Arquivos de Texto - PIB Curitiba – Intranet

Propaganda
D:\841065740.doc
1
APRENDENDO A ORAR COM JESUS
15/10/2006n
Mt 6
5 “E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar
orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros. Eu
lhes asseguro que eles já receberam sua plena recompensa.
6 Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está
em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.
7 E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa, como fazem os
pagãos. Eles pensam que por muito falarem serão ouvidos.
8 Não sejam iguais a eles, porque o seu Pai sabe do que vocês precisam, antes
mesmo de o pedirem.
9 Vocês, orem assim: “Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome.
10 Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.
11 Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia.
12 Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores.
13 E não nos deixes cair ema tentação, mas livra-nos do malb, porque teu é o
Reino, o poder e a glória para sempre. Amémc.
14 Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes
perdoará.
15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as
ofensas.
INTRODUÇÃO
1. O evangelho de Lucas nos ajuda a entender a motivação do nosso Senhor ao dizer
estas palavras aos seus discípulos
Lc 11
1 Certo dia Jesus estava orando em determinado lugar. Tendo terminado, um dos
seus discípulos lhe disse: “Senhor, ensina-nos a orar, como João ensinou aos
discípulos dele”.
2. Ele não estava preocupado em ensinar uma nova liturgia, por isso ele pega os
elementos da piedade judaica e os coloca juntos aqui ( as esmolas, a oração e o Jejum)
3. O seu objetivo era que a fé daqueles novos irmãos fosse maior que uma simples liturgia
que se repetiria como expressão da sua religiosidade.
4. Por isso ele afirmou que a nossa vida de fé deveria ser diferente da praticada pelos
Escribas e Fariseus, modelos de espiritualidade do seu tempo, que se preocupavam
tanto com a forma mas não cultivavam a essência , a comunhão e a vida que deveria ser
transformada pelo poder do Deus vivo 1
5. Mas como a oração pode ser um instrumento de intimidade e mudança?”
6. Como ela pode ser algo maior que uma práxis religiosa?
1 Mt 5. 20 Pois eu lhes digo que se a justiça de vocês não for muito superior à dos fariseus e mestres da lei, de
modo nenhum entrarão no Reino dos céus.  Veja também o uso do refrão em secreto, repetindo-se ao longo do
texto em contraste com diante dos homens .
Paschoal Piragine Jr
-1-
29/5/2017
D:\841065740.doc
2
7. De que maneira ela pode tornar-se experiência , presença e poder de Deus em nós
8. Com estas preocupações gostaria de fazer algumas perguntas norteadoras da nossa
compreensão a este texto para que de fato aprendamos a orar.
I POR QUE ORAR ?
13 E não nos deixes cair ema tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino,
o poder e a glória para sempre. Amém.
1. Porque Teu é o Reino !
a. O reino de Deus é a base de tudo que existe e existirá
b. Ele representa o propósito eterno do nosso Senhor
c. O seu controle de todas as coisas, em todos os lugares e em todas as épocas
d. O seu domínio e a sua autoridade
e. Até aquilo que parece aos nossos olhos fugir do controle e do propósito de Deus
na verdade estão no domínio e no controle do seu Reino e do Rei que se
assenta no trono eterno.  O exemplo da crucificação de Jesus .
f. Orar é ter uma audiência privada com aquele que se assenta no trono
Hb 4
16 Assim, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de
recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da
necessidade.
g. Orar é poder sentar-se ao lado daquele que tem toda a autoridade do reino para
falar-lhe em particular
Ef 2
6 Deus nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nos lugares
celestiais em Cristo Jesus,
h. Por isso, oração é tanto um privilégio, quanto uma ordem divina. Pois o Rei de
todo o universo tem nos chamado para termos comunhão e intimidade com ele.
i.
Ele quer nos revelar os seus propósitos, nos fazer ver e entender a vida e o
universo não apenas sob a perspectiva da nossa carne ou da nossa cultura, mas
sob dimensão do seu reino, do seu propósito eterno.
j.
Os seus segredos ele quer nos revelar
Sl 25
14 O Senhor confia os seus segredos aos que o temem, e os leva a conhecer a sua
aliança.
Mt 13
11 Ele respondeu: “A vocês foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos
céus, mas a eles não.
1 Co 4
1 Portanto, que todos nos considerem como servos de Cristo e encarregados dos
mistérios de Deus.
k. Nós somos, neste mundo os despenseiros  os homens da chave dos
mistérios de Deus
l.
E é através das nossas audiências íntimas com o rei que o seu Espírito Santo
nos ajuda a entender a vontade de Deus e os seus propósitos eternos
Paschoal Piragine Jr
-2-
29/5/2017
D:\841065740.doc
3
m. Não orar é perder a perspectiva certa !
n. É por isso que muitos crentes tem sido intoxicados pela visão e pelas filosofias do
seu tempo. Eles tem perdido o foco! Não conseguem entender o propósito de
Deus para a sua vida , seus dons , sua influência neste mundo, simplesmente por
que tem trocado o sentar-se e aprender com o rei por tantas coisas que lhe
consomem a alma
o. Lc coloca esta narrativa logo após as palavras de Jesus a Marta e Maria
Lc 10
38 Caminhando Jesus e os seus discípulos, chegaram a um povoado, onde certa
mulher chamada Marta o recebeu em sua casa.
39 Maria, sua irmã, ficou sentada aos pés do Senhor, ouvindo a sua palavra.
40 Marta, porém, estava ocupada com muito serviço. E, aproximando-se dele,
perguntou: “Senhor, não te importas que minha irmã tenha me deixado sozinha
com o serviço? Dize-lhe que me ajude!”
41 Respondeu o Senhor: “Marta! Marta! Você está preocupada e inquieta com
muitas coisas;
42 todavia apenas uma é necessária.f Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe
será tirada”.
p. Quantas vezes a melhor parte nos tem sido tirada ? O sentar-se aos pé do rei é a
melhor parte .
q. E mais , a nossa ausência neste santo lugar, neste santo encontro, entristece
aquele que nos convidou, pois o acesso foi comprado por alto preço.
1 Pe 1
18 Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro
que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver, transmitida por seus
antepassados,
19 mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem
defeito,
r. O seu lugar junto ao rei está vazio . E ele tem se ressentido da sua falta, e tem
se entristecido , por você não dar valor em conhecer os seus propósitos eternos.
s. Há tanto que ele queria lhe ensinar e a há tanto que desejaria derramar da sua
graça sobre você , mas você não tem estado lá .
2. Porque Teu é o Poder !
a. A segunda razão pela qual deveríamos orar é porque aquele que ouve as nossas
orações tem todo o poder no céu e na terra.
b. É difícil para nós entendermos o poder de Deus. Estamos tão aprisionados à
dimensão da nossa carne e às leis da natureza que nos parece estranho pensar
em alguém que esteja acima de tudo isto e que possa não somente quebrar
estas leis como escrever outras segundo a sua vontade.
c. Mas quando olhamos para a criação podemos perceber que tudo que existe foi
criado do nada mediante o poder daquele que ouve as nossas orações
d. Diante desta realidade não orar pareceria uma grande tolice.
Is 40
26 Ergam os olhos e olhem para as alturas. Quem criou tudo isso? Aquele que põe
em marcha cada estrela do seu exército celestial, e a todas chama pelo nome. Tão
Paschoal Piragine Jr
-3-
29/5/2017
D:\841065740.doc
4
grande é o seu poder e tão imensa a sua força, que nenhuma delas deixa de
comparecer!
Jer 10
6 Não há absolutamente ninguém comparável a ti, ó Senhor; tu és grande, e grande
é o poder do teu nome.
12 Mas foi Deus quem fez a terra com o seu poder,firmou o mundo com a sua
sabedoria e estendeu os céus com o seu entendimento
Jer 27
5 Eu fiz a terra, os seres humanos e os animais que nela estão, com o meu grande
poder e com meu braço estendido, e eu a dou a quem eu quiser.
Jer 32
17 “Ah! Soberano Senhor, tu fizeste os céus e a terra pelo teu grande poder e por
teu braço estendido. Nada é difícil demais para ti.
e. Especialmente quando a bíblia está repleta de convites a que coloquemos diante
daquele que pode tudo, tudo o que perturba o nosso coração.
Sl 105
4 Recorram ao Senhor e ao seu poder; busquem sempre a sua presença.
1 Pe 5
7 Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.
f. Creio que uma das grandes batalhas espirituais que travamos é entender o poder
de Deus e como ele opera a favor dos seus servos mediante a oração. Meu
sentimento é que de muitas maneiras diferentes o inimigo tenta impedir a nossa
percepção da grandeza do poder do Senhor e de como ele tem prazer em intervir
em nossas vidas para que a sua glória possa ser percebida pelos homens.
g. É por isso que Paulo faz uma oração maravilhosa a favor de uma das igrejas que
ele pastoreou e creio que esta deva ser a nossa oração diante de Deus para que
tenhamos a compreensão de como ele age a nosso favor mediante a oração
Ef 1
17 Peço que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o glorioso Pai, lhes dê espírito
de sabedoria e de revelação, no pleno conhecimento dele.
18 Oro também para que os olhos do coração de vocês sejam iluminados, a fim de
que vocês conheçam a esperança para a qual ele os chamou, as riquezas da
gloriosa herança dele nos santos
19 e a incomparável grandeza do seu poder para conosco, os que cremos,
conforme a atuação da sua poderosa força.
20 Esse poder ele exerceu em Cristo, ressuscitando-o dos mortos e fazendo-o
assentar-se à sua direita, nas regiões celestiais,
21 muito acima de todo governo e autoridade, poder e domínio, e de todo nome que
se possa mencionar, não apenas nesta era, mas também na que há de vir.
22 Deus colocou todas as coisas debaixo de seus pés e o designou cabeça de
todas as coisas para a igreja,
23 que é o seu corpo, a plenitude daquele que enche todas as coisas, em toda e
qualquer circunstância.
h. Se os nossos olhos estivessem abertos e compreendêssemos a grandeza do seu
poder e como ele deseja usá-lo a nosso favor e para a sua glória, a oração teria
um lugar diferente em nossas vidas
i.
Foi o nosso Senhor quem prometeu
Paschoal Piragine Jr
-4-
29/5/2017
D:\841065740.doc
5
Jo14
12 Digo-lhes a verdade: Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho
realizado. Fará coisas ainda maiores do que estas, porque eu estou indo para o Pai.
13 E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no
Filho.
14 O que vocês pedirem em meu nome, eu farei.
Mt 7
7 “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será
aberta.
8 Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta
será aberta.
Jo16
24 Até agora vocês não pediram nada em meu nome. Peçam e receberão, para que
a alegria de vocês seja completa.
j.
Jesus desejava que seus discípulos pudessem compreender que o Reino é de
Deus, mas que todo poder no céu e na terra a ele pertencem e que este poder
está a nossa disposição especialmente se estivermos olhando a vida sob a
perspectiva do Reino 2
k. Muitos de nós temos enfrentado grandes batalhas espirituais que tem dimensões
e contornos tremendamente concretos
1. Elas estão acontecendo dentro da nossa casa
2. Na vida de nossos queridos
3. Nas nossas questões financeiras
4. Em nosso trabalho
5. Em nossos relacionamentos mais significativos
l.
E o pior é que muitos de nós as estamos perdendo, simplesmente porque não
buscamos o poder de Deus para enfrentar estas batalhas.
m. Estamos chorando as nossas derrotas, não entendendo e não participando do
propósito eterno de Deus, sem perceber, buscar e viver o poder de Deus.
n. Mas o que Jesus queria era que cada um dos seus servos vivessem na
dimensão do evangelho, pois o evangelho é a porta de entrada para o poder de
Deus na vida de todo aquele que crê.
o. Quanto você tem perdido! Quanto a igreja de Jesus tem perdido! Quanto os
ministros de Deus tem perdido !
p. Quantas portas poderiam ser abertas ! Mas elas só se abrem através da oração.
3. Porque Tua é a Glória !
a. A terceira Razão que Jesus nos apresenta para que oremos é a glória de Deus.
2 Tg 4. 3 Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.
Paschoal Piragine Jr
-5-
29/5/2017
D:\841065740.doc
6
b. Ele afirma que devemos orar porque a glória pertence a ele.
c. Mas o que isto significa ? O que quer dizer glória de Deus ?
d. Uma das palavras usadas no AT para descrever a glória de Deus é kabhodh A
idéia fundamental deste termo reside no conceito : Peso  Uma manifestação
física da dignidade de alguém , da sua proeminência ou majestade
e. C. S. Lewis  ilustra este termo lembrando a maneira como os reis no oriente
antigo demonstravam o peso da sua glória. Eles se assentavam em uma balança
e os seus dignitários traziam presentes em ouro ou pedras preciosas e os
colocavam no outro prato da balança e só paravam quando o peso do rei fosse
aferido pela glória dos objetos colocados no outro prato.
f. Por isso toda a vez que a palavra glória é usada em relação a Deus nas
escrituras ela referencia alguma manifestação perceptível constatável da
grandeza, do poder, da santidade e da majestade divina.
g. O que Jesus queria nos ensinar é que este Reino, e este poder do Rei, podem
ser manifestados de podem marcar a nossa existência de forma concreta e
visível a tal ponto da glória do Senhor poder ser percebida por nós e em nós.
h. Quando entramos na presença de Deus não saímos do mesmo jeito. Somos
marcados pela sua glória ! E ao andarmos pelos caminhos da vida as pessoas
podem perceber em nós os reflexos da glória de Deus.
i.
Esta foi a experiência de Moisés quando subiu no monte para o seu encontro com
Deus . Quando voltou a sua face brilhava ( outro sentido da palavra glória 
Brilho, resplendor).
j.
Era algo tão impressionante que o povo pediu que ele colocasse um véu e
cobrisse a sua face
k. Mas à medida que o tempo passava o brilho do rosto de Moisés ia se
desvanecendo. Por que ?
l.
Porque o brilho não era dele , era apenas um reflexo da glória de Deus revelada
naquele encontro com Deus.
m. Assim é também conosco . Só podemos refletir a glória de Deus quando nos
encontramos com ele. Só podemos ser marcados pela revelação da sua
presença , do seu reino e do seu poder , quando gastamos tempo diante daquele
que revela quem ele é através da sua glória impregnada em nós.
n. Diante dele, somos envolvidos, revestidos pelo seu Espírito Santo, que fará
brilhar em nós os efeitos da sua presença e revelará ao mundo através de nossas
vidas a glória daquele a quem servimos e adoramos.
o. Quanto temos perdido ! Nossos rostos não brilham a luz do Senhor, nossas vidas
não são, tantas vezes, um reflexo da glória do nosso Senhor. Uma manifestação
visível da sua presença , propósito e poder a todos os homens.
p. Tudo porque não oramos .
q. AH!, se os nossos olhos pudessem ser abertos e pudéssemos ver o que acontece
quando estamos orando, onde estamos entrando: na sala do trono do Deus vivo;
com quem estamos falando: o todo-poderoso Deus ; as milícias celestiais se
movendo a nosso favor: o exército de anjos celestiais recebendo as ordens do
supremo comandante do universo para nos ajudarem em nossas batalhas; o
Paschoal Piragine Jr
-6-
29/5/2017
D:\841065740.doc
7
resplendor da sua presença: algo tão tremendo que nos faz cair de boca no pó; e
as marcas deste encontro em nós, no céus e na terra. Oraríamos mais
Ap 8
1 Quando ele abriu o sétimo selo, houve silêncio nos céus cerca de meia hora.
2 Vi os sete anjos que se acham em pé diante de Deus; a eles foram dadas sete
trombetas.
3 Outro anjo, que trazia um incensário de ouro, aproximou-se e se colocou em pé
junto ao altar. A ele foi dado muito incenso para oferecer com as orações de todos
os santos sobre o altar de ouro diante do trono.
4 E da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso com as orações dos
santos.
5 Então o anjo pegou o incensário, encheu-o com fogo do altar e lançou-o sobre a
terra; e houve trovões, vozes, relâmpagos e um terremoto.
r. O Senhor o convida a conhecer a sua glória . Não perca esta oportunidade da
graça.
4. Porque Tua é a Eternidade !
a. A quarta razão que Jesus nos dá para orarmos é porque aquele que ouve as
nossas oração é o único que nos conduz na perspectiva da eternidade
b. Uma das histórias infantis que eu gostava era a da cigarra e da formiga  a
formiga trabalhava todo o tempo se preparando para a chegada do inverno,
estocando alimentos para aquele período, mas a cigarra usava toda a sua energia
para cantar e brincar o ano todo, mas quando o inverno chegava ela morria, por
não ter abrigo e suprimento para os meses de inverno.
c. E eu pensava mas que tola é a cigarra! Por que ela também não se prepara para
o inverno ?
d. O incrível é que muitos de nós somos tão tolos quanto a cigarra da história. Não
entendemos que fomos criados para a eternidade. E que decidimos aqui o que
faremos por toda a eternidade.
e. Por isso Jesus ensinou aos seus discípulos que orar era deixar de se iludir com o
movimento frenético da primavera e do verão e através do amor e da graça de
Deus por Jesus , trazer ao coração e ao dia a dia da vida as demandas da
eternidade.
f. Percentualmente , o que representa o tempo de nossa vida terrena com a nossa
existência eternal ? Nada ! Então porque investimos tudo só no que é temporal?
g. Quando oramos o Deus eterno nos permite aprender a viver no tempo, porém na
perspectiva da eternidade.
h. Começamos a lidar com as nossas lutas, sofrimentos, preocupações, sonhos,
aspirações na perspectiva da nossa vida eterna.
i.
Talvez esta seja uma das grandes críticas que o Cristianismo tem sofrido ao
longo da história. Pois a cada momento em que esta perspectiva nos é colocada
nas escrituras parecia aos olhos dos que só vivem o tempo uma fuga da
realidade.
2 Co 4
16 Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos,
interiormente estamos sendo renovados dia após dia,
Paschoal Piragine Jr
-7-
29/5/2017
D:\841065740.doc
8
17 pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós
uma glória eterna que pesa mais do que todos eles.
18 Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o
que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.
j. Orar é entrar na dimensão da eternidade é permitir que Deus transforme os
valores que regem a nossa vida do paradigma do tempo para o paradigma da
eternidade.
k. É viver focado em nossa cidadania eterna, entendendo que aqui somos
estrangeiros e peregrinos nesta terra. Estamos só de passagem! Nosso destino é
o céu.
l.
Quando esta dimensão faz parte da nossa existência olhamos as coisas , as
pessoas , as alegrias e as tristezas na perspectiva do perigrino. Eu estou
chegando no meu verdadeiro lar. É isto que importa.
m. Mas quando não oramos esta perspectiva e dimensão fica distante de nós e cada
vez mais ficamos iludidos pelo brilho efêmero das coisas deste mundo.
n. Mude de paradigma ! Deixe Jesus ajudá-lo a viver sob a dimensão da eternidade.
5. Porque Tu és o nosso Pai amado!
9a . Vocês, orem assim: “Pai nosso, que estás nos céus!
a. A quinta razão que Jesus nos dá para orarmos é algo extraordinário!
b. Esse Deus grande, poderoso, glorioso e eterno, nos ama como pai, por isso :
1. E se inclina para socorrer os seus filhos
Sl 113
5 Quem é como o Senhor, o nosso Deus, que reina em seu trono nas alturas,
6 mas se inclina para contemplar o que acontece nos céus e na terra?
7 Ele levanta do pó o necessitado e ergue do lixo o pobre,
8 para fazê-los sentar-se com príncipes, com os príncipes do seu povo.
9 Dá um lar à estéril, e dela faz uma feliz mãe de filhos. Aleluia!
Sl 17
6 Eu clamo a ti, ó Deus, pois tu me respondes; inclina para mim os teus ouvidos e
ouve a minha oração.
a. Enquanto os poderosos da terra não nos dão atenção, o todo
poderoso do universo, amorosamente se inclina para nós. (
senta no chão com os seus filhos)
b. Quando você ora, em nome de Jesus, o nosso único
mediador, o Senhor se inclina, se senta no chão com você,
como tantas vezes, seu pai ou você mesmo fez com seus
filhos.
c. É assim que ele nos ouve, não em meio ao turbilhão do
universo, mas exclusiva, amorosa e paternalmente.
2. Como pai amado ele considera como preciosas cada uma das
minhas lágrimas .
Sl 56
8 Registra, tu mesmo, o meu lamento; recolhe as minhas lágrimas em teu odre;
acaso não estão anotadas em teu livro?
Paschoal Piragine Jr
-8-
29/5/2017
D:\841065740.doc
9
a. Como um pai que se interessa e zela pelos seus filhos, cada
lágrima vertida tem sentido e significado especial. (Será que
poderia ser cantado o hino, cada lágrima  talvez um
solo do Sofonias??)
b. Ele não somente as recolhe no seu odre mas registra no seu
livro eterno. Por isso, o pai não deseja que você chore uma
lágrima a mais do que o necessário.
c. Se ele é tão amoroso assim, tolo seria eu se não orasse ao
meu pai.
d. Mas o pior é que muitos de nós vivemos como o filho pródigo,
a desprezar o amor do pai, e gastar a nossa vida naquilo que
não tem valor.
e. Jesus nos incentiva a orar , pois ele sabe que é o pai, dele e
nosso , quem nos ouvirá , e enxugará dos nossos olhos ( um
dia ) toda a lágrima.
3. E porque nos ama, ele responde com o poder, do céu e da terra, a
oração de seus filhos .
Ap 8
3 Outro anjo, que trazia um incensário de ouro, aproximou-se e se colocou em pé
junto ao altar. A ele foi dado muito incenso para oferecer com as orações de todos
os santos sobre o altar de ouro diante do trono.
4 E da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso com as orações dos
santos.
5 Então o anjo pegou o incensário, encheu-o com fogo do altar e lançou-o sobre a
terra; e houve trovões, vozes, relâmpagos e um terremoto.
a. Esta é uma figura maravilhosa !
b. Enquanto oramos, o céu se enche com o perfume e a fumaça
de um incenso agradável e o Senhor responde manifestando
o seu tremendo poder aqui na terra a nosso favor.
c. Foi isto o que Jesus queria que entendêssemos quando
falou:
Jo 14
12 Digo-lhes a verdade: Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho
realizado. Fará coisas ainda maiores do que estas, porque eu estou indo para o Pai.
13 E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no
Filho.
14 O que vocês pedirem em meu nome, eu farei.
d. Aquele que nos ama fará maravilhas em nosso meio. Ele é o
nosso pai e para sua glória , por Jesus ele ouve e responde
as nossas orações.
e. Por isso Clame bata na porta do céu com o seu clamor
f. Na verdade estes foram os conselhos do nosso Senhor:
Mt 7
7 “Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será
aberta.
Paschoal Piragine Jr
-9-
29/5/2017
D:\841065740.doc
10
8 Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta
será aberta.
9 “Qual de vocês, se seu filho pedir pão, lhe dará uma pedra?
10 Ou se pedir peixe, lhe dará uma cobra?
11 Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto
mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem!
g. Não desista de orar , pois o pai tem sempre algo bom para
lhe dar.
h. Deixe-o ensiná-lo a olhar a vida e o futuro com os seus
olhos, e a desfrutar da sua benção
CONCLUSÃO
1. Diante de todos estes argumentos do Senhor , não orar seria a maior tolice de todos os
tempos
2. Ore !
3. Busque!
4. Bata na porta da esperança !
5. Tenha uma audiência privada com o soberano do universo e peça-lhe a sua bênção.
II COMO ORAR ?
05/11/2006mn
Mt 6
5 “E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar
orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros. Eu
lhes asseguro que eles já receberam sua plena recompensa.
6 Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está
em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.
7 E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa, como fazem os
pagãos. Eles pensam que por muito falarem serão ouvidos.
8 Não sejam iguais a eles, porque o seu Pai sabe do que vocês precisam, antes
mesmo de o pedirem.
INTRODUÇÃO
1. A segunda pergunta que naturalmente fazemos a este texto é : Como devemos orar ?
2. Lembro-me que um Senhor entrou a Igreja desesperado, vivia uma situação caótica e
buscava ajuda espiritual, por isso me procurou dizendo ?
Pastor, o senhor pode me ensinar uma oração poderosa? Eu respondi, o que você quer
dizer com isto? Ele me respondeu: Bem , eu sempre vejo nos jornais, oração poderosa
para isto ou aquilo. E eu estou vivendo um momento crítico em minha vida , por isso
preciso saber como orar de maneira que seja atendido.
3. Ainda que pareça estranho o pedido daquele homem: me ensine uma oração poderosa!
O que está por trás é o desejo de aprender a forma correta aos olhos de Deus de orar.
4. Jesus responde a pergunta de seus discípulos : “ensina-nos a orar”. Usando o contraste
com dois tipos de oração que não surtem qualquer efeito diante de Deus.
a. A oração do Hipócrita  que tem a motivação errada para orar.
Paschoal Piragine Jr
- 10 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
11
b. A oração do pagão  que tem a forma errada para orar
5. Hoje gostaria de olhar para estes contrastes e aprender deles como devemos orar .
A. A MOTIVAÇÃO PARA A ORAÇÃO
5 “E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar
orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros. Eu
lhes asseguro que eles já receberam sua plena recompensa.
6 Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está
em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.
1. As palavras de Jesus não tem a ver com o estar em pé ou o orar em voz alta, mesmo
porque Jesus mesmo orou em pé e em voz alta quando da ressurreição de Lázaro e
em várias outras circunstâncias.
2. O que está em foco aqui é a motivação que nos leva a oração !
3. Ao citar os escribas e fariseus em suas orações ele estava mostrando a motivação
hipócrita que os levava a orar .
4. Eles não desejavam intimidade com Deus, eles simplesmente queriam ser notados
como pessoas espirituais e religiosamente destacadas das outras. Por isso, este tipo de
oração não seria atendida pelo pai
5. Então a pergunta que surge naturalmente deste contraste é : que tipo de motivação
deve nos mover em direção a oração ?
a. Intimidade
vá para seu quarto
i. O quarto é o lugar onde reservamos para a nossa intimidade
ii. Por isso Jesus mandou que fossemos para o quarto, pois nossa motivação
deveria ser: desejo experimentar no íntimo do meu ser a presença gloriosa
do Senhor da minha vida .
iii. Oração, segundo Jesus, deve ser uma busca ardente, de intimidade com
Deus .
iv. É neste momento que falamos com ele das coisas mais profundas do
nosso ser , mas é neste momento que ele fala conosco e nos revela a sua
vontade , o seu poder e nos marca com a sua glória.
v. A oração é lado afetivo e experiencial da nossa fé .
vi. Cremos que ele é todo poderoso, salvador, que tem um propósito para a
nossa vida , mas é quando estamos a sós com ele desfrutando a sua
presença que entendemos como o poder , a salvação e seu propósito
eterno tem conotações práticas no tempo e no espaço do nosso viver
diário.
vii. Talvez seja por isto que Jesus mandou um bilhete a igreja de Éfeso
falando que eles haviam deixado o seu primeiro amor .  aquele desejo
de conhecer , ouvir e buscar mais o Senhor das nossas vidas.
viii. É nesta busca que encontramos mais do Senhor e do seu Espírito Santo
ix. Este foi o conselho do nosso Senhor
Paschoal Piragine Jr
- 11 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
12
Lc 11
13 Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto
mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!”
x. É na busca da intimidade com o Senhor que o somos revestidos pelo
Espírito Santo de Deus, aquele que nos ajuda a conhecer o coração do
nosso pai
xi. É neste momento que tocamos o sentimento de Deus .
b. Exclusividade
feche a porta
i. A segunda motivação que deve nos conduzir a oração é a exclusividade.
ii. Nossa vida de oração não pode ser apenas pública, pois oração denota
uma busca exclusiva de um encontro com o pai.
iii. Eu não posso e não quero ser para o meu pai mais um eu quero ser
especial. É assim que cada filho deseja ser visto na sua relação com o pai.
Ainda que existam vários irmãos , eu preciso me sentir único e especial
para o meu pai .
iv. Da mesma maneira quando vivemos isto o pai se sente único e especial
para o seu filho .
v. Orar, com a porta fechada em secreto , é desejar buscar a exclusividade e
demonstrar a exclusividade do pai.
vi. Talvez seja por isso que o inimigo lute tão ferrenhamente contra a nossa
vida de oração  ele sabe o poder deste sentimento interior de
exclusividade, pois ele produz em nós
1. Fé  o sentir a presença do Senhor e sua relação especial conosco
gera em nós certezas que não serão abaladas pelas circunstâncias
da vida
2. Coragem  Porque estamos cheios desta fé e deste sentimento de
que o Senhor é por nós de maneira especial temos coragem para os
enfrentamentos da vida
3. Discernimento  Na intimidade da exclusividade discernimos os
fatos que nos cercam à luz do falar de Deus em nossos corações
c. Busca de respostas do Pai
ore a seu Pai, que está em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o
recompensará.
i. A terceira motivação é que este tipo de oração não se contenta com menos
do que uma resposta de Deus
ii. A pessoa não está ali para cumprir uma obrigação religiosa, nem para
aferir a sua espiritualidade diante dos olhos dos outros.
iii. Ela se colocou diante de Deus para buscar dele uma resposta.
iv. Foi este tipo de atitude que Jesus incentivou a que tivéssemos toda a vez
que orássemos .
Lc 11
Paschoal Piragine Jr
- 12 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
13
9 “Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a
porta lhes será aberta.
10 Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta
será aberta.
11 “Qual pai, entre vocês, se o filho lhe pedir ume peixe, em lugar disso lhe dará
uma cobra?
12 Ou se pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
13 Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto
mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!”
B. A FORMA DA ORAÇÃO
7 E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa, como fazem os
pagãos. Eles pensam que por muito falarem serão ouvidos.
8 Não sejam iguais a eles, porque o seu Pai sabe do que vocês precisam, antes
mesmo de o pedirem.
1. O segundo contraste que Jesus fez tem a ver com a maneira como os pagãos oravam
2. A bíblia nos ensina que eles oravam através de frases que se repetiam continuamente.
Exemplos: Ef 19.34, 1 Rs 18.26
3. Alguns até se mutilavam em meio às orações
4. Mas o Senhor não deseja que oremos assim
5. Ele espera que busquemos a atitude certa para orar. Mas qual seria esta atitude ?
a. Espiritualidade ao invés de religiosidade
i. As repetições de um mantra ou de uma reza não geram em nós
espiritualidade , mas somente religiosidade
ii. Não entendimento só repetição
iii. Fazem-nos crer que a repetição ou o sacrifício é o que moverá o coração
de Deus a nosso favor
iv. Mas o que move o coração de Deus não é a repetição ou o sacrifício mas a
fé que se apropria da sua graça e crê no seu amor  isto é verdadeira
espiritualidade
v. A fé que é capaz de crer que Deus é pai e que já conhece o nosso coração
por isso oramos , compartilhamos , temos comunhão com ele . Tocamos o
sentimento do pai
vi. Por isso quando orar, não fale palavras sem nexo, nem para você e nem
para Deus , simplesmente converse com o pai .
vii. Busque-o em espírito e com toda a sinceridade do seu coração
Jo 4
23 No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros
adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que
o Pai procura.
b. Transparência
Paschoal Piragine Jr
- 13 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
14
i. A segunda atitude revelada nestas palavras de Jesus é a atitude de
transparência.
ii. Muitas vezes nos escondemos atrás de um ritual ao invés de abrir a nossa
alma diante do pai
iii. É nesta hora que Deus fala conosco e nos mostra o que ele está vendo em
nós , quando oramos de coração aberto , ele revela o que vê não só em
nossas palavras, mas nos pensamentos e nas intenções do nosso coração
iv. Orar é se deixar tratar pelo pai
v. Ilustração  papo de responsa  Suzi da Jeame em São Paulo.
c. Confiança
i. Se Deus sabe o que necessitamos, ao orarmos demonstramos confiança
ao aceitar as suas respostas e os seus métodos
ii. Veja só o que Jesus ensinou
Lc 11
11 “Qual pai, entre vocês, se o filho lhe pedir ume peixe, em lugar disso lhe dará
uma cobra?
12 Ou se pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
13 Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto
mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!”
iii. O que está por trás destas palavras é que mesmo que você venha pedir
algo mau, Deus nunca poderá lhe dar o pior , somente o melhor.
iv. Algumas vezes nossas orações não são atendidas , não porque ele não
saiba, não escute ou não nos ame, simplesmente porque o que pedimos
não é o melhor sob o ponto de vista da eternidade.
v. Ainda que uma criancinha possa confundir uma cobra d’água com um
peixe o pai nunca lhe daria uma cobra d’água , mas somente um peixe.
vi. Quando oramos confiados no amor, na sabedoria e na graça de Deus, não
somente receberemos dele o melhor como ele mesmo encherá os nossos
corações com o seu Espírito Santo .
CONCLUSÃO
1. Não seja como os religiosos hipócritas que tem a motivação errada para orar  ore
com :
a. Intimidade
b. Exclusividade
c. Busca ardente
2. Não seja como os pagãos que usam vãs repetições em suas orações , mas tenham a
atitude correta ao orarem :
a. Espiritualidade
b. Transparência
c. Confiança
Paschoal Piragine Jr
- 14 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
15
3. E a promessa que recebemos de Jesus é que o nosso pai ouvirá, responderá e
recompensará os seus filhos que assim o buscam .
4. Oração é mais do religiosidade é a parte afetiva de um relacionamento fundamentado na
graça e no amor do pai .
5. Por isso ore .
III O QUE ORAR ? – OS ELEMENTOS DA ORAÇÃO
9 Vocês, orem assim: “Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome.
10 Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.
11 Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia.
12 Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores.
13 E não nos deixes cair ema tentação, mas livra-nos do malb, porque teu é o
Reino, o poder e a glória para sempre. Amém.
14 Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes
perdoará.
15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as
ofensas.
INTRODUÇÃO
1. Neste momento Jesus nos ensina quais devem ser os elementos da nossa oração.
2. Ele nos apresenta os assuntos que devem tomar as nossas mentes no tempo que
despendemos na presença do nosso pai .
3. Algumas pessoas tem dificuldades de saber o que orar ;parece que diante do pai ficam
sem palavras
4. Outras entendem que a oração é somente um tempo em apresentamos os nossos
desejos .
5. Mas Jesus nos ensina a como transformar a nossa oração em algo que nos ajude a
crescer espiritualmente a discernir a realidade que nos envolve .
6. Quais então, são os elementos da nossa oração apresentados por Jesus ?
A. ADORAÇÃO
9 Vocês, orem assim: “Pai nosso, que estás nos céus! Santificado3 seja o teu nome.
3 [Thayer] a`gia,zw 1 aorist h`gi,asa; passive (present a`gia,zomai; perfect h`gi,asmai; 1 aorist h`gia,sqhn; a word for which the Greeks
use a`gi,zein, but very frequent in Biblical (as equivalent to vd;qi, vydIq.hi) and ecclesiastical writings; "to make a[gion, render or declare sacred
or holy, consecrate". Hence, it denotes: 1. to render or acknowledge to be venerable, to hallow: to, o;noma tou/ Qeou/, Matt. 6:9 (so of God, Isa.
29:23; Ezek. 20:41; 38:23; Sir. 33:4 (Sir. 36:4)); (Luke 11:2); to,n Cristo,n, 1 Pet. 3:15 (R G Qeo,n). Since the stamp of sacredness passes over from
the holiness of God to whatever has any connection with God, a`gia,zein denotes 2. to separate from things profane and dedicate to God, to consecrate
and so render inviolable; a. things (pa/n prwto,tokon, ta, avrsenika,, Deut. 15:19; h`me,ran, Exo. 20:8; oi=kon, 2 Chr. 7:16, etc.): to,n
cruso,n, Matt. 23:17; to, dw/ron, Matt. 23:19; skeu/oj, 2 Tim. 2:21. b. persons. So Christ is said by undergoing death to consecrate himself to God,
whose will he in that way fulfills, John 17:19; God is said a`gia,sai Christ, i. e. to have selected him for his service (cf. avfori,zein, Gal. 1:15) by
having committed to him the office of Messiah, John 10:36, cf. Jer. 1:5; Sir. 36:12 (evx auvtw/n h`gi,ase, kai, pro,j auvto,n h;ggisen, of
his selection of men for the priesthood); Sir. 45:4; 49:7. Since only what is pure and without blemish can be devoted and offered to God (Lev. 22:20; Deut.
15:21; 17:1), a`gia,zw signifies 3. to purify (avpo, tw/n avkaqarsiw/n is added in Lev. 16:19; 2 Sam. 11:4); and a. to cleanse externally (pro,j
th,n th/j sarko,j kaqaro,thta), to purify levitically: Heb. 9:13; 1 Tim. 4:5. b. to purify by expiation, free from the guilt of sin: 1 Cor. 6:11; Eph.
5:26; Heb. 10:10,14,29; 13:12; 2:11 (equivalent to rp,Ki, Exo. 29:33,36); cf. Pfleiderer, Paulinismus, p. 340ff (English translation 2:68f). c. to purify
internally by reformation of soul: John 17:17,19 (through knowledge of the truth, cf. John 8:32); 1 Thess. 5:23; 1 Cor. 1:2 (evn Cristw/| VIhsou/ in
Paschoal Piragine Jr
- 15 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
16
1. Mas o que Jesus queria dizer com a expressão santificado seja o teu nome?
2. O nome de Deus já não é santo por natureza? 
i. lembrar o mandamento divino que proibia tomar o nome de Deus em vão
ii. Lembrar que o nome, na cultura hebraica representava a pessoa, portanto,
Deus já é santo por natureza
3. Mas é na oração que , não somente reconhecemos a santidade de Deus, mas ao
adentrar a sua presença temos consciência de que estamos diante do
Santíssimo Senhor
i. Lembrar a experiência de Isaías em Is 6
4. Se os nossos olhos fossem abertos para ver o milagre que acontece quando
oramos, cairíamos com a boca no pó, pois através da oração adentramos a sala
do trono de Deus em audiência privada.
5. Por isso Jesus nos convida, antes de qualquer outra coisa, a nos unirmos aos
anjos do céu em adoração ao único e verdadeiro Deus, ao santo Senhor de todo
o universo .
6. Jesus nos ensina que a oração começa com adoração.
i. Um santo reconhecimento de quem esta nos ouvindo  Quem ele é !
ii. Um santo reconhecimento da sua glória  marcas visíveis da sua
dignidade e poder em nossas vidas
iii. Um santo Reconhecimento das suas obras
iv. Um santo reconhecimento que ele é digno de ser o único e exclusivo
Senhor de nossas vidas
7. O Deus santo é quem tem separado e santificado aqueles que ele convida a
entrar em sua presença .
8. Ilustração do VT  os utensílios do templo  exclusivos do Senhor  Os
sacerdotes e levitas  LIMPOS E PURIFICADOS PARA A ADORAÇÃO
SENHOR .
9. A verdadeira adoração é mais do que canções ou palavras é a atitude de quem
reconhece a dignidade do seu Senhor e se consagra a viver uma vida separada
para ele e que glorifique o seu nome .
10. Orar , santificado seja o teu nome tem implicações que transformam a nossa
vida .  Ilustrar com Isaias 6  e estas implicações poderão ser percebidas
nos outros elementos da oração apresentados por Jesus .
11. Orar é tempo de reconhecer quem nos ouve e adorá-lo , pois é o único digno da
nossa consagração .
the fellowship of Christ, the Holy One); Rom. 15:16 (evn pneu,mati a`gi,w| imbued with the Holy Spirit, the divine source of holiness); Jude 1:1 (L
T Tr WH hvgaphme,noij (which see)); Rev. 22:11. In general, Christians are called h`giasme,noi (cf. Deut. 33:3), as those who, freed from the
impurity of wickedness, have been brought near to God by their faith and sanctity, Acts 20:32; 26:18. In 1 Cor. 7:14 a`gia,zesqai is used in a peculiar
sense of those who, although not Christians themselves, are yet, by marriage with a Christian, withdrawn from the contamination of heathen impiety and
brought under the saving influence of the Holy Spirit displaying itself among Christians; cf. Neander at the passage.*
Paschoal Piragine Jr
- 16 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
17
B. COOPERAÇÃO
10 Venha o teu Reino
1 O segundo elemento da oração apresentada por Jesus é clamor pela vinda e instalação
completa do Reino de Deus.
2 Mas o que significa isto ?
3 Quando olhamos para esta expressão percebemos que ela possui implicações em vários
aspectos da realidade espiritual.
a. Implicações escatológicas
i. Clamar, Venha o teu reino, do ponto de vista escatológico, é pedir que tudo o que o
Senhor prometeu, tanto no VT quanto no NT , se concretizem , logo.
ii. A palavra nos afirma que um dia o presente estado de coisas, a decadência do
universo, o pecado , a morte, a influência de Satanás , deixarão de existir , pois o
Reino de Deus e a sua santidade serão os elementos restauradores de todo o
universo em decadência
iii.
Jesus afirma que há um clamor , um gemido surdo de toda a criação como que a
invocar que logo este dia aconteça
Rm 8
19 A natureza criada aguarda, com grande expectativa, que os filhos de Deus sejam
revelados.
20 Pois ela foi submetida à inutilidade, não pela sua própria escolha, mas por causa
da vontade daquele que a sujeitou, na esperança
21 de quef a própria natureza criada será libertada da escravidão da decadência em
que se encontra, recebendo a gloriosa liberdade dos filhos de Deus.
22 Sabemos que toda a natureza criada geme até agora, como em dores de parto.
23 E não só isso, mas nós mesmos, que temos os primeiros frutos do Espírito,
gememos interiormente, esperando ansiosamente nossa adoção como filhos, a
redenção do nosso corpo.
24 Pois nessa esperança fomos salvos.
iv.
Clamar assim, representa dizer , pai implante a tua justiça logo. Revele a
plenitude da tua salvação.
v.
Ou nas palavras da Igreja primitiva é clamar : Maranata! Ora vem Senhor Jesus .
vi.
Estamos pedindo, abrevia o tempo e completa a obra de restauração.
vii.
Neste sentido cooperamos com ele e unimos aos anjos , e a criação a pedir que
o Reino eterno , em toda a sua expressão se revele nesta terra .
b. Implicações ministeriais
i. Mas orar assim revela não somente implicações escatológicas, mas também
implicações ministeriais , ou de serviço .
ii. Ao clamar venha o teu Reino, eu me ofereço, como súdito do seu reino, soldado do
seu exército, ministro de Deus nesta terra, a cooperar com tudo o que tenho e sou
para que a vinda do Reino e as expressões do mesmo se manifestem de modo
visível e contundente na terra.
iii.
Esta é uma oração de serviço.
iv.
Esta é uma oração de consagração ao ministério.
Paschoal Piragine Jr
- 17 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
18
v.
Pois uma das maneiras como o reino de Deus esta se manifestando hoje é pela
vida , exemplo, doação entrega e serviço cristão de cada um dos súditos deste reino
na terra .
vi.
O reino pode ser percebido :
1. Nas marcas da sua conversão  O reino que restaura
2. Nos dons ( sinais da graça e do reino) colocados ao serviço de Deus
3. Na liberalidade dos que entendem que o seu tesouro não esta aqui.
4. No amor a Deus que nos leva a coloca-lo em primeiro lugar em nossas vidas .
vii.
Quanto desta oração tem faltado nos lábios dos cristãos.
viii. Nossas orações , na maior parte das vezes não são orações em que nos
comprometemos com os propósitos do reino , mas que queremos construir o nosso
reino pessoal mediante o poder do Reino eterno .
ix.
Ilustração da Igreja primitiva e o sentimento de que eles eram cooperadores para
a construção deste reino
1. Por isso , amavam as pessoas
2. Colocavam os seus bens a disposição do Senhor  Ilustração da Igreja no RJ 
e o sentimento de vergonha por nossa acomodação na construção
3. A ousadia de pregar o evangelho mesmo diante de perseguições
4. A busca pelos dons do Espírito Santo para melhor servirem ao Senhor
5. Que Dom você tem buscado ?
6. Que Serviço você tem almejado
7. Você tem orado : Venha o teu Reino ? Colocando o seu ministério a disposição do
Senhor ?
c. Implicações missiológicas
i. Mas esta oração tem grandes implicações missiológicas, pois Jesus já nos revelou
quando ela será respondida integralmente.
ii. Ainda que o reino se revele localmente e se implante progressivamente tanto no
tempo quanto na gerografia, há uma promessa que não podemos nos esquecer
Mt 24
14 E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a
todas as nações, e então virá o fim.
iii.
Quando o evangelho deste reino for anunciado a todas as nações Jesus voltará
e destruirá todo o poder satânico que ainda resiste a implantação do Seu Reino .
1 Co 15
24 Então virá o fim quando ele entregar o reino a Deus o Pai, quando houver
destruído todo domínio, e toda autoridade e todo poder.
iv.
Esta era uma questão difícil para mim . Por que Jesus não aniquilou o poder das
trevas de uma vez?
v.
Até que entendi que por amor dos que podem ser salvos ele tem aguardado que
o seu evangelho chegue a todos os lugares da terra para que todos possam ter a
oportunidade de salvação antes da sua vinda
Paschoal Piragine Jr
- 18 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
19
vi.
Por isso orar : Venha o teu reino . É comprometer-se com a obra missionária em
toda a terra.
vii.
Pois quando assim fazemos estamos apressando a instalação do seu reino .
viii. Se cada crente é um ministro de Deus, então cada ministro precisa investir na
vida de pelo menos um discípulo.
ix.
Somos hoje no Brasil cerca de 30 milhões de evangélicos , se cada crente
discipulasse uma pessoa por ano em 5 anos, no máximo evangelizaríamos o Brasil.
x.
Mas o problema é que não estamos comprometidos com a vinda do Reino
xi.
Temos cerca de 90 tribos indígenas não alcançadas no Brasil , esta não é uma
tarefa impossível .
xii.
O que precisamos é de compromisso com a vinda do Reino .
xiii.
A quem você esta disipulando ?
xiv.
Que compromisso você tem com o Reino ?
1. Muitos freuquentadores que não se tornam membros da Igreja  falta de
compromisso
2. Muitos membros que não colocam os seus dons a serviço do Senhor
3. Muitos que não devolvem os seus dízimos
4. Nem entendem que seus recursos são do Senhor e para que a obra do Senhor se
expanda na terra .
xv.
Isto porque não temos orado a oração da cooperação com o céu venha o teu
reino , usa-me a mim.
xvi.
Você quer orá-la ?
C. SUBMISSÃO
seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.
1 Oração do pai nosso é uma oração que somente um discípulo pode orar, pois ela só
terá sentido nos lábios de alguém verdadeiramente comprometido com o Senhor.
2 Ela é a oração da submissão incondicional.
3 É a oração que nos ensina a colocar em prática o dar o primeiro lugar ao Senhor , o seu
reino e a sua justiça, acima dos nossos desejos ou vontades. Por isso oramos: “Seja feita a
tua vontade, assim na terra como no céu”.
4 Mas orar assim representa uma grande luta no coração humano!
a. Lembro-me de uma jovem cuja maior dificuldade que ela enfrentava para entregar a sua
vida a Jesus era o entender que a vontade dele deveria sempre vir antes da sua
vontade, o plano dele deveria ter prioridade sobre seus planos, isto lhe parecia no
mínimo uma invasão de privacidade.
b. Isto normalmente acontece quando não entendemos a natureza de Deus e da sua
vontade para nós.
5 Foi isto o que o Senhor explicou ao seu povo nos dias de Jeremias
Paschoal Piragine Jr
- 19 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
20
Jer 29
10 “Assim diz o Senhor: ‘Quando se completarem os setenta anos da Babilônia, eu
cumprirei a minha promessa em favor de vocês, de trazê-los de volta para este
lugar.
11 Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor,
‘planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes
esperança e um futuro.
12 Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvirei.
13 Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração.
a. Estas palavras foram ditas num tempo em que Judá se encontrava a cerca de 4 anos
no cativeiro babilônico . Em meio , portanto, a uma dura disciplina . Sob a perspectiva de
permanecerem mais 66 anos naquele lugar
b. E por mais difícil que parecesse o que Deus tinha projetado para os seus filhos eram
planos de paz, planos para fazê-los prosperar e não causar-lhes dano. Planos que lhes
permitissem construir um futuro e uma esperança
6 Muitas vezes lutamos e até fugimos da vontade de Deus pois não cremos que o que ele
planejou para nós seja o melhor, o mais abençoador , o mais rico em amor e que ele esteja
construindo um futuro e uma esperança para nós.
7 Orar , seja feita a tua vontade,não é uma resignação dolorida diante de uma
calamidade incontrolável, mas é um grito de fé e esperança diante de qualquer
circunstância na certeza de que aquele que tudo conhece e me ama sabe o que é
melhor , por isso descanso em seus braços.
a. Foi neste sentido que Jesus orou assim
Mt 26
42 E retirou-se outra vez para orar: “Meu Pai, se não for possível afastar de mim
este cálice sem que eu o beba, faça-se a tua vontade”.
b. Não quero passar pela cruz, gostaria de poder saltar esta parte da minha missão, por
isso, se for possível, afaste de mim este cálice de dor e sofrimento, mas não se faça a
minha vontade, pois eu sei que a tua sempre é o melhor que poderia existir para mim
mesmo e para os outros.
c. Por isso, esta oração foi mais do que resignação diante do fatalismo da vontade divina,
não ! Foi entrega confiante! Foi fé transcendente ! Foi um passo na direção da maior de
todas as vitórias, que de modo algum poderia ser construída de outra maneira: a
salvação eterna e a ressurreição.
d. Esta não é a oração do resignado, mas do que crê num Deus que pela sua vontade
sempre constrói para os seus filhos um futuro e uma esperança.
8 Nem do amargurado ou ressentido com Deus que não pode crer que Deus continua no
controle e ainda tem um futuro e uma esperança para si.
9 Antes de tudo é uma oração de fé e entrega incondicional. É a oração do amor absoluto,
que confia em seu amado mesmo quando não vê ou não entende.
a. Isto me faz lembrar uma história infantil sobre um incêndio em uma casa e uma criança
presa um andar acima da rua . Todos pediam para ela saltar dali antes que as chamas a
consumissem, mas ela não pulava, até que seu pai chegou, a chamou pelo nome, ela
reconheceu sua voz. E ele lhe disse , pode pular que o papai vai pega-la no colo. Ela
respondeu, mas papai tem muita fumaça e eu não consigo te ver. Ao que ele respondeu,
mas eu estou vendo você. Pode pular. Ela, então simplesmente pulou.
Paschoal Piragine Jr
- 20 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
21
b. Orar este tipo de oração é pular nos braços do nosso Senhor mesmo quando não
entedemos ou não vemos .
10 Mas isto nos leva a segunda parte desta petição :
seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.
11 Mas o que significa dizer isto ?
a. É a expressão de desejo que a vontade de Deus seja feita aqui na terra, em minha vida,
em minha casa, no meu trabalho , com a minha família e em todo o lugar, da mesma
maneira como ela é feita no céu.
b. Mas como a vontade de Deus é feita no céu?
i. Decididamente , sem vacilar
ii. Completamente
iii.
Sinceramente
iv.
Prontamente
v.
Ferventemente
vi.
Rapidamente
vii.
Alegremente
viii.
Constantemente
c. É pedido que a nossa vida seja moldada, a cada dia, para que esteja sempre
conectada e adequada ao propósito de Deus para nós .
d. E que isto seja a resposta mais normal e natural da nossa vida.
12 Portanto esta é uma poderosa oração de santificação . Pois se a cada dia somos moldados
à vontade divina, então estaremos sendo transformados e santificados pelo nosso Senhor.
13 Mas esta oração é uma tremenda oração de poder
Jos 3
5 Josué ordenou ao povo: “Santifiquem-se, pois amanhã o SENHOR fará maravilhas
entre vocês”.
14 Pois é quando nos santificamos a ele que ele pode realizar em nosso meio as suas
maravilhas.
15 Outra constatação é que muitas orações não são atendidas porque não tem uma
percepção correta dos propósitos de Deus
1 Jo 5
14 Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos
alguma coisa de acordo com a vontade de Deus, ele nos ouvirá.
Tg 4
2b. Não têm, porque não pedem.
3 Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em
seus prazeres.
16 Mas quando aprendemos a orar moldados pelo Espírito Santo que nos ensina a vontade do
pai, certamente, nossa oração terá uma outra dimensão de poder.
Paschoal Piragine Jr
- 21 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
22
CONCLUSÃO
1. Hoje o Senhor lhe convida a aprender a orar a oração da submissão, a oração da
entrega absoluta e total .A oração que leva a buscar o jeito, o método e o plano de
Deus para a nossa vida .
2. Mas ele nos conduz a experimentar a oração da santificação  do constante ser
transformado , moldado e trabalhado por Deus , a ponto de aqui na terra poder
refletir o que já acontece no céu : praticar resoluta e prazerosamente a vontade do
pai.
3. E por isso ela se torna uma oração de poder  maravilhas que procedem da
presença do Deus santo em meio a um povo por ele santificado . Maravilhas que
redunda de petições que são capazes de discernir os propósitos divinos .
4. Você quer experimentar viver na dinâmica da vontade divina ?
D. PROVISÃO
11 Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia.
INTRODUÇÃO
1. É interessante perceber a estrutura da oração do pai nosso
i. A semelhança dos 10 mandamentos , os três primeiros pedidos são
relativos à prioridade de nossa vida : O Senhor ! Sua glória , reino e
vontade .
ii. E os 3 últimos tem a ver com a nossa vida cotidiana : Pão, perdão e
proteção
2. O propósito de Jesus era nos mostrar que ao nos tornarmos colaboradores de
Deus na sua obra , ao fazer do negócio de Deus o nosso negócio , da sua causa
a nossa causa , como conseqüência , o nosso apelo a Deus se torna algo natural
e conectado a nossa vida espiritual .
3. Por isso gostaria de mostrar as implicações deste pedido tão simples do Senhor
Jesus nesta oração modelo .
i. Dependemos de Deus para as coisas mais simples e necessária da
vida Comer
1. Talvez a coisa mais simples que esta petição nos ensina é: Deus é
quem nos sustenta.
2. Dependemos dele não somente para as coisas da eternidade, mas
para todas as coisas da nossa existência
3. Não existe uma vida espiritual e outra material. Ou somos servos de
Deus em todo o tempo e em todos os afazeres da vida ou não
temos parte com ele .
4. Alguns imaginam que Deus somente sustente os missionários da
terra , mas a oração de Jesus nos ajuda a compreender que
vivemos por causa do suprimento divino .
5. Ele é o nosso criador, provedor, sustentador
Paschoal Piragine Jr
- 22 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
23
6. foi isto o que Paulo ensinou no seu sermão em Atenas
At 17
24 “O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há é o Senhor dos céus e da terra, e
não habita em santuários feitos por mãos humanas.
25 Ele não é servido por mãos de homens, como se necessitasse de algo, porque
ele mesmo dá a todos a vida, o fôlego e as demais coisas.
26 De um só fez ele todos os povos, para que povoassem toda a terra, tendo
determinado os tempos anteriormente estabelecidos e os lugares exatos em que
deveriam habitar.
27 Deus fez isso para que os homens o buscassem e talvez, tateando, pudessem
encontrá-lo, embora não esteja longe de cada um de nós.
28 ‘Pois nele vivemos, nos movemos e existimos’, como disseram alguns dos
poetas de vocês: ‘Também somos descendência dele’.
7. Você só esta vivo pela vontade de Deus
8. Você só pode ter o que tem porque a boa mão do senhor tem
estado sobre você
9. Não quero dizer que não tenhamos de trabalhar, pelo contrário este
foi o modo pelo qual Deus determinou que obteríamos o sustento.
Gn 3
19 Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão, até que volte à terra, visto que
dela foi tirado;porque você é pó, e ao pó voltará”.
2 Ts 3
10 Quando ainda estávamos com vocês, nós lhes ordenamos isto: Se alguém não
quiser trabalhar, também não coma.
10. Mas é a graça de Deus que abençoa o nosso trabalho, é a sua
bênção que nos sustenta.
11. Quando Jesus afirmou, : Sem min nada podeis fazer ! Ele não
estava falando apenas das coisas espirituais, mas de todas as
coisas da vida
12. Você depende de Deus, esta é a verdade !
13. Por mais independente e descrente que você seja, sem ele você
não pode nada.
a. Sua inteligência vem dele
b. Sua saúde vem dele
c. Sua vida vem dele
14. Por isso você será um grande tolo se não buscar o Senhor que lhe
sustenta para dele obter o seu sustento
15. Mas lembre-se da chave para que esta oração seja atendida.
Mt 6
33 Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas
coisas lhes serão acrescentadas.
Paschoal Piragine Jr
- 23 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
24
ii. Deus cuida de todos os aspectos da nossa vida
1. A segunda lição que este texto nos dá é que todas as coisas que
compõe a nossa vida terrena , neste corpo, são alvo do interesse de
Deus.
2. Deus tem prazer em nos abençoar em todas as coisas que
importam e são necessárias a nossa vida
3. Foi por isso que Jesus escolheu a expressão “pão” é uma
necessidade básica da vida e símbolo de tudo o que é necessário
para a uma vida completa
4. Por isso Lutero ao comentar este texto fez uma lita de exemplos do
que a expressão pão poderia significar :
Comida
Bebida
Vestuário
Calçado
Casa
Propriedade
rural
Campos de
esporte
Estâncias de
Gado
Dinheiro
Outros bens
Bom
casamento
Bons filhos
Saúde
Boas e fiéis
autoridades
Honra
Governo Justo
Vizinhos fiéis
Bons amigos
Clima favorável
(nem muito
quente, nem
muito frio)
5. Encontram-se nesta lista a necessidades de um camponês alemão
do sec XVII
6. Nada nos impede de interpretar e de completar esta lista segundo
as necessidades de nosso tempo e de nossas situações
particulares.
7. Como um pai amoroso que se interessa pelas situações e
necessidades de seus filhos, não somente as que representam a
sobrevivência, assim Deus se interessa por seus filhos.
8. Uma de nossas conselheiras, quando nos preparávamos para o
casamento nos ensinou a orar pelos nossos sonhos. Tudo o que
desejávamos e sonhávamos não só para a vida mas até para os
detalhes da nossa cerimônia nupcial. Ela nos ensinou que Deus se
importa até com a cor de uma cortina, simplesmente porque somos
importantes para ele.
9. Deixe Deus ser o Senhor dos seus sonhos, compartilhe com ele o
que vai no seu coração.
10. Orar pedindo o pão de cada dia é aprender a fazer Deus nosso
conselheiro, mestre , senhor e provedor de todas as coisas da vida.
11. Mas lembre-se! Há um segredo para que esta oração seja de fato
eficaz. Este segredo foi revelado nos três pedidos iniciais e
confirmado pelo Senhor Jesus no final deste capítulo:
Mt 6
33 Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas
coisas lhes serão acrescentadas.
Paschoal Piragine Jr
- 24 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
25
iii. Deus nos convida a viver pela fé , dia após dia
1. Outra implicação desta petição pode ser percebida quando
pensamos na expressão : “de cada dia”
2. evpiou,sioj é a palavra grega que traduzimos como : “diário”,
ou de cada dia . Esta é uma palavra que até pouco tempo não
aprecia em nenhum manuscrito antigo conhecido. Barclay comenta
que Orígenes, um teólogo cristão do séc III , conhecia este fato, e
em sua opinião Mateus havia inventado o termo ( criado um
neologismo) . Portanto era impossível saber com exatidão o que ela
deveria significar. Mas há alguns anos achou-se um fragmento de
papiro que continha a palavra . Este papiro era uma lista de
compras de uma dona de casa e junto a um dos termos desta lista
aparecia esta palavra, e tinha como objetivo fazê-la recordar-se de
que necessitava comprar um alimento particular para aquele mesmo
dia .
3. Por isso o significado era simples dá hoje o pão de hoje
4. Isto nos reporta ao deserto quando os judeus foram ensinados a
depender do sustento de Deus para cada dia , quando ele lhes
mandou o maná ( Ex 16 . 1-21)
5. Não é vontade de Deus que vivamos ansiosos, preocupados ou
mesmo desesperados com o sustento ou mesmo com as questões
da vida relativas a um futuro remoto.
6. Mas sim que dependamos dele para viver um dia de cada vez e
todos os dias pela fé no Deus que nos ama e nos sustenta como
pai.
7. Assim como o filho pequeno não se preocupa com o que terá para
comer , simplesmente porque confia em seu pai, da mesma maneira
nós podemos depender do Senhor dia após dia.
8. Durante muito tempo da minha vida, a preocupação com os
recursos financeiros foram algo que me tirava o sono, quer fosse em
minha vida pessoal, ou na administração da igreja, como demorei
para aprender uma simples lição: cada dia preciso depender de
Deus para o sustento tanto da minha vida quanto da sua obra.
9. Cada vez que uma nova etapa da construção surgia eu temia a falta
de recursos, ou quando um desafio novo , uma porta para um novo
ministério , ou o sustento de outro missionário se apresentava isto
gerava ansiedade em meu coração.
10. Uma coisa aprendi Deus é quem faz milagres, ele é o dono da sua
obra e da minha vida, ele é o provedor da sua casa eu sou só seu
filho. Por isso confio em meu pai. O maná não tem faltado.
11. E quando tenho provisão abundante sei que ele esta preparando
algo que ainda não tenho conhecimento.
12. Minha experiência na Índia  uma oferta para a viagem , tudo foi
usado e necessário . Deus estava suprindo antes mesmo dos fatos
acontecerem.
Paschoal Piragine Jr
- 25 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
26
13. Mas lembre-se ! Há um segredo para que esta oração seja de fato
eficaz. Este segredo foi revelado nos três pedidos iniciais e
confirmado pelo Senhor Jesus no final deste capítulo:
Mt 6
33 Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas
coisas lhes serão acrescentadas.
iv. Deus nos convida a sermos parceiros dele no suprimento de outros
1. Outra implicação desta petição pode ser percebida na expressão
“nosso”.
2. A oração pelo pão diário não pode ser algo egoísta  O meu pão!
3. Mas algo que tenha sentido para os propósitos de Deus:  Nosso
pão .
4. Pois Deus pode me usar para ser meio de suprimento do pão para o
outro.
5. Uma coisa tenho entendido, que a abundância que temos tem o
propósito de sermos ministros despenseiros da sua graça para
aqueles que não tem.
6. O despenseiro era o escravo em quem o Senhor da casa confiava e
por isso lhe dava a chave da despensa e autoridade para comprar
no mercado em seu nome e para vender parte da produção da
fazenda para manutenção tanto dos outros escravos, empregados e
até dos filhos.
7. O que o Senhor esperava dele era fidelidade na gerencia dos seus
bens , como no cumprimento da sua missão.
8. Por isso uma das parábolas mais fortes dos evangelhos falam do
juízo do despenseiro infiel.
Lc 12
42 O Senhor respondeu: —Quem é, então, o empregado fiel e inteligente? É aquele
que o patrão encarrega de tomar conta da casa e de dar comida na hora certa aos
outros empregados.
43 Feliz aquele empregado que estiver fazendo isso quando o patrão chegar!
44 Eu afirmo a vocês que, de fato, o patrão vai colocá-lo como encarregado de toda
a sua propriedade.
45 Mas imaginem o que acontecerá se aquele empregado pensar que o seu patrão
está demorando muito para voltar. E imaginem que esse empregado comece a bater
nos outros empregados e empregadas e a comer e a beber até ficar bêbado.
46 Então o patrão voltará no dia em que o empregado menos espera e na hora que
ele não sabe. Aí o patrão mandará cortar o empregado em pedaços e o condenará a
ir para o lugar aonde os desobedientes vão.
47 —O empregado que sabe qual é a vontade do patrão, mas não se prepara e não
faz o que ele quer, será castigado com muitas chicotadas.
48 Mas o empregado que não sabe o que o patrão quer e faz alguma coisa que
merece castigo, esse empregado será castigado com poucas chicotadas. Assim
Paschoal Piragine Jr
- 26 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
27
será pedido muito de quem recebe muito; e, daquele a quem muito é dado, muito
mais será pedido.
9. somos, em primeiro lugar ministros despenseiros dos mistérios de
Deus ( o evangelho) , mas somos também ministros e despenseiros
de tudo quanto Deus confiou às nossas mãos.
10. Se é Deus quem nos sustenta, se vivemos e respiramos nele, como
aprendemos, se todo o universo lhe pertence , inclusive nossas
vidas, então tudo o que está em nossas mãos não é nosso é dele. E
deve ser usado para cumprir o seu propósito e para a sua glória.
11. Fico pensando o que Deus sente ao ver cenas como estas ?
12. O problema no mundo não é que não haja o suficiente para todos.
Há e sobra. Quantas vezes ouvimos falar das batatas e cebolas que
foram aradas para que o preço não baixasse, ou dos sandwiches
jogados fora nas fast foods, ou ainda do café queimado para
controle do preço externo.
13. O problema não é a produção para o essencial à vida mas sim da
sua distribuição
14. Karl Barth escreveu :
“Cuida (Senhor) para que, se alguém tem um excesso deste pão, saiba que,
por este fato, ele deve ser um servidor, um despenseiro de Tua graça ; que
Paschoal Piragine Jr
- 27 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
28
ele está a teu serviço e ao serviço dos outros, e daqueles que estão
particularmente ameaçados pela fome, pela morte e pela precariedade da
condição humana; que todos estes reencontrem irmãos e irmãs que têm
olhos e ouvidos abertos, e que se sintam obrigados a seu respeito. Que
vergonha a nossa ingratidão, a nossa injustiça social! Que estupidez, que
nesta humanidade, cercada de Teus dons, inchada de riquezas, ainda haja
pessoas que padeçam de fome!”
15. Mas quando olhamos sob esta perspectiva as vezes pesamos que
esta é responsabilidade das nações, governos ou ongs.
16. Todavia esta é uma responsabilidade que começa em casa, quando
entendemos que tudo quanto temos e somos deve ser para a glória
de Deus.
17. Quando colocamos os nossos bens a disposição do seu dono, o
Senhor veremos o que ele fará em toda a terra com os nossos
peixinhos e pãezinhos.
18. Deus é glorificado quando o servimos com os bens que ele nos
confiou, e nós nos tornamos confiáveis como seus administradores.
19. Foi isto o que Paulo quis ensinar ao escrever :
2 Co 9
6 Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que
semeia com fartura, também colherá fartamente.
7 Cada um dêa conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por
obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.
8 E Deus é poderoso para fazer que lhes seja acrescentada toda a graça, para que
em todas as coisas, em todo o tempo, tendo tudo o que é necessário, vocês
transbordem em toda boa obra.
9 Como está escrito: “Distribuiu, deu os seus bens aos necessitados; a sua justiça
dura para sempre”b.
10 Aquele que supre a semente ao que semeia e o pão ao que come, também lhes
suprirá e multiplicará a semente e fará crescer os frutos da sua justiça.
11 Vocês serão enriquecidos de todas as formas, para que possam ser generosos
em qualquer ocasião e, por nosso intermédio, a sua generosidade resulte em ação
de graças a Deus.
12 O serviço ministerial que vocês estão realizando não está apenas suprindo as
necessidades do povo de Deus, mas também transbordando em muitas expressões
de gratidão a Deus.
13 Por meio dessa prova de serviço ministerial, outros louvarão a Deus pela
obediência que acompanha a confissão que vocês fazem do evangelho de Cristo e
pela generosidade de vocês em compartilhar seus bens com eles e com todos
os outros.
14 E nas orações que fazem por vocês, eles estarão cheios de amor por vocês, por
causa da insuperável graça que Deus tem dado a vocês.
15 Graças a Deus por seu dom indescritível!
20. Por isso a chave para que oremos e sejamos atendidos quanto ao
pão de cada dia esta no que Jesus ensinou:
Paschoal Piragine Jr
- 28 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
29
Mt 6
33 Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas
coisas lhes serão acrescentadas.
21. Quando aprendemos a servir a Deus com os bens que ele colocou
em nossas mãos, quando fazemos de nós mesmos, da nossa
influencia, dos e recursos algo que contribui para sua glória ,
cumprimento da sua vontade e avanço do seu reino , não apenas
seremos supridos , como ele poderá nos transformar em agentes do
seu suprimento nesta terra.
v. Deus nos dá um sinal diário de que somos convidados do seu
banquete das bodas do cordeiro
1. Há uma última implicação desta oração e de sua resposta diária.
2. Há cada dia que ela se cumpre em nossa existência recebemos um
sinal de Deus que ele cumprirá todas as suas promessas
3. E em especial uma o convite que recebemos dele para as bodas do
cordeiro .
4. Os judeus tinham uma crença de que quando o Messias chegasse e
instalasse na terra o seu reino messiânico, ao iniciar-se este reino
ele convidaria todos os seus fiéis súditos a participarem de um
banquete
5. O novo testamento confirma esta idéia ao nos advertir que
cearemos com o Senhor Jesus nas suas bodas com a sua igreja ,
quando esta será levada a sua presença , antes da inauguração do
seu reino milenar.
Ap 19
7 Regozijemo-nos! Vamos alegrar-nos e dar-lhe glória! Pois chegou a hora do
casamento do Cordeiro, e a sua noiva já se aprontou.
8 Para vestir-se, foi-lhe dado linho fino, brilhante e puro”. O linho fino são os atos
justos dos santos.
9 E o anjo me disse: “Escreva: Felizes os convidados para o banquete do
casamento do Cordeiro!” E acrescentou: “Estas são as palavras verdadeiras de
Deus”.
6. Os pais da Igreja relacionavam o texto de apocalipse com a
promessa do Senhor Jesus feita na celebração da Ceia .
Mt 26
26 Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, deu graças, partiu-o, e o deu aos seus
discípulos, dizendo: “Tomem e comam; isto é o meu corpo”.
27 Em seguida tomou o cálice, deu graças e o ofereceu aos discípulos, dizendo:
“Bebam dele todos vocês.
28 Isto é o meu sangue da aliançac, que é derramado em favor de muitos, para
perdão de pecados.
29 Eu lhes digo que, de agora em diante, não beberei deste fruto da videira até
aquele dia em que beberei o vinho novo com vocês no Reino de meu Pai”.
7. E criam que a cada vez que comiam do pão, seja em casa ou na
ceia Deus lhes dava um sinal de que cumpriria a sua promessa e
participariam da banquete com Jesus na sua vinda.
Paschoal Piragine Jr
- 29 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
30
8. De certa maneira cada vez que o Senhor responde a nossa oração
e cumpre sua promessa de suprimento e cuidado em nossas vida
recebemos dele um sinal de que todas as suas santas e
maravilhosas promessas se cumprirão .
9. O pão nosso de cada dia nos dá hoje  é uma santa lembrança de
que o Senhor se importa com as nossas necessidades , físicas,
emocionais , espirituais e eternas.
10. Mas lembre-se ! A chave para que tudo isto se concretize esta nas
palavras de Jesus :
Mt 6
33 Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas
coisas lhes serão acrescentadas.
E. RESTAURAÇÃO
12 Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores.
14 Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes
perdoará.
15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as
ofensas.
INTRODUÇÃO
A esta altura, o Senhor Jesus nos mostra através da oração modelo, tanto a
nossa necessidade constante de sermos restaurados pelo Senhor de nossas vidas,
quanto o dever de nos tornarmos agentes desta mesma restauração que recebemos do
Senhor para com todos os homens
Por isso quero destacar os grandes ensinos desta pequena oração:
1. Perdão  Uma necessidade pessoal urgente
a. A oração começa com a busca da cura da doença que tem afetado tanto o
nosso dia a dia como a eternidade  “Perdoa as nossas dívidas”  O nosso
pecado.
b. Há quatro cinco palavras no NT que nos ajudam a entender o que é pecado
i. Amartia  Significa errar o alvo  Por isso pecado é não ser o que
deveríamos e poderíamos ser.
1. Deus investiu em nós não somente a sua criação, mas algo da
sua natureza (Um Espírito Vivo)
2. Ele colocou em nós capacidades escolhidas especialmente para
nós para que fossemos seus instrumentos nesta terra
3. Ele planejou e investiu a sua vida em construir um
relacionamento de amor conosco
4. Mas pecamos, ou seja, ficamos muito distantes do propósito
divino, tanto no relacionamento com ele, quanto no nosso viver
neste mundo.
Paschoal Piragine Jr
- 30 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
31
5. Por estarmos muito longe do propósito de Deus é que
precisamos de perdão  Uma restauração, um
redirecionamento, uma nova oportunidade de começar do lugar
onde estamos
6. Este perdão envolve uma ação divina de nos ajudar a construir o
seu propósito em nossas vidas.
ii. Parabasis  Neste sentido, pecar é cruzar a linha que separa o bem
do mal.
1. Nós não somente deixamos de ser o que poderíamos, mas
muitas vezes somos o que nunca deveríamos ser.
2. O que está por de trás é aquela perversidade de intenção ou
ação.
3. Às vezes imaginamos que a perversidade é característica
somente dos grandes malfeitores do mundo, mas o que Jesus
esta nos mostrando ao nos ensinar a necessidade de perdão é
que há uma certa perversidade em mim.
a. Quando escolho algumas palavras para machucar
b. Quando planejo algumas atitudes para manipular
c. Quando, para chegar onde quero, não me importo com o
sofrimento que gero.
4. Ao nos tornarmos agentes do mal, nos tornamos parceiros
daquele que personifica o mal .
5. Envergonhamos o nome daquele que tem investido sua graça e
amor em nossas vidas . Por isso, o profeta Natan, ao revelar o
pecado de Davi afirmou.
Sm 12
14 Todavia, porquanto com este feito deste lugar a que os
inimigos do Senhor blasfemem,
6. E permitimos que o mal tenha suas conseqüências sobre nossas
vidas.
7. Por isso precisamos do perdão de Deus  ele envolve um ato
de misericórdia divina, ao não nos imputar a punição que
merecemos, mas um ato de graça, ao nos restaurar ao lugar de
cooperador do seu reino
8. Em uma batalha, a pessoa mais desprezível é o traidor, aquele
que parece que é nosso aliado, mas por qualquer razão, ajuda o
nosso inimigo. Ao nos tornarmos agentes do mal traímos o bem
que Deus nos delegou mediante a sua graça.
9. Necessitamos de perdão.
iii. Paraptôma  O seu significado é queda. O tipo de queda que
podemos sofrer ao andar por um chão molhado.  A ênfase aqui esta
ser algo que não é tão deliberado.
Paschoal Piragine Jr
- 31 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
32
1. Algumas vezes dizemos que escapou uma palavra, um gesto,
uma reação.
2. Todavia, isto nos mostra do que estava cheio o nosso coração
3. Por isso caímos quando não estamos em guarda
a. Vigilantes
b. Vivificando o espírito
c. Mortificando a carne
4. Um exemplo desta queda foi Pedro  Lembre das palavras de
Jesus 
Mt 26
41 Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito,
na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.
5. O perdão de Deus é a mesma restauração que Pedro viveu.
a. Um olhar de convite
b. Um choro de arrependimento
c. Um encontro de camaradagem
d. Uma renovação da confiança pela missão outorgada.
6. Como precisamos deste perdão.
iv. Anomia  Atuar fora da lei  É o pecado de quem conhece o bem,
mas deliberadamente faz o mal. O pecado de quem conhece a lei,
porém deliberadamente a ignora em sua ação.
1. É aquela atitude humana de querer fazer o que lhe dá na cabeça
não importando as conseqüências.
a. Casos de adultério que tenho acompanhado
b. Casos de recrudescimento e perda da vergonha do
pecado
c. Casos de aviltamento pessoal
d. Casos até de criminalidade  Um abismos chama outro
abismo
2. Buscar o perdão de Deus é não somente ser aceito pelo pai, mas
deixá-lo transformar a nossa vida, libertar-nos tanto da opressão
maligna, como tantas vezes até da sua possessão.
3. Pois a anomia, representa o pecado sem qualquer vergonha o
sentimento de culpa. Os atos de uma consciência cauterizada
pelo diabo
4. Buscar este perdão é deixar-se ser transformado. Ele quer fazer
de você uma nova criatura.
5. Foi a experiência vivida pelo endemoninhado de Gadara.  Um
desprezado pela sociedade, que só podia ser e com muita
dificuldade restrito pelos grilhões, agora, limpo, vestido e sendo
Paschoal Piragine Jr
- 32 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
33
enviado a sua casa para restaurar aqueles a quem ele
machucara.
6. Ah! Quanta gente precisa deste tipo de perdão. Deste tipo de
cura interior, desta poderosa ação restauradora
v. Ofeilema  Esta é palavra que aprece na oração que Jesus ensinou
e significa, literalmente, dívida. Não pagar o que se deve, deixar de
cumprir com um dever.
1. Jesus usou a palavra que nos faz reconhecer que não existe, se
quer um ser humano, que tenha cumprido de maneira perfeita
todos os seus deveres para com Deus ou para com o seu
próximo.
2. Pois se assim fosse seríamos perfeitos.
3. O que Jesus queria com isto nos ensinar é que o pecado é uma
enfermidade universal, que pede uma solução urgente.
4. Por isso buscamos de Deus o perdão . A restauração , a cura ,
da maior de todas as enfermidades humanas: O pecado. Aquela
maldade humana, aquela rebeldia destruidora que tem
consumido a nós mesmos, nossas famílias, relacionamentos,
vida emocional, a sociedade e até o mundo físico em que
vivemos.
c. Mas se esta é uma necessidade , como podemos obter a restauração de Deus
pelo seu perdão ?
d. Veja alguns passos descritos na palavra de Deus para que o perdão
restaurador nos seja dado.
i. Arrependimento  Quando reconheço a minha condição de pecador e
desejo a mudança de vida.
Lc 24
46 E lhes disse: “Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e
ressuscitar dos mortos no terceiro dia,
47 e que em seu nome seria pregado o arrependimento para
perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém.
Lc15
7 Eu lhes digo que, da mesma forma, haverá mais alegria no céu
por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove
justos que não precisam arrepender-se.
ii. Confissão
1 Jo 1
8 Se afirmarmos que estamos sem pecado, enganamos a nós
mesmos, e a verdade não está em nós.
9 Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para
perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça.
10 Se afirmarmos que não temos cometido pecado, fazemos de
Deus um mentiroso, e a sua palavra não está em nós.
Paschoal Piragine Jr
- 33 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
34
iii. Fé
Hb 11
6 Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima
precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o
buscam.
iv. Perdoar
14 Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial
também lhes perdoará.
15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes
perdoará as ofensas.
2. Perdão  Um compromisso obrigatório com a ação restauradora
a. Isto nos leva a segunda parte da oração sobre perdão
12 Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores.
14 Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes
perdoará.
15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as
ofensas.
b. O que Jesus está nos ensinando é que se desejamos que o Senhor nos
perdoe precisamos aceitar o compromisso de usarmos o mesmo critério de
graça que Deus tem usado para conosco para com todos os que tem falhado,
ou machucado nossa vida.
c. Neste sentido perdoar os que nos feriram não é uma opção, mas uma
obrigação daquele que já experimentou o poder restaurador da graça.
d. Esta verdade foi ilustrada pelo nosso Senhor ao contar a parábola do credor
incompassível.
Mt 18
21 Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes
deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?”
22 Jesus respondeu: “Eu lhe digo: Não até sete, mas até setenta vezes sete.
23 “Por isso, o Reino dos céus é como um rei que desejava acertar contas com
seus servos.
24 Quando começou o acerto, foi trazido à sua presença um que lhe devia uma
enorme quantidade de prata4.
25 Como não tinha condições de pagar, o senhor ordenou que ele, sua mulher, seus
filhos e tudo o que ele possuía fossem vendidos para pagar a dívida.
26 “O servo prostrou-se diante dele e lhe implorou: ‘Tem paciência comigo, e eu te
pagarei tudo’.
27 O senhor daquele servo teve compaixão dele, cancelou a dívida e o deixou ir.
28 “Mas quando aquele servo saiu, encontrou um de seus conservos, que lhe devia
cem denários5. Agarrou-o e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Pague-me o que me
deve!’
4 1 talento de prata era igual a 35kilos , o texto fala de 10.000 talentos o que seria igual a 350 toneladas de prata
5 O denário era igual a diária de um trabalhador braçal ( hoje, em torno de 35,00 ou Us$15, portanto R$ 3500,00
ou us$1500)
Paschoal Piragine Jr
- 34 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
35
29 “Então o seu conservo caiu de joelhos e implorou-lhe: ‘Tenha paciência comigo,
e eu lhe pagarei’.
30 “Mas ele não quis. Antes, saiu e mandou lançá-lo na prisão, até que pagasse a
dívida.
31 Quando os outros servos, companheiros dele, viram o que havia acontecido,
ficaram muito tristes e foram contar ao seu senhor tudo o que havia acontecido.
32 “Então o senhor chamou o servo e disse: ‘Servo mau, cancelei toda a sua dívida
porque você me implorou.
33 Você não devia ter tido misericórdia do seu conservo como eu tive de você?’
34 Irado, seu senhor entregou-o aos torturadores, até que pagasse tudo o que
devia.
35 “Assim também lhes fará meu Pai celestial, se cada um de vocês não perdoar de
coração a seu irmão”
e. Ao colocar nestes termos, certamente este sempre será um ensino que nos
choca e ao mesmo abre os nossos olhos para uma nova realidade espiritual
 Pelo perdão de Deus somos restaurados e nos tornamos agentes de
restauração .
f. A Lógica divina de exigir o nosso perdão provém de dois sentimentos divinos :
Justiça e graça.
i. Se o Deus santo e justo pode nos perdoar, porque nós , injustos
pecadores não poderíamos demonstrar graça para com os pecados dos
outros?
ii. Se nós podemos entender o poder restaurador da graça porque não
nos oferecemos a Deus para sermos agentes da sua graça
restauradora?
iii. Deus nos dá uma oportunidade através das ofensas que sofremos de
crescer na vida cristã e/ou refletir as qualidades de Cristo para com o
ofensor. (2 Sm 16:5-11)6  A graça não é só para mim.
iv. Quando não perdoamos e guardamos amargura em nosso coração
assumimos um direito que não temos, pois a vingança, a punição do
mal, é um direito que pertence ao Senhor e não a nós  Deixamos a
justiça com o Senhor.
Rm 12
19 Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está
escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”e, diz o Senhor.
20 Ao contrário: “Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe
de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele”f.
21 Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem.
6 5 Chegando o rei Davi a Baurim, um homem do clã da família de Saul chamado Simei, filho de Gera, saiu da cidade
proferindo maldições contra ele.
6 Ele atirava pedras em Davi e em todos os conselheiros do rei, embora todo o exército e a guarda de elite estivessem
à direita e à esquerda de Davi.
7 Enquanto amaldiçoava, Simei dizia: “Saia daqui, saia daqui! Assassino! Bandido!
8 O SENHOR retribuiu a você todo o sangue derramado na família de Saul, em cujo lugar você reinou. O SENHOR
entregou o reino nas mãos de seu filho Absalão. Você está arruinado porque é um assassino!”
9 Então Abisai, filho de Zeruia, disse ao rei: “Por que esse cão morto amaldiçoa o rei, meu senhor? Permite que eu lhe
corte a cabeça”.
10 Mas o rei disse: “Que é que vocês têm com isso, filhos de Zeruia? Ele me amaldiçoa porque o SENHOR lhe disse
que amaldiçoasse Davi. Portanto, quem poderá questioná-lo?”
11 Disse então Davi a Abisai e a todos os seus conselheiros: “Até meu filho, sanguea do meu sangue , procura matarme. Quanto mais este benjamita! Deixem-no em paz! Que amaldiçoe, pois foi o SENHOR que mandou fazer isso.
Paschoal Piragine Jr
- 35 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
36
g. Mas então o que é o perdão que Deus espera de mim?
i. O perdão não é uma emoção; é uma decisão. Ele é um ato de minha
vontade, não de minhas emoções.
ii. O perdão é uma decisão de não levantar mais a ofensa perante três
pessoas: Deus, os outros (inclusive o ofensor) e eu mesmo.
iii. Perdão é unilateral: ele não depende dos "méritos" do ofensor
iv. Uma ação do amor de Deus através de nós para gerar transformação
no outro.
Rm 12
20 Antes, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de
beber; porque, fazendo isto amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça.
1. Há uma profunda relação entre ofensa e culpa, na mente
humana. Por isso Deus pode usar o perdão e a graça por ele
comunicada para quebrantar um coração.
A ofensa pesa e a culpa
cresce Culpa
Ofensa
Quando retribuímos
ofensa com ofensa, não
há culpa, nem mudança.
Ofensa
Ofensa
h. Quando não perdoamos algumas coisas ruins acontecem :
i. Impedimos a benção e o perdão de Deus sobre nós
Paschoal Piragine Jr
- 36 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
37
ii. Sofremos
1. Existe porém, um mal que tira nossa capacidade de
experimentar o legítimo prazer. Chama-se amargura.
2. Hebreus 12:15  A amargura é comparada a uma raiz
pequenina que na medida em que cresce nos perturba e
contamina os outros.
3. Ela nos faz viver uma vida amarga, sem alegria e prazer.
4. Veja o que um médico cristão escreveu sobre este sentimento:
A amargura e seus parentes tiram-nos a capacidade de experimentar o prazer legítimo. Observa o
médico, Dr. S.I. McMillen (A Provisão Divina para Sua Saúde, p. 77).
"No momento em que começo a odiar um homem, torno-me seu escravo.
Meus ressentimentos produzem hormônios de tensão no corpo e fico
cansado após poucas horas de trabalho. O trabalho, que antes me divertia,
é agora insuportável. Até mesmo as férias deixam de me dar prazer. O
homem que odeio me acompanha onde vou: Não posso escapar a esta
pressão da mente. Quando o garçom me serve bife com batatas, aspargos,
salada e, em seguida, morangos com creme, tenho a impressão de comer
pão duro com água. Mastigo e engulo, mas o homem que odeio não me
permite saborear a comida. O rei Salomão deve ter tido experiência
semelhante, pois escreveu: Melhor é um prato de hortaliças onde há amor,
do que boi cevado, e com ele o ódio (Pv 15:17). O homem que odeio não
me permite dormir. Minha cama é uma tortura. Realmetne devo entender
que sou um escravo do homem sobre quem recaiu o meu ódio."
iii.
Adoecemos
1. Mas a amargura nos faz adoecer.
2. As chamadas doenças psicosomáticas
iv. Transformamos o mundo amargo para nós e para os que vivem a nosso
redor .
i.
Todos nós experimentamos ofensas
i. um amigo que nos trai,
ii. um filho ingrato,
iii. a parcialidade dos pais,
iv. uma palavra áspera,
v. uma acusação falsa,
vi. uma data especial esquecida,
vii. a indiferença para comigo de alguém que me é importante, etc.
j. E a única maneira de sermos curados é o perdão.
i. Perante as ofensas exercemos uma escolha.
1. Podemos perdoar ou tornar-nos ressentidos;
2. amar ou odiar;
Paschoal Piragine Jr
- 37 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
38
3. estabelecer relacionamentos ou retrair-nos;
4. “A primeira escolha leva-nos à liberdade constante, uma vida de
sinceridade e opções. A segunda escolha, inevitavelmente, leva-nos a
uma escravidão dentro de nós mesmos. A primeira resulta em
crescimento espiritual, a segunda, em amargura" (Diane V.Funk,
Bitterness: A Bondage, The Christian Leader, 18 de março de 1975,
p.4).
ii. Mas lembre-se : Perdoar para um cristão não é uma opção nem uma
emoção. É uma decisão de fé por tudo quanto Jesus já fez por nós e
para que sejamos libertos, curados ao mesmo tempo em que somos
instrumentos da graça curadora divina em outros
1. Corrie ten Boom, num emocionante capítulo (Ama o teu inimigo),
de seu livro Andarilha para o Senhor, mostra como o perdão
(como decisão e não emoção) funcionou perante um ex-guarda
dela no terrível campo de concentração Ravensbruck. Disse o
ex-guarda num encontro pessoal com ela, depois de uma
palestra dela sobre o perdão:
"Mas depois daquele tempo...eu me tornei um cristão. Eu sei que
Deus perdoou as coisas cruéis que eu fiz alí, mas gostaria de ouvir
também de sua boca, Fraulein." E mais uma vez a (sua) mão se
estendeu. Ä senhora me perdoa?"
Parecia-lhe que horas o ex-guarda ficara alí, de mão estendida.
E ainda assim eu estava alí parada, com um frio apertando meu
coração. Mas o perdão não é uma emoção, eu sabia disso... O perdão
é um ato da vontade, e a vontade pode funcionar independente da
temperatura do coração. "Jesus, ajuda-me!"eu orei silenciosamente.
Eu posso levantar a mão, isto eu posso fazer. Tu supres o
sentimento."E então, rigidamente, mecanicamente, estendi minha
mão para aquela que se estendia para mim. Quando eu fazia isso,
aconteceu uma coisa incrível: a corrente começou em meu ombro,
desceu pelo meu braço, explodiu em nossas mãos juntas. Então este
calor que cura pareceu inundar todo o meu ser trazendo lágrimas
aos meus olhos. Eu perdoo, irmão!", exclamei, "de todo o meu
coração"(páginas 70 - 71).
iii. O perdão é unilatereal.
1. O ofensor não precisa merecer meu perdão antes de eu o
conceder.
k. Como perdoar ?
i. Há muitas pessoas que desejam perdoar, mas não conseguem , vivem
presas , marradas à ofensa e ao ofensor. Por isso gostaria de lhe dar
algumas dicas de como perdoar.
1. Alistar as ofensas do ofensor contra você.
2. Se necessário, aliste suas ofensas contra o ofensor, reviva a
situação pelos olhos do ofensor (da perspectiva dele), e, se for o
caso, peça perdão a ele (depois dos seguintes passos).
Paschoal Piragine Jr
- 38 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
39
3. A sós com Deus, entregue ao Senhor o direito de executar
qualquer retribução (Rm 12:19), reconhecendo quão grande era
dívida com Ele que – agora perdoada – serve de motivação para
você perdoar seus devedores (Mt 18:21-35).
4. Faça um compromisso com Deus de jamais levantar a(s)
ofensa(s) perante Ele, perante os outros (inclusive o ofensor), e
perante você mesmo.
5. Invista na vida do ofensor, na medida do possível. Isto significa,
no mínimo, oração, mas pode significar muito mais (Mt 6:21;
Rom 12:20, 21).
6. Agradeça a Deus os propósitos dEle por meio das ofensas (I Ts
5:18).
3. Hoje Deus quer lhe ensinar a orar pedindo e oferecendo perdão. Pois isto será
bênção e cura para a sua vida.
F. PROTEÇÃO
13 E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o
poder e a glória para sempre. Amém.
INTRODUÇÃO
1. Agora chegamos a um momento crucial do ensino de Jesus sobre a oração. Ele nos
ensinou que orar era :
a. Adoração
b. Cooperação
c. Submissão
d. Buscar Provisão
e. Restauração
2. Mas agora ele nos mostra a necessidade de constantemente buscarmos a sua
proteção sobre as nossas vidas
3. Ele coloca em destaque a batalha espiritual que cada um de nós enfrentamos em
nossas vidas, quer tenhamos discernimento dela ou não ela se revela em nosso dia a
dia
4. Por isso a sua oração por proteção nos leva a pedir a Deus 2 coisas.
a. Não nos deixe cair em tentação
b. Livra-nos ( liberta-nos) do maligno.
5. Mas o que Jesus queria ensinar com estes dois pedidos?
6. Na dinâmica desta batalha temos de enfrentar 3 grandes armas do mal, para as quais
precisamos da intervenção salvadora e o revestimento do poder de Deus para sermos
vitoriosos nestes enfrentamentos  O mundo, a carne e o diabo.
Paschoal Piragine Jr
- 39 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
40
7. Por isso, entendo que a primeira parte tem a ver com o mundo e a nossa própria carne
trabalhando em nós um tipo de sedução para que nos afastemos de Deus e de sua
vontade.
8. Mas a segunda parte fala dos enfrentamentos com o Maligno, o próprio satanás que se
defronta contra os servos do Senhor.
9. Então vejamos o que cada uma destas petições de proteção tem a nos ensinar:
a. Não nos deixe cair em tentação
i. Como vimos a semana passada cair representa um dos termos para o
pecado e que denota um escorregão no meio da caminhada.
ii. Não é algo deliberado, mas um acidente de percurso.
iii. Mas como caímos, escorregamos em meio a tentação ?
iv. Uma das maneiras como escorregamos na jornada é quando não
discernimos os efeitos , pressões e tentações que provem do que a
bíblia chama de mundo.
1. Nós , pela graça de Deus fomos resgatados e transformados de um
estilo de vida coerente com a nossa geração, mas que nos afastava
para longe do nosso Senhor.
EFÉSIOS [2]
1 Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados,
2 nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe
das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência,
3 entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne,
fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da
ira, como também os demais.
O mundo  São os conceitos e valores que envolvem a nossa
sociedade e que se tornam uma força controladora e
modificadora dos nossos comportamentos para com Deus .
2. A bíblia diz que o mundo Jaz no maligno e que o curso deste mundo
é segundo o príncipe das potestades do ar
3. É preciso que entendamos que não somente pessoas são
demonizadas, mas as estruturas sociais que nos cercam e nos
influenciam também o são . Elas estão ditando valores que se
confrontam com os valores da nossa fé . E esta é uma batalha
bastante sutil.
4. Em Singapura eu mostrei as fotos da cultura do carnaval brasileiro
e os colegas do mundo todo choraram e perguntavam , onde estão
os pais desta gente ?
5. Mas não é só o carnaval 
a. Os valores da família  amor a ponto de morrer pela amada,
trocado pela independência .
b. Da fé  sincretismo
c. Da moral  permissividade
Paschoal Piragine Jr
- 40 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
41
d. Da ética  jeitinho e vantagem
e. Do namoro
f. Da Sexualidade
g. Da palavra  Verdade
6. Satanás tem usado o mundo , o jeito de viver e pensar da nossa
sociedade para que vivamos um tipo de vida cristã que Deus não
possa abençoar e assim o nosso Senhor luta contra nós com a
espada da sua boca .
7. Aplicação  Namoro, negócios , política, pornografia em nossa
casa, drogas, álcool, etc...
8. Por isso Jesus nos ensinou a clamar ao pai para que ele não nos
deixe cair na tentação  Que ele mesmo nos ajude a discernir as
mudanças de cenário e de conjuntura que o príncipe deste mundo
tem manipulado para fazer você e todo o povo de Deus cair.
a. Quando oramos assim Deus abre nossos olhos de
discernimento para podermos perceber como estamos sendo
conduzidos para longe dos propósitos divinos.
b. Quais as atitudes que precisamos tomar para resistir a força
de amoldamento que estamos sofrendo .
c. Batalhas que precisamos nos engajar, para que a operação
do engano que destrói toda a sociedade possa ser
desmascarada.
d. Quantos de nós temos caído, não poucas vezes, pois não
oramos assim , ou se oramos, não queremos ouvir, nem ver o
que Deus tem nos revelado.
v. Outra ferramenta da tentação que está colocada nesta oração de
proteção é a Carne
1. Segundo a bíblia ela é corrompida e cheia de desejos que não
agradam a Deus.
2. Por isso Satanás usa as nossas tendências carnais como forma
de tentação. A fim de que optemos em desobedecer a Deus e a
obedecer às tendências da nossa natureza decaída.
3. A carne se manifesta através dos desejos de posse, poder e
prazer , como se o alvo máximo de nosso existência se
resumisse nestes três desejos .
a. Balaão sabia que não poderia amaldiçoar os filhos de Israel,
por isso induziu a Balaque a usar as mulheres do seu povo
para introduzirem em Israel, o adultério e a idolatria
b. Com isso ele acenava ao povo de Israel com um chamado
ao, prazer, à posse e ao poder .
4. Se o segredo da vida no Espírito é a submissão a Deus, o segredo
da tentação é nos induzir a rebeldia acenando com as
Paschoal Piragine Jr
- 41 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
42
possibilidades de saciarmos aos desejos de nossa carne
corrompida.
5. O inimigo luta conosco aproveitando-se justamente de nossas
fraquezas.
6. Todos nós vivemos as pressões da nossa carne decaída.
7. Todos nós temos desejos normais de possuir coisas. Faz parte da
nossa natureza, então satanás nos convida a fazer do anseio pelas
posses o alvo da nossa existência.
a. Algumas vezes ele o faz em meio a uma situação de carência
e temos de optar se desejamos adorá-lo mesmo assim ou
abandoná-lo , só um pouquinho para alcançarmos as posses
de que necessitamos . De repente caímos na armadilha.
b. Ilustração  Garotos de 12-14 anos levando drogas de um
lugar para outro para ganhar 600,00 por viagem
8. Todos nós desejamos ser pessoas valorizadas nesta terra. Todos
desejamos ter um lugar e uma posição . Mas de uma maneira sutil
somos tentados a colocar este alvo como algo tão importante que
não nos importamos mais com as pessoas. Atropelamos ,
mentimos, grampeamos telefones . Forçamos as pessoas a nos
respeitarem de um modo ou outro só por causa de nossa ânsia de
poder .
a. As vezes isto acontece nas Igrejas . Líderes que estão cheios
de boas intenções, mas não controlados pelo espírito se
tornam arrogantes e despóticos.
b. Orgulho espiritual até por aquilo que não é nosso , nos foi
emprestado , os dons.
c. Na família quando oprimimos os nossos queridos, para que
egoisticamente nos respeitem. Mas nós não os respeitamos
9. E o prazer ? Todos desejamos experimentar prazer, mas este
sentimento se torna uma armadilha quando atropelamos a Deus , a
sua vontade , e o controle próprio só por um segundo de prazer .
10. Nos tornamos escravos da carne
11. Parecemos tão fortes, mas estamos em decadência e em caminho
da morte  Drogas  Sexo etc.
12. Abrimos portas para que Deus nos julgue e o inimigo nos use . 
Demônios controladores. , Fortalezas do entendimento .
vi. Quando Jesus nos ensinou a orar pedindo ao pai que não nos deixasse
cair em tentação, ele queria que estivesse em nossa mente a batlah que
vivemos todos os dias com as pressões do mundo e com as pressões da
nossa própria carne.
vii. O que estamos pedindo, não é que Deus construa a nossa volta muros
que nos afastem da realidade em que vivemos ( mosteiros) ou da nossa
propria humanidade interior corrompida.
Paschoal Piragine Jr
- 42 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
43
viii. Estamos pedindo que ele revele a sua graça de modo que sejamos
revestidos pelo Espírito Santo a ponto de discernir estas pressões e por
amor a ele, controlados pela sua força sejamos não somente vitoriosos ,
mas que possamos amar mais a Deus do que as pressões e impulsos da
nossa carne.
ix. Esta é uma batalha de amor . É o nosso amor a Deus que nos dá a vitória
pelo poder que ele derrama sobre nós.
x. Mas outra grande bênção é que esta oração nos revela que se somos
pessoas controladas pela carne ou pelo mundo podemos receber graça do
pais para sermos libertos e transformados.
b. A segunda petição é um clamor por proteção dos ataques diretos do
Maligno  “Mas livra-nos do Malígno”
i. A batalha que estamos enfrentando não é somente contra o mundo e a
carne , mas contra o próprio satanás.
Ef 6
12 pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os
principados, contra as potestades, conta os príncipes do mundo destas trevas,
contra as hostes espirituais da iniqüidade nas regiões celestes.
ii. Por de traz da tentação esta o tentador. Mas quem é ele ?
1. Satanás 
a. adversário ou inimigo 
b. depois aquele que acusa alguém diante dos tribunais. 
personificado
c. Os judeus acreditavam que no céu havia um anjo que tinha a
tarefa de acusar os homens diante de Deus. , atuando como
um fiscal do tribunal eterno. Este anjo era satanás porque
cumpria com a função de um satanás
2. Diabo 
a. O caluniador  Passa a significar tudo o que é anti-humano
e anti-divino.
b. Jesus nos ensina que devemos pedir que sejamos libertos
deste poder destruidor.
3. Este anjo caído, enquanto criatura é mais poderoso do que nós,
mas enquanto filhos de Deus resgatados no poder do sangue de
Jesus, ele já está derrotado.
1 Jo 4
4 Filhinhos, vós sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é aquele que
está em vós do que aquele que está no mundo.
4. Mas ele mesmo investe sobre as nossas vidas para nos induzir ao
pecado e a distância de Deus. Veja como ele age:
a. COM ASTÚCIA 
i. O diabo é um inimigo bastante capaz, os seus
esquemas são muito bem engendrados e sutis. Ele se
Paschoal Piragine Jr
- 43 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
44
apresentou a Eva como um dos animais que estavam
debaixo da sua autoridade - a Serpente
ii. Da mesma maneira que ele se apresentou a Jesus,
certa feita, através de Pedro. Isto porque não
representaria qualquer ameaça. Algo que fosse natural
na vida de Eva.
iii. E conversavam de maneira que a primeira vista Eva
estivesse no controle e na direção mas astutamente
todo o tempo era a serpente quem conduzia tanto a
conversa quanto o propósito.
iv. Da mesma maneira Satanás se conduz hoje
v. As vezes até como anjo de luz 2 Co 11.14
14 E não é de admirar, porquanto o próprio
Satanás se disfarça em anjo de luz.
vi. Os instrumentos satânicos se apresentam
admiravelmente -> Um grande embrulho de presente
vii. Ele tenta se fazer passar por uma amigo, interessado
que quer o nosso bem e o nosso sucesso
viii. Lembre-se: A serpente é astuta. Por isso orar esta
oração é pedir que o poder de Deus nos livre não
somente do poder de satanás mas também da sua
astúcia. As maneiras sutis com que ele mesmo nos
engana  testemunho de uma senhora que foi
engodada pelo inimigo que lhe enviou alguém para
retirá-la da sua fé e ao dormir com a moça ele, possído
pelo diabo disse que estava cumprindo o que
prometera quando sua mãe fora liberta.
b. Torcendo A Palavra De Deus
i. Ele conhece e faz uso dela ( a tentação de Jesus Mt4)
ii. Mas lembre-se que a bíblia no ensina que ele é
mentiroso.
"Vós tendes como pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é
homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há
verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso,
e pai da mentira" Jo 8.44
1. Ele opera o engano. O seu desejo é seduzir-nos
usando até aquilo que parece bonito e bom,
cheio de luz, mas é engano, mentira
2. As heresias, os falsos profetas, o Espiritismo, as
filosofias, as sociedades de conhecimento.
iii. Com astúcia e mentira ela engendra a nossa rebelião
para com Deus .
c. ELE LANÇA DÚVIDAS EM NOSSO CORAÇÃO
Paschoal Piragine Jr
- 44 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
45
i. A tentação propiamente dita acontece a nível da mente
e do coração humano. Quando o maligno lança várias
dúvidas destrutivas em nosso coração.
1. A verdade de Deus -> Deus sempre fala a
verdade?
a. Como posso ter certeza de que a bíblia é
verdade total?
b. Será que o jeito de Deus é o único jeito
de se fazer as coisas? Não poderia fazer
do meu jeito?
c. Quando você duvida da verdade de Deus
para a sua vida então é impossível se
crer totalmente nele. E a tentação será a
independência, a busca da sua própria
verdade.
d. Toda a tentação é um convite para que
vivamos independentemente de Deus
2. A bondade de Deus 
a. -Se Deus é amor como ele pode mandar
os seus filhos para o inferno?
b. -Se Deus é tão bom por que ele colocou
uma árvore tão perigosa como esta no
meio do jardim?
c. -Se Deus é bom porque ele está
permitindo tanto luta e sofrimento na
minha vida ? ( a tentação de jó)
d. Esta é a tática de nos induzir a
murmuração, a falta de fé, e a uma
tentativa independente de solução, ou
desfrute da vida.
3. Quanto a motivação Divina
a. Deus não quer que vocês sejam tão
inteligentes quanto ele.  Ele quer
escravizá-los
b. Deus realmente quer que você seja
sábio, porém, aprendendo dele, e não
independentemente dele.
d. Ele Exalta O Nosso Eu
i.
Sereis como deuses ( Humanismo, Nova Era) ( Gn 3)
ii. Reforça o seu orgulho pessoal ( você é tão bom, não
existe ninguém melhor do que você, é preciso que se
de a você o devido valor)
Paschoal Piragine Jr
- 45 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
46
iii. A mesma tentação feita a Jesus sob a forma, você
merece toda a glória sem cruz. Deserto e Pedro.
iv. Você não precisa de Deus, você tem todo o poder
dentro de você mesmo.
v. Isto nos leva a rebeldia e independência.
e. NÃO MOSTRA AS CONSEQÜÊNCIAS DO PECADO
i. Todo o pecado tem uma conseqüência danosa em
nossa vida.
f. Ele se opõe aos filhos de Deus tentando destruí-los a
perseguição  opressão maligna.
5. O que Jesus queria deixar claro é que este tipo de batalha não
conseguimos vencer sozinhos
6. Só com o poder libertador de Deus poderemos vencer o maligno e
os dias maus que ele intenta engendrar para nós.
7. Por isso a nossa oração não pode deixar de focar a necessidade
que temos de sermos protegidos por aquele que morreu e
ressuscitou para a nossa salvação .
8. O único que tem poder de nos livrar do maligno.
IV OS SEGREDOS DA ORAÇÃO
Lc 11
5 Então lhes disse: “Suponham que um de vocês tenha um amigo e que recorra a
ele à meia-noite e diga: ‘Amigo, empreste-me três pães,
6 porque um amigo meu chegou de viagem, e não tenho nada para lhe oferecer’.
7 “E o que estiver dentro responda: ‘Não me incomode. A porta já está fechada, e
eu e meus filhos já estamos deitados. Não posso me levantar e lhe dar o que me
pede’.
8 Eu lhes digo: Embora ele não se levante para dar-lhe o pão por ser seu amigo, por
causa da importunação se levantará e lhe dará tudo o que precisar.
9 “Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a
porta lhes será aberta.
10 Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta
será aberta.
11 “Qual pai, entre vocês, se o filho lhe pedir ume peixe, em lugar disso lhe dará
uma cobra?
12 Ou se pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
13 Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto
mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!”
INTRODUÇÃO
1. Durante muitos anos temo sido meros observadores da oração, mas precisamos
tornar-nos participantes da oração.
2. Este também era o sentimento dos discípulos . Eles observavam o mestre orar e viam
os resultados da oração.
Paschoal Piragine Jr
- 46 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
47
3. Conheceram João Batista , um profeta de oração e seus discípulos .
4. Sabiam que não deviam orar como os fariseus que tinham aparência mas não o poder
da fé
5. Por isso pediram conta-nos os segredos da oração.
1 Estava Jesus em certo lugar orando e, quando acabou, disse-lhe um dos seus
discípulos: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou aos seus
discípulos.
6. Jesus começou apresentando um modelo de oração que continha 5 importantes
realidades
a. Pai, santificado seja o teu nome
b. Venha o teu reino
c. O pão nosso de cada dia nos dá hoje
d. Perdoa os nossos pecados assim como perdoamos a nossos devedores
e. Livra-nos do mal
7. Mas depois de apresentar as realidades que devem ser alvos de nossa oração ele passa
a nos ensinar os segredos da oração .
A. PERSISTÊNCIA
I PEÇA
1. O primeiro segredo da oração, por incrível que pareça é peça.  Persista em
pedir.
2. O tempo verbal é um imperativo presente que significa mantenha-se pedindo
3. E a razão para isto, revelada nas ilustrações dadas por Jesus, é que você tem
um pai amoroso que tem prazer em atende-lo
a. Ele não é como o vizinho que se diz amigo, mas se torna rabugento na
hora da necessidade. 5-8
b. Ele é melhor que os pais humanos que fazem tudo para abençoar os
seus filhos.
4. Abra o seu coração para ele. Deixe-o conhecer as suas necessidades e
participar das soluções. Ele tem prazer em atender as suas necessidades.
5. Enquanto ele responde a sua oração o nome dele esta sendo glorificado. Pois
o modo como ele cuida de seus filhos é um testemunho ao mundo de que ele
é fiel
6. Por isso persistir na oração não é uma tentativa de fazer Deus mudar de idéia,
mas é fazer com que nós mesmos nos acheguemos ao lugar onde ele possa
nos confiar as suas respostas
7. Por isso peça , que ele dá, ele responde , ele trata o nosso coração, ele
derrama o seu Espírito Santo.
Paschoal Piragine Jr
- 47 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
48
8. É interessante perceber que nos momentos de grande busca espiritual, Deus
derramou o seu Espírito de forma a mexer com toda a sociedade.
Simplesmente porque o seu povo não se cansou de pedir e orar.
9. Quando comparamos os 2 grandes avivamentos americanos descobriremos
que eles só possuíam uma coisa em comum, a busca ardente da presença de
Deus através da oração.
a. Eram diferentes em teologia
b. Diferentes em métodos
c. Diferentes em estilos de culto.
d. Mas muito semelhantes na busca ardente em oração.
10. É por isso que Jesus após ensinar o conteúdo da oração leva os seus
discípulos a entenderem que precisavam persistir na oração.
11. Pois é neste santo momento de comunhão que as coisas acontecem, tanto
dentro de nós quanto ao redor de nós.
12. Por isso peça , clame , busque .
II BUSQUE
1. O segundo segredo de persistência, revelado por Jesus, é Busque .
2. Mas o que devemos buscar ?
3. O Senhor mesmo nos ensina:
Mt 6
31 Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que havemos de comer? ou: Que
havemos de beber? ou: Com que nos havemos de vestir?
32 (Pois a todas estas coisas os gentios procuram.) Porque vosso Pai celestial sabe
que precisais de tudo isso.
33 Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão
acrescentadas.
4. A nossa busca deve ser em primeiro lugar do seu reino e da sua justiça em
nossas vidas
5. E sabe o que você vai encontrar? As riquezas do seu Espírito Santo!
13 Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto
mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?
6. Você quer ter uma vida cheia do Espírito Santo, então busque em primeiro
lugar , com prioridade total o reino do Senhor
7. Busque de toda a sua alma incorporar a justiça do Senhor e fazê-la refletir nas
suas ações e intenções
8. Você quer que o Senhor derrame do seu Espírito Santo sobre você? Então
busque . ( Você pode já tê-lo , mas precisa ser cheio)
Jer 29.13 Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso
coração.
9. Quando você o buscar de todo o coração ele derramará abundantemente do
seu Espírito Santo sobre você .
Paschoal Piragine Jr
- 48 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
49
10. Como o Reino de Deus está precisando hoje de homens e mulheres cheios do
Espírito Santo.
11. Estamos cheios de tecnologia, de metodologia, de pragmatismo, de
secularismo.
12. Nossas igrejas, muitas vezes tem revelado um tipo de cristianismo tão
complacente com o mundo, com o pecado, a corrupção, a veneração do poder
e do dinheiro.
13. Temos buscado muito mais o poder do marketing e da persuasão humana do
que o poder sobrenatural de um Deus vivo.
14. Por isso precisamos buscar de todo o nosso coração o Senhor. Precisamos
deixar o o bom pai nos revestir dele, do seu poder e graça , para que o mundo
possa ver, não o poder ou a influência de impérios humanos travestidos da
religiosidade, mas uma glória inexplicável, que só pode proceder do trono de
Deus e que revela não a nossa força , mas a beleza de quem nos enviou:
Jesus.
15. Este ensino de Jesus se confronta com uma igreja acomodada e sonolenta ,
a semelhança dos discípulos no jardim do Getsêmani .
16. Mas o que o nosso Senhor quer ver é a busca ardente dos discípulos no
cenáculo. Aqueles que aguardavam a promessa do Senhor se cumprir após
sua ressurreição.
17. A busca e conseqüente resposta fez daquela igreja e dos seus discípulos um
povo diferente, ousado, inconformado com o mundo, e totalmente desprendido
de si mesmo e de seus bens pessoais.
18. Cheios do Espírito Santo eles eram os agentes e transformação do mundo e
embaixadores do Reino de Deus na terra.
19. Por isso Jesus afirma: Quem busca acha.
20. O que você tem perseguido em sua vida ?
21. Comece a buscar as coisas do Espírito que você encontrará as coisas do
Espírito .
22. O Senhor quer derramar-se sobre você.
III BATA
1. O terceiro segredo da oração é bata .
2. E a promessa é que portas se abrirão.
3. Que portas precisam ser abertas?
4. As portas dos corações
Ap 3. 20 Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta,
entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.
a. Jesus quer que oremos a favor da salvação de pessoas e na medida
em que oramos estamos juntos com o Senhor batendo nas portas dos
corações, pela fé
b. Lembre-se dos dedos
Paschoal Piragine Jr
- 49 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
50
c. Veja o que o Senhor fará enquanto você ora
5. As portas das nações
Is 56. 7 sim, a esses os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de
oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar;
porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.
a. O Senhor nos chamou para sermos intercessores batendo pela fé nas
portas das nações para que as mesmas se abram diante da pregação
do Evangelho.
b. Bata na porta que ela vai se abrir .
6. As portas dos caminhos
Colossenses 4
2 Perseverai na oração, velando nela com ações de graças,
3 orando ao mesmo tempo também por nós, para que Deus nos abra uma porta à
palavra, a fim de falarmos o mistério de Cristo, pelo qual também estou preso,
4 para que eu o manifeste como devo falar.
a. Para que ao caminhar você pelos caminhos da vida Deus vá abrindo
portas para proclamação do Evangelho e para que com toda a ousadia
e fé você anuncie a salvação em Jesus .
7. Lembre-se : Bata que se abrirá
8. Persista em bater e mais portas serão abertas.
9. Como temos sido tímidos. Como tememos bater na porta da sala do trono.
10. Como tememos que os gigantes e não cremos do poder do todo poderoso.
11. Será que existe algo impossível para Deus ? Alguma porta que ele não possa
abrir?
12. Olhe quantas vezes o Senhor tem feito esta pergunta a seus servos:
a. Abraão
Gn 18
14 Existe alguma coisa impossível para o SENHOR? Na primavera voltarei a você, e
Sara terá um filho”.
b. Ao Profeta Zacarias e ao seu povo diante das promessas da
reconstrução do templo e da nação de Judá depois do cativeiro.
Zc 8
6 “Mesmo que isso pareça impossível para o remanescente deste povo naquela
época, será impossível para mim?”, declara o SENHOR dos Exércitos.
c. Aos discípulos que não conseguiam crer.
Mt 17
20 Ele respondeu: “Porque a fé que vocês têm é pequena. Eu lhes asseguro que se
vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte:
‘Vá daqui para lá’, e ele irá. Nada lhes será impossível.
d. Diante da dificuldade de conversão dos ricos
Mt 19
26 Jesus olhou para eles e respondeu: “Para o homem é impossível, mas para Deus
todas as coisas são possíveis”
Paschoal Piragine Jr
- 50 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
51
e. A Maria , quando o anjo lhe anunciou a concepção virginal.
Lc 1
37 Pois nada é impossível para Deus”
13. Por isso a ordem de Jesus foi bata, mesmo quando parecer impossível aos
olhos humanos que uma porta se abra. Pois, para Deus nada é impossível.
CONCLUSÃO
1. O Segredo da persistência na oração é muito simples:
a. Peça continuamente, porque o seu pai lhe ama e tem prazer em lhe atender
b. Busque continuamente o seu reino e justiça, todas as outras coisas serão
acrescentadas, mas especialmente ele derramará do seu Espírito Santo
c. Bata continuamente, nas portas dos corações, das nações e dos caminhos e elas
serão abertas
2. O que você fará ?
G. AS INTENÇÕES DE DEUS DIANTE DA NOSSA ORAÇÃO
Lc 11
10 Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta
será aberta.
11 “Qual pai, entre vocês, se o filho lhe pedir um peixe, em lugar disso lhe dará uma
cobra?
12 Ou se pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
13 Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto
mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!”
INTRODUÇÃO
1. O próximo segredo que Jesus nos apresentou sobre a oração é a confiança que
podemos ter em nosso Deus quando oramos
2. Ele o coloca na forma de algumas metáforas para que possamos entender quem o
Senhor que ouve as nossas orações.
3. É uma grande tentação imaginar que o poder da oração resida em acessórios tais como:
a. As palavras da oração  como se eles fossem mágicas
b. O lugar da oração  No templo , na montanha, etc.
c. A posição em que estamos orando  mãos levantadas , em pé de joelhos etc...
d. A pessoa que está orando
4. O Segredo das nossas orações está em quem está nos ouvindo !
5. Neste texto Jesus nos ajuda a entender um pouco mais sobre o Deus todo poderoso que
ouve nossas orações e ele nos revela as intenções do seus coração que suscitam
confiança naquele que ora. .
Paschoal Piragine Jr
- 51 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
52
I INTENSÃO DE ABENÇOAR
10 Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta
será aberta.
1. As palavras do Senhor Jesus nos ensinam que a intenção do pai é abençoar aqueles
que o buscam em oração
2. Por isso ele nos incentiva a orar  Todo o que pede , recebe
3. Todo pai tem prazer em ver a alegria dos seus filhos
4. Há prazer natural no amor paterno em abençoar os seus filhos.
5. É isto o que Jesus esta nos falando
6. Aproxime-se do Senhor , lance sobre ele toda a sua ansiedade ele tem cuidado de você
7. A nossa relação com ele de amor é uma garantia de que o Deus todo poderoso esta
ouvindo as nossas orações e Ele mesmo é quem vai respondê-las em amor por nós.
8. Estas foram as palavras de Deus a Moisés :
Ex 3
7 Disse o SENHOR: “De fato tenho visto a opressão sobre o meu povo no Egito,
tenho escutado o seu clamor, por causa dos seus feitores, e sei quanto eles estão
sofrendo.
8 Por isso desci para livrá-los das mãos dos egípcios e tirá-los daqui para uma terra
boa e vasta, onde manam leite e mel: a terra dos cananeus, dos hititas, dos
amorreus, dos ferezeus, dos heveus e dos jebuseus.
9. Há um santo desejo no pai que participemos da sua obra através das nossas orações .
Ele espera não somente que oremos pelas nossas aflições mas que nos coloquemos
entre Ele e as aflições das pessoas ao nosso redor
Ez 22
29 O povo da terra pratica extorsão e comete roubos; oprime os pobres e os
necessitados e maltrata os estrangeiros, negando-lhes justiça.
30 “Procurei entre eles um homem que erguesse o muro e se pusesse na brecha
diante de mim e em favor desta terra, para que eu não a destruísse, mas não
encontrei nenhum.
10. Foi exatamente isto o que Abraão fez pela cidade de Sodoma e Gomorra e que permitiu
que seu sobrinho Ló pudesse ser salvo com a sua família. Gn 18.20-33
11. Por isso orar é adentrar a presença do Todo poderoso , que nos ama e que deseja
compartilhar conosco a sua graça , tanto a favor das nossas aflições quanto a favor
daqueles por quem intercedemos.
12. Se pudéssemos entender a amplitude desta lição oraríamos mais , choraríamos pelos
que estão se perdendo, pela salvação das nações .
13. Bateríamos a porta da sala do trono , entraríamos nela e veríamos os seus milagres.
Deus quer abençoar e as nossas orações fazem parte dos meios de Deus para
derramar as suas bênçãos .
14. Ilustração do Ministério da Família Godford na china , a dificuldade de se fazer entendido
pelos chineses, de tocar-lhes o coração , o desejo de desistir. Um grupo de jovens no
Canadá , em uma universidade Cristã decidiu orar pelos missionários , em uma das
reuniões de oração sentiram que Deus os havia ouvido de uma maneira especial ,
escreveram uma carta aos missionários perguntando o que acontecera naquele dia pois
Paschoal Piragine Jr
- 52 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
53
sabiam que algo de Deus havia acontecido. Quando os missionários leram a carta e
foram ver no diário, perceberam que aquele fora o dia em que pela primeira vez o seu
sermão foi entendido pelos chineses e as primeiras conversões ocorreram.
15. Deus nos convida a participar com ele da sua obra através da oração.
16. Se conhecêssemos o poder das nossas orações oraríamos mais intensamente por
nossos filhos, vizinhos, parentes e amigos .
17. Por quem você tem orado ?
18. O que você tem clamado ?
19. Insista em suas orações !
Is 62
6 Coloquei sentinelas em seus muros, ó Jerusalém; jamais descansarão, dia e
noite. Vocês que clamam pelo Senhor, não se entreguem ao repouso,
7 e não lhe concedam descanso até que ele estabeleça Jerusalém e faça dela o
louvor da terra.
20. Deus é nosso parceiro, pois a sua intenção é abençoar.
II A INTENÇÃO DE NOS DAR SÓ O MELHOR
11 “Qual pai, entre vocês, se o filho lhe pedir um peixe, em lugar disso lhe dará uma
cobra?
12 Ou se pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
1. O desejo de Deus é nos dar somente o melhor !
2. Por isso , algumas vezes ele não nos dá o que estamos pedindo.
3. Mesmo que diante de nossos olhos o que estamos pedindo nos pareça o melhor.
4. Mas, aos seus olhos , não seja o melhor !
5. Jesus usa a figura de uma criança pequenina que vendo as redes dos pescadores
trazerem os peixes pede ao pai que lhe dê um determinado peixinho diferente que ele
esta vendo , mas na verdade o que ele esta vendo não é um peixe , é uma cobra
d’água.
6. Ou um escorpião retorcido que parece um ovo , mas não é .
7. Atender um pedido destes seria dar o mal e não o bem e isto contraria a natureza do
nosso pai.
8. Jesus nos ensina a orar , a bater, a buscar e a pedir , porque ele sabe que o pai trata os
nossos corações enquanto estamos orando
9. Ele nos ajuda a entender a realidade que nos cerca com seus olhos , sob a perspectiva
da eternidade e não somente sob a perspectiva da nossa humanidade.
10. Algumas vezes não entendemos os nossos desertos, mas a palavra de Deus nos ensina
que eles são os lugares que Deus tem usado para nos formar e nos dar a visão da sua
perspectiva.
11. Algumas vezes não entendemos algumas perdas , mas é na oração que somos
trabalhados pelo Senhor de todas as coisas.
12. Algumas vezes não compreendemos o não de Deus , ou pelo menos o seu espera, mas
é na oração que ganhamos novas perspectivas.
Paschoal Piragine Jr
- 53 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
54
13. Muitos de nós temos estado, esgotados , queimados , desapontados e até
decepcionados, com a vida , com as pessoas e até conosco mesmo. Se estivéssemos
na presença do Senhor poderíamos estar sendo trabalhados para ganharmos dele
novas perspectivas e novas lentes para enxergar a vida , as lutas e até as vitórias.
14. Deus não nos dá apenas o melhor , ele nos ajuda a perceber a verdadeira realidade que
não foi ofuscada , ou mesmo distorcida pelas nossas interpretações.
15. Por isso ore .
2 Rs 6
15 O servo do homem de Deus levantou-se bem cedo pela manhã e, quando saía,
viu que uma tropa com cavalos e carros de guerra havia cercado a cidade. Então ele
exclamou: “Ah, meu senhor! O que faremos?”
16 O profeta respondeu: “Não tenha medo. Aqueles que estão conosco são mais
numerosos do que eles”.
17 E Eliseu orou: “SENHOR, abre os olhos dele para que veja”. Então o SENHOR
abriu os olhos do rapaz, que olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de
fogo ao redor de Eliseu
16. Quando oramos nossos olhos são abertos e recebemos o melhor de Deus .
III A INTENÇÃO DE NOS DAR O SEU ESPÍRITO SANTO
13 Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto
mais o Pai que está nos céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!”
1. A intenção de Deus é nos encher com o seu Espírito Santo enquanto oramos.
2. É interessante perceber que tanto na palavra de Deus quanto na história da Igreja há
uma profunda relação entre a oração e os avivamentos. Entre a oração e o derramar do
Espírito Santo sobre os servos do Senhor.
3. Se você olhar para os derramamentos do Espírito Santo no livro de Atos perceberá que
eles ocorrem em meio a certas atitudes do povo de Deus:
a. Estavam unidos
b. Perseveravam em oração
c. O Espírito Santo se derramava sobre eles
4. É interessante perceber que Jesus mesmo esta nos ensinando que não somente os
nossos olhos são abertos enquanto oramos, mas Deus , prazerosamente abre as
janelas dos céus e derrama sobre os seus filhos, aqueles que o buscam , aqueles que
batem a sua porta, aqueles que nem sempre compreendem todas as coisas, aqueles
que como pecadores, são tão falhos  O seu Espírito Santo.
5. Ele não nos permite apenas sermos selados ou batizados pelo seu Espírito Santo uma
única vez , mas ele deseja que tenhamos várias experiências em que ele possa abrir as
janelas do céus e derramar do seu Espírito Santo sobre os seus filhos de modo a que
transbordem em sua poderosa graça.
6. Os avivamentos de 1850-60 nos EUA e Na Inglaterra e país de Gales foram marcados
pela oração.
7. As pessoas descobriram que enquanto oravam coisas de Deus aconteciam .
8. Foi algo tão impressionante que os jornais seculares registraram as marcas de Deus , as
respostas de oração .
Paschoal Piragine Jr
- 54 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
55
9. A sociedade foi abalada pelo poder da oração.
10. Não havia mais necessidade de cadeias , pois não havia bandidos. ( pais de Gales)
11. Os bares fecharam , só porque o povo começou a orar e se embriagar não mais com
vinho , mas com o Espírito Santo.
12. A nossa nação precisa de uma movimento de oração  violência, drogas, famílias etc...
2 Cro 7
14 se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a
minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o
seu pecado e curarei a sua terra.
13. As nossas casas precisam de um movimento de oração
a. Maridos e esposas
b. Filhos
c. Vida financeira
14. Você precisa experimentar mais do que o Senhor tem para a sua vida.
15. Nós precisamos de um avivamento da terceira idade
Jl 2
28 “E, depois disso, derramarei do meu Espírito sobre todos os povos. Os seus
filhos e as suas filhas profetizarão, os velhos terão sonhos, os jovens terão visões.
29 Até sobre os servos e as servas derramarei do meu Espírito naqueles dias.
16. Não me sai da cabeça as reportagens em que várias pessoas da terceira idade pediam
a reabertura dos bingos porque não havia nada para eles na cidade.
17. Precisamos de uma avivamento que nos permita sonhar os sonhos de Deus hoje. E ver
o que Deus pode e quer fazer agora.
18. Precisamos de um aviamento de oração .
19. Precisamos de um povo não apenas religioso, mas cheio do Espírito Santo.
20. Podemos ser religiosos, tementes a Deus , convictos da ressurreição do Senhor, mas
somente quando somos cheios do Espírito Santo é que abalamos a nossa cidade. Esta
foi a experiência dos Discípulos e da Igreja de Jesus.
21. Por isso ele nos chama a estarmos unidos em oração e Ele não somente nos
abençoará, ele também abrirá os nossos olhos e derramará sobre nós o seu Espírito
Santo .
CONCLUSÃO
1 Jesus nos ensina a orar
2 Ele quer que nossas orações sejam efetivas, por isso seremos abençoados
3 Mas ele deseja que tenhamos, também através delas os nossos olhos abertos para
enxergamos a realidade que nos cerca com os seus olhos.
4 Mas ele deseja também poder encher-nos com o seu Espírito Santo para que possamos ser
e fazer a sua obra abalando as estruturas da nossa cidade .
5 O nosso desafio  A escalada da fé
6 Casas de oração
Paschoal Piragine Jr
- 55 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
56
7 Intercessão pelos perdidos
8 Alvos  nossos filhos, parentes, vizinhos e amigos.
9 Nossa visão levar pelo menos 500 pessoas à Jesus
10 Levantar 1000 pessoas que estejam dispostas a orar pela salvação de vidas
11 Levantar 500 discipuladores
12 Levantar 250 líderes e casas onde nos reuniremos para a escalada fé
13 Buscar , bater e pedir que Deus se derrame em graça sobre nossas vidas .
14 Eu o convido a tomar parte nos santo movimento de Deus sobre nós .
Paschoal Piragine Jr
- 56 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
57
OBSERVAÇÕES SOBRE A TENTAÇÃO
1. O que é tentação
Temptation
(hS;mi, peirasmo>v, both meaning trial) in the modern usage
of the term, is the enticement of a person to commit sin by
offering some seeming advantage. There are four things, says
one, in temptation
(1) deception, (2) infection, (3) seduction, (4) perdition.
The sources of temptation are Satan, the world, and the flesh.
We are exposed to them in every state, in every place, and in
every time of life. They may be wisely permitted to show us our
weakness, to try our faith, to promote our humility, and to teach
us to place our dependence on a superior Power; yet we must
not run into them, but watch and pray; avoid sinful company;
consider the love, sufferings, and constancy of Christ, and the
awful consequences of falling a victim to temptation.
2. A vida sempre esta debaixo do ataque da tentação. Porém nenhum inimigo pode lançar
uma invasão até que não encontre uma brecha em nossas defesas.
3. O que significa orar esta oração
a. Ajuda-me nas minhas fraquezas quando tiver que enfrentar o maligno
b. Demonstra o senso que temos de nossa própria debilidade.
c. Mas é também clamor por libertação  da força da tentação em nós e do poder
do maligno sobre nós .
d. É um clamor para que a promessa de 1 Co 10.13 se cumpra em nossa vida
1 Co 10
13 Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é
fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas,
quando forem tentados, ele mesmo lhes providenciará um escape, para que o
possam suportar.
e. A
f. A
g. A
h. a
4. Onde ele encontra brechas ?
5. De onde vem a tentação ?
6. Se souber de onde virá o ataque e que armas são poderosas para enfrentar o inimigo
há uma grande probabilidade de vencermos.
7. De onde vêem os ataques ?
Paschoal Piragine Jr
- 57 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
58
a. De fora
i. Pessoas que nos influenciam negativamente
ii. Influência do seu círculo social
iii. Devemos vigiar para que não possamos , por nós mesmos dar a menor
ajuda às tentações que procedem de fora.
iv. O mais difícil é enfrentar a tentação que é instrumentada por pessoas que
nos amam.
v. O curso deste mundo  Não queremos ser vistos como diferentes, nos
igualamos por baixo.
vi. Os ataques frontais e intimidadores do maligno.
vii. Então o que significa orar assim?
1. Perceber o mal , a influencia , e a conseqüência
2. Coragem para tomar as atitudes de rompimento com o mal
3. Poder espiritual para os enfrentamentos
b. De dentro
i. Se não houvesse nada dentro de nós em que a tentação pudesse apoiarse, ela não poderia afetar-nos nem vencer-nos
ii. A tentação ataca as nossas fraquezas. Por isso precisamos vigiá-las
iii. Em todo o ser humano há um ponto fraco que se não vigiarmos poderá
nos derrubar.  alguma peculiaridade da nossa constituição que converte
o que para os outros talvez seja um prazer legítimo , em uma verdadeira
ameaça.
iv. Ainda que pareça muito estranho, a tentação nem sempre provem de
nossa maior debilidade, mas de nossa força.
1. Os exemplos da história e das guerras
2. A melhor oportunidade da tentação é o excesso de confiança em si
mesmo
3. Por isso devemos vigiar tanto os nossos pontos fracos como os que
consideramos os mais fortes .
5. Como podemos enfrentá-la ?
a. Respeite você mesmo  Exemplo de Ne 6.11  Alguém como eu posso fazer
isto?  Presidente Garfield dos EUA , recebeu uma proposta vantajosa , porém
desonrosa e lhe disseram : “Ninguém saberá disto!” Mas ele respondeu , o
Presidente Garfield saberá ! E eu tenho que dormir com ele todas as noites . 
Não se avilte, não participe do que você mesmo condena .
b. Os valores que recebemos  Família, honestidade, lealdade, palavra,
casamento, etc. Valores que o mundo tenta destruir , mas que nos foram
inculcados pelas pessoas mais significativas da nossa vida, verdadeiros
instrumentos de Deus.
c. As pessoas que amamos e que nos amam  Muita gente pecaria se tudo o que
ele tivesse de suportar fosse algo que ele mesmo tivesse de sofrer ou enfrentar.
Paschoal Piragine Jr
- 58 -
29/5/2017
D:\841065740.doc
59
Mas, quando pensam no olhar de sofrimento ,que veriam nos olhos daqueles que
o amam, ao verem-no arruinarem a sua vida , retrocedem em sua caminhada em
direção do mal.
d. A presença de Jesus .
The words are a cry issuing from a deep sense of our personal weakness against the powers of
evil.
2. Into temptation;
a. Provação  os testes da nossa fé. Exemplo da engenharia que precisa testar os materiais
para ver se eles suportam a carga de pressão com segurança.
b. External trials, e.g. persecution, may be included, but only in so far as they are the
occasion of real temptation to the soul
c. But. Do not bring us into the full force of temptation, but, instead, rescue us now and at
any other time from the attack of the evil one (vide infra). Thus this clause is more than a
merely positive form of the preceding. It is a prayer against even the slightest attacks of the
enemy when they are made.
3. Deliver us (rJu~sai hJma<v).
a. The thought is not merely preserve (sw>zein threi~n) or even guard (frourei~n,
fula>ssein) from possible or impending danger, but “rescue” from it when it confronts
us.
1.
4.
Mal ou maligno  livra-nos do maligno
Paschoal Piragine Jr
- 59 -
29/5/2017
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Criar flashcards