título: atuação da enfermagem na prevenção ao câncer de intestino

Propaganda
16°
TÍTULO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO AO CÂNCER DE INTESTINO
CATEGORIA: EM ANDAMENTO
ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE
SUBÁREA: ENFERMAGEM
INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM
AUTOR(ES): LEONARDO LEONEL DOS SANTOS, STEFANNI ROBERTO MOURA
ORIENTADOR(ES): TAIS FERNANDA MAIMONI CONTIERI SANTANA
COLABORADOR(ES): FRANCISCO DE ASSIS ANDRADE, JOVIRA MARIA SARRACENI
RESUMO
O câncer colorretal é considerado a principal causa de morte em todo país
desenvolvido segundo a OMS, levantando preocupação em relação a sua alta
epidemiologia e diagnóstico tardio. Trata-se de um estudo exploratório de
abordagem quantitativa, realizado com moradores do município de Lins/SP, de
ambos os sexos, a partir dos dezoito anos. Os lócus do estudo foram as médias
e pequenas empresas com mais de cinquenta funcionários, utilizando-se como
instrumento de coleta de dados um questionário com perguntas fechadas para
levantamento do conhecimento do câncer colorretal e posteriormente a análise
dos dados, realizou-se uma atividade educativa. Dados preliminares revelam
que as pessoas têm conhecimento sobre o câncer colorretal, porém não
identificam sinais e sintomas por quais podem ser acometidas, reforçando a
necessidade de orientações por parte dos profissionais de saúde.
INTRODUÇÃO
O câncer de intestino (colorretal) é considerado a principal causa de morte em
todos os países desenvolvidos, segundo a OMS é uma das doenças malignas
comumente diagnosticadas. Segundo a última estimativa mundial, o câncer de
cólon e reto configura-se como o terceiro tipo de câncer mais comum entre os
homens, com 746 mil casos novos, e o segundo nas mulheres, com 614 mil
casos novos. Estimam-se, para 2016, no Brasil, 16.660 casos novos de câncer
de cólon e reto em homens e de 17.620 em mulheres. Esses valores
correspondem a um risco estimado de 16,84 casos novos a cada 100 mil homens
e 17,10 para cada 100 mil mulheres. Mais da metade dos casos são provenientes
de regiões mais desenvolvidas. Os padrões geográficos são bem semelhantes
em relação ao sexo, sendo que o sexo masculino apresenta uma maior
incidência na maioria das populações. (INCA, 2016)
O câncer colorretal abrange tumores que acometem um segmento do intestino
grosso (o cólon) e o reto. É tratável e, na maioria dos casos, curável, ao ser
detectado precocemente, quando ainda não se espalhou para outros órgãos.
Grande parte desses tumores se inicia a partir de pólipos, lesões benignas que
podem crescer na parede interna do intestino grosso. Uma maneira de prevenir
o aparecimento dos tumores seria a detecção e a remoção dos pólipos antes de
eles se tornarem malignos. (INCA, 2016)
O câncer de colorretal é um grave problema de saúde pública que possui
medidas de prevenção primária e secundária. Além disso, dada a sua elevada
morbidade, mortalidade e bem conhecida história natural, a disponibilidade de
métodos diagnósticos que permitam a detecção precoce desses tumores, ou
mesmo de suas lesões precursoras, e a existência de terapias que aumentem a
sobrevivência quando utilizadas em fases iniciais, satisfaz os critérios de rastreio
estabelecidos pelo Organização Mundial da Saúde. (BRASIL, 2015)
Desta forma torna-se imprescindível que os profissionais de enfermagem
estejam engajados na orientação da população quanto aos fatores de risco e
detecção precoce de lesões colorretais, para contribuir com um diagnóstico e
tratamento em estágio iniciais da doença.
OBJETIVOS
Conscientizar a população quanto aos fatores predisponentes e a necessidade
de diagnóstico precoce do câncer colorretal. Divulgar da forma mais abrangente
possível, maneiras diversificadas que possam prevenir o desenvolvimento do
câncer de intestino, envolvendo atividades físicas diárias e hábitos alimentares
saudáveis.
METODOLOGIA
Trata-se de um estudo exploratório de abordagem quantitativa, projeto
submetido e aprovado pela Resolução 466/12 do CEP sob número 1.565.911,
realizado com moradores do município de Lins, de ambos os sexos, a partir dos
dezoitos anos. Os lócus do estudo forão as médias e pequenas empresas com
mais de cinquenta funcionários, utilizando-se como instrumento de coleta de
dados um questionário com perguntas fechadas para levantamento do
conhecimento do câncer colorretal, versando sobre: conhecimento da doença,
causas, sintomas, fatores de risco, presença de sangue nas fezes, riscos de
detecção tardia, presença de câncer colorretal na família.
DESENVOLVIMENTO
Inicialmente realizou-se contato com as empresas interessadas no projeto, para
levantamento de informações iniciais em relação ao conhecimento de seus
funcionários sobre o câncer de intestino e sua prevenção. Seguindo-se os
preceitos éticos da resolução CNS 466/12, após a análise dos dados efetuou-se
uma educação em saúde, levando até as empresas um pôster com imagens do
intestino humano apresentado lesões sugestivas de malignidade para
conscientização dos sujeitos envolvidos.
RESULTADOS PRELIMINARES
Após realização de aplicação do questionário à cinquenta indivíduos de
diferentes idades, sexos, etnias e graus de escolaridade sendo referido pelos
participantes um fácil entendimento e tempo adequado de aplicação.
Apresentam-se
alguns
dados
preliminares
desta
aplicação:
Sobre
o
conhecimento da doença, causas e métodos preventivos 55% referiram
conhecimento; 70% conhecem os riscos de desenvolver o câncer de intestino;
30% identificam os sinais e sintomas; 30% compreendem a ligação entre o
sangramento anal e o câncer de intestino; 40% sabiam os riscos de uma
detecção tardia e 10% já tiveram ou tem alguém na família com a patologia.
FONTES CONSULTADAS
Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva.
Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2014: incidência de câncer
no
Brasil.
Rio
de
Janeiro:
INCA;
2016.
Disponível
em
<http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/sintese-de-resultadoscomentarios.asp> (Acessado em 15 de agosto de 2016).
Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva - INCA (2016).
Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil. Inca. 118p.
Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva - INCA (2016). Atlas
de
Mortalidade
por
Câncer.
Disponível
em:
<https://mortalidade.inca.gov.br/MortalidadeWeb/> acesso em 15 de agosto de
2016.
Brasil. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância.
Câncer no Brasil: dados dos registros de base populacional, v.4. Rio de Janeiro:
INCA; 2016. 488 p.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards