dengue na cidade de maringá

Propaganda
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ
DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO
POLO DE ITAMBÉ - PARANÁ
ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA
DENGUE NA CIDADE DE MARINGÁ: AS CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS PARA
A PREVENÇÃO DA DOENÇA
Jaqueline Custodio Rocha
Maringá
2016
1
JAQUELINE CUSTODIO ROCHA
DENGUE NA CIDADE DE MARINGÁ: AS CAMPANHAS
PUBLICITÁRIAS PARA A PREVENÇÃO DA DOENÇA
Artigo cientifico apresentado ao Departamento
de Administração da Universidade Estadual de
Maringá como requisito para aprovação no
Trabalho de Conclusão de Curso - TCC .
Elaborado sob orientação do
Francisco Giovanni David Viera.
MARINGÁ
2016
Professor
2
DENGUE NA CIDADE DE MARINGÁ: AS CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS PARA
A PREVENÇÃO DA DOENÇA
RESUMO: Este trabalho compreende um levantamento sobre as campanhas de prevenção da
Dengue da Prefeitura Municipal de Maringá, tendo como objetivos: (i) aplicar um
questionário referente ás campanhas á uma amostra populacional que residente na cidade de
Maringá; (ii) analisar, junto à amostra populacional, se as campanhas estão sendo lembradas e
se elas conhecem os mecanismos de denuncia de foco do mosquito; (iii) observar, junto a uma
amostra populacional, se realmente as campanhas faz com que aconteça uma mudança no seu
comportamento. Tendo como base um referencial teórico sobre administração publica,
marketing social e sobre a Dengue e com foco principal nas formas de prevenção da
proliferação do mosquito. Após a coleta e analise dos dados as principais conclusões foram
que as campanhas realizadas, estão sendo compreendidas e afetam o comportamento da
população, sendo necessário apenas intensificar algumas campanhas para colaborar com o
bem estar da população.
Palavras-Chave:
Marketing Social. Prevenção. Dengue.
3
INTRODUÇÃO
A cidade de Maringá, assim como todo o Brasil, vem sofrendo com os crescentes
números nos casos de Dengue, tendo em vista conscientizar a população, a Prefeitura
Municipal trabalha com diversas campanhas publicitárias e com uma grande equipe de campo
para conscientizar e informar a população sobre os riscos da doença.
No ano de 2015 investiu R$47.600,00 em campanhas e conta com 220 Agentes
Ambientais que trabalham em toda a cidade para evitar a proliferação do mosquito.
Sendo o marketing aplicável a todas as áreas, como: organizações, lugares,
experiências, pessoas, eventos, propriedades, informações, idéias, bens e serviços, que se
justifica na concepção de Kotler e Keller (2006; p.04) “O marketing envolve a identificação e
a satisfação das necessidades humanas e sociais”.
Levando em consideração o sentido de marketing a administração pública investe cada
vez mais no marketing social que segundo Vaz (1995, p. 280) “Marketing social é a
modalidade de ação mercadológica institucional que tem como objetivo principal atenuar ou
eliminar os problemas sociais”.
Por não ser um cliente, ou por ser mais que um cliente, o cidadão tem papel de
governar e ser governado, de consumidor e provedor. Se o cliente tem hoje alguma relevância
no marketing, mais ainda deve ter o cidadão em relação às políticas públicas, sua formulação,
implementação e controle.
Dentro desse contexto, a proposta deste trabalho é utilizar os princípios do marketing,
para gerar um levantamento sobre o impacto que as campanhas de combate a dengue da
Prefeitura Municipal de Maringá, que tem como objetivo conscientizar a população sobre a
doença e como evitar a proliferação do mosquito transmissor.
Visa levantar se as campanhas atingem o seu objetivo de mudar o comportamento da
população em relação aos cuidados para evitar a transmissão da doença, e colaborar com a
Prefeitura Municipal de Maringá no que diz respeito à sugestão de melhorias que podem ser
realizadas na forma em que essas informações são passadas á população.
4
REFERENCIAL TEORICO
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
A administração pública no Brasil vem, ao longo da história, passando por
significativas mudanças. O modelo de gestão sofreu alterações em relação a seus princípios,
assim como a sociedade também sofre mudanças em seus princípios morais, econômicos e
políticos. Sua evolução acompanha as transformações do papel do Estado e dos objetivos dos
governos (SANTOS,2006).
Se os interesses administrados são individuais, trata-se da administração particular; se
são coletivos, da administração pública. É através da Administração que o Estado pratica a
gestão de atividades que lhe são próprias, por corresponderem a interesse público
(MEIRELLES,2006; KOHAMA, 2003).
Cardin (2009, p.33) explica que:
Administração Pública é todo o aparelhamento do Estado, preordenado à realização
de seus serviços, visando à satisfação das necessidades coletivas. [...] Por
conseqüência, tudo que a Administração Pública faça tem de ser voltado para a
Coletividade, para a População. Por outro lado, na Administração das empresas
privadas observa-se que a ênfase é direcionada para o lado individual, o dono da
empresa ou seus sócios, e, como objetivo final, para o lucro esperado.
Para que a Administração Pública seja norteada em prol do coletivo a Constituição da
República Federativa do Brasil, em seu artigo 37, determina os Princípios que norteiam a
Administração Pública:
A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência [...] (Redação dada
pela Emenda Constitucional n°19, de 1998).
A Constituição Federal dispõe expressamente que incumbe ao Poder Político, na
forma da lei, a prestação de serviços públicos. Para Meirelles (2006, p. 349) “A prestação de
serviços pelo Poder Público é a atribuição primordial do governo e, até certo ponto, sua
5
própria razão de ser [...] não se justifica senão como entidade prestadora de serviços públicos
aos indivíduos que o compõe”.
Os serviços públicos são fornecidos por agências governamentais nos níveis federal,
estadual e municipal. No Brasil o governo municipal tem suas funções divididas, as
executivas ficam incumbidas à Prefeitura e as legislativas à Câmara de Vereadores, com o
entrosamento destes dois poderes e suas atividades específicas, assim o governo local é
realizado com independência e harmonia, nas condições expressas na lei orgânica do
Município (MEIRELLES, 2006).
É de se observar uma íntima sintonia entre a Administração Pública e o Serviço
Público, mostrando que execução do serviço seja feita privativamente pela Administração,
seja diretamente, ou por delegação, a Administração Pública desempenha o dever da
continuidade da prestação dos serviços públicos. Considerando que a finalidade do Estado é
organizar e fazer com que os serviços públicos funcionem, pressupõe-se, igualmente, que a
Administração Pública executa o Serviço Público, pois, o considera indispensável à sociedade
e ao seu funcionamento (KOHAMA, 2003).
Para Kohama (2003, p.22) serviços públicos são:
Os serviços que competem exclusivamente ao Estado são considerados “serviços
públicos” propriamente ditos, pois a sua prestação visa satisfazer “necessidades
gerais da coletividade” para que ela possa substituir e desenvolver-se, enquanto os
prestados por delegação consideram-se “serviços de utilidade pública”, em virtude
de tais serviços visarem “facilitar a existência do indivíduo na sociedade”, pondo à
sua disposição utilidades que lhe proporcionam mais comodidade, conforto e bemestar.
Para a organização pública manter a prestação de serviços com qualidade é necessário
haver certa padronização, pois caso não exista dificilmente a organização projetará uma
imagem coerente junto à população. Tendo em vista que sua demanda é flutuante,
necessitando de uma capacidade antecipada para a atividade a ser realizada (SANTOS, 2006).
Segundo Churchill (2000, p.306) “são exemplos de serviços públicos manutenção de
vias públicas, patrulhas rodoviárias, recolhimento de impostos, bibliotecas públicas,
universidades públicas e muitos outros”.
6
MARKETING
O estudo do mercado surgiu da necessidade das indústrias de administrar a nova
realidade oriunda da revolução industrial que causou uma transformação de um mercado de
vendedores para um mercado de compradores (KOTLER; KELLER , 2006).
O marketing pode ser aplicável a todas as áreas, como: organizações, lugares,
experiências, pessoas, eventos, propriedades, informações, idéias, bens e serviços, pois
abrange a identificação e a satisfação das necessidades humanas e sociais (KOTLER;
KELLER , 2006).
De acordo com Kotler (2006), a revolução industrial promoveu nas empresas a busca
pela capacidade de produção, distribuição em massa de artigos comuns, que inicialmente
eram vendidos a granel, e posteriormente começaram a ser embalados e a levar uma marca
estampada.
Desta forma, começou a utilização das marcas, e ao mesmo tempo do marketing, pois
os fabricantes utilizavam a propaganda em massa para convencer aos clientes a solicitar suas
marcas, de forma a forçar os varejistas a martes estoques de seus produtos (Kotler, 2006).
O Marketing se faz como o processo de planejamento e execução da criação,
estabelecimento de preço, promoção e distribuição de idéias, produtos e / ou serviços com
vistas a criar relações de trocas que irão satisfazer as necessidades dos indivíduos e das
organizações (COBRA, 1985; KOTLER; KELLER , 2006).
Cobra apresenta o conceito de marketing definido pela American Marketing
Association – AMA (1985, p.26): “como o desempenho das atividades de negócios que
dirigem o fluxo de bens e serviços do produtor ao consumidor ou utilizador”.
O marketing na função empresarial integra com as funções desempenhadas na
empresa, então a função de marketing engloba a tomada de decisão, a gestão de recursos, a
coordenação de processos e a avaliação de resultados como qualquer outra função empresarial
(KOTLER, 2006; COBRA, 1985).
Assim, observamos a evolução do conceito de marketing passando por diferentes
estágios onde em princípio se orienta para produção, depois para as vendas e depois para um
sentido integrado, levando as práticas e ferramentas de marketing a serem abrangentes
7
podendo ser utilizadas em qualquer tipo de organização, lucrativas ou não-lucrativas,
governamentais ou não-governamentais (KOTLER, 1978).
MARKETING PÚBLICO SOCIAL
Pode-se considerar que uma das funções mais importantes do setor público é definir os
princípios da sociedade, depois a função de realizar os serviços imprescindíveis aos cidadãos,
e por ultimo a prestação dos serviços públicos necessários que os setores privados não possam
ou não devam fornecer (KOTLER; LEE, 2008).
Todos os órgão e agências do governo, sendo elas no âmbito federal, estadual ou
municipal, proporcionam serviços, aproveitam as oportunidades para atender as necessidades
dos cidadãos, de forma a contribuir para bem econômico, ambiental e social.
Para levar a população o conhecimento das atividades e incentivar os cidadãos a se
comportar de uma determinada maneira, ou de melhor direcionar seus serviços, o setor
público faz o uso do marketing (Churchill, 2000; KOTLER; LEE, 2008).
O marketing no setor público deve envolver uma abordagem centrada no cidadão,
ajudando a direcionar as suas dúvidas, reclamações, e alterar a sua percepção em torno dos
serviços, e principalmente para melhorar o desempenho do órgão público (KOTLER; LEE,
2008).
Tentando sempre manter a mensagem simples, levando em consideração os benefícios
ao cidadão, utilizando palavras que criem imagens intensas e fáceis de lembrar, por ultimo
garanta que o estilo e o tom da mensagem sejam compatíveis com a marca e com a real
mensagem que se quer passar (KOTLER; LEE, 2008).
As principais preocupações do marketing no setor público segundo Santos (2006,
p.120) e todas elas devem ser feitas eficiente em tempo determinado, para que consiga
satisfazer as necessidades da população:
- Localizar e medir a demanda da população por algum tipo de bem ou serviço em
determinado espaço de tempo;
- Traduzir essa demanda em bens ou serviços;
- Desenvolver e implementar um plano que torne o bem ou produto disponíveis.
8
Assim define Santos (2006, p.120) ao dizer que:
(...) o conceito de marketing no setor público refere-se à analise, ao planejamento e
ao estabelecimento de um bem ou serviço público, capazes de satisfazer às
necessidades da população, em determinado tempo, visando ao bem comum.
As ações de marketing visam condicionar dois elementos presentes na população, sua
crença que é um elemento social, o marketing deve agir para condicionar de forma positiva. E
sua atitude, que é totalmente pessoal, assim o marketing deve influenciar o que é essencial
sobre a atitude da população (SANTOS, 2006; KOTLER; LEE, 2008).
Para as organizações públicas que prestam serviços, o composto de marketing
preponderante, serão a promoção de seus serviços e os resultados alcançados, para informar
aos cidadãos como está sendo aplicada a verba pública e como o órgão público está agindo
(SANTOS,2006; KOTLER; LEE, 2008). Segundo Churchill (2000, p.306): “(...) os elementos
do composto de marketing são importantes para agências governamentais”.
A grande diferença do marketing no setor privado para o marketing no setor público,
enquanto um deve convencer o consumidor a comprar determinado produto ou serviço, no
setor público o cidadão busca o serviço por necessidade, e este deve informar a população do
que está sendo feito.
O marketing no setor público divide-se em três tipos: o tradicional, o social e o
político:
Segundo Santos (2006, p.120) o marketing tradicional pode ser definido:
O marketing tradicional no setor público é a analise, o planejamento, a
implementação, e o controle de programas cuidadosamente formulados e planejados
por uma gestão para proporcionar trocas voluntárias de valores com a populaçãoalvo, no propósito de atingir os objetivos organizacionais.
O marketing político é definido por Santos (2006, p.122) como:
(...) um conjunto de técnicas que tem como objetivo favorecer a adequação de um
candidato ao seu eleitorado potencial, torná-lo conhecido do maior número de
9
eleitores e de cada um deles, criar a diferença em relação aos concorrentes e, com
um mínimo de recursos, otimizar o número de sufrágios que é necessário ganhar
durante a campanha.
Assim definem Kotler e Roberto (1992, p. 25) o marketing social:
Marketing Social é uma estratégia de mudança de comportamento. Ele combina os
melhores elementos das abordagens tradicionais da mudança social num esquema
integrado de planejamento e ação e aproveita os avanços na tecnologia das
comunicações e na capacidade de marketing.
O Marketing social surgiu para que o marketing ofereça a sociedade mais do que
simplesmente entender o desejo dos consumidores, e dar a eles os bens de consumo que eles
querem, surgiu para beneficiar a sociedade (NICKELS E WOOD 1999).
Segundo Kotler (2006) o marketing social teve origem há décadas, na década de 1950
a Índia lançou campanhas de planejamento familiar, já na década de 1970 a Suécia aderiu e
criou campanhas para mudar os costumes criando uma nação de não fumantes e abstêmios, na
mesma década o governo canadense criou campanhas de “Diga não às drogas”.
Para Kotler e Lee (2008, p.38) o marketing social tem a seguinte função:
(...) assegura que as organizações deveriam desenvolver e entregar valor superior
para os clientes de forma a manter ou melhorar o bem-estar do consumidor e da
sociedade. O conceito de marketing social exige que os profissionais de marketing
estabeleçam considerações éticas e sociais (...) e considerem os possíveis impactos
negativos de satisfação do consumidor em curto prazo (...) com os de longo prazo de
bem-estar social (...).
A responsabilidade social também requer que os profissionais de marketing analisem o
papel que desempenham para o bem-estar social. Segundo Kotler (2006, p.717) “(...) o
marketing social é feito por uma organização não lucrativa ou governamental para promover
uma causa (...)”. Sendo sua necessidade evidente perante os problemas sociais atuais.
Segundo Santos (2006, p.121):
O marketing social visa principalmente, à mudança do comportamento do público,
para a solução de problemas como: analfabetismo, dependência de drogas,
alcoolismo, gravidez na adolescência, difusão de doenças transmissíveis e
desnutrição.
10
O Marketing social é uma ferramenta democrática e eficiente que aplica os princípios
e instrumentos do marketing de modo a criar e conceder um valor à proposta social.
Redescobre o consumidor, o que gera condições para que se construa o processo de reflexão,
participação e mudança social. Seus resultados são mensuráveis pelos seus efeitos e avaliados
pela sua efetividade (MENDONÇA E SCHOMMER, 2000).
Para o sucesso do marketing social, o objetivo é essencial, escolher a meta certa para
um programa de marketing social é fundamental, para isso normalmente são utilizadas
campanhas, que podem ter como objetivo mudar a percepção, os valores, as ações e, ou os
comportamentos das pessoas (KOTLER, 2006; CHURCHILL; PETER, 2000).
Considerando a complexidade e os desafios que compõe as campanhas de marketing
social, é importante ter uma visão de longo prazo, esse gênero de programas sociais,
demandam tempo e podem envolver uma série de programas ou ações intermediárias.
DENGUE
De acordo com o Ministério da Saúde a palavra dengue tem origem espanhola e quer
dizer "melindre", "manha", que faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a
pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês de arthropod-bornvirus, vírus
oriundo dos artrópodos). É uma doença infecciosa e existem quatro tipos diferentes de vírus
do dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. A doença ocorre principalmente em áreas
tropicais e subtropicais do mundo e as epidemias são associadas ao verão, durante os períodos
chuvosos.
A dengue é considerada uma doença tropical, em razão de se proliferar de forma
abundante em países tropicais devido ao clima quente e úmido, as condições sócio-ambientais
destes países também são favoráveis à proliferação do vetor transmissor da dengue (SILVA;
MARIANO E SCOPEL, 2008).
A infecção pelo vírus acontece pela picada de duas espécies de mosquito Aedes
aegypti e o Aedes albopictus, sendo que o primeiro também é transmissor da febre amarela.
No Brasil há apenas o registro de transmissão da dengue pelo Aedes aegypti que é uma
espécie hematófaga originária da África que chegou ao continente americano na época da
11
colonização, a fêmea pica a pessoa infectada, mantém o vírus na saliva e o retransmite. A
transmissão ocorre pelo ciclo homem-mosquito-homem. Após a ingestão de sangue infectado
pelo inseto fêmea, transcorre na fêmea um período de incubação e assim o mosquito torna-se
apto a transmitir o vírus, não existe outra forma de transmissão da doença (SILVA;
MARIANO E SCOPEL, 2008).
Da picada para a manifestação da doença o tempo médio do ciclo é de 5 a 6 dias, só
depois desse período que os sintomas aparecem. O dengue clássico se inicia de maneira
súbita e pode ocorrer febre alta, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dores nas costas e também
aparecer manchas vermelhas no corpo. A febre dura cerca de cinco dias com melhora
progressiva dos sintomas em 10 dias. Em alguns poucos pacientes podem ocorrer hemorragias
discretas na boca, na urina ou no nariz. Raramente há complicações (MINISTÉRIO DA
SAÚDE).
Não existe tratamento específico para dengue, apenas tratamentos que aliviam os
sintomas, recomenda-se ingerir muito líquido e o uso de medicamentos como dipirona ou
paracetamol, não devem ser usados medicamentos à base de ácido acetil salicílico e
antiinflamatórios, pois eles podem aumentar o risco de hemorragias (MINISTÉRIO DA
SAÚDE).
De acordo com informações do Ministério da Saúde a melhor forma de se evitar a
dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito
transmissor da doença. O ciclo do Aedes aegypti é composto por quatro fases: ovo, larva,
pupa e adulto. As larvas se desenvolvem em água parada, limpa ou suja. Na fase do
acasalamento, em que as fêmeas precisam de sangue para garantir o desenvolvimento dos
ovos, ocorre a transmissão da doença.
O seu controle é difícil, devido aos criadouros serem muito diversificados, os ovos são
extremamente resistentes, podendo sobreviver vários meses até que a chegada de água para a
incubação. O melhor modo possível de evitar a transmissão da dengue é a eliminação do
mosquito transmissor, para isso deve-se combater os focos de acúmulo de água
(MINISTÉRIO DA SAÚDE).
12
3 METODOLOGIA
Para o desenvolvimento deste artigo foi necessária uma pesquisa bibliográfica que
conforme Medeiros (2005, p.51) “é aquela que busca o levantamento de livros e revistas de
relevante interesse para a pesquisa que será realizada”.
Como base para o artigo foi utilizado a pesquisa cientifica exploratória que visa
proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito (GIL, 2002).
Dentro das classificações de pesquisa, a descritiva se encaixa, pois tem como propósito a
descrição das características de determinado grupo ou fenômeno, faixa etária, sexo,
procedência, condições de habitação, índice de criminalidade, nível socioeconômico, e
levantamento de opiniões, atitudes e crenças da população entre outros.
Para o melhor entendimento da população fora utilizado a pesquisa de campo que visa
estabelecer as relações entre as variáveis, tendo como base o questionário, foi selecionada
uma amostra aleatória da população, sendo a amostra uma pequena parcela representativa da
população com características diferentes, como sexo, idade e escolaridade, no total de 80
pessoas (GUIMARÃES, 2012).
Para ter-se a possibilidade de uma analise estatística dos dados a pesquisa torna-se
quantitativa onde se considera que tudo pode ser quantificável, o que significa traduzir em
números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Requer o uso de recursos e
de técnicas estatísticas (GIL, 2002).
Este artigo trata-se de um levantamento, pois o objetivo é interrogar diretamente a
população se as campanhas de prevenção da dengue da cidade de Maringá afeta diretamente o
seu comportamento, seguido da analise quantitativa dos dados (GIL, 2002).
O levantamento possui como sua grande vantagem o conhecimento direto da
realidade, pois, à medida que as pessoas passam informações sobre o seu comportamento, a
investigação se torna mais livre de interpretações baseadas no conhecimento do pesquisador.
Porém o levantamento possui uma limitação referente às mudanças, pois, oferece uma visão
estática, não indica se existe tendência a variação ou possíveis mudanças (GIL, 2002).
13
4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE RESULTADOS
CARACTERIZAÇÃO DA CIDADE
A cidade de Maringá faz um trabalho de prevenção da Doença diariamente, tanto com
campanhas de orientação à população e com o trabalho de campo dos Agentes Ambientais.
Em campo no ano de 2015 são 210 agentes para um total de 202.472 divididos em 06
regionais como mostra o mapa abaixo:
Mapa 1 – Cidade de Maringá dividida por regionais.
Fonte: Prefeitura Municipal De Maringá, 2015.
De acordo com a Secretária de Saúde de Maringá cada regional está dividida
especificamente em:
 Regional 01: com 18 localidades, 38 agentes e 38.171 imóveis;
 Regional 02: com 17 localidades, 35 agentes e 34.735 imóveis;
14
 Regional 03: com 17 localidades, 35 agentes e 39.583 imóveis;
 Regional 04: com 17 localidades, 28 agentes e 25.870 imóveis;
 Regional 05: com 05 localidades, 29 agentes e 35.256 imóveis;
 Regional 06: com 07 localidades, 27 agentes e 28.851 imóveis.
As equipes de trabalho também contam com 01 gerente de vigilância ambiental, 01
supervisor de trabalho em campo, todas têm 01 chefe de equipe e 01 chefe por regional.
De janeiro a novembro de 2015 de acordo com ultimo Levantamento Rápido do Índice
de Infestação por Aedes aegypti (LIRA) o número de casos da doença, por semana, foram:
Gráfico 2 – Residentes por semana epidemiológica
Fonte: Prefeitura Municipal De Maringá, 2015.
De acordo com a Secretária de Saúde de Maringá até o dia 11 de dezembro de 2015
foram confirmados 1.267 casos de dengue e 4.408 casos suspeitos, e 2 pessoas faleceram por
causa da doença. Ouve um aumento de 17 casos confirmados e de 163 casos suspeitos da
doença no mesmo período em 2014.
E os principais criadouros são:
15
Gráfico 2 – Principais criadouros
Fonte: Prefeitura Municipal De Maringá, 2015.
O município de Maringá, de acordo com o Relatório de Despesas Com Serviços de
Publicidade Legal e de Publicidade e Propaganda de 2015, no seu primeiro semestre investiu
R$17.000,00, e no segundo semestre foram investidos R$30.600,00 com as campanhas de
combate a dengue.
Para a realização do estudo do impacto das campanhas de prevenção da dengue na
população, a coleta dos dados se fez em forma de questionários, com uma amostra de 80
pessoas, moradores da cidade de Maringá, de todas as faixas etárias. Para obter respostas se a
população tem conhecimento sobre as campanhas de prevenção da dengue da Prefeitura
Municipal de Maringá e se as mesmas tem efeito sobre o comportamento da população.
DESCRIÇÃO DOS RESULTADOS
A amostra populacional caracteriza-se por pessoas residentes na cidade de Maringá,
sendo caracterizada por 42% (34 pessoas) do sexo masculino e 58% (46 pessoas) do sexo
feminino. Com uma faixa etária variável de 15 anos, à acima de 60 anos, sendo o maior
número de entrevistados 35%, estando entre a faixa de 20 a 25 anos, como explicita o gráfico
a baixo.
16
Gráfico 3 - Idade?
Fonte: Pesquisa de campo, 2016.
A escolaridade da amostra mostra-se como maioria pessoas com o ensino superior
completo, 42% (34 entrevistados), o segundo maior índice refere-se ao ensino médio
completo 31% (25 entrevistados), seguido pelo ensino superior incompleto, estudando ou não,
19% (15 entrevistados) e por último com 8% (6 entrevistados) o outros. Não foram
entrevistados nenhuma pessoa com o ensino fundamental, completo ou incompleto, e ensino
médio incompleto.
A partir dos dados iniciais para conhecimento dos entrevistados, deu-se inicio as
questões foco do trabalho as campanhas de prevenção de dengue da Prefeitura Municipal de
Maringá, denominada como PMM.
Todos os entrevistados se recordam de alguma campanha de prevenção de dengue, a
grande maioria, 87% dos entrevistados citou a campanha de combate ao mosquito com o
tutorial de meios de prevenção (70 pessoas), a segunda campanha lembrada foi a do agente
em casa que está circulando na cidade com 8% dos entrevistados (6 pessoas) e a campanha
não dê abrigo ao mosquito foi citada por 5% dos entrevistados (4 pessoas). E 100% dos
entrevistados informaram que as campanhas influenciam mudanças em seu comportamento.
17
Fora perguntado por qual mídia o entrevistado obteve conhecimento das campanhas da
PMM, podendo-se assinalar mais de uma alternativa. Para melhor visualização das respostas a
tabela segue em ordem decrescente.
Tabela 1 - Por qual o tipo de mídia você teve conhecimento das campanhas da PMM?
Mídia
Número de respostas
Televisão
80
Panfletos
50
Rádio
35
Cartazes
30
Outdoor
25
Revista
09
Jornal
08
Outros
0
Fonte: Pesquisa de campo, 2016.
A penúltima pergunta levanta se os entrevistados conhecem os mecanismos de
denúncia em caso de encontrar algum foco do mosquito, 85% dos entrevistados (68 pessoas)
informaram que sim.
Sendo a última pergunta complementar a anterior questionou o que deveria ser feito,
na opinião do entrevistado, para diminuir os casos de dengue na cidade de Maringá dando
algumas alternativas e deixando o campo outros para expressarem sua opinião, para melhor
visualização das respostas a tabela segue em ordem decrescente.
18
Tabela 2 - Na sua opinião o que deve ser feito para diminuir os casos de DENGUE na cidade de Maringá ?
Alternativa
Número de respostas
Multar os moradores com focos não
76
naturais dos mosquitos em suas residências
Mais campanhas de orientação
60
Aumentar a frequência de visitas
30
dos Agentes Ambientais
Outros
04
Incentivar a comunidade a criar
03
mutirões de vistoria nos bairros
Fonte: Pesquisa de campo, 2016.
Não foi pedido para que o entrevistado selecionasse mais de uma alternativa, porém
95% dos entrevistados selecionaram de duas a três alternativas, 76 entrevistados acreditam
que uma multa aos moradores surtiria efeito no combate ao mosquito na sua grande maioria
somada a mais campanhas de orientação.
Os 4 entrevistados que citaram outros responderam:
“Deveriam dar desconto no IPTU para quem tivesse o quintal limpo.”
“Aumentar o número de agentes para orientação da população.”
“Aumentar o IPTU de quem tem terreno vazio.”
5. CONCLUSÃO
O marketing é de grande importância para qualquer empresa e também para o setor
público, pois o cidadão tem papel de governar e ser governado, de consumidor e provedor. O
marketing social é uma ação preventiva que todos e os governos federais, estaduais e
municipais têm o dever com a população.
Este artigo abordou, no referencial teórico, as definições de administração, marketing,
marketing social e o conceito da doença dengue, desde a criação do mosquito aos sintomas e
19
tratamentos da doença, com a função de ter uma base pra coletar e interpretar os dados
obtidos através de questionário aplicado a uma amostra populacional. Com o objetivo de
avaliar se as campanhas para a prevenção da doença realizadas pela Prefeitura Municipal de
Maringá têm influencia sobre o comportamento da população.
O Marketing social é uma ferramenta democrática e eficiente que aplica os princípios
e instrumentos do marketing tradicional para criar e conferir um valor à proposta social. Suas
campanhas podem ter como objetivo mudar a percepção, os valores, as ações e, ou os
comportamentos das pessoas, e para que o sucesso das ações de marketing social seja
atingido, elas devem ser avaliadas em termos de seus objetivos propostos.
Desta forma, após analisar os dados coletados, sugere-se que as campanhas sejam mais
intensificadas, e em uma linguagem atual para que possa ser entendida por todos os públicos.
É de suma importância salientar tipo de mídia usado para que as campanhas cheguem até a
população, sendo que a televisão foi o tipo de mídia mais votado seguido pelo rádio, devemse intensificar as campanhas nesses veículos de comunicação, pois são os quais a população
maringaense tem maior afinidade.
Assim as campanhas feitas pela Prefeitura Municipal de Maringá, causam um bom
impacto e afetam o comportamento da população, devido à amostra citar em 100% que afetam
o seu comportamento, apenas devem ser intensificadas as informações das ferramentas de
denuncia dos focos do mosquito e trabalhadas de forma mais intensa, sendo feitas de forma
mais clara e coesa para o total entendimento de todos os cidadãos maringaenses.
20
REFERÊNCIAS
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal,
Centro Cívico, 1988.
BRASIL. Ministério da Saúde. Orientações Gerais Prevenção e Combate: Dengue,
Chikungunya e Zika. Disponível em:< http://combateaedes.saude.gov.br/> Acesso em: 12 fev.
2016
CARDIN, Décio Vicente Galdino. Manual do gestor público. Maringá: Unicorpore, 2009.
CHURCHILL, Gilbert A.; PETER Paul. Marketing: criando valor para o cliente.1ed São
Paulo: Saraiva. 2000.
COBRA, M. Marketing Básico: Uma Perspectiva Brasileira. 3 ed. São Paulo: Atlas. 1985
GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.
GUIMARÃES, Paulo Ricardo Bittencourt. Métodos Quantitativos Estatísticos. Curitiba:
IESDE Brasil S.A, 2012. Disponível em:<
http://arquivostp.s3.amazonaws.com/qcursos/livro/LIVRO_metodos_quantitativos_estatistico
s_paulo.pdf> Acesso em: 10 fev. 2016.
KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública: Teoria e Prática. 9ed. São Paulo:Atlas, 2003
KOTLER, P. Administração de Marketing. 12 ed. São Paulo: Pearson Pretince Hall, 2006.
KOTLER, P. Marketing para organizações que não visam o lucro. São Paulo: Atlas, 1978.
KOTLER, Philip; KELLER, Kevin. Administração de marketing. 12. ed. São Paulo:
Pearson Prentice Hall, 2006.
KOTLER, Philip; LEE, Nancy. Marketing do setor público. Porto Alegre: Ed. Bookman,
2008.
KOTLER, P., ROBERTO, E. L. Marketing Social: Estratégias para alterar o
comportamento do público. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos,
resenhas. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2005.
MEIRELLES, Hely Lopes. Direito municipal brasileiro. 15ed.São Paulo: Malheiros, 2006.
MENDONÇA, P. M. E.; SCHOMMER, P. C. O Marketing e suas Relações com o Social:
Dimensões Conceituais e Estratégicas. CD-ROM, ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO
NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO
(ENANPAD), 24. 2000, Anais..., Florianópolis: ANPAD, 2000.]
21
NICKELS, William G; WOOD, Marian Burk. Marketing: Relacionamentos, Qualidade,
Valor. Rio de Janeiro: LTC, 1999.
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ. Índice de infestação do Aedes Aegypti cai
em Maringá. Maringá, PR, 2015. Disponível em:
<http://www2.maringa.pr.gov.br/site/index.php?sessao=8c0d08cd28558c&id=11912>.
Acesso em: 20 fev. 2016.
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ. 4º LIRA 2015. Maringá, PR, 2015.
Disponível em: <http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/f691b92d6c69.pdf>.
Acesso em: 20 fev. 2016.
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ. Programa Municipal de Controle
da Dengue. Maringá, PR, 2015. Disponível em:
<http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/a521ab268bba.pdf>. Acesso em: 20 fev.
2016.
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ. Relatório de Despesas Com Serviços de
Publicidade Legal e de Publicidade e Propaganda de 2015. Maringá, PR, 2015. Disponível
em:
<http://www2.maringa.pr.gov.br/site/index.php?sessao=35743fef1crw35&altarquia=1&ano=2
6&categoria=335&sub=969>. Acesso em: 18 fev. 2016.
SANTOS, Clezio Saldanha dos. Introdução à gestão pública. São Paulo: Saraiva, 2006.
SCHIAVO, Marcio Ruiz. Conceito e evolução do marketing social. Conjuntura Social. São
Paulo. ano 1, n. 1 , p. 25-9, mai. 1999.
SILVA, S. Maciel; MARIANO, F. Zilda; SCOPEL Iraci. A DENGUE NO BRASIL E AS
POLÍTICAS DE COMBATE AO AEDES AEGYPTI: DA TENTATIVA DE
ERRADICAÇÃO ÁS POLÍTICAS DE CONTROLE. Revista Brasileira de Geografia
Médica e da Saúde. ISSN: 1980-1726. Junho 2008. Disponível em:
<http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/viewFile/16906/9317>Acesso em: 12 fev.
2016.
VAZ, G. N. Marketing institucional: um mercado de ideias. São Paulo: Pioneira, 1995.
22
Anexo A
Prezado(a) colaborador(a), solicito vosso auxilio para responder o questionário proposto, visando
levantar informações sobre as campanhas de prevenção de DENGUE da Prefeitura Municipal de
Maringá que serão utilizadas para elaboração de trabalho para conclusão do curso pós graduação em
Gestão Pública da Universidade Estadual de Maringá – UEM. Agradeço a colaboração desde já.
1- Gênero?
( ) Feminino
( ) Masculino
2- Faixa Etária?
( ) 15 a 19 anos
( ) 20 a 25 anos
( ) 26 a 30 anos
( ) 31 a 35 anos
3- Escolaridade?
( ) Ensino Fundamental
incompleto
( ) Ensino Fundamental completo
( ) 36 a 40 anos
( ) 41 a 45 anos
( ) Ensino Médio incompleto
( ) Ensino Médio completo
( ) 46 a 50 anos
( ) 51 a 55 anos
( ) 55 a 60 anos
( ) Acima de 60
anos
( ) Ensino Superior incompleto
( ) Ensino Superior completo
( ) Outro ________________
4- Você se recorda de alguma campanha sobre a prevenção da DENGUE que a Prefeitura Municipal de
Maringá (PMM) realizou ou que se encontre em realização?
( ) Sim
( ) Não
5- Se sim, qual campanha?
____________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________
6- As campanhas influenciam alguma mudança em seu comportamento?
( ) Sim
( ) Não
7- Se não, para você, o que deveria ser modificado?
____________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________
8- Por qual o tipo de mídia você teve conhecimento das campanhas da PMM? (Pode-se assinalar mais de uma)
( ) TV
( ) Radio
( ) Cartazes
( ) Jornal
( ) Revista
( ) Outdoor
( ) Panfletos
( ) Outros __________
___________________
9-Você conhece os mecanismos de denúncia em caso de encontrar algum foco do mosquito?
( ) Sim
( ) Não
10-Na sua opinião o que deve ser feito para diminuir os casos de DENGUE na cidade de Maringá ?
( ) Mais
( ) Aumentar a
( ) Incentivar a
( ) Multar os
( ) Outros __________
campanhas de
frequência de
comunidade a criar moradores com
___________________
_____________________
orientação
visitas dos Agentes mutirões de
focos não
_____________________
Ambientais
vistoria nos bairros naturais dos
_____________________
mosquitos em
suas residências
23
Anexo B
24
Anexo C
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

Criar flashcards