7º ANOS
Resumos
CAP. 15 – PORÍFEROS E CELENTERADOS
São os animais mais primitivos que existem. Surgiram há 1 bilhão de anos atrás.
Todos são aquáticos, principalmente, marinhos.
PORÍFEROS (ou ESPONJAS)
São animais que vivem em colônias, que vivem fixos e de cores variadas.
São animais que possuem muitos poros como esponjas, por isso antigamente,
eram utilizadas em banhos e limpezas.
Possuem internamente, células chamadas coanócitos.
Essas células, os coanócitos, possuem flagelos que se movimentam, fazendo a
água se movimentar, também.
A água então, entra pelo poro, passa pelo átrio (uma cavidade central) e sai por
uma abertura chamada ósculo.
A água chega até o animal, que vive fixo, trazendo oxigênio, alimentos (restos
orgânicos e microrganismos) e células reprodutoras (espermatozóides). Os animais
captam essas substâncias e por isso são chamados animais filtradores.
Os coanócitos digerem os alimentos que entram pelo poro. O que não é absorvido
na digestão, passa pelo átrio e é eliminado pelo ósculo. Como a digestão ocorre dentro
das células é chamada digestão intracelular.
O esqueleto das esponjas é formado por substâncias como espículas de calcário ou
de sílica e uma rede de proteína chamada espongina.
Reprodução
Assexuada: por brotamento
Sexuada:
CELENTERADOS (ou CNIDÁRIOS)
Podem apresentar sob duas formas: pólipos ou medusas.
Pólipos
Têm
Medusas
o
corpo Têm o corpo em
cilíndrico
forma de guardachuva.
Vivem geralmente, Nadam
fixos
por
propulsão.
Possuem tentáculos Possuem tentáculos
na parte superior
voltados para baixo.
Possuem somente uma abertura, a boca, que fica em contato com a cavidade
digestória.
Apresentam células modificadas chamadas cnidócitos que, em seu interior
possuem uma cápsula – o nematocisto – que abriga em seu interior um tubo filamentoso
enovelado, portador de um líquido urticante. O nematocisto contém ainda um cílio
sensorial que atua como um “gatilho”: ao ser tocado, o nematocisto “dispara” o
filamento urticante e injeta o veneno no corpo de presas ou de predadores, podendo
causar-lhes ferimentos ou até a morte;
O alimento entra pela boca, é levado para a cavidade digestória, onde começa a
ser digerido (digestão extracelular); depois se completa no interior de células. (digestão
intracelular).
Exemplos de celenterados
Hidras: são pólipos que vivem em água doce, presas a uma rocha. Algumas
podem se locomover por “cambalhotas”.
Caravelas: são colônias de pólipos que ficam flutuando sobre a água dos oceanos.
Cada grupo de pólipo realiza uma função diferente. (reprodução, digestão, proteção....)
Águas-vivas: são medusas que variam muito no tamanho.
Actínias ou anêmonas-do-mar: são pólipos de cores e tamanhos variados.
Corais: são colônias de pequenos pólipos que fabricam exoesqueleto ou esqueleto
externo de calcário. Há também, uma divisão de trabalho entre os integrantes. Possuem
cores variadas. Quando morrem, seus esqueletos permanecem intactos e servem de
suporte para outros pólipos da colônia, formando os recifes de corais.
Reprodução
Assexuada: por brotamento – como dos poríferos.
Sexuada:
Alternância de fases assexuada e sexuada:
CAP. 16 – PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS
PLATELMINTOS
São vermes com o corpo, geralmente achatado.
Possuem tubo digestório incompleto, ou seja, têm apenas boca.
Alguns nem tubo digestório têm e vivem adaptados à vida parasitária, absorvendo,
através da pele, o alimento previamente digerido pelo organismo do hospedeiro.
Entre os animais do filo será estudado as planárias, as tênias e os esquistossomos.
Planárias
Medem cerca de 1,5 cm de comprimento.
São encontrados em córregos, lagos e lugares úmidos e locomovem-se por cílios.
Possuem ocelos que permitem o verme detectar contrastes entre claro e escuro.
As expansões laterais da cabeça são chamadas órgãos auriculares – são expansões
laterais da cabeça capazes de perceber sensações gustatórias e olfatórias, auxiliando o
animal na localização do alimento.
A boca localiza-se na região ventral do corpo.
Reprodução
A planária é hermafrodita – apresenta sistema genital masculino e feminino.
Elas se reproduzem sexuadamente: trocam gametas pelos poros genitais,
formando ovos que são eliminados no meio externo. Cada ovo envolvido por uma
cápsula, desenvolve-se em embrião, que se transforma numa jovem planária.
Elas também podem reproduzir-se assexuadamente: têm grande poder de
regeneração e cada parte cortada do animal gera uma nova planária.
A digestão é extracelular e intracelular.
Tênias
Há a Taenia saginata (parasita o homem e o boi) e a Taenia solium (parasita o
homem e o porco) – as duas espécies possuem ventosas que se aderem a parede do
intestino humano, mas, somente a tênia do porco (T. solium) possuem ganchos.
Possuem além, das ventosas e ganchos na cabeça, um pescoço e o corpo
segmentado em proglotes, vivem no intestino humano.
Ciclo reprodutivo
São hermafroditas que se autofecundam nas proglotes maduras. Quando a pessoa
defeca, as proglotes grávidas se desprendem do corpo da tênia e são eliminadas junto
com as fezes. Se as fezes foram feitas no ambiente, essas proglotes liberam ovos.
Ingeridos por porcos ou bois do ambiente, os ovos se rompem e liberam embriões
com ganchos, que atravessam o tubo digestório desses animais, caindo na corrente
sanguínea e se instalando em certos músculos do animal. Então, se transformam em
larvas encistadas, que formam os cisticercos (canjiquinhas).
Quando a pessoa come carne de porco ou de boi malcozida, a larva se aloja em
seu intestino, origina uma tênia adulta, fechando o ciclo da teníase.
Os sintomas são: insônia, irritabilidade, diarréia, cólicas abdominais e náuseas.
Cisticercose: trata-se de uma doença causada pela ingestão de ovos de Taenia
solium. Ocorre com o homem o que verifica no porco. Na corrente sanguínea, os
embriões podem se alojar em órgãos diversos, como músculos, pulmões e cérebro.
No cérebro as larvas provocam dor de cabeça, convulsões, alterações visuais e até
a morte.
Para evitar as tênias:
- É preciso saneamento básico;
- Não comer carne de porco ou boi mal cozida.
- Construir fossas onde não haja rede de esgotos.
- Tomar água tratada ou fervida, lavar bem alimentos e ter hábitos de higiene.
Esquistossomo
Possuem sexos separados.
Ciclo reprodutivo
O esquistossomo vive nas veias que ligam o intestino ao fígado do ser humano e
quando este defeca no ambiente, os ovos podem alcançar a água de um lago ou de uma
represa e originar larvas ciliadas chamadas miracídios.
Os miracídios podem penetrar no caramujo do gênero Biomphalaria e originar
milhares de larvas com cauda, chamadas cercárias.
Estas saem do caramujo, passam para a água e podem penetrar a pele humana,
atingindo a corrente sanguínea, as veias que ligam o fígado ao intestino, onde se
desenvolvem e se transformam em vermes adultos, fechando o ciclo.
Os vermes e uma grande quantidade de ovos nas veias podem provocar seu
rompimento; ocorre aumento do volume do abdome devido ao crescimento
desproporcional do fígado e do baço, por isso a esquistossomose também é conhecida
como barriga d’água. Além dessas conseqüências há os seguintes sintomas: dores
abdominais, cólicas, náuseas, inflamação do fígado e enfraquecimento do organismo.
Para evitar a esquistossomose:
- Ter saneamento básico;
- Não entrar em águas onde existam os caramujos.
- Combater o caramujo hospedeiro.
NEMATELMINTOS
São vermes de corpo cilíndrico, afilado nas pontas.
Possuem sistema digestório completo com boca e ânus.
Muitas espécies são de vida livre e outros são parasitas.
Geralmente, possuem sexos separados e extremidade com ganchos.
Vamos estudar os seguintes exemplos: ancilóstomos, lombrigas, oxiúros e filárias.
Ancilóstomos
São vermes que provocam lesões na parede do intestino, alimentando-se do
sangue liberado. Por isso, provocam hemorragias que deixam a pessoa anêmica. A
pessoa doente fica com a pele amarelada, assim, a ancilostomíase também pode ser
chamada amarelão.
Ciclo reprodutivo
A pessoa contaminada elimina os ovos nas fezes. No chão, os ovos originam
larvas que penetram nos pés da pessoa que anda descalça e entra na corrente sanguínea.
Conduzidas pelo sangue até os pulmões, migram para os brônquios, traquéia, laringe, a
faringe, esôfago, estômago e intestino delgado, onde se desenvolvem até a forma adulta.
Para evitar o amarelão:
- Ter saneamento básico;
- Não andar descalço em locais onde possam abrigar as larvas;
Lombrigas (ou Ascaris lumbricoides)
Medem aproximadamente, 25 cm de comprimento e vivem no intestino humano.
Encontram-se de quatro a dez lombrigas nas pessoas doentes, mas esse número
pode ser bem maior.
As lombrigas se alimentam de substâncias nutritivas no intestino humano.
A ascaridíase provoca náuseas, vômitos, cólicas abdominais e emagrecimento.
Ciclo reprodutivo
Os ovos do verme são liberados pelas fezes humanas e podem contaminar a água
e alimentos diversos. Quando uma pessoa engole ovos deste verme com frutas e
verduras cruas mal-lavadas ou água contaminada, os ovos alcançam o intestino, onde se
rompem e liberam larvas. As larvas atravessam a parede do intestino e caem na corrente
sanguínea, migrando para os pulmões, brônquios, traquéia, laringe e faringe. Engolidas
voltam ao intestino e transformam-se em vermes adultos.
Para evitar a ascaridíase:
- Ter saneamento básico;
- Lava bem frutas e verduras;
- Ingerir apenas água tratada ou fervida.
Oxiúros
Medem de 8 a 12 mm de comprimento e vivem no intestino grosso, onde
provocam inflamações.
Ciclo reprodutivo
Os ovos do verme são liberados pelas fezes humanas e podem contaminar a água
e alimentos diversos. Quando uma pessoa engole ovos deste verme eles podem romper
no intestino e liberarem larvas, que se desenvolvem e se transformam em vermes
adultos.
As fêmeas fecundadas dirigem-se à região anal, geralmente à noite, causando
grande irritação.
Um novo ciclo da oxiurose pode ser iniciado quando crianças, principalmente,
podem levar a mão à região anal para coçar, depois levara a mão que pode estar
contaminada com os ovos à boca.
Para evitar a oxiurose:
A doença é causada e evitada da mesma maneira que a ascaridíase.
Filárias
São vermes que alojam em vasos linfáticos de estrutura diversas. As filárias
obstruem os vasos linfáticos e dificultam o escoamento da linfa. Com isso a provoca o
inchaço da região afetada. Como a região fica muito grande, a filariose também é
conhecida como elefantíase.
A doença se adquire quando uma pessoa é picada pelo mosquito do gênero Culex.
Para evitar a elefantíase:
É preciso combater o inseto e dificultar o seu acesso à moradias com telas em
portas e janelas.
Download

7º Anos - Colégio Alexander Fleming