UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE
SANTOS
Núcleo EAD – Unimes Virtual
Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas
Grupo
Alessandra de Souza Lima
Fernanda Rosa Gonçalves
Osmar Gomes Pontes
Rosana Loureiro Arrivabene
Rosely Salgado Menin de Souza
Etnobotânica: Resgate Do Conhecimento Popular.
Introdução Das Plantas Medicinais Dentro Da Escola, Com Alunos Do Ensino
Fundamental
Santos 2009
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE
SANTOS
Núcleo EAD – Unimes Virtual
Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas
Grupo
Alessandra de Souza Lima
Fernanda Rosa Gonçalves
Osmar Gomes Pontes
Rosana Loureiro Arrivabene
Rosely Salgado Menin de Souza
Etnobotânica: Resgate Do Conhecimento Popular.
Introdução Das Plantas Medicinais Dentro Da Escola, Com Alunos Do Ensino
Fundamental
Trabalho de Conclusão de
Curso apresentado à Faculdade de
Educação e Ciências Biológicas
UNIMES, como parte dos requisitos
para obtenção do título de Licenciado
em Biologia, sob a orientação da (o)
Profª Rosana Carreira
Santos 2009
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
I. Introdução
I.1. Tema:
Etnobotânica: Resgate Do Conhecimento Popular.
Introdução Das Plantas Medicinais Dentro Da Escola, Com Alunos Do
Ensino Fundamental
I.2. Problema
A interação entre o homem e as plantas foi moldada pela historia através do
conhecimento tradicional, que esteve presente no dia a dia das comunidades tradicionais
suprindo suas necessidades, tanto para medicamentos, utensílios, alimentos, artesanatos
etc..
Com o passar do tempo, a cultura dos medicamentos alopáticos toma conta desse
processo natural por ter efeito mais rápido e estar disponível nos postos de saúde, e
também pelo preconceito de determinadas religiões. Nesse sentido poucas pessoas ainda
buscam a cura através das plantas medicinais, como era de costume antigamente. Essa
cultura vem se perdendo, prejudicando o modo de vida das comunidades tradicionais,
pois ao utilizarem os medicamentos alopáticos tem um resultado mais rápido e ao
mesmo tempo desencadeando outros sintomas de doenças em determinados órgãos do
corpo.
Com essas observações verifica-se que falta um trabalho de resgate dos
conhecimentos e da cultura popular, que veio se perdendo com o passar dos anos devido
à vida moderna e a praticidade das coisas. Identificamos
esta
questão
como
um
problema, pois estamos preocupados com as próximas gerações, que talvez não tenham
mais essa cultura dentro delas. Há um grande problema em deixar se perder as tradições
que há séculos são utilizadas pelas comunidades tradicionais, neste caso o uso das
plantas medicinais.
O desenvolvimento deste projeto visa apresentar para os alunos a importância
das plantas para os seres vivos, aqui vamos enfocar a importância medicinal, fazendo
um resgate do uso das plantas pelas gerações futuras, hoje em dia muitos jovens não
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
valorizam o conhecimento dos mais velhos, e com o projeto pretendemos mostrar como
é importante a troca de experiência entre as diferentes gerações.
I. 2. 1. Delimitação do Problema
O projeto junto aos alunos de 5º a 8º series do ensino fundamental da E.M Profª
Maria Soares Amêndola que se localiza na Avenida Cabuçu em Itanhaém e futuramente
será apresentado na comunidade local (interação escola e comunidade).
Ele terá um desenvolvimento inicial de seis meses para a elaboração da horta de
plantas medicinais, interação dos alunos e corpo docente com o tema proposto pelo
projeto. Podendo se estender durante o ano letivo inteiro, com a conservação e a
manutenção dessa horta, pois a nossa intenção alem de resgatar o conhecimento cultural
é também fazer a interação escola e comunidade, com o nosso auxilio. O
monitoramento deste projeto acontecerá meso após o termino da faculdade, pois o nosso
intuito é continuar isso posteriormente pois temos o interesse de trabalhar com educação
ambiental dentro da escola e esse projeto será o nosso ponto de partida.
I. 3. Justificativa
Com base em pesquisas feitas na comunidade e em algumas escolas observamos
que há um grande interesse da população em relação ao consumo de plantas medicinais
além da grande procura por elas em feiras livres. Mas falta ainda um pouco de
informação sobre tais plantas e então as pessoas com certo receio acabam optando por
não consumirem essas plantas. Deu-se ai o nosso ponto de partida, pois acreditamos que
essa falta de informação e receio de consumir plantas como medicamento, faz com que
as pessoas optem por remédios alopáticos que com o uso continuo e acúmulo de
substancias prejudica o organismo dos pacientes. Os médicos, não fazem uma análise
do ser como um todo. Analisam somente a doença, e assim acaba ocorrendo os efeitos
colaterais.
Alem de resgatar uma cultura que vem se perdendo com a modernidade esse
tema também ira resgatar valores dentro da escola, pois é la que esta o futuro do planeta.
Então propomos que por meio de um projeto (no qual iremos desenvolver ao
longo do TCC) implantar o conceito de plantas medicinais utilizando uma horta dentro
da escola com o propósito de formar agentes multiplicadores (alunos do ensino
fundamental) que passarão para os seus pais e assim por diante esses conceitos
novamente. E em longo prazo disponibilizar o acesso a comunidade local.
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
I. 4. Objetivos

Sensibilizar os alunos sobre a importância do uso e das plantas medicinais e
mostrar formas de manejo, conservação e manutenção das plantas;

Valorizar o conhecimento popular e a cultura do uso das plantas medicinais;

Comparar os efeitos do uso de fitoterápicos e medicamentos alopáticos no
organismo;

Envolver os professores e incentivar que eles deem continuidade no projeto.
II. Desenvolvimento do Projeto
II. 1. Metodologia
A primeira fase contou com a compilação de dados teórico feito nas literaturas
estudadas. A segunda fase será feita através de pesquisa de campo para fazer o
levantamento das plantas mais utilizadas pela população.
Na terceira fase será desenvolvida com os alunos atividades de interação e
sensibilização sobre o tema para que eles se apropriem do assunto. Após esta fase,
entraremos na fase de estruturação dos canteiros e produção de mudas. Serão
desenvolvidas oficinas de capacitação para os alunos de formas de manutenção do
viveiro, manipulação das plantas.
A interação com a comunidade será feita, através de convite para pessoas de fora
de escola apresentar trabalhos sobre a utilização de plantas medicinais.
O projeto será monitorado durante todo o seu desenvolvimento.
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
II. 2. Referencial Teórico
Este trabalho teve como publico alvo alunos e professores alunos e
professores de primeiro grau, para saber qual o conhecimento de medicina
alternativa e sua importância na rotina destas pessoas. O trabalho mostra que
a maior parte dos entrevistados utiliza ou acreditam no potencial das plantas
medicinais, foram citadas mais de 50 espécies entre alunos e professores e
mais de 50% dos alunos entrevistados, a família utiliza as benzedeiras com
recursos de medicina. (Santos, Dias, Martins)
O trabalho de pesquisa desenvolvido na Ponta da Almada –SP, onde o
ecossistema é de Mata Atlântica predomina, focou o levantamento das atividades
desenvolvidas pelas comunidades
caiçaras mantém uma estreita relação com o
ambiente, contribuindo para a sua conservação, utilizam os recursos naturais de forma a
desenvolver o manejo, entre esses recursos, encontramos as plantas medicinais, neste
levantamento foram encontradas 152 etnoespécies vegetais, sendo 76 para uso
medicinal. (Hanazaki)
O Levantamento de plantas da Mata Atlântica, indica que muitas das espécies
vegetais são utilizadas como medicinais pelas comunidades tradicionais. Mostra
também a importância de se desenvolver o manejo das plantas, para garantir a
sustentabilidade das espécies, e para isso é importante ter áreas de amostras para fazer o
comparativo em áreas que precisam ser recuperadas. (Fruehauf)
O desenvolvimento de estudos multidisciplinares com as plantas medicinais
mostra que os pesquisadores de diferentes áreas como: química, botânica, farmacologia
e outras áreas, facilita o desenvolvimento das pesquisas para se chegar as resultados
esperados mais rápidos, facilitando com que estes medicamentos cheguem mais rápido
até o consumidor. Os pesquisadores utilizam muito o conhecimento popular para chegar
até as espécies e o seu uso, e com suas pesquisas vão aprimorando a sua eficácia.
Maciel, Pinto, Veiga)
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
(
II. 3. Cronograma de Atividades
Atividades
previstas
Agosto
Setembro
Outubro Novembro
Dezembro
Pesquisa de
campo
Acolhimento do **********
grupo
Produção dos **********
canteiros
Preparação das
*********
mudas
Manutenção
********* ******* ********** *********
periódica dos
canteiros uma
vez por semana
Interação escola
********* *********
e comunidade
Férias, seleção
**********
dos alunos que
vão cuidar da
manutenção da
horta durante as
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
III. Referências
ALMEIDA, E. R. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e
científicos. São Paulo: Hemus,1993.
A.R. Tôrres; R.A.G. Oliveira, M.F.F.M Diniz, E.C. Araújo Estudo sobre o uso de
plantas medicinais em crianças hospitalizadas da cidade de João Pessoa: riscos e
benefícios.Revista Brasileira de Farmacognosia. vol.15 no.4 João
Pessoa Out./Dez. 2005
ARAUJO, Luciana Gomes de. Diversidade de uso de recursos vegetais em duas
comunidades caiçaras da Estação Ecológica Juréia-Itatins, Litoral Sul de São
Paulo.Unesp-Rio Claro - TCC 2000.
BIAZZI, Eliza S. Saúde pelas plantas.11ed. Tatuí. Casa,1996.
CORRÊA, M. P. Dicionário das Planta Úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas.
Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura,1926.
DUNIAU, M. C. M. Plantas Medicinais: da magia à ciência. Rio de Janeiro:
Brasport; 2003.
Hanazaki, N., Leitão-Filho, H.F. & Begossi, A. 1996. Uso de recursos na Mata
Atlântica: o caso da Ponta do Almada (Ubatuba, Brasil). Interciencia 21: 268-276.
Maciel, M. A. M.; Pinto, A. C.; Nunes, D. S.; Resumos da 18a ReuniãoAnual da
Sociedade Brasileira de Química, Caxambu, Brasil, 1995.
PAVAN-FRUEHAUF, S. Plantas medicinais de Mata Atlântica: manejo sustentado
e amostragem. São Paulo: Annablume, FAPESP. 216p., il.2000.
PEREIRA, R.C.I; OLIVEIRA, M.T.R.; LEMOS, G.C.S. Plantas utilizadas como
medicinais no município de Campos de Goytacazes - RJ. Rev. bras.
farmacogn. vol.14 suppl.0 João Pessoa 2004
ROSA, S.M.F.L.; VERRA, S.F. & MAIA, C.M.M., [199-]. Introdução a Fitoterapia.
Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal de Duque de Caxias. 21p., il.
SANTOS, M.A.P.; REIS, M. C. P.; Relato de uma experiência de incentivo ao uso
popular da planta medicinal dentro de uma prática médica generalista numa
comunidade adstrita ( ilha de Paquetá - Rio de Janeiro ). In: XV SIMPÓSIO DE
111 PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL, 15, 1998, Águas de Lindóia. Programa e
Resumos. Águas de Lindóia, SP: Brasil, 1998.
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
SANTOS M.G.; DIAS A.G.P.; Martins M.M. Conhecimento e uso da medicina
alternativa entre alunos e professores de primeiro grau. Rev Saúde Pública.
1995;29:221-7.
Universidade Metropolitana de Santos
Unimes Virtual
Download

O trabalho de pesquisa desenvolvido na Ponta da Almada –SP