Proposta de Resolução do Teste-modelo Intermédio de
História 9.° ano | Ano letivo 2011-2012
GRUPO I
1. (B)
2. (D)
3. (C)
4. (B)
5. (A)
GRUPO II
1.
A)
B)
C)
D)
E)
caravela
vela triangular
bolinar
astronómica
astrolábio
2. O documento 4 evidencia uma das principais características da nova mentalidade
renascentista: o humanismo, que valoriza o ser humano e as suas capacidades,
inspirando-se nos modelos clássicos greco-latinos. O ser humano encontra-se no
centro do Universo, antropocentrismo, passando o seu bem-estar a constituir a
principal preocupação (individualismo). Os intelectuais renascentistas procuravam o
modelo de “Homem ideal”, que passava por uma educação completa de boa formação
cívica, intelectual e física, sendo essencial o estudo do latim e do grego para se poder
ler as obras dos autores clássicos (classicismo). Os humanistas desenvolveram
igualmente um forte espírito crítico e atribuíam grande valor à razão.
3. A partir de meados do século XVI, a Igreja Católica sofreu um forte movimento de
contestação por parte dos humanistas quanto às normas de comportamento porque
existia um grande contraste entre a pobreza e a simplicidade dos primeiros cristãos e a
ostentação e o luxo de muitos membros do alto clero (doc. 5). Outro motivo de
contestação foram os dogmas.
4. A publicação da Bula das Indulgências, em 1517, pelo Papa Leão X, agravou a crise
religiosa que se arrastava desde o século XIV. A “venda das indulgências” (perdão de
todos os pecados a troco de esmola para as obras da Basílica de S. Pedro) provocou
uma reação de protesto contra esta prática. Martinho Lutero, um monge alemão,
escreveu o manifesto As 95 Teses Contra as Indulgências, no qual criticava esta
atitude da Igreja; ele negava o valor das indulgências para a salvação do Homem e
contestava a autoridade do Papa (doc. 6).
GRUPO III
1. Os princípios do regime fascista evidenciados no documento 7 são: o totalitarismo
(Estado assente num regime de partido único, verificando-se uma total submissão dos
direitos dos cidadãos aos interesses da Estado e da Nação); o nacionalismo (a Nação
era considerada o valor mais importante) e o imperialismo (movimento expansionista
de forma a criar um império através da guerra). Outros princípios do fascismo eram o
militarismo (importância dada ao culto da força e da violência contra todos aqueles que
fossem considerados opositores ao regime), o corporativismo e o culto do chefe.
2. O princípio do nazismo presente no documento 8 é o racismo, ideia da superioridade
da “raça ariana”, de que os alemães se consideravam os mais perfeitos
representantes. Por isso, diziam que tinham o direito de conquistar o “espaço vital” aos
povos “inferiores” e assim construir a “Grande Alemanha”. Esta teoria irá estar na
origem da 2.ª Guerra Mundial. Esta conceção racista nazi gerou o antissemitismo, ou
VIVA A HISTÓRIA! – Cristina Maia, Isabel Paulos Brandão, Cláudia Pinto Ribeiro, Isabel Afonso
©Porto Editora - 1
Proposta de Resolução do Teste-modelo Intermédio de História
seja, a perseguição, a expulsão e, mais tarde, o extermínio dos judeus nos campos de
concentração.
3. Os antecedentes da 2.ª Guerra Mundial presentes no documento 9 são a política de
armamento (violação do Tratado de Versalhes) e expansionista de Hitler, que, com
vista à criação de um “espaço vital”, ou seja, a “Grande Alemanha”, anexou a Áustria e
o País dos Sudetas e ocupou a Checoslováquia. A paz na Europa e no Mundo estava
ameaçada, vivia-se num clima de paz armada. A Alemanha invadiu a Polónia a 1 de
Setembro de 1939, o que levou, dois dias depois, a França e a Grã-Bretanha a
declararem-lhe guerra. Era o início da 2.ª Guerra Mundial.
4. Os países em confronto na 2.ª Guerra Mundial são os países do Eixo, do qual faziam
parte a Alemanha, Itália e Japão e os Aliados, que integravam a França, a Inglaterra, a
Polónia, a Áustria, a Checoslováquia, a Jugoslávia, a URSS, a Grécia, e os EUA, entre
outros.
5. O documento 10 remete para as consequências políticas do pós-2.ª Guerra Mundial.
Os representantes dos EUA, Inglaterra e URSS reuniram-se em Fevereiro de 1945, na
Conferência de Ialta e, posteriormente, na Conferência de Potsdam, na Alemanha, e
tomaram decisões para estabelecer a nova ordem mundial, como a divisão da
Alemanha em quatro zonas, ocupadas e administradas pelos EUA, Inglaterra, França e
URSS (parte oriental); desmilitarização da Alemanha, que perdeu todos os territórios
conquistados; julgamento num tribunal internacional, em Nuremberga, de todos os
dirigentes nazis que cometeram crimes de guerra; criação do Estado de Israel para os
judeus, em 1948, na Palestina, considerado o território dos seus antepassados, e
criação de uma organização mundial com o objetivo de preservar a paz e resolver de
forma pacífica os conflitos entre as nações – a Organização das Nações Unidas
(ONU).
GRUPO IV
1. Com base no documento 11, os países da Europa que mais beneficiaram com o Plano
Marshall foram a Grã-Bretanha, a França, a Itália, a RFA e a Holanda.
2. Estaline não aderiu ao Plano Marshall. Assim, e em 1949, propôs apoio financeiro aos
países da Europa de Leste, com a formação do COMECON – Conselho de Ajuda
Económica Mútua.
3. Os blocos antagónicos (1955): bloco ocidental-capitalista e bloco de Leste-comunista.
4. A divisão do mundo em dois blocos criou um clima permanente de tensão militar,
ideológica e diplomática, a que se deu o nome de Guerra Fria. Esta situação levou a
que os dois blocos procurassem reforçar o seu poder militar com a corrida às armas
nucleares e apoiassem conflitos localizados, como aconteceu com o Bloqueio de
Berlim (doc. 14), a Guerra da Coreia, (doc. 15) e a crise dos mísseis de Cuba (doc. 16).
5. Terminada a 2.ª Guerra Mundial, surgem duas novas superpotências – EUA e URSS ‒
que passam a controlar económica e militarmente grande parte do mundo.
A oposição entre os EUA e a URSS conduziu a uma política de blocos: o bloco
ocidental-capitalista, formado pelos países do Ocidente europeu, liderado pelos
Estados Unidos, e o bloco de Leste-comunista, que integrava países da Europa
oriental, chefiado pela URSS, contando com o apoio da China comunista desde 1949.
Cada bloco procurou defender-se militarmente. Assim, os Estados Unidos, em 1949,
criaram a NATO ou OTAN – Organização do Tratado Atlântico Norte, enquanto a URSS
criou, em 1955, o Pacto de Varsóvia.
A oposição entre as duas potências alastrou-se até à Ásia, onde disputaram e dividiram
regiões. Os comunistas, chefiados por Mao Tsé-Tung, lutaram contra os nacionalistas
e proclamaram, em 1949, a República Popular da China. A Coreia do Norte e a
Indochina também implantaram regimes comunistas e ficaram sob influência soviética.
A divisão do mundo em dois blocos criou um clima permanente de tensão militar,
VIVA A HISTÓRIA! – Cristina Maia, Isabel Paulos Brandão, Cláudia Pinto Ribeiro, Isabel Afonso
©Porto Editora - 2
Proposta de Resolução do Teste-modelo Intermédio de História
ideológica e diplomática, a que se deu o nome de Guerra Fria. Neste contexto os
blocos procedem ao seu rearmamento nuclear, e apoiam conflitos localizados.
Criaram-se organismos de espionagem, com a intervenção das polícias secretas, como
a KGB (URSS) e CIA (EUA). Esta luta por zonas de influência ficou conhecida por
equilíbrio pelo terror.
Até 1962 destacam-se alguns conflitos da Guerra Fria:



o bloqueio de Berlim (1948-49). A Alemanha e a cidade de Berlim estavam
divididas por quatro países (EUA, URSS, Inglaterra e França). Os países
ocidentais decidiram criar um Estado alemão independente – a República Federal
Alemã (RFA) para travar o avanço comunista. A URSS responde com o bloqueio
económico a Berlim Ocidental, impedindo o acesso terrestre à cidade. O
abastecimento passou a ser feito pelos EUA, por uma ponte aérea, durante cerca
de um ano. Durante este tempo uma nova guerra mundial parecia estar iminente.
Em 1949, Estaline pôs fim ao bloqueio e criou na parte oriental a República
Democrática Alemã (RDA). Em 1961, a RDA construiu o Muro de Berlim, com o
objetivo de impedir que cidadãos de Leste fugissem para a RFA Este passou a ser
um claro símbolo da Guerra Fria;
a Guerra da Coreia (1950-53). Após a 2.ª Guerra Mundial, a Coreia do Norte foi
ocupada pela URSS e a Coreia do Sul pelos EUA. Em 1950, a Coreia do Norte,
comunista, invadiu a Coreia do Sul, com o apoio da China. Por sua vez, a Coreia
do Sul contou com o apoio dos EUA para se defender. O receio de um conflito
nuclear impediu o confronto entre as superpotências, já que cada uma podia
destruir ou ser destruída pela outra em situação de guerra;
a crise de Cuba em 1962 constituiu outra ameaça à paz mundial. A URSS
instalou nesta ilha uma base de mísseis nucleares, o que levou o presidente
Kennedy a lançar um ultimato à URSS, exigindo o desmantelamento dos mísseis
ou então atacaria Cuba. O acordo alcançado entre o dirigente de URSS, Nikita
Kruschev, e o presidente Kennedy em retirar os mísseis evitou o que poderia ter
sido uma guerra nuclear.
VIVA A HISTÓRIA! – Cristina Maia, Isabel Paulos Brandão, Cláudia Pinto Ribeiro, Isabel Afonso
©Porto Editora - 3
Download

Teste Intermédio História 2012 (proposta de soluções)