estrutura_interna_da_Terra (1)

Propaganda
Visualização do documento
estrutura_interna_da_Terra (1).doc
(165 KB) Baixar
A Terra e suas estruturas
Praticamente quase toda informação que temos do interior da Terra são de evidências indiretas. A
Terra é de diferentes densidades e composta por matérias que se diferenciam na composição e
temperatura, os limites entre eles são estabelecidos por descontinuidades. Sendo assim, dizemos
que a Terra é composta pela Crosta, Manto e Núcleo, que forma a estrutura interna e pela a
litosfera, hidrosfera e atmosfera, que formam a estrutura externa.
Estrutura interna da Terra
A estrutura interior da Terra é formada por três camadas principais:

Camada externa (crosta terrestre)

Manto (ou camada intermediária)

Núcleo
Crosta
Representa apenas 1% da massa do planeta. Sua origem ocorreu a partir do resfriamento do
magma; sendo, portanto, a camada superficial. É a camada externa de rocha sólida em constante
movimento devido ao movimento das placas tectônicas. Basicamente é formada por composição
de granito nos continentes e basalto nos oceanos. Quando comparada ao restante do planeta ela é
tão fina quanto à casca em uma maçã. Sua espessura varia: a crosta continental tem cerca de 40
km e a crosta oceânica tem algo em torno dos 7 km.
Podemos dividir a crosta terrestre (litosfera) em três camadas diferentes:

Camada sedimentar superficial: constituída por rochas sedimentares que, em certos
lugares pode atingir vários metros de espessura, já em outros desaparece.

Camada granítica intermediária: é constituída por rochas cuja composição é semelhante
ao granito. Essa camada também é chamada de SIAL devido os minerais ou os elementos
químicos mais comuns encontrados nessa espessura da crosta ser o Silício e o Alumínio.

Camada basáltica inferior: é bastante semelhante ao basalto. É também chamada de
Sima devido os minerais ou os elementos químicos mais comuns encontrados nessa
espessura da crosta ser o Silício e Magnésio.
IMPORTANTE: Nas regiões montanhosas a crosta pode alcançar 65 km de espessura. A Crosta
Continental flutua acima de material muito denso do manto, à semelhança dos icebergs sobre os
oceanos. Esse é o Princípio da Isostasia que assegura que as “leves” áreas continentais flutuem
sobre um Manto de material mais denso.
Manto
É a segunda camada da Terra, formada por minerais, como o Silício, o Ferro e o Magnésio. Está
logo abaixo da crosta, dividido em manto superior e inferior. O superior fica logo abaixo da crosta,
com uma temperatura relativamente baixa de 100° C. Já o manto inferior tem temperaturas
beirando os 3000° C, com uma consistência parcialmente fundida, semelhante ao magma expelido
pelos vulcões. Essa camada não é homogênea, ao contrário, ela apresenta pontos de maior
temperatura e velocidade (hotspots), que encontram um caminho até a superfície, como no caso
do Havaí, cujo vulcão é ativo devido a um hostpot que criou uma "fileira" de ilhas ao longo do
tempo. Crosta e manto estão separados pela Descontinuidade de Mohorovicic, ou Moho para os
íntimos.
Núcleo
O núcleo corresponde a 1/3 da massa da Terra e contém basicamente elementos metálicos, Ferro
e Níquel, podendo conter algum Silício e Enxofre.
É o reduto mais profundo e oculto do planeta, um lugar onde os cientistas podem apenas
conjecturar. Separado do manto pela Descontinuidade de Gutenberg, que fica a 2.700-2.890 km
de profundidade, o núcleo se divide em duas partes, o externo que muito possivelmente está em
estado líquido e o interno que apesar de ter a mesma composição do externo, deve ser sólido devido
à altíssima pressão sobre ele. A temperatura do núcleo interno é de cerca de 5000°C, um pouco
abaixo da temperatura da superfície do Sol. Estudos recentes mostram que o núcleo interno gira
um pouco mais rápido que a Terra e que a corrente gerada por ele é a responsável pelo nosso
campo magnético.
Estrutura externa da Terra
Litosfera: A litosfera, com espessura de aproximadamente 100 Km, engloba as rochas da crosta
terrestre (continental e oceânica) e uma parte do manto superior, como uma unidade rígida. É
caracterizada por altas velocidades e eficiente propagação das ondas sísmicas, implicando
condições naturais de solidez e de rigidez de material. A litosfera é a responsável pelos
processos da Tectônica de Placas e pela ocorrência dos terremotos.
Astenosfera: profundidade de até 700 km de profundidade faz parte do manto superior e é
composta por rochas fundidas dentro dessa estrutura predominantemente sólida. Na astenosfera as
ondas propagam-se com uma velocidade menor do que na litosfera, o que leva alguns autores a
designá-la por zona de fraqueza ou de baixa velocidade. A astenosfera constitui uma camada
importante na mobilidade da litosfera, não só por ser constituída por materiais plásticos, mas
também por nela se desenvolverem as correntes de convexão. As condições de pressão e de
temperatura permitem a fusão parcial de alguns constituintes.
Mesosfera: é uma larga camada sólida, com densidade muito superior a das rochas encontradas
na superfície terrestre. Zona rígida entre a astenosfera e o núcleo.
Endosfera: Compreende o núcleo interno e o núcleo externo.
Hidrosfera: A hidrosfera é formada pelas águas oceânicas e águas continentais, incluindo os
lençóis subterrâneos e o vapor aquoso da atmosfera.
Atmosfera: A atmosfera é a camada de ar ou envoltório gasoso que cobre a Terra.
Métodos de investigação do interior da Terra
O estudo da estrutura interna da Terra tem por base métodos muito diversificados, diretos ou
indiretos.
Para o estudo direto da estrutura interna da Terra contribuem métodos como a observação e o
estudo direto da superfície visível, a exploração de jazigos minerais, as sondagens e a análise de
magmas e xenólitos.
No estudo indireto da estrutura da Terra são utilizados métodos indiretos que incluem a
planetologia, a astrogeologia e a geofísica.
Métodos Diretos

Afloramentos rochosos à superfície,

Vulcanismo,

Sondagens e

Geotermia.
Os estudos aprofundados dos afloramentos rochosos à superfície são de grande importância para
o conhecimento da estrutura interna da Terra. Algumas rochas que têm a sua origem em
profundidade podem aflorar à superfície. Para isso é necessário que sejam submetidas a forças que
as façam ascender e, posteriormente, sejam postas a descoberto pela erosão. O vulcanismo, no seu
sentido limitado, é um fenómeno superficial, pois os produtos emitidos na superfície e a formação
do aparelho vulcânico podem ser observados diretamente. Mas as causas do vulcanismo são de
origem profunda. A matéria fundida (magma) que alimenta os vulcões forma-se no interior da
Terra em consequência de perturbações do equilíbrio normal.
Métodos Indiretos

Magnetismo,

Sismicidade,

Estudo dos meteoritos e

Astrogeologia.
A análise sismológica dos muitos sismos (tremores de terra) que ocorrem em todo o planeta Terra,
em regiões, atualmente, bem conhecidas, foi um dos principais métodos que levou à concepção de
um modelo para a estrutura da Terra.
As ondas sísmicas propagam-se através dos corpos por intermédio de movimentos ondulatórios,
como qualquer onda, dependendo a sua propagação das características físico-químicas dos corpos
atravessados.
Observando o esquema apresentado do lado esquerdo, podemos dizer que as ondas sísmicas
classificam-se em dois tipos principais:
1. As ondas que se geram nos focos sísmicos e se propagam no interior do globo, designadas
ondas interiores, volumétricas ou profundas (1 e 2).
2.
As ondas que são geradas com a chegada das ondas interiores à superfície terrestre,
designadas por ondas superficiais (3 e 4).
As ondas interiores são de dois tipos:
1. Ondas primárias, longitudinais, de compressão ou simplesmente ondas P - correspondem
a um movimento vibratório em que as partículas dos materiais rochosos oscilam para frente
e para trás (1), na mesma direção de propagação do raio sísmico, comprimindo e
distendendo as rochas alternadamente; a direção de vibração das partículas é a mesma da
propagação da superfície de onda; são as mais rápidas e, portanto, as primeiras a atingir a
superfície terrestre, daí também a designação de ondas primárias.
2. Ondas transversais, de cisalhamento ou simplesmente ondas S - provocam vibrações nas
partículas numa direção perpendicular ao raio sísmico (2), isto é, as partículas que
transmitem as ondas vibram perpendicularmente à direção de propagação da onda;
propagam-se com menos velocidade do que as ondas P, atingindo a superfície terrestre em
segundo lugar, sendo, também, designadas por ondas secundárias.
As ondas P propagam-se nos meios sólidos, líquidos e gasosos, havendo variação de velocidade
quando passam de um meio para o outro, enquanto as ondas S apenas se propagam nos meios
sólidos. A velocidade das ondas P e S variam com as propriedades das rochas que atravessam,
nomeadamente com a sua rigidez e com a sua densidade.
Com a chegada das ondas interiores à superfície geram-se ondas superficiais que são, em geral, as
causadoras das destruições provocadas pelos sismos de grande intensidade. Nas ondas superficiais
distinguem-se dois tipos:
1. Ondas de Love ou ondas L, que são ondas de torsão, em que o movimento das partículas
é horizontal e em ângulo reto (perpendicular) à direção de propagação da onda (3)
2.
Ondas de Rayleigh ou ondas R, que são ondas circulares em que o movimento das
partículas se produz num plano vertical àquele em que se encontra a direção de propagação
da onda (4). As ondas superficiais propagam-se com menor velocidade que as ondas P e S.
Dinâmica interna e externa do planeta Terra - modificações no relevo.
Dinâmica interna
Produzida pela energia interna do planeta provinda do núcleo que desencadeia uma série de
fenômenos que resultam na movimentação das placas tectônicas, causando assim, modificações
estruturais.
Os fenômenos internos são:

Tectonismo: compreende a movimentação que causam deslocamento e deformação nas
rochas da crosta.

Movimentos epirogênicos: são os movimentos verticais, provocam abaixamento ou
erguem a crosta. Normalmente ocorrem em regiões mais estáveis geologicamente.

Movimentos orogênicos: esses movimentos dão origem às montanhas, tem pequena
duração geologicamente falando, mas provocam grandes transformações.

Dobramentos: quando as rochas sofrem transformações por serem submetidas a esforços
advindos do interior da Terra.

Falhamento: também ocorrem quando as rochas são submetidas a esforços internos,
porém em substratos mais resistência que ao invés de dobrarem acabam fraturando-se.

Vulcanismo: são fenômenos relacionados às atividades vulcânicas onde o magma do
interior da Terra ascende à superfície.
Dinâmica externa
São produzidas por agentes externos à crosta do planeta desencadeados pela energia solar e ela
ação dos seres vivos.
Os fenômenos externos são:

Água: é a grande responsável pela grande parte da erosão na superfície terrestre, atua na
forma de rios, chuva, escorrimentos superficiais e subtérreos. É responsável pelos
processos de desgaste e transporte de sedimentos.

Gelo: o deslocamento de geleiras provoca grande erosão na superfície terrestre.

Vento: é um agente esculpidor que atua principalmente em regiões desérticas, provocando
destruição e acumulação.

A temperatura, os microorgani...
Arquivo da conta:
llvilson
Outros arquivos desta pasta:


Apresentação1.pptx (841 KB)
 Geologia_aula_1.pdf (2336 KB)
estrutura_interna_da_Terra (1).doc (165 KB)
 Geologia_aula_1.pptx (3511 KB)
 Geologia_aula_2.pdf (4529 KB)
Outros arquivos desta conta:

2030 Quest de Port e Interpr de Txts
 Álgebra-Cálculo
 Cálculo
 Ciência dos materiais
 Concreto
Relatar se os regulamentos foram violados








Página inicial
Contacta-nos
Ajuda
Opções
Termos e condições
Política de privacidade
Reportar abuso
Copyright © 2012 Minhateca.com.br
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards