nota técnica dvs/dve/sesacre nº 001/2009

Propaganda
Governo do Estado do Acre
Secretaria de Estado de Saúde
Departamento de Vigilância em Saúde
Divisão de Vigilância Epidemiológica
Av. Antônio da Rocha Viana, nº 1294, Bairro Vila Ivonete
E-mail: [email protected] / 3223-2320/3223-8007
NOTA TÉCNICA DVS/DVE/SESACRE Nº 001/2009
Diante da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII)
desencadeada pela circulação, entre seres humanos, de um novo vírus da influenza
A(H1N1) o Ministério da Saúde emitiu protocolo com o objetivo de adaptar, destacar,
complementar e padronizar as principais ações que constam no Plano Brasileiro de
Preparação para uma Pandemia de Influenza (PBPPI), adequando essas medidas à
ESPII de Influenza A(H1N1).
OBJETIVOS
1. Reduzir o risco de transmissão da infecção pelo novo vírus A (H1N1) nos
serviços de saúde e na comunidade;
2. Prover assistência adequada e oportuna aos casos, evitando ou reduzindo a
ocorrência de formas graves e fatais;
3. Aprimorar o monitoramento da situação epidemiológica da influenza no país,
visando detectar alterações no padrão de transmissão e gravidade da doença.
DEFINIÇÃO DE CASO SUSPEITO:
Indivíduo que apresentar doença aguda de início súbito, com febre* - ainda
que referida** - acompanhada de tosse ou dor de garganta, na ausência de outros
diagnósticos, podendo ou não estar acompanhada de outros sinais e sintomas como
cefaléia, mialgia, artralgia ou dispnéia, vinculados aos itens A e ou B abaixo:
A. Ter retornado, nos últimos 10 dias, de países com casos confirmados de
infecção pelo novo vírus A (H1N1); OU
B. Ter tido contato próximo, nos últimos 10 dias, com uma pessoa classificada
como caso suspeito ou confirmado de infecção humana pelo novo vírus influenza A
(H1N1).
* Considera-se febre como a elevação da temperatura corporal acima de 37,5º C.
** Significa que o próprio indivíduo mediu a temperatura, verificou que estava acima do valor de referência e
informou ao profissional de saúde.
SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA NO ACRE
1. Em 19 de junho de 2009 foi notificado à Divisão da Vigilância Epidemiológica
Estadual/DVE), através do Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar (NUVEH) do
H.U.E.R.B, o primeiro caso suspeito de Influenza A (H1N1) em Rio Branco. Tratava-se
de indivíduo de 43 anos, do sexo Masculino, residente no município de Rio Branco.
2. Em 14 de junho viajou para Inhanpari - Peru, e retornou (19/06/2009) manifestando os
seguintes sinais e sintomas: febre, tosse, calafrio, dor na garganta, artralgia, mialgia,
coriza, ardência nos olhos e diarréia.
3. Segundo o mesmo, não manteve contato com casos semelhantes nos últimos 10 dias.
4. A DVE iniciou juntamente com N.V.E.H a investigação do Caso, solicitando isolamento do
paciente, início do tratamento e preenchimento da ficha de investigação epidemiológica.
5. Foi coletada amostra de secreção de nasofaringe para realização de diagnóstico
laboratorial no mesmo dia. No dia seguinte o caso foi descartado clinicamente.
6. O resultado do exame laboratorial foi emitido em 23/06/2009 pelo Instituto Adolfo Lutz –
São Paulo, sendo negativo. Portanto, o caso foi descartado e suspenso o monitoramento
domiciliar.
7. Em 23 de junho de 2009 foram notificados outros dois casos suspeitos da doença, sendo
o primeiro, uma pessoa de 38 anos, sexo feminino, estudante vindo de Santa Cruz de La
Sierra – Bolívia; e o segundo caso uma pessoa também do sexo feminino, 27 anos, que
realizou viagem a Cobija.
O segundo caso deverá ser descartado epidemiologicamente por apresentar os sintomas
no mesmo dia da chegada a Cobija, portanto não se enquadrando nos critérios
epidemiológicos de suspeição de caso de Influenza A(H1N1). Realizado coleta de ambas as
paciente. A coleta da segunda paciente foi por precaução para descarte laboratorial por já
ter sido notificado. Ambas apresentaram os seguintes sintomas Influenza A (H1N1): Febre,
dor de garganta e tosse.
As pacientes encontram-se em monitoramento domiciliar que dura 7 dias ou até o
resultado negativo do exame.
8. Foi iniciada a investigação epidemiológica pela Vigilância Epidemiológica Estadual e
Municipal e tratamento conforme protocolo do Ministério da Saúde.
MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE
Medidas gerais
1. As medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas, baseadas em
intervenções não farmacológicas, para reduzir o risco de adquirir ou transmitir
doenças agudas de transmissão respiratória, incluindo o novo vírus influenza
A(H1N1), são:
2. Higienizar as mãos com água e sabonete antes das refeições, antes de tocar os
olhos, boca e nariz e após tossir, espirrar ou usar o banheiro
3. Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies;
4. Proteger com lenços (preferencialmente descartáveis) a boca e nariz ao tossir ou
espirrar, para evitar disseminação de aerossóis;
5. Indivíduos que sejam casos suspeitos ou confirmados devem evitar entrar em
contato com outras pessoas suscetíveis. Caso não seja possível, usar máscaras
cirúrgicas;
6. Indivíduos que sejam casos suspeitos ou confirmados devem evitar
aglomerações e ambientes fechados
7. Manter os ambientes ventilados;
8. Indivíduos que sejam casos suspeitos ou confirmados devem ficar em repouso,
utilizar alimentação balanceada e aumentar a ingestão de líquidos.
Equipamentos de Proteção Individual (EPI)
As medidas de precaução padrão e precauções para gotícula (partículas de
secreção respiratória) são recomendadas na assistência aos casos suspeitos ou
confirmados. No entanto, medidas adicionais devem ser utilizadas por profissionais de
saúde na assistência a esses casos. Isto envolve a inclusão de medidas de precaução
de contato e para aerossóis.
Rio Branco-AC 24 de Junho de 2009.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

Criar flashcards