do artigo

Propaganda
HIBERNATE COMO CAMADA DE PERSISTÊNCIA
Geraldo Leite Brito de Moraes
Rua Minervino S. Fontes, nº 161,
Bairro Salgado Filho, Aracaju - SE
[email protected]
ABSTRACT
To develop a system, normally one becomes necessary to store
the data in a database, and this in turn generally follows the
relational model. Diverse technologies that they look to
facilitate to the development using relational databases and
oriented object programming languages exist guided the
object through the creation of classes that occult the access to
the data. Knowing some of these technologies it can be
reduced the time and the complexity of development of the
systems without that it has loss of performance when
executing it. The objective of this article is to show a model of
persistence of data for the Java platform.
Na figura 1 podemos notar que o Hibernate serve de
intermediário entre os objetos e o banco de dados.
Termos Gerais
Gerenciamento, Desempenho, Desenvolvimento,
Padronização, Reaproveitamento.
Teoria,
Palavras-Chave
Hibernate, Java, Persistência, Banco de Dados Relacional.
Figura 1. Arquitetura do Hibernate [1]
1. RESUMO
3. MAPEANDO COM O HIBERNATE
Para desenvolver um sistema, normalmente faz-se necessário
armazenar os dados em um banco de dados, e este por sua vez
geralmente segue o modelo relacional. Existem diversas
tecnologias que procuram facilitar o desenvolvimento
utilizando bancos de dados relacionais e linguagens de
programação orientadas a objeto através da criação de classes
que ocultam o acesso aos dados. Conhecendo-se alguma
dessas tecnologias pode-se reduzir o tempo e a complexidade
de desenvolvimento dos sistemas sem que haja perda de
desempenho ao executá-lo. O objetivo deste artigo é mostrar
um modelo de persistência de dados para a plataforma Java.
Para construir uma aplicação WEB, em Java, utilizando o
Hibernate como camada de persistência será necessário ter um
Web Container J2EE, como o Tomcat, e um datasource
configurado, além das bibliotecas do Hibernate.
As suas configurações ficam armazenadas em um arquivo
hibernate.cfg.xml para as configurações genéricas, como
podemos ver na listagem 1.
2. INTRODUÇÃO
As linguagens de programação orientadas a objeto facilitam
bastante o desenvolvimento de aplicações, mas a necessidade
de realizar operações com banco de dados relacionais dificulta
o desenvolvimento de um sistema e torna-o complexo, já que
a linguagem é orientada a objetos e o banco de dados não.
Para resolver esse problema existem tecnologias que
permitem ocultar o acesso a tabelas do modelo relacional em
objetos e automaticamente gerenciar sua persistência.
O Hibernate é um framework para modelagem
objeto/relacional na plataforma Java, composta por um
conjunto de pacotes de classes Java que permite o
mapeamento de tabelas através de objetos que podem ser
usados na recuperação e atualização dos dados, além de
possuir um serviço de consulta nos objetos. [1]
<?xml version='1.0' encoding='utf-8'?>
<!DOCTYPE hibernate-configuration
PUBLIC "-//Hibernate/Hibernate Configuration
DTD//EN"
"http://hibernate.sourceforge.net/hibernateconfiguration-2.0.dtd">
<hibernate-configuration>
<session-factory>
<property name="connection.datasource">
java:comp/env/jdbc/sgp</property>
<property name="show_sql">true</property>
<property name="dialect">
net.sf.hibernate.dialect.PostgreSQLDialect
</property>
<!-- Mapping files -->
<mapping resource="hibernate/Estado.hbm.xml"/>
<mapping resource="hibernate/Cliente.hbm.xml"/>
</session-factory>
</hibernate-configuration>
Listagem 1. Arquivo hibernate.cfg.xml
Podemos perceber que no arquivo hibernate.cfg.xml a
propriedade connection.datasource define qual será a fonte de
dados utilizada, enquanto a propriedade dialect define qual a
classe será utilizada como dialeto para construção dos
comandos SQL que serão submetidos ao banco de dados.
Existe também a chamada de cada arquivo específico que irá
definir o mapeamento entre um objeto e uma dada tabela. [3]
Deve existir um arquivo XML para o mapeamento de cada
objeto, como o que pode ser visto na listagem 2.
<?xml version='1.0' encoding='utf-8'?>
<!DOCTYPE hibernate-mapping
PUBLIC "-//Hibernate/Hibernate Mapping DTD//EN"
"http://hibernate.sourceforge.net/hibernatemapping-2.0.dtd">
<hibernate-mapping>
<class name="teste.Estado" table="Estado">
<id name="sigla" type="string" unsavedvalue="null">
<generator class="assigned"/>
</id>
<property name="descricao"/>
</class>
</hibernate-mapping>
package teste;
import java.io.Serializable;
public class Cliente implements Serializable {
private long cod;
private String nome;
private String telefone;
private Estado estado;
public long getCod() {
return cod;
}
public void setCod(long cod) {
this.cod = cod;
}
. . .
}
Listagem 4. Exemplo de Java Bean
4. UTILIZANDO O HIBERNATE
Para criar uma sessão no Hibernate é necessário possuir uma
instância da classe SessionFactory e após sua utilização ela
deve ser liberada através da chamada ao método close. A
listagem 5 mostra como uma sessão do Hibernate pode ser
criada.
Listagem 2. Arquivo XML mapeando uma tabela
package teste;
Um arquivo XML específico de mapeamento associa um Java
Bean a uma tabela do banco de dados onde cada instância da
classe (objeto) corresponde a um registro e cada propriedade
ao valor de um campo na tabela. O Hibernate possui um
conjunto de classes as quais implementam a interface
IdentifierGenerator e que servem para indicar de que
forma as chaves primárias serão geradas. A forma que uma
propriedade é mapeada indica se ela é uma propriedade
simples ou se ela indica um relacionamento com outro objeto
(tabela) e como é a natureza desse relacionamento, assim
como é apresentado na listagem 3.
<?xml version='1.0' encoding='utf-8'?>
<!DOCTYPE hibernate-mapping
PUBLIC "-//Hibernate/Hibernate Mapping DTD//EN"
"http://hibernate.sourceforge.net/hibernatemapping-2.0.dtd">
<hibernate-mapping>
<class name="teste.Cliente" table="Cliente">
<id name="cod" type="long" unsaved-value="0">
<generator class="increment"/>
</id>
<property name="nome"/>
<property name="telefone"/>
<many-to-one name="estado"/>
/class>
</hibernate-mapping>
Listagem 3. Arquivo XML mapeando uma tabela
Os Java Beans que são mapeados em tabelas, devem
implementar a interface Serializable para que possam ser
persistidos pela JVM (Java Virtual Machine) e ter todos os
métodos sets e gets com visibilidade pública, podendo ser
reutilizados no projeto como bean no JSP de interface ou na
lógica, pois não possuem nenhum código específico do
Hibernate. Podem existir propriedades que não foram
mapeadas com a tabela, mas não deve existir nenhum tipo de
regra de negócio. Na listagem 4 podemos ver um exemplo de
Java Bean que pode ser mapeado utilizando o Hibernate.
public class HibernateUtil {
private static final SessionFactory
sessionFactory;
static {
try {sessionFactory =
new Configuration().configure()
.buildSessionFactory();
} catch (Throwable ex) {}
}
public static Session openSession()
throws HibernateException {
return sessionFactory.openSession();
}
}
Listagem 5. Criando uma sessão no Hibernate
Pode-se recuperar um objeto através do método load ou
executando o método refresh tendo sido definidas as
propriedades que são identificadores (chaves primárias).
Session hbSession =
HibernateUtil.openSession();
Cliente obj = null;
obj = (Cliente) hbSession.load(Cliente.class,
new Long(1));
hbSession.close();
Session hbSession =
HibernateUtil.openSession();
Cliente obj = new Cliente();
obj.setCod(1);
hbSession.refresh(obj);
hbSession.close();
Listagem 6. Carregando um objeto com o Hibernate
Para atualizar um objeto podem ser utilizados os métodos save
ou update. O Hibernate conta com a classe Transaction que
gerencia o controle de transações com o banco de dados,
permitindo que em caso de erro todas as operações sejam
desfeitas.
Session hbSession =
HibernateUtil.openSession();
Transaction tx= hbSession.beginTransaction();
try {
Cliente obj = new Cliente();
obj.setCod(1);
obj.setNome(“José dos Santos”);
hbSession.save(obj); ou hbSession.update(obj);
tx.commit();
} catch {
tx.rollback();
}
hbSession.close();
Listagem 7. Salvando um objeto com o Hibernate
O Hibernate conta ainda com as classes Query e Criteria para
efetuar consultas nos objetos, podendo-se passar parâmetros
através da linguagem HQL (Hibernate Query Language) que
é similar à linguagem SQL[1].
Query
qry
=
hbSession.createQuery("from
Cliente as cliente where cliente.codigo = ?");
qry.setLong(0,cliente.getCod());
List clientes = qry.list();
List cats = sess.createCriteria(Cat.class)
.add(Expression.like("name", "Fritz%"))
.add(Expression.or(
Expression.eq("age", new Integer(0)),
Expression.isNull("age")
)).list();
Listagem 8. Consultando objetos com o Hibernate
5. CARACTERÍSTICAS
O Hibernate possui algumas características singulares em
relação a outras tecnologias equivalentes na plataforma Java.
Entre ela podemos citar:
- Os Java Beans que mapeiam as tabelas não precisam
importar nenhuma interface e nem estender nenhuma classe
do pacote Hibernate, permitindo que elas possam ser
facilmente reaproveitadas e utilizadas na interface e ao longo
do projeto.
- As classes do Hibernate mantém o sincronismo entre os
objetos de memória e os dados no banco de dados permitindo
que seja feito um acesso simultâneo à base por aplicações
legadas.
- Existem produtos de terceiros como o Middlegen [2] e o
TableGen [4] que extraem os dados de um banco de dados e
criam os arquivos XML de mapeamento para o Hibernate
automaticamente, facilitando o trabalho para o desenvolvedor
e ainda assim permitindo futuros ajustes nos arquivos caso
haja necessidade.
- O desenvolvedor pode, na codificação, explicitar um insert
ou update no banco de dados através dos métodos save e
update, como pode permitir que o Hibernate decida o
comando adequado através da chamada ao método
saveOrUpdate.
- Existe uma classe Query que implementa a consulta sobre
os objetos mapeados permitindo que o desenvolvedor se
abstraia completamente do modelo relacional.
- Não impede o acesso direto ao banco de dados numa
necessidade excepcional, inclusive disponibilizando na classe
Session um método para obter a conexão JDBC com o banco
de dados.
- Existe uma classe para gerenciamento de transações,
facilitando em muito a manutenção de tarefas que precisam
ser executadas em conjunto.
- A existência de um arquivo que define o dialeto a ser
utilizado permite a mudança do banco de dados utilizado sem
que seja necessário alterar a codificação do sistema.
6. ANÁLISE FINAL
A utilização de uma tecnologia que dê ao desenvolvedor a
visão do armazenamento através de objetos pode facilitar
consideravelmente o desenvolvimento de um sistema além de
permitir futuras alterações como a mudança do fabricante do
banco de dados sem necessitar alterações na codificação.
Em algumas situações específicas pode ser necessário o
acesso direto ao banco de dados para executar consultas
complexas e utilizar funções especiais disponibilizadas em sua
API, por isso é muito importante que se possa interagir
diretamente com o mesmo.
Apesar da implementação das tecnologias de mapeamento do
modelo relacional terem evoluído bastante, ainda há casos
onde a interação para mapear cada registro de uma consulta
em objetos pode degradar bastante o desempenho se
comparado ao acesso direto usando JDBC. Por tudo isso o
mais indicado é o uso de uma tecnologia híbrida onde o
armazenamento e recuperação em formulários de cadastros se
dê por objetos e as consultas por ferramentas especializadas
em gerar relatórios.
Para o desenvolvedor que esteja utilizando a linguagem Java,
o Hibernate atende de forma simples e eficaz a sua proposta
de mapeamento das tabelas através de objetos, e ainda permite
que outras API’s compartilhem com ele o acesso simultâneo
e direto aos dados.
7. REFERÊNCIAS
[1] Hibernate - Extraído em 20/09/2004:
http://www.hibernate.org
[2] Middlegen. Extraído em 20/09/2004:
http://boss.bekk.no/boss/middlegen/plugins/hibernate.html
[3] Get started with hibernate - Extraído em 20/09/2004:
http://www.javaworld.com/javaworld/jw-10-2004/jw-1018hibernate.html
[4] TableGen Main Page – Extraído em 20/09/2004:
http://freespace.virgin.net/joe.carter/TableGen/index.html
8. BIBLIOGRAFIA
GUJ | Grupo de Usuários Java: Sua Comunidade Virtual Java
- Livre-se do SQL: uma introdução ao Hibernate - Extraído
em 10/10/2004:
http://www.guj.com.br/java.artigo.125.1.guj
Livro: Hibernate in Action
ISBN: 193239415X
Editora: Manning
Autor: Christian Bauer and Gavin King
Ano: 2004
Livro: Hibernate: A Developer’s Notebook
ISBN: 0-596-00696-9
Editora: Manning
Autor: James Elliott
Ano: 2004
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Criar flashcards