Estudos de glotologia indo-europêa : uma nova etimologia dum

Propaganda
Estudos de Glotologia indo-europêa
UMA NOVA ETIMOLOGIA DUM VERBO
Supomos ter encontrado o étimo duma série de verbos
com a significação de "haver” nos domínios grego, latino
e germânico.
E' certo que várias etimologias teem sido propostas
para os explicar, mas essas etimologias estão sujeitas a graves
objecções e sofrem do defeito de separarem verbos que,
pela identidade de sentido e de função, procedem evidentetemente da mesma origem.
Uma etimologia que reunisse todos esses verbos, cingindo-se às possibilidades fonéticas, ofereceria, sem dúvida,
grandes verosimilhanças.
E' uma hipótese com essas aspirações que o leitor vai
ler e julgar.
O verbo "haver” tem o seu quê de misterioso. Parece
que em sânscrito se deveria encontrar verbo semelhante
na forma e no sentido, paralelo aos que correm pela Europa, e não se encontra; parece .também que a comunidade de origem do lat. habeo e do got. haban, p. ex., deveria
estar fora de discussão, e no entanto não está: a lei de
Grirmm protesta; finalmente, o lat. habeo e o grego ,
estão foneticamente (supõe-se) separados por um abismo, e
103
todavia ambos têem o mesmo sentido e assumem identicamente, por vexes, as funções de auxiliares.
. Mas ainda outra singularidade nos apresenta esse verbo
extranho.
Disfarça-se tão bem, quando aglutinado a outro verbo,
que, para ser descoberto, é quási preciso génio, e, ainda
quando descoberto, persistem disputas acerca da sua identidade. Lembremo-nos cio que sucedeu com a descoberta
do humanista espanhol António de Nebrissa, da formação
do futuro românico e das dificuldades que houve na adopção
das suas ideias (').
Quando já era admitida por todos a teoria da formação
do futuro e do condicional, surge o sábio e fantasista autor
da "Fascinação de Gulfi", o célebre Bergmann, sustentando
que tal doutrina não era verdadeira, que nem futuros nem
condicionais tinham a origem que se lhes atribuía, mas sim
que provinham do futuro perfeito latino (2).
O mesmo sucede com o perfeito do verbo espanhol
andar que evidentemente é formado com o verbo haber.
Há no entanto quem se recuse a ver aí esse verbo (3).
Esta propriedade de tão bem se ocultar o verbo "haver”
é certamente a causa de não ter sido encontrada a sua etimologia nem o seu correspondente em sânscrito.
Na verdade, ?pode conceber-se que verbo tão antigo e
tão divulgado não tivesse correspondente em sânscrito e nas
outras línguas indo-europeias da Ásia? ?Pode conceber-se,
também, que esse representante, se acaso existir, não tenha
funções de verbo auxiliar?
As formas que temos de reunir, são o lat. habeo, o gr.
, e duas séries paralelas germânicas, a saber (4):
(1) Adolfo Coelho —Teoria da Conjugação em latim e português,
1870, pag. 116.
(2) Bergmman — Cours de Linguistique, etc. Paris, 1876, pág. 222.
(3) P. ex. Commerlan y Gomez —Grammatica-Comparada de Ias
lenguas Castelana y Latina, Madrid, 1889, pag. 153.
(4) Além das que damos em quadro, há formas semelhantes no
velho nórdico, etc. V. Ulfias-Veteris et Novis Testamentis versionis Go-
104
2. a Série. . .
Velho alto alemão
Gótico
V. Inglês
eigan (1)
aigan (2)
agan (3)
haben
haban ou
hafyan (5)
ou
hafjam (4)
hebban
ou
haf-ian
(6)
. Todas estas formas têem o sentido de "haver,,, "possuir,,,
todas elas, com mais ou menos intensidade, têem servido de
verbos auxiliares. Um exemplo de que as duas formas na
mesma língua tiveram essa função, pode ler-se em Bopp.
"Além do auxiliar que se tornou em alemão moderno haben,
o velho alto alemão serve-se ainda para os seus perfeitos,
do verbo eigan (mesmo sentido),,(7). No gótico encontramse perfeitos perifrásticos com o auxiliar haban, ex. taujam
haba (8). A origem das formas haben, hebban e haban tem
sido dada como sendo a raiz Khaoh, a mesma que entra em
Capio. De acordo com as leis fonéticas, esta etimologia,
não convêm contudo pelo sentido nem se aplica às demais
formas. De resto, a separação de habeo e haben levanta protestos, mesmo nos mais ilustres linguistas. Miguel de Bréal,
o glorioso creador da semântica, repele essa separação nestes termos: "É controversa questão saber se habeo é da
mesma origem que o germânico haban, hafjan; ainda que
thicae fragmenta quae supersunt, cum Glossaris et Gramática linguae
Gothicae. Ed. Gabelanty et Loebe -Lipsiae, 1843-46.
(1) Bopp — Grammaire Comparée des Langues Indo-Européennes,
tr. de Bréal, vol. 3.°, pág. 220.
(2) Morris — Historical Out-lines of English Accidence, Mac Millan,
1916, pág. 272. V. Henry escreve aih-an (Gr. comparéc de 1'Anglais e de
1'Allemand, 1893, pág. 374).
(3) Swcet — A New English Grammar logical and historical, Oxford, 1900, pág. 423.
(4) G. Korting—Encyklopaedie und Methodologie der Englischcn
Philologie— 1888, pág. 305.
(5) W. Skeat—A Primcr of Classical and English-Philology - Oxford,
1905, pág. 81.
(6) W. Skeat, id, ibid.
(7) Bopp, ob. cit. III, pág. 220.
( 8 ) Bopp. ob. cit. Ill, 307 e F. Diez. Gr. des Langues Romanes,
tr. fr., vol. 2.", pág. 109.
105
haja algumas dificuldades na correspondência das consoantes,
o parentesco não nos parece duvidoso,,.
Skeat (1) e Wright ( 2 ) seguem idêntico modo de ver.
Com relação a  supôs Bopp que esse verbo derivasse
da raiz vah transportar, alegando que esse sentido de transporte ainda aparece claramente no composto , etc., e
explicava o sentido de "haver,, pelo facto de a raiz vah ter
também o significado de “levar”, pelo que se chegaria facilmente, diz o excelso pensador, ao de possuir. As dificuldades
de formas como as do aoristo  , resolvia-as
invocando a intervenção de duas raízes na formação dos
tempos desse verbo, a saber  de vah e  de sah.
No entanto concedia que, desde que se considerasse
 e , como pertencentes à mesma raiz, se admitisse que
 está por  , tendo perdido o  inicial.
Victor Henry (3) adopta a primeira opinião de Bopp. A
última edição do dicionário de Bailly (4) ainda conserva esta
versão.
Mas a.filologia moderna não concorda com essa pri meira hipótese de Bopp. Optam pela segunda.
O eminente Meillet, depois de dar um quadro de alternâncias de timbres vocálicos, como nessa tabela estejam a
par  e o lat. veho, previne-nos cautelosamente que esses
verbos nada teem que ver etimológicamente um com o
outro (5). Identicamente Boisacq faz proceder esse verbo de
segh, (6) da mesma forma que Menge, que também o deriva
da raiz segh, sghe (7).
Teremos ocasião, mais adiante, de nos referirmos a esta
hipótese. Notemos tão somente que Bopp, com o seu fino
tacto de Filólogo, fazia derivar de duas raízes as várias
formas de .
(1) Skeat — A concise Etymolngical Dictionary, s. v. have.
(2) Joseph Wright - Historical German Grammar, vol. 1.° 1907,
pág. 262.
(3) Victor Henry - Précis de Grammaire Comparée du grec et du
latin, 1886, pag. 66.
(4) Bailly - Dict. Grec Français, 1920, s. v.
(5) A Meillet—Introduction à l’Ètude Comparative dês Langues IndoEuropéennes, 4.a ed., 1914, pág. 217.
(6) Boisacq—Dict. Etymologique de la Langue Greque (em
publicação), s. v. .
(7) Menge - Grieshische —Deutsches Schülworterbuch, Berlim, 1903,
s.v. .
106
A etimologia de habeo é mais difícil. Se as outras têem
verosimilhanças, embora isolando formas irmãs, as de habeo,
engenhosas e rebuscadas, supomos não terem, o condão de
convencer. Citemos a de Bopp, refutada por Schweizer, de
que viria de hapayâmi, e a de Leo Meyer, que o fazia derivar de kchi, com o sentido de ocupar um lugar, mandar,
habitar... (4)
Nós vamos, por nossa vez, tentar resolver o problema,
irmanando etimológicamente essas formas que já o sentido
ligara.
No nosso modo de ver as condições do problema, são:
1.°) É de esperar que o étimo das formas latina,
helénica e germânica (a que por agora nos
restringimos) seja de capital destaque, pela
fortuna que os seus descendentes obtiveram.
2.°) É de esperar que esse étimo, à semelhança
do que acontece nos verbos seus descendentes, desempenhe as funções de auxiliar.
3.º) Essa função de auxiliar deve ser de qualquer
modo essencial, dada a sua expansibilidade.
4.°) Deve convir pelo sentido.
5.°) Deve explicar as transições fonéticas e derimir aparentes dificuldades, como, por ex., '
habeo = haben.
Estas condições são talvez excessivas, mas, se a nossa
hipótese as satisfizer, adquirirá uma grande verosimilhança.
(4) Sobre a etimologia de habeo, larga informação no “Lateinischcs
Etymologisches Worterbuch” de Walde (1910) s. v. habeo.
107
Estudemos as relações que existem entre "haver,, e
”ser”, que, aparentemente, têem um sentido divcrsíssimo.
Esse exame pode trazer-nos surprezas. É que, com efeito,
estes verbos têem frequentemente a mesma função e sentido. O lat. pode exprimir a ideia de posse com o verbo
sum. Est mihi traduz-se por "eu tenho, eu possuo,,. Por sua
vez, o verbo habeo, traduz-se em certos casos por "ser,, (l).
O verbo , eu tenho, acompanhado dum advérbio
responde simplesmente ao verbo ser (2), e o verbo  com
dativo, é vertido por “haver”,. ? Não está na mente de
todos o verbo there to be haver? Acrescentemos ainda que o
sentido de existir anda nos dois verbos.
A propósito do francês, diz Villemain: "Uma singularidade que parece moderna ainda, é o emprego impessoal do
verbo "haver,, e, neste caso, a substituição do verbo "haver,,
pelo verbo "ser,,. Encontram-se também vestígios disso na
velha língua latina. Plauto, testemunha tanto mais importante quanto a sua linguagem familiar se deveria vulgarizar
na língua do povo, diz: "Quis istic habet? (Qu'y a-t-il lá?
QUI est Lá?) (3) Sabemos mais que, como auxiliares, em
francês e alemão, p. ex., as suas diferenças em alguns casos
são tão subtis, que os gramáticos se vêem em sérios embaraços para a fixação de regras precisas.
Em sânscrito o verbo bhu "ser,, tem, além de "ser”,
"existir,,, "produzir,,, "pertencer,,, "nascer,,, etc. (4), também
a significação de "obter" (5) bem vizinha de ter, haver.
Mas estes factos não são apenas privativos do grupo
indo-europeu. Em grupos extranhos, p. ex. nas línguas
semíticas não existe o verbo "haver,,, que é substituído pelo
.verbo "ser,,. Assim, em assírio traduz-se i su u por "é,, e
(l) -William Collar — Tho Gatc to Caesar. — Boston, 1899, pág. 102.
(2) Sommcr "Cours complet de Grammaire Gr ecquc,,. Paris,
Hachette, pág. 332.
( :3 ) Villcmain - "Cours de Litterature Française,,, 4e ed. 1839,
pág. 596.
.
^
_ (4) Burnouf — "Dictionnaire Classique Sanscrit-Français,,, s. v. bhu.
(5) Max Müller - "A Sanskrit Grammar for beginners,,,2. a ed., Lon
dres, pág. 246.
108
"tem,, (Ist und hat) (1); em hebraico o verbo "haver,, não
existe. É substituído pelo dativo precedido do verbo "hajah,,
"ser,, étc. (2); e, da mesma forma, em árabe, o verbo "haver,,
é substituído por "ser,, com dativo. P. ex. "Eu tenho (hei)
duas casas,, Andi zandj diar (3).
Estas analogias serão o ponto de partida para a nossa
hipótese, que é a seguinte: O verbo "ser,, indo-europeu, entre
outros sentidos tinha o de "ser,, e de "haver,,, diferenciando-se,
depois, em várias línguas, em dois verbos, um com o sentido
de "ser,,, outro com o sentido de "haver,,. O facto de, nas
línguas indo-europeas da Europa, aparecerem os dois sentidos
nos dois verbos já diferenciados, seria um vestígio da sua
comum origem.
Sendo, pois, os diferentes verbos estudados com o signi
ficado de haver, oriundos de ser, teríamos satisfeito á l.a condição, pois que o verbo bhu é um dos mais importantes, como
se sabe; à 2.a, porque bhu é efectivamente um auxiliar; à 3.a,
visto como a função de auxiliar em "ser,, lhe é de tal
modo essencial, que aparece mesmo nas línguas estranhas ao
grupo indo-europeu; e, finalmente, à 4.ª, pois que o sentido,
como vimos, convêm. Resta-nos explicar quais as formas de
"ser,, que deram "haver" e seguidamente justificar as varias
evoluções fonéticas.
As considerações que precedem autorizam-nos a procurar formas do verbo "ser,, donde derivem os verbos que
estudamos.
Sabe-se que o verbo "ser,, indo-europeu era constituído
por formas de es-“e talvez já também por formas de bheu(1) Rosenberg — "Assyrische Sprachlehre und Keilschriflkund (A.
Hartleben's Verlag, pág. 163.
' .
(2) Shilling - "Nouvclle Mèthode pour aprendre facilement la langue
hebraïque,, 1895, pág. 158.
(:3) Cherbonneau - "Dict. Français-Arabe,,, 1872, s. v. avoir.
109
que nesta época se combinava com es de maneira a
completá-lo (l),,.
O verbo bhu sânscrito, oriundo de bheu, tinha conjugação completa, mantendo o sentido de "ser,,, como já vimos.
Estudemos, pois, as formas que toma em indo-iraniano esse
verbo, no presente, p. ex. (omitimos o dual):
Sânscrito
Zend
SINGULAR
bhávâmi
bhávasi
bhávati
bavâmi
bávahi
bavaiti
PLURAL
bhavâmas
bhávata
bhávanti
bavâmi
bavata
bavainti
A semelhança das formas nas duas línguas é flagrante.
Imaginemos por um momento (o que, de resto não é
legítimo) as formas sânscritas sem h. Então a semelhança
com as de habeo, de haben etc., seriam notáveis. ?Simples
acaso? A conveniência semântica, já a procuramos demonstrar.
A questão fonética, a mais grave, será o assunto do
nosso próximo artigo nesta revista.
Matosinhos, Maio de 1920.
JOSÉ TEIXEIRA REGO .
(l) K. Brurgmann —Abrégé .de Grammaire Comparée, tr. fr., 1905,
pág. 664.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards