Veias do pé

Propaganda
Anatomia I
Membro Inferior
1º Ano
Helena Temido
Inês Barreto
Marta Costa
2004/2005
Drenagem venosa
1) Veias superficiais: na
espessura do tecido celular
subcutâneo; para fora da
fáscia superficial
2) Veias profundas: na
espessura dos músculos; na
profundidade
da
fáscia
superficial
Nota: a perna é quase toda rodeada pela fáscia superficial; exceptua-se a face
Antero-interna da tíbia, que forma a fronteira entre estes 2 sistemas de
vascularização.
Veias profundas
estas são 2 para cada artéria, à
excepção da veia poplítea, que pode ser par ou ímpar, ao acompanhar
a artéria;
 caminham entre os músculos
 acompanham as artérias e assumem o seu nome
 são normalmente duas para cada artéria
 pode haver só uma veia poplítea
 caso particular – veia femoral
As veias têm o mesmo trajecto e mesmos aferentes que as artérias.
A saber:
Relação entre artéria, veia e nervo tibial: veia está entre a
artéria (por dentro) e o nervo (por fora); este trio dispõem-se,
portanto, de dentro para fora e da frente para trás em artéria, veia
e nervo tibial
Veia Poplítea: está para fora e para trás da artéria;
Na região poplítea, a veia (que está por fora) sobe e cruza a artéria
(que está por dentro)
Subindo para a coxa (Região Femoral) a veia poplítea passa a
chamar-se Veia Femoral; a artéria, que era mais interna, cruza a veia, e passamos
a ter – de dentro para fora – veia, artéria e nervo.
- 77 -
Helena Temido
Inês Barreto
Marta Costa
Anatomia I
Membro Inferior
1º Ano
2004/2005
Veia femural: 1 veia femural acompanha 1 artéria femural
 origem
 anel do adutor magno
 trajecto
 obliquo para cima e para fora
 terminação
 a nível do anel femural
 relações
 com a artéria femural
 inicialmente está lateralmente em relação à artéria
 cruza a artéria posteriormente e torna-se medial
 ramos aferentes São ≠ dos da artéria * Ver Artéria Femoral:
Na origem da
 veia genicular
artéria
 veia femural profunda
 grande veia safena
 veia epigástrica superficial
 veia circunflexa ilíaca superficial
 veia pudenda externa superficial
 veia pudenda externa profunda
Epig. Superior
Circumflexa ilíaca superficial
Pudendas externas superficiais
Pudendas externas profundas
Femoral profunda
Genicular descendente
Veias superficiais
Veias do pé
 região plantar
 são de muito pequeno calibre mas são inumeras
 formam uma rede anastomótica na planta do pé – palmilha venosa
 pode haver uma arcada na zona dos metatársicos
 na palmilha venosa inicia-se a drenagem venosa do membro inferior
Vem da planta do pé para a perna por 2 vias:
- veias profundas para o dorso do pé
- veias que vêm pelo bordo interno e externo do
pé para constituir as veias marginais
Continuam-se pela Grande e Pequena Safena
- 78 -
Anatomia I
Membro Inferior
1º Ano
Helena Temido
Inês Barreto
Marta Costa
2004/2005
 região dorsal (planta do pé)
 Formam uma arcada dorsal convexa, de onde nascem as veias marginais
interna e externa.
Veia marginal interna:
Começa no bordo interno do pé, recebe veias da palmilha venosa e do dorso do pé,
dirige-se para a frente do maléolo interno e passa a chamar-se Grande Safena
(Safena Interna ou Safena Magna)
Veias da perna e coxa
As veias do membro inferior
têm válvulas; qdo estas ñ
funcionam,
dão
origem
a
varizes: o sangue, que não
deveria refluir para a safena
interna, fá-lo e esta incha, tal
como os seus aferentes
Grande veia safena
 origem
 à frente do maléolo externo (?)
 trajecto
 sobe no bordo medial da perna;
 quando chega ao joelho desloca-se para trás;
 volta para o bordo interno da coxa;
 quando está a 4/5 cm do ligamento inguinal descreve uma curvatura
côncava para baixo – Crossa da safena interna –, perfura a aponevrose superficial e
termina na veia femoral
 terminação
 na veia femural
 ramos aferentes
 veias do dorso do pé, da perna e da coxa
- 79 -
Anatomia I
Membro Inferior
1º Ano
Helena Temido
Inês Barreto
Marta Costa
2004/2005
Pequena veia safena
 origem
 veia marginal externa do pé
 trajecto
 passa atrás do maléolo fibular
 sobe posteriormente na perna
 antes de chegar à região poplítea perfura a aponevrose
 terminação
 drena para a veia poplítea
- 80 -
Anatomia I
Membro Inferior
1º Ano
Helena Temido
Inês Barreto
Marta Costa
2004/2005
- 81 -
Anatomia I
Membro Inferior
1º Ano
Helena Temido
Inês Barreto
Marta Costa
2004/2005
Drenagem linfática
Vários grupos de gânglios, entre os quais podemos identificar 2
regiões com maior nº de gânglios: Região poplítea (3 a 4) e Região Inguinal
 gânglios poplíteos
 gânglios inguinais (supra-aponevróticos): passando um traço horizontal na
Crossa da Safena, podemos dividir os gânglios em superiores e inferiores.
 superficiais (supra-aponevróticos)
 superiores: p/ cima da referida linha
 supero-mediais – acompanham os vasos pudendos
 supero-laterais – acompanham os vasos circunflexos ilíacos
 inferiores: p/ baixo da referida linha
 para baixo do local de terminação da veia safena magna
 profundos
 caminha com os vasos profundos: 1º os femorais e dps os ilíacos
externos
 3 grupos
 proximal
 intermédio
 distal
- 82 -
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards