Dia das Missões

Propaganda
Coisas que é preciso contar!
Dia das Missões
Pe. Alfeu Piso
__________________________
a.
Quando a gente participa de alguma coisa que mexe com a gente, essa
coisa vira notícia. Se a gente participou de um encontro, ou, de um show
com uma pessoa famosa, ou, se participou de uma boa festa, ou, de uma
boa excursão, ou ainda, se fez um bom negócio, ou, se entrou numa
encrenca. Tudo isso virá notícia.
b.
Tudo isso virá notícia. E a gente sai esparramando por aí. A gente quer
partilhar com os amigos. E não se cansa de falar e de fazer com que os
outros entendam nossas emoções e delas participem. A gente fala. Fala
dessas coisas no ambiente de trabalho, fala enquanto aguarda numa fila,
fala durante a viagem, fala em todos os lugares e oportunidades, até que
novos acontecimentos nos envolvam. E há coisas que nunca serão
esquecidas, mesmo se se tornam passadas e se deixam de ser novidades.
Aquelas experiências que impactam a vida e entram na biografia da pessoa.
Isso vira notícia! A gente fala com gosto!
c.
Assim aconteceu com Jesus!
Jesus é o Filho de Deus, aquele que, desde sempre esteve com o Pai e o
Espírito Santo, na plenitude da vida e do amor. O Pai o enviou ao nosso
mundo para nos comunicar a plenitude da vida e do amor. Ele foi o
Missionário por excelência do Pai. Pois, “muitas vezes e diversos modos
outrora Deus falou aos nossos pais pelos profetas. Ultimamente nos falou
por seu Filho” (Heb 1,1). Em Jesus, Deus nos falou e nos comunicou tudo
o que podia comunicar de si. Em nosso mundo, o Filho de Deus viveu
como Jesus, filho de Maria de Nazaré.
d.
Ele veio para nos contar o mistério de Deus e nos convidar a dele
participar. Veio dizer que nossa vida humana pode render muito mais do
que rende, e, pode buscar muito mais do que busca. A vida é muito, muito
mais do que o pouco que dela nos contentamos em viver.
Jesus contou para nós o que ele vê, o que ele ouve e o que ele vive junto do
Pai e do Espírito Santo. Ele veio falar das coisas da eternidade. Veio falar
das coisas do céu. E deu para nós uma demonstração de como Deus trata
esse mundo. Sua vida foi, toda ela, um grande gesto de amor, de
misericórdia e de alegre ternura. E que todas essas coisas são oferecidas
para nós. “Eu vim para que todos tenham vida e atenham em abundância”
(Jo 10,10). E mais adiante, ele nos diz: “Eu vos disse essas coisas para que
a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa” (Jo 15,11).
2
Jesus não veio ao nosso mundo pedir e buscar algo de que Deus necessite.
Veio trazer gratuitamente tudo aquilo de que o mundo precisa. Não veio
buscar! Veio trazer! Ele veio para trazer e oferecer gratuitamente tudo
aquilo que é superabundância em Deus: Vida, Amor, Paz, Alegria!
e.
Jesus chamou a tudo isso, sua presença, seus ensinamentos, suas
atividades, chamou a tudo isso de “Evangelho de Deus”. Evangelho! A
Boa nova, a notícia de primeira página. A manchete anuncia: “Deus ama o
mundo apaixonadamente” (cf. Jo 3,16). E “quer que todos se salvem e
cheguem ao conhecimento da verdade” (1Tm 2,4). E por amor, o Pai envia
seu Filho para viver a nossa humanidade, com a força do Espírito Santo.
Ele trouxe ao nosso mundo a graça da filiação, a graça da fraternidade, um
programa de convivência, que é seu Evangelho, para que a vida humana, e,
toda vida, tenha chance e dê certo.
f.
Os que viveram com Jesus, no tempo de sua vida terrena, eram homens e
mulheres religiosos, já habituados a viver as coisas de Deus, na prática
religiosa do povo de Deus. Mas, quando esses homens e essas mulheres
conheceram Jesus e escutaram o seu evangelho, viram seu modo de agir, o
seu jeito de viver, logo ficaram fascinados e encantados por Ele. Jesus
fazia o que ele falava e falava o que fazia. Era pura transparência. Nele não
havia falsidade alguma (cf. Jo 8,46).
Esses homens e mulheres passaram a seguir Jesus, como discípulos e
discípulas, como aprendizes das coisas de Deus e como participantes das
coisas do céu. Eles não podiam perder a oportunidade de conviver com
esse homem chamado Jesus.
g.
Jesus fascinou e encantou! Falava como quem tem autoridade. Até seus
adversários reconheciam: “Jamais homem algum falou como este homem”
(Jo 7,46. Sua ternura e sua misericórdia, para com os doentes, pobres,
pecadores e excluídos, impressionavam a todos: E o povo, alegre, dizia:
“Nunca vimos coisa semelhante!” (Mc 2,12).
h.
Os que participavam dessas coisas com Jesus saiam falando. E Jesus virou
notícia! E “as notícias dessas coisas se espalharam por toda a região e de
todos os lugares vinham a ter com ele” (cf Mt 4,24s).
Assim, aqueles que encontravam Jesus se tornaram seus e alegres
missionários e missionárias de Jesus. Todos sentiam que era preciso falar
de Jesus. Jesus e seu Evangelho eram notícia que corria de boca em boca e
era acolhida em cada coração. E as multidões se aglomeravam junto dele.
i.
As coisas eram assim. E assim continuam sendo, pois, Jesus vive! Nós nos
reunimos em seu nome: “Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de
Cristo”. Aclamamos que “Ele está no meio de nós”. Pois, ele disse “Onde
3
dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou no meio deles” (Mt
18,20). “Eu estou convosco todos os dias” (Mt 28,20). Dizemos que o
Evangelho, ouvido em nossas assembléias, é a sua Palavra da Salvação.
Reunimo-nos em torno da mesa eucarística e proclamamos que ali está
Jesus entregando-se a nós como comida e bebida de vida eterna. Tudo isso
é possível, porque, pela Ressurreição, Jesus o crucificado, vive com a
mesma atualidade como ele vivia a sua vida terrena. E ele nos dá a graça
de crer. Ele fecunda nossa inteligência com a sua sabedoria divina, para
que possamos senti-lo presente, vivo, atuante.
Jesus continua a ser aquela pessoa que encanta, fascina e nos fala com
sabedoria divina as coisas da vida e as coisas de Deus. Assim, nós vivemos
nas nossas celebrações as mesmas experiências que os primeiros
seguidores de Jesus viviam com Ele, no tempo de sua vida terrena.
j.
Mas lá, naquele tempo, Jesus virou notícia!
E por que hoje a nossa experiência de Jesus morre dentro da celebração? A
gente vem às celebrações, canta, ora, mas saí sem nada para dizer de Jesus.
Por que a nossa experiência de Jesus não vira notícia em nossas casas, no
ambiente de trabalho, nas conversas entre amigos, nas escolas, nas viagens,
nas salas de espera? Se é que nossas celebrações nos permitem fazer uma
experiência com o Cristo vivo!
Ou talvez, porque nós mesmos não estamos muito convencidos de que
Jesus e seu Evangelho são fundamentais para o acerto da vida humana e
para a sua plenitude. Será que estamos convencidos de que não podemos
viver sem Jesus e sem seu Evangelho? Será que estamos convencidos de
que, sem Jesus e sem seu Evangelho, a pessoa humana e a sociedade viram
fracasso e se transformam em seu próprio risco e ameaça?
k.
Por outro lado, torna-se difícil fazer Jesus e seu Evangelho ser notícia no
mundo de hoje, porque em geral não é isso o que o povão quer saber e quer
ouvir, uma vez que Jesus e seu Evangelho não fazem falta para se viver o
que se quer viver, e, para viver o que se vive hoje. “A respeito disso te
ouviremos outra vez” (At 17, 32).
Hoje, poucos se preocupam e se ocupam com a totalidade da vida e com a
totalidade da pessoa humana. Em nosso mundo, as pessoas vivem
preocupadas e ocupadas mais com sua vida física, social, econômica. Mais
do que por salvação, a grande maioria procura por saúde, beleza, estética,
prazer, sucesso, poder. Quer-se estar de bem com a vida, viver bem, ter
conforto. E disso o evangelho do consumismo dá conta. E muitos
procuram mais pela salvação pós morte do que pela salvação antecipada
em nosso mundo, configurada com uma civilização do amor, da justiça e
da paz. A alma humana fica engessada, escondida e amordaçada dentro das
pessoas. O mundo pouco está acreditando e pouco está empenhado em
4
edificar uma sociedade filial, fraterna, solidária, justa e pacífica. Cada um
cria seu mundinho e alimenta esse mundinho com os pequenos fragmentos
de prazer, com os pequenos aplausos do sucesso. E esconde o resto, seu
vazio existencial, por debaixo do tapete da beleza, da estética e da vaidade
do ter e do poder.
Parece que Deus já não faz falta para o mundo. E parece que Jesus e seu
Evangelho estão sobrando.
l.
E daí vem a Igreja hoje, insistindo que, os cristãos e as cristãs,
principalmente os que vivem a experiência de Jesus, na mesa da Palavra de
Deus e na mesa do Pão da Vida, façam que Jesus e seu Evangelho virem de
novo notícia e recriem o encanto, o apetite, o fascínio pelas coisas de Deus.
Pois, tais coisas, as coisas de Deus, são as verdadeiras coisas da vida. O
nosso mundo está precisando de mais céu para ser mais humano.
A Mãe Igreja apela para que todos seus filhos e filhas, gerados na fonte
batismal e ungidos no Espírito com o óleo do crisma, alimentados com a
caridade divina na eucaristia, vivam intensamente a graça de serem
discípulos e discípulas e completem essa graça, sendo alegres missionários
e missionárias de Jesus.
Todos prestem atenção e escutem de novo, com os próprios ouvidos: “Ide
por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for
batizado será salvo e quem não crer será condenado”. Essas palavras não
são recordações ditas para outros no passado, mas são palavras do Senhor
no hoje de nossa vida.
m.
E não se perca nenhuma oportunidade de testemunhar e de anunciar que
nesse homem, Jesus de Nazaré, Deus oferece ao nosso mundo todo o seu
amor salvífico. E quem quer lidar com a totalidade da vida humana e
pensar em salvação dessa totalidade, precisa se encontrar com Jesus de
Nazaré e manter-se em comunhão com ele e viver o seu Evangelho de
Salvação. “Em nenhum outro há salvação” (At 4,12).
_________________________________________________________
Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e
for batizado será salvo e quem não crer será condenado”.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards