O Sol

Propaganda
Guilherme Salazar Silva
Nº 16 – 5ª serie
Trabalho de Ciencia
O Sol
O Sol é a estrela central do nosso sistema planetário solar. Atualmente, sabese que em torno dele gravitam pelo menos 8 planetas, 3 planetas anões, 1600 asteróides,
138 satélites e um grande número de cometas. Sua massa é 333.000 vezes a da Terra e o
seu volume 1.400.000 vezes. A distância do nosso planeta ao Sol é de cerca de 150
milhões de quilômetros (ou 1 Unidade Astronômica (UA) aproximadamente). A luz
solar demora 8 minutos e 18 segundos para chegar à Terra.
Estrutura solar
Como toda estrela, o Sol é uma esfera gasosa que se encontra em equilíbrio
hidrodinâmico entre as duas forças principais que agem dentro dele: para fora a pressão
termodinâmica, produto das altas temperaturas internas, e para dentro a força
gravitacional. A estrutura solar pode ser dividida em duas grandes regiões: o Interior e a
Atmosfera, entre elas se encontra uma fina camada, que pode ser considerada a
superfície, chamada Fotosfera.
Mercurio
Mercúrio é o mais próximo planeta do Sol e portanto o primeiro dos quatro
planetas rochosos do sistema solar. Ele também é o menor planeta do nosso sistema,
com diâmetro aproximadamente 40% menor do que o da Terra e 40% maior do que o da
Lua. É até menor do que Ganímedes, uma das luas de Júpiter e Titã, uma lua de
Saturno. Mercúrio teve o seu nome atribuído pelos romanos baseado no mensageiro dos
deuses, de asas nos pés, porque parecia mover-se mais depressa do que qualquer outro
planeta.
Venus
Vénus(português europeu) ou Vênus(português brasileiro) é o segundo planeta do
Sistema Solar em ordem de distância a partir do Sol. Recebe seu nome em honra da
deusa romana do amor Vénus. Trata-se de um planeta do tipo terrestre ou telúrico,
chamado com frequência de planeta irmão da Terra, já que ambos são similares quanto
ao tamanho, massa e composição. A órbita de Vénus é uma elipse praticamente circular,
com uma excentricidade de menos de 1%.
Vénus se encontra mais próximo do Sol do que a Terra, podendo ser
encontrado aproximadamente na mesma direção do Sol (sua maior inclinação é de
47,8°). Da Terra pode ser visto somente algumas horas antes da alvorada ou depois do
ocaso. Apesar disso, quando Vénus está mais brilhante pode ser visto durante o dia,
sendo um dos dois únicos corpos celestes que podem ser vistos tanto de dia como de
noite (sendo o outro a Lua). Vénus é normalmente conhecido como a estrela da manhã
(estrela d'alva) ou estrela da tarde (vésper) ou ainda Estrela do Pastor. Quando
visível no céu noturno, é o objeto mais brilhante do firmamento, além da Lua, devido ao
seu grande brilho, cuja magnitude pode chegar a -4,4 (costuma-se ser da magnitude de 3,8)
Por este motivo, Vénus era conhecido como o planeta desde os tempos
pré-históricos. Seus movimentos no céu eram conhecidos pela maioria das antigas
civilizações, adquirindo importância em quase todas as interpretações astrológicas do
movimento planetário. Em particular, a civilização maia elaborou um calendário
religioso baseado nos ciclos de Vénus (ver Calendário maia). O símbolo do planeta
Vénus é uma representação estilizada do símbolo da deusa Vénus: um círculo com uma
pequena cruz abaixo, utilizado também para representar o sexo feminino.
A Terra
A Terra é um planeta do sistema solar, sendo o terceiro em ordem de
afastamento do Sol e o quinto em diâmetro. É o maior dos quatro planetas telúricos.
Entre os planetas do Sistema Solar, a Terra tem condições únicas: mantém grandes
quantidades de água, tem placas tectónicas e um forte campo magnético. A atmosfera
interage com os sistemas vivos. A ciência moderna coloca a Terra como único corpo
planetário que possui vida da forma a qual conhecemos. Alguns cientistas como James
Lovelock consideram que a Terra é um sistema vivo chamado Gaia.
O planeta Terra tem aproximadamente uma forma esférica, mas a sua
rotação causa uma deformação para a forma elipsóidal (achatada aos pólos). A forma
real da Terra é chamada de Geóide, apresenta forma muito irregular, ondulada,
matematicamente complexa.
Marte
Marte é o quarto planeta a contar do Sol e é o último dos quatro planetas
telúricos no sistema solar, situando-se entre a Terra e a cintura de asteróides a 1,5 UA
do Sol (ou seja, a uma vez e meia a distância da Terra ao Sol). De noite, aparece como
uma estrela vermelha, razão por que os antigos romanos lhe deram o nome de Marte, o
deus da guerra. Os chineses, coreanos e japoneses chamam-lhe "Estrela de Fogo",
baseando-se nos cinco elementos da filosofia tradicional oriental. Executa uma volta em
torno do Sol em 687 dias terrestres (quase dois anos).
Marte é um planeta com algumas afinidades com a Terra: tem um dia com
uma duração muito próxima do dia terrestre e o mesmo número de estações.
Marte tem calotas polares que contêm água e dióxido de carbono gelados, a
maior montanha do sistema solar - o Olympus Mons, um desfiladeiro imenso, planícies,
antigos leitos de rios secos, tendo sido recentemente descoberto um lago gelado. Os
primeiros observadores modernos interpretaram aspectos da morfologia superficial de
Marte de forma ilusória, que contribuíram para conferir ao planeta um estatuto quase
mítico : primeiro foram os canais; depois as pirâmides, o rosto humano esculpido, e a
região de Hellas no sul de Marte que parecia que, sazonalmente, se enchia de vegetação,
o que levou a imaginar a existência de marcianos com uma civilização desenvolvida.
Hoje sabemos que poderá ter existido água abundante em Marte e que formas de vida
primitiva podem, de facto, ter surgido.
Jupiter
Júpiter é o maior planeta do sistema solar, e o quinto a partir do Sol. É
conhecido pela Grande Mancha Vermelha e pelos seus 4 grandes satélites: Ganímedes,
Europa, Io e Calisto. Júpiter é um dos planetas do sistema solar que têm anéis.
Júpiter tem 2,5 vezes mais massa do que todos os outros planetas tomados
em conjunto, de tal forma que o seu baricentro com o Sol se localiza acima da superfície
solar (a 1,068 raios solares do centro do Sol). Tem 318 vezes mais massa do que a
Terra, um diâmetro 11 vezes superior ao terrestre e um volume 1300 vezes maior que o
da Terra. Foi apelidado por muitos de "estrela falhada". Mesmo assim, e por mais
impressionante que Júpiter seja, já se descobriram vários planetas extra-solares com
massas muito maiores. Por outro lado, pensa-se que Júpiter tenha um diâmetro tão
grande como é possível a um planeta com a sua composição, visto que adicionar-lhe
mais massa teria apenas como resultado aumentar a compressão gravitacional. Não
existe uma definição inequívoca do que distingue um planeta grande e maciço, como
Júpiter, de uma anã castanha, mas para que fosse uma estrela Júpiter teria de ter cerca de
setenta vezes mais massa do que a que tem.
Saturno
Saturno é o sexto planeta do Sistema Solar com uma órbita localizada entre
as órbitas de Júpiter e Urano. É o segundo maior, após Júpiter dos planetas gigantes do
sistema solar, porém o de menor densidade, tanto que se existisse um oceano grande o
bastante, Saturno flutuaria nele. Seu aspecto mais característico é seu brilhante sistema
de anéis, o único visível da Terra. Seu nome provém do deus romano Saturno. Faz parte
dos denominados planetas exteriores
Saturno é um planeta gasoso, principalmente composto de hidrogênio, com
uma pequena proporção de hélio e outros elementos. Seu interior consiste de um
pequeno núcleo rochoso e gelo, cercada por uma espessa camada de hidrogênio
metálico e uma camada externa de gases. A atmosfera externa tem uma aparência suave,
embora a velocidade do vento em Saturno possa chegar a 1.800 km/h,
significativamente tão rápido como os de Júpiter. Saturno tem um campo magnético
planetário intermediário entre as forças da Terra e o poderoso campo ao redor de Júpiter
Urano
Urano (também referido como Úrano) é o sétimo planeta do sistema solar,
situado entre Saturno e Neptuno. A característica mais notável de Urano é a estranha
inclinação do seu eixo de rotação, quase noventa graus em relação com o plano de sua
órbita; essa inclinação não é somente do planeta, mas também de seus anéis, satélites e
campo magnético. Urano tem a superfície a mais uniforme de todos os planetas por sua
característica cor azul-esverdeada, produzida pela combinação de gases em sua
atmosfera, e tem anéis que não podem ser vistos a olho nu; além disso, tem um anel
azul, que é uma peculiaridade planetária. Urano é um de poucos planetas que têm um
movimento de rotação retrógrado, similar ao de Vénus
Netuno
Neptuno(português europeu) ou Netuno(português brasileiro) é o oitavo, desde o
rebaixamento de Plutão para a categorias de planeta-anão, e o último planeta do sistema
solar em ordem de afastamento a partir do Sol. Neptuno recebeu o nome do deus
romano dos mares.
Orbitando tão longe do Sol, Neptuno recebe muito pouco calor. A sua
temperatura superficial média é de -218 °C. No entanto, o planeta parece ter uma fonte
interna de calor. Pensa-se que isto se deve ao calor restante, gerado pela matéria em
queda durante o nascimento do planeta, que agora irradia pelo espaço fora. A atmosfera
de Neptuno acredita-se que os ventos são amplificados por este fluxo interno de calor
tem as mais altas velocidades de ventos no sistema solar, que são acima de
2000 km/h;
Plutão
Plutão (oficialmente, 1340340 Plutão) é um planeta anão do sistema solar,
localizado numa região conhecida como cinturão de Kuiper. Sua órbita, excêntrica, é
fortemente inclinada em relação aos planetas. Dos 248 anos que demora a perfazer a
translação em volta do Sol, Plutão passa 20 anos mais perto do sol do que Neptuno; no
restante da órbita, permanece além de Neptuno.
Possui um satélite maior chamado Caronte e dois menores, descobertos em
2005 pelo telescópio espacial Hubble e que receberam da União Astronómica
Internacional (UAI) os nomes mitológicos de Nix e Hidra. Um dos motivos da escolha
desses nomes foram as iniciais N e H que coincidem com a nave espacial New
Horizons, que em 2015 visitará o sistema Plutão - Caronte e também esses novos
satélites.
Até 2006, Plutão era contado como um planeta principal; mas a descoberta
de vários corpos celestes de tamanho comparável e até mesmo a de um outro objeto
maior no Cinturão de Kuiper fez com que a UAI, em 24 de agosto, durante uma
conferência da organização, decidisse considerá-lo como um "planeta-anão",[1]
juntamente com Éris e Ceres (este último localizado no cinturão de asteróides entre
Marte e Júpiter). Plutão é visto agora como o primeiro de uma categoria de objetos
trans-netunianos cuja denominação ainda não foi decidida pela UAI.
Em setembro de 2006, a UAI atribuiu a Plutão o número 1340340 no
catálogo de planetas menores, de modo a refletir a sua nova condição de planeta anão
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Criar flashcards