados por cada informante, n=número
total de informantes. Calculou o VUmédiogeral, VUmédiopotencial e VUmédioatual pela fórmula
VUmed=∑VU/x; VU=VU de cada espécie do grupo mastozoológico; x=número de espécies do grupo.
A comparação entre os VU foi testada pela Correlação de Pearson. Registraram-se 21 espécies, 19
gêneros, 12 famílias. A comparação da média com o desvio padrão para os três VU mostrou uma
variação das espécies entre os maiores e menores valores, com a média de 0,85 (±1,12) para o VUgeral,
0,44 (±0,63) para o VUatual, 0,41(±0,52) para o VUpotencial. As espécies de maior destaque no VUgeral
foram Dasypus novemcinctus (0,84) e Euphractus sexcinctus (0,82). No VUatual foram Galea spixii
(0,71) e Mazama gouazoubira (0,48). No VUpotencial, Kerodon rupestris (0,71) e Dasypus novemcinctus
(0,57). A correlação evidenciou que houve correlação significativa entre VUgeral/VUatual e
VUgeral/VUpotencial (p<0,0001). No VUmédiogeral (0,04) e VUmédiopotencial (0,02) se destacou D.
novemcinctus, já no VUmédioatual Mazama gouazoubira (0,02). O presente estudo mostra a necessidade
da distinção entre usos atuais de usos apenas conhecidos para que se possam determinar quais espécies
estão sofrendo pressão de uso, contribuindo para estudos de conservação local.
Palavras-chaves: etnozoologia, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnozoologia
!
!
PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE ESPÉCIES ÚTEIS DA MASTOFAUNA
UTILIZADAS POR MORADORES DE UMA COMUNIDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE
LAGOA, PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL)
Suellen da Silva Santos1; Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto2; Rodrigo Ferreira de Sousa1;
Hyago Keslley de Lucena Soares1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A utilização da mastofauna por comunidades tradicionais é bastante comum nas regiões semiáridas do
Brasil, uma vez que estas espécies possuem um papel fundamental na complementação da dieta, dentre
outros usos. Neste contexto, índices têm sido propostos na intenção de detectar espécies merecedoras
de maiores atenções conservacionistas, dentre eles, o Índice de Prioridade de Conservação (IPC),
testado no presente estudo na comunidade rural de Barroquinha, município de Lagoa, sertão da Paraíba
(Nordeste do Brasil). Foram realizadas entrevistas com 62 informantes (35 mulheres/27 homens 100% da comunidade), os quais assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo
comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). A identificação da fauna foi realizada por meio
de guias científicos, amostras biológicas, foto-identificação, especialistas acadêmicos e pela descrição
dos caçadores. O IPC foi calculado por meio de dados etnozoológicos, segundo a fórmula: PC =
0,5(EB) + 0,5(RU), onde EB = A x 10 e RU = 0,5(H) + 0,5(U) x 10, sendo: PC prioridade de
conservação; EB escore biológico; RU risco de utilização; A abundância da espécie na percepção
local; H risco de coleta; U é dado pelo maior valor entre a importância local (L) e a diversidade de uso
(U). Cada espécie recebeu um escore adotado pelo somatório de todos os critérios tomados. Foram
registrados 22 animais, identificando-se 21 espécies, 19 gêneros e 12 famílias. Destacaram-se Puma
concolor (escore=60), Kerodon rupestres (escore=55), Pecari tajacu/ Panthera onca/ Mazama
gouazoubira/ Cuniculus paca/ Leopardus spp. (escore=50, respectivamente), Puma yagouaroundi
(escore=40), Thrichomys apareoides/ Leopardus pardalis (escore=32,5) e Dasypus novemcinctus/
Euphractus septemcinctus/ Galea spixii/ Tamandua tetradactyla (escore=25). Os dados apontam a
necessidade de estudos específicos com estas espécies para avaliar a situação que estas populações se
encontram, como também se estas espécies estão sofrendo pressões de uso, uma vez que alguns destes
animais encontram-se na lista de espécies ameaçadas de extinção da IUCN.
Palavras-chave: etnozoologia, florestas secas, conservação
Área temática: Etnozoologia
!
!
A IDADE PODE INFLUENCIAR NO CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DA FAUNA
CINEGÉTICA?
Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto¹, Rodrigo Ferreira de Sousa², Hyago Keslley de Lucena
Soares¹, Hugo Fernandes-Ferreira³, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós-Graduação em Ciências Florestais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
³Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia), Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O conhecimento sobre caça é bastante dinâmico, deste modo, o presente estudo verificou como os
ensinamentos sobre esta atividade são adquiridos, e se a idade dos informantes tem influência no
conhecimento e uso da fauna. Foram entrevistados 35 informantes no município de Lagoa, Paraíba,
selecionados através do método snowball para identificar os caçadores da região, onde foram
separados grupos com intervalos de idade de dez em dez anos (porém, a idade mínima/máxima dos
informantes variou): A)20-31 anos; B)32-44 anos; C)48-76 anos. A identificação da fauna foi realizada
por meio de guias científicos, amostras biológicas, foto-identificação, e descrição dos caçadores. Foi
utilizada a Correlação de Spearman e Regressão Linear Simples para verificar a existência de
correlação entre idade dos informantes e o nº de espécies. Na análise dos agrupamentos realizados
pelos caçadores foi utilizado o programa Pilesort do Anthropac. O grupo “A” citou 81 espécies (59avifauna, 19-mastofauna e três-herpetofauna); o “B” mencionou 65 espécies (41-avifauna, 20mastofauna e quatro-herpetofauna); já o “C”, 51 espécies (28-avifauna, 20-mastofauna e trêsherpetofauna). A Regressão Linear apresentou correlação entre o grupo “A” e “C” (p<0,0001). Já a
Correlação de Spearman apresentou correlação inversa entre o mesmo grupo (p<0,0001; rs=-0,5083).
A análise do Anthropac formou três grupos distintos, o primeiro formado por 31 caçadores, o segundo
formado por três caçadores, e o terceiro por um caçador isolado. O grupo 1 apresentou dados de caça
voltados para alimentação/criação com um grupo específico de animais. Já o grupo 2 se destacou pela
grande quantidade de citações sobre espécies para criação, e o caçador isolado por citar muitos
mamíferos. Os resultados evidenciaram uma relação entre idade dos caçadores com o uso dos animais
de potencial cinegético, sendo necessário um estudo que avalie o impacto causado pelos caçadores
jovens, uma vez que estes abatem diversos animais sem necessariamente utilizá-los.
Palavras-chave: florestas secas, caça, etnozoologia
Área temática: Etnozoologia
!
!
CONHECIMENTO TRADICINOAL E UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FAUNÍSTICOS POR
CAÇADORES DE FLORESTAS SECAS (PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL)
Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto¹, Rodrigo Ferreira de Sousa², Suellen da Silva Santos¹,
Hyago Keslley de Lucena Soares¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós-Graduação em Ciências Florestais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
A atividade de caça está fortemente ligada às culturas humanas, e seus praticantes detêm um vasto
conhecimento sobre a biodiversidade. Este estudo registrou o conhecimento dos caçadores do
município de Lagoa, sertão da Paraíba (Nordeste/Brasil). Foi aplicado o método da bola de neve,
identificando-se 35 caçadores, os quais assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido
pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11), e com os quais foram realizadas entrevistas
sobre a utilização da fauna local. A identificação dos animais foi realizada por meio de guias
científicos, amostras biológicas, foto-identificação, especialistas científicos e pela descrição dos
caçadores. O teste G foi calculado para verificar a relação entre citações de uso e espécies em cada
categoria de uso, e entre a diversidade de espécies com as técnicas de captura. Registrou-se 101
animais de importância cinegética, sendo 62/avifauna, 23/mastofauna e 16/herpetofauna, os quais
foram divididos em seis categorias (alimentação/controle biológico/criação/comércio/medicinal e
tecnologia). A categoria alimentação se destacou com 524 citações, sendo Dasypus novemcinctus a
espécie de maior importância na categoria, devido seu alto valor protéico. Puma yagouaroundi
destacou-se nas categorias controle biológico, comércio e tecnologia. Já Columbina minuta e
Columbina picui destacaram-se na categoria criação, e Tupinambis merianae na categoria medicinal.
Foram registradas 20 técnicas de captura, divididas em ativas e passivas, com destaque para busca
ativa com espingarda (423 citações) e cachorro (220 citações). As categorias de uso apresentaram forte
correlação com as espécies citadas (p=0,001), e entre a diversidade de espécies com as técnicas de
captura (p=0,0007). A maioria dos caçadores afirmou preferir caçar, para alimento, o D. novemcinctus
e Tamandua tetradactyla (97% e 82% dos informantes, respectivamente). Os dados apresentados
apontam a necessidade da realização de pesquisas que avaliem o impacto da caça sobre essas espécies,
principalmente pelo fato de algumas estarem ameaçadas de extinção.
Palavras-chave: caça, caatinga, etnozoologia
Área temática: Etnozoologia
!
!
VALOR DE USO DAS TÉCNICAS DE PESCA E AS ETNOESPÉCIES DE PEIXES NA
COMUNIDADE DE PESCADORES ARTESANAIS DE SACAÍ, NO BAIXO RIO BRANCO,
RORAIMA, BRASIL
Paula Lorrane de Jesus Lopes¹, Juliane Marques de Souza¹
¹ Universidade Estadual de Roraima – UERR
A etnoictiologia pesquisa o entendimento empírico do pescador sobre o sistema pesqueiro, construído
por meio de observações do ambiente. Este trabalho, desenvolvido na comunidade de Sacaí, município
de Caracaraí, Roraima, investigou quais as técnicas pesqueiras mais utilizadas, os peixes mais
capturados e para qual finalidade são usados. Para coleta de dados utilizou-se entrevista semiestruturada e observação participante com 11 pescadores as quais foram analisadas no software QSRNVivo®. Para o cálculo do valor de uso adotou-se VU= ∑U/n, onde: “VU” é o índice de valor de uso;
“∑U” é o n° de citações por etnoespécies e; “n” o n° de pescadores entrevistados. Das 38 etnoespécies,
33 foram mencionadas com algum uso e 25 foram relacionadas com técnicas pesqueiras. A prioridade
do uso do pescado é comercial “VUc”, seguido de alimentar “VUa”. Sete técnicas de pescas foram
relatadas, sendo o malhador utilizado por todos (VU=1,00). As etnoespécies com maior VU nesta
técnica foram: Capararí (Pseudoplatystoma sp.) e Tucunaré (Cichla sp.), 0,82; Aruanã (Osteoglossum
sp.) e Carauaçú (Astronotus sp.), 0,64. Essas mesmas etnoespécies apresentam alto VUc: Tucunaré e
Carauaçú = 0,91; Capararí = 0,82, Aruanã = 0,64 e alto VUa: Tucunaré = 0,91, Carauaçú = 0,73,
Capararí e Aruanã = 0,55. Evidencia-se que o Tucunaré é o que mais sofre pressão pesqueira, pois
dentre as 07 técnicas, 05 são utilizadas para sua pesca, além de apresentar maior VU total (2,18). A
comunidade aparenta uma estreita dependência do pescado, sendo base da economia e nutrição, com
isso o malhador torna-se a técnica mais viável na captura em maior escala, pois para os pescadores, “é
mais rápido na captura”. Porém esta técnica não é seletiva e captura peixes “inúteis” e juvenis, assim, o
ajuste do tamanho do malhador e do espaço entre-nós deixando-o compatível com o tipo de pescado e
o local de pesca, pode contribuir para reduzir os impactos.
Palavras-chave: etnoictiologia, valor de uso, pesca artesanal.
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
A FAUNA NA ARTE KARAJA: ETNOZOOLOGIA E IDENTIDADE CULTURAL
Maria Nazaré Stevaux¹, Welinton Ribamar Lopes¹, Renan Uassuri¹, Raul Hawàkàti¹
¹Universidade Federal de Goiás – UFG
O povo In (Karaja) reúne 29 aldeias distribuídas na Bacia do Rio Araguaia. São 3 subgrupos: javaés,
xambioá e karaja - este é restrito as aldeias marginais do Rio Araguaia (na Ilha do Bananal,TO e em
Aruanã, GO) somando uma população de cerca de 3000 pessoas, proximamente aparentadas. A origem
deste povo parece ter sido na região de Aruanã, onde persiste a aldeia Buridina - a que mais perdeu
identidade, por estar em ambiente urbano com forte potencial turístico. Assim foi criado o projeto
Maurehi de resgate e manutenção da identidade cultural associando as aldeias do subgrupo karaja. Este
estudo resgatou e identificou as contribuições da fauna regional para as expressões artísticas dos
karajas. Foram levantados e documentados os elementos faunísticos utilizados como inspiração (nas
decorações e pinturas em: utensílios domésticos; instrumentos; fachadas residenciais e objetos de
decoração residencial e adornos corporais); como modelo (de esculturas e desenhos) e como matéria
prima (para a fabricação de artesanatos e utensílios). Todos os registros foram feitos com câmera
fotográfica e documentados em filmagens nos eventos com participação de artesãos karajas visitantes
da Ilha do Bananal. Posteriormente os registros foram analisados em parceria com o cacique e
educadores indígenas para identificação do produto, da pintura, da matéria prima utilizada e sua
destinação nas expressões artísticas. Dos 86 registros, a matéria prima mais utilizada foi madeira
(38,0%) e 12% era de origem animal (carapaça de tartaruga, penas, ossos e escamas de peixe). Nas
esculturas, o modelo mais abundante foi o indígena (24,5%), seguido da fauna local (12,8%). Em sua
maioria (mais de 62%) os motivos de pinturas são de elementos da fauna local - Rastro de Papagaio
(20%), Pacu (17,4%), Jiboia (7,6%), Espinho (5,4%), Rabo de Quati (3,2%), Rastro de Camaleão
(3,2%) e asa do Urubu Caçador (2,2%).
Palavras-chave: etnooologia, expressão artística, karaja.
Área temática: Etnozoologia
!
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL DE CAÇADORES VERSUS UMA COMUNIDADE
RURAL DA DEPRESÃO SERTANEJA: UMA COMPARAÇÃO DO CONHECIMENTO
MASTOZOOLÓGICO
Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto¹, Suellen da Silva Santos¹, Hyago Keslley de Lucena
Soares¹, Claudio César Montenegro Júnior¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnozoologia estuda a relação das pessoas com a fauna local. Nesse sentido, o presente estudo
comparou o conhecimento dos caçadores (A) com os moradores da comunidade rural de Barroquinha
(B), ambos situados no município de Lagoa, Paraíba (Nordeste/Brasil). As informações etnozoológicas
foram obtidas por meio de entrevistas com 62 moradores da comunidade e 35 caçadores, tendo estes
assinado o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW nº 297/11). O processo de identificação da fauna foi realizado por meio de guias
científicos, amostras biológicas, foto-identificação, especialistas científicos e pela descrição dos
caçadores. O valor de uso (VU) foi calculado para identificar as espécies mais importantes para cada
grupo. A Correlação de Pearson foi utilizada para verificar se existe correlação entre as citações de uso
de espécies citadas pelos caçadores e pelos moradores de Barroquinha. Os moradores citaram 21
espécies, 19 gêneros e 12 famílias, já os caçadores 24 espécies, 21 gêneros e 13 famílias. No VU as
espécies com maior destaque no grupo “A” foram, Puma yagouaroundi (VU=2,2), Dasypus
novemcinctus (VU=1,1) e Tamandua tetradactyla (VU=1,0); já no grupo “B” destacaram-se D.
novemcinctus (VU=0,84), Euphractus sexcinctus (0,82) e Galea spixii (0,71). Não houve correlação
entre as citações dos caçadores e a dos moradores (p>0,05). Os caçadores citaram os cachorros como
melhor técnica de caça, seguido de espingarda. Já a os moradores também citaram os cachorros como
melhor forma de caçar, seguida de arataca. Esses dados reforçam a necessidade da distinção entre
conhecimento e uso, a qual pode determinar as espécies que podem estar sofrendo com a pressão da
caça e uso. Os dados evidenciaram que cada grupo reconheceu diferentes espécies como as mais
importantes. Acredita-se que se fazer a distinção dos usos efetivos dos usos apenas conhecidos, essa
relação pode mudar.
Palavras-chaves: etnozoologia, caça, semiárido
Área temática: Etnozoologia
!
!
CONHECIMENTO E USO DE ANIMAIS POR UMA COMUNIDADE RURAL NO
CURIMATAÚ DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
Filipe Mariano de Sousa¹, Suellen da Silva Santos¹, Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto¹,
Hugo Fernandes Ferreira², Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia), Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A utilização de animais no semiárido nordestino por populações tradicionais é antiga, colocando
algumas espécies em risco de extinção. O presente estudo registrou o conhecimento e uso de animais
na comunidade rural de Capivara, município de Solânea (Paraíba/Nordeste/Brasil). Foram realizadas
entrevistas com os chefes familiares, totalizando 108 informantes (56M/52H), os quais assinaram o
termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW
n°297/11). A identificação faunística se deu a partir de guias científicos, amostras biológicas, fotoidentificação, especialistas científicos e descrições por parte dos informantes. O valor de uso (VU) foi
calculado pela fórmula VU=?Ui/n; Ui=número de usos mencionados por cada informante; n=número
total de informantes. A correlação de Pearson foi utilizada para comparar VUHomem/VUMulher. O
Teste G foi calculado para verificar a relação entre citações de uso e espécies em cada categoria de
uso. As citações foram organizadas em seis categorias utilitárias. Registraram-se 21 espécies, 18
gêneros e 14 famílias. A comparação da média com o desvio padrão mostrou variação das espécies
entre os maiores e menores valores, com média 0,87 (±0,78) para VUHomem, e 0,57 (±0,59) para
VUMulher. As espécies de maior destaque no VU foram Galea spixii (2,09), Puma yagouaroundi
(1,86) e Leopardus tigrinus/Leopardus wiedii (1,68). No VUHomem foram, G. spixii (2,37) e P.
yagouaroundi (2,17). Já no VUMulher G. spixii (1,84) e P. yagouaroundi (1,57). A correlação de
Pearson evidenciou que houve correlação significativas entre VUHomem/VUmulher (r=0,9834;
p<0,0001). As citações de uso mostraram correlação com as espécies em cada categoria (p<0,05). A
categoria destacada foi alimentação tanto para homens (57% citações) como para mulheres (43%). Os
resultados evidenciam a importância de estudos específicos com relação à utilização da fauna local,
determinando quais sofrem pressão de uso, já que algumas se encontram na lista de espécies
ameaçadas de extinção da IUCN e MMA.
Palavras-chave: etnozoologia, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnozoologia
!
SINURBIZAÇÃO DO SARIGUÊ (Didelphis) NO ECOSSISTEMA URBANO DE FEIRA DE
SANTANA-BA: OCORRÊNCIA E INTERAÇÃO COM OS SERES HUMANOS
Mônica Costa de Abreu¹, José Geraldo Wanderley Marques¹
¹Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
As cidades tornaram-se locais ricos em diferentes formas de vidas, abrigando uma biodiversidade
dificilmente perceptível pelas pessoas. O fenômeno de adaptação das populações de animais silvestres
colonizando o meio urbano é denominado sinurbização. O termo não se aplica individualmente a
espécimes que vieram (ou foram trazidos por seres humanos) para uma área urbana e que
acidentalmente vivem lá por um tempo limitado. O processo de sinurbização é evidente no caso dos
sariguês (Didelphis). Estes animais se adaptam facilmente às áreas urbanas e podem ser vistos em ruas
ou sobre árvores. Este trabalho objetivou evidenciar o fenômeno de sinurbização relacionada aos
Didelphis, suas ocorrências e relações com as pessoas, no ecossistema urbano de Feira de Santana
(BA). Foram realizadas 32 entrevistas estruturadas e 32 semi-estruturadas com pessoas que habitam a
área urbana do município há mais de três anos. Os questionários envolveram perguntas relacionadas a:
distribuição geográfica e frequência de observação dos animais, aspectos da biologia geral, atitudes e
crenças das pessoas frente aos sariguês. Também foram realizados registros fotográficos de vestígios
encontrados e de avistamentos diretos dos animais, bem como uma etnografia visual. Dos 41 bairros
existentes na área urbana, foram verificadas ocorrências de Didelphis em 23. Em relação aos
sentimentos dos participantes, predominou a biofobia (56,3%), o que igualmente ficou demonstrado
nas atitudes (56%) dos entrevistados. A etnografia visual demonstrou o fato de as pessoas
alimentarem-se de sariguês. Sobre os aspectos da dieta destes animais, a categoria “aves”, que inclui
galinhas, ovos, pintos e passarinhos engaiolados, foi a mais citada (69%) pelos entrevistados. Com
base nisso, um processo de sinurbização do sariguê (Didelphis) no ambiente urbano de Feira de
Santana é factível.
Palavras-chave: sinurbização, sariguê (didelphis), biofóbia
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO E USO DA FAUNA SILVESTRE EM UMA COMUNIDADE RURAL DO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
José Ribamar de Farias Lima¹, Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto², Marcelo Rodrigues de
Souza Júnior¹, José da Silva Mourão³, Reinaldo Farias Paiva de Lucena².
¹Pós Graduação em Ecologia e Monitoramente Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
² Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
³Laboratório de Educação Ambiental e Etnoecologia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
As relações entre populações humanas e a fauna que os cerca é historicamente conhecida e bem
representada, com interações que podem ser categorizadas em vários grupos. Tipos diversos de usos
constituem um dos pilares do viés cultural das comunidades humanas e instrumento de representação
sócio econômica destas. O objetivo deste trabalho foi identificar os animais conhecidos e utilizados em
uma comunidade rural do semi-árido paraibano, no município de Cabaceiras (Nordeste/Brasil), com 43
informantes (22 Homens, 21 Mulheres), com idade variando entre 27 e 79 anos, os quais assinaram o
termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa (aprovação do
CEP/HULW nº297/11). As informações foram obtidas por meio de entrevistas aplicadas entre os
meses de janeiro a maio de 2012. Foram registradas 131 espécies, sendo 62 aves (47%), 22 répteis
(17%), 21 mamíferos (16%), 21 artrópodes (16%) e cinco anfíbios (4%), dos quais 34 apresentaram
uso atual e influência direta na comunidade. Foi verificada uma diversidade (Índice de Shannon) maior
de usos atuais (H’=3,25) do que potencial (H’=3,05). Os usos/influências elencados foram agrupados
em dez categorias: alimento, decoração, diversão, estimação, medicinal, místico, praga, previsão
climática, vestimenta e veterinária, havendo diferenciação entre os usos atuais e potenciais. A
influência atual mais representativa foi relacionada a prejuízos trazidos pelos animais silvestres nas
atividades desenvolvidas pelos produtores rurais (praga), principalmente pela presença da raposa
(Cerdocyon thous), o morcego hematófago (sp. não identificada) e o teju (Tupinambis merinae). A
alimentação foi o uso mais frequente quando arguidos sobre usos potenciais, com o T. merinae o mais
utilizado, junto a onze espécies de aves, sendo a mais frequente a seriema (Cariama cristata). Os
dados sugerem deslocamento de usos, com redução da caça, e aumento nos deslocamentos de nicho
em direção as áreas agrícolas.
Palavras-chave: etnozoologia, populações tradicionais, caatinga
Área temática: Etnozoologia
!
PADRÕES DE CONHECIMENTO SOBRE A FAUNA EM UMA COMUNIDADE RURAL DO
SEMI-ÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
José Ribamar de Farias Lima¹, Vanessa Moura dos Santos², Marcelo Rodrigues de Souza Júnior¹, José
da Silva Mourão³, Reinaldo Farias Paiva de Lucena².
¹Pós-Graduação em Ecologia e Monitoramente Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
³Laboratório de Educação Ambiental e Etnoecologia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
O conhecimento sobre a biota do local onde se reside está distribuído de forma dispersa dentro de
comunidades rurais. O objetivo deste trabalho foi identificar a forma como esses conhecimentos são
distribuídos entre os adultos de uma comunidade rural, sendo realizado no semi-árido paraibano,
município de Cabaceiras (Nordestes/Brasil). Participaram da pesquisa 43 informantes (49%H, 51%M),
com idade média de 51 anos, variando entre 27 e 79 anos, e com vínculo familiar entre todos, os quais
assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW nº297/11). As informações foram obtidas por meio de entrevistas aplicadas entre os
meses de janeiro a maio de 2012. Foi analisada a similaridade entre os conhecimentos com a finalidade
de identificar agrupamentos destes. As citações de uso foram separadas em uso atual e uso potencial.
As citações de gênero foram testadas pela Correlação de Pearson. Foram registradas 129 espécies de
animais, distribuídos em cinco grupos taxonômicos (anfíbios/artrópodes/aves/mamíferos/répteis),
destacando-se aves (47%) e répteis (17%), com registro do uso de 51 destas (uso atual=34; uso
potencial=29). Os homens citaram mais espécies do que as mulheres (r=0.4751, p<0,05), e
apresentaram uma relação maior com o uso atual (r=0.4189, p<0,05). Constatou-se também um
correlação entre idade e uso potencial (r=0.4534, p<0,05). O Teste de Similaridade de Morisita-Horn
evidenciou uma tendência do uso e conhecimento serem homogêneos, originando uma matriz cujos
valores variaram de 89 a 100% entre os entrevistados. Estes dados foram corroborados por análise de
conglomerados, enfatizando semelhança maior entre dados oriundos de informantes com parentesco
próximo, como irmãos e primos. As informações indicam uma concentração das informações sobre a
fauna entre os homens, e transmissão principalmente dentro agregados familiares, grupos de
residências próximas pertencentes a irmãos, que costumam desenvolver as atividades em conjunto, em
um mesmo local.
Palavras-chave: etnozoologia, caatinga, populações tradicionais
Área temática: Etnozoologia
!
SÍNTESIS DEL CONOCIMIENTO SOBRE EL APROVECHAMIENTO DE AVES VIVAS EN
LATINOAMÉRICA, CON ÉNFASIS EN MÉXICO
Blanca Roldan-Clara¹, Xavier Lopez-Medellín², Evarista Arellano García¹, Ileana Espejel¹.
¹Universidad Autonoma de Baja California – UABC
²San Diego Natural History Museum
Cada año en Latinoamérica grandes cantidades de aves, generalmente psitácidos y paserinas, son
extraídas vivas para su comercialización como mascotas por sus bellos cantos o su plumaje, esto
ocasionando un impacto en sus poblaciones. Aunque es una actividad común, en general existen pocos
estudios realizados en Latinoamérica y ninguno de revisión. Con la hipótesis de los estudios están
sesgados a los carismáticos psitácidos, el objetivo de este trabajo fue realizar una revisión de la
información publicada sobre el aprovechamiento de ave vivas en Latinoamérica a nivel doméstico, con
énfasis en México. Para ello se realizó una búsqueda científica con palabras clave en revistas anexas a
bases de datos. Para lograr un mayor alcance en México, se buscó en tesis, revistas y resúmenes de
congreso nacionales y se escribió a ornitólogos mexicanos. Las variables empleadas para desglosar los
artículos arbitrados fueron: país donde se realiza el estudio, lengua, recurso que se comercializa, uso y
alcance del estudio. Se encontraros 41 artículos publicados en Latinoamérica y Brasil tuvo mayor
número de publicaciones. El 44% fueron en ingles, el 34% en español y el 22% en portugués. 17%
fueron sobre fauna silvestre, 27% sobre aves silvestres, 15% sobre aves ornamentales y 27% sobre
psitácidos. El 51% se enfocaron al uso general, el 44% al uso como mascotas, y el 5% a otros usos.
Gran parte de las publicaciones fueron a escala local. Para el análisis de México se adicionaron 87
documentos de literatura gris y siendo 28 resúmenes de congreso. Se comprueba que hay mayor
conocimiento del uso de psitácidos y que parte de la información del aprovechamiento de aves como
mascotas está oculta en estudios de fauna silvestre. Por último, se muestra que México no publica
suficiente, por lo tanto, es importante trabajar con aves ornamentales y publicar en revistas arbitradas.
Palavras-chave: mascotas, etno-ornitología, méxico
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO ETNOMASTOZOOLÓGICO DOS MORADORES DOS ARREDORES DA
COMUNIDADE DE BISCAIA, PONTA GROSSA (PARANÁ)
Luiz Frederico Petla¹, Olavo Martins Ayres¹
¹Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG
Os conhecimentos zoológicos de comunidades afastadas dos centros urbanos são fruto de um longo
tempo de observação e experimentação, transmitidos e acumulados ao longo das gerações. A
comunidade de Biscaia, alvo do estudo, e arredores distam entre 50 e 65 km do centro do Município de
Ponta Grossa. O presente trabalho objetivou investigar o conhecimento dos agricultores e residentes
locais sobre os mamíferos, em particular, informações acerca de aspectos etológicos e alimentares dos
animais, e da relação homem-animal. A metodologia empregada fundamentou-se na utilização de
testes projetivos baseado em fotos e entrevistas semi-estruturadas com nove moradores. O período da
pesquisa foi de maio de 2011 a maio de 2012. Através de conhecimentos locais foram levantadas 27
espécies de mamíferos no local de estudo, dentre esses alguns ameaçados de extinção. O bugio
(Alouatta fusca), a paca (Agouti paca), a lontra (Lutra longicaudis), e felinos, como o leão-da-carasuja (Puma concolor), a onça-pintada (Panthera onca), a jaguatirica (Leopardus pardalis), e gatos-domato, foram citados. Dentre os dados obtidos sobre a utilização de partes de animais em tratamentos de
enfermidades - zooterápicos -, podem-se citar as banhas de quati e de tatu no combate à queda de
cabelo, banha de capivara como antibiótico e contra feridas que eventualmente apareçam no corpo, e
raspas do chifre de boi como anti-helmíntico. Uma diminuição no número de espécies e populações de
mamíferos tem sido percebida por moradores locais, e relacionada com as plantações de Pinus e a
utilização de agrotóxicos. A extração de calcário por indústrias e o tráfego intenso de caminhões
somam-se a esses agravos. Consideramos necessário um aprofundamento dos estudos do
conhecimento etnomastozoológico dos moradores locais, o que pode contribuir em projetos de
preservação locais e regionais.
Palavras-chave: etnozoologia, campos gerais - paraná, mamíferos
Área temática: Etnozoologia
!
ESTUDO COMPARATIVO DA RIQUEZA DE MAMÍFEROS CINEGÉTICOS ENTRE
AMAZÔNIA E CAATINGA: NOVOS SUBSÍDIOS PARA A CONSERVAÇÃO DA FAUNA
BRASILEIRA.
Hugo Fernandes-Ferreira¹, Rômulo Alves².
¹Laboratório de Mastozoologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Departamento de Biologia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
A Amazônia possui a maior biodiversidade do mundo e diversos trabalhos apontam elevados índices
de pressão de caça em comunidades tradicionais. No entanto, baseados em recentes estudos sobre caça
na Caatinga, assumimos a hipótese de que nesse bioma, apesar de possuir menor diversidade, a
proporção entre riqueza cinegética e riqueza total de médios e grandes mamíferos é maior do que em
comunidades rurais amazônicas. Para testá-la, executamos censos visuais, instalação de camtraps,
entrevistas semi-estruturadas com caçadores e acompanhamento de caça na Amazônia (Porto Velho Rondônia e Altamira - Pará) e na Caatinga (Caridade e Irauçuba - Ceará), durante dois anos. Índices de
valor de uso foram determinados para estimar o uso potencial (espécies consumidas ainda que
esporadicamente) e uso real (espécies preferenciais ou consumidas frequentemente) dos mamíferos
cinegéticos. Como esperado, a riqueza na Amazônia (n = 55 em Porto Velho e n = 53 em Altamira) se
mostrou maior que na Caatinga (n = 17 em Caridade e n = 15 em Irauçuba). Entretanto, o número de
mamíferos de uso potencial corresponde a 100% da riqueza total na Caatinga, enquanto na Amazônia a
relação varia entre 58,1% e 60,8%. Quanto ao uso real, a riqueza de espécies cinegéticas na Caatinga
varia entre 74,3 e 81,2%, enquanto na Amazônia representa apenas cerca de 31%. Essa diferença foi
estabelecida porque o consumo de espécies com massa média abaixo de 1200g na Caatinga é maior.
Os resultados confirmam nossa hipótese, explicados por fatores ecológicos (maior abundância de
espécies preferenciais na Amazônia); sociais (maiores alternativas de subsistência na Amazônia, como
a pesca) e históricos (os períodos de estiagem na Caatinga exigiram maior dependência dos recursos
naturais). O estudo serve de subsídio para caracterizar o histórico e status da depleção de mamíferos na
Caatinga e fomentar programas de conservação e manejo nos biomas nacionais.
Palavras-chave: caça, mastofauna, impacto ambiental
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO ETNOZOOLÓGICO DA COMUNIDADE DO
FLORESTA NACIONAL DE CHAPECÓ, SANTA CATARINA, BRASIL
ENTORNO
DA
Alanza Mara Zanini¹, Elaine Maria Lucas¹, Giovana Secretti Vendruscolo¹
¹UNOCHAPECÓ
Estudos etnozoológicos, envolvendo comunidades do entorno de Unidades de Conservação (UCs),
podem obter informações preciosas sobre a fauna local, auxiliando no processo de proteção desses
animais. Neste sentido, este estudo buscou analisar o conhecimento da comunidade do entorno da
Floresta Nacional (FLONA) de Chapecó sobre a fauna silvestre. A FLONA de Chapecó localiza-se
nos municípios de Guatambu (Glebas I e III) e Chapecó (Gleba II), Estado de Santa Catarina, sul do
Brasil. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 15 proprietários das áreas que fazem divisa
com a Gleba I. Os mamíferos foram os mais citados (n=78), seguidos das aves (n=56), anfíbios (n=16)
e répteis (n=12). Registrou-se 67 citações de animais com ocorrência para a UC, sendo que os
mamíferos apresentaram maior riqueza (n=27), seguidos das aves (n=22), répteis (n=12) e anfíbios
(n=6). Para 57 animais não houve citação de utilização, enquanto nove foram citados com uso
alimentício e um como medicinal. Nove proprietários (60%) afirmaram a existência de ameaças aos
animais silvestres da região, estando estas associadas à caça (n=6), perda do habitat (n=3), ocorrência
de espécies exóticas (n=3), crescente urbanização (n=2) e uso de agrotóxicos (n=1). Referente às ações
para a conservação, não caçar animais silvestres foi a mais citada (n=5), seguida pelo aumento de
fiscalização (n=2), conservar áreas protegidas (APP e Reserva Legal) nas propriedades (n=2), fornecer
orientações à comunidade (n=2), cercar a UC (n=1), proteger os corpos d’água (n=1), não desmatar
(n=1) e reflorestar com espécies nativas (n=1). A população local demonstrou um rico conhecimento
sobre a fauna nativa e preocupação com a proteção das espécies. Estas informações podem servir para
incrementar o conhecimento zoológico local, além de auxiliar na definição de estratégias regionais de
conservação, que incluam ações direcionadas à UC e áreas do entorno, a fim de viabilizar a
manutenção de populações viáveis das espécies.
Palavras-chave: unidade de conservação, etnozoologia, população local
Área temática: Etnozoologia
!
CONSERVANDO OS BOTOS E RESPEITANDO AS LENDAS: CONHECIMENTO
ETNOBIOLÓGICO ENTRE ESTUDANTES DE ESCOLAS PÚBLICAS DO PARÁ.
Ana Marta Andrade¹, Gabrielle Pontes¹, Angélica Lúcia Figueiredo Rodrigues¹, Maria Luisa da Silva¹
¹Laboratório de Ornitologia de Bioacústica, Universidade Federal do Pará – UFPA
Poucos estudos deram enfoque ao conhecimento que crianças detêm sobre os mamíferos aquáticos e
qual o efeito do reforço do mito que estes animais representam em comunidades tradicionais para a
conservação. Portanto, nosso objetivo foi estabelecer uma comparação referente ao conhecimento
etnobiológico sobre os botos entre estudantes de ensino fundamental de escolas públicas do Pará,
sendo uma urbana e duas da zona rural. Pesquisamos em escolas na Ilha do Capim (Abaetetuba), área
metropolitana de Belém e Vila de Joanes, na Ilha de Marajó no período de fevereiro de 2011 a junho
de 2012. Os 96 alunos responderam a entrevistas semi-estruturadas referentes aos cetáceos. Para as
análises usamos teste do qui-quadrado através do programa PASW 18. De forma geral há um maior
conhecimento em relação ao boto-vermelho (Inia geoffrensis) quando comparado ao tucuxi. Ainda que
o sentimento predominante para ambos os gêneros seja medo, alguns nutrem a curiosidade pelos
animais. As crianças do Capim sentem mais medo quando comparadas às outras localidades,
possivelmente pelo contexto negativo da lenda na região e o reforço da mesma entre as gerações. Não
encontramos diferenças significativas entre o conhecimento sobre as espécies e o sexo dos
participantes. Aos botos-vermelhos foram atribuídas várias etno-espécies sendo que as mais usadas
foram boto e boto-rosa enquanto para os botos do gênero Sotalia usualmente aparecem os termos
golfinho e boto. A classificação popular pouco restrita se deve à aparência do animal, por ser visto pela
maioria dos pescadores como principal competidor, pois frequentemente captura peixes no espinhel e
estraga as redes de pesca e, principalmente, pela motivação negativa da lenda na cultura amazônica. A
educação formal aliada ao conhecimento etnobiológico pode conferir direcionamento a programas de
conservação na intenção de mitigar os conflitos entre os humanos e botos na Amazônia.
Palavras-chaves: botos, conservação, lenda
Área temática: Etnozoologia
ETNOZOOLOGIA E QUILOMBOLAS: CONHECIMENTO ECOLÓGICO TRADICIONAL E
O USO MEDICINAL E ALIMENTÍCIO DOS RECURSOS FAUNÍSTICOS NA
COMUNIDADE DE POÇÕES- NORTE DE MINAS GERAIS
Maria Clara Silveira Santos¹, Ana Paula Glinfskoi Thé¹
¹Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes
O norte de Minas Gerais é composto pelos biomas Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica. Este território
abriga, além de sua fauna e sua flora, as populações tradicionais, que são grupos culturalmente
diferenciados que construíram seu modo particular de vida e de relação com a natureza. Esse trabalho
teve como objetivo estudar o conhecimento ecológico tradicional e o uso medicinal e alimentício dos
recursos faunísticos em uma comunidade quilombola. O estudo foi realizado na Comunidade
Quilombola de Poções, localizada no município de Francisco Sá, região norte de Minas Gerais. O
trabalho de campo foi divido em etapas: a) etapa de reconhecimento, onde pode-se compreender o
tamanho e a dinâmica de organização social e de modo de vida da mesma; b) etapa de descrição geral,
onde,através de entrevistas estruturadas, lista de espécies, e turnês-guiadas, coletou-se informações
sobre os conhecimentos da comunidade sobre os recursos naturais. Foram elaborados roteiros
contendo questões sobre aspectos específicos dos recursos faunísticos, seu modo de obtenção e forma
de uso (alimentar, medicinal, ou sem uso discriminado). Em relação a riqueza de animais conhecidos
e/ou utilizados pelos moradores da Comunidade Quilombola de Poções, foram citadas 57 espécies
pelos entrevistados, englobando insetos, peixes, répteis, aves e mamíferos. Dentre as 57 espécies, 10
foram citadas como recurso medicinal (17%), 12 citadas como recurso alimentar (21%), e 35 espécies
não apresentaram uso discriminado (61%). Quanto a forma de obtenção dos animais, foram
identificadas criação, pesca e caça, sendo esta última a mais citada (19%). Dentre as espécies citadas
com uso medicinal, houve aquelas presentes nas falas de 100% dos moradores: capivara (Hydrochaeris
hydrochaeris), tatu (Tolipeutes matacus) e galinha doméstica (Gallus gallus domesticus). O fato de
estas espécies terem sido citadas nas falas de 100% dos entrevistados indica, provavelmente, um
consenso entre o conhecimento tradicional dos moradores da comunidade acerca da fauna, e das
formas de uso da mesma. Tal conhecimento, adquirido ao longo do tempo, é transmitido oralmente
entre as gerações.
Palavras-chave: etnozoologia, quilombolas, zooterapia
Área temática: Etnozoologia
DIVERSIDADE DE INSETOS DO GRUPO HUR T NA ETNIA KARAJÁ
Stefani Nascimento¹, Maria Nazaré Stevaux¹, Welinton Ribamar Lopes¹
¹Universidade Federal de Goiás – UFG
A Aldeia Buridina, em Aruanã-GO, pertence ao sub grupo-karaja (Iny Mahãdu) da Tribo In (karaja).
A língua deste povo é peculiar, havendo diferenças de acordo com o sexo falante. Este estudo procurou
identificar quais são os critérios adotados para o estabelecimento do grupo hur t . Os dados foram
obtidos em entrevistas semi- estruturadas desenvolvidas com indígenas da aldeia, utilizando-se
projeção de imagens de insetos (procedentes do acervo do Banco de Imagens do Programa FaunaCOUFG). Foram projetadas 114 fotografias de espécies de invertebrados locais e ao analisar os nomes
dados pelos indígenas, para os animais de cada imagem mostrada, obteve-se resultados significativos.
Os indígenas da etnia In Mahãdu consideram como pertencentes ao grupo hur t , todos os insetos de
corpo longo e afilado, com asas laterais perpendiculares ao corpo (quando em voo) e/ou estiradas junto
ao corpo (em repouso). Esses insetos são conhecidos popularmente como “cambitos”, sendo evidente o
referencial ao grupo taxonômico tradicional das Anisopteras (Odonata). No entanto, além desta
Ordem, estão incluídos no grupamento huryty da etnia In mahãdu, por terem o corpo semelhante,
representantes das Ordens Neuroptera: hur t nihiky (nihiky = grande); Efemeroptera : hur t ny (ny
= falso), ficando evidente que eles identificam que não se trata de um hur t verdadeiro, mas animais
que se parecem com eles; e Diptera: apenas hur t (neste caso, pode ter havido dificuldade na
identificação da imagem fotográfica). É relevante mencionar que as espécies de Zygoptera foram
diferenciadas das demais Odonatas, numa associação com outro grupo etnotaxonômico (tòbiò = louvadeus), com a nomenclatura tòbiò hur t (cambito parecido com louva-deus). Percebe-se que os
indígenas classificam os animais das ordens abordadas no estudo, utilizando diferenças na sua forma e
habitat, notando, que independente da cultura os critérios adotados para os agrupamentos animal são
similares (semelhanças compartilhadas).
Palavras-chave: insetos, karajá, diversidade.
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE AVES DE RAPINA EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO CURIMATAÚ DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
Hyago Keslley de Lucena Soares1; Vanessa Moura dos Santos1; Filipe Mariano Sousa1; Helder Farias
Pereira de Araújo2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Depto. de Biologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O presente estudo registrou e analisou o conhecimento tradicional sobre as aves de rapina e suas
relações com os moradores da comunidade Capivara, situada no município de Solânea, Paraíba,
Nordeste do Brasil. Os informantes foram os chefes domiciliares (110 informantes - 52 homens e 58
mulheres). Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e conversas informais para coletar os dados
etno ornitológicos. Listas de visualização direta foram feitas para registrar as espécies citadas e ajudar
na identificação científica. O guia de campo Avis Brasilis foi apresentado aos informantes para
identificação e confirmação das espécies. Cada ave de rapina recebeu escore de um a três a partir das
características morfológicas reconhecidas pelos informantes. A correlação entre homens e mulheres foi
testada pela Correlação de Pearson. Registraram-se 22 espécies, 20 gêneros e cinco famílias. As
espécies mais citadas foram Caracara plancus e Coragyps atratus (42% das citações), seguidas de
Rupornis magnirostris (33%) e Geranoaetus melanoleucus (18%). A família mais representada foi
Accipitridae com 13 espécies. Apenas 25% dos informantes mencionaram que matam essas aves
devido seus hábitos alimentares, que faz com que ataquem os animais domésticos, como por exemplo
as aves. As mais ameaçadas são C. plancus, R. magnirostris e G. melanoleucus. 38% das espécies
foram consideradas com importância ecológica, por participarem da limpeza do ambiente, destacandose C. atratus e C. plancus. Os homens e as mulheres consideraram as mesmas espécies como mais
importantes (p = 0.0005; r= 0.9820). 67% das espécies receberam score máximo. Os dados do presente
estudo evidenciam a importância da realização de estudos sobre o conhecimento tradicional sobre as
aves de rapina, os quais podem auxiliar em pesquisas que busquem registrar a diversidade da avifauna
local, contribuir na compreensão das relações existentes entre essas aves e as populações tradicionais.
Palavras-chave: etnozoologia, etnoornitologia, florestas secas
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE AVES DE RAPINA EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO CARIRI PARAIBANO: DADOS PARCIAIS
Hyago Keslley de Lucena Soares¹, Vanessa Moura dos Santos¹, Filipe Mariano Souza¹, Helder Farias
Pereira de Araújo², Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Laboratório de Zoologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A Etno ornitologia é a ciência que estuda o conhecimento e as relações cognitivas, simbólicas e
comportamentais dos homens com as aves. O presente estudo registrou o conhecimento local sobre as
aves de rapina e suas relações com os moradores da comunidade rural Santa Rita, município do Congo
(Paraíba, Nordeste do Brasil). Os informantes foram os chefes domiciliares (32 informantes – 15
mulheres e 17 homens), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de
ética em pesquisa (CEP/HULW n° 297/11). Foram realizadas entrevistas e conversas informais para
coletar os dados no período de Agosto de 2011 a Abril de 2012. O guia de campo Avis Brasilis foi
apresentado aos informantes para identificação e confirmação das espécies. Cada espécie recebeu um
escore de um a três a partir das características morfológicas reconhecidas pelos informantes. A relação
entre os gêneros dos informantes foi testada pela Correlação de Pearson. Registraram-se 20 espécies,
19 gêneros e cinco famílias. As espécies mais citadas foram Coragyps atratus (62% das citações),
Rupornis magnirostris (53%) e Caracara plancus (50%). A família mais representativa foi
Accipitridae com dez espécies. Apenas 12% dos informantes mencionaram que matam essas aves
devido aos seus hábitos alimentares, as quais atacam os animais domésticos. As mais ameaçadas de
ataque são C. plancus, Geranoaetus melanoleucus e Athene cunicularia. 53% das espécies foram
consideradas com importância ecológica por participarem da limpeza do ambiente, destacando-se C.
atratus, Cathartes aura e C. plancus. Os homens e as mulheres consideram as mesmas espécies como
mais importantes (p<0,05; r=0,92). 12% das espécies receberam escore máximo, como Megascops
choliba e A. cunicularia. Os dados apresentados evidenciam a importância do conhecimento das
relações desenvolvidas entre as pessoas e as aves de rapina.
Palavras-chave: etnozoologia, etnoornitologia, caatinga
Área temática: Etnozoologia
!
IMPORTÂNCIA RELATIVA DE MAMÍFEROS MEDICINAIS UTILIZADOS EM DUAS
COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
Filipe Mariano de Sousa¹, Suellen da Silva Santos¹, Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto¹,
Priscilla Clementino Coutinho¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A utilização de animais medicinais faz parte da tradição e cultura das populações tradicionais no
Nordeste do Brasil. Embora esse uso seja componente importante da medicina tradicional, ainda é
pouco estudado quando comparado aos estudos das plantas medicinais. O presente estudo buscou
registrar e analisar o uso de animais na medicina tradicional em duas comunidades rurais no estado da
Paraíba(Nordeste/Brasil). Foram realizadas entrevistas em Solânea, região do Curimataú (Comunidade
de Capivara, 108 informantes, 56M/52H) e Lagoa, no Sertão (Barroquinha, 62,35M/27H). Totalizando
170 informantes, os quais assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê
de ética em pesquisa (CEP/HULW n°297/11). Para identificar as espécies mais importantes, foi
calculada a Importância Relativa(IR) pela fórmula: IR=NSC+NP, onde IR=Importância Relativa,
NSC=Número de Sistemas Corporais e NP=Número de Propriedades. A relação entre citações de uso
de homens/mulheres foi testada pela Correlação de Pearson. Foram identificadas 11 espécies, dez
gêneros, sete famílias. As espécies com maior IR, em Solânea, foram Cerdocyon thous (2) e
Conepatus semistriatus (0,92); em Lagoa Kerodon rupestris (2), Dasypus novemcinctus e C.
semistriatus (0,83 cada). Com relação ao Número de Sistemas Corporais da Espécie (NSCE), C. thous
registrou oito sistemas em Solânea, e dois em Lagoa. K. rupestris registrou quatro em Lagoa e três em
Solânea. No Número de Propriedades da Espécie(NPE), C. thous apresentou 19 em Solânea e dois em
Lagoa. K. rupestris seis em Lagoa e três em Solânea. A parte animal mais utilizada foi a banha em
Solânea (58% das citações), e o caldo da carne dos animais(veado/mocó) em Lagoa(56%). Houve
fortes correlações entre as citações de homens e mulheres (Solânea:p=0,0001,r=0,94;
Lagoa:p=0,0031,r=0,95). Foi constatado o uso de animais no tratamento de doenças nas comunidades
estudadas, sendo necessárias pesquisas que possam comprovar seus efeitos farmacológicos em
laboratório, assim como o impacto que tais usos possam causar nas espécies.
Palavras-chave: etnozoologia, zooterapia, caatinga
Área temática: Etnozoologia
!
O TABU NA CONSERVAÇÃO: MANEJO LOCAL DA CAÇA NA RDS PIAGAÇU-PURUSAM
Marina Albuquerque Regina de Mattos Vieira¹, Glenn H. Shepard Jr.2
1
Insitituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA
2
Museu Paraense Emilio Goeldi – MPEG
Sistemas locais de manejo podem representar regras de uso e acesso aos recursos naturais mais
adequadas ao contexto sócio-ecológico local do que as regras de jure, estabelecidas pelo governo.
Diversos estudos demonstram que práticas culturais e tabus alimentares, como rejeição a animais
considerados “reimosos” ou com “pixé” podem contribuir para diminuir a pressão de caça e pesca
sobre algumas espécies. Neste trabalho descrevemos instituições informais - conceitos culturais, regras
e acordos locais - sobre a caça e quais as possíveis conseqüências para o manejo sustentável da fauna
em 5 comunidades de terra firme da RDS Piagaçu-Purus (RDS-PP), AM, uma reserva de uso
sustentável estadual criada em 2003 com aproximadamente 4000 habitantes. Nosso objetivo é
identificar congruências e discrepâncias entre as instituições informais e as regras de jure buscando por
oportunidades em melhorar o diálogo para a gestão da fauna na RDS-PP. Em 2011 foram realizadas
conversas informais e observações participantes com 99 moradores nas 5 comunidades para elaboração
de um questionário aberto semi-estruturado. Questionou-se sobre as preferências e rejeições
alimentares e os acordos e regras locais. Os acordos locais mais citados são referentes à repartição da
carne caçada entre vizinhos e à proibição de venda de carne fora da RDS-PP. Em uma comunidade os
moradores decidiram realizar o defeso da paca (Cuniculus paca) durante seu período de reprodução,
entre outras regras estipulando cotas de abate. Conceitos como “panema,” “visagem,” “zelo” e
“embiara” influenciam a prática dos caçadores com relação à escolha de lugares, armas, épocas e
espécies para caçar. A “reima” influencia as rejeições alimentares, sendo a anta (Tapirus terrestris)
considerada o animal mais “reimoso” e, portanto evitado em situações específicas. O sistema de
manejo local da caça é reflexo não apenas de uma resposta aos ciclos naturais dos recursos, mas de
uma combinação entre aspectos empíricos e simbólicos do conhecimento dos moradores sobre a fauna.
É necessária melhor compreensão por parte das agências de gestão e fiscalização sobre regras locais
para desenvolver estratégias de conservação mais adequadas.
Palavras-chave: gestão da fauna, instituições locais, rds
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO POPULAR SOBRE SERPENTES NAS PROXIMIDADES DA RESERVA
BIOLÓGICA GUARIBAS, RIO TINTO-PB.
Rafaela Cândido de França¹, Danilo Alex Marques de Farias¹, Jessica Tamara Targino de Brito¹,
Claudileide Pereira dos Santos¹, Frederico Gustavo Rodrigues França¹.
¹Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A interação da população humana com o ambiente que a rodeia têm embasado os princípios da
ecologia desde longa data. O crescimento populacional e o avanço das cidades em direção a áreas
naturais podem aumentar a proximidade dos animais silvestres com a população humana, e com isso,
acidentes ocasionados por animais peçonhentos podem tornar-se um grave problema para saúde
pública. Este trabalho teve como objetivo descrever o conhecimento da população que vive em torno
da Reserva Biológica Guaribas no município de Rio Tinto-PB sobre as serpentes, além das práticas
adotadas em casos de acidentes ofídicos. Foram aplicados 93 questionários semi-estruturados. O
questionário procurou identificar o perfil social dos entrevistados: quais os critérios utilizados pelos
moradores para identificar serpentes potencialmente peçonhentas, quais procedimentos adotados em
caso de acidentes ofídicos, além de abordagens sobre a importância ecológica das serpentes. A maioria
dos entrevistados (n=74;79,6%) não souberam diferenciar uma serpente peçonhenta de uma não
peçonhenta. Os demais entrevistados apontaram como caracteres de animais peçonhentos a cabeça
triangular, o padrão de coloração, a pupila vertical, a presença de chocalho e a presença de presas. Os
tipos de decisão tomada pelos entrevistados após um eventual encontro com as serpentes foram: matar
a serpente (n=53), deixar a serpente ir embora (n=34), chamar o IBAMA (n=6). A opção de matar as
serpentes pode estar associada com o menor grau de instrução dos entrevistados, já que a maioria que
optaram por essa alternativa possuem o menor grau de escolaridade. Foi encontrado que, apesar da
maioria da população entrevistada saber da importância das serpentes para o equilíbrio do meio
ambiente (n=49, 52,7%), a repulsa por esses animais ainda é muito grande, sendo que 57% dos
entrevistados optaram por matar as serpentes. Isso enfatiza a necessidade de futuras práticas de
educação ambiental com a população, principalmente relacionada aos ofídeos.
Palavras-chave: etnoherpetologia, cobras, rio tinto
Área temática: Etnozoologia
!
!
IMPACTOS DA PRESSÃO ANTRÓPICA SOBRE Podocnemis unifilis NA REGIÃO DOS
LAGOS DO MUNICÍPIO DE PRACUÚBA, AMAZÔNIA, BRASIL
Ana Beatriz Nunes Ribeiro1, Cesar Santos2, Marcia Dayane Vilhena-Daaddy1, Renan Diego Amanajás
Lima da Silva3, Rubia Maielli Lima Brandão4
1
PPG em Biodiversidade Tropical, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP;
2
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA Amapá;
3
Universidade do Estado do Amapá - UEAP;
4
Agência de Pesca do Estado do Amapá.
Há muitas gerações, quelônios aquáticos são consumidos e utilizados como fonte de renda. Tal fato
levou ao intenso declínio dessas populações em diversas regiões, pois a lenta reposição dos indivíduos
No ambiente, combinada à intensa captura, expõe suas populações a níveis críticos. A partir do
conhecimento tradicional sobre a conservação das espécies de animais silvestres pelas comunidades
que deles fazem uso, é possível propor estratégias de manejo diferenciadas, adequadas à realidade
local e às práticas de uso e consumo. Este trabalho foi proposto a partir de observações no município
de Pracuúba, sobre a utilização do Tracajá, Podocnemis unifilis, pela comunidade. Foram realizadas 56
entrevistas em duas comunidades do município. Foi destacado pelos entrevistados que o período de
desova ocorre entre agosto e novembro, e que a maior captura ocorre nos dois últimos meses desse
período. O principal método de captura utilizado foi a busca noturna com uso de lanternas. A
preferência por fêmeas foi relatada por 54% dos entrevistados e todos afirmaram fazer uso do tracajá
para consumo, enquanto apenas seis relataram a utilização para comércio, com preços variando entre
15,00 e 45,00 reais. A captura e consumo do tracajá na região é contínua e praticada a diversas
gerações. Segundo os entrevistados, o consumo é intensificado na temporada reprodutiva pela
facilidade de captura e maior tamanho das fêmeas e que a falta de fiscalização e conscientização
ambiental são fatores que intensificam a utilização da espécie como item alimentar e fonte de renda
pela comunidade. Para que haja um manejo adequado da espécie na região, a coleta de dados
etnoecológicos deve ser contínua e os trabalhos que possam aliar a conservação da espécie com os
conhecimentos tradicionais da comunidade local devem ser fortalecidos para se conseguir sucesso na
conservação e sustentabilidade da exploração de P. unifilis na região.
Palavras-chave: tracajá, etnoconhecimento, Amazônia.
Área temática: Etnozoologia
!
!
ETNOBIOLOGIA DO APAIARI, Astronotus ocellatus (AGASSIZ, 1831), NA REGIÃO DOS
LAGOS DE PRACUÚBA, AMAZÔNIA, BRASIL
Marcia Dayane Vilhena-Daaddy1, Cesar Santos2, Rubia Maielli Lima Brandão3, Renan Diego
Amanajás Lima da Silva4, Ana Beatriz Nunes Ribeiro1
1
PPG em Biodiversidade Tropical, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP;
2
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA Amapá;
3
Agência de Pesca do Estado do Amapá;
4Universidade do Estado do Amapá – UEAP.
O município de Pracuúba, localizado no estado do Amapá, apresenta um grande potencial pesqueiro,
sendo sua economia baseada, sobretudo, na pesca artesanal, onde os pescadores apresentam um
conhecimento refinado sobre os peixes. Esse saber local pode subsidiar pesquisas relacionadas à
bioecologia de peixes e à piscicultura, no sentido de se identificar possíveis espécies com
características bioecológicas favoráveis à criação em ambiente de cultivo. Dessa forma, este estudo
teve como objetivo aliar o conhecimento dos pescadores ao conhecimento científico, para investigar
aspectos da pesca, biologia e ecologia do apaiari, Astronotus ocellatus, a fim de obter subsídios
importantes para a criação intensiva da espécie em ambiente de cultivo. A coleta dos espécimes de A.
ocellatus foi realizada de maio de 2010 a abril de 2011 e, as entrevistas, de maio a agosto de 2011.
Foram selecionados pescadores com idade acima de 18 anos utilizando-se o método “bola de neve”.
Entrevistou-se 68 pescadores, 55 homens e 13 mulheres, as gravações foram transcritas e os dados
analisados descritivamente. Os entrevistados demonstraram ter conhecimento detalhado sobre o habitat
(vive no meio do barranco, mururé), alimentação (come sarará, catorra, camarão), reprodução (desova
de uma a quatro vezes), e cuidado parental do peixe (na beira de aningal, na raiz do pau, na terra, na
folha do mururé); essas informações estão de acordo com os resultados da biologia da espécie obtidos
em laboratório e na literatura científica. Em relação à viabilidade de A. ocellatus para a piscicultura, a
maioria dos entrevistados identificou o apaiari como uma espécie viável para o cultivo em cativeiro,
mas alertaram para o fato de que é necessário deixar o ambiente artificial parecido com o habitat
natural, pois ele é um “peixe do barranco”. Portanto, a partir dos resultados, observa-se que os
pescadores possuem um amplo conhecimento sobre a bioecologia do apaiari.
Palavras-chave: etnoecologia, Amazônia, Apaiari.
Área temática: Etnozoologia
!
!
UTILIZAÇÃO MEDICINAL DE RECURSOS PESQUEIROS PELOS PESCADORES DE
DELMIRO GOUVEIA-AL
Luanna Oliveira de Freitas1, Eliane Maria de Souza Nogueira1, Késsia Virgínia dos Santos Lima1
1
Universidade do Estado da Bahia – UNEB.
Este trabalho discute a utilização medicinal de recursos pesqueiros pelos pescadores artesanais de
Delmiro Gouveia, revelando o conhecimento popular referente aos recursos utilizados, suas indicações
e contraindicações. O trabalho de campo foi realizado entre os meses de junho e julho de 2012,
entrevistando-se 19 indivíduos. As informações foram coletadas por meio de entrevistas abertas e
semiestruturadas, sendo algumas gravadas em micro gravador. Do universo amostral estudado, 89%
afirmam conhecer e/ou utilizar partes de peixes no tratamento de doenças, sendo utilizados na
medicina popular por apresentarem propriedades curativas, segundo o conhecimento local. Os
resultados mostram que cinco etnoespécies de peixes foram citadas como recursos medicinais, com
destaque para a banha da Curimatá (Prochilodus sp.), indicada para dores e ferimentos, tendo ação
anti-inflamatória. A parte do peixe utilizada, em 60% dos casos, é a banha ou gordura, sendo citada
ainda a carne e os otólitos. Das etnoespécies de peixes citadas, a Curimatá (Prochilodus sp.) destacouse também por ser contraindicada para pessoas com ferimentos e para mulheres de resguardo, sendo
que esta só oferece riscos caso seja consumida sem que sua linha lateral seja retirada. Diante dos dados
obtidos, verifica-se que os pescadores artesanais adquirem no exercício diário de sua profissão
conhecimentos diversos a respeito da ictiofauna, contribuindo para a otimização da atividade
desenvolvida, fornecendo subsídios para pesquisas farmacológicas e para a própria conservação dos
recursos locais e de interesse para população.
Palavras-chave: recursos medicinais, conhecimento popular, etnozoologia.
Área temática: Etnozoologia
!
!
COMPARAÇÃO DO CONHECIMENTO DA MASTOFAUNA ENTRE ESPECIALISTAS DE
DUAS COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO PARAIBANO
Suellen da Silva Santos1, Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto1, Isis Tamara Lopes de Sousa
Alves1, José Ribamar de Farias Lima2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB;
2
PPG em Ecologia e Monitoramento Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB.
De acordo com a literatura, os especialistas nativos são pessoas que se auto reconhecem, ou são
reconhecidas pela própria comunidade, como culturalmente competentes em seu saber. Este estudo
registrou e comparou o conhecimento de especialistas de duas comunidades no semiárido Paraibano
(Capirava, município de Solânea, e Barroquinha-Lagoa) a respeito da mastofauna. A identificação dos
especialistas foi confirmada por meio da formula: ES=Uix100/Um; onde Ui=citações de uso do
informante, Um=citações de uso do informante que mais citou usos, considerando especialista os que
obtiverem conhecimento acima da média (p>50%). A fidedignidade das informações de uso de cada
espécie foi obtida pela fórmula: NF=Ip x 100/Iu, onde Ip=número de informantes que sugerem o uso
principal de um determinado mamífero; Iu=número total de informantes que citaram o mamífero. A
Correlação de Pearson foi utilizada para comparar as citações de uso entre os especialistas das duas
comunidades. O Teste de Kruskal-Wallis foi utilizado para correlacionar a fidedignidade das citações
de uso entre os especialistas (NF). Foram identificados 35 especialistas, que assinaram o termo de
consentimento livre e esclarecido exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW nº297/11).
Destes, 19 são de Capivara, os quais citaram 19 espécies, onde Leopardus tigrinus e Leopardus wiedii
foram os de maior destaque (70 citações), 16 são de Barroquinha, citando 20 espécies, com destaque
para Tamandua tetradactyla (29 citações). Encontraram-se fortes correlações entre as citações de uso
dos especialistas (r=0,9736 p<0,005). Quanto à fidedignidade dos usos destacaram-se Euphractus
sexcinctus, Galea spixii e Thrichomys apareoides (NF=100), entretanto o resultado do Kruskal-Wallis
não mostrou correlação (p>0,05). A correlação de Pearson revelou que existe um padrão de uso para
com as espécies da mastofauna. O NF revelou que existe diferença no uso principal atribuído à
algumas espécies, evidenciando que uma mesma espécie pode ter importâncias diferentes, apesar de
estarem todas no semiárido.
Palavras-chave: etnozoologia, especialistas locais, caatinga.
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DA AVIFAUNA EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO CARIRI PARAIBANO (NORDESTE, BRASIL): DADOS PARCIAIS
Vanessa Moura dos Santos1 Hyago Keslley de Lucena Soares1, Isis Tamara Lopes de Sousa Alves1,
Helder Farias Pereira de Araújo2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Laboratório de Zoologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnoornitologia é a ciência que estuda os conhecimentos das pessoas em relação às aves. O presente
estudo registrou o conhecimento e uso da avifauna pelos moradores da comunidade rural Santa Rita,
município do Congo (Paraíba, Nordeste/Brasil). Os informantes foram os chefes domiciliares,
totalizando 50 (28Homens/22Mulheres), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido
pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Para coletar os dados foram realizadas
entrevistas no período de Agosto de 2011 a Julho de 2012. As aves foram identificadas por
ornitólogos. As citações de uso foram organizadas em duas categorias utilitárias (alimentação/criação).
O valor de uso (VU) foi calculado por meio de três cálculos (VUgeral, VUatual e VUpotencial) para
identificar as espécies mais importantes. VUgeral representa todos os usos, VUatual só as efetivos, e
VUpotencial só os conhecidos mas não utilizados. A relação entre os VU foi testada pela Correlação de
Pearson. Registraram-se 75 espécies, 68 gêneros, 31 famílias. As espécies que obtiveram o maior
VUgeral foram Paroaria dominicana (0,98), Cyanoloxia brissonii (0,96); VUatual foram Sicalis flaveola
(0,04), Columbina picuí/Leptotila varreauxi/Sporophila albogularis (0,02); VUpotencial S. Flaveola
(0,46), L. Varreauxi (0,44). Na categoria alimentação as espécies com maior VUgeral L. Varreauxi
(0,14), C.picuí (0,12); no VUatual C. Picuí e L.varreauxi (0,02), Patagioenas picazuro (0,10), VUpotencial
L.varreauxi (0,12) C.picuí e Nothura boraquira (0,10). Na categoria criação VUgeral P. dominicana
(0,90), S.flaveola (0,48), VUatual S. flaveola (0,04), S.albogularis/P.dominicana/C.brissonii (0,02), no
VUpotencial P. dominicana (0,88), C.brissonii (0,48). As famílias com maior número de citações de uso
foram Emberezidae (109citações) e Columbidae (105citações). Houve correlações positivas entre os
VU (p<0,0001). O VU mostrou-se eficaz na determinação das espécies de maior importância na
comunidade, sendo necessário a distinção entre usos atuais de potenciais. Observou-se que os
moradores detêm de um grande conhecimento a respeito das aves locais, sendo importante para
estudos futuros e conservação.
Palavras-chave: etnozoologia, etnoornitologia, caatinga
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE OS TURISTAS E OS QUATIS (Nasua nasua) NO
MACUCO SAFÁRI – PARQUE NACIONAL IGUAÇU, FOZ DO IGUAÇU- PR.
Ricardo Zanella1, Anna Cecília Leite Santos1, Andrya P. Boff1, Vitor B. M. Almeida1
1
Macuco Safári, Setor de Biologia, Parque Nacional do Iguaçu- Foz do Iguaçu, Brasil.
O plano de manejo realizado no Parque em 1999 registrou quatis (Nasua nasua) em todos os
levantamentos desenvolvidos, variando de 5 a 12 animais por grupo. Observaram-se mudanças
comportamentais e interações com os visitantes do Parque Nacional do Iguaçu, geralmente em
situações negativas: arranhões, forrageio em lixeiras e sacolas. Adultos e crianças com frequencia são
vistos interagindo e tirando foto com o animal, outras os afugentam para afastá-las de crianças e
comidas. Partindo disso, objetivou-se analisar a influencia dos turistas quanto à alimentação
problemática dos animais. Utilizaram-se metodologias de entrevista aberta, tornando-se estruturadas na
medida em que os entrevistados abordavam as questões pertinentes ao assunto. Posteriormente estas
informações foram repassadas para questionários pré-estruturados, contendo: nacionalidade; sexo; e se
já alimentaram algum quati. As primeiras questões foram respondidas através de contato visual e troca
de comprimentos, outras questões foram camufladas nas conversas informais durante os passeios,
depois de estabelecido a confiança do turista. Foram entrevistadas 93 pessoas de 12 países de
diferentes continentes, em junho de 2012. Verificou-se que 60% das pessoas que alimentam os quatis
são do gênero Feminino e 40% Masculino. Os países mais representativos na alimentação dos quatis
foram: Brasil (30%), Argentina (4,3%) China (5,3%), Japão (4,3%). Estes valores podem estar
associados às identidades culturais de cada país. Embora os brasileiros e os Argentinos saibam da
proibição de alimentar animais silvestres, ainda o fazem. E acreditamos que para nacionalidades
orientais, a novidade de ver animais pertencentes a outros biomas, influencia no comportamento dos
turistas a ponto de os alimentarem, tendo em vista a aproximação dos mesmos. As outras
nacionalidades entrevistadas relataram alimentar animais selvagens em seus países, geralmente
primatas. Por fim, compreender essas questões é de suma importância para iniciativas de
conscientização junto ao turista para que um futuro plano de manejo seja eficaz e atinja o público-alvo.
Palavras-chave: quatis, turismo, alimentação problemática
Área temática: Etnozoologia
!
!
CRENDICE POPULAR SOBRE ASPECTOS MÍSTICOS E RELIGIOSOS DE ANIMAIS NO
SEMIÁRIDO DO NORDESTE DO BRASIL
Hyago Keslley de Lucena Soares1, Carlos Frederico Alves de Vasconcelos Neto1, Filipe Mariano
Souza1, Vanessa Moura dos Santos1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1.
1
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
As crenças interligam os recursos naturais com tradições, acreditando e fazendo utilizações dos
recursos faunísticos para usos supersticiosos e simbólicos. O presente estudo registrou o elenco de
espécies presentes nas crendices populares das comunidades rurais de Pereiro (Lagoa), Gatos e Várzea
Alegre (São Mamede), Santa Rita (Congo) e Capivara (Solânea), municípios da Paraíba, Nordeste do
Brasil. Os informantes foram os chefes domiciliares (36,14Mulheres/22Homens), sendo considerados
informantes aqueles que detinham um saber a respeito das crenças ligado as espécies da fauna local, os
quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW n° 297/11). Foram realizadas entrevistas e conversas informais para coletar dos dados.
Listas de visualização direta foram feitas para registrar as espécies citadas. O guia de campo Avis
Brasilis foi apresentado aos informantes para identificação e confirmação das espécies. Foram
registradas 18 espécies (16 aves/dois mamíferos) os quais foram distribuídos em três categorias
(Ornitoáugeres funéreos, ornitovígeis e mágico religioso). Quando se tratou dos ornitoáugeres funéreos
registraram-se 12 espécies destacando-se Herpethoteres cachinnans (94% das citações) e Euphonia
chlorotica (25%). Na categoria ornitovígeis quatro espécies destacando-se E. chlorotica (17%) e
Cyanocorax cyanopogon (8%) e na categoria mágico religioso foram registradas duas espécies
Cerdocyon thous e Kerodon rupestris ambas com 39% das citações, sendo seu principal uso atribuído
para espantar morcego, sendo o rabo a parte mais utilizada com (22%). Os sinais da avifauna
atribuídos a crenças foram canto e presença. Os dados apresentados evidenciam a utilização de certos
aspectos dos animais como símbolos de crendices e presságios nas comunidades estudadas.
Palavras-chave: cultura popular, semiárido, etnozoologia
Área temática: Etnozoologia
!
CONHECIMENTO DOS JANGADEIROS SOBRE O CAVALO-MARINHO (Hippocampus reidi
GINSBURG 1933) EM MARACAÍPE, IPOJUCA/PE
Maria Laura Fontelles Ternes1, Alexandre Schiavetti1, Ierecê Lucena Rosa2
1
Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).
2
Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
Cavalos-marinhos são peixes teleósteos da família Syngnathidae, com morfologia e comportamento
peculiares. A exploração destes animais se dá principalmente pela pesca para a indústria do aquarismo
e comércio de cavalos-marinhos secos. Estas atividades não sofrem fiscalização e sabe-se pouco sobre
seu impacto. Neste contexto, no estuário de Maracaípe, Ipojuca/PE, existe um uso diferenciado do
cavalo-marinho, conservando-o in situ como recurso turístico. Os jangadeiros de Maracaípe realizam
um passeio no manguezal onde mostram ao turista os cavalos-marinhos e prestam informações sobre
eles. Este estudo investigou de forma qualitativa o conhecimento dos jangadeiros sobre estes animais.
A pesquisa foi realizada no primeiro semestre de 2012 com 26 jangadeiros que participaram de
entrevistas semi-estruturadas sobre aspectos da biologia dos cavalos-marinhos. A maioria dos
entrevistados (n=22) reconhece a existência de apenas uma espécie na região. Todos classificam o
cavalo-marinho como Peixe e afirmam que ele tem capacidade de mudar de cor, camuflando-se de
acordo com o ambiente. Apontam a bolsa incubadora como dimorfismo sexual presente nos machos
adultos e admitem que se reproduzem durante o ano inteiro. Afirmam que dentro do manguezal os
cavalos-marinhos preferem regiões de água salgada e que na época das chuvas (entre junho e
setembro) os animais se deslocam para o mar em busca de maior salinidade. A iniciativa de explorar o
cavalo-marinho como recurso turístico no passeio de jangada partiu da própria comunidade, há
aproximadamente 12 anos e esta atividade é a única fonte de renda para a maioria dos entrevistados
(n=23). Os resultados revelam que os jangadeiros têm conhecimento acurado a respeito dos cavalosmarinhos, adquirido também por capacitações de agentes externos e transmitido aos visitantes que
realizam o passeio. Os conhecimentos teóricos e práticos que os jangadeiros de Maracaípe apresentam
devem ser considerados em estudos de manejo, conservação e uso sustentável dos cavalos-marinhos.
Palavras-chave: etnozoologia, cavalo-marinho, jangadeiros
Área temática: Etnozoologia
!
UTILIZAÇÃO DE AVES EM QUATRO COMUNIDADES RURAIS NO NORDESTE
BRASILEIRO
Vanessa Moura dos Santos1, Hyago Keslley de Lucena Soares1, Carlos Frederico Alves de
Vasconcelos Neto1, Helder Farias Pereira de Araújo2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Laboratório de Zoologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnoornitologia analisa os conhecimentos das populações tradicionais, permitindo uma compreensão
das relações entre homens/aves. Este trabalho registrou o conhecimento e uso de aves por moradores
de quatro comunidades rurais no semiárido paraibano, realizando entrevistas no município de São
Mamede (52informantes - 26Mulheres/26Homens), Lagoa (21 - 16M/5H) e Solânea (107 - 56M/51H).
As citações de uso foram organizadas em três categorias (alimentação/criação/medicinal). A
identificação das aves foi feita por ornitólogos. O Valor de Uso foi calculado por meio de três cálculos
(VUgeral/VUatual/VUpotencial) para identificar as espécies mais importantes. Utilizou-se a Correlação de
Pearson para relacionar os VU em cada comunidade, e Teste de Kruskal-Wallis para comparar o
conhecimento entre as comunidades. Foram identificadas 229 espécies, 194 gêneros, 97 famílias. Em
Lagoa, a espécie com maior VUgeral foi Columbina picuí (1,14), VUatual Streptopelia decaocto/Aratinga
cactorum (0,24 - cada), VUpotencial C. picuí (1,10). Na alimentação, C. picuí no VUgeral (0,48) e
VUpotencial (0,43), e Turdus leucomelas no VUatual (0,10). Na medicinal, Coragyps atratus no VUgeral e
VUpotencial(0,05 - cada). Na criação, C. talpacoti no VUgeral (0,75), Cyanoloxia brissonii no VUatual
(0,38) e C. picuí/C. talpacoti no VUpotencial (0,62). Em São Mamede, destacou-se C. talpacoti no
VUgeral (1,54), C. squamata no VUatual (0,23) e C. picuí no VUpotencial (1,35). Na alimentação, o VUgeral
(0,77) foi C. talpacoti, VUatual (0,17-cada) destacaram-se C. picuí e C. talpacoti. Na categoria criação
Paroaria dominicana no VUgeral (1,19)/VUpotencial (1,12), e no VUatual C. squamata (0,17). Como
medicinal, o maior VUgeral (0,13)/VUpotencial (0,13) foi Nothura boraquira, e VUatual C. picuí e C.
talpacoti (0,02-cada). Em Solânea, para alimentação (VUgeral/VUpotencial=0,57) e medicinal (VUgeral/
VUpotencial=0,03) destacou-se R. rufenses. Para criação S. albogularis obteve maior VUgeral
(1,07)/VUatual (0,21), com maior VUpotencial P. dominicana (0,94). Houve correlação entre os VU
(p<0,05) em todas as comunidades, com exceção do VUgeral/VUpotencial em São Mamede (p>0,05). Não
houve correlação dos VU entre as comunidades (p>0,05). Os dados evidenciaram uma riqueza de
conhecimento/utilização de aves pelos informantes, e que a distinção entre uso atual/potencial
modifica o elenco das espécies mais importantes.
Palavras-chave: etnoornitologia, caatinga, etnozoologia
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DA AVIFAUNA EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO CURIMATAÚ DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
Vanessa Moura dos Santos1, Hyago Keslley de Lucena Soares1, Suellen da Silva Santos1, Helder
Farias Pereira de Araújo2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
2
Laboratório de Zoologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
A etnoornitologia é a ciência que estuda os saberes das pessoas em relação às aves. O presente estudo
registrou o conhecimento e uso da avifauna pelos moradores da comunidade rural Capivara, município
de Solânea (Paraíba/Nordeste/Brasil). Os informantes foram os chefes domiciliares, totalizando 107
(51Homen/56Mulheres), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de
ética em pesquisa. Os dados foram coletados por meio de entrevistas no período de Fevereiro a Junho
de 2012. As aves foram identificadas por listas de visualização direta, consulta a ornitólogos e pelo
guia de campo Avis Brasilis. Foi calculado o valor de uso por três métricas (VUgeral/VUatual/VUpotencial),
diferenciando-se as citações de uso atual de potencial, para analisar se o elenco das espécies
importantes mudaria de acordo com cada uma. A relação entre VU das espécies e das categorias, e dos
gêneros foi testada pela Correlação de Pearson. O Teste G foi aplicado para correlacionar as citações
de uso com o número de espécies da categoria. As citações de uso foram analisadas como uso atual e
potencial, sendo organizadas em três categorias (medicinal/alimento/criação). Registraram-se 91
espécies, 80 gêneros, 37 famílias. Oito aves só foram identificadas em nível de família. A espécie que
se destacou na criação foi Sporophila albogularis (22 citações, 12M/10H). Na alimentação e medicinal
destacou-se Rhynchotus rufescens (17,5M/12H-alimento; 3M-medicinal). S. albogularis destacou-se
no VUgeral (1,15) e VUatual (0,21), e Paroaria dominicana no VUpotencial (1,04). S. albogularis destacouse para homens (VU=1,20) e mulheres(VU=1,11). As famílias destacadas foram Tinamidae (VU=0,73)
e Columbidae (VU=0,48). Foram encontradas correlações positivas entre os VU das
espécies(p=0,0001), e entre as categorias criação/alimentação(p=0,0001), e entre os
gêneros(p<0,0001). A relação entre espécies/citações foram positivas nas categorias alimentação e
criação pelo Teste G(p=0,0040). Houve diferenças com relação a ave mais importante em cada VU, e
houve uma tendência das mesmas espécies serem as mais importantes para homens e mulheres.
Palavras-chave: etnoornitologia, populações locais, caatinga
Área temática: Etnozoologia
!
TRANSMISSÃO CULTURAL DO CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE AVIFAUNA
EM DUAS COMUNIDADES RURAIS DA PARAÍBA
Hyago Keslley de Lucena Soares1, Vanessa Moura dos Santos1, Tamara Oliveira Marques1, André dos
Santos Souza1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
As comunidades tradicionais sempre acumularam conhecimento acerca do meio em que vivem,
repassando esse conhecimento para seus descendentes. A erosão deste conhecimento é um fenômeno
que traz preocupações para diversos pesquisadores do mundo, a qual tem acontecido mediante o
abandono do uso dos recursos naturais, e devido a mudanças sócio-econômicas no modo de vida das
populações tradicionais. O presente estudo buscou avaliar a dinâmica da transmissão do conhecimento
tradicional com relação as espécies de aves conhecidas pelos moradores da comunidade rural de
Capivara (município de Solânea) e Santa Rita (Congo). Foram realizadas entrevistas com os chefes
domiciliares abordando o conhecimento e uso das aves locais, no período de julho-2011 a junho-2012,
sendo entrevistados 107 em Capivara (56Mulheres/51Homens) e 50 em Santa Rita (28M/22H), os
quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW n° 297/11). Em Capivara foram registradas 91 espécies, 1.515 citações de uso,
distribuídas em três categorias (alimento/criação/medicinal). No Congo foram registradas 101
espécies, com 704 citações, distribuídas nas mesmas categorias de Capivara. A aquisição e transmissão
do conhecimento entre as cidades não é uniforme, podendo observar que em Capivara percebe-se que
36% dos informantes adquiriram seu conhecimento de forma vertical, 43% de forma horizontal e 16%
de forma circular. Em Santa Rita foram 58% de forma vertical, 36% de forma horizontal e 16 de forma
circular. Percebe-se que a transmissão de conhecimento nas duas comunidades ocorre principalmente
de forma circular, Capivara (43% das citações) e Santa Rita (70%). Observa-se que 33% dos
informantes (Capivara) e 12% (Santa Rita) não transmitem seu conhecimento, fato que mostra a perda
no interesse de se manter tal tradição. Os dados evidenciam a importância da transmissão do
conhecimento tradicional, para que se mantenha viva a cultura local.
Palavras-chave: comunidades rurais, etnoornitologia, caatinga
Área temática: Etnozoologia
!
!
COMPARAÇÃO DE CONHECIMENTO DA AVIFAUNA ENTRE ESPECIALISTAS DE
DUAS COMUNIDADES RURAIS DA DEPRESSÃO SERTANEJA (PARAÍBA, BRASIL)
Vanessa Moura dos Santos1 Hyago Keslley de Lucena Soares1, André de Souza Santos1, Larissa
Cavalcante Costa1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Os especialistas são pessoas reconhecidas pela comunidade como detentores de um grande
conhecimento sobre a biodiversidade local, os quais também se reconhecem como tal. Nesse contexto,
o presente estudo registrou e comparou o conhecimento de especialistas tradicionais de duas
comunidades no semiárido Paraibano (Gatos e Várzea Alegre no município de São Mamede; e
Capivara em Solânea) com relação as espécies da avifauna conhecidas. Para coletar os dados foram
realizadas entrevistas por meio de formulários semiestruturadas. Utilizou-se o guia de campo Avis
Brasilis para apresentar as espécies aos informantes para identificação e confirmação das mesmas. A
identificação cientifica foi realizada por ornitólogos. O valor de uso (VU) foi calculado para identificar
as espécies mais importantes localmente, com as citações de uso distribuídas em três categorias
(alimento/medicinal/criação). Foram identificados 24 especialistas (7M/14H, sendo 17 - São Mamede,
7 - Solânea), os quais assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de
ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). No município de Mamede foram registradas 82 espécies,
31 gêneros, e 34 famílias, e em Solânea, 91 espécies, 80 gêneros, e 37 famílias. As espécies que
receberam maior VU foram Columbina picuí (1,65) e Columbina talpacoti (1,24). Na categoria criação
destacaram Cyanocorax cyanopogon e C. picuí (0,76, cada). Na categoria alimentação destacaram-se
C. picuí (0,88) e C. talpacoti (0,71), e na categoria medicinal destacou-se Nothura boraquira (0,24).
Em Solânea, no VUgeral destacaram-se Turdusleucomelas/C. talpacoti/C. Picuí (todas com 1,42). Na
categoria criação destacaram-se Sporophila albogularis/Paroaria dominicana e T. leucomelas (todas
com 0,86). Na categoria alimento destacaram-se C. talpacoti/C. picuí (0,86, cada) e na categoria
medicinal não foi registrada nenhuma espécie. De forma geral, os especialistas de cada comunidade
tenderam a elencar como mais importantes em cada categoria, espécies diferentes, este fato pode estar
relacionada ao elenco de aves encontrado em cada região, visto que uma comunidade foi na região do
Planalto da Borborema, e outra na Depressão Sertaneja.
Palavras-chave: etnoornitologia, especialistas locais, caatinga
Área temática: Etnozoologia
!
!
USO MEDICINAL DA FAUNA LOCAL POR UMA COMUNIDADE TRADICIONAL DA
AMAZÔNIA BRASILEIRA
Flávio Bezerra Barros1, Susana A. M. Varela2, Henrique Miguel Pereira2, Luís Vicente2
1
Universidade Federal do Pará – UFPA
2
Universidade de Lisboa
O presente estudo visa contribuir com mais um exemplo das práticas zooterapêuticas de uma
comunidade tradicional da Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio, na Amazônia brasileira.
Utilizamos os métodos de observação participante e entrevistas semi-estruturadas a 25 interlocutores.
Nós empregamos de forma combinada dois índices para medir a importância relativa de cada espécie
medicinal citada para a comunidade estudada, bem como as suas propriedades terapêuticas: o valor de
uso (UV) e o valor de aplicação medicinal (MAV). Registramos 31 espécies de animais medicinais de
seis categorias taxonômicas, das quais sete são novas para a ciência. As espécies são utilizadas para o
tratamento de 28 doenças e uma espécie é usada como amuleto contra picada de cobra. As cinco
espécies com os mais altos índices de UV foram as mais populares e valorizadas pela comunidade
estudada. Seus índices MAV indicam que têm diferentes propriedades terapêuticas: específicas (usadas
para o tratamento de poucas doenças), ou com finalidades múltiplas (várias doenças). Do mesmo
modo, a maioria das doenças citadas foram também aquelas que podem ser tratadas com um grande
número de espécies animais. Dez espécies estão listadas nos anexos da CITES e 21 estão presentes na
Lista Vermelha da IUCN. O conhecimento sobre o uso medicinal da fauna local está distribuído
uniformemente entre os diferentes grupos etários de interlocutores. Este estudo mostra que a fauna
local representa um importante recurso zooterapêutico para os moradores da área protegida. O uso
combinado dos índices UV e MAV permitiu identificar as espécies com maior potencial terapêutico: o
mais popular e consensual (UV alto), e aqueles com específico (MAV baixo) e para todos os fins
(MAV alto) propriedades terapêuticas. Este tipo de informação sobre uma espécie pode ser de
interesse para a pesquisa farmacológica e é crucial para a sua conservação, uma vez que ajuda a
sinalização das espécies que podem ser submetidas a altas pressões de caça.
Palavras-chave: etnomedicina, zooterapia, Amazônia
Área temática: Etnozoologia
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
A ETNOZOOLOGIA COMO IMPORTANTE FERRAMENTA PARA A CONSERVAÇÃO DE
MAMÍFEROS SILVESTRES
Camila Alvez Islas1, Greici Maia Behling1
1
Universidade Federal de Pelotas – UFPEL.
A etnozoologia é o estudo dos conhecimentos, significados e percepções dos animais pelas diversas
culturas. O objetivo deste trabalho foi identificar os mamíferos silvestres e suas relações com uma
comunidade de trabalhadores e aposentados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária que
vivem no entorno do Campus da UFPEL, Capão do Leão, RS. Realizaram-se 47 entrevistas
semiestruturadas, com homens e mulheres entre 14 e 81 anos. Mostraram-se fotografias de Didelphis
albiventris, Dasypus novemcinctus, Euphractus sexcinctus, Lepus europaeus, Hydrochoerus
hydrochaeris, Lycalopex gymnocercus, Cerdocyon thous, Conepatus chinga, Procyon cancrivorus,
Mazama gouazoubira, Galictis cuja, Nasua nasua, Myocastor coypus, Leopardus geoffroyi, Leopardus
wiedii, Leopardus colocolo e Puma yagouaroundi para facilitar a identificação. Dos dados analisados
qualitativamente pelo método Análise de Conteúdo, emergiram duas categorias. Na primeira,
“Mamíferos citados pelos entrevistados”, estão discriminados os animais citados: Graxaim, Tatu,
Zorrilho, Ouriço, Gambá, Mão-Pelada, Cervo, Cutia, Furão, Gato-do-mato, Lebre, Capivara, Ratão-doBanhado, Preá, Lontra e Morcego. Sobre o conceito dos sujeitos sobre animais silvestres, “vivem nas
matas e não se pode ter em cativeiro” foram as expressões mais utilizadas. Na segunda categoria
“Relações dos seres humanos com os mamíferos silvestres”, estão discriminadas as percepções,
concepções e relações dos sujeitos com os animais: (i) importância ecológica dos mamíferos; (ii)
necessidade de não haver influência negativa da fauna em sua rotina; (iii) apreço pelos mamíferos; (iv)
indiferença ou medo; (v) benefícios dos mamíferos; (vi) ausência de conflitos; (vii) predação de
galinhas (conflito); (viii) necessidade de tolerância quanto aos conflitos; (ix) negação da prática de
atividades cinegéticas; (x) ciência de pessoas que caçam; (xi) ocorrência de captura de pássaros livres;
(xii) diminuição da captura (conscientização e fiscalização). Os entrevistados, de uma forma geral,
demonstraram conhecer os mamíferos da região e os perceber como importantes para o ambiente,
porém ao entrarem em conflito, acabam se contradizendo ou mudando de opinião.
Palavras-chave: etnozoologia, mamíferos, conflitos.
Área temática: Etnozoologia
!
!
ETNOTAXONOMIA
!
PERCEPÇÕES DE REPRESENTANTES INDÍGENAS DA TRIBO KARAJA (ALDEIA
BURIDINA, ARUANÃ, GO) SOBRE A FAUNA LOCAL DE INVERTEBRADOS
TERRESTRES E SUA DIVERSIDADE
Welinton Ribamar Lopes¹, Maria Nazaré Stevaux¹, Renan Uassuri².
¹Universidade Federal de Goiás – UFG
²Representante indígena
O objetivo deste trabalho foi verificar e analisar as percepções de indígenas sobre a diversidade da
fauna de invertebrados terrestres locais, os critérios de identificação e de agrupamentos estabelecidos
pela comunidade. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas semi-estruturadas realizadas em
junho de 2011 com dois professores indígenas e o cacique, com participação da comunidade da aldeia.
Testes projetivos foram realizados com a apresentação de fotografias de diferentes invertebrados e/ou
suas fases de vida (do acervo da fauna local do Banco de Imagens do Programa FaunaCO). Os 114
invertebrados apresentados podem ser agrupados, de acordo com a percepção dos indígenas, em 18
grupos (categorias etnotaxonômicas). Os nomes entre parênteses são referentes à fala feminina quando
esta se diferencia da masculina. Os grupos encontrados foram os seguintes: YHÒ (KYHÒ) - Caracol;
HÈLÀÀ - Piolho-de-cobra; ÒTXURUCU (KÒTXURUCU) – Aranhas; HUR T – Libélulas; OJÙ
(KOJÙ) – Cupins; SÈII – Grilos; TÒBIÒ - Louva-deus; TÒKÒTÒKÒ – Cigarras; IN XIWÈ
(KYN XIWÈ) LAHÈ – Percevejo; ÒTÙ (KÒTÙ) – Besouros; TYJII – Serra-pau; OTXI (KOTXI) JÀ
– Borboletas; ÒHÒ (KÒHÒ) – Moscas; BIDÈ – Abelhas; BIR? – Marimbondos; LÒKÒ – Muriçoca;
WÀLÀ – Formiga; ÒLÒ (KÒHÒ) BURÈ – Formiga pequena; IJARÈ – lagarta. A pesquisa
possibilitou verificar que os agrupamentos definidos pelos indígenas correspondem, em parte, aos
grupamentos científicos tradicionais. No entanto, existiram grupos distintos para componentes de um
mesmo grupo taxonômico tradicional. Por exemplo, os Coleoptera foram distribuídos em dois grupos
diferentes: ÒTÙ (KÒTÙ) e TYJII; os Lepidoptera foram distribuídos em dois grupos, conforme a fase
de vida OTXI (KOTXI) JÀ, para formas adultas e IJARÈ para formas larvais embora seja sabido que
as segundas se transformam nas primeiras. Por outro lado, no grupo
foram incluídos espécies
de diversas Ordens: Odonata, Neuroptera, Ephemeroptera, Diptera e Hymenoptera. Podemos concluir
que, de forma similar à taxonomia, os grupos e espécies foram definidos pelos indígenas com base em
semelhanças e diferenças morfológicas e ecológicas.
Palavras-chaves: Etnotaxonomia, Etnozoologia e Entomologia.
Área temática: Etnotaxonomia
!
!
CRITÉRIOS DE IDENTIFICAÇÃO DA AVIFAUNA LOCAL UTILIZADOS PELOS ÍNDIOS
KARAJAS DA ALDEIA BURIDINA, ARUANÃ, GO
Karla Dayane de Lima Pereira¹, Camila Oliveira Rocha¹, Welinton Ribamar Lopes¹, Maria Nazaré
Stevaux¹.
¹Programa FaunaCO
A etnobiologia é uma ciência que procura compreender como as diferentes comunidades tradicionais
percebem e interagem com o ambiente e como classificam seus elementos. Dentre os ramos de estudos
dessa ciência, a etnoornitologia é área que busca apreender o conhecimento popular sobre aves. O
presente estudo investigou nos saberes tradicionais dos índios Karajas da aldeia Buridina, no
município de Aruanã-GO, critérios usados para a identificação das aves. Foram apresentadas em abril
de 2011, imagens de espécies da região a representantes indígenas. As imagens registradas in loco
fazem parte do acervo do Banco de Imagens do Programa FaunaCO. Das 109 imagens projetadas, 68
(62,38%) foram identificadas e nomeadas na língua karaja. Pouco mais da metade destas (50,45%)
também foi reconhecida quanto ao nome popular em português. Os critérios mais usados pelos
entrevistados para identificação das aves foram: aspectos morfológicos (79,41% do total de espécies
identificadas na língua karaja), comportamento (14,70%) e habitat (5,88%). Os aspectos morfológicos
utilizados pelos entrevistados foram o tamanho ou formato do corpo, observado na identificação de
espécies das famílias Anatidae, Ardeidae, Threskiornithidae, Cathartidae, Charadriidae, Columbidae,
Psittacidae; e, em casos específicos, a coloração das penas ou de algum membro do corpo, como
observado entre as espécies das famílias Trochilidae e Picidae. Pôde-se verificar que, muitas vezes
(41,17%), os indígenas entrevistados não fizeram distinção entre espécies de uma mesma família,
utilizando apenas um nome para identificação da maioria das espécies das famílias Anatidae,
Columbidae, Psittacidae, Trochilidae, Alcedinidae, Picidae, Tyrannidae e Hirundinidae. Os indígenas
não souberam identificar ou nomear nenhuma das espécies das famílias Galbulidae, Thamnophilidae,
Dendrocolaptidae, Vireonidae, Corvidae, Troglodytidae, Donacobiidae, Mimidae, Thraupidae e
Emberezidae apresentadas. Estudos voltados ao conhecimento popular/tradicional são considerados
fundamentais para o entendimento das relações estabelecidas entre o homem e o meio natural e tem
grande significado para o manejo e conservação da natureza.
Palavras-chave: conhecimento popular, etnobiologia, ornitologia
Área temática: Etnotaxonomia
!
ETNOCLASSIFICAÇÕES XAVANTE DOS CERRADOS – RÓ
Maria Lucia Cereda Gomide¹.
¹Universidade Federal de Rondônia – UNIR
Este estudo tem como objetivo analisar as etnoclassificações do povo Xavante sobre os cerrados. Os
Xavante vivem no Mato Grosso em nove terras indígenas que são atualmente importantes áreas de
cerrados contínuos com rica biodiversidade. A concepção xavante dos cerrados remete à importância e
dependência dos Xavante em relação aos cerrados, assim como dos cerrados em relação aos Xavante.
O mito de Parinai’a ensina como se construíram os cerrados, a sua divisão fitogeográfica com todos os
seres, da “natureza” e da “sobrenatureza”, que aí vivem e constroem, juntamente com os Xavante o
Cerrado-Ró. Estes valores e conhecimentos eram transmitidos de geração a geração, durante as longas
caminhadas para caçadas e coletas (zomori) pelos cerrados. A fim de conhecer a interpretação xavante
dos cerrados, abordou-se as etnoclassificações, nestas existe uma terminologia das fitofisionomias dos
cerrados, distinguindo-se várias graduações da vegetação, nomeadas de acordo com a vegetação
predominante. Nesta classificação de cada formação vegetal correspondem os solos e as principais
espécies frutíferas que servem de alimento à fauna. Deve-se lembrar que ao se tratar dos
conhecimentos xavante sobre a natureza é necessário que se remeta a categoria Tede’wa, ou seja, os
“donos” dos animais, plantas, do tempo e dos sonhos. A pesquisa situa-se na proposta metodológica da
“pesquisa participante”, apreende-se que este método é também uma atitude com conotação de
compromisso político. Neste sentido o desenvolvimento da pesquisa ocorreu ao longo de vários anos
de trabalho junto às comunidades Xavante, por meio da participação em projetos de sustentabilidade,
construindo uma relação de confiança e de amizade. O procedimento metodológico contemplou
revisão bibliográfica, entrevistas e trabalhos de campo. Considera-se as entrevistas realizadas com os
velhos xavante como as principais fontes documentais, a participação das mulheres deu-se
principalmente durante as coletas de identificação da vegetação em caminhadas pelos cerrados. Enfim,
as etnoclassificações Xavante entrelaçam concepções cosmológicas e conhecimentos ecológicos.
Palavras-chave: etnoclassificação, cerrados, xavante
Área temática: Etnotaxonomia
!
!
ETNOTAXONOMIA DE MUGILÍDEOS POR PESCADORES DE TAINHA DO LITORAL DE
SANTA CATARINA
Dannieli Herbst1, Natalia Hanazaki1
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
A etnotaxonomia busca entender como as pessoas percebem, conhecem e classificam as espécies com
as quais elas se relacionam. A integração dos saberes popular e científico pode contribuir com a
polêmica discussão que permeia a classificação das espécies da família Mugilidae. O objetivo do
presente trabalho foi investigar o conhecimento do pescador a respeito das espécies de Mugilídeos que
ocorrem no litoral de Santa Catarina, identificar os distintos nomes atribuídos e as categorias/aspectos
considerados na classificação de tais espécies. As amostragens abrangeram oito municípios do litoral
de Santa Catarina (de Laguna a São Francisco do Sul) e o universo amostral foi uma parcela dos
pescadores artesanais da tainha, escolhidos intencionalmente através da técnica bola-de-neve. Os
dados foram coletados através de entrevistas, de agosto de 2011 a março de 2012. Durante as
entrevistas, foram utilizadas pranchas com as imagens das espécies de Mugilídeos que ocorrem no
litoral de Santa Catarina para a identificação das espécies conhecidas e capturadas pelos pescadores.
Foram entrevistados 45 pescadores de tainha (Mugil liza). Inicialmente foi perguntado se o pescador
conhecia algum “parente” da tainha, para saber se existe o reconhecimento dos peixes que compõem a
família Mugilidae, posteriormente foi apresentada a prancha a ele. Das quatro espécies que ocorrem no
litoral, foram reconhecidas apenas duas espécies, por 100% dos entrevistados: tainha (Mugil liza) e
parati (Mugil curema), que são espécies mais comuns. As espécies menos comuns que não foram
reconhecidas são: Mugil gaimardianus e Mugil incilis. Diferentes nomes foram atribuídos para cada
uma das espécies reconhecidas, tais como: tainha facão, corseira, quaresmeira, maricá, tainhota, parati,
parati guaçu, parati do olho vermelho, entre outros. Os aspectos considerados na taxonomia folk
foram: sazonalidade, tamanho corporal, características morfológicas, procedência e padrões de
coloração. Sendo as características morfológicas e o tamanho corporal os aspectos mais importantes na
classificação.
Palavras-chave: taxonomia folk, mugilidae, pescadores.
Área temática: Etnotaxonomia
!
PERCEPÇÃO SOBRE VARIEDADES DE ARAUCARIA ANGUSTIFOLIA ENTRE OS
EXTRATORES DE PINHÃO NO FAXINAL DO BOM RETIRO (PINHÃO-PR, BRASIL).
Ana Luiza Arraes de Alencar Assis1, Nivaldo Peroni1
1
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Comunidades faxinalenses são dependentes da Floresta Ombrófila Mista para extração de erva-mate
(Ilex paraguariensis), pinhão (semente da Araucaria angustifolia) e criação de animais. Nos faxinais, o
pinhão é um importante recurso tanto para o consumo humano quanto na alimentação de suínos. No
Faxinal Bom Retiro (Pinhão-PR) a venda de pinhão representa até 72,5 % da renda familiar. O
objetivo deste trabalho é verificar quais variedades de araucária são reconhecidas no Faxinal do Bom
Retiro. A seleção dos informantes seguiu uma amostragem intencional, selecionando as famílias com
maior renda proveniente da atividade de extração. As entrevistas semi-estruturadas objetivavam
caracterizar a atividade e o conhecimento sobre variedades. Foram pré-estabelecidos 9 variedades que
poderiam ocorrer na região. Foram entrevistadas 10 homens e 1 mulher. Os entrevistados conheciam
por nome todas as variedades mencionadas. As variedades mais frequentemente conhecidas foram São
José (100%) e caiová (100%), seguidas por macaco (90,9%), ponta branca (63,6%), amarelo (45,5%),
vermelho (36,4%) e branco (36,4%). O principal caractere utilizado para a definição das variedades de
araucária é o tempo de maturação, seguidos por características morfológicas como a cor e o tamanho
da semente; características morfológicas dos indivíduos arbóreos são pouco utilizadas. A variedade
“São José” é consensualmente caracterizada como primeira a madurar. Caiová, ponta branca e macaco
são tardias. Não há consenso quanto à variedade caiová, visto que alguns extratores (27,3%)
reconhecem duas variedades dentro deste grupo, enquanto outros (18,2%) não os separam da ponta
branca e macaco.
Palavras-chave: araucaria angustifolia, variabilidade intra-específica, pinhão
Área temática: Etnotaxonomia
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
ETNOICTIOLOGIA NA TERRA INDÍGENA TRINCHEIRA BACAJÁ (TITB) – POVO
XIKRIN, PARÁ
Jaime Ribeiro Carvalho Júnior1, Jamylle Raphaelle Seabra da Silva Carvalho2, Moisés Mourão Jr.3,
Rossineide Martins da Rocha4, Luiza Nakayama1
1
Laboratório de Biologia de Organismos Aquáticos, Universidade Federal do Pará - UFPA
2
Universidade da Amazônia - UNAMA
3
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMPRAPA
4
Laboratório de Ultraestrutura Celular, Universidade Federal do Pará - UFPA
Os Xikrin da TITB habitam as margens do rio Bacajá, um dos principais afluentes da margem direita
do rio Xingu, o qual deságua na região da Volta Grande do Xingu –VGX, área de influência do trecho
de vazão reduzida da usina hidrelétrica Belo Monte, estado do Pará. O objetivo foi descrever
conhecimentos Xikrin, que se auto denominam como Mebengokré – gente do buraco d’água, sobre as
etnoespécies de peixes presentes na TITB. Em cinco excursões de campo (125 dias), as informações
foram obtidas por meio de entrevistas livres e semiestruturadas, turnês e observação participante
realizadas com 103 indígenas das aldeias: Mrotidjãm, Bacajá, P_takô, Potykrô e P_kayakà. Foram
registradas 138 espécies de peixes pertencentes a 27 famílias e 7 ordens. Deste grupo, se destacam a
ordem Characiformes (44 %), representando o maior número de espécies como: Tep pó (Myloplus
rubripinnis), Pãnhpãnhti (Tetragonopterus argenteus), Tep djwajamjeti (Hydrolycus scomberoides),
Tep tyre (Serrasalmus rhombeus), seguida de Siluriformes (35%) com o grupo Tep amje kryre (peixes
“liso”) como: Korãn (Pseudoplatystoma tigrinum), Ibê (Pimelodus ornatus) e Ronhõ-o (Ageneiosus
inermis) e os Kàtynh (placas ósseas) como Bàjkàti (Baryancistrus xanthellus). Encontramos ainda, as
ordens Perciformes: Tep ikô (Cichla cf. melaniae) e Krãnti (Plagioscion squamosissimus);
Gymnotiformes: Wamé tukiti (Gymnotus carapo) e Mokoti (Electrophorus electricus) e
Synbranchiformes: Môpt x (Synbranchus marmoratus). As demais ordens pertencem ao conjunto de
grupos heterogêneos, os quais incluem os grupos “rélito” como Mrukaàk (Lepidosiren paradoxa –
Lepidosireniformes) e “invasores marinhos” como Miêtxen - as arraias (Rajiformes). A categoria
etnotaxonômica - Tep (peixes) revela uma riqueza de espécies com diversas formas, aparências, cores,
consistência, sabor, cheiro, tamanho e comportamento, amplamente distribuídos nos habitat indígenas.
Além de descrever a etnoictiofauna Xikrin, este estudo fornece informações para subsidiar as
discussões sobre medidas que visem boas práticas no uso dos recursos pesqueiros existentes na TITB e
seu entorno.
Palavras-chave: xikrin do bacajá, mebengokré, etnoictiologia
Área temática: Etnotaxonomia
!
!
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
!
A PRODUÇÃO E UTILIZAÇÃO DE UM VÍDEO DOCUMENTÁRIO NA EDUCAÇÃO
AMBIENTAL: ESTUDO DE CASO "MINHOCUÇU - QUE BICHO É ESSE?”
Filipe Freitas Chaves1, Maria Auxiliadora Drumond1, Hani Rocha El Bizri1, Thaís Queiroz Morcatty1,
Artur Queiroz Guimarães2
1
Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG;
2
Instituto Sustentar.
Sob a perspectiva da educação ambiental crítica, que se configura como um campo de reflexão e ação
emancipatória, foi produzido um curta-documentário intitulado “Minhocuçu – Que Bicho é Esse?” e
realizada uma pesquisa de percepção sobre seu papel no processo educativo. O vídeo, de duração de 18
minutos, teve como base o conhecimento popular sobre a espécie de Oligochaeta Rhinodrilus alatus,
utilizado como isca para a pesca amadora há cerca de 80 anos, sendo extraído por comunidades rurais
da região central de Minas Gerais. Os atores principais do vídeo foram os extratores, comerciantes e
proprietários rurais, que vivem em um ambiente de conflito relacionado principalmente à invasão de
propriedades privadas durante o processo de extração. O vídeo teve como público-alvo principal estes
setores diretamente envolvidos com a cadeia de uso da espécie e, como público secundário, estudantes
universitários de cursos de graduação e pós-graduação da Universidade Federal de Minas Gerais. O
vídeo foi exibido em três sessões, com extratores, comerciantes e proprietários rurais, e em três
sessões, em sala de aula, com o grupo acadêmico. As percepções do público alvo principal sobre o
vídeo foram sistematizadas em atas e com o público secundário, em questionários estruturados. O
vídeo mostrou-se uma importante ferramenta didático-educativa e mobilizadora, permitindo a reflexão
sobre o problema socioambiental tratado.
Palavras-chave: educação ambiental, minhocuçu, vídeo-documentário.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
A LITERATURA DE CORDEL COMO FERRAMENTA PARA O RESGATE CULTURAL DE
COMUNIDADES TRADICIONAIS RIBEIRINHAS – O CASO DAS COMUNIDADES DO RIO
PARAUNINHA
Rayane Boldrini Barbosa¹, Marina Lages Pugedo¹, Laila Sampaio Horta¹, Elvira Cynthia Alves
Horácio¹, André Rocha Franco²
¹Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/Minas
²Pós-Graduação em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais, Universidade Federal de Minas
Gerais – UFMG
A Literatura de Cordel é um gênero literário popular escrito de forma rimada que utiliza os relatos
orais para compor um produto que aborda temas cotidianos, episódios históricos, lendas, fenômenos
religiosos. Pensando nisto, essa proposta busca utilizar a Literatura de Cordel associada às técnicas de
história oral como metodologia para registrar e resgatar a cultura de comunidades tradicionais
ribeirinhas, inseridas na sub-bacia hidrográfica do rio Parauninha, em Conceição do Mato Dentro,
Minas Gerais. No contexto atual, relacionado ao destacado poder midiático nos grandes centros e
relativo esquecimento da conjuntura tradicional, ressalta-se a importância de identificar e registrar
relatos de moradores históricos, dotados de forte pertencimento à sua terra. Outro desafio é a resolução
de problemas relacionados à manutenção dessas comunidades no campo, o que pode configurar um
afastamento da cultura e da realidade tradicional, além da possibilidade de perpetuação do saber local e
divulgação deste para os mais jovens. Pretendeu-se, em princípio, apresentar às comunidades a técnica
do Cordel, por meio de seu histórico e de uma exposição do tema, além de uma dinâmica para
produção de poemas e rimas referentes às temáticas socioambientais e culturais levantadas com a
comunidade. Em seguida, realizaram-se atividades educativas (criação de poemas a partir de músicas
tradicionais e propostas lúdicas acerca da preservação do meio em que estão inseridos, buscando um
reconhecimento do vocabulário tradicional) tendo em vista a criação de cordéis-piloto, relacionados às
temáticas água e fogo, gerando base para a construção final de Livretos de Cordel do Parauninha.
Almeja-se, posteriormente, replicar a metodologia para outros seis aspectos: Nossas Plantas; Nossa
Saúde; Educação; Minha Terra; Festas Tradicionais; e Projetos Locais. Assim, através do
conhecimento e criatividade dos moradores, memórias, “causos” tradicionais locais, estilos de vida e
cultura poderão ser expressos em forma de Cordel e registrados, simultaneamente, em um vídeodocumentário mediante gravações audiovisuais.
Palavras-chave: literatura de cordel, comunidades tradicionais, identidade cultural
Área temática: Educação Ambiental
!
!
TROTE BIOCONSCIENTE – ATUAÇÕES EM EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL
Carolina Colombo1, Juliana Marasini1, Matias Köhler1, Guilherme Fuhr1, Paulo Brack1
1
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.
Os trotes são mobilizações dos "veteranos" para recepcionar seus colegas "calouros" ao ingressarem na
universidade, normalmente ocorrem como forma de uma brincadeira descompromissada ou mesmo
como uma certa disputa de autoridade. Em contraproposta ao trote convencional, os Trotes
Conscientes vem sendo promovidos, nos últimos 12 anos, a cada semestre, por estudantes de Biologia
da UFRGS, ligados ao Diretório Acadêmico Independente da Biologia (DAIB), Grupo Viveiros
Comunitários (GVC), Núcleo de extensão Macacos Urbanos (NEMA) e Movimento Coletivo da
Biologia (MOCOBIO). É uma proposta de integração entre os estudantes e as comunidades através de
atividades com abordagens socioambientais, dessa atividade participam vários estudantes de graduação
do curso de Biologia, Biólogos formados, calouros e, como é uma atividade integrativa, são
convidados outros estudantes da universidade e a comunidade em geral. Alguns estudantes da
Biologia, durante sua formação, acabam envolvendo-se em projetos de pesquisa e extensão e trazem
questões relativas às suas percepções para dialogar com o coletivo e realizar uma ação comunitária
com intuito de fortalecer e socializar os conhecimentos em construção. Como exemplo, podemos citar
as Subidas ao Morro Santana, uma trilha guiada pelos estudantes e convidados da comunidade no mais
alto morro de Porto Alegre (311m), onde podemos apreciar integradamente diferentes aspectos da
vegetação, geomorfologia e questões relacionadas ao processo de urbanização do morro e da cidade. A
subida ao Morro Santana de 2011/2, foi orientada por uma família Kaingang residente neste morro e
que utiliza recursos vegetais (principalmente cipós) para a confecção de artesanato (o que lhes gera
renda), além de coleta de plantas medicinas e alimentos tradicionais da sua cultura. Essa atividade
possibilitou ampliar as visões sobre a multiplicidade cultural em que vivemos e um contato com o
manejo realizado pelos Kaingang - uma comunidade tão próxima à UFRGS- mas, paradigmaticamente,
tão invisibilizada e desconhecida por essa comunidade acadêmica. A própria organização do trote
consciente contribui no processo de formação dos estudantes, enriquecendo debates e abrindo novas
percepções. Esse trabalho é resultado do fortalecimento do grupo enquanto coletivo promotor de ações
autônomas e engajado na proposta de sociabilização de conhecimentos e de vivências.
Palavras-chave: educação, socioambiental, coletiva.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES FINALISTAS DO ENSINO MÉDIO SOBRE O TEMA
BIODIVERSIDADE
Bruno de Matos Casaca1, Eliara Solange Müller1
1
Universidade Comunitária da Região de Chapecó – Unochapecó.
Um dos temas hoje bastante discutido, tanto na mídia como nos meios científicos, é o uso pelo homem
da biodiversidade, bem como a sua manutenção. Essa é uma temática que deveria envolver cada
cidadão, principalmente na época que esse está em processo de formação, ou seja, no período escolar.
É levando em conta esse caminhar na escola, que essa pesquisa visa entender o que os jovens
conhecem sobre a biodiversidade, verificar se conhecem espécies da fauna e flora brasileira e regional.
Para isso, foram questionados 61 estudantes finalistas do ensino médio das escolas da rede pública
estadual dos cinco bairros mais populosos, do município de Chapecó (SC). Para cada estudante foi
aplicado um questionário com questões abertas e fechadas, no período de julho a agosto de 2012. Os
dados estão sendo analisados qualitativamente e discutidos com autores que visam à conceituação da
biodiversidade, além da análise quanto ao processo escolar. Devido ao fato dessa pesquisa estar em
desenvolvimento, os dados aqui apresentados são parciais, no entanto, dos estudantes que responderam
sobre os três níveis de organização (gens, espécies e ecossistema), 28% dos 100%, associou a flora e
fauna – um dos níveis. Quanto à concepção de biodiversidade, 39% responderam como “Diversidade
de vida”, concordando com a origem da palavra e 11% responderam como “Conjunto de seres vivos”,
ambas fazem relação com o conceito apresentado pelo Artigo 2 da Convenção sobre Diversidade
Biológica. Considerando os resultados parciais desta pesquisa percebe-se que os futuros cidadãos
possuem conceitos limitados de biodiversidade e, diante da atual situação de degradação ambiental,
consequentemente da perda de biodiversidade, é urgente e necessário que os cidadãos conheçam e
valorizem a biodiversidade, pois é o princípio para que as estratégias de conservação se efetivem.
Palavras-chave: conservação, educação básica, diversidade biológica.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
PERCEPÇÕES HUMANAS
CONSERVAÇÃO
ACERCA
DA
FAUNA
E
AS
IMPLICAÇÕES
NA
João Paulo Silva Spindola1, Flávia Pereira Lima1, Daniel Brito1
1
Universidade Federal de Goiás – UFG.
Biofilia define-se como “afiliação emocional inata dos seres humanos a outros organismos vivos”. Os
padrões de predileção humanos são afetados pelos valores biofílicos, dos quais destaca-se o estético.
Recursos destinados para conservação são limitados e nem sempre são manejados com base no valor
intrínseco das espécies, isso conduz em ações baseadas pela preferência. Logo, espécies com boa
aceitação púbica angariam mais representação e ações conservacionistas. Para este trabalho, foram
aplicados questionários em estudantes universitários e secundaristas. Coletamos informações sobre
escolaridade, pedimos citações de nomes de animais e os inquiridos ranquearam imagens de animais.
Também deram informações sobre seu conhecimento, preferência, opinião sobre distribuição e
prioridade de conservação de dez animais nativos e exóticos. Para testar o ranqueamento dos táxons,
usamos Friedman-ANOVA e Concordância Kendall. As outras questões, testamos com Quiquadrado. Foram entrevistadas 428 pessoas, que listaram 212 diferentes animais. O grupo com mais
citações foi mamíferos (59,6%), seguido por répteis (14,4%), aves (11,5%), peixes (3,5%), insetos
(2,5%), anfíbios (1,9%) e invertebrados não-insetos (1,6%). Para todos os táxons foram listados mais
animais nativos (58,2% total) do que exóticos (Qui-quadrado=215,96; gl=7; p<0,001). Não houve
diferença na quantidade de animais nativos/exóticos listados por pessoas de diferentes escolaridades.
No ranqueamento, o representante dos mamíferos foi o preferido com média de ranking 4,78, seguido
por aves (4,26), peixes (3,76), répteis (3,04), insetos (2,87) e anfíbios (2,29) (FriedmanANOVA=481,29; gl=5; p<0,001; Concord.=24,94%). A diferença na posição dos répteis na listagem e
no ranqueamento é devido ao grupo ser lembrado pelos valores simbólico e negativista. Testamos a
associação de prioridade de conservação com conhecer o animal, preferir o animal em detrimento de
um similar a ele e julgar o animal nativo. Encontramos associação entre preferência e prioridade de
conservação para todos os dez animais, mas nenhuma das outras associações foi significativa para
mais de três animais. Ao ter que escolher um entre dois animais semelhantes para priorizar a
conservação as pessoas tendem a conservar o que gostam mais.
Palavras-chave: biofilia, conservação, percepção humana da fauna.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
REDE SOCIAL PARA A VALORIZAÇÃO DOS PATRIMÔNIOS AMBIENTAIS E
CULTURAIS EM REGIÃO DA RESERVA DA BIOSFERA DA SERRA DO ESPINHAÇO,
ENTORNO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO INTENDENTE
André Rocha Franco1, Luiza Hoehne Mattos de Olivera2, Miguel Angelo Andrade3, Geraldo Tadeu
Silveira Rezende3
1
Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG;
2
Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP;
3
Pontifícia Universidade Católica - PUC MG.
A temática sociedade, cultura e meio ambiente surge como oportunidade relevante de discussões
interdisciplinares, conexão de atores e entidades e proposição de metas capazes de valorizar as
questões culturais e ambientais, em todo o seu dinamismo. Tais preceitos, estruturadores deste projeto,
almejam reconhecer um mosaico de práticas que configuram a realidade de comunidades tradicionais
ribeirinhas – inseridas na sub-bacia do rio Parauninha, em Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais.
O objetivo central da proposta, conduzida pelo Departamento de Ciências Biológicas/PUC Minas,
baseou-se na elaboração de uma rede socioambiental e cultural, abalizada em um programa de
mobilização socioparticipativa, capacitação e educomunicação comunitária, com enfoque nos valores
regionais dos patrimônios imateriais, da sociobiodiversidade e da etnobiologia. O trabalho transcorre
no triênio 2011-2013 por meio da execução de três subprojetos: 1º-Construção e Desenvolvimento de
Oficinas Educacionais Participativas, envolvendo Educação Ambiental, Cultural e DigitalTecnológica; 2º-Estruturação e Implementação do Plano de Ação Comunitário das associações locais;
e o 3º-Arquitetura e Inserção do Sistema Comunicacional do Parauninha. Os resultados, envolvendo 40
famílias locais, são: a formação comunitária em informática, relacionando as novas Tecnologias de
Informação e Comunicação com as boas práticas locais de conservação da natureza e resgate cultural;
o exercício de biomonitoramento participativo com os moradores, almejando a elaboração de uma rede
local de monitoramento de qualidade de água, com enfoque na etnozoologia; além dos relatos de
história oral, a partir de temáticas socioambientais, que são apresentados como registro e perpetuação
do saber local. Com os resultados encontrados, percebeu-se que a efetividade da interlocução entre o
conhecimento tradicional e o conhecimento acadêmico-científico possibilita uma construção dialógica
de novos saberes, a partir de vivências e experimentações com fundamentação extensionista.
Consequentemente, a valorização do homem comum e de sua cultura ancora a proteção e conservação
dos espaços ambientais dessas comunidades, tornando-as menos vulneráveis à perda de sua identidade.
Palavras-chave: rede socioambiental, comunidades tradicionais, etnobiologia.
Área temática: Educação Ambiental
!
CONHECIMENTOS ECOLÓGICOS LOCAIS E GESTÃO DA PESCA NA COMUNIDADE
DO GUARAÚ, PERUÍBE-SP
Marlua Socorro-Batista1, Bruno Pinheiro2
1
Entidade Ecológica dos Surfistas – ECOSURFI, Rede de Juventude pelo Meio Ambiente e
Sustentabilidade – REJUMA, Universidade Santa Cecília – UNISANTA;
2
Entidade Ecológica dos Surfistas – ECOSURFI, Rede de Juventude pelo Meio Ambiente e
Sustentabilidade - REJUMA.
Durante 2011 foi realizada pesquisa com objetivo de levantar e sistematizar a percepção ambiental
sobre conflitos no âmbito da gestão da pesca, atualmente inexistente. Utilizou-se como método, a
coleta de dados no ponto de desembarque somado ao método bola de neve, no qual um pescador indica
outro. Em conseguinte fechou-se o universo amostral (n) com dez pescadores artesanais abordados.
Em conversa prévia, foi informada a existência de aproximadamente 20 pescadores na comunidade. A
aplicação dos questionários semi-estruturados contemplavam três eixos: 1. Dados pessoais; 2. Prática e
conhecimento ecológico da pesca; e 3. Percepção sobre recursos naturais e conservação. Os conflitos
foram categorizados em três eixos: estruturais, relacionados a problemas que demandam intervenção
governamental; de limites ecológicos, que dizem respeito a restrições impostas pela natureza; e
políticos, relacionados à medidas normativas e organização social. Entre os estruturais estão
sazonalidade da renda, inexistência de um espaço para armazenamento e comercialização e a falta de
outros incentivos do governo. Entre os de limites ecológicos, podem ser apontados a sobrepesca e a
dificuldade de acesso ao pescado ocasionadas pela presença de barcos industriais e de arrasto, além da
poluição marinha. Acerca dos conflitos políticos, há restrições impostas pela legislação ambiental,
desorganização dos pescadores, excesso de pesca predatória pelos barcos industriais e de arrasto e
inexistência de estrutura de gestão local da pesca. Tais percepções orientam caminhos e desafios para a
construção coletiva de mecanismos de tomada de decisões e ordenamento no uso dos recursos
pesqueiros possibilitando o empoderamento na organização e participação dos pescadores em
processos de políticas públicas e extensão pesqueira. Facilitado o processo por meio de ferramentas
participativas em conselhos gestores, fóruns, diagnósticos participativos, ainda assim estas relações da
comunidade e o conhecimento científico trazem um elo convergente para a percepção real da situação
pesqueira de âmbito local e regional.
Palavras-chave: conhecimento ecológico local, conflitos, participação.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
!
CONCEPÇÕES DE ESTUDANTES DE UM CURSO PRÉ VESTIBULAR SOBRE A ORIGEM
DA VIDA
Samuel Molina Schnorr1, Camila Alvez Islas1
1
Universidade Federal de Pelotas – UFPEL.
Neste trabalho objetivou-se pesquisar acerca das concepções prévias advindas da identidade cultural de
estudantes de um curso pré-vestibular gratuito da cidade de Pelotas e, após uma aula expositiva,
verificar se havia alteração nestas concepções. Na turma pesquisada predominam alunos com idade
entre 20 e 24 anos, onde o mais jovem possui 16 anos e o mais idoso 63, sendo composta pelos mais
variados grupos étnicos, como descendentes de quilombolas, europeus, bem como agricultores, os
quais todos de baixa renda, critério para ingresso no curso. Foram aplicados 53 questionários, onde
duas perguntas foram realizadas antes da aula expositiva e uma terceira após a aula, na qual foram
abordadas as teorias e evidências sobre a origem de vida na terra, bem como reflexões referentes a
essas teorias. Na primeira pergunta, “Como você acredita que se originou a vida na Terra?”, 49% dos
entrevistados acreditavam que esta se deu a partir de Deus, 26% acreditam em uma origem química,
5% acreditam que se originou a partir de Adão e Eva e 20% não sabem. Na segunda pergunta “Você
acredita em vida extraterrestre?”, 50% dos entrevistados acreditam, enquanto 45% não acreditam e 5%
não sabem. Na terceira pergunta “Após a aula, sua opinião mudou em relação à origem da vida?”, 9%
dos entrevistados relataram mudar a sua opinião, entretanto 69% afirmaram que não e 22% ficaram em
dúvida frente às novas perspectivas. Podemos perceber que mesmo após outras teorias e evidências
serem expostas, a opinião da maioria permaneceu a mesma. Assim podemos concluir que uma parte da
sociedade ainda percebe conceitos científicos a partir de análises culturais, não permitindo que haja
uma mescla dessas duas realidades, mesmo após apresentação de fatos comprovados demonstrando
que, para sensibilizar e realizar alguma modificação na concepção dos alunos, é necessária uma
abordagem mais aprofundada.
Palavras-chave: origem da vida, pré-vestibular, teoria química.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
!
O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO DE
PROTEÇÃO INTEGRAL A PARTIR DA PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DO ENTORNO
Ariana M. Sarmento1, Rubana P. Alves1, Natalia Hanazaki1
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
A criação de áreas protegidas é um dos principais instrumentos de conservação da biodiversidade e a
educação ambiental uma ferramenta útil para a inclusão das populações locais nesse processo. Assim,
a educação conservacionista configura-se como um dos objetivos atribuídos a várias categorias de
Unidades de Conservação (UC), tanto de uso sustentável quanto de proteção integral. Neste trabalho,
objetivou-se verificar se a população local do entorno da Estação Ecológica de Carijós (ESEC) Florianópolis, SC, tem ciência da existência da ESEC e de atividades educativas relacionadas à
mesma. Para a coleta das informações foram realizadas entrevistas semiestruturadas com moradores da
região há pelo menos cinco anos e que já tivessem ouvido falar da ESEC. Em 51 abordagens, 42 eram
residentes há mais de cinco anos e destes 72% tinham ciência da existência da ESEC. Foram
entrevistadas 30 pessoas, destas 60% ouviu falar da ESEC através de amigos, vizinhos ou familiares e
20% citaram a escola como fonte de divulgação. Acerca da existência de projetos de educação ligados
a ESEC, 50% não souberam responder se eles existem, 27% os desconhecem e 23% confirmaram a sua
existência, mencionando como atividade a visitação escolar à ESEC. 80% consideraram a ESEC
importante e destes 92% justificaram sua relevância para a conservação ambiental, 12% para a
educação e 12% relacionaram à contenção de avanços da urbanização. Embora a maioria dos
entrevistados não soubesse discorrer sobre a existência de atividades educativas relacionadas à ESEC,
observou-se que as escolas configuram-se como espaços importantes no processo de divulgação e
conscientização sobre a conservação. Ressalta-se que há a necessidade de ampliação das parcerias e
meios de divulgação das atribuições e ações da ESEC atingindo uma maior gama da população do
entorno.
Palavras-chave: estação ecológica de carijós, educação conservacionista, consciência ambiental.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
CAPIVARAS DA LAGOA DA PAMPULHA: INIMIGAS OU ALIADAS?
Thaís Queiroz Morcatty1, Maria Auxiliadora Drumond1, Luiza Pedra1, Pedro Rocha1, Hani Rocha El
Bizri1, Raquel Hosken Pereira da Silva2
1
Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG
2
Laboratório de sistemas Socioecológicos, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG
De extrema beleza cênica, a Lagoa da Pampulha se trata de um reservatório artificial em Belo
Horizonte, Minas Gerais. A área é utilizada intensamente para atividades de lazer e apresenta uma
população residente de capivaras. A capivara, uma espécie de mamífero herbívoro generalista
semiaquático, se adapta facilmente a ambientes modificados pelo homem. O Instituto Brasileiro de
Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) vem manifestando interesse em manejar ou
eliminar a população de capivaras existente no local, alegando risco e incômodo aos usuários. Todavia
o manejo deve ocorrer de forma adequada e atendendo às necessidades dos usuários. O presente estudo
objetiva averiguar a percepção das pessoas sobre a presença e os possíveis riscos oferecidos pelas
capivaras na lagoa. Foram empregadas 200 entrevistas semiestruturadas a visitantes, moradores locais,
funcionários do Parque Ecológico da Pampulha e comerciantes da orla. Os entrevistados
demonstraram carisma pelas capivaras, sendo que 92% alegam sentir-se bem pela presença delas e
90% acreditam que elas atraem o turismo. Com relação à remoção das capivaras 94% dos
frequentadores se mostraram contra. Relatos demonstram que a população se sente insegura com
relação à possibilidade de transmissão de doenças (hantavirose, febre maculosa e febre aftosa) pelas
capivaras, que estão sendo investigadas, e 95% alegaram estar insatisfeitos com a poluição. A
percepção humana nos revelou que o contato homem-capivara contribui para o bem estar humano e
resgate do sentimento de pertencimento à natureza, raro em moradores urbanos. A falta desse
sentimento alimenta ações que proporcionam desequilíbrio ambiental. É muito importante a
divulgação e a discussão acerca do papel desses animais em meio urbano para a população humana, já
que a eliminação de elementos da fauna nessa condição tem sido frequente em muitas cidades
brasileiras. Portanto, a manutenção destes animais deve ser ponderada entre o benefício que trazem e
os riscos que oferecem.
Palavras-chave: capivaras, percepção ambiental, pampulha
Área temática: Educação Ambiental
!
!
ETNOBIOLOGIA DE TARTARUGA MARINHA, COM USO DE MAPAS MENTAIS, POR
DISCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL, NA APA DELTA DO PARNAÍBA – PI/MA.
Kesley Paiva-Silva1, Elane Marques Rodrigues2;1, Francinalda Maria Rodrigues da Rocha1, Daniele
Alves Lopes2;1, Thatyara Alves dos Santos2;1
1
Projeto Tartarugas do Delta, Comissão Ilha Ativa - CIA;
2
Universidade Federal do Piauí – UFPI.
O modo como o ser humano percebe, identifica e classifica o mundo natural influencia na maneira em
que atua e mostra suas emoções com relação aos animais. Os mapas mentais são ilustrações que atuam
como um prolongamento da percepção, introduzindo um sistema de significação representativo. Nesse
sentido, o estudo objetivou investigar o conhecimento dos discentes do Ensino Fundamental sobre a
temática: como vive a tartaruga marinha. O método utilizado foi o emprego de mapas mentais, de
maneira individual, em cinco escolas. As informações de campo foram obtidas em 2012 e envolveu 81
alunos do 5º e 6°anos dos Estados do Piauí (municípios de Cajueiro da Praia, Luis Correia, Parnaíba e
Ilha Grande) e Maranhão (Araioses, Ilha das Canárias). Para análise quali-quantitativa, os desenhos
foram estabelecidos em quatro grupos. A categoria “modo de vida” foi representada em 83% dos
mapas, ilustrando tartarugas marinhas em áreas de alimentação, isoladas, agrupamentos e interação
com a fauna marinha local: golfinhos, peixe, tubarões. Em 8% dos desenhos foram observados
elementos do “período reprodutivo”, como a ovoposição, filhotes e cópula. A existência de
desinformação sobre o cuidado parental, visto em diversos organismos, ainda não é aceitável pelos
estudantes. A categoria “modo de vida e reprodução” foi representada por 4% dos estudantes, uma vez
que a área atende desova e alimentação destes animais. As atividades que envolvem o “ser humano”
foram ilustradas em 5% dos desenhos, com destaque a pesca e ocupação da orla. Os resultados obtidos
demonstraram a necessidade de aprofundar os conhecimentos acerca da biologia e ecologia e ameaças
sofridas por estes quelônios. As informações repassadas aos estudantes podem colaborar na proteção
destes animais e seus habitats, tornando-os agentes multiplicadores na região. Além disso, esses
conhecimentos contribuem para um direcionamento das ações de educação ambiental do Projeto
Tartarugas do Delta, estabelecendo estratégias de conservação.
Palavras-chave: conservação, percepção, tartarugas marinhas.
Área temática: Educação Ambiental
!
!
REGISTRO DA HISTORIA ORAL: RESGATANDO CULTURA A PARTIR DE TEMÁTICAS
SOCIOAMBIENTAIS ATRAVÉS DE VÍDEO DOCUMENTÁRIO COM AS COMUNIDADES
DO RIO PARAUNINHA
Elvira Cynthia Alves Horácio¹, Luiz Henrique Queiroga², Renata Fonseca Guimarães², Miguel Ângelo
Andrade²
¹Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais – FAPEMIG
²Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/Minas
O registro da história oral foi por algum tempo desconectado do meio científico pois segundo a
percepção de alguns pesquisadores a história deveria ser registrada em forma de documento, sendo os
regastes históricos provenientes da escrita a principal forma de retratação. Os relatos de historia oral
são utilizados como forma de registrar acontecimentos do cotidiano, atuais e passados (contados de
geração em geração), percepções do imaginário popular sobre determinados aspectos que
circunscrevem a rotina diária das populações. Objetiva-se com essa ferramenta de documentação,
conjugada com a elaboração e reprodução de um vídeo-documentário, reconhecer a identidade cultural
estruturadora do modo e estilo de vida de comunidades tradicionais ribeirinhas, além de resgatar as
histórias dos moradores das comunidades, inseridas na região da sub-bacia hidrográfica do rio
Parauninha, em Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais/Brasil. A construção do vídeodocumentário, intitulado “O que é riqueza para você?”, busca retratar as temáticas relacionadas aos
patrimônios imateriais e materiais, à sociobiodiversidade e à etnobiologia da região. A abordagem
perpassa pelo registro da história oral, considerando aspectos sobre cultura, água, paisagens e
desenvolvimento regional, para valorizar e disponibilizar: as histórias e estórias locais, a relação com
os recursos naturais, a composição das dinâmicas ambientais, as paisagens naturais e referências
culturais da região. Reconhecem-se, assim, diversas temáticas socioambientais, valorizando também a
cultura e histórias já estabelecidas pelo relator do registro. Foram realizadas visitas nas casas dos
moradores que fazem parte da Associação de Moradores do Parauninha (ASPA), com a participação
ativa de 38 famílias. Nestas, realizaram-se entrevistas semi-estruturadas, nas quais identificam-se
aspectos socioambientais a serem abordados, porém a condução é do próprio relator, nesse caso o
morador, sendo ele e sua história o foco principal. Partindo disto, pode-se obter os valores culturais,
ambientais, além do aspecto temporal, sendo uma forma pessoal, caracterizando então a comunidade
como um todo.
Palavras-chaves: etnobiologia, registro da história oral, regaste de cultura
Área temática: Educação Ambiental
!
ETNOFARMACOLOGIA E
ETNOMEDICINA
!
HOMEOPATIA NO PLANALTO SERRANO CATARINENSE: DO USO POPULAR AO
ACESSO ELITIZADO
Patricia Fernandes1, Pedro Boff2
1
Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
2
Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EPAGRI
A prática da medicina homeopática iniciou-se no Brasil em meados do século XIX, com o francês
Benoit Jules Mure. Entretanto, defronta-se com o descrédito da sociedade médica brasileira, orientada
pela racionalidade científica. Este desmerecimento facilitou o acesso direto da homeopatia às
comunidades, via ação de padres, boticários e fazendeiros. Durante o século XX, a homeopatia
permanece tendo acesso popular através de centros espíritas e boticários. Na década de 1980, a
homeopatia é reconhecida como especialidade médica e seu acesso restringiu-se aos consultórios
médicos. Este trabalho objetiva caracterizar a forma de inserção da homeopatia no Planalto Serrano
Catarinense. A pesquisa está sendo realizada junto ao projeto de sistematização dos saberes populares
de agricultores da região, relativos a cura de enfermidades. O levantamento teve início em outubro de
2011, alcançando oito municípios. Entrevistas semi-estruturadas foram realizadas, com auxílio da
extensão rural pública, com pessoas indicadas como curandeiros e/ou conhecedores de plantas
medicinais. A amostragem dos entrevistados é intencional e tem seguido a técnica bola de neve. Até o
momento, totalizam-se 25 entrevistados, de ambos os gêneros, com idades entre 40 e 90 anos. Todos
os entrevistados relataram ter usado homeopatia na infância e/ou juventude. O acesso se dava via
mercados públicos, farmacêuticos e viajantes que abasteciam armazéns das localidades rurais. Os
medicamentos homeopáticos mais citados foram Arsenicum e Belladona, de amplo conhecimento dos
agricultores. Segundo entrevistados, o acesso a homeopatia reduziu-se ao longo das décadas de
1980/90. Atualmente, os entrevistados afirmaram não saber mais como ter acesso a homeopatia.
Assim, verificou-se que a homeopatia se configura como conhecimento popular histórico, porém não
mais utilizado entre agricultores. Conclui-se que ações de reinserção da homeopatia nos espaços rurais,
através de pesquisas e capacitações, poderão torná-la aplicável novamente pelas famílias das
comunidades rurais.
Palavras-chave: homeopatia popular, comunidades rurais, estilização.
Área temática: Etnomedicina e Etnofarmacologia
!
!
FITOTERAPIA E CURAS POPULARES: ETNOCONHECIMENTO DOS AGRICULTORES
DO PLANALTO SERRANO CATARINENSE
Patricia Fernandes1, Pedro Boff 2
1
Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
2
Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EPAGRI
A necessidade de se identificar o potencial curativo da flora nativa acompanha a humanidade.
Entretanto, a sociedade moderna, orientada fundamentalmente pela racionalidade científica, priorizou
recursos oriundos do processo farmacêutico industrial. Ao longo do século XX, medicamentos
industrializados tornaram-se frequentes em diferentes realidades sociais, inclusive nos espaços rurais,
onde historicamente as pessoas são reconhecidas como praticantes da fitoterapia. Apesar deste
contexto, observa-se resistência e reinserção do uso de plantas medicinais e preparados fitoterápicos
entre agricultores. Este trabalho objetiva sistematizar o conhecimento relativo a fitoterapia presente
entre agricultores familiares do Planalto Serrano Catarinense. O levantamento de dados abrangeu os
municípios de São José do Cerrito, Cerro Negro, Anita Garibaldi, Ponte Alta, Otacílio Costa, Rio
Rufino, Urubici e Capão Alto. Entrevistas semi-estruturadas foram realizadas com pessoas indicadas
como curandeiros e/ou conhecedores de plantas medicinais, através de indicação da extensão rural
pública. Para dar sequência as entrevistas, fez-se uso da técnica bola de neve, constituindo uma
amostra de 25 entrevistados, de ambos os gêneros, com idades entre 40 e 90 anos. O total de
entrevistados foi atingido a partir da saturação de respostas. Verificou-se três categorias de
conhecimento. A primeira agrega pessoas cujo conhecimento sobre plantas medicinais se associa a
prática de benzimento e rituais religiosos, não restritamente católicos. A segunda categoria consiste em
indivíduos que reestruturam seu conhecimento com apoio das pastorais da saúde, envolvendo-se com
atendimento gratuito ao público nas igrejas. A terceira categoria é representada por pessoas que sentem
necessidade de resgatar a fitoterapia e frequentam cursos de cultivo, uso e manipulação de plantas
medicinais promovidos por entidades como o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, entretanto
praticam aquilo que aprendem apenas com seus familiares. O registro da fitoterapia e da prática da
cura através das plantas medicinais entre agricultores familiares revelam uma rica diversidade de
conhecimento a ser potencializado.
Palavras-chave: etnomedicina, agricultura familiar, medicina campeira.
Área temática: Etnomedicina e Etnofarmacologia
!
!
UTILIZAÇÃO MEDICINAL POPULAR DE RECURSOS GENÉTICOS VEGETAIS EM
ÁREAS DE FUNDO DE PASTO NO MUNICÍPIO DE CURAÇÁ – BA, BRASIL
Camila Gonzaga de Jesus1, Flávio França1, Glauber Catarino Rocha1, Aline Gomes Assunção1,
Efigênia de Melo1
1
Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
Tendo em vista a necessidade de maiores conhecimentos científicos sobre o potencial medicinal da
flora nativa do bioma Caatinga e a necessidade do estudo sistematizado do conhecimento popular
tradicional, este trabalho objetivou identificar, em áreas de fundo de pasto, nas comunidades de São
Bento e Patamuté, no município de Curaçá, plantas medicinais utilizadas pela população. As
entrevistas foram realizadas através da aplicação de formulários semi-estruturados. Para localização e
coleta das plantas, foram utilizados os métodos observação participante e turnê-guiada. Foi calculado o
índice de saliência cultural através do programa ANTHROPAC Version 4.98. Cerca de 56% dos
entrevistados eram do sexo masculino e 63,5% possuíam mais de 60 anos. A maior parte dos
entrevistados está ou esteve na comunidade durante toda sua vida, ligados a atividades agrícolas.
Foram citadas como medicinal 49 espécies. As espécies que tiveram maior valor de saliência cultural
nas comunidades de S. Bento e Patamuté foram Myracrodron urundeuva Allemão (Aroeira): 0,55 e
0,30, respectivamente, e Cnidoscolus quercifolius Pohl (Faveleira): 0,42 e 0,31, respectivamente. A
terceira espécie mais saliente foi a Poincianella laxiflora (Tul) L. P. Queiroz, (catingueira), com índice
de 0,39 em S. Bento e Poincianella ferrea Mart. ex Tul (pau-ferro), índice de 0,40 em Patamuté. A
casca e entrecasca da aroeira são utilizadas como cicatrizante, para problemas de circulação sanguínea
e para curar inflamações. A casca e entrecasca da faveleira são utilizadas como cicatrizante, para
hemorroida e azia. A flor, folha e casca da catingueira são utilizadas para curar problemas de dor de
barriga. O fruto do pau ferro é utilizado para curar afecções como anemia, colesterol, diabetes e gripe.
Os resultados demonstram que as comunidades possuem um vasto conhecimento das plantas e de suas
propriedades medicinais e que esses conhecimentos podem ser a base para futuras pesquisas
farmacológicas.
Palavras-chave: etnobotânica, plantas, conhecimento.
Área temática: Etnomedicina e Etnofarmacologia
!
!
POTENCIAL BACTERICIDA DE PRODUTOS PROVENIENTES
MEDICINAIS: ZOOTERÁPICOS PODEM SER BONS ANTIBIÓTICOS?
DE
ANIMAIS
Felipe Ferreira1, Samuel Brito2, Henrique Coutinho3, Rômulo Alves1
1
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
2
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Universidade Regional do Cariri – URCA
A biodiversidade brasileira vem sendo uma fonte de recursos para o tratamento de doenças. No Brasil,
pelo menos 326 espécies são usadas na medicina popular sem dados consistentes sobre atividade
biológica dessas espécies. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi: avaliar o potencial bactericida de
produtos do cavalo marinho Hippocampus reidi, os lagartos Tupinambis merianae e Iguana iguana e
as serpentes Crotalus durissus e Boa constrictor, e os mamíferos Euphractus sexcinctus e Coendou
prehensilis através de ensaios contra linhagens bacterianas padrão; a avaliar a atividade moduladora
desses zooterápicos, quando associados a antibióticos contra bactérias multi-resistentes. Foram
utilizados extratos de banha (menos de T. merianae, C. prehensilis e H. reidi), decoctos da pele
(menos de E. sexcinctus) e decoctos de H. reidi inteiro. Os experimentos foram realizados com
isolados clínicos padrão e multirresistentes de Escherichia coli e Staphylococcus aureus. Gentamicina
e amicacina foram utilizadas como antibióticos para a atividade moduladora. A concentração mínima
inibitória das amostras e dos antibióticos foi determinada através do método de microdiluição em
caldo. Nossos resultados indicam que nenhuma das amostras possui uma atividade relevante em inibir,
do ponto de vista clínico, linhagens bacterianas padrão, demonstrando que não existe fundamentação
farmacológica para o uso desses zooterápicos como antibióticos. Quanto a atividade moduladora, o
decocto de H. reidi apresentou um efeito antagônico, reduzindo a ação dos antibióticos, entretanto, o
extrato da banha de B. contrictor, os decostos da pele de C. durissus, I. iguana, B. constrictor e T.
merianae potencializaram a atividade dos antibióticos. Diante dos resultados obtidos, estratégias para o
uso racional das espécies avaliadas aqui devem ser idealizadas para a conservação dessa espécie. O uso
indiscriminado de espécies para fins medicinais, sem a presença de dados consistentes que comprovem
a eficácia desses produtos, pode vir a ser uma das possíveis causas de declínio de espécies.
Palavras-chave: zooterapia, potencial bactericida, conservação.
Área temática: Etnomedicina e Etnofarmacologia
!
!
CONCEITOS LOCAIS DE INFLAMAÇÃO E PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS COMO
ANTI-INFLAMATÓRIAS PELO POVOADO CANGANDU NO AGRESTE ALAGOANO: UM
ESTUDO ETNOBOTÂNICO E ETNOFARMACOLÓGICO
Evlyn Larisse da Silva Vilar1, Veronica de Oliveira Silva1, Márcia de Farias Cavalcante1, Marcos de
Oliveira Rocha1, Washington Soares Ferreira Júnior1, Maria Silene da Silva1
1
Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL
Diversos trabalhos etnobotânicos realizados na Caatinga do Nordeste brasileiro têm apontado um
grande número de espécies vegetais, para o tratamento de inflamações. Entretanto, ainda são escassos
os trabalhos que buscam entender como as pessoas conceituam e interpretam o processo inflamatório,
fazendo-se necessário um estudo mais aprofundado a respeito dessa categoria, elucidando-se alguns
pontos que continuam sendo mal caracterizados e compreendidos pela literatura etnobotânica. Assim,
este trabalho tem como objetivo investigar o processo de diagnóstico de inflamações por moradores do
povoado Cangandu, localizado no município de Arapiraca-AL, bem como as plantas medicinais locais
utilizadas como anti-inflamatórias. A amostra foi composta por 25 informantes distribuídos nas
categorias garrafeiros, donas de casa, usuários de plantas e praticantes da medicina popular. Foi
utilizada a técnica da listagem livre sucessiva para identificar os tipos de inflamações reconhecidos
pelos informantes, assim como as plantas utilizadas para o tratamento de cada subcategoria citada.
Calculou-se a análise de saliência para identificar as espécies mais importantes localmente através do
software ANTROPAC 4.0. Verificou-se a existência de 18 subcategorias ou condições inflamatórias,
destacando-se as subcategorias pele (10 citações), útero (8), garganta (5), ovário (5) e rim (4 citações).
Foram relatados 24 sintomas para caracterizar os diversos processos inflamatórios, sendo a dor o
principal sintoma atribuído à inflamação, aparecendo 31 vezes nos diferentes discursos. A análise de
saliência destacou o Stryphnodendron barbatiman (barbatimão) (0,585), Hyptis pectinata L. Poit
(sambacaitá) (0,487) e Myracrodruon urundeuva (aroeira) (0,373) entre as 46 espécies medicinais
registradas como sendo as mais citadas para o tratamento dos vários tipos de inflamação. As partes
mais utilizadas das plantas foram a casca (31% dos informantes), seguida dos galhos (27%), das folhas
(26%) e outras partes (16%). Espera-se que os resultados dessa pesquisa possam contribuir com a
bioprospecção, indicando espécies potenciais na busca de novos compostos eficazes no tratamento de
inflamação.
Palavras-chave: inflamação, etnomedicina, nordeste.
Área temática: Etnomedicina e Etnofarmacologia
!
!
PLANTAS COM NOME DE MEDICAMENTOS NO RIO GRANDE DO SUL:
CONCORDÂNCIA ENTRE USOS POPULARES E INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
CONTIDAS NAS BULAS
Karina Mayumi Higa1, Geraldo L. G. Soares1, Mara Rejane Ritter2
1
Pós-graduação Botânica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS;
2
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.
Grande parte dos estudos etnobotânicos no Brasil aborda a temática das plantas medicinais, o que
contribui para o resgate do conhecimento popular. Estes trabalhos permitem também levantar
problemas sobre eventuais usos inadequados de plantas. Um fato que tem chamado a atenção nesses
trabalhos é o crescente emprego de nome de medicamentos comerciais para denominar plantas
medicinais. O objetivo deste trabalho é comparar o uso popular destas plantas denominadas por nome
de medicamentos com a indicação terapêutica contida nas bulas. Foram analisados 27 levantamentos
etnobotânicos (artigos publicados, monografias, trabalho de conclusão de curso, dissertações e teses)
realizados entre os anos de 1997 a 2009 em diferentes regiões do Estado do Rio Grande do Sul. As
plantas denominadas por nome de medicamentos comerciais foram listadas, totalizando 27 espécies,
pertencentes a 11 famílias botânicas. Os usos populares destas espécies foram compilados em um
banco de dados e foram comparados às indicações contidas nas bulas dos medicamentos comerciais.
Alternanthera brasiliana (L.) Kuntze foi a espécie mais citada, sendo amplamente utilizada e
conhecida por diferentes nomes de medicamentos comerciais como penicilina, anador, ampicilina e
tetramicina. As plantas denominadas por anador apresentaram 100% de concordância com o uso do
medicamento comercial (para sintomas associados a gripes e resfriados), as denominadas por
ampicilina, 84% (para infecções em geral) e as denominadas por penicilina, 52% (para infecções no
trato respiratório e sífilis). A ressignificação dos nomes populares das plantas medicinais por nome de
medicamento comercial estudada no Rio Grande do Sul apresentou um padrão, que não foi aleatório,
em concordância com o propósito funcional dos medicamentos comercializados.
Palavras-chave: medicamento, resignificação cultural, plantas medicinais.
Área temática: Etnomedicina e Etnofarmacologia
!
!
PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS COMO ANTI-INFLAMATÓRIAS E OS
CONCEITOS LOCAIS DE INFLAMAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DO AGRESTE
ALAGOANO
Marcia de Farias Cavalcante1, Evlyn Larisse da Silva Vilar1, Maria Silene da Silva1, Washington
Soares Ferreia Júnior2, Marcos Oliveira Rocha1
1
Universidade Estadual de Alagoas – UFAL;
2
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE.
O uso de plantas medicinais por comunidades tradicionais é uma prática baseada no conhecimento
popular. Dessa forma, conhecer como as pessoas entendem o processo de diagnóstico de inflamação e
utilizam estes recursos naturais para o seu tratamento torna-se de grande valor para a construção do
conhecimento científico. Ainda não se conhece uma terapia efetiva para o controle do processo
inflamatório, devido à peculiaridade dos mediadores do Sistema Imune e subtipos celulares. O
presente trabalho tem como objetivo investigar o processo de diagnóstico de inflamações pela
comunidade do povoado Varginha no município de Arapiraca-AL, Nordeste do Brasil, bem como
fazer o levantamento das espécies vegetais utilizadas como anti-inflamatórias. O método utilizado para
a escolha dos 15 especialistas locais foi a amostragem intencional pela técnica de bola de neve.
Através da técnica de listagem livre, cada informante citou os conceitos sobre os processos
inflamatórios e, a partir destes, as espécies utilizadas para o tratamento de inflamações. A análise dos
dados foi realizada a partir da saliência, que determina as plantas mais importantes, baseando-se na
posição e nas frequências das mesmas nas listas livres, com o uso do ANTHROPAC 4.0. Os
informantes citaram 41 espécies botânicas, destacando-se Hyptis pectinata L. Poit (sambacaitá)
(SI=0,433), com 14 citações; Anacardium occidentale L. (cajueiro) (SI=0,218) e Myracrodruon
urundeuva (aroeira) (SI=0,218), ambas com 8 citações. Os sintomas para caracterizar os processos
inflamatórios mais citados pelos informantes foram dor (81,7%), vermelhidão (4,13%) e pus (3,17%).
Já as subcategorias mais citadas da inflamação foram ferida (26%), estômago (12,5%), vagina (13,4%)
e útero (10,5%). Conclui-se que a comunidade reconhece os sintomas clássicos de inflamação, tais
como descritas na sociedade biomédica. Desta forma, investigar os conceitos locais de saúde e doença
pode fornecer importantes contribuições para a bioprospecção, indicando espécies potenciais na
descoberta de novos compostos efetivos no tratamento de inflamação.
Palavras-chave: etnomedicina, inflamação, nordeste.
Área temática: Etnomedicina e Etnofarmacologia
!
!
ECOLOGIA HUMANA
!
PESCA ARTESANAL VERSUS COMPLEXO LOGÍSTICO INDUSTRIAL PORTUÁRIO DO
AÇU: INTERFERÊNCIAS NA MANUTENÇÃO DO CONHECIMENTO LOCAL E
CONFLITOS FRENTE À COMUNIDADE PESQUEIRA DE ATAFONA - RJ
Camilah Antunes Zappes1, Carlos Eduardo Novo Gatts1, Ana Paula Madeira Di Beneditto1
1
Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF
O objetivo deste estudo é identificar através do conhecimento local a interferência das atividades do
Complexo Logístico Industrial Portuário do Açu (CLIPA) na manutenção da cultura e economia da
pesca artesanal em Atafona, RJ. Entre abril-junho/2012 foram realizadas 90 entrevistas com: (30)
pescadores artesanais, (30) esposas e (30) filhos. Foram aplicados questionários específicos a cada
grupo, contendo perguntas abertas e fechadas relacionadas aos problemas da pesca com a instalação do
CLIPA, o futuro dessa prática e manutenção do conhecimento pesqueiro. Cada grupo foi analisado
separadamente. Para 46,7% (N=14) dos pescadores e 53,3% (N=16) das esposas a principal causa do
declínio da pesca é ‘atividades do CLIPA’, enquanto para os filhos é ‘a poluição lançada ao mar’
(33,3%; N=10). Em relação ao futuro da pesca com as atividades do CLIPA, a resposta mais frequente
explica que ‘com a chegada dos navios os cardumes irão afastar’ o que causará o deslocamento da área
de pesca: pescador (60%; N=18); esposas (46,7%; N=14); filhos (56,7%; N=17). Como soluções para
minimizar as interferências do CLIPA sobre a pesca, as principais respostas dos pescadores foram:
‘deixar o pescador pescar em qualquer área’ (30%; N=9) e ‘ensinar outra atividade para o pescador’
(30%; N=9). Para os outros grupos, a principal resposta foi ‘deixar o pescador pescar em qualquer
lugar’: esposa (46,7%; N=14) e filhos (50%; N=15). Dos pescadores, 63,3% (N=19) tem interesse em
abandonar a pesca e trabalhar no CLIPA. Dos filhos, 93,3% (N=28) não tem interesse em trabalhar
com a pesca, pois é um ‘trabalho sofrido’, ‘não dá renda’. Com as atividades iniciais do CLIPA
aumentou a oferta de cursos profissionalizantes permitindo ao pescador atuar na área do porto, com
salário fixo e carteira profissional. Isto promoveu a migração dos pescadores para outra profissão,
induzindo ao desaparecimento gradual da pesca e do conhecimento local sobre a atividade.
Palavras-chave: pescador artesanal, empreendimentos portuários, impactos.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
O CONHECIMENTO LOCAL DE POPULAÇÕES NÃO
ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA BRASILEIROS
TRADICIONAIS
E
OS
Fernanda Savicki de Almeida1, Marcia Masetto Passoni2, Paulo E. Lovato3
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
2
Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina
3
Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais, Universidade Federal de Santa
Catarina – UFSC
Com o crescimento do processo migratório, consequência de fatores como o modelo de
desenvolvimento hegemônico, a relevância do estudo dos saberes locais de populações não
tradicionais tende ao aumento, se apresentando como alternativa ao resgate do conhecimento ecológico
popular referente a determinados recursos naturais que estão associados a essas populações deslocadas.
Sabe-se que, atualmente, a população rural é a detentora e mantenedora da agrobiodiversidade, tão
importante para a conservação de recursos como para manutenção dos sistemas alimentares mundiais,
sendo parte considerável dessa população constituída daquelas não tradicionais, chamadas aqui de
populações locais – fruto do processo migratório. Constata-se que o conhecimento local é resultado da
capacidade humana da adaptabilidade e é desenvolvido a partir de comparações entre a paisagem
antiga e a atual em que se estabelece. No Brasil, emerge uma categoria de populações locais específica
ao seu contexto, que são os assentados da reforma agrária. Tal categoria representa 22% dos
agricultores familiares brasileiros, emergindo com significativa importância no que se refere a acesso
de saberes locais associados a recursos e é aqui definida como população local, uma vez que o
assentamento das famílias não se dá, em sua grande maioria, nos seus locais de origem. Nota-se que
para essas famílias, a (re)construção do conhecimento local é algo mais que a valorização da sua
característica camponesa, pois assume o papel de propiciar a reprodução social dessas famílias em um
novo ambiente, a partir de suas relações sociais e ecológicas e as formas de produzir e utilizar os
recursos naturais que dali surgem. O objetivo aqui foi trazer o tema para uma maior reflexão e
apresentar alguns dos muitos trabalhos realizados com esse público em todo o país, como
demonstração da diversidade de saberes existentes entre eles e que podem contribuir
significativamente com a construção do conhecimento científico atual.
Palavras-chave: saber local, populações locais, etnociências.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
!
!
!
!
!
!
MUDANÇAS SOCIOECOLÓGICAS E RESILIÊNCIA DE MODOS DE VIDA NA PRAIA DO
AVENTUREIRO, ILHA GRANDE - RJ
Deborah Santos Prado1; Cristiana Simão Seixas2, Deborah Santos Prado3
1
Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP
2
Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM), Universidade Estadual de Campinas –
UNICAMP
3
Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP
Modos de vida são definidos na literatura como capacidades, bens e atividades necessárias para um
meio de vida. Trata-se de uma abordagem que busca entender a capacidade de famílias rurais lidarem
com crises e resistirem a choques, trazendo importantes informações sobre a relação dessas com o
ambiente, bem como subsídios para a gestão e conservação dos recursos naturais. Soma-se a esse
contexto a abordagem da resiliência socioecológica, como ferramenta de entendimento sobre como os
modos de vida se adaptam, após sofrerem perturbações e/ou impactos sem alterar sua estrutura e
função. Em um mundo de rápidas transformações, a busca por capacidade adaptativa e resiliência é um
esforço em compreender de forma sistêmica a dinâmica, as mudanças e respostas tanto dos sistemas
ecológicos, como sociais e econômicos O presente trabalho utiliza as abordagens teóricas de modos de
vida e resiliência socioecológica para analisar as diferentes estratégias e mudanças nos modos de vida
da população caiçara da Praia do Aventureiro nos últimos 50 anos. A coleta de dados ocorreu
bimestralmente durante um ano e se baseou em dados secundários, 20 questionários realizados nas
unidades familiares, conversas informais e observação direta e participante das atividades que
compõem os modos de vida (e.g pesca, agricultura, extrativismo, artesanato e turismo). Os resultados
parciais indicam que a trajetória do sistema socioecológico em questão foi marcada por diferentes
estados, como a agricultura e pesca local, a pesca embarcada, seguida pelo início da prática do turismo
de base comunitária. Diversos tensores desencadearam mudanças de estados deste sistema, desde
políticas de conservação e legislação pesqueira até processos de organização e conflitos locais. Embora
os modos de vida da comunidade, seu sistema socioeconômico e ecológico tenham mudado ao longo
do tempo, todas as atividades ainda se mantém de alguma forma, indicando reorganização e inovação
e, consequentemente, capacidade adaptativa e resiliência.
Palavras-chave: sistemas complexos, capacidade adaptativa, caiçara
Área temática: Ecologia Humana
!
!
DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO JUNTO AOS INDÍGENAS POTIGUARA EM
SAGI/TRABANDA, BAÍA FORMOSA-RN
Martinho Alves Andrade Júnior1; Louise Caroline Gomes Branco2
1
Fundação Nacional do Índio em Natal – RN
2
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
A comunidade Sagi/Trabanda está inserida no bioma Mata Atlântica, no sudeste do Rio Grande do
Norte, em Baía Formosa/RN. Os indígenas pertencem à etnia Potiguara e contam 100 pessoas,
aproximadamente. Para o diagnóstico foram levantadas informações preliminares sobre a localidade.
Em campo, principalmente de 15 a 17/05/2012, aplicou-se entrevista não-estruturada, observação
participante, caminhadas transversais em áreas de roça, de pesca, de mata, moradia, no entorno, com
registros fotográficos e de coordenadas geográficas, o que subsidiou ainda a elaboração de mapa
mental e calendário sazonal. Foram investigados temas de interesse (saúde, educação, trabalho,
ambiente, geração de renda) e identificadas vulnerabilidades e potencialidades. Elaborou-se diagrama
de parceiros a partir dos relatos sobre planejamento de atividades, projetos desenvolvidos e os apoios
recebidos. As principais vulnerabilidades são: cultivo de cana-de-açúcar no entorno (soterramentos de
lagos, assoreamento, despejo de efluentes e agrotóxicos), turismo de verão, empreendimentos
imobiliários, depósito de lixo nas imediações de cursos d’água, construção indevida de ponte sobre o
rio Cavaçu. Esta última resultou em desaparecimento do caranguejo-uçá e comprometeu a segurança
alimentar das famílias. Realizam a pesca marinha, cuja atividade sofre grande competição por
pescadores externos. Cultivam roças diversificadas, mas enfrentam questão judicial movida por
empresário do setor imobiliário. A área de mata que lhes serve, entre dunas e lavoura de cana-deaçúcar, constitui fragmento florestal de grande importância, pois contribui para a oferta de frutos e
sementes nativas, bem como para a manutenção das fontes de água, incluindo lagoas, o rio Cavaçu e o
manguezal. Os principais parceiros identificados foram a Prefeitura de Baía Formosa e o ICMBio. Os
parceiros promovem atividades pontuais e as discussões quanto ao planejamento, numa perspectiva de
futuro, apontam para a necessidade de melhor articulação de esforços. O mapa mental e o calendário
sazonal ilustram a dinâmica de utilização do território, com a influência do entorno.
Palavras-chave: diagnóstico participativo, indígenas, sagi/trabanda
Área temática: Ecologia Humana
!
!
DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO JUNTO AOS CABOCLOS DE AÇU, EM
ASSÚ/RN
Martinho Alves Andrade Júnior1; José Glebson Vieira2; Jailma Nunes Viana Oliveira2; José Luiz
Soares3
1
Fundação Nacional do Índio em Natal – RN
2
Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UFRN
3
Escola João Lino da Silva, Comunidade dos Eleotérios do Catu em Canguaretama –RN
A comunidade indígena Caboclos do Açu está inserida no bioma Caatinga, no Estado do Rio Grande
do Norte, em Assú-RN. Somam 120 pessoas, aproximadamente, ainda sem definição quanto à etnia
(em estudo pela UERN-Campus de Mossoró/RN). Para o diagnóstico foram levantadas informações
preliminares sobre a localidade. Em campo, principalmente de 13 a 15/06/2012, aplicou-se entrevista
não-estruturada, observação participante, caminhadas transversais em áreas de moradias e,
principalmente, no entorno onde realizam as atividades de roça, de pesca, com registros fotográficos e
de coordenadas geográficas, o que subsidiou ainda a elaboração de mapa mental. Investigou-se temas
de interesse (saúde, educação, trabalho, ambiente, geração de renda) e identificou-se vulnerabilidades e
potencialidades. Elaborou-se diagrama de parceiros a partir dos relatos sobre planejamento de
atividades, projetos desenvolvidos e os apoios recebidos. As pessoas convivem com fortes períodos de
estiagem, água salinizada para o consumo, falta de terra para cultivar roças e manejar criações.
Utilizam áreas próximas aos açudes e rios, nas fazendas circunvizinhas, quando lhes são facultadas.
Cultivam milho, feijão e batata-doce. Plantam capim e fornecem com o xique-xique aos animais de
criação. Pescam em açudes e, na época chuvosa, no rio Paraú. Colhem frutos nativos, principalmente
oiticica e umbu. Contudo, na região, prevalecem práticas de quota para os produtos, destinada aos
fazendeiros ou seus encarregados. Utilizam a carnaúba para confecção de chapéus, cestos, esteiras,
vassouras e espanadores, mas é atividade em abandono, devido à palha ser de difícil obtenção e ao
desinteresse dos jovens. Há forte pressão por lenha na região, o que resulta em corte de algumas
espécies para a venda e também para o consumo doméstico. O maior anseio das pessoas é pela água de
qualidade. Os principais parceiros são Exército Brasileiro e Prefeitura do Assú, mas faltam estratégias
para otimizar esforços. O mapa mental traduziu a noção de territorialidade do grupo.
Palavras-chave: diagnóstico participativo, indígenas, caboclos de açu
Área temática: Ecologia Humana
!
!
A CONEXÃO SER HUMANO/MINERAL CONTEXTUALIZADA NUMA FEIRA LIVRE DE
PAULO AFONSO-BA
Macilene Silva¹, Marcelino Araújo¹.
1
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
As relações entre seres humanos e o ambiente estão repletas por vários sentimentos que acabam
influenciando a forma de interação com o meio onde está inserido, sustentadas basicamente por cinco
tipos de conexões básicas: ser humano/mineral, ser humano/animal, ser humano/vegetal, ser
humano/ser humano e ser humano/sobrenatural. A partir dessa perspectiva, o presente trabalho aborda
a conexão ser humano/mineral identificada no contexto de uma feira livre na cidade de Paulo AfonsoBA. Para tal identificação foram realizadas visitas in locu, com roteiro de observação semi-estruturado,
possibilitando abordagem aos comerciantes sobre a utilização do objeto constituído de matéria prima
mineral. Durante o trabalho foi possível identificar a diversidade de objetos de uso/utilização no dia-adia, desde adereços para ornamentação e sincretismo religioso, na indumentária, em objetos utilitários
para cozinha, construção civil, dentre outros, fabricados a partir minerais diversos. Apesar disso,
observa-se que muitos objetos fabricados de barro, alumínio ou algodão, por exemplo, foram
substituídos por derivados de outro mineral: o petróleo. Ainda assim uma parte da população prefere
esses utensílios/objetos “do jeito de antigamente”. Pode-se concluir que a conexão ser humano/mineral
é comum na sociedade, presente no cotidiano das pessoas, estabelecendo entre elas vínculos, ainda
que, no caso do presente trabalho, de compra e venda, embora este vínculo seja necessário para a
manutenção da sociabilidade e permita estabelecer interações com os outros tipos de conexões.
Palavras-chave: etnoecologia, cotidiano, conexão ser humano/mineral
Área temática: Ecologia Humana
!
!
CONEXÃO SER HUMANO/SOBRENATURAL EM ECOLOGIA HUMANA NA FEIRA
LIVRE DE PAULO AFONSO - BA
Marcelino Araújo¹, Macilene Silva¹
¹Universidade do Estado da Bahia – UNEB
O presente estudo analisa uma das vertentes das interações ser humano/ambiente relacionado à
Etnoecologia, a conexão ser humano/sobrenatural, relatando os fatos e observações através de pesquisa
realizada na feira livre da cidade de Paulo Afonso – BA. No local da amostragem, foram realizadas
entrevistas com comerciantes, conversas informais com transeuntes e observações do comportamento
dessas pessoas em relação à conexão ser humano/sobrenatural vinculado a Ecologia Humana. Os
resultados mostram expressiva manifestação desta conexão, se apresentando de forma bem perceptiva
e fazendo parte da vida cotidiana dos sujeitos pesquisados, constituído em seu contexto representações
religiosas, folclórica e mística, oriundas principalmente das culturas africana e indígena. Encontra-se
nos estabelecimentos comerciais visitados produtos naturais utilizados em rituais de maneira geral,
sejam em banhos, oferendas, cultos e/ou venerações, superstições e de cerimoniais relacionados às
diversas crenças, constatando-se produtos como estátuas de representações místicas, velas, livros,
ervas, água de banhos aromático, sabonetes, acessórios e poções. Desse modo, ainda vemos que
conexão ser humano/sobrenatural não só se apresenta do tipo crença, mas é bem marcante a presença
do tipo econômico. Entende-se que na maioria das vezes a relação ser humano/sobrenatural se
concretiza e se associa também com as outras conexões, seja com ser humano/mineral, ser
humano/animal, ser humano/vegetal ou ser humano/ ser humano. Dessa forma, se verifica o marcante
vínculo e interação da natureza e de seus recursos com as manifestações sobrenaturais estabelecidas
pelo ser humano, que consegue concretizar sua fé e sua crença a partir da relação pessoal com
ambiente, presente não apenas no meio natural, mas também acentuado no meio urbano.
Palavras-chave: etnoecologia, interação ser humano/ambiente, comércio tradicional
Área temática: Ecologia Humana
!
!
IDENTIDADE RIBEIRINHA E TUTELA DOS RECURSOS PESQUEIROS NA AMAZÔNIA
BRASILEIRA: UM ESTUDO DE CASO EM SANTO ANTÔNIO DO RIO URUBU (BOA
VISTA DO RAMOS, AMAZONAS)
Denison Melo de Aguiar¹, Serguei Aily Franco de Camargo².
¹Pós-Graduação em Ciências Pesqueiras nos Trópicos, Universidade Federal do Amazonas – UFAM
²Programa de Pós-Graduação em Aqüicultura, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA
A identidade cultural do ribeirinho como pescador polivalente caracteriza-se pela divisão do tempo
entre a lavoura, caça, coleta, pesca e extrativismo. Isso significa que este indivíduo possui estratégias
de uso múltiplo e conservação de recursos naturais, numa relação comunitária de sobrevivência. Esta
identidade cultural possui base de identificação relacionada ao território habitado, e é tutelada pelo
artigo 216, II da Constituição de 1988. O objetivo desta pesquisa é demonstrar a importância de se
valorizar esta identidade cultural no Direito, como requisito para a conservação dos recursos
pesqueiros. Como estudo de caso, para exemplificar os enunciados acima, utilizou-se o município de
Boa Vista do Ramos, que possui uma área de 2.598 km² e dista 270 km de Manaus. Neste município,
situa-se a comunidade Santo Antônio, que possui 18 grupos familiares de tronco comum e está inserida
na região do Rio Urubu, próxima a outras quatro, participantes da elaboração do acordo de pesca nº.
11/2003 (IBAMA). Utilizou-se o estudo de caso com observação participante, e aplicação de
questionários, evidenciando o perfil socioeconômico e a percepção ambiental. As visitas ocorreram
entre março de 2010 e janeiro 2011. Houve também pesquisa documental. Foi observado em campo
que a comunidade Santo Antônio vivencia diferentes influências culturais ao seu modo de ser cabocloribeirinho. Isto pode acarretar mudanças de percepção ambiental, através de contatos com outras
culturas. Apesar disso, constatou-se que a comunidade decidiu manter seus valores: família, cultura,
trabalho e religião, por serem importantes para manutenção do seu modo de viver. Do ponto de vista
jurídico, estas constatações práticas implicam dizer que a autodeterminação de uma comunidade
ribeirinha deve ser respeitada pelo Estado e pela própria comunidade, devido à sua autoconsciência
nos processos de tomada de decisão sobre o aproveitamento dos recursos naturais dos quais depende.
Isso é fator determinante para o reconhecimento de um sujeito coletivo de direitos, propiciando,
inclusive, a tutela dos recursos.
Palavras-chave: identidade ribeirinha, recursos pesqueiros, amazônia brasileira
Área temática: Ecologia Humana
!
!
CONHECIMENTO DOS PESCADORES DA COLÔNIA Z-16 SOBRE A REPRODUÇÃO DO
ARACU-DA-PEDRA Leporinus CF Melanostictus (CHARACIFORMES:ANOSTOMIDAE) NO
MÉDIO RIO ARAGUARI-AP
Fabiana Calacina da Cunha¹, Maria Gercilia Mota Soares¹, Luiza Prestes², Renata Eiko Minematsu³.
¹Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA
²Universidade do Estado da Amapá – UEAP
³Universidade Federal da Amazônia – UFAM
A pesca artesanal apresenta importância social e econômica e exige do pescador o conhecimento
detalhado sobre a ictiofauna. Esse conhecimento que os pescadores possuem sobre os peixes vem
sendo estudado com base na etnoictiologia. Assim, o trabalho propõe investigar o conhecimento dos
pescadores da colônia Z-16 (Porto Grande) acerca da reprodução do aracu-da-pedra Leporinus cf
melanostictus no médio rio Araguari, Amapá. Os dados do trabalho foram obtidos através de
entrevistas estruturadas sobre a reprodução dos peixes capturados aplicando-se 63 formulários . Os
resultados foram analisados utilizando a estatística descritiva. Com relação ao período de reprodução a
maioria dos entrevistados afirma que está acontecendo no inverno, (dezembro a maio), principalmente
entre janeiro e maio (80%). No entanto, para 50% dos pescadores, a desova pode ter um período mais
curto ocorrendo de março e maio. Os entrevistados também destacam os locais de desova do aracu-dapedra que são principalmente as margens do rio, em áreas recentemente alagadas com a subida no
nível d´água e, em locais próximos a correnteza. Segundo os pescadores, o conhecimento sobre peixes
foi adquirido através dos ensinamentos dos mais antigos e da prática cotidiana. Embora, a prática
profissional desta atividade tenha se intensificado após o fechamento de garimpos na região, os
pescadores adquiriram conhecimento detalhado sobre os peixes, no caso o aracu-da-pedra,
frequentemente capturado nas pescarias e localmente comercializado nas feiras da cidade. A pesca no
médio rio Araguari tem crescido de importância econômica para a população local e o saber local é
fundamental no sentido de subsidiar políticas pesqueiras para a conservação deste recurso no médio rio
Araguari.
Palavras-chave: reprodução de peixes, pescadores, médio rio araguari/ap
Área temática: Ecologia Humana
!
!
ETNOICTIOLOGIA DE PESCADORES ARTESANAIS DO MÉDIO RIO ARAGUARI,
AMAPÁ.
Fabiana Calacina da Cunha¹, Alexandro Cezar Florentino¹, Maria Gercilia Mota Soares¹
1
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
A pesca artesanal é uma atividade de importância social e econômica que exige do pescador um
profundo conhecimento sobre o recurso pesqueiro. Esse conhecimento vem sendo intensamente
investigado sob a perspectiva etnoictiológica. Assim, este estudo propõe compreender a nomenclatura
popular utilizada por pescadores para a identificação dos aracus (Leporinus spp.), bem como critérios
que orientam sua classificação no médio rio Araguari, AP. As informações foram obtidas com
questionários aplicados aos pescadores artesanais n=20 e fotos dos peixes. Os pescadores relatam a
ocorrência de aracu da pedra Leporinus cf melanostictus, aracu branco Leporinus cf. maculatus e aracu
cabeça gorda ou piau Leporinus affinis. As características que permitem diferenciar os três tipos de
aracus são aspectos morfológicos (principalmente a coloração e formato do corpo) e ecológicos
(habitat). O aracu da pedra é avermelhado e recebe essa denominação por ser capturado próximo das
pedras. O aracu branco possui coloração amarelo claro com manchas escuras, sendo mais alongado. O
aracu cabeça gorda ou piau possui coloração amarelo mais escuro, com manchas pretas bem definidas.
Esses peixes são capturados em igarapés e no rio. A maioria (90%) conhece diferenças entre machos e
fêmeas a partir da observação dos aspectos morfológicos, gônadas e dos ovócitos. Com base na
morfologia (73%) distinguem pelo formato do corpo, os machos são alongados/finos (33%) e a cabeça
é maior (13%) e as fêmeas menores/grossas (56%). Outra forma de diferenciar o sexo é através de
identificação das gônadas (9%), sendo machos os peixes com gônadas branca/leitosa e fêmea, se for
amarelada. Somente (13%) dos entrevistados utiliza a presença de ovócitos para identificar as fêmeas.
Os pescadores entrevistados demonstraram um detalhado conhecimento sobre os aracus capturados na
região, e este conhecimento tem influência direta na pesca, visto que pode ser efetuada uma captura
seletiva dos aracus, visando proteção e conservação do recurso.
Palavras-chave: etnoictiologia, pescadores artesanais, médio rio Araguari-AP
Área temática: Ecologia Humana
!
!
ECOLOGIA HISTÓRICA E SABERES ECOLÓGICOS LOCAIS COMO FERRAMENTAS
PARA A GESTÃO AMBIENTAL COMUNITÁRIA: ESTUDO DE CASO DA TERRA
INDÍGENA MAXAKALI, MINAS GERAIS
Marco Túlio da Silva Ferreira1, Rafael Rodrigues Ferrari2, Maria Inês de Almeida1, Paulina Maria
Maia Barbosa3
1
Núcleo de Pesquisas Transdisciplinares Literaterras, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG;
2
Laboratório de Sistemática e Ecologia de Abelhas, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG;
3
Laboratório de Ecologia do Zooplâncton e Educação Ambiental
Na literatura etnobiológica recente é possível observar uma crescente argumentação acerca da
importância de monitoramentos etnoecológicos aplicados à conservação da biodiversidade e manejo de
áreas protegidas de uso comunitário. Projetos visando à elaboração de planos de gestão ambiental em
Terras Indígenas (TIs) no Brasil, particularmente na Amazônia, são cada vez mais comuns; não
obstante, pouco ou nada têm incorporado das abordagens etnobiológicas em suas metodologias. Aqui,
descrevemos o levantamento de uma série de informações etnohistóricas e etnoecológicas de alta
relevância para uma proposta de gestão ambiental e territorial comunitária da TI Maxakali.
Levantamentos de dados referentes ao manejo de recursos e fragmentos florestais, identificação de
recursos-chave culturais, classificação linguística da biodiversidade e da paisagem vêm sendo
realizados nas aldeias da TI Maxakali desde setembro de 2007. Trabalhos de campo envolveram
observação participante, reuniões comunitárias, diagnósticos participativos e caminhadas
etnobotânicas com experts, professores, pajés e jovens. Os dados obtidos permitiram uma maior
compreensão dos sistemas taxonômicos maxakali atual e histórico, o último através da análise de
léxicos compilados por naturalistas no século XIX. As listas de táxons da língua maxakali revelaram
profundos saberes ambientais, apesar da crítica qualidade ambiental do território. Como recursoschave, tanto material quanto imaterialmente, foram identificados os bambus (kutehet), as enviras
(tohox), as palmeiras (paxxap) e as abelhas nativas sem-ferrão (pukxe’e). A identificação destes
recursos-chave se mostrou fundamental, uma vez que os mesmos apresentam grande potencial de
sensibilização da comunidade e, consequentemente, podem vir a ser empregados como espécies
guarda-chuva em estratégias de conservação e manejo. As pressões das diferentes aldeias sobre seus
recursos e fragmentos florestais foram mapeadas e o fogo foi identificado como seu principal agente.
Concluímos refletindo que mais trabalhos com esse tipo de enfoque devem ser desenvolvidos pelos
etnocientistas, trazendo contribuições essenciais para planos de gestão ambiental de territórios
tradicionais, em especial Terras Indígenas.
Palavras-chave: gestão ambiental comunitária, etnoecologia aplicada, maxakali.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
A ATIVIDADE PESQUEIRA E SUAS IMPLICAÇÕES NA SAÚDE DOS PESCADORES
ARTESANAIS DO CÂNION SÃO FRANCISCO, EM TRECHOS DE ALAGOAS E BAHIA BRASIL
Luanna Oliveira de Freitas1, Eliane Maria de Souza Nogueira1
1
Universidade do Estado da Bahia – UNEB.
A pesca artesanal vem sofrendo os reflexos do esgotamento e diminuição de alguns estoques
pesqueiros, onde muitos pescadores tentam compensar a situação indo cada vez mais longe em busca
do peixe, sendo necessários maiores esforços no intuito de melhores rendimentos. Os pescadores do
Cânion São Francisco chegam a ficar horas em suas canoas, expostos as mais variadas condições
ambientais e climáticas, susceptíveis a agravos na saúde e possíveis acidentes de trabalho. Estudos que
priorizem a temática são necessários na tentativa de diagnosticar o cenário atual da pesca artesanal,
suas possibilidades, fragilidades e interferência no contexto social, econômico e cultural deste povo.
Assim, o presente estudo objetivou investigar quais os problemas de saúde frequentemente
apresentados pelos pescadores artesanais do Cânion São Francisco, sua relação com a atividade
exercida e suas implicações no dia a dia do pescador. Para tanto, foram aplicados questionários
estruturados com questões abertas e fechadas, para 84 pescadores residentes nos estados de Alagoas e
Bahia, no trecho que corresponde ao Cânion do baixo rio São Francisco. Dos pescadores questionados,
apenas 6 disseram possuir alguma deficiência, no entanto 64,6% se queixam de problemas de saúde,
relacionados principalmente a problemas de coluna, em função do esforço repetitivo praticado nas
atividades, da má postura e sobrecarga de trabalho. Estes, por vezes, interferem na pescaria impedindo
ou dificultando seu desenvolvimento, evidenciando que a saúde do pescador necessita de maiores
cuidados e que a legislação trabalhista vigente precisa ampará-los quanto a estes problemas advindos
da atividade profissional desenvolvida. Estas questões são agravantes na manutenção da própria
atividade pesqueira e, por conseguinte, na perpetuação desta tradição nas gerações futuras.
Palavras-chave: saúde, atividade pesqueira, acidente de trabalho.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
INTEGRANDO SABERES PARA GESTÃO PARTICIPATIVA DOS
PESQUEIROS NO ESTUÁRIO DOS RIOS TIMONHA E UBATUBA (CE/PI)
RECURSOS
Francinalda Maria Rodrigues da Rocha1, Patricia dos Passos Claro2, Kesley Paiva-Silva1
1
Projeto Tartarugas do Delta, Comissão Ilha Ativa – CIA;
2
Analista ambiental do Centro Mamíferos Aquáticos/ICMBio.
A atividade pesqueira é marcante em comunidades do litoral do Piauí onde é observado que os peixes
estão diminuindo e desaparecendo. Esta pesquisa teve como objetivo conhecer como pescadores fazem
uso do berçário do Timonha e Ubatuba para pensar na gestão participativa dessa região. O Estuário é
formado por manguezais e salgados que constituem a segunda maior área de ecossistemas manguezais
do Nordeste, que se encontra conservado. O trabalho ocorreu em novembro de 2010 e janeiro de 2011,
com pescadores de Cajueiro da Praia – Piauí e de Chaval e Barroquinha (Bitupitá), no Ceará. Foi
realizada reunião com os presidentes das colônias (Z-6, Z-23 e Z-24) e outra com filiados e não
filiados destas instituições. Para verificação do conhecimento realizou-se metodologia participativa
rápida orientada pelas seguintes perguntas: quem utiliza o Estuário? Como se encontra a pesca? E o
que pode ser realizado para mudar as dificuldades na pesca? Os participantes falavam e seus relatos
eram ado registrados em tarjetas. Ao final, fazia-se uma leitura para validação e aprovação do que foi
questionado. Os resultados destacam que a pesca artesanal é utilizada para sobrevivência. Os
problemas foram: mudança na natureza – rio assoreado, existência da pesca com bomba, batedeira,
falta de fiscalização, barco de arrasto de camarão, aumento da população na arte de pesca e das
técnicas de pesca prejudiciais à sustentabilidade dos recursos. O que poderia ser melhorado seria
utilizar a natureza de maneira que não se acabe o peixe que é fornecido para alimentação humana;
encontrar fornecedores de isca e formar um grupo de pessoas para discutir e procurar soluções juntos.
Para isso, foram escolhidos 25 pescadores para participação nos encontros de pesca. Estas informações
contribuirão com o plano de manejo da Área de Proteção Ambiental Delta do Parnaíba e na proposta
de gestão compartilhada dos recursos pesqueiros a ser implantada na região.
Palavras-chave: apa, bercário, pesca artesanal.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
A PESCA ARTESANAL NA COMUNIDADE DE PESCADORES DA PRAIA DE FOLES,
PARQUE ESTADUAL ILHA DO CARDOSO-SP: CARACTERIZAÇÃO E IMPORTÂNCIA
LOCAL
Monalisa Marinelli1
1
São Paulo
Comunidades litorâneas, nomeadas de populações caiçaras, tem a pesca artesanal, como a principal
fonte de alimento e renda, pela comercialização do pescado, característica predominante da população
tradicional da comunidade da praia do Foles, localizada no Parque Estadual Ilha do Cardoso (PEIC). O
objetivo foi a observação e o acompanhamento dos pescadores artesanais dessa praia, quanto ao
desembarque do pescado para consumo da população local. A metodologia consistiu em levantamento
bibliográfico e registro dos desembarques de pescado, nos períodos da manhã e tarde, e dos materiais
utilizados pelos pescadores. Observou-se que a rede de malha 7, 8 e 9 cm é utilizada para pesca
comercial, e a vara de pesca para o consumo próprio, realizada no costão rochoso próximo a
comunidade. O pescado de menor valor comercial (sargo, pampo, tainha, parati) é para o consumo dos
pescadores e suas famílias, não havendo preferência, enquanto as espécies de peixe de maior interesse
e lucro certo para o pescador (robalo e a etnoespécie de pescada) são selecionadas exclusivamente para
a comercialização, nas peixarias em Cananéia. Constatou-se que os pescadores praticam a pesca
artesanal sozinhos ou em parceria e geralmente não possuem embarcação própria, perdendo cada vez
mais espaço para a pesca industrial, onde as grandes embarcações fazem uso da técnica de arrasto, que
vem avançando sobre a pesca artesanal. A diversidade de espécies na região é considerável, mas essa
realidade já não é mais a mesma, se comparada a um passado não muito distante, segundo os
resultados obtidos na aplicação de questionários e a participação como ouvinte nas rodas de conversa
entre os pescadores. Diante disso, esses caiçaras vem buscando outras fontes de renda, artesanato e
turismo, para contribuir com o orçamento familiar, sem que tenham no entanto, em busca de melhores
condições para sua sobrevivência, abandonar sua identidade e cultura caiçaras.
Palavras-chave: pesca artesanal, etnoconhecimento, Parque Estadual Ilha do Cardoso.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
LOCAL ECOLOGICAL KNOWLEDGE AND WATER QUALITY: SUBSIDIES FOR THE
MANAGEMENT OF WATER RESOURCES IN A CONSERVATION UNIT IN THE
SOUTHERN REGION OF BRAZIL
Jessé Renan Scapini Sobczak1, Alice T. Valduga2, Rozane M. Restello2, Luiz U. Hepp2, Rafael I.
Cardoso2
1
PPG em Ecologia, Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões - URI;
2
Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões – URI.
Public participation in the management of water resources is gradually being incorporated into
environmental monitoring programs. However, effective performance is dependent on the applicability
of the methods and enrolment because of the complexity of the acquired local ecological knowledge
(LEK). This study aimed to evaluate the relationship between local and scientific knowledge, with an
emphasis on water quality. Social and natural science methods were used. The study was performed in
a Conservation Unit (CU), which is located in the Alto Uruguai region, and was composed of two
stages: (i) interviews with the surrounding inhabitants of the CU and (ii) collection of benthic
macroinvertebrates at sampling sites located inside and outside the CU. In general, the inhabitants felt
a commitment to and responsibility for environmental protection. The effectiveness of the CU in the
preservation of aquatic ecosystems was conferred by the biological variables. The inhabitant’s
knowledge of water quality was correlated with the results found (r= 0.19; p= 0.07), but a trend in
indicators of environmental quality was apparent because of the proximity of the joined value.
Therefore, the LEK and water quality demonstrates the complementary nature of these methods and
the need to adjust the planning of educative projects to the local population; subsidizing the inclusion
of public participation in the management of water resources also contributes to the autonomy and
citizenship of the inhabitants.
Palavras-chave: ethnolimnology, participatory monitoring, biotic index.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
GESTÃO DO TERRITÓRIO E TERRITORIALIDADES NO RIO SÃO FRANCISCO: A
ARTE DO SABER-FAZER E O SENTIMENTO DE PERTENCIMENTO DOS PESCADORES
ARTESANAIS DA CIDADE DE SÃO FRANCISCO – MG
Mariana Aparecida Farias Almeida1, Ana Paula Glinfskoi Thé1
1
UNIMONTES
O objetivo desse trabalho é identificar e analisar os aspectos territoriais e as territorialidades, que
envolvem os pescadores artesanais da cidade de São Francisco localizada no norte de Minas Gerais,
sendo expressos através das relações socioambientais dos pescadores com rio e com os demais
usuários do rio e atrelados aos anseios, hábitos, valores e costumes da comunidade pesqueira. Desse
modo, foi utilizado como metodologia a entrevista livre e semi-organizada, bem como levantamento
de dados a órgãos públicos (IBAMA, IEF e MPA) associações (Colônia Z-3) e consulta a materiais
bibliográficos, afim de obter um estudo mais profícuo a respeito da comunidade pesqueira. Por ser
uma prática milenar, a atividade pesqueira exerce um importante papel na alimentação do homem
direta e indiretamente, bem como para a sobrevivência de diversas famílias, principalmente as famílias
que residem nas cidades ribeirinhas do Rio São Francisco (ALMEIDA, 2011). A atividade pesqueira
no município é caracterizada como pesca artesanal comercial e de subsistência. Por pesca artesanal
entende-se a pesca realizada dentro dos moldes da pequena produção mercantil. Trata-se de uma pesca
realizada com materiais de baixa tecnologia empregando força de trabalho familiar ou do grupo de
vizinhança através das relações de amizade e compadrio (DIEGUES, 1988). A maioria dos pescadores
fabrica seus próprios materiais e/ou apetrechos de pesca e no convívio com o rio desenvolvem
peculiaridades que o difere dos demais povos ribeirinhos, tendo como característica marcante um rico
conhecimento empírico a cerca das variações do ciclo hidrológico e da biologia das espécies que são
de suma importância para desenvolver estudos de monitoramento e gestão dos recursos pesqueiros e
também na gestão dos territórios e nas constituições das territorialidades dos pescadores evidenciados
através das manifestações culturais e no resgate da identidade.
Palavras-chave: territorio, territorialidade, pesca artesanal
Área temática: Ecologia Humana
!
!
XERIMBABOS? SOBRE A RELAÇÃO DE SENTIMENTO ENTRE O HOMEM E O ANIMAL
NA AMAZÔNIA
Flávio Bezerra Barros1
1
Universidade Federal do Pará – UFPA.
A relação de sentimento entre as comunidades humanas tradicionais (indígenas, agricultores
familiares, seringueiros, ribeirinhos, quilombolas) da Amazônia e os animais da floresta tem sido
documentada em algumas etnografias, como aquelas desenvolvidas pelos antropólogos Eduardo
Viveiros de Castro e Philippe Descola. Esta relação envolve uma diversidade sem fim de animais,
como veados, macacos, antas, araras, periquitos, jacamins, mutuns, jabutis, queixadas, cutias, dentre
tantas outras espécies da fauna, que assumem o papel de xerimbabos, ou seja, animais de estimação.
Estas criaturas são adquiridas das mais diferentes formas. Podem ser encomendadas por alguma pessoa
da família ou vizinho que desenvolve atividade de caça e tem intimidade com a floresta; no caso das
aves, os ovos ou filhotes podem ser coletados, e no caso dos primeiros, são colocados para chocar em
aves domésticas, como galinhas ou patas. Em algumas situações, os caçadores abatem, por engano,
fêmeas grávidas ou com filhotes; aí os caçadores recolhem os jovens para serem criados e cuidados em
casa sob a justificativa de que um filhote não teria condições de sobreviver sozinho aos perigos da
mata sem a proteção da mãe. Mas o caçador poderia também receber os castigos dos encantados da
mata, como o Curupira ou a Mãe da Mata. Este tema, muito instigante, tanto do ponto de vista
antropológico, como pelo lado das ciências biológicas, em geral tem sido negligenciado pelos
pesquisadores, quando não deveria ser. Em face da diversidade biológica e cultural do Brasil, estudos
dessa natureza devem ser incentivados: etnografias podem documentar as diferentes formas de relação
entre os humanos e os animais, além de elucidar o conhecimento etnoecológico das populações, o qual
pode ser útil em programas de conservação. Este trabalho, portanto, apresentará alguns registros
etnográficos da relação entre povos amazônicos e os xerimbabos.
Palavras-chave: antropologia ecológica, xerimbabo, Amazônia.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
ETNOBOTÂNICA DE PLANTAS MEDICINAIS E DIREITOS DOS
COMUNIDADES TRADICIONAIS NO LITORAL DE SANTA CATARINA
POVOS
E
Sofia Zank1, Mel Simionato Marques1, Natalia Hanazaki1
1
Universidade Federal de Santa Catarina –UFSC
Neste trabalho refletiremos sobre como pesquisas etnobotânicas sobre plantas medicinais podem
auxiliar na luta por direitos de populações tradicionais em áreas com pressão urbana no litoral de Santa
Catarina. Abordaremos dois estudos de caso: agricultores/pescadores(as) dos Areais da Ribanceira,
Imbituba; e pescadores(as) artesanais da Costa da Lagoa, Florianópolis. Nestes locais, o “modo de vida
tradicional” compreende as práticas locais de manejo de recursos – incluindo o conhecimento e uso de
plantas medicinais - e uso comunitário do território, que são desenvolvidas pelas populações costeiras
de descendência açoriana. Nos Areais da Ribanceira, foram entrevistados 21 especialistas locais sobre
plantas medicinais, entre 2009 e 2010, que citaram 197 espécies. Destas plantas, apenas 3,5% são
compradas pelos entrevistados, a maioria são cultivadas (60%) e extraídas da vegetação nativa
(36,5%). A comunidade dos Areais participou durante todo o processo da pesquisa, incorporando os
conhecimentos e resultados da pesquisa na sua luta por reconhecimento e acesso a território. Na Costa
da Lagoa foram entrevistadas 30 pessoas, em 2010, a partir de um levantamento de plantas utilizadas
medicinalmente, feito 14 anos antes. Foram citadas 98 plantas, destas 14% são compradas, o restante
obtidas por extração ou cultivo em quintais. Ainda que a maioria dos reentrevistados da pesquisa na
Costa da Lagoa tenha relatado a falta de interesse dos mais jovens nas plantas medicinais, observou-se
que algumas práticas se mantêm e podem ser reforçadas. Em ambos locais percebemos a importância
dos ambientes naturais e dos quintais e roças para a manutenção do conhecimento associado aos
recursos medicinais. As pesquisas etnobotânicas sobre plantas medicinais, ao sistematizarem e
valorizarem o saber local, as formas e os locais de construção deste conhecimento, podem servir de
instrumentos de reflexão e de luta por populações e serem utilizados nas tomadas de decisões referente
a conservação e uso de seus recursos.
Palavras-chave: plantas medicinais, populações tradicionais, direitos.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
USO DE RECURSOS NATURAIS LOCAIS PARA ALIMENTAÇÃO POR DUAS
COMUNIDADES NO ENTORNO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO EM SANTA
CATARINA.
Elaine Mitie Nakamura¹, Natalia Hanazaki¹
¹Laboratório de Ecologia Humana e Etnobotânica, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
O uso de recursos naturais locais por populações humanas pode ser refletido através da alimentação,
permitindo estudar aspectos das interações das pessoas com a sustentabilidade local e da segurança
alimentar. O objetivo deste trabalho foi caracterizar o uso de recursos naturais locais para alimentação
por famílias residentes no entorno de uma unidade de conservação (UC) em Santa Catarina, o Parque
Estadual Acaraí. Foram visitadas 40 unidades familiares em duas localidades no entorno da UC, Praia
Grande e Tapera, em janeiro de 2012. Para acessar os recursos naturais locais (plantas e animais)
conhecidos e utilizados para alimentação foi feita listagem livre. As mesmas famílias foram
acompanhadas para análise de dieta alimentar, através da metodologia de recordatório 24h de ingestão
alimentar durante três dias consecutivos. Na listagem livre, foram citados como recursos alimentícios
locais 202 nomes de plantas e 114 de animais. Utilizou-se o Índice de Shannon-Wiener (H) para
analisar a diversidade de citações: na Praia Grande, H=1,06212 (20 itens) e na Tapera, H=1,41587 (38
itens). Foram amostradas 480 refeições, nas quais se citaram 236 diferentes itens alimentares.
Classificaram-se os itens de acordo com seu modo de obtenção, sendo considerados locais os recursos
coletados, cultivados/de criação e pescados. Do total de itens alimentares citados, 45 (20%, n=236) se
enquadram na categoria origem local, sendo 33 itens cultivados/de criação, 11 pescados e um coletado;
destes, as famílias da Praia Grande consumiram 20 itens de recursos naturais locais enquanto a Tapera,
38 itens. Nessa, releva-se a frequência de citações de itens pescados (20%, n=121). Os resultados
indicam uma maior riqueza de itens citados na listagem livre na Tapera, bem como mais recursos
locais consumidos. A conexão dos moradores do entorno com os recursos naturais locais aponta para
que os programas de manejo da UC incluam tais demandas, quando compatíveis com os objetivos de
conservação.
Palavras-chave: ecologia humana, unidade de conservação, segurança alimentar
Área temática: Ecologia Humana
!
!
ESTÍMULOS UTILIZADOS PELOS PESCADORES ARTESANAIS PARA INDUÇÃO AO
SALTO DOS PEIXES NA EXTINTA PESCA DO TRIBOMBÓ, NA REGIÃO ESTUARINA DA
BAIXADA SANTISTA-SP
Wilson Moreira Junior1
1
Universidade Estadual Paulista – UNESP.
O tribombó é uma arte de pesca artesanal considerada extinta, a partir de meados da década de 1980, e
que consiste em estimular os peixes do gênero Mugil a saltarem para capturá-los no ar. Apresentar-seá, de forma sucinta, como os pescadores estimulavam o salto dos peixes. O método de estudo foi
baseado em entrevistas com antigos pescadores a partir das reminiscências daqueles que praticaram ou
conheciam essa arte. Os equipamentos utilizados por eles eram canoas ou barcos de madeira de
propulsão a remo. Além disso, utilizavam redes posicionadas em cima ou nas laterais,
longitudinalmente às embarcações, sem contato com a água. Na pesca do tribombó, a captura do peixe
era realizada no ar, sendo necessário, portanto, que o peixe pulasse. É de conhecimento dos pescadores
artesanais e da literatura especializada que o estímulo ao salto dos peixes mugilídeos ocorre
naturalmente ou por provocação antrópica. As comunidades empregavam diferentes estratégicas de
estímulo, que podiam ser utilizadas individualmente ou combinadas, como: a luz, a batida e a
passagem do barco sobre ou ao lado do cardume. A luz era utilizada pela maioria dos pescadores,
sendo a fonte luminosa um lampião, lamparina ou lanterna a pilha, os quais deveriam ser colocados em
posição que não iluminasse o pescador nem a rede; a batida podia ser dada na própria embarcação ou
na água, com o uso do próprio remo ou de um pino; e a passagem do barco sobre ou ao lado do
cardume era a estratégia mais praticada, pois para que os outros estímulos fossem empregados, o barco
deveria estar próximo ou sobre o cardume. As causas de sua extinção não foram identificadas, mas de
acordo com os relatos, estão relacionadas, principalmente, à degradação e aos conflitos ambientais
que, consequentemente, teriam levado à depleção dos estoques pesqueiros e à desestruturação das
comunidades.
Palavras-chave: baixada santista, arte de pesca, tribombó.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
POSSIBILIDADES E DESAFIOS DA GESTÃO COMPARTILHADA DOS RECURSOS
PESQUEIROS NO ALTO-MÉDIO SÃO FRANCISCO
Mariana Aparecida Farias Almeida1, Ana Paula Glinfskoi The1, Daniela Gomes de Oliveira1
1
Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.
Este trabalho tem como objetivo discutir acerca do conhecimento local dos pescadores artesanais do
Alto-Médio São Francisco e as possibilidades e desafios para a implantação da gestão compartilhada
no Alto-Médio São Francisco. Foi utilizada como metodologia a execução de uma oficina com um
grupo de pescadores das cidades de Pirapora, Buritizeiro e Ibiai, localizadas no norte de Minas Gerais.
Os recursos pesqueiros do Brasil, sobretudo os da Bacia do São Francisco são de grande importância
para a população ribeirinha, contudo percebe-se na região, a ocorrência de diversos problemas que
afetam a atividade da pesqueira artesanal, tais como: a poluição do rio, a sobrepesca; os conflitos
socioambientais entre os usuários do rio; a desarticulação das instituições que ordenam e fiscalizam a
pesca; a estipulação de leis que confrontam os conhecimentos ecológicos locais detidos dos pescadores
artesanais (proibição da pesca do Pirá – Leporinous corinostris), conflitos entre pescadores e colônias,
dentre outros. Os pescadores afirmam que esses problemas contribuem para a instabilidade e escassez
dos recursos pesqueiros e compromete a sobrevivência de suas próprias famílias. Na tentativa de
amenizar tais problemas e assegurar a preservação do rio e suas espécies, vem sendo discutido a
implantação da gestão compartilhada na região, nesse modelo a governança dos recursos não se
centraliza no Estado, mas focaliza todos os usuários do rio e dos recursos, sendo todos responsáveis
pela sua manutenção e preservação. Uma das contribuições da gestão compartilhada é a redução de
conflitos entre os diversos usuários dos recursos pesqueiros além de menores gastos com fiscalização e
monitoramento, já que na gestão compartilhada os usuários têm um maior comprometimento em
obedecer a legislação e regras pesqueiras estabelecidas juntamente com a comunidade. O
conhecimento local do pescador é primordial nesse processo.
Palavras-chave: gestão compartilhada, recursos pesqueiros, saberes locais.
Área temática: Ecologia Humana
!
!
!
ETNOBOTÂNICA
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS ENCONTRADAS NAS FEIRAS
LIVRES DO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA–AL
Rubens Pessoa de Barros1, Jhonatan David Santos das Neves1, Daiana Wilma da Silva Lós1, Claudio
Galdino da Silva1
1
Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL
O objetivo desse trabalho foi conhecer a diversidade de plantas medicinais comercializadas em feiras
livres do município de Arapiraca-AL, Nordeste do Brasil, obtendo informações sobre o uso de plantas
medicinais, a partir das indicações atribuídas pelos vendedores. A utilização de plantas medicinais
atualmente é uma prática comum. O interesse por tais plantas é resultado do seu potencial terapêutico e
econômico. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, plantas medicinais são todas aquelas que
contêm em um ou mais de seus órgãos substâncias que podem ser utilizadas com propósitos
terapêuticos ou que sejam precursoras de semi-síntese químico-farmacêutica. A etnobotânica, por ser
considerada de natureza interdisciplinar, permite agregar colaboradores de diferentes ciências. As
feiras livres são vistas como um fator de integração econômica do agreste alagoano. O município
possui nove feiras cadastradas pela prefeitura localizadas nos bairros mais populares da cidade, dentre
as quais a principal ocorre às segundas-feiras, atraindo milhares de habitantes das diversas cidades da
região. Esta pesquisa foi realizada em cinco feiras livres de Arapiraca no período de maio a agosto de
2011. Realizou-se 21 entrevistas semi-estruturadas com erveiros em suas respectivas bancas. Foram
identificadas 103 espécies, distribuídas em 47 famílias. As famílias mais representativas foram a
Fabaceae (21 espécies), a Lamiaceae (6 espécies), Asteraceae e Cucurbitaceae, (5 espécies cada) e
Euphorbiaceae e Apiaceae (4 espécies cada). A forma de utilização das plantas mais citada foi o chá
(66%). As partes das plantas mais utilizadas para o preparo foram as folhas e as sementes (24%). Os
resultados da importância relativa foram 23 (vinte e três) espécies de plantas medicinais, que
apresentaram grande versatilidade quanto aos seus usos, com importância relativa - IR>1. Foram
mencionadas 15 categorias de uso classificadas de acordo com a Organização Mundial da saúde –
OMS. A indicação terapêutica que atingiu o valor máximo do fator de consenso dos informantes (FCI
= 1) foi a categoria relacionada à doenças da pele e do tecido subcutâneo.
Palavras-chave: erveiros, etnobotânica, plantas medicinais, feiras livres.
Área temática: Etnobotânica
!
AVALIAÇÃO DAS ESPIGAS DE MILHO VERDE COMERCIALIZADAS NAS FEIRAS
LIVRES DE ARAPIRACA-AL NUM CONTEXTO ETNOBOTÂNICO
Aline Priscila Ferreira de Oliveira Neto1, Claudio Galdino da Silva1, Evlyn Larisse da Silva Vilar1,
Marcia Farias Cavalcante1, Rubens Pessoa de Barros1
1
Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL
O milho (Zea mays L.) é uma gramínea pertencente à família Poaceae, sendo que todas as variedades
pertencem à mesma espécie. É utilizada principalmente como milho verde, tanto in natura como para
processamento pelas indústrias de produtos vegetais em conserva. O objetivo deste trabalho foi avaliar
os aspectos morfológicos das espigas de milho verde comercializadas nas feiras livres no município de
Arapiraca-AL, nordeste do Brasil, tais como: palha (U), fileiras das sementes (U), quantidade de
sementes (U), espessura da espiga (cm), tamanho da espiga (cm) e quantidade em gramas da massa,
para a produção de pamonha num contexto da etnobotânica. O período da pesquisa foi durante os
meses de maio a agosto de 2011 e levantou informações quanto à produção de milho no sistema de
cerqueiro, no município de Arapiraca. Foram entrevistados 35 comerciantes, sendo 30 agricultores e
cinco vendedores, através de entrevista semi-estruturada para a coleta dos dados etnobotânicos. O
cultivo é feito por pequenos agricultores utilizando mão de obra do grupo familiar, em sua maioria em
áreas inferiores a 10 hectares, num minifúndio agrário natural. No registro etnobotânico, a pesquisa
revelou uma relação estreita de sobrevivência dos grupos familiares, demonstrada através do plantio e
uso do produto vegetal pelos ancestrais e tendo continuação pelas gerações presentes nas diversas
comunidades, fazendo os mesmos produtos da culinária e comercialização nas feiras-livres. A cultivar
utilizada não é a mesma dos primeiros moradores da região. Usam, para o plantio na região do agreste
alagoano, a variedade AG 1051, adaptada às condições edafoclimáticas. Os resultados revelaram que
as características avaliadas das espigas de milho verde coletadas, revelam a média de produtividade
desta cultivar e nas condições do solo e clima. O valor médio por espiga comercializada nas feiras
visitadas foi R$ 0,50 (cinqüenta centavos), sendo que a massa de uma espiga produz uma pamonha que
custa em média R$ 1,50 (um real e cinqüenta centavos), proporcionando um lucro para o agricultor ou
fabricante da pamonha.
Palavras-chave: milho verde, feiras livres, etnobotânica.
Área temática: Etnobotânica
!
USO, CONHECIMENTO E EXTRAÇÃO DO CANDOMBÁ (Vellozia sincorana) NA
CHAPADA DIAMANTINA, BA, BRASIL
Regina Célia da Silva Oliveira1, Jumara Marques Souza1, Fábio Pedro de Souza Bandeira1, Abel
Augusto Conceição1
1
Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
Fundamentado na inter-relação homem/planta, este trabalho buscou conhecer e registrar
conhecimentos do candombá (Vellozia sincorana L.B.Sm. & Ayensu), planta endêmica da Chapada
Diamantina, relacionando-os às suas diferentes formas de uso e práticas de extração local, por uma
comunidade localizada no entorno do Parque Nacional da Chapada Diamantina. A pesquisa foi
iniciada após o Termo de Consentimento Livre Esclarecido ter sido lido e aprovado pelos
participantes. Os dados foram obtidos através de questionários semi-estruturados (14 informantes), que
foram categorizados em dois grupos: coletores e donas de casa. As entrevistas foram gravadas e
posteriormente transcritas. A técnica adotada para seleção desses participantes foi o método Bola de
Neve. Através das entrevistas etnobotânicas, avaliou-se a evolução histórica do uso e manejo do
candombá na comunidade. As formas de uso empregadas variam historicamente e podem ser
categorizadas de três maneiras: 1) combustível, para iniciar fogo a lenha; 2) tocha, para clarear as
estradas no percurso noturno de uma comunidade a outra; 3) candeia, para clarear as casas e tocas de
garimpeiros. As diferentes formas de retirada da planta foram classificadas como retirada completa da
planta seca; colheita de plantas encontradas em córregos e corte da planta na altura do solo.
Constataram-se as potencialidades históricas do candombá e sua importância para a comunidade local,
principalmente em termos de uso de subsistência, já que não havia energia elétrica na época de maior
atividade extrativista. Os resultados demonstram que a comunidade estudada possui vasto
conhecimento sobre o candombá, tais saberes podem contribuir para o êxito de práticas voltadas para a
conservação da flora local.
Palavras-chave: comunidade tradicional, unidade de conservação, extrativismo vegetal.
Área temática: Etnobotânica
!
PERCEPÇÕES ECOLÓGICAS DE COMUNIDADES RESIDENTES NO ENTORNO DO
PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA, BA, BRASIL
Regina Célia da Silva Oliveira1, Leonardo Batista de Lima Jesus1, Fábio Pedro de Souza Bandeira1,
Abel Augusto Conceição1
1
Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
Populações que habitam o entorno de Unidades de Conservação se relacionam com o ambiente e
podem fornecer informações úteis para conservação e uso sustentado dos recursos naturais. Este estudo
foi realizado junto a duas comunidades residentes no entorno do Parque Nacional da Chapada
Diamantina (PNCD), visando obter informações sobre a atuação dos gestores do PNCD, assim como
sobre a biologia e conhecimentos tradicionais do candombá (Vellozia sincorana L.B.Sm. & Ayensu),
uma espécie de planta endêmica da Chapada Diamantina, que depende do fogo para floração. O PNCD
situa-se na região central do estado da Bahia, Microrregião da Chapada Diamantina Meridional,
abrangendo cinco municípios: Lençóis, Palmeiras, Andaraí, Mucugê e Ibicoara. Os 32 participantes,
entre 25 e 92 anos, foram escolhidos através do método intencional “Bola de Neve”, para a realização
de entrevistas semi-estruturadas. Quando questionados sobre o florescimento, frutificação e
polinização da espécie, 24 pessoas afirmaram já terem visto as flores de cor azul, lilás a roxo, mas
disseram não observar a época de floração. Quanto aos frutos e polinização, apenas dois participantes
declararam já ter visto o “pendãozim”, “botãozim” (fruto) e “beija flores e insetos em cima da flor do
candombá” (visitantes florais). Para o crescimento da planta, apenas oito informantes afirmaram que o
candombá demora muito para crescer, mas não sabem especificar: “demora muito, ali leva é ano para
crescer, uma vida toda”. Observou-se também que alguns dos entrevistados mostraram-se prejudicados
com a formação do PNCD, mas outros declararam ter sido positiva a criação do parque, “pois houve
proibição das pessoas colocarem fogo nas serras”. A falta de informação sobre a biologia do candombá
pode estar relacionada à rara ocorrência de flores e ao lento crescimento da espécie, enquanto os
conflitos entre gestores do PNCD e comunidade local podem estar relacionados à falta de diálogo por
parte dos gestores do Parque, dificultando as ações voltadas à conservação no PNCD.
Palavras-chave: recurso vegetal, conhecimento local, Vellozia sincorana.
Área temática: Etnobotânica
!
ASPECTOS ETNOBOTÂNICOS DE ARACEAE JUSS. NA COMUNIDADE SANTA MARIA,
BAIXO RIO NEGRO – AM
Rina Fátima Maranhão de Oliveira1, Maria de Lourdes da Costa Soares2, Valdely Fereira Kinupp3
1
Universidade Nilton Lins – UNI NILTON LINS
2
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA
3
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM-CMZL
Araceae possui espécies bem conhecidas no âmbito econômico para o homem, destacando-se por
serem utilizadas como plantas medicinais, alimentícias, fibrosas e, principalmente, ornamentais. O
objetivo geral deste trabalho foi realizar um levantamento etnobotânico das espécies de Araceae
utilizadas na comunidade Santa Maria, localizada na Área de Proteção Ambiental da Margem
Esquerda do rio Negro, setor Aturiá-Apuauzinho, no município de Manaus -AM. As informações
foram coletadas utilizando o método “turnê-guiada”, “bola de neve” e registradas através de
questionário semi-estruturado. A análise das informações foi realizada através do índice de Valor de
Uso. No total, foram encontradas 51 espécies de Araceae distribuídas em 15 gêneros, dos quais
Philodendron foi o mais diverso com 22 espécies. Deste total, foram identificadas 23 espécies úteis de
Araceae, encontradas tanto na área de floresta como cultivadas na comunidade, com indicações de
usos artesanais, alimentícios, medicinais, ornamentais e místicos. As espécies que apresentaram maior
índice de Valor de Uso (VU) foram Philodendron solimoesense A.C.Sm. (VU = 0,6) e Heteropsis
flexuosa (Kunth) G.S. Bunting (VU = 0,5), cujas raízes são utilizadas como fonte de fibra para a
confecção de artigos artesanais. O uso das raízes das espécies Monstera obliqua Miq., conhecida no
local como “ambé-sima” e P. solimoesense, como “ambé-coroa”, foi registrado pela primeira vez
como fonte de fibras para o artesanato.
Palavras-chave: artesanato, cipó-titica, cipó-ambé.
Área temática: Etnobotânica
!
UMA BREVE REVISÃO SOBRE OS ENTRAVES PARA A PESQUISA E O
DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS NATURAIS NO BRASIL, EM ESPECIAL NA
AMAZÔNIA
Camilo Tomazini Pedrollo1, Valdely Ferreira Kinupp2
1
Programa de Pós-Graduação em Botânica, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA
2
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, IFAM-CMZL
Foram consultados periódicos, anais de congressos, revistas de divulgação científica e capítulos de
livros para tratar sobre a problemática gerada pelas leis de acesso à biodiversidade e conhecimento
tradicional associado. Nem mesmo com o aprimoramento da capacidade de desvendar compostos úteis
de organismos temos hoje no cenário científico um aumento considerável no número de novas
descobertas. Depois de aprovado o texto da Convenção sobre Diversidade Biológica na ECO-92, a
visão mundial acerca do acesso a recursos biológicos se alterou. A introdução de acordos de acesso e
repartição de benefícios, apesar de aparentemente bem intencionados, complicaram os programas de
coleta e pesquisa de diversas maneiras, o que levou a uma decaída no interesse corporativista e
acadêmico sobre a descoberta de produtos naturais. Nunca houve muita discussão para o
estabelecimento de um valor de mercado internacional justo para o acesso a recursos genéticos. No
Brasil, tanto a execução como a revisão de acordos estão defasados em relação a outros países
emergentes, pois são burocráticos e levam muito tempo, acarretando consequências desastrosas,
especialmente para projetos de curto prazo. O valor financeiro do conhecimento tradicional está
subvalorizado na Amazônia, representando 2,8% do PIB regional e 0,2% do brasileiro. Mudar
pequenos valores requer investimentos em P&D que estejam de acordo com o interesse das
comunidades estudadas. O Brasil possui vantagens e oportunidades para isso, no entanto, a
problemática está longe de ser resolvida e configura um entrave para as pesquisas etnobiológicas e
para o desenvolvimento de produtos oriundos de patentes envolvendo conhecimento tradicional. Criar
barreiras para a biopirataria e proteger a biodiversidade não pode significar um prejuízo às pesquisas
científicas sérias e bem intencionadas. Dessa maneira, é necessário o debate acadêmico aprofundado,
buscando-se posicionamentos mais robustos por parte dos pesquisadores, eventualmente na forma de
pareceres técnicos, pautados nas contradições e lacunas da legislação ora vigente.
Palavras-chave: conhecimento tradicional, fitoterápicos, repartição de benefícios.
Área temática: Etnobotânica
!
ETNOBOTÂNICA E DIVERSIDADE DE USOS DE ESPÉCIES DE EUGENIA NO BRASIL
Edmir Vicente Lamarca1, Domingos Sávio Rodrigues1, Batista Waldyr1, Claudio José Barbedo1,
Clovis José Fernandes de Oliveira Júnior1
1
Instituto de Botânica
O conhecimento etnobotânico da biodiversidade brasileira tem despertado interesse da comunidade
científica e tecnológica, para o estudo e utilização de seus recursos genéticos. Além disso, o resgate
deste conhecimento contribui como importante passo para conservação dos recursos genéticos nativos.
A flora brasileira apresenta grande potencial para utilização econômica, promotora de
desenvolvimento local. Um dos exemplos desta potencialidade é o gênero Eugenia (Myrtaceae),
representado por mais de 100 espécies. O objetivo deste estudo foi analisar a distribuição geográfica
do conhecimento etnobotânico de espécies de Eugenia no Brasil e suas formas de uso. O levantamento
de dados foi realizado por meio de revisão da bibliografia científica disponível nos portais Scielo e
Web of Science, utilizando as palavras chave Eugenia, conhecimento tradicional, etnobotânica, frutas
nativas e Myrtaceae. Foram analisados 45 artigos, sendo 3 da região norte, 12 da nordeste, 7 da centrooeste, 15 da sudeste e 8 da região sul, destacando-se o baixo número de publicações na região norte. A
grande maioria dos artigos tratavam de levantamentos etnobotânicos ou sobre propriedade de
determinadas espécies, não sendo encontrados artigos sobre a família. As regiões, sudeste, sul e norte
apresentaram maior representatividade de espécies, em relação ao número de comunidades analisadas.
As espécies de Eugenia apresentam usos principalmente em três categorias: alimentar, medicinal e
madeirável. Na região Norte, destaca-se o uso madeirável, não ocorrendo o medicinal, ao contrário das
outras regiões. Já o uso alimentar esteve presente em todas as regiões. Outros usos também foram
encontrados, como o ornamental, contudo, em escala menor. Dentre as espécies do gênero, Eugenia
uniflora L. foi a mais representativa. Além da pitanga, outras espécies desse gênero apresentam ampla
distribuição e potencial de uso, demonstrando que seu registro etnobotânico é importante ferramenta
para a preservação deste conhecimento, servindo como base para o desenvolvimento de novos
produtos associados à sociobiodiversidade.
Palavras-chave: botânica econômica, conhecimento tradicional, ecoprodutos.
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO DOS VENDEDORES DE PLANTAS DITAS COMO
MEDICINAIS NA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE GUANAMBI - BA
Lílian Tibo de Souza Pimentel1, Maria Elizangela Ramos Junqueira2
1
Departamento de Ciências Humanas, Universidade do Estado da Bahia – UNEB
2
Departamento de Educação, Universidade do Estado da Bahia – UNEB
A cidade de Guanambi possui parcela da população oriunda da zona rural. Essas pessoas preservam
seus costumes e crenças, preferindo fazer uso de conhecimentos tradicionais relacionados às plantas
medicinais como primeiro recurso a ser utilizado em caso de uma enfermidade. A feira livre é um
elemento cultural marcante no território brasileiro e, em Guanambi, é o espaço principal para
comercialização de plantas medicinais. O objetivo foi inventariar o conhecimento etnobotânico de
vendedores sobre as plantas medicinais conhecidas e usadas na feira livre do município. Utilizou-se
“rapport” para aproximação com os vendedores de plantas e técnicas como questionário estruturado e
entrevistas semi-estruturadas. Através da indicação dos entrevistados, os espécimes vegetais foram
coletados, utilizando técnicas usuais de herborização. O material obtido encontra-se depositado no
Herbário da Universidade do Estado da Bahia, Campus VI (HUNEB-Coleção Caetité). Essa pesquisa
foi submetida e aprovada pelo CEP da UNEB. Foram amostrados dez vendedores, sendo oito mulheres
e dois homens, com faixa etária entre 38 e 74 anos. Destes, todos adquiriram os conhecimentos
etnobotânicos com os seus parentes mais velhos, demonstrando que esses saberes são transmitidos pela
oralidade de geração a geração. Foram encontradas 33 espécies ditas como medicinais,
comercializadas nas bancas de vendas na feira livre, distribuídas em 19 famílias botânicas. As famílias
mais citadas foram Lamiaceae 18%, Apiaceae 15%, Asteraceae 9%. Das espécies medicinais, 70% são
obtidas através do cultivo nos quintais residenciais, roçados e terreiros e 30% são adquiridas de outros
comerciantes, principalmente do município de Caetité, Bahia. A parte mais utilizada são as folhas,
principalmente para uso em chás medicinais. O armazenamento das plantas é feito usando sacos
plásticos ou de papel, para 70% dos feirantes. Os usos mais citados foram para as doenças do sistema
respiratório 27%, doenças do sistema digestório 17% e geniturinário 16%. Foi evidenciado que,
embora haja conhecimentos etnobotânicos relevantes entre os comerciantes, ainda existem imprecisões
sobre o uso dos vegetais. É necessária uma disseminação urgente de informações corretas sobre a
utilização das plantas
Palavras-chave: saberes etnobotânicos, vendedores de plantas medicinais, fitoterapia.
Área temática: Etnobotânica
!
O COMPORTAMENTO DE CITAÇÃO EM TRABALHOS CIENTÍFICOS POPULARES: O
QUE ESTÁ OCULTO POR TRÁS DAS CITAÇÕES? UM ESTUDO DE CASO NA
ETNOBOTÂNICA
Marcelo Alves Ramos1, Joabe Gomes de Melo1, Ulysses Paulino de Albuquerque1
1
Universidade Fedral Rural de Pernambuco – UFRPE
Estudos de citação tornam-se uma importante ferramenta para compreensão dos processos de
comunicação científica, permitindo identificar uma série de características do comportamento de uso
da informação recuperada. Este trabalho buscou analisar o comportamento de citação a partir de dois
artigos populares em etnobotânica: Phillips & Gentry (1993) (P&G) e Bennett & Prance (2000)
(B&P). Realizou-se uma busca em todos periódicos disponíveis no banco de dado SCOPUS, com a
finalidade de obter todos os artigos que citaram esses trabalhos. Tal busca ocorreu no mês de
novembro de 2011, sendo possível resgatar 131 artigos que citaram P&G e 81 que citaram B&P. Esses
artigos foram analisados individualmente, e em cada momento que citavam os autores selecionados, o
texto foi classificado em três categorias: (1) citação de menor relevância, pois não considerou a ideia
central do artigo citado; (2) citação de relevância intermediária, feita para replicação da técnica
quantitativa sugerida pelo trabalho; (3) citação de maior relevância, pois considerou a novidade
apresentada pelos autores. A análise das citações mostrou um perfil curioso, 42.3% dos artigos que
citaram P&G e 56.5% dos que citaram B&P não consideraram a contribuição teórica trazida pelos
artigos citados (categoria 1). Em segundo lugar, destacaram-se as citações classificadas na categoria 2,
(28.7% dos trabalhos que citaram P&G; 38.5% dos que citaram B&P). Curiosamente, apenas a minoria
dos trabalhos analisados citaram as referências considerando a sua real contribuição teórica (valor
intrínseco). O cenário observado nos faz crer em duas possibilidades: a) os autores citantes estão
transitando superficialmente nas leituras dos textos originais que citam; b) esses trabalhos não são
lidos pela grande maioria daqueles que os referenciam. Assim, percebe-se que mesmo com acesso a
bons textos de referência, trabalhos etnobotânicos permanecem destacando elementos menos
relevantes nas pesquisas e reproduzindo discussões de forma não reflexiva.
Palavras-chave: cientometria, análise de citação, plágio.
Área temática: Etnobotânica
!
O USO DOMÉSTICO DE LENHA EM DUAS COMUNIDADES RURAIS DA CAATINGA:
COMO A SAZONALIDADE AMBIENTAL INTERFERE NOS PADRÕES DE COLETA
DESSE RECURSO?
Marcelo Alves Ramos1; Ulysses Paulino de Albuquerque1
1
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
Uma das principais formas de extração da vegetação da Caatinga é o corte de madeira para lenha. Mas
apesar de sua importância social, e de sua capacidade de promover impactos ao ambiente, no
semiárido brasileiro não existem estudos que avaliem a dinâmica da coleta desse recurso em relação a
fatores temporais. Assim, a principal finalidade deste trabalho foi mostrar se a sazonalidade climática
da caatinga pode interferir nos padrões locais de coleta de lenha. Entre dezembro de 2008 a fevereiro
de 2010 foram realizadas entrevistas e onze inventários in situ nas residências de duas comunidades
rurais do município de Soledade, estado da Paraíba (Nordeste do Brasil). Durante os inventários in situ
todos os estoques foram medidos (m³) e a diversidade de espécies foi registrada. Um total de 22
espécies foi catalogado, mas a pressão de coleta não esteve distribuída em todas as plantas, existe um
grupo restrito de espécies que são coletadas durante o ano inteiro, ocorrendo com maior abundância e
frequência nas residências. Apesar da riqueza de espécies não ter sido influenciada pela sazonalidade,
o volume de lenha variou significativamente entre as estações secas e chuvosas, mostrando que no
período de estiagem as pessoas realizam mais coletas, e por consequência a vegetação local sofre
maior pressão extrativista para esse uso. Os resultados alcançados aqui reforçam a necessidade de
pesquisas que analisem o potencial de rebrota, produtividade das plantas após o corte seletivo e o
tempo de repouso necessário para realização de um novo ciclo de corte, pois só dessa forma será
possível compreender melhor as implicações do uso doméstico de lenha para a conservação local.
Palavras-chave: biomassa, corte seletivo, distúrbios antropogênicos
Área temática: Etnobotânica
!
PLANTAS MEDICINAIS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA EXPERIÊNCIA NA
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
Renata Palandri Sigolo Sell1; César Simionato2
1Depto. História - Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
2
Horto de Plantas Medicinais - Hospital Universitário – UFSC
A presente comunicação pretende relatar a primeira experiência do Laboratório de História, Saúde e
Sociedade (LABHISS) da UFSC junto à Educação de Jovens e Adultos (EJA), EJA Centro 1Florianópolis. Este encontro foi proporcionado pela atuação no Projeto de Extensão Plantas Medicinais
e os cuidados com a saúde: escrevendo várias histórias, realizado durante o ano de 2011. As atividades
desenvolvidas pelos bolsistas envolveram a pesquisa e a produção de material didático sobre o uso de
plantas medicinais em diferentes contextos históricos: Índia Antiga, China Antiga, Grécia Antiga,
Europa Medieval, Idade Moderna, Período Contemporâneo e Brasil. As atividades das oficinas foram
precedidas pela construção conjunta de um roteiro de entrevistas, aplicadas pelos alunos da EJA, a fim
de detectar e reconhecer o uso de plantas medicinais em suas comunidades. Os alunos partilharam suas
percepções em outro encontro, que foi acompanhado de uma produção artística sobre o que
observaram ou sobre a sua própria percepção das plantas medicinais. Em um segundo momento,
levamos os alunos da EJA para conhecer o Horto de Plantas Medicinais do HU/UFSC. Neste espaço,
os alunos e professores da EJA puderam ter contato com os funcionários e voluntários do espaço,
coordenado pelo Dr. César Simionato. A partir do conhecimento do presente, desenvolvemos as
abordagens históricas propostas pelas oficinas, onde buscamos envolver os alunos de forma lúdica e
questionadora. Encerrando nossa participação na EJA Centro 1, exibimos a animação « Faz mal? »
produzida pela equipe do LABHISS em parceria com o LAPIS (Laboratório de Imagem e Som), que
proporcionou um interessante debate de encerramento.
Palavras-chave: plantas medicinais, história da saúde, ensino de história
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS ÚTEIS NO ASSENTAMENTO IPORÁ-AM
Edinei Santos da Silva1; Valdely Ferreira Kinupp1
1
Instituto Federal do Amazonas – IFAM/CMZL
O objetivo da pesquisa foi realizar um estudo etnobotânico de plantas úteis no assentamento Iporá, nas
comunidades Novo Horizonte no município de Rio Preto da Eva e Viva Bem no município de
Itacoatiara (a cerca de 135 km e 144 km, respectivamente, da cidade de Manaus-AM), buscando
estudar a interação entre pessoas e vegetais. O trabalho iniciou-se a partir de reunião com as
comunidades envolvidas, no mês de agosto de 2011. As entrevistas e coletas botânicas ocorreram nos
meses de março e maio de 2012. O método utilizado foi o “Bola de Neve” com entrevistas semiestruturadas, permitindo aprofundar elementos que surgem durante as entrevistas. Foram entrevistados
19 agricultores apontados como maiores conhecedores de utilização de plantas nas duas comunidades.
Para as coletas botânicas seguiu-se a metodologia usual, prensando as amostras diretamente no campo.
A circunscrição das famílias segue APG III e estão depositadas no Herbário do Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, Campus Manaus - Zona Leste (EAFM). As categorias
de uso encontradas foram: medicinal, alimentícia e repelente. Ao total foram realizadas 54 coletas
(exsicatas), além de frutos/sementes para a carpoteca. As famílias botânicas mais representativas
foram: Fabaceae sensu lato, Piperaceae, Rubiaceae e Poaceae. Quanto aos usos, o medicinal destacouse e o maior número de citações foi para cura de doenças relacionadas ao estômago. No geral as partes
mais usadas foram folhas com 52% e frutos representando 25% e a forma de preparo mais indicada foi
decocção. Referente às formas de propagação das espécies utilizadas destacaram-se sementes e galhos.
O estudo mostra que os moradores da localidade têm conhecimentos relevantes sobre uso de plantas,
mas precisam ser valorizados com políticas públicas que fortaleçam a manutenção desses saberes.
Palavras-chave: conhecimento popular, agricultores, coletas botânicas
Área temática: Etnobotânica
!
A SÍNDROME DE DOMESTICAÇÃO DO URUCUM NA AMAZÔNIA
Juliana Lins1; Priscila Ambrósio Moreira1; Charles R. Clement1
1
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA
O urucum (Bixa orellana L.) é um arbusto nativo da Amazônia com populações domesticadas,
distribuído à época da conquista européia desde a América do Sul até a Mesoamérica. Das sementes
dos seus cultivares obtém-se um pigmento em pó com múltiplos usos tradicionais. Embora existam
registros botânicos listando tipos silvestres, não há descrição de sua síndrome de domesticação. Nosso
objetivo geral é descrever a síndrome de domesticação desta planta na Amazônia. Para isso buscamos
(1) mapear e descrever suas populações silvestres; (2) Comparar com as descrições de suas sinonímias;
(3) Descrever relatos sobre uso, nomes locais e conhecimento ecológico sobre populações silvestres.
Foram visitados quintais e capoeiras adjacentes ao longo dos principais rios da Amazônia. Registros
botânicos foram consultados na plataforma ‘speciesLink’, bem como as descrições originais das
sinonímias; a classificação adotada segue a “Lista de Espécies Flora do Brasil”. Foram encontradas
populações não cultivadas em quatro localidades em ambientes ripários nos municípios de Mucajaí em
Roraima, Nova Mamoré, em Rondônia, Monte Alegre e Almeirim no Pará. As diferenças morfológicas
em relação às populações cultivadas estão no formato e tamanho dos frutos, número de sementes e
produção de pigmento, quase nula nas populações silvestres, correspondendo às descrições das
sinonímias B. urucurana e B. orellana var. urucurana. No Pará, populações não cultivadas foram
classificadas popularmente como “urucum bravo”, foi relatado seu não uso e que cruzavam com o
“urucum manso” (cultivado), “prevalecendo o bravo”. Concluímos que essas não são populações
remanescentes de antigos plantios, nem escapes, e as mudanças nas características morfológicas do
tamanho e forma do fruto e produção de pigmento nas sementes caracterizam a síndrome de
domesticação. Algumas populações de B. orellana merecem um status taxonômico de variedade para
diferenciá-las das populações cultivadas e assim entender melhor a história de domesticação deste
cultivar. Agradecemos à FAPEAM e CT Amazônia 57.5588/08-0.
Palavras-chave: Bixa orellana, quintais, taxonomia
Área temática: Etnobotânica
!
ANÁLISE DO VALOR DE USO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS EM
COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
SEIS
João Everthon da Silva Ribeiro1; Natan Medeiros Guerra2; Kamila Marques Pedrosa2; Carlos Antônio
Belarmino Alves3; Reinaldo Farias Paiva de Lucena2
1
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba –UFPB
2
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Depto de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Alguns pesquisadores têm analisado a eficiência dos métodos de pesquisa utilizados nos estudos
etnobotânicos, entre eles o do valor de uso (VU), o qual determina a importância relativa de uma
espécie, relacionando-a aos usos citados pelas pessoas. Contudo, o mesmo apresenta uma limitação
que é a não distinção entre usos atuais e potenciais. O presente estudo testou o VU baseado em três
perspectivas buscando verificar se essa distinção interfere no elenco das espécies mais importantes
localmente. Foram realizadas entrevistas com os chefes domiciliares (homem/mulher) em seis
comunidades rurais da Paraíba: São Francisco (Cabaceiras,123 informantes-53H/70M), Pau D’arco
(Itaporanga, 15-8H/7M), Barroquinha (Lagoa, 66-25H/41M), Coelho (Remígio, 37-17H/20M), Várzea
Alegre (São Mamede, 36-17H/19M), Capivara (Solânea, 112-53H/59M), totalizando 389 informantes,
os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW nº297/11). O VU foi calculado testando informações obtidas por meio dos três tipos de
cálculos (VUatual/VUpotencial/VUgeral), diferenciando as citações de uso atual de potencial. A relação
entre os VUs foi testada pela Correlação de Pearson e pelo Teste de Wilcoxon. De forma geral,
observou-se que as espécies mais importantes tenderam a permanecer no elenco de cada valor entre as
cinco primeiras colocações, modificando apenas sua posição. Em Várzea Alegre, São Francisco,
Capivara e Coelho a espécie mais importante no VUgeral e VUatual permaneceu em 1º lugar,
modificando apenas a partir da 2ª colocação. Já em Barroquinha e Pau D’Arco, houve mudanças com
relação a espécie mais importante nos valores de VUgeral e VUatual. Foram encontradas fortes
correlações entre todos os valores de uso em todas as comunidades (p<0,0001). De forma geral, o
elenco das espécies modificou em cada valor de uso evidenciando a necessidade da distinção entre
citações de uso atual de potencial para determinar as mais importantes localmente, e que de fato são
utilizadas na comunidade.
Palavras-chave: etnobotânica quantitativa, valor de uso, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
APARÊNCIA ECOLÓGICA E IMPORTÂNCIA DE PLANTAS ÚTEIS: TESTANDO
DIFERENTES VALORES DE USO
João Everthon da Silva Ribeiro1; Thamires Kelly Nunes Carvalho2; João Paulo de Oliveira Ribeiro1;
Natan Medeiros Guerra2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena2
1
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba –UFPB
2
Depto.de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A hipótese da aparência ecológica enfatiza que uma espécie de alta importância e utilização local é a
que estiver mais disponível na vegetação, sendo chamada de planta aparente. O presente estudo testou
essa hipótese, em sua vertente ecológica, na comunidade rural Capivara, município de Solânea
(Paraíba-Nordeste-Brasil), área de caatinga. Utilizou-se o valor de uso (VU) testando as informações
obtidas por meio de três tipos de cálculos (VUatual/VUpotencial/VUgeral), distinguindo as citações de uso
em atual e potencial. Para testar a hipótese foi realizado um inventário da vegetação em duas áreas da
comunidade (uma degradada-A1, e uma conservada-A2) por meio de parcelas, e entrevistas semiestruturadas com 112 informantes (59 mulheres e 53 homens), os quais assinaram o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Foi utilizado o
Coeficiente de Correlação de Spearman para correlacionar os dados fitossociológicos com os
etnobotânicos. Foram registradas 25espécies, 24gêneros e 11famílias na A1, e 20espécies, 19gêneros e
9famílias na A2. Obtiveram-se correlações positivas entre o VUgeral com dominância e área basal nas
duas áreas (p<0,05), VUatual com dominância e área basal nas duas áreas (p<0,05), e com valor de
importância em A1 (p<0,05) e densidade na A2 (p<0,05). Com relação às categorias de uso, na A1
encontraram-se correlações positivas na categoria construção (VUgeral com todos os parâmetros
fitossociológicos, p<0,05; VUatual com densidade e valor de importância, p<0,05). Na A2 correlações
positivas nas categorias construção e combustível entre os VU com todos os parâmetros
fitossociológicos (p<0,05), medicinal entre o VUatual e VUgeral com todos os parâmetros
fitossociológicos (p<0,05), e VUpotencial com frequência, dominância, valor de importância e área basal,
e na ornamental entre VUgeral com frequência (p<0,05). A aparência ecológica explicou, de forma
expressiva, a importância local das plantas úteis nas categorias construção, combustível e medicinal, e
de forma pouco expressiva na ornamentação. Observaram-se também respostas diferentes a partir dos
diferentes VU.
Palavras-chave: etnobotânica, valor de uso, florestas secas
Área temática: Etnobotânica
!
O USO DE ESPÉCIES VEGETAIS NATIVAS ÚTEIS PODE SER EXPLICADO POR SUA
DISPONIBILIDADE LOCAL EM UMA ÁREA DO SERTÃO DA PARAÍBA?
João Paulo de Oliveira Ribeiro1; Kamila Marques Pedrosa2; Rodrigo Ferreira de Sousa3; Carlos
Antônio Belarmino Alves2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena2
1
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba –UFPB
2
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB.
3
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
A Hipótese da Aparência Ecológica prediz que as espécies úteis de maior importância local são as
mais disponíveis na vegetação. O presente estudo testou essa hipótese na comunidade rural de
Barroquinha, sertão da Paraíba (Nordeste, Brasil), município de Lagoa. No teste utilizou-se o valor de
uso (VU), testando as informações obtidas por meio de três tipos de cálculos, sendo VUatual, VUpotencial
e VUgeral. Foram realizados inventários da vegetação em duas áreas da comunidade (conservada – A1;
degradada – A2), e aplicadas entrevistas com 66 informantes (41 mulheres e 25 homens), os quais
assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº
297/11). Foi utilizado o Coeficiente de Correlação de Pearson e a Regressão Linear Simples para
correlacionar os dados fitossociológicos e etnobotânicos. A correlação entre gêneros foi testada pela
Correlação de Pearson, e entre os VUs Correlação de Pearson e Teste de Wilcoxon. Foram registradas
16 espécies úteis na A1 e 18 na A2. Só foram registrados correlações positivas na A1 entre as espécies
e os dados fitossociológicos, entre VUatual com área basal e dominância (p<0,05). A única categoria
que apresentou correlação positiva foi tecnologia (A1) entre VUgeral com área basal, dominância e
valor de importância; VUatual com área basal, densidade, dominância e o valor de importância (ambos
com p<0,05); e VUpotencial com área basal, densidade, dominância e valor de importância (p<0,05). Na
A2, construção entre VUatual com densidade, dominância, valor de importância e área basal (p<0,05). O
teste de Wilcoxon evidenciou que há correlação entre VUgeral e VUatual, VUgeral e VUpotencial, VUatual e
VUpotencial (p<0,0001). Os homens e as mulheres consideraram as mesmas espécies como mais
importantes (p<0,0001). A aparência ecológica explicou melhor a relação de uso e disponibilidade de
espécies com fins madeireiros.
Palavras-chave: aparência ecológica, valor de uso, florestas secas
Área temática: Etnobotânica
!
ÍNDICE DE PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE PLANTAS ÚTEIS EM UMA ÁREA DO
SERTÃO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL)
João Paulo de Oliveira Ribeiro1; João Everthon da Silva Ribeiro1; Rodrigo Ferreira de Sousa2; Carlos
Antônio Belarmino Alves3; Reinaldo Farias Paiva de Lucena3
1
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba –UFPB
2
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
3
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnobotânica, nos últimos anos, tem direcionado parte de seus esforços no desenvolvimento de
estratégias e abordagens que colaborem nas propostas de conservação da biodiversidade. O presente
estudo buscou identificar, por meio do Índice de Prioridade de Conservação (IPC), quais espécies
nativas da caatinga estão necessitando de uma atenção conservacionista. O estudo foi desenvolvido na
comunidade rural Barroquinha, município de Lagoa (Paraíba/Nordeste do Brasil). Foi realizada uma
amostragem da vegetação, por meio de parcelas, em áreas distintas da comunidade (conservada – A1;
degradada – A2), e aplicadas entrevistas com 66 informantes (41M/25H), os quais assinaram o termo
de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). O IPC foi
calculado por meio de dados etnobotânicos e fitossociológicos, segundo a fórmula: IPC = UL + DU +
SE + DR + FR. Onde: UL representa o nº de informantes que citaram a espécie; DU o nº de usos
atribuídos a espécie; SE os tipos de sinais extrativistas visualizados nas áreas amostrais; FR a
frequência relativa e DR a densidade relativa do levantamento fitossociológico. No caso do SE foi
considerado o maior escore, visto que uma mesma espécie poderia se enquadrar em mais de um valor
(exemplo: rebrota e tronco). Cada espécie recebeu um escore representado pelo somatório de todos os
critérios adotados. Foram registradas 20 espécies úteis, 18 gêneros e 10 famílias. Por meio do IPC foi
detectado a necessidade de estudos e ações conservacionistas para Anadenanthera colubrina (Vell.)
Brenan (escore= 40), Ximenia americana L., Amburana cearensis (Allemão) A.C.Sm., Ziziphus
joazeiro Mart. (ambos com escore= 37), Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P.Queiroz, Combretum
fruticosum (Coefl) Stuntz (ambos com escore= 34). A partir dessas informações sugere-se a realização
de estudos específicos com tais espécies para avaliar sua situação na vegetação e possíveis pressões de
uso.
Palavras-chave: caatinga, etnobotânica, conservação
Área temática: Etnobotânica
!
FLORA BIOINDICADORA DE FENÔMENOS NATURAIS EM REGIÕES NO SEMIÁRIDO
DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL)
Carlos Antônio Belarmino Alves1; Camilla Marques de Lucena1; Thamires Kelly Nunes Carvalho1;
João Everthon da Silva Ribeiro2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Baseado nas culturas e tradições, em algumas regiões do semiárido, as populações tradicionais
reconhecem que algumas espécies vegetais podem ser utilizadas para indicar fenômenos naturais. O
presente estudo registrou o conhecimento que os agricultores das comunidades rurais de Barroquinha e
Besouro (Lagoa, PB), Coelho (Remígio, PB), Várzea Alegre (São Mamede, PB) e Capivara (Solânea,
PB) possuem sobre as espécies vegetais bioindicadoras de fenômenos climáticos. Foram realizadas
entrevistas com 11 informantes em Barroquinha e sete em Besouro, oito no Sítio Coelho, 25 em
Várzea Alegre e 33 em Capivara, totalizando 84 informantes. Foram considerados como informantes
as pessoas que detinham um saber sobre os fenômenos climáticos e as espécies utilizadas em tal
finalidade, os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em
pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). Nas comunidades Barroquinha e Besouro houve 18 indicações,
sendo reconhecida apenas Cereus jamacaru DC., com sua floração indicando chuva. Em Coelho
registraram-se 22 citações de chuva, com registro de 12 espécies, se destacando, em número de
citações, Spondias tuberosa Arruda, com sua frutificação e floração indicando as chuvas. Em São
Mamede registraram-se 37 indicações de chuva, sendo citadas 11 espécies, com destaque para C.
jamacaru (22 citações), com sua floração. Em Capivara obteve 40 citações, com oito espécies, se
destacando S. tuberosa (24 citações), sendo a floração e a frutificação utilizadas para indicar chuva e a
floração indicando seca quando florece mais de uma vez por ano. Foi registrado em Remígio, uma
espécie exótica, Prosopis juliflora (Sw.) DC, indicando um bom inverno quando seus indivíduos
frutificam em grande quantidade. O presente trabalho vem fortalecer a importância do conhecimento
da meteorologia popular que é usada em várias comunidades rurais do Nordeste, sendo necessários
estudos que busquem resgatar e conservar essa riqueza cultural tão importante.
Palavras-chave: bioindicador, populações tradicionais, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
COMUNIDADES
CATARINENSE
LOCAIS
E
A
AGROBIODIVERSIDADE
NO
PLANALTO
SUL
Karine Santos1; João Cláudio Zanatta2; Murilo Dalla Costa2; Gilberto Dalagnol2; Tássio Rech2
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
2
Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EPAGRI
A conservação on-farm pode complementar a conservação ex situ, pois propicia a manutenção e
enriquecimento da diversidade genética e cultural, e dos processos ecológicos. Identificar “guardiões”
desta diversidade pode auxiliar estratégias de conservação. O objetivo deste trabalho foi identificar
agricultores familiares detentores de recursos genéticos (crioulos/tradicionais) em municípios do
Planalto Sul Catarinense. Na identificação dos informantes foi utilizada técnica de amostragem
intencional; assim, através de consultas a extensionistas rurais interessados em participar do projeto
foram identificados agricultores que mantêm variedades crioulas ou frutíferas antigas (primeiras
variedades de frutíferas introduzidas e que atualmente não são mais comercializadas) e/ou detêm
conhecimento sobre a biologia e manejo destes materiais. A partir das primeiras entrevistas foram
identificados outros informantes segundo a metodologia Bola de neve. Nesta etapa do projeto foram
visitadas 18 unidades familiares reconhecidas pelos extensionistas, e informantes pela conservação de
variedades crioulas e de espécies frutíferas antigas, sendo 13 em Anita Garibaldi, duas em Cerro
Negro, uma em Urubici, São Joaquim e Urupema, respectivamente. A faixa etária média dos
informantes foi de 54,7 anos. Constatou-se a preocupação com o envelhecimento dos agricultores, uma
vez que 55% acreditam em poucas chances de manter as gerações futuras no campo, indicando o risco
de perda de recursos genéticos. Dos informantes, 83% são nascidos em um dos municípios em estudo
ou residem há mais de 20 anos na região. Este fato favorece a hipótese de acúmulo de conhecimento e
experiência. Um total de 70 etnoespécies foram citadas, sendo 40 de espécies anuais e 30 de frutíferas
(incluindo espécies nativas). Estes dados indicam grande diversidade, porém na maioria dos casos
estes vêm sendo mantidos por poucos agricultores. Neste contexto, a manutenção de atividades de
identificação e a caracterização das variedades mantidas, fomentarão a segunda etapa deste trabalho,
que será a implementação de estratégias de multiplicação e redistribuição.
Palavras-chave: variedades crioulas, conservação on farm, segurança alimentar
Área temática: Etnobotânica
!
ÍNDICE DE PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE PLANTAS ÚTEIS EM UMA ÁREA DO
SERTÃO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL)
João Paulo de Oliveira Ribeiro1; João Everthon da Silva Ribeiro1; Rodrigo Ferreira de Sousa2; Carlos
Antônio Belarmino Alves3; Reinaldo Farias Paiva de Lucena3
1
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba –UFPB
2
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
3
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnobotânica, nos últimos anos, tem direcionado parte de seus esforços no desenvolvimento de
estratégias e abordagens que colaborem nas propostas de conservação da biodiversidade. O presente
estudo buscou identificar, por meio do Índice de Prioridade de Conservação (IPC), quais espécies
nativas da caatinga estão necessitando de uma atenção conservacionista. O estudo foi desenvolvido na
comunidade rural Barroquinha, município de Lagoa (Paraíba/Nordeste do Brasil). Foi realizada uma
amostragem da vegetação, por meio de parcelas, em áreas distintas da comunidade (conservada – A1;
degradada – A2), e aplicadas entrevistas com 66 informantes (41M/25H), os quais assinaram o termo
de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). O IPC foi
calculado por meio de dados etnobotânicos e fitossociológicos, segundo a fórmula: IPC = UL + DU +
SE + DR + FR. Onde: UL representa o nº de informantes que citaram a espécie; DU o nº de usos
atribuídos a espécie; SE os tipos de sinais extrativistas visualizados nas áreas amostrais; FR a
frequência relativa e DR a densidade relativa do levantamento fitossociológico. No caso do SE foi
considerado o maior escore, visto que uma mesma espécie poderia se enquadrar em mais de um valor
(exemplo: rebrota e tronco). Cada espécie recebeu um escore representado pelo somatório de todos os
critérios adotados. Foram registradas 20 espécies úteis, 18 gêneros e 10 famílias. Por meio do IPC foi
detectado a necessidade de estudos e ações conservacionistas para Anadenanthera colubrina (Vell.)
Brenan (escore= 40), Ximenia americana L., Amburana cearensis (Allemão) A.C.Sm., Ziziphus
joazeiro Mart. (ambos com escore= 37), Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P.Queiroz, Combretum
fruticosum (Coefl) Stuntz (ambos com escore= 34). A partir dessas informações sugere-se a realização
de estudos específicos com tais espécies para avaliar sua situação na vegetação e possíveis pressões de
uso.
Palavras-chave: caatinga, etnobotânica, conservação
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO (PARAÍBA, NORDESTE, BRASIL)
Natan Medeiros Guerra1; Kamila Marques Pedrosa1; Núbia da Silva1; João Everthon da Silva Ribeiro2;
Reinaldo Farias Paiva de Lucena1;
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnobotânica estuda os conhecimentos e conceitos adquiridos pela sociedade a respeito da
vegetação. Neste sentido, registrou-se o conhecimento e uso de espécies lenhosas da caatinga na
comunidade rural Coelho, município de Remígio, Curimataú da Paraíba (Nordeste, Brasil). Foram
entrevistados 37 informantes (17H/20M), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido
pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As citações de uso foram organizadas em
11 categorias utilitárias. O valor de uso (VU) foi calculado por meio de três cálculos (VUatual,
VUpotencial e VUgeral). A relação entre valores de uso e entre gêneros foi testada pela Correlação de
Pearson e Teste de Wilcoxon. Houve uma variação no ordenamento das espécies de acordo com o
maior e menor VU, observando-se a média com o desvio padrão para os três tipos de VU, com média
0,85 (±1,12) para o VUgeral, 0,44(±0,63) para o VUatual e 0,41(±0,52) para o VUpotencial. Registraram-se
46 plantas, identificando-se 37 espécies, 33 gêneros 15 famílias. Obtiveram-se 985 citações de uso
madeireiro e 484 não madeireiros. Atribui-se 818 citações por homens e 651 por mulheres. As
categorias em destaque foram tecnologia (31spp.) e construção (29spp.). A categoria combustível teve
o maior VUgeral (0,36), VUatual (0,19) e VUpotencial (0,17). As partes mais usadas foram madeira (67%) e
casca (8%). As citações de uso atual (52%) mostrou-se superior ao potencial (48%). Aspidosperma
pyrifolium Mart. obteve os maiores VUgeral (4,9) e VUatual (3,0), e Ziziphus joazeiro Mart. o VUpotencial
(2,0). Poincianella pyramidalis Tul e Z. joazeiro destacou-se entre as mulheres, e. A. pyrifolium entre
os homens. A correlação de Pearson e o teste de Wilcoxon evidenciaram que há correlação entre os
valores de uso (p<0,0001), e entre os gêneros. Os dados evidenciam o forte uso de espécies para fins
madeireiros, sendo necessários estudos que avaliem o impacto sobre as mesmas.
Palavras-chave: etnobotânica quantitativa, valor de uso, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
IMPORTÂNCIA RELATIVA DE PLANTAS MEDICINAIS LENHOSAS EM
COMUNIDADES RURAIS NO ESTADO DA PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL
SEIS
Ezequiel da Costa Ferreira1; Marília da Silva Santos1, João Everthon da Silva Ribeiro2; Thamires Kelly
Nunes Carvalho1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A utilização de plantas no tratamento de doenças é historicamente antiga entre as populações
tradicionais. Foi desenvolvida uma pesquisa sobre a utilização de plantas medicinais em comunidades
rurais de seis municípios em diferentes regiões do Estado da Paraíba (Nordeste-Brasil), identificando
suas importâncias relativas. Foram realizadas entrevistas em Cabaceiras (Comunidade São Francisco,
123 informantes, 53H/70M), Lagoa (Barroquinha com 66, 25H/41M), São Mamede (Várzea Alegre
com 36, 17H/19M), Itaporanga (Pau D’Arco com 15, 8H/7M), Remígio (Coelho com 37, 17H/20M) e
Solânea (Capivara com 112, 53H/59M), totalizando 385 informantes, os quais assinaram o termo de
consentimento prévio exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). A
Importância Relativa (IR) foi calculada pela fórmula: IR=NSC+NP, onde IR=Importância Relativa,
NSC=Número de Sistemas Corporais e NP=Número de Propriedades. Foram identificadas 46 espécies,
40 gêneros e 19 famílias. As plantas com maior IR em Cabaceiras foi Sideroxylon obtusifolium (Roem
& Schult.) T. D. Penn. (2) e Myracrodruon urundeuva Allemão (1,87); em Lagoa, S. obtusifolium (2);
em São Mamede, Cnidoscolus quercifolius Pohl. (2), Ziziphus joazeiro Mart. e Libidibia ferrea (Mart.
ex Tul.) L.P.Queiroz (com 1,47 cada); em Itaporanga, M. urundeuva (2); em Remígio, S. obtusifolium
(2) e Amburana cearensis (Allemão) A.C.Sm. (1,67); em Solânea, M. urundeuva (2) e Maytenus rigida
Mart. (1,46). Com relação ao Número de Sistemas Corporais da Espécie (NSCE), S. obtusifolium
registrou em Lagoa, Remígio e Cabaceiras, nove, seis e seis NSCE, respectivamente. M. urundeuva
registrou em Cabaceiras, Itaporanga e Solânea, seis, oito e três, respectivamente. C. quercifolius
apresentou 11 sistemas em São Mamede. Já no Número de Propriedades da Espécie (NPE), S.
obtusifolium apresentou em Lagoa, Cabaceiras, Remígio, São Mamede, Solânea, 13-15-11-12-13
propriedades, respectivamente. M. urundeuva em Lagoa, Cabaceiras, Remígio, São Mamede,
Itaporanga e Solânea, 12-13-11-9-3-25 propriedades, respectivamente. O presente estudo evidenciou
uma IR maior para duas espécies, M. urundeuva e S. obtusifolium.
Palavras-chave: importância relativa, plantas medicinais, etnobotânica quantitativa
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE PLANTAS MEDICINAIS EM
COMUNIDADES RURAIS NA DEPRESSÃO SERTANEJA, NORDESTE DO BRASIL
DUAS
Ezequiel da Costa Ferreira1; Natan Medeiros Guerra1; Kamila Marques Pedrosa1; Thamires Kelly
Nunes Carvalho1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A utilização de plantas medicinais pelas populações tradicionais é um dos agentes mantenedores da
interação entre as pessoas e os recursos naturais. O presente estudo registrou e comparou o uso de
espécies medicinais em duas comunidades rurais na Depressão Sertaneja (Paraíba-Nordeste-Brasil).
Foram realizadas entrevistas em São Mamede (comunidade Várzea Alegre, 36 informantes17Homens/19Mulheres) e Lagoa (Barroquinha, 66-25Homens/41Mulheres), totalizando 102
informantes, que assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (estudo aprovado pelo
CEP/HULW nº297/11 da UFPB). Foi calculado o valor de uso (VU): VUgeral, VUatual e VUpotencial. A
correlação entre gêneros e entre os VU foi testada pela correlação de Pearson, e a relação entre as
mulheres das comunidades, e dos homens entre eles, foi testada pela Análise de Variância de KruskalWallis e pelo Método de Dunn. Foram registradas, nas duas comunidades, 38 espécies, 36 gêneros e 19
famílias. Em Várzea Alegre, Cnidoscolus quercifolius Pohl. recebeu o maior VUgeral(1,33),
VUatual(0,86) e VUpotencial(0,47) seguido por Ziziphus joazeiro Mart.(0,94; 0,58; 0,36, respectivamente).
Em Lagoa, Sideroxylon obtusifolium (Roem & Schult.) T. D. Penn. se destacou para o VUgeral(1,09) e
VUatual(0,57), seguido por Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir.(VUgeral 0,86) e Combretum fruticosum
(Coefl) Stuntz. (VUatual 0,47). Já no VUpotencial Z. joazeiro(0,57) recebeu destaque, seguido por S.
obtusifolium (0,51). A casca foi a parte mais usada com 159 citações em Várzea Alegre e 423 em
Barroquinha. Os tratamentos mais citados foram cicatrizações em Várzea Alegra (58 citações) e gripe
em Barroquinha (111). Foi verificada uma forte correlação entre os diferentes valores de uso nas duas
comunidades (p<0,0001). Não houve nenhuma correlação entre os VU atribuídos pelos homens nas
duas comunidades (p>0,05). Já na relação entre as mulheres, houve correlações entre o VUgeral e
VUatual (p<0,05), e nenhuma no VUpotencial. Foi constatada uma relação mais íntima das mulheres com
as plantas medicinais, e diferenças no elenco em cada valor de uso.
Palavras-chave: etnobotânica quantitativa, valor de uso, florestas secas
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO E DISPONIBILIDADE LOCAL DE Sideroxylon obtusifolium
(ROEM. & SCHULT.) T.D. PENN. EM TRÊS REGIÕES DA DEPRESSÃO SERTANEJA
(NORDESTE DO BRASIL)
Kamila Marques Pedrosa1; Daniel da Silva Gomes1; Daniel Duarte Pereira1; Guttemberg da Silva
Silvino2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Depto. de Solos e Engenharia Rural, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnobotânica procura compreender e registrar o conhecimento e uso que as populações tradicionais
fazem dos recursos vegetais. Nesse sentido, o presente estudo registrou o conhecimento tradicional
sobre Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn., e avaliou sua disponibilidade local em
três municípios localizados na Depressão Sertaneja do estado da Paraíba: Itaporanga (comunidade Pau
d’Arco, 15 informantes), Lagoa (Barroquinha e Pereiro, 38 e 32 informantes, respectivamente) e São
Mamede (Várzea Alegre, seis informantes). Só foram considerados como informantes as pessoas que
conheciam a espécie, entrevistando os chefes de família (Homem e Mulher), os quais assinaram o
termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). Para
avaliar a disponibilidade local foi realizado um caminhamento livre totalizando 72 horas, os indivíduos
encontrados eram marcadas com auxilio do GPS, anotada a altura, DNS, os que apresentavam sinais
extrativistas foram registradas e medidas as extrações; e um estudo fitossociológico (parcelas). As
citações de uso foram organizadas em oito categorias utilitárias (medicinal, alimento, forragem,
construção, combustível, sombra, tecnologia e veneno/abortivo). Em Barroquinha foram
contabilizadas 65 citações de uso, 85 em Pereiro e 20 em Várzea Alegre. A casca obteve o maior
número de citações (35% em Barroquninha, 77% em Pereiro e 70% em Várzea Alegre). Nas
comunidades prevaleceu a categoria medicinal, e as citações de usos não madeireiros (79%). Com
relação a disponibilidade, não foram registrados nenhum indivíduo nas parcelas. No caminhamento,
registrou-se 80 em Pereiro, sete em Barroquinhas e três em Várzea Alegre, distribuídos em quintais
agroflorestais, áreas de cultivo e próximo a estradas. Registraram-se 140 extrações de cascas, com
largura de 0,10 a 0,90cm, e comprimento de 0,10 a 270cm. Foi registrada a indicação para 17
enfermidades, se destacando o tratamento das inflamações gerais. Este estudo evidenciou a
importância dessa espécie para as pessoas do semiárido nordestino.
Palavras-chave: etnobotânica, quixabeira, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE Sideroxylon obtusifolium (ROEM. &
SCHULT.) T.D. PENN. EM COMUNIDADES RURAIS DO CURIMATAÚ E CARIRIS
VELHOS DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL)
Kamila Marques Pedrosa1; Daniel da Silva Gomes1; Camilla Marques de Lucena1; Thamires Kelly
Nunes Carvalho1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn é uma espécie utilizada pelas populações
tradicionais do semiárido em diversas finalidades. O presente estudo registrou o conhecimento e uso
atribuído a essa espécie pelos moradores de duas comunidades rurais no Curimataú, comunidade
Capivara (município de Solânea), entrevistando-se 112 informantes (59M/53H), em Coelho (Remígio)
com 37 (20M/17H), e duas comunidades nos Cariris Velhos, São Francisco (Cabaceiras) com 123
(53H/70M) e Santa Rita (Congo) com 101 (57M/44H), totalizando 373, dos quais 218 (114H e 104M)
citaram usos para quixabeira. Foram realizadas entrevistas com os chefes de família, que assinaram o
termo de consentimento exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As
informações foram organizadas em oito categorias de uso (medicinal, forragem, alimento, outros,
construção, combustível, tecnologia e veterinário). A relação entre gêneros foi testada pela Correlação
de Pearson em cada comunidade; e entre as comunidades com os gêneros separados. Em Coelho
registraram-se 48 citações (16H/34M), 103 em Capivara (63H/40M), 416 São Francisco (218H/198M),
e 291 em Santa Rita (148M/143H). Em ambas as comunidades houve o destaque da categoria
medicinal, recebendo 68% das citações em Capivara, 56% em Coelho, 37% em Santa Rita e 28% em
São Francisco. A segunda categoria em destaque foi forragem em Santa Rita (18%) e São Francisco
(25%), combustível nas comunidades Coelho (18%) e Capivara (14%). Em cada comunidade, foi
encontrada uma correlação positiva entre as citações de homens e mulheres (p<0,0001), destacando-se
a categoria medicinal. Considerando a relação das mulheres entre as comunidades, e dos homens entre
eles, constatou-se uma correlação positiva apenas entre as comunidades Coelho e Capivara (p<0,05).
Os resultados evidenciaram um destaque na categoria medicinal em todas as comunidades,
evidenciando também que tanto os homens quanto as mulheres detém um bom conhecimento sobre a
espécie.
Palavras-chave: quixabeira, caatinga, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE Schinopsis brasiliensis ENGL. EM CINCO COMUNIDADES
RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL.)
João Everthon da Silva Ribeiro1; Gysleynne Gomes da Silva Costa2; Camilla Marques de Lucena2;
Carlos Antônio Belarmino Alves3; Reinaldo Farias Paiva de Lucena2
1
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba –UFPB
2
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Depto de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Schinopsis brasiliensis Engl. (baraúna) é uma espécie da família Anacardiaceae, amplamente
conhecida e utilizada no semiárido nordestino, fazendo parte do elenco de espécies ameaçadas de
extinção na categoria vulnerável. O presente estudo registrou o conhecimento e uso atribuído a essa
espécie pelos moradores de cinco comunidades rurais da Paraíba: São Francisco (Cabaceiras, 123
informantes), Santa Rita (Congo, 98), Pau D’Arco (Itaporanga, 15), Coelho (Remígio, 37), Capivara
(Solânea, 112), totalizando 385 informantes, dos quais 272 (145homens/127mulheres) citaram usos.
Foram entrevistados os chefes de família, os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido
pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As citações de uso foram organizadas em
oito categorias. A relação entre homem/mulher foi testada pela Correlação de Pearson em cada
comunidade e entre as comunidades. Registraram-se 274 citações de uso em São Francisco (média de
3.51, desvio padrão ±2.54), 236 em Santa Rita (3.90, ±2.87), 13 em Pau D’Arco (2.60, ±1.36), 137 em
Coelho (4.27, ±3.16), e 452 em Capivara (4.61, ±2.91), totalizando 1112 citações. Em quatro
comunidades as categorias com atributos madeireiros se destacaram construção com 41% das citações
em São Francisco, 38% em Pau D’Arco, 37% em Capivara e Coelho. Já em Santa Rita, se destacou
tecnologia com 35%. A segunda categoria foi combustível em Capivara (36%), São Francisco (34%) e
Coelho (33%), tecnologia em Pau D’Arco (38%) e construção em Santa Rita (28%). Em cada
comunidade foi encontrada uma correlação positiva entre as citações de homens e mulheres (p<0,05).
Considerando a relação das mulheres entre as comunidades constatou-se uma correlação positiva em
todas as comunidades (p<0,05). Já para os homens, obteve-se correlação positiva (p<0,05), com
exceção da relação entre Solânea/Congo, Cabaceiras/Itaporanga, e Cabaceiras/Congo. Tornam-se
necessários estudos que avaliem os impactos causados pela utilização dessa espécie, principalmente
por estar ameaçada de extinção, e pelos usos serem madeireiros.
Palavras-chave: baraúna, florestas secas, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE Prosopis juliflora (SW.) DC. POR
COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO, PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL
Gysleynne Gomes da Silva Costa1; Natan Medeiros Guerra1; João Paulo de Oliveira Ribeiro2; Carlos
Antônio Belarmino Alves3; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Depto. de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
A região semiárida vem sofrendo modificações com o surgimento de espécies exóticas, as quais
contribuem para novas perspectivas de usos, podendo ser utilizadas para diminuir a pressão extrativista
sobre as nativas. Com base nesse cenário, esse estudo analisou os usos atribuídos a Prosopis juliflora
(Sw.) DC (Algaroba) em duas regiões do semiárido, localizadas nos municípios de Solânea e Remígio,
microrregião do Curimataú da Paraíba, nas comunidades Capivara e Coelho, respectivamente. Foram
realizadas entrevistas com os chefes domiciliares, 94 informantes (50M/44H) em Capivara e 29
informantes (13M/16H) em Coelho, totalizando 123, os quais assinaram o termo de consentimento
livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). Foi utilizado o Coeficiente de
Correlação de Pearson para correlacionar as citações de uso entre as comunidades e categorias. Na
comunidade Coelho registrou-se 104 citações de uso (36 mulheres e 68 homens), organizadas em seis
categorias de uso: combustível (31,73%), construção (30,76%), forragem (23,07%), outros usos
(7,69%), tecnologia (5,76%) e alimento (0,96%). Observou-se que as mulheres atribuíram mais usos
na categoria combustível (38,88%) enquanto os homens em construção (33,82%). Em Capivara, as 428
citações (328 por mulheres e 190 por homens) foram distribuídas em oito categorias de uso:
construção (33,41%), combustível (32,94%), forragem (17,99%), outros usos (10,51%), tecnologia
(2,33%), ornamentação (1,40%), mágico-religioso (0,93%) e alimento (1%). Assim como em Coelho,
em Capivara a categoria combustível se destacou entre as mulheres (23,07% das citações), e
construção pelos homens (34,73%). Foram registradas correlações positivas entre as citações de uso
(p< 0.0001; r= 0.9793). Nas comunidades estudadas os usos atribuídos a essa espécie tendem a ser
usos madeireiros. Mesmo sendo exótica, atualmente, P. juliflora tem contribuído para a conservação
das espécies lenhosas nativas na comunidade estudada, principalmente, as que possuem atributos
madeireiros, fato este observado e confirmado em campo pelos pesquisadores do presente estudo.
Palavras-chave: algaroba, semiárido, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
DIVERSIDADE BIÓLOGICA E CULTURAL DE CACTÁCEAS NO CARIRI ORIENTAL,
PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL: DADOS PARCIAIS
Josenildo dos Santos Machado1; Camilla Marques de Lucena1; Kamila Marques Pedrosa1; Thamires
Kelly Nunes Carvalho1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A família das cactáceas é de grande importância em regiões como os Cariris Velhos no Nordeste do
Brasil, pelo fato de um dos usos proeminentes na região ser como forragem, com o uso de espécies
nativas (ex. facheiro) e exóticas (ex. palma), em períodos de longa estiagem. Nesse sentido, o presente
estudo registrou o conhecimento e uso que os moradores da comunidade rural de Moita no município
de Boqueirão (Paraíba, Brasil) possuem em relação às cactáceas de sua região. Para isso, foram
realizadas entrevistas com 46 informantes (12 homens e 34 mulheres). Os informantes assinaram o
terno de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (aprovação CEP/HULW nº
297/11). Os cactos citados se enquadraram em dez categorias de uso (alimentação, combustível,
construção, forragem, mágico/religioso, medicinal, ornamental, sombra, tecnologia e veterinário).
Registraram-se 342 citações de uso (112 de homens e 230 de mulheres). Foram registradas sete
espécies (cinco nativas e duas exóticas), pertencentes a cinco gêneros: Cereus jamacaru DC. (cardeiro,
mandacaru), Melocactus sp. (coroa de frade), Pilosocereus gounellei (F.A.C. Weber) Byles & Rowley.
(xiquexique), Pilosocereus pachycladus F.Ritter (facheiro), Opuntia ficus indica L. Mill. (palma),
Tacinga inamoena (K.Schum.) N.P.Taylor & Stuppy (cumbeba), Tacinga palmadora (Britton & Rose)
N.P.Taylor & Stuppy (palmatória). As categorias mais importantes foram alimento (146 citações de
uso), forragem (64) e medicinal (36). P. pachycladus e Melocactus sp. foram as espécies que mais se
destacaram com 144 e 62 citações de uso, respectivamente. A espécie mais citada entre os gêneros
(homens e mulheres) foi P. pachycladus. O presente estudo mostrou a importância das cactáceas na
comunidade de Moita, visto que houve um registro de diferentes categorias e usos das espécies, e,
além disso, a categoria alimento se destacou em virtude da existência de uma fábrica de
beneficiamento de produtos de cactáceas na comunidade.
Palavras-chave: cactos, etnobotânica, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
IMPORTÂNCIA DAS CACTÁCEAS PARA OS AGRICULTORES EM UMA ÁREA DO
CURIMATAÚ PARAIBANO (NORDESTE DO BRASIL)
Josenildo dos Santos Machado1; Camilla Marques de Lucena2; Gyslaynne Gomes da Silva Costa3;
Zelma Glebya Maciel Quirino2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Aplicadas e Educação, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Na região do Curimataú Oriental da Paraíba, Nordeste do Brasil, a família de cactáceas é representada
por um número significativo de espécies, as quais são importantes para os agricultores, principalmente
nas épocas de estiagem, sendo usadas como forragem. O presente estudo registrou o uso e
conhecimento que os moradores da comunidade rural de Capivara, município de Solânea, possuem em
relação às cactáceas. Foram realizadas 62 entrevistas com os chefes de família (29 homens e 33
mulheres), representando 100% dos chefes. Os informantes assinaram o terno de consentimento livre
exigido pelo comitê de ética em pesquisa (protocolo de aprovação CEP/HULW nº 297/11). Os cactos
citados foram organizados em dez categorias de uso (alimento, combustível, construção, forragem,
mágico/religioso, medicinal, ornamentação, sombra, tecnologia, veterinário). A relação do
conhecimento entre o gênero foi testada pelo coeficiente de correlação de Pearson. Registraram-se
nove espécies, pertencentes a seis gêneros: Cereus jamacaru DC. (cardeiro, mandacaru), Melocactus
sp. (coroa de frade), Pilosocereus gounellei (F.A.C. Weber) Byles & Rowley. (xiquexique, sodoro,
lastrado), Pilosocereus pachycladus F. Ritter (facheiro), Nopalea cochenillifera (L.) Salm-Dyck
(palma doce), Opuntia ficus indica L. Mill. (palma), Opuntia stricta (Haw.) Haw. (palma de espinho),
Tacinga inamoena (K.Schum.) N.P.Taylor & Stuppy (gogóia), Tacinga palmadora (Britton & Rose)
N.P.Taylor & Stuppy (palmatória). Registraram-se 778 citações de uso (405 de homens e 373 de
mulheres). Já as categorias que mais se destacaram foram forragem (248 citações), construção (136) e
alimento (125). P. pachycladus foi a espécie mais citada (218 citações de uso) e mais versátil (nove
categorias de uso). Homens e mulheres apresentaram um conhecimento semelhante (p< 0,0005; r=
0,9421). A riqueza dos dados obtida comprova a relação de conhecimento e uso dos cactos de sua
região pelos informantes, evidenciando a importância da realização de estudos etnobotânicos
relacionados ao registro de informações sobre cactáceas.
Palavras-chave: cactos, etnobotânica, florestas secas
Área temática: Etnobotânica
!
A HIPÓTESE DA APARÊNCIA ECOLÓGICA PODE SER APLICADA EM FLORESTAS
TROPICAIS SECAS?
Rodrigo Ferreira de Sousa1; Natan Medeiros Guerra2; Diego Batista de Oliveira Abreu2; Wellington
Miguel Dantas3; Reinaldo Farias Paiva de Lucena2
1
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
2
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Depto. de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
A aparência ecológica relaciona a disponibilidade e o uso de recursos vegetais nas florestas tropicais.
O presente trabalho identificou as relações entre uma comunidade rural e os recursos da vegetação
lenhosa nativa em uma área no domínio da caatinga, município de São Mamede (Paraíba, Nordeste do
Brasil). Foram realizados levantamentos para o estudo do conhecimento botânico local, e entrevistas
com a população local. Parcelas amostrais foram lançadas em duas áreas, uma distante 3km e uma
adjacente à comunidade, para caracterização da vegetação lenhosa, coletando dados para cálculo de
abundância e dominância ecológica. Testou-se a hipótese de que a disponibilidade de um recurso
(aparência ecológica) relaciona-se com a sua importância relativa (designada pelo valor de uso),
testando as informações por meio de três tipos de cálculos: VUatual, VUpotencial e VUgeral. Os 36
informantes (17H/19M), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de
ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11), reconheceram usos para 17 espécies lenhosas, distribuídas
em 11 categorias de uso. Foi utilizado o coeficiente de correlação de Pearson para correlacionar os
dados fitossociológicos e etnobotânicos. Em relação aos cálculos de VU das categorias, observou-se
que a categoria construção obteve o maior VUgeral (0,97), seguida por alimentação (0,89) e tecnologia
(0,71). No VUatual destacaram-se alimentação (0,79), construção (0,64) e tecnologia (0,50). No
VUpotencial, destacaram-se construção (0,47), alimentação (0,43) e tecnologia (0,36). No VUgeral e
VUatual destacou-se Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. (5,31; 4,31 respectivamente), e no VUpotencial
Tabebuia aurea (Silva Massa) Benth & Hook exs. Moore (2,5). Não houve correlação entre os
parâmetros fitossociológicos e os valores de uso. Dessa forma, a aparência ecológica não explica a
relação das pessoas da comunidade estudada com os recursos vegetais disponíveis localmente
(p>0,05). Sugere-se a realização de mais estudos testando a aparência ecológica nas florestas secas
para refutar ou ratificar tal hipótese.
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES UTILIZADAS PARA FINS ENERGÉTICOS EM
SEIS COMUNIDADES RURAIS DO NORDESTE DO BRASIL.
Pedro Mouzinho de Oliveira Neto¹, João Paulo de Oliveira Ribeiro¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹,
Arliston Pereira Leite¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O uso de espécies vegetais no abastecimento dos fogões domésticos da zona rural do Nordeste é
antigo, atividade que coloca em risco algumas espécies pela super exploração. Nesse sentido, o
presente estudo registrou e comparou o uso de plantas como fonte energética nas residências de seis
comunidades rurais na Paraíba, entrevistando-se 123 informantes (53Homens/70Mulheres) na
comunidade São Francisco, município de Cabaceiras, 36 (17H/19M) em Várzea Alegre (São
Mamede), 15 (8H/7M) em Pau D’Arco (Itaporanga), 66 (45H/21M) em Barroquinha (Lagoa), 37
(20H/17M) em Coelho (Remígio), e 112 (53H/59M) em Capivara (Solânea), totalizando 389
informantes, os quais assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de
ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Foi calculado o VU utilizando três cálculos
(VUgeral/VUatual/VUpotencial). Utilizou-se a Correlação de Pearson para comparar os VU em cada
comunidade e entre as comunidades. Para comparar as citações do gênero entre os municípios, o Teste
de Kruskal-Wallis, método de Dunn. Foram registradas 70 plantas, sendo identificadas 58 espécies, 40
gêneros e 18 famílias. Registraram-se 1.995 citações para lenha (1.802atual/913potencial) e 1.342 para
carvão (547atual/795potencial). Registrou-se uma forte correlação entre os VU (geral/atual/potencial)
de cada comunidade (p<0,05), e entre os gêneros (p<0,05). Quando comparado os homens entre as
comunidades, houve correlação positiva no VUgeral e VUatual entre Itaporanga/Lagoa (p<0,05), e no
VUpotencial entre Itaporanga com Remígio/São Mamede (p<0,05). Na comparação das mulheres, houve
no VUgeral entre Remígio/Solânea (p<0,05), e VUpotencial entre Lagoa/Solânea (p<0,05). Quando se
comparou os VU entre as comunidades, só obteve correlação no VUatual entre Itaporanga com
Lagoa/São Mamede (p<0,05). As espécies que se destacaram nos VU foram Poincianella pyramidalis
Tul., Schinopsis brasiliensis Engl. e Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. Os dados apresentados
confirmam o uso efetivo das espécies da Caatinga para fins energéticos, necessitando de estudos
específicos avaliando a pressão de uso.
Palavras-chave: etnobotânica, valor de uso, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
A APARÊNCIA ECOLÓGICA PODE EXPLICAR A UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES
VEGETAIS ÚTEIS EM UMA COMUNIDADE RURAL NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA?
Arliston Pereira Leite1; Kamila Marques Pedrosa1; Camilla Marques de Lucena1; João Paulo de
Oliveira Ribeiro2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba - UFPB
A Hipótese da Aparência argumenta que as espécies úteis mais disponíveis na vegetação tendem a ser
mais utilizadas pelas pessoas. O presente estudo testou essa hipótese na comunidade rural Pau D´Arco,
município de Itaporanga, sertão da Paraíba (Nordeste, Brasil). No teste, utilizou-se o valor de uso
(VU), testando as informações obtidas por meio de três tipos de cálculos: VUgeral, VUatual e VUpotencial.
Foi realizado um estudo fitossociológico (parcelas) em duas áreas de vegetação na comunidade (área
conservada – A1; área degradada – A2). Foram realizadas entrevistas com 15 informantes (7M/8H,
100% dos chefes domiciliares), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê
de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). O Coeficiente de Correlação de Pearson e a Regressão
Linear Simples foram usados para correlacionar os dados fitossociológicos e etnobotânicos. A
correlação entre gêneros foi testada pela Correlação de Pearson. Entre os VUs utilizou-se Correlação
de Pearson e o Teste de Wilcoxon. Foram registradas 18 espécies úteis na A1, e 21 na A2.
Registraram-se correlações positivas nas duas áreas, na A1, entre VUgeral com frequência, VUatual com
densidade, dominância e área basal (p<0,05). Na A2 entre VUatual com densidade, frequência,
dominância, valor de importância e área basal (p<0,05). Com relação as categorias, a única que obteve
correlação significativa foi construção ( A1) entre VUatual com dominância, valor de importância e área
basal (p<0,05), e na A2 entre VUatual com densidade, dominância, valor de importância e área basal
(p<0,05). O teste de Wilcoxon evidenciou que há diferenças entre VUgeral e VUatual, VUgeral e VUpotencial
(p<0,0001). Entre VUatual e VUpotencial houve uma diferença pouco expressiva (p<0,05). Os homens e as
mulheres consideraram as mesmas espécies como as mais importantes (p<0,0001). A aparência
ecológica parece explicar melhor o uso madeireiro na comunidade estudada do que os não madeireiros,
e respondeu diferente em cada
Palavras-chave: valor de uso, caatinga, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
ETNOCONHECIMENTO NO MANEJO DA AGROBIODIVERSIDADE EM QUINTAIS
URBANOS EM IRATI, PARANÁ
Gabriela Schmitz Gomes1; Ivan Crespo Silva2; Maria Cristina Medeiros Mazza3; Mariângela Lurdes de
Borba1; Carlos Miguel de Moraes1
1
Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná – UNICENTRO
2
Universidade Federal do Paraná – UFPR
3
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA-FLORESTAS
Os quintais agroflorestais, reconhecidos como espaços biodiversos manejados próximos às residências,
por comportarem muitas espécies vegetais e animais demandam um alto grau de conhecimento por
parte dos proprietários no que tange às práticas de condução e utilização dos recursos. Com o objetivo
de investigar as práticas de manejo e o conhecimento tradicional associado a este sistema em áreas
urbanas e periurbanas na região da Floresta com Araucárias no centro sul do Paraná, foi desenvolvido
o presente estudo. Para tanto, foram analisados 20 quintais agroflorestais no município de Irati,
distante cerca de 140 km de Curitiba, capital do Estado. Nestes quintais, dados qualitativos e
quantitativos foram coletados por meio de entrevistas semi-estruturadas direcionadas a informantes
qualificados nos meses de janeiro de 2008 a maio de 2009. Os informantes, com idade entre 26 e 86
anos, foram predominantemente mulheres com descendência eslava. Foi encontrado um total de 258
espécies vegetais com finalidades alimentícias, medicinais e ornamentais, que refletem no seu manejo
um expressivo etnoconhecimento. Observou-se que os informantes possuem conhecimentos
específicos de cultivo (fases lunares, proteção de plantas, épocas de plantio, armazenamento de
propágulos), manejo e conservação do solo (cobertura verde, adubação orgânica, compostagem),
utilização das espécies (medicamentos, beneficiamento, armazenamento, alimentação animal). Tais
conhecimentos foram construidos através de gerações em íntima associação com as condições
ecológicas e culturais locais, onde os informantes receberam ensinamentos de manejo do quintal
transmitidos por seus pais e avós. Porém, por outro lado, é nítido o desinteresse das novas gerações
pelo sistema, o que pode comprometer a sua perpetuidade principalmente em ambientes mais
urbanizados. Mecanismos de incentivo aos quintais, como a formação de "grupos de quintalistas" e
"redes de trocas", devem ser efetivados, considerando serem um modo de produção adequado a áreas
urbanas e periurbanas sob o ponto de vista ecológico e socioeconômico, como demonstrado neste
estudo.
Palavras-chave: etnobotânica, sistema agroflorestal, conhecimento tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE PRÁTICAS VETERINÁRIAS NO SEMIÁRIDO
DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
Amabile Arruda de Souza e Silva1; Pedro Mouzinho de Oliveira Neto2; Simone da Silva3; Thamires
Kelly Nunes Carvalho1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Depto. de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
O uso de plantas no tratamento das enfermidades é uma prática antiga no Nordeste. Nesse sentido, o
presente estudo registrou e comparou o uso de plantas da caatinga para fins veterinários nos
municípios de Cabaceiras (comunidade São Francisco, 123 informantes-53H/70M) e Congo
(comunidade Santa Rita, 101 informantes-57H/44M), estado da Paraíba. Realizaram-se entrevistas
com os chefes de família, perguntando-se sobre as plantas conhecidas e utilizadas no tratamento das
enfermidades dos animais. Assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo
comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Para cada espécie, família e categorias de uso
calculou-se o VU pelas fórmulas VU=ƩUi/n e VUf=ƩVU/nf. Ui=número de usos mencionados por
cada informante, n=número total de informantes, nf=número de espécies na família. A relação entre
gêneros foi testada pela Correlação de Pearson. O número de espécies e citações de uso por indicação
terapêutica foi comparado pelo Teste G. Registraram-se 22 espécies, 20 gêneros, 13 famílias, 23
indicações terapêuticas. Em Cabaceiras o maior VU foi de Thiloa glaucocarpa (Mart.) Eichler (0,36),
e no Congo, Mimosa tenuiflora (Willd) Poir. (0,17). Essas plantas se destacaram no VU atribuído por
homens e mulheres (0,29/0,83 para T. glaucocarpa; 0,41/0,63 para M. tenuiflora). Com relação ao uso
terapêutico, em Cabaceiras, se destacou lavagem uterina pós-parto, e no Congo, cicatrizante. A parte
mais usada foi casca, 82% das citações no Congo, e 78% em Cabaceiras. Não houve correlação entre
os VUs das comunidades (p>0,05). Os homens e as mulheres tenderam a atribuir os mesmos valores as
espécies (p<0,0001), mas quando comparados os valores dos homens das duas comunidades, e das
mulheres entre elas, não foram encontradas correlações (p>0,05). Combretaceae se destacou em
Cabaceiras (VU=0,35), e Celastraceae no Congo (VU=0,09). O presente estudo evidenciou a
importância do uso etnoveterinário, sugerindo a realização de pesquisas que testem tais propriedades
em laboratório.
Palavras-chave: etnoveterinária, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO COMPARATIVO DO CONHECIMENTO ETNOVETERINÁRIO EM DOIS
MUNICÍPIOS DO SEMIÁRIDO. PARAÍBA, BRASIL
Amabile Arruda de Souza e Silva1; Pedro Mouzinho de Oliveira Neto2; Cláudio César Montenegro
Júnior1; Nayze de Almeida Marreiros1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O tratamento de animais doentes com utilização de remédios tradicionais no semiárido nordestino é
uma prática antiga. Este estudo registrou o conhecimento e uso de plantas da caatinga para fins
veterinários em duas comunidades rurais nos municípios de Remígio e Solânea, Curimataú da Paraíba.
Foram realizadas entrevistas com os chefes de família, perguntando-se sobre as plantas conhecidas e
utilizadas para curar as enfermidades dos animais, sendo solicitado a cada informante que assinasse o
termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº
297/11). Foram entrevistadas 37 pessoas em Remígio (Comunidade Coelho) e 112 em Solânea
(Comunidade Capivara), dessas, apenas 73 citaram o uso de plantas para cura de animais (nove
homens e cinco mulheres em Coelho, e 31 homens e 28 mulheres em Capivara). A correlação entre
gêneros e entre os VUs foi testada pela correlação de Pearson. O valor de uso foi calculado por meio
de três tipos (VUatual/VUpotencial/VUgeral). Foram registradas 16 espécies, 26 indicações terapêuticas, 110
citações de uso (58%H/42%M). A parte mais usada foi a casca em ambos os municípios, seguida da
entrecasca. 72% das citações foram de uso atual e 28% de uso potencial. O uso terapêutico mais
indicado foi para lavagem uterina após parto em Remígio, e em Solânea o gogo de galinha. Em
Solânea e Remígio a espécie de maior VUgeral, VUatual e VUpotencial foi Cynophalla flexuosa (L.) J.
Prese. Os VUs nas duas comunidades apresentaram correlação significativa (p<0,0001), e não houve
entre os gêneros (p>0,05) em Remígio, já em Solânea houve no VUatual/VUgeral (p<0,0001). Em
Solânea e Remígio a principal geração de conhecimento foi vertical com 56% e 65%, respectivamente.
45% das pessoas em Remígio não ensinam seu saber, e 45% em Solânea ensinam. Se faz necessário
estudos para comprovar cientificamente o potencial médico dessas espécies em laboratório.
Palavras-chave: etnoveterinária, semiárido, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
USO E CONHECIMENTO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO CURIMATAÚ DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
João Everthon da Silva Ribeiro1; Zenneyde Alves Soares2; Kamila Marques Pedrosa2; Simone da
Silva3; Reinaldo Farias Paiva de Lucena2
1
Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Depto de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Depto de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
A etnobotânica estuda a relação das pessoas com os recursos vegetais, e no presente estudo essa
relação foi analisada na comunidade rural Capivara, município de Solânea, com a finalidade de
registrar o conhecimento e uso que os moradores atribuem aos recursos vegetais. Foram entrevistados
112 informantes (53 homens/59 mulheres), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido
pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As citações de uso foram organizadas em
11 categorias utilitárias. O valor de uso (VU) foi calculado por meio de três cálculos: VUatual,
VUpotencial e VUgeral. A correlação entre gêneros e entre os VUs foi testada pela correlação de Pearson e
Wilcoxon. A comparação da média com o desvio padrão para os três tipos de VU mostrou uma
variação das espécies entre os maiores e menores valores, com a média de 0,94 (±1,46) para o VUgeral,
média de 0,59 (±0,97) do VUatual e, 0,35 (±0,55) para o VUpotencial. Foram registradas 53 plantas,
identificando-se 45 espécies, 39 gêneros e 17 famílias. Obteve-se 3.645 citações de usos madeireiros e
1.916 não madeireiros. 3.266 citações foram atribuídas por homens e 2.295 por mulheres. As
categorias que se destacaram foi combustível (42 spp.) e tecnologia (37 spp.). A parte mais utilizada
foi madeira (65%) e casca (12%). As citações de uso atual (63%) foram superiores as de uso potencial
(37%). Aspidosperma pyrifolium Mart. obteve os maiores VUgeral (6,9) e VUatual (4,9), e Schinopsis
brasiliensis Engl. o VUpotencial (2,3). A. pyrifolium se destacou entre os homens, e entre as mulheres
Ziziphus joazeiro Mart. A correlação de Pearson e o teste de Wilcoxon evidenciou que há correlação
entre os valores de uso (p<0,05), e entre os gêneros (p<0,05). Os dados evidenciam o forte uso de
espécies para fins madeireiros, sendo necessários estudos que avalie o impacto sobre as mesmas.
Palavras-chave: etnobotância, valor de uso, florestas secas
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO COMPARATIVO SOBRE O USO DE ESPÉCIES VEGETAIS PARA
ALIMENTAÇÃO ANIMAL (FORRAGEM) EM DIFERENTES REGIÕES DO SEMIÁRIDO
DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
Zenneyde Alves Soares1, João Paulo de Oliveira Ribeiro1, Natan Medeiros Guerra1, Carlos Antônio
Belarmino Alves1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1.
1
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
No semiárido nordestino, as populações tradicionais utilizam espécies vegetais nativas como
complemento nutricional para seus animais, os quais fornecem leite, carne, couro, outros derivados,
além de serem comercializados gerando renda. O presente estudo comparou e registrou o
conhecimento sobre as espécies conhecidas e utilizadas como forrageiras em seis comunidades rurais
da Paraíba (Nordeste/Brasil), em Cabaceiras (São Francisco, 123 informantes-53 Homen/70
Mulheres), Lagoa (Barroquinha, 66-25H/41M), São Mamede (Várzea Alegre, 36-17H/19M), Solânea
(Capivara, 112-53H/59M), Itaporanga (Pau D’Arco, 15-8H/7M), e Remígio (Coelho, 37-17H/20M,)
totalizando 389 informantes, que assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de
ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Foi calculado o Valor de Uso através do
VUgeral/VUatual/VUpotencial, diferenciando as citações de uso efetivo das de uso cognitivo. A
Correlação de Pearson foi utilizada para comparar os VU e conhecimento entre gêneros, e o Teste de
Kruskal-Wallis, método de Dunn, para comparar os resultados entre as comunidades. No total foram
registradas 38 espécies, 35 gêneros e 13 famílias botânicas, 1.345 citações de uso (436 potencial/909
atual) (639-Cabaceiras, 335-Solânea, 174-São Mamede, 102-Remígio, 66-Lagoa, e 29-Itaporanga). As
partes mais utilizadas foram folha e fruto (866 e 433 citações). Nas seis comunidades houve correlação
positiva entre os VUgeral/atual/potencial (p<0,05), com exceção do VUatual/VUpotencial em São
Mamede (p>0,05). Em Remígio, Solânea e Cabaceiras houve correlação entre homens/mulheres em
todos os VU(p<0,0001). Em Lagoa, Itaporanga e São Mamede só não houve entre VUatual/VUatual
(p>0,05), e entre VUpotencial/VUpotencial em São Mamede (p>0,05). O Teste de Kruskal-Wallis
apresentou correlação entre os homens de Lagoa/Itaporanga e Lagoa/São Mamede no VUgeral
(p<0,05). No VUatual entre Remígio/São Mamede, Solânea/Lagoa, Cabaceiras/Lagoa e Lagoa/São
Mamede (p<0,05), e no VUpotencial Remígio/São Mamede, Cabaceiras/São Mamede e
Itaporanga/São Mamede (p<0,05). No teste entre as mulheres, só houve relações no VUatual de
Cabaceiras/Lagoa e Lagoa/São Mamede (p<0,05). As espécies que se destacaram foram Ziziphus
joazeiro Mart., Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn. e Spondias tuberosa Arruda.
Os resultados evidenciaram a importância das espécies forrageiras para as comunidades estudadas
através das correlações encontradas e da distinção entre usos atuais de potenciais. Torna-se
interessante a realização de estudos que avaliem os aspectos nutricionais/silagem para potencializar o
uso destas espécies.
Palavras-chave: etnobotânica, valor de uso, forragem
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS DA CAATINGA NO
SERTÃO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
Zenneyde Alves Soares1; Diego Batista de Oliveira Abreu2; Priscilla Clementino Coutinho1; Nayze de
Almeida Marreiros1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnobotânica estuda a relação entre homem e planta, sendo uma importante ferramenta para o
conhecimento e conservação dos recursos naturais. O presente estudo registrou o conhecimento e uso
de espécies úteis na comunidade rural de Besouro, sertão paraibano, município de Lagoa (Paraíba,
Nordeste-Brasil). Foram entrevistados 100% dos chefes domiciliares (seis homens e nove mulheres),
os quais assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido solicitado pelo Conselho Nacional
de Saúde por meio do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Para cada espécie,
família e categorias de uso calculou-se o seu valor de uso pelas fórmulas VU=ƩUi/n, VUf=ƩVU/nf, e
VUc=ƩVU/nc. Ui=número de usos mencionados por cada informante, n=número total de informantes,
nf=número de espécies na família, nc=número de espécies na categoria. A relação entre gêneros, e
entre os VUs foi testada pela Correlação de Pearson e Teste de Wilcoxon. Os números de espécies e
citações de uso por categoria foram comparados pelo Teste de Qui-Quadrado (x2) e Teste G. As
citações de uso foram organizadas em 11 categorias. Foram registradas 39 espécies, 34 gêneros e 18
famílias. Registraram-se 729 citações de uso (395 de mulheres e 334 de homens), distribuídas em 11
categorias utilitárias. Myracrodruon urundeuva Allemão e Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan se
destacaram (VU=6,2 e 5,33). A categoria em destaque foi construção (VU=0,73) e combustível
(VU=0,64). A família com maior valor de uso foi Anacardiaceae (VU=6,2). A parte mais utilizada foi
madeira (555 citações). A Correlação de Pearson e Teste de Wilcoxon evidenciaram correlação entre
os VUs, e entre os gêneros (r=0,82 e p<0,0001; Z=2,26 e p<0,05). A relação entre citações de uso e
espécies na categoria foi significativa (x2=37,50, p<0,05; teste G p=0,001). Os dados evidenciam o
forte uso de espécies para fins madeireiros, sendo necessários estudos que avaliem o impacto sobre as
mesmas.
Palavras-chave:
Área temática: Etnobotânica
!
ESPÉCIES VEGETAIS UTILIZADAS EM CONSTRUÇÕES RURAIS (CERCAS) NO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL.
Antônio Honório do Nascimento Filho1; João Paulo da Silva1; Thamires Kelly Nunes Carvalho1;
Viviany Teixeira do Nascimento2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Depto de Ciências Humanas, Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Nas áreas rurais da caatinga podem ser vistas diversas construções para várias finalidades, e entre essas
se tem as cercas, que são utilizadas para demarcar áreas. Com base nesse cenário, o presente trabalho
registrou o de uso de espécies vegetais utilizadas na construção de cercas na comunidade rural de São
Francisco, município de Cabaceiras, Paraíba. Foram selecionadas propriedades rurais que
apresentaram cercas com um tamanho mínimo de 50 metros, totalizando 70 amostras. Em cada cerca
foram identificados os elementos, anotando medidas de seu perímetro e altura, além de analisar a
diversidade de espécies utilizadas. Foram realizadas entrevistas com os 70 mantenedores, sendo
questionados sobre a construção e o manejo das cercas. Os informantes assinaram o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). As cercas
foram divididas em de arame farpado, faxina e mistas. Foram analisadas 42 cercas de faxina, 22 de
arame farpado e seis mistas. Nos 3500m estudados foram encontrados 76.666 indivíduos, distribuídos
em 12 espécies e cinco famílias botânicas. 97% dos elementos são mortos e 3% de vivos (nativos e
exóticos). 87% dos elementos foram obtidos de plantas nativas e 3% de exóticas, e 10% não foi
identificado. Os elementos apresentaram um perímetro médio de 12,49cm (±4,44), e tamanho médio
de 1,58m (±0,13). As espécies nativas predominantes foram: Aspidosperma pyrifolium Mart (60% dos
indivíduos) e Croton blanchetianus Baill. (39,5%). As cercas de faxina predominaram (60%),
confeccionadas com varas de A. pyrifolium e C. blanchetianus, principalmente. Das exóticas, destacase Prosopis juliflora (Sw.) DC, com 2.147 indivíduos (2,8%). A preferência por A. pyrifolium e C.
blanchetianus se deu por sua abundância local e boa resistência a fatores bióticos e abióticos. Com
relação ao manejo, 100% dos entrevistados informaram que usam os elementos descartados como
combustível (lenha), contribuindo assim na conservação das espécies locais.
Palavras-chave: etnobotânica, uso madeireiro, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
TIPOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES
CABACEIRAS, PARAÍBA, BRASIL.
RURAIS
(CERCAS)
NO
MUNICÍPIO
DE
Antônio Honório do Nascimento Filho1; João Paulo da Silva1; Diego Batista de Oliveira Abreu1;
Viviany Teixeira do Nascimento2; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Depto de Ciências Humanas, Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Na região rural do semiárido podem ser observados diversos tipos de cercas na paisagem, sendo
importantes na limitação das áreas habitadas e não habitadas. O presente estudo registrou a tipologia
das cercas na comunidade rural São Francisco, em Cabaceiras, Paraíba. Foram selecionadas 70
propriedades rurais que apresentaram cercas com um tamanho mínimo de 50 metros. Em cada cerca
foram identificados os elementos, e analisado a diversidade de espécies utilizadas. Foram realizadas
entrevistas com 50 homens e 20 mulheres, os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido
pelo comitê de ética em pesquisa (aprovação CEP/HULW nº 297/11). As cercas foram divididas em
cercas de arame farpado (uso de arame e estacas de espessura ≥ 18cm, com distância de 1m TIPO 1),
faxina (uso maior de varas juntas com espessura ≥ 18cm, TIPO 2), mistas (união das duas anteriores,
TIPO 3) e cercas vivas (elementos vivos, TIPO 4). Foram analisadas 42 cercas de faxina, 22 de arame
farpado e seis mistas. 20% dos informantes mencionaram que a vantagem do TIPO 1 é a facilidade de
manejo e o preço acessível do arame farpado, e disponibilidade local de Prosopis juliflora (Sw.) DC.,
apesar da espécie mais registrada ter sido Aspidosperma pyrifolium Mart. 96% mencionaram que a
grande vantagem no TIPO 2 é a simplicidade empregada no manejo da mesma, entretanto, 76%
apontaram como desvantagem a pouca durabilidade dos elementos. 86% mencionaram vantagens no
TIPO 4, sendo: importância ambiental, sombra, durabilidade, uso medicinal e uso forrageiro dos
elementos da cerca. Não se obteve cercas exclusivamente vivas, e sim elementos vivos compondo as
cercas. Foi discutido ainda o tipo de cerca feita exclusivamente com rochas, as quais foram extintas
localmente devido a dificuldade no manejo. Os informantes afirmaram que devido a extinção local das
espécies, seria importante a adoção das cercas vivas.
Palavras-chave: etnobotânica, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
!
!
!
!
!
!
!
!
CARACTERIZAÇÃO DO CONHECIMENTO LOCAL SOBRE USO E MANEJO DA Bromelia
Antiacantha (BROMELIACEAE) NO PLANALTO NORTE CATARINENSE.
Samantha Filippon¹, Andréa Grabriela Mattos¹, Nivaldo Peroni¹, Maurício Sedrez dos Reis¹.
¹Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
O manejo de plantas nativas é uma alternativa capaz de promover um incremento de renda para
agricultores locais, ao mesmo tempo em que pode representar uma opção de conservação pelo uso e de
resgate e difusão do conhecimento tradicional. As comunidades que utilizam um determinado recurso
vegetal, possuem saberes sobre os aspectos ecológicos das plantas, usos e manejo. Neste sentido, este
trabalho teve como objetivo caracterizar os principais usos de B. antiacantha, uma Bromeliaceae
nativa da Mata Atlântica, por agricultores familiares da Comunidade da Campininha, Município de
Três Barras, SC – Brasil. Numa amostra de agricultores escolhidos através de amostragem “bola de
neve” (N=29), foram aplicadas entrevistas semi-estruturadas. A maioria dos informantes (N=20)
relataram conhecer a espécie desde a infância e a chamam de caraguatá. Foram descritos usos como
alimento (palmito) e xarope. Nas propriedades que possuíam o caraguatá, 60% das rosetas da espécie
eram plantadas como cercas vivas, evidenciando desta forma seu manejo e uso mais comum na
comunidade. As cercas de caraguatá são utilizadas há décadas (80 a 100 anos, pelo menos), indicando
uma ação clara de domesticação de paisagem. A confecção e estrutura das cercas vivas indica que em
algum momento as plantas podem passar por algum tipo de seleção (vigor, facilidade de manuseio,
tamanho). A seleção e manipulação das plantas, as quais podem ocorrer em diferentes intensidades,
podem levar a modificações no ciclo de vida da planta e em sua estrutura genética, implicando em um
processo de domesticação das populações em uso. Neste sentido, os estudos com foco no
conhecimento local sobre o uso e manejo local da espécie estão sendo continuados a fim de se
explicitar e caracterizar o processo de domesticação da espécie.
Palavras-chave: domesticação, espécie nativa, cerca viva
Área temática: Etnobotânica
!
O USO DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO-CONVENCIONAIS NA COMUNIDADE
RIBEIRINHA DE SACAI, CARACARAÍ, RORAIMA
Jordânia Gabriela Aires Santana¹, Juliane Marques de Souza¹
¹Universidade Estadual de Roraima – UERR
As plantas nativas constituem um importante patrimônio cultural e econômico para as populações
tradicionais, no entanto, em muitos locais elas são vistas apenas como “mato” ou “plantas do mato” e
seu potencial nutritivo é negligenciado. Aqui, espécies vegetais com este potencial são chamadas de
Plantas Alimentícias Não-Convencionais – PANC’s as quais, apresentam grande importância à
alimentação diária humana. O presente estudo foi desenvolvido na vila de Sacai, comunidade
ribeirinha localizada no município de Caracaraí, Sul do estado de Roraima. Os habitantes da
comunidade utilizam de costumes e saberes tradicionais como os principais meios de manter seus
hábitos de alimentação e sobrevivência. O trabalho foi desenvolvido com o objetivo de diagnosticar
quais PANC’s existiam na região de Sacai, destacando a principal utilização de cada uma, ressaltando
ainda, quantas fizeram ou ainda fazem parte da dieta alimentar das famílias que ali se encontram. Para
a identificação de PANC’s foram desenvolvidas pesquisas etnobotânicas as quais possibilitam o
resgate de saberes tradicionais sobre espécies vegetais tomando conhecimento de suas diferentes
formas de uso e manejo. Utilizou-se também, metodologias participativas baseadas na aplicação do
método Diagnóstico Rural Participativo – DRP. Depois de identificadas como não convencionais e
após passarem por todos os procedimentos necessários, as amostras foram levadas ao Herbário da
Universidade Estadual de Roraima onde foram taxonomicamente identificadas. Foram encontradas
sete espécies de PANC’s com potencial alimentício, distribuídas em cinco famílias botânicas. Além do
potencial alimentício, algumas das espécies encontradas apresentam benefícios à agricultura quando
utilizadas como adubo verde. Neste sentido, é importante destacar que os estudos com plantas nãoconvencionais estão assumindo grande importância por resgatar saberes tradicionais e contribuir com a
segurança nutricional de comunidades que não possuem acesso facilitado a plantas convencionais.
Palavras-chave: plantas alimentícias não-convencionais, potencial alimentício, saberes tradicionais
Área temática: Etnobotânica
!
JARDIM BOTÂNICO DE OURO PRETO: UMA ABORDAGEM ETNOBOTÂNICA
HISTÓRICA.
Nathália Alves de Sousa¹, Viviane Scalon²
¹Pós Graduação em Botânica, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
²Herbário José Badini, Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP
A etnobotânica histórica é importante aliada na tentativa de melhor compreendermos as relações de
populações de outrora com as plantas e tentarmos estabelecer comparações das interações com
vegetais pelas populações atuais. Jardins Botânicos (JB) sempre exerceram importantes funções, como
aclimatação, cultivo de plantas econômicas e conservação de espécies na história do Brasil. Nesse
contexto, propomos a investigação dos usos de espécies cultivadas no Jardim Botânico de Ouro Preto
(JBOP), um jardim luso-brasileiro da época imperial que atuou cerca de 30 anos na cidade de Ouro
Preto, região central de Minas Gerais. Através de consultas a arquivos públicos e bibliotecas,
investigamos sua importância econômica e científica no fim do séc. XVIII e durante o séc. XIX. A
partir da lista de espécies presentes no JBOP em 1835, num total de 28 espécies, foram analisadas
origem e categorias de uso, objetivando assim compreender melhor o papel que o Jardim exercia na
cidade. Das espécies relatadas, 32% eram nativas enquanto 68% eram exóticas, dado que enfatiza o
principal papel de um JB naquela época, a introdução e aclimatação de espécies exóticas de interesse
econômico. Para caracterização etnobotânica histórica, utilizamos quatro categorias de uso:
alimentação, medicinal, construção e ornamental. 40% das espécies eram alimentícias enquanto 5,33%
representavam “árvores de construção”. Espécies ornamentais eram 53,33% e 28% eram medicinais.
Há também o relato da quantidade dessas plantas, merecendo destaque o Chá da Índia (Thea viridis
L.), demonstrando que a importância do local não se restringia somente à introdução de plantas
exóticas, mas também a otimização do processo de plantio, cultura e colheita de espécies de valor
econômico, como a cultura do chá, de grande expressão e importância para a cidade no fim do séc.
XIX e início do séc. XX. O JBOP foi desativado ainda no séc. XIX e atualmente sua área original
encontra-se abandonada.
Palavras-chave: etnobotânica histórica, jardim botânico, ouro preto.
Área temática: Etnobotânica.
!
SABER POPULAR SOBRE PLANTAS: UM LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO EM
ÁREAS RURAIS DE PIRACICABA-SP.
Kayna Agostini¹, Vivian Zambon¹
¹Universidade Metodista de Piracicaba – UNIMEP
O resgate das informações sobre a natureza e seus recursos é de grande valia para os mais variados
estudos e também para perpetuação deste conhecimento, de forma que não fique perdido no tempo e
nem restrito a poucos. Moradores de áreas rurais possuem um grande saber sobre o meio em que
vivem, pois estão próximos aos recursos naturais e, muitas vezes, dependem diretamente deles para
sobrevivência e renda. Nas últimas décadas houve uma grande emigração dos jovens das áreas rurais
para áreas urbanas, principalmente devido às oportunidades de emprego e às facilidades da cidade.
Esse fato pode vir a reduzir o conhecimento popular sobre plantas, uma vez que dificulta a transmissão
do mesmo, resultando na restrição e perda do caráter utilitário desses saberes. O objetivo deste
trabalho foi realizar um levantamento das espécies vegetais utilizadas em comunidades rurais do
município de Piracicaba/SP, tendo em vista a análise das formas de uso e de como o conhecimento
acerca da flora local foi adquirido e é repassado pelos moradores das áreas estudadas. Foram utilizados
questionários idênticos para todos os moradores entrevistados e as plantas citadas foram divididas em
cinco categorias: Alimentícia (88), Medicinal (42), Ornamental (26), Condimentar (16), RitualReligioso (4) e Outros (10), totalizando 186 espécies, distribuídas em 42 famílias botânicas, entre as
quais se destacaram as famílias Lamiaceae (11), Asteraceae (7) e Rosaceae (6). Os resultados
demonstraram a grande riqueza vegetal presente nas áreas pesquisadas, bem como a importância do
conhecimento popular transmitido oralmente e mantido por gerações através de pessoas
comprometidas com o meio em que vivem e detentoras de um grande conhecimento.
Palavras-chave: etnobotânica, resgate cultural, conhecimento popular
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES VEGETAIS EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
Núbia da Silva¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹, Thamires Kelly Nunes Carvalho¹, Nayze Almeida
Marreiros¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnobotânica aborda a forma como diferentes grupos humanos interagem com os recursos vegetais.
No presente estudo essa relação foi analisada na comunidade rural São Francisco, município de
Cabaceiras (Paraíba/Nordeste/Brasil), buscando analisar o conhecimento e uso que os moradores
atribuem aos recursos vegetais. Foram entrevistados 123 informantes (53H/70M), os quais assinaram o
termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As
citações de uso foram organizadas em 11 categorias. Utilizou-se o valor de uso (VU) testando as
informações obtidas por meio dos três tipos de cálculos (VUatual, VUpotencial e VUgeral). A correlação
entre gêneros e entre os VUs foi testada pela Correlação de Pearson e Teste de Wilcoxon. A
comparação da média com o desvio padrão para os três tipos de VU mostrou uma variação das
espécies entre os maiores e menores valores, com a média de 0,95(±1,18) para o VUgeral, média de
0,49(±0,65) do VUatual e, 0,46(±0,57) para o VUpotencial. Foram registradas 40 plantas, identificando-se
38 espécies, 34 gêneros e 15 famílias. Obteve-se 2.505 citações de usos madeireiros e 2.134 não
madeireiros. 2.488 citações foram atribuídas por homens, e 2.151 por mulheres. As categorias que se
destacaram foi forragem (29 spp.) e tecnologia (26 spp.). A parte mais utilizada foi madeira (54%). As
citações de uso atual (63%) foram superiores as de uso potencial (37%). Myracrodruon urundeuva
Allemão obteve os maiores VUgeral (4,6), VUatual (2,3) e VUpotencial (2,3). M. urundeuva também obteve
destaque entre homens (VUgeral=5,4; VUpotencial=2,6) e mulheres (VUgeral=4,0; VUatual=1,9;
VUpotencial=2,1). A correlação de Pearson e o teste de Wilcoxon evidenciaram fortes correlações entre
todos os valores de uso (p<0,0001), e entre os gêneros (p<0,05). Os dados evidenciam o uso atual de
muitas espécies, sendo necessários estudos que avaliem o impacto sobre as mesmas, principalmente
sobre M. urundeuva, que está ameaçada de extinção.
Palavras-chave: etnobotânica, valor de uso, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
A APARÊNCIA ECOLÓGICA EXPLICA A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS EM UMA
COMUNIDADE RURAL NOS CARIRIS VELHOS DA PARAÍBA
Núbia da Silva¹, José Ribamar de Farias Lima², João Everthon da Silva Ribeiro¹, Gleicy Deise Santos
Lima¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós-Graduação em Ecologia e Monitoramento Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A hipótese da aparência ecológica enfatiza que as plantas aparentes (encontradas facilmente na
vegetação), são as mais importantes e utilizadas pelas populações tradicionais nas florestas tropicais. O
presente estudo testou essa hipótese para identificar as relações entre o conhecimento e uso de recursos
vegetais da Caatinga por uma comunidade rural (Cabaceiras, Nordeste, Brasil). Utilizou-se o valor de
uso (VU) testando as informações obtidas por meio dos três cálculos (VUatual/VUpotencial/VUgeral).
VUatual se refere ao uso corrente, VUpotencial aos usos do passado/abandonados. Foi realizado um
estudo fitossociológico (100 parcelas), e entrevistas com 123 informantes, os quais assinaram o termo
de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa. Foi utilizada a Correlação de
Spearman para correlacionar os dados fitossociológicos (abundância/dominância) com os
etnobotânicos. Registraram-se no fragmento florestal 14 espécies úteis, 14 gêneros, oito famílias.
Verificaram-se correlações dos VU das espécies com os parâmetros fitossociológicos, entre VUgeral
com área basal (rs=0,69; p<0,01), densidade (rs=0,54; p<0,05), dominância (rs=0,69; p<0,01); VUatual
com área basal (rs=0,66; p<0,01), dominância (rs=0,64; p<0,01); VUpotencial com área basal (rs=0,68;
p<0,01), dominância (rs=0,68; p<0,01). Na comparação com as categorias de uso obtiveram-se
correlações em Construção entre VUgeral com área basal (rs=0,74; p<0,05) e dominância (rs=0,73;
p<0,05); VUatual com área basal (rs=0,83; p<0,01), densidade (rs=0,66; p<0,05), dominância (rs=0,83;
p<0,01), frequência (rs=0,67; p<0,05), Forragem entre VUgeral com área basal (rs=0,60; p<0,05);
VUatual com área basal (rs=0,60; p<0,05); VUpotencial com área basal (rs=0,63; p<0,05) e dominância
(rs=0,58; p<0,05), Medicinal entre VUgeral com área basal (rs=0,72; p<0,05), dominância (rs=0,66;
p<0,05); VUatual com área basal (rs=0,72; p<0,05), dominância (rs=0,64; p<0,05); VUpotencial com área
basal (rs=0,66; p<0,05), dominância (rs=0,67; p<0,05). A hipótese da aparência evidenciou respostas
diferentes quando analisada, fazendo a distinção entre uso atual e potencial. A hipótese, de forma
geral, parece responder a utilização de recursos vegetais na comunidade estudada.
Palavras-chave: florestas secas, valor de uso, etnobotânica quantitativa.
Área temática: Etnobotânica
!
AVALIAÇÃO DE PLANTAS ÚTEIS POR MEIO DO ÍNDICE DE PRIORIDADE DE
CONSERVAÇÃO EM UMA COMUNIDADE RURAL NOS CARIRIS VELHOS DA
PARAÍBA.
João Paulo de Oliveira Ribeiro¹, José Ribamar de Farias Lima², Ramon Santos Souza³, João Everthon
da Silva Ribeiro¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós Graduação em Ecologia e Monitoramento Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
³Departamento de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UFPB
Nos últimos anos, os estudos etnobotânicos têm obtido informações que podem ser utilizadas na
elaboração de estratégias conservacionistas e no uso sustentável dos recursos tropicais. O presente
estudo por meio do Índice de Prioridade de Conservação (IPC) procurou identificar as espécies nativas
da caatinga que precisa de uma atenção conservacionista na comunidade rural de São Francisco,
município de Cabaceiras, mesorregião da Borborema e microrregião do Cariri Oriental
(Paraíba/Nordeste/Brasil). Foi realizado um levantamento fitossociológico (parcelas), e aplicadas
entrevistas com 123 informantes (53 Homens e 70 Mulheres), os quais assinaram o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). O IPC foi
calculado por meio de dados etnobotânicos e fitossociológicos segundo a fórmula: IPC= UL + DU +
SE + DR + FR. Onde: UL o nº de informantes que citaram a espécie; DU o nº de usos atribuídos à
espécie; SE os tipos de sinais extrativistas visualizados nas áreas amostrais; DR a densidade relativa e
FR a frequência relativa do levantamento fitossociológico. No caso do SE foi considerado o maior
escore, visto que uma mesma espécie poderia se enquadrar em mais de um valor (exemplo: rebrota e
tronco). Cada espécie recebeu um escore representado pelo somatório dos critérios adotados. Foram
registradas 14 espécies úteis, 14 gêneros e oito famílias. Destacaram-se: Anadenanthera colubrina
(Vell.) Brenan (escore= 44), Myracrodruon urundeuva Allemão (escore= 38), Bauhinia cheilantha
(Bong.) Steud., Commiphora leptophloeos (Mart.) J. B. Gillet, Maytenus rigida Mart., (ambas com
escore= 35), Cnidoscolus quercilolius Pohl (escore= 34), Ximenia americana L. (escore= 33). A partir
desses dados observou-se a necessidade de uma ação conservacionista com as espécies que
apresentaram maior escore. Sugere-se a realização de estudos específicos com tais espécies para
avaliar a sua situação na vegetação e possíveis pressões de uso sobre as mesmas.
Palavras-chave: biodiversidade, caatinga, etnobotânica quantitativa
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES VEGETAIS EM
CONSTRUÇÕES RURAIS E DOMÉSTICAS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE
DO BRASIL).
Natan Medeiros Guerra¹, Daniel da Silva Gomes¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹, Carlos Antônio
Belarmino Alves¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
As plantas são utilizadas pelas populações em diversas finalidades madeireiras, como exemplo, as
construções rurais e domésticas. O presente estudo registrou e comparou o conhecimento e uso de
plantas lenhosas nativas da caatinga em construções em seis comunidades rurais da Paraíba. Foram
entrevistados 389 informantes nas comunidades Várzea Alegre (São Mamede, 36-17H/19M), Coelho
(Remígio, 37-17H/19M), Capivara (Solânea, 112-53H/59M), Barroquinha (Lagoa, 66-25H/41M), São
Francisco (Cabaceiras, 123-53H/70M) e Pau D’Arco (Itaporanga, 15-8H/7M), os quais assinaram o
termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11).
Calculou-se Valor de Uso das espécies por meio de três cálculos (VUGeral/VUAtual/VUPotencial). Foi
testada a relação entre os VU, e homens/mulheres pela Correlação de Pearson, e das comunidades pelo
Teste de Kruskal-Wallis. Registraram-se diferentes utilidades para as plantas em cada comunidade,
obtendo 388 citações, 20 usos e 20 spp em Várzea Alegre; 352 citações, 18 usos e 29 spp. em Coelho;
1.354 citações, 16 usos e 41 spp. em Capivara; 892 citações, 16 usos e 27 spp. em Barroquinha; 969
citações, 16 usos e 19 spp. em São Francisco; e 245 citações, 11 usos e 18 spp. em Pau D’Arco,
destacando-se Aspidosperma pyrifolium Mart, no Cariri (Cabaceiras) e Curimataú (Solânea/Remígio),
e Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan no Sertão (Lagoa/Itaporanga), e Mimosa tenuiflora Willd.
Poir. no Seridó(São Mamede). Foram registradas 2.406 citações de uso para construções rurais
distribuídos em 18 usos, e 1.785 para domésticas em 12. Registrou-se uma forte correlação entre os
VU(geral/atual/potencial) de cada comunidade(p<0,0001), e entre os gêneros (p<0,05). Não houve
correlação entre as citações das mulheres(p>0,05), contudo, entre os homens teve correlação positiva
no VUgeral de Itaporanga com Solânea/Remígo/Cabaceiras, e São Mamede com Lagoa/Solânea
(p<0,05). No VUatual de Itaporanga com São Mamede/Remígio/Solânea, de São Mamede com
Lagoa/Solânea (p<0,05). No VUpotencial não houve correlações. O presente estudo demonstrou a
importância das plantas nas construções no semiárido, que o conhecimento é distinto entre gêneros, a
necessidade da distinção ente usos atuais/potenciais.
Palavras-chave: etnobotânica, valor de uso, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE Myracrodruon urundeuva ALLEMÃO E
Anadanthera colubrina (Vell.) BRENAN EM QUATRO MUNICÍPIOS DO SEMIÁRIDO
PARAÍBANO (NORDESTE DO BRASIL).
Daniel da Silva Gomes¹, Kamila Marques Pedrosa¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹, Natan Medeiros
Guerra¹ , Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Myracrodruon urundeuva Allemão (aroeira) e Anadanthera colubrina (Vell.) Brenan (angico) são
espécies utilizadas para diversos fins nas regiões semi-áridas, estando a primeira na lista de espécies
ameaçadas de extinção do Ministério do Meio Ambiente, e a segunda em risco. O presente estudo
registrou o uso e conhecimento dessas espécies em quatro comunidades rurais do semi-árido da
Paraíba, São Francisco (Cabaceiras, 123 informantes), Capivara (Solânea, 112), Coelho (Remígio, 37)
e Barroquinha (Lagoa, 66). Foram realizadas entrevistas com os 338 chefes de família , os quais
assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW
nº297/110). As espécies foram organizadas em oito categorias de uso. Foi realizado o teste de
Correlação de Pearson entre as comunidades, e entre os informantes da mesma comunidade. Foram
registradas 681 citações de uso para A. colubrina (136/Cabaceiras-77H/59M, 195/Solânea-113H/82M,
16/Remígio-13H/3M, 334/Lagoa-168H/166M), e 1.461 para M. urundeuva (567/Cabaceiras287H/280M, 506/Solânea-283H/223, 70/Remígio-31H/39M, 318/Lagoa-143H/175M). M. urundeuva
obteve citações de uso madeireiro 1.028 (554H/474M) e 433 não madeireiro (190H/243M); e A.
colubrina 527 madeireiro (296H/231M) e 154 não madeireiro (75H/79M). Considerando os
informantes (homem/mulher) da mesma comunidade, só em Remígio e com A. colubrina não houve
correlação (p>0,05). Todas as demais, tanto para M. urundeuva como para A. colubrina, apresentou
fortes correlações positivas entre as citações de homens e mulheres (p<0,05). Comparando os homens
das comunidades só houve correlação entre as citações da A. colubrina nas comunidades de
Cabaceiras/Solânea (rs=9252; p<0,0001), mas com M. urundeuva obteve-se correlação positiva na
maioria das comunidades (p<0,05), com exceção de Remígio/Lagoa e Remígio/Cabaceiras (p>0,05).
Com relação às mulheres e o uso de A. colubrina, teve correlação entre Cabaceiras/Solânea,
Cabaceiras/Remígio e Solânea/Remígio (p<0,05), e com M. urundeuva em todas as comunidades
(p<0,05). Os dados evidenciam o forte uso madeireiro para as espécies estudadas, podendo colocá-las
em risco de extinção local.
Palavras-chaves: etnobotânica, caatinga, conservação
Área temática: Etnobotânica
!
EXPLORANDO AS POTENCIALIDADES ALIMENTÍCIAS E FORRAGEIRAS DE
CACTÁCEAS EM REGIÕES DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
Camilla Marques de Lucena¹, Ernane Nogueira Nunes¹, Thamires Kelly Nunes Carvalho¹, Zelma
Glebya Maciel Quirino³, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Laboratório de Ecologia Vegetal, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Apesar das cactáceas assumirem o papel principal na alimentação de animais, sobretudo em períodos
de estiagem, estudos vem registrando o uso delas na alimentação humana. O presente estudo registrou
o conhecimento e uso que agricultores das comunidades rurais de São Francisco (Cabaceiras-PB, 118
informantes, 50H/68M), Barroquinha e Besouro (Lagoa-PB, 52, 19H/33M), Várzea Alegre (São
Mamede-PB, 37, 18H/19M) e Capivara (Solânea-PB, 62, 29H/33M) possuem em relação as cactáceas
alimentícias e forrageiras, totalizando 269 informantes. Os chefes de família que participaram da
pesquisa assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW nº297/11). A relação entre gênero foi testada pela Correlação de Pearson, e a relação
entre as mulheres, e entre os homens das comunidades, pelo Teste de Kruskal-Wallis. Foram
registradas 556 citações de uso(291M/265H) para alimento, e 932(483M/449H) para forrageira. Em
Capivara, Várzea Alegre e São Francisco a espécie mais citada para alimento foi Pilosocereus
gounellei (F.A.C. Weber) Byles & Rowley., sendo o fruto a parte mais consumida “in natura”. Já em
Barroquinha e Besouro, Cereus jamacaru DC. obteve o maior número de citações, sendo o fruto a
parte mais utilizada. Para forragem, em Capivara, Barroquinha, Besouro e São Francisco houve a
preferência por Opuntia-ficus indica L. Mill. Já em Várzea Alegre, a mais citada foi P. gounellei,
sendo a mesma queimada para servir aos animais. Em todas as comunidades houve correlação positiva
entre as citações de homens e mulheres(r>0,90; p<0,05), já entre as comunidades não houve correlação
quando comparado o conhecimento de homens e mulheres dentro das categorias. O presente estudo
demonstrou a importância que as cactáceas possuem não só na alimentação dos rebanhos, mas também
como alimento humano, sugerindo a realização de mais estudos etnobotânicos e agronômicos para
cultivo, seleção de variedades e estudos nutricionais e gastronômicos para potencializar o uso destas
espécies regionais.
Palavras-chave: etnobotânica, cactos, populações tradicionais
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE PLANTAS ALIMENTÍCIAS EM TRÊS
COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL.
Ernane Nogueira Nunes¹, Natan Medeiros Guerra¹, Arliston Pereira Leite¹, Thamires Kelly Nunes
Carvalho¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O potencial alimentício das espécies vegetais da caatinga vem sendo explorado há décadas em todo
Nordeste, seja para fins emergenciais ou culturais. O presente estudo registrou o conhecimento e o uso
que os moradores de três comunidades rurais fazem das espécies alimentícias nativas, sendo realizadas
entrevistas nas comunidades de Pau D’Arco (Itaporanga – 15, 7M/8H), Barroquinha (Lagoa – 66,
41M/25H) e Várzea Alegre (São Mamede – 36, 19M/17H), totalizando 117 informantes, os quais
assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (CEP/HULW nº297/11). O VU foi calculado
utilizando três formas (VUgeral, VUatual e VUpotencial). A Correlação de Pearson foi utilizada para
comparar os VUs. O Teste de Kruskal-Wallis pelo Método de Dunn para relacionar os VU dos homens
entre eles, e das mulheres entre elas nas comunidades. Foram registradas 14 espécies, 13 gêneros, dez
famílias. Ximenia americana L. se destacou na comunidade Pau D’Arco (VUgeral=0,86; VUatual=0,73;
VUpotencial=0,13), seguida por Copernicia prunifera (Miller) It. E.Moore (VUgeral=0,33;
VUpotencial=0,26) e Ziziphus joazeiro Mart (VUatual=0,26). Em Barroquinha, Cajazeira (Indet. 1)
(VUgeral=0,06; VUatual=0,05) e Z. joazeiro (VUgeral=0,06; VUpotencial=0,05). Em Várzea Alegre,
Spondias tuberosa Arruda (VUgeral=1,44; VUatual=0,92; VUpotencial=0,53) e Cnidoscolus quercifolius
Pohl. (VUgeral=0,33; VUatual=0,28). A parte mais usada foi o fruto com 100% das citações em Pau
D’Arco e Barroquinha, 94% em Várzea Alegre. Dez formas de preparo foram registradas (1 em Pau
D’Arco ; 2 em Barroquinha; 1º em Várzea Alegre), destacando-se o consumo em fresco. Uma forte
correlação entre VUgeral e VUatual foi encontrada nas três comunidades (p<0,05). Em Várzea Alegre, a
correlação se repetiu entre VUgeralxVUpotencial e VUatualxVUpotencial (p<0,0001). Entre os gêneros apenas
o VUgeral das mulheres de Pau D’Arco e Barroquinha apresentaram correlação (p<0,05). Os resultados
evidenciam o conhecimento e o uso das espécies alimentícias pelas comunidades estudadas, bem como
a necessidade da distinção entre uso atual e uso potencial.
Palavras-chave: etnobotânica, valor de uso, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETONOBOTÂNICO DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS EM TRÊS COMUNIDADES
RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
Elizabethe Quintella de Lima¹,Thamires Kelly Nunes Carvalho¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹,
Ricardo Elesbão Alves², Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pesquisador da EMBRAPA Agroindústria Tropical, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A utilização dos recursos vegetais para fins alimentícios é antiga nas comunidades rurais do semiárido
brasileiro, sendo algumas espécies reconhecidas como alimentos emergenciais. O presente estudo
registrou e comparou o conhecimento e uso de plantas da Caatinga como alimento em três
comunidades rurais da Paraíba, realizando entrevistas nos municípios de Cabaceiras (Comunidade São
Francisco, 123 informantes, 70M/53H), Remígio (Coelho, 37-20M/17H) e Solânea (Capivara, 11259M/53H), totalizando 272 informantes, os quais assinaram o termo de consentimento livre e
esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa(CEP/HULW nº297/11). Foi calculado o VU
utilizando três cálculos: VUgeral, VUatual e VUpotencial. A relação entre os VU e entre gêneros foi testada
pela Correlação de Pearson. O Teste de Kruskal-Wallis foi utilizado para analisar a relação entre
homens e mulheres das comunidades. Foram registradas dez espécies, nove gêneros e nove famílias.
Spondias tuberosa Arruda se destacou em São Francisco (VUgeral=1,18; VUatual=1,10), já no VUpotencial
foi Sideroxylon obtusifolium (Roem & Schult.) T. D. Penn. (0,26). Em Coelho e Capivara, S. tuberosa
obteve os maiores valores (VUgeral=0,91; VUatual=0,75; VUpotencial=0,16; VUgeral=0,94; VUatual=0,82;
VUpotencial=0,23, respectivamente). Nas comunidades, a parte mais usada foi fruto com 98% das
citações de uso. Nas comunidades de Solânea e Remígio houve correlação entre todos os valores de
uso (p<0,0001), já em Cabaceiras só entre VUgeral e VUatual (p<0,0001). Não houve correlação entre
os homens e entre as mulheres das diferentes comunidades (p>0,05). Quando comparados homens e
mulheres da mesma comunidade, encontraram-se correlações fortes nos três municípios (p<0,0001). O
conhecimento foi obtido com a família de forma vertical (80% em Cabaceiras, 38% em Remígio e
41% em Solânea). Na transmissão, em Cabaceiras, a forma circular predominou (43%), e a vertical em
Remígio e Solânea (19%; 30%, respectivamente). O estudo evidenciou a importância das plantas
alimentícias nas comunidades estudadas, e da distinção entre citação atual e potencial.
Palavras-chave: caatinga, populações tradicionais, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
IMPORTÂNCIA RELATIVA X VALOR DE USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM
DIFERENTES COMUNIDADES RURAIS NO ESTADO DA PARAÍBA, NORDESTE DO
BRASIL.
João Everthon da Silva Ribeiro¹, Natan Medeiros Guerra¹, Ezequiel da Costa Ferreira², Ricardo Batista
dos Santos³, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
² Setor de Ecologia e Biodiversidade, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
³Departamento de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Existem registros do conhecimento e utilização de plantas medicinais desde a antiguidade até os dias
atuais. Estudos etnobotânicos têm registrado o uso dessas plantas e buscado identificar as mais
importantes localmente por meio de índices como valor de uso (VU) e importância relativa (IR). O
presente estudo analisou e comparou o elenco das espécies medicinais mais importantes em seis
municípios da Paraíba. Foram entrevistados moradores das comunidades rurais de São Francisco
(Cabaceiras, 123 informantes, 53 Homens/70 Mulheres), Pau D’Arco (Itaporanga, 15,8H/7M),
Barroquinha (Lagoa, 66,25H/41M), Coelho (Remígio, 37,20M/17H), Várzea Alegre (São Mamede,
36,17H/19M), Capivara (Solânea, 112,53H/59M), totalizando 389 que assinaram o termo de
consentimento exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Os dados foram
calculados pela importância relativa (IR), IR=NSC+NP, e pelo valor de uso (VU) calculado por meio
de três cálculos (VUatual,/VUpotencial/VUgeral). A correlação entre os VU e o IR foi testada pela
Correlação de Spearman. Foram registradas 46 espécies medicinais, sendo 25 em Cabaceiras, 36 em
Lagoa, 25 em São Mamede, 13 em Itaporanga, 25 em Remígio e 28 em Solânea. A que se destacou no
IR em Cabaceiras, Remígio e Lagoa foi Sideroxylon obtusifolium (Roem & Schult.) T.D.Penn.; São
Mamede, Cnidoscolus quercifolius Pohl.; Itaporanga e Solânea, Myracroduon urundeuva Allemão.
Com relação ao VU, a que se destacou em Cabaceiras e Lagoa foi S. obtusifolium (0,96 e 1,10,
respectivamente); São Mamede, C. quercifolius com VU=1,33; Itaporanga e Remígio, Poincianella
pyramidalis Tul. (0,73 e 0,84, respectivamente); Solânea, M. urundeuva (1,27). Observou-se que as
espécies que se destacaram no IR são, praticamente, as mesmas nas comunidades estudadas. Todos os
VU se relacionaram de forma positiva com o IR em todas as comunidades (p<0,0001). Foi evidenciado
que as mesmas espécies receberam o maior valor no VU e o IR nas comunidades estudadas.
Palavras-chave: etnobotânica quantitativa, caatinga, plantas medicinais
Área temática: Etnobotânica
!
TIPOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES RURAIS (CERCAS) NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO,
PARAÍBA, BRASIL.
Antônio Honório do Nascimento Filho¹, Natan Medeiros Guerra¹, Thamires Kelly Nunes Carvalho¹,
Viviany Teixeira do Nascimento³, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
³Departamento de Ciências Humanas, Universidade do Estado da Bahia – UNEB
As espécies vegetais da caatinga são utilizadas para diversas finalidades pelas populações humanas,
desde usos não madeireiros a madeireiros, como exemplo, as construções de cercas. Nessa categoria de
uso, pode ser observado o uso das plantas na construção das cercas utilizadas para demarcar as áreas
das propriedades rurais. O presente estudo analisou a tipologia das cercas, buscando identificar os tipos
preferidos e as espécies utilizadas, na comunidade rural Coelho, município de Remígio
(Paraíba/Nordeste/Brasil). Foram selecionadas 19 propriedades rurais que apresentaram cercas com
um tamanho mínimo de 50 metros, desconsiderando as que tinham menos de 50 metros. Em cada cerca
foram identificados os elementos (vara/estaca/mourão), e analisado a diversidade de espécies
utilizadas. Foram realizadas entrevistas com 11 homens e oito mulheres, os quais assinaram o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As cercas
foram divididas em cercas de arame farpado (uso de arame e estacas de espessura de 18cm/TIPO1),
faxina (uso maior de varas juntas com espessura de 18cm/TIPO2), e cercas vivas (elementos
vivos/TIPO3). Dentre as 20 espécies nativas destacaram-se Aspidosperma pyrifolium. Mart e Croton
blanchetianus Baill. as quais são preferidas por sua disponibilidade local. Sobre a preferência aos tipos
de cercas: 47% das citações preferiram as cercas de arame farpado, por apresentar facilidade no
manuseio e preço do arame acessível. 26% citaram o TIPO 2 por motivos de segurança, uma vez que
nenhum animal não consegue passar por ela. E 26% citaram o TIPO 3, por oferecer segurança,
durabilidade e reprodução de estacas, além de benefícios ambientais. Os mantenedores, em sua
maioria, disseram que na manutenção atual de suas cercas estão substituindo os indivíduos descartados
por macambira (Bromelia laciniosa), a qual fecha os espaços da cerca, impedindo a passagem dos
animais. Os dados evidenciam a preferência por espécies nativas na construção das cercas.
Palavras-chave: etnobotânica, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
INVENTÁRIO DAS ESPÉCIES VEGETAIS UTILIZADAS EM CONSTRUÇÕES RURAIS NO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
Antônio Honório Nascimento Filho¹, João Rafael Medeiros da Silva¹, Hildebrando da Silva Santos¹,
Viviany Teixeira do Nascimento², Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Departamento de Ciências Humanas, Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Nas áreas rurais do Nordeste do Brasil, é comum o uso de espécies vegetais nativas na construção de
cercas para delimitar as áreas de habitações, as destinadas a criação de animais, e as para agricultura.
Diante da importância desse tipo de construção para as regiões rurais, o presente estudo registrou o uso
de plantas na construção de cercas na comunidade rural de Coelho, município de Remígio,
microrregião do Curimataú da Paraíba (Nordeste do Brasil). Em cada propriedade rural realizaram-se
entrevistas com o mantenedor, totalizando 19 informantes (8 mulheres e 11 homens), os quais foram
questionados sobre o uso e a preferência de espécies para construção de cercas, e assinaram o termo de
consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa (aprovação pelo
CEP/HULW nº 297/11). Foram amostradas propriedades rurais que apresentassem cercas com um
tamanho mínimo de 50 metros. Em cada uma foram medidos 50m, contabilizando e medindo o
diâmetro e altura de cada elemento desta, e verificando a composição. Foram analisadas cinco cercas
de faxina, 12 de arame farpado e duas cercas vivas. Nos 950m de cercas estudados foram encontrados
7.945 indivíduos, com 20 espécies identificadas. A maior parte dos elementos foi de indivíduos mortos
(94%). Do total, 98% são obtidos de plantas nativas, com destaque para: Croton blanchetianus Baill.
(marmeleiro) e Aspidosperma pyrifolium Mart (pereiro), com 50% e 36%, respectivamente. Entre os
indivíduos vivos, as espécies registradas foram Euphorbia tirucalli (aveloz), Manihot dichotoma Ule
(maniçoba), Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. (jurema preta), Jatropha sp. (pinhão manso), Sapium sp.
(burra leiteira) e Ziziphus joazeiro Mart. (juazeiro). Foi constatado a utilização atual de espécies
nativas nas construções das cercas, nesse sentido, necessita-se de um estudo que avalie o impacto
dessa atividade nas espécies utilizadas, e incentivar a adoção de cervas vivas.
Palavras-chave: etnobotânica, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE Spondias tuberosa ARRUDA: ÁRVORE SAGRADA NO
SEMIÁRIDO NORDESTINO
Camilla Marques de Lucena1; Raphael Cavalcante Paulo1; Marilía da Silva Santos1; Kamila Marques
Pedrosa1; Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Depto. de Fitotecnia e Ciências Ambientais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Spondias tuberosa Arruda é uma espécie da família Anacardiaceae, sendo considerada uma árvore
sagrada no semiárido nordestino, principalmente por ser uma das únicas que floresce e frutifica no
período de seca e, possui potencial medicinal, combustível, forragem, ornamental, sombra e
tecnologia. Com base nessas observações, por meio de entrevistas, o presente estudo registrou o uso e
conhecimento que moradores das comunidades rurais de São Francisco (Cabaceiras, PB – 123
informantes, 53H/70M), Coelho (Remígio, PB – 37, 20M/17H), Várzea Alegre (São Mamede, PB –
36, 17H/19M), Capivara (Solânea, PB – 112, 53H/59M) e Santa Rita (Congo, PB – 98, 57H/41M)
possuem em relação a essa espécie, totalizando 406 informantes. Participaram na pesquisa os chefes de
família (homem e mulher) de cada comunidade, os quais assinaram o termo de consentimento livre
exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº 297/11). As citações foram organizadas em
oito categorias de uso. A relação entre gêneros foi testada pela Correlação de Pearson em cada
comunidade; e entre as comunidades com os gêneros separados. Foram registradas 872 citações de uso
(396H e 476M), sendo 60% de uso alimentar. Em cada comunidade, foi encontrada uma correlação
positiva entre as citações de homens e mulheres (r>0,90; p<0,0001), destacando-se a categoria
alimentação. Considerando a relação das mulheres entre as comunidades, e dos homens entre eles,
constatou-se uma correlação positiva em todas as comunidades (r>0,90; p<0,0001). Registramos 15
tipos de uso, com destaque para o consumo in fresco do fruto (201 citações), seguido de umbuzada
(118). Com relação ao uso madeireiro, observou-se uso nas categorias combustível (52 citações),
construção (três) e tecnologia (cinco). Os homens citaram apenas duas categorias de uso em Várzea
Alegre, e as mulheres, quatro em Coelho. O presente estudo evidencia a importância dessa espécie
para as pessoas do semiárido nordestino.
Palavras-chave: etnobotânica, umbuzeiro, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
USO DE CACTÁCEAS NATIVAS COMO RECURSO MADEIREIRO EM COMUNIDADES
RURAIS DO SEMIÁRIDO (PARAÍBA, NORDESTE, BRASIL)
Camilla Marques de Lucena¹, Gyslaynne Gomes da Silva Costa¹, Thamires Kelly Nunes Carvalho¹,
Zelma Glebya Maciel Quirino², Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Laboratório de Ecologia Vegetal, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
No semiárido nordestino algumas espécies de cactáceas como Pilosocereus pachycladus F.Ritter e
Cereus jamacaru DC. são utilizadas como recursos madeireiros, sendo fornecedoras de tábuas e lenha,
por exemplo. O presente estudo registrou o uso e conhecimento que moradores das comunidades rurais
de São Francisco (Cabaceiras-PB, 118 informantes, 50H/8M), Barroquinha e Besouro (Lagoa-PB,
52,19H/33M), Várzea Alegre (São Mamede-PB, 37,18H/19M) e Capivara (Solânea-PB, 62,29H/33M)
possuem sobre o uso madeireiro de cactos. Foram realizadas entrevistas com 269 informantes, os quais
assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW
nº297/11). Registraram-se 398 citações de uso, sendo organizadas em três categorias de uso. Foi
utilizado o Teste G para comparar as citações de uso com o número de espécies em cada categoria, a
Correlação de Spearman para comparar os gêneros, e o Teste de Kruskal-Wallis para comparar as
comunidades. Foram registradas 165 citações para construção, 69 para combustível e 61 para
tecnologia. Como combustível, só foi citado uso como lenha para ser utilizada nos fogões domésticos.
Na categoria construção foram registrados oito tipos de usos, com destaque para ripa e uso dos
indivíduos como cerca viva. Como uso tecnológico foi observado a fabricação dez tipos de artefatos,
se destacando os cabos de ferramenta. Houve um destaque para P. pachycladus em todas as
comunidades, seguido pela C. jamacaru. Em nenhuma comunidade foi encontrada correlação entre o
número de espécies e as citações de uso nas categorias (p>0,05). Nas comunidades de São Mamede,
Solânea e Lagoa foram encontradas fortes correlações entre homens e mulheres (p<0,0001;
rs=1,0000), e nenhuma em Cabaceiras. Não houve correlações entre as citações de uso entre os
homens e entre as mulheres nas comunidades (p>0,05). O presente estudo confirmou a importância de
estudos etnobotânicos que registrem o conhecimento que os agricultores possuem sobre os usos
madeireiros das cactáceas.
Palavras-chave: etnobotânica, cactos, semiárido.
Área temática: Etnobotânica.
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE CACTÁCEAS NO CARIRI OCIDENTAL DA PARAÍBA,
NORDESTE DO BRASIL: DADOS PARCIAIS
Gyslaynne Gomes da Silva Costa¹, Camilla Marques de Lucena², Thamires Kelly Nunes Carvalho¹,
Zelma Glebya Maciel Quirino³, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós-Graduação em Ecologia e Monitoramento Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Laboratório de Ecologia Vegetal, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O Cariri Ocidental é uma das regiões do semiárido nordestino onde se encontra bem representada a
família das cactáceas, tanto em relação a diversidade de espécies como também ao conhecimento e os
diferentes usos que os agricultores da região atribuem as mesmas. Nesse contexto, o presente estudo
registrou o uso e conhecimento que os moradores da comunidade rural de Santa Rita (Congo-PB)
possuem em relação às cactáceas da região. Foram realizadas 33 entrevistas com chefes de família
(15H e 18M), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em
pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As citações de uso das espécies foram organizadas em nove
categorias de uso (alimento, combustível, construção, forragem, mágico/religioso, medicinal,
ornamental, sombra e tecnologia). Foi utilizada a Correlação de Pearson para comparar as citações de
uso entre homens e mulheres com relação às espécies e categorias de uso. Registraram-se sete
espécies, pertencentes a cinco gêneros: Cereus jamacaru DC. (cardeiro/mandacaru), Melocactus sp.
(coroa de frade), Pilosocereus gounellei (F.A.C.Weber) Byles & Rowley. (xiquexique/alastrado),
Pilosocereus pachycladus F.Ritter (facheiro), Opuntia ficus-indica L. Mill. (palma), Opuntia stricta
(Haw.) Haw. (palma de espinho) e Tacinga inamoena (K.Schum.) N.P.Taylor & Stuppy
(cumbeba/gogoia). Registraram-se 275 citações de uso (129H e 146M). As categorias que se
destacaram foram forragem com 111 citações, seguida de alimento (52) e ornamental (42). Cereus
jamacaru destacou-se entre as espécies, com 81 citações, e enquadrou-se em oito categorias. O
conhecimento entre os gêneros mostrou-se fortemente correlacionado entre as categorias (rs=0,9161;
p=0,0005), e uma correlação mais fraca entre as citações das espécies (rs=0,7937; p<0,05), tendo
destaque para a espécie C. jamacaru e a categoria forragem. Os agricultores rurais demonstraram a
importância das cactáceas, baseado nas várias potencialidades estabelecidas para as espécies, com
destaque para o potencial forrageiro, em que espécies de cactáceas garantem a alimentação de seus
animais.
Palavras-chave: cactos, etnobotânica, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO POPULAR SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NO ASSENTAMENTO
TAMBABA, CONDE, PARAÍBA, BRASIL
Michele Fernanda Marques de Brito¹, Denise Dias da Cruz²
¹Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Departamento de Sistemática e Ecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Ao longo do tempo, as sociedades humanas têm construído um amplo acervo de conhecimentos a
respeito dos ambientes onde estão inseridas, incluindo nestes, os conhecimentos a cerca do mundo
vegetal. Este saber, objeto de estudo da etnobotânica, tem suprido as necessidades de sobrevivência
dessas populações seja como alimento, como combustível, ornamental e também no controle, alívio ou
cura de doenças mais comuns do cotidiano. O presente trabalho teve como objetivo o levantamento
etnobotânico sobre o conhecimento e uso de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do
Assentamento rural Tambaba, localizado no litoral sul paraibano, município do Conde e também
inserido na Área de Proteção Ambiental Tambaba. O assentamento é formado por 45 famílias
distribuídas em lotes com cerca de cinco hectares. Foi aplicado o método bola de neve com entrevistas
informais e questionários semi-estruturados com seis informantes-chave da localidade. As plantas
indicadas foram coletadas durante turnê-guiada, posteriormente herborizadas, identificadas e
incorporadas ao Herbário JPB na UFPB. A análise dos dados mostrou uso de 17 espécies de plantas
medicinais distribuídas em 17 gêneros e 13 famílias, sendo Fabaceae, Euphorbiaceae e Rubiaceae as
mais representativas. Quanto ao uso, o tratamento de doenças associadas ao aparelho respiratório, ao
sistema sanguíneo, à inflamação e dor e ao sistema digestivo foram mais representados, sendo a casca,
com 35,3%, a parte mais utilizada, seguida pelas folhas e raízes, ambas com 17,7%, planta inteira
11,7%, caule, fruto e outras partes como o látex, representaram 5,9% cada. As espécies Hancornia
speciosa Gomes., Myracrodruon sp. e Punica granatum L. receberam maior indicação de uso. Das
plantas coletadas, ervas e árvores obtiveram a mesma representação, 35,3%, sub-arbustivo representou
17,6% das amostras e arbustos 11,7%. Em sua maioria, as plantas eram nativas e coletadas na
vegetação ao entorno do assentamento, sendo o chá a forma de preparo mais comum.
Palavras-chave: etnobotânica, plantas medicinais, paraíba
Área temática: Etnobotânica
!
QUINTAIS EM ÁREA DE VÁRZEA NA COMUNIDADE SACAÍ, RORAIMA, BRASIL.
Jessica Soares Cravo¹, Hugo Leonardo Sousa Farias¹, Rodrigo Leonardo Costa de Oliveira¹
¹Laboratório de Turismo, Ecologia e Meio Ambiente, Universidade Estadual de Roraima – UERR
Alta diversidade biológica e cultural intimamente ligadas conferem importância ímpar a pesquisa
etnobotânica. Como o conhecimento popular vem desaparecendo gradativamente e o Brasil detendo
um grande número das espécies descritas no mundo torna-se uma necessidade a pesquisa e difusão
desses conhecimentos. Este trabalho objetivou realizar o levantamento das espécies vegetais e seus
usos nos quintais de Sacaí, comunidade localizada em área de várzea na região Baixo rio Branco,
Roraima. A pesquisa foi executada entre 11 e 14 de dezembro de 2011 em 14 quintais ativos
considerados tradicionais (mantidos com o trabalho familiar e tecnologia tradicional). Foram
realizadas 14 entrevistas semi-estruturadas com os mantenedores dos quintais, sendo 11 do sexo
feminino (entre 12 e 71 anos). Dos três entrevistados do sexo masculino (entre 29 e 57 anos), apenas
um trabalhava sozinho no quintal, os demais ajudavam as esposas no cuidado do terreno,
predominando assim a presença das mulheres na manutenção dos quintais da comunidade, onde a
atividade predominante é a pesca. Foram encontrados 101 vernáculos, excluindo as 34 plantas não
identificadas pelos mantenedores classificados em seis usos: medicinal (26), alimentício (61),
ornamental (11), mágico-religioso (3), sombra (5) e outros (7). A goiabeira foi o vernáculo e a arbórea
mais frequente, apesar de ter apenas um uso (alimentício) atribuído. O número de plantas cultivadas
resumia-se em sua maioria a herbáceas de canteiro ou hortas suspensas, plantas fáceis de serem
removidas, rápido cultivo, de fácil uso e manutenção. As arbóreas encontradas nos quintais já estavam
nos mesmos, antes dos atuais moradores chegarem e ali permaneceram por resistirem as alagações, e
por não necessitarem de maiores cuidados. Os quintais estudados eram pobres em relação ao número,
usos e diversidade de espécies. As constantes enchentes na região, e pouco interesse pelos
mantenedores podem influenciar na baixa diversidade florística dos quintais.
Palavras-chave: quintais, área de várzea, amazônia
Área temática: Etnobotânica
!
USO DAS PLANTAS NA COMUNIDADE PESQUEIRA ARTESANAL DA VILA DE
ZACARIAS, MARICÁ, RIO DE JANEIRO, BRASIL.
Hanna Ayres Burnier¹, Luci de Senna-Valle¹
¹Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
A etnobotânica busca compreender o saber empírico das comunidades tradicionais sobre o mundo
natural e sobrenatural, que é transmitido oralmente entre gerações. Este estudo tem como objetivo
conhecer as espécies utilizadas para fins alimentícios, medicinais e ritualísticos na comunidade
pesqueira artesanal da Vila de Zacarias que está inserida na Área de Proteção Ambiental (APA) de
Maricá. Registrou-se também o uso, forma de preparo e parte utilizada das espécies citadas pelos
informantes desta comunidade. Os informantes foram escolhidos através da técnica “bola de neve”;
sendo realizadas entrevistas informais, semi-estruturadas, e a técnica de observação participante que
foram registradas em diário de campo, gravações e fotografias. A coleta do material botânico está
sendo realizada através da técnica de turnê guiada, sendo posteriormente prensado, herborizado,
montado e identificado até o nível de espécie, com auxílio de material ótico, literatura especializada e
comparação com os materiais de herbários. Os exemplares serão depositados no herbário do Museu
Nacional. Até o momento, foram entrevistados quatro informantes (duas mulheres e dois homens). A
categoria de uso mais citada foi a medicinal, com 24 espécies de 17 famílias botânicas, seguida da
alimentícia com 12 espécies e ritualística com oito espécies, cada uma de oito famílias diferentes.
Stachytarpheta cayennensis. (Rich.)Vahl, (gervão roxo) foi uma das mais citadas, sendo indicada para
o tratamento de diabetes. Esta pesquisa é de extrema importância, pois os conhecimentos da
comunidade sobre a flora local agregam valor aos remanescentes de restinga da APA, que se encontra
sob ameaça, devido a especulações imobiliárias, como o plano de construir um “Resort” no local. Tal
intervenção levará o deslocamento desta comunidade, a destruição ambiental e a perda do
conhecimento sobre a flora local.
Palavras-chaves: plantas medicinais, comunidade pesqueira, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
PLANTAS MEDICINAIS EM MERCADOS PÚBLICOS AMAZÔNICOS
Pedro Glécio Costa Lima1; Márlia Coelho-Ferreira1; Ronize da Silva Santos1
1
Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG
As feiras e mercados da Amazônia mantêm uma riqueza cultural importante relacionada ao uso da
biodiversidade. Diante disto, pretende-se com este trabalho realizar um levantamento dos estudos
sobre plantas medicinais em mercados dos países amazônicos, procurando verificar a riqueza de
famílias botânicas e a variação desta riqueza entre os mercados. Foram compiladas informações de
artigos e trabalhos acadêmicos realizados na Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Peru, Venezuela,
Guiana, Suriname e Guiana Francesa. Foi consultada a Lista de Espécies do Brasil para evitar erros de
grafia e sinonímias das famílias listadas. A similaridade de famílias botânicas entre os locais dos
estudos foi analisada por meio do Índice de Jaccard. Foram compiladas informações de 13 trabalhos
realizados no Brasil (5), Venezuela (3), Perú (2), Bolívia (1), Equador (1) e Suriname (1). Os locais
estudados apresentaram uma média de 39,23±20,24 famílias, com mínimo e máximo de 09 e 80
representantes neste nível taxonômico. As famílias mais expressivas são Fabaceae, Asteraceae e
Lamiaceae. Em se tratando da similaridade de famílias, observa-se um agrupamento entre mercados da
Amazônia Oriental, abrangendo trabalhos do Brasil e Suriname. Para a região Ocidental ocorre
agrupamento dos trabalhos realizados em mercados localizados no Peru, Equador e Bolívia, sendo que
para a Venezuela ocorrem similaridades com ambos os grupos. A contribuição da pesquisa
etnobotânica em mercados tem possibilitado avanços no sentido de entender a diversidade de recursos
da fitofarmacopeia amazônica. Tais pesquisas podem contribuir com o mapeamento dos recursos
biológicos aproveitados nos diferentes biomas, bem como subsidiar análises sobre a situação da
conservação das espécies medicinais ameaçadas de extinção.
Palavras-chave: etnobotânica urbana, fitofarmacopeia amazônica, similaridade florística
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE UMA HATI PARESI
Bernardo Tomchinsky¹, Lin Chau Ming¹; Estelita Maria Gurgel¹, João Nelson¹Azomazokae¹, Benedito
Garcia Onezoka¹
¹Universidade Estadual Paulista, Júlio de Mesquita Filho – UNESP
A Hati é a moradia tradicional do povo indígena Paresi que habita o Cerrado da região Oeste do estado
do Mato Grosso, Brasil. O contato direto com outros povos vem alterando o modo tradicional de
construção assim como os materiais utilizados. Este estudo objetivou o levantamento das espécies
utilizadas na construção de uma Hati bem como a mensuração da quantidade delas através de
entrevistas, medições e reconhecimento das plantas em campo. Foram identificadas seis espécies
diferentes necessárias para a construção de uma Hati de 15 metros de comprimento, seis de altura e
sete de largura, todas encontradas em Matas de Galeria da região. Para a parte estrutural são utilizadas:
a Makore, em língua Paresi, (Aspidosperma sp.) nos caibros e colunas, num total de 101 árvores e
3m3. A Hoji, uma Flacourtiaceae é utilizada nas vigas totalizando 12 árvores ou 0,65 m3; a Waysê
(Euterpe sp.), no papel das ripas, com cerca de 50 plantas; a Isoe niyali (palha de buriti), Mauritia
flexuosa L.f. é usada na cobertura das casas, sendo necessárias de 70 a 80; a Haolo tyatya (Maytenus
sp.) para a confecção do rodapé, não quantificado; e o Ididihi, Desmoncus sp. era tradicionalmente
utilizado nas amarrações da estrutura. É utilizada uma grande quantidade de recursos vegetais na
construção de uma única Hati Pareci, algumas espécies já foram substituídas, mas a atual
descaracterização da vegetação natural e o adensamento populacional deste povo nas reservas
indígenas exige novos estudos sobre um manejo mais sustentável destas plantas.
Palavras-chave: etnobotanica, hati paresi, manejo florestal
Área temática: Etnobotânica
!
PLANTAS MEDICINAIS DE USO FEMININO
KANTARURÉ BATIDA, GLÓRIA-BA, BRASIL.
NA
COMUNIDADE
INDÍGENA
Késsia Virgínia dos Santos Lima¹, Erika dos Santos Nunes¹, Luanna Oliveira de Freitas¹, Thiago
Bezerra Gomes¹.
¹Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Nas últimas décadas, várias pesquisas têm sido desenvolvidas sob o aspecto etnobotânico e
farmacológico da saúde feminina. Além do registro de informações etnofarmacológicas, as mesmas
contribuem para o reconhecimento e valorização do saber detido, principalmente, nas parteiras
tradicionais. Na região Nordeste estes estudos são insipientes, dispondo-se como referência a pesquisa
sobre a saúde e fecundidade entre povos indígenas de Pernambuco. Nesse contexto o presente trabalho,
objetivou realizar o levantamento etnobotânico sobre plantas medicinais de uso feminino indicadas por
rezadeiros, curandeiros e parteira local na comunidade indígena Kantaruré Batida. Vale salientar que
as pesquisas etnobotânicas evidenciam que um valioso saber sobre os recursos vegetais encontram-se
detidos nos especialistas, pois possuem um domínio no conhecimento específico sobre o uso
terapêutico das plantas. Empregando-se metodologias participativas e técnicas qualitativas da
etnobotânica a coleta de dados incluiu: listagem livre, entrevista semi-estruturada e anotações no diário
de campo. Por meio da listagem livre os colaboradores foram solicitados a citar nomes populares de
plantas medicinais conhecidas de uso feminino e, a partir dessa listagem, direcionados à entrevista
semiestruturada. Foram registrados nome popular, origem, uso terapêutico, parte utilizada, preparação
e contraindicação de 26 espécies indicadas para uso feminino, dentre as quais, é importante ressaltar as
que tiveram o maior número de citações: cajueiro vermelho, ameixa, aroeira, palpiranha e facheiro.
Quanto à origem, 21 espécies são nativas, ou seja, são de área de caatinga. A parte da planta utilizada
mais referida foi à casca e as folhas, sendo a maceração e a infusão a forma de preparo mais
frequentemente utilizada. Com relação às indicações terapêuticas, as categorias mais representativas
foram aquelas relacionadas ao aparelho reprodutor e a regulação do ciclo menstrual. Quanto à
contraindicação foram citadas (8) espécies de uso não permitido para gestantes, sendo as mesmas, de
acordo com o conhecimento tradicionalmente acumulado, consideradas abortivas. Foi constatado ainda
que todos os especialistas entrevistados demonstraram elevado conhecimento sobre o poder curativo
das plantas medicinais, os quais foram adquiridos na própria aldeia, através de seus antepassados.
Palavras-chave: etnobotânica, plantas medicinais, ìndios
Área temática: Etnobotânica
!
USOS E CRITÉRIOS PERCEBIDOS POR ESPECIALISTAS LOCAIS NA INDICAÇÃO DE
PLANTAS PARA O TRATAMENTO DE DOENÇAS: INVESTIGANDO UM SISTEMA
MÉDICO LOCAL NO NORDESTE BRASILEIRO.
Washington Soares Ferreira Júnior¹, Flávia Rosa Santoro¹, Ulysses Paulino Albuquerque¹
¹Laboratório de Etnobotânica Aplicada, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFPRE
Dada a necessidade de um melhor entendimento sobre o uso de plantas dentro de sistemas médicos
locais, a presente pesquisa buscou acessar as plantas indicadas para o tratamento de categorias e
subcategorias de doenças, além dos motivos da indicação de plantas para o tratamento de cada doença
citada por especialistas do Sítio Brea, Ceará. Para isso, foram selecionados 22 especialistas locais a
partir da técnica da bola de neve, sendo empregadas entrevistas semi-estruturadas a fim de obter
informações sobre as plantas conhecidas e utilizadas como medicinais e as indicações locais
(categorias e subcategorias de doenças reconhecidas). Além disso, procurou-se saber o motivo da
indicação da planta para o tratamento de cada doença. Foram encontradas 103 categorias locais, sendo
as subcategorias observadas em indicações como "inflamação" com 17 subcategorias e "câncer", com
13 subcategorias. Foram encontradas 133 etnoespécies citadas pelos informantes para o tratamento das
doenças indicadas. Variações na composição de plantas foram observadas não somente entre cada
categoria de doença, mas também ao nível de subcategorias, ou seja, a depender do tipo de
"inflamação" ou do tipo de "câncer" plantas diferentes são indicadas para o tratamento. Sobre o motivo
de ter citado as plantas para o tratamento das doenças, a eficácia da planta foi a principal justificativa
encontrada, como expressado nas respostas "porque é boa" ou "porque melhora" (155 citações),
seguidas do "sabor" da planta (73 citações). Estes resultados mostram a importância da eficácia e do
sabor na indicação de plantas para o tratamento de doenças locais pelos especialistas. Além disso, os
resultados também indicam que a investigação em subcategorias pode informar variações na
composição de plantas em diferentes subtipos de uma mesma doença, fornecendo um maior detalhe
para a pesquisa por considerar indicações de plantas para tratamentos mais específicos, informações
valiosas para futuras investigações envolvendo a bioprospecção.
Palavras-chave: etnobotânica, plantas medicinais, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL DE PLANTAS ÚTEIS EM UMA COMUNIDADE
RURAL NO CARIRI PARAIBANO, NORDESTE DO BRASIL
Thamires Kelly Nunes Carvalho¹, Gysleynne Gomes da Silva Costa¹, Claudio César Montenegro
Júnior¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A etnobotânica estuda e registra o conhecimento gerado a partir da relação homem/planta, servindo de
subsídio para técnicas de manejo sustentável e conservação dos recursos vegetais. O presente estudo
registrou o conhecimento e a utilização de espécies vegetais úteis por moradores da comunidade rural
de Santa Rita, município do Congo (Paraíba/Nordeste/Brasil). Foram realizadas entrevistas com os
chefes de família (homem e mulher) totalizando 98 informantes (57H/41M), os quais assinaram o
termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW
nº297/11). Os usos atribuídos as espécies foram organizados em categorias, sendo elas alimento,
combustível, construção, forragem, mágico/religioso, ornamental, outros, tecnologia, veneno/abortivo
e veterinário. O VU foi utilizado para ordenar as espécies, famílias e categorias mais importantes, onde
VU=∑Ui/n; VUf=∑Ui/nf e VU=∑Ui/nc, sendo Ui=número de citações atribuídas a espécie e
n=número total de informantes, nf=número de espécies na família e nc=número de espécies na
categoria. A relação entre os gêneros foi testada pela Correlação de Pearson. O Teste G foi utilizado
para analisar a relação entre número de citações/espécies dentro de cada categoria. Foram registradas
62 plantas, identificadas 43 espécies, 39 gêneros, 20 famílias. As espécies que apresentaram maior VU
foram Tabebuia aurea (Silva Manso) Benth. & Hook. f. ex S. Moore (VU=5,88), Aspidosperma
pyrifolium Mart. (VU=3,74) e Sideroxylon obtusifolium (Roem & Schult.) T.D.Penn. (VU=3,71). As
famílias mais importantes foram Apocynaceae (VU=3,74), Sapotaceae (VU=3,71) e Rhamnaceae
(VU=3,02). Se destacaram as categorias construção(VU=0,33), combustível (VU=0,25) e tecnologia
(VU=0,25). As partes mais usadas foram madeira, casca e fruto com (2.957, 735 e 423 citações,
respectivamente). Houve fortes correlações entre homens e mulheres com relação às espécies mais
importantes (p<0,0001; r=0,95). O Teste G apresentou correlações entre as espécies e citações de uso
em cada categoria (p<0,0001). Os dados evidenciam a utilização de um grande número de espécies
nativas, sendo necessário estudos que avaliem o impacto de tais usos.
Palavras-chaves: etnobotânica, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS LENHOSAS NA MEDICINA
TRADICIONAL EM UMA COMUNIDADE RURAL NO ESTADO DA PARAÍBA
(NORDESTE DO BRASIL)
Nayze de Almeida Marreiros1, Kamila Marques Pedrosa1, Núbia da Silva1, Carlos Antônio Belarmino
Alves2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB.
2
Universidade Estadual da Paraíba - UEPB.
Muitas espécies vegetais lenhosas são utilizadas no tratamento de enfermidades por diversas
populações do semiárido, sendo uma tradição antiga o uso de plantas nativas com potencial médico. O
presente estudo registrou o conhecimento e uso pelos moradores da comunidade São Francisco,
município de Cabaceiras, mesorregião do Planalto da Borborema, microrregião do Cariri Oriental
(Nordeste/Brasil), realizando-se entrevistas com 123 informantes (53H/70M), os quais assinaram o
termo de consentimento livre exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW nº297/11).
Utilizou-se o valor de uso (VU) por meio dos três tipos de cálculos (VUatual, VUpotencial e VUgeral)
para ordenar as espécies de acordo com sua importância. A Correlação de Pearson foi testada entre os
VUs, entre os gêneros, e entre os VUs dos gêneros. Foram registradas 26 espécies, 25 gêneros, 12
famílias. Registraram-se 693 citações de uso (313H/380M). As partes utilizadas foram casca (63%),
látex (9%), flor (8%), folha (7%), entrecasca (6%), Raiz (5%) e fruto (2%), utilizadas para tratamento
de 42 enfermidades. Houve fortes correlação entre os Vus (p<0,0001). Todos os VUs apresentaram
correlação positiva entre gêneros (p<0,0001). Quando comparados os valores de uso dos gêneros, tanto
dos homens como das mulheres apresentaram fortes correlações (p<0,0001). No VUgeral, VUatual e
VUpotencial a espécie Sideroxylon obtusifolium (Roem &Schult.) (quixabeira) se destacou
(0,96/0,68/0,28, respectivamente). Quando analisado os gêneros separadamente, S. obtusifolium
continuou
em
destaque
para
as
mulheres
nos
três
valores
de
uso
(VUgeral=0,91/VUatual=0,54/VUpotencial=0,37) e, para os homens, permaneceu no
VUgeral=1,02/VUatual=0,87, modificando no VUpotencial, no qual se destacou Pseudobombax
marginatum (A.St.-Hil.) (imbiratã) A. Robyns (0,37). A tosse foi a doença mais citada por homens
(55citações) e mulheres (106). Com relação ao sistema corporal, o de transtornos no sistema
respiratório foi o mais citado pelos homens (56 citações) e pelas mulheres (116). Os dados evidenciam
o conhecimento de diversas espécies, mas o uso efetivo de poucas, o que pode trazer pressão de uso
sobre as mesmas.
Palavras-chave: plantas medicinais, etnobotânica, caatinga.
Área temática: Etnobotânica
!
PLANTAS MEDICINAIS LENHOSAS CONHECIDAS E UTILIZADAS EM
COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
DUAS
Nayze Almeida Marreiros¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹, Natan Medeiros Guerra¹, Zenneyde Alves
Soares¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O uso de plantas medicinais é uma prática antiga no tratamento de enfermidades humanas, passando de
geração em geração. O presente estudo registrou e comparou as espécies medicinais conhecidas e
utilizadas em duas comunidades rurais (Paraíba/Nordeste/Brasil). Realizaram-se entrevistas na
comunidade Coelho, (Remígio,37 informantes-17H/20M) e Capivara (Solânea,112,53H/59M),
totalizando 149 informantes, os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de
ética em pesquisa(CEP/HULW nº297/11). Utilizou-se o valor de uso por meio de três cálculos
(VUatual-VUpotencial-VUgeral), buscando identificar se o elenco das plantas medicinais mais importantes
mudaria em cada VU. A Correlação de Pearson correlacionou os VUs e os gêneros de cada
comunidade, e o Teste de Kruskal-Wallis entre as comunidades. Registraram-se 33 espécies, 28
gêneros, 15 famílias. A casca foi à parte mais usada com 84 citações em Remígio(46%), e 495 em
Solânea(62%). Registraram-se 49 indicações terapêuticas em Solânea e 32 em Remígio. Houve
correlação positiva entre os VUs(p<0,0001) de cada comunidade. Todos os VUs apresentaram
correlação positiva entre gêneros nas duas comunidades(p<0,05). Quando comparados entre as
comunidades, só obteve correlação no VUatual entre os homens(p<0,05-H=5,46). Em Remígio,
Poincianella pyramidalis Tul. se destacou no VUgeral(0,8) e VUatual(0,7), Sideroxylon obtusifolium
(Roem & Schult.) no VUpotencial(0,2). Em Solânea, Myracrodruon urundeuva Allemão no VUgeral(1,3) e
VUatual(1,1), e Amburana cearensis (Allemão)A.C.Sm. no VUpotencial(1,1). Em Remígio M. urundeuva
se destacou entre os homens em todos os VU (VUgeral1,1-VUatual0,8-VUpotencial(0,3) e, no VUgeral(1,1) e
VUpotencial(0,2) em Solânea, e A. cearensis no VUatual(1,0). Entre as mulheres, em Remígio, P.
pyramidalis no VUgeral(1,0) e VUatual(0,8), e S. obtusifolium no VUpotencial (0,3), e em Solânea, M.
urundeuva no VUgeral(1,4) e VUatual(1,3), e Croton blanchetianus Baill no VUpotencial(0,2). Os dados
evidenciam a preferência das pessoas pelo uso de certas plantas, inclusive de espécies ameaçadas de
extinção. Houve diferenças no elenco das plantas mais importantes de acordo com cada VU.
Palavras-chave: etnobotânica, florestas secas, valor de uso
Área temática: Etnobotânica
!
PROJETO PRÓ FRUTAS NATIVAS - RECURSOS VEGETAIS LOCAIS E A
CONSERVAÇÃO DAS ÁREAS NATURAIS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE, RS,
BRASIL
Claudine Abreu Corrêa¹, Estela Santos², Matias Köehler³
¹Instituto GA
²Artes visuais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS
³Ciências Biológicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS
Frutas como o butiá (Butia odorata), pitanga (Eugenia uniflora), araçá (Psidium cattleianum),
bananinha-do-mato (Bromelia antiachanta) e guabijú (Myrcianthes pungens) estão tradicionalmente
associadas aos agricultores familiares e povos tradicionais. A utilização das frutas nativas pode
representar uma estratégia importante para a conservação dos ambientes naturais, da diversidade
cultural associada e o incremento da renda em pequenas propriedades rurais. Um levantamento recente
aponta, para o município de Porto Alegre, cerca de 80 espécies autóctones com uso reconhecido ou
potencial como frutífera para a alimentação humana. O projeto Pró Frutas Nativas de Porto Alegre
objetiva fomentar o conhecimento e a utilização das frutíferas nativas visando à conservação da
biodiversidade em áreas naturais remanescentes no município. Dentre as ações conduzidas pelo projeto
está a elaboração de materiais informativos acerca do tema, nos quais questões etnobotânicas,
ecológicas e nutricionais relacionadas aos frutos serão expostas de forma simples e acessível a diversos
tipos de público. Serão produzidos dois vídeos cuja proposta é revelar um panorama geral das
frutíferas nativas ao longo das atividades do projeto: saídas de campo, visitas às propriedades e
entrevistas com produtores, feirantes e consumidores das frutas e seus produtos derivados. Cerca de
100 matrizes destacadas como potenciais produtoras de sementes, cultivadas ou locadas em áreas
naturais, serão georeferenciadas. A partir destes dados será organizado um mapa interativo, o qual
poderá ser acessado através do site produzido especificamente para o projeto; o mesmo hospedará um
guia virtual que abordará em detalhes cerca de 40 frutíferas nativas de ocorrência natural no município.
Pelo viés dos frutos nativos objetiva-se evidenciar a riqueza natural da cidade, bem como a
necessidade de conservação da mesma. Além de seu caráter informativo, o projeto propõe-se a facilitar
a formação de uma rede de pessoas interessadas no tema, reunindo produtores, pesquisadores,
técnicos, estudantes e público em geral.
Palavras-chave: frutas nativas, ambiente natural, formação de redes
Área temática: Etnobotânica
!
IMPORTÂNCIA RELATIVA DE PLANTAS MEDICINAIS APLICADAS NA VETERINÁRIA
EM QUATRO COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO, NORDESTE BRASIL
Amabile Arruda de Souza e Silva1, Marília da Silva Santos1, Ezequiel da Costa Ferreira1, Pedro
Mouzinho de Oliveira Neto1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB.
O uso de plantas medicinais para o tratamento de animais é muito comum entre populações
tradicionais. Esta pesquisa foi feita a partir de dados coletados sobre a utilização dessas plantas na
veterinária tradicional em comunidades rurais da Paraíba, buscando identificar suas importâncias
relativas. Entrevistas foram realizadas com os chefes de família em Cabaceiras (comunidade São
Francisco, 123 informantes-53H/70M), Remígio (Coelho, 38-18H/20M), Solânea (Capivara, 11253H/59M) e Congo (Santa Rita, 98-41H/57M), totalizando 371 informantes, que assinaram o termo de
consentimento livre e esclarecido exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW n°297/11).
Calculou-se a Importância Relativa (IR) usando a fórmula IR=NSC+NP, onde IR=Importância
relativa, NSC=número de sistemas corporais e NP=número de propriedades. Foram identificadas 26
espécies, 24 gêneros e 13 famílias. As plantas com maior IR em Cabaceiras foram Jatropha mollissima
(Pohl) Baill. (2) e Myracrodruon urundeuva Allemão (1,1); no Congo, Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.)
L.P.Queiroz (1,83) e Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. (1,8); em Remígio e Solânea foi Cynophalla
flexuosa (L.) J.Prese (2) e M. urundeuva (0,9 e 1,23, respectivamente). Em relação ao Número de
Sistemas Corporais por Espécie (NSCE), L. férrea, no Congo e C. flexuosa, em Solânea, receberam o
maior número de sistemas (5), seguido de J. mollissima em Cabaceiras e M. tenuiflora, no Congo com
quatro sistemas. M. urundeuva obteve três sistemas em Solânea e no Congo, e duas em Cabaceiras e
Remígio. Em relação ao número de propriedades da espécie (NPE) se destacou C. flexuosa em Solânea
com 11 propriedades e M. urundeuva, com sete. Em todas as comunidades, a parte mais utilizada foi a
casca. A indicação terapêutica mais citada em Remígio/Cabaceiras foi limpeza uterina pós parto, gogo
de galinha e raiva em Solânea, e cicatrizante no Congo. Os dados evidenciaram a utilização
concentrada em poucas espécies, como J. mollissima e C. flexuosa.
Palavras-chave: plantas medicinais, semiárido, veterinária.
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE PLANTAS TÓXICAS PARA ANIMAIS E
HUMANOS EM COMUNIDADES RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO, NORDESTE,
BRASIL.
Amabile Arruda de Souza e Silva¹, Marília da Silva Santos¹, Raphael Cavalcante Paulo¹, Pedro
Mouzinho de Oliveira Neto¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Dentro do conhecimento sobre as utilidades das plantas, as populações tradicionais também conhecem
seus efeitos maléficos, como por exemplo, a toxicidade para animais e pessoas. Neste aspecto, este
estudo registrou o conhecimento das espécies consideradas tóxicas para animais e/ou humanos em seis
comunidades rurais do semiárido da Paraíba (Nordeste/Brasil). Foram realizadas entrevistas com os
chefes de família (homem/mulher), perguntando-se sobre as plantas conhecidas por serem tóxicas, os
quais assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido pelo comitê de ética em pesquisa
(CEP/HULW n°297/11). Foram entrevistadas 37 informantes em Remígio (comunidade
Coelho,17H/20M), 112 em Solânea (Capivara, 53H/59M), 123 em Cabaceiras (São Francisco,
53H/70M), 37 em São Mamede (Várzea Alegre, 18H/19M), 15 em Itaporanga (Pau D’Arco, 8H/7M) e
66 em Lagoa (Barroquinha e Besouro, 25H/41M). Destes, 235 citaram plantas tóxicas, sendo
organizadas em quatro categorias: veneno animal, veneno humano, abortivo animal e abortivo
humano. Utilizou-se o valor de uso (VU) por meio de três cálculos (VUgeral/VUatual/VUpotencial). Foram
registradas 21 espécies, 19 gêneros e 11 famílias. Foram citadas quatro espécies que são abortivas para
mulher, e 11 para animais. Como veneno para os animais registraram-se nove plantas, e como veneno
para as pessoas, só uma espécie citada em Lagoa. Como abortivo e veneno animal, destacou-se
Manihot cf. dichotoma Ule em todas as comunidades, e em todos os valores de uso. Só em Itaporanga
que Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan se destacou no VUgeral e VUatual (0,47 e 0,2,
respectivamente). As famílias que se destacaram foram Euphorbiaceae em Remígio, Solânea, Lagoa e
Itaporanga. Apocynaceae em Cabaceiras, e Fabaceae em São Mamede. Os dados apresentados
evidenciam o conhecimento de um vasto elenco de plantas com efeito tóxico para animas e pessoas, na
perspectiva popular, sendo necessário estudos que testem sua toxicidade em laboratório, utilizando as
informações desse estudo como base para seleção das espécies.
Palavras-chave: etnobotânica, plantas tóxicas, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
CONSENSO CULTURAL SOBRE CONHECIMENTO E USO DE PLANTAS MEDICINAIS
UTILIZADAS PELA COMUNIDADE QUILOMBOLA DO CARRASCO, ARAPIRACA-AL.
Gleica Maria Correia Martins¹, Janimara Marques da Silva¹, Daniele Cristina de Oliveira Lima²,
Henrique Costa Hermenegildo da Silva¹
¹Universidade Federal de Alagoas – UFAL
²Faculdade São Vincente – FASVIPA/CESMAC
O presente estudo foi realizado na comunidade rural do Carrasco, situada no município de Arapiraca
em Alagoas, objetivando avaliar o consenso de informantes sobre plantas medicinais. Foi realizado um
censo com 171 informantes que consentiram participar da pesquisa, sendo aplicada a lista livre por
meio de entrevista semi-estruturada. Gerou-se um banco de dados com informações sobre: plantas
conhecidas, usos, parte utilizada e local de coleta. Em seguida foram filtradas 232 plantas medicinais
cultivadas nos quintais, seus usos e 259 informantes que as citaram. Os dados obtidos foram
exportados para o software Anthropac para filtrar as plantas medicinais com os maiores valores de
“saliência” (a partir de 0,015) e os informantes com maior consenso na citação (Freqüência média
acima de 65 %). Para avaliar o consenso foram filtradas 32 plantas e oito informantes, todas do sexo
feminino. Estas plantas foram apresentadas por meio de um herbário móvel e fotos digitais como
estímulo visual. A partir de então, calculou-se o FCI = nar-na / nar – 1 (onde FCI = fator de consenso
dos informantes; nar = o número de citações de usos em cada categoria; e na = número de espécies
usadas). Os resultados apontaram a hortelã (Plectranthus sp.) como a espécie com maior saliência
(0,505) e maior número de usos (9 usos). A cidreira (Melissa officinalis L.), capim santo (Cymbopogon
citratus Stapf) e arruda (Ruta graveolens L.), também apresentaram saliência elevada (0,421; 0,348 e
0,277 respectivamente). A categoria de uso com maior consenso entre informantes foi relativa a
doenças do aparelho geniturinário (FCI=1) e seis categorias não apresentaram consenso (FCI=0). Com
relação ao consenso sobre o nome, percebeu-se que apenas a Annona muricata L. (graviola ou
coração) apresentou variação léxica. Estas informações possibilitarão o desenvolvimento de ações
voltadas para a bioprospecção e o manejo adequado dos recursos naturais.
Palavras-chave: etnobotânica, saliência cultural, etnoecologia
Área temática: Etnobotânica
!
INVENTÁRIO IN SITU DO USO DE RECURSOS VEGETAIS MADEIREIROS EM UMA
COMUNIDADE RURAL NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
Gleicy Deise Santos Lima1, José Ribamar de Farias Lima2, Núbia da Silva1, Diego Batista de Oliveira
Abreu2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB;
2
Pós Graduação em Ecologia e Monitoramente Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB.
A utilização de madeira é uma das principais atividades humanas, historicamente reconhecida devido a
gama de utilizações dada a esses recursos pelas populações humanas, utilizando-os das formas mais
diversas. O objetivo deste trabalho foi identificar os usos de recursos madeireiros em uma comunidade
rural no semiárido paraibano. O inventário do uso foi feito a partir de visitas mensais nas residências
da comunidade São Francisco, município de Cabaceiras, durante 12 meses (Julho-2011/Julho-2012),
nas quais houve o registro de todos os itens de madeira. Foram visitadas 61 residências. O informante
foi o responsável pela casa, o qual assinou o termo de consentimento livre exigido pelo Comitê de
Ética em Pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Foi verificado o uso de 41 espécies, alocadas em seis
categorias (combustível, construção rural, construção doméstica, tecnologia, mágico-religioso e
ornamentação), de acordo com o uso dado aos produtos finais. As espécies nativas mais utilizadas
foram o pereiro (Aspidosperma pyrifolium Mart.), presente em todas as residências (f =100%) e o
marmeleiro (Croton blanchetianus Baill.{f=85%}), inseridas na categoria construção rural,
principalmente na construção de cercas. A maior quantidade de usos distintos e de espécies foi
verificada na categoria tecnologia (63 espécies), sem mudanças durante a pesquisa. A utilização como
combustível (lenha/carvão) ganhou uma representatividade significante devido a presença de
renovação dos recursos combustíveis em todas as onze visitas mensais, com ênfase na aroeira
(Myracrodruon urundeuva Allemão{f=35%}) e na catingueira (Poincianella pyramidalis
Tul{f=30%}). Já na categoria construção rural, também foi verificada a extração mensal, para reparo
de cercas, de A. pyrifoliume e C.blanchetianus. A região passou por período de estiagem em 2012,
acarretando pouca diferença entre usos no período de seca e chuva. Verificou-se a utilidade do
inventário in situ como instrumento indicativo da pressão das populações humanas sobre a flora nativa
do semiárido, bem como do direcionamento de estudos sobre prioridade de conservação.
Palavras-chave: etnobotânica, populações tradicionais, caatinga.
Área temática: Etnobotânica
!
INVENTÁRIO IN SITU DO USO DE RECURSOS VEGETAIS NÃO MADEIREIROS NO
SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL).
Gleicy Deise Santos Lima¹, José Ribamar de Farias Lima², Núbia da Silva¹, Diego Batista de Oliveira
Abreu², Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
²Pós-Graduação em Ecologia e Monitoramente Ambiental, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
O uso de recursos vegetais no cotidiano de populações tradicionais perpassa por diversos usos na
história da humanidade. A maioria desses usos ainda se mantém no semiárido nordestino. Este trabalho
registrou a utilização de espécies vegetais com atributos não madeireiros em uma comunidade rural do
semiárido paraibano, no município de Cabaceiras (Nordeste/Brasil). O estudo foi feito por meio do
inventário in situ com visitas mensais nas residências da comunidade São Francisco, durante 12 meses
(julho de 2011 a junho de 2012). Foram visitadas 61 residências, que abrigam cerca de 210 pessoas. O
informante foi o responsável pela residência (homem ou mulher), que assinaram o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Verificou-se o
uso de 82 espécies vegetais, 67 gêneros e 38 famílias, das quais 10 exóticas, elencados em oito
categorias de uso (alimento, forragem, higiene pessoal, medicinal, veterinária, ornamental,
tecnologia{uso de folhas e ramos}, e mágico religioso). As categorias com maior número de espécies
foram medicinal (63 espécies) e veterinária (22 espécies), com destaque para aroeira (Myracrodruon
urundeuva Allemão {frequência=41,6%}) e o joão mole (Neea verticillata Ruiz & Pav.{f=28,3%}),
respectivamente. Nas revisões mensais, a categoria mais expressiva foi tecnologia, devido à extração
semanal de galhos da planta capa bode (Melochia sp.) para produzir vassouras utilizadas na limpeza
dos terreiros. Houve significante utilização da cactácea palma (Opuntia fícus indica Mill) utilizada
como forragem na caprino bovinocultura (frequência =81,6%). Devido à estiagem no início de 2012,
não verificou-se diferença significante entre usos no período de seca e chuva, a exceção do umbu
(Spondias tuberosa Arruda) presente na alimentação nos meses de fevereiro e março (f=81%). O
inventário in situ permitiu uma caracterização da exploração não madeireira da flora, indicando a
pressão que a população local aplicou e atualmente aplica sobre o meio e a dinâmica vegetal.
Palavras-chave: etnobotânica, caatinga, métodos
Área temática: Etnobotânica
!
ETNOBOTÂNICA DA CHACRONA (Psychotria viridis Ruiz & Pavon, RUBIACEAE)
UTILIZADA PELA COMUNIDADE DA UNIÃO DO VEGETAL, CACOAL – RO:
RESULTADOS PRELIMINARES.
Edenubia Aparecida Silva1, Santina Rodrigues Santana2, Eudismar Faquim1, Leonardo Kumagai A.
Sampaio3
1
Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal – FACIMED
2
Fundação Universidade Federal de Rondônia – UNIR
3
Laboratório OIKOS, Universidade Federal do Paraná – UFPR
Etnobotânica
é
a
ciência
que
estuda
as
interações
entre
pessoas
e
plantas em sistemas dinâmicos, muito utilizada como ferramenta para entender sistemas extrativistas.
Nesse contexto a Psychotria viridis Ruiz & Pavon pertence à família Rubiaceae e suas folhas são de
grande interesse religioso. Juntamente com outras ervas, faz-se uma bebida conhecida como
Ayahuasca. Inicialmente era utilizada exclusivamente por povos indígenas da Amazônia e, no começo
do século XX, seu uso se difundiu amplamente por diversos movimentos religiosos. Por ser
tradicionalmente utilizada, faz-se necessário estudos de sua biologia. Desta forma, este trabalho teve
como objetivo descrever o conhecimento etnobotânico sobre P. viridis da comunidade União do
Vegetal (UDV) de Cacoal, Rondônia. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com as pessoas
que fazem parte da administração da comunidade e aleatoriamente com alguns membros (n.20). A
UDV utiliza folhas de chacrona (P.viridis) juntamente com o cipó mariri, Banisteriopsis caapi (Spruce
ex Griseb) Morton (Malpighiaceae) para preparar o chá chamado ‘Vegetal’. As folhas de chacrona são
obtidas no viveiro da UDV e o mariri no remanescente florestal do sitio UDV. Observou-se segregação
das tarefas por gênero, em que as mulheres fazem a colheita e higienização das folhas e os homens que
fazem a colheita e higienização do cipó e também são responsáveis pelo cozimento do chá. Para
preparação do chá são utilizados oito feixes de 50 kg de cipó e oito quilos de chacrona em 80 litros de
água, resultando em 130 litros de chá. O tempo de cozimento varia de acordo com os responsáveis da
vez de preparo do vegetal. Espera-se esfriar o chá e é armazenado em vidros de aproximadamente 3
litros por até 60 dias. Os rituais são realizados duas vezes ao mês. Devido a alta demanda desses
recursos faz-se necessários estudos posteriores sobre a biologia desses recursos, bem como formas
alternativas de cultivo.
Palavras-chave: cultivo, usos tradicionais, ayahuasca.
Área temática: Etnobotânica
!
USO DE PLANTAS EM QUINTAIS DOMÉSTICOS EM CIDADES DE TRÊS REGIÕES
BRASILEIRAS
Juliana de Mello Botelho1, Ana Paula do Nascimento Lamano Ferreira1, Maurício Lamano Ferreira1
1
Universidade Nove de Julho – UNINOVE
O cultivo de plantas tem uma relação com o homem desde as primeiras organizações humanas. O uso
de plantas em quintais é uma tradição que tem passado de geração a geração em determinadas
localidades. Assim, trabalhos que visam tanto a conservação quanto a manutenção do conhecimento da
diversidade de seres vivos são fundamentais em instituições de ensino e centros de pesquisa. Os
objetivos desse trabalho foram avaliar o uso de plantas em quintais domésticos em diferentes cidades
de três regiões brasileiras (Cuiabá/MT; Cáceres/MT; Curitiba/PR; Campo Mourão/PR; Aracaju/SE;
Lagarto/SE) e conhecer o atual quadro da conservação do germoplasma de algumas espécies de plantas
alimentícias, medicinais e ornamentais cultivadas em quintais domésticos. Foram realizadas entrevistas
semi-estruturadas com moradores da capital (n=200 por cidade) e interior (n=50 por cidade). Os dados
foram avaliados a fim de se estabelecer o grau de importância das plantas para a população. Por fim foi
feito um levantamento das famílias botânicas mais utilizadas nestes quintais, além do órgão mais
utilizado, independentemente do fim utilitário. Neste estudo, foi observado um maior uso de plantas
alimentícias pelas populações estudadas, ocorrendo um maior uso em cidades interioranas, exceto na
região Sul, onde a população da cidade de Curitiba foi a que mais utilizou as plantas para a
alimentação. Os entrevistados da cidade de Aracaju foram os que mais utilizaram as plantas para fins
medicinais. Por outro lado, os moradores da região Sul foram os que mais utilizaram as plantas para a
ornamentação dos quintais. O órgão vegetal mais utilizado pelos entrevistados foi a folha. As famílias
mais recorrentes em todas as regiões foram Lamiaceae e Liliaceae. Assim, conclui-se que uso de
plantas varia de acordo com as cidades das regiões brasileiras estudadas, no entanto, o órgão utilizado
não variou dentre os entrevistados.
Palavras-chave: plantas ornamentais, plantas medicinais, plantas alimentícias.
Área temática: Etnobotânica
!
PERCEPÇÃO DE QUINTAL E SUA RELAÇÃO COM O CULTIVO DE PLANTAS NA
REGIÃO NORTE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
Ana Paula do Nascimento Lamano-Ferreira1, Priscila Ferreira Vilhaça1, Maurício Lamano Ferreira1,
Silvia Maria Guerra Molina2
1
Universidade Nove de Julho – UNINOVE
2
Universidade de São Paulo – USP
Os quintais são espaços ao redor da casa que podem ser utilizados para diversos fins, como para o
cultivo de plantas que, muitas vezes, podem ser resultado de conhecimento acumulado e transmitido ao
longo das gerações. O uso deste espaço pode estar relacionado à percepção dos moradores da
residência. O objetivo deste estudo foi verificar a percepção das mulheres paulistanas sobre os
quintais. A partir dessas informações foi relacionado a percepção com o cultivo de plantas. Para tanto,
foram realizadas entrevistas com 265 mulheres em treze bairros da região norte da cidade de São
Paulo. O método utilizado foi o da Listagem Livre (freelists) que consiste, basicamente, em solicitar
aos informantes de um grupo que listem os itens que lhe vêm à mente diante de uma pergunta. No
presente trabalho, a pergunta foi: “Quando se fala em quintal quais as palavras que vem em sua
cabeça?”. Posteriormente foi contado o número de vezes que cada termo foi mencionado, bem como a
sua frequência. As palavras mencionadas em primeiro lugar foram relacionadas ao cultivo de recursos
vegetais (planta, horta, jardim, flores, fruta, árvore) por 31,3% das mulheres (n=83), destas 66
possuíam quintal em suas residências e 52 delas cultivavam plantas, ou seja 62,6% das mulheres que
mencionaram plantas, as cultivam em seu quintal. A segunda palavra mais mencionada foi referente a
lazer (n=35). Destas respostas, apenas 5 famílias não possuíam quintal e 18 cultivavam plantas, isto é,
51,4% das mulheres que relacionaram o quintal com lazer cultivam plantas nos seus quintais. De
acordo com a percepção dos moradores, os resultados deste trabalho fomentam a ideia de que os
quintais da região norte da cidade de São Paulo apresentam funcionalidade para o cultivo de plantas
para diversos fins (alimentícios, medicinais e ornamentais), além de apresentar um espaço para o lazer.
Palavras-chave: quintais urbanos, percepção ambiental, cultivo de plantas.
Área temática: Etnobotânica
!
IMPORTÂNCIA RELATIVA DAS PLANTAS MEDICINAIS COMERCIALIZADAS NAS
FEIRAS DOS MUNICÍPIOS DE PAULO AFONSO-BA, DELMIRO GOUVEIA-AL E
PETROLÂNDIA-PE.
Estéfane Suane da Silva Martins1, Josaline Chaves da Costa1, Thaíse Bezerra de Oliveira1, Thiago
Bezerra Gomes1, Érica dos Santos Nunes1
1
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Os estudos etnobotânicos em feiras livres apresentam grande importância para o conhecimento das
formas de utilização das plantas pela população e também para o resgate dos saberes tradicionais
agregados a elas. Assim sendo, o presente trabalho teve por objetivo realizar um levantamento das
plantas medicinais vendidas nas feiras de três diferentes municípios: Petrolândia-PE, Delmiro
Gouveia-AL e Paulo Afonso-BA. Os dados foram obtidos através de entrevistas semi-estruturadas e
observação direta com 23 erveiros, em quatro feiras livres e, para a análise dos dados, foram aplicados
os índices de Nível de Fidelidade e Importância Relativa, para saber a importância das etnoespécies
para a população das 3 cidades listadas, com mais de 3 citações. No resultado encontrado na cidade de
Delmiro Gouveia, foi verificado um NF superior a 60%, ou seja, em geral a população conhece e
utiliza as plantas mencionadas para uma mesma finalidade. Nas outras 2 cidades, houve similaridade
nos dados, pois a maioria das etnoespécies também apresentou NF maior que 60%. Porém, em
Petrolândia, foram encontradas etnoespécies com valores de 42%, 85% e 50% e, em Paulo Afonso,
etnoespécies com valores de 40% e 50%. Entre as plantas que apresentaram IR>1, estão: canela,
girassol, gergelim, noz moscada, angico, cajueiro vermelho, sena, pixuri, endro, cravo, amora miúra e
alecrim de caco. Os menores valores, com IR 0,37 de importância relativa foram observados em
etnoespécies como a alfazema e o boldo, plantas, que apesar de terem sido citadas por muitos erveiros,
apresentaram pouca variância no número de usos. As amostras coletadas foram depositadas em
laboratório onde foram identificadas a nível de família, resultando em 43 famílias distintas, sendo mais
representativas as famílias Fabaceae, Asteraceae e Lamiaceae. Quanto aos dados de utilização das
plantas, destacaram-se os chás como principal forma de uso, a utilização de folhas para os modos de
preparo e o uso das plantas principalmente para o tratamento de doenças dos sistemas digestivo,
nervoso e respiratório. A partir da análise dos índices pôde-se perceber que grande parte da população
conhece e utiliza as plantas para uma mesma finalidade e que os erveiros conhecem bem as plantas que
vendem e suas propriedades no tratamento das doenças.
Palavras-chave: etnobotânica, feiras livres, medicina popular.
Área temática: Etnobotânica
!
CONCORDÂNCIA DE USO E IMPORTÂNCIA DAS ESPÉCIES UTILIZADAS COMO
MEDICINAIS PELA COMUNIDADE DO POVOADO JUÁ, PAULO AFONSO – BA.
Thaíse Bezerra de Oliveira1, Josaline Chaves da Costa1, Estéfane Suane da Silva Martins1, Luanna
Oliveira de Freitas1, Érica dos Santos Nunes1
1
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Técnicas para análise de dados etnobotânicos estão sendo muito usadas para quantificar levantamentos
sobre o uso de plantas por determinadas populações. O objetivo do presente trabalho foi analisar o uso
das plantas medicinais e a importância das espécies e famílias nos quintais do Povoado Juá, no
município de Paulo Afonso – BA. Para atingir os objetivos propostos, foram utilizados os cálculos de
Valor de Uso (VU) e a porcentagem corrigida de Concordância quanto aos Usos Principais (CUPc).
Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas em todas as residências do Povoado (127), onde foi
entrevistada uma pessoa por residência, que mencionaram 30 espécies diferentes presentes em seus
quintais. As espécies que obtiveram os maiores valores de uso e a concordância corrigida quanto ao
uso principal foram Lippia alba (Mill.) N.E. Br. (erva cidreira), Mentha x villosa Huds. (hortelã),
Cymbopogon citratus (D.C) Stapf (capim santo) e Plectranthus barbatus Andrews (boldo). Para o
cálculo da porcentagem corrigida de Concordância quanto aos Usos Principais (CUPc) foram
consideradas como espécies principais as que apresentaram valores acima de 35%. As famílias mais
importantes foram Lamiaceae e Rutaceae. Na preparação dos medicamentos, as folhas foram a parte da
planta mais utilizada e o chá a principal forma de preparo. As plantas citadas neste trabalho reafirmam
a importância da pesquisa etnobotânica no resgate do conhecimento tradicional, seja pelo seu valor
histórico ou pela necessidade de confirmação das indicações de uso.
Palavras-chave: etnobotânica, plantas medicinais, valor de uso.
Área temática: Etnobotânica
!
OFERTA E USO DE RECURSOS FLORESTAIS NA RESERVA
ASSENTAMENTO RENDEIRAS EM GIRAU DO PONCIANO-AL
LEGAL
DO
Cledson dos Santos Magalhães1, Francilene da Silva Amorim1, Merieli Araújo do Carmo Silva1, Mony
Cely Oliveira Guimarães1; Henrique Costa Hermenegildo da Silva1
1
Universidade Federal de Alagoas – UFAL.
O presente trabalho objetivou realizar um levantamento etnobotânico para apresentar bases para o uso
sustentável da reserva legal do assentamento Dom Hélder Câmara/Rendeira, em Girau do PoncianoAL. O mesmo está localizado na cidade de Girau do Ponciano e possui mais de quatro mil hectares
ocupados por 287 famílias. Sua população é de cerca de 1300 pessoas, a maioria homens, com uma
expressiva faixa etária de crianças e adolescentes de até 17 anos e uma população jovem entre 18 e 35
anos. O assentamento possui uma Área de Reserva Legal (ARL). Para amostragem dos recursos
florestais, instalaram-se 56 parcelas de 10 x 20 m na ARL, totalizando 1,12ha. Os indivíduos lenhosos
com circunferência ao nível do solo a partir de 9 e com 1 m de altura foram marcados. Para os dados
etnobotânicos, foi aplicado o método etnobotânico Inventário Entrevista, em que as plantas foram
apresentadas ao informante em campo durante a realização do inventário da vegetação. Os dados são
preliminares e pretende-se estender a entrevista a mais moradores. Foram reconhecidas 25
espécies/morfoespécies, das quais 19 foram identificadas ao nível de espécie, 2 ao nível de gênero, 2
ao nível de família e 2 não foram identificadas. Dentre os usos atribuídos a estas espécies na localidade
estão: medicinal, energético, construção rural e doméstica, tecnológico, forragem, alimentação e
ornamentação. Dentre os 3725 indivíduos registrados, as espécies mais abundantes foram Croton
blanchetianus Baill. (Marmeleiro) e Poincianella pyramidalis (Tul.) L.P.Queiroz (Catingueira), com
1529 e 822 indivíduos, respectivamente. As estas espécies foram atribuídos os mesmos usos, para
estaca, carvão e dor de barriga. Considerando que o comércio de estaca e carvão pode ser uma
atividade rentável e que estas espécies apresentam alto poder de reprodução, as mesmas apresentam
potencial para serem manejadas ou implementadas em sistemas agrossilviculturais.
Palavras-chave: etnobotânica, manejo florestal, sistemas agroflorestais.
Área temática: Etnobotânica
!
ETNOBOTÂNICA: ENTRAVES E POSSIBILIDADES
Joyce Alves Rocha1; 2, Elza Neffa1
1
Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ;
2
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro – IFRJ.
Das vertentes científicas que forjaram a ideia multidimensional de natureza, nasce a Etnobotânica
apontando para a perspectiva de valorização dos saberes tradicionais. Apesar de um discurso de
valorização desses saberes e do surgimento da “Etnobotânica Aplicada”, percebemos entraves que
obstaculizam a transformação do etnoconhecimento em uma práxis que se traduza em política pública
socioambiental. Esse estudo objetiva identificar os entraves encontrados na tentativa de se aproximar o
discurso à prática, no que diz respeito à aplicabilidade desse conhecimento. Para tanto, utilizou-se
como ferramenta metodológica a pesquisa em bases de dados virtuais (Scielo, Embrapa, Capes e
BDTD), com vistas a uma revisão global de artigos em periódicos, cruzando-se o termo “etnobotânica”
com expressões como “política ambiental”, “política pública”, “preservação ambiental”, “conservação
ambiental”, “manejo sustentável”, “conhecimento tradicional” e “biodiversidade”. Dos sessenta e três
artigos analisados, cinquenta e dois apresentam a Etnobotânica como propulsora da transformação da
realidade, no que tange às questões ambientais, e onze relatam pesquisas que contém a aplicação dessa
ciência como suporte à construção de políticas públicas. Na esteira dessa interpretação, dentre os
entraves detectados destacam-se: a) controvérsia envolvendo as conceituações - “tradicional” e
“território”; b) dificuldade de formulações jurídicas que façam valer o direito à participação das
populações nas decisões quanto aos bens tangíveis e intangíveis; c) assimetrias de poder; d) lentidão
legislativa, executiva e judiciária; e) dificuldade dessas populações reconhecerem o potencial do
conhecimento que produzem. A superação desses entraves pressupõe a necessidade de criação de
mecanismos de aproximação do discurso à prática social, tais como, a realização de diagnósticos
participativos e de audiências públicas, a socialização e a transparência de informações, a mobilização
e a capacitação de atores sociais, a mediação de conflitos fundiários, dentre outros.
Palavras-chave: etnoconhecimento, discurso, entrave.
Área temática: Etnobotânica
!
LEVANTAMENTO ETNOBOTANICO DE PLANTAS ESPONTÂNEAS UTILIZADOS PARA
AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SOLO
Henrique Costa Hermenegildo da Silva1, Valdevan Rosendo dos Santos1, Sônia Cristina da Silva1,
Maria da Silva1, Wilton Silva Santos1
1
Universidade Federal de Alagoas – UFAL.
Tem-se constatado um aumento gradativo no número de citações em literaturas sobre plantas que
indicam condições do solo com abordagem que transcende os limites do saber exclusivamente
acadêmico, sendo o agricultor considerado uma peça chave na tomada de decisão. O objetivo do
presente trabalho foi realizar um levantamento etnobotânico de plantas indicadoras da qualidade do
solo, na comunidade rural do Carrasco em Arapiraca-AL. Para registros das plantas espontâneas,
foram distribuídas 140 parcelas de 1 x 1m² numa área de 0,49ha, em quatro grupos de cinco linhas,
cada linha com sete parcelas, a distância entre as parcelas e as linhas são de dois metros e, entre cada
grupo, com sete metros. Foram coletadas todas as plantas que estivessem dentro da parcela,
contabilizando o número de cada morfoespécie. As informações etnobotânicas foram obtidas através
de inventário entrevista com os agricultores a partir da aplicação de formulário semi-estruturado. O
número total de plantas coletadas foi de 1124 indivíduos, sendo o (Capim flecha) Digitaria insularis
(L.) Fedde e a (Vassourinha de botão) Thyrsacanthus microphyllus A.Côrtes & Rapini, as espontâneas
mais numerosas e mais frequentes, ambas com 118 indivíduos e frequência relativa de 10,5%.
Segundo os agricultores entrevistados, “Estes matos nascem em terra fraca, apilada”. Dos sete
entrevistados pelo menos quatro concordam que “estas espontâneas começam a nasce quando a terra
está ficando fraca”. Já para as plantas que indicam boa qualidade do solo são citadas a (Flor branca)
Turnera subulata Sm. E (Melancia da praia) e Solanum palinacanthum Dunal, com 99 e 72 indivíduos
e FRe de 8,81% e 6,41% repectivamente. Segundo alguns entrevistados, a área em estudo está “fraca,
precisando de adubo”. Portanto, nas próximas etapas do projeto, novas entrevistas e analise do solo
serão feitas para fazer a correlação dos nutrientes presentes e as plantas ali existentes.
Palavras-chave: etnoecologia, conservação do solo, bioindicadores.
Área temática: Etnobotânica
!
UTILIZAÇÃO DE PLANTAS EM CRENÇAS POPULARES NO NORDESTE DO BRASIL
Zenneyde Alves Soares1, Simone da Silva2, Ricardo Batista dos Santos2, Carlos Antônio Berlarmino
Alves2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Universidade Federal da Paraíba - UFPB;
2
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB.
As crenças populares interligam os recursos naturais com tradições, acreditando e fazendo utilização
das plantas para usos simbólicos. O presente estudo registrou quais espécies são utilizadas para fins
mágico/religioso pelos moradores das comunidades rurais de Cabaceiras (Comunidade São Francisco,
123 informantes-53H/70M), Solânea (Capivara, 112-53H/59M), Remígio (Coelho, 37-17H/20M), São
Mamede (Várzea Alegre, 36-17H/19M), Itaporanga (Pau D’Arco, 15-8H/7M). Foram realizadas
entrevistas com 100% dos chefes de família no período de Janeiro/2011 a Junho/2012. Os informantes
assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW
nº297/11). Registraram-se nove espécies: Anadenathera colubrina (Vell.) Brenan, Poincianella
gardneriana (Benth.) L.P.Queiroz, Jatropha mollissima (Pohl.) Baill., Ziziphus joazeiro (Mart.),
Bauhinia pentandra (Bong.) Vogel ex Steud., Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir., Amburana cearensis
(Allemão), Senna spectabilis (Schrad) H.S.Irwin & Barneby., Neocalyptrocalyx longifolium (Mart.)
Cornejo & Iltis, Jatropha ribifolia (Pohl) Baill.. 37 citações de uso no total (20M/17H), sendo 19 de
uso atual, 18 de uso potencial. As partes usadas mais citadas foram folha (11 citações), e a planta
completa (10). A família mais expressiva foi Fabaceae (26 citações de uso). Registrou-se, mediante as
crenças, que as espécies citadas podem “espantar mal olhado”, “trazer azar”, “evitar cegueira”,
apresentar sinais como “aparecimento de espíritos”, “abrir caminhos”. A crença “trazer azar” foi a
citação representada pela A. colubrina, onde foi a que obteve maiores citações. Para “espantar mal
olhado” as espécies citadas foram P. pyramidalis, J. ribifolia, S. martiana, J. mollissima e M.
tenuiflora. Para “abrir os caminhos” M. tenuiflora, A. cearensis, N. longifolium, J. ribifolia. Como
indicadora de “aparecimento de espíritos”, Z. joazeiro, e “evitar cegueira” B. cheilantha. As
informações obtidas mostram a existência de potenciais mágico/religioso de certas plantas da caatinga.
Essas crendices são transmitidas ao logo das gerações, principalmente por rezadeiras/benzedeiras.
Palavras-chave: crenças populares, etnobotânica, nordeste.
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO E USO DE Mimosa tenuiflora (WILLD.) POIR. POR MORADORES DE
SETE COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE, BRASIL)
João Everthon da Silva Ribeiro1, Diego Batista de Oliveira Abreu1, Natan Medeiros Guerra1, Carlos
Antônio Belarmino Alves2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB;
2
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB.
Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. é uma espécie da família Fabaceae, conhecida e utilizada no domínio
da caatinga, semiárido nordestino. O presente estudo registrou o conhecimento e uso atribuído a essa
espécie pelos moradores de sete comunidades rurais no semiárido da Paraíba: São Francisco
(Cabaceiras, 123 informantes), Pau D’Arco (Itaporanga, 15), Santa Rita (Congo, 98), Barroquinha
(Lagoa, 66), Coelho (Remígio, 37), Várzea Alegre (São Mamede, 36), Capivara (Solânea, 112),
totalizando 487 informantes, dos quais 300 (153homens/147mulheres) citaram usos para jurema preta.
Foram entrevistados os chefes de família que assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo
Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As citações de uso foram organizadas em dez
categorias: combustível, construção, forragem, medicinal, ornamental, tecnologia, veterinária, venenoabortivo, outros usos e mágico-religioso. As citações de homens e mulheres de cada comunidade e
entre as comunidades foram correlacionadas pela Correlação de Pearson. Registraram-se 1.079
citações de uso. A média e o desvio padrão evidenciaram variações entre os informantes das
comunidades (São Francisco, com média de 2,92 e desvio padrão de ±1,78; Pau D’Arco, com 2,87 e
±1,02; Santa Rita, com 3,76 e ±2,11; Barroquinha, com 4,34 e ±1,81; Coelho, com 3,00 e ±1,60;
Várzea Alegre, com 5,25 e ±3,31; Capivara, com 2,12 e ±0,83). Em todas as comunidades, as
categorias com atributos madeireiros se destacaram com ênfase para combustível e construção. Houve
fortes correlações entre homens/mulheres em cada comunidade (p<0,05), entre os homens, e entre as
mulheres das comunidades (p<0,05). O destaque de M. tenuiflora se deu em virtude do seu grande uso
madeireiro. Tornam-se necessários estudos que avaliem a frequência e quantidade de recursos
extraídos da espécie, e os impactos que podem estar gerando sobre sua população em cada município
estudado. As variações nas citações de uso podem estar relacionadas com a disponibilidade local de
outras espécies que apresentem os mesmos usos que M. tenuiflora.
Palavras-chave: jurema preta, caatinga, etnobotânica.
Área temática: Etnobotânica
!
ESPÉCIES
VEGETAIS
UTILIZADAS
NA
FABRICAÇÃO
DE
ARTEFATOS
TECNOLÓGICOS EM SEIS COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO PARAÍBANO
(NORDESTE DO BRASIL)
Kamila Marques Pedrosa1, Raphael Cavalcante Paulo1, Natan Medeiros Guerra1, João Paulo de
Oliveira Ribeiro1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB.
Muitas espécies do semiárido nordestino são úteis como recursos madeireiros, sendo utilizadas em
muitos usos tecnológicos pelas populações tradicionais. O presente estudo registrou o conhecimento e
uso de espécies vegetais na fabricação de artefatos tecnológicos pelos moradores das comunidades de
Pau D’Arco (Itaporanga, 15 informantes-8H/7M), Barroquinha (Lagoa, 66-25H/41M), Várzea Alegre
(São Mamede-36, 17H/19M), Coelho (Remígio-37, 17H/19M), Capivara (Solânea-112,53H/59M), e
São Francisco (Cabaceiras-123,53H/70M). Os 389 informantes assinaram o termo de consentimento
livre exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW nº297/11). O Valor de Uso das espécies
foi calculado por meio de três cálculos (VUGeral/VUAtual/VUPotencial). Foi testada a relação entre
homens/mulheres e entre os VUs, pela Correlação de Pearson. O Teste de Kruskal-Wallis, método de
Dunn, testou a relação entre os VUs de cada comunidade. Foram identificadas 64 espécies, 47 gêneros,
18 famílias. Registraram-se 229 citações e 37 usos em Pau D’Arco (172H\57M), Barroquinha com 652
citações e 66 usos (393H\259M), Várzea Alegre com 523 citações e 94 usos (365H\158M), Coelho
com 303 citações e 34 usos (177H\126M), Capivara com 1054 citações e 74 usos (703H\351M), São
Francisco com 728 citações e 42 usos (453H\275M), distribuindo-se em diversos artefatos (móveis,
cabo de ferramentas, artesanato, cangas de animais, etc.). As espécies em destaque foi Tabebuia
impetiginosa (Mart. ex DC.) Standl no Sertão (Itaporanga/Lagoa) e Seridó (Várzea Alegre),
Aspidosperma pyrifolium Mart no Curimataú (Remígio/Solânea) e Tabebuia aurea (Silva Manso)
Benth.&Hook.f ex S.Moore no Cariri (Cabaceiras). Houve fortes correlações entre os VUs em cada
comunidade (p<0,0001). A relação entre os gêneros também apresentou correlações em todas as
comunidades (p<0,05). Quando comparados os valores de uso entre as comunidades, só foram
encontradas correlações no VU atual entre Itaporanga com Lagoa/São Mamede (p<0,05). Os dados
evidenciaram uma relação maior entre as comunidades situadas na Depressão Sertaneja
(Itaporanga/Lagoa/São Mamede) e a necessidade da distinção entre usos atuais e potenciais e a
tendência das mesmas espécies serem importantes tanto para homens como para mulheres, e os
artefatos serem confeccionados para atender as necessidades da família.
Palavras-chave: Artefato, Paraíba, etnobotânica.
Área temática: Etnobotânica
!
A PERCEPÇÃO DOS BENZEDORES DE IMBITUBA E GAROPABA-SC (BRASIL) SOBRE
A OBTENÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS
Julia Vieira de Cunha Avila1, Natalia Hanazaki1
1
Laboratório de Ecologia Humana e Etnobotânica, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
A influência dos benzedores na manutenção da saúde de populações locais e no uso de plantas
medicinais está presente em diversas comunidades brasileiras. Foi realizado um estudo etnobotânico
nos municípios de Imbituba e Garopaba-SC, sobre as plantas utilizadas como medicinais por
benzedores. Através da metodologia bola-de-neve foram entrevistados 16 benzedores dentre os quais
15 conhecem e indicam o uso de plantas com fins medicinais à seus atendidos. A listagem-livre de
plantas usadas medicinais apontou o conhecimento de 156 espécies ou morfoespécies pelos
entrevistados. O principal local de obtenção das plantas utilizadas com esses fins é nos quintais (50%);
seguido de coleta em matas ou quintais ou compra (31%); 12% obtêm as plantas principalmente nas
matas e 6% citou que em geral as compra. Contudo, quando perguntados com relação à facilidade de
encontrar as plantas que utilizam para a cura, 62% dos benzedores consideram ser difícil encontrar as
plantas que necessitam, justificando tais dificuldades devido principalmente a uma diminuição das
áreas dos quintais decorrente de pressões econômicas e da especulação imobiliária, de uma mudança
cultural em que muitas pessoas não possuem e não cuidam mais dos quintais atualmente e devido a
uma diminuição das matas da região. Percebe-se assim a influência cultural e do planejamento urbano
na manutenção do uso de plantas com fins medicinais na região, mostrando-se necessário que se reflita
junto à comunidade e órgãos públicos a melhor maneira contribuir para que a manutenção da saúde
através do uso de plantas seja acessível e viável ao longo do tempo.
Palavras-chave: etnobotânica, práticas terapêuticas tradicionais, quintais.
Área temática: Etnobotânica
!
RELAÇÃO ENTRE AGRICULTORES FAMILIARES EXTRATIVISTAS DE ERVA-MATE
(ILEX PARAGUARIENIS A. ST.-HIL) E A FLORESTA DE ARAUCARIA NA REGIÃO DO
PLANALTO NORTE CATARINENSE
Andréa Gabriela Mattos1, Maurício Sedrez dos Reis1, Nivaldo Peroni1
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
Erva-mate é o principal recurso florestal não madeireiro explorado na Mata Atlântica. A espécie tem
sua área de ocorrência concentrada no Sul do Brasil, principalmente no sub-bosque da floresta
ombrófila mista (floresta com araucária). A chamada “erva-mate nativa”, produto obtido a partir de
sistemas de manejo locais em ambiente florestal, apresenta maior valor comercial e tais sistemas
passaram a ser mais valorizados pelos agricultores familiares. Assim, este trabalho visa contribuir para
o entendimento da relação entre os agricultores familiares extrativistas e os remanescentes florestais de
araucária com manejo de erva mate. O trabalho foi realizado no Planalto Norte Catarinense e foram
empregadas entrevistas semi-estruturadas (n=33). Entre os principais resultados está a designação das
áreas de manejo por denominações específicas: Caíva (24,6% dos entrevistados), Mato (21,3%),
Invernada (15,2%), Potreiro (6,1%). As principais características para Caíva foram: área que possui
mato com árvores, sendo roçada frequentemente para tirar erva–mate, podendo ter ou não criação. As
demais designações apresentaram uma descrição semelhante, mas sempre com inclusão de criação.
Outro aspecto importante é o tempo de contato com o sistema de manejo: 75,6% dos entrevistados
começaram a trabalhar com erva-mate com idade inferior aos 10 anos, mostrando que o manejo da
erva-mate faz parte de suas vidas há muito tempo. Tais resultados refletem uma forte ligação cultural
com os sistemas de manejo tradicionais da erva-mate em ambiente com cobertura florestal em floresta
com araucária. Este aspecto, além de favorecer a conservação de remanescentes florestais, favorece a
manutenção de um sistema de manejo de paisagem característico, tradicional da região Sul do Brasil.
Apoio: CAPES, REUNI, CNPq, EMBRAPA (Conservabio)
Palavras-chave: erva-mate, conhecimento tradicional, conservação.
Área temática: Etnobotânica
!
A SELEÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS POR POPULAÇÕES LOCAIS BRASILEIRAS
SOFRE INFLUÊNCIA TAXONÔMICA? UMA ANÁLISE
Patrícia Muniz de Medeiros1, Luciana Gomes de Sousa Nascimento1, Ana Haydée Ladio2, André
Maurício Melo Santos3, Ulysses Paulino de Albuquerque1
1
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE;
2
CONICET, Universidad Nacional del Comahue;
3
Universidade Federal de Pernambuco – UFPE.
Este estudo objetiva analisar a influência da filiação taxonômica na seleção de espécies medicinais por
populações locais brasileiras. Partiu-se da seguinte pergunta: as espécies medicinais estão distribuídas
nas famílias botânicas de forma proporcional ao tamanho das famílias? Estudos etnobotânicos sobre
plantas medicinais foram compilados e a flora medicinal resultante foi comparada com a flora total de
angiospermas brasileiras, por meio de goodness-of-fit (corrigido com simulações de Monte Carlo) e de
testes binomiais. A distribuição de espécies medicinais por famílias se distancia significativamente do
esperado, considerando a hipótese nula (p<0,05). Esse resultado significa que algumas famílias são
privilegiadas, carregando proporcionalmente uma quantidade maior de espécies aplicadas como
medicinais. Ao todo, 32 famílias foram consideradas sobreutilizadas, enquanto 11 foram consideradas
subutilizadas. Observou-se um expressivo sobreuso das famílias Fabaceae, Euphorbiaceae, Asteraceae,
Lamiaceae, Anacardiaceae e Bignoniaceae, enquanto Poaceae, Orchidaceae, Melastomataceae,
Bromeliaceae e Eriocaulaceae foram bastante subutilizadas. Embora algumas famílias sejam
sobreutilizadas para vários sistemas corporais, tais sistemas apresentaram diferenças quanto às famílias
de sobreuso. Os resultados levam a crer que a especificidade química dos grupos taxonômicos
influencia diretamente na seleção de espécies como medicinais e, mais especificamente, na seleção
diferencial por sistema corporal. Ainda, observados em conjunto com outros estudos desenvolvidos ao
redor do mundo, nossos resultados apontam para um padrão global de sobressaliência de famílias
como Asteraceae e Lamiaceae e de subuso de famílias como Poaceae e Orchidaceae. O uso diferencial
e não proporcional de certas famílias, aliado à dissimilaridade no tratamento de sistemas corporais
entre famílias taxonomicamente distantes, sugere que o uso tradicional de recursos medicinais vegetais
não é feito de forma aleatória e é fortemente influenciado pelo arcabouço químico das espécies.
Palavras-chave: etnobotânica quantitativa, ecologia humana, meta-análise.
Área temática: Etnobotânica
!
USO DOMÉSTICO DE LENHA NA COMUNIDADE RURAL DE NOVO HORIZONTE,
MUNICÍPIO DE JARDIM (CE): PREFERÊNCIAS LOCAIS E COLETA DE PRODUTOS
FLORESTAIS MADEIREIROS NA FLORESTA NACIONAL DO ARARIPE (FLONA)
Luciana Gomes de Sousa Nascimento1, Marcelo Alves Ramos1, Elcida de Lima Araújo1, Ulysses
Paulino de Albuquerque1
1
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE.
Para muitas populações humanas a lenha permanece como fonte primária de energia, o que tem
contribuído para uma intensa exploração dos recursos florestais. Esse estudo objetivou registrar o
conhecimento/uso/preferência de lenha na Comunidade Novo Horizonte, município de Jardim (CE),
localizada às adjacências da FLONA. Foram realizadas visitas às unidades residenciais a fim de
registrar as plantas conhecidas, preferidas e utilizadas como lenha na comunidade. Até o momento
foram realizadas 43 entrevistas semiestruturadas com chefes de família e registrados todos os
elementos (lenha) presentes nos estoques residenciais no momento da visita (técnica do inventário in
situ). A partir da lista livre foram registradas 74 etnoespécies onde as plantas mais frequentemente
citadas foram murici preto (Byrsonima sp.1), faveira (Dimorphandra gardneriana Tul.), murici branco
(Byrsonima sp.2) e araçá (Psidium sp.) com 69,8%, 65,1%, 58,1% e 55,8% de citações,
respectivamente. Dentre as plantas preferidas destacou-se o murici preto (48,8%), murici branco
(25,6%) e murici vermelho (Byrsonima sp.3) (23,3%) os quais, de acordo com os informantes,
apresentam como principais características a facilidade para gerar chamas quentes e brasas de longa
duração, evidenciando o alto poder calorífico dessas espécies. Analisando o uso efetivo, por meio do
inventário in situ, registrou-se 56 etnoespécies onde pitomba braba (Matayba guianensis Aubl.) foi
mais frequente nos estoques (32,6%). Logo em seguida, destacam-se novamente os três muricis, cada
um com 30,2% de ocorrência, tais resultados reforçam que as espécies mais usadas são aquelas
percebidas como preferidas pela população. Estes dados preliminares corroboram com os apresentados
no Plano de Manejo da Floresta Nacional do Araripe que destacam os muricis como as espécies
preferidas localmente. No entanto, até o momento, não registrou-se a quantidade de lenha coletada por
espécie e a disponibilidade deste recurso na região, dados importantes para subsidiar estratégias de
coleta sustentável deste recurso.
Apoio: PNPD-CAPES-Brasil.
Palavras-chave: etnobotânica, florestas secas, madeira para combustível.
Área temática: Etnobotânica
!
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE FARMACOLÓGICA DO EXTRATO ETANÓLICO DE
Solanum stipulaceum ROEM & SCHULT, INDICADA COMO ANTIULCEROGÊNICA
GÁSTRICA EM UM ESTUDO ETNOBOTÂNICO NO POVOADO VILA CAPIM,
ARAPIRACA-AL.
Cirlane Alves Araujo1, Denise Maria da Silva1, Washington Soares Ferreira Júnior2, Josemar Sena
Batista3, Maria Silene da Silva1
1
Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL;
2
Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE;
3
Universidade Federal de Sergipe – UFS.
As informações provenientes de investigações sobre o uso de plantas medicinais por diferentes grupos
humanos contribuem para a bioprospecção, proporcionando selecionar plantas que apresentem
atividade farmacológica em menor espaço de tempo e com menores gastos. Um estudo etnobotânico
realizado com informantes locais na comunidade rural do Povoado Vila Capim, Arapiraca-AL,
mostrou que Solanum stipulaceum Roem & Schult (Sacatinga), pertencente à família Solanaceae,
obteve maior índice de saliência (0, 250) dentre 15 espécies indicadas com atividade antiulcerogênica
gástrica. Nesse sentido, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a atividade antiulcerogênica do
extrato etanólico (EE) das folhas de S. stipulaceum in vivo. A espécie foi identificada no Herbário do
Instituto do Meio Ambiente de Alagoas – MAC, com o número de registro 46248. Para a avaliação
farmacológica, foi utilizado o modelo de lesão gástrica aguda induzida por etanol absoluto. A
toxicidade aguda (DL50) também foi avaliada. No modelo de indução de úlcera por etanol, utilizaramse ratos Wistar machos (n=5). O controle positivo recebeu Lansoprazol (30 mg.kg-1), o controle
negativo Tween 80 a 6% (10 mL.kg-1) e o grupo experimental recebeu EE nas doses de 100, 200 e
400 mg.kg-1. Os dados foram analisados pela ANOVA uma via, seguido do teste de Tukey. Para o
estudo da toxicidade aguda, foram utilizados camundongos Swiss machos e fêmeas (n=10). O grupo
controle recebeu Tween 80 a 6% (1mL.kg-1) e o grupo experimental EE 5000 mg.kg-1. S. stipulaceum
apresentou atividade antiulcerogênica nas doses de 200 e 400 mg.kg-1 (p< 0,01) e porcentagem de
inibição da lesão de 71,12% e 76,38% respectivamente. O EE de S. stipulaceum não produziu sinais ou
sintomas de toxicidade nos animais tratados. A partir dos resultados obtidos, observa-se a importância
do conhecimento popular na seleção de plantas medicinais para uma indicação terapêutica.
Palavras-chave: etnobotânica, Solanum stipulaceum, antiulcerogênica.
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO ECOLÓGICO TRADICIONAL DOS QUILOMBOLAS DE VILA BELA
DE SANTÍSSIMA TRINDADE – MT SOBRE ÁRVORES FRUTÍFERAS DAS ÁREAS
INUNDÁVEIS DO RIO GUAPORÉ.
Nilo Leal Sander1, Carolina Joana da Silva1
1
Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT.
O conhecimento ecológico tradicional (CET) é característico das comunidades tradicionais. Estudos
direcionados são cada vez mais necessários para ver as condições que refletem ou não a conservação,
bem como as práticas de manejo de recursos vegetais. Com base nestas considerações, este estudo teve
como objetivo investigar o conhecimento ecológico tradicional sobre árvores frutíferas de áreas
inundáveis da comunidade quilombola da cidade de Vila Bela de Santíssima Trindade, no Vale do
Guaporé. Durante três meses foram feitas quinze entrevistas estruturadas com os quilombolas das
comunidades do Retiro e do Boqueirão. Juntos, os quilombolas citaram trinta e uma espécies diferentes
de árvores frutíferas, localizadas nas áreas inundáveis do vale do Guaporé: Abobrinha do pântano,
Açaizeiro, Bacupari, Buriti, Buritirana, Caburé, Canaíva, Canela, Coroa de frade, Favero do rio,
Figueirinha, Fruta de macaco, Fruta sebo, Genipapo, Ingá, Jamelão, Maçaranduva, Mangue, Maracujá
do pântano, Marmelada, Olho de boi, Pacuzeiro, Pau de leite amarelo, Pimentão, Pimenteira,
Pindaiúva, Sarão, Siputá, Sucupira, Urumbamba, Vinagreira. Três destas foram citadas por mais de
50% das pessoas, são elas: Ingá, Buriti e Siputá. Treze das espécies foram citadas por apenas uma vez.
A principal utilização das plantas é para alimentação e para pesca. Muitos destes recursos eram
utilizados pelos quilombolas locais e deixaram de ser por vários motivos, entre eles a facilidade de
compra de produtos comercializados, a falta de valorização da cultura e a migração dos descendentes
do campo para a cidade. A grande variedade de citações de plantas nos leva a reforçar a importância de
pesquisas desta natureza para a preservação do conhecimento tradicional. O conhecimento ecológico
tradicional é traduzido no contato direto com os recursos naturais que representam relações ecológicas
em seu sentido estrito, tornando importante o conhecimento desta comunidade para uma ação mais
certeira rumo a conservação desta área de seus recursos.
Palavras-chave: comunidade tradicional, guaporé, etnobotânica.
Área temática: Etnobotânica
!
O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NOS QUINTAIS DO BAIRRO FLOR DO CAMPO,
CAMPO MAIOR, PIAUÍ, BRASIL
Carla Ledi Korndörfer1, José Rodrigues de Almeida Neto1, Maria Daianne Sousa da Silva1, Lia Raquel
Gomes Silva1, Josenice de Azevedo Moura1
1
Universidade Estadual do Piauí – UESPI.
Os quintais exercem funções socioculturais e ecológico-econômicas sobre a flora local e, a
etnobotânica, ciência que interliga a biologia vegetal e os estudos sociais, se preocupa em estudar a
percepção local da população sobre as plantas. Esta pesquisa teve como objetivo fazer o levantamento
das plantas de uso medicinal cultivadas nos quintais do bairro Flor do Campo, em Campo Maior (PI).
Os entrevistados foram indicados pelas agentes comunitárias de saúde do bairro e seguiu-se a linha
metodológica da pesquisa etnobiológica, através da técnica “Bola de Neve”. Foram feitas coletas e
identificação local das etnoespécies pelo caminhamento dentro dos quintais, com o auxílio de
questionário semi-estruturado. A pesquisa foi realizada durante os meses de maio e julho de 2012, os
vegetais coletados foram herborizados, identificados e armazenados no laboratório de Botânica do
Campus Heróis do Jenipapo, da Universidade Estadual do Piauí – UESPI. Foram visitados oito
quintais, que segundo os moradores locais, apresentavam a maior variedade de plantas medicinais. Em
70% dos quintais visitados os vegetais foram plantados pelos próprios donos, em geral, pelas
mulheres, que apresentavam idade média de 50 anos, sendo elas as responsáveis pela limpeza e
conservação dos mesmos. As etnoespécies mais citadas pelas entrevistadas foram Romã (Punica
granatum L.), Boldo (Plechtranthus barbatus Andrews), Mastruz (Chenopodium ambrosioides L.),
Noni (Morinda citrifolia L.) e Malva-do-Reino (Plechtranthus amboinicus (Lour.) Spreng.), indicadas
para prisão de ventre , problemas de fígado, gripe, inflamação da garganta, entre outros. As famílias
botânicas mais citadas foram: Punicaceae, Lamiaceae Chenopodiaceae e Rubiaceae. A família
Lamiaceae foi a que mais se destacou, tendo sido encontrada em todos os quintais e com maior número
de indicações. Fica reconhecido, pelos relatos da pesquisa, que os quintais visitados sofrem influência
direta de costumes tradicionais e que esses podem e devem ser repassados às futuras gerações.
Palavras-chave: quintais, plantas medicinais, percepção local.
Área temática: Etnobotânica
!
A ETNOBOTÂNICA E AS MATAS DE GALERIA NA COMUNIDADE RAIZAMA, CUIABÁMT
Diana Carolina Martínez Sánchez1, Bruna Maria Faria Batista1, Maria Corette Pasa1
1
PPG em Ciências Florestais e Ambientais, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT.
O homem, através da interação com a natureza, adquiriu um conhecimento acumulado, que é
transmitido de geração em geração, um tesouro que, devido à aculturação e à perda acelerada do saber
local, precisa ser documentado antes que desapareça para sempre. O objetivo do trabalho foi resgatar o
conhecimento tradicional associado à flora nas matas de galeria da Comunidade Raizama (MT-Brasil),
destacando a utilização desses recursos vegetais. A comunidade Raizama esta localizada entre
15°39´10.4´´S e 55°39´55.09´´W, na microrregião de Cuiabá. Foi utilizada metodologia qualitativa:
Entrevista; História Oral; História de Vida; Observação participante, e para a análise quantitativa:
valor de uso global de cada espécie (VUsp). Os resultados mostraram que as matas de galeria são
importantes para a vida dos moradores já que contêm os recursos hídricos para a subsistência. O valor
dispensado a cada planta varia de acordo com a sua utilização, já que existem plantas que são
utilizadas diferentes partes (raiz, folhas, etc.) Assim, quanto mais partes forem usadas, maior será o seu
valor de uso. As espécies foram classificadas nas etnocategorias: Alimento, Remédio, Ornamental e
Outro. A classificação por valoração utilitária foi de 43 famílias botânicas. Quanto ao VUsp, destacase o boldo (Plectranthus barbatus), com maior valor de uso entre as espécies citadas. Quanto ao hábito
das plantas, predomina a vegetação nativa e, para as etnocategorias de uso, Remédio tem maior
frequência; nesta etnocategoria a parte da planta mais usada foi a folha, com 48,3%, e entre as formas
de preparos utilizados é o chá, com 63%. Entre as plantas usadas como remédio, verificou-se que a
maior frequência destina-se ao tratamento de problemas de afecções do sangue, com 17,5%. Concluise que a etnobotânica na Comunidade Raizama é expressiva e representa um saber local sobre o uso
das plantas como remédio.
Palavras-chave: saber local, valor de uso, conservação.
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO POPULAR SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NO BAIRRO FLORES EM
CAMPO MAIOR, PIAUÍ, NORDESTE, BRASIL
José Rodrigues de Almeida Neto1, Carla Ledi Korndörfer1, Fabiola da Silva Santos1, Tayna Tamiris
Conrado Correia1, Mariane Alves Meneses1
1
Universidade Estadual do Piauí – UESPI.
O conhecimento popular sobre as plantas é objeto de estudo da etnobotânica, área das ciências
biológicas que está ligada as ciências sociais, pois busca o reconhecimento e valorização do homem
sobre o mundo vegetal. Esta pesquisa teve como objetivo fazer o levantamento das plantas de uso
medicinal cultivadas no bairro Flores, no município de Campo Maior (PI). Os entrevistados foram
indicados pelas agentes comunitárias de saúde do bairro. Seguiu-se a linha metodológica da pesquisa
etnocientífica, através da técnica “Bola de Neve”. Foram feitas coletas e identificação local das
etnoespécies, pelo caminhamento dentro dos quintais, através de questionário semi-estruturado. O
período da pesquisa se deu entre os meses de maio e julho de 2012, os vegetais coletados foram
herborizados, identificados e armazenados no laboratório de Botânica do Campus Heróis do Jenipapo,
da Universidade Estadual do Piauí – UESPI. Foram visitados 10 quintais no bairro, a maioria dos
entrevistados (90%) eram mulheres na média de idade de 54 anos. As principais doenças tratadas com
as plantas consideradas como medicinais estavam relacionadas a problemas renais. A parte do vegetal
mais utilizada pelos entrevistados foi a folha, através do preparo de chás. Algumas plantas citadas
como medicinal, também foram descritas como alimentícia (65%). Foram citadas 17 famílias botânicas
com poder medicial: Combretaceae, Lamiaceae, Rubiaceae, Chenopodiaceae, Annonaceae,
Crassulaceae, Piperaceae, Punicaceae, Passifloraceae, Rutaceae, Apocynaceae, Poaceae, Oxalidaceae,
Asteraceae, Rosaceae, Myrtaceae e Liliaceae. Dentre estas, as que mais se destacaram foram
Lamiaceae e Rubiaceae, presentes em 100 % nos quintais visitados. Percebeu-se que a maioria das
indicações feitas pelos entrevistados é condizente com a literatura Fitoterápica, entretanto, em um dos
quintais a espécie Averrhoa carambola L. foi indicada para o tratamento de problemas renais,
enquanto que a literatura específica contra-indica o seu uso para este fim devido a presença do ácido
oxálico.
Palavras-chave: plantas, tratamento, conhecimento popular.
Área temática: Etnobotânica
!
ETNOBOTÂNICA DE PLANTAS MEDICINAIS EM QUINTAIS NORDESTINOS: O CASO
DO BAIRRO SANTA RITA, EM CAMPO MAIOR, PIAUÍ, BRASIL
José Rodrigues de Almeida Neto1, Carla Ledi Korndörfer1, Ilca de Almeida Damasceno1, Maria da
Luz dos Santos1, Luciano Silva Figueiredo1
1
Universidade Estadual do Piauí – UESPI.
Relação de afinidade, significação cultural, formas de manejo e interpretação do conhecimento de uma
comunidade sobre o mundo vegetal, são elementos que norteiam a etnobotânica. Neste sentido, esta
pesquisa teve como objetivo fazer o levantamento das plantas de uso medicinal cultivadas no bairro
Santa Rita na cidade de Campo Maior (PI). Os entrevistados foram indicados pelas agentes
comunitárias de saúde do bairro e seguiu-se a linha metodológica da pesquisa etnocientífica, através da
técnica “Bola de Neve”. Foram feitas coletas e identificação local das etnoespécies, pelo
caminhamento dentro dos quintais, através de questionário semi-estruturado. O período da pesquisa, se
deu entre os meses de maio e julho de 2012, os vegetais coletados foram herborizados, identificados e
armazenados, no laboratório de Botânica do Campus Heróis do Jenipapo, da Universidade Estadual do
Piauí – UESPI. Foram visitados 8 quintais. Foram citadas um total de 16 etnoespécies pertencentes a
11 famílias botânicas, que são: Euphorbiaceae, Lamiaceae, Liliaceae, Poaceae, Crassulaceae,
Chenopodiaceae, Malvaceae, Oxalidaceae, Punicaceae, Rutaceae e Rubiaceae. As etnoespécies Noni
(Morinda citrifolia) e Cidreira (Lippia alba (Mill.) N.E. Br.) foram encontradas em todas as casas. A
folha dos vegetais foi citada com maior frequência como sendo a parte mais usada, assim como, a
forma de uso através de chás. Sendo que alguns chás eram compostos por mais de uma planta, como
por exemplo, aqueles relacionados com problemas de pressão: “pega o capim de cheiro, a folha da
cidreira e da laranja, bota pra ferver, abafa, depois toma”. Foi observado ainda, que algumas plantas
indicadas como medicinais, também podem ser encaixas nas categorias Alimentícia, Ornamental e
Cosmética. Os quintais, sendo o local de cultivo dessas plantas, eram bem conservados e usados
também como lugar de socialização da casa. Todos os entrevistados afirmaram que preferem o uso das
plantas aos fármacos, principalmente por acreditarem no seu poder curativo
Palavras-chave: plantas medicinais, quintais, significação cultural.
Área temática: Etnobotânica
!
O USO DE RECURSOS VEGETAIS DE FLORESTAS SECAS PODE SER EXPLICADO POR
SUA DISPONIBILIDADE LOCAL?
Thamires Kelly Nunes Carvalho1, João Everthon da Silva Ribeiro1, João Paulo de Oliveira Ribeiro1,
Carlos Antônio Belarmino Alves2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB;
2
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB.
A hipótese da aparência ecológica busca entender a dinâmica do uso de uma determinada espécie a
partir de sua disponibilidade nas áreas de vegetação. Desta forma, as plantas aparentes seriam os
maiores alvos de coleta e utilização pelos seres humanos. O presente estudo testou essa hipótese na
comunidade rural Santa Rita, município do Congo, microrregião do Cariri (Paraíba-Nordeste-Brasil).
Para cada espécie, calculou-se o seu valor de uso pela fórmula VU=ΣUis/nis, onde: Uis=número de usos
da espécie s mencionados em cada evento pelo informante, nis=número de eventos que o informante i
citou a espécie s. Para o inventário fitossociológico, adotou-se o método do Ponto Quadrante, sendo
plotados 500 pontos distribuídos nas áreas de vegetação da comunidade, anotando medidas do
perímetro e altura de 2.000 indivíduos, sendo registradas quatro plantas por ponto quadrante. Foram
feitas entrevistas com os chefes de família, totalizando 98 informantes (41H/57M), os quais assinaram
o termo de consentimento livre exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW nº297/11). As
espécies citadas foram agrupadas em 11 categorias utilitárias. Foi utilizado a Correlação de Pearson
para correlacionar os dados fitossociológicos e etnobotânicos. Registraram-se 24 espécies, 21 gêneros
e 11 famílias. Observou-se que o VUs das espécies não apresentaram correlações com os parâmetros
fitossociológicos (p>0,05). Com relação às categorias de uso, encontraram-se correlações positivas na
categoria combustível (VU com dominância e área basal, p<0,05), construção (VU com todos os
parâmetros fitossociológicos, p<0,05), forragem (VU com todos os parâmetros, p<0,05),
veneno/abortivo (VU com densidade e frequência, p<0,05). A aparência ecológica explicou, de forma
expressiva, a importância local das plantas úteis nas categorias combustível, construção e forragem, e
de forma pouco expressiva na veneno-abortiva.
Palavras-chave: Paraíba, etnobotânica, fitossociologia.
Área temática: Etnobotânica
!
AVALIANDO A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS NATIVAS DO SEMIÁRIDO POR MEIO DO
ÍNDICE DE PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO (PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL)
Thamires Kelly Nunes Carvalho¹, Kamila Marques Pedrosa¹, João Everthon da Silva Ribeiro¹, João
Paulo de Oliveira Ribeiro¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Nos últimos anos, os estudos etnobotânicos têm assumido uma tendência conservacionista, buscando o
desenvolvimento de métodos e técnicas que possam ser aplicados na conservação e uso sustentável dos
recursos naturais. O presente estudo utilizou do método do IPC (Índice de Prioridade de Conservação)
para identificar as espécies vegetais nativas que possam estar necessitando atenção conservacionista,
na comunidade rural de Capivara, município de Solânea, curimataú da Paraíba (Nordeste/Brasil). Foi
realizado um levantamento fitossociológico em duas áreas de vegetação (degradada–A1; conservada–
A2), e aplicadas entrevistas com 112 informantes (59M/53H), que assinaram o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Foram
registradas 26 espécies, 21 gêneros e dez famílias. O IPC destacou Anadenanthera colubrina (Vell.)
Brenan, Schinopsis brasiliensis Engl., Ziziphus joazeiro Mart. (ambas com escore=44), Amburana
cearensis (Allemão) A.C.Sm, Cynophalla flexuosa (L.) J. Prese (ambas com escore=41), Spondias
tuberosa Arruda (escore=40), Commiphora leptophloeos (Mart.) J. B. Gillet (escore=39), Libidibia
ferrea (Mart. ex Tul.) L.P.Queiroz, Myracrodruon urundeuva Allemão, Thiloa glaucocarpa (Mart.)
Eichler (ambas com escore=38). O elenco apresentado no IPC evidencia a necessidade de esforços
conservacionistas das espécies com maior escore, principalmente por terem se destacado espécies
ameaçadas de extinção. Sugere-se a realização de estudos que avaliem a disponibilidade e pressão de
uso local dessas espécies.
Palavras-chaves: conservação, biodiversidade, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
RECURSOS VEGETAIS UTILIZADOS PELOS POVOS INDÍGENAS DE RONDÔNIA E
NOROESTE DE MATO GROSSO
Reginaldo de Oliveira Nunes1
1
Universidade Federal de Rondônia – UNIR
Os recursos vegetais sempre foram de extrema necessidade para os povos indígenas, principalmente
por estes viverem em contato com a fonte desses recursos – a natureza. O objetivo do trabalho foi
levantar dados preliminares sobre a utilização de recursos vegetais pelos povos indígenas de Rondônia
e noroeste de Mato Grosso. Para alcançar o objetivo proposto, realizou-se uma atividade com os
alunos da terceira turma do Curso de Licenciatura Intercultural oferecido pela Universidade Federal de
Rondônia no campus de Ji-Paraná. Na atividade propôs que cada aluno citasse cinco recursos vegetais
utilizados na sua terra indígena bem como sua utilização. As citações foram feitas na língua materna e
língua portuguesa. Foram citadas trinta e seis etnoespécies, sendo castanha a mais representativa
(n=22), seguida de patuá (n=19), cacau (n=17), açaí (n=16), buriti, pama e copaíba (n=06 cada). As
formas de utilização citadas foram consumo, medicinal, comercialização, construção de casas e barcos,
fabricação de artesanatos e pintura corporal, sendo consumo e comercialização as mais representativas.
Nota-se que os povos indígenas necessitam dos recursos vegetais extraídos da natureza e que esses
fazem parte do seu dia-a-dia, e sem os mesmos esses povos estariam em situação de risco, já que
vivem em constante interação com o meio onde vivem. Devido pressões sofridas principalmente por
garimpeiros, madeireiros e fazendeiros, suas terras são constantemente invadidas e os recursos que
antes eram fáceis de serem obtidos, tornam-se cada dia mais escassos, o que demonstra uma grande
preocupação com projetos que vissem garantir a sustentabilidade ambiental nas terras indígenas.
Palavras-chave: etnoconhecimento, recursos vegetais, populações indígenas
Área temática: Etnobotânica
!
LISTA LIVRE, RECORDATÓRIO 24 HORAS E ANÁLISE DE DESPENSA REGISTRANDO
A RIQUEZA DE PLANTAS ALIMENTÍCIAS QUE PERMEIAM A DIETA CAIÇARA
Mariana Giraldi1, Natalia Hanazaki2, Naiana Pereira Lunelli3
1
Universidade Federal Rural de Pernambuci – UFRPE;
2
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC;
3
Instituto de Botânica de São Paulo.
Para acessar informações sobre a riqueza de plantas conhecidas e utilizadas por grupos humanos, uma
ferramenta metodológica comumente empregada na pesquisa etnobotânica é a lista livre. Em se
tratando de investigações sobre dieta alimentar, o método mais recorrente para avaliar a riqueza de
itens consumidos é o recordatório 24 horas, que pode ser acompanhado por métodos como a análise de
despensa. Considerando que o emprego dessas metodologias fornece dados complementares sobre a
dieta caiçara, as mesmas foram aplicadas em duas comunidades de Paraty, RJ, para verificar a riqueza
de plantas alimentícias (convencionais e não convencionais; cultivadas e coletadas) que fazem parte
dos hábitos alimentares locais. A coleta de dados se deu em fevereiro e julho de 2011, de modo que o
recordatório 24 horas e a análise de despensa foram, quando possível, repetidos nas residências
visitadas (21 em Ponta Negra e 43 na Ilha do Araújo). A partir da lista livre foram mencionados 134
nomes vernaculares de plantas alimentícias (conhecidas e consumidas ao longo do último ano). Por sua
vez, a riqueza de plantas alimentícias registrada no recordatório 24 horas e na análise de despensa
resultou em 49 nomes locais, aproximadamente um terço do obtido na lista livre. Esse dado indica que
existem recursos vegetais – na mata, em quintais e roças – que permeiam a dieta caiçara, mas que não
foram contemplados no recordatório 24 horas e tampouco na análise de despensa. Isso se deve,
provavelmente, a fatores como: consumo esporádico de certos recursos (ex.: frutos silvestres) e
distintas épocas de frutificação e produção de alimentos (ex.: plantio/colheita de tubérculos/raízes).
Logo, a lista livre complementa os dados registrados pelas outras ferramentas metodológicas usadas,
auxiliando no entendimento sobre a riqueza de plantas incluída na dieta das famílias entrevistadas em
Ponta Negra e na Ilha do Araújo.
Palavras-chave: dieta alimentar, etnobotânica, métodos.
Área temática: Etnobotânica
!
ETNOBOTÂNICA E A IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS
MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS: UM POSSÍVEL DIÁLOGO.
Mel Simionato Marques1, Mariana Giraldi2, Natalia Hanazaki1
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC;
2
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE.
Em 2006 foi aprovada a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, cujas diretrizes
incluem a ampliação das opções terapêuticas no Sistema Único de Saúde (SUS) e a valorização de
práticas e conhecimentos tradicionais. Tal política embasou a elaboração do Programa Nacional de
Plantas Medicinais e Fitoterápicos que, segundo a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse
ao SUS, ou RENISUS, publicada em 2009, prevê a inserção de 71 plantas medicinais na saúde pública.
Embora essa iniciativa seja um avanço para a população brasileira, a RENISUS poderia refletir com
maior precisão a diversidade biológica e cultural presente no Brasil. Estudos etnobotânicos contribuem
para essa proposta à medida que registram o conhecimento botânico local, indicando as plantas que
compõem a farmacopeia de uma determinada localidade e que poderiam ser objeto de estudo e
posterior inclusão no SUS. Diante do exposto, o objetivo desta pesquisa foi verificar a similaridade
entre a RENISUS e o conhecimento botânico local registrado na Costa da Lagoa/Canto dos Araçás e
no Sertão do Ribeirão (Florianópolis, SC). Para analisar as informações foi usado o Índice de
Similaridade de Jaccard e consideradas 63 plantas medicinais da RENISUS, 69 plantas conhecidas na
Costa da Lagoa/Canto dos Araçás e 89 plantas conhecidas no Sertão do Ribeirão. A similaridade
existente entre as três listagens foi de 19,75%; entre os estudos etnobotânicos foi 26,3%; entre a Costa
da Lagoa/Canto dos Araçás e a RENISUS foi 4,35%; e entre o Sertão do Ribeirão e a RENISUS foi
4,55%. O Índice de Jaccard indica similaridade para valores acima de 25%, logo, apesar da
heterogeneidade de conhecimentos entre as comunidades, os estudos etnobotânicos são similares. Em
contrapartida, há uma gama de conhecimentos sobre plantas medicinais em Florianópolis não
contemplada na RENISUS, reforçando a potencial contribuição da Etnobotânica no fortalecimento de
políticas públicas, especialmente em escalas locais.
Palavras-chave: conhecimento botânico local, renisus, saúde pública.
Área temática: Etnobotânica
!
TRANSMISSÃO DO CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO EM UMA COMUNIDADE
RURAL DO SEMIÁRIDO (PARAÍBA, NORDESTE, BRASIL).
Marcelo Rodrigues de Sousa Júnior1, Camilla Marques de Lucena1, José Ribamar de Farias Lima1,
Rômulo Romeu da Nóbrega Alves2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena3
1
PPG em Ecologia e Monitoramento Ambiental, Universidade Federal da Paraíba - UFPB;
2
Laboratório de Etnoecologia e Educação Ambiental, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB;
3
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB.
Subentende-se que o conhecimento tradicional é passado geração após geração, no entanto, esse
conhecimento pode se esvair conforme essa passagem por motivos diversos. Realizou-se um estudo
etnobotânico na comunidade de Cachoeira, município de Soledade, semiárido paraibano, com 29
informantes, que foram divididos, segundo parentesco, em seis grupos familiares, dos quais quatro
apresentavam mais de uma geração familiar. Foi analisada a passagem do conhecimento através das
gerações desses grupos. Os resultados mostraram diferença quanto ao acúmulo e transmissão de
conhecimento em relação às espécies vegetais registradas. O grupo 1 citou um total de 117 espécies
vegetais, distribuídas em 35 famílias botânicas. As médias de citações aumentaram a cada geração (50
na 1ª geração, 83 na 2ª, e 93 na 3ª), mostrando que o conhecimento nesse grupo tem se mantido. O
grupo 2 citou 97 espécies, 34 famílias, onde a média de citações caiu de uma geração para a outra (86
para a 1ª geração, contra 60 para a 2ª). O grupo 3 um total de 140 espécies, 41 famílias, e média de
citações subiu da 1ª geração (33), para 2ª geração (135), mas caiu na 3ª geração (57). Por fim, o grupo
4 citou um total de 120 espécies, 31 famílias, com as médias de citações caindo da 1ª geração (114),
para a 2ª geração (66). A espécie mais citada pelos grupos 1, 2 e 3 foi o “pereiro” (Aspidosperma
pyrifolium Mart.) e pelo grupo 4 “pinhão brabo” (Jatropha mollissima Baill.). Já as famílias mais
citada foram Anacardiaceae pelos grupos 1, 2 e 4, e o grupo 3 apontou Euphorbiaceae. Os resultados
mostraram que apenas um dos grupos mantém o conhecimento etnobotânico, enquanto nos outros as
informações estão se perdendo. Essa perda de conhecimento pode estar relacionada ao desinteresse das
gerações mais nova, as quais preferem seguir a modernidade.
Palavras-chave: conhecimento tradicional, etnobotânica, semiárido.
Área temática: Etnobotânica
!
AS DIFERENÇAS DE GÊNERO QUANTO AO CONHECIMENTO ECOLÓGICO
TRADICIONAL EM UMA POPULAÇÃO DO SEMI-ÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE,
BRASIL).
Marcelo Rodrigues de Sousa Júnior1, Camilla Marques de Lucena1, José Ribamar de Farias Lima,
Rômulo Romeu da Nóbrega Alves2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena3
1
Pós Graduação em Ecologia e Monitoramento Ambiental (PPGEMA), Universidade Federal da
Paraíba (UFPB).
2
Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).
3
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
O Conhecimento Ecológico Tradicional, ou seja, o conhecimento acerca do ambiente em que estão
inseridas as comunidades tradicionais é desenvolvido, acumulado e transmitido por essas comunidades
de formas particulares, sendo moldado por vários fatores, como o local de moradia, a idade das
pessoas e o gênero. O presente trabalho procurou analisar a diferença de conhecimento de gênero na
comunidade Cachoeira, no município de Soledade (Paraíba/Nordeste/Brasil). Entrevistaram-se 29
pessoas, as quais foram divididas por parentesco, o que resultou em um total de 6 grupos familiares.
Dentro dos quais foram selecionados os casais, que totalizaram em 10, 3 para o grupo 1, 3 para o grupo
2, e 1 em cada um dos 4 grupos restantes. As questões basearam-se nas categorias de uso dos recursos
vegetais que estes conheciam (Alimentação, Medicinal, Combustível, Construção, Tecnologia,
Mágico-religiosa, Veneno-abortiva e Outros), e o número de citações para cada uma, considerando-se
as médias de citações para cada categoria entre homens e mulheres. As categorias de uso mais citadas
por ambos os gêneros foram, em ordem decrescente: Alimento (29.65), Medicinal (27.5), Construção
(20.65), Combustível (10.3). As categorias menos citadas foram: Veneno-abortiva (4.1), Outros (3.55)
e Mágico-religiosa (3.25). Os homens apresentaram médias de citações gerais maiores em todas as
categorias mais citadas (Medicinal 30.1, Alimento 37.5, Construção 25.9, Combustível 12.7, e
Tecnologia 23.2), ao contrário das mulheres (Medicinal 24.9, Alimento 21.8, Construção 15.4,
Tecnologia 11.8, Combustível 7.9). Em relação as categorias menos citadas, homens e mulheres
tiveram a mesma média de citações para a categoria Veneno-abortiva (4.1), as mulheres tiveram média
levemente maior para a categoria Outros (3.6 contra 3.5 dos homens), e os homens tiveram média
maior para a categoria Mágico-religiosa (3.5, contra 3.0 das mulheres). Os resultados mostram que
homens e mulheres possuem foco de conhecimentos diferenciados, homens sabem mais sobre plantas
usadas na alimentação (média 37.5), enquanto as mulheres conhecem mais sobre plantas medicinais
(média 24.9). É importante entender a dinâmica do acumulo de conhecimento ligado ao gênero, como
ferramenta para o direcionamento de planos de conservação que visem atividades especificas entre
homens e mulheres em comunidades
Palavras-chave: conhecimento tradicional, etnobotânica, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
IMPORTÂNCIA CULTURAL DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NA
COMUNIDADE CANGANDU, MUNICÍPIO DE ARAPIRACA-AL, NORDESTE DO BRASIL.
Leidianne da Silva Pereira¹, Aline Camila Silva de Oliveira¹, Washington Soares Ferreira Junior²,
Maria Silene da Silva³
¹Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL
² Ms. em Biologia Vegetal, Universidade Federal de Pernambuco – UFPE
³Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL
O interesse sobre o uso popular de plantas medicinais cresceu nos últimos séculos, resultando no
aumento do conhecimento sobre o potencial da biodiversidade e a necessidade do uso sustentável dos
recursos naturais. O presente estudo teve como objetivo caracterizar o conhecimento popular das
plantas medicinais citadas pelo povoado Cangandu, Arapiraca-AL, tentando compreender a relação da
comunidade com o ambiente e apontar futuras candidatas para estudos farmacológicos. Foram
realizadas entrevistas semi-estruturadas, utilizando o método de listagem livre, para identificar as
espécies utilizadas como medicinais. O material botânico foi coletado através de turnê-guiada, o qual
foi levado para o herbário MAC do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas. As plantas medicinais
foram organizadas em sistemas corporais, com base no CID-10. Para cada espécie foi calculada a
Importância Relativa (IR=NP + NCS), e a Análise da Saliência (SI), a fim de identificar as espécies
mais salientes, com o uso do Anthropac 1.0. No povoado Cangandu foram realizadas 55 entrevistas,
indicadas 173 plantas e detectadas 105 indicações terapêuticas distribuídas em 17 sistemas corporais.
Os sistemas corporais que obtiveram maior número de citações foram Doenças do Aparelho Digestivo,
Doenças do Aparelho Respiratório e Doenças do Aparelho Geniturinário, sendo as espécies
Stryphnodendron barbatimam (Vell.) Mart. (IR=2,000), Aloe vera L. (IR=1,705), Cymbopogon
citratus (DC.) Stapf (IR=1,573) e Rosmarinus officinalis L. (IR=1,508) as mais versáteis entre as
plantas citadas. No índice de saliência, as espécies que se apresentaram mais salientes foram
Stryphnodendron barbatimam (0,0513), Aloe vera (0,0499), Piper umbellatum L. (0,0430),
Cymbopogon citratus (0,0413). No estudo, foi possível verificar que a 6% das espécies mais versáteis
também são as mais salientes, ou seja, as espécies mais importantes do povoado. Este estudo aponta as
plantas mais importantes para os especialistas locais, sem relacionar diretamente o conhecimento
obtido com o uso real destas espécies.
Palavras-chave: etnobotânica, importância cultural, plantas medicinais
Área temática: Etnobotânica
!
!
DINÂMICA DO CONHECIMENTO TRADICIONAL SOBRE CACTÁCEAS EM REGIÕES
DO SEMIÁRIDO NORDESTINO.
Camilla Marques de Lucena1, Gyslaynne Gomes da Silva Costa1, Josenildo dos Santos Machado1,
Zelma Glebya Maciel Quirino2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1.
1
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
2
Laboratório de Ecologia Vegetal da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
Em algumas regiões do semiárido nordestino, o conhecimento tradicional tem sido influenciado por
mudanças na biodiversidade, modernização, e por outras ações antrópicas. O presente estudo registrou
e analisou a dinâmica do conhecimento dos moradores das comunidades rurais de São Francisco
(Cabaceiras/118informantes-50H/68M), Barroquinha e Besouro (Lagoa/52-19H/33M), Várzea Alegre
(São Mamede/37-18H/19M) e Capivara (Solânea/62-29H/33M) em relação as cactáceas, totalizando
269 informantes, os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em
pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Os dados foram obtidos com entrevistas(Março-2011/Junho-2012),
e analisados de acordo com gêneros e faixas de idade. Registraram-se dez espécies, seis gêneros, 2.548
citações de uso distribuídas em dez categorias. Nas comunidades a aquisição do conhecimento ocorreu
de forma vertical. Em Barroquinha/Besouro, 50% dos informantes não se preocupam com a
transmissão. Em São Francisco e Várzea Alegre, 60% transmitem de forma vertical, e em Capivara
35% de forma circular. O conhecimento entre os gêneros e faixas etárias, apresentou diferenças. Em
Barroquinha e Besouro a geração de conhecimento entre todas as faixas etárias das mulheres foi
adquirido verticalmente, já entre os homens mais velhos(64-84) predominou a geração circular, e com
os mais jovens e adultos(14-23;24-63) vertical/circular. Em Capivara, entre os gêneros com faixa
etária entre 47-67 anos predominou o vertical, já entre 37-46 homens/mulheres adquiriram de forma
circular, enquanto entre os gêneros mais jovens, vertical/horizontal. Na transmissão, os homens mais
velhos ensinam de forma circular, já as mulheres mais velhas se preocupam em transmitir aos
filhos/netos. Na faixa etária entre 20-46 anos, alguns homens/mulheres ensinam aos filhos/netos,
outros ensinam aos amigos/vizinhos, e outros não ensinam. Em São Francisco, a geração de
conhecimento foi vertical entre os gêneros, já na transmissão, a maioria dos informantes transmitem
para filhos/netos. Alguns informantes mostraram-se preocupados em passar o saber que possuem,
sendo evidenciada a falta de um padrão na dinâmica do conhecimento.
Palavras-chave: conhecimento tradicional, etnobotânica, cactos
Área temática: Etnobotânica
!
!
!
USO DE ESPÉCIES VEGETAIS EM SEIS COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO
PARAIBANO, NORDESTE, BRASIL.
Pedro Mouzinho de Oliveira Neto1, Zenneyde Alves Soares1, Wellington Miguel Dantas2, Ricardo
Batista dos Santos2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1.
1
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
2
Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).
Os estudos etnobotânicos têm registrado o uso de plantas na higiene pessoal, ornamentação e sombra.
O presente estudo buscou registrar a utilização e diversidade de espécies dentro dessas categorias em
seis comunidades rurais na Paraíba. Os dados foram obtidos a partir de entrevistas semiestruturadas
realizadas nos municípios de Cabaceiras/Comunidade São Francisco - 123 informantes, sendo 53
Homens (H) e 70 Mulheres (M), São Mamede/Várzea Alegre (36 informantes-17H/19M),
Itaporanga/Pau D’Arco (15 informantes-8H/7M), Lagoa/Barroquinha (66 informantes-25H/41M),
Remígio/Coelho (37 informantes-20H/17M) e Solânea/Capivara (112 informantes-53H/59M),
totalizando 389 informantes, os quais assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido exigido
pelo comitê de ética em pesquisa (aprovado pelo CEP/HULW nº297/11). Foi realizada uma distinção
entre citações de uso atual/uso potencial. Registraram-se 48 plantas, sendo identificadas 45 espécies,
38 gêneros e 18 famílias, e 825 citações de uso (394 citações de homens/431 de mulheres), sendo 423
para higiene pessoal, 349 para sombra e 53 para ornamentação. Houve um destaque para Ziziphus
joazeiro Mart. nas seis comunidades, obtendo 511 citações (238 citações de homens/273 citações de
mulheres), sendo 188 de uso atual, e 323 potencial (62% das citações). Sua utilização se deu,
principalmente, na higiene pessoal e como sombra. Como ornamental se destacou Senna martiniana
(Benth.) H.S. Irwin Barneby. As partes usadas que apresentaram destaque foram a planta completa
(398 citações de uso), seguida da casca e entrecasca, obtendo 209 citações de uso para cada. No
VUgeral/VUatual/VUpotencial, Z. joazeiro se destacou em todas as comunidades. A partir dos resultados
obtidos percebeu-se que o conhecimento dos moradores da caatinga e sua relação com as espécies da
região, não tem limites, pois encontram diversas formas de uso de acordo com sua necessidade. Os
resultados evidenciam que as pessoas conhecem um vasto elenco de plantas para as finalidades
sombra/ornamentação e higiene pessoal, contudo restringem a utilização efetiva a poucas espécies.
Palavras-chave: etnobotânica, populações tradicionais, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO DE ESPÉCIES ARBÓREAS POR AGRICULTORES
DA APA COSTA DE ITACARÉ-SERRA GRANDE, BAHIA, BRASIL.
Nathália Alves de Sousa1, Emerson Antônio Rocha1
1
Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
Nas duas últimas décadas houve crescente interesse no estudo etnobotânico de comunidades rurais em
áreas de Floresta Atlântica no Nordeste do Brasil. Apesar disso, são quase inexistentes estudos focados
no uso de espécies arbóreas no estado da Bahia, que abriga importantes remanescentes florestais que
compõem o Corredor Central da Mata Atlântica. A Área de Proteção Ambiental Costa de Itacaré-Serra
Grande abrange os municípios de Ilhéus, Itacaré e Uruçuca e sua poligonal situa-se no Corredor
Central. Mesmo possuindo áreas de mata com uma das maiores diversidades de árvores por hectare do
planeta, a APA ainda lida com problemas de alta especulação imobiliária e extração de madeira,
sinalizando a necessidade de melhor conhecermos a dinâmica de uso desses recursos pelas
comunidades
ali
presentes.
Diante disso, este estudo apresenta dados preliminares sobre a utilização de espécies arbóreas na APA.
Foram coletados dados sócio-econômicos e etnobotânicos de agricultores de uma Associação
selecionada intencionalmente. Por meio de entrevistas semi-estruturadas, observação participante e
turnê guiada, até o momento 15 dos 20 associados foram entrevistados, citando 72 etnoespécies,
distribuídas em 10 categorias de uso. A categoria com o maior número de citações foi construção
doméstica (54,2%), seguida por alimentação (43,05%), medicinal (41,7%), tecnologia (40,3%),
construção rural (27,8%), viveiro (23,6%), energética (13,9%), outros (12,5%), artesanato (11,1%) e
forragem (6,9%). A categoria “viveiro” surgiu da necessidade de agrupar as plantas que os agricultores
citaram como aquelas das quais coletam sementes na mata para fazerem mudas, já que eles são em sua
grande maioria viveiristas. As espécies com maior número de citações (8) foram Massaranduba
(Manilkara spp.) e Cunduru (Brosimum rubescens Taub.). Visando contribuir para um melhor plano de
manejo da APA e consequentemente na conservação de sua alta biodiversidade, ainda realizaremos um
levantamento fitossociológico para verificarmos se há relação entre o uso das espécies e a
disponibilidade nas matas das propriedades desses agricultores.(FAPESB)
Palavras-chave: etnobotânica , espécies arbóreas, apa itacaré-serra grande
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL E USO DE ESPÉCIES VEGETAIS PARA
FORNECIMENTO DE ENERGIA EM UMA COMUNIDADE RURAL DO SEMIÁRIDO
PARAIBANO.
André dos Santos Souza1, João Paulo de Oliveira Ribeiro1, Daniel da Silva Gomes1, Natan Medeiros
Guerra1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1.
1
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
No semiárido nordestino, as populações tradicionais utilizam plantas como fonte de combustível, as
quais fornecem energia para os fogões domésticos, e outras atividades, como queima de tijolos e
fogueiras. O presente estudo registrou as espécies úteis utilizadas como lenha e carvão na comunidade
Santa Rita de Cima, município do Congo (Nordeste, Brasil). As citações de uso foram separadas em
uso atual e uso potencial. Aplicaram-se entrevistas semiestruturadas com 22 informantes (12 homens e
10 mulheres), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em
pesquisa (CEP/HULW nº297/11). 50% dos informantes afirmaram utilizar lenha, 90% carvão, 13%
utilizam biodigestor, 86% gás butano. Foram registradas 20 espécies, 19 gêneros, dez famílias. A
coleta para estoque é realizada em dois locais, nas matas e no quintal de cada residência, onde
aproveitam a madeira descartada das cercas. 63% dos informantes afirmaram preferir coletar e estocar
a lenha no período da seca. A espécie preferida para ser utilizada como lenha e carvão foi Prosopis
juliflora (SW.) DC. devido a sua ampla disponibilidade na região, e por possuir “fogo quente”.
Registraram-se 130 citações para lenha (16% atual, 84% potencial), 118 citações para carvão (27%
atual, 73% potencial). O uso de biodigestor foi registrado em três residências, as quais deixaram de
utilizar lenha. P. juliflora foi a espécie mais citada com 42 citações (20 lenha, 22 carvão), seguida de
Poincianella pyramidalis Tul. 39 citações de uso (20 lenha, 19 carvão), e Mimosa tenuiflora (Willd.)
Poir. 28 (14 lenha, 14 carvão). Foi medido o estoque de lenha em cada residência, confirmando a
preferência de P. juliflora. Foram registradas nove espécies nos estoques, destacando-se P. juliflora,
Croton blanchetianus Baill e Aspidosperma pyrifolium Mart. O estudo mostrou que apesar de ser
espécie exótica, P. juliflora, é muito utilizada, ajudando na conservação das espécies nativas.
Palavras-chave: etnobotânica, combustível, caatingaÁrea temática: Etnobotânica
!
IMPORTÂNCIA CULTURAL DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NA
COMUNIDADE CANGANDU, MUNICÍPIO DE ARAPIRACA-AL, NORDESTE DO BRASIL
Aline Camila Silva de Oliveira1, Leidianne da Silva Pereira1, Maria Silene da Silva1, Washington
Soares Ferreira Júnior2
1
Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL;
2
Universidade Federal de Pernambuco – UFPE.
O interesse sobre o uso popular de plantas medicinais cresceu nos últimos séculos, resultando no
aumento do conhecimento sobre o potencial da biodiversidade e a necessidade do uso sustentável dos
recursos naturais. O presente estudo teve como objetivo caracterizar o conhecimento popular das
plantas medicinais citadas pelo povoado Cangandu, Arapiraca-AL, tentando compreender a relação da
comunidade com o ambiente e apontar futuras candidatas para estudos farmacológicos. Foram
realizadas entrevistas semi-estruturadas, utilizando o método de listagem livre, para identificar as
espécies utilizadas como medicinais. O material botânico foi coletado através de turnê guiada, o qual
foi levado para o herbário MAC do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas. As plantas medicinais
foram organizadas em sistemas corporais, com base no CID-10. Para cada espécie foi calculada a
Importância Relativa (IR=NP + NCS) e a Análise da Saliência (SI), a fim de identificar as espécies
mais salientes, com o uso do ANTHROPAC 1.0. No povoado Cangandu, foram realizadas 55
entrevistas, indicadas 173 plantas e detectadas 105 indicações terapêuticas distribuídas em 17 sistemas
corporais. Os sistemas corporais que obtiveram maior número de citações foram Doenças do Aparelho
Digestivo, Doenças do Aparelho Respiratório e Doenças do Aparelho Geniturinário, sendo as espécies
Stryphnodendron barbatimam (Vell.) Mart. (IR=2,000), Aloe vera L. (IR=1,705), Cymbopogon
citratus (DC.) Stapf (IR=1,573) e Rosmarinus officinalis L. (IR=1,508) as mais versáteis entre as
plantas citadas. No índice de saliência, as espécies que se apresentaram mais salientes foram
Stryphnodendron barbatimam (Vell.) Mart. (0,0513), Aloe vera L. (0,0499), Piper umbellatum L.
(0,0430), Cymbopogon citratus (DC.) Stapf (0,0413). No estudo, foi possível verificar que os 6% das
espécies mais versáteis também são as mais salientes, ou seja, as espécies mais importantes do
povoado. Este estudo aponta as plantas mais importantes para os especialistas locais, sem relacionar
diretamente o conhecimento obtido com o uso real destas espécies.
Palavras-chave: etnobotânica, importância cultural, plantas medicinais.
Área temática: Etnobotânica
!
USO DA DIVERSIDADE DE PLANTAS VASCULARES POR COMUNIDADES RURAIS EM
ÁREAS DE CAATINGA NO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL
Madson Reis de Oliveira Trindade1, Jomar Gomes Jardim1
1
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
É conhecido, dentre as populações rurais, diferentes utilidades dadas às plantas, que servem como
recurso auxiliar ou única alternativa para realização de suas atividades, como documentado pela
literatura. A fim de estimar a diversidade de usos da vegetação local, foi feito um levantamento da
variedade de usos em três comunidades na região do Mato Grande, município de João Câmara, Rio
Grande do Norte (5° 32' 16" S, 35° 49' 12" W). A região é formada por três distritos (Cauassu, Lagoa
de São José e Ubaíra), com aproximadamente 100 moradores. Foram combinadas diferentes técnicas
para a execução deste trabalho, incluindo entrevistas semi-estruturadas, turnê guiada, observação
participante e amostragem da diversidade florística em parcelas fixas. Ao todo foram entrevistadas 30
pessoas, sendo 20 homens e 10 mulheres. Cerca de 180 espécies de angiospermas foram citadas, as
quais foram organizadas em dez categorias de usos. As três categorias que obtiveram maior número de
espécies citadas foram medicinal (90), alimentício (53) e veterinário (52), as demais não ultrapassaram
24 espécies. Dez (10) espécies se destacaram por sua multiplicidade de usos ou importância local,
Ameixa-do-mato (Ximenia americana), Cardeiro (Cereus jamacaru), Facheiro (Pilosocereus
pachycladus), Jurema-preta (Mimosa tenuiflora), Juazeiro (Ziziphus joazeiro), Marmeleiro (Croton
sonderianus), Pereiro (Aspidosperma pyrifolium), Quixabeira (Sideroxylon obtusifolium), Umbuzeiro
(Spondias tuberosa) e Vassourinha (Scoparia dulcis). Os homens, de maneira geral, citaram mais
espécies úteis, cerca de 52 espécies e as mulheres entorno de 46. Os dados mostram que o predomínio
apontado está relacionado com as atividades desempenhadas pelos participantes e com o hábito das
espécies. Árvores e arbustos obtiveram mais citações e são os homens os envolvidos na coleta de
recursos madeireiros na mata, em contrapartida com as mulheres predomina o conhecimento sobre as
plantas próximas a casa, geralmente cultivadas por elas.
Área temática: Etnobotânica
!
A CAATINGA QUE ALIMENTA: O USO DA FLORA NATIVA NA ALIMENTAÇÃO
HUMANA E ANIMAL POR COMUNIDADES RURAIS NO RIO GRANDE DO NORTE,
BRASIL.
Madson Reis de Oliveira Trindade1, Jomar Gomes Jardim1
1
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
O manejo das plantas em ambientes rurais é muito frequente, diversas espécies são manejadas (nativas
e exóticas) principalmente para uso na alimentação humana e animal. Entretanto, em ambientes rurais
que mantêm áreas com vegetação nativa é frequente a utilização de recursos florestais locais também
como alimentos. Foi realizado um inventário das plantas nativas utilizadas como alimento em três
comunidades na região do Mato Grande, município de João Câmara, Rio Grande do Norte. A região
faz parte do domínio da caatinga sendo formada por três distritos (Cauassu, Lagoa de São José,
Ubaíra), com aproximadamente 100 moradores, que vivem praticamente de cultivos de subsistência e
atividades agropecuárias. Diferentes técnicas foram combinadas para a execução deste trabalho,
incluindo entrevistas semi-estruturadas, turnê guiada e observação participante com 30 pessoas, dentre
elas 20 homens e 10 mulheres. Os participantes citaram 36 espécies utilizadas como alimento humano
e animal. Dentre as espécies citadas encontradas para alimentação humana destacam-se: Incó
(Neocalyptrocalyx longifolium), Juazeiro (Ziziphus joazeiro), Palma-do-mato (Tacinga inamoena),
Quixabeira (Sideroxylon obtusifolium), Trapiá (Crataeva tapia), Ubaia (Eugenia luschnathiana) e
Umbuzeiro (Spondias tuberosa). As espécies mais citadas como forrageiras foram: Cardeiro (Cereus
jamacaru), Facheiro (Pilosocereus pachycladus), Feijão-bravo (Cynophala declinata), Juazeiro
(Ziziphus joazeiro), Macambira (Bromelia laciniosa) e Sodoro (Pilosocereus gounellei). O uso e
manejo das plantas estão intimamente relacionados à sazonalidade do ambiente. Nos períodos de
estiagem, a busca por espécies forrageiras para os animais é acentuada, sendo as cactáceas as mais
utilizadas. Durante o inverno, com a disponibilidade dos frutos da mata, estes são consumidos quando
são encontrados pelas pessoas. Desta forma, as plantas da caatinga se destacam também como
importante elemento auxiliando na resiliência dos moradores e de seus animais.
Palavras-chave: caatinga, alimento nativo, população rual
Área temática: Etnobotânica
!
ÍNDICE DE PRIORIDADE DE CONSERVAÇÃO DE PLANTAS UTILIZADAS EM UMA
COMUNIDADE RURAL NO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL).
Thamires Kelly Nunes Carvalho1, Ramon Santos Souza2, Kamila Marques Pedrosa1, Natan Medeiros
Guerra1, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1.
1
Laboratório de Etnoecologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
2
Universidade Estadual da Paraíba.
Estudos etnobotânicos são realizados enfocando a conservação da biodiversidade, utilizando diferentes
metodologias e propondo índices objetivando detectar espécies com possível pressão de uso, sendo um
deles o Índice de Prioridade de Conservação (IPC), o qual foi testado, no presente estudo, na
comunidade rural de Santa Rita, município do Congo, microrregião do Cariri (Paraíba-NordesteBrasil). Para o inventário fitossociológico, adotou-se o método do Ponto Quadrante, sendo plotados
500 pontos distribuídos nas áreas de vegetação da comunidade, anotando medidas do perímetro/altura
de 2.000 indivíduos, sendo registradas quatro plantas por ponto quadrante. Foram aplicadas entrevistas
com 98 informantes (57M/41H), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo
comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). O IPC foi calculado por meio de dados
etnobotânicos e fitossociológicos segundo a fórmula: IPC=UL+DU+SE+DR+ FR. Onde: UL=nº de
informantes que citaram a espécie; DU=nº de usos atribuídos à espécie; SE=os tipos de sinais
extrativistas visualizados nas áreas amostrais; DR=densidade relativa e FR= frequência relativa do
levantamento fitossociológico. No caso do SE foi considerado o maior escore, visto que uma mesma
espécie poderia se enquadrar em mais de um valor (exemplo: rebrota e tronco). Cada espécie recebeu
um escore representado pelo somatório de todos os critérios adotados. Foram registradas 24 espécies
úteis, 21 gêneros e 11 famílias. Destacaram-se: Tabebuia aurea (Silva Manso) Benth. & Hook. f. ex S.
Moore e Ziziphus joazeiro Mart (escore=41), Myracrodruon urundeuva Allemão, Commiphora
leptophloeos (Mart.) J. B. Gillet, Spondias tuberosa Arruda e Schinopsis brasiliensis Engl. (com
escore=38), Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir., Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan e Bauhinia
cheilantha (Bong.) Steud. (com escore=35). Os dados indicam espécies para a realização de estudos
específicos que avaliem a sua disponibilidade local, e possíveis pressões de usos sobre as mesmas,
principalmente M. urundeuva e S. brasiliensis que estão nas listas de espécies ameaçadas de extinção.
Palavras-chave: etnobotânica quantitativa, conservação, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
PRODUÇÃO DE SEMENTES E ASPECTOS DA GERMINAÇÃO DE Renealmia petasites
GAGNEP.
Diego Cesarino1, Raquel R. B. Negrelle1.
1
Universidade Federal do Paraná (UFPR).
Renealmia petasites Gagnep (Pacová) tem sido usada como recurso medicinal (anti-helmíntico,
antirreumático e carmitativo) e gerador de renda pela comunidade da Colônia Castelhanos (localizada
na Área de Proteção Ambiental de Guaratuba, Paraná). A APA de Guaratuba é um importante reduto
ecológico e sua preservação não deve servir como fator de coerção aos moradores, que utilizam os
produtos florestais não madeiráveis como solução natural em seguimentos da vida diária. Esse trabalho
visa auxiliar o plantio de R. petasites, aumentando a produção sem causar prejuízos às populações
naturais da região, aliando geração de riqueza e diminuição da atividade antrópica. Foram realizados
experimentos com as sementes do Pacová para avaliar o teor de umidade, a curva de embebimento e o
teste de germinação em estufa, com luz, temperatura e umidade controlados. A metodologia dos testes
seguiu o manual Regras para Análise de Sementes. O teste para avaliar o teor de umidade (U) das
sementes demonstrou que este valor é relativo à 39%, considerando um conjunto de 5 amostras com 50
sementes cada, em estufa de aquecimento elétrico e por princípio de convecção gravitacional, à
105°C+- 3°, por 72 horas no total. A curva de embebição demonstrou grande porcentagem de absorção
de água nas primeiras 2 horas, mantendo uma gradual, porém lenta absorção nas 94 horas seguintes. O
teste de germinação, obteve apenas 6 sementes germinadas em 800, no período de 30 dias. Os
resultados permitem concluir que: o armazenamento das sementes, por longos períodos de tempo, só
devem ser viáveis após processos de desidratação. As sementes têm os seus tecidos reidratados para a
retomada dos processos metabólicos em cerca de 2 horas de embebição. A germinação não apresentou
resultados satisfatórios no decorrer do período de 30 dias sob condições de luz, temperatura e umidade
controlados, indicando a possibilidade das sementes apresentarem dormência.
Palavras-chave: plantas medicinais, produção de sementes, renealmia petasites gagnep
Área temática: Etnobotânica
!
VARIAÇÃO DO TAMANHO DE SEMENTES E FRUTOS DE Caryocar Coriaceum Wittm. DA
FLORESTA NACIONAL DO ARARIPE DO ARARIPE.
Jose Ribamar S. Junior1, Gilney Charll Santos1, Alyson Luiz S. Almeida1, Ulysses P. Albuquerque1,
Nivaldo Peroni2
1
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
2
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
As populações humanas usam, manejam e percebem os recursos vegetais de diversas maneiras a partir
da relação histórica que mantêm com as espécies de plantas. O objetivo deste estudo foi analisar a
percepção das populações humanas locais quanto às variações morfológicas no tamanho de sementes e
frutos de Caryocar coriaceum Wittm. da Floresta Nacional do Araripe, Ceará. Foi estudada uma
amostra de 22 extratores locais de frutos da espécie, moradores da comunidade de Cacimbas
(município de Jardim - CE), que tradicionalmente selecionam e classificaram sementes e frutos. Foram
coletados aleatoriamente 150 sementes e 150 frutos, os quais foram utilizados para que cada um dos
informantes escolhesse e indicasse sementes e frutos que percebiam como grandes, médias e pequenas.
Após a classificação pelos extratores, foi conduzida uma análise morfométrica de sementes e frutos de
pequi selecionados. Assim, foram mensurados através do uso de paquímetro, o comprimento e o
diâmetro maior e menor, e calculado o volume das sementes e frutos selecionados por cada informante
para aferir a classificação local, e as diferenças entre as classes selecionadas pelos informantes. O
volume do fruto foi calculado baseado na fórmula 4/3 abc, onde a, b e c são os semi-eixos
comprimento, diâmetro maior e menor (adaptado de Jacomini et al. 2007). Os dados foram então
submetidos a uma comparação estatística, através do teste de Kruskall-Wallis (Student-NewmanKeuls). As médias do volume das sementes grandes, médias e pequenas foram, respectivamente,
181,56; 110,49 e 61,43 e as médias para frutos grande, médio e pequeno foram, respectivamente,
624,65; 417,30 e 261,92. Com exceção de sementes médias e pequenas (p>0,05; H=21,18) e de frutos
médios e pequenos (p>0.05; H=21,64), foram verificadas diferenças significativas entre todos os
outros grupos (p<0,05; H=126,98 e p<0,01; H=126,98). Este trabalho aponta para uma coerência na
classificação local quanto ao tamanho de sementes e frutos de pequi.
Palavras-chave: percepção, pequi, cacimbas
Área temática: Etnobotânica
!
DIVERSIDADE MORFOLÓGICA DE Caryocar Coriaceum Wittm. NA FLORESTA
NACIONAL DO ARARIPE EM DIFERENTES UNIDADES DE PAISAGEM
Jose Ribamar S. Junior1, Gilney Charll Santos1, Ivanilda S. Feitosa1, Ulysses P. Albuquerque1, Nivaldo
Peroni2
1
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
2
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
Muitas pessoas que vivem ao redor da Floresta Nacional do Araripe (FLONA-Araripe) obtêm renda
através do extrativismo do pequi (Caryocar coriaceum Wittm.), em especial a coleta de frutos. A
manipulação de populações de espécies vegetais, sob diversos regimes de manejo em unidades de
paisagem historicamente manejadas, pode favorecer variações fenotípicas nessas populações. Esse
estudo objetivou analisar morfometricamente populações de C. coriaceum em três unidades de
paisagem diferentes, a fim de verificar se as práticas de manejo, tais como a coleta, a poda de ramos, o
plantio e o zelo influenciam as populações vegetais de pequi. O estudo foi realizado na FLONAAraripe (CE) e no seu entorno. Para realizar as análises morfométricas do pequi, foram coletados
frutos em três diferentes unidades de paisagem, que foram nomeadas de acordo com a nomenclatura
local, sendo duas localizadas dentro da FLONA-Araripe (Porteiras e Baixa do Cão) e uma no seu
entorno (Murici). Em cada unidade de paisagem foram sorteados 10 indivíduos adultos e coletados 10
frutos de cada indivíduo. Para caracterização dos frutos, foram considerados o peso (g), volume (cm3),
comprimento (cm) e o peso da semente despolpada (g). Não houve diferença significativa entre as três
áreas quanto ao peso médio (F=2.54; p>0,05) e ao comprimento (H=2,73; p>0,05) do fruto. O volume
do fruto foi calculado baseado na fórmula 4/3 abc, onde a, b e c são os semi-eixos comprimento,
diâmetro maior e menor (adaptado de Jacomini et al 2007). Entretanto, a diferença da média do
volume médio dos frutos, entre Porteiras e Murici foi significativa (F=9,04; p < 0,01) e entre a Baixa
do Cão e Murici (F=9,04; p<0,05). Em relação ao peso médio das sementes despolpadas a diferença
foi significativa entre Porteiras e Murici (F=12,22; p<0,01) e entre a Baixa do Cão e Murici (F=12,22;
p<0,01). Esse estudo aponta para a existência de variações na morfologia do pequi, que podem ser
reflexos dos tipos de manejo que populações humanas realizam sobre essa planta nas diferentes
unidades de paisagem estudadas.
Palavras-chave: pequi, manejo, flona-araripe
Área temática: Etnobotânica
!
O CONHECIMENTO SOBRE AS PLANTAS MEDICINAIS ENTRE OS ESTUDANTES DAS
FACULDADES MAGSUL, PONTA PORÃ - MS
Sebastião Gabriel Chaves Maia1, Katia Marques de Sousa1, Eroni Páim Sanchez1, Maria Aline de
Souza Prieto1, Hellen Pereira Gomes1
1
Faculdades Magsul – FAMAG
A etnobotânica se ocupa do estudo do conhecimento e das conceituações desenvolvidas, pelo homem,
a respeito do mundo vegetal, no contexto, como o uso e classificação. Dentre os usos destacam-se o de
plantas na medicina tradicional, os chamados remédios caseiros. Este trabalho tem por objetivo avaliar
o conhecimento e fontes de informação dos estudantes do curso de Ciências Biológicas das Faculdades
Magsul, Ponta Porã - MS, sobre as propriedades das plantas medicinais. A abordagem deste trabalho
tem como foco uma pesquisa etnodirigida, onde foram entrevistados estudantes do curso de Ciências
Biológicas. Antes da aplicação dos questionários, os entrevistados assinaram um Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido, contendo informações sobre sua participação voluntária e demais
dadas sobre a pesquisa. A amostra obtida foi de 52 participantes, sendo 67,3 % do sexo feminino e
32,7% masculino. O uso de plantas medicinais é frequente entre os participantes deste trabalho, onde
todos disseram já ter utilizado plantas medicinais. Isso demonstra a estreita relação dos estudantes com
as plantas medicinais e mesmo estando na academia, eles reconhecem o conhecimento popular como
útil e válido. As plantas medicinais citadas foram distribuídas em 25 famílias e 44 espécies. As
famílias botânicas que apresentam maior número de espécies foram Asteraceae (7 spp.), Myrtaceae (3
spp.) e Fabaceae (3 spp.). As espécies mais citadas foram: boldo (Plectrantus barbatus) citado por
20,35% dos estudantes, camomila (Matricaria recutita) (12,21%) e erva-cidreira (Melissa officinalis)
(11,05%). As finalidades do uso são diversas, relacionadas com o sistema digestório, respiratório,
genital e nervoso. As plantas medicinais representam uma importante alternativa terapêutica entre os
estudantes, uma vez que 64% dos participantes realizam o cultivo das plantas medicinais em suas
próprias residências e 53% relataram obter este conhecimento dos pais e avós e 68% dos acadêmicos
declaram utilizarem plantas medicinais do tratamento de doenças como uma alternativa saudável.
Palavras-chave: etnobotânica, plantas medicinais, percepção
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO COM MULHERES: DA ORALIDADE AO CONHECIMENTO.
UMA COMPARAÇÃO EM CINCO COMUNIDADES DO SEMIÁRIDO PARAIBANO
(NORDESTE/BRASIL).
Severino João da Silva Júnior1, Priscilla Clementino Coutinho1, Thamires Kelly Nunes Carvalho1,
Anita Leocádia Pereira dos Santos2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
As mulheres sempre desempenharam papel importante na prática/transmissão do conhecimento
tradicional, fazendo da casa um cenário dinâmico. O presente estudo registrou o conhecimento/uso que
as mulheres das comunidades de Barroquinha (município de Lagoa–41mulheres), Capivara (Solânea–
59), Coelho (Remígio–20), São Francisco (Cabaceiras–70) e Várzea Alegre(São Mamede–19),
atribuem aos recursos vegetais. Foram realizadas entrevistas com 209 mulheres, as quais assinaram o
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP/HULW
nº297/11). Utilizou-se o Valor de Uso (VU) por meio de três cálculos: VUgeral/VUatual/VUpotencial, sendo
calculados a partir da distinção entre citações de uso atual/uso potencial. Para famílias/categorias,
VUf= Ui/nf e VU= Ui/nc. Foram citadas 84 plantas, das quais foram identificadas 61 espécies/47
gêneros/20 famílias. Realizou-se a Correlação de Pearson e a Regressão Linear Simples para
identificar correlações entre as comunidades. Destacaram-se em Barroquinha, Myracrodruon
urundeuva Allemão (VUgeral=4,26), Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. (VUatual=2,07) e Ziziphus joazeiro
Mart. (VUpotencial=2,71); em Capivara, Aspidosperma pyrifolium Mart. (VUpotencial=5,49; VUatual=4,17)
e Z. joazeiro (VUpotencial=1,97); em Coelho Poincianella pyramidalis Tul. (VUatual=2,53) e Z. joazeiro
(VUpotencial=1,68) (VUgeral=3,89, ambas); em São Francisco, M. urundeuva (VUgeral=4,00; VUatual=1,89;
VUpotencial=2,11) e em Várzea Alegre, M. Tenuiflora (VUgeral=3,26; VUatual=2,68) e Tabebuia aurea
(Silva Manso) Benth. & Hook. f. ex S. Moore (VUpotencial=2,00). No VUfamília, em Barroquinha, Coelho
e São Francisco Rhamnaceae se destacou (VU=3,39/3,89/3,2 respectivamente), e Apocynaceae em
Capivara e Várzea Alegre (VU=5,41/1,42). As categorias construção (Barroquinha/VU=0,43; São
Francisco/VU=0,37; Várzea Alegre/VU=0,55), combustível (Coelho/VU=0,39) e alimento
(Capivara/VU=0,38) se destacaram. Só foram encontradas correlação no VUpotencial entre
Lagoa/Cabaceiras (p<0,05; r=0,42) e Remígio/São Mamede (p<0,05; r=0,40). A aquisição do
conhecimento se deu principalmente na forma vertical. Já na transmissão do conhecimento, em
Barroquinha/São Francisco destacou-se a vertical, em Capivara/Coelho, circular, e em Várzea Alegre
vertical/circular. Os resultados evidenciaram que as mulheres apresentaram formas distintas de
aquisição do saber, e conhecimento maior nas categorias madeireiras, as quais são tidas como domínio
masculino. Contudo, a maioria das citações foi relacionada a construções domésticas e combustível.
Palavras-chave: gênero, caatinga, população tradicional
Área temática: Etnobotânica
!
COMPARAÇÃO ENTRE CONHECIMENTO LOCAL SOBRE PLANTAS LENHOSAS EM
QUATRO COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA (NORDESTE,
BRASIL).
Kamila Marques Pedrosa1, Diego Batista de Oliveira Abreu1, João Paulo de Oliveira Ribeiro2, Carlos
Antônio Belarmino Alves3, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Estagiário Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Departamento de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
As diferenças do conhecimento na utilização dos recursos biológicos são diversificadas e mudam no
decorrer da vida, muitos fatores afetam a dinâmica do conhecimento. Nesse contexto, o presente
estudo comparou as formas de transmissão e aquisição do conhecimento tradicional em quatro
comunidades rurais do semiárido Paraibano, comunidade São Francisco (Cabaceiras, 123 informantes
- 52Homens/55Mulheres), Coelho (Remígio, 37 - 17M/20H), Barroquinha, (Lagoa, 66 - 25H/41M) e
Várzea Alegre (São Mamede, 36 - 17H/19M), totalizando 262 pessoas, com as quais realizaram-se
entrevistas, as mesmas assinando o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em
pesquisa (CEP/HULW nº297/11). O conhecimento foi analisado como vertical/horizontal/circular. Não
foi comparado o conhecimento entre as diferentes gerações. Registraram-se 10.671 citações de uso,
distribuídas em dez categorias. Registraram-se 48 espécies, 45 gêneros, 11 famílias. Em São Francisco,
92% dos informantes adquirem o conhecimento de forma vertical (41%M/51%M), e o transmite
verticalmente (81% - 44%H/36%M). Em Coelho 100% dos informantes adquirem forma vertical
(55%H e 44%M), sendo que 34% não se preocupam em transmitir o conhecimento (25%H/7%M). Já
na comunidade Barroquinha, 76% dos informantes adquirem de forma vertical (35%H/41%M), os
mesmos relatam ensinar o conhecimento para os familiares (filhos e netos) correspondendo a 38%
(17%H/9%M). Em Várzea Alegre 80% apreenderam de forma vertical (30%H/49%M) e repassam
seus conhecimentos de forma vertical/circular 73% (45%H/28%M) ensinando seus conhecimentos
tanto para amigos quanto para os familiares. Foi verificado que o conhecimento foi adquirido
verticalmente em todas as comunidades, comprovando as informações apresentadas na literatura. As
comunidades aos poucos estão utilizando menos seus recursos, contribuindo para mudanças no
conhecimento. Ambas as comunidades, os informantes se preocupam em repassar seus conhecimentos
para os familiares, enquanto outros não ensinam. Torna-se necessário a realização de estudos que
busquem registrar o conhecimento tradicional a respeito da biodiversidade, antes que o mesmo se
perca ao longo do tempo, além das novas gerações não estarem interessadas em aprender.
Palavras-chave: transmissão de conhecimento, etnobotânica, caatinga
Área temática: Etnobotânica
!
ANÁLISE DO CONSENSO DE INFORMANTES SOBRE CACTÁCEAS EM TRÊS
COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO NORDESTINO
Camilla Marques de Lucena1, Kamila Marques Pedrosa1, Thamires Kelly Nunes Carvalho1, Ricardo
Batista dos Santos2, Reinaldo Farias Paiva de Lucena1,
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Aluno do Curso de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Moradores de áreas rurais no semiárido nordestino apresentam conhecimento em relação a diversidade
e uso de cactáceas, alguns sabendo mais do que outros, sendo considerado especialistas. O presente
estudo analisou o consenso e grau de competência de moradores de três comunidades rurais da
Paraíba, Barroquinha e Besouro, município de Lagoa, com 52 informantes (19Homens/33Mulheres), e
Várzea Alegre em São Mamede (37 - 18H/19M) em relação ao uso e conhecimento de cactáceas.
Entrevistaram-se 89 informantes, os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo
comitê de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). O consenso entre informantes foi analisado pela
fórmula: FCI=(nar-na)/(nar-1), FIC=fator de consenso dos informantes; nar=número de citações de
usos em cada categoria; e na=número de espécies indicadas na categoria. Na análise e representação
dos agrupamentos realizados foi utilizado o programa Pilesort Multidimensional Scaling-Anthropac.
Esse programa foi utilizado para analisar o grau de consenso e competência cultural dos especialistas.
Segundo o programa, se um informante obtiver uma nota superior a 0.5, ele é considerado competente.
Através do programa, se pode analisar a proximidade dos informantes com relação aos critérios
utilizados no agrupamento das espécies. Foram identificadas seis espécies, cinco gêneros, 564 citações
de uso, nove categorias. Para a maioria das categorias não houve consenso entre os informantes de
acordo com o FCI, com exceção da categoria alimento e forragem, que obtiveram valor diferente de 0,
e a categoria medicinal sendo a única que obteve o FCI=1. O pilesort evidenciou a formação de um
grupo reunindo a maioria dos informantes, e seis informantes isolados. Quando observados o
agrupamento das espécies, observou-se o isolamento delas, com exceção de Pilosocereus gounellei
(F.A.C. Weber) Byles & Rowley e Cereus jamacaru DC. que formaram um grupo, podendo ser
explicado pela grande citação na alimentação humana e animal. As análises evidenciaram que cada
informante tem seu próprio sistema de conhecimento e uso das cactáceas.
Palavras-chave: fator de consenso, cactos, etnobotânica
Área temática: Etnobotânica
!
ESTUDO ETNOBOTÂNICO SOBRE CONHECIMENTO DE ESPECIALISTAS LOCAIS NA
DEPRESSÃO SERTANEJA NO NORDESTE DO BRASIL
João Paulo de Oliveira Ribeiro1, Elizabeth Quintella de Lima2, Welligton Miguel Dantas3, Camilla
Marques de Lucena4, Reinaldo Farias Paiva de Lucena2
1
Estagiário Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
2
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
3
Aluno do Curso de Geografia, Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
4
Pós Graduação em Ecologia e Monitoramento Ambiental (PPGEMA), Universidade Federal da
Paraíba – UFPB
As pessoas denominadas de especialistas tradicionais são aquelas que possuem um amplo
conhecimento sobre a diversidade de usos das espécies vegetais nativas, sendo reconhecidas pela
comunidade. O presente estudo registrou e comparou o conhecimento de especialistas de três
comunidades rurais do semiárido Paraibano (Pau D´Arco, município de Itaporanga; Barroquinha
município de Lagoa; Várzea Alegre município de São Mamede) sobre as espécies vegetais. Os
especialistas foram identificados por meio da fórmula: ES=Uix100/Um; onde Ui=citações de uso do
informante, Um=citações de uso do informante que mais citou usos, considerando especialistas os que
obtiverem conhecimento acima da média (p>50%). O Fator de Consenso de Informante (FCI) foi
calculado, segundo a fórmula: FCI=(nur-nt)/(nur-1). Onde nur=número de citações de uso em cada
categoria; nt=número de espécies usadas nesta categoria. Foram entrevistadas 117 pessoas, sendo
reconhecidos 19 especialistas, sendo 12 de Barroquinha (9homens/3mulheres), dois de Pau D´Arco
(2homens), e cinco em Várzea Alegre (4homens/1mulher), os quais assinaram o termo de
consentimento livre exigido pelo comitê de ética em pesquisa (CEP/HULWnº297/11). Na análise e
representação dos agrupamentos realizados utilizou o programa Pilesort Multidimensional Scaling –
Anthropac para analisar o grau de consenso e competência cultural dos especialistas. Segundo o
programa, se um informante obtiver uma nota superior a 0.5, ele é considerado competente. Através do
programa, pode analisar a proximidade dos informantes com relação aos critérios utilizados no
agrupamento das espécies. Foram registradas 51 espécies, 47 gêneros e 22 famílias com usos
distribuídos em dez categorias (alimento, combustível, construção, forragem, medicinal, tecnologia,
veterinária, mágico-religioso, veneno-abortivo, outros usos). Os dados do FCI mostrou que não houve
consenso entre os informantes (FCI<0). O pilesort evidenciou a formação de um grupo reunindo a
maioria dos especialistas, outro grupo com dois, e dois especialistas ficaram isolados. Quando
observado os agrupamentos das espécies (10 partições) observou-se a formação de três grupos, e oito
espécies ficaram isoladas. Apesar das comunidades estarem na mesma região geográfica, a dinâmica
cultural e sócio-econômica das comunidades pode ter influenciado na falta de consenso entre os
especialistas.
Palavras-chave: etnobotânica, fator de consenso, semiárido
Área temática: Etnobotânica
!
PLANTAS DE USO ETNOVETERINÁRIO NO SEMI-ÁRIDO BAHIANO
Cecília de Fátima Castelo Branco Rangel de Almeida1, Antônio Ricardo de Lima de Araújo1
1
Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco – CESVASF.
Práticas etnoveterinárias são amplamente utilizadas nas zonas rurais por apresentar baixo custo e
grande eficácia. Particularmente, nas zonas rurais há carência de serviços veterinários ou estes são
irregulares e dispendiosos. Sendo assim, o presente trabalho teve como objetivo obter informações dos
moradores do município Barra do Tarrachil no sertão bahiano, acerca do uso de plantas medicinais na
medicina veterinária tradicional, onde registrou-se enfermidades de animais tratados com plantas
medicinais, para avaliar as implicações sobre a utilização sustentável desses recursos, inserida num
contexto sócio-econômico-cultural. As informações sobre as propriedades medicinais das plantas
foram obtidas mediante entrevistas com os moradores, no período de agosto a novembro/2011. Na área
estudada foram consultados 30 moradores por meio da técnica bola de neve, sendo 25 homens e cinco
mulheres, cujas idades variaram de 33 e 83 anos. Foram anotados dados sobre a planta (nome popular,
parte do vegetal utilizada, forma de uso e indicação) e da população (faixa etária, sexo e escolaridade).
Os resultados obtidos mostraram que o conhecimento local sobre o uso de plantas medicinais na
medicina etnoveterinária vêm de várias gerações. Foram citadas 30 espécies utilizadas na medicina
etnoveterinária, tais como, Tabebuia alba (Cham.) Sandwith, Myracrodum urundeuva Allemao,
Sideroxylon obtusifolium (Humb. ex Roem. & Schult.) T.D. Penn. e Spondias tuberosa Arruda. A
principal parte do vegetal utilizada para propósito terapêutico foi a casca e as indicações na maioria
das entrevistas foram para tratar diarréia, ferimentos, inflamação, fratura, retenção de placenta,
fraqueza e intestino preso. Se pode concluir que os entrevistados dependem dos recursos naturais do
semi-árido para enriquecer sua alimentação, bem como diversas formas da medicina alternativa. Tais
fatores, aliados a condições não tão amplas de assistência veterinária nas áreas estudadas, tornam-se
elementos limitantes ao acesso da medicina veterinária moderna implicando num uso indispensável
dos recursos florísticos locais.
Palavras-chave: Etnoveterinária, etnobotânica, Bahia.
Área temática: Etnobotânica
!
UMA REVISÃO DAS PUBLICAÇÕES ETNOBOTÂNICAS NO BRASIL
Mara Rejane Ritter¹, Taline Cristina da Silva², Elcida de Lima Araujo², Ulysses Paulino Albuquerque².
¹Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS
²Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
As pesquisas etnobotânicas têm crescido significativamente em várias partes do mundo, inclusive no
Brasil. Apesar dos avanços e do número de trabalhos publicados nessa área ao longo dos anos,
percebe-se que estes ainda são insuficientes para o conhecimento e conservação da biodiversidade.
Este trabalho teve por objetivo traçar o perfil da pesquisa etnobotânica no Brasil por meio de artigos
científicos publicados e detectar lacunas de conhecimento. Realizou-se um levantamento dos artigos
em bases de dados no período de 1988 a maio de 2012, publicados nas revistas científicas de
circulação nacional e internacional. Foram revisados 200 artigos com diferentes abordagens,
predominando os trabalhos com plantas medicinais. O crescimento do número de publicações na área é
evidente bem como a diversidade das abordagens encontradas. A maioria das pesquisas foi realizada
nas regiões Nordeste e do Sudeste do Brasil, locais onde se encontram a maioria dos recursos humanos
especialistas no tema. Os ecossistemas mais estudados foram a Caatinga e a Mata Atlântica, e as
comunidades mais estudadas foram as situadas em áreas rurais, mas percebe-se um crescimento de
estudos em etnobotânica urbana. Foram detectadas lacunas de estudos atuais na Amazônia, Cerrado,
Pampa e Pantanal, regiões onde há menos recursos humanos disponíveis. Estes dados fornecem
subsídios para estudos e investimentos futuros, visando o fortalecimento da etnobotânica no Brasil.
Apoio: CAPES e CNPq
Palavras-chaves: bibliometria , cientometria , etnobiologia
Área temática: Etnobotânica
!
CULTIVO
E
COMERCIALIZAÇÃO
DE
PLANTAS
CONVENCIONAIS (PANC) EM PORTO ALEGRE - RS
ALIMENTÍCIAS
NÃO
Adriana Samper1, Mara Ritter1, Rumi Kubo1
1
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS
Algumas plantas conhecidas como daninhas, pragas, invasoras ou ruderais são potencialmente
alimentícias, tendo uma importância econômica e ecológica. São denominadas plantas alimentícias não
convencionais (PANC). Estas espécies poderiam ser uma das chaves para atingir a soberania alimentar
de muitas comunidades, especialmente as desfavorecidas pelo sistema agroeconômico atual. Este
trabalho tem como objetivos estudar, a partir de um enfoque etnobotânico, as plantas alimentícias não
convencionais (PANC) que agricultores do bairro Lami cultivam e comercializam, e verificar o
conhecimento que os consumidores da Feira Ecológica do Bom Fim possuem sobre as estas espécies.
O levantamento botânico foi realizado durante o ano de 2010 em três propriedades de agricultores
orgânicos do bairro rururbano do Lami, que comercializam seus produtos na feira ecológica do Bom
Fim, em Porto Alegre. Foram realizadas visitas e conversas informais com duas dessas famílias de
agricultores e a técnica de observação participante com a outra familia. A partir deste levantamento,
organizou-se um herbário que foi mostrado a 50 consumidores da feira, realizando-se uma entrevista
semi-estruturada com os mesmos. Mesmo conhecendo as plantas e seus possíveis usos como
comestíveis, os resultados obtidos mostram diferenças significativas em relação ao cultivo e uso das
PANC por parte dos agricultores. Entre os consumidores existe um elevado conhecimento em relação
às frutíferas nativas (como butiá, araçá, açaí, guabiroba e cereja-do-mato) e um conhecimento parcial
das demais plantas. O conceito de PANC (no que concerne ao “não convencional”) é discutido, bem
como o potencial que essas plantas podem ter na busca de soberanía alimentar. Destaca-se o papel que
cumpre a Feira Ecológica do Bom Fim na divulgação dessas plantas, principalmente através da
interação entre agricultores e consumidores.
Palavras-chave: panc, feira ecológica, frutíferas nativas.
Área temática: Etnobotânica
!
O CONHECIMENTO ETNOBOTÂNICO E A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS
AGROFLORESTAIS BIODIVERSOS NA REGIÃO DO ENTORNO DA FLORESTA
NACIONAL DE IRATI - PR
Carla Fernanda Mussio¹, Gabriela Schmitz Gomes¹, Maria Cristina M. Mazza², Emílio Carlos Zilli
Ruiz¹
¹Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná – UNICENTRO
²EMBRAPA-Floresta.
Na região centro do sul do Paraná, a sabedoria empírica sobre o uso de elementos naturais do ambiente
remonta seus antigos habitantes e o processo de ocupação histórica da área, construindo dessa forma, o
conhecimento sobre o uso de espécies nativas. Com o intuito da compreensão da relação atual dos
agricultores familiares e povos tradicionais com os recursos da Floresta Ombrófila Mista (Floresta com
Araucária) informações etnobotânicas foram levantadas em 2008 em comunidades rurais locais e
tradicionais nas cidades de Irati e Rio Azul, localizadas na região de influência da Floresta Nacional
(FLONA) de Irati. Os levantamentos foram realizados pelo projeto CONSERVABIO – Rede para a
Conservação e Utilização Sustentável de Recursos Florestais Não-Madeiráveis da Floresta com
Araucária (desenvolvido pela EMBRAPA, ICMBio, Universidades, entre outros). Nos dados
levantados foram citadas 60 espécies nativas, em média, em cada comunidade sendo essas
classificadas em usos como alimentício, medicinal e utensílio. As espécies mais representativas no uso
alimentício foram: Araucaria angustifolia, Campomanesia xanthocarpa, Eugenia uniflora e Psidium
cattleianum, que além de possuírem sementes e frutos apreciados para consumo, desempenham
importante papel ecológico, entre eles a atração da avifauna, sendo um importante requisito para a
recomposição de áreas degradadas. Na categoria medicinal as mais citadas foram: Maytenus ilicifolia,
Mikania glomerata e Persea pyrifolia, sendo utilizadas as folhas e a casca servindo para a cura ou
amenização dos sintomas de diversos males. E como utensílio, foram citadas: Mimosa scabrella,
Podocarpus lambertii e Parapiptadenia rigida, ambas servindo como madeira e apenas a primeira
usada também como lenha. As informações obtidas com os levantamentos foram importantes, pois
através do conhecimento das espécies de interesse das comunidades, já foram implantados sistemas
sustentáveis biodiversos na região de entorno da FLONA de Irati. As espécies escolhidas para compor
os arranjos dos Sistemas Agroflorestais (SAFs) obedeceram as especificidades socioculturais
envolvidas.
Palavras-chave: saf, floresta ombrófila mista, flona de irati
Área temática: Etnobotânica
!
ETNOBOTÂNICA DE PALMEIRAS (ARECACEAE)
MONTANA NUBLADA, CAQUETÁ - COLÔMBIA.
EM
FLORESTA
TROPICAL
Oscar Adolfo Perdomo Baez¹, André R. Terra Nascimento¹, Edwin Trujillo Trujillo², Bruno Guimarães
Ubiali³
¹ Laboratório de Ecologia, Universidade Federal de Uberlândia – UFU
²Programa de Ingenieria Agroecologica, Universidad de La Amazonia
³Departamento de Recursos Naturais e Ciências Florestais, Faculdade de Ciências Agronômicas –
UNESP
Floresta Tropical Montana Nublada (FTMN) é um tipo de ecossistema de elevada biodiversidade e
pouco conhecido, que ocorre em elevações superiores a 1000 metros. É caracterizado pela presença
freqüente ou sazonal de nuvens ao nível da vegetação. Estima-se que a FTMN ocupa uma área de
0,3% da superfície terrestre. A Colômbia é um dos países com maior diversidade de palmeiras
(Arecaceae), com mais de 200 espécies, das quais 20 são endêmicas dos Andes. Os objetivos do
presente trabalho foram determinar as espécies de palmeiras andinas conhecidas e os respectivos usos
pela comunidade camponesa El Caraño, Município de Florência - Caquetá, Colômbia. Para esta
finalidade foram levantadas todas as espécies nativas de palmeiras andinas no entorno da comunidade
camponesa. Para investigar a etnobotânica da comunidade foram utilizadas entrevistas abertas, sendo
os camponeses informados sobre o objetivo do trabalho e decidindo a sua participação. Foram
investigadas informações referentes às espécies de palmeiras e seus usos, a procedência dos
informantes e seu tempo de residência no local. Nas 27 entrevistas realizadas, foram reportadas 8
espécies da família Arecaceae, 4 das quais são endêmicas dos andes (Wettinia anomala (Burret),
Dictyocaryum lamarckianum (Mart.), Geonoma orbignyana morfotipo linearis (Mart) e Geonoma
triglochin Burret), pertencentes a 6 gêneros. Foram mencionados 6 tipos de usos das palmeiras, sendo
Iriartea deltoidea Ruiz & Pavon a que tem maior diversidade de usos (4), seguida de W. anomala com
2, as 6 espécies restantes com somente um tipo de uso. A categoria de uso construção apresentou
maior número de espécies, seguido pelos usos comuns e usos em agricultura. A comunidade El Caraño
mostra que nesta região as palmeiras nativas dos Andes, estão sendo subutilizadas, e que a falta da
transmissão deste conhecimento faz com que a comunidade não valorize adequadamente este
importante recurso da Floresta Tropical Montana Nublada.
Palavras-chave: palmeiras andinas, conhecimento tradicional, potencial de uso
Área temática: Etnobotânica
!
CONHECIMENTOS, USOS E APRENDIZADOS VINCULADOS À ARTE DE BENZER:
ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS BENZEDORES DA CHAPADA DO ARARIPE (CE) E
DO LITORAL CATARINENSE (SC)
Julia Vieira de Cunha Avila1, Sofia Zank1, Natalia Hanazaki1
1
Laboratório de Ecologia Humana e Etnobotânica, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
Benzimentos são praticados em diversas culturas e contam com o auxílio de diferentes elementos da
natureza e da religião. Esse trabalho apresenta diferentes formas de lidar com a benzeção e de fazer
uso das plantas com fins medicinais por benzedores de duas regiões brasileiras: no Estado de Santa
Catarina (Imbituba e Garopaba) e no Estado do Ceará (Chapada do Araripe). Os benzedores foram
identificados através do método “bola-de-neve”, totalizando 16 benzedores entrevistados na área de
estudo em Santa Catarina e, até o presente momento, 37 benzedores na área de estudo do Ceará. Foram
realizadas entrevistas estruturadas, listagem-livre e coleta de material botânico. Dentre os entrevistados
em Imbituba e Garopaba, mais da metade (56%) aprendeu a benzer com Deus, nenhum ensina as
rezas, 87,5% dos benzedores ensina sobre o uso de plantas como medicinais, e 56% consideram que a
procura pelos benzedores na região tem diminuído. Quanto aos benzedores entrevistados na Chapada
do Araripe, 65% aprenderam a benzer com parentes, 52% ensinam as bênçãos e 27% consideram que a
procura na região tem diminuído, embora a prática da benzedura esteja aparentemente mais presente
do que na área estudada em Santa Catarina. Em ambos estados os benzedores relacionam essa
diminuição à facilidade de acesso aos recursos da medicina moderna e a uma desvalorização desta
prática pelos mais jovens. Percebe-se que há diferenças culturais quanto à aprendizagem, sendo que os
municípios catarinenses, por serem mais urbanos, podem apresentar esses fatores com mais
intensidade. Dos entrevistados catarinenses 94% utilizam plantas com fins medicinais e 89% dos
entrevistados cearenses também, mostrando como esse recurso é importante para ambos os grupos e
que estes contribuem na manutenção do conhecimento e uso de recursos medicinais nas comunidades.
Benzedores continuam exercendo um papel importante na medicina popular, porém existe a
preocupação de desaparecimento desta prática e dos conhecimentos associados. É necessário
aprofundar os estudos sobre o papel dos benzimentos na manutenção da saúde humana, colaborando
para valorização desta prática e para a existência complementar entre a medicina moderna e as práticas
da medicina popular.
Palavras-chave: benzedores, plantas medicinais, práticas terapêuticas populares.
Área temática: Etnobotânica
!
EXTRAÇÃO ARTESANAL DO ÓLEO DE ANDIROBA DE FLORESTA DE VÁRZEA EM
AMBIENTE PERI- URBANO, APA DA FAZENDINHA-AP
Mariane Nardi Santos1, Suellen Cristina Pantoja Gomes2, Ana Cláudia Lira-Guedes3, Helenilza
Ferreira Albuquerque Cunha1, Marcelino Carneiro Guedes3
1
Universidade Federal do Amapá – UNIFAP;
2
Universidade do Estado do Amapá – UEAP;
3
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA Amapá.
A valorização do conhecimento tradicional e uso múltiplo da floresta possibilitam desenvolvimento
social e conservação dos ecossistemas. Este estudo está inserido no projeto Florestam, que busca
compreender melhor esse ecossistema, bem como o uso da floresta pelos ribeirinhos no Amapá. Uma
das espécies de importância econômica estudada é a andirobeira (Carapa guianensis Aublet),
conhecida por sua madeira de qualidade e pelo óleo extraído das sementes, muito usado na fabricação
de fármacos e cosméticos. O objetivo deste foi descrever e identificar o conhecimento do processo da
extração tradicional do óleo de andiroba pela população da Área de Proteção Ambiental (APA) da
Fazendinha. Para isso, foram realizadas entrevistas semiabertas, com formulários, em 84 domicílios.
Em 2008, todas as andirobeiras foram mapeadas, totalizando 680 indivíduos na área de 137 ha, com
190 produtivos. A APA se localiza entre Macapá e Santana, as duas cidades mais populosas do
Amapá. A área de estudo possui 270 domicílios, ocupados irregularmente. Os moradores tem acesso a
transportes, educação e saúde, ainda que precariamente. Mesmo sendo uma unidade de conservação de
uso sustentável, muitos moradores da APA desenvolvem trabalhos tipicamente urbanos, evidenciando
uma fragilidade na relação da população com a floresta. Os resultados evidenciaram o conhecimento
(58,3% dos entrevistados) do processo de extração e uso do óleo por toda população, principalmente
para fins medicinais, mas apenas 24 pessoas da comunidade mantém o hábito de extrair o óleo. A
extração, mais para uso próprio, segue as seguintes etapas: coleta, cozimento, repouso, descascamento,
preparo da massa e escorrimento. Alguns obtêm a semente da própria APA, mas outros buscam em
localidades próximas. Apesar de todos entrevistados relatarem o uso do óleo de andiroba, o
conhecimento do processo e o hábito de extração estão se perdendo na APA da Fazendinha,
provavelmente, pela urbanização da região.
Palavras-chave: amazônia, florestam, Carapa guianensis Aublet.
Área temática: Etnobotânica
!
AGROECOLOGIA
!
PROJETO “FLORES DE MEL”: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA DE PLANTAS
ORNAMENTAIS
Fernanda Silva Gonçalves1, Leila Matajs2, Fernando Couto2, Clovis José Fernandes de Oliveira Júnior3
1
Graduanda em Geografia, Universidade de São Paulo – USP
2
Instituto Pedro Matajs
3
Instituto de Botânica
O projeto “Flores de Mel” é um trabalho de extensão rural agroecológica que buscou construir
conhecimentos sobre a produção de plantas ornamentais, nativas ou exóticas, em conjunto com
pequenos agricultores residentes na Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos e entorno, na região
de Parelheiros, município de São Paulo. A região apresenta alta vulnerabilidade sócio, econômico e
ambiental, apresentando um dos piores IDH do município. A região é de grande importância para todo
município, pois fica inserida entre as represas Billings e Guarapiranga, os principais abastecedores de
água para capital paulista. Duas linhas de capacitação foram implantadas: 1) produção de plantas
ornamentais; 2) jardinagem e paisagismo. O trabalho foi realizado de modo participativo por meio de
palestras, aulas, oficinas, ciclos de visitação, construção de canteiros/viveiros, construção de jardins e
visitas externas. Como resultados foram capacitados 13 agricultores familiares. Inicialmente, foram
trabalhadas questões de sensibilização ambiental, cuidados com o solo e adubação verde. Realizou-se,
também, sete ciclos de visitas com objetivos de diagnóstico inicial, planejamento, acompanhamento e
avaliação. Foram identificadas 40 espécies ornamentais para produção em canteiros a céu aberto e 120
espécies para produção em viveiro protegido. Foram realizadas oficinas (total de oito) sobre
propagação de plantas, espécies nativas da região e especificamente sobre cultivo, características e
principais espécies de bromélias e orquídeas, espécies abundantes na região, oficinas de ikebana, flores
comestíveis, construções em bambu, controle biológico de pragas e doenças. Houve a construção de
pequenos viveiros, com estrutura em bambu, para cultivo protegido e também a estruturação de
canteiros para espécies cultivadas a pleno sol. Os participantes projetaram e construíram jardins em
suas propriedades. Como resultados incluem-se ainda maior nível de consciência da importância dos
serviços ambientais e preservação dos recursos naturais numa região de manancial, bem como a
importância do desenvolvimento da cadeia de produção com ornamentais nativas.
Palavras-chave: agroecologia, plantas ornamentais nativas, desenvolvimento sustentável.
Área temática: Agroecologia
!
VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SOLO, A PARTIR DE PARÂMETROS FÍSICOS
QUÍMICOS, E MICROBIOLÓGICOS EM RELAÇÃO AOS SISTEMAS DE AGRICULTURA
CONVENCIONAL, ORGÂNICA E DE UM SISTEMA NATURAL.
Priscila Yoshie Tateishi Fernandes1; Letícia da Costa1; Kellem Brina1; Alexandre Silva Borges1; Leon
Maximiliano Rodrigues1
1
Faculdade Anglo Americano
O trabalho foi realizado em Foz do Iguaçu-PR, em duas propriedades de agricultura familiar, uma
caracterizada por agricultura orgânica, outra por agricultura convencional e numa área no Parque
Nacional do Iguaçu (PNI). O objetivo foi avaliar qualidade do solo nas diferentes condições. Foram
feitas coletas em duas parcelas no sistema de orgânico (PA1/ PA2), uma no sistema convencional (PB)
e uma no PNI, a qual foi utilizada como sítio de referência. Amostras foram coletadas em julho e
setembro de 2011. Cada parcela correspondeu a um transecto (20 x 2 m), obtendo-se aleatoriamente 5
subamostras em cada transecto. Foram analisadas em campo: umidade relativa (%) e temperatura do ar
(°C) rente ao solo e na altura do peito. Amostras de solo foram levadas ao Laboratório Integrado de
Meio Ambiente - Faculdade Anglo Americano para análise de: pH, teor de umidade (%), matéria
orgânica (%), quantificação de unidades formadoras de colônias (bactérias/fungos), e capacidade de
retenção de água. As amostras de PA e PB, que utilizam irrigação artificial, foram menos eficientes
para retenção de água e apresentaram menor teor de matéria orgânica comparadas com o PNI, porém
similares entre si, sendo um fator importante para manutenção de comunidades bióticas e
determinantes para produção. Os parâmetros físicos, químicos e microbiológicos não mostraram claras
diferenças entre PA e PB, mas diferiram consideravelmente do PNI. Sendo um ambiente natural, livre
da ação antrópica, tais diferenças para PNI foram atribuídas principalmente às variáveis umidade e
matéria orgânica, mas também à maior variabilidade de todos os parâmetros, refletindo na melhor
qualidade. Como o objetivo do agroecossistema é aproximar seu funcionamento de sistemas
ecológicos naturais, os resultados mostram que os sistemas agrícolas avaliados podem não
proporcionar a manutenção das características esperadas, sendo PA e PB, apesar das diferenças
metodológicas, semelhantes entre si e diversos das condições naturais.
Palavras-chave: qualidade de solo, agricultura orgânica, agricultura convencional
Área temática: Agroecologia
!
!
SERVIÇOS AMBIENTAIS E INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM SISTEMAS
AGROFLORESTAIS DE BASE AGROECOLÓGICA
Naiana Lunelli1; Clóvis José de Oliveira1
1
Instituto de Botânica
Agroflorestas são formas de produção agrícola capazes de produzir serviços ambientais
(externalidades positivas), promovendo maior equilíbrio dinâmico e resiliência aos agroecossistemas.
No entanto, boa parte da comunidade científica ainda é cética quanto aos benefícios das agroflorestas e
sua produtividade. Os ceticismos são devidos, principalmente, à falta de indicadores na quantificação
das externalidades, dentre outros fatores. Neste trabalho foi investigada a existência de indicadores das
externalidades positivas e as formas de quantificação utilizadas em experiências com agrofloresta, a
partir da revisão de publicações sobre sistemas agroflorestais. As externalidades analisadas foram
divididas em: a) características dos solos; b) águas e recursos hídricos; c) biodiversidade e
agrobiodiversidade; d) segurança e soberania alimentar; e) aspectos culturais e construção do
conhecimento. Os benefícios aos solos são os melhores documentados, a maioria apresentando
indicadores, tanto aqueles produzidos em laboratórios, de modo científico, como indicadores
construídos participativamente, reunindo os conhecimentos empíricos e percepções dos agricultores
locais. Nos trabalhos analisados são raros os que apresentam indicadores sobre os recursos hídricos,
são citados efeitos frequentemente, mas praticamente não apresentam análises de dados que sejam
aceitas pelo mainstream acadêmico. A maioria se refere ao aumento de umidade nos solos. Muitos
trabalhos também citam melhorias nos aspectos socioeconômicos culturais, porém estes resultados, na
maioria das vezes, são expressos no corpo do texto, não sendo possível a constatação de uma
metodologia com certo de grau de padronização, que ofereça indicadores replicáveis. Entende-se que
para o desenvolvimento de metodologias, para análise sistêmica das externalidades produzidas, devese considerar sua viabilidade para replicação, tanto na complexidade analítica como na questão
financeira, ou seja, devem ser facilmente aplicadas por agricultores e extensionistas. É interessante que
estes indicadores possam servir para dimensionar a qualidade dos serviços ambientais e das
externalidades socioeconômico cultural, mas que também sirva para o planejamento do manejo para
otimização dos objetivos da agrofloresta.
Palavras-chave: externalidades positivas, replicação metodológica, sustentabilidade
Área temática: Agroecologia
!
!
!
!
!
!
!
!
!
!
DIVERSIDADE DE ESPÉCIES CULTIVADAS POR AGRICULTORES NOS CARIRIS
VELHOS DA PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL
Pedro Mouzinho de Oliveira Neto1, João Paulo de Oliveira Ribeiro1, Severino Pereira de Souza
Júnior¹, Leossávio César de Souza¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
1
Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
A prática da agricultura tradicional em regiões semi-áridas é dificultada pelas adversidades climáticas,
econômicas e sociais, contudo os agricultores encontram saídas para realizarem seus cultivos. No
presente estudo registrou-se o conhecimento que agricultores da comunidade de Santa Rita de Cima,
município do Congo (Paraíba, Nordeste/Brasil), possuem sobre produção agrícola. A comunidade
possui 24 famílias, participando 20 na pesquisa. Os informantes foram os mantenedores dos roçados
(18 homens e duas mulheres), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê
de ética em pesquisa (CEP/HULW nº297/11). Foram registradas 23 culturas cultivadas. As culturas
que se destacaram foram milho (Zea mays) (21 citações de uso), feijão de corda (Phaseolus vulgaris)
(17 citações), em virtude de servirem para forragem (palhas e ramas), segundo 85% dos agricultores.
Foram registradas quatro variedades de milho (posto rico, comum, ligeiro, e uma distribuída pela
EMATER). As hortaliças cultivadas de forma orgânica, a partir de incentivos de instituições como o
SEBRAE, foram beterraba (Beta vulgaris), pimentão (Capisicum annuum), coentro (Coriandum
sativum), alface (Lactuca sativa), couve flor (Brassica oleraceae), cenoura (Daucus carota), salsa
(Petrosolium sativum), pepino (Cucumis sativus), rúcula (Eruca sativa), cebolinha (Allium fistolosum),
repolho (Brassica oleracea), rabanete (Raphanus sativus), quiabo (Hibiscus esculentus). Outros
cultivares registrados foram jerimum (Curcubita maxima), goiaba (Psidium guajava), banana (Musa
spp.), limão (Citrus sp.) e cajú (Anacardium occidentale). O consórcio entre as variedades de milho e
feijão prevaleceram nas áreas cultivadas (85% dos agricultores). A conservação das sementes é
realizada em garrafas PET, uma alternativa indicada por 70% dos agricultores, pelas mesmas
protegerem as sementes de ataques de pragas mais do que os tradicionais silos de zinco ou ferro. A
seleção das sementes é reconhecida como método fundamental para o sucesso da produção (75% dos
entrevistados). O presente estudo evidencia como a etnobotânica pode contribuir na manutenção do
conhecimento sobre os agroecosistemas.
Palavras-chave: agricultura, populações tradicionais, semiárido
Área temática: Agroecologia
!
!
TÉCNICAS TRADICIONAIS UTILIZADAS NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NOS CARIRIS
VELHOS DA PARAÍBA (NORDESTE DO BRASIL)
Pedro Mouzinho de Oliveira Neto¹, João Paulo de Oliveira Ribeiro¹, Severino Pereira de Sousa Júnior¹,
Leossávio César de Souza¹, Reinaldo Farias Paiva de Lucena¹.
¹Laboratório de Etnoecologia, Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Os benefícios trazidos pelo avanço tecnológico nas áreas agrícolas são evidentes, possibilitando uma
produção mais eficaz, porém certas tecnologias são acessíveis a poucos agricultores. Sem o acesso a
essas tecnologias, os moradores do semi-árido utilizam técnicas tradicionais. O presente estudo
procurou entender a dinâmica envolvida no processo da produção agrícola na comunidade Santa Rita
de Cima (Congo, Paraíba, Nordeste/Brasil), indo desde o registro das culturas cultivadas ao
conhecimento das técnicas aplicadas. Os informantes foram os mantenedores dos roçados (18 homens
e duas mulheres), os quais assinaram o termo de consentimento livre exigido pelo comitê de ética em
pesquisa (CEP/HULW nº297/11). 90% afirmaram ter adquirido seu conhecimento com os pais, mas só
45% disseram que ensinam o ofício aos filhos. 75% preparam suas terras para cultivo de forma
tradicional e 25% de forma mecanizada. O uso de agrotóxicos é raro, sendo utilizado mais os
defensivos naturais (40% dos informantes), como o caldo feito com fumo de corda. 100% afirmaram a
inexistência de pragas nas lavouras e hortas. O sistema de irrigação é realizado por 80% dos
agricultores, por meio de gotejamento e micro aspersores, no intuito de manter seus cultivos além do
período das chuvas ocasionais do sertão (meses de março a junho). As áreas de cultivo na comunidade
são reduzidas devido às condições edafoclimáticas, aproveitando dessa forma apenas áreas de várzea,
que são consideras boas por terem solos altamente férteis (terras ariusca), segundo 50% dos
agricultores. Só 35% dos agricultores recebem assistência por parte de órgãos governamentais, mesmo
assim, de forma insipiente. Em virtude do contexto apresentado, a agricultura de subsistência
predomina (55% dos agricultores), e os outros 45% afirmaram que vendem o excedente da produção.
Os agricultores das regiões semi-áridas necessitam de um incentivo mais eficaz por parte do governo
para melhorar suas produções agrícolas.
Palavras-chave: agricultura, semiárido, populações tradicionais
Área temática: Agroecologia
!
!
CONHECIMENTO TRADICIONAL CAMPONÊS E PRÁTICAS AGROECOLÓGICAS
COMO FORMA DE RESISTÊNCIA DA RURALIDADE E CONSERVAÇÃO DA
BIODIVERSIDADE NUMA REGIÃO DE REFLORESTAMENTOS COM PINUS
Patrine Souza¹, Joseane Madruga¹, Patrícia Fernandes², João Fert Neto³.
¹Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
²Doutoranda em Produção Vegetal, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
³Engenheiro Florestal, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Estudou-se um grupo de camponeses no município de Otacílio Costa-SC, caracterizados pela
reprodução da sua ruralidade num cenário onde predominam atividades de reflorestamento com pinus.
O objetivo do estudo foi identificar as estratégias de resistência e a permanência desses camponeses na
localidade. Utilizou-se a abordagem teórico-metodológica de Pierre Bourdieu, através dos conceitos de
distinção e de reprodução social. Realizou-se um estudo de caso, dada a peculiaridade da situação
encontrada. O grupo estudado se organiza através de uma associação formal, composta por doze
famílias, liderada principalmente por mulheres, vinculada a uma rede ecológica de produção orgânica.
Para a coleta de dados foram realizadas entrevistas coletivas, através de uma abordagem qualitativa,
em momentos de reuniões do grupo. Contou-se também com a observação participante durante as
reuniões e com impressões através de visitas às propriedades e diálogos individuais. Observou-se que a
resistência dos agricultores na localidade estudada decorre de estratégias de recuperação de
conhecimentos tradicionais, numa perspectiva agroecológica, tais como, a utilização de sementes
crioulas, a fitoterapia no controle de insetos e doenças e a consorciação de cultivos, além de práticas
conservacionistas e uso de insumos internos. A reconstrução do conhecimento tradicional se dá através
de orientação técnica da ação extensionista. A agregação dos agricultores em uma associação e seu
vínculo a uma rede ecológica proporciona a inserção em mercados de preços diferenciados.
Identificou-se que as práticas culturais e a reinvenção do conhecimento tradicional assumem uma
funcionalidade à manutenção da ruralidade, pois proporciona identidade sociocultural de agricultor
agroecológico, status social perante autoridades municipais, acesso às políticas públicas agrícolas, e a
nichos de mercado. Assim, observou-se o fortalecimento de uma identidade camponesa relacionado à
tradição e aos conhecimentos agroecológicos reconstruídos.
Palavras-chave: conhecimento tradicional camponês, ruralidade, reflorestamento com pinus
Área temática: Agroecologia
!
!
AÇÕES INTEGRADAS DE PESQUISA E EXTENSÃO PARTICIPATIVA NA PROMOÇÃO
DA AGROBIODIVERSIDADE EM ASSENTAMENTOS DO TERRITÓRIO SUL
SERGIPANO.
Eliane Dalmora¹, Marisa Borin da Cunha¹, Ana Cristina Oliveira de Almeida³, Izabel Santos4, José
Bruno de Oliveira Silva4 .
¹Instituto Federal de Sergipe – IFS
³Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, Universidade Federal de São Carlos –
UFSCar
4
Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia, Instituto Federal de Sergipe – IFS
A promoção da agrobiodiversidade dos agricultores familiares depende de contrapontos frente à
tendência de simplificação da base alimentar, homogeneização do mercado de sementes e perda da
autonomia dos agricultores. Objetivamos compreender de diferenciação dos assentados, caracterizando
a agrobiodiversidade em 11 assentamentos do Território Sul Sergipano. Para compreender e interagir
com a realidade a pesquisa participativa envolveu: visitas nas famílias e nos roçados, participação da
equipe nos plantios, oficinas de práticas agroecológicas e campos de multiplicação de sementes. Foram
aplicadas entrevistas semi-estruturadas em 231 famílias participantes nas reuniões do projeto,
atingindo de 95% de participação a 45% em relação ao total de assentados. Os sistemas de produção
foram tipificados com base na fonte de renda, dedicação e destino à produção. Das entrevistas foram
identificados 49 guardiões de sementes, caracterizados como agricultores que conservam sementes por
mais de 4 anos no lote. Para caracterização da agrobiodiversidade foram aplicadas aos guardiões as
ferramentas participativas - matriz da diversidade de cultivos e variedades e matriz de classificação.
Como resultado, a mandioca e a macaxeira são tradicionais na diversidade, consumo e cultivo,
totalizando 15 variedades caracterizadas. Também são conservadas no local de duas a quatro
variedades de inhame, batata, feijão (de arranca, fava e de corda), milho, banana, abóbora, amendoim e
batata-doce. Os agricultores mantém as variedades quanto a mercado, seguridade a riscos e hábitos
alimentares. Ao resgatar o conhecimento e as práticas os assentados ficam motivados para cultivar as
variedades locais que preferem e constituir redes de trocas de sementes, buscando ampliar sua base de
diversidade. A diversidade caracterizada pela pesquisa é restrita as manivas, com conservação de 26
anos a 10 anos com o mesmo guardião, mas revelando perda de diversidade e tempo restrito quanto à
conservação em outros alimentos característicos.
Palavras-chave: agrobiodiversidade, redes de trocas, guardiões de sementes.
Área temática: Agroecologia
!
ETNOBOTÂNICA E DIVERSIDADE GENÉTICA DO BACURI (Platonia Insignis) NA RESEX
CHAPADA LIMPA/MA: IMPACTOS AMBIENTAIS DO USO POR POPULAÇÕES
TRADICIONAIS EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO.
Vivian do Carmo Loch¹, Francisca Helena Muniz¹
¹Universidade Estadual do Maranhão – UEMA
A Reserva Extrativista (Resex) Chapada Limpa, única de sua categoria em área de cerrado no
Maranhão, foi criada em 2007 para preservar antigos bacurizais (Platonia insignis) e populações
tradicionais ameaçados pela sojicultura. Neste trabalho foi realizado um levantamento etnobotânico, a
fim de entender como as comunidades locais interagem com os recursos genéticos disponíveis. Assim,
48 famílias de quatro comunidades das nove presentes nesta Resex foram entrevistadas através de um
questionário semi-estruturado. Como resultado, observou-se que o conceito de Reserva Extrativista
ainda é incipiente entre os extrativistas. Foram registradas práticas de cultivo realizadas somente por
questões culturais e de sobrevivência, que não contribuem para o propósito de proteção e conservação
dos bacurizais, tais como: presença de roças em áreas de bacurizeiros em desenvolvimento, queimadas
descontroladas, derrubada de frutos forçando amadurecimento, corte nos troncos para frutificação,
ausência de manejo e de produção de mudas. Essas ações vêm sendo criticadas por uma das
comunidades estudadas, demonstrando orientação ecológica e utilização racional da biodiversidade,
principalmente em relação a atributos dos principais bacurizeiros da reserva como altura, melhores
frutos, período de safra, entre outros. Paralelamente, será avaliado o padrão de distribuição da
diversidade genética do bacuri nesta Resex, visando contribuir para definição de estratégias de
conservação para esta espécie. A caracterização molecular será realizada através do uso de marcadores
moleculares do tipo ISSR (Inter-Simple Sequence Repeat). Foram coletados 60 indivíduos de bacuri de
cada uma das quatro áreas da Resex descritas (aqui designadas “populações”). Cada população foi
constituída por quatro subpopulações, com cerca de 0,5 quilômetro de distância entre si, de onde foram
coletados 15 indivíduos com distância média de 30 metros entre si, georreferenciados. A análise da
estrutura genética será realizada através da Análise da Variância Molecular (AMOVA), com o
programa Arlequin 3.01, e também pela análise Bayesiana implementada no programa Structure 2.0.
Palavras-chave: população tradicional, platonia insignis, etnobotânica
Área temática: Agroecologia
!
SEGURANÇA ALIMENTAR NA AGRICULTURA FAMILIAR NO ALTO SOLIMÕES, AM
Antonia Ivanilce Castro da Silva1, Hiroshi Noda2, Sandra do Nascimento Noda1, Dirceu da Silva
Dácio3, Lúcia Helena Pinheiro Martins1
1
Universidade Federal do Amazonas – UFAM;
2
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA;
3
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM.
O objetivo da pesquisa foi identificar os produtos utilizados na dieta alimentar nas unidades de
produção familiar em duas localidades rurais no município de Benjamim Constant, Amazonas, Brasil.
Foi adotada a abordagem sistêmica, o método estudo de caso, combinado com as técnicas: diário de
campo, observação direta, entrevistas e reuniões com grupos focais. A produção agrícola nas duas
comunidades destina-se principalmente para o autoconsumo, no entanto, parte da produção é destinada
à comercialização, como é o caso da banana e, esporadicamente, da farinha de mandioca. A caça é uma
atividade que contribui na alimentação e propicia a variação do cardápio, sendo o segundo componente
proteico em importância depois do peixe. As principais espécies capturadas são capivaras, cotias,
porcos do mato e aves em áreas denominadas como “centros”. A análise dos dados referente à dieta
alimentar, nas unidades de produção, mostrou que o patamar de autossuficiência em alimentos é de
70% do total de produtos consumidos pela unidade familiar, tendo na mandioca/macaxeira, peixe e
banana as maiores contribuições. As formas de produção tradicionais favorecem a conservação da
biodiversidade por meio das relações sociais estabelecidas no processo produtivo (relações de ajuda
mútua e economia de reciprocidade) e utilização sustentada dos recursos naturais disponíveis (solos,
produtos da floresta e ambientes aquáticos) permitindo a reprodução da unidade familiar e ambiental
da produção. A renda monetária é obtida pelas famílias por meio da comercialização de produtos
gerados nas atividades de agricultura, especialmente com os produtos de ciclo curto e extrativismo
vegetal (açaí) e, esporadicamente, extrativismo animal (pesca). Os programas sociais e os serviços
públicos universais também se mostram importantes na geração de renda monetária para as duas
comunidades. No que tange a diversidade, esta produção é relevante para a reprodução social das
unidades familiares e se configura como uma estratégia que favorece a segurança alimentar.
Palavras-chave: agrobiodiversidade, estratégias de conservação, Benjamin Constant.
Área temática: Agroecologia
!
!
O PAPEL DA COMERCIALIZAÇÃO PARA OS AGRICULTORES FAMILIARES TICUNA E
COCAMA, MUNICÍPIO DE BENJAMIN CONSTANT, AM
Antonia Ivanilce Castro da Silva1, Hiroshi Noda2, Sandra do Nascimento Noda1, Maria Dolores Souza
Braga1, Ayrton Luiz Urizzi Martins1
1
Universidade Federal do Amazonas – UFAM;
2
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA.
O objetivo do estudo foi identificar as formas de comercialização para obtenção de renda monetária
em duas localidades rurais em Benjamim Constant, Amazonas. Foi adotada a abordagem sistêmica, o
método estudo de caso, combinado com as técnicas: diário de campo, observação direta, sete
entrevistas e reuniões com quatro grupos focais. Em Nova Aliança, o grupo de adultos foi composto
por oito agricultores(as) e por vinte e quatro alunos. Em Novo Paraíso, sete agricultores(as) e quatorze
alunos, ambos de turmas multisseriadas. Os produtos destinados ao mercado foram agrupados nas
categorias: ciclo curto, frutas, farinha e raízes, cereais e plantas medicinais. No ano agrícola de
2007/2008, a principal fonte de renda monetária dessas localidades foi o cultivo de hortaliças de ciclo
curto. Em Novo Paraíso, a comercialização concentrou-se entre os meses de julho a dezembro, que
corresponde a 63,6% da renda bruta total. No mesmo período agrícola, na Comunidade Nova Aliança,
a venda dos produtos das espécies de ciclo curto correspondem a 55,3% da renda bruta total. Há
disponibilidade desses produtos para a venda durante todo o ano, devido ao cultivo em terra firme e na
várzea. A produção das espécies frutíferas é destinada principalmente para o autoconsumo. Entretanto,
representam 27,3% e 26,3%, da venda de Novo Paraíso e de Nova Aliança, respectivamente. A maior
parte da farinha de mandioca produzida pelos agricultores familiares de Nova Aliança (produção de
1500kg) é destinada ao autoconsumo (84,2%), o restante é comercializado. Em Novo Paraíso, a
produção é destinada ao autoconsumo. A comercialização é realizada no mercado local, à medida que
os agricultores necessitam de renda monetária. A produção agrícola nas duas comunidades destina-se
principalmente para o autoconsumo, no entanto, os produtos que entram no circuito de mercado
possibilitam à unidade familiar a aquisição de outros bens de consumo e serviços.
Palavras-chave: autoconsumo, renda monetária, agricultura familiar.
Área temática: Agroecologia
!
!
O COMPONENTE SÍTIO E SUA IMPORTÂNCIA NA REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DE
UNIDADES DE AGRICULTURA FAMILIAR
Ayrton Luiz Urizzi Martins1, Sandra do Nascimento Noda1, Lúcia Helena Pinheiro Martins1; Hiroshi
Noda2, Dirceu da Silva Dácio3
1
Universidade Federal do Amazonas – UFAM;
2
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA;
3
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM.
A pesquisa avaliou a alternativa de incorporar o sítio na composição da reserva legal de 27 unidades de
agricultura familiar, para efeito de regularização ambiental. Foi realizado estudo de caso na localidade
denominada lagos Paru e Calado, município de Manacapuru, AM. A partir de levantamentos
georreferenciados, executou-se análise ambiental tendo como base a comparação entre as áreas
legalmente exigidas e as identificadas no sistema de produção. Os resultados mostraram fragmentação
das unidades familiares, precariedade dos documentos de apropriação fundiária e dificuldade de
compreensão da legislação ambiental. Os sítios localizam-se nas proximidades das habitações onde
ocorrem cultivos de espécies arbóreas, arbustivas e herbáceas de múltiplos usos, exercendo um papel
importante na conservação e amplificação da biodiversidade agrícola local por meio do
compartilhamento de propágulos. São áreas mais antigas de manejo e constitui um “lugar” reconhecido
pela família como aquele que demonstra o “zelo da família pela propriedade”. A dimensão espacial
destas áreas emerge do trabalho cotidiano das pessoas, constituindo o lugar onde se desenvolvem os
processos sociais de afirmação e reafirmação de valores, gostos, objetivos e significados. O número de
espécies arbóreas por sítio variou de 12 a 56 (média de 30) e não arbóreas de 7 a 59 (média de 26),
sendo 24,2% das espécies, nativas. Nas localidades onde o sistema de produção apresenta-se mais
especializado, a dimensão e diversificação do sítio são menores. Os sítios são relevantes no
fornecimento de alimento às famílias, além de gerarem renda monetária. Em 75% das unidades
familiares, a produção oriunda deste espaço produtivo representa a principal contribuição na
comercialização, com destaque para frutos e mel de abelhas melíponas. A existência do sítio no
sistema de produção em praticamente todos os casos estudados é uma situação que pode favorecer a
regularização da RL, considerando os benefícios estabelecidos no art. 54 da Lei 12.651/2012.
Palavras-chave: reserva legal, legislação ambiental.
Área temática: Agroecologia
!
MOVIMENTO DE RETOMADA KAIOWÁ
Elis Fernanda Corrado1, Edenea Pinto Corrado1, José Roberto Corrado1; Elis Fernanda Corrado1
1
Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.
Desde os anos 1990, as ocupações de terra e montagem de acampamentos conhecidos como “de lona
preta” se tornaram uma das formas de demandar desapropriação e distribuição de terra ao Estado
brasileiro. Nos últimos 30 anos, esta forma de reivindicação havia sido associada a trabalhadores rurais
sem-terra, no entanto, indígenas Kaiowá da região de Dourados, no Mato grosso do Sul, têm se
utilizado dessa linguagem de demanda para reivindicar terras consideradas por eles como Tekohas, isto
é, como seus territórios ou espaços de vida tradicionais, e reafirmando suas identidades. Buscando a
sociogênese dessa forma de demanda entre os Kaiowá, soube-se que no fim dos anos 80 algumas
lideranças indígenas através do CIMI (Conselho Indigenista Missionário) tiveram contato com
militantes do MST. Nesse período também cresce as ocupações indígenas, entretanto, não apenas
como uma alternativa de vida fora da reserva, pois nas áreas de realocação dessa população, longe das
matas e dos rios e com a proximidade da cidade, fez com que sua forma de subsistência quase
desaparecesse restando pequenos espaços para as famílias fazerem suas roças, e seus ritos e costumes
foram fortemente abalados, mas na utilização da “forma acampamento” como linguagem de demandas
sociais coletivas, resultando no movimento de retomada Kaiowá, que se assemelha em alguns aspectos
ao movimento sem-terra, como na mobilização dos parentes e conhecidos das reservas indígenas ou de
outros acampamentos para realizarem novas retomadas de terra, bem como são acionados suas
identidades. Concluí-se que a territorialidade é importante para a identificação do grupo e para a
conservação dos recursos naturais, pois a falta do contado com a natureza, foi um dos motivos que
levaram os grupos as acamparem e reivindicar seus direitos, assim os Kaiowá querem recuperar
através da forma acampamento seu território, para levantar seu Tekoha.
Palavras-chave: acampamento indígena, etnografia, territorialidade.
Área temática: Agroecologia
!
A CONSTRUÇÃO DE UMA MANDALA DE PLANTAS MEDICINAIS A PARTIR DE UM
ESTUDO ETNOBOTÂNICO NO ASSENTAMENTO ESTRELA, ORTIGUEIRA - PR
Ezequiel Antonio de Moura1, Amalia Gelinski Gomes1, Damaris Garces de Oliveira1, Regina Rocha da
Silva1, Luciana Maestro Borges1
1
Instituto Federal do Paraná – IFPR.
Este trabalho apresenta a experiência de construção de um horto medicinal no Assentamento Estrela,
onde ocorre o curso técnico em Agroecologia do IFPR, Ortigueira – PR. Neste local, havia um horto
medicinal que deixou de ser manejado e, portanto, muitas plantas medicinais foram perdidas. É vasto o
conhecimento popular local sobre plantas, mas conhecimentos associados às plantas medicinais que
deixaram de ser manejadas podem desaparecer. Através da disciplina Etnobotânica de Plantas
Medicinais (2012/1) os estudantes do curso técnico, sob orientação do professor, realizaram entrevistas
semi-estruturadas com moradores do Assentamento que manejavam o horto medicinal anteriormente
e/ou que eram detentores de conhecimentos sobre plantas medicinais. Após o estudo, decidiu-se
conjuntamente entre estudantes e moradores da comunidade, implantar novamente um horto
medicinal. A comunidade cedeu o terreno, ajudou no preparo da terra, contribuiu com mudas, além dos
moradores terem socializado seus conhecimentos durante as entrevistas. Os estudantes, por sua vez,
contribuíram com conhecimentos científicos, produziram algumas mudas e propuseram a construção
do horto em forma de madala-relógio, onde as plantas de cada “hora” da mandala estão associadas a
algum órgão ou sistema do corpo humano. A construção conjunta da mandala proporcionou um
diálogo de saberes, visto que os estudantes tinham conhecimentos científicos sobre plantas medicinais
e, através da pesquisa etnobotânica, se apropriaram também de conhecimentos populares. Ao mesmo
tempo, a comunidade local detinha um vasto conhecimento sobre plantas medicinais e teve a
oportunidade de aprender mais por meio da socialização com o conhecimento científico dos
estudantes. Nesta mandala, resgatou-se plantas medicinais que haviam sido perdidas no Assentamento,
diminuindo assim o risco de perda de conhecimentos sobre o manejo e uso destas plantas. Os
estudantes passaram a realizar aulas práticas na mandala e alguns estão desenvolvendo mandalasrelógio em outras comunidades através dos seus Projetos Profissionais de Vida, também auxiliados
pelas técnicas da Etnobotânica.
Palavras-chave: plantas medicinais, agroecologia, mandala.
Área temática: Agroecologia
!
!
CONTRIBUIÇÕES DE UM ESTUDO ETNOBOTÂNICO PARA CONSERVAÇÃO DA
AGROBIODIVERSIDADE EM COMUNIDADES CAMPONESAS NO MUNICIPIO DE
ORTIGUEIRA – PR
Ezequiel Antonio de Moura1, Joélia Cordeiro de Godoi1, Vera Lucia Lemes Gomes1, Luciana Maestro
Borges1, Roberto Martins de Souza1
1
Instituto Federal do Paraná – IFPR.
O curso técnico em Agroecologia, do Instituto Federal do Paraná, campus Telêmaco Borba/Ortigueira,
desenvolve várias atividades em comunidades camponesas da região e procura vincular os estudantes
do curso a projetos em suas próprias comunidades de origem. É o caso do projeto “Estudo
Etnobotânico sobre a agrobiodiversidade na comunidade Vista Alegre e entorno”, que conta com
bolsistas oriundos destas comunidades pesquisadas. Através deste projeto foi possível identificar uma
grande agrobiodiversidade local de plantas medicinais, sementes crioulas, árvores frutíferas, etc, bem
como os conhecimentos populares associados ao manejo destas plantas. A coleta de dados foi realizada
a partir de entrevistas semi-estruturadas, orientadas pela técnica bola de neve, diários de campo e
Diálogo de Saberes, metodologia trabalhada no curso de Agroecologia. O estudo já identificou
aproximadamente 100 etnovariedades de plantas manejadas localmente e foi realizado um
levantamento das plantas não mais manejadas pelos agricultores e/ou que seja do interesse destes obtêlas. Através destes resultados preliminares, e com vistas a potencializar a conservação da
agrobiodiversidade local, foram promovidas feiras de trocas de sementes/plantas nas comunidades
envolvidas no projeto, além do incentivo a participação dos agricultores destas comunidades na Feira
de Troca de Sementes Crioulas de Ortigueira. Nestes espaços de trocas, os agricultores puderam
compartilhar um pouco de sua agrobiodiversidade e de seus conhecimentos/experiências de manejo
das plantas e, também, alguns conseguiram obter variedades que já tinham demonstrado interesse
durante as entrevistas. Estas feiras poderiam ser consideradas devolução de resultados do projeto, mas
neste caso os resultados nunca “saíram” da comunidade para serem “devolvidos”, visto que os estudos
foram realizados por estudantes das próprias comunidades envolvidas no projeto. A inserção dos
pesquisadores na comunidade, ou, mais coerentemente, a inserção de camponeses na pesquisa
etnobotânica em suas próprias comunidades, gerou resultados satisfatórios para o projeto e debates
interessantes nas discussões sobre devolução de resultados de pesquisa.
Palavras-chave: agrobiodiversidade, agroecologia, etnobotânica.
Área temática: Agroecologia
!
!
FORTALECIMENTO DOS SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO VALE DO RIO DOS
SINOS: IMPLANTAÇÃO PARTICIPATIVA EM ARARICÁ E SAPIRANGA, RIO GRANDE
DO SUL
Guilherme B. Reich1, Gustavo B. Reich1,2, Mateus Farias de Mello2, Marcelo Ritter2, Rumi Regina
Kubo3,
1
ONG Semente da Vida.
2
Emater, Rio Grande do Sul.
1
Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do
Sul.
O Vale do Rio dos Sinos- RS, possui alta concentração demográfica e pertence à área de ocorrência da
Floresta Estacional Semidecidual, bioma Mata Atlântica. Nesta região a EMATER/RS-ASCAR vem
desenvolvendo um processo participativo de organização dos agricultores, conservação dos
remanescentes florestais, recuperação da agrobiodiversidade e promoção da segurança alimentar e
nutricional. Desde 2010 este processo passou a integrar o projeto “Fortalecimento das Agroflorestas no
RS: formação de rede, etnoecologia e segurança alimentar e nutricional”, em parceria com PGDRUFRGS e Organização Sementes da Vida. O presente trabalho visa analisar o processo de construção
participativa de duas áreas demonstrativas de Sistemas Agroflorestais, a partir do diálogo entre
agricultores e técnicos dos municípios de Araricá e Sapiranga. Através de pesquisa-ação foram
realizados quatro encontros com treze agricultores e cinco técnicos, onde foram levantadas espécies
nativas de uso para os agricultores; feita a caracterização destas de acordo com seu principal uso, tipo
de solo em que ocorre, resistência à poda, sombreamento e época de produção. Foram realizados
desenhos da consorciação de espécies nas reuniões, apresentados no local da implantação das duas
áreas com os agricultores e técnicos para melhor visualização e compreensão. A implantação dos
sistemas foi feita através de mutirões e o monitoramento participativo através de visitas às áreas para o
manejo e visualização do desenvolvimento das áreas. Como resultado, os agricultores participantes
estão acompanhando os desdobramentos do plantio nas áreas, construindo os seus desenhos de
agroflorestas e criando um espaço de diálogo sobre agricultura e as implicações econômicas, sociais,
culturais, ambientais. O processo está se consolidando, gerando confiança, resgatando a autoestima e a
afirmação da importância dos agricultores na comunidade. O trabalho também está estimulando a
comercialização local, a produção orgânica, confirmando a existência de formas sustentáveis de
produção e estabelecendo uma nova relação dos agricultores e técnicos com os ecossistemas nativos.
Palavras-chave: sistemas agroflorestais, segurança alimentar, extensão rural
Área temática: Agroecologia
!
!
!
SISTEMATIZAÇÃO
METODOLÓGICA
DE
EXPERIÊNCIAS
AGROFLORESTAIS:
UMA
REFLEXÃO
Lucas da Rocha Ferreira1, Gustavo Ayres2, Marcos Abrahao Cardoso1, Antonio Carlos Leite de
Borba1, Lisiane Brolese Goncalves1, Rumi Regina Kubo1, Fabio dal Soglio1.
1
Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do
Sul.
2
Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Este trabalho vincula-se ao projeto “Fortalecimento das Agroflorestas no Rio Grande do Sul: formação
de rede, etnoecologia e segurança alimentar e nutricional”. Um dos objetivos do projeto é elaborar a
cartografia das agroflorestas manejadas por agricultores familiares, povos indígenas, comunidades
tradicionais e assentados nas diferentes regiões fitoecológicas do estado. Para a realização do trabalho
foram contatadas organizações que trabalham na perspectiva da Agroecologia, buscando a indicação
de experiências agroflorestais. Foram levantadas 154 experiências em todo o estado, das quais 24
foram escolhidas para realização de um processo de sistematização. O presente trabalho objetiva
apresentar e discutir a metodologia utilizada neste processo. Esta, ainda em andamento, se dá na forma
de visitas de um dia em cada experiência, onde objetiva-se conhecer o histórico da família, da
propriedade, manejo da agrofloresta e aspectos do beneficiamento e comercialização. Para tanto, as
técnicas utilizadas são: a construção de uma linha do tempo com as famílias, instrumento que auxilia
no entendimento dos processos históricos ocorridos e quais são os eventos que a família considera
importantes; uma caminhada na área de agrofloresta que permite a observação de métodos de manejo,
como os agricultores interagem com o ambiente e quais espécies utilizam; construção do mapa da
propriedade que possibilita a visualização do local como um todo, o tamanho das áreas e a interligação
entre os diferentes sistemas produtivos; e questionário semiestruturado que abrange, além das questões
anteriores, respostas de questões relacionadas ao beneficiamento e à comercialização, suas
dificuldades, benefícios e oportunidades. Tem-se verificado que a metodologia utilizada é adequada
para obtenção de informações e identificação de demandas e gargalos das famílias, dentro dos
objetivos e prazos do projeto. Ademais, são discutidos, questões referentes a postura, formas de
condução entre outras questões, de forma a aprofundar as reflexões em torno do tema metodologias
participativas e pesquisa-ação.
Palavras-chave: sistematização de experiências, sistemas agroflorestais, pesquisa-ação
Área temática: Agroecologia
!
VARIEDADES LOCAIS DE ESPÉCIES AGRÍCOLAS CULTIVADAS NA AGRICULTURA
FAMILIAR NA CALHA DO RIO SOLIMÕES-AMAZONAS
Lúcia Helena Pinheiro Martins1, Hiroshi Noda2, Sandra do Nascimento Noda1, Ayrton Luiz Urizzi
Martins1, Antonia Ivanilce Castro da Silva2.
1
Universidade Federal da Amazonas.
2
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.
As unidades de produção familiares da várzea do rio Amazonas – Solimões foram caracterizadas por
meio de indicadores fitotécnicos e pelas formas como os agricultores usam e manejam os recursos
mobilizados no processo produtivo. Com o objetivo de estudar o conhecimento local sobre a
ocorrência de variedades locais de espécies cultivadas, a pesquisa foi realizada em 26 unidades
amostrais: duas na microrregião Alto Solimões (Tabatinga/Benjamin Constant); quatro na
microrregião Médio Solimões (Tefé/Coari); três na microrregião Baixo Solimões
(Manacapuru/Iranduba/Careiro da Várzea); três na microrregião Médio Amazonas (Itacoatiara/Silves);
11 na microrregião Baixo Amazonas (Parintins/Oriximiná/Óbidos/Santarém) e três na microrregião
Estuário (Gurupá). A coleta de dados se deu por meio de roteiro de entrevista semiestruturado,
formulário, diário de campo e elaboração de croqui, abordando-se aspectos socioeconômicos, área de
cultivo e conhecimento local sobre diversidade intra e interespecífica de espécies cultivadas. As
unidades de produção familiares constituem sistemas complexos que envolvem a aplicação de
diferentes atividades de trabalho no uso e conservação de recursos naturais disponíveis, basicamente
constituídos por diferentes paisagens do ambiente explorado. Foi no componente roça onde se
observou maior diversidade intraespecífica de espécies cultivadas, denominadas localmente por
“qualidade”. Esta diversidade intraespecífica alcançou maior amplitude nas roças com destaque para
mandioca/macaxeira (40 variedades locais); banana (20 variedades locais), milho (sete variedades
locais) e jerimum (seis variedades locais). A necessidade em atribuir denominações às diferentes
variedades locais, indica a preocupação dos agricultores em garantir a diferenciação do material
propagativo. Os aspectos levados em consideração para esta diferenciação variam da adaptabilidade
aos diferentes ecossistemas (terra firme e várzea), precocidade, resistência a doenças, finalidade de
uso, atributos do produto final, dentre outros. É possível inferir que, baseado no reconhecimento desse
material por microrregião, existem estratégias para garantir maior variabilidade dentro das espécies
agrícolas alimentícias consideradas importantes pela agricultura familiar.
Palavras-chave: agrobiodiversidade, etnovariedades, várzea
Área temática: Agroecologia
!
OBSERVATÓRIO SOCIOAMBIENTAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL:
CONSTRUÇÃO DE REDE ENTRE O RIO GRANDE DO SUL E PIAUÍ
Luciano Figueirêdo1,3, Sheimy Batista2, Irio Conti2,3, Rumi Regina Kubo3,4, Gabriela Coelho-deSouza2, Leonardo Xavier3
1
Grupo de Pesquisa Etnoecologia e Segurança Alimentar nos ecossistemas do Semi-Árido Nordestino
2
Núcleo de Estudos e Pesquisas em Segurança Alimentar e Nutricional.
3
Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do
Sul.
4
Núcleo de Estudos em Desenvolvimento Rural Sustentável e Mata Atlântica, Universidade Federal do
Rio Grande do Sul.
A temática da Segurança Alimentar e Nutricional, vem sendo desenvolvida no Brasil, desde a década
de 1990, como integradora entre a produção pela agricultura familiar, povos e comunidades
tradicionais, e o consumo, através de Políticas em Desenvolvimento Rural e Segurança Alimentar e
Nutricional, como o Programa de Aquisição de Alimentos e o Programa Nacional de Alimentação
Escolar. O Decreto Federal 7.272/2010 e o Plano Nacional de SAN implementam a LOSAN
demandando um instrumento de monitoramento para a implantação das Políticas em SAN. Neste
contexto este trabalho visa analisar o processo de construção do Observatório Socioambiental em SAN
no Rio Grande do Sul e Piauí. A metodologia constou de pesquisa-ação envolvendo o
acompanhamento de reuniões da equipe acadêmica, da equipe interinstitucional, reuniões no CONSEA
e eventos públicos, no Rio Grande do Sul e no Piauí. No Rio Grande do Sul o projeto é coordenado
pelo Núcleo de Estudos em Segurança Alimentar e Nutricional/PGDR/UFRGS e pelo CONSEA RS,
em parceria com instituições estaduais como a Fundação de Economia e Estatística. No Piauí é
coordenado pelo Grupo de Pesquisa Etnoecologia e Segurança Alimentar nos ecossistemas do SemiÁrido Nordestino/UESPI em parceria com o CONSEA PI, TROPEN/PRODEMA, PPGAN/UFPI, A
equipe acadêmica do RS, em parceria com a equipe de informática do PI, está desenvolvendo a
interface entre o banco de dados e o software de multimídia. O Grupo de Trabalho interinstitucional do
RS está desenvolvendo a adequação dos indicadores propostos pelo Plano Nacional em SAN em sete
dimensões para a esfera municipal, bem como complementando a dimensão socioambiental. Os
observatórios do RS e PI são a primeira experiência que servirá de base para a implantação da Rede de
Observatórios como instrumento de monitoramento de políticas públicas e de questões a serem
estudadas pela academia.
Palavras-chave: segurança alimentar e nutricional, observatório sociambiental, políticas publicas
Área temática: Agroecologia
!
CHÁCARAS QUILOMBOLAS DO LIMOEIRO NO LITORAL MÉDIO DO RIO GRANDE
DO SUL: RESISTÊNCIA E AGROBIODIVERSIDADE
Adroaldo Lopes de Oliveira1, Manoel Boeira de Oliveira1, Marcus Vinícius de Souza Mouzer2, Alex
da Silva Corrêa3, Alana Casagrande4 e Gabriela Coelho-de-Souza4
1
Comunidade Quilombola do Limoeiro
2
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS
3
EMATER/RS
4
Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
– UFRGS
As Chácaras Quilombolas, na região do litoral médio no Estado do RS, constituem importantes redutos
de manutenção histórica da agrobiodiversidade, estabelecendo um contraponto ao projeto
modernizador da monocultura do arroz em latifúndios, principal atividade econômica desta região. O
projeto “Fortalecimento das Agroflorestas no Rio Grande do Sul: formação de rede, etnoecologia e
segurança alimentar e nutricional” está sendo realizado junto à comunidade quilombola do Limoeiro,
em Palmares do Sul, pelo PGDR/UFRGS e EMATER/RS. Este trabalho tem como objetivo
caracterizar os quintais agroflorestais manejados pelos quilombolas. A metodologia constou de
pesquisa-ação a partir da proposição e acompanhamento das ações do projeto junto à comunidade,
entre março de 2011 e junho de 2012, e análise das ações realizadas. Foi construído um viveiro para a
produção de mudas de interesse da comunidade, realizadas 6 oficinas para o manejo agroflorestal e
intercâmbios com outras comunidades que desenvolvem experiências relacionadas a estas temáticas.
Estas atividades envolveram cerca de 60 pessoas. As chácaras são mantidas pelas famílias quilombolas
que historicamente e coletivamente vem constituindo as paisagens locais através de suas práticas de
manejos agroflorestais, aliados aos cultivos de espécies de “roça” e manejos de campos nativos com
criações de animais, o que promove a manutenção e potencialização da agrobiodiversidade. Nesses
sistemas, são cultivadas variedades de batatas-doces, feijões, aipins, morangas, abóboras, melancias,
melões, plantas medicinais, além de espécies arbóreas que compõem pomares, cercas e revessas
importantes para a proteção dos cultivos, obtenção de madeira e frutos, listando-se um número de mais
de 50 espécies trabalhadas. As trocas de saberes, mudas e alimentos fortalecem os laços de
reciprocidade entre as pessoas e seus ambientes e a histórica resistência desta comunidade. Estas ações
se revelaram importantes para apoiar a luta quilombola e fortalecer seus territórios sociais como
espaços de autonomia na produção de alimentos, qualidade ambiental e saúde. (CNPq)
Palavras-chave: quilombos, agrobiodiversidade, resistência
Área temática: Agroecologia
!
A ATUAÇÃO DO NÚCLEO DE AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR E
CAMPONESA NA FORMAÇÃO DOS GRADUANDOS DA UFRPE/UAG
Horasa Maria Lima da Silva Andrade1, Luciano Pires de Andrade1, Rachel Maria de Lyra-Neves2,
Wallace Rodrigues Telino Júnior2, Eraldo Gallese Honorato3
1
Doutorandos em Etnobiologia e Conservação da Natureza, Universidade Federal Rural de
Pernambuco – UFRPE
2
Docente da Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
3
Assessor Técnico do Núcleo AGROFAMILIAR da Unidade Acadêmica de Garanhuns – UFRPE
Este trabalho traz como objetivo analisar a contribuição de um grupo de estudo em Agroecologia na
UAG/UFRPE. Tem-se como hipótese que a construção do pensamento agroecológico necessita ser
alimentada de teoria e prática e que desta forma gera-se um movimento em torno da Agroecologia que
colabora para a construção do pensamento etnoecológico (conhecimentos e praxis) e agroecológico, o
desenvolvimento local, elaboração dos projetos de pesquisa e de extensão e influencia na formação
técnica e profissional dos alunos na Unidade Acadêmica de Garanhuns/UFRPE. Para a realização desta
pesquisa tomou-se como base as ações desenvolvidas pelo Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão em
Agroecologia e Agricultura Familiar e Camponesa - o Agrofamiliar, no período de 2009 a 2012,
analisando sua atuação sob três eixos: grupo de estudo, apoio a produção rural dos agricultores
familiares e camponeses e promoção e participação em eventos em torno da Agroecologia. Observouse que vem aumentando o interesse e a participação dos alunos nas discussões e eventos em torno da
Agreocologia, apresentando inclusive trabalhos científicos sobre a temática. Houve uma maior procura
por parte dos agricultores e parceiros para realizar projetos de transição agroecológica na região do
Agreste Meridional de Pernambuco, sendo resgatados e valorizados os conhecimentos tradicionais dos
agricultores. A atuação do Núcleo vem proporcionando experiências concretas no apoio à reconversão
dos sistemas produtivos e adoção de práticas agroecológicas na região, o que vem a favorecer a
formação dos alunos e a consolidar experiências no campo agroecológico para o desenvolvimento de
agriculturas sustentáveis, resgatando o conhecimento dos agricultores e subsidiando a geração de
modelos de Extensão Rural participativa, sistêmica e emancipadora que proporciona o
desenvolvimento do potencial endógeno da população. As discussões que vêm ocorrendo têm
possibilitado reflexões e ações sobre a necessidade de reformulação da matriz curricular e proposta
político pedagógica dos cursos das Ciências.
Palavras-chave: desenvolvimento rural, pensamento agroecológico, sustentabilidade.
Área temática: Agroecologia
!
RELAÇÃO DE AGRICULTORES FAMILIARES COM A AVIFAUNA EM SISTEMAS
AGROFLORESTAIS NO MUNICÍPIO DE ANGELIM, PERNAMBUCO.
Luciano Pires de Andrade1, Horasa Maria Maria Lima da Silva Andrade1, Rachel Maria Lyra Neves2,
Wallace Rodrigues Telino Júnior2
1
Doutorandos em Etnobiologia e Conservação da Natureza, Universidade Federal Rural de
Pernambuco – UFRPE
2
Docente da Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
Os sistemas agroflorestais (SAF’s) são uma alternativa viável para a produção de alimentos mantendo
o equilíbrio do agroecossistema. O município de Angelim, no Agreste Meridional de Pernambuco, é
caracterizado pela estrutura fundiária baseada em pequenas propriedades que fazem uso intensivo dos
recursos naturais disponíveis para produção de feijão, milho e mandioca, além da criação de bovinos
de leite. Tal cenário repercute na forma na perda da biodiversidade e degradação ambiental,
nitidamente percebida através da mudança da paisagem, erosão dos solos e desaparecimentos de
espécies da fauna e flora local. Este trabalho tem por objetivo analisar a relação que as famílias de
produtores familiares têm com a avifauna em duas áreas cujos sistemas agroflorestais foram
implantados no início de 2011 no município de Angelim. Este trabalho é integrante do projeto de
sensibilização e incentivo à produção de base agroecológica promovido pelo Núcleo de Agroecologia
da Unidade Acadêmica de Garanhuns da UFRPE na região. Para viabilizar a proposta de trabalho,
utilizou-se como ferramenta metodológica a aplicação de questionário semiestruturado com quatro
produtores atendidos pelo projeto e outros membros da sua família de onde se categorizou os dados a
partir das respostas mais frequentes. Também foi procedido o registro com fotos da área e anotações
no Diário do SAF, obtidas a partir das visitas mensais realizadas à área em estudo. Como resultados
obtive-se que as famílias perceberam o aumento da diversidade da avifauna na propriedade após a
implantação do sistema agroflorestal, bem como da sua importância para a manutenção do equilíbrio
da área e redução da incidência de algumas pragas de suas lavouras, agindo a avifauna como espécies
controladoras de algumas pragas.
Palavras-chave: sistemas agroflorestais, avifauna, degradação ambiental
Área temática: Agroecologia
!
INTERAÇÃO ALUNO/AGRICULTOR
AGROECOLÓGICAS
FAMILIAR
NO
RESGATE
DE
PRÁTICAS
Luciano Pires de Andrade1, Horasa Maria Maria Lima da Silva Andrade1, Rachel Maria Lyra Neves2,
Wallace Rodrigues Telino Júnior2
1
Doutorandos em Etnobiologia e Conservação da Natureza, Universidade Federal Rural de
Pernambuco – UFRPE
2
Docente da Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
A implementação da Revolução Verde no meio do século passado fez com que muitas das práticas
produtivas realizadas por gerações fossem abandonadas em troca de um modelo tecnicista. Com isso,
muito do conhecimento transmitido por gerações foi sendo esquecido ou mantido de maneira
secundário dentro do processo produtivo. A consequência imediata deste cenário é uma dependência
dos agricultores para com os insumos externos provenientes destas tecnologias como desdobramento
deste modelo de produção, a perda da identidade cultural, degradação do solo, contaminação da água e
perda da biodiversidade da fauna e flora dos agroecossistemas. Este trabalho, realizado junto aos
agricultores familiares atendidos por um projeto de pesquisa e extensão realizado por professores e
alunos da Unidade Acadêmica de Garanhuns da UFRPE em cinco municípios do Agreste Meridional
de Pernambuco, teve como objetivo o estudo das mudanças nas práticas produtivas a partir das
intervenções realizadas junto a estes produtores. Para tanto utilizou-se como instrumento de pesquisa
um questionário semi-estruturado aplicado com as famílias dos agricultores atendidos após a
realização de oficinas temáticas sobre agroecologia e sistemas agroflorestais. Como resultados
preliminares podemos destacar que muitas das práticas e tecnologias apresentadas aos agricultores eles
já conheciam, algumas com outros nomes, e que em alguns casos eles já haviam utilizados. Verificouse que após os trabalhos de intervenção os produtores espontaneamente começaram a associar alguns
problemas nas propriedades com as práticas produtivas implementadas atualmente por eles, o que os
levou a uma reflexão sobre a permanência de utilização das mesmas. Outro ponto percebido foi a
importância do diálogo dos produtores com os alunos oficineiros na busca de uma construção
metodológica que contemplasse sua necessidade de produção com práticas sustentáveis. Apesar do
projeto ainda estar em curso é possível notar os avanços já alcançados na busca de uma mudança de
concepção e alternativas produtivas por estes agricultores.
Palavras-chave: agroecologia, agricultores familiares, biodiversidade
Área temática: Agroecologia
!
CRITÉRIOS CLASSIFICATÓRIOS DE ETNOVARIEDADES CULTIVADAS EM ROÇAS DE
AGRICULTORES CAMPONESES DO BAIRRO DA SERRA, LOCALIZADO NO
MUNICÍPIO DE IPORANGA - SP
Helionora da Silva Alves1, Rodrigo Aleixo Brito de Azevedo2, Maria Cristina de Figueiredo e
Albuquerque1
1
Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT
2
Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB
A agronomia usualmente está voltada somente para as técnicas operacionais que visam aumentar a
produtividade agrícola, não considerando a complexidade e realidade dos sistemas de produção de
agricultores camponeses. Uma maneira de aproximar-se dessa compreensão é entender as lógicas
classificatórias dos agricultores. Para isso, é necessário compreender suas teorias sobre o mundo e
consequentes classificações das coisas do mundo. As taxonomias populares, além de interesse
histórico e antropológico, mostram diferentes formas locais de comunicação entre os agricultores.
Essas taxonomias podem auxiliar técnicos e cientistas a compreender relações dos agricultores com
recursos naturais. O objetivo deste trabalho foi compreender a lógica de classificação das
etnovariedades propagadas por sementes cultivadas nas roças de agricultores camponeses do Bairro da
Serra, região do Vale do Ribeira, munícipio de Iporanga/SP, situado no Parque Estadual do Alto do
Ribeira. Realizou-se observações em campo, entrevistas semi-estruturadas e abertas. Na sistematização
dos dados foram atribuídos os seguintes critérios para agrupar características citadas pelos agricultores:
“característica”, “qualidade”, “produtividade”, “processamento”, “resistência”, “origem”, “plantio e
colheita”, “período”, “existência”, “rendimento”, “armazenamento”, “comercialização”, “função” e
“melhoramento”. Os dados foram submetidos a análises descritivas, estatística multivariada de
componentes principais e análise por peso ponderado. Concluiu-se que a visão do agricultor na
classificação de etnovariedades baseia-se em lógicas e modo de operação distintos do conhecimento
agronômico formal. Este último possui como critérios classificatórios de espécies e variedades
vegetais caracteres morfológicos, bioquímicos, moleculares e reações ambientais, diferente das lógicas
dos agricultores, que se baseiam, concomitantemente, em experiências prolongadas de vivência
empírica, geradas por experiências distintas, acumuladas por sucessivas gerações, socialmente
compartilhadas e experiência individual. Essa distinção confirma que o conhecimento agronômico
baseia-se em um modelo prévio e único para julgamento e compreensão dos sistemas de produção,
limitando o diálogo entre profissionais dessa área e agricultores, mostrando a fragilidade da agronomia
no
tratamento
de
problemas
vividos
pelos
agricultores
camponeses.
Palavras-chave: etnovariedades, sistema de manejo, unidade de conservação.
Área temática: Agroecologia
!
ETNOECOLOGIA
!
RESTAURAÇÃO ETNOECOLÓGICA COMO ESTRATÉGIA PARA ASSEGURAR
INTEGRIDADE ECOLÓGICA E CULTURAL EM ÁREAS DEGRADADAS: ESTUDOS DE
CASO NA COSTA OESTE DO CANADÁ E NA REGIÃO SUL DO BRASIL.
Thiago Gomes1
1
University of Victoria
Restauração etnoecológica combina a ciência da ecologia da restauração com o campo interdisciplinar
da etnoecologia, ao empregar conhecimento local ou tradicional como parte integrante no
desenvolvimento de uma abordagem holística e objetiva, que tem por meta promover a recuperação de
ecossistemas degradados, com respeito à integridade ecológica e cultural, bem como sua
sustentabilidade em direção à trajetórias históricas. Estas são definições em evolução, contudo,
restauração ecológica baseada no conhecimento local aparece como ferramenta fundamental para
recuperação de áreas onde presença cultural apresenta influência no manejo sustentável de
ecossistemas ao longo da história. Abordagem etnoecológica para desenvolvimento de práticas de
manejo e restauração mostra-se promissora na recuperação áreas degradadas e ecossistemas
ameaçados, bem como na manutenção de meios de vida locais. Para esta análise, foram estudados
casos geograficamente e culturalmente distintos: o território indígena do povo Lekwungen, Ilha de
Vancouver, BC, Canadá, e comunidades de agricultores de oito localidades, no entorno da Reserva
Florestal EMBRAPA/EPAGRI (RFEE), Município de Caçador, SC, Brasil. Durante o período de 2007
a 2008 foi realizado levantamento etnobotânico junto à 82 famílias de agricultores familiares como
parte da elaboração do plano de manejo para a RFEE. Espécies símbolo como Araucaria angustifólia
(Bertol.) Kuntze (pinheiro-do-paraná) e Ilex paraguariensis A. St.-Hill (erva-mate), entre outras
espécies frutíferas e medicinais da Floresta Ombrófila Mista foram citadas com potencial para
recomposição de reserva legal em propriedades no entorno da reserva florestal como possibilidade de
exploração sustentável de produtos naturais não-madeiráveis. Durante os anos de 2010 a 2012, foi
realizado estudo sobre restauração etnoecológica em ilhas do território indígena do povo Lekwungen,
através do levantamento de conhecimento ecológico e sabedoria local sobre uso e manejo de espécies e
ecossistemas nativos. Esta abordagem mostrou-se eficaz ao reestabelecer o contato de diferentes
gerações com seu território tradicional através de celebrações culturais e manejo tradicional de
ecossistemas de savanas (Garry oak ecosystems), remoção de espécies invasoras Hedera helix L.,
Cytisus scoparius (L.) Link, Rubus armeniacus Focke, e promoção de espécies nativas culturalmente
relevantes como a geófita Camassia spp. Restauração etnoecológica caracteriza-se pela relação
positiva entre integridade ecológica e cultural, levando em conta composição, estrutura e
funcionalidade de ecossistemas, participação e engajamento comunitário, promoção de meios de vida
culturais, revitalização de tradições e dialetos locais, bem como saúde e bem-estar.
Palavras-chave: restauração etnoecológica, floresta de araucárias, garry oak ecosyestems
Área temática: Etnoecologia
!
CONHECIMENTO DOS PESCADORES DA COMUNIDADE BOM SUCESSO (VÁRZEA
GRANDE - MT) SOBRE A ICTIOFAUNA DA REGIÃO
Reginaldo de Oliveira Nunes1; Ludimilla Ronqui1; Rosana Oliveira Nunes Neto2
1
Universidade Federal de Rondônia – UNIR
2
Faculdade de Ciências Biómédicas de Cacoal – FACIMED
A etnobiologia busca entender a relação existente entre o homem e a natureza. A comunidade de Bom
Sucesso depende exclusivamente da pesca para sua sobrevivência, por isso o objetivo do trabalho foi
analisar a atividade pesqueira desenvolvida pela comunidade. Para o estudo, utilizou-se de métodos e
abordagens da etnociência, como entrevistas estruturadas. Foram entrevistados dez pescadores, sendo
90% do sexo masculino e 10% do sexo feminino, num percentual de idade que variam de 18 a 60 anos.
A freqüência de saída para pesca é diária (50%), semanal (40%) e quinzenal (10%), e o local mais
apropriado para pesca é a reserva pesqueira da comunidade de Bom Sucesso, citada por 100% dos
entrevistados. Em média a distância entre a casa e o local de pesca esta entre 100 a 300 metros e, o
tempo médio de pescaria varia de duas a oito horas diárias. Os aparatos utilizados para pescaria são
vara de pesca, anzol, iscas, canoa e armadilhas. Os peixes mais procurados para o consumo e comércio
são: pintado (Pseudoplathystoma corruscans), pacu (Piaractus mesopotamicus), piraputanga (Brycon
microleps) e dourado (Salminus brasiliensis). Os períodos propícios para pesca é geralmente de
setembro à maio, principalmente na piracema. A forma de comercialização do pescado é feita direta ao
consumidor. A qualidade dos pesqueiros está entre regular e ruim, sendo que em relação aos anos
anteriores o peixe vem diminuindo em quantidade e tamanho das espécies, devido a vários fatores,
entre eles: poluição, pesca predatória, utilização de dragas, construção da barragem do rio Manso e,
grande quantidade de pescadores. A população possui noções de etnoconservação, mas os fatores
citados acima atrapalham esse processo de conservação, ocasionando a degradação do meio ambiente
na comunidade e conseqüentemente a qualidade de vida de quem depende desse recurso para
sobrevivência.
Palavras-chave: etnoconhecimento, ictiologia, população ribeirinha
Área temática: Etnoecologia
!
DESCRIÇÃO E MANEJO DE UNIDADES PRODUTIVAS CAMPONESAS DO BAIRRO DA
SERRA, IPORANGA - SP
Helionora da Silva Alves1, Rodrigo Aleixo Brito de Azevedo2, Maria Cristina de Figueiredo e
Albuquerque3
1
Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA
2
Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB
3
Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT
O estudo foi realizado com agricultores camponeses do Bairro da Serra, em Iporanga-SP, com objetivo
de conhecer os princípios gerais da agricultura desses e compreender as transformações tecnológicas
ocorridas na agricultura local devido o estabelecimento do Parque Estadual do Alto do Ribeira. Foram
realizadas entrevistas semi-estruturadas e abertas de 02/2008 à 03/2009, para identificar, descrever e
caracterizar unidades produtivas (UPs) em sistema de campesinato. Calculou-se a disponibilidade de
força de trabalho por UP; descreveu-se os componentes que entram nas UPs, à partir de critérios supraordenados, agrupando itens informados pelos agricultores: alimentação humana; limpeza de casa;
alimentação animal; remédio para animal; despesas da casa; higiene pessoal; despesas para agricultura;
uso pessoal e remédios. Foram realizadas análises estatísticas de forma sequencial: análise descritiva,
análise fatorial e análise fatorial com cálculo de peso das variáveis. Estimou-se a fonte de renda e
despesas anuais e caracterizou-se os sistemas de manejo (SM), por descrição textual do uso da terra e
detalhamento da área de ocupação dos SMs. Foram construídas listas das espécies vegetais cultivadas
com seus respectivos usos. Desenvolveu-se calendário agrícola das atividades desenvolvidas na roça.
Os resultados permitem constatar de que os agricultores têm profundo conhecimento do ambiente em
que vivem, das espécies de plantas que utilizam no cotidiano e mantêm cultivo de subsistência
principalmente nos SMs: roça e horta. Há elementos que os caracterizam camponeses. Mesmo que não
possam mais desenvolver a prática da derrubada e queima como antigamente, ainda se relacionam
intimamente com o ambiente natural, que possibilita testar alternativas de manejo para continuar seu
modo de vida camponês. É paradoxal que esses agricultores sejam colocados como antagônicos às
necessidades de proteção dos recursos naturais em áreas de conservação, já que esse tipo de agricultor
tem promovido há várias gerações o manejo sustentável de áreas naturais, sendo os verdadeiros
responsáveis pela conservação dessas áreas.
Palavras-chave: roça, unidade de conservação, sistema de manejo.
Área temática: Etnoecologia
!
“QUER FAZER, FAÇA, MAS QUE VAI ACABAR COM A GENTE VAI”: UMA
ABORDAGEM ETNOECOLÓGICA DE CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS
Ketlen dos Santos Sampaio1, Francisco José Bezerra Souto1
1
Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
O estudo sobre conflitos socioambientais tem sido importante para compreender as diversas
contradições existentes no atual modelo de desenvolvimento global ancorado predominantemente no
modo de produção capitalista, em que a natureza é vista como fonte de recursos e nossa relação com
ela estritamente econômica. Entende-se conflitos socioambientais como um embate entre grupos
sociais decorrente das distintas formas de inter-relacionamento com o meio social e natural, entre estas
as diferentes formas de apropriação e uso da natureza. O presente trabalho tem como objetivo
caracterizar e analisar os diferentes conflitos observados na comunidade pesqueira de Bom Jesus dos
Pobres, localizada no município de Saubara-BA. A coleta de dados foi realizada com entrevistas semiestruturadas com especialistas nas diversas modalidades de pesca e mariscagem. Foram realizadas 23
entrevistas envolvendo 9 pescadores e 27 marisqueiras. Os resultados das entrevistas, segundo a
categorização proposta por Little, apontam a existência de conflitos em torno do controle sobre os
recursos naturais (construção do estaleiro), conflitos em torno dos impactos – sociais ou ambientais –
gerados pela ação humana (maré vermelha e pesca com bombas) e conflitos em torno de valores e
modo de vida (pesca com munzuá). Quanto à origem, foram identificados conflitos socioambientais
endógenos, quando estes se originam no seio da comunidade, ou seja, se travam entre os próprios
comunitários; e exógenos, quando se originam por ações de agentes externos à comunidade. Alguns
conflitos na comunidade podem ser enquadrados na categoria “latentes”, pois ainda não se
manifestaram em um espaço público, enquanto outros já são “manifestos”, ou seja, um conflito que já
atingiu as partes e que já é percebido por terceiros. Por se tratar de atores sociais historicamente
marginalizados dos processos de decisão, a visibilidade dada a estas comunidades tradicionais pode
contribuir para ampliação das discussões sobre conflitos socioambientais.
Palavras-chave: etnoecologia, pescadores artesanais, conflitos socioambientais.
Área temática: Etnoecologia
!
CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL DOS CATADORES DE CARANGUEJO-UÇÁ
(Ucides cordatus) E IMPLICAÇÕES PARA A CONSERVAÇÃO DA ESPÉCIE NO NORTE DO
RIO DE JANEIRO
Laura Côrtes1, Camilah Antunes Zappes1, Ana Paula M. Di Beneditto1
1
Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF
O objetivo do presente estudo é identificar a interferência da atividade de catação de Ucides cordatus
em relação à viabilidade da população do caranguejo-uçá, através do conhecimento ecológico local dos
catadores de Atafona, RJ. Entre março e junho/2012 foram entrevistados 16 catadores através de
questionários contendo perguntas abertas (N=41) e fechadas (N=8) sobre a espécie e a prática da
catação. Os catadores que identificam a espécie foram selecionados através de características descritas
pela literatura: largura da carapaça entre 5,0 e 8,4 cm; coloração da carapaça azul-celeste e/ou marrom
escuro; dieta baseada em folhas e sedimentos. Foram analisados os dados dos relatos selecionados
referentes à diferenciação de sexo; identificação da função da andada e do período do defeso;
ocorrência de captura durante o defeso e tamanho do caranguejo catado acima do permitido pela
Portaria 52/2003. Dos entrevistados (N=16), 87,50% (N=14) identificam a espécie segundo os critérios
estabelecidos. As análises posteriores foram baseadas nas respostas dos selecionados. Destes, 92,86%
(N=13) diferenciam os indivíduos machos e fêmeas. A função da andada foi identificada por somente
um catador (7,14%) e o período de defeso foi descrito por 64,29% (N=9). Seis entrevistados
descreveram que catam caranguejo no período do defeso (42,86%). Todos os selecionados afirmam
catar indivíduos cuja largura da carapaça varia entre 8-13 cm, acima do limite mínimo (6 cm)
estabelecido pelo IBAMA. A viabilidade da população torna-se menor quando os catadores não
respeitam ou não conhecem a ecologia e a legislação referentes à espécie. A captura descontrolada
pode interferir sobre o tamanho dos indivíduos, taxas de reprodução e, consequentemente, na redução
do crescimento populacional.
Palavras-chave: Etnobiologia, crustáceos, captura.
Área temática: Etnoecologia
!
TABUS ALIMENTARES, CRENÇAS E USOS MEDICINAIS DE TARTARUGAS MARINHAS
(REPTILIA: TESTUDINES) POR PESCADORES ARTESANAIS E SUAS IMPLICAÇÕES NA
CONSERVAÇÃO EM ILHÉUS, SUL DA BAHIA, BRASIL
Heitor Oiveira Braga1, Alexandre Schiavetti2
1
Mestre em Ecologia e Conservação da Biodiversidade, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
2
Departamento Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
Tabus alimentares podem ser considerados instituições informais que definem e limitam o uso de
recursos por comunidades humanas nos ecossistemas. Assim sendo, o presente estudo buscou analisar
as crenças e os tabus alimentares de pescadores artesanais no município de Ilhéus, Nordeste do Brasil.
No estudo das percepções da comunidade de pescadores analisada, tartarugas marinhas foram
mencionadas como um tabu por 48% dos 30 especialistas identificados através da rede de indicações.
Animais que apresentam couro e que possuem a capacidade de causar doenças quando ingeridos
apresentam restrições dietéticas. As tartarugas foram localmente identificadas como "remoso" e/ou
"carregado". Indicações terapêuticas como o uso da banha da tartaruga para reumatismo, dores
musculares, fadiga, dores nas costas, bronquite e asma foram identificadas. Tabus específicos foram
registrados nas seguintes situações: pós-operatório para ambos os sexos, alguns tipos de inflamações,
doenças crônicas e gravidez em mulheres. Restrições alimentares relacionadas com a aparência
(presença de verrugas, protuberâncias no corpo do animal, presença de uma medusa na face) e sabor
não agradável da carne foram considerados mais uma possibilidade de evitar o consumo do animal.
Tabus de história de vida e tabus de habitats também foram observados respectivamente em 45% e
24% dos entrevistados. Há lugares onde o acesso a pesca é limitado devido à presença de tartarugas.
As regiões costeiras: Pé de Serra, Ponta do Espigão, Pedra de Ilhéus e Abrolhos são locais onde se
evita pescar, devido à grande quantidade de tartarugas marinhas. Tabu exógeno foi identificado na
comunidade pesqueira de Ilhéus. Há utilização do animal para fins artesanais (13%). Não há restrições
alimentares em relação aos ovos. Promover o respeito às crenças e tabus que possam ser favoráveis
para a conservação das tartarugas marinhas pode ser uma forma de reduzir conflitos entre essas
espécies ameaçadas e a pesca artesanal.
Palavras-chave: crenças, usos medicinais, pescadores artesanais.
Área temática: Etnoecologia
!
INTERAÇÕES ENTRE A PESCA ARTESANAL E O GOLFINHO NARIZ-DE-GARRAFA
(Tursiops truncatus) NO ATLÂNTICO SUL
Camilah Antunes Zappes1, Carlos Eduardo Novo Gatts1, Artur Andriolo2, Paula Laporta3, Ana Paula
Madeira Di Beneditto1
1
Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF
2
Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF
3
Projecto Cetáceos Uruguay
O objetivo deste estudo é identificar interações entre a pesca artesanal e o golfinho nariz-de-garrafa
(Tursiops truncatus) através do conhecimento ecológico local (LEK) dos pescadores artesanais do
Atlântico Sul no Brasil (Arquipélago das Cagarras-AC, Barra de Imbé/Tramandaí-BIT, Lagoa dos
Patos-LP) e Uruguai (Punta del Diablo-PD, Cabo Polonio-CP e La Paloma-LPA). Entre 2008/2011
foram realizadas 88 entrevistas: Brasil - AC (N=22); BIT (N=22); LP (N=22) e Uruguai - PD/CP/LPA
(N=22), e aplicados questionários compostos por perguntas abertas (40) e fechadas (17), sobre a
espécie e interações com a pesca. A seleção dos entrevistados ocorreu com o auxílio do presidente da
Colônia de Pescadores, método bola-de-neve e aleatoriedade. Foram selecionados pela lógica Fuzzy os
pescadores que reconhecem a espécie pelas características: comprimento entre 1,75 e 4m, coloração
cinza e área de ocorrência ‘praia/barra’, ‘costa’, ‘mar aberto’ e ‘Arquipélago das Cagarras’. Somente
foram analisados os relatos dos selecionados. Dos entrevistados, 79 (89,77%) identificaram a espécie:
Brasil - AC (N=17), BIT (N=22), LP (N=22) e Uruguai (PD, CP e LPA) (N=18). A interação positiva
foi relatada: 55% (N=22) para a BIT e 45% (N=18) para a LP, e se relaciona ao animal ajudar durante
a pesca. Interações negativas foram descritas somente para o Brasil (34,4%; N=21): (AC - N=17 e BIT
- N=4) e se relacionam com o golfinho ‘espantar cardume’, ‘rasgar e prender na rede’, ‘roubar peixe’ e
‘mostrar a localização errada do cardume’. O emalhamento foi descrito por 58,2% (N=46),
distribuídos: BIT (34,8%; N=16); AC (32,6%; N=15); LP (28,3%; N=13) e Uruguai (4,3%; N=2). A
rede de espera foi identificada como responsável pelo emalhamento. O LEK sobre a espécie na BIT é
mais elaborado, no AC e LP é parcial e no Uruguai é incipiente, provavelmente pela ausência de
sobreposição de uso de área pela pesca e golfinhos.
Palavras-chave: pescador artesanal, delphinidae, oceano atlântico sul ocidental.
Área temática: Etnoecologia
!
ETNOECOLOGIA COMPORTAMENTAL DA TONINHA (Pontoporia blainvillei Gervais &
D’Orbigny, 1844), ATRAVÉS DA PERCEPÇÃO DE PESCADORES ARTESANAIS DA ILHA
DAS PEÇAS - PR
Renata Montalvão Gama1, Camila Domit2, Camilah Antunes Zappes1
1
Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF
2
Universidade Federal do Paraná – UFPR
O objetivo deste estudo é descrever o conhecimento local exibido pelos pescadores artesanais caiçaras
da comunidade da Vila das Peças, localizada no Complexo Estuarino de Paranaguá (CEP) no Estado
do Paraná, em relação à etnoecologia comportamental da toninha (Pontoporia blainvillei). Entre
Março e Abril/2012 foram realizadas 40 entrevistas etnográficas com pescadores artesanais da Vila das
Peças, as quais enfocaram o comportamento da espécie. Foram selecionados 38 pescadores que
identificaram a espécie de acordo com os critérios de coloração marrom e/ou rosado e cinza,
comprimento corporal de indivíduos adultos entre 100 e 177 cm e como área de ocorrência o CEP ou
suas adjacências. Cada pescador descreveu mais de um comportamento, o que justifica o número de
respostas maior que o número de entrevistados. A natação foi o comportamento mais citado
especificamente para indivíduos adultos (N=23; 60,5%) e descrito como “bóiam”, “mergulham”,
“nadam”. Alimentação foi a segunda categoria mais relatada (N=20; 52,6%), seguida por
comportamentos aéreos (“pulam”) (N=9; 23,3%), respiração (“respiram pela válvula”) (N=9; 23,3%) e
vocalização (“chiam e fazem ruído”) (N=10; 26,3%). O comportamento mais descrito especificamente
para juvenis foi acompanhar a mãe (“ficam com a mãe”) (N=11; 28,9%). Os comportamentos frente à
embarcação comuns para adultos e juvenis foram ‘fuga’ (“eles fogem”) (N=12; 31,6%) e ‘indiferença’
(“Não liga”) (N=10; 26,3%). Os comportamentos mais relatados estão relacionados com a área de
pesca dos caiçaras da Vila das Peças e excluindo os "saltos" são semelhantes àqueles descritos em
estudos comportamentais da espécie. A pesca quase diária permite a observação frequente da espécie
em seu habitat e o acúmulo de conhecimento pelos pescadores locais. Através de estudos
etnoecológicos é possível a aproximação do meio acadêmico com a comunidade tradicional da ilha, o
que poderá auxiliar em projetos relacionados à conservação da espécie, bem como manutenção da
pesca local.
Palavras-chave: golfinho, conhecimento local, comportamento.
Área temática: Etnoecologia
!
USO DE PRANCHAS ILUSTRATIVAS EM ESTUDO ETNOBIOLÓGICO RELACIONADO À
BALEIA FRANCA (Eubalaena australis), APA DA BALEIA FRANCA - SC
Camila Ventura da Silva1, Mônica Pontalti2, Mônica Danielski2, Camilah Antunes Zappes1, Ana Paula
Madeira Di Beneditto1
1
Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF
2
Instituto Baleia Franca – IBF
O objetivo deste estudo é avaliar o uso de pranchas ilustrativas em um estudo etnobiológico
relacionado à identificação da baleia franca pelos pescadores artesanais da Área de Proteção Ambiental
(APA) da Baleia Franca, Santa Catarina, Brasil. Em outubro/2010 foram realizadas 33 entrevistas
etnográficas, através do método bola de neve e aleatoriedade com pescadores do município de
Garopaba, através de um questionário contendo perguntas abertas (N=49) fechadas (N=19)
relacionadas à ecologia e biologia da baleia franca. Ao final da entrevista, foram apresentadas quatro
fotos das seguintes espécies de cetáceos: Orcinus orca, Eubalaena australis, Megaptera novaeangliae
e Balaenoptera acutorostrata a fim de verificar se a baleia descrita pelo pescador era identificada por
foto. Dos 33 entrevistados, 27 (81,8%) foram capazes de identificar a baleia franca através de
descrições como coloração, tamanho corporal, área de ocorrência, comportamento e relatos
comparados com a literatura. Dos 27 que identificaram E. australis, 19 (70%) indicaram a foto
referente à espécie. O fato do animal apresentar características peculiares como a presença de
calosidades brancas/amareladas na cabeça, bem como ausência de nadadeira dorsal pode ter auxiliado
a identificação pelos entrevistados. Quatro entrevistados que indicaram a foto referente à baleia franca
apontaram também a foto da orca (N=2) e da baleia jubarte (N=2), que julgaram ser o mesmo animal.
Isso pode ter ocorrido devido à coloração semelhante nas imagens, e/ou pelo ângulo de
posicionamento do animal na foto. A observação de baleias durante a prática pesqueira é uma situação
oportunista, pois estes animais não são alvo da pesca, o que faz com que os pescadores os observem
rapidamente. Fotos podem confundir o entrevistado, pois aspectos como luminosidade e posição do
animal nas imagens, em algumas situações, diferem da realidade observada pelo pescador no ambiente.
Na elaboração de pranchas ilustrativas, devem ser testadas várias imagens a fim de reduzir a falsa
identificação da espécie pelo entrevistado.
Palavras-chave: Eubalaena australis, pescadores artesanais, fotos.
Área temática: Etnoecologia
!
USO DOS RECURSOS NATURAIS NA PERCEPÇÃO DA COMUNIDADE SERTANEJA
POVOADO JUÁ, PAULO AFONSO - BA
Carlos Alberto Batista Santos1, Rômulo Romeu da Nóbrega Alves2, Wbaneide Martins de Andrade1,
Eliene Urbano Alves Nascimento1
1
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
2
Universidade do Estado da Paraíba – UEPB
As relações entre o homem e a natureza se reproduzem na cultura e na compreensão do meio ambiente.
O povoado Juá é formado por agricultores e criadores de animais com fins de subsistência, que vivem
na área rural do município de Paulo Afonso, sertão da Bahia. Nesta pesquisa buscou-se compreender
como os sertanejos do povoado Juá, compreendem e atuam na conservação dos recursos naturais do
meio em que vivem, a partir dos meios de subsistência e do conhecimento tradicional local associado.
Para coleta de dados, foram utilizadas entrevistas semi-estruturadas com agricultores e criadores de
animais que tem posse da terra, com idades entre 35 e 50 anos, sendo selecionadas 40 pessoas, mas
apenas 26 consentiram as entrevistas. Para analisar os dados, optou-se pela abordagem qualitativa de
pesquisa realizada a partir da análise do discurso dos entrevistados. As atividades econômicas dos
moradores baseiam-se na agricultura de subsistência e pecuária extensiva, sobre as quais detêm um
grande entendimento de manejo, devido à experiência transmitida pelas gerações anteriores através da
oralidade. Essas atividades são ameaçadas pela seca que, associada a uma fonte de água rudimentar,
inviabiliza o plantio por longos períodos, comprometendo também a criação animal. A caça, a extração
madeireira para produção de lenha e carvão, a comercialização da fauna silvestre e o extrativismo
vegetal para alimentação (frutos) e com fins medicinais (cascas, folhas e raízes) na Área de Proteção
Ambiental da Estação Ecológica Raso da Catarina são práticas ‘necessárias’ segundo os entrevistados,
principalmente durante o período de estiagem, que torna o plantio e a criação de animais inviáveis.
Essa atitude é reprovada por todos os informantes, que relacionam estas práticas como responsáveis
pela redução dos animais silvestres e da vegetação nativa. Percebe-se a necessidade da inclusão da
comunidade em políticas públicas, com o intuito de implantar projetos que contemplem a convivência
com a seca.
Palavras-chave: etnoecologia, subsitência, percepção.
Área temática: Etnoecologia
!
ASPECTOS ECONÔMICOS NA COMERCIALIZAÇÃO DO PIQUI (Caryocar coriaceum
Wittm.) NA REGIÃO DA FLORESTA NACIONAL DO ARARIPE-APODI, NORDESTE DO
BRASIL
Rafael Ricardo Vasconcelos da Silva1, Laura Jane Gomes2, Ulysses Paulino de Albuquerque3
1
Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, Universidade Federal Rural de Pernambuco –
UFRPE
2
Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Sergipe – UFS
3
Departamento de Biologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
A dinâmica socioambiental do extrativismo do piqui vem sendo analisada na comunidade de
Horizonte-Cacimbas, Ceará, Brasil, com o objetivo de verificar a importância da atividade para
economia da região e, em especial, para os coletores que atuam na Floresta Nacional do Araripe-Apodi
(FLONA-Araripe). Entrevistas semi-estruturadas, observações participantes e fichas de rotina diária
foram utilizadas para a coleta de dados. Verificou-se que a dinâmica produtiva da Comunidade está
fortemente associada ao ciclo natural produtivo da espécie, que se estende de dezembro a abril. Nesta
época, a coleta dos frutos e a produção de óleo ocupam cerca de 60% da população maior de 18 anos.
Durante a safra, parte dos coletores acampa com a família em áreas adjacentes à unidade de
conservação, mais próximos das zonas de coleta e dos pontos de venda conhecidos por atravessadores
e demais compradores. Mensalmente, um coletor apura, em média, entre R$ 800,00 e R$ 1.200,00 pela
venda dos frutos in natura. Entre os produtores de óleo verifica-se um maior retorno econômico. O
óleo de piqui costuma ser produzido no período de maior frutificação (pico de safra), quando o preço
do fruto in natura diminui devido a maior oferta. Para produção de um litro de óleo são necessários,
em média, 1.000 frutos, comprados na safra de 2012 ao custo de R$ 20,0 e revendidos, após o
beneficiamento, por um valor que variou entre R$ 30,0 e R$ 40,0. A produção é negociada de forma
desagregada, embora existam iniciativas para a formação ou consolidação de Associações de
Catadores. Predomina uma visão de competitividade em torno da atividade. Dessa forma, faz-se
necessária a construção de soluções que levem em consideração o fortalecimento da cadeia produtiva
do piqui de forma sustentável, pois a produção atende a uma demanda já consolidada e gera renda para
as populações locais.
Palavras-chave: extrativismo, sociobiodiversidade, cadeia produtiva.
Área temática: Etnoecologia
!
RELAÇÕES SOCIOECONOMICAS NA COMERCIALIZAÇÃO DA FAVA-D’ANTA
(Dimorphandra gardneriana Tul.) NA REGIÃO DA FLORESTA NACIONAL DO ARARIPEAPODI, NORDESTE DO BRASIL
Rafael Ricardo Vasconcelos da Silva1, Laura Jane Gomes2, Ulysses Paulino de Albuquerque3
1
Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, Universidade Federal Rural de Pernambuco –
UFRPE
2
Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Sergipe – UFS
3
Departamento de Biologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
A fava d'anta ou faveira é uma planta de importância econômica, pois suas vagens possuem alto teor
de rutina e o flavonoide quercetina, largamente utilizados na indústria farmacêutica e de cosméticos. O
extrativismo da faveira figura entre as principais atividades na região da Floresta Nacional do AraripeApodi (FLONA-Araripe). Nesta pesquisa, objetivou-se descrever e avaliar os canais de
comercialização da faveira. Para a coleta de dados foram realizadas entrevistas, observações diretas e
análises documentais. Verificou-se que, no período da safra, de maio a agosto, esta atividade
representa a principal ocupação das populações locais. Toda a produção dessa região vem sendo
comercializada para uma única empresa compradora, cuja indústria processadora situa-se no estado do
Maranhão. As vagens são coletadas, seguindo a orientação dos compradores, ainda verdes na área da
FLONA-Araripe e em propriedades particulares. Em seguida, são transportadas para um dos pontos de
pesagem, compra e secagem, administrados por pessoas contratadas pela empresa compradora,
denominadas de fornecedores. Na safra de 2012 apenas três pessoas atuaram como fornecedores,
mediante autorização do órgão gestor da FLONA-Araripe. No ano de 2011, a produção total da região
foi estimada em 316.8 toneladas de vagens secas, comercializadas pelo valor de R$ 1,39/quilo – preço
predeterminado pela empresa compradora. Logo, o extrativismo da faveira representou, naquele ano,
um incremento de R$ 440.352,00 para a economia da região. Desse valor total, R$ 60.192,00
custearam o transporte, R$ 63.360,00 os impostos e taxas, R$ 126.720,00 o rendimento dos
fornecedores e seus auxiliares, e R$ 190.080,00 o somatório do rendimento dos inúmeros coletores –
cujo rendimento mensal médio varia entre R$ 500,00 e R$ 1.000,00. Tais valores indicam uma
acentuada assimetria nos lucros dos atores locais envolvidos na cadeia, sendo os coletores os menos
beneficiados. Torna-se, portanto, necessário que estes atores sociais possam se organizar para
assegurar a justa distribuição dos benefícios da produção.
Palavras-chave: extrativismo, sociobiodiversidade, cadeia produtiva.
Área temática: Etnoecologia
!
ORGANIZAÇÃO E MANEJO DOS TERREIROS NA AGRICULTURA TICUNA - AM
Sandra do Nascimento Noda1, Ayrton Luiz Urizzi Martins2, Lucia Helena Pinheiro Martins2, Antonia
Ivanilce Castro da Silva2
1
Universidade Federal do Amazonas – UFAM
2
Estudante de Pós-Graduação, Universidade Federal do Amazonas – UFAM
O trabalho foi realizado em área de Agricultura Ticuna da região do Alto Rio Solimões, no
ecossistema de várzea da Ilha de Bom Intento, no município de Benjamin Constant, AM. O objetivo da
pesquisa foi o de apresentar os processos de organização cultural da produção nos terreiros para a
conservação dos recursos naturais locais. Os dados foram obtidos pela utilização de estratégias do
método Etnográfico. Os Terreiros na Agricultura Ticuna significam os espaços sociais de produção
agrícola, moradia, lazer e educação familiar nas áreas de solo denominadas de terra. Daí o nome
Terreiro, no sentido de ser área significativa de intenso uso familiar, principalmente, por meio das
técnicas de conservação dos recursos, compreendidos pelas estruturas de manutenção de sementes,
mudas e estacas nos períodos de cheia e pelo processo continuado de adubação pelos resíduos das
capinas comunitárias. Os terreiros são usados para a produção de bens e produtos para a
complementação da alimentação e renda familiar, podendo ajudar na auto-suficiência da família, sendo
que, as espécies plantadas e permitem uma produção distribuída ao longo do ano. A implantação dos
Terreiros baseia-se no conhecimento cultural da biodiversidade e no senso estético de organização e
melhoria do aspecto físico das comunidades. Os terreiros são resultantes da adoção de um sistema de
uso da terra envolvendo o manejo de árvores, arbustos e ervas de usos múltiplos, intimamente
associados a cultivos agrícolas anuais e perenes e a criação de aves e animais domésticos de pequeno
porte, incluindo animais para segurança comunitária contra invasores e aqueles utilizados nas
atividades de caça.
Palavras-chave: agrobiodiversidade, agricultura indígena, etnoconservação.
Área temática: Etnoecologia
!
ASPECTOS BIOFÍLICOS DA INTERAÇÃO ENTRE OS TUBARÕES E PESCADORES
ARTESANAIS DO SUL DA BAHIA, BRASIL
Márcio Luiz Vargas Barbosa Filho1, Alexandre Schiavetti2, Eraldo Medeiros Costa Neto3
1
Programa de Pós-Graduação em Zoologia, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
2
Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
3
Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
A Hipótese da Biofilia afirma a existência de relações biofílicas inatas entre seres humanos e o meio
natural. Também registra que a disposição humana para a conservação da Natureza é diretamente
proporcional ao grau de envolvimento e empatia pelos componentes da biosfera, incluindo os animais.
A pesca de tubarões na região ocorre com redes de emalhe, linhas de mão e espinheis. Por meio de
entrevistas semi-estruturadas com 22 pescadores artesanais de Canavieiras, com ao menos 15 anos de
experiência na captura de tubarões no litoral sul da Bahia, coletaram-se informações referentes ao
conhecimento ecológico e sentimentos subjetivos envolvidos na interação entre pescadores e tubarões.
A análise de dados baseou-se nas nove categorias biofílicas propostas por Stephen Kellert (1993).
Foram observadas 70 opiniões relacionadas aos tubarões, sendo que 11,4% configuraram-se como uma
relação apática dos pescadores para com o animal. A categoria utilitarista foi a mais observada no
discurso dos pescadores com 28,6% das opiniões. Isto se deve à valorização da carne do tubarão,
ocorrida nos últimos anos e da comercialização das barbatanas, que já chegaram a valer na região 600
reais, por quilo. A imagem dos tubarões como animais vorazes e impiedosos fez com que a categoria
negativista fosse a segunda mais observada, com 18,6% das citações. A categoria dominística obteve
15,7% das opiniões registradas, tendo em vista que os pescadores sentem-se desafiados quando fisgam
um tubarão e consideram-se vitoriosos quando conseguem capturar o animal. Apesar de ter havido
predominância de categorias biofílicas antropocêntricas (utilitarista, negativista e dominística) nas
opiniões dos pescadores, a categoria ecológico-científica foi registrada com 14,3% das citações e se
baseia no fato de que estes pescadores reconhecem a relevância dos tubarões para o ambiente marinho,
ainda que não possuam ideias mais elaboradas em relação a esta importância.
Palavras-chave: categorias biofílicas, pesca artesanal, hipótese de biofilia.
Área temática: Etnoecologia
!
CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL E INTERAÇÃO DOS PESCADORES
ARTESANAIS DA CIDADE DE CANAVIEIRAS - BA, BRASIL, COM TUBARÕES-BALEIA
(Rhincodon typus Smith, 1828)
Márcio Luiz Vargas Barbosa Filho1, Alexandre Schiavetti2, Eraldo Medeiros Costa Neto3
1
Programa de Pós-Graduação em Zoologia, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
2
Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
3
Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
O tubarão-baleia Rhincodon typus Smith, 1828 é uma espécie que apresenta distribuição
circuntropical. Apesar de documentadas ocorrências da espécie na costa do Brasil, não existem
informações relativas ao conhecimento ecológico e interações de pescadores brasileiros com estes
animais. Através de entrevistas semi-estruturadas e visualmente estimuladas com 15 pescadores
artesanais do município de Canavieiras, obtiveram-se informações relativas à etnotaxonomia e
ecologia comportamental da espécie, além de dados referentes à interação desses animais com
pescadores locais. Todos os pescadores reconheceram a espécie como “cação”, porém três deles
disseram nunca ter visto um exemplar. Relataram que os espécimes possuem o comprimento entre 5 e
12 metros e, geralmente, são vistos sozinhos. Em relação aos nomes populares, a espécie é conhecida
como “pintadinho”, “cação-estrela”, “cação-baleia” e “tubarão-baleia”. Sobre o comportamento, os
pescadores descreveram-nos como animais “curiosos” pelo costume de dar voltas em torno das
embarcações e até mesmo de encostarem-se aos cascos, mantendo-se algum tempo nesses locais.
Também os consideram “mansos”, apesar de alguns indivíduos terem se referido aos espécimes
avistados como “monstros” ou “bichão”, dado seu comprimento avantajado. Dois pescadores relataram
o comportamento de fidelidade de habitat da espécie na região, pelo fato de já terem avistado um
mesmo indivíduo diversas vezes em um mesmo local. Cinco pescadores revelaram já terem tocado no
animal com os pés ou pedaços de madeira, por curiosidade em saber a reação do animal. Oito
pescadores revelaram já terem subido e/ou já terem visto companheiros de pesca subirem no animal,
como forma de divertimento. Pelo fato da espécie ser considerada como “vulnerável à extinção” pela
União Internacional para Conservação da Natureza e também pela curiosidade mútua existente entre os
pescadores locais e os tubarões-baleia, torna-se fundamental a implantação de ações para educação
ambiental junto aos pescadores, como forma de orientá-los sobre os riscos envolvidos neste tipo de
interação.
Palavras-chave: ecologia comportamental, pescadores brasileiros, interações ecológicas.
Área temática: Etnoecologia
!
LEVANTAMENTO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS EM DUAS PROPRIEDADES DE
AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU (PR)
Letícia da Costa1; Kellem Brina1; Priscila Yoshie Tateishi Fernandes1; Alexandre Silva Borges1; Leon
Maximiliano Rodrigues1
1
Faculdade Anglo Americano
O trabalho buscou caracterizar o tipo de agroecossistemas e a percepção ambiental a partir de uma
abordagem etnobiológica. O estudo foi realizado em duas propriedades localizadas no município de
Foz do Iguaçu-PR, que está inserida no domínio da Mata Atlântica. Uma das propriedades é
caracterizada por adotar um sistema de cultivo orgânico (A) e a outra enquadrada como de cultivo
convencional (B). Os dados foram coletados a partir de observações diretas e entrevistas abertas com
os agricultores das duas propriedades. As campanhas para levantamentos de dados foram feitas de
julho de 2010 até outubro de 2011. Para a análise dos resultados foi utilizada a metodologia de “análise
de conteúdo”, descrita por Bardim (2009). O estudo mostrou que ambas as propriedades começaram
suas produções com técnicas convencionais de agricultura, mudando no decorrer do tempo conforme o
aprendizado. Tratando do conhecimento de seu agroecossistema, mostraram que tem e que é
necessário um cuidado com seu meio, de onde tiram o seu sustento. Apesar dos sistemas enquadrados
como a agricultura orgânica (A) e agricultura convencional (B), ambas as propriedades utilizam
técnicas também adotadas em sistemas agroecológicos. No entanto, a propriedade A apresentou
condições que se aproximam mais do que se espera de um sistema sustentável e equilibrado
ecologicamente. A propriedade B busca agregar ao seu sistema métodos mais sustentáveis na medida
em que haja possibilidades, o que tem levado a uma progressiva substituição de técnicas convencionais
para técnicas biodinâmicas. O presente estudo mostrou que existem semelhanças e diferenças entre o
conjunto de práticas ou métodos adotados nas duas propriedades. Estudos futuros devem buscar
verificar os efeitos das diferentes técnicas de manejo do solo e culturas no agroecossistema, como na
qualidade do solo e controle de pragas.
Palavras-chave: percepção ambiental, agroecossistemas, etnobiologia
Área temática: Etnoecologia
!
O
CONHECIMENTO
ETNOECOLÓGICO
DOS
MELIPONICULTORES
DAS
COMUNIDADES QUILOMBOLAS DE IPIRANGA E GURUGI, ESTADO DA PARAÍBA.
Roberta Monique Amâncio de Carvalho1; Celso Feitosa Martins1; José da Silva Mourão1
1
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
As comunidades quilombolas de Ipiranga e Gurugi, localizadas na Zona da Mata Sul Paraibana,
possuem histórias que se entrecruzam ao longo dos tempos. Situadas uma ao lado da outra, essas
comunidades sempre compartilharam diversos aspectos. Encontra-se nesses grupos sociais a prática da
meliponicultura realizada desde datas anteriores até atualmente, fazendo parte do cotidiano das
famílias e, muitas vezes, transmitida entre as gerações. Tal prática cotidiana fornece a esses grupos um
elaborado conhecimento ecológico, baseado nas espécies de abelhas, na flora melífera e nas técnicas
utilizadas na realização da atividade. Esse conhecimento está inserido em um complexo integrado
entre o conjunto de símbolos e conceitos, as práticas produtivas e o sistema de crenças das
comunidades. Para conhecer e aprofundar o estudo sobre tal complexo integrado foi utilizada a
metodologia da observação participante juntamente à elaboração de um diário de campo e de
entrevistas semi-estruturadas. Com a intenção de registrar os saberes relacionados à meliponicultura
exercida antigamente pelos moradores foi empregada a metodologia da história oral e o uso de mapas
mentais. No total, foram entrevistados 10 meliponicultores residentes das duas comunidades citadas.
Os resultados preliminares demonstram que os meliponicultores conhecem uma riqueza de nove
espécies de abelhas nativas (Apidae: Meliponini), suas técnicas de manejo são bem representadas pela
feitura do cortiço e a flora melífera é composta de variadas espécies predominantes na Mata Atlântica.
O registro da memória individual e coletiva dos grupos evidencia que um intricado sistema de crenças
permeia a criação de abelha uruçu (Melipona scutellaris) desde tempos antigos, remontando a gerações
passadas. Estudos acerca dos conhecimentos etnoecológicos que permeiam o cotidiano das
comunidades quilombolas se tornam cruciais ao evidenciar a conservação de áreas naturais e afirmar a
permanência nestas áreas das populações quilombolas que ali vivem e detêm esse saber, numa
comunhão entre diversidade biológica e cultural.
Palavras-chave: comunidades quilombolas, conhecimento etnoecológico, meliponicultura
Área temática: Etnoecologia
!
ETNOBOTÂNICA APLICADA À DEFINIÇÃO DE FORMAS TRADICIONAIS DE USO,
MANEJO E PERCEPÇÃO DOS RECURSOS VEGETAIS EM VISCONDE DE MAUÁRJ/MG: AÇÕES CONJUNTAS PARA ETNOCONSERVAÇÃO FLORESTAL DA MATA
ATLÂNTICA.
Mariana Martins da Costa Quinteiro1; Luís Mauro Sampaio Magalhães2; Moemy Gomes de Moraes3
1
Universidade Dom Bosco
2
Depto. Ciências Ambientais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ
3
Depto. de Biologia Geral, Universidade Federal de Goiás – UFG
As principais áreas preservadas sob domínio de Mata Atlântica estão localizadas no sudeste do Brasil,
em áreas de altitude elevada e acesso difícil. Visconde de Mauá é uma região Mata Atlântica, 1200m
de altitude média, situada na Área de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira e entorno do Parque
Nacional de Itatiaia. O objetivo deste trabalho é buscar perspectivas em que a pesquisa etnobotânica
aplicada forneça subsídios para conservação região, além de levantar formas de integração do
conhecimento tradicional sobre os recursos florestais com as políticas públicas locais. Foram aplicadas
entrevistas semi-estruturadas e turnê guiada com 20 informantes chave, entre mateiros, erveiros,
benzedeiros e antigos agricultores locais. Estes reconhecem mosaicos de unidades de paisagem, com
biodiversidade e dinâmicas próprias, designados de Campo, Brejo, Floresta, Mata de beira de rio e
Quintal. Roças de milho e feijão consorciadas com gêneros agrícolas de subsistência representam uma
tradição perdida por mudanças nas relações de trabalho e do uso do solo, advindas do aumento das
atividades turísticas e das mudanças nas leis ambientais. A sabedoria vinculada à essas praticas,
entretanto, permanece no conhecimento popular transmitido de forma oral. Ormosia aff. ruddiana e
Araucaria angustifolia destacam-se como espécies prioritárias para ações de conservação, dada a
forma de extrativismo ocorrente na região. Algumas metodologias de retorno do trabalho etnobotânico
foram aplicadas no local de estudo, como a construção de um viveiro de mudas nativas, mesas
redondas, sarau ambiental e pratica agroflorestal com espécies nativas. As comunidades-alvo de estudo
das pesquisas etnobotânicas são peças chave na obtenção de formas de manejo sustentado dos recursos
vegetais e de outras estratégias coerentes com o desenvolvimento sustentável local. As ciências que
estudam perspectivas etnoconservacionistas devem ser incluídas em programas de Educação
Ambiental, uma vez que a tradição oral e as práticas tradicionais vêm sendo reduzidas drasticamente.
Palavras-chave: etnoconservação, tradição oral, saber tradicional
Área temática: Etnoecologia
!
ANÁLISE ETNOECOLÓGICA
CANAVIEIRAS-BA.
DA
PESCA
NA
RESERVA
EXTRATIVISTA
DE
Daiany Mara Erler1; Alexandre Schiavetti1
1
Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
O manejo de recursos compartilhados está cada vez mais no foco das discussões acerca da manutenção
dos recursos pesqueiros e da pesca sustentável. A crise da pesca decorrente da sobrepesca evidencia a
crescente necessidade de adoção de medidas de ordenamento pesqueiro eficientes. O objetivo do
trabalho é identificar as espécies mais capturadas nas comunidades pesqueiras da Reserva Extrativista
(RESEX) de Canavieiras. A coleta de dados teve início em abril e será finalizada em agosto de 2012.
Entrevistas estruturadas foram aplicadas a 120 pescadores encontrados ao acaso, abordando questões
referentes a petrechos, embarcação, local de atividades, ocorrência e periodicidade das espécies-alvo.
Dentre os entrevistados 100 (81%) têm robalos e cambriaçu (Centropomus spp.) como principal alvo
devido ao valor econômico do pescado, além da preferência de consumo familiar. Tainhas e canguás
(Mugil spp.) e carapebas (Diapterus spp.) aparecem seguidamente com 64% cada. Em relação ao
período de maior frequência, 66% dos pescadores de Centropomus spp. disseram que estes ocorrem
mais no período de defeso, durante o inverno. Em relação às tainhas, o período de ocorrência é maior
no inverno para 45% dos entrevistados e não possui periodicidade para 43%, para os demais a maior
ocorrência é no verão. A influência das marés, fases lunares e sentido do vento também interferem no
sucesso da pesca, sendo no caso das marés, “maré de quebra” e “de lançamento” as melhores. Quanto
ao defeso do Centropomus spp 34% conhecem o período exato, 58% parcialmente e o restante
desconhece o período. Sobre a duração do defeso 59% dos entrevistados afirmaram que este período é
insuficiente e 33% consideram certo. Os pescadores entrevistados ressaltaram a diminuição de
recursos pesqueiros ao longo do tempo, alegando o aumento do número de pescadores, muitas vezes
por falta de empregos na cidade, e deficiência na fiscalização.
Palavras-chave: unidade de conservação, recursos pesqueiros, pesca artesanal
Área temática: Etnoecologia
!
A CAÇA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO: UMA ABORDAGEM ETNOECOLÓGICA E
ETNOHISTÓRICA.
José Aécio Alves Barbosa1; Brygida Carolyne Alves Freire2; José Otávio Aguiar1
1
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
2
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Os múltiplos usos da fauna fazem da caça uma das mais antigas práticas ligadas à sobrevivência
humana. Mesmo ilegal no Brasil, a caça persiste em várias regiões do país. Internacionalmente, o tema
mereceu trabalhos históricos clássicos e, por conseguinte pôde-se inferir que, historicamente,
elaboraram-se formas diversas e ambíguas de relacionamento entre os homens e os animais. Em
função disso, entre agosto de 2011 e maio de 2012, através de entrevistas e da aplicação de formulários
semi-estruturados a 112 entrevistados, se obteve dados acerca da caça na zona rural do município de
Queimadas, no agreste paraibano. Os entrevistados citaram 46 animais caçados na região, os quais
servem de alimento ou companhia para os seres humanos, ou ainda os que representam certo grau de
riscos. As espécies citadas podem ser divididas em seis grupos – mamíferos, aves, répteis, anfíbios,
peixes e artrópodes. As técnicas de caça utilizadas envolveram o uso de armas de fogo e de cães de
caça, armadilhas e coleta. A caça alimentar nessas comunidades foi amplamente direcionada a aves e
mamíferos, destacando a Rolinha-Columbina minuta (n=54) e o Preá-Cavia aperea (n=49). Segundo
os entrevistados, esses grupos são valorizados devido a dois fatores: a abundância relativa em
comparação a outros vertebrados e aos maiores volumes, implicando em maior retorno proteico obtido
das carnes. Para os entrevistados a possibilidade de alguns elementos da fauna local atacarem seres
humanos (ou seus animais domésticos) também motiva a captura e a morte de um grande número de
diferentes espécies. Atualmente são comuns trabalhos sobre a necessidade de minorar o sofrimento dos
animais, garantindo-lhes direitos de existência independente, libertando-lhes da “escravização
domesticadora” e extinguindo a trajetória histórica de submissão e preconceito contra os animais
“especismo”. Trabalhos como esse auxiliam no entendimento dessas questões por abordarem o atual
cenário ambiental também por uma óptica etnohistórica.
Palavras-chave: caça, etnoecologia, etnohistória
Área temática: Etnoecologia
!
APROPRIAÇÃO DA HERPETOFAUNA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO: UMA QUESTÃO
SOCIAL-UTILITÁRIA OU CULTURAL-REPULSIVA?
José Aécio Alves Barbosa1; Brygida Carolyne Freire Alves2; José Otávio Aguiar1
1
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
2
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Ao longo dos anos o valor utilitário da herpetofauna bem como questões de cunho histórico-cultural
têm estimulado a caça desses animais, de modo que a análise das formas de apropriação dos recursos
tornou-se uma das maneiras de compreender e enfrentar essas condicionantes socioambientais críticas.
O objetivo desse trabalho foi registrar o uso e as conexões entre a herpetofauna local e os moradores
do Sítio Salvador, município de Fagundes - PB, no Agreste paraibano, buscando informações sobre as
espécies utilizadas, as modalidades de uso, bem como as formas de obtenção desses animais. As
informações foram conseguidas através de entrevistas livres e da aplicação de formulário semiestruturado. Os dados obtidos foram analisados mediante cálculo de Valor de Uso e de Prioridade de
Conservação. Um total de 48 entrevistados citaram o uso de 19 espécies faunísticas e oito diferentes
modalidades de aproveitamento. Os valores de uso variaram de 0,04 a 1,46 e a prioridade de
conservação de 15,25 a 47,50. A técnica mais frequentemente utilizada na captura dos animais foi a
caça de perseguição com arma de fogo e auxílio de cães. Geralmente as serpentes são caçadas não
devido ao uso de seus subprodutos, mas por aversão ou temor. De fato, é consenso entre diversos
autores que desde o princípio da civilização criou-se uma aversão as serpentes, em que os ofídios
representam os animais mais odiados, ao mesmo tempo que causam maior curiosidade. Com o
presente trabalho se percebeu que a carência de estudos em relação às formas de aproveitamento dos
recursos faunísticos constitui uma barreira que dificulta o levantamento das prioridades de conservação
e manejo, por impossibilitar um inventário seguro das espécies de répteis e anfíbios que sofrem maior
pressão de uso, contudo, o aproveitamento da herpetofauna constitui uma significativa forma de uso
dos recursos naturais na área estudada.
Palavras-chave: herpetofauna, semiárido, conservação
Área temática: Etnoecologia
!
USO DE RECURSOS PELOS PESCADORES DA RESERVA EXTRATIVISTA DE
CANAVIEIRAS, BAHIA.
Daniela Trigueirinho Alarcon1; Alexandre Schiavetti1
1
Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC
Compreender o uso dos recursos e identificar os fatores que influenciam na conservação pode
contribuir para o planejamento de ações de manejo e para a conservação. Este estudo tem como
objetivo avaliar o uso, atitudes e comportamentos dos pescadores em relação aos recursos pesqueiros
existentes na Reserva Extrativista (Resex) de Canavieiras. A coleta dos dados foi realizada entre abril e
agosto de 2012, através de entrevistas realizadas com pescadores desta Resex. Foram coletados dados
referentes ao perfil dos entrevistados, conhecimento sobre os principais recursos-alvo e petrechos de
pesca utilizados, conhecimento sobre práticas favoráveis a conservação dos recursos pesqueiros e
atitudes e comportamentos do entrevistado em relação à conservação destes recursos. Foram
entrevistados 81 pescadores, sendo 26 mulheres e 55 homens. Destes 62 possuem cinco ou mais
recursos-alvo, seis possuem apenas quatro recursos-alvo, cinco entrevistados possuem três recursosalvo, cinco possuem dois recursos-alvo e três pescadores possuem apenas um recurso-alvo. Os robalos
(Centropomus spp.) são os pescados mais procurados pelos pescadores devido ao seu elevado valor
econômico (n=56). Os mugilídeos, tainha (n=38) e canguá (n=34), também são recursos bastante
capturados devido à grande disponibilidade e do valor econômico, respectivamente. Aratu (Goniopsis
cruentata) (n=31) e siris (Callinects spp.) (n=30) são os crustáceos mais capturados, pois são bastante
procurados na região. Dentre os moluscos o sururu (Mytella sp.)(n=16) e a ostra (Crassostrea sp.)
(n=12) são os mais capturados. Peixes de couro, crustáceos e moluscos são considerados remosos e são
evitados pela população em geral no pós-operatório, durante o período menstrual e quando se tem
ferimentos. Com a análise dos dados será possível identificar os aspectos positivos e negativos
envolvidos na relação entre pescadores da Resex e os recursos pesqueiros que poderão auxiliar no
desenvolvimento de estratégias de manejo para conservação dos recursos e sustentabilidade da pesca.
Palavras-chave: pesca artesanal, conservação, manejo
Área temática: Etnoecologia
!
CONHECIMENTO ECOLÓGICO POPULAR SOBRE UMA ESPÉCIE DE MINHOCUÇU
(Rhinodrilus
alatus,
OLIGOCHAETA,
GLOSSOSCOLECIDAE),
USADA
TRADICIONALMENTE NO BRASIL COMO ISCA PARA A PESCA AMADORA
Hani Rocha El Bizri1; Maria Auxiliadora Drumond1; Thaís Queiroz Morcatty1; Artur Queiroz
Guimarães2; Lívia Castro Giovanetti2
1
Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG
2
Instituto Sustentar
A extração do oligoqueto terrestre gigante da espécie Rhinodrilus alatus, conhecido como minhocuçu,
é realizada ilegalmente por comunidades rurais e tradicionais na região central do Estado de Minas
Gerais há, pelo menos, 80 anos, sendo a espécie vendida para uso como isca para a pesca amadora em
várias regiões brasileiras. Esta atividade consiste na principal fonte de renda de inúmeras famílias na
região. No ano de 2004 iniciou-se o Projeto Minhocuçu, vinculado à Universidade Federal de Minas
Gerais, o qual se propõe a minimizar os conflitos sociais e ambientais relacionados à cadeia de uso do
minhocuçu e a regulamentar a extração e a venda da espécie mediante um plano de manejo
participativo. Esta pesquisa registra o conhecimento popular de extrativistas de minhocuçus sobre a
biologia e ecologia da espécie Rhinodrilus alatus e as técnicas de extração utilizadas. O conhecimento
popular foi registrado a partir de técnicas participativas de diagnóstico, realizadas individualmente e
coletivamente, durante os anos de 2005 a 2008. O processo de extração foi acompanhado em campo
em diversas épocas do ano, de modo a observar as técnicas utilizadas em diferentes estágios do ciclo
de vida dos minhocuçus e a coletar dados biológicos e ecológicos de R. alatus. Estes dados foram,
então, analisados e contrastados com as informações fornecidas pelos extratores. Os extrativistas
detêm amplo conhecimento sobre o ciclo de vida, comportamento reprodutivo e distribuição da
espécie. Diferentes técnicas de extração são utilizadas em distintas fases do ciclo de vida dos
minhocuçus e estas são repassadas entre as gerações. O reconhecimento do saber popular sobre R.
alatus é fundamental para que ações de manejo sejam implantadas de forma compartilhada. O
processo de pesquisa aqui apresentado também pode inspirar novos estudos e o manejo de outras
espécies de minhocuçus extraídas em outras regiões do Brasil ou em outros países.
Palavras-chave: oligochaeta, iscas vivas, extrativismo animal
Área temática: Etnoecologia
!
ETNOCONHECIMENTO NO ENSINO DE BIOLOGIA: A EXPERIÊNCIA COM A TURMA
DE EJA DE RATONES, FLORIANÓPOLIS (SC).
Ana Paula Silveira¹
¹Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC
A interface entre a Educação e as Etnociências, como a Etnoecologia, tem trazidos resultados
significativos no processo de ensino-aprendizagem, em disciplinas de nível básico, como Ciências
Naturais e Biologia, além de contribuições no que tange a manutenção cultural e de conservação de
recursos naturais. Na busca de um ensino de Biologia multicultural, envolvente e democrático, a autora
desenvolveu um trabalho junto à turma de modalidade EJA, do distrito de Ratones em FlorianópolisSC, intitulado Histórias e Saberes de Nossas Raízes, durante o período do segundo semestre de 2011.
O objetivo principal fora elencar o etnoconhecimento das relações familiares estabelecidas com
diferentes elementos naturais presentes nos núcleos de moradias, ligados a subsistência e aos aspectos
culturais. A metodologia que conduziu a pesquisa, composta pelos métodos qualitativos e quantitativos
e de abordagem descritiva, contou com a aplicação de três procedimentos para coleta de dados, sendo
o recurso bibliográfico, o fotográfico e o diário de registro, utilizado pela pesquisadora e pelos 17
estudantes. O trabalho fora dividido em duas etapas, com a primeira direcionada ao registro individual
ou coletivo de conhecimentos populares, partindo do diálogo estimulado em sala de aula nas atividades
formais da disciplina, e a segunda com a confecção de um livreto, reunindo todas as produções. O
estudo resultou no registro de 17 plantas medicinais, administradas principalmente através de chás; 4
métodos de conservação de alimentos, destacando o uso de banha de porco e farinha de mandioca; 9
receitas culinárias, como preparo de queijos e bolo de milho em folha de bananeira; e 3 citações sobre
criação de bovinos, galinhas e suínos, para o consumo próprio e venda regional. O livreto fora
disponibilizado em mídia para divulgação entre as famílias e demais membros da comunidade, e para
escola, como um material didático interdisciplinar, direcionado as turmas de ensino básico e médio.
Palavras-chave: educação jovens e adultos, etnoecologia, saberes populares
Área temática: Etnoecologia
!
O JEITO DE SER
ETNOCONSERVAÇÃO
MBYA
GUARANI,
UMA
FERRAMENTA
PARA
A
Simone Dala Rosa¹, Juliana Kerexu², Renata Lumi Iwamoto¹, Maristela Marangon¹, Simone Camargo
Umbria¹
¹Universidade Positivo – UP
²Terra Indígena Ilha da Cotinga
A ocupação Guarani do Litoral do Paraná é predominantemente Mbya Guarani . No município de
Paranaguá encontra-se a única Terra Indígena (TI) demarcada e homologada do litoral paranaense, a TI
Pindoty, que abrange as Ilhas da Cotinga e Rasa da Cotinga, Bioma Mata Atlântica. O acesso somente
é possível por via marítima. As principais lideranças da aldeia são o cacique-pajé (tcheramoi) Cristino
da Silva, o vice-cacique Dionísio Rodrigues; pajé Izolina e Juliana Kerexu, representante das
Mulheres. Para captar um pouco do saber guarani optou-se por dialogar com a comunidade utilizandose técnicas do DRP (Diagnóstico Rápido Participativo) – Caminhada Transversal e Etnomapeamento.
Estas técnicas permitiram relacionar a etnoecologia com o jeito de ser Mbya Guarani (Nhande’
Recó):“Sem Tekoa não há Tekó - Sem Terra não há cultura”. Um Tekoa é composto por moradias,
casa de reza (opy), área de caça, área de pesca, roças, áreas de coleta de matéria-prima para confecção
de artesanato, cemitério, entre outros. As técnicas possibilitaram identificar os seguintes elementos na
TI Ilha da Cotinga: infra-estrutura da aldeia, área de extração de vegetais na mata, áreas de caça, áreas
de pesca, áreas de cultivos e algumas hortas particulares. Percebeu-se que os Mbya possuem excelente
percepção ambiental, desde noção geográfica, localização e conhecimento dos recursos naturais da TI
e seu entorno, assim como interação entre os espaços que formam o tekoa. Constatou-se, que os Mbya
desenvolvem estreitas relações com seu ambiente, equilibrando a biomassa humana com fitomassa e
zoomassa, efetivando uma política agrícola e demogenética que defende, conserva e promove a
biodiversidade, condição de sua própria sobrevivência. Desta forma, conclui-se que a etnoconservação
é uma necessidade prática, que sustenta a permanência dos Guarani em seu território e permite aliança
com pescadores artesanais - caiçaras, pois ambas populações tradicionais da região têm princípios
focados na sociodiversidade e sustentabilidade ambiental.
Palavras-chave: etnoconservação, ilha da cotinga, mbya guarani
Área temática: Etnoecologia
!
AÇÕES
DE
RECUPERAÇÃO
E
CONSERVAÇÃO
AMBIENTAL
E
ETNODESENVOLVIMENTO EM ALDEIAS (TEKOÁ) GUARANI DO RIO GRANDE DO
SUL-RS
Denise Wolf¹2
¹Bióloga e presidente do Instituto de Estudos Culturais e Ambientais – IECAM
2
Fundação Getúlio Vargas – FGV Management
Embora não seja possível perceber a busca de desenvolvimento (como geralmente é entendido e
aplicado pela sociedade) na cultura ou sociocosmologia guarani, o etno"desenvolvimento” e muitos
objetivos estabelecidos, podem contribuir significativamente para a construção da sustentabilidade
socioambiental, para o fortalecimento da autonomia indígena e para a proteção da biodiversidade.
A partir de observações, diálogos, encontros, reuniões e atividades realizadas nos anos de 2011 e 2012,
no projeto “Ar, Água e Terra: Vida e Cultura Guarani” [desenvolvido pelo IECAM-Instituto de
Estudos Culturais e Ambientais e oito aldeias (tekoá) do RS], muitos saberes e práticas tradicionais de
uso e manejo da biodiversidade foram aliadas a atividades como viveirismo, compostagem e
reciclagem, reconstruindo “métodos” de forma contínua e participativa e alcançando importantes
resultados. A profunda e longa reflexão em anos anteriores, as visões, saberes e entendimentos guarani
relacionados à natureza e o belo e singular trabalho especialmente dos “cuidadores ou plantadores”
guarani levaram ao plantio de mais de 20 mil mudas de 90 espécies da flora (35 delas em risco de
extinção) nas aldeias indígenas. Foram elaborados oito mapas de “uso” da terra das Tekoá
Anhetenguá, Yriapu, Nhundy, Pindo miri, Nhuu porã, Ka’agut pau, Itapoty e Pindoty e definidas sete
classes de “uso”, para auxiliar na “gestão” das áreas e em atividades como trilhas de etnoturismo e
áreas para "roças" comunitárias. A área de reconversão produtiva (kokue) alcançou 12,78 hectares, a
recuperação de áreas degradadas (yvira'iky ty) 39,13 hectares e a conservação de florestas (ka’aguy)
atingiu mais de três mil hectares (97,11% da área total das aldeias). Os dados apresentados e a
experiência vivenciada demonstram que os guarani devem ser considerados grandes e sábios aliados
na conservação da biodiversidade. A cultura guarani se mantém viva na alma e na vida guarani, onde a
natureza sempre teve e sempre terá lugar essencial.
Palavras-chave: etnodesenvolvimento, conservação da natureza, índios guarani
Área temática: Etnoecologia
!
PANORAMA BRASILEIRO DAS PESQUISAS SOBRE ETNOBIOLOGIA E COMUNIDADES
INDÍGENAS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E
DA IDENTIDADE CULTURAL.
Cássia Silene Cervi Anéas¹, Alice T. Valduga², Sônia B. B. Zakrzevski², Franciele Fath¹, Máida A. de
Melo¹
¹Professora Pública Estadual
²Universidade Regional Integrada – URI
A presente pesquisa, analisa a produção de Dissertações de Mestrado e Teses de Doutorado em
Etnobiologia e Comunidades Indígenas desenvolvidas em Programas de Pós-Graduação no Brasil, no
período de 1990 a 2010, por meio de um estudo do tipo “Estado da Arte” ou “Estado do
Conhecimento”. Objetivou-se identificar os PPGs que desenvolvem pesquisas em Etnobiologia e
Comunidades Indígenas, analisando e caracterizando os mesmos. A pesquisa, de enfoque híbrido, foi
realizada em etapas: 1ª etapa – Identificação das dissertações de mestrado e teses de doutorado que
apresentam como tema central a Etnobiologia e Comunidades Indígenas no Banco de Teses da
CAPES; 2ª etapa – Obtenção e leitura dos resumos das dissertações e teses e elaboração de um banco
de dados, contendo informações essenciais para a pesquisa; 3ª etapa – Análise dos dados dos resumos
das dissertações e teses. Foram selecionados 74 de um total de 2599 resumos analisados, apresentando
no título ou nas palavras-chave os termos: Etnobiologia, Etnoecologia, Etnobotânica,
Etnoconservação, Etnoconhecimento e Índio. Por meio do estudo realizado foi possível identificar que
as regiões Sudeste(27%), Norte (22%),e Sul(20%) contam com mais PPGs que desenvolvem
pesquisas, sendo as áreas Multidisciplinar, Ciências Biológicas e Humanas as mais pesquisadas. A
Etnoconservação e o Etnodesenvolvimento foram foco central na maioria dos estudos e os povos
indígenas Guarani e Kaingang foram os mais pesquisados, de um total de 40. A pesquisa confirma o
fato de que a produção científica nestas áreas poderia ser mais intensa, demonstrando a necessidade de
diálogo entre educação e cultura, apontando para a necessidade da pesquisa nas relações entre
diversidade etnocultural e o conhecimento científico, assim como a criação de mais linhas de pesquisa
envolvendo Etnobiologia e comunidades indígenas nos PPGs brasileiros, buscando cada vez mais a
salvaguarda dos conhecimentos tradicionais em busca de uma sustentabilidade etnocultural.
Palavras-chave: estado da arte, etnobiologia, comunidades indígenas
Área temática: Etnoecologia
!
REPRESENTAÇÕES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES SOBRE ELEMENTOS DA
FLORESTA ATLÂNTICA NO MUNICÍPIO DE IGARASSU, PERNAMBUCO, NORDESTE
DO BRASIL.
Washington Soares Ferreira Júnior¹, Taline Cristina da Silva¹, Lucilene Lima dos Santos¹, Patrícia
Muniz de Medeiros², Ulysses Paulino de Albuquerque¹
¹Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
²Universidade Federal da Bahia – UNEB
Investigar representações sobre a realidade pode identificar ações das pessoas para com o ambiente
externo, auxiliando ações conservacionistas. Logo, o presente trabalho teve como objetivo acessar as
representações de crianças e adolescentes em relação a diferentes elementos da Floresta Atlântica na
comunidade de Três Ladeiras, Pernambuco. Para isso, participaram 44 alunos com idades entre 11 e 16
anos da 5ª a 8ª séries da escola local, sendo 26 meninas e 18 meninos. A primeira etapa do estudo
consistiu na escrita de redações sobre a mata atlântica. Em seguida, as palavras comuns às quatro
turmas foram separadas e apresentadas aos alunos, para que agrupassem de acordo com seus critérios e
respectivas justificativas. Para as análises, as palavras foram organizadas em oito categorias distintas.
O teste G foi utilizado para comparar diferenças entre as séries no número de vezes em que as
diferentes justificativas apareceram nos agrupamentos. Além disso, foi feita uma análise de
componentes principais (PCA) a fim de encontrar as principais classes de palavras agrupadas e
categorias de justificativas para cada série. A PCA demonstrou que as palavras foram mais associadas
com elementos da “fauna” e “flora” para todas as séries. O teste G mostrou a importância das
justificativas referentes à “utilidade”, “conservação”, “sentimento” e “adjetivo” para a quinta série
quando comparadas com todas as outras séries. Por exemplo, na sexta série (G = 39,61; p < 0,0001, G
= 12,72, p = 0,0004, G = 12,68; p = 0,0004 e G = 18,02; p < 0,0001, respectivamente) as diferenças
foram acentuadas. Ao analisar os agrupamentos dentro de cada turma, a PCA indicou a importância da
justificativa “conservacionista”. Isto aponta que os estudantes têm uma predisposição a atitudes
conservacionistas, principalmente relacionadas a elementos da flora e fauna, sendo um importante
passo para futuras estratégias de conservação na região.
Palavras-chaves: etnobiologia, percepção ambiental, estudantes
Área temática: Etnoecologia
!
METODOLOGIAS PARTICIPATIVAS
AGROBIODIVERSIDADE.
EM
AÇÕES
DE
CONSERVAÇÃO
DA
Eliane Dalmora¹, Clélio Vilanova², Jailton Bispo da Silva³
¹Instituto Federal de Sergipe – IFS
²Engenheiro Agrônomo, PROAGI
³Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia, Instituto Federal de Sergipe – IFS
A proposta de pesquisa e extensão participativa, precisa ter uma adaptação das metodologias para cada
situação dos grupos coletivos em que se propõem ações. Este trabalho consiste numa reflexão dos
avanços e entraves do processo participativo no projeto Sementes da Terra, implementado entre 2011 e
2012 em 11 assentamentos rurais do Território Sul Sergipano. Foram realizadas, em cada
assentamento, quatro reuniões gerais, visitas às famílias, criação de três roçados demonstrativos de
produção de sementes crioulas, avaliação participativa das etnovariedades, formação de grupo de
comercialização, oficinas de práticas agroecológicas, feira de troca de sementes, cartilhas de
conservação de sementes e alimentos regionais. Apesar dos assentados terem uma trajetória de
participação nos movimentos sociais, que implicou no processo de acampamento até a conquista da
terra, nem todos os assentados foram propensos a se engajar coletivamente nestas atividades. Avalia-se
que houve certo desgaste nas relações das entidades com os sujeitos sociais pela atuação
“problemática” de agentes sociais (ONGs, instituições governamentais e movimentos sociais) ao
utilizar metodologias participativas do tipo passiva, informativa, por consulta ou movida por
incentivos funcionais. Estas formas geram os seguintes problemas: dependência da comunidade a
agentes externos e/ou a lideranças centralizadoras; perspectiva materialista/assistencialista; projetos
sem resultados efetivos aquém das necessidades do coletivo; reuniões excessivas sem objetividade;
desconfiança em relação aos programas institucionais e seus agentes. Estes desgastes se somam a
experiências negativas internas do grupo (na formação de associações e na execução de projetos
coletivos). Frente a estes descaminhos da participação, as ações não são de todo exitosas no efetivo
envolvimento dos coletivos e no engajamento para realizar roçados demonstrativos de etnovariedades,
denotando que muitos assentados optaram pela gestão individual de seus lotes. A participação
interativa depende de relações contínuas de confiança, estabelecidas entre os sujeitos do processo
(extensionistas e agricultores).
Palavras-chave: metodologias participativas , etnovariedades, assentados rurais
Área temática: Etnoecologia
!
INTERAÇÕES ENTRE Acacia Mangium E COMUNIDADE INDÍGENA NO LAVRADO DE
RORAIMA.
Arlene Oliveira Souza¹, Carmen Lúcia Silva Lima², Taiguara dos Santos Pereira³, Maria do Perpétuo
Socorro Rodrigues Chaves¹, Charles Roland Clement¹
¹Rede BIONORTE, Pós-Graduação em Biodiversidade e Biotecnologia
²Coordenadora do Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, Núcleo Roraima
³Universidade Federal de Roraima – UFRR
O plantio comercial de Acacia mangium Willd., Fabaceae, ocupa aproximadamente 30.000 ha no
Lavrado (as savanas ou cerrados) de Roraima e teve início na década de 90, com a finalidade de suprir
a demanda de madeira serrada e fibra de celulose. Atualmente, o território influenciado direta e
indiretamente pelo empreendimento compreende os municípios de Alto Alegre, Boa Vista, Cantá e
Bonfim, onde vivem diversas comunidades indígenas locais. O objetivo desse estudo foi identificar a
ocorrência e a distribuição de A. mangium na aldeia Malacacheta, onde habitam indígenas da etnia
Wapixana. A área de estudo localiza-se na zona rural do município do Cantá, Região da Serra da Lua,
sudeste do estado de Roraima, aproximadamente 35 km de Boa Vista. O registro das ocorrências de
acácias fora dos plantios (invasores) foi feita com GPS, para determinar distribuição espacial na
comunidade. A presença de acácias em diferentes fases de desenvolvimento - plântulas, jovens e
adultas - dentro e ao redor das roças novas e antigas foi constatada, bem como nas proximidades de
diversas casas da comunidade, na maioria das vezes plantadas pelos próprios indígenas. Das 11 roças
avaliadas até agora, 100% tiveram a presença de acácias; entre elas, 5,3% correspondem a plântulas,
57,9% a juvenis e 36,8% a adultas (com floração). A partir da realização de oficina e da participação
nas assembléias pôde-se constatar as mudanças observadas no Lavrado pelos indígenas: abelhas
africanizadas, água, aumento do esforço de trabalho na limpeza de roças. O número de abelhas
africanizadas aumentou e os enxames se espalham nos buritizais, dificultando a coleta da palha para
construção das habitações. Os enxames também limitam o deslocamento dentro da terra indígena. O
mel de acácia, de tonalidade escura, é considerado desagradável ao paladar dos indígenas. Outra
alteração percebida é na cor (avermelhamento) e no gosto (de ferrugem) da água de alguns igarapés
próximos aos plantios. O aumento da ocorrência de acácia nas roças exige mais esforço e tempo na
limpeza e manutenção dos roçados.
Palavras-chave: impactos ambientais, subsistência indígena, abelhas africanizadas
Área temática: Etnoecologia
!
ORGANIZAÇÃO SOCIAL E RELAÇÕES DE TRABALHO: ETNOCONSERVAÇÃO DO
AMBIENTE NA LOCALIDADE DOS LAGOS DO PARU E CALADO, MANACAPURU-AM.
Dirceu Silva Dácio¹, Sandra Nascimento Noda¹, Antonia Ivanilce Castro da Silva¹, Hiroshi Noda²,
Ayrton Luiz Urizzi Martins³.
¹Instituto Federal do Amazonas – IFAM
²Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia – INPA
³Universidade Federal do Amazonas – UFMA
A pesquisa teve como objetivo identificar a organização social e as relações de trabalho de agricultores
familiares para o processo de etnoconservação ambiental na localidade dos Lagos do Paru e Calado,
Manacapuru-AM. Foram utilizadas a abordagem sistêmica, método o estudo de caso e as técnicas de
observação direta, 12 entrevistas e 2 grupos focais com unidades familiares, para identificação dos
componentes do sistema de produção, os recursos ambientais acessados, as espécies cultivadas e as
experiências vivenciadas pelos agricultores familiares da região dos lagos do Paru e do Calado,
Manacapuru, Amazonas. Foram identificadas duas modalidades de organização social, a religiosa e
associação de agricultores. A sede da associação é utilizada para reuniões para discussão dos
problemas da localidade e organização dos trabalhos coletivos, evidenciando uma relação de
coletividade que difere das sociedades capitalistas onde as ações e relações são individuais. Foram
identificadas seis modalidades de relações de trabalho: multirão/ajuri (40%), troca de dia (28%),
parceria (20%), empleita (8%), de metade (4%). As relações solidárias de trabalho são destinadas às
atividades agrícolas (36%), aos serviços comunitários (28%) e para o extrativismo animal (20%). As
relações de compra e venda de trabalho ocorreu na frequência de 16%. Este trabalho sustenta-se numa
ética de solidariedade e relações com a natureza que prescinde das determinações derivadas das
grandezas socialmente estabelecidas, quer seja no âmbito do lucro e da renda da terra, quer seja no
aspecto do salário ou de outros tipos de troca econômica. As formas tradicionais de organização social
e relações de trabalho adotadas na localidade dos Lagos do Paru e Calado, a partir da apropriação
coletiva dos recursos, é uma estratégia adotada pelos agricultores familiares que contribui para a
conservação dos recursos ambientais.
Palavras-chave: recursos ambientais, atividades agrícolas, estratégia de conservação
Área temática: Etnoecologia
!
ANALISE DE SUSTENTABILIDADE DA COMUNIDADE DOS REMANESCENTES DO
QUILOMBO DE BOMBAS.
Barbara Andrade¹, Lucas Vinícius Domingues¹, Carmen Montebelli¹, Andressa Neves¹, Felipe
Oliveira¹.
¹Grupo PET Ecologia, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo –
USP
O quilombo de Bombas está localizado no Vale do Ribeira paulista, município de Iporanga, e tem seu
território sobreposto aos limites do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira – PETAR, uma unidade
de conservação (UC) de proteção integral. Tal categoria não permite a presença de moradores,
dificultando a titulação das terras reivindicadas pelos quilombolas. Frente a isso, foi requerido pela
Secretaria Estadual do Meio Ambiente um “relatório de sustentabilidade” que aportasse informações
às discussões sobre uso e ocupação do solo. Para isso, analisou-se a relação entre justiça social,
qualidade de vida, equilíbrio ambiental e necessidade de desenvolvimento com a capacidade de
manter-se, a fim de identificar entraves à autodeterminação da comunidade e possíveis formas de
solução. O diagnóstico partiu do princípio da transparência no uso e destino das informações, da não
intervenção no modo de vida local e do consenso prévio entre comunidade e os pesquisadores sobre os
objetivos e metodologias de cada visita dos pesquisadores ao quilombo. Os dados foram construídos a
partir do método de DRP – Diagnóstico Rural Participativo, além de entrevistas semi-estruturadas
abertas, representações da paisagem e observação participante dos pesquisadores em tarefas e
cerimônias da comunidade. O trabalho foi dividido de modo a permitir que cada pesquisador e
morador trabalhassem juntos ao menos uma vez em alguma fase do projeto. Concluídas as entrevistas
procurou-se agrupar as respostas por eixos de problemas-soluções. Os resultados mostraram que as
práticas agroextrativistas não é fator que inviabiliza a dinâmica de recomposição do ambiente; o DRP
identificou a UC como fator importante para auxiliar no combate a madeireiros, extrativistas de
palmito Juçara (Euterpe edulis) e caçadores, mas prejudicial aos usos e costumes que davam
continuidade à reprodução sociocultural. Por fim, observou-se que direitos básicos, como educação e
saúde, além da própria garantia do território também não recebem a devida atenção, expondo a
comunidade a uma situação de injustiça social, o que, segundo os critérios adotados, não permite sua
auto-sustentação e seu direito à autodeterminação.
Palavras-chave: comunidades tradicionais, sustentabilidade, unidades de conservação
Área temática: Etnoecologia
!
CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL NO ENTORNO DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE
CARIJÓS, FLORIANÓPOLIS – SC.
Juliana Saldanha¹, Nivaldo Peroni¹
¹Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
A etnoecologia é uma importante ferramenta para estudos conservacionistas, pois contribui para o
conhecimento da biodiversidade dos ecossistemas e indica elementos úteis para estratégias de
conservação integradas. Com ênfase nesta abordagem, o presente trabalho tem como objetivo
identificar o conhecimento ecológico local referente aos recursos vegetais e aspectos da percepção da
paisagem em duas comunidades humanas do entorno da Estação Ecológica (ESEC) Carijós, situadas
no distrito de Ratones, Florianópolis. Foram realizadas 52 entrevistas semi-estruturadas e turnêsguiadas nas comunidades Canto do Moreira (N= 21) e Cachoeira (N=22). Foram registradas 245
etnoespécies conhecidas e utilizadas pelas comunidades locais, das quais foram identificadas
taxonomicamente 185 espécies pertencentes a 84 famílias botânicas. As familias Myrtaceae (21%) e
Fabaceae (18%) somaram o maior número de espécies por plantas citadas. Com relação ao uso de
plantas, 51% são para fins alimentícios, seguido de 22% para uso madeireiro, 20% para uso medicinal,
3% como uso ornamental e 2% como manufatura. Nas duas comunidades, são feitos poucos usos dos
recursos florestais nativos no entorno da ESEC Carijós, dando-se preferência ao cultivo de espécies
nos quintas ou roças particulares. Unidades de paisagem são percebidas por 50% dos entrevistados,
sendo estas diferenciadas pelas espécies arbóreas presentes nas unidades (60%), pela vegetação como
um todo (24%) e pela madeira potencialmente útil nestes locais (16%). As principais unidades de
paisagem citadas foram a mata virgem, pinheiral, capoeira, capoeirão, vassourão, sapé e manguezal. O
uso e manejo de unidades de paisagem, como as capoeiras e capoeirão foram abandonados nos últimos
30 anos, em função da fiscalização ambiental e presença da ESEC Carijós, o que ocasionou a
regeneração natural destas áreas. Percebe-se entre os informantes um domínio do conhecimento de
plantas e a localização destas na paisagem, embora o uso e o manejo de unidades de paisagem, não
seja uma prática incorporada nas gerações.
Palavras-chave: conhecimento ecológico local, recursos vegetais, paisagem
Área temática: Etnoecologia
!
AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA E DA PERCEPÇÃO DE PRODUTORES RURAIS
SOBRE O PROCESSO DE RESTAURAÇÃO DE MATAS CILIARES EM JAÚ E SALTINHO
– SP.
Bianca Campedelli Moreira Rocco¹, Flávio Bertin Gandara²
¹Pós-Graduação em Ecologia Aplicada, ESALQ/CENA, Universidade de São Paulo – USP
²Departamento de Ciências Biológicas, ESALQ, Universidade de São Paulo – USP
A necessidade de aumento na cobertura florestal nativa do estado de São Paulo gerou o aprimoramento
do conhecimento na área de restauração florestal desde a década de 1980, mas este avanço não foi
acompanhado de reflexões sobre questões sociais, econômicas, políticas e culturais relacionadas ao
tema. As diversas políticas públicas e instrumentos agrícolas e florestais vigentes não trazem em seu
escopo a preocupação com a percepção ambiental do produtor rural e sua realidade socioeconômica.
As políticas públicas de restauração de matas ciliares atuais possuem diferentes características, desde
comando e controle, como compensações ambientais pontuais, passando pelas de conservação do solo
e planejamento rural, até as que incentivam o envolvimento do produtor rural na elaboração e
desenvolvimento dos projetos; estas mais participativas.Neste trabalho, buscou-se analisar a percepção
sobre a importância das matas ciliares, seus serviços ambientais e se políticas públicas respeitam o
conhecimento dos produtores rurais e como estão influenciando-os. Assim, foram realizadas
entrevistas semi-estruturadas com 20 pequenos e médios produtores rurais nos municípios de Saltinho,
Piracicaba e Jaú – SP, abrangidos por diferentes projetos de restauração ciliar em suas
propriedades. Os projetos pontuais mostraram-se ineficientes no envolvimento e transformação de
valores, sendo encarados como oportunidade de adequar-se à legislação sem grandes custos pela
maioria dos produtores, que não deram continuidade aos cuidados com a área ciliar após o
encerramento do projeto. Por outro lado, os projetos com ênfase na participação, apresentaram maior
capacidade de envolvimento dos produtores, evidenciada pela adoção de novas práticas e a percepção
de mudanças ambientais na propriedade pelos mesmos. Porém problemas como prazos de
desenvolvimento e implantação curtos, recursos financeiros e técnicos limitados foram apontados nas
entrevistas. Pode-se concluir que políticas públicas descontinuadas e projetos de curto prazo não
proporcionam o empoderamento de pequenos e médios produtores rurais, necessário para garantir a
continuidade dos processos ecológicos.
Palavras-chave: percepção ambiental, políticas públicas , matas ciliares
Área temática: Etnoecologia
!
SABERES AMBIENTAIS EM UM POEMA DO SÉCULO XIX: POR UMA ETNOBIOLOGIA
HISTÓRICO-LITERÁRIA.
Marco Túlio da Silva Ferreira1
1
Núcleo de Pesquisas Transdisciplinares Literaterras, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.
Muitos saberes ambientais foram registrados por naturalistas, historiadores e escritores em períodos
históricos. Em 1804, o alferes do Regimento Regular de Vila Rica Joaquim José Lisboa publicou o
poema/livro “Descrição curiosa das principais produções, rios e animais do Brasil”, principalmente da
Capitania de Minas Gerais. Preocupado em trazer um retrato fidedigno de sua terra natal a um público
da metrópole europeia, o militar traça uma descrição minuciosa, em 616 versos, das belezas e riquezas
naturais brasílicas. Os saberes ambientais que o poema compila não se restringem ao que hoje
designamos ‘biodiversidade’, mas também passam pela descrição de rios, minerais, pratos regionais e
etnônimos de povos indígenas, estes também sendo tratados como produtos da terra. A análise das
categorias e táxons mencionados sugere a riqueza de informações naturais apresentada pelo poema: 37
frutas comestíveis; 41 pratos da culinária brasílica; 39 rios; 18 minerais; 53 aves; 35 mamíferos e
lagartos; 4 cobras; 16 peixes; 14 etnônimos; 30 raízes e óleos medicinais. O autor explora a sonoridade
curiosa para ouvidos europeus dos vocábulos com etimologia indígena e africana (carurus, jambês,
quibebes, quingombôs, etc.). É perceptível no texto um objetivo quase enciclopédico, ao trazer uma
listagem da variedade de “produções” do país e, nas palavras do autor, uma “explicação dos termos e
vocábulos (...), para poderem melhor entender a linguagem daquele país” ao mesmo tempo em que,
paralelamente, traça um claro objetivo lírico-estético, sustentado e realçado pela pitoresca fonética
neobrasileira. Pouca atenção tem sido dada a documentos históricos ou literários como fontes para
pesquisa por estudiosos da etnobiologia, em parte por não existirem métodos consolidados para a
extração de informações de textos escritos ao invés de relatos orais. À medida que metodologias de
análise forem se refinando, poderemos, assim, traçar comparações e desenvolver as bases para uma
etnobiologia da escrita, não somente da oralidade.
Palavras-chave: etnoecologia histórica, etnobiologia literária, Joaquim José Lisboa.
Área temática: Etnoecologia
!
A DESINFORMAÇÃO SOBRE A CONSERVAÇÃO: A RELAÇÃO DE MORADORES DO
ENTORNO DA RESERVA EXTRATIVISTA DE PIRAJUBAÉ COM O SEU PROCESSO DE
CRIAÇÃO E GESTÃO.
Rubana Palhares Alves1, Laryssa Vanessa da Liz1, Lucas Caio Siqueira1, Natalia Hanazaki1
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
As Reservas Extrativistas (RESEX) têm como principal objetivo proteger os meios de vida e a cultura
das populações tradicionais, assegurando o uso sustentável dos recursos naturais. Assim, é crucial o
envolvimento da população local no seu processo de criação e gestão. Dentro deste contexto, o
objetivo deste trabalho foi verificar se uma amostra da população do entorno da RESEX de Pirajubaé
(Florianópolis, SC) está ciente da sua existência, se conhece e participou da sua de criação e atividades
de gestão. Para tal, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com moradores de duas
comunidades do entorno da RESEX: Carianos e Costeira de Pirajubaé. Foram sorteadas as residências
a serem acessadas, sendo que ao todo foram abordadas 118 pessoas, das quais 47% não tinham ciência
da existência da RESEX e 53% já haviam ouvido falar da mesma. Dentre estes, 50 pessoas, cientes da
existência da RESEX, foram questionadas sobre o processo de criação, das quais apenas 16%
afirmaram conhecê-lo, enquanto que 48% desconheciam os responsáveis pela proposta da criação da
RESEX. Sobre o objetivo da sua criação, 12% não sabem porque ela foi criada, 58% a atribuem à
finalidades conservacionistas e apenas 12% a relacionam à atividade de extração do berbigão. Sobre a
participação da comunidade na tomada de decisões, 36% não souberam responder, 26% disseram que
não há participação e 38% acreditam que há participação da população local, embora 86% dos
entrevistados tenham afirmado que eles próprios não participam das decisões. O desconhecimento de
muitos moradores sobre a existência da RESEX, juntamente com o conhecimento superficial do seu
processo de criação e objetivos, evidenciam um distanciamento da população local com a própria área,
bem como a necessidade de maior divulgação sobre a RESEX pelo órgão gestor.
Palavras-chave: área protegida marinho costeira, governança, população local.
Área temática: Etnoecologia
!
ETNOECOLOGIA E USO LOCAL DE MATUPÁS NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL AMANÃ, AMAZÔNIA CENTRAL.
Carolina Freitas1, Glenn H. Shepard Jr.2, Maria Teresa Fernadez Piedade1
1
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA;
2
Museu Parense Emilio Goeldi.
Matupá é um tipo de turfeira presente em lagos de várzea da Amazônia Central. São ilhas flutuantes de
material orgânico formadas a partir de um processo de sucessão vegetal, que se inicia com a
aglomeração de plantas aquáticas na superfície da água e, após certo tempo, resulta em um substrato
consolidado onde podem crescer espécies arbóreas, arbustivas e herbáceas. Há pouca informação, na
literatura científica, acerca da formação e processos ecológicos dessas ilhas, assim como sobre a
importância que têm para povos locais. Em viagens exploratórias realizadas na Amazônia, observou-se
que os matupás são utilizados por populações locais em atividade de pesca, caça e agricultura. Esse
estudo buscou diagnosticar o conhecimento local sobre os matupás e avaliar as potencialidades de uso
dessas ilhas. A partir de entrevistas realizadas com 35 ribeirinhos da RDS Amanã (médio Solimões,
Amazonas), foram registradas informações detalhadas acerca dos processos de formação e fatores
relacionados com o desenvolvimento dos matupás. Buscou-se abarcar o maior número possível de
entrevistados dentro do universo de habitantes adultos, incluindo homens e mulheres, de cinco
comunidades próximas a matupás. Quanto ao uso, pôde-se perceber que o substrato dessas ilhas é uma
importante fonte de adubo para o cultivo agrícola em canteiros, sendo reconhecido como tal pela
maioria dos entrevistados. Em 1/5 das entrevistas, houve registro do uso dos matupás como área de
cultivo agrícola propriamente dita, uma observação inédita na literatura. Os matupás também são
frequentados por pescadores em busca de espécies importantes como Arapaima gigas (pirarucu) e
Podocnemis unifilis (tracajá). Os ribeirinhos destacaram, ainda, a importância dos matupás para a
manutenção da diversidade e abundância de peixes nos lagos da região, elemento de grande relevância
na dieta desses povos. Os matupás representam um fenômeno ecológico pouco explorado na literatura
científica, oferecendo, portanto, uma rica oportunidade para pesquisas tanto ecológicas quanto
etnoecológicas.
Palavras-chave: conhecimento local, uso agrícola, pesca.
Área temática: Etnoecologia
!
CONHECIMENTO ECOLÓGICO TRADICIONAL SOBRE LUGARES DO PANTANAL E
SUA RELAÇÃO COM O BEM-ESTAR HUMANO.
Cristiane Lima Façanha1, Carolina Joana da Silva2
1
Rede de Biodiversidade e Biotecnologia, Universidade do Estado do Mato Grosso – UNEMAT;
2
Universidade do Estado do Mato Grosso – UNEMAT.
Esta pesquisa foi realizada na comunidade pantaneira Barra de São Lourenço, composta por 40
famílias, que residem no entorno do Parque Nacional do Pantanal. O objetivo foi verificar os lugares
do Pantanal que a comunidade conhece e a relação desses lugares com o bem-estar humano. Para
tanto, foi utilizada a técnica da Lista Livre com 15 pessoas da comunidade, amostradas pelo método
Bola de Neve, onde cada informante indicou outros que detêm o conhecimento dos lugares. Os dados
obtidos foram analisados com uso do software ANTHROPAC 4.9. A análise da lista livre mostrou que
o domínio cultural da comunidade concentra-se em 119 lugares. Nesta pesquisa, o valor de
concordância entre os informantes foi de 0.946, o que caracteriza a existência de uma uniformidade
entre as respostas. Observou-se que o domínio cultural sobre lugares conhecidos pela comunidade é
organizado entre os elementos água e terra, sendo mais indicados os lugares representados pelo
elemento água, o que pode estar relacionado ao fato da maioria dos entrevistados terem suas atividades
profissionais diretamente relacionadas à pesca. Com a análise das entrevistas verificou-se que cada
lugar citado possui pelo menos um serviço ecossistêmico, segundo os entrevistados, e que esses
serviços estão intimamente ligados ao bem-estar humano. Ainda segundo os entrevistados, os lugares
citados estão sob pressão de fatores antrópicos, indiretos e diretos, os quais agem nos serviços
ecossistêmicos, afetando o bem-estar humano.
Palavras-chave: conhecimento ecológico tradicional, serviços ecossistêmicos, bem-estar humano.
Área temática: Etnoecologia
!
IDENTIDADE SOCIAL E A RELAÇAO HOMEM-FLORESTA ENTRE OS COLETORES DE
PINHÃO NA SERRA CATARINENSE.
João Fert Neto1, Suyane Lamari Cabral1, Carolina de Oliveira1, Paulo Victor Berri1, Gabriel Goedert
Pauli1
1
Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC.
O objetivo do trabalho foi caracterizar a relação homem-floresta entre os coletores de pinhão, semente
da Araucária angustifolia, na Serra Catarinense, e procurar saber como eles se relacionam com a
floresta: qual a importância desta para as suas práticas culturais, quais seus conhecimentos sobre a
floresta e como estas relações influenciam na conservação da biodiversidade. Adotou-se a abordagem
teórico-metodológica da Teoria do Ator-rede de Bruno Latour, com ênfase na ideia de rede
socioambiental, adaptada da ideia de rede sociotécnica. Trabalhou-se com a hipótese de que, dada a
importância econômica do pinhão, haveria uma forte identidade como “coletor de pinhão” que
propiciaria uma forte relação de conhecimento e conservação da floresta. O estudo foi realizado no
município de Painel, maior produtor de pinhão do estado, localizado na região serrana de Santa
Catarina. Os atores pesquisados foram os proprietários rurais que têm como uma das suas principais
atividades a coleta e comercialização de pinhões. De um total de cinquenta e sete produtores
identificados como típicos produtores de pinhão, seguindo determinados critérios, foram sorteados e
entrevistados vinte e sete. Para a coleta de dados, utilizou-se entrevistas estruturadas e observação
participante, através do acompanhamento das atividades de colheita do pinhão e de oficinas com
participantes de um projeto de extensão florestal. Os resultados indicaram que os produtores de pinhão
se identificavam mais como “pecuaristas” do que “coletores de pinhão”, sendo as atividades florestais
pouco valorizadas socialmente. Concluiu-se que a pouca valorização da atividade florestal e a
identidade como pecuarista obstaculizaram uma relação mais íntima de conhecimento e de uso
sustentável das florestas na região. Isto pode ser corroborado pela própria história florestal da região,
marcada esta pela expansão da pecuária extensiva sobre as florestas, bem como a ocupação recente
através de reflorestamentos com pinus. Reforçado pelo status que o pecuarista desfruta nesse contexto.
Palavras-chave: Araucária angustifolia, coletores de pinhão, identidade social.
Área temática: Etnoecologia
!
CARIJOS E BARBAQUÁS NO RIO GRANDE DO SUL: A CONSERVAÇÃO AMBIENTAL E
A CONTINUIDADE DA AGRICULTURA CAMPONESA, NO ÂMBITO DA FABRICAÇÃO
ARTESANAL DE ERVA-MATE.
Moisés da Luz1, João Valentim Cavalheiro da Luz2, Delci da Luz2; Fábio Kessler dal Soglio1, Rumi
Regina Kubo1
1
PG em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.
O processo de fabricação artesanal de erva-mate (Ilex paraguariensis A. St.-Hil.) é uma prática antiga,
provinda dos povos indígenas das bacias dos rios Paraguai, Paraná e Uruguai, entre os quais, os
Guaranis e Kaingangs. Ao longo do tempo verifica-se um processo transformação tecnológica, em
vista da modernização na agricultura e da industrialização do processamento da erva-mate. O objetivo
deste trabalho é mostrar a importância do conhecimento etnoecológico para a manutenção e
conservação dos recursos naturais, assim como para a prosperidade de agricultores familiares, dentro
de uma perspectiva de integração entre humano e natureza. O levantamento de dados foi feito através
de entrevistas e observação participante, com sete famílias de agricultores familiares, os quais foram
selecionados por manterem esta prática tradicional. Na abordagem etnoecológica, descreveu-se a
fabricação artesanal da erva-mate, desde o corte do vegetal, até o soque da erva, resultando no produto
do chimarrão. Também foram abordados diferentes parâmetros relacionadas à conservação ambiental,
tais como o conhecimento sobre espécies nativas, a utilização de lenha para a secagem, o plantio de
mudas de espécies nativas, e o manejo de sistemas agroflorestais. Na perspectiva da resistência
camponesa, identificou-se, como um dos elementos fundamentais para a continuidade da fabricação
artesanal de erva-mate e do modo de vida camponês, a coprodução, manutenção e incremento da base
de recursos. Portanto, descobriu-se, que entre esses agricultores, a prosperidade está intimamente
ligada à conservação ambiental. Portanto, conclui-se que a degradação e supressão das matas e a perda
de diversidade e qualidade na base de recursos, são incoerentes com a perspectiva de continuidade da
agricultura camponesa. Por outro lado, de acordo com a análise da sucessão familiar na agricultura
camponesa, inferiu-se que a conservação ambiental será próspera, apenas se houverem sucessores, que
continuem a gestão da unidade agrícola, com base no modelo de agricultura camponesa.
Apoio: CAPES
Palavras-chave: agricultura familiar, etnoecologia, desenvolvimento rural.
Área temática: Etnoecologia
!
INTERFACE DO CONHECIMENTO ECOLÓGICO LOCAL COM A RESTAURAÇÃO
ECOLÓGICA.
Takumã Scarponi1, Aline Gonçalves2, Nivaldo Peroni3, Natalia Hanazaki3
1
PPG em Ecologia, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC;
2
PPG em Biologia Vegetal, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC;
3
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
Muito se têm discutido sobre o papel do conhecimento ecológico de populações tradicionais e
estratégias de conservação e manejo de recursos naturais, assim como a necessidade de restauração de
ambientes degradados. Contudo, a relação entre essas duas questões ainda precisa ser melhor
esclarecida. Os objetivos desse trabalho foram analisar a interface entre conhecimento local e
restauração florestal através da revisão de literatura, investigando as formas de manejo utilizadas por
grupos humanos e seus modos de vida. Foram realizadas análises de artigos obtidos nos indexadores
Scopus e ISI Web of Science, com uso de palavras-chave. Assim, foram encontrados para a
combinação de traditional community e restoration, 273 artigos; para indigenous knowledge e
restoration, 63 artigos; para ethnobotany e restoration, nove artigos e ethnoecology e restoration,
apenas um artigo. A análise das publicações revelou enfoques desde o conhecimento sobre sucessão
ecológica para controle de espécies invasoras até os que avaliaram diversas formas de manejo de
agroflorestas nos trópicos. Práticas como plantio direto de sementes, desbaste, facilitação e condução
da regeneração natural foram as principais formas de manejo observadas. Igualmente, observou-se que
o conhecimento local sobre processos e estágios sucessionais é alto e recorrente nos artigos analisados.
A estreita relação entre populações e os ambientes ao longo do tempo sustenta a hipótese de que
muitos grupos humanos podem ter criado ambientes através de práticas agrícolas e florestais,
relacionados à fatores econômicos e culturais. Assim, como a restauração ecológica visa ao retorno de
um ecossistema, perturbado ou degradado, por meio de atividades intencionais, torna-se essencial a
integração de saberes nas estratégias de manejo em longo prazo e em grandes áreas. A restauração,
vista de forma integrada, deve envolver pessoas e suas demandas, com compatibilidade entre
conservação e desenvolvimento de agroflorestas, em ações que visem manejar ambientes degradados,
o que resultaria no conceito de etnorestauração.
Palavras-chave: agroflorestas, modos de vida, populações tradicionais.
Área temática: Etnoecologia
!
DINÂMICA POPULACIONAL DE Butia catarinensis Noblick & Lorenzi E A INFLUÊNCIA
DO MANEJO NA ESTRUTURA POPULACIONAL NO LITORAL CENTRO-SUL DE SANTA
CATARINA.
Ricardo Filipe Riffel1, Bianca Lindner1, Ricardo Teles Baldino1, Mário Tagliari1, Nivaldo Peroni1
1
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
Neste estudo avaliamos a estrutura populacional de Butia catarinensis, uma Arecaceae endêmica da
região Sul do Brasil. Esta possui grande importância socioeconômica para coletores locais que utilizam
seus frutos na fabricação de alimentos para posterior comercialização, sendo um importante
complemento de renda. Este manejo é enfatizado por diversos autores como sendo de suma
importância na conservação da biodiversidade. Avaliamos a influência que o extrativismo pode ter em
uma população para quatro pontos de coleta: Imbituba, Laguna, Florianópolis e Palhoça, todos em
Santa Catarina. As amostragens populacionais foram feitas por meio de parcelas com 10m x 20m,
sendo que o número de parcelas utilizadas em cada população era significativo para representar a
mesma. Em cada parcela foram localizados e numerados todos os indivíduos de Butia catarinensis e
caracterizados os seus respectivos estágios ontogenéticos, a altura e a presença de evidências
reprodutivas, como cachos com frutos, inflorescências e espádice. Os municípios de Laguna e
Imbituba apresentaram a maior proporção adulto por plântula amostrados, evidenciando serem
populações antigas e bem estruturadas. O manejo é bastante intenso nestas populações, evidenciando
seu caráter preservativo ao passo que não está diminuindo o recrutamento de novos indivíduos, e
auxilia na conservação dos adultos já existentes. As populações de Florianópolis e Palhoça
apresentaram poucos indivíduos adultos e bastante plântulas. A população de Palhoça sofreu
recentemente uma queimada e apresentou apenas um indivíduo adulto enquanto a quantidade de
plântulas presente nesta área foi consistentemente maior que nas outras, mostrando uma possível
estratégia reprodutiva adotada por Butia catarinensis, após uma situação de estresse. A população de
Florianópolis se encontra em uma praia bastante movimentada, sofrendo intensamente a influência de
transeuntes, porém esta área, apesar de muito pequena e com pouco espaço para crescer, apresenta
muitas plântulas e está se sustentando apesar das adversidades.
Palavras-chave: Butia catarinensis, conservação, estrutura populacional.
Área temática: Etnoecologia
!
EM BUSCA DA TERRA SEM MALES: AS ROMARIAS DAS ÁGUAS E DA TERRA E A
ECOLOGIA DO CATOLICISMO POPULAR.
Emmanuel Duarte Almada1, Leon Afonso de Souza2
1
Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais - NEPAM, Universidade Estadual de Campinas UNICAMP; Núcleo de Pesquisa e Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas em Áreas Úmidas
Brasileiras - NUPAUB, Universidade de São Paulo - USP;
2
Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.
A importância das experiências religiosas como mediadoras das relações entre seres humanos e
ambiente é um tema crucial para as pesquisas etnoecológicas. Além de entender como os elementos
dos ecossistemas se inserem nos rituais e celebrações religiosas, há o desafio de se compreender as
implicações das cosmologias de cada sistema religioso na forma de estar no mundo de seus praticantes.
Neste trabalho, buscamos refletir sobre as implicações da articulação entre o discurso ecológico e o
catolicismo popular no Brasil, a partir da experiência das Romarias das Águas e da Terra em Minas
Gerais. Com a emergência de um catolicismo de base popular na América Latina, que resultou na
Teologia da Libertação, a dimensão ecológica foi sendo cada vez mais incorporada na prática e no
discurso de parte considerável dos movimentos religiosos. Desde a década de 80 realizam-se
anualmente no Brasil as Romarias das Águas e da Terra, organizadas por movimentos e pastorais
sociais. Após uma semana de missões na cidade sede refletindo a temática escolhida, a chegada de
centenas de romeiros e romeiras de todas as regiões do estado culmina numa grande celebração, de
caráter sincrético e inter-religioso. A partir da observação participante em Romarias realizadas em
Minas Gerais, entre 2004 e 2010, é possível indicar algumas características do ecologismo popular por
elas fomentado: a) dimensão política das questões ambientais, evidenciando a luta por territórios e
direitos de comunidades rurais e tradicionais; b) valorização da dimensão sagrada das águas e da terra
em contraponto ao processo de mercantilização destes elementos e c) indissociabilidade entre ecologia,
religião e ação política. As Romarias, além de espaços celebrativos, representam o desejo e as lutas das
comunidades espalhadas pelo país, em busca da Terra Sem Males da Mitologia Guarani, do Reino de
Deus que começa agora e da Justiça Socioambiental.
Palavras-chave: teologia da libertação, religiosidade popular, socioambientalismo.
Área temática: Etnoecologia
!
ESTUDOS ETNOICTIOLÓGICOS DE PEIXES AMAZÔNICOS NA AMAZÔNIA CENTRAL.
Liane Galvão de Lima1, Gisele Batista Correia1
1
Estudante de PPG CIPET/UFAM
Na Amazônia a pesca é uma das atividades mais tradicionais e de grande importância na economia e
na cultura da região. O objetivo desta pesquisa foi realizar um estudo etnoictiológico com os
pescadores da Comunidade Nossa Senhora de Aparecida, no lago Catalão – AM sobre a diversidade de
peixes, a fim de subsidiar futuros projetos de manejo participativo de recursos pesqueiros. Foram
aplicadas entrevistas semiestruturadas com os pescadores mais experientes, abordando aspectos
pessoais (experiências, relações sociais na pesca) e biológicos (reprodução, alimentação, predação,
migração, mortalidade e recrutamento) das espécies mais consumidas pela população local, no período
de abril a agosto de 2011. Foram registradas (por escrito) sete (07) entrevistas, com duração de 40
minutos a cerca de 1 hora 30 minutos. A análise comparativa dos dados científicos com o
conhecimento local foi realizada através de tabelas dinâmicas, gráficos, histogramas, médias e
intervalos de confiança. Foram descritas a ecologia e a biologia de oito (08) etnoespécies, a saber: pacu
(Mylossoma sp. e Myleus sp.), acará (Astronotus sp.), piranha (Serrasalmus sp. e Pygocentrus sp.),
sardinha (Triportheus sp), curimatã (Prochilodus nigricans), matrinxã (Brycon amazonicus) e tucunaré
(Cichla sp.). Concluímos que o conhecimento etnoictiológico sobre os peixes consumidos na área de
estudo é extenso, e apresenta uma elevada concordância com o conhecimento científico existente na
região, principalmente nos aspectos de tamanho de maturação sexual, per&