1
A exposição ocupacional a patógenos de transmissão sanguínea provocada por
acidentes com agulhas e outros materiais perfurocortantes é um problema grave, porém
muitas vezes pode ser prevenida.
2
PROCEDIMENTOS
Bactérias
Vírus
Fungos
Protozoários
Ectoparasitas
Hepatite A
Tuberculose
Escabiose
Hepatite B
Vírus herpes
Meningites
Hepatite C
Staphylococcus sp.
Influenzae
Os acidentes percutâneos com exposição a material biológico estão associados com a
transmissão de dezenas de patógenos principalmente dos vírus das Hepatites B e C e da
Imunodeficiência Humana.
Tabela 1: Infecçõess transmitidas através de acidentes
percutaneos durante atividades de assistência ao
paciente (PC) e/ou no Laboratório/Autópsia (LA).
Infecção
PC
Malaria
x
LA
Leptospirose
x
Difteria
x
Ebola
x
Gonorréia
x
Sífilis
x
Herpes
x
Tuberculose
x
Fonte: Tarantola A, AbiteboulD, rachiline A. American
Journal of Infection Control. 2006; 34(6): 367-75
7
PATÓGENOS TRANSPORTADOS PELO SANGUE
São microorganismos patogênicos presentes no
sangue humano e que podem causar doenças no
homem.
8
VEÍCULO OU MATERIAL BIOLÓGICO
sangue, secreção vaginal, sêmen e tecidos;
líquidos de serosas (peritoneal, pleural, pericárdico), líquido amniótico, líquor,
líquido articular e saliva;
suor, lágrima, fezes, urina e escarro;
ar.
TIPO DE EXPOSIÇÃO
Pérfuro-cortante
Mucosa
Pele íntegra
Inalação de gotículas/aerossóis
1º Caso de HBV
ocupacional há
50 anos
1º Caso de HIV
ocupacional em
1984
10
HIV - 1º caso
ocupacional: 1984
Enfermeira – picada acidental com agulha oca
Pânico/Profissional
11
Patógenos veiculados pelo sangue
HBV – 06 a 40%
HCV – 02 a 10%
HIV – 0,3 a 0,5
12
OBJETIVO
Protejer os empregados contra infecções potencais causadas por patógenos
transportados pelo sangue.
ABRANGÊNCIA
Equipe médica
Equipe de enfermagem
Brigada de emergência
Condutores de
ambulância
Serviços de limpeza
13
1º passo: Cuidados locais
2º passo: Registro
3º passo: Avaliação da Exposição
4º passo: Avaliação da Fonte
5º passo: Manejo específico HIV,
hepatite B e C
6º passo: Acompanhamento
clínico-sorológico
MS, Manual de Condutas em exposição ocupacional a material biológico,1999
MS, Recomendações para terapia ARV, 2002/2003
www.ucsf.edu/hivcntr
Conhecimento/ Conscientização
Equipamentos de Proteção Individual
Precauções padrão e especiais
Conhecer os possíveis agentes etiológicos e os meios de transmissão
Lavagem das mãos
Imunizações
Manuseio e descarte de pérfuro-cortantes
Conhecer a rotina para atendimento de acidentes com material biológico
Conhecer as limitações da profilaxia pós exposição
Luvas (de procedimento, estéreis)
Máscaras (cirúrgicas, N95)
Capotes (limpos, estéreis, plástico, descartáveis)
Jaleco
Protetor facial
Sapato, botas
RISCOS DE SEGURANÇA
Contaminação com líquidos e materiais
perfurocortantes.
MEDIDAS DE CONTROLE
Usar adequadamente os EPI’s;
Realizar a atividade seguindo rigorosamente todos os
passos definidos de forma a não ocorrer
contaminação do executante;
Coleta adequada e correta da retirada do lixo
infectante;
Usar caixa coletora para perfuro cortante
(DESCARTEX);
Iniciar o uso das seringas e cateteres com
dispositivos de segurança.
17
Precauções Padrão
Precauções respiratórias com gotículas
Precauções respiratórias com aerossóis
Precauções de contato
ATENÇÃO!
Precauções com materiais biológicos devem ser usadas para TODOS pacientes.
Precauções de barreira - previsão de contato com material biológico de QUALQUER
paciente
Luvas são necessárias para tocar material biológico, mucosas ou pele não intacta
de todo paciente e para proceder acesso venoso
Máscaras e protetores oculares – previsão de respingo de material biológico
Capotes são necessários se houver respingos generalizados
PRECAUÇÕES UNIVERSAIS
Método de controle de infecção
De acordo com o conceito de precauções universais, todo sangue humano e certos
líquidos do corpo humano devem ser tratados como se estivessem contaminados pelo
vírus da HEPATITE, HIV e outros patógenos transportados pelo sangue.
ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA MÉDICA
Pessoas capazes de providenciar ou ajudar em atendimento médico de emergência.
Devem ter o treinamento profissional apropriado, devidamente comprovado por
certificado.
19
RECURSOS NECESSÁRIOS
Equipe devidamente treinada e habilitada para a realização
de atividades;
Uso de EPI’s;
Vacina contra hepatite B.
PÚBLICO ALVO
Equipe médica, de Enfermagem, Brigada de Emergência, condutores de ambulância e
serviço de limpeza.
Obrigatoriamente os envolvidos deverão estar de EPI’s, conforme descrito neste
procedimento. Devem estar com vacinas contra Hepatite B com esquema completo e
devem garantir o completo atendimento a todos os critérios e ações definidas neste
procedimento.
20
DEFINIÇÃO
É o contato específico do olho, boca, outras membranas mucosas, pele não-intacta
ou contato parenteral, com sangue ou outros materiais potencialmente contagiosos
expostos em decorrência das funções de um empregado.
Distribuição dos acidentes por tipo de exposição (Pelotas, RS – 2009)
21
O Ambulatório Médico ALCOA possui um cadastro de todos os empregados que tem a
exposição a patógenos. Estão incluídos nesta relação os empregados das tarefas e
cargos abaixo descritos. Os controles de práticas de trabalho, equipamentos de
proteção individual estão expostos nos procedimentos correlacionados.
TAREFAS
CARGOS
PROCEDIMENTOS CORRELACIONADOS
Atendimento Pré-hospitalar de
emergência
Médicos, Enfermeiros, Téc. de
enfermagem, Brigadistas e condutores
da ambulância
Plano de emergência médica
Administração de medicação
endovenosa
Médicos, enfermeiros e téc. de
enfermagem
Administração de medicamentos
Realização de curativos
Enfermeiros e téc. de enfermagem
Curativo, esterilização de material
médico ambulatorial
Servico de limpeza
Serviços gerais
Retirada e manuseio do lixo
contaminado
22
O ambulatório Médico ALCOA Porto e Beneficiamento possuem:
Instalações para higienização das mãos;
Atendimento adequado nas áreas de primeiros socorros;
Controle adequado e práticas aprovadas para disposições de agulhas, bisturis e
outros instrumentos pérfurocortantes, bem como lixo contaminado com líquidos
corpóreos.
As agulhas e instrumentos cortantes contaminados são dispostos em recipientes a
prova de vazamento e devidamente rotulados (Descartex).
O lixo contaminado com líquidos corpóreos é disposto em saco branco leitoso e
depositado em tambores dentro da casa de lixo contaminado, identificados como
lixo hospitalar.
Todos os cuidados estão descritos no procedimento de resíduo ambulatorial
PGI-PAE-996X-0030.
23
Lavar as mãos com água e sabão
sempre;
24
Usar luvas para todos os procedimentos durante os quais haja riscos de contato
com sangue, líquido ou tecido orgânico;
Usar máscaras ou protetores oculares;
Usar aventais ou roupas protetoras, ao manusear o paciente.
Não reencapar agulhas, entortá-las, quebrá-las, ou retirá-las da seringa.
Descartar os pérfurocortantes, em recipientes de paredes rígidas (descartex).
25
VACINA CONTRA HEPATITE B
A vacina contra a hepatite do tipo B e o programa de vacinação são
fornecidos gratuitamente a todos os empregados sujeitos a exposição
ocupacional.
Se um atendente de emergência médica (que não tenha sido previamente
vacinado) entrar em contato direto com um empregado que esteja sangrando,
deverá iniciar imediatamente o programa de vacinação contra a hepatite B.
Se o atendente se recusar a ser vacinado, deverá assinar o formulário de recusa
de vacinação.
26
PROCEDIMENTO APÓS UM INCIDENTE DE EXPOSIÇÃO
Após a comunicação de um incidente de exposição, a empresa deve preparar
uma avaliação médica confidencial e programar o acompanhamento,
disponibilizando essas informações ao empregado vítima do incidente.
O serviço médico encaminha dentro de duas horas a vítima para o CTA – Centro
de testagem e aconselhamento em Santarém, para a investigação e profilaxia pós
exposição.
27
No caso de um incidente de exposição, o profissional de saúde que atenderá o
empregado deve receber essas orientações.
A avaliação e o acompanhamento devem incluir:
Identificação da rota (ou rotas) de exposição e as circunstâncias do incidente;
Identificação do transmissor;
Coleta, documentação e teste do sangue para verificação da condição sorológica
dos vírus HBV, HCV e HIV da pessoa exposta e se possível do transmissor;
Profilaxia pós exposição;
Aconselhamento;
Avaliação de doenças relatadas.
28
É o centro de testagem e aconselhamento em DST/HIV/AIDS
– CTA, para atendimento da população do município de
Santarém e da região oeste do Pará. Através de equipe
multiprofissional
prevenção
e
desenvolve
tratamento
de
ações
de
doenças
promoção,
sexualmente
transmissíveis, HIV e AIDS.
CTA – Centro de testagem e aconselhamento
Endereço: Av. Barão do Rio Branco, nº 860, Bairro santa Clara
Santarém - Pará
29
Prezados,
Alcoa World Alumina está conduzindo uma pesquisa para avaliar nosso
programa de notificacao e manejo de exposições ocupacionais a
sangue ou outros materiais biológicos. Seu feedback sobre esse
programa é importante e ajudará a identificar solucões e medidas para
melhorar a Segurança de nossos trabalhadores. Levará apenas alguns
minutos para preencher o questionário . Todas as suas respostas são
confidenciais. Uma vez coletadas, não haverá nenhuma maneira de
relacionar seu nome com o questionário que você preencherá. Suas
respostas serão combinadas com outras a fim de determinar como nós
podemos melhorar nossos serviços.
Quando você tiver preenchido o questionário, queira, por gentileza,
devolve-lo para a enfermeira.
Agradecemos de antemão pelo fornecimento dessas informações.
30
Enfa. Karla Reis
Serviço médico Alcoa
31
Download

patógenos transportados pelo sangue