1EM_Gramatica

Propaganda
Pré-vestibular – Ensino Médio
Ensino Fundamental
Educação Infantil
MOGI MIRIM
Trabalho de Recuperação Final de Gramática
Profª: Rosa
1ª Série EM
1
Valor:
1º Trimestre 2011
Nome:
Nº:
LADAINHA
Por que o raciocínio,
os músculos, os ossos?
A automação, ócio dourado.
O cérebro eletrônico, o músculo
mecânico
mais fáceis que um sorriso.
Por que o coração?
O de metal não tornará o homem
mais cordial,
dando-lhe um ritmo extracorporal?
Por que levantar o braço
para colher o fruto?
A máquina o fará por nós.
Por que labutar no campo, na cidade?
A máquina o fará por nós.
Por que pensar, imaginar?
A máquina o fará por nós.
Por que fazer um poema?
A máquina o fará por nós.
Por que subir a escada de Jacó?
A máquina o fará por nós.
Ó máquina, orai por nós.
(Cassiano Ricardo, Jeremias sem chorar)
1) Complete os espaços com os pronomes demonstrativos adequados:
O poema destaca o contraste entre o natural e o cultural: _________________, representado pela máquina;
_________________, pela ação humana.
2) A intercalação de perguntas e respostas reforça o jogo de ideias que enfatiza a supremacia da máquina sobre o
homem. O título do poema tem relação com o modo como o poema é estruturado?
3) Que verso do poema apresenta mais semelhança com uma prece?
4) a) qual frase do poema corresponderia à resposta dada pelos “fiéis”?
b) Dê a classe gramatical do “o” que aparece na frase da resposta anterior e o termo que poderia substituí-lo.
c) Quando um termo gramatical retoma a referência de um termo anteriormente empregado na mesma frase ou
texto, ele se chama anafórico. O termo “o” pode incluir-se nessa regra?
5) Observe a publicidade:
a) Na publicidade, o emprego de “desta forma” aponta para um tipo de linguagem muito usado nas propagandas.
Que tipo de linguagem é esse e por que foi empregado?
b) Explique, levando em conta o todo da propaganda, por que nela aparece o trecho “jogos de azar não tem esse
nome por acaso”.
2
Texto para a questão 6:
Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes de carnaúba;
Verdes mares que brilhais como líquida esmeralda aos raios do sol nascente, perlongando as alvas praias
ensombradas de coqueiros;
Serenai, verdes mares, e alisai docemente a vaga impetuosa para que o barco aventureiro manso resvale à flor
das águas.
Onde vai a afoita jangada, que deixa rápida a costa cearense, aberta ao fresco terral e a grande vela?
Onde vai como branca alcíone buscando o rochedo pátrio nas solidões do oceano?
Três entes respiram sobre o frágil lenho que vai singrando veloce, mar em fora.
Um jovem guerreiro cuja tez branca não cora o sangue americano; uma criança e um rafeiro que viram a luz no
berço das florestas e brincam irmãos, filhos ambos da mesma terra selvagem.
Vocabulário:
Onde canta a jandaia: diz a tradição que Ceará significa na língua indígena – canto de jandaia
Perlongando: estendendo-se ao longo (lado) de.
Terral: vento que sopra da terra para o mar ou um rio; brisa terrestre.
Alcíone: ave aquática também conhecida como maçarico.
Rafeiro: cão
6) Transcreva, do texto, os pronomes relativos e indique o antecedente que cada pronome retoma.
7) (UNIVERSIDADE DE UBERABA – adaptado) – Preencha os espaços com os pronomes relativos onde ou em
que.
a) Em 2050, cerca de 45% dos habitantes do planeta viverão em países _______ não haverá garantias de
fornecimento mínimo de água.
b) Os estudos sobre o crescimento mundial, __________ se aponta uma preocupação com o aumento do número
de habitantes do planeta, devem servir como alerta para os governos.
c) Num planeta _________ a riqueza cresceu num ritmo nunca antes experimentado, ao longo das últimas
décadas, 50% da população ainda vive com menos de dois dólares por dia.
d) Projetos sociais, __________ se priorize o crescimento das regiões mais pobres do planeta, devem ser
implantados e implementados, com urgência, para reduzir os impactos do crescimento populacional.
8) Reescreva os trechos, eliminando registros de gíria, linguagem vulgar e coloquial (oral), como frases
incompletas, confusas ou entrecortadas; falta ou excesso de conectivos; falhas de pontuação; uso inadequado de
gerúndio; erros de regência, concordância, ortografia etc.
a) Bom, primeiro decidiu ir na cidade. Pra assuntar o preço das sementes. Lembrou de entrar num café. Meio que
esqueceu do que ia fazer.
b) Se a excursão comessa-se às 8:30 hs, haveriam mais amigos meus interessados e agente podia levar bola,
patins etc.
9) (FUVEST) – O que dói nem é a frase (Quem paga seu salário sou eu), mas a postura arrogante. Você fala e o
aluno nem presta atenção, como se você fosse uma empregada.
(Adaptado de entrevista dada por uma professora. Folha de São Paulo, 3/6/2001)
a)A quem se refere a pronome você, tal como foi usado pela professora? Esse uso é próprio de que variedade
linguística?
b)No trecho Como se você fosse uma empregada, fica pressuposto algum tipo de descriminação social? Justifique
sua resposta.
10) Dê a classe gramatical a que pertencem as palavras destacadas do texto abaixo.
“ Comprei os discos que você me sugeriu; mas não consegui comprar os de música francesa, porque não os
encontrei.”
Leia a tirinha a seguir e responda às questões 11, 12 e 13.
3
11) Com relação à tirinha acima, comente a respeito da adequação ou inadequação do demonstrativo isso,
usado no primeiro quadrinho, justificando sua opção.
12) Ainda com relação à tirinha acima, comente a respeito dos efeitos de sentido determinados pelo uso das
aspas no primeiro quadrinho, e pela sua supressão no último.
13) No período abaixo, identifique o trecho que provoca ambigüidade. Explique como o duplo sentido pode ser
desfeito.
A esposa do cientista, que doou equipamentos para o hospital, recebeu uma homenagem dos funcionários.
Retire das tirinhas abaixo os trechos que apresentam duplo sentido e dê os significados de cada expressão.
14)
15)
4
16)
17) (FUVEST-SP) - Preencha os espaços vazios com a forma adequada do verbo indicado entre parênteses:
a) Cada um _______________como quer.(contribuir)
b) É bom que te __________________ ao trabalho.(habituar)
c) Esperemos que se _______________o barulho.(atenuar)
d) Exige-se dela uma competência que não _____________(possuir)
Leia a tira abaixo para responder à questão 18.
18) a)O que expressa o verbo do segundo quadrinho e que recurso foi utilizado para enfatizar a ação verbal?
b) Em que modo está esse verbo?
c) Esse modo verbal pode expressar também pedido ou súplica? Dê exemplos.
Texto para às questões 19 e 20.
146. Verbo crackar
Eu empobreço de repente
Tu enriqueces por minha causa
Ele azula para o sertão
Nós entramos em concordata
Vós prestais por preferência
Eles escafedem a massa
Sê pirata
Sede trouxas
Abrindo a pala
Pessoal sarado.
Oxalá que eu tivesse sabido que esse verbo era irregular.
(Oswald de Andrade)
19) (CÁSPER LÍBERO) – Em, “Sê pirata / Sede trouxas”, analise as formas verbais.
20) (CÁSPER LÍBERO)
a) No último verso do poema (Oxalá que eu tivesse sabido que esse verbo era irregular.”), a que verbo se refere o
eu lírico?
b) O verbo crackar, apesar de ser um neologismo, é um verbo de 1ª conjugação (termina em AR) e por isso
deveria ser regular. Considerando o conteúdo do poema, por que o eu lírico diz que esse verbo é irregular?
5
21) a) A fala de cada quadrinho contém um único verbo. Qual deles indica um fato no passado que teve maior
duração?
b) Que verbo indica fatos pontuais, realizados e concluídos no passado?
c) No último quadrinho, qual a indicação de tempo contida em “agora” e “estou”?
Texto para a questão 22.
Mas quando a fazenda se despovoou, viu que tudo estava perdido, combinou a viagem com a mulher, matou o
bezerro morrinhento que possuíam, salgou a carne, largou-se com a família, sem se despedir do amo.
(Graciliano Ramos)
22) O trecho acima apresenta verbos no pretérito perfeito e no imperfeito. Explique a diferença, no contexto, do
emprego entre esses dois tempos verbais.
Texto para as questões 23, 24 e 25.
Cinquenta anos! Quantas horas inúteis! Consumir-se uma pessoa a vida inteira sem saber para quê! Comer e
dormir como um porco! Como um porco! Levantar-se cedo todas as manhãs e sair correndo, procurando comida!
E depois guardar comida para os filhos, para os netos, para muitas gerações. Que estupidez! Que porcaria! Não é
bom vir o Diabo e levar tudo?
Sol, chuva, noites de insônia, cálculos, combinações, violência, perigos – e nem se quer me resta a ilusão de ter
realizado obra proveitosa. O jardim, a horta, o pomar – abandonados; os marrecos de Pequim – mortos; o
algodão, a mamona – secando. E as cercas dos vizinhos, inimigos ferozes, avançam.
(Gaciliano Ramos, São Bernardo)
Com base no texto acima, responda às questões que seguem:
23) Grife as frases nominais do 1° parágrafo.
24) Há um trecho que apresenta uma sequência de elipses. Indique-o e ao termo subentendido.
25) Tradicionalmente, o verbo indica tempo. Entretanto, numa sequência do texto acima, a indicação temporal é
expressa por termos de outra classe gramatical. Identifique gramaticalmente esses termos.
Texto para a questão 26.
QUADRILHA
João amava Tereza que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Tereza para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou pra tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
(Carlos Drummond de Andrade, Alguma poesia)
26) a) Quais os três tempos verbais utilizados no texto acima?
b) Explique a diferença entre as indicações temporais desses três tempos verbais.
Texto para as questões 27, 28 e 29.
O VERBO NO INFINITIVO
Ser criado, gerar-se, transformar
O amor em carne e a carne em amor; nascer,
Respirar, e chorar, e adormecer
6
E se nutrir para poder chorar
Para poder nutrir-se; e despertar
Um dia à luz e ver ao mundo e ouvir
E começar a amar e então sorrir
E então sorrir para poder chorar.
E crescer, e saber, e ser, e haver
E perder, e sofrer, e ter horror
De ser e amor, e se sentir maldito
E esquecer tudo ao vir um novo amor
E viver esse amor até morrer
E ir conjugar o verbo no infinitivo....
(Vínícius de Moraes)
27) Por que o eu lírico optou pelo emprego do infinitivo?
28) O conteúdo do poema confirma a opção do eu lírico pelo infinitivo?
29) O infinitivo marca um tempo determinado?
30) (UFSCar – adaptada) – Observe o texto seguinte, um fragmento de Festival de abóboras geladas.
Modo de Preparo:
“Numa panela funda, coloquem a água, o adoçante, o suco de laranja, o cravo, a canela e o anis-estrelado.
Deixem ferver por 15 minutos. Juntem os pedaços de abóbora na calda e cozinhem por 20 minutos. Desliguem o
fogo e deixem na panela por 12 horas. Depois, coloquem em uma compoteira. Levem à geladeira por
aproximadamente 1 hora antes de servir”.
(Diniz, Lucília – Doces Light. Adaptado)
O texto está redigido no imperativo na 3ª pessoa do plural. Redija-o no infinitivo, visando a não identificar,
individualmente, as pessoas que devem praticar essas ações.
31) Transcreva e classifique os advérbios ou locuções adverbiais da tirinha abaixo.
32) Considerando que o advérbio é palavra invariável, justifique a variação no grau diminutivo que sofrem os
advérbios destacados.
I. Passou rapidinho por aqui, porque precisava chegar ao banco antes das quatro horas.
II. Amor, venha depressinha, que estou morrendo de saudades!
III. Disse-me, baixinho, seu nome.
33) (FEI-SP) – Substitua a expressão destacada por um advérbio de significação equivalente.
a) Recebeu a repreensão sem dizer palavras.
b) Falava sempre no mesmo tom.
c) Aceitou tudo sem se revoltar.
d) Trataram-me como irmão.
34) Grife as palavras substantivas:
a) O grande assombra, o glorioso ilumina, o intrépido arrebata; o bom não produz nenhum desses efeitos.
Contudo, há uma grandeza, há uma glória, há uma intrepidez em ser simplesmente bom, sem aparato, nem
interesse, nem cálculo; e sobretudo sem arrependimento.
(Machado de Assis)
b) O muito torna-se pouco ao ser desejado mais.
(Quevedo)
c) E um vagalume lanterneiro, que riscou um psiu de luz.
(Guimarães Rosa)
Dissertação
Texto I
O homem ocidental civilizado, entretanto, vive num mundo que gira de acordo com os símbolos mecânicos e
matemáticos das horas marcadas pelo relógio. É ele que vai determinar seus movimentos e dificultar suas ações.
7
O relógio transformou o tempo, transformando-o de um processo natural em uma mercadoria que pode ser
comprada, vendida e medida como um sabonete ou um punhado de passas de uvas. E, pelo simples fato de que,
se não houvesse um meio para marcar as horas com exatidão, o capitalismo industrial nunca poderia ter se
desenvolvido, nem teria continuado a explorar os trabalhadores, o relógio representa um elemento de ditadura
mecânica na vida do homem moderno, mais poderoso do que qualquer outro explorador isolado ou do que
qualquer outra máquina.
(George Woodcock, A Ditadura do Relógio)
Texto II
RELÓGIO
Diante de coisa tão doida
Conservemo-nos serenos
Cada minuto da vida
Nunca é mais, é sempre menos
Ser é apenas uma face
Do não ser, e não do ser
Desde o instante em que se nasce
Já se começa a morrer.
(Cassiano Ricardo)
35) Indique as características que permitem classificar os textos como dissertativos.
MOÇA LINDA BEM TRATADA
Moça linda bem tratada,
Três séculos de família,
Burra como uma porta:
Um amor.
Grã-fino do despudor,
Esporte, ignorância e sexo,
Burro como uma porta:
Um coió.
Mulher gordaça, filó,
De ouro por todos os poros
Burra como uma porta:
Paciência...
Plutocrata sem consciência,
Nada porta, terremoto
Que a porta do pobre arromba:
Uma bomba.
(Mário de Andrade)
36) “Um amor” é um epíteto (qualificação elogiosa ou injuriosa dada a alguém) muito utilizada popularmente. Na
expressão “um amor”, o artigo indefinido indetermina o substantivo?
37) Com que sentido o eu lírico utiliza a expressão “um amor”?
38) (UFPE-UFRPE) – Com base nos conceitos de denotação e conotação, analise a interpretação da colega de
Mafalda acerca da questão da prova de História.
8
INUTILIDADES
Ninguém coça as costas da cadeira.
Ninguém chupa a manga da camisa.
O piano jamais abana a cauda.
Tem asa, porém a xícara não voa.
De que serve o pé da mesa se não anda?
E a boca da calça se não fala nunca?
Nem sempre o botão está em sua casa.
O dente de alho não morde coisa alguma.
Ah! se trotassem os cavalos do motor ...
Ah! se fosse de circo o macaco do carro ...
Então a menina dos olhos comeria
Até bolo esportivo e bala de revólver.
39) De que figura de linguagem se vale o autor para construir o poema?
40) Grife no poema os exemplos da figura de linguagem apontada no exercício anterior:
41) Relacione o título do poema a seu conteúdo.
42) (FUVEST) – Segundo a ONU, os subsídios dos ricos prejudicam o Terceiro Mundo de várias formas: 1.
mantêm baixos os preços internacionais, desvalorizando as exportações dos países pobres; 2. excluem os
pobres de vender para os mercadores ricos; 3. expõem os produtos pobres à concorrência de produtos mais
baratos em seus próprios países.
(Folha de S. Paulo, 02/11/1997, E-12)
No texto, as palavras destacadas rico e pobre pertencem a diferentes classes de palavras, conforme o grupo
sintático em que estão inseridas.
a) Obedecendo à ordem em que aparecem no texto, identifique a classe a que pertencem, em cada ocorrência
destacada, as palavras rico e pobre.
b) Escreva duas frases com a palavra brasileiro, empregando-a cada vez em uma dessas classes.
Observe a tira acima e responda as perguntas:
43) A quem se referiu a cobra, no segundo quadrinho da tira?
44) Que opinião a cobra, que fala no ultimo quadrinho, tem de si própria?
45) Que expressão, explicita na tira, permite essa conclusão?
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards